Sei sulla pagina 1di 533

PAISAGEM

TEIMOSA
A construção Social da Brasília
recifense e a (r)existência
do seu amanhã

Universidade Federal de Pernambuco


Raissa Gomes de Sales
RAISSA GOMES DE SALES

PAISAGEM
TEIMOSA
A construção Social da Brasília
recifense e a (r)existência
do seu amanhã

Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à


Universidade Federal de Pernambuco, como
requisito parcial para a obtenção do grau de
Bacharel em Arquitetura e Urbanismo.

Orientadora: Julieta Maria de Vasconcelos Leite

RECIFE | 2017
Não tinha como ser
diferente. Dedico esse
trabalho aos moradores da
Brasília, que com sua teimosia
e brio, têm ensinado a cidade
do Recife a {r}existir.
AGRADECIMENTOS
O que aprendi estudando a Brasília vai muito além do que está condensado nas páginas
que se seguem. Tive a oportunidade de conhecer não somente sobre a profissão que escolhi,
sobre o Recife, sobre a paisagem e sobre a comunidade Teimosa. Comecei a entender e a
descobrir um pouco mais sobre a vida, a natureza humana e sobre os sen mentos e a energia
vital que nos mo va como pessoas e como sociedade a (r)exis r.
Sem dúvidas, esse trabalho carrega muito de mim, mas também é o resultado da
contribuição de muitas pessoas queridas que es veram comigo durante todo o meu processo
de graduação e de pesquisa. Seria impossível contemplar a todos, mas aqui, gostaria de
agradecer diretamente àqueles que foram fundamentais para que eu trilhasse esse caminho e
chegasse até esse fechamento de ciclo pessoal e profissional.
Em primeiro lugar agradeço a minha família. Aos meus pais, Alba e Gomes, que
passaram pacientemente (às vezes não) pelo o que eu chamo de “ditadura do silêncio”, para
que eu conseguisse me concentrar, estudar e entregar esse trabalho; e as minhas irmãs,
Isadora e Clécia, pelo apoio indispensável que me deram em todos os sen dos.
Gostaria também de agradecer aos meus novos e velhos amigos, pela contribuição e
apoio:
A Thiago e a Bia, que me incen varam, me ajudaram e compreenderam a minha
ausência como madrinha por conta dessa pesquisa.
Às amigas que tropeçaram na minha vida por conta da arquitetura: a Yanne, a
professora do grupo, a Julia, que não sei por onde anda, a Bessa e a Débora, realmente
arquitetas, e a Mari engenheira. As noites de projeto, de maquete e de ponte de macarrão não
teriam sido as mesmas sem vocês.
Aos amigos maravilhosos que me encorajaram durante esse período: Piuzinho, Lins,
Pa nha, Carolzinha, Babi e Clarinha. Agradeço mais uma vez a Lins, por ter deixado esse
trabalho mais poliglota; A Babi, pelas injeções de ânimo; e a Clarinha, pela irmandade, apoio, e
carinho de sempre.
E aos amigos do intercambio e a própria Itália por terem me ensinado tanto.
Profissionalmente, muitos também contribuíram para que eu chegasse até aqui.
Agradeço especialmente:
Às equipes com quem trabalhei na CL engenharia, no GEMFI, no Escritório HZ e no
Pedala PE, e mais diretamente, a Fá ma Nogueira, Erica Costa, Norma Lacerda, Ariadne Paulo,
Kainara dos Anjos, Frederico Lima, Rosaly Almeida e Maíra Travassos.
E aos professores dessa universidade, que vêm me ensinando tantas coisas sobre a
nossa profissão e sobre a vida.
Mais especificamente sobre a Paisagem Teimosa, também são inúmeros os meus
agradecimentos. Dessa forma, meu muito obrigada especialmente:
Mais especificamente sobre a Paisagem Teimosa, também são inúmeros os meus
agradecimentos. Dessa forma, meu muito obrigada especialmente:
A minha orientadora Julieta Leite, que sem dúvidas foi a melhor pessoa que poderia
estar ao meu lado nesse processo. Muito obrigada pela orientação, pelos carões, pelos
conselhos, pela sintonia e pela amizade. Sem a sua contribuição, esse trabalho não teria saído.
Aos calouros Ju, Lua e, principalmente, Wesley, que já nasceu arquiteto. Sou muito
grata pela contribuição linda que vocês me deram.
A Allyson e Clara, amigos que me ajudaram com a revisão dos textos.
A Jamila por ter pensado junto comigo através do ParaINHO.
À Mapoteca da CONDEPE/FIDEM, ao Museu da Cidade do Recife, à FUNDAJ e à
Biblioteca da URB. Sobre esta úl ma, agradeço diretamente a Lucenilda, pelo carinho,
dedicação e confiança.
À professora Lúcia Veras, pela orientação sensível e indispensável para o fechamento
desse trabalho.
À professora Maria Ângela por ter me ajudado inicialmente na construção desse
estudo.
À professora Ana Rita Sá Carneiro, a Ariadne Paulo, a Mirela Duarte, a Fivos de Brito
e a todos aqueles que me auxiliaram com indicações bibliográficas e metodológicas.
Ao Conselho de Moradores de Brasília Teimosa, que tanto me ajudou a entender a
dinâmica do bairro e a sua história.
E por fim, a todos os moradores da Brasília, e em especial, aos que dedicaram um
pouco do seu tempo para par cipar das entrevistas aqui apresentadas. Pontuo
nomeadamente a colaboração de Maninho, que me guiou na comunidade, Den nho,
Celeste, Jane e Wilson. Jamais esquecerei da experiência que ve nesse lugar tão
especialmente construído por vocês: dos sorrisos, das lágrimas emocionadas, das histórias
empolgantes e da alegria de viver. Obrigada por serem tão teimosos e solares. Espero que,
de alguma forma, eu tenha conseguido lhes representar com esse trabalho.

Avante!
Escutem bem,
BRASÍLIA TEIMOSA

(Moacir Gomes, 1980*)


CONTINUA SONHANDO”.
“Agora eu acordei daquele sonho.

*Palavras de Moacir Luiz Gomes, então Presidente do Conselho de Moradores, em um comício realizado
na Rua “D”, atual Rua Badejo, em novembro de 1980.
{ RESUMO
}
A lógica de formação territorial das cidades brasileiras, e notadamente do Recife,
segue uma tendência de mercantilização liberal que vem tratando o território urbano como
mercadoria, não se atentando às relações entre as pessoas e os lugares, nem às
preexistências, aos valores subjetivos e às particularidades físicas e simbólicas desses
últimos. Os espaços urbanos resultantes dessas premissas compõem paisagens neutras, que
não representam a sociedade que a vive e a constrói.
Na contramão desse processo, Brasília Teimosa, comunidade recifense considerada
a ocupação de baixa renda mais antiga da capital, vem resistindo e impondo a sua presença
em um dos locais mais centrais e privilegiados paisagisticamente da cidade, situado em
meio a dois bairros elitizados, o Pina e Boa Viagem. Por conta disso, desde o início da sua
existência, há um conflito entre a sua permanência e a vontade de apropriação do seu
território pelo mercado imobiliário, que deseja expandir a sua atuação para esse bairro sem
considerar a sua história e as suas especificidades, assim como vem fazendo em suas
circunvizinhanças. Esse impasse se traduz palpavelmente ao se analisar a Brasília e o seu
entorno, se refletindo através da formação de um cenário paisagístico conflituoso. O
projeto de paisagem que se enseja à comunidade ameaça a sua existência, neutraliza as
suas particularidades, a sua memória e desimporta as relações existentes entre esse lugar e
os seus moradores, que o construíram e nele vivem atualmente.
Porém, a partir do entendimento que funda esse trabalho, baseado nas teorias de
Jean-Marc Besse, Augustin Berque e Michel Conan, as paisagens devem ser territórios feitos
e habitados pelas pessoas, refletindo as suas vivências, as suas histórias e se permitindo ser
apropriados fisicamente, afetivamente e simbolicamente por elas. Assim, frente à iminência
do apagamento de uma parte importante da história viva do Recife, através das pressões à
permanência do referido bairro no local onde ele se encontra, o presente trabalho tem
como objetivo final traçar Diretrizes Gerais de Conservação para a Paisagem de Brasília
Teimosa. Para elabora-las, estudou-se a construção social paisagística desse lugar partindo
de um olhar baseado no referencial teórico citado, procurando captar quais são os aspectos
relacionais entre ele e as pessoas que nele convivem, e os elementos físicos e subjetivos
que o tornam habitado, único e especial. Por meio do estabelecimento dessas orientações,
busca-se perpetuar a essência dessa paisagem no futuro da cidade.

Palavras Chave: Brasília Teimosa. Paisagem. Construção Social da Paisagem.


{ ABSTRACT }
The logic of the territorial formation of the Brazilian cities, and remarkably Recife,
follows a tendency of liberal commodification that treats the urban territory as a
commodity and it does not take into account the relations between people and places, nor
the pre-existences, the subjective values and the physical and symbolic particularities of the
latter. The urban spaces resulting from these premises make up neutral landscapes, which
do not represent the society that lives and builds them.
Contrary to this process, Brasília Teimosa, a community in Recife considered the
oldest low-income occupation in that capital, has been resisting and imposing its presence
in one of the most central and privileged areas of the city, located close to two elitist
neighbourhoods, Pina and Boa Viagem. Because of this, since the beginning of its existence,
there is a conflict between its permanence and the will to appropriation of its territory by
the real estate market, which wishes to expand its activities to that neighbourhood without
considering the history and specificities of that place, as it has been doing in Brasília
Teimosa’s surroundings. This impasse is translated palpably when analysing Brasília and its
surroundings, which is reflected through the formation of a conflictive landscape scenario.
The landscape project thought to suit the community threatens its existence, neutralizes its
peculiarities, its memory and does not consider the relations between the place and its
inhabitants, who built it in the past and live there nowadays.
Therefore, based on the theories of Jean-Marc Besse, Augustin Berque and Michel
Conan, landscapes must be territories made and inhabited by people, reflecting their
experiences, their stories and the firsts should allow individuals to feel appropriated
physically, affectively and symbolically. Thus, in view of the imminence of the eradication of
an important part of the living history of Recife, through the pressures to the permanence
of this community in the place where it is, the present work has as its final objective to
recommend General Guidelines of Conservation for the Landscape of Brasília Teimosa. In
order to elaborate them, the social landscape construction of this place was studied starting
from a perspective based on the theoretical reference specified before, trying to capture
what the relational aspects between the place and the people who live in it are, and the
physical and subjective elements that make it dwelled, unique and special. Through the
establishment of these guidelines, it is pursued to perpetuate the essence of this landscape
in the future of the city.

Key words: Brasília Teimosa. Landscape. Social construction of the landscape.


{ LISTA DE IMAGENS}
IMAGENS NÃO REFERENCIADAS

Capa e Contracapa – Paisagem Teimosa vista do Cais José Estelita. Fonte: acervo pessoal da
autora.

Capa após os agradecimentos – Paisagem Teimosa em perspectiva. Fonte: acervo pessoal


da autora.

Capa Introdução – Brasília Teimosa e o seu entorno conflituoso. Fonte: acervo pessoal da
autora.

Capa Capítulo 1 – Barcos na orla fluvial da Brasília. Fonte: acervo pessoal da autora. | P.58

Capa Capítulo 2 – A maré e as palafitas de Brasília Teimosa. Foto de Leopoldo Nunes para o
JC Imagens, tirada em 12 de agosto de 2002. Fonte: Flickr etudoverdade. Disponível em:
<https://www.flickr.com/photos/37303517@N02/3432275909/>. Acesso em: 18 jun. 2016.
| P.80

Capa Capítulo 3 – Praia do Buraco da Véia, 2015. Fonte: Flickr Rafael Reines, 2015.
Disponível em: <
https://www.flickr.com/photos/osvaldo_santos/9774222573/in/photostream/>. Acesso em:
15 jun. 2016. | P.184

Capa Capítulo 4 – Barcos na orla fluvial da Brasília. Foto de autoria de Ezequiel Vannoni,
Agência JCM, Foto Arena. Fonte: Flickr Ezequiel Vannoni. Disponível em:
<https://www.flickr.com/photos/52943624@N03/15836203668/>. Acesso em: 18 de jun.
de 2016. | P.264

Capa Conclusão – A Teimosa vista de cima. Foto de Flávio Gusmão, 2009. Fonte: Flickr Flávio
Gusmão, 201-. Disponível em:
<https://www.flickr.com/photos/flaviogusmao/4089822536/in/gallery-anaisismoura-
72157629258981606/>. Acesso em: 14 jun. 2016. | P.346

Capa dos Fundos – Paisagem Teimosa vista do Cais José Estelita e Barcos na orla fluvial da
Brasília. Fonte: acervo pessoal da autora.

INTRODUÇÃO

Imagem 1 – Bairro de Brasília Teimosa. Acima, pode-se ver um pequeno pedaço do bairro
do Pina. Fonte: Skyscrapercity Raul Lopes, 2013. Disponível em:
<http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=1451744>. Acesso em: 19 jun. 2016. |
P.51
Imagem 2 – Bairro de Brasília Teimosa e a sua Avenida Beira-Mar, 2013. Foto de autoria de
Marcos Pastich. Fonte: Flickr Marcos Pastich, 2013. Disponível em:
<https://www.flickr.com/photos/marcospastich/12500733143/>. Acesso em: 14 jun. 2016.
| P.51

Imagem 3 – Brasília Teimosa vista a partir de sua orla fluvial (que fica de frente para a Ilha
de Santo Antônio e São José), 2014. Foto de autoria de Ezequiel Vannoni, Agência JCM, Foto
Arena. Fonte: Flickr Ezequiel Vannoni. Disponível em:
<https://www.flickr.com/photos/52943624@N03/15836203668/>. Acesso em: 18 de jun.
de 2016. | P.52

Imagem 4 – Em primeiro plano, o bairro do Pina, e em segundo, o de Boa Viagem. Fonte:


Site Dicas de Hotéis, 2014. Disponível em: <http://www.dicasdehoteis.net/os-melhores-
hoteis-na-praia-de-boa-viagem-em-recife/>. Acesso em: 29 abr. 2017. | P.53

Imagem 5 – Em primeiro plano o bairro de Brasília Teimosa, de classe baixa e horizontal, e


ao fundo, os arranha-céus elitizados do bairro do Pina, 2014 Fonte: Flickr Leonardo
Malafaia, 2014. Disponível em: <
https://www.flickr.com/photos/127670188@N08/15102659087/>. Acesso em: 14 jun.
2016. | P.54

CAPÍTULO 1 | DA PAISAGEM À TEIMOSA


-

CAPÍTULO 2 | A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA

Imagem 1 – Desenho esquemático da geografia físico-morfológica do Recife, feito por J.C.


Branner em 1904. Fonte: CASTRO, 1966, p.17 in BEZERRA, 2017, p.40 (modificado). | P.83

Imagem 2 – Arrecifes vistos do alto do Forte do Picão, 1875. Percebe-se a força desse
elemento paisagístico ao longo da história do lugar. Após os navios, encontram-se os
territórios correspondentes ao atual Bairro do Pina. Autor: Marc Ferrez. Fonte: FERREZ,
1988, p.23. | P.84

Imagem 3 – Panorama feito entre os anos de 1826 e 1832, de autoria de João Steinmann.
Neste recorte, vê-se em primeiro plano o Bairro do Recife, em segundo, os bairros de Santo
Antônio e São José, e em terceiro, a Ilha do Nogueira, ainda em seu estado natural quase
intacto. Fonte: FERREZ, 1984, p.58 e 59. | P.91

Imagem 4 – Vista da paisagem local após a construção do Dique, que se encontra ao fundo.
Em último plano, a Ilha do Nogueira. Foto de Autoria de F. du Bocage, 1910. Título original:
Obras do Porto. Fonte: Villa Digital. Coleção Benício Dias. Acervo Fundação Joaquim
Nabuco. Ministério da Educação. Disponível em:
<http://villadigital.fundaj.gov.br/index.php/fotografias/item/673-obras-do-porto>. Acesso
em: 22 mar. 2017. | P.91

Imagem 5 – Cartão Postal com pintura retratando o bairro do Pina (sem data). Fonte:
Coleção José Paiva Crespo. Acervo Fundação Joaquim Nabuco. Ministério da Educação. |
P.92

Imagem 6 – Vista do Pina em 1922. Nota-se o conjunto de mocambos em meio ao coqueiral


e alagados. Acervo Museu da Cidade do Recife. Reprodução Assis Lima/ Fundarpe - 1990.
Fonte: SILVA, 2008b, p.26. | P.94

Imagem 7 – Mocambos do Pina. Pintura sobre papel de autoria de PH. Von Luetzelburg,
1936. Coleção Benício Dias. CEHIBRA - FUNDAJ. Fonte: SILVA, 2008b, p.47. | P.95

Imagem 8 – Canteiro de Obras na Ilha do Nogueira, entre 1911 e 1914. Autoria de F. Du


Bocage. Fonte: Villa Digital. Coleção Benício Dias. Acervo Fundação Joaquim Nabuco.
Ministério da Educação. Título original: Canteiro de obras na Ilha do Nogueira. Disponível
em: <http://villadigital.fundaj.gov.br/index.php/fotografias/item/676-canteiro-de-obras-na-
ilha-de-nogueira>. Acesso em: 22 mar. 2017. | P.96

Imagem 9 – Obras do porto no Dique do Nogueira em 1910 (data aproximada). Autoria de F.


Du Bocage. Fonte: Villa Digital. Coleção Benício Dias. Acervo Fundação Joaquim Nabuco.
Ministério da Educação. Título original: Dique do Nogueira. Disponível em:
<http://villadigital.fundaj.gov.br/index.php/fotografias/item/751-dique-do-nogueira>.
Acesso em: 22 mar. 2017. | P.96

Imagem 10 – Cartão postal da Ponte do Pina em 1916. Fonte: Coleção Josebias Bandeira.
Acervo Fundação Joaquim Nabuco. Ministério da Educação. | P.98

Imagem 11 – Boa Viagem em 1908, antes da abertura da Avenida Beira-Mar. Na época as


ocupações eram espaçadas e o local era basicamente uma mistura de coqueirais e alagados.
Autor desconhecido. Fonte: Blog Caderno Recifense, [20--]. Disponível em:
<http://cadernorecifense.blogspot.com.br/?view=snapshot>. Acesso em: 10 jun. 2016. |
P.100

Imagem 12 – Obras durante a construção da Avenida Beira-Mar, em Boa Viagem, em 1923.


Autor desconhecido. Fonte: Blog Paulo Eduardo Lubambo Lyra, 2012. Disponível em:
<http://plubambo.blogspot.com.br/2012/04/fotos-avenida-boa-viagem-e-pina.html>.
Acesso em: 19 jun. 2016. | P.100

Imagem 13 – Avenida Boa Viagem recém-inaugurada, em 1925. Fonte: Filme Veneza


Americana, 1925. Direção de Hugo Falangola. Son., P&B. Disponível em:
<https://www.youtube.com/watch?v=Gs1XoVj7rlE&feature=youtu.be>. Acesso em: 19 jun.
2016. | P.101
Imagem 14 – Cartão Postal da Avenida Boa Viagem em 1939 (data aproximada). Coleção de
Josebias Bandeira. Acervo Fundação Joaquim Nabuco. Ministério da Educação. | P.101

Imagem 15 – Ponte do Pina ampliada na década de 1920. Título Original: "A 'gigolô' no
cavalete de via única sobre o Rio Pina na linha de Boa Viagem". Autor desconhecido. Fonte:
The Trams of/Os Bondes do Recife, [20--]. Disponível em:
<http://www.tramz.com/br/re/re20.html>. Acesso em: 19 jun. 2016. | P.102

Imagem 16 – Cartão Postal da Avenida de Ligação, atual Herculano Bandeira, em 1925 (data
aproximada). Foto de Autoria de L. Gabriele. Coleção Josebias Bandeira. Acervo Fundação
Joaquim Nabuco. Ministério da Educação. | P.102

Imagem 17 – Perspectiva do Recife em 1932. Em primeiro plano, vê-se a Ilha de Santo


Antônio e São José, e ao fundo, as áreas correspondentes aos atuais bairros do Pina e
Brasília Teimosa. Fonte: Ana Maria Costa Fraga (Pinterest), [20--]. Disponível em:
<https://br.pinterest.com/pin/566186984385517370/>. Acesso em: 18 jun. 2016. | P.109

Imagem 18 – Perspectiva do Recife já com o aterro do Areal Novo. Em primeiro plano, vê-se
a Ilha de Santo Antônio e São José, e ao fundo, as áreas correspondentes aos atuais bairros
do Pina e Brasília Teimosa. Fonte: Blog Francisco Miranda, [20--]. Disponível em:
<https://chicomiranda.wordpress.com/tag/fotos-de-recife/#jp-carousel-11735>. Acesso em:
19 jun. 2016. | P.109

Imagem 19 – Foto aérea do aterro recém terminado. Essa península corresponde à maior
parte do território atual da Brasília Teimosa hoje. Acervo do Museu da Cidade do Recife.
Reprodução Assis Lima/ Fundarpe - 2010. Fonte: SILVA, 2008b, p. 52. | P.110

Imagem 20 – Brasília Teimosa recém-loteada (anos 70). Autor e ano desconhecidos. Fonte:
Textos & Contextos: O Blog Almanaque, 2010. Disponível em:
<http://textosehcontextos.blogspot.com.br/2014_07_01_archive.html>. Acesso em: 17
abril 2017. | P.114

Imagem 21 – Construção de mocambos em Brasília Teimosa, em 1959, no início das


ocupações. Autor desconhecida. Fonte: Brasilina Teimosina (Perfil do Facebook), 2016.
Título Original: 1959! Álbum Só tem História, Quem tem Memória. | P.115

Imagem 22 – Pescadores em Brasília Teimosa, 1957. Autor desconhecido. Fonte: Brasilina


Teimosina (Perfil do Facebook), 2016. Título Original: Pesca. Disponível
em:<https://www.facebook.com/photo.php?fbid=357172611332496&set=a.199019920481
100.1073741842.100011192807604&type=3&theater>. Acesso em: 15 mar. 2017. | P.121

Imagem 23 – Vendedor de Caju em Boa Viagem na década de 1940. Como neste exemplo,
uma boa parte da população pobre residente neste bairro e no do Pina e Brasília Teimosa
tinha na natureza o seu meio de subsistência e trabalho. Fonte: Villa Digital. Coleção Benício
Dias. Autoria de Benício Whatley Dias Acervo Fundação Joaquim Nabuco. Ministério da
Educação. Título original: Vendedor de Cajus. Disponível em:
<http://villadigital.fundaj.gov.br/index.php/fotografias/item/3068-vendedor-de-cajus>.
Acesso em: 22 mar. 2017. | P.122

Imagem 24 – Avenida Boa Viagem com construções ainda predominantemente horizontais


na década de 1940. Fonte: Blog Diário de Pernambuco, 2015. Disponível em: <
http://blogs.diariodepernambuco.com.br/diretodaredacao/2015/07/03/a-pre-historia-da-
zona-sul/>. Acesso em: 19 jun. 2016. | P.124

Imagem 25 – Boa Viagem na década de 1950. Observar a paisagem começando a se


modificar, com casas predominantemente térreas situadas em meio ao coqueiral. Fonte:
Blog Paulo Eduardo Lubambo Lyra, 2012. Disponível em: <
http://plubambo.blogspot.com.br/2012/04/fotos-avenida-boa-viagem-e-pina.html>. Acesso
em: 19 jun. 2016. | P.125

Imagem 26 – Avenida Boa Viagem, década de 1950. Fonte: Villa Digital. Coleção Benício
Dias. Autoria de Benício Whatley Dias. Acervo Fundação Joaquim Nabuco. Ministério da
Educação. Título original: Avenida Boa Viagem. Disponível em: <
http://villadigital.fundaj.gov.br/index.php/fotografias/item/1773-avenida-boa-viagem>.
Acesso em: 22 mar. 2017. | P.125

Imagem 27 – Praia de Boa Viagem com sua orla já um pouco verticalizada em 1965. Fonte:
Villa Digital. Coleção Benício Dias. Autoria de Katarina Real. Acervo Fundação Joaquim
Nabuco. Ministério da Educação. Título original: Praia de Boa Viagem. Disponível em: <
http://villadigital.fundaj.gov.br/index.php/fotografias/item/1773-avenida-boa-viagem>.
Acesso em: 22 mar. 2017. | P.126

Imagem 28 – Boa Viagem verticalizada na década de 60. Em destaque, o Edifício Holiday.


Fonte: Blog Caderno Recifense, 2013. Disponível em: <
http://cadernorecifense.blogspot.com.br/2013/12/recife-por-paulo-mendes-
campos.html?view=snapshot>. Acesso em: 19 jun. 2016. | P.127

Imagem 29 – Cartão postal retratando a Ponte Agamenon Magalhães entre as décadas de


1940 e 1950. Fonte: Coleção Arnaldo Guedes Pereira. Autoria desconhecida. Acervo
Fundação Joaquim Nabuco. Ministério da Educação. | P.127

Imagem 30 – Encontro entre a Avenida Boa Viagem e a Avenida de Ligação (atual Avenida
Herculano Bandeira) na década de 60. Ao fundo, à direita Brasília Teimosa com seu Areal já
loteado e ocupado. Perceber a mudança em relação à paisagem natural original dos bairros,
que nesse período já estava bastante aterrado e com pouco verde e área de mangue. Fonte:
Blog Conheça o Recife Antigo, [20--]. Disponível em:
<http://blogdojmaia.blogspot.com.br/p/historia-do-recife.html>. Acesso em: 18 jun. 2016. |
P.128

Imagem 31 – Aeroclube de Pernambuco em meio à paisagem do Pina no final da década de


50. A Avenida Boa Viagem já um pouco verticalizada e a paisagem desses dois bairros
bastante modificada em relação à original. Autoria de Alcir Lacerda. Fonte: TC2 (Fotolog),
2005. Disponível em: <http://www.fotolog.com/tc2/11862976/>. Acesso em: 19 jun. 2016.
| P.129

Imagem 32 – Perspectiva do Pina na década de 1940. Em destaque, Igreja Matriz do Rosário


(Igreja do Pina) na Avenida Herculano Bandeira, construída em 1932. Nesse período, a
paisagem já havia sido bastante alterada e os contornos das ilhas já se apagavam por conta
dos sucessivos aterros realizados. Perceber os primeiros arruamentos bem consolidados no
bairro do deste bairro. Fonte: Pinterest Ana Maria Costa Fraga, [20--]. Disponível em:
<https://br.pinterest.com/pin/556194622707242961/>. Acesso em: 18 jun. 2016. | P.130

Imagem 33 – Perspectiva de Brasília Teimosa e Pina em 1967. No plano central a Ponte


Agamenon Magalhães e a Avenida Antônio de Góes. Em segundo plano, à esquerda, o
edifício do DNER, e à direita, o Clube Líbano Brasileiro. Ao fundo, Brasília Teimosa e Pina,
com a sua paisagem modificada pelos arruamentos consolidados. Ainda observa-se a
presença da vegetação e dos coqueirais, mais em quantidade muito menor aos originais.
Fonte: Brasilina Teimosina (Perfil do Facebook), 2016. | P.131

Imagem 34 – Praia de Boa Viagem na década de 1970. Neste momento já é possível


observar um aumento considerável na verticalização local. No canto direito, ao centro, se vê
o Aeroclube. Fonte: SkyscraperCity, 2010. Disponível em: <
http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=1103073>. Acesso em: 19 jun. 2016. |
P.132

Imagem 35 – Cartão postal da Avenida Boa Viagem verticalizada na década de 1970. Fonte:
SkyscraperCity, 2010. Disponível em: <
http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=1103073>. Acesso em: 18 jun. 2016. |
P.133

Imagem 36 – Postal retratando a Ponte Agamenon Magalhães e Bairros do Pina e Brasília


Teimosa ao fundo, 1971. Fonte: Fotolog TC2, 2008. Disponível em:
<http://www.fotolog.com/tc2/35136592/>. Acesso em: 18 jun. 2016. | P.134

Imagem 37 – Planta esquemática do projeto proposto pela URB para a área de Brasília
Teimosa em 1974. Fonte: ALVES, 2009, p.99. | P.142

Imagem 38 – Corte esquemático da orla marítima de Brasília Teimosa segundo o projeto de


Jaime Lerner de 1979. Fonte: LERNER, 1979, p.68. | P.143

Imagem 39 – Perspectiva esquemática da orla marítima de Brasília Teimosa segundo o


projeto de Jaime Lerner de 1979. Fonte: LERNER, 1979, p.80. | P.143

Imagem 40 – Protestos contra o “Muro da Vergonha” feito pelo Iate Clube. Fonte: Diário de
Pernambuco. Recife, 23 jan. 1980. Local, p. 5. Disponível em: <
http://memoria.bn.br/DocReader/docreader.aspx?bib=029033_16&pasta=ano%20198&pes
q=Buraco%20da%20velha>. Acesso em: 28 ago. 2017. | P.146
Imagem 41 – Foto artística de Benoit Doncoeur, em 1983, mostrando o bairro de Brasília
teimosa e a sua precariedade. Fonte: Site Benoit Doncouer, [20--]. Disponível em:
<http://www.benoitdoncoeur.com/es/page_11414.html>. Acesso em: 18 jun. 2016. | P.147

Imagem 42 – Brasília Teimosa no final dos anos 70. Ao centro, o icônico Padre Jaime,
militante do bairro, provavelmente na antiga rua “M”, atual Dragão do Mar. A rua de barro
reflete a situação do bairro como um todo nesse período. Perceber também as casas de
madeira, uma maioria na época. Fonte: acervo do Conselho de Moradores de Brasília
Teimosa. | P.147

Imagem 43 – Mais uma foto da rua “M”, atual Dragão do Mar entre a década de 70 e 80.
Fonte: Brasilina Teimosina (Perfil do Facebook), 2016. Disponível em:
<https://www.facebook.com/photo.php?fbid=238433876539704&set=a.136866180029808
.1073741827.100011192807604&type=3&theater>. Acesso em: 14 abr. 2017. | P.148

Imagem 44 – Foto Aérea da área do Pina e Brasília Teimosa tirada em 28/12/1979. Foto de
Sidney Waismann. Percebe-se a clara divisão entre os dois bairros feita pelas avenidas
Herculano Bandeira e Antônio de Goes. Fonte: Biblioteca da URB. | P.148

Imagem 45 – Foto Aérea de Brasília Teimosa tirada em 28/12/1979. Foto de Sidney


Waismann. Ao fundo, o Iate Clube do Recife. Pode-se ver a força da linha dos arrecifes na
paisagem. Fonte: Biblioteca da URB. | P.149

Imagem 46 – Brasília Teimosa no ponto em que a área da colônia se encontra com as


avenidas Antônio de Goes e Herculano Bandeira. Foto aérea tirada em 28/12/1979. Foto de
Sidney Waismann. Fonte: Biblioteca da URB. | P.149

Imagem 47 – Foto aérea de Brasília Teimosa e Pina. Em primeiro plano, o Iate Clube e os
arrecifes, que compõe uma grande linha de força com os arrecifes. Foto aérea tirada em
28/12/1979. Foto de Sidney Waismann. Fonte: Biblioteca da URB. | P.149

Imagem 48 – Cabeçalho do Jornal Teimosinho, distribuído pelo Conselho de Moradores. O


personagem desenhado se chama “Teimosinho”, e ilustrou os documentos, jornais e
folhetos da comunidade até os anos 2000. Fonte: acervo pessoal de Celeste Maria Valença
de Mendonça. | P.151

Imagem 49 – Comício durante as eleições do Conselho em 1983, mostrando o engajamento


da população nas causas da comunidade. Em destaque, Osmar, uma liderança do bairro.
Fonte: acervo do Conselho de Moradores de Brasília Teimosa. | P.152

Imagem 50 – Multidão na rua protestando durante o carnaval na década de 1970,


provavelmente, em frente à igreja católica do bairro. Nem mesmo nesse período a
população esquecia da luta, se utilizando da arte e do humor para agregar os moradores.
Fonte: acervo do Conselho de Moradores de Brasília Teimosa. | P.152
Imagem 51 – Multidão na rua protestando, provavelmente na década de 70. Fonte: acervo
do Conselho de Moradores de Brasília Teimosa. | P.153

Imagem 52 – Moradores e o ônibus Brasília – Pina na década de 1970. Fonte: acervo do


Conselho de Moradores de Brasília Teimosa. | P.154

Imagem 53 – Carroça de água na década de 1980. Fonte: BRASÍLIA..., 198-. | P.154

Imagem 54 – Palafitas da orla marítima no final dos anos 80. Fonte: acervo do Conselho de
Moradores de Brasília Teimosa. | P.155

Imagem 55 – Palafitas da orla marítima no final dos anos 80. Fonte: acervo do Conselho de
Moradores de Brasília Teimosa. | P.155

Imagem 56 – Pescadores em meio aos Barracos da Brasília em 1989. Fonte:


Favelados...1989. | P.156

Imagem 57 – Construção de casas em Brasília Teimosa em 1984. Fonte: Biblioteca da URB. |


P.157

Imagem 58 – Construção de casas em Brasília Teimosa em 1984. Fonte: Biblioteca da URB. |


P.14

Imagem 59 – Vila da Prata em 1987. Fotografia de Valdir Afonso. Fonte: Biblioteca URB. |
P.158

Imagem 60 – Vila da Prata em 1987. Fotografia de Valdir Afonso. Fonte: Biblioteca URB. |
P.159

Imagem 61 – Boa Viagem com orla e interior bastante verticalizados. Foto de autoria de
Gustavo Penteado, tirada em 04 de novembro de 2006. Fonte: Panoramio Google Maps,
2007. Disponível em: <http://www.panoramio.com/photo/465543>. Acesso em: 14 jun.
2016. | P.163

Imagem 62 – Final do Pina e início de Boa Viagem na primeira metade dos anos 2000. Foto
de autoria de Eduardo Lins Cardoso. Fonte: Panoramio Google Maps, 2007. Disponível em: <
http://www.panoramio.com/photo/6278370>. Acesso em: 14 jun. 2016. | P.164

Imagem 63 – Paisagem de Brasília Teimosa e Pina vista dos arrecifes. Foto de autoria de
Diego Bis, tirada em de julho de 2006. Fonte: Flickr Diego Bis. Disponível em: <
https://www.flickr.com/photos/a_leste/197156139/>. Acesso em: 18 jun. 2016. | P.164
Imagem 64 – Obras concluídas em Brasília Teimosa. Provavelmente a Rua Dagoberto Pires
na década de 1990. Fonte: Biblioteca da URB. | P.170

Imagem 65 – Corrida de saco em frente ao Conselho de Moradores da Rua Parú em outubro


de 2003. Perceber as edificações em segundo plano, já verticalizadas. Fonte: acervo do
Conselho de Moradores de Brasília Teimosa. | P.171

Imagem 66 – Faixas e estandarte do Bloco de Carnaval do Conselho de Moradores, o


“Calada Nada”, que foi nomeado fazendo uma referência às lutas da população do bairro
pela permanência e melhorias. Nota-se também uma faixa do Projeto Teimosia Verde, além
de outras três com um conteúdo de protesto. Foto tirada na década de 1990. Fonte: acervo
pessoal de Celeste Maria Valença de Mendonça. | P.172

Imagem 67 – Orla após a realocação dos moradores. Sem passar por um projeto de
requalificação, a beira-mar sofria um processo recorrente de ocupação por palafitas. Fonte:
Blog Conselho de Moradores de Brasília Teimosa, 2012. Disponível em: <
http://conselhodemoradoresdebrasiliateimosa.blogspot.com.br/p/fotos-e-videos.html>.
Acesso em: 09 abr. 2017. | P.173

Imagem 68 – Brasília Teimosa e sua orla antes da abertura da Avenida Brasília Formosa.
Perceber a linha de força dos arrecifes na paisagem. Ao fundo, a ilha de Santo Antônio e São
José. Fonte: Site Patrimônio de Todos.gov, 2009. Disponível em:
<http://patrimoniodetodos.gov.br/pastaimagem.2009-07-02.4357058635/brasilia-teimosa-
antes-da-intervencao/image_view_fullscreen>. Acesso em: 18 jun. 2016. | P.174

Imagem 69 – Brasília Teimosa antes da requalificação da orla. Perceber a linha de força dos
arrecifes na paisagem, reforçada pela mureta de contenção. Foto de Alexandre Auler.
Fonte: Flickr Alexandre Auler. Disponível em: <
https://www.flickr.com/photos/alxauler/9170370/>. Acesso em: 18 jun. 2016. | P.174

Imagem 70 – A maré e as palafitas de Brasília Teimosa. Foto de Leopoldo Nunes para o JC


Imagens, tirada em 12 de agosto de 2002. Fonte: Flickr etudoverdade. Disponível em:
<https://www.flickr.com/photos/37303517@N02/3432275909/>. Acesso em: 18 jun. 2016.
| P.175

Imagem 71 – Palafitas em Brasília Teimosa nos anos 2000. É perceptível a falta de estrutura
dessas edificações, que em sua maioria eram feitas de madeira, e conviviam com o esgoto e
o lixo lado-a-lado. Foto de Lívia Brandão. Fonte: Flickr Lívia Brandão. Disponível em:
<https://www.flickr.com/photos/liviabrandao/2057131326/>. | P.175

Imagem 72 – Praia do Buraco da Véia durante as obras de requalificação da orla em 2003.


Foto de autoria de Wilson Lapa. Fonte: acervo do Conselho de Moradores de Brasília
Teimosa. | P.177
Imagem 73 – Ponto de encontro da Avenida Brasília Formosa e os arrecifes. Foto de Jaciel
Marcos tirada em 17 de novembro de 2009. Fonte: Flickr Jaciel Marcos. Disponível em:
<https://www.flickr.com/photos/jacielm/4112860705/in/gallery-anaisismoura-
72157629258981606/>. Acesso em: 14 jun. 2016. | P.177

Imagem 74 – Brasília Teimosa e sua Orla antes das obras de requalificação. Fonte:
FERNANDES, 2010, p.98. | P.178

Imagem 75 – Brasília Teimosa, sua orla e a Praia do Buraco da Véia após a abertura da
Avenida Brasília Formosa. Fonte: Site Patrimônio de Todos.gov, 2009. Disponível em:
<https://gestao.patrimoniodetodos.gov.br/pastaimagem.2009-07-02.4357058635/brasilia-
teimosa-hoje/image_view_fullscreen>. Acesso em: 15 jun. 2016. | P.178

Imagem 76 – Conjunto Habitacional Brasília Teimosa ainda nos anos 2000. Fonte:
FERNANDES, 2010, p.96. Originalmente pertencente ao acervo de Lourdinha Santos. | P.179

Imagem 77 – Conjunto Habitacional Brasília Teimosa ainda nos anos 2000. Observar a
fronteira entre o conjunto e o restante da comunidade. Fonte: FERNANDES, 2010, p.97. |
P.180

Imagem 78 – Entrada do conjunto Habitacional Brasília Teimosa ainda nos anos 2000.
Fonte: FERNANDES, 2010, p.97. | P.180

CAPÍTULO 3 | A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ

Imagem 1 – Boa Viagem e Pina adensados e verticalizados. Fonte: SkyscraperCity, 2009.


Disponível em: <http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=986078&page=463>.
Acesso em: 18 jun. 2016. | P.191

Imagem 2 – Boa Viagem com seus comércios elitizados e tratamento diferenciado. Avenida
Conselheiro Aguiar, 2016. Fonte: Google Maps Street View, 2016. | P.191

Imagem 3 – A paisagem do Pina verticalizado frente a ZEIS Encanta Moça e ao Parque dos
Manguezais. Foto de autoria Eduardo Câmara Lima. Fonte: Panoramio Google Maps, 2010.
Disponível em: <http://www.panoramio.com/photo/14903263>. Acesso em: 14 jun. 2016. |
P.193

Imagem 4 – Palafitas na ZEIS do Pina. Foto de José Nunes. Fonte: Flickr José Nunes, 2014.
Disponível em: <https://www.flickr.com/photos/123177437@N06/14245585648/>. Acesso
em: 14 jun. 2017. | P.193

Imagem 5 – Empresariais no Bairro do Pina. Fonte: Olx, 2017. Disponível em: <
http://pe.olx.com.br/grande-recife/lojas-salas-e-outros/sala-no-empresarial-rio-mar-trade-
center-oportunidade-115694508 >. Acesso em: 14 jun. 2017. | P.194
Imagem 6 – Demolição do tradicional Edifício Caiçara na Avenida Boa Viagem após o seu
terreno ser adquirido pela Rio Ave Construtora, 2016. Foto de Bobby Fabisak/ JC Imagem.
Fonte: Jornal do Commercio Online, 2016. Disponível em: <
http://jconline.ne10.uol.com.br/canal/cidades/geral/noticia/2016/04/07/edificio-caicara-e-
demolido-na-avenida-boa-viagem-229935.php>. Acesso em: 14 jun. 2017. | P.196

Imagem 7 – Ponto de encontro entre as orlas de Boa Viagem e Pina, 2013. Perceber a
homogeneidade na paisagem homogênea dos dois bairros. Fonte: Flickr Raul Lopes, 2014.
Disponível em: < https://www.flickr.com/photos/raullopes1983/11796349514/>. Acesso
em: 14 jun. 2017. | P.196

Imagem 8 – Avenida Boa Viagem e os seus prédios próximos à Praia. Fonte: Wikipedia,
2013. Disponível em:
<https://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Cal%C3%A7ad%C3%A3o_e_ciclovia_da_Praia_de_B
oa_Viagem_-_Recife,_Pernambuco,_Brasil.jpg >. Acesso em: 14 jun. 2017. | P.197

Imagem 9 – Praia de Boa Viagem sombreada pelos seus edifícios. Foto original pertencente
ao documentário “Um Lugar ao Sol”, de Gabriel Mascaro, 2009. Fonte: Assiste Brasil, 2017.
Disponível em: <http://www.assistebrasil.com.br/2017/04/um-lugar-ao-sol-o-brasil-dos-
abismos-sociais/>. Acesso em: 14 jun. 2017. | P.197

Imagem 10 – As ruas hostis do pina. Fonte: Google Maps Street View, 2016. | P.198

Imagem 11 – Edifício no Rio de Janeiro. Fonte: SkyscraperCity, 2013. Disponível em:


<http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=986078&page=463>. Acesso em: 15
jun. 2017. | P.198

Imagem 12 – Edifício JCPM no Pina. Perceber as semelhanças entre ele e o exemplar


carioca. Fonte: Escritório Link Propaganda, 201-. Disponível em: <
http://www.linkpropaganda.com.br/wp-content/gallery/escritorio-recife/predio-escritorio-
linkpropaganda-recife.jpg>. Acesso em: 15 jun. 2017. | P.198

Imagem 13 – “O mar de prédios de Boa Viagem”, o mar que perdeu seu sentido. Fonte:
Crítica do personagem ParaINHO, da Arquiteta e ilustradora Jamila Lima. | P.199

Imagem 14 – O conflito entre as paisagens de Brasília Teimosa (em primeiro plano) e Pina e
Boa Viagem (ao fundo). Fonte: SkyscraperCity, 2011. Disponível em: <
http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=1451744>. Acesso em: 15 jun. 2017. |
P.200

Imagem 15 – Brasília Teimosa e sua grande densidade construtiva atualmente. Foto de


Osvaldo Santos. Fonte: Flickr Osvaldo Santos, 2013. Disponível em: <
https://www.flickr.com/photos/osvaldo_santos/9774222573/in/photostream/>. Acesso em:
14 jun. 2017. | P.202
Imagem 16 – Brasília Teimosa densamente construída. Rua Badejo, 2017. À direita, percebe-
se que a edificação verde pertencente a um restaurante se encontra irregular por ter mais
pavimentos do que é permitido para a área. Fonte: acervo pessoal da autora. | P.203

Imagem 17 – Problemas de lixo e esgoto na área da Colônia. Fonte: acervo pessoal da


autora. | P.204

Imagem 18 – Lixo ao lado do Mercado da Brasília. Fonte: BRASÍLIA, 2014. | P.205

Imagem 19 – Rua Arabaiana, a principal do bairro. Fonte: BRASÍLIA, 2014. | P.209

Imagem 20 – Rua Arabaiana. Fonte: acervo pessoal da autora. | P.210

Imagem 21 – Praia do Buraco da Véia sendo amplamente utilizada. Fonte: URPIA, 2014. |
P.210

Imagem 22 – Avenida Brasília Formosa. Observar os bares, a ciclovia e o espaço para


exercícios, todos nesse trecho. Fonte: acervo pessoal da autora. | P.211

Imagem 23 – Praça Abelardo Baltar e o Mercado Público da Brasília vistos em um dia de


domingo à tarde, horário de menor movimento. Fonte: acervo pessoal da autora. | P.212

Imagem 24 – Comércios ao redor do Mercado Público. Fonte: acervo pessoal da autora. |


P.212

Imagem 25 – Bares e movimento na orla marítima. Fonte: acervo pessoal da autora. | P.214

Imagem 26 – Dona Leu, marisqueira do bairro exercendo sua atividade no Rio Capibaribe ao
lado da comunidade. Fonte: BRASÍLIA...2014. | P.214

Imagem 27 – Primeira parte da orla. Fonte: acervo pessoal da autora. | P.216

Imagem 28 – Corte esquemático da primeira parte da orla. Fonte: elaborado pela autora. |
P.216

Imagem 29 – Segunda parte da orla. Fonte: acervo pessoal da autora. | P.217

Imagem 30 – Corte esquemático da Segunda parte da orla. Fonte: elaborado pela autora. |
P.217

Imagem 31 – Terceira parte da orla. Fonte: acervo pessoal da autora. | P.218


Imagem 32 – Corte esquemático da Terceira parte da orla. Fonte: elaborado pela autora. |
P.218

Imagem 33 – Quarta parte da orla, o Buraco da Véia, 2015. Fonte: Flickr Rafael Reines, 2015.
Disponível em: <
https://www.flickr.com/photos/osvaldo_santos/9774222573/in/photostream/>. Acesso em:
15 jun. 2016. | P.219

Imagem 34 – Corte esquemático da Quarta parte da orla. Fonte: elaborado pela autora. |
P.219

Imagem 35 – Pistinha e concentração dos barcos. Fonte: acervo pessoal da autora. | P.220

Imagem 36 – Pier da Associação de Pescadores e barcos em toda a orla fluvial do bairro.


Fonte: acervo pessoal da autora. | P.221

Imagem 37 – Vila da Prata atualmente. Fonte: Google Maps, 2016. | P.222

Imagem 38 – Vila Moacir Gomes atualmente. Fonte: Google Maps, 2016. | P.223

Imagem 39 – Área da Colônia atualmente. Fonte: acervo pessoal da autora. | P.224

Imagem 40 – Vila Teimosinho atualmente. Fonte: acervo pessoal da autora. | P.225

Imagem 41 – Conjunto Habitacional atualmente. Fonte: Google Maps, 2016. | P.226

Imagem 42 – A paisagem de Brasília Teimosa formando uma unidade. Fonte: Brasilina


Teimosina (Perfil do Facebook), 2016. Disponível em: <
https://www.facebook.com/photo.php?fbid=346910402358717&set=a.136866180029808.
1073741827.100011192807604&type=3&theater>. Acesso em: 15 mar. 2017. | P.228

Imagem 43 – Edifício do JCPM conflitando com a Paisagem Teimosa ao fundo. Foto de


Francisco Edson Mendes, 2008. Fonte: Panoramio Google Maps, 2008. Disponível em:
<http://www.panoramio.com/photo/13409374>. Acesso em: 14 jun. 2016. | P.231

Imagem 44 – Empresarial JCPM visto da Rua Francisco Valpassos no interior da comunidade


Teimosa, 2017. Perceber as diferenças tipológicas e de gabarito. Fonte: acervo pessoal da
autora. | P.233

Imagem 45 – Situação hipotética de uma paisagem atual harmônica sem o empresarial


JCPM. Fonte: acervo pessoal da autora (modificado). | P.233
Imagem 46 – Via mangue em construção. Ao fundo à esquerda, a comunidade de Brasília
Teimosa. Fonte: Blog Priscila Krause, 2014. Disponível em: <
http://www.blogdepriscila.com.br/2014/6827/via-mangue-vista-aerea-2>. Acesso em: 16
jun. 2017. | P.234

Imagem 47 – Traçado da Via Mangue. Abaixo, á direita, a comunidade de Brasília Teimosa.


Fonte: Blog Transporte na Região Metropolitana do Recife, 2013. Disponível em:
<http://transportenarmr.blogspot.com.br/2013/04/via-mangue.html>. Acesso em: 16 jun.
2017. | P.235

Imagem 48 – Shopping Rio e suas três torres empresariais. Fonte: SkyscraperCity, 2014.
Disponível em: <http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=1090149&page=505>.
Acesso em: 18 jun. 2016. | P.236

Imagem 49 – Brasília Teimosa antes e depois da criação da ligação da Rua Francisco


Valpassos à Avenida Antônio de Góes. Fonte: Google Mapa, 2011; 2016. | P.237

Imagem 50 – Edifício da Advocacia Geral da União. Foto de Wesley MCallister/AscomAGU.


Fonte: Flickr Advocacia Geral da União, 2011. Disponível em: <
https://www.flickr.com/photos/advocaciageraldauniao/6285701051/in/photostream/ >.
Acesso em: 16 jun. 2017. | P.238

Imagem 51 – Edifício da Advocacia Geral da União visto das proximidades do Mercado da


Brasília. Fonte: acervo pessoal da autora. | P.238

Imagem 52 – Situação hipotética de uma paisagem atual harmônica sem a Advocacia Geral
da União. Fonte: acervo pessoal da autora (modificado). | P.238

Imagem 53 – Edifício da Receita Federal na Avenida Antônio de Goes. Fonte: Google Maps,
2016. | P.239

Imagem 54 – Edifício da Receita Federal visto da Vila Teimosinho. Fonte: acervo pessoal da
autora. | P.239

Imagem 55 – Situação hipotética de uma paisagem atual harmônica sem o Edifício da


Receita Federal. Fonte: acervo pessoal da autora (modificado). | P.239

Imagem 56 – Edifício Jopin. Fonte: Open Buildings, 201-. Disponível em:


<http://openbuildings.com/buildings/jopin-building-profile-41630>. Acesso em: 16 jun.
2017. | P.240

Imagem 57 – Edifício Jopin visto da Rua Delfim, na Vila Moacir Gomes. Fonte: acervo
pessoal da autora. | P.240
Imagem 58 – Situação hipotética de uma paisagem atual harmônica sem o Edifício Jopin.
Fonte: acervo pessoal da autora (modificado). | P.240

Imagem 59 – Edifício do Empresarial ITC. Fonte: Direct Empreendimentos Imobiliários,


2016. Disponível em: < http://www.directimoveis.com.br/imovel-v0896/internacional-
trade-center#>. Acesso em: 16 jun. 2017. | P.241

Imagem 60 – Edifício do Empresarial ITC visto da Rua Francisco Valpassos. Fonte: acervo
pessoal da autora. | P.241

Imagem 61 – Situação hipotética de uma paisagem atual harmônica sem o edifício do


Empresarial ITC. Fonte: acervo pessoal da autora (modificado). | P.241

Imagem 62 – Edifício do Empresarial ITC visto da Rua Comendador Moraes. Fonte: Google
Maps, 2016. | P.242

Imagem 63 – Situação hipotética de uma paisagem atual harmônica sem o edifício do


Empresarial ITC. Fonte: Google Maps, 2016 (modificado). | P.242

Imagem 64 – Edifício Fred Dubeux. Fonte: Google Maps, 2016. | P.243

Imagem 65 – Edifício Fred Dubeux visto da Área da Colônia. Fonte: acervo pessoal da
autora. | P.243

Imagem 66 – Situação hipotética de uma paisagem atual harmônica sem o edifício Fred
Dubeux. Fonte: acervo pessoal da autora (modificado). | P.243

Imagem 67 – Edifícios do Pina invadindo a Paisagem Teimosa. Fonte: acervo pessoal da


autora. | P.244

Imagem 68 – Em primeiro plano, as Torres Gêmeas da Moura Dubeux. Ao fundo, Brasília


Teimosa. Fonte: Blog Acerto de Contas, 2008. Disponível em: <
http://www.directimoveis.com.br/imovel-v0896/internacional-trade-center#>. Acesso em:
16 jun. 2017. | P.245

Imagem 69 – Brasília teimosa e as Torres Gêmeas ao fundo. Fonte: acervo pessoal da


autora. | P.245

Imagem 70 – Situação hipotética das Torres Gêmeas tendo uma altura reduzida. Fonte:
acervo pessoal da autora (modificado). | P.246
Imagem 71 – Primeira versão do Projeto Novo Recife. Fonte: Pini Web, 2012. Disponível em:
<http://piniweb.pini.com.br/construcao/urbanismo/projeto-novo-recife-no-cais-jose-
estelita-e-aprovado-em-275875-1.aspx>. Acesso em: 16 jun. 2017. | P.247

Imagem 72 – Versão atual do Projeto Novo Recife visto de Brasília Teimosa. Perceber as
duas torres já existentes no local à direita. Fonte: Site Novo Recife, 2014. Disponível em: <
http://www.novorecife.com.br/>. Acesso em: 16 jun. 2017. | P.247

Imagem 73 – Em primeiro plano, a versão atual do Projeto Novo Recife, e ao fundo, Brasília
Teimosa. Fonte: Site Novo Recife, 2014. Disponível em: < http://www.novorecife.com.br/>.
Acesso em: 16 jun. 2017. | P.248

Imagem 74 – Projeto Recife-Olinda no trecho do Cais de Santa Rita. Fonte: Blog Direitos
Urbanos, 2012. Disponível em: < https://direitosurbanos.wordpress.com/tag/cidades-
possiveis/>. Acesso em: 16 jun. 2017. | P.248

Imagem 75 – Pontos do Teleférico previsto para Brasília Teimosa. Fonte: Diego Martiniano
(página no Facebook), 2015 (modificado). Disponível em: <
https://www.facebook.com/photo.php?fbid=680004375478411&set=a.125417587603762.
39063.100004065637040&type=3&theater>. Acesso em: 16 jun. 2017. | P.249

Imagem 76 – Hotel da Rio Ave e Brasília Teimosa ao fundo. Fonte: Blog do Jamildo, 2017.
Disponível em: <http://blogs.ne10.uol.com.br/jamildo/2014/04/11/prefeitura-recife-barra-
construcao-de-megahotel-da-rio-ave-em-brasilia-teimosa/>. Acesso em: 16 jun. 2017. |
P.250

Imagem 77 – Empresarial Líbano Brasileiro. Fonte: Wikimapia, 2012. Disponível em:


<http://wikimapia.org/1438974/pt/Empresarial-L%C3%ADbano-Brasileiro>. Acesso em: 16
jun. 2017. | P.251

Imagem 78 – Edifício Mirante do Capibaribe. Fonte: Expo Imóvel, 201-. Disponível em: <
http://www.expoimovel.com/imovel/apartamentos-lancamento-pina-recife-
pernambuco/372922/pt/BR>. Acesso em: 16 jun. 2017. | P.252

Imagem 79 – Casa de arquitetura não convencional ao bairro de Brasília Teimosa. Fonte:


acervo pessoal da autora. | P.255

Imagem 80 – Edifício irregular na Rua Poraquê. Fonte: acervo pessoal da autora. | P.256

Imagem 81 – A Paisagem Teimosa e o seu entorno conflitante. Fonte: Brasilina Teimosina


(Perfil do Facebook), 2016. Disponível em:
<https://www.facebook.com/photo.php?fbid=179005365815889&set=a.179005335815892
.1073741838.100011192807604&type=3&theater>. Acesso em: 15 mar. 2017. | P.261
Imagem 82 – A Unidade de Paisagem de Brasília Teimosa. Foto de Maurício F. Pinho. Fonte:
Panoramio Google Maps, 2010. Disponível em: <
http://www.panoramio.com/photo/43212928>. Acesso em: 15 jun. 2016. | P.261

CAPÍTULO 4 | A BRASÍLIA COMO KOSMOS

Imagem 1 – Brasília e suas casas anfíbias a Beira-Mar, antes da abertura da avenida Brasília
Formosa. Fonte: Blog Conselho de Moradores de Brasília Teimosa, 2012. Disponível em:
<http://conselhodemoradoresdebrasiliateimosa.blogspot.com.br/p/fotos-e-videos.html>.
Acesso em: 09 jun. 2017. | P.267

Imagem 2 – Brasília Teimosa antes do calçamento de suas ruas, que originalmente eram de
areia. Fonte: Brasilina Teimosina (Perfil do Facebook), 201-. Disponível em:
<https://www.facebook.com/photo.php?fbid=168107063572386&set=a.168107033572389
.1073741837.100011192807604&type=3&theater>. Acesso em: 15 mar. 2017. | P.267

Imagem 3 – Brasília Teimosa sendo retratada em uma Cena do Filme Aquarius (2016). Ao
fundo, os prédios do Pina. Fotografia de Victor Jucá. Fonte: CAVANI, 2016. | P.268

Imagem 4 – Brasília Teimosa e as torres gêmeas da Moura Dubeux no Cais José Estelita.
Fotografia de Ivo Lopes Araújo. Filme Avenida Brasília Formosa (2010). Fonte: CAVANI,
2016. | P.269

Imagem 5 – Brasília Teimosa, Solo, 2010. Foto de Gabriel Britto. Fonte: Flickr Gabriel Britto.
Disponível em: <https://www.flickr.com/photos/gabrielbritto/4722019681/>. Acesso em: 14
jun. 2016. | P.270

Imagem 6 – Brasília Teimosa, Território, 2013. Foto de Camila Almeida. Fonte: Flickr Camila
Almeida. Disponível em: <https://www.flickr.com/photos/ideiologia/8601965680/
>. Acesso em: 14 jun. 2016. | P.271

Imagem 7 – Brasília Teimosa, Meio Ambiente Natural e Vivo, 2006. Foto de Alberto Benning.
Fonte: Flickr Alberto Benning. Disponível em:
<https://www.flickr.com/photos/benning/121524859/>. Acesso em: 15 jun. 2016. | P.271

Imagem 8 – A Paisagem de Brasília Teimosa e os edifícios conflitantes do Pina, 2012. Foto de


José Rodrigues. Fonte: Mapio José Rodrigues, 2012. Disponível em:
<http://mapio.net/s/30498919/>. Acesso em: 18 jun. 2016. | P.274

Imagem 9 – Brasília verticalizada, 2017. Fonte: acervo pessoal da autora. | P.277

Imagem 10 – Brasília verticalizada e adensada. Rua Estrela do Mar, 2017. Fonte: acervo
pessoal da autora. | P.277
Imagem 11 – Os arrecifes da Recife vistos do alto do Forte do Picão, 1875. Autor: Marc
Ferrez. Fonte: FERREZ, 1988, p.23. | P.282

Imagem 12 – Os arrecifes da cidade atualmente (2014). Em primeiro plano, o Bairro do


recife; em segundo, a Ilha de Santo Antônio e São José; em terceiro, Brasília Teimosa.
Perceber a ligação entre as três localidades. Fonte: Brasilina Teimosina (Perfil do Facebook),
201-. Disponível em:
<https://www.facebook.com/photo.php?fbid=277107806005644&set=a.205200899863002
.1073741843.100011192807604&type=3&theater>. Acesso em: 15 mar. 2017. | P.283

Imagem 13 – Praia do Buraco da Véia e os arrecifes. Fonte: Site Patrimônio de Todos.gov,


2009. Disponível em: < https://gestao.patrimoniodetodos.gov.br/pastaimagem.2009-07-
02.4357058635/brasilia-teimosa-hoje/image_view_fullscreen>. Acesso em: 14 jun. 2016. |
P.283

Imagem 14 – Piscina natural formada pelos arrecifes na Praia do Buraco da Véia. Fonte:
URPIA, 2014. | P.284

Imagem 15 – Barcos de Pescadores no início da Pistinha. Foto de Américo Pinto. Fonte:


Brasilina Teimosina (Perfil do Facebook), 2016. Disponível em: <
https://www.facebook.com/photo.php?fbid=216644095385349&set=a.179005335815892.
1073741838.100011192807604&type=3&theater>. Acesso em: 15 mar. 2017. | P.284

Imagem 16 – Palafitas e os arrecifes antes da construção da mureta de contenção. Fonte:


acervo do Conselho de Moradores de Brasília Teimosa. | P.285

Imagem 17 – Avenida Brasília Teimosa atualmente, com o muro de contenção entre a areia
e os arrecifes. Fonte: acervo pessoal da autora. | P.285

Imagem 18 – Praia de Brasília Teimosa em seu trecho próximo ao Pina, 2007. Foto de
autoria de Carlos M.G. Fonte: Panoramio Google Maps, 2007. Disponível em:
<http://www.panoramio.com/photo/14903263>. Acesso em: 14 jun. 2016. | P.287

Imagem 19 – Praia do Buraco da Véia e os seus Banhistas, 2016. Fonte: Brasilina Teimosina
(Perfil do Facebook), 2016. Disponível em:
<https://www.facebook.com/photo.php?fbid=199019523814473&set=a.199019467147812
.1073741841.100011192807604&type=3&theater>. Acesso em: 15 mar. 2017. | P.288

Imagem 20 – Banhistas na Praia do Buraco da Véia. Fonte: URPIA, 2014. | P.288

Imagem 21 – Banhista na Praia do Buraco da Véia. Observar os arrecifes que conformam a


praia. Fonte: URPIA, 2014. | P.289
Imagem 22 – Moradores tomando Banho de Choque na mureta. Foto de Daniel Pereira,
2013. Fonte: Site Fotógrafo Daniel Pereira, 2013. Disponível em:
<http://cargocollective.com/DanielPereira/filter/Banho/Choque>. Acesso em: 08 jun. 2017.
| P.289

Imagem 23 – “Banho de Choque faz Parte da Nossa História”. Imagem encontrada em uma
página do Facebook alimentada por fotos e conteúdos provenientes dos próprios
moradores. Fonte: Brasilina Teimosina (Perfil do Facebook), 2016. Disponível em: <
https://www.facebook.com/photo.php?fbid=296309030752188&set=a.296309004085524.
1073741850.100011192807604&type=3&theater>. Acesso em: 15 mar. 2017. | P.290

Imagem 24 – Crianças jogando bola na praia no início da Ocupação na Brasília. Fonte:


Edimilson Araújo da Silva, Slide Brasília, 2014. Disponível em:
<https://www.youtube.com/watch?v=XqYjyheZMbg>. Acesso em: 08 jun. 2017. | P.294

Imagem 25 – Crianças jogando bola na praia na Brasília atual. Fotografia de Daniel Jacinto
Pereira, 2014. Fonte: Daniel Jacinto Pereira (Youtube), 2014. Disponível em:
<https://www.youtube.com/watch?v=3bTJtWOJllU>. Acesso em: 08 jun. 2017. | P.294

Imagem 26 – Crianças nas barras de exercício da orla. Fotografia de Daniel Jacinto Pereira,
2014. Fonte: Daniel Jacinto Pereira (Youtube), 2014. Disponível em:
<https://www.youtube.com/watch?v=3bTJtWOJllU>. Acesso em: 08 jun. 2017. | P.295

Imagem 27 – Parquinho e quiosque na Avenida Brasília Formosa, 2017. Fonte: acervo


pessoal da autora. | P.295

Imagem 28 – Quiosques e bares na Avenida Brasília Formosa, 2017. Fonte: acervo pessoal
da autora. | P.296

Imagem 29 – Orla sendo vivenciada (provavelmente na década de 70). Fonte: Edimilson


Araújo da Silva, Slide Brasília, 2014. Disponível em:
<https://www.youtube.com/watch?v=XqYjyheZMbg>. Acesso em: 08 jun. 2017. | P.296

Imagem 30 – Pessoas bebendo e conversando na Beira-mar. Fonte: BRASÍLIA, 2014.


Disponível em: < https://www.youtube.com/watch?v=ZIgImbH_hRo>. Acesso em: 24 maio
2017. | P.297

Imagem 31 – Pessoas conversando na beira do rio. Foto de Sergio Eduardo Urt, 2009. Fonte:
Flickr Sergio Eduardo Urt, 2009. Disponível em:
<https://www.flickr.com/photos/sergiourt/3970326952/>. Acesso em: 14 jun. 2016. | P.297
Imagem 32 – Festa de São Pedro, 2016. Fonte: Portal G1 de Notícias, 2016. Disponível em: <
http://g1.globo.com/pernambuco/noticia/2016/06/procissao-homenageia-sao-pedro-por-
terra-e-por-mar-em-brasilia-teimosa.html>. Acesso em: 24 maio 2017. | P.298

Imagem 33 – Pescadores em Brasília Teimosa, 1957. Autor desconhecido. Fonte: Brasilina


Teimosina (Perfil do Facebook), 2016. Título Original: Pesca. Disponível
em:<https://www.facebook.com/photo.php?fbid=357172611332496&set=a.199019920481
100.1073741842.100011192807604&type=3&theater>. Acesso em: 15 mar. 2017. | P.302

Imagem 34 – Pescador na Brasília Teimosa Atual. Fonte: BRASÍLIA...2014. | P.303

Imagem 35 – Pescadores próximos à Associação. Fonte: BRASÍLIA, 2014. Disponível em:


<https://www.youtube.com/watch?v=XqYjyheZMbg>. Acesso em: 08 jun. 2017. | P.303

Imagem 36 – Marisqueira na Brasília. Fonte: BRASÍLIA, 2014. Disponível em:


<https://www.youtube.com/watch?v=XqYjyheZMbg>. Acesso em: 08 jun. 2017. | P.304

Imagem 37 – Pescadores na Brasília. Fonte: BRASÍLIA, 2014. Fonte: acervo pessoal da


autora. | P.304

Imagem 38 – Venda de peixes em barraca. Fonte: BRASÍLIA, 2014. Disponível em:


<https://www.youtube.com/watch?v=XqYjyheZMbg>. Acesso em: 08 jun. 2017. | P.305

Imagem 39 – Colagem de Bares, Restaurantes e botecos de Brasília Teimosa. Fonte: Google


Maps, 2016. | P.307

Imagem 40 – Império dos Camarões, Restaurante da Brasília conhecido internacionalmente.


Fonte: Google Maps, 2016. | P.308

Imagem 41 – Quiosque na Orla de Brasília Teimosa (esquina da rua Dagoberto Pires). Fonte:
acervo pessoal da autora. | P.308

Imagem 42 – Restaurante Bar do Peixe, um dos mais tradicionais da Brasília. Fonte: acervo
pessoal da autora. | P.309

Imagem 43 – Bar nas proximidades da Praia do Buraco da Véia. Fonte: acervo pessoal da
autora. | P.309

Imagem 44 – Vendedor de Caldinhos na Praia do Buraco da Véia. Fonte URPIA, 2014. | P.310

Imagem 45 – Vendedor de Peixes na Praia do Buraco da Véia. Fonte URPIA, 2014. | P.310
Imagem 46 – Bares nas proximidades do Mercado de Brasília Teimosa. Fonte: BRASÍLIA,
2014. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=ZIgImbH_hRo>. Acesso em: 24
maio 2017. | P.311

Imagem 47 – Colagem de comércios e serviços da Brasília. Fonte: Google Maps, 2016. |


P.313

Imagem 48 – Comércio na Rua Arabaiana. Perceber os mercados dos dois lados da rua.
Fonte: acervo pessoal da autora. | P.314

Imagem 49 – Comércio variado na Rua Arabaiana. Fonte: FABRÍCIO, 2014. | P.314

Imagem 50 – Anúncio de Venda de Pescado. Fonte: acervo pessoal da autora. | P.315

Imagem 51 – Venda de peixe em barraca na Rua Arabaiana. Fonte: BRASÍLIA, 2014.


Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=ZIgImbH_hRo>. Acesso em: 24 maio
2017. | P.315

Imagem 52 – Venda de milho e espetinho na Rua Delfim. Fonte: acervo pessoal da autora. |
P.316

Imagem 53 – Comércios próximos ao Mercado de Brasília Teimosa. Fonte: acervo pessoal da


autora. | P.316

Imagem 54 – Tipologia 1. Edificações encontradas em Brasília Teimosa. Fonte: ANJOS, 2013,


p.95. | P.318

Imagem 55 – Tipologia 2. Edificações encontradas em Brasília Teimosa. Fonte: ANJOS, 2013,


p.96. | P.318

Imagem 56 – Implantação 3. Edificações encontradas em Brasília Teimosa. Fonte: ANJOS,


2013, p.96 (modificado). | P.319

Imagem 57 – Colagem de Casas da Brasília. Fonte: Google Maps, 2016. | P.321

Imagem 58 – Casas da Rua Espardate na década de 1960. Fonte: BEZERRA, 1965. | P.324

Imagem 59 – Casas da Rua Estrela do Mar, 2017. Fonte: acervo pessoal da autora. | P.324

Imagem 60 – Brasília Teimosa e as casas que sentem a rua. Foto de Flávio Gusmão, 2009.
Fonte: Flickr Flávio Gusmão, 201-. Disponível em:
<https://www.flickr.com/photos/flaviogusmao/4089822536/in/gallery-anaisismoura-
72157629258981606/>. Acesso em: 14 jun. 2016. | P.325
Imagem 61 – Comércios que sentem a rua. Fonte: acervo pessoal da autora. | P.325

Imagem 62 – Casas que sentem o rio. Foto de Luiz Baltar. Fonte Blog Com mais de trinta,
2010. Disponível em: <http://www.anapessoa.com.br/?tag=brasilia-teimosa>. Acesso em:
15 jun. 2016. | P.326

Imagem 63 – Palafitas na antiga orla marítima da Brasília. Foto de autoria de Eduardo


Câmara. Fonte: Panoramio Google Maps, 2007. Disponível em: <
http://www.panoramio.com/photo/38954285>. Acesso em: 15 jun. 2016. | P.326

Imagem 64 – Casas que sentem o mar na Avenida Brasília Teimosa, 2017. Fonte: acervo
pessoal da autora. | P.327

Imagem 65 – Conjunto residencial Brasília Teimosa e seus muros à convivência. Fonte:


acervo pessoal da autora. | P.327

Imagem 66 – Conjunto residencial Brasília Teimosa e seus muros à convivência. Fonte:


acervo pessoal da autora. | P.328

Imagem 67 – Edificações que conformam a Unidade de Paisagem de Brasília Teimosa.


Perceber a diferença entre a paisagem do bairro e o seu entorno (Pina e Boa Viagem).
Fonte: acervo pessoal da autora. | P.328

Imagem 68 – A (com)vivência na orla. Crianças jogando bola e pessoas bebendo,


conversando, tomando banho de mar e interagindo com os arrecifes. Fonte: BRASÍLIA,
2014. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=ZIgImbH_hRo>. Acesso em: 24
maio 2017. | P.333

Imagem 69 – Ritos de Pesca na orla marítima. Fonte: Colônia...2013. Disponível em:


<https://www.youtube.com/watch?v=M8aAAB4ZJu0>. Acesso em: 11 jun. 2017. | P.333

Imagem 70 – Pescadores e pessoas sentadas em frente às casas. Foto de autoria de Ezequiel


Vannoni, Agência JCM, Foto Arena. Fonte: Flickr Ezequiel Vannoni. Disponível em:
<https://www.flickr.com/photos/52943624@N03/15836203668/>. Acesso em: 18 de jun.
de 2016. | P.334

Imagem 71 – Movimentação comercial. Rua Arabaiana. Fonte: acervo pessoal da autora. |


P.334

Imagem 72 – Meninos jogando bola na Brasília de ontem. Fonte: Edimilson Araújo da Silva,
Slide Brasília, 2014. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=XqYjyheZMbg>.
Acesso em: 08 jun. 2017. | P.335
Imagem 73 – Meninos jogando bola na Brasília de hoje. Fonte: BRASÍLIA, 2014. Disponível
em: <https://www.youtube.com/watch?v=ZIgImbH_hRo>. Acesso em: 24 maio 2017. | P.335

Imagem 74 – Rua sendo vivida na Brasília de ontem. Perceber as casas que sentem a rua.
Fonte: Edimilson Araújo da Silva, Slide Brasília, 2014. Disponível em:
<https://www.youtube.com/watch?v=XqYjyheZMbg>. Acesso em: 08 jun. 2017. | P.336

Imagem 75 – Mulheres sentadas e crianças brincando na rua. Fonte: BRASÍLIA, 2014.


Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=ZIgImbH_hRo>. Acesso em: 24 maio
2017. | P.336

Imagem 76 – Crianças brincando e pessoas sentadas na calçada. Fonte: BRASÍLIA, 2014.


Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=ZIgImbH_hRo>. Acesso em: 24 maio
2017. | P.337

Imagem 77 – Rua Badejo sendo vivenciada hoje. Perceber as casas que sentem a rua e o
mercadinho situado fora da zona comercial do bairro. Fonte: acervo pessoal da autora. |
P.337

Imagem 78 – Casa de arquitetura simples na Brasília Teimosa de ontem. Fonte: Edimilson


Araújo da Silva, Slide Brasília, 2014. Disponível em:
<https://www.youtube.com/watch?v=XqYjyheZMbg>. Acesso em: 08 jun. 2017. | P.339

Imagem 79 – Casas de arquitetura simples da Brasília Teimosa de hoje. Fonte: acervo


pessoal da autora. | P.340

Imagem 80 – Edifício de alto padrão situado no bairro de Boa Viagem. Fonte:


SkyscraperCity, 2004. Disponível em:
<http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=731578>. Acesso em: 19 jun. 2016. |
P.340

Imagem 81 – Mercadinho do centro comercial de Brasília Teimosa. Fonte: acervo pessoal da


autora. | P.340

Imagem 82 – Supermercado situado no bairro de Boa Viagem. Fonte: Blog do Jota Lídio,
2014. Disponível em: < http://blogdojotalidio.blogspot.com.br/2014_03_01_archive.html>.
Acesso em: 11 jun. 2017. | P.340

Imagem 83 – Rua da Brasília de ontem. Fonte: Edimilson Araújo da Silva, Slide Brasília, 2014.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=XqYjyheZMbg>. Acesso em: 08 jun.
2017. | P.341

Imagem 84 – Rua Delfim na Brasília de hoje. Fonte: acervo pessoal da autora. | P.341
Imagem 85 – Avenida Domingos Ferreira em Boa Viagem. Fonte: Mapio, 201-. Disponível
em: < http://mapio.net/s/30497001/>. Acesso em: 08 jun. 2017. | P.341

Imagem 86 – Píer improvisados na orla fluvial da Brasília. Foto de autoria de Ezequiel


Vannoni, Agência JCM, Foto Arena. Fonte: Flickr Ezequiel Vannoni. Disponível em:
<https://www.flickr.com/photos/52943624@N03/15836203668/>. Acesso em: 18 de jun.
de 2016. | P.341

Imagem 87 – Pescador na baitera. Fonte: BRASÍLIA...2014. | P.342

Imagem 88 – Praia do Buraco da Véia e sua estreita faixa de areia. Fonte: Site Esse Mundo é
Nosso, 2014. Disponível em: <http://www.essemundoenosso.com.br/praia-de-boa-
viagem/>. Acesso em: 11 jun. 2017. | P.342

Imagem 89 – Praia de Boa Viagem e sua faixa de areia. Fonte: Blog Brasília Teimosa, 2009.
Disponível em: <http://pz.filho.zip.net/arch2009-04-19_2009-04-25.html>. Acesso em: 11
jun. 2017. | P.342

Imagem 90 – Avenida Brasília Formosa. Fonte: acervo pessoal da autora. | P.342

Imagem 91 – Avenida Boa Viagem, Beira-mar do bairro. Fonte: Mobilicidade Recife, 201-.
Disponível em: < https://www.mobilicidade.com.br/ciclofaixarecife/pontosturisticos.asp>.
Acesso em: 11 jun. 2017. | P.342
{ LISTA DE MAPAS }
INTRODUÇÃO

Mapa 1 – Brasília Teimosa e a Zona Sul do Recife. Perceber que o perímetro da ZEIS da
comunidade não corresponde ao perímetro do seu bairro. Fonte: Google Earth, 2017
(modificado). | P.49

CAPÍTULO 1 | DA PAISAGEM À TEIMOSA


-

CAPÍTULO 2 | A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA

Mapa 1 – Recife em 1641. 1) Porto do Recife; 2) Cidade Maurícia; 3) Arrecifes; 4) Barreta; 5)


Atuais Bairros do Pina e Brasília Teimosa; 6) Rio da Barreta. Título Original: Cidade Maurícia.
Original localizado na Fundação Biblioteca Nacional. Mapa de autoria de Cornelis Golijath.
Fonte: SILVA, 2008b, p16. | P.86

Mapa 2 – Detalhe do mapa anterior correspondente à área dos atuais bairros do Pina e
Brasília Teimosa em 1641. 1) Primeiras ocupações; 2) Arrecifes; 3) Rio da Barreta; 4)
Localização aproximada da Fazenda da Barreta e do Forte Schoonenburg. Título Original:
Cidade Maurícia. Original localizado na Fundação Biblioteca Nacional. Mapa de autoria de
Cornelis Golijath. Fonte: SILVA, 2008b, p16. | P.87

Mapa 3 – Planta da Cidade do Recife e seus Arrebaldes em 1875 (recorte). Organizada pela
Repartição de Obras Públicas. 1) Arrecifes; 2) Antiga Barreta; 3) Dique do Nogueira; 4)
Lazareto; 5) Açude; 6) Viveiros; 7) Casa da Vivenda; 8) Rio da Barreta; 9) Cabanga; 10) Ilha
de Santo Antônio e São José; 11) Bairro do Recife. Fonte: Biblioteque Nationale da França.
Disponível em: <http://gallica.bnf.fr/ark:/12148/btv1b530985443.r=Recife>. Acesso em: 09
abr. 2017. | P.89

Mapa 4 – Detalhe da planta anterior correspondente à área dos atuais bairros do Pina e
Brasília Teimosa em 1875. Organizada pela Repartição de Obras Públicas. 1) Arrecifes; 2)
Antiga Barreta; 3) Dique do Nogueira; 4) Lazareto; 5) Açude; 6) Viveiros; 7) Casa da Vivenda;
8) Rio da Barreta; 9) Cabanga; 10) Ilha de Santo Antônio e São José; 11) Bairro do Recife.
Fonte: Biblioteque Nationale da França. Disponível em:
<http://gallica.bnf.fr/ark:/12148/btv1b530985443.r=Recife>. Acesso em: 09 abril 2017. |
P.90

Mapa 5 – Cidade do Recife, 1906, de autoria de Douglas Fox (recortado). Ao sul, a Ilha do
Nogueira, atual Pina. 1) Arrecifes; 2) Antiga Barreta; 3) Dique do Nogueira; 4) Lazareto; 5)
Açude; 6) Viveiros; 7) Porto da Ilha; 8) Cabanga; 9) Ilha de Santo Antônio e São José; 10)
Bairro do Recife. Fonte: Laboratório Topográfico de Pernambuco, [20--]. Disponível em:
<http://www.labtopope.com.br/cartografia-historica/>. Acesso em: 12 mar. 2017. | P.97

Mapa 6 – Mapa esquemático feito a mão por Casttelus (nome completo não identificado no
material). 1) Arrecifes; 2) Antiga Barreta. 3) Dique do Nogueira; 4) Antigo Lazareto; 5)
Avenida Boa Viagem; 6) Avenida de Ligação; 7) Ponte do Pina; 8) Oficinas do Porto; 9) Mar;
10) Estação de Tratamento; 11) Cabanga; 12) Ilha de Santo Antônio e São José; 13) Bairro do
Recife. Título Original: Porto do Recife: planta geral das obras complementares. Fonte:
cedido pela CONDEPE/FIDEM. | P.103

Mapa 7 – Recorte do mapa esquemático anterior feito a mão por Casttelus (nome completo
não identificado no material). 1) Arrecifes; 2) Antiga Barreta. 3) Dique do Nogueira; 4)
Antigo Lazareto; 5) Avenida Boa Viagem; 6) Avenida de Ligação; 7) Ponte do Pina; 8) Oficinas
do Porto; 9) Mar. Título Original: Porto do Recife: planta geral das obras complementares.
Fonte: cedido pela CONDEPE/FIDEM. | P.104

Mapa 8 – Proposta para o aeroporto no Areal do Pina, provavelmente datada do ano de


1934 1) Arrecifes; 2) Antiga barreta; 3) Dique; 4) Coroa dos Passarinhos; 5) Aeroporto; 6)
Mar; 8) Avenida Herculano Bandeira; 9) Ponte do Pina; 10) Cabanga; 11) Ilha de Santo
Antônio e São José. Fonte: FORTIN, 1987. | P.111

Mapa 9 – Pina e Brasília Teimosa em 1943. 1) Arrecifes; 2) Areal Novo, ainda desocupado. 3)
Areal velho (área da Colônia) com as suas ocupações iniciais; 4) Avenida de Ligação
(Herculano Bandeira); 5) Ponte do Pina; 6) Avenida Boa Viagem; 7) Antigo Lazareto; 8)
Aeroclube; 9) Instalações da Rádio Station Pina; 10) Manguezal; 11) Cabanga; 12) Ilha de
Santo Antônio e São José; 13) bairro do Recife. Notar o arruamento ainda bastante inicial de
traçado irregular. Mapa elaborado pelo Serviço Geográfico do exército. Fonte: cedido pela
CONDEPE/FIDEM. | P.116

Mapa 10 – Recorte do mapa anterior mostrando o Pina e Brasília Teimosa em 1943. 1)


Arrecifes; 2) Areal Novo, ainda desocupado. 3) Areal velho (área da Colônia) com as suas
ocupações iniciais; 4) Avenida de Ligação (Herculano Bandeira); 5) Ponte do Pina; 6) Avenida
Boa Viagem; 7) Antigo Lazareto; 8) Aeroclube; 9) Instalações da Rádio Station Pina; 10)
Manguezal; 11) Cabanga; 12) Ilha de Santo Antônio e São José; 13) bairro do Recife. Notar o
arruamento ainda bastante inicial de traçado irregular. Mapa elaborado pelo Serviço
Geográfico do exército. Fonte: cedido pela CONDEPE/FIDEM. | P.117

Mapa 11 – Montagem de Fotos Aéreas do ano de 1951 anterior. 1) Arrecifes; 2) Areal Novo,
ainda pouco ocupado. 3) Areal velho (área da Colônia) com as suas ocupações iniciais
(perceber o primeiro arruamento bem definido); 4) Avenida de Ligação (Herculano
Bandeira); 5) Ponte do Pina; 6) Avenida Boa Viagem; 7) Ruínas Lazareto 8) Aeroclube; 9)
Manguezal; 10) Ilha de Santo Antônio e São José. Perceber o arruamento bastante parecido
com a encontrada no início da década anterior. Fonte: fotos cedidas pela CONDEPE/FIDEM.
| P.118
Mapa 12 – Detalhe da montagem de Fotos Aéreas do ano de 1951 anterior. 1) Arrecifes; 2)
Areal Novo, ainda pouco ocupado. 3) Areal velho (área da Colônia) com as suas ocupações
iniciais (perceber o primeiro arruamento bem definido); 4) Avenida de Ligação (Herculano
Bandeira); 5) Avenida Boa Viagem; 6) Ruínas Lazareto. Perceber o arruamento bastante
parecido com a encontrada no início da década anterior. Fonte: fotos cedidas pela
CONDEPE/FIDEM. | P.119

Mapa 13 – Mapa esquemático do traçado viário principal de Boa Viagem na década de


1950. 1) Areal de Brasília Teimosa; 2) Avenida Herculano Bandeira; 3) Avenida Boa Viagem.
Fonte: BARTHEL, 1989 in ALVES, 2009, p.64. | P.126

Mapa 14 – Ortofotocartas do Pina e Brasília Teimosa em 1975. 1) Arrecifes; 2) Área do


futuro Iate Clube; 3) Praia do Buraco da Véia; 4) Ponte Agamenon Magalhães; 5) Avenida
Antônio de Goes; 6) Avenida Herculano Bandeira; 7) Avenida Beira-Mar; 8) Aeroclube; 9)
Ilha de Santo Antônio e São José; 10) Bairro do Recife. Fonte: CONDEPE/FIDEM. | P.135

Mapa 15 – Detalhe das ortofotocartas do Pina e Brasília Teimosa em 1975. 1) Arrecifes; 2)


Área do futuro Iate Clube; 3) Praia do Buraco da Véia; 4) Ponte Agamenon Magalhães; 5)
Avenida Antônio de Goes; 6) Avenida Herculano Bandeira; 7) Avenida Beira-Mar. Fonte:
CONDEPE/FIDEM. | P.136

Mapa 16 – Ortofotocartas do Pina e Brasília Teimosa em 1985. 1) Arrecifes; 2) Iate Clube; 3)


Praia do Buraco da Véia; 4) Ponte Agamenon Magalhães; 5) Ponte Paulo Guerra; 6) Avenida
Antônio de Goes; 7) Avenida Herculano Bandeira; 8) Avenida Beira-Mar; 9) Avenida
Conselheiro Aguiar; 10) Avenida Domingos Ferreira; 11) Aeroclube; 12) Ilha de Santo
Antônio e São José; 13) Bairro do Recife. Fonte: CONDEPE/FIDEM. | P.137

Mapa 17 – Detalhe das ortofotocartas do Pina e Brasília Teimosa em 1985. 1) Arrecifes; 2)


Iate Clube; 3) Praia do Buraco da Véia; 4) Avenida Antônio de Goes; 5) Avenida Herculano
Bandeira; 6) Avenida Antônio de Goes; 7) Avenida Herculano Bandeira; 8) Avenida Beira-
Mar; 9) Ilha de Santo Antônio e São José. Fonte: CONDEPE/FIDEM. | P.138

Mapa 18 – Montagem de fotos aéreas de 1997. 1) Arrecifes; 2) Iate Clube; 3) Praia do


Buraco da Véia; 4) Ponte Agamenon Magalhães; 5) Ponte Paulo Guerra; 6) Avenida Antônio
de Goes; 7) Avenida Herculano Bandeira; 8) Avenida Beira-Mar; 9) Avenida Conselheiro
Aguiar; 10) Avenida Domingos Ferreira; 11) Aeroclube; 12) Radio Station; 13) Fábrica
Bacardi. Fonte: CONDEPE/FIDEM. | P.166

Mapa 19 – Detalhe da Montagem de fotos aéreas de 1997. 1) Arrecifes; 2) Iate Clube; 3)


Praia do Buraco da Véia; 4) Ponte Agamenon Magalhães; 5) Ponte Paulo Guerra; 6) Avenida
Antônio de Goes; 7) Avenida Herculano Bandeira; 8) Avenida Beira-Mar; 9) Avenida
Conselheiro Aguiar; 10) Avenida Domingos Ferreira; 11) Ilha de Santo Antônio e São José.
Fonte: CONDEPE/FIDEM. | P.167

Mapa 20 – Montagem de fotos aéreas de 2007. 1) Arrecifes; 2) Iate Clube; 3) Praia do


Buraco da Véia; 4) Ponte Agamenon Magalhães; 5) Ponte Paulo Guerra; 6) Avenida Brasília
Formosa; 7) Conjunto Habitacional Brasília Teimosa; 8) Avenida Antônio de Goes; 9) Avenida
Herculano Bandeira; 10) Avenida Beira-Mar; 11) Avenida Domingos Ferreira; 12) Avenida
Conselheiro Aguiar;13) Aeroclube; 14) Ilha de Santo Antônio e São José. Fonte: Google
Earth, 2007. | P.168

Mapa 21 – Detalhe da montagem de fotos aéreas de 2007. 1) Arrecifes; 2) Iate Clube; 3)


Praia do Buraco da Véia; 4) Avenida Brasília Formosa; 5) Conjunto Habitacional Brasília
Teimosa; 6) Avenida Antônio de Goes; 7) Avenida Herculano Bandeira; 8) Avenida Beira-
Mar; 9) Avenida Domingos Ferreira; 10) Avenida Conselheiro Aguiar. Fonte: Google Earth,
2007. | P.169

CAPÍTULO 3 | A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ

Mapa 1 – Boa Viagem, Pina e Brasília Teimosa. Vias Principais e Zoneamento. Fonte: Google
Maps, 2016 (modificado). | P.189

Mapa 2 – Boa Viagem, Pina e Brasília Teimosa. 1) Ponte Paulo Guerra; 2) Ponte Agamenon
Magalhães; 3) Avenida Antônio de Goes; 4) Avenida Herculano Bandeira; 5) Avenida Boa
Viagem; 6) Avenida Conselheiro Aguiar; 7) Avenida Domingos Ferreira; 8) Aeroclube; 9)
Radio Station. Fonte: Google Maps, 2016 (modificado). | P.190

Mapa 3 – Mapa de cheios e vazios. Fonte: levantamento de campo feito pela autora. |
P.202-203 (anexo)

Mapa 4 – Mapa de Gabaritos. Fonte: Fonte: levantamento de campo feito pela autora. |
P.202-203 (anexo)

Mapa 5 – Mapa dos equipamentos públicos existentes no bairro. Fonte: elaborado pela
autora. | P.206

Mapa 6 – Elementos naturais da Paisagem. Fonte: elaborado pela autora. | P.207

Mapa 7 – Mapa das centralidades do bairro. Fonte: elaborado pela autora. | P.213

Mapa 8 – Mapa de usos da Brasília. Fonte: elaborado pela autora. | P.210-211 (anexo)

Mapa 9 – Diferentes partes da orla. Fonte: elaborado pela autora. | P.215

Mapa 10 – Vila da Prata atualmente. Fonte: elaborado pela autora. | P.222

Mapa 11 – Vila Moacir Gomes atualmente. Fonte: elaborado pela autora. | P.223

Mapa 12 – Área da Colônia atualmente. Fonte: elaborado pela autora. | P.224


Mapa 13 – Vila Teimosinho atualmente. Fonte: elaborado pela autora. | P.225

Mapa 14 – Conjunto Habitacional atualmente. Fonte: elaborado pela autora. | P.226

Mapa 15 – Zoneamento Geral do Bairro. Fonte: elaborado pela autora. | P.227

Mapa 16 – Projetos do entorno da Paisagem Teimosa. Fonte: elaborado pela autora. | P.232

Mapa 17 – Terrenos Vazios no entorno de Brasília Teimosa (numerados pela ordem em que
são citados no texto). Fonte: elaborado pela autora. | P.253

CAPÍTULO 4 | A BRASÍLIA COMO KOSMOS

Mapa 1 – Zeis atual e Zeis proposta para a Brasília. Fonte: Google Maps, 2017 (modificado).
| P.273

Mapa 2 – Divisões da ZEIS proposta. Fonte: Google Maps, 2017 (modificado). | P.274

Mapa 3 – Os arrecifes e a Paisagem Teimosa. Fonte: Google Maps, 2016 (modificado). |


P.281

Mapa 4 – Linha de força dos arrecifes na Paisagem Teimosa em 3 momentos distintos:


1641, 1975 e 2016. Fontes: SILVA, 2008b, p16; CONDEPE/FIDEM; Google Maps, 2016. |
P.282

Mapa 5 – Orla e locais de banho. Fonte: Google Maps, 2016 (modificado). | P.287

Mapa 6 – Mapa das orlas vivenciadas. Fonte: Google Maps, 2016 (modificado). | P.293

Mapa 7 – Mapa da pesca em Brasília Teimosa. Fonte: Google Maps, 2016 (modificado). |
P.302

Mapa 8 – Gastronomia: Bares e Restaurantes da Brasília. Fonte: levantamento de campo


feito pela autora. | P.302-303 (anexo)

Mapa 9 – Burburinho Comercial na Teimosa. Fonte: levantamento de campo feito pela


autora. | P.302-303 (anexo)

Mapa 10 – Implantação das edificações residenciais e comercias. Fonte: elaborado pela


autora. | P.322
Mapa 11 – Implantação das edificações nas orlas do rio e do mar. Fonte: elaborado pela
autora. | P.323

Mapa 12 – Polos de Movimentação e suas influências diretas. Fonte: elaborado pela autora.
| P.332

Mapa 13 – Mapa de usos de Brasília Teimosa. Perceber a diversidade de usos espalhados


por todo o bairro. Fonte: levantamento de campo feito pela autora. | P.332-333 (anexo)

MAPAS ESQUEMÁTICOS (ENTRE AS PÁGINAS)

Mapa Esquemático 1/8 – 1641. Fonte: elaborado pela autora. | P.84-85 (anexo)

Mapa Esquemático 2/8 – 1875. Fonte: elaborado pela autora. | P.88-89 (anexo)

Mapa Esquemático 3/8 – 1925. Fonte: elaborado pela autora. | P.96-97 (anexo)

Mapa Esquemático 4/8 – 1951. Fonte: elaborado pela autora. | P.112-113 (anexo)

Mapa Esquemático 5/8 – 1975. Fonte: elaborado pela autora. | P.114-115 (anexo)

Mapa Esquemático 6/8 – 1997. Fonte: elaborado pela autora. | P.158-159 (anexo)

Mapa Esquemático 7/8 – 2007. Fonte: elaborado pela autora. | P.162-163 (anexo)

Mapa Esquemático 8/8 – Atual. Fonte: elaborado pela autora. | P.188-189 (anexo)
{ LISTA DE SIGLAS
}
APL | Assessoria de Planejamento

BNH | Banco Nacional de Habitação

CEPOMA | Centro de Educação Popular Mailde Araújo

CDRU | Concessão do Direito Real de Uso

COMUL | Comissão de Urbanização e Legalização da Posse de Terra

CONDEPE | Conselho de Desenvolvimento do Estado de Pernambuco

CUEM | Concessão de uso especial para Fins de Moradia

DNER | Departamento Nacional de Estradas e Rodagens

IEP | Imóvel Especial de Preservação

JCPM | Grupo João Carlos Paes Mendonça

LUOS | Lei de Uso e Ocupação do Solo

OAB | Ordem dos advogados do Brasil

ONG | Organização não governamental

PREZEIS | Plano de Regularização das Zonas Especiais de Interesse Social

PROMORAR | Programa de Erradicação da Sub-habitação

RFFSA | Rede Ferroviária Federal Sociedade Anônima

UCN | Unidade de Conservação da Natureza

SMAS | Secretaria de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente

SUDENE | Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste

URB | Empresa de Urbanização do Recife

ZAN | Zona de Ambiente Natural

ZEIS | Zona Especial de Interesse Social

ZUP | Zona de Urbanização Preferencial


{
PAISAGEM TEIMOSA: UMA INTRODUÇÃO | p.47
{ SUMÁRIO
DA PAISAGEM À TEIMOSA | p.59
1 1.1 O que é Paisagem? | p.60
1.1.1 As Diferentes Abordagens da Paisagem – As portas de Jean Marc Besse | p.61
A) A Paisagem é uma Representação Cultural e Social | p.61
B) A Paisagem é um Território Fabricado e Habitado | p.62
C) A Paisagem é o Meio Ambiente Material e Vivo das Sociedades Humanas | p.62
D) A Paisagem é uma Experiência Fenomenológica | p.63
E) A Paisagem como Projeto | p.63

1.2 As Portas pelas quais Entramos | p.64


1.2.1 Kosmos: as Paisagens e as Pessoas para Além do Palpável | p.65
1.2.2 Os Ritos Sociais, a Simbologia Cole va e a Iden ficação entre Sociedades e
Paisagens | p.68

1.3 A construção social das paisagens: simbologias, cultura e domínio | p.70


1.4 Relações de domínio, conflitos simbólicos e morais no espaço e na paisagem
recifense | p.72
1.4.1 Do Recife à Teimosa | p.74

A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA | p.81


2 2.1 Os antecedentes da Teimosia| p.83
2.1.1 Séculos XVII ao XIX: a Paisagem que Nasce com o Recife | p.83
2.1.2 De 1900 a Década de 1930: a Paisagem como símbolo de modernização e suas
consequências | p.94

2.2 A Formação da Brasília pela Resistência| p.112


2.2.1 Décadas de 1940 a 1960: a apropriação Teimosa e a consolidação de uma
Paisagem de conflitos | p.112
2.2.2 Décadas de 1970 e 1980: daqui não saio, daqui ninguém me Tira | p.132

2.3 Brasília Teimosa se Consolida | p.162


2.3.1 Década de 1990 a 2005: Formosa sim, Teimosa mais Ainda | p.162
2.3.2 A Consolidação da Permanência e do Habitar Teimoso | p.183

3 A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ | p.185


3.1 Visitando o hoje: a Paisagem Teimosa e o seu entorno | p.187
3.1.1 Pina e Boa Viagem: a Neutralização da Paisagem | p.188
3.1.2 A Brasília que Teima | p.201

3.2 O Futuro que se Encena | p.229


3.2.1 Onde querem Boa Viagem, sou Teimosia | p.229
3.2.2 Os Porquês de um Futuro Teimoso | p.259
A BRASÍLIA COMO KOSMOS | p.265
4 4.1 Estabelecendo as Diretrizes Gerais para a Conservação da Paisagem Teimosa
| p.266

4.2 Notas Gerais sobre a Conservação da Paisagem Teimosa pela propriedade legal
| p.272

4.3 A Conservação da Paisagem pela propriedade afe vo-simbólica: os Valores


Teimosos | p.278
4.3.1 A Teimosia das águas | p.279
A) A Teimosia das Rochas | p.279
B) A Teimosia dos Banhos Salgados | p.286
C) ) A Teimosia da Celebração das Águas | p.291

4.3.2 A Teimosia da subsistência pelas águas | p.299


A) A Teimosia Pesqueira | p.299
B) A Teimosia Gastronômica | p.306
C) A Teimosia do Burburinho Comercial | p.312

4.3.3 A Teimosia vivenciada | p.317


A) A Teimosia das Casas que sentem a Rua e Beiram as Aguas | p.317
B) A Teimosia da (Com)vivência | p.329
C) A Teimosia da Simplicidade | p.338

4.4 O movimento da vida como o movimento da Maré | p.343

CONSIDERAÇÕES FINAIS: SOBRE A TEIMOSIA DA PAISAGEM | p.347

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS | p.351

ANEXOS | p.368
A) Modelo base u lizado nas entrevistas semiestruturadas | p.375

B) Entrevistas Transcritas | p.379


B1) Grupo dos Influenciadores | p.381
B2) Grupo dos Líderes Comunitários |p.397
B3) Grupo dos Pescadores e Marisqueira | p.422
B4) Grupo dos Moradores Comerciantes | p.441
B5) Grupo dos demais moradores| p.467
{
PAISAGEM TEIMOSA

UMA INTRODUÇÃO

“Da cidade de Zirma, os viajantes retornam com memórias bastante


diferentes: um negro cego que grita na multidão, um louco debruçado na
cornija de um arranha-céu, uma moça que passeia com um puma na coleira.
Na realidade, muitos dos cegos que batem as bengalas nas calçadas de
Zirma são negros, em cada arranha-céu há alguém que enlouquece, todos
os loucos passam horas nas cornijas, não há puma que não seja criado pelo
capricho de uma moça. A cidade é redundante: repete-se para fixar alguma
imagem na mente.”
(Ítalo Calvino – As Cidades e os Símbolos 2 – Cidades Invisíveis1)

A necessidade de pertencer a um lugar é uma característica existencial humana.


Nele e com ele as pessoas se relacionam e fundam a sua existência, a partir de uma
dimensão física e também afetiva.
Como prova disso, as sociedades se apropriam do mundo criando cidades a sua
imagem e semelhança. Assim, as paisagens urbanas são formadas, refletindo os grupos que
as constroem, tanto em seus aspectos objetivos, quanto nos subjetivos, como nos
econômicos, sociais, políticos, históricos, artísticos, culturais e simbólicos (BESSE, 2014). No
ato de habitar, ou seja, de criar hábitos, ritos associados a um lugar, as pessoas, de maneira
individual e coletiva, atribuem valores simbólicos às paisagens, nelas atuando a partir de
comportamentos sociais (CONAN, 1994).
O fato é que dentro de uma mesma paisagem, pode haver várias outras. Ou seja,
existem diferentes atores, que a criam, a vivenciam e a transformam, e com ela
estabelecem relações a partir de percepções, identificações, simbologias e interesses
diversos, que são diferentes dependendo da bagagem histórica e cultural daqueles que os
tem, e podem ser harmônicos ou conflitantes entre si (CONAN, 1994).
Historicamente, apesar de as paisagens serem construídas por projetos conscientes
e ações inconscientes dos diversos grupos sociais que nela convivem, os extratos
dominantes, pelo poder e a influencia que possuem, em geral, são os que mais comandam
os seus processos de criação, impondo aos demais os seus sistemas morais e simbólicos
(BESSE, 2014; COSGROVE, 2012).

{ 47 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | UMA INTRODUÇÃO }

Sobre isso, na prática, dentro do contexto brasileiro, percebe-se que as elites,


aliadas às forças de mercado2 e com o aval do poder público, dominam o processo de
construção das cidades, colocando o território sob seu controle e seus desejos. Essa
conjuntura social se materializa através de vários mecanismos, que juntos convergem para
situações conflituosas (VILLAÇA, 2001), onde não somente as ocupações físicas dos outros
grupos sociais dominados tendem a ser desconsideradas e invisibilizadas, mas também as
relações objetivas e subjetivas que eles estabelecem com os lugares, que dessa forma são
neutralizados e despidos da pluralidade de significados que conferem a sua singularidade
(BERQUE, 2010). Os conflitos socioespaciais provenientes dessa realidade formam
paisagens também conflituosas.
A capital do estado de Pernambuco, Recife, uma das maiores cidades do nordeste do
país em importância econômica e cultural, também foi construída a partir dessa lógica não
harmônica. Seu “projeto” urbano se deu, e geralmente se dá, a partir de alguns padrões de
formação territorial também observados recorrentemente em outras cidades do país. Tem-
se como exemplo disso, a concentração da elite recifense nos locais próximos às suas zonas
centrais, ou em locais ambientalmente e paisagisticamente mais privilegiados3; o rechaço
das classes sociais humildes da cidade para as regiões mais distantes do seu centro, ou para
aquelas menos cobiçadas pelo mercado imobiliário, e às vezes, até mesmo ilegais ou
impróprias para as construções em geral; a constante dilatação do seu tecido viário para
atender às demandas pelo transporte individual, de uso predominante das classes altas; e o
provimento não uniforme de infraestrutura e serviços ao longo do seu território, os
concentrando predominantemente nas áreas de suas ocupações mais elitizadas4 (ALVES,
2009; TÂNGARI, 2013).
Apesar de esses mecanismos conflituosos serem observados com frequência e
predominância na urbe recifense, algumas comunidades pobres conseguiram ir contra essa
lógica segregacionista e se impor na paisagem central da cidade, contrariando os interesses
dos grupos dominantes: é nesse contexto em que se encontra Brasília Teimosa (Mapa 1,
imagem 1, imagem 2 e imagem 3).
A Brasília é muito peculiar e pioneira nesse sentido. Considerada a primeira
ocupação pobre consolidada da capital (SILVA, 2011), hoje ela se encontra em um dos locais
mais cobiçados da cidade. Localizada na zona sul do Recife, a comunidade se situa em uma

1
CALVINO, Italo. As cidades invisíveis. São Paulo: Cia. das Letras, 1990, p.11.
2
Nesse caso, fala-se mais especificamente do mercado imobiliário formal.
3
No caso específico do Recife, locais próximos ao mar ou às margens do Rio Capibaribe.
4
Esses padrões de formação socioespacial que conformam a cidade do Recife serão discutidos mais adiante,
no primeiro capítulo deste trabalho.

{ 48 }
Mapa 1 - Brasília Teimosa e a Zona Sul do Recife.
península triangular, que além da vizinhança com o marPerceber
e com oque
Rioo perímetro
Capibaribe, se conecta
da ZEIS da comunidade não
corresponde ao perímetro do seu bairro. Fonte:
{ 49 } Google Earth, 2017 (modificado).
{ PAISAGEM TEIMOSA | UMA INTRODUÇÃO }

península triangular, que além da vizinhança com o mar e com o Rio Capibaribe, se conecta
territorialmente diretamente com o Pina e indiretamente com Boa Viagem, dois dos bairros
mais valorizados economicamente da cidade. Paisagisticamente e visualmente, ela também
se liga às áreas mais centrais do Recife: as Ilhas de Santo Antônio e São José e a do Bairro do
Recife, onde foram locados o porto e as primeiras ocupações que deram origem à capital.
O começo da formação do bairro da Brasília5 data da década de 1950, quando
ocorreram as primeiras ocupações no seu território (FORTIN, 1987). O lugar foi apropriado
por uma população carente que resistiu “teimosamente”6 às inúmeras tentativas de
expulsão e de transformação da área em complexos turísticos e empreendimentos voltados
para um público abastado, que a essa altura já se concentrava em suas vizinhanças
(BRASÍLIA, 2014).
Pelos seus próprios meios, mesmo sem ter condições básicas de infraestrutura e
saneamento, os moradores lotearam a comunidade e nela construíram as suas casas
(SANTOS, 2011). Somente décadas depois, eles começaram a conseguir apoio
governamental para realizar melhorias no bairro, que atualmente chegou a sanar a grande
maioria dos problemas urbanísticos que nele se apresentavam nos seus primeiros anos de
existência (BRASÍLIA TEIMOSA, 1998). Um grande passo na conquista de mais segurança em
relação à sua permanência se deu em 1983, quando a partir de uma modificação na LUOS
recifense7 (Lei de Uso de Ocupação do Solo), o local passou a ser reconhecido como uma
ZEIS (Zona Especial de Interesse Social) (ALVES, 2009). Mais recentemente, em 2003, foi
feita a requalificação da orla da Brasília, de onde houve a retirada de mais de 500 palafitas,
e a construção de uma Avenida Beira-Mar (SILVA, 2008b). Essa última obra transformou
completamente a paisagem da região, hoje constituída por casas térreas ou de baixo
gabarito que se comunicam intimamente com mar. Atualmente essa comunidade se
encontra na RPA-6 (Região Político Administrativa 6) da cidade, assim como os seus bairros
circunvizinhos, Pina e Boa Viagem. Os três fazem parte da ZUP 18 (Zona de Urbanização
Preferencial), mas como já dito, a Brasília também é considerada uma ZEIS (Zona Especial de
Interesse Social)9.

5
A Brasília, na Brasília, não somente Brasília, ou em Brasília. Essa é a forma como a população que ali reside se
refere ao bairro, e, portanto achou-se por bem usa-la em algumas situações dentro desse trabalho.
6
Os termos “Teimosa” ou “Teimosia” estarão muito presentes ao longo do trabalho, por se considerar que
eles são importantes no que diz respeito à simbologia e a história do bairro no contexto geral da cidade, tanto
para aos ali residentes, quanto para o Recife como um todo. A importância desse termo, inclusive, foi um
aspecto levantado durante o trabalho de campo com a população.
7
Lei 14.511 de 17/01/83.
8
Segundo a Lei de Uso e Ocupação do Solo do Recife, fazem parte dessa zona “áreas que possibilitam alto e
médio potencial construtivo compatível com suas condições geomorfológicas, de infraestrutura e
paisagísticas” (PREFEITURA DA CDADE DO RECIFE, 1996).
9
O perímetro da ZEIS de Brasília Teimosa não coincide exatamente com os limites do bairro, se estende um
pouco para além dele (RECIFE, 2017).

{ 50 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | UMA INTRODUÇÃO }

Imagem 1 - Bairro de Brasília Teimosa. Acima, pode-se ver um pequeno pedaço do bairro do Pina.
Fonte: Skyscrapercity Raul Lopes, 2013.

Imagem 2 - Bairro de Brasília Teimosa e a sua Avenida Beira-Mar, 2013. Foto de autoria de
Marcos Pastich. Fonte: Flickr Marcos Pastich, 2013.

{ 51 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | UMA INTRODUÇÃO }

Imagem 3 - Brasília Teimosa vista a partir de sua orla fluvial (que fica de frente para a Ilha de Santo Antônio e
São José), 2014. Foto de autoria de Ezequiel Vannoni, Agência JCM, Foto Arena.

Dentro do território desses bairros existem duas importantes UCNs (Unidades de


Conservação da Natureza), a UCN Orla Marítima e a UCN Marque dos Manguezais10
(PREFEITURA DA CIDADE DO RECIFE, 2008; RECIFE, 2017).
Apesar de vizinhos, Boa Viagem e Pina são bastante diferentes de Brasília Teimosa.
Boa Viagem é um dos bairros mais elitizados do Recife, tendo um status de distinção social.
Atualmente ele já se consolidou como um local não somente residencial, mas como um
centro secundário da cidade, abrigando comércios e serviços que lhe dão autonomia
própria (ALVES, 2009). Desde a abertura da sua Avenida Beira-Mar, em 1926, a área
ascende socioeconomicamente, sendo apropriada pelo mercado imobiliário, que nele
iniciou um processo de verticalização veloz já em meados do século passado (ALVES, 2009).
Atualmente, a sua paisagem passa por uma fase de renovação arquitetônica, onde edifícios
em altura são demolidos dando lugar a arranha-céus de maior gabarito, principalmente nas
proximidades de sua orla (ARAÚJO, 2007) (imagem 4).

10
O Parque dos Manguezais Josué de Castro é a maior área urbana de mangue das Américas. Situado no
coração do bairro do Pina, ele atualmente é permeado pela Via Mangue e por comunidades de baixa renda,
sendo constantemente alvo de várias tentativas de projetos por parte do setor imobiliário, que não se
sensibiliza pela sua condição de Unidade de Conservação (OLIVEIRA, 2015).

{ 52 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | UMA INTRODUÇÃO }

O Pina encontra-se fisicamente e socialmente entre os outros dois bairros citados


anteriormente, sendo também uma transição paisagística entre eles, guardando
características de ambos. Isso acontece porque, ainda que o seu processo de verticalização
tenha se intensificado nos últimos 30 anos pela expansão de Boa Viagem para o seu
território, ainda existem atualmente bolsões em seu interior onde se encontram edificações
de baixo gabarito, que não puderam ou ainda não podem ser apropriadas pelo mercado,
tanto por impedimentos legais quanto pela resistência das comunidades pobres e ZEIS que
as ocupam (CENTRO JOSUÉ DE CASTRO, 1993). Atualmente, além de o bairro vir se firmando
como uma área para a construção de residenciais de luxo, nele também são implantados
empreendimentos empresariais e comerciais de grande porte, muitas vezes em altura
(ALVES, 2009) (imagem 4).

Imagem 4 - Em primeiro plano, o bairro do Pina, e em segundo, o de Boa Viagem. Fonte: Site Dicas de Hotéis,
2014.

Da mesma forma em que o mercado imobiliário e as elites começaram a se


derramar intensamente sobre o Pina, elas também desejam se apropriar da Brasília. Além
da sua proximidade com as zonas de domínio desses grupos, a sua localização central e a
sua paisagem esteticamente privilegiada e litorânea são outros grandes atrativos que
chamam a atenção dos empreendedores (BRITO, 2016). É nesse contexto em que se

{ 53 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | UMA INTRODUÇÃO }

percebe que a paisagem da Brasília é Teimosa. Apesar de todas as pressões para a expulsão
da comunidade, principalmente após as melhorias nela ocorridas nas últimas décadas, ela
resiste como um cenário muito particular dentro da cidade. O que se percebe no local é
uma clara materialização do que se afirmou no início deste texto. Diversos grupos sociais
atuam ou desejam atuar sobre essa mesma paisagem a partir de comportamentos
conflitantes baseados em entendimentos e nas significações diversas que se tem sobre ela.
Ao mesmo tempo em que os moradores da comunidade a percebem como o local
que abriga a sua história e onde se perpetuam os seus hábitos existenciais, como por
exemplo, os de trabalho, através da pesca e da proximidade com o mar, e os de lazer, como
pelo uso da famosa praia do Buraco da Véia localizada no seu território, outros grupos
contrários à permanência do bairro onde ele se encontra podem o perceber como uma
ótima oportunidade de criação de empreendimentos lucrativos ou de uma nova área para
moradia e diversão de alto luxo. Esses desejos de futuro para a Brasília são divergentes e
geram comportamentos também não harmônicos, que são impressos fisicamente na sua
paisagem. Por estarem tão latentes, essas oposições podem ser percebidas até mesmo em
uma primeira análise visual do quadro existente na atualidade (imagem 5).

Imagem 5 - Em primeiro plano o bairro de Brasília Teimosa, de classe baixa e horizontal, e ao fundo, os
arranha-céus elitizados do bairro do Pina, 2014. Fonte: Flickr Leonardo Malafaia, 2014.

Nessa situação, onde há a coexistência de simbologias conflitantes, que por sua vez,
ensejam projetos de paisagem também muito discrepantes entre si, como reconhecer os
valores que devem “comandar” a criação do cenário de devir? Quais são esses valores? O
caso é que, pelo entendimento sob o qual se fez o presente estudo, considera-se de
fundamental importância a consideração da individualidade das paisagens para a tomada
dessa decisão. O caráter individual de cada uma delas se dá pelas relações humanas e

{ 54 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | UMA INTRODUÇÃO }

sociais com elas criadas, que por sua vez geram as identificações, percepções e simbologias
que dão origem as ações que as transformam (BERQUE, 2010). Dessa forma, claramente, a
história da paisagem, que também é a história dos grupos que as formam e as habitam deve
ser protagonizada (BESSE, 2014).
A paisagem Teimosa é habitada de maneira distinta das suas circunvizinhas,
formando uma unidade em si mesma. Cabe ressaltar que as características que a
distinguem do seu entorno não são somente físico espaciais, mas também simbólicas. A
conotação que se tem sobre ela é bastante diferente da que se observa nos seus bairros
vizinhos, Pina e Boa Viagem. A partir disso, se entende que não se deve privilegiar um
projeto de paisagem que queira transformar a Teimosa em uma extensão dos seus vizinhos,
neutralizando as particularidades dos seus símbolos e da sua história.
Da observação da iminência desse processo neutralizador, que ameaça apagar do
futuro um conjunto importante de relações sociais e particularidades palpáveis e subjetivas
pertencentes à memória passada e presente do Recife, surge a urgência da presente
pesquisa investigativa. Assim, o objetivo principal desse estudo é o de traçar diretrizes para
a Conservação da Paisagem Teimosa, levando-se em consideração a permanência dos
elementos físicos e simbólicos que a tornam tão singular.
Para alcançar esse fim, tornou-se necessário seguir as etapas apresentadas
didaticamente nos quatro capítulos desse trabalho, que terão seu conteúdo brevemente
explicado a seguir:

Capítulo 1 – Da Paisagem à Teimosa


Nessa primeira parte, pretende-se discutir o conceito de paisagem na contemporaneidade e
chegar a uma definição de como ela é entendida no âmbito deste estudo. Posteriormente
também é feita uma explanação das relações entre a paisagem e os indivíduos e grupos que
nela atuam, e de como isso a veste de diferentes percepções, identificações e simbologias,
que por sua vez, norteiam os comportamentos que a criam e a transformam. Em seguida,
há uma compreensão de como tendem a ser os resultados físicos que provém das ações e
mecanismos utilizados pelos diferentes atores sociais na formação das cidades no contexto
brasileiro e recifense: paisagens conflitantes, fruto da incoerência entre os diversos valores
que lhes são atribuídos. Por fim, procura-se ter uma percepção inicial de como os conceitos
trabalhados se refletem no objeto de análise desta pesquisa, a Paisagem Teimosa. Cabe
dizer que alguns dos termos utilizados previamente nessa introdução serão tratados com
mais profundidade nessa sessão.

Capítulo 2 – A Construção Social da Paisagem Teimosa

{ 55 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | UMA INTRODUÇÃO }

Aqui há a reconstrução da história da Paisagem Teimosa, tentando-se perceber quais foram


as mudanças físicas nela ocorridas até a sua consolidação para que ela chegasse a sua forma
atual. Paralelamente, procura-se entender quais relações sociais e simbologias a ela foram
atreladas, a formando ao longo do tempo. Para esta análise, foram consultados textos,
mapas e imagens históricas, bibliografias primárias e secundárias em geral, além de
documentos e dados técnicos relevantes para essa recomposição. De maneira breve,
procurou-se estabelecer ligações entre o embasamento teórico anteriormente explanado e
o objeto de estudo em questão.

Capítulo 3 – A Teimosia de Hoje e os Desejos para o Amanhã


Tendo-se como base os processos físicos e relacionais que formaram a Paisagem Teimosa,
aqui se pretende traçar um quadro geral de como ela se encontra na atualidade, bem como
entender quais valores objetivos, subjetivos e simbólicos lhes são agregados hoje. A partir
deles, identificam-se os diversos desejos de futuro que ensejam se apresentar para a
Brasília. Esses são identificados não somente pelos métodos de recomposição histórica
utilizados anteriormente, mas também através da busca por projetos que ainda serão
implantados ou que tentaram ser construídos recentemente na comunidade em suas
proximidades. Aliado a esses instrumentos, para o reconhecimento dos anseios e das
conotações atuais e futuras sobre essa paisagem, foram feitas algumas entrevistas
semiestruturadas in loco com os próprios moradores da Brasília, cujo os resultados também
são expostos a partir dessa parte do estudo. Finalizando essa discussão, a partir dos dados
levantados nesse terceiro momento da pesquisa e do embasamento teórico visto
anteriormente, tenta-se começar a compreender quais são os norteadores que guiarão a
identificação dos valores e dos elementos físicos e simbólicos privilegiados nas diretrizes
gerais de conservação subsequentes.

Capítulo 4 – A Brasília como Kosmos


Partindo das análises obtidas no segundo e no terceiro capítulo, feitas baseando-se nas
entrevistas e nas discussões teóricas e conceitos inicialmente abordados nesse estudo, são
traçadas as diretrizes gerais de Conservação para a Paisagem Teimosa. Após uma breve
discussão sobre os norteadores dessas orientações, fala-se primeiramente das sugestões
legais necessárias para se assegurar a permanência da Brasília no local onde ela se
encontra. Posteriormente a isso, são expostas as diretrizes, apresentando-as através de
valores “teimosos”, por meio dos quais se busca garantir a perpetuação dessa paisagem na
cidade, conservando as características físicas e simbólicas que constroem a sua essência e a
tornam única e especial.

{ 56 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | UMA INTRODUÇÃO }

{ 57 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | UMA INTRODUÇÃO }

{ 58 }
{ }
CAPÍTULO 1

DA PAISAGEM À TEIMOSA

“Se você abrir uma pessoa, irá achar paisagens1.”


(Les Plages d’ Agnès, 2008)

Aqui, se discutirão os conceitos básicos utilizados para o entendimento da Paisagem


Teimosa. Paralelamente, se começará a perceber os rebatimentos da teoria exposta
diretamente no objeto de estudo deste trabalho, fazendo as primeiras correlações entre o
embasamento teórico e a área analisada.
Em um primeiro momento pretende-se explorar de que maneira a paisagem é
conceituada e abordada na atualidade, amparando-se fundamentalmente na teoria de Jean-
Marc Besse (2014). Este autor institui cinco caminhos diferentes (portas) pelos quais se
pode tocar essa questão. Busca-se com isso, compreender a partir de quais óticas podemos
olhar a Paisagem de Brasília Teimosa.
Posteriormente, em uma segunda sessão, se explana com mais profundidade as
abordagens de paisagem privilegiadas neste trabalho. Estas foram escolhidas não somente
por se adequar aos campos que originaram esta pesquisa, a arquitetura e o urbanismo, mas
também por se identificar com este tipo de estudo: uma problemática investigativa do
planejamento urbano e paisagístico, que por sua vez, está diretamente relacionada com as
ciências sociais em geral.
Para se alcançar o entendimento proposto, nesse momento, exploram-se as
relações entre os indivíduos e grupos sociais com a Paisagem, e as identificações, os
sentimentos, as percepções, os hábitos (ritos) e as simbologias advindas desse processo.
Para tal, tornou-se fundamental a observação dos escritos de Berque (1994, 2000, 2010,
2012) e Michel Conan (1994).
Na terceira parte da explanação, começa-se a trazer essa teoria para um contexto
mais palpável, fazendo-se valer principalmente dos estudos de Besse (2014), Denis
Cosgrove (2012), Flavio Villaça (2001), Vera Tângari (2013), e Conan (1994). Nesse sentido,
procura-se compreender de que forma os ritos sociais e os valores deles advindos,
sobretudo os simbólicos, geram os comportamentos reais que criam e transformam as
paisagens. Se verá que há a possibilidade de vários grupos sociais estarem atuando em uma

1
VARDA, Agnès. Les plages d’Agnès. Franca, 2008, (110min). Disponível em:
<http://opiniaoenoticia.com.br/cultura/entretenimento/as-praias-de-agnes-de-agnes-varda/>. Acesso em 15
de fevereiro de 2017.

{ 59 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 1 – DA PAISAGEM À TEIMOSA }

mesma paisagem e a ela atribuir diversas conotações, que podem ser conflitantes ou
harmônicas entre si. Em caso de conflitos, como ocorre no exemplo da comunidade de
Brasília Teimosa, também serão observados sob quais mecanismos e relações de força e
poder essas paisagens são formadas.
Por fim, em um último momento, nossa discussão chega à Teimosa. Procura-se
começar a perceber como a teoria vista até aqui se aplica à Paisagem da Brasília, e a partir
de que aspectos isso acontece.

1.1 O QUE É A PAISAGEM?


Paisagem. O que ela é e qual é o seu significado na atualidade? Como se pode
conceituá-la? Qual é a sua importância no âmbito da produção socioespacial das cidades
contemporâneas e para as sociedades? Quais são os simbolismos e valores que ela carrega?
Como se verá adiante, a paisagem não tem apenas um conceito e um significado. Ela é
polissêmica e pode ser vista de várias formas, de acordo com o campo de conhecimento
que a estuda.
Segundo o Dicionário Michaelis (2017), a paisagem pode ser conceituada de três
formas distintas: 1) “extensão de território e de seus elementos que se alcança num lance
de olhar; panorama, vista”; 2)“espaço com geografia e clima de determinado tipo: rural,
urbana, montanhosa etc.”; e 3) “Desenho, quadro, gravura, foto ou qualquer outra
manifestação artística cujo tema principal é a representação de uma paisagem, geralmente
de lugares campestres”.
Os conceitos apresentados acima se relacionam com a ideia tradicional de paisagem,
que a remete ao pictórico e a considera basicamente como um panorama natural amplo e
esteticamente agradável. Isso foi considerado válido por muito tempo, mas hoje é refutado
por parecer não mais se adequar à realidade intrincada e menos natural do meio urbano na
atualidade. As cidades contemporâneas passam por mudanças em ritmo acelerado, são
frenéticas, difusas, e complexas em seus mecanismos de funcionamento (BESSE, 2014).
Esses aspectos têm impactos diretos na construção das Paisagens Urbanas, que os refletem.
Por conta disso, essas últimas são consideradas
“(...) um recurso para o urbanismo, ou, de forma mais geral, para as estratégias
de ordenamento do espaço em diferentes escalas. O cuidado com a paisagem
ocupa, na atualidade, um lugar crucial nas preocupações sociais e políticas pela
qualidade dos quadros de vida oferecidos às populações, em relação aos
questionamentos sobre a identidade dos lugares, sobre a governança dos
territórios ou, ainda, sobre a proteção dos meios naturais” (BESSE, 2014, p.7).

Sendo assim, percebe-se a importância de pensa-las para além do seu conceito


tradicional ligado à natureza e às belas perspectivas. Como se verá adiante, a paisagem

{ 60 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 1 – DA PAISAGEM À TEIMOSA }

urbana envolve muitos outros aspectos, que ultrapassam essa questão estética e visual,
como por exemplo, os relacionados à sociologia, à política, aos simbolismos e às relações
econômicas e de poder, que também se materializam na realidade das cidades.

1.1.1 As Diferentes Abordagens da Paisagem – As Portas de Jean-Marc Besse2


Como dito anteriormente, na atualidade, a abordagem desse tema tem se tornado
cada vez mais complexa, dado as grandes mudanças socioestruturais urbanas que se
refletem diretamente na conformação e no significado das Paisagens, e a pluralidade de
áreas de conhecimento3 que se debruçam sobre a questão paisagística, cada uma a
abordando de uma maneira diversa.
Sobre isso, na tentativa de englobar algumas das visões mais recorrentes imperantes
sobre a Paisagem na atualidade, Jean-Marc Besse (2014) instituiu “Cinco Portas”, ou seja,
cinco possíveis “entradas” para tocar nesse assunto:

A) A Paisagem é uma Representação Cultural e Social;


B) A Paisagem é um Território Fabricado e Habitado;
C) A Paisagem é o Meio Ambiente Material e Vivo das Sociedades Humanas;
D) A Paisagem é uma Experiência Fenomenológica;
E) A Paisagem como Projeto.

Essas portas serão comentadas sinteticamente a seguir, a partir dos seus aspectos
mais relevantes para o entendimento do que se considera Paisagem no âmbito deste
trabalho.

A) A Paisagem é uma Representação Cultural e Social


Aqui, a paisagem se apresenta como uma realidade mental e como uma
representação social e cultural propriamente dita.
Nesse primeiro caso, a paisagem não é vista como uma realidade em si, e sim como
uma interpretação sobre o mundo. É uma percepção, individual e/ou coletiva, que se dá a
partir de valores e referenciais éticos, sociais, históricos, culturais, artísticos, religiosos,
científicos, técnicos, filosóficos, entre outros, sendo uma dimensão da apropriação4 cultural
do território.

2
Toda essa sessão, que conta com a descrição das portas e das suas características, foi baseada no livro “O
Gosto do Mundo: exercícios de Paisagem”, de Jean Marc Besse, 2014.
3
Como, por exemplo, a geografia, a história, a arquitetura, o urbanismo, a filosofia, o paisagismo, a
jardinagem, a ecologia, a literatura, e as artes visuais e cênicas em geral. Cada uma dessas áreas tende a
privilegiar uma das portas elencadas por Besse (2014) no seu entendimento do que é a paisagem.
4
A questão da apropriação do território e da paisagem será tratada com mais detalhes adiante.

{ 61 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 1 – DA PAISAGEM À TEIMOSA }

A partir da segunda ótica apresentada, esses fatores e valores não palpáveis citados,
juntamente com as relações de força e poder inerentes a uma sociedade, fazem com que a
paisagem seja ainda mais que uma interpretação mental: ela é a representação de uma
realidade social e cultural, de um indivíduo ou de um grupo5. Valores estéticos são
considerados, mas esses também são vistos como uma construção social sujeita a todos os
elementos acima referidos.

B) A Paisagem é um Território Fabricado e Habitado6


Segundo essa abordagem, a paisagem é um “organismo” vivo, pois é produzida e
habitada (vivenciada) pela sociedade por motivos que vão além dos artísticos e estéticos,
como os culturais, políticos e econômicos, por exemplo. A vivência social na paisagem a
constrói e a modifica, de forma a atender às “necessidades ’existenciais’ do ser humano
(necessidades existenciais, aliás, que são, sobretudo, necessidades afetivas e sociais)”
(BESSE, 2014, p.29).
Assim, a paisagem se organiza baseada na organização social do grupo que a ocupa,
simbolizando suas práticas, valores e história. Ou seja, ela não só é um espaço fabricado e
habitado pelos seres humanos, mas também, um palimpsesto7 de sua vivência e de sua
história naquele território. As sociedades transformam o ambiente inicialmente natural de
acordo com seus interesses, bem-estar e significados, cada grupo o fazendo de uma forma
diferente. Sendo assim, a paisagem é um espaço social. Ela, “de um modo que lhe é próprio,
é relativa a um projeto social, mesmo que esse projeto não seja ‘consciente’, mesmo se for
a tradução inconsciente da organização de uma vida social” (BESSE, 2014, p.32). Assim,
percebe-se que a paisagem não existe de forma separada das pessoas, ela é organizada de
forma a ser o palco de suas vidas.

C) A Paisagem é o Meio Ambiente Material e Vivo das Sociedades Humanas


Por esta porta entende-se que a paisagem se caracteriza como algo que vai além de
uma percepção ou um conjunto de memórias: seria também o palpável, o território,

5
É interessante destacar que, nesse caso, a representação de uma sociedade pela paisagem pode ser
consciente em alguns momentos (BESSE, 2014). Mais adiante, nos próximos capítulos, se verá como a
paisagem de Brasília Teimosa e os seus elementos são representações conscientes do bairro para a população.
6
Para pensar essa porta, Besse (2014) se baseia principalmente na teoria de John Brinckerhoff Jackson,
principalmente em dois dos seus livros que foram traduzidos para o francês: A la découverte du paysage
vernaculaire. Arles/Versailles: Actes Sud/ENSP, 2003; De la necessite des ruines et autres sujets. Paris: Le
Liteau, 2005.
7
Segundo o Dicionário Infopédia (2017), a palavra palimpsesto pode ser definida como “papiro ou pergaminho
que contém vestígios de um texto manuscrito anterior, que foi raspado ou apagado para permitir a
reutilização do material e a posterior sobreposição de um novo escrito”. Neste trabalho, o conceito do
palimpsesto será utilizado como uma metáfora para expressar a sobreposição de histórias, vivências,
significados e relações sociais de vários tempos distintos expressos em uma mesma paisagem.

{ 62 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 1 – DA PAISAGEM À TEIMOSA }

entendido como espaço físico, fabricado, habitado e transformado pelo ser humano,
coincidindo com o seu ecúmeno8. Ou seja, se considera que antes de qualquer
transformação de um território, é necessário um ambiente natural, um substrato, com
fatores materiais e ambientais, que independem, totalmente ou parcialmente, das
ocupações e ações humanas, bem como da apropriação social dos espaços para existir.
Apesar da maior valorização do natural nessa abordagem, não se pode confundi-la
com a visão naturalista ultrapassada apresentada no inicio deste capítulo. Aqui a paisagem
continua sendo percebida como um conjunto das dimensões materiais e ambientais,
culturais e humanas, sendo as pessoas e grupos sociais o ponto de encontro entre esses
fatores.

D) A Paisagem é uma Experiência Fenomenológica


Segundo essa porta, a paisagem seria o acontecimento, a experiência, o encontro
concreto entre o ser humano e o mundo que o cerca. Nesse processo, o indivíduo não
apenas vê a paisagem, mas a experimenta em todos os sentidos e com todo o seu corpo,
sendo “afetado” sinestesicamente e emocionalmente por ela. O caminhar é visto como uma
ação importante no que diz respeito a esse processo de experimentação.
Nesse caso, é importante perceber que a Paisagem não é uma experiência em si, e
sim o que faz o indivíduo sair de si mesmo e ter essa experiência. Ou seja, a paisagem é algo
que vai além do sujeito e do objeto, do indivíduo e o lugar. Ela é “o atestado da existência
de um ‘fora’, de um ‘outro’” (BESSE, 2014, p.45).

E) A Paisagem como Projeto


Em linhas gerais, essa última porta trata da questão do projeto da paisagem urbana
e de como devem ser norteadas as ações dos paisagistas na atualidade, visto a
complexidade e a realidade das cidades contemporâneas.
Percebe-se que com as problemáticas paisagísticas vigentes hoje, cada vez mais, a
forma de se olhar a questão da identidade e do futuro dos territórios tem se modificado. Há
uma tendência em se projetar a paisagem considerando o contexto em que ela se encontra
e todos os fatores, valores e significados físicos e subjetivos inerentes a ela. Ou seja, o
espaço e a paisagem são considerados como palimpsestos7 acimasociais a partir dos quais
se projeta, e não como tábulas rasas, de onde partem projetos desconexos da realidade
existente.

8
Entendido como toda a área do globo terrestre habitada pelos seres humanos (MICHAELIS, 2017).

{ 63 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 1 – DA PAISAGEM À TEIMOSA }

1.2 AS PORTAS PELAS QUAIS ENTRAMOS


Apesar das portas de Besse (2014) apresentadas anteriormente terem sido
separadas por motivos didáticos, elas se sobrepõem e se completam em diversos
momentos e dentro das ideias de diferentes autores, como se verá a seguir.
As três primeiras delas, especialmente, fundamentarão o entendimento e a
abordagem da nossa investigação. Adiante, se verá que a Paisagem Teimosa, antes de se
tornar como é atualmente, permaneceu por muito tempo em um estado quase “original”,
semelhante ao da sua base natural inicial, de características intimamente ligadas às
ocupações e às transformações que ali ocorreram e ocorrem até a atualidade. A partir desse
seu substrato natural inicialmente existente (terceira porta9), consegue-se entender de que
forma a paisagem foi e é fabricada e habitada (segunda porta10), e quais os aspectos
culturais e sociais que ela representou e representa hoje (primeira porta11). Sob esse olhar,
serão criadas as Diretrizes básicas de Conservação traçadas no final deste estudo.
A presente sessão pretende entrar pelas duas primeiras portas de Besse (2014). Para
isso, inicialmente se fará uma discussão sobre como se dá a relação das pessoas e dos
grupos sociais com a paisagem. Essa compreensão será importante para se entender
posteriormente quais são os rebatimentos desses processos na prática, de maneira física,
em geral e especificamente em Brasília Teimosa. Isso será visto a partir da segunda porta,
nas duas próximas partes subsequentes a esta (sessão 3 e 4). A terceira abordagem que nos
ampara, será contemplada com mais profundidade a partir do próximo capítulo,
juntamente com o estudo a construção social da paisagem objeto desta análise.
Pelos pontos levantados até aqui, fica clara a intenção de se perceber a paisagem
como uma entidade não somente física, racional ou puramente estética, mas sim de pensa-
la para além disso: como um meio relacional, que se integra com os indivíduos e com a
sociedade também em seus aspectos subjetivos e sociais.
Entremos pelas portas importantes para esse estudo.

9
A Paisagem é o Meio Ambiente Material e Vivo das Sociedades Humanas (BESSE, 2014).
10
A Paisagem é um Território Fabricado e Habitado (BESSE, 2014).
11
Paisagem é uma Representação Cultural e Social (BESSE, 2014).

{ 64 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 1 – DA PAISAGEM À TEIMOSA }

1.2.1 Kosmos: as paisagens e as pessoas para além do palpável

Na antiguidade, o mundo e tudo o que nele existia era visto como um todo único: o
kosmos12. Para os gregos, o kosmos significava a totalidade de tudo o que existe
(DOSENHOR, 2017). Contrário do caos, ele era o universo organizado, ordenado, harmônico,
incluindo seus habitantes (GUTIÉRREZ, 2011). Ou seja: o mundo era as pessoas e as pessoas
também eram o mundo. Ambos existiam, cresciam e se desenvolviam juntos, de maneira
integrada, nos seus aspectos palpáveis e físicos, mas também nos subjetivos e
antropológicos (BERQUE, 2000, 2010).
No ocidente, notadamente a partir da modernidade, que tem suas bases no século
XVII e rebatimentos até os tempos recentes, os avanços científicos fizeram com que o
mundo e a verdade começassem a ser vistos como algo puramente objetivo, dissociados da
dimensão humana. O objeto e o sujeito são separados, não se aproximam, não se
relacionam.
Na sociedade ocidental13, a ideia de Paisagem surge através da pintura, de forma
extremamente ligada a esse pensamento moderno. Nos quadros, ela era retratada como
uma entidade autônoma, e não em relação às pessoas. Apenas os seus aspectos físicos
eram mostrados, não havendo a intenção de exprimir sua simbologia, seu “algo mais”,
características que fossem para além do palpável. No século XX, a paisagem do Movimento
Modernista também foi pensada e concebida a partir dessa lógica (BERQUE 2012). Os
lugares e as paisagens existiam apenas em si mesmos, assim como cada pessoa
individualmente. As relações entre os indivíduos e o mundo eram desconsideradas por se
tratar de algo subjetivo.
Ainda no século XX, essa dicotomia começa a se esfacelar. Começou-se a perceber a
inconsistência de ver como verdade apenas o cartesiano e científico, e de se conceber a
ideia das pessoas separadas dos lugares (fisicamente, socialmente e ambientalmente). O
surgimento da ecologia e da fenomenologia foram importantes nessa quebra de paradigma
(BERQUE, 2012)14.
Ainda que a utopia moderna de um universo neutro oposto ao Kosmos, indiferente
aos indivíduos e desprovido de subjetividade tenha sido contestada e teoricamente
ultrapassada, as raízes desse pensamento deram frutos que ainda podem ser observados

12
A definição de Kosmos segundo o dicionário online DOSENHOR (2017) é: 1) “arranjo ordenado, ou seja,
decoração”. 2)”(por implicação) do mundo, incluindo seus habitantes”.
13
Notadamente na Europa, onde surge esse movimento de modernização, sendo o local cerne das primeiras
descobertas científicas.
14
Com a ecologia, para a sobrevivência da humanidade, percebe-se a importância do sujeito se considerar
parte do mundo em seus amplos aspectos, e não puro manipulador dele. Já na fenomenologia, a questão da
subjetividade do espaço começa a ser explorada e difundida, gerando a reflexão e quebrando o conceito
dicotômico moderno do mundo e do indivíduo como dois elementos separados.

{ 65 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 1 – DA PAISAGEM À TEIMOSA }

claramente na atualidade. Hoje, a globalização e a lógica liberal de mercado vigente


mundialmente tende a mercantilizar pessoas, espaços e objetos, os tratando como neutros,
o que por consequência desqualifica sentimentos, particularidades e todos os valores que
não sejam palpáveis e lucrativos financeiramente. Esse processo de abstração das relações
humanas gera velocidade, e a velocidade gera lucros. Assim, padrões individualistas são
reforçados, reduzindo a relação entre lugares, paisagens, seres e sociedades a algo inerente
apenas ao universo interior subjetivo de cada indivíduo, não sendo considerada importante
por não ser “real” (BERQUE, 2010).
Porém, essa visão mercantilizadora do mundo não é válida para o estudo das
paisagens, pois se baseia apenas nos aspectos práticos e objetivos das relações entre o
mundo e as pessoas. Sabe-se que essas últimas não se constituem somente de objetividade,
mas também de sensibilidade e sentimentos. Apesar de muitos desses aspectos não serem
palpáveis, eles existem, são notadamente reais. Para se entender as paisagens, também é
necessário entende-los.
Augustin Berque (2010) afirma que a constituição corpórea e psicológica do ser
humano é o que permite a existência das relações que ele cria com o espaço. Cada pessoa é
constituída por duas dimensões complementares: o Topos e a Chôra. O Topos seria o que se
refere a sua parte física, a localização do corpo em si, nos limites da matéria. A Chôra
transcende o Topos, é o que transborda as fronteiras do visível e da corporeidade, é a parte
existencial e relacional de uma pessoa. A junção do Topos (corpo individual) e a Chôra
(corpo coletivo, social) do indivíduo constituem a Mediança (BERQUE, 1994, 2010).
Desse modo, continuando com o seu raciocínio, Berque percebe que as pessoas se
ligam ao ambiente por meios humanos. Esses meios, juntos, constituem o ecúmeno15, que
seria a terra vista como o espaço relacional entre os indivíduos e o mundo, a casa de todas
as paisagens. Essas relações se dão e se configuram a partir da Mediança (Topos + Chôra).
Esta última é o que anima a paisagem. De caráter nem subjetivo, nem objetivo, ela é
trajectiva, ou seja, faz e é a junção dessas duas dimensões (BERQUE, 1994, 2000, 2010).
O fato de a Mediança ser trajectiva faz com que as cidades também o sejam. Assim,
a territorialidade humana, ou seja, a forma como a humanidade ocupa o espaço do mundo
criando paisagens, é o reflexo disso.
“estas relações de lugar ou territorialidade ultrapassam o indivíduo, integrando-o
a um mundo comum, quer dizer, a um kosmos, onde o mundo interior de cada
pessoa está em continuidade, não apenas com o das outras pessoas, mas com o
meio. Assim, o microcosmo individual integra-se ao macrocosmo geral, em uma

15
O ecúmeno de Berque (1994, 2000) se diferencia sutilmente do tratado na segunda porta de Besse (2014),
apesar de esse autor aparentemente se basear naquele. No primeiro caso ele simboliza um meio entre as
pessoas e o universo, o espaço relacional da terra. No segundo, pode ser considerado mais como o espaço
habitável no mundo, parcialmente independente dessas relações. O que coincide em ambas as abordagens é o
fato de esse ecúmeno simbolizar a casa de todas as paisagens.

{ 66 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 1 – DA PAISAGEM À TEIMOSA }

correspondência concreta entre o interior e o exterior, os pensamentos e as


coisas” (BERQUE, 2010, p.11).
A Mediança é o que permite o indivíduo atribuir valores, simbologias e significados
aos lugares, fundando paisagens. Ela é o que permite a existência de um “algo mais”, de se
perceber para além do visível.
Essa percepção sobre uma paisagem varia de acordo com cada indivíduo e
sociedade. Cada um a vê de maneira diversa, de acordo com as suas lembranças,
experiências, histórias, bagagens pessoais, valores, e de modo geral, com a sua cultura
(BESSE, 2000). Dessa forma, a paisagem é uma realidade mental, mas que se expressa
territorialmente, representando socialmente e culturalmente16 um grupo (BESSE, 2014). Ela
“é a interface entre fazermos e vermos o que fazemos” (DI MAIO et al, 2012, p.16).
Esse “fazer” a paisagem é o fabrica-la. A humanidade a “fabrica” pela necessidade de
habitá-la17. A paisagem é onde a vivência humana cria raiz, “é o patrimônio fundador da
existência de uma sociedade” (CONAN, 1994, p.2). Ela é o reflexo do grupo que a constrói,
nas suas características físicas, mas também abstratas e subjetivas, como seus valores,
história, política, economia, organização social, relações de poder e hierarquia, simbologias,
crenças, gostos estéticos, e aspectos perceptivos e emocionais em geral. Assim, como Besse
(2014) fala em sua segunda porta18, as paisagens são palimpsestos humanos. A história da
humanidade, em seus amplos aspectos, se desenvolve juntamente com elas, tendo-as como
base física e relacional.
Dito isso, reafirma-se que a questão paisagística não se reduz apenas ao campo do
visível e objetivo no mundo. “O ecúmeno é irredutível à biosfera, assim como o humano é
irredutível ao seu corpo animal, que é somente o seu topos” (BERQUE, 2010, p.19). Falar de
paisagem é também tratar da natureza dos seres, individualmente e coletivamente (Chôra
social), em suas questões menos palpáveis, mas seguramente reais. Indivíduos e lugares se
influenciam, “participando” entre si mutuamente. As paisagens são criadas por pessoas, ao
mesmo tempo em que as transformam e provocam. Dessa forma, os seres e a paisagem se
relacionam através da Mediança (BERQUE, 2010)19.
Esse é o porquê da chave da lógica mecanicista não abrir as portas do entendimento
da paisagem em sua completude. Se cada paisagem existe e é construída particularmente
de acordo com os indivíduos e a sociedade que a fabrica, habita, transforma e percebe,
sentimentos e valores subjetivos existem, e se eles existem, as paisagens não podem ser
tratadas de maneira generalista, como se fossem meios neutros. Cada uma delas é

16
Referência a Besse (2014), que fala da paisagem como sendo uma representação mental, social e cultural
em sua primeira porta.
17
Aqui há uma alusão às duas primeiras portas de Besse (2014).
18
“A Paisagem é um Território Fabricado e Habitado” (Besse, 2014).
19
Processo chamado por Berque (2010) de “Impregnação Mútua”.

{ 67 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 1 – DA PAISAGEM À TEIMOSA }

particular, única, tanto em suas características físicas quanto em relação à subjetividade que
lhe é agregada.

1.2.2 Os Ritos Sociais, a Simbologia Coletiva e a Identificação entre Sociedades e

Paisagens
A partir de sua relação com o mundo através da mediança, as pessoas fabricam e
habitam um território. Por consequência, este as representa mentalmente, culturalmente e
socialmente, se tornando uma paisagem (BESSE, 2014).
É importante ressaltar que aqui, habitar não significa morar, e sim inscrever hábitos
em um lugar, torna-lo habitado. Habitar nada tem a ver com as qualidades objetivas de um
lugar, mas sim com os acontecimentos que nele se encenam. “Habitar é a arte de viver”
(BESSE, 2014, p.131).
Quando um grupo habita um local, ao mesmo tempo se apropria dele, e nessa
apropriação, nessa criação de hábitos, por consequência, simbolismos coletivos e
individuais surgem agregados à imagem do lugar. Quando o material se veste dessa
simbologia coletiva, nasce a paisagem (BESSE, 2014; CONAN, 1994).
Michel Conan (1994) afirma que para se entender a paisagem em sua completude é
necessário se atentar a essas suas relações de apropriação e simbologias. Para tanto, ele faz
uma análise de como se processam os chamados “ritos sociais”, ou seja, os hábitos20.
Os grupos sociais que agem sobre a paisagem, apesar de pertencerem à mesma
sociedade, são diversos e se agrupam a partir das suas relações de propriedade com o
território. Estas relações são vistas como “ritos de interação provenientes de um direito ou
de um costume21” (CONAN, 1994, p.4). A apropriação do território é consequência disso. Ela
é o “conjunto das condutas pelas quais as pessoas realizam essas relações de propriedade”
(CONAN, 1994, p.4).
Esses ritos de interação com um lugar são os responsáveis por produzir
“sentimentos, símbolos e ideias comuns, partilhados pelos membros do grupo que
os pratica sob três condições: 1) que eles gerem interações com a participação de
todos os membros do grupo, conjunto ou subgrupo; 2) que eles obedeçam a
modelos que especificam práticas e palavras [condutas]; 3) que os grupos
disponham de, ao menos, um objeto simbólico, um emblema que encarne a ideia
do grupo. Assim, cada grupo que exerce uma relação de propriedade sobre um

20
O que Besse (2014) chama de hábitos equivale ao que Conan (1994) trata como ritos sociais. E alguns
momentos de nosso estudo, esses ritos serão lidos como práticas sociais.
21
Ou seja, a apropriação por “direito” pode ser exemplificada como quando se tem a posse de uma casa ou
um terreno. A por “costume” é a que acontece por meio do estabelecimento de hábitos, ritos sociais sobre o
território.

{ 68 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 1 – DA PAISAGEM À TEIMOSA }

território é suscetível de fazer do próprio território seu emblema22” (CONAN,


1994, p.5).
O valor emblemático da paisagem varia de acordo com os tipos de relações de
propriedade estabelecidas por cada grupo que dela se apropria. A paisagem como emblema
se torna símbolo, que representa consciente ou inconscientemente ideias e sentimentos de
um grupo23.
Isso reforça o fato das paisagens serem únicas. A individualidade da paisagem se dá
não só pela percepção de cada indivíduo, mas também pela maneira como cada grupo a vê,
a percebe, com ela se relaciona, a habita, e a ela atribui simbolismos coletivos diversos, que
podem ser harmônicos ou conflitantes entre si. Assim, dentro de uma única paisagem pode
existir várias outras, e cada uma delas é singular24 (BESSE, 2014; BERQUE, 1994, 2000, 2010;
CONAN, 1994).
Com o habitar, a criação de ritos sociais e das simbologias agregadas a eles, que
existem através da relação dos indivíduos com o mundo (ecúmeno) pela Mediança, os
grupos humanos também estabelecem uma identificação com a paisagem, criando com elas
laços afetivos.
A identificação pode ser definida como o “processo psíquico pelo qual o sujeito se
confunde com outrem, com um seu atributo” (INFOPÉDIA, 2017). Ou seja: quando um ser
se identifica com a paisagem, ele se confunde com ela, e ela passa a fazer parte dele. Assim,
Berque (2010) diz que
“só podemos ser uma pessoa quando imersos em um certo meio (...). A
identidade individual supõe a identidade do território, e vice-versa, em uma lógica
em que combinam os mecanismos materiais, os tropismos do vivente e as
metáforas da simbolização humana” (p.20).
De forma análoga, como visto anteriormente, uma pessoa (ou um grupo) só pode
“ser” quando abrigada em um meio. Ou seja, a sociedade só existe porque também existem
as paisagens.
Pela identificação, a paisagem passa a participar do mundo humano, através do
sentimento dos grupos sociais que nela imprimem as suas marcas através do habitar, uma
necessidade existencial que ultrapassa as questões objetivas e neutras, como as econômicas
e políticas, tendo também um caráter emocional, transcendente ao que pode ser visto com
os olhos. Portanto, a paisagem existe como realidade humana não só pelo emprego da
técnica (aspectos físicos), mas também da simbologia (aspectos subjetivos) (BERQUE, 2010).

22
Conan (1994) baseia essa parte de sua teoria nos estudos de Randal Collins, que por sua vez, foi influenciado
por Emile Durkheim e Erwin Goffman.
23
Assim como Besse destaca em sua primeira porta, “A Paisagem como Representação Cultural e Social”.
24
Por esse motivo, alguns ritos sociais, principalmente os ligados à cultura, por vezes, apenas tem razão de ser
em um lugar específico, mantendo uma forte ligação com o mesmo, que assim, é considerado Paisagem (ritos
como, por exemplo, aqueles ligados ao turismo, a aspectos geográficos, à história do local ou a algum
acontecimento especial que ali se encenou) (CONAN, 1994).

{ 69 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 1 – DA PAISAGEM À TEIMOSA }

1.3 A CONSTRUÇÃO SOCIAL DAS PAISAGENS: SIMBOLOGIAS, CULTURA E

DOMÍNIO

Como visto, pela multiplicidade de pessoas e grupos sociais diferentes coexistindo


em um mesmo local, a paisagem pode dar origem a diversas naturezas de simbolismo
coletivo, conflituosas ou harmoniosas entre si. O fato é que esses significados e valores
regem o comportamento prático e moral das pessoas como grupos na sociedade, tendo
rebatimentos diretos no meio físico dos espaços (CONAN, 1994; COSGROVE, 2006).
Segundo Conan (1994), em geral, isso acontece de duas formas principais.
A primeira delas é que ”o reconhecimento do valor da paisagem dita a moral da
organização” (CONAN, 1994, p.8). Ou seja, existem comportamentos que são benéficos à
paisagem, que reforçam seus significados, que mantém a sua integridade, e que, portanto,
são moralmente aceitos dentro do grupo. Mas há também os rejeitados moralmente por
ele, aqueles que a ferem e a desconfiguram de alguma forma. Assim, a moral faz com que
algumas ações sejam repudiadas e outras aceitas. Ela é fruto da simbologia sobre a
paisagem, e por consequência, de todo arcabouço emocional e social que o grupo possui.
Assim, como uma mesma paisagem é habitada por diferentes grupos, as diversas
simbologias criadas por eles podem ser conflitantes entre si, gerando “conflitos entre
sistemas morais, bem como conflitos de uso ou de direito de propriedade” (CONAN, 1994,
p.8), sendo esses dois últimos mais ligados a questões territoriais.
A segunda forma como essa territorialização do simbolismo coletivo pode se dar é a
partir de “situações de experiência coletiva (...) [ritos sociais, hábitos, que] suscitam um
engajamento afetivo intenso das pessoas que delas participam” (CONAN, 1994, p.8). Esse
sentimento coletivo faz com que os indivíduos se organizem se forma feroz, com brio, a fim
de defender o valor da paisagem habitada, direcionando as suas ações de maneira a fazê-lo,
criando uma identificação com o local.
Já que a territorialidade dessas simbologias dos grupos sociais no espaço cria
paisagens, percebe-se que se os diversos ritos e símbolos coexistentes são paralelos entre
si, as paisagens se tornam meios harmoniosos, mas se ao contrário, existirem conflitos
entre esses valores, cenários paisagísticos também conflituosos serão criados (CONAN,
1994).
Uma vez que já se discutiram os ritos sociais e as simbologias e sistemas morais
deles provenientes, é preciso considerar que todos esses fatores se dão a partir de uma
determinante: a cultura. Ela é o “conjunto de conhecimentos, costumes, crenças, padrões
de comportamento, adquiridos e transmitidos socialmente, que caracterizam um grupo

{ 70 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 1 – DA PAISAGEM À TEIMOSA }

social” (MICHAELIS, 2017), base das ações que criam e transformam as paisagens, que por
esse motivo também são sempre culturais25.
As culturas podem ser tantas quanto forem os grupos sociais. Ela não é estática, pois
para continuar existindo precisa ser transmitida pelo conjunto de pessoas que a possuem e
a defendem a partir da perpetuação dos hábitos que dela se originam, bem como dos
simbolismos26 agregados a eles. Isso ocorre porque a cultura “é, ao mesmo tempo,
determinada pela consciência e pelas práticas humanas e determinantes delas”
(COSGROVE, 2006, p.225).
As diversas culturas e simbolismos ligados a uma mesma paisagem reforçam o seu
caráter individual e único. Porém, quando eles coexistem de maneira não concordante, os
grupos sociais dominantes, a partir do poder que possuem, geralmente comandam o
processo de formação paisagística, impondo os seus valores simbólicos, culturais e
ideológicos aos demais (COSGROVE, 2006).
Esse domínio pode ocorrer de várias formas, e visa controlar todos os “meios de
vida: terra, capital, matérias-primas e força de trabalho” (CONSGROVE, 2006, p.230). A
reprodução da cultura de um grupo é fundamental para que uma dominação efetiva seja
exercida sobre os demais. Dessa forma, percebe-se que de maneira sutil ou perceptível, o
domínio27 do fazer a paisagem, também é uma forma fundamental de defesa e propagação
de uma cultura e de seus simbolismos (CONSGROVE, 2006). Neste caso, a cultura e todas as
relações simbólicas, afetivas e de identificação dos dominantes com uma paisagem são
privilegiados, neutralizando esses aspectos quando se referem os demais grupos excluídos.
O poder que legitima o domínio de um grupo sobre os outros no fazer da paisagem
pode ser obtido de formas diversas, que varia a depender de cada sociedade onde ele se
expressa (CONSGROVE, 2006). Apesar disso, na maioria das vezes, ele se dá a partir de uma
posição social e financeira privilegiada, de onde também se origina a influência política.
Nesse cenário, as elites, as classes sociais mais abastadas, costumam ser as dominantes na
formação da realidade das cidades (VILLAÇA, 2001).

25
Ainda que as paisagens estejam intactas, em seu estado de base natural, como na terceira porta de Besse
(2014), elas também são culturais, visto que através de um contato mínimo com o ser humano, ele a
transforma a partir da atribuição de valores simbólicos provenientes da sua cultura (COSGROVE 2006).
26
Por vezes Cosgrove (2006) trata a questão dos simbolismos e do símbolo de maneira diversa de Conan
(1994). Enquanto este último considera o símbolo como um valor subjetivo (porém real), criado a partir dos
ritos sociais praticados em uma sociedade, que por sua vez geram comportamentos e rebatimentos físicos na
paisagem, aquele primeiro os tem como códigos físicos utilizados no fazer da paisagem, de forma a expressar
a cultura e os valores de cada grupo que a cria.
27
Cosgrove (2006) classifica as paisagens como a dos grupos dominantes e a dos não dominantes
(alternativas). Essas últimas são divididas em residuais, emergentes e excluídas. As residuais são as que
mostram as marcas do passado, permitindo a sua reconstrução. As emergentes são as feitas por novos grupos
sociais, expressando um novo desejo de organização física e social, tendo um caráter “vanguardista”. As
excluídas são aquelas construídas por grupos sem visibilidade, como, por exemplo, as minorias sociais, de
classes sociais, gêneros e posições sociais menos favorecidas (COSGROVE, 2012).

{ 71 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 1 – DA PAISAGEM À TEIMOSA }

Com isso, ainda que haja a coexistência de vários valores simbólicos imperantes
sobre uma mesma paisagem, aqui, os que geralmente encabeçam a sua formação e
transformação, fazendo valer as suas vontades, seus símbolos e sistemas morais são esses
grupos, estabelecendo uma relação de domínio conflituosa com os demais (BESSE, 2014).
Assim, percebe-se que ao longo da história do mundo, as paisagens vêm sendo um meio
pelo qual
“algumas classes (...) puderam representar o seu mundo e a si mesmas, assim
como o seu papel na sociedade. Essa relação paisagística com o mundo, na
verdade, acompanhou o surgimento e o desenvolvimento do capitalismo, ou seja,
a transformação do território ao mesmo tempo em mercadoria e espetáculo (...).
A paisagem, mais precisamente, serviu ideologicamente para “naturalizar” a
dimensão desigual das relações sociais, ocultando a realidade dos processos
históricos e conflitantes que a produziram.” (BESSE, 2014, p.105-106)

Daí conclui-se que, o domínio sobre as paisagens também são uma maneira das
elites imporem seu poder, sua ideologia, suas simbologias e sua vontade de superioridade
nos lugares, invisibilizando os grupos sociais que não pertencem a elas, bem como as
ideologias que vão contra os seus interesses (COSGROVE, 2006). Nesse contexto, as
paisagens expressam o poder que a gere (BESSE, 2014), ao mesmo tempo em que
neutralizam as ligações estabelecidas entre os grupos subjugados e os lugares, não se
atentando a elas (BERQUE, 2010).

1.4 RELAÇÕES DE DOMÍNIO, CONFLITOS SIMBÓLICOS E MORAIS NO ESPAÇO E

NA PAISAGEM RECIFENSE28
A lógica espacial e paisagística conflituosa antes discutida também se apresenta
claramente no Recife (VILLAÇA, 2001), onde se localiza o objeto desse estudo. Percebe-se o
protagonismo da elite na criação e na transformação dessa cidade, dominando os outros
grupos sociais através da imposição da sua cultura, de seus valores morais, estéticos e
simbólicos, de seus interesses, e da sua percepção sobre o espaço urbano como um todo.

28
Os autores base para a construção dessa última parte do capítulo são Flávio Villaça (2001) e Vera Tângari
(2013). Sabe-se que os mesmos são provenientes de escolas diversas dos autores citados nas sessões
anteriores. Inclusive, se tratando diretamente da paisagem, tem-se ciência de que Vera Tângari tem uma
abordagem positivista e geralmente voltada para o estudo das áreas livres e dos vazios urbanos. Apesar disso,
é importante perceber que o entendimento base de paisagem aqui utilizado não baseia nesses últimos, e sim
na teoria dos primeiros nomes discutidos, notadamente, Augustin Berque, Michel Conan e Jean-Marc Besse.
Utiliza-se esses outros, que claramente se relacionam com a segunda porta de Besse (2014), de forma
complementar, para auxiliar na compreensão de como se dão os processos de formação da paisagem urbana
na prática. Como dito anteriormente, as diversas abordagens paisagísticas existentes (as diferentes portas) se
relacionam entre si, se entrelaçando em alguns momentos. Neste trabalho essa correlação foi fundamental
para compreender como se deu a construção social da Paisagem Teimosa, objeto desse estudo.

{ 72 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 1 – DA PAISAGEM À TEIMOSA }

A partir disso, se formam paisagens de conflito, onde se pode perceber, de maneira


sutil ou evidente, as relações de domínio e poder que as formaram. De uma forma geral, as
paisagens do Recife se tornam um meio fundamental por onde se estabelece e se reafirma
a dominação social, política e econômica, servindo de forma a perpetuar a cultura dos
dominantes, subjugando os outros grupos e atores sociais que com eles coexistem
(COSGROVE, 2006).
Percebe-se que a materialização desses conflitos, acontece fundamentalmente
quando os diversos grupos sociais que habitam a cidade, não somente neste caso, mas
também em outros, concorrem pela apropriação dos lugares com melhores condições
locacionais dentro do seu território, buscando vantagens diversas, como as ambientais,
estéticas ou estratégicas com relação às distancias a serem percorridas cotidianamente. Por
meio desse processo se vê claramente o resultado palpável da luta de classes29 nas
paisagens (VILLAÇA, 2001).
É importante entender que essas relações de domínio, existentes dentro do
contexto da formação das cidades, advém do conflito entre sistemas morais provenientes
das diversas simbologias dadas às paisagens (CONAN, 1994). Como dito anteriormente,
essas situações conflituosas dão origem a um cenário paisagístico também conflituoso,
gerado por um espaço urbano não harmônico.
A esse ponto, cabe fazer uma diferenciação entre o espaço e a paisagem de um
lugar. O espaço se refere ao palpável, ao território e é realizado geralmente por atores
sociais que nele interveem se embasando frequentemente em aspectos técnicos, práticos e
objetivos. A paisagem tem vínculo com as identificações e identidades coletivas, com as
percepções e sentimentos, com a cultura e com os valores sociais menos palpáveis (CONAN,
1994; DI MAIO et al., 2012).
Os espaços somente se tornam paisagem a partir da apropriação relacional humana
(dada pela mediança), que os veste de subjetividade e neles habita a partir de ritos sociais,
lhes soprando vida, os fazendo parte da existência das pessoas e de seu palimpsesto. Os
espaços são a base física, as paisagens, a relacional. A forma como eles se dão reflete
diretamente em como elas são produzidas (CONAN, 1994; DI MAIO et al., 2012). Os valores
estéticos, éticos, ideológicos, simbólicos e morais dos grupos sociais são impressos
espacialmente conformando paisagens: territórios habitados e fabricados, conforme a

29
“A força mais poderosa (mas não única) agindo sobre a estruturação do espaço intra-urbano tem origem na
luta de classes (...)” (VILLAÇA, 2001, p.45). “Luta de Classes” foi um conceito cunhado por Karl Marx, ainda
hoje largamente utilizado nas discussões políticas, econômicas e sociais como um todo, se estendendo
também aos debates em relação à apropriação e dominação dos territórios, como neste caso. Ele é o termo
utilizado para designar os conflitos sócio-políticos e econômicos entre a burguesia e o proletariado (aqui
interpretados como elites e classes sociais mais pobres) em seus amplos aspectos (CONCEITO... [20--];
LEFEVRE, 1978).

{ 73 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 1 – DA PAISAGEM À TEIMOSA }

organização da sociedade que os ocupa (BESSE, 2014). Daí, conclui-se que os conflitos
espaciais ajudam a gerar paisagens também conflituosas.

1.4.1 Do Recife à Teimosa


A capital pernambucana expressa os seus conflitos sociais através de alguns
mecanismos de formação espacial que também são encontrados em várias outras cidades
brasileiras30 (TÂNGARI, 2013; VILLAÇA, 2001). Sobre isso, é importante observar que,
embora essas situações conflituosas apresentem particularidades nos diferentes casos e
cidades em que se apresentam, alguns aspectos são universais (TÂNGARI, 2013). Nesse
sentido, aqui se tentará fazer uma ligação entre esses aspectos recorrentes e às áreas dos
bairros de Boa Viagem, Pina e Brasília, na Zona Sul do Recife, onde se localiza a Paisagem
Teimosa, alvo desta pesquisa.
Sobre isso, a primeira questão a ser observada no Recife é a ocorrência do modelo
centro-periferia. Ele ordena a urbe como um todo, de forma que, em geral, quanto mais
centrais forem os lugares, mais elitizados eles tendem a ser. Enquanto isso, nas periferias,
há quase sempre uma concentração maior de uma população de baixa-renda. Na medida
em que a elite se concentra no foco, nas paisagens centrais, os pobres 31 são banidos para os
bastidores da cidade (TÂNGARI, 2013).
Isso se percebe concretamente quando se observa, por exemplo, os bairros
recifenses das Graças e Espinheiro, na zona norte, e os do Pina e Boa Viagem na zona sul,
todos centrais, com uma ocupação elitizada, e preços médios do metro quadrado
altíssimos. Entretanto, contrariando essa lógica, Brasília Teimosa se localiza exatamente ao
lado desses dois últimos bairros, em um local tão valorizado economicamente quanto o
deles (ALVES, 2009).

30
Nas cidades brasileiras, ainda que essas situações conflituosas apresentem particularidades, alguns aspectos
são universais, e podem ser observados também no contexto recifense. Segundo os estudos de Vera Tângari
(2013), as principais divergências encontradas dentro desses padrões de construção espacial e paisagística das
cidades brasileiras foram, “principalmente, [relativas] aos aspectos de constituição do suporte geobiofísico
(...); ao processo histórico de ocupação, principalmente no que diz respeito à origem de formação de seu
território e o seu papel político; à identidade cultural de sua população, tendo em vista a sua origem,
formação étnica, modos de produção, valores territoriais e simbólicos” (TÂNGARI, 2013, p. 8). Em sua
pesquisa, a autora procura perceber quais são os padrões espaciais recorrentes na construção das paisagens
brasileiras, relacionando-os com a forma como as cidades foram ou não planejadas. Ela baseia seu estudo
principalmente nas obras de Flavio Villaça, David Harvey e Milton Santos, as cruzando com a análise de nove
cidades distintas localizadas no país (Manaus - AM, São Luiz - MA, Fortaleza - CE, Natal - RN, Maceió - AL, e
Ribeirão Preto, Suzano, Sorocaba e Santa Maria - SP).
31
Aqui, a “Pobreza” é considerada sob o ponto de vista abordado por Milton Santos em seu livro Pobreza
Urbana (1978). Segundo ele, a pobreza não é só um problema material ou econômico, mas também político e
social. “O termo pobreza não só implica um estado de privação material como também um modo de vida – e
um conjunto complexo e duradouro de relações e instituições sociais, econômicas, culturais e políticas criadas
para encontrar segurança dentro de uma situação insegura” (BUCHANAN, 1072, p.225 apud SANTOS, 1978,
p.10).

{ 74 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 1 – DA PAISAGEM À TEIMOSA }

Com esse modelo de distribuição social radial, o Recife tem a sua mobilidade
comprometida, ao passo que elege como desejável o padrão de transportes individuais,
gerando uma grande e crescente demanda por maiores extensões viárias, que visam
atender prioritariamente aos interesses da elite (TÂNGARI, 2013), tornando as paisagens
cinzas e impessoais.
Um caso emblemático para exemplificar essa questão é o da Via Mangue, projeto
que teve suas obras iniciadas em 2008, e liga os bairros da zona sul do Recife ao seu centro
de maneira direta, não se prestando ao uso do ônibus de transporte coletivo (DE MORAIS;
SILVA, 2010). Uma outra questão é que se entende que o conjunto viário dos bairros de Boa
Viagem e Pina foi feito e expandido gradativamente, ao longo de todo o século XX, de
acordo com o aumento do uso dos veículos individuais naquela área da cidade (ALVES,
2009; MOREIRA, 1995). Apesar das vias ali construídas não passarem dentro do território da
Brasília, elas trazem impactos visuais e sociais diretos à sua paisagem como se verá nos
próximos capítulos (MAGAROTTO et al., 2013).
Um outro ponto é que os bairros elitizados recifenses, em sua grande maioria,
convivem lado a lado com ocupações de baixa renda. Deve-se atentar que mesmo com o
afastamento das classes sociais mais baixas para as franjas da cidade, sempre existem
espaços ocupados por elas próximos aos núcleos mais abastados. Elas se instalam nesses
locais com o objetivo de estar perto das oportunidades de trabalho ou subempregos
oferecidos pelos mais ricos, evitando os grandes deslocamentos ocasionados pelo modelo
centro-periférico (TÂNGARI, 2013). Geralmente, apesar de nesses casos essa população
pobre se localizar de maneira circunvizinha às elites, pela concentração de terras nas mãos
dessas últimas, só lhe resta ocupar as áreas por elas rechaçadas, que podem ter sido
rejeitadas tanto pela sua precariedade ambiental (não existindo condições mínimas de
habitabilidade e segurança), quanto pela impossibilidade da realização de ocupações
formais em seu interior, por conta de proteções ecológicas ou legais como um todo. Em
geral, as classes sociais mais baixas ocupam esses espaços relegados não somente nas
proximidades das áreas privilegiadas, mas também em todas as outras zonas da urbe. Pelas
poucas oportunidades habitacionais que estão à disposição desses grupos, há sempre uma
grande quantidade de ocupações informais no Recife, numericamente e espacialmente
maior do que as dos núcleos elitizados (TÂNGARI, 2013).
Em Boa Viagem e no Pina, há uma grande concentração de comunidades humildes
nas áreas mais distantes da orla, quase sempre nas proximidades do mangue, e muitas
vezes se instalando no local por meio da construção de palafitas e casebres (mocambos). De
forma contrária, Brasília Teimosa se destaca por estar em um local bastante privilegiado, de
paisagem esteticamente e ambientalmente diferenciada (ALVES, 2009).

{ 75 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 1 – DA PAISAGEM À TEIMOSA }

Ao mesmo tempo em que as classes sociais baixas se distribuem polinuclearmente


no espaço urbano da capital, para facilitar o seu domínio, as elites tendem a se concentrar
em bolsões únicos em áreas privilegiadas do território, as dotando de uma estrutura física
superior à das demais. Esses locais possuem a melhor infraestrutura da cidade, um melhor
planejamento, as melhores vantagens locacionais, são esteticamente e ambientalmente
mais agradáveis, além de serem alvo dos maiores investimentos do governo, que os provê
de equipamentos e serviços em abundância e qualidade, uma vez que ele também é
manipulado para atender aos interesses da elite32. Além disso, a forma de implantação e
gabaritos das edificações, a malha urbana, a densidade e o sistema viário desses lugares
também são diferenciados (VILLAÇA, 2001).
Contrariando as tendências nacionais, o Recife não tem apenas uma, mas sim duas
áreas principais de concentração da sua elite: uma na sua zona norte, mais antiga, nas
proximidades do Rio Capibaribe, e outra mais recente, na sua zona sul, à beira-mar, onde se
encontra a Paisagem Teimosa. Nesse segundo caso, no bairro de Boa Viagem e em partes
do Pina, observa-se uma qualidade infraestrutural e ambiental muito superior à de outras
áreas menos abastadas da cidade, havendo ali inclusive, a concentração de muitos
equipamentos e serviços públicos pouco existentes ou pulverizados em outros locais
(VILLAÇA, 2001).
Um ponto muito importante a ser observado é que a atuação do mercado
imobiliário recifense também está vinculada às elites, reforçando os seus padrões de
domínio. Ele se concentra predominantemente nas áreas apropriadas por elas, prevendo,
inclusive, as suas zonas de expansão. O grande poder que possui na transformação das
cidades e das suas paisagens através das construções, muitas vezes é reforçado pela benção
que lhe é concedida pelo estado (SANTOS, 1988; VILLAÇA, 2001).
Sobre isso, é de se destacar que a ocupação do bairro recifense de Boa Viagem
começou a ser dar a partir do provimento do aporte infraestrutural governamental à área
na década de 1920, com a construção de, por exemplo, avenidas, posteamento e facilidades
legais para a ocorrência de novas edificações (SILVA, 2008a). Hoje, o mercado age nos
bairros elitizados da zona sul33 da capital de forma feroz, e desde os anos 50, quando a
Brasília começou a se formar, ele demonstra um interesse claro em atuar também sobre
ela, que além de, como dito, ser um bairro central e agradável paisagisticamente, ainda se
encontra na área de expansão das elites concentradas nos núcleos a ela circunvizinhos
(ALVES, 2009).

32
Um ponto crucial a ser observado no presente trabalho, é que o controle das elites sobre o governo se dá
não só em relação aos maiores investimentos na sua área de domínio, mas também através de uma legislação
que favorece o seu domínio em relação às demais classes e grupos sociais (VILLAÇA, 2001).

{ 76 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 1 – DA PAISAGEM À TEIMOSA }

Pelos pontos acima levantados, percebe-se o quanto a Cidade do Recife, e mais


especificamente, a sua zona sul, tem paisagens conflituosas em diversos aspectos. Os
principais mecanismos de formação espacial que a geram promovem uma concentração de
renda em pontos específicos do território, criando discrepâncias de qualidades ambientais e
habitacionais (em seu amplo sentido), de serviços, de atenção governamental e de
oportunidades diversas entre os diferentes setores da cidade e grupos sociais, ocasionando
um processo de segregação socioespacial34 (VILLAÇA, 2001). Notadamente, a elite recifense
e os locais ocupados por ela são privilegiados, em detrimento das zonas e habitantes mais
pobres. Essas características tornam o espaço dos dominantes discrepantes em relação às
das classes sociais excluídas, formando paisagens também muito distintas entre si, que dão
origem a cenários bastante conflituosos quando essas diversas realidades coexistem lado-a-
lado (COSGROVE, 2006), como no caso da Paisagem Teimosa.
A situação locacional da Brasília contraria as tendências e os mecanismos de
dominação geralmente utilizados na criação e na transformação da cidade recifense, se
tornando uma pedra no caminho, impondo a sua resistência como um impasse para as
elites e o mercado imobiliário que dela querem se apossar. Sabe-se que a coexistência
desses diferentes interesses antagônicos se reflete na formação de uma realidade
paisagística também repleta de conflitos. Isso se dá porque a disparidade de valores
simbólicos e morais dados à Teimosa pelos diversos grupos que a percebem, a habitam e a
mercantilizam (ou que assim querem fazer), se materializam discordantemente nos
comportamentos e no fazer daquela paisagem.
Dessa forma, a Brasília configura um cenário paisagístico discrepante do seu
entorno, que é habitado por outros grupos, tendo cores, densidade, gabaritos e forma de
ocupar, fabricar, significar diversos do deles. Contrariando os interesses de domínio do seu
território, a Teimosa continua existindo, impondo a sua cultura, a sua história e seus valores
simbólicos, morais e relacionais, objetivos e subjetivos (mediança trajectiva), através da
perpetuação dos hábitos nela desenvolvidos pela população que com ela se relaciona
afetivamente.
A vontade de dominação desse território pelas elites e pelo mercado representa
uma tentativa de reprodução cultural hegemônica desses atores na fabricação da paisagem
em questão. Da forma como se dá, essa vontade de apropriação tende trata-la de maneira

33
Estando presente de forma um pouco menos incisiva também no bolsão elitizado existente na zona norte da
cidade, como por exemplo, nos bairros das Graças, Parnamirim, Jaqueira, Poço da Panela e Casa Forte (ALVES,
2009).
34
Há dois tipos de segregação. A primeira é a voluntária, feita pelas elites, os dominantes, que como já foi
discutido, tem o poder em relação à criação do espaço urbano e das paisagens. A segunda é a involuntária,
que resta como “opção” para as classes sociais mais pobres e os demais grupos excluídos, coadjuvantes no
fazer da cidade (VILLAÇA, 2001).

{ 77 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 1 – DA PAISAGEM À TEIMOSA }

independente e separada dos ritos sociais e das relações trajectivas que os demais grupos
dominados com ela estabelecem, neutralizando a pluralidade da multiplicidade de
percepções e significados que ela contém. Vista assim, essa paisagem deixa de ser tratada
como Kosmos, ou seja, como um meio relacional entre os indivíduos e o mundo, e passa a
se comportar de maneira mercantilista, como um meio neutro, sem particularidades. Esse
ponto é um impasse fundamental que anima este trabalho.
Trabalhando sobre esse ponto, se desenvolverá o cerne deste estudo. Nos capítulos
posteriores, procura-se compreender as diferentes simbologias criadas ao longo da história
dessa paisagem, de forma a captar quais significados e relações com ela são construídas e
existem atualmente, bem como a descobrir quais são os desejos de futuro que a ela se
impõem. Para isso, tornou-se necessário o estudo da construção social da Paisagem
Teimosa e do seu entorno, que será apresentado imediatamente a seguir, em seus aspectos
físicos, subjetivos e relacionais (simbólicos e perceptivos).

{ 78 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 1 – DA PAISAGEM À TEIMOSA }

{ 79 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 1 – DA PAISAGEM À TEIMOSA }

{ 80 }
{ }
CAPÍTULO 2

A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA

“No ponto onde o mar se extingue/ E as areias se levantam


Cavaram seus alicerces/ Na surda sombra da terra
E levantaram seus muros./ Depois armaram seus flancos:
Trinta bandeiras azuis/ Plantadas no litoral.
Hoje, serena, flutua,/Metade roubada ao mar,/ Metade à imaginação,
Pois é do sonho dos homens/ Que uma cidade se inventa.”
(Carlos Pena Filho – O Início – Guia Prático da Cidade do Recife1)

Atualmente, Brasília Teimosa e o seu entorno configuram uma paisagem conflituosa,


que expressa um processo de formação social calcado em simbologias, interesses e culturas
divergentes, pertencentes aos diferentes grupos sociais que nela atuam e a habitam,
criando-a e transformando-a.
Para se entender quais são os valores simbólicos e morais que se impõem no
presente a essa paisagem, bem como, os comportamentos e desejos de futuro que deles
provêm, é de fundamental importância analisar a história da sua construção social em seus
mais amplos aspectos – objetivos, subjetivos, relacionais (pessoas e sociedade com o
território), materiais e imateriais.
Nessa reconstituição histórica, busca-se ter um olhar guiado pelas três primeiras
portas de Besse (2014) anteriormente explanadas2. Portanto, se estudará essa paisagem
como um Kosmos, uma totalidade, onde “o meio natural e o meio humano convivem no
espaço-tempo em mútua interação” (BEZERRA, 2017, p.38). Assim, ela é vista como o “meio
ambiente material e vivo da sociedade” que a formou e a forma, sendo a base da vida
humana que nela se encena.
As características naturais primeiras do lugar onde hoje se encontra a Brasília e o seu
entorno estão fortemente atreladas à sua história e ao estado atual da sua paisagem. Elas
foram o substrato das transformações antrópicas ocorridas pela necessidade do habitar e
do pertencer das pessoas que ali pousaram a sua existência, seus sentimentos, sua cultura e
a sua cidade. A partir da apropriação desse território, ao longo dos anos, os diversos grupos

1
PENA FILHO, Carlos. Guia Prático da Cidade do Recife. Recife: Prefeitura da Cidade do Recife, 1996, p. 179.
2
A Paisagem é uma Representação Cultural e Social; A Paisagem é um Território Fabricado e Habitado; A
Paisagem é o Meio Ambiente Material e Vivo das Sociedades Humanas (BESSE, 2014).

{ 81 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

sociais criaram com ele uma pluralidade de ritos e relações de identificação, “o fabricando e
o habitando”, de forma que a Paisagem Teimosa resultante se os “representasse
socialmente e culturalmente”3, se vestindo de um caráter que a torna singular.
Assim, a fim de analisar a história da construção social do objeto de estudo,
procurou-se perceber como se deu o enlace entre a sua sociedade e o seu território por
meio dos pontos previamente citados: a natureza, as simbologias, as percepções, as
culturas, os hábitos, os comportamentos e as transformações antrópicas que a formaram.
Para tanto, tomou-se como base a iconografia existente sobre o local (mapas e fotos),
bibliografias históricas, entrevistas, documentos e alguns dados técnicos e legais relevantes.
Para uma compreensão didática desse processo de formação, o período considerado foi
dividido em três momentos distintos dessa paisagem: o dos seus antecedentes, o da sua
formação pela sua resistência e o da sua consolidação. Mapas esquemáticos4 foram
elaborados para uma observação mais clara das permanências e mudanças ocorridas, tanto
em relação aos aspectos naturais originais, quanto aos relativos às ocupações humanas que
nele se deram.
É importante observar que, apesar do alvo de nossa investigação ser o Bairro de
Brasília Teimosa, a história de sua paisagem é interligada a dos seus bairros circunvizinhos,
Boa Viagem e Pina, e por vezes, indissociável. Portanto, alguns fatos históricos sobre estes
últimos serão citados para uma melhor compreensão da evolução paisagística e espacial da
área em questão.

3
Primeira e segunda porta de Besse (2014): “a Paisagem é uma representação cultural e social” e “a Paisagem
é um território fabricado e habitado”.
4
Sugere-se que para uma análise mais efetiva, se faça uma comparação dos mapas desse capítulo com o mapa
da situação atual da Paisagem Teimosa, encontrado entre as páginas 190 e 191 desse trabalho.

{ 82 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

2.1 OS ANTECEDENTES DA TEIMOSA

2.1.1 Séculos XVII ao XIX: a Paisagem que Nasce com o Recife


A construção da Paisagem Teimosa conta e reconta a história da própria cidade do
Recife como um todo, tanto em seus aspectos naturais e físicos, quanto nos sociais.
A capital pernambucana, assim como a Brasília, teve sua formação e suas ocupações
intimamente ligadas aos seus aspectos físico-morfológicos. Cinco são os elementos naturais
que se destacam na formação dessa cidade: os morros, os rios, o mar, o mangue e os
arrecifes. Claramente, a água é uma protagonista recifense, que faz da cidade um território
anfíbio. A sua área de planície e litoral foi ocupada em grande parte por meio de aterros
sucessivos em seus alagados e manguezais, tendo sido esses últimos essenciais na
construção da paisagem vivida do Recife (BEZERRA, 2017) (imagem 1).

Imagem 1 - Desenho esquemático da geografia físico-morfológica do Recife, feito por J.C. Branner em 1904. Fonte:
CASTRO, 1966, p.17 in BEZERRA, 2017, p.40 (modificado).

Com exceção dos morros, todos esses elementos que fundamentam a cidade se
encontram muito presentes na Brasília. Ela se situa em uma área litorânea, sendo uma
península triangular banhada pelo mar e pelo Rio Capibaribe, onde até a década de 1930,
quando sofre um aterro, apenas existia a água. Originalmente, a sua região também

{ 83 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

constituía uma grande área anfíbia, de mangues e enlameados,


Na paisagem do rio / difícil é saber/ onde
que apesar de próxima ao núcleo central inicial da cidade, por ser
começa o rio
Onde a lama / começa do rio; de difícil acesso (SILVA, 2008a; 2008b), foi sendo apropriada e
Onde a terra/ começa da lama; habitada por uma população humilde e marginalizada que nela
Onde o homem,/ onde a pele/ começa da
estabeleceu a sua vida tendo essa natureza e o mar como base,
lama;
Onde começa o homem/ naquele aos poucos os transformando em terra firme (ARAÚJO, 2007). Os
homem. arrecifes que perpassam toda a cidade também são muito
(Trecho do poema Cão sem Plumas –
importantes no entendimento dessa paisagem. Eles são uma linha
João Cabral de Melo Neto)
de força que liga o Pina e a Brasília Teimosa ao restante do
Recife, tanto visualmente, como fisicamente, se tornando um elemento de permanência
marcante desde tempos remotos até os dias atuais (mapa Esquemático 1, imagem 2).

Imagem 2 - Arrecifes vistos do alto do Forte do Picão, 1875. Percebe-se a força desse elemento paisagístico ao
longo da história do lugar. Após os navios, encontram-se os territórios correspondentes ao atual Bairro do
Pina. Autor: Marc Ferrez. Fonte: FERREZ, 1988, p.23.

Assim, as características físicas do Recife e da Brasília são indissociáveis das suas


histórias e dos seus habitantes, que juntos, estão presentes em simbiose na paisagem:

{ 84 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

“A gente do Recife é a imagem de sua história e de seu desenvolvimento. É o


retrato de uma cidade, ponto de encontro entre o mundo exterior e o país
interior, ponto de encontro e de partida; (...) É a gente que vem de fora e
conquista terra. No princípio, foi o dualismo da casa e da senzala; mais adiante, o
dos sobrados e mocambos, as casas térreas (...) e, finalmente, a paisagem humana
mais complexa, na terra conquistada por aterros; a evolução do caranguejo ao
viaduto, e as novas classes, gentes novas que se interpõem entre o sobrado e o
mocambo. (...) Sempre [se encontra] presente o Recife porto, de onde sai uma
parte de seu suor e onde chega parte de sua gente. A gente do Recife está na
paisagem que ela está a construir. A paisagem construída é o símbolo dessa gente.
Mostra-a e esconde-a. Paisagem de contradições, onde se retratam os dilemas de
sua gente. Cidade nascida das águas, (...) uma outra cidade anfíbia, ‘o que não é
água, foi ou lembra água’ (DE OLIVEIRA, 1942, p. 38-39). E cada vez menos
presente a maré e o mangue de caranguejo e do siri que alimenta. Tudo isso na
paisagem maior, geográfica e humana. Paisagem que, além da gente simples e
humilde, envolve os que alçam a escala social. Não mais as relações simples, mas
a gente complexa que, embora ainda pobre, cresce e se desenvolve e é rica de sua
gente. Gente que trabalha e espera, inventa o trabalho que está por alcançar 5”
(PROMORAR, 1980, introdução sem página, grifo nosso).

O local onde estão atuais bairros do Pina e Brasília Teimosa passou um grande
período de sua história praticamente inalterado, conservando por muito tempo as suas
características naturais primeiras (SILVA, 2008b) (mapa 1 e 2; mapa Esquemático 1). Ao
contrário de como se apresenta hoje, antes, esse território enlameado se caracterizava
como um conjunto de ilhas (ARAÚJO, 2007). Entre elas, as mais conhecidas eram a do Bode,
a do Nogueira, a do Pina (ou do Lazareto), a da Raposa (que abrigou a Rádio da Marinha no
século XX), a das Cabras e a do Felipe (onde funcionou a destilaria da Bacardi até a década
de 1990) (SILVA, 2008b).
O relativo isolamento do local em relação ao restante da cidade, além da
possibilidade de subsistência pela pesca, atraia negros livres, escravos fugidos e outros
trabalhadores para essas ilhas (SILVA, 2008b), que começaram a habitar essa paisagem
principalmente por uma necessidade econômica e de abrigo. Porém, apesar de ter uma
“aparência de território do vazio, de terras sem dono, sem lei, [ali] escondiam-se formas
particulares de exploração econômica, de propriedade e posse do espaço litorâneo, há
muito solidificada” (ARAÚJO, 2007 apud SILVA, 2008b, p.31).
De maneira tímida, a ocupação do local se deu desde o início do século XVII, tanto
para fins religiosos, quanto para os econômicos. Desde 1600, os Jesuítas possuíam terras
em sua orla. Ali, eles construíram uma Fazenda (Fazenda da Barreta)6 (mapa 1 e 2), onde

5
Nesse discurso, podem ser vistas claramente as três primeiras portas de Besse (2014).
6
Também foi construído um nicho com uma imagem de Nossa Senhora do Rosário (SILVA, 2008a).

{ 85 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Mapa 1 - Recife em 1641. 1) Porto do Recife; 2) Cidade


Maurícia; 3) Arrecifes; 4) Barreta; 5) Atuais Bairros do
Pina e Brasília Teimosa; 6) Rio da Barreta. Mapa de { 86 }
autoria de Cornelis Golijath. Fonte: SILVA, 2008b, p16.
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }
Mapa 2 - Detalhe do mapa anterior correspondente à
área dos atuais bairros do Pina e Brasília Teimosa em
1641. 1) Primeiras ocupações; 2) Arrecifes; 3) Rio da
Barreta; 4) Localização aproximada da Fazenda da
Barreta e do Forte Schoonenburg. Mapa de autoria de
Cornelis Golijath. Fonte: SILVA, 2008b, p16.

{ 87 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

além das plantações, existia uma casa grande e uma senzala. Além disso, neste mesmo
período, a área correspondente à Ilha do Nogueira foi utilizada para atividades ligadas ao
comércio de açúcar com a Europa7. Para atendê-las, houve a construção de um armazém
(SILVA, 2008b).
Ainda no século XVII, pela sua proximidade com o Porto do Recife, a localidade foi
utilizada como base para a conquista dos Afogados (1632- 1633) (FORTE...2013) durante a
Invasão Holandesa em Pernambuco8. Por conta disso, a população que ali residia naquele
período se evadiu, retornando apenas depois que as forças pernambucanas ocuparam o
local e o tiraram da posse dos invasores. Durante o período de sua estadia na área, os
Holandeses construíram um pequeno forte no Pontal do Pina, o Fortim Schoonenburg,
como meio de defesa do Porto (mapa 1 e 2). Após a saída desses colonizadores, a edificação
foi destruída por um incêndio, e as terras do local voltaram a servir essencialmente como
áreas de plantação, pesca e pequenas atividades ligadas a esses usos9 (SILVA, 2008a,
2008b).
Após esses anos, a primeira mudança significativa na paisagem do local ocorreu em
meados do século XIX, em 1849. Dentro das obras de melhoria do Porto do Recife, um
dique foi construído fechando a barreta10 existente ao norte do território (Dique do
Nogueira) (mapa 3 e 4; mapa Esquemático 2; imagem 3 e 4). O objetivo da obra era o de
conter as movimentações de areia causadas pelo trajeto de pescadores e jangadas que iam
da Vila Rua da Jangada (atual Cabanga) até a área do Pina (SILVA, 2008a).
Por dificultar o deslocamento dos pescadores na região, o fechamento do dique fez
com que a população residente na Vila Rua da Jangada se mudasse definitivamente para o
Pina. Os habitantes que ainda restaram no local acabaram se mudando após um incêndio
que aconteceu posteriormente (SILVA, 2008a, 2008b). Além da modificação já citada, nessa
reforma, realizaram-se aterros nas ilhas que formavam a região, e nelas foram instaladas
oficinas de montagem e manutenção de equipamentos portuários, estrutura ferroviária e
embarcações. Essas atividades geraram uma atração de mão-de-obra, que se dirigia à área
em busca de empregos (SILVA, 2008b). Assim, transformações físicas na paisagem alteraram

7
Essas atividades foram encabeçadas pelos irmãos Pina – André Gomes Pina e o “Cheira Dinheiro”. Seus
nomes acabaram batizando as ilhas, e posteriormente, o bairro do Pina, que conserva o seu nome até a
atualidade. Umas das ilhas tinha o nome de “Cheira Dinheiro”, sendo depois chamada de Fernão Soares, de
Ilha da Barreta - pela proximidade com a abertura natural dos arrecifes chamada de Barreta (mapas 1 e 2) - e
em 1710, de Ilha do Nogueira (CENTRO JOSUÉ DE CASTRO, 1993; SILVA, 2008a). É importante ressaltar que,
esse último nome foi frequentemente usado para designar o território do Pina como um todo nos documentos
historiográficos. Aqui também o usaremos para denominar esse bairro em alguns momentos.
8
O domínio Holandês sobre Pernambuco se estabeleceu entre 1630 a 1654 (SANTANA, [201-]).
9
Outro episódio histórico sucedido no local ocorreu durante a guerra dos mascates, quando em 1711, tropas
do Partido da Nobreza de Olinda ocuparam a Ilha do Nogueira (SILVA, 2008b).
10
A Barreta era uma abertura existente no meio dos arrecifes. Ela tinha largura suficiente para a passagem de
embarcações.

{ 88 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Mapa 3 - Planta da Cidade do Recife e seus arrebaldes


em 1875 (recorte). 1) Arrecifes; 2) Antiga Barreta; 3)
Dique do Nogueira; 4) Lazareto; 5) Açude; 6) Viveiros;
7) Casa da Vivenda; 8) Rio da Barreta; 9) Cabanga; 10)
Ilha de Santo Antônio e São José; 11) Bairro do Recife.
Fonte: Biblioteque Nationale da França.

{ 89 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Mapa 4 - Detalhe da planta anterior correspondente à


área dos atuais bairros do Pina e Brasília Teimosa em
1875. 1) Arrecifes; 2) Antiga Barreta; 3) Dique do
Nogueira; 4) Lazareto; 5) Açude; 6) Viveiros; 7) Casa da
Vivenda; 8) Rio da Barreta; 9) Cabanga; 10) Ilha de
Santo Antônio e São José. Fonte: Biblioteque Nationale
da França.

{ 90 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

a relação das pessoas com o local. Os novos usos ligados às atividades portuárias também
foram determinantes nesse processo.
Os dois fatores de atração habitacional citados, a implantação das oficinas portuárias
e o fechamento da barreta, impulsionaram a ocupação da região do Pina nesse período.
Com a ida dessa grande quantidade de pessoas para as ilhas, as áreas “secas” existentes
começam a se exaurir, fazendo com que a população, por conta própria e com os seus
próprios meios, também começasse a aterrar a área, criando mais espaços aptos à
construção (mapa 2 e 4; mapa Esquemático 1 e 2).

Imagem 3 - Panorama feito entre os anos de 1826 e 1832, de autoria de João Steinmann. Neste recorte, vê-se
em primeiro plano o Bairro do Recife, em segundo, os bairros de Santo Antônio e São José, e em terceiro, a
Ilha do Nogueira, ainda em seu estado natural quase intacto. Fonte: FERREZ, 1984, p.58 e 59.

Imagem 4 - Vista da paisagem local após a construção do Dique, que se encontra ao fundo. Em último plano, a
Ilha do Nogueira. Foto de Autoria de F. du Bocage, 1910. Fonte: Villa Digital. Coleção Benício Dias. Acervo
Fundação Joaquim Nabuco. Ministério da Educação.

Neste período, a população do Pina ainda era constituída essencialmente por uma
população de baixa renda, principalmente trabalhadores portuários e pescadores, alguns

{ 91 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

deles ex-escravos11 (SILVA, 2008a). As suas casas eram construídas com o material local, se
confundindo com a paisagem já um pouco modificada em relação à original, alterada
principalmente por conta dos aterros realizados. Esta “se compunha de praia com piscinas
naturais, um extenso coqueiral, sítios de fruteiras e pequenos aglomerados de casas de
palha; mangue, viveiros e a maré” (SILVA, 2008a apud SILVA 2008b, p.15). As poucas
construções do bairro12 se localizavam em lugares mais elevados que a cota geral, se
acomodando à topografia e sem delimitação de lotes. O terreno do local ainda se
configurava como alagado e formado por ilhas, que eram ligadas por troncos de coqueiros
(SILVA, 2008a) (imagem 5).

Imagem 5 - Cartão Postal com pintura retratando o bairro do Pina (sem data). Fonte: Coleção José Paiva
Crespo. Acervo Fundação Joaquim Nabuco. Ministério da Educação.

Naquela região, na década de 1850, houve a construção do Lazareto 13. Ao lado do


mesmo, havia também um cemitério. Esse edifício funcionou até 1902 e as suas ruínas

11
Após serem “libertos”, os negros passaram a ocupar os alagadiços do Pina e de outras áreas da cidade com
os seus mocambos.
12
A Casa Grande da antiga Fazenda Jesuíta (transformada em casa de veraneio), as Ruínas do Fortin
Schoonenburg, o Lazareto e a casa do Coronel João Guedes eram as únicas edificações em alvenaria existentes
na época.
13
Antes da sua construção, em 1850, criou-se um hospital provisório para atender pacientes com febre
amarela, fechado no mesmo ano. Somente depois o Lazareto foi construído. Não há um consenso sobre a data
de sua fundação. Silva (2008a) afirma ter sido em 1853, Fortin (1994) em 1854 e Costa (in BARTHEL, 1989,
p.38) em 1858. O terreno onde ele se encontrava foi dividido ao meio para a construção da Avenida

{ 92 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

existiram até quando, em seu lugar, foram construídas as Escolas Reunidas Landelino Rocha,
no século XX. Nesta época, consta nos relatórios do estado Sanitário da Província de
Pernambuco, uma outra construção de madeira localizada na Ilha do Bode, também com o
objetivo de receber doentes em quarentena (SILVA, 2008b)14 (mapa 4).
No final do século XIX, ocorreu um grande crescimento demográfico no Recife,
ocasionado pela chegada de uma população carente proveniente das zonas açucareiras e
do sertão. Esse contingente de pessoas ocupou as áreas desvalorizadas da cidade, entre
elas, o manguezal alagadiço da Ilha do Nogueira, ali se instalando como os que já se
encontravam no local, se caracterizando essencialmente como uma colônia de pescadores e
fazendo os seus mocambos e palafitas nas proximidades com o mar, utilizando matéria-
prima natural. Como medida emergencial, visto esse crescimento repentino, ainda neste
século, o governo fez alguns aterros na região, baseando-se nas ideias higienistas já
difundidas no período, transformando-a em terra firme e “O mangue é um camaradão. Fornece
sanitariamente habitável (SILVA, 2008a). Apesar dessa tudo, casa e comida, mocambo e
caranguejo” (Josué de Castro, Homens e
intervenção pública pontual, os protagonistas responsáveis pela
Caranguejos, 2001, p. 107).
criação e transformação dessa paisagem nesse período ainda
eram a gente humilde que ali habitada.
No contexto geral da cidade, percebe-se que, como se verá adiante, até as primeiras
décadas do século XX, a Ilha do Nogueira e suas áreas circunvizinhas não eram de interesse
das elites (ARAÚJO, 2007). Em meados do século XIX, quando o banho de mar começou a
difundir como prática salutar entre esse público15, as praias de Olinda eram as mais
requisitadas. A de Boa Viagem16 e Pina eram evitadas por conta de seu difícil acesso. Além
disso, esta última abrigava o Lazareto e tinha uma população pobre estigmatizada, fatores
repelentes que criaram uma reputação ruim associada simbolicamente à área (BARTHEL,
1989).

Conselheiro Aguiar, se localizando mais precisamente no seu cruzamento com a Rua Souto Filho. Em seu lugar,
hoje existem duas escolas, a Landelino Rocha e a Delmiro Gouveia (BARTHEL, 1989; BRAGA, 1980).
14
O Lazareto também era conhecido como Hospital da Bubônica. Ele era um local de quarentena, onde
ficavam viajantes e negros vindos da Europa, por conta do surto de cólera. A construção de madeira
posteriormente citada existia para o mesmo fim, mas recebia doentes contaminados com Bexiga (BARTHEL,
1989).
15
Antigamente era mais costumeiro frequentar o rio ou as casas de banho (BARTHEL, 1989).
16
A Praia de Boa Viagem começou a ser um pouco mais frequentada para veraneio após a inauguração da
estrada de Ferro São Francisco, que ligava o Recife ao Cabo (BARTHEL, 1989).

{ 93 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

2.1.2 De 1900 a Década de 1930: a Paisagem como símbolo de modernização e suas


consequências
Até o inicio do século XX, a Paisagem do Pina ainda
“Entre a paisagem/ (fluía)/ de homens
plantados na lama / de casas de lama/ continuava pouco alterada em a relação ao seu estado natural
plantadas em ilhas/ coaguladas na lama / primeiro (mapa 5; imagem 6 e 7). Nela
paisagem de anfíbios/ de lama e lama”.
(Trecho do poema Cão sem Plumas – “predominavam coqueiros, os sítios de frutas, pés de carrapicho, olho de
João Cabral de Melo Neto) pombo. No mais, eram mangue e maré, maré e mangue (...). As casas eram
poucas e ficavam na beira da praia, ‘tudo de palha dos pescadores’ (imagem 6 e
“Quando não tinha mais onde fazer casa,
7). Depois com a maior procura do lugar para morada, os chãos lamosos dos
começou a fazer aterro. Aterrava aqui,
aterrava acolá e eu sei que foi crescendo” mangues foram sendo aterrados, palmo a palmo. Aterrados com a lama da
(depoimento de Hermínio – SILVA, própria maré” (ARAÚJO, 2007, p.455, grifo nosso).
2008b, p.33).
Outras obras portuárias importantes foram realizadas nos
“Ih, rapaz, era com casa de palha! A maré
entrava e saía. Muita fruteira no meio das primeiros anos do século XX, gerando novas transformações na
ruas, muito cajueiro, né? Minha casinha paisagem do Pina e do seu entorno. As reformas ocorridas
era toda de palha, feito casa de índio”
incluíram, entre outras mudanças, o aumento da muralha de
(depoimento de Seu Chiquito – SILVA,
2008b, p.29). proteção dos arrecifes e a instalação de oficinas de manutenção
de equipamentos, estradas de ferro e navios no local (BARTHEL,
1979; SILVA, 2008a) (imagem 8 e 9). Essas atividades mais uma vez atraíram funcionários do
porto e um contingente considerável de pessoas para esse bairro em busca de trabalho17.

Imagem 6 - Vista do Pina em 1922. Nota-se o conjunto de mocambos em meio ao coqueiral e alagados.
Acervo Museu da Cidade do Recife. Reprodução Assis Lima/ Fundarpe - 1990. Fonte: SILVA, 2008b, p.26.

{ 94 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Imagem 7 - Mocambos do Pina. Pintura sobre papel de autoria de PH. Von Luetzelburg, 1936. Coleção Benício
Dias. CEHIBRA - FUNDAJ. Fonte: SILVA, 2008b, p.47.

Também17 nesse período, a partir de um plano lançado em 1909 pelo Conselho de


Salubridade Pública do Estado, o sistema de esgotamento do Recife recebeu algumas
reformas. Prevista por ele, seguindo o plano, uma ponte18 foi construída em 1910 sobre o
Rio Pina, para a passagem de veículos, pedestres e de dois tubos de esgoto que saiam da
estação Tamarineira e desaguavam na Praia do Pina (SILVA, 2008b) (mapa 6 e 7; imagem
10). Apesar de essa construção ter estimulado o desenvolvimento da área e a expansão da
cidade para aquela direção, por conta dos dejetos ali enjeitados, ela prejudicou a ocupação
dos moradores e veranistas, pois reforçou o estigma já existente na região (desde a
construção do lazareto), que era vista como marginalizada, suja e imprópria para
frequentação (ALVES, 2009). Por conta disso, a área continuava não sendo interessante à
cidade, permanecendo essencialmente ocupada por uma população de baixa renda, ainda

17
Nesse período, barricas de madeira que trouxeram o concreto norueguês utilizado na reforma do porto
eram vendidas para a população, que as usavam como matéria prima para a construção de suas casas. Ainda
nesses anos, poucas edificações do local eram de alvenaria (SILVA, 2008a).
18
A ponte era estreita, feita de ferro e lastro de madeira e tinha 715 de extensão (SILVA, 2008a).

{ 95 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

composta predominantemente por negros, pescadores, biscateiros, trabalhadores informais


em geral e operários do porto (ARAÚJO, 2007).

Imagem 8 - Canteiro de Obras na Ilha do Nogueira, entre 1911 e 1914. Autoria de F. Du Bocage. Fonte: Villa
Digital. Coleção Benício Dias. Acervo Fundação Joaquim Nabuco. Ministério da Educação.

Imagem 9 - Obras do porto no Dique do Nogueira em 1910 (data aproximada). Autoria de F. Du Bocage. Fonte:
Villa Digital. Coleção Benício Dias. Acervo Fundação Joaquim Nabuco. Ministério da Educação.

Entre as décadas de 10 e 30, nota-se o surgimento dos primeiros adensamentos


mais bem consolidados no Pina, que começavam a formar arruamentos e quadras (mapa
esquemático 3). Em contrapartida, por causa da escassez de terras “secas” no local, além de
mocambos, várias moradias foram construídas sobre terrenos alagados, palafitas feitas
artesanalmente (SILVA, 2008b).
“As edificações definiam as ruas, [notava-se] a ausência de cercas, indicando que a
habitação se constituía em valor de uso e a posse do terreno não representava um
elemento da preocupação dos moradores naquela época” (MILET, 1990 apud
SILVA, 2008b, p.33).
Como pode se ver, segundo Silva (2008b), ainda não existia uma preocupação com
a formalização da propriedade. As relações de apropriação com o lugar não se davam de
maneira legal, e sim, através das práticas sociais que ali se davam, principalmente através
da moradia e das atividades econômicas e de lazer ligadas ao mar, ao mangue e à paisagem,
como por exemplo, a pesca19 (ARAÚJO, 2007; SILVA, 2008a).

{ 96 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Mapa 5 - Cidade do Recife, 1906, de autoria de


Douglas Fox (recortado). Ao sul, a Ilha do Nogueira,
atual Pina. 1) Arrecifes; 2) Antiga Barreta; 3) Dique do
Nogueira; 4) Lazareto; 5) Açude; 6) Viveiros; 7) Porto
da Ilha; 8) Cabanga; 9) Ilha de Santo Antônio e São
José; 10) Bairro do Recife. Fonte: Laboratório
Topográfico de Pernambuco, [20--].

{ 97 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Imagem 10 - Cartão postal da Ponte do Pina em 1916. Coleção Josebias Bandeira. Fonte: Acervo Fundação
Joaquim Nabuco. Ministério da Educação.

No 19século XX, começou a se difundir mais amplamente em Pernambuco o hábito


do banho de mar entre as elites, que contribuiu para o início da ocupação das orlas do
estado de forma acelerada. Esse fator, aliado ao espírito de modernização existente na
cidade, fez com que uma série de mudanças urbanísticas e sociais ocorresse nas praias
recifenses. O poder público construiu acessos, pontes, estradas e uma rede completa de
infraestrutura para viabilizar essas ocupações (MOREIRA, 1995).
Antes desse período, a Praia do Pina já era bastante utilizada para os banhos dos
populares. Apesar de ser rechaçada pelas classes mais abastadas por conta da simbologia
negativa agregada a ela (dada pelo lazareto, e depois pelos dejetos jogados em sua maré),
esta, por vezes e em menor grau, também era utilizada por esse público, que alugava casas
de pescadores para períodos de veraneio (SILVA, 2008b).
Por ainda não ter sido apropriado pela cidade, esse lugar era visto como um
ambiente de descanso e refúgio. A simplicidade dos moradores e de suas casas de madeira
e palha dava um ar de despojo aos que se aventuravam a usufruir aquela paisagem. Boa
Viagem, ao contrário disso, era menos frequentada não somente pelo seu difícil acesso.

19
A relação com o mar acontecia desde muito cedo. Alguns pescadores começavam as suas atividades ainda
crianças (SILVA, 2008a).

{ 98 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Desde sempre, ela teve uma reputação de lugar elitizado, “Para ver um banho popular, vá ao Pina.
contrastando com a imagem que se tinha do Pina (ARAÚJO, O Europeu achará curiosíssimo, num
banho como o do Pina, a variedade de
2007).
cor da gente recifense. Domina um
Até o início da década de 20, o bairro de Boa Viagem moreno avermelhado, mas veem-se
ainda guardava as características originais da sua paisagem, uma todas aquelas cores de frutas (...)”.
(FREYRE, 1934 in ARAÚJO, 2007, p.511)
mistura de coqueiral e alagados forma dos pelas águas do Rio
Jordão, tendo ocupações muito esparsas e pouco significativas “O Pina, minha querida, é uma praia de
banhos muito aprazível. Vive-se aqui
(imagem 11). Esse cenário começa a mudar drasticamente
comodamente, folgadamente, livre dos
quando em 1924, dentro do contexto explanado anteriormente, preconceitos e exigências sociais”
durante o Governo de Sérgio Loreto (1922-1926), começa-se a (Depoimento encontrado no jornal O
VERÃO, 1927, p.1 in ARAÚJO, 2007,
construir a Avenida Beira-Mar, concluída em 192620 (ALVES,
p.456).
2009) (mapa 6; imagem 12, 13 e 15). A sua criação foi um marco
“Mas não é só junto ao rio/ que o Recife
de grande impacto para o Recife como um todo, pois ela
está plantado,/ hoje a cidade se estende/
“transferiu os rumos do crescimento da cidade por sítios nunca pensados/ dos subúrbios
para a região sul. De uma localidade habitada por coloridos/ aos horizontes molhados./
pescadores e poucas casas de veraneio, sem falar Horizontes onde habitam/ homens de
dos manguezais, que proliferavam por toda parte, pouco falar/ noturnos como convém/ à
passou ao local mais valorizado da cidade (...)” fúria grave do mar./ Que comem fel de
crustáceos/ e que vivem do precário/
(BARRETO, 1990, p.144).
desequilíbrio dos peixes./ Nesse lugar, as
mulheres/ cultivam brancos silêncios/ e
Grandes mudanças no sistema viário foram feitas para nas ausências mais longas,/ pousam os
viabilizar essa obra. Uma delas foi a reforma e ampliação da olhos no chão,/ saem do fundo da noite,/
tiram a angústia do bolso/ e a
antiga ponte do Pina, em 1922 (imagem 15). A partir de então, a
contemplam na mão./ Só os velhos
passagem de veículos foi facilitada e os bondes começaram a adormecem,/ Lembrando o tempo que
chegar à orla21. Juntamente com eles, veio também o foi/ vazios como o vazio/ e fácil sono de
um boi”. (Poema “A Praia” – Carlos Pena
posteamento da área, que se estendeu pela Avenida de Ligação Filho)
(atual Herculano Bandeira), a dividindo em duas faixas com
sentidos opostos (mapa 6; imagem 16). Esta última foi construída em 1923, começando na
Ponte do Pina e se estendendo até a Avenida Beira-Mar, se tornando importante eixo de
ligação do bairro com o restante da cidade (ALVES, 2009; ROCHA, 1976). Ademais, nessa
mesma época, houve a criação da Avenida Cabanga, a atual Saturnino de Brito (mapa 6).

20
A criação da Avenida Beira-Mar foi bastante polêmica. Segundo críticos contrários à sua construção, a obra,
que visava prioritariamente à modernização e o embelezamento da cidade, era muito custosa e não deveria
ser de prioridade do governo. É importante ressaltar que, apesar de já existir moradores na área antes da
Avenida, a abertura desta beneficiou principalmente os donos das terras desabitadas que existiam ao longo de
seu percurso. Para facilitar a sua construção, alguns terrenos foram cedidos pelos proprietários, que sabiam
que posteriormente, com a valorização da região, teriam posses mais valorizadas (ALVES, 2009). O
empreendimento foi justificado pelo governo pela necessidade de expansão da área habitável da cidade,
alegando que a existente já se encontrava esgotada.
21
Inicialmente, a linha do bonde teve como terminal o ponto localizado ao que hoje corresponde ao atual
Posto salva-vidas 1 da orla.

{ 99 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Além dessas avenidas, obras de saneamento foram feitas para dar suporte à ocupação do
local, como por exemplo, a retificação do Rio Jordão, a instalação de rede de esgoto, água e
energia elétrica na região (inclusive iluminação pública também) e a já citada implantação
da rede de bondes, que passava por toda Avenida Beira-Mar (SILVA, 2008b).

Imagem 11 - Boa Viagem em 1908, antes da abertura da Avenida Beira-Mar. Na época as ocupações eram
espaçadas e o local era basicamente uma mistura de coqueirais e alagados. Autor desconhecido. Fonte: Blog
Caderno Recifense, [20--].

Imagem 12 - Obras durante a construção da Avenida Beira-Mar, em Boa Viagem, em 1923. Autor desconhecido.
Fonte: Blog Paulo Eduardo Lubambo Lyra, 2012.

{ 100 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Imagem 13 - Avenida Boa Viagem recém-inaugurada, em 1925. Fonte: Filme Veneza Americana,
1925. Direção de Hugo Falangola.

Imagem 14 - Cartão Postal da Avenida Boa Viagem em 1939 (data aproximada). Coleção de
Josebias Bandeira. Acervo Fundação Joaquim Nabuco. Ministério da Educação.

{ 101 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Imagem 15 - Ponte do Pina ampliada na década de 1920. Autor desconhecido. Fonte: The Trams of/Os Bondes
do Recife, [20--].

Imagem 16 - Cartão Postal da Avenida de Ligação, atual Herculano Bandeira, em 1925 (data aproximada). Foto
de Autoria de L. Gabriele. Coleção Josebias Bandeira. Acervo Fundação Joaquim Nabuco. Ministério da
Educação.

{ 102 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Mapa 6 - Mapa feito a mão por Casttelus (nome


completo não identificado no material). 1) arrecifes; 2)
Antiga Barreta. 3) Dique do Nogueira; 4) Antigo
Lazareto; 5) Avenida Boa Viagem; 6) Avenida de
Ligação; 7) Ponte do Pina; 8) Oficinas do Porto; 9) Mar;
10) Estação de Tratamento; 11) Cabanga; 12) Ilha de
Santo Antônio e São José; 13) Bairro do Recife. Título
Original: Porto do Recife: planta geral das obras
complementares. Fonte: cedido pela CONDEPE/FIDEM.

{ 103 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Mapa 7 - Recorte do mapa anterior feito a mão por


Casttelus (nome completo não identificado no
material). 1) Arrecifes; 2) Antiga Barreta. 3) Dique do
Nogueira; 4) Antigo Lazareto; 5) Avenida Boa Viagem;
6) Avenida de Ligação; 7) Ponte do Pina; 8) Oficinas do
Porto; 9) Mar. Título Original: Porto do Recife: planta
geral das obras complementares. Fonte: cedido pela
CONDEPE/FIDEM.

{ 104 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Nesse momento, a paisagem de Boa Viagem se tornou o “Praia de boa Viagem, a linda praia de
emblema da modernização Recifense22, sendo vista como seleta palacetes bonitos e paraíso das criaturas
formosas é para onde converge a fina
e elitizada. Cabe destacar que essa significação dada a ela
elite social. Os autos chegam ali repletos
também surge em consonância com a “moda” de se morar nas de gente fidalga – que se vão confundir
praias urbanas brasileiras, nascida a partir da ocupação da Orla às espumas brancas do mar” (BOA
VIAGEM, 1934, p.5 in ARAÚJO, 2007,
de Copacabana, no Rio de Janeiro (MOREIRA, 1994). Assim, essa
512).
obra fabricou uma paisagem que representou culturalmente os
anseios da elite recifense naquele momento. Pela maior identificação dessa camada social
detentora de poder e influência política com a Praia de Boa Viagem, os investimentos
públicos foram direcionados massivamente para ela, enquanto a do Pina foi relegada
(ALVES, 2009).
A ocupação do local se deu de forma rápida, porém, inicialmente se restringiu
apenas aos lotes lindeiros ao mar e à construção de palacetes e chalés (MOREIRA, 1994)
(imagem 14). As novas vias, a construção de novas edificações e os novos elementos
infraestruturais criados (posteamento, saneamento, entre outros) conferiram a este bairro
um tratamento diferenciado do restante da cidade, o modificando drasticamente, e
transformando de maneira significativa a paisagem de coqueirais e enlameados que o
caracterizava originalmente23 (MOREIRA, 1994).
Percebe-se aqui, um dos primeiros exemplos de como se conseguiu manipular as
iniciativas e o capital governamentais para atender aos seus interesses de pessoas alheias à
história dessa região (ALVES, 2009), que conseguiram protagonizar a modificação
paisagística do local24. O incentivo público foi decisivo nesse processo, pois além do aporte
estrutural para o uso daquela praia, a legislação da época também incentivou a construção
de novas edificações (HERRERA, 1992)25.
É importante observar que, apesar das alterações ocorridas na zona sul do Recife
terem sido realizadas, em sua grande maioria, de forma direcionada para Boa Viagem, o
Pina se encontra no meio do caminho entre esse local e o centro da cidade e outras
localidades, recebendo diretamente os impactos das transformações urbanísticas e
paisagísticas nele ocorridas. Avenidas e pontes que davam acesso à praia também passavam

22
Essa reforma fez parte do conjunto de obras de modernização realizadas na cidade nesse mesmo período.
Para mais informações sobre essas reformas e o espírito modernizador recifense da época, consultar:
MOREIRA, Fernando Diniz. Universidade Federal de Pernambuco; Departamento de Arquitetura e
Urbanismo. A Construção de uma Cidade Moderna: Recife (1909-1926). Recife, 1994.
23
Como dito no primeiro capítulo deste trabalho, o espaço das elites, em geral, tende a ser tratado
ambientalmente e paisagisticamente de maneira diversa do restante da cidade (VILLAÇA, 2001).
24
Aqui se faz referência aos pontos explanados no primeiro capítulo, em relação aos principais padrões
existentes na construção social das paisagens (TÂNGARI, 2013) e na segregação urbana resultante desse
processo (VILLAÇA, 2001).
25
A legislação facilitava essas construções permitindo que, por exemplo, imóveis construídos até 1930 fossem
isentos de impostos (HERRERA, 1992).

{ 105 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

por esse bairro intermediário, que desde o início sofreu com a demanda viária criada para a
expansão do Recife nessa direção. Apesar de na época o Pina não ser tão valorizado e bem
estruturado quanto Boa Viagem, pela proximidade entre os dois bairros, ele também
começou a se valorizar economicamente, principalmente a partir da segunda metade do
século XX, como se verá a seguir (ALVES, 2009).
Na medida em que as condições infraestruturais eram dadas a esse bairro de
passagem, entre elas, notadamente o aterro (muitas vezes feito
“O tubarão é feroz, mas o homem tem a
inteligência” (depoimento de Quiabo pelos moradores pobres com os seus próprios meios) e a criação
Duro – SILVA, 2008b, p.37). do sistema de vias que conduzia à praia, os grupos dominantes da
cidade se interessavam cada vez mais por ele, começando a
pressionar fortemente a população humilde dos mocambos e palafitas a abandonar os
terrenos que ocupavam. Porém, juntamente com essa valorização do solo, se intensificava
também a luta dessa gente pela posse da terra por ela tradicionalmente ocupada (DE
MORAIS, D.P.; SILVA, L.R.S., 2010). Nesse momento, começa a surgir a necessidade de se
apropriar da área não somente pelo habitar, mas também de maneira legal.
A criação da Avenida Boa Viagem e a repressão das ocupações de Baixa renda
existentes no Pina estavam de acordo com o tipo de atuação que o governo tinha naquele
período. Na década de 1930, o poder público direcionou a sua atuação no Recife de duas
formas: a primeira delas foi com planos de embelezamento e modernização seguindo os
moldes higienistas, fazendo a higiene física e também social, através de retaliações às
ocupações pobres em áreas valorizadas da cidade, como no caso dos bairros em questão; e
a segunda com uma repressão sútil às classes trabalhadoras através de represálias a
movimentos operários, e também pela legislação26 (BARRETO, 1990).

26
Dentro desse contexto, em 1939, no governo de Agamenon Magalhães (1937-1945), foi criada a Liga Social
Contra o Mocambo. Ela era uma entidade privada que se dizia humanitária, mas que traçou como meta
prioritária a erradicação de mocambos e casebres incentivando a construção de casas para a população de
baixa renda. A ideia era “limpar a cidade não só pelo embelezamento, mas atender a outros interesses, com a
abertura da área ocupada pelos mocambos ao mercado imobiliário e ao interesse da igreja católica em
contraposição ao partido comunista” (ALVES, 2009, p.90, grifo nosso), que tinha grande aceitação entre a
população mocambeira (ALVES, 2009). Tentava-se aliviar as tensões trabalhistas através da doação de casas
populares, mas em contrapartida, medidas repressoras como demolições sem indenização ou aviso e
proibição da construção dessas moradias precárias dentro do perímetro urbano foram exemplos de ações
tomadas pelo poder público na época. A década de 1940 também foi marcada pela pressão exercida por esse
órgão (BOTLER, 1994).
Em 1945, o Serviço Social Contra o Mocambo, de caráter estadual, assumiu as responsabilidades da liga,
porém de forma mais voltada para as questões sociais propriamente ditas e para habitações de classe média.
Posteriormente o programa de erradicação de mocambos foi perdendo importância e a questão da moradia
popular foi incorporada aos programas nacionais, como o Sistema Financeiro de Habitação e o Banco Nacional
da Habitação (BNH), criados em 1964 (BARRETO, 1990), que também se utilizavam do déficit habitacional para
exercer controle social sobre a população.

{ 106 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Apesar de a população humilde do Pina ter historicamente habitado e construído


aquele território, e com ele ter estabelecido múltiplas relações de identificação,
propriedade e simbologia, quando aquele espaço passa de uma área rechaçada à região
nobre e moderna da cidade, esses aspectos parecem ser desconsiderados, havendo uma
vontade de neutralização das preexistências físicas e sociais desse lugar para atender a
interesses que lhe são alheios.
É nesse contexto de conflitos simbólicos e morais que surge a comunidade de
Brasília Teimosa27, hoje, considerada a ocupação mais antiga da cidade (SILVA, 2011).
Até a década de 1930, na região onde hoje se situa essa comunidade, existia apenas
uma área conhecida como Areal (Areal Velho ou área da Colônia28), que se formou de
maneira não planejada e que mais se assemelhava a uma extensão do Pina, também sendo
formada por uma colônia de pescadores. Nesta mesma década, o bairro foi crescendo a
partir de aterros sucessivos, que foram feitos por conta das obras de modernização do
porto (BOTLER, 1994) (mapa 7; imagem 17). Inicialmente as casas ali construídas eram
muito rudimentares, geralmente feitas de madeira (PREFEITURA DA CIDADE DO RECIFE,
2003).
Com o objetivo de instalar um Parque de inflamáveis portuário, em meados dessa
mesma década, houve o aterro na área existente entre o Dique do Nogueira e os arrecifes,
feito por meio da remoção do banco de areia conhecido como Coroa de Passarinhos29,
localizado na Bacia do Pina (imagem 18 e 19). Posteriormente descartou-se essa ideia, e
pensou-se em construir ali um aeroporto, projeto que também não foi levado adiante, visto
a pequena dimensão do local para esse fim (mapa 8). Nada foi feito nessas terras, até que,
na época da Segunda Guerra Mundial, ela serviu de acampamento para os militares (ALVES,
2009). O local passou a se chamar Areal Novo e constitui uma boa parte da península
triangular ocupada pela Brasília Teimosa atual (BOTLER, 1994).
Nessas décadas, a vida cultural do Pina era mais agitada que a de Boa Viagem. Nos
anos 20, há a inauguração do Cinema Zinco e do Cassino Americano (1925). Nos 30, houve a
instalação do Palanque do Pina, que se localizava a beira mar e exibia atrações festivas e

A atuação da liga e depois do Serviço Social Contra o Mocambo acirrou ainda mais os ânimos e as
necessidades em relação à questão da posse de terra nas comunidades da cidade como um todo (BARRETO,
1990).
27
O início da ocupação da área data da mesma época da construção da Brasília de Kubitschek, a Capital
Federal. Por isso e pelo histórico de lutas da população, que insistia em permanecer no local mesmo com a
represália por parte do governo e a demolição das casas construídas, ela foi batizada com o nome pelo qual é
conhecida hoje.
28
Se referindo à colônia de pescadores z-1.
29
A areia da “Coroa dos Passarinhos”, foi levada até essa nova área para aterra-la. Segundo Oswaldo Silva “A
Coroa dos Passarinhos é a parte de terra que aparece no meio da Bacia do Pina na Maré Baixa, no passado se
constituía de areia branca com uma vegetação rasteira e os jovens do Bairros de São José se aventuravam
naquele local para tomar banhos nas tarde ensolaradas” (2008a, p.30).

{ 107 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

manifestações populares (SILVA, 2008a). Outras festas culturais também já haviam ganho
destaque, inclusive as ligadas à dança e à religiosidade, sendo essa última um aspecto muito
forte nesse bairro30 (ARAÚJO, 2007). Nesse período, já havia se consolidado um pequeno
comercio local de feira, pequenas vendas e serviços que atendiam a população ali residente.
Juntamente a isso houve a abertura de muitos restaurantes, mostrando uma vocação
gastronômica até hoje atribuída à região. Dentre as edificações importantes construídas
nessa época na região do Pina e Brasília Teimosa, cabe ainda destacar a importância cultural
e paisagística a Igreja Matriz do Rosário, criada em 193231 (SILVA,
“Pescadores e prostitutas são duas
classes desprezadas pelo mundo que 2008a).
pouco vê o pescador e pouco vê as Também nesses anos, numa localidade chamada “Curral
prostitutas. São duas classes exploradas
das Éguas”, próxima à área da Colônia, começa a se instalar uma
porque nem o pescador faz o preço do
peixe, (...) e a prostituta também não faz Zona de prostituição, que recebia um público de visitantes, da
o preço da sua carne” (Depoimento de elite de Boa Viagem e de pessoas que chegavam pelo porto. Além
Seu Salviano, morador de Brasília
disso, na época da segunda guerra, quando a base militar se
Teimosa para uma matéria do Jornal do
Commercio) (FAVELADOS...1989). instalou no bairro, os americanos frequentavam os cassinos, bares
e as muitas gafieiras ali existentes, também movimentando esse
mercado. Esse uso reforçou mais uma vez o estigma marginal dado pela cidade ao Pina
(ARAÚJO, 2007; SILVA, 2008a).

30
Tanto as ligadas à igreja católica, quanto à evangélica e às de Matriz Africana, sendo essas últimas
fortemente reprimidas na época (SILVA, 2008a).
31
Ela substituiu uma antiga capela de madeira existente no bairro desde o início do século (SILVA, 2008a).

{ 108 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Imagem 17 - Perspectiva do Recife em 1932. Em primeiro plano, vê-se a Ilha de Santo Antônio e São José, e ao
fundo, as áreas correspondentes aos atuais bairros do Pina e Brasília Teimosa. Fonte: Ana Maria Costa Fraga
(Pinterest), [20--].

Imagem 18 - Perspectiva do Recife já com o aterro do Areal Novo. Em primeiro plano, vê-se a Ilha de Santo
Antônio e São José, e ao fundo, as áreas correspondentes aos atuais bairros do Pina e Brasília Teimosa. Fonte:
Blog Francisco Miranda, [20--].

{ 109 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Imagem 19 - Foto aérea do aterro recém terminado. Essa península corresponde à maior parte do território
atual da Brasília Teimosa hoje. Acervo do Museu da Cidade do Recife. Reprodução Assis Lima/ Fundarpe -
2010. Fonte: SILVA, 2008b, p. 52.

{ 110 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Mapa 8 - Proposta para o aeroporto no Areal do Pina, provavelmente datada do ano de 1934 1) Arrecifes; 2)
Antiga barreta; 3) Dique; 4) Coroa dos Passarinhos; 5) Aeroporto; 6) Mar; 8) Avenida Herculano Bandeira; 9)
Ponte do Pina; 10) Cabanga; 11) Ilha de Santo Antônio e São José. Fonte: FORTIN, 1987.

{ 111 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

2.2 A FORMAÇÃO DA BRASÍLIA PELA RESISTÊNCIA

O estudo da história dos bairros de Boa Viagem e Pina nas épocas que precedem à
formação da Brasília, nos ajuda a entender em que contexto ela surgiu. Contexto esse que
não é somente temporal, mas também físico e simbólico.
Conhecendo o tipo de ocupação preexistente na região e as conotações que a ela
vinham sendo imputadas até então, se compreende com mais facilidade como a
comunidade se relaciona, se assemelha ou destoa das suas vizinhanças.
As características divergentes entre os bairros dão pistas de como o impasse entre
os desejos de permanência e expulsão da Teimosa, existente desde o seu nascimento, vem
se desenvolvendo ao longo dos anos e a partir de que mecanismos sociais e territoriais são
exercidas as pressões sobre ela. Desse modo, se pode compreender como se deu a
construção do cenário paisagístico incoerente que vem se consolidando no local,
ameaçando a Brasília e imprimindo na cidade os conflitos morais e de interesses presentes
em torno de sua existência.
“Eu protestei, quiseram me pegar. Eu
corri para o lado, briguei com a polícia.
Então começamos a luta (...). Aquela
2.2.1 Décadas de 1940 a 1960: a apropriação Teimosa e a
terra foi formada pelos peixes que
morrem, pelas madeiras e outras coisas consolidação de uma Paisagem de conflitos
da natureza. Então essa terra não tem
dono, é de todos que nela habitam. (...)
Cada um que invadia um terreno, só O Areal Novo começou a sofrer invasões nos anos 50,
tinha direito a uma casa, porque só
temos uma cabeça e pra uma cabeça, é tendo um aumento populacional gradual no decorrer dos anos. As
um chapéu” (Depoimento de Seu Lulu, secas ocorridas no estado no final dessa década (1957 e 1958)
para uma matéria do Jornal do
impulsionaram esse processo, já que por conta delas, muitos
Commercio – FAVELADOS...1989).
retirantes se deslocaram para o Recife e ocuparam, entre outras
“Daqui não saio, daqui ninguém me tira
áreas, a Brasília Teimosa (mapa 9 a 12; mapa esquemático 4)
Onde é que eu vou morar?
Se derrubam meu barraco é de lascar (FORTIN, 1987; SILVA, 2008a).
Ainda mais com 4 filhos, As invasões dos primeiros moradores da Brasília sofreram
Onde é que eu vou morar?”
grande repressão por parte do governo. À noite, a polícia
(Marchinha de Carnaval cantada pelos
moradores nas suas lutas. Transcrita em derrubava as casas que eram construídas dia após dia pela
um folheto da Chapa 2 para as eleições população. A cada derrubada, havia a construção de uma nova
de 1995 do Conselho de Moradores de
série de habitações, em número maior que o anterior, de forma
Brasília Teimosa)
que as retaliações diminuíram, visto a impotência do poder
público frente à luta do povo32 (BRASÍLIA, 2014). Como exemplo dessa teimosia, tem-se o
episódio ocorrido no carnaval de 1958, quando, se aproveitando da deficiência de

32
Um episódio interessante que demonstra a força da luta do povo pelas suas terras aconteceu em 1956, no
dia em que Juscelino Kubistchek (JK) foi empossado presidente da república. Um grupo de pescadores da

{ 112 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

fiscalização nesse período, 300 famílias invadiram o local (MOURA, 1990)33. As primeiras
habitações eram muito rudimentares, de madeira e pau-a-pique. Além disso, a
infraestrutura e saneamento eram precários, não existindo acesso à energia elétrica, água e
drenagem (BRASÍLIA, 2014).
A área do Areal Novo se uniu ao Areal Antigo (“área da Colônia”), tanto pela
proximidade geográfica, quanto para facilitar as conquistas de direitos sociais e de
melhorias estruturais para o local, como por exemplo, a regularização fundiária34, a
construção de habitações formais, a infraestrutura urbana e a criação de equipamentos de
saúde e educação para a população (BOTLER, 1994). Desde o início, movimentos e grupos
culturais estiveram lado-a-lado nas conquistas e nas discussões promovidas pela
comunidade (SILVA, 2008a).
Em 1953, a Federação das Colônias de Pesca de Pernambuco conseguiu um
aforamento autorizando a ocupação da área do Areal Novo de forma legítima. O local foi
dividido entre os associados e pescadores da região do Cabanga, que foram vítimas de um
incêndio criminoso35 em seus mocambos no ano anterior. Em 1955, no entanto, a
Federação transferiu parte desse terreno para a construção do Iate Clube do Recife
(construído em 1977), e posteriormente o diretor deste mesmo clube, Roberto Eugênio
Maçães, conseguiu adquirir em seu nome uma parcela dessas terras (CONSELHO DE
MORADORES DE BRASÍLIA TEIMOSA, 1979). Por esse motivo, o aforamento foi suspenso,
deixando a questão da posse daquele local indefinida. Em 1958, a continuação dos
moradores na área foi permitida sem maiores garantias. A criação do Conselho de
Moradores de Brasília Teimosa, em 1966, foi fundamental nesse processo de luta pelo
direito à terra (BRASÍLIA, 1998).
Apesar da suspensão do aforamento, como meio de se apropriar do local e assim
garantir a permanência no terreno, os associados da Colônia de Pescadores Z-136, entidade

colônia Z-1 de Brasília Teimosa fez uma viagem aventureira de jangada, do Pina até o Rio de Janeiro, onde
foram ao encontro do presidente portando um memorial com as reivindicações da população (BRASÍLIA,
2014). Esse episódio gerou visibilidade para a comunidade e consequentemente fortaleceu a sua batalha.
33
Segundo Barthel (1979), a maioria das invasões que ocorria na cidade acontecia às sextas-feiras à noite ou
em dias festivos em geral, como nesse caso, exatamente para aproveitar as brechas de fiscalização nesses
períodos.
34
Segundo Alfonsin, Regularização Fundiária “é o processo de intervenção pública, sob os aspectos jurídico,
físico e social, que objetiva legalizar a permanência de populações moradoras de áreas urbanas ocupadas em
desconformidade com a lei para fins de habitação, implicando acessoriamente melhorias no ambiente urbano
do assentamento, no resgate da cidadania e da qualidade de vida da população beneficiária” (1997, p.24 apud
SILVA, 2001, p.75).
35
Na época era muito comum a ocorrência de incêndios criminosos provocados por proprietários de terras
invadidas. Eles eram feitos como forma de expulsar a população ocupante queimando “acidentalmente” os
seus mocambos (ALVES, 2009).
36
No período da segunda guerra mundial, a Marinha criou as Colônias de Pescadores com o objetivo de
proteger a costa do país. A Colônia Z-1 de pescadores, vinculada a Brasília Teimosa, foi a primeira criada em
Pernambuco (MORAES, 2011).

{ 113 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

ligada ao bairro, pelos seus próprios meios, lotearam o Areal em sua maior parte. Dois mil e
cem lotes de 12x18m foram criados de forma planejada, com um traçado regular
perpendicular ao oceano atlântico, que permanece idêntico até a atualidade37 (imagem 20,
mapa esquemático 5) (FORTIN, 1987; SANTOS, 2011). Essa é uma característica que
diferencia o espaço da comunidade dos construídos em outros assentamentos de baixa
renda, não só de suas circunvizinhanças, mas de toda a cidade, que geralmente possuem
uma malha viária não ortogonal e irregular. Assim, vê-se que, ainda que de forma bastante
diversa, e a partir de parâmetros e interesses diferentes, tanto o território de Boa Viagem (e
em partes, o do Pina), quanto o de Brasília Teimosa foram planejados e fabricados de
maneira consciente.
Ainda nessa época, as casas da Brasília permaneciam sendo de chão batido e
construídas artesanalmente, com materiais rudimentares, que iam desde barro, até papelão
e embalagens, sem condições mínimas de habitabilidade (imagem 21) (SILVA, 2011).

Imagem 20 - Brasília Teimosa recém -loteada (anos 70). Perceber a linha de força dos arrecifes ao fundo. Autor
e ano desconhecidos. Fonte: Textos & Contextos: O Blog Almanaque, 2010.

37
Posteriormente, se verá que o bairro sofreu um processo de adensamento. Ele é possibilitado em partes
pelo traçado ortogonal estabelecido. Além disso, o tipo de subdivisão dos lotes feito durante esse período

{ 114 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Imagem 21 - Construção de mocambos em Brasília Teimosa, em 1959, no início das ocupações. Autor
desconhecida. Fonte: Brasilina Teimosina (Perfil do Facebook), 2016.

inicial de consolidação do bairro facilitou sucessivas subdivisões: os primeiros 2100, em 1987 já tinham se
transformado em 3000 (FORTIN, 1987).

{ 115 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Mapa 9 - Pina e Brasília Teimosa em 1943. 1) Arrecifes;


2) Areal Novo, ainda desocupado. 3) Areal velho (área
da Colônia) com as suas ocupações iniciais; 4) Avenida
de Ligação (Herculano Bandeira); 5) Ponte do Pina; 6)
Avenida Boa Viagem; 7) Antigo Lazareto; 8) Aeroclube;
9) Instalações da Rádio Station Pina; 10) Manguezal;
11) Cabanga; 12) Ilha de Santo Antônio e São José; 13)
bairro do Recife. Notar o arruamento ainda bastante
inicial de traçado irregular. Mapa elaborado pelo
Serviço Geográfico do exército. Fonte: cedido pela
CONDEPE/FIDEM.

{ 116 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Mapa 10 - Recorte do mapa anterior mostrando o Pina


e Brasília Teimosa em 1943. 1) Arrecifes; 2) Areal
Novo, ainda desocupado. 3) Areal velho (área da
Colônia) com as suas ocupações iniciais; 4) Avenida de
Ligação (Herculano Bandeira); 5) Ponte do Pina; 6)
Avenida Boa Viagem; 7) Antigo Lazareto; 8) Aeroclube;
9) Instalações da Rádio Station Pina; 10) Manguezal;
11) Cabanga; 12) Ilha de Santo Antônio e São José; 13)
bairro do Recife. Notar o arruamento ainda bastante
inicial de traçado irregular. Mapa elaborado pelo
Serviço Geográfico do exército. Fonte: cedido pela
{ 117 } CONDEPE/FIDEM.
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Mapa 11 - Montagem de Fotos Aéreas do ano de 1951


anterior. 1) Arrecifes; 2) Areal Novo, ainda pouco
ocupado. 3) Areal velho (área da Colônia) com as suas
ocupações iniciais (perceber o primeiro arruamento
bem definido); 4) Avenida de Ligação (Herculano
Bandeira); 5) Ponte do Pina; 6) Avenida Boa Viagem; 7)
Ruínas Lazareto 8) Aeroclube; 9) Manguezal; 10) Ilha
de Santo Antônio e São José. Perceber o arruamento
bastante parecido com a encontrada no início da
década anterior. Fonte: fotos cedidas pela
{ 118 } CONDEPE/FIDEM.
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Mapa 12 – Detalhe da montagem de Fotos Aéreas do


ano de 1951 anterior. 1) Arrecifes; 2) Areal Novo,
ainda pouco ocupado. 3) Areal velho (área da Colônia)
com as suas ocupações iniciais (perceber o primeiro
arruamento bem definido); 4) Avenida de Ligação
(Herculano Bandeira); 5) Avenida Boa Viagem; 6)
Ruínas Lazareto. Perceber o arruamento bastante
parecido com a encontrada no início da década
{ 119 } anterior. Fonte: fotos cedidas pela CONDEPE/FIDEM.
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Cabe ressaltar que a luta ávida do povo pela permanência


“Vamos lutar com união
Brasília é Nossa na Brasília revela mais do que a necessidade de sanar carências de
E ninguém vai botar a mão subsistência física, como a garantia de trabalho e moradia. As

Cuidado com os tubarões


práticas sociais e hábitos provenientes das relações dessa
Que querem por qualquer tostão população com a paisagem, como por exemplo, a pesca e as
Tirar a gente, mas ninguém vai sair, não”
atividades econômicas, de lazer e afetivas com as águas, através
(Marchinha cantada pelos moradores nas de seus simbolismos, ditaram esse comportamento prático de
suas lutas. Transcrita em folheto da resistência pelo direito de habitar. O embate entre os moradores
Chapa 2 para as eleições de 1995 do
ocupantes dessa área valorizada da cidade e o governo que os
Conselho de Moradores de Brasília
Teimosa) tentava expulsar (atendendo também aos desejos do mercado)
vem exatamente dos conflitos provenientes dos sistemas morais e
simbólicos conflitantes, pertencentes aos diferentes grupos atuantes no local, que
pretendiam habita-lo a partir de interesses diversos38.
Sobre isso, percebe-se que, a construção da paisagem da zona sul recifense, desde o
início se deu de maneira conflituosa. A elite ocupou as áreas de terra firme e a beira-mar de
Boa Viagem, enquanto a população de baixa renda permanecia nos alagados construindo
suas palafitas e mocambos de forma precária, tendo inclusive suas moradias informais
derrubadas pela política higienista (física e social) do governo, como comentado
anteriormente (ALVES, 2009). Uma boa parte das expulsões ocorridas nesses bairros foi
feita em áreas que iriam ser utilizadas para a abertura de novas vias. Quando eram feitas, as
realocações muitas vezes se davam para vilas distantes do mar
“Do mar eu criei minha família (...). Eu (BARRETO, 1990; SILVA, 2008a)39, que servia de fonte de
sou mesmo que tartaruga: você pode
soltar no sertão, eu só caminho no mar;
subsistência à grande parcela dos mocambeiros ali instalados,
se me tirar do mar, estou morto”. gerando a quebra das relações existenciais (afetivas, econômicas
(Depoimento de Seu Salviano – SILVA, e sociais – trajectivas) desses indivíduos com o lugar (imagem 22
2008b, p.37)
e 23).

“Nesse contexto, as relações sociais ganhavam outros significados, a aglutinação


em torno da moradia e da pesca eram as garantias da sobrevivência da
comunidade naquele local. Excluídos do centro urbano, a população ia
encontrando espaço nas terras alagadas (...)” (SILVA, 2008a, p.24).

Assim, se começa a perceber uma formação socioespacial dessa região a partir da


concentração de terras pela elite, em detrimento dos demais habitantes, que sem opção,
eram sistematicamente segregados para áreas de menor habitabilidade (mangues e

38
Ver discussões do primeiro capítulo, principalmente no que toca à teoria de Conan (1994).
39
Exemplos de vilas que acolheram as realocações realizadas na época são a Vila das Lavadeiras e dos
Operários, na Zona Sul, e a dos Comerciários, na Zona Norte da cidade (SILVA, 2008a).

{ 120 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

alagados)40. Quanto a isso, Brasília Teimosa vem fugindo desse padrão desde ao início de
sua existência, já que mesmo com todas as pressões exercidas sobre ela, a comunidade
resistiu e resiste defendendo o seu direito de habitar o seu território e nele fundar a sua
história.

Imagem 22 - Pescadores em Brasília Teimosa, 1957. Autor desconhecido. Fonte: Brasilina Teimosina (Perfil do
Facebook), 2016.

Ainda que a população humilde geralmente localizasse as suas habitações em locais


ambientalmente mais frágeis, situar-se nesses bairros, em proximidade com as áreas de
domínio das elites, também era importante pelo fato de que os comércios e serviços criados
para atender a esse público são grandes geradores de empregos e subempregos, além de
com ele se poder estabelecer acordos de troca e biscates. Essas costumavam ser uma das
relações mais frequentes existentes entre a classe alta e os habitantes pobres do local, que
ainda que próximos, estavam segregados socioespacialmente (SILVA, 2008a). Essas
“estratégias” locacionais que se estabeleceram nos bairros de Boa Viagem e Pina são

40
Ver discussão da sessão 3 do Capítulo 1.

{ 121 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

mecanismos de formação espacial recorrentes nas cidades brasileiras, como visto


anteriormente41.

Imagem 23 - Vendedor de Caju em Boa Viagem na década de 1940. Como neste exemplo, uma boa parte da
população pobre residente neste bairro e no do Pina e Brasília Teimosa tinha na natureza o seu meio de
subsistência e trabalho. Fonte: Villa Digital. Coleção Benício Dias. Autoria de Benício Whatley Dias Acervo
Fundação Joaquim Nabuco. Ministério da Educação.

A partir da década de 50, houve uma maior consolidação do bairro de Boa Viagem,
que se transformou em um local de primeira residência (ALVES, 2009) (mapa 13; imagem
24, 25 e 26). Nessa época, o sistema de iluminação e pavimentação da área foi reconstruído
e os coqueirais e ambientes naturais completamente modificados para dar lugar às novas
edificações (ARAÚJO, 2007; SILVA, 2016). Começou-se a construir os primeiros arranha-céus
da orla do bairro, e as suas antigas casas de madeira foram gradativamente substituídas por
outras de alvenaria42 (SILVA, 2008a). Com o aumento significativo do número de habitações,

41
Idem.

{ 122 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

criou-se uma42demanda crescente por serviços que lhes dessem apoio, fazendo com que
novos usos começassem a se fazer cada vez mais presentes na região, que a essa altura, já
se transformava no segundo centro principal da cidade. Na década de 60, o processo de
consolidação do bairro segundo esses moldes se intensificou, e ele continuou a crescer em
ritmo acelerado43 (ASSIES, 1991) (imagem 27 e 28). Todas essas mudanças continuavam em
consonância com a vontade de se construir uma paisagem que significasse modernidade
para o Recife.
O processo de ocupação veloz de Boa Viagem nesses anos também tem a ver com a
lei 2.59044 de 1953, que transformou o bairro em Zona Urbana (desde o zoneamento de
193645 a região era considerada suburbana). Com isso, ele se valorizou para o mercado
imobiliário, visto que essa mudança possibilitou um aumento da taxa de ocupação do local
(subindo 7%) e do coeficiente de aproveitamento do solo. Ademais, como desde 191946 era
proibida a construção de mocambos nas zonas urbanas (ALVES, 2009), essa alteração foi
mais uma forma de promover uma “seleção social” na área, a camuflando por meio das
políticas governamentais higienistas.
É nesse sentido que, como citado no início do capítulo47, a Paisagem Recifense
“mostra e esconde a sua gente”. Nesse caso, o espaço da elite era permitido e incentivado
nos locais privilegiados do Recife, como em Boa Viagem, já que ele simbolizava a ideia de
modernidade que se queria mostrar esteticamente e socialmente. Enquanto isso, as
aglomerações de palafitas e mocambos, feitas pela população humilde, por deflagrarem um
caráter de desordem, exatamente o oposto do desejável para representar a imagem da
cidade, eram retiradas dos bairros centrais e escondidas nas periferias.
As mudanças ocorridas na zona sul também estimularam a
“Recife,
ampliação do sistema viário da região. Em 1953, é criada a Ponte Ao clamor desta hora noturna e mágica
Agamenon Magalhães paralela a antiga Ponte do Pina (imagem Vejo-te morto, mutilado, grande,
Pregado à cruz das grandes avenidas”
29). Em 1968, a Avenida Antônio de Góes foi criada, ligando esta
(Trecho do poema “Recife Morto” –
nova Ponte à Avenida Beira-mar, sendo paralela a Avenida de Joaquim Cardozo).
Ligação (imagem 30). No local por onde ela passa, foi demolido
um conjunto de ruas estreitas, com casas de madeira desordenadas, que antes faziam parte
da zona de prostituição então existente no Pina na época.

42
Nesse período, ganham destaque os primeiros arranha-céus da época: o Acaiaca, o Califórnia, e em seguida,
o Holiday (imagem 28). Este último, existente até os dias de hoje, originalmente abrigava 416 apartamentos
distribuídos ao longo dos seus 17 andares. Compondo essa paisagem moderna, também surge o primeiro
Hotel de Boa Viagem, em 1954 (SILVA, 2016).
43
Nos anos 60, o bairro de Boa Viagem cresceu 10,4% em relação ao decênio anterior (ASSIES, 1991).
44
Lei 2.590, de 24 de novembro de 1953. O perímetro do bairro considerado urbano ia desde a Avenida Beira-
mar até a Avenida Conselheiro Aguiar, terminando na fronteira do município (ALVES, 2009).
45
Pelo zoneamento ditado pelo Código de obras de 1936, que altera a lei 1.051 de 1919 (ALVES, 2009).
46
Lei 1.051 de 1919 (ALVES, 2009).
47
Ver citação no início da sessão 2.1.1 deste capítulo (PROMORAR, 1980).

{ 123 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Na década de 60, com a construção da Avenida Agamenon Magalhães, uma via


perimetral da cidade, o bairro se valorizou ainda mais, pois esta encurtou a distância da
região sul ao centro e a zona norte (ALVES, 2009). A necessidade do crescimento desse
sistema também se dá pelo modelo centro-periferia que norteia a formação urbana do
Recife, fazendo com que seja necessário um amplo conjunto de vias para suportar os
deslocamentos que se desdobram no seu interior, e mais especificamente, entre essa zona
e as outras regiões da cidade48.

Imagem 24 - A Avenida Boa Viagem com construções ainda predominantemente horizontais na década de
1940. Fonte: Blog Diário de Pernambuco, 2015.

48
Ver discussão da sessão 4 do Capítulo 1, especificamente no que diz respeito aos padrões recorrentes de
formação espacial das cidades Brasileiras também encontrados no Recife.

{ 124 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Imagem 25 - Boa Viagem na década de 1950. Observar a paisagem começando a se modificar, com casas
predominantemente térreas situadas em meio ao coqueiral. Fonte: Blog Paulo Eduardo Lubambo Lyra, 2012.

Imagem 26 - Avenida Boa Viagem, década de 1950. Fonte: Villa Digital. Coleção Benício Dias. Autoria de Benício
Whatley Dias. Acervo Fundação Joaquim Nabuco. Ministério da Educação.

{ 125 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Mapa 13 - Mapa esquemático do traçado viário


principal de Boa Viagem na década de 1950. 1) Areal
de Brasília Teimosa; 2) Avenida Herculano Bandeira; 3)
Avenida Boa Viagem. Fonte: BARTHEL, 1989 in ALVES,
2009, p.64.

Imagem 27 - Praia de Boa Viagem com sua orla já um pouco verticalizada em 1965. Fonte: Villa Digital. Coleção
Benício Dias. Autoria de Katarina Real. Acervo Fundação Joaquim Nabuco. Ministério da Educação.

{ 126 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Imagem 28 - Boa Viagem verticalizada na década de 60. Em destaque, o Edifício Holiday. Fonte: Blog Caderno
Recifense, 2013.

Imagem 29 - Cartão postal retratando a Ponte Agamenon Magalhães entre as décadas de 1940 e 1950. Fonte:
Coleção Arnaldo Guedes Pereira. Autoria desconhecida. Acervo Fundação Joaquim Nabuco. Ministério da
Educação.

{ 127 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Imagem 30 - Encontro entre a Avenida Boa Viagem e a Avenida de Ligação (atual Avenida Herculano Bandeira)
na década de 60. Ao fundo, à direita Brasília Teimosa com seu Areal já loteado e ocupado. Perceber a
mudança em relação à paisagem natural original dos bairros, que nesse período já estava bastante aterrado e
com menos verdes e área de mangue. Fonte: Blog Conheça o Recife Antigo, [20--].

Enquanto Boa Viagem vicejava e era emblema de distinção social, já nessas décadas,
o Pina sofria com a falta de saneamento básico e infraestrutura. Como já foi dito antes, este
bairro não recebia tantos investipmentos públicos como aquele, estando carente em
infraestrutura e saneamento, além de ter sido em grande parte, ocupado por mocambos e
aglomerados de baixa renda (SILVA, 2016), sendo por isso estigmatizado e menos valorizado
economicamente que o seu vizinho. Ao longo dos anos, essa diferença entre o significado
dos dois bairros no contexto da cidade foi um dos fatores que contribuíram para que o
movimento de verticalização de Boa Viagem não ocorresse com a mesma velocidade no
Pina (SILVA, 2008a). Porém, além desse aspecto, outros motivos notadamente contribuíram
para isso.
Em 1941, o Aeroclube, criado no ano anterior, foi transferido para um grande areal
até então desabitado localizado do Pina (mapa 9 e 11; imagem 31). Também nessa década,
o governo adquiriu terrenos para a construção da Rádio Station (mapa 9) (SILVA, 2008a). A
existência desses equipamentos foi um limitador do cone máximo de gabarito para a
construção de edifícios em altura neste bairro. A presença do Aeroclube, por exemplo,
impunha um limite de até cinco pavimentos para os seus edifícios circunvizinhos, que não
podiam ter elementos metálicos em suas cobertas (CENTRO JOSUÉ DE CASTRO, 1993).
Dessa forma, por todas essas razões, ali havia uma valorização menor do solo e também

{ 128 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

impedimentos legais que dificultavam o desenvolvimento de construções verticalizadas.


Enquanto isso, as ocupações informais no seu interior continuavam a acontecer de maneira
crescente (SILVA, 2008a).
Os fatores físicos e simbólicos, bem como o tipo de utilização do solo citados fizeram
com que Boa Viagem, Pina e Brasília Teimosa se desenvolvessem de forma discrepante
entre si. Nesse primeiro bairro, a Paisagem elitizada se desenvolvia de maneira organizada,
formal, “moderna”, com boa infraestrutura e já um pouco verticalizada, enquanto nos dois
segundos, ela se transformava de maneira mais horizontal, predominantemente
espontânea, humilde, desprovida de saneamento básico, e relegada pelo poder público
(ALVES, 2009).

Imagem 31 - Aeroclube de Pernambuco em meio à paisagem do Pina no final da década de 50. A Avenida Boa
Viagem já timidamente verticalizada e a paisagem desses dois bairros bastante modificada em relação à
original. Autoria de Alcir Lacerda. Fonte: TC2 (Fotolog), 2005.

De qualquer forma, em todos os casos, o meio ambiente natural, substrato dessas


ocupações49, com seus coqueirais, mangues e alagados, já havia sido bastante modificado
(SILVA, 2008a). Como exemplo disso, já na década de 40, percebe-se o “apagamento” dos
contornos das ilhas do Pina, que começaram a se unir por conta dos sucessivos aterros
realizados principalmente pelos seus habitantes (imagem 32 e Imagem ). Além disso, por

{ 129 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

esse mesmo motivo, já havia ocorrido uma diminuição drástica das áreas de mangue e
verdes da região. As novas avenidas que passavam pelo bairro e as suas novas edificações
também ajudaram a alterar a paisagem primeira do local. (SILVA, 2008a).

Imagem 32 - Perspectiva do Pina na década de 1940. Em destaque, Igreja Matriz do Rosário (Igreja do Pina) na
Avenida Herculano Bandeira, construída em 1932. Nesse período, a paisagem já havia sido bastante alterada e
os contornos das ilhas já se apagavam por conta dos sucessivos aterros realizados. Perceber os primeiros
arruamentos bem consolidados no bairro do deste bairro. Fonte: Pinterest Ana Maria Costa Fraga, [20--].

Dentre as construções de maior relevância realizadas nesta época no Pina, tem-se a


sede do DNER (Departamento Nacional de Estradas e Rodagens), inaugurado em 1959, nas
proximidades das ocupações da Brasília; a Fábrica da Bacardi, que começou a ser construída
nesse mesmo ano a oeste dos limites do bairro, funcionando a partir de 1961 (BARTHEL,
1959); e o Cinema Atlântico50, inaugurado anos antes, na década de 40, no atual
cruzamento da Avenida Conselheiro Aguiar com a Herculano Bandeira, sendo um
importante equipamento cultural para a região. Em Brasília Teimosa, nos anos 60, criou-se a
Igreja Católica da Comunidade, localizada onde hoje é a Rua Guarajuba (SILVA, 2008a).

49
A Paisagem vista como ”Meio Ambiente Material e Vivo das Sociedades Humanas”, abordado na segunda
porta de Besse (2014),
50
O cinema era do grupo Luiz Severiano Ribeiro, e foi construído em estilo Art Decor. Em 1985, foi adquirido
pela prefeitura, que o transformou no Teatro Barreto Júnior (SILVA, 2008a).

{ 130 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Imagem 33 - Perspectiva de Brasília Teimosa e Pina em 1967. No plano central a Ponte Agamenon Magalhães e
a Avenida Antônio de Góes. Em segundo plano, à esquerda, o edifício do DNER, e à direita, o Clube Líbano
Brasileiro. Ao fundo, Brasília Teimosa e Pina, com a sua paisagem modificada pelos arruamentos consolidados.
Ainda observa-se a presença da vegetação e dos coqueirais, mais em quantidade muito menor aos originais.
Fonte: Brasilina Teimosina (Perfil do Facebook), 2016.

{ 131 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

2.2.2 Décadas de 1970 e 1980: daqui não saio, daqui ninguém me tira

Nas décadas de 70 e 80, Boa Viagem se tornou um bairro ainda mais valorizado
economicamente. Nesses anos, se intensificou o seu processo de adensamento e
verticalização, muitas vezes por meio de demolições das casas residenciais da Avenida
Beira-Mar para a construção de edifícios em altura, gerando um processo de renovação
arquitetônica nesse período (ALVES, 2009). Essas mudanças foram facilitadas por uma
alteração na legislação51, que tornou o coeficiente de aproveitamento do bairro52 maior do
que em todas as outras partes da cidade, o que aumentou o interesse do mercado
imobiliário pelo seu território (ALVES, 2009).
Acompanhando esse movimento, para servir ao público abastado que residia nessa
localidade, equipamentos de grande porte começaram a nela se instalar, como por
exemplo, o Shopping Center Recife, criado em 1980, numa porção sul de Boa Viagem
(ALVES, 2009). Grandes empreendimentos hoteleiros também surgiram no local, sendo em
sua maioria, considerados de alto padrão53 (SILVA, 2013). Todos esses fatores alteraram

Imagem 34 – Praia de Boa Viagem na década de 1970. Neste momento já é possível observar um aumento
considerável na verticalização local. No canto direito, ao centro, se vê o Aeroclube. Fonte: SkyscraperCity,
2010.
51
Lei de Uso e Ocupação do Solo (LUOS). Lei 14.511 de 17/01/83 (ALVES, 2009).
52
O coeficiente máximo determinado foi de 3,3 (ALVES, 2009). Segundo essa lei, esse coeficiente consiste na
área máxima para construção permitida, que corresponde à área do terreno multiplicada por esse índice
(PREFEITURA DA CIDADE DO RECIFE, 1996).
53
Como, por exemplo, o Recife Palace, o Mar Hotel, o Hotel Savaroni, o Internacional Lucssim Hotel, o JPM
Turismo Hotel, o Vila Rica e o Idealy Hotel, a maioria deles, considerados de alto padrão (SILVA, 2013).

{ 132 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

drasticamente o gabarito e a densidade da área, modificando drasticamente a sua paisagem


e o seu skyline (mapa 14, 15, 16 e 17; mapa esquemático 5, imagem 34 e 35) (ALVES, 2009).

Imagem 35 – Cartão postal da Avenida Boa Viagem verticalizada na década de 1970. Fonte: SkyscraperCity,
2010.

O aumento da população54 nessas décadas, juntamente com o provimento de


infraestrutura pelo poder público, fizeram com que as ocupações de Boa Viagem se
expandissem para o seu interior, deixando de se concentrar somente na sua Avenida Beira-

54
Nos anos 70, a população de Boa Viagem já era de 158.442 habitantes, tendo um aumento de 104%, em
relação à década anterior (ALVES, 2009).

{ 133 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

mar (ALVES, 2009) (mapa esquemático 5). É nesse espírito que, na década de 70, são
construídas duas novas Avenidas de grande porte cortando o bairro: a Avenida Conselheiro
Aguiar, e a Avenida Domingos Ferreira. Em ambos os casos foi necessária a desapropriação
de muitas residências, principalmente as de uma população de baixa renda (SILVA, 2008b).
Em 1978, completando o conjunto viário local, foi construída a Ponte Paulo Guerra, que liga
o Cabanga à Avenida Herculano Bandeira (antiga Avenida de Ligação), fazendo a conexão
anteriormente estabelecida pela Ponte do Pina (ALVES, 2009) (mapas 14 e 15; imagem
36Imagem ). Mais uma vez, percebe-se que a criação dessas novas vias, juntamente com o
crescimento do número de edificações e de equipamentos instalados na região, fazem parte
de um projeto de paisagem que tenta se apresentar simbolicamente para a cidade através
de um status de distinção social.

Imagem 36 – Postal retratando a Ponte Agamenon Magalhães e Bairros do Pina e Brasília Teimosa ao fundo,
1971. Fonte: Fotolog TC2, 2008.

{ 134 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Mapa 14 – Ortofotocartas do Pina e Brasília Teimosa


em 1975. 1) Arrecifes; 2) Área do futuro Iate Clube; 3)
Praia do Buraco da Véia; 4) Ponte Agamenon
Magalhães; 5) Avenida Antônio de Goes; 6) Avenida
Herculano Bandeira; 7) Avenida Beira-Mar; 8)
Aeroclube; 9) Ilha de Santo Antônio e São José; 10)
Bairro do Recife. Fonte: CONDEPE/FIDEM.

{ 135 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Mapa 15 – Detalhe das ortofotocartas do Pina e


Brasília Teimosa em 1975. 1) Arrecifes; 2) Área do
futuro Iate Clube; 3) Praia do Buraco da Véia; 4) Ponte
Agamenon Magalhães; 5) Avenida Antônio de Goes; 6)
Avenida Herculano Bandeira; 7) Avenida Beira-Mar.
Fonte: CONDEPE/FIDEM.

{ 136 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Mapa 16 – Ortofotocartas do Pina e Brasília Teimosa


em 1985. 1) Arrecifes; 2) Iate Clube; 3) Praia do Buraco
da Véia; 4) Ponte Agamenon Magalhães; 5) Ponte
Paulo Guerra; 6) Avenida Antônio de Goes; 7) Avenida
Herculano Bandeira; 8) Avenida Beira-Mar; 9) Avenida
Conselheiro Aguiar; 10) Avenida Domingos Ferreira;
11) Aeroclube; 12) Ilha de Santo Antônio e São José;
{ 137 } 13) Bairro do Recife. Fonte: CONDEPE/FIDEM.
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Mapa 17 – Detalhe das ortofotocartas do Pina e


Brasília Teimosa em 1985. 1) Arrecifes; 2) Iate Clube;
3) Praia do Buraco da Véia; 4) Avenida Antônio de
Goes; 5) Avenida Herculano Bandeira; 6) Avenida
Antônio de Goes; 7) Avenida Herculano Bandeira; 8)
Avenida Beira-Mar; 9) Ilha de Santo Antônio e São
José. Fonte: CONDEPE/FIDEM.

{ 138 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

É interessante observar como a construção das grandes avenidas, viadutos e pontes


que passam pelo Pina segregaram a sua população de baixa renda. Nesse bairro, a divisão
entre pobres e ricos, desde essa época, é claramente feita por esses elementos viários, que
acabaram por segregar fisicamente na paisagem as diferentes classes sociais. Também se
nota que o conjunto viário construído ao longo desse século isolou Brasília Teimosa do
restante do território da região, a “confinando” no triângulo de sua península (mapa 16;
mapa esquemático 5) (MAGAROTTO et al., 2013).
As obras viárias realizadas nessas décadas, assim como as feitas anteriormente,
atenderam prioritariamente a uma demanda do Bairro de Boa Viagem, que a esse ponto, já
começava a se expandir para os limites do Pina. A necessidade de sua expansão, juntamente
com a desativação da Rádio Station no início da década de 80 (SAMPAIO, 2017), fizeram
com que, cada vez mais, esse bairro de passagem viesse a se tornar de interesse do
mercado, que queria incorpora-lo à sua dinâmica construtiva, caracterizada por edificações
verticalizadas de alta renda. Esses fatores fizeram com que, nessa época, a paisagem dos
dois bairros começasse a tender a se homogeneizar (SILVA, 2008b).
Nesse contexto de alta especulação imobiliária, a luta da
“Sabemos bem que nossa área torna-se
população humilde pela permanência em suas casas continuava e cada dia mais cobiçada por sua
se fortalecia. Assim, os conflitos e os comportamentos praticados localização. Isso não é culpa nem mérito
nosso: foi a necessidade da sobrevivência
em relação a esses locais ocupados pelos pobres começavam a se
que nos colocou aqui (...). E é pelo
agravar. Para o mercado, essas áreas simbolizavam a mesmo motivo de sobrevivência que nós
oportunidade de expansão de seus domínios e da geração de temos de ficar aqui, perto das riquezas
naturais do mar, e com acesso mais fácil
lucros através de novos empreendimentos. Para a gente simples ao emprego e trabalho no Centro e em
que ali habitava, a sua permanência significava não somente a Boa viagem” (Manifesto de Brasília
perpetuação de suas práticas sociais e das relações afetivas já Teimosa, 1979 – BRASÍLIA, 1979)

estabelecidas com aquela paisagem, mas também a manutenção de uma subsistência ligada
a ela e aos seus elementos, como o mar e a natureza, e a sua localização dentro da cidade,
próxima ao centro e as oportunidades econômicas vindas da proximidade com as classes
sociais mais altas.
Sobre isso, em 1979, por exemplo, foi fundada a União dos Moradores do Pina
(UMP), que tinha como objetivo principal se articular para a conquista da posse das terras e
lutar contra os que ameaçavam a existência das comunidades do bairro55. A sua atuação
mais efetiva ocorreu a partir dos anos de 1983 e 1984, quando do nascimento do Projeto
Pina, que tinha a proposta de defender essas causas e trazer melhorias para o local56.
(PREFEITURA DA CIDADE DO RECIFE, 1988).

55
Santa Casa de Misericórdia, União, Marinha, empreiteiras, entre outros (PREFEITURA DA CIDADE DO RECIFE,
1988).
56
“O Projeto Pina foi concebido para ser uma Ação Global e Integrada, envolvendo todas as dimensões da vida
no bairro. Legalização da terra, serviços de drenagem e pavimentação, habitação, educação, saúde, lazer e

{ 139 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Em relação a essa luta, é de se destacar as diferenças existentes entre as


comunidades do Pina e Brasília Teimosa. Inicialmente, houve uma grande dificuldade da
população deste primeiro bairro em se articular em busca de melhores condições de vida e
de permanência coletiva. Isto se deu por dois motivos principais: o primeiro se refere ao
assistencialismo, compra de votos e questões dessa natureza política (PREFEITURA DA
CIDADE DO RECIFE, 1988); e o segundo pelo fato de, desde o início, o bairro ter sido
ocupado e transformado de maneira individual, por meio de ações pontuais, sem
integração, muitas vezes chegando a ocorrer conflitos pela terra entre os próprios
moradores. Essa realidade contrasta com a da Brasília, que teve
“(...) não podemos admitir que se
sua ocupação dada por meio de invasões coletivas, tendo como
destruam valores que dificilmente ainda
se encontram na sociedade de hoje e que objetivo comum a obtenção de melhorias para o seu território e o
marcam profundamente nossa vivência: direito à permanência (PREFEITURA DA CIDADE DO RECIFE, 1988).
boa vizinhança, ato grau de fraternidade,
espírito de luta e, apesar dos pesares,
Ou seja, a sua população conseguiu se reunir mais efetivamente57
alegria de viver! (...) Por que tornar tão como grupo e articular melhor suas ações, de maneira mais
difícil para os trabalhadores a organizada e engajada afetivamente. É importante ressaltar o
possibilidade de ter, pelo menos, um
canto onde tranquilo, repousar o corpo papel das entidades religiosas (católicas, protestantes, centros
da batalha de cada dia pela espíritas e de umbanda) no apoio às lutas e reivindicações da
sobrevivência?” (Manifesto de Brasília
população carente do local, tanto do Pina quanto de Brasília
Teimosa, 1979 – BRASÍLIA, 1979)
Teimosa (BARTHEL, 1989).
Essa última comunidade, além de conseguir um forte apoio da Igreja Católica58, foi
apoiada por pessoas e grupos de esquerda importantes, como por exemplo, funcionários da
(BRASÍLIA, 1979)
SUDENE (Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste), a Universidade Federal de
Pernambuco (UFPE) e alguns Partidos Políticos, enquanto os empreiteiros tinham o suporte
do governo local (ALVES, 2009). É de se perceber que o Conselho de Moradores do bairro
permanecia forte na defesa dos anseios da população, perdendo um pouco da sua força
apenas durante os anos do arrocho da ditadura militar, mas sem deixar de existir em
nenhum momento59 (BRASÍLIA TEIMOSA, 1998).

geração de emprego e renda, em um processo contínuo de negociação entre Prefeitura e Comunidade”


(Centro Josué de Castro, 1993, p.10). Juntamente com técnicos da URB (Empresa de Urbanização do Recife), a
comunidade construiu propostas para o bairro, que foram posteriormente aprovadas pelo BNDES (Banco
Nacional de Desenvolvimento Social). Com o projeto, houve a construção de escolas e creches, além da
pavimentação de ruas e becos (PREFEITURA DA CIDADE DO RECIFE, 1988).
57
Ver as discussões do primeiro capítulo desse trabalho, principalmente no que se refere às ideias de Conan
(1994).
58
O apoio da igreja católica na comunidade se deu a partir da “Teologia da Libertação”, principalmente através
da famosa figura do Padre Jaime. Ela é uma ramificação do pensamento católico preocupada com a realidade
humana do presente. Assim, a nível local, os religiosos ligados a essa corrente também buscavam a libertação
da população de Brasília Teimosa por meio da conquista de seus direitos, lutando lado a lado com ela
(VANCONCELOS, 2011).
59
Durante o governo de Gustavo Krause (1979-1982), criou-se paralelamente a União dos Moradores de
Brasília Teimosa, que terminou gerando dissidências dentro da comunidade, mas foi extinta juntamente com o
final da gestão deste prefeito (BARTHEL, 1989).

{ 140 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Nesse mesmo espírito de engajamento na busca pela permanência, em 1974, a


Brasília, com a ajuda da UFPE, fez um recenseamento60 no bairro com o objetivo de
denunciar ao poder público as péssimas condições de habitabilidade em que se encontrava,
e com isso conseguir melhorias infraestruturais e a posse de terra para os seus moradores
(BARTHEL, 1979). Nessa pesquisa foi identificada uma população de 18459 pessoas
distribuídas em 3488 famílias (CONSELHO DE MORADORES DE BRASÍLIA DO PINA, 1974).
Apesar dos apelos da comunidade, nessa época, alguns projetos foram feitos na
tentativa de expulsa-la. Como exemplo disso, em 1974, a URB (Empresa de Urbanização do
Recife) apresentou um plano urbanístico para a área. Para a sua execução, seria necessária
a retirada de quase toda a população do local, a realocando para uma outra região menos
valorizada da cidade. A proposta era voltada para o turismo de alto padrão, e previa a
implantação de grandes equipamentos dessa natureza, além de comércios, serviços e
habitacionais em altura (dez pavimentos) voltados para a classe média alta61. Apenas um
pequeno grupo de pescadores, 200 dos 2000 existentes na época, permaneceria morando
no bairro. Eles seriam mantidos de forma a atender às demandas turísticas, a partir de uma
apropriação da cultura e da história do lugar, as folclorizando, ou seja, as esvaziando, para
atender a interesses financeiros (ALVES, 2009) (imagem 37 e 38).
Ao mesmo tempo em que se apresentava essa proposta, o CONDEPE (Conselho de
Desenvolvimento do Estado de Pernambuco) elaborava um projeto de requalificação da orla
da Brasília Teimosa, que a integraria com as orlas do Pina e Boa Viagem (ALVES, 2009),
demolindo os mocambos existentes. Se o projeto tivesse sido realizado, claramente
acabaria agravando ainda mais a pressão do mercado imobiliário sobre o bairro.
Posteriormente, em 1975, a APL (Assessoria de Planejamento), hoje a atual
Secretaria de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente (SMAS), propôs a implantação
de um outro plano voltado para o turismo. A ideia era levar um hotel da rede internacional
Holliday Inns INC. para a área. Ele teria 300 apartamentos e grandes equipamentos de lazer,
entre eles um centro de convenções, um shopping center e uma grande área de
estacionamento (ASSESSORIA DE PLANEJAMENTO LIMITADA, 1975). Posteriormente, com a
divulgação do projeto, outros grupos hoteleiros também se interessaram em investir no

60
Este recenseamento foi feito entre março e junho de 1974 (CONSELHO DE MORADORES DO PINA, 1974).
61
O local seria dividido em 8 (oito) setores, 2 (dois) residenciais e 6 (seis) voltados para as atividades turísticas.
Os setores turísticos seriam: o Hoteleiro (com estacionamento, balneário, equipamentos de lazer), o Turístico
Recreativo (aquário, Clube Esportivo e Marinas), o Cultural (Cinema, Teatro, Laboratório de Ciências do Mar
vinculado à UFPE e Centro de Convenções), o comercial (comércios e serviços voltados para a população de
renda alta do setor de apartamentos, como por exemplo, bancos e shopping centers), o Pesqueiro (comércio
voltado para o Terminal Pesqueiro), o de Apoio (Terminal Fluvial, Bares, restaurantes, Boates, entre outros).
Dos residenciais, o primeiro era o dos apartamentos de luxo verticalizados e o segundo o da área pesqueira
(para onde seriam realocadas as famílias de pescadores que permanecessem no local, e alguns serviços
básicos de suporte a elas, como escolas e posto de saúde) (EMPRESA DE URBANIZAÇÃO DO RECIFE, 1974).

{ 141 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

local. Dessa forma, revelou-se mais uma vez a insistência do mercado, apoiado pelo poder
público, em transformar a comunidade em um polo hoteleiro verticalizado (ALVES, 2009).

Imagem 37 – Planta Esquemático do projeto proposto pela URB para a área de Brasília Teimosa em
1974.Fonte: ALVES, 2009, p.99.

Claramente, a insistência no uso turístico do bairro se deu, além de seu potencial


paisagístico, por sua proximidade ao aeroporto, ao centro da cidade e ao segundo centro
elitizado que já se consolidava em Boa Viagem, se conectando também com os
equipamentos e atrativos turísticos existentes nesses locais.
Percebendo a clara ameaça a sua permanência, a comunidade rejeitou duramente

{ 142 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

os planos propostos. Em resposta a essa reação dos moradores,


“Ô Josué, nunca vi tamanha desgraça,
em 1979, com o discurso de elevar os “padrões habitacionais dos quanto mais miséria tem, mais urubu
moradores” sem retira-los do local, o governo do estado, através ameaça
(...)
da URB, apresenta o projeto do Urbanista Paranaense Jaime Da lama ao caos, do caos à lama,
Lerner para a Brasília (LERNER, 1979) (imagem 39 e 40). um homem roubado nunca se engana”
Ainda que a permanência da população teoricamente (Trecho da Música “Da Lama ao Caos” –
Nação Zumbi)
fosse uma premissa do projeto, propondo-se realocações
somente para a antiga Vila da Prata e a Beira-mar, os locais mais precários da comunidade
na época, percebeu-se que as mudanças implantadas na área, entre elas, e principalmente,
a inclusão de marinas, equipamentos turísticos, e, de uma maneira geral, “cenários”
voltados às classes mais abastadas, geraria a expulsão branda no bairro, fazendo com que
ele gradativamente fosse apropriado pela elite. Por prever e temer essas consequências, a
população teimosa também rejeitou mais essa proposta (BARTHEL, 1989).

Imagem 38 – Corte esquemático da orla marítima de Brasília Teimosa segundo o projeto de Jaime Lerner de
1979. Fonte: LERNER, 1979, p.68.

Imagem 39 – Perspectiva esquemática da orla marítima de Brasília Teimosa segundo o projeto de Jaime
Lerner de 1979. Fonte: LERNER, 1979, p.80.

{ 143 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Sobre esses projetos, cabe colocar algumas questões para


“(...) muitas vezes, a melhor solução
técnica não será a solução mais indicada discussão. Na proposta da APL, destaca-se sempre a viabilidade
para os interesses dos moradores. “técnica-econômica-financeira” do empreendimento (ASSESSORIA
Porque determinadas medidas de
urbanização podem significar uma
DE PLANEJAMENTO LIMITADA, 1975), mas em momento algum se
espécie de expulsão branca, de expulsão considera a comunidade que ali habita, com a sua história,
indireta. Um determinado processo de
cultura, relações e necessidades existenciais e de subsistência. Na
urbanização pode conseguir em três ou
cinco anos a remoção, que até hoje, não primeira proposta da URB, de 1974, se toca nas ocupações
foi possível realizar” (Manifesto de preexistentes no local apenas para fins de dimensionamento do
Brasília Teimosa, 1979 – BRASÍLIA, 1979).
custo de desapropriações (EMPRESA DE URBANIZAÇÃO DO
“Os tubarões continuaram as suas RECIFE, 1974). É importante ressaltar que neste último caso, a
tentativas para tirar o povo. Dessa vez,
mídia também deu apoio ao projeto, sempre enaltecendo os seus
através de PROJETOS dos governos que
queriam expulsar os moradores, aspectos econômicos e turísticos positivos62, reproduzindo os
transformando nosso bairro em área de discursos e argumentos dos empreendedores.
turismo, com HOTÉIS, BOSQUES E A
No memorial do projeto de Lerner apresentado à
CONTINUAÇÃO DA AVENIDA BOA
VIAGEM. Foram anos difíceis; poucos prefeitura, estavam contidas as “proposições básicas visando o
moradores tinham coragem de construir aproveitamento urbanístico de Brasília Teimosa” (LERNER, 1979,
sua casinha em alvenaria. Foi aí que o
apresentação, grifo nosso). Fica subentendido que por esta ser
CONSELHO desafiou o poder público.
“NÓS TEMOS CAPACIDADE DE FAZER UM uma área ocupada e habitada por uma população pobre, não se
PROJETO DE URBANIZAÇÃO DO BAIRRO, considera que ela estaria sendo aproveitada, já que ela não está
SEM TIRAR NINGUÉM DAQUI” (Folheto
da Chapa 2 para as eleições de 1995 do
sendo “aproveitada”, para o turismo ou para gerar capital para os
Conselho de Moradores de Brasília grupos dominantes da cidade. Como se poderá ver no próximo
Teimosa – CHAPA 2 TEIMOSINHO, 1995). capítulo, essa ainda é uma fala recorrente de alguns grupos
quando se defende a expulsão da Brasília atualmente.
Em resposta ao projeto de Lerner, o último apresentado pela URB, e também
levando em consideração a construção do Iate Clube em 1977, e o boicote da linha de
ônibus que se recusava a atender a população visando dificultar a permanência da
comunidade no local, os teimosos se mobilizaram. Em novembro de 1979, através do
Conselho de Moradores, foi apresentado à prefeitura o Projeto Teimosinho63 (ou Projeto de
Urbanização Comunitária) (BRASÍLIA, 1998), representando os 25000 moradores residentes
no local na época (CONSELHO DE MORADORES DE BRASÍLIA TEIMOSA, 1979).
Um episódio que também impulsionou a população a esta luta foi a construção do
chamado “Muro da Vergonha”, feito pelo Iate Clube durante a madrugada, de forma

62
Como exemplo disso, observa-se um artigo de jornal com o título “Brasília Teimosa: Presente da Natureza ao
Turismo Recifense”, anunciando projeto apresentado pelo URB em 1974.
63
No período do projeto, nas décadas de 70 e 80, a militância das mulheres da comunidade foi fundamental
para a conquista das melhorias. Elas representavam a maioria massiva das pessoas que estavam engajadas
nesse processo (Luciberto Xavier, 2017).

{ 144 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

“sorrateira”, e com o apoio da URB, privatizando a Praia do “A Praia do Buraco da Véia/ É do povo de
Buraco da Véia (BRITO; MARGARITA, 2016). Esta sempre foi um Brasília/ Ninguém vai botar as mãos nela/
Seu Iate pode dar o pira
local muito importante para o lazer e a sociabilidade da
população ali residente, sendo um motivo de orgulho para os Se o Iate está querendo briga/ O povo vai
moradores, símbolo da comunidade, marcante, inclusive, na se reunir/ Teremos nossas mãos unidas/
E vamos ver quem vai sair
paisagem local (TEIMOSIA... 2013). Para defender os valores
simbólicos e as relações afetivas que tinham com esse lugar, em Tu... Tu... Tu... Tu... Tu-barão/ Tá
menos de uma semana, os Teimosos coletivamente, com as suas querendo água salgada/ Pois pode se
virar lá pra Candeias/ Não pense que a
próprias mãos, derrubaram essa divisão e reconquistaram a sua Teimosa é de nada/ Nós temos sangue
praia64 (imagem 40). quente nas veia
Enquanto o Teimosinho estava sendo elaborado, de forma
Bem feito, quem foi que te mandou/ Tu
deliberativa, um manifesto foi apresentado como forma de dar botar a mão no Buraco da Véia (Bis).”
uma resposta às pressões para a expulsão do bairro que ocorriam
(Marchinha cantada pelos moradores nas
com força naquele momento. A intenção era apresenta-lo na
suas lutas. Transcrita em um folheto da
visita do então presidente João Figueiredo à comunidade, mas Chapa 2 para as eleições de 1995 do
esta não ocorreu, já que o evento foi cancelado. Ainda assim, o Conselho de Moradores de Brasília
Teimosa – CHAPA 2 TEIMOSINHO, 1995)
documento foi publicado na íntegra em Jornal e exposto para a
sociedade (ASSIES, 2017)65.
“Sabemos ampla,
As propostas contidas no plano apresentado tinham uma abordagem da cobiça que desperta a
social,
nossa área nos exploradores de terras ou
política, cultural e econômica. Os objetivos e as melhorias principais que o Teimosinho
nos possuidores de melhor condição
buscou atingir foram a legalização da posse da Terra de uma maneiraeconômica”
segura e definitiva; as
melhorias na infraestrutura da comunidade como um todo e nos imóveis(...) individualmente
“Cremos que toda família deveria ter um
(com atenção especial aos da beira-mar e os da antiga Vila da Prata); a criação de novos
lugar próprio e seguro para situar seu
equipamentos de saúde e educação, bem como a geração de empregos paralar.osUm
próprio moradores;
lugar garantido. (...) É isso
e a realização das remoções necessárias, ao mesmo tempo em que mesmo, terra para os uma
se fornecesse que não tem terra,
e de graça, sem ônus, pois a terra, Deus
solução possível para o financiamento de residências pela populaçãodeudo bairro
sem tirar(CONSELHO
um só centavo de
DE MORADORES DE BRASÍLIA TEIMOSA, 1979) (imagem 41 a 47). As ninguém.”
propostas contidas no
(...)
plano apresentado tinham uma abordagem ampla, social, política, cultural e econômica. Os
“Na maioria somos gente pobre. Então a
objetivos e as melhorias principais que o Teimosinho buscou atingir nossa
foramurbanização
a legalizaçãodevedaser pra gente
posse da Terra de uma maneira segura e definitiva; as melhoriaspobre. na infraestrutura
Sem luxos, sem da autopistas. Mas
com o conforto que nos tem sido negado
comunidade como um todo e nos imóveis individualmente (com atenção especial aos da
durante esses longos e penosos anos”
beira-mar e os da antiga Vila da Prata); a criação de novos equipamentos
(Manifesto de deBrasília
saúdeTeimosa,
e 1979 –
BRASÍLIA,
educação, bem como a geração de empregos para os moradores; e a realização das 1979).

remoções necessárias, ao mesmo tempo em que se fornecesse uma solução possível para o

64
Essa história foi recorrente durante as entrevistas com os moradores, sendo contada com mais riqueza de
detalhes por Wilson Lapa, atual líder do Conselho de Moradores e José Bezerra dos Santos (Zezinho),
proprietário do restaurante Império dos Camarões, que afirmaram ter participado do ato.
65
Alguns de seus trechos estão sendo colocados ao longo do presente capítulo.

{ 145 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

financiamento de residências pela população do bairro (CONSELHO DE MORADORES DE


BRASÍLIA TEIMOSA, 1979) (imagem 41 a 47).

Imagem 40 – Protestos contra o “Muro da Vergonha” feito pelo Iate Clube. Fonte: Diário de Pernambuco. Recife,
23 jan. 1980. Local, p. 5.

{ 146 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Imagem 41 – Foto artística de Benoit Doncoeur, em 1983, mostrando o bairro de Brasília teimosa e a sua
precariedade. Fonte: Site Benoit Doncouer, [20--].

Imagem 42 – Brasília Teimosa no final dos anos 70. Ao centro, o icônico Padre Jaime, militante do bairro,
provavelmente na antiga rua “M”, atual Dragão do Mar. A rua de barro reflete a situação do bairro como um
todo nesse período. Perceber também as casas de madeira, uma maioria na época. Fonte: acervo do
Conselho de Moradores de Brasília Teimosa.

{ 147 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Imagem 43 – Mais uma foto da rua “M”, atual Dragão do Mar entre a década de 70 e 80. Fonte: Brasilina
Teimosina (Perfil do Facebook), 2016.

Imagem 44 – Foto Aérea da área do Pina e Brasília Teimosa tirada em 28/12/1979. Foto de Sidney Waismann.
Percebe-se a clara divisão entre os dois bairros feita pelas avenidas Herculano Bandeira e Antônio de Goes.
Fonte: Biblioteca da URB

{ 148 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Imagem 45 – Foto Aérea de Brasília Teimosa tirada em 28/12/1979. Foto de Sidney Waismann. Ao fundo, o
Iate Clube do Recife. Pode-se ver a força da linha dos arrecifes na paisagem. Fonte: Biblioteca da URB.

“Depois de muita luta, o PROJETO


TEIMOSINHO foi aprovado. O grito de
alegria – BRASÍLIA É NOSSA!
Imagem – explodiu
46 – Brasília Teimosa no ponto em que a área da colônia se encontra com as avenidas Antônio de
nas primeiras Goes
passeatas de bairro que Foto aérea tirada em 28/12/1979. Foto de Sidney Waismann. Fonte: Biblioteca
e Herculano Bandeira.
houveram nas da URB.
ruas da cidade” (Folheto
da Chapa 2 para as eleições de 1995 do
{ 149 }
Conselho de Moradores de Brasília
Teimosa – CHAPA 2 TEIMOSINHO, 1995)
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Imagem 47 – Foto aérea de Brasília Teimosa e Pina. Em primeiro plano, o Iate Clube e os arrecifes, que
compõem uma grande linha de força. Foto aérea tirada em 28/12/1979. Foto de Sidney Waismann. Fonte:
Biblioteca da URB.

Apresentando o projeto, a comunidade conseguiu, com o apoio da OAB (Ordem dos


advogados do Brasil) e do IAB (Instituto dos Arquitetos do Brasil), que a SEHAB (Secretaria
Estadual de Habitação de Pernambuco), através do PROMORAR66 (Programa de Erradicação
da Sub-habitação), o financiasse com recursos do BNH (Banco Nacional da Habitação). A
proposta foi feita de forma comunitária, totalmente participativa, onde o Conselho de
moradores deveria controlar as ações e a execução das obras (BRASÍLIA TEIMOSA, 1998).
Não era um produto acabado, mas sim, proposições preliminares e diretrizes que
norteariam o processo de requalificação da comunidade.
A mobilização da população para a participação no planejamento do projeto foi
intensa e aconteceu de várias formas. Além de terem sido feitas muitas reuniões e

66
Em junho de 1979 foi criado o PROMORAR (Programa de Erradicação da Sub-habitação), do governo federal.
Com ele, procurou-se legitimar assentamentos precários e favelas sem a realocação da população neles
residentes, criando mecanismos de adaptação às normas da cidade formal. Além de serem feitas melhorias
infraestruturais nos bairros, também poderiam ser concedidos empréstimos aos moradores para a melhoria
de suas casas (ALVES, 2009).

{ 150 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

assembleias no Conselho de Moradores67, a cultura popular também foi fortemente


utilizada como instrumento de luta: foram distribuídos folhetos e jornais com o personagem
fictício “Teimosinho”, e o assunto foi abordado através da música e de peças de teatro
(CONSELHO DE MORADORES DE BRASÍLIA TEIMOSA, 1979; SILVA, 2008a). A arte era um
meio de captação e instrução de pessoas muito forte68 (imagem 48 a 51).
A posse da terra foi requerida como ponto inicial de implantação do projeto, pois se
temia que com as melhorias feitas na área, o bairro se valorizasse a ponto de se tornar mais
fácil a expulsão dos moradores. O provimento de habitações, de condições de aquisição de
imóveis e de reassentamentos para a população dentro da área da própria comunidade
também foi uma premissa bastante importante na proposta69 (CONSELHO DE MORADORES
DE BRASÍLIA TEIMOSA, 1979).

Imagem 48 – Cabeçalho do Jornal Teimosinho, distribuído pelo Conselho de Moradores. O personagem


desenhado se chama “Teimosinho”, e ilustrou os documentos, jornais e folhetos da comunidade até os anos
2000. Fonte: acervo pessoal de Celeste Maria Valença de Mendonça.

67
A aprovação final do projeto foi feita em um plebiscito que contava com mais de 50% dos moradores do
bairro (ASSIES, 1991).
68
Assunto abordado principalmente com os entrevistados Ladimir Ferreira da Silva (Mika), que preside
atualmente o Ballet Deveras e dirige a peça “Daqui não saio, daqui ninguém me tira” (contando a história do
bairro), e o ex-líder comunitário Luciberto Xavier Tiradentes de Macedo (Piaba), que participaram ativamente
desse processo na época.
69
Sobre isso, um dos pontos principais requeridos foi o de que lotes vazios ou imóveis desocupados deveriam
ser direcionados para a população removida da antiga Vila da Prata e da Beira Mar, na época, como dito, as
áreas mais precárias do bairro (CONSELHO DE MORADORES DE BRASÍLIA TEIMOSA, 1979). Os terrenos
aforados a Roberto Maçães, proprietário do Iate Clube, teriam de ser expropriados e usados para fins do
projeto, assim como as benfeitorias invadidas pelo Capitão João Terra (figura bastante conhecida no bairro,
que se apropriou de terras sob domínio do porto) (FORTIN, 1987 in BOTLER, 1994). Um outro item levantado
foi a tentativa de facilitação da compra dos imóveis por inquilinos que morassem de aluguel nas casas do
bairro. Também era importante para a permanência da comunidade que, a venda ou transferência das
benfeitorias aforadas somente pudessem ser feitas a pessoas com o mesmo nível socioeconômico dos
moradores da comunidade, evitando assim a ação do mercado imobiliário no local (CONSELHO DE
MORADORES DE BRASÍLIA TEIMOSA, 1979).

{ 151 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Imagem 49 – Comício durante as eleições do Conselho em 1983, mostrando o engajamento da população nas
causas da comunidade. Em destaque, Osmar, uma liderança do bairro. Fonte: acervo do Conselho de
Moradores de Brasília Teimosa.

Imagem 50 – Multidão na rua protestando durante o carnaval na década de 1970, provavelmente, em frente à
igreja católica do bairro. Nem mesmo nesse período a população esquecia da luta, se utilizando da arte e do
humor para agregar os moradores. Fonte: acervo do Conselho de Moradores de Brasília Teimosa.

{ 152 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Imagem 51 – Multidão na rua protestando, provavelmente na década de 70. Fonte: acervo do Conselho de
Moradores de Brasília Teimosa.

Sobre a infraestrutura, até aquele momento, todas as melhorias conseguidas para o


bairro foram feitas através do esforço dos próprios moradores. Os padrões mínimos de
habitabilidade foram negados por muito tempo por parte do Poder Público, tanto em
Brasília Teimosa, como nas outras comunidades do Pina e Boa Viagem, porque, na medida
em que fossem dadas melhores condições a esses locais, seria cada vez mais difícil expulsar
a população de baixa renda que os ocupavam (ALVES, 2009).
Sobre esse aspecto, as principais reinvindicações do bairro eram em relação ao
esgotamento sanitário, à drenagem e à qualidade das vias, à água, ao telefone, à iluminação
e ao transporte público70 (SILVA, 2008a), sendo esses dois primeiros os principais problemas
existentes. As áreas da antiga Vila da Prata e da Beira-mar, como já dito, eram as mais
precárias, tendo as piores condições de habitabilidade da comunidade, tanto em relação à
falta de saneamento, quanto à própria qualidade das casas. Pedia-se que na orla fossem
feitas edificações tipo palafita71, que abrigassem usos comunitários. Também foi requerida

70
No recenseamento feito pela comunidade em 1974, foram quantificadas as péssimas condições de
saneamento básico. Apesar de na época, por exemplo, uma grande parte já ter energia elétrica (87%), a
maioria ainda não tinha água encanada (73%) (CONSELHO DE MORADORES DO PINA, 1974).
71
Reproduzindo essa forma de construir já instituída no bairro. Se tivessem sido feitas, seriam uma forma
promover as melhorias na orla sem perder a imagem e a referência daquelas construções na paisagem da
Brasília ao longo dos anos.

{ 153 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

que além da reforma das vias secundárias existentes, se fizesse uma principal para servir ao
bairro como eixo de serviços e infraestrutura em geral (CONSELHO DE MORADORES DE
BRASÍLIA TEIMOSA, 1979) (imagem 52 a 55).

Imagem 52 – Moradores e o ônibus Brasília – Pina na década de 1970. Fonte: acervo do Conselho de
Moradores de Brasília Teimosa.

Imagem 53 – Carroça de água na década de 1980. Fonte: BRASÍLIA..., 198-.

{ 154 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Imagem 54 – Palafitas da orla marítima no final dos anos 80. Fonte: acervo do Conselho de Moradores de
Brasília Teimosa.

Imagem 55 – Palafitas da orla marítima no final dos anos 80. Fonte: acervo do Conselho de Moradores de
Brasília Teimosa.

{ 155 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Imagem 56 – Pescadores em meio aos Barracos da Brasília em 1989. Fonte: Favelados...1989.

Para ajudar a solucionar os problemas econômicos dos teimosos, sugeriu-se que as


obras do projeto fossem feitas com mão-de-obra local72. Também se pediu que, para
valorizar os hábitos econômicos da comunidade, fossem criadas cooperativas e agências de
emprego para trabalhadores informais, além de um mercado de peixe (CONSELHO DE
MORADORES DE BRASÍLIA TEIMOSA, 1979; MOURA, 1990). Este último, além de valorizar e
reafirmar a relação afetiva e econômica da comunidade com o mar, também seria um
importante em relação à subsistência dos moradores (imagem 55).
Ao longo dos anos, pouco-a-pouco a comunidade teve muitas de suas reivindicações
do Teimosinho atendidas e, em geral, a maioria dos problemas de saneamento básico foi
solucionada (BOTLER, 1994). Houve um projeto de drenagem, por exemplo, que resolveu
essa deficiência em grande parte do bairro. Além disso, através do PROMORAR, várias
famílias conseguiram empréstimos para fazer melhoramentos em suas casas, melhorando o
padrão das moradias locais (BARTHEL, 1989) (imagem 57 e 58).

72
Ainda naquele recenseamento, foi constatado que 42% dos chefes de família tinham renda de menos de um
salário mínimo (CONSELHO DE MORADORES DO PINA, 1974).

{ 156 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Imagem 57 – Construção de casas em Brasília Teimosa em 1984. Fonte: Biblioteca da URB.

Imagem 58 – Construção de casas em Brasília Teimosa em 1984. Fonte: Biblioteca da URB.

{ 157 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Após as melhorias infraestruturais ocorridas, observou-se uma consolidação de um


percurso viário primário nas áreas centrais do bairro, local por onde passa o transporte
público e onde consequentemente foi estabelecido o centro da Brasília, agregando boa
parte de suas atividades comerciais e de serviços, as consolidando (mapa esquemático 6).
Apesar das mudanças, o traçado original e as tipologias das edificações foram mantidos,
bem como as formas condominiais de organização ali comumente estabelecidas (“becos”,
travessas, entre outros) (BOTLER, 1994). Nos terrenos antes sob domínio de Maçães e João
terra foram construídos um posto de saúde e uma creche. O mercado de peixe não foi
concretizado (BARTHEL, 1989).
Em 1982, com a saída do prefeito Gustavo Krause e o inicio do governo de Jorge
Cavalcanti, o Projeto Teimosinho parou de avançar (BARTHEL, 1989). Em 1989, quando esse
plano foi concluído oficialmente, o bairro contava com mais três novos assentamentos: a
Vila da Prata, a Vila Moacir Gomes e a Vila Teimosinho (BOTLER, 1994) (mapa esquemático
6).

Imagem 59 – Vila da Prata em 1987. Fotografia de Valdir Afonso. Fonte: Biblioteca URB.

{ 158 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Imagem 60 – Vila da Prata em 1987. Fotografia de Valdir Afonso. Fonte: Biblioteca URB.

A Vila da Prata foi estabelecida em 1982, em uma área antes pertencente a João
Terra, ao norte do Areal Novo. Para ela foram realocadas famílias desalojadas após as
reformas no tecido viário promovidas pelo Projeto Teimosinho. Houve a construção de 62
casas em lotes de 10x6. Em 1984, a Vila Moacir Gomes foi construída no terreno das
oficinas da Portobras cedido pela Prefeitura do Recife. Ela alojou as famílias das palafitas da
orla do bairro, e originalmente teve 119 casas criadas, sendo 55 delas duplex. O
parcelamento e o dimensionamento do lote foram semelhantes nas duas vilas (BOTLER,
1994) (imagem 59 e 60).
Mais tarde, em 1989, a Vila Teimosinho é inaugurada também em glebas que antes
pertenciam à Portobras, recebendo moradores do Pina e a população das palafitas que se
estabeleceu na orla de Brasília Teimosa depois da primeira realocação para a Vila Moacir.
Após a sua construção, essa última vila sofreu mudanças significativas no padrão
construtivo original das moradias, se tornando mais valorizada economicamente (BOTLER,
1994; SILVA, 2013).

{ 159 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Depois das obras de reestruturação da orla ocorridas na


“Eu gosto da minha Brasília/
Com todas as maravilhas que ela tem década de 80, apenas a praia da Brasília permanecia separada das
A Praia do Buraco da Véia suas vizinhas. A praia do Pina73 e a de Boa Viagem foram
Os moradores e o Conselho também.
integradas através de uma iluminação e um tratamento
Eu quero ver minha Brasília
Com muito mais do que ela tem paisagístico semelhantes (PREFEITURA DA CIDADE DO RECIFE,
As ruas bem urbanizadas 1976). Mesmo após as realocações, o problema da construção
Eu olho a rapaziada
As mulheres e crianças também”
das palafitas na orla teimosa era recorrente, visto que após o
(Marchinha cantada pelos moradores nas esvaziamento da área não foi feito, em nenhuma das vezes, um
suas lutas. Transcrita em folheto da projeto de urbanização para ela (SILVA, 2013).
Chapa 2 para as eleições de 1995 do
Conselho de Moradores de Brasília Ainda que nem todas as solicitações do Projeto
Teimosa – CHAPA 2 TEIMOSINHO, 1995) Teimosinho tenham sido atendidas, a realização do plano em si foi
uma demonstração de como as simbologias provenientes do
habitar ditam o comportamento, as ações e a moral dos grupos sociais. Na prática, a partir
da vontade de defender a sua moradia, a sua história e a perpetuação de seus hábitos no
lugar onde se encontrava, houve um engajamento afetivo, teimoso e intenso da
comunidade na luta por melhores condições de vida e por sua permanência. Pela
resistência, a Brasília conseguiu fabricar grandes modificações em sua paisagem74. Porém,
cabe perceber, que na contramão do processo que ocorria desde aquele momento no Pina
e em Boa Viagem, mesmo com todas transformações que nela ocorreram, a Teimosa
conseguiu conservar a sua essência, se atentando a quem a vivenciava e as suas
necessidades materiais e afetivas, de forma que o seu território seguiu tendo a capacidade
de abrigar fisicamente e sentimentalmente os seus moradores, se permitindo continuar a
ser habitado.
Dentre as solicitações não atendidas pelo Teimosinho, tem-se a regularização, tida
como uma ação prioritária da proposta. Mesmo contra a vontade da população, os esforços
do Projeto se concentraram principalmente e inicialmente na questão das melhorias
infraestruturais, deixando em segundo plano a questão fundiária. Somente alguns poucos
moradores conseguiram receber o seu título de posse75.

73
Essas obras de reestruturação da orla mudaram drasticamente o que ainda sobrava da Praia original do Pina.
Com o argumento de que a população carente que habitava nas suas circunvizinhanças não tinha nenhuma
área de lazer para usufruir na região, as dunas e a vegetação nativas foram tolhidas e substituídas por três
quadras poliesportivas e de futebol até hoje existentes na Beira-Mar (PREFEITURA DA CIDADE DO RECIFE,
1976).
74
Ver as discursões do capítulo 1 deste trabalho, especialmente as considerações de CONAN (1994).
75
No final de 1979, por conta do Projeto, atendendo a solicitações da Brasília, a prefeitura, durante o Governo
de Gustavo Krause, fez um novo pedido de aforamento para a área, requerendo a transferência da posse de
terra para os moradores (URB, 1982). A solicitação foi aceita pelo SPU (Secretaria de Patrimônio da União),
porém não englobou o bairro como um todo (BRASÍLIA, 1998; SILVA, 2013). Esse aforamento estabeleceu o
prazo de 5 anos para a cessão da posse de terra para a comunidade (BRASÍLIA, 1998).
Legalmente a entrega de títulos de posse aos moradores deveria ter sido feita por meio de escritura pública,
porém, visto a proximidade com o período eleitoral, como forma de agilizar esse processo, a prefeitura

{ 160 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

O Projeto Teimosinho está inserido no contexto de fortalecimento das lutas


populares e das associações de moradores durante a redemocratização do país na década
de 1980. Também como reflexo disso, em 1983, a Lei de Uso de Ocupação do Solo da
Cidade do Recife (LUOS)76, instituiu dentro do zoneamento da cidade as ZEIS77 (Zonas
Especiais de Interesse Social), sendo Brasília Teimosa uma das primeiras 27 áreas recifenses
a serem caracterizadas como tal (BOTLER, 1994). Ela e outras comunidades do Pina, como a
do Bode, Beira-Rio e Encanta Moça, permaneceram e ainda permanecem no local onde se
encontram hoje, em grande parte, graças à proteção conseguida através dessa classificação.
Mais tarde, em 1987, a LUOS foi revisada e o PREZEIS78 (Plano de Regularização de
Zonas Especiais de Interesse Social) foi incluído. Com ele é previsto um plano urbanístico
para cada área ZEIS da cidade, fundando mecanismos de proteção e atuação sobre elas. É
importante destacar que a sua estrutura e funcionamento foram inspirados pelo Projeto
Teimosinho (ASSIES, 1991; SANTOS, 2011), pioneiro por tratar a concepção de diretrizes e
planos de forma participativa e através da parceria entre a comunidade e o poder público.
Através dessa lei, os canais de comunicação com os bairros na gestão desse planejamento
são feitos através das Comissões de Urbanização e Legalização da Posse de Terra 79
(COMUL), e do Fórum do PREZEIS (ASSIES, 1991). A COMUL da Brasília foi instalada em
1987, dando um novo fôlego as discussões sobre a regularização para a comunidade (SILVA,
2013).
Com as ZEIS e o PREZEIS, criaram-se mecanismos de inibição da especulação
imobiliária, tais como a proibição do remembramento de lotes e da construção de edifícios
com mais de três pavimentos (SILVA, 2008a; SILVA, 2013). Além disso, os planos
desenvolvidos a partir da instituição desses instrumentos tiveram como base a flexibilização
da legislação formal existente e da regularização fundiária às particularidades sob as quais
essas áreas pobres foram construídas (ALVES, 2009).

resolveu redigi-los por conta própria. Em 1985, percebeu-se que alguns deles consistiam em escrituras
particulares, não tendo validade jurídica. Posteriormente, somente alguns desses títulos puderam ser
transferidos por escritura pública (BARTHEL, 1979; MOURA, 1990). Também em 1985, a cessão do aforamento
da União foi renovada por mais cinco anos (BRASÍLIA, 1998).
76
Lei 14.511 de 17/01/83. Nessa lei também se extingue a área Rural do recife, e ela passa a ser considerada
100% urbana (ALVES, 2009).
77
Elas consistem em assentamentos habitacionais pobres, de formação espontânea e já consolidados,
passíveis de regularização fundiária e integração ao tecido da cidade (BARRETO, 1990).
78
Lei 14.947/87 (BOTLER, 1994). A maior consolidação do PREZEIS se dá em 1990, com a Lei Orgânica do
Município do Recife, e mais tarde, em 1991, com o Plano Diretor da Cidade (Lei 15.547/91). Em 1993, cria-se o
Fundo Municipal PREZEIS (Lei 15.790/93), que capta e gere recursos destinados ás melhorias e regularizações
das ZEIS (ALVES, 2009).
79
As COMULs são formadas por representantes da comunidade, do poder público e de organizações sociais
(BOTLER, 1994; SANTOS, 2011).

{ 161 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

2.3 BRASÍLIA TEIMOSA SE CONSOLIDA

2.3.1 Década de 1990 a 2006: Formosa sim, Teimosa mais Ainda


A década de 1990 foi um período de estabilização e consolidação das tendências
apresentadas para Boa Viagem, Pina e Brasília Teimosa vividas nos anos 70 e 80. Após o
adensamento e a verticalização feroz de Boa Viagem nesse período, o processo de
urbanização do bairro começa a desacelerar. Também nessa época, o movimento de
interiorização das ocupações da elite para além da avenida beira mar continua, porém de
maneira mais lenta (MAGAROTTO et al., 2013) (mapa 18 e 20; mapa esquemático 6 e 7).
Cabe lembrar que as comunidades pobres previamente existentes na região
permaneceram em grande parte, porém tendo sido banidas definitivamente da orla e se
alojando mais próximas dos terrenos de mangue (MAGAROTTO et al., 2013). Essa situação,
que acontece tanto no Pina quanto em Boa Viagem, faz com que as diferenças
socioespaciais entre os assentamentos da beira mar e das áreas mais internas desses
bairros se expressem diretamente na paisagem, formando várias unidades discrepantes
entre si.
Com o adensamento e o esgotamento das áreas mais valorizadas da Beira-mar,
começa-se a observar um segundo processo de renovação arquitetônica, onde edificações
já verticalizadas são substituídas por outras mais novas e de maior gabarito. Já consolidado
como local elitizado de primeira residência, Boa Viagem começa a apresentar uma
tendência a se tornar também um centro comercial e empresarial (MAGAROTTO et al.,
2013) (imagem 61, 62 e 63).
Sabe-se que já no início dos anos 2000, os bairros de Boa Viagem, Pina e Brasília
Teimosa estavam com mais de 50% do seu território construído (ALVES, 2009). Em 1996 a
quantidade de edificações com mais de 10 pavimentos em Boa Viagem era de 43%, e em
2003, de 57%80 (SILVA, 2016). Esse aumento do adensamento, ocupação e verticalização
nessas localidades na época, assim como nas outras anteriores, se deu com o aval do
governo, que através de mudanças na legislação, permitiu que o espaço para a atuação do
mercado fosse aberto (mapa 18 e 20; mapa esquemático 7).
Como exemplo disso, em 1996, a partir das mudanças na Lei de Uso de Ocupação do
Solo da cidade81, o coeficiente de utilização dos terrenos em Boa Viagem aumentou, sendo
utilizado com um valor único no bairro como um todo, e não somente para as avenidas
vizinhas à orla, que anteriormente tinham um valor mais alto que as demais áreas (ALVES,
2009). Esse fator, sem dúvidas, aumentou a especulação imobiliária na região, ameaçando

80
Dados presentes em Silva (2006), baseados em informações da Prefeitura do Recife.
81
Lei 16.176/96, ainda em vigor atualmente. O coeficiente passa a ser igual a 4,00 (PREFEITURA DA CIDADE DO
RECIFE, 1996).

{ 162 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

mais uma vez a permanência da população pobre que ali habitava, nas comunidades e nas
ZEIS82.

Imagem 61 – Boa Viagem com orla e interior bastante verticalizados. Foto de autoria de Gustavo Penteado,
tirada em 04 de novembro de 2006. Fonte: Panoramio Google Maps, 2007.

A tendência de homogeneização da paisagem do Pina e Boa Viagem por uma


ocupação do solo e tipologias arquitetônicas semelhantes continuou acontecendo, dada a
crescente apropriação desse primeiro bairro pelo mercado imobiliário. Porém, nessa época,
ainda existia uma série de impedimentos legais e sociais que restringiram a transformação
acelerada do Pina (SILVA, 2016). Embora a Rádio Station tivesse sido desativada nos anos 80
(SAMPAIO, 2017), o Aeroclube continuava em funcionamento, estabelecendo limitações à

82
Várias vezes já se tentou acabar com as ZEIS, tanto individualmente, quanto como instrumento válido na
cidade inteira. Em 2000, houve uma proposta do mercado imobiliário à câmara dos vereadores para tornar a
tornar essas Zonas Especiais disponíveis para o mercado. Ao mesmo tempo, a ADEMI (Associação das
Empresas do Mercado Imobiliário) apresentava a proposta chamada de Banco de Terras, onde se poderia
trocar lotes das ZEIS por áreas localizadas nas franjas da cidade, oferecendo em troca habitações e
infraestrutura para esses novos assentamentos. Nenhuma das duas propostas vingaram (ALVES, 2009).

{ 163 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Imagem 62 – Final do Pina e início de Boa Viagem na primeira metade dos anos 2000. Foto de autoria de
Eduardo Lins Cardoso. Fonte: Panoramio Google Maps, 2007.

Imagem 63 – Paisagem de Brasília Teimosa e Pina vista dos arrecifes. Foto de autoria de Diego Bis, tirada em
de julho de 2006. Fonte: Flickr Diego Bis.

{ 164 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

sua verticalização. Além disso, o manguezal existente no seu interior, de propriedade da


marinha, já se encontrava protegido ambientalmente, não sendo passível de urbanização
(MAGAROTTO et al., 2013). A presença das várias comunidades e ZEIS no bairro, também
afastavam a possibilidade de atuação imobiliária em grande parte de seus terrenos (ALVES,
2009). Ainda que existissem todas essas limitantes, pela proximidade com Boa Viagem, na
época, o Pina já era um dos locais mais valorizados da cidade (IBGE, [20--]), começando a se
elitizar e a ganhar status de distinção social de forma semelhante ao seu vizinho83.
Passando por diversas fases de urbanização, nesse período, a paisagem do Pina e
Boa Viagem já tinha se modificado completamente. A base natural desses bairros, tinha se
transformado em uma área adensada e urbanizada, com uma diminuição drástica dos
mangues, verdes e alagados anteriormente existentes, guardando poucas das suas
características originais (mapa esquemático 7 e 8):
“(...) no correr de apenas um século, quatro foram as paisagens que brotaram no
solo do Pina e Boa Viagem. [1] Sítios de coqueiros, currais de peixes e alagados; [2]
palhoças de pescadores e bangalôs; [3] palacetes; [4] e por fim, os edifícios
verticalizados, quatro diferentes formas de ocupar os seus territórios, em que a
última elimina quase todos os vestígios da que a antecede no tempo e no espaço.
[5] E já uma quinta forma de ocupação da avenida se deixa perceber
presentemente: iniciam-se as derrubadas dos primeiros prédios de edifícios de
três, quatro e cinco pavimentos para darem lugar a outros de construções muito
mais luxuosas e que alcançam entre 30 e 40 andares” (ARAÚJO, 2007, p.515)
(imagem 61, 62 e 63).
Estas mudanças se apresentavam de modo peculiar no Pina. Ao mesmo tempo em
que era habitado por uma população de baixa renda (como a Brasília), em partes, também
tinha uma ocupação caracterizada por edificações elitizadas (a exemplo das de Boa Viagem),
com edifícios de baixo e alto gabarito e contendo diferentes tipos de implantação, típicas de
um ou de outro extrato social. Assim, o Pina parecia ser um lugar de transição entre Boa
Viagem e Brasília Teimosa, pois guardava semelhanças socioespaciais com os seus dois
bairros vizinhos, imprimindo essas contradições sociais e simbólicas no seu território e na
sua paisagem84.

83
Em 1997, o valor médio do metro quadrado do Bairro de Boa Viagem chegava a R$1200,00. Acompanhando
a valorização do seu vizinho, no Pina esse valor era de R$900,00. Para efeitos de comparação, na cidade do
Recife, o valor médio máximo encontrado durante esse mesmo ano foi de R$289,42 (IBGE, [20--]).
84
Socialmente e espacialmente, o Pina se encontrava entre os Bairros de Boa Viagem e Brasília Teimosa.
Segundo o Atlas do Desenvolvimento Humano do Recife (2005), em 1991, Brasília Teimosa, Pina e Boa Viagem
tinham respectivamente uma população de 17.351, 26.781 e 88.289 pessoas; uma densidade demográfica de
aproximadamente 28.444hab/km², 4.258hab/km² e 11.725han/km²; e uma renda média de R$309,21,
R$638,37 e R$2586,95 por chefe de domicílio. Em 2000 esses valores mudaram, e eles tinham uma população
de 19.155, 7.589 e 100.388 pessoas; uma densidade demográfica aproximada de 29.289hab/km²,
4.452hab/km² e 13.601 hab/km²; e uma renda média de R$313,09, R$758,63 e R$2857,28 por chefe de
domicílio. A taxa de crescimento desses três bairros entre os anos de 1991 e 2000 foi, na mesma ordem dos
dados anteriores, de 1,39%, 0,26% e 1,26% ao ano.

{ 165 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Mapa 18 – Montagem de fotos aéreas de 1997. 1)


Arrecifes; 2) Iate Clube; 3) Praia do Buraco da Véia; 4)
Ponte Agamenon Magalhães; 5) Ponte Paulo Guerra;
6) Avenida Antônio de Goes; 7) Avenida Herculano
Bandeira; 8) Avenida Beira-Mar; 9) Avenida
Conselheiro Aguiar; 10) Avenida Domingos Ferreira;
11) Aeroclube; 12) Radio Station; 13) Fábrica Bacardi.
Fonte: CONDEPE/FIDEM.

{ 166 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Mapa 19 – Detalhe da Montagem de fotos aéreas de


1997. 1) Arrecifes; 2) Iate Clube; 3) Praia do Buraco da
Véia; 4) Ponte Agamenon Magalhães; 5) Ponte Paulo
Guerra; 6) Avenida Antônio de Goes; 7) Avenida
Herculano Bandeira; 8) Avenida Beira-Mar; 9) Avenida
Conselheiro Aguiar; 10) Avenida Domingos Ferreira.
{ 167 }
Fonte: CONDEPE/FIDEM.
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Mapa 20 – Montagem de fotos aéreas de 2007. 1)


Arrecifes; 2) Iate Clube; 3) Praia do Buraco da Véia; 4)
Ponte Agamenon Magalhães; 5) Ponte Paulo Guerra;
6) Avenida Brasília Formosa; 7) Conjunto Habitacional
Brasília Teimosa; 8) Avenida Antônio de Goes; 9)
Avenida Herculano Bandeira; 10) Avenida Beira-Mar;
11) Avenida Domingos Ferreira; 12) Avenida
Conselheiro Aguiar;13) Aeroclube; 14) Ilha de Santo
{ 168 } Antônio e São José. Fonte: Google Earth, 2007.
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Mapa 21 – Detalhe da montagem de fotos aéreas de


2007. 1) Arrecifes; 2) Iate Clube; 3) Praia do Buraco da
Véia; 4) Avenida Brasília Formosa; 5) Conjunto
Habitacional Brasília Teimosa; 6) Avenida Antônio de
Goes; 7) Avenida Herculano Bandeira; 8) Avenida
Beira-Mar; 9) Avenida Domingos Ferreira; 10) Avenida
Conselheiro Aguiar. Fonte: Google Earth, 2007.

{ 169 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Passado o Projeto Teimosinho, no final da década de 1990,


“Eu acho que Brasília Teimosa ganhou
uma independência muito boa desde a grande parte dos problemas de infraestrutura da Brasília já havia
sua fundação, e o seu crescimento sido sanada. Uma das deficiências de saneamento que ainda
dentro desse mundaréu de edifícios
persistia era a questão da drenagem, pois algumas áreas e
garante essa diferença dela, mas uma
diferença com a qualidade de vida que a habitações da comunidade ainda sofriam com alagamentos85
gente vem conseguindo conquistar (PROMORAR, 1980) (imagem 64).
durante esse tempo todinho. Uma
comunidade carente, mas com um
Ao mesmo tempo em que as condições urbanísticas
processo de evolução muito grande” melhoraram, as casas também iam ganhando mais condições de
(Depoimento de Ladimir Ferreira, habitabilidade (BRASÍLIA TEIMOSA, 1998). Em 1990, a maioria das
Educador de Dança Cultural para o
documentário “Teimosia não se Vende” – 4000 casas então existentes no bairro já eram de alvenaria
Teimosia...2013). (MOURA, 1990). Na parte do Areal Velho (Colônia), houve a
erradicação dos barracos de madeira, e com o tempo as
edificações foram sofrendo acréscimos (puxadas) e sendo verticalizadas por meio de
reformas, chegando já nessa época, a atingir, em casos pontuais, até quatro pavimentos
(imagem 65).

Imagem 64 – Obras concluídas em Brasília Teimosa. Provavelmente a Rua Dagoberto Pires na década de 1990.
Fonte: Biblioteca da URB.

85
Nessa época, a maioria das casas ainda sofria com a questão dos alagamentos. Segundo uma pesquisa
realizada em 1990, 48,2% delas não alagava, 31,6% alaga eventualmente, 19,7% tinham um alagamento
frequente e 0,5% um alagamento permanente. Em relação às melhorias, tem-se que, nesse mesmo ano 90,5%
das pessoas já tinham acesso a água potável (PROMORAR, 1990).

{ 170 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Imagem 65 – Corrida de saco em frente ao Conselho de Moradores da Rua Parú em outubro de 2003.
Perceber as edificações em segundo plano, já verticalizadas. Fonte: acervo do Conselho de Moradores de
Brasília Teimosa.

Esse processo de adensamento, de uma forma geral, pôde ser visto no bairro de
Brasília Teimosa como um todo ao longo dos anos, e pode ser justificado pelo crescimento
das famílias e também pela implantação de comércios e serviços nas casas, as tornando de
uso misto (BOTLER, 1994).
É importante perceber que muitas vezes esses padrões construtivos vão contra o
próprio estatuto do PREZEIS vigente na comunidade, que regulamenta a taxa de ocupação
de até 80% do lote, determina um gabarito de até quatro pavimentos, e proíbe
remembramentos de lotes como meio de inibir a ação do mercado imobiliário na Brasília
(BOTLER, 1994; PREFEITURA DA CIDADE DO RECIFE, 1995).
Desde o loteamento da comunidade, por conta desse adensamento crescente, as
suas áreas verdes (principalmente no interior das quadras e terrenos) se exauriram quase
que completamente, acompanhando a tendência dos seus bairros vizinhos (mapa 19; mapa
esquemático 6; imagem 66). Em uma tentativa de melhorar a qualidade de vida dos
moradores, durante a década de 1990, houve a concepção do Projeto Teimosia Verde, que
tinha a ideia de criar mais desses espaços no bairro. Ele foi feito de forma comunitária, a
partir de reuniões abertas do Conselho com os habitantes do local, assim como acontecia

{ 171 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

com todas as decisões importantes a serem tomadas em relação à Brasília na época. Apesar
de ter começado a ser posto em prática, após o plantio de algumas árvores, o projeto parou
de avançar (Celeste Maria, 2017).

Imagem 66 – Faixas e estandarte do Bloco de Carnaval do Conselho de Moradores, o “Calada Nada”, que foi
nomeado fazendo uma referência às lutas da população do bairro pela permanência e melhorias. Nota-se
também uma faixa do Projeto Teimosia Verde, além de outras três com um conteúdo de protesto. Foto tirada
na década de 1990. Fonte: acervo pessoal de Celeste Maria Valença de Mendonça.

Mesmo depois de todas as mudanças ocorridas durante as décadas de 70 e 80, a


questão das palafitas na praia do bairro ainda não tinha se resolvido. Por nunca ter sido
feito um projeto de urbanização para essa área após as realocações, o problema sempre
retornava e novas ocupações eram feitas (BRASÍLIA TEIMOSA, 1998).
Essa situação foi resolvida apenas em 2003. A prefeitura do Recife, juntamente com
o Governo Federal, nas gestões de João Paulo e Luiz Inácio Lula da Silva respectivamente,
promoveu a urbanização da orla do bairro e a sua integração com a Praia do Pina (que como
já dito, foi integrada a de Boa Viagem na década de 1980), retirando as quase 600 palafitas
(561 unidades) do local (SILVA, 2008b; BRASÍLIA, 2014).

{ 172 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Esse tipo de moradia constituía um problema urbanístico, “Eu moro na beira da praia
social, ambiental e de salubridade grave, pois as condições de E levo as pancadas das ondas do mar (bis)
habitabilidade sob as quais os seus moradores viviam eram
E essa doença quem me deu foi o lixo
baixíssimas. A maioria dessas casas eram feitas de madeira e Que a prefeitura não quer vir tirar (bis)
outros materiais improvisados (BRASÍLIA TEIMOSA, 1998), e como
E a Portobrás não quer ceder o terreno
não havia nenhuma ligação entre elas e a rede de água e esgoto,
E a gente está morrendo
os dejetos eram depositados diretamente na maré86 (EMPRESA Não dá pra esperar”
DE URBANIZAÇÃO DO RECIFE, [200-]). Além disso, muitas vezes,
(Ciranda cantada pelos moradores nas
quando a maré enchia, a água entrava e até mesmo destruía
suas lutas. Encontrada em folheto da
essas habitações precárias, deixando a população sem teto. Chapa 2 para as eleições de 1995 do
Nesses momentos, o Conselho de Moradores abrigava essas Conselho de Moradores de Brasília
Teimosa - CHAPA 2 TEIMOSINHO, 1995).
pessoas, também promovendo atividades lúdicas, financeiras e
educacionais junto às crianças e aos adultos que ali permaneciam87 (imagem 67 a 71).

Imagem 67 – Orla após realocação dos moradores. Sem passar por um projeto de requalificação, a beira-
mar sofria um processo recorrente de ocupação por palafitas. Fonte: Blog Conselho de Moradores de
Brasília Teimosa, 2012.

86
Esses dejetos eram descartados no mar geralmente em sacolas plásticas jogadas através de alçapões
localizados no piso das palafitas. Bacias sanitárias sem ligação com a rede esgoto também eram utilizadas para
esse fim (EMPRESA DE URBANIZAÇÃO DO RECIFE, [200-]).
87
Informação obtida durante a entrevista com o atual líder comunitário do Conselho de Moradores, Wilson
Lapa.

{ 173 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Imagem 68 – Brasília Teimosa e sua orla antes da abertura da Avenida Brasília Formosa. Perceber a linha de
força dos arrecifes na paisagem. Ao fundo, a ilha de Santo Antônio e São José. Fonte: Site Patrimônio de
Todos.gov, 2009.

Imagem 69 – Brasília Teimosa antes da requalificação da orla. Perceber a linha de força dos arrecifes na
paisagem, reforçada pela mureta de contenção. Foto de Alexandre Auler. Fonte: Flickr Alexandre Auler.

{ 174 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Imagem 70 – A maré e as palafitas de Brasília Teimosa. Foto de Leopoldo Nunes para o JC Imagens, tirada em 12
de agosto de 2002. Fonte: Flickr etudoverdade.

Imagem 71 – Palafitas em Brasília Teimosa nos anos 2000. É perceptível a falta de estrutura dessas edificações,
que em sua maioria eram feitas de madeira, e conviviam com o esgoto e o lixo lado-a-lado. Foto de Lívia Brandão.
Fonte: Flickr Lívia Brandão.

{ 175 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

“Quando eles fizeram essa avenida aí, A obra da beira-mar foi finalizada em 2004, e consiste em
queriam botar Brasília Formosa. Formosa uma das mudanças mais significativas na paisagem da
tudo bem, que é formosa mesmo, tanto é
comunidade desde o seu nascimento. A requalificação da orla foi
que veio o interesse deles. Mas o nome é
a luta. O nome tá no sangue da feita por meio da engorda da faixa de areia da praia, que após a
população. É Brasília Teimosa e vai ficar reforma ficou com uma média de 40 metros de largura. Além
Brasília Teimosa” (Depoimento de Felipe
disso, criou-se a Avenida Brasília Formosa88, com
Alves – Morador da comunidade para o
documentário “Teimosia não se Vende” – aproximadamente 1,3km de extensão. Essa via foi iluminada e
Teimosia...2013). recebeu quiosques, restaurantes e alguns equipamentos de
“Sabemos que a urbanização da beira- esporte e lazer ao longo de seu percurso. Também houve a
mar vai requerer um vultoso apoio recuperação de um trecho de 960 metros do muro de proteção
econômico federal, para nos defender da
violência do mar. Mas a urbanização deve
existente sobre os arrecifes localizadores entre o molhe do Pina e
se dar, mesmo sendo cara, de modo a Praia do Buraco da Véia (SILVA, 2008a). O projeto foi efetivo,
humilde e simples, para não assanhar porém, feito de forma simples, sem grandes luxos e com um
demais os especuladores imobiliários”
(Manifesto, 1979 – BRASÍLIA, 1979). tratamento diferenciado em relação ao Pina e Boa Viagem, o que
foi aprovado pela população. Para os teimosos, as mudanças
deveriam ser feitas dessa maneira a atiçar o mínimo possível o interesse das empreiteiras
pelo local (mapa 19 e 21; mapa esquemático 6 e 7; imagem 72 a 75).
As famílias realocadas foram atendidas pelo Programa Recife sem Palafitas89. Dada
a inexistência de uma área dentro da Brasília para o reassentamento dessas pessoas
(FERNANDES, 2010), elas foram transferidas para o Conjunto Residencial do Cordeiro.
Entregue em 2006, ele se localiza em um bairro homônimo na zona oeste recifense, a
aproximadamente 10 km de distância da comunidade. Para a sua construção, foi utilizada a
mão-de-obra dos próprios moradores das palafitas (BRASÍLIA, 2014; SANTOS, 2011).
A retirada dessa população do bairro para um local distante em relação a ele foi
contrária ao desejo da comunidade, que era o de apenas haver transferências para áreas no
interior do seu território, premissa levantada desde o Projeto Teimosinho. Além disso, sem
ter um aporte socioeconômico, parte das pessoas transferidas não teve renda suficiente
para pagar as novas despesas, decorrentes da mudança para as habitações formais, como
por exemplo, contas de água e de luz, abandonando o local em seguida (BRITO, 2016).

88
O nome Brasília “Formosa” dado a avenida não é do agrado da população, visto que simbolicamente o
“Teimosa” é importante pra reafirmar à cidade o caráter de resistência da comunidade (informação obtida
pela fala de membros da comunidade no ato de comemoração de 50 anos do Conselho de Moradores do
Bairro).
89
O Programa Recife sem Palafitas foi uma ação de âmbito municipal que visava solucionar a questão das
habitações precárias da cidade, como as palafitas, ou ainda aquelas que estivessem em áreas de fragilidade
ambiental, como nos morros, alagados e canais. A partir dele era proposta a regularização fundiária para as
famílias realocadas, e eram dadas as assistências a elas cabíveis, no que se refere ao auxílio moradia (no
período de construção das novas casas), à assistência social e ao monitoramento dos novos assentamentos
realizados (FERNANDES, 2010).

{ 176 }
. { PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Imagem 72 – Praia do Buraco da Véia durante as obras de requalificação da orla em 2003. Foto de autoria de Wilson Lapa.
Fonte: acervo do Conselho de Moradores de Brasília Teimosa.

Imagem 73 – Ponto de encontro da Avenida Brasília Formosa e os arrecifes. Foto de Jaciel Marcos tirada em 17 de
novembro de 2009. Fonte: Flickr Jaciel Marcos.

{ 177 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Imagem 74 – Brasília Teimosa e sua Orla antes das obras de requalificação. Fonte: FERNANDES, 2010, p.98.

Imagem 75 – Brasília Teimosa, sua orla e a Praia do Buraco da Véia após a abertura da Avenida Brasília
Formosa. Fonte: Site Patrimônio de Todos.gov, 2009.

{ 178 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Também é importante perceber que a quebra das relações emocionais e


econômicas da população Teimosa com a sua paisagem durante esse processo de
separação fizeram com que a subsistência e a qualidade de vida de parte das pessoas
realocadas fosse prejudicada. Pela impossibilidade da quebra das práticas sociais e hábitos
anteriormente praticados, alguns trabalhadores se deslocam, até a atualidade, daquele
conjunto habitacional até o Mar da Brasília para garantir a sua “Brasília Teimosa é ótimo, com a maré a
renda. Muitos outros, por esse motivo, e pela não identificação gente nunca passa fome” (Depoimento
de E. S. anos, marisqueira do bairro –
com as suas novas residências ou com o local onde essas se
VASCONCELOS, 2011, p.106)
encontram, decidiram voltar para a comunidade por meio da
moradia de aluguel (AVENIDA BRASÍLIA FORMOSA, 2010).
Além da Vila da Prata, da Vila Moacir Gomes, da Vila Teimosinho e do Conjunto
habitacional do Cordeiro, uma última iniciativa foi feita para o provimento de habitações
para a população do bairro. Em 2006, foi entregue o Conjunto Habitacional Brasília Teimosa,
localizado na parte oeste da comunidade, em um terreno da Portobrás, ao lado da Vila
Teimosinho. Ele consiste em 15 edifícios do tipo caixão, com térreo mais três pavimentos,
onde foram distribuídas 240 unidades habitacionais. Apesar de terem sido previstas áreas
ajardinadas e equipamentos de lazer juntamente com essas edificações, nada disso foi feito
até agora (mapa 21; mapa esquemático 7; imagem 76, 77 e 78) (FERNANDES, 2010).

Imagem 76 – Conjunto Habitacional Brasília Teimosa ainda nos anos 2000. Fonte: FERNANDES, 2010,
p.96.

{ 179 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Imagem 77 – Conjunto Habitacional Brasília Teimosa ainda nos anos 2000. Observar a fronteira entre o
conjunto e o restante da comunidade. Fonte: FERNANDES, 2010, p.97.

Imagem 78 – Entrada do conjunto Habitacional Brasília Teimosa ainda nos anos 2000. Fonte:
FERNANDES, 2010, p.97.

{ 180 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

Esse foi o único projeto de realocação que propôs uma tipologia verticalizada
dentro dos perímetros da comunidade. É importante observar como essas edificações
destoam em relação ao restante da paisagem de Brasília Teimosa. O modelo adotado,
apesar de comportar um número maior de casas, em nada se parece com as habitações
preexistentes no lugar, não o representando. A relação dos moradores com a rua também é
diferente neste caso, já que em geral, as casas do local costumam ter acessos térreos e se
relacionam diretamente ou quase diretamente com a rua, com o mar e com a vizinhança. O
conjunto é todo murado, isolado do bairro, tendo apenas um pequeno acesso na sua
lateral. Na sua realização, claramente essas relações levantadas não foram privilegiadas,
gerando uma mudança nos hábitos da população que nele se encontra.
Os melhoramentos ocorridos na Brasília nas décadas “Chega de tanto levar porrada
anteriores, bem como a escassez de terrenos em seu entorno Vamos ver se a papelada
(Boa Viagem e Pina), fizeram com que ela se valorizasse Dessa vez é pra valer
Chega tá virando sacanagem
economicamente e fosse cada vez mais cobiçada pelo mercado As promessas são bobagens
imobiliário (BARTHEL, 1989). Essa tendência cresceu Que só faz aborrecer
Cansado dessa anarquia
exponencialmente depois da reestruturação da sua orla, que
Rasgo a fantasia
também causou uma especulação dentro do mercado informal da Na disputa do poder
própria comunidade, gerando um aumento nos preços de
Piui, Piui, Pua, Pua
compra, venda e aluguel dos imóveis, principalmente naqueles
Eu quero ver onde essa zorra vai parar”
localizados a beira-mar. Ademais, o custo de vida da Brasília se (Marchinha cantada pelos moradores nas
elevou como um todo, se refletindo também nos preços suas lutas. Encontrada em folheto da
Chapa 2 para as eleições de 1995 do
praticados nos comércios e serviços locais (BRITO, 2016).
Conselho de Moradores de Brasília
Algumas famílias, mais especialmente parte das que pagavam Teimosa - CHAPA 2 TEIMOSINHO, 1995).
aluguel, tiveram que sair da comunidade por falta de condições
financeiras de continuar habitando no local (BARTHEL, 1989).
Mesmo após o longo período de ocupação na comunidade no local onde se
encontra, a regularização fundiária ainda era uma questão pendente. Até 2005, apenas
cerca de 1800 de seus imóveis foram regularizados, o que aconteceu por meio de doação
ou pela Concessão de Direito Real de Uso (CDRU)90. O processo de legalização ficou parado

90
Atualmente existem hoje quatro instrumentos principais para se regulariza uma área ou um imóvel: a CDRU
(Concessão do Direito Real de Uso), a CUEM (Concessão de Uso Especial para fins de Moradia), a Usucapião
Urbana e o aforamento. Pela CDRU, terrenos públicos podem ser destinados ao acolhimento de uma
população de baixa renda ou se pode regularizar uma ocupação já existente dessa natureza. Essa concessão é
feita por um período de 50 anos, podendo ser renovada. A CUEM, assim como o instrumento anterior,
também não transfere a posse para o(s) morador(es), porém neste caso, o direito à terra é dissociado do
direito de superfície, podendo o morador, hipotecar a sua casa. Para ser efetivado, o morador tem que estar
ocupando o local sem nenhuma resistência por pelo menos cinco anos ininterruptos. A Usucapião é a posse
real dada para um morador que ocupa o local também por esse prazo mínimo e nessas condições. Ela só é
possível em propriedades privadas. O aforamento se dá em áreas específicas de domínio da União (SILVA,
2011).

{ 181 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

durante muito tempo, sendo retomado apenas em 2005, quando foi renovado o Contrato
de cessão de aforamento da área (SANTOS, 2011).
Na década de 90, a Brasília havia se consolidado como um lugar tradicional onde
podiam ser encontrados pequenos restaurantes ligados à comida regional, geralmente com
iguarias do rio e do mar. Esse pequeno polo gastronômico já atraia a população de outros
bairros, como Pina e Boa Viagem, além de alguns turistas. Os comércios e serviços
existentes no local também serviam às suas circunvizinhanças, atendendo à comunidade e
ao seu entorno mais imediato. Essa realidade permitiu uma certa troca social entre os
habitantes de outros bairros dentro do território da Brasília, ajudando a integra-la com a
cidade, diminuindo as barreiras entre ela e os seus vizinhos (BOTLER, 1994). A quase
erradicação nas décadas anteriores da zona de prostituição do Pina, anteriormente
localizada próxima ao Areal Velho (ALVES, 2009), também favoreceu essa aproximação à
comunidade. Nesse contexto, uma nova imagem menos estigmatizada é dada ao local.
Também sobre o significado da comunidade para a cidade, é de se destacar que,
inicialmente, as suas ruas tinham o nome de letras (A, B, C...), para haver uma identificação
rápida dos endereços pelos moradores, que muitas vezes, tinham um nível de escolaridade
muito baixo. Posteriormente, na gestão do Prefeito João Paulo, essas vias foram rebatizadas
com nomes de peixes, como, por exemplo, Golfinho, Parú, Arabaiana, entre outros, em
homenagem aos pescadores e a pesca do bairro (BRASÍLIA, 1998). Porém, segundo os
moradores, essa mudança ocorreu sem a consulta da população, que já estava habituada à
nomenclatura antiga (Antônio Carlos; Celeste Maria; Wilson Lapa, 2017). Ainda que esse
fato não tenha ocorrido pela vontade da própria comunidade, de uma forma indireta, ele
demonstra a imagem da Brasília para o Recife, que é a de um local tradicionalmente
pesqueiro e ligado ao mar, localizado em meio ao centro urbano.

{ 182 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

2.3.2 A Consolidação da Permanência e do Habitar Teimoso

Pelo o que foi visto até então, apesar das enormes transformações ocorridas na
Paisagem Teimosa, ela continua guardando em si as características que a fundaram, tanto
fisicamente quanto socialmente. Percebe-se que mesmo com as alterações que se deram
no seu processo de ocupação, com a melhoria de ruas, das condições infraestruturais e de
habitabilidade em geral, e da arquitetura das casas que a compõem, as tipologias, os
gabaritos e a essência do seu território se conservou. As práticas sociais ali exercidas
também permaneceram. Os moradores desse bairro, que se criou a partir de uma colônia
de pescadores, continuaram se ligando ao mar, ao rio e a pesca, tirando da natureza local a
sua subsistência física e afetiva, como ocorreu desde o início.
A resistência desse tipo de vivência que dá o caráter da Teimosa, contrasta com o
que ocorreu no Pina e em Boa Viagem. A partir da elitização desses bairros e da sua
apropriação pelo mercado imobiliário, o tipo de ocupação que neles se implantou passou a
não mais se relacionar com as suas preexistências, dada a sua crescente verticalização, o
seu adensamento construtivo indiscriminado e expulsão daqueles que tradicionalmente
viviam no local. O fato do desenvolvimento desses bairros ter acontecido sem se atentar as
relações objetivas e subjetivas que ali existiam, bem como aos elementos físicos que
caracterizavam o seu âmago, fez com que as suas paisagens começassem a se neutralizar,
ou seja, a não mais contar a história que as fundou e a não mais representar a sua gente.
Esse processo de apagamento que ocorre no entorno da Brasília, também quer se
impor a ela. Porém como percebido, os seus moradores teimam não somente em nela
permanecer, mas também em conservar as características sociais, culturais e materiais que
a tornam única e especial.
Embasando-se na compreensão do processo de consolidação dessa paisagem
desenvolvido nesta parte do estudo, se partirá para o entendimento da Teimosa atual e do
impasse que anima esse trabalho: o da sua conservação frente às pressões que ameaçam a
sua existência e a sua história, o que será tratado logo adiante.

{ 183 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 2 – A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA PAISAGEM TEIMOSA }

{ 184 }
CAPÍTULO 3

{ A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O


AMANHÃ }
“Agora vou lhe mostrar as novidades – e indicava as novas construções.
Ali os Sampieri estão levantando mais um andar, aquele lá é o prédio
novo de um pessoal de Novara, e as freiras, até as freiras – lembra o
jardim de bambus que a gente via lá embaixo? –, agora veja o buraco que
elas fizeram, quem sabe quantos andares vão querer erguer com essas
fundações! E a araucária da Vila Van Moen, a mais linda da Riviera: agora
a empresa Baudino comprou toda a área, e uma árvore que devia ter sido
tombada pela prefeitura virou madeira de lenha; aliás, seria impossível
transplantá-la, quem sabe até onde iam as raízes. Agora venha ver desse
lado: a gente já não tinha vista para o nascente, mas veja o novo telhado
que apareceu; pois bem, agora o sol da manhã chega meia hora depois.”
(Ítalo Calvino – A Especulação Imobiliária1)

O estudo da construção social da Paisagem Teimosa visto anteriormente nos dá o


embasamento para entendê-la em seu estado atual, tanto nos seus aspectos físicos, quanto
também nos valores, praticas sociais, hábitos e significados que a ela se sobrepõem hoje.
Através da sua reconstrução histórica, foi possível entender como a Brasília vem se
consolidando através de uma permanência que conflita com os mecanismos
predominantemente utilizados na formação territorial da cidade do Recife, por meio dos
quais a população de baixa renda é levada a se localizar nas periferias e locais
economicamente menos valorizados da cidade. Ao estar em uma zona central, no meio da
área de expansão das elites, ser litorânea e paisagisticamente privilegiada, a resistência da
comunidade se opõe simbolicamente aos interesses dos grupos que dela querem se
apropriar. Ao longo dos anos, o lugar onde se encontra está sendo cada vez mais cobiçado,
o que faz com que as pressões sobre ele também se agravem. Dessa forma, os
comportamentos gerados a partir dos sistemas morais e simbologias divergentes
imperantes nesse contexto se materializam criando um cenário paisagístico não harmônico.
Nesta terceira parte da investigação busca-se entender os desejos de futuro que se
ensejam para a Teimosa, bem como captar quais são os valores simbólicos e características
físico morfológicas que a caracterizam e que devem ser perpetuados no seu porvir. Para tal,

{ 185 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

inicialmente a exploraremos na atualidade começando-se pelas suas circunvizinhanças, os


bairros do Pina e Boa Viagem. Posteriormente, nos debruçaremos diretamente na Brasília,
procurando compreendê-la de maneira trajectiva, em seus aspectos palpáveis e subjetivos,
físicos e simbólicos, através da análise da sua paisagem e da relação entre ela e os seus
habitantes pelas suas práticas sociais e apropriações afetivas.
Concomitantemente, para um entendimento pleno da problemática que se faz
presente hoje, pretende-se explorar o embate entre a existência da Teimosa e o projeto de
paisagem que tende a transforma-la, como visto antes, em uma extensão de seus bairros
vizinhos. Assim, tenta-se perceber por quais meios as pressões geradas sobre essa
comunidade acontecem, analisando os projetos que permeiam as franjas do seu território e
aqueles que estão sendo planejados ou que já foram feitos diretamente para ele, analisando
quais são os impactos que eles geram no interior desse bairro e os discursos que os
permeiam.
Por fim, após se esboçar a conjuntura atual em questão e se perceber a partir de
quais parâmetros deve se caracterizar a Paisagem do porvir, se esboça uma discussão sobre
o Futuro da Teimosa e sobre os porquês de se elegerem esses norteadores para o
planejamento do seu amanhã. Essa última explanação é fundamental para se compreender
os caminhos que levarão às diretrizes gerais de conservação da Teimosa esboçados como
produto final dessa pesquisa.
Para a construção de toda essa linha de raciocínio, aqui foram utilizados os mesmos
instrumentos que ampararam o capítulo anterior: a consulta de fontes bibliográficas que
tratam das áreas e da problemática em voga, mapas, fotos, documentos e dados técnicos
pertinentes, observações in loco2 e entrevistas. Nesta etapa, essas últimas foram centrais,
fundamentais como meio de se captar as informações históricas do presente sobre o bairro
e a sua resistência, bem como entender as opiniões e os quereres para a Paisagem Teimosa
por parte dos seus moradores, que a habitam, a criam e a transformam cotidianamente.

1
CALVINO, Italo. A especulação imobiliária, São Paulo: Companhia das Letras, 2011, p. 8-9, grifo nosso.
2
Que vêm a embasar esse estudo a partir dessa etapa.

{ 186 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

3.1 VISITANDO O HOJE: A PAISAGEM TEIMOSA E O SEU ENTORNO

Como dito, as observações in loco e as entrevistas feitas com os moradores da


comunidade de Brasília Teimosa tiveram um papel central no entendimento do estado atual
do bairro e da problemática acerca da sua permanência. Através delas, pôde-se captar a
dinâmica do local, as práticas sociais e hábitos vigentes em seu território e apreender os
sentimentos e as relações afetivas e de identificação que ligam os moradores a essa
paisagem, o que foi fundamental para se construir o fio condutor que liga a sua história
passada, o seu presente, e os parâmetros que devem guiar o seu porvir. A partir dessa
terceira parte do capítulo, as falas daqueles que habitam a Brasília serão apresentadas de
forma a fundamentar alguns dos argumentos e dados que se seguem.
Tanto as entrevistas quanto as visitas investigativas à área foram realizadas entre os
meses de maio e abril de 2017, feitas em diversos horários e dias da semana, úteis ou não,
de maneira tentar captar a movimentação da Teimosa em seus diferentes momentos. Trinta
e três pessoas, de idades entre 22 e 81 anos, e com pelo menos 10 anos de residência na
comunidade, foram consultadas a partir de um roteiro semiestruturado3.
Procurou-se moradores alguns comuns e outros de grupos específicos. Dessa forma,
foram entrevistados 3 influenciadores, ou seja, pessoas que fazem algum trabalho social na
comunidade (Isamar Martins, Ladimir Ferreira [Mika] e Taciana Melo); 3 líderes
comunitários de posições políticas distintas (Celeste Maria, Luciberto Xavier [Piaba] e Wilson
Lapa); 5 comerciantes que possuem negócios tradicionais no bairro (Claldemy Bezerra, Jane
Abreu, José Bezerra [Zezinho], Maria das Graças e Vítor Vinícius); 4 pescadores (Iraquitan
Romão [Netinho]; José Severino; Maurício Francisco [Soldado]; Severino Francisco
[Dentinho]); 1 marisqueira (Edileuza Silva [Dona Leu]) e 16 moradores (Adriana Inês, Alcydes
Almeida [Maninho], Alexandra Lopes, André Francisco, Cledy dos Santos, Edileuza Simões,
Edu Guerra, Fernando Paes, Rogério Calisto, Mauricéa da Conceição, Verônica Ribeiro,
Amara Bezerra [Dona Mara], Djalma Rodrigues), 4 deles residentes na orla (Antônio Carlos,
Claudete Barros, Maria Rita e Júlio Alcino)4.
Alguns dos entrevistados, instituições representadas por eles e estabelecimentos
comerciais já haviam sido previamente escolhidos antes dos trabalhos de campo por conta
da grande representatividade dos mesmos dentro da comunidade, da qual de tomou

3
O modelo das está anexado no final deste trabalho.
4
Dois dos entrevistados não moram mais na Brasília, o comerciante Claldemy Bezerra e o pescador José
Severino, o que tornou a visão de ambos bastante interessante. No primeiro caso, tem-se o relato do
contraponto entre a imagem e as simbologias agregadas ao bairro apreendidas por ele, que nasceu e viveu
quase a vida inteira no local, e pelos seus familiares externos a ele. No segundo, pode-se entender um pouco
como se dão as relações econômicas e afetivas que se tem com a comunidade e o seu processo de quebra.

{ 187 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

conhecimento a partir de uma pesquisa bibliográfica realizada anteriormente5. Os demais


comerciantes, influenciadores e lideranças comunitárias foram indicados em conversa com
a população local.
Além dos pescadores abordados na Associação da categoria no bairro, os moradores
comuns foram encontrados a partir de uma distribuição uniforme de pontos a serem
contemplados no território da Brasília. Com esse critério de seleção foi possível abranger
pessoas de todas as partes do bairro e se ter uma ideia total e imparcial dos assuntos
abordados.
Explicados os critérios e métodos que fundamentaram as entrevistas e visitas in loco
que embasam boa parte das sessões que se seguem, voltemos à caracterização atual da
Teimosa e o se entorno.

3.1.1 Pina e Boa Viagem: a Neutralização da Paisagem


O processo de urbanização feroz iniciado em meados do século XX no Pina e em Boa
Viagem, caracterizado por uma grande densidade construtiva, aridez pela supressão de
áreas verdes e uma verticalização elevada, continuou ocorrendo nessa última década (SILVA,
2016) (imagem 1).
Apesar das diversas mudanças ocorridas ao longo dos anos, o formato das quadras e
o traçado viário racional e ortogonal desses bairros continuam muito similares ao que foi
estabelecido no final da década de 1970. As suas vias principais também permanecem
sendo as mesmas: cortando a região longitudinalmente, tem-se a Avenida Boa Viagem
(Beira-Mar), a Conselheiro Aguiar e a Domingos Ferreira; e ligando o local ao restante da
cidade, a Avenida Antônio de Góes e a Herculano Bandeira, estando também estabelecidas
as pontes Paulo Guerra e Agamenon Magalhães. Sobre esse aspecto, a maior transformação
ocorrida na zona sul da cidade se dará a partir de 2008, quando começam a ser
concretizadas as obras da Via Mangue, que serão abordadas mais adiante (BARBOSA, 2014)
(mapa 1, mapa 2, mapa esquemático 8).
Hoje, Boa Viagem continua sendo um símbolo de modernização e elitização (ALVES,
2009). Além disso, ela já se consolidou como um centro secundário da cidade, sendo
bastante autossuficiente, tanto em relação aos equipamentos públicos que nela se
instalaram, quanto pela pluralidade de comércios e serviços que hoje se encontram em seu
interior, que são quase sempre voltados para o público mais abastado que a reside (ALVES,
2009). Em geral, nota-se que esse bairro tem um tratamento infraestrutural e estético
diferenciado e superior em relação a maior parte da cidade, recebendo mais atenção do

5
Das instituições, o CEPOMA (Centro de Educação Popular Mailde Araújo), com Isamar, e a Centro Escola
Mangue, com Taciana; dos estabelecimentos: Império dos Camarões, com Zezinho, e Camarão do Zito, com
Maria das Graças; das lideranças comunitárias, Wilson Lapa, que é líder do Conselho de Moradores; e dos
trabalhadores das águas, a marisqueira Dona Leu.

{ 188 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

Mapa 1 - Boa Viagem, Pina e Brasília Teimosa. Vias Principais e


Zoneamento. Fonte: Google Maps, 2016 (modificado).

{ 189 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

Mapa 2 - Boa Viagem, Pina e Brasília Teimosa. 1) Ponte Paulo


Guerra; 2) Ponte Agamenon Magalhães; 3) Avenida Antônio de
Goes; 4) Avenida Herculano Bandeira; 5) Avenida Boa Viagem;
6) Avenida Conselheiro Aguiar; 7) Avenida Domingos Ferreira; 8)
Aeroclube; 9) Radio Station. Fonte: Google Maps, 2016
(modificado).

{ 190 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

Imagem 1 - Boa Viagem e Pina adensados e verticalizados. Foto de Carlos Oliveira, divulgação da Prefeitura do
Recife. Fonte: SkyscraperCity, 2009.

Imagem 2 - Boa Viagem com seus comércios elitizados e tratamento diferenciado. Avenida Conselheiro Aguiar,
2016. Fonte: Google Maps Street View, 2016.

mercado imobiliário e do poder público. Isso faz com que essa paisagem tenha conotações e
características físicas diferentes das demais, expressando a cultura economicamente
dominante que a construiu (CONGROVE, 2006) (imagem 2).
As classes sociais mais baixas, historicamente pioneiras no ocupar e no habitar dos
bairros de Boa Viagem e Pina, continuam lutando por esse espaço, pelos seus privilégios
ambientais, pelos hábitos e práticas sociais com ele estabelecidas, e pela necessidade de

{ 191 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

permanecer próximas ao seu local de emprego, já que uma parte significativa dessas
pessoas ainda prestam serviços, biscates e trabalham para a elite local.
Como foi observado nas décadas anteriores, cada vez mais a população humilde foi
sendo deslocada para longe da orla, em locais próximos ao mangue, ambientalmente mais
frágeis, e muitas vezes não passíveis de ocupações formais e apropriação imobiliária. Dessa
forma, a ocupação do bairro se deu de maneira estratificada, e na medida em que se afasta
da beira-mar, se começa a perceber as diferenças socioeconômicas do tecido (ALVES, 2009).
Esse fator dá origem a uma paisagem conflituosa dentro dessa região, que materializa
também os conflitos sociais e as relações de poder e domínio ali existentes.

“Depois de séculos de aterros resultando na ordenação do chão, os moradores


travam a luta mais cruel, contra o especulador imobiliário, que vendo a grande
obra do povo, nega a sua história e tenta se apossar a todo custo desse bairro”
(SILVA, 2008b, p.50).

Em relação a isso, no Pina, percebe-se que houve uma grande resistência das
comunidades pobres no seu território, que ocupam hoje uma área bastante significativa da
porção centro-oeste do bairro, formando a ZEIS Encanta Moça, e, portanto, ao menos em
tese, tendo a sua permanência garantida por lei. A população moradora dessa zona ainda
vive em grande parte de uma forma anfíbia, mantendo uma relação estreita com as águas e
com o mangue, muitas vezes estabelecendo os seus hábitos de subsistência financeira e
afetiva com aquela natureza através de vários fatores, como a pesca, por exemplo. Também
é nessa região onde se encontram os piores índices sociais do bairro e onde pode ser vista
uma quantidade expressiva de habitações precárias, como as palafitas (DE MORAIS, D.P.;
SILVA, L.R.S, 2010) (mapa 1, imagem 3 e 4).
Nos últimos anos, a especulação imobiliária vem atingindo a localidade com bastante
força. Como exemplo disso, no início de 2017, Boa Viagem e Pina tiveram respectivamente o
terceiro e o primeiro preço médio mais caro do metro quadrado do Recife6. O
transbordamento daquele bairro para este já é uma realidade visível, havendo uma vontade
clara do mercado de incorpora-lo como um todo a sua dinâmica, sem considerar as suas
preexistências e a suas relações simbólicas e objetivas que ele tem com os seus habitantes.
Dada a desativação nas décadas anteriores da Rádio Station e do Aeroclube, que
estabeleciam limitações para as construções em seus entornos, a existência das áreas
pobres protegidas, juntamente com a presença do Parque dos Manguezais Josué de Castro,
são os únicos impedimentos existentes à apropriação do Pina pelo mercado imobiliário
(BARBOSA, 2014). Esse último é a maior área urbana de mangue da América Latina, e se

6
Em fevereiro de 2017, o valor médio do metro quadrado no Pina era de R$8172,00, e em Boa Viagem, de
R$6739,00, enquanto a médio do Recife era de R$6090,00 (AGENTE IMÓVEL, 2017).

{ 192 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

Imagem 3 - A paisagem do Pina verticalizado frente a ZEIS Encanta Moça e ao Parque dos Manguezais. Foto de
autoria Eduardo Câmara Lima. Fonte: Panoramio Google Maps, 2010.

Imagem 4 - Palafitas na ZEIS do Pina. Foto de José Nunes. Fonte: Flickr José Nunes, 2014.

{ 193 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

encontra salvaguardada legalmente por ser considerada uma Unidade de Conservação


(UCN) da cidade (OLIVEIRA, 2015)7.
Principalmente ao longo da última década, esse bairro vem perdendo a sua vocação
predominantemente habitacional, e começa a abrigar empreendimentos comerciais e de
serviço, inclusive, contando com centros empresariais (MAGAROTTO et al., 2013) (imagem
5). Esse novo cenário faz com que edifícios antigos sejam substituídos por outros mais
novos, de maior porte e mais verticalizados, semelhantes aos encontrados em Boa Viagem,
o que acelerou o processo de homogeneização das paisagens desses bairros.

Imagem 5 - Empresariais no Bairro do Pina. Fonte: Olx, 2017.

A renovação arquitetônica dessa região é latente, principalmente na orla, onde


quase não mais existem edificações de baixo gabarito, que tendem a desaparecer
completamente dando lugar a edifícios em altura. Também é nesse ponto, à Beira-mar, em

7
Existe ainda uma ZAN (Zona de Ambiente Natural) no bairro do Pina, ao lado da comunidade de Brasília
Teimosa. Pela sua proximidade com a área de estudo, ela será abordada mais adiante.

{ 194 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

que a paisagem do Pina e de Boa Viagem se igualam, não sendo mais possível distinguir as
fronteiras entre uma e outra localidade (SILVA, 2016) (imagem 6 e 7).
É na praia em que a aridez desses bairros se expressa de maneira mais visível. Nota-
se que no seu processo de ocupação, não houve a preocupação com a possibilidade do
estrangulamento da orla pelas construções, que foram feitas e continuam a existir com o
aval público, dado por meio da legislação (atualmente o Plano Diretor e a Lei de Uso e
Ocupação do Solo do Recife8). Além das edificações terem gabaritos muito altos, elas estão
muito próximas à praia, se separando da rua por meio de grandes muros segregadores, sem
seguir nenhuma regra de escalonamento de altura em relação às suas distancias à beira-
mar. Hoje, a natureza dessa praia se encontra completamente descaracterizada, não se
assemelhando a sua paisagem original (COSTA et al., 2008). Essa grande densidade da orla
afeta ambientalmente o local de maneira grave. Uma prova disso é o sombreamento dado
pelos edifícios, cobrindo a areia e o mar a partir do início da tarde em alguns trechos
(OBSERVATÓRIO DO RECIFE, 2012) (imagem 8 e 9).

“Praias Urbanas, sem coqueiros, sem cajueiros, sem sol poente, cujos raios foram
aprisionados pela muralha de pedra dos edifícios que margeiam a Avenida Boa
Viagem. Restaram umas águas quase sem peixes. Uns mares quase sem sal, sem
estrelas, sem cheiro de maresia e de sargaço” (ARAÚJO, 2007, p.525).

Também no interior desses bairros a paisagem se faz hostil (LEITÃO, 2009) (imagem
10). Com a diminuição gradual dos verdes, manguezais e alagados da região e a substituição
desequilibrada desses elementos por uma ocupação densa e verticalizada, se anulam as
relações físicas e subjetivas (trajectivas) entre as pessoas e esse lugar, se apagam as suas
origens físico morfológicas e a sua história. Ainda que estejam entre o mar e o mangue,
observando-se atualmente o Pina e Boa Viagem, mal se pode perceber que ali, “tudo era, foi
ou lembrava água9”. Com o passar dos anos, essa região foi dando as costas à pluralidade de
significados que ela carregava e à individualidade do seu “palimpsesto”, que contava a sua
história e a história das pessoas que a produziram e habitaram, criando uma paisagem
neutra, que possui edifícios impessoais que poderiam estar em qualquer outro local da
cidade ou do mundo (imagem 11, 12 e 13).
Assim, atualmente, pela forma como vem se dando a apropriação e a transformação
do território desses bairros, há uma ameaça à permanência das áreas pobres e ZEIS da

8
Respectivamente, as leis 17511/2008 (ALVES, 2009) e 16.176/96 (PREFEITURA DA CIDADE DO RECIFE, 1996).
9
Aqui se faz uma alusão a famosa frase de Waldemar de Oliveira no início do capítulo anterior: “o que não é
água, foi, ou lembra água” (DE OLIVEIRA, 1942, p.38-39).

{ 195 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

Imagem 6 - Demolição do tradicional Edifício Caiçara na Avenida Boa Viagem após o seu terreno ser adquirido
pela Rio Ave Construtora, 2016. Foto de Bobby Fabisak/ JC Imagem. Fonte: Jornal do Commercio Online, 2016.

Imagem 7 - Ponto de encontro entre as orlas de Boa Viagem e Pina, 2013. Perceber a homogeneidade na
paisagem homogênea dos dois bairros. Fonte: Flickr Raul Lopes, 2014.

{ 196 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

Imagem 8 - Avenida Boa Viagem e os seus prédios próximos à Praia. Fonte: Wikipedia, 2013.

Imagem 9 - Praia de Boa Viagem sombreada pelos seus edifícios. Foto original pertencente ao documentário
“Um Lugar ao Sol”, de Gabriel Mascaro, 2009. Fonte: Assiste Brasil, 2017.

{ 197 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

Imagem 10 - As ruas hostis do Pina. Fonte: Google Maps Street View, 2016.

Imagem 11 - Edifício no Rio de Janeiro. Fonte:


SkyscraperCity, 2013.

Imagem 12 - A Edifício JCPM no Pina. Perceber as


semelhanças entre ele e o exemplar carioca. Fonte:
Escritório Link Propaganda, 201-.

{ 198 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

Imagem 13 – “O mar de prédios de Boa Viagem”, o mar que perdeu seu sentido. Fonte: Crítica do
personagem ParaINHO, da Arquiteta e ilustradora Jamila Lima.

região, que temem ser gradualmente expulsas (SILVA, 2008b). Dentre essas localidades
pressionadas no local, sem dúvidas, Brasília Teimosa é uma das que mais sofrem assédios.
Por estar muito próxima às fronteiras do Pina e Boa Viagem, se situar
privilegiadamente na continuação de suas orlas, ter a sua península banhada também pelo
Rio Capibaribe e se conectar visualmente com o centro tradicional do Recife, essa última
comunidade de diferencia das demais da região e da cidade como um todo, sendo
considerada um ponto estratégico pelo mercado imobiliário local. A sua forma de ocupação,
arquitetura, gabaritos e dinâmica de organização são muito diversos dos encontrados nas
suas circunvizinhanças elitizadas.
Mas não é somente pelos seus aspectos geográficos e espaciais que esse bairro se
diferencia dos seus vizinhos. Como se verá adiante, ao contrário deles, a Teimosa continua
sendo uma parte viva da cidade, que guarda a sua história e se conecta com o seu território,
estabelecendo fortes relações físicas, simbólicas e afetivas com a população que a habita.
Porém, o mercado e os grupos que dela querem se apropriar não se atentam a essas
questões subjetivas, tendo a intenção de anular essa cultura a partir do estabelecimento de
um outro tipo de paisagem no local, não se atentando as preexistências da Brasília, a
tratando como um território neutro.

{ 199 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

Esses conflitos ideológicos, culturais e simbólicos, entre uma população que resiste
teimosamente no lugar em que ela mesma construiu e os grupos sociais que agem por meio
de um mercado que visa transformar aquela paisagem de forma a refletir os seus interesses
de domínio e propagação cultural, dá origem ao cenário paisagístico conflituoso que se vê
no local, que exprime esses embates sociais de forma palpável (imagem 14).

Imagem 14 - O conflito entre as paisagens de Brasília Teimosa (em primeiro plano) e Pina e Boa Viagem (ao
fundo). Fonte: SkyscraperCity, 2011.

{ 200 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

3.1.2 A Brasília que Teima10


Apesar de terem ocorrido muitas mudanças na paisagem do entorno e das fronteiras
de Brasília Teimosa nesta última década, desde a urbanização de sua orla, ponto que marca
a consolidação do seu território como um todo, ela permanece sem grandes alterações
significativas em seu interior (mapa esquemático 8).
Nesses anos, a maior modificação observada no local já vem acontecendo
gradualmente desde a finalização do Projeto Teimosinho: o adensamento construtivo do
bairro. Atualmente, pelo esgotamento de terras em seu interior, somente é possível a
construção e a ampliação das edificações existentes a partir de verticalizações ou através da
maior ocupação dos lotes onde se encontram. Essa necessidade de crescimento das
residências é causada pelo aumento das famílias ou pela implantação de pequenos
comércios e serviços anexos a elas. Hoje, restam poucas casas térreas na Brasília, a maioria
delas tem entre dois ou três pavimentos, mas mesmo com as mudanças, esses edifícios
continuam a se relacionar diretamente ou quase diretamente com a rua, não havendo
interpolações entre eles e as vias. Convém repetir que as obras realizadas no bairro muitas
vezes desobedecem às regras do Plano de Regularização vigente para ele, que estabelece
como principais diretrizes, um gabarito máximo de 4 pavimentos e a proibição do
remembramento dos lotes, que devem ter uma taxa máxima de ocupação de 80% (SILVA,
2011) (mapa 3 e 4; imagem 15 e 16).

“Porque o metro quadrado de Brasília Teimosa ficou muito escasso, então as pessoas cresceram família e começaram
a fazer algumas edificações de primeiro e segundo andar, até terceiro andar, né, então passa de pai pra filho (...)”
(Maninho, porteiro aposentado, 48 anos).

“(...) As famílias cresceram, aí, vão construindo pra cima, né, pra lá, né, fica muito apertado” (Edileuza Simões,
cuidadora, 58 anos).

“Meus filhos foram crescendo, (...) aí, levantou [a casa], uma mora aqui, outro mora lá trás, (...) e tá fazendo pra outra”
(Maria Rita, dona de casa, 74 anos).

Apesar das reformas nas edificações existentes causarem a diminuição da


habitabilidade do bairro, se analisadas individualmente, há um claro aumento na sua
qualidade infraestrutural, sendo quase todas elas feitas em alvenaria e livres de
alagamentos e invasões da maré, principalmente após a retirada das palafitas da beira-mar.
Esse fator pode ser visto como um reflexo da consolidação da Teimosa e das melhorias dos

10
Essa sessão se embasa fundamentalmente nas informações dadas pelos entrevistados e nas observações
feita in loco.

{ 201 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

índices sociais dos seus moradores nos últimos anos (IBGE, 2010)11. Mesmo com as
melhores condições econômicas alcançadas pela população da Brasília, dificilmente as
pessoas que nela vivem tem o desejo de se mudar ou de residir em um outro local com um
status mais elitizado, o que justifica o adensamento da área. Isso pode ser visto como um
reflexo das ligações afetivas e objetivas que elas têm com esse lugar (Edu Guerra; Júlio
Alcino; Taciana Melo, 2017).

“Eu fui o primeiro aqui nesta rua a fazer (...) a reforma da casa (...). Aí, resultado, só tinha a gente, daqui eu avistava as
corridas de jangada que existia aí na frente, era só subir e ficava vendo, hoje em dia é assim, cercando tudo aqui. Aí,
você anda por aí, e o engraçado que quem tá vindo morar aqui não é ninguém de fora, é daqui de dentro mesmo, o
pessoal daqui de dentro compram, reformam, fazem um prediozinho (Edu Guerra, técnico de construção aposentado,
68 anos).

“Eu moro aqui, primeiro, porque eu gosto, mesmo se eu tivesse condição de comprar uma casa melhor, eu preferia
comprar aqui, porque, pra mim, não tem bairro melhor que Brasília, é um bairro que tô perto da praia, é um bairro
perto da cidade, tem tudo, entendeu? Tudo tem aqui na Brasília” (Fernando Paes, motorista, 58 anos).

Imagem 15 - Brasília Teimosa e sua grande densidade construtiva atualmente. Foto de Osvaldo Santos. Fonte:
Flickr Osvaldo Santos, 2013.

11
Em relação aos seus vizinhos, Pina e Boa Viagem, a renda mensal média do bairro se elevou
proporcionalmente entre os anos de 2000 e 2010. Além disso, houve o aumento de alguns de seus índices

{ 202 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

Imagem 16 - Brasília Teimosa densamente construída. Rua Badejo, 2017. À direita, percebe-se que a edificação
verde pertencente a um restaurante se encontra irregular por ter mais pavimentos do que é permitido para a
área. Fonte: acervo pessoal da autora.

De uma maneira geral, como visto anteriormente, no decorrer da sua história,


através da Teimosia e do engajamento da sua gente nas lutas, a comunidade alcançou
muitas conquistas, conseguindo obter um bom nível de habitualidade e chegando a
construir a paisagem que a caracteriza hoje. No entanto, alguns problemas infraestruturais e
de saneamento ainda persistem no local, como as deficiências no esgotamento sanitário, e
na limpeza urbana e as falhas na drenagem e no calçamento das vias (Rogério Calisto;
Wilson Lapa, 2017). O transporte público também é uma outra questão problemática, pois
apesar de haver três linhas de ônibus diferentes atendendo ao local12, eles passam em
horários muito espaçados, não suprindo a demanda da população (SILVA, 2011). Isso
dificulta bastante a mobilidade dos moradores, principalmente daqueles que moram

sociais, como por exemplo, a taxa de escolaridade (IBGE, 2010).


12
As três linhas são: Brasília/ Conde da Boa Vista; Brasília Teimosa; e Prazeres/Boa Viagem.

{ 203 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

distante das fronteiras com o Pina, e não têm como opção adicional a utilização dos ônibus
que atendem a esse outro bairro (imagem 17 e 18).
Algumas pessoas também reclamam que, apesar da comunidade sempre ter sido um
local seguro e tranquilo, atualmente a ocorrência de assaltos e furtos cresceu em seu
território. O tráfico de drogas também foi levantado como um ponto problemático no bairro
(André Francisco; Claudete Barros; Dona Leu; Edileuza Simões, 201713).

“A demora dos ônibus, meu Deus, é um massacre (...)” (Wilson Lapa, radialista e atual Líder do Conselho de Moradores,
57 anos).

“(...) Os ponto negativo é só a insegurança, que ultimamente tá acontecendo (...)” (Jane Abreu, 61 anos,
Farmacêutica).

“Negativo é essas lama ai na porta aí ó, e a violência tá demais” (Rogério Calisto, 41 anos).

Imagem 17- Problemas de lixo e esgoto na área da Colônia. Fonte: acervo pessoal da autora.

13
Esses foram alguns dos entrevistados que se queixaram sobre essas questões, que foram recorrentes na
maioria das entrevistas.

{ 204 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

Imagem 18 - Lixo ao lado do Mercado da Brasília. Fonte: BRASÍLIA, 2014.

Em relação aos avanços conquistados, ao longo dos anos, houve a implantação de


muitos equipamentos públicos que melhoraram a qualidade de vida da população.
Atualmente, atendem ao bairro sete escolas públicas (Escola Municipal Engenheiro Henoch
Coutinho de Melo, Escola Municipal Umberto Gondim, Escola Municipal Escritor Josué de
Castro, Escola Estadual de Referência João Bezerra, Escola Estadual Assis Chateaubriand,
Escola Estadual Luís de Camões e Escola Municipal Bernard Van Lee), uma creche (Creche
Municipal Brasília Teimosa) e dois postos de saúde (Posto de Saúde Djalma de Holanda e
Posto de Saúde Bernardo Van Lee) (PREFEITURA DA CIDADE DO RECIFE, 2017)(mapa 5).
A densificação gradual dessa localidade, como já observado anteriormente,
contribuiu para a diminuição das áreas verdes no interior dos seus lotes e vias. Ademais,
nela somente existem três pequenas praças que não suprem a necessidade dos residentes:
a da Vila Teimosinho, a de São Pedro e a Abelardo Baltar (PREFEITURA DA CIDADE DO
RECIFE, 2017). Por conta disso, com exceção das orlas, poucos são os locais por onde o
bairro pode respirar. Em contrapartida, o traçado viário existente na maior parte do seu
território contribui para a existência de uma boa ventilação no seu interior. Pela orientação
sudoeste-nordeste da maioria das suas ruas, os ventos marítimos conseguem adentrar no
tecido da Brasília formando corredores ventilados e evitando as ilhas de calor (mapa 6).

“(...) É uma casa em cima da outra, a arquitetura, não tem ventilação dentro das casas, aí, você vai pra calçada,
como todas as ruas vai dá pro mar, aí, a ventilação, ela circula” (Isamar Martins, bibliotecária, 55 anos).

“Não tem praças grandes, né, que a gente possa se encontrar, brincar e se divertir. (...) A diversão da gente é a
Praia do Buraco da Véia” (Wilson Lapa, radialista e atual Líder do Conselho de Moradores, 57 anos).

{ 205 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

Mapa 2 - Mapa de cheios e vazios. Fonte: levantamento de


campo feito pela autora.

Mapa 1 - Mapa de Gabaritos. Fonte: Fonte: levantamento de


campo feito pela autora.

Mapa 5 - Mapa dos equipamentos públicos existentes no bairro.


Fonte: elaborado pela autora. { 206 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

Mapa 6 - Elementos naturais da Paisagem. Fonte: elaborado pela


{ 207 }
autora.
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

Em relação a essa malha viária e ao formato das quadras, também não se percebem
grandes mudanças. O fato de o bairro ter tido um loteamento planejado, com ruas de
traçado organizado e racional, contribui para a sua funcionalidade, não existindo a
necessidade de grandes alterações ao longo dos anos. Desse modo, hoje, o seu “anel viário”
principal, constituído pelas Ruas Comendador Moraes, Dagoberto Pires, Arabaiana, Delfim e
Francisco Valpassos, está definitivamente consolidado. Nesse percurso, que tem como eixo
principal a Rua Arabaiana, se concentra a zona comercial da Teimosa, abrigando diversos
tipos de comércios e serviços, que lhe dão autossuficiência. Também é por esse caminho
que passam as linhas de ônibus que atendem ao bairro, o que reforça a centralidade dessa
zona (GRANDE RECIFE CONSÓRCIO DE TRANSPORTE, 2017) (imagem 19 e 20).
A Avenida Brasília Formosa também se consolida como um importante eixo de
mobilidade, tendo uma ciclovia e abrigando em sua extremidade o terminal de transporte
público, localizado em frente à entrada do Iate Clube. Além disso, ao longo da extensão
dessa via se concentram diversos tipos de quiosques, restaurantes e bares, além de
sanitários públicos, pequenas áreas de estar, locais para exercícios, parquinhos infantis e a
academia da cidade. Por esses usos, e por margear a orla, ela se torna não somente uma
necessidade funcional, mas também uma importante zona de lazer, respiro e sociabilidade
para os moradores, que estabelecem nesse local muitos de seus hábitos, como o de brincar,
comer, pescar (profissionalmente ou por entretenimento), praticar esportes, beber,
conversar e tomar banho na praia, convivendo entre si e com a natureza, se relacionando
com o mar intensamente14 (imagem 21 e 22).
Assim, o anel viário da Arabaiana e a Orla podem ser vistas como as duas principais
centralidades do bairro, que agregam um maior número de pessoas, comércios e serviços. A
primeira abriga os usos comerciais mais gerais, tendo desde mercados, a lojas de
confecções, miudezas, bicheiros, pequenos restaurantes, bares, açougues e peixarias. Além
dos pontos fixos, se observa também uma grande quantidade de ambulantes com barracas
e bancas móveis, geralmente vendendo peixes, frutos do mar, frutas, verduras e alimentos
em geral. Ainda que o comércio seja variado, percebe-se uma maior comercialização de
alimentos, principalmente os extraídos do mar e do rio da Brasília, muitas vezes vendidos
pelos próprios pescadores como meio de subsistência (mapa 7).
Na segunda centralidade, a orla, percebe-se a formação de um polo gastronômico,
que atende tanto a comunidade, quanto aos turistas (URPIA, 2014), que geralmente vão
para o Buraco da Véia, para o Iate Clube ou para o Parque das Esculturas (ponto turístico
localizado próximo à comunidade), passando pela Brasília. Essas características também se
estendem para as “cabeças” de quadra que chegam à beira-mar.

14
Esses ritos foram identificados a partir das entrevistas, das observações in loco e dos levantamentos de usos
no bairro.

{ 208 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

“Naquela avenida principal [Rua Arabaiana], fica vendendo as coisas na calçada, assim, bebida, tira gosto, essas coisas,
assim, espetinho, é muito movimentado” (Maria das Graças, Comerciante, 67 anos).

“(...) Você não precisa sair da Brasília pra fazer muita coisa, você tem, é, um centro comercial bem bacana (...).
Brasília, ela te oferece esse leque de oportunidades” (Isamar Martins, bibliotecária, 55 anos).

“(...) Já deu vontade de morar próximo ao meu trabalho, que eu trabalho lá em Itapissuma, fica muito distante, fica a
52 quilômetro. Mas é “compricado”, quando eu penso aqui nessa orla, nas amizades, no comércio, no próprio
comércio, que a gente não precisa sair pra canto nenhum, tendo um comércio desse... (Júlio Alcino, cooperador de
empilhadeira, 40 anos)

“O mar é a natureza aonde você respira o ar puro, onde as pessoas vão fazer seu lazer, num é, e desfruta de muitas
coisa além da, do que, o mar pode oferecer, que é a pesca, outros tipo de coisa, assim, a natureza, o lazer”
(Maninho, porteiro aposentado, 48 anos).

“(...) Fez uma faixa de areia, né, que aí, esportivamente, a gente aproveita, dá pra jogar uma “peladazinha”, dá pra, é,
voleibol, futevôlei, é, (...) futebol de areia, dá pra pelo menos fazer algum tipo de programação (...)” (Wilson Lapa,
radialista e atual Líder do Conselho de Moradores, 57 anos).

Imagem 19 - Rua Arabaiana, a principal do bairro. Fonte: BRASÍLIA, 2014.

{ 209 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

Imagem 20 - Rua Arabaiana. Fonte: acervo pessoal da autora.

Imagem 21 - Praia do Buraco da Véia sendo amplamente utilizada. Fonte: URPIA, 2014.

{ 210 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

Imagem 22 - Avenida Brasília Formosa. Observar os bares, a ciclovia e o espaço para exercícios, todos nesse
trecho. Fonte: acervo pessoal da autora.

Em menor grau, há ainda um terceiro ponto de grande movimentação situado


dentro da ZEIS da comunidade, mas já fora do perímetro do bairro, no Pina. Ele consiste no
Mercado local, que também agrega bares, restaurantes e venda de pescados, atraindo para
o seu entorno alguns outros tipos de comércios (mapa 7; imagem 23 e 24).
Apesar dessas três zonas terem sido apontadas como principais centralidades do
bairro, percebe-se uma distribuição de pequenas vendas, serviços e pontos comerciais em
todo o seu território, que frequentemente dividem os lotes com as residências dos seus
proprietários. Nota-se também que a movimentação de pessoas nas ruas é intensa no bairro
como um todo, já que além de se dedicarem as atividades comerciais, os moradores
também possuem o hábito de conversar com a vizinhança e se sentar na calçada, utilizando
a rua como um espaço de interação, a vivendo amplamente e fazendo com que, pelas
próprias palavras dos teimosos, o bairro “não durma nunca” (FABRICIO, 2014) (mapa 8).

“(...) A gente vê assim, é a mesma coisa sair de meia noite, uma hora da manhã, parece festa,
entendeu?” (Verônica Ribeiro, comerciante, 52 anos).

“Aqui é animado” (Rogério Calisto, 41 anos).

“(...) Toda hora tem gente na Brasília acordado, ai é um bairro bom por causa disso” (José Severino,
pescador, 47 anos).

{ 211 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

Imagem 23 - Praça Abelardo Baltar e o Mercado Público da Brasília vistos em um dia de domingo à tarde,
horário de menor movimento. Fonte: acervo pessoal da autora.

Imagem 24 - Comércios ao redor do Mercado Público. Fonte: acervo pessoal da autora.

{ 212 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

Mapa 7 - Mapa das centralidades do bairro. Fonte: elaborado pela autora.

Percebe-se que a vocação gastronômica e a grande comercialização de produtos


alimentícios e pescados na Brasília não ocorrem por acaso. Como comentado no capítulo
anterior, a construção do seu território se deu a partir dos ritos sociais relacionados ao rio e
ao mar, pelo esforço de uma população pesqueira que o habitou e o transformou
fundamentando-se nas águas, sendo essa uma característica que, de alguma forma,
permanece até os dias atuais. Hoje, a vivência, a organização e a dinâmica da comunidade
se dão através de uma cultura baseada em hábitos de lazer e subsistência diretamente ou
indiretamente ligados a isso. Em grande parte, as necessidades econômicas da Teimosa são
supridas por atividades que giram em torno da pesca, da sua comercialização, e de outros
usos que disso derivam. O lazer também é ligado à pescaria, ao mar, ao rio e as suas orlas,
como dito antes (PORTAL G1 DE NOTÍCIAS, 2017) (imagem 25 e 26).

{ 213 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

“Brasília Teimosa é construída em cima dos pescador, isso aqui existe hoje através dos pescadores, isso aqui

é uma ilha ilhada de pescador” (Dentinho, pescador, 48 anos).

“(...) Como ela foi construída aqui, pelos pescadores, tem toda uma história (...). É uma comunidade urbana, mas de
pesca, né? (...) As pessoas que vivem ao entorno da comunidade, a maioria das pessoas ainda dependem muito dessa
questão da pesca, então, acredito que não teria outra localidade que pudesse ser melhor pras pessoas que vivem
aqui” (Taciana Melo, professora, 29 anos).

Imagem 25 - Bares e movimento na orla marítima. Fonte: acervo pessoal da autora

Imagem 26 - Dona Leu, marisqueira do bairro exercendo sua atividade no Rio Capibaribe ao lado da
comunidade. Fonte: BRASÍLIA...2014.

{ 214 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

Dessa forma, grande parte das atividades culturais do bairro é ligada à sua história e
à sua natureza. Sobre isso, pode-se citar que algumas das mais de 50 instituições, ONGs e
escolas atuantes na Brasília15, focam as suas atividades educacionais e de conscientização
ambiental com adultos, crianças e adolescentes através de ações e iniciativas integradas ao
mar, ao mangue e ao rio16. Muitos desses grupos foram criados nas décadas anteriores,
quando a dança, a música, o teatro e as artes em geral, serviram para conduzir e fortalecer a
luta da comunidade por melhorias e pelo direito à permanência, sendo esses elementos
ainda muito fortes na cultura do bairro17 (Mika; Luciberto Xavier, 2017).

“(...) Dentro da própria comunidade há uma efervescência cultural muito grande, é uma coisa bem
bacana que eu acho” (Isamar Martins, bibliotecária, 55 anos).

“Olha, toda a história aqui de Brasília Teimosa foi feita com o auxílio da arte” (Mika, bailarino e
coreógrafo, 50 anos).

Ainda sobre a orla marítima, ponto de encontro, comércio e lazer da população,


sabe-se que, embora ela seja quase que completamente permeada pela mesma Avenida, a
Brasília Formosa, e tenha uma certa homogeneidade em toda a sua extensão, seus trechos
se apresentam em quatro partes distintas entre si (mapa 9).
A primeira delas é a das proximidades do Pina. Nesse ponto, ela se encontra
diretamente construída sobre a areia e se integra com a beira-mar desse outro bairro
vizinho. Esta é uma das frações mais movimentados das praias da zona sul da cidade. Os
edifícios verticalizados das suas circunvizinhanças se apresentam fortemente na sua
paisagem (imagem 27 e 28). O fim desse trecho se dá na Praça São Pedro, e a parte que se
liga a ele é a da colônia, onde começa a avenida asfaltada. As edificações que formam essa
última são unidas, geminadas, criando uma curva quase cega, tendo apenas um beco que as
ligam ao interior do território. Aqui, onde há uma presença menor de comércios, a maioria
das casas se encontram abaixo do nível da avenida, não se ligando diretamente a ela, e sim
através de uma rua estreita que se conecta com a principal (imagem 29 e 30).

15
Dentre essas instituições e grupos culturais atuantes no bairro, tem-se, por exemplo, a Escola Mangue, o
Clube de Mães, o Balé Deveras, A Turma do Flau, o CEPOMA (Centro de Educação Popular Mailde Araújo), o
Grupo de Dança Sereias Teimosas, a Orquestra Frevo Brasil e o Maracatu Nação Erê.
16
Sobre esse trabalho com a natureza, destaca-se a atuação da Escola Mangue da comunidade. Ela foi fundada
em 2003, com o objetivo de promover atividades culturais e pedagógicas que conectem as comunidades
“ribeirinhas, estuarinas e de praia” aos seus saberes, as suas histórias e aos seus biomas (CENTRO ESCOLA
MANGUE, 201-).
17
Como prova disso, desde 2006, o Balé Deveras vem se apresentando com a peça “Daqui não Saio, Daqui
Ninguém me tira”, que conta a história do bairro a partir de cinco episódios de sua luta. O espetáculo vem
sendo apresentado em alguns teatros da cidade e atualmente tem uma turnê regional prevista para começar
em breve no nordeste (Mika, 2017).

{ 215 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

Imagem 27 - Primeira parte da orla. Fonte: acervo pessoal da autora.

Imagem 28 - Corte esquemático da primeira parte da orla. Fonte: elaborado pela autora.

Mapa 9 - Diferentes partes da orla. Fonte: elaborado pela autora.

{ 216 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

Imagem 29 - Segunda parte da orla. Fonte: acervo pessoal da autora.

Imagem 30 - Corte esquemático da Segunda parte da orla. Fonte: elaborado pela autora.

{ 217 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

Após a Rua Afrânio, quando se inicia a parte planejada do bairro, há um


terceiro momento dessa orla, que é retilíneo e com muitos comércios,
quiosques, bares, e os usos de entretenimento citados anteriormente. A partir
daqui, as residências da beira-mar tem um padrão construtivo visivelmente
menos humilde (imagem 31 e 32).

Imagem 31 - Terceira parte da orla. Fonte: acervo pessoal da autora.

Imagem 32 - Corte esquemático da Terceira parte da orla. Fonte: elaborado pela autora.

{ 218 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

Por fim, tem-se a Praia do Buraco da Véia. Ela, que já chega a ser um
ponto turístico da cidade, é intensamente utilizada como local de banho,
permanência e lazer pela população, sendo tida como um emblema da
comunidade, símbolo da sua paisagem. Nesse local, os arrecifes, que
acompanham a orla do bairro desde o Pina, se mostram expressivamente e
fazem uma ligação visual entre a Brasília, a Ilha de Santo Antônio e São José e
ao Bairro do Recife. Essas rochas formam piscinas naturais também bastante
utilizadas (URPIA, 2014). Cabe lembrar que, na década de 70, o Iate Clube
tentou se apropriar dessa praia por meio da construção de um muro (o “muro
da vergonha”), que foi demolido pela própria população, a reintegrado à
comunidade (BRITO; MARGARITA, 2016) (imagem 33 e 34).

Imagem 33 - Quarta parte da orla, o Buraco da Véia, 2015. Fonte: Flickr Rafael Reines, 2015.

Imagem 34 - Corte esquemático da Quarta parte da orla. Fonte: elaborado pela autora.

{ 219 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

Separando a orla marítima e a fluvial, sobre a imponente linha de arrecifes, há uma


estrada chamada de “pistinha” pelos moradores (Edileuza Simões, 2017), que segue das
proximidades do Iate Clube até o Parque das Esculturas. Essa divisão entre o mar e o rio é
um lugar de grande concentração de pescadores (imagem 35).
Na orla fluvial, logo após o Iate Clube, que não se conecta à dinâmica de vida do
bairro (Jane Abreu, 2017; Severino Francisco, 2017), há a Associação de Pescadores de
Brasília Teimosa. Ela é um lugar de apoio a esses profissionais, sendo dotada de um píer,
onde se concentram vários barcos, os quais podem ser vistos ao longo de toda a margem
noroeste do bairro, até os terrenos da Ecomariner, uma empresa de venda de embarcações
localizada na extremidade da ZEIS (imagem 36).

Imagem 35 - Pistinha e concentração dos barcos. Fonte: acervo pessoal da autora.

{ 220 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

Imagem 36 - Pier da Associação de Pescadores e barcos em toda a orla fluvial do bairro. Fonte: acervo pessoal
da autora.

É nesse lado da península que também se encontram duas das três vilas construídas
entre as décadas de 70 e 80 para a realocação das palafitas da orla: a Vila da Prata e a Vila
Moacir Gomes. Em conversa com os moradores, a zona onde se situam, principalmente nas
proximidades dessa primeira, é apontada como um dos locais de maior criminalidade dentro
do bairro (Maninho; Wilson Lapa, 2017).
Ambas as vilas têm vias mais curtas e estreitas do que as encontradas na malha
ortogonal planejada do interior do bairro, no centro do Areal Novo, que também se diferem
das ruas curvas e irregulares encontradas na parte mais antiga da ocupação do local, a
Colônia (Areal Antigo) (mapa 10, 11, 12; imagem 37, 38 e 39). Em todos esses casos, além
das ruas oficiais, ainda existe a presença de pequenos “becos” e travessas consolidadas.
Afora essas diferenças, percebe-se que a densidade, as tipologias e as alturas das
edificações dessas áreas são muito similares. O Areal novo, o Areal antigo, a Vila da Prata e a
Vila Moacir Gomes compõem oficialmente o bairro da Brasília.
A ZEIS do bairro se estende para além de suas fronteiras, e tem seus territórios
também reconhecidos pela população como pertencentes à comunidade. É nessa área onde
se situa a Vila Teimosinho, a terceira das entregues nos anos anteriores. Ela possui um
traçado semelhante ao das outras duas e edificações parecidas com as encontradas na

{ 221 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

Teimosa como um todo (mapa 13; imagem 40). Pela presença da Praça em seu interior, ela
se torna ligeiramente mais aberta e menos densa que as demais zonas analisadas
anteriormente.

Imagem 37 e Mapa 10 - Vila da Prata atualmente. Fonte: Google Maps, 2016; elaborado pela autora..

{ 222 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

Imagem 38 e Mapa 11 - Vila Moacir Gomes atualmente. Fonte: Google Maps, 2016; elaborado pela autora.

{ 223 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

Imagem 39 e Mapa 12 – Área da Colônia atualmente. Fonte: Google Maps, 2016; elaborado pela autora.

{ 224 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

Imagem 40 e Mapa 13 - Vila Teimosinho atualmente. Fonte: Google Maps, 2016; elaborado pela autora.

{ 225 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

Ao lado dessa Vila, está o Conjunto Habitacional Brasília Teimosa que como já
explorado, destoa da tipologia e do tipo de ocupação que se pratica no local, se isolando das
vizinhanças por meio de um muro, que é aberto somente na sua entrada, situada na Rua das
Oficinas. Entre esse conjunto, a Vila Teimosinho, e a parte do Areal está concentrada a
maioria dos equipamentos públicos citados anteriormente, algumas das escolas e um dos
postos públicos que atendem a comunidade. Perto desse ponto também se encontra uma
ZAN (Zona de ambiente Natural) (mapa 14 e 15; imagem 41).

Imagem 41 e Mapa 14 – Conjunto Habitacional atualmente. Fonte: Google Maps, 2016; elaborado pela autora;

{ 226 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

Mapa 15 - Zoneamento Geral do Bairro. Fonte: elaborado pela


{ 227autora.
}
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

O restante da área ZEIS que fica fora do bairro e alheia às zonas elencadas até então,
se caracteriza como uma transição entre a Brasília e o Pina. Nesses territórios e nas suas
proximidades são onde se aplicam as principais investidas e ameaças do mercado imobiliário
à Teimosa, que nela quer adentrar sem se sensibilizar pela sua condição de Zona Especial e
pelas ligações e relações que ela tem com os seus moradores18 (mapa 15).
Apesar da diversidade encontrada nas distintas partes do bairro, é notório um
aspecto de homogeneidade que compõe uma unidade que distingue a paisagem da Brasília
daquela das suas circunvizinhanças, que com ela conflita a partir de uma ocupação espacial
completamente distinta e de conotações e significados diversos (imagem 42). Mesmo
existindo essa homogeneidade, cabe dizer que as áreas situadas entre a Avenida Herculano
Bandeira e a Rua Francisco Valpassos, tanto pela presença de uma grande quantidade de
equipamentos públicos e do conjunto habitacional, que tem implantações e tipologias que
se diferem das demais edificações da comunidade, quanto por não fazerem mais parte do
perímetro da Brasília, somente da sua ZEIS, se comportam como uma zona de
amortecimento entre a paisagem da Teimosa e a do seu bairro vizinho (mapa 15).

Imagem 42 - A paisagem de Brasília Teimosa formando uma unidade. Fonte: Brasilina Teimosina (Perfil do
Facebook), 2016.

Ao contrário do que se viu no Pina e em Boa Viagem, a Brasília continua sendo um


lugar habitado, que guarda a sua história em seu território, que por sua vez é apropriado
afetivamente pelos seus moradores a partir de hábitos, práticas sociais e uma dinâmica local
que estabelecem ligações muito estreitas com o mar e com o rio, que desde o início da

18
Como se verá na sessão seguinte.

{ 228 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

sua formação fizeram parte não somente fisicamente dessa paisagem, mas também nela
estavam inseridos pelas simbologias, e ritos que se tinha e se tem com eles. Assim, mais do
que representar uma permanência palpável, as águas continuam tendo um lugar central na
vida da população teimosa desde o seu nascimento como comunidade.

3.2 O FUTURO QUE SE ENCENA

3.2.1 Onde querem Boa Viagem, sou Teimosia19


Ainda que o mercado imobiliário não possa atuar dentro do espaço da Brasília por
conta da sua condição de ZEIS, percebe-se que as obras e os edifícios produzidos
recentemente nas suas fronteiras já podem ser vistos ao se observar a sua paisagem quando
se está dentro ou fora do seu território, olhando-se para ele de vários outros pontos do
Recife. Nesse sentido, nota-se que os conflitos de simbologias e interesses que vão contra
ou a favor da permanência da Teimosa onde ela se encontra se materializam nesse contexto
paisagístico de maneira facilmente visível.
Ainda que diversos valores e atores sociais possam coexistir nesse mesmo local, é
interessante retomar que geralmente são os grupos dominantes, neste caso, as elites e o
mercado que as serve, que vêm comandando o processo do fazer da paisagem recifense
(COSGROVE, 2006). Nesse sentido, por serem protagonistas da sua história e do habitar do
seu território, a Brasília e os seus moradores vêm sendo um exemplo de resistência.
Cabe perceber que a renovação arquitetônica da cidade, que se quer realizar
também nessa área, não é um problema em si. Sabe-se que as paisagens não se congelam,
mas que ao contrário, se fazem e se reinventam a cada dia, a partir de um jogo de
permanências e mudanças, que reflete a vida da sociedade que a compõe (BESSE, 2014). A
questão patológica desse processo existe quando há uma reprodução de uma cidade
neutra, que se esquece da sua história, de suas pessoas, das suas individualidades e da vida
que nela se faz presente e que a torna uma obra trajectiva, um meio relacional humano
(BERQUE, 2010). Observa-se que esse problema é uma característica das propostas e
projetos feitos pelo mercado imobiliário recifense, que vem atuando fortemente na área da
bacia do Pina e deseja adentrar os territórios da Teimosa a partir da neutralização de sua
paisagem.
A proteção da comunidade a essas investidas ainda é legalmente frágil. Embora ela
seja uma ZEIS, a questão da posse de suas casas é uma pendência, sendo poucos os
moradores que tem documentos que comprovem a sua propriedade. A morosidade para a
resolução dessa situação se dá principalmente pela grande extensão da sua área como um

19
Parafraseando a frase “onde queres Leblon, sou Pernambuco”, da música “O Quereres”, de autoria de
Caetano Veloso.

{ 229 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

todo, pela complicação em se resolver a questão jurídica com a União, que originalmente
tinha o domínio das terras, e por último, pela forte pressão do mercado sobre o seu
território (BRITO; MARGARITA, 2016; SANTOS, 2011).
Em 2014, a Prefeitura do Recife implantou o recurso da Concessão do Direito Real de
Uso (CDRU) no bairro. Ela foi dada por 50 anos, sendo renováveis por mais 50. Porém, em
uma possibilidade tida como remota pelos órgãos governamentais, caso haja um interesse
público sobre aqueles terrenos, eles podem ser objeto de desapropriação. Se isso
acontecesse, haveria a indenização apenas dos imóveis, já que o terreno continua sendo de
propriedade da União (BRITO; MARGARITA, 2016). Segundo informações obtidas pelo
Conselho de Moradores e pelos entrevistados, hoje existem também algumas residências
que estão sob a Concessão de uso especial para Fins de Moradia (CUEM) (Celeste Valença,
2017; Wilson Lapa, 2017).
Esses instrumentos utilizados na Brasília não inibem o interesse que o mercado e os
grandes empreendedores têm por ela. Recentemente, podem ser destacados alguns
episódios onde isso se fez mais visível, tanto a partir de construções que já foram feitas,
quanto de outras que se ensejam concretizar na comunidade e no seu entorno (mapa 16).

“A gente tem essa questão, o pessoal acha que não, o prefeito diz que não, não sei quem diz que
não, mas assim, mesmo com essa questão da condição de ZEIS, hoje é muito grande as construtoras
aqui dentro” (Celeste Maria, professora aposentada, 61 anos).

“(...) Se dependesse dos grandes empresários, comprava um trator bem grande, passava aqui por cima
de todo mundo. (...) A gente sabe que, evidentemente, ia fazer a continuação de Boa Viagem,
construir prédios e mais prédios aqui na comunidade” (Wilson Lapa, radialista e atual Líder do
Conselho de Moradores, 57 anos).

Em relação a isso, um fato crucial foi a criação do edifício de escritórios da empresa


JCPM na entrada principal do bairro, a sudoeste do seu território. Originalmente, 30% do
terreno onde ele se encontra pertencia à área da ZEIS Teimosa, que teve o seu perímetro
diminuído para permitir essa construção. Somente dessa forma foi possível a concretização
dessa edificação, já que ela possui 20 pavimentos, o que vai contra as premissas do PREZEIS
(BRITO; MARGARITA, 2016). Contrastando com o que acontece com os moradores pobres
da comunidade, esses empreendedores já conseguiram regularizar a posse da área
(VASCONCELOS, 2011) (imagem 43, 44 e 45).
O processo de mudança dos limites da ZEIS e aprovação desse projeto aconteceu por
meios tortuosos, onde foram feitas negociações quase às escuras, mediadas pelo poder
público, e sem negociação com a comunidade. As lideranças, que souberam às pressas das
reuniões com a empresa, não conseguiram barrar os empreendedores. Vendo a derrota
iminente nessa batalha, tentou-se negociar a troca daquela área pelo valor de 1 milhão de

{ 230 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

reais (BRITO; MARGARITA, 2016). Mesmo depois de firmado esse acordo, o dinheiro, que
deveria ter sido investido para melhorias na Brasília, “se perdeu” nos cofres públicos e
nunca chegou a ser visto pelos moradores20.
“Olha [sobre a construção do empresarial JCPM], em escala de 0 a 10, eu digo que foi ruim 9” (Wilson Lapa, radialista
e atual Líder do Conselho de Moradores, 57 anos).

“Brasília tem tudo, né? Tem tudo, além de ter tudo, de, assim, fica localizada numa área que é muito perto do centro,
Marco Zero, Boa Viagem, você quer ir no parque Boa Viagem, é perto, tudo é perto. É perto. É um bairro muito bom.
É por isso que as empreiteira fica tudo de olho. (...) JCPM (...) fez logo um prédio, né? (...) Ah, coisa boa que ele faz é
os curso que ele oferece pra os adolescente, né, muito bom, muito bom os curso. Mas isso já é pra [gesticulando um
abocanhamento com as mãos]... (...) Vê como ele é esperto? Um empresarial na entrada, já fez um shopping, tudo
pertinho. Cercando.” (Edileuza Simões, cuidadora, 58 anos).

Imagem 43 - Edifício do JCPM conflitando com a Paisagem Teimosa ao fundo. Foto de Francisco Edson
Mendes, 2008. Fonte: Panoramio Google Maps, 2008.

20
Segundo o Líder comunitário Wilson Lapa, apenas duas representantes da COMUL do bairro conseguiram
estar presentes nessas negociações. Ele também afirma que o dinheiro negociado chegou a ser depositado nos
cofres da prefeitura, mas que de lá, não se sabe mais do seu paradeiro. A ideia era que, visto o esgotamento
de terrenos no interior da comunidade para a construção de novas moradias, o montante fosse direcionado
para o recapeamento e o asfaltamento das ruas do bairro, o que acabou não acontecendo. Houve ainda um
boato de que o valor pago pelo Grupo JCPM foi investido pelo poder público no Conjunto Habitacional do
Cordeiro, na ocasião do reassentamento dos moradores das palafitas nos anos 2000, mas nada disso foi
provado (Wilson Lapa, 2017).

{ 231 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

Mapa 16 - Projetos do entorno da Paisagem Teimosa. Fonte:


elaborado pela autora.

{ 232 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

Imagem 44 - Empresarial JCPM visto da Rua


Francisco Valpassos no interior da comunidade
Teimosa, 2017. Perceber as diferenças tipológicas e
de gabarito. Fonte: acervo pessoal da autora.

Imagem 45 - Situação hipotética de uma paisagem


atual harmônica sem o empresarial JCPM. Fonte:
acervo pessoal da autora (modificado).

Também nesse período, começou a ser construída a Via Mangue21, um


empreendimento viário gerador de grandes mudanças urbanísticas e paisagísticas na zona

21
Várias versões do projeto foram apresentadas ao longo das diversas gestões. Uma das proposta previa uma
via suspensa sobre o mangue, sendo onerosa e ambientalmente inviável. Uma outra sugeria a criação de uma
via de circulação rápida que margearia a maré, e que pra ser construída precisaria realocar toda a população
ribeirinha que ocupava o local até então. Por fim, a proposta escolhida se utiliza das vias locais já existentes,
com a expulsão de uma quantidade razoável de pessoas em situação de baixa renda. Essas realocações geram
uma pressão por partes dos setores imobiliários que visam modificar a LUOS recifense, diminuindo as áreas de
ZEIS e atendendo assim aos seus interesses especulativos (SILVA, 2008a). O projeto final foi executado pela
construtora Queiroz Galvão.

{ 233 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

sul do Recife. Apesar de atender prioritariamente ao trânsito de Boa Viagem, ligando todo
esse bairro às áreas centrais da cidade, ela gera impactos no Pina, ameaçando diretamente
as suas comunidades, e indiretamente Brasília Teimosa. Idealizada ainda na década de 1990
(sob o nome de Linha Verde), essa obra foi iniciada apenas em 2008, com a construção de
uma passarela sobre a Avenida Herculano Bandeira e do Túnel Josué de Castro, que liga
aquela via à Rua da República Árabe Unida (DE MORAIS; SILVA, 2010). Propondo melhorar a
fluidez do trânsito da Região, o empreendimento previu a urbanização da borda do Parque
dos Manguezais e o reassentamento de uma população humilde que ali vivia22. A sua
criação, feita pelo poder público, além de tirar essas moradias carentes do local, ainda gerou
o aumento da especulação imobiliária da região e viabilizou algumas das obras privadas
feitas posteriormente (BARBOSA, 2014). Totalmente finalizada em 2016, essa via pode ser
vista como o começo da apropriação do manguezal do Pina, processo que pode
desencadear graves consequências ambientais para a cidade como um todo
(CONCRETO...2012) (imagem 46 e 47).

Imagem 46 - Via mangue em construção. Ao fundo à esquerda, a comunidade de Brasília Teimosa. Fonte: Blog
Priscila Krause, 2014.

22
Os moradores das comunidades Beira Rio, Jardim Beira Rio, Pantanal, Paraíso, Deus nos Acuda e Xuxa foram
realocados para três conjuntos habitacionais, dois localizados no Pina, e um no bairro da Imbiribeira
(Projeto...2011).

{ 234 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

Imagem 47 - Traçado da Via Mangue. Abaixo, á direita, a comunidade de Brasília Teimosa. Fonte: Blog
Transporte na Região Metropolitana do Recife, 2013.

“O rico, a indústria, ela acaba com você, ela tira você da sua casa aqui pra fazer avenida pra passar carro, quer dizer,
ela (...) tira você do lugar que você é nativo, dali, criado e nascido ali, (...) é uma coisa que não existe. Tá tomando uma
coisa que é sua pra botar carro. Quer dizer, beneficia você? Não, beneficia a indústria. Quem vai ganhar dinheiro é
quem? A indústria. E você perdeu seu lugar que você morava há tantos ano, que você dizia assim “daqui eu não saio,
daqui eu não saio, daqui eu não saio”, e o rapaz veio, veio a prefeitura, veio o rico, tirou você dali, [dizendo] vou
pagar, compro o que eu quero, e tira você e pronto, pra fazer o quê? Área de carro” (Dentinho, pescador, 48 anos).

Um dos projetos que se beneficiou abertamente com essa dilatação do tecido viário
da região foi o Shopping Rio Mar, inaugurado em outubro de 2012 pelo grupo JCPM.
Atualmente, ele é o maior centro de compras das regiões norte e nordeste do Brasil
(BARBOSA, 2014) e se localiza na área da antiga fábrica da Bacardi, desativada na década de
90. Anexo ao seu edifício principal também foram implantadas 3 torres empresariais
verticalizadas23. Para a realização do shopping, foi necessário um grande aterro no mangue
anteriormente existente no local, processo mitigado com o replantio de uma área verde
expressiva no terreno do empreendimento, que ironicamente acabou recebendo um selo de

23
O shopping tem 4 pavimentos, com 401 lojas, 12 salas de cinema, teatro, academia e parque de diversão
distribuídos em uma área construída de 295000m². Os edifícios empresariais tem uma área de 98.572,55m²

{ 235 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

sustentabilidade ambiental24. Os impactos da construção do Rio Mar e da Via Mangue foram


sentidos diretamente pela população das comunidades pobres do seu entorno, que sofrem
com grandes alagamentos por conta do sufocamento da maré que ali existia anteriormente
(SILVA, 2014) (imagem 48).

Imagem 48 - Shopping Rio e suas três torres empresariais. Fonte: SkyscraperCity, 2014.

Essas duas grandes mudanças abrem caminho para a atuação do mercado imobiliário
na região, animando a ocorrência de novas obras e edificações (SILVA, 2014). Esse fato já
pode observado no entorno imediato da Paisagem Teimosa. Como exemplo disso, tem-se o
caso da abertura de uma via estendendo a Rua Francisco Valpassos na comunidade até a
Avenida Antônio de Góes, realizada no ano de inauguração do referido shopping, feito em
uma parceira entre o mesmo grupo que o construiu (JCPM) e a prefeitura do Recife
(SABOIA, 2012) (imagem 49).

com 958 salas. Ao todo existem 7869 vagas de estacionamento oferecidas pelo empreendimento (SILVA,
2014).
24
Sobre isso, percebe-se que “(...) nesse circuito de negociações e compensação, o ambiente físico-natural
passa a ser uma mercadoria. O discurso da sustentabilidade e da responsabilidade ambiental é ideológico e

{ 236 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

Imagem 49 - Brasília Teimosa antes e depois da criação da ligação da Rua Francisco Valpassos à Avenida Antônio de Góes. Fonte:
Google Mapa, 2011; 2016.

“(...) JCPM criou essa avenida aqui na frente da loja, que não tinha essa avenida aqui, é nova, tem, sei lá, 3, 4 anos,
tem menos de 5 anos essa avenida aqui, ela não existia. (...) Essa avenida, ela morre aqui na frente da minha loja,
então não tem sentido, né, uma avenida dessa... Ela não foi feita pra morrer aqui na frente da minha loja,
entendeu?”(Claldemy Bezerra, administrador, 40 anos).

Atualmente existem outros edifícios verticalizados isolados que estão nas franjas da
Brasília, entrando visualmente em seu território. Entre eles, podem ser destacados
principalmente o da Advocacia Geral da União (construído em 2001, com 18 pavimentos), o
da Receita Federal (datado do mesmo ano, com 15 pavimentos), o Edifício Jopin (criado em
2011, com 22 pavimentos), o Empresarial ITC (do mesmo ano e com 25 pavimentos) e o
empresarial Fred Dubeux (de 2012, com 15 pavimentos) (PREFEITURA DA CIDADE DO
RECIFE, 2017) (imagem 50 a 67).

“Que nem você vê, já tá entrando os prédio, né, os prédio já tá entrando devagarzinho (...)” (José Severino, pescador,
47 anos).

consequentemente alienante, porque não é tão difícil observar que uma construção sendo considerada
sustentável agrega mais valor ao seu produto final” (SILVA, 2014, p.55).

{ 237 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

Imagem 50 - Edifício da Advocacia Geral


da União. Foto de Wesley
MCallister/AscomAGU. Fonte: Flickr
Advocacia Geral da União, 2011.

Imagem 51 - Edifício da Advocacia Geral da


União visto das proximidades do Mercado
da Brasília. Fonte: acervo pessoal da autora.

Imagem 52 - Situação hipotética de uma


paisagem atual harmônica sem a Advocacia
Geral da União. Fonte: acervo pessoal da
autora (modificado).

{ 238 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

Imagem 53 – Ao lado, Edifício da Receita Federal na Avenida


Antônio de Goes. Fonte: Google Maps, 2016.

Imagem 54 – Abaixo, Edifício da Receita Federal visto da Vila


Teimosinho. Fonte: acervo pessoal da autora.

Imagem 55 – Acima, situação hipotética de uma


paisagem atual harmônica sem o Edifício da
Receita Federal. Fonte: acervo pessoal da autora
(modificado).

{ 239 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

Imagem 56 - Edifício Jopin. Fonte: Open Buildings,


201-.

Imagem 57 – Ao lado, Edifício Jopin visto da Rua


Delfim, na Vila Moacir Gomes. Fonte: acervo
pessoal da autora.

Imagem 58 – Acima, situação hipotética de uma


paisagem atual harmônica sem o Edifício Jopin.
Fonte: acervo pessoal da autora (modificado).

{ 240 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

Imagem 59 - Edifício do Empresarial ITC. Fonte:


Direct Empreendimentos Imobiliários, 2016.

Imagem 60 – Ao lado, Edifício do


Empresarial ITC visto da Rua Francisco
Valpassos. Fonte: acervo pessoal da autora.

Imagem 61 – Acima, Situação hipotética de


uma paisagem atual harmônica sem o
edifício do Empresarial ITC. Fonte: acervo
pessoal da autora (modificado).

{ 241 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

Imagem 62 - Edifício do Empresarial ITC visto da Rua Comendador Moraes. Fonte: Google Maps, 2016.

Imagem 63 - Situação hipotética de uma paisagem atual harmônica sem o edifício do Empresarial ITC. Fonte:
Google Maps, 2016 (modificado).

{ 242 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

Imagem 64 - Edifício Fred Dubeux. Fonte: Google


Maps, 2016.

Imagem 65 - Edifício Fred


Dubeux visto da Área da
Colônia. Fonte: acervo pessoal
da autora.

Imagem 66 - Situação hipotética


de uma paisagem atual
harmônica sem o edifício Fred
Dubeux. Fonte: acervo pessoal
da autora (modificado).

{ 243 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

Imagem 67 - Edifícios do Pina invadindo a Paisagem Teimosa. Fonte: acervo pessoal da autora.

Sobre isso, cabe considerar a construção das duas torres residenciais da empresa
Moura Dubeux no Cais José Estelita, local que se conecta visualmente com a Brasília pela
sua lateral fluvial. Cada um desses arranha-céus tem 40 pavimentos, e foram nomeados
como Píer Duarte Coelho e Píer Maurício de Nassau. Por se localizarem nas proximidades do
centro histórico do tradicional Bairro de São José, elas acabam causando conflitos a
paisagem patrimonial ali pré-existente (VERAS, 2014). Por trás de um emblema de
implantação de um Recife “moderno”, o objetivo do projeto era o de ser uma âncora para a
requalificação daquela região através do desencadeamento de um processo de
gentrificação25 na área. Mesmo sendo alvo de diversas polêmicas e reações contrárias a sua
concretização, essas edificações conseguiram ser aprovadas e foram inauguradas no ano de
2006 (BARBOSA, 2014) (imagem 68, 69 e 70).
“(...) Aquilo ali, ó [apontando para o Cais José Estelita], aquilo ali existia uns tonel ali, ali se chamava o melaço, ali era
muita carreta, ali ainda, ainda tem uns tonel, tá vendo, ali tem uns tonel ali, ali era no melaço, tá certo? Aquilo ali, veja
só, aquilo ali, o certo aquilo ali é da gente que é pescador, ali é mangue, agora você vê (...), tomaram o da gente pra
fazer benefício pros rico, quer dizer, querem fazer ali, quer, vai ficar bonito, vai, pra eles, pra gente não (...). Como é
que o pescador, eu, eu sou nativo daqui tô vendo aquilo ali todo dia, passo ali todo dia, mas não passo ali daqui há
20 ano? (...)” (Dentinho, pescador, 48 anos).

25
Segundo Lúcia Veras, gentrificação “é uma palavra recente que indica um processo complexo de
transformação de um bairro ou região, quando novas dinâmicas imobiliárias substituem antigos usos e
habitantes por outros de maior poder aquisitivo, com o objetivo de ‘enobrecer’ lugares antes populares”
(2016, p.4).

{ 244 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

Imagem 68 - Em primeiro plano, as Torres Gêmeas da Moura Dubeux. Ao fundo, Brasília Teimosa. Fonte: Blog
Acerto de Contas, 2008.

Imagem 69 - Brasília teimosa e as Torres Gêmeas ao fundo. Fonte: acervo pessoal da autora.

{ 245 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

Imagem 70 - Situação hipotética das Torres Gêmeas tendo uma altura reduzida. Fonte: acervo pessoal da
autora (modificado).

Essa primeira intervenção no Cais preconizou o Projeto Novo Recife. Este consiste
em um empreendimento privado, que conta com um grande apoio da Prefeitura da Cidade
e do Governo do Estado. Localizado em um antigo terreno da RFFSA (Rede Ferroviária
Federal Sociedade Anônima), o seu plano original, previa 13 torres no padrão das da Moura
Dubeux erigidas anteriormente, cada uma tendo entre 36 e 45 andares, abrigando o uso
residencial, empresarial e hoteleiro. Essas edificações estavam divididas em cinco quadras,
cada uma com edifícios-garagens anexos (BARBOSA, 2014). O projeto gerou calorosos
embates entre os empreendedores e a sociedade civil, tendo esta última se manifestado
através do Movimento #OcupeEstelita e do Grupo Direitos Urbanos, que contestaram tanto
a descontextualização do empreendimento com a arquitetura histórica e com a paisagem
existente no local, quanto o uso elitizado e particular que se queria dar a essa borda d’água,
o mesmo problema encontrado nos dois arranha-céus já existentes no Cais. Após as
pressões sociais causadas, o poder público veio a cancelar o projeto. Porém, no ano de
2015, após ter passado por algumas reformas, o empreendimento foi aprovado mais uma
vez, agora com prédios de menor gabarito próximos à área histórica e com a utilização de
comércios e serviços em todas as suas edificações (VERAS, 2014). Atualmente, a questão do

{ 246 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

projeto ainda está indefinida, mas a prefeitura do Recife garante que ele será executado
(SABOIA, 2016) 26 (imagem 71, 72 e 73).

Imagem 71 - Primeira versão do Projeto Novo Recife. Fonte: Pini Web, 2012.

Imagem 72 - Versão atual do Projeto Novo Recife visto de Brasília Teimosa. Perceber as duas torres já
existentes no local à direita. Fonte: Site Novo Recife, 2014.

26
Parte fundamental dos questionamentos ao projeto apontam para a sua ilegalidade, visto a aparente
obscuridade como se deu o processo de venda e leilão do seu terreno (GRUPO DIREITOS URBANOS, 2012).
Para mais informações sobre a contestação da sociedade sobre esse projeto, bem como sobre as
características e detalhes do empreendimento proposto, consultar o blog do Grupo Direitos Urbanos
(disponível em: < https://direitosurbanos.wordpress.com/>. Acesso em: 29 mai. 2017). Para saber mais sobre a
visão do Consórcio sobre o caso, visitar o site oficial do projeto (disponível em:
<http://www.novorecife.com.br/>. Acesso em: 29 mai. 2017).

{ 247 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

Imagem 73 - Em primeiro plano, a versão atual do Projeto Novo Recife, e ao fundo, Brasília Teimosa. Fonte:
Site Novo Recife, 2014.

Anteriormente a esse episódio, o espaço do Cais José Estelita havia sido pensado
como parte do Plano Recife-Olinda27, criado nos anos 2000, com início previsto para 2007.
Apesar de também ter uma forte ênfase na verticalização, este projeto parecia ser mais
coerente com as necessidades urbanas locais, visto que previa uma integração macro das
orlas daquelas duas cidades e tinha algumas preocupações sociais, urbanísticas e
paisagísticas inexistentes no Novo Recife, como por exemplo, uma grande ênfase no espaço
e no transporte público, e a urbanização e reintegração das comunidades e favelas que se
encontravam em meio a sua área de abrangência. Um dos setores de integração previstos
no plano era a comunidade de Brasília Teimosa, destacada pela sua forte vocação
gastronômica. Com a mudança de gestão do governo do estado, o projeto foi abandonado
(ROLNIK, 2012) (imagem 74).

Imagem 74 - Projeto Recife-Olinda no trecho do Cais de Santa Rita. Fonte: Blog Direitos Urbanos, 2012.

27
Para mais detalhes sobre o Projeto Recife-Olinda consultar uma reportagem sobre o tema encontrada no
site da Revista AU (disponível em: <http://www.au.pini.com.br/arquitetura-urbanismo/149/artigo26571-
2.aspx>. Acesso em: 29 mai. 2017).

{ 248 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

Alguns outros projetos incidem diretamente sobre o território de Brasília Teimosa.


Em relação à ligação da comunidade a outros pontos da cidade, também foram feitas duas
propostas contundentes, mas que não foram levadas adiante. A primeira delas seria uma
ponte, fazendo a ligação da Avenida Brasília Formosa, na altura do parque das esculturas,
com o Bairro do Recife, com o argumento de se melhorar o acesso do Pina ao centro
histórico da cidade. O projeto foi abandonado por conta da realização da Via Mangue
(SABOIA, 2010).
A segunda ideia de mobilidade surgiu em 2015 e veio da Secretaria de Turismo do
Estado. Ela consiste na instalação de um teleférico ligando a Brasília também ao Bairro do
Recife, tendo uma parada próxima às referidas torres da Moura Dubeux no Cais Estelita.
Apesar de a ideia já ter sido discutida com uma empresa internacional especialista nesse
tipo de transporte, nada foi concretizado até então (ALBERTO, 2015). Esse projeto não foi
discutido juntamente com a comunidade, sendo fortemente rejeitado por ela (imagem 75).

Imagem 75 - Pontos do Teleférico previsto para Brasília Teimosa. Fonte: Diego Martiniano (página no
Facebook), 2015 (modificado).

Seguindo esse viés turístico, a Construtora Internacional Rio Ave Empreendimentos


propõe a criação de um hotel de luxo (Renaissance Hotel & Resort) de 44 pavimentos no
terreno onde hoje se encontra o atual Iate Clube do Recife (CÂMARA MUNICIPAL DO RECIFE,
2015). Ao menos até então, a prefeitura vem indeferindo este projeto, dada a sua

{ 249 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

localização no interior da ZEIS da comunidade, onde não permite uma construção desse
porte e com esse gabarito. Ao receber essa negativa, a empresa tenta recorrer
juridicamente a esta decisão (MELO, 2016). Os moradores do bairro temem a construção
desse edifício, que poderia representar a perda de mais um pedaço da sua Zona Especial (a
exemplo do precedente aberto pela concretização do Empresarial JCPM) e atiçar ainda mais
os olhares das empreiteiras para a área. Além de necessitar da aprovação da comunidade,
pelo seu porte, o empreendimento precisaria apresentar legalmente um Estudo de Impacto
de Vizinhança, o que não foi realizado (BRITO; MARGARITA, 2016) (imagem 76).

Imagem 76 - Hotel da Rio Ave e Brasília Teimosa ao fundo. Fonte: Blog do Jamildo, 2017.

Além deste hotel, mais um edifício teve sua construção barrada na região, mas dessa
vez, fora da comunidade, no seu entorno. No terreno onde hoje se encontra o Clube Líbano
Brasileiro, um imóvel especial de preservação (IEP28), já há algum tempo, a construtora
Conic tenta construir um Empresarial de 23 pavimentos, com um edifício garagem e uma
nova sede para aquele clube. Por conta a sua relevância histórica, a prefeitura suspendeu a
demolição da edificação existente, um exemplar modernista da década de 1950
(JUSTIÇA...2013) (imagem 77).

28
Os IEPs (Imóveis Especiais de Preservação) são edificações que tem um valor patrimonial histórico, mas não
se situam em uma ZEPH (Zona Especial de Preservação do Patrimônio Histórico – Cultural), sendo preservado
individualmente, como prevê a Lei de Uso e Ocupação do Solo vigente na cidade (PREFEITURA DA CIDADE DO
RECIFE, 1996).

{ 250 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

Imagem 77 - Empresarial Líbano Brasileiro. Fonte: Wikimapia, 2012.

Por último, há um outro empreendimento que chama a atenção por ter sua
construção prevista exatamente na fronteira com a ZEIS Teimosa. É o Edifício Mirante
Capibaribe, um condomínio clube de luxo da Construtora Moura Dubeux, que se localizará
no atual terreno da empresa Ecomariner, a oeste da comunidade. Ele possuirá 21
pavimentos, e privatizará uma parte da borda do rio29. Apesar do projeto ainda estar “em
planta”, ou seja, ainda não existir, os seus apartamentos já estão sendo amplamente
vendidos pelos agentes imobiliários (VIVA REAL, 201-) (imagem 78).
Além desses projetos recentemente construídos (mapa 16), previstos ou que tentam
ser concretizados, é importante se atentar para a existência de três grandes terrenos vazios
muito próximos à comunidade. O primeiro deles se localiza entre as Avenidas República
Árabe Unida e Herculano Bandeira, mas por se situar em uma Zona de Ambiente Natural e
estar cercado por vias que tem um nível superior ao seu, a sua utilização se torna mais
difícil. O segundo está em uma área estratégica, no cruzamento das avenidas Antônio de
Góes e Conselheiro Aguiar, em frente ao Empresarial JCPM, sendo usado frequentemente
em eventos transitórios, como parques infantis e circos itinerantes. O terceiro e último se
encontra exatamente no limite da ZEIS de Brasília Teimosa, na esquina da Rua José Mariano

29
Atualmente, a empresa Ecomariner já privatiza essa parte da orla do rio.

{ 251 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

Filho e a Avenida Conselheiro Aguiar, se encontrando murado e absolutamente ocioso


(PREFEITURA DA CIDADE DO RECIFE, 2017) (mapa 17).

Imagem 78 - Edifício Mirante do Capibaribe. Fonte: Expo Imóvel, 201-.

Como, segundo a LUOS da cidade, os bairros de Boa Viagem e Pina, vizinhos a Brasília
Teimosa estão situados em uma ZUP (Zona de Urbanização Preferencial), o potencial
construtivo desses terrenos é muito grande, e por isso, eles podem vir a abrigar edifícios e
empreendimentos de grande porte e altura, que também conflitariam com a paisagem da
comunidade. Além disso, cabe lembrar que isso também pode acontecer nas áreas já
ocupadas atualmente, visto o processo de renovação arquitetônica pelo qual a região sul do
Recife vem passando.
Essa atuação feroz do mercado imobiliário no Pina e na região de seu estuário, do
qual faz parte o bairro estudado, não ocorre por acaso. Atualmente, essa área pode ser vista
como um território estratégico, que faz o enlace entre o centro histórico da cidade, com
todas as suas vantagens locacionais e turísticas, e Boa Viagem, que apesar de possuir
características completamente diferentes, também é uma centralidade e possui essa mesma
vocação. Para esse fim, a partir de projetos como os analisados anteriormente, pretende-se
transformar a região em uma espécie de nova “vitrine” para a cidade (BARBOSA, 2014), que
venha a mostrar valores morais e estéticos que reproduzem uma cultura alheia a da
Comunidade Teimosa, a ameaçando e neutralizando as peculiaridades que a tornam única.

{ 252 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

Mapa 17 - Terrenos Vazios no entorno de Brasília Teimosa (numerados pela ordem em que são citados no
texto). Fonte: elaborado pela autora.

Independente do ano e do porte dos empreendimentos averiguados, algumas


características universais são observadas. Percebe-se uma clara tentativa de reprodução da
paisagem elitizada existente em Boa Viagem para esses locais. Além dos usos propostos em
todos eles serem predominantemente voltados para as classes sociais mais abastadas, com
residenciais, empresariais, centros comerciais e de serviços e equipamentos turísticos de
alto padrão, há ainda uma semelhança estética nas tipologias, gabaritos verticalizados e
materiais das edificações propostas. Essas similaridades se dão entre os próprios
empreendimentos novos e previstos, e entre eles e os já existentes nos bairros da zona sul,
que como já foi dito, em nada se conectam com as preexistências locais.
Se amparando em um discurso de “inovação e modernização”, esses projetos vêm
dando às costas para a paisagem de onde são inseridos, assim como já vem ocorrendo nos
bairros do Pina e Boa Viagem. As referências históricas, tipológicas, arquitetônicas e
paisagísticas que conferem a individualidade dos lugares não são observadas, o que faz com
que se fabriquem territórios neutros, que não se relacionam com quem os vivencia.

“O que se propõe “novo”, é um “velho” preconceito de não reconhecimento da


diversidade de uma cidade, de não consideração aos desejos de uma grande

{ 253 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

maioria da população pelo acesso ao que é público e de não valorização da


história, da memória e da paisagem”30 (VERAS, 2016, p.9).

Os conflitos ideológicos surgidos a partir da concretização de empreendimentos de


tal conotação dão origem a cenários paisagísticos também conflituosos (CONAN, 1996), tal
qual se pode observar na comunidade teimosa e no seu entorno. Frente ao projeto de
paisagem que se enseja para ela e para as suas circunvizinhanças, a Brasília se coloca como
uma forte resistência, não somente por se apresentar fisicamente no local, mas por impor a
sua gente, a sua história, e as simbologias e as relações afetivas a ela agregadas à cidade,
não se curvando aos interesses que se opõem a sua permanência.
Porém, mesmo com toda a teimosia que esse bairro demostra ao Recife desde a sua
existência, ele não se mantém totalmente ileso às pressões que vem sofrendo. Como
exemplo disso, sabe-se que nos últimos anos está havendo a compra clandestina de casas
no interior da comunidade (SILVA, 2011). Segundo as informações dadas pelos
entrevistados, muitas vezes o mercado chega ao local na figura dos corretores imobiliários,
que procuram adquirir casas que nem sequer estão à venda, fazendo propostas a preços
exorbitantes a fim de convencer os seus proprietários a realizar essas transações. (Antônio
Carlos, 2017; Claudete Barros, 2017; Edileuza Simões, 2017; Jane Abreu, 2017; Luciberto
Xavier, 2017; Wilson Lapa, 2017).
Uma vez que são vendidos, ou os imóveis passam a ser utilizados por terceiros,
reconhecidos pelos moradores como “olheiros” ou “laranjas”, ou permanecem fechados
(SILVA, 2011). Também se percebe que a entrada das pessoas alheias à Brasília e vinculadas
aos empreendedores, podem ser visível na comunidade através da construção de novos
edifícios, que muitas vezes não atendem à regulamentação das ZEIS, ou pela reforma de
edificações já existentes, que passam a ter características e tipologias discrepantes daquelas
geralmente encontradas no local, tendendo a se assemelhar esteticamente à arquitetura
praticada nos bairros elitizados vizinhos.

“Eles colocam aqui corretores batendo palma em casas que nem placa de ‘vende-se’ tem, (...) e em alguns casos eles
acabam, lógico, vendendo a casa” (Wilson Lapa, radialista e atual Líder do Conselho de Moradores, 57 anos).

“(...) As pessoas que moram aqui não tem pretensão de sair, mas as propostas que as pessoas fazem, às vezes,
imobiliárias, é muito maior, né? Então, assim, eu conheço pessoas que venderam e retomaram por uma questão de
não se adaptarem em outro local, mas eu acho que futuramente vai ter um crescimento muito grande. Talvez até
maior do que a gente deseje ter. (Taciana Melo, professora, 29 anos)

30
Aqui, Veras (2016) está se referindo especificamente ao Projeto Novo Recife, mas esta é uma reflexão que se
encaixa em uma análise geral dos projetos elencados nessa sessão, dada a grande semelhança existente entre
eles.

{ 254 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

“(...) Não me vejo fora de Brasília Teimosa, eu sei que tem muita gente que é grande de olho nela, construtoras, tudo
de olho, tem “muita laranja” também aqui dentro, muita gente que comprou pra empresa. Tem pessoas que num
pode ver dinheiro. A gente, hoje, a gente vê pessoas que sabe que não é da área morando aqui, são pessoas de
outro nível morando aqui. (...) É por isso que eu digo, eles usam, a, os laranja pra ter casa aqui (...)”. (Edileuza Simões,
cuidadora, 58 anos)

Em relação a isso, podem ser citados dois exemplos claros encontrados no local. O
primeiro deles se situa na orla marítima da área da Colônia, nas proximidades do bairro do
Pina, se tratando de uma casa com características bastante peculiares em relação às suas
vizinhas, no que diz respeito principalmente ao materiais, acabamentos e tipo de esquadrias
utilizadas (imagem 79). O segundo exemplo, se situa na Rua Poraquê, e se trata de uma obra
de um edifício de 6 pavimentos, dois a mais do que é permitido na Brasília. Segundo os
moradores da rua31, a obra possui um engenheiro (o que é incomum para a área) e o seu
proprietário não mora na comunidade, somente sendo visto esporadicamente, quando faz
visitas à obra (imagem 80).

Imagem 79 - Casa de arquitetura não convencional ao bairro de Brasília Teimosa. Fonte: acervo pessoal da
autora.

31
Estes moradores não quiseram ser identificados.

{ 255 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

Imagem 80 - Edifício irregular na Rua Poraquê. Fonte: acervo pessoal da autora.

A partir da constatação desse mercado às escuras e dos projetos propostos para


aquela região, percebe-se que as construtoras e empreiteiras realmente não se intimidam
com os instrumentos de proteção sob os quais a comunidade se ampara. Essa postura
denota uma expectativa de que o local deixe de ser uma ZEIS em um futuro próximo, o que
gera essas tentativas de reserva de terras para a posteridade.
Os desejos e os interesses desses grupos em transformar o local em parte do seu
projeto de paisagem elitizado e neutro podem ser apreendidos não somente por meio das
ações por eles encabeçadas, mas também através de seus discursos dados à sociedade
sobre o assunto. Como um exemplo emblemático disso, tem-se um depoimento extraído do

{ 256 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

documentário “Recife MD32”, onde o superintendente comercial de uma das empresas mais
atuantes na região de Brasília Teimosa, a Moura Dubeux, fala da sua visão sobre a ocupação
e a apropriação da comunidade:

“Brasília Teimosa era um local que [se] não se tivesse dado a ocupação que foi
dada a ela, era um local excelente. É um local cercado de água pelos três lados, né,
então assim, hoje a ocupação que tá nela não se permite, não se permite mais se
fazer um empreendimento imobiliário, a não ser que haja uma intervenção severa
do poder público, que realmente rearranje aquele local, e assim disponibilize a
cidade para um novo empreendimento. Então, ela tá fadada a não passar daquilo,
a não ser que haja uma intervenção severa do poder público, que o poder público
ache que é importante que aquele local passe a servir à cidade com hotéis,
marinas, com equipamentos que incentivem o turismo... Mas isso é uma visão de
médio e longo prazo. A gente tem outras áreas da cidade importantes da cidade
pra reocupar (...), que tem uma relação fundiária mais simples” (Depoimento de
Antônio Vasconcelos, Superintendente Comercial da empresa Moura Dubeux em
Pernambuco, para o documentário “Recife MD33” – 2011).

“(...) O cara da Moura Dubeux, tem um documentário que ele diz que o lugar ideal [é Brasília Teimosa], eu odeio esse
documentário, mas é real” (Isamar Martins, bibliotecária, 55 anos).

Assim, partindo dessa conjuntura, percebe-se que o tipo de ocupação que se dá na


Teimosa, bem como a cultura que ela representa, parecem não ser considerados como uma
parte da cidade por não pertencer ao tipo de ocupação que se quer implantar na área.
Dessa maneira, para os grupos que querem se apropriar do seu território, ele está “fadado a
não passar daquilo” enquanto for considerado uma Zona Especial protegida e não abrigar
empreendimentos a semelhança dos anteriormente apresentados.
Frente a essa desconsideração das ligações afetivas e objetivas que a população da
Brasília tem com o seu lugar, bem como das particularidades desse último, o movimento de
luta em defesa da comunidade, outrora tão forte, atualmente se encontra desarticulado.
Além disso, muitos moradores claramente não tem consciência das consequências da venda
individual de suas casas para o mercado imobiliário e da entrada gradual dos planos e
edifícios alheios às preexistências do local nas terras da Teimosa. Esse dois fatores são
graves, porque podem ser tidos como o início do apagamento da história desse bairro e da
expulsão de suas pessoas a partir da apropriação do seu território para a implantação
projetos que neguem quem o habita.

32
RECIFE MD. Direção de Gabriela Alcântara e Marcelo Pedroso. Recife, 2017. (4 min.), son., color. Disponível
em: <https://vimeo.com/31354876>. Acesso em: 29 maio 2017.
33
Idem.

{ 257 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

“É, porque Brasília Teimosa não tem prédios, né, não tem edifício, entendeu? Não tem, então nessa linha, eu acho que
o bairro vai ganhar muito. Algumas pessoas pensam o contrário, eu já acho que vai ganhar muito” (Claldemy Bezerra,
administrador, 40 anos).

[A construção do JCPM] “Foi bom sim, primeiro que acabou com um terreno que estava ali na frente mais de, há mais
de quarenta anos o terreno tava lá, e eles construíram e trouxeram benefícios praquí, muito bom”.
(...)
“(...) Tirar Brasília Teimosa daqui, tira, se o governo quiser tira (...). Olhe a resistência para o progresso é burrice. Se vai
pegar isso aqui, vai ser um, um, quer ver uma burrice muito grande? A resistência que fizeram pra o Cais José Estelita
(...). (...) Como é que eu tenho uma coisa minha e eu não posso fazer nada? (...) Não, não tem nada negativo, o que
tem muito é agitação. Como eu lhe digo, é ignorância. Um povo que é manipulado por uma determinada classe, que
na verdade é política, é partidária (...). (...) Não tem nenhum Governo interessado nessa área aqui, não tem, nenhum. E
nem vai aparecer alguém que vá pensar nisso, [em tirar Brasília Teimosa de onde ela está,] é loucura pensar numa
coisa dessas” (Edu Guerra, técnico de construção aposentado, 68 anos).

“Hoje, o ponto negativo é a divisão dessas lideranças políticas, (...) porque elas foram cooptadas por partidos, por
interesse (...). É um bairro que apesar de toda essa divisão, a gente tem um nome a zelar, Brasília Teimosa não é à
toa”. (Isamar Martins, bibliotecária, 55 anos).

Ao mesmo tempo em que isso acontece, é vista uma clara vontade geral de
permanência e resistência por parte dos moradores. Como foi visto até então e será mais
aprofundado adiante, as relações estabelecidas entre eles e a Brasília são fortes e fundam a
dinâmica, a movimentação e as transformações que ocorrem na paisagem desse bairro ao
longo dos anos.

“(...) Eu acho que a gente não ia se acostumar em outro lugar distante daqui, ia ser uma revolução aqui dentro, eu
acho. (...) As pessoas daqui são unidas, teimosas. (...) Todo mundo tem suas divergências políticas, mas na hora de
defender Brasília Teimosa, todo mundo se une” (Jane Abreu, farmacêutica, 61 anos).

“(...) Eu só saio daqui pra o cemitério. Meus filhos também não quer sair daqui” (Maria Rita, dona de casa, 74 anos).

“Só [saio daqui] pra Santo Amaro [cemitério]. (...) Se tiver uma vaga lá, né? Se num tiver, me joga aí no mar. (...) Isso
aqui foi um movimento que eu participei, e, e lutei, e vou morrer aqui. (...) enterrei o meu umbigo aqui” (Antônio
Carlos, funcionário público aposentado, 66 anos).

“(...) Eu sou nativo e não pretendo sair daqui mais pra canto nenhum. (...) E aqui vou morrer, nasci aqui, aqui mesmo,
só daqui pra Santo Amaro [cemitério]” (Dentinho, pescador, 48 anos).

“Eles não tiram de jeito nenhum, pode botar o trator que for, mas não tira não. Aqui é menina dos olhos, né?”
(Alexandra Lopes, dona de casa, 40 anos).

{ 258 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

“(...) Vou deixar a minha casa pra ir pra canto nenhum (...). (...) Brasília Teimosa é Brasília Teimosa. (...) “Oxe”, eu
chamava o pessoal tudinho pra gente brigar. Não é só eu não, viu? É muita gente (...)” (Claudete Barros, vendedora de
carne, 66 anos).

Frente a esse impasse entre os desejos de futuro para a Paisagem Teimosa, que
conflitam entre a sua conservação, ansiada por quem a criou, a vive e a transforma, ou o seu
apagamento, de vontade do mercado imobiliário, quais são as premissas que devem
orientar as suas transformações no porvir? Veremos adiante.

3.2.2 Os Porquês de um Futuro Teimoso

“É uma história, entendeu? Uma história, entendeu? Que hoje as pessoas estão querendo apagar, e isso marca muito,
entendeu? (...) Tem marca, entendeu? Porque tem lugares que marca (...). Pra muita gente, isso aqui representa muita
coisa (...)” (Verônica Ribeiro, comerciante, 52 anos).

A lógica de formação socioespacial recorrente no Recife vem desconsiderando as


particularidades dos lugares, os valores subjetivos e simbologias ligadas a eles, e o papel
relacional da cidade como um meio onde as pessoas criam as suas raízes e fundamentam a
sua vida. O projeto de paisagem que se encena com a inserção, ou a tentativa de inserção,
dos empreendimentos anteriormente citados na Teimosa e no seu entorno são um reflexo
disso.
O cenário paisagístico que se concretiza hoje na Brasília e nas suas circunvizinhanças
denuncia palpavelmente os conflitos morais, simbólicos e ideológicos que permeiam os
interesses dissidentes dos diferentes grupos sociais para o futuro da comunidade (imagem
81). Ao mesmo tempo em que a apropriação afetiva e simbólica dos seus moradores gera
condutas que apontam para a conservação daquela paisagem, as ações e os discursos de
grupos alheios ao local, que a ele imputam um significado de território-mercadoria, se
direcionam para a destituição das características e das especificidades que o fazem contador
de uma história, e que o conferem a capacidade de ser vivenciado pela população que o
construiu34.

“(...) Quando a pessoa constrói uma obra, não quer desfazer não” (Maria Rita, dona de casa, 74 anos).

“(...) A gente construiu a Brasília, como é que você vai querer que eu abandone uma coisa que eu construí?” (Edileuza
Simões, cuidadora, 58 anos).

34
Ver as discussões expostas no primeiro capítulo desse trabalho, principalmente no que diz respeito às
teorias de Conan (1994).

{ 259 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

“(...) Eu amo Brasília Teimosa, eu gosto demais desse lugar aqui, aqui eu me sinto, posso está em qualquer lugar,
posso viajar, quando passo por ali, pronto! Me sinto em casa. (...) Quem mora aqui é feliz” (Jane Abreu, farmacêutica,
61 anos).

“É minha mãe, meu pai, minha irmã, Brasília Teimosa é tudo pra mim, tudo” (Claudete Barros, vendedora de carne, 66
anos).

A desconsideração dessa individualidade dos lugares culmina com a formação de


paisagens neutras (BERQUE, 2010), que em nada representam quem as habita, não se
prestando a amparar os seus hábitos e práticas sociais. Assim, por perderem a capacidade
de acolher a vida, elas acabam formando uma cidade morta, que se esquece de suas
pessoas.
Mas não é isso que se quer para a Brasília. Para que ela continue guardando o seu
caráter de espaço vivido, é preciso respeita-la em suas particularidades, não somente
palpáveis, mas também subjetivas. Ao longo de sua formação e até os dias atuais, percebe-
se que esse lugar vem tendo características únicas, que o tornam muito diferente do seu
entorno e da cidade como um todo, fazendo com que ele se consolide como uma Unidade
de Paisagem (imagem 82).
Sabe-se que apesar da paisagem ser uma entidade contínua, dentro dela existem
“porções do território caracterizadas por uma combinação específica de componentes
físicos e sociais constituídos ao longo da história e de dinâmica própria atrelados também ao
sentimento de pertencimento da população com o local” (CARNEIRO; DUARTE, 2008,
p.135), que são exatamente essas Unidades. Para serem consideradas como tal, não é
necessário que haja uma homogeneidade absoluta que as constitua, mas sim, que nelas
existam padrões recorrentes que, em sua completude, as tornem diferentes em relação ao
seu entorno, o que pode ser identificado estando no seu interior ou no seu exterior (ABREU;
CORREIA; OLIVEIRA, 2012). Dada essa conceituação, a partir nas análises obtidas no caminho
trilhado por essa pesquisa, fica claro que a Teimosa constitui uma unidade em si, não
somente pelos seus aspectos morfogeográficos, mas também culturais35.

35
Cabe perceber que o fato de Brasília Teimosa ser uma ZEIS reforça a sua característica de unidade de
paisagem, visto que sendo assim classificada, por lei, ela deve ser tratada de uma maneira diferente do seu
entorno.

{ 260 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

Imagem 81 - A Paisagem Teimosa e o seu entorno conflitante. Fonte: Brasilina Teimosina (Perfil do Facebook),
2016.

Imagem 82 - A Unidade de Paisagem de Brasília Teimosa. Foto de Maurício F. Pinho. Fonte: Panoramio
Google Maps, 2010.

{ 261 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

A própria conformação natural e antrópica da Brasília favorece que ela seja assim
classificada. A sua península triangular, banhada pelo mar e pelo rio se destaca na paisagem,
correspondendo exatamente também a uma parte de ocupações, gabaritos, cores, formas e
tipologias arquitetônicas que se diferem das suas circunvizinhanças, principalmente em
relação aos bairros do Pina e Boa Viagem. A leitura dessa singularidade se dá tão claramente
e fortemente que, muitas vezes, o seu território é lido como uma ilha36 pelos seus
moradores e pela população em geral (imagem 82).
A formação da Brasília, como visto, também ocorreu de maneira peculiar e pioneira,
que conta a história da teimosia e das relações profundas das pessoas com esse lugar, que
fundou e funda as suas vidas. Além disso, a vivência que ali se dá a partir das práticas sociais
e hábitos que nele se desenvolvem, como por exemplo, a pesca, a movimentação comercial
e gastronômica, a vivência da rua, os lazeres ligados ao mar e ao rio e a ligação sentimental
e racional que se tem com as águas, faz com que a comunidade tenha uma organização,
dinâmica e tipo de apropriação afetiva e simbolismos que também a tornam culturalmente
e socialmente única.

“(...) Brasília Teimosa fica diante dessas duas coisas, do lado do mar, do lado do rio, a Brasília Teimosa é uma ilha
maravilhosa (Maninho, porteiro aposentado, 48 anos)”.

“(...) A minha patroa, eu trouxe já ela aqui, ela disse que eu moro numa ilha, e realmente é uma ilha, é
entre o mar e o rio, eu moro entre o mar e o rio, então eu moro dentro de uma ilha, né?” (Fernando Paes, motorista,
58 anos).

“(...)Brasília em outro lugar, teria que ser perto do mar, senão, acho que não seria Brasília Teimosa” (Claldemy Bezerra,
administrador, 40 anos).

“(...) Se fosse em outro lugar não teria, não seria isso daqui” (Edu Guerra, técnico de construção
aposentado, 68 anos).

“Você tá aqui porque existe Brasília Teimosa, se Brasília Teimosa fosse em outro lugar, você não tava nem aqui”
(Dentinho, pescador, 48 anos).

“(...) Tem outras histórias por aí, mas eu acho que Brasília Teimosa, não mesmo, nunca (...)” (Djalma
Rodrigues, mecânico em refrigeração aposentado, 81 anos)

Assim, esse conjunto de fatores físicos, sociais e simbólicos confere o caráter


individual da Paisagem Teimosa. Um projeto de futuro para esse lugar deve se atentar a essa

36
A Brasília é uma península, ou seja, “uma porção de terra cercada água por todos os lados”, com exceção de
um, que é exatamente por onde ela se conecta com o Pina. Apesar disso, as suas características a tornam tão
diferentes do seu entorno que, por vezes, ela é tida como uma ilha, que é uma porção de terra cercada por
todos os lados (MICHAELIS, 2017).

{ 262 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

sua essência, para que no porvir, ele continue contando a sua história, que também é a dos
seus moradores e da cidade, através do seu território, ao mesmo tempo em que permita
que ela seja escrita em seu “palimpsesto” continuamente. Nesse sentido, percebe-se a
importância de se atentar aos valores, identificações, conotações e desejos de quem vive,
cria e transforma37 a Brasília, e não de grupos alheios a sua realidade, que através de um
domínio político e econômico querem destitui-la de seu âmago. Por ser uma unidade, ela
deve ser tratada de uma maneira também única, diversa do seu entorno e de outros lugares
que tenham outras preexistências sociais, conotações e vivências.
Esse será o caminho que guiará as diretrizes de conservação para essa paisagem
expostas mais adiante. Partindo-se do respeito às fases de sua construção e à vida que nela
se dá, de forma a garantir não somente a sua permanência física, mas também a sua
capacidade de se fazer habitada, viva e apropriada no seu presente e no seu porvir.

37
“(...) Nunca se deve mexer na paisagem sem pensar naqueles que vivem nela. Afinal de contas, se a
paisagem tem um sentido e, sobretudo, se o projeto de paisagem pode ter um sentido, é porque o desafio é
tornar o mundo habitável para o homem” (BESSE, 2014, p.36).

{ 263 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 3 – A TEIMOSIA DE HOJE E OS DESEJOS PARA O AMANHÃ }

{ 264 }
{ }
CAPÍTULO 4

BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS


“Perto de muita água, tudo é feliz.”
(Guimarães Rosa – Grande Sertão: Veredas1)

A partir da constatação de que a Paisagem Teimosa vem sendo alvo de grandes


ameaças a sua permanência, neste momento final do estudo, busca-se estabelecer
Diretrizes Gerais para a sua Conservação. É importante observar que ao se denunciar a
necessidade da continuação dessa comunidade na Cidade do Recife, fala-se não somente
em garantir a existência do seu território físico, mas também da permanência dos valores
subjetivos e simbólicos que fazem desse lugar um bairro vivido.
Ao se considerar a vivência das pessoas e da sociedade como parte dessa paisagem
que deve permanecer, tem-se uma leitura da Brasília como Kosmos: ou seja, como um local
que é a junção indissociável do seu espaço palpável e de uma dimensão relacional e afetiva
agregada a ele, na qual participam os indivíduos através da mediança (junção do seu Topos,
corpo físico, e da sua Chôra, corpo coletivo, social) (BERQUE, 2010).
A partir desse olhar, começa-se a tratar da conservação da Paisagem Teimosa
conduzindo o leitor às premissas que orientaram as suas diretrizes gerais. Elas são o
resultado das análises da Brasília do passado e do presente, vistos a partir das relações
objetivas, subjetivas e simbólicas que nela se desenvolveram ao longo dos anos. Para se
entender essas questões e consequentemente captar quais são os elementos que devem
permanecer na paisagem para que a sua essência seja assegurada, as entrevistas e
observações feitas in loco foram imprescindíveis. Ouvir o lugar e as pessoas que o
constroem foi fundamental para se entender os desejos e as necessidades que se tem para
o futuro dessa parte da cidade.
Após essa primeira explanação, são colocadas as diretrizes gerais propriamente
ditas. Depois de se determinar algumas notas breves sobre a conservação da Brasília por
meio dos instrumentos legais a ela cabíveis, elenca-se os Valores Teimosos que constituem
o seu cerne trajectivo, ou seja, que caracterizam o seu âmago fisicamente, simbolicamente
e subjetivamente. Eles devem ser conservados para que essa paisagem continue sendo
vivida e vestida das simbologias, das relações afetivas e dos elementos físico-morfológicos
que a fazem tão única e especial. Por fim, fecha-se esse raciocínio com uma última reflexão
sobre as características dessa Unidade de Paisagem através da síntese das orientações
propostas anteriormente.
Sigamos rumo à permanência da Teimosia2.

1
ROSA, João Guimarães. Grande sertão: veredas. 19.ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.

{ 265 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

4.1 ESTABELECENDO AS DIRETRIZES GERAIS PARA A CONSERVAÇÃO DA PAISAGEM


TEIMOSA3
A importância da conservação da Paisagem Teimosa não se dá pela idade histórica
dos objetos arquitetônicos e urbanísticos que nela se fazem presente. A sua relevância se
encontra na história que esse lugar conta e reconta aos que o observam ou que nele vivem.
Faz-se necessário reafirmar que no âmbito deste trabalho, a paisagem é vista não
somente a partir de suas características físicas, antrópicas e naturais, mas também pelas
relações humanas que nela se desenvolvem, e que a ela agregam valores simbólicos e
sentimentais. Nesse sentido, a história da Teimosa também é a história daqueles que a
construíram e a vivenciam no seu passado e no seu presente. A vida da gente da Brasília se
confunde com a sua paisagem, em um processo de identificação e ligação afetiva profunda.

“Não consigo falar de mim sem falar daqui” (Mika, bailarino e coreógrafo, 50 anos).

“O lugar onde eu me criei, onde eu vivi tudo na minha vida, onde eu fui mãe, onde hoje eu sou vó, né? E é o bairro
que eu amo. (...) Brasília Teimosa tem história na minha vida. (...) Minha história bonita em um lindo bairro” (Adriana

Inês, cabelereira, 45 anos).

“(...) Brasília Teimosa foi e tá sendo a minha vida, e tudo que eu possuei, possui, possuo, foi na Brasília Teimosa, não
foi de outro canto, aí, por isso que ela significa tudo pra mim, uma mãe e um pai”. (José Severino, pescador, 47 anos)

Também é de se perceber que a história desse bairro reproduz o processo de


construção social da própria paisagem do Recife como um todo, tanto em seus aspectos
naturais e ambientais, pela presença do mangue, do mar, das águas e dos arrecifes, como
pela forma como ele se desenvolveu e se transformou pela apropriação dos seus
moradores, que construíram o seu lugar no território anfíbio daquela região, de maneira
semelhante ao que aconteceu com toda a planície enlameada da cidade (imagem 1 e 2).
“A gente que fez [a casa], mas era areia, era um areião, mas o mar quando enchia não tinha muro, o mar vinha
simbora” (Maria Rita, dona de casa, 74 anos).

“(...) ela foi feita praticamente dentro do mar, né?” (Fernando Paes, motorista, 58 anos).

“Brasília Teimosa era maré” (Antônio Carlos, funcionário público aposentado, 66 anos).

2
Aqui, agradeço diretamente à contribuição preciosa da Professora Lúcia Maria Veras, que deu orientações
muito importantes para o fechamento desse estudo. Também foi dela a ideia, que achei bastante coerente, de
tratar os valores como “Teimosias”.
3
O entendimento pelo qual se deram as diretrizes gerais de conservação formuladas é o resultado de todo o
arcabouço teórico já discutido até então, como, principalmente, as teorias de Berque (2000, 2010, 2012),
Conan (1994) e Besse (2014).

{ 266 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

Imagem 1 - Brasília e suas casas anfíbias a Beira-Mar, antes da abertura da avenida Brasília Formosa.
Fonte: Blog Conselho de Moradores de Brasília Teimosa, 2012.

Imagem 2 - Brasília Teimosa antes do


calçamento de suas ruas, que
originalmente eram de areia. Fonte:
Brasilina Teimosina (Perfil do Facebook),
201-.

{ 267 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

Além disso, Brasília Teimosa resiste até os dias atuais sendo considerada a ocupação
mais antiga da cidade e se destacando por ser pioneira em vários sentidos (SILVA, 2011).
Como exemplo disso, pode-se citar a criação do seu Conselho de Moradores, o primeiro do
estado (BRASÍLIA, 1998); o traçado planejado da sua malha viária, incomum às áreas que
são fruto de invasões (FORTIN, 1987); a forma como a arte foi incorporada na luta pela sua
permanência, sendo uma ferramenta de agregação de pessoas e expressão dos seus
desejos (SILVA, 2008a); e a proposição de um projeto comunitário e participativo, o
Teimosinho, que inspirou a formulação de leis e instrumentos legais, como o PREZEIS
(ASSIES, 1991). Por todos esses aspectos, a comunidade acabou estimulando a “teimosia”
de muitos outros bairros do Recife e do país (Luciberto, Xavier, 2017).
Pela sua singularidade, desde o início de sua existência, a Brasília vem sendo muito
estudada, não somente no Brasil, como também internacionalmente. Afora os trabalhos
acadêmicos4, atualmente, ela é um dos lugares mais retratados da cidade pela cena artística
local e nacional, principalmente no que diz respeito ao cinema. Nos filmes, curtas-
metragens e documentários, geralmente ressalta-se o seu cotidiano, a sua relação com o
mar, a sua vocação gastronômica e principalmente a força da sua persistência frente às
pressões do mercado imobiliário, explorando-se visualmente a dicotomia conflitante entre a
sua Unidade de Paisagem e o seu entorno (imagem 3 e 4) (CAVANI, 2016).

Imagem 3 - Brasília Teimosa sendo retratada em uma Cena do Filme Aquarius (2016). Ao fundo, os prédios do
Pina. Fotografia de Victor Jucá. Fonte: CAVANI, 2016.

4
Como um exemplo de trabalho acadêmico internacional sobre a Brasília Teimosa tem-se o trabalho
intitulado: “Brasília Teimosa é Nossa”, dos estudantes Fivos de Brito Karagiorgas e Margarita Miha,
recentemente publicado na Grécia. Disponível em:
<https://issuu.com/margaritamiha/docs/brasilia_teimosa__issuu_>. Acesso em: 07 jun. 2016.

{ 268 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

Imagem 4 - Brasília Teimosa e as torres gêmeas da Moura Dubeux no Cais José Estelita. Filme Avenida Brasília
Formosa (2010). Fotografia de Ivo Lopes Araújo. Fonte: CAVANI, 2016.

(...) “sempre foi um bairro com histórico de luta, a gente, sempre assim, é o marco, um marco, como um bairro que
quer uma coisa e ele consegue” (Taciana Melo, professora, 29 anos).

“A semana passada veio uns italiano fazer uma filmagem aqui, fazer uma, um trabalho sobre o bairro (...)” (Maria das
Graças, Comerciante, 67 anos).

“Brasília não pode acabar, porque Brasília Teimosa é Brasília Teimosa. É a mais histórica do mundo, do Brasil, de
Pernambuco” (Dona Leu, marisqueira, 61 anos).

Sendo assim, por toda a sua importância e pioneirismo, assegurar que a Brasília
permaneça também é reafirmar, para todos aqueles que nela se inspiraram, que é possível
resistir. É provar que se pode pensar em uma cidade que prioriza os seus habitantes, sendo
trajectiva como eles e se comportando como um meio relacional entre a sociedade e o
mundo, e não como um espaço-mercadoria, neutro de histórias e vivências. Permitir que a
Brasília viva é permitir que uma parte da história do Recife continue sendo vista e sentida
em seu “palimpsesto”.
Ressalta-se aqui que na defesa da conservação da Teimosa não se espera imobilizar
a sua paisagem, a congelando no tempo como um quadro, uma foto ou uma pintura. Trata-
la assim seria concebê-la para uma cidade morta. As cidades são vivas, e dessa forma, as
paisagens são entidades em constante mudança, refletindo a vivência humana, “sempre
frágil e a ser recomeçada, [em um esforço] para habitar o mundo” (BESSE, 2014, p.37).

{ 269 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

Garantir que a Brasília permaneça sendo um território habitado é o desafio que aqui
se propõe. É necessário que ela continue tendo a capacidade de representar aqueles que a
constroem cotidianamente, permitindo a perpetuação de seus hábitos e práticas sociais,
que são responsáveis pela apropriação afetiva da sua paisagem, a vestindo continuamente
de simbologias. Ou seja: conservar a Teimosa é também manter vivos os valores simbólicos
a ela imputados, responsáveis por contar a sua história do passado e permitir que ela se
faça de maneira viva no presente.
Assim, como discutido anteriormente para se pensar na Paisagem Teimosa do hoje e
do amanhã com coerência, é preciso olhar atentamente as suas preexistências, extraindo
delas a essência do lugar. Assim, as mudanças que por ventura venham a transforma-la
devem refletir “algo que já estava aí. (...) Elaborar o que já está presente e que não se vê”
(BESSE, 2014, p.61).
De fato, o âmago da Brasília vivida não pode ser visto. Para senti-lo, foi necessário
trilhar o caminho metodológico que embasou esse estudo: olhar de maneira reflexiva para
construção da sua paisagem, entender as suas transformações físicas, e os comportamentos
sociais e as conotações ligadas a ela ao longo dos anos, chegando a compreender qual é o
seu estado atual, o seu funcionamento, a sua dinâmica, e a rede de relações objetivas,
subjetivas e afetivas que ela carrega consigo hoje. Dessa maneira, para a formulação das
diretrizes propostas adiante observou-se essa paisagem a partir de três esferas distintas e
indissociáveis, ligadas às abordagens (as portas) da teoria de Besse (2014), pelas quais a
Teimosa foi descortinada ao longo de
todo o trajeto investigativo que se deu
até então5.
A primeira delas diz respeito ao
Solo da Brasília. Aqui ele não é visto
como algo somente palpável, e sim
como a representação cultural e social
das pessoas que criaram esse lugar,
que o vivem e que o reinventam dia
após dia, ano após ano. É um
“palimpsesto” de “espessura que não é
apenas material, mas também
Imagem 5 - Brasília Teimosa, Solo, 2010. Foto de Gabriel simbólica” (BESSE, 2014, p.58), sendo
Britto. Fonte: Flickr Gabriel Britto.

5
Besse (2014) afirma que a os projetos de paisagem devem se orientar a partir dessas três direções: o
território, o solo e o meio natural. Nesse estudo, tenta-se entende-las de maneira integrada às 3 portas pelas
quais se observa a Teimosa: “a Paisagem é uma representação cultural e social”; “a Paisagem é um território
fabricado e habitado; e a “Paisagem é o meio ambiente material e vivo das sociedades humanas”.

{ 270 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

um acúmulo de atividades humanas e naturais sobrepostas. É a história, a memória, as


resistências desse lugar, que se deram ao longo do tempo (imagem 5).

Tem-se também o Território da


Teimosa. Ele se refere ao espaço,
fabricado e habitado por sua gente,
onde se coordenam as escalas, os
limites e as temporalidades da
paisagem que, juntos, confluem para a
sua conformação. Assim, ele é o
resultado de uma rede complexa de
relações e ligações, práticas e afetivas,
ditado pela organização social daquela
comunidade. É um projeto, consciente
ou inconsciente, relativo à vivência das
Imagem 6 - Brasília Teimosa, Território, 2013. Foto de
pessoas nesse lugar. É o palco da vida Camila Almeida. Fonte: Flickr Camila Almeida.
que ali se encena (imagem 6).

Por último, foi observado o


Meio Ambiente Natural, material e vivo
dessa comunidade. Observa-se como o
bairro, com todas as ocupações
antrópicas e a vivência nele presentes,
está em simbiose com as águas e com
todos os elementos naturais ali
existentes, que lhes serviram de
substrato. A Paisagem vivida da Brasília
é filha do mar e do rio, nasce deles
(Imagem 7).

Imagem 7 - Brasília Teimosa, Meio Ambiente Natural e


Vivo, 2006. Foto de Alberto Benning. Fonte: Flickr Alberto
Benning.

A partir dessas três dimensões elencadas, leu-se o processo de transformação social


desse lugar com um todo, tentando perceber tanto as permanências e mudanças físicas
ocorridas, quanto aquilo que “existe, mas não se vê”. Assim, foram identificados os valores

{ 271 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

que, ao longo do tempo, resistem teimosamente nessa paisagem e que devem ser
perpetuados no seu futuro, orientando toda e qualquer alteração ou projeto que se
promova nesse bairro, da menor a maior escala. Eles constituem o cerne da Teimosa e
devem ser observados para que se conserve a história, a cultura e os hábitos a ela ligados,
que são responsáveis por dar origem à riqueza de significados, sentimentos e simbologias
que a tornam única. Somente dessa forma, permite-se que as pessoas continuem habitando
o lugar a partir de uma apropriação humana trajectiva.

4.2 NOTAS GERAIS SOBRE A CONSERVAÇÃO DA PAISAGEM TEIMOSA PELA PROPRIEDADE

LEGAL
Para a sua permanência, a Unidade de Paisagem da Brasília Teimosa precisa ser
protegida do futuro que para ela vem se ensejando por meio dos grandes
empreendimentos que se avizinham do seu entorno sem considerar a sua história e a
vivência que nela se dá. As pressões do mercado imobiliário são grandes e bastante
incisivas, mas até então, pelo bairro constituir uma ZEIS, não é possível haver uma atuação
dentro do seu território.

“(...) Tem gente cercando as laterais aqui, né? Pra poder cada vez mais ir entrando. Existem algumas coisas que já
estão mais próximas, mas como ainda é área de ZEIS, então a gente ainda fica um pouquinho mais descansado por
conta disso” (Taciana Melo, professora, 29 anos).

Sobre essa questão, aqui se faz algumas recomendações para a defesa legal desse
lugar:

1) Apesar da vontade desses grupos de destituir a comunidade da condição de Zona


Especial, é necessário que ela continue sendo assim classificada (ZEIS), visto que este é um
instrumento importante para afastar do local projetos que nada tenham a ver com as
preexistências nele observadas. Sobre isso, também é imprescindível que os limites da
demarcação dessa proteção sejam respeitados. Não se justifica a sua modificação
diminuindo a sua área de abrangência em nome de projetos de interesse particular, como
no caso do Empresarial JCPM, em 2006, ou como se procura fazer atualmente em relação
ao Hotel da Construtora Rio Ave, que se tenta ser implantado na área do atual Iate Clube,
suprimindo esse terreno da zona protegida da Brasília (CÂMARA MUNICIPAL DO RECIFE,
2015).

2) Sugere-se também, que o referido perímetro se estenda agregando a totalidade das


quadras lindeiras à Avenida Antônio de Goes e à ZAN6 (Zona de Ambiente Natural) situada

{ 272 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

nas suas fronteiras, visto que pela proximidade existente com a comunidade, os edifícios
verticalizados6construídos nesses espaços de transição tem (ou podem vir a ter) uma
tipologia completamente diferente da praticada na teimosa, conflitando com a sua
paisagem a descaracterizando (imagem 8). Nesse caso, o que se propõe é que essa nova
ZEIS se divida em duas partes: a principal, que guarda as mesmas características
morfotipologicas em todo o seu tecido, indo da Avenida Brasília Formosa até a Rua
Francisco Valpassos; e a de amortecimento, que possui qualidades um pouco diversas
daquela primeira no que diz respeito à sua malha viária, densidade e tipologias das
edificações, já tendo, inclusive, construções em altura; esta iria da Rua Francisco Valpassos
até a Avenida Antônio de Goes (mapa 1 e 2).

(...) “Por exemplo, o Mercado do Pina, na realidade é o Mercado de Brasília, porque é uma divisão que a gente não
sabe, é muito tênue, pra mim Brasília é até a avenida, mas se você for pra o mapa, (...) você acha ele dentro (...) do
Pina. Que dizem que é do Pina, né?” (Isamar Martins, bibliotecária, 55 anos).

Essa mudança seria


importante porque a leitura que
se tem dessa Unidade de
Paisagem atualmente é a de que
ela é um triângulo, uma
península triangular delimitada
pela Avenida Antônio de Goes,
sendo importante que as
próximas intervenções que ali
sejam feitas se integrem
tipologicamente com a
comunidade.
Complementarmente, a
ZAN existente no local também
deve se atentar a essas mesmas
premissas, de forma a não
conflitar paisagisticamente com a
Brasília.

Mapa 1 – Divisões da ZEIS proposta. Fonte: Google Maps,


2017 (modificado).

6
Segundo o Plano Diretor Municipal do Recife, o objetivo da ZAN é “compatibilizar os padrões de ocupação
com a preservação dos elementos naturais da paisagem urbana, garantindo a preservação dos ecossistemas
existentes”, nesse caso, o do Rio Capibaribe.

{ 273 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

Mapa 2 - Zeis atual e Zeis proposta para a Brasília. Fonte: Google Maps, 2017 (modificado).

Imagem 8 - A Paisagem de Brasília Teimosa e os edifícios conflitantes do Pina, 2012. Foto de José Rodrigues.
Fonte: Mapio José Rodrigues, 2012.

{ 274 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

3) Uma outra questão é que mesmo se tratando de uma área de grandes extensões,
com uma situação imbricada em relação à propriedade dos seus imóveis e alvo dos
interesses dos grupos empresariais que querem se apropriar do bairro, é urgente que as
edificações que estão no seu interior sejam regularizadas de forma a assegurar a posse dos
moradores que as detém. Muitas casas foram desmembradas, divididas, sofreram puxadas,
acrescimentos verticais e horizontais, e por vezes têm vários proprietários para cada uma de
suas partes. Desse modo, por essa condição peculiar bastante frequente na comunidade,
aponta-se a necessidade de uma avaliação atenta e individual para cada imóvel, utilizando-
se os instrumentos legais mais adequados para cada situação de regularização7.

4) Mesmo com a aplicação de todas essas proteções legais, é preciso que, na prática,
haja uma fiscalização do cumprimento dessas determinações. Frisa-se esse aspecto pela
constatação da existência de um mercado imobiliário clandestino de compra de casas na
Brasília, movimentado pelas empreiteiras que visam atuar na área. Isso se torna um
problema pelo fato de já significar uma infiltração desses grupos e de seus interesses no
bairro, gerando a expulsão branda de seus moradores e um acúmulo de construções
mantidas desocupadas, sem cumprir a sua função social8, adquiridas na esperança de que a
comunidade deixe de ser ZEIS em um futuro próximo.
Nesse sentido, assim como foi ressaltado no documento do memorial do Projeto
Teimosinho, formulado de maneira comunitária refletindo a vontade de seus moradores, é
importante que a venda de imóveis dentro da comunidade, tanto aqueles que se encontram
irregulares, quanto os já regularizados, seja feita apenas por pessoas que tenham
atestadamente o mesmo nível socioeconômico da população local, de forma a dificultar a
compra de edificações pelas grandes empreiteiras, tanto nominalmente, quanto pelo uso de
“laranjas” (CONSELHO DE MORADORES DE BRASÍLIA TEIMOSA, 1979).

“Eu ouvi falar que teve uma época que eles, o pessoal tava, vinha, avaliava, perguntava quanto era, se quisesse
vender, vendia (...)” (Edileuza Simões, cuidadora, 58 anos).

“As pessoas do próprio bairro têm que se conscientizar que Brasília Teimosa é nossa” (Jane Abreu, farmacêutica, 61
anos).

7
Alguns moradores, a minoria deles, já possuem a escritura pública de suas casas, que por vezes também já
sofreu subdivisões contemporâneas a expedição desse documento, dificultando mais ainda a sua
regularização. Também se sabe da existência de casos pontuais onde foram utilizadas a CDRU (Concessão do
Direito Real de Uso) e o CUEM (Concessão de Uso Especial para Fins de Moradia) (Celeste Maria, 2017).
8
A Função Social da propriedade esta prevista tanto no plano diretor da cidade do Recife (lei 17.511/2008)
quanto na própria lei do PREZEIS (lei 16.113/95). De forma simplificada, ela consiste no dever de se utilizar
uma propriedade urbana em prol da qualidade de vida dos cidadãos, tendo, portanto, que abrigar um uso
(residencial, comercial, de serviços, equipamentos públicos, entre outros) (PREFEITURA DA CIDADE DO RECIFE,
2008).

{ 275 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

“É muito difícil lutar contra a especulação imobiliária? É sim, porque é o dinheiro, é o capital. (...) O que a gente pode
fazer é conscientizar a pessoa a não vender (...)” (Wilson Lapa, radialista e atual Líder do Conselho de Moradores, 57
anos).

5) Juntamente a esse controle, deve ser feito um trabalho de conscientização


diretamente com a população, de forma a minimizar ao máximo a venda desses imóveis,
pois, através do contato que se teve juntamente com os moradores, foi perceptível que
muitos deles não compreendem a gravidade dessas transações e da entrada de edifícios em
altura na região como uma ameaça à permanência do bairro como um todo.

Paralelamente, essa sensibilização também deve ocorrer em relação às construções


irregulares que estão acontecendo no interior da comunidade. Pela necessidade de
ampliação das residências e pela escassez de terrenos dentro da Brasília, as edificações vêm
infringindo as diretrizes contidas no seu Plano de Regularização, principalmente no que toca
à verticalização. Isso também se torna um risco ao bairro, visto que, se exacerbada, essa
quebra de gabarito pode abrir uma brecha legal para a entrada das empreiteiras nesse
território, dando respaldo para a construção de arranha-céus que desconfigurariam essa
paisagem e prejudicaria socialmente a própria população.

6) Por esses riscos ocasionados pelas infrações legais, é necessário que as novas
construções e obras de ampliação e reforma, do perímetro atual e das novas áreas
englobadas, sigam de fato as diretrizes propostas pelo Plano de Regularização vigente para
o bairro. Dentre os pontos mais importantes a serem cumpridos, destaca-se aqui o respeito
aos lotes máximos de até 250m², à proibição de remembramento de lotes e ao gabarito
máximo de 4 pavimentos (térreo mais três andares). Uma outra vantagem em se cumprir
essas determinações é o de se conseguir freiar as construções exacerbadas dentro do
bairro, que já é o mais denso do Recife. Da forma desordenada como esse processo está se
dando, há um prejuízo das condições de habitabilidade e infraestrutura locais, gerando
impactos negativos na qualidade de vida dos moradores (imagem 9 e 10).

“Vê, você olha ali, aquilo tudinho é uma casa só, que um filho fez, o “oto” filho também fez, ai tem “oto” filho que vai e
faz, vai virar uma selva de pedra, eu acho. Isso me entristece (...). O bairro tá muito superlotado, encharcado de gente
(...). “ (Edileuza Simões, cuidadora, 58 anos).

“(...) Brasília, também, agora paga o preço do progresso, a gente paga também esse preço com a superpopulação
(...)” (Celeste Maria, professora aposentada, 61 anos).

{ 276 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

Ao se cumprir as diretrizes legais aqui


sugeridas, se garante a permanência da Brasília
em seu território e se diminui o risco de
descaracterização da sua paisagem. Porém,
como já visto anteriormente, permanecer não é
o bastante. É preciso habitar. Adiante, serão
expostas as diretrizes, os “valores teimosos”, que
visam conservar as características essenciais que
conferem à Teimosa essa condição de Paisagem
viva e vivida, fisicamente, simbolicamente e
afetivamente, lhe dando um caráter único e
especial.

Imagem 9 – Ao lado, Brasília verticalizada. Rua Espardate,


2017. Fonte: acervo pessoal da autora.

Imagem 10 – Abaixo, Brasília verticalizada e adensada.


Rua Estrela do Mar, 2017. Fonte: acervo pessoal da
autora.

{ 277 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

4.3 A CONSERVAÇÃO DA PAISAGEM PELA PROPRIEDADE AFETIVO-SIMBÓLICA: OS

VALORES TEIMOSOS

Os valores, as diretrizes de conservação aqui apresentadas, foram divididos em três


partes: a Teimosia das águas, a Teimosia da Subsistência pelas Águas e a Teimosia
Vivenciada. Os aspectos destacados em cada uma delas apontam para os elementos que
permitem a existência das características físicas e simbólicas que dão o caráter de unidade e
singularidade a essa paisagem. É importante que mesmo com as mutações que ocorrerão
futuramente nesse local, pela sua adaptação às transformações da vida, da organização
social e dos hábitos de seus moradores, as qualidades aqui apontadas permaneçam,
mantendo viva a essência do bairro ao longo dos anos.
“A Teimosia das águas” diz respeito aos hábitos teimosos que se tem com o mar e
com o rio, às relações trajectivas que se tem com eles. “A Teimosia da subsistência pelas
águas” procura falar do relacionamento econômico que se tem com elas, que não se esgota
somente no suprimento das necessidades econômicas, mas também afetivas. E a “Teimosia
da (com)vivencia” se refere aos elementos que permitem a existência da dinâmica e da
convivência típica desse bairro, tanto entre as pessoas em si, como delas com o mar e com
o rio.
Apesar dessa repartição didática, é importante observar que essas três esferas se
relacionam entre si. Cada ponto observado foi visto a partir do solo, do território e do meio
ambiente natural, sendo pensado para uma paisagem que é uma representação das
pessoas que a habitam, sendo fundamentada pela natureza preexistente à vida e a
ocupação que hoje se dá nesse lugar.

{ 278 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

4.3.1 A TEIMOSIA DAS ÁGUAS

A) A Teimosia das Rochas

“A localização, essa orla, essa praia do Buraco da Véia que é um sucesso, a gente tem tanta história, esses canhão
aqui dos holandeses, só que tiraram, tem a piscina do canhão, né? A gente chama piscina porque era um aglomerado
de arrecife de pedra, formava um retângulo e perto dela tinha um canhão que era da época dos holandeses, mas
retiraram de lá, e lá perto da segunda porta da barra também existia um outro canhão ainda dessa época, e essa
divisão, você olha de um lado tem um mar, você olha do outro, tem a maré (...)” (Celeste Maria, professora
aposentada, 61 anos).

“(...) Gosto de olhar, pescar. De pescar, eu amo, é isso mesmo. Eu pescava muito, na porta, porque o mar ficava na
minha porta. Pegava uma lâmpada, não tem aquelas lâmpadas fluorescente? Eu cortava, quebrava, lavava, ela ficava
bem limpinha eu botava farinha de trigo, botava um cordão e um pedacinho de Isopor, chegava lá dentro do mar,
ficava sentada na pedra o dia todo, pegava uma bacia de peixe, viu? Pegava uma bacia de peixe, tinha um vizinho
que já chegava com uma bacia, "Amara, eu tô aqui", aí eu dava na hora, porque eu não tinha precisão de tanta
comida. Cada uma saúna deste tamanho! Você sabe o que é saúna? Que chama Tainha de água doce, de água
salgada, é um peixe grande. Tinha lâmpada que vinha só uma de tão grande. Botava dez lâmpada daquela e ainda
precisava de anzol. Eu gostava, aquilo era tão bom, viu?” (Amara Bezerra, empregada doméstica aposentada, 77
anos).

Um dos aspectos mais marcantes da Paisagem Teimosa é a linha de força formada


pelos arrecifes que perpassam toda a sua orla marítima. Essa espécie de “calçada do mar9”
é uma grande permanência, visto que é um elemento natural existente desde os tempos
remotos, quando nem mesmo o aterro que deu origem à Brasília havia sido realizado.
(mapa 3, imagem 11 e 12)
Essas rochas também podem ser observadas nas áreas centrais tradicionais da
cidade, notadamente na Ilha de Santo Antônio e São José e no Bairro do Recife,
promovendo uma ligação visual e simbólica entre as três localidades. É importante ressaltar
que nos ano de 2000, foi inaugurado, num trecho próximo a esse último bairro, o Parque
das Esculturas, com obras do artista plástico recifense Francisco Brennand (INOUE, 2010).
Hoje, existe uma estrada feita sobre os arrecifes, passando por cima do mar, ligando esse
local à terra firme, até os arredores do Iate Clube. Como vários turistas e pessoas em geral
passam pela Brasília a fim de visitar o local, esse elemento natural também tem influência
na dinâmica da comunidade a partir da atração de um público externo a ela (mapa 3 e 4,
imagem 12).

9
Termo usado pelo arquiteto Fábio Cavalcanti Gonçalves para se referir aos arrecifes em: “Paisagem como res
pública: a calçada do mar do Recife”, 2017, projeto de qualificação (Doutorando em Desenvolvimento Urbano)
– Universidade Federal de Pernambuco.

{ 279 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

Por essas rochas se apresentarem com mais força até as fronteiras da orla da
comunidade e do Pina, elas reforçam o caráter de unidade de paisagem dado à Teimosa. No
ponto em que se pode perceber os arrecifes de forma mais expressiva é na Praia do Buraco
da Véia, no final da orla do bairro (imagem 13). Nesse local, ele é bastante vivenciado pelas
pessoas, que dele se aproximam através do banho de mar, e da utilização das suas seis
piscinas naturais: a do canhão, a do Seixo, a do Saberé, a da Cobrálica e a da Moreia (URPIA,
2014) (imagem 14). Elas são muito utilizadas pelas crianças, que podem usufruir do mar em
um local seguro. Os arrecifes são fundamentais para garantir a tranquilidade atribuída
peculiarmente às águas dessa praia.
Uma outra função que também se dá sobre essas rochas é a da pesca. Pescadores
profissionais e artesanais se colocam sobre elas para exercer essa atividade, se
concentrando em toda a sua extensão, estando em grande quantidade no início da
“pistinha” aberta nas proximidades do Iate Clube. Também é exatamente nesse ponto onde
essas rochas dividem o rio e o mar, marcando a passagem de um momento a outro da
paisagem (imagem 15).
Assim, percebe-se que os arrecifes não são apenas um elemento natural inerte,
indiferente. Eles fazem parte da vida das pessoas, que deles se apropriam para exercer as
suas práticas sociais, sejam elas de lazer, trabalho ou puramente de contemplação. Assim,
pelo papel que eles exercem na comunidade e pela sua idade no local, eles são um
elemento apropriado afetivamente pela população, sendo importantes e presentes na
imagem que se tem dessa paisagem.
Contemporaneamente, após a realização do Projeto Teimosinho, à frente do istmo,
foi feito uma mureta de contenção das águas marítimas. Antes da sua existência, as águas
do mar invadiam uma boa parte do bairro, gerando grandes problemas de habitabilidade
para os moradores. Com a sua chegada, esse impasse foi resolvido, mas pôde-se perceber
uma transformação na relação entre essas rochas, o restante do bairro e as pessoas, que
será mais explorada adiante. Apesar dessa modificação, que aparentemente conforma uma
barreira física e visual, e uma solução esteticamente desagradável, o relacionamento que se
tem com o istmo permanece muito viva (imagem 1 6 e 17).

{ 280 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

Mapa 3 – Os arrecifes e a Paisagem Teimosa. Fonte:


{ 281 } Google Maps, 2016 (modificado).
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

Mapa 4 - Linha de força dos arrecifes na Paisagem Teimosa em 3 momentos distintos: 1641, 1975 e 2016.
Fontes: SILVA, 2008b, p16; CONDEPE/FIDEM; Google Maps, 2016.

Imagem 11 – Os arrecifes da cidade vistos do alto do Forte do Picão, 1875. Autor: Marc Ferrez. Fonte:
FERREZ, 1988, p.23.

{ 282 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

Imagem 12 – Os arrecifes da cidade atualmente (2014). Em primeiro plano, o Bairro do recife; em segundo, a
Ilha de Santo Antônio e São José; em terceiro, Brasília Teimosa. Perceber a ligação entre as três localidades.
Fonte: Brasilina Teimosina (Perfil do Facebook), 201-.

Imagem 13 - Praia do Buraco da Véia e os arrecifes. Fonte: Site Patrimônio de Todos.gov, 2009.

{ 283 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

Imagem 14 - Piscina natural formada pelos arrecifes na Praia do Buraco da Véia. Fonte: URPIA, 2014.

Imagem 15 - Barcos de Pescadores no início da Pistinha. Foto de Américo Pinto. Fonte: Brasilina Teimosina
(Perfil do Facebook), 2016.

{ 284 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

Imagem 16 - Palafitas e os arrecifes antes da construção da mureta de contenção. Fonte: acervo do Conselho
de Moradores de Brasília Teimosa.

Imagem 17 - Avenida Brasília Teimosa atualmente, com o muro de contenção entre a areia e os arrecifes.
Fonte: acervo pessoal da autora.

{ 285 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

B) A Teimosia dos Banhos Salgados

“A praia mais parece uma piscina, não tem perigo de afogamento, é super gostosa (...). (...) A diversão da gente é a
Praia do Buraco da Véia. (...) Há muitos anos atrás, o Iate quis se apoderar da praia do Buraco da Véia, né, passou um
muro durante a madrugada, e foi uma briga da gente da comunidade, e de dia a gente derrubou, a comunidade
derrubou. Tem até uma música que diz, (...): “a praia do Buraco da Véia é nossa, é do povo de Brasília, se o Iate tá
querendo briga...”. (...) Aí derrubamos e mostramos que a praia era da comunidade é a praia de Brasília Teimosa. (...)
A gente deixou bem claro que a praia era da comunidade, não particular, pertence ao povo” (Wilson Lapa, radialista e
atual Líder do Conselho de Moradores, 57 anos).

“Se eu for contar a minha infância aqui na Brasília... Eu, com 8, 10 ano de idade, tomava banho ali dentro do mar, eu e
os colega aqui, a gente mergulhava, saia nadando pra ver quem ia mais longe lá ‘dento’” (Fernando Paes, motorista,
58 anos).

“Então, não tem o Buraco da Véia ali? 3 hora da manhã já tem gente indo tomar banho na praia. Eu mesmo, final de
ano, quando é final de ano, a gente vê o povo direto, tirar as “mazila”. As “mazila” do ano que passou” (Claudete
Barros, vendedora de carne, 66 anos).

O mar da Brasília Também é habitualmente utilizado para o banho. Existem dois


principais pontos em que isso acontece: próximo à Praia do Pina e na Praia do Buraco da
Véia (mapa 5).
Essa primeira localidade é bastante popular e amplamente utilizada pelo público da
cidade como um todo, tendo como característica uma grande presença de bares e
restaurantes lindeiros a ela. Muitos conhecem essa praia como sendo pertencente ao Pina,
e de fato, ela é bem menos apropriada pelos moradores de Brasília Teimosa, apesar de
ainda estar nos limites desse bairro. Esse trecho é o único que não é permeado pela
Avenida Brasília Formosa e tem as suas edificações fixadas diretamente na areia (imagem
18).
A Praia abraçada pela comunidade é a do Buraco da Véia. Ela é tida como um
emblema, simbolizando o bairro, é motivo de orgulho para os seus moradores, um cartão-
postal. Conhecida por ser uma praia de águas calmas, quase uma piscina natural, resultado
da conformação que lhe é dada pelos arrecifes, ela é utilizada principalmente pela
população local. A atividade do banho gera uma grande diversidade de usos no entorno
dessa parte da orla, como bares, restaurantes, vendedores ambulantes e a prática de
esportes. O local onde se encontra é bastante movimentado, sendo o ponto final da
Avenida Beira-mar do bairro, onde se inicia a pistinha que leva ao Parque das Esculturas
anteriormente referido (imagem 19, 20 e 21).
É importante relembrar que a Praia do Buraco da Véia, hoje, só pertence à Brasília
porque foi conquistada pela teimosia. Na década de 70, quando da construção do Iate
Clube, tentou-se privatiza-la sorrateiramente. Não aceitando perder essa área tão especial
de banho, lazer e sociabilidade, a comunidade se uniu, e com suas próprias mãos, derrubou
o muro coletivamente10.

{ 286 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

Além10do banho de mar tradicional, há uma prática bastante interessante no bairro:


o Banho de Choque. Se aproximando da mureta de contenção presente em toda a orla do
bairro (com exceção daquele primeiro trecho próximo ao Pina), os moradores se banham a
partir do choque das ondas em sua lateral (imagem 22 e 23).
Tanto a Praia do Buraco da Véia quanto o banho de choque são dois tipos de
teimosias muito peculiares ao bairro, a primeira, pela sua conformação, diferente de todas
as outras praias urbanas do Recife, e a segundo pela maneira como se aproveita um
elemento que teoricamente seria uma barreira ao contato com as águas, para ironicamente
se relacionar com elas.

Mapa 5 - Orla e locais de banho. Fonte: Google Maps, 2016 (modificado).

Imagem 18 - Praia de Brasília Teimosa em seu trecho próximo ao Pina, 2007. Foto de autoria de Carlos M.G.
Fonte: Panoramio Google Maps, 2007.

10
Esse foi um tema bastante recorrente nas entrevistas. Mesmo sem fazer parte da base do questionário
semiestruturado utilizado nas conversas, muitos moradores, como por exemplo, Wilson Lapa, Celeste Maria,
Júlio Alcino e Edileuza Simões, contaram esse episódio com ares de orgulho e saudosismo.

{ 287 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

Imagem 19 - Praia do Buraco da Véia e os seus Banhistas, 2016. Fonte: Brasilina Teimosina (Perfil do
Facebook), 2016.

Imagem 20 - Banhistas na Praia do Buraco da Véia. Fonte: URPIA, 2014.

{ 288 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

Imagem 21 - Banhista na Praia do Buraco da Véia. Observar os arrecifes que conformam a praia. Fonte:
URPIA, 2014.

Imagem 22 - Moradores tomando Banho de Choque na mureta. Foto de Daniel Pereira, 2013. Fonte: Site
Fotógrafo Daniel Pereira, 2013.

{ 289 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

Imagem 23 - “Banho de Choque faz Parte da Nossa História”. Imagem encontrada em uma página do
Facebook alimentada por fotos e conteúdos provenientes dos próprios moradores. Fonte: Brasilina Teimosina
(Perfil do Facebook), 2016.

{ 290 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

C) A Teimosia da Celebração das Águas

“Somo rico, nós somos ricos, um marzão desses perto de casa, uma praia, um lazer de graça, você não precisa
pagar...” (Edileuza Simões, cuidadora, 58 anos).

“(...) É fonte de vida e de lazer, fonte de lazer porque os nossos meninos têm onde jogarem, onde correrem, onde
brincarem” (Isamar Martins, bibliotecária, 55 anos).

“(...) Aí, ‘mãe, eu vou aqui na praia’, dá um pulinho ali, dois minutos tá na praia, dez minutos tá voltando. Tem uma
liberdade imensa, né? Fica aquele negócio despreocupado (...). (...) O que eu gosto muito aqui é essa área aqui do
mar, do rio. Toda hora eu tô aqui, quando não tô em casa, eu tô aqui levando esse ventinho aqui. Qual é o rico que
pode tá aqui uma hora dessa?”(Soldado, Pescador, 57 anos).

“(...) A galera vem pra cá pra beber, pra ver a brisa do mar, [pra] ver a galera aqui” (Victor Vinícius, garçom, 22 anos).

“(...) Agora mesmo vai chegar junho, todo mundo se programa pra festa de São Pedro, né, aí tá todo mundo, os
pescadores, aí, tem o barco, aí, tem a procissão terrestre, depois tem a fluvial, e aí se mantém aquela tradição. Eu
acho que isso, assim, não se perdeu com o passar do tempo” (Taciana Melo, professora, 29 anos).

“(...) Tem muito vizinho meu que vão pescar de anzol, ainda tem essa paixão pelo mar. (...) Tem gente que passa a
noite todinha pescando ali no cais, aí que chama a orla, na orla ali. Muita gente passa a noite, meu irmão aí, faz isso,
ele, os filhos, e os amigos dele (...)” (Djalma Rodrigues, mecânico em refrigeração aposentado, 81 anos).

Além do banho de mar, outras práticas sociais e hábitos de cultura e lazer são feitos
em simbiose com as águas da Brasília.
A falta de áreas livres e verdes para permanência no interior do bairro e a relação
afetiva que a população tem com o mar e com o rio fazem com que as orlas, tanto a fluvial,
quanto a marítima, se tornem grandes áreas de convivência e sociabilidade.
Em relação à Beira-mar, percebe-se cotidianamente, uma grande concentração de
pessoas praticando esportes, como caminhadas, vôlei e futebol na calçada e na areia da
praia. Após a abertura da Avenida Brasília Formosa, esses usos foram facilitados, não
somente pela criação de uma faixa de areia regular, mas também pela implantação de
vários equipamentos, como a ciclovia, sanitários, academia da cidade, barras para exercícios
e parques infantis ao longo de toda a sua extensão. Por conta dessas últimas estruturas,
esse espaço também se torna um local onde podem ser encontradas muitas crianças
brincando. Além disso, é forte o hábito da contemplação e da conversa no entorno do mar e
do rio pela qualidade da ambiência por eles proporcionada (mapa 6, imagens 24, 25, 26, 27,
28, 29, 30 e 31).
Grande parte da vida boêmia teimosa se concentra nesses locais. Ao longo de toda a
Beira-Mar veem-se quiosques, bares e restaurantes que reforçam a vocação gastronômica

{ 291 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

do bairro, sendo frequentados tanto pelos moradores, quanto pela população dos bairros
vizinhos e da cidade como um todo. As proximidades da Praia do Buraco da Véia são
bastante utilizadas nesse sentido. Já se aproveitando da movimentação causada pelos
banhistas, há uma concentração de pessoas convivendo no local, principalmente durante o
final de semana, conversando, bebendo e comendo, com carros abertos e sons ligados,
fazendo uma espécie de festa na rua (mapa 6).
Sobre festas, a mais tradicional do bairro é a de São Pedro, santo padroeiro da
Brasília e da pesca, realizada anualmente no dia 29 de junho. Organizada pela Colônia Z-1,
ela se concentra na orla fluvial, na Rua Delfim (antiga rua A), e conta com fogos, uma
procissão a pé e outra de barcos (CABRAL, 2012). Mesmo sendo comandado pelos
pescadores, esse evento gera encontros e reencontros dos membros da comunidade em
geral, sendo uma ocasião especial para os moradores. Após a festa religiosa, começa-se a
profana, onde são feitos diversos shows com atrações populares e locais, que atualmente
são promovidos pela própria prefeitura da cidade na Beira mar da Teimosa (SANTOS, 2011)
(mapa 6, imagem 32).
Fora essas atividades feitas no entorno das orlas, como dito anteriormente, também
existe no bairro o costume da pesca, realizada não somente por pescadores profissionais,
mas também por moradores que o fazem por lazer. Esse hábito existia com mais força antes
da abertura da Avenida Brasília Formosa, pois muitos moradores que habitavam
anfibiamente o local, nas palafitas e nas casas de alvenaria próximas à maré, pescavam de
dentro de suas próprias casas.
Analisando a vivência que se dá pela presença do rio e do mar, percebe-se que, na
Brasília, uma permanência, uma movimentação e um leque amplo de atividades acontecem
para as águas, pelas águas e com as águas.

{ 292 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

Mapa 6 - Mapa das orlas vivenciadas. Fonte: Google


{ 293 } Maps, 2016 (modificado).
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

Imagem 24 - Pessoas jogando bola na praia no início da Ocupação na Brasília. Fonte: Edimilson Araújo da
Silva, Slide Brasília, 2014.

Imagem 25 - Crianças jogando bola na praia na Brasília atual. Fotografia de Daniel Jacinto Pereira, 2014.
Fonte: Daniel Jacinto Pereira (Youtube), 2014.

{ 294 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

Imagem 26 - Crianças nas barras de exercício da orla. Fotografia de Daniel Jacinto Pereira, 2014. Fonte:
Daniel Jacinto Pereira (Youtube), 2014.

Imagem 27 - Parquinho e quiosque na Avenida Brasília Formosa, 2017. Fonte: acervo pessoal da autora.

{ 295 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

Imagem 28 - Quiosques e bares na Avenida Brasília Formosa, 2017. Fonte: acervo pessoal da autora.

Imagem 29 - Orla sendo vivenciada (provavelmente na década de 70). Fonte: Edimilson Araújo da Silva, Slide
Brasília, 2014.

{ 296 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

Imagem 30 - Pessoas bebendo e conversando na Beira-mar. Fonte: BRASÍLIA, 2014.

Imagem 31 - Pessoas conversando na beira do rio. Foto de Sergio Eduardo Urt, 2009. Fonte: Flickr Sergio
Eduardo Urt, 2009.

{ 297 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

Imagem 32 - Festa de São Pedro, 2016. Fonte: Portal G1 de Notícias, 2016.

{ 298 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

4.3.2 A TEIMOSIA DA SUBSISTÊNCIA PELAS ÁGUAS

“Porque é o lugar de sobreviver, é Brasília. Não tem lugar melhor que Brasília pra sobreviver. Tudo que você vende,
tudo que tiver de vender, você vende, e só faz crescer na Brasília. Nos outro lugar é mais difícil. (...) Porque aqui na
Brasília morre de fome quem quer, que você vai ali na beira do rio, pega um sururu, pega um marisco, pega uma
unha de véio, pega um peixe, dá pra sobreviver” (José Severino, pescador, 47 anos).

“Eu me lembro que, quando garoto, tinha aqui a antiga oficina, num é, aí, minha mãe vinha comigo, a gente bem
humilde, aí, subia os navios pra ajeitar e a gente ficava raspando o casco dos navios pra tirar exatamente o sururu,
unha de véio, marisco, pra poder se alimentar, pra poder comer, né, e era uma fase tão bacana da vida... (...) O mar
foi da sobrevivência, foi de uma importância muito grande pra o bairro da gente, ele sempre nos alimentou e ainda
alimenta até hoje” (Wilson Lapa, radialista e atual Líder do Conselho de Moradores, 57 anos).

“(...) A maioria das pessoas são, tem algum parente, são descendentes de pescadores ou vivem da pesca, indireta ou
diretamente, então é uma relação muito grande com o mar e com o mangue. É a relação maior que as pessoas têm
(...)” (Taciana Melo, professora, 29 anos)

A) A Teimosia Pesqueira

“(...) A maioria aqui é pescador, pescadores e pescadeiras. Relação mesmo que ser pai e filho, mãe com o mar (...)
(Piaba, funcionário público, 57 anos).

“O Rio Capibaribe é minha vida, é minha história, é meu amor, é tudo o Rio Capibaribe significa pra mim, é um ganha
pão, né? É uma alegria, uma felicidade que eu sinto muito de tá nesse Rio Capibaribe. (...) O rio tem o meio ambiente
tão bonito, pra gente ele é tudo na minha vida esse Rio Capibaribe (...).
(...)
O mar traz comida, o mar traz felicidade, o mar é saúde, o mar é tudo. Veja que onda bonita, você pode tá com a
maior raiva do mundo, com a maior tristeza, (...) eu vou pra beira do mar, ou pra beira do rio, se eu passar dez
minutos eu venho maravi...oxe! Parece que eu boei, só basta você olhar pro mar, teja aperreada e olhe pro mar,
quando quiser passar nas provas vá no mar, ou se você for evangélica você ora, se você for católica você reza, pra

você vê se não vai lhe ajudar” (Dona Leu, marisqueira, 61 anos).

“(...) Eles são os pais e as mães, porque tirando esse mar e esse rio daqui, vão viverem de quê?” (Soldado, Pescador,
57 anos).

“(...) Esse rio aqui é tudo pra gente, sem esse rio aqui a gente não “veve”, (...) se acabar esse rio aqui, acabou Brasília
Teimosa, acabou, acabou, isso aqui é pai e mãe de Brasília Teimosa, eu amo isso aqui, isso aqui, pai e mãe. (...) O mar,
não tem nem palavra. Se o mar acabar, acabou-se tudo pra gente, acaba tudo, se o mar acabar, acaba tudo. (...) A
gente pescador só enxerga o quê? O mar. O pescador só enxerga o mar. A vida do pescador é o mar, quer dizer, tira
o mar da gente, a gente ficou cego, aleijado e cotó, é, porque a gente vai andar pra onde? (...)Tira o mar da gente,
acabou tudo” (Dentinho, pescador, 48 anos).

{ 299 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

“O pescador, ele conhece a maré até pela mão” (Antônio Carlos, funcionário público aposentado, 66 anos).

“Aqui tem muitos pescadores que sobrevive da pesca, né, marisqueira, né, que sobrevive. A maioria dos pessoal aqui
tem a sobrevivência com o mar mesmo. (...) É, sobrevivência. Quer ver? Tiraram os pescadores ali das palafita,
“butaram” lá pro, pra Caxangá. Muita gente venderam e vinheram simbora pra cá (...). A maioria deles aqui é assim, se
botar pra longe, vão vender e vão voltar de novo” (Mauricéa da Conceição, dona de casa, 45 anos).

Historicamente, Brasília Teimosa surgiu a partir da Colônia de Pescadores Z-1, a mais


antiga do estado. Através dela, o bairro conseguiu o seu aforamento e foi loteado por meio
de um traçado presente até os dias atuais (FORTIN, 1987). A luta dos moradores pela
permanência, de certa forma, também foi a luta para se continuar pescando e vivendo pelo
rio e pelo mar. Inicialmente, a possibilidade de se sustentar através da maré, pela
alimentação e pela venda dos pescados, foi um dos atrativos populacionais principais desse
lugar em relação a outras ocupações da cidade11. Sendo assim, a atividade da pesca deu
início e embasou a história dessa paisagem (imagem 33 e 34).
Ao longo dos anos, apesar do número de pescadores profissionais vir diminuindo no
bairro, essa é uma atividade que ainda fundamenta a sua economia, as suas relações, a sua
cultura e a sua vivência, sendo essencial para a compreensão da dinâmica da Brasília como
um todo (imagem 35, 36 e 37). Hoje existem duas entidades principais de apoio aos
pescadores: a própria Colônia Z-1 e a Associação de Pescadores Artesanais e Profissionais da
Brasília. A primeiro cuida dos assuntos mais burocráticas, como as documentações e
aposentadorias, e a segunda trata de questões mais operacionais, como o fornecimento de
um espaço de descanso, água, e infraestrutura para dar suporte as atividades desses
profissionais no cotidiano12 (mapa 7).
A pesca se dá ao longo de toda a orla marítima e fluvial, mas percebe-se uma grande
concentração de profissionais nas proximidades da pistinha, entre a associação de
pescadores até um pouco depois do Iate Clube, nos arrecifes.
Ainda que se tenha a impressão de que a pesca é uma atividade puramente feita
como um meio de subsistência, é importante perceber que para aqueles que a exercem, as
águas vão muito além do suprimento das suas necessidades físicas: o mar e o rio são pai e
mãe, apadrinham aqueles que deles se aproximam, tendo com eles uma relação emocional,
simbólica. Quando perguntados sobre a importância desses elementos em suas vidas, as
palavras utilizadas pelos entrevistados em suas respostas iam para além do palpável:

11
Um dos entrevistados, Zezinho, proprietário do Restaurante Império dos Camarões, afirma ter ido morar no
bairro por ser mais viável para o seu trabalho na época (anos 70). Ele era pecador e comercializava os seus
pescados no Mercado São José (localizado na Ilha de Santo Antônio e São José, vizinho à Brasília). Após algum
tempo ele parou de pescar e abriu o seu restaurante, que funciona desde a década de 1990 até os dias de
hoje.
12
Informação dada pelo Pescador Dentinho (Severino Francisco) em maio de 2017.

{ 300 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

falavam de amor, de vida, de ser “tudo”, de felicidade, enfim, de sentimentos. Assim, as


águas parecem saciar todas as fomes: a física e a afetiva.
Grande parte dos moradores realocados das palafitas para o Conjunto Habitacional
do Cordeiro, a oeste da cidade, em 2004, estabelecia esse relacionamento com o mar e com
o rio. Essa ligação é tão forte que muito deles, não podendo quebra-la, venderam as suas
casas nesse local e voltaram para a Brasília. Muitos ainda residem nesse outro lugar, mas
continuam voltando à Teimosa para Pescar.
A comercialização dos pecados é feita em grande parte dentro do próprio bairro.
Muitos dos inúmeros bares, restaurantes, mercados e frigoríficos existentes na área são
abastecidos pela própria pesca local. Um outro ponto muito tradicional para a venda de
peixes e mariscos é o Mercado de Brasília Teimosa (do Pina), situado na Praça Abelardo
Baltar, se encontrando também outras casas que vendem principalmente crustáceos
espalhadas em todo o bairro. No anel viário principal da Brasília, e mais especialmente na
Rua Arabaiana (mapa 7), também são encontradas muitas barracas onde se expõem os
peixes, crustáceos, mariscos e pescados em geral ao longo da via. Por falar nas vias, lembra-
se aqui que o nome da maioria delas se refere aos peixes, como uma homenagem aos
pescadores locais (imagem 38).
Cabe ainda repetir que a pesca também é uma importante atividade no que diz
respeito à cultura e ao lazer do bairro. Muitos daqueles que não mais dependem das águas
para sobreviver continuam pescando ou adquirem o hábito de pescar, o que pode ser visto
como um reflexo da relação afetiva que se tem com o mar e com o rio nesse lugar. A
importância da Festa de São Pedro para o bairro também pode representar a relevância
dessa atividade para os moradores em geral.

{ 301 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

Mapa 7 - Mapa da Pesca em Brasília


Teimosa. Fonte: Google Maps, 2016
(modificado).

Mapa 7- Mapa da Pesca em Brasília Teimosa. Fonte:


Google Maps, 2016 (modificado).

Imagem 34 - Pescador na Brasília Teimosa Atual. Fonte:


BRASÍLIA...2014.

Imagem 33 - Pescadores em Brasília Teimosa, 1957. Autor desconhecido. Fonte: Brasilina Teimosina (Perfil do
Facebook), 2016.

{ 302 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

Imagem 34 - Pescador na Brasília Teimosa Atual. Fonte: BRASÍLIA...2014.

Imagem 35 - Pescadores próximos à Associação. Fonte: BRASÍLIA, 2014.

{ 303 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

Imagem 36 - Marisqueira na Brasília. Fonte: BRASÍLIA, 2014.

Imagem 37 - Pescadores na Brasília. Fonte: BRASÍLIA, 2014. Fonte: acervo pessoal da autora.

{ 304 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

Imagem 38 - Venda de peixes em barraca. Fonte: BRASÍLIA, 2014.

{ 305 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

B) A Teimosia Gastronômica

“Você vê ali a orla, tem muitas pessoas que sobrevivem das barracas dali da orla, lá no Buraco da Véia,
conhecido internacionalmente” (Jane Abreu, 61 anos, Farmacêutica).

“Graças a Deus, hoje, a minha casa [o restaurante] é conhecida internacional, o que você imaginar, eu tenho
de cliente” (Zezinho, comerciante, 66 anos).

“O bom daqui, é que tem tudo, tudo fresquinho de comida, tudo mais barato que os outros lugares, tudo de
bom, tem tudo de bom” (Maria das Graças, Comerciante, 67 anos).

(...) É um bairro que a gente tem tudo, bem assistido, né, com comércio, restaurante, essas coisa (...) (Edileuza
Simões, cuidadora, 58 anos).

A vivência com as águas e a atividade histórica de pesca no bairro favoreceu a


transformação da Brasília, já na década de 1990, em um polo gastronômico do Recife
(BOTLER, 1994).
No local, existem bares, restaurantes, quiosques e botecos de porte e estilos
diversos. Eles atendem a todos os públicos: à própria comunidade, aos moradores dos
bairros circunvizinhos, como Boa Viagem e Pina e da cidade como um todo, e aos turistas. A
simplicidade da arquitetura dos estabelecimentos e do urbanismo do bairro são uma
especificidade que se torna um diferencial para o público externo (imagem 39).
Alguns restaurantes já estão no roteiro turístico da cidade e são conhecidos
internacionalmente, tendo frequentemente como especialidade as comidas típicas
regionais e, principalmente, os peixes, crustáceos e frutos do mar em geral (CHAVARRIA,
201-), que em muitos casos são provenientes da própria pesca praticada na Brasília
(imagem 40).
Esses lugares estão espalhados por todo o bairro (mapa 8), mas se concentram
principalmente na orla marítima, tanto na parte em que ela se conecta com o Pina, quanto
no Buraco da Véia (imagem 41, 42 e 43). Nessa última se encontra um grande número de
ambulantes e barracas que atendem rotineiramente aos banhistas (imagem 44 e 45). A
possibilidade de se desfrutar da culinária ao mesmo tempo em que se pode ver e se
relacionar com o mar e com a praia faz com que haja essa polarização gastronômica para
essa parte do território. De uma maneira secundária, tem-se também uma pequena
concentração de bares nas proximidades do mercado da Brasília (imagem 46).
Dessa forma, percebe-se como a sobrevivência pelo mar e pelo rio se estende à
questão comercial, e como esse ciclo da pesca tem impactos na economia e na subsistência
da comunidade, gerando relações diretas e indiretas com as águas.

{ 306 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

Imagem 39 - Colagem de Bares, Restaurantes e botecos de Brasília Teimosa. Fonte:


Fonte: Google Maps,{ 2016.
307 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

Imagem 40 - Império dos Camarões,


Restaurante da Brasília conhecido
internacionalmente. Fonte: Google
Maps, 2016.

Imagem 41 - Quiosque na Orla de Brasília Teimosa (esquina da rua Dagoberto Pires). Fonte: acervo pessoal da
autora.

{ 308 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

Imagem 42 - Restaurante Bar do Peixe, um dos mais tradicionais da Brasília. Fonte: acervo pessoal da autora.

Imagem 43 - Bar nas proximidades da Praia do Buraco da Véia. Fonte: acervo pessoal da autora.

{ 309 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

Imagem 44 - Vendedor de Caldinhos na Praia do Buraco da Véia. Fonte URPIA, 2014.

Imagem 45 - Vendedor de Peixes na Praia do Buraco da Véia. Fonte URPIA, 2014.

{ 310 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

Imagem 46 - Bares nas proximidades do Mercado de Brasília Teimosa. Fonte: BRASÍLIA, 2014.

{ 311 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

C) A Teimosia do Burburinho Comercial

“Eu acho bom que aqui tudo que bota se vende, entendeu? Eu botei um negócio ali, agora estou aumentando. Tá
vendendo bastante. Com material de pesca, entendeu? Porque eu não vivo mais de pesca, aí botei material de pesca”
(Netinho, pescador aposentado, 51 anos).

“(...) Dia de sábado de manhã, nove hora da manhã, você passar na rua principal [Rua Arabaiana], tem casa que
vende verdura, em cada uma chega com caminhão de verdura e vende tudo, é todo mundo, compra tudo, é carne, é
galinha, tudo. Tudo aqui dentro” (Maria das Graças, Comerciante, 67 anos).

“(...) A gente encontra na Brasília tudo, ou quase tudo, é, comércio, vários tipos de comércio, supermercado, farmácia,

lojas de artigo feminino, masculino, é, frigoríficos, é, peixe, carne, frango, etc., etc., e várias outras coisas” (Maninho,
porteiro aposentado, 48 anos).

“(...) Aqui é uma verdadeira cidade dentro de outra cidade” (Jane Abreu, 61 anos, Farmacêutica).

Em torno da questão gastronômica do bairro, já proveniente da sua condição de


comunidade pesqueira, ao longo de seu processo de consolidação, surge também um
pequeno centro comercial que dá autossuficiência à Teimosa.
Os tipos de comercio são bastante variados, sendo encontrados mercados, padarias,
frigoríficos, farmácias, armazéns de construção, lojas de miudezas, movelarias, boutiques de
roupas masculinas e femininas, depósito de bebidas, frutarias, casas de bolo, bombonieres,
entre outros, sendo observados também diversos serviços, como sapateiros, bicheiros, e
estabelecimentos de concertos em geral (imagem 47).
Apesar da variedade de usos encontrada, ainda percebe-se uma grande quantidade
de atividades voltadas para a questão alimentícia. Como dito anteriormente, em meio a
esse comercio fixo também se concentram barracas móveis para a venda de peixes e
pescados em geral, além de frutas, verduras e temperos. Muitas pessoas ainda vendem
bolos, salgados, tapioca e outras comidas diretamente na rua, além de existir, em todo o
bairro, muitas residências onde são agregadas pequenas vendas. Por essa realidade, a
Brasília é bastante conhecida pela vocação empreendedora de seus moradores
(EMPREENDEDORISMO... 2015) (imagem 48, 49, 50, 51 e 52).
Apesar de esse comércio estar pulverizado no território da comunidade em geral, a
sua maior concentração se dá nas vias principais do bairro, notadamente nas Ruas
Comendador Moraes, Dagoberto Pires, Arabaiana, Delfim e Francisco Valpassos.
Especialmente na Rua Arabaiana, esses usos são muito predominantes (mapa 9; imagem 48,
49, 50, 51 e 52). Também, em segundo plano, tem-se a área do Mercado da Brasília, que
também tem uma vocação alimentícia e agrega outros tipos de comércio em seu entorno

{ 312 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

(imagem 53). Esses usos fazem parte do ritmo que movimenta a vivência da Teimosa e dos
seus moradores.
O público que se utiliza desse centro comercial é, em sua grande maioria, interno,
mas também há um externo, formado por aqueles turistas que passam pelo local e pelos
moradores dos bairros mais próximos, como o Pina e Boa Viagem.
A Brasília, segundo os entrevistados, pela sua Praia, pelo seu rio, pela grande gama
de bares e restaurantes que ela agrega, e pelo amplo comércio que ela abriga, funciona
como uma pequena cidade, não sendo necessário se deslocar para outros locais a fim de
comprar ou exercer a maiorias das atividades praticadas no bairro cotidianamente13.

Imagem 47 - Colagem de comércios e serviços da Brasília. Fonte: Google Maps, 2016.

13
Além de toda essa sua autossuficiência, é importante lembrar que a Brasília está localizada em uma área
central, próxima a Boa Viagem, ao Shopping Rio Mar e ao centro da Cidade. Em tese, se algo não é encontrado
dentro do próprio bairro, muito provavelmente pode estar em seu entorno.

{ 313 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

Imagem 48 - Comércio na Rua Arabaiana. Perceber os mercados dos dois lados da rua. Fonte: acervo pessoal
da autora.

Imagem 49 - Comércio variado na Rua Arabaiana. Fonte: FABRÍCIO, 2014.

{ 314 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

Imagem 50 - Anúncio de Venda de Pescado. Fonte: acervo pessoal da autora.

Imagem 51 - Venda de peixe em barraca na Rua Arabaiana. Fonte: BRASÍLIA, 2014.

{ 315 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

Imagem 52 - Venda de milho e espetinho na Rua Delfim. Fonte: acervo pessoal da autora.

Imagem 53 - Comércios próximos ao Mercado de Brasília Teimosa. Fonte: acervo pessoal da autora.

{ 316 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

4.3.3 A TEIMOSIA VIVENCIADA

“(...) É diferente a relação que essas pessoas têm, sabe, com aquele rio, com aquela croa. O pessoal tá assim, daqui a
pouco o povo vai ali e desce na croa, a croa tá seca, desce ali, coleta um marisco, daqui a pouco tá cozinhando na
porta de casa, debulhando, conversando, assim com a naturalidade que, aquilo pras pessoas que vêm de fora é uma
coisa diferente, mas aqui faz parte do cotidiano das pessoas, da vida. O pessoal passa aqui, a gente tá parado aqui,

daqui a pouco tá ali o pessoal com o mosquiteiro amarrado no pescoço tirando manjuba da praia, né? Então assim, a
coisa aqui é do dia-a-dia, né, apesar de ser uma comunidade urbana, mas é uma comunidade urbana tradicional de
pesca, né? A gente ainda tem muito essa característica (Taciana Melo, professora, 29 anos)”.

A) A Teimosia das Casas que sentem a Rua e Beiram as Aguas

“(...) A gente aqui ainda consegue se sentar na calçada (...)” (Isamar Martins, bibliotecária, 55 anos).

“A rua enchia d’água, mesmo assim não deixava de ter as cadeirinhas, botava tijolo, botava zinco, e fazia a fogueira
pra você olhar a rua cheia d’água, “chei “ de fogueira acessa (...)” (Celeste Maria, professora aposentada, 61 anos).

“O pessoal que mora no interior não bota o colchão na frente de casa e vai dormir? Eu durmo aí ó [apontando para a
frente de sua casa, à beira-mar]! Tô em casa” (Antônio Carlos, funcionário público aposentado, 66 anos).

“(...) O mar perto... Abro minha porta e dou de cara com o mar. Num é bonito?! O sol nascendo, o sol nascendo, a lua
quando nasce, a gente fica assim olhando, ó, eu namoro esse mar. Me acordo aqui de madrugada, (...) ai quando eu
abro a porta, tá essa coisa linda (Claudete Barros, vendedora de carne, 66 anos).

[Se o mar tem relação com Brasília Teimosa?] Isso aí tem, minha filha! Isso aí eu sei lhe contar bonitinho. Eu morava
nos palafitas, minha casa não era palafita, minha casa era de alvenaria (...) Ali era tudo mar, minha casa era dentro do
mar e quando vinha a maré alta eu ficava nervosa, a minha outra filha me dizia assim ‘mãe, a senhora tá
acostumada!’, mas era muita água (...). (...) Eu chorava igual uma criança, mas quando passava tava tudo bem, sabe?
(...) Eu comprei essa aqui, mas eu gostava,(...) eu vivia assim olhando, ó! E depois que passou a pista, minha casa foi a
última a sair, que não era nem pra ter tirado (...). É aquela história que a gente conta: ‘Eu era feliz e não sabia’ , né? Lá
eu era mais tranquila assim, era mais... (...) Mesmo entrando água era, aí eu digo ‘Eu era feliz e não sabia’" (Amara
Bezerra, empregada doméstica aposentada, 77 anos).

Na Brasília, as ruas são extensões das casas. Isso porque, desde o início da história
desse lugar, as tipologias edilícias praticadas na comunidade, permitem a passagem do
espaço interno das residências ao externo das vias de uma maneira direta ou quase direta
(imagem 57). Atualmente, em todo o bairro, são encontradas basicamente 3 tipologias e
implantações diferentes de edificações, todas com esse mesmo tipo de relação com a rua:

{ 317 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

. 1)

Imagem 54 - Tipologia 1. Edificações encontradas em Brasília Teimosa. Fonte: ANJOS, 2013, p.95.

.
A primeira delas consiste em casas simples, de um único domicílio, encontradas
desde o início da ocupação da Teimosa, sendo similares às vistas em outras localidades da
cidade. Elas são térreas e geralmente não ocupam o lote em toda a sua totalidade. Hoje,
essa tipologia representa uma minoria em relação ao número total de edificações do bairro,
visto o processo de adensamento e verticalização que nele vem ocorrendo desde a década
de 80.

. 2)

Imagem 55 - Tipologia 2. Edificações encontradas em Brasília Teimosa. Fonte: ANJOS, 2013, p.96.

{ 318 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

A partir de acrescimentos feitos por meio de puxadas e verticalizações chega-se a


este segundo tipo, o mais frequente do bairro: edificações, com um, dois ou mais
domicílios, que geralmente tem mais de um pavimento, e ocupam todo o lote. Elas podem
ter ou não uma parte de seu térreo sendo utilizado para pequenas vendas ou outros
comércios e serviços. Em muitos casos, onde existe mais de uma residência no mesmo
edifício, elas são ocupadas por pessoas de uma mesma família, que aumentou ou
multiplicou as suas casas na medida em que foi crescendo.

. 3)

Imagem 56 – Implantação 3. Edificações encontradas em Brasília Teimosa. Fonte: ANJOS, 2013, p.96
(modificado).

Por fim, observa-se esse último tipo de implantação, onde as edificações, do tipo 1
ou 2, estabelecem uma relação “condominial” entre si, se organizando em torno de uma
pequena via (“beco”) semiprivada ou semipública.
Essas tipologias e implantações ocorrem em todos os tipos de edificações: nas
residências, comerciais, de serviços ou de uso misto, tanto no interior da comunidade
quanto nas orlas (mapa 10 e 11, e imagem 58, 59, 60 e 61).
Esse fator facilita a relação das pessoas com a rua, que se torna jardim, sala de estar
das casas, permitindo que haja uma maior interação entre vizinhos, moradores e
transeuntes locais (imagem 58, 59 e 60). Como prova disso, é frequente na comunidade o
hábito de se colocar as cadeiras na frente das casas e ali passar longos períodos de conversa
e contemplação do movimento do bairro.
Para o comércio, esse tipo de implantação se torna essencial para a visibilidade e
fluidez entre os compradores e as mercadorias, facilitando também a ocorrência do
burburinho comercial, da movimentação já anteriormente citada existente na Brasília em
torno dos seus comércios e serviços (imagem 61).
Nas orlas, os jardins viários são azuis. As relações estabelecidas com o mar e com o
rio nesses lugares se dão de uma forma muito direta por conta desse tipo de implantação

{ 319 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

praticado no bairro. No que diz respeito à orla fluvial, percebe-se que muitas casas se
prostram diretamente ao rio, sem nenhum elemento que os separe (imagem 62). Essa
relação imediata, antes também existente na orla marítima, foi quebrada no momento em
que se construiu a Avenida Brasília Formosa, que hoje se encontra entre a praia e as
edificações. Cabe mencionar que ainda que essa mudança tenha trazido uma melhoria na
qualidade de vida da população como um todo, elevando os níveis de habitabilidade da
Brasília, o relacionamento afetivo existente entre o mar e os moradores que residiam de
forma anfíbia com ele, nas antigas palafitas ou próximas a elas, é tão forte que algumas
pessoas se recordam nostalgicamente da época que assim habitavam (imagem 63). Hoje,
mesmo que a Avenida se faça presente, as relações das casas com o mar continuam
acontecendo de forma efetiva (imagem 64).
Aqui cabe um adendo: como discutido anteriormente, a construção do conjunto
habitacional do bairro, no ano de 2006, quebra com as tipologias e implantações edilícias
recorrentes na Teimosa. Através de um acesso indireto às vias, tanto pela condição predial
dada às edificações construídas, como pela existência de grande muro que separa o espaço
interno do condomínio do restante da Brasília, nesse caso específico, a rua não mais
constitui uma sala de estar com cadeiras, ou um jardim que proporcione a conversa e a
interação entre as pessoas. Ou seja, no local, essas relações de convivência foram perdidas
(imagem 65 e 66).
Embora o processo de adensamento e verticalização do bairro esteja se dando de
uma forma acelerada, com edifícios que, em grande parte, já ocupam toda a totalidade do
lote e frequentemente possuem dois ou três pavimentos, percebe-se que o conjunto
edificado do bairro continua constituindo uma unidade na Paisagem Teimosa. Além disso,
mesmo com as mudanças ocorridas ao longo dos anos, a relação pessoas-ruas-jardins não
se perdeu, sofrendo apenas adaptações (imagem 67).

{ 320 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

Imagem 57 – Colagem de Casas da Brasília. Fonte: Google Maps, 2016.

{ 321 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

Mapa 10 – Implantação das edificações residenciais e


comercias. Fonte: elaborado pela autora.

{ 322 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

Mapa 11 – Implantação das edificações nas orlas do rio


e do mar. Fonte: elaborado pela autora.

. }
{ 323
. { PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

Imagem 58 – Casas da Rua Espardate na década de 1960. Fonte: BEZERRA, 1965.

Imagem 59 – Casas da Rua Estrela do Mar, 2017. Fonte: acervo pessoal da autora.

{ 324 }
. { PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

Imagem 60 – Brasília Teimosa e as casas que sentem a rua. Foto de Flávio Gusmão, 2009. Fonte: Flickr Flávio
Gusmão, 201-.

Imagem 61 – Comércios que sentem a rua. Fonte: acervo pessoal da autora.

{ 325 }
.
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

Imagem 62 - Casas que sentem o rio. Foto de Luiz Baltar. Fonte Blog Com mais de trinta, 2010.
.

Imagem 63 - Palafitas na antiga orla marítima da Brasília. Foto de autoria de Eduardo Câmara. Fonte:
Panoramio Google Maps, 2007.
.

{ 326 }
. { PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

Imagem 64 - Casas que sentem o mar na Avenida Brasília eimosa, 2017. Fonte: acervo pessoal da autora.

Imagem 65 - Conjunto residencial Brasília Teimosa e seus muros à convivência. Fonte: acervo pessoal da
autora.

{ 327 }
. { PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

Imagem 66 – Conjunto residencial Brasília Teimosa e seus muros à convivência. Fonte: acervo pessoal da
autora.

Imagem 67 – Edificações que conformam a Unidade de Paisagem de Brasília Teimosa. Perceber a diferença
entre a paisagem do bairro e o seu entorno (Pina e Boa Viagem). Fonte: acervo pessoal da autora.

{ 328 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

B) A Teimosia da (Com)vivência

“(...) Todo mundo vê pessoas na rua, seja de manhã, de tarde, de noite, de madrugada, aquele burburinho legal e
bacana. Uma vez que, de certa forma, todo mundo conhece todo mundo” (Wilson Lapa, radialista e atual Líder do
Conselho de Moradores, 57 anos).

“Acho que a convivência, assim, com os vizinhos, é aquele ‘bom dia’, ‘boa tarde’, ‘boa noite’ e ‘tudo bem?’" (Amara
Bezerra, empregada doméstica aposentada, 77 anos).

“(...) Apesar de muita gente ter mudado, apesar das vizinhanças ter se modificado, mas a solidariedade ainda existe
muito forte dentro do bairro, as características, né? Você passa perrengue como todo mundo passa, mas tem sempre
pessoas pra lhe ajudar” (Isamar Martins, bibliotecária, 55 anos).

(...) o que marca mesmo é a hospitalidade dos moradores, o cuidado que a gente tem um com o outro, a história de
luta que a gente tem, isso é que me apega muito, né, é, uma luta que é de todos (...) (Maninho, porteiro aposentado,
48 anos).

“ (...) Acho que a gente não saberia viver sem isso aqui, a gente já tá acostumado a acordar e olhar pra o mar, a
gente já tá acostumado a sentir, a saber quando é que vai chover, então tem uma relação, assim, bem afetiva e
sentimental com isso. A gente tem uma, não sei, é porque quando você mora muito próximo da praia você já tem
aquela relação com ela (...). (...) A gente tá acostumado, então, assim, a gente já se acorda e já sabe qual o vento, a
gente pode até não saber o nome, e isso é intuitivo desde as crianças, né? A gente vai pra praia, eles já sabem qual a
questão do vento, eles já sabem observar assim “vai chover! Tá vendo aquela nuvem?”, o céu escurece um pouco e
elas “já vai chover”, então você tem uma relação, assim, de afetividade muito grande com o mar, né, com a maré,
com os estuários, então é uma coisa, assim, de afetividade, né? E acho que é de importância muito grande, pras
pessoas, assim, que vivem, né? (Taciana Melo, professora, 29 anos)

“(...) Você olha, você vê, as meninas passa aqui, tem muitas, elas passam aqui, tem muitas que passam aqui no verão
de biquíni, é como se ela tivesse saído de casa direto pra o mar” (Edu Guerra, técnico de construção aposentado, 68
anos).

A Brasília é um lugar habitado. A sua paisagem é viva e o seu território é dinâmico.


Existem pessoas, movimento e sociabilidade em todas as suas ruas e em todos horários do
dia. O bairro não dorme.
Alguns fatores físicos podem ser apontados como facilitadores dessa interação
frenética. Percebe-se a existência de três polos principais geradores de vida e
movimentação que abrangem uma boa parte da área total da Teimosa (mapa 12).
O primeiro deles é a orla marítima. A presença do mar constitui um fator de atração
de pessoas, pela convivência gerada em torno dele e entre aqueles que dele se aproximam.
As práticas e hábitos ali proporcionados, como o banho salgado, a pescaria, a vivência das
rochas, a prática de esportes e exercícios, o usos dos bares e restaurantes, a contemplação

{ 329 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

e as conversas e festas no seu entorno, propiciam uma grande ebulição social no local
(imagem 68 e 69).
A orla fluvial também ajuda a criar a atmosfera dinâmica do bairro. Através das
relações que se tem com o rio, de apreciação da sua natureza e dos rituais de pesca nele
desenvolvidos, a sociabilidade se faz viva em todo esse lado da Brasília (imagem 70).
Fora esses dois polos que se situam nos limites molhados da Teimosa, tem-se
também um último, que está no coração do seu território: o anel viário comercial. A
movimentação proporcionada pelo seu tamanho e pela pluralidade de usos que nele se
situa é intensa, sendo esse um grande atrativo de pessoas, que ali trabalham, que vão
comprar algo, ou que vão usufruir de algum serviço oferecido no local (imagem 71).
Além desses fatores que se encontram em zonas específicas da Brasília, têm-se duas
outras características gerais que colaboram para a ocorrência das interações sociais no
bairro como um todo. Sobre isso, percebe-se que apesar de haver uma maior concentração
comercial e gastronômica no meio do seu território e à Beira-mar respectivamente, esses
usos estão espalhados por toda a Teimosa. A mistura de atividades, cada uma com uma
natureza diversa e com horários de funcionamento também diferentes, faz com que o lugar
esteja vivo ininterruptamente (mapa 13; imagem 77).
Uma outra questão crucial também já falada é a das casas que sentem a rua e
beiram as águas. O tipo de implantação que se tem no bairro, permite um acesso direito ou
quase direto às ruas, ao mar e ao rio, fazendo com que eles se tornem salas-de-estar
coletivas. Essa é uma característica dos três polos de movimentação citados e de toda a
área da Brasília em geral (imagem 70, 71, 72, 73, 74, 75, 76 e 77).
Assim, a conformação física dessa paisagem, permeada pelas águas e moldada por
uma arquitetura dada ao espaço público, favorece o habitar. É na Teimosa onde se convive,
e onde se criam e se fazem vivas as relações trajectivas, simbólicas e emocionais de
vizinhança. Entre os vizinhos tem-se não somente os moradores, mas também as águas.
Com elas, que são as habitantes mais antigas desse lugar, a população se relaciona
objetivamente e sentimentalmente.
Os hábitos e práticas sociais intensos que são estabelecidos com a Brasília, com o
seu mar, o seu rio, e o seu território como um todo, são o que criam uma apropriação
afetiva da população por esse bairro, o vestindo de uma pluralidade de significados e
vivências que o tornam singular, único.
Por fim, um último fator muito importante que corrobora para esse sentimento de
identificação e pertencimento com a Brasília é o da história de luta de seus moradores. A
conquista e a construção desse lugar se deram a partir de uma batalha coletiva de sua
gente, que ocupou e criou, com suas próprias mãos e pelos seus próprios esforços, a
paisagem que hoje se faz presente. Assim, a luta, o engajamento afetivo da população em

{ 330 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

defesa do seu habitar e de sua obra, foi um comportamento moral, de natureza não
palpável, gerador dos resultados físicos que atualmente constituem essa unidade de
paisagem.

{ 331 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

Mapa 12 - Polos de Movimentação e suas influências


{ 332 } diretas. Fonte: elaborado pela autora.
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

Imagem 68 - A (com)vivência na orla. Crianças jogando bola e pessoas bebendo, conversando, tomando
banho de mar e interagindo com os arrecifes. Fonte: BRASÍLIA, 2014.

Imagem 69 - Ritos de Pesca na orla marítima. Fonte: Colônia...2013.

{ 333 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

Imagem 70 - Pescadores e pessoas sentadas em frente às casas. Foto de autoria de Ezequiel Vannoni, Agência
JCM, Foto Arena. Fonte: Flickr Ezequiel Vannoni.

Imagem 71 - Movimentação comercial. Rua Arabaiana. Fonte: acervo pessoal da autora.

{ 334 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

Imagem 72 - Meninos jogando bola na Brasília de ontem. Fonte: Edimilson Araújo da Silva, Slide Brasília,
2014.

Imagem 73 - Meninos jogando bola na Brasília de hoje. Fonte: BRASÍLIA, 2014.

{ 335 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

Imagem 74 - Rua sendo vivida na Brasília de ontem. Perceber as casas que sentem a rua. Fonte: Edimilson
Araújo da Silva, Slide Brasília, 2014.

Imagem 75 - Mulheres sentadas e crianças brincando na rua. Fonte: BRASÍLIA, 2014.

{ 336 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

Imagem 76 - Crianças brincando e pessoas sentadas na calçada. Fonte: BRASÍLIA, 2014.

Imagem 77 - Rua Badejo sendo vivenciada hoje. Perceber as casas que sentem a rua e o mercadinho situado
fora da zona comercial do bairro. Fonte: acervo pessoal da autora.

{ 337 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

C) A Teimosia da Simplicidade

“(...) Eu gostaria que pudesse ter sim um crescimento, mas que continuasse com as mesmas características, até
porque, eu não sei como seria a vida das pessoas que já estão habituadas nesse, nessa forma de viver, como é que
seria, né?” (Taciana Melo, professora, 29 anos).

“É uma vida bonita pra quem mora nela, viu? [Brasília] É a vida pra quem mora (...)” (Antônio Carlos, funcionário
público aposentado, 66 anos).

“(...) um bairro popular de pessoas simples (...)” (Djalma Rodrigues, mecânico em refrigeração aposentado, 81 anos).

“(...) Muitas vezes, a melhor solução técnica não


será a solução mais indicada para os interesses “Sabemos que a urbanização da beira-mar vai
dos moradores. Porque determinadas medidas de requerer um vultoso apoio econômico federal,
urbanização podem significar uma espécie de para nos defender da violência do mar. Mas a
expulsão branca, de expulsão indireta. Um urbanização deve se dar, mesmo sendo cara, de
determinado processo de urbanização pode modo humilde e simples, para não assanhar
conseguir em três ou cinco anos a remoção, que demais os especuladores imobiliários” (Manifesto,
até hoje, não foi possível realizar” (Manifesto, 1979 – BRASÍLIA, 1979).
1979 – BRASÍLIA, 1979).

A grandeza das relações objetivas, afetivas e simbólicas que ocorrem entre a Brasília
e os seus moradores se faz na simplicidade dessa paisagem.
Esse bairro, construído pela sua própria gente, desprovida de grandes recursos
financeiros e técnicos, tem um urbanismo, que apesar de simples, atendeu e vem
atendendo às demandas que a ele se apresentam. Nessa simpleza, as pessoas estabelecem
os múltiplos hábitos e práticas sociais que caracterizam o âmago da Teimosa. Essa questão
pode ser exemplificada de várias maneiras.
Ao se observar a escala dos objetos arquitetônicos que formam essa unidade de
paisagem, percebe-se casas simples, com tipologias populares, térreas ou com poucos
pavimentos, de uma estética humilde, feita com materiais economicamente acessíveis e
sem grandes luxos. Essa realidade também se aplica aos demais tipos de edificações
encontradas no bairro (imagem 78, 79 e 80).
Seguindo essa mesma lógica, o centro comercial local, que dá autossuficiência à
Teimosa e abriga uma gama razoável de comércios e serviços, é conformado por
estabelecimentos de pequeno porte, além de vendas e barracas informais, característicos
dos subúrbios (imagem 81 e 82).
Ainda que exista toda essa movimentação, até mesmo as ruas principais do bairro
não tem um tamanho expressivo. Mas, embora as suas calhas sejam estreitas, elas atendem
com eficiência às necessidades de mobilidade e de sala-de-estar coletiva dessa população,
que as vivencia plenamente como espaços de sociabilidade (imagem 83, 84 e 85).
A pesca, atividade histórica e típica praticada no bairro, é de caráter artesanal, não
exigindo para o seu pleno funcionamento, a existência de estruturas elaboradas de suporte,
como marinas, ou portos requintados. Os píers humildes, construídos na orla fluvial da
Brasília, as pequenas embarcações, as chamadas “baiteras”, e os próprios arrecifes do mar

{ 338 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

são os elementos suficientes para a perpetuação dessa prática, feita por lazer ou
profissionalmente (imagem 86, 87).
A orla do bairro também reflete essa simplicidade. Como de vontade dos seus
moradores, ela foi requalificada a partir de uma urbanização feita sem muitas ostentações.
A sua faixa de areia é estreita, e a própria Praia do Buraco da Véia, um emblema da
comunidade, tem um pequeno porte, se assemelhando a uma piscina de águas calmas.
Ainda que singelo, é nesse cenário onde as pessoas fazem os seus banhos, vivenciam as
pedras e piscinas naturais, conversam, brincam, bebem, comem, jogam bola, se divertem e
contemplam a natureza local. Os restaurantes e bares que ali se encontram também tem
uma arquitetura sem grandes requintes, semelhante à encontrada no interior do bairro
(imagem 88, 89, 90 e 91). Assim, o tamanho da praia se encaixa tamanho das relações e
práticas que se tem com ela.
A simplicidade dessa paisagem sobrevive e contrasta com a escala da sua
circunvizinhança. Apesar de o bairro estar em meio a outros dois de maior porte, Boa
Viagem e Pina, onde a escala dos objetos arquitetônicos, das relações e da cidade parece
ser muito maior do que a dela, a Brasília constitui uma unidade em si mesma, tendo um
outro tipo de território, demanda e vivência.
Como visto, vários projetos avantajados, que reproduzem a mesma lógica
encontrada nessa sua vizinhança, já se apresentaram e ainda vêm se apresentando com
frequência ao bairro14. Porém, ao perceber a discrepância da proporção entre esses
empreendimentos e a vida que se faz presente na Teimosa, que é responsável por torna-la
vivida tal qual como ela é ao longo da sua história, a população tem os rejeitado um após o
outro. Essa rejeição vai muito além de se defender a permanência ou a estadia dos
moradores no bairro, já que esses planos que pra ele se apresentam provavelmente
gerariam uma expulsão branda de pessoas. Essa é uma defesa do tipo de habitar que se tem
na Brasília, da dinâmica local, do tipo de movimentação que nela existe, das relações
afetivas com o seu rio, com o seu mar, e com o seu território, construído pelo seu próprio
povo: é a defesa de um palimpsesto físico e emocional.

Imagem 78 - Casa de arquitetura


simples na Brasília Teimosa de ontem.
Edimilson Araújo da Silva, Slide Brasília,
2014.

14
Ver essa discussão no Terceiro capítulo deste trabalho.

{ 339 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

Imagem 79 - Casas de arquitetura simples da Brasília


Teimosa de hoje. Fonte: acervo pessoal da autora.

Imagem 80 - Edifício de alto padrão situado no


bairro de Boa Viagem. Fonte: SkyscraperCity,
2004.

Imagem 81 - Mercadinho do centro comercial de


Brasília Teimosa. Fonte: acervo pessoal da autora.

Imagem 82 - Supermercado situado no bairro de Boa


Viagem. Fonte: Blog do Jota Lídio, 2014.

{ 340 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

Imagem 83 - Rua da Brasília de ontem. Fonte:


Edimilson Araújo da Silva, Slide Brasília, 2014.

Imagem 85 - Avenida Domingos Ferreira em Boa


Viagem. Fonte: Mapio, 201-.

Imagem 84 - Rua Delfim na Brasília de hoje. Fonte: acervo


pessoal da autora.

Imagem 86 - Píer improvisados


na orla fluvial da Brasília. Foto
de autoria de Ezequiel Vannoni,
Agência JCM, Foto Arena.

{ 341 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

Imagem 87 - Pescador na baitera. Fonte:


BRASÍLIA...2014.

Imagem 88 - Praia do Buraco da Véia e sua estreita


faixa de areia. Fonte: Site Esse Mundo é Nosso, 2014.

Imagem 89 - Praia de Boa Viagem e sua faixa de areia.


Fonte: Blog Brasília Teimosa, 2009.

Imagem 90 - Avenida Brasília Formosa. Fonte: acervo


pessoal da autora.

Imagem 91 - Avenida Boa Viagem, Beira-mar do bairro.


Fonte: Mobilicidade Recife, 201-.

{ 342 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

4.4 O MOVIMENTO DA VIDA COMO O MOVIMENTO DA MARÉ

“A gente olha assim, a gente vê a grandeza do mar, olha por lado, olha a serenidade da maré, né? São dois
momentos distintos” (Celeste Maria, professora aposentada, 61 anos).

“O mar é Vida! (...) Fora a serenidade ou a agitação que ele nos proporciona (...)” (Isamar Martins, bibliotecária, 55
anos).

Antes, a Brasília era só a água. Hoje também.


O mar e o rio cadenciam o movimento que se dá nessa comunidade, apadrinhando
os seus moradores e ditando as relações, os hábitos e as práticas sociais que ali se dão. Ao
se observar a Teimosa, percebe-se que os valores que a tornam tão singular e especial se
relacionam direta ou indiretamente com esses elementos, não somente de forma material,
mas também subjetiva.
A subsistência física das pessoas que habitam esse lugar, muitas vezes, se dá com as
águas ou através delas. A pesca e a venda dos pescados criam um mercado local que dá
origem e alimenta o polo gastronômico do bairro, movimentando também o centro
comercial ali existente.
A subsistência afetiva da população também se faz através desse contanto com o
mar e com o rio. As relações sentimentais que existem entre as pessoas e entre elas e a
Brasília se dão por meio deles. Os ritos de lazer praticados na comunidade se voltam para as
águas, as celebrando, por exemplo, através dos banhos salgados, das conversas, dos
esportes e das brincadeiras à beira-mar, da ida à praia, da interação com os arrecifes, da
pescaria e da contemplação das orlas.
Além disso, a comunidade também se comunica com as águas por meio de sua
forma de residir. As suas casas se prostram a rua, ao mar e ao rio, fazendo com que a
vivência que se tem com eles, com o território da Brasília como um todo, e entre os próprio
moradores seja efetiva.
Essas características físicas e subjetivas são os “valores teimosos” que fazem com
que esse bairro seja habitado, contando uma história à cidade e servindo como palco da
vida de seus moradores. Esses fatores conferem a esse lugar uma pluralidade de
significados, vivencias e qualidades materiais que o tornam singular.
Essa singularidade faz com que a Brasília constitua uma unidade de paisagem que se
difere do seu entorno, não somente fisicamente, mas também em relação às conotações
simbólicas que se tem sobre ela. A Teimosa vivida contrasta com as suas circunvizinhanças,
onde o território não mais é tratado como kosmos, e sim como mercadoria. Dessa forma, o
projeto de paisagem que se implanta nos seus bairros vizinhos, o Pina e Boa Viagem, e que

{ 343 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

se quer apresentar paulatinamente à comunidade, não se atenta às suas particularidades,


às suas pré-existências e à trajectividade relacional existentes entre ela e os seus
moradores. Esse impasse conforma o conflito que ameaça a sua existência e a permanência
da sua essência única.
Porém, como visto, é necessário que a Teimosa permaneça sendo uma parte da
cidade que se faz vivida, pensada como um meio relacional entre as pessoas e o mundo.
Além disso, é preciso que ela resista contando a sua história através do seu “palimpsesto”,
ao mesmo tempo em que a escreva através da vida que nela se faz presente. Para que isso
aconteça, as mudanças e projetos que se colocarem a essa paisagem futuramente devem
respeitar os valores teimosos que constituem o seu âmago físico e simbólico e que
permitem que ela seja apropriada afetivamente pela população.
Como meio de impedir a ocorrência de danos a essa unidade, também é primordial
que a comunidade seja protegida através da asseguração legal dada pelo conjunto de
medidas práticas anteriormente sugeridas: a manutenção de sua condição de ZEIS, a
extensão dessa Zona Especial até as quadras lindeiras à Avenida Antônio de Góes e à ZAC
vizinha, a regularização fundiária das casas e edificações em geral, a fiscalização das
compras e vendas clandestinas de imóveis dentro do bairro, e a conscientização dos
moradores em relação a essas transações e ao respeito ao plano de Regularização vigente
para a área.
Além dessas precauções que garantem a permanência e o habitar da Brasília, ainda é
necessário que seja feita a manutenção das condições de habitabilidade locais, através da
resolução dos problemas infraestruturais e sanitários que ainda perduram na comunidade:
a pavimentação precária das vias, a falta de limpeza dos espaços públicos e a drenagem e
esgotamento sanitário deficientes em alguns pontos. O bom funcionamento do lugar nesse
sentido, não somente tem a ver com a qualidade de vida da população, mas também com
se propiciar um ambiente que possa ser vivido plenamente em suas características.
Se respeitando as premissas para a Conservação da Paisagem Teimosa aqui
colocadas, se permite que a simplicidade que dita a grandeza das relações entre esse lugar,
os seus moradores e a cidade permaneça viva, fazendo com que o apadrinhamento, físico e
afetivo dado pelas águas à Brasília, bem como a vivência de suas ruas, do seu mar e do seu
rio continuem ditando o movimento da vida dessa comunidade. A Teimosia em se
perpetuar essa história é uma forma de se respeitar a memória do próprio Recife como um
todo e de quem o habita. É uma maneira de mostrar que é possível se fazer uma cidade
pensada através da sua paisagem, que seja criada pelas pessoas e que as represente, se
permitindo ser apropriada objetivamente e sentimentalmente por aqueles que a escolhem
como o cenário das suas vidas.

{ 344 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

{ 345 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CAPÍTULO 4 – BRASÍLIA TEIMOSA COMO KOSMOS }

{ 346 }
{
CONSIDERAÇÕES FINAIS

SOBRE A TEIMOSIA DA PAISAGEM

“Habitar significa deixar rastros”.


(Walter Benjamin)

O desafio que se impõe às cidades é o de serem capazes de suprir a necessidade


humana de vincular a sua existência a algum lugar no mundo. O Recife não foge a essa
regra. Hoje, os mecanismos que guiam a sua formação socioespacial dão as costas à
individualidade e às preexistências físicas e simbólicas de cada local, os tratando como um
território-mercadoria. Esse tipo de construção urbana dá origem a paisagens neutras, que
não representam as pessoas que as tem como o cenário de suas vidas.
Na contramão desse processo, Brasília Teimosa se impõe como um território vivido,
em um dos locais mais valorizados economicamente da cidade, ao lado do Pina e Boa
Viagem, dois bairros elitizados. Por esse motivo, como visto ao longo de todo esse estudo,
desde o seu nascimento, há um conflito entre a sua conservação, defendida pelos seus
moradores, e a vontade de alguns grupos de destitui-la de seu lugar e das características
que a tornam única, pelo desejo de concretização de um projeto de paisagem que negue a
sua gente.
A resistência da Brasília até os dias atuais parte não somente da força das pessoas
em defesa de sua permanência (estar) nesse lugar, mas também do direito de vivencia-lo
em seu mais amplo sentido, dele se apropriando por meio de hábitos e práticas sociais, que
dão origem a laços sentimentais e identificações.
Nesse sentido, o processo de construção da Teimosa vem acompanhando e
fundamentando a história das pessoas que a cria e a transforma. As águas que abraçam o
seu território apadrinham os seus moradores e cadenciam o movimento das relações que
nele se desenvolvem, tanto entre os indivíduos, quanto entre eles e o mar, o rio e a rua,
orientando também as ocupações que ali se dão. Assim, a Brasília vem suprindo as
necessidades existências afetivas e físicas de quem a vive, guardando a capacidade de
representar a sua população e ser vivida por ela.
A sua formação pode ser lida em sua paisagem, que também expressa a riqueza de
valores e aspectos materiais e simbólicos que formam o seu caráter, e que a mantem como
uma unidade, mesmo estando em meio a uma região que vem sendo neutralizada através
de uma apropriação que desqualifica as particularidades dos lugares, reproduzindo uma

{ 347 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CONSIDERAÇÕES FINAIS }

cultura que em nada remete a essa comunidade e a ameaça continuamente.


Sabe-se que as cidades não se congelam, pois, sendo formadas pelas pessoas, elas
vicejam e necessitam mudar para conseguir continuar abrigando as vivências humanas,
“sempre prontas a se recomeçar”1, que nela se encenam. Mas é importante que nesse
processo de transformação, as paisagens continuem perpetuando o seu âmago subjetivo e
palpável que as tornam quem elas são, casa e reflexo de quem as habita. Nesse sentido, a
existência da Brasília é uma grande prova de que é possível se modificar ao longo dos anos
se mantendo como um lugar vivido a partir do enfrentamento das pressões neutralizadoras
que vêm apagando o palimpsesto que conta as memórias urbanas.
A conservação da Teimosa se torna urgente pela iminência do desaparecimento da
sua história única, que também é a de seus moradores e do Recife como um todo. Defendê-
la é defender o direito ao habitar a cidade, é manter vivo um exemplo que nos conscientiza
sobre a necessidade de se lutar por paisagens vivas, que nos representem, lugares em que
possamos nos ver e nos reconhecer, territórios que tenham a capacidade de abrigar as
nossas vidas e de serem apropriados simbolicamente, afetivamente e fisicamente pelas
pessoas.
A Brasília Precisa (r)existir para continuar ensinando ao Recife com quantas
TEIMOSIAS se faz uma cidade.

“Não tem outro lugar que caiba Brasília. (...) Nenhuma área, nenhum lugar que se pareça
com Brasília ou que coubesse Brasília dentro. Nem o tamanho da sua história (...)”.
(Celeste Maria, 2017)

1
BESSE, 2014.

{ 348 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CONSIDERAÇÕES FINAIS }

{ 349 }
{ PAISAGEM TEIMOSA | CONSIDERAÇÕES FINAIS }

{ 350 }
{ REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS }
LIVROS E CAPÍTULOS DE LIVROS

ALVES, Paulo Reynaldo Maia. Valores do Recife: o valor do solo na evolução da


cidade. Recife: Luci Artes Gráficas, 2009. 266 p.

ARAÚJO, Rita de Cássia. As Praias e os Dias: História Social das Praias de Recife e Olinda.
Recife: Fundação de Cultura da Cidade do Recife, 2007.

ASSIES, Willem. To Get Out of the Mud: Neighborhood Associativism in Recife, 1964-1988.
Amsterdam: Cedla, 1991. Disponível em:
<http://www.cedla.uva.nl/50_publications/archive_CLAS.html>. Acesso em: 27 mar. 2017.
BERQUE. Paisagem, Meio, História. In: BERQUE, Augustin (Org.). Cinq propositions pour une
théorie du paysage. Paris: Champ Vallon, 1994. Tradução de Vladimir Bartalini. FAU-USP,
2012.

BERQUE (Org.). Cinq propositions pour une théorie du paysage. Paris: Champ Vallon, 1994.
Tradução (informal): Vladimir Bartalini. FAU-USP, 2012.

BESSE, Jean-marc. A Paisagem, entre a Política e o Vernacular. In: BESSE, Jean-marc. O Gosto
do Mundo: Exercícios de Paisagem. Rio de Janeiro: Editora da Universidade do Estado do Rio
de Janeiro, 2014. p 103-140. Tradução: Annie Cambe.

____. As cinco Portas da Paisagem. In: BESSE, Jean-marc. O Gosto do Mundo: Exercícios de
Paisagem. Rio de Janeiro: Editora da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2014. p 11-
66. Tradução: Annie Cambe.

BEZERRA, Daniel Uchoa Cavalcanti.; FREYRE, Gilberto; Instituto Joaquim Nabuco de


Pesquisas Sociais. Alagados, mocambos e mocambeiros. Recife: IJNPS : UFPE, Imprensa
Universitaria, 1965. 115 p.

BEZERRA, Onilda. Segunda Porta: Paisagem como Totalidade Homem-Natureza. In: VERAS,
Lúcia et al. Cadernos de Arquitetura e Urbanismo: Cidade-Paisagem. Recife: Conselho de
Arquitetura e Urbanismo de Pernambuco, 2017. Cap. 2. p. 34-51.

{ 351 }
BRITO, Fivos de; MARGARITA, Micha. Brasília Teimosa é Nossa: Um Exemplo de
Reinvidicação do Espaço Urbano. Atenas: Universidade Politécnica Nacional de Atenas,
2015. Disponível em: <https://issuu.com/margaritamiha/docs/brasilia_teimosa__issuu_>.
Acesso em: 6 de ago. de 2016.

CARNEIRO, Ana Rita Sá; DUARTE, Mirela. Conservando a Paisagem Cultural e os Jardins de
Burle Marx no Recife. In: TERRA, Carlos; ANDRADE, Rubens Oliveira de (Org.). Construções
de Paisagens: instrumentais Práticos, Teóricos Conceituais e Prejectuais. Rio de Janeiro:
Escola de Belas Artes, 2008. Cap. 4. p. 134-141. Coleção Paisagens Culturais. Volume 3.

CALVINO, Italo. As cidades invisíveis. São Paulo: Cia. das Letras, 1990.

____. A especulação imobiliária. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

CASTRO, Josué de. Homens e caranguejos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

CONAN, Michel. A Invenção das Identidades Perdidas. In: BERQUE, Augustin (org.). Cinq
propositions pour une théorie du paysage. Paris: Champ Vallon, 1994. Tradução: Vladimir
Bartalini. FAU-USP, 2012.

COSGROVE, Denis. A Geografia Está em toda Parte: cultura e Simbolismo nas Paisagens
Humanas. In: CORRÊA, Roberto Lobato; ROSENDAHL, Zeny (Org.). Geografia Cultural: uma
Antologia. Rio de Janeiro: Eduerj, 2012. p. 219-237. Volume 1.

DE SOUZA, D. et al. Manual de Orientações para Projetos de Pesquisa. Novo Hamburgo, RS:
FESLSVC, 2013.

DE MELLO, José Antônio Gonsalves. Cartografia Holandesa do Recife: estudo dos Principais
Mapas da Cidade no período de 1631-1648, Recife, PHNG, 1976.

FREYRE, Gilberto. Guia Prático, histórico e sentimental da cidade do Recife. Recife. Oficinas
Gráficas Typ. Propagandísticas, 1934. In ARAÚJO, Rita de Cássia. As Praias e os Dias: História
Social das Praias de Recife e Olinda. Recife: Fundação de Cultura da Cidade do Recife, 2007.

JACKSON, John Brinckerhoff. A la Découverte du Paysage Vernaculaire, Arles/Versailles:


Actes Sud/ENSP, 2003. In BESSE, Jean-marc. O Gosto do Mundo: Exercícios de Paisagem. Rio
de Janeiro: Editora da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2014. Tradução: Annie
Cambe.

{ 352 }
LAKATOS, E.M.; MARCONI, M.A. Fundamentos de Metodologia Científica. 5. Ed. São Paulo:
Atlas, 2003.

LEFEVRE, H. O Direito à Cidade. 5.Ed. São Paulo: Centauro, 1978.

LEITÃO, Lúcia. Quando o Ambiente é Hostil. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2009.

MARICATO, Ermínia. As ideias fora do lugar e o lugar fora das ideias. In: ARANTES, O.;

MILET, Vera. (Coord.) et al. Pina: Imagens e Representações Simbólicas do Morar. Recife:
UFPE, 1990. In: SILVA, Oswaldo Pereira da (Coord.). Pina, povo, cultura, memória. Olinda,
PE: Centro de Cultura Professor Luiz Freire; Produção Alternativa, 2008b. 69 p.

MENEZES, José Luiz Mota (Org.). Atlas Histórico Cartográfico do Recife. Recife: Urb/fundaj,
Editora Massangana, 1988. 110 p.

MOURA, Alexandrina Sobreira de. O Estado, Legalização da Posse Urbana e Mudanças


Legais. In: MOURA, Alexandrina Sobreira de. Terra do Mangue: invasões Urbanas no Recife.
Recife: Fundação Joaquim Nabuco. Editora Massangana, 1990. Cap. 1. p. 21-63.

OLIVEIRA, Waldemar de. Geologia da Planície do Recife: contribuição ao seu estudo. Recife:
Oficinas Gráficas do Jornal do Comércio, 1942. Tese de concurso à cátedra de História
Natural da Escola Normal Oficial de Pernambuco. In BEZERRA, Onilda. Segunda Porta:
Paisagem como Totalidade Homem-Natureza. In: VERAS, Lúcia et al. Cadernos de
Arquitetura e Urbanismo: Cidade-Paisagem. Recife: Conselho de Arquitetura e Urbanismo de
Pernambuco, 2017. Cap. 2. p. 34-51.

PENA FILHO, Carlos. Guia Prático da Cidade do Recife. Recife: Prefeitura da Cidade do Recife,
1996.

ROSA, João Guimarães. Grande sertão: veredas. 19.ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.

SANTOS, M. Metamorfoses do Espaço Habitado. São Paulo: Hucitec, 1988.

____. Pobreza Urbana. São Paulo, Recife: Hucitec, MDU-UFPE, 1978.

{ 353 }
SILVA, Ariadne Paulo. Contextualização Histórica e Espacial: Brasília Teimosa. In: SILVA,
Ariadne Paulo. O Mercado Imobiliário de Aluguel em Áreas Pobres do Recife: um Estudo das
Relações Socioeconômicas à Luz das Teorias Sobre o Dom. Recife: Novas Edições
Acadêmicas, 2013. Cap. 2. p. 42-48.

SILVA, Oswaldo Pereira da. Histórias do Pina. Recife: Fundação de Cultura Cidade do Recife,
2008a. 54 p.

SILVA, Oswaldo Pereira da (Coord.). Pina, povo, cultura, memória. Olinda, PE: Centro de
Cultura Professor Luiz Freire; Produção Alternativa, 2008b. 69 p.

VAINER, C.; MARICATO, E. A cidade do pensamento único. Petrópolis: Ed. Vozes, 2006.

VERAS, Lúcia et al. Cadernos de Arquitetura e Urbanismo: Cidade-Paisagem. Recife: Conselho


de Arquitetura e Urbanismo de Pernambuco, 2017.

VILLAÇA, F. Espaço Intra-Urbano no Brasil. 2.ed. São Paulo: Fapesp, Studio Nobel, 2001.

TRABALHOS DE GRADUAÇÃO, DISSERTAÇÕES E TESES

ALFONSIN, Betânia. Direito à moradia: instrumentos e experiências de regularização


fundiária nas cidades brasileiras. Rio de Janeiro: FASE/IPPUR, Observatório de Políticas
Urbanas, 1997. In: SANTOS, Caroline Gonçalves dos. De Cima Pra Baixo e de Baixo pra
Cima: Intervenção Estatal e investimentos Habitacionais em Assentamentos de Baixa Renda
no Recife. 2011. 232 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Pós-graduação em
Desenvolvimento Urbano, CAC - DAU, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2011.
Disponível em: <http://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/3632>. Acesso em: 23 mar.
2017.

ANDRADE, Yanne Pereira de. Produção do Espaço Urbano no Recife: uma Leitura através da
Mobilidade. 2015. 213 f. TCC (Graduação) - Curso de Arquitetura e Urbanismo, Centro de
Artes e Comunicação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2015.

ANJOS, Kainara Lira dos. Mercado Imobiliário de Aluguel em áreas pobres e as


transformações urbanas e Ambientais. 2013. 286 f. Tese (Doutorado) - Curso de Pós-
graduação em Desenvolvimento Urbano, Universidade Federal de Pernambuco, Recife,
2013. Disponível em: <http://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/11056>. Acesso em:
10 jun. 2017.

{ 354 }
BARBOSA, David Tavares. Novos Recife, Velhos Negócios: política da paisagem no processo
contemporâneo de transformações da Bacia do Pina – Recife/PE : uma análise do Projeto
Novo Recife. 2014. Dissertação (Mestrado) - Curso de Programa de Pós-graduação em
Geografia, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Pernambuco,
Recife, 2014. Disponível em: <http://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/11883>. Acesso
em: 25 maio 2017.

BARRETO, Angela Maria Maranhão. O Recife Através dos Tempos: Formação da Sua
Paisagem. 1990. 176 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Mestrado em Geografia,
Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 1990.

BARTHEL, Stela Gláucia Alves. Sociedade de Classe, Espaço urbano Diversificado: a Faixa de
Praia do Recife. 1989. 214 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Mestrado em Sociologia,
Cfch, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 1989.

BOTLER, Milton. O Universo Além das Muralhas: Morfologia Urbana e Padrões de


Regularização Urbanística em Assentamentos Espontâneos: um Estudo Comparativo entre os
Assentamentos do Entra Apulso e Brasília Teimosa. Recife: UFPE, 1994. 137p.

DUARTE, Mirela Carina Rêgo. Para Além dos Mapas: a conservação da Paisagem como
Espírito do Lugar. 2011. 116 f. TCC (Graduação) - Curso de Arquitetura e Urbanismo, Centro
de Artes e Comunicação, Universidade Federal de Pernambuco, Recie, 2011.

FERNANDES, Ana Suassuna. Zeis e Moradia: uma Alternativa Formosa para Brasília
Teimosa?. 2010. 157 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Mestrado Profissional em Gestão
Pública Para O Desenvolvimento do Nordeste, Centro de Ciências Sociais e Aplicadas,
Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2010. Disponível em:
<http://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/7613>. Acesso em: 26 abr. 2017.

FERRERA, C. V. A dinâmica da transformação: resgate da memória do processo de


urbanização da Avenida Boa Viagem. (Dissertação de mestrado em Desenvolvimento
Urbano) - Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 1992.

FORTIN, Charles. The Politics of Public Land in Recife, Brazil: The Case of Brasília Teimosa.
Tese de Doutorado. Sussexx, Inglaterra, 1987.

GONÇALVES, Fábio Cavalcanti. Paisagem como res pública: a calçada do mar do Recife.
Projeto de Qualificação, 2017. Doutorando em Desenvolvimento Urbano, Universidade
Federal de Pernambuco.

{ 355 }
MOREIRA, Fernando Diniz. Universidade Federal de Pernambuco; Departamento de
Arquitetura e Urbanismo. A Construção de uma Cidade Moderna: Recife (1909-1926). Recife,
1994.

SILVA, Kelly Regina Santos da. A Reprodução da Geografia Social do Capitalismo no Território
do Pina (Recife - PE). 2014. Dissertação (Mestrado) - Curso de Programa de Pós-graduação
em Desenvolvimento em Meio Ambiente, Centro de Filosofia e Ciências Humanas,
Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2014. Disponível em:
<http://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/12396>. Acesso em: 25 maio 2017.

VASCONCELOS, Rosiglay Cavalcante de. Conflitos Ambientais Urbanos: uma Análise da


Intervenção do Poder Público e do Setor Imobiliário Formal na Comunidade de Brasília
Teimosa, Recife/Pernambuco. 2011. 129 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Pós-
graduação em Desenvolvimento e Ambiente, CFCH, Universidade Federal de Pernambuco,
Recife, 2011. Disponível em: <http://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/2907>. Acesso
em: 22 mar. 2017.

VERAS, Lúcia Maria de Siqueira Cavalcanti. Paisagem-postal: a Imagem e a Palavra na


Compreensão de um Recife Urbano. 2014. 472 f. Tese (Doutorado) - Curso de Pós-
graduação em Desenvolvimento Urbano, Departamento de Arquitetura e Urbanismo,
Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2014. Disponível em:
<http://www.repositorio.ufpe.br/bitstream/handle/123456789/13174/TESE Lúcia Maria de
Siqueira Veras.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acesso em: 15 fev. 2017.

SANTOS, Caroline Gonçalves dos. De Cima Pra Baixo e de Baixo pra Cima: Intervenção Estatal
e investimentos Habitacionais em Assentamentos de Baixa Renda no Recife. 2011. 232 f.
Dissertação (Mestrado) - Curso de Pós-graduação em Desenvolvimento Urbano, Cac - Dau,
Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2011. Disponível em:
<http://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/3632>. Acesso em: 23 mar. 2017.

SANTOS, Iannara Mendes Cavalcante dos. Homem do mar, Homem de Fé: o catolicismo
popular como manifestação simbólica de luta, resistência e teimosa dos pescadores
artesanais de Brasília Teimosa. 2011. 1 v. Dissertação (Mestrado) - Curso de Mestre em
Ciências da Religião, Universidade Católica de Pernambuco, Recife, 2011. Disponível em:
<http://www.unicap.br/tede/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=571>. Acesso em: 24
maio 2017.

ARTIGOS DE REVISTAS OU CONGRESSOS

{ 356 }
ABREU, António Cancela; CORREIA, Teresa Pinto; OLIVEIRA, Rosário. Identificação de
Unidades de Paisagem: metodologia aplicada a Portugal Continental. Finisterra, [s.l.], v. 36,
n. 72, p.195-206, 13 dez. 2012. Centro de Estudos Geograficos (IGOT) Universidade de
Lisboa. http://dx.doi.org/10.18055/finis1634. Disponível em:
<http://revistas.rcaap.pt/finisterra/article/view/1634/1328>. Acesso em: 17 jun. 2017.

ALBUQUERQUE, Mariana Zerbone Alves de; GOMES, Edvânia Torres Aguiar. Reflexões Sobre
os Vetores do Atual Processo de Reprodução do Espaço Urbano no Recife. In: SIMPÓSIO
BRASILEIRO DE GEOGRAFIA URBANA, 13., 2013, Rio de Janeiro. Artigo. Rio de Janeiro: jan,
2013. Disponível em:
<https://www.ufpe.br/sociedadeenatureza/images/pdf/Artigos/SIMPURB/simpurb.pdf>.
Acesso em: 25 maio 2017.

BARTALINI, V. A Paisagem em Arquitetura e Urbanismo: remontar às Nascentes como Opção


Metodológica. Paisagem e Ambiente, v. 32, p. 69-81, 2013.

BERQUE, Augustin. La Trajectivité des Formes Urbaines. In: SALGUEIRO, Heliana Angotti.
Paisagem e Arte: A invenção da natureza, a evolução do olhar. I Colóquio Internacional de
História da Arte, 2000, São Paulo. Anais. São Paulo: CBHA/CIHA, 2000.

____. Território e Pessoa: a Identidade Humana. Desigualdade & Diversidade: Revista de


Ciências Sociais da PUC-Rio, Rio de Janeiro, n. 6, p.11-23, 2010. Semestral. Disponível em:
<http://desigualdadediversidade.soc.puc-
rio.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=92&sid=14>. Acesso em: 24 jun. 2016.

COSTA, Monica Ferreira da et al. Verticalização da Praia da Boa Viagem (Recife,


Pernambuco) e suas Consequências Sócio-Ambientais. Revista da Gestão Costeira
Integrada, Recife, p.233-245, nov. 2008. Disponível em:
<http://s3.amazonaws.com/academia.edu.documents/34151205/RGCI-128_Ferreira-da-
Costa.pdf?AWSAccessKeyId=AKIAIWOWYYGZ2Y53UL3A&Expires=1495669970&Signature=P
PQucMs6tEUdQV7QU6FVHT/xym4=&response-content-disposition=inline;
filename=Verticalizacao_da_Praia_da_Boa_Viagem_Re.pdf>. Acesso em: 25 maio 2017.

DE MORAIS, D.P.; SILVA, L.R.S. Transformações urbanas e identidade territorial no contexto


do projeto Via Mangue na comunidade de palafitas do Pina – Recife/PE. In: ENCONTRO
NACIONAL DOS GEÓGRAFOS, 16, 2010, Porto Alegre. Anais. Porto Alegre: ENG, 2010. p. 01 -
10. Disponível em: <
http://www.agb.org.br/xvieng/anais/edp.php?orderBy=inscricoes.nome >. Acesso em 22
abril de 2016.

{ 357 }
GUTIÉRREZ, Jorge Luis. O conceito de Caos no Mundo Antigo. Primus Vitam: Revista de
Ciências e Humanidades, Consolação, n. 2, 1º semestre de 2011. Semestral. Colóquio de
Filosofia Física e Matemática “Determinismo & Caos”. Disponível em:
<http://www.mackenzie.br/fileadmin/Graduacao/CCH/primus_vitam/primus_2/jorge.pdf>.
Acesso em: 05 mar. 2017.

LAZAROTTO, G.; LIMBERGER, L. R. L.; PIPPI, L. G. A. Recursos para Representação e Análise


da Paisagem. Paisagem Ambiente: Ensaio, São Paulo, v. 25, p.105-126, 2008. Semestral.
Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/paam/article/viewFile/105782/104488>.
Acesso em: 29 maio 2016.

MAGAROTTO, Mateus Georgenes et al. Densidade urbana das zonas costeiras.: O caso da
orla marítima da cidade do Recife. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO,
XVI, 2013, Foz do Iguaçu. Densidade urbana das zonas costeiras. O caso da orla marítima da
cidade do Recife. Foz do Iguaçu: Inpe, 2013. p. 5414 - 5421. Disponível em:
<http://www.dsr.inpe.br/sbsr2013/files/p0544.pdf>. Acesso em: 22 mar. 2017.

Moreira, F.D. A Construção de uma Cidade Moderna: Recife (1909-1926). Encontro nacional
da Anpur, v.06. Recife-Brasília, 1995.

SEVCENKO, Nicolau. As Muralhas Invisíveis da Babilônia Moderna. Vitruvius, 2014.


Republicação. Disponível em: <
http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/15.170/5253>. Acesso em: 30 nov.
2015.

SILVA, C. F. Intervenção urbana e uso do solo na Zona Sul do Recife: análise sobre as
transformações urbanas dos bairros do Pina e Boa Viagem. Caderno de Geografia, v. 26, p.
55-78, 2016.

TÂNGARI, V.R. A Construção Social das Paisagens. Encontro nacional da Anpur, v.15. Recife,
2013.

VERAS, Lúcia Maria de Siqueira Cavalcanti. Fronteiras Obs-cenas em Paisagens de


Borda: conflitos, colaborações e coexistências. Recife: 2016.

ARTIGOS DE JORNAIS FÍSICOS

BOA-VIAGEM. O Sol. Olinda. 11 nov. 1934, p.5. in ARAÚJO, Rita de Cássia. As Praias e os Dias:
História Social das Praias de Recife e Olinda. Recife: Fundação de Cultura da Cidade do
Recife, 2007.
{ 358 }
BRAGA, Napoleão Barroso. O Pina e sua História. Diário de Pernambuco. Recife, sem página.
1 fev. 1980. Disponível em:
<http://memoria.bn.br/DocReader/docreader.aspx?bib=029033_16&pasta=ano
198&pesq=O Pina e a sua História>. Acesso em: 26 jun. 2016.

BRASÍLIA Teimosa: 25000 Moradores Lutando Pela Posse de Terra. 25000 Moradores
Lutando Pela Posse de Terra. Jornal dos Bairros. Recife, 198-. Encontrado no Acervo Pessoal
de Celeste Maria Valença de Mendonça, p. 3-6.

BRASÍLIA Teimosa quer ser Ouvida. Diário de Pernambuco. Recife, p. 1-7. 17 out. 1979.

BRASÍLIA Teimosa Vai Ser Urbanizada. Diário de Pernambuco. Recife, 2 set. 1974. Primeiro
Caderno, p. 3.

FAVELADOS Encurralam a Câmara. Jornal do Commercio. Recife, 16 jan. 1989. Cidade, p. 4-5.

LEÃO, Carolina; VIEIRA, Thomaz. Brasília Teimosa enquadrada na Concessão do Direito Real de
Uso: Ordenamento para salvar bairro contra especulação imobiliária. Folha de
Pernambuco. Recife, 28 abr. 2014. Caderno Cotidiano, p. 6.

LOUREIRO, Ana Luiza. Brasília Teimosa: Presente da Natureza ao Turismo Recifense. Diário de
Pernambuco. Recife. 6 jun. 1974.

O VERÃO no Pina. Jornal do Recife, Recife, 13 out. 1921. In ARAÚJO, Rita de Cássia. As Praias
e os Dias: História Social das Praias de Recife e Olinda. Recife: Fundação de Cultura da
Cidade do Recife, 2007.

ROCHA, Tadeu. Sérgio Loreto de Pulmões à Cidade do Recife. Diário de Pernambuco. Recife,
B-10. 26 set. 1976. Disponível em:
<http://memoria.bn.br/DocReader/docreader.aspx?bib=029033_15&pasta=ano
197&pesq=Sérgio Loreto deu pulmões à cidade>. Acesso em: 04 jul. 2016.

ARTIGOS DE JORNAIS DIGITAIS

BAIRRO PODE DEIXAR DE SER UMA ZEIS. Diário de Pernambuco, Recife, 10 jan. 2010.
Vida Urbana. Disponível em:
<http://www.diariodepernambuco.com.br/2010/01/10/urbana8_2.asp>. Acesso em: 05
mar. 2011. In: SANTOS, Caroline Gonçalves dos. De Cima Pra Baixo e de Baixo pra

{ 359 }
Cima: Intervenção Estatal e investimentos Habitacionais em Assentamentos de Baixa Renda
no Recife. 2011. 232 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Pós-graduação em
Desenvolvimento Urbano, Cac - Dau, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2011.
Disponível em: <http://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/3632>. Acesso em: 23 mar.
2017.

CABRAL, Bruna. Brasília Teimosa é o Meu Paraíso. Jornal do Commercio. Recife, 20 mar.
2012. Lá Onde Eu Moro. Disponível em:
<http://jconline.ne10.uol.com.br/canal/suplementos/arrecifes/noticia/2012/03/20/brasilia-
teimosa-e-o-meu-paraiso-36442.php>. Acesso em: 24 maio 2017.

CAVANI, Júlio. Brasília Teimosa é um dos lugares do Recife mais Retratados no


Cinema. Diário de Pernambuco. Recife, 22 set. 2016. Cenário. Disponível em:
<http://www.diariodepernambuco.com.br/app/noticia/viver/2016/09/22/internas_viver,66
6205/brasilia-teimosa-e-um-dos-lugares-do-recife-mais-retratados-no-cinema.shtml>.
Acesso em: 06 jun. 2017.

DOLORES, Ana Cláudia. Proposta Urbanística Mostrada a Moradores: Professores da UFPE


explicaram ideia de requalificação de Brasília Teimosa em audiência pública. Diário de
Pernambuco. Recife, 04 jun. 2013. Local. Disponível em:
<http://www.impresso.diariodepernambuco.com.br/app/noticia/cadernos/vida-
urbana/2013/06/04/interna_vidaurbana,56621/proposta-urbanistica-mostrada-a-
moradores.shtml>. Acesso em: 28 maio 2017.

EMPREENDEDORISMO é forte no Pina e Brasília Teimosa. Jornal do Comercio. Recife, 05


maio 2015. Negócios. Disponível em:
<http://jconline.ne10.uol.com.br/canal/economia/pernambuco/noticia/2015/05/05/empre
endedorismo-e-forte-no-pina-e-brasilia-teimosa-179750.php>. Acesso em: 09 jun. 2017.

FABRÍCIO, Mariana. Brasília Teimosa, a Resistente. Diário de Pernambuco. Recife, 08 fev.


2014. Local. Disponível em:
<http://www.impresso.diariodepernambuco.com.br/app/noticia/cadernos/vida-
urbana/2014/02/08/interna_vidaurbana,80081/brasilia-teimosa-a-resistente.shtml>. Acesso
em: 25 jul. 2016.

JUSTIÇA suspende demolição do Clube Líbano. Diário de Pernambuco. Recife, p. 1-1. 05 nov.
2013. Disponível em: <http://www.diariodepernambuco.com.br/app/noticia/vida-
urbana/2013/11/05/interna_vidaurbana,472200/justica-suspende-demolicao-do-clube-
libano.shtml>. Acesso em: 29 maio 2017.

{ 360 }
OLIVEIRA, Pedro. Patrimônio do Recife, Parque dos Manguezais Está Esquecido. 2015. Site Lei
Já: tudo que você precisa saber (Paraíba). Disponível em:
<http://www.leiaja.com/noticias/2015/03/11/patrimonio-do-recife-parque-dos-
manguezais-esta-esquecido/>. Acesso em: 22 mar. 2017.
PORTAL G1 DE NOTÍCIAS. Em Brasília Teimosa, Principal Fonte de Renda Vem da
Pescaria. Bom Dia Pernambuco. Recife. 22 mar. 2017. Disponível em:
<http://g1.globo.com/pe/petrolina-regiao/bom-dia-pe/videos/t/edicoes/v/em-brasilia-
teimosa-principal-fonte-de-renda-vem-da-pescaria/4901256/>. Acesso em: 27 maio 2017.

URPIA, Priscila. Buraco da Velha: um reduto desconhecido do Recife. 2014. Site Leia Já.
Disponível em: <http://www.leiaja.com/cultura/2014/01/09/buraco-da-velha-um-reduto-
desconhecido-do-recife/>. Acesso em: 24 maio 2017

FOLHETOS E CARTILHAS

BARBOSA, Ailson (Recife). Observatório de Políticas Públicas de Pernambuco. Morar é


Central: Inclusão, Acesso e Direito à Cidade. Recife: Instituto Pólis, 2009. Disponível em:
<http://polis.org.br/publicacoes/moradia-e-central-inclusao-acesso-e-direito-a-cidade-
recife/>. Acesso em: 24 maio 2017.

CANCELA D’ABREU, Alexandre et al. A paisagem na revisão dos PDM: orientações para a
implementação da Convenção Europeia
da Paisagem no âmbito municipal. Lisboa: Direção-Geral do Ordenamento do Território e
Desenvolvimento Urbano, 2011.

CENTRO ESCOLA MANGUE (Recife). Centro Escola Mangue. Recife: 201-.

CHAPA 2 TEIMOSINHO. Teimosinho Canta Nossa História. Recife, 1995. P&B. Encontrado do
acervo pessoal de Celeste Maria Valença de Mendonça.

DI MAIO, S. et al. Nós Somos a Paisagem: Como interpretar a Convenção Europeia da


Paisagem. Florença: Mapa, 2012. 39 p. Edição Portuguesa Adaptada.

Empresa de Urbanização do Recife. Recife sem Palafitas. Recife: [200-?].

GRUPO DIREITOS URBANOS (Recife). FAQ Projeto Novo Recife. 2012. Disponível em:
<https://direitosurbanos.wordpress.com/faqs/faq-projeto-novo-recife/>. Acesso em: 28
maio 2017.

{ 361 }
LERNER, Jaime. Brasília Teimosa. Curitiba: 1979. Empresa de Urbanização do Recife - URB
Recife.

TURMA DA DISCIPLINA DE PROJETO ARQUITETÔNICO, URBANÍSTICO E PAISAGÍSTICO IV.


Universidade Federal de Pernambuco. Recife 2035: Recife, 2012. Color. Material cedido pelo
aluno Hérico Almeida, aluno do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal
de Pernambuco.

RELATÓRIOS E MEMORIAIS DESCRITIVOS

ASSESSORIA E PLANEJAMENTO LIMITADA - APL (Recife). Implantação de um Complexo


Hoteleiro no Pina, na Localidade Denominada "Brasília Teimosa". Recife: 1975.

BRASÍLIA TEIMOSA. Recife: 1998. Disponível na Biblioteca da URB - Empresa de Urbanização


do Recife.

CENTRO JOSUÉ DE CASTRO. Diagnóstico Pina. Recife: 1993.

COELHO FILHO, Germano; SIQUEIRA, Pedro Aarão de. Brasília Teimosa. Recife: 1987.
Proposta arquivada na Biblioteca da empresa de Urbanização do Recife - URB Recife.

CONSELHO DE MORADORES DE BRASÍLIA TEIMOSA. Projeto Teimosinho: Brasília Teimosa.


Recife:1979.

____. Recenseamento Sócio-Econômico da Comunidade de Brasília Teimosa - Pina. Recife:


Produção Comunitária, 1974.

DUARTE, Mirela Carina Rêgo. A conservação da paisagem cultural como patrimônio natural e
construído nas cidades do Nordeste: Identificação das unidades de paisagem como
patrimônio cultural da cidade do Recife. Recife: Universidade Federal de Pernambuco, 2009.
20 p. Relatório de Pesquisa.

EMPRESA DE URBANIZAÇÃO DO RECIFE. Desenvolvimento Setorial Urbano. Plano de


Urbanização: Projeto Brasília Teimosa. Recife: URB, 1974.

____. Promorar Brasília Teimosa: complementação. Recife. Disponível na biblioteca da URB.

____. O Processo de Legalização da Posse de terra em Brasília Teimosa. Recife: Sem Editora,
1982.

PREFEITURA DA CIDADE DO RECIFE. Plano de Valorização Urbana: projeto da Faixa de Praia


Entre Av. Herculano Bandeira Pina e Primeiro Jardim de Boa Viagem. Recife: 1976.
{ 362 }
____. Projeto Pina: Seminário de Avaliação. Recife: 1988. Empresa de Urbanização do Recife
- URB Recife.

____. Diagnóstico Sócio-econômico: Palafitas Brasília Teimosa. Recife: 2003. Empresa de


Urbanização do Recife - URB Recife. Diretoria de Integração Urbanística - DIUR. Divisão de
Pesquisa e Acompanhamento - DPA.

PROMORAR. Pesquisa Sócio-econômica de Brasília Teimosa: Relatório Preliminar. Recife:


1980.

VÍDEOS, FILMES E DOCUMENTÁRIOS

AQUARIUS. Direção de Kleber Mendonça Filho. Recife: Globo Filmes, 2016. (142 min.), son.,
color.

AVENIDA Brasília Formosa. Direção: Gabriel Mascaro. Recife- PE, 2010. 85 min. Color.

BRASÍLIA Teimosa, a Resistente. Recife: Mariana Fabrício, 2014. (3 min.), son., color.
Videorreportagem para o Diário de Pernambuco. Disponível em:
<https://www.youtube.com/watch?v=rWo8xTjZSRE>. Acesso em: 10 jun. 2017.

BRASÍLIA, a Teimosa. Direção de Inês Campelo. Recife: Universidade Católica de Pernamuco,


2014. (4 min.), son., color. Disponível em:
<https://www.youtube.com/watch?v=ZIgImbH_hRo>. Acesso em: 24 maio 2017.

BRASÍLIA Teimosa. Recife: Rede Brasil Oficial, 2014. (20 min.), son., color. Disponível em:
<https://www.youtube.com/watch?v=qffNSGtV-ww&t=314s>. Acesso em: 09 jun. 2017.

BRASÍLIA Teimosa. Recife: Rbc News, 2014. (21 min.), P&B. Disponível em:
<https://www.youtube.com/watch?v=zlntlGzGhnQ>. Acesso em: 19 jun. 2016.

COLÔNIA dos pescadores Brasilia Teimosa. Recife: Tv Tribuna PE, 2013. (3 min.), son., color.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=M8aAAB4ZJu0>. Acesso em: 11 jun.
2017.

CONCRETO Armado. 2012. (3 min.), son., color. Disponível em:


<https://vimeo.com/39382721>. Acesso em: 16 jun. 2017.

{ 363 }
PROJETO Via Mangue. Recife: Prefeitura da Cidade do Recife, 2011. Son., color. Disponível
em: <https://www.youtube.com/watch?v=Pkrrx2XfI9U>. Acesso em: 27 maio 2017.

RECIFE MD. Direção de Gabriela Alcântara e Marcelo Pedroso. Recife, 2017. (4 min.), son.,
color. Disponível em: <https://vimeo.com/31354876>. Acesso em: 29 maio 2017.

TEIMOSIA Não se Vende. Recife: Oi Kabum! Recife Escola de Arte e Tecnologia, 2013. (9
min.), son., color. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=E07OBGsfkuQ>.
Acesso em: 25 abr. 2017.

LEGISLAÇÃO

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Organização de


Alexandre de Moraes. 16.ed. São Paulo: Atlas, 2000.

PREFEITURA DA CIDADE DO RECIFE (Município). Constituição (1996). Lei nº 16.176, de 1996.


Lei de Uso e Ocupação do Solo da Cidade do Recife. Disponível em:
<http://leismunicipa.is/ofskd>. Acesso em: 22 mar. 2017.

____. Lei nº 17.511, de 2008. Revisão do Plano Diretor da Cidade do Recife. Recife, PE,
Disponível em: <http://leismunicipa.is/hksdo>. Acesso em: 22 mar. 2017.

____. Constituição (1995). Lei nº 16.113, de 1995. Plano de Regularização das Zonas
Especiais de Interesse Social – Prezeis. Recife, PE, Disponível em:
<http://leismunicipa.is/kcfos>. Acesso em: 22 mar. 2017.

____. ESIG - Informações Geográficas do Recife: Zoneamento Urbano. Disponível em:


<http://recife-
pe.maps.arcgis.com/apps/webappviewer/index.html?id=6a82359a7429446a98faea9ebe5e
0166>. Acesso em: 22 mar. 2017.

SITES E OUTROS MATERIAIS CONSULTADOS NA INTERNET

AGENTE IMÓVEL (Comp.). Preços atuais de Apartamentos & Casas - Recife, PE. 2017.
Disponível em: <https://www.agenteimovel.com.br/mercado-imobiliario/a-
venda/recife,pe/>. Acesso em: 23 mar. 2017.al

{ 364 }
ALBERTO, João. Recife deve Ganhar Teleférico Ligando Brasília Teimosa ao Recife
Antigo. 2015. Disponível em: <http://www.joaoalberto.com/2015/05/13/recife-deve-
ganhar-teleferico-ligando-brasilia-teimosa-ao-recife-antigo/>. Acesso em: 28 maio 2017.

BRASILINA TEIMOSINA. Banho de Choque faz Parte da Nossa História. Recife: Facebook,
2016. Página do Facebook administrada por moradora local. Disponível em:
<https://www.facebook.com/photo.php?fbid=156342708082155&set=a.136866180029808
.1073741827.100011192807604&type=3&theater;>. Acesso em: 15 mar. 2017.

CÂMARA MUNICIPAL DO RECIFE. Projeto de Estudantes para Brasília Teimosa discutido em


Audiência Pública. 2013. Disponível em: <http://www.recife.pe.leg.br/noticias/projeto-de-
estudantes-para-brasilia-teimosa-discutido-em-audiencia-publica>. Acesso em: 28 maio
2017.

____. Isabella de Roldão Debate Realidade de Brasília Teimosa. 2015. Disponível em:
<http://www.recife.pe.leg.br/noticias/isabella-de-roldao-debate-realidade-de-brasilia-
teimosa>. Acesso em: 28 maio 2017.

CHAVARRIA, Marcos. Terceiro polo gastronômico do País, Recife agrada a todos. 201-. Terra
Nordeste. Disponível em: <https://www.terra.com.br/vida-e-
estilo/turismo/brasil/nordeste/terceiro-polo-gastronomico-do-pais-recife-agrada-a-
todos,73088908cb237310VgnCLD100000bbcceb0aRCRD.html>. Acesso em: 09 jun. 2017.

CONCEITO de Luta de Classes Segundo Karl Marx. [20--]. Disponível em:


<http://www.karlmarx.com.br/luta-classes-marx.htm>. Acesso em: 10 mar. 2017.

CULTURA. In: MICHAELIS: Moderno dicionário da língua portuguesa. Disponível em:


<http://michaelis.uol.com.br/busca?r=0&f=0&t=0&palavra=cultura>. Acesso em: 20 de
fevereiro de 2017.

ECÚMENO. In: MICHAELIS: Moderno dicionário da língua portuguesa. Disponível em:


<http://michaelis.uol.com.br/busca?id=R8x0>. Acesso em: 20 de fevereiro de 2017.

FIGUEROLA, Valentina. Projeto Urbanístico Recife-Olinda 2006: Território de Oportunidades.


2006. Site da Revista AU (Arquitetura e Urbanismo). Disponível em:
<http://www.au.pini.com.br/arquitetura-urbanismo/149/artigo26571-2.aspx>. Acesso em:
28 maio 2017.

{ 365 }
GRANDE RECIFE CONSÓRCIO DE TRANSPORTE (Recife). Itinerários: Brasília (Conde da Boa
Vista). 2017. Disponível em:
<http://200.238.84.28/site/consulta/itinerarios.asp?linha=14&nomeitinerario=11083>.
Acesso em: 27 maio 2017.

____(Recife). Itinerários: Brasília Teimosa. 2017. Disponível em:


<http://200.238.84.28/site/consulta/itinerarios.asp?linha=18&nomeitinerario=10033>.
Acesso em: 27 maio 2017.

____(Recife). Itinerários: Prazeres/Boa Viagem. 2017. Disponível em:


<http://200.238.84.28/site/consulta/itinerarios.asp?linha=118&nomeitinerario=11781>.
Acesso em: 27 maio 2017.

GRUPO DE MECÂNICA DOS FLUÍDOS AMBIENTAL (Recife). Universidade Federal de


Pernambuco. Objetivos: Motivações. [200-]. Disponível em:
<https://www.ufpe.br/gmfa/objetivos.htm>. Acesso em: 08 abr. 2017.

IBGE (Brasil). Séries Históricas e Estatísticas. Custo Médio do m²: Recife. [20--]. Base de
dados baseada no Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil.
Disponível em: <http://seriesestatisticas.ibge.gov.br/series.aspx?vcodigo=PRECO415>.
Acesso em: 19 mar. 2017.

IDENTIFICAÇÃO. In: Dicionário Infopédia da Língua Portuguesa com Acordo Ortográfico [em
linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2017. Disponível em:
<https://www.infopedia.pt/dicionarios/lingua-portuguesa/identificação>. Acesso em: 08 de
março de 2017.

ILHA. In: MICHAELIS: Moderno dicionário da língua portuguesa. Disponível em: <
http://michaelis.uol.com.br/busca?r=0&f=0&t=0&palavra=ilha>. Acesso em: 17 de junho de
2017.

INOUE, Andreia. Parque das Esculturas: Recife. 2010. Disponível em: <http://andreia-
inoue.blogspot.com.br/2010/11/parque-de-esculturas-recife.html>. Acesso em: 07 jun.
2017.

KOSMOS. In: DOSENHOR Dicionário Grego e Hebraico – Português online. Disponível em: <
https://dosenhor.com/?strong=g2889>. Acesso em: 05 de março de 2017.

{ 366 }
MELO, Jamildo. Prefeitura do Recife barra Construção de Megahotel da Rio Ave em Brasília
Teimosa. 2016. Blog do Jamildo. Disponível em:
<http://blogs.ne10.uol.com.br/jamildo/2014/04/11/prefeitura-recife-barra-construcao-de-
megahotel-da-rio-ave-em-brasilia-teimosa/>. Acesso em: 28 maio 2017.

MORAES, Sérgio Cardoso. Colônias de Pescadores e a Luta pela Cidadania. 2011. Disponível
em: <https://cppnorte.files.wordpress.com/2011/08/colc3b4nias-de-pescadores-e-a-luta-
pela-cidadania.pdf>. Acesso em: 14 abr. 2017.

NOVO RECIFE (Recife). O Consórcio. 2014. Disponível em:


<http://www.novorecife.com.br/o-consorcio>. Acesso em: 28 maio 2017.

OBSERVATÓRIO DO RECIFE (Recife) (Comp.). Boa Viagem, a Praia das Sombras. 2012.
Reportagem do Jornal do Commercio. Disponível em:
<http://www.observatoriodorecife.org.br/boa-viagem-a-praia-das-sombras/>. Acesso em:
25 maio 2017.

PAISAGEM. In: MICHAELIS: Moderno dicionário da língua portuguesa. Disponível em: <
http://michaelis.uol.com.br/busca?r=0&f=0&t=0&palavra=paisagem >. Acesso em: 20 de
fevereiro de 2017.

PALIMPSESTO. In: Dicionário Infopédia da Língua Portuguesa com Acordo Ortográfico [em
linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2017. Disponível em: <
https://www.infopedia.pt/dicionarios/lingua-portuguesa/palimpsesto>. Acesso em: 30 abr.
2017.

PENÍNSULA. In: MICHAELIS: Moderno dicionário da língua portuguesa. Disponível em:


<http://michaelis.uol.com.br/busca?r=0&f=0&t=0&palavra=pen%C3%ADnsula>. Acesso em:
17 de junho de 2017.

ROLNIK, Raquel. Grupos se Mobilizam no Recife Contra Projeto Imobiliário no Cais José
Estelita. 2012. Disponível em: <https://raquelrolnik.wordpress.com/2012/03/19/grupos-se-
mobilizam-no-recife-contra-projeto-imobiliario-no-cais-jose-estelita/>. Acesso em: 28 maio
2017.

SABOIA, Augusto. Recife: O boom de Brasília Teimosa. 2010. Blog das PPPs (Parcerias
Público-Privadas). Disponível em: <http://www.blogdasppps.com/2010/01/recife-o-boom-
de-brasilia-teimosa.html>. Acesso em: 28 maio 207.

{ 367 }
____. Recife/Parceria – Rua das Oficinas: Prefeito João da Costa Inaugura Nova Via de Acesso
à Brasília Teimosa. 2012. Blog das PPPs (Parcerias Público-Privadas). Disponível em:
<http://www.blogdasppps.com/2012/08/recifeparceria-rua-das-oficinas.html>. Acesso em:
28 maio 2017.

____. Projeto Novo Recife está Aprovado, diz Prefeito. 2016. Blog das PPPs (Parcerias
Público-Privadas). Disponível em: <http://www.blogdasppps.com/2016/12/projeto-novo-
recife-esta-aprovado-diz-prefeito.html>. Acesso em: 28 maio 2017.

SAMPAIO, Robson. O Bairro do Pina: quem te viu e quem te vê. 2017. Blog do Robson
Sampaio. Disponível em: <http://www.robsonsampaio.com.br/imagens-e-palavras-em-
prosas-versos-e-cores-125/>. Acesso em: 26 abr. 2017.

TEIXEIRA, Martha Lúcia Ribeiro. O que é um Oblato? 2010. Disponível em:


<http://blogdeoblatos.blogspot.com.br/2010/02/o-que-e-um-oblato.html>. Acesso em: 30
maio 2017.

VARDA, Agnès. Les plages d’Agnès. Franca, 2008, (110min). Disponível em:
<http://opiniaoenoticia.com.br/cultura/entretenimento/as-praias-de-agnes-de-agnes-
varda/>. Acesso em 15 de fevereiro de 2017.

VIVA REAL. Apartamento com 4 Quartos à Venda, 273 m² por R$ 1.934.013. 201-. Disponível
em: <https://www.vivareal.com.br/imovel/apartamento-4-quartos-brasilia-teimosa-bairros-
recife-com-garagem-273m2-venda-RS1934013-id-78577459/?__vt=sc:4>. Acesso em: 28
maio 2017.

{ 368 }
{ 369 }
{ 370 }
{ 371 }
{ 372 }
UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO
PAISAGEM TEIMOSA - MODELO BASE DAS ENTREVISTAS SEMIESTRUTURADAS

PARTE I - Informações Gerais do Entrevistado

Nome:
Idade:
Profissão:
Tempo de Moradia na Comunidade:
Local de Moradia:
Data/local da Entrevista:

Parte II – Perguntas

1) Por qual motivo você mora em Brasília Teimosa?


2) Você já pensou em morar em outro lugar? Por quê?
3) O que mais lhe agrada em morar em Brasília Teimosa? O que tem de bom e de ruim em
morar aqui? Por quê?
4) Você acha que Brasília teimosa poderia ter sido construída em outra parte da cidade?
Por quê?
5) E se Brasília Teimosa fosse deslocada para outra parte da cidade? O que você faria?
6) Você sente que Brasília Teimosa tem uma relação forte com o mar e com o rio? Por
quê? O que você acha que o mar representa pra um morador de Brasília Teimosa?
7) Como você vê Brasília Teimosa daqui a 10 anos?
8) O que é Brasília Teimosa pra você? O que ela significa e representa?

Anotações Gerais:

{ 373 }
{ 374 }
{ 375 }
{ 376 }
{ 377 }
{ 378 }
PAISAGEM TEIMOSA
ENTREVISTA - INFLUENCIADORES Nº 1

Nome: Isamar Martins de Santana


Idade: 55 anos
Profissão: Bibliotecária (CEPOMA)
Tempo de Moradia na Comunidade: 51 anos
Local de Moradia: Rua Parú
Instituição: CEPOMA (Centro de Educação Popular Mailde Araújo)
Data/local da Entrevista: 02/05/2017 – Residência da entrevistada (Rua Parú)

[Pesquisadora] Você mora há quanto tempo aqui na comunidade? Ou mora desde sempre?

[Isamar] Não. Eu moro, deixa eu ver (...)... É de cinquenta e um, né? Cinquenta e um anos,
vai fazer cinquenta e dois.

[Pesquisadora] E você mora aqui por qual motivo? Assim, você escolheu morar aqui ou...?

[Isamar] A primeira coisa é... A gente veio morar aqui, é, por conta que ficava mais perto do
trabalho de meu pai, né? Meu pai, ele era torneiro mecânico ali... Da, da COMPESA, né?
Então ficaria bem próximo ao trabalho dele, naquele momento.

[Pesquisadora] E, uma vez que você mora aqui, você já pensou em morar em outro lugar?

[Isamar] Eu, não!

[Pesquisadora] Por quê?

[Isamar] Próximo de tudo, né? Perto do rio e do mar, que é fonte de alimento, né? Você aqui,
é, dificilmente você passa fome, porque você fica entre rio e o mar, é, além disso, a
proximidade com tudo, próximo da cidade, próximo de um centro como Boa Viage,
próximo, o deslocamento, é, é, embora hoje seja prejudicado, você pode se deslocar até a
pé, né? E as distâncias entre esses centros não são muito grande, é, é, a localização é
fundamental, Brasília Teimosa, eu acho que é o bairro mais bem localizado da cidade do
Recife. Por isso que eu não quero sair. Daqui eu não saio, daqui ninguém me tira!

[Pesquisadora] (...) O que é que te agrada mais em morar aqui? E quais são os pontos
positivos e negativos?

[Isamar] Os pontos positivos, é, é, claro, hoje eu poderia te falar em dois momentos: o


momento em que Brasília, ela se torna, é, há uma, uma congregação de forças, pra que ela,
ela fique e permaneça, a gente lutava para permanecer em Brasília Teimosa ou todas as
lideranças políticas, elas estavam, todas as lideranças, não políticas ainda, estavam todas
congregadas pra ficar aqui, a luta pela posse da terra, a luta por ficar nesse espaço. Eu acho

{ 379 }
que tem dois momentos. Hoje, o ponto negativo é a divisão dessas lideranças políticas, hoje,
lideranças políticas. Porque elas foram cooptadas por partidos, por interesse, que, que, por
interesse de ter uma vida melhor, talvez, esses líderes façam essas opções. E hoje também,
é a história de Brasília Teimosa é, ela, ela, o que é bacana, já disse, por exemplo, os meus
vizinhos, eu tenho vizinhos aqui que são de, a maioria não tem menos de 10 anos, então, dá
uma certa, dá uma certa estabilidade, porque, por exemplo, é claro que vai haver
“encrenca”, é claro que vai haver, mas na hora, na hora que a gente precisa, a gente tá junto,
a vizinhança é boa, sabe, é, é, de você ficar, por exemplo aqui, a gente aqui ainda consegue
se sentar na calçada, porque, como a Brasília, ela é uma casa em cima da outra, a arquitetura,
não tem ventilação dentro das casas, aí você vai pra calçada, como todas as ruas vai dá pro
mar, aí ,a ventilação, ela circula. Além disso, possibilita que você converse você olhar a vida
dos outros, você passa as suas conversas para os vizinhos. É bacana isso, a convivência.

[Pesquisadora] As relações, né? De vizinhança...

[Isamar] As relações. E outra coisa bem bacana que eu acho aqui também, é, a, Brasília ela
tem, por exemplo, você não precisa sair da Brasília pra fazer muita coisa, você tem, é, um
centro comercial bem bacana, você tem um comércio, o comércio, claro, oficial e o
comércio, aquele que vende fruta, que não tem nota fiscal, que tem diversas farmácias.
Você não precisa sair pra comprar uma coisa, assim de urgência, a não ser que seja uma
coisa que seja muito difícil, né?! Brasília, ela te oferece esse leque de oportunidades. Além
de ter, por exemplo, quem tem atividade comercial ter seu ponto comercial dentro do
próprio bairro, que eu acho bem bacana isso. Tem, é, é bem servida de escola pública
porque, é porque quando é bem servida de escola pública, é porque Brasília, por exemplo,
é, o Assis Chateaubriand, o João Bezerra, o Bernard Van Leer, o Henoch Coutinho, a Escola
Municipal Henoch Coutinho, o, o, são escolas que está dentro do território do Pina, mas ele
está mais próximo a Brasília do que do Pina. Por exemplo, o Mercado do Pina, na realidade
é o Mercado de Brasília, porque é uma divisão que a gente não sabe, é muito tênue, pra mim
Brasília é até a avenida, mas se você for pra o mapa ou alguma coisa em algum, que você vai
procurar você acha ele dentro de, de, (...) do Pina. Que dizem que é do Pina, né? Então eu
acho que as escolas, não tô dizendo que as escolas sejam de qualidade, mas existe várias
escolas, além das escolas que você, por exemplo, é, é, primário, primário é antigo, né? (...) A
gente tem um, um, acesso à escola bem bacana, a escola pública, não é que a escola pública
seja bacana, mas o acesso à escola, que foi uma das coisas que o PT1 possibilitou, foi o
acesso à escola, mesmo que ela não seja de qualidade, ela deveria também aliar o acesso à
qualidade. Eu acho que a gente caminhou muito, e a gente deu um retrocesso muito grande
agora. (...) Você perguntou outras coisas bacana, o que é bacana? A vida aqui, a cultura
popular, principalmente aqui, é bem forte, pois tem diversos grupos de danças populares
como o Deveras, como o próprio maracatu Nação Erê que é lá do CEPOMA, então a gente
tem uma diversidade cultural muito grande e com a diversidade a gente aprende. Eu me
lembro quando o maracatu saia na rua há 15, 20, 30 anos atrás, você era chamado de
“xangozeiro”, hoje, embora, eu não sei, isso pra mim não significasse um, como é que eu
diria? (...) Pra mim nunca foi depreciativo, mas pra quem falava sim, né? Hoje encara os
meninos passarem no maracatu ou com uma banda com muito mais tranquilidade como há
10 anos, mas é graças porque a população foi crescendo junto, escutando aquilo, se tornou

1
Sigla do Partido dos Trabalhadores.
{ 380 }
referencia, né? Porque tem o Balé Deveras, tem o grupo Angélica Caroline, tem vários
grupos de danças, de rock, de aqui dentro da própria comunidade que há uma efervescência
cultural muito grande, é uma coisa bem bacana que eu acho. É um bairro que sempre, por
exemplo, é, nós temos os polos, poucos nesse governo passado a ter seu polo, é, pra
comunidade ter suas festividades tanto no carnaval, quanto no São João, quanto, o que eu
acho bem bacana, é um bairro que, é um bairro que apesar de toda essa divisão, a gente tem
um nome a zelar, Brasília Teimosa não é à toa.
(...) Os pontos negativos, né? Você falou negativo e positivo. Negativo, por exemplo, hoje a
criminalidade, é, é alta, nós vemos que nossos meninos sendo cooptados pelo tráfico e
pelo, pelo em geral, é, tráfico, roubo (...). (...) é uma coisa que, que tá acabando também
com as comunidades, né? Em certos locais aqui você não pode, é, eu circulo, porque eu não
sei, eu sou mermo cabeça dura, mas tem locais que acho que uma pessoa que vem visitar
eu não aconselharia visitar com seu celular ou seu..., por conta daqui que da criminalidade
que também estão bem grande, bem exacerbado, bem, muito... (...) Mas acho que isso é em
todo lugar, se você for caminhando por Boa viagem, você, isso acontece muito também,
não tem segurança assim, né?

[Pesquisadora] E, você acha que Brasília Teimosa, ela poderia ter sido construída em outro
lugar?

[Isamar] Não.

[Pesquisadora] Por quê?

[Isamar] Isso... Como eu já disse, (...) ela inicialmente era um local de pescadores. Então isso
já tem uma característica bem, teria que, além de ser bem próxima, não sei se é a primeira
colônia, mas, é... É... tem as suas características, né? Já tinha essa característica, ela não era,
não tinha, esse miolo aqui não existia, era água, né? Isso foi até, foi o porto do Recife foi
tirando areia e jogando pra o outro lado, aí começaria disso, você cavar um metro, você
encontra água salobra. Então, a gente, é uma característica de Brasília Teimosa, ela era pra
ser aqui, Brasília era pra ser aqui, a gente teve um importante, um importante papel que foi
justamente a Igreja, a Igreja Católica ela foi fundamental pra que houvesse a
conscientização, não seria conscientização, mas a gente saber que esse é o meu lugar que
esse eu tenho que lutar por ele, por nada, por ninguém, né? É, e aí começou a luta a partir
do teatro de rua, de encontro com a igreja, justamente que formava, era essa Igreja Católica,
nós tínhamos o teimosinho que era exatamente ligado à Igreja Católica, e mais um que era
ligado à Igreja Católica, a irmã Aurieta, né? Que é tida como uma, eu não sei qual é a ordem
dela, mas eu acho que a gente é dono do nosso lugar até hoje. Por que eu digo até hoje?
Porque a especulação imobiliária é muito forte, eu acho que a gente ainda não, a gente
ainda não tem um título de posse da terra, né? A maioria daqui não tem, porque Figueiredo
distribuiu uns títulos falsos, né? Distribuiu uns títulos falsos, mas a gente ainda não tem a
posse da terra, é uma área ZEIS onde você não pode construir edifícios de mais de quatro
andares ou é de três andares, eu não lembro bem a especificação dessa lei. [Interrupção da
pesquisadora: são quatro.] Então isso já dificulta pras grandes empreiteiras como é o caso
de João Paes Mendonça, da Moura Dubeux, o cara da Moura Dubeux tem um documentário
que ele diz que o lugar ideal, eu odeio esse documentário, mas é real, você fica entre rio e o
mar, você pode pescar, aqui é muito difícil a pessoa [passar fome], além de haver uma
solidariedade muito grande que ainda existe, apesar de muita gente ter mudado, apesar das

{ 381 }
vizinhanças ter se modificado, mas a solidariedade ainda existe muito forte dentro do bairro,
as características né? Você passa perrengue como todo mundo passa, mas tem sempre
pessoas pra lhe ajudar. No caso, a Igreja Católica foi fundamental pra existência de Brasília
hoje, o Pe. Jaime Kohmetscher que ele era oblatos2, ele era oblatos, uma pessoa
fundamental da nossa formação política e cidadã. Eu, eu... Sou a filha mais velha, então
quem ia pras passeatas era minha mãe, eu cuidava dos meus irmãos, mas eu fui sempre
uma observadora de tudo isso de toda essa luta, de toda essa coisa de buscar essa posse da
terra, né? Então acho que Brasília não seria em outro lugar, com toda a resistência, porque
não foi fácil, talvez a única resistência que a gente não vá conseguir é o poder do dinheiro.
Porque a gente teve o poder político, as manifestações, isso antes da ditadura, o conselho é
apego a isso, começa a se articular justamente com o Pe. Jaime e a Igreja Católica, o Padre
uma das características dele, se você procurar é, ele trabalha geralmente, ele é uma ordem,
trabalha em áreas de conflito, quando Jaime saiu daqui, né, Jaime foi pra Marabá que é uma
área de conflito. Então uma das características, dos oblatos é justamente trabalhar nessas
áreas de conflito pra dar um respaldo, é, político, no lidar com o cidadão a igreja, é, ela,
quando até Dom Helder era uma igreja altamente politizada e era um braço politizado e
aqui era muito efervescente isso, e quando entra Dom José, ele acaba com esse coisa, esse
lance político, afastando os padres, como o Pe. Reginaldo, como o Pe. Jaime, o Pe. Felipe,
que eram pessoas altamente ativas, e frequentadores das casas dos moradores, não era
uma igreja distante, era uma igreja muito próxima. A igreja Católica teve um papel
fundamental pra fixação nessa área.

[Pesquisadora] (...) E se por acaso, Brasília Teimosa fosse (...) deslocada pra outro lugar?

[Isamar] Eu não me vejo em outro lugar.

[Interrupção]

[Pesquisadora] Você já respondeu, mas eu vou perguntar mais diretamente agora, se você
sente que Brasília Teimosa tem uma relação forte com o Mar, e por quê? E o que você acha
que o mar representa para um morador aqui de Brasília Teimosa?

[Isamar] O mar é vida na realidade, né? Você vai ali, né? Lá depois do paredão, ou depois,
catar ostras porque a maré, ela, maré pra você ter é fonte de alimento, acho que é vida. O
mar é Vida! Embora, por exemplo, eu nunca tenha dependido do mar, porque meu pai era
torneiro mecânico, mas eu sei o valor que ele tem pra Brasília Teimosa. O mar é Vida! Não
tem outra definição, ou morte, porque também muitos pescadores já se foram no mar, mas
essencialmente, o mar é vida. Geralmente os meninos começam a pescar muito cedo ou de
brincadeira hoje, já que você, você acha, é fonte de alimento, é vida. Acho que o mar tem
esse papel, tanta coisa, fora a serenidade ou a agitação que ele nos proporciona, porque
quando a gente vê a maré alta por mais que ele já chegou, a boca da maré até aqui na
frente de casa, né? Aquele borrazinha, o fim da onda, aí chegou aquele borrinha aqui, mas é
fonte de vida e de lazer, fonte de lazer porque os nossos meninos tem onde jogarem, onde
correrem, onde brincarem. Tem uma praia aqui que hoje é frequentada por outras pessoas,

2
Oblatos é um segmento cristão vinculado à igreja católica que agrega pessoas que mantém uma vida
baseada nos ensinamento de São Bento, associados à caridade, ao envolvimento nas causas sociais e na ajuda
ao próximo (TEIXEIRA, 2010).
{ 382 }
mas que antes, só realmente a comunidade frequentava, né? Mas é, hoje é bem mais gente
(...).

[Pesquisadora] (...) E como você vê Brasília Teimosa daqui a dez anos?

[Isamar] Eu tenho duas perspectivas, porque eu espero ver, eu espero ver, é, uma Brasília
Teimosa, ela com seus título de posse sem que os moradores eles se livrem de seus títulos de
posse, né? Porque é uma coisa que poderá ter surtido, ele consegue, ele compra sua casa,
compra a casa do vizinho, se eu deixo de querer vender a minha casa, eu posso deixar ali, mas
se ele vai colocar, por exemplo, eu já vi isso acontecer, o cara não quis vender a locadora e o
Bompreço foi e colocou a coisa de lixo bem próximo a locadora então não possibilitava o
acesso, o acesso era horrível. Eu acho que essas artimanhas que a especulação imobiliária, eu
espero que não aconteça aqui, espero que Brasília esteja aqui e que meus sobrinhos tenham
filhos e usufruam dessa comunidade. Agora tem um outro lado que eu acho que pode muito
bem acontecer, como já aconteceu com Beira Rio, né? Beira Rio foi totalmente tomada pelo
Grupo João Paes de Mendonça, a gente não sabe direito como foi que ele conseguiu, porque
ali era, eu não lembro de quem era o terreno da Barcadi, né? Que tem ali agora o Shopping
Center Rio Mar, tem ali o shopping Center, mas destruiu o ambiente, né? Que era vivo ali.
Agora também tem esses percalços, por exemplo, quem mora junto da comunidade do
Bode, que se torna violenta porque não tem o acesso e que o acesso ali eu fiquei
surpreendida com, eu saio do shopping encontro ali, em muito pouco tempo tem um
quartel da polícia militar, tava previsto anteriormente, mas a gente sabe o quanto o poder
do dinheiro da especulação é muito forte e eu respeito quando eu digo a respeito de, de
respeito positivo, não seria, a palavra não seria respeito. Mas eu sei que eles são muito
fortes e podem vir a destruir Brasília Teimosa se a população não vir a se “antenar”, ela vai
cada vez mais pra longe dos seus, como já tentaram fazer tantas vezes, mas só que a
população estava unida, hoje ela está fragmentada.

[Pesquisadora] (...) O que é Brasília Teimosa pra você, o que ela significa, o que ela
representa pra você?

[Isamar] Eu acho que Brasília pra mim, por tá dentro dessa comunidade, eu cresci como
pessoa, né? Cresci tendo valores definindo acho que a educação é primordial, é, uma coisa
que eu luto é pela educação de qualidade, pelo acesso à educação de qualidade, é, eu
integro hoje no fórum de bibliotecas comunitárias, um fórum do livro, da leitura, da
literatura de bibliotecas, graças a minha vida, a minha vivência, acho importante? Acho. Mas
eu acho uma coisa, [a] qualidade de vida que a gente tem aqui, talvez não encontre em outro
lugar, né? Essas coisas me fez, por exemplo, eu tenho emprego e financeiramente era bem
mais pago, eu trabalhava no comércio, muito bem estabelecida, um salário bacana, mas a
minha qualidade de vida e a qualidade da minha família era inferior a que eu tenho hoje,
tinha mais dinheiro, mas menos qualidade de vida, por exemplo, minha mãe só vivia
internada no hospital, assim, pressão alta, estresse. Hoje, é claro que ela passa por estresse,
é claro, é claro que ela passa, mas ela tem sempre, mas tem qualidade de vida, eu tenho
qualidade de vida, não vejo, quando eu olho pra uma criança que passou pela “blibioteca”
aquilo vale muito, quando eu vejo que ele entra numa faculdade, né? Hoje eu vejo fazendo
pós-graduação em dança aí, um exemplo vivo é minha sobrinha que começou com três
anos, sempre foi de escola pública, fez educação física, fez pós-graduação e hoje ensina
na..., tanto ela presta serviço pra comunidade, ela dá aula de percussão, numa ONG, como é

{ 383 }
claro que ela vai ter que ter seu rendimento, ela dá aula numa academia, né? Mas ela faz
isso e ela divide muito o tempo, é, comunidade, ela sabe a importância da comunidade e eu
acho que é exatamente isso, é qualidade de vida que a gente tem aqui, apesar de todos os
percalços, tempo passando rápido e você não dando tempo pra fazer uma série de coisas.
Mas a gente vê, por exemplo, uma criança que passou por mim, frequentou a minha
biblioteca, que descobriu a literatura através da..., porque uma opção que a gente tem foi a
ONG, foi a leitura literária, é claro que a gente tem alguns livros de referência, mas ele vai
ter esse acesso na escola, ele vai ter esse acesso na biblioteca pública do estado, mas se ele
não tiver, ele vai ter acesso a literatura se não for através de uma biblioteca que vá, que
possa possibilitar a literatura infantil, literatura juvenil e aí você ir passando porque a
formação leitura ela vai ser constante, e a literatura como toda arte, como dança, que
também é muito forte aqui, ela, a arte humaniza as pessoas, acho que e arte humaniza as
pessoas. A literatura também, ela te coloca num lugar do outro e aí como outras formas de
sentir a arte você, eu acho que isso é muito forte em Brasília Teimosa.

Outras Observações:
-

{ 384 }
PAISAGEM TEIMOSA
ENTREVISTA - INFLUENCIADORES Nº 2

Nome: Taciana Melo de Souza


Idade: 29 anos
Profissão: Professora
Tempo de Moradia na Comunidade: Nasceu na Comunidade
Local de Moradia: Rua Artur Bernardes
Instituição: Escola Mangue
Data/local da Entrevista: 05/05/2017 – Residência da entrevistada (Avenida Brasília
Formosa)

[Pesquisadora] Sobre a escola mangue, qual é o trabalho dela aqui na comunidade?

[Taciana] A gente trabalha com educação ambiental, a gente trabalha dentro da


comunidade com educação ambiental.

[Pesquisadora] (...) Vocês fazem atividades...?

[Taciana] São várias atividades, a gente tem aula de percussão, aula de capoeira, tem aula
de dança e tem aula de educação ambiental, específica na área do manguezal, que é o que
a gente trabalha.

[Pesquisadora] Entendi. E você mora há quanto tempo na comunidade?

[Taciana] Vinte e nove anos. Desde que eu nasci.

[Pesquisadora] (...) Você mora em que área mais ou menos?

[Taciana] Moro na Rua Artur Bernardes.

[Pesquisadora] E, por qual motivo, hoje, você mora em Brasília Teimosa?

[Taciana] Eu gosto de morar aqui, eu nunca tive interesse de sair daqui não.

[Pesquisadora] E você já pensou em morar em outro lugar?

[Taciana] Não.

[Pesquisadora] Por quê?

[Taciana] Primeiro porque eu gosto do bairro que eu moro, o bairro tem uma história, né? E
como eu fui sempre fui criada dentro de ONGs, onde a gente teve a questão muito da
valorização do espaço onde você vive então eu nunca pensei em morar em outro lugar não.
A minha intenção mesmo era crescer e vim trabalhar justamente com a ONG, onde a gente

{ 385 }
reforça o trabalho, que você não precisa sair do seu bairro pra adquirir uma coisa melhor,
você pode crescer dentro do bairro que você mora.

[Pesquisadora] (...) E o que mais te agrada em morar aqui em Brasília Teimosa? E quais são
os pontos positivos e negativos?
[Taciana] Eu gosto da praia, né? É próximo de onde eu trabalho, né? É um local bom, onde eu
posso criar as minhas filhas e é aonde reside à maioria dos meus parentes também.

[Pesquisadora] E pontos negativos, você vê algum?

[Taciana] Negativos, tem a questão da violência, como existe em qualquer bairro que fica
em periferia, né? Porque apesar de ser área bastante urbanizada, fica na periferia do Recife.
Tem a questão da violência, tem a questão da especulação imobiliária nesse momento, né?
Anteriormente a gente tinha a questão de palafitas, já hoje em dia não tem mais essa
questão, hoje as pessoas vivem em casas, né? Então é mais essa questão de violência e
especulação imobiliária, que as pessoas hoje em dia querem muito esse espaço aqui. Mas
fora isso, não tem nenhum ponto negativo.

[Pesquisadora] Qual é o impacto, assim, que você vê da especulação imobiliária aqui


dentro?

[Taciana] Porque muitas das pessoas, assim, muita procura por compra de casa, né? Pra se
tornar empreendimentos, né? Porque na visão das pessoas, futuramente, é tornar isso aqui
num grande empreendimento. Existe, claro, a resistência das pessoas no momento, muitas
pessoas resistem a isso. Eu acredito que não vai ter essas compras, mas tem gente cercando
as laterais aqui, né? Pra poder cada vez mais ir entrando. Existem algumas coisas que já estão
mais próximas, mas como ainda é área de ZEIS, então a gente ainda fica um pouquinho mais
descansado por conta disso.

[Pesquisadora] Sentindo uma proteção, né? Assim...

[Taciana] Em parte.

[Pesquisadora] Você acha que Brasília Teimosa poderia ter sido construída em algum outro
lugar?

[Taciana] Não.

[Pesquisadora] Por quê?

[Taciana] Porque eu acho que aqui, assim, na verdade, como ela foi construída aqui, pelos
pescadores, tem toda uma história, como, não sei se você sabe toda história total de Brasília
Teimosa, mas assim, é um local, é uma comunidade urbana, mas de pesca, né? Onde a gente
tem nas duas laterais, uma colônia de pescadores, e na outra lateral a gente tem uma
associação de pesca, então as pessoas que vivem ao entorno da comunidade, a maioria das
pessoas ainda dependem muito dessa questão da pesca, então acredito que não teria outra
localidade que pudesse ser melhor pras pessoas que vivem aqui.

{ 386 }
[Pesquisadora] Entendi. E se por acaso, por exemplo, Brasília Teimosa fosse deslocada pra
algum outro lugar da cidade, o que aconteceria? O que você faria?

[Taciana] Na verdade, assim, pra a maioria das pessoas, seria um incomodo muito grande,
como estou dizendo a você, aconteceu isso com uma grande parte daqui quando as pessoas
foram retiradas daqui das palafitas e foram realocadas pro Cordeiro, onde não tem nenhuma
característica de pesca, onde eles não poderiam sobreviver até, não só a questão da pesca,
mas também as pessoas que vivem aqui a gente fica a cinco minutos do centro do Recife e à
cinco minutos de Boa Viagem, então não seria uma localidade melhor, então quem faria
serviços mais próximos teve que percorrer uma longa distância, então eu acho que se fosse
realocado, seria um transtorno muito grande, até porque as pessoas que moram aqui estão
acostumados à essa proximidade.

[Pesquisadora] (...) Assim, algumas coisas você indiretamente já respondeu, mas vou
perguntando de uma forma mais específica, certo? Então, assim, você sente que Brasília
Teimosa tem uma relação forte como mar e como rio?

[Taciana] Tem, com certeza, a maioria das pessoas são, tem algum parente, são
descendentes de pescadores ou vivem da pesca, indireta ou diretamente, então é uma
relação muito grande com o mar e com o mangue. É a relação maior que as pessoas têm,
porque a gente tem uma grande, a gente tem a colônia de pescadores que é a mais antiga de
Pernambuco, é a Z-1, que é a primeira de Pernambuco, e a gente tem a associação de pesca
lá, que é onde ficam atracados a maior parte dos barcos, tem as vilas que ficam no entorno,
que são onde as pessoas coletam a maior quantidade de mariscos. Então, assim, ela é
totalmente, vive ainda dessa questão da pesca.

[Pesquisadora] (...) E o que você acha que o mar e o rio representam para um morador de
Brasília Teimosa? E o mangue também, né, como você citou?

[Taciana] Na verdade, é uma fonte de sobrevivência.

[Interrupção]

[Pesquisadora] Entendi. É fonte de sobrevivência, né?

[Taciana] é fonte de sobrevivência, tem uma importância muito grande, né? A gente não...,
acho que a gente não saberia viver sem isso aqui, a gente já tá acostumado a acordar e olhar
pra o mar, a gente já tá acostumado a sentir, a saber quando é que vai chover, então tem
uma relação, assim, bem afetiva e sentimental com isso. A gente tem uma, não sei, é porque
quando você mora muito próximo da praia você já tem aquela relação com ela, não sei
explicar direito, né? Porque a gente tá tão acostumado com isso aqui, que é esse espaço aqui,
que a gente não sabe como colocar isso às vezes em palavras.

[Pesquisadora] Entendi. É o que eu tô tentando com essas perguntas, colocar em palavras,


mas é difícil mesmo você colocar sentimentos e o que aquilo significa pra você em palavras.

[Taciana] É, justamente, porque assim, a gente tá acostumado, então, assim, a gente já se


acorda e já sabe qual o vento, a gente pode até não saber o nome, e isso é intuitivo desde as

{ 387 }
crianças, né? A gente vai pra praia eles já sabem qual a questão do vento, eles já sabem
observar assim “vai chover! Tá vendo aquela nuvem?”, o céu escurece um pouco e elas “já vai
chover”, então você tem uma relação, assim, de afetividade muito grande com o mar, né,
com a maré, com os estuários, então é uma coisa, assim, de afetividade, né? E acho que é de
importância muito grande, pras pessoas, assim, que vivem né? Eu assim, apesar de morar
aqui na Brasília, eu passei a ter mais esse contato depois que eu vim trabalhar aqui na
escola, por quê? Porque existia um grande, as pessoas que moram do lado de cá, porque
assim, a Brasília tem dois lados e tem a principal que é Arabaiana, então tem o lado que é
da praia e o lado que não é da praia [do Buraco da Véia]. Então normalmente as pessoas
que vivem aqui, elas não tem muito essa vivência de vir na beira da praia, de tomar um
banho, dessas coisas. Então assim, depois que eu passei a trabalhar aqui, aí eu tive mais
esse contato, mais contato com o pescador, mais contato com a croa, aí você vê que é
diferente a relação que essas pessoas têm, sabe, com aquele rio, com aquela croa, o pessoal
tá assim, daqui a pouco o povo vai ali e desce na croa, a croa tá seca, desce ali, coleta um
marisco, daqui a pouco tá cozinhando na porta de casa, debulhando, conversando, assim com
a naturalidade que, aquilo pras pessoas que vêm de fora é uma coisa diferente, mas aqui faz
parte do cotidiano das pessoas, da vida. O pessoal passa aqui, a gente tá parado aqui, daqui a
pouco tá ali o pessoal com o mosquiteiro amarrado no pescoço tirando manjuba da praia, né?
Então assim, a coisa aqui é do dia-a-dia, né, apesar de ser uma comunidade urbana, mas é
uma comunidade urbana tradicional de pesca, né? A gente ainda tem muito essa
característica, agora mesmo vai chegar junho, todo mundo se programa pra festa de São
Pedro, né, aí tá todo mundo, os pescadores, aí tem o barco, aí tem a procissão terrestre,
depois tem a fluvial e aí se mantém aquela tradição. Eu acho que isso, assim, não se perdeu
com o passar do tempo.

[Pesquisadora] Como é que você vê Brasília Teimosa daqui a Dez anos?

[Taciana] Olha, eu espero, assim, minha visão pode ser outra, eu acredito que vai tá muito
mais urbanizada, [com] muito mais construções, mas assim, o que eu esperava é que eles
continuasse, claro que com a questão que existe de evoluir, né? De crescer, de crescimento
mesmo, mas eu acho que eu gostaria que continuasse com as mesmas características, né?
Apesar de demonstrar um grande crescimento no futuro, até porque as pessoas que moram
aqui não tem pretensão de sair, mas as propostas que as pessoas fazem às vezes, imobiliárias,
é muito maior, né? Então, assim, eu conheço pessoas que venderam e retomaram por uma
questão de não se adaptarem em outro local, mas eu acho que futuramente vai ter um
crescimento muito grande. Talvez até maior do que a gente deseje ter.

[Pesquisadora] Entendi. Mas, no caso, esse crescimento que você fala, maior do que vocês
imaginam é em relação a...

[Taciana] Às construções, a espaços como prédios, como... Entendesse? Empresariais, que a


gente sabe que isso é intencional, até porque como eu falei pra você, a questão da
proximidade do centro do Recife e a proximidade de Boa Viagem, então é uma comunidade
que fica ali, no meio disso tudo, isso tudo tá em constante crescimento. Então acredito que a
intenção é que aqui se torne um centro também. (...) Não seria pretensão da gente porque eu
não gostaria, eu gostaria que pudesse ter sim um crescimento, mas que continuasse com as
mesmas características, até porque eu não sei como seria a vida das pessoas que já estão
habituadas nesse, nessa forma de viver como é que seria, né? Nessa adaptação, e é muito

{ 388 }
chato você ter que sair do seu local e ter que se realocar pra outro espaço porque não
consegue mais sobreviver daquilo. Então, eu acredito, espero que as pessoas, acredito que as
pessoas aqui sempre têm um histórico de luta e de resistência, eu acho que as pessoas vão
continuar com esse mesmo pensamento.

[Pesquisadora] Entendi. E pra você o que Brasília Teimosa significa e representa pra você?

[Taciana] Ah, o bairro sempre me representou como uma motivação pra luta, entendesse? O
bairro, sempre foi um bairro com histórico de luta, a gente, sempre assim, é o marco, um
marco, como um bairro que quer uma coisa e ele consegue. Determinado, as pessoas que
vivem aqui são determinadas, as pessoas vão viver nele, vão à luta, batalham pelo que
querem, pela melhoria do próprio espaço, sabe? Isso sempre foi dessa forma, né? E aí a
gente instiga as crianças pra que elas permaneça nesse mesmo pensamento de luta, de
batalha, de permanência...

[Pesquisadora] Já a partir do trabalho da escola, a partir das várias ONGs, né?

[Taciana] Associações que... Existe várias instituições aqui, né, no bairro, e teve várias
instituições que começaram a partir da luta do bairro, né? Então, que a gente tem aqui, a
gente tem aqui, foram construídas três vilas a partir da luta pela construção das casas daqui
da orla. Então, foram construídos três espaços aqui em Brasília que é a Vila Moacir Gomes, a
Vila Teimosinho e a Vila da Prata. São três vilas que foram construídas a partir da luta das
pessoas. A questão da urbanização, também foi construído a partir das lutas, a questão dos
ônibus foi a partir da luta, né? Então existiram vários movimentos sociais que fizeram com
que as pessoas lutassem e fossem atrás de uma melhoria pra o próprio bairro.

Outras Observações:
Taciana é professora da Escola Mangue.

PAISAGEM TEIMOSA

{ 389 }
ENTREVISTA - INFLUENCIADORES Nº 3

Nome: Ladimir Ferreira da Silva (Mika)


Idade: 50 anos
Profissão: Bailarino, Coreografo e Assessor na Secretaria de Cultura de PE
Tempo de Moradia na Comunidade: Nasceu na Comunidade
Local de Moradia: Vila Moacir Gomes. Rua Ricardo Câmara.
Instituição: Ballet Deveras (Criador da Peça “Daqui Não Saio, Daqui Ninguém me Tira”)
Data/local da Entrevista: 10/05/2017 – Farmácia da Jane (Rua Arabaiana)

(...)

[Pesquisadora] Como é que surgiu, assim, a peça [Daqui não Saio, Daqui Ninguém me Tira]?

[Ladimir] A peça “Daqui não Saio”, (...) em 2006, eu ganhei um prêmio de criação e
transformação na área de dança, festival de dança, que era pra poder transformar, criar,
fazendo uma direção de dança que pudesse ampliar o trabalho do Balé Deveras, que é um
grupo de ballet que a gente tem aqui há 37 anos, e aí, desse trabalho, a gente começou.
Como eu nasci aqui, e tinha minha influência com o teatro de rua, eu ainda queria fazer
alguma coisa que tivesse a ver com a minha história, e o Balé também tinha nascido aqui
dentro, e a gente começou a pensar, a pensar no espetáculo que pudesse contar a nossa
história através da dança. E seria tudo o processo de luta da gente aqui, então os corpos que
iam falar dessa relação. E a gente começou a pesquisa, todo o grupo, eu envolvi o pessoal
nesse processo de pesquisa, de conversa com os moradores antigos, moradores atuais, pra
entender que universo era esse do passado e do presente e construímos um espetáculo que
conta 5 momentos de luta do bairro. O espetáculo chama-se “Daqui não Saio, Daqui
Ninguém Me Tira”, e a gente trata essa relação da ocupação mesmo, a ocupação, você
chegando aqui, a luta pra permanecer na terra, polícia que derrubava as casas que, que
construía de novo, e aí, alguns momentos de, de luta, ou seja, luta contra os bicho de pé,
água suja, e também finaliza com a relação da cultura, que o Deveras trouxe pra cá a
integração [não compreensível] e a cultura fosse, tentar fortalecer os jovens. Então ai, a
gente fecha o espetáculo nessa concepção, tentando tratar essa relação que a comunidade
teve uma, uma, um crescimento partindo da luta, a luta as mulheres, e tendo a força principal
que foi a cultura que hoje faz essa história ficar, permanecer, teatro de rua e a dança.

[Pesquisadora] (...) Como é que você acha que, na história, tanto o teatro quanto a dança
fortaleceram, assim... [a luta da comunidade]?

[Ladimir] Olha, toda a história aqui de Brasília Teimosa foi feita com o auxílio da arte. O
teatro, a música, a dança, a dança vem depois, mas o teatro de rua e a música feita por Luiz
Carlos (...), era um processo muito constante, era o, a motivação, a mobilização das pessoas
partia através disso, ou seja, a dança e o teatro de rua. Foi assim que foi escrito o projeto
que fez as mudanças daqui. O teatro de rua, que foi às ruas, em reuniões, provocar as
pessoas, falar sobre as suas necessidades, e que dentro dessas necessidades fosse escrito o
projeto de urbanização. Então foi muito essa prática, dizendo “fala, que a gente...”, era o
teatro que fazia com que as pessoas pudessem dizer o que sentiam e que falavam, então

{ 390 }
tinha a função de agregar as pessoas na rua, que é a função da expressão artística mesmo,
as pessoas não estavam, e daquela junção de pessoas, a gente fazia a inscrição, a escrita do
projeto. “O que é que tá faltando?”, “A casa tá assim”, “isso falta aqui”, “a rua”. Quem
motivava eram as músicas e era o teatro de rua, então, assim, foi um instrumento muito
forte da cultura nessa organização daqui. E também a própria igreja católica teve uma
influência muito grande. A sorte é que os párocos que passaram por aqui tinham essa
relação com a igreja libertadora de Dom Hélder, tinham essa relação já de entender que é
preciso mobilizar as pessoas, e a arte era o instrumento que a gente usava pra isso
acontecer. Eu era pequeno na época, menino novo, mas antes dos doze anos eu comecei a
participar desses processos, e aí, de lá pra cá, eu sempre acreditei que a arte é um
instrumento de transformação.

[Pesquisadora] E o público que ia assistir? [O espetáculo] ficou no Barreto Júnior?

[Ladimir] A turnê do espetáculo que a gente fez agora, o espetáculo que a gente fez tá com
11 anos, fez no Teatro Apolo...

[Pesquisadora] São 11 anos que...

[Ladimir] Tem 11 anos. A gente fez uma temporada agora no Teatro Apolo e teve no Barreto
Júnior. Mas é um espetáculo muito, o tempo passa, e ele é muito atual. E não fala só da
relação de Brasília Teimosa, como a cidade do Recife são várias áreas de ocupação, então
quem assiste, tem a identidade muito próxima. Pode morar no Coque, pode morar na
Imbiribeira, pode morar no... Quem mora em área de ocupação, a realidade é a mesma.
Você chegar numa terra, e lutando pra poder conseguir água, transporte, a realidade é
geral. Brasília foi pioneira nesse processo de organização popular, mas as comunidades que
tem aqui sempre contam essa história. A gente pretende fazer agora, a partir do segundo
semestre, essa circulação, pra que as comunidades possam assistir e possam discutir
também, e até provocar que alunos da universidade, como de urbanismo, como de
arquitetura, como de ciência social, pra possa também vim assistir, participe do debate, pra
entender que construção foi essa, que hoje, depois de tantos anos, ainda é muito atual,
muito viva, muito recente. Ainda ocorre, ainda existem muitas ocupações ai, e as ocupações
que existem ainda lutam pra garantir que fique na terra. A gente aqui, a gente luta pra
garantir a posse da terra.

[interrupção]

[Ladimir] E tem essa história que é sempre contemporânea ao processo, sempre é atual.
Então a ideia é que a gente possa voltar agora pra segunda temporada, a gente quer tentar
fazer algumas cidades fora daqui, como Salvador, João pessoa e Natal. Mas a partir do
segundo semestre, a gente passa essa circulação, provocando mesmo, sem ter preocupação
com bilheteria, mas provocando esses grupos específicos. No caso de vocês, assistente
social, pessoal de conselho de moradores, de ocupação, e após isso, provocar uma
discussão. Que, pra construção do espetáculo, eu fiz isso, eu montei algumas cenas, e
durante o processo de criação, eu ia chamando as pessoas pra assistir e as pessoas iam
contribuindo, “tá faltando isso”, “tá faltando aquilo”, e a gente ia começando a colocar.
Como é um espetáculo de dança, então, era muito completo você passar uma história sem
usar a voz, então a gente teve que usar também textos. Uma parte a gente começa a

{ 391 }
contar, mas aí, pra não ficar um documentário, que não era a ideia, a gente usou vídeo, usa
vídeo também, os moradores antigos falam, dando depoimento também sobre isso, e você
vai costurando (...).

[Pesquisadora] (...) Pronto, é, você falou em relação a isso, né, que também comove outras
comunidades, outras pessoas que tem uma realidade similar, né? Você que estudou a
história daqui pra fazer essa peça e sabe da influência do teatro e da dança na história [da
comunidade], como você acha que Brasília Teimosa se diferenciou em relação às outras
comunidades nesse processo de luta e permanência?

[Ladimir] Eu acho que, é, por ser pioneira no processo, por ter o movimento popular muito
forte, por tá sempre a frente desse processo, em 66 já tava nessa luta, quer dizer, são 50
anos que essa luta começou, um pouco antes, né, que teve os primeiros moradores (...).
Tem uns pescadores que contam a história de como vieram pra cá, o que se passou, ou seja,
e um pouco antes, tavam montando o conselho. Aí começaram o loteamento, começou a
demarcar o terreno, até a preocupação com a própria demarcação, com a própria
preocupação da organização, já diferencia das outras também. Já existia essa preocupação,
que quando loteou, não loteava desordenadamente, entendeu? A gente hoje cresceu
verticalmente por uma questão de necessidade. A população triplicou, os filhos cresceram,
criaram filhos, e ai como não pode mais crescer pros lados, horizontal, ai tá crescendo
verticalmente. E a gente sofre, porque, como é zona ZEIS, não pode construir acima de dois
andares, ai isso já é uma discussão que a gente hoje tem que rever também, porque,
exatamente, a população cresceu, então precisa amadurecer essa discussão pra saber até que
ponto a gente pode crescer, pra também não começar a invadir os prédios aqui. Então, eu
acho que a gente tem esse diferencial, porque, primeiro, por ter um movimento popular
muito rico, por ter uma igreja católica, na época, libertadora, assim, influenciada por Dom
Hélder Câmara, então isso já foi um diferencial, hoje não é mais a mesma situação, e eu
acho que assim, é, serviu de exemplo. E, dos que ficaram, continuam ainda nessa luta. Sem
ser especificamente quem trabalha com cultura, alguns projetos sociais conseguem dar
continuidade. Tem que tentar que tenha a garantia dos direitos reservados, e, assim, e os
que conseguiram ficar até agora, conseguiram também se infiltrar, se envolver em outros
grupos que garantiram também outros direitos, além do direito na ficar na terra. Então acho
que isso é um diferencial muito grande daqui de dentro da comunidade.

Outras Observações:
A maior parte da entrevista teve o seu áudio extraviado, principalmente no que
compreende as perguntas semiestruturantes da entrevista. Frases do entrevistado anotadas
dos trechos não transcritos:
(...)
Não consigo falar de mim sem falar daqui.
(...)
A construção do lugar também é a construção das pessoas.
(...)
O correto é o que me faz bem (sobre a “ilegalidade” de Brasília Teimosa).
(...)

{ 392 }
{ 393 }
{ 394 }
PAISAGEM TEIMOSA
ENTREVISTA - LÍDERES COMUNITÁRIOS Nº 1

Nome: Wilson Lapa


Idade: 57 anos
Profissão: Radialista
Tempo de Moradia na Comunidade: Nasceu na Comunidade
Local de Moradia: Rua Espardate (morou na Rua Francisco Valpassos)
Cargos/Atividades: Atual Líder do Conselho de Moradores
Data/local da Entrevista: 02/05/2017 – Conselho de Moradores de Brasília Teimosa (Rua
Parú)

[Pesquisadora] (...) Há quanto tempo você mora aqui, ou [você] mora desde sempre?

[Wilson] (...) Eu moro na Brasília Teimosa há 57 anos, vou fazer 58 agora em outubro. E eu
gosto de dizer sempre que eu sou nascido e criado em Brasília Teimosa, eu nasci em casa
mesmo, nem pra maternidade eu fui, sou da época de parteira, nasci aqui mesmo na terra.

[Pesquisadora] (...) Você mora em que parte (...) daqui?

[Wilson] Eu morei, enquanto solteiro, na Rua Francisco Valpassos, morei lá cerca de 22 anos
mais ou menos. De lá, eu me casei e fui morar na Rua Lupércio, que era a antiga Salgado
Filho, e há cerca de 32 anos eu moro aqui na Rua Espardate, que é a antiga Rua I.

[Pesquisadora] (...) Você acha que Brasília Teimosa poderia estar em outro lugar da cidade?

[Wilson] Não, não. Brasília Teimosa veio, é, aconteceu exatamente no lugar certo, é uma
mini ilha cobiçada por muita gente, né? Brasília Teimosa, eu não vejo ela colocada em outro
lugar não, só aqui mesmo. Que eu costumo dizer sempre que a nossa comunidade parece
cidade do interior, né, todo mundo vê pessoas na rua, seja de manhã, de tarde, de noite, de
madrugada, aquele burburinho legal e bacana. Uma vez que, de certa forma, todo mundo
conhece todo mundo.

[Pesquisadora] (...) E, nesse sentido, qual é a relação que você vê entre Brasília Teimosa e o
mar?

[Wilson] (...) É como eu coloquei agora há pouco né, Brasília Teimosa parece uma ilha, né,
cercada por água por todos os lados, é a praia, tem a bacia do Pina e a do Pina e a praia
daqui da Brasília Teimosa. (...) primeiro que se hoje a gente ainda tá aqui, a gente deve,
claro, aos invasores, ou melhor, aos ocupantes daquela época né, as pessoas ocuparam a
área, que na época era o Areal Novo do Pina, depois Brasília do Pina, e por fim, Brasília; sei
que você vai perguntar mais na frente, mas eu já tô adiantando. Brasília, porque foi
exatamente na época da construção de Brasília, Distrito Federal, né, e Teimosa pela
teimosia da comunidade, a comunidade construiu os barracos durante a madrugada, e
vinha a polícia e derrubava, no dia seguinte construíam mais barracos, e chegou um ponto
{ 395 }
tal que a polícia não tinha mais efetivo já pra derrubar a quantidade de barracos que
existiam, né. E, é, a grande, hoje não tanto, mas a grande sobrevivência do bairro da gente
foi exatamente o mar, né, a pesca, o que sustentou, é, as nossas famílias lá atrás. Eu me
lembro que quando garoto, tinha aqui a antiga oficina, num é, ai minha mãe vinha comigo, a
gente bem humilde, ai subia os navios pra ajeitar e a gente ficava raspando o casco dos navios
pra tirar exatamente o sururu, unha de véi, marisco, pra poder se alimentar, pra poder comer
né, e era uma fase tão bacana da vida, ou seja, o mar tem uma importância muito grande pro
bairro da gente, através dele, é, e foi ele que alimentou a gente. Hoje, eu repito, não tanto
quanto antigamente né (...) Mas o mar foi da sobrevivência, foi de uma importância muito
grande pra o bairro da gente, ele sempre nos alimentou e ainda alimenta até hoje.

(...)

[Pesquisadora] E em questão de lazer, por exemplo, em relação ao mar, lazer e...

[Wilson] Olha, digo sempre, o bairro da gente por ser um bairro de ocupação, né, é, a gente
ficou sem espaço pra lazer. Agora, com a retirada das palafitas né, recentemente a questão
da orla de Brasília Teimosa, que já existia dentro do Projeto Teimosinho, criado pela própria
comunidade, pelos moradores, que foi um desafio na época de gestões de prefeitos e
governadores como Gustavo Krause, por exemplo, de que a comunidade poderia continuar
caso ela mesmo fizesse o projeto e apresentasse às autoridades, né, aos governantes. E a
própria comunidade sentou, se reuniu e elaborou o projeto onde tinha as ruas né, tinha
posto de saúde, creche, comissariado, a urbanização da orla, é, esgotamento sanitário,
água, iluminação pública, transporte coletivo, segurança pública, etc, etc, etc. Mas, é, as
palafitas, era sempre um “ciclo” vicioso (...), pois por três vezes seguintes se retiravam as
palafitas, da primeira vez retirou as palafitas e construiu a Vila da Prata, que é próxima à
praia do Buraco da Véia, mas como não urbanizava, as pessoas invadiam novamente por
uma questão até de necessidade também, e ele conseguiu mais um terreno, construiu a
segunda vila, a Vila Moacir Gomes, mas não urbanizaram, ai as pessoas invadiram de novo,
ai desapropriou um campinho de futebol de várzea que a gente tem aqui, o campo do Pina,
foi para o lado do Jardim Beira-Rio, né, e então construiu, é, a Vila Teimosinho, por fim, não
restando mais terreno, né, só tinha mesmo o terreno onde hoje construiu o conjunto
habitacional Brasília Teimosa, né, na gestão do Lula com João Paulo, ai retiraram as
palafitas, ai foi a quarta vez a retirada, as pessoas foram morar lá no Cordeiro, no Casarão
do Cordeiro, e ai urbanizou, urbanizando não poderia mais haver invasão de palafitas, e ai, de
qualquer forma, fez uma faixa de areia, né, que aí, esportivamente, a gente aproveita, dá pra
jogar uma “peladazinha”, dá pra, é, voleibol, futevôlei, é, (...) futebol de areia, dá pra pelo
menos fazer algum tipo de programação, mas espaço pra lazer realmente a gente não tem.
Agora a gente tá tendo um parquinho de diversões na Rua das Oficinas, que vira realmente
um ponto de encontro todas as noites, né, por falta realmente de espaço, por falta de lazer
que o bairro da gente infelizmente não tem. Não tem praças grandes né, que a gente possa
se encontrar, brincar e se divertir.

[Pesquisadora] Entendi, então a diversão, no caso, é mais também ligada ao mar, né (...)?

[Wilson] Sim, exatamente à Praia do Buraco da Véia, né, a diversão da gente é a Praia do
Buraco da Véia.

{ 396 }
[Pesquisadora] (...) Essa questão da orla, quando vocês fizeram o Teimosinho, o tipo de
projeto que vocês queriam fazer era mais ou menos como o que tá hoje?

[Wilson] Era, era mais ou menos o que tá hoje. A diferença era que eu batalhei pra caramba
porque eu sabia que em tão pouco tempo que a nossa praia e a Praia do Buraco da Véia, ela
ficaria pequena. Quando retirou, hoje a orla é assim, né, aqui a avenida e aqui, por exemplo,
é a faixa de areia, né, que ficou, quando chega lá, aí, aqui tem a Praia do Buraco da Véia,
que é a nossa praia e eu sabia que com pouco tempo, pouco tempo mesmo, dois anos, três
anos, exatamente a praia ficaria pequena não só pra gente, mas também pra gente que vem
de fora. Porque hoje a gente conseguiu, uma conquista nossa do Conselho de Moradores,
junto com o próprio vereador da comunidade Eduardo Chera, (...) nós conseguimos (...) um
ônibus Prazeres - Boa Viagem, ele passava aqui só na Arabaiana, hoje ele vai até a Praia do
Buraco da Véia, volta, pega Arabaiana e vai “simbora”. E o Brasília Teimosa - Conde da Boa
Vista também ficava na Arabaiana e essa foi conquista do Conselho de Moradores, nosso
aqui. Hoje o terminal de ônibus é na praia do Buraco da Véia, e tá trazendo muita gente de
fora também, entendeu? E a praia mais parece uma piscina, não tem perigo de afogamento,
é super gostosa, e conclusão, na época do, que começou o projeto da urbanização da orla,
eu lutei, eu batalhei porque tinha também aqui exatamente uma área de praia da própria
comunidade e eu lutei pra que essa área daqui também fosse pra área da Praia do Buraco
da Véia, ai a praia ficaria maior, mas ai, infelizmente, não foi possível, veio até a Praia do
Buraco da Véia a urbanização a faixa de areia, ganho legal pra quem joga futebol, num é, foi
muito legal também pro pessoal, mas a praia continua do mesmo jeito, pequenininha,
somente isso, sabe? Era a ressalva, o adendo, que eu abriria nesse sentido, mas, no geral, a
urbanização é exatamente isso. Recentemente a gente encarou na COMUL, que é a
Comissão de Urbanização e Legalização da Posse de Terra, eu encarei uma briga no bom
sentido, aprovei pela COMUL o congelamento de toda e qualquer grande construção dentro
da comunidade, esse documento passou pelo Fórum do PREZEIS, que foi aprovado, e
PREZEIS, quer dizer, Plano de Regularização de Zonas Especiais de Interesse Social,
aprovado na assembleia, no fórum, foi encaminhado ao prefeito, já esse, Geraldo Júlio, na
primeira gestão e o PREZEIS é lei, né e no documento a gente pede o congelamento não só
da nossa área ZEIS, como também do entorno, ou seja, das proximidades. Recentemente, o
pessoal no Iate Clube... Bom, vou falar em Iate Clube, depois eu volto “praqui”. Há muitos
anos atrás, o Iate quis se apoderar da praia do Buraco da Véia, né, passou um muro durante a
madrugada, e foi uma briga da gente da comunidade, e de dia a gente derrubou, a
comunidade derrubou. Tem até uma música que diz, eu não me lembro dela totalmente, que
dizia, é: “a praia do Buraco da Véia é nossa, é do povo de Brasília, se o Iate tá querendo
briga...”, e aí segue, não me lembro mais o restante. Aí derrubamos e mostramos que a praia
era da comunidade, é a praia de Brasília Teimosa. Ai voltando...

[Pesquisadora] (...) então eles construíram [o muro], e dias depois vocês...

[Wilson] Não, dias depois não. Eles construíram o muro, no dia seguinte, praticamente, ou
dois dias depois, não me lembro bem, a gente foi lá e derrubou o muro, porque se demorasse
muito ia ser complicado, a gente deixou bem claro que a praia era da comunidade, não
particular, pertence ao povo.

[Pesquisadora] Isso foi quando, mais ou menos?

{ 397 }
[Wilson] Eu não me lembro não, eu era garoto, eu era jovem, adolescente, meus pais tavam
lá também ajudando a derrubar. (...) Mas voltando pros anos atuais, recentemente eles
queriam construir duas torres, ai depois “é uma torre só”, dentro da própria área do Iate
Clube. Legal, a evolução, o progresso, só que eu tive uma reunião com os donos da Rio Ave,
fui lá, fui chamado, tive uma reunião com eles e aí eles colocaram pra mim o porquê que eu
não aceitava (...), se ia ser melhor pra comunidade, gerar emprego, gerar renda. Ai eu fiz: “Até
onde você assume isso? Porque geralmente emprego e renda só gera no momento da
construção. Depois que tá construído, vocês trazem pessoas de fora pra ter os empregos de
camareira, de manobrista, de gerente, seja lá o que for”. Como é, infelizmente, o caso do
JCPM aqui na frente da entrada da Brasília Teimosa, né. O JCPM foi construído dentro de uma
parte que era área ZEIS de Brasília Teimosa. Na ocasião duas representantes nossas, saudosas
já, (...) negociaram com o Grupo João Carlos Paes Mendonça 1 milhão de reais e esse 1
milhão de reais foi depositado nos cofres da prefeitura, mas sumiu porque era pra ser
investido dentro de Brasília Teimosa, em moradia, em habitacional. Como não existia mais
espaço pra construir moradia, então foi feito um plebiscito na comunidade, a frente desse
conselho de moradores, e a comunidade decidiu então que essa verba devia ser investida no
recapeamento, asfalto de todas as ruas, né. Você vê, observe que as ruas são de
paralelepípedo, só algumas e a principal que é asfaltada, mas infelizmente esse dinheiro
sumiu, a gente tentou, batalhou, e ninguém sabe a finalidade. Teve uma história de que foi
investido lá no Casarão do Cordeiro, pra que [não compreensível] da palafita. Mas não
existe, porque a finalidade dessa verba era pra investir dentro de Brasília Teimosa, enfim,
sumiu. E eu diria mais, sumiu na Prefeitura do Recife, e não dentro das nossas
representatividades dentro da COMUL da época. Bom, enfim, é, então não pode ser
construído essa torre lá, mas nessa conversa com os donos da Rio Ave, eu disse a eles:
“’Vamo’ fazer o seguinte: vocês garantem já emprego e renda pra comunidade antes, durante
e depois”? “Sim”! “Então eu convoco a comunidade, a gente faz uma reunião no meio da rua,
vocês expõem essa boa vontade de vocês pra comunidade, se a comunidade aprovar, não
tem problema, eu assino embaixo, vocês poderão construir amanhã mesmo”, e eles não
vieram, não apareceram. Faz bem três, quatro anos e tá ai, tá barrado. Eu li uma matéria na
época, nos jornais que diziam que eles iam entrar com ações na justiça, para provar de que
a área do Iate Clube não estava dentro das delimitações ou limitações da área ZEIS de
Brasília Teimosa (...).

[Pesquisadora] Então, falando nesses projetos que querem fazer, como é que você vê
Brasília Teimosa daqui a 10 anos? Falando em geral, não só nesses projetos.

[Wilson] Eu já venho ouvindo há muitos anos de que, há 10 anos a Brasília Teimosa não
existiria mais, e a gente continua aqui, né? Há 10 anos, há 20 anos, ou seja, para cada
período a gente sempre ouviu isso, e talvez até seja uma realidade no futuro, sabe? Talvez
seja, mas ainda vai demorar muito, porque infelizmente existe a expulsão branca, né, que é
aquela que eles não podem expulsar a gente “na tora”, mas tiram a gente com a força do
dinheiro, né, comprando os imóveis. Eles colocam aqui corretores batendo palma em casas
que nem placa de ‘vende-se’ tem (...) e em alguns casos eles acabam, lógico vendendo a casa.
(...)

[Pesquisadora] Você acha que poucas pessoas não venderiam, no caso de uma proposta tão
alta?

{ 398 }
[Wilson] Poucas, muito poucas, porque é complicado. Tu sabes que a casa vale 100, ou 200,
ou 300, ou 400 ou 500 mil reais e o cara oferecer, digamos, 20% a mais do valor da tua casa
[não compreensível] a pessoa vende, dificilmente ela encontraria outra dentro de Brasília
Teimosa, aí você vai morar aonde? Longe daqui, que, sinceramente, quem é morador de
Brasília Teimosa não vai se acostumar em outro lugar não, não tem como.

(...)

[Pesquisadora] (...)E pra você, o que é Brasília Teimosa?

[Wilson] Deixa eu colocar uma coisa assim pra ti. (...) na semana passada eu fui para um
congresso em Porto Seguro, na Bahia, (...) esse congresso daria pra mim, claro, um tempo
de descanso, de passear, de conhecer a cidade, mas agora tem o WhatsApp né? (...)
mantendo contato com minha filha, e eu me lembro que uma das coisas que eu postei, que
eu escrevi, foram exatamente assim “filha, eu tô com saudade da minha luta na
comunidade”. Entendeu? A Brasília Teimosa, pra mim, é o ar que eu respiro (...). Já marquei
uma quadrilha junina dentro do nosso bairro (...). Essa quadrilha, a gente foi bicampeão
pernambucano e bicampeão do campeonato da Rede Globo (...), e no campeonato
brasileiro na Bahia eu fui escolhido o melhor marcador do Brasil e nós trouxemos o troféu
de melhor produção do Brasil (...), representava o estado da gente, viajamos pelo grupo,
conheci São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Salvador, Fortaleza, Minas Gerais, (...) pela dança,
pela cultura. (...) Tive a oportunidade de fazer uma rádio comunitária dentro da
comunidade, a Brasília FM. Nessa rádio nós prestamos muito serviço à população (...), como
cadeira de rodas, colchão d’água, cestas básicas, lutávamos (...) pelo direito da gente, e
tanto benefício essa rádio trouxe pra comunidade. Mas a partir do momento que eu vim
para o conselho de moradores, que nós ganhamos a eleição de dois em dois anos (...) uma
coisa é certa: é a comunidade que não quer que eu saia, né, porque essa é a única
instituição que Brasília Teimosa tenha, talvez, de 45 a 60 instituições (...), mas o Conselho de
Moradores é o pioneiro, existe há 51 anos, e é o único aqui que tem eleição aberta pra
comunidade (...).

(...)

[Pesquisadora] Como está a questão da regularização fundiária de Brasília Teimosa? Sei que
tá nessa questão da CDRU, mas assim, como é que tá em geral?

[Wilson] Se arrastando, e muito (...). Olha, acho que foi em 83, se não me engano, na gestão
do prefeito Gustavo Krause, ele entregou cerca de 2 mil (...) títulos de posse de terra à
comunidade, títulos legais, sabe? A gente gostou na época da redação, dando uma
segurança pra comunidade. Só que talvez, por falta de conhecimento das pessoas na época,
talvez não tenham explicado, as pessoas teriam de ir no cartório registrar o título de posse,
né, porque você passava a ter segurança juridicamente falando. Dos cerca de quase 2 mil,
apenas mil e quatrocentos é que foram no cartório e registraram (...), então juridicamente
esses títulos não tem validade. Aconteceu uma desapropriação há uns anos atrás no Pina
(...), na Vila Oliveira, aí as pessoas apresentaram os títulos entregues pela antiga COHAB,
atual CEHAB, só que não tinha nenhum registrado em cartório (...), ai apareceu uma “mal-
assombrada” dizendo que era dona do terreno, alguém de poder capital razoável, entrou
com uma ação na justiça, e aí ganhou, desapropriou as pessoas. A Brasília Teimosa não

{ 399 }
acredita nesse risco, né, de repente aparece algum suposto dono, porque a gente é área de,
digamos assim, invasão, é terra de Marinha (...). Passado esse tempo, vieram várias gestões,
vários prefeitos. Na minha gestão da COMUL, demos 37 títulos à moradores da Colônia, que
foi a primeira área da comunidade, a ocupação, que foi exatamente o CDRU. Na ocasião, a
gente não se ateve exatamente o que era esse título, mas era um título que dava segurança
à comunidade. Aí começaram a reclamar porque o título te dá segurança por 50 anos,
porém ele já tem na cláusula dele “renovável por mais 50 anos”. (...) Hoje, se você quiser
comprar, por exemplo, a minha casa e eu não tiver título de posse de terra, a minha casa se
valesse 300 mil, ela vai valer 200 mil, você vai adquirir somente o imóvel, a construção.
Quem tem título não, você passa, de certa forma, não a ser dono, mas ter a posse do
terreno. E o CDRU significa, deixa eu me lembrar, Concessão de Direito Real de Uso por 50,
renovável por mais 50. Alguns que entregaram na comunidade de Santo Amaro, que era o
CUEM, é Concessão de Uso Especial para fins de Moradia, esse não tem 50 mais 50, pra
toda a vida. Só que o que consta a redação na CDRU, não consta no CUEM. O CDRU dá
direito a você que mora na Brasília Teimosa, reside ali na sua casa, construiu para ajudar na
tua renda familiar botou uma farmácia, uma manicure e pedicure, botou uma vendinha,
uma lojinha, uma barraquinha, ai com o CDRU, você recebe esse título, contempla, só que o
CUEM não, (...) ai se você tem um comércio, você não recebe, ai tem todo um choque. A
gente veio tentando pegar o melhor da redação de cada um pra fazer tipo um só, só que eu
saí da COMUL, né, deixei inclusive, é, reuniões no domínio da união, né que é responsável
pelo terreno da gente que é Federal, de Marinha, é, ficou engatilhado um novo documento
transformando a nossa área, esse documento, um documento Federal, né que seria mais
forte que a Lei do PREZEIS, que é municipal e essa lei seria federal. (...) Então, tá meio que
parada essa questão da regularização fundiária dentro de Brasília Teimosa. Eu tenho, na
medida do possível, (...) poder, mas tem as condições de intervir. Eu tô pensando até de
puxar uma audiência pública pra trazer de volta essa questão da posse da terra, do título de
Brasília Teimosa. (...) só em cima dessa questão da (...) regularização fundiária, eu queria
somente tentar colocar o seguinte, de que nesse momento, torna-se impossível a gente de
Brasília Teimosa ter áreas que são de terrenos federais, terrenos de Marinha ou de Exército,
no caso, mas mais de Marinha, né, receber o título de posse da terra, a gente recebe a
concessão da terra, porque terreno de Marinha, supostamente, né, supostamente não, tá lá
na Constituição Federal de que, são terrenos de que caso o Brasil entre numa guerra, e
precise, ela terá de volta esses terrenos pra poder defender as nossas fronteiras (...). Mas
eu não acredito nisso, que o Brasil entre em guerra, principalmente, uma área como Brasília
Teimosa, né, porém, teriam que mudar a Constituição Federal, e aí cabe à Câmara dos
Deputados, depois passar também para o Senado, pra poder fazer essa mudança. Eu, uma
vez, casualmente, assistindo TV Senado, ai tinha um senador, não lembro qual o nome dele
e nem de que estado ele é, mas que atentava exatamente a essa questão, de que isso já
caducou, isso não existe mais, teria de ser mudada a constituinte, ou formar um adendo, sei
lá né, pra derrubar isso, pra que, de fato, a gente pudesse ter a posse da terra, entendeu,
mas nesse momento, devido, né, a constituição, dizer que áreas federais, em especial,
terreno de Marinha, não pode ser doado ao morador, é, se falou também naquele
usucapião, ai usucapião serve pra terrenos que são particulares. Aqui no Pina, por exemplo,
do lado bode tem pedaço do terreno do [não compreensível] do Pina que é da Santa Casa
de Misericórdia, ai é particular. Ai esse caso, o morador, individualmente, entra na justiça,
ou coletivamente, pra ter o direito do usucapião, né, o direito do título daquela terra que
ele mora, mas tem pedaço dentro do [não compreensível] no Pina de que é de Marinha, é
federal, ai esse não cabe, o título de posse de terra, e sim a concessão, entendeu?

{ 400 }
[Pesquisadora] (...) A gente já falou um pouco sobre, mas a questão da especulação
imobiliária em Brasília Teimosa, como é que tá essa questão, quais são os rebatimentos
disso na comunidade?

[Wilson] Como eu te falei agora há pouco, é a questão da expulsão branca, se dependesse


dos grandes empresários, comprava um trator bem grande, passava aqui por cima de todo
mundo. (...) a gente sabe que evidentemente ia fazer a continuação de Boa Viagem, construir
prédios e mais prédios aqui na comunidade. É muito difícil lutar contra a especulação
imobiliária? É sim, porque é o dinheiro, é o capital. (...) Então não tem como você bater de
frente com o poder do capital (...). O que a gente pode fazer é conscientizar a pessoa a não
vender (...).

[Pesquisadora] E a questão do JCPM, qual é o rebatimento dele pra sociedade, o que é que
ele significa e o que ele significou pra comunidade?

[Wilson] Olhe, no que se refere ao João Carlos Paes Mendonça, das oportunidades que teve
com ele, pode até ser que se imagine que ele é uma pessoa, um ser humano com boas
intenções, um empresário que veio de lá de baixo, e tal, e após ele conseguir esse espaço,
como eu te falei, pra construir na área ZEIS da Brasília Teimosa, que deixou de ser pra ele
construir, ele tem feito parcerias com escolas, fazendo cursos, vendo o lado social, com
instituições também da própria comunidade. (...) Tem no próprio shopping Rio Mar (...) o
menor aprendiz. (...) muito jovem da Brasília, do Pina, em geral, é, estão lá, tem muita gente
trabalhando no shopping Rio Mar, muitos jovens se qualificaram por cursos que ele tem lá.
(...) o IJCPM, Instituto João Carlos Paes Mendonça, realmente tem qualificado os jovens da
comunidade, ai ele tem se preocupado, realmente (...).

[Pesquisadora] Mas em que escala você acha que a construção do JCPM foi boa ou ruim?

[Wilson] Olha, em escala de 0 a 10, eu digo que foi ruim 9, porque na minha concepção, na
minha intenção, ali naquela entrada da Brasília teria sido construída uma Upinha3, um mini
hospital pra atender Brasília Teimosa, Pina, ou seja, a circunvizinhança (...).

[interrupção]

[Pesquisadora] (...) Como o nome das ruas de letras passou para o nome dos peixes?

[Wilson] Bom, primeiro é que a condição humilde é, ali de estudo das pessoas que chegaram
na comunidade na época, nossos pais e avós pescadores né, seria mais fácil você saber
identificar letras, ai por isso que se colocou o nome das ruas exatamente por letras
alfabéticas, de A à S. Repito que era mais fácil pras pessoas que eram humildes, não tinham
estudo, digamos assim, então o alfabeto era mais fácil. Já, parece que foi na gestão de João
Paulo, se não me engano, ai numa forma de homenagear os verdadeiros fundadores de
Brasília Teimosa, os pescadores, ai colocou exatamente o nome das ruas por nome de peixes,
como forma de homenagear a comunidade através dos pescadores (...).

3
A UPA (unidade de Pronto-Atendimento) é uma espécie de urgência e emergência vinculada ao SUS
municipal (Sistema Único de saúde). A Upinha seria uma versão reduzida dessa primeira.
{ 401 }
[interrupção]

[Terceira pessoa – Alcydes Almeida Santos] Os próprios moradores foram construindo as


ruas e deixando os lotes e já dando o nome das ruas.

[Wilson] Exatamente, ai veio do Pina pra cá, ou seja, A, B, C...

[interrupção]

[Pesquisadora] Entendi. (...) Hoje em dia, quais os principais problemas que vocês têm? De
infraestrutura, de saneamento...

[Wilson] A demora dos ônibus, meu Deus, é um massacre, né, o deslocamento sanitário
melhorou muito, muito. Quando era responsabilidade da COMPESA (Companhia
Pernambucana de Saneamento), estado, a gente solicitava, quando vinha vim, era com
quinze dias. Hoje, desde que terceirizou o esgoto, (...) você liga, no mesmo dia, quase no dia
seguinte, já tão limpando. Então, deixou de ser um problema o esgoto sanitário de Brasília
Teimosa, mas hoje é transporte coletivo, é, voltamos a ter um pequeno problema com a falta
d’água dentro de Brasília Teimosa, já foi muito sério, mas hoje até que não é tanto, (...) a
insegurança, a gente passou a ter também insegurança, pequenos assaltantes dentro da
comunidade, pessoal passando, de bicicleta, de moto e levando o celular das pessoas. Na
verdade esses três e, infelizmente, a questão das galerias também, a infraestrutura, a falta
da limpeza das galerias, porém eu quero deixar bem claro de que boa parte da culpa
também é da gente dos moradores. A gente tem coleta de lixo diariamente aqui, de
segunda à sábado, mas infelizmente a gente ainda tá jogando lixo na rua, nas metralhas,
próximo às galerias.

[interrupção]

[Pesquisadora] (...) Eu vou te pedir pra me ajudar. (...) eu consegui algumas imagens que
ainda não consegui identificar [a localização], queria que você me ajudasse.

[Wilson] (...) aqui era a sorveteria de seu Djalma (...). Ô rapaz, era “massa”, foi numa época
de São João, olha as fogueiras! (...) a gente adorava isso aqui, ó, quando chovia, fazia poças
de lama na rua, meu Deus, a gente ficava brincando dentro, não adoecia (...), não pegava
doença nenhuma, algumas vezes a gente pegava bicho de pé (...).

[interrupção]

[Pesquisadora] (...) Na década de 90, (...) o que é que aconteceu, o que é que teve de
novidade?

[Wilson] É, tiveram a construção das vilas, né, da comunidade. É porque gradativamente, é,


evidentemente a partir do momento que você vai conseguindo as coisas, tendo conquistas,
é, pouco a pouco, a tendência é de certa forma se acomodar. É, hoje, o que é que hoje
Brasília Teimosa luta? Pela posse da terra, pronto, é o principal alvo hoje, é a luta pela posse
da terra. Aí tem, né, como eu te falei, demora dos ônibus, é, falta d’água, insegurança, tal,

{ 402 }
mas o alvo, o eixo principal hoje, ainda, pra finalizar, é, com chave de ouro, digamos assim,
é a posse da terra, pronto (...). [não compreensível] nos anos 90 já tinha conseguido tantas
coisas já na comunidade, ai veio mais, conseguiu mesmo algumas vilas, algumas moradias
dentro do bairro, que ainda o déficit habitacional é muito grande, é claro né, hoje a luta é
pelo terreno do antigo aeroclube lá no Pina pra construir habitação popular, não só pra
quem é do Pina, mas pra quem é também da Brasília Teimosa.

[Terceira pessoa – Alcydes Almeida Santos] Na Brasília, tem muita gente que vive de
aluguel.

[Wilson] Muita. O aluguel na Brasília Teimosa, no Pina, tá um absurdo.

[Terceira pessoa – Alcydes Almeida Santos] É 600, 700 reais um lugar, é, com três cômodos
né?!

[Wilson] “Oxe”, é. Se você ver o espaço que a gente tá aqui, a turma tá vendo pra alugar por
400 reais, 500 reais. (...) Um vãozinho só. Tá complicado. É o que diz naquela música de
Roberto Carlos: “não sou contra o progresso, mas apelo pelo bom senso, um erro não
compensa o outro, isso também é o que eu penso”. Entendeu? A revolução tá aí, pronto, aí o
empresarial João Carlos Paes Mendonça, Shopping RioMar do outro lado, né, orla de Brasília
Teimosa, avenida, aí, o progresso chegou.

[Pesquisadora] É a especulação dentro da própria comunidade, né?

[Wilson] É, dentro da própria comunidade, infelizmente.

Outras Observações:

A entrevista sofreu muitas interrupções de moradores que iriam tratar de assuntos diversos
com o entrevistado no Conselho de Moradores.

PAISAGEM TEIMOSA
ENTREVISTA - LÍDERES COMUNITÁRIOS Nº 2

{ 403 }
Nome: Luciberto Xavier Tiradentes de Macedo (Piaba)
Idade: 57 anos
Profissão: Funcionário Público
Tempo de Moradia na Comunidade: 41 anos
Local de Moradia: -
Cargos/Atividades: Ex-presidente e vice-presidente do Conselho de Moradores. Ex-
Presidente da COMUL.
Data/local da Entrevista: 02/05/2017 – Sede da Escola Mangue (Avenida Brasília Formosa)

[Pesquisadora] (...) Eu tenho algumas perguntas pra fazer, mas se você quiser falar alguma
coisa antes...

[Luciberto] A permanência de Brasília Teimosa aqui, do povo, sempre teve essa história de a
gente não sair pra canto nenhum independente de qualquer questão que viesse pra cá [não
compreensível]. Até hoje tá consolidado Brasília Teimosa, mas a expulsão branca é grande,
continua ainda grande. (...) Aqui tem uma ocupação do solo que não foi do jeito que eles
(brancos) queriam, foi da forma como o povo quis fazer a ocupação. (...) Aqui em Brasília
Teimosa são poucas as casas que tem planta, geralmente a maioria não tem e funciona. A
população daqui de Brasília Teimosa vai lutar pra ficar aqui sem ter a especulação imobiliária,
(...) que a gente sabe que tem, ninguém é doido nem maluco, mas o povo, acho, que vai
resistir. (...).

[interrupção]
[Pesquisadora] Você foi líder do...

[Luciberto] Fui presidente do conselho, vice-presidente, vários mandatos. (...) De 85 a 87, de


87 a 89, 90 a 92. Fui presidente da COMUL da área de regularização fundiária, já fui, já
participei, fui um dos fundadores da Comissão de Legalização da Posse da Terra em Brasília
Teimosa, vários anos, 6 anos, mais ou menos, no mínimo 6 anos. Participei da comissão de
legalização da posse da Terra (...). Então, a minha participação foi mais ou menos essa, eu fiz
teatro, na época eu trabalhava com teatro, mobilizava o pessoal com teatro, dizia como
funcionava, dizia que o povo queria que a gente saísse, tudo isso a gente montava com
mamulengo, com o teatro de mamulengo, a gente mesmo fazia as peças né, tem peça
registrada e tudo. (...) Fiz teatro, fazia fotografia na época, trabalhava com slide, mostrando
as palafitas. Então a gente tinha um trabalho de educação, alfabetizando o povo das palafitas,
o povo de Brasília Teimosa, trabalho muito grande, eu com Luciana, que é a minha ex-
companheira, que ainda funciona aqui, alfabetizando o povo. Paulo Freire e
[incompreensível]. Isso a gente no meio do tempo, usava [incompreensível], usava as
palafitas pra alfabetizar o povo, levava as crianças pra escola, adulto, tudo, alfabetizando
muita gente; tirando da droga, na época, né, na época era muita droga, tirando o povo da
droga, era pescador, marisqueiro, tudo, trabalho com esse povo todo na área todinha.

[Pesquisadora] Mas por vocês, ou por ONG?

[Luciberto] Por ONG, não. Isso na época a gente não tinha financiamento nenhum não,
depois foi que a gente teve alguns financiamentos, né, antes era por conta da gente. A
{ 404 }
gente fazia arrecadação, fazia bingo, fazia teatro, as mães ajudavam, os pais ajudavam,
faziam uma coisa, outra. Ai depois a gente começou a fazer projeto e aí começou a vim
outros projeto, e até hoje tem projeto cuidando, não tá mais ligado como era antes, mas
trabalha com meio ambiente, trabalha com alfabetização, com cultura, várias coisas a gente
trabalha, (...), proteção de mangue, na área de pescadores, de várias colônias aqui na região.

[Pesquisadora] Entendi... Vocês começaram a fazer isso em que época mais ou menos, em
que ano, em que década?

[Luciberto] Em 80, 82, começamo esse trabalho. Foi em 82, ficou mais intensivado (...), em
82 a gente já fazia teatro e slide pra mostrar a situação daqui hoje, e em 85 slide pra
apresentar a história das palafita tudo, criava peça, várias peça registrada na época, pra
registrar era o maior trabalho do mundo, pra passar era a maior confusão do mundo, a
gente mudava o texto e voltava.

[Pesquisadora] Por conta da ditadura?

[Luciberto] Por conta da ditadura. Foi uma luta, uma luta grande da gente aqui, mas aí fica na
história, mas poucas pessoas têm o conhecimento e se lembra da luta; porque a gente não tá
lutando pra gente, a gente tá lutando pra uma questão social maior, por uma permanência do
povo aqui dentro, pra gente num sair, porque a gente tem direito da legalização da posse de
terra. Comprar casa de pessoas que tinha 10, 20 casas, um programa do governo do estado
que a gente, juntos, financiava a casa com o inquilino. (...) hoje tem gente que tem 2, 3, 4, 5
casa, e a gente também não vai, que são pessoas daqui que conseguiram uma condição
melhor, comprou casa, comprou de um, comprou de outro, entendeu. Mas aí a luta da
gente sempre foi essa, “por que é que eu tenho 5 e você não tem nenhuma”? Então eu
acompanho as pessoa que não tem condição nenhuma nem de pagar o aluguel, e
construímos várias vilas aqui, né, acho que Wilson [se referindo à Wilson Lapa, atual líder do
Conselho de Moradores] deve ter falado, ele praticamente não participou diretamente com
a gente, ele participava do movimento, mas não participava ativa da diretoria, mas ele
ajudou muito também, ele era como se fosse um locutor, (...) fazia locução dos eventos, das
lutas com a gente tudinho, depois que a gente se afastou por muito tempo, começou a
participar diretamente do conselho, da diretoria do conselho, mas antes ele participava da
luta com a gente, divulgano, falano, como se fosse locutor de rádio, que não tinha na época,
mas ele que passava, era ele que fazia. (...) Eu também nunca gostei de falar muito não, de
tá em rádio, de tá em televisão, nunca quis ser candidato a nada até hoje. (...) Tinha
condição de ser, mas até hoje não quero. (...) Agora não tenho interesse nenhum de tá aí,
de fazer coisa que, podia até ser importante pra o Recife um mandato dessas pessoas que
tem trabalho em comunidade, pode ser até mais importante que o trabalho das pessoas
que tá lá hoje, que tem a visão que muitos não têm. Mas a gente continua nessa luta,
trabalhando, fazendo reunião ainda, (...) mostrando a realidade, focando no que é a
questão do trabalho, que é muito importante a pessoa ter um trabalho pra viver, que sem
um trabalho a pessoa se perde no tempo, que tem que estudar. A gente foca muito nessa
questão da educação e do trabalho que a gente fez aqui a vida inteira. E muita gente não
sabe nem da vida da gente, eu sofri muito, vivi nas palafitas. Eu vim do sertão morar nas
palafitas. Sou de Sertânia, eu vim de lá pra cá estudar e peguei essa luta, até hoje.

[Pesquisadora] Faz quanto tempo que você mora aqui?

{ 405 }
[Luciberto] Aqui, que eu vim estudar aqui em 76.

[Pesquisadora] Então faz 41 anos mais ou menos.

[Luciberto] (...) De 76 comecei a me fixar muito aqui, mais. Conheci uma pessoa, comecei a
morar com ela, (...) A gente conviveu e ficou morando aqui.

[Pesquisadora] Então você veio pra Recife morar especificamente aqui por causa dessa sua
companheira?

[Luciberto] Pronto, eu vim pra trabalhar em Brasília Teimosa por causa dela. Conheci ela na
cidade (...) Aí de lá pra cá eu comecei a visitar Brasília Teimosa, trabalhava com fotografia,
com teatro, com [incompreensível]. Ai eu comecei a, a gente se juntou, eu comprei um
barraco na beira da praia, e cabou-se, até hoje.

[Pesquisadora] (...) E por qual motivo você mora, hoje, em Brasília Teimosa?

[Luciberto] Hoje, eu moro em Brasília Teimosa pela luta, que a gente teve uma luta muito
grande pra permanecer aqui, tirar as palafitas, urbanizar a beira-mar, a gente, eu estou aqui
por causa da luta, a luta de querer uma condição de vida melhor pra população. E continuo
hoje ainda nessa luta pela melhor condição de vida para as pessoas que mora aqui. Só vou
sossegar quando não tiver mais condições de trabalhar, mas continuo trabalhando. Eu posso
tá onde eu tiver, eu vou continuar fazendo esse trabalho que eu sempre fiz. Pela luta.

[Pesquisadora] Você já pensou em morar em algum outro lugar? Por quê?

[Luciberto] Não, porque tá no sangue essa luta da gente aqui, tá no sangue da gente, a gente
não tem como sair. Já tive várias propostas pra viajar, pra sair, pra ir embora, pra ir pra o
interior, pra trabalhar em todo canto, mas eu fico aqui, por causa dessa luta, desse vínculo
que a gente tem aqui. Pelos filhos que nasceram aqui, pela história da gente aqui. Por onde a
gente passa, todo mundo conhece a gente, fala com a gente, sabe, muitos sabem da história
da gente, respeita, nunca tive problema com ninguém, nunca tive problema com ninguém
aqui, nunca, em nada. (...) Essa é a minha história aqui dentro, porque eu moro aqui. E não
vou sair não. Só pra passear fora (...), mas aqui é meu lugar.

[interrupção]

[Pesquisadora] Você participou do Projeto Teimosinho?


A gente fez teatro, fez tudo, fazia teatro de rua, mostrando como era o projeto, mostrando
tudo, as creche, as escola, tudo foi da cabeça daqui do povo de Brasília Teimosa. De La Mora4
ajudou muito, (...) muita gente ajudou muito aqui Brasília Teimosa dando assessoria. Mas
tudo da gente. Montamo o que era pra montar. Falta muita coisa? Falta, né? Porque em
todo canto falta, né, verdade? Mas aqui a gente continua lutando pra conseguir o melhor pra
cá (...).

4
Professor aposentado do departamento de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de
Pernambuco.
{ 406 }
[Pesquisadora] Em relação a isso, o que você acha que é ruim no bairro hoje?

[Luciberto] Essa questão da população, não toda, mas alguns [saiam]... Por que a gente não
pode pedir que eles não saiam, né? É um direito deles de vender, né?

[Pesquisadora] E o que tem de melhor aqui em Brasília Teimosa hoje?

[Luciberto] Olhe, o que me agrada mais aqui, o que faz com que eu permaneça aqui, é como
ver Brasília Teimosa antes, como vê hoje, a transformação. (...) Uma coisa que deixa a gente
muito triste é, às vezes, você não consegue segurar, porque o dinheiro é forte, que a
especulação imobiliária é muito forte (falando das pessoas que vendem suas casas por causa
do dinheiro bom). (...) O que tem de melhor aqui é história, né, que a gente se orgulha da
história de Brasília Teimosa; tem problema? Tem, mas é calmo, a gente se dá bem com todo
mundo, todo mundo trabalha aqui, vários grupos, várias entidades do povo que trabalha
aqui com cultura, com educação, com formação, muita gente que trabalha com música, com
teatro, com dança. Tem um trabalho muito grande aqui, muito grande com educação, tem o
CEPOMA, tem aqui o Centro Escola Mangue, tem Aurieta com a Turma do Flau, tem muita
gente trabalhando aqui, um trabalho muito importante. E ai a gente se orgulha do povo aqui
fazer esse trabalho. Tem colônia de pescadores, tem uma cooperativa de pescadores, tem
muita gente trabalhando pra ajudar Brasília Teimosa a continuar do jeito que tem que ser. A
gente conseguiu muita coisa aqui, conseguiu saneamento, foi luta (...). Brasília Teimosa
quase toda tem saneamento... Teve o Projeto Teimosinho, foi muita luta (...).

[Pesquisadora] (...) Você acha que Brasília Teimosa poderia ter acontecido em qualquer
outro lugar da cidade?

[Luciberto] Olhe, eu acho que aqui é um exemplo, como teve Casa Amarela na época... E
Brasília Teimosa, teve Entra Apulso, Ilha do Destino, várias, várias ocupações hoje que existe
ainda né, o Pina, o Coque, tem vários bairros que tem história parecida com Brasília Teimosa,
mas Brasília Teimosa foi um exemplo de luta no Recife, junto com Casa Amarela, entendeu? A
gente se identifica com muita comunidade, com a luta da gente, com os Coelhos, com muita
comunidade, Santo Amaro, com muitas comunidades, Ilha de Janeiro, Xié, porque tudo foi
ocupação, terreno que o povo ocuparam, e a gente se identifica muito com essa luta. E aqui,
como é difícil pra gente, porque aqui, vamos dizer, era uma área especial, uma área que todo
mundo olhava, aqui podia fazer um condomínio fechado, fechar e aqui ser tudo de rico, aqui
seria um condomínio fechado, que só tem uma entrada, porque é uma entrada pra uma praia
particular. Mas a gente fica até hoje pra isso não acontecer. Mas que a gente se identifica
com muitos bairros, se identifica. Tem várias Brasília Teimosa por aqui, mas tem vários
outros bairro aqui em Brasília Teimosa de história de luta.

[Pesquisadora] Se, por acaso, Brasília Teimosa fosse deslocada daqui, e aí?

[Luciberto] Mas a gente não vai deixar!

[Pesquisadora] Você acha que Brasília Teimosa tem uma relação forte com o mar?

{ 407 }
[Luciberto] Grande, grande demais, porque a maioria aqui é pescador, pescadores e
pescadeiras. Relação mesmo que ser pai e filho, mãe com o mar (...).

[Pesquisadora] O que é que você acha que o mar representa pra um morador de Brasília
Teimosa?

[Luciberto] Vida, representa sobrevivência, tudo pra gente, pra cá, pro povo. A vida de Brasília
Teimosa é esse mar.

[Pesquisadora] Entendi. Então, como é que você vê Brasília Teimosa daqui a 10 anos?

[Luciberto] Olhe, eu queria ver do jeito que tá hoje, mas vai ser muito difícil. A arquitetura vai
ser mudada, muita coisa vai acontecer. Mas a gente vai continuar lutando pra que isso,
Brasília Teimosa, continue. Tem a questão do avanço do mar, os estudo aí que a gente não
sabe quanto em 10 anos esse mar vai avançar, essa é uma preocupação grande. E eu
sempre falo isso nas minhas reuniões em relação a dados técnicos, (...) não é em cima do
que a gente quer dizer, (...) o mundo inteiro sabe que o mar tá avançando, e as áreas que,
principalmente essa aqui da gente. A preocupação da gente aqui também é essa, até
quando, daqui a 10 anos esse mar vai tá, ocupando o lugar dele.

[Pesquisadora] E em relação à especulação?

[Luciberto] Grande aqui, continua.

[Pesquisadora] E a especulação em relação a esse futuro?

[Luciberto] Eu acho grande também. Tem vários projetos pra cá. Tem muita gente com
projeto pra cá. Tem muita gente com projeto na cabeça, muitos projetos pra cá. Esse Rio
Mar [shopping], esse projeto não é de agora não, é de muitos anos. Tava planejado há
muito tempo. E tem muitos outros projetos aí. [interrupção da pesquisadora: quais você
acha que...?] Olhe, eu acho que vem coisa grande pra cá, agora, como vai entrar não se sabe,
vai ser uma briga grande, como sempre foi. Mas a gente tem a noção que vai entrar, agora a
gente vai enfrentar, a gente tem mais ou menos a ideia de como é, mas a gente não vai
tocar nisso não, a gente vai esperar acontecer.

[Pesquisadora] Quando você diz que tem ideia do que, de como vai entrar, como é que você
acha [que vai acontecer]?

[Luciberto] Vai entrar no dinheiro. Pelo dinheiro, as pessoas vão ceder. E tem vários projetos
grandes, tem várias praia aí, tem várias praia isolada, só pra quem tem a chave. (...) Tu sabe
que vai ter a questão do teleférico? [interrupção da pesquisadora: foi confirmado isso?] Eu
acho que vai. (...) É bom, é importante pra onde você vai, né, mas você abre, você vai
começando abrindo, abrindo, abrindo, abrindo...

[Interrupção]

[Pesquisadora] (...) Por último, o que é que Brasília Teimosa representa pra você? O que é
que ela significa pra você? O que é que ela é pra você?

{ 408 }
[Luciberto] Olha, ela significa, pra mim, tudo, né?! A minha vida, a minha ascendência, o meu
trabalho que foi feito aqui (...). A minha referência é aqui. O povo me conhece por causa da
minha luta daqui (...). Brasília Teimosa, pra mim, foi a minha vida. A minha luta aqui, ela me
retribuiu mais do que a minha luta por ela. Meus filhos foram nascidos aqui, todos eles... A
minha luta, a minha história é aqui, o meu trabalho foi feito aqui, sobrevivo aqui e vou
continuar aqui até quando Deus quiser. Eu posso até ir pra outro canto, mas nunca vou
abandonar Brasília Teimosa. (...) Eu construí a minha vida aqui, a minha vida, os meus amigos,
a minha família, meus filho, minha ex-companheira, tudo foi aqui. A minha história é aqui, eu
não vou esquecer ela nunca, é igual a minha mãe, ela é minha segunda mãe, entendeu? (...)

[Pesquisadora] (...) Como foi o início, desde a formação até chegar ao Projeto Teimosinho,
de fato, até as transformações que aconteceram depois?

[Luciberto] Por que o Projeto Teimosinho? Porque o pessoal tava querendo expulsar todo
mundo, levantava, derrubava, levantava, derrubava, era confusão todo dia e a gente
começou a trabalhar com o povo pra... ou a gente faz alguma coisa aqui pelo povo ou a gente
vai ser expulso mesmo, e começou essa luta, começou a ter reunião por rua pra saber o que o
povo queria. Queria escola, queria creche, outro dizia que queria que urbanizasse a rua,
fizesse um posto médico, tudo que o povo discutia com a gente na rua. (...) Ai começou a
montar a questão do projeto Teimosinho, muita gente ajudando a gente [não compreensível]
(...), a gente retiraram as palafitas, o projeto demoliu. (...) Na época tinha tudo isso, projeto
formado, ficou tudo organizado, levamo pra Brasília numa comissão, fazer caminhada,
passeata na cidade, a questão dessa compra da casa quem tinhas duas três casa, essa
questão da regularização fundiária, tudo tá no projeto Teimosinho, creche, posto médico,
escola, tudo foi feito. O projeto veio nesse sentido, veio do povo, projeto de rua, não foi
projeto elaborado de cima pra baixo não, foi de baixo pra cima. Aconteceu tudo isso hoje
graças ao Projeto Teimosinho e do povo com a gente (...), o povo ia pra rua, a maioria mulher,
a maioria mulher, o cabra dizia: “não vai não”, a mulher vai. Os homi não queria. Era briga
confusão. E as mulhé em cima. Era 90% de mulher na reunião da gente, dificilmente tinha um
homem. Quem participou mesmo da luta foram as mulheres de Brasília Teimosa.
Pouquíssimos. Tinha homem? Tinha. Poucos. (...) Por que a mulher é mais determinada nas
coisas, elas queria que a coisa acontecesse. Falava com os homi, os homi dizia: “conversa! E
eu vou pra essa reunião besta!” (...) A mulher tava com a gente o tempo todo, caminhava,
nas passeatas, pra fazer a Vila da Prata, a Vila Moacir Gomes, a Vila Teimosinho, os
habitacional, tudinho as mulhé em cima! Pode pegar as ata da reunião. Só mulher. A
maioria era mulher. E não tinha esse negócio não. Onde a gente ia elas iam atrás. Não tinha
medo de nada. Quando a gente puxava elas iam. Iam de pé pra cidade, iam e voltavam do
Palácio, pra prefeitura, elas andando com a gente pra cima e pra baixo. Ai depois vieram as
outras etapas, vieram as novas escolas, como ali, a Escola Josué de Castro, aí veio a
urbanização, veio o saneamento, entendeu? Foram vindo outras coisas, tá entendendo? E
continuamos na luta dentro desse projeto aí, foi o que salvou Brasília Teimosa. Agora, o povo
foi muito importante dentro desse projeto, envolveu muita gente, a igreja católica ajudou
muito, Aurieta, Padre Jaime, Padre Felipe, Padre Jaime foi um grande, lutar aqui com a
gente, muita luta, a igreja sempre deu apoio, a Turma do Flau, com Aurieta, na época. Muita
gente, muita, muita, muita, teve muita gente importante na luta.

{ 409 }
[Pesquisadora] Quando chega um projeto, assim... O que eu soube foi que chegaram dois
projetos pra um complexo hoteleiro aqui, depois teve o de Jaime Lerner. O que acontece?

[Luciberto] A gente não deixava entrar nada, nem discutir a gente queria. (...) A gente fincou
o pé! Tá pensando que a gente brincava em serviço?! A gente ia pra cidade de pé! Teimosia!
A gente ia pra cidade de pé! Plantão, dormia no terreno pra construir o habitacional, entrava
pra os canto, não era brincadeira não. Imagina tu enfrentar gente que tinha dez casa, pra tu
vender nove e ficar com uma? Tem medo de morrer? (...) Tinha muita gente que dizia: é
meu, é meu, é meu! E a gente, “todos por um, vamo simbora”. Oxe, sangue no olho, tinha
que ter sangue no olho pra aperrear, se não corria da parada (...). Agora, o cara tinha direito
a casa dele e a casa de comércio, se ele tivesse um comercio, tinha direito ao comércio e a
casa onde morava. Mas hoje em dia não, tem gente que tem dez casa aqui, tem
apartamento, tem prédio. (...) Sem nenhuma liberação. E vai continuar fazendo, não tem
como impedir mais, não tem como fazer mais. O medo da gente também é esse, tá
entendendo? Que vão... Quem fala mais alto...

Outras Observações:
-

PAISAGEM TEIMOSA
ENTREVISTA - LÍDERES COMUNITÁRIOS Nº 3

Nome: Celeste Maria Valença de Mendonça


Idade: 61 anos
Profissão: Professora de Educação Física (aposentada)
Tempo de Moradia na Comunidade: 54 anos
Local de Moradia: Rua Anequim

{ 410 }
Cargos/Atividades: Foi do Conselho Fiscal do Conselho de Moradores
Data/local da Entrevista: 04/05/2017 – Residência da Entrevistada (Rua Anequim)

[Pesquisadora] Por qual motivo você mora em Brasília Teimosa?

[Celeste] Ai, eu amo Brasília demais, quase cinquenta e quatro anos em vim pra Brasília
Teimosa, a gente morava em Maria Farinha, aí, pai era marítimo e na ocasião a gente saiu
de Maria Farinha porque ele viajava, né? E aí, a gente foi morar em Caixa D’água, numa casa
que foi uma sede do glorioso time do Náutico do Capibaribe, que era uma concentração, e
de lá, como mãe ficou muito doente e ele ia viajar pra passar um bom tempo fora, que ele
era marítimo, né? Aí a gente veio pra casa de um primo dele aqui em Brasília Teimosa pela
condição de saúde de mãe, e a gente era seis filho pequeno, e a gente veio por esta
questão. A gente morou na Rua D, não é? Depois a gente foi morar na Rua A, na Badejo, né?
Depois a gente foi pra Rua Delfim, que antigamente era letra, e as pessoas colocaram, a
gente dormiu letra e acordou peixe, sem consultar e sem nada, né? Porque aqui era
pescador, então resolveram simplesmente passar, e a gente dormir de um jeito e acordar de
outro. Igual aos africanos, você dorme livre e acorda cativo. [Não compreensível] passou de
uma rua pro outro, você tá num outro país, na África, né? Aqui a gente acordou assim
[Interrupção da Pesquisadora: Mas como é que foi essa decisão?] Aqui em Brasília Teimosa,
daqui da feira pra cá, da Antônio Goes pra trás, o pessoal considerava Brasília Teimosa só o
alfabeto que era A, B, C, D, E, F, G, H, I, J, tá entendendo? E se você chegar na Colônia, o
pessoal faz “eu vou na Brasília”, que considera Brasília com esses nome de peixe, né? Aí
você chega no pátio da feira, lá na frente da Herculano Bandeira, o pessoal faz “eu vou na
Brasília” eles não consideram, eles só consideram essa área que era letra e que passou a ser
peixe, por incrível que pareça, mas tudo é Brasília, tirando a Antônio Goes pra lá, né? Às
vezes o pessoal bota, mora no Pina, não é Pina, aqui é Brasília Teimosa. Porque já existia
Colônia no centro, a Colônia era ali no Cabanga, e aí os cara da [não compreensível] houve
um incêndio na Colônia lá, aí eles vieram pra esse trecho agora, onde é a colônia da Z-1,
certo? Aí quando eles também não queria a construção de casa aqui, o pessoal que veio do
êxodo rural da época da seca, né? De Brasília, por causa da fundação de Brasília Teimosa, de
Brasília, do teimosa que é justamente por isso, o pessoal que aqui chegava construíam as
casas, aí o pessoal que era da Colônia junto com a polícia derrubava, não queria nessa área
a presença das pessoas. Aí o Teimosa porque por esse derrubar e construir e derrubar, o
Brasília por causa... E isso aí veio, começou mais por causa da questão da, da questão do
êxodo rural, né? Do êxodo por causa da consequência da seca, né? Aí teve, Coroa dos
passarinhos, teve, vai Areal, e vários nomes daqui, e aqui era pra ser uma área com aqueles
tanques de, que deveria ser, né? Aí o pessoal veio e foi se organizando, mas tinha essa
questão dos que não queria a presença, e disso a questão do derrubar, até que chegou o
ponto que eles não tiveram mais como. Naquela época o pessoal já era batalhador e brigão,
né? Aí foi lá, defendeu, o governador, e teve gente daqui que, Seu Salviano e outros
pescadores que foram de jangada pra, até, né5? No Rio de Janeiro pra poder o direito de...
Essas histórias todas, tem uma história de pessoas guerreiras, uma história bonita que eu digo
sempre que hoje os jovens não tão nem aí, nem sabem dessa grandiosidade. A gente é um

5
Aqui Celeste relembra o episódio acontecido em 1956, no dia em que Juscelino Kubistchek (JK) foi
empossado presidente da república. Um grupo de pescadores da colônia Z-1 de Brasília Teimosa fez uma
viagem aventureira de jangada, do Pina até o Rio de Janeiro, indo ao encontro do presidente e portando um
memorial com as reivindicações da população (BRASÍLIA, 2014).
{ 411 }
bairro que fazia plebiscito pra resolver as coisas, as eleições aqui, a gente tinha projeto,
proposta, cada chapa trazia uma proposta, a gente tinha projeto, a gente teve Teimosia
Verde que foi o plano de arborização que tinha Poraquê do outro lado, ainda temos pés de
acácia, ainda não tem esse trabalho, a gente com dezesseis anos, e é o primeiro bairro, que
com dezesseis anos, o único bairro, a gente tinha direito a votar com dezesseis anos aqui,
foi implantado aqui, direito a voto a partir dos dezesseis anos, em Brasília Teimosa. Eleição
comunitária, os jovens com, a partir dos dezesseis poderia votar, bem além, bem aquém de
qualquer outra coisa, né? Discutia nos plebiscito, é, teatro de rua, teimosinho mais uma, a
gente levava as questões de moradia, de transporte, de tudo através do teatro de rua, porque
ficava numa compreensão melhor pro o povo, o povo compreendia melhor, então, assim, era
politizada tudo na ponta da língua, porque eles tinham conhecimento do movimento, do
que acontecia dentro do bairro, ninguém estava leigo e eu vejo muita gente que fez parte
dessa história vendendo, vendendo quer dizer, se corrompeu, e perdeu a sua referência de
luta, tá entendendo? As pessoas começaram com essas, abarganhamento político e
perderam essa história [Interrupção de terceiros: O poder público tinha medo de Brasília
Teimosa] É, respeito, porque as assembleias acontecia, a gente fazia as comissões, a gente
ia, aí na outra assembleia trazia a resposta dessa comissão, aí se fosse atendido a
solicitação, aí dali se tirava outro posicionamento, então até fazer os movimentos ia pra rua
mesmo, com faixa, com tudo, e ia protestar, e ia buscar os direitos da gente, duvido
nenhum órgão desse público aí não atender. Hoje em dia, pra você poder fazer uma reunião
aqui, o pessoal diz “ah, eu só vou à tarde, porque é meu horário de trabalho”. Antigamente,
CTTU, todos os segmentos políticos de habitação, seja lá o que fosse, eles estavam presente
independentemente do horário de trabalho deles, eles estavam presentes nas reuniões,
eles estava presentes pra fazer a reunião com a comunidade. Hoje não pode ter uma
reunião sobre segurança que está [não compreensível] o pessoal não está indo mais, eu
digo assim essas coisas do faz de conta não serve, sabe? Faz de conta, não serve isso, se a
gente vai fazer, tem que fazer bem feito, aí não, se eu vou discutir segurança, porque como
é que eu boto de duas horas da tarde no meio da semana? Eu não quero ninguém na
discussão da segurança da comunidade, né? E uma questão da segurança, do grupo de
segurança, não é nem pra ninguém ficar sabendo de nada, aquele é grupo aonde se discute,
onde se passa as dificuldades pra que seja mapeada dentro da comunidade, dos assaltos
como aconteceu até aqui, e a policia tomar seu posicionamento, aí a comunidade não deve
saber (...).

[interrupção]

[Pesquisadora] Você já pensou em morar em outro lugar?

[Celeste] Não. Eu moro em Brasília, né? [não compreensível] Uma casa dessa realidade não é
a de antigamente. Você olha assim, tem três, quatro famílias, assim, ou os filhos morando,
né? Ou os filhos, aqui mesmo eu moro embaixo mas eu tenho dois irmãos que moram em
cima. [Tem] muito, muito quarto, e outras construções irregulares estão acontecendo que a
COMUL deveria estar tomando uma posição diante disso e não está, estar fazendo vista
grossa, porque aqui o acordo é de até três andares, né? Até três andares, mas não me vejo
fora de Brasília não.

[Pesquisadora] Por quê?

{ 412 }
[Celeste] Só triste, pela história dela, que a gente viveu nela, sabe? Pelo povo aguerrido, por
uma história tão bonita que tem, de luta, né? Isso perdeu, sou uma das poucas pessoas que
“arenga”, briga, pula, eu vejo muita omissão, muita omissão, eu vejo muita pessoa com
história de luta aqui e perder por causa de política olhando pro lado de lá, por causa de um
carro, questão financeira, por isso eu sempre estudei pra ser professora e ter o meu
trabalho pra não tá sendo subjugada nem dependendo de ninguém, sendo capacho de
ninguém, é as coisas que não quero. Nessa eleição , você vai, bota uma camisa de uma coisa
que não é o teu ideal, você tem que defender. (...) O homem tem vergonha de ser honesto,
espero nunca ter que chegar a isso não, tem que ser honesto.

[Pesquisadora] (...) E, o que mais lhe agrada em morar aqui em Brasília Teimosa, e quais são
os pontos negativos e positivos?

[Celeste] A localização, essa orla, essa praia do Buraco da Véia que é um sucesso, a gente tem
tanta história, esses canhão aqui dos holandeses, só que tiraram, tem a piscina do canhão,
né? A gente chama piscina porque era um aglomerado de arrecife de pedra, formava um
retângulo e perto dela tinha um canhão que era da época dos holandeses, mas retiraram de
lá, e lá perto da segunda porta da barra também existia um outro canhão ainda dessa época,
e essa divisão, você olha de um lado tem um mar, você olha do outro, tem a maré, essa
vista assim, e a gente era um bairro tranquilo, pacífico, e hoje tem a história de luta, de
aguerridos que éramos, né? Nós estávamos à frente, você votar com 16 anos, tínhamos que
fazer plebiscito...

[Pesquisadora] Pioneirismo?

[celeste] Pioneirismo, fazia plebiscito pra decidir as coisas na comunidade. Tinha essa questão
da politização do povo, (...) agora pouco teve espetáculo “Daqui não Saio, Daqui Ninguém me
Tira”, no Barreto Júnior, de Mika, né? Ele me pediu pra passar, mas eu não tive como ir, deu
o convite, mas eu não tive como ir.

[pesquisadora] É de quem esse...?

[Celeste] É do pessoal do Deveras, Mika, ele é da Secretaria de Cultura agora, mais ele é
daqui do bairro, e ele tem essa ONG “Daqui não Saio, Daqui ninguém me Tira”, que é
justamente essa história de Brasília Teimosa desde o seu começo até... (...) A gente era um
bairro cheio de cultura, muita gente, muito artista, tanto na da área de teatro, é uma coisa
muito, né? [Interrupção da pesquisadora: era a arte ligada à luta?], Arte, muita arte, arte de
modo em geral, tanto na parte de dança, a gente, temos o Maracatu Nação Erê, né? Que é o
primeiro maracatu infantil, né? Dado, né? No Conselho de Moradores, tivemos como
referência, o primeiro conselho da América Latina, que foi referência para varias fundações
de outros conselhos, a gente tem uma história, as pessoas né? As pessoas não, é o bairro
que tem mais escolas públicas, acho que é seis ou sete, é, e é assim essa coisa que apaixona
a gente, agora o bairro cresceu, quase a gente não encontra as pessoas de idade, quase a
gente não encontra tanto as pessoas da época, né? Que preserva isso, né? Hoje até que a
gente tem, as falsas liderança aqui na comunidade, né? A questão do péssimo transporte
daqui até o cento da cidade, né? E a gente paga a passagem mais cara e é péssimo o
atendimento de transporte aqui dentro, né? A segurança aqui desandou, aqui em Brasília
teimosa você andava em qualquer dia e em qualquer hora dentro do bairro, hoje você não
tem esse respeito, nem os bandido daqui, que não deixava ninguém mexer com a gente, e

{ 413 }
daqui, hoje não tem, por causa dessa bandalheira toda, num é? É, fui professora, conheço
bem muito a comunidade, trabalhei com pré-escola, todas as faixa etárias, num é isso, fiz. A
gente fez parte da construção desse bairro e é a gente tem as mazelas, né? As promessas
que deveria ter sido diferente, né? A promessa deveria trazer bem estar, saúde, educação,
não é isso? Conhecimento, esclarecimento, a gente vive tanto em meio de informação de
comunicação, que eu nunca vi tanta má informação, porque as pessoas são muito mal
informada (...).

[interrupção]

[Pesquisadora] Você acha que Brasília Teimosa poderia ser construída em alguma outra
parte da cidade?

[Celeste] Não, até pela história dela, pela questão do êxodo, né? Por esse espaço existir, por
as pessoas terem vindo já por uma questão de necessidade, já naquela época, né? De
habitação, da questão da seca, né? Brasília tinha que ser aqui, esse local que ninguém queria,
que era cheio de bicho de pé, de cangaço, de areia fofa, você se emperrando... Hoje o pessoal
de poder aquisitivo, das construtoras, diz que aqui não é lugar pra pessoal pobre, é lugar de
gente rico, não é pra a gente ficar aqui, nem estar aqui. Mas quando a necessidade campeava
aqui dentro, né?! O Seu Biu Carneiro, quem olhava pra gente, vinha de carroça com água, o
carro pipa pra dar água pra gente, ele foi um dos únicos políticos que de verdade teve
importância grande dentro da comunidade, porque ele trazia o carro pipa pra dar água pra
comunidade, água pra gente. (...) O galão, você pegava uma lata de você despachar, pra
gente esperar chegar a água, não tinha nada das cacimbas, que hoje o pessoal faz tudo
cacimbas, né? Que depois vieram os poços, que a gente vivia de lavar roupa, né? De tudo,
só comprava água pra tomar água. Mas era uma história muito bonita. A rua enchia d’água,
mesmo assim não deixava de ter as cadeirinhas, botava tijolo, botava zinco, e fazia a fogueira
pra você olhar a rua cheia d’água, chei de fogueira acessa. A alegria do povo, da festa, do
carnaval, cheio de reverência, a gente tinha um bloco, que era do conselho ele, era o Calada
Nada, uma boca com a língua deste tamanho [gesticulando] que era a questão do povo de
não se calar, tinha estandarte, a questão da gente não se calar, calada nada, a gente era
guerreiro, de cantar, de fazer as músicas, do iate que tentou tomar. Quando soube passaram
um muro na Praia do Buraco, pra fazer uma praia particular e a gente disse não, o Muro da
Vergonha, e a gente foi e derrubou o muro. Mesmo assim ele se apossou, porque aquela
área todinha do Iate era da praia, da terra nova, que era outra área que ficava do lado de lá
onde o pessoal pescava, a gente chamava de terra nova, e é isso, né? Com o tempo, ainda
hoje, eles descaracterizavam isso aí, agora é zona ZEIS, porque agora o bairro é interessante,
mas na época não era interessante, depois das conquistas, né? Todas as precariedades...

[Pesquisadora] E se por acaso, a Brasília fosse deslocada pra outra parte da cidade, o que
aconteceria, e o que você faria?

[Celeste] Eu não vejo Brasília fora daqui, não tem outro lugar que caiba Brasília. Não tem
outro lugar com as coisas todas que Brasília tem, que caiba Brasília, ou que Brasília pudesse
levar toda essas coisas pra qualquer outro lugar. Nenhuma área, nenhum lugar que se pareça
com Brasília ou que coubesse Brasília dentro. Nem o tamanho da sua história, porque não
caberia o tamanho da história de Brasília.

{ 414 }
[interrupção]

[Pesquisadora] Você sente que Brasília Teimosa tem uma relação forte com o mar e com o
rio?

[Celeste] A se tem! Sobre essa divisão aí, essa pista, que chama pista da Cobrálica, né? Que
agora, que tinha umas fotos, dela assim, bem batido mesmo, não tinha mureta, não tinha
nada, você passava por ela e nem via nada, claramente mar do lado, sem nada, sem
obstáculo, só as pedra jogada, não tinha nem o Iate, só as pedra jogada, e o caminho feito,
né? Aí você não tinha mureta, não tinha nada, tinha o mar de um lado, e nisso, uma maré
maravilhosa o outro lado, aquilo ali não tinha mureta, não tinha nada, a piscina do seixo, que
era uma piscinazinha que tinha do outro lado, só cheia de seixinho, já era dela mesmo, já
era [não compreensível].

[Pesquisadora] O que a senhora acha que o rio hoje (...) representa pra o morador de
Brasília Teimosa (...)?

[Celeste] Sobrevivência, a maré, né? Da maré, porque é a junção do mar com o rio, né? A
maré é a sobrevivência daquele que vive de pesca, [não compreensível] muita gente ainda
sobrevive de pesca, muitas pessoas, né? O mar também com a questão da pesca, né? O
pessoal saia na época de jangada, né, no mar afora, naquelas jangadas se arriscando, né?
Então ele tem uma história de sobrevivência pra esse povo, com Brasília Teimosa. O lazer
também, né? E assim, a gente olha assim, a gente vê a grandeza do mar, olha por lado, olha a
serenidade da maré, né? São dois momentos distintos, você tem ponte, a gente não tinha
ponte. A gente andava de bote, a gente atravessava pro outro lado, a gente ia pro mercado
fazer compra, a gente ia pra cidade, a gente ia de “baitera6”, pagava né? A gente descia lá,
fazia as compra, e os transportes da gente era as “baitera”. É que hoje você vai para o
Recife Antigo, mas antes era o transporte que a gente tinha aqui era “baitera”. Era tão
interessante. Ai eu lembro que eu morava na Rua “D”, onde é a Vila da Prata hoje, chamava
Campo do Revolver. Era um campo de Areia cheio de avelós (...). E naquela época, quando a
gente vinha pra cá, pra casa de mãe, a gente, da casa onde a gente estava, a gente via as
proas. As proas era uma faixa de terra que secava onde tinha os batelões, né, aqueles navios
grandes que tava afundado, que ficou lá, né, tinha os destroços dele e daqui a gente via. E
eu achava engraçado que a gente fazia assim [gesticulando], e quem tava lá nas proas,
acenava, né? Já era alguém lá de casa que tava lá e a gente conseguia se comunicar, né,
com essa... Agora é do jeito que tá aí. É o preço do progresso, é tudo desorganizado, dão a
liberdade, mas sem a responsabilidade, torna-se libertinagem, né? O progresso sem
objetivo deixa de ser progresso. É uma desordem! É muita saudade, gente! A gente fica feliz
em saber que existia.

[Pesquisadora] Como é que você vê a Brasília daqui a dez anos?

[Celeste] Do jeito que vai, eu não sei se ela vai estar aqui, descaracterizada vai estar, né? A
gente tem essa questão, o pessoal acha que não, o prefeito diz que não, não sei quem diz que
não, mas assim, mesmo com essa questão da condição de ZEIS, hoje é muito grande as

6
“Baitera” é o nome que os moradores dão para pequenos barcos a remo usados por pescadores e
marisqueiros da comunidade.
{ 415 }
construtoras aqui dentro. A questão da documentação da terra, a terra diz que não pode
dar, porque... Há uma contradição muito grande, com essa questão da posse, a gente tem o
direito à moradia, né? E nesse interim, o pessoal não tem feito, por ser a maior ZEIS, por ser
a primeira ZEIS, por ela ter características, totalmente diferente das outras ZEIS que surgiram
após ela, existe uma dificuldade muito grande de ordenamento de documentação, a gente
tem um documento dado por Gustavo Krause aonde dois mil e pouco ele registrou em
cartório e as outras pessoas receberam, mas não foi registrado em cartório, aí depois
vieram com um tal de CDRU, que era pra dar concessão de cinquenta anos de moradia [não
compreensível], cheio de restrições do CDRU que foi copiado do federal, a prefeitura copiou
do federal fazendo umas mudanças que tirava direitos do federal, que dava mais coisas,
mais condições, e que a prefeitura fez, aí fez um engendramento que não tinha sentido, que
a gente morava aqui há cinquenta anos, pra quê concessão de cinquenta anos pra uma
pessoa com direito de renovar se ela já está aqui há mais de cinquenta anos? Aí eu acho que
trinta e cinco pessoas, foi muito esclarecido, (...) eu creio que aqui na Brasília tenha uns
trinta em cinco CDRU’s. Aí, depois, vieram de novo com (...) o CUEM, o CUEM já limitava,
né? (...) Então a gente teve um embate muito grande (...). Essa história de cadastrar isso
aqui, já foi feito no governo de João Paulo, aí vem, coloca as plaquinhas na sua casa, aí
chama pra entregar, e nem eles mesmo sabem o que eles estão fazendo. Aí os daqui
começaram a fazer isto, pegaram os documentos de alguns nesse período agora e deixaram
tudo pra lá de novo. Qual é a sugestão? Aí tinha uma sugestão, por que não revalida todos
os títulos que Gustavo Krause, deu? (...) Por que não pega e legaliza esses outros
documentos da época de Gustavo Krause que não foram registrados em cartório? Então, o
que é que a gente sabe? Que essas pessoas que têm esses documento, mas não o carimbo
atrás de registro, poderia se dirigir ao cartório para fazer o registro sem ônus porque é uma
zona ZEIS. Mas o que acontece, essas informações, as pessoas não passaram pra população
(...). Era pra garantir o direito de moradia de seu bairro, só pra moradia, sem especulação,
sem nada, o pessoal que assumiu a COMUL não levou mais nada adiante, que é uma
discussão que a gente tava fazendo com o prefeito, trazendo com o PREZEIS, o pessoal do
PREZEIS, e o pessoal da COMUL. Aí havia uma discussão de que vamos trabalhar por quadra,
a gente chama uns amigos da advocacia, os moradores voluntários (...). Era pra ver cada
casa em cada quadra quem tinha esse documento registrado, quem é que não tem esse
documento, quem é que pode ser registrado, estudar cada caso. Por que é estudar cada
caso? Por que a realidade de hoje não é a realidade de antigamente. Ali mesmo fez uma
casa, aonde tem uma família, duas, três, quatro. A casa era do senhor que já faleceu, mas na
parte da frente tem mais não sei quantos [não compreensível], aí um pedacinho foi dado á
um filho, que ele registrou como dele, que não era dele, aí tem outro pedacinho que foi
dado a uma filha, e um filho dessa filha já fez um outro pedaço atrás, quando a prefeitura
passou cadastrou era separado, cada uma separado. Aí, isso já é um porém, né? Isso já é
outra história que tem que sentar pra discutir.

[Pesquisadora] (...) O que Brasília representa e significa pra você?

[Celeste] Brasília, Brasília faz parte da minha história de vida, da minha família, minha irmã
que nasceu aqui, há cinquenta e quatro anos, né? Da formação dos meus sobrinhos, né?
Morando aqui, meus sobrinhos-netos, a gente tem toda nossa história da família
fundamentada dentro de Brasília Teimosa. História, de luta mesmo, a gente é de uma época
em que a gente participou de todo processo de reivindicação, de luta desse bairro, dessa

{ 416 }
questão da orla, dessa questão da documentação da terra, né? Da moradia e tantas e tantas
de outras, essa questão de imobiliária, a luta pela questão do transporte, de saneamento
que corresponde aos moradores de Brasília Teimosa. Porque a gente tem um péssimo
atendimento no que diz respeito a transporte, o saneamento de Brasília, Brasília fede. O
saneamento básico que era pra dar qualidade de vida ao povo, à comunidade, porque foi
um projeto mal feito, mal executado, o próprio técnico teve uma vez aqui e disse que tava
tudo errado, então Brasília em vez de melhorar, uma estação de tratamento dentro do
bairro, o pessoal é que tem que ligar quando tá cheio, as muriçoca só falta carregar o
pessoal da redondeza. O saneamento básico de cem por cento, quando a gente é uma área
ZEIS, e nas áreas ZEIS tem um atenuante, né, a gente paga cem por cento de saneamento
básico pra um serviço que não é um serviço de qualidade, né? Que estoura, que não tem
um escoamento devido. Então, Brasília é um lugar onde eu vim morar, por uma questão de
saúde da família, de mãe, Brasília é o lugar onde meus sobrinhos, meus irmãos cresceram,
onde minha irmã nasceu, é o lugar onde meus sobrinhos cresceram, e acompanharam essa
história do bairro. Brasília é um lugar maravilhoso de se morar, um lugar lindo, com uma
orla... Pena que a gente não tenha tido o trabalho de prolongamento de Boa Viagem, que o
projeto que seria esse, né isso? Infelizmente tem o povo mal educado, que a gente tem a
coleta de lixo, mas que eles não cuidam, eles sujam demais o bairro, demais a orla, né isso,
que pudia ser bem melhor. Brasília é um bom lugar de se morar, aqui a gente tem de tudo a
nível de comércio, a gente tem muita gente que vem fazer compra aqui, o que você procurar
a nível de carne, de médico, dentista, tudo o que você precisa você encontra aqui dentro.
Mas Brasília, também, agora paga o preço do progresso, a gente paga também esse preço
com a superpopulação, Brasília, que há algum tempo atrás tinha uma faixa de vinte e cinco
mil habitantes, o IBGE diz que a gente tem dezoito, dezenove mil, mas a gente calcula uma
faixa de trinta e cinco mil habitantes em Brasília Teimosa. Um bairro que foi fundado já com o
olhar no futuro, porque aqui a gente já tinha o voto aos dezesseis anos, a gente já fazia
plebiscito pra discutir as questões, a gente tinha eleições de conselho aonde a gente tinha
proposta, tinha projeto pra dentro da comunidade... E... A Brasília é maravilhosa! Todo
mundo quer morar em Brasília.

Outras Observações:
-

{ 417 }
{ 418 }
{ 419 }
PAISAGEM TEIMOSA
ENTREVISTA – PESCADORES E MARISQUEIROS - Nº 1

Nome: Edileuza Silva Nascimento (Dona Leu)


Idade: 61 anos
Profissão: Marisqueira
Tempo de Moradia na Comunidade: Mais de 40 anos
Local de Moradia: Rua Delfim (Vila Moacir Gomes)
Data/local da Entrevista: 04/05/2017 – Residência da Entrevistada (Rua Delfim)

[Pesquisadora] Por qual motivo à senhora mora aqui?

[Edileuza] Ele fez uma casa aqui pra morar, essa casa não é minha não, eu não posso pagar
aluguel em outro lugar. [Interrupção da pesquisadora: tem a questão de trabalho também,
né?] É, porque aqui é muito bom de viver, né? Tem a maré, pra gente viver, né? Também, né?
Porque a gente ganha muito pouquinho pra dá, tem a maré também.

(...)

[Pesquisadora] Você já pensou em morar em outro lugar?

[Edileuza] Se eu pudesse e morava em São José da Coroa Grande.

[Pesquisadora] Por quê?

[Edileuza] Porque lá é melhor, tudo é melhor, é melhor política, lá é melhor prefeito, lá é


melhor comunidade, lá é melhor, as pessoas tem os corações mais é, assim, acolhe muito as
pessoas, aqui só é não, não, não, não, se bota em uma porta "não", se bata em uma porta
"não", você bate na prefeitura "não”, você bate no hospital "não", você bate num posto
médico "não". (...) [Interrupção da pesquisadora: A senhora é de lá?] Sou de São José da
Coroa Grande, mas moro aqui há muitos anos, tá entendendo? (...) [Interrupção da
pesquisadora: Mas a Brasília mesmo, a senhora acha...?] Não, a Brasília eu sinto pouco, mas
dos superior, mas pra mim agora tem morador que é maravilhoso, as pessoas tudo gosta de
mim, porque eu sei viver, não chega uma pessoa na minha porta pra eu dá um "não",
mesmo se eu não puder eu digo " olhe, eu vou sair agora, mas venha daqui a dez minutos,
tá entendendo? Todo mundo gosta de mim que eu sei compartilhar com as pessoas (...). (...)
Porque as pessoas não é igual a mim, quando eu não tenho pra dentro de casa e dinheiro
pra comprar meu remédio, o que eu ganho não dá, eu saio daqui sabe pra onde? Pro
Shopping Tacaruna, remando sozinha, não tenho uma “baitera” não, mas eu vou, minhas
amigas me emprestam, tá entendendo?

[Pesquisadora] O que mais lhe agrada em morar aqui em Brasília Teimosa? E o que a
senhora acha que é positivo e o que é negativo?

[Edileuza] Eu acho um bairro muito bom, tem pouca violência, antigamente tinha mais e o
que é o que todo lugar tem, eu gosto mais do Rio Capibaribe, que é minha vida. O Rio
Capibaribe é minha vida, é minha história, é meu amor, é tudo o Rio Capibaribe significa pra
mim, é um ganha pão, né? É uma alegria, uma felicidade que eu sinto muito de tá nesse Rio
Capibaribe, pena que ele é muito sujo, eu não posso tomar banho nele, que eu só, se eu
{ 420 }
pudesse eu pagava pra um monte de pescadores e marisqueira pra poder a limpar, porque
tá muito sujo, ele tá precisando, né? (...) O rio tem o meio ambiente tão bonito, pra gente ele
é tudo na minha vida nesse Rio Capibaribe. Porque eu criei meus filhos e eduquei, criei
mesmo no colégio do governo, mas, né? E ele é tudo, quando eu tô devendo qualquer coisa,
pego a “baitera” e vou mim bora lá pro shopping Tacaruna, depois vou pra lá no governo, vou
mim bora, lá mergulho, já peguei ostra até de novecentas gramas, tem aqui, também tem,
aí pego ostra, aí pego marisco, pego sururu, pego siri, venho mim bora, dô ao vizinho, tiro pra
vender e vou comprar as coisas e vou comprar o remédio e assim. Eu não queria nunca
abandonar esse Rio Capibaribe. E as pessoas também são muito boas pra mim, porque eu
sei receber as pessoas, eu sei dar amor, eu sei dar carinho as pessoas, tá entendendo? Aí
ninguém é ruim pra mim. Qualquer lugar pra chegar, eu vivo, eu sei viver.

[Pesquisadora] E os pontos ruins que a senhora vê?

[Edileuza] Eu queria mais saúde, violência, droga, né? (...) Violência em cima de violência,
esse homem que entrou agora, tá acabando com todo mundo, quer tirar INSS, não quer que
a pessoa trabalhe mais e é muita coisa que tá acontecendo que você endoida, não sabe pra
que lado você vai. Todo mundo roubando, não precisa roubar o outro. Quando os pobre vai
roubar, aí cadeia, né (...)? Os conselheiros daqui é muito bom pra mim, é tudo bom pra mim
o pessoal daqui, eu não vou mentir, não tem nada ruim pra mim, o que tá rim é só tá saúde,
só saúde. Vou dizer que vou falar a você que os conselheiro é rim, o corporativo é rim, eles
são tudo bom pra mim, todos são ótimos, tá entendendo? Então é isso. É saber viver, né?
Pergunte mais alguma coisa.

[Pesquisadora] A senhora acha que Brasília Teimosa podia ser construída em algum outro
lugar?

[Edileuza] Não, quer acabar com a gente? Não é você não, é os superiores, os que se acham.

[Pesquisadora] Por quê?

[Edileuza] Porque Brasília não pode acabar, porque Brasília Teimosa é Brasília Teimosa. É a
mais histórica do mundo, do Brasil, de Pernambuco.

[Pesquisadora] E se por acaso, alguém conseguisse deslocar Brasília Teimosa, e aí?

[Edileuza] Vai nada! Eu morria, eu morreria, vai nada, jamais, jamais!

[Pesquisadora] E a senhora acha que Brasília Teimosa tem uma relação forte com o mar?

[Edileuza] Sim.

[Pesquisadora] Por quê?

[Edileuza] Porque é natureza já. O mar quer acabar, mas nem o mar vai acabar porque Deus
não vai deixar, nem o mar vai acabar porque Deus não vai deixar. Brasília Teimosa se chama
Ilha de Deus, é como a ilha de Deus lá, né? Brasília Teimosa pra mim se chama ilha de Deus.

[Pesquisadora] E a senhora acha, vendo isso, que o mar tem uma relação com a
comunidade? O que a senhora acha que o mar representa pras pessoas, o mar e o rio?

[Edileuza] É muita coisa boa, muita felicidade. É bom, até comida. O mar traz comida, o mar
traz felicidade, o mar é saúde, o mar é tudo. Veja que onda bonita, você pode tá com a maior
{ 421 }
raiva do mundo, com a maior tristeza, como eu fico aqui, sem poder ajudar o próximo, eu vou
pra beira do mar, ou pra beira do rio, se eu passar dez minutos eu venho maravi...oxe! Parece
que eu boei, só basta você olhar pro mar, teja aperreada e olhe pro mar, quando quiser
passar nas provas, vá no mar, ou se você for evangélica, você ora, se você for católica você
reza, pra você vê se não vai lhe ajudar. Se não fosse a violência e a droga ia ser riquíssimo
(...).

[Pesquisadora] Como a senhora vê Brasília Teimosa daqui a dez anos (...)?

[Edileuza] Eu não vou tá mais viva (...). Eu vou ver Brasília Teimosa mais bonita, né? Mais pra
frente, né? Vai ser uma, eu queria que ela fosse uma cidade e tivesse um hospital, ou se
não, uma UPA, que melhorasse saúde, melhorasse saúde, porque saúde é tudo na vida. Se
você tem muito médico e não tem remédio, tem muito médico, tem muito médico, mas não
tem remédio. Porque eu não vou dizer que os médicos são ruim, pra mim não, pra mim eu
não encontro nada ruim (...).

[Pesquisadora] E em relação a esse pessoal que quer tirar Brasília Teimosa daqui, o que a
senhora percebe daqui a dez anos?

[Edileuza] O olho grande que ele tem, mas ele vai tirar não, dinheiro não compra nada não,
o dinheiro não compra felicidade, o dinheiro só traz ambição, tá entendendo?

(...)

[Pesquisadora] O que Brasília representa pra senhora? O que ela significa?

[Edileuza] Muita coisa, menina, significa o paraíso, Brasília é minha vida, Brasília é meu amor,
Brasília é tudo. Eu quero fazer parte há muito tempo dessa história. Brasília do meu coração!
Então eu não tenho nada a reclamar, se eu tivesse uma ajuda, partilhar uma “baitera”, um
motor, aí eu ficaria mais feliz, ia me ajudar mais.

Outras Observações:
-

PAISAGEM TEIMOSA
{ 422 }
ENTREVISTA – PESCADORES E MARISQUEIROS - Nº 2

Nome: Severino Francisco (Dentinho)


Idade: 48 anos
Profissão: Pescador
Tempo de Moradia na Comunidade: Nasceu na Comunidade
Local de Moradia: Rua Afrânio (Colônia)
Data/local da Entrevista: 04/05/2017 – Associação de Pescadores de Brasília Teimosa (Vila
da Prata)

[Pesquisadora] (...) Você mora aqui?

[Severino] Moro.

[Pesquisadora] Há quanto tempo?

[Severino] 48 anos, sou nascido e criado aqui. Sou nascido aqui do tempo do barro, do
tempo que a gente carregava água no galão, chafariz.

[Pesquisadora] (...) Você mora onde por aqui?

[Severino] Eu moro na Rua Afrânio (...).

[Pesquisadora] (...) E hoje, você mora aqui por quê?

[Severino] Eu moro aqui porque a gente já é nativo aqui mesmo, eu sou nativo e não
pretendo sair daqui mais pra canto nenhum. Porque eu vivo da pesca, a pesca é meu sustento
do dia-a-dia, aí, se eu sair daqui pra outro canto, não vou ter o privilégio que tenho aqui, né?
Eu não vou me adaptar, e aqui a gente ainda pesca e em muito canto nem trabalho tem pra
viver, né? E aqui vou morrer, nasci aqui, aqui mesmo, só daqui pra Santo Amaro.

[Pesquisadora] (...) Pronto, então você nunca pensou em morar em outro lugar?

[Severino] Não, não, não.

[Pesquisadora] Por esse motivo mesmo?

[Severino] Isso.

[Pesquisadora] O que é que mais agrada você em morar aqui em Brasília Teimosa? Quais
são os pontos positivos e os negativos?

[Severino] Agrada, os positivos, vale a pena investir nos positivos, e os negativos a gente faz
vista grossa, e faz de conta que não viu, não mexendo comigo, ai pode fazer o que quiser.

{ 423 }
(...)

[Pesquisadora] Mas a característica da comunidade mesmo, que você acha que...

[Severino] Eu não tenho nada o que falar, pra mim tudo é ótimo, que eu moro aqui 48 anos e
ninguém nunca mexeu comigo, né? Então não tenho nada que reclamar, sabe? Tem
algumas falha, mas falha todo mundo tem, aliás, o mundo todo tá cheio de falha, a gente
não pode discriminar ninguém, não pode reclamar de um pelo benefício de outro (...).

[Pesquisadora] (...) Em relação à Brasília Teimosa, você acha que Brasília Teimosa poderia
ter sido construída em outro lugar da cidade?

[Severino] Olhe, vou ser bem sincero. Pra mim, não, porque se fosse construir em outro lugar,
hoje eu não tava aqui, né, nem você também tava aqui, né. Você tá aqui porque existe
Brasília Teimosa, se Brasília Teimosa fosse em outro lugar, você não tava nem aqui. Tem
canto aqui, ó, vocês anda isso aqui tudinho, ninguém mexeu com você, mas tem canto no
Coque que se você entrar, você, talvez nem com a bolsa você saia, sua sandália, seu sapato,
capaz de sair até descalço de lá. Afogados, Coelhos, aqui não, aqui você anda essa área aqui
todinha e ninguém vai mexer com você. Você vai passar por meio de favela, por meio de
boca, vai olhar você, vai admirar, (...) a única coisa que vai acontecer com você é assim, mas
dizer assim, que vai chegar, vai roubar você a aqui dentro, é mentira.

[Pesquisadora] (...) E se por acaso, Brasília Teimosa, hoje, assim, fosse deslocada pra outro
lugar?

[Severino] Aí vai prejudicar muita gente aqui, principalmente pescador, porque aqui a gente,
Brasília Teimosa, é construída em cima dos pescador, isso aqui existe hoje através dos
pescadores, isso aqui é uma ilha ilhada de pescador, tanto é que existe a colônia Z-1 do Pina,
primeira associação do mundo é a Z-1 do Pina, é aquela primeira de lá. Isso aqui é a
associação, lá é a colônia, tendeu? Lá é a que tá todas as comunicação de Brasília Teimosa,
Brasília Teimosa existe por causa daquela colônia, aí de repente, começou a crescer,
começou virar, assim, ter líder comunitário, é, outra associação, aí, adiantando coisa,
médico, posto, creche, colégio, aí envolveu a associação pra trazer isso aqui pra dentro. Mas
sobre outras coisa, não tenho nada de reclamar de Brasília Teimosa, e eu sou muito
gratificado de existir aqui, porque quem entra aqui não quer sair.

[Pesquisadora] (...) E você sente que Brasília Teimosa tá, assim... Algumas coisas você já
respondeu, indiretamente, mas vou perguntar mais diretamente... Você acha que Brasília
Teimosa tem uma relação forte com o mar e com o rio?

[Severino] Não, não porque é muita gente. Não é que Brasília Teimosa não tenha, certo,
Brasília Teimosa tem, a gente cuida, mas só, é que esse rio aqui, esse rio aqui é um rio rico,
ele torna rico e torna o rio morto, ele é vivo esse rio aí, mas por quê? Não que a gente suje
ele, as indústria, o shopping suja, prédio, aqueles prédio novo, aqueles mangue que tem lá,
indústria suja, Boa Viagem o rio suja, tudo suja esse rio, porque a poluição só entra dentro
dele, e é um rio que [não compreensível]. (...) É porque a maré tá aqui ó, aqui tem esse rio,
{ 424 }
aqui dá sustento pra mais de 3 mil pescador dentro aqui, que pega aqui marisco, sururu, é
siri, unha de véio, é camarão, é peixe, tudo isso aqui o rio tem, agora devia ser melhor se
nossos órgãos competente olhassem e concentrasse a população que não poluísse o rio,
agora só que os rico só pensa neles, não pensa, a gente pensa no rio, mas ele não pensa.

[Pesquisadora] Não atinge, né?

[Severino] Não atinge. A gente não atinge o rio não, porque a gente, pronto, vamo supor, a
gente tem um coisa básico da gente, a cisterna da gente, o básico, pra não botar poluição
sobre, assim, resíduo, sobre nosso mesmo, em casa, no dia-a-dia, pra não colocar bagagem,
eu mesmo tenho meu reservatório em casa, se encher, eu vou e chamo o carro e o carro
vai, mas o rico não tem, o rico é dentro da maré, a cisterna do rico é a maré. É que nem
aquilo alí, ó [apontando para o Cais José Estelita], aquilo ali existia uns tonel ali, ali se chamava
o melaço, ali era muita carreta, ali ainda, ainda tem uns tonel, tá vendo, ali tem uns tonel ali,
ali era no melaço, tá certo? Aquilo ali, veja só, aquilo ali, o certo aquilo ali é da gente que é
pescador, ali é mangue, agora você vê que você fez, né, vê o dos outros, tomaram o da gente
pra fazer benefício pros rico, quer dizer, querem fazer ali, quer, vai ficar bonito, vai, pra eles,
pra gente não, porque vai chegar tempo que pescador não passa ali, a região vai ser área
fechada pra rico. Como é que o pescador, eu, eu sou nativo daqui, tô vendo aquilo ali todo
dia, passo ali todo dia, mas não passo ali daqui a 20 ano? Se eu tiver vivo daqui há 20 ano, 10
ano, eu não passo mais aqui, que nem meu filho, meu neto, não vai passar ali, quem vai
passar ali é só rico. O que é que ele quer fazer ali? Quer fazer prédio, quer fazer benefício pra
ele, loja, agora, quer fazer, agora, a poluição dali vai pra onde? Vai toda pra dentro do rio,
quer dizer, quem acaba, quem tá acabando com a natureza não é a gente, quem acaba com
a natureza é o rico. Você estuda pra proteger a natureza, enquanto você tá estudando pra
proteger a natureza, o rico tá pensando em destruir ele, né verdade? Porque veja só, de
primeiro, olhe, a gente, pra você ter o carro, você tem que ter uma garagem, você pega um
carro, você deixa no meio da rua. O rico, a indústria, ela acaba com você, ela tira você da sua
casa aqui pra fazer avenida pra passar carro. Quer dizer, ela acaba com todos os tipo de
plantação, tira você do lugar que você é nativo dali, criado e nascido ali, perdeu sua vaga pra
passar área industrial, é uma coisa que não existe. Tá tomando uma coisa que é sua pra botar
carro. Quer dizer, beneficia você? Não, beneficia a indústria. Quem vai ganhar dinheiro é
quem? A indústria. E você perdeu seu lugar que você morava há tantos ano, que você dizia
assim “daqui eu não saio, daqui eu não saio, daqui eu não saio”, e o rapaz veio, veio a
prefeitura, veio o rico, tirou você dali, [dizendo] vou pagar, compro o que eu quero, e tira
você e pronto, pra fazer o quê? Área de carro.
(...)

[interrupção]

[Severino] (...) não tem outra atividade, só sei viver da pesca. Ai você leva pra trabalhar numa
indústria, não sei trabalhar na indústria. Você aqui, chega, manda eu fazer uma rede pra você,
a gente faz uma rede pra você (...), vai fazer uma embarcação, eu faço um barco pra você, aí
chega na indústria, vou trabalhar de, é, ajudante, ajudante é ser o quê? Varrer o chão, aí tem
hora pra chegar, tem hora pra largar, é, receber ordem. Salário, não existe salário, você
recebe num mês, no outro a firma não paga, e aqui a gente “veve”, tem dia que a gente
ganha, “veve” bem, tem dia que a gente não ganha, mas “veve” bem também (...).
{ 425 }
[interrupção]

[Pesquisadora] (...) Em relação a essa questão do mar, é, o que você acha que o mar
representa pra Brasília Teimosa? E o rio? Em relação ao morador de Brasília Teimosa.

[Severino] Tudo, esse rio aqui é tudo pra gente, sem esse rio aqui a gente não “veve”, no que
Brasília Teimosa tá aqui dentro, quem “veve” da pesca aqui, você contar aqui, tem muito mais
pescadora de marisco e sururu de que próprio trabalhador de indústria, isso aí, quer dizer,
que se acabar esse rio aqui, acabou Brasília Teimosa, acabou, acabou, isso aqui é pai e mãe de
Brasília Teimosa, eu amo isso aqui, isso aqui, pai e mãe.

[Pesquisadora] E o mar?

[Severino] O mar, não tem nem palavra. Se o mar acabar, acabou-se tudo pra gente, acaba
tudo, se o mar acabar, acaba tudo. (...) Tirou o mar da gente, a gente, “ói”, tirou o mar do
pescador, o pescador ficou cego, aleijado e cotó, é porque é onde a gente, vocês, só eu, a
gente pescador, só enxerga o que? O mar. O pescador só enxerga o mar. A vida do pescador é
o mar, quer dizer, tira o mar da gente, a gente ficou cego, aleijado e cotó, é, porque a gente
vai andar pra onde? Vai trabalhar, que a gente tem mão pra trabalhar, mas vai trabalhar
com o que? Tira o mar da gente, a gente vai ficar [não compreensível], vai trabalhar na
indústria cego, (...), nós vê, mas não sabe a atividade que a gente tá fazendo. Tira o mar da
gente, acabou tudo. Esse barco ai, esse barco é 20 dias de mar, esse barco aí ó. Aí tem aí,
“ói” [apontando], cinco pescador, tudo vai deixar suas família em terra atrás do ganha-pão,
vai vim ai 20 dia de mar (...).

[interrupção]

[Pesquisadora] (...) Como você vê Brasília Teimosa daqui a 10 anos?

[Severino] Se eu tiver vivo, veja só, se eu tiver vivo, se Jesus permitir que eu teja vivo, que a
gente não sabe o dia de amanhã, né?! Pode ser melhor e pode ser pior, porque brevemente
vocês aqui, vocês vão perguntar daqui a 10 ano, você acha que daqui a 10 anos... (...) Eu
tenho 48 [anos], daqui que venha 10 ano, eu tô com 58 ano (...). Você acha que daqui a 10
ano você vai tá fazendo essa entrevista com eu aqui?

[Pesquisadora] Não sei.

[Severino] Sabe por quê? Porque eu vou dizer a você, já tem gente querendo botar a gente
pra fora daqui. Os rico já querem botar a gente pra fora daqui. Os rico, já tem gente, Paes
Mendonça mesmo já tá de olho aqui dentro. Paes Mendonça nunca veio pra carnaval de
pobre, veio praqui brincar carnaval aqui só pra olhar o que é que tem aqui pra ver, e chegar,
dizer “eu quero essa casa aqui, eu quero aquela casa ali, bota pra fora e pronto”. O hômi
tem dinheiro. Aí daqui a 10 ano você vai tá fazendo essa entrevista comigo aqui, se eu tiver
vivo, eu faço ainda essa entrevista com você, agora, não aqui mais. Que daqui a 10 anos isso
aqui não existe.

[Pesquisadora] Você acha que não vai existir?

{ 426 }
[Severino] Nada, não existe nada. Daqui a 10 ano já vai ter prédio aqui grande. (...) O ideal é
que as pessoa não vendesse. Mas, “ói”, eu moro aqui faz muitos ano, essa zona aqui era
tudo palafita (...). Num veio um presidente no mundo olhar pra Brasília Teimosa, o único
presidente ladrão que, que dizem que é ladrão, que fez pelo nordeste todinho foi Lula, ele
fez. [Dizem] “Não, porque ele roubou”, ele roubou mas ele fez pro nordeste. Agora ninguém
olha o que ele fez não, ninguém tá olhando o que ele fez não, tão olhando o que ele
roubou. (...) Quem é que tá roubando ai? Você ver, Michel Temer com Dilma, ele não
roubou não? Roubou, tá na presidência acabando com o que a gente tem, tá tirando todo o
dinheiro da gente. Quer dizer, um homem daquele tá no governo, tá no poder, né? Lula,
que não fez nada, pra quê prender ele, Lula. Não prenderam Lula ainda porque tão
tentando botar ele, mas não tem prova. Se ele vinher, eu voto nele, eu voto nele. Se ele
ganhar, isso aqui ainda, se ele ganhar, ainda tem chance de Brasília Teimosa resistir, mas se
ele não ganhar, pode dizer que daqui a 10 ano isso aqui não existe mais não, existe nada.

[interrupção]

[Pesquisadora] (...) O que é que Brasília Teimosa significa pra você? O que ela representa
pra você?

[Severino] A vida, representa minha vida. A minha vida, a vida dos meu companheiro e todos
os morador daqui, né, é a vida da gente, que quem sair daqui, morre. Quem sair daqui, morre,
porque não tem como viver não, aqui a gente “veve”, a gente não vegeta não, a gente “veve”,
se sair daqui a gente não vai viver não, a gente vai vegetar (...). Quem sai de Brasília Teimosa
se arrepende até hoje, quer morar, quer voltar e não tem condições pra vim pra cá mais.
Quem sai [diz] “não, porque eu peguei um dinheiro bom”, pegou mas tudinho um dia vai se
acabar, tudinho vai se acabar. Tu vai querer voltar pra cá, vai ter condição não, mas nós vai
fazer o que, vai morrer lá, (...), a gente não morre não, aqui (...) a gente não vegeta não,
aqui a gente “veve”, lá vai morrer vegetando. A gente “veve”.

[interrupção]

[Pesquisadora] Qual a relação de vocês com o Iate Clube?

[Severino] Não serve pra gente pra nada.

[Pesquisadora] Nem atrapalha, nem...

[Severino] Não, nem atrapalha a gente, nem a gente se [não compreensível].

Outras Observações