Sei sulla pagina 1di 33

MASSAGEM TERAPEUTICA

INDICE
Índice 1
Introdução 2
Anatomia da Pele 2
- Definições 2
- Principais características 2,3,4
Diferentes camadas cutâneas 4,5,6
Anexos cutâneos da pele 6,7
Vascularização da Pele 7
Inervação da Pele 7,8
Fisiologia da Pele 8
Pele como órgão sensorial 8
Sensibilidade táctil 9
Sensibilidade álgica e térmica 10
A pele como órgão vasomotor 11
Vasomotricidade cutânea visceral 12
A Massagem 12
- Perfil massagista 13
- Doente 13
- Sala de tratamento 13
Componentes da Massagem 14
Requisitos da Massagem 15
Efeitos directos e indirectos da Massagem 16,17
Principais efeitos fisiológicos da Massagem sobre os 17
diferentes sistemas
Efeitos da Massagem sobre o metabolismo 18
Efeitos da Massagem sobre o Sistema Nervoso 19
Efeitos da Massagem sobre a Circulação Sanguínea e 19
Linfática
Influencia da Massagem sobre o Sistema Muscular 19
Influencia da Massagem sobre o Sistema Locomotor 20
Indicações e contra-indicações 20
Manobras da Massagem 21
Principais manobras da Massagem 21
- Deslizamento 21,22
- Pressão 23
- Fricção 24
- Amassamento 25,26
- Percussão 26,27
- Massagem do pé 28,29
- Massagem da perna 30
Bibliografia 31
INTRODUÇÃO

MASSAGEM
A massagem sempre representou um papel importante no tratamento de
pessoas deficientes, doentes ou traumatizadas, durante muitos séculos. Vários
especialistas vêem-na como uma das primeiras formas de “tratamento”. Todas
as pessoas massajam-se instintivamente para a aliviar a dor de uma parte do
organismo que esteja a doer. A mãe irá acariciar o seu bebé para acalmá-lo. A
massagem tem um efeito relaxante instintivo sobre a psique. Sem dúvida, a
massagem clássica surgiu como uma modalidade de tratamento instintiva e a
sua popularidade vem de mais de mil anos. Actualmente, com a medicina
orientada cientificamente, a massagem é realizada com mais frequência como
parte do tratamento médico e terapêutico e é também bem aceite entre os
pacientes.
A massagem clássica já era usada antigamente como um dos métodos
para melhorar a performance atlética de um atleta. Esse uso da massagem é
mencionado por Hipócrates e também por Galeno e Epicteto. Galeno já havia
distinguido 18 variantes diferentes, inclusive massagens duras, suaves,
moderadas, preparatórias e de relaxamento. O treinador sempre tinha que
conhecer a condição do atleta a ser massajado. Nós possuímos desenhos da
Grécia antiga onde se observa a massagem na região dorsal, na região torácica
para boxeadores, massagens do tendão de Aquiles para corredores e auto
massagem para os músculo do joelho.

A palavra “massagem” é derivada do grego “massein” que quer dizer


aproximadamente “amassar”, e que está relacionada ao latim “manus”, mão.
Todos os profissionais da massagem devem ter mãos bem treinadas para
executar cm firmeza as manobras “manipulativas” aos tecidos moles do
organismo.

1
Têm necessidade de conhecer a anatomia e fisiologia. Devem ter a
capacidade de estabelecer a relação entre a estrutura e a função dos tecidos
tratados e a fisiologia geral do paciente. É importante conhecer a patologia a
tratar para que a massagem seja aplicada convenientemente de modo obter os
efeitos desejados na obtenção do alívio da “dor”.
Como profissionais devem respeitar a ética profissional, afim de,
assumir as suas responsabilidades para com o médico e o paciente.
As razões para o uso da massagem são muito diversas: o relaxamento,
efeitos psicológicos; efeitos na circulação; redução de edemas; efeito
analgésico; “libertação de aderências”; e talvez com um caris muito particular,
o valor do contacto pessoal. Podemos ainda encontrar outras razões, como o
conhecimento do estudo físico dos tecidos (através da palpação, tónus
muscular, nódulos fibróticos), facilitando o esforço muscular, dando ao
paciente um bem estar, tanto físico como psicológico contribuindo para um
maior equilíbrio emocional ajudando a superar os contratempos do dia-a-dia.

ANATOMIA DA PELE
Definição
A pele é um invólucro membranoso vivo, relativamente impermeável,
mais ou menos elástico, mais ou menos móvel sobre as partes profundas;
estende-se aos orifícios naturais através das mucosas; é ricamente
vascularizada.
Na sua parte externa, é órgão de sensibilidade, de protecção, de
absorção, de secreção e de excreção. Na sua parte profunda, repousa sobre os
relevos musculares aponeurótico se ósseos, cujos contornos se ajustam, sem os
suprimir ou acentuar, dando assim ao corpo a sua estética, a sua modelagem e
grande parte da sua personalidade.

Principais características
EXTENÇÃO:
A pele recobre a superfície do organismo humano, ajuntando-se às
diversas formas sem as disfarçar – eleva-se com as saliências e abaixa-se com
as depressões. Ela reflecte as modificações produzidas quando da contracção
muscular.

PESO:
Calcula-se que seja de 3Kg o peso da pele e de seus anexos em um
indivíduo de 75 Kg, com tecidos dissecados, mortos, vazios de sangue. Em

2
estado vivo, é bem possível que esse número passe ao dobro. A diferença é
representada pelos líquidos intersticiais, pela linfa e pelo sangue.

ESPESSURA:
Varia de uma região do corpo para outra, assim como de acordo com a
idade, o sexo e, às vezes, o trabalho exercido pelo indivíduo. A pele é mais
espessa nas regiões expostas a pressões. Dessa maneira, a espessura da palma
das mãos alcança 2mm, a da planta do pé, 3mm, e a da região cervicodorsal,
4mm. Por outro lado, a pele é mais fina na região das pregas de flexão dos
membros, como por exemplo, o cotovelo, a virilha e a zona poplítea do joelho.
É mais fina sobre os membros, limitada a 0,4mm e ricamente enervada, mas
não necessariamente de maneira igual. Dessa forma, a sensibilidade epicrítica
será bem mais ténue na pele da palma da mão. Em compensação, a
sensibilidade ao calor será mais precisa na pele da área dorsal da mão.
O exercício de certas profissões pode criar importantes diferenças de
espessura em determinadas regiões do corpo.

ADERÊNCIA:
A pele adere aos planos subjacentes. Algumas vezes as aderências são
flácidas, sendo então a pele móvel, podendo ser beliscada, amassada, levantada
em forma de prega, separada dos planos profundos aos quais está ligada através
da hipoderme. Outras vezes as aderências são sólidas, inexistindo ou limitando
o deslizamento da pele sobre os planos subjacentes. É o caso do couro cabelo e
da região do queixo.
Nas regiões em que a pele é aderente aos planos subjacentes (cavidade
da axila, palma das mãos, planta dos pés e bordas naturais dos dedos), os
dispositivos anatómicos são mais simples.

AFINIDADES:
A pele em alguns casos, aplica-se sobre os ossos (tíbia, esterno); em
outros, ao contrário, recobre-os através de bolsas serosas que facilitam o seu
deslizamento (rótula).
A pele delineia os músculos por ela recobertos, relevos estes quase
sempre perceptíveis a olho nu e à apalpação. Muitos têm sua importância, pois
orientam o massagista.
Na região da face, membros e dedos da mão e do pé, a pele sulcada por
numerosas artérias de tamanho relativamente considerável.
As veias formam uma rede rica, visível através da pele sob a forma de
linhas azuladas. Quanto mais profundas, mais volumosas são. Escapam
facilmente sob compressão.

3
COR:
A cor da pele é devida ao pigmento melânico, cuja concentração lhe
confere sua cor definitiva. Esta pode variar de acordo com:
a) as regiões: de maneira geral, a pele é mais escura na área dos
mamilos e nas partes expostas do corpo;
b) o sexo: a pele é frequentemente mais clara na mulher do que no
homem;
c) a idade: a pele desidrata-se no decorrer dos anos e torna-se, por isso,
mais escura;
d) as condições climáticas: exposição prolongada ou repetida aos
elementos naturais, como o vento, sol e chuva, estabelece a cor da
pele; isso está mais ligado ao habitat do indivíduo;
e) a saúde: o metabolismo basal influi directamente sobre a pele,
modificando-lhe a função de regeneração.

CIRCULAÇÃO:
A epiderme não é irrigada, mas nota-se a presença de linfa intersticial. A
derme, ao contrário, é bastante irrigada, mas a quantidade de líquido é muito
variável e depende do meio ambiente, das emoções, da actividade e do estado
de saúde do indivíduo. As variações na quantidade de líquido ficam entre 1 e 3
litros de sangue por minuto.

ANOMALIAS MORFOLÓGICAS:
a) Cianose: aparecimento de cor violeta na pele, resultante de bloqueio
temporário da circulação nos capilares;
b) Eritrose: coloração avermelhada, resultante de congestão
arteriovenular. Estado que advém, por exemplo, depois de uma
refeição muito abundante.
c) Rosácea: estado constante da eritrose; torna-se progressivamente
crónica e depois irreversível;
d) Telangiectasias: distensão irreversível dos vasos sanguíneos
superficiais (e algumas vezes dos profundos), é uma anomalia da pele
frequentemente devida ao alcoolismo.

Diferentes camadas cutâneas

A pele é constituída por três camadas: superficial a (epiderme),


intermediária (derme) e profunda (hipoderme).
A epiderme é de origem ectodérmica e constitui-se por seis sucessivas. A
derme é de origem mesodérmica. A hipoderme é a parte mais profunda da pele
e sua espessura é muito variável.

4
EPIDERME

Constituída essencialmente por um epitélio estratificado pavimentoso


queratinisado. A estrutura e espessura da epiderme variam com o local
estudado, sendo mais espessa na mão e no pé. Vista da derme para a superfície,
apresenta as seguintes camadas:

- camada basal - constituída por células cubóides repousando sobre uma


lâmina basal, que a separa da derme, também denominada de camada
germinatíva, pois é
responsável pela
renovação da
epiderme;
- camada espinhosa -
constituída por
células cuboidais
ligeiramente
achatadas, células
estas que
apresentam um
aspecto espinhoso.
Esta camada é
responsável pela
coesão das células
da epiderme,
protegendo-a do
atrito;
- camada granulosa
– presença de
células nitidamente
achatadas, no
citoplasma da qual
se pode observar
grânulos de querato-hialina. Para além da produção desta sustância, estas
células também produzem uma substância intercelular que veda esta
camada de células, impedindo a passagem de compostos entre elas;
- camada lúcida – constituída por uma delgada camada de células
achatadas cujos núcleos desapareceram;
- camada córnea – espessura variável e é constituída por células achatadas,
mortas e sem núcleo. O citoplasma dessas células apresenta-se cheio de
substância córnea, chamada queratina;

5
- camada descamante – não é uma camada no exacto sentido do termo. É,
na realidade, a expulsão das células feita através da queda de placas de
células córneas finas.

DERME

É o tecido conjuntivo sobre o qual se apoia a epiderme, comunicando-a,


com a hipoderme. Sua superfície externa é extremamente irregular,
observando-se saliências que acompanham as reentrâncias correspondentes da
epiderme. A essas saliências deu-se o nome de papilas dérmicas, papilas estas
que dão maior resistência à pele.

HIPODERME

É formada por tecido conjuntivo frouxo (pouco resistente), que une de


maneira pouco firme a derme aos órgãos subjacentes. É constituída
predominantemente por tecido adiposo

Anexos cutâneos da pele


APARELHO PILOSSEBÁCIO:
Pelos – apresentam-se como delgadas estruturas queratinizadas, que se
desenvolvem a partir de invaginações da epiderme. São estruturas que crescem

6
descontinuamente, intercalando fases de repouso com fases de crescimento.
Cada pelo origina-se de uma invaginação da epiderme, o folículo piloso, que
no pelo em fase de crescimento, se apresenta como uma dilatação, o bolbo
piloso, em cujo o centro se observa uma papila dérmica. As células que
recobrem a papila formam a raiz do pelo, de onde imerge o eixo do pelo. Na
fase de crescimento, as células da raiz multiplicam-se e diferenciam-se em
vários tipos celulares. Observam-se na derme feixes de músculo liso,
associados ao pelo, denominando-se músculo erector do pelo.

UNHAS:
São placas córneas que se dispõem na superfície dorsal das falanges
terminais dos dedos. A superfície da falange, que é recoberta pela unha, recebe
o nome de leto ungueal.

GLÂNDULAS DA PELE:
Glândulas sebáceas – situam-se na derme e os seus ductos geralmente
desembocam na porção terminal dos folículos pilosos. São glandulares
alveolares, onde geralmente
são observados vários
alvéolos desembocando num
ducto curto
Glândulas sudoríparas
– são glândulas tubulosas
simples, enoveladas. O suor
segregado por essas glândulas
é um líquido, extremamente
fluido, com poucas proteínas
mas rico em sódio, potássio,
ureia, ácido úrico entre outras
substâncias.

Vascularização da pele
Os vasos sanguíneos só chegam até à derme, não penetrando na
epiderme. Os vasos linfáticos à semelhança com os anteriores também não
penetram na epiderme.

Inervação da pele
A pele é ricamente inervada. Ela apresenta um a grande variedade de
dispositivos respondendo cada um a uma função especial:

7
- Nervos sensitivos, destinados a recolher as sensações tácteis, térmicas,
dolorosas, etc.
- Nervos Tróficos, asseguram a
regularidade dos actos do
metabolismo celular.
- Nervo Glandulares,
encarregados de actuarem
sobre o funcionamento das
glândulas sudoríparas e
sebáceas.
- Nervos vaso-motores, tem a
função de regular a
importância da corrente e do
debito sanguíneo.

Fisiologia da pele
- Protecção mecânica;
- Protecção anti-microbiana
- Protecção térmica
- Protecção eléctrica
- Protecção luminosa
- Protecção dos agentes químicos
- Protecção das perdas hídricas

A pele como órgão sensorial


Na pele existe um grande numero de receptores com papel relativamente
especifico. Cada zona da pele tem a sua representação cerebral a nível da área
somato-sensitiva ou pós-central que ocupa o lobo ou circunvalação parietal
ascendente, sobre o qual se representa todo o corpo.

Áreas especializadas:
a) Área somato-psíquica – metade posterior do lobo parietal ascendente.
Realiza a discriminação das suas sensações e sua síntese.
b) Área somatognosica – Região superior das circunvalações parietais
superior e inferior. Realiza o conhecimento que se segue à sensação.

8
Sensibilidade tactil
Compreende a sensibilidade tactil fina e a sensibilidade tactil á pressão.
A sensibilidade tactil é captada a nível da epiderme pelas terminações livres e
hederiformes e transmitida aos receptores locais específicos situados na derme
e na hipoderme.
a) RECEPTORES LOCAIS DA SENSIBILIDADE TACTIL FINA
1) Receptores de Merckel
2) Receptores de Wagner-Meissener
b) RECEPTORES LOCAIS DA SENSIBILIDADE TACTIL Á PRESSÃO
1) Corpúsculos de Paccini – sensiveis ás fortes pressões;
2) Corpúsculos de Golgi-Mazzoni – sensiveis ás pressões ligeiras;

9
Sensibilidade álgica e térmica
a) RECEPTORES DA SENSIBILIDADE ÁLGICA:
1) Terminações livres e hederiformes na epiderme (dor viva);
2) Fibras nervosas peri-vasculares na camada papilar da derme (dor
surda);
b) RECEPTORES DA SENSIBILIDADE TÉRMICA:
1) corpúsculos de Krause – situados na camada superficial e média
da derme. Receptores sensíveis ao frio;
2) corpúsculos de Ruffini – situados na camada média da derme.
Receptores sensíveis ao calor;

10
A pele como órgão vasomotor

Vaso- Motricidade cutânea:


É uma das funções mais importantes da pele.

REPERCUSSÃO DA REGULAÇÃO CIRCULATÓRIA CUTÂNEA


1. na nutrição tecidual em geral
2. na circulação visceral metamérica
3. na termo- regulação
4. na função cardio- vascular em geral

Factores da vaso- motricidade cutânea.


1) Fibras do sistema nervoso vegetativo:
a) simpático → vaso- constrição
b) para- simpático → vaso- dilatação
2) Estímulos externos:
a) térmicos
b) mecânicos
c) químicos

Vias da condução nervosa da vaso- motricidade:


a) Acção local
1) Estimulação cutânea – excita as células cromafins de Cannon da
parede das arteriolas com libertação de adrenalina.
2) REFLEXO DE AXÓNIO – o estimulo não é integrado a nível
central, atingindo as fibras nervosas que se dirigem à parede do
vaso determinando uma resposta vasomotora.

11
3) REFLEXO MEDULAR SIMPLES – fenómeno reflexo rapido
com resposta vasomotora quase instantânea (monossináptica).
4) REFLEXO SIMPATICO – fenómeno menos rápido mas de efeito
mais duradouro (polissináptico).
5) REFLEXO MEDULOSSIMPÁTICO – fenómeno ainda mais
lento com resposta mais extensa e duradoura (polissináptico).
b) Acção dos intermediários químicos
1) Vaso constritores: Adrenalina

Efedrina
Ergotonina

2) Vaso dilatadores: Acetil- colina


Histamina

Vasomotricidade cutânea e visceral

Todas as causas que modificam o grau de irrigação cutânea, modificam


do mesmo modo, mas geralmente em sentido inverso da irrigação visceral
metamericamente correspondente.
Sob o ponto de vista vasomotora existe geralmente um equilíbrio
dinâmico entre a perfusão sanguínea superficial e a profunda.
As reacções vasomotoras reflexas não estão sempre limitadas ás zonas
metaméricas correspondentes, podendo por vezes estender-se de modo mais
difuso a regiões vizinhas e chegar mesmo a territórios mais ou menos distantes.
Assim toda a massagem que tenda a desencadear reacções do sistema
nervoso e a restabelecer o equilíbrio circulatório baseia-se, pelo menos em
parte, no comportamento dos nervos vasomotores superficiais e profundos do
corpo humano. Logo, uma massagem superficiais tem um efeito tónico e
vasoconstritor, uma massagem profunda (amassamento) provoca um estado de
fadiga, vasodilatação e redução da tensão arterial.

A MASSAGEM

A massagem é um conjunto de manobras manuais que são executadas


nos tecidos, órgãos e aparelhos do corpo humano com fins terapêuticos.
Todo o profissional de massagem deverá ter cuidados especiais com a
forma de tratar evitando mais tarde ser tratado. Sendo assim é importante evitar
posições viciosas e incorrectas.

12
1) Perfil do Massagista

Todas as profissões têm particularidades próprias. O perfil profissional


de qualquer massagista deverá estar sempre presente. Existem conceitos que
devem ser adoptados pelos profissionais de massagens, tais como:
- ter conhecimentos (anatomia, fisiologia, electroterapia e os princípios
básicos da massagem);
- as mãos deveram estar limpas, macias, quentes e desprovidas de anéis ,
pulseiras ou outros objectos que poderão traumatizar os tecidos dos
utentes;
- ter personalidade para lidar com os doentes;
- ter paciência, bom senso, concentração;
- ter um bom relacionamento tanto com o utente como com a restante
equipa de trabalho;
- ter resistência á fadiga;
- ser bem humorado e animador;
- ser cordial.

2) Doente

- É primordial que o doente esteja confortável;


- Não deve estar sujeito a mudanças bruscas de temperatura, o que poderá
agravar o seu estado de saúde;
- A região a tratar deverá estar descoberta, a privacidade do utente deva ser
respeitada ( quando nú – tapar as partes genitais), ter sempre os
cortinados e biombos corridos;

3) Sala de tratamento

- Limpa (não devemos usar detergentes com odores agressivos), arejada,


clara, aquecida (mais 20º evitando diferenças brusca de temperatura);
- Música de fundo – a música seleccionada deve ser suave, ajudando o
utente a um maior relaxamento;
- Marquesa – deverá estar limpa e ser forrada sobretudo onde o utente
coloca a cabeça;
- Luminosidade – não muito intensa (agressiva) mas, quanto baste para
permitir uma melhor observação, de possíveis alterações da pele
(tecidos);

13
Componentes da Massagem
Os factores que devem ser considerados como componentes na aplicação
das técnicas da massagem são:

- Direcção do movimento;
- Intensidade/ Pressão;
- Frequência/ Ritmo dos movimentos;
- Meio intermédio a ser usado;
- A posição do paciente e do terapeuta;
- A duração e a frequência do tratamento;

a) Direcção do movimento
A direcção da massagem de uma forma global está dividida em dois
movimentos distintos:
Centrípeto – distal/ proximal – aproxima-se do centro;
Centrifugo – proximal/ distal – afasta-se do centro;
A direcção com que se efectua a massagem clássica é centrípeta afim de
favorecer o retorno venoso; da extremidade do membro para a raiz, actuando
sobre as fibras musculares no sentido longitudinal.

b) Intensidade/ Pressão
Depende da patologia e do estado psicológico do paciente.Com a prática
e habilidade, o senso da percepção do toque, vai mostrar que a pressão leve
pode ser suficiente para comprimir qualquer estrutura na sua extensão.
A intensidade/ pressão deve ser iniciada com manobras suaves e
superficiais, passando a manobras mais profundas.

c) Frequência/ Ritmo
Frequência – é o número de vezes que realiza determinada actividade
num determinado tempo.
Ritmo – É a série de fenómenos que ocorrem em intervalos regulares.
Se a intenção da massagem é relaxamento devemos sempre conjugar
estes dois componentes: frequência lenta e ritmo regular. Se a massagem que
pretendemos é de excitabilidade a frequência é rápida, mas o ritmo continua
regular.

14
d) Meio intermédio da massagem
O óleo de massagem permite que as mãos deslizem com maior subtileza
e diminui o atrito que vai ser formado entre a mão do técnico e da pele do
paciente.
A escolha do óleo, loção ou cremes de massagem deverá obedecer a uma
selecção criteriosa de acordo com o perfil do massagista, do paciente e
especialmente quando pretendemos determinados efeitos analgésicos.
e) Posição do massagista e utente
A posição do paciente e do massagista são tão importantes para o êxito
do tratamento como a massagem propriamente dita. É fundamental que a
posição em que o paciente adopte seja a mais confortável possível.
Se o objectivo do tratamento é local ou terapêutico a posição deverá
variar consoante a região a tratar.
A posição do massagista é um factor importante para o êxito do seu
tratamento.
f) Duração da massagem
Massagem local/ terapêutica – não deverá ser inferior a 5 minutos e
superior a 15 minutos;
Massagem geral/ relaxamento – não inferior a 30 minutos, podendo
oscilar entre os 45/ 60 minutos;
Em resumo, quando fazemos massagem devemos ter sempre em atenção
a idade, o estado emocional, ou a patologia que vamos tratar.
g) Frequência do tratamento
É importante que a sequência do tratamento seja orientada com o
objectivo de proporcionar ao paciente o bem estar tanto físico como emocional.

Requisitos da Massagem
Os principais requisitos para uma técnica em toda a massagem são:

- Manter um ritmo uniforme;


- Estabelecer uma frequência correcta de movimento;
- Manter as mãos flexíveis para moldar o contorno da área massajada;
- Manter a postura adequada ao aplicar a massagem;
- Regular a pressão de acordo com o tipo de tecidos a tratar e de acordo com o
objecto de tratamento.

15
Efeitos Directo e Indirecto da Massagem
A massagem tem efeito directo (local- periférico) e indirecto (geral).
O paciente após a massagem sente boa disposição física e psíquica. Por
isso, as indicações importantes da massagem são a convalescença, a neurose e
até a psique. Há maior eliminação das substâncias nocivas acumuladas no
organismo devido à fadiga. A circulação, a respiração, o movimento
peristáltico dos intestinos, a contracção cardíaca, a composição sanguínea, a
eliminação de urina, a excreção das glândulas de secreção externa e interna,
são bastante melhoradas.

Efeito directo da massagem


O efeito local da massagem incide primeiramente na pele, através do
contacto manual.
O efeito puramente mecânico faz com que se destaquem, eliminando-se,
as células mortas e os restos das secreções das glândulas cutâneas, ficando as
camadas superficiais do epitélio da epiderme mais nutridas, moles, maleáveis e
resistentes. Ao simples efeito mecânico também pertence a actuação sobre
cicatrizes e aderências.
A fricção produz calor e a temperatura da pele aumenta de dois até três
graus Célsius.

Efeito indirecto da massagem


A maior afluência de sangue, isto é, a hiperémia faz desprender matérias
orgânicas. As mais importantes são a histamina e acetilcolina.
Os efeitos da massagem assemelham-se ao tratamento galvânico
chamado intoforese, em que há rubor, vascularização, velocidade mais
acentuada da circulação, dilatação capilar, etc. A mobilização de acetilcolina –
que estimula o nervo parasimpático – que contribui para a vasodilatação e o
aumento da permeabilidade dos limites celulares. A maior permeabilidade das
paredes dos vasos conduz a melhor irrigação da derme e do tecido subcutâneo,
resultando maior elasticidade, aumento dos fibroblastos e leucócitos (glóbulos
brancos) situados localmente, o que por si cativa os elementos retículo-
endoteliais (importantes na defesa geral) e afasta o perigo de auto-intoxicação.
Impulsiona também as hormonas cutâneas, as vitaminas da pele e os corpos de
imunidade do mesênquima (órgão de suporte dos tecidos). Este contribui para
apoio dos órgãos e troca de electrólitos entre células e capilares. Visto que o
tecido conjuntivo situado entre a derme e a fáscia muscular tem a função de
filtragem e armazenamento de água, sal, gordura, proteína, amido e detritos,
pela massagem dá-se um melhoramento apreciável neste sentido.
A primeira reacção geral da massagem observamo-la através da
circulação. O efeito vasomotor manifesta-se na palidez da pele devido ao
esvaziamento das veias, sobretudo superficiais, começando logo com a
afloragem centripetal, isto é, de baixo para cima, ou seja, de caudal para
cranial. O refluxo é impossibilitado devido à existência de válvulas nas veias.
Segue-se o rubor da pele devido à sucção nos capilares arteriais os quais,
dilatando-se, levam à hiperémia local que conduz a melhor fluxo do ventriculo
esquerdo do coração. Por isso e devido a esvaziamento das acumulações nos
espaços intersticiais do tecido conjuntivo, sintomas de estagnação, edemes,
cianose (acumulação de sangue venoso), arritmias, etc. são influenciados no
sentido de cura.
Após massagem geral, e mesmo já abdominal, desce a tensão arterial
(aumentando a venosa), regressando ao valor normal após uma hora. No
entanto esta observação refere-se apenas às manobras leves, aumentando a
pressão arterial com a massagem enérgica e profunda (amassamento,
percussão, etc.).
Ao sistema circulatório também pertencem os vasos linfáticos cujo
conteúdo corre, como nas veias, em direcção ao coração, ou melhor, dos
gânglios linfáticos, axilares, inguinais, etc. O líquido que durante a massagem
passa do tecido para os capilares, aumenta a pressão tecidular que dilata os
vasos linfáticos e desenvolve o transporte da linfa e, indirectamente, da urina.
Desta forma, a cura de edemas e hematomas e abreviada.
Após as observações a respeito dos vasos, pensemos nos nervos. Em
primeiro lugar, a massagem actua nos nervos sensíveis fazendo com que um
doente excitado fique calmo através de deslizamentos e fricções leves.

Principais Efeitos Fisiológicos da Massagem sobre


os Diferentes Sistemas
Efeitos da Massagem sobre a Pele

- Nível Fisiológico

Hiperémia local
- efeito mecânico directo
- acção vasomotora indirecta

1
A vasodilatação irá aumentar a velocidade e a pressão sanguínea,
tornando os processos enzimáticos mais rápidos, sendo importante para a
formação de novos tecidos.

- Nível Sensitivo

- diminui a hiperexcitabilidade – massagem com frequência e


intensidade baixa, produz efeito relaxante / sedante;
- aumenta a hiperexcitabilidade – massagem com frequência e
intensidade alta, produz efeito de excitação.

- Nível Mecânico

- 1ª fase – a pele fica mais fina e macia – em consequência da renovação


da camada epitelial, desobstrução dos poros e dos detritos (utentes
imobilizados – melhora a textura e a aparência da pele deixando-a descamada e
limpa).
- 2ª fase – a pele fica mais dura e mais sensível – em, consequência do
efeito ao nível das células do tecido conjuntivo, dá-se uma melhoria da
circulação, e melhora a função das glândulas sudoríparas e sebáceas.

Resumindo:

• Elimina as células mortas ao nível da epiderme


• Aumenta temperatura dos tecidos
• Aumenta o fluxo do sangue arterial
• Aumenta a nutrição dos tecidos devido ao aumento do fluxo de
sangue arterial
• Melhora a respiração cutânea pelo aumento secreção glandular
• Actua sobre os receptores nervosos que se encontram na pele
desencadeando uma série de respostas: (relaxamento, excitabilidade)

Nota Final:
A massagem aumenta a capacidade vital dos tecidos pelo aumento do
sangue arterial, melhora as qualidades mecânicas da pele tornando-a mais
elástica, menos rugosa, mais fina e mais suave.

Efeitos da Massagem sobre o Metabolismo

2
Como agente físico e mecânico que é, a massagem exerce uma certa
influência sobre o metabolismo.
A massagem não tem efeito imediato sobre o metabolismo geral.
A massagem é capaz de aumentar a eliminação de certos elementos
constituintes da urina. Além disto, é do conhecimento geral que a diurese
aumenta principalmente durante a massagem abdominal.

Efeito da Massagem sobre o Sistema Nervoso

A massagem pode agir de modos diversos sobre o sistema nervoso.


Uma massagem enérgica estimula e excita os nervos, enquanto que uma
massagem suave e prolongada tem efeitos calmantes e sedativos. Podemos
citar como exemplo a massagem vibratória feita com suavidade e durante certo
tempo, é capaz de determinar um efeito sedativo; se for feita com energia,
determina efeito inverso.

Efeitos da Massagem sobre a Circulação Sanguínea e Linfática

A circulação sanguínea apresenta-nos um órgão central e um numero


muito grande de vasos ou canais membranosos por onde a circulação do
sangue se realiza. O sangue arterial do coração para a periferia, e o sangue
venoso da periferia para o coração.
A massagem pode agir sobre a circulação de dois modos: através de um
efeito mecânico que, feita no sentido centrípeto auxilia a circulação de retorno
(venosa); determinando a contracção reflexa das fibras musculares lisas das
paredes dos vasos de tal modo, que mantém e/ ou sua tonicidade normal.
Este ultimo efeito pode ser muito bem demonstrado nas artrites
traumáticas, sobre as quais frequentemente sobrevem o edema da articulação.
Nestes casos, a massagem sobre a articulação age pelos dois meios acima
expostos.

Influência da Massagem sobre o Sistema Muscular

A massagem não aumenta directamente a força muscular, apesar de ser


mais eficaz do que o repouso na recuperação da fadiga. Teoricamente a
massagem facilita a execução do exercício que, por sua vez aumenta a
resistência e força muscular. Logicamente a massagem deverá ser feita entre
períodos de exercícios enquanto estes têm por finalidade o aumento da
resistência muscular.

3
Não se pode afirmar que a massagem aumente o tonos muscular, pode
sim diminuir a intensidade da fibrose que inevitavelmente se desenvolve no
músculo imobilizado lesado ou desenervado .
A massagem estabelece o equilíbrio energético, estimula o sistema
nervoso vegetativo, intensifica a circulação sanguínea (aumenta a nutrição, e a
vitalidade), diminui a dor e elimina a tensão nervosa e muscular. Mediante uma
pressão correcta no ponto especifico e devidamente identificado è possível
acelerar a recuperação dos músculos.

Influência da Massagem sobre o Sistema Locomotor

O aparelho locomotor é constituído por: músculos, ossos, tendões e


ligamentos.
A massagem a nível das articulações fomenta um aumento da circulação
sanguínea e da temperatura local contribuindo para a formação do liquido
sinovial, e por consequência aumento da mobilidade articular (diminui o risco
de possíveis contraturas musculares e tensões articulares).
Quando existe sobrecarga a nível articular (ex.: halterofilismo) podem ocorrer
lesões (roturas, micro- roturas) com possível derrame de liquido sinovial, que
inerentemente levará à inflamação das bolsas serosas. Nestes casos a
massagem aumenta a circulação de retorno (linfática e venosa) ajudando a
eliminar os resíduos metabólicos, e desta forma melhorar funcionabilidade
articular.

Indicações e Contra- Indicações da Massagem

Indicações da massagem:

- Endurecimento da pele e tecidos subcutâneos;


- Fibroses
- Rupturas, contracturas, contusões e distenções – após fase aguda;
- Alterações musculotendinosos como tendinites, tenossinivites, entorses –
após fase aguda;
- Processos degenerativos articulares;

Contra- Indicações:

- Lesões musculares em fase aguda, sobretudo se há suspeita de


hematomas intramusculares;
- Problemas de pele – feridas ainda não cicatrizadas; (psoríase);
dermatites;
- Fracturas recentes – calo ósseo ainda não formado;

4
- Distúrbios circulatórios graves – tromboflebites; tromboses das veias
profundas;
- Infecções bacterianas – na área ou proximidades da zona a tratar;
- Inflamações articulares agudas;
- Estados febris;
- Neoplasias – “Tumores”; tubercul

As Manobras da Massagem

Qualquer manobra deve ser feita coma menor dor possível. Nem sempre
se pode evitar completamente. Em certos casos até convém, como ainda
veremos.
A força da manobra deve ser doseada pouco a pouco acostumando o
paciente, conforme a patologia e o sua maneira de ser. É indispensável
executar movimentos calmos e uniformes, com o ritmo normal de 4-5
manobras por minuto.
A massagem é feita de modo geral no sentido distal para central,
massagem centrípeta. A massagem dita de drenagem, é executada no sentido
central para distal, massagem centrífuga.
Zonas de perigo de manobras energéticas são: região com vasos e nervos
é superfície, axila, cavidade poplítea, região dos rins, triângulo de Scarpa,
cavidade do cotovelo, região inguinal, face anterior do pescoço, testículos e
crista da tíbia.

Principais Manobras da Massagem

1) Deslizamento (passagem, afloramento)

O deslizamento é uma manobra que constitui o primeiro passo de


qualquer massagem. É uma manobra superficial. Desta maneira, o
deslizamento somente actua sobres as terminações nervosas sensitivas da pele,
habituando-a ao contacto das mãos do massagista e preparando-a para as
manobras mais vigorosas.

O deslizamento pode ser realizado de diversas formas – técnicas de


afloramento:

a) Afloramento simples;
b) Afloramento mão sobre mão;
c) Afloramento mão atrás mão;
d) Afloramento em ziguezague;
e) Afloramento em passagem a ferro;
f) Afloramento com os dedos ou só pontas dos dedos;

5
g) Afloramento com a base da mão ou do polegar;
h) Afloramento circular;

Afloramento simples Afloramento mão atrás mão

6
Afloramento coma base da mão um o polegar Afloramento circular

2) Pressão

Esta manobra – combinação de afloramento e amassamento – estimula o


tonos muscular e a reabsorção de produtos patológicos e destrói aderências.
Pode ser aplicada na massagem abdominal, nos músculos e articulações.

Pressão mão sobre mão

7
3) Fricção:
.
Em certos aspectos a fricção assemelha-se ao deslizamento. No entanto,
é realizada com mais pressão sobre os tecidos. A fricção profunda exerce
principalmente uma acção directa ou mecânica sobre os tecidos e sobre os
vasos, determinando assim, um efeito de drenagem em toda a circulação de
retorno (linfa e sangue venoso). A fricção só pode ser feita num sentido, ao
contrário do deslizamento que pode ser feito nos dois sentidos. O sentido da
fricção é da periferia para o centro.

A fricção apresenta três modalidades:


- Fricção local
- Fricção com deslocamento
- Fricção pura

Fricção Local

8
Fricção com deslocamento

Fricção pura

4) Amassamento:

O amassamento é uma modalidade de massagem que tem a propriedade de atingir


toda a área tratada em profundidade. Consiste em agarrar o músculo, apertá-lo e torce-lo
como quem tenta esvaziar o seu conteúdo. O amassamento

9
tem a propriedade de movimentar a linfa intersticial e o sangue na região
tratada.
Se o amassamento for lento, produz remoção de produtos tóxicos do
músculo fatigado , acumulados durante o trabalho muscular.
Se for executado com rapidez, o amassamento é estimulante, melhora o
tónus e a nutrição muscular através da aceleração da circulação sanguínea.

O amassamento pode ser executado de diversas formas – técnicas de


amassamento:

a) amassamento transversal;
b) amassamento longitudinal;
c) amassamento reptante;
d) amassamento rolante;
e) amassamento em pinça ou pinçamento;
f) amassamento cutâneo;

Amassamento em pinça ou pinçamento Amassamento rolante

Amassamento transversal Afloramento longitudinal

Percussão:
A percussão é uma modalidade de massagem que se caracteriza principalmente
pelos seus efeitos tónico e estimulante dos músculos. Esta técnica tem acção
limitada em certas áreas do nosso organismo.
A percussão exige muita habilidade e experiência, firmeza, elasticidade e
resistência do massagista durante a sua execução.

Existem diversas modalidades de percussão:


- percussão cubital
- percussão palmar
- percussão por soco

1
Percussão cubital Percussão por soco

Percussão palmar

Massagem do pé:

2
Afloramento

Fricção

3
Afloramento digital circular Afloramento palmar circular

Mobilização da articulação metatarso-falângica Fricção com os punhos

4
Massagem da perna:

Afloramento palmar longitudinal Fricção digital longitudinal

5
Amassamento transversal

Pinçamento

BIBLIOGRAFIA:

Manual de Massagem
BOIGEY, Maurice
5ª Edição
Masson

Manual de Massagem
HOMEM, Dr. Fred Vasques
Colecção Vida e Saúde
Editora Progresso

Diciopédia Porto Editora