Sei sulla pagina 1di 101

Psicopatologia da

percepção
Introdução/Conceito
Classificação
Exame da percepção
Sensação: é um fenómeno passivo, físico,
periférico e objectivo, que resulta das
alterações produzidas por estímulos
externos sensoriais. Por ex. Formas e
cores em uma fotografia.

Psicopatologia da percepção
Introdução/Conceito

Percepção é um fenómeno activo,


psíquico, central e subjectivo.
 Fenómeno consciente que resulta das
impressões sensoriais parciais e da
associação destas representações.

Psicopatologia da percepção
Introdução/Conceito

 Esta relacionada a identificação ,


reconhecimento e discriminação dos
objectos . Dando dignificados as
sensações.
 Por ex. Um quadro negro, carteira
crianças uniformizadas (sentadas) , uma
senhora de pé (apontando para o quadro)

Psicopatologia da percepção
Introdução/Conceito
Característica da imagem perceptiva segundo
Jaspers:
 Corporeidade( objecto são tridimensionais),
 extrojecção (localizadas no espaço objectivo
externo),
 nitidez,
 frescor sensorial( percepção vívida. Ex. As cores são
brilhantes),
 estabilidade,
 ausência de influência pela vontade(imagem é aceita
pelo individuo, não pode evoca-la, modifica-la
arbitrariamente).

Psicopatologia da
percepçãopercep
Introdução/Conceito
Imagem representativa de acordo com
jaspers
 Ausência de corporeidade
 Introjeção (localizado no espaço objectivo
interno, isto é na mente).
 Imprecisão
 falta de frescor sensorial
 Instabilidade
 Possibilidade de influencia pela vontade
Introdução/Conceito
 Conceito de alucinações: são experiências
perceptivas sem objecto, que ocorrem na
mente do doente.
 Pode ocorrer em qualquer das modalidades
sensoriais (visão, audição, olfacto, paladar,
tacto), na ausência de qualquer estímulo
físico externo, e podem ser simples ou
complexas.
 Ilusões : são o exagero, distorção ou
alteração da interpretação de um estímulo
físico real.
Introdução/Conceito
 Metamorfosia é uma ilusão visual em
que as imagens de objectos ou pessoas
reais são distorcidas em termos de
tamanho (micrópsia ou macrópsia).
 A perseveração visual (ou palinopsia) é
a persistência ou recorrência repetida de
algo que foi visto anteriormente mas que
já não se encontra no campo visual.

Psicopatologia da
percepçãopercep
Introdução/Conceito
 A despersonalização é um sentimento
de que a própria pessoa ou o seu corpo é
irreal ou desconhecido .
 Inclui uma sensação de estar fora do
próprio corpo, de que os gestos
intencionais estão deformados ou não têm
significado. Geralmente acompanhado de
grande ansiedade ou disforia.

Psicopatologia da
percepçãopercep
Introdução/Conceito
 A desrealização, sentimento de que o mundo é
irreal ou que subitamente características irreais,
está para o meio externo como a
despersonalização está para o corpo.
 são encontradas mais frequentemente nas
perturbação estado limite da personalidade
(bordeline), nas convulsões parciais complexas,
nas perturbações de conversão ou histéricas, nas
fases iniciais dos estados psicóticos ou ligeiros e
na adolescência normal.

Psicopatologia dapercepção
percep
Introdução/Conceito
 As alucinações auditivo verbal são
características da esquizofrenia e das
perturbações do humor.
 Outras formas de alucinação podem coexistir
com as alucinações auditivo verbais nas
perturbações psiquiátricas primárias. Mas
presença de outras formas de alucinações na
ausência das do tipo auditivo verbal, é
altamente sugestivo de organicidade.

Psicopatologia dapercepção
percep
Introdução/Conceito
 As alucinações hipnagógicas são as que
ocorrem entre o estar acordado e a
dormir.
 As alucinações hipnopômpicas ocorrem
durante a transição entre o sono e o
estado alerta.

Psicopatologia dapercepção
percep
Alterações quantitativas
 Agnosia
 Hiperestesia
 Hipoestesia
 Anestesia
 alucinação negativa
 Macropsia
 Micropsia
 dismegalopsia

Psicopatologia da
percepçãopercep
Alterações quantitativas

Psicopatologia dapercepção
percep
Alterações quantitativas
Hiperestesia consiste no aumento global da
intensidade perceptivas: as impressões
sensoriais tornam-se mais intensas, mais
vívidas ou mais nítidas.
 Na modalidade sensorial as cores ficam mais
brilhantes.
 Pode ocorrer na depressão, em estados de
ansiedade, de enxaqueca e na ressaca pós
intoxicação alcoólica.

Psicopatologia da
percepçãopercep
Alterações quantitativas
Hipoestesia consiste na intensidade global
da intensidade perceptiva.
 O mundo parece mais escuro e sem
brilho, a comida é insossa, os sons são
abafados, etc.
 Anestesia: consiste numa abolição da
intensidade. Ex. como, intoxicação
álcoolica
.

Psicopatologia da
percepçãopercep
Alterações quantitativas
alucinação negativa: é definida como
uma aparente ausência de registo
sensorial de determinada objecto
presente na campo sensorial do paciente.
Por Ex. não ver uma pessoa que esta
diante de seus olhos

Psicopatologia da
percepçãopercep
Alterações quantitativas
 Macropsia: os objectos parecem
aumentados de tamanho
 Micropsia: os objectos parecem menores do
que realmente são.
 Dismegalopsia: os objectos parecem
deformados algumas partes estão
aumentados outras estão diminuídas
 ocorre frequentemente em quadros de
delirium, na epilepsia temporal, na
esquizofrenia e na intoxicação por
alucinógenos

Psicopatologia da percep
 Alterações quantitativas

Psicopatologia dapercepção
percep
Alterações qualitativas
Fazem parte:
 a ilusão,
 a pareidolia,
 a alucinação e
 a sinestesia.

Psicopatologia da
percepçãopercep
 Ilusão: Ilusões : são o exagero,
distorção ou alteração da interpretação de
um estímulo físico real.

Psicopatologia dapercepção
percep
 Pareidolia : consiste numa imagem
fantástica() criada intencionalmente a
partir de percepções reais de elementos
sensoriais incompletos ou imprecisos.

Psicopatologia da
percepçãopercep
Pareidolia
 Por exemplo:
 ver figuras humanas, cenas, animais,
objectos em nuvens, manchas de relevos
de paredes, no fogo na lua, etc.
 ou ouvir sons musicais em ruídos
monótonos. Não é patológica.
 Ocorre em pessoas normais. Fenómeno
relacionado a actividade imaginativa.

Psicopatologia da
percepçãopercep
Alucinação : Alteração da percepção que
ocorre como um pensamento interno, na
ausência de estimulação sensorial
externa.
 existem três espécies de vivências
alucinatórias: as alucinações
verdadeiras, as pseudoalucinações,e as
alucinoses.

Psicopatologia dapercepção
percep
 As alucinações verdadeiras apresentam
todas as características de uma imagem
perceptiva real, incluindo corporeidade,
extrojecção, nitidez, frescor sensorial,
estabilidade, ausência de influência pela
vontade.
 Para jaspers (1987,) só ocorrem sobre
lucidez de consciencia, tornando-as
pouco comuns.

Psicopatologia da percep
Pseudoalucinações
 Descritas pela primeira vez pelo psiquiatra
russo kadinski em 1885. também chamadas
de alucinações psíquicas(baillarger) e de
alucinações aperceptivas (kahlbaum).
 Diferenciam-se das alucinações verdadeiras
pela ausência de corporeidade e localização
no espaço subjectivo interno. Quanto aos
demais aspectos podem se parecer com a
imagem perceptivas como representativa. Há
plena convicção quanto a realidade do
fenómeno.

Psicopatologia da
percepçãopercep
Pseudoalucinações
 São frequentes na esquizofrenia,, no
delirium(rebaixamento), nos estados
crepusculares histéricos e epilépticos.
(estreitamento.).

Psicopatologia dapercepção
percep
Alucinoses
 O objecto é percebido no espaço
subjectivo externo. Segundo Claud e Ey
diferenciam-se das alucinações
verdadeiras por serem adequadas e
imediatamente críticadas pelo individuo
que reconhece o fenómeno como algo
patológico.

Psicopatologia dapercepção
percep
Alucinoses - Estão relacionadas a distúrbios
de origem orgânica:
 lesões do pedúnculo cerebral,
 lesões especificas do tronco cerebral e nos
lobos occipital e temporal;
 em intoxicações por alucinogenios(LSD, a
mescalina);
 na estimulação eléctrica cortical em
neurocirurgias; em focos epilépticos;
 na enxaqueca(os escotomas cintilantes); e
no fenómeno do membro fantasma em
amputados.

Psicopatologia da
percepçãopercep
As vivências alucinatórias nas diversas
modalidades.
As alucinações visuais podem ser
elementares(ou simples)- quando contêm
elementos de uma única forma de sensação,
sendo denominadas fotopsias: clarões chamas,
pontos brilhantes. Podem ser complexas ( ou
elaboradas): figuras, objectos pessoas, cenas
estáticas ou em movimento.
 São típicas dos quadros de delirium e na
intoxicação por alucinogenios.(LSD, mescalina).
 São incomuns na esquizofrenia, e nas psicoses
afectivas.

Psicopatologia da percep
Alucinações auditivas
 São as mais comuns
 podem ser elementares, chamadas de
acoasma: zumbidos estalidos, silvos
sinos, campainhas
 Podem ser complexas, chamadas de
fonemas: palavras frases(alucinações
auditivo verbais).

Psicopatologia da
percepçãopercep
 As alucinações auditivo verbais são as
mais comuns. As vozes podem ser bem
claras ou ininteligíveis; podem dirigir-se
directamente ao paciente, ou dialogar
entre si, referindo-se a le na terceira
pessoa. Algumas vozes ofendem, criticam,
ameaçam o paciente ou lhe dão ordens
(alucinações imperativas).

Psicopatologia dapercepção
percep
 As alucinações auditivo verbais são
comuns na esquizofrenia e na alucinose
alcoólica, encontradas também nas
psicoses afectivas e em outro quadros
psicóticos.

Psicopatologia da
percepçãopercep
Alucinações olfactivas e gustativas
 são raras podem estar associadas, pode ser
difícil a distinção entre elas.
 o paciente experimenta um gosto ou odor
bastante desagradável como de fezes lixo,
animal mortos, veneno etc.
 Podendo estar relacionada a uma recusa
sistemática de alimentos(siofobia)
 Parecem ser mais comuns na esquizofrenia e
em crises parciais epilépticas.
Alucinações cutâneas podem ser:
 tácteis( toque),
 sensações térmicas,
 dolorosas e hídricas (húmidas)
 queixam-se de queimaduras e espetadas,
choques, ou de pequenos animais ( em
geral insectos) movem-se sobre ou sob a
sua pele. Ocorrem no delirium tremens,
na intoxicação por cocaína e anfetaminas.

Psicopatologia da percepção
 Alucinações cenestésicas (ou viscerais)
as sensações são localizadas nos orgãos
internos, queixam-se de que seus corpos
estão sendo atingidos por misteriosas
irradiações ou descargas eléctricas, seus
órgãos sexuais estão sendo tocados
experimentam orgasmos e sentem-se
violentados, seu cérebro esta encolhendo,
seu fígado esta destruído, há um bicho
dentro do abdómen.

Psicopatologia da percepção
 alucinações cinestésicas são falsas
percepções de movimento activos ou
passivos de todo corpo ou só de um
segmento. Sensação de que esta
afundando no leito girando ou voando
dobrando as pernas etc. sensação de que
alguém esta falando por ele. Pode ser
encontrado na esquizofrenia catatonica,
no delirium e em outros quadros de
etiologia orgânica.

Psicopatologia da percepção
Formas especiais de vivências
alucinatórias
 Liliputiniana: consiste na visão de
personagens ou animais minúsculos.
 A alucinações guliverianas representa
uma alucinação visual gigantesca. Ocorre
em quadros de delirium.

Psicopatologia da percepção
 Na alucinação extracampica, o objecto
percebido encontra-se fora do campo perceptivo
por ex. Ver uma pessoa que está atrás de sua
cabeça ou do outro lado da parede; ouvir o que
falam a 1 km de distância. Ocorre na
esquizofrenia e em algumas psicoses de origem
orgânica.
 Autoscopia (ou heautoscopia) consiste na visão
da imagem do próprio corpo projectado no
espaço externo. São acompanhadas de intenso
sofrimento e medo. Pode ocorrer na
esquizofrenia, epilepsia do lobo temporal
delirium e intoxicação por psicodisleptico.

Psicopatologia da percepção
Sinestesia, um estímulo sensorial em
uma modalidade é percebido como uma
sensação em outra modalidade (Sims,
2001).
Por exemplo: ver sons , ouvir cores, etc.

Psicopatologia da percepção
Exames da percepção
 entrevista psiquiátrica
 Ouve vozes? Ter visões ?- Tem valor
limitado porque o paciente pode
responder afirmativamente por não
compreender bem a a pergunta; um
individuo normal pode ter interesses em
se fazer passar por doente mental para
obter beneficio secundário ou se eximir de
responsabilidade penal e mentir

Psicopatologia da percepção
 Exames da percepção
 pacientes que estão tendo alucinações
podem negar a presença delas por
diversas razões: para receber alta
hospitalar, em proibição por parte das
vozes, etc.
 É mais fidedigna a observação do
comportamento do paciente.

Psicopatologia da percepção
Exames da percepção
São indícios de actividade alucinatória:
 atenção comprometida;
 mudanças súbitas de posição da cabeça;
 fisionomia de terror ou de beatitude,
protecção dos ouvidos, olhos , narinas ou
órgãos genitais como as mãos , algodão,
ou outro material.

Psicopatologia da percepção
Exames da percepção
 Falar sozinho, dar respostas incoerentes
em relação as perguntas, risos imotivados
(alucinações auditivas).
 olhar fixo em determinada direcção,
desvios súbitos do olhar, movimentos
defensivos com as mãos(visuais).recusa
sistemática de alimentos (gustativas e
olfactivas)

Psicopatologia da percepção
Exames da percepção
 Movimentos com as mãos como que
afastando algo do corpo (cutâneas )
 Peças metálicas ou outro dispositivos
junto a a indumentária, para deter
irradiações ou descargas eléctricas no
corpo (cenestésicas)

Psicopatologia da percepção
 Introdução / considerações gerais
 Alterações da Afectividade
 Exame da Afectividade

Psicopatologia da afectividade/
Humor e afectos
Introdução

 Humor e emoções são termos usados para


descrever estados emocionais ou
sentimentos.
 são por vezes difícil de distinguir.
 Humor é um estado emocional consistente e
mantido, oscila entre os pólos de alegria e
tristeza e da irritabilidade assim como entre
a calma e a ansiedade.
 Disforia corresponde a um estado do humor
desagradável.

Psicopatologia da afectividade/
Humor e afectos
 Emoção representa um estado afectivo
súbito, de curta duração e grande
intensidade, que se acompanha de
alterações corporais, relacionadas a uma
hiperactividade do SNA.(autonómica).

Psicopatologia da afectividade/
Humor e afectos
 sentimento estado afectivo menos
intensos e mais prolongados que as
emoções, sem alterações fisiológicas ,
resultado de um processamento cognitivo
maior do que haveria nas emoções.
 As paixões têm a intensidade das
emoções, como uma duração maior. Elas
monopolizam e direccionam os
pensamentos e acções do individuo.

Psicopatologia da afectividade/
Humor e afectos
 Nas perturbações depressivas a emoção
dominante é particularmente disfórica ou
a melancolia
 Nas perturbações maníacas a emoção
predominante é a elação, com
grandiosidade, aumento de energia, e
desadequação social. Por vezes o humor
é de irritabilidade, ou impertinente.

Psicopatologia da afectividade/
Humor e afectos
 As alterações do humor e das emoções
podem estar presentes ou ocorrer
concomitantemente com outras
perturbações psiquiátricas para além das
afectivas: na esquizofrenia, delirium,
demência, perturbações da personalidade,
uso e dependência de álcool, ansiedade e
perturbações de adaptação, e na reacção
ao estresse em indivíduos normais.

Psicopatologia da afectividade/
Humor e afectos
Nas doenças medicas como:
 Hiper e hipotireoidismo, cancro,
parkinsonismo, tumores cerebrais,
esclerose múltipla, lupuseritematoso
sistémico e epilepsia.
 Há fármacos que podem provocar
alterações do humor e das emoções como
os corticosteroides, alfametildopa,
reserpina, bloqueadores do canal de
cálcio, antivírus e fenobarbital.
Psicopatologia da afectividade/
Humor e afectos Psicopatologia da
percepção
Alterações quantitativas
Exaltação afectiva: aumento da
intensidade ou duração dos afectos , ou a
uma reacção afectiva desproporcional em
relação à situação ou ao abjecto que a
motivou. Por ex. mania – humor alegre
ou irritado, e na depressão, do humor
triste.
 Podem ser hipertimia e hipotimia

Psicopatologia da afectividade/
Humor e afectos
Exaltação afectiva
 Pode ocorrer transtornos de
personalidade. Como bordeline e
explosiva (irritabilidade); demências ,
retardo mental; em quadros de delirium
com sintomas psicóticos; e em quadros
psicóticos com ideação de natureza
persecutória.

Psicopatologia da
 Embotamento afectivo (ou
distanciamento, esmaecimento,
esvaziamento, aplanamento afectivo)
significa diminuição da intensidade e da
excitabilidade dos afectos, sejam eles
positivos ou negativos.
Embotamento afectivo
ocorre na esquizofrenia na forma
hebrefrenica e residual, personalidade
esquizotipica e esquizoide, na demência
avançada anti-social no delirium sem
psicose, no coma, na síndrome do lobo
frontal e no transtorno de do estresse pós
traumático.

Psicopatologia da afectividade/
Humor e afectos
Alterações qualitativas
 são divididas em distúrbios de
modulação(regulação ) efectiva e e
distúrbios do conteúdo dos afectos dos
afectos.
 Distúrbios de modulação(regulação )
efectiva estão: a labilidade afectiva, a
incontinência afectiva e a rigidez afectiva.

Psicopatologia da afectividade/
Humor e afectos
Alterações qualitativas
 Distúrbios do conteúdo dos afectos :
paratimia, ambitimia e neotimia.

Psicopatologia da afectividade/
Humor e afectos
Distúrbios de modulação (regulação )
Afectiva estão: a labilidade afectiva, a
incontinência afectiva e a rigidez afectiva.

 labilidade afectiva instabilidade ou


volubilidade afectiva constitui uma
dificuldade no controlo dos afectos.
Caracteriza-se por mudanças do humor
frequentes e bruscas, que são motivadas ou
inesperadas. Com saltos entre diversos pólos
afectivos.

Psicopatologia da afectividade/
Humor e afectos
Incontinência afectiva:
 é mais grave que a labilidade afectiva .
 Há perda completa da capacidade de
controle das expressão afectiva. Existe
falha de certos mecanismos frenadores,
inibitórios adquiridos na educação e no
convívio social.
 São exageradas, desproporcionais ao
estímulo e prolongam-se em demasia.
 Ex. riso ou pranto convulsos, ou de raiva
extrema.

Psicopatologia da afectividade/
Humor e afectos
 Rigidez afectiva: caracteriza-se por uma perda
da capacidade de modular a resposta afectiva de
acordo com a situação de cada momento.
 Paratimia: caracteriza-se por uma
inadequação do afecto, uma incongruência entre
o afecto expresso e a situação vivenciadas , ou
entre o afecto expresso e aquilo que o individuo
verbaliza.
 Por ex. rindo conta que foi torturado a noite
anterior; ou refere estar alegre mais sua mímica
é de tristeza.

Psicopatologia da afectividade/
Humor e afectos
 Ambitimia( ambivalência) afectiva
representa a presença de sentimentos
opostos ou contraditórios que são
simultâneos e que se referem ao mesmo
objecto, pessoa ou situação. Por. Ex. amar
e odiar uma mesma pessoa.

Psicopatologia da afectividade/
Humor e afectos
 Neotimia consiste numa vivencia
inteiramente nova, extravagante e
inusitada. Sentimentos místicos de
êxtase, de elação, de deslocação e de
terror. Observada na esquizofrenia , na
intoxicação por alucinogenos e em
algumas auras epilépticas
Exame da afectividade
 Comunicação não verbal do afecto : o
afecto é expresso através da mímica, do
olhar, dos gestos, da postura e do tom de
voz.
 Empatia. É colocarmo-nos no lugar do
paciente.

Psicopatologia da afectividade/
Humor e afectos
 Considerações gerais
 Alterações quantitativas e qualitativa
 Exame da conação

CONAÇÃO
Introdução e considerações gerais
 conação: refere-se ao conjunto de
actividades psíquicas direccionadas a acção.
Fazem parte aos impulsos e vontade.
 Impulsos: também chamado de estado
motivacional ou pulsão. Representa um
estado interno uma vivência efectiva, que
induz o individuo a actuar no sentido de
satisfazer uma necessidade básica corporal.

Conação
Introdução e considerações gerais
A vontade
 é um processo psíquico de escolha de uma
entre várias possibilidades de acção, uma
actividade consciente direccionada acção.
 Elaboração cognitiva realizada a partir de
impulsos, influenciadas por factores
intelectivos e socioculturais.
 Processo volitivo divide-se em quatro
etapas: intenção ou propósito
deliberação(analise;) decisão e execução.

Conação
Alterações quantitativas
 Hipobulia/abulia
 Enfraquecimento de impulsos específicos,
 Hiperbulia,
 intensificação dos impulsos

Conação
Alterações quantitativas Hipobulia/abulia
 Significam respectivamente, diminuição e
abolição da actividade conativa.
 Caracterizam-se por uma sensação de
indisposição, fraqueza, desanimo ou falta
de energia;

Conação
Alterações quantitativas Hipobulia/abulia
 perda de iniciativa, da espontaneidade e
do interesse pelo mundo externo;
indecisão; dificuldade de transformar as
decisões em acções; e inibição da
psicomotricidade.

Conação
Alterações quantitativas Enfraquecimento
dos impulsos específicos.

 Representam um enfraquecimento dos


impulsos, um debilitamento das
tendências naturais a satisfação das
necessidades corporais. Por ex. Anorexia,
da sede da libido além da insónia.

Conação
Alterações quantitativas A insónia pode ser:

 Inicial: quando há dificuldade para


adormecer ;

 Intermediária: caracterizada por diversos


despertares nocturnos
 Terminal: quando o paciente acorda muito
cedo e não consegue voltar a dormir.

Conação
Alterações quantitativas
Hiperbulia
 caracteriza-se por um sentimento subjectivo
de força, de energia, de disposição;
 observa-se um aumento da iniciativa, da
espontaneidade e do interesse em relação ao
mundo externo;
 costuma haver desinibição e aumento da
psicomotricidade.
 Ocorre frequentemente na síndrome
maníaca.

Conação
Alterações quantitativas
Intensificação dos impulsos específicos
 Bulimia: Consiste no aumento patológico do
a apetite.
 Hipersonia (ou letargia)significa sono em
excesso. É observada em alguns deprimidos;
 Desejo sexual patologicamente aumentado:
satiriase no homem; e ninfomania na mulher.

Conação
Alterações qualitativas chamadas de disbulias
ou parabulias.
 Actos impulsivos
 Actos compulsivos
 comportamentos desviantes em relação aos
impulsos
 Ambitendencia
 Negativismo
 Reacção de último momento

Conação
Alterações qualitativas Sugestionabilidade
patológica
 obediência automática

Conação
Alterações qualitativas
Actos impulsivos
 Caracterizam-se por serem súbitos,
incoercíveis e incontroláveis.
 São desprovido de finalidade consciente.
Pulam-se as etapas de deliberação e
decisão do processo volitivo, indo-se
directo de intenção para a acção.

Conação
Alterações qualitativas
 Actos impulsivos
 Os comportamentos heteroagressivos
impulsivos ocorrem de forma premeditada,
sendo muitas vezes imotivados. podem
algumas vezes resultar em homicídios.
 Frangofolia comportamento agressivo. A
acção é destruir objectos deixa-los em
frangalhos, como roupas, moveis, colchões,
etc.

Conação
Alterações qualitativas
 Actos impulsivos
 A piromania constitui uma propensão a atear
fogo provocar um incêndio. Muitas vezes
trata-se de uma reacção agressiva a uma
contrariedade.
 São observados nos transtornos de
personalidade antisocial, boredeline
explosiva, assim como na mania, na
esquizofrenia, no retardo mental, na
demência e no estado crepuscular epiléptico.

Conação
 Alterações qualitativas Actos
compulsivos(ou compulsões)

Conação
Alterações qualitativas
Comportamentos desviantes em
relação aos impulsos.
 Os comportamentos de automutilação e
suicida podem ser considerados desvios
dos impulsos de auto preservação.

Exame da Conação
Alterações qualitativas
 A alotriofagia representa um desvio dos
impulsos de nutrição, uma perversão do
apetite. Consiste na ingestão de coisas
estranhas ou inadequadas. Por ex. comer
aniamais repugnantes(lagartixa, barata,
minhoca),
excrementos(coprofagia),substancias
nocivas e objectos perigosos(tinta,
botões, alfinetes, sabão, etc.).

Conação
Alterações qualitativas
Parafilias (perversões sexuais)
 Constituem um desvio do comportamento
sexual.
 preferência por objectos sexuais não usuais
para excitação sexual e orgasmo.
 Acometem pessoas do sexo masculino
geralmente.
 Fetichismo, o interesse sexual se concentra
sobre partes não genitais do corpo feminino
(pés cabelos, nuca, etc.)

Conação
Alterações qualitativas

 Fetichismo, o interesse sexual se concentra


sobre partes não genitais do corpo feminino
(pés cabelos, nuca, etc.)
 ou peças do vestuário(sapatos roupas,
intimas, meias, etc.)

 Exibicionismo, o prazer provem da exposição


dos órgãos genitais, geralmente contra a
vontade da pessoa que observa.
 oupa.

Conação
 Na escopofilia (Voyeirismo), o prazer
provem da observação de uma pessoa
que está tendo uma relação sexual ou que
está nua ou tirando a r
 Alterações qualitativas No
sadomasoquismo, o prazer está
vinculado a dor, humilhação, ou
dominação e submissão.
 Na coprofilia, a excitação depende do
uso de excremento no acto sexual.
 Na pedofilia, gerontofilia e necrofilia,
os objectos sexuais preferenciais são,
respectivamente, crianças, idosos,
animais e cadáveres.

Conação
Alterações qualitativas
 Ambitendencia (ambivalência volitiva)
consiste na incapacidade para decidir, em
função da presença na consciência de
tendências volitivas opostas. Ex. querer
ficar perto de alguém e ao mesmo tempo
não querer.

Conação
Alterações qualitativas
 Negativismo: resistência não
deliberada, imotivada e incompreensível
às solicitações externas. São
manifestações do negativismo o mutismo
e a sitiofobia. É observados em quadros
catatónicos como na esquizofrenia, e na
depressão.

Conação
Alterações qualitativas
 Reacção de último momento consiste
no desaparecimento súbito de uma
conduta negativista justamente no
momento que o entrevistador desiste do
seu empenho em fazer que o paciente
atenda a solicitação.

Conação
 Alterações qualitativas
Sugestionabilidade patológica sintoma
oposto do negativismo consiste numa
tendência exagerada em atender
solicitações vindas do exterior. Ocorre no
transtorno obsessivo dissociativo e
conversivos(autossugestão); e nos
estados

Conação
Alterações qualitativas
Obediência automática
 representa um exemplo extremo de
sugestionabilidade patológica.
Caracteriza-se pelo cumprimento passivo
e imediato, sem qualquer reflexão ou
elaboração de qualquer ordem ou
solicitações mesmo que a acção realizada
seja perigosa para o próprio paciente.
Ocorre na sindrome Catatónica.

Conação
 Exame da conação
 Observação do comportamento
 Respostas as solicitações do examinador
 Linguagem e psicomotricidade.

Conação