Sei sulla pagina 1di 7

A Abominavel Preguica de Yuri Menini

Seus olhos estúpidos se voltaram para ela. Buscavam a última fagulha de esperança.
Eu dei um passo e suspirei, era esse cara que me violentava anos atrás? Onde está o
orgulho de vilão?
Ele se contorceu e olhou para mim com medo, seu desprezo e nojo haviam sumido,
restava o arrependimento, inclusive acho que posso agarrar o que ele sente e formar
um grão de areia.
Sinto-me intoxicado com este tipo de sensação. É tão refrescante que me faz querer
rolar em um campo de flores.
Jogado ao chão a luz começava a deixar os olhos de Weber, ele não está morrendo,
simplesmente entrou em colapso mental.
Logo aqueles mesmos olhos que há dez anos me torturavam dia após estavam
deixando o brilho azul se esvaziar por completo, era uma visão agradável.
Yuri- Eu disse que ia derrubar você.
Eu andei até Roberto e olhei nos olhos do meu homem de confiança.
Yuri- Demorei muito?
Roberto- Não chefe.
Eu olhei para cima e através das janelas deste armazém e senti que o céu ficou mais
bonito.
Roberto- Eu posso matar ele?
Yuri- Não, eu deveria fazer isso, mas se eu fizer, sei que não vou parar. Não é verdade?
Eu olho para uma garota de cabelos loiros e grandes olhos verdes, os cabelos estavam
em um corte que os faziam cair pelos ombros e a garota tinha uma atmosfera calma,
melancólica, gentil e santa ao redor dela.
Ela não responde e simplesmente fica calada, atrás dela dois homens com mais de dois
metros de altura, musculosos e com olhos cheios de cautela me encaravam como se
quisessem ver a cor da minha medula.
Eduardo- Eu devo relatar isto para a polícia? Senhorita, eu preciso que você diga algo.
Ela olhava para mim de uma forma anormal, amor e algo mais que eu não sei dizer o
que é.
Mas meu coração diz claramente.
Isto não é amor, isto nunca foi ou será amor.
Yuri- Você sabe muito bem por que eu fiquei assim, mas você não esperava não é?
Que chegasse a um ponto em que nunca mais poderia me segurar?
Clarice- Está sendo arrogante.
Yuri- Eu tenho todo o direito de ser arrogante, você não consegue competir comigo,
nem sabe o que eu posso fazer, porém eu te conheço tão bem que sei que até o diabo
ficaria interessado e assustado em te ter como secretária, e tenho um aviso para vocês
dois.
Seguranças- Humpf!
Yuri- Se continuarem com essa mulher eu garanto que não terão uma morte agradável.
Clarice- Você até pode dizer isso, mas eu pergunto se você ainda é aquele menino de
coração puro? O que te faz pensar que o seu coração não é tão negro quanto o meu?
O que te faz pensar que nada perdeu? O que te faz pensar que você venceu?
Yuri- Eu posso fazer o que quiser e ser o que eu quiser, eu realmente me sinto grato
por isso, o menininho de quatorze anos atrás ainda está aqui, mas eu não o deixarei
sair. Sabe quanto trabalho eu tive que passar só convencer esse pirralho a calar a
boca? Quanta humilhação tive que sofrer para chegar até aqui? Passei fome, medo,
nojo, dor... Sinceramente eu até sinto graça!
Eu dou um peteleco na faca enfiada no meu peito para fazê-la balançar.
Clarice- Eu sei que você está se fingindo de louco.
Yuri- É claro que sabe disso, até esses dois idiotas sabem disso, mas no final, como
você se sente agora que não pode ter o que quer? Fazer o que quiser? Ser o que
quiser? Ter quem quiser?
Clarice- FALE.
Yuri- Eu só preciso estalar os dedos.
Clarice- Para o quê?
Yuri- Destruir tudo que é ligado a você.
Ela não responde, porém agora, depois de catorze anos conhecendo ela eu sei dizer.
Hoje finalmente sei dizer.
O que ela pensa, sente e teme, mas ainda não sei o que ela sente.
Yuri- Tá com medo?
Clarice- Você tem a coragem, mas não a vontade.
Yuri- Errado.
Eu ponho um sorriso de escárnio no rosto e faço um grande gesto com os braços.
Yuri- Meu coração me diz que é errado.
O rosto dela assume uma face de incredulidade. Pela primeira vez essa puta mudou de
expressão hoje.
Yuri- A morte é muito pouca para você, eu tenho tanto ódio em mim que minha boca
tem gosto de mel! EU TENHO QUE ME VINGAR! É o que meu coração diz. Eu me sinto
tão fraco que parece que nem posso agüentar sua voz. PORQUE O QUE QUERO FAZER
É ARRANCAR ESSE PEDAÇO DEMONÍACO DE CARNE DO SEU PEITO! QUERO
DESPEDAÇAR VOCÊ! TRUCIDAR ATÉ QUE NÃO RESTEM FIAPOS DE SANGUE!
Eu fico a um centímetro do nariz dela.
Roberto- SENHOR SE CONTROLE!
Clarice- Quem é o monstro aqui? Você é louco.
Yuri- Louco é aquele que cria algo que não pode controlar.
Clarice- É mesmo? Depois que se vingar o que você vai sentir? O que você vai ter? Só
existirá um vazio em você!
Eu seguro as bochechas dela com uma mão e faço a boca dela ter um biquinho.
Yuri- Eu amo o silêncio e a tranqüilidade, e sinceramente, a vingança me faz tão bem
que posso sentir a felicidade.
Clarice- Felicidade pela violência? É nisso que acredita? Quantas pessoas salvou se
agarrando a esse ódio? Nenhuma!
Yuri- Corrigindo, salvei no mínimo a mim mesmo.
Clarice- Você é hipócrita não é?
Eu solto essa puta, só de tocar nela minha barriga começa a doer.
Yuri- Por quê? Quer que eu realmente diga a verdade? A verdade é que preferiria estar
morto! O melhor é nunca ter nascido! Simplesmente não cometo suicídio para não ir
pro inferno! E quanto a ser hipócrita, me poupe, eu sou humano e sou pecador, quero
comer, beber, e fazer o que eu penso. Se todo mundo pode, por que eu não poderia?
Se a vida me derrubar o que eu tenho que fazer é esmagar ela! Assim como eu faço
normalmente.
Clarice- Vai fazer assim comigo?
Yuri- Seu sorriso e rosto triste não me enganam, eu posso acabar com você na hora
que quiser, e nem mesmo sua avó Agatha poderá te salvar, e se ela vier me
incomodar...
Eu arranco a faca do meu peito, lambo o sangue e jogo a faca no chão.
Clarice- Como sabe de minha avó?
Yuri- Eu matarei vocês.
Eu aceno para Roberto e nós deixamos o galpão e entramos no carro.

Dentro do carro na rodoviária, Yuri ouvia Roberto repassar as informações sobre a


construção da base da Ex Nihilo Nilo.
Roberto- Nós conseguimos comprar mais três unidades de terreno por R$ 120.000,00 e
em um deles temos uma montanha a qual iremos escavar para obter os materiais
necessários para a construção da base.
Yuri acena com a cabeça e indica para ele continuar, enquanto limpava o ferimento e
anotava os pontos chaves do relatório em uma agenda escolar.
Roberto- O urânio que o senhor encomendou dos russos chegou mês passado, como o
senhor pediu é urânio enriquecido, ele já foi processado inclusive.
O garoto pensou consigo mesmo “Oh? Isso é uma surpresa, se eles fizeram o favor de
enviar as hastes prontas pro reator significa que querem fazer amigos. Mas eu não vou
confiar em vocês só por causa disso.”
Yuri- Elas têm número de série?
Roberto- Todas estão limpas.
Yuri- Bom.
Como se uma lâmpada tivesse sido acesa em sua cabeça Yuri não se segurou.
Yuri- É verdade que sua mulher já trabalhou na usina Angra II?
Roberto- Sim, já que o senhor tocou nisso...
Yuri- Sim, eu vou contratar ela.
Roberto- Obrigado.
Yuri- Isso não é algo que se deva agradecer, se alguém sabe fazer com talento então
essa pessoa deve ser valorizada, não é porque alguém tem um certificado que essa
pessoa será boa no que faz.
Yuri volta os olhos para a estrada e começa a apreciar a paisagem.
Três anos atrás esse rapaz estava comendo farinha e açúcar para não passar fome, mas
agora sua situação e de sua família mudou. Embora o pai de Yuri tivesse bastante
influência nos graus superiores e pudesse facilmente se livrar daquela situação, ele não
fez isso, ele queria mostrar para quem estava acima tomar cuidado em quem pisavam,
e ele fez isso.
Após ele assumir a gerência de um posto de abastecimento, ele rapidamente
conseguiu lucros que seriam o suficiente para criar um caixa três! A habilidade de
gerenciamento deste homem era aterrorizante.
Por outro lado, se ele utilizasse do poder do grau mais alto da família ele se envolveria
em negócios sombrios, ele não queria isso para os seus filhos, mas ele também não se
sentia confortável vendo Yuri emagrecer mais do que já era magro, se ele perdesse
mais alguns quilos então o ditado “De frente parece que está de lado, e de lado parece
que sumiu.” serviria perfeitamente para ele, e embora a condição difícil fosse
desagradável de suportar, o homem esperava que os irmãos pudessem se unir, mas
isso não aconteceu.
Yuri é um bom garoto, não se envolve com álcool, drogas, mulheres ou brigas. Ele
simplesmente permanece com uma expressão neutra no rosto e deixa as coisas
passarem por ele como se não ligasse para a vida, mas ele sabia que se dissesse para o
seu filho liberar toda a sua raiva acumulada, o garoto ou iria atentar contra a própria
vida ou iria trazer desgraça e ruína.
Não para quem tivesse boas relações, mas para aqueles que ele poderia considerar
como ‘inimigos’ de sua família, amigos e conhecidos.
No final o pai do rapaz sabia que seu filho, já passou do limite aos doze anos de idade.
Embora ele não se lembrasse bem, algumas palavras ficaram marcadas na carne e
ossos de Yuri.
“FAÇA ESTAS COISAS SOMENTE QUANDO MANDARMOS!”
O menino aprendeu isto enquanto teve um surto higiênico e fez a proeza de limpar
toda a casa. Tentou agradar os pais. Porém foi punido. Depois disso não se atreveu a
fazer qualquer coisa na propriedade da família sem a prévia consulta dos pais.
Isso foi confundido com incompetência.
E não existe ofensa pior para este rapaz do que alguém dizer que ele não consegue
fazer algo.
Yuri olhou para as suas propriedades e sentiu grande satisfação.
Todos os vinte quilômetros quadrados de terra que eram mostrados pelo vídeo no
tablete eram somente seus e ninguém se não seus pais poderia tirar isso dele.
Fosse desde o lago de água azul cristalina, aos campos de arroz, milho e soja, tudo era
dele, incluindo as pequenas montanhas. Atualmente ele contava com duzentos
funcionários, incluindo Roberto e sua esposa, debaixo de suas asas, o rapaz jovem de
dezessete anos estava perto de completar seu sonho de vida, embora acompanhado
de emendas aqui e ali.
Roberto- Senhor nós chegamos.
Yuri- Obrigado, já pode ir.
Yuri desceu do carro e se adiantou para bater na porta da casa que acabou de
estacionar. Esta era a casa de sua antiga chefe, quando ele realizou um pequeno
estágio durante as férias para conseguir juntar algumas economias.
Ele trabalhou no fórum público por um pouco mais de três meses. No entanto ele
conheceu esta garota que foi capaz de se inserir na sua vida, sim, isto era estranho, por
mais que ele tentasse, nunca conseguiu entender o coração de uma mulher, afinal
coração e mente normalmente não são a mesma coisa.
A porta se abriu e lá estava uma garota de 23 anos vestindo um suéter cor de creme e
um short de algodão de cor roxa. A primeira reação dela foi abraçar Yuri.
Nicole- Onde você estava? Não me respondeu nos últimos três meses, pensei que algo
ruim tivesse acontecido com você.
Ela apertou o garoto magro como se estivesse abraçando um urso de pelúcia. Logo um
som de estalo foi ouvido.
Yuri- Sem abraços, por favor, você vai me quebrar, sabe que eu não gosto de abraços,
oi, você vai me machucar de verdade!
Nicole- Se eu soltar você eu tenho certeza que vai fugir novamente!
Embora Yuri fosse mais alto que ela, essa garota não recuou nem um pouco e
aumentou o aperto e então...
Crack
Yuri- Eu sabia que isso ia acontecer.
Quase choramingando, ele não pareceu nem um pouco com a postura assassina e
cruel que tinha nestes últimos três meses quando cabelos brancos nasceram em sua
cabeça como milho brotando após a chuva, nestes três meses Yuri levou ao solo a
família viciosa do rapaz bonito e loiro dos olhos azuis que fez perversidades com ele,
Yuri nuca deixa de pagar dívidas sem um reembolso apropriado, e Weber, teve uma
das quantias mais altas de retorno.
No entanto agora este rapaz estava sendo sufocado por esta bela moça de seios
grandes.
Yuri- Eu sei que você ouviu! Não é normal para as minhas costas estalarem! Você está
me ouvindo?!
Nicole soltou Yuri e ele caiu no chão ajoelhado enquanto tentava recuperar a alma que
quase deixou seu corpo.
Nicole- Desculpa, vamos entrando...
Yuri entrou cauteloso na casa enquanto não deixava abertura para Nicole lhe ‘atacar’
novamente.
Era uma casa bonita, com uma sala bonita perfeitamente mobiliada, o desenho era
simples, mas elegante. Estes móveis foram escolhidos por Yuri, eles tinham um charme
especial que fazia com que qualquer pessoa gostasse deles.
Na sala Yuri rapidamente jogou o seu corpo no tapete felpudo e aproveitou a textura
quase ao ponto de soltar um ronronar de gato.
Nicole observou seu ex-subordinado, ela achou muito estranho que alguém depois que
conseguisse dinheiro suficiente não jogasse fora suas raízes, este tapete era especial
para os dois, como foi o primeiro item comprado entre os móveis Yuri e Nicole se
deitavam nele e assistiam alguns animes no computador de Yuri enquanto comiam
guloseimas.
Ela continuou vendo o rosto bonito do menino que estava se esfregando no tapete.
Ela jogou fora a hesitação e fez a mesma coisa.
Depois de um tempo quando ficaram confortáveis o suficiente eles ficaram em
posições invertas e olharam um nos olhos do outro.
Yuri- Nicole, você deveria arrumar um homem de verdade.
Nicole- Sério? E quem você me recomenda?
O tom da garota era cético quando ela perguntou, foi óbvio que ela se sentiu irritada
com a pergunta.
Yuri- Você deveria escolher alguém que te trate bem, respeite suas decisões, seria bom
se ele fosse bonito e tivesse um bom emprego também assim como uma família que
fosse receptiva.
Nicole- Por quê?
Yuri ficou calado, ele não podia usar truques nesta menina, e afinal, existem algumas
pessoas as quais ele prometeu que não mentiria, mas não mentir não significa que ele
deve falar tudo para aquelas pessoas.
Nicole- Então deveria ser você?
A sua voz ainda estava irritada, Yuri não hesitou e logo respondeu.
Yuri- Não.
Nicole- Por que é assim? O que aconteceu com você para não abrir seu coração para
mais alguém entrar na sua vida? Eu sou tão ruim que não sirvo para estar com você?
Yuri- O que você está tentando dizer?
A voz de Yuri soou neutra como se esmagasse qualquer emoção adicional que ousasse
se manifestar.
Nicole- Eu não quero te ofender, mas eu realmente te conheço, mesmo que quando
você perde a paciência você não sairia punindo qualquer um pelo erro de outra
pessoa.
Yuri- É normal para qualquer pessoa e animal simplesmente atacar o que lhes fez mal.
Nicole- Para de se depreciar, eu vi o que você fez durante o estágio, mesmo que não
tenha dinheiro agora, eu tenho certeza que terá no futuro.
Yuri- Então temos um grande problema já que eu não sou bonito. Afinal se tivéssemos
uma criança e crescesse feia tenho certeza que diria que é culpa da mãe por não
escolher um pai mais bonito.
Nicole- Ha ha ha!
Nicole aprofundou o olhar nele, Yuri rapidamente fez os olhos perderem o foco para
não sentir o olhar desta mulher.
Nicole- O que aconteceu entre você e aquela mulher? Você pode me contar.
Yuri suspirou.
Yuri- E se eu te disser que não tenho coração? Sou um cara violento que se irrita fácil,
e sempre vai atrás de vingança? Alguém que tem um coração com tanto ódio que a
boca fica doce? Alguém que não vai hesitar em matar se algo for tirado de mim?
Nicole- Se você não tiver coração eu posso dividir o meu, se você se irritasse tão
facilmente não teria agüentado minhas brincadeiras até hoje e mandaria eu pra fora,
se o seu coração tem tanto ódio eu posso carregar uma parte para você, e para que eu
não seja tirada de você só preciso estar com você sempre, não é?
Yuri ficou com os olhos frios e não disse nada, ele se levantou e estava prestes a sair.
Nicole- Se você tem tanto ódio por causa dela, se você odeia tanto ela, eu só preciso te
amar mais do que você odeia ela.
Ela puxou Yuri que começou a tremer, ele estava desolado aqui, e ela falou o que ele
precisava ouvir, o que ele queria ouvir, o que ele merecia ouvir.
O que ele sonhava em ouvir.
Isto foi dito por ela.
Ela o segurou e o pôs de volta no tapete, então pôs sua cabeça em seu peito para que
ele pudesse sentir e ouvir seu coração bater.
Yuri estava com o corpo tremendo e seus olhos estavam vermelhos, nenhuma lágrima
caiu, seu corpo estava tenso e ele poderia machucar Nicole se não se controlasse, a
rigidez dos seus músculos disparou como se ele estivesse prestes a morrer, seu corpo
estava preparando tudo o que tinha para sobreviver.
Nicole segurou sua cabeça e começou a pentear seus cabelos castanhos com os dedos,
ela sentiu o cheiro dele e se lembrou da primeira vez que se conheceram, ela tentou
roubar sua comida, foi algo engraçado alguém que tivesse uma posição de chefe de
divisão roubar comida de seus subordinados.
Nicole- Foi difícil?
Yuri- Si...Sim.
Nicole- Doeu?
Yuri- Muito.
Nicole- Ainda dói?
Yuri- Nunca parou de doer.