Sei sulla pagina 1di 228

GE

Soluções de Medição e Controle Ultrassônico

USM Go
Manual do Operador

P/N 1259801 Rev. 3


Abril 2011
USM Go
Detector de FalhaUltrassônico
Manual do Operador
P/N 1259801 Rev. 3
Abril 2011

www.ge-mcs.com
©2011 General Electric Company. Todos os direitos reservados.
Conteúdo técnico sujeito à alteração sem notificação prévia.
[nenhum conteúdo destinado a esta página – proceder para a próxima página]
Índice

Capítulo 1. Informações Gerais

1. Alimentação de Energia para o Instrumento 2


1
1. Ligando e desligando o Instrumento (ON/OFF) 4
2
1. Usando o Teclado 4
3
1.3.1 Orientação do Instrumento 6
1.3.2 Componentes do Teclado 7
1.3.3 Funções do Joystick 8
1.3.4 Funções Multi-Teclas 9
1. Usando o Display 10
4
1.4.1 Acessando o Display A-Scan em Modo de Tela Cheia 11
1.4.2 Acessando o Menu de Modo de Aquisição 12
1.4.3 Acessando o Menu de Modo de Ajuste 13
1. Usando a Saída SD, Conector USB e Conector I/O 14
5
1.5.1 Removendo o Cartão SD 15
1.5.2 Inserindo o Cartão SD 15
1.5.3 Conectando à Porta USB 16
1.5.4 Conectando à Porta I/O 17
Índice

Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2. Tela de Display e Características do Teclado 19


1
2. O sistema do Menu 21
2
2. Configuração Inicial 24
3
2.3.1 Idioma, Unidades de Medida, Data, Horário e Outros Parâmetros 24
2.3.2 Aparência do Display 43
2.3.3 Definindo Funções Ações Comutação 47
2. Instalando um Sensor 49
4
2.4.1 Conectando o Sensor 49
2.4.2 Configurando o Instrumento 50
2.4.3 Ajustando a Frequência de Repetição dos Pulsador 53
2.4.4 Ajustando a Tensão do Pulsador 54
2.4.5 Escolhendo o Tipo de Pulsador (OPCIONAL) 55
2.4.6 Ajustando a Potência ou Largura do Pulsador (OPCIONAL) 56
2.4.7 Usado a Característica PRF Fantasma 59
2.4.8 Escolhendo o Modo de Retificação 60
2.4.9 Ajustando o Nível de REJEIÇÃO A-Scan 63
Índice

2. Ajustando o A-Scan 64
5
2.5.1 Ajustando a Escala do A-Scan 64
2.5.2 Ajustando o Atraso do Display 66
2. Calibrando o Instrumento 67
6
2.6.1 Lista de Verificação de Pré-Calibração 67
2.6.2 Usando AUTOCAL 68
2.6.3 Verificando os Resultados de Calibração 71
2. Usando o Alarme de Lembrete de Calibração 72
7
2. Ativando a Atualização do Instrumento 73
8

Capítulo 3. Efetuando Medições

3. Configurando Terminal A e Terminal B 75


1
3.1.1 Ativando o Limite do Terminal Automático (AGT) 75
3.1.2 Posicionando os Terminais 77
3.1.3 Escolhendo o Método de Detecção-TOF 81
3.1.4 Ajustando Alarmes e Saídas do Terminal 82
Índice

3.2 Usando um Sensor de Feixe Angular 86


3.2.1 Ajustando os Parâmetros do Sensor de Feixe Angular 86
3.2.2 Indicando a Coluna com Cor 88
3.3 Mostrando os Resultados Medidos 88
3.4 Travando a Chave de Ganho e Joystick 92
3.5 Ajustando o Ganho 93
3.5.1 Alterando o Incremento de Ajuste de Ganho (dB STEP) 93
3.5.2 Ajustando a Etapa Ganho Definida pelo Usuário (SETUP-GAIN-USER GAIN STEP) 94
3.6 Congelando o Display A-Scan 95
3.7 Congelar no Terminal A/Terminal B 95
3.8 Modo de Avaliação DAC/TCG (Opcional) 96
3.9 Usando o Modo DAC (Opcional) 97
3.9.1 Gravando a Curva DAC 98
3.1 Usando o Modo TCG (Opcional) 101
0
3.10.1 Gerando a Curva de Referência TCG 101
3.10.2 Trabalhando com TCG 102
Índice

3.1 Ajustando o DAC ou Display TCG e Adicionando Compensações 103


1
3.11.1 Definindo DAC ou Compensaçõesde Curva TCG (DAC/TCG-OFFSETS-MODE) 103
3.11.2 Ajustando a Correção de Transferência (DAC/TCG-MAT ATTN-TRANSFER CORR) 104
3.1 Edição e Deletando DAC e Pontos de Referência TCG 105
2
3.1 Deletando a Curva DAC ou Pontos de Referência TCG 106
3
3.1 Modo de Avaliação DGS 106
4
3.14.1 Especificando um Sensor e Preparando para Registrar o Eco de Referência 109
3.14.1 Registro de Eco de Referência que Define a Curva DGS 112
3.14.2 Display e Ajuste da Curva DGS 114
3.14.3 Avaliando Resultados no Modo DGS 115
3.14.4 Travas e Mensagens de Erros 116
3.14.5 Validade do Métodos DGS 116
3.1 Modo de Avaliação REF dB 117
5
3.1 Modo de Avaliação de Classificação de Solda AWS D1.1 119
6
3.1 Modo de Avaliação JISDAC 121
7
3.17.1 Gravando a Curva JISDAC 122
3.17.2 Trabalhando com JISDAC 123
3.17.3 Deletando a Curva JISDAC 126
Índice

3.1 Atenuação de Eco de Fundo 127


8
3.18.1 BEA 129
3.18.2 Ganho BW 130

Capítulo 4. Ajuste de Dados & Relatórios

4.1 O menu de arquivos 132


4.2 Trabalhando com Arquivos de Ajuste de Dados 133
4.2.1 Estocando um Novo Arquivo de Ajuste de Dados 133
4.2.2 Chamando um Arquivo de Configuração de Dados 135
4.2.3 Deletando um Arquivo de Configuração de Dados 136
4.2.4 Editando um Arquivo de Configuração de Dados 137
4.3 Criando uma Nota (Smart Notes) 138
4.4 Incluindo uma Nota no Relatório 140
4.5 Criando um Cabeçalho de Relatório 141
4.6 Incluindo um Cabeçalho em um Relatório 142
4.7 Criando um Relatório 143
4.8 Arquivamento um Relatório 144
4.9 Relatório Rápido 145
Índice

4.1 Resumo de Parâmetros 146


0

Capítulo 5. Arquivos Gravados de Dados

5.1 Nomeando o Arquivo de Gravaçãode Dados 148


5.1.1 Modo de Seleção de Arquivo 148
5.1.2 Modo de Nomeação de Arquivo 149
5.2 Configurando o Arquivo de Gravação de Dados 150
5.3 Criando um Arquivo de Gravação de Dados 150
5.4 Visualizando um Arquivo de Gravação de Dados 151
5.5 Usando um Arquivo de Gravação de Dados 153
5.5.1 Adicionando Dados e Imagens A-Scan a uma Célula 154
5.5.2 Pré-visualização de Imagens A-Scan em uma Célula 154
5.6 Arquivos de Gravação de Vídeo Ao Vivo 156
5.6.1 Fonte e Destino Temporário de Gravação de Vídeo 156
5.6.2 Modo de Registro de Vídeo 157
5.6.3 Nome de Arquivo de Gravação de Vídeo 158
5.6.4 Modo de Gravação de Arquivo de Gravação de Vídeo ao Vivo 160
5.6.5 Modo de Repetição de Arquivo de Gravação de Vídeo ao Vivo 162
Índice

Apêndice A. Especificações
A.1 Display LCD 165
A.2 Conectores 166
A.3 Pulsador 167
A.4 Receptor 168
A.5 Saídas 169
A.6 Memória 169
A.7 Ambiente 170
A.8 Proteção 171
A.9 Opções USM Go 172

Apêndice B. Atendimento das Leis Ambientais


B.1 Diretrizes WEEE (Descarte de Equipamento Elétrico e Eletrônico) 176
B.2 Descarte de Bateria 177
B.2.1 O que as Marcações Significam 177
B.2.2 Os Riscos e o Seu Papel para Reluzi-las 178

Apêndice C. Especificações EM 12668


Prefácio

Informação de Segurança

Antes de energizar ou operar este instrumento, as informações de segurança nesta seção devem ser lidas cuidadosamente. Este Manual do Operador deve ser
arquivado em um local seguro para consulta.

IMPORTANTE: Este instrumento deve ser usado para teste de materiais em um ambiente industrial. Não é permitido o uso em quaisquer aplicações médicas
ou para qualquer outra finalidade.

IMPORTANTE: Este instrumento é a prova d’água de acordo com IP 67. Poderá ser operado tanto com baterias ou com unidade de alimentação de
energia. A unidade de alimentação de energia atende as exigências da Classe de Segurança Elétrica II.

Baterias

Para operação deste instrumento com baterias, GEIT somente recomenda o uso de baterias de íon-lítio. Somente devem ser usadas as baterias recomendadas
pela GEIT para operação deste instrumento. As baterias de íon-lítio podem ser recarregadas dentro do instrumento em si ou em um carregador de bateria
externo.

IMPORTANTE: Ver “Descarte de Bateria” na página 177 para instruções sobre os procedimentos adequados de descarte de bateria.
Prefácio

Diretrizes Importantes de Teste Ultrassônico

Favor ler as informações nesta seção antes de usar seu instrumento. É importante que você compreenda e observe estas informações para evitar quaisquer
erros do operador que possam levar a resultados falsos. Tais resultados falsos poderiam resultar em acidentes pessoais ou danos à propriedade.

Usando Equipamento de Teste Ultrassônico

Este Manual do Operador contem as informações essenciais sobre como operar seu equipamento de teste. Além disto, existem vários fatores que afetam os
resultados do teste, mas uma descrição de todos estes fatores está além do escopo deste manual. Os três fatores mais importantes para uma inspeção segura e
confiável são:

 Treinamento de operador

 Conhecimento de exigências técnicas e limites de teste específicos

 Escolha de equipamento de teste apropriado


Prefácio

Treinamento do Operador

A operação de um dispositivo de teste ultrassônico exige treinamento apropriado em métodos de teste ultrassônico. Um treinamento apropriado compreende o
conhecimento adequado de:

 A teoria de propagação de som

 Os efeitos de velocidade de som no material de teste

 O comportamento de ondas de som nas interfaces entre os diferentes materiais

 O formato do feixe de som

 A influência de atenuação de som neste objeto de teste e a influência da qualidade de superfície do objeto de teste

O falta de tais conhecimentos pode levar a um resultado de teste falso com conseqüências imprevisíveis. Você poderá contatar a GEIT ou sociedades NDT ou
organizações em seu país (DGZfP na Alemanha, ASNT nos EUA) para informações sobre oportunidades de treinamento em instrumentos ultrassônicos que
utilizam medições de tempo demovimento (TOF – time-of-fligth).

Os resultados de medições precisas exigem uma velocidade de som constante no objeto de teste. Objetos de teste de aço possuem somente pequenas variações
na velocidade do som, dessa forma afetando somente medições de alta precisão. Objetos de teste efetuadocom outros materiais (por exemplo, metais não
ferrosos ou plásticos) podem ter maiores variações de velocidade de som, que poderiam adversamente afetar a precisão das medições.
Prefácio

Efeitos de Materiais do Objeto de Teste

Se o material do objeto de teste não for homogêneo, as ondas de som podem propagar em diferentes velocidades em partes diferentes do objeto de teste. Uma
velocidade de som média deve então ser usada para a calibração da escala. Isto é obtida ao se usar um bloco de referência com uma velocidade de som
equivalente a velocidade de som média do objeto de teste.

Se variações de som substanciais forem esperadas, então a calibração do instrumento deve ser ajustada nos valores de velocidade de som reais em intervalos
de tempo menores. A falha em efetuar tal poderá levar a leituras erradas.

Efeitos de Temperatura em Objetos de Teste

A velocidade do som também varia em função da temperatura do objeto de teste. Isto pode causar erros notáveis em medições se o instrumento tiver sido
calibrado com um bloco de referência em uma temperatura, e o instrumento for então usado em teste de objeto em uma temperatura diferente. Tais erros de
medições podem ser evitados quando garantido que o bloco de referência e objeto de teste esteja na mesma temperatura, ou ao usar um fator de correção
obtido de tabelas publicadas.
Prefácio

Garantia Limitada

Por um período de dois (2) anos a partir da data da compra, garantimos que o instrumento estará livre de qualquer reivindicação de propriedade por terceiros,
(ii) quando novo, está isento de defeitos materiais e de fabricação e desempenha de acordo com as especificações do produto em condições normais de uso
para o período de garantia aplicável após a data da venda. O segundo ano desta garantia é válido somente se o instrumento for calibrado de acordo com as
especificações fornecidas, por nós ou um dos provedores de serviço certificados após o mês doze da propriedade, mas antes do mês quatorze iniciar. A
duração da garantia pode ser estendida ou modificada por contratos de serviços explícitos.

Esta garantia limitada não deve ser aplicada a quaisquer problemas decorrentes de (i) falha em acompanhar com as instruções do produto ou falha em efetuar
uma manutenção preventiva, (ii) assistência técnica, reparo ou modificação por alguém diferente de nós ou um dos nossos representantes de serviços
autorizados; ou (iii) causa externa, tais como acidente, abuso, uso errado, ou problemas com energia elétrica.

Esta garantia não cobre partes identificadas como peças de desgaste normal ou lâmpadas, transdutores, tubos, acessórios, ou equipamento opcional não
fabricado por nós, cujos itens podem ser cobertos por uma garantia do fabricante separada.

Nossa obrigação de acordo com esta garantia está limitada ao reparo ou substituição de componentes determinados por nós como defeituosos dentro do prazo
de garantia sem custo para o comprador original. O cliente deverá providenciar a entrega para nós de uma lista de material aprovada. Esta garantia é prestada
para o comprador original e não pode ser designada ou transferida para qualquer outra parte.

EXCETO PELA GARANTIA ESTABELECIDA ACIMA, NÃO RECONHECEMOS NENHUMA OUTRA GARANTIA OU REPRESENTAÇÃO DE
QUALQUER TIPO COM RELAÇÃO A NOSSOS PRODUTOS, TANTO EXPRESSA OU IMPLÍCITA, INCLUSIVE QUAISQUER GARANTIAS
IMPLÍCITAS OU COMERCIALIZAÇÃO, ADEQUAÇÃO PARA UMA FINALIDADE ESPECÍFICA, NÃO VIOLAÇÃO, TÍTULO E QUAISQUER
GARANTIAS DECORRENTES DO CURSO DA EXECUÇÃO, CURSO DE NEGOCIAÇÃO OU USO COMERCIAL.
[nenhum conteúdo destinado a esta página – proceder para a próxima página]
Capítulo 1. Informação Geral

Capítulo 1. Informações Gerais


O USM Go é um detector de falhaportátilultrassônico. Além de ser leve, o projeto do USM Go inclui uma interface de usuário clara e simples e um display
grande WVGA (800x480) colorido de fácil leitura. Quando operando em Modo Adquirir, o instrumento fornece detecção de falhaultrassônica e medição de
espessura. Neste modo, é capaz de arquivar A-Scans, operando parâmetros e relatórios. Antes de usar o Modo Adquirir, o display do instrumento e parâmetros
de operação deve ser configurado usando o Modo Ajuste. Os seguintes tópicos específicos são discutidos neste capítulo:

 Fornecimento de energia para o instrumento

 Ligando e desligando o instrumento

 Usando o teclado

 Usando o display
Capítulo 1. Informação Geral

1.1 Energizando o Instrumento

Parafuso Acessóriode Abertura Parafuso ¼ de volta (horário para fechar e anti-horário


Montagem para fechar)
Liga/Desliga

Conexão de
Sensor

Conexão de Sensor
de
Transmissão/Pulso

Conexão de
Carregador de
Bateria

Parafuso ¼ de volta (horário para fechar e anti-horário


para fechar)
Figura 1: Vista Lateral e Traseira da Caixa do USM Go
Capítulo 1. Informação Geral

1.1 Energizando o Instrumento (cont.)

O USM Go pode ser energizado em uma das duas seguintes formas (ver Figura 1 na página 2):

 Um conjunto de baterias de lítio instalado em um compartimento na parte de trás da caixa, ou

 Um adaptador de energia externo plugado ao conector na lateral da caixa

CUIDADO! Use somente conjuntos de Baterias de Lítio da GE neste instrumento, e carregar somente este conjunto
de baterias no instrumento ou através de carregador/adaptador fornecido pela GE.

Para remover a tampa do compartimento da bateria, soltar os parafusos ¼ de volta e levantar então na abertura entre os parafusos. Um conjunto de bateria de
Lítio padrão GE for projetado para fornecer uma vida operacional máxima entre as cargas.

O nível aproximado remanescente de vida de bateria é mostrado no display (ver Figura 2 na página 5) pelo ícone de bateria e a indicação abaixo do ícone
de ‘horas de carga’ aproximada. Quando um conjunto de baterias com carga completa for instalado, o ícone aparecerá como “cheio”, e o ícone começará a
“esvaziar” a medida que a vida da bateria for esgotando. Quando o indicador da bateria tiver baixado para um quarto de preenchimento, carregar a bateria
assim que possível.

Nota: O instrumento automaticamente desliga quando a bateria estiver muito fraca para uma operação confiável. Contudo,
seus ajustes são salvados e então restaurados quando a bateria for ligada novamente. Quando testando em locais
remotos, sempre leve um conjunto sobressalente de baterias.
Capítulo 1. Informação Geral

1.1 Energizando o Instrumento (cont.)

Quando o adaptador AC estiver conectado ao instrumento, o ícone no canto direito superior do display indica a percentagem de carga completa da bateria.
Quando removendo a bateria para instalar um bateria sobressalente carregada, o instrumento será automaticamente desligado se o adaptador de CA não estiver
conectado ao instrumento. Contudo, se o adaptador estiver conectado, o instrumento permanecerá LIGADO enquanto você troca o conjunto de baterias.

1.2 Ligando e Desligando o Instrumento

Para liga ou desligar o USM Go, simplesmente pressione o botão na lateral da caixa (ver Figura 1 na página 2). Assim que o botão pressionado for
reconhecido, você escutará um clique de um relê interno. Então, após cerca de 4 segundos, o controlador do display estará completamente carregado e o
display ficará visível.

1.3 Usando o Teclado

O USM Go é projetado para fornecer ao usuário um acesso rápido para todas as funções dos instrumentos. Seu sistema de menu de fácil utilização permite que
qualquer função seja acessada com mínimo esforço. As funções tipicamente usadas para coletar dados ultrassônicos são localizadas em um menu no Modo
Ajuste, enquanto que aqueles usados para configurar o instrumento são encontrados no menu Modo Ajuste.

Ver Figura 2 na página 5 para as localizações dos componentes do painel frontal descritos neste capítulo.
Capítulo 1. Informação Geral

1.3 Usando o Teclado (cont.)

Chave de Ganho Indicador de


Bateria

Função alterar

Tela de Display

Figura 2: Painel Frontal do USM Go


Capítulo 1. Informação Geral

1.3.1 Orientação do Instrumento

Uma das categorias inovadoras do USM Go é a opção do usuário de rapidamente e facilmente girar o instrumento 180º para acomodar tanto a operação com a
mão direita como com a mão esquerda. Durante este processo, a imagem do display também gira para permitir a visualização adequada. A Figura 3 abaixo
mostra o instrumento em ambas as orientações.

Figura 3: USM Go nas orientações na mão esquerda e na mão direita


Capítulo 1. Informação Geral

1.3.2 Componentes do Teclado

O teclado da USM Go inclui os seguintes itens (ver Figura 2 na página 5):

• Pressione-centro joystick : O joystick pode ser movimentado tanto para “esquerda ou direita” ou “para cima ou para baixo”.
Adicionalmente, o centro do joystick pode ser “pressionado” ou “pressionado e segurado”.

• Chave de Ganho : As duas extremidades da chave de ganho atuam como botões separados. Uma extremidade é o botão de “Ganho ABAIXO”,
enquanto a outra extremidade é o botão “Ganho ACIMA”. Qualquer extremidade da chave de ganho pode ser “pressionada” ou “pressionada e
segurada”.

• Função alterar : As duas extremidades da função alterar atuam como botões separados. Uma extremidade é a “Função 1”, enquanto a outra
extremidade é a “Função 2”. Qualquer extremidade da chave de ganho pode ser “pressionada” ou “pressionada e segurada”.

Nota: A chave de ganho no topo do instrumento, e a extremidade da função alterar perto do display é sempre o botão da
“Função 1”, independente da orientação do instrumento escolhida.
Capítulo 1. Informação Geral

1.3.3 Funções do Joystick

Os efeitos das ações do joystick são descritos na página anterior como segue:

Pressionamento Central do Joystick:

 Quando no Modo Adquirir, uma simples pressão e liberação altera o display A-Scan entre tamanho padrão e modo tela integral.

 Quando no Modo Ajuste, uma simples pressão e liberação ativa ou desativa um parâmetro para ajuste.

 Quando no Modo Adquirir ou Ajuste, uma pressão e liberação por dois segundos aciona o outro modo.

Movimento do Joystick

 Quando no Modo Adquirir ou Ajuste, movimentando para cima/baixo rola entre as opções de função disponíveis para o menu destacado.

 Quando no Modo Adquirir ou Ajuste, movimentando para esquerda/direita destaca uma opção de menu ou ajusta o valor de um parâmetro
escolhido.
Capítulo 1. Informação Geral

1.3.4 Funções Multi-Teclas

Nota: Todas as funções multi-teclas são definidas com o instrumento na orientação da mão esquerda (ver o lado
esquerdo da Figura 3 na página 6).

 Botão de energia + Botão Função 2 + Botão Ganho BAIXO

Pressionando e segurando estes três botões simultaneamente faz com que o instrumento comece a atualização do software.

Nota: Um cartão SD formatado com um arquivo atualizado USM Go no diretório raiz deve ser inserido antes de
pressionar estes botões.

 Botão de energia + Botão Função 2 + Botão Ganho ACIMA

Pressionando e segurando estes três botões simultaneamente faz com que o instrumento ignore o último ajuste conhecido e volte para os ajustes padrões de
fábrica.

Importante: O último ajuste conhecido será sobreposto e perdido durante este processo.

 Botão Ganho ACIMA + Botão Ganho ABAIXO

Pressionando e segurando estes dois botões de Chave de Ganho simultaneamente ativa a função AUTO80 para o Modo de Avaliação de corrente.
Capítulo 1. Informação Geral

1.4 Usando o Display

Display típico para os menus Modo de Adquirir eModo de Ajuste USM Go são ilustrados na Figura 4 abaixo. Ver as páginas seguintes para as instruções
passo a passo sobre como acessar estes menus.

Janela de Ganho Resultados Saída Indicador de Bateria Menu Título

Parâmetros Barra de Menu Parâmetros Barra de Menu de Rede


Figura 4: Modo Adquirir (Esquerda) e Display do Modo Ajuste (Direita)
Capítulo 1. Informação Geral

1.4.1 Acessando o Display A-Scan Tela Cheia

Quando no Modo Adquirir, uma simples pressão e liberação altera o display A-Scan entre tamanho padrão e modo tela de display integral. Quando
visualizando o modode tela integral A-Scan, o joystick pode ser usado para alterar os parâmetros daSaída A, como segue:

Note: Se a função de trava do joystick tiver sido ligada (ver “Travando a Chave de Ganho e o Joystick” na página 92),
qualquer movimento no joystick para cima-baixo e esquerda-direita não terá efeito no instrumento.

 Movimentando o joystick para esquerda ou direita irá alterar a escala daSaída A em tal direção.

 Se AGT estiver DESLIGADO, movimentando para cima ou para baixo irá alterar o limite daSaída A, de acordo.

Para desativar o controle do Saída A tela cheia sem efetivar outras funções do instrumento, ativa o parâmetro CONTROLE JOY como segue:

1. No menu de CONFIGURAÇÃO (SETUP), ativar o sub-menu CONFIG1 usando o joystick

2. Use o joystick para escolher a função CONTROLE JOY, e pressionar o centro do joystick para ativá-lo.

3. Use o joystick para escolher a opção LIGADO ou DESLIGADO e pressione o centro do joystick para desativar a função.
Capítulo 1. Informação Geral

1.4.2 Acessando o Menu do Modo Adquirir

Para acessar o menu do Modo Adquirir, referir-se ao lado esquerdo da Figura 4 na página 10 ao completar as seguintes etapas:

1. Movimentar o joystick para esquerda ou direita até que o menu desejado fique destacado na barra de menu. A barra de função automaticamente
mostra os parâmetros disponíveis no menu destacado.

2. Movimentar o joystick para cima ou para baixo para destacar o parâmetro desejado.

3. Quando o parâmetro desejado estiver destacado, alterar seu valor ao movimentar o joystick para esquerda ou direita ou ao pressionar a

extremidade da função alterar . Para parâmetros com valores contínuos, a função alterar atua como ajuste de curso, enquanto o joystick atua como
ajuste fino. Para escolher um valor de parâmetro de uma lista, tanto o joystick como a função alterar podem ser usadas para percorrer a lista um item por
vez.

Nota: Pressionando ambas as extremidades da função alterar simultaneamente reprograma um parâmetro destacado em
seu valor padrão.
Capítulo 1. Informação Geral

1.4.3 Acessando o Menu do Modo de Configuração

Para acessar o Modo de Ajuste, referir-se ao lado direito da Figura 4 na página 10 enquanto completando as seguintes medidas:

1. Pressione e segure o centro do joystick para alterar entre o Modo Adquirir(Teste) e o Modo Setup.

2. Movimentar o joystick para esquerda ou direita até o menu desejado ser destacado na barra do menu. A função barra automaticamente mostra os
parâmetros disponíveis no menu destacado.

3. Movimentar o joystick conforme exigido para destacar o parâmetro desejado.

4. Pressione o centro do joystick para ativar o parâmetro destacado. O valor do parâmetro pode agora ser alterado tanto pela movimentação do

joystick como um ajuste fino ou ao pressionar qualquer extremidade da função alterar como um ajuste grosso. Pressione o centro do

joystick novamente para desativar o parâmetro destacado.

Nota: A Etapa 4 acima se aplica ao ajuste de todos os parâmetros, exceto por especificar as ações associadas com as
teclas das chaves de função. Para as instruções sobre configuração destas chaves, ver “Definindo Ações de Função
alterar” na página 47.

Para sair do Menu de Configuração, pressione qualquer uma das chaves de ganho. (Enquanto estiver no Modo de Configuração, pressionando as chaves de
ganho não terá efeito no ajuste de ganho).
Capítulo 1. Informação Geral

1.5 Usando a Abertura SD, Conector USB & Conector I/O

O USM Go usa um cartão de memória SDpadrão para arquivar arquivos de configuração de dados e relatórios (ver “O menu ARQUIVOS” na página 132) e
para efetuar uma atualização de software do instrumento (ver “Ativando Atualização de Instrumentos”na página 73). A abertura do cartão SD é localizada
em um compartimento no topo do instrumento, junto com o conector USB e um conector I/O (ver Figura 5 abaixo).

Conector USB Saída de Cartão SD

Tampa articulada Conector I/O


Figura 5: Vista Superior da Caixa do USM Go
Capítulo 1. Informação Geral

1.5.1 Removendo o Cartão SD

Para remover o cartão SD de sua saída, proceder como segue:

1. Acesse a abertura do cartão SD ao empurrar a tampa na direção da seta e levantando a tampa articulada.

2. Pressione o cartão SD para baixo com os dedos e então remova seu dedo rapidamente. O cartão SD será parcialmente ejetado, e você poderá então
agarrar ele pela borda e deslizá-lo completamente para fora da abertura.

1.5.1 Inserindo o Cartão SD

Para inserir o cartão SD em sua abertura, proceder como segue:

CUIDADO! Não forçar o cartão SD na abertura se você sentir uma resistência significante. Se o cartão não
entrar na abertura livremente, provavelmente ele está no sentido errado.

1. Acesse a abertura do cartão SD ao empurrar a tampa na direção da seta e levantando a tampa articulada.

2. Direcione o cartão SD de forma que a o lado da etiqueta esteja de frente com a parte traseira do instrumento e o lado vazio com p lado da face da
fileira de contatos elétricos de cor ouro do instrumento. A borda do cartão com a fileira dos contatos elétricos coloridos ouro devem entrar na abertura
primeiro.

3. Insira o cartão totalmente para dentro da abertura e empurrar gentilmente até que o cartão assente no soquete. Então feche a tampa da abertura do
cartão SD.
Capítulo 1. Informação Geral

1.5.3 Conectando a Porta USB

O conector mais perto da dobradiça da tampa do compartimento superior (ver Figura 5 na página 14) é a parta Micro USB. Caso você use um cabo padrão
USB para conectar o USM Go ao PC (nenhum dispositivo especial é necessário), o cartão SD instalado será adicionado à lista de acionamentos ativos no PC.
Você pode efetuar todas as atividades de acionamento normal, tais como copiar e deletar arquivos, no cartão USM Go SD.

Importante: Enquanto o USM Go estiver conectado ao PC via a porta USB, o instrumento não aceitará qualquer entrada
do usuário pelo teclado. A operação normal reassume assim que o cabo USB estiver desconectado.
Capítulo 1. Informação Geral

1.5.4 Conectando a Porta I/O

O conector mais longe da dobradiça da tampa do compartimento superior (ver Figura 5 na página 14) é uma porta I/O. Esta porta atende um papel duplo:

 Pino de porta serial – são usados estritamente para diagnóstico de serviço de fábrica.

 Pinos de Sincronismo e Alarme – estes sinais são acessíveis ao usuário através de um cabo opcional especial.

Para usar este conector você deverá pedir o cabo USM Go opcional disponível como P/N 022-510-032. As designações de pino para conexão da
extremidade aberta deste cabo são listadas na Tabela 1 abaixo:

Tabela 1: Designação do Pino do Conector I/O


Pino # Cor Sinal
1 Marrom +5V
2 Vermelho SAP
3 Laranja Alarme
4 Amarelo RS232 CTS
5 Verde RS232 TX
6 Azul RS232 RX
7 Roxo GND
[nenhum conteúdo destinado a esta página – proceder para a próxima página]
Capítulo 2. Configuração do Instrumento

Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.1 Caracteres da Tela de Display e do Teclado

A interface do usuário doUSM Go foi projetada para uso claro e fácil. A Figura 6 abaixo mostra o conjunto completo de ícones que podem aparecer na área
de ícone da tela, e Figura 7 na página 20mostra os principais componentes do display e do teclado.

Modo congelar foi ativado Modo TCGfoi ligado Ajuste de disparo indica
Superfície Curvada reflexão I-
D
Função rejeitar foi ligada Uma referência DGS foi Ajuste de disparo indica
arquivada Superfície Curvada reflexão
O-D
Ajuste pulsador para Modo dB REF foi ligado Ajuste de disparo indicaFeixe
sensor de elemento duplo de Superfície Curvada

Ajuste pulsador para Modo AGT foi ligado Ajuste de disparo indica
sensor de elemento reflexão de Ângulo Plano
simples
Indicador de nível de Cartão SD instalado Ajuste de disparo indica
bateria (mostra ¼ cheio) Feixe de Superfície Plana
(pisca quando salvando)
Figura 6: Ícones de Telas do Display
Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.1 Caracteres da Tela de Display (cont...)

Nível de GanhoLeitura 1 Leitura 2 Leitura 3 Leitura 4


Chave de Ganho Nível da
Bateria

Área de Ícone

Leitura
Grande
Joystick

Leitura 6

Leitura 5

Função 1

Função 2

Função Alterar Barra do Menu


Figura 7: Características da Tela de Display
Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.2 O Sistema de Menu

O sistema de menu USM Go, conforme mostrado na Figura 8 na página 22, permite que o operador escolha e ajuste várias características e configurações do
instrumento e inclui:

 Menu Adquirir: Consiste de vários sub-menus usados para calibrar os instrumentos antes do teste, configura o instrumento durante o teste, escolher as
características do pulsador e receptor, e confira as saídas.

 Menu de Configuração (SETUP): Consiste de vários sub-menus usados para configurar o instrumento antes do teste, inclusive especificando o modo
de aquisição e aparência da tela, ajustando o display A-scan, ajustando os alarmes e controlando outros parâmetros de medição significantes.

As informações fornecidas neste capítulo descrevem cada função de menu e mostra como acessar cada função através do sistema de menu.

A Função MODO Avaliação (EVALuation MODE), que está localizada no sub-menu EVAL do menu SETUP, determina qual sub-menu para avaliação de
resultados aparece no menu Acquire e SETUP (ver as células sombreadas na Figura 8 na página 22). Ver Figura 9 na página 23 para as opções do Modo
Avaliação.
Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.2 O Sistema de Menu (cont...)

MENU ACQUIRE

Pressione e segure
para mudar entre
MENU SETUP menus
Figura 8: Menus Acquire e Setup
Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.2 O Sistema de Menu (cont...)

MENUS DE MODO DE AVALIAÇÃODISPONÍVEIS

Use a função EVAL


MODE para ativar um
destes cinco menus

Figure 9: Available Evaluation Mode Menus


Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.3 Configuração Inicial

Nesta seção, você aprenderá a configurar o display USM Go e características operacionais. Siga estes procedimentos para LIGAR este instrumento e efetuar
os ajustes iniciais para as configurações de controle. Porque o instrumento pode ser ajustado para salvar as configurações de controle quanto for DESLIGADO
e restaurá-las quando for LIGADO novamente, você não precisará repetir estes ajustes a menos que seja necessária uma alteração.

Energizar o instrumento para LIGAR e observar que o menu ACQUIRE é automaticamente ativado. Ativar o menu SETUP ao pressionar e segurar o centro

do joystick .

Nota: Toda a estrutura do menu é mostrada na Figura 8 na página 22 e na Figura 9 na página 23.

2.3.1 Idiomas, Unidades de Medida, Data, Horae Outros Parâmetros

Use os procedimentos nesta seção para ajustar as unidades de medidas, a data, a hora e o idioma que aparece na tela do display e as saídas de dados. Os ajustes
exigem acesso para acessar os grupos das funções: REGIONAL eSTARTUP. Estes são acessados daCONFIG1 e 3 sub-menus no menuSETUP, conforme
mostrado na Figure 10 na página 25.
Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.3.1 Idiomas, Unidades de Medida, Data, Hora e Outros Parâmetros

MENU ACQUIRE
RANGE RANGE Ajusta a escala da tela do display
DELAY SENSOR Compensa pelo tempo de viagem da onda sonora através de sensor
VELOCIDADE Mostra ou entra a velocidade de som para o material escolhido
DELAY DISPLAY Muda a tela de display S-Scan para a esquerda ou para a direita

PULSER VOLTAGE Configura o nível de tensão do pulser


LARGURA/ENERGIA Configura a largura do pulser (modo onda quadrada) ou energia (modo cravar)
AMORTECIMENTO Combina o nível de amortecimento com um sensor acoplado
MODO PRF Configura a variação de acionamento do pulsador

RECEIVER FREQÜÊNCIA Entra com a largura de banda do instrumento


RETIFICA Configura o modo retificado para RF ou meia onda
DUAL Identifica o sensor como elemento-simples ou elemento-duplo
REJEITA Remoce algumas partes do A-Scan do display

MENU ACQUIRE
REGIONAL IDIOMA Configura o idioma da tela do display
UNIDADES Configura as unidades mostradas em mm ou polegadas
DECIMAL Escolhe ponto ou vírgula para o decimal
FORMATO DE DADOS Configura o formato da data para display

STARTUP
DATA
TEMPO Configura a data atual para o display
ORIENTAÇÃO Configura a orientação do display para operação na mão esquerda ou na mão direita

DISPLAY COR Configura a cor da tela do display para uma ou quatro esquemas
DELAY SENSOR Configura a rede da tela de display para um ou duas configurações
VELOCIDADE Ajusta a cor A-scan para esquema de cor do display 3 e 4
DELAY DISPLAY Configura o brilho da tela do display
Figura 10: Menu ACQUIRE (acima) e Menu CONFIG1 (Abaixo)
Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.3.1a Configurando o Idioma do Modo Acquire (SETUP-CONFIG1-LANGUAGE)

1. No menu SETUP, ativar o sub-menu de CONFIG1 usando o joystick . Várias funções são mostradas na tela.

2. Usar o joystick para escolher a função LANGUAGE (IDIOMA), então pressione o centro do joystick para ativar a função. Para
mudar o idioma selecionado, remove o joystick ou pressione a função alterar. Você irá observar que as opções disponíveis estão em Inglês, Alemão,
Francês, Italiano, Polonês, Tcheco, Russo, Japonês e Chinês. O idioma padrão é Inglês.

3. Pressione o centro do joystick para desativar a função quando concluído. A tela de display e o idioma de relatório estão agora configurados na
escolha selecionada.
Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.3.1b Configurando as Unidades de Medida (SETUP-CONFIG1-UNITS)

1. No menu SETUP, ativar o sub-menu de CONFIG1 usando o joystick . Várias funções são mostradas na tela.

2. Usar o joystick para escolher a função intitulada UNITS (UNIDADE), então pressione o centro do joystick para ativar a função. As
seguintes funções estão disponíveis:

• mm – configuração padrão que mostra os valores em milímetros

• in – mostra os valores em polegadas

• us – mostra os valores em micro-segundos

Nota: Quando as unidades estiverem configuradas como us o menu DR será automaticamente ocultado. A operação DR não suporta a opção de unidade
us.

3. Movimente o joystick para esquerda ou para direita para alterar as unidades de medição.

4. Após marcar sua opção, pressione o centro do joystick para salvar sua configuração.
Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.3.1c Configurando a Conversão Decimal (SETUP-CONFIG1-DECIMAL)

1. No menu SETUP, ativar o sub-menu de CONFIG1 usando o joystick . Várias funções são mostradas na tela.

2. Usar o joystick para escolher a função intitulada DECIMAL, então pressione o centro do joystick para ativar a função. As seguintes
opções estão disponíveis:

• PERIOD– usa ponto para definir a casa decimal

• COMMA –usa a vírgula para definir a casa decimal

3. Para alterar a convenção decimal, movimente o joystick ou pressione e função alterar.

4. Após marcar sua opção, pressione o centro do joystick para salvar sua configuração.
Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.3.1d Configurando os Formatos de Data e Hora(SETUP-CONFIG1-DATE FORMAT)

1. No menu SETUP, ativar o sub-menu de CONFIG1 usando o joystick . Várias funções são mostradas na tela.

2. Usar o joystick para escolher a função intitulada DATE FORMAT, então pressione o centro do joystick para ativar a função.

3. Para alterar o formato de data e hora escolhido, movimente o joystick ou pressione a função alterar. Escolhe entre os seguintes formatos de dia e hora:

• Y-M-Dformato de data e formato de horário em 12 ou 24 horas

• M/D/Y formato de data e formato de horário em 12 ou 24 horas

• D.M.Y formato de data e formato de horário em 12 ou 24 horas

4. Após marcar sua opção, pressione o centro do joystick para salvar sua configuração. O formato de data e hora mostrado na tela de display e nos
relatórios fornecidos está configurado agora na última seleção escolhida.
Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.3.1e Configurando a Data (SETUP-CONFIG1-DATE)

1. No menu SETUP, ativar o sub-menu de CONFIG1 usando o joystick . Várias funções são mostradas na tela.

2. Usar o joystick para escolher a função intitulada DATE, então pressione o centro do joystick para ativar a função. Observe que o
primeiro caractere é iluminado.

3. Movimente o joystick para cima e para baixo para alterar o caractere iluminado. Então movimente o joystick para esquerda ou para direita

para escolher outros caracteres a serem modificados.

4. Após marcar sua opção, pressione o centro do joystick para salvar sua configuração.
Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.3.1f Configurando a Hora (SETUP-CONFIG1-TIME)

1. No menu SETUP, ativar o sub-menu de CONFIG1 usando o joystick . Várias funções são mostradas na tela.

2. Usar o joystick para escolher a função intitulada TIME, então pressione o centro do joystick para ativar a função. Observe que o
primeiro caractere é iluminado.

3. Movimente o joystick para cima e para baixo para alterar o caractere iluminado. Então movimente o joystick para esquerda ou para direita

para escolher outros caracteres a serem modificados.

4. Após marcar sua opção, pressione o centro do joystick para salvar sua configuração.

Nota:Uma vez configurado, o relógio interno mantêm a data e horário atual.


Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.3.1g Configurando a Orientação de Mão-Esquerda ou Mão-Direita (SETUP-CONFIG1-ORIENTATION)

1. No menu SETUP, ativar o sub-menu de CONFIG1 usando o joystick . Várias funções são mostradas na tela.

2. Usar o joystick para escolher a função intitulada ORIENTATION, então pressione o centro do joystick para ativar a função. Escolha
tanto controle de mão DIREITA ou de mão ESQUERDA.

3. Para alterar a orientação da tela de display, movimente o joystick ou pressione a função alterar.

4. Após marcar sua opção, pressione o centro do joystick para salvar sua configuração.
Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.3.1h Configurando o Diretório de Trabalho Atual(FILE-FILENAME-DIRECTORY)

O usuário pode ajustar o diretório de trabalho atual. Todos os conjuntos de dados e relatórios serão salvos e carregados a partir deste diretório. O diretório
padrão é arquivo USMGO na raiz do cartão SD.

1. No menu FILE, ativar o sub-menu FILENAME.

2. Usar o joystick para escolher a função DIRECTORY, então pressione o centro do joystick para ativar a função.

3. Use o joystick para escolher o cartão SD e escolher o diretório de trabalho.

4. Após marcar sua opção, pressione o centro do joystick para salvar sua configuração.
Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.3.1i Configurando a Função Economia de Energia (CONFIG3-FREZE-POWER SAVER)

O usuário pode ajustar o timer para economizar energia. Quando o tempo terminar, o LCD é desligado. Qualquer movimento do joystick ou teclas irá reativar
o instrumento.

1. No menu CONFIG3, ativar o sub-menu FREEZE.

2. Usar o joystick para escolher a função POWER SAVER, então pressione o centro do joystick para ativar a função.

3. Movimente o joystick para cima e para baixo para escolher o tempo e desligar o modo Economia de Energia.

4. Pressione o centro do joystick para ajustar a configuração.


Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.3.1j Configurando o Lembrete de Calibração Anual

O usuário pode ajustar uma data para um lembrete de calibração anualmente. Quando a data estiver a 3 meses, 1 mês, 2 semanas ou 1 semana antes da data a
ser lembrada, uma mensagem de aviso aparecerá todos os dias. O usuário pode então reajustar este lembrete quando a calibração anual estiver concluída.

Configuração da Data de Lembrete

1. No menu CONFIG3, ativar o sub-menu YEARLY CAL.

2. Use o joystick para escolher a função DATA e então pressione o centro do joystick para ativar a função.

3. Movimente o joystick esquerda/direita para escolher o MÊS e DATA.

4. Movimente o joystick para cima/baixo para configurar o mês ou a data.

5. Pressione o centro do joystick para ajustar a configuração.


Capítulo 2. Configuração do Instrumento

Configuração do Lembrete

1. No menu CONFIG3, ativar o sub-menu YEARLY CAL.

2. Use o joystick para escolher a função CAL REMINDER e então pressione o centro do joystick para ativar a função.

3. Movimente o joystick esquerda/direita para escolher o prazo do lembrete. As opções disponíveis são 3 MESES, 1 MÊS, 2 SEMANAS ou 1
SEMANA.

4. Pressione o centro do joystick para ajustar a configuração

Reajustar o Lembrete

1. No menu CONFIG3, ativar o sub-menu YEARLY CAL.

2. Use o joystick para escolher a função CAL RESET e então pressione o centro do joystick para ativar a função.

3. Uma mensagem de aviso, “REAJUSTAR O LEMBRETE DE CALIBRAÇÃO ANUAL? PRESSIONE DUPLAMENTE A TECLA PARA
CONFIRMAR”(“RESET YEARLY CALIBRATION REMINDER? DOUBLE KEY PRESS TO CONFIRM”) aparece na tela

4. Pressione a tecla de função 1 e 2 ao mesmo tempo para confirmar a ação de reset. (Esta é a única ação necessária).
Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.3.1k Senha

O usuário pode ajustar senha para proteger as configurações do modo do parâmetro.

1. No menu CONFIG3, ativar TOF no sub-menu LAYER.

2. Use o joystick para escolher a função SENHA e então pressione o centro do joystick para ativar a função. Uma janela pop-up
aparecerá na tela.

3. Siga as instruções na tela para configurar a senha.

Re-configurando a Senha

Um reset no software irá limpar a senha.


Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.3.1l Configurando o Lembrete de Calibração Anual

O usuário pode alterar os ajustes do modo de parâmetro para evitar alterar alguns parâmetros devido à operação errada. Esta configuração é protegida peã
senha se os usuários tiverem criado uma senha.

Editar o Parâmetro de Configuração de Modo

1. No menu CONFIG3, ativar o sub-menu YEARLY CAL.

2. Use o joystick para escolher a função PARAM EDIT e então pressione o centro do joystick para ativar a função.

3. Se a senha tiver sido configurada, inserir para ativar esta função.

4. Se a senha for inserida corretamente, uma lista de parâmetros aparece na tela.

5. Movimente o joystick para cima/baixo para escolher o parâmetro.

6. Movimente o joystick para esquerda/direita para habilitar/desabilitar o parâmetro.

7. Pressione o centro do joystick para ajustar a configuração.


Capítulo 2. Configuração do Instrumento

Habilitar/Desabilitar um Modo de Parâmetro

Dois modos diferentes estão disponíveis: EXPERT e INSPECTOR. Quando operando no modo EXPERT, os usuários podem acessar todos os
parâmetros. Quando no modo INSPECTOR, os usuários não podem alterar o parâmetro desabilitado. Se o usuário tentar alterar estes parâmetros, uma
mensagem de aviso aparece no final da tela.

1. No menu CONFIG3, ativar o sub-menu FREEZE.

2. Use o joystick para escolher a função PARAM MODE e então pressione o centro do joystick para ativar a função.

3. Movimente o joystick para esquerda/direita para escolher o modo do parâmetro.

4. Se uma senha tiver sido configurada, ao escolher o modo EXPERT exige a confirmação da senha.
Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.3.1m TOF em Camada

Quando TOF em LAYER for habilitado, a medição pode ser mostrada no número de camada.

Habilitar/Desabilitar TOF na Camada

1. No menu CONFIG3, ativar o TOF no sub-menu LAYER.

2. Use o joystick para escolher o TOF na função LAYER e então pressione o centro do joystick para ativar a função.

3. Movimente o joystick para esquerda/direita para habilitar/desabilitar a função.

4. Pressione o centro do joystick para ajustar a configuração.


Capítulo 2. Configuração do Instrumento

Configurar Tipo de Camadas

Dois tipos de camadas estão disponíveis. No tipo padrão, todas as camadas possuem o mesmo valor de espessura. No tipo costume, cada camada possui sua
própria espessura.

1. No menu CONFIG3, ativar o TOF no sub-menu LAYER.

2. Use o joystick para escolher a função LAYER TYPE e então pressione o centro do joystick para ativar a função.

3. Movimente o joystick para esquerda/direita para escolher o tipo de camada.

4. Pressione o centro do joystick para ajustar a configuração.


Capítulo 2. Configuração do Instrumento

Editar a Espessura da Camada

1. No menu CONFIG3, ativar o TOF no sub-menu LAYER (CAMADA).

2. Use o joystick para escolher a função LAYER EDIT e então pressione o centro do joystick para ativar a função. Uma lista de espessura de
camadas é mostrada na tela.

3. Movimente o joystick para cima/baixo para escolher diferentes camadas; uma camada é disponível para o tipo STANDARD (PADRÃO), e
10 para o tipo CUSTOM (USUÁRIO).

4. Movimente o joystick para esquerda/direita para escolher a espessura da camada.

5. Pressione o centro do joystick para ajustar a configuração.


Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.3.2 Aparência do Display

Seguir os procedimentos nesta seção para ajustar a aparência do display. Os ajustes exigem acesso ao sub-menu CONFIG1, que é acessado a partir do menu
SETUP (ver Figura 10 na página 25).

2.3.2a Ajustando a Cor do Display (SETUP-CONFIG1-COR)

1. No menu SETUP, ativar o sub-menu CONFIG3 usando o joystick . Várias funções são mostradas na tela.

2. Use o joystick para escolher a função intitulada COR, então pressione o centro do joystick para ajustar a configuração. Existem quatro
esquemas de cores pré-ajustadas.

3. Altere o esquema de cor do display, movimente o joystick ou pressione a função alterar.

4. Após fazer sua escolha, pressione o centro do joystick para desabilitar a função.
Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.3.2b Escolhendo a Rede de Display (SETUP-CONFIG1-GRID)

1. No menu SETUP, ativar o sub-menu CONFIG1 usando o joystick . Várias funções são mostradas na tela.

2. Use o joystick para escolher a função intitulada GRID, então pressione o centro do joystick para ajustar a configuração.

3. Altere o esquema de cor do display, movimente o joystick ou pressione a função alterar. O estilo da rede escolhida será mostrado na janela A-Scan na
tela do display, após voltar para Acquire Mode.

4. Após fazer sua escolha, pressione o centro do joystick para desabilitar a função.
Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.3.2c Ajustando a Cor A-Scan (SETUP-CONFIG1-ASCAN COR)

1. No menu SETUP, ativar o sub-menu CONFIG1 usando o joystick . Várias funções são mostradas na tela.

2. Use o joystick para escolher a função intitulada COR ASCAN, então pressione o centro do joystick para ativar a função. Existem seis
opções de cores A-Scan.

3. Para alterar a cor A-Scan, então movimente o joystick ou pressione a função alterar.

4. Após fazer sua escolha, pressione o centro do joystick para desabilitar a função.
Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.3.2d Ajustando a Iluminação do Display (SETUP-CONFIG1-ILUMINAÇÃO)

1. No menu SETUP, ativar o sub-menu CONFIG1 usando o joystick . Várias funções são mostradas na tela.

2. Use o joystick para escolher a função intitulada ILUMINAÇÃO, então pressione o centro do joystick para ativar a função. O ajuste
disponível de 1 a 10.

3. Para alterar o nível de iluminação, movimentar o joystick ou pressione a função alterar.

4. Após fazer sua escolha, pressione o centro do joystick para desabilitar a função
Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.3.3 Definindo Função Ações de Alteração

O usuário pode especificar uma ação desejada para ocorrer tanto no final da Função Alterar ser pressionada ou pressionar-e-segurar. A ação da função
especificada pelo usuário é ignorada, contudo, quando um parâmetro for escolhido e seu valor for editado.

1. No menu SETUP, ativar o sub-menu CONFIG2 usando o joystick . Várias funções são mostradas na tela.

2. Use o joystick para escolher a função intitulada FUNCTION1, para o final do interruptor perto da tela de display, ou a função intitulada

FUNCTION2, para o final do interruptor mais distante da tela de display. Então, então pressione o centro do joystick para ativar a função.

Nota: Existem dois valores para cada função. O parâmetro superiordetermina a ação tomada quando o interruptor correspondente for momentaneamente
pressionado. O parâmetro inferiordefine a ação tomada quando o final do interruptor for pressionado e segurado.

3. Para alterar o parâmetro superior, movimente o joystick para esquerda ou para direita .
Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.3.3 Definindo Função Ações de Alteração (cont...)

4. Para alterar o parâmetro inferior, pressione a função alterar para rolar pelas opções. As opções disponíveis incluem:

• NONE – nenhuma ação é designada.

• FREEZE – Congela um Scan-A e mostra o ícone Congelar (ver Figura 6 na página 19) na barra de status.

• JOYSTICK LOCK – Previne ajustes para cima-baixo e direita-esquerda usando o e mostra o ícone Trava (ver Figura 6 da página 19)
na tela de display. Contudo, as operações de pressionar-centro com o joystick não são desabilitadas.

• COPY – Efetua a tarefa especificada pela função ACTION, que é localizada no sub-menu FILE.

• AUTO80 – Ajusta o ganho para colocar o pico de eco disparado da Porta A em 80% da altura de tela total.

• MAGNIFY GATE – Zoom a Scan-A para que a largura da tela de display seja compatível com a largura de porta especificada pelo usuário.

• Ganho BEA – Duas funções estão disponíveis, + e –

• HOME – Escolhe o menu RANGE (ou seja HOME) no Modo Avaliação.

5. Após efetuar a escolha, pressione o centro do joystick para desativar a função.


Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.4 Instalação de Sensor

Seguir as instruções nesta seção para instalar um sensor em seu USM Go.

2.4.1 Conectando o Sensor

Quando conectando um sensor, os seguintes passos devem ser tomados:

 Completar adequadamente a conexão física do sensor ao instrumento.

 Configurar adequadamente o instrumento para trabalhar com o sensor conectado.

O USM Go aceita tanto um sensor de elemento-simples ou um sensor de elemento-duplo.

Para instalar um sensor de elemento-simples, conecte o cabo do sensor em qualquer uma


das duas saídas na lateral do instrumento (ver Figura 11 à direita). Quando um sensor de
elemento-duplo for conectada ao instrumento, a chave entre e abaixo das saídas garante a
orientação adequada dos conectores de transmissão e recebimento.

Figura 11: Localização Conector do Sensor


Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.4.2 Configurando o Instrumento

Três configurações de instrumento são diretamente dependentes do tipo de sensor instalado. Estas configurações devem ser ajustadas a qualquer momento em
que um sensor de tipo diferente for instalado, ao seguir as instruções nas seções seguintes.

2.4.2a Selecionando o Tipo de Sensor(RECEIVER-DUAL)

1. No menu ACQUIRE, ativar o sub-menu RECEIVER usando o joystick .

2. Use o joystick para escolher a função intitulada DUAL.

3. Para alterar o tipo de sensor, movimente o joystick ou pressione a função alterar. Cada tipo de sensor disponível através de um ícone na Barra
de ícone, perto do canto esquerdo superior do display, quando o tipo de sensor for destacado. As seguintes opções estão disponíveis.

 ON – Usado para sensores de duplo-elemento. Se esta opção for escolhida, o ícone Duplo (ver Figura 6 na página 19) é mostrado.

 OFF – Usado para sensores de simples-elemento. Se esta opção for escolhida, o ícone Simples (ver Figura 6 na página 19) é mostrado.

4. Após fazer sua escolha, pressione o centro do joystick para cima ou para baixo para sair desta função.
Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.4.2b Especificando a Frequência do Sensor(RECEIVER-FREQUENCY)

1. No menu ACQUIRE, ativar o sub-menu RECEIVER usando o joystick .

2. Use o joystick para escolher a função intitulada FREQUENCY.

3. Para alterar a frequência especificada, movimente o joystick ou pressione a função alterar. As seguintes opções estão disponíveis.

 1, 2, 2.25, 4, 5, 10, 13, 15 MHz – Escolha a frequência que está compatível com a frequência de seu sensor.

 BROADBAND – Escolha esta opção para usar o filtro de banda larga embutida.

4. Após fazer sua escolha, pressione o centro do joystick para cima ou para baixo para sair desta função.
Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.3.2c Alterando o Nível de Amortecimento para modificar o Sinal no Índice de Ruído (PULSER-DAMPING)

1. No menu ACQUIRE, ativar o sub-menu PULSER usando o joystick .

2. Use o joystick para escolher a função intitulada DAMPING.

3. Para alterar a o nível de amortecimento especificado e otimizar a aparência do signa Scan-A, movimente o joystick ou pressione a função
alterar.As seguintes opções estão disponíveis:

 50 Ω

 1000 Ω

4. Após fazer sua escolha, movimente o joystick para cima e para baixo para sair desta função.
Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.4.3 Ajustando a Frequência de Repetição do Pulsador (PRF)

O Pulsador aciona a uma frequência que pode ser ajustada automaticamenteou manualmente. Para ajustar o modo PRF e nível de frequência:

1. No menu ACQUIRE, ativar o sub-menu PULSER usando o joystick .

2. Use o joystick para escolher a função intitulada PRF MODE.

3. Pressione o interruptor de função para ver as escolhas disponíveis.

 AUTO HIGH – O instrumento calcula e configura o índice de acionamento do pulsador a 75% da possível frequência máxima, baseado na
variação e velocidade material.

 AUTO MED – O instrumento calcula e configura o índice de acionamento do pulsador a 55% da possível frequência máxima, baseado na variação
e velocidade material.

 AUTO LOW – O instrumento calcula e configura o índice de acionamento do pulsador a 20% da possível frequência máxima, baseado na variação
e velocidade material

 MANUAL – Permite que o usuário configure a frequência do pulsador. Contudo, ajustes PRF inaceitáveis farão com que o display imediatamente
apareça.
Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.4.3 Ajustando a Frequência de Repetição do Pulsador (PRF) (...cont)

4. Se o PRF MODE for configurado em AUTO HIGH, AUTO MED ou AUTO LOW, o valor automaticamente calculado é mostrado na caixa de função.

Se você escolher a opção MANUAL, você poderá agora ajustar o valor PRF ao movimentar o joystick para esquerda ou para direita .

Nota: A configuração PRF pode ser limitada baseada na configuração de tensão do pulsador escolhido pelo usuário. Esta característica atua para limitar
a dissipação de dina.

2.4.4 Configurando a Tensão do Pulsador

A energia relativa com o qual o pulsador é acionado é ajustado ao alterar a configuração da VOLTAGEM. Para configurar o nível de voltagem do pulsador:

1. No menu ACQUIRE, ativar o sub-menu PULSER usando o joystick .

2. Use o joystick para escolher a função intitulada VOLTAGEM. Pressione o interruptor de função ou movimente o joystick para:

 Configurar o nível de tensão para ALTO ou BAIXO, para um TIPO DE PULSADOR ajustando o PREGO, ou

 Especificar o valor real de TENSÃO, para a configuração do TIPO DE PULSADOR ajustando o QUADRADO

3. Após fazer sua escolha, movimente o joystick para cima e para baixo para sair desta função.
Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.4.5 Escolhendo o Tipo de Pulsador (OPCIONAL)

O formato do pulsador padrão é umaespiga, e existe também um pulsador quadrado disponível. Se a opção TIPO PULSADOR (PULSER TYPE) for ativada,
escolha entre as opções espiga e quadrado como segue:

1. No menu SETUP, ativar o sub-menu CONFIG2 usando o joystick .

2. Use o joystick para escolher a função intitulada PULSER TYPE. Então pressione o centro do para ativar a função.

3. Pressione a função alterar ou movimentar o joystick para escolher SPIKE (espiga) ou SQUARE (quadrado) e então pressione o centro do joystick

para ativar a função.

Nota: Esta seleção influencia as configurações de VOLTAGEM disponíveis e define se a função LARGURA DO PULSADOR (modo de onda
QUADRADA) ou a função ENERGIA PULSADOR (modo ESPIGA) está disponível

4. Após fazer sua escolha, pressione o centro do joystick para desativar a função.
Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.4.6 Escolhendo a Energia ou Largura do Pulsador (OPCIONAL)

Após ativar a opção TIPO DE PULSADOR, pode ser escolhido o modo de onda tipo QUADRADA ou ESPIGA (ver a página anterior).
Dependendo da sua escolha, proceder com a seção apropriada abaixo para especificar a largura do pulsador (modo onda quadrada) ou a energia do pulsador
(modo espiga).

2.4.6a Escolhendo a Largura do Pulsador no Modo de Onda Quadrada

A largura do pulsador geralmente varia entre 30 a 500 nanosegundos. Um ponto de início recomendado a partir do qual a configuração da largura pode ser
ajustada é fornecido abaixo com a seguinte equação:

LARGURA PULSO (nanosegundos) = 1000 (com f em MHz)


2f

Por exemplo, se um sensor de 2MHz for usado, a equação se torna:

LARGURA PULSO (nanosegundos) = 1000 = 250


2•2
Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.4.6a Escolhendo a Largura do Pulsador no Modo de Onda Quadrada (cont...)

Para configurar a largura do pulsador:

1. No menu ACQUIRE, ativar o sub-menu PULSER usando o joystick .

2. Use o joystick para escolher a função intitulada WIDTH (LARGURA), que somente estará disponível se a função PULSER TYPE estiver

ajustada em SQUARE. Pressione a função alterar oumovimente o joystick para configurar a largura do pulsador.

3. Após concluir sua escolha, movimente o joystick para sair desta função:
Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.4.6b Escolhendo a Energia do Pulsador no Modo de Espiga

Para configurar a energia do pulsador:

1. No menu ACQUIRE, ativar o sub-menu PULSER usando o joystick .

2. Use o joystick para escolher a função intitulada ENERGY (ENERGIA), que somente estará disponível se a função PULSER TYPE estiver

ajustada em SPIKE. Pressione a função alterar oumovimente o joystick para configurar a ENERGIA do pulsador em HIGH (ALTA) ou LOW
(BAIXA).

3. Após concluir sua escolha, movimente o joystick para sair desta função:
Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.4.7 Usando a Característica PRF Fantasma

Quando ativada, esta característica de diagnóstico varia o PRF para identificar quaisquer sinais envolventes, que são ecos fantasmas causados por uma
configuração PRF que está muito alta. Quando esta característica está ativada, a posição baseada no tempo do eco fantasma varia enquanto os ecos reais
permanecem estacionários na tela de display.

1. No menu SETUP, ativar o sub-menu CONFIG2 usando o joystick .

2. Use o joystick para escolher a função intitulada PHANTOM PRF. Pressione a função para ativar esta função.

3. Pressione a função alterar ou movimente o joystick para escolher tanto ON ou OFF.

4. Após efetuar sua escolha, pressione o centro do joystick para desativar esta função.
Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.4.8 Escolhendo um Modo de Retificação

A retificação afeta a orientação de um scan-A na tela do display. O scan-A representa o pulso de som (ou seja, eco) que volta para o instrumento do material
sendo testado. A série de ecos parece com um sinal de Radio Frequência (RF) mostrado na Figura 12 abaixo. Observe que os sinais RF possuem tanto um
componente negativo abaixo do eixo e um componente positivo acima do eixo. No modo RF, a Porta A e Porta B podem ser posicionadas tanto acima ou
abaixo do eixo, para ser ligado tanto por um sinal de eco de condução positiva ou um eco de condução negativa.

No Modo RF ecos de condução negativa e Neste modo ecos de condução negativa e No MODO RETIFICAÇÃO FULLWARE ambos os
positiva são mostrados positiva são mostrados ecos de condução positiva e negativa são mostrados

Figura 12: RF Típico e Sinais Retificados


Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.4.8 Escolhendo um Modo de Retificação (cont.)

• Retificação de Metade Positiva significa que somente a metade superior (ou seja, positivo) do sinal RF é mostrada.

• Retificação de Metade Negativa significa que somente a metade inferior (ou seja, negativa) do sinal RF é mostrada (ver Figura 12 da página).
Observe que apesar de somente a metade negativa do sinal RF é mostrado, é mostrado na mesma orientação como um componente positivo para
simplificar a visualização.

• Retificação de Onda-Total combina os sinais retificados positivo e negativo junto, e mostra ambos em uma orientação positiva (ver Figura 12 na
página).

Use o procedimento na próxima página para escolher o modo de retificação.


Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.4.8 Escolhendo um Modo de Retificação (cont.)

1. No menu ACQUIRE, ativar o sub-menu RECEIVER usando o joystick .

2. Use o joystick para escolher a função intitulada RECTIFY. As seguintes opções estão disponíveis.

• NEG HALFWARE– Mostra o componente negativo do sinal RF, mas mostra em tal uma orientação positiva.

• NEG HALFWARE – Mostra o componente positivo do sinal RF.

• FULLWARE – Mostra o componente negativo e positivo da onda RF, mas ambos são orientados na direção positiva.

• RF – Mostra o eco sem nenhuma retificação

3. Pressione a função alterar ou movimentar o joystick para escolher o método de retificação desejado.

4. Pressione a função alterar ou movimente o joystick para escolher tanto ON ou OFF.

5. Após efetuar sua escolha, pressione o centro do joystick para cima ou para baixo para sair desta função.
Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.4.9 Ajustando o Nível REJEITA Scan-A

Uma parte do Scan-A pode ser omitido para a tela de display, definindo a percentagem da altura de tela-cheia que você deseja omitir. Para ajustar a
percentagem rejeição:

1. No menu ACQUIRE, ativar o sub-menu RECEIVER usando o joystick .

2. Use o joystick para escolher a função intitulada REJECT.

3. Para alterar a quantidade de Scan-A que você deseja omitir do display, como uma percentagem da altura de tela-cheia, movimentando o joystick
ou pressionando a função alterar. Você poderá omitir a porção do Scan-A em até 80% da altura de tela-cheia.

Nota: Quando REJECT for selecionado a um valor maior que 0% do ícone de rejeição (ver Figura 6 na página 19) é mostrado na barra de status.
Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.5 Ajustando o Scan-A

Para configurar o Scan-A USM Go, seguir as instruções nesta seção.

2.5.1 Ajustando a Escala Scan-A

A calibração do USM GO exige o uso de dois padrões calibrados. Os padrões devem ser de espessura diferente, e devem ser efetuados do mesmo material que
a peça de teste. Antes de calibrar a combinação instrumento/sensor, a escala do display Scan-A, que é o valor da espessura do material representado pela
largura horizontal integral da tela, é normalmente ajustado em um valor igual ou ligeiramente mais largo que o padrão calibrado mais espesso (ver Figura 13
abaixo).

Figura 13: Efeitos do Ajuste de Variação Scan-A


Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.5.1 Ajustando a Escala Scan-A (cont.)

Para ajustar a escala Scan-A:

1. No menu ACQUIRE, ativar o sub-menu RANGE usando o joystick .

2. Use o joystick para escolher a função intitulada RANGE, que possui ambos os modos de ajuste grosso e fino. Ajustes grosseiros são
efetuados com a função alterar, enquanto o ajuste fino é efetuado com o joystick. Quando “RANGE” aparecer em letras maiúsculas, ajustes grosseiros
estão sendo efetuados, enquanto os ajustes finos ocorrem quando “range” aparecer em letras minúsculas.

3. Pressione a função alterar ou movimentar o joystick para mudar a escala do ajuste.Valores entre 0.040 a 1100 in. São permitidos.

Nota: Pressionando ambos os botões da Função Alterar simultaneamente reprograma o RANGE (ESCALA) para o valor padrão de 10.000 in.

4. Após a conclusão de sua seleção, movimente o joystick para cima ou para baixo para sair desta função.
Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.5.2 Ajustando o Delay do Display

A função delay do display altera o Scan-A mostrado para esquerda ou para a direita na janela de visualização. Para ajustar o delay do display:

1. No menu ACQUIRE, ativar o sub-menu RANGE usando o joystick .

2. Use o joystick para escolher a função intitulada DISPLAY DELAY.

3. Pressione a função alterar ou movimentar o joystick para mudar a escala do ajuste. Quando você alterar o valor, você poderá ver os ecos
mostrados mudar para a esquerda ou para a direita.

Nota: Pressionando ambos os botões da Função Alterar simultaneamente reprograma o DELAY (ATRASO) para o valor padrão 0.

4. Após a conclusão de sua seleção, movimente o joystick para cima ou para baixo para sair desta função.
Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.6 Calibrando o Instrumento

Para calibrar o USM Go, seguir as instruções nesta seção.

2.6.1 Lista de Verificação de Pré-Calibração

Para melhorar a precisão e qualidade de sua calibração, certifique-se que as seguintes etapas foram executadas antes de começar a calibração:

• Instalar o sensor

• Ajustar a configuração DUAL (RECEPTOR) para estar compatível com o sensor

• Ajustar o tipo de material

• Ajustar o DISPLAY DELAY em 0 (recomendado)

• Ajustar o PRF em AUTO LOW

• Ajustar o TCG em OFF

• Ajustar REJECT em 0 (recomendado)


Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.6.2 Usando AUTOCAL

Nota: Quando seguindo as instruções nesta seção, referir-se à Figura 14 na página 69.

1. No menu ACQUIRE, ativar o sub-menu AUTOCAL usando o joystick .

2. Use o joystick para escolher a função intitulada S-REF1. Então pressione a função alterar ou movimento o joystick para alterar o valor
para estar compatível com a espessura do padrão de calibração fino. A função S-REF1 possui ambos os modos de ajuste grosso e fino. Os ajustes
grossos são efetuados com a função alterar, enquanto ajustes finos são efetuados com o joystick.

3. Use o joystick para escolher a função intitulada S-REF2. Então pressione a função alterar ou movimento o joystick para alterar o valor
para estar compatível com a espessura do padrão de calibração espesso. A função S-REF2 possui ambos os modos de ajuste grosso e fino. Os ajustes
grossos são efetuados com a função alterar, enquanto ajustes finos são efetuados com o joystick.

4. Aplicar acoplador e acoplar o sensor em um padrão de calibração fino. Com a função A START destacada, pressione a função alterar ou movimentar o

joystick para mudar o ponto de partida da Porta A até que a Posta A esteja sobre a espessura correspondente do padrão mais fino (ver Figura 14
na página 69). Ajustes grossos são efetuados com a função alterar, enquanto ajustes finos são efetuados com o joystick.
Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.6.2 Usando AUTOCAL (cont.)

Ajustar espessura em Ajuste até o eco estar


padrão fino posicionado na porta
Ajustar espessura
em padrão espesso

Quando o eco de padrão mais


fino (S-REF1) estiver posicionado
na porta, selecione. Irá alterar
para S-REF2?

Escolha AUTOCAL Medir o padrão de calibração


para lançar calibração mais fino (S-REF1)

Ajustar até eco


estar posicionado
na porta

Enquanto o padrão
espesso (S-REF2) eco
estiver posicionado na
porta, selecione. Irá Medir o padrão de calibração
mudar para OFF. mais grosso (S-REF2) Escolha RANGE para observar
os resultados da calibração
Figura 14: Procedimentos de Auto Calibração
Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.6.2 Usando AUTOCAL (cont.)

Nota:Durante as etapas seguintes, pressionando ambos os botões no Ganho Alteração simultaneamente, ativa a função AUTO80.

5. Use o joystick para escolher a função intitulada RECORD. O valor na caixa de função muda de “OFF” para “S-REF1”?

Então mantendo o sinal na Porta A, movimente o joystick para direita ou esquerda para registrar o eco de referência. O valor na caixa de função
agora lê “S-REF2?”.

6. Aplicar acoplador e acoplar o sensor em um padrão de calibração espesso. Então, use o joystick para selecionar a função intitulada A

START. Pressione a função alterar ou movimentar o joystick para mudar o ponto de partida da Porta A até que a Posta A esteja sobre a espessura
correspondente do padrão mais espesso (ver Figura 14 na página 69). Ajustes grossos são efetuados com a função alterar, enquanto ajustes finos são
efetuados com o joystick.

7. Use o joystick para selecionar a função intitulada RECORD. Enquanto mantendo o sinal na Porta A, movimente o joystick para direita ou

esquerda para registrar o eco de referência. O valor na caixa de função agora lê “OFF”.
Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.6.3 Verificando os Resultados de Calibração

Após os procedimentos de calibração, a velocidade acústica calculada e delay do sensor são mostradas. Para visualizar estes valores calibrados:

1. No menu ACQUIRE, ativar o sub-menu RANGE usando o joystick .

2. Pressione a função alterar ou movimento o joystick para visualizar as seguintes seleções.

• PROBE DELAY (Atraso no Sensor) – São mostrados os ajustes efetuados como resultado do procedimento AUTOCAL (zerando). Isto representa
o delay de tempo causado por onda de som viajando através da membrana do sensor, placa de desgaste, ou linha de atraso.

• VELOCITY (Velocidade) – A velocidade calculada após a calibração é mostrada. O tipo de material é listado em “custom”.
Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.7 Usando o Alarme de Lembrete de Calibração

O USM Go incorpora uma característica de alarme temporizado que faz um ícone aparecer em intervalos de tempo definidos pelo usuário entre 0,5 e 4 horas.
Para usar este alarme:

1. No menu SETUP, ativar o sub-menu CONGIG2 usando o joystick .

2. Use o joystick para escolher a função intitulada CAL REMINDER, então pressione o joystick para ativar a função. Inserir os
intervalos nos quais o alarme lembrete irá disparar (entre 0.5 e 4 horas). Ajustando este valor automaticamente reajusta o alarme para disparar em
intervalos especificados. Esta função também permite que o alarme seja desativado.

3. Pressione a função alterar ou movimento o joystick para alterar o intervalo do alarme.

4. Selecione e ative CAL RESET para reconhecer o alarme disparado e reprogramar para reassumir a operação normal.

Nota: A escolha das funções PROBE DELAY ou VELOCITY também reprograma o alarme.
Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.8 Ativando Atualizações do Instrumento

Quando fornecido, os códigos de ativação compatíveis com seu número de série do USM Go podem ser inseridos através do sub-menu CODE, localizado no
menu CONFIG. Este sub-menu também lista o número de série designado para seu instrumento. Para inserir um código de ativação:

1. No menu SETUP, ativar o sub-menu CONGIG1 usando o joystick .

2. Use o joystick para escolher a função intitulada CODE, então pressione o centro do joystick para ativar a função. Observe que o
primeiro caractere do valor do código corrente é destacado.

3. Use o joystick para alterar o caractere deslaçado para estar compatível com o valor fornecido pela GE. Então mover o joystick para
escolher o próximo caractere e continuar modificando os valores até que eles estejam compatíveis com o código fornecido pela GE.

Nota: Segurando qualquer ponta da Função Alterar para baixo por três segundos reajusta todos os valores no código em 0.
Capítulo 2. Configuração do Instrumento

2.8 Ativando Atualizações do Instrumento (cont.)

4. Após concluir a inserção do código, pressione o joystick para desativar a função.

5. Use o joystick para escolher a função intitulada CONFIRM, então pressione o centro do joystick para reconhecer que um novo código
está correto.

6. Certifique-se de seguir as instruções na tela para completar com sucesso a ativação.


Capítulo 3. Efetuando as Medições

Capítulo 3. Efetuando Medições


Este capítulo explica como configurar o detector de falha USM Go e capacidades de medição de espessura. Explica também como efetuar medições
ultrassônicas.

3.1 Configurando a Porta A e Porta B

Ajustando a posição e as características da Porta A e Porta B é o primeiro passo na configuração do instrumento para detecção de falha ou medição de
espessura de material. Os sub-menus da PORTA A e PORTA B controlam a localização da Porta A e Porta B, enquanto os sub-menus EVAL e CONFIG2 no
menu SETUP controla as características de operação para as portas.

3.1.1 Ativando o Limite da Porta Automática (AGT)

Quando o Limite da Porta Automática (AGT) for ativado, o limite da porta correspondente é ajustado automaticamente.

Nota: Um ícone é mostrado na Área Símbolo quando o modo AGT é ativado.


Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.1.1 Ativando o Limite da Porta Automática (AGT) (cont.)

Para configurar a função Limite da Porta Automática (AGT), seguir este procedimento.

1. No menu SETUP, ativar o sub-menu EVAL usando o sub-menu joystick , e então a opção EVALMODE.

2. Use o joystick para escolher a função intitulada AGT, então pressione o centro do joystick para ativar a função.

3. Movimente o joystick para escolher o modo AGT particular.

• PORTA A

• PORTA B

• PORTA A/PORTA B

4. Pressione o centro do joystick para ajustar a função.


Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.1.2 Posicionando as Portas

Use os procedimentos nesta seção para ajustar a posição vertical e horizontal da Porta A e Porta B. Lembre-se que a posição da porta possui os seguintes
efeitos no desempenho do instrumento:

• Os ecos Scan-A no lado direito da tela de display represente as características que ocorrem em uma profundidade maior que a superfície do material de
teste do que aquelas no lado esquerdo da tela de display. Portanto, movimentando a porta para a direita significa que a porta é avaliando uma porção mais
profunda do material de teste.

• Um ajuste de porta mais larga significa que a porta está avaliando uma porção mais espessa do material de teste.

• Aumentando a altura vertical, denominado como limite, de uma porta significa que somente sinais refletidos de amplitude suficientemente larga
atravessarão a porta.

Para configurar os parâmetros da porta, proceda com os passos seguintes e então proceda com a seção apropriada:

1. No menu ACQUIRE, ativar o sub-menu Porta A ou Porta B usando o sub-menu joystick

2. Escolher a função desejada das opções disponíveis.


Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.1.2.a Configurando o Ponto de Partida da Porta (PORTA A OU PORTA B – PARTIDA PORTA)

1. No menu ACQUIRE, ativar o sub-menu GATE A ou GATE B usando o sub-menu joystick .

2. Use o joystick para escolher a função intitulada GATE A START (ou GATE B START) (PARTIDA PORTA A/B).

3. Para alterar o ponto de partida da porta, movimento o joystick ou pressione a função alterar.

Aumentando ou diminuindo o valor do ponto de partida movimenta a porta para a direita ou para esquerda, respectivamente. O ponto de partida da porta
permanece conforme ajustado aqui, mesmo quando o ajuste da largura for efetuado.

Nota: As funções PARTIDA PORTA A e PARTIDA PORTA A possui ambos os modos de ajuste grosso e fino. Ajustes grossos são efetuados com a função
alterar, enquanto os ajustes finos são efetuados com o joystick. Quando o nome da função aparece em letras maiúsculas, ajustes grossos estão sendo
efetuados, enquanto ajustes finos ocorrem quando o nome da função aparece em letras minúsculas.

4. Após concluir sua escolha, movimente o joystick para cima e para baixo para sair desta função.
Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.1.2.b Ajustando a Largura da Porta (LARGURA DA PORTA A ou LARGURA DA PORTA B)

1. No menu ACQUIRE, ativar o sub-menu GATE A ou GATE B usando o sub-menu joystick .

2. Use o joystick para escolher a função GATE A WIDTH (ou GATE B WITH) (LARGURA PORTA A/B).

3. Para alterar o ponto de partida da porta, movimento o joystick ou pressione a função alterar.

Nota: Esta funçãopossui ambos os modos de ajuste grosso e fino. Ajustes grossos são efetuados com a função alterar, enquanto os ajustes finos são
efetuados com o joystick.

4. Após concluir sua escolha, movimente o joystick para cima e para baixo para sair desta função.
Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.1.2.c Ajustando o Limite da Porta (Posição Vertical) (LIMITE A ou LIMITE B)

1. No menu ACQUIRE, ativar o sub-menu GATE A ou GATE B usando o sub-menu joystick .

2. Use o joystick para escolher a função THRESHOLD A (ou THRESHOLD B) (LIMITE A/B).

IMPORTANTE: Se a função AGTtiver sido ativada (ver “Ativando o Limite da Porta Automática (AGT)” na página 75), o parâmetro do menu LIMITE A é
substituído pelo Valor da Escala AGT. O valor da escala é mostrado na forma de + AGT = SS%, ondessrepresenta o valor da escala AGT.
O usuário pode modificar o valor da escala AGT usando o joystick e/ou as funções chaves.

3. Para alterar o ponto de partida da porta, movimento o joystick ou pressione a função alterar. Aumentando ou diminuindo o valor do limite
movimenta a porta para cima e para baixo, respectivamente.

4. Após concluir sua escolha, movimente o joystick para cima e para baixo para sair desta função.
Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.1.3 Escolhendo o Método de Detecção -TOF

Os sinais Scan-A atravessando a Porta A ou a Porta B são avaliados para fins de detecção de falhae avaliação da espessura do material. Quando o sinal
atravessar a Porta A ou a Porta B, o ponto de travessia da porta (ou seja, a flanco) do sinal, ou o ponto máximo (ou seja, o pico) do sinal em tal porta
específica é usado para fins de avaliação. A função TOP MODE permite que o usuário especifique qual característica Scan-A (FLANK ou PEAK ou
JFLANK) é usada para avaliar o sinal em cada porta.

1. No menu ACQUIRE, ativar o sub-menu PORTA A ou PORTA B usando o sub-menu joystick

2. Use o joystick para escolher a função TOP MODE.

3. Para alterar o ponto de partida da porta, movimento o joystick ou pressione a função alterar. As seguintes opções estão disponíveis:

• PEAK – Toda a detecção, tanto baseada em tempo e altura de pico, é baseada no eco disparado MAIOR na porta.

• FLANK – O ponto de disparo baseado em tempo é o primeiro flanco para atravessar a porta, e os resultados baseados na amplitude são baseados no
pico MAIOR de qualquer eco atravessando a porta. Isto não é necessariamente o pico do mesmo eco cujo flanco disparou a porta.

• JFLANK – O ponto de disparo baseado em tempo é o primeiro flanco para atravessar a porta, e os resultados baseados na amplitude são baseados no
pico deste primeiro eco a atravessar a porta. Isto não é necessariamente o eco maior na porta.
Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.1.3 Escolhendo o Método de Detecção -TOF (cont.)

4. Após concluir sua seleção, movimento o joystick para cima ou para baixo para sair desta função.

Nota: O método de detecção escolhido é indicado por um pequeno ícone. Este ícone é mostrado na caixa de display contendo a leitura medida e nas opções
oferecidas na LEITURA 1 a 6 e caixas de função GRANDE.

3.1.4 Ajustando Alarmes de Porta e Saídas

Um alarme pode ser ajustado para tanto uma ou ambas as portas. Isto é obtido através da configuração de uma Caixa de Leitura 4 (no modo GRANDE) ou em
Caixa de Leitura Grande simples (em modo PEQUENO) para atuar com um LED virtual que imita uma luz indicadora. Quando então configurado, a caixa de
leitura LED virtual é verde quando não existir uma condição de falha e vermelha quando o alarme tiver disparado.
Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.1.4a Definindo a Lógica de Alarme-Porta (SETUP-CONFIG-GATE A ou B LOGIC)

Cada alarme de porta pode ser disparado por uma ou mais circunstâncias: quando um eco scan-A atravessar a porta ou quando nenhum eco scan-A
atravessara porta. Usar o seguinte procedimento para especificar o ajuste LÓGICO da porta:

1. No menu SETUP, ativar o sub-menu CONFIG2 usando o joystick .

2. Use o joystick para escolher a função intitulada GATE A (ou GATE B) LOGIC. Pressione o centro do joystick para ativar a função.

3. Para escolher a lógica de disparo de alarme-porta, movimente o joystick para cima ou para baixo. As seguintes opções estão disponíveis:

• POSITIVO - Um sinal Scan-A atravessa a porta

• NEGATIVO - Um sinal Scan-A atravessa a porta

• OFF – Nenhum alarme foi conectado à porta selecionada

NOTA: Porta A e Porta B podem ser configuradas de forma que qualquer porta dispare o alarme.

4. Depois de efetuada a escolha, pressione o centro do joystick para desativar a função.


Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.1.4b Designando as Luzes do Indicador de Saída de Alarme (SETUP-CONFIG2-OUTPUT SELECT)

Como uma opção, uma caixa de leitura pode ser configurada como um LED virtual (ver “Ajustando Alarmes de Portas e Saídas” na página 82); que é verde
quando não houver condição de falha e vermelho quando o alarme tiver disparado. Este LED virtual corresponde a uma SAÍDA, que é por sua vez designada a
um alarme de porta. Quando um alarme for disparado, o LED virtual é iluminado (exceto quando GATE LOGIC estiver ajustado em OFF). Use o
procedimento seguinte para indicar qual porta ativa o LED virtual:

1. No menu SETUP, ativar o sub-menu CONFIG2 usando o joystick .

2. Use o joystick para escolher a função intitulada OUTPUT SELECT. Pressione o cento do joystick paraativar a função.

3. Para configurar a operação LED virtual de alarme da porta, movimente o joystick para cima ou para baixo . As seguintes opções estão
disponíveis:

• A(+), A(-)– o LED virtual indica o alarme da Porta A é disparado (ver a página anterior para descrição de alarmes + e -)

• B(+), B(-)– o LED virtual indica o alarme da Porta B é disparado (ver a página anterior para descrição de alarmes + e -)

• A ou B(+), A ou B(-)– o LED virtual indica que qualquer alarme de Porta é disparado (ver a página anterior para descrição de alarmes + e -)

4. Depois de efetuada a escolha, pressione o centro do joystick para desativar a função.


Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.1.4c Escolha de Porta a ser Ampliada Quando a Função Alterar for Pressionado (SETUP-EVAL-MAGNIFY GATE)

O usuário pode indicar a ação a ser tomada quando a Função Alterar for pressionado. Uma opção aumenta o display Scan-A, de forma que a porta designada
abrange todo a escala exibida. Para especificar a porta que deve ser ampliada quando solicitado.

1. No menu SETUP, ativar o sub-menu EVAL usando o joystick .

2. Use o joystick para escolher a função intitulada MAGNIFY GATE. Pressione o cento do joystick para ativar a função.

3. Para selecionar a PORTA A ou a PORTA B,movimento o joystick para cima ou para baixo .

NOTA: Pressionando a ponta designada da Função Alterar, quando a FUNÇÃO 1 ou FUNÇÃO 2 for ajustada para AMPLIAR A PORTA, amplia o
display para que a porta escolhida abranja toda escalaexibida.

4. Depois de efetuada a escolha, pressione o centro do joystick para desativar a função.


Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.2 Usando Sensorde Feixe em Ângulo

Quando conectando um sensor de feixe em ângulo ao instrumento, ajustes devem ser efetuados para as características do sensor assim como geometria de peça
de teste. Estes ajustes incluem:

• Ângulo do sensor

• Valor do Sensor X = a distância do Ponto do Índice do Feixe (BIP) até a borda frontal de sua cunha

• Espessura da peça de teste

• Diâmetro-O

3.2.1 Ajustando os Parâmetros do Sensor de Feixe em Ângulo

Ao configurar o instrumento para sensor de feixe-ângulo, seguir este procedimento:

1. No menu SSETUP, ativar o sub-menu EVAL B usando o joystick .

2. Use o joystick para escolher a função PROBE ANGLE. Insira o ângulo para o sensor instalado. As avaliações da superfície são efetuadas
pela instalação do sensor/cunha correta e ajustando este valor em > 89º.

NOTA: Esta função possui ambos os modos de ajuste grosso e fino.Os ajustes grossos são efetuados com a função alterar, enquanto os ajustes finos são
efetuados com o joystick.
Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.2.1 Ajustando os Parâmetros do Sensor de Feixe em Ângulo (cont.)

3. Use o joystick para escolher a função ESPESSURA, e inserir a espessura da peça de teste. A espessura de uma vara sólida deve ser inserida
como 1/2 deste diâmetro.

4. Use o joystick para escolher a função X VALUE, e inserir o valor determinado X do usuário para o sensor. Isto compensa a distância do BIP
até a frente da cunha de teste.

5. Use o joystick para escolher a função DIÂMETRO, e inserir o diâmetro externo (de 50 a 2000 mm) de uma peça de teste curva. Quando
ajustado em PLANO, a correção de curvatura não é aplicada.

NOTA: Baseado nos valores inseridos para os parâmetros de ÂNGULO DO SENSOR, ESPESSURA, VALOR X e DIÂMETRO, o instrumento opera em
cinco modos. Cada um destes modos é representado por um ícone na área de ícone na parte superior esquerda da tela. Ser Figura 6 na página 19
para a ilustração destes ícones.
Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.2.2 Indicando Coluna com Cor

A coluna no qual o refletor está encontrado pode ser visualmente indicada no display do instrumento usando cor. O ajuste da função COLOR LEG localizada
no sub-menu EVAL do menu SETUP, para ON (ligado) faz com que cada região de tempo ultrasônico ser mostrado em uma cor única.

3.3 Mostrando Resultados Medidos

O instrumento é capaz de mostrar até sete leituras medidas em uma única vez. As leituras mostradas são escolhidas usando o sub-menu EVAL localizado no
menu SETUP. Os parâmetros disponíveis para display, que dependem da configuração de instrumento e modo de avaliação, incluem o seguinte:

• A%A – Amplitude, como a % da altura de tela-cheia, do maior eco incluso na largura da Porta A

• A%B – Amplitude, como a % da altura de tela-cheia, do maior eco incluso na largura da Porta B

Nota: Quando as leituras S, D, P ou R forem mostradas, os ajustes de Modo Detecção-Porta para a porta referenciada (A ou B) é indicado por um ^ para
Modo Pico ou a / para Modo Flanco.

• SA – Distância de Caminho-Sólido ou duração, representado pelo eco mais alto ou o primeiro flanco para cruzar a Porta A

• SB – Distância de Caminho-Sólido ou duração, representado pelo eco mais alto ou o primeiro flanco para cruzar a Porta B

• SBA – Distância de Caminho-Sólido ou duração, do eco mais alto ou o primeiro flanco na Porta A até o eco na Porta B, A leitura é somente disponível se
a Porta A e Porta B forem ajustadas em ON.
Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.3 Mostrando Resultados Medidos (cont.)

• DA – Profundidade da espessura de material do lado de contato do sensor da superfície da peça teste ao refletor, representado pelo eco da Porta A.

• DB – Profundidade da espessura de material do lado de contato do sensor da superfície da peça teste ao refletor, representado pelo eco da Porta B

• LA – Número de coluna do refletor, representado por um eco da Porta A.

• LB – Número de coluna do refletor, representado por um eco da Porta B.

• PA – Distância de projeção do sensor BIP ao refletor, representado por um eco da Porta A.

• PB – Distância de projeção do sensor BIP ao refletor, representado por um eco da Porta B.

• RA – Distância de projeção do sensor BIP ao refletor, representado por um eco da Porta A, menos o VALOR-X atual.

• RA – Distância de projeção do sensor BIP ao refletor, representado por um eco da Porta B, menos o VALOR-X atual.

• A%rA – Amplitude do sinal atravessando a Porta A, como uma percentagem da amplitude de referência do EVAL MODE ativo.

• A%rB – Amplitude do sinal atravessando a Porta B, como uma percentagem da amplitude de referência do EVAL MODE ativo.

• dBrA – dB diferença de altura equivalente entre o sinal atravessando a Porta A e a altura de referência do EVAL MODE ativo.

• dBrB – dB diferença de altura equivalente entre o sinal atravessando a Porta A e a altura de referência do EVAL MODE ativo.
Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.3 Mostrando Resultados Medidos (cont.)

Nota: Resultados de referência (identificado como “r”) baseado em comportamento no EVAL MODE são como segue:

• DAC – % Amplitude ou dB comparado com o ponto de curva DAC correspondente.

• TCG – % Amplitude ou dB comparado com o nível de referência do TCG

• dB RF – % Amplitude ou dB comparado com o nível de referência

• DGS – % Amplitude ou dB comparado com a curva/tamanho escolhido

• JISDAC – % Amplitude ou dB comparado com o JIS LINE (H, M, ou L) ajustado para BOLD

• NONE – % Amplitude ou dB comparado com a altura limite da porta

• CLS – JIS CLASS (I, II, III ou IV). Disponível somente quando o modo avaliação JISDAC estiver ativo.

• ERS – Avalia o eco refletido no Modo DGS e calcula o Tamanho do Refletor Equivalente

• GT – Ganho de teste DGS, que inicializa a altura máxima da curva DGS em 80% FSH

• GR – DGS ganho de referência, que representa o ganho do instrumento no qual o pico de eco de referência atinge 80% FSH

• LED VIRTUAL – Cor da caixa de leitura altera de verde para vermelho quando o alarme da porta é disparado

• OFF – Nenhuma leitura é mostrada na caixa de leitura.


Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.3 Mostrando Resultados Medidos (cont.)

As leituras medidas podem ser mostradas no topo da tela do display em seis caixas de leitura pequenas e uma caixa de leitura grande ou em quatro caixas de
leitura grandes. Para ajustar a configuração da caixa de leitura.

1. No menu SSETUP, ativar o sub-menu RESULTS2 usando o joystick .

2. Determinar a configuração das caixas de leitura ao ajustar a função de MODO em LARGE (quatro parâmetros mostrados) ou SMALL (seis parâmetros
mostrados em caixas pequenas e um sétimo parâmetro mostrado em uma caixa grande).

3. Nos sub-menus RESULTS e RESULTS2, acesso e ajuste das funções READING 1 a READING 6 (leitura 1 a 6) para escolher o resultado desejado a
ser mostrado. Quando as leituras de tempo ou espessura são mostradas, o método de detecção escolhido para a porta é indicado com ^ (representando
PEAK) ou / (representando FLANK ou JFLANK).

NOTA: Em certas condições, enquanto estão sendo gravados os pontos de referência TCG, duas caixas de resultados de medição são automaticamente
ajustadas (se já não estiverem configuradas) para mostrar os valores AS e A%A.
Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.4 Travando a Chave de Ganho e Joystick

A chave de ganho pode ser travada de forma que ao ser pressionado não terá qualquer efeito no instrumento

1. No menu SETUP, ativar o sub-menu CONFIG2 usando o joystick .

2. Use o joystick para escolher a função intitulada dBSTEP. Pressione a função para ativar esta função.

3. Movimente o joystick para esquerda ou direita para alterar o valor de dB STEP até que a palavra LOCK (trava) apareça como valor dB STEP. A
chave de ganho é agora travada.

4. Para destravar a chave de ganho, altere o ajuste do dB STEP para qualquer valor diferente de LOCK.

5. Após efetuar sua escolha, pressione o centro do joystick para desativar esta função.

A operação do joystick é desligada ao designar para a FUNCTION1 ou FUNCTION 2 um valor de JOYSTICK LOCK (joystick travado), então pressionando
o final da Chave de Função.Quando o joystick estiver travado, o ícone Lock aparece (ver Figura 6 na página 19) aparece no display. Para destravar o joystick,
simplesmente pressione a ponta designada da Chave Função uma segunda vez.

IMPORTANTE: Quando o joystick estiver travado, a função pressionar no centro ainda funciona.
Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.5 Ajustando o Ganho

O ganhodo instrumento, que aumenta e diminui a altura do Scan-a mostrado, é ajustado com a Chave de Ganho. O ganho do instrumento pode ser ajustado
enquanto em qualquer localização de menu, exceto quando a característica dB STEP for ajustada em LOCK.

NOTA: Pressionando ambos os botões na Chave de Ganho simultaneamente ativa a função AUTO80.

3.5.1 Alterando o Incremento de Ajuste de Ganho (dB STEP)

Quando ajustando o ganho Scan-A, cada pressão na Chave de Ganho aumenta ou diminui o nível de ganho pelo incremento dB igual ao valor dB STEP.
Vários valores podem ser especificados para dB STEP, inclusive: um valor super-especificado conhecido como USER GAIN STP. Existe também um ajuste
de Chave de Ganho LOCK que previne qualquer ajuste de ganho pelo usuário. Para escolher um dos valores dB STEP existente:

1. No menu SETUP, ativar o sub-menu CONFIG2 usando o joystick .

2. Use o joystick para escolher a função intitulada dB STEP. Pressione a função para ativar esta função.

3. Movimente o joystick para esquerda ou direita para alterar o valor de dB STEP. Incrementos disponíveis incluem:
0.2 dB, 0.6 dB, 1.0 dB, 2.0 dB, 6 dB, um Passo de Ganho definido pelo usuário (caso tenha sido definido), e LOCK.

4. Após efetuar sua escolha, pressione o centro do joystick para desativar esta função.
Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.5.2 Ajustando o Passo de Ganho Definido pelo Usuário (dB STEP)

Quando ajustando o ganho Scan-A, cada pressão na Chave de Ganho aumenta ou diminui o nível de ganho pela quantidade de dB STEP. Para inserir um
passo de ganho especificado pelo usuário, conhecido como USER GAIN STEP (PASSO DE GANHO DO USUÁRIO), cumprir com os seguintes passos:

1. No menu SETUP, ativar o sub-menu CONFIG2 usando o joystick .

2. Use o joystick para escolher a função intitulado USER GAIN STEP. Pressione a função para ativar esta função.

3. Movimente o joystick para esquerda ou direita para alterar o valor do USER GAIN STEP. Este valor é agora disponível como uma opção quando
a função dB STEP for ativado.

4. Após efetuar sua escolha, pressione o centro do joystick para desativar esta função.
Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.6 Congelando o Display Scan-A

Ao usar as funções FUNCTION1 ou FUNCTION2 no menu SETUP, você pode programar uma ponta da Chave de Função para FREEZE (CONGELAR) o
display. Então, quando um Scan-A estiver ativo, pressionando o final da Chave de Função congela o display Scan-A. o Scan-a ativo permanecerá conforme
apareceu quando a chave foi pressionada e o display irá permanecer congelado até que seja novamente pressionado. Enquanto o display estiver congelado, as
leituras mostradas são baseadas nos ecos congelados.

3.7 Congelar na Porta A/Porta B

Quando esta característica for ativar, se um eco passar através da porta, a curva Scan-a será automaticamente congelada.

1. No menu CONFIG3, ativar o sub-menu FREEZE usando.

2. Movimente o joystick para escolher a funçãoAFREEZE ou a função BFREEZE, e então pressione o centro do joystick para ativar a função.

3. Movimente o joystick para esquerda ou direita para ativar/desativar esta característica.

4. Pressione o centro do joystick para salvar este ajuste.


Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.8 Modo de Avaliação DAC/TCG (Opcional)

Nota: Características de avaliação opcional, tal como DAC/TCG, são escolhidas através da função EVAL MODE no menu EVAL. As funções para o
modo de avaliação escolhida então aparece no menu ACQUIRE.

As medidas convencionais podem ser efetuadas usando os modos Ganho Corrigido de Tempo (TCG) e Correção de Amplitude de Distância (DAC). As
funções para estes modos são acessados através do menu DAC/TCG na barra de menu ACQUIRE. Os modos DAC e TCG operam baseados em um conjunto
de pontos de dados gravados pelo usuário. Estes pontos são gravados de um menu DAC/TCG conforme descrito abaixo:

O modo TCG mostra os refletores de tamanhos iguais nas amplitudes Scan-A, independente da profundidade do refletor no material de teste. Isto é obtido ai
ajustar o ganho em diferentes locais no display Scan-A, correspondente a diferentes profundidades de material, para compensar perdas de sinais (ou variações)
devido à atenuação, espalhamento de feixe ou outros fatores.

O modo DAC mostra todos os ecos em sua amplitude real, sem compensação de profundidade. Contudo, quando operando no modo DAC, uma curva de
Correção de Amplitude de Distância é sobreposta no display Scan-A. A curva representa um tamanho de refletor constante em profundidade de material
variante.
Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.9 Usando o Modo DAC (Opcional)

Quando mostrada, a curva DAC representa visualmente a linha de picos de refletor constante sobre uma variedade de profundidades de material. Lembre que
o modo DAC, o único desvio do display tradicional e operação é a aparência da curva DAC. Todos os ecos A-Scan são mostrados e sua altura não-
compensada. A curva DAC pode ser baseada em até 16 pontos de dados (profundidade de material).

A curva DAC é programada usando uma série de ecos do mesmo-refletor em várias profundidades, cobrindo a escala de profundidades a serem inspecionadas
no material de teste. Uma vez que perto de campo e o espalhamento do feixe variam de acordo com o tamanho e frequência do transdutor, e os materiais
variam em atenuação e velocidade, o DAC deve ser programado diferentemente para aplicações diferentes.

A diferença de tempo mínimo entre pontos sucessivos é 60 ns. Isto corresponde à uma distância de 0.18 mm (0.007 pol.) em uma velocidade de 5900 m/s
(.2323 pol/µs). Pontos de dados sucessivos não precisam ser progressivamente diminuídos em amplitude. Isto é, a curva DAC/TCG não precisa ter uma
inclinação descendente constantemente.
Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.9.1 Registrando a Curva DAC

Os pontos da Curva DAC são tipicamente registrados de uma norma com refletores igualmente dimensionado (furos) localizados em várias profundidades de
material. O eco primário de cada um destes pontos, para um total de até 16 ecos, é registrado. Quando o modo DAC for ativado, o instrumento mostra uma
linha que representa os picos de eco para refletores constantes em profundidades de material variantes. Esta linha é desenhada com sendo curva, linear em
ganho, linha baseada em uma série de pontos DAC coletados ou uma série de segmentos de linha reta que juntam estes pontos DAC. Somente a curva DAC
pode ser arquivada em um momento. Para programar a curva proceder como segue:

1. No menu ACQUIRE, ativar o sub-menu DAC/TCG usando o joystick .

2. Acoplar o sensor ao primeiro ponto de referência e usar a função GATE A START para ajustar a Porta A de forma que seja quebrado pelo eco primário.
Caso necessário, usar a Chave de Ganho para ajustar o ganho de forma que o ganho cruze a Porta A, e o pico mais alto na Porta A esteja a
aproximadamente 80% da altura da tela cheia. O pico mais alto não deve ser maior que 100% da altura de tela cheia.

NOTA: A função AUTO80 permitea aplicação automática de ganho para ajustar a Porta A disparando eco a 80% da altura de tela cheia.

3. Enquanto a Porta A estiver alinhada sobre o primeiro eco de referência, use o joystick para escolher a função intitulada RECORD. Pressione

o centro do joystick para ativar a função. Quando o calor da função RECORD alterar de 0 para 1, você terá gravado o primeiro ponto da Curva
DAC, que é então tratada como eco de referência. O valor da amplitude no qual este ponto é gravado se torna o valor da “amplitude de referência”.
Contudo, a “amplitude de referência” é atualizada se um novo ponto for gravado com o TOF anterior.
Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.9.1 Registrando a Curva DAC (cont.)

NOTA: Se o Modo de Detecção de Porta for ajustado em PEAK, após o primeiro ponto de referência DAC ser estocado, duas caixas de resultado de
medição são automaticamente ajustadas, caso não tenham sido configuradas, para mostrar o AS e valores A%A.

4. Repetir os passos 2 e 3 para registrar os pontos da Curva DAC adicional, até no máximo 16 pontos. No mínimo dois pontos da Curva DAC são exigidos
para definir a curva.

5. Após entrar em todos os quatro pontos, pressione o centro do joystick para desativar a função. Os dados TCG/DAC são estocados, usando a
amplitude do TOF anterior como amplitude de referência.

6. No menu SETUP, ativar a função DAC TYPE usando o joystick . Então, escolha um dos seguintes pontos:

• STRAIGHT: A curva DAC é mostrada como uma série de segmentos de linhas retas para juntar os pontos DAC estocados.

• CURVADO: A curva DAC é mostrada como uma linha curvada que é linear em ganho, baseados em pontos DAC estocados.

NOTA: Os pontos da curva DAC e status são estocados com o conjunto de dados. Quando recordados, o status da curva é o mesmo de quando foi
arquivado.
Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.9.1 Trabalhando com Modo DAC

No modo DAC o instrumento usa os pontos de referência inseridos pelo usuário para criar uma curva representando as amplitudes dos ecos representando os
refletores de mesmo tamanho e variando na profundidade de material. Os dados de pontos registrados são estocados até que repostos ou editados. Para criar a
curva DAC e operar o modo DAC:

1. Com o menu DAT/TCG acessado, escolha o sub-menu SETUP.

2. Use o menu TCG/DAC MODE para ativar a função DAC. A Curva DAC aparece quando operando no modo DAC.

3. A curva DAC pode aparecer tanto como uma série de segmentos de linha reta juntando os pontos DAC estocados ou como uma linha curvada (linear
em ganho) baseado nestes pontos. Acesse a função DAC TYPE no sub-menu SETUP para mostrar o tipo de curva DAC desejado.

NOTA: Para operar no modo TCG/DAC, uma curva DAC deve ser primeiramente ser gerada. Após a curva DAC ser gerada, o modo TCG pode ser
acessado ao ajustar o valor da função TCG/DAC ao TCG.

NOTA: Quando retificação for ajustada em RF, linhas de referência não são mostradas.
Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.10 Usando o Modo TCG (Opcional)

Quando o modo TCG opcional for usado, ecos de refletores igualmente dimensionados são mostrados na mesma altura no display do Scan-A. Antes de usar o
modo TCG fazer o seguinte:

1. Certifique-se que a combinação instrumento/sensor foi devidamente calibrado e que todos os ajustes dos instrumentos (PULSER, RECEIVER, etc.)
foram devidamente configurados. Alterando estes ajustes após os pontos de referência TCG terem sido inseridos afetará a precisão de suas medições.

2. Até 16 pontos TCG podem ser gravados, mas pelo menos dois pontos são exigidos para definir a curva. Este processo permite que o instrumento calcule
e compense os efeitos da profundidade do material na altura do eco do refletor. Dados sucessivos não possuem diminuição progressivamente em
amplitude. Ou seja, a curva DAC/TCG não precisa ter uma inclinação constantementedescendente.

3.10.1 Gerando a Curva Referência TCG

Estes pontos de referência TCG são derivados de vários pontos usados para criar a curva DAC. Os pontos são tipicamente retirados de um padrão com
refletores de dimensões iguais (furos) localizado em várias profundidades de material. O eco primário de cada um destes pontos, para um total de até 16 ecos,
é gravado. Quando o TCG estiver ativo, o instrumento compensa as diversas espessuras de material ao aplicar um nível de ganho variável aos ecos em
profundidades de material diferente da profundidade da linha base.

NOTA: Os pontos de referência TCG, e o status é arquivado com o conjunto de dados. Quando recordado, o status da curva é o mesmo de quando foi
arquivado.
Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.9.1 Trabalhando com TCG

No modo TCG o instrumento usa os pontos de referência gravados pelo usuário para calcular a quantidade de correção de ganho exigido para mostrar cada eco
de refletores de mesmo-tamanho na mesma amplitude. O dado do ponto de referência gravado é arquivado até que substituído ou editado. Para usar os pontos
de referência arquivados e operar o modo TCG:

1. Entrar no menu SETUP, e então escolher a função TCG/DAC MODE.

2. Ativar a função TCG/DAC MODE, e escolher a opção TCG.

3. Escolher a função TCG DISPLAY, e LIGAR ou DESLIGAR a característica.

NOTA: A curva TCG começa no primeiro ponto de referência gravado. Procede então horizontalmente da amplitude do primeiro ponto de referência para
a profundidade (ou seja, posição de tempo) do último ponto de referência gravado.

NOTA: Quando retificação for ajustada em RF, linhas de referência não são mostradas.
Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.11 Ajustando o DAC ou Display TCG e Adicionando Compensações

Após as curvas DAC ou TCG serem mostradas, a adição de desvios de linhas guias da linha de referência através de valores dB fixos ou variáveis fornece
capacidades de avaliação melhoradas. Similarmente, a função TRANSFER CORR aplica compensação dB para a diferença em condições de acoplamento
entre as normas conhecidas e a peça de teste.

3.11.1 Definindo DAC ou Compensações de Curva TCG (DAC/TCG-OFFSETS-MODE)

Para adicionar uma série de diretrizes, compensações da curva DAC ou TCG por incrementos dB definíveis (mas não excedendo + 24 dB da curva de
referência):

1. Acesse o sub-menu OFFSETS no menu DAC/TCG.

2. Ajustar a função MODE em FIXED para linhas de compensação espaçadas igualmente ou para CUSTOM para colocação de linha de compensação
controlada pelo usuário. Ajuste esta função para OFF para remover as linhas de compensação do display..

3. Se o MODO de compensação FIXED for escolhido, ajuste a função OFFSET em incrementos dB nos quais as linhas de compensação são traçadas
acima e abaixo da linha DAC ou TCG.

4. Se o MODO de compensação CUSTOM for escolhido, acesse o sub-menu OFFSETS2 e insira a compensação positiva e negativa no qual cada uma de
até quatro diretrizes são traçadas.
Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.11.2 Ajustando a Correção de Transferência (DAC/TCG-MAT ATTN-TRANSFER CORR)

Para ajustar as compensações dB para diferenças em acoplamento ultrassônico entre o padrão e a peça de teste:

1. Acesse o sub-meni MATA TTN no meni DAC/TCG.

2. Ajuste a função TRANSFER CORR conforme exigido para compensar as diferenças de acoplamento

NOTA: Quando TRANSFER CORR for ajustado em qualquer valor diferente de 0, o valor de ganho mostrado aparece em uma cor contrastante, indicando
que a quantia de ganho aplicada difere do ganho do “instrumento” listado.
Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.12 Editando e Deletando os Pontos de Referência DAC e TCG

Após seus pontos de referência ser gravados, eles podem ser individualmente deletados, seus valores podem ser manualmente ajustados ou novos pontos
podem ser manualmente inseridos (contanto que a quantidade não exceda 16 pontos). Para editar pontos ou inserir pontos adicionais:

1. Com o menu acessado DAC/TCG, escolha o sub-menu EDIT


2. Ativar a função do POINT e escolha o número do ponto desejado (ou NOVO se adicionando um novo ponto).
3. Ativar a função POINT POS. e ajuste (ou insira os NOVOS pontos) na posição horizontal do ponto.
4. Ativar a função POINT GAIN para ajustar (ou inserir os NOVOS pontos) o ganho aplicado (ou seja, a posição vertical) na posição horizontal do ponto.
Observe que este ajuste se aplica independente do ponto ser usado para referência TCG ou a curva DAC.
5. Ativar a função ENTER para confirmar os valores dos pontos ajustados (ou a posição de um novo ponto). A curva DAC ou a função de referência TCG
é ajustada para estar compatível com a entrada editada.
6. Para deletar qualquer ponto DAC único, pressione e segure o centro do joystick para a função POINT, POINT POS, ou POINT GAIN enquanto o ponto
a ser deletado está ativo. Quando solicitado confirmar o deletar. Observe que a primeira posição não pode ser deletada e que todas as curvas DAC
devem conter pelo menos dois pontos. Portanto, se a curva possuir somente dois pontos arquivados, nenhum deles pode ser deletado.
Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.13 Deletando a Curva DAC ou Pontos de Referência TCG

Para deletar uma curva DAC arquivada ou pontos de referência TCG arquivados:

1. Com o menu DAC/TCG ativado, escolher o sub-menu SETUP

2. Ativar a função DELETE CURVE

3. Ativar a função DELETE CURVE uma segunda vez, então confirmar sua escolha

4. O enunciado da caixa de função altera para TCG/DAC MODE OFF

3.14 Modo de Avaliação DGS

NOTA: As características de avaliação, tais como modo DCS são primeiramente escolhidas pelo usuário através da função EVAL MODE no menu EVAL.
O menu para o modo de avaliação é então disponibilizado na barra de menu ACQUIRE.

A característica de Dimensionamento de Ganho de Distância USM Go (DGS) é acessado através do menu DGS, que é localizado na barra de menu
ACQUIRE. O modo DGS permite que o usuário use um sensor particular para comparar um refletor na peça de teste com um refletor padrão conhecido. O
modo DGS depende de uma curva de referência baseado no ponto de referência gravado. O procedimento para gravação de um ponto de referência usando o
Menu DGS é descrito na página anexa.
Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.14 Modo de Avaliação DGS (cont.)

Usando o modo DGS (Distance Gain Size), você pode comparar a potência de reflexão de uma falha natural no objeto de teste com aquele da falha teórica
(por exemplo: um refletor equivalente em formato de disco, circular) na mesma profundidade.

CUIDADO! Você está comparando a potência refletora de uma falha natural com aquela de uma falha teórica. Nenhuma conclusão
definitiva pode ser definida sobre a falha natural (dureza, posição inclinada, etc.)

O diagrama DGS forma a base para esta comparação da potência refletida. O diagrama consiste de um conjunto de curvas mostrando a conexão de três
variáveis influenciando:

• Distância (D) entre o sensor e o refletor circular, em formato de disco equivalente

• Diferença no ganho (G) entre os vários refletores grandes circulares, em formato de disco equivalente e um backwall infinitamente grande

• Tamanho (S) do refletor circular, em formato de disco equivalente. A variável influenciando S permanece constante para uma curva em um conjunto

A vantagem do método DGS está no fato de você poder transportar avaliações reproduzíveis de pequenas falhas. Esta reprodutibilidade é mais importante
quando você executar um teste de aceitação.
Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.14 Modo de Avaliação DGS (cont.)

Além de influenciar as variáveis já mencionadas, estes outros fatores afetam o formato da curva:

• Atenuação de som

• Perda de transferência

• Valor de correção de amplitude

• Sensor

Também, os seguintes parâmetros do sensor afetam o formato da curva:

• Elemento ou diâmetro de cristal

• Frequência

• Comprimento do delay

• Velocidade do delay

Você pode ajustar estes parâmetros em tal forma que você pode usar o método DGS com vários sensores diferentes em vários materiais.
Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.14 Modo de Avaliação DGS (cont.)

Quando o modo DGS estiver em uso, ecos de refletores de tamanhos iguais localizados em profundidades diferentes parecem se encontrar ao longo da Curva
de Referência DGS. Quando operando em modo DGS, a Curva de Referência DGS é mostrada na tela do display. Antes de usar o modo DGS, efetuar o
seguinte:

• Calibrar a combinação instrumento/sensor

• Efetuar todos os ajustes de instrumento exigidos relacionados com o pulsador, receptor e funções de velocidade de material

O instrumento previne alterações em certos ajustes após o Eco de Referência DGS ter sido gravado em o DGS ligado.

3.14.1 Especificando um Sensor e Preparando para Gravar o Eco de Referência

Antes de usar o modo DGS para avaliar os refletores em peças de teste, as características do sensor anexado devem ser especificadas, certas características da
norma de referência devem ser inseridas, e um eco de referência deve ser arquivado. Para especificar as características do sensor:

1. Escolha o menu DGS na barra de menu ACQUIRE

2. Escolha o sub-menu SETUP, então a função PROBE #. Uma vez ativada, esta função permite escolher de uma lista de tipos de sensores disponíveis.
Estes são os sensores para os quais as características dos sensores já estão armazenados no instrumento, com a exceção de sensor definido eplo usuário
(PROBE #0).
Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.14 Especificando um Sensor e Preparando para Gravar o Eco de Referência (cont.)

Nota: A opção DGS suporta estes sensores DGS Precisos:

• MWB 45 – 2 tD

• MWB 60 – 2 tD

• MWB 70 – 2 tD

• MWB 45 – 4 tD

• MWB 60 – 4 tD

• MWB 70 – 4 tD

3. Se o tipo de sensor definido pelo usuário (PROBE #0) for escolhido, você pode então escolher a função PROBE NAME (nome do sensor). Então o uso
da Chave de Ganho e a Chave de Função para inserir o novo nome. Observe que ao escolher qualquer valor PROBE # diferente de 0 irá impedir que
você modifique o PROBE NAME ou qualquer um dos outros ajustes descritos nesta seção.
Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.14 Especificando um Sensor e Preparando para Gravar o Eco de Referência (cont.)

4. Se o tipo de sensor definido pelo usuário (PROBE #0) for escolhido, você deve escolher o sub-menu DGS PROBE e inserir as características para o
sensor conectado.

• FREQUENCYXTAL – A classe de frequência do sensor

• EFF. DIAMETER – A classe de diâmetro efetivo do elemento de teste

• DELAY VELOCITY – A velocidade da linha delay determinado pelo usuário

Nota: Estas características não podem ser alteradas para qualquer sensor diferente do PROBE #0.
Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.14.1 Registro de Eco de Referência que Define a Curva DGS

Antes de gerar a curva DGS, um padrão de teste com refletor conhecido deve ser usado para definir o ponto de referência. Padrões de teste aceitáveis incluem
estes tipos de referência:

• BW – Eco de backwall com tamanho de defeito de referência definido como infinidade

• SDH– Furo lateral perfurado com tamanho de defeito de referência definido como o diâmetro do furo

• FBH – Furo de fundo chato com tamanho de defeito de referência igual ao diâmetro facial do furo

Siga os passos para gravar um eco de referência:


1. Escolha o sub-menu RE FECHO, então a função REFERENCE TYPE. Uma vez ativada, esta função permite que você escolha um dos três tipos de
referência descritos acima, e especificar o tamanho da falha de referência padrão conhecida.
2. Acoplar o sensor ao padrão conhecido, capturar a falha de referência de forma que seu ecorefletido seja mostrado no instrumento Scan-A, e ajuste o
ponto de partida da Porta A para garantir que o eco resultante dispare a porta.
3. Ajuste a Chave de Ganho até a falha de referência Scan-A medir 80% do FSH (A%A = 80%)
4. Com o sensor acoplado ao padrão, e o eco de falha de referência capturado pela Porta A, use a função RECORD REF para arquivar um eco de
referência DGS.
Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.14.1 Registro de Eco de Referência que Define a Curva DGS (cont.)

Nota: A função AUTO 80 automaticamente ajusta o eco de disparo da Porta A em 80% da altura da tela cheia.

Nota: Somente um eco de referência DGS pode ser arquivado por vez. Para deletar a referência atualmente arquivada, acesse o sub-menu REF CORR,
escolha DELETE REF, e seguir os indicadores de tela.

Nota: Quando o eco de referência DGS for arquivado, duas caixas de resultados medidos são automaticamente ajustados, caso ainda não tenham sido
configuradas, para mostrar os valores SA e A%A.

IMPORTANTE:Os dois ajustes seguintes devem ser efetuados antes de gravar o eco de referência. Alterando estes valores após a curva DGS ser gerado
resultará na curva sendo deletada.

 REF ATTEN (encontrado no sub-menu REF CORR) – Especificar um valor de atenuação de som, em dB por polegada ou mm de espessura de
material, para o material do qual um padrão conhecido é efetuado.

 AMPL CORRECT (encontrado no sub-menu REF CORR) – Correção exigida quando usando um sensor tipo feixe de ângulo. Este valor é
especificado na folha de dados do sensor.
Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.14.2 Mostrar e Ajustar a Curva DGS

Depois do eco de referência ter sido gravado, a curva DGS é mostrada simplesmente pela seleção do sub-menu SETUP no menu DGS, então ajustando a
função DGS MODE ligado. Observe que ao desligar este valor (OFF) não deleta a curva – ele simplesmente remove a curva do display e desabilita o modo
DGS. Após a curva DGS ser mostrada, ela pode ser ajustado usando uma destas três funções:

 TEST ATTEN (encontrado no sub-menu MATA TTN) – Especificar o valor de atenuação de som, em dB por polegada ou mm de espessura de material,
para o material do qual a peça de teste foi efetuada.

 TRANSFER CORR. (encontrado no Sub-menu MATA TTN) – compensação dB para diferença nas condições de acoplamento entre a norma conhecida
e a peça de teste. Ajustando este para valores diferente de zero causa um “T” a ser adicionado ao ícone DGS e o valor de ganho mostrado para aparecer
em uma cor contrastante, indicando que a quantidade de ganho aplicado difere do ganho do instrumento listado.

 CURVA DGS (encontrado no sub-menu SETUP) – Posições da curva DGS do sensor baseado nas dimensões do refletor (falha) sendo testado. O ajuste
geralmente depende do maior tamanho de falha aceitável.
Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.14.3 Avaliando os Resultados no Modo DGS

Depois de a curva DGS ser gravada e mostrada, ao ligar o modo DGS, os ecos são automaticamente comparados à referência gravada. Existem três formas de
efetuar esta comparação e dois resultados relacionados ao DGS adicional podem ser mostrados:

 A%rA – Amplitude do sinal atravessando a Porta A como percentagem da amplitude de curva DGS correspondente.

 dBrA – dB equivalente diferença de altura entre o sinal atravessando a Porta A e a altura da curva DGS correspondente.

 ERS – Avalia o eco refletido e calcula o Tamanho de Refletor Equivalente.

 Gt – Ganho de teste DGS, que inicia a altura máxima de curva DGS em 80% FSH.

 Gr – ganho de referência DGS, que representa o ganho de instrumento no qual o pico de eco de referência atinge 80% FSH.

Para auxiliar na interpretação do display do modo DGS, o display do instrumento até quatro curvas representando ganho-fixo compensa da curva DGS. Estas
curvas são capacitadas e posicionadas, ao especificar a quantidade de dB equivalente eles são compensados acima ou abaixo da curva DGS, ao acessar o sub-
menu OFFSET no menu DGS.
Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.14.4 Mensagens de Travamento e Erro

Enquanto um eco de referência válido é gravado, nenhuma função pode ser alterada que possa causar uma avaliação DGS incorreta. Se uma tentativa for
efetuada para alterar tal função, as seguintes mensagens de erro aparecem:

 “Função Travada – Referência DGS deve ser gravada”

Da mesma forma, a avaliação DGS deve ser desligada (OFF) e o eco de referência removido quando escolhendo o novo sensor (por exemplo, para uma nova
aplicação de teste).

3.14.5 Validade do Método DGS

Avaliações de amplitude de eco de acordo com o método DGS somente são confiáveis e reproduzíveis nos casos quando:

 O eco de referência é recebido do objeto de teste caso possível. Caso isto não seja possível, deve ser verificado que o bloco de referência é efetuado do
mesmo material que o objeto de teste.

 A avaliação é executada usando o mesmo sensor que também foi usado para gravar o eco de referência. Outro sensor do mesmo tipo pode ser usado
somente após registrar o novo eco de referência.

 As amplitudes estão sujeitas à variação extremapara distâncias do refletor menores que metade do comprimento do sensor próximo-campo, por motivos
físicos devido ao fenômeno de interferência afetando a área. Desta forma, os resultados de avaliações podem flutuar mais que os usualmente permitidos
+2 dB. Uma avaliação de acordo com o método DGS é possível, mas não recomendado em tal caso.
Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.15 Modo de Avaliação dB REF

Nota: Os modos de avaliação, tais como o dB REF, são escolhidos através da função EVAL MODE no menu EVAL. O modo de avaliação escolhido então
aparece na barra de menu ACQUIRE.

Quando o dB REF for ativado, a amplitude do eco mais alto na Port-A se torna um eco de referência contra o qual as amplitudes dos ecos subsequentes são
avaliadas. No momento da ativação do dB REF, o ajuste de ganho também se torna uma referência contra o qual os valores de ganho subsequentes são
comparados.

1. Acesse o sub-menu SETUP no meno dB REF.

2. Localize o eco de referência na Porta A e ajuste o ganho conforme necessário. Então, use a função RECORD para gravar o eco de referência. A caixa de
função agora indica que a referência foi gravada. Observe também o seguinte:

 O ganho do instrumento e a amplitude do eco de referência são agora mostrados na caixa de função intitulada REFERENCE.

 O instrumento automaticamente liga a função REF MODE, conforme indicado no display.

 Desligando o MODE (colocando em OFF) permite que você desative o modo dB REF sem deletar o eco de referência

 Use a função DELETE REF para deletar a referência atual.


Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.15 Modo de Avaliação dB REF (cont.)

IMPORTANTE: Lembre que o mais alto eco na Porta A e o ajuste de GANHO, quando dB REF for escolhido, se tornam a amplitude de referência e valor
de ganho pelo tempo que o dB REF estiver ativado.

Nota: A amplitude do eco de referência não deve exceder 100% da altura da tela cheia.

Depois do dB REF ser ativado, a lista de Janela de Display de Ganho lista ambos o Ganho de Referência e níveis de Ganho Incremental.

O Ganho de Referência permanece constante através da sessão dB REF enquanto o valor do Ganho Incremental altera com a Chave de Ganho.

Depois do dB REF ser ativado, qualquer medição de amplitude é determinada em relação à amplitude do eco de referência. As leituras de amplitude
disponíveis quando operando no modo dB REF são:

 dBrA – diferença de dB entre o eco de referência e o maio eco a atravessar a Porta A.

 A%rA – Amplitude do sinal atravessando a Porta A, como percentagem da amplitude de referência.

 dBrB – diferença de dB entre o eco de referência e o maior eco a atravessar a Porta B.

 A%rB – Amplitude do sinal atravessando a Porta B, como percentagem da amplitude de referência


Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.16 Modo de Avaliação Classe de Solda AWS D1.1

Nota: Os modos de avaliação, tais como o AWS D1.1/D1.5, são escolhidos através da função EVAL MODE no menu EVAL. O modo de avaliação
escolhido então aparece na barra de menu ACQUIRE.

Este modo permite a análise se soldas de acordo com as especificações AWS D1.1 ou D1.5 e fornece uma classe D1.1 ou D1.5. O modo AWS D1.1 é
acessado através do menu ACQUIRE. O modo usa quatro variáveis especificadas-AWS, inclusive:

 A INDICATION (Indicação A) – Ganho (em dB) exigido para posicionar o pico dos ecos A-Scan do refletor medido em uma amplitude igual à
amplitude de referência (entre 10 e 90% da altura de tela cheia).

 REFERÊNCIA B (Referência B) – Ganho (em dB) exigido para posicionar um pico de eco A-Scan do refletor de referência em uma amplitude escolhida
pelo usuário (entre 10 e 90% do FSH).

 ATENUAÇÃO C (Atenuação C) – Determinada pela subtração de 1 polegada da distância da sequência-sólida até a descontinuidade, usando a equação
(unidades de polegada): C = (AS-1) x 2. Isto compensa pelas perdas de sólido da atenuação de material ao longo da sequência sólida ate a
descontinuidade.

 D D1.1 RATING (Classificação D D1.1) – Calculado baseado na fórmula AWS: D = A-B-C

Nota: Os valores dB da Indicação-A são automaticamente ajustados para estar compatível com o do B-Ref mediante a execução do cálculo de classe dB.
Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.16 Modo de Avaliação Classe de Solda AWS D1.1 (cont.)

Antes de ativar o modo de classificação de solda, certifique-se que todos os ajustes dos instrumentos estejam adequadamente ajustados para a aplicação de
medição específica. Acesse então o sub-menu AWS D1.1 no menu ACQUIRE e seguir este procedimento:

1. Encaixar o acoplamento ou acoplar o sensor em um padrão de teste de referência

2. Verificar se Porta A se aporta está posicionada sobre o eco desejado. Então ajuste o ganho até que o pico da referência desejada atinja a amplitude
desejada. Observe que se a amplitude pico (A%A) não se enquadrar entre 10% e 90% do FSH, o ponto não será aceito.

3. Use a função REFERENCE B para definir o nível dB de referência.

4. Para avaliar um refletor em uma peça de teste, acoplar o sensor à peça de teste. Agora ajuste a posição da Porta A, caso necessário, de forma que fique
sobre o eco desejado.

5. Ajuste o ganho até que o pico do eco da peça de teste atinja a altura de tela desejada.

Nota: O valor dB gravado para a Indicacão-A é automaticamente ajustada baseada na diferença de amplitude entre este e o valor gravado para B-REF.
Geralmente não estará compatível com o ajuste de ganho dB do instrumento.

6. Com o sub-menu AWS D1.1 mostrado, observe que os parâmetros A, C, e D automaticamente atualizam para estar compatível com o eco disparado da
Porta A. Use a função INDICAÇÃO A para FIXAR os parâmetros atuais. Observe que os RESULTADOS mostrados continuam a atualizar enquanto
que os parâmetros são fixados.
Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.17 Modo de Avaliação JISDAC

Nota: Os modos de avaliação, tais como o JISDAC, são escolhidos através da função EVAL MODE no menu EVAL. O modo de avaliação escolhido então
aparece na barra de menu ACQUIRE. Enquanto operando no modo JISDAC, a Porta A TOP MODE deve ser ajustada em PEAK ou JFLANK.

Medições convencionais podem ser efetuadas usando o modo Correção de Amplitude de Distância JIS (JISDAC). Este modo opera baseado em um conjunto
de pontos de dados gravados pelo usuário. Estes pontos são gravados do menu JIS/DAC, conforme descrito acima.

O display do modo JISDAC mostra todos os ecos em sua amplitude real. Todavia, quando operando no modo JISDAC, a curva de Corresção de Amplitude de
Distância é sobreposta no display Scan-A. A curva representa um tamanho de refletor constante em profundidade de material variável.

Quando mostrada, a curva JISDA visualmente representa uma linha de picos de refletor constante sobre uma variedade de profundidades de material. Lembrar
que no modo JISDAC, a única variação do display tradicional e operação é a aparência da curva JISDAC e uma série de curvas OFFSET. Todos os ecos Scan-
A são mostrados na sua altura não compensada. A curva JISDAC pode ser baseada em até 15 pontos de dados (ou seja, profundidades de material). Uma curva
JISDAC é programada usando uma série de ecos do mesmo refletor em várias profundidades, cobrindo a variedade de profundidades a ser inspecionado no
material de teste. Uma vez que perto da fonte e dispersão do feixe variam de acordo com o tamanho do transdutor e frequência, e os materiais variam na
atenuação e velocidade, JISDAC deve ser programado diferentemente para diferentes aplicações.

A variação dinâmica doa função JISDAC é 60 dB, e a inclinação Ca curva máxima é 12 dB por micro-segundo. Pontos de dados sucessivos não precisam
progressivamente diminuir na amplitude. Isto é, a curva JISDAC não precisa ter uma inclinação constantemente descendente.
Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.17.1 Gravando uma Curva JISDAC

Os pontos da Curva JISDAC são tipicamente obtidos da norma com refletores igualmente dimensionados (furos) localizados em várias profundidades do
material. O eco primário de cada um destes pontos, para um total de até 15 ecos, é gravado. Quando o JISDAC está ativo, o instrumento mostra uma linha que
representa picos de eco para refletores constantes em profundidade de material variando. Esta linha é traçada como sendo uma linha curva (linear em ganho)
em uma série de pontos JISDAC coletados ou uma série de segmentos de linha retos que unem estes pontos JISDAC. Somente uma curva JISDAC pode ser
arquivada em cada momento. Para programar a Curva JISDAC.

1. Acesse o menu JISDAC e escolha o sub-menu RECORD (gravar)

2. Acoplar o sensor ao primeiro ponto de referência e ajustar a Curva A de forma que seja desmembrado pelo eco primário. Caso necessário, use a
Chave de Ganho para ajustar o ganho de forma que o eco atravesse a Porta A e o pico maior na Porta A seja de aproximadamente 80% da altura da
tela cheia. O pico maio não deve ser maior que 100% da altura de tela cheia.

Nota: A função AUTO 80 automaticamente ajusta o ganho para ajustar a Porta A disparando eco a 80% da altura de tela completa. Caso desejado, escolha
a função AUTO 80 no sub-menu RECORD.

3. Enquanto a Porta está alinhada sobre o primeiro eco de referência, ativar a função RECORD. Quando o valor FDA função RECORD alterar de 0 para
1, você terá gravado a primeira Curva JISDAC. Observe que o primeiro ponto JISDAC é tratado como o eco de referência. O valor da amplitude em
que o ponto é gravado se torna o valor da “amplitude de referência”.
Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.17.1 Gravando uma Curva JISDAC

Nota: Quando o primeiro ponto de referência JISDAC é arquivado, duas caixas de resultado de medição serão automaticamente ajustados (se ainda não
estiverem configurados) para mostrar os valores AS e A%A.

4. Continue a registrar os pontos da curva adicional, até no máximo 15 pontos (observe que pelo menos dois pontos da Curva JISDAC são necessários).

5. Quando todos os seus pontos tiverem sido inseridos, escolha a função FINISH (acabar).

3.17.2 Trabalhando com JISDAC

No modo JISDAC, o instrumento usa os pontos de referência inseridos pelo usuário para criar uma curva representando a amplitude dos ecos representando os
refletores do mesmo tamanho em profundidades de material variáveis. Para ligar ou desligar o modo de avaliação JISDAC:

1. Com o menu JISDAC acessado, escolha o sub-menu SETUP.

2. Use a função JISDAC para escolher entre LIGAR ou DESLIGAR. O curva JISDAC é mostrada quando a característica for LIGADA.
Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.17.2.a Interpretando as Linhas JISDAC e Classes

O displayJISDAC contem uma linha de referência gravada e cinco linhas compensadas. Três das linhas são marcadas como segue:

 H Line – Conecta os pontos de referência gravados.

 M Line – Compensado fixado posicionado 6 dB abaixo da linha H

 L Line – Compensado fixado posicionado 12 dB abaixo da linha H

Qualquer uma destas três linhas pode ser identificada como referências do qual as medições são baseadas (ver a função BOLD LINE abaixo). Além disso, as
três linhas compensadas remanescentes são traçadas em 6, 12 e 18 dB acima da linha H.

As regiões do display Scan-A limitadas pelas linhas H, M e L são identificadas com os números Classe JIS. Estes números de identificação podem também ser
mostrados como resultados. O CLS relata a região que contém o pico do eco disparado da Porta A.
Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.17.2.b Definindo uma Referência de Medição BOLD LINE (JISDAC-SETUP-BOLD LINE)

A referência de medição definida pelo usuário é selecionada como segue:

1. Acesse o sub-menu SETUP no menu JISDAC.

2. Uso da função BOLD LINE (linha negrito) para escolher a Linha H, M ou L.

3. Observe que a linha escolhida é agora mostrada em negrito no display Scan-A. A linha agora serve como nível de referência do qual serão efetuadas
todas as medições de referência (tais como A%A ou dBrB).

3.17.2.c Definindo uma Correção de TRANSFERÊNCIA – TRANSFER CORR (JISDAC-MAT ATTN-TRANSFER-CORR)

A função TRANSFER CORR aplica compensação dB para a diferença nas condições de acoplamento entre a norma conhecida e a peça de teste.

1. Acesse o sub-menu MAT ATTN no menu JISDAC

2. Ajuste a função TRANSFER CORR conforme necessário para compensar pelas diferenças de acoplamento

Nota: QuandoTRANSFER CORR for ajustada em qualquer valor diferente de 0, o ganho mostrado aparece em uma cor contrastante, indicando que a
quantidade do ganho aplicado difere do ganho do “instrumento”listado.
Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.17.3 Deletando a Curva JISDAC

Para deletar uma curva JISDAC armazenada:

1. Com o menu JISDAC ativado, escolha o sub-menu SETUP

2. Ativar a função DELETE CURVE (deletar a curva) e então confirmar sua seleção.

3. A entrada da caixa de função JISDAC altera para DESLIGADO


Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.18 Atenuação de Eco Backwall

A opção de Atenuação de Eco Backwall permite que o operador ajuste um ganho separado para a variação da porta da porta B. Este ganho é independente do
ganho para o resto da variação do teste. A Atenuação de Eco Backwall, portanto permite uma atenuação seletiva ou pico dos ecos em uma porta B. Um caso
de aplicação típica para a Atenuação de Eco Backwall é forjar testes. No caso de aplicação, o ganho é reduzido em porta B até o eco de backwall ser
completamente mostrado em scan-A. O usuário pode então seletivamente integrar o backwall eco em uma avaliação de falha.

Figura 15: Atenuação de Eco Backwall


Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.18 Atenuação de Eco Backwall (cont.)

Contudo, a opção de Atenuação de Eco Backwall também permite sistematicamente aumentar o ganho. Desta forma, o operador pode, por exemplo, somente
aumentar o ganho dentro da variação de expectativa de falha de forma subir ao máximo o eco nesta variação.

Nota:A Atenuação de Eco Backwall não possui efeito na avaliação dos ecos na porta B. A avaliação de eco continua a referir-se aos sinais medidos
efetivamente. Todas as outras funções relacionadas-porta, tais como alarme de porta ou designação TTL permanecem inalteradas também.
Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.18.1 BEA

1. No menu CONFIG3, ativar o sub-menu BEA.

2. Use o joystick para escolher a função BEA, e então pressione o centro do joystick para ativar a função.

3. Movimente o joystick para esquerda/direita para ligar/desligar a opção BEA.

4. Pressione o centro do joystick novamente para salvar o ajuste.

Figura 16: Menu CONFIG3 com BEA ativado


Capítulo 3. Efetuando as Medições

3.18.2 Ganho BW

Você pode ajustar um ganho separado para ecos na porta B nesta função. O ganho pode ser localizado ambos acima ou abaixo do ganho no resto da variação
de teste. A variação de ajuste para este ganho é entre 0.0 e 110.0 dB.

1. No menu CONFIG3, ativar o sub-menu BEA.

2. Use o joystick para escolher a função BW GAIN e e então pressione o centro do joystick para ativar a função.

3. Movimente o joystick para esquerda/direita para ajustar o ganho para a porta B.

4. Pressione o centro do joystick novamente para salvar o ajuste.


Capítulo 4. Conjuntos de Dados e Relatórios

Capítulo 4. Conjuntos de Dados e Relatórios


O USM Go pode armazenar arquivos de conjuntos de dados e gerar relatórios. Para efetuar estas funções, veja a Figura 17 abaixo e procede com este capítulo.

MEMO/HDR HEADER EDIT Usado para criar ou editar um cabeçalho que foi incluso no relatório
MEMO EDIT Usado para criar ou editar um memorando que foi incluso no conjunto de dados do arquivo ou relatório
VELOCIDADE Usado para especificar se um memorando existente foi incluso em um relatório
DELAY DISPLAY Usado para especificar se um cabeçalho existente foi incluso em um relatório

FILENAME FILENAME Usado para criar um novo nome de arquivo ou para escolher um nome de arquivo existente
AÇÃO Usado para armazenar, restaurar ou deletar um arquivo de conjunto de dados ou um relatório

RELATÓRIO PARAM NO RELATÓRIO Usado para armazenar os parâmetros do instrumento ativo no relatório
IMAGEM NO RELATÓRIO Usado para armazenar o display Scan-A atual em um relatório como uma arquivo de imagem

Figura 17: O Menu de ARQUIVOS


Capítulo 4. Conjuntos de Dados e Relatórios

4.1 O Menu de ARQUIVOS (FILES)

Para acessar o menu de ARQUIVOS e escolher a função desejada, referir-se à Figura 17 na página 131 e completar os seguintes passos:

1. No menu SETUP, ativar o sub-menu FILES usando o joystick .

2. Use o joystick para escolher a função intitulada ACTION. Pressione o centro do joystick para ativar a função.

3. Movimentar o joystick para esquerda ou direita para escolher as seguintes ações:

 STORE DATASET– ver “Armazenando um Novo Arquivo de Conjunto de Dados” na página 133

 RECALL DATASET– ver “Restaurando um Arquivo de Conjunto de Dados” na página 135

 DELETE DATASET– ver “Deletando um Arquivo de Conjunto de Dados” na página 136

 STORE REPORT– ver “Armazenando um Relatório” na página 145

 FAST REPORT– ver “Relatório Rápido” na página 146

4. Após efetuar sua escolha, pressione o centro do joystick para desativar a função.
Capítulo 4. Conjuntos de Dados e Relatórios

4.2 Trabalhando com Arquivos de Conjuntos de Dados

Osatuais ajustes do instrumento, que incluem a maioria dos ajustes funcionais, podem ser armazenados como arquivo de conjunto de dados. Quando um
arquivo de conjunto de dados armazenado for restaurado posteriormente, todos os ajustes da função são modificados para estar compatível com aqueles
contidos no arquivo de conjunto de dados. Também, se o scan-A foi armazenado no arquivo de conjunto de dados, ele é mostrado ou congelado na tela do
display. Após o conjunto de dados ser restaurado, um novo conjunto funcional novamente ativo pode então ser modificado, caso desejado. Para efetuar as
operações do conjunto de dados:

Após um arquivo de conjunto de dados ser restaurado, os ajustes do instrumento podem ser modificados, mas estas alterações somente afetam o arquivo de
conjunto de dados armazenado se o novo conjunto for armazenado com o mesmo nome de arquivo como o arquivo de conjunto de dados original.

Nota:Os arquivos de conjunto de dados USM Go podem ser reconhecidos pela extensão “.UGO” nos nomes dos arquivos.

4.2.1 Armazenando um Novo Arquivo de Conjunto de Dados

Depois de selecionar a ação STORE DATASET (ver “O Menu ARQUIVOS” NA PÁGINA 132), prosseguir para a seção apropriada na página seguinte para
criar um novo nome de arquivo ou escolher um nome de arquivo existente.
Capítulo 4. Conjuntos de Dados e Relatórios

4.2.1b Modo de Seleção de Arquivo

1. Use o joystick para escolher a função intitulada FILENAME. Pressione o centro do joystick para ativar a função no modo Nomeando
Arquivo.

2. Movimente o joystick para cima ou para baixo para escolher o nome do arquivo desejado. Então movimente o

3. Pressione o centro do joystick para desativar a função

4.2.1a Modo de Seleção de Arquivo

1. Use o joystick para escolher a função intitulada FILENAME. Pressione o centro do joystick para ativar a função no modo Escolha de
Arquivo.

2. Movimente o joystick para cima ou para baixo para escolher o primeiro caractere no nome do arquivo desejado. Então movimentar o

joystick para esquerda ou direita para movimentar o cursor para outra posição de caractere na cadeia de caracteres. Repita o processo até que
você tenha inserido todo o nome do arquivo.

3. Pressione o centro do joystick para desativar a função.


Capítulo 4. Conjuntos de Dados e Relatórios

4.2.2 Restaurando um Arquivo de Conjunto de Dados

Depois de escolher a ação RECALL DATASET (ver “Menu ARQUIVOS”na página 132), e continuar como segue:

1. Use o joystick para escolher a função intitulada FILENAME. Pressione o centro do joystick para ativar a função no modo Escolha de
Arquivo.

2. Depois de uma lista de arquivos de conjunto de dados no cartão SD ser mostrado, movimente o joystick para cima e para baixo para escolher
o nome do arquivo de conjunto de dados de uma lista.

3. Após escolher no nome do arquivo de conjunto de dados, Pressione o centro do joystick para desativar a função.
Capítulo 4. Conjuntos de Dados e Relatórios

4.2.3 Deletando um Arquivo de Conjunto de Dados

Depois de escolher a ação DELETE DATASET (ver “Menu ARQUIVOS”na página 132), e continuar como segue:

1. Use o joystick para escolher a função intitulada FILENAME. Pressione o centro do joystick para ativar a função no modo Escolha de
Arquivo.

2. Movimente o joystick para cima ou para baixo para escolher o primeiro caractere no nome do arquivo desejado. Então movimentar o

joystick para esquerda ou direita para movimentar o cursor para outra posição de caractere na cadeia de caracteres.

3. Repetir o passo 2 até você ter inserido todo o nome do arquivo. Então pressione o centro do joystick para desativar a função.
Capítulo 4. Conjuntos de Dados e Relatórios

4.2.4 Editando um Arquivo de Conjunto de Dados

Editando um arquivo de conjunto de dados existente, exige uma simples combinação de procedimentos descritos nas seções anteriores:

1. Restaurar o arquivo de conjunto de dados que você deseja editar (ver “Restaurando o Arquivo de Conjunto de Dados” na página 135).

2. Usando os métodos descritos nos capítulos anteriores, modifique as configurações funcionais ativas conforme desejado.

3. Armazenar as configurações modificadas como um arquivo de conjunto de dados (ver “Armazenando um Novo Arquivo de Conjunto de Dados” na
página 133). Quando escolhendo um nome de arquivo, sobreponha o arquivo de conjunto de dados original ao escolher o mesmo nome do arquivo para
conjuntos modificados.
Capítulo 4. Conjuntos de Dados e Relatórios

4.3 Criando um Memorando (Smart Notes)

O USM Go coloca uma pasta, “MEMO”, no diretório de trabalho atual. O usuário pode carregar o arquivo de texto desta pasta. Além disso, o usuário pode
criar um novo arquivo de texto memorando e salvar o arquivo nesta pasta, para edição futura no PC. Cada arquivo contêm 5 linhas e cada linha contêm 32
caracteres.
Memorandos também podem ser anexados aos Arquivos de Conjuntos de Dados no momento que os arquivos ao armazenados ou para Relatórios no momento
em que são gerados. Após o arquivo ser armazenado, o memorando anexado pode ser modificado. Para criar e editar um memorando:

1. No menu SETUP, ativar o sub-menu de ARQUIVOS usando ojoystick

2. Use o joystick para escolher a função intitulada MEMO EDIT. Pressione o centro do joystick para desativar a função.

3. Use o joystick para procurar no cartão SD e escolher um arquivo de texto memo.

4. Escolha NEW MEMO, e pressione o centro do joystick para criar um novo arquivo de texto memo.

5. Use o joystick para inserir o nome do arquivo de texto memorando.

6. Movimente o joystick para esquerda/direita para movimentar a posição do cursor e para cima/baixo para alterar o caractere.
Capítulo 4. Conjuntos de Dados e Relatórios

4.3 Criando um Memorando (Smart Notes) (cont.)

7. Uma vez inserido o nome do arquivo, pressione o centro do joystick para inserir o modo Edit. Um arquivo memorando vazio é criado. Agora o usuário
pode modificar o conteúdo.

8. Para modificar o conteúdo, movimento o joystick para esquerda/direita para movimentar a posição do cursor e para cima/baixo para
alterar o caractere

9. Pressione o centro do joystick novamente para sair do modo Edit. Então, pressione o centro do joystick para desativar a função.

Para editar um arquivo memorando existente:

10. Movimente o joystick para cima/baixo para escolher um arquivo de texto memorando armazenado.

11. Pressione o centro do joystick para entrar no modo de edição. O conteúdo do arquivo de texto memo escolhido aparece na tela.

12. Para modificar o conteúdo, movimento o joystick da esquerda/direita para movimentar a posição do cursor e para cima/baixo para
alterar o caractere.

13. Pressione o centro do joystick novamente para sair do modo Edit. A modificação será salva automaticamente, e o nome do arquivo de texto memo
escolhido aparece na tela.

14. Pressione o centro do joystick para desativar a função.


Capítulo 4. Conjuntos de Dados e Relatórios

4.4 Incluindo um Memorando em um Relatório

Depois de criar um memorando, você pode especificar se o memorando é incluso em um relatório. Para adicionar ou remover um memorando de um relatório:

1. No menu SETUP, ativar o sub-menu FILES usando o joystick

2. Use o joystick para escolher a função intitulada MEMO IN REPORT. Pressione o centro do joystick para ativar a função.

3. Movimento o joystick da esquerda/direita para escolher uma das seguintes opções:

 YES – o memorando é incluso com um relatório

 NÃO - o memorando não foi incluso com o relatório

4. Após efetuar sua escolha, pressione o centro do joystick para desativar a função.
Capítulo 4. Conjuntos de Dados e Relatórios

4.5 Criando um Cabeçalho de Relatório

O USM Go coloca uma pasta, “MEMO”, no diretório de trabalho atual. O usuário pode carregar o arquivo de texto memorando a partir desta pasta. Além
disso, o usuário pode criar um novo arquivo de texto memorando e salvar o arquivo nesta pasta, para futura edição no PC. Cada arquivo contêm 5 linhas e
cada linha possui 31 caracteres. Memorandos podem ser anexados aos Arquivos de Conjuntos de Dados no momento em que os arquivos forem armazenados
ou aos Relatórios no momento que forem gerados. Depois de o arquivo ser estocado, o memorando anexado pode ser modificado.

Cabeçalhos de Relatórios são anexados para os arquivos de conjuntos de dados no momento em que os arquivos são armazenados. Depois de o arquivo ser
armazenado, o Cabeçalho do Relatórioanexado pode ser editado. Para criar ou editar um Cabeçalho do Relatório:

1. No menu SETUP, ativar o sub-menu FILES usando o joystick

2. Use o joystick para escolher a função intitulada HEADER EDIT. Pressione o centro do joystick para ativar a função.

3. Uma área de texto para o cabeçalho está agora disponível no display, com o cursor posicionado para o primeiro caractere. Movimente o joystick para

cima ou para baixo para inserir o primeiro caractere no cabeçalho. Então, movimento o joystick para movimentar o cursos para uma
posição de caractere diferente na cadeia de caracteres.

4. Repetir o passo 3 até que você tenha inserido todo o cabeçalho (nove caracteres no máximo). Então pressione o centro do joystick para desativar
a função.
Capítulo 4. Conjuntos de Dados e Relatórios

4.6 Incluindo um Cabeçalho em um Relatório

Depois de criar um cabeçalho, você pode especificar se o cabeçalho deverá ser incluso em um relatório. Para adicionar ou remover um cabeçalho de um
relatório:

1. No menu SETUP, ativar o sub-menu FILES usando o joystick

2. Use o joystick para escolher a função intitulada HEADER IN REPORT. Pressione o centro do joystick para ativar a função.

3. Movimento o joystick da esquerda/direita para escolher uma das seguintes opções:

 YES – o memorando é incluso com um relatório

 NÃO – o memorando não foi incluso com o relatório

4. Após efetuar sua escolha, pressione o centro do joystick para desativar a função.
Capítulo 4. Conjuntos de Dados e Relatórios

4.7 Criando um Relatório

IMPORTANTE: Antes de proceder certifique-se que um cartão SD seja instalado no instrumento (ver “Usando o Slot SD, Conector USB & Conector I/O”
na página 14).

Um relatório, com comentários especificado pelo usuário, pode ser gerado e estocado no cartão SD do USM Go. As seguintes características do arquivo de
conjunto de dados ativos podem ser omitidas ou inclusas no relatório:

 Cabeçalho (usar a função HDR IN REPORT)

 Memorando (usar a função MEMO IN REPORT)

 Uma Imagem Scan-A (usar a função IMAGE IN REPORT)

 Parâmetros do instrumento (usar a função PARAM IN REPORT)

Depois de configurar o relatório conforme desejado, prosseguir para a próxima página para armazenar o relatório.
Capítulo 4. Conjuntos de Dados e Relatórios

4.8 Armazenando o Relatório

Para armazenar o relatório especificado na seção anterior:

Nota: Se você tiver escolhido para armazenar uma imagem Scan-A com o relatório, a imagem será armazenada como um arquivo JPG.

1. Use o joystick para escolher a função intitulada FILENAME. Pressione o centro do joystick para ativar a função.

2. Movimente o joystick para cima ou para baixo para escolher o primeiro caractere no nome do arquivo desejado. Então movimentar o

joystick para esquerda ou direita para movimentar o cursor para outra posição de caractere na cadeia de caracteres.

3. Repetir o passo 2 até você ter inserido todo o nome do arquivo. Então pressione o centro do joystick para desativar a função.

4. Se você ainda não tiver efetuado, designar a função COPY para um dos botões da Chave de Função (ver “Definindo as Ações da Chave de Função” na
página 47). Seu relatório pode agora ser salvo ao pressionar o botão da chave designada, quando você estiver no Modo de Aquisição e o cursor estiver
na barra de menu ou o display tela-cheia está ativo.
Capítulo 4. Conjuntos de Dados e Relatórios

4.9 Relatório Rápido

A opção de Relatório Rápido efetua a mesma função básica que a opção Armazenar Relatório. A diferença é que, se você salvar a imagem da tela Scan-A
junto co o relatório, a imagem é salva como um arquivo bitmap. Isto permite que você salve significantemente mais rápidoa operação a ser completada, mas
você deve estar ciente que algumas impressoras de cartão SD podem não reconhecer os arquivos bitmap. Para usar a opção Relatório Rápido:

1. Use o joystick para escolher a função intitulada FILENAME. Pressione o centro do joystick para ativar a função.

2. Movimente o joystick para cima ou para baixo para escolher o primeiro caractere no nome do arquivo desejado. Então movimentar o

joystick para esquerda ou direita para movimentar o cursor para outra posição de caractere na cadeia de caracteres.

3. Repetir o passo 2 até você ter inserido todo o nome do arquivo. Então pressione o centro do joystick para desativar a função.

4. Se você ainda não tiver efetuado, designar a função COPY para um dos botões da Chave de Função (ver “Definindo as Ações da Chave de Função” na
página 47). Seu relatório pode agora ser salvo ao pressionar o botão da chave designada, quando você estiver no Modo de Aquisição e o cursor estiver
na barra de menu ou o display tela-cheia está ativo.
Capítulo 4. Conjuntos de Dados e Relatórios

4.10 Resumo de Parâmetros

O usuário pode procurar todas as configurações de parâmetros no relatório de resumo.

1. No menu FILE, ativar o sub-menu REPORT.

2. Usar o joystick para escolher a função de PARAMETERS SUMMARY, e então pressione o centro do joystick para desativar a função.

3. Todos os parâmetros são listados na tela. Movimente o joystick para cima ou para baixo para ver outras páginas.

4. Pressione a chave da Função 2 que armazena o relatório ao cartão SD.


Capítulo 5. Arquivos Gravados de Dados

Capítulo 5. Arquivo de Gravação de Dados


A função do menuGravador de Dados (DR) é mostrada na Figura 18 abaixo.

Figura 18: O Menu DR


Capítulo 5. Arquivos Gravados de Dados

5.1 Nomeando o Arquivo de Gravação de Dados

No menu SETUP, use o joystick para para ativar o menu DR (ver Figura 18 na página 147). Então, proceder com a seção apropriada abaixo e criar um
novo nome de arquivo ou escolher um nome de arquivo.

5.1.1 Modo de Escolha de Arquivo

1. Use o joystick para escolher a função intitulada FILENAME no sub-menu DR SETUP. Pressione o centro do joystick uma vez para
ativar a função no modo Escolha de Arquivo.

2. Movimente o joystick para cima ou para baixo para escolher o nome do arquivo desejado a partir da lista de arquivos do cartão SD.

3. Pressione o centro do joystick para desativar a função.


Capítulo 5. Arquivos Gravados de Dados

5.1.2 Modo de Nomeação de Arquivos

1. Use o joystick para escolher a função intitulada FILENAME no sub-menu DR SETUP. Pressione o centro do joystick duas vezes para
ativar a função no modo Nomeando Arquivo.

2. Movimente o joystick para cima ou para baixo para escolher o primeiro caractere no nome do arquivo desejado. Então movimento o joystick

para esquerda ou direita para movimentar o cursor para outra posição de caractere na cadeia de caracteres. Repita o processo até você ter inserido
todo o nome do arquivo.

3. Pressione o centro do joystick para desativar a função.


Capítulo 5. Arquivos Gravados de Dados

5.2 Configurando o Arquivo de Gravação de Dados

Depois de inserir o nome do arquivo de dados gravado, os seguintes parâmetros devem ser especificados:

 TOP– as coordenadas da primeira célula no arquivo, usando um número da fila e letra da coluna (por exemplo 1A)

 BOTTOM– as coordenadas da última célula no arquivo, usando um número da fila e letra da coluna (por exemplo 10B)

 ADV DIRECTION– especifica a direção (BAIXO ou DIREITA) no qual o DR avança após cada leitura de espessura ser gravada.

Use os métodos de joystick usuais para escolher cada uma das funções e programe os valores desejados.

5.3 Criando o Arquivo de Gravação de Dados

1. Após nomear e configurar o arquivo DR, use o joystick para escolher a função intitulada CREATE.

2. Pressione o centro do joystick para criar e ativar o arquivo DR que usa suas seleções anteriores.

IMPORTANTE: Após o arquivo DR ser criado, os parâmetros TOPeBOTTOMnão podem ser alterados. De fato, estas funções são colocadas no menu
com listagens do NUM OF COLSe NUM OF ROWS, respectivamente.
Capítulo 5. Arquivos Gravados de Dados

5.4 Visualizando o Arquivo de Gravação de Dados

Para visualizar o arquivo DR que você tiver ativado você deve completar os seguintes passos:

1. No menu SETUP, ativar o sub-menu DR usando o joystick .

2. Use o joystick para escolher a função intitulada DR VIEW. Então pressione o centro do joystick para ativar a função.

3. Movimente o joystick para esquerda ou direita para escolher a opção LIGADA. Então pressione o centro do joystick para desativar a
função.

4. Pressione e segure o centro do joystick para transferir para o Menu Acquire.

5. Quando no Modo Acquire, pressione ocentro do joystick entrar no modo de display de tela cheia.

Conforme mostrado na Figura 19 na página 152, o arquivo DR é mostrado no lado direito da tela de display.
Capítulo 5. Arquivos Gravados de Dados

5.4 Visualizando o Arquivo de Gravação de Dados (cont.)

Figura 19: O Display do Arquivo DR


Capítulo 5. Arquivos Gravados de Dados

5.4 Usando o Arquivo de Gravação de Dados

5.5.1 Adicionando Dados e Imagens Scan-A à Célula

Quando o arquivo DR for mostrado (ver Figura 19 na página 152), o nome do arquivo DR é mostrado no topo da rede e a célula atualmente escolhida é
destacada. Para adicionar dados ou dados mais imagem Scan-A à célula, proceder como segue:

IMPORTANTE: Você deve deletar qualquer dado existente da célula antes de usar duas funções SEND descritas abaixo.

 Movimente o joystick conforme exigido para destacar qualquer célula desejada na rede.

 Use a Função 1 na ponta da chave de função para enviar os dados da espessura atual para a célula destacada.

 Use a Função 2na ponta da chave de função para enviaros dados da espessura atual e a imagem A-Scan para a célula destacada.

Nota: Uma sinalização no canto esquerdo superior da célula (ver Figura 19 na página 152) indica que a imagem Scan-A foi anexada aos dados.

 Pressione ambas as pontas da chave de função simultaneamente para deletar o conteúdo da célula destacada.

Nota: No modo DR, as chaves de função se comportam conforme descrito abaixo, independente de quaisquer ações definidas pelo usuário. Contudo, se as
funções HOLD definidas pelo usuário tiverem sido designadas a estas chaves, tais funções ainda estão disponíveis.
Capítulo 5. Arquivos Gravados de Dados

5.5.2 Visualização de Imagens Scan-A em uma Célula

Quando você escolher uma célula no arquivo DR que possui uma imagem Scan-A anexada, a imagem anexada é carregada e o instrumento mostra uma
visualização congelada da imagem salva com as posições da porta correspondente (ver Figura 20 na página 155).

Enquanto uma imagem Scan-A for mostrada, um novo dado é tomado até que seja retomada a entrada de dados ao vivo através de uma das seguintes ações:

 Remova ambos os dados armazenados e a imagem Scan-A anexada da célula escolhida

 Navegue para uma célula vazia

Assim que uma das ações acima for tomada, o instrumento descongela e retoma coletando dados de uma forma especificada pela configuração de
configuração atual.
Capítulo 5. Arquivos Gravados de Dados

5.5.2 Visualização de Imagens Scan-A na Célula (cont.)

Figura 20: Imagem Scan-A Congelada Anexada à Célula Escolhida


Capítulo 5. Arquivos Gravados de Dados

5.6 Arquivos Gravados de Vídeo Livre

5.6.1 Fonte e Destinação Temporária Gravada de Vídeo

O usuário pode ajustar a fonte e destinação do arquivo temporário de gravação de vídeo. As opções são memória e cartão SD. Se a memória for escolhida, a
frequência de gravação é 50 Hz. Se o cartão SD for escolhido, a frequência de gravação é 10 Hz.

1. No menu FILE, ativar o sub-menu VIDEO

2. Use o joystick para escolher a função SOURCE/DEST, e então pressione o centro do joystick para ativar a função.

3. Movimente o joystick para escolher MEMORY ou SD CARD.

4. Pressione e segure o centro do joystick para salvar o ajuste.


Capítulo 5. Arquivos Gravados de Dados

5.6.2 Modo de Gravação de Vídeo

O usuário pode escolher dois modos diferentes, RECORD e REPLAY, para gravação de vídeo ao vivo.

1. No menu FILE, ativar o sub-menu VIDEO

2. Use o joystick para escolher a função MODE, e então pressione o centro do joystick para ativar a função.

3. Movimente o joystick para escolher RECORD ou REPLAY.

4. Pressione o centro do joystick para salvar o ajuste.


Capítulo 5. Arquivos Gravados de Dados

5.6.3 Nome do Arquivo da Gravação de Vídeo

Quando no modo gravar, o usuário pode escolher o arquivo existente no Cartão SD ou inserir um novo nome de arquivo. Quando no modo replay, o usuário
somente pode escolher um arquivo existente no cartão SD.

5.6.3a Modo Gravação

1. No menu FILE, ativar o sub-menu VIDEO

2. Use o joystick para escolher a função FILENAME, e então pressione o centro do joystick para ativar a função.

3. Movimente o joystick para cima/baixo para escolher o arquivo existente no cartão SD.

4. Quando o nome do arquivo mostrar “<NEW FILE>”, pressione o centro do joystick para inserir um novo nome de arquivo.

5. Quando um arquivo existente for escolhido, pressione o centro do joystick para modificar o nome de arquivo.

6. Pressione o centro do joystick para salvar o ajuste.


Capítulo 5. Arquivos Gravados de Dados

5.6.3b Modo Repetir

1. No menu FILE, ativar o sub-menu VIDEO

2. Use o joystick para escolher a função FILENAME, e então pressione o centro do joystick para ativar a função.

3. Movimente o joystick para cima/baixo para escolher o arquivo existente no cartão SD.

4. Pressione o centro do joystick para salvar o ajuste.


Capítulo 5. Arquivos Gravados de Dados

5.6.4 Modo do Arquivo da Gravação de Vídeo ao Vivo

Insira o Modo de Gravação

1. No arquivo MENU, ativar o sub-menu VIDEO

2. Ajuste o MODE como RECORD e FILENAME

3. Use o joystick para escolher a função ENTER e então pressioneo centro do joystick para gravar o modo.

Começar/Parar uma Gravação

1. No arquivo RECORD, use o joystick para escolher a função RECORD

2. Movimente o joystick para esquerda/direita para começar ou parar a gravação.

Durante a gravação, o usuário pode alterar somente o valor do ganho e porta. Todas as referidas alterações serão salvas no mesmo momento.

Interromper uma Gravação

1. No menu RECORD, use o joystick para escolher a função STOP

2. Movimente o joystick esquerda/direita para sair do modo RECORD.


Capítulo 5. Arquivos Gravados de Dados

Adicionar Sinalização

O arquivo de gravação de vídeo ao vivo suporta a apresentação de sinalização. O usuário pode ajustar uma sinalização durante a gravação. Então quando
reproduzindo um arquivo gravado, o usuário pode obter diretamente o enquadramento de sinalização.

1. No menu RECORD, use o joystick para escolher a função FLAG durante a gravação.

2. Movimente o joystick para ajustar o enquadramento da sinalização atual.

Sair do Modo Gravação

1. Movimente o joystick para escolher a barra de menu.

2. Pressione o centro do joystick para sair do modo RECORD.


Capítulo 5. Arquivos Gravados de Dados

5.6.5 Adicionar Reapresentação

5.6.5a Inserir o Modo Reapresentação

1. No menu FILE, ativar o sub-menu VIDEO.

2. Ajuste o MODO como REPLAY e FILENAME.

3. Use o joystick para escolher a função ENTER, e então pressione o centro do joystick para inserir o modo REPLAY

5.6.5b Iniciar/Parar Reapresentação

1. No menu REPLAY, use o joystick para escolher o parâmetro PLAY.

2. Movimente o joystick para esquerda/direita para iniciar ou parar uma reapresentação.

5.6.5c Interromper uma Reapresentação

1. No menu REPLAY, use o joystick para escolher o parâmetro STOP.

2. Movimente o joystick para esquerda/direita para sair do modo REPLAY


Capítulo 5. Arquivos Gravados de Dados

5.6.5d Alterando a Velocidade da Reapresentação

1. No menu REPLAY, use o joystick para escolher o parâmetro de SPEED.

2. Movimente o joystick para esquerda/direita para alterar o SPEED.

5.6.5e Procurar o Arquivo Gravado por Tempo

O usuário pode procurar o arquivo gravado pela alteração do tempo.

1. No menu REPLAY, use o joystick para escolher o parâmetro de TEMPO.

2. Movimente o joystick para esquerda/direita para alterar o TIME. O enquadramento correspondente será reapresentada na tela.
Capítulo 5. Arquivos Gravados de Dados

5.6.5f Procurando o Arquivo de Gravação por Enquadramento

O usuário pode procurar o arquivo de gravação ao alterar o enquadramento

1. No menu REPLAY, use o joystick para escolher o parâmetro de FRAME.

2. Movimente o joystick para esquerda/direita para alterar FRAME. O frame correspondente será reapresentado na tela.

5.6.5g Procurar a Sinalização do Arquivo Gravado

O usuário pode procurar a sinalização arquivada em um arquivo gravado.

No menu FLAG, use o joystick para escolher o parâmetro FLAG. O enquadramento sinalizado será reapresentado na tela automaticamente.

5.6.5h Saindo do Modo Reapresentação

1. Movimente o joystick para escolher a barra do menu.

2. Pressione o centro do joystick para sair do modo REPLAY.


Apêndice A. Especificações

Nota:Todas as especificações de instrumento listadas neste apêndice estão sujeitas à alteração sem notificação prévia. Ver também “ EN 12688
Especificações” na página 179.

A.1 Display LCD

Área Ativa: 108.0 mm (W) x 64.8 mm (H), 5.0” Diagonal

Tamanho: 5.0”

Resolução: 800 (W) x 480 (H) pixel

Relação de Contraste: > 300

Luminosidade: > 200 cd/m²


A.2 Conectores

Conectores de Sonda: 2, LEMO-00

Conector Saída UT: saída SAP, com um pino ALARME adicionado

Interface USB: Micro conector USB

Conector SD-Cartão: Terminal cartão SD tamanho-total, acomoda todos os cartões SD padrões

Faixa: 14.016 mm (552”) para onda longitudinal em aço

Atraso do Display: -15 µs a 3500µs

Atraso do sensor: 0 a 1000 µs

Velocidade do som: 1000 a 16.000 m/s

PRF: Manualmente ajustado de 15 a 2000 Hz ou automaticamente otimizado,


3 modos de ajuste automático: Auto Low, Auto Med, Auto High
A.3 Conectores

Nota:Todos as medidas do pulsador foram tomadas de acordo com as especificações EN12668

Modo do Pulsador: Padrão: estaca simulada


Opcional: onda quadrada unipolar via controle de software

Voltagem do Pulsador (Modo SQ): 120 V a 300 V, com uma tolerância de passo 10V e tolerância 10%

Queda Pulsador/Tempo de Elevação: 10 ns máximo

Largura Pulsador (Modo SQ): 30 ns a 500 ns, com um passo 10 ns e tolerância de 10%

Amplitude Pulsador (Modo SQ): Baixo: 120 V


Alto: 300 V

Energia Pulsador (Modo Pregar): Baixo: 30 nS


Alto: 100 nS

Amortecimento: 50 omhs ou 1000 ohms


A.4 Receptor

Ganho Digital: Faixa dinâmica de 100 dB, com 0,2 dB passo

Largura de Banda Análogo: 0.9 a 20 MHz

Ruído de Entrada Equivalente: através da largura de banda total

Tempo de Recuperação: < 10 us, de acordo com teste EN12668 8.5.3

Linearidade Entrada: 5% pelo método E317, para dados de saída em todos os 4 ADCs

Filtros: Banda Larga: 1.1 a 20.44 MHz


1-5 MHz : 0.9 a 5.14 MHz
2, 2.25 MHz : 1.0 a 3.85 MHz
4, 5 MH z: 2.43 a 7.92 MHz
10 MHz : 6.27 a 13.6 MHz
13 , 15 MHz : 10.43 a 17.96 MHz
A.5 Portas

Portas Independentes: 2 Portas (A e B), Porta B suporta disparo pela Porta A

Retificação: POS (positivo)


NEG (negativo)
FW (onda completa)
RF

Medição: Pico
Flanco
Flanco-J

A.6 Memória

Capacidade: 2 GB, cartão SD

Conjunto de Dados:

Relatórios: jpg ou imagens Scan-A bmp


A.7 Ambiental

Bateria: Vida: 6 hr por carga integral


Carga (padrão): Interno
Carga (opcional): Adaptador externo
Nível: medição de batería proporcional

Carregador de Bateria: Entrada CA Universal (100 a 240 VAC, 50-60 Hz); atende CCC, CE, UL, CSA e exigências PSE

Tamanho: 175 mm (W) x 111 mm (H) x 50 mm (D)

Peso: 1 kg com bateria

Idiomas: Inglês, Alemão, Francês, Espanhol, Chinês, Japonês


A.8 Proteção

Calor Úmido & Umidade (Armazenar): 10 Ciclos: 10 hr a + 60º até a +30ºC, a +30ºC até +60ºC
Transição em 2 hr (507.4)

Choque de Temperatura (Armazenar): 3 Ciclos: 4 hr a -20º até +60ºC, 4h a +60ºC


Transição em 5 hr (503.4 Procedimento II)

Vibração: Exposição Geral: 1 hr cada eixo, 514.5-5 Procedimento I, Anexo C, Figura 6

Choque: 6 Ciclos cada eixo, 15 g., 11 ms, meio-seno (516.5 Procedimento I)

Carga Solta (em Container Embarque): 514.5 Procedimento II

Queda Trânsito (Embalado para Embarque): 26 quedas, 516.5 Procedimento IV

Prova de Poeira/Prova Gotejamento Água: 0 a 55ºC

Variação de Temperatura Armazenamento: -20º a +60ºC, 24 h com bateria


A.8 Proteção (cont.)

Conformidade: EMC/EMI: EN 55011


EN 61000-6-2:2001
Ultrassom: EN 12668
ASTM E1324
E317
ANSI/NCSL Z 540-1-1994
MIL STD 45662A
MIL STD 2154

A.9 Opções USM Go

Opção AWS: Ferramenta de dimensionamento AWS, de acordo com AWS D1.1 código solda estrutural

Opção DAC: Ferramenta de dimensionamento DAC, 16 pontos


Reclamação com: EN 1712 – EN 1713 – EN1714
ASTM E164
ASME & ASME III
JIS Z3060
TCG: 120 dB Dinâmico
110 dB/µs inclinação
A.9 Opções USM Go (cont.)

Opção DGS: Ferramenta de dimensionamento DGS


Conforme: EN 1712 – EN 1713 – EN 1714
ASTM E164

Opção Registro Dados Embutido: Criação de arquivo de rede

Opção de Pulsador Onda Quadrada: Permite sincronia-fina dos parâmetros do pulsador, ajuste de tensão de 120 a 300 V por 10V passo, pulso
com ajuste de 30 a 500 ns por 10 ns passo

BEA: Atenuação de Eco Backwall

Opção Fantasma: Fantasma PRF ajudará a identificar eco fantasma causado por reflexões múltiplas em materiais de baixa
atenuação
[nenhum conteúdo destinado a esta página – proceder para a próxima página]
ApêndiceB. Conformidade Ambiental

Apêndice B. Conformidade Ambiental

Este apêndice contém informações sobre os seguintes tópicos:

 Diretriz WEEE (ver Seção B.1 na página 176)

 Descarte de Bateria (ver Seção B.2 na página 177)


Apêndice B. Conformidade Ambiental

B.1 Diretrizes paraDescarte de Equipamentos Elétricos e Eletrônicos (WEEE)

GE Sensing & Inspection Technologies é um participante ativo da iniciativa decoleta de Equipamento Elétrico e Eletrônico da Europa (WEEE), diretrizes
2002/96/EC.

Os equipamentos que você trouxe exigiram a extração e uso de recursos naturais para sua produção. Eles podem conter
substâncias perigosas que podem causar impactos para a saúde e o meio ambiente.

Para evitar a disseminação destas substâncias em nosso meio ambiente e para diminuir a pressão sobre os recursos naturais,
encorajamos que você use os sistemas de coleta apropriados. Estes sistemas irão reutilizar ou reciclar a maioria dos materiais
de seus equipamentos no final da vida de forma sadia.

O símbolo com uma lixeira móvel riscada convida você a utilizar tais sistemas.

Se forem necessárias mais informações sobre os sistemas de coleta, reutilização e reciclagem, favor contatar sua administradora de lixo local ou regional.

Visite o site www.ge.com/inscetiontechnologies para maiores informações sobre as instruções de coleta e mais informações sobre esta iniciativa.
Apêndice B. Conformidade Ambiental

B.2 Descarte de Baterias

Estes produtos contem bateria que não pode ser descarada em lixos municipais não selecionados na União Européia. Veja a
documentação do produto para informações específicas sobre as baterias. A bateria é marcada com este símbolo, que pode
incluir os dizeres para indicar cádmio (Cd), chumbo (Pb) ou mercúrio (Hg). Para uma reciclagem adequada devolva a baterias
para seu fornecedor ou um ponto de coleta designado.

B.2.1 O que as Marcações Significam?

Baterias e pilhas devem ser marcadas (tanto na bateria ou no acumulador ou em sua embalagem, dependendo do tamanho) com um símbolo de coleta
separado. Além disso, a marcação deve incluir os símbolos químicos de níveis específicos de metais tóxicos como segue:

 Cádmio (Cd) sobre 0.002%

 Chumbo (Pb) sobre 0.004%

 Mercúrio (Hg) sobre 0.0005%


Apêndice B. Conformidade Ambiental

B.2.2 Os Riscos e Seu Papel para Sua Redução

Sua participação é uma parte importante do esforço para minimizar o impacto das baterias e acumuladores ao meio ambiente e à saúde humana. Para uma
reciclagem adequada você pode devolver este produto ou as baterias ou pilhas que contenham para seu fornecedor ou um ponto de coleta designado.

Algumas baterias ou pilhas contêm metais tóxicos que causam sérios riscos para a saúde humana e para o meio ambiente. Quando exigido, a marcação do
produto inclui símbolos químicos que indicam a presença de metais tóxicos: Ob para chumbo, Hg para mercúrio e Cd para cádmio.

 O envenenamento porcádmiopode resultar em câncer de pulmão e glândula da próstata. Os efeitos crônicos podem incluir danos aos rins, enfisema
pulmonar, e doenças nos ossos como osteomalácia ou osteoporose. O cádmio também pode causar anemia, descoloração dos dentes e perda de olfato
(anosmia).

 Chumbo é tóxico em todas as formas. Ele se acumula no organismo, de forma que cada exposição é significante. A ingestão ou inalação de chumbo pode
causar danos severos à saúde humana. Os riscos incluem dano cerebral, convulsões, subnutrição e esterilidade.

 Mercúrio cria vapores perigosos em temperatura ambiente. A exposição a altas concentrações de mercúrio pode causar uma variedade de sintomas
severos. O risco inclui inflamação crônica de boca e gengiva, mudança de personalidade, nervosismo, febre e erupções de pele.
Apêndice C. Especificações EN 12668

Apêndice C. Especificações EN 12668

As especificações EM 12668 para o USM Go são listadas na Tabela 2 abaixo.

Tabela 2: EM 12668-1: 2000 Especificações


Parágrafo Parâmetro LSL Tip. USL Unidade Condições de Teste
s
8.2 Estabilidade da Base de Tempo Contra Temperatura -1 0 1 %FS/C Após aquecimento de 30 minutos
Estabilidade de Amplitude Contra Temperatura -5 0 5 %FS/C Após aquecimento de 30 minutos
9.3.2 Estabilidade da Base de Tempo Após Aquecimento -1 0 1 %FS/C Após aquecimento de 30 minutos
Estabilidade de Amplitude Após Aquecimento -2 1 2 %FS Após aquecimento de 30 minutos
9.3.3 Instabilidade do Display da Base de Tempo -1 0 1 %FS Após aquecimento de 30 minutos
Instabilidade do Display da Amplitude -2 1 2 %FS Após aquecimento de 30 minutos
9.3.4 Estabilidade da Base de Tempo Contra Variação de Voltagem -1 0 1 %FS
Estabilidade da Amplitude Contra Variação de Voltagem -2 0 2 %FS
8.3.2 Erode Frequência de Repetição de Pulso -20 0 20 %Err
8.3.3 Impedância de Saída de Pulsador 10 Ohm
8.3.4 *Espectro do Pulsador Ver
Gráfico
Apêndice C. Especificações EN 12668

Tabela 2: EM 12668-1: 2000 Especificações (cont.)


Parágrafo Parâmetro LSL Tip. USL Unidades Condições de Teste
9.4.2 Voltagem do Pulso com Carga -130 -118 -106 V Amortecimento = 50, Tensão = Baixa, Energia = Baixa, Taxa Repetição =15
-129 -117 -105 V Amortecimento = 50, Tensão = Baixa, Energia = Baixa, Taxa Repetição =1500
-131 -119 -107 V Amortecimento = 1000, Tensão = Baixa, Energia = Baixa, Taxa Repetição =15
-131 -119 -107 V Amortecimento = 1000, Tensão = Baixa, Energia = Baixa, Taxa Repetição =1500
-130 -118 -106 V Amortecimento = 50, Tensão = Baixa, Energia = Alta, Taxa Repetição =15
-129 -117 -105 V Amortecimento = 50, Tensão = Baixa, Energia = Alta, Taxa Repetição =1500
-131 -119 -107 V Amortecimento = 1000, Tensão = Baixa, Energia = Alta, Taxa Repetição =15
-131 -119 -107 V Amortecimento = 1000, Tensão = Baixa, Energia = Alta, Taxa Repetição =1500
-321 -292 -263 V Amortecimento = 50, Tensão = Alta, Energia = Baixa, Taxa Repetição =15
-319 -290 -261 V Amortecimento = 50, Tensão = Alta, Energia = Baixa, Taxa Repetição =1500
-329 -297 -267 V Amortecimento = 1000, Tensão = Alta, Energia = Baixa, Taxa Repetição =15
-327 -297 -267 V Amortecimento = 1000, Tensão = Alta, Energia = Baixa, Taxa Repetição =1500
-321 -292 -263 V Amortecimento = 50, Tensão = Alta, Energia = Alta, Taxa Repetição =15
-319 -299 -269 V Amortecimento = 1000, Tensão = Alta, Energia = Alta, Taxa Repetição =15
-327 -297 -267 V Amortecimento = 1000, Tensão = Alta, Energia = Alta, Taxa Repetição =2000
Apêndice C. Especificações EN 12668

Tabela 2: EM 12668-1: 2000 Especificações (cont.)


Parágrafo Parâmetro LSL Tip USL Unidades Condições de Teste
9.4.2 Tempo Elevação de Pulso 3.7 10 nSec Amortecimento = 50, Tensão = Baixa, Energia = Baixa, Taxa Repetição =15
3.5 10 nSec Amortecimento = 50, Tensão = Baixa, Energia = Baixa, Taxa Repetição =1500
3.4 10 nSec Amortecimento = 1000, Tensão = Baixa, Energia = Baixa, Taxa Repetição =15
3.2 10 nSec Amortecimento = 1000, Tensão = Baixa, Energia = Baixa, Taxa Repetição =1500
3.7 10 nSec Amortecimento = 50, Tensão = Baixa, Energia = Alta, Taxa Repetição =15
3.5 10 nSec Amortecimento = 50, Tensão = Baixa, Energia = Alta, Taxa Repetição =1500
3.4 10 nSec Amortecimento = 1000, Tensão = Baixa, Energia = Alta, Taxa Repetição =15
3.2 10 nSec Amortecimento = 1000, Tensão = Baixa, Energia = Alta, Taxa Repetição =1500
6.6 10 nSec Amortecimento = 50, Tensão = Alta, Energia = Baixa, Taxa Repetição =15
6.4 10 nSec Amortecimento = 50, Tensão = Alta, Energia = Baixa, Taxa Repetição =1500
6.1 10 nSec Amortecimento = 1000, Tensão = Alta, Energia = Baixa, Taxa Repetição =15
5.9 10 nSec Amortecimento = 1000, Tensão = Alta, Energia = Baixa, Taxa Repetição =1500
6.6 10 nSec Amortecimento = 50, Tensão = Alta, Energia = Alta, Taxa Repetição =15
6.4 10 nSec Amortecimento = 50, Tensão = Alta, Energia = Alta, Taxa Repetição =1500
6.1 10 nSec Amortecimento = 1000, Tensão = Alta, Energia = Alta, Taxa Repetição =15
5.9 10 nSec Amortecimento = 1000, Tensão = Alta, Energia = Alta, Taxa Repetição =1500
Apêndice C. Especificações EN 12668

Tabela 2: EM 12668-1: 2000 Especificações (cont.)


Parágrafo Parâmetro LSL Tip. USL Unidades Condições de Teste
9.4.2 Duração do Pulso 45 50 55 nSec Amortecimento = 50, Tensão = Baixa, Energia = Baixa, Taxa Repetição =15
44 49 54 nSec Amortecimento = 50, Tensão = Baixa, Energia = Baixa, Taxa Repetição =1500
61 68 75 nSec Amortecimento = 1000, Tensão = Baixa, Energia = Baixa, Taxa Repetição =15
59 66 73 nSec Amortecimento = 1000, Tensão = Baixa, Energia = Baixa, Taxa Repetição =1500
109 121 133 nSec Amortecimento = 50, Tensão = Baixa, Energia = Alta, Taxa Repetição =15
109 121 133 nSec Amortecimento = 50, Tensão = Baixa, Energia = Alta, Taxa Repetição =1500
125 139 153 nSec Amortecimento = 1000, Tensão = Baixa, Energia = Alta, Taxa Repetição =15
125 139 153 nSec Amortecimento = 1000, Tensão = Baixa, Energia = Alta, Taxa Repetição =1500
29 32 35 nSec Amortecimento = 50, Tensão = Alta, Energia = Baixa, Taxa Repetição =15
27 30 33 nSec Amortecimento = 50, Tensão = Alta, Energia = Baixa, Taxa Repetição =1500
39 43 47 nSec Amortecimento = 1000, Tensão = Alta, Energia = Baixa, Taxa Repetição =15
37 41 45 nSec Amortecimento = 1000, Tensão = Alta, Energia = Baixa, Taxa Repetição =1500
94 104 124 nSec Amortecimento = 50, Tensão = Alta, Energia = Alta, Taxa Repetição =15
92 102 112 nSec Amortecimento = 50, Tensão = Alta, Energia = Alta, Taxa Repetição =1500
104 115 127 nSec Amortecimento = 1000, Tensão = Alta, Energia = Alta, Taxa Repetição =15
104 115 127 nSec Amortecimento = 1000, Tensão = Alta, Energia = Alta, Taxa Repetição =1500
Apêndice C. Especificações EN 12668

Tabela 2: EM 12668-1: 2000 Especificações (cont.)


Parágrafo Parâmetro LSL Typ. USL Unidades Condições de Teste
9.4.2 Repercussão do Pulso 0 4 V Amortecimento = 50, Tensão = Baixa, Energia = Baixa, Taxa Repetição =15
0 4 V Amortecimento = 50, Tensão = Baixa, Energia = Baixa, Taxa Repetição =1500
0 4 V Amortecimento = 1000, Tensão = Baixa, Energia = Baixa, Taxa Repetição =15
0 4 V Amortecimento = 1000, Tensão = Baixa, Energia = Baixa, Taxa Repetição =1500
0 4 V Amortecimento = 50, Tensão = Baixa, Energia = Alta, Taxa Repetição =15
0 4 V Amortecimento = 50, Tensão = Baixa, Energia = Alta, Taxa Repetição =1500
0 4 V Amortecimento = 1000, Tensão = Baixa, Energia = Alta, Taxa Repetição =15
0 4 V Amortecimento = 1000, Tensão = Baixa, Energia = Alta, Taxa Repetição =1500
0 4 V Amortecimento = 50, Tensão = Alta, Energia = Baixa, Taxa Repetição =15
0 4 V Amortecimento = 50, Tensão = Alta, Energia = Baixa, Taxa Repetição =1500
0 4 V Amortecimento = 1000, Tensão = Alta, Energia = Baixa, Taxa Repetição =15
0 4 V Amortecimento = 1000, Tensão = Alta, Energia = Baixa, Taxa Repetição =1500
0 4 V Amortecimento = 50, Tensão = Alta, Energia = Alta, Taxa Repetição =15
0 4 V Amortecimento = 50, Tensão = Alta, Energia = Alta, Taxa Repetição =1500
0 4 V Amortecimento = 1000, Tensão = Alta, Energia = Alta, Taxa Repetição =15
0 4 V Amortecimento = 1000, Tensão = Alta, Energia = Alta, Taxa Repetição =1500
0 4 V Amortecimento = 50, Tensão = Alta, Energia = Alta, Taxa Repetição =15
Apêndice C. Especificações EN 12668

Tabela 2: EM 12668-1: 2000 Especificações (cont.)


Parágrafo Parâmetro LSL Typ. USL Unidades Condições de Teste
9.4.2 Repercussão do Pulso 0 4 V Amortecimento = 50, Tensão = Alta, Energia = Alta, Taxa Repetição =1500
0 4 V Amortecimento = 1000, Tensão = Alta, Energia = Alta, Taxa Repetição =15
0 4 V Amortecimento = 1000, Tensão = Alta, Energia = Alta, Taxa Repetição =1500
8.4.2 Pulsador Crosstalk ao Receptor 80 80 - dB
8.4.3 Tempo Morto Após Pulso Transmissor 10 uSec Medido no pior caso de ajuste de frequência
8.4.4 Variação Dinâmica 100 100 - dB Medido no pior caso de ajuste de frequência
8.4.5 Impedância Entrada Receptor 160 Ohm Impedância Real em 4MHz
0 0.1 (Rganho máximo - Rganho mínimo)/ Rganho máximo
40 Ohm Impedância Imaginária em 4MHz
358 pF Capacitância de entrada
0 0.15 (Cganho máximo - Rganho mínimo) / Cganho máximo
8.4.6 Correção de Amplitude de Distância -1.5 0 1.5 dB Erro máximo entre a curva TCG e a correção TCG real
Apêndice C. Especificações EN 12668

Tabela 2: EM 12668-1: 2000 Especificações (cont.)


Parágraf Parâmetro LSL Typ. USL Unidade Condições de Teste
o s
9.5.2 Resposta de Frequência de Amplificador 2.05 2.16 2.27 MHz Frequência Central (Meio Geométrico), 1-5 MHz escolhido
3.81 4.23 4.65 MHz Largura de banda, 1-5 MHz escolhido
1.86 1.96 2.06 MHz Frequência Central (Meio Geométrico), 2-2.25 MHz escolhido
2.57 2.85 3.14 MHz Largura de banda, 2 ou 2.25 MHz escolhido
4.18 4.4 4.62 MHz Frequência Central (Meio Geométrico), 4 ou 5 MHz escolhido
4.95 5.5 6.05 MHz Largura de banda, 4 ou 5 MHz escolhido
8.76 9.22 9.68 MHz Frequência Central (Meio Geométrico), 10MHz escolhido
6.6 7.33 8.06 MHz Largura de banda, 10 MHz escolhido
13 13.68 14.36 MHz Frequência Central (Meio Geométrico), 13 ou 15 MHz escolhido
6.78 7.53 8.28 MHz Largura de banda, 13 ou 15 MHz escolhido
4.5 4.74 5 MHz Frequência Central (Meio Geométrico), Banda Larga escolhida
17.41 19.34 21.27 MHz Largura de banda, Banda Larga escolhida
Apêndice C. Especificações EN 12668

Tabela 2: EM 12668-1: 2000 Especificações (cont.)


Parágraf Parâmetro LSL Typ. USL Unidade Condições de Teste
o s
9.5.3 Ruído de Entrada Equivalente - 70 80 nV/ Hz² 1 – 5 MHz escolhido
70 80 nV/ Hz² 2 ou 2.25 MHz escolhido
- 43 80 nV/ Hz² 4 ou 5 MHz escolhido
- 34 80 nV/ Hz² 10 MHz escolhido
- 35 80 nV/ Hz² 13 ou 15 MHz escolhido
- 38 80 nV/ Hz² Banda Larga escolhida
9.5.4 Precisão de Atenuador Calibrado -1 0.7 1 dB Erro Acumulativo sobre faixa de 20 dB
-2 0.7 2 dB Erro Acumulativo sobre faixa de 60 dB
Apêndice C. Especificações EN 12668

Tabela 2: EM 12668-1: 2000 Especificações (cont.)


Parágraf Parâmetro LSL Typ. USL Unidade Condições de Teste
o s
9.5.5 Display Vertical da Linearidade -2 0.6 2 %FSH 1.2 ou 2.25 MHz escolhido
-2 0.6 2 %FSH 4 ou 5 MHz escolhido
-2 -0.9 2 %FSH 10 MHz escolhido
-2 -1.25 2 %FSH 13 ou 15 MHz escolhido
-2 0.18 2 %FSH Largura de banda escolhido
8.7.2 Linearidade da Base de Tempo - 0.03 0.5 %FSW
8.7.3 Erro de Amostragem de Digitação -5 -4 5 %FSH
Dimensões 11.1 CM Altura
17.5 CM Largura
5 CM Profundidade
<1 KG Peso (Com Bateria)
Apêndice C. Especificações EN 12668

Tabela 2: EM 12668-1: 2000 Especificações (cont.)


Parágraf Parâmetro LSL Typ. USL Unidades Condições de Teste
o
8.7.3 Vida da bateria 6 Hr Instrumento irá automaticamente desligar quando as baterias estiverem
muito fracas para uma operação confiável
Faixa de Temperatura de Operação 0 - 55 ºC
Modos de Retificação
FW
HWP
HWN
RF
Frequência de Repetição de Pulso 15 2000 Hz Variável Continuamente
Dimensões do display 12.6 CM Diagonal
800 x 480 Pixels
Número de Pixels no Display no Scan-A 512
Divisões Principais Quadriculadas Scan-A Nenhuma, 5 a 10 Vertical ou Horizontal, Usar seleção
Divisão Horizontal Menor Quadriculada Scan-A 50 Display ao longo da linha base
Divisão Vertical Menor Quadriculada Scan-A 50 Display na vertical central
Apêndice C. Especificações EN 12668

Tabela 2: EM 12668-1: 2000 Especificações (cont.)


Parágraf Parâmetro LSL Typ. USL Unidades Condições de Teste
o
8.7.3 Variação da Velocidade 0.0098 - 0.6299 In/uS
250 - 16000 M/S
Variação de Atraso do Display -15 - 3500 uS
Variação de TCG 110 dB
Escopo Máximo TCG 100 dB/uS
Número de Pontos Máximo TCG 15
Apêndice C. Especificações EN 12668
Índice

A Scan-A
Menu Acquire Flanco/Pico de Sinal 81
Descrição 21 Congelamento 95
Diagrama 25 Display de Tela Cheia 11
Modo Acquire Visualização Salva de Imagem Arquivo DR 154
Acessando o Menu 12 Salvando em Relatório 143
Display 10 Salvando em Arquivo DR 153
Alarmes Escolhendo um Modo de Retificação 60
Lembrete de Calibração 72 Ajustando a Cor 45
Definindo a Lógica 83 Ajustando o Atraso do Display 66
Luz Indicadora, Designação 84 Ajustando a Variação 64
Leitura de Amplitude no Modo dB REF 118 Ajustando o Nível de Rejeição 63
Parâmetro de Sensor de Feixe Angular 86 Procedimentos Autocal 68
Limite de Porta Automática (AGT) 80
AWS D1.1 Modo
Descrição 119
Ajuste 120
Índice

B Conectores
Baterias I/O 17
Descarte 177 Especificações 166
Instalação 3 USB 16
Indicador de nível 3 Função CÓPIA 144
Informação de Segurança Xi Criando
Especificações 170 Arquivos de Registro de Dados 150
Luminosidade, Ajuste 46 Memorando 138
C Relatório 143
Calibração 67 Centro de Apoio ao Cliente 2
Verificação de Resultados 71 D
Lista de Verificação Preliminar 67 Modo DAC
Alarme de Lembrete 72 Deletando a Curva DAC 106
Usando o Autocal 68 Gravando a curva DAC 98
Caixa, Vista lateral e Traseira 2 Usando 97
Cor Trabalhando com 100
Ajuste de Scan-A 45
Ajuste para Display 43
Ajuste de Coluna Indicadora 88
Config 1 Menu Diagrama 25
Índice

Modo DAC/TCG Modo de REF dB


Adicionado Compensações 103 Leitura de Amplitude Disponível 118
Adicionando/Deletando Pontos de Referência 105 Descrição 117
Descrição 96 Ajuste de Ganho Passo dB 93
Ajustando Correção de Transferência 104 Convenção Decimal, Ajuste 28
Nível de Amortecimento, Ensaio 52 Delay, Ajuste para Display 66
Arquivos de Gravação de Dados Deletando os Arquivos de Conjunto de Dados 136
Criando 150 Modo DGS
Menu 147 Descrição 106
Nomeando 148 Display & Curva de Ajuste 114
Usando 153 Resultados de Avaliação 115
Visualizando 151 Influenciando Variáveis 108
Arquivos de Ajuste de Dados Travas & mensagens de Erro 116
Deletando 136 Gravando o Eco de Referência 112
Editando 137 Especificando o Sensor 109
Restaurando 135 Validade 116
Armazenando 133
Trabalhando com 133
Data de Publicação I
Data, Ajuste 29
Índice

Display Especificações Ambientais 170


Aparência 43 Mensagens de Erro no Modo DGS 116
Congelamento 95 Modo de Avaliação
Configuração de Resultados Medidos 91 AWS D1.1 119
Parâmetros de Resultados Medidos 88 DAC/TCG 96
Características de Tela 20 dB REF 117
Ícones de Telas 19 DGS 106
Escolhendo uma Rede 44 JISDAC 121
Ajustando o Atraso Scan-A 66 Diagrama de Opções 23
Ajustando a Luminosidade 46 TCG 101
Ajustando a Cor 43 F
Especificações 165 Relatório Rápido 145
Usando 10 Características, Tela de Display 20
Descarte Menu FILES 132
Baterias 177 Flanco, Sinal Scan-A 81
Lixo Eletrônico 176 Congelamento do Display Scan-A 95
E Frequência, Sensor 51
Editando Arquivos de Conjunto de Dados Display Scan-A Tela Cheia 11
Especificações EN 12668
Energia, Ajustando para Pulser
Índice

Chave Função Portas


Função CÓPIA 144 Ajustando o Modo Tela-Cheia 11
Arquivos de Gravação de Dados 153 Ajustando a Largura 79
Definindo as Ações 47 Limite Automático (AGT) 80
Descrição 7 Configurando 75
Porta Ampliar 85 Ampliando 85
G Posicionando 77
Ganho Ajustando o Ponto de Partida 78
Alterando o Valor Passo dB 93 Ajustando o Limite 80
Ajustando 93 Especificações 169
Valor Passo Definido pelo Usuário 94 Rede, Selecionando 44
Chave de Ganho H
Descrição 7 Função HDR NO RELATÓRIO 143
Travamento 92 Cabeçalho
Porta A Criando para Relatório 141
Ver Portas Incluindo no Relatório 142
Alarmes de Porta I
Ver Portas Conector I/O 17
Porta B
Ver Portas
Índice

Ícones Joystick
Nível de Bateria 3 Descrição 7
Conjunto Completo 19 Parâmetro de Controle do Joystick 11
Função IMAGEM NO RELATÓRIO 143 Travamento 92
Indicando Cor da Coluna 88 Operação 8
Luz Indicadora, Alarmes 84 K
Ajuste Inicial 24 Teclado
J Componentes 5, 7
JFlank, Sinal Scan-A 81 Usando 4
Modo JISDAC L
Definindo a Linha em Negrito 125 Idioma, Ajustando 26
Deletando a Curva JISDAC 126 Gravação de Vídeo ao Vivo 157
Interpretando Linhas e Classes 124 Travando a Chave de Ganho ou Joystick 92
Gravando a Curva JISDAC 122 Travas em Modo DGS 116
Ajustando a Correção de Transferência 125 M
Trabalhando com 123 Ampliando a Porta 85
Resultados Medidos
Parâmetros Disponíveis 88
Configuração do Display 91
Avaliação no Modeo DGS 115
Índice

Memorando P
Criando 138 Função PARÂMETRO NO RELATÓRIO 143
Incluindo no Relatório 140 Número de Peça, Manual I
Função MEMORANDO NO RELATÓRIO 143 Pico, Sinal Scan-A 81
Sistema do Menu Característica PRF Fantasma 59
Menu Acquire 21 Posicionando as Portas 77
Diagrama 22 Energia
Opções de Modo de Avaliação 23 Conjunto de Bateria 3
Menu Setup 21 Adaptador Externo 3
Funções Multi-Chaves 9 LIGANDO e DESLIGANDO 4
N Visualização Salva Imagem Scan-A 154
Nomeando Arquivos Registro Dados 148 PRF
O Modos Disponíveis 53
Compensação, Adicionando à Curva DAC/TCG 103 Escolhendo a Energia do Pulsador (Modo Spike) 58
Treinamento de Operador xiii Escolhendo o Tipo de Pulsador 55
Opções, Especificações 172 Escolhendo a Largura do Pulsador (Modo Onda Quadrada) 56
Orientação Escolhendo a Frequência do Pulsador 53
Fotos de Instrumento 6 Ajustando a Voltagem do Pulsador 54
Ajustando 32 Usando a Característica Fantasma 59
Índice

Sensor Restaurando os Arquivos de Conjunto de Dados 135


Parâmetros do Feixe Angular 86 Especificações do Receptor 168
Alterando o Nível de Amortecimento 52 Modo de Gravação 160
Configurando 50 Modo de Retificação, Escolhendo 60
Conectando 49 Eco de Referência, Gravando para Curva DGS 112
Escolhendo o Tipo 50 Pontos de Referência, Adicionando/Deletando para DAC/TCG 105
Especificando para Modo DGS 109 Nível Rejeição, Ajuste 63
Especificando a Frequência 51 Modo Repetição 162
Especificações de Proteção 171 Relatório
Pulsador Criando 143
Ajuste de Frequência 53 Criando Cabeçalho 141
Escolhendo a Energia (Modo Spike) 58 Relatório Rápido 145
Escolhendo o Tipo 55 Incluindo um Cabeçalho 142
Escolhendo a Largura (Modo Onda Quadrada) 56 Incluindo um Memorando 140
Ajustando a Voltagem 54 Arquivando 144
Especificações 167 S 53
Frequência de Repetição do Pulsador Informação de Segurança Xi
Ver PRF
R
Faixa, Ajuste para Scan-A 64
Índice

Modo Ajuste Arquivando


Acessando o Menu 13 Arquivos de Ajuste de Dados 133
Display 10 Relatório 144
Menu Descrição 21 T
Ajuste, Inicial 24 Modo TCG
Atualização de Software 73 Deletando Pontos de Referência 106
Especificações Gerando a Curva de Referência 101
Conectores 166 Usando 101
Display 165 Trabalhando com 102
EN 12668 179 Objeto de Teste
Meio Ambiente 170 Efeitos Materiais xiv
Portas 169 Efeitos de Temperatura xiv
Proteção 171 Limite, Ajuste para Portas 80
Pulsador 167 Horário, Ajuste 29
Receptor 168 Método de Detecção TOF, Escolha 81
USM Go 165 Correção de Transferência
Opções USM Go 172 Ajustando para Modo DAC/TCG 104
Modo Spike, Tipo Pulsador 55 Ajustando para Modo JISDAC 125
Modo Onda Quadrada, Tipo Pulsador 55 U
Ponto Partida, Ajustando para Portas 78 Diretrizes de Teste Ultrassônico xii
Índice

Unidades de Medição, Ajuste 27


Atualizações, Software Instrumentos 73
Conector USB 16
Usando Arquivos de Registro de Dados 153
V
Validade do Modo DGS 116
Arquivo de Gravação de Vídeo 160, 162
Visualização
Arquivos de Gravação de Dados 151
W
Garantia xv
Descarte de Esgoto
Baterias 177
Equipamento Eletrônico 176
Diretrizes WEEE 176
Largura, Ajustando para Portas 79
Centros de Apoio ao Cliente

América do Norte & Sul França China


50 Industrial Park Road 68, Chemin des Ormeaux 5F, Building 1, No. 1 Huatuo Road,
Lewinstown, PA 17044 Limonest 69760 Zhangjiang High-Tech Park,
EUA França Shanghai 201203
Tel: 866 243 2638 (toll-free) Tel: +33 47 217 9216 China
717 242 0327 Tel: +86 800 915 9966 (toll-free)
+86 (0)21 3877 7888

Reino Unido/Irlanda Alemanha Japão


892 Charter Avenue Canley Robert Bosch Str. 7F Medie Corp Bldg. 8
Coventry CV4 8AF 50354 Hürth 2-4-14-Kichijoji Honcho,
Inglaterra Alemanha Musashino-shi
Tel: +44 845 130 3925 Tel: +49 2233 601 0 Tokyo 180-0004
Japão
Tel: +81 442 67 7067
Espanha
San Maximo,31, Planta 4A, Nave 6
Madrid 28041
Spain
E-mail: geit-info@ge.com Tel: +34 195 005 990

www.ge-mcs.com