Sei sulla pagina 1di 25

Esterilização

Introdução
Os processos biotecnologicos variam quanto ao seu
grau de esterilização.

Processos onde a presença de contaminantes deve


ser nula
- Produção da penicilina
- Produção de enzimas
- Alimentos

Processos onde a presença de contaminantes pouco


ou nada alteram o resultado
- Fermentação láctica
- Tratamento biológico de resíduos
- Produção de vinagre
EAG - 2010 2
Definições
Esterilização: eliminação de todos os microrganismos de
um determinado material, inclusive os esporos de
bactérias que são altamente resistentes.

Desinfecção: Remoção ou destruição dos


microorganismos capazes de causar infecção.

Assepsia: Remoção de microorganismos patogênicos ou


indesejados

Pasteurização: Tratamento térmico seguido de


resfriamento para redução drástica do número de
microorganismos.

EAG - 2010 3
Definições
Desinfetante : desinfecção = morte de muitos, mas não de
todos os microrganismos. Os desinfetantes variam em
relação à danificação dos tecidos : fenol - objetos
inanimados / etanol e iodo - superfícies cutâneas.

Anti-séptico : substância química utilizada em pessoas ou


animais para matar microrganismos da superfície da
pele e mucosas. Ex : mertiolate; Iodo (polevidine).

Biocidas: Agente bactericida /fungicida / viricida =


substâncias microbicidas : matam micróbios.

Biostáticos: Bacteriostáticos / virostáticos / fungistáticos =


substâncias microstáticas, só param crescimento. (ex :
maioria dos antibióticos ).
EAG - 2010 4
Modos de ação
Agentes esterilizantes podem ser
• Físicos
• Químicos
• Remoção direta (ar)

Critérios de escolha:
• Efetividade em alcançar um nível aceitável de
esterilidade;
• Efeitos positivos e negativos sobre os componentes
do meio;
• Custo de investimento operacional.

EAG - 2010 5
Modos de ação
Ações - Morte celular por lesões

- Desnaturação de proteínas
- Deterioração de carboidratos (produtos tóxicos)
- Oxidação de constituintes
- Coagulação de proteínas
- Quebras e rearranjos de ácidos nucléicos
- Ionização de moléculas
- Alquilação de proteínas
- Interações nas membranas celulares

EAG - 2010 6
Esterilização por agentes físicos
• Calor seco
• Calor úmido (mais comum)
• Radiação UV
• Radiação gama (ionizante)
• Ultrassom

EAG - 2010 7
Calor úmido
- Mais freqüente: facilidade de obtenção, manuseio,
eficácia e custo baixo.
- Utilizado para tubulações e reatores vazios ou
carregados.
- Pode ser utilizada filtração com
cartuchos esterilizantes.
- Temperatura elevada associada
a elevado grau de umidade
- Desnaturação irreversível de
proteínas

Autoclave horizontal

EAG - 2010 8
Calor úmido
-Em reatores vazios: injeção direta de vapor (até 121 oC e
1atm)

-Em reatores com meio (descontínua): Vapor injetado nas


serpentinas até 97oC. Após injeção direta no meio de
cultura (até 121oC e 1 atm). Mantém-se pelo tempo
adequado (60min).

-Reatores com esterilização programável: Automatizados


com auto esterilização por injeção de vapor diretamente
no meio.

-Esterilização em autoclave: reatores de pequeno porte


(30L) podem ser esterilizados em autoclave.
EAG - 2010 9
Calor úmido
Requisitos de um reator esterilizado por vapor úmido:

-Filtros nas entradas de ar e exaustão

-Válvula de segurança

-Sistema de agitação preferencialmente superior

-Linhas devem ter acesso a esterilização por vapor

EAG - 2010 10
Calor úmido
Detalhes da esterilização
-Durante o processo o meio de cultura deve ser agitado
-Fazer circular vapor pela serpentina até temperatura 96
97ºC; válvulas,filtros, tubagens são esterilizados por
vapor fluente.
-Injeção de vapor direto no meio de cultura até aos
100ºC
-Reator fechado até 121ºC .
-A injeção direta pode então ser cortada e controlada a
temperatura e pressão através da serpentina
- O resfriamento é conseguido com circulação de água.

OBS: Se um reator é usado para bactérias e fungos deve


passar por um tratamento químico antes do vapor.
EAG - 2010 11
Reator esterilizável por calor úmido

EAG - 2010 12
Calor seco
-Feita em fornos ou estufas (até 160oC).

-Sem umidade a transferência de calor é mais lenta


(tempos maiores de exposição)

EAG - 2010 13
Esterilização por UV
• Utilizado mais para vidros, embalagens, utensílios
metálicos, etc.

• Raios UV agem
diretamente no DNA
e RNA.

• A esterilização é feita
expondo o material a radiação pelo t adequado.

• Nem todas substancias são suscetíveis a radiação. A


sensibilidade é afetada por: pH, estado fisiológico das
células, constituição genética.
EAG - 2010 14
Esterilização por radiações gama
-Produzida por elementos radioativos (Co60 ou
Cs137).

-Variado número de interações com a radiação

-Radiações altamente penetrantes e nocivas.

-Não torna os elementos expostos radioativos.

EAG - 2010 15
Esterilização por radiações gama

Irradiador de
alimentos
(fonte: Revista
Brasil Nuclear)
EAG - 2010 16
Esterilização por agentes químicos
-Utilizados mais como desinfetantes do que como
agente de esterilização.

-Mecanismos básicos de atuação: desnaturação de


proteínas e solubilização de lipídeos

-Utilizados quando há incompatibilidade entre calor


úmido e materiais dos equipamentos.

-Exige maiores tempos de contato. Capacidade


relacionada a tipo de materiais, características
químicas do ambiente.
EAG - 2010 17
Esterilização por agentes químicos
-Agentes:
• Fenol (desnaturação de proteínas e danos à
membrana),
• Oxidantes (cloro, iodo, peróxido de hidrogênio,
óxido de etileno, gluconato de clorohexidina),
• Alquilantes (desnaturação de proteínas através de
quebra de pontes de hidrogênio;
• Formol, β-propiolactona, glutaraldeído 2%),
• Alcoois (desorganização da membrana lipídica;
isopropanol, etanol),
• Metais pesados (para assepsia cutânea),
• Detergentes (agem nos lipídeos da membrana).
EAG - 2010 18
Esterilização por agentes químicos
Desinfectante Vantagens Desvantagens

Acido peracético/peróxido de Não requer ativação . Odor e Compatibilidade com met. como
hidrogênio irritação insignificante chumbo, cobre zinco, etc
Glutaraldeído Muito estudado. Excelente Irritação respiratória. Odor
compatibilidade pungente. Atividade relativamente
lenta.
Peróxido de Hidrogênio No activation requiredMay Material compatibility concerns for
enhance removal of organic brass,zinc, copper, and nickel or
matter andorganismsNo disposal silver platingSerious eye damage
issues No odor or irritation issues if contacted
Compatible with metals, plastics,
and elastomers
Ortoftalaldeído Ação rápida. Alto nível de Mancha pele, roupas e ambientes.
desinfecção. Não requer ativação.
Excelente compatibilidade.
Ácido Peracético Ambientalmente inócuo (sub Potencial incompatibilidade
produtos ácido acético, O2, H2O). Utilizado para instrumentos
Sem efeitos adversos a saude. submersos
Sérios danos a olhos e pele
(quando concentrado).
Não possui longos períodos de
estocagem.
Adaptado de: RUTALLA W, WEBER D. Disinfection of endoscopes: review of new chemical sterilants used for high level disinfection.
Infect Control Hosp Epidemiol. 1999; 20: 69-76
EAG - 2010 19
Esterilização por agentes químicos
-Agentes gasosos
• Quase não utilizado em indústrias de fermentação.
• Utilizado para assepsia de salas e laboratórios
(vapores de formaldeído).
• Sua ação depende da concentração do agente, da
umidade e da temperatura.
• Mais utilizados: óxido de etileno, óxido de
propileno, formaldeído e betapropiolactona.

EAG - 2010 20
Cinética da destruição térmica
-A Velocidade de destruição pelo calor úmido
depende:
– Do MO;
– Do meio;
– Da temperatura
• As fases da esterili-
zação térmica descontí-
nua são:
I.Aquecimento
II.Esterilização
III.Resfriamento

EAG - 2010 21
Cinética da destruição térmica
-A taxa de células vivas diminui com o tempo (T >
Tletal)
Taxa específica
dN = N - kN de morte

dt
Taxa específica
de crescimento
-Como na esterilização não há crescimento, a taxa de
células vivas decresce com o passar do tempo:
dN = - kN
dt
ln N = ln N0 – kt ou N = No e-kt

-K também é denominado constante de velocidade de


destruição e para um determinado mo. em determinado
meio depende apenas de T.
EAG - 2010 22
Cinética da destruição térmica
-Número de organismos vivos (N) após um tempo t a
uma temperatura T.

EAG - 2010 23
Cinética da destruição térmica
-A dependência de k com a T é dada pela equação de
Arrhenius:
k = A e-E/RT

A = constante empírica
R = Constante universal dos gases
E = energia de ativação de destruição do
microorganismo

-Um pequeno aumento na temperatura tem mais


efeito em quem tem E maior.

EAG - 2010 24
Cinética da destruição térmica
-A dependência de k com a T é mostrada no gráfico
abaixo:

EAG - 2010 25