Sei sulla pagina 1di 36

ESPELHOS

ESFÉRICOS
▪ Definição e elementos

Espelho Esférico
é uma calota esférica na qual uma das superfícies é refletora.
▪ Definição e elementos

- - - eixo secundário

*Obs.:
Qualquer eixo que passe pelo centro de curvatura, mas não passe
pelo vértice é chamado secundário.
▪ Leis da Reflexão
1ª Lei:
Raio incidente, raio refletido e
normal são coplanares.
2ª Lei:
i=r
Atenção:
Observe que a reta normal à superfície, no ponto I de incidência, passa pelo centro de
curvatura (radial).

Incidência Normal:
i = r = 0°
Portanto, todo raio de luz que incide numa
direção que passa pelo o centro de curvatura é
refletido sobre si mesmo.
▪ Espelhos Esféricos de Gauss
Condições de nitidez de Gauss:

Os raios incidentes sobre o espelho devem ser paralelos


ou pouco inclinados em relação ao eixo principal e
próximos dele: Raios para-axiais

α < 10°
(abertura do espelho esférico)

Espelhos que obedecem às condições de nitidez:


Espelhos esféricos de Gauss
Prof. Lutiano Freitas
▪ Espelhos Esféricos de Gauss
Condições de nitidez de Gauss:

Os raios incidentes sobre o espelho devem ser paralelos


ou pouco inclinados em relação ao eixo principal e
próximos dele: Raios para-axiais

α < 10°
(abertura do espelho esférico)

Espelhos que obedecem às condições de nitidez:


Espelhos esféricos de Gauss
Prof. Lutiano Freitas
▪ Representação gráfica dos espelhos
esféricos de Gauss

Raio de Luz Raio de Luz

V F C
Espelho Espelho
Côncavo Convexo
▪ Propriedades dos espelhos esféricos
de Gauss : raios notáveis
Todo raio de luz que incide paralelamente ao eixo principal é
refletido numa direção que passa pelo foco principal.
(Paralelo, pelo foco)

V F C
Espelho Espelho
Côncavo Convexo
▪ Propriedades dos espelhos esféricos
de Gauss : raios notáveis
Todo raio de luz que incide numa direção que passa pelo foco
principal é refletido paralelamente ao eixo principal.
(Pelo foco, paralelo)

V F C
Espelho Espelho
Côncavo Convexo
▪ Propriedades dos espelhos esféricos
de Gauss : raios notáveis
Todo raio de luz que incide numa direção que passa pelo centro de
curvatura é refletido sobre si mesmo.
(Pelo centro, pelo centro)

V F C
Espelho Espelho
Côncavo Convexo
▪ Propriedades dos espelhos esféricos
de Gauss : raios notáveis
Todo raio de luz que incide sobre o vértice do espelho é refletido
simetricamente em relação ao eixo principal (i = r).
(Pelo vértice, mesmo ângulo)

V F C
▪ Caso Especial: Foco Secundário
Todo raio de luz que incide paralelamente ao eixo secundário é
refletido numa direção que passa pelo respectivo foco secundário (F’).

Plano Focal Plano Focal


Eixo

. Secundário Eixo
Secundário
. F’
F’

V F C

Espelho Côncavo Espelho Convexo


▪ Construção geométrica das imagens
ESPELHO CÔNCAVO

▪ Objeto após o Centro de Curvatura.

IMAGEM:

o Real
Invertida
i Menor

(RIME)
▪ Construção geométrica das imagens
ESPELHO CÔNCAVO

▪ Objeto após o Centro de Curvatura.

IMAGEM:

Real
Invertida
Menor

(RIME)
▪ Construção geométrica das imagens
ESPELHO CÔNCAVO

▪ Objeto sobre o Centro de Curvatura.

IMAGEM:

o Real
Invertida
i Igual
▪ Construção geométrica das imagens
ESPELHO CÔNCAVO

▪ Objeto sobre o Centro de Curvatura.

IMAGEM:

Real
Invertida
Igual
▪ Construção geométrica das imagens
ESPELHO CÔNCAVO

▪ Objeto entre o Centro de Curvatura e o Foco Principal.

IMAGEM:

o Real
Invertida
i Maior

(RIMA)
▪ Construção geométrica das imagens
ESPELHO CÔNCAVO

▪ Objeto entre o Centro de Curvatura e o Foco Principal.

IMAGEM:

Real
Invertida
Maior

(RIMA)
▪ Construção geométrica das imagens
ESPELHO CÔNCAVO

▪ Objeto sobre o Foco principal.

IMAGEM:

o Imprópria


▪ Construção geométrica das imagens
ESPELHO CÔNCAVO

▪ Objeto sobre o Foco principal.


▪ Construção geométrica das imagens
ESPELHO CÔNCAVO

▪ Objeto entre o Foco Principal e o Vértice.

IMAGEM:
i Virtual
o
Direita
Maior

(VIRDIMA)

ESPELHO DE AUMENTO
▪ Construção geométrica das imagens
ESPELHO CÔNCAVO

▪ Objeto entre o Foco Principal e o Vértice.

IMAGEM:

Virtual
Direita
Maior

(VIRDIMA)

ESPELHO DE AUMENTO
▪ Construção geométrica das imagens
ESPELHO CÔNCAVO

RIME RIMA VIRDIMA

= ∞
▪ Construção geométrica das imagens
ESPELHO CONVEXO

IMAGEM:

o Virtual
i
Direita
Menor

(VIRDIME)
▪ Construção geométrica das imagens
ESPELHO CONVEXO

IMAGEM:

Virtual
Direita
Menor

(VIRDIME)
▪ Campo Visual – ESPELHO CONVEXO

Espelho retrovisor
auxiliar convexo
▪ Comparando imagens

Imagem Real Imagem Virtual


Forma-se à frente do espelho. Forma-se atrás do espelho.
É invertida em relação ao objeto. É direita em relação ao objeto.
Não pode ser projetada num
Pode ser projetada num anteparo.
anteparo.
Conjugada por espelho côncavo
Conjugada por espelho côncavo (objeto entre o foco principal e o vértice)
(objeto após o foco principal)
e por espelho convexo.
▪ Estudo Analítico – Equação de Gauss

FRENTE
EQUAÇÃO DE GAUSS

1 1 1 p  p'
= + f=
f p p' p + p'

Aumento Linear e i − p' f


A= = =
Transversal 0 p f −p
▪ Estudo Analítico – Equação de Gauss
f > 0 (+) Espelho Côncavo
f < 0 (-) Espelho Convexo

R > 0 (+) Espelho Côncavo


R < 0 (-) Espelho Convexo

i > 0 (+) Imagem direita


i < 0 (-) Imagem invertida

p’ > 0 (+) Imagem Real


p’ < 0 (-) Imagem Virtual

o > 0 (+) Objeto direito


o < 0 (-) Objeto invertido

p > 0 (+) Objeto real


p < 0 (-) Objeto virtual

A > 0 (+) Imagem Virtual (direita)


A < 0 (-) Imagem Real (invertida)
▪ ATENÇÃO!
CUIDADO COM O SINAL
DO AUMENTO!

▪ Imagem Real, Invertida, 3x maior: A=-3

i ▪ Imagem Real, Invertida, 3x menor: A = - 1/3


A=
0 ▪ Imagem Virtual, Direita, 3x maior: A = +3

▪ Imagem Virtual, Direita, 3x menor: A = +1/3

PORTANTO:

✓ Imagem REAL, Invertida: A < 0 (-)

✓ Imagem VIRTUAL, Direita: A > 0 (+)


Música:
Another Brick In The Wall, Pt. 3 :

Spherical Mirrors
(Pink Floyd)
Paralelo, pelo foco.
RAIOS Pelo foco, paralelo.
NOTÁVEIS Pelo centro, pelo centro.
Pelo vértice, mesmo ângulo!

Hey! Teacher! É fácil demais!


Espelho Côncavo é só cantar:
REFRÃO RIME – RIMA – VIRDIMA.
\o/
Espelho Convexo vou dizer:
A imagem é VIRDIME.
▪ Exercício
O espelho esférico convexo de um retrovisor lateral de
automóvel tem raio de curvatura de 80cm. Esse espelho
conjuga, para certo objeto sobre o seu eixo principal, imagem 20
vezes menor. Nessas condições, a distância do objeto ao
espelho, em metros, é de

a) 1,9
b) 3,8
c) 7,6
d) 9,5
e) 12
▪ Exercício
O espelho esférico convexo de um retrovisor lateral de
automóvel tem raio de curvatura de 80cm. Esse espelho
conjuga, para certo objeto sobre o seu eixo principal, imagem 20
vezes menor. Nessas condições, a distância do objeto ao
espelho, em metros, é de

R −80 i x
f= = A= =
2 2 o 20 x f < 0 (-)
f = −40cm 1
A=
20
Imagem R −80
1 1 1 virtual f= = = −40cm
= + Direita 2 2
f p p' (A > 0)
1
A=+ Espelho
Convexo
20
[Virdime]
f (f < 0)
p  p' A=
f= f −p
p + p' 1 − 40
=
20 − 40 − p
− 800 = −40 − p
i p' f
A= =− = p = 800 − 40 = 760cm
o p f −p p = 7,6m
Lente
Convergente

RIME RIMA VIRDIMA

Lente
Divergente

VIRDIME