Sei sulla pagina 1di 2

POR QUE AS ARTES SÃO IMPORTANTES PARA

NOSSA VIDA?
This entry was tagged #formação docente Arte arte e educação arte e filosofia arte e política arte e vida atitude estética

dimensão estética ética experiência estética formação Formação de Professores formação estética and posted on 18 de março de 2019

Francis Alÿs , When Faith Moves Mountains [Quando a fé move montanhas], (2002).
Adoro as perguntas ordinárias – da ordem do dia, de dentro. Gosto pouco das extraordinárias, são extras
mesmo, de fora.
Essa pergunta já contempla e instala um nós, pessoas-em-plural – nossa vida. Somos mestiços, híbridos,
complexos, em permanente mutação. Somos constantes exercícios de perguntas e inquietudes a nos deslocar
e exigir inesperados. Temos que estar em vigília cívica, conforme afirma Ana Mae Barbosa. Uma vigília na
vida-criativa, da qual a arte é cúmplice e constituinte.
A arte é importante porque não é “atividade”, nem “disciplina”, muito menos “dom”. Arte é dimensão da
Vida-Acesa. Arte é direito de conhecermos como fazemos presença-no-mundo, presenças-coletivas e
compar-trilhadas. Arte é um estado criatível (um estado de ser-constante-em-criação). A criação não cessa.
Arte é um direito de cada um, do nascimento à morte. Somos um mínimo da biosfera, como diz Regina Favre
e, portanto, um mínimo dessa grande constelação ambiental que chamamos “mundo”. Somos cada um,
muitos mundos-conexos. Sempre! Somos um mínimo – conteúdo e continente de estéticas, estesias e éticas
que juntas, orientam os modos de fazermos corpos-pessoais e coletivos. Estética, estesia e ética pode parecer
uma redundância, mas é necessária para enfatizar o que penso, pergunto, defendo e invisto nos modos de
atuar na arte e na vida-entre-muitos. Estética é o refinamento, uma delicadeza e um destilamento das “forças”
do mundo a nos pedir “formas” em qualquer dimensão, seja nas palavras, nas imagens, nos corpos. A arte
ativa, atiça e nos atira às emoções – as estesias – que por sua vez, são além dos sentimentos e das sensações.
Lembro de A fé move montanhas de Francis Allys (muitas pessoas juntas, movendo com pás, uma montanha
de areia).
A tríade, percepção-afiada, sensação-refinada, emoção-coletiva, produzem uma experimentação compar-
trilhante (compartilha dos caminhos e das trilhas, sempre, sempre). Sem cessar.
Por que as artes são importantes para nossa vida?
Nessa pergunta-em-exercício pretendo que, juntos, possamos ter muitas e muitas dúvidas sobre a
responsabilidade ética de como produzimos vida nesse momento em Brasis e mundos tão esgarçados.
Ameaçados e devorados pelos desvarios economicistas e politiqueiros. Deshumanos. Estética, estesia e ética,
mais do que nunca são urgências para insistirmos, resistirmos e re-existirmos em luta, pela arte na educação e
na vida em qualquer cantinho desses Brasis e desses mundos. Que são tantos. Arte é subjetivação-coletiva!
Arte é comunitária, em todas as comunidades mínimas. Habito e existo em muitas – sou comunidade(s):
artista, professora, pesquisadora, avó, mãe, tia, filha, esposa… Quando estou doente habito outras
comunidades – hospitalar, médica, farmacêutica, laboratorial… Quando estou no museu, galeria, escolas, sou
palavras, imagens, contextos, lugares, tempos e espaços de deslocamentos e escapatórias, principalmente se
for arte contemporânea – uma arte do instante, do aqui-agora-já. Dos tempos em que vivemos. Arte é
processual assim como a vida. Mario Pedrosa afirma Arte é um exercício experimental da liberdade.
Nas minhas trilhas carrego também as tralhas, os pesos, os desabores. Mas fabrico alegrias. Meus temas têm
sido as chamadas “minorias”, termo do qual discordo. Existem os massacrados, os anestesiados, os negados
de Vidas-Acesas. Os temas têm sido, os indígenas, as técnicas ordinárias, um trabalho mambembe e ações-
performáticas de miúdos-do-mundo. A cada dia mais aciono as frestas de estar-junto fabricando potências de
mínimos que somos, mas ENORMES de possiblidades de experimentar e atuar na LIBERDADE de ser-
criatível-no-mundo e nos mundos des.a.fiadores do século XXI (carregando todos os séculos anteriores).
Reafirmo: somos um mínimo-miúdo da biosfera, mas dela constituintes. Nossa responsabilidade na
CRIAÇÃO É IMENSA !!!
Volto à pergunta recebida:
Por que as ARTES são importantes para nossa vida?
Por Lucimar Bello Frange
(lucimarbello@terra.com.br)
Pesquisadora voluntária no Núcleo de Estudos da Subjetividade – PUC/SP e no Grupo Mameto/UFBA. Pós-
Doutora pelo Núcleo de Estudos da Subjetividade e em Comunicação e Semiótica, ambos pela
PUC/SP.Doutora e Mestra em Artes Visuais pela USP, graduada em Belas Artes pela UFMG. Professora
Aposentada da UFU.