Sei sulla pagina 1di 6

Direito Econômico I

 Revisão
 Fundamentos do Direito Econômico.
 Princípios do Direito Econômico.
 Texto para discutir o conceito de soberania em um contexto de globalização e
formação de blocos regionais.
Revisão
 Definição e conceito de direito econômico:
1) Conceito Estrito - O direito econômico é uma disciplina nova, autônoma e
original, dirigida ao estudo dos problemas colocados pela intervenção do
Estado na economia – só haveria direito econômico com a intervenção do estado na
economia;
2) Conceito Amplo - Uma regra é de direito econômico quando rege relações
humanas propriamente econômicas. Quando se tem qualquer relação de cunho
econômico que incide regra econômica;
3) Conceito de “Law and economics” - Tradução = Análise econômica do direito
(dá mais ênfase à economia e nao ao direito) ou direito e economia (coloca os dois em pé de
igualdade). * Análise dos custos e incentivos dos agentes frente a normas (custos no
sentido de algo que seja penoso a alguém, problema, obstáculo; como os agentes vão reagir
frente as normas, regras, leis). * Ex: lei aprovada – incentivos para o cumprimento (da
norma) e os custos de descumprimento – probabilidade de efetividade das normas
(efetividade delimitar os objetivos de maneira adequada; atingir os objetivos ao qual se propõe).

Características do novo direito


 Declínio do princípio da generalidade da norma – as normas de dir
econômico tem a caract de nao ser genérico; vão atuar a um seguimento objetivo, fim
especifico; norma nao muito genérica;
 Mobilidade – a economia evolui muito rapidamente;
 Ausência de codificação

Fundamentos do Direito Econômico


Art. 170 CF – A ordem econômica, fundada na valorização do trabalho humano e
na livre iniciativa, tem por fim assegurar a todos existência digna, conforme os
ditames da justiça social , observados os seguintes princípios...

Fundamentos do Dir. Econ.

VALORIZAÇÃO DO TRABALHO HUMANO – Expressa a intervenção do Estado na


Economia a partir do entre guerras – Welfare States; Refere-se à valorização no sentido
de condições dignas mas também à valorização no sentido material – contrapartida
material.

LIVRE INICIATIVA - Manifestação no campo econ. das idéias liberais; Liberdade de


iniciar-se na atividade econômica sem empecilhos, liberdade para contratar e celebrar
negócios; Idéia de Adam Smith – busca de maximiz. interesses indiv. Leva o bem estar
coletivo; Paralelo no campo político – liberdade do Individuo que permite
desenvolvimento existencial do ser humano da melhor forma possível

Desdobramento:
Art. 174. Como agente normativo e regulador da atividade econômica, o Estado
exercerá, na forma da lei, as funções de fiscalização, incentivo e planejamento, sendo
este determinante para o setor público e indicativo para o setor privado.

 Aplicação desse fundamento exclui a possibilidade de planejamento estatal


determinante para agentes privados.
 Planejamento determinante só para o setor público, para os agentes privados –
planejamento = indicativo.
 Corolário: atuação do Estado na Economia é subsidiária – Princípio da
subsidiariedade –
 Para garantir livre iniciativa e a livre concorrência existe a Lei 8.884/94 –
legislação de defesa da concorrência ou Lei Antitruste. Dispõe a respeito da prevenção e
repressão às infrações contra a ordem econômica. Tem 2 vertentes: uma repressiva e
outra preventiva.

Art. 20. Constituem infração da ordem econômica (infração à ordem


econômica), independentemente de culpa, os atos sob qualquer forma
manifestados, que tenham por objeto ou possam produzir os
seguintes efeitos, ainda que não sejam alcançados:
I - limitar, falsear ou de qualquer forma prejudicar a livre
concorrência ou a livre iniciativa;
(...).”

Livre iniciativa tbem. pressupõe liberdade para contratar. Caio Mário considera 4
elementos constituintes dessa liberdade:
1) Faculdade de contratar ou não.
2) Escolha da pessoa com quem contratar e o tipo de negócio.
3) Liberdade de fixar o conteúdo do contrato.
4) O poder de mobilizar o Estado em casos de descumprimento

Essas liberdades que eram quase que absolutas à época do liberalismo (séc. XIX), mas hoje
sofrem cada vez mais interferências do Estado atenuando-as para prevenir abusos e
proteger partes mais vulneráveis. Ex. contratos de consumo.

EXISTÊNCIA DIGNA - Objetivo principal desse fundamento: garantir que a atividade


econômica satisfaça os interesses da coletividade como um todo. Deve ser
conjuntamente considerado com o próximo fundamento...

JUSTIÇA SOCIAL - Reforça a idéia de existência digna, pois somente com justiça
social pode-se assegurar existência digna para todos. Pergunta do Celso Bastos: é
possível se alcançar a justiça social dentro de um regime de liberdade de iniciativa
pleno?

Princípios da ordem econômica. O quê são princípios?


 São os valores fundamentais da Carta Magna.
 Irradiam sobre todo o comando normativo e não se exaurem nos comandos
como os preceitos legais.
 A antiga constituição não os previa maneira explícita
 Princípios constitucionais:
PRINCÍPIO DA SOBERANIA NACIONAL - O poder de mando em última instância
numa sociedade política. Poder de autodeterminação do Estado. Conceito surge com os
estados modernos – passa a existir um único poder com autoridade originária. Esse
conceito á matizado nos dias de hoje. Não existe soberania absoluta, principalmente nos
dias de hoje

PRINCÍPIO DA LIVRE CONCORRÊNCIA – É um dos alicerces da economia


capitalista. É diferente de livre iniciativa. Só pode existir livre concorrência com livre
iniciativa, mas, pode existir livre iniciativa sem livre concorrência. Lei 8.884/94.

PRINCÍPIO DA DEFESA DO CONSUMIDOR – Desenvolvimento do mercado,


primeiro momento; proteção à concorrência, segundo momento; proteção ao
consumidor, parte vulnerável nos contratos de consumo. Consumidor = consumidor
final e vulnerável. Consumidor não é um cons. Específico mas o conjunto de
consumidores.

21.08.08
PRINCÍPIO DA PROPRIEDADE PRIVADA – De acordo com o direito civil é um
direito subjetivo de monopólio de exploração de um bem, é um direito erga omnes; sob
o ponto de vista da relação da propriedade com o Poder Público existem os Estados que
a admitem e aqueles que não a admitem (quase não existem mais). A propriedade
privada é consolidada como valor fundamental com os códigos napoleônicos. Àquela
época o princípio da propriedade privada era quase que um valor absoluto (hoje esse
princípio é relativizado). A tributação, por exemplo, é uma apropriação estatal de bens
privados. A desapropriação, por outro lado, é admitida em certos casos excepcionais. A
propriedade privada além de permitir fruição ao seu detentor deve gerar uma utilidade
socialmente fruível; Hoje em dia a propriedade não é só a material e tangível mas
também a intelectual (imaterial). A propriedade intelectual está subdividida em:
- Direitos de propriedade industrial - Aplicam-se a formas utilitárias, que auxiliam o
ser humano no desempenho de suas atividades diárias; Proteção conferida = patentes
(monopólio de exploração do bem chancelado pelo Estado). Busca estimular a
produção de bens úteis para a sociedade; são os direitos que se aplicam a formas que
geram direito à sociedade;
- Direitos autorais – Aplicam-se a formas estéticas, que sensibilizam e transmitem
beleza e conhecimento. Proteção conferida para estimular a produção desses bens

PRINCÍPIO DA FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE - A fruição da propriedade


por seu detentor pressupõe compatibilização com fins sociais mais amplos. Trata-se de
um princípio que mitiga o princípio da propriedade. Celso Bastos: a propriedade da
terra desempenha integralmente a sua função quando:
- Favorece o em estar dos proprietários e dos trabalhadores.
- Mantém níveis satisfatórios de produtividade.
- Assegura a conservação dos recursos naturais.
- Observa as disposições legais que regulam as justas relações de trabalho

PRINCÍPIO DA DEFESA DO MEIO AMBIENTE - Novidade da atual constituição.


Maior conscientização dos homens com relação ao tema. Conceito de desenvolvimento
sustentável. O quê é desenvolvimento sustentável? (...) se refere ao desenvolvimento de
uma empresa, ramo industrial, região ou país, e que em seu processo não esgota os
recursos naturais que consome nem danifica o meio ambiente de forma a comprometer
o desenvolvimento dessa atividade no futuro. (Dicionário de Economia do Século XXI
– Paulo Sandroni). Problema do protecionismo disfarçado
PRINCÍPIO DA BUSCA DO PLENO EMPREGO - Conceito econômico de pleno
emprego. Não pode ser uma meta de observância constante. Por quê ? Face à
necessidade de se efetuar políticas anti-inflacionárias deve-se aumentar os juros – queda
da atividade econômica – desemprego. Idéia de trade-off entre pleno emprego e inflação
baixa... O quê é trade-off ?

PRINCÍPIO DA REDUÇÃO DAS DESIGUALDADES REGIONAIS - Idéia de que o


desenvolvimento não é um fim em si mesmo mas um meio para o bem estar geral. O
desenvolvimento sem distribuição de renda não propicia o bem estar geral, mas somente
de alguns. Frase do Delfim Neto nos anos 70... Brasil é um país extremamente desigual.
Mesmo no Mercosul os estados brasileiros têm os piores indicadores sociais. A
distribuição de renda vem melhorando nos últimos anos. Principais razões... Plano
Real. Programas sociais universais

PRINCÍPIO DO TRATAM. FAVOR. EMPRESAS PEQ. - Objetivo: estímulo para mais


pessoas se lancem na atividade empresarial. Idéia de que as empresas de pequeno porta
são as responsáveis pelo maior número de empregos. Idéia de estímulo à concorrência

ESTUDO DO DIREITO ECONÔMICO NAS CONSTITUIÇÕES BRASILEIRAS -


Importância do estudo sincrônico (pontual) e diacrônico (de como se chegou onde
estamos). Todo estudo de direito deve ser também diacrônico pois há relação dialética
entre a realidade contextual e o direito.

Constituição de 1824 – constituicao outorgada;


 Fontes políticas e filosóficas
- Principais fontes políticas: Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão –
direitos individuais fundamentais – preâmbulo da Constituição Francesa de 1791;
- Fonte filosófica = iluminismo; Consagra os ideais do liberalismo político e
econômico; Idéia de que o Estado deve atuar somente para permitir o
desenvolvimento natural do ser humano; Ausência de intervenção no âmbito
econômico: liberdade de iniciativa e liberdade contratual; Defesa intransigente da
propriedade privada e do princípio do pacta sunt servanda.

Revisão

Estudo do direito econômico nas constituições brasileiras.

Exploração direta de atividade econômica pelo Estado.

Questionário 1º Bimestre – Direito Econômico I – Professor Pedro Florêncio

1) Com base nos seus conhecimentos, nos textos e nas aulas defina o objeto de
estudo do direito econômico.
2) Qual a interação possível entre o direito e a economia? Como cada disciplina é
importante para a outra?

3) Defina economia e bem econômico.

4) Quais os principais princípios e fundamentos do direito econômico?

5) Você julga desejável a codificação do Direito Econômico? Fundamente a sua


resposta.

6) Quais as vantagens e desvantagens de uma eventual codificação do direito


econômico?

7) Explique como o princípio da livre concorrência e da livre iniciativa podem


contribuir para o desenvolvimento econômico.

8) Aponte as principais características das doutrinas do liberalismo e do


mercantilismo.

9) Qual o objeto de estudo da disciplina conhecida como “law and economics”,


(termo normalmente traduzido como “direito e economia” ou ainda “análise
econômica do direito”)?

10) Qual a importância do estudo dessa disciplina?

11) Alguns autores apontam como principal característica das normas de direito
econômico o seu caráter móvel ou maleável. Explique essa característica
apontando um exemplo.

12) Descreva sucintamente as principais características das constituições brasileiras


no que diz respeito aos aspectos de direito econômico.

13) Quais são as formas de intervenção do Estado na Economia?

14) Explique em detalhe como ocorre a intervenção do Estado na Economia de


acordo com o artigo 173 da Constituição Federal.

15) Por quê a atuação do Estado na economia por meio de empresas públicas e
sociedades de economia mista é regida pelo direito privado?

16) De acordo com o Art. 173, § 4º da Constituição Federal, in verbis:

§ 4º - A lei reprimirá o abuso do poder econômico que vise à dominação dos


mercados, à eliminação da concorrência e ao aumento arbitrário dos lucros.

Explique a importância desse dispositivo constitucional.


17) Qual a principal lei que regula o supracitado dispositivo constitucional? Aponte
suas principais características.

18) Descreva os órgãos componentes do Sistema Brasileiro de Defesa da


Concorrência, apontando, em linhas gerais, suas principais funções.

19) Aponte dois exemplos de condutas infrativas à ordem econômica e explique


porque essas práticas são nocivas para a economia.

20) Por quê somente foi possível implementar no Brasil uma moderna política de
defesa da concorrência a partir de 1994?