Sei sulla pagina 1di 6

Óleo de Prímula – Para Que Serve,

Benefícios, Efeitos Colaterais e Como Tomar


Da planta conhecida como prímula-da-noite ou estrela-da-noite (nome
científico Oenothera biennis) obtém-se o óleo de prímula, um tipo de gordura
famosa por suas propriedades medicinais e que pode até ajudar no processo de
emagrecimento.
Rica em ácidos graxos poli-insaturados, a planta nativa da América do Norte já era
utilizada pelos índios norte-americanos muitos séculos atrás para o tratamento de
problemas da pele, ferimentos e hemorroidas.
Nos últimos anos, o óleo de prímula foi “redescoberto” pelo mundo fitness, já que
há evidências de que o tipo de ácido graxo que compõe o suplemento pode
melhorar o controle do apetite e facilitar a perda de peso.
Conheça este e outros benefícios do óleo de prímula, além de possíveis efeitos
colaterais e a melhor maneira de tomar o suplemento abaixo:

Para que Serve


Embora o foco recente no produto faça parecer que o óleo de prímula serve para
emagrecer e nada mais, a verdade é que nas cápsulas gelatinosas do suplemento
pode ser encontrado alívio para uma série de condições.
Desequilíbrio hormonal, artrite reumatoide, dermatite, TPM, inflamações, pressão
alta, eczema, hiperatividade infantil e até mesmo a infertilidade feminina podem
ser atenuados com o uso regular de óleo de prímula.

Propriedades
Assim como os óleos de girassol e de cártamo, o óleo de prímula também é
composto por ácidos graxos essenciais do tipo ômega 6. Trata-se de um tipo de
gordura que o corpo não é capaz de sintetizar, e por isso precisa ser obtido através
da alimentação.
Os principais ácidos essenciais do tipo ômega 6 encontrados na estrela-da-noite
são o GLA, ou ácido gama-linolênico, e o LA, ou ácido linoleico. O organismo
consegue sintetizar GLA a partir do LA, e o ácido gama-linolênico por sua vez é
necessário para a síntese da prostaglandina E1 (PGE1).

ARTIGOS COMPLEMENTARES

Com propriedades semelhante às dos hormônios, a prostaglandina E1 ajuda a


reduzir ou até mesmo inibir as inflamações, previne a trombose, melhora os níveis
de colesterol e ainda fortalece a parede dos vasos sanguíneos.
Na fórmula dos suplementos encontrados à venda no mercado, o teor de GLA é de
cerca de 8-10%, e o de LA de 70 a 72% do total do produto. Outros ácidos graxos
que compõem o óleo de prímula são o ácido palmítico, ácido oleico e ácido
esteárico.

Benefícios do óleo de prímula


Seja através do uso tópico ou via oral, o óleo de prímula apresenta uma série de
benefícios para a saúde. Veja os principais:
– Perda de Peso
O óleo de prímula não emagrece, mas pode ser um componente importante do
processo de perda de peso – isto é, se você aliá-lo à dieta e à atividade física, pode
sim emagrecer com o óleo de prímula.
Isso porque o óleo de prímula:
 pode ajudar a diminuir as reservas de gordura, uma vez que estimula o corpo a
utilizar o nutriente como fonte de energia;
 reduz o valor glicêmico da refeição e melhora o controle da glicose sanguínea,
consequentemente favorecendo a diminuição do apetite;
 reequilibra a função hormonal, melhorando o metabolismo e dificultando a
retenção de líquidos (e o apetite descontrolado);
 tem absorção mais lenta que os carboidratos, o que ajuda a retardar a digestão
e prolongar a saciedade;
 contém ácido gama-linolênico, que além de controlar o apetite também evita a
liberação excessiva de insulina, hormônio que estimula o armazenamento de
gordura nos adipócitos (células de gordura).
Em um estudo desenvolvido na Universidade da Califórnia, pesquisadores
constataram que ex-obesas que receberam 890 mg diárias de GLA durante um ano
apresentaram um ganho de peso menor do que voluntários que consumiram
azeite.
Como todas essas mulheres haviam passado previamente por uma grande perda
de peso, foi possível concluir que o GLA apresenta um efeito positivo na luta contra
a balança.
– Reduz o Colesterol
Pesquisadores já sabem há muitos anos que o ácido gama-linoleico ajuda a reduzir
níveis elevados de LDL (colesterol ruim), e que esse efeito se deve mais uma vez à
ação do GLA, que inibe a síntese de colesterol e de triglicérides.
Como no entanto o óleo de prímula também reduz os níveis de HDL, a dica é
combiná-lo com óleo de peixe (ômega 3), que eleva as taxas do “bom colesterol”.
– Importante para a saúde da pele, cabelos e ossos
Além de ser bom para a pele de maneira geral, o óleo de prímula também fortalece
os fios de cabelo e evita a osteoporose.
 Pele: o óleo de prímula ajuda a tratar uma série de problemas de pele, como
psoríase e eczema. O LA e o GLA também auxiliam na prevenção e tratamento
de mudanças estruturais da pele associadas à idade, como a perda de
elasticidade, vermelhidão e diminuição da tonicidade;
 Cabelo: os benefícios do óleo de prímula para o cabelo estão diretamente
ligados ao reequilíbrio hormonal promovido pelo suplemento.
Enquanto nos homens a calvície se deve primariamente à grande sensibilidade dos
folículos capilares à DHT (dihidrotestosterona), as mulheres podem apresentar
queda de cabelo por fatores como o estresse, maus hábitos alimentares, exposição
excessiva a toxinas e também desequilíbrio hormonal.
Ainda que o óleo de prímula não impeça por completo a queda dos fios, o GLA
ajuda a nutrir o cabelo e pode ser eficiente na luta contra o enfraquecimento do
mesmo.
 Ossos: quando combinado com óleo de peixe, o óleo de prímula pode auxiliar
na saúde dos ossos, uma vez que aumenta a absorção de cálcio. Um estudo
controlado revelou que mulheres que receberam 6 gramas de óleo de peixe
combinado com óleo de prímula e mais 600mg de cálcio durante três anos não
apresentaram perda de massa óssea espinhal.
– Trata a causa da acne
Muito embora boa parte dos tratamentos para acne foque nos sintomas, a melhor
maneira de resolver o problema é “atacando” suas causas. E já se sabe que a
principal delas é a disfunção hormonal, uma vilã que age em silêncio.
Por isso, ao invés de recorrer apenas a cremes tópicos, uma boa dica é utilizar o
óleo de prímula via oral. Além de reequilibrar os hormônios, o GLA ainda participa
da estrutura celular e aumenta a elasticidade da pele, melhorando o aspecto do
tecido como um todo.
– Controla a pressão arterial
O óleo de prímula ajuda a reduzir a pressão porque:
 inibe a síntese de colesterol;
 reduz as inflamações;
 fortalece a parede das artérias.
Assim, evita a formação de coágulos que obstruem as artérias e melhora o fluxo
sanguíneo, facilitando a passagem do sangue pelos vasos.
– Alivia as dores da artrite reumatoide
Estudos clínicos com pacientes que sofrem de artrite reumatoide têm demonstrado
resultados promissores quanto ao uso de óleo de prímula como um tratamento
natural para a doença.
Em uma pesquisa publicada no periódico Annals of the Rheumatic Diseases,
pesquisadores puderam observar que pacientes que receberam um suplemento de
óleo de prímula puro, ou então em combinação com óleo de peixe, apresentaram
uma melhora significativa nos sintomas da artrite reumatoide.
Após 12 meses de uso diário de óleo de prímula com ou sem o óleo de peixe, os
participantes do estudo haviam reduzido consideravelmente o uso de
medicamentos anti-inflamatórios não-esteroides.
Segundo os autores da pesquisa, uma possível explicação para os resultados seria
exatamente a atuação do GLA, que se converte em prostaglandinas, e estas por
sua vez combatem as inflamações que causam dores e inchaços nos portadores de
artrite reumatoide.
– Déficit de atenção
Crianças e adultos podem obter uma melhora nos sintomas do transtorno de déficit
de atenção com hiperatividade (TDAH) com o tratamento com óleo de prímula.
E a explicação, embora não totalmente comprovada pela ciência, parece ser
simples: portadores da TDAH costumam apresentar uma deficiência em diversos
ácidos graxos essenciais, inclusive os do tipo ômega 6.
Embora os resultados não tenham sido altamente significativos, uma certa melhora
foi observada em crianças com TDAH que receberam óleo de prímula durante um
estudo publicado no Journal of Abnormal Child Psychology.
Resultados mais acentuados foram observados quando o óleo de prímula foi
combinado com EPA e DHA, dois ácidos graxos do tipo ômega 3 comumente
encontrados em peixes como a sardinha e o salmão.
– Melhora os sintomas da TPM e da Menopausa
Estes são provavelmente dois dos principais benefícios do óleo de prímula, que
atua através do ácido gama-linolênico. O GLA pode não apenas diminuir as
inflamações como também regular os hormônios envolvidos no ciclo menstrual.
Mulheres que sofrem com fortes sintomas de tensão pré-menstrual ou menopausa
podem apresentar uma baixa conversão de LA em GLA, deficiência que pode ser
amenizada com o uso regular do óleo de prímula.
De acordo com um estudo publicado no periódico especializado Lipids, o óleo de
prímula pode ajudar a reduzir efeitos indesejados como inchaço, dores nas mamas,
alterações de humor, dores de cabeça e acne.
Publicada no Archives of Gynecology and Obstetrics, uma pesquisa de seis
semanas desenvolvida com 56 mulheres na menopausa evidenciou uma melhora
nas ondas de calor com o uso de óleo de prímula.
– Melhora o eczema
O tratamento do eczema é um dos benefícios do óleo de prímula mais investigados
pela ciência. Mais de 30 estudos desenvolvidos em humanos comprovam as
propriedades do óleo de prímula no tratamento do eczema e da dermatite.
Uma meta-análise de 26 estudos clínicos envolvendo 1.207 pessoas confirmou que
o óleo de prímula é altamente eficaz na redução dos sintomas mais comuns das
afecções de pele, como coceira, edema (retenção de fluido e inchaço), vermelhidão
e formação de crostas.
Em muitos casos, o eczema surge exatamente quando o corpo apresenta
dificuldades para converter ácidos graxos em ácido gama-linolênico – daí o
benefício com a suplementação com óleo de prímula, rico em GLA e LA (que, como
já vimos, pode ser convertido em GLA).
– É benéfico para portadores de diabetes
Ao melhorar o controle da glicose e reduzir a liberação da insulina, o óleo de
prímula se torna um grande aliado de quem tem diabetes.
O suplemento também ajuda a aliviar outros sintomas associados à doença, como
a dor neuropática (complicação resultante da lesão da bainha de mielina que
reveste os nervos).
– Trata a infertilidade feminina
Seja pelo estresse, má alimentação, poluição ou mesmo por um excesso de toxinas
no organismo, a verdade é que as taxas de infertilidade continuam a aumentar. O
óleo de prímula pode ajudar a resolver algumas causas do problema.
Há uma série de estudos que comprovaram uma relação direta entre o uso de GLA
e o aumento na produção de muco cervical, um dos fatores essenciais para a
reprodução humana. Isso porque os espermatozoides têm maior dificuldade de
“locomoção” quando há pouco ou nenhum fluido no canal cervical.
Os ácidos graxos do tipo ômega 6 também são fundamentais para a contração e o
relaxamento do tecido muscular, ajudando a tonificar a musculatura uterina para a
gestação.
Para melhores resultados no tratamento da infertilidade, a recomendação é tomar
3 cápsulas de 500 mg de óleo de prímula ao dia.

Outros benefícios
Outros usos do óleo de prímula incluem:
 Redução dos sintomas da abstinência de álcool;
 Proteção ao sistema cardiovascular;
 Melhora dos sintomas da esclerose múltipla.
Como Tomar
A melhor maneira de tomar óleo de prímula é com água ou suco (evite esta
segunda opção se estiver tentando emagrecer ou então se não quiser correr o risco
de sofrer com inchaço abdominal).
Quem está fazendo dieta deve tomar o óleo de prímula antes das refeições, mas
para as demais condições a recomendação é ingerir as cápsulas após ter saído da
mesa.
E, como vimos um pouco antes, o óleo de prímula pode ser combinado com o óleo
de peixe (também encontrado na forma de suplementos de ômega 3) para
melhores resultados.

Quantidade recomendada
Para garantir todos os benefícios do óleo de prímula, recomenda-se uma dosagem
diária entre 500mg-1.000 mg do suplemento. Confira outras doses para condições
específicas:
 Perda de peso: para reduzir o apetite e acelerar o metabolismo, recomendam-
se duas cápsulas diárias de 500 mg imediatamente antes do café da manhã e
do almoço;
 Eczema: 1.300 mg/ 2 vezes ao dia;
 TPM: 3 a 4 gramas diariamente;
 Tratamento da infertilidade: 500 mg/ 3 x ao dia;
 Reequilíbrio hormonal: 1.500 mg ao dia, do primeiro dia do ciclo menstrual
até a ovulação;
 Queda de cabelo: 500 mg/ 2 x ao dia;
 Acne: 1.300 mg/ 2 x ao dia;
 Atrite reumatoide: 500 mg/ 2 x ao dia;
 Osteoporose: 6 gramas diárias (combinar o óleo com uma fonte de cálcio);
 Saúde da pele: 500 mg/ 2 x ao dia

Efeitos Colaterais
De acordo com a Mayo Clinic, o óleo de prímula parece ser bastante seguro
quando utilizado via oral. Existem, no entanto, relatos de alguns efeitos colaterais
associados ao óleo, como:
 dores abdominais e náuseas;
 diarreia (mais comum em casos de ingestão excessiva do suplemento);
 dores de cabeça;
 aumento do risco de ataques epiléticos em portadores de epilepsia;
 reação alérgica à prímula-da-noite (efeito bastante raro);
 elevação do risco de hemorragia;
 aumento do tempo de coagulação (efeito também causado por outros
suplementos de ácidos graxos do tipo ômega 6).
Vale ressaltar que, como é bastante calórico (cada cápsula contém cerca de 10
calorias), o óleo de prímula pode causar ganho de peso quando consumido em
excesso.
Contraindicações
Embora seja indicado para mulheres que estão tentando engravidar, médicos
desaconselham o uso de óleo de prímula por gestantes.
Isso porque, como já vimos, o produto atua sobre a musculatura uterina, além de
também interferir com a regulação hormonal das futuras mamães.
O óleo de prímula também deve ser evitado por pessoas que sofrem de
esquizofrenia, epilepsia e distúrbios de coagulação.
Caso esteja fazendo terapia hormonal, converse com seu médico antes de começar
a utilizar o óleo de prímula diariamente.