Sei sulla pagina 1di 6

Artigo de revisão de literatura

Planejamento radiográfico e tomográfico para instalação de implan-


tes dentários

Cauê Monteiro dos Santos1


1 Bacharel em Odontologia pela Faculdade de Macapá - FAMA. Faculdade de Macapá - FAMA, Brasil. E-mail: cau-
e.bass@gmail.com

RESUMO: O sucesso do tratamento com implantes dentários está relacio-


nado diretamente com o planejamento correto para instalação do mesmo.
Inserido neste contexto de planejamento para instalação de implantes den-
tários, a avaliação radiográfica e tomográfica se mostram como uma das
mais importantes etapas. As radiografias e tomografias possibilitam o estu-
do das áreas anatômicas que precisam ser respeitadas no ato cirúrgico e
oferecem subsídios para se estudar os sítios teciduais que receberão os di-
versos tipos de implantes dentários. Este trabalho tem como objetivo reali-
zar uma revisão de literatura sobre planejamento radiográfico e tomográfi-
co para instalação de implantes dentários, buscando mostrar a modalidade
de imagem ideal para tal procedimento.
Palavras-chave: Técnicas radiográficas; implantes dentários; tomografia.
Radiographic and tomographic planning for placing dental implants
ABSTRACT: Successful treatment with dental implants is directly related to
proper planning for installing the same. Within this context of planning for
dental implants installation, radiographic and tomographic appear as one of
the most important steps. Radiographs and CT scans enable the study of
anatomical areas that need to be respected during surgery and provide ad-
ditional data to study the tissue sites that receive different types of dental
implants. This study aims to conduct a review of literature on radiographic
and tomographic planning for placing dental implants, in order to show the
ideal imaging modality for such a procedure.
Keywords: Radiographic techniques; dental implants; tomography.

1 Introdução uma excelente escolha no que diz res-


peito a minimizar este desafio (CARVA-
A reabilitação oral de pacientes, LHO et al., 2006).
parcialmente ou totalmente, edêntulos Uma das primeiras formas de avali-
sempre foi um desafio para a Odonto- ar se um paciente pode ser considera-
logia, pois devolver a capacidade foné- do um candidato ou não a receber um
tica, recuperar o correto funcionamen- implante dentário se dá através dos
to do sistema estomatognático e aten- exames radiográficos (BABBUSH et al.,
der às expectativas psicológicas dos 2011).
pacientes quanto ao tratamento não é O planejamento imaginológico re-
uma tarefa simples. Indubitavelmente, presenta uma fase primordial para ins-
a Implantodontia tem se mostrado talação de implantes dentários, pois

Estação Científica (UNIFAP) http://periodicos.unifap.br/index.php/estacao


ISSN 2179-1902 Macapá, v. 4, n. 1, p. 17-22, jan.-jun. 2014
18 Santos

permite identificar estruturas anatômi- simples de se executar. Mensurar a


cas vitais, a exemplo, o nervo alveolar altura vertical e a qualidade óssea teci-
inferior e o seio maxilar. A interpreta- dual também são realizadas com os
ção das modalidades de imagens con- exames periapicais. Possuem como
tribui grandiosamente com a mensura- limitação a bidimensionalidade e dis-
ção da angulação do processo alveolar torção (NAGARAJAN et al., 2014).
e da largura óssea vestíbulo-lingual A indicação da radiografia oclusal na
disponível. Detectar processos patoló- implantodontia é limitada, pois a ima-
gicos e determinar o comprimen- gem mandibular produzida com este
to/largura do implante que será colo- tipo de técnica é bastante alterada,
cado também são feitos com o auxílio devido o fato de a mandíbula geral-
de radiografias e tomografias (NAGA- mente ser dilatada anteriormente e
RAJAN et al., 2014). possuir uma inclinação para a lingual
posteriormente. Portanto, captando
2 Metodologia uma imagem obliqua e distorcida do
processo alveolar da mandíbula. As
Realizou-se uma revisão de literatu- radiografias oclusais não são preconi-
ra por meio da consulta aos indexado- zadas para planejamento em implante,
res de pesquisa nas bases de dados seja em mandíbula ou em maxila, já
eletrônicos (PubMed e Google Acadê- que a sobreposição de estruturas ana-
mico). O levantamento foi realizado tômicas e distorções são muito presen-
com as seguintes palavras-chave: tre- tes neste tipo de exame (CALMON,
atment planning/planejamento do tra- 2011).
tamento, dental implants/implantes A radiografia lateral do crânio, com
dentários, diagnostic radiogra- uso de cefalostato, é utilizada para fa-
phic/diagnóstico radiográfico, compu- zer mensurações, quer sejam lineares
ted tomography/tomografia computa- ou angulares, e é assim denominada
dorizada. Monografias e Livros especia- radiografia cefalométrica (FREITAS et
lizados também foram revisados. al., 2004).
A radiografia cefalométrica pode ser
3 Resultados e discussão utilizada na determinação da qualidade
óssea local, principalmente na região
A radiografia periapical é empregada anterior da mandíbula. Através desta
no intuito de se encontrar processos técnica radiográfica é possível localizar
patológicos na avaliação anatômica dos a inclinação e dimensões buco-linguais
locais que receberão os implantes den- na região maxilar anterior. As desvan-
tários. É empregada no pós-operatório tagens desta técnica no planejamento
para avaliar a osseointegração do im- para instalação de implantes são re-
plante. Os exames periapicais apresen- presentadas pelo seu potencial de so-
tam boa visualização trabecular óssea, breposição de imagens e na limitação
baixa dose de radiação e é uma técnica de informações lateralmente em rela-

Estação Científica (UNIFAP) http://periodicos.unifap.br/index.php/estacao


ISSN 2179-1902 Macapá, v. 4, n. 1, p. 17-22, jan.-jun. 2014
Planejamento radiográfico e tomográfico para instalação de implantes dentários 19

ção ao plano sagital médio (NAGARA- necer imagens com tridimensionalida-


JAN et al., 2014). de (KIM et al., 2011).
A cefalométrica é uma técnica de A técnica para se tomar uma radio-
baixo custo e fácil aquisição, mas limi- grafia panorâmica ministra princípios
tada para o planejamento cirúrgico de de rotação em que estruturas fora do
implante, já que oferece informação fulcro focal não são devidamente vi-
transversal limitada à linha mediana sualizadas. Também apresenta outras
(CALMON, 2011). desvantagens para o planejamento da
A radiografia panorâmica é uma instalação de implantes, a exemplo,
técnica extraoral que produz imagem presença de distorção geométrica, am-
do arco superior e inferior. Através de- pliação das estruturas observadas. Ou-
la é possível criar uma relação entre o tro ponto importante é que a radiogra-
local da cirurgia implantar e as estrutu- fia panorâmica, no que concerne à ava-
ras anatômicas presentes na mandíbu- liação óssea trabecular, exibe qualida-
la e na maxila. Um ponto desfavorável de inferior em relação às radiografias
desta modalidade de exame se dá pelo periapicais (IBRAHIM et al., 2013).
fato dela ser muito sensível ao posicio- A técnica panorâmica tem as suas
namento da cabeça. Portanto, erros de limitações em relação ao planejamento
posicionamento corporal na hora do e avaliação dos maxilares pré e pós-
exame implicam diretamente em fa- implante. Distorção no plano horizon-
lhas na dimensão horizontal e mensu- tal, ampliação de relações no plano
rações questionáveis, o que prejudica a vertical, imagem bidimensional, sobre-
instalação correta de um implante den- posição de sombras das vias aéreas, as
tário (ZARCH et al., 2011). sombras dos tecidos moles e imagens
Corriqueiramente as radiografias fantasmas são limitações presentes na
panorâmicas são usadas na avaliação técnica que interferem com a interpre-
pré-implantar e na síntese de protoco- tação radiográfica. Quando se faz ne-
los de tratamento. A tomada panorâ- cessário a determinação precisa de
mica pode ser empregada para avaliar qualidade e quantidade óssea oferta-
a altura do osso alveolar residual no da, são pedidas técnicas de captura de
sítio que receberá o implante, deter- imagens mais sofisticadas (GOETTEMS,
minar a localização do assoalho nasal e 2010).
do piso maxilar, auxiliar no diagnóstico A tomografia computadorizada con-
de lesões nos maxilares e na visualiza- segue ultrapassar uma série de limita-
ção do intervalo entre as raízes dentá- ções que são frequentes nas radiogra-
rias. O exame panorâmico é um méto- fias em películas e digitais. As limita-
do eficaz, simples de se fazer e barato. ções das radiografias em películas e
Fornece informações verticais de ex- digitais são: não mostrar profundidade
tremo valor ao planejamento na insta- e espessura, não distinguir os tipos de
lação de implantes. A desvantagem tecidos duros e moles e distinguir a
desta técnica está no fato de não for- densidade do tecido somente de ma-

Estação Científica (UNIFAP) http://periodicos.unifap.br/index.php/estacao


ISSN 2179-1902 Macapá, v. 4, n. 1, p. 17-22, jan.-jun. 2014
20 Santos

neira superficial (osso/não osso). A pa- Esta técnica recebe indicação quan-
lavra tomo significa fatia no grego, ou do há dificuldade em se observar o ca-
seja, um exame tomográfico faz fatias nal mandibular na radiografia panorâ-
da área a ser examinada no corpo hu- mica, já que a tomografia permite a
mano e isso gera uma imagem mais observação mais precisa desta estrutu-
profunda do que as radiografias con- ra em três dimensões e o delineamen-
vencionais (BABBUSH et al., 2011). to mais seguro da sua relação com a
Através da tomografia computadori- crista óssea alveolar. Recebe indica-
zada é possível medir o volume de osso ções, também, em casos de implantes
residual, a distância que separaria o unitários, múltiplos ou complexos, na
implante de uma eventual estrutura região posterior da maxila e mandíbu-
anatômica e quantificar a densidade la, na região anterior da maxila, em
óssea, permitindo controlar a densida- casos de rebordos residuais ou “em
de óssea do local do implante e anali- lâmina de faca” ou quando as dimen-
sar as qualidades de um enxerto colo- sões (espessura/largura/altura) e a to-
cado anteriormente. A tomografia pografia ósseas forem duvidosas. Em
computadorizada realiza medidas pre- relação às vantagens a tomografia
cisas e uma avaliação retroalveolar, computadorizada permite reconstru-
isto é, oferece informações tridimensi- ções transversais múltiplas, possibili-
onais. A interpretação da tomografia tando uma análise da dimensão óssea
computadorizada, geralmente, é feita vestibulolingual/palatina, da inclinação
com auxílio de softwares. Deste exame do processo alveolar e a presença de
é possível extrair as seguintes informa- defeitos ósseos linguais na região pos-
ções: uma imagem de perfil que permi- terior da mandíbula. Estas reconstru-
te visualizar a orientação dos cortes ções tridimensionais dos sítios selecio-
seccionais, uma série de cortes de a- nados para a instalação do implante
quisições numerados, uma série de não podem ser realizadas por técnicas
cortes reconstruídos, numerados, rea- radiográficas convencionais, somente
lizados conforme o eixo do implante, pela tomografia computadorizada. O
eventualmente, uma reconstrução de custo elevado é uma desvantagem des-
tipo panorâmico. Outra informação ta técnica, pois encarece o valor final
importante que a tomografia compu- do tratamento com implantes (SANTA-
tadorizada fornece é a determinação NA, 2012).
das estruturas anatômicas, a exemplo, A tomografia computadorizada cone
o nervo dentário inferior, o forame beam pode ser realizada nas depen-
mentual, os seios maxilares, as fossas dências do consultório e o profissional
nasais, os dentes adjacentes, eventu- que está planejando a cirurgia para
almente, dentes inclusos ou odonto- instalação de implantes possui a vanta-
mas e detecção de eventuais patologi- gem de escolher qual imagem selecio-
as. (DAVARPANAH et al., 2003). nar e poder ajusta-la de acordo com a
conveniência que desejar. Portanto,

Estação Científica (UNIFAP) http://periodicos.unifap.br/index.php/estacao


ISSN 2179-1902 Macapá, v. 4, n. 1, p. 17-22, jan.-jun. 2014
Planejamento radiográfico e tomográfico para instalação de implantes dentários 21

gerando mais segurança para o plane- lhor análise da forma e qualidade ós-
jamento cirúrgico. Outro ponto extre- sea, que estabeleça parâmetros segu-
mamente importante no que diz res- ros entre o implante e estruturas ana-
peito à tomografia computadorizada tômicas nobres, seja preciso, atenda a
cone beam é que as imagens 3D toma- necessidade do paciente e possua bai-
das são passiveis de manipulação por xo custo. Infelizmente, não existe uma
softwares. Vale ressaltar que as radio- técnica radiográfica ou tomográfica
grafias digitais avançadas em 2D tam- que apresente todas essas vantagens.
bém podem ser manipuladas através Portanto, uma associação de modali-
softwares, mas quando comparadas dades de imagem geralmente se faz
com a tomografia computadorizada necessária para o planejamento pré-
cone beam elas não conseguem mos- operatório dos implantes dentários.
trar dimensão de profundidade na i-
magem e também não apresentam a Referências
mesma precisão de imagem (BABBUSH
et al., 2011). BABBUSH, C. A. et al. Implantes dentá-
A tomografia computadorizada veio rios: arte e ciência. 2. ed. Rio de Janei-
aperfeiçoar o planejamento imaginoló- ro: Elsevier, 2011. 544 p.
gico para instalação de implantes e não CALMON, R. R. Avaliação dos métodos
abolir com as técnicas radiográficas radiográficos e imaginológicos no pla-
bidimensionais que ainda são utilizadas nejamento de implantes na mandíbu-
neste processo. O fato é que não é difí- la. 2011. 59 f. Monografia (Especializa-
cil encontrar cirurgiões dentistas que ção em Radiologia Odontológica e Ima-
utilizam o exame panorâmico e/ou pe- ginologia) – Curso de Pós-Graduação
riapical como técnicas radiográficas em Radiologia Odontológica e Imagino-
únicas para planejamento em implan- logia, UFMG, Belo Horizonte, 2011.
tes. Vale a pena dizer que estes exa- Disponível em:
mes radiográficos apesar dos custos <http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/
baixos possuem suas limitações, a e- dspace/handle/1843/BUOS-94WL6A>.
xemplo, a bidimensionalidade. Cabe ao Acesso em: 26 jan. 2015.
clínico a escolha da modalidade de i- CARVALHO, N. B. et al. Planejamento
magem que melhor fomenta um plane- em implantodontia: uma visão con-
jamento correto em implantes (CAL- temporânea. Revista. Cirurgia. Trau-
MON, 2011). matologia. Buco-Maxilo-Facial, Cama-
ragibe, v. 6, n. 4, p. 17-22, out./dez.,
4 Conclusão 2006.
DAVARPANAH, M. et al. Manual de
Desta forma, dentre os métodos de implantodontia clínica. Porto Alegre:
diagnóstico por imagem existentes pa- Artmed, 2003. 337 p.
ra instalação de implantes, deve-se
indicar aquele que proporcione a me-

Estação Científica (UNIFAP) http://periodicos.unifap.br/index.php/estacao


ISSN 2179-1902 Macapá, v. 4, n. 1, p. 17-22, jan.-jun. 2014
22 Santos

FREITAS, A.; ROSA, J.; SOUZA, I. F. Ra- Curso de Pós-Graduação em Radiologia


diologia odontológica. 6. ed. São Pau- Odontológica, UNICAMP, Piracicaba,
lo: Artes Medicas, 2004. 834 p. 2012. Disponível em: <http://www.bi
GOETTEMS, P. J. O uso da tomografia bliotecadigital.unicamp.br/document/?
computadorizada por feixe cônico na down=000845908>. Acesso em: 26
implantodontia. 2010. 19 f. Monogra- nov. 2014.
fia (Especialização em Radiologia O- ZARCH, S. H. H. et al. Evaluation of the
dontológica e Imaginologia) – Curso de accuracy of panoramic radiography in
Pós-Graduação em Radiologia Odonto- linear measurements of the jaws. Iran
lógica e Imaginologia, UFRGS, Porto Journal Radiology, Iran, v. 8, n. 2, p.
Alegre, 2010. Disponível em: <http:// 97-102, jun. 2011. Disponível em:
www.lume.ufrgs.br/handle/10183/239 <http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/art
42>. Acesso em: 27 jan. 2015. icles/PMC3422315/>. Acesso em: 27
IBRAHIM, N. et al. Diagnostic imaging jan. 2015.
of trabecular bone microstructure for
oral implants: a literature review. Den- License information: This is an open-access article
distributed under the terms of the Creative Com-
tomaxillofacial Radiology, England, v. mons Attribution License, which permits unrestrict-
42, n. 3, p. 1-5, mar. 2013. Disponível ed use, distribution, and reproduction in any medi-
em: <http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pu um, provided the original work is properly cited.

bmed/23420864>. Acesso em: 27 jan. Artigo recebido em 29 de janeiro de 2015.


2015. Aceito em 24 de março de 2015.
KIM, Y. K. et al. Magnification rate of
digital panoramic radiographs and its
effectiveness for pre-operative as-
sessment of dental implants. Dento-
maxillofacial Radiology, England, v. 40,
n. 2, p. 76-83, fev. 2011. Disponível em:
<http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubme
d/21239569>. Acesso em: 27 jan. 2015.
NAGARAJAN, A. et al. Diagnostic ima-
ging for dental implant therapy. Jour-
nal of Clinical Imaging Science, Mum-
bai, v. 4, n. 4, p. 4-11, out./dez., 2014.
Disponível em: <http://www.clinicali
magingscience.org/text.asp?2014/4/2/
4/143440>. Acesso em: 23 jan. 2015.
SANTANA, M. R. Importância da tomo-
grafia computadorizada de feixe côni-
co no planejamento de implantes den-
tários. 2012. 36 f. Monografia (Especia-
lização em Radiologia Odontológica) –

Estação Científica (UNIFAP) http://periodicos.unifap.br/index.php/estacao


ISSN 2179-1902 Macapá, v. 4, n. 1, p. 17-22, jan.-jun. 2014