Sei sulla pagina 1di 52

BICOS E ACESSÓRIOS

CATÁLOGO GERAL
INTRODUÇÃO
Nas atividades desenvolvidas dentro do processo produtivo de alimentos, fibras e energia, a
Tecnologia de Aplicação de Agroquímicos está ligada diretamente ao ganho de
produtividade. Assim, uma aplicação econômica e de alta performance se dá através de
fatores como a correta escolha do bico de pulverização, tamanho de gota, pressão, vazão,
resistência ao desgaste e calibração do seu equipamento.

Este catálogo tem por objetivo direcionar o agricultor com a melhor técnica de aplicação
para sua realidade, ressaltando conceitos básicos e necessários ao sucesso do seu negócio,
além de compartilhar o conhecimento da Jacto adiquirido durante décadas de trabalho e
investimento em pesquisa e desenvolvimento de produtos.
Índice

Tecnologia de Aplicação de Agroquímicos......................03 Bicos Plásticos..................................................................31


Guia para Seleção de Bicos...............................................14 Lançamento J3D.....................................................32
Bicos Cerâmicos................................................................15 J3D.....................................................................33
ADI...................................................................16 AIRMIX.....................................................................34
API...................................................................17 JAI.....................................................................35
APM...................................................................18 JAP.....................................................................36
ATR...................................................................19 JDF.....................................................................37
AVI....................................................................20 JEF.....................................................................38
AVI TWIN....................................................................21 JGC.....................................................................39
AXI...................................................................22 JGT......................................................................40
AXI TWIN....................................................................23 JHC.....................................................................41
CVI...................................................................24 JLD.....................................................................42
DISC & CORE....................................................................25 JSF.....................................................................43
J...................................................................26 JTT.....................................................................44
JA....................................................................27 JUF.....................................................................45
JFC...................................................................28 XT / MVI.....................................................................46
JHS...................................................................29 Acessórios.........................................................................47
TVI...................................................................30 Filtros para bicos / Manômetros / Capas............................48
EPI Agrícola........................................................................49
NOVAS FAMÍLIAS DE
BICOS JACTO
VERSATILIDADE COMPROVADA
ECONOMIA E ALTA PERFORMANCE EM CADA GOTA

CONE CHEIO
JACTO JGC JACTO JGT JACTO JTT JACTO JFC JACTO J3D

Potencializa Capaz de produzir Recomendado para Um dos modelos Inovamos no design


o controle de plantas maior quantidade aplicações de fungicidas, de bicos mais para uma cobertura
daninhas, insetos e de gotas por litro inseticidas e herbicidas. aguardado dos superior.
fungos. pulverizado. últimos anos.

A alta qualidade, precisão e economia que


você já conhece, agora mais completa.

www.jacto.com.br/novosbicos
Tecnologia de aplicação de Agroquímicos DICA DO
ESPECIALISTA

1 - Conceito de Alvo

O alvo biológico deve ser compreendido como o local onde se deve depositar o agroquímico. Existe
uma grande diversidade de alvos a serem cobertos pela aplicação, caracterizando os diferentes tipos de
agroquímicos disponíveis no mercado, como os fungicidas, herbicidas, inseticidas e outros.
A correta escolha da técnica de aplicação deve estar diretamente ligada ao alvo biológico e a sua
posição na área onde será realizada a aplicação. A seguir, demonstraremos a forma ideal de identificar a
posição do alvo biológico.

Esquema para identificação Parte superior ou


inferior da folha?
do Alvo Biológico Quais folhas? - PARTE
Qual a parte da planta
que ele se encontra? SUPERIOR
O seu alvo é o solo ou

Tecnologia de Aplicação
planta?
TODAS
FOLHAS INFERIOR
PLANTA - DE CIMA
- RAMOS - DE BAIXO

- SOLO - FLORES
- FRUTOS
Qual a cobertura necessária
para o seu agroquímico?
- MENOR COBERTURA

MAIOR

03
2 - Condições Climáticas

As condições climáticas são os fatores com maior interferência na qualidade das aplicações. Temperatura, umidade e intensidade
de vento podem influenciar no sucesso ou fracasso de uma aplicação. Para a maioria dos casos devem-se evitar temperaturas
superiores a 30° e umidade relativa inferior a 50%. No caso do vento, valores de 4 a 10 Km/h são utilizados como referência para
grande parte das aplicações. Ventos superiores a esses valores favorecem o aumento da deriva, principalmente quando utilizamos
gotas de tamanho fina ou muito fina.
Vento "ZERO" pode influenciar negativamente no resultado das aplicações, pois favorece a diminuição da penetração (deposição
de produtos nas partes inferiores das plantas) e o aumento da ação convectiva (sustentação das gotas aplicadas pelo movimento
ascendente de ar ) como podemos observar no esquema abaixo:

Exemplo de relação prática entre as condições climáticas e a escolha do tamanho


DICA DO das gotas:
ESPECIALISTA
Além de reduzir a eficiência dos produtos, a deriva contribui para
contaminação ambiental.
Deriva é todo desvio que afeta a trajetória da gota, desviando-a do
alvo, da área a ser pulverizada. Esse fenômeno é causado pelo
vento em excesso, pelo escorrimento ou pela evaporação.

04
3 - Cobertura e Volume
Cobertura refere-se a quantidade de gotas depositadas em uma determinada área no momento da aplicação. A cobertura é um
fator que está ligado diretamente ao tipo de agroquímico utilizado, volume de pulverização, tamanho da gota, fator de
espalhamento (uso de surfactante) e taxa de recuperação (redução das perdas).
CLASSES DE GOTAS
O volume de pulverização junto com o tamanho de gota são as
MUITO FINA = 105 um
FINA = 150 um formas mais utilizadas para se alterar a cobertura. Assim, ambas
MÉDIA = 250 um devem fazer parte da análise no momento da escolha da técnica
GROSSA= 350 um de aplicação a ser utilizada. Mudanças entre os parâmetros
citados interferem diretamente na cobertura desejada.
MUTIO GROSSA= 450 um

EXTREMAMENTE GROSSA= 450 um DICA DO


ESPECIALISTA

Utilize papel hidrossensível


Tamanho das Gotas para avaliar a cobertura
125 L/ha 85 L/ha 45 L/ha e as perdas de produtos
para locais indesejáveis.
Fina

Média

Grossa

Muito Grossa

Extra Grossa PAPEL


HIDROSSENSÍVEL

4 - Penetração

Algumas doenças e/ou pragas possuem características de se desenvolver em locais de difícil acesso, como partes baixas de uma
planta com alta densidade foliar. A essa exigência denominamos "Penetração".
Para que possamos entender da melhor forma possível esse parâmetro de qualidade, precisamos primeiramente entender os
seguintes pontos:
Arquitetura das plantas: plantas com padrão foliar mais ereto, como as gramíneas (milho, trigo), apresentam menor resistência à
penetração quando comparadas com as leguminosas (soja, amendoim).

05
4.2 - Tamanho da gota

Os diferentes tamanhos de gotas produzidas por um bico de pulverização interferem diretamente na probabilidade de penetração das mesmas
nas situações em que há alta densidade foliar. Gotas finas ou muito finas apresentam maior probabilidade de chegarem nos terços médios e
inferiores das plantas, entretanto apresentam maior risco de deriva e evaporação em condições climáticas adversas. Conforme citado nas
condições climáticas, recomenda-se aplicar com vento entre 4 a 10 km/h devido ao desvio da gota pela ação do vento ambiente, conforme
podemos observar no esquema ao lado.

5 - Escorrimento

Esse item está ligado a vários fatores da aplicação de agroquímicos como: volume aplicação, tamanho de
gota, serosidade das plantas, uso de adjuvantes (tensão superficial) e a presença de orvalho. A escolha
correta do volume de aplicação é extremamente importante e é ponto chave nesse contexto. Para cada tipo
de produto e fase da cultura deve-se procurar escolher o volume correspondente à necessidade do alvo a ser
tratado, levando-se em conta os valores dos parâmetros de qualidade já citados.

6 - Característica dos bicos de pulverização


Nome do bico

6.1 - Nomenclatura
As nomenclaturas utilizadas nos bicos de pulverização servem para direcionar o usuário no momento da compra.
Nome, ângulo e vazão são informações que fazem com que o cliente escolha da melhorforma possível qual modelo
irá atender sua necessidade.
Galão USA/min.
Angulo de aplicação
06
6.2 - Vazão (Norma ISO)

A grande maioria dos bicos disponíveis no mercado apresentam vazões padronizadas pela norma ISO. Essa padronização é feita
por meio de cores, como podemos observar na tabela. Essa padronização faz referência somente a vazão do bico. Outras
características como tamanho de gotas e ângulo não fazem parte desta padronização.

Obs: Existem alguns modelos de bicos que não seguem o padrão da norma ISO.
Portanto, é indispensável o uso da tabela de vazão fornecida pelo fabricante.

6.3 - Distribuição da Vazão Vazão de cada amostra expressa em porcentagem da vazão média
110

É a distribuição do líquido ao longo da faixa de aplicação. Pode

100,91
100,91

100,91
100,91
100,91

100,91
% da média

99,61

99,61
99,61

99,61
99,61
99,61
99,61

99,61
99,61
99,61
99,61

99,61
99,61
99,61
ser medida individualmente por bico ou na faixa de aplicação da
100
barra. A homogeneidade na distribuição diminui os riscos de
falhas no controle do problema tratado, seja pela concentração
de produto em uma determinada área ou pela falta dele.
90
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20
Amostras

07
6.4 - Cone Vazio:

Apresentam distribuição do produto de forma


circular, com pouca presença de gotas no
centro do cone, e ângulos que variam de 60 a
100 graus. É utilizado em pulverizadores de
barra e em turboatomizadores.

6.5 - Cone Cheio:

Assim como o cone vazio, apresenta distribuição


do agroquímico de forma circular, com a diferença
de apresentar preenchimento do cone, ou seja,
distribui o produto nas extremidades do cone e
também no centro. Geralmente são
caracterizados por terem ângulos bastante
fechados, de 20 a 60 graus.

08
6.6 - Leque:

O bico leque apresenta duas variações de extrema


importância na distribuição de seu volume: são os
chamados leque plano padrão e leque plano
uniforme.

6.7 - Leque plano padrão:

É um dos produtos mais utilizados em equipamentos


de barra. Ele apresenta como principal característica
a necessidade do cruzamento dos jatos para
uniformização da distribuição do produto
pulverizado. Além disso, a altura ideal de trabalho da
barra, o ângulo de aplicação do bico e o
espaçamento entre bicos são fundamentais para
uma boa distribuição.

Espaçamento Bico
entre Bicos 0,5 m API

Altura Mínima 0,40 m

Duplo Recolhimento: A 0,35 m


A B
Triplo Recolhimento: B 0,70 m

Altura Máxima 0,80 m duplo recolhimento triplo recolhimento

09
6.8 - Leque plano uniforme:

São bicos que apresentam distribuição uniforme ao longo da faixa aplicada, não necessitando de
sobreposição para uniformização da distribuição.
Geralmente são utilizados em pulverizadores costais e em
pingentes para aplicação localizada, muito utilizada na
cultura da cana-de-açúcar.

6.9 - Classe de gota

O tamanho de gota é a principal característica dos bicos de pulverização. Ele se difere entre os modelos por meio da forma
construtiva dos bicos, pressão de trabalho e o agroquímico que está sendo utilizado. A determinação da classe de gotas é feita por
meio de ensaios comparativos de classes admitidas como padrões. O tamanho destas gotas é representado, normalmente, por
meio de seu diâmetro mediano volumétrico (DMV), o qual representa o tamanho de gota que divide o volume de líquido aplicado
em duas partes iguais. A figura a baixo ilustra a determinação do DMV para uma amostra de líquido.

Tamanho de Gota Segundo a norma


ASABE S572, existem DMV
VF Muito Fina seis classes distintas
de tamanho de gota, 500 ml
F Fina sempre se utilizando
como referência o
M Média DMV.

C Grossa

VC Muito Grossa 500 ml

XC Extremamente Grossa

10
6.10 - Pressão de trabalho

A pressão de trabalho rege os principais fatores de uma aplicação, tamanho de gota


e volume de aplicação.
A escolha da pressão ideal de trabalho para cada bico deve ser consultada em
tabelas instrutivas, como podemos ver no exemplo ao lado.

6.11 - Desgaste

O desgaste de um bico de pulverização pode interferir diretamente na qualidade de aplicação, já que a vazão do bico, o tamanho da
gota e a distribuição são afetados diretamente. A abrasividade dos agroquímicos é o fator que mais causa dano a um bico de
pulverização. Para garantir resistência ao desgaste, os bicos são fabricados com materiais como cerâmica, plástico e aço inox. No
comparativo abaixo os valores de resistência ao desgaste de cada material de fabricação, conforme especificações da norma
ISO 5682-1.

DICA DO
ESPECIALISTA

Independente do material de fabricação, o critério que devemos adotar


para troca dos bicos é o desgaste. A referência deve ser sempre a vazão
nominal de cada bico, conforme consta na tabela do fabricante. Portanto,
quando um bico apresentar vazão acima de 10% da vazão nominal de um
bico novo, ele deve ser substituído imediatamente. Não use como
referência as horas de trabalho para substituição dos bicos, já que esse
critério nem sempre expressa a qualidade da aplicação.
Além disso, se utilizado, pode ocasionar troca prematura do bico.

11
No Brasil convencionou-se utilizar o valor de 10% de desgaste como referência para a troca de um bico quando comparado a um
bico novo. Por exemplo, se o agricultor estiver trabalhando com o modelo CVI 11002, a uma pressão de 45 lbf/pol², o bico novo
apresentará uma vazão de 0,8 L/min (tabela abaixo). Considerando um aumento de 10% na vazão em função do desgaste, ele
deverá trocar esse bico quando o mesmo atingir 0,88 L/min.

O devido cuidado com o desgaste em um bico de pulverização pode trazer


DICA DO benefícios ambientais e econômicos. O custo com agroquímico impacta
ESPECIALISTA
diretamente na rentabilidade do negócio.

Diversos fatores podem contribuir para o desgaste, como podemos ver a seguir:

- Poder abrasivo dos agroquímicos: o mercado de agroquímicos oferece formulações


que possuem em sua composição partículas em suspensão com alto grau
de dureza que contribuem naturalmente para o desgaste dos bicos de pulverização.

- Qualidade da água de pulverização: pelo mesmo motivo relatado acima, a qualidade da água utilizada na pulverização pode
contribuir para o desgaste dos bicos de pulverização, já que a sílica, que possui extrema dureza, é encontrada com facilidade
em suspensão na água. Cuidados como escolher o local de coleta da água podem contribuir para reduzir a presença de sílica
na água.

- Pressão de trabalho: a pressão recomendada pelo fabricante do bico de pulverização baseia-se em informações definidas no
momento de seu desenvolvimento. De acordo com o material de fabricação, desenho e características técnicas como diâmetro
de gota, vazão e ângulo do jato, recomendam-se limites mínimos e máximosde pressão. Trabalhar fora das especificações
máximas de pressão pode contribuir diretamente para o desgaste e redução da vida útil do bico.

- Limpeza: limpar os bicos com instrumentos confeccionados com materiais de maior dureza
do que o material utilizado para a fabricação dos bicos acentua a deterioração do orifício
de saída do jato no bico, ocasionando mudança do perfil de distribuição e das características
do diâmetro da gota. Para a limpeza correta, utilize escovas (pode ser escova de dente com
cerdas mais duras) e ar comprimido.

12
Calibração de Barras e Turboatomizadores

Barras
1. Utilizando vazo calibrador 2. Utilizando a Fórmula
A) Marque 50 metros no terreno a ser tratado; Q = 600 x q q=Qxfxv V = 600 x q
B) Abasteça o pulverizador; vxf 600 Qxf
C) Escolha a marcha de trabalho;
Onde:
D) Ligue a tomada de potência;
600 = constante; Exemplo: Volume de aplicação (Q): 120 l/ha
E) Acelere o motor até a rotação correspondente a
Q = volume de pulverização (l/ha); Espaçamento entre bicos: 0,5 m
540 rpm na tomada de potência; q = volume do bico em l/min; Velocidade de trabalho: 8 km/h
v = velocidade em km/h; Qual bico utilizar?
f = espaçamento entre bicos;
0m 50m

5m
q = 120 x 0,5 x 8 = 0,8 l/min
600

Utilizar o modelo CVI 110 02 a 45 lbf 2/pol.

F) Inicie o movimento do trator no mínimo 5 metros antes do ponto marcado; Obs: Para escolha correta do modelo de bico indicado, consulte um
G) Anote o tempo que o trator gasta para percorrer os 50 metros; engenheiro agrônomo.
H) Com o trator parado, na aceleração utilizada para percorrer os 50m, abra a pulverização;
I) Colete o volume do bico no tempo igual ao gasto para percorrer os 50m, efetuando a
leitura na coluna correspondente ao espaçamento entre bicos no calibrador Jacto;
Turboatomizadores
1.000 ml 400 l/ha 500 l/ha
1. Utilizando a Fórmula
Cálculo do volume de pulverização
300 ml 120 l/ha 150 l/ha
Q = 600 x q = l/ha Exemplo: Espaçamento da cultura: 5x7 =35m²/planta
0 ml 0 0
Volume em ml 0,50 m 0,40 m Espaçamento entre bicos vxf 1 planta 35m²
x 10000 m²
x = 286 plantas/ha

J) Repita a operação em diversos bicos para obter uma média de volume;


Número de bicos por máquina: 26

Bico: AD5/AC45 a 150 lbf/pol² = 3,26 lmin x 26 bicos = 84,76 lmin

Velocidade do trator: 4 km/h

Q = 84,76 x 600 = 1816,28 l/ha 1816,28 = 6,35 l/planta


4x7 286
Obs.: Existem outros métodos de calibração conhecidos. Em caso de dúvidas consulte,
nossos técnicos.
K) A média obtida nas leituras é o volume de pulverização para a marcha e a pressão
já determinadas:
• Se o volume obtido for abaixo do desejado, aumente a pressão, diminua a velocidade
ou troque os bicos por outros de maior vazão;
• Se o volume obtido for acima do desejado, diminua a pressão, aumente a velocidade
ou troque os bicos por outros de menor vazão.

13
GUIA PARA SELEÇÃO DE BICOS
MODELOS FUNGICIDAS INSETICIDAS HERBICIDAS FERTILIZANTE
ÂNGULO LÍQUIDO
CERÂMICO PLÁSTICO CONTATO SISTÊMICO CONTATO SISTÊMICO INCORPORADOS PRÉ-EMERGENTES PÓS-EMERGENTES PÓS-EMERGENTES
CONTATO SISTÊMICO
o
AXI JUF 110 EXCELENTE BOM EXCELENTE BOM EXCELENTE BOM
o
JHS - 110 MUITO BOM EXCELENTE MUITO BOM EXCELENTE BOM BOM MUITO BOM EXCELENTE
o
API JSF 110 EXCELENTE BOM EXCELENTE BOM EXCELENTE BOM
JLD 110o MUITO BOM EXCELENTE MUITO BOM EXCELENTE BOM BOM MUITO BOM EXCELENTE
ADI o
- 110 BOM EXCELENTE BOM EXCELENTE EXCELENTE EXCELENTE BOM EXCELENTE
o
AXI TWIN - 120 EXCELENTE MUITO BOM EXCELENTE MUITO BOM EXCELENTE MUITO BOM
CVI AIRMIX 110o BOM EXCELENTE BOM EXCELENTE EXCELENTE EXCELENTE BOM EXCELENTE
AVI - 110o BOM MUITO BOM BOM MUITO BOM EXCELENTE EXCELENTE BOM MUITO BOM
- JAI 120o BOM MUITO BOM BOM MUITO BOM EXCELENTE EXCELENTE BOM MUITO BOM
o
AVI TWIN - 110 BOM EXCELENTE BOM EXCELENTE BOM EXCELENTE
o
ATR 80 EXCELENTE MUITO BOM EXCELENTE MUITO BOM
JHC o
JA 80 EXCELENTE MUITO BOM EXCELENTE MUITO BOM
DISC & CORE - - EXCELENTE MUITO BOM EXCELENTE MUITO BOM
J - - EXCELENTE MUITO BOM EXCELENTE MUITO BOM
o
JDF 140 BOM MUITO BOM BOM MUITO BOM EXCELENTE EXCELENTE BOM MUITO BOM
APM o
- 140 MUITO BOM MUITO BOM EXCELENTE EXCELENTE BOM MUITO BOM
o
TVI - 80 BOM EXCELENTE BOM EXCELENTE BOM EXCELENTE
o
- JAP 110 BOM MUITO BOM BOM MUITO BOM EXCELENTE EXCELENTE BOM MUITO BOM
o
- JEF 80 EXCELENTE BOM EXCELENTE BOM BOM EXCELENTE BOM
o
MVI - 140 MUITO BOM MUITO BOM EXCELENTE EXCELENTE BOM MUITO BOM
ESI - - EXCELENTE
o
AVI OC - 80 BOM EXCELENTE BOM EXCELENTE EXCELENTE EXCELENTE BOM EXCELENTE
o
OCI - 80 EXCELENTE BOM EXCELENTE BOM EXCELENTE BOM
- JTT 110o MUITO BOM MUITO BOM MUITO BOM MUITO BOM MUITO BOM MUITO BOM
- JGC 120o MUITO BOM EXCELENTE MUITO BOM EXCELENTE BOM BOM MUITO BOM EXCELENTE
- JGT 110o BOM EXCELENTE BOM EXCELENTE EXCELENTE
JFC - 80o EXCELENTE MUITO BOM EXCELENTE MUITO BOM

As informações contidas nesta tabela não substituem a análise criteriosa de um responsável técnico para a correta escolha do bico de pulverização.

14
BICOS

Bicos Cerâmicos
CERÂMICOS
ECONOMIA E ALTA PERFORMANCE EM CADA GOTA

15
psi

Pressão
psi

Cerâmica de alta resistência ao desgaste e difícil entupimento.


Pré-orifício que reduz a formação de gotas suscetíveis à deriva.

0,66

16
API
psi

Pressão
psi

17
APM Leque Plano Uniforme

Pressão psi

psi

BICOS APM

Incorporados Excelente
Pré-Emergentes Excelente
Herbicidas
Pós-Emergentes Contato Bom
Pós-Emergentes Sistêmicos Muito bom
Contato Pressão psi
Fungicidas
Sistêmicos Muito bom
Contato
Inseticidas
Sistêmicos Muito bom

Pressão
psi

18
ATR
psi

Pressão
psi

TAMANHO DE GOTA

VF Muito Fina

F Fina

M Média

C Grossa

VC Muito Grossa

XC Extremamente Grossa

19
AVI
(Norma ISO)

IDEAL PARA APLICAÇÕES DE PRÉ-EMERGENTE, psi

PÓS-EMERGENTE INICIAL E DESSECAÇÃO Pressão


psi

TAMANHO DE GOTA

VF Muito Fina

F Fina

M Média

C Grossa

VC Muito Grossa

XC Extremamente Grossa

Pressão
psi

20
AVI TWIN

psi

CARACTERÍSTICAS DO BICO
Gotas grandes que reduzem o risco de deriva pela ação
do vento e evaporação. Cerâmica de alta resistência ao desgaste.
Projetado para ser utilizado em larga escala de pressão
(45 a 105 psi).

TAMANHO DE GOTA

VF Muito Fina

F Fina
ESPAÇAMENTO AVI
ENTRE BICOS 0,5m TWIN M Média

Altura Mínima 0,40 m C Grossa


Duplo Recobrimento: A 0,35 m
VC Muito Grossa
Triplo Recobrimento: B 0,70 m
Altura Máxima 0,80 m XC Extremamente Grossa
21
20 a 60 psi

Pressão
psi

Cerâmica de alta resistência ao desgaste. A baixa pressão


(20 psi) produz gotas médias com baixo risco de deriva.
Menor risco de contaminação do operador e do meio ambiente.

TAMANHO DE GOTA

VF Muito Fina

F Fina
ESPAÇAMENTO
ENTRE BICOS 0,5m AXI
M Média

Altura Mínima 0,40 m C Grossa


Duplo Recobrimento: A 0,35 m
VC Muito Grossa
Triplo Recobrimento: B 0,70 m
Altura Máxima 0,80 m XC Extremamente Grossa

22
AXI TWIN

20 a 60 psi

Pressão
psi

20 psi

BICOS AXI TWIN

Incorporados
Pré-Emergentes
Herbicidas
Pós-Emergentes Contato Excelente
Pós-Emergentes Sistêmicos Muito bom
Contato Excelente
Fungicidas
Sistêmicos Muito bom
Contato Excelente
Inseticidas
Sistêmicos Muito bom

TAMANHO DE GOTA

VF Muito Fina

F Fina
ESPAÇAMENTO AXI
ENTRE BICOS 0,5m TWIN M Média

Altura Mínima 0,40 m C Grossa


Duplo Recobrimento: A 0,35 m
VC Muito Grossa
Triplo Recobrimento: B 0,70 m
Altura Máxima 0,80 m XC Extremamente Grossa
23
CVI Leque Plano Padrão

psi

Pressão
psi

TAMANHO DE GOTA

VF Muito Fina

F Fina
ESPAÇAMENTO
ENTRE BICOS 0,5m CVI
M Média

Altura Mínima 0,40 m C Grossa


Duplo Recobrimento: A 0,35 m
VC Muito Grossa
Triplo Recobrimento: B 0,70 m
Altura Máxima 0,80 m XC Extremamente Grossa
24
DISC & CORE

INDICADO PARA AS APLICAÇÕES DE INSETICIDAS, FUNGICIDAS


ACARICIDAS E ADUBOS FOLIARES
psi

CARACTERÍSTICAS DO BICO
CONE CHEIO
Cerâmica de alta resistência, podendo ser
utilizado com produtos abrasivos. Pressão psi Pressão psi
DISC CORE
Fácil adequação da vazão em função da 30 45 60 75 90 120 150 225 300 150 300
l/min Ângulo
necessidade do agricultor.
AD 1 AC 31 - - - - - 0,83 0,92 1,10 1,25 39° 39°

BICOS AD 2 AC 31 - - - - - 1,27 1,41 1,69 1,92 87° 95°


AD 3 AC 31 - - - - - 1,36 1,50 1,80 2,05 65° 62°
RG CÓDIGO
AD 1 AC 35 - - - - - 0,83 0,92 1,10 1,25 34° 40°
034.660 Disco de Cerâmica AD1
AD 2 AC 35 - - - - - 1,43 1,58 1,90 2,16 39° 39°
034.678 Disco de Cerâmica AD2
AD 3 AC 35 - - - - - 1,99 2,20 2,64 3,00 44° 42°
028.761 Disco de Cerâmica AD3
AD 4 AC 35 - - - - - 3,24 3,58 4,30 4,89 77° 72°
028.779 Disco de Cerâmica AD4
028.787 Disco de Cerâmica AD5 AD 5 AC 35 2,18 2,62 2,98 3,30 3,58 4,08 4,51 5,41 6,16 37° 34°

028.795 Disco de Cerâmica AD6 AD 2 AC 56 0,73 0,88 1,00 1,11 1,20 1,37 1,52 1,82 2,07 21° 20°
028.811 Disco de Cerâmica AD7 AD 3 AC 56 0,99 1,19 1,36 1,50 1,63 1,85 2,05 2,46 2,80 28° 32°
034.843 Caracol de Cerâmica AC13 AD 4 AC 56 1,71 2,05 2,33 2,58 2,80 3,52
3,19 4,23 4,81 35° 38°
028.837 Caracol de Cerâmica AC23
AD 5 AC 56 2,89 3,46 3,94 4,36 4,73 5,39 5,96 7,15 8,14 43° 40°
006.478 Caracol de Cerâmica AC25
AD 6 AC 56 4,26 5,11 5,82 6,43 6,98 7,94 8,78 10,54 12,00 56° 49°
005.503 Caracol de Cerâmica AC31
AD 7 AC 56 5,72 6,87 7,81 8,64 9,38 10,67 11,80 14,17 16,12 68° 64°
005.511 Caracol de Cerâmica AC35
028.845 Caracol de Cerâmica AC45
006.460 Caracol de Cerâmica AC46
BICOS DMV (micron)
005.537 Caracol de Cerâmica AC56
DISC CORE 70 psi 150 psi 220 psi

AD 1 AC 13 109 86 77
AD 2 AC 25 153 134 121
BICOS DISC & CORE AD 3 AC 46 243 184 151
AD 3 AC 13 142 119 108
Incorporados AD 3 AC 23 212 180 173
AD 4 AC 45 206 171 146
Pré-Emergentes AD 3 AC 45 211 175 156
Herbicidas AD 5 AC 45 218 178 151
Pós-Emergentes Contato AD 4 AC 23 168 151 140
AD 6 AC 25 213 187 156
Pós-Emergentes Sistêmicos AD 3 AC 45 211 175 156
AD 4 AC 25 199 173 156
Contato Excelente AD 5 AC 23 199 174 160
Fungicidas AD 5 AC 25 220 191 167
Sistêmicos Muito Bom AD 3 AC 31 - 202 168
AD 3 AC 35 - 192 157
AD 3 AC 56 - 226 183
Contato Excelente AD 4 AC 56 - 228 183
Inseticidas AD 5 AC 56 - 219 177
Sistêmicos Muito Bom AD 5 AC 35 - 208 172

O tamanho de gota utilzado deve ser manejado em função do alvo a ser controlado. Para especificar código pedir bico Ex: Disco de Cerâmica AD 1 - RG 034 .660
25
J
psi

Pressão psi

Pressão
psi

Pressão
psi

Pressão psi

26
JA
psi

Pressão
psi

Pressão psi

27
28
JHS
psi

Pressão
psi

TAMANHO DE GOTA

VF Muito Fina

F Fina
ESPAÇAMENTO
ENTRE BICOS 0,5m JHS
M Média

Altura Mínima 0,40 m C Grossa


Duplo Recobrimento: A 0,35 m
VC Muito Grossa
Triplo Recobrimento: B 0,70 m
Altura Máxima 0,80 m XC Extremamente Grossa
29
TVI
psi

Pressão
psi

30
BICOS

Bicos Plásticos
PLÁSTICOS
ECONOMIA E ALTA PERFORMANCE EM CADA GOTA
31
LANÇAMENTO
JACTO J3D
INOVAMOS NO DESIGN
PARA UMA COBERTURA SUPERIOR

32
- Fácil de instalar, com exclusiva capa giratória, anel de vedação e

filtro incluso, com malha de acordo com a vazão nominal da ponta.


J3D DADOS TÉCNICOS
QUALIDADE NA PULVERIZAÇÃO COM
Formato do Jato: Leque Identificação de Vazão: Pela Cor (Norma ISO)
REDUÇÃO NO AUMENTO DE GOTAS FINAS Ângulo de Aplicação: 100˚ Escala de Pressão: 15 a 90 psi
Material de Fabricação: Plástico
CARACTERÍSTICAS DO BICO
Incorporados Excelente

- Leques para frente e para trás ajudam a penetração em cultivos Herbicidas


Pré-Emergentes Excelente
Pós-Emergentes Contato Bom

de densa folhagem, onde maior penetração é requerida. Pós-Emergentes Sistêmicos Excelente


Contato Bom
Fungicidas
Sistêmicos Excelente
- Incorpora características de cobertura uniforme e redução de Contato Bom
Inseticidas
Sistêmicos Excelente
deriva das pontas reconhecidas mundialmente J3D. O tamanho de gota utilzado deve ser manejado em função do alvo
a ser controlado.

J3D - 100015 J3D - 10004

RG: 1243237 RG: 1243247

J3D - 10002 J3D - 10005

RG: 1243238 RG: 1243248

J3D - 100025 J3D - 10006

RG: 1243239 RG: 1243249

J3D - 10003 J3D - 10008

RG: 1243244 RG: 1243240


33
ESPAÇAMENTOS ENTRE BICOS DE 0,50 m
AIRMIX

(Norma ISO)

psi

TAMANHO DE GOTA

VF Muito Fina

F Fina

M Média

C Grossa

VC Muito Grossa

XC Extremamente Grossa

34
JAI
(Norma ISO)

15 psi
Bico com indução de ar de segunda geração, permitindo
o trabalho em baixa pressão (30 psi).

TAMANHO DE GOTA

VF Muito Fina

F Fina

M Média

C Grossa

VC Muito Grossa

XC Extremamente Grossa

35
36
37
JEF
psi

Pressão
psi

38
39
40
41
Leque Plano Padrão

42
JSF
15 psi

TAMANHO DE GOTA

VF Muito Fina

F Fina
ESPAÇAMENTO
ENTRE BICOS 0,5m JSF
M Média

Altura Mínima 0,40 m C Grossa


Duplo Recobrimento: A 0,35 m
VC Muito Grossa
Triplo Recobrimento: B 0,70 m
Altura Máxima 0,80 m XC Extremamente Grossa
43
44
45
ESPECIFICAÇÕES VELOCIDADE DE TRABALHO (km/h) Faixa tratada
utilizando
3 4 5 6 7 8 9 10 12 14 16 18 20 25 a pressão
Pressão Vazão
Modelo psi
de 45
l/min Taxa de Aplicação l/ha - Utilizando 1 bico lbf/pol²

30 6,4 328 246 197 164 141 123 109 98 82 70 62 55 49 39


XT 20

XT
45 7,9 405 304 243 203 174 152 135 122 101 87 76 68 61 49 3,9
RG 1184298
60 9,1 467 350 280 233 200 175 156 140 117 100 88 78 70 56

IDEAL PARA APLICAÇÕES ONDE UMA BARRA Kit de reposição - XT020-GIOKIT


RG: 1221735
CONVENCIONAL NÃO PODE SER UTILIZADA
DEVIDO A OBSTÁCULOS NATURAIS OU
ARTIFICIAIS, COMO ÁRVORES, POSTES, Aço inoxidável Poliacetal
CERCAS ENTRE OUTROS.

950
UTILIZADO EM FLORESTAS, PASTAGENS,
Gotas Médias / Grossas
GRAMADOS, CULTIVOS ARBÓREOS E
BEIRAS DE ESTRADAS E CERCAS.
150 Distâncias = 3,66 a 6,40 metros

MVI

ESPECIFICAÇÕES VELOCIDADE DE TRABALHO (km/h)


BICO DEFLETOR DE PULVERIZAÇÃO COM Ângulo
Pressão Vazão 3 4 5 6 7 8 9 10 12 14 16 18 20 25
Modelo
INDUÇÃO DE AR. psi l/min Taxa de Aplicação l/ha - Utilizando 1 bico ( )

PRODUZ GOTAS COM BAIXO POTENCIAL DE 20 1,15 230 173 138 115 99 86 77 69 58 49 43 38 35 28 140

MVI 04 30 1,32 264 198 158 132 113 99 88 79 66 57 50 44 40 32 150


DERIVA. IDEAL PARA APLICAÇÕES, EM FAIXA,
RG 1184477 45 1,6 320 240 192 160 137 120 107 96 80 69 60 53 48 38 155
DE HERBICIDAS PRÉ E PÓS-EMERGENTES.
60 1,84 368 276 221 184 158 138 123 110 92 79 69 61 55 44 -

46
ACESSÓRIOS
JACTO
47

Peças e Acessórios
Acessórios para
Bicos Jacto

Filtro para Bico Malha 50 Filtro para Bico Malha 80 Filtro para Bico Malha 100
Alta Pressão Alta Pressão Alta Pressão
RG: 439.083 RG: 440.156 RG: 905.711

Filtro para Bico Malha 50 Filtro para Bico Malha 80 Filtro para Bico Malha 100
Baixa Pressão Baixa Pressão Baixa Pressão
RG: 439.067 RG: 440.164 RG: 873.786

Papel Hidrossensível Adaptador Porta-Bico Jacto x


Chave para Vaso Calibrador RG: 073.337 Capas engate rápido ISO
Regulagem do RG: 746.131 RG: 122.68.66
Ângulo do Bico
RG: 436.493

Kit para Checar pressão Manômetro com escala Manômetro 200 lbs Manômetro 500 lbs Manômetro 1000 lbs
RG: 451.476 estendida 300 lbs RG: 556.092 RG: 551.945 RG: 427.823
RG: 009.803

Capas PADRÃO JACTO


Porca Trava Vermelha Porca Trava Preta Capa do Bico Roscada Capa do Bico Roscada
RG: 350.686 RG: 535.492 RG: 710.590 RG: 725.010
Modelos: Modelos:
API, CVI, ADI, AXI, JLD, JSF, JAI, JAP AXI TWIN, AVI e AVI TWIN
JUF, AIRMIX e JHS

Capas NORMA ISO


Cor da Capa: Preta Cor da Capa: Azul Cor da Capa: Marrom Cor da Capa: Vermelha
RG: 1.179.279 RG: 1.179.280 RG: 1.179.282 RG: 1.195.493
Modelos: Modelos: Modelos: ATR Modelos:
AXI TWIN, AVI, AVI TWIN API, CVI, ADI, AXI, JLD, JSF, JAI, *Anel de Vedação - RG 1181053 DISC CORE, JHC, TVI e JFC
*Anel de Vedação - RG 1181053 JAP, JUF, JHS, AIRMIX, JTT *Anel Oring - RG 901405 *Anel de Vedação - RG 1181053
48 *Anel de Vedação - RG 1181053
Costal Trator

EPI
AGRÍCOLA
Calça (com reforço em PVC); Avental em PVC;
Calça; Camisa; Respirador valvulado;
Camisa; Respirador valvulado;
Luvas Nitrílicas; Boné árabe;
Luvas Nitrílicas; Boné árabe;
Viseira antiembaçante
Viseira antiembaçante

Tamanho M G GG XG Nova
Embalagem
RG
1167863 1167861 1167862 1167864
Costal
RG
1167758 1167752 1167754 1167759
Trator
O EPI Agrícola é um auxiliar na proteção, não devendo ser considerado como único meio de proteção do trabalhador.

49
NOVAS FAMÍLIAS DE

Este folheto não supre a necessidade de leitura atenta ao manual de instruções por parte do operador.
A Jacto se reserva o direito de promover modificações em seus produtos sem prévio aviso 08/2017
BICOS JACTO
VERSATILIDADE COMPROVADA
ECONOMIA E ALTA PERFORMANCE EM CADA GOTA

Rua Dr. Luiz Miranda, 1650 - 17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - E-mail: bicos@jacto.com.br www.jacto.com.br

PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS.