Sei sulla pagina 1di 294

LEGISLAÇÃO PENAL ESPECIAL

Examinadora: SILVIA GENTIL

1 O crime de contrabando admite interceptação telefônica?


R.: Nos termos do artigo 2°, contrario sensu, da lei 9296/96, é cabível a interceptação telefônica quando:
a) houver indícios razoáveis da autoria ou participação; b) a prova não puder ser feita por outros meios
disponíveis; c) o fato for punido com reclusão.
Sendo assim, se estiverem presentes tais requisitos, é cabível a interceptação telefônica no crime de
contrabando, cuja sanção penal é de reclusão de 2 a 5 anos.

2 Qual a diferença entre escuta e interceptação telefônica?


R.: Há escuta quando a conversa é gravada por um terceiro com a ciência e a anuência de um dos
interlocutores. Já a interceptação telefônica consiste na gravação da conversa por terceiro sem a anuência
ou ciência de qualquer dos interlocutores.

3 O que caracteriza o princípio da concentração aplicado nos Juizados Especiais?


R.: Tendo em vista atender à celeridade que deve pautar os processos no Jecrim, o princípio da
concentração sugere que os atos processuais devem ser realizados em uma única audiência, ou, no máximo,
em poucas audiências.

4 Tal princípio se confunde com o princípio do imediatismo?


R.: “Imediatismo” é o princípio que determina que o juiz tenha contato direto com as provas do processo
que vai julgar. Assim sendo, o princípio da concentração facilita o imediatismo embora um não se confunda
com o outro.

5 Quais os critérios para se fixar a competência dos JECRIMS?


R.: Há competência do JECRIM quando ocorre a prática de uma contravenção penal ou quando há crime
a que a lei comine pena máxima não superior a 2 anos, nos termos da lei 9099/95.

6 Quais as modalidades do crime de tortura?


R.: a) Tortura confissão ou tortura prova: para obter confissão, declaração ou informação; b) tortura ao
crime: para provocar ação ou omissão criminosa; c) tortura discriminatória: há preconceito de raça ou
religião; d) tortura castigo: há uma relação de autoridade entre torturador e torturado; e) tortura omissão:
praticada por quem tem o dever de evitá-las ou apurá-las, mas se omite.
7 A apreensão de adolescente sem as formalidades legais acarreta na responsabilidade do delito?
R.: Sim, nos termos dos artigos 230 e 231 do ECA.

8 Cite duas medidas socioeducativas aplicáveis ao menor infrator


R.: Advertência e prestação de serviços à comunidade, nos termos do artigo 112 do ECA.

9 O Adolescente pode ser obrigado a reparar o dano?


R.: Sim, nos termos do inciso II, artigo 112 do ECA. Em caso de impossibilidade de reparar o dano, a
medida poderá ser substituída por outra adequada, nos termos do parágrafo único do artigo 116.

10 Dê um exemplo de dano moral que caracteriza crime na Lei Maria da Penha.


R.: Como exemplo pode-se citar o marido que difama a esposa, alegando ser ela traidora ou mal asseada.

11 Como pode ser tipificada a conduta de vender drogas à criança?


R.: A conduta de vender drogas a crianças caracteriza o crime do artigo 33 da lei 1134306, com a causa de
aumento de pena prevista no artigo 40, VI. Se em vez de droga vender outros produtos cujos componentes
possam causar dependência física ou psíquica, responderá pelo artigo 243 do ECA.

12 Quais os bens juridicamente tutelares para a lei da biossegurança?


R.: A vida e a saúde humana, animal e vegetal, além da proteção do meio ambiente.

13 A clonagem humana terapêutica é crime?


R.: A clonagem humana é crime punido com reclusão de 2 a 5 anos, conforme o artigo 26 da lei 11105/05.
Não há qualquer exceção legal.

14 Aquele que comercializa embrião humano incide em qual crime?


R.: Incide no crime previsto no crime previsto no artigo 24 da lei 11105/05, lei de biossegurança.

15 A lei de combate a organizações criminosas prevê a infiltração de agentes em quais hipóteses?


R.: Será admitida a infiltração de agentes se houver indicíos de infração criminal em que há associação de
4 ou mais pessoas, estruturalmente ordenada, caracterizada pela divisão de tarefas mediante a prática de
infrações penais cujas penas máximas sejam superiores a 4 anos ou que sejam de caráter transnacional,
desde que a prova não puder ser produzida por outro meio. Artigo 10, parágrafo 2 c/c artigo 1º da lei
12850/13.

16 Defina organização criminosa.


R.: A definição de organização criminosa está no artigo 1º 12850/13. “Ipsis literis”: A associação de 4 ou
mais pessoas estruturalmente ordenada e caracterizada pela divisão de tarefas, ainda que informalmente
(….), mediante a prática de infrações penais cujas penas máximas sejam superiores a 4 anos ou que sejam
de caráter transnacional.

17 Em que consiste a colaboração premiada prevista na lei de crimes hediondos.


R.: A lei de crimes hediondos inseriu o parágrafo 4 no artigo 159 do Código Penal. Entretanto, nova lei,
do ano de 1996, alterou tal parágrafo, que atualmente prescreve: “se o crime é cometido em concurso, o
concorrente que o denunciar à autoridade, facilitando a libertação do sequestrado, terá sua pena reduzida
de 1/3 a 2/3”. Também o parágrafo único do artigo 8 da lei dos crimes hediondos prevê que o participante
que denunciar à autoridade a quadrilha ou bando (atualmente fala-se associação criminosa) possibilitando
seu desmantelamento, terá a pena reduzida de 1/3 a 2/3

18. O preso ameaçado pode ingressar na proteção à pessoa ameaçada?


R.: Somente é possível se for um réu colaborador, a Lei nº 9.807/99 em seu art. 15 reza que: Serão aplicadas
em benefício do colaborador, na prisão ou fora dela, medidas especiais de segurança e proteção a sua
integridade física, considerando ameaça ou coação eventual ou efetiva. Assim, somente faz jus as medidas
especificas do programa as pessoas que efetivamente colaborarem com as autoridades na apuração dos
fatos e que atenderem às demais exigências legais, como, por exemplo, estar sofrendo graves ameaças
físicas ou psicológicas etc.

19. Quais medidas podem ser aplicadas em benefício da pessoa protegida?


R.: O art. 7º da lei de proteção traz uma série de medidas que podem ser aplicadas isolada ou
cumulativamente à depender do caso concreto:
I - segurança na residência, incluindo o controle de telecomunicações;
II - escolta e segurança nos deslocamentos da residência, inclusive para fins de trabalho ou para a
prestação de depoimentos;
III - transferência de residência ou acomodação provisória em local compatível com a proteção;
IV - preservação da identidade, imagem e dados pessoais;
V - ajuda financeira mensal para prover as despesas necessárias à subsistência individual ou familiar,
no caso de a pessoa protegida estar impossibilitada de desenvolver trabalho regular ou de inexistência de
qualquer fonte de renda;
VI - suspensão temporária das atividades funcionais, sem prejuízo dos respectivos vencimentos ou
vantagens, quando servidor público ou militar;
VII - apoio e assistência social, médica e psicológica;
VIII - sigilo em relação aos atos praticados em virtude da proteção concedida;
IX - apoio do órgão executor do programa para o cumprimento de obrigações civis e administrativas
que exijam o comparecimento pessoal.
Parágrafo único. A ajuda financeira mensal terá um teto fixado pelo conselho deliberativo no início
de cada exercício financeiro.

20. Em que hipótese poderá ocorrer a redistribuição do IP de acordo com a lei de investigação
criminal?
R.: Segundo a lei 12.830/13, o inquérito policial ou outro procedimento previsto em lei em curso
somente poderá ser avocado ou redistribuído por superior hierárquico, mediante despacho fundamentado,
por motivo de interesse público ou nas hipóteses de inobservância dos procedimentos previstos em
regulamento da corporação que prejudique a eficácia da investigação.

21. De que forma poderá ocorrer a redistribuição?


R.: Pelo superior hierárquico, após despacho devidamente fundamentado.

22. Cabe interceptação telefônica em sede da ação civil pública?


R.: Não é possível, pois medida é incompatível com ação de natureza civil, podendo apenas ser usada
como prova emprestada se tiver sido obtido em uma ação penal seguindo todos os requisitos legais.
Ressalta-se que até mesmo para ações penais a interceptação encontra restrições, sendo possível apenas
para crimes punidos com reclusão e não ter outro meio de prova.

23. Quais os requisitos de validade da interceptação telefônica?


R.: Os requisitos devem ser lidos a contrario sensu de acordo com o art.2 da lei 9296/96, sendo válida a
medida quando for emanada por juiz competente, houver indícios razoáveis de autoria e participação,
restar à medida o único meio de prova disponível e o fato investigado constituir crime punido com
reclusão.

24. Dê duas situações agravantes nos crimes contra o consumidor.


R.: Lei 8.078/90:
Art. 76. São circunstâncias agravantes dos crimes tipificados neste código:
I - serem cometidos em época de grave crise econômica ou por ocasião de calamidade;
II - ocasionarem grave dano individual ou coletivo;
III - dissimular-se a natureza ilícita do procedimento;
IV - quando cometidos:
a) por servidor público, ou por pessoa cuja condição econômico-social seja manifestamente superior à da
vítima;
b) em detrimento de operário ou rurícola; de menor de dezoito ou maior de sessenta anos ou de pessoas
portadoras de deficiência mental interditadas ou não;
V - serem praticados em operações que envolvam alimentos, medicamentos ou quaisquer outros produtos
ou serviços essenciais.

25. Quais as penas possíveis na lei de execuções penais?


R.: Pena privativa de liberdade (que se dividem em de detenção ou reclusão), restritiva de direito e/ou de
multa.

26. Na LEP, quem é considerado egresso?


R.: Conforme previsão expressa na LEP (ART. 26) é o liberado definitivo, pelo prazo de 1 (um) ano a
contar da saída do estabelecimento, ou o liberado condicional, durante o período de prova.

27. Qual a finalidade do trabalho do condenado?


R.: Tem a finalidade educativa e produtiva. A atividade laboral remunerada do preso é direito seu,
pretendendo-se evitar o ócio do detento, que em nada contribui à sua instrução e ressocialização.

28. Tal trabalho é remunerado? Em que proporção?


R.: O trabalho do preso será sempre remunerado (art.39 LEP), sendo-lhe garantidos os benefícios da
Previdência Social, garantida a remuneração mínima, proibida a remuneração inferior a ¾ do salário
mínimo.

29. O preso se submete a CLT?


R.: Não, de acordo com o art.28 da LEP embora o trabalho do preso não fique sujeito ao regime da
Consolidação das Leis do Trabalho (LEP, art. 28, § 2º), ele tem direito aos benefícios previdenciários.

30. Quais os efeitos de falta grave?


R.: Dentre os efeitos estão a interrupção do prazo para progressão de regime, perda de até 1/3 dos dias
remidos, configura mau comportamento nos assentamentos do preso e pode ensejar aplicação do regime
disciplinar diferenciado (somado a demais requisitos).

31. Qual o conceito de consumidor no CDC?


R.: “Art. 2° Consumidor é toda pessoa física ou jurídica que adquire ou utiliza produto ou serviço como
destinatário final.”

32. O usuário de serviço público pode invocar o direito de consumidor?


R.: Aplica-se o CDC ao serviço público desde que uti singuli e remunerado por tarifa ou taxa, ou seja, os
serviços que estão disponíveis para a coletividade, mas que o usuário tem a opção de escolher receber ou
não.

33. Quais os requisitos para autoridade policial representar por uma cautela de interceptação
telefônica?
R.: Os requisitos devem ser lidos a contrario sensu de acordo com o art.2 da lei 9296/96, sendo válida a
medida quando houver indícios razoáveis de autoria e participação, restar à medida o único meio de prova
disponível e o fato investigado constituir crime punido com reclusão.

34. Qual a diferença entre interceptação telefônica, escuta telefônica e gravação telefônica?
R.:
a) Interceptação telefônica ou interceptação em sentido estrito: captação da comunicação telefônica alheia
por um terceiro, sem o conhecimento de nenhum dos comunicadores;
b) Escuta telefônica: captação de comunicação telefônica por terceiro, com o conhecimento de um dos
comunicadores, e, desconhecimento do outro. Um dos comunicadores tem ciência da interferência alheia;
c) Gravação telefônica ou gravação clandestina: gravação da comunicação telefônica realizada por um dos
interlocutores. Trata-se de espécie de auto-gravação, que, normalmente é feita por um dos comunicadores,
sem o conhecimento e consentimento do outro;

35. Quais os requisitos para concessão da prisão temporária?


R.: Para a parte majoritária da Doutrina assim como para a Jurisprudência dominante, são requisitos para
a prisão temporária que o crime esteja descrito no rol do artigo 1º, inciso III da Lei 7.960, ou que seja um
crime hediondo ou equiparado constante na Lei 8.072/90, e que também esteja presente as circunstâncias
descritas no inciso I ou II do artigo 1º da Lei 7.960/89 (imprescindível para as investigações do inquérito
policial ou quando o indiciado não tiver residência fixa ou não fornecer elementos necessários ao
esclarecimento de sua identidade).

36. Qual o conceito de meio ambiente da lei de crimes ambientais?


R.: Segundo o artigo 3º, I da Lei 9.605/98, meio ambiente é o “conjunto de condições, leis, influências e
interações de ordem física, química e biológica, que permite, abriga e rege a vida em todas as suas
formas”.

37. Quais as penas previstas na lei de crimes ambientais?


R.: A Lei de crimes ambientais prevê penas privativas de liberdade, de multa e restritivas de direito, sendo
que estas, segundo o art. 8º da referida Lei são de I) prestação de serviços a comunidade; II) interdição
temporária de direitos; III) suspensão parcial ou total de atividades; IV) prestação pecuniária e V)
recolhimento domiciliar, sendo aplicáveis a pessoa jurídica as penas previstas no artigo 21, que são: I)
multa; II) restritivas de direitos e III) prestação de serviços a comunidade.

38. A pichação de um imóvel particular com tombamento configura crime ambiental?


R.: Nos termos do artigo 65, § 1º da Lei 9.605/98 é crime a pichação de imóvel particular tombado.

39. Quem pode representar pela prisão temporária?


R.: Nos termos do artigo 2º da Lei 7.960/89, a representação pela prisão temporária cabe ao Delegado de
Polícia.

40. Prisão temporária de 30 dias – Qual o prazo para conclusão do IP com o réu preso?
R.: Quanto a este tema, a doutrina se divide em 3 posições: 1) o prazo para conclusão é de 10 dias da data
da prisão; 2) o prazo para conclusão é o mesmo da prisão temporária (30 dias); e a última e majoritária: 3)
o prazo para conclusão é de 10 dias contados a partir da data do término da prisão temporária, ou seja, o
prazo de conclusão é acrescido ao prazo da prisão temporária.

41. A Lei 9099/95 pode ser aplicada nos crimes do estatuto do idoso?
R.: Nos termos do artigo 94 da Lei 10.741/03, aplica-se a Lei 9.099/95 nos crimes do estatuto do idoso,
contudo, por interpretação dada pelo STF (ADI 3096), a referida Lei aplica-se somente no que se refere
ao rito processual, não cabendo os benefícios despenalizadores.

42. No que consiste a conciliação, nos termos da lei do juizado especial?


R.: A conciliação consiste na modalidade pacífica de resolução de conflitos na qual uma terceira pessoa,
estranha à relação, chamada conciliador, tenta aproximar as partes e orientá-las para obtenção de um
acordo.

43. É possível a interceptação do advogado do advogado?


R.: A doutrina majoritária entende que por força do artigo 7º, II do Estatuto da OAB é inviolável a
comunicação entre advogado/cliente. Contudo parte da doutrina entende que essa inviolabilidade pode ser
quebrada se houver sérios indícios de o defensor haver participado da atividade criminosa. A questão ainda
não foi pacificada nos Tribunais Superiores.

44. A prova colhida em uma cautelar de interceptação telefônica pode ser utilizada em outro processo?
R.: A doutrina diverge quanto ao tema. Parte entende não ser possível pois seria uma burla as regras da Lei
de Interceptação. Para outra parte, seria possível desde que seja utilizada em processo contra o mesmo
acusado. Já o STJ em se manifestou no sentido de que não haveria ilegalidade na prova emprestada de
laudo de transcrição de interceptação telefônica (STJ, HC 27.145/SP).
45. Tal prova pode ser utilizada em PAD?
R.: Segundo entendimento do STF as provas colhidas em interceptação podem ser utilizadas em PAD
contra a(s) mesma(s) pessoa(s) que foram colhidas a prova.

46. Qual o bem jurídico na lei de preconceito racial?


R.: O bem jurídico tutelado na Lei 7716/89, no que se refere ao preconceito racial, é a igualdade racial.

47. Qual a diferença entre injúria racial e racismo?


R.: Nas palavras de Celso Delmanto, "comete o crime do artigo 140, § 3º do CP, e não o delito do artigo
20 da Lei nº 7.716/89, o agente que utiliza palavras depreciativas referentes a raça, cor, religião ou origem,
com o intuito de ofender a honra subjetiva da vítima".
Já o crime de racismo seria aquele cometido por quem pratica conduta discriminatória dirigida a um
determinado grupo ou coletividade. O crime de racismo é considerado mais grave pelo legislador, e, além
de imprescritível e inafiançável, sua persecução se dá por meio de ação penal pública incondicionada,
enquanto, no caso da injúria racial, a ação penal é pública condicionada a representação do ofendido.

48. Cabe fiança nos crimes de racismo?


R.: Segundo dispõe o Artigo 5º, inciso XLII da CF, o crime de racismo é inafiançável.

49. Qual a diferença entre vias de fato e tentativa de lesão corporal?


R.: Em primeiro lugar, vias de fato por tratar-se de contravenção penal não admite a tentativa, e a principal
diferença entre ambas infrações penais reside no dolo, ou seja, na vias de fato existe o contato físico mas
sem dolo de lesionar, como por exemplo um empurrão, já na tentativa de lesão corporal pode até não existir
o contato físico, mas o agente age com dolo de lesionar.

50. Em que casos deve ocorrer a identificação criminal?


R.: Nos termos do artigo 3º da Lei 12.037/09, a identificação criminal ocorrerá sempre que o documento
apresentado conter rasuras, indícios de falsificação; quando for insuficiente para identificar o indiciado o
que este apresente documentos com informações conflitantes, quando constar de registros policiais o uso
de outros nomes ou diferentes qualificações ou a distância temporal ou da localidade impossibilite a
completa identificação dos caracteres essenciais, e por fim quando esse procedimento for essencial às
investigações criminais, neste caso segundo despacho do Juiz competente.

Examinador: CARLOS ALBERTO DA CUNHA


51. Lei de improbidade administrativa – Defina o que é improbidade administrativa.
R.: Geralmente, associa-se o conceito de improbidade ao de moralidade. Em verdade, para os fins de
aplicação da lei, o conceito de improbidade é mais amplo, pois abrange não somente os atos desonestos
ou imorais, praticados com ofensa aos princípios da Administração Pública, mas também atos ilegais em
sentido estrito, ou seja, praticados com ofensa ‡s regras positivadas em leis, normas e regulamentos. Além
disso, ato de improbidade pode referir-se não apenas a um ato administrativo, no sentido jurídico do termo,
mas também a uma conduta ou mesmo a uma omissão.

52. Quais as modalidades de improbidade previstas na legislação?


R.: São modalidades de improbidade administrativa: (i) atos que importam enriquecimento ilícito; (ii) atos
que causam prejuízo ao erário; (iii) atos que atentam contra os princípios da administração pública; e, por
fim, (iv) atos decorrentes de concessão ou aplicação indevida de benefício financeiro ou tributário.
Previsão legal: Lei de Improbidade Administrativa (Lei nº 8.429/1992) arts. 9º, 10, 11 e 10-A,
respectivamente.

53. O que é enriquecimento ilícito?


R.: Enriquecimento ilícito é o ato de improbidade administrativa realizado pelo sujeito ativo com intuito
de auferir qualquer tipo de vantagem patrimonial indevida em razão do exercício de cargo, mandato,
função, emprego ou atividade em quaisquer das entidades que podem se enquadrar no conceito de sujeito
passivo.
Previsão legal: art. 9º da Lei de Improbidade Administrativa (Lei nº 8.429/1992).

54. Na lei de improbidade existe a possibilidade de conciliação?


R.: É vedada a conciliação na lei de improbidade, bem como a transação e o acordo. A proibição,
estabelecida no art. 17, §1º, da Lei de Improbidade, traduz a indisponibilidade do interesse público que se
pretende tutelar.

55. CTB – O que é crime de trânsito?


R.: Crime de trânsito é todo crime que esteja tipificado no Código de Trânsito Brasileiro, seja violando
uma norma proibitiva, seja por meio da violação de uma norma mandamental.

56. Pessoa que está da direção de veículo automotor, vê um desafeto e acelera, vindo a atingi-lo,
propositadamente, causando-lhe a morte pratica crime do CTB?
R.: Não, no referido caso, o agente será responsabilizado pelo crime de homicídio previsto no art. 121 do
Código Penal. Tendo em vista que o CTB apenas prevê a modalidade culposa para o delito de homicídio,
excluindo a forma dolosa, ainda que esteja na direção de veículo automotor.
Previsão legal: art. 121 do CP e art. 302 do CTB.
57. O que se entende por lavagem de dinheiro?
R.: A lavagem de dinheiro consiste na atividade revestida de objeto lícito, que tem o intuito de transformar
recursos financeiros obtidos de forma ilícita em lícitos, operada por meio das fases da introdução,
dissimulação e integração. Com a finalidade de ocultar aquela origem ilícita.

58. Pessoa encontrada no banco com a quantia de R$ 500.000,00. Caracteriza crime? Qual a adequação
típica?
R.: O colega ficou em dúvida e não respondeu à essa questão

59. Estatuto do desarmamento – Distinga arma de fogo, munição e acessório.


R.: Arma de fogo – arma que arremessa projéteis empregando a força expansiva dos gases gerados pela
combustão de um propelente confinado em uma câmara que normalmente, está solidária a um cano que
tem a função de propiciar continuidade à combustão do propelente, além de direção e estabilidade ao
projétil (art. 3º, XIII, do Decreto 3.665/2000); Munição - artefato completo, pronto para carregamento e
disparo de uma arma, cujo efeito pode ser: destruição, iluminação ou ocultamento do alvo, bem como
outros efeitos especiais (art. 3º, LXIV, do Decreto 3.665/2000); Acessório - engenho primário ou
secundário que suplementa um artigo principal para possibilitar ou melhorar o seu emprego (art. 3º, I, do
Decreto 3.665/2000).

60. Pessoa portando dentro do veículo arma desmontada e dentro de uma caixa. Qual o procedimento
como delegado?
R.: Primeiramente, ressalta-se que há crime se a arma estiver ao alcance do sujeito, podendo ele montá-la
em poucos segundos. Ademais, a jurisprudência do STJ é pacífica no sentido de que a arma de fogo
desmuniciada ou desmontada configura hipótese de perigo abstrato, bastando apenas a prática do ato de
levar consigo para a consumação do delito (AgRg no REsp 1.390.399. Rel. Min. Laurita Vaz, STJ). Sendo
assim, caso apresentado ao Delegado de Polícia, deve esta Autoridade lavrar o auto de prisão em flagrante.

61. Caracteriza crime a conduta de pessoa surpreendida dentro de residência com seis cartuchos?
R.: Sim, caracteriza crime a referida conduta. Em regra, não se admite a incidência do princípio da
insignificância ao delito de porte ilegal de munição, independentemente do calibre e do número de
cartuchos. Nesse sentido, já se posicionou o STF no HC 131.771/RJ, noticiado no informativo 844.

62. Qual o conceito de meio ambiente?


R.: Meio ambiente é o local onde se manifesta a vida, seja a existência humana ou de qualquer outra
espécie. O meio ambiente é formado por elementos bióticos, ou seja, que possuem vida como a fauna e a
flora, bem como, por elementos abióticos que são aqueles que não possuem vida, são elementos de ordem
física ou química, como o solo, a água e o ar. Mas, há também o conceito jurídico que vem expresso na
Lei sobre a Política Nacional do Meio Ambiente (Lei nº 6.938/81) que define o meio ambiente como “o
conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem física, química e biológica, que permite,
abriga e rege a vida em todas as suas formas.”

63. Corte da orelha de um cachorro constitui crime ambiental?


R.: Sim, atualmente é típica a conduta de cortar (mutilar) a orelha de um animal. Atualmente, há uma
resolução do Conselho Federal de Medicina Veterinária que proibi a prática do referido procedimento.
Excepcionalmente, por motivos de saúde do animal pode ser realizada a cirurgia. Caso contrário, quem o
fizer será responsabilizado de acordo com o art. 32 da Lei 9.605/1998 (Lei de crimes ambientais).

64. Pichação de imóvel particular com medida administrativa de tombamento caracteriza crime?
R.: Sim, a referida conduta caracteriza crime ambiental previsto no art. 65 da Lei nº 9.605/1998. Ainda,
por se tratar de imóvel com medida administrativa de tombamento o crime será qualificado com previsão
legal no §1º do mesmo artigo mencionado acima.

65. Lei 7960 –Trace os requisitos gerais da prisão temporária.


R.: São requisitos da prisão temporária: (i) que seja imprescindível para as investigações do inquérito
policial; (ii) quando o indiciado não tiver residência fixa ou não fornecer elementos necessários para sua
identificação; (iii) e que haja fundadas razões de participação ou de autoria nos crimes previstos no inc.
III da Lei 7960/89. Ressalta-se que segundo a corrente majoritária as referidas hipóteses de cabimento da
prisão temporária devem ser conjugadas, ou seja, combina o art. 1º, inciso III, da referida lei com o inc. I
ou II do mesmo artigo.
Previsão legal: art. 1º, incisos I, II e III da Lei 7960/89.

66. Quem pode representar pela prisão temporária?


R.: São legitimados para requerê-la o Membro do Ministério Público e a Autoridade Policial, sendo que
esta irá representar pela prisão temporária, já o MP irá requerer a decretação da mesma. Ressalta-se que
não possuem legitimidade a vítima, nem mesmo o assistente de acusação. Previsão legal: art. 2º da Lei nº
7960/89.

67. Qual o prazo para conclusão IP estando o suspeito preso com prisão temporária de 30 dias?
R.: Nesse caso, o prazo para encerramento do inquérito policial também será de 30 dias, mesmo prazo da
prisão temporária.

68. Quais as diferenças entre interceptação telefônica, gravação telefônica e escuta ambiental?
R.: Interceptação telefônica ocorre quando um terceiro capta a conversa sem o consentimento dos
interlocutores. Já a gravação telefônica ocorre quando um dos interlocutores registra a conversa sem o
conhecimento da outra parte. Por fim, a escuta ambiental é a interceptação de conversa entre presentes,
realizada por terceiro, com o consentimento de uma das partes.

69. Existe a possibilidade de autoridade policial requerer de interceptação das ligações do advogado
do indiciado?
R.: Em regra, não. As conversas mantidas entre o investigado e seu advogado são protegidas pelo sigilo
profissional e, portanto, em regra, não podem ser objeto de interceptação telefônica. Esta garantia
encontra-se prevista no art. 7º, II, do Estatuto da OAB.
Excepcionalmente será possível que o juiz autorize a interceptação telefônica do advogado se houver
indícios concretos de que este profissional também está participando da prática dos crimes em conjunto
com seu cliente. Neste caso, o próprio advogado se torna um dos investigados. A garantia prevista no art.
7º, II, da Lei nº 8.906/94 não é absoluta e só pode ser invocada se o advogado estiver no exercício legítimo
da advocacia, não servindo como manto para o cometimento de delitos
Fonte: Informativo STF 832 – Dizer o Direito

70. Cautelar de interceptação no I.P – No curso da interceptação descobre-se um caso de sequestro com
a vítima em cativeiro. Que providência tomaria?
R.: Com fundamento no art. 13-B do CPP, representar a autoridade judicial para requisitar às empresas
prestadoras de serviço de telecomunicações e/ou telemática que disponibilizem imediatamente os meios
técnicos adequados – como sinais, informações e outros – que permitam a localização da vítima ou dos
suspeitos do delito em curso.

71. É possível a prova colhida em cautelar de interceptação telefônica em processo administrativo


disciplinar?
R.: Não é possível cautelar de interceptação telefônico no bojo de PAD, pois essa medida é restrita à prova
na investigação criminal ou no curso do processo penal. Todavia entende o STF que dados obtidos em
interceptação de comunicações telefônicas, judicialmente autorizadas para produção de prova em
investigação criminal ou em instrução processual penal podem ser usados em procedimento administrativo
disciplinar, contra a mesma ou as mesmas pessoas em relação às quais foram colhidos. Esses dados são
transplantados a título de prova emprestada.

Fonte: Legislação Criminal para concursos – Fábio Roque, Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar
– Ed. Juspodivm – 3ª ed – págs. 456/457

72. O que é conciliação no âmbito dos juizados especiais criminais?


R.: A conciliação é gênero, do qual são espécies duas medidas despenalizadoras: a composição dos danos
civis e a transação penal. A composição dos danos civis refere-se ao acordo entre autor e vítima referente
à reparação dos danos de natureza civil e faz parte da primeira fase do procedimento; a segunda fase
compreende a transação penal, isto é, o acordo entre o titular da ação penal e o suposto autor do fato
delituoso, por meio do qual é proposta a aplicação imediata de pena não privativa de liberdade. (arts. 69 a
76 da Lei dos Juizados Especiais)
Fonte: Legislação Criminal Especial Comentada – Renato Brasileiro – Ed. Juspodivm – 4ª ed. – pág. 224
Súmula Vinculante 35: A homologação da transação penal prevista no artigo 76 da Lei 9.099/1995 não
faz coisa julgada material e, descumpridas suas cláusulas, retoma-se a situação anterior, possibilitando-
se ao Ministério Público a continuidade da persecução penal mediante oferecimento de denúncia ou
requisição de inquérito policial.

73. A conciliação pode ocorrer na delegacia durante o termo circunstanciado?


R.: Não. Por expressa previsão legal, a conciliação apenas pode ocorrer no âmbito do Juizado Especial,
em audiência preliminar com a presença do Ministério Público, das partes e seus advogados, e será
necessariamente conduzida pelo Juiz ou por conciliador sob sua orientação. (arts. 60, 69, 72 e 73, da Lei
9.099/95)

Examinador: SILVIA GENTIL

74. Defina ato de improbidade.


R.: Com fundamento no art. 37, caput, e seu §4º, da CF, bem como na Lei 8.429/92, pode-se conceituar
ato de improbidade como toda conduta corrupta, nociva ou inepta do agente público, dolosa ou culposa,
ofensiva aos princípios constitucionais (expressos e implícitos) que regem a Administração pública,
independentemente da ocorrência de lesão ao erário ou de enriquecimento ilícito.

Fonte: Interesses Difusos e Coletivos Vol. 1 – Adriano Andrade, Cleber Masson e Landolfo Andrade – Ed.
Método – 8ª ed. – pág. 782

75. Defina ato de improbidade administrativa imprópria.


R.: Com fundamento no art. 3º da Lei 8.429/92, é a conduta praticada por terceiro que, mesmo não sendo
agente público, induza ou concorra para a prática de ato de improbidade ou de se beneficie sob qualquer
forma direta ou indireta.

76. Quais os testes de alcoolemia existentes?


R.: De acordo com o artigo 3º da Resolução CONTRAN Nº 432 de 23/01/2013, para aplicação do disposto
nos arts. 165, 276, 277 e 306 da Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997 - Código de Trânsito Brasileiro
(CTB), a confirmação da alteração da capacidade psicomotora em razão da influência de álcool ou de outra
substância psicoativa que determine dependência dar-se-á por meio de, pelo menos, um dos seguintes
procedimentos a serem realizados no condutor de veículo automotor:
I - exame de sangue;
II - exames realizados por laboratórios especializados, indicados pelo órgão ou entidade de trânsito
competente ou pela Polícia Judiciária, em caso de consumo de outras substâncias psicoativas que
determinem dependência;
III - teste em aparelho destinado à medição do teor alcoólico no ar alveolar (etilômetro);
IV - verificação dos sinais que indiquem a alteração da capacidade psicomotora do condutor.
§ 1º Além do disposto nos incisos deste artigo, também poderão ser utilizados prova testemunhal, imagem,
vídeo ou qualquer outro meio de prova em direito admitido.

77. No que consiste o princípio da precaução no âmbito do direito ambiental?


R.: É o princípio da dúvida científica. Trabalha com risco incerto, desconhecido ou abstrato, quando não
se sabe ao certo quais os danos ambientais a serem causados pelo projeto ou sua intensidade. Há razoável
controvérsia científica, mas baseada em fundado juízo de probabilidade não remoto da potencial
ocorrência de danos. A precaução caracteriza-se pela ação antecipada diante do risco desconhecido. A
incerteza científica milita em favor do ambiente e da saúde, razão pela qual devem ser tomadas medidas
de precaução para elidir ou reduzir os riscos ambientais.

Fonte: Resumo de Direito Ambiental – Frederico Amado – Ed. Método – 4ª ed. – Capítulo 3.3

78. O que é direito ambiental natural? E artificial?


R.: Prevalece na doutrina que existem quatro espécies de meio ambiente: natural, cultural, artificial e
laboral.
Natural: formado pelos elementos da natureza com vida ou sem vida (abióticos), a exemplo da atmosfera,
das águas interiores, superficiais e subterrâneas, dos estuários, do mar territorial, do solo, do subsolo, dos
elementos da biosfera, da fauna e da flora, que independem da ação antrópica para existir.
Artificial: formado por bens fruto de criação humana, mas que por exclusão não integram o patrimônio
cultural brasileiro, por lhes carecer valor histórico, paisagístico, artístico, arqueológico, paleontológico,
ecológico ou científico que possam enquadrá-los no acervo cultural.
Direito Ambiental é o ramo do direito público composto por princípios e regras que regulam as condutas
humanas que afetem, potencial ou efetivamente, direta ou indiretamente, o meio ambiente em todas as
suas modalidades.

Fonte: Resumo de Direito Ambiental – Frederico Amado – Ed. Método – 4ª ed. – pág. 4
79. É possível a representação pela prisão temporária face ao autor de diversos furtos de veículo?
R.: Não, pois o Furto não faz parte da lista prevista no art. 1º, III, da Lei 7.960/89. Segundo a doutrina
majoritária, somente é possível a prisão temporária nos casos dos crimes listados no inciso III do art. 1º da
Lei 7.960/89, em conjunto com uma das hipóteses dos incisos I ou II: ou é imprescindível para as
investigações, ou o autor não possui residência fixa ou não fornece elementos para sua identificação.

Fonte:Curso de Direito Processual Penal – Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar – Ed. Juspodivm
– 13ª Ed. – pág. 964

80. Homicídio cometido contra pessoa de 60 anos – Trata-se de agravante ou causa de aumento de pena?
R.: Pelo princípio da especialidade, trata-se de causa de aumento de pena. Além de agravante genérica (art.
61, II, h, do CP) é causa de aumento específica do homicídio (art. 121, §4º, do CP). Deve-se aplicar apenas
essa causa especial de aumento na terceira fase da dosimetria da pena, portanto. Evita-se, ainda, o bis in
idem.

Obs.: há discussão acerca da expressão “maior” de 60 anos. Prevalece o entendimento que mesmo no
dia do aniversário de 60 anos a pessoa é maior de 60 anos, nem que seja por milésimos de segundos.
(Nucci)

81. Violação de direito autoral – Lei 9610/98 – Admite conduta culposa?


R.: O crime de violação de direito autoral, tipificado no art. 184 do Código Penal, não admite modalidade
culposa. O tipo penal é exclusivamente doloso. A lei 9.610/98 não prevê infrações penais.

82. RDD Preventivo – Em que consiste? Em que circunstâncias pode ser aplicado?
R.: Está previsto no art. 52, §§1º e 2º, da LEP. Regime Disciplinar Diferenciado Preventivo porque
independe da prática de falta grave que ocasione subversão da ordem ou disciplina internas para sua
aplicação. Basta que o preso apresente alto risco para a ordem e a segurança do estabelecimento penal ou
da sociedade (§1º) ou que contra ele recaiam fundadas suspeitas de envolvimento ou participação, a
qualquer título, em organização ou associação criminosa (§2º).

83. A habitualidade é elemento essencial para o crime de associação de tráfico de entorpecentes?


R.: Não. A associação para o tráfico constitui crime autônomo e independe da efetiva realização de
qualquer dos outros crimes. Exige-se estabilidade e permanência, que são diferentes de habitualidade.
Consuma-se com a associação de, pelo menos, duas pessoas, com estabilidade e permanência, para a
prática futura dos crimes previstos nos arts. 33, caput e §1º, e 34 da Lei de Drogas. O objetivo da associação
pode ser o cometimento futuro de apenas um ou de vários daqueles crimes. E mesmo não se praticando
nenhum deles crimes, ou apenas um, caracteriza-se a associação para o tráfico.
Fonte: Legislação Criminal para Concuros – Fábio Roque, Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar
– Ed. Juspodivm – 3ª Ed. – págs. 621/624

84. A decretação do RDD pode ser aplicada de ofício pelo diretor da cadeia?
R.: Não. Conforme o art. 54, §§1º e 2º, da LEP, o RDD somente pode ser aplicado por prévio e
fundamentado despacho do juiz competente mediante requerimento circunstanciado do diretor do
estabelecimento e após manifestação do Ministério Público e da defesa. Nem mesmo o juiz pode decretar
o RDD de ofício.

85. No que consiste a delação premiada prevista na lei do tráfico de entorpecentes?


R.: No caso da Lei de Drogas, é prevista no art. 41 e consiste em causa de diminuição de pena no patamar
de 1/3 a 2/3 para o indiciado ou acusado que colaborar voluntariamente com a investigação policial e o
processo criminal na identificação dos demais coautores ou partícipes do crime e na recuperação total ou
parcial do produto do crime. Se os envolvidos nos crimes de tráfico constituírem uma organização
criminosa, poderá ser aplicado o instituto da colaboração premiada prevista na Lei 12.850/12.

Fonte: Legislação Criminal para Concursos – Fábio Roque, Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar
– Ed. Juspodivm – 3ª Ed. – pág. 651

86. Como o delator se beneficia?


R.: O delator que colaborar voluntariamente com a investigação policial e o processo criminal na
identificação dos demais co-autores ou partícipes do crime e na recuperação total ou parcial do produto do
crime, no caso de condenação, terá pena reduzida de um terço a dois terços.
Art. 41 da Lei nº 11.343/06.

87. Defina violência moral na lei Maria da Penha.


R.: Violência moral é qualquer conduta que configure calúnia, difamação ou injúria.
Art. 7º, V da Lei nº 11.340/06

88. Crime de violência doméstica – É passível aplicação dos benefícios da lei 9099/95?
R.: Não é passível a aplicação dos benefícios da Lei 9.099/95 nos crimes que envolvam violência
doméstica e familiar contra a mulher por disposição expressa da lei Maria da Penha em seu artigo 41.
Art. 41 da Lei nº 11.340/06

89. Qual a diferença entre interceptação telefônica e escuta ambiental?


R.: Interceptação telefônica é a captação da comunicação telefônica alheia por terceiro sem o
conhecimento de nenhum dos interlocutores.
Escuta ambiental é a captação de uma comunicação, no ambiente dela, feita por terceiro com o
conhecimento de um dos interlocutores.

90. Ação civil pública permite a interceptação telefônica?


R.: Não, pois a Constituição Federal, no art. 5º, XII erigiu a direito fundamental a inviolabilidade das
comunicações telefônicas, permitindo a sua restrição exclusivamente para fins de investigação criminal ou
instrução processual penal. Também o art. 1º da Lei de interceptações telefônicas restringe sua aplicação
ao âmbito da investigação criminal e instrução processual penal.
Art. 1º da Lei nº 9296/96

91. Usuário de serviço público vítima de mau atendimento pode se socorrer ao CDC? Ou há regramento
específico?
R.: Não, pois o serviço público não se enquadra nas relações de consumo previstas no CDC. O usuário
poderá se valer do direito de petição previsto no Estatuto dos Funcionários Públicos do Estado de São
Paulo, na Lei de Processo Administrativo estadual e na Lei Orgânica da Polícia Civil.
Art. 239 da Lei nº 10.261/68
Art. 23 da Lei n] 10.177/98
Art. 55 da Lei Complementar 207/79
Exceção: Parte da doutrina entende que o CDC pode ser aplicado ao serviço público. O professor Fabrício
Bolzan recorre ao Código de Defesa do Consumidor, para enquadrar o usuário de serviço público no
conceito de consumidor em sentido estrito previsto no art. 2º da legislação consumerista:
“Nesse sentido, sem dúvidas o usuário do serviço público se enquadra no conceito de consumidor em
sentido estrito. Como exemplo, basta pensar no serviço de energia elétrica, ao qual somos destinatário
final”, explica Bolzan.
Fabrício lembra que, além do sentido estrido, o CDC traz três conceitos de consumidor por equiparação,
um deles no Art. 2º, Parágrafo único:
Art. 2º, parágrafo único: Equipara-se a consumidor a coletividade de pessoas, ainda que indetermináveis,
que haja intervindo nas relações de consumo.
Com base no artigo citado, Fabrício enquadra o usuário de serviço público no contexto de consumidor
coletivo e explica que uma coletividade de usuários pode entrar com uma ação coletiva na busca da
melhoria de um determinado serviço.
O artigo 17 do CDC fala sobre o consumidor como vítima de um evento danoso:
Art. 17 Para os efeitos desta Seção, equiparam-se aos consumidores todas as vítimas do evento.
“Basta pensarmos em uma vítima de acidente envolvendo transporte coletivo para trazer a figura do
usuário do serviço público como consumidor por equiparação”, explica Bolzan.
Por fim, um último conceito de consumidor por equiparação está no artigo 29 do CDC, que fala sob um
aspecto coletivo envolvendo as pessoas expostas às práticas comerciais e contratuais abusivas:
Art. 29 Para os fins deste Capítulo e do seguinte, equiparam-se aos consumidores todas as pessoas
determináveis ou não, expostas às práticas nele previstas.
Em resumo, caso haja uma prática comercial ou contratual abusiva envolvendo o serviço público, o
professor encontra nesse artigo a figura do usuário enquadrado como consumidor.

92. Em que circunstância pode ocorrer a redistribuição do IP de um delegado para outro?


R.: Nos termos da previsão contida na Lei nº 12.830/13, o IP pode ser redistribuído por superior
hierárquico, mediante despacho fundamentado, por motivo de interesse público ou nas hipóteses de
inobservância dos procedimentos previstos em regulamento da corporação que prejudique a eficácia da
investigação.
Art. 2º, § 4º da Lei nº 12.830/13

Examinador: WILSON RICARDO PITUBA PERES

93. É possível coleta de material biológico para identificação criminal?


R.: Sim, é possível. Tal previsão está contida na Lei nº 12.037/09, que prevê que, nos casos em que a
identificação criminal for essencial às investigações policiais, esta poderá incluir a coleta de material
biológico para a obtenção do perfil genético, o que ocorrerá somente mediante despacho da autoridade
judiciária competente, que decidirá de ofício ou mediante representação da autoridade policial, do
Ministério Público ou da defesa.
Arts. 3º, IV e 5º, § único da Lei nº 12.037/09

94. Fale sobre o princípio da territorialidade na lei de contravenção penal.


R.: A LCP prevê expressamente que a lei brasileira só é aplicável à contravenção praticada no território
nacional. Assim, em caso de contravenção penal, a regra é a territorialidade absoluta, em oposição à
previsão contida no Código Penal, que prevê a territorialidade temperada e a extraterritorialidade.
Art. 2º da LCP

95. Há crime no caso de impedimento de embarque de passageiro em razão de ser evangélico? Qual?
R.: Sim, neste caso ocorre o crime previsto no artigo 12 da Lei nº 7.716/89, que trata dos crimes de
preconceito.

96. Qual o conceito de “população negra” de acordo com o Estatuto de Igualdade Racial?
R.: De acordo com o Estatuto da Igualdade Racial, população negra é o conjunto de pessoas que se
autodeclaram pretas e pardas, conforme o quesito cor ou raça usado pela Fundação Instituto Brasileiro de
Geografia e Estatística (IBGE), ou que adotam autodefinição análoga.
Art. 1º, IV da Lei nº 12.288/10

97. O que está incluído no processo de identificação criminal?


R.: Nos termos da Lei 12.037/09, estão incluídos no processo de identificação criminal o processo
datiloscópico e fotográfico, e também, em casos específicos, coleta de material biológico para a obtenção
do perfil genético.
Art. 5º e § único da Lei nº 12.037/09

98. O ato de servir gratuitamente bebida alcoólica a criança ou adolescente é crime ou contravenção?
R.: É crime previsto no artigo 243 do ECA. A contravenção penal anteriormente prevista no art. 63, I da
LCP foi revogada.

99. Quais os efeitos de uma sentença condenatória a funcionário público em razão de crime de tortura?
R.: Além de ter a pena aumentada de 1/6 até 1/3, a condenação acarretará a perda do cargo, função ou
emprego público e a interdição para seu exercício pelo dobro do prazo da pena aplicada.
Art. 1º, § 4º, I e § 5º da Lei nº 9.455/97

100. Qual o regime de cumprimento de pena do regime de tortura?


R.: O condenado por crime previsto na lei de tortura iniciará o cumprimento da pena em regime fechado,
exceto nos casos de omissão.
Art. 1º, § 7º da Lei nº 9.455/97

101. O crime de abuso de autoridade pode ser praticado por funcionário público que não esteja no
exercício de suas funções?
R.: Não, pois a lei prevê expressamente que ela será aplicada contra as autoridades que, no exercício de
suas funções, cometerem abusos.
Art. 1º da Lei nº 4.898/65

102. Quais as condutas tipificadas no crime de lavagem de dinheiro, ou seja, as formas de praticá-lo?
R.: A Lei 9.613/98 prevê expressamente as condutas de ocultar ou dissimular a natureza, origem,
localização, disposição, movimentação ou propriedade de bens, direitos ou valores provenientes, direta ou
indiretamente, de infração penal. A ocultação e a dissimulação podem ocorrer na forma de conversão dos
ativos ilícitos em ativos lícitos, ou nas formas de adquirir, receber, negociar, dar ou receber em garantia,
guardar, ter em depósito, movimentar ou transferir os bens, direitos ou valores provenientes de infração
penal. Também pode ocorrer na forma de importação ou exportação de bens com valores não
correspondentes aos verdadeiros, e na forma de utilização, na atividade econômica ou financeira, de bens,
direitos ou valores provenientes de infração penal.
Art. 1º e §§ 1º e 2º da Lei nº 9.613/98
103. Qual o objeto material do crime de lavagem de dinheiro?
R.: São os bens, direitos ou valores provenientes de infração penal que passam pelo processo de
“transformação” da lavagem, a fim de que gozem de aparência lícita. Trata-se de objeto material bastante
amplo, de modo a abranger bens móveis e imóveis, títulos de crédito, etc.

104. Nos processos acerca de crimes previstos na lei de lavagem de dinheiro, é possível a aplicação
do Artigo 366 do CPP?
R.: A Lei de Lavagem veda a aplicação do art. 366 do CPP aos crimes nela previstos. Nestes, se o acusado
citado por edital não comparecer nem constituir advogado, o processo seguirá com nomeação de defensor
dativo, em vez de ser suspenso, como pugna o art. 366. Frisa-se que há minoritária doutrina que pugna
pela inconstitucionalidade de tal vedação.
(ver art. 2º, § 2º, da Lei 9.613/98)

105. Por que o crime previsto no Artigo 14 do Estatuto do Desarmamento é tido como variável?
R.: O porte ilegal de arma de fogo de uso permitido é assim tido porque descreve mais de uma conduta
como caracterizadora do crime, trazendo em si vários verbos como núcleos do tipo. O crime de conteúdo
variável também é chamado de crime de ação múltipla ou plurinuclear.

106. Na hipótese do Artigo 15 da lei de armas é possível arbitrar fiança?


R.: Sim. Muito embora exista previsão legal expressa vedando a fiança ao crime de disparo de arma de
fogo, o STF, no julgamento da ADI 3112-1, declarou a inconstitucionalidade de tal vedação. (ver art. 15,
p. único, da Lei 10.826/03)

107. Qual o delito praticado na hipótese de possuir em residência arma de uso restrito com
numeração suprimida?
R.: Delito previsto no art. 16, p. único, IV, da lei 10.826/03. Pontua-se que, para o STF (informativo 558),
para a caracterização de tal delito é irrelevante se a arma de fogo é de uso restrito ou permitido, bastando
que o identificador esteja suprimido.

108. Qual o prazo da prisão temporária?


R.: Prazo de 5 dias.
(art. 2º, caput, da Lei 7.960/89)
109. E na hipótese de crimes hediondos?
R.: Prazo de 30 dias.
(art. 2º, § 4º, da Lei 8.072/90)

110. Quais as hipóteses para sua prorrogação?


R.: Em caso de extrema e comprovada necessidade, os prazos de 5 ou 30 dias (a depender do crime ser
hediondo ou não), podem ser prorrogados uma única vez por igual período.
(art. 2º, caput, da Lei 7.960/89 e art. 2º, § 4º, da Lei 8.072/90)

111. Qual o prazo de duração da interceptação telefônica?


R.: Prazo de até 15 dias, renovável por igual tempo uma vez comprovada a indispensabilidade do meio de
prova.
(art 5º da Lei 9.296/96)

112. Quantas vezes pode ser prorrogado o prazo de interceptação telefônica?


R.: Não há limite no número de renovações sucessivas, desde que sempre indispensáveis e fundamentadas.

113. Qual o prazo prescricional das medidas previstas no Artigo 28 da Lei 11.343/2006?
R.: Prescrevem em 2 (dois) anos a imposição e a execução das penas previstas em lei para o porte de
drogas para consumo pessoal, observado, no tocante à interrupção do prazo, o disposto nos arts. 107 e ss.
Do Código Penal.
(art. 30 da Lei 11.343/06)

114. Como aferir se a droga destina-se a consumo ou tráfico?


R.: Para determinar se a droga destinava-se a consumo ou tráfico, o juiz atentará para a natureza e
quantidade da substância apreendida, ao local e às condições da ação, às circunstâncias sociais e pessoais,
bem como à conduta e aos antecedentes do agente.
(art. 28, § 2º, da Lei 11.343/06)

115. Há causa de redução de pena para o crime de tráfico de entorpecentes?


R.: Sim. No crime de tráfico de drogas é possível a redução de pena de um sexto a dois terços, desde que
o agente seja primário, de bons antecedentes, não se dedique a atividades criminosas e nem integre
organização criminosa. É o chamado tráfico privilegiado.
(art. 33, § 4º, da Lei 11.343/06)

116. Cite duas medidas que uma autoridade policial deve tomar em ocorrência envolvendo violência
contra mulher.
R.: No atendimento à mulher vítima de violência doméstica, a autoridade policial deverá, dentre outras
providências: garantir proteção policial à ofendida, se preciso, comunicando de imediato ao MP e ao
Judiciário; e encaminhá-la ao hospital ou posto de saúde e ao IML.
(art. 11, da Lei 11.340/06)

117. A prisão temporária é privativa no IP ou pode ser decretada no curso da ação penal? O juiz
pode decretar de ofício a prisão temporária?
R.: A temporária é espécie de prisão adstrita à fase de investigação preliminar (para alguns, apenas no IP,
para outros, em outras formas de investigação, como PICs e CPIs), sendo incabível sua decretação no
curso da ação penal. Ao juiz é vedada sua decretação de ofício.
(art 1º, I e art. 2º, caput, ambos da Lei 7.960/89)

Examinador: WILSON RICARDO PITUBA PERES

118. É possível coleta de material biológico para identificação criminal?


R.: Sim, a Lei 12.654/12 possibilita a coleta de material biológico para traçar perfil genético em 2
hipóteses: durante as investigações policiais, quando tal forma de identificação criminal for essencial,
segundo despacho do juiz competente; e para os condenados por crime praticado, dolosamente, com
violência de natureza grave contra pessoa, ou condenados pela prática de crime hediondo. A despeito da
literalidade da Lei e de reiterada jurisprudência no sentido de sua constitucionalidade e aplicação (inclusive
no STJ), há quem alegue a inconstitucionalidade da lei, por ela supostamente prestigiar o direito penal do
autor e ferir a segurança jurídica ao desequilibrar a balança punição x garantias.
(art. 5º, p. único, da Lei 12.037/09 e art. 9º-A da LEP)

119. Fale sobre o princípio da territorialidade na lei de contravenção penal.


R.: A Lei das Contravenções Penais adotou o princípio da territorialidade absoluta, de sorte que a lei
brasileira só é aplicável à contravenção praticada em território nacional, circunscrevendo -se à regra
segundo a qual a lei penal só tem aplicação no Estado que a criou.
(art 2º da Lei de Contravenções Penais - Decreto Lei 3.688/1941)

120. Há crime no caso de impedimento de embarque de passageiro em razão de ser evangélico?


Qual?
R.: Nesta situação, há crime o crime de impedimento de acesso ou uso de transportes públicos, previsto
no artigo 12 da Lei nº 7716/89, que define os crimes resultantes e preconceito.

121. Qual o conceito de “população negra” de acordo com o Estatuto de Igualdade Racial?
R.: População negra, consoante dispõe o artigo 1º, parágrafo único, inciso IV da Lei nº 12.288, é o conjunto
de pessoas que se autodeclaram pretas e pardas, conforme o quesito cor ou raça usado pela Fundação
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), ou que adotam autodefinição análoga.

122. O que está incluído no processo de identificação criminal?


R.: Conforme o artigo 5º da Lei nº 12.037, que dispõe sobre a identificação criminal, esta incluirá o
processo datiloscópico e o fotográfico. Quando a identificação criminal for essencial às investigações
policiais, também poderá incluir a coleta de material biológico para a obtenção do perfil genético.

123. O ato de servir gratuitamente bebida alcoólica a criança ou adolescente é crime ou


contravenção?
R.: Inicialmente, a lei de contravenções penais previa em seu artigo 63 a conduta de servir bebidas
alcoólicas a menor de dezoito anos, ocorre que com a edição do Estatuto da Criança e do Adolescente este
artigo foi revogado, sendo tal conduta tipificada como crime previsto no artigo 243 do citado Estatuto.

124. Quais os efeitos de uma sentença condenatória a funcionário público em razão de crime de
tortura?
R.: A Lei nº 9455/97, que define que crimes de tortura prevê em seu artigo 1º, §5º que a condenação por
tais delitos acarretará a perda do cargo, função ou emprego público e a interdição para seu exercício pelo
dobro do prazo da pena aplicada. Há duas posições na doutrina, uma corrente entende que não é necessária
motivação específica, mas é preciso constar na sentença a perda do cargo e outra corrente que entende ser
efeito automático.

125. Qual o regime de cumprimento de pena do regime de tortura?


R.: De acordo com a jurisprudência do STF, foi declarada incidentalmente a inconstitucionalidade do art.
2º, § 1º, da Lei n. 8.072/90, afastando a obrigatoriedade do regime inicial fechado para condenados por
crimes hediondos e equiparados, incluindo o crime de tortura. Ressalta-se que há um julgado da 1ª Turma
do STF afirmando que o regime inicial no caso de tortura deveria ser obrigatoriamente o fechado.

126. O crime de abuso de autoridade pode ser praticado por funcionário público que não esteja no
exercício de suas funções?
R.: O crime de abuso de autoridade pode ser praticado por funcionário público que não esteja no exercício
de suas funções, desde que, ao praticar o abuso, a use ou a invoque.

127. Quais as condutas tipificadas no crime de lavagem de dinheiro, ou seja, as formas de praticá-
lo?
R.: As condutas tipificadas no crime de lavagem de dinheiro são ocultar ou dissimular a natureza, origem,
localização, disposição, movimentação ou propriedade de bens, direitos ou valores.

128. Qual o objeto material do crime de lavagem de dinheiro?


R.: Seria mais amplo que o dinheiro, abrangendo bens, direitos ou valores. Bens objeto do crime podem
ser móveis ou imóveis, direitos podem ser títulos ou papéis que representem outros bens e valores é a
expressão que designa a moeda em espécie.

129. Nos processos acerca de crimes previstos na lei de lavagem de dinheiro, é possível a aplicação
do Artigo 366 do CPP?
R.: Conforme disposição expressa da Lei de Lavagem de Capitais, não se aplica o disposto no artigo 366
do CPP, devendo o acusado que não comparecer e nem constituir advogado, ser citado por edital,
prosseguindo o feito até o julgamento (art. 2º §2º).

130. Por que o crime previsto no Artigo 14 do Estatuto do Desarmamento é tido como variável?
R.: O crime do artigo 14 do Estatuto do Desarmamento é tido como de conteúdo variável ou de tipo misto
alternativo, também chamado de crime de ação múltipla, uma vez que a realização de mais de uma conduta
típica, em relação ao mesmo objeto material, constitui crime único.

131. Na hipótese do Artigo 15 da lei de armas é possível arbitrar fiança?


R.: O parágrafo único do artigo 15 do Estatuto do Desarmamento expressamente declara ser inafiançável
o delito, porém o STF declarou sua inconstitucionalidade, sendo possível a concessão de fiança, uma vez
ausentes as vedações do artigo 324 do CPP.

132. Qual o delito praticado na hipótese de possuir em residência arma de uso restrito com
numeração suprimida?
R.: Nesta hipótese, é praticado o delito previsto no 16, parágrafo único, inciso IV.

133. Qual o prazo da prisão temporária?


R.: Dispõe a Lei nº 7960/89, artigo 2º, que o prazo será de 5 dias.

134. E na hipótese de crimes hediondos?


R.: A previsão se encontra na Lei nº 8072/90, artigo 3º, §4º, que dispõe ser o prazo da prisão temporária
em crimes hediondos de 30 dias.

135. Quais as hipóteses para sua prorrogação?


R.: Em ambos os casos, a prisão temporária só poderá ser prorrogada por extrema e comprovada
necessidade.

136. Qual o prazo de duração da interceptação telefônica?


R.: A Lei nº 9296/96, artigo 5º, dispõe que o prazo de duração de interceptação telefônica será de quinze
dias, renovável por igual tempo, uma vez comprovada a indispensabilidade do meio de prova. Acrescenta-
se que a jurisprudência do STF entende que não há restrição legal ao número de vezes em que pode ocorrer
a renovação da interceptação.

137. Quantas vezes pode ser prorrogado o prazo de interceptação telefônica?


R.: Prevalece que o prazo de 15 dias pode ser renovado indefinidamente desde que comprovada a
indispensabilidade da medida.
- Art.5º da Lei 9296/96

138. Qual o prazo prescricional das medidas previstas no Artigo 28 da Lei 11.343/2006?
R.: Conforme o art.30 da Lei 11.343/2006 a prescrição ocorrerá em 2 anos.

139. Como aferir se a droga destina-se a consumo ou tráfico?


R.: É necessário que a autoridade avalie no caso concreto a quantidade de substância apreendida, o local
e as condições em que se desenvolveu a ação criminosa, as circunstâncias da prisão e a conduta e os
antecedentes do agente.
- Art.28, §2º da Lei 11.343/2006

140.Há causa de redução de pena para o crime de tráfico de entorpecentes?


R.: Sim, de acordo com art.33, §4º da Lei 11.343/2006, as penas do crime de tráfico poderão ser diminuídas
de um sexto a dois terços desde que o réu seja primário, de bons antecedentes e não se dedique às atividades
criminosas, nem integre organização criminosa.

141.Cite duas medidas que uma autoridade policial deve tomar em ocorrência envolvendo violência
contra mulher.
R.: No atendimento à mulher em situação de violência doméstica e familiar, a autoridade policial deverá,
entre outras providências: garantir proteção policial, quando necessário, comunicando de imediato ao
Ministério Público e ao Poder Judiciário; fornecer transporte para a ofendida e seus dependentes para
abrigo ou local seguro, quando houver risco de vida.
- Art.11 e 12 da Lei 11.340/2006

142.A prisão temporária é privativa no IP ou pode ser decretada no curso da ação penal?
R.: A prisão temporária somente pode ser decretada durante o Inquérito Policial, não podendo ser
decretada depois de iniciada a ação penal.
- Art.1º, da Lei 7960/89

143.O juiz pode decretar de ofício a prisão temporária?


R.: Não pode o juiz decretar a prisão temporária de ofício, somente mediante representação do Delegado
de Polícia ou de requerimento do Ministério Público.
- Art.2º, da Lei 7960/89

Examinador: Alexandre Silva Cassola

144.Plantão. PM apresenta a seguinte ocorrência: indivíduo portando uma porção de maconha.


Interpelado, informou que a droga é para uso próprio. Qual o ato de polícia judiciária tomaria?
R.: A autoridade policial deverá analisar as circunstâncias da apreensão, o local em que ocorreu, a
quantidade de droga apreendida, de acordo com art.28, §2º da Lei 11.343/06 e concluindo que se trata do
delito do art.28 da cita lei, lavrar Termo Circunstanciado de Ocorrência
- Art.69, da Lei 9.099/95

145.Lavraria um termo circunstanciado sob que fundamento?


R.: A lei de Drogas traz o procedimento que deve ser adotado nos casos de posse de drogas para consumo
próprio e remete ao procedimento da Lei dos juizados especiais.
- Art.48, §1º, da Lei.11.343/06

146.Está na Lei de Drogas ou na Lei nº 9.099/95?


R.: Há expressa previsão no art.48, §1º, da Lei 11.343/06 para que se utilize o procedimento descrito nos
artigos 60 e seguintes da Lei de 9.099/95.

147.O porte de drogas é infração de menor potencial ofensivo?


R.: Apesar de não haver previsão de pena privativa de liberdade em seu preceito secundário, o STF já se
manifestou no sentido de que a nova lei de drogas não descriminalizou a posse de drogas, apenas
despenalizou a conduta do usuário, e de acordo com o diploma legal, para apuração desta infração devem
ser aplicadas as mesmas medidas dos crimes de menor potencial ofensivo.

148.O que é infração de menor potencial ofensivo?


R.: São as contravenções penais e os crimes com pena máxima não superior a 2 anos, cumulado ou não
com multa, submetidos ou não a procedimento especial, ou seja, aplica-se a lei 9.099/95 ainda que haja
procedimento previsto em lei especial, excluída as hipóteses de violência doméstica e familiar contra
mulher.
- Art. 61, da Lei 9.099/95
149.Se durante a lavratura do termo circunstanciado o agente diz que não assume qualquer
compromisso, o que pode fazer a respeito?
R.: Neste caso deve ser lavrado o auto de prisão em flagrante, podendo o Delegado de Polícia arbitrar
fiança, tendo em vista que os crimes que comportam o TCO têm pena máxima inferior a 2 anos. No entanto,
no caso do art.28, da Lei de Drogas, o agente permanecerá solto ainda que não assuma o compromisso.

150.Por que não é possível a prisão em flagrante?


R.: No caso do delito do art.28, caput, da Lei 11.343/06, a própria lei informa no art.48, §2º, que não se
imporá prisão em flagrante. Assim, mesmo que o conduzido não se comprometa a comparecer ao juizado,
não poderá ser preso. Até porque o crime do art.28 não prevê pena de prisão.

151.É possível lavrar o termo circunstanciado sem a presença do autor do fato?


R.: De acordo com o art.69, parágrafo único, da Lei dos juizados especiais, não é possível lavrar o TCO
na ausência do autor dos fatos, pois a legislação exige que seja firmado o compromisso de comparecimento
ao juizado pelo agente.
Na prática, algumas polícias civis lavram o TCO na ausência do agente e colhem sua assinatura com o
compromisso em momento posterior. (Dúvida quanto a essa resposta)

152.Como lavraria? Como faria o agente firmar compromisso?


R.: Na prática lavra-se o TCO e intima-se posteriormente o autor para ser ouvido e no termo de declarações
assumir o compromisso de comparecer em juízo. (Dúvida quanto a essa resposta)

153.O que é interceptação telefônica por prospecção?


É aquela feita com o objetivo de sondar se determinando indivíduo está ou não envolvido em práticas
delituosas. Não é admitida em nosso ordenamento jurídico.
154. Quais os requisitos indispensáveis para finalizar uma representação de interceptação
telefônica?
R.: De acordo com a Lei 9296/1996, que trata da interceptação telefônica no ordenamento jurídico
brasileiro, existem alguns requisitos para a representação, pelo Delegado de Polícia, da interceptação
telefônica. Estão previstos em seus artigos 1º, 2º e 4º e são: a. produção de prova em investigação criminal
ou processo penal; b. existência de indícios razoáveis de autoria ou participação em infração penal; c. a
prova não puder ser produzida por outros meios; d. o fato for punido com pena de reclusão; e. descrição
com clareza da situação objeto da investigação; f. qualificação do investigados, salvo impossibilidade
manifesta devidamente justificada; g. demonstração de que a interceptação é necessária; e h. indicação dos
meios a serem empregados.

155. Prisão temporária → Qual o limite temporal para o magistrado se manifestar acerca da
representação da prisão temporária?
R.: Nos termos do artigo 2º, §2º, da Lei 7960/1989, que dispõe sobre a prisão temporária, “o despacho que
decretar a prisão temporária deverá ser fundamentado e prolatado dentro do prazo de 24 (vinte e quatro)
horas, contadas a partir do recebimento da representação ou do requerimento”.

156. E se não houver manifestação nesse prazo?


R.: Como a prisão temporária depende de decisão fundamentada da autoridade judicial, não será possível
a sua realização. Deve a Autoridade Policial, portanto, representar ao órgão correicional do Poder
Judiciário e, ao mesmo tempo, reiterar a representação pela prisão temporária.

157. O juiz tem a prerrogativa de desrespeitar esse prazo?


R.: Não, tendo em vista que se trata de prazo legal e de medida indispensável para a investigação criminal.
Cumpre observar que as 24 horas se tratam de prazo máximo, podendo o juiz analisar o pedido em menos
tempo.

158. Plantão. Uma senhora humilde não para de chorar. Informa que há 5 dias foi vítima de roubo
qualificado em sua residência e violentada. Informa que o agente está no bar em frente à casa dela.
Que atitude toma?
R.: Primeiramente, cumpre observar que não se trata de flagrante delito. À vista disso, colhido o relato da
vítima, deve ser determinado a instauração de inquérito policial para investigação dos fatos e a realização
de diligências na casa da vítima, com o objetivo de apurar a materialidade do delito. Além disso, deve ser
determinada a oitiva do suspeito, devendo ser notificado para comparecer na Delegacia de Polícia. Cumpre
salientar que, de acordo com decisão recente do STF, não é mais possível a determinação da condução
coercitiva de suspeitos/indiciados/réus para interrogatório, sendo possível, no entanto, a sua condução para
outros atos que não possam ser realizados sem sua presença.

159. Representaria a prisão temporária?


R.: Não, tendo em vista que não estão presentes todos os requisitos exigidos pela lei 7960/1989. Nos
termos da mencionada lei, é necessário, para a decretação da prisão temporária, um dos seguintes requisitos
- ela seja imprescindível para a investigação do inquérito policial ou quando o indiciado não tem residência
fixa ou não fornecer elementos para a sua identificação – em conjunto com a prática de um dos crimes
previstos no inciso III, do artigo 1º da referida Lei. Embora o roubo esteja previsto no aludido rol, apenas
com a oitiva da vítima não é possível aferir se a prisão do agente é imprescindível para a investigação, se
ele tem ou não residência fixa ou se não fornecerá elementos para sua identificação.

160. Em face de quem?


R.: Como acima afirmando, com os elementos informado pela vítima ainda não seria possível representar
pela prisão temporária do agente.

161. Deixaria o sujeito em frente à casa dela?


Não. Embora não seja possível a representação pela prisão preventiva, deve o Delegado de Polícia
deslocar-se até o local onde se encontra o agente suspeito a fim de notificá-lo para comparecer na
Delegacia de Polícia para sua oitiva. Embora não seja possível sua condução coercitiva para
“interrogatório”, segundo o STF ele poderia ser conduzido para a Delegacia para a prática de ato que não
possa ser realizado sem a sua presença, como, por exemplo, sua qualificação ou reconhecimento pela
vítima. Salienta-se que, caso, surjam os requisitos da prisão temporária ou preventiva durante a realização
de diligência, será possível ao Delegado de Polícia a representação pelas referidas prisões.

162. Jamais conduziria esse sujeito até à Delegacia?


R.: Conduziria sim. Como acima respondido, embora o STF tenha decidido pela não recepção do artigo
260, do CPP, no que se refere a parte do interrogatório, em razão dos princípios do nemo tenetur se detegere
e da não culpabilidade, chegou-se a conclusão de que ainda é possível a condução do suspeito para atos
que dependam da sua presença para serem realizados a exemplo da identificação criminal e da qualificação
que precede o interrogatório.

163. Do que a identificação criminal é composta?


R.: Nos temos do artigo 5º, da Lei 12.037/2009, que dispõe sobre a identificação criminal do civilmente
identificado, “a identificação criminal incluirá o processo datiloscópico e o fotográfico, que serão
juntados aos autos da comunicação da prisão em flagrante, ou do inquérito policial ou outra forma de
investigação”. Além dos métodos clássicos acima referidos, a lei também permite a colheita do DNA,
contudo, esta colheita depende de autorização judicial.

164. Quais os atos que permeiam o reconhecimento?


R.: Nos termos do artigo 226, do Código de Processo Penal, “quando houver necessidade de fazer-se o
reconhecimento de pessoa, proceder-se-á pela seguinte forma: I - a pessoa que tiver de fazer o
reconhecimento será convidada a descrever a pessoa que deva ser reconhecida; II - a pessoa, cujo
reconhecimento se pretender, será colocada, se possível, ao lado de outras que com ela tiverem qualquer
semelhança, convidando-se quem tiver de fazer o reconhecimento a apontá-la; III - se houver razão para
recear que a pessoa chamada para o reconhecimento, por efeito de intimidação ou outra influência, não
diga a verdade em face da pessoa que deve ser reconhecida, a autoridade providenciará para que esta
não veja aquela; IV - do ato de reconhecimento lavrar-se-á auto pormenorizado, subscrito pela
autoridade, pela pessoa chamada para proceder ao reconhecimento e por duas testemunhas presenciais”.

165. O exame de DNA pode ser sempre utilizado?


R.: Segundo Nucci, “a exceção aberta pelo artigo 3º, inciso IV, da Lei, não pode ser generalizada, sob
pena de configurar constrangimento ilegal ao indivíduo identificado pode meio de material genético”.
Deve-se respeitar os estritos limites previstos no parágrafo único do artigo 5º, combinado com o inciso IV,
do artigo 3º, ambos da Lei de Identificação Criminal.

166. Como funcionaria a prévia autorização judicial para a identificação criminal?


R.: De acordo com o inciso IV, do artigo 3º, da Lei 12.037/2009, quando a identificação criminal for
essencial às investigações policiais, a autoridade policial poderá representar por ela e o Ministério Público
e a defesa poderão a requerer à autoridade judiciária, que, inclusive, poderá decidir de ofício. Segundo
Nucci, é a hipótese mais aberta de todas, envolvendo elementos de “necessariedade” não descritos em lei
e por essa razão provoca a atuação da autoridade judicial. Ex.: pessoa apresenta documentos civis em
ordem, porém, possui irmão gêmeo idêntico.

167. Tem que ser fruto de autorização do juiz de direito?


R.: A identificação criminal, normalmente, não precisa de autorização judicial quando presentes as
situações presentes na Lei 12037/2009. No entanto, conforme referido nas questões acima, no caso do
inciso IV, artigo 3º, da mencionada lei, que engloba a colheita do DNA, é necessária a fundamentada
decisão judicial.

168. Lei nº 9.605/98 → Defina meio ambiente?


R.: Pode-se conceituar meio ambiente como o conjunto de condições, leis, influências, alterações e
interações de ordem física, química e biológica, que permite, obriga e rege a vida em todas as suas formas
(conceito extraído do artigo 3º, inciso I, da Lei 6938/1981 – Política Nacional do Meio Ambiente).

169. Como define a responsabilidade penal nos crimes ambientais?


R.: Nos termos do artigo 2º, da Lei 9605/1998, que trata dos crimes ambientais, “quem, de qualquer forma,
concorre para a prática dos crimes previstos nesta Lei, incide nas penas a estes cominadas, na medida da
sua culpabilidade, bem como o diretor, o administrador, o membro de conselho e de órgão técnico, o
auditor, o gerente, o preposto ou mandatário de pessoa jurídica, que, sabendo da conduta criminosa de
outrem, deixar de impedir a sua prática, quando podia agir para evitá-la”. Cumpre salientar que a Lei
também prevê a possibilidade da responsabilização da pessoa jurídica em seu artigo 3º, que, nos termos
de seu parágrafo único, não exclui a das pessoas físicas, autoras, coautoras ou partícipes do mesmo fato.
Observa-se que os Tribunais Superiores não mais acatam a Teoria da Dupla Imputação, não havendo,
portanto, relação entre a responsabilização da pessoa jurídica e da pessoa física.

170. Como funciona o processo crime neste caso?


R.: A ação penal nos crimes ambientais é de pública incondicionada (artigo 26, da Lei 9605/1998). No
caso de processamento de pessoas físicas e jurídicas, ambas constarão do polo ativo e responderão pelos
crimes que cometeram.

171 – Como a pessoa jurídica é citada no processo crime?


R.: A pessoa jurídica é citada no processo crime conforme as regras gerais estabelecidas pelos Arts. 351 a
369 do CPP (citação real ou pessoal, ou ainda, citação ficta ou presumida), ou ainda, nos moldes do artigo
66 da lei 9.099/95 (citação pessoal) quando a infração tratar de menor potencial ofensivo, uma vez que a
Lei dos Crimes Ambientais não trouxe disposição expressa regulando o tema.

172 – A pessoa jurídica não é representada pelo sócio?


R.: No que se refere à citação e demais atos processuais a pessoa jurídica será representada na pessoa do
seu representante legal ou procurador expressamente autorizado para tais atos.

173 – E como ficaria a situação se ele também fosse responsabilizado com pessoa física?
R.: A responsabilização do sócio da pessoa jurídica é independente da responsabilização da própria pessoa
jurídica, já que para esta ser responsabilizada, exige-se como requisitos, que a decisão tenha sido tomada
no âmbito da empresa e que esta decisão tenha se dado no interesse ou benefício da pessoa jurídica, já que
os tribunais superiores não adotam mais a teoria da dupla imputação.

174 – Vários produtos ligados a um suposto crime ambiental. O que deve ser feito?
R.: Verificada a infração, os produtos deverão ser apreendidos. Tratando-se de produtos perecíveis, serão
estes avaliados e doados a instituições científicas, hospitalares, penais e outras com fins beneficentes. Os
produtos da fauna não perecíveis serão destruídos ou doados a instituições científicas, culturais ou
educacionais.
Art. 25, caput, e parágrafos 3º e 4º, da Lei 9.605/98.

175 – Estatuto do Torcedor. A lei 12.299/07 trouxe várias alterações. Cite uma conduta que passou a
figurar como crime.
R.: Vender ingresso de evento esportivo, por preço superior ao estampado no bilhete: Pena – Reclusão de
1 (um) a 2 (dois) dois anos e multa.
Art. 41-F do Estatuto do Torcedor.
176 – Outra alteração importante?
R.: Regulou a conduta de praticar violência em eventos esportivos, com reclusão de 1 (um) a 2 (dois) anos
e multa. Inclusive, conceituou o que é torcida organizada e previu a penalização para esta, de impedimento
de comparecimento a eventos esportivos pelo prazo de até 3(três) anos.
Arts. 41-B, 2º-A e 39-A do Estatuto do Torcedor.

177 – Qual a maior razão de ter havido essa alteração na legislação?


R.: Coibir de forma efetiva a prática de violência no interior, ao redor e trajeto de trajeto de ida e volta das
imediações dos locais de realização de eventos esportivos, principalmente estádios de futebol, visando a
proteção do torcedor.

178 – Indivíduo vendendo um bilhete por preço dez vezes mais caro. O que faria?
R.: Na qualidade de autoridade policial cumpriria o dever estatuído no Art. 301 do CPP, realizando a
captura do agente em flagrante delito, visando impedir a consumação do crime, a fuga do agente e o
recolhimento de provas. Conduziria o autor a um distrito policial, onde deverá ser lavrado o Termo
Circunstanciado de Ocorrência, encaminhando-o diretamente ao Juizado Especial Criminal ou, colheria o
compromisso de a este comparecer, conforme Art. 69, parágrafo único da Lei 9099/95.

179 – É infração de maior ou menor potencial ofensivo?


R.: É infração de menor potencial ofensivo, já que a pena máxima estatuída no delito é de dois anos.

180 – Lavra o flagrante?


R.: Não. A peça correta a ser lavrada é o Termo Circunstanciado de Ocorrência. Somente será lavrado o
Auto de Prisão em Flagrante se o autor se negar a prestar o compromisso de comparecer ao juizado,
conforme interpretação do parágrafo único do Art. 69 da lei 9.099/95. Neste caso, poderá a autoridade
policial arbitrar fiança, nos termos do Artigo 322 e 325, inciso I do CPP.

181 – Diferencie o loteamento de parcelamento do solo urbano.


R.: O loteamento é espécie do gênero parcelamento do solo urbano. Loteamento é a subdivisão de glebas
em lotes destinados a edificação, com a abertura de novas vias de circulação, de logradouros públicos ou
prolongamento, modificação ou ampliação das vias existentes. Já o desmembramento é a outra espécie de
parcelamento do solo urbano, e diferencia-se do loteamento pela não abertura de novas vias públicas, nem
prolongamento, modificação ou ampliação das já existentes.
Arts. 2º, parágrafos 1º e 2º da Lei 6766/79.

182 – A lei 12.830/15 trouxe alterações na legislação. Cite duas.


R.: O poder requisitório do delegado de polícia de perícias, informações, documentos e dados que
interessem à apuração dos fatos, bem como, o indiciamento, este como ato privativo da autoridade policial.

183 – Fale sobre o poder requisitório do delegado previsto nesta lei.


R.: O poder requisitório do delegado de polícia advém do poder geral de polícia elencado no Art. 6º, inciso
III do CPP. O que o legislador fez na lei 12.830/13 foi esmiuçar este poder, visando municiar a
discricionariedade da autoridade policial na condução da investigação, dando respaldo aos meios
necessários para coletar provas de forma célere e eficaz, tornando obrigatória a observância da ordem, sob
pena de responsabilização criminal.

184 – Há necessidade de intervenção judicial?


R.: Prioritariamente não haverá necessidade de intervenção judicial nas requisições da autoridade policial,
ressalvados os casos exigidos pela constituição, nas cláusulas de reserva de jurisdição, como por exemplo,
na interceptação telefônica.

185 – Há prazo para o juiz?


R.: Em alguns casos específicos a própria lei traz o prazo para o pronunciamento do magistrado sobre a
requisição da autoridade policial. Exemplifica-se com a recente alteração legislativa do Art. 13-B em que
o magistrado possui o prazo de 12 (doze horas) para se manifestar sobre a disponibilização pelas empresas
de comunicação, dos meios técnicos adequados que permitam a localização da vítima ou suspeitos de
delito em curso. É o que a doutrina chama de cláusula de reserva de jurisdição temporária.

186 – O que é crime hediondo?


R.: Crimes hediondos são aqueles que, adotado o sistema legal, estão elencados em rol taxativo na lei
8.072/90, merecendo uma reprimenda mais severa e tratativa diferenciada na seara criminal, obedecendo
o mandado constitucional de criminalização elencado pelo legislador constituinte no inciso XLIII do Art.
5º da CF.

187 – O rol de crimes hediondos é taxativo?


R.: Sim, o rol dos crimes hediondos é taxativo, pois o Brasil adotou o Sistema Legal, em que cabe ao
legislador enumerar de forma expressa quais seriam os crimes hediondos.

188 – Quais os últimos crimes elencados como hediondos?


R.: Os últimos crimes foram o favorecimento da prostituição ou de outra forma de exploração sexual de
criança ou adolescente ou de vulnerável (art. 218-B, caput, e §§ 1º e 2º) e a posse ou porte ilegal de arma
de fogo de uso restrito (art. 16 da lei 10826/03).
Artigo 1º, da lei 8072/90.
189 – O STF entendeu pela inconstitucionalidade de o regime inicial necessariamente ser em regime
fechado. R.: Em que princípio o STF se apegou para reconhecer a inconstitucionalidade?
O STF se apegou ao princípio da individualização da pena, devendo a fixação do regime levar em conta a
gravidade e circunstâncias concretas do delito.

190 – Plantão. Policial da rota. Denúncia anônima de que vai ocorrer a explosão a um caixa
eletrônico. Informam que colocaram policiais à paisana, quando surpreenderam um indivíduo na
porta do caixa eletrônico com uma mochila e dez bananas de dinamite. Esse indivíduo é apresentado
no Plantão. Que conduta adota?
R.: Lavraria auto de prisão em flagrante delito do agente. Também apreenderia os objetos que tivessem
relação com o crime, requisitaria perícia para o local do fato e colheria todas as provas que servissem para
o esclarecimento do fato.

191 – O que entende por tentativa?


R.: A tentativa ocorre quando, iniciada a execução, o crime não se consuma por circunstâncias alheias à
vontade do agente. Trata-se de causa de diminuição de pena, que a reduz de um a dois terços dependendo
da proximidade da consumação do crime.
Artigo 14, inciso II, do Código Penal.

192 – Em que fase do iter criminis se encontrava?


R.: O agente havia iniciado a execução do crime de furto qualificado pelo emprego e explosivo (artigo
155, § 4º - A, do Código Penal) – teoria objetiva individual (adotada pelos Tribunais Superiores).
Ou, se considerar a teoria objetivo formal (adotada pelo CP), o agente estaria em ato preparatório. Neste
caso, ele é considerado crime (artigo 16, parágrafo único, do Estatuto do Desarmamento).

193 – O que entende por execução?


R.: Segundo a teoria objetivo individual, adotada pelos Tribunais Superiores, a execução se inicia com a
prática de atos imediatamente anteriores ao crime. Segundo a objetivo formal (CP), a execução se inicia
com a prática do verbo nuclear do tipo penal.

194 – O que faz com o indivíduo?


R.: Ante a quantidade da pena, não poderá ser arbitrada fiança pela Autoridade Policial. O agente deverá
ser encaminhado à audiência de custódia.

195 – Onde está tipificado o porte de explosivo?


R.: Está tipificado o Estatuto do Desarmamento, no artigo 16, parágrafo único, inciso III.
196 – Por que a doutrina considera o crime de lavagem de dinheiro como crime parasitário?
R.: Porque depende de uma infração penal antecedente para sua caracterização. Sem o crime anterior, não
há que se falar em lavagem de capitais. Estamos na terceira geração, em que qualquer infração penal
poderá anteceder ao crime de lavagem.
Artigo 1º, lei 9613/1998.

Examinadora: Márcia Heloísa Mendonça Ruiz

197 – Somente quem é autoridade está abrangido pela lei de abuso de autoridade?
R.: A lei prevê que será considerado autoridade quem exercer cargo, emprego ou função pública, de
natureza civil ou militar, ainda que transitoriamente e sem remuneração. Artigo 5º, lei 4898/65.

198 – Uma pessoa que não é agente público pode ser abrangida pela lei de abuso de autoridade?
R.: O particular também poderá responder pelo crime se cometê-lo juntamente com as pessoas acima e
saiba dessa qualidade dela.

199 – ECA – Quais as medidas de proteção que podem ser aplicadas à criança?
R.: As medidas são: encaminhamento aos pais ou responsável, mediante termo de responsabilidade;
orientação, apoio e acompanhamento temporários; matrícula e frequência obrigatórias em estabelecimento
oficial de ensino fundamental; inclusão em programa comunitário ou oficial de auxílio à família, à criança
e ao adolescente; inclusão em serviços e programas oficiais ou comunitários de proteção, apoio e promoção
da família, da criança e do adolescente; requisição de tratamento médico, psicológico ou psiquiátrico, em
regime hospitalar ou ambulatorial; inclusão em programa oficial ou comunitário de auxílio, orientação e
tratamento a alcoólatras e toxicômanos; abrigo em entidade; acolhimento institucional; colocação em
família substituta; inclusão em programa de acolhimento familiar; colocação em família substituta.
Artigo 101 do ECA.

200 – O adolescente pode ser colocado em lar substitutivo?


R.: Sim, tanto a criança quanto o adolescente poderão ser colocados em lar substituto, mediante guarda,
tutela ou adoção. Entretanto, será necessário o consentimento do adolescente, colhido em audiência.
Artigo 28 do ECA.

201 – Uma pessoa causa intenso sofrimento físico ou mental a alguém, não porque quer torturar,
mas porque quer satisfazer o seu sadismo, causando mal a alguém, comete crime de tortura?
R.: Não comete crime de tortura, uma vez que os tipos penas da lei de tortura exigem especiais fim de agir
dos agentes, e não somente o sadismo.
202 – Como Delegado, pode recusar cota oriundo do MP para fins dessa lei?
R.: O Delegado deverá realizar as diligências, pois o Ministério Público será o titular de eventual ação
penal e a ele se destinarão as provas. Há entendimento de que poderá se negar se forem diligências
manifestamente protelatórias, devolvendo os autos ao Ministério Público para que justifique a necessidade
da diligência.

203 – Supondo que o MP queiro o indiciamento de uma pessoa, o Delegado pode se negar?
R.: Sim, pois se trata de ato privativo do delegado de polícia e não vincula o Ministério Público para
oferecimento da denúncia.
Artigo 2º, § 6º, da lei 12830/2013.

204 – Lei de Crimes Ambientais – A pesca é permitida, segundo a lei ambiental, em qualquer período
e de qualquer forma?
R.: Não, há períodos em que a pesca é proibida. Ela também deve respeitar determinadas formas. A lei
prevê que é vedada a pesca de espécies que devam ser preservadas ou espécimes com tamanhos inferiores
aos permitidos; a pesca de quantidades superiores às permitidas, ou mediante a utilização de aparelhos,
petrechos, técnicas e métodos não permitidos; e a pesca mediante a utilização de explosivos ou substâncias
que, em contato com a água, produzam efeito semelhante, ou substâncias tóxicas, ou outro meio proibido
pela autoridade competente (lei 9605/98).

205. No delito de pesca com explosivos (art. 35), é possível aplicação da lei 9099/95?
R.: Por não ser uma infração de menor potencial ofensivo (art.35- pena máxima de 5 anos), não é possível
aplicar os institutos despenalizadores da lei 9099. Contudo, admite a suspensão condicional do processo
(art.89). Artigo. 89 da Lei 9099/95; artigos 27, 28, 35 da lei 9605/98.

206. Há previsão expressa que proíba aplicação?


R.: Os artigos 27 e 28 da lei 9605/98 estabelecem a aplicação dos institutos previstos na Lei 9099/95
apenas para os crimes de menor potencial ofensivo. Contudo, nos moldes do art. 89 da lei 9099, a
suspensão também é aplicável às infrações que não sejam de menor potencial ofensivo. Desta forma, a
doutrina entende que a restrição prevista no art. 28 deve ser desconsiderada pelo intérprete, vez que o
instituto tem ampla aplicabilidade.

207. O que é corrupção passiva desportiva?


R.: Trata-se de delito especial em relação ao previsto no art. 317 CP. O art. 41-C da lei 12.999/10 pune a
conduta do agente que solicita ou aceita, para si ou para outrem, vantagem patrimonial ou não, destinado
a alterar ou falsear o resultado de competição desportiva.
208. Qual prazo para requerer mandado de segurança?
R.: O prazo decadencial para impetração do MS é de 120 dias. Artigo 10 e da lei 12016/ 09; art. 5, LXIX
CF.

209. A partir de que momento?


R.: Contado da ciência, pelo interessado, do ato impugnado (art. 23 da Lei 12016/09).

210. Quais as penas restritivas de direito nos crimes contra o consumidor?


R.: As PRDs são: I. interdição temporária de direitos; II. Publicação em órgãos de comunicação de grande
circulação ou audiência, às expensas do condenado, de notícia sobre os fatos e a condenação; III. Prestação
de serviço à comunidade.

211. Uma pessoa física pode praticar crime contra o consumidor?


R.: SIM. Os crimes próprios previstos no CDC são praticados pelo fornecedor (pessoa física ou jurídica).
O Fornecedor é gênero, das quais são espécies, comerciante, profissional liberal, dentre outros. Assim,
pode ser praticado por um autônomo, por exemplo. Arts. 3º, 13, 14 CDC.

212. Essa pessoa que exerce atividade autônoma receberia somente a pena de interdição do
estabelecimento?
R.: Não. O legislador estabeleceu a possibilidade da imposição de PRD, de forma cumulativa ou alternativa
em relação à PPL e à multa. Assim, analisando o caso concreto, poderiam ser aplicadas PRD (interdição,
prestação de serviço a comunidade e publicação em órgãos) cumulada cm PPL e multa.

213. Artigo 63 do CDC. Quais são os elementos normativos?


R.: O fornecedor está obrigado a informar a nocividade (dano efetivo) ou periculosidade (circunstâncias
que indicam um dano provável) de produtos. Estes são elementos normativos do tipo.

214. Art 2, II, Da lei 12.830 -> O delegado pode determinar a interceptação telefônica sem
autorização judicial?
R.: Não. Para que a interceptação telefônica seja válida é indispensável a autorização judicial
(entendimento pacífico). Lei 9296/96 – art. 3º.

215. Qual dispositivo constitucional que essa lei regulamenta?


R.: Art. 5º, inciso XII da CF.

216. Quais as espécies de identificação criminal?


R.: As espécies são: identificação fotográfica, identificação datiloscópica e a identificação do perfil
genético. art. 5, LVIII da CF; arts. Lei 12037/09.

217. Reconhecimento pode ser considerado uma espécie de identificação criminal?


R.: Não. O reconhecimento é um meio de provas (artigo 260 CPP). Sendo meio probatório como outro
qualquer, o valor da prova de reconhecimento é relativo.

218. De que maneira é feita a identificação datiloscópica?


R.: A identificação datiloscópica é o processo de identificação humana por meio de impressões digitais. É
uma forma imutável e segura de identificação.

219. E a Fotográfica?
R.: A identificação fotográfica é feita por meio de fotografias. Não é um método seguro porque a imagem
da pessoa modifica-se com o passar dos anos e a fotografia pode ser alterada.

220. Como delegado, pode representar pela prisão temporária contra pessoa que praticou vários
crimes de estelionato?
R.: Não poderá representar pela prisão temporária, pois o estelionato não está previsto no rol dos crimes
que admitem a mencionada prisão (art. 1, III da lei 7960/89). Assim sendo, não está presente um dos
requisitos previstos na lei, qual seja, Fumus Comissi Delicti.

221. Qual o melhor momento para o delegado representar?


R.: Quando da elaboração do inquérito policial, o delegado pode representar ao juiz, solicitando a prisão
temporária do acusado ou indiciado de crimes considerados graves, que não tiver residência fixa ou que
não fornecer dados que esclareçam a sua identidade, como medida imprescindível as investigações. Art.
2º da lei 7988/90.

222. Lei de Preconceito Racial → O que seria discriminação para efeitos dessa lei?
R.: Discriminação racial ou étnico-racial é conceituada no Estatuto da Igualdade Racial (Lei n.
12.288/2010) como “toda distinção, exclusão, restrição ou preferência baseada em raça, cor, descendência
ou origem nacional ou étnica que tenha por objeto anular ou restringir o reconhecimento, gozo ou
exercício, em igualdade de condições, de direitos humanos e liberdades fundamentais nos campos político,
econômico, social, cultural ou em qualquer outro campo da vida pública ou privada”;
Legislação de referência:
Estatuto da Igualdade Racial (Lei n. 12.288/2010): Art.1º, parágrafo único, I.
Convenção Internacional Sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial (Decreto n.
65.810/69): Art. I, 1.
Crimes resultantes de preconceito de raça ou de cor: Lei nº. 7.716/89

223. Qual o elemento subjetivo do crime de racismo?


R.: É o dolo, não havendo forma culposa.

224. Lei de Improbidade Administrativa → Os atos de improbidade administrativa admitem a


forma culposa?
R.: Em regra, apenas atos dolosos configuram improbidade administrativa (art. 9 e 10). No entanto, os atos
de improbidade que causam lesão ao erário (art. 10) admitem forma culposa ou dolosa.

225. Poderia dar exemplo de uma conduta culposa?


R.: Haverá improbidade por meio de conduta culposa, por exemplo, na hipótese de o agente agir
negligentemente na arrecadação de tributo ou renda (art.10, X, da LIA), sendo indispensável o efetivo
dano ao erário e, para corrente majoritária, que o agente atue com culpa grave.

226. CTB → O Delegado de Polícia pode constatar a embriaguez?


R.: O delegado de polícia pode constatar a embriaguez desde que baseado em elementos probatórios como
“bafômetro”, exames clínicos, perícias ou testemunhos.

227. Quais os meios que poderão ser utilizados?


R.: Art. 306, § 2o, CTB: “A verificação do disposto neste artigo poderá ser obtida mediante teste de
alcoolemia ou toxicológico, exame clínico, perícia, vídeo, prova testemunhal ou outros meios de prova em
direito admitidos, observado o direito à contraprova.”

228. A pessoa pode se negar ao bafômetro?


R.: Sim, baseada no direito de não-autoincriminação, que vem previsto de forma expressa no art. 8º da
Convenção Americana sobre Direitos Humanos.

229. Essa recusa tem implicações na esfera administrativa?


R.: Sim. A recusa é considerada uma infração gravíssima. O motorista recebe as mesmas punições
administrativas do motorista embriagado que aceita fazer o teste. Ele é multado em R$ 2.934,70, tem a
carteira de habilitação recolhida e o direito de dirigir suspenso por um ano.

230. Lei nº 12.830/13 → Há possibilidade de outras instituições investigarem?


R.: Sim, nos termos do art. 4°, parágrafo único, da CPP, segundo o qual a atribuição da Polícia não excluirá
a de autoridades administrativas, as quais por lei seja cometida a mesma função. É o caso, por exemplo,
das Comissões Parlamentares de Inquérito, do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF),
do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) e do próprio Ministério Público.

231. O que significa “essenciais e exclusivas do Estado” (artigo 2º)?


R.: Significa dizer que o Estado não pode transferir o exercício dessas funções à iniciativa privada.

Examinador: WILSON RICARCO PITUBA PERES

232. Indivíduo que faz propaganda de nazismo com panfletos - É crime? Qual o enquadramento
penal?
R.: Caso os panfletos utilizem a cruz suástica ou gamada, haverá o crime de divulgação do nazismo,
previsto no artigo 20, §1º da Lei dos Crimes de Preconceito ou Discriminação (Lei nº 7.716/89).
Entretanto, caso não as utilize, será possível o enquadramento da conduta no tipo genérico do racismo,
previsto no artigo 20, caput, da mesma lei.

233. O delegado atende mãe de aluno que afirma que a diretora da escola recursou a matrícula de
seu filho por eles serem católicos. É crime? Qual?
R.: A recusa da matrícula de aluno em estabelecimento de ensino por motivos de discriminação religiosa
configura o crime de racismo, na forma prevista no artigo 6º da Lei nº 7.716/89. Caso o aluno possua
menos de 18 anos, incidirá a majorante de 1/3 prevista no paragrafo único do mesmo artigo.

234. O juiz pode decretar a prisão temporária de ofício?


R.: A prisão temporária não pode ser decretada de ofício pelo juiz, dependendo de representação da
autoridade policial ou de requerimento do Ministério Público.
Legislação: Lei nº 7.960/1989: Artigo 2º.

235. A prorrogação da prisão temporária pode ser concedida de ofício pelo juiz, automaticamente,
já no mandado que determina a prisão temporária?
R.: O juiz não pode prorrogar de ofício prisão temporária, sob pena de violar o sistema acusatório. De
mesmo modo, também não é possível a prorrogação da prisão temporária já no mandado que a determina,
uma vez que a prorrogação é hipótese excepcional que deve ser baseada em elementos probatórios colhidos
enquanto o acusado estava preso.

236. Qual a definição de população negra segundo o estatuto da igualdade racial?


R.: O Estatuto da Igualdade Racial (Lei nº 12.288/2010), em seu artigo 1º, IV, define população negra
como “o conjunto de pessoas que se autodeclaram pretas e pardas, conforme o quesito cor ou raça usado
pela Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), ou que adotam autodefinição
análoga;”

237. Art. 33 da lei de drogas – Por que se diz que é uma norma penal em branco?
R.: Porque ao mencionar o vocábulo “droga”, sem estabelecer uma conceituação, remete a outro diploma
(portaria SVS/MS nº 344/1998) para que se encontre a definição das substâncias consideradas drogas,
sendo, portanto, normal penal em branco em sentido estrito.

238. Existe crime na conduta culposa de médico que prescreve medicamento que acarreta
dependência sem que o paciente necessite ou em quantidade superior à necessária?
R.: Sim, haverá o crime previsto no artigo 38 da Lei de Drogas (Prescrever ou ministrar, culposamente,
drogas, sem que delas necessite o paciente, ou fazê-lo em doses excessivas ou em desacordo com
determinação legal ou regulamentar:)
239. Quem são considerados jovens de acordo com o estatuto da juventude?
R.: São consideradas jovens as pessoas com idade entre 15 (quinze) e 29 (vinte e nove) anos de idade,
conforme o art. 1º, §1º, da Lei nº 12.852/2013.

240. No caso de ato infracional cometido por adolescente, entre 15 e 18 anos, aplica-se o estatuto da
juventude ou o ECA?
R.: Aplica-se o ECA, com fulcro nos arts. 1º e 2º do ECA, bem como no art. 1º, §2º do Estatuto da
Juventude.

241. No estatuto do torcedor qual o conceito de torcida organizada?


R.: Trata-se da pessoa jurídica de direito privado ou existente de fato, que se organize para o fim de torcer
e apoiar entidade de prática esportiva de qualquer natureza ou modalidade (art. 2º-A, da Lei nº 10.671/13).

242. Indivíduo que vende ingresso por preço superior ao estampado no próprio bilhete, é crime?
R.: Sim, crime apenado com reclusão de 1 (um) a 2 (dois) anos de reclusão e multa, conforme o art. 41-F
do Estatuto do Torcedor.

243. Qual o prazo pra prisão temporária?


R.: Na hipótese de crimes comuns, terá o prazo de 5 (cinco) dias, prorrogável por igual período em caso
de extrema e comprovada necessidade. Contudo, em se tratando de crimes hediondos, o prazo será de 30
(trinta) dias, prorrogáveis por igual período, comprovada extrema necessidade (art. 2º da Lei nº 7.960/89
e art. 2º, §4º, da Lei nº 8.072/90).

244. Quando se extingue o direito de impetrar um MS?


R.: O direito de requerer mandado de segurança extinguir-se-á decorridos 120 (cento e vinte) dias,
contados da ciência, pelo interessado, do ato impugnado (art.23 da Lei nº 12.016/09).

245. Pode ser impetrado MS contra decisão judicial transitada em julgado?


R.: Não, conforme o art. 5º, III, da Lei nº 12.016/09.

246. Indiciamento é ato privativo do delegado?


R.: Sim, conforme o art. 2º, § 6º da Lei nº 12.830/13, o indiciamento é ato privativo do delegado de polícia.

247. O IP pode ser avocado pelo superior hierárquico por interesse público?
R.: Sim, desde que ocorra mediante despacho fundamentado (art. 2º, §4º da Lei nº 12.830/13).

248. Qual o prazo da penalidade de suspensão para obter permissão para dirigir veículo automotor?
R.: Tem a duração de 2 (dois) meses a 5 (cinco) anos (art. 293 do CTB).

249. Cite 3 casos de lesão corporal do CTB em que não se aplicam a transação penal, a composição
civil dos danos e representação para a ação.
R.: Se o agente estiver sob a influência de álcool ou qualquer outra substância psicoativa que determine
dependência; participando, em via pública, de corrida, disputa ou competição automobilística, de exibição
ou demonstração de perícia em manobra de veículo automotor, não autorizada pela autoridade competente;
transitando em velocidade superior à máxima permitida para a via em 50 km/h (cinquenta quilômetros por
hora). (art. 291, §1º do CTB).

250. Impedir a realização de ato em procedimento licitatório é crime?


R.: Sim, conforme o art. 93 da Lei nº 8.666/93, o qual dispõe: “Impedir, perturbar ou fraudar a realização
de qualquer ato de procedimento licitatório. Pena - detenção, de 6 (seis) meses a 2 (dois) anos, e multa.”.

251. Em que casos será admitida a interceptação telefônica?


R.: Será admitida para prova em investigação criminal e em instrução processual penal, desde que haja
indícios razoáveis da autoria ou participação em infração penal; a prova não possa ser feita por outros
meios disponíveis; o fato investigado constitua infração penal punida com pena de reclusão.

252. Quantas vezes a interceptação poderá ser prorrogada?


R.: O art. 5º da Lei 9.296/96 apenas determina que a intercepção é renovável por igual tempo (15 dias)
uma vez comprovada a indispensabilidade do meio de prova. Nesse contexto, o entendimento dos
Tribunais é no sentido de ser possível a prorrogação sem limite de vezes, mas sempre mediante autorização
judicial e comprovação de que a escuta é indispensável como meio de prova.

253. Qual o prazo que o consumidor tem para reclamar de vícios de fácil constatação, pelo CDC?
R.: Trata-se do prazo decadencial de 30 (trinta) dias, tratando-se de fornecimento de serviço e de produtos
não duráveis e de 90 (noventa) dias, tratando-se de fornecimento de serviço e de produtos duráveis (art.
26, I e II, do CDC).

254. Prisão temporária é ato privativo do IP ou pode ser decretada durante o processo?
R.: É cabível apenas no Inquérito Policial.

255. Quando cabe prisão temporária?


R.: A posição majoritária é no sentido de admitir-se a temporária com base no inciso III, obrigatoriamente,
pois ele materializaria a fumaça do bom direito para a decretação da medida (fumus commissi delicti), por
exigir os indícios da ocorrência de certas infrações taxativamente previstas, e além dele, uma das hipóteses
dos incisos I ou II: ou é imprescindível para as investigações, ou o indiciado não possui residência fixa,
ou não fornece elementos para a sua identificação (art. 1º, da Lei nº 7.960/89).

Examinadora: LEOLAR EMÍLIA DE SOUZA

256. Cite as hipóteses de concessão do MS.


R.: O MS é regulamentado pela Lei 12016/09 e é cabível para tutela de direito líquido e certo, não
amparado por Habeas Corpus ou Habeas Data. Direito líquido e certo é aquele apto a ser exercido
imediatamente, independentemente de instrução probatória. No âmbito penal, sua utilização é mais
frequente para garantir ao advogado o direito de entrevistar-se com seu cliente, contra decisões de medidas
assecuratórias (art. 118 e seguintes do CPP), contra a decisão que inadmite o assistente de acusação (art.
268 e 273 do CPP), bem como para garantir o acesso do advogado aos autos do Inquérito policial, nos
termos da súmula vinculante 14.

257- Como provar direito líquido e certo?


R.: Direito líquido e certo é aquele passível de ser demonstrado de plano, sem que haja dilação probatória.
É aquele que não desperta dúvidas, isento de obscuridade. Assim sendo, a prova do pedido da ação
mandamentos deve ser hábil e capaz de demonstrar as alegações de plano. Trata-se de pressuposto
indispensável, o qual é exercido por meio de prova documental inequívoca.

258- Essa prova é documental ou testemunhal?


R.: Considerando que o MS exige prova inequívoca ab initio, a demonstração do direito líquido e certo
que se alega violado ou ameacado deve ser exercida mediante prova documental. As declarações de
eventuais testemunhas, portanto, deve ser reduzida a termo, já que não é cabível instrução probatória nesta
ação mandamental.

259- É apresentada em seu plantão uma pessoa que invadiu um local destinado aos competidores
em um jogo de futebol. Qual a tipificação?
R.: A conduta de invadir local restrito aos competidores em eventos desportivos amolada-se ao tipo
previsto no art. 41-B do Estatuto do Torcedor. A pena para este delito é de reclusão de 1a 2anos, sendo
crime de menor potencial ofensivo, portanto. Caso o agente seja primário e portador de bons antecedentes,
considerada a gravidade da conduta e desde que ainda não tenha sido condenado pela prática de condutas
previstas neste artigo, na sentença condenatória, conforme §2, o juiz deverá converter a pena de reclusão
ao impedimento de comparecimento às proximidades de estádios, bem como dos locais em que se realize
evento desportivo. Supletivamente, o juiz deverá indicar o estabelecimento que ele deverá permanecer
entre as 2 horas antecedentes e as 2 horas posteriores ao evento. Ressalte-se que, em caso de adocao da
medida despenalizadora de transação penal, a sanção descrita acima deve ser aplicada.

260- IP por furto, o acusado se recusa a fornecer sua identificação na delegacia e não possui
residência fixa. É possível decretar a sua prisão preventiva?
R.: Em que pese a pena prevista para o crime de furto, nos termos do art. 313, parágrafo único do CPP, é
possível a decretação da preventiva para fins de esclarecimento da identidade do agente. Trata-se de
medida excepcional e temporária, pois uma vez esclarecida a identidade, o agente, se não subsistirem
outros elementos que fundamentem a necessidade da prisão, deve ser posto em liberdade.

261- Defina crime e contravenção.


R.: A diferença estabelecida doutrinariamente entre crime e contravenção não é ontológica, mas apenas
axiologica, pois tratam-se de espécies do gênero infração penal. O crime é apenado com reclusão ou
detenção, submete-se ao princípio da extraterritorialidade temperada, a pena fixada encontra limite
máximo de 30 anos para seu cumprimento, o sursis se dá entre 2 a 4anos e é possível o confisco. Por outro
lado, a contravenção penal, crime-anão, delito liliputiano ou vagabundo, é apenado com prisão simples ou
multa, não se submete a extraterritorialidade, a ação penal é pública incondicionada, a tentativa não é
punível, competência sempre da justiça Estadual, limite máximo de cumprimento de pena de 5 anos, sursis
entre 1 e 3 anos, não admite prisão preventiva e, tampouco, prisão temporária.

262- Jogo de azar é contravenção?


R.: O jogo de azar encontra-se previsto no art. 50, do Decreto Lei 3688/41, sendo, portanto, definido como
contravenção penal.
263- Máquina de caça níquel é jogo de azar?
R.: No que toca a máquina de caça níquel, há vasta jurisprudência sobre sua adequação ao art. 50 da Lei
das contravenções penais, assim como ao art. 334-A, do Código Penal. Não há dúvidas de que sua
exploração como jogo de azar adequa-se à conduta prevista na Lei das Contravenções Penais. Ocorre que,
para sua caracterização como crime de contrabando, o STJ entende que é necessária a demonstração de
fortes indícios da origem estrangeira das máquinas e de sua entrada ilegal no país. A mera identificação de
componentes eletrônicos estrangeiros nas máquinas não autoriza a presunção de que esta foi montada no
exterior e posteriormente introduzida no Brasil.

264- O que caracteriza um jogo de azar?


R.: Conforme dispõe o art. 50, §3, do DL 3688/41, consideram-se jogos de azar aqueles em que o ganho e
a perda dependam exclusivamente ou principalmente da sorte, sem considerar a habilidade do jogador. As
apostas sobre corridas de cavalo fora do hipódromo, ou de local autorizado, bem como as apostas sobre
qualquer outra competição esportiva, também são considerados jogos de azar. A título de esclarecimento,
bingo em locais autorizados, após a “Lei Pele”, e loteria não são considerados jogos de azar.

265- Estabelecimento com máquina de caça-níquel, quais as providencias que deve tomar o delegado
de polícia?
R.: Há recomendação do Ministério público de São Paulo que, identificado estabelecimento com máquinas
caça níqueis, o Delegado deve lavrar o TCO, instaurar o inquérito policial e apreender as máquinas para
fins de laudo pericial complementar. A Procuradoria Geral de São Paulo, nesses casos, entende ser possível
a configuração de crime contra a economia popular, previsto no art. 2, IX, da lei 1521/51, pois denota jogo
viciado, estelionato coletivo, já que tais
Máquinas possuem equipamentos eletrônicos que podem ser programados pelos titulares de
estabelecimento para ganho apenas no percentual e valores que desejarem, fraudando, inclusive, o critério
sorte, caracterizador do jogo de azar. A instrução normativa 309/03, em seu art. 1, caput e parágrafo único,
determina, ainda, a apreensão, visando a satisfação de eventual pena de perdimento de bens.

266- Há necessidade de laudo pericial na máquina?


R.: Para a caracterização da contravenção penal é dispensável o laudo pericial, pois é da natureza do
negócio essa álea característica da atividade de jogo. Porém, para os demais crimes, como dito acima, se
faz indispensável a elaboração de laudo pericial.

267- Se o laudo vier afirmando que a máquina é inoperante, a senhora já instaurou o termo
circunstanciado, o que fazer?
R.: De acordo com o STJ, Ro em MS 15593- MG, é de natureza ilícita a exploração e o funcionamento
das máquinas de caça níquel, qualquer que seja o tipo colocado à disposição do público. Neste sentido,
entendeu o STJ que para configuração da contravenção penal prevista no art. 50 da lei, que prevê como
núcleo do tipo o verbo “estabelecer”, e não apenas “explorar”, estando a máquina em perfeito
funcionamento ou não, já estaria configurado o delito.

268- Qual princípio é protegido pelo estatuto da igualdade racial?


R.: O Estatuto da Igualdade Racial é expressão de uma política afirmativa, que almeja a redução das
desigualdades geradas por um contexto histórico vivenciado no nosso país e no mundo. Dessa forma, como
princípios inspiradores para sua edição, tem-se a dignidade da pessoa humana (art. 1, III, da CF), a
construção de uma sociedade livre, justa e solidária (art. 3, I), a redução das desigualdades sociais (art. 3,
III), a promoção do bem de todos (art. 3, IV), e a igualdade material (art. 5, caput, CF).

269- Um edifício proíbe que os negros utilizem o elevador social, há crime?


R.: A conduta de proibir uma pessoa de uma determinada raça ao uso de um elevador de um prédio amolda-
se ao art. 11, da lei 7716/89, configurando, crime de preconceito, portanto.

270- Quais os casos em que o delegado, em um flagrante, pode determinar que mesmo identificado
civilmente o agente seja criminalmente identificado?
R.: A identificação criminal, quando já identificado o indivíduo civilmente, é medida excepcional e deve
se ater às hipóteses trazidas na Lei 12037/09, sob pena de incorrer em crime de abuso de autoridade. Assim,
segundo o art. 3º, embora apresentado documento de identificação, poderá ocorrer identificado criminal,
quando:
1. O documento apresentar rasura ou tiver indício de falsificação.
2. O documento apresentado for insuficiente para identificação cabal.
3. O indiciado portar documentos de identidade distintos, com informações conflitantes entre si.
4. For essencial às investigações policiais, segundo despacho da autoridade judiciária competente, que
decidirá de ofício ou mediante representação da autoridade policial, do ministério público ou da defesa.
5. Constar de registros policiais o uso de outros nomes ou diferentes qualificações.
6. O estado de conservação ou a distância temporal ou da localidade da expedição do documento apresentado
impossibilite a completa identificação dos caracteres essenciais.

271- A pessoa que está em programa de proteção à testemunha, o que faz com que ela deixe o
programa?
R.: A exclusão da pessoa protegida de programa de proteção pode ocorrer s qualquer tempo, por solicitação
do próprio interessado, ou por decisão do conselho deliberativo, em consequência de cassação do motivos
que ensejaram a proteção, ou conduta incompatível do protegido ( art. 10, da Lei 9087/99).
272- Existem requisitos para que ela ingresse no programa?
R.: A proteção concedida às vítimas e testemunhas levarão em conta a gravidade da coação ou da ameaça
à integridade física ou psicológica, a dificuldade de preveni-las ou reprimi-las pelos meios convencionais
e a sua importância para a produção da prova. Não serão protegidos aqueles que tiverem condutas
incompatíveis com as restrições de comportamento exigidas, os condenados que estejam cumprindo pena
e os indiciados ou acusados sob prisão cautelar em quaisquer de suas modalidades. O ingresso no programa
carece de anuência da pessoa protegida ou de seu representante legal, bem como de consulta prévia ao MP.
Poderão ser exigidos documentos e informações comprobatórios da identidade do protegido, estado civil
situação profissional, patrimônio e grau de instrução e da pendência de obrigações. Também poderão ser
exigidos exames ou pareceres técnicos sobre sua personalidade, estado físico ou psicológico. No entanto,
em caso de urgência, a vítima a ou a testemunha poderá ser colocada provisoriamente sob a custódia de
órgão policial.

273. Se ela deixar de cumprir tais obrigações, ela pode ser excluída?
R.: Sim. O art. 2º da lei n.º 9807/99, dispõe que “estão excluídos da proteção os indivíduos cuja
personalidade ou conduta seja incompatível com as restrições de comportamento exigidas pelo programa
(...)”. Na mesma linha, o §4º determina que “após ingressar no programa, o protegido ficará obrigado ao
cumprimento das normas por ele prescritas”. Por fim, o art. 10 disciplina que “a exclusão da pessoa
protegida de programa de proteção a vítimas e a testemunhas poderá ocorrer a qualquer tempo: I – por
solicitação do próprio interessado; II – por decisão do conselho deliberativo, em consequência de: a)
cessação dos motivos que ensejaram a proteção; b) conduta incompatível do protegido.”

274. Ela pode ingressar coercitivamente?


R.: Não. O art. 2º, da lei n.º 9807/99, aduz que “o ingresso no programa, as restrições de segurança e
demais medidas por ele adotadas terão sempre a anuência da pessoa protegida, ou de seu representante
legal”.

275. Uma pessoa apontada como autora de crime de organização criminosa, identificada civilmente,
pode ser criminalmente identificada?
R.: Sim. Via de regra, o civilmente identificado não é submetido à identificação criminal (art. 1º, da lei
12.037/2009). Todavia, há exceções arroladas no art. 3º, as quais não fazem qualquer distinção a respeito
da organização criminosa, sendo aplicáveis, portanto, para quaisquer delitos.

276. O que é ação controlada?


R.: Também chamada de “flagrante prorrogado, retardado ou diferido”, trata-se de técnica especial de
investigação, por meio da qual a autoridade policial ou administrativa (ex: Receita Federal, corregedorias),
mesmo percebendo que existem indícios da prática de um ato ilícito em curso, retarda (atrasa, adia,
posterga) a intervenção neste crime para um momento posterior, com o objetivo de conseguir coletar mais
provas, descobrir coautores e partícipes da empreitada criminosa, recuperar o produto ou proveito da
infração ou resgatar, com segurança, eventuais vítimas.
Fonte: https://www.dizerodireito.com.br/2015/11/em-que-consiste-acao-controlada.html

277. O delegado pode determinar esse método de investigação? Há a participação do MP? Esse
método tem prazo para acabar?
R.: Se a ação controlada estiver fundada na lei n.º 11.343/07 (Lei de Drogas) e n.º 9613/18 (Lavagem de
Capitais), é necessária prévia autorização judicial e, portanto, o delegado não poderia determinar. Por outro
lado, se os delitos forem praticados por organização criminosa, logo no contexto da lei n.º 12.850, a
autoridade policial poderá determinar a medida, sendo necessária apenas prévia comunicação ao juiz
competente.
Concernente ao Ministério Público, nos dois primeiros casos ele será ouvido e, no terceiro, comunicado.
Em relação ao prazo, a legislação é omissa. Em que pese ser necessária apenas a prévia comunicação ao
juízo competente, este poderá estabelecer limites para a medida, sendo temporal (ex: prazo) ou funcionais.
Portanto, a ação controlada poderá estar sujeita a prazo, desde que determinado pelo juízo competente.
Fonte: Renato Brasileiro, Legislação Criminal Especial Comentada, 5ª Ed., p. 744.
Fonte: https://www.dizerodireito.com.br/2015/11/em-que-consiste-acao-controlada.html e legislação
referida.

278. Ao término da ação controlada o que o delegado faz?


R.: Ao término da diligência, a autoridade policial ou administrativa deverá elaborar um auto
circunstanciado acerca da ação controlada (art. 8, §4º, da Lei 12850/13).

279. Este método é sigiloso?


R.: Sim. Conforme art. 8, § 2o, da lei n.º 12.850/13, “a comunicação será sigilosamente distribuída de
forma a não conter informações que possam indicar a operação a ser efetuada” e § 3o “até o encerramento
da diligência, o acesso aos autos será restrito ao juiz, ao Ministério Público e ao delegado de polícia, como
forma de garantir o êxito das investigações”.

280. Qual o tratamento protocolar devido ao delegado?


R.: A lei 12.830/13, em seu art. 3º, disciplina que “o cargo de delegado de polícia é privativo de bacharel
em Direito, devendo-lhe ser dispensado o mesmo tratamento protocolar que recebem os magistrados, os
membros da Defensoria Pública e do Ministério Público e os advogados”. Nesse sentido, a súmula n.º 12,
da PCSP, determina que “o correto pronome de tratamento exigível nas comunicações oficiais endereçadas
ao Delegado de Polícia deverá ser o de “Vossa Excelência”.
281. Pelo estatuto do idoso quem é idoso?
R.: Conforme art. 1º, da lei n.º 10.741/03, é aquele com idade igual ou superior a 60 anos.

282. Idoso vítima de crime, é preciso representação para que a autoridade policial instaure IP?
R.: Não. Os crimes previstos no Estatuto do Idoso são de ação penal é pública incondicionada (art. 95) e,
por isso, o IP pode ser instaurado de ofício pela autoridade policial (art. 5º, I, do CPP).

283. O filho que interna o pai em asilo, paga a mensalidade mas não o visita. Ele comete crime? O
senhor instaura IP?
R.: Entende-se que não há cometimento de crime. O abandono de idoso em entidade de longa permanência
(art. 98) configura quando aquele obrigado por lei ou mandado não provê as necessidades básicas do
abrigado. Nesse sentido, se as mensalidades são devidamente pagas, o idoso receberá tais suprimentos da
instituição.

284. O preso que se recusa a trabalhar sofre sanção de acordo com a LEP?
R.: O trabalho é um dever (art. 31 e 39, V, LEP) e direito (art. 41, II) do preso. A sua recusa configura falta
grave, nos termos do art. 50, VI, da lei n.º 7.210/84.

Examinador: Jorge Luís Neves Esteves

285. Em sua opinião, a lei Maria da Penha viola a isonomia?


R.: Não, pois trata os desiguais desigualmente, privilegiando a isonomia material (em detrimento da
formal).
Obs: como a questão pede a opinião do candidato, eu iria junto com o posicionamento do STF. Deixarei,
para evitar alongamentos, o link com os argumentos de vários Ministros:
http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=199845.

286. Os travestis estão amparados pela lei Maria da Penha?


R.: A questão é controversa e há três vertentes. Jurídica: É mulher quem a lei diz ser. Biológica: É mulher
quem nasceu assim. Social: É mulher quem a sim se compreende como. Portanto, o travesti, a depender
da teoria adotada, terá a proteção da Lei Maria da Penha.
Obs: resposta retirada do companheiro de grupo Guilherme, o qual fundamentou pelo prof. Alcazar, do
Damásio.

287. A namorada e a ex-namorada estão amparadas pela lei, mesmo sem coabitação?
R.: Sim. A lei determina que a violência doméstica e familiar contra a mulher pode ser decorrente de
qualquer relação íntima de afeto, independentemente de coabitação (art. 5º, inc. III e súmula 600, STJ).
Isso se aplica ainda nas hipóteses de violências cometidas por ex-namorado(a) (ver. AGRRHC 74107, STJ;
AGARESP 59208, STJ).

Obs: encontrei julgado do STF, todavia, por não ter o número, peço licença para juntar o decisum:
EMENTA: RECURSO ORDINÁRIO EM HABEAS CORPUS. CONSTITUCIONAL. PENAL.
VIOLÊNCI A COMETIDA POR EX-NAMORADO. IMPUTAÇÃO DA PRÁTICA DO DELITO
PREVISTO NO ART. 129 , § 9º, DO CÓDIGO PENAL. APLICABILIDADE DA LEI MARIA DA
PENHA (LEI N. 11.430/20 06). IMPOSSIBILIDADE DE JULGAMENOT PELO JUIZADO ESPECIAL.
1. Violência cometida por ex-namorado; relacionamento afetivo com a vítima, hipossuficiente; aplicação
da Lei n. 11.340/2006. 2. Constitucionalidade da Lei n. 11.340/2006 assentada pelo Plenário deste
Supremo Tribunal Federal: constitucionalidade do art. 41 da Lei n. 11.340/2006, que afasta a aplicação da
Lei n. 9.099/1995 aos processos referentes a crimes de violência contra a mulher. 3. Impossibilidade de
reexame de fatos e provas em recurso ordinário em hab eas corpus. 4. Recurso ao qual se nega
provimento.A Turma, por unanimidade, negou provimento ao recurso ordinário, nos termos do voto da
Relatora. Ausentes, justificadamente, os Senhores Ministros Celso de Mello e Joaquim Barbosa. 2ª Turma,
18.09.2012. (RHC - RECURSO ORDINÁRIO EM HABEAS CORPUS null, CÁRMEN LÚCIA, STF).

288. Aplica-se a lei Maria da Penha em agressão entre irmão e irmã?


R.: Sim, tanto pelo âmbito da unidade doméstica (inc. I), da família (inc. II) e em razão de afeto (inc. III)
(ver ADRESP 1720536, STJ; inf. 499 STJ, e Gabriel Habib, Leis Penais Especiais, 9ª ed., p. 929-932).

289. O guia que leva turistas a aldeia isolada de índios e cobra por isso, responde por crime?
R.: Sim. A prática poderia ser enquadrada no art. 58, do Estatuto do Índio (Lei 6001/1973), que versa o
seguinte: “constituem crimes contra os índios e a cultura indígena: (...) II - utilizar o índio ou comunidade
indígena como objeto de propaganda turística ou de exibição para fins lucrativos. Pena - detenção de dois
a seis meses”.

290 - É aplicável a lei de crimes ambientais aos índios?


291 - Dois índios procuram um posto de saúde e furtam objetos da bolsa da médica., o pajé, ao
saber do ocorrido, aplica a eles a pena de capinar o posto de saúde. A justiça pode deixar de aplicar a pena
alegando bis in idem?
292 - Três homens e uma mulher ridicularizam um índio por este estar com vestes típicas de sua
cultura. Qual o crime? (FORA DO EDITAL)
293 – Que órgão do poder judiciário julga tortura praticada dentro de delegacia?
R: Delegacia de Polícia Civil: Justiça comum estadual; Delegacia de Polícia Federal: Justiça
comum Federal.

294 – E se for praticada por PM?


R: O crime de tortura não está tipificado no Código Penal Militar, destarte, classifica-se como
crime comum, sendo de competência da Justiça Estadual ou Federal, a depender do caso concreto.

295 – Tortura só pode ser física? Pode ser mental? Dê exemplo.


R: lei 9.455/97 - Art. 1º Constitui crime de tortura: I - constranger alguém com emprego de
violência ou grave ameaça, causando-lhe sofrimento físico ou mental: (...). Ex: Manter a arma sobre a
cabeça do filho da vítima, ameaçando-lhe matar durante horas, com o fim de obter informação.

296 – O agente sequestrou filha de gerente de um banco, para pressioná-lo a retirar todo o
dinheiro de um cofre do banco. Qual a tipificação?
R:
1º corrente: Tortura + furto. O agente constrange a vítima a praticar um crime. Agente: tortura-
crime, majorada pelo sequestro (art. 1º, I, b, e § 4º, III da lei 9.455/97) c/c. furto qualificado (art. 155, §
4º, II), em autoria mediata (art. 22 do CP) e concurso material (art. 69 do CP); Gerente: Pratica furto
qualificado, impunível – coação moral irresistível (art. 22 do CP)
2ª Corrente: Extorsão mediante sequestro. Eis que fim pretendido é de cunho patrimonial (seria
tortura se o agente constrangesse a vítima a cometer um crime de cunho não patrimonial, ex: homicídio).
Tipificação: art. 159 do CP; Gerente: furto qualificado impunível (inexigibilidade de conduta diversa).

297 – Como delegado o senhor abre a porta de uma sala e vê dois investigadores torturando
um preso. O senhor nada faz. Há crime? O senhor responde pelo resultado tortura?
R: Tortura imprópria ou tortura omissão (art.1º, § 2º da lei 9.455/97). O delegado não responde
pelo resultado e sim por sua omissão, trata-se de Crime próprio; doloso; formal; omissivo próprio;
instantâneo; não admite tentativa por ser unissubsistente (Gabriel Habib)

298 – Lei 12830, art. 1º, o MP tem legitimidade para realizar concorrentemente à polícia, ou
de forma isolada, a investigação?
R: O MP pode investigar com base na Teoria dos poderes implícitos.
INFO 757 STF: (...) A atuação investigativa do Ministério Público deve ser, necessariamente,
subsidiária, ocorrendo apenas quando não for possível ou recomendável efetivar-se pela própria Polícia.
(vg. tortura, abuso de poder, violências arbitrárias, concussão, corrupção) (...). STF. 2ª Turma. RHC
97926/GO, Rel. Min. Gilmar Mendes, julgado em 2/9/2014 (Info 757). Link:
https://www.dizerodireito.com.br/2014/10/informativo-esquematizado-757-stf_2.html
INFO 785 STF (resumo): A investigação do MP deve respeitar alguns parâmetros: ¹respeitar
os direitos fundamentais; ²atos necessariamente documentados; ³devem ser observadas as hipóteses de
reserva constitucional de jurisdição; 4devem ser respeitadas as prerrogativas dos advogados; 5deve ser
observada a SV 14 (acesso aos autos pelo defensor); 6ª investigação deve ser realizada num prazo razoável;
7os atos investigatórios estão sujeitos ao controle do judiciário. STF. Plenário. RE 593727/MG, rel. orig.
Min. Cezar Peluso, red. p/ o acórdão Min. Gilmar Mendes, julgado em 14/5/2015 (repercussão geral).
Link: https://www.dizerodireito.com.br/2015/06/informativo-esquematizado-785-stf_1.html
OBS: Alguns entendem que o Info 757 foi superado pelo 785. Acredito que à data da prova o
examinador queria aquele como resposta.

299 – §6º do art. 2º da lei 12830, o indiciamento é ato privativo do delegado?


R: Sim.

300 – O senhor optou por não indiciar. O MP, ao oferecer a denúncia, pode requisitar o
indiciamento para que conste nos registros da polícia?
R: INFO 825 STF: O indiciamento é ato privativo da autoridade policial, segundo sua análise
técnico-jurídica do fato. O juiz não pode determinar que o Delegado de Polícia faça o indiciamento de
alguém. STF. 2ª Turma. HC 115015/SP, rel. Min. Teori Zavascki, julgado em 27/8/2013. OBS: Renato
Brasileiro: o mesmo vale para o membro do MP.

301 – O magistrado pode requisitar?


R: Vide resposta anterior.

302 – Quais as fases da lavagem e no que consiste cada uma delas?


R.: Fases da Lavagem de Dinheiro:
 1ª Fase – introdução (conversão, colocação ou “placement”): consiste na introdução do dinheiro ilícito
no sistema financeiro, dificultando a identificação da procedência dos valores de modo a evitar qualquer
ligação entre o agente e o resultado obtido com a prática do crime antecedente. Ex¹: smurfing: pulverização
de uma enorme quantia em pequenos valores; ex²: compras em dinheiro vivo; ex³: envio a paraísos fiscais;
4
aquisição de bens superfaturados, etc.
 2ª Fase – dissimulação (“layering”, ocultação ou mascaramento): uma série de negócios ou
movimentações financeiras é realizada a fim de impedir o rastreamento e encobrir a origem ilícita dos
valores.
 3ª Fase – integração (“recycling” ou “integration”): já com aparência lícita, os bens são reinvestidos e
incorporados ao mercado, inclusive para o financiamento de atividades ilícitas. Ex: investimento em
estacionamentos, postos de gasolina, etc.
STF, HC 80.816: a consumação da Lavagem de Capitais independe do preenchimento das três fases.

303 – Qual a origem do termo lavagem?


R: Surge no Direito Norte-Americano. EUA: Money Laundering (1920). Em que se utilizavam
lavanderias, como forma de mascarar a origem ilícita do dinheiro do tráfico de drogas.
Em alguns países da Europa utiliza-se a expressão Branqueamento de Capitais (ex.: Portugal e
Espanha).

304 – Apuração e punição da lavagem estão relacionados a rol taxativos de crimes


anteriores?
R: Não. Estamos na 3º geração da lei de lavagem de capitais.
Gerações da Lavagem de dinheiro:
 Na 1ª geração, somente era punida a lavagem advinda dos crimes de tráfico de drogas,
 Na 2ª Geração, estabeleceu-se um rol fechado de crimes antecedentes. A lei 9.613/98 original é de
segunda geração.
 Na 3ª geração, qualquer infração penal pode ser antecedente ao crime de lavagem (inclusive contravenção
penal). Ex: Espanha, Argentina, Brasil (após 2012).

305 – Contravenção penal anterior pode dar ensejo a lavagem?


R: Sim. A lei diz “infração penal” (crime e contravenção). Lei 9.613/98 – Art. 1º Ocultar ou
dissimular a natureza, origem, localização, disposição, movimentação ou propriedade de bens, direitos
ou valores provenientes, direta ou indiretamente, de infração penal.

306 – Estatuto Do Idoso → Qual o elemento subjetivo do delito previsto no artigo 105?
R: Dolo. Lei 10.741/03 - Art. 105. Exibir ou veicular, por qualquer meio de comunicação,
informações ou imagens depreciativas ou injuriosas à pessoa do idoso.

307. Uma pessoa noticia este fato e o senhor instaura inquérito policial. Quando ouve o acusado ele
diz que fez em tom de brincadeira. Mesmo assim é crime?
R: Sim, pois o tipo penal não exige um especial fim de agir ou dolo específico na conduta do agente, e o
bem jurídico tutelado é a honra objetiva do idoso. Logo, a mera exibição ou veiculação, por qualquer meio
de comunicação, de informações ou imagens depreciativas ou injuriosas ao idoso, mesmo “em tom de
brincadeira”, configura o crime.
Dispositivo legal: 105, L. 10.741/03 (Estatuto do Idoso).
308. LEP, todos os presos têm suspensos seus direitos políticos? Preso vota?
R: O art.15, III, da CR enuncia que enquanto durarem os efeitos da condenação criminal com trânsito em
julgado os direitos políticos do cidadão estarão suspensos. Assim, somente é possível conceber que o preso
vote nas hipóteses de prisões cautelares.

309. Crianças podem visitar semanalmente quem está em RDD?


R: O art.52, III, da LEP, prevê a possibilidade de visitação semanal por duas pessoas, sem contar as
crianças. Assim, seria possível a visitação semanal de crianças ao preso que se encontra no RDD. Contudo,
há sempre que se ponderar pelo melhor interesse da criança, sendo possível afirmar não ser recomendável
para a formação da criança visitas semanais a um custodiado, sobretudo àquele que se encontra em RDD.

310. A doutrina entende que a expressão “fora 2 crianças” inclui ou retira as 2 crianças das visitas
ao preso em RDD?
R: Há divergência doutrinária sobre o tema, que é previsto no art. 52, III, da LEP. Parte da doutrina entende
que as crianças não devem contar, assim, o preso teria direito a 2 visitas semanais, além das crianças que
eventualmente o visitem. Em sentido contrário, há o entendimento de que, por não ser interessante à
criança visitar um ente familiar que cumpre RDD, ela também deveria ser contabilizada no limite de duas
pessoas por semana. Tal entendimento encontra amparo no Tratado de Direitos Humanos da ONU, que
estabelece, no item 79 que, "a visita é um direito, desde que conveniente para ambas as partes".

311. Se o débito tributário for de pequena monta para a administração pública, há crime contra a
ordem tributária? Se aplica a insignificância?
R: A tese fixada pelos tribunais superiores atualmente é a de que incide o princípio da insignificância aos
crimes tributários federais e de descaminho quando o débito tributário verificado não ultrapassar o limite
de R$ 20 mil, conforme art. 20 da Lei 10.522/2002, com as atualizações pelas Portarias 75 e 130, do
Ministério da Fazenda.

312. Como delegado o senhor fundamenta crime contra a ordem tributária com base no princípio
da insignificância?
R: Sim, a depender do caso concreto, seria perfeitamente possível a aplicação do princípio da
insignificância já em sede de inquérito policial, uma vez que a tipicidade da conduta deve ser analisada
tanto no seu aspecto formal quanto no seu aspecto material pelo Delegado de Polícia.

313. Lei de lavagem → Pode ocorrer quando o delito anterior for contravenção?
R: Sim, uma vez que o delito de lavagem de dinheiro, por ser crime acessório, depende da prática de uma
infração penal antecedente, podendo esta ser uma contravenção penal ou crime, conforme enunciado pelos
arts. 1º e 2º, §1º da lei em análise.

314. A lavagem absorve a contravenção?


R: Não, uma vez que a lavagem de dinheiro é crime acessório e não se confunde com a infração penal
antecedente.

315. Estatuto do desarmamento, disparar arma de fogo em local habitado, culposamente, configura
delito?
R: Não, o disparo culposo de arma de fogo, ainda que se dê em local habitado não configura o delito. Isto
porque o art. 15 do Estatuto do Desarmamento não prevê sua incidência a título de culpa, assim, de acordo
com art. 18, §ú, do CP, a punição pelo crime culposo precisa estar expressa na lei.

316. O senhor como delegado, se disparar acidentalmente a arma de fogo, é infração?


R: Se o disparo se der em local habitado ou em suas adjacências, em via pública ou em direção a ela, o
crime estará configurado, caso tenha agido com

317. O que é parcelamento do solo?


R: O parcelamento do solo ocorre tanto em áreas rurais como em áreas urbanas. O mesmo nada mais é do
que a divisão da terra em unidades juridicamente independentes.

318. Registrar loteamento sem aprovação dos órgãos competentes é crime?


R: Sim, é crime previsto na lei 6766 de 1979, lei que trata do parcelamento do solo urbano, in verbis:
Art. 52 - Registrar loteamento ou desmembramento não aprovado pelos órgãos competentes, registrar o
compromisso de compra e venda, a cessão ou promessa de cessão de direitos, ou efetuar registro de
contrato de venda de loteamento ou desmembramento não registrado.
Pena: Detenção, de 1 (um) a 2 (dois) anos, e multa de 5 (cinco) a 50 (cinqüenta) vezes o maior salário
mínimo vigente no País, sem prejuízo das sanções administrativas cabíveis.”

319. Cite as diferenças entre meio ambiente natural, artificial e cultural.


R: O Meio Ambiente Natural ou Físico é composto pela atmosfera, águas (subterrâneas e superficiais, mar
territorial), solo e subsolo, fauna e flora e o patrimônio genético. O Meio Ambiente Artificial é
compreendido pelo espaço urbano construído, consistente no conjunto de edificações (chamado de espaço
urbano fechado), e pelos equipamentos públicos (espaço urbano aberto), sendo é uma área que está
diretamente relacionada ao conceito de cidade. Já o Meio Ambiente Cultural integra o patrimônio artístico,
paisagístico, arqueológico, histórico e turístico. Apesar de serem bens produzidos pelo homem e, portanto,
também serem caracterizados como artificiais, eles diferem dos bens que compõem o Meio Ambiente
Artificial em razão do valor diferenciado que possuem para uma sociedade e seu povo.

320. Nas 3 espécies pode ocorrer crime?


R: Sim. Encontram-se estipulados na Lei 9605/98 crimes contra a fauna (arts. 29 a 37), crimes contra a
flora (arts. 38 a 53), crimes de poluição (art. 54), crimes contra o ordenamento urbano e o patrimônio
cultural (arts. 62 a 65) e crimes contra a administração ambiental (arts. 66 a 69).

321. Quem leva fogos de artifício para estádio em partida de futebol, comete crime? Qual?
R: A Lei das Contravenções Penais (DL 3688/41), em seu artigo 28, §ú, descreve a conduta de queimar
fogos de artifício ou de estampido, em local habitado ou via pública, sem a autorização da autoridade
competente, com pena de pena de prisão simples ou multa. Assim, caso haja autorização, não há conduta
delituosa.

322. A cópia de documento supre a ausência de documento original para identificação do agente?
R: Não, pois a simples cópia não possui validade legal como documento.

323. E a cópia autenticada?


R: A autenticação é o ato que atesta que a cópia é fiel, idêntica ao original, e por isso tem a mesma validade
que ele. No âmbito do Poder Executivo Federal, a apresentação de documentos pode ser feita por meio de
cópia autenticada, não sendo necessária a conferência com o original.
Decreto 9094/17, Art. 10. A apresentação de documentos por usuários dos serviços públicos poderá ser
feita por meio de cópia autenticada, dispensada nova conferência com o documento original.

324 - Lei das contravenções penais, quais as penas previstas?


R.: De acordo com o art. 1º, da Lei de Introdução ao Código Penal e da Lei das Contravenções Penais,
contravenção é “a infração penal a que a lei comina, isoladamente, pena de prisão simples ou de multa,
ou ambas. alternativa ou cumulativamente.”. Assim, conforme acima delineado, não existe uma diferença
ontológica entre crime e contravenção penal, ocorrendo a sua diferenciação apenas nas penas cominadas,
que no caso da contravenção consiste em prisão simples ou multa; e, quando se tratar de crime, as penas
serão de reclusão ou de detenção quer isoladamente, quer alternativa ou cumulativamente com a pena de
multa.
A pena de prisão simples, nos termos do art. 6º, da Lei de Contravenções Penais, deve ser cumprida, sem
rigor penitenciário, em estabelecimento especial ou seção especial de prisão comum, em regime semi-
aberto ou aberto e, de acordo com o § 1º, do mesmo artigo, o condenado à referida pena deve ficar sempre
separado dos condenados a pena de reclusão ou de detenção.
325 - Há a possibilidade da pena de multa ser convertida em prisão simples se não for paga?
R.: Não. A lei 9.268/96, ao dar nova redação ao art. 51 do Código Penal, excluiu a possibilidade de
conversão da multa em detenção ou prisão simples, revogando, ainda, o art. 182 da Lei de Execuções
Penais, que igualmente tratava da conversão da pena de multa em detenção.

326 - Como é feito para cobrar multa não paga?


R.: A execução da pena de multa ocorrerá quando o condenado, embora notificado para efetuar o
pagamento voluntário da pena de multa imposta, não o realiza no prazo de 10 dias.
A execução será coercitiva.
Quanto ao procedimento e legitimidade para deflagrar o processo de cobrança da pena de multa, os
Tribunais Superiores têm asseverado que a multa criminal deve ser executada por meio da adoção dos
procedimentos próprios da execução fiscal no juízo da Vara da Fazenda Pública. Neste sentido, compete
às Procuradorias da União (AGU) ou dos Estados (AGEs) promoverem sua cobrança.

327 - O que é infração de menor potencial ofensivo?


R.: É um conceito jurídico concebido para designar os crimes de menor relevância, com ações julgadas e
processadas pelos Juizados Especiais Criminais.
Nos termos do art. 61 da Lei 9099/95, consideram-se infrações penais de menor potencial ofensivo as
contravenções penais e os crimes a que a lei comine pena máxima não superior a dois anos, cumulada ou
não com multa. Imperioso observar que a Lei 9099/95, em sua redação original, considerava infração de
menor potencial ofensivo os crimes e contravenções com pena cominada em até um ano.

328 - Há exceção a esta regra?


R.: Sim. Existem alguns tipos penais que, apesar de terem em seu preceito secundário pena máxima
cominada superior a dois anos, também devem ser considerados de menor potencial ofensivo. Trata-se das
infrações que têm antevista a multa como sanção alternativa, ou seja, pode o julgador fixá-la isoladamente,
não porque o quantum de prisão imposto é irrisório, mas devido à própria cominação legal. São exemplos
o furto privilegiado e o estelionato privilegiado.

329 - Alguma legislação excepciona a lei 9.099/95?


R.: Sim. Exemplo disso é a Lei 11.340/06 (Lei Maria da Penha), a qual traz expressamente no art. 41 que
aos crimes praticados com violência doméstica e familiar contra a mulher não se aplica a Lei 9.099/95.

330 - Pessoa anuncia na internet a venda de um rim por 10 mil reais, comete crime?
R.: Sim. A venda e compra de órgãos é crime previsto na lei 9.434 de fevereiro de 1997, com punição que vai
de três a oito anos de prisão.
331 - O rim pode ser doado?
R.: Sim. De acordo com a cartilha "Manual do Transplante Renal", da Associação Brasileira de Transplante
de Órgãos (ABTO), qualquer pessoa adulta, acima de 21 anos, que seja saudável, tenha função renal
normal e não apresente, durante extensa e minuciosa avaliação médica, evidências de risco de doença renal
ou de outros órgãos vitais, pode ser doadora de rim.

332 - E o banco de órgãos, é só para parentes que pode ser doado o rim?
R.: Não. Para a doação do rim a pessoa terá que autorizar esta doação, que pode ser feita apenas para um
parente de até quarto grau ou, se for para não parentes, apenas com autorização da justiça. A doação destes
órgãos é feita após avaliação completa de um clínico geral, por exames físico, de sangue e de imagens,
como tomografia computadorizada, que irá checar se existe compatibilidade genética e sanguínea, e se o
doador está saudável, para diminuir as chances de prejudicar o seu organismo e de quem irá receber o
transplante.

333 - Na interceptação telefônica o sigilo deve ser preservado?


R.: As informações (pedido, eventuais documentos que instruem o pedido, a autorização judicial, as
transcrições, o autor circunstanciado e etc.) colhidas com violação da comunicação telefônica sempre
estarão, seja na fase investigatória seja durante a ação penal, em autos apartados, a fim de garantir sigilo
do procedimento, das gravações e degravações respectivas, sob pena de inutilidade da medida. A autuação
em apartado está em consonância com a privacidade e com o segredo de justiça previsto no artigo 1º da
Lei n. 9.296/96. A ausência de auto apartado, respeitado o sigilo, segundo o Superior Tribunal de Justiça,
enseja nulidade relativa.
Durante a colheita da prova o segredo há de ser absoluto frente ao investigado/ réu e eventual defensor.
Uma vez obtida a prova, urge o levantamento do sigilo interno, em respeito à ampla defesa constitucional
e ao contraditório. A publicidade é interna e restrita aos participantes do inquérito ou da ação penal,
permanecendo o sigilo para terceiros (o magistrado, ao receber os autos apartados da autoridade policial,
deve preservar o segredo externo das diligências, gravações e transcrições).

334 - Em reportagens jornalísticas é possível mostrar conversas telefônicas interceptadas


judicialmente?
R.: Sim. O crime de quebra de segredo de justiça é próprio, eis que restrito às pessoas que têm acesso
legítimo ao procedimento da interceptação.

Examinador: SILVIA GENTIL

335 - Acerca da posse de droga para uso próprio, quais as condutas previstas na lei de drogas?
R.: Nos termos do art. 28 da Lei 11.343/06, quem adquirir, guardar, tiver em depósito, transportar ou
trouxer consigo, para consumo pessoal, drogas sem autorização ou em desacordo com determinação legal
ou regulamentar será submetido às seguintes penas:I-advertência sobre os efeitos das drogas; II - prestação
de serviços à comunidade; III - medida educativa de comparecimento a programa ou curso educativo.

336 - Quais os critérios para determinar se a droga se destina a uso próprio ou não?
R.: De acordo com a Lei 11343/06, os critérios estabelecidos seriam a natureza e a quantidade da
substância apreendida; o local e às condições em que se desenvolveu a ação, às circunstâncias sociais e
pessoais, bem como à conduta e os antecedentes do agente.
Contudo, vale salientar que a redação da Lei de Drogas recorre a critérios subjetivos, o que, na prática,
deixa nas mãos de cada juiz decidir quem é enquadrado em qual categoria (usuário ou traficante)

337 - Consumir droga está tipificado como crime?


R.: Não. O artigo 28 da Lei 11.343/2006 que trata do porte de drogas para consumo pessoal descreve
como condutas para caracterizar o enquadramento do artigo 28: "adquirir, guardar, ter em depósito,
transportar ou trazer consigo, para consumo pessoal, drogas sem autorização ou em desacordo com
determinação legal ou regulamentar. Enquadrando ainda em seu parágrafo 1º as condutas de: semear,
cultivar ou colher plantas destinadas à preparação de pequena quantidade de substância ou produto capaz
de causar dependência física ou psíquica.
Destarte, o que a Lei pune são as condutas de guardar, adquirir, portar, transportar, plantar, semear, para
o consumo pessoal, conforme se depreende da leitura do artigo. O ato, a conduta consumir drogas não é
prevista no teor do dispositivo.

338 - Injuriar mulher na relação conjugal caracteriza crime?


R.: Sim. Em relação ao suposto crime de injúria, que constitui uma das modalidades de delito contra a
honra (CP, art. 140), a respectiva ação penal instaura-se mediante queixa (CP, art. 145, “caput”), ainda que
alegadamente cometido, no âmbito doméstico, contra a própria mulher ou companheira.

339 - Quem pode ser sujeito passivo na Lei Maria da Penha?


R.: Sujeito passivo da violência doméstica objeto da referida lei é a mulher. Sujeito ativo pode ser tanto o
homem quanto a mulher, desde que fique caracterizado o vínculo de relação doméstica, familiar ou de
afetividade, além da convivência, com ou sem coabitação.

340 - Travesti pode ser vítima?


R.: Sim. Se a finalidade social da Lei Maria da Penha (Lei 11.340/2006) é proteger as mulheres devido às
suas peculiares vulnerabilidades, não se pode negar essa garantia a quem se identifica com o gênero
feminino, ainda que tenha nascido homem.
Pela literalidade da lei, apenas poderia ser sujeito passivo de tal infração penal a mulher, em seu sentido
genético, ou seja, na hipótese de um travesti ou transexual, mesmo que este último tivesse alterado, por
meio de cirurgia, seu sexo, continuariam a ser, em seus genes, homens, o que afastaria a aplicação da Lei
Maria da Penha, sob pena de se aplicar, em sede de direito penal, analogia in malam partem.
Não obstante o aparente acerto desse raciocínio linear, o Supremo reconheceu, ao julgar a Ação Direta de
Inconstitucionalidade (ADI) 4275, conferindo interpretação conforme ao art. 58 da Lei 6.015/1973 (Lei
dos Registros Públicos), que é possível a alteração de prenome e gênero no registro civil, mediante
averbação no registro original, independentemente de cirurgia de transgenitalização e sem a necessidade
de autorização judicial.
Percebe-se que, nessa condição de alteração do registro civil de homem para mulher, o homem passa a ser
considerado, no mundo jurídico, como uma mulher, de modo que, in casu, se torna juridicamente possível
que o transexual ou o travesti seja tido como sujeito passivo de quaisquer das condutas descritas na Lei
Maria da Penha em estudo, bem como vítima do feminicídio previsto no art. 121, § 2.º, VI, do CP.

341. Fabricar produto objeto de patente ou invenção constitui crime material ou formal?
R.: São crimes materiais, não se exigindo, porém, que resulte vantagem econômica para o agente.
Consuma-se o crime com a fabricação do produto ou utilização de meio ou processo de produção objeto
da patente. Segundo José Henrique Pierangeli, para que o crime se consume é necessário que o produto
seja uma imitação idônea, capaz de levar o homem comum a erro ou confusão sobre a sua originalidade,
já que "(...) uma falsificação grosseira, inidônea para induzir alguém em erro ou confusão, exclui o delito"
(PIERANGELI, 2003, p. 192).
*** encontrei um site que fala que o crime em análise se trata de crime de mera conduta. Segue o link:
https://www.direitocom.com/lei-da-propriedade-industrial-comentada/titulo-v-dos-crimes-contra-a-
propriedade-industrial-art-183-a-210/artigo-183-6

342. Há necessidade de atividade econômica para caracterizar o crime?


R.: O crime de fabricar produto objeto ou patente, previsto no artigo 183 da Lei nº 9.279/96, não exige
atividade econômica para caracterizar o crime. No entanto, o 184 da referida lei, amplia o rol das condutas
que violam a patente de inventos e modelos de utilidade, tipificando condutas que vão além da contrafação
de produtos. Assim, para tipificação do crime previsto no artigo 184, é necessária a utilização com fins
econômicos.

343. Os crimes contra a propriedade imaterial têm a ação penal pública ou privada?
R.: Em regra os crimes contra a propriedade imaterial são de Ação Penal Privada. Excetuam-se os delitos
cometidos em prejuízo de entidades de direito público, autarquias, empresas públicas, sociedades de
economia mista ou fundações instituídas pelo poder público e alguns ilícitos de violação de direito autoral.
344. É possível a interceptação telefônica por crime de estelionato?
R.: Sim, é possível, pois, o crime de estelionato é punível com reclusão. Assim havendo indícios de autoria
e prova, bem como a prova não puser obtida por outros meios, é possível a interceptação telefônica.

345. E o crime de dano, admite a interceptação?


R.: Não é cabível a interceptação no crime de dano, pois, a pena cominada ao crime é de detenção, o que
vai ao contrário do disposto no artigo 2º da Lei nº 9.296/96, que admite interceptação apenas para crimes
punidos com reclusão.

346. A transcrição da conversa é obrigatória?


R.: O § 1° do artigo 6º da Lei nº 9.296/96, dispõe que no caso de a diligência possibilitar a gravação da
comunicação interceptada, será determinada a sua transcrição. No entanto o STF entende que não é
necessária a transcrição integral das conversas, desde que possibilitado ao investigado o pleno acesso a
todas as conversas captadas. Informativo 742 STF.

347. O delegado de polícia pode destruir a prova de interceptação que não mais interessa à
investigação?
R.: O Art. 9° dispõe que a gravação que não interessar à prova será inutilizada por decisão judicial, durante
o inquérito, a instrução processual. A lei foi omissa em relação ao responsável pela destruição. Acredito
que caso o pedido de destruição seja realizado durante o Inquérito o Delegado pode destruir a gravação
após autorização judicial.

348. No que tange ao JECRIM, em que hipótese pode ser revogada suspensão condicional do
processo?
R.: A suspensão do processo será revogada (causa obrigatória) se o acusado vier a ser processado, no curso
do prazo, por outro crime ou, não efetuar, sem motivo justificável, a reparação do dano art. 89 §3º Lei nº
9.099/95. Já §4º dispõe uma causa de revogação facultativa, no caso de condenação por contravenção
penal ou descumprir qualquer das condições impostas pelo Juiz.

349. O que é polícia judiciária?


R.: A polícia judiciária é um órgão da segurança do Estado, dirigida por Delegados de Polícia que tem
como principal função apurar as infrações penais e sua autoria por meio da investigação policial,
instrumentalizada através do Inquérito Policial, bem como auxiliar o Poder Judiciário no cumprimento de
mandados.

350. O crime de abuso de autoridade é próprio de funcionário público?


R.: Trata-se de crime funcional, próprio, portanto, praticado por funcionário público. Nesses termos é o
disposto no art. 5º da lei nº 4.898/65 “Considera-se autoridade, para os efeitos desta lei, quem exerce
cargo, emprego ou função pública, de natureza civil, ou militar, ainda que transitoriamente e sem
remuneração”.

351. No crime de abuso de autoridade o autor é obrigatoriamente agente público?


R.: Não necessariamente, o particular pode responder por abuso de autoridade desde que cometa o crime
juntamente com uma autoridade e, desde que, saiba da qualidade de autoridade do coautor.

352. Quais as sanções aplicáveis ao autor de crime de abuso de autoridade?


R.: Nos termos do artigo 6º da lei nº 4.898/65, O abuso de autoridade sujeitará o seu autor à sanção
administrativa civil e penal. A sansão administrativa consistirá em: I) advertência; II) repreensão; III)
suspensão do cargo, função ou posto por prazo de cinco a cento e oitenta dias, com perda de vencimentos
e vantagens; IV) destituição de função; V) demissão; VI) demissão, a bem do serviço público. A sanção
civil, caso não seja possível fixar o valor do dano, consistirá no pagamento de uma indenização. Por fim,
a sanção penal consistirá em: I) multa; II) detenção por dez dias a seis meses; III) perda do cargo e a
inabilitação para o exercício de qualquer outra função pública por prazo até três anos.

353. Cite duas medidas sócio educativas previstas no ECA.


R.: Nos termos do artigo 112 do ECA, podemos citar: I) advertência; II) liberdade assistida.

354. É possível o pedido de prisão temporária de indivíduo não indiciado?


R.: Sim, é possível o pedido de prisão temporária de indivíduo não indiciado. Os requisitos previstos no
artigo 1º da lei nº 7.960/89, não se confundem com os requisitos do artigo 2º, §6º da Lei 12.830. Inclusive,
o indiciamento por ser ato privativo de Delegado de Polícia, pode ser posterior a decretação da temporária.

355. Quais os requisitos de validade do pedido de interceptação telefônica?


R.: Os requisitos de validade, ou pressupostos legais, segundo os artigos 1º e 2º da Lei 9.296/96, são: I)
deve ter a finalidade probatória exclusivamente para a investigação criminal ou instrução criminal; II)
existência de indícios razoáveis de autoria ou de participação em infração penal; III) haver prova da
existência de uma infração penal; IV) não existir outro meio legal que possibilite a produção da prova; V)
infrações penais punidas com pena de reclusão.

356. Segundo o CDC, quem é consumidor?


R.: Segundo o CDC, consumidor é toda pessoa física ou jurídica que adquire ou utiliza produto ou serviço
como destinatário final. Ademais, o parágrafo único do mesmo artigo equipara consumidor à coletividade
de pessoas, ainda que indetermináveis, que haja intervindo nas relações de consumo
357. Pessoa jurídica pode ser considerada consumidor?
R.: Sim, nos termos do artigo 2° do CDC, Pessoa Jurídica pode ser considerada consumidor.

358.Quais as penas restritivas de direito previstas nos crimes contra as relações de o consumo?
R.: Nos termos do art.78 do Código de Defesa do Consumidor, as penas restritivas de direitos são as
seguintes: interdição temporária de direitos; publicação em órgãos de comunicação de grande circulação
ou audiência, às expensas do condenado, de notícia sobre os fatos e a condenação; a prestação de serviços
à comunidade.
Código de Defesa do Consumidor (Lei n. 8.078/90), Art. 78. Além das penas privativas de liberdade e
de multa, podem ser impostas, cumulativa ou alternadamente, observado o disposto nos arts. 44 a 47,
do Código Penal:
I - a interdição temporária de direitos;
II - a publicação em órgãos de comunicação de grande circulação ou audiência, às expensas do condenado,
de notícia sobre os fatos e a condenação;
III - a prestação de serviços à comunidade.

359. O delegado de polícia pode destruir a prova de interceptação que não mais interessa à investigação?
R.: Não. A gravação que não interessar à prova será inutilizada por decisão judicial, durante o inquérito,
a instrução processual ou após esta, em virtude de requerimento do Ministério Público, ou da parte
interessada (Lei n. 9.296/96, art. 9º).

360. No que tange ao JECRIM, em que hipótese pode ser revogada suspensão condicional do processo?
R.: A suspensão condicional do processo deve ser revogada: se o acusado vier a ser processado por outro
crime; se o acusado não efetuar a reparação do dano, salvo impossibilidade de fazê-lo. E pode ser
revogada: se o acusado vier a ser processado, no curso do prazo, por contravenção penal; se o acusado
descumprir qualquer outra condição imposta.
Lei n. 9.099/95, Art. 89. Nos crimes em que a pena mínima cominada for igual ou inferior a um ano,
abrangidas ou não por esta Lei, o Ministério Público, ao oferecer a denúncia, poderá propor a suspensão
do processo, por dois a quatro anos, desde que o acusado não esteja sendo processado ou não tenha sido
condenado por outro crime, presentes os demais requisitos que autorizariam a suspensão condicional da
pena (art. 77 do Código Penal).
§ 1º Aceita a proposta pelo acusado e seu defensor, na presença do Juiz, este, recebendo a denúncia,
poderá suspender o processo, submetendo o acusado a período de prova, sob as seguintes condições:
I - reparação do dano, salvo impossibilidade de fazê-lo;
II - proibição de frequentar determinados lugares;
III - proibição de ausentar-se da comarca onde reside, sem autorização do Juiz;
IV - comparecimento pessoal e obrigatório a juízo, mensalmente, para informar e justificar suas
atividades.
§ 2º O Juiz poderá especificar outras condições a que fica subordinada a suspensão, desde que
adequadas ao fato e à situação pessoal do acusado.
§ 3º A suspensão será revogada se, no curso do prazo, o beneficiário vier a ser processado por
outro crime ou não efetuar, sem motivo justificado, a reparação do dano.
§ 4º A suspensão poderá ser revogada se o acusado vier a ser processado, no curso do prazo, por
contravenção, ou descumprir qualquer outra condição imposta.
§ 5º Expirado o prazo sem revogação, o Juiz declarará extinta a punibilidade.
§ 6º Não correrá a prescrição durante o prazo de suspensão do processo.
§ 7º Se o acusado não aceitar a proposta prevista neste artigo, o processo prosseguirá em seus
ulteriores termos.

361. O que é polícia judiciária?


R.: A polícia judiciária tem função de caráter repressivo, auxiliando o Poder Judiciário. Sua atuação ocorre
após a prática da infração penal e tem como objetivo precípuo a colheita de elementos de informação
relativos à materialidade e à autoria do delito.
Código de Processo Penal, art. 4º. A polícia judiciária será exercida pelas autoridades policiais no
território de suas respectivas circunscrições e terá por fim a apuração das infrações penais e da sua
autoria.
Parágrafo único. A competência definida neste artigo não excluirá a de autoridades administrativas, a
quem por lei seja cometida a mesma função.

362. O crime de abuso de autoridade é próprio de funcionário público?


R.: Sim, trata-se de crime próprio, pois exige a qualidade de agente público do sujeito ativo. O conceito
de agente público é bastante amplo, abrangendo qualquer forma de vínculo com o Estado, inclusive
transitório e sem remuneração.
Lei n. 4.898/65. Art. 5º. Considera-se autoridade, para os efeitos desta lei, quem exerce cargo, emprego
ou função pública, de natureza civil, ou militar, ainda que transitoriamente e sem remuneração.

363. No crime de abuso de autoridade o autor é obrigatoriamente agente público?


R.: O crime de abuso de autoridade trata-se de crime próprio, pois exige a qualidade de agente público do
sujeito ativo. Contudo, é possível a configuração do concurso de pessoas, caso em que particular pode ser
coautor, desde que tenha conhecimento da qualidade de agente público do autor, nos moldes do art. 30 do
CP.

364. Quais as sanções aplicáveis ao autor de crime de abuso de autoridade?


R.: O abuso de autoridade sujeita o seu autor à sanção de natureza administrativa, civil e penal, podendo
ser aplicadas de forma autônoma ou cumulativamente.
As sanções administrativas são as seguintes: advertência, repreensão, suspensão do cargo, função ou
posto por prazo de cinco a cento e oitenta dias, com perda de vencimentos e vantagens, destituição de
função, demissão, demissão, a bem do serviço público.
A sanção civil, caso não seja possível fixar o valor do dano, consiste no pagamento de uma indenização
de quinhentos a dez mil cruzeiros.
A sanção penal consiste em: multa de cem a cinco mil cruzeiros, detenção por dez dias a seis meses,
perda do cargo e a inabilitação para o exercício de qualquer outra função pública por prazo de até
três anos.
Lei n. 4.898/65, Art. 6º. O abuso de autoridade sujeitará o seu autor à sanção administrativa civil e penal.
§ 1º A sanção administrativa será aplicada de acordo com a gravidade do abuso cometido e consistirá em:
a) advertência;
b) repreensão;
c) suspensão do cargo, função ou posto por prazo de cinco a cento e oitenta dias, com perda de vencimentos
e vantagens;
d) destituição de função;
e) demissão;
f) demissão, a bem do serviço público.
§ 2º A sanção civil, caso não seja possível fixar o valor do dano, consistirá no pagamento de uma
indenização de quinhentos a dez mil cruzeiros.
§ 3º A sanção penal será aplicada de acordo com as regras dos artigos 42 a 56 do Código Penal e consistirá
em:
a) multa de cem a cinco mil cruzeiros;
b) detenção por dez dias a seis meses;
c) perda do cargo e a inabilitação para o exercício de qualquer outra função pública por prazo até três anos.
§ 4º As penas previstas no parágrafo anterior poderão ser aplicadas autônoma ou cumulativamente.
§ 5º Quando o abuso for cometido por agente de autoridade policial, civil ou militar, de qualquer categoria,
poderá ser cominada a pena autônoma ou acessória, de não poder o acusado exercer funções de natureza
policial ou militar no município da culpa, por prazo de um a cinco anos.

365. Cite duas medidas sócio educativas previstas no ECA.


Medidas socioeducativas são medidas aplicáveis a adolescentes autores de atos infracionais. Apresentam
um caráter predominantemente educativo. Como exemplos, pode-se citar: liberdade assistida e inserção
em regime de semiliberdade.
ECA, Art. 112. Verificada a prática de ato infracional, a autoridade competente poderá aplicar ao
adolescente as seguintes medidas:
I - advertência;
II - obrigação de reparar o dano;
III - prestação de serviços à comunidade;
IV - liberdade assistida;
V - inserção em regime de semiliberdade;
VI - internação em estabelecimento educacional;
VII - qualquer uma das previstas no art. 101, I a VI.
§ 1º A medida aplicada ao adolescente levará em conta a sua capacidade de cumpri-la, as circunstâncias e
a gravidade da infração.
§ 2º Em hipótese alguma e sob pretexto algum, será admitida a prestação de trabalho forçado.
§ 3º Os adolescentes portadores de doença ou deficiência mental receberão tratamento individual e
especializado, em local adequado às suas condições.

366. É possível o pedido de prisão temporária de indivíduo não indiciado?


R.: Em que pese a Lei de prisão temporária se refira à figura do indiciado, como o inquérito policial não é
elemento indispensável à decretação da prisão temporária, forçoso é concluir que o indiciamento também
não é requisito obrigatório para a decretação da medida cautelar.

367. Quais os requisitos de validade do pedido de interceptação telefônica?


R.: Os requisitos de validade do pedido de interceptação telefônica à luz da Constituição Federal e da Lei
n. 9.296/96 são os seguintes: ordem judicial devidamente fundamentada; indícios razoáveis de autoria ou
participação em infração penal punida com pena de reclusão; a prova não puder ser feita por outros meios
disponíveis; delimitação da situação objeto da investigação e do sujeito passivo da interceptação.
Lei n. 9.296/96, Art. 2° Não será admitida a interceptação de comunicações telefônicas quando ocorrer
qualquer das seguintes hipóteses:
I - não houver indícios razoáveis da autoria ou participação em infração penal;
II - a prova puder ser feita por outros meios disponíveis;
III - o fato investigado constituir infração penal punida, no máximo, com pena de detenção.
Parágrafo único. Em qualquer hipótese deve ser descrita com clareza a situação objeto da investigação,
inclusive com a indicação e qualificação dos investigados, salvo impossibilidade manifesta, devidamente
justificada.

368. Segundo o CDC, quem é consumidor?


R.: Nos termos do CDC e à luz da teoria finalista, consumidor é toda pessoa física ou jurídica que adquire
ou utiliza produto ou serviço como destinatário final. Contudo, o STJ vem aplicando a teoria finalista de
forma temperada para incluir como consumidor as pessoas jurídicas que apresentam vulnerabilidade
técnica, jurídica e fática frente ao fornecedor.
Lei n. 8.078/90. Art. 2° Consumidor é toda pessoa física ou jurídica que adquire ou utiliza produto
ou serviço como destinatário final.
Parágrafo único. Equipara-se a consumidor a coletividade de pessoas, ainda que indetermináveis, que
haja intervindo nas relações de consumo
INFORMATIVO N. 510. DIREITO DO CONSUMIDOR. CONSUMO INTERMEDIÁRIO.
VULNERABILIDADE. FINALISMO APROFUNDADO.
Não ostenta a qualidade de consumidor a pessoa física ou jurídica que não é destinatária fática ou
econômica do bem ou serviço, salvo se caracterizada a sua vulnerabilidade frente ao fornecedor. A
determinação da qualidade de consumidor deve, em regra, ser feita mediante aplicação da teoria finalista,
que, numa exegese restritiva do art. 2º do CDC, considera destinatário final tão somente o destinatário
fático e econômico do bem ou serviço, seja ele pessoa física ou jurídica. Dessa forma, fica excluído da
proteção do CDC o consumo intermediário, assim entendido como aquele cujo produto retorna para as
cadeias de produção e distribuição, compondo o custo (e, portanto, o preço final) de um novo bem ou
serviço. Vale dizer, só pode ser considerado consumidor, para fins de tutela pelo CDC, aquele que exaure
a função econômica do bem ou serviço, excluindo-o de forma definitiva do mercado de consumo. Todavia,
a jurisprudência do STJ, tomando por base o conceito de consumidor por equiparação previsto no art. 29
do CDC, tem evoluído para uma aplicação temperada da teoria finalista frente às pessoas jurídicas, num
processo que a doutrina vem denominando "finalismo aprofundado". Assim, tem se admitido que, em
determinadas hipóteses, a pessoa jurídica adquirente de um produto ou serviço possa ser equiparada à
condição de consumidora, por apresentar frente ao fornecedor alguma vulnerabilidade, que constitui o
princípio-motor da política nacional das relações de consumo, premissa expressamente fixada no art. 4º,
I, do CDC, que legitima toda a proteção conferida ao consumidor. A doutrina tradicionalmente aponta a
existência de três modalidades de vulnerabilidade: técnica (ausência de conhecimento específico acerca
do produto ou serviço objeto de consumo), jurídica (falta de conhecimento jurídico, contábil ou econômico
e de seus reflexos na relação de consumo) e fática (situações em que a insuficiência econômica, física ou
até mesmo psicológica do consumidor o coloca em pé de desigualdade frente ao fornecedor). Mais
recentemente, tem se incluído também a vulnerabilidade informacional (dados insuficientes sobre o
produto ou serviço capazes de influenciar no processo decisório de compra). Além disso, a casuística
poderá apresentar novas formas de vulnerabilidade aptas a atrair a incidência do CDC à relação de
consumo. Numa relação interempresarial, para além das hipóteses de vulnerabilidade já consagradas pela
doutrina e pela jurisprudência, a relação de dependência de uma das partes frente à outra pode, conforme
o caso, caracterizar uma vulnerabilidade legitimadora da aplicação do CDC, mitigando os rigores da teoria
finalista e autorizando a equiparação da pessoa jurídica compradora à condição de consumidora.
Precedentes citados: REsp 1.196.951-PI, DJe 9/4/2012, e REsp 1.027.165-ES, DJe 14/6/2011. REsp
1.195.642-RJ, Rel. Min. Nancy Andrighi, julgado em 13/11/2012.

369. Pessoa jurídica pode ser considerada consumidor?


R.: Nos termos do art. 2º do CDC, a pessoa jurídica pode ser considerada consumidora na hipótese de
adquirir ou utilizar produto ou serviço como destinatário final. O STJ vem aplicando a teoria finalista de
forma temperada para incluir como consumidor as pessoas jurídicas que apresentam vulnerabilidade
técnica, jurídica e fática frente ao fornecedor.

370. Quais as penas restritivas de direito previstas nos crimes contra as relações de o consumo?
R.: Nos termos do art.78 do Código de Defesa do Consumidor, as penas restritivas de direitos são as
seguintes: interdição temporária de direitos; publicação em órgãos de comunicação de grande circulação
ou audiência, às expensas do condenado, de notícia sobre os fatos e a condenação; a prestação de serviços
à comunidade.

Examinador: LEOLAR EMÍLIA DE SOUZA

371. Defina vias de fato.


R.: Trata-se de contravenção penal que consiste em ameaçar a integridade física de outrem por meio da
prática de atos de ataque ou violência contra a pessoa, desde que não ocasione lesões corporais.
DECRETO-LEI Nº 3.688. Art. 21. Praticar vias de fato contra alguém:
Pena – prisão simples, de quinze dias a três meses, ou multa, de cem mil réis a um conto de réis, se o fato
não constitui crime.
Parágrafo único. Aumenta-se a pena de 1/3 (um terço) até a metade se a vítima é maior de 60 (sessenta)
anos.

372. No caso de tentativa de prática de vias de fato, como pode ser registrada tal ocorrência?
R.: Segundo a Lei de Contravenções Penais, não é punível a tentativa de contravenção penal (art. 4º).
Logo, inviável o registro da ocorrência da prática de vias de fato.
Decreto Lei n. 3.688/1941. Art. 4º Não é punível a tentativa de contravenção.

373. Como é formalizado um fato tipificado como contravenção penal?


R.: A contravenção penal é processada no âmbito dos Juizados Especiais Criminais, assim, a autoridade
policial ao tomar conhecimento da sua ocorrência lavrará o termo circunstanciado de ocorrência e o
encaminhará imediatamente ao Juizado, com o autor do fato e a vítima, providenciando as requisições dos
exames periciais necessários.
Lei n. 9.099/90. Art. 69. A autoridade policial que tomar conhecimento da ocorrência lavrará termo
circunstanciado e o encaminhará imediatamente ao Juizado, com o autor do fato e a vítima,
providenciando-se as requisições dos exames periciais necessários.
Parágrafo único. Ao autor do fato que, após a lavratura do termo, for imediatamente encaminhado ao
juizado ou assumir o compromisso de a ele comparecer, não se imporá prisão em flagrante, nem se exigirá
fiança. Em caso de violência doméstica, o juiz poderá determinar, como medida de cautela, seu
afastamento do lar, domicílio ou local de convivência com a vítima.

374. Sujeito que pratica contravenção penal e não possui meios de identificação pode ser identificado
criminalmente?
R.: Na hipótese de não haver identificação civil por meio dos documentos citados no art. 2º da Lei n.
12.037/09, será possível a realização de identificação criminal, caso o agente se envolver na prática de
contravenção penal.

375. Qual o princípio constitucional protegido pela Igualdade Racial?


R: A doutrina considera que são protegidos pela igualdade racial tanto os princípios da igualdade, também
chamado de isonomia, relativamente ao idêntico tratamento pela lei aos indivíduos, e o da dignidade da
pessoa humana, intrínseco à própria existência do indivíduo.
Artigo 1º, inciso III e Art. 5º, caput.

376. Defina violência doméstica.


R: É toda ação ou omissão baseada no gênero, que cause morte, lesão, sofrimento físico, sexual,
psicológico e dano moral ou patrimonial, no âmbito da Unidade Doméstica, da família ou em qualquer
relação íntima de afeto.
Arts. 5º e 7º da LMP.

377. Relacionamento homoafetivo entre duas mulheres. Lesão corporal material – como é registrada
a ocorrência?
R: Para a maioria da doutrina, o reconhecimento da violência doméstica e familiar contra a mulher
independem de orientação sexual. Assim, restará configurada a violência doméstica, nas formas do art.
129, §9º do CP, c/c arts. 5º e 7º da LMP, conforme o caso.

378. E se a vítima não quiser levar adiante a ocorrência?


R: Conforme entendimento jurisprudencial elencado na Súmula 542/STJ, é incondicionada a ação penal
relativa à lesão corporal resultante de violência doméstica contra a mulher, de modo que é irrelevante a
manifestação de vontade da vítima para prosseguimento do feito.

379. Pode ser decretada a prisão preventiva na hipótese de Lei Maria da Penha?
R: A LMP previu duas hipóteses distintas de prisão preventiva do agressor: a primeira, do Art. 20, que
inseriu no rol das possibilidades de decretação de prisão preventiva, as hipóteses de violência doméstica e
familiar contra a mulher, e a segunda, do art. 42, destinada a garantia do cumprimento das medidas
protetivas de urgência.
380. Venda de drogas nas imediações de clube, atua como qualificadora do crime de tráfico ou trata-
se de causa de aumento de pena?
R: Nos termos do artigo 40 da lei 11.343, restará configurada causa de aumento de pena do delito de
tráfico, no quantum de 1/6 a 2/3, se a infração for cometida nas dependências ou imediações de entidade
recreativa, por exemplo, um clube.

381. Para utilização de embrião humano para fins científicos deve haver autorização dos genitores?
R: O STF, em sede de análise da ADI 3510, declarou constitucional o art. 5º da Lei de Biossegurança. Tal
artigo prevê, no seu parágrafo 1º, a necessidade de consentimento dos genitores para utilização de embrião
humanos para fins científicos.

382. Defina patente.


R: Documento expedido pelo poder público por meio do qual se reconhecem direitos de propriedade e uso
exclusivo relativos a uma invenção, processo de fabricação ou aperfeiçoamento de processo já existente.

383. Fornecimento de informação sigilosa de empregado para concorrente. Há crime? Qual


tipificação?
R: Há, sim, crime. De acordo com o suporte fático, pode-se enquadrar a conduta nos incisos XI ou XII,
do art. 195, da Lei 9279/96, a saber:
Art. 195. Comete crime de concorrência desleal quem:
XI - divulga, explora ou utiliza-se, sem autorização, de conhecimentos, informações ou dados
confidenciais, utilizáveis na indústria, comércio ou prestação de serviços, excluídos aqueles que sejam de
conhecimento público ou que sejam evidentes para um técnico no assunto, a que teve acesso mediante
relação contratual ou empregatícia, mesmo após o término do contrato;
XII - divulga, explora ou utiliza-se, sem autorização, de conhecimentos ou informações a que se refere o
inciso anterior, obtidos por meios ilícitos ou a que teve acesso mediante fraude.

384. Qual o objetivo da Lei de Direitos Autorais?


R: É a proteção do autor, possibilitando a defesa da paternidade e da integridade da sua criação, bem como
a fruição econômica resultante de sua utilização, dentro da linha dos mecanismos de tutela dos direitos
individuais, cf. Lei 9610/98.

385. Exemplifique três consequências ao preso que se recusa a trabalhar.


R: De acordo com o art. 50, VI, da LEP, recusa ao trabalho é falta grave e pode ter como consequências:
advertência verbal, repreensão e suspensão de direitos (ex: restrição de visita de cônjuge, parentes e amigos
– Art. 41, X, LEP).
386. Na hipótese de humilhação de idoso em estabelecimento comercial, há necessidade de
representação do idoso?
R: Nos termos do artigo 95 da lei 10.741/03, os crimes definidos na Lei são de ação pública
incondicionada, pelo que não demandarão representação.

387. Formas alternativas ao etilômetro podem afirmar a embriaguez?


R: Sim, em conformidade com o parágrafo 3º do art. 306 do CTB, a verificação da embriaguez poderá ser
feita tanto mediante teste de alcoolemia ou toxicológico, como por exame clínico, perícia, vídeo, prova
testemunhal ou outros meios, observado o direito à contraprova.

388. Indivíduo embriagado atropela e mata um transeunte. Como é conduzida a ocorrência?


R: Será lavrado Auto de Prisão em Flagrante do autor, como incurso no art. 302, §3º do CTB, operando-
se ainda a suspensão ou proibição do direito de habilitação para dirigir. Detalhe: art. 301 CTB, não se
imporá prisão em flagrante se prestar pronto e integral socorro à vítima.

389. Ato de Improbidade Administrativa- defina e caracterize.


R: Condutas que traduzem a ideia de desvirtuamento da função pública somada a violação da ordem
jurídica, caracterizadas por atos de enriquecimento ilícito, exercício nocivo da função pública, tráfico de
influência ou favorecimento de determinada pessoa ou grupo em detrimento da coletividade – vide arts. 9
a 11 Lei 8429/92.

390. Perda da função pública e perda dos direitos políticos de pessoas envolvidas em crime de
improbidade. Ocorrem em que momento?
R: Em consonância com o caput do art. 20 da Lei 8429, entende-se que a perda da função e a suspensão
dos direitos políticos só se efetivam com o trânsito em julgado de sentença condenatória. Detalhe: o
parágrafo único do artigo prevê possibilidade de afastamento cautelar do servidor.

391. Qual a diferença entre posse e porte de arma?


R: A posse consiste em possuir ou manter sob sua guarda no interior de residência (ou dependência desta)
ou no local de trabalho a arma de fogo – “intramuros”. O porte, por sua vez, pressupõe que a arma de fogo
esteja fora da residência ou local de trabalho, cf. tipificado nas condutas do art. 14 e 16 da Lei 10.826/13.

392. A arma localizada dentro de residência com numeração raspada de uso restrito e proibido
caracteriza-se porte ou posse?
R.: Caracteriza-se como posse ilegal de arma de fogo de uso restrito. Afinal, uma pessoa que possuir uma
arma que tenha a numeração raspada incorre na prática do crime tipificado no artigo 16, parágrafo único,
inciso IV, da Lei 10.826/03.

393. O tratamento é igual para munição?


R.: Não. Para o STJ, a posse da munição desacompanhada de arma de fogo é fato atípico, visto que não
gera perigo à incolumidade pública.

394. Pessoa surpreendida na rua com arma sem registro. Qual providência deve ser tomada?
R.: Para os tribunais superiores, ter uma arma de fogo com registro vencido não é crime, é apenas infração
administrativa. Contudo, tal entendimento é válido para a posse e não o porte, razão pela qual deve haver
a lavratura do flagrante pelo porte ilegal em questão.

395. O que vem a ser o crime de usura?


R.: A prática da usura é definida como crime no art. 4º da Lei nº 1.521/ 1951, da seguinte forma:
“Constitui crime da mesma natureza a usura pecuniária ou real, assim se considerando: a) cobrar juros,
comissões ou descontos percentuais, sobre dívidas em dinheiro superiores à taxa permitida por lei; cobrar
ágio superior à taxa oficial de câmbio, sobre quantia permutada por moeda estrangeira; ou, ainda,
emprestar sob penhor que seja privativo de instituição oficial de crédito; b) obter, ou estipular, em
qualquer contrato, abusando da premente necessidade, inexperiência ou leviandade de outra parte, lucro
patrimonial que exceda o quinto do valor corrente ou justo da prestação feita ou prometida. Pena –
detenção, de 6 (seis) meses a 2 (dois) anos, e multa, de cinco mil a vinte mil cruzeiros.”

396. Há alguma causa que agrava tal crime?


R.: Sim, o § 2º do art. 4º da Lei n. 1.521 dispõe que são circunstâncias agravantes do crime de usura:
I – ser cometido em época de grave crise econômica;
II – ocasionar grave dano individual;
III – dissimular-se a natureza usurária do contrato;
IV – quando cometido:
a) por militar, funcionário público, ministro de culto religioso; por pessoa cuja condição econômico-social
seja manifestamente superior à da vítima;
b) em detrimento de operário ou de agricultor; de menor de 18 (dezoito) anos ou de deficiente mental,
interditado ou não.

Examinador: Alexandre Silva Cassola

397. Lei Ambiental → Defina sob o aspecto jurídico o que se entende por meio ambiente.
R.: É praticamente unânime a doutrina brasileira de direito ambiental ao afirmar que a expressão meio
ambiente, por ser redundante, não é a mais adequada, posto que 'meio' e 'ambiente' são sinônimos. A
despeito disso, o uso consagrou a expressão e a Lei nº. 6.938, que dispõe sobre a Política Nacional do
Meio Ambiente, assim define: "Art. 3º. (...) entende-se por: I - Meio ambiente, o conjunto de condições,
leis, influências e interações de ordem física, química e biológica, que permite, abriga e rege a vida em
todas as suas formas". Além disso, cabe destacar que o conceito jurídico de meio ambiente compreende
quatro divisões feitas pelos estudiosos de direito ambiental: meio ambiente natural, meio ambiente
artificial, meio ambiente cultural e meio ambiente do trabalho.

398. Todos os crimes previstos na lei de meio ambiente podem ter a responsabilização da pessoa
jurídica?
R.: Nem todos. A responsabilidade se dá nos termos do que a Lei n. 9.605 (art. 3º) prevê, ou seja, a pessoa
jurídica será responsabilizada penalmente nos casos em que a infração seja cometida por decisão de seu
representante legal ou contratual, ou de seu órgão colegiado, no interesse ou benefício da sua entidade.

399. Cite um crime em que a pessoa jurídica pode ser responsabilizada.


R.: O do art. 55 da Lei n. 9.605/98 (Art. 55. Executar pesquisa, lavra ou extração de recursos minerais sem
a competente autorização, permissão, concessão ou licença, ou em desacordo com a obtida).

400. Plantão. Zona Leste. Chegam à Delegacia inúmeras gaiolas com aves silvestres que estavam em
uma residência. Que providência tomaria como Delegado de Polícia em relação às aves, bem como
em relação à pessoa presa com as gaiolas?
R.: O crime encontra-se previsto no art. 29, § 1º, inc. III, da Lei 9.605/98, que criminaliza a conduta de
quem vende, expõe à venda, exporta ou adquire, guarda, tem em cativeiro ou depósito, utiliza ou transporta
ovos, larvas ou espécime da fauna silvestre, nativa ou em rota migratória, sem a devida permissão, licença
ou autorização da autoridade competente. No caso em exame, a conduta do réu se subsumiu perfeitamente
no tipo penal, e por se tratar de infração de menor potencial ofensivo, nos termos da Lei n. 9.099/95, a
autoridade policial lavrará termo circunstanciado e o encaminhará imediatamente ao Juizado, com o autor
do fato, providenciando-se as requisições dos exames periciais necessários e a apreensão das referidas
aves, além de aplicação de multa, nos termos do art. 24, § 3o , do Decreto n. 6.514/2008.

401. Depositaria essas aves na pessoa do investigado? Qual seria o fundamento?


R.: Nos termos do art. 106, II, do Decreto n. 6.514/2008, o depósito das aves poderá ser confiado ao próprio
autuado, desde que a posse dos bens ou animais não traga risco de utilização em novas infrações.

402. Estatuto do Torcedor. Plantão na arena. Indivíduo comercializando bilhetes dez vezes mais
caros. Estaria cometendo delito?
R.: Sim. O cambista comete o delito previsto no art. 41-F da Lei n. 10.671/2003 (Estatuto do Torcedor):
Art. 41-F. Vender ingressos de evento esportivo, por preço superior ao estampado no bilhete.

403. Qual a providência?


R.: Encaminhar o cambista à Delegacia de Polícia e autuá-lo com base no Estatuto do Torcedor, se for o
caso lavrando o auto de prisão em flagrante e realizando a apreensão dos ingressos vendidos.

404. Qual a diferença entre loteamento e parcelamento do solo urbano?


R.: O tema “parcelamento do solo urbano” é tratado pela CF/88 e está presente no inciso VIII do art. 30 e
pela Lei n.º 6.766/79. O termo parcelamento de solo urbano é gênero das espécies loteamento e
desmembramento. Como loteamento entende-se a divisão de gleba em lotes com destinação específica, a
saber, a subdivisão de gleba em lotes destinados a edificação, com abertura de novas vias de circulação,
de logradouros públicos ou prolongamento, modificação ou ampliação das vias existentes.

405. Para autorizar a venda ou promessa de venda do parcelamento, qual o requisito indispensável,
sob pena de prática criminosa?
R.: A autorização do órgão público competente é indispensável, nos termos do art. 50 da Lei n. 6.766/79.
O parcelamento do solo para fins urbanos está disciplinado pela Lei 6.766/79, cujo artigo 4º prescreve os
requisitos de atendimento obrigatório. O artigo 6º desse diploma, por sua vez, define os requisitos que
deverão constar do respectivo projeto de parcelamento do solo, devendo posteriormente ser submetido à
aprovação do poder público competente, na forma do art. 12. Com isso, forçoso concluir que o
empreendedor que, agindo à margem da lei, vier a desatender a essas diretrizes, incidirá,
74onsequentemente, nas cominações legais prescritas no citado artigo 50 e respectivos incisos e parágrafo
único da aludida Lei nº 6.766/79.

406. CTB → Qual o seu posicionamento quanto à seguinte ocorrência: motorista embriagado
ultrapassa o sinal vermelho, sobe na calçada e mata duas crianças que estavam brincando.
R.: Verifica-se a existência de dolo eventual no ato de dirigir veículo automotor sob a influência de álcool,
além de fazê-lo ultrapassando o sinal vermelho. Esse é, portanto, um caso específico que evidencia a
diferença entre a culpa consciente e o dolo eventual. O condutor assumiu o risco ou, no mínimo, não se
preocupou com o risco de, eventualmente, causar lesões ou mesmo a morte de outrem.

407. O CTB prevê alguma hipótese de crime doloso?


R.: Sim. Podemos citar como exemplo os arts. 304 (“Deixar o condutor do veículo, na ocasião do acidente,
de prestar imediato socorro à vítima, ou, não podendo fazê-lo diretamente, por justa causa, deixar de
solicitar auxílio da autoridade pública”), 305 (“ Afastar-se o condutor do veículo do local do acidente, para
fugir à responsabilidade penal ou civil que lhe possa ser atribuída”), 307 (“Violar a suspensão ou a
proibição de se obter a permissão ou a habilitação para dirigir veículo automotor imposta com fundamento
neste Código”) do CTB.

408. Qual o fundamento para a tipificação em homicídio doloso?


R.: O fundamento será o Código Penal em seu art. 121, haja vista que o art. 302 do CTB se refere ao crime
de homicídio culposo.

409. Qual o recente entendimento do STJ em relação à embriaguez? [no contexto do CTB]
R.: Exª., o entendimento do STJ é no sentido de que o crime do art. 306 do CTB, com a nova redação dada
pela Lei 12.760/12, é de perigo abstrato e dispensa a demonstração da potencialidade lesiva na conduta,
configurando-se pela condução de veículo automotor em estado de embriaguez.

410. Há dolo eventual por estar embriagado? [pergunta confusa/incompleta]


R.: Exª., trata-se de crime doloso, que admite a hipótese de dolo eventual. O direito pátrio adota a teoria
da actio libera in causa, o que antecipa a análise do dolo para o momento da ingesta da substância
alcoólica. Destaque-se que o agente embriagado que pratica homicídio ou lesão corporal culposos, poderá
responder nas formas qualificadas dos arts; 302, §3º, ou 303, §2º, ambos do CTB, caso demonstrada a
culpa consciente.
Art. 306, do CTB; art. 28, II, CP.

411. E se o agente disser que se arrependeu e prestou socorro às vítimas? [pergunta incompleta
– arrependimento posterior?
R.: Exª., por expressa previsão legal do art. 301 do CTB, não se imporá prisão em flagrante nem se exigirá
fiança ao agente que prestar pronto e integral socorro à vítima. No que tange ao arrependimento posterior,
é inaplicável aos crimes de trânsito, já que o instituto restringe-se a crimes patrimoniais ou que possuam
efeitos patrimoniais.
Art. 301, CTB; Art. 16, CP.

412. Há possibilidade de o Delegado representar pela suspensão do direito de dirigir?


R.: Sim, Exª. É possível o Delegado de polícia representar pela suspensão do direito de dirigir, nos termos
do art. 294, do CTB, dm qualquer fase da investigação ou da ação penal, desde que presentes os requisitos
autorizadores da medida.
Art. 294, CTB.

413. Qual o requisito?


R.: Exª., são requisitos para a suspensão do direito de dirigir: juiz, de ofício, ou mediante representação do
Delegado ou requerimento do membro do MP; demonstração da necessidade da medida para garantia da
ordem pública (segurança viária); decisão judicial motivada.
Art. 294, CTB.

414. Trace um paralelo com o artigo 306, antes da Lei Seca. [pergunta incompleta]
R.: Exª., originalmente o crime do art. 306, do CTB era de perigo concreto, em que exigia a efetiva
exposição a dano potencial da incolumidade de outrem. Com a Lei seca – Lei 11.705/08 -, delimitou a
concentração de álcool por litro de sangue punida. Com a Lei 12.760/12, pune-se a condução com qualquer
quantidade de álcool; trata-se de crime de perigo abstrato.
Art. 306, CTB.

415. Lei nº 8.429/92, artigo 9º, V → O que entende por lenocínio?


R.: Exª., o crime de lenocínio consiste em prestar assistência à libidinagem de outrem ou dela tirar proveito,
tendo ou não a finalidade de obter vantagem econômica – embora esta seja o mais comum. Resta tipificado
nos arts. 227 e ss. do CP.

416. Trace um paralelo entre abuso de autoridade e lesão corporal.


R.: Exa., abuso de autoridade tutela o regular funcionamento da Administração pública bem como os
direitos e garantias fundamentais previstos na CF/88. Trata-se de crime próprio (sujeito ativo: autoridade
pública). Por sua vez, o crime de lesão corporal é um crime comum, e tutela a integridade corporal ou
saúde da vítima.

417. Há concurso formal, material ou consunção?


R.: Exª., a doutrina entende que o concurso poderá ser formal ou material, a depender da quantidade de
condutas. Não cabe falar em consunção, uma vez que os delitos tutelam bens jurídicos distintos e se
consumam em momentos diversos.
Art. 3º, I, L. 4.898/65.

418. Quem pratica abuso de autoridade?


R.: Pratica abuso de autoridade a autoridade pública, que engloba quem tenha algum vínculo formal com
o Estado, mesmo que sem estabilidade ou remuneração. O particular também pode praticar em concurso
de pessoas, desde que ciente da condição de autoridade pública do agente, na forma do art. 30, do CP.
Art. 5º, da Lei 4.898/65; Art. 30, CP;
Súmula 172, STJ (tendência de superação): Compete à justiça comum processar e julgar militar por crime
de abuso de autoridade, ainda que praticado em serviço.
419. Essa autoridade tem que ter poder de comando?
R.: Não, Exª. O art.5º, da Lei 4.898/65 não exige que a autoridade tenha poder de comando. Com efeito, a
lei considera autoridade pública quem exerce cargo, emprego ou função pública, de natureza civil ou
militar, ainda que transitoriamente e sem remuneração.
Art. 5º, da Lei 4.898/65

420. Para a lei, quem é autoridade? Quem é o sujeito ativo?


R.: Exª., o conceito de autoridade descrito no art. 5º da Lei 4.898/65 é mais abrangente que o do art. 327,
do CP, de sorte que o sujeito ativo do crime em tela é a autoridade, que abrange todo aquele que exerce
cargo, emprego ou função pública, de natureza civil ou militar, ainda que transitoriamente e sem
remuneração.
Art. 5º, L. 4.898/65

421. O mesário pode praticar abuso de autoridade nas eleições?


R.: Sim, Exª. O mesário é considerado pela doutrina como particular em colaboração ou agente honorífico,
sendo, espécie de agentes públicos. Visto que desempenha função pública de forma transitória mediante
pode praticar abuso de autoridade, na forma do art. 5º da Lei 4.898/65.
Art. 5º, L. 4.898/65.

422. Ele é servidor público?


R.: Exª., o mesário é considerado agente público lato senso, sendo este um particular em colaboração.
Todavia, não é considerado servidor público em sentido estrito, assim considerados os servidores
estatutários. Ademais, é possível que um servidor público seja convocado a atuar como mesário,
respeitadas as vedações legais.
Art. 120, §1º, Cód. Eleitoral.

423. Um Delegado de Polícia aposentado que atenta para a incolumidade física de uma pessoa
comete abuso de autoridade?
R.: Exª., a doutrina entende que o agente público aposentado ou demitido não pratica abuso de autoridade,
tendo em vista que não mais existe o vínculo formal com o Estado. Nesse sentido, o agente responderá por
crime comum, a exemplo do art. 129, do CP – lesões corporais.
Art. 5º, L. 4.898/65

424. Caso noticiado na TV, da mãe flagrada pelas câmeras de vigilância agredindo a filha por
ter chamado de ridícula. Qual a tipificação que se dá numa situação como essa?
R.: Exª., a conduta duma mãe que agrediu a filha após ter sido chamada de ridícula configura o crime de
maus-tratos, tipificado no art. 136, do CP, ante o abuso de meios de correção ou disciplina. Possível
aplicar, ainda, a Lei Maria da Penha (Lei 11.340/06). Trata-se de IPMPO, de APPI, de competência do
JECRIM.

425. Diferencie maus tratos de tortura castigo.


R.: Exª., o crime de maus-tratos tem caráter educativo, e o dolo do agente é de repreender a uma
indisciplina. No crime de tortura-castigo, o dolo do agente é causar o padecimento à vítima, causando-lhe
sofrimento físico ou mental. Ademais, o crime de maus-tratos é de perigo, enquanto que o de tortura-
castigo, de dano.
Art. 136, CP; Art. 1º, II, L. 9.455/97.

426. Quem é o sujeito ativo do crime de tortura?


R.: Qualquer pessoa pode ser sujeito ativo do crime de tortura. Trata-se, pois, de crime comum, não se
exigindo qualquer qualidade especial do agente. Não obstante, no caso de tortura-omissão, o crime é
próprio, na medida em que o sujeito ativo somente será aquele que possui o descer de evitar ou de apurar
as condutas.
(artigos 1º, incisos I e II, e §2º, da Lei nº 9.455/1997)

427. Por que com o advento da Lei nº 9.099/95, a doutrina da obrigatoriedade da ação penal se
tornou mitigada?
R.: Em se tratando de infrações de menor potencial ofensivo, ainda que haja lastro probatório suficiente
para o oferecimento de denúncia, e desde que o autor do fato atenda aos requisitos objetivos e subjetivos
previstos na Lei 9.099/1995, surge ao Ministério Público o poder-dever de propor a aceitação de instituto
despenalizador, como forma de evitar a instauração de ação penal.

428. Todos os institutos despenalizadores mitigam a obrigatoriedade da ação penal?


R.: Não, somente o instituto da transação penal tem o condão de mitigar a obrigatoriedade da ação penal
pública. Assim, uma vez preenchidos os requisitos legais, o Ministério Púbico, ao invés de oferecer
denúncia, deve propor transação penal, com a aplicação imediata das penas restritivas de direitos ou multa.
(artigo 76 da Lei nº 9.099/1995)

429. Pelo instituto da composição civil dos danos a obrigatoriedade da ação penal é mitigada?
R.: Não, na medida em que a celebração do acordo tem apenas a finalidade de reparar os danos sofridos
pela vítima, permanece, pois, a transação penal como único instituto mitigador da obrigatoriedade da ação
penal pública incondicionada.

430. O princípio da obrigatoriedade vige na Ação Penal Privada?


R.: Não, à ação penal privada (exclusiva ou personalíssima) aplica-se o princípio da oportunidade ou
conveniência, enquanto na fase pré-processual, e o princípio da disponibilidade, quando na fase
processual.

431. Qual a postura do Delegado de Polícia diante de uma lesão corporal de natureza leve?
R.: Tendo em consideração que o delito lesão corporal de natureza leve constitui infração de menor
potencial ofensivo e, por tal razão, submete-se a processo perante o Juizado Especial Criminal, a
autoridade policial que tomar conhecimento da ocorrência deverá lavrar termo circunstanciado e o
encaminhará imediatamente ao Juizado, com o autor do fato e a vítima, providenciando as requisições dos
exames periciais necessários.
(Lei nº 9.099/1995)

432. E de fosse praticada por menor de 16 anos?


R.: Na hipótese, a lesão corporal praticada por menor de 16 anos não constitui crime, mas, sim, ato
infracional, conforme preceitua o Estatuto da Criança e do Adolescente.
(artigo 103 da Lei nº 8.069/90).

433. Faz a apreensão do menor?


R.: Há de se diferenciar a situação da criança (até doze anos de idade incompletos) do adolescente (idade
entre doze e dezoito anos).
Cuidando-se de criança, não é possível a privação de sua liberdade em razão da prática de ato infracional,
devendo ser apresentada ao Conselho Tutelar ou à Justiça da Infância e da Juventude, para fins de aplicação
da medida de proteção que se reputar adequada. Por outro lado, no caso de adolescentes, é possível que
ocorra sua apreensão em caso de flagrante de ato infracional.
(artigo 101, § 1º, artigo 101, artigo 103, artigo 105 e artigo 136, inciso I, Lei nº 8.069/90)

434. Como fundamentaria a conduta?


R.: Em caso de flagrante de ato infracional cometido mediante a prática de violência contra a pessoa, a
autoridade policial deverá lavrar auto de apreensão, conforme disciplina o Estatuto da Criança e do
Adolescente.
(artigo 173 da Lei nº 8.069/90)

435. A lei penal prevê a possibilidade de doação de órgão em vida?


R.: Não, pelo contrário, a lei penal define como crime quem agencia, alicia, recruta, transporta, transfere,
compra, aloja ou acolhe pessoas mediante grave ameaça, violência, coação, fraude ou abuso, com a
intenção de remover órgão, tecidos ou parte do corpo.
(artigo 149-A do Código Penal)
436. Para que circunstância? Para que finalidade?
R.: Contanto que sejam gratuitas e tenham intuito humanitário ou científico, a permissão legal para a
disposição de tecidos, órgãos e partes do corpo humano, em vida, com a finalidade de transplantes e
tratamentos está contida na conhecida lei dos transplantes.
(Lei 9.434/97)

437. Retirada do órgão post mortem poderá ocorrer em que momento?


R.: A retirada de órgãos somente poderá ser efetuada após o diagnóstico da morte encefálica e com o
consentimento expresso da família.
(Decreto nº 9.175/2017 e Lei nº 9.434/1997)

438. Quem atesta a morte?


R.: O atesto de óbito, também conhecido como declaração de óbito, é realizado por um médico, ainda que
a morte não tenha ocorrido dentro de um hospital. Não obstante, acaso a morte ocorra em local em que
não exista profissional médico, o atesto poderá ser efetuado por duas testemunhas que tiverem presenciado
ou verificado a morte.
(artigo 77 da Lei nº 6.015/1973)

439. O que é um crime hediondo?


R.: É um crime que o legislador considerou especialmente repulsivo e que, por essa razão, recebe
tratamento penal e processual penal mais gravoso que os demais delitos.

440. Qual a finalidade da lei de crimes hediondos?


R.: A lei de crimes hediondos, em atendimento ao mandado de criminalização contido na Constituição
Federal, tem por finalidade definir de forma exaustiva (taxativa) quais são os crimes hediondos. Registre-
se, ademais, que o Brasil adotou o sistema legal de definição dos crimes hediondos.
(Lei 8.072/90 e artigo 5º, XLIII, da Constituição Federal)

441. Sob que fundamento, o STF decidiu que o regime inicial fechado para todos os crimes hediondos
é inconstitucional?
R.: Violação ao princípio da individualização da pena, que está previsto expressamente na Constituição
Federal. A fixação do regime prisional deve ser individualizada, de acordo com o caso concreto. Ademais,
a Constituição Federal estabeleceu de forma clara as vedações que quis impor (são inafiançáveis e
insuscetíveis de graça ou anistia), não constando, entretanto, o regime inicial fechado.
(artigo 5º, XLVI e XLIII, da Constituição Federal; artigo 33, §§ 2º e 3º, do Código Penal)
442. O que é crime equiparado ao hediondo?
R.: É aquele que deve receber o mesmo tratamento penal e processual penal mais severo que é reservado
aos delitos hediondos. De acordo com a Constituição Federal, existem três crimes equiparados, a saber:
tortura; tráfico ilícito de entorpecentes; e terrorismo.
(artigo 5º, XLIII, da Constituição Federal)

443. Por que não taxá-los de hediondos?


R.: A própria Constituição Federal erigiu a tortura, o tráfico de drogas e o terrorismo ao patamar similar
de crime hediondo, não deixando nenhuma margem ao legislador infraconstitucional para deliberar se tais
crimes são, ou não, hediondos.

444. Há diferença de tratamento entre eles?


R.: Não, pois, por força da equiparação promovida pela própria Constituição, tanto o crime hediondo
quanto o equiparado devem ser submetidos ao mesmo tratamento mais rigoroso estabelecido pela Lei nº
8.072/90.

445. O que é tráfico? Somente o disposto no artigo 33 da Lei?


R.: A nova lei de drogas (Lei nº 11.343/06), assim como a anterior (Lei n° 6.368/76), não prevê um crime
cujo nomen iuris seja "tráfico de drogas". Não obstante, de acordo com a doutrina, insere-se no conceito
de tráfico as condutas descritas nos artigos 33, caput e§ 1°, e 34 a 37 da Lei 11.343/06.

446. Quem financia o tráfico é equiparado ao traficante para fins de crimes hediondos?
R.: Entende-se, no âmbito doutrinário e jurisprudencial, que, se o delito previsto no artigo 33 é considerado
como hediondo, a conduta de financiar e custear o tráfico, por ser mais grave, deve ser também
compreendida como de natureza hedionda, à luz do princípio da proporcionalidade.

447. E o tráfico privilegiado?


R.: O tráfico privilegiado, também denominado de “traficância menor” ou “traficância eventual”,
constitui-se, tecnicamente, em uma causa de diminuição de pena, a ser aplicada pelo juiz na terceira fase
da dosimetria da pena, e não uma modalidade de tráfico de entorpecente.

448. Como funciona a ação controlada, pela lei de combate à organização criminosa?
R.: A ação controlada é meio extraordinário de obtenção de prova previsto nos arts. 8º e 9º da Lei
nº12.850/2013, consistente em retardar a intervenção policial ou administrativa relativa à ação praticada
por organização criminosa ou a ela vinculada, sendo acompanhada a fim de se esperar o momento mais
eficaz para a obtenção de informações. A colaboração depende de autorização judicial e oitiva do MP.
Tramitará em sigilo, exceto para o juiz, MP e o delegado. Se a colaboração envolver transposição de
fronteiras só será possível se tiver cooperação das autoridades de outros países.

449. Por interceptação telefônica, está apurando uma organização criminosa de tráfico de drogas.
Está em diligência, aguardando o carregamento de drogas. À frente do galpão, há uma pessoa com
arma de fogo. Prende esta pessoa?
R.: A situação em concreto pode indicar outra atuação mais indicada, mas de acordo com os dados
informados, entendo que seria mais eficaz não atuar nesse momento, aguardando o carregamento de
drogas, a fim de proceder ao flagrante do tráfico, obter maiores informações e possibilitar a apreensão de
mais envolvidos no delito. Tudo isto nos termos da ação controlada prevista em lei.

450. Lei de Drogas → Qual o tratamento dado pela doutrina ao tráfico de drogas privilegiado?
R.: O tráfico privilegiado é na realidade uma causa de diminuição de pena prevista no art.33, §4º, da Lei
nº11.343/06, aplicável aos crimes previstos no caput e no §1º, ao agente que seja primário, de bons
antecedentes, não dedicado a atividades criminosas e que não faça parte de organização criminosa. A
redução será de 1/6 a 2/3. Vale lembrar que, conforme já decidido pelo STF, o tráfico privilegiado não é
crime hediondo.

451. Qual o tratamento legal dado a ele? (?)


R.: O tráfico privilegiado é na realidade uma causa de diminuição de pena prevista no art.33, §4º, da Lei
nº11.343/06, aplicável aos crimes previstos no caput e no §1º, ao agente que seja primário, de bons
antecedentes, não dedicado a atividades criminosas e que não faça parte de organização criminosa. A
redução será de 1/6 a 2/3. Vale lembrar que, conforme já decidido pelo STF, o tráfico privilegiado não é
crime hediondo.

452. Há necessidade da materialidade delitiva para a prisão em flagrante?


R.: Há a necessidade, ao menos, de indícios de materialidade e autoria para a realização da prisão em
flagrante. Além disso, deve estar presente ao menos uma das situações descritas no art. 302 do CPP.

453. Encontra várias cartelas de LSD e o indivíduo diz que não estava comercializando. Sem a
materialidade, autua a prisão em flagrante?
R.: Entendo que, a depender da situação, quantidade da droga, forma de acondicionamento, local em que
realizada a apreensão, bem como outras condições do indivíduo, é perfeitamente possível a prisão em
flagrante, pois estão presentes os indícios da materialidade e da autoria.

454. Depende de prova pericial?


R.: Para a realização da prisão em flagrante não há necessidade da prova pericial, nem sequer seria
possível, dada a urgência desta modalidade de prisão. Contudo, a manutenção do cárcere será condicionada
ao resultado da prova pericial.

455. Num primeiro momento, não há como a perícia aferir se é ou não LSD. Como procede?
R.: Não havendo a possibilidade de se verificar se o material apreendido é ou não LSD, entendo que o
flagranteado deva ser liberado, nada impedindo que seja indiciado posteriormente se for o caso, cabendo,
inclusive, a decretação de sua preventiva se preenchidos os requisitos legais.

456. E se maneira diversa não encaminhasse por falta de perito na região? Como se portaria?
R.: Não havendo perito oficial na região, poderia o material ser encaminhado ao ICRIM ou órgão
correspondente ou serem nomeados peritos ad hoc.

457. Quantos peritos deveria nomear, para fazer o laudo?


R.: Se o perito for oficial bastaria um, contudo, em sendo peritos ad hoc, são necessárias duas pessoas
idôneas e portadoras de diploma de ensino superior (CPP, art. 159).

458. Lei Maria da Penha → Como Delegado, pode representar em face de medidas protetivas de
urgência?
R.: Não. O presidente de república vetou o dispositivo legal que dava tal atribuição ao delegado de polícia.
Assim, pode a autoridade policial apenas colher o depoimento da vítima e encaminhar o seu pedido à
autoridade judicial que tem a competência para decretá-las (Art. 12, III, da Lei nº 13.340/06).

459. Crime de ameaça. Faz um BO e informa o prazo decadencial. Imediatamente a vítima


representa. Passados alguns dias, quer se retratar. Como procede?
R.: O ofendido tem o prazo decadencial de 6 meses para oferecer sua representação ou apresentar a queixa,
nos termos do art.38 do CPP. Contudo, nos termos do art. 25 do CPP, pode o ofendido se retratar de sua
representação até o oferecimento da denúncia, nada impedindo que ofereça novamente a representação
dentro do prazo decadencial. No caso de retratação, deve a autoridade policial arquivar o IP. Vale dizer,
ainda, que em se tratando de crime de ameaça, de menor potencial ofensivo, há jurisprudência e doutrina
que defendem a possibilidade da retratação mesmo após a denúncia ou queixa, em observância ao princípio
da pacificação social.

460. Como Delegada, teria legitimação para representar prisão temporária contra financiador do
tráfico de drogas?
R.: A legitimidade do Delegado de Polícia para representar pela decretação da prisão temporária pode ser
extraída do art. 2º da Lei nº 7.960/89. Todavia, não é possível a prisão temporária para o crime financiar
o tráfico de drogas (art.36, da Lei nº 11.343/06), visto que, conforme entendimento doutrinário apenas o
art.33 da Lei de Drogas estaria sujeito à prisão temporária.

461. Este crime está catalogado na lei de prisão temporária?


R.: Não. O crime financiar o tráfico de drogas (art.36, da Lei nº 11.343/06), não está abrangido pelo rol
taxativo dos crimes que ensejam a prisão temporária (art. 2º, da Lei nº 7.960/89)

462. Traficante e financiador de tráfico é a mesma coisa para fins da lei?


R.: Não. O crime de tráfico de drogas (art.33, da Lei 11.343/2006) e o crime de financiamento do tráfico
de drogas (art.36, da Lei 11.343/2006) são autônomos, não fazem parte da mesma figura penal, podendo,
portanto, coexistirem sem que isso signifique “bis in idem”.

463. Representa pela decretação da prisão temporária?


R.: Caso fosse representado pela decretação da prisão temporária o juiz deverá julgar improcedente o
pedido, visto que, conforme doutrina e jurisprudência majoritária, para que a prisão temporária seja
decretada é necessário que o crime esteja catalogado no art.2º da Lei nº 7.960/89.

464.Qual o prazo que o juiz tem para analisar essa representação?


R.: O juiz tem o prazo de 24 (vinte e quatro) horas para decretar analisar a representação pela prisão
temporária, conforme art.2º, §2º, da Lei nº 7.960/89.

465. E se o juiz ignora este prazo? Qual medida tomaria como Delegada?
R.: Neste caso, tendo em vista que a maioria da doutrina afirma que o Delegado não possui capacidade
postulatória, não poderá recorrer da omissão do juiz em proferir a decisão, entretanto nada impede a
renovação da representação, e comunicação do referido fato à Corregedoria do Tribunal e ao Ministério
Público.

466. Lei de Identificação Criminal, artigo 3º, IV → O que entende por “essencial às investigações” e
como funciona o despacho?
R.: O termo “essencial às investigações” pode ser definido como toda aquela informação que seja
imprescindível para a resolução do caso. O despacho é proferido pelo juiz e deve ser fundamentado (art.3º,
IV da Lei nº 12.037/2009)

467. Identificação datiloscópica e genética somente com autorização judicial?


R.: Não. No que se refere a identificação datiloscópica não se exige autorização judicial (art.4º, da Lei nº
12.037/2009), mas para identificação genética sim, conforme art.3º, IV, c/c art.5º, p.único, ambos da Lei
da Lei nº 12.037/2009).
468. CTB → O que entende por veículo automotor?
R.: Conforme anexo I, da Lei nº 9.503/1997 (CTB), veículo automotor é todo veículo a motor de propulsão
que circule por seus próprios meios, e que serve normalmente para o transporte viário de pessoas e coisas,
ou para a tração viária de veículos utilizados para o transporte de pessoas e coisas. O termo compreende
os veículos conectados a uma linha elétrica e que não circulam sobre trilhos (ônibus elétrico).

469.Deve necessariamente ter quatro rodas?


R.: Não há essa exigência. A exemplo da moto que é veículo automotor, embora possua duas rodas.
470.Veículo conectado à linha elétrica é veículo automotor? Sim, o anexo I do CTB (Conceitos e
Definições), o veículo automotor está definido como aquele que circula por seus próprios meios, que serve
para transporte de pessoas e coisas, incluindo nesse conceito os ônibus elétricos, ou seja, aqueles
conectados à rede pública mas que não circula sobre trilhos.

470. E o ônibus elétrico?


R.: Sim, embora art. 96 do CTB tenha separado os veículos “automotor” e “elétrico”, isso porque o crime
que seja cometido na direção de um veículo com baterias próprias (elétrico) ainda sim é aplicável sua
equiparação ao “automotor”, pois, ele se enquadra perfeitamente ao conceito constante no Anexo I do
CTB.

471.Um indivíduo embriagado é flagrado dirigindo dentro do condomínio onde reside. Há o crime
previsto no artigo 306?
R.: Sim, apesar de as vias internas dos condomínios serem áreas comuns de propriedade dos condôminos
e, portanto, privadas e não vias públicas, estão sujeitas ao Código de Trânsito Brasileiro, por expressa
previsão de seu artigo 2º, parágrafo único.

472.Lei nº 7.492/86 (crime do colarinho branco) → Qual o bem jurídico tutelado?


R.: O bem jurídico é a credibilidade dos títulos e valores mobiliários.

473.Lei 12.830/13 → Cite duas alterações no que tange a condução do inquérito policial pelo Delegado
de Polícia?
R.: O indiciamento fundamentado e exclusivo do delegado de polícia (art.2º, §6º, da Lei nº 12.830/13) e o
delegado natural, visto que a avocação e redistribuição de inquérito polícia somente pode se dar por ato
fundamentado (art.2º, §4, da Lei nº 12.830/13)

474. Prevê a possibilidade de avocação pela autoridade superior?


R.: Sim, desde que por despacho fundamentado, por motivo de interesse público ou nas hipóteses de
inobservância dos procedimentos previstos em regulamentos da corporação que prejudique a eficácia da
investigação.

Examinador: SILVIA GENTIL

475. Lei da improbidade administrativa – Quais os pressupostos para sua caracterização?


R.: Pressuposto intrínseco: volitivo (dolo e culpa – esta apenas no art.10, da Lei nº8.429/92); Pressuposto
extrínseco: ato de encontro à moralidade administrativa (art.37, caput, CF/88).

476. A indisponibilidade pode atingir a totalidade dos bens do acusado?


R.: Sim, a indisponibilidade de bens pode atingir tanto os bens adquiridos anteriormente à prática do ato
improbo quanto os bens adquiridos depois (REsp 1204794), respeitando-se, porém, o total do dano
causado (REsp 1119458)

477. Quais as penalidades previstas na lei de improbidade?


R.: Perda de bens e valores, ressarcimento ao erário, perda da função pública, suspensão dos direitos
políticos, multa civil e proibição de contratar com o poder público ou receber incentivos fiscais/creditícios
(art. 12 da Lei 8.429/92).

478. A lei de improbidade administrativa admite a imposição de pena de multa?


R.: Sim. Há que se salientar que a indisponibilidade de bens serve para garantir tanto o ressarcimento ao
erário quanto o pagamento da multa civil aplicada (REsp 131013). A multa da LIA possui natureza civil,
diferindo da multa penal.

479. Cite um crime de perigo abstrato do CTB.


R.: Os delitos de trânsito, em sua maioria, constituem crimes de perigo abstrato (HABIB, 2018, p. 291).
Conduzir veículo com capacidade psicomotora alterada (art. 306); permitir, confiar ou entregar condução
ao não habilitado (art. 310 e STJ 575)

480. Em que consiste a ação controlada na lei de drogas?


R.: Técnica investigativa que permite a não intervenção no momento de flagrante delito para intervenção
mais eficaz para a formação de provas e fornecimento de informações, atingindo maior número de
integrantes (HABIB, 2018, 737).
(art. 53, II, Lei 11.343/06)
481. O transporte gratuito de produtos químicos destinados á preparação de entorpecentes, sem
autorização legal, caracteriza crime?
R.: Sim, caracteriza o crime de tráfico de drogas por equiparação (art. 33, § 1°, I, Lei 11.343/06).

482. As penas aplicadas a individuo que adquire drogas para consumo pessoal pode ser também
aplicadas ao reincidente?
R.: Sim, as penas do art. 28 de advertência, prestação de serviços à comunidade e medida educativa são as
mesmas ao primário e ao reincidente, apenas alterando o prazo máximo das duas últimas penas de 5 para
10 meses no caso de reincidência.

483. Quais as medidas protetivas de urgência previstas na Lei Maria da Penha?


R.: Obrigam agressor: suspensão de posse/porte de arma, afastamento do lar, proibição de condutas,
restrição/suspensão de visitas, prestação de alimentos.
À ofendida: programa oficial, recondução ao domicílio, afastamento do lar, separação de corpos.
Proteção patrimonial: Restituição de bens, proibição de atos, suspensão de procuração, caução provisória.
(róis exemplificativos, arts. 22 e seguintes).

484. Que medidas podem ser adotadas pelo delegado em caso de violência doméstica?
R.: Proteção policial, transporte, acompanhamento para retirada de pertences, informar direitos e serviços
(rol exemplificativo, art. 11).

485. A lei atribui a competência investigativa exclusivamente ao delegado?


R.: Apesar do protagonismo atribuído pela 12.830, a competência investigativa não é exclusiva do
delegado. A Polícia Militar investiga crimes militares, o Ministério Público também exerce investigação
(PIC).

486. As investigações conduzidas pelo MP são ilícitas?


R.: Apesar das severas críticas por parte da doutrina, as investigações conduzidas pelo MP, com base na
teoria dos poderes implícitos, são lícitas e constitucionais (RE 593727).

487. É possível a interceptação telefônica pelo crime de furto?


R.: Desde que preenchidos os requisitos legais (indícios razoáveis de autoria e materialidade,
subsidiariedade e pena de reclusão), sim. Há vozes na doutrina que entendem pela aplicabilidade apenas
em infração de maior potencial ofensivo.

488. E com relação ao crime de rixa?


R.: Não. O crime de rixa é apenado com detenção mesmo quando qualificado, fazendo incidir o art. 2°,
III, da lei de regência.

489. A interceptação telefônica pode servir de prova emprestada para instruir procedimento
administrativo?
R.: Sim, desde que haja autorização pelo juízo criminal e respeito ao contraditório e ampla defesa (Info
358 STJ).

490. Cite 2 agravantes de crimes contra o consumidor.


R.: Cometido em grave crise/calamidade; grave dano individual/coletivo; dissimulação; cometido por
servidor público; cometido contra operário/rurícola, menor de 18 ou maior de 60, PCD; operação que
envolva alimentos, medicamentos, essenciais. (Art. 76 do CDC)

491. Cite 2 penas restritivas de direitos em caso de condenado por crime contra o consumidor.
R.: Interdição de direitos; publicação em órgãos de comunicação; prestação de serviços à comunidade.
(Art. 78 do CDC)

492. O rol de crimes previstos na lei de crimes hediondos é taxativo?


R.: Sim. Existem três sistemas de definição: judicial (juiz define de acordo com o caso concreto), legal (lei
define de forma taxativa) e misto (lei define exemplos, permitindo atuação positiva/negativa do juiz). O
Brasil adotou o sistema legal.

493. Defina a expressão “grupo de extermínio”.


R: Trata-se de uma reunião de indivíduos (denominados justiceiros) que atuam nas brechas deixadas pela
omissão estatal, no campo da segurança pública. Normalmente esses grupos atuam mediante pagamento
da população local e de comerciantes e/ou industriais de determinada região. Não há homicídio
privilegiado por “relevante valor social”, já que normalmente são movidos por motivos torpes e pela
cupidez, perpetrando os chamados “homicídios mercenários”, mediante paga ou promessa de recompensa.
(artigo 121, §6º CP).

494. Quais os requisitos para ingresso de proteção a vitima ameaçada?


R: A lei 9807/99 estabelece que a vítima receberá a proteção estatal quando for coagida ou exposta à grave
ameaça em razão de haver colaborado nas investigações ou processo crime. Para tanto, necessário se faz
a anuência da pessoa protegida ou de seu representante legal, obrigação de cumprir as normas prescritas
no programa de proteção e manter o sigilo estabelecido para assegurar a eficácia da medida.

495. É possível oferecer o programa de proteção a testemunha a pessoa que não esteja em risco?
R: De acordo com o artigo 2º, da lei 9807/99 “a proteção poderá ser dirigida ou estendida ao cônjuge ou
companheiro, ascendentes, descendentes e dependentes que tenham convivência habitual com a vítima
ou testemunha, conforme o especificamente necessário em cada caso.”

496. Cite três procedimentos de investigação elencados na lei de organização criminosa.


R: Nos termos da Lei 12850/13, existem técnicas especiais de investigação com o fulcro de obtenção de
provas nos fatos envolvendo organizações criminosas que são: colaboração premiada, ação controlada e
infiltração de agentes (previstas respectivamente nos artigos 4º, 8º e 10).

497. Defina o delito de estelionato desportivo previsto no estatuto do torcedor.


R: A lei 10671/03 prevê a figura do estelionato desportivo consistente no ato de fraudar, por qualquer
meio, o resultado de competição esportiva. Previsto no artigo 41-E da lei supra, comina pena de 2 a 6 anos
de reclusão e multa.

498. É cabível a representação de prisão temporária em razão de crime de furto?


R: A prisão temporária somente pode ser decretada em sede de investigação criminal desde que esteja
relacionada a um dos crimes previstos no artigo 1º, inciso III da lei 7960/89. O crime de furto não está
elencado nesse rol, por isso não é cabível tal prisão cautelar. Observa-se, portanto, que se houver crime de
furto praticado por uma associação criminosa (artigo 288 do CP) caberá a Prisão Preventiva, por expressa
previsão na lei supracitada.

499. Ao homicídio é cabível a prisão temporária?


R: Somente em relação ao homicídio doloso, por expressa previsão na lei 7960/89.

500. Cite outros crimes que permitem a decretação.


R: Sequestro, Roubo, Tráfico de drogas, Crimes Contra o Sistema Financeiro, Extorsão, entre outros
previstos no inciso III do artigo 1º da lei 7960/89.

501. Quais circunstâncias devem ser consideradas para fixação da pena nos crimes ambientais.
R: Deverão ser analisados as circunstâncias previstas no artigo 59 do CP e ainda as previstas no artigo 6º
da lei 9605/98, quais sejam: gravidade do fato, antecedentes do infrator e , no caso de multa, a situação
econômica do mesmo. Deverá o magistrado proceder com a análise das atenuantes e agravantes previstas
na lei supracitada, elencadas nos artigos 14 e 15, respectivamente.

502. Qual o bem jurídico penalmente tutelado pela lei do loteamento?


R: A moralidade da Administração Pública, bem como o meio ambiente.
503. Os crimes previstos na lei de Loteamento são formais ou materiais?
R: No artigo 50 da lei 6766/79 existem crimes formais e crimes de mera conduta, já no artigo 52 da mesma
lei trata-se de crime de mera conduta.

504. Excluindo o RG, a identificação pode ser comprovada de que modo?


R: Através da apresentação do Passaporte, Carteira de Trabalho, Carteira Profissional, Carteira Funcional
ou outro documento público que permita a identificação do agente, nos termos do artigo 2º da lei 12037/09.

505. Mesmo aquele civilmente identificado poderá ser identificado criminalmente?


R: Nos termos do artigo 3º da lei retro mencionada poderá haver a identificação criminal quando o
documento apresentar rasura ou contiver indício de falsificação, for insuficiente para identificar o
indiciado, quando o indiciado portar documentos distintos com informações conflitantes, quando a
identificação criminal for essencial para investigação por despacho da autoridade judicial, quando constar
nos registros policiais nomes distintos ou quando o documento apresentado estiver em mau estado de
conservação.

506. É possível em alguma hipótese a coleta de material biológico para identificar?


R: Nos moldes da lei 12654/12, poderá haver identificação através de material genético em duas situações:
durante as investigações para apurar a autoria do crime ou quando o réu já tiver sido condenado pela prática
de determinados crimes (exemplo: crimes hediondos ou cometidos com violência ou grave ameaça contra
a pessoa). Importante salientar que o indivíduo não é obrigado a fornecer material para sua identificação,
diante do princípio do Nemu Tenetur se Detegere.

507. Qual a diferença entre crime e contravenção penal?


R: Considera-se crime a infração penal que a lei comina pena de reclusão ou de detenção, quer
isoladamente, quer alternativa ou cumulativamente com a pena de multa; contravenção, a infração penal
a que a lei comina, isoladamente, pena de prisão simples ou de multa, ou ambas. alternativa ou
cumulativamente

508. Fabricação de cruz suástica é considerada crime?


R: Sim, nos termos do artigo 20 da lei 7716/89 a fabricação de cruz suástica constitui crime punido com
reclusão de 2 a 5 anos e multa.

509. Estudo da gênese do crime – Qual a teoria básica que estuda os fatores sociais?
R: As teorias Sociológicas estudam as influências sociais nos delitos, com por exemplo: teoria da anomia,
teoria da aprendizagem, entre outras.
510 – É possível caracterizar o crime de lavagem de dinheiro na hipótese de o delito antecedente ser
contravenção penal?
R: Sim. Com o advento da Lei 12.683/12, houve alteração significativa da norma vigente, passando a
prever “infração penal” em vez de crime, sendo a única exigência da doutrina, por necessidade lógica, que
a infração penal antecedente seja apta a gerar proveito econômico.

511 – Qual o objeto material do crime de lavagem de dinheiro?


R: O objeto material é o produto direto e/ou indireto da infração penal antecedente, do qual se extrai o
proveito econômico (bens, direitos ou valores).

512 - Drogas e Armas apreendidas podem sem objeto material do crime de lavagem de dinheiro?
R: Não, dada a natureza ilícita destes, sendo que não estariam aptos a ‘branquear’ o capital, ainda que
hajam infrações penais antecedentes direcionadas à aquisição de armas e drogas, careceria da elementar
de ocultação ou dissimulação. Poderia se conjecturar sua possibilidade, na hipótese de serem armas e
drogas lícitas.

513 – Qual idade mínima para se adquirir armas segundo o estatuto do desarmamento?
R: Nos termos do art. 28 do Estatuto, é vedado ao menor de 25 anos adquirir arma de fogo, excetuado
aqueles que pertençam às entidades do artigo 6º.

514 – No caso de posse de munição de arma de fogo faz se necessária, também a apreensão da arma?
R: Não, prevalece na doutrina e jurisprudência ser despicienda a apreensão da arma, bastando para
configuração delitiva a posse da munição ainda que desacompanhada da respectiva arma, tendo em vista
se tratar de crime de perigo abstrato.

515 – O artigo 14 do Estatuto do Desarmamento é afiançável ou inafiançável?


R: Tendo em vista o máximo de pena cominada ao delito, bem como por não se tratar de crime hediondo
nem figura equiparada, é plenamente possível o arbitramento de fiança, inclusive, pela Autoridade Policial.
Embora houvesse vedação de sua concessão, esta foi declarada inconstitucional pelo STF – Informativo
n° 48.

516 – O juiz pode de ofício decretar a prorrogação da prisão temporária?


R: Não. A prisão temporária é uma modalidade de prisão cautelar adstrita à investigação criminal, sendo
assim, não cabe ao juiz decretá-la ou prorrogá-la de ofício, sendo que, somente é possível sua prorrogação
quando extrema e comprovadamente imprescindível às investigações, análise esta incompatível a ser feita
pelo judiciário no sistema acusatório.
517 – Decretada a prisão temporária o juiz pode, automaticamente, junto com a decretação,
prorrogá-la?
R: Não. Segundo o doutrinador Leonardo Barreto Moreira Alves (Processo Penal – Parte Especial – 7ª
Edição – JusPodium- fls. 91), vigora um princípio denominado Princípio da Inadmissibilidade de
Renovação Automática, ademais, a prisão temporária é uma modalidade de prisão cautelar adstrita à
investigação criminal, sendo assim, não cabe ao juiz decretá-la ou prorrogá-la de ofício, sendo que,
somente é possível sua prorrogação quando for extrema e comprovadamente imprescindível às
investigações, análise esta incompatível a ser feita pelo judiciário no sistema acusatório

518 – Torcida organizada pode responder civilmente de forma objetiva e solidária pelos danos
causados por seus membros?
R: Sim, nos termos do artigo 39-B do Estatuto do Torcedor, que assim prevê: “A torcida organizada
responde civilmente, de forma objetiva e solidária, pelos danos causados por qualquer dos seus
associados ou membros no local do evento esportivo, em suas imediações ou no trajeto de ida e volta para
o evento.”

519 – Os processos de mandado de segurança têm prioridade sobre outros?


R: Nos termos do art. 20, da Lei 12.016/09, as tramitações dos processos de mandado de segurança terão
prioridade sobre todos os feitos, exceto habeas corpus.

520 – Qual o prazo para requerer mandado de segurança?


R: Nos termos do art. 23, da Lei 12.016/09, o direito de requerer mandado de segurança extinguir-se-á
decorridos 120 (cento e vinte) dias, contados da ciência, pelo interessado, do ato impugnado

521 – O que é remissão da pena?


R: O vocábulo remição (com ‘Ç’) significa resgate ou reaquisição onerosa de alguma coisa. Sendo que,
penalmente, a remição de pena, ou seja, o direito do condenado de abreviar o tempo imposto em sua
sentença penal, pode ocorrer mediante trabalho, estudo e, de forma mais recente, pela leitura, conforme
disciplinado pela Recomendação n. 44/2013 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). A remição de pena,
prevista na Lei n. 7.210/84 de Execução Penal (LEP), está relacionada ao direito assegurado na
Constituição Federal de individualização da pena. Contudo, o termo remissão (com “SS”), do
latim remissio, traz em si o sentido de perdão, renúncia, desistência, absolvição, juridicamente,
exprime renúncia voluntária, perdão ou liberação graciosa de uma dívida, de um direito, e, assim,
constitui, por conseguinte, modo de extinção de obrigação ou direito, se pode falar em remissão da
pena, que é seu perdão no todo ou em parte, recebendo, conforme o caso, a designação própria e
específica de graça ou indulto. Observa-se que não há preciso rigor técnico com as terminologias,
tendo em vista que, o decreto nº 1.860/96, prevê em seu artigo 1º, inciso III - ao beneficiado pela remissão
(art. 126 da Lei 7.210/94/Lei de Execução Penal), se o restante da pena for inferior a 6 anos, se for primário
e tiver bons antecedentes – Sendo o artigo que o decreto remete é o que trata da remição na LEP.

522 – No curso da execução da pena privativa de liberdade descobre-se doença mental do condenado
– Que atitude poderá tomar o juiz?
R: Nos termos do artigo Art. 108 da LEP: O condenado a quem sobrevier doença mental será internado
em Hospital de Custódia e Tratamento Psiquiátrico, bem como nos termos do artigo Art. 41 do Código
Penal - O condenado a quem sobrevém doença mental deve ser recolhido a hospital de custódia e
tratamento psiquiátrico ou, à falta, a outro estabelecimento adequado, a denominada medida de
segurança substitutiva.

523 – Por quanto tempo vigora o registro da marca, segundo a lei de propriedade industrial? Pode
ser prorrogado?
R: Nos termos do artigo 133, da Lei 9279/96. O registro da marca vigorará pelo prazo de 10 (dez) anos,
contados da data da concessão do registro, prorrogável por períodos iguais e sucessivos.

524 – É considerado crime a negativa de trabalho a pessoa em razão da idade?


R: Sim, nos termos do artigo 100, inciso II do Estatuto do Idoso Art. 100. Constitui crime punível com
reclusão de 6 (seis) meses a 1 (um) ano e multa: II – negar a alguém, por motivo de idade, emprego ou
trabalho;

525 – Apropriar-se de proventos/rendas de idoso, dando-lhe destinação diversa da sua finalidade


caracteriza crime?
R: Sim, nos termos do artigo 102 do Estatuto do Idoso – Art. 102 - Apropriar-se de ou desviar bens,
proventos, pensão ou qualquer outro rendimento do idoso, dando-lhes aplicação diversa da de sua
finalidade: Pena – reclusão de 1 (um) a 4 (quatro) anos e multa.

526 – Nos termos da Lei 12.830/13, em que circunstância o IP poderá ser avocado por superior
hierárquico?
R: Nos termos do artigo 1º, §4° da aludida lei, o inquérito policial ou outro procedimento previsto em lei
em curso somente poderá ser avocado ou redistribuído por superior hierárquico, mediante despacho
fundamentado, por motivo de interesse Público ou nas hipóteses de inobservância dos procedimentos
previstos em regulamento da corporação que prejudique a eficácia da investigação. Segundo Márcio André
Lopes Cavalcante, rigorosamente, este § 4º seria dispensável, considerando que todo ato administrativo
precisa ser motivado. No entanto, é salutar a previsão para que haja uma disciplina mais nítida ao tema,
garantindo maior segurança jurídica. Ademais, existe corrente (minoritária) que sustenta que alguns atos
administrativos não precisam ser motivados. Desse modo, repita-se, foi acertada a previsão.
O que se lamenta é a utilização de expressões tão vagas na definição das hipóteses nas quais é possível a
avocação e a redistribuição do procedimento. Isso enfraquece o controle que poderia ser exercido sobre
tais atos, a fim de evitar avocações ou redistribuições casuísticas. Tal dispositivo fortifica a defesa do
princípio do delegado de policial natural.

527: Qual o prazo de duração da interceptação telefônica?


R.: Nos termos do art. 5º da Lei nº 9.296/96, a interceptação telefônica não poderá exceder o prazo de 15
dias, renovável por igual tempo, uma vez comprovada a indispensabilidade do meio de prova, O STF
entende que não há restrição legal ao número de vezes em que pode ocorrer a renovação da

interceptação.(Info. 855 STF)

528: A interceptação telefônica ocorrerá nos autos do IP ou em autos apartados?


R.: Prevê o artigo 8º da lei 9.296/96, que a interceptação telefônica ocorrerá em autos apartados, sendo a
apensação realizada imediatamente antes do relatório da autoridade policial, nos termos do parágrafo único
do diploma normativo.
(Info. 811 STF)

529: Quando cabe a prisão temporária?


R.: Nos termos do art. 1º da lei 7.960/89, incisos I e II, respectivamente, cabe a prisão temporária quando
imprescindível para as investigações do inquérito policial, ou quando o indicado não tiver residência fixa
ou não fornecer elementos necessários ao esclarecimento de sua identidade, dentro de um rol taxativo
previsto no inciso III.

530: Os requisitos para decretação são cumulativos? Como funcionam?


R.: Diverge a doutrina quanto aos requisitos para a decretação da prisão temporária, e, sua cumulatividade,
ou não. São cinco correntes sobre o tema, a primeira entende que basta a presença de qualquer um dos
incisos, uma segunda entende que é necessária a presença cumulativa dos três incisos, uma terceira entende
que além do preenchimento dos três incisos, é necessária a combinação com uma das hipóteses que
autoriza a prisão preventiva, a quarta corrente entende que deve o inciso III estar sempre presente, seja
combinado com o inciso I, seja combinado com o inciso II, e a última defende que sempre serão
necessários os incisos I e III.

Legislação Especial - Examinador: Jorge Luis Neves Esteves

531: Qual a diferença entre interceptação telefônica e interceptação ambiental?


R.: Interceptação telefônica em sentido estrito consiste na captação da comunicação telefônica alheia por
um terceiro, sem o consentimento de nenhum dos comunicadores, já a interceptação ambiental, é a
captação sub-reptícia de uma comunicação no próprio ambiente dela, por um terceiro, sem a ciência dos
comunicadores, a grande diferença é que no caso da interceptação ambiental, a comunicação não é
telefônica.

Questão 532: A interceptação ambiental é regulada pela Lei nº 9.296/96?


R.: A interceptação ambiental não foi regulada pelo regime jurídico da Lei 9.296/96, prevalece o
entendimento que o artigo 1º abrange a interceptação telefônica e a escuta telefônica.

533: O que vem a ser captação indireta?


R.- Não localizei conceitos seguros sobre o assunto.

534: Crimes apenados com detenção. Proibida a interceptação, nos termos da Lei nº 9.296/96. Como
a jurisprudência tem tratado o assunto?
R.: O STF entende que a decretação de interceptação telefônica somente pode ser utilizada para apurar o
crime objeto da investigação ou crimes que lhes sejam conexos, pouco importando se a pena é de detenção
ou reclusão em relação ao conexo, desde que a autorização tenha se dado inicialmente para apuração de
um crime com pena de reclusão.

535: Lei nº 8.072/90 – No tocante à lei, o juiz criou e definiu o que é crime hediondo?
R.: Quanto aos crimes hediondos, o Brasil adota um sistema legal, sendo assim, há um rol taxativo definido
pelo legislador, não tendo sido adotado entre nós o sistema judicial, pelo qual o juiz decide pela hediondez
ou não do delito.

536: Existe um crime hediondo?


R.: Ontologicamente, o conceito de crime hediondo repousa na ideia de que existem condutas que se
revelam como a antítese extrema dos padrões éticos de comportamento social, estando previstas no rol
taxativo do art.1º da Lei 8.072/90.
537: A década de 90 foi marcada por um movimento americano que influenciou o nosso
ordenamento. Que movimento foi esse?
R.: O movimento que influenciou nosso ordenamento foi o denominado “Movimento de Lei e de Ordem”,
surgido nos Estados Unidos, em meados da década de 70.

538: Na Lei nº 8.072/90, há previsão de que todas as penas seriam inicialmente cumpridas no regime
fechado. Essa previsão ainda prevalece?
R.: O STF entende que a hediondez ou a gravidade abstrata do delito não obriga, por si só, o regime
prisional mais gravoso, pois o juízo, em atenção aos princípios constitucionais da individualização da pena
e da obrigatoriedade de fundamentação das decisões judiciais, deve motivar o regime imposto observando
o caso concreto.
Destarte, é inconstitucional a fixação de regime inicial fechado com base unicamente na hediondez do
delito.

539: Artigo 2º - Qual a diferença entre graça, anistia e indulto. Conceitue cada um deles:
R.: A Graça é um benefício de caráter individual, concedido mediante despacho do Presidente da República
(ou algum dos seus delegados), após solicitação do condenado, do Ministério Público, do Conselho
Penitenciário, ou da Autoridade Administrativa (artigo 188 da LEP); e que deve ser cumprido pelo juiz
das execuções.
O Indulto é o benefício de caráter coletivo, concedido mediante decreto presidencial que deve ser cumprido
pelo Juiz, de ofício, ou mediante provocação do interessado, do Ministério Público, do Conselho
Penitenciário ou da Autoridade Administrativa. (artigo 193 da LEP).
A Anistia, veiculada por lei ordinária (federal), de iniciativa privada do Congresso Nacional, de caráter
retroativo (à data do fato – ex tunc) e irrevogável, promove a exclusão do crime e faz desaparecer suas
conseqüências penais, com exceção dos efeitos extrapenais (genéricos e específicos), que ainda subsistem
a sentença condenatória transitada em julgado poderá ser executada no cível, pois o direito a indenização
pertence ao particular lesado.
Destarte, percebe-se que a graça é semelhante ao indulto, sendo um perdão oferecido pelo Presidente da
República, diferenciando-se por aquela ser individual, e esse coletivo, já a anistia, é concedida por meio
de Lei, diferenciando-se dos dois institutos anteriores, nesse sentido, pois atinge comportamentos
realizados, e não pessoas específicas.

540: A OAB é órgão de execução penal?


R.: Atualmente não, ocorre que, o projeto de Lei do Senado nº513 de 2013, que altera a Lei nº 7.210/84,
prevê que a OAB será órgão de Execução Penal.
541: É possível que o preso em regime fechado trabalhe fora do presídio:
R.: Sim, poderá trabalhar em serviços e obras públicas, nos termos do parágrafo terceiro, do art. 34, do
Código Penal.

542: Preso estrangeiro em prisão provisória pode ser colocado no RDD?


R.: O regime disciplinar diferenciado também poderá abrigar presos provisórios ou condenados, nacionais
ou estrangeiros, que apresentem alto risco para a ordem e a segurança do estabelecimento penal ou da
sociedade, nos termos do art. 52, parágrafo primeiro da L.E.P.

543: Como forma de recompensa, é possível ao preso a concessão de regalias?


R.: Sim, nos termos dos artigos 55 e 56 da L.E.P., tendo em vista o bom comportamento reconhecido em
favor do condenado, de sua colaboração com a disciplina e de sua dedicação ao trabalho, sendo as regalias
estabelecidas pela legislação local e por meio de regulamentos.

544. A quem deve ser dirigido o pedido de revogação da prisão temporária?


R: O pedido de revogação da prisão temporária deve ser dirigido ao magistrado que a decretou.

545. O Magistrado que decreta a prisão temporária torna-se prevento?


R: Em regra sim. Tem prevenção para a ação penal o juiz que primeiro toma conhecimento da causa e
decreta a prisão temporária. Entretanto, prevalece o entendimento que, caso a prisão temporária seja
decretada pelo magistrado durante o plantão judicial, este não estará prevento para a futura ação penal.

Neste sentido, Renato Brasileiro de Lima. (Legislação Especial Comentada, 6ª ED. 2018, pág 861).
CPP - Art. 83. Verificar-se-á a competência por prevenção toda vez que, concorrendo dois ou mais juízes
igualmente competentes ou com jurisdição cumulativa, um deles tiver antecedido aos outros na prática de
algum ato do processo ou de medida a este relativa, ainda que anterior ao oferecimento da denúncia ou da
queixa.
Julgados sobre o tema: STJ, 5ª Turma, RHC 10.630/CE (2001) / STF, 1ª Turma, HC 88.214/PE (2009)

546. Como Delegado, sem a representação pela prisão preventiva, ultrapassado o prazo de 5
dias, coloca o preso em liberdade ou representa ao juiz pelo alvará de soltura?
R: Sem a representação pela prisão preventiva e decorrido o prazo da prisão temporária, o preso deverá
ser colocado imediatamente em liberdade, sem necessidade de representação pelo alvará de soltura.
Legislação correlata:
Lei 7.960/89 – Artigo 2º, §7º - Decorrido o prazo de cinco dias de detenção, o preso deverá ser posto
imediatamente em liberdade, salvo se já tiver sido decretada sua prisão preventiva.
547. Prisão temporária decretada por 30 dias. No 10º dia, chega à conclusão de que não foi o
preso quem cometeu o delito. O que faz como Delegado? Pode colocar o preso em liberdade e depois
comunicar o juiz?
R: Neste caso, doutrina majoritária leciona que deve a autoridade policial representar à autoridade
judiciária competente solicitando a revogação da prisão temporária. Segundo este entendimento,
somente o juiz poderá revogar a prisão temporária, jamais a própria autoridade policial.
No Estado de São Paulo, a Corregedoria de Justiça, em parecer normativo, dispõe que “Entendendo a
autoridade policial ser desnecessária a continuidade da prisão temporária antes do término do prazo
fixado, deverá solicitar ao juízo competente a sua revogação, informando detalhadamente as diligências
realizadas e as razões de tal convencimento”. (Artigo 428, parágrafo único – Normas de Serviço –
Corregedoria Geral de Justiça/SP).
Em sentido contrário, Aury Lopes Junior entende que a autoridade policial e o Ministério Público
também podem determinar a liberação do investigado, caso entendam que não subsiste a necessidade de
segregação da liberdade.
Argumentos para defender a possibilidade na prova oral de Delegado: Se a autoridade policial chegou à
conclusão que não foi o preso quem cometeu o delito, mantê-lo no cárcere seria uma clara violação ao
seu direito de liberdade. Conforme preconiza a Lei 12.830/2013, ao delegado de polícia, na qualidade
de autoridade policial, cabe a condução da investigação criminal. Sendo assim, não há dúvidas que o
Delegado de Polícia pode e deve libertar o preso antes do termino do prazo, pois é o agente que possui
maior capacidade de avaliação da necessidade ou não da manutenção do cárcere. Prolongar a prisão é
afrontar o ordenamento jurídico e violar o direito fundamental da liberdade. Por fim, mister ressaltar
que não há previsão legal que reze pela expedição de ordem judicial para a libertação de preso temporário
antes do término pela autoridade policial.

548. Lei nº 12.830/13 → Como Delegado optou por não indiciar uma pessoa. Pode um juiz,
após receber a denúncia determinar o indiciamento dessa pessoa?
R: O indiciamento é o ato privativo do Delegado de Polícia que, para tanto, deverá fundamentar-se em
elementos de informação que ministrem certeza quanto à materialidade e indícios razoáveis de
autoria. Portanto, não é possível que o juiz requisite ao delegado de polícia o indiciamento de
determinada pessoa.
A rigor, requisição dessa natureza é incompatível com o sistema acusatório, que impõe a separação
orgânica das funções concernentes à persecução penal, de modo a impedir que o juiz adote qualquer
postura inerente à função investigatória. (STF – HC 115.015/SP)
Legislação correlata:
Constituição do Estado de São Paulo – Artigo 140, §3º - Aos Delegados de Polícia é assegurada
independência funcional pela livre convicção nos atos de polícia judiciária.
Lei 12.830/2013 – O indiciamento, privativo do delegado de polícia, dar-se-á por ato fundamentado,
mediante análise técnico-jurídica do fato, que deverá indicar a autoria, materialidade e suas
circunstâncias.

549. Aponte duas consequências jurídicas do indiciamento.


R: Como consequências jurídicas do indiciamento pode-se mencionar o fato de que o nome do indiciado
passará a contar nos sistemas de registros policiais, estará sujeito a ter medidas cautelares pessoais
decretadas em seu desfavor, bem como a indicação de que provavelmente será submetido à fase
processual da persecução penal.

550. O inquérito policial se divide em duas etapas: dados qualificativos e fato imputado ao
agente. A negativa do indiciado em fornecer seus dados, configura delito ou pode se valer do
princípio de não produzir provas contra si mesmo?
R: Prevalece o entendimento de que o indiciado não pode negar-se a responder perguntas relativas à sua
qualificação, sendo o direito de não produzir provas contra si mesmo garantido apenas no tocante aos
fatos, ou seja, na segunda fase do interrogatório.
Súmula 522-STJ: A conduta de atribuir-se falsa identidade perante autoridade policial é típica, ainda que
em situação de alegada autodefesa.

551. Como Delegado de Polícia, determinou o indiciamento. Posteriormente, soube do


arquivamento a pedido do MP. O indiciado tem direito à exclusão do feito de sua folha de
antecedentes?
R: Jurisprudência do STJ dispõe que, por analogia ao que dispõe o artigo 748 do CPP, devem ser mantidos
nos registros criminais sigilosos os dados relativos a inquéritos arquivados, com o devido cuidado de
preservar a intimidade do cidadão. Tal medida deve ser adotada para possibilitar o fornecimento destes
dados na hipótese de requisição judicial e em outros casos previstos na legislação.

Legislação Especial – Examinadora: Marcia Heloisa Mendonça Ruiz

552. Pode ser aplicada a extraterritorialidade das normas nas contravenções penais?
R: Não. A Lei brasileira só é aplicável à contravenção praticada no território nacional, vigorando, quanto
às contravenções penais, o princípio da territorialidade. (Artigo 2º do Decreto –Lei 3.688/41 – Lei das
Contravenções Penais)

553. Artigo 19, Lei das Contravenções Penais → Prevê o porte de arma. Este dispositivo foi revogado
pelo Estatuto do Desarmamento?
Não. O artigo 19 da Lei de Contravenções Penais encontra-se em vigor, não tendo sido revogado pelo
Estatuto do Desarmamento. Ressalta-se que este artigo incide apenas e tão somente em relação ao porte
de arma branca (faca, facões, canivetes, punhais). No que diz respeito ao porte de arma de fogo, deve ser
aplicado o Estatuto do Desarmamento. Assim, entende o STJ que o artigo 19 foi derrogado pela Lei
10.826/2003, no tocante às armas de fogo, remanescendo tal contravenção penal em relação a armas
brancas.
Lei de Contravenções Penais - Art. 19. Trazer consigo arma fora de casa ou de dependência desta, sem
licença da autoridade:
Pena – prisão simples, de quinze dias a seis meses, ou multa, de duzentos mil réis a três contos de réis, ou
ambas cumulativamente.

554. Plantão. Um PM apresenta uma pessoa portando um facão. Qual a sua atitude como Delegado
diante dessa ocorrência?
R: Muito embora o STF não tenha decidido sobre as implicações do porte de arma branca sem autorização,
entendo que o artigo 19 da Lei de Contravenções Penais encontra-se plenamente em vigor. Importante,
entretanto, a análise do caso concreto. Há de se verificar se o agente está portando um facão pois este é
seu instrumento de trabalho, por exemplo, ou com o objetivo de se defender ou praticar crimes como lesões
corporais e homicídios.
Assim, como delegado de Polícia diante desta ocorrência, analisaria as circunstâncias e, a depender do
contexto fático, consideraria a conduta atípica ou lavraria o respectivo Termo Circunstanciado de
Ocorrência.

555. E se essa pessoa estava portando o facão dentro de casa, no momento em que a polícia entrou?
R: Neste caso, em uma interpretação a contrario sensu do artigo 19 da Lei de Contravenções Penais,
entendo que se trata de conduta atípica, não merecendo intervenção do Direito Penal.

556. Como delegado, diante dessa situação, o que faria?


R: Analisando o caso concreto e verificando não estarem presentes os elementos da tipicidade, não haveria
razão a justificar a ação estatal. Assim, como delegado de Polícia, não registraria a ocorrência e, tampouco
lavraria termo circunstanciado.

557. A lei de identificação criminal traz a possibilidade de coleta de material biológico?


R: Sim.

558. Em que hipótese?


R: A coleta de material biológico para a obtenção do perfil genético poderá ser realizada quando a
identificação criminal for essencial às investigações policiais, segundo despacho da autoridade judiciária
competente, que decidirá de ofício ou mediante representação da autoridade policial, do Ministério Público
ou da defesa. (Artigo 5º, parágrafo único, da Lei 12.037/2009)

559. Esse banco genético fica sob a responsabilidade de quem?


R: A responsabilidade pelo banco genético fica a cargo da unidade oficial de perícia criminal.
Os dados relacionados à coleta do perfil genético deverão ser armazenados em banco de dados de perfis
genéticos, gerenciado por unidade oficial de perícia criminal. (Artigo 5º-A da Lei 12.037/2009)

560. Quais os princípios orientadores do JECRIM?


R: O processo perante o Juizado Especial orientar-se-á pelos princípios da oralidade, simplicidade,
informalidade, economia processual e celeridade, objetivando, sempre que possível, a reparação dos danos
sofridos pela vítima e a aplicação da pena não privativa de liberdade. (Artigo 62 da Lei 9099/95)

561- O Delegado precisa reduzir a termo os depoimentos?


R.: Sim, é preciso reduzir os depoimentos para a forma escrita.

562. Ele viola o princípio da oralidade?


R.: Não há que se falar em violação ao princípio da oralidade.

563-Então para que serve o princípio da oralidade?


R.: O princípio da oralidade reza que a palavra falada deve ter prevalência nos juizados especiais criminais,
ou em algum ato específico do outro procedimento, por todas as suas características. Assim, Tereza
Nascimento Rocha Doró traz que: “Esse princípio, vigorando em toda plenitude na dos juizados não tem
como objetivo, evidentemente, excluir a forma escrita dos procedimentos judiciais, mas fazer com que a
oralidade impere para fornecer mais celeridade, economia e presteza na aplicação da Justiça, devolvendo
seu crédito, bastante abalado em razão da morosidade até hoje existente”.
Da oralidade decorrem outros princípios, quais sejam: imediatidade, concentração e identidade física do
juiz.

564. Quais as peças deverão ser juntadas ao Termo Circunstanciado?


R.: Identificação das partes, menção para a infração penal praticada, bem como todos os dados básicos
e fundamentais que possibilitem a perfeita individualização dos fatos, a indicação das provas, rol de
testemunhas, quando houver, e, se possível, um croqui, na hipótese de acidente de trânsito.

565. Qual a peça que o Delegado faz no âmbito do JECRIM?


R.: A princípio o delta lavra TCO, encaminhando os envolvidos ao juizado, providenciando as requisições
dos exames periciais, se necessário. Todavia, pode-se, subsidiariamente, lavrar o auto de prisão em
flagrante, ou instaurar inquérito policial dependendo das circunstâncias, ou seja, a preferência é pelo TCO,
mas poderá haver situações em que este último não seja adequado.

566. Quais as peças deverão ser juntadas ao Termo Circunstanciado?


R.: Já respondido na questão 564.

567. É possível a divulgação de conversa obtida através de interceptação telefônica?


R.: Deve-se respeitar o direito constitucional à intimidade, à vida privada, dos envolvidos, todavia, não há
direitos absolutos. Portanto, se a conversa tratar de provas incriminatórias, por ser o processo Público,
exceto nos casos em que são vedados expressamente, e o assunto abordado não diga a respeito a da
intimidade dos envolvidos, e sim sobre o crime praticado, é possível a divulgação.

568. Uma emissora de TV pode veicular a conversa?


R.: Como dito acima, se o caso for de repercussão e o interesse público justifique, a sociedade não só
merece, como também tem direito de saber a resposta estatal dada ao criminoso.

569. A legislação menciona algum tipo de autorização?


R.: É necessário para interceptar uma conversa autorização judicial.

570. Se alguém divulga, sem essa autorização, pratica algum crime nos termos da Lei de
Interceptação?
R.: Sim, pratica o crime previsto no artigo 10 da lei 9296.

571. Um edital pode limitar a idade para participação em concurso público?


R.: Sim, pode haver limitação editalícia nesse sentido, desde que prevista em lei, no próprio edital, e as
especificidades do cargo justifiquem tal restrição.

572. Há possibilidade no concurso da polícia civil para delegado?


R.: Embora alguns estados até prevejam tal regra em lei, e em edital, há questão não está pacificada na
jurisprudência, uma vez que em 2017 no estado de MT o judiciário declarou inconstitucional por ser o
cargo de delta eminentemente intelectual. Situação análoga aconteceu no estado de MS. Assim, pelas
características da nobre função de delta, cargo de carreira jurídica, de suma importância social, parece ser
mais razoável que não se justifique o limite de idade.

573. Uma empresa privada pode negar emprego a um idoso?


R.: Pode, desde que a justificativa seja razoável pelas próprias circunstâncias. Não poderia haver
discriminação pela só condição de idoso, o que, se for feito, estará de acordo com o texto do artigo 100,
inciso I e II, do estatuto do idoso, todavia, não se pode perder de vista que certos trabalhos braçais, sem
dúvida, não podem ser exercidos por qualquer idoso, pela sua própria segurança e saúde. Assim é
necessário analisar o caso concreto, até porque hoje há idosos com a saúde de criança.

574. E o Estado?
R.: O Estado se submete às mesmas condições, respeitado a aposentadoria compulsória prevista na CF,
portanto, atingida a idade de 70 anos ou de 75 para determinados cargos, não haveria crime se o estado
negar o acesso do idoso no serviço público, ou se o aposentar compulsoriamente.

575. Plagiar obra intelectual é crime?


R.: É crime previsto no 184 do CPB.

576. Uma monografia que o aluno plagia é crime?


R.: É crime previsto no 184 do CPB, violação de direito autoral.

577. Como delegado de polícia faria o indiciamento desse estudante?


R.: Tende em vista que se trata de crime cuja pena não é superior a dois anos o indiciamento torna-se
inviável para a maioria da doutrina, neste sentido, BRASILEIIRO, RENATO, por força da simplicidade
que norteia sua elaboração, pensamos ser inviável o indiciamento em sede de terno circunstanciado.
Todavia, sendo instaurado IP o indiciamento poderia ser feito sem maiores problemas.

578. Que lei vai utilizar para fazer esse indiciamento?


R.: O indiciamento deverá ser realizado com base na Lei 10.695/03, que alterou o artigo 184 do Código
Penal, bem como, utilizando-se dos conceitos e definições trazidos pela Lei 9.610/98, como forma de
definir em que consiste a violação ao direito de autor. *tenho dúvida nessa questão.

579. Quais as espécies de sanção previstas na lei de execução penal?


R.: São espécies de sanção previstas na referida lei: advertência verbal; repreensão; suspensão ou restrição
de direitos; isolamento na própria cela, ou em local adequado, nos estabelecimentos que possuam
alojamento coletivo; e inclusão em regime disciplinar diferenciado. (artigos 53, 41, parágrafo único e 88
da Lei 7.210/84.

580. O delegado pode representar a prisão temporária de uma pessoa por tráfico de drogas?
Sim. Segundo prevê o artigo 1º, inciso III, alínea “n”, da Lei 7.960/89 é admitida a prisão temporária pela
prática do delito de tráfico de drogas. Importante ressaltar, porém, que a doutrina majoritária exige, além
da suposta prática do delito em questão, a configuração de uma das hipóteses previstas nos incisos I ou II
do referido artigo.
581. Tráfico de drogas previsto no artigo 12 da Lei 6.368?
R.: Não. Atualmente, o delito de tráfico de drogas encontra-se tipificado no artigo 33 da Lei 11.343/06.

582. O tráfico de drogas está previsto em que artigo?


R.: O tráfico de drogas, atualmente, como dito acima, encontra-se tipificado no artigo 33 da Lei 11.343/06.

583. O que seria corrupção desportiva?


R.: A corrupção desportiva consiste em solicitar ou aceitar, para si ou para outrem, vantagem ou promessa
de vantagem patrimonial ou não patrimonial para qualquer ato ou omissão destinado a alterar ou falsear o
resultado de competição esportiva ou evento a ela associado.
(artigo 41-C da Lei 10.671/03, com redação dada pela Lei 13.155/15).

584. E a corrupção ativa desportiva?


R.: A corrupção ativa desportiva consiste em dar ou prometer vantagem patrimonial ou não patrimonial
com o fim de alterar ou falsear o resultado de uma competição desportiva ou evento a ela associado. (artigo
41-D da Lei 10.671/03, com redação dada pela Lei 13.155/15).

585. Quais são o sujeito ativo e sujeito passivo da corrupção ativa desportiva?
R.: Quanto ao sujeito ativo, o delito em questão é classificado como comum, podendo ser praticado por
qualquer pessoa, não se exigindo nenhuma qualidade especial do agente. O sujeito passivo imediato é a
equipe desportiva ou o competidor diretamente lesado pela alteração no resultado da competição,
determinada pelo agente. O sujeito passivo mediato é o Estado. (fonte:
https://claudiosuzuki.jusbrasil.com.br/artigos/121941207/finais-do-brasileirao-a-famosa-mala-preta-ou-
mala-branca-e-crime). *tenho dúvida quanto ao sujeito passivo (inclui torcedores?)

586. Qual entendimento doutrinário sobre a inversão do ônus da prova na responsabilização civil
por crimes ambientais?
R.: A doutrina majoritária entende que o ônus da prova, neste caso, cabe ao poluidor, ou seja, ao sujeito
ativo do crime ambiental gerador do dano a ser reparado civilmente, isso com base no que dispõe o artigo
14, §1º, da Lei 6.938/81, combinado com o artigo 6º, VIII, do CDC, em razão da prevalência do interesse
coletivo por um Meio Ambiente equilibrado sobre o interesse individual pelo lucro (por todos, Paulo
Affonso Leme Machado, Direito Ambiental Brasileiro, 24ª Edição, pag. 409). Há corrente doutrinária
minoritária em sentido contrário, afirmando que tal inversão revelar-se-ia extremamente prejudicial ao
réu, conforme registra Édis Milaré (MILARÉ, Édis. Direito do ambiente: a gestão ambiental em foco:
doutrina, jurisprudência, glossário. 6.ed. rev. atual. e ampl. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais,
2009).
Examinador: MARCOS BATALHA

587. Cite três medidas aplicáveis à testemunha que está sob proteção.
R.: Entre outras, são aplicáveis as medidas de segurança na residência, incluindo o controle de
telecomunicações; escolta e segurança nos deslocamentos da residência, inclusive para fins de trabalho ou
para a prestação de depoimentos; e transferência de residência ou acomodação provisória em local
compatível com a proteção. (artigo 7º da Lei 9.807/99).

588. É cabível o indulto a condenados por crime hediondo?


R.: Segundo disposição expressa do artigo 2º, inciso I, da Lei 8.072/90, os crimes hediondos são
insuscetíveis de indulto. Há vozes na doutrina sustentando a inconstitucionalidade do referido dispositivo.
Entre os que assim afirmam, Alberto Franco, Francisco de Assis Toledo e Antônio Scarance Fernandes.
(fonte: http://www.ambito-
juridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=855#_ftn2).

589. O homicídio qualificado/privilegiado é crime hediondo? Qual o entendimento majoritário?


R.: A doutrina majoritária considera que não é crime hediondo o homicídio qualificado/privilegiado.
Assim afirmam Damásio de Jesus, Fernando Capez, entre outros.

590. De quem é a competência para julgar os crimes de colarinho branco da lei 7492/96?
R.: A jurisprudência pacífica do STF entende que a competência para processo e julgamento dos crimes
contra o Sistema Financeiro Nacional (Lei 7.492/96) recai sobre a Justiça Federal, nos termos do artigo
109, inciso VI, da CRFB/88. (STF HC 93733 RJ).

591. O artigo 19 da lei de improbidade tipifica a conduta de quem faz denúncia sabendo que o autor
é inocente. No mesmo sentido, temos o artigo 339 do código penal que trata da denunciação
caluniosa. Face a esse suposto conflito, como pode ser dirimido?
R.: Segundo entendimento doutrinário, não há conflito entre os dispositivos, pois, o momento consumativo
dos delitos em questão é diverso, na medida em que, enquanto o delito do artigo 19 da Lei 8.429/92
consuma-se com a mera representação contra alguém que se sabe inocente, o delito do artigo 339 do
Código Penal exige ação de alguma autoridade, seja no âmbito administrativo, seja no judiciário. O tipo
penal exige a efetiva instauração de investigação policial, de processo judicial, instauração de investigação
administrativa, inquérito civil ou ação de improbidade administrativa. Outra diferença relevante consiste
na exigência, pelo delito de denunciação caluniosa, que o fato constitua crime ou contravenção. O delito
da Lei de Improbidade Administrativa exige apenas que o fato constitua ato de improbidade
administrativa, sendo certo que nem todos os citados atos constituem crime. Dessa forma, ambos os
dispositivos vigoram atualmente, convivendo harmonicamente no ordenamento jurídico pátrio. (fonte:
https://jpomartinelli.jusbrasil.com.br/artigos/420305603/dos-crimes-de-denunciacao-caluniosa-
comunicacao-falsa-de-crime-ou-de-contravencao-e-auto-acusacao-falsa).

592. Segundo a lei 12.830 que trata da investigação conduzida por delegado de polícia, na hipótese
de avocação do IP por superior hierárquico há necessidade de justificação expressa?
R.: Segundo dispõe o artigo 2º, §4º, da Lei 12.830/14, o inquérito policial ou outro procedimento previsto
em lei em curso somente poderá ser avocado ou redistribuído por superior hierárquico, mediante despacho
fundamentado, por motivo de interesse público ou nas hipóteses de inobservância dos procedimentos
previstos em regulamento da corporação que prejudique a eficácia da investigação. Dessa forma, conclui-
se que a lei exige justificação expressa, mesmo porque, necessária para eventual controle de
legalidade/legitimidade.

593. Defina ato de improbidade.


R.: Ato de improbidade pode ser definido como a conduta econômica eticamente reprovável praticada pelo
agente estatal, consistente no exercício indevido de competências administrativas que acarrete prejuízo
aos cofres públicos, com a frustração de valores constitucionais fundamentais, visando ou não a obtenção
de vantagem pecuniária indevida para si ou para outrem, que sujeita o agente a punição complexa e
unitária, de natureza penal, administrativa e civil, tal como definido em lei. (JUSTEN FILHO, Marçal.
Curso de direito administrativo. Pag. 686.).

594. Com relação ao porte/posse de arma de fogo desmuniciada ou quebrada, qual a posição da
doutrina e jurisprudência?
A jurisprudência do STJ firmou-se no sentido de que, apreendida a arma e submetida a exame pericial,
comprovando-se sua absoluta ineficácia, a conduta será considerada atípica (REsp 1.451.397-MG). Por
outro lado, a Corte entende que o ônus de provar a ineficácia do artefato incumbe à Defesa, e não ao
Ministério Público, de sorte que a apreensão e perícia da arma ou munição são dispensáveis para provar a
materialidade. Quanto à porte/posse de arma de fogo desmuniciada, segundo atual entendimento do STF
e do STJ, configura crime, que se caracteriza como delito de perigo abstrato cujo objeto jurídico tutelado
não é a incolumidade física, mas a segurança pública e a paz social. A doutrina, a seu turno, divide-se
entre o entendimento jurisprudencial acima exposto e aquele segundo o qual inexiste o delito de
posse/porte de arma de fogo desmuniciada – e, por conseguinte, quebrada – em homenagem ao princípio
da lesividade, sustentando que tal delito, assim como os demais de perigo abstrato seriam
inconstitucionais. Entre os autores que sustentam tal entendimento, cita-se Luiz Flávio Gomes.

595. Qual a justificativa para admitir a criminalização?


R.: É típica a conduta de portar/possuir arma de fogo desmuniciada ou quebrada, por ser tratar de delito
de perigo abstrato, cujo bem jurídico protegido é a incolumidade pública.
Material G7: “todos os crimes previstos no Estatuto do Desarmamento são de perigo abstrato ou
presumido, independentemente da demonstração de risco ao bem jurídico tutelado. Portanto, são crimes;
arma desmuniciada, munição sem arma”.

596. O pagamento de débito tributário extingue a punibilidade do agente? Em que hipótese?


R.: Sim, O pagamento de débito tributário extingue a punibilidade do agente, desde que seja integral e
antes do recebimento da denúncia.
Lei 9.249/95 – Art. 34
Art. 34. Extingue-se a punibilidade dos crimes definidos na Lei nº 8.137, de 27 de dezembro de 1990, e
na Lei nº 4.729, de 14 de julho de 1965, quando o agente promover o pagamento do tributo ou contribuição
social, inclusive acessórios, antes do recebimento da denúncia.

597. O parcelamento do débito fiscal acarreta a extinção da punibilidade do agente?


R.: Não, o parcelamento suspende a pretensão punitiva do Estado, ao final, se regularmente quitada todas
parcelas, será extinta a punibilidade. O artigo 6º, da Lei nº 12.382/11 enuncia a suspensão da pretensão
punitiva e da fluência do prazo prescricional, no tocante aos crimes contra a ordem tributária, quando haja
parcelamento do crédito tributário, isto porque o parcelamento suspende a sua exigibilidade, nos termos
do artigo 151, inciso VI, do Código Tributário Nacional.

598. A destruição de drogas apreendidas pode ser autorizada pelo próprio delegado?
R.: Não, é necessária a autorização judicial.
Nos termos do artigo 50 da lei de drogas, ocorrendo prisão em flagrante, Autoridade Judiciária, no prazo
de 10 dias, ao receber o APF e verificar a sua regularidade, determinará a destruição das drogas
apreendidas, guardando-se amostra necessária à realização do laudo definitivo.
A destruição das drogas será executada pelo Delegado de Polícia competente no prazo de 15 dias na
presença do Ministério Público e da autoridade sanitária (§ 4º do art. 50).
Não ocorrendo prisão em flagrante, a substância encontrada também deverá ser submetida à perícia,
elaborando-se laudo de constatação provisório.
A Lei afirma, então, que a droga deverá ser destruída, por incineração, no prazo máximo de 30 dias,
contados da data da apreensão, guardando-se amostra necessária à realização do laudo definitivo. É a
redação do art. 50-A da Lei n.° 11.343/2006, acrescentado pela Lei n.° 12.961/2014.
Fonte: https://www.dizerodireito.com.br/2014/04/comentarios-lei-129612014-que-dispoe.html

599. Quem participa da diligência de destruição?


Resposta na questão 598 (acima).
600. Acerca da renúncia apresentada pela vítima, segundo a Lei Maria Penha, até quando pode ser
aceita?
R.: Não devemos confundir a renúncia prevista no CPP com a da LMP.
a) no CPP (art. 25): "A representação será irretratável, DEPOIS de oferecida a denúncia.";
b) no âmbito da lei 11.340/2006 (art. 16): “...ANTES do recebimento da denúncia e ouvido o Ministério
Público”.
Na 11.340/06, a renúncia pode ser apresentada mesmo depois de oferecida a denúncia, mas ANTES de
seu recebimento, e sempre em audiência judicial especialmente designada para tal finalidade.

601. Segundo o Estatuto da juventude, quando uma pessoa é considerada jovem?


R.: Nos termos do §1º, do artigo 1º, da lei 12.852/13, são consideradas jovens as pessoas com idade entre
15 (quinze) e 29 (vinte e nove) anos de idade.
Jovem: 15 a 29 anos.
Atenção!!! Jovens que entre 15 a 18 anos.
§ 2o Aos adolescentes com idade entre 15 (quinze) e 18 (dezoito) anos aplica-se a Lei no 8.069, de 13 de
julho de 1990 - Estatuto da Criança e do Adolescente, e, excepcionalmente, este Estatuto, quando não
conflitar com as normas de proteção integral do adolescente.

602. Os requisitos para decretação temporária são cumulativos ou alternativos?


R.: Diverge a doutrina quanto aos requisitos para a decretação da prisão temporária. São 05
(cinco) as correntes sobre o tema:
a) Pode ser decretada a prisão temporária desde que presentes quaisquer das hipóteses de um dos três
incisos – Assim, se o crime fosse de homicídio doloso, por exemplo, por si só estaria autorizada a
decretação da prisão temporária.
b) é necessária a presença cumulativa dos três incisos;
c) além do preenchimento dos três incisos, é necessária a combinação com uma das hipóteses que autoriza
a prisão preventiva;
d) deve o inciso III estar sempre presente, seja combinado com o inciso I, seja combinado com o inciso II;
(prevalece)
e) sempre serão necessários os incisos I e III.
Obs.: Fumus Comissi Delicti (inciso III) + Periculum libertatis (I ou II)
Fonte: Renato Brasileiro de Lima.

603. O rol de crimes previsto na lei de prisão temporária é taxativo ou exemplificativo?


R.: Tanto a doutrina quanto a jurisprudência consideram que o rol de delitos que autorizam a decretação
da prisão temporária é taxativo, caracterizando o Fumus comissi delicti (inciso III).
Ocorre que, após a vigência da Lei n° 7.960/89, entrou em vigor a lei dos crimes hediondos (Lei n° 8
.072/90), que, em seu art. 2°, § 3° (posterior § 4°, renumerado pela Lei n° 1 1 .464/07), passou a dispor
que a prisão temporária, nos crimes previstos neste artigo, terá o prazo de 30 (trinta) dias, prorrogável por
igual período em caso de extrema e comprovada necessidade. Portanto, a partir da Lei n° 8.072/90, a prisão
temporária passou a ser cabível não só em relação aos crimes previstos no inciso III do art. 1° da Lei n°
7.960/89, como também em relação aos crimes previstos no caput do art. 2° da Lei n° 8 . 072/90, quais
sejam, os crimes hediondos e equiparados (tortura, tráfico de drogas e terrorismo).
Fonte: Renato Brasileiro.

604. O indivíduo sem identificação pode ser submetido a prisão temporária?


R.: Sim, mas de forma subsidiária e no período suficiente para identificá-lo.
Neste sentido, a custódia cautelar sob o argumento de que se destina a conhecer a identidade do indiciado
só pode ser aceitável no caso de fracasso das diligências policiais para identificá-lo, por exemplo, não ser
possível a realização da identificação criminal (Lei n° 12.037/09, art.1° c/c art. 2°), além disso, caso seja
necessário, o tempo limite de cárcere temporário deve ser o estritamente necessário para submeter o
indivíduo à identificação criminal, sem que seja necessário cumprir todo o prazo previsto na lei.

605. O delegado de polícia pode representar pela interceptação telefônica com intuito único de
localizar e prender um acusado?
R.: Não, haja vista que a interceptação telefônica é uma medida cautelar especial que tem por finalidade
localizar fontes de provas e não localizar acusado, nos termos do artigo 2º da lei 9.296/96.

606. É possível a decretação de prisão temporária apenas pelo vulgo endereço?


R.: Não, haja vista que, nos termos do inciso II, do artigo 1º, da lei 7.960/89, o fundamento legal é a não
existência de residência fixa.
Obs.: Não tenho muita certeza desta resposta, pesquisei e não encontrei nada.

Examinador: CARLOS ALBERTO DA CUNHA

607. No que consiste o crime de abuso de autoridade?


R.: Ocorre quando uma autoridade pública, no exercício de seu cargo, praticar atos que afrontem
liberdades, direitos e garantias asseguradas pela Constituição Federal, nos termos dos artigos 3º e 4º da lei
4898/65.

608. Quem pode ser sujeito ativo de abuso de autoridade?


R.: Nos termos do art. 5 da lei 4.898/65, autoridade pública.
Embora semelhante, o conceito de autoridade pública para a lei de Abuso é diverso do fornecido pelo art.
327 do CP. Na lei de abuso, o conceito é mais amplo, não importando a forma de investidura ou vínculo
com o Estado. O importante é que o agente tenha algum vínculo formal com o Estado, para que seja
considerado autoridade.

609. Quais são as sanções administrativas de abuso de autoridade?


R.: Lei 4.898/65
Art. 6º § 1º A sanção administrativa será aplicada de acordo com a gravidade do abuso cometido e
consistirá em:
a) advertência;
b) repreensão;
c) suspensão do cargo, função ou posto por prazo de cinco a cento e oitenta dias, com perda de
vencimentos e vantagens;
d) destituição de função;
e) demissão;
f) demissão, a bem do serviço público.
§ 5º Quando o abuso for cometido por agente de autoridade policial, civil ou militar, de qualquer categoria,
poderá ser cominada a pena autônoma ou acessória, de não poder o acusado exercer funções de natureza
policial ou militar no município da culpa, por prazo de um a cinco anos.

610. Caso hipotético: Advogado comparece a delegacia relatando que foi abordado e submetido à
revista pessoal, bem como teve seu veículo revistado, mesmo após ter se identificado como advogado,
requerendo, portanto, apuração de delito de abuso de autoridade. Como o delegado de polícia deve
se posicionar?
R.: Não é caso de instaurar IP. A revista pessoal, bem como a busca no automóvel (para fins de busca, é
considerado um caso de busca pessoal) não necessitam de expedição de MBA, nos termos do artigo 240,
§2º, CPP. Ademais, a condição de ser advogado não é causa que impeça a abordagem policial.

611. Segundo a lei 9.455/97, quais as modalidades de tortura prevista nesta lei?
R.: Tortura –prova / confissão
Tortura- crime
Tortura -discriminação -Racial ou Religiosa
Tortura- castigo
Tortura -omissão
Tortura- carcereiro
612. Situação hipotética: Delegado corregedor recebe suspeito que foi submetido à
interrogatório intenso, mediante cinquenta perguntas, mesmo após ter arguido e exercido seu
direito ao silêncio. Qual a providência do delegado?
R.: O delegado corregedor devera perquirir acerca de eventual constrangimento ilegal por não respeitar o
direito ao silêncio do investigado.

613. Qual a diferença entre interceptação telefônica, gravação telefônica e captação ambiental?
R.: Na interceptação telefônica um terceiro tem acesso à uma conversação sem que nenhum dos
interlocutores tenha ciência, assim como na captação ambiental, da qual se difere por ter como objeto
comunicação telefônica. Já gravação telefônica ocorre quando um dos interlocutores grava a conversa sem
o conhecimento do outro.

614. O delegado de polícia pode interceptar o telefone do advogado do suspeito?


R.: A interceptação telefônica não pode recair sobre conversa do suspeito com seu advogado em razão do
sigilo conferido às comunicações do advogado relativas ao exercício de sua profissão Lei n° 8.906/94, art.
7°, II).

615. No curso de uma interceptação telefônica para investigação de tráfico de entorpecentes,


descobre-se um sequestro. Que medida deve ser tomada pelo delegado de polícia?
R.: Quando em curso de uma interceptação obtêm-se informações sobre outros delitos, caso haja entre
estes conexão poderão ser utilizadas como prova normalmente, caso não haja conexão as informações
dever servir de notitia criminis.

616. O que é conciliação, nos termos da Lei 9099/95?


R.: É a possibilidade de composição entre autor e vítima para reparação dos danos causados pelo delito,
bem como a possibilidade de aceitação de aplicação imediata de pena não privativa de liberdade para por
fim ao processo com a extinção da punibilidade do réu.

617. O crime do Artigo 14 do estatuto do desarmamento é afiançável ou inafiançável?


R.: O crime de porte ilegal de arma de fogo de uso permitido é afiançável, com pena de 2 a quatro anos,
portanto o próprio delegado de polícia poderá arbitrar a fiança.

618. O juiz pode decretar de ofício a prorrogação da prisão temporária?


R.: A prisão temporária não pode ser decretada de ofício pelo juiz, tampouco prorrogada sem provocação
do MP ou do Delegado (art. 2°. da Lei nº 7.960/80).
619. Decretada a prisão temporária o juiz pode, automaticamente, junto com a decretação, prorrogá-
la?
R.: A prisão temporária não pode ser decretada ou prorrogada de ofício pelo juiz, pois nessa espécie de
prisão pré processual é necessário que haja a representação da autoridade policial ou de requerimento do
Ministério Público, nos termos do art. 2° da Lei 7960/89.

620. Torcida organizada pode responder civilmente de forma objetiva e solidário pelos danos
causados pelos seus membros?
R.: Conforme art. 39-B da Lei 10671, “a torcida organizada responde civilmente, de forma objetiva e
solidária, pelos danos causados por qualquer dos seus associados ou membros no local do evento esportivo,
em suas imediações ou no trajeto de ida e volta para o evento”.

621. Os processos de mandado de segurança têm prioridade sobre outros?


R.: De acordo com o Art. 20 da Lei 12016/09 os processos e recursos de mandado de segurança terão
prioridade sobre todos os demais atos judiciais, exceto sobre habeas corpus.

622. Qual o prazo para requerer mandado de segurança?


R.: O prazo para impetrar mandado de segurança é de 120 dias, contados da ciência, pelo interessado, do
ato impugnado, conforme previsto no art. 23 da Lei 12.016/09.

623. O que é remissão de pena?


R.: É o direito do condenado de ter redução da pena imposta em razão de trabalho, estudo ou leitura, na
forma dos arts. 126 e seguintes da Lei de Execução Penal.

624. No curso de execução da penal privativa de liberdade descobre-se doença mental do condenado
– Que atitude poderá tomar o juiz?
R. No caso de doença mental durante o cumprimento de pena esta deve ser convertida em medida de
segurança, conforme art. 41 do CP.

625. Por quanto prazo vigora o registro da marca, segundo a lei de propriedade industrial? Pode ser
prorrogado?
R.: De acordo com o Art. 133 da Lei de propriedade industrial o registro da marca vigorará pelo prazo de
10 (dez) anos, contados da data da concessão do registro, prorrogável por períodos iguais e sucessivos.

626. É considerado crime a negativa do trabalho a pessoa em razão de idade?


R.: Segundo o disposto no art. 100, II da Lei Nº 10.741/2003 (Estatuto Do Idoso) é crime negar a alguém
por motivo de idade emprego ou trabalho.
627. Apropriar-se de proventos/rendas de idoso, dando-lhe destinação diversa da sua finalidade
caracteriza crime?
R.: Apropriação de proventos de idoso, previsto no art. 102 da Lei Nº 10.741/2003 (Estatuto Do Idoso).

628. Nos termos da Lei 12830/2013, em que circunstância o IP poderá ser avocado por superior
hierárquico?
R.: De acordo com o art. 2º, §4º, da Lei 12830/2013 o IP somente poderá ser avocado por superior
hierárquico mediante despacho fundamentado, por motivo de interesse público ou nas hipóteses de
inobservância dos procedimentos previstos em regulamento da corporação que prejudique a eficácia da
investigação.

629. Que medida pode ser tomada quando motorista visivelmente alcoolizado se recusa a submeter-
se ao teste do bafômetro?
R.: Quando o motorista apresentar sinais de embriaguez e se recusar a realizar o teste do bafômetro, o
agente de trânsito ou policial deverá atestar a embriaguez por exame clínico, perícia ou outro procedimento
que certifique a influência de álcool ou outra substância psicoativa, nos termos do artigo 277 do Código
de Trânsito Brasileiro. Além disso, feita essa constatação, o motorista fica sujeito a pena de multa,
apreensão da CNH e apreensão do veículo até que outro condutor retire.

Legislação Especial - Examinador: Francisco Petrarca Ielo Neto

630. A lei de execução penal alcança o preso provisório?


R.: Sim, é pacífico o entendimento que a lei de execução penal deve ser aplicada tanto para presos
definitivos como para presos provisórios, conforme se extrai do previsto no artigo 2º, parágrafo único, da
LEP - Art. 2º A jurisdição penal dos Juízes ou Tribunais da Justiça ordinária, em todo o Território
Nacional, será exercida, no processo de execução, na conformidade desta Lei e do Código de Processo
Penal. Parágrafo único. Esta Lei aplicar-se-á igualmente ao preso provisório e ao condenado pela Justiça
Eleitoral ou Militar, quando recolhido a estabelecimento sujeito à jurisdição ordinária – além da Súmula
716 do STF - Admite-se a progressão de regime de cumprimento da pena ou a aplicação imediata de
regime menos severo nela determinada, antes do trânsito em julgado da sentença condenatória.

631. O preso provisório está sujeito ao RDD?


R.: Sim, o preso provisório também está sujeito ao RDD, conforme previsão expressa no §1º e §2º do

artigo 52 da LEP - § 1o O regime disciplinar diferenciado também poderá abrigar presos provisórios ou
condenados, nacionais ou estrangeiros, que apresentem alto risco para a ordem e a segurança do

estabelecimento penal ou da sociedade; § 2o Estará igualmente sujeito ao regime disciplinar diferenciado


o preso provisório ou o condenado sob o qual recaiam fundadas suspeitas de envolvimento ou
participação, a qualquer título, em organizações criminosas, quadrilha ou bando.

632. O RDD alcança todos os presos?


R.: Sim, o RDD pode ser aplicado a qualquer preso, provisório ou condenado, nacional ou estrangeiro,
desde que pratique fato previsto como crime doloso e, quando ocasione subversão da ordem ou disciplina
internas, bem como quando haja fundadas suspeitas de integrar organização criminosa, quadrilha ou
bando.

633. Estatuto do Idoso → Qual a grande mudança que trouxe ao crime de homicídio?
R.: O Estatuto do Idoso acrescentou uma causa de aumento de penal ao homicídio doloso quando a vítima
for maior de 60 (sessenta) anos. A redação ao §4º do artigo 121 do Código Penal passou a ter a seguinte
redação: “...Sendo doloso o homicídio, a pena é aumentada de 1/3 (um terço) se o crime é praticado contra
pessoa menor de 14 (quatorze) ou maior de 60 (sessenta) anos”.

634. E aquele que subtrai coisa alheia móvel de seu pai, maior de 60 anos? Responde por furto?
R.: Sim, aquele que subtrai coisa alheia móvel de seu pai maior de 60 anos irá responder por crime de
furto. Em que pese o artigo 181 do Código Penal trazer que é isento de pena quem comete crime contra
patrimônio em prejuízo de ascendente, o próprio artigo 183 do CP traz a ressalva que essa disposição do
artigo 181 não se aplica quando a vítima tiver idade igual ou superior a 60 anos.

635. A representação é condição de procedibilidade da Ação Penal no crime de abuso de autoridade?


R.: Não, o crime de abuso de autoridade é de ação penal pública incondicionada, sendo que a representação
mencionada no art. 12 não é condição de procedibilidade da ação penal, e sim apenas o direito de petição
contra o abuso de poder previsto no art. 5º, XXXIV, “a”, da Constituição.

636. Onde ela se faz necessária?


R.: A representação é necessária para os crimes em que haja previsão expressa de que a ele se aplica a ação
penal condicionada a representação, conforme previsto no §1º do artigo 100 do Código Penal - § 1º - A
ação pública é promovida pelo Ministério Público, dependendo, quando a lei o exige, de representação
do ofendido ou de requisição do Ministro da Justiça.

637. Sem essas formalidades legais, para a apreensão de criança ou adolescente, será a sua conduta
enquadrada em abuso de autoridade?
R.: Não, embora o artigo 4º da Lei nº 4898/65 disponha que se considera abuso de autoridade “ordenar ou
executar medida privativa da liberdade individual, sem as formalidades legais ou com abuso de poder”,
no caso da vítima ser criança ou adolescente há previsão específica no ECA de que o não cumprimento
das formalidades legais para sua apreensão configura o crime previsto n artigo 230, do ECA - Art. 230.
Privar a criança ou o adolescente de sua liberdade, procedendo à sua apreensão sem estar em flagrante
de ato infracional ou inexistindo ordem escrita da autoridade judiciária competente: Pena - detenção de
seis meses a dois anos. Parágrafo único. Incide na mesma pena aquele que procede à apreensão sem
observância das formalidades legais.

638. A conduta se enquadra no ECA ou na Lei de Abuso de Autoridade?


R.: A conduta de não cumprimento das formalidades legais para apreensão de criança ou adolescente se
enquadra no Eca por se tratar de disposição especial e posterior.

639. ECA → Cite três medidas socioeducativas previstas.


R.: As medidas socioeducativas previstas no ECA são: advertência; obrigação de reparar o dano; prestação
de serviços à comunidade; liberdade assistida; inserção em regime de semiliberdade; e, internação em
estabelecimento educacional, conforme previsto no artigo 112 do ECA.

640. Tortura é crime próprio de funcionário público?


R.: Não, o crime de tortura é crime comum, ou seja, pode ser praticado por qualquer pessoa, não sendo
exigido que o torturador seja funcionário público. Nas palavras do Professor Rogério Sanches da Cunha
“Ao contrário do que ocorre em outros países, onde a tortura foi tipificada como um crime especial,
traduzindo-se num comportamento abusivo de poder no trato dos direitos fundamentais do cidadão,
colocando em mira a conduta de funcionários públicos, a Lei 9.455/97, em regra, etiquetou a tortura como
delito comum, isto é, pode ser praticado por qualquer pessoa (não exigindo qualidade ou condição
especial do torturador).” (Legislação Criminal Especial. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2009,
Coleção Ciências Criminais V. 6, p. 956/957)

641. É crime de forma livre?


R.: Sim, a tortura é um crime de forma livre, ou seja, admite variadas formas para a prática da conduta
típica, sendo considerada tortura qualquer imposição de dor física ou psicológica por crueldade,
intimidação, punição, para obtenção de uma confissão, informação ou simplesmente por prazer.

642. Qual o tipo penal chamado de tortura racismo?


R.: A tortura-racismo é aquela prevista no artigo 1º, inciso I, alínea “c” da Lei nº 9455/97, consistente em
“constranger alguém com emprego de violência ou grave ameaça, causando-lhe sofrimento físico ou
mental em razão de discriminação racial ou religiosa”.

643. A lei de contravenções penais admite a culpa? Explique.


R.: As contravenções penais são infrações de perigo, e para sua configuração basta somente que a ação ou
omissão sejam voluntárias, prescindindo-se, assim, de dolo ou de culpa, conforme previsão do artigo 3º
da Lei de Contravenções Penais - Artigo 3º. Para a existência da contravenção, basta a ação ou omissão
voluntária. Deve-se, todavia, ter em conta o dolo ou a culpa, se a lei faz depender, de um ou de outra,
qualquer efeito jurídico.

644. É possível representação para prisão preventiva, no caso de jogo do bicho?


R.: Não é possível representação para prisão preventiva no caso de jogo do bicho, pois o jogo do bicho é
uma contravenção penal, prevista no artigo 58, do Decreto-Lei nº 6259/44, com pena de seis (6) meses a
um (1) ano de prisão simples e multa de dez mil cruzeiros (Cr$ 10.000,00) a cinqüenta mil cruzeiros (Cr$
50.000,00) ao vendedor ou banqueiro, e de quarenta (40) a trinta (30) dias de prisão celular ou multa de
duzentos cruzeiros (Cr$ 200,00) a quinhentos cruzeiros (Cr$ 500,00) ao comprador ou ponto, sendo que a
prisão preventiva é cabível apenas nos crimes dolosos punidos com pena privativa de liberdade máxima
superior a 4 (quatro) anos; ou se acusado estiver sido condenado por outro crime doloso, em sentença
transitada em julgado, ressalvado o disposto no inciso I do art. 64 do CP; ou se o crime envolver violência
doméstica e familiar contra a mulher, criança, adolescente, idoso, enfermo ou pessoa com deficiência, para
garantir a execução das medidas protetivas de urgência, conforme dispõe o artigo 313 do CPP.

645. Diferencie crime de contravenção


R.: Embora espécies do mesmo gênero, infração penal, os crimes e as contravenções possuem as seguintes
diferenças: a) quanto a pena privativa de liberdade, para os crimes se admite reclusão e detenção, já para
as contravenções admite-se apenas a prisão simples (artigo 5º e 6º da Lei de contravenções); b) em relação
ao tipo de ação penal admitida, as contravenções são todas processadas através de ação penal pública
incondicionada, enquanto os crimes admitem todos os tipos de ação, sejam elas públicas ou privadas; c)
em ambos os casos se admite a tentativa, mas em relação as contravenções penais ela não é punida,
conforme artigo 4º da Lei de contravenções; d) as contravenções, regra geral, são julgadas na Justiça
Estadual enquanto os crimes podem ser julgados também na Justiça Federal; e) nas contravenções o limite
das penas é de cinco anos (artigo 10 da Lei de Contravenções) e para os crimes o limite chega até trinta
anos (artigo 75 do Código Penal); f) por fim, em relação ao regime inicial de cumprimento de pena, admite-
se para os crimes os regimes aberto, semiaberto e fechado e para as contravenções apenas os dois primeiros.

646.O que se entende por discriminação?


R. Significa qualquer distinção, exclusão, restrição ou preferência baseada na raça, cor, ascendência,
origem étnica ou nacional com a finalidade ou o efeito de impedir ou dificultar o reconhecimento e-ou
exercício, em bases de igualdade, aos direitos humanos e liberdades fundamentais nos campos político,
econômico, social ou cultural (art. 1º - Convenção Internacional para a eliminação de todas as formas de
Discriminação Racial da ONU).
647. Qual a diferença entre elisão e evasão?
R. Ambas são formas de evitar o pagamento de tributos. Elisão é o planejamento que utiliza a lei para
reduzir a carga tributária de determinada atividade (lícito). Evasão (sonegação) é o uso de meios ilícitos
para evitar o pagamento de taxas, impostos e contribuições, pode ser realizada por meios comissivos ou
omissivos.

648. O que é “traição benéfica”?


R. Prevista no parágrafo único do artigo 8º, da lei 8072-90, corresponde à ação praticada pelo autor de
delito que consiste na delação de comparsas, possibilitando o desmantelamento de associação criminosa,
tendo como consequência a redução de pena de um a dois terços.

649. Posse ilegal de arma. Sem o devido cuidado, não impediu que um menor de 18 anos se apoderasse
da arma. Que crime comete?
R. Agente tem a posse ilegal de arma e a deixa ao alcance de um menor, responde pelos delitos de posse
ilegal da arma de fogo (art. 12) e omissão de cautela (art. 13) em concurso material de crimes (art. 69 CP)
– fonte livro Habib.

650. Portar arma de fogo desmuniciada é crime?


R. Após muitos debates no âmbito da jurisprudência, o STF e o STJ pacificaram as suas jurisprudências
no sentido de ser típica a conduta de portar arma de fogo desmuniciada, fundamentando que o delito ser
classificado como crime de perigo abstrato ou presumido, bastando o simples porte de arma de fogo para
a sua consumação, independentemente de qualquer resultado posterior

651. Crime de lavagem de dinheiro → Qual o sujeito ativo, sujeito passivo e o bem tutelado?
R. Sujeito ativo – Qualquer pessoa (crime comum). Divergência sobre o sujeito ativo do crime antecedente
ser também da lavagem. 1ª C) possível por se tratar de tipos penais distintos – 2ª C) Lavagem mero
exaurimento do crime antecedente, como forma de ocultação do objeto do crime (post factum impunível).
Sujeito passivo – Estado (detentor da tutela aos bens jurídicos penais atingidos pela conduta) – Bem
jurídico tutelado – ordem econômica, ordem tributária, sistema financeiro nacional, administração da
justiça, paz pública e toda a ordem econômica.

652. Cite três princípios que orientam o JECRIM.


R. Os princípios que orientam o JECRIM estão dispostos no artigo 62, do CPP, são eles: princípios da
oralidade, simplicidade, informalidade, economia processual e celeridade.

653. No que consiste a transação penal?


R. A transação penal é a segunda medida despenalizadora prevista na lei 9099. Trata-se de um acordo
realizado entre as partes, quais sejam: o autor da ação penal, que é o Ministério Público e o autor do fato,
por meio do qual impõe-se uma multa ou uma pena restritiva de direitos, mesmo que não haja processo.
Trata-se de mais uma medida prevista na presente lei que visa a evitar o processo. Diferente da composição
dos danos civis, na transação penal a vítima do delito não tem nenhuma ingerência e não se beneficia da
transação. Inclusive a vítima não pode impedir a transação. Relativiza-se o princípio da obrigatoriedade
da ação penal pública para que a denúncia não seja oferecida e seja realizado um acordo.

654. Quais os requisitos de validade de uma interceptação telefônica?


R. requisitos para a concessão da interceptação. Por ser medida de extrema gravidade, a interceptação tem
alguns requisitos para a sua concessão: a) indícios razoáveis de autoria ou participação em infração penal,
b) imprescindibilidade da medida, c) o fato investigado deve constituir crime punido com reclusão.

655. A transcrição das conversas é obrigatória?


R. Em se observando o disposto no p. 1º da lei 9296, verifica-se que a obrigatoriedade da transcrição das
conversas gravadas no âmbito de interceptação telefônica

656. Deverá ser integral?


R. A jurisprudência do STF entende ser possível a transcrição parcial da conversa, não sendo necessário
que seja feita de forma integral

657. Lei 12.830/13 → Deve ser acolhida pelo Delegado uma requisição do MP para indiciamento de
uma pessoa?
R. Não. A lei atribui ao delegado de polícia a privatividade para o indiciamento por meio da Lei 12.830/13.
Ora, se a análise da materialidade e indícios de autoria é privativa do delegado de polícia, somente a este
cabe, ao término da investigação, apontar a ocorrência de infração penal e sua eventual autoria.

Legislação Especial - Examinadora: Ana Cristina dos Santos Lutério

658. A quantidade de drogas é o único elemento para determinar se é tráfico ou posse ilegal de
drogas?
R. Não. Os elementos são a natureza e à quantidade de substância apreendida, ao local e às condições em
que se desenvolveu a ação, às circunstâncias sociais e pessoais, bem como à conduta e aos antecedentes
do agente.

659. Advertência sobre os efeitos da droga → O que entende por esta pena?
R. Entende-se por uma audiência especificamente marcada para esse fim e tem por finalidade advertir
formalmente o acusado sobre os efeitos nocivos das drogas e suas consequências no âmbito da família, da
consideração social, dos valores comunitários.

660. Quando essa pena é aplicada?


R. É aplicada nas hipóteses do artigo 28, da lei 11343, ao agente que adquirir, guardar, tiver em depósito,
transportar ou trouxer consigo, para consumo pessoal, drogas sem autorização ou em desacordo com
determinação legal ou regulamentar.

661. Uma mulher sofre lesão corporal no âmbito residencial. É possível aplicação do artigo 61, II, f,
do CP?
R. Sim, pois previsto no inciso I, do artigo 5º, da lei 11340. Bastando, para tanto, que a forma com que a
violência foi praticada se subsuma ao disposto no art. 7, do citado diploma legal

662. O homem pode ser vítima de violência doméstica?


R. Prevalece o entendimento, principalmente, no âmbito das cortes superiores e da doutrina pela
impossibilidade, isso porque os motivos, convenções internacionais e os próprios dispositivos da lei
fundamental sua aplicação somente no âmbito feminino, contudo já se tem notícia de juízes aplicando suas
medidas protetivas a homens vitimados por suas parceiras.

663.O Delegado pode representar a prisão temporária de vários crimes de estelionato?


R.: Não, a lei 7.960/89 não prevê no rol do artigo 1º, III, o crime de estelionato (art. 171, CP) como passível
da referida prisão cautelar, pois se trata de numerus clausus. A multiplicidade de crimes de estelionato
poderá, no entanto, levar – em tese – a eventual prisão preventiva, se presentes todos os requisitos.

664.O crime de estelionato está previsto na Lei de Prisão Temporária?


R.: Não. A lei prevê: 1) Homicídio doloso; 2) Sequestro ou Cárcere privado; 3) Roubo; 4) Extorsão; 5)
Extorsão mediante sequestro; 6) Estupro; 7) Epidemia com resultado morte; 8) Envenenamento de água
potável ou alimentos com resultado morte; 9) Quadrilha ou bando; 10) Genocídio; 11) Tráfico; 12) C.
conta o sistema financeiro; 13) Terrorismo; 14) Crimes previstos na lei 8.072/90.

665.CDC → Qual o prazo de prescrição para pretensão por fato de produto ou de serviço?
R.: 5 anos, conforme art. 27 do CDC.

666.Quando se inicia o prazo?


R.: Inicia-se com o conhecimento do dano e sua autoria. Assim, o CDC adota a teoria da actio nata, ou
seja, nasce a pretensão com a violação do direito, mas adota-se o termo a quo, o conhecimento do dano,
tal qual o sistema alemão.

667.A quantidade de drogas é o único elemento para determinar se é tráfico ou posse ilegal de
drogas?
R.: A quantidade de drogas não é único elemento para definir ser o crime do art. 28 ou 33 da lei 11.343/06.
Os requisitos constam do art. 28, 2º. São estes: A) Natureza da substância; B) Quantidade; C) Condição;
D) Circunstâncias Pessoais e Sociais; E) Conduta; F) Antecedentes.

668.Fazer propaganda enganosa é crime?


R.: Nos termos do art. 37, §1º, é aquela que falseia, mesmo por omissão, natureza, características,
qualidade, quantidade, propriedade, origem, preço e quaisquer outros dados sobre produtos e serviços.
Além de ilícito civil, também é crime previsto no art. 67 do CDC, apenado com 3 meses até um ano
detenção e multa.

669.Quais as hipóteses em que não será permitida a interceptação telefônica?


R.: A interceptação telefônica não será permitida para crimes apenados com detenção; diante da
inexistência de indícios razoáveis de autoria e puder a prova ser colhida de outra maneira (Art. 2º, I, II e
III, da lei 9.296/96).

670.Qual a pena em que não é permitida?


R.: Penas privativas de liberdade apenadas com detenção.

671.Lei nº 12.830/13 → É possível outras instituições investigar?


R.: O STF pacificou a questão julgando pela possibilidade do MP investigar infrações penais, desde que
1) Respeite direitos e garantias dos investigados; 2) Os atos devem ser documentados e praticados por
membros do MP; 3) Respeitar a reserva jurisdicional; 4) Respeitas as prerrogativas dos advogados.

672.Quais os regimes de cumprimento de pena no Brasil?


R.: Estabelece o art. 33 ser fechado, semiaberto e aberto.
Fechado: Executado em penitenciária de segurança máxima ou média.
Semiaberto: Executado em colônia agrícola, industrial ou estabelecimento similar.
Aberto: Executado na casa do albergado.

673.Em que hipóteses serão os iniciais?


R.: Estabelece o art. 33, 2º e alíneas:
Fechado: Pena superior a oito anos.
Semiaberto: Não reincidente e pena superior a quatro anos.
Aberto: Não reincidente e pena igual ou inferior a quatro anos.

674.Quando se aplica o RDD preventivo, tem o prazo de 10 dias. Esse prazo pode ser prorrogado?
R.: A rigor não há RDD preventivo, mas sim isolamento preventivo, pelo prazo de 10 dias, que poderá ser
convertido pelo juiz em RDD.
A autoridade administrativa poderá decretar isolamento preventivo por 10 dias, porém tal prazo é
improrrogável e pressupõe a abertura de procedimento de apuração de falta disciplinar.

675.Estatuto do Idoso → Um filho que subtrai coisa alheia móvel do pai, maior de 60 anos, fica sujeito
às penas do furto? Por quê?
R.: A escusa absolutória admite exceção prevista no art. 183, III. Na hipótese do maior de 60 figurar como
vítima, afasta-se a escusa e processa-se regularmente. Trata-se de exceção trazida pelo estatuto do idoso
(lei 10.741), pois harmônico com o princípio da proteção integral do idoso.

676.Qual a alteração que o Estatuto do Idoso promoveu em relação ao crime de homicídio?


R.: A lei 10.741 trouxe alteração causa de aumento de pena, em 1/3 para o homicídio doloso (art. 121, §
4º).

677.Crimes contra a ordem tributária. A sonegação fiscal pode existir em concurso de falsificação de
documento?
R.: O art. 1º, III, da Lei 8.137/90 admite como elementar da sonegação fiscal a falsificação de nota fiscal
ou qualquer outro documento exigido pela lei fiscal. Assim, a priori, o concurso de crimes seria
inadmissível, pois esbarraria no princípio da consunção.
É importante destacar, porém, hipótese de concurso de crimes, desde que a potencialidade lesiva da
falsificação não se limite ao crime de sonegação (crime fim). Ex: Documento é falsificado para iludir a
fiscalização tributária e também terceiro.

678.Existe modalidade culposa nos crimes contra a ordem tributária?


R.: Todos os crimes da Lei 8.137/90 exigem o dolo como elemento subjetivo do tipo. Inexiste, portanto,
modalidade culposa.

679.Estatuto de Desarmamento → Diferencie posse irregular de posse ilegal de arma de fogo.


R.: Posse ilegal é a conduta típica do sujeito ter em guarda em sua residência/trabalho arma de fogo jamais
registrada.
A posse irregular é situação distinta, em que o sujeito detém a propriedade regular da arma de fogo, com
registro anterior, porém vencido o prazo de sua validade.
A jurisprudência do STJ se confronta quanto a figura da posse irregular configurar crime do artigo 12, da
lei 10.826/03. Uma parcela dos magistrados defende subsistir o crime de posse de armas, ao passo que
segunda parcela – majoritária – defende ser mera irregularidade administrativa, portanto atípica.

680. Disparar arma de fogo acidentalmente em lugar habitado configura crime?


R.: Para que o disparo de arma de fogo configure crime, exige-se o dolo como elemento subjetivo do tipo.
Portanto, ausente a consciência e vontade, o disparo acidental, caso não configurado outro crime advindo
do resultado do disparo, não configura crime, por ausência de previsão legal da modalidade culposa.
Referência: Estatuto do desarmamento:
Art. 15. Disparar arma de fogo ou acionar munição em lugar habitado ou em suas adjacências, em via
pública ou em direção a ela, desde que essa conduta não tenha como finalidade a prática de outro crime.

681. E se atingir alguém?


R.: Caso o disparo atinja alguém, configurar-se-á, a depender da hipótese, a lesão corporal culposa (art.
129, § 6° CP) ou o homicídio culposo (art. 121, § 3º, CP).

Examinador: SILVIA GENTIL

682. A lei de abuso de autoridade está inserida em que geração de DH?


R.: Está inserida na primeira geração de Direitos Humanos, uma vez que impõe um não fazer ao Estado,
uma abstenção, são os direitos negativos ou de defesa, limitando a atuação abusiva do Estado, ampliando
a liberdade individual.

683. Qual o objeto jurídico do crime de abuso de autoridade?


R.: Há dois objetos jurídicos protegidos na Lei de Abuso de Autoridade, quais sejam: a) Objeto jurídico
principal ou imediato – É a proteção dos direitos e garantias individuais e coletivos das pessoas físicas e
jurídicas; b) Objeto jurídico secundário ou mediato – É a normal e regular prestação dos serviços públicos.

684. O policial que prende adolescente sem cumprir as formalidades legais, pratica crime de abuso
de autoridade?
R.: Não pratica o crime de abuso de autoridade, previsto no artigo 4º, “a”, desta lei, em razão do princípio
da especialidade, respondendo pelo crime do artigo 230 do Estatuto da Criança e do Adolescente.
Referências:
Lei de abuso de Autoridade: Art. 4º Constitui também abuso de autoridade:
a) ordenar ou executar medida privativa da liberdade individual, sem as formalidades legais ou com abuso
de poder.

Estatuto da Criança e do Adolescente: Art. 230. Privar a criança ou o adolescente de sua liberdade,
procedendo à sua apreensão sem estar em flagrante de ato infracional ou inexistindo ordem escrita da
autoridade judiciária competente

685. Quais as hipóteses que qualificam o crime de tortura?


R.: Qualificam o crime de tortura a lesão corporal de natureza grave ou gravíssima, bem como o resultado
morte.
Referência: Lei de Tortura:
Art. 1º, § 3º Se resulta lesão corporal de natureza grave ou gravíssima, a pena é de reclusão de quatro a
dez anos; se resulta morte, a reclusão é de oito a dezesseis anos

686. Em que hipóteses são aplicadas as medidas protetivas?


R.: São aplicadas a medidas protetivas, havendo requerimento do MP ou da ofendida, havendo violência
doméstica ou familiar contra a mulher, nas hipóteses em que necessário à proteção da ofendida, de seus
familiares e de seu patrimônio, sempre que a segurança da ofendida ou as circunstâncias o exigirem.
Referências: Lei Maria da Penha:
Art. 19. As medidas protetivas de urgência poderão ser concedidas pelo juiz, a requerimento do Ministério
Público ou a pedido da ofendida.
§ 2o As medidas protetivas de urgência serão aplicadas isolada ou cumulativamente, e poderão ser
substituídas a qualquer tempo por outras de maior eficácia, sempre que os direitos reconhecidos nesta Lei
forem ameaçados ou violados.
§ 3o Poderá o juiz, a requerimento do Ministério Público ou a pedido da ofendida, conceder novas medidas
protetivas de urgência ou rever aquelas já concedidas, se entender necessário à proteção da ofendida, de
seus familiares e de seu patrimônio, ouvido o Ministério Público
Art. 22. § 1o As medidas referidas neste artigo não impedem a aplicação de outras previstas na legislação
em vigor, sempre que a segurança da ofendida ou as circunstâncias o exigirem, devendo a providência ser
comunicada ao Ministério Público.

687. Qual a natureza jurídica da sentença que homologa a transação penal?


R.: 1ª Corrente: condenatória imprópria, uma vez que, conquanto aplique pena, não gera os efeitos
normalmente produzidos na sentença de mérito que condena o réu.
2ª corrente: Declaratória, uma vez que cabe ao juiz declarar existente situação jurídica acordada entre as
partes.
3ª corrente: Homologatória, uma vez que cabe ao juiz simplesmente analisar as formalidades e requisitos
do acordo, sem adentrar no mérito.
Referências: AVENA. Norberto: Processo Penal, Editora Método: Porto Alegre, 2018, p. 878.

688. Também se submete à execução?


R.: Em regra, não, uma vez que não faz coisa julgada material, nos termos da Súmula Vinculante n. 35.
Assim, descumprido o acordo, cabe ao Ministério Público retomar o procedimento e verificar a
possibilidade de oferecimento de denúncia ou requisitar diligências. Contudo, parte da doutrina entende
que caso o objeto da transação seja o pagamento de multa, seria uma exceção ao teor da Súmula Vinculante
35 STF, pois que passível de execução nos termos do artigo 51, CP.
Referências: Súmula Vinculante 35: A homologação da transação penal prevista no artigo 76 da Lei
9.099/1995 não faz coisa julgada material e, descumpridas suas cláusulas, retoma-se a situação anterior,
possibilitando-se ao Ministério Público a continuidade da persecução penal mediante oferecimento de
denúncia ou requisição de inquérito policial.

689. Qual a alteração trazida pelo estatuto do idoso no tipo penal do homicídio?
R.: O estatuto do idoso trouxe uma causa de aumento de pena, inserida em seu parágrafo 4º:
Art. 121, § 4o No homicídio culposo, a pena é aumentada de 1/3 (um terço), se o crime resulta de
inobservância de regra técnica de profissão, arte ou ofício, ou se o agente deixa de prestar imediato socorro
à vítima, não procura diminuir as consequências do seu ato, ou foge para evitar prisão em flagrante. Sendo
doloso o homicídio, a pena é aumentada de 1/3 (um terço) se o crime é praticado contra pessoa menor de
14 (quatorze) ou maior de 60 (sessenta) anos. (Redação dada pela Lei nº 10.741, de 2003)

690. Divulgação apenas de uma ilustração sem o nome do autor, pode ser considerado crime contra
a propriedade imaterial?
R.: Não me recordo excelência!

691. Defina genocídio.


R.: O genocídio, crime contra a humanidade, consiste na prática de condutas voltadas ao fim de destruir
total ou parcialmente, um grupo nacional, étnico, racial ou religioso, notadamente: matar membros do
grupo; b) causar lesão grave à integridade física ou mental de membros do grupo; c) submeter
intencionalmente o grupo a condições de existência capazes de ocasionar-lhe a destruição física total ou
parcial; d) adotar medidas destinadas a impedir os nascimentos no seio do grupo; e) efetuar a transferência
forçada de crianças do grupo para outro grupo. (Lei 2.889/56, Art. 1º)

692. É possível falar-se em tentativa de genocídio?


R.: É admissível a tentativa de genocídio e seus casos assemelhados, exceto as alíneas “c” e “d” do
art.1o da Lei 2889. Tanto é admissível que o seu artigo 5º prevê que será punida com 2/3 (dois terços) das
respectivas penas a tentativa dos crimes definidos nesta lei.

693. É possível a concessão de liberdade provisória nos crimes hediondos?


R.: É possível. Em sua redação original, a lei de crimes hediondos proibia a liberdade provisória, contudo,
o STF, entendendo que feria o princípio da individualização da pena, declarou inconstitucional, sendo esta
decisão acompanhada pela Lei 11.464/2007, que suprimiu da Lei dos crimes hediondos tal proibição.

694. É possível o ingresso no programa de proteção às testemunhas sem a configuração da situação


de risco?
R.: Não é possível, uma vez que a situação de risco, consistente na coação ou grave ameaça à que a
testemunha está exposta, é requisito essencial para seu ingresso no programa. São também requisitos
cumulativos e essenciais: a colaboração; a insuficiência da proteção oferecida pelos meios convencionais;
que não seja condenado cumprindo pena ou indiciado sob prisão cautelar; possuir conduta e personalidade
compatíveis com o programa; bem como concordar em participar do programa.

695. O que se entende por situação de risco?


R.: Entende-se pela coação ou exposição à grave ameaça sofrida pela testemunha ou vítima, em razão de
colaborarem com a investigação ou processo criminal.
Referência: Lei 9.807/99, Art. 1o As medidas de proteção requeridas por vítimas ou por testemunhas de
crimes que estejam coagidas ou expostas a grave ameaça em razão de colaborarem com a investigação ou
processo criminal serão prestadas pela União, pelos Estados e pelo Distrito Federal, no âmbito das
respectivas competências, na forma de programas especiais organizados com base nas disposições desta
Lei.

696. O preso pode ingressar no programa de proteção?


R.: A Lei de proteção de testemunhas, 9807/99, elenca em seu Capítulo 2º que as medidas de proteção
podem se destinar aos presos, quando da denominada colaboração premiada. No artigo 15 é previsto
expressamente o ingresso do preso no programa, com aplicação de medidas de segurança para preservar
sua integridade física.

697. Quais as medidas possíveis de aplicação em benefício da pessoa protegida?


R.: No artigo 7º da Lei de Proteção de Testemunhas estão exemplificadas algumas medidas de proteção,
segunda a gravidade e circunstâncias do caso como por exemplo: segurança na residência, escolta e
segurança nos deslocamentos, apoio e assistência social, médica e psicológica, ajuda financeira mensal
para custeio de necessidades pessoas e familiares entre outras.
698. Configura crime portar arma de fogo desmuniciada?
R.: O crime de porte ilegal de arma de fogo, previsto no artigo 14 da lei 10826 é considerada crime de
perigo abstrato, e por isso ainda que a arma de fogo esteja desmuniciada, estará configurado o crime, esse
entendimento prevalece, inclusive, nos tribunais superiores.

699. O fato de ter registro altera alguma coisa?


R.: O fato de ter registro alteraria apenas o crime de posse irregular de arma de fogo, pois o registro não
autoriza o porte da arma, assim, ainda que possua o registro e arma seja encontrado fora da residência ou
local de trabalho do portador, estaria configurado o crime de porte irregular de arma de fogo.

700. Qual o bem jurídico protegido pelo crime de lavagem de capitais?


R.: Há controvérsias quanto ao bem jurídico protegido pelo crime de lavagem de capitais, uma corrente
defende que se protege o mesmo bem jurídico da infração penal antecedente, outra a ordem econômica e
uma última diz que seria a administração da justiça.

701. O crime de lavagem de capitais é formal ou material?


R.: A figura do caput, artigo 1º, lei 9.613/96, segundo parte da doutrina é crime material, pois o crime se
consuma com a efetiva ocultação ou dissimulação. Já o STF entende que o crime é formal, por prever o
resultado, mas não exigir a efetiva ocultação ou dissimulação.

702. Quem pode ser o sujeito ativo do crime de lavagem de capitais?


R.: Qualquer pessoa pode ser sujeito ativo do crime de lavagem de capitais, desde que realize condutas
com o fim de ocultar, dissimular, ou colocar os ativos financeiros. Inclusive prevalece que o sujeito ativo
da infração antecedente também pode praticar o crime de lavagem de dinheiro.

703. É possível a autuação em flagrante de empresário que deixou de pagar tributo e está
respondendo à processo administrativo em razão do não pagamento?
R.: Predomina entendimento de que nos crimes tributários materiais, que exijam ocorrência de resultado
naturalístico, é necessário esgotamento das vias administrativas quando do inadimplemento de tributos,
não obstante a independência das instancias, por este entendimento não caberia atuação em flagrante de
um agente nestas condições. Lado outro, nos crimes formais, há a dispensa do esgotamento da via
administrativa, podendo cogitar autuação em flagrante.

704. O dano moral pode configurar delito de violência doméstica?


R.: Sim, a Lei 11340/06, Lei Maria da Penha, no capitulo 2 que trata das formas de violência em seu artigo
7º, inciso V, menciona expressamente a violência moral, entendida como qualquer conduta que configure
calúnia, difamação ou injúria.

705. Os travestis são alcançados pela Lei Maria da Penha?


R.: Sim, o atual entendimento jurisprudencial abarca os travestis como sendo sujeitos passivos da chamada
Lei Maria da Penha, pois exercem "função social" da mulher, e desde que ocorra violência no contexto
previsto na Lei, podem ser por ela protegidos.

706. Quais as providências adotadas pelo delegado de polícia no caso de violência doméstica?
R.: No artigo 11 da Lei Maria da Penha estão elencadas algumas providencias a serem adotadas pelo
delegado de polícia no caso de violência doméstica, basicamente assegurar a proteção da ofendida,
encaminhando ela até o hospital, se necessário, oferecer transporte a ela e seus dependentes ate um local
seguro, acompanha-la para retirada de objetos pessoais do local da ocorrência. Também, ouvir a ofendida,
colher as provas que servirem de esclarecimentos, encaminhar ao judiciário o pedido da ofendida por
medidas protetivas, determinar exame de corpo de delito na ofendida e também ouvir o agressor e
testemunhas.

707. Como é tipificado o ato de vender cocaína a uma criança?


R.: É tipificado como tráfico de drogas, artigo 33, com causa de aumento do artigo 40, VI da Lei 11343/06.
Pelo princípio da especialidade não se aplica o crime do artigo 243 do Estatuto da Criança e Adolescente.

708. Quem cultiva planta destinada à produção de drogas pratica crime?


R.: Sim, caso não seja destinado ao consumo próprio e seja plantas utilizadas como matéria prima na
produção de drogas, com princípio ativo das substâncias entorpecentes, incorre no crime equiparado ao
tráfico de drogas, tipificado no art. 33 § 1º, II da Lei 11343/06. Caso contrário seria tipificado como cultivo
para consumo de drogas, do § 1º do artigo 28 da 11343/06.

Examinador: LEOLAR EMÍLIA DE SOUZA

709. Quais procedimentos da polícia judiciária são encaminhados ao JECRIM?


R.: São encaminhados ao JECRIM os termos circunstaciados, TCs, sendo este o procedimento produzido
pela polícia judiciária nas infrações de menor potencial ofensivo, conforme artigo 69 da lei 9099/95.

710. Confeccionada o TC, emite-se a nota de culpa?


R.: Via de regra não, pois a nota de culpa é prevista quando da lavratura do Auto de Prisão em Flagrante,
conforme denota-se da lei 9099/95, quando o autor se compromete a comparecer no Jecrim não se imporá
prisão em flagrante, logo não emite-se a nota de culpa.

711. O TC pode ser considerado uma forma do flagrante em crime de menor potencial ofensivo?
R.: Tecnicamente não. Conforme artigo 69 da lei 9099/95, a autoridade policial, nas infrações de menor
potencial ofensivo, lavrará termo circunstanciado, não havendo auto de prisão em flagrante. Porem do
ponto de visto nominal, em ambos casos estaria ocorrendo situação de flagrante, quando do cometimento
da respectiva infração.

712. Quais os requisitos para que o superior hierárquico possa avocar o processo administrativo que
está sendo conduzido pelo seu subordinado?
R.: Deve ser observado a legalidade com motivação devidamente fundamentada, com a respectiva
publicidade, devidamente delineado o objeto de avocação e seu caráter temporário, além de obediência ao
princípio da moralidade.

713.Há previsão de avocação na Lei 12.830/13?


R.: Sim Excelência, o art. 2º, §4º da lei 12.830/13 disciplinou que o Inquérito Policial ou outro
procedimento previsto em lei somente poderá ser avocado ou redistribuído pelo superior hierárquico, por
despacho fundamentado, quando houver interesse público ou nas hipóteses de inobservância de
procedimento previsto em lei, que prejudique a eficácia da investigação.

714. O que são autos apartados previstos na lei de interceptação telefônica?


R.: Autos apartados é um novo processo, que é a reunião de atos processuais, que geralmente, tratam de
assuntos que influenciam no processo principal. É feito em processo a parte para, geralmente, a depender
do assunto não atrapalhar o andamento do processo principal ou no caso da interceptação telefônica não
atrapalhar as investigações. Art. 8º da lei 9296/96.

715. Que documentos contêm os autos apartados?


R.: Pela lei 9296/96 deverá conter o pedido da interceptação telefônica (com a demonstração de sua
imprescindibilidade e seus requisitos), a decisão judicial autorizando-a, com o seu prazo e sua forma de
execução, a ciência do Ministério Público, e depois de cumprida a diligência, a autoridade policial
encaminhará o resultado da interceptação acompanhado de auto circunstanciado, que deverá conter o
resumo das operações realizadas (com a degravação daquilo que for alvo da investigação).

716. A representação do delegado de polícia por interceptação também fica nos autos apartados?
R.: Sim, como uma forma de legitimar a decisão judicial, tendo em vista a verificação a posterior pela
defesa foram preenchidos os requisitos para a sua autorização.

717. Em que momento os autos são juntados?


R.: Pelo §único do artigo 8º da lei 9296/95, os autos serão juntados imediatamente antes do relatório do
Delegado quando se tratar de Inquérito Policial ou na conclusão processo para o juiz sentenciar, mas vale
ressaltar que a doutrina alega que o acusado e sua defesa deverão ter acesso após concluídas a interceptação
telefônica, evitando assim o cerceamento de defesa.

718. Em que consiste o processo da inutilização prevista na lei de interceptação telefônica?


R.: É um incidente processual no qual inutiliza as gravações impertinentes ao processo, podendo ser pedida
pela parte ou pelo MP, ou qualquer terceiro que tenha se comunicado com o investigado. Sendo facultado,
ainda, ao MP e a parte interessada acompanhar o incidente de inutilização. Artigo 9º da lei 9296.

719. E se houver recurso?


R.: Contra a decisão que defere (ou não) a inutilização da gravação, o recurso adequado será o de apelação,
já que se trata de decisão com força de definitiva não listada no rol do art. 581 do CPP. Em relação ao
terceiro, que também tem interesse na destruição das gravações de conversas impertinentes e irrelevantes
para a prova, caso seu pedido não seja atendido pelo juiz, poderá impetrar mandado de segurança contra
o aro jurisdicional que indeferir sua pretensão à preservação da intimidade.

720. Por que a prisão temporária tem caráter de excepcionalidade?


R.: A prisão temporária tem por finalidade a colheita de elementos de probatórios para o Inquérito Policial,
por isso, a doutrina diz que é excepcional, pois somente será viável sua decretação realmente for
imprescindível e o crime estar presente no rol da lei 7960/89.

721. Crime de furto – Autor sem identidade ou residência fixa, pode representar para prisão
temporária?
R.: Não, pois para que seja possível a representação pela prisão temporária, devem estar presentes os
requisitos dos incisos I e/ou II do artigo 1° da lei 7.960/89 e, necessariamente, que o crime investigado
esteja listado no rol exaustivo do inciso III do mesmo artigo ou seja considerado como crime hediondo.
Como o crime de furto não se encontra em nenhuma das hipóteses supramencionadas, não seria possível
a representação pela prisão temporária.

722. Superior avoca IP de Subordinado – Em que situações?


R.: Sim, nos casos autorizados pela lei 12.830/13, por despacho fundamentado, por interesse público ou
nas hipóteses de inobservância de procedimento previsto em lei, que prejudique a eficácia da investigação.
723. Contravenção penal – Em caso de denúncia de jogo de azar em galpão fechado é necessário
mandado de busca e apreensão para entrar no local?
R.: Não, porquanto o Art. 5°, XI, da nossa Carta magna excepciona a inviolabilidade do domicilio no caso
do flagrante delito. Como se sabe, a contravenção é espécie de delito e, portanto, podem justificar a medida
com base no referido artigo. Cumpre mencionar, que a contravenção prevista no artigo 50 da lei de
contravenções penais exige habitualidade e, por isso, a situação de flagrância se protrai no tempo
admitindo a medida extrema.

724. Quais as providências preliminares ao se constatar que realmente existem máquinas de jogo de
azar naquele local?
R.: Com base no Artigo 6° do CPP, deve a autoridade policial providenciar que não se altere o estado das
coisas até a chegada dos peritos e posteriormente providenciar que sejam apreendidos todos os objetos que
tenham relação com os fatos, bem como àqueles destinados a decoração e os demais móveis do local,
tendo em vista que a perda de tais objetos é penalidade prevista no referido artigo.

725. É necessária perícia nas máquinas?


R.: Sim, porquanto para que seja configurado o crime em testilha se faz necessário jogo em que o ganho
ou a perda dependam exclusivamente ou principalmente da sorte. Afim de verificar tal circunstância, se
faz necessária a perícia nas máquinas encontradas.

726. Situação hipotética: Funcionário impede que pessoa negra utilize o elevador social; Pena de
reclusão de 1 a 3 anos. Como deve ser registrada a ocorrência?
R.: Deve ser registrada como crime previsto no artigo 11 da lei 7.716/89.

727. Em quais hipóteses o civilmente identificado poderá ser identificado criminalmente?


R.: Conforme o artigo 3° da lei 12.037/2009:
Art. 3º - Embora apresentado documento de identificação, poderá ocorrer identificação criminal quando:
I – o documento apresentar rasura ou tiver indício de falsificação;
II – o documento apresentado for insuficiente para identificar cabalmente o indiciado;
III – o indiciado portar documentos de identidade distintos, com informações conflitantes entre si;
IV – a identificação criminal for essencial às investigações policiais, segundo despacho da autoridade
judiciária competente, que decidirá de ofício ou mediante representação da autoridade policial, do
Ministério Público ou da defesa;
V – constar de registros policiais o uso de outros nomes ou diferentes qualificações;
VI – o estado de conservação ou a distância temporal ou da localidade da expedição do documento
apresentado impossibilite a completa identificação dos caracteres essenciais.
Parágrafo único. As cópias dos documentos apresentados deverão ser juntadas aos autos do inquérito, ou
outra forma de investigação, ainda que consideradas insuficientes para identificar o indiciado.

728. A não apresentação de bens no prazo legal pelo servidor público traz que tipo de consequência?
R.: Conforme disposto no Artigo 13, parágrafo 3° da Lei 8.429/92, será punido com a pena de demissão,
a bem do serviço público, sem prejuízo de outras sanções cabíveis, o agente público que se recusar a
prestar declaração dos bens, dentro do prazo determinado, ou que a prestar falsa.

729 - Situação hipotética: motorista sóbrio atropela e mata transeunte, dirigindo na contramão de
direção. Qual a pena? Cabe fiança?
R.: Homicídio culposo. O homicídio culposo no trânsito está tipificado no Código de Trânsito Brasileiro
em seu artigo 302. CTB - Art. 302. Praticar homicídio culposo na direção de veículo automotor: Penas -
detenção, de dois a quatro anos, e suspensão ou proibição de se obter a permissão ou a habilitação para
dirigir veículo automotor. Caberá fiança, inclusive, podendo ser aplicado pelo Delegado de Polícia, uma
vez que a pena máxima não é superior a 4 anos.

730 – Situação hipotética: motorista atropela e mata transeunte que estava embriagado e
atravessava a rua sem o devido cuidado. Qual o procedimento a ser tomado pelo delegado de polícia?
R.: Deve ser instaurado procedimento investigativo a fim de aferir a culpa do autor do fato, porém, não se
aplica à hipótese, prisão em flagrante, podendo, inclusive ser arbitrada fiança. Ao final, se for comprovada
a culpa exclusiva da vítima, em sede processo judicial, o autor será absolvido e o valor pago pela fiança,
ser-lhe-á restituído.

731 – Com pode ser classificada a conduta de motorista embriagado que atropela e mata pessoa que
estava na calçada?
R.: Deve responder, em regra, pelo delito previsto no artigo 302 do CTB (homicídio culposo na direção
de veículo automotor). Entendemos que, na maioria dos casos, o agente age com culpa consciente,
acreditando, sinceramente, que é capaz de evitar um resultado danoso a terceiros. O fato de o motorista
estar embriagado não significa, por si só, que ele assumiu o risco de causar a morte de alguém.
Excepcionalmente, contudo, o motorista embriagado poderá responder por homicídio doloso, na
modalidade dolo eventual. Para tanto, deve restar bem caracterizado no processo o fato de ele haver
assumido o risco de causar o resultado morte, o que não é fácil.

732 – Pessoa jurídica pode impetrar Mandado de Segurança?


R.: Sim. Tanto o individual, quanto o coletivo. Assim vejamos: 5.º, que assim dispõe: "o mandado de
segurança coletivo pode ser impetrado por: a) partido político com representação no Congresso Nacional;
b) organização sindical, entidade de classe ou associação legalmente constituída e em funcionamento há
pelo menos um ano, em defesa dos interesses de seus membros ou associados".

733 – De acordo com o estatuto do torcedor há crime caso ocorra venda de ingresso acima do preço?
R.: Sim, assim vejamos: Art. 41-F. Vender ingressos de evento esportivo, por preço superior ao
estampado no bilhete: (Incluído pela Lei nº 12.299, de 2010). Pena - reclusão de 1 (um) a 2 (dois)
anos e multa.

734 – Qual o procedimento?


R.: Por ser crime de menor potencial ofensivo, uma vez que a pena máxima não é superior a 2 anos, adota-
se o procedimento da lei 9099/95, inclusive com a possibilidade de suspensão condicional do processo, já
que a pena mínima não ultrapassa 1 ano.

735 – Qual o prazo da prisão temporária?


R.: O artigo 2º da Lei 7.960/89, ipisis literis: Art. 2º - A prisão temporária será decretada pelo juiz, em face
de representação da autoridade policial ou de requerimento do Ministério Público, e terá o prazo de cinco
dias, prorrogável por igual período, me caso de extrema e comprovada necessidade. Em se tratando de
crime hediondo ou equiparados, o prazo será de 30 dias, prorrogáveis por igual período.

736 – O delegado de polícia tem que esperar concluir o IP para representar pela prisão temporária?
R.: Não. Pelo contrário, ultrapassada a fase da persecução policial, não é mais possível o decreto de prisão
temporária.

Legislação Especial - Examinador: Jorge Luís Neves Esteves

737 – Lei 12850/13 – lei contra as organizações criminosas – no número mínimo de 4 integrantes, o
senhor como delegado pode incluir o agente infiltrado? Por quê
R.: O policial infiltrado não pode ser computado para perfazer o número de quatro integrantes para a
organização criminosa porque não age com o necessário animus associativo. A sua finalidade, aliás, é
diametralmente oposta, qual seja, desmantelar a sociedade criminosa.

738 – Artigo 2º, §3º qual o bem jurídico desse tipo penal?
R.: Paz pública, ou seja, o sentimento coletivo e de confiança na ordem e proteção jurídica, que, pelo
menos em tese, se veem atingidos pela societas criminis.
739 – O que esta lei faculta ao juiz deferir liminarmente, se se houver indícios de participação de
funcionário público?
R.: § 5o - Se houver indícios suficientes de que o funcionário público integra organização criminosa,
poderá o juiz determinar seu afastamento cautelar do cargo, emprego ou função, sem prejuízo da
remuneração, quando a medida se fizer necessária à investigação ou instrução processual.

740 – A condenação com trânsito em julgado causará algum efeito extrapenal ao funcionário
público?
R.: § 6o - A condenação com trânsito em julgado acarretará ao funcionário público a perda do cargo,
função, emprego ou mandato eletivo e a interdição para o exercício de função ou cargo público pelo prazo
de 8 (oito) anos subsequentes ao cumprimento da pena.

741 – Qual é a modalidade de ação penal nas contravenções penais?


R.: Ação penal pública incondicionada, nos termos do art. 17, do Decreto Lei 3688/41

742 – E no caso de lesões corporais culposas?


R.: O CP não pune lesão corporal culposa, porém, O CTB, no seu art. 303, diz que Praticar lesão corporal
culposa na direção de veículo automotor: Penas - detenção, de seis meses a dois anos e suspensão ou
proibição de se obter a permissão ou a habilitação para dirigir veículo automotor, nessa hipótese a ação
penal pública incondicionada.

743 – Dentro da independência funcional, adotaria qual entendimento?


R.: Acredito que tal pergunto tenha sido formulado, em decorrência da resposta à questão anterior, dada
pelo candidato. De modo que, não sabendo o que foi respondido ao examinador, resta prejudicada a
questão.

744 – Qual o juízo competente para processar e julgar contravenção penal?


R.: Todas as contravenções penais são apuradas pela Justiça Comum Estadual, ainda que atinjam bens,
serviços ou interesses da União. Isso porque o art. 109 , IV , da Constituição Federal exclui a
competência da Justiça Federal para o julgamento das contravenções penais. Entretanto, há uma
exceção: se o autor da contravenção tiver foro especial na Justiça Federal (ex. juiz federal) a competência
para julgamento será da Justiça Federal.

745 – O que a lei considera contravenção penal?


R.: Contravenção penal consiste numa infração penal de baixa gravidade, considerada um "delito
menor", cuja pena varia entre a prisão simples e/ou o pagamento de multa.
746. Outras leis penais preveem contravenções? Em caso positivo, quais?
R.: Sim, outras leis penais preveem contravenções no ordenamento jurídico brasileiro, não estando esse
tipo de infração penal adstrito ao Decreto lei de n. 3688/41, mas esparsas na legislação penal extravagante.
Podemos citar como exemplos de contravenções penais que não estão elencadas na lei de contravenções
as de reter documento particular prevista na lei de n. 5553/68, dentre outras.

747. Lei 9099/95 → como delegado de polícia pode instaurar inquérito policial nas infrações de
menor potencial ofensivo, ou somente termo circunstanciado?
R.: Em regra, no que concerne as infrações de menor potencial ofensivo, o Delegado de Polícia, ao tomar
conhecimento de sua prática, deverá abrir Termo Circunstanciado de Ocorrência, haja vista tratar-se de
infrações penais de menor potencial ofensivo previstas na Lei de n. 9099/95. Porém, tratando-se de
infração penal de menor potencial ofensivo cometida em conexão com crimes as quais permitam a
investigação por meio de IP, será defeso ao Delta a instauração deste procedimento para apurações dos
fatos. Ademais, parte da doutrina também enxerga possível a instauração de IP para investigar infrações
de menor potencial ofensivo cometidas em concurso de crimes ou quando, pela complexidade do caso,
seja mais viável a investigação e elucidação dos fatos criminosos.

748. Aplica-se a Lei de n. 9099/95 ao crime de porte de drogas previsto no artigo 28 da Lei 11343/06?
R.: Sim, aplica a lei de juizados ao crime de porte de drogas pra consumo pessoal. Segundo jurisprudência
majoritária, não houve descriminalização da conduta de portar droga para consumo pessoal, mas sim
despenalização. Sendo assim, por tratar-se de infração penal de menor potencial ofensivo, perfeitamente
possível a aplicação de lei 9099/95, com exceção da possibilidade de prisão em flagrante do autuado,
mesmo nos casos em que este se nega a assinar termo de compromisso para comparecer aos juizados
especiais.

749. Qual o critério utilizado para fixar a competência do JECRIM?


R.: O critério para fixação da competência preconizado pelo art. 63 da Lei de n.9099/95 foi a teoria da
atividade, que afirma ser competente para processar e julgar a determinada infração penal a autoridade do
Juizado em que esta foi praticada. Este é o entendimento majoritário na doutrina e jurisprudência brasileira.
Importante ressaltar que parte da doutrina penalista enxerga que o supracitado artigo é terreno fértil para
aplicação da teoria do resultado, e outra parte dos penalistas enxergam aplicável a teoria da ubiquidade.

750 – De que forma a citação é feita na Lei de n. 9099/95?


R.: Em regra, as citações feitas pelo juizado são produzidas através de correspondência, com aviso de
recebimento em mão própria; ou, quando necessário, por oficial de justiça, independente de mandato ou
carta precatória, nos termos do art. 18 da lei de juizados. Importante ressaltar que, quando for necessária
a citação por edital, o processo não seguira nos juizados especiais, uma vez que esta modalidade citatória
é incompatível com o procedimento célere de julgamento destas infrações penais. Neste caso, o processo
será enviado para o juízo comum, para que este possa proceder a citação editalícia, adotando-se, neste
caso, o procedimento sumarissímo previsto no Código de Processo Penal.

751 – Lei de Improbidade Administrativa. Qual a modalidade de improbidade administrativa que


comporta conduta dolosa ou culposa?
R.: Segundo a doutrina majoritária, a única modalidade de improbidade administrativa que pode ser
praticada tanto a título de dolo como de culpa é a modalidade de improbidade que resulta prejuízo ao erário
prevista no art. 10 da Lei de n. 8429/92. As demais modalidades – enriquecimento ilícito e violação aos
princípios da administração pública – somente podem ser praticadas a título de dolo.

752 – O rol de modalidades é um rol taxativa ou exemplificativo?


R.: Segundo doutrina majoritária, o rol de improbidade administrativa presente na lei de n. 8429/92 é
exemplificativo, podendo haver outros atos ímprobos em legislação extravagante.

753 – Determina que um subordinado seu vá com o caminhão público retirar entulho de uma obra
particular sua. Responde por que crime?
R.: No exemplo supracitado, não há que se falar em cometimento de crime, em razão do princípio da
taxatividade do direito penal. Isto porque não há nenhum dispositivo legal que tipifique a conduta narrada
no ordenamento jurídico brasileiro. Entretanto, tal atividade poderá ser considerada ilícita, constituindo
ato de improbidade administrativa que resulta enriquecimento ilícito, já que o ato de permitir que se
utilize, em obra ou serviço particular, veículos, máquinas, equipamentos ou material de qualquer natureza,
de propriedade ou à disposição de qualquer das entidades mencionadas no art. 1° desta lei, bem como o
trabalho de servidor público, empregados ou terceiros contratados por essas entidades é considerado ato
ímprobo nos termos do art. 10, inc. XIII da lei de n. 8429/92

754 – Funcionário Público que frustrar a licitude de concurso público comete que crime?
R.: Em razão da conduta narrada não estar atualmente tipificada como crime no ordenamento jurídico
brasileiro, o funcionário público que apenas frustra a licitude de concurso público pratica conduta atípica.
Porém, a doutrina enxerga a prática de ato de improbidade administrativa nesta conduta, nos termos do
art. 11, V, da Lei de n. 8429/92

755 – Lei 7210/84. É possível que o preso condenado a regime inicialmente fechado trabalhe fora do
estabelecimento penitenciário?
R.: Sim. Nos termos da Lei de Execuções Penais, é perfeitamente possível o trabalho externo do preso.
Para isso, é necessário que o apenado tenha cumprido mais de 1/6 da reprimenda, tenha aptidão, disciplina
e responsabilidade. Importante ressaltar que somente é admitido o trabalho externo do preso em serviços
ou obras públicas realizadas por órgãos da administração direta ou indireta, ou entidades privadas, desde
que tomadas as cautelas contra a fuga e a favor da disciplina. Por fim, a prestação de trabalho em entidade
privada depende de consentimento expresso do preso.

756 – Qual o prazo máximo do RDD?


R.: Segundo a lei de Execução Penal, o Regime Disciplinar Diferenciado pode ser aplicado ao preso que
cometer crime doloso, quando ocasione subversão a ordem ou disciplinas internas. O prazo máximo do
RDD é de 360 dias, sem prejuízo de novas renovações, até o limite máximo de 1/6 da pena aplicada.

757 – A prorrogação se daria de que forma?


R.: A prorrogação do RDD deverá se dar mediante ato devidamente fundamentado, em decisão do
magistrado responsável pela execução penal que demonstre efetivamente ainda estarem presentes alguns
dos requisitos autorizadores desta medida, nos termos da Lei de n. 7210/84

758 – LEP, artigo 39 → É correto afirmar que a remuneração do trabalho não poderá ser inferior
ao salário mínimo?
R.: Tal assertiva está incorreta. Isto porque, segundo o art. 29 da LEP, o trabalho do preso deverá ser
obrigatoriamente remunerado, entretanto, tal remuneração não poderá ser inferior a ¾ do salário mínimo.

759 – No âmbito das faltas disciplinares e suas sanções, a tentativa será punida da mesma forma da
falta consumada?
R.: Sim, a jurisprudência do STJ já entende que a tentativa de falta grave será punida da mesma forma da
falta grave consumada.

Legislação Especial - Examinador: Ana Cristina dos Santos Lutério

760 – No que constitui crime contra a ordem econômica?


R.: Tratam de infrações penais que possuem como bem jurídico protegidos a produção, circulação ou
distribuição de riqueza, ou seja, uma verdadeira ordem econômica.
O Direito Penal econômico trata-se do ramo responsável pela realização do intervencionismo jurídico-
penal nas relações econômicas.

761 – Cite algumas condutas que configure crime contra a ordem econômica.
R.: Podemos citar algumas condutas criminosas tipificadas na lei de n. 8137/90, quais sejam: abusar do
poder econômico, dominando o mercado ou eliminando, total ou parcialmente, a concorrência mediante
qualquer forma de ajuste ou acordo de empresas; bem como qualquer ajuste ou alianças entre os ofertantes,
visando a fixação artificial de preços ou quantidades vendidas ou produzidas; ao controle regionalizado
de mercados por empresas ou grupos de empresas, ambas ações presentes no art. 4º da supracitada lei.

762 – Existe modalidade culposa de crime contra a ordem tributária?


R.: Os tipos penais da lei dos crimes contra a ordem tributária, econômica e contra as relações de consumo
são, de regra, dolosos; todavia, em sede de crimes contra a ordem tributária, não se cogita da existência da
modalidade culposa, encontrada na referida legislação apenas em alguns tipos relativos aos crimes contra
as relações de consumo

763. Porte de arma permitida com a numeração raspada. Qual seria o crime?
R.: O crime seria o previsto no art. 16, parágrafo único, IV, da Lei nº 10.826/03, segundo plenário do STF
é irrelevante se a arma de fogo é de uso permitido ou restrito, bastando que o identificador esteja suprimido.
Pois o dispositivo prioriza a função estatal da circulação das armas de fogo existentes no país, e não apenas
a incolumidade pública.

764. Se uma pessoa porta ilegalmente duas armas de fogo, responde por quais crimes?
R.: Conforme entendimento firmado pelo STJ, a posse ilegal de duas armas de fogo não configura concurso
formal de crimes, devendo, na espécie, ser reconhecida a existência de delito único, ou seja, não responde
por crimes e sim por crime de porte ilegal de armas (art. 14 ou 16, Lei 10.826/03. (HC 104.669 - STJ).

765. Para se delimitar se um crime é hediondo o critério é legal, judicial ou misto?


R.: O critério legal ou enumerativo é estabelecido crimes hediondos pelo legislador de forma exaustiva.
No critério judicial o juiz possui ampla liberdade para identificar o crime hediondo. Já no critério misto
ou legislativo definidor, caracteriza-se pela apresentação de um conceito legal, fornecendo alguns traços
próprios de hediondez. Com essa apresentação prévia, seria incumbência do juiz enquadrar determinada
conduta criminosa como hedionda.
A Lei nº 8.072/90 adotou como delimitação de crime hediondo o critério legal, ou seja, não houve conceito
de crime hediondo, mas etiqueta determinados crimes como hediondos.

766. No que consiste o crime hediondo?


R.: Semanticamente, significa ato profundamente repugnante, imundo, horrendo, ou seja, ato
indiscutivelmente nojento, segundo os padrões da moral vigente. Com base na previsão constitucional,
para os crimes hediondos não há fiança nem graça ou anistia, indulto ou liberdade provisória.
No sentido jurídico, a Lei nº 8.072/90 expressamente prevê os crimes hediondos. O que significa que a lei
escolheu determinados crimes já previstos no Código Penal, para defini-los como hediondos, tratando-os
com rigor maior.
767. O crime de sequestro relâmpago, que gera morte da vítima, é considerado hediondo?
R.: Para Guilherme de Souza Nucci, não é considerado hediondo. O modo para transformar crime em
hediondo é inseri-lo no rol do art. 1º da Lei nº 8.072/90, ou seja, é critério enumerativo ou legal. Já para
Luiz Flávio Gomes e Rogério Sanches Cunha, o crime de extorsão previsto no §3º do art. 158 do CP,
quando resulta morte, é sim hediondo, por força de uma interpretação extensiva do §2º. Mas nem todas as
disposições da lei em comento são aplicáveis, isto é, só as constitucionalmente legítima é que podem ser
sustentadas no Estado humanista de Direito, que é a síntese do Estado legal, constitucional e internacional
de Direito.

768. Organização criminosa é uma novatio legis incriminadora?


R.: Sim, pois a Lei nº 12.850/13 trouxe um tipo penal novo, previsto em seu art. 2º. Este tipo penal não
era previsto na legislação revogada (Lei nº 9.034/95).

769. É necessário que ocorra ilícito no âmbito da organização para que o crime de organização
criminosa se configure?
R.: Não é necessário, pois como se trata de crime formal, consuma-se com a simples prática dos verbos
do tipo (“Promover, constituir, financiar ou integrar” - art. 2º da Lei nº 12.850/13), não sendo necessário
que se efetivem os crimes.

770. (Lei de Biossegurança) O que a lei considera como atividade de pesquisa?


R.: Nos termos do §1º da Lei nº 11.105/05, considera-se atividade de pesquisa “a realizada em laboratório,
regime de contenção ou campo, como parte do processo de obtenção de OGM e seus derivados ou de
avaliação da biossegurança de OGM e seus derivados, o que engloba, no âmbito experimental, a
construção, o cultivo, a manipulação, o transporte, a transferência, a importação, a exportação, o
armazenamento, a liberação no meio ambiente e o descarte de OGM e seus derivados.

771. No que consiste a unidade doméstica para a lei Maria da Penha?


R.: Consoante a Lei nº 11.340/06, o art. 5º, inciso I, a unidade doméstica é compreendida “como o espaço
de convívio permanente de pessoas, com ou sem vínculo familiar, inclusive as esporadicamente
agregadas”.

772. É necessário o vínculo familiar?


R.: A própria Lei deixa claro, “com ou sem vínculo familiar, portanto, não é necessário.

773. (Estatuto da Juventude) Cite três princípios de políticas públicas para a juventude?
R.: Conforme prevê o art. 2º da Lei nº 12.852/13, “I - promoção da autonomia e emancipação dos jovens;
II - valorização e promoção da participação social e política, de forma direta e por meio de suas
representações; e III - promoção da criatividade e da participação no desenvolvimento do País.
Acima tem-se a resposta. Para melhor conhecimento, continuo: “IV - reconhecimento do jovem como
sujeito de direitos universais, geracionais e singulares; V - promoção do bem-estar, da experimentação e
do desenvolvimento integral do jovem; VI - respeito à identidade e à diversidade individual e coletiva da
juventude; VII - promoção da vida segura, da cultura da paz, da solidariedade e da não discriminação; e
VIII - valorização do diálogo e convívio do jovem com as demais gerações”.

774. No que consiste a ação controlada na Lei de Drogas?


R.: É um meio extraordinário de obtenção de provas. Há previsão do instituto da ação controlada no art.
53 da Lei nº 11.343/06:
Art. 53. Em qualquer fase da persecução criminal relativa aos crimes previstos nesta Lei, são permitidos,
além dos previstos em lei, mediante autorização judicial e ouvido o Ministério Público, os seguintes
procedimentos investigatórios:
I - a infiltração por agentes de polícia, em tarefas de investigação, constituída pelos órgãos especializados
pertinentes;
II - a não atuação policial sobre os portadores de drogas, seus precursores químicos ou outros produtos
utilizados em sua produção, que se encontrem no território brasileiro, com a finalidade de identificar e
responsabilizar maior número de integrantes de operações de tráfico e distribuição, sem prejuízo da ação
penal cabível.
Parágrafo único. Na hipótese do inciso II deste artigo, a autorização será concedida desde que sejam
conhecidos o itinerário provável e a identificação dos agentes do delito ou de colaboradores.

775. Para se descriminalizar o porte, o que é necessário: EC, lei ordinária ou lei complementar?
R.: A Lei nº 11.343/06 é uma lei ordinária, dessa forma, outra lei ordinária poderá descriminalizar a
conduta de portar drogas. É possível, também, lei complementar veicular matéria reserva à lei ordinária,
sem incorrer em vício de inconstitucionalidade formal, mas nesse caso, tal lei só será apenas formalmente
complementar (será materialmente ordinária), ou seja, o conteúdo dessa lei permanecerá com status
ordinário.

776. Existe diferença entre racismo e injúria racial?


R.: Sim. A injúria racial está contida no CP e consiste em ofender a honra de alguém valendo-se de
elementos referentes à raça, cor, etnia, religião ou origem; já o crime de racismo está previsto na Lei nº
7.716/89 e consiste em atingir uma coletividade indeterminada de indivíduos, discriminando toda a
integralidade de uma raça, além do mais, ao contrário da injúria racial, é inafiançável e imprescritível.
777. (Lei nº 7.716, artigo 20, §3º, I) Há diferença entre recolhimento imediato e busca e apreensão?
R.: Sim. Haverá diferença a depender do meio de comunicação social ou publicação de qualquer natureza
utilizado pelo agente. O recolhimento imediato e a busca e apreensão são providências que asseguram
evitar ou amenizar o dano à vítima.
Por exemplo: uma empresa lança um jornal possuidor de informação preconceituosa. O art. 20, §3º, I,
prevê o uso do instituto do recolhimento imediato do jornal em circulação, bem como sua busca (meio) e
apreensão (fim). Por outro lado, o jornal eletrônico preconceituoso não será apreendido, mas sim recolhido
ou retirado da rede mundial de computadores.

778. (Lei nº 12.037) Quando o indivíduo, mesmo apresentando documento, terá a identificação
criminal?
R.: Conforme a Lei nº 12.037/09, seu artigo 3º dispõe que “poderá ocorrer identificação criminal quando:”
I – o documento apresentar rasura ou tiver indício de falsificação;
II – o documento apresentado for insuficiente para identificar cabalmente o indiciado;
III – o indiciado portar documentos de identidade distintos, com informações conflitantes entre si;
IV – a identificação criminal for essencial às investigações policiais, segundo despacho da autoridade
judiciária competente, que decidirá de ofício ou mediante representação da autoridade policial, do
Ministério Público ou da defesa;
V – constar de registros policiais o uso de outros nomes ou diferentes qualificações;
VI – o estado de conservação ou a distância temporal ou da localidade da expedição do documento
apresentado impossibilite a completa identificação dos caracteres essenciais.

779. É possível aplicar a extraterritorialidade na Lei de Contravenções Penais (LCP)?


R.: Não é possível aplicar extraterritorialidade nas contravenções, por expressa previsão legal. O Decreto-
lei nº 3.688/41, art. 2º, assim estabelece: “a lei brasileira só é aplicável à contravenção praticada no
território nacional”.

Examinador: CARLOS ALBERTO DA CUNHA

780.Na LOP, quais as penas possíveis?


R: Segundo o art. 67, da LC 207/1979, são penas previstas na LOP: advertência, repreensão, multa,
suspensão, demissão, demissão a bem do serviço público e cassação de aposentadoria ou disponibilidade.
Além destas, o art. 68 da lei ainda acrescenta a pena de remoção compulsória.

781. Quem é considerado egresso?


R: Egresso é aquele que deixa o presídio pelo prazo de um ano, bem como o que se encontra em livramento
condicional.
782. Qual a finalidade do trabalho do condenado?
R: O trabalho do preso tem finalidade educativa e produtiva (art. 28, da LEP).

783. Tal trabalho se submete à CLT?


R: O trabalho do preso não se submete à CLT (art. 28, §2º, da LEP).

784. É remunerado?
R: Sim. O trabalho do preso será remunerado, mediante prévia tabela, não podendo ser inferior a ¾ do
salário mínimo. (art. 29, da LEP).

785. Cite três deveres do condenado.


R: Os deveres do preso se encontram no rol taxativo do art. 39 da LEP. Dentre eles podem ser citados: o
dever de urbanidade e respeito no trato com os demais condenados (art. 39, III, da LEP), o dever de
submissão à sanção disciplinar imposta (art.39, VI, LEP) e o dever de conservação dos objetos de uso
pessoal (art. 39, X, LEP).

786. Quais as consequências de prática da falta grave?


R: A prática de falta grave pode interromper o prazo para a progressão de regime, acarretar a regressão de
regime, causar revogação das saídas temporárias, revogar até 1/3 do tempo remido, pode sujeitar o
condenado ao RDD, gerar suspensão ou restrição de direitos, acarretar em isolamento do preso na própria
cela ou em local adequado e, se o réu está cumprindo pena restritiva de direitos, esta poderá ser convertida
em privativa de liberdade.

787. Lei de crimes hediondos – Existe delação premiada nessa lei?


R: Sim, a delação premiada está prevista no art.8, parágrafo único, da L. 8072/90.

788. Em relação à liberdade provisória, cabe tal instituto na lei de crimes hediondos?
R: Apesar da Lei 8072/90 vedar a fiança, não há vedação de concessão de liberdade provisória sem fiança
(a redação originária da Lei 8072/90 proibia, mas esta vedação foi revogada pela Lei 11464/07).

789. E o cumprimento da pena em regime integral está na lei de crimes hediondos?


R: A redação originária da Lei 8072/90 previa o cumprimento de pena em regime integralmente fechado.
O dispositivo que previa regime integralmente fechado foi declarado inconstitucional pelo STF (HC
82.959/SP) por violar o princípio da individualização da pena. Posteriormente, a Lei 11.464/07 previu que
a pena, no caso de crime hediondo, seria cumprida em regime inicialmente fechado. Essa norma também
foi reconhecida inconstitucional por violar o princípio da individualização da pena (STF, HC 111840).
790. Quais os requisitos para inclusão de uma pessoa no programa de proteção à testemunhas?
R: O legislador elencou os seguintes requisitos no art. 2º da L. 9807/99: a gravidade da coação ou da
ameaça à integridade física ou psicológica; a dificuldade de preveni-las ou reprimi-las pelos meios
convencionais e a sua importância para a produção da prova.

791. Quais as medidas para garantir a segurança da pessoa submetida à proteção?


R: As medidas estão expostas no art. 7º da L. 9807/99 e são as seguintes:
I - segurança na residência, incluindo o controle de telecomunicações;
II - escolta e segurança nos deslocamentos da residência, inclusive para fins de trabalho ou para a prestação
de depoimentos;
III - transferência de residência ou acomodação provisória em local compatível com a proteção;
IV - preservação da identidade, imagem e dados pessoais;
V - ajuda financeira mensal para prover as despesas necessárias à subsistência individual ou familiar, no
caso de a pessoa protegida estar impossibilitada de desenvolver trabalho regular ou de inexistência de
qualquer fonte de renda;
VI - suspensão temporária das atividades funcionais, sem prejuízo dos respectivos vencimentos ou
vantagens, quando servidor público ou militar;
VII - apoio e assistência social, médica e psicológica;
VIII - sigilo em relação aos atos praticados em virtude da proteção concedida;
IX - apoio do órgão executor do programa para o cumprimento de obrigações civis e administrativas que
exijam o comparecimento pessoal.

792. Protege também os familiares?


R: Sim, de acordo com o art. 2º, §1º, da L. 9807/99, a proteção poderá ser dirigida ou estendida ao cônjuge
ou companheiro, ascendentes, descendentes e dependentes que tenham convivência habitual com a vítima
ou testemunha, conforme o especificamente necessário em cada caso.

793. O que constitui o crime de abuso de autoridade?


R: O crime de abuso de autoridade é, via de regra, um atentado contra as liberdades e garantias do cidadão.
São crimes funcionais que violam dois bens jurídicos tutelados pela lei, quais sejam, o regular
funcionamento da Administração Pública e os direitos e garantias fundamentais previstos na CF. São
crimes que só existem na forma dolosa.

794. Que tipo de agente público pode cometer o crime de abuso de autoridade?
R: Nos termos do art. 5º, da lei de Abuso de Autoridade, considera-se autoridade, para efeitos de
cometimento do crime de abuso de autoridade, quem exerce cargo, emprego ou função pública, de natureza
civil, ou militar, ainda que transitoriamente e sem remuneração. Para Habib, não importa a forma de
investidura ou vínculo com o Estado. Além disso, basta que a autoridade pública invoque a função, ainda
que não esteja no exercício da função no momento da prática.

795. Quais as sanções administrativas da lei de abuso de autoridade?


R: Na Lei de abuso de autoridade existem as seguintes sanções administrativas (art. 6º, da Lei):
advertência; repreensão; suspensão do cargo, função ou posto por prazo de 5 a 180 dias, com perda de
vencimentos e vantagens; destituição de função; demissão e demissão a bem do serviço público.

796. Quais as modalidades de tortura previstas na lei 9455/97?


R: Na Lei 9455/97, existem as seguintes modalidades de tortura: tortura-probatória (art. 1º, I, a, da L.
9455/97), tortura-crime (art. 1º, I, b, da L. 9455/97), tortura-discriminatória (art. 1º, I, c, da L. 9455/97),
tortura-castigo (art. 1º, II, da L. 9455/97), tortura pela tortura (art. 1º, §1º, da L 9455/97) e tortura
omissão(art.1º, §2º, da L. 9455/97).

797.Tortura é um crime que pode ser praticado de forma livre?


R.: Sim. O crime de tortura é doutrinariamente classificado como crime de ação livre uma vez que poderá
ser praticado por qualquer meio (omissivo ou comissivo), como por exemplo: privação de alimentos ou
cuidados indispensáveis, privação da liberdade, castigos imoderados, dentre outros. Lei 9.455/97.

798.Quais os requisitos gerais da prisão temporária?


R.: Para a decretação da prisão temporária deverão ser preenchidos os requisitos cautelares Fumus Comissi
Delicti e Periculum Libertatis. O primeiro requisito estará preenchido quando houver fundadas razões de
autoria ou participação em algum dos crimes descritos nas alíneas do inciso III do art. 1º da Lei 7.960/89.
O segundo, por sua vez, estará satisfeito quando evidenciada a imprescindibilidade da segregação cautelar
para as investigações do inquérito (art. 1º, I) ou, quando o investigado não possuir residência fixa ou não
fornecer elementos que viabilizem sua identificação (art. 1º, II). Portanto, para o deferimento da cautelar
deverão estar presentes as hipóteses do inciso I ou II e III. Art. 1º da Lei 7.960/89.

799.Quem pode requerer a prisão temporária?


R.: O requerimento da prisão temporária é atribuição legal conferida ao delegado de polícia mediante
representação e ao ministério público por meio de requerimento. Art. 2º da Lei 7.960/89.

800.O juiz pode decretar de ofício?


R.: Não. A prisão temporária é medida cautelar exclusiva da fase investigatória cuja decretação exige
provocação mediante representação da autoridade policial ou requerimento ministerial. A decretação pelo
juiz, de ofício, configura violação ao sistema acusatório. Art. 2º da Lei 7.960/89.
801. Qual o prazo da conclusão do IP na hipótese do réu estar preso, sendo a prisão temporária de
30 dias?
R.: De acordo com a doutrina, nas hipóteses em que o réu estiver preso em razão da decretação de prisão
temporária por 30 dias o prazo para a conclusão do inquérito policial será de 30 dias. Este prazo poderá
ser estendido se houver prorrogação da segregação temporária.

802.O plantio de apenas um pé de maconha configura crime?


R.: O plantio de apenas um pé de maconha sem autorização ou em desacordo com a determinação legal
caracteriza o tipo penal do art. 28, § 1º da Lei 11.343/06, desde que evidenciado que a droga destina-se ao
consumo pessoal do agente.
Art. 28, §§ 1º e 2º da Lei 11.343/06.

803.Qual o prazo do IP no caso da lei de entorpecentes?


R.: O inquérito policial instaurado para apurar crimes previstos na Lei 11.343/06 deverá ser concluído no
prazo de 30 dias se o investigado estiver preso e em 90 dias, quando solto. Os prazos poderão ser
duplicados pela autoridade judiciária. Art. 51, caput e p.ú. da Lei 11.343/06.

804.Qual o conceito de meio ambiente?


R.: Meio ambiente é o conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem física, química e
biológica, que permite, abriga e rege a vida em todas as suas formas. Art. 3º, I, da Lei 6.938/81.

805.O que são crimes contra a fauna?


R.: Crimes contra a fauna são os crimes previstos no capítulo V, seção I, da Lei 9.605/98, cujo objeto
jurídico é o meio ambiente ecologicamente equilibrado e o objeto material é a vida animal.

806.O corte da orelha de cachorro pode caracterizar crime ambiental?


R.: Sim. A ação humana voluntária e consciente da qual decorra ferimento ou mutilação de animais
domésticos encontra adequação típica no caput do art. 32 da Lei 9.605/98.

807.A pichação em imóvel particular constitui crime ambiental?


R.: Sim. Conforme preconiza o art. 65 da Lei 9.605/98 a ação humana consciente e voluntária de pichar
edificação ou monumento urbano caracteriza crime ambiental contra o ordenamento urbano e o patrimônio
cultural. Ademais, se a conduta recair sobre bem tombado estará caracterizada a modalidade qualificado
prevista no § 1º do artigo supracitado.

808.Estatuto do torcedor – De quem é a responsabilidade pelos torcedores em evento esportivo?


R.: A segurança dos torcedores em evento esportivo é responsabilidade solidária da entidade organizadora
da competição e da entidade de prática desportiva detentora do mando de jogo e seus dirigentes conforme
preconizam os artigos 14 e 19 do Estatuto do Torcedor.

Examinador: WILSON RICARDO PITUBA PERES

809.Violência doméstica – Após realizar todos os trabalhos, qual o prazo para encaminhar os autos
ao juiz?
R.; Depende. A autoridade policial terá o prazo de 48 horas para encaminhar ao juiz expediente apartado,
com o pedido da ofendida, visando à decretação de medida protetiva de urgência. No entanto, tratando-se
de inquérito policial, a autoridade policial deverá encaminhá-lo ao juiz dentro do prazo previsto em lei.
Art. 12, III e VII, da Lei 11.340/06.

810.E o que é tráfico privilegiado?


R.: Tráfico privilegiado é a denominação doutrinária utilizada para designar a incidência da causa de
diminuição de pena prevista no § 4º do artigo 33 da Lei 11.343/06. Sua configuração pressupõe

811.A aplicação da causa de diminuição de pena do Artigo 33, § 4º da Lei de Tráfico afasta a
hediondez do crime de tráfico?
R.: Segundo entendimento jurisprudencial dominante a incidência da causa de diminuição de pena do § 4º
do art. 33 da Lei 11.343/06 afasta o caráter hediondo do tráfico de drogas.

812.Indivíduo que oferece cigarro de maconha para sua namorada sem o intuito de lucro pratica
algum delito?
R.: O oferecimento de droga, de forma eventual e sem objetivo de lucro, a pessoa de seu relacionamento
para o consumo conjunto caracteriza o tipo penal previsto no art. 33, § 3º da Lei 11.343/06.

813.Cite dois meios de identificação civil, excluindo-se o RG.


R.: Conforme preconiza o art. 2º da Lei 12.037/09 a identificação civil poderá ser atestada mediante a
apresentação da carteira profissional, carteira de trabalho, passaporte, dentre outros.

814.O que está incluso na identificação criminal?


R.: É por meio dessa identificação que se levantam dados válidos e confiáveis das características do
provável autor de um ilícito penal, uma vez que dele são extraídas informações peculiares (qualificação,
características e sinais físicos, modo de agir, etc.), dentre outras de interesse policial.
Os dados são coletados por ocasião da prisão em flagrante ou indiciamento em inquérito policial (ato pelo
qual a autoridade policial atribui a alguém a prática de uma infração penal baseado em indícios de autoria)
e posteriormente inseridos nos bancos de dados dos Estados para auxiliar os órgãos policiais e o Poder
Judiciário.

815.No que consiste o princípio da especialidade?


R.: O princípio da especialidade resolve o conflito aparente entre uma norma que traz
elementos especializantes em relação à outra norma. O conflito é entre uma norma especial e uma norma
geral. Neste caso, o princípio da especialidade orienta que a primeira (especial) afasta a segunda (geral),
porque é especial em relação a ela. É o conflito, por exemplo, entre um tipo penal simples e um tipo penal
qualificado (furto simples e furto qualificado, estupro simples e estupro qualificado, etc.). Estando
presentes todos os elementos do tipo penal qualificado, a sua aplicação prevalecerá sobre o tipo penal
simples.

816.A prisão temporária pode ser decreta apenas no IP ou também na fase processual?
R.: A prisão temporária é uma modalidade bem peculiar de prisão cautelar, pois possui prazo certo e só
pode ser determinada durante a investigação policial. Assim, após o recebimento da denúncia ou queixa,
não poderá ser decretada nem mantida a prisão temporária.
Art.1º, I, da Lei 7.960/89: Caberá prisão temporária:
I – quando imprescindível para as investigações do inquérito policial.

817.Os requisitos previstos por decretação de prisão temporária são cautelares (cumulativos) ou
alternativos?
R.: Diverge a doutrina quanto aos requisitos para a decretação da prisão temporária, porém, a posição
majoritária é a de que somente é possível decretar a prisão temporária quando existir fundadas razões
de autoria ou participação do indiciado nos crimes listados no inciso III do artigo 1º da Lei 7.960/89,
vinculadas à imprescindibilidade da segregação cautelar para a investigação policial ou à situação de
ausência de residência certa ou identidade controversa. Só é cabível, portanto, quando estivermos diante
de um dos crimes do art. 1º, III e que esteja presente uma das duas situações previstas nos incisos I e II
do art. 1º da Lei 7.960/89.

818.Policial militar em serviço público pratica crime de tortura, nesse caso é considerado crime da
justiça comum ou da justiça militar?
R.: É considerado crime da justiça militar, pois com a alteração da Lei 13.491/17, que ampliou a
competência da Justiça Militar, os crimes perpetrados em serviço, no exercício da função por militar, salvo
dolosos contra a vida, serão julgados pela Justiça Militar estadual.
O inciso II, do artigo 9º, ganhou nova redação, ampliando sobremaneira a competência da Justiça
Militar Estadual. Agora todos os crimes, previstos no CPM ou mesmo sem previsão neste e somente na
Legislação Penal Comum (Código Penal e Leis Esparsas), serão julgados pela Justiça Militar, desde
que, em resumo, sejam praticados por Policial Militar em serviço, no exercício da função.

819.O que é a tortura/castigo?


R.: Tortura-castigo é uma modalidade de tortura que ocorre quando a tortura é infligida como forma de
aplicar castigo pessoal ou medida de caráter preventivo.
Art. 1º, Lei 9455/97 Constitui crime de tortura:
II - submeter alguém, sob sua guarda, poder ou autoridade, com emprego de violência ou grave ameaça, a
intenso sofrimento físico ou mental, como forma de aplicar castigo pessoal ou medida de caráter
preventivo.

820.O crime de tortura/castigo é crime próprio ou comum?


R.: É crime próprio, pois somente pode ser praticado por quem tenha o dever de guarda ou exerce poder
ou autoridade sobre a vítima. Ao mesmo tempo exige-se também uma condição especial do sujeito passivo,
que precisa estar sob a autoridade do torturador.

821.Diferencie qualificadora de morte da lei de tortura e o homicídio praticado mediante tortura.


R.: A intenção do agente é diferente nas duas. Na lei de tortura, o agente tem intenção de torturar e acaba
se excedendo, culposamente, e mata a vítima. Já no caso de homicídio praticado mediante tortura, o agente
desde o início da empreitada criminosa tem a intenção de matar, e usa a tortura como meio para tanto.

822.É possível concurso de particular no crime de abuso de autoridade?


R.: Sim, é possível se o particular souber da condição de autoridade pública do agente que comete o crime
de abuso de autoridade. O particular sozinho não comete este crime, salvo em concurso com funcionário
público e se souber desta condição elementar.

823.A proteção da vítima pode ser estendida a outras pessoas?


R.: Sim, pode ser estendida ao cônjuge ou companheiro, ascendentes, descendentes e dependentes que
tenham convivência habitual com a vítima ou testemunha, conforme o especificamente necessário em cada
caso.
Art.2, §2º, da Lei 9.807/99:
§ 1o A proteção poderá ser dirigida ou estendida ao cônjuge ou companheiro, ascendentes, descendentes
e dependentes que tenham convivência habitual com a vítima ou testemunha, conforme o especificamente
necessário em cada caso.

824.É possível ajuda financeira à vítima submetida ao programa de proteção?


R.: Sim, no caso de a pessoa protegida estar impossibilitada de desenvolver trabalho regular ou de
inexistência de qualquer fonte de renda, ela poder receber ajuda financeira mensal para prover as despesas
necessárias à subsistência individual ou familiar.
Art. 7o Os programas compreendem, dentre outras, as seguintes medidas, aplicáveis isolada ou
cumulativamente em benefício da pessoa protegida, segundo a gravidade e as circunstâncias de cada caso:
V - ajuda financeira mensal para prover as despesas necessárias à subsistência individual ou familiar, no
caso de a pessoa protegida estar impossibilitada de desenvolver trabalho regular ou de inexistência de
qualquer fonte de renda;

825.A autoridade policial durante o IP pode requerer o ingresso de vítima no programa?


R.: Sim, a autoridade policial pode requerer o ingresso de vítima no programa, de acordo com o que consta
a lei de proteção especial a vítima e a testemunhas (lei 9.807/99).
Art. 5o A solicitação objetivando ingresso no programa poderá ser encaminhada ao órgão executor:
III - pela autoridade policial que conduz a investigação criminal;

826.No que consiste ação controladora na Lei 12.850/2013?


R.: A ação controlada consiste na autorização legal concedida ao agente policial para, diante da prática de
infração penal, em vez de efetuar a prisão em flagrante delito, aguardar o momento mais adequado, de
forma a permitir a produção de uma prova mais robusta.
Art. 8º, lei 12.850/2013: Consiste a ação controlada em retardar a intervenção policial ou administrativa
relativa à ação praticada por organização criminosa ou a ela vinculada, desde que mantida sob observação
e acompanhamento para que a medida legal se concretize no momento mais eficaz à formação de provas
e obtenção de informações.

827. É possível infiltração de policiais como forma de investigação? Quem pode requerer?
R.: Sim, é possível infiltração de policiais como forma de investigação das organizações criminosas. A
infiltração será admitida se houver indícios da infração penal de organização criminosa e se a prova não
puder ser produzida por outros meios disponíveis.
Caberá ao delegado de polícia representar pleiteando ao juiz a medida, sendo necessária a oitiva do
Ministério Público, que também pode requerer a medida, após manifestação técnica do delegado de
polícia.
Art. 10. A infiltração de agentes de polícia em tarefas de investigação, representada pelo delegado de
polícia ou requerida pelo Ministério Público, após manifestação técnica do delegado de polícia quando
solicitada no curso de inquérito policial, será precedida de circunstanciada, motivada e sigilosa autorização
judicial, que estabelecerá seus limites.

828.Em que hipótese pode ser um IP avocado pelo superior hierárquico?


R.: Um IP pode ser avocado pelo superior hierárquico por motivo de interesse público ou nas hipóteses de
inobservância dos procedimentos previstos em regulamento da corporação que prejudique a eficácia da
investigação.
Lei 12.830/2013: Art. 1o Esta Lei dispõe sobre a investigação criminal conduzida pelo delegado de
polícial.
§ 4o O inquérito policial ou outro procedimento previsto em lei em curso somente poderá ser avocado ou
redistribuído por superior hierárquico, mediante despacho fundamentado, por motivo de interesse público
ou nas hipóteses de inobservância dos procedimentos previstos em regulamento da corporação que
prejudique a eficácia da investigação.

829.Em que hipótese será admitida a interceptação telefônica?


R.: A interceptação telefônica é admitida quando houver indícios razoáveis da autoria ou participação em
infração penal, a prova não puder ser feita por outros meios disponíveis e quando o fato investigado
constituir infração penal punida com pena de reclusão.
Lei 9.296/96: Art.2º: Não será admitida a interceptação de comunicações telefônicas quando ocorrer
qualquer das seguintes hipóteses:
- não houver indícios razoáveis da autoria ou participação em infração penal;
II - a prova puder ser feita por outros meios disponíveis;
III - o fato investigado constituir infração penal punida, no máximo, com pena de detenção.

830.Quem pode requerer a interceptação?


R.: A autoridade policial pode requerer a interceptação na investigação criminal e o representante do MP
pode requerer na investigação criminal ou em curso da instrução processual penal.
Art. 3° A interceptação das comunicações telefônicas poderá ser determinada pelo juiz, de ofício ou a
requerimento:
I - da autoridade policial, na investigação criminal;
II - do representante do Ministério Público, na investigação criminal e na instrução processual penal.

831.Vencido o prazo da prisão temporária, conforme o mandado, há necessidade de expedição de


alvará de soltura?
R: Uma vez vencido o prazo da prisão temporária, a colocação do indivíduo em liberdade independe da
expedição de alvará de soltura pelo juiz (art. 2°, § 7°, Lei 7.960/89).

832.CDC - Vícios aparentes e de fácil constatação – Qual o prazo de prescrição?


R: Para vícios aparentes ou de fácil constatação, o prazo prescricional é de 30 dias quando se tratar de
produtos ou serviços não duráveis, e em 90 dias para produtos ou serviços duráveis (art. 26, CDC).
Legislação Especial - Examinador: Jorge Luís Neves Esteves

833.Lei Maria da Penha, artigo 16 → Existe imperfeição jurídica aos institutos elencados neste
artigo?
R: Analisando o dispositivo, denota-se que há uma impropriedade do artigo quanto ao uso do termo
“renúncia”. Isso porque, se houver renúncia à representação, não haverá inquérito, nem ação penal. Assim,
a doutrina entende que deve ser compreendido este termo como retratação da representação que já foi
ofertada.

834.O artigo 17 veda a aplicação da pena de cesta básica. Existe previsão da pena de cesta básica em
nosso ordenamento jurídico?
R: Não existe previsão de tal pena no ordenamento jurídico pátrio. No entanto, criou-se uma praxe forense
na aplicação da transação penal (art. 76, 9099/95) que instituiu o pagamento de cestas básicas como pena
alternativa.

835.O juiz poderá decretar de ofício a prisão preventiva do agressor?


R: O art. 20 da Lei Maria da Penha, que é anterior ao art. 311 do CPP, permite expressamente a decretação
de prisão preventiva de ofício pelo juiz. Para uma corrente, a nova redação do art. 311, dada pela lei
12.403/11, revogou o art. 20 da LMP nesse ponto. No entanto, para outra parcela da doutrina, trata-se de
disposição especial que deve prevalecer sobre a norma geral prevista no CPP.

836.Cite três medidas protetivas que o juiz pode aplicar de imediato ao agressor.
R: Previstas no art. 22 da Lei 11.340/06, pode-se citar como exemplo de medidas protetivas que obrigam
o agressor: suspensão da posse ou restrição do porte de armas de fogo, afastamento do lar, domicílio ou
local de convivência com a ofendida, proibição de contato com a ofendida, seus familiares e testemunhas.

837.ECA → Há previsão de se manter o adolescente apreendido antes da sentença?


R: Sim, existe previsão de internação provisória, antes da sentença e com prazo máximo de 45 dias (art.
108, ECA).

838.Artigo 110 → Por que este dispositivo não se refere às crianças que praticam ato infracional?
R: Pois as crianças (até 12 anos incompletos) recebem tratamento próprio, com encaminhamento ao
Conselho Tutelar e estarão sujeitas apenas às medidas de proteção previstas no art. 101 do ECA. Apenas
o adolescente estará sujeito às medidas socioeducativas previstas no art. 112.

839.Por que as medidas socioeducativas não são consideradas penas?


R: Diferem-se pois as medidas socioeducativas são aplicadas apenas a adolescentes autores de atos
infracionais. Além disso, tem por finalidade basilar a reeducação social do adolescente, e deve ser pautada
pela brevidade.

840.Quais os três princípios para a estabelecer pena ao adolescente?


R: São eles o princípio da brevidade, excepcionalidade e respeito à condição peculiar da pessoa em
desenvolvimento.

841.Lei nº 9.099/95 → O autor do fato não foi encontrado. Qual a providência?


R: No Juizado não é admitida citação por edital. Se o infrator não for encontrado para ser citado
pessoalmente, ou se o ato não é realizado no próprio juizado, os autos serão remetidos a juízo comum (art.
66, parágrafo único, da Lei 9.099).

842.O Delegado de Polícia pode indiciar o autor de infração de menor potencial ofensivo, tendo sido
inquérito policial e não termo circunstanciado?
R: Como se sabe, em sede de termo circunstanciado não é possível o indiciamento. No entanto, em se
tratando de IMPO investigada por inquérito policial, nada o impede.

843.Pode prender em flagrante o autor de infração de menor potencial ofensivo?


R: O art. 69, p.u, da Lei 9.099/95 veda expressamente a prisão em flagrante, desde que, após a lavratura
do termo circunstanciado, seja o agente imediatamente encaminhado ao juizado ou assuma o compromisso
de a ele comparecer. Uma vez não assumido tal compromisso, é possível a lavratura do APF.

844.Se o juiz não quiser conduzir a conciliação, poderá delegar a alguém?


R: O art. 73 da Lei dos Juizados permite que audiência de conciliação seja conduzida por juiz ou por
conciliador, sob sua orientação.

845.CDC → É obrigatória a apresentação do CDC no estabelecimento comercial?


R: A Lei 12.291/10 torna obrigatória a manutenção de exemplar do Código de Defesa do Consumidor nos
estabelecimentos comerciais e de prestação de serviços.

846.Qual a diferença entre consumidor e fornecedor?


R: Consumidor é toda pessoa que adquire ou utiliza produto ou serviço como destinatário final. (CDC,
artigo 2º); Fornecedor é toda pessoa que desenvolve atividade de produção, montagem, criação,
construção, transformação, importação, exportação, distribuição ou comercialização de produtos ou
prestação de serviços (CDC, artigo 3º).
847.Ente despersonalizado pode ser considerado fornecedor para fins do CDC?
R: Sim, nos termos do art. 3° do CDC. Como exemplo, cite-se a ITAIPU Binacional

848.Serviços bancários se enquadram ao CDC como prestadores de serviço?


R.: Serviços bancários prestados por instituições financeiras atraem a incidência do CDC, conforme
entendimento sumulado pelo STJ (S 297, STJ: O Código de Defesa do Consumidor é aplicável às
instituições financeiras).

849.Lei 1.521/51 → Crimes contra a economia popular. Qual é a Súmula que dirimiu o conflito que
existia quanto à competência para julgamento dos crimes contra a economia popular?
R.: Será competente a Justiça Estadual, nos termos do enunciado da Súmula 498 do STF (Compete à
Justiça dos Estados, em ambas as instâncias, o processo e o julgamento dos crimes contra a economia
popular).

850.O sistema de “pirâmide” se enquadra nos crimes contra a economia popular? Justifique.
R.: Sim, aquele que pratica tal conduta incorre no delito previsto pelo artigo 2º, inciso IX, que consiste no
ato de tentar ou obter ganhos ilícitos, através de especulações ou meios fraudulentos, causando prejuízo a
diversas pessoas. A pena prevista é de 6 meses a 2 anos de detenção e multa. (Art. 2º. São crimes desta
natureza: IX - obter ou tentar obter ganhos ilícitos em detrimento do povo ou de número indeterminado
de pessoas mediante especulações ou processos fraudulentos ("bola de neve", "cadeias", "pichardismo" e
quaisquer outros equivalentes).

851.A que providência está o juiz vinculado após o encerramento do inquérito policial?
R.: O magistrado poderá decretar uma pena de interdição temporária de direitos, nos termos do artigo 47,
do CP, bem como a suspensão provisória do exercício da profissão pelo infrator por até 15 dias. Importante
ainda destacar que no caso do arquivamento do IP, mister o reexame necessário. (Art. 6º. Verificado
qualquer crime contra a economia popular ou contra a saúde pública (Capítulo III do Título VIII do
Código Penal) e atendendo à gravidade do fato, sua repercussão e efeitos, o juiz, na sentença, declarará
a interdição de direito, determinada no art. 69, IV, do Código Penal, de 6 (seis) meses a 1 (um) ano, assim
como, mediante representação da autoridade policial, poderá decretar, dentro de 48 (quarenta e oito)
horas, a suspensão provisória, pelo prazo de 15 (quinze) dias, do exercício da profissão ou atividade do
infrator.
Art. 7º. Os juízes recorrerão de ofício sempre que absolverem os acusados em processo por crime contra
a economia popular ou contra a saúde pública, ou quando determinarem o arquivamento dos autos do
respectivo inquérito policial.)

852.Em que prazo deve ser concluído o inquérito policial?


R.: Em até 10 dias (Artigo 10, § 1º. Os atos policiais (inquérito ou processo iniciado por portaria) deverão
terminar no prazo de 10 (dez) dias).

853.Em que prazo o MP deve oferecer a denúncia?


R.: No prazo de 2 dias, esteja solto ou preso o acusado (Artigo 10, § 2º. O prazo para oferecimento da
denúncia será de 2 (dois) dias, esteja ou não o réu preso).

Legislação Especial - Examinador: Francisco Petrarca Ielo Neto

854.Crimes contra o trabalho → Quem faz promoção de controle de natalidade está sujeito às penas
da lei?
R.: Sim, nos termos do artigo 2º, inciso II, alínea b, da Lei 9029/95 (Art. 2º Constituem crime as seguintes
práticas discriminatórias: II - a adoção de quaisquer medidas, de iniciativa do empregador, que
configurem; b) promoção do controle de natalidade, assim não considerado o oferecimento de serviços e
de aconselhamento ou planejamento familiar, realizados através de instituições públicas ou privadas,
submetidas às normas do Sistema Único de Saúde (SUS).
Pena: detenção de um a dois anos e multa.
Parágrafo único. São sujeitos ativos dos crimes a que se refere este artigo: I - a pessoa física
empregadora; II - o representante legal do empregador, como definido na legislação trabalhista; III - o
dirigente, direto ou por delegação, de órgãos públicos e entidades das administrações públicas direta,
indireta e fundacional de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos
Municípios.).

855.Quais as quatro medidas despenalizadoras que podem impedir a Ação Penal pela Lei nº
9.099/95?
R.: Composição civil dos danos (artigo 72 à 74);
Transação penal (artigo 76);
Suspensão condicional do processo (artigo 89);
Necessidade de oferecimento de representação nos crimes de lesão corporal culposa e leve (artigo 88).

856.Cite três princípios que orientam o JECRIM.


R.: Os princípios norteadores do Juizado Especial Criminal são celeridade, economia processual,
simplicidade, informalidade e oralidade (Art. 62. O processo perante o Juizado Especial orientar-se-á
pelos critérios da oralidade, simplicidade, informalidade, economia processual e celeridade, objetivando,
sempre que possível, a reparação dos danos sofridos pela vítima e a aplicação de pena não privativa de
liberdade.)
857.O que se entende pelo princípio do imediatismo?
R.: Correlato ao princípio da oralidade e do juiz natural, implica no dever de o juiz proceder diretamente
à colheita de todas as provas, em contato imediato com as partes, propondo a conciliação, expondo as
questões controvertidas da lide, dentre outros. Com isso o magistrado recebe, sem intermediários, o
material de que se servirá para julgar, obtém informações e toma conhecimento de características e
motivação das partes.

858.No que consiste a interceptação telefônica prospectiva?


R.: Trata-se da interceptação desconectada de um fato delituoso, feita sem a demonstração dos indícios
de autoria ou participação em infração penal punida com pena de reclusão. Tal modalidade de
interceptação é defesa por violar direitos constitucionalmente assegurados, a exemplo dos direitos à
intimidade, ao sigilo das comunicações, à privacidade e às decisões fundamentadas.

859.Meio Ambiente. Cite três espécies de penas restritivas de direito.


R.: Para a PESSOA FÍSICA: Artigo 8º
- prestação de serviços à comunidade: atribuição ao condenado de tarefas gratuitas junto a parques e jardins
públicos e unidades de conservação, e, no caso de dano da coisa particular, pública ou tombada, na
restauração desta, se possível;
- interdição temporária de direitos: proibição de o condenado contratar com o Poder Público, de receber
incentivos fiscais ou quaisquer outros benefícios, bem como de participar de licitações, pelo prazo de cinco
anos, no caso de crimes dolosos, e de três anos, no de crimes culposos;
- suspensão parcial ou total de atividades: aplicada quando estas não estiverem obedecendo às prescrições
legais;
- prestação pecuniária: pagamento em dinheiro à vítima ou à entidade pública ou privada com fim social,
de importância, fixada pelo juiz, não inferior a um salário mínimo nem superior a trezentos e sessenta
salários mínimos. O valor pago será deduzido do montante de eventual reparação civil a que for condenado
o infrator;
- recolhimento domiciliar: baseado na autodisciplina e senso de responsabilidade do condenado, que
deverá, sem vigilância, trabalhar, frequentar curso ou exercer atividade autorizada, permanecendo
recolhido nos dias e horários de folga em residência ou em qualquer local destinado a sua moradia habitual,
conforme estabelecido na sentença condenatória.

Para a PESSOA JURÍDICA: Artigo 22 e seguintes


- suspensão parcial ou total de atividades: aplicada quando estas não estiverem obedecendo às disposições
legais ou regulamentares, relativas à proteção do meio ambiente;
- interdição temporária de estabelecimento, obra ou atividade: aplicada no caso de funcionamento sem a
devida autorização ou em desacordo com a concedida ou com violação de disposição legal ou
regulamentar;
- proibição de contratar com o Poder Público, bem como dele obter subsídios, subvenções ou doações por
até 10 anos.
- prestação de serviços à comunidade: custeio de programas e de projetos ambientais; execução de obras
de recuperação de áreas degradadas; manutenção de espaços públicos; contribuições a entidades
ambientais ou culturais públicas.
- decretação da liquidação forçada quando a pessoa jurídica for constituída ou utilizada,
preponderantemente, com o fim de permitir, facilitar ou ocultar a prática de crime definido nesta Lei.
Neste caso seu patrimônio será considerado instrumento do crime e como tal perdido em favor do Fundo
Penitenciário Nacional.

860.Qual o prazo da prisão temporária?


R.: 5 dias prorrogáveis por mais 5 ou 30 prorrogáveis por mais 30 se crime hediondo (Artigo 2°, Lei 7960:
A prisão temporária será decretada pelo Juiz, em face da representação da autoridade policial ou de
requerimento do Ministério Público, e terá o prazo de 5 (cinco) dias, prorrogável por igual período em
caso de extrema e comprovada necessidade. Artigo 3º, Lei 8072: § 4o A prisão temporária, sobre a qual
dispõe a Lei no 7.960, de 21 de dezembro de 1989, nos crimes previstos neste artigo, terá o prazo de 30
(trinta) dias, prorrogável por igual período em caso de extrema e comprovada necessidade)

861.A prorrogação é automática?


R.: Não, depende de representação, cabível somente em caso de extrema e comprovada necessidade.

862.Somente uma pessoa indiciada pode ser presa temporariamente?


R.: Não, haja vista a ausência de exigência legal nesse sentido. A lei exige somente o fumus comissi delicti
(fundadas razoes de autoria ou participação) e o periculum libertatis (imprescindibilidade para as
investigações em sede de IP ou ausência de residência fixa ou identidade do averiguado). Ademais, a prisão
temporária ocorre na fase pré-processual, ou seja, durante as investigações policiais, momento no qual
ainda não há um juízo de convicção formado, servindo a segregação cautelar justamente para facilitar a
colheita de elementos hábeis para tanto.

863.Como Delegado, pode representar pela prisão temporária do agente de vários crimes de
estelionato?
R.: Não, haja vista o cabimento desta modalidade prisional somente nos delitos previstos de modo taxativo
pela lei 7960, bem como nos crimes hediondos.
864.O Magistrado pode decretar de ofício?
R.: O juiz nunca poderá decretá-la de ofício, mas tão somente mediante representação da autoridade
policial ou requerimento do MP (Lei 7960, Art. 2°: A prisão temporária será decretada pelo Juiz, em face
da representação da autoridade policial ou de requerimento do Ministério Público, e terá o prazo de 5
dias, prorrogável por igual período em caso de extrema e comprovada necessidade).

865.Improbidade administrativa. Quem pode ser o sujeito ativo?


R.: Podem ser sujeitos ativos do ato de improbidade o agente público, considerando todo aquele que
exerce, com ou sem remuneração, ainda que transitoriamente, sob qualquer título, alguma função para o
Estado, bem como o terceiro que não seja funcionário público, desde que em concurso com este.
Art. 1º da Lei nº8.429/92.

866.Quais os três tipos de atos ímprobos?


R.: Atos que causam lesão ao erário, atos que importam enriquecimento ilícito e ato que atentam contra os
princípios da Administração Pública. A LC157/2016 acrescentou nova modalidade: atos decorrentes de
concessão ou aplicação indevida de benefício financeiro ou tributário.

867.Saberia dizer os três tipos específicos?


R.: Atos que causam lesão ao erário, atos que importam enriquecimento ilícito e ato que atentam contra os
princípios da Administração Pública. A LC157/2016 acrescentou nova modalidade: atos decorrentes de
concessão ou aplicação indevida de benefício financeiro ou tributário.

868.Pode praticar ato de improbidade administrativa quem não é funcionário público?


R.: Sim, mas desde que em concurso com o funcionário público. Ou seja, o particular jamais cometerá ato
de improbidade sozinho.

869.O que seria ato de improbidade administrativa impróprio?


R.: É o ato de improbidade praticado pelo particular.

870.Quando uma pessoa quer representar um abuso de autoridade, a qual autoridade deve se dirigir?
R.: Primeiro, importa dizer que a representação prevista na lei de abuso de autoridade não é condição de
procedibilidade, uma vez que se trata se ACP Incondicionada, sendo apenas uma notitia criminis.
Para fins de responsabilização penal, poderá se dirigir à autoridade policial para proceder à IP ou ao
Ministério Público, a fim de que proceda ao PIC ou ofereça a respectiva denúncia. Para fins de
responsabilidade administrativa deve se dirigir à autoridade hierárquica responsável pela aplicação da
sanção. E para fins de reparação civil deverá ajuizar a respectiva ação perante o juízo comum. (art. 2º e 6º,
da Lei nº 4.898/65.)
871.Essa representação pode ser anônima?
R.: Segundo entendimento firmado do STJ, a mera denúncia apócrifa não pode servir de base para
instauração de IP ou oferecimento de denúncia, contudo, pode dar início a investigações preliminares em
busca de indícios que confirmem as informações prestadas pela fonte anônima.

872.É possível forma culposa?


R.: Não. O elemento subjetivo no crime de abuso de autoridade é o dolo, não se admitindo a forma culposa.
Exige-se, ainda, o elemento subjetivo específico na pretensão de abusar do poder.

873.Qual o objeto jurídico?


R.: O objeto jurídico imediato é o prestígio e dignidade da função pública e do poder público.
Mediatamente, podemos ter como objeto a liberdade de locomoção, a vida, a integridade física, sigilo de
correspondência, a depender do bem jurídico atacado.

874.Um particular pode cometer ato de abuso de autoridade?


R.: Pode, mas desde que em concurso com o funcionário público.

875.ECA → Cite duas medidas socioeducativas para o adolescente infrator.


R.: Advertência, reparação do dano, serviços à comunidade, liberdade assistida e semiliberdade e
internação. (art. 112 do ECA).

876.A tortura é crime próprio de funcionário público?


R.: Não. É crime comum que pode ser cometido por qualquer pessoa. Contudo, há tipos que somente
podem ser cometidos por FP, sendo próprios nestes casos específicos.

877.É crime de forma livre?


R.: Sim, pois não exige uma forma específica de conduta para ser cometido.

878.Qual o tipo de tortura crime?


R.: Prevista no art. 1º, I, b, da Lei nº 9.455/97, é a conduta de, mediante violência ou grave ameaça, obrigar
pessoa a praticar crime contra a sua vontade. O crime se consuma mesmo que o crime não venha a ser
cometido.

879.Qual o tipo de tortura racismo?


R.: Prevista no art. 1º, I, c, da Lei nº 9.455/97, também chamada de tortura-discriminação ou tortura-
preconceito. Consiste na violência ou grave ameaça sobre a vítima em razão de discriminação racial ou
religiosa, apenas. Não há finalidade específica.

880.Crime contra a ordem tributária. Qual a diferença entre elisão e evasão fiscal?
R.: Elisão fiscal é prática legal de planeamento tributário, em que o empresário ou comerciante – em regra
– adota regimes e técnicas legais para pagar menos tributos. Ocorre antes di fato gerador. Evasão fiscal é
a conduta de praticar os crimes contra a ordem tributária, enganando o fisco para não pagar tributos
devidos, ou seja, após o fato gerador.

881.O que seria traição benéfica?


R.: É a delação premiada, em que o agente confessa o delito e aponta demais coautores e partícipes, a fim
de ter sua pena reduzida. Pode ser encontrada na Lei de Lavagem de Dinheiro, Organização Criminosa,
Crimes contra a Ordem Tributária e também no CP (art. 159, §4º).

882.Qual a natureza jurídica da traição benéfica?


R.: A natureza jurídica da traição benéfica, como espécie de delação premiada que é, configura meio de
obtenção de prova, eis que a traição benéfica não é um meio de prova propriamente dito. A traição benéfica
não prova nada (ela não é uma prova), ela é um meio, uma técnica, um instrumento para se obter as provas.

883.Quais seriam os pressupostos de sua aplicação?


R.: Os pressupostos de sua aplicação estão insculpidos na Lei nº 8.137/1990, em seu artigo 16, parágrafo
único: “Art. 16. Qualquer pessoa poderá provocar a iniciativa do Ministério Público (...). Parágrafo único.
Nos crimes previstos nesta Lei, cometidos em quadrilha ou co-autoria, o co-autor ou partícipe que
através de confissão espontânea revelar à autoridade policial ou judicial toda a trama delituosa terá
a sua pena reduzida de um a dois terços.”

884.No crime de lavagem de dinheiro, quando o crime antecedente for tráfico de drogas, como
responderá o agente?
R.: O crime de lavagem de dinheiro é delito autônomo, que é atribuído ao acusado em concurso material
com o crime antecedente, seja ele tráfico de drogas ou qualquer outro, até mesmo uma contravenção penal.

885.Lei 10.826/03, artigo 13 da Lei → Qual o elemento subjetivo do tipo?


R.: No art. 13, caput, o crime é próprio, pois o tipo exige que o agente seja o proprietário ou possuidor de
arma de fogo, instantâneo, de perigo abstrato, culposo, omissivo próprio, de tentativa inadmissível e de
mera conduta. Com relação ao parágrafo único do art. 13, temos que o crime é próprio, pois o tipo exige
que o agente seja proprietário ou diretor responsável de empresa de segurança e transporte de valores,
instantâneo, de perigo abstrato, doloso, omissivo próprio, de tentativa inadmissível e de mera conduta.

886.Posse ilegal de arma. O agente não impediu que um menor tivesse acesso à arma, por falta do
dever de cuidado. Responde por quais crimes?
R.: No caso apresentado, o agente responderá pelos crimes dos arts. 12 e 13 da Lei nº 10.826/2003, em
concurso material.

887.Portar arma de fogo desmuniciada é crime?


R.: Portar arma de fogo desmuniciada é crime, tendo em vista ser o art. 14 da Lei nº 10.826/2003 um crime
de perigo abstrato, bastando o simples porte da arma de fogo para que ocorra sua consumação.

Legislação Especial - Examinador: Jorge Luís Neves Esteves

888.Lei Maria da Penha, artigo 16 → Existe imperfeição jurídica aos institutos elencados neste
artigo?
R.: Sim, existe imperfeição com relação à renúncia. O que o legislador chamou de renúncia, na realidade
é uma retratação do direito de representação que já havia sido exercido pela vítima, nos crimes de ação
penal pública condicionada à representação.

889.O artigo 17 veda a aplicação da pena de cesta básica. Existe previsão da pena de cesta básica em
nosso ordenamento jurídico?
Na realidade, a pena de cesta básica é uma criação baseada no art. 45, § 2º, do Código Penal, como espécie
de prestação pecuniária, pena restritiva de direitos prevista no art. 43, I, do Código Penal. Portanto,
percebe-se que a pena de cesta básica funciona como alternativa à pena restritiva de direitos de prestação
pecuniária, e desse dispositivo decorre a sua previsão legal.

890.O juiz poderá decretar de ofício a prisão preventiva do agressor?


R.: Sim, o juiz poderá decretar de ofício a prisão preventiva do agressor, em qualquer fase do inquérito ou
da instrução criminal, conforme preconiza o art. 20 da Lei nº 11.340/2006.

891.Cite três medidas protetivas que o juiz pode aplicar de imediato ao agressor.
R.: O juiz poderá de imediato determinar (i) a suspensão ou restrição do porte de armas do agressor, com
comunicação ao órgão competente (art. 22, I); (ii) afastamento do lar, domicílio ou local de convivência
com a ofendida (art. 22, II); (iii) prestação de alimentos provisionais ou provisórios (art. 22, V). Essas e
as demais medidas protetivas estão previstas no art. 22 da Lei Maria da Penha, sendo esse um rol
meramente exemplificativo.
892.ECA → Há previsão de se manter o adolescente apreendido antes da sentença?
R.: Sim, há previsão. Conforme o art. 108 do ECA, “a internação, antes da sentença, pode ser
determinada pelo prazo máximo de quarenta e cinco dias.”

893.Artigo 110 → Por que este dispositivo não se refere às crianças que praticam ato infracional?
R.: Porque às crianças que praticam ato infracional não se aplicam medidas socioeducativas, mas apenas
e tão somente medidas de proteção (art. 112 do ECA).

894.Por que as medidas socioeducativas não são consideradas penas?


R.: Diz o art. 228 da CF/88: “São penalmente inimputáveis os menores de dezoito anos, sujeitos às normas
da legislação especial.” Penas são aplicadas apenas aos sujeitos imputáveis maiores de dezoito anos.
Criança é submetida a medida de proteção; adolescente pode ser submetido a medida de proteção e medida
socioeducativa, nos termos da Lei nº 8.069/1990. O tratamento diferenciado em relação à criança e ao
adolescente justifica-se pela condição peculiar de pessoa em desenvolvimento (art. 6º do ECA).

895.Quais os três princípios para a estabelecer pena ao adolescente?


R.: Adolescente não cumpre pena, mas sim medida socioeducativa. Os três princípios que norteiam a
aplicação de medidas socioeducativas aos adolescentes são os seguintes: brevidade, excepcionalidade e
respeito à condição peculiar de pessoa em desenvolvimento (art. 121 do ECA).

896.Lei nº 9.099/95 → O autor do fato não foi encontrado. Qual a providência?


R.: Não encontrado o acusado para ser citado, o Juiz encaminhará as peças existentes ao Juízo comum
para adoção do procedimento previsto em lei (art. 66, § único, da Lei nº 9.099/1995). PS: lembrar que
nesse caso deverá seguir o rito sumário do CPP e não o procedimento comum ordinário (art. 538 do
CPP).

897.O Delegado de Polícia pode indiciar o autor de infração de menor potencial ofensivo, tendo sido
inquérito policial e não termo circunstanciado?
R.: Sim, o delegado poderá indiciar o autor de infração penal de menor potencial ofensivo caso a mesma
tenha sido investigada por meio de inquérito. Tal situação ocorre, por exemplo, em casos de lesão corporal
culposa praticada na direção de veículo automotor, quando (i) o agente estiver sob influência de álcool ou
qualquer outra substância psicoativa que determine dependência; (ii) participando, em via pública, de
corrida, disputa ou competição automobilística, de exibição ou demonstração de perícia em manobra de
veículo automotor, não autorizada pela autoridade competente; (iii) transitando em velocidade superior a
50 km/h (cinquenta quilômetros por hora) – art. 291, § 1º, I, II e III, e § 2º, do CTB.
898.Pode prender em flagrante o autor de infração de menor potencial ofensivo?
R.: É perfeitamente possível a prisão em flagrante nas infrações penais de menor potencial ofensivo. O
que o legislador quis ao prever a não possibilidade de prisão em flagrante nas infrações de menor potencial
ofensivo, previsto no parágrafo único do art. 69 da Lei nº 9.099/1995, foi a aplicação dos critérios
norteadores contidos na mencionada lei. Assim, em se tratando de Juizados Especiais Criminais, os
princípios da oralidade, simplicidade, informalidade, economia processual e celeridade, objetivando,
sempre que possível, a reparação dos danos sofridos pela vítima e a aplicação de pena não privativa de
liberdade, deverão ser observados logo que a Autoridade Policial, no caso, o Delegado de Polícia, tome
conhecimento dos fatos e, em uma análise preliminar, se convença da ocorrência de uma infração penal
de menor potencial ofensivo. Observados os requisitos para a não lavratura da prisão em flagrante,
quais sejam, o encaminhamento imediato do autor do fato ao Juizado logo após a lavratura do termo
circunstanciado ou se o autor assumir o compromisso de a ele comparecer, não será elaborado o
auto de prisão em flagrante, nem se exigirá fiança.

899.Se o juiz não quiser conduzir a conciliação, poderá delegar a alguém?


R.: Excelência, o procedimento do Jecrim guarda uma fase de conciliação, cujo objetivo maior é a
composição civil dos danos causados pela prática da infração. Essas tratativas que buscarão o atendimento
dos interesses das vítimas serão, em regra, conduzidas por um juiz leigo, isto é, um conciliador,
previamente cadastrado no Jecrim que, embora não integre os quadros da Magistratura, cuidará de
promover a conciliação entre autor e vítima, para posterior homologação pelo juiz togado.

900.CDC → É obrigatória a apresentação do CDC no estabelecimento comercial?


R.: Excelência, a proteção do consumidor é preceito fixado em nossa Constituição Federal e nos mais
diversos normativos, brasileiros e estrangeiros. Neste sentido, além da edição do próprio Código de Defesa
do Consumidor, diversas normas e regulamentos estão sempre sendo editados e atualizados visando dar
cumprimento ao público consumidor.
Nesse sentido, foi criada a Lei 12.291/2010, que fixa a obrigação dos estabelecimentos comerciais e/ou de
prestação de serviços, de disponibilizarem ao público de modo geral, um exemplar da Lei 8.078/1990, o
Código de Defesa do Consumidor (“CDC”), sob pena de multa no montante de até R$ 1.064,10 (mil e
sessenta e quatro reais e dez centavos)

901.Qual a diferença entre consumidor e fornecedor?


R.: Excelência, ambos os conceitos estão no CDC. De acordo com o artigo 2º do CDC define
como consumidor "toda pessoa física ou jurídica que adquire ou utiliza produto ou serviço como
destinatário final." Como se percebe, o consumidor é aquele que age com vistas ao atendimento de suas
necessidades próprias ou de outrem, isto é, aquele que não adquire produtos ou serviços visando
repassá-los em busca de lucro, independente de ser pessoa física ou jurídica. tanto as pessoas físicas
como as jurídicas podem se enquadrar neste conceito.
Já o Fornecedor é toda pessoa física ou jurídica, pública ou privada, nacional ou estrangeira, bem como
aqueles que desenvolvem atividade de produção, montagem, criação, construção, transformação,
importação, exportação, distribuição ou comercialização de produtos ou prestação de serviços. Como se
percebe, o fornecedor é aquele que fornece produtos e presta serviços a terceiros, sendo que nossos
tribunais têm entendido que a finalidade de lucro está intrínseca no conceito acima.

902.Ente despersonalizado pode ser considerado fornecedor para fins do CDC?


R.: Excelência, os entes despersonalizados estão elencados no artigo 12 do Código de Processo Civil
Brasileiro, sendo eles a massa falida, o espólio, a herança jacente, a herança vacante, a sociedade irregular
e o condomínio edilício. Ressalta-se que a expressão “entes despersonalizados” é criação doutrinária. Por
expressa previsão no art. 3º do CDC, os entes personalizados podem ser fornecedor. Dispõe o art. 3º que
“Fornecedor é toda pessoa física ou jurídica, pública ou privada, nacional ou estrangeira, bem como
os entes despersonalizados, que desenvolvem atividades de produção, montagem, criação, construção,
transformação, importação, exportação, distribuição ou comercialização de produtos ou prestação de
serviços”.

903.Serviços bancários se enquadram ao CDC como prestadores de serviço?


R.: Excelência, em que pese no passado havia divergência doutrinária se serviços bancários se
enquadrariam no CDC, hoje é pacifico a caracterização do banco ou instituição financeira como
fornecedor, estando positivada no art. 3º, caput do CDC e especialmente no § 2º do referido artigo, o qual
menciona expressamente como serviços as atividades de ‘natureza bancária, financeira, de crédito’." E
mais adiante: "A caracterização do banco ou instituição financeira como fornecedor sob a incidência do
CDC. O CDC rege as operações bancárias, inclusive as de mútuo ou de abertura de crédito, pois são
relações de consumo.

904.Lei 1.521/51 → Crimes contra a economia popular. Qual é a Súmula que dirimiu o conflito que
existia quanto à competência para julgamento dos crimes contra a economia popular?
R.: Excelência, de acordo com a súmula 498 STF Compete à Justiça dos Estados, em ambas as instâncias,
o processo e o julgamento dos crimes contra a economia popular.

905.O sistema de “pirâmide” se enquadra nos crimes contra a economia popular?


R.: Excelência, o sistema de “pirâmide”, também denominado de bola de neve, pichardismo, tem previsão
legal no inciso IX artigo 2º da lei 1.521 de 1951 (crimes contra a economia popular). Essa prática
criminosa sempre começa com poucas pessoas, que prometem a outras investimento fácil e retorno
financeiro rápido e bastante vantajoso. Em sua maioria o investidor é convencido a investir em algum
produto ou quotas de investimentos (fundo de rendimento), e claro convencido a convidar mais pessoas
para o negócio, desse modo a corrente é formada por várias pessoas, uma "bola de neve" que só cresce
na medida que vai se movimentando, assim como a "pirâmide", que cresce na medida em que vai sendo
construída. Portanto a chamada "pirâmide" não sobrevive sem novos adeptos, na medida em que novas
pessoas aderem ao esquema todas as outras que já participam faturam com os novos participantes, por
isso a necessidade de ter sempre o máximo possível de novos adeptos. A primeira vista as pessoa
enxergam algo tão vantajoso que não pensam duas vezes em ingressar no "investimento", o membro que
já participa do esquema faz uma verdadeira lavagem cerebral para que a pessoa entre no negócio. Vale
ressaltar que o esquema depende de novos adeptos e com o passar do tempo tudo pode desmoronar, pois
chegará um momento em que poucas ou nenhuma pessoa ingressará no esquema, considerando que o
esquema não tem um meio próprio de recurso chegará uma hora em que não mais se arrecadará dinheiro,
conforme vai aumentando o número de participantes fica inviável que todos recebam visto que a
arrecadação será insuficiente para cobrir todos os pagamentos, sendo assim quando não houver mais
novos adeptos ou o volume de entrada não for mais suficiente a "pirâmide" irá começar a desmoronar.

906.A que providência está o juiz vinculado após o encerramento do inquérito policial?
R.: Excelência, o Juiz exerce papel do controle do princípio da obrigatoriedade da ação penal pública,
controlando as promoções de arquivamento promovidas pelo Ministério Público.
Observação: NÃO TENHO CERTEZA DA RESPOSTA

907.Em que prazo deve ser concluído o inquérito policial?


R.: Regra geral, os prazos são 10 dias preso e 30 dias solto), previsto no CPP. Entretanto, existem exceções
previstas em outras leis, sendo elas: Crimes de competência da Justiça Federal – 15 dias para indiciado
preso e 30 dias para indiciado solto; Crimes da lei de Drogas – 30 dias para indiciado preso e 90 dias para
indiciado solto. Podem ser duplicados em ambos os casos; Crimes contra a economia popular – 10 dias
tanto para indiciado preso quanto para indiciado solto; Inquéritos a cargo da polícia federal – 15 dias
podendo ser prorrogados, estando o indiciado preso e 30 dias estando o indiciado solto. (Art. 66 da Lei
5.010/66); Inquéritos militares – 20 dias caso o indiciado esteja preso e 40 dias prorrogáveis por mais
20 se o indiciado estiver solto.

908.Em que prazo o MP deve oferecer a denúncia?


R.: Excelência, dispõe o artigo 46 do Código de Processo Penal que o prazo para oferecimento
da denúncia, estando o réu preso, será de 5 dias, contado da data em que o órgão do Ministério
Público receber os autos do inquérito policial, e de 15 dias, se o réu estiver solto ou afiançado. Quando o
Ministério Público dispensar o inquérito policial, o prazo para o oferecimento da denúncia contar-se-á da
data em que tiver recebido as peças de informações ou a representação.
Examinador: LEOLAR EMÍLIA DE SOUZA

909.Há possibilidade de responsabilização penal da pessoa jurídica em crime ambiental?


R.: Excelência, o tema é divergente. Temos 5 correntes sobre a responsabilidade da Pessoa Jurídica.
a) 1º C: diz que a CR/88 não criou a responsabilidade penal da Pessoa Jurídica, por isso, o art. 3o da LCA
é inconstitucional [Paganella Boschi + LRPrado].
Art. 225, §3o. As condutas e atividades consideradas lesivas ao meio ambiente sujeitarão os infratores,
pessoas físicas ou jurídicas, a sanções penais e administrativas, independentemente da obrigação de reparar
os danos causados.
b) 2ª C: parte da teoria da ficção jurídica e conclui que a Pessoa Jurídica não pode cometer crimes [CRB,
Luiz Luisi, RGreco, PJCJr. JFM, FAToledo, Cernicchiaro, Zaffaroni e Pierangeli etc.].
c) 3º C: A Lei dos Crimes Ambientais instituiu um direito judicial (aplicado por juiz) sancionador (pois
não conta a pena com o efeito estigmatizador típico das sanções penais).
d) 4ºC: A CR/88 previu a responsabilidade penal da PJ, o que, contudo, depende da criação de uma teoria
do crime e de normas processuais compatíveis com a natureza fictícia das Pessoas Jurídicas, aqui portanto
exigiu-se a Lei de Adaptação.
e) 5ºC: Parte da teoria da realidade e conclui que a Pessoa Jurídica pode cometer crimes [Damásio,
Shecaira, HBenjamin etc], tal como previsto na CR/88.

910.Quem é o sujeito passivo no crime de loteamento?


R.: Excelência, o sujeito imediato é a Administração Pública, de modo que a objetividade jurídica é a
moralidade administrativa, as normas de urbanização e a política urbanística. O sujeito mediato é o
adquirente do lote de um loteamento irregular.

911.Prisão temporária pode ser representada por delegado em que fase do IP?
R.: Excelência, a prisão temporária é uma prisão cautelar decretada pelo juiz, apenas no curso das
investigações, nunca no bojo de uma ação penal. Tem por objetivo auxiliar na obtenção de elementos de
autoria e materialidade da infração. Logo, sua cautelaridade está na guarda da eficácia das investigações,
pois se o investigado estiver solto prejudicará o bom andamento da investigação. Assim, encerrada as
investigações, ela não subsistirá. Caso haja a existência de outros motivos, pode o delegado representar
pela decretação da prisão preventiva.

912.Mesmo após a conclusão do IP?


R.: Excelência, após a conclusão do inquérito o Delegado não pode mais representar pela prisão temporário
uma vez não haverá mais necessidade (imprescindibilidade) para as investigações. Nada impede que o
Delegado represente pela prisão preventiva quando presentes os requisitos do artigo 312 e 313 do CPP.
913.E se houver necessidade de permanência da prisão da pessoa?
R.: Excelência, ao término do prazo da prisão temporária, em regra, 5+5 dias e 30 + 30 em crimes
hediondos ou equiparados, poderá ser decretada a preventiva em substituição a temporária, exigindo
decisão judicial. Consoante entendimento do STJ cada espécie de prisão tem condições e finalidades
diversas, razão pela qual o término da temporária não impede a decretação da preventiva quando houverem
fundamentos idôneos e suficientes para tanto.

914.Não havendo necessidade de prorrogação da prisão temporária, qual a providência a ser tomada
pelo delegado de polícia?
R.: Excelência, a prisão temporária é decretada de forma a acautelar a investigação, uma vez não havendo
mais o requisito da necessidade, o Delegado deve liberar imediatamente o agente.

915.O que é mandado de segurança?


R.: O MS é uma ação constitucional de tutela jurisdicional dos direitos subjetivos ameaçados ou violados
por autoridade pública ou no exercício de função desta natureza.

916.Pessoa jurídica pode impetrar mandado de segurança?


R.: Excelência, impetrante é o autor da ação de Mandado de Segurança.
O mandado de segurança individual é um remédio constitucional universal, tal como o HC.
Assim, pode ser impetrado por qualquer pessoa: natural ou jurídica, não se exigindo qualquer qualificação
especial, conforme se percebe do art. 1º da Lei de Mandado de Segurança (lei 12.016/2009).
Todavia, embora com diversas críticas doutrinárias (sobretudo com arrimo no princípio da
máxima eficácia das garantias constitucionais), não há universalização no polo ativo do mandado de
segurança coletivo, embora possam as pessoas jurídicas impetrá-los, a depender da sua natureza.
Tal limitação se deve à normativa estabelecida na CF (art. 5º, LXX) e na lei do mandado de
segurança (art. 21), que, aparentemente, estabelecem restrições de impetração de ordem subjetiva,
limitando o polo ativo do writ: aos partidos políticos com representação no Congresso Nacional – devendo
ser demonstrada a pertinência temática para impetração; assim como, as organizações sindicais, entidades
de classe ou associação constituída e em funcionamento há pelo menos um ano.
Por fim, não podemos olvidar que o impetrante do MS (individual ou coletivo) precisa,
necessariamente, estar acompanhado de advogado.

917.O delegado de polícia é obrigado a entregar a declaração de bens?


R.: Excelência, dispõe o art. 13 da Lei de Improbidade Administrativa (Lei 8.429/92) que a
posse e o exercício no cargo por agente público ficam condicionados à apresentação de declaração de bens
e valores componentes de seu patrimônio privado.
Referido artigo dispõe, ainda, que, após posse e exercício no cargo, tal declaração deve ser
atualizada ano-a-ano.
Neste trilho lógico, é consabido que Delegado de Polícia Civil se enquadra no conceito de
agente público, vez que exerce ocupa cargo de exercício da função pública em órgão da Administração
Pública Direta.
Portanto, o Delegado de Polícia deverá, então, entregar a declaração de bens inicialmente (para
posse e exercício do cargo); e, após a declaração de bens para o ingresso na carreira, deverá continuar
prestando contas atualizadas de sua evolução patrimonial, anualmente, conforme previsão do art. 13, §2º,
da LIA.

918.E se não entregar, qual a sanção?


R.: Excelência, conforme o art. 13, §3º, da LIA: ao agente público que se recusar à entrega (ou
àquele que prestar falsa declaração), será apenado com a demissão a bem do serviço público (sanção
administrativa disciplinar), sem prejuízo de outras sanções cabíveis.
A doutrina, ainda, salienta que essa sanção seria aplicada ao agente que já está empossado no
cargo e em efetivo exercício e que recusa a entrega.
Explica-se.
Aquele que não tomou posse, pois não entregou a declaração, jamais possuiu qualquer vínculo
funcional com a Administração Público. Assim, a não entrega das declarações torna o ato de posse sem
efeito, com não preenchimento completo das condições legais.
Por fim, salienta a doutrina que a mera omissão (de não entrega da declaração) é incapaz de
configurar, de per si, fato que implicaria na sanção administrativa disciplinar. Para que ocorra a penalidade
de demissão a bem do serviço público deverá restar demonstrada a recusa deliberada do agente à entrega,
conforme se extrai do artigo 13 da LIA.

919.Há alguma sanção na lei de improbidade administrativa?


R.: Sim, excelência. Conforme exposto, a imposição da declaração de bens e valores pelo
agente público e sua sanção administrativa disciplinar está prevista no art. 13 da LIA.
Outrossim, para a doutrina a mera não entrega da declaração é questão insuficiente para
atribuir justa causa à eventual ação de improbidade administrativa, pois é necessário que se demonstre o
dolo e má-fé em violar princípios da administração pública (conforme art. 11 da LIA). O mero
descumprimento da lei não necessariamente implica em ato de improbidade.

920.O que se entende por improbidade administrativa?


R.: Excelência, por improbidade administrativa entende-se a conduta, comissiva ou omissiva,
dolosa ou culposa, que, praticada em desacordo com as exigências de honestidade e honradez, resulta em
lesão a bens e valores públicos protegidos pelo ordenamento jurídico, ocasionando o enriquecimento ilícito
(art. 9º da LIA), o dano ao erário (art. 10 da LIA), concessão ou aplicação indevida de benefício financeiro
ou tributário (art. 10-A da LIA), ou atentado contra princípios da Administração Pública (art. 11 da LIA),
em prejuízo da Administração Pública ou dos entes privados beneficiados, sustentados ou criados com a
utilização de recursos públicos1.
Vale lembrar, ainda, que a improbidade administrativa, embora faça parte do gênero do Direito
Sancionatório, possui natureza cível, vez que suas sanções possuem natureza extrapenal (civis,
administrativas e políticas). Contudo, a incidência destas sanções não implica em prejuízo de eventual
responsabilidade penal que advier do ato ímprobo (princípio da independência das instâncias cíveis,
administrativas e penais).

921.Quais as modalidades de licitação?


R.: Excelência, as modalidades licitatórias representam um conjunto de regras que definem o
rito do certame licitatório pelo Poder Público, variando conforme o interesse público e objeto a serem
atingidos com a contratação.
Assim, as modalidades licitatórias, no Direito pátrio, podem ser divididas em dois gêneros: as
definidas em razão do objeto do contrato e as definidas em razão do valor do contrato.
São modalidades em razão do objeto: o concurso – selecionar trabalhos técnicos artísticos e
científicos; leilão – venda de bens móveis no geral (inclusive venda de ações de estatais) e de bens imóveis
recebidos a título de dação em pagamento, apreendidos e expropriados do particular (desde que de origem
ilícita) e objetos de penhora; pregão/ pregão eletrônico (lei 10.520/02) – para a contratação de aquisição
de bens, obras e serviços em comum.
Noutro grupo, são modalidades em razão do valor de contratação em obras, aquisição de bens
e serviços em geral: concorrência (apontada como “rito ordinário” licitatório pela doutrina) – trata-se de
modalidade obrigatória para licitações internacionais, concessões comuns2 e contratos de grande valor.
Trata-se de modalidade facultativa nos contratos de médio e pequeno valor; tomada de preço (apontada
como “rito sumário” licitatório pela doutrina – modalidade adotada para contratos de mediano valor.
Facultativa nos contratos de pequeno valor; carta convite (apontada como rito “sumaríssimo” licitatório
pela doutrina) – modalidade adotada para contratos de pequeno valor.

922.Situação hipotética: Um transeunte visivelmente alterado atravessa a rua sem os devidos


cuidados e é atropelado, como registrar tal ocorrência?
R.: Excelência, dependeria da conduta do motorista.
Se pelos elementos do caso concreto restasse evidenciado que a culpa somente se deu na falta
de zelo do pedestre; Isto é, se restar devidamente comprovado que o motorista, em sua conduta, não violou

1
Conceito extraído do livro Improbidade Administrativa, leis especiais para concurso (vol. 23), Ed. Juspodivm, 3ª ed., 2017, p.
19.
2
Concessões especiais adotam modalidade licitatória de concorrência especial.
nenhum dever de cuidado (na configuração da culpa), ou não quis ou assumiu o risco do atropelamento
(na análise do dolo), o fato será atípico.
A atipicidade ocorre por falta do elemento subjetivo: dolo; ou do elemento normativo culpa,
ambas integrantes da conduta – inserida na tipicidade, conforme teoria finalista do conceito analítico de
crime.
Assim, a ocorrência deveria ser arquivada, diante da falta de conduta típica do condutor, caso
restasse indubitavelmente comprovada a culpa exclusiva da vítima, uma vez que houve um acidente, um
infortúnio, por violação de dever de cuidado, tão-somente, do próprio transeunte.

923.Situação hipotética: Motorista embriagado dirigindo em faixa exclusiva de ônibus, atropela


transeunte, este por sua vez também estava embriagado e atravessou a rua sem os devidos
cuidados. Como deve ser conduzida tal ocorrência?
R.: Excelência, diferentemente da outra situação, aqui restou comprovada a conduta, no
mínimo culposa, do condutor do veículo automotor.
Vale ressaltar que, malgrado a vítima também ter violado dever de cuidado – contribuindo
concorrentemente à produção do resultado lesivo -, no âmbito do Direito Penal não há compensação de
culpas (como ocorre nos ilícitos de natureza cível).
Deste modo, a ocorrência, neste caso, deve ser conduzida à averiguação de eventual crime
constante no CTB (se evidenciada a culpa na conduta, como elemento normativo do tipo), ou os crimes
contra a pessoa previstos no CP (se evidenciado o dolo na conduta do condutor do veículo).
Contudo, vale ressaltar que ante o princípio da individualização da pena, a conduta da vítima,
violadora do dever de cuidado, deverá ser relevada na primeira fase da dosimetria, conforme art. 59 do CP
(“comportamento da vítima”).

924.Exigência de teste de gravidez de candidata a emprego configura crime?


R.: Excelência, o ordenamento jurídico brasileiro veda a adoção de qualquer prática
discriminatória e limitativa para efeito de acesso a relação de emprego, ou sua manutenção, por motivo de
sexo, origem, raça, cor, estado civil, situação familiar, deficiência, reabilitação profissional, idade, entre
outros, ressalvados, nesse caso, as hipóteses de proteção à criança e ao adolescente (art. 7º, XXXIII, da
CF; e art. 1º, Lei 9.029/95).
Desta forma, a impossibilidade de exigência de teste de gravidez de candidata a emprego é
tutelada pelo Direito Penal, conduta tipificada como o crime no art. 2º da Lei 9.029/95 (lei de combate à
discriminação nas relações de trabalho e emprego): “a exigência de teste, exame, perícia, laudo, atestado,
declaração ou qualquer outro procedimento relativo à esterilização ou a estado de gravidez”.

925.Quem pode ser o sujeito ativo neste tipo de crime?


R.: Excelência, podem ser sujeitos ativos do crime previsto no art. 2º da lei 9029/95: próprio
empregador – quando se tratar de pessoa física -, seu representante legal, ou ainda, o dirigente de órgãos
públicos e entidades das administrações públicas diretas, indiretas e fundacionais de qualquer dos Poderes
da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, podendo ser apenados com detenção de um
a dois anos, sem embargo de pagamento de multa, e proibição de empréstimo ou financiamento junto a
instituições financeiras oficiais, se o crime resultar de preconceito de etnia, raça ou cor. 3

926.Quais os procedimentos de polícia judiciária que são encaminhados ao JECRIM?


R.: Excelência, a competência do JECRIM está estabelecida no art. 60 da lei 9.099/95, com
arrimo constitucional no art. 98, I, da CF/88.
Destarte, confirma o aludido dispositivo que a competência do JECRIM está adstrita às
infrações penais de menor potencial ofensivo, quais sejam: as contravenções penais e os crimes cuja
cominação do máximo da pena privativa de liberdade de liberdade não exceda a dois anos, cumulada ou
não com a pena de multa.
Assim, em respeito a essa competência definida na própria lei do JECRIM e na Constituição
Federal, todo procedimento de polícia judiciária que tiver como objeto quaisquer destas espécies de
infrações, em regra, deverão ser encaminhados aos Juizados Especiais Criminais.

Contudo, conforme mencionado, tal regra comporta exceções, ou seja, haverá situações em
que os procedimentos da Autoridade Policial mesmo que versem sobre, em tese, possíveis infrações penais
de menor potencial ofensivo, deverão ser levadas à alçada de órgãos do Poder Judiciário diversos dos
órgãos de Juizados Especiais, a saber:
i- Nos casos de acusados com foro por prerrogativa de função (embora se aplique os institutos
despenalizadores da 9.099/95): aqui prevalecerá o foro por prerrogativa de função em detrimento do
JECRIM.
ii- Crimes eleitorais: segundo entendimento dos Tribunais Superiores, permanece a vis
atractiva da Justiça Especializada, isto é, a Eleitoral em detrimento da Justiça Comum (aplicam-se as
regras dos arts. 355 e ss. do Código Eleitoral).
iii- Violência doméstica e familiar contra a mulher: conforme dispõe o art. 41 da lei 11.340/06
(dispositivo declarado constitucional pelo STF na ADC nº 19/DF), não se aplicam os institutos da lei
9.099/95 (despenalizadores ou procedurais) nos crimes praticados contra a mulher, independentemente da
pena previstas para o crime.
Vale lembrar, que o STJ na súmula 536 também veda outros institutos despenalizadores
previstos na lei 9.099/95, nos casos que estão sob o manto da Lei Maria da Penha.

3
http://www.ambito-juridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=8837
Outrossim, em sua jurisprudência, o STJ veda a aplicação da citada lei nos casos que envolvam
contravenções penais de violência doméstica e familiar contra a mulher.
iv- Nos crimes de trânsito de lesão corporal culposa, nos casos do art. 291, §1º, do CTB.

Vale também ressaltar, que mesmo sendo a infração de menor potencial ofensivo, é possível
que o procedimento não seja remetido ao JECRIM, ante as hipóteses de modificação de competência
(remete-se à Vara Criminal Comum – adotando-se o procedimento comum sumário): nos casos de
impossibilidade de citação pessoal do acusado, conforme art. 66 da lei 9099/95 (ocorre na fase processual);
pela complexidade da causa (art. 98, I, da CF); e em caso de conexão e continência da infração de menor
potencial ofensivo com outra infração penal comum.

Por fim, cabe mencionar, que existem hipóteses de crimes comuns, ou seja, aquelas que não
se enquadram no conceito de menor potencial que serão remetidas ao JECRIM, conforme previsto no art.
94 do Estatuto do Idoso (Lei 10.741/03).
Contudo, o STF, na ADI 3096/DF (proposta pelo PGR), conferiu interpretação conforme ao
art. 94 do Estatuto do Idoso, estabelecendo que os delitos previstos no Estatuto cuja pena privativa de
liberdade não ultrapassar de 4 anos, será aplicada a lei 9.099/95 apenas em seu aspecto procedural, não
incidindo, destarte, os institutos despenalizadores do digesto de pequenas causas. Pensar de outa maneira,
seria subverter a principiologia do Estatuto do Idoso que visa conferir atendimento prioritário e proteção
ao idoso enquanto vítima, e não proporcionar maior benesse àquele que viola direitos do idoso.

927.Quais são os requisitos para a decretação da interceptação telefônica?


R.: Excelência, os requisitos para a decretação da interpretação telefônica, são:
- que o crime investigado seja apenado com pena privativa de liberdade de reclusão;
- que haja ordem fundamentada da autoridade judiciária competente para o julgamento do processo
criminal principal (teoria do juízo aparente);
- que haja indícios razoáveis de autoria (ou participação) do agente que terá decretada sua linha telefônica
interceptada;
- justificativa de que a prova não pode ser realizada por outros meios de provas disponíveis (parte da
doutrina admite aqui o periculum in mora, como fundamento da imprescindibilidade da interceptação
telefônica como medida cautelar probatória, sob pena de risco de se perder a prova);
- e, por fim, a delimitação no decreto judicial do objeto da investigação e do sujeito passivo da
interceptação.
Esses requisitos se encontram no art. 5º, XII, da CF e nos artigos 1º e 2º da lei 9.296/96.

928.Como formalizar os autos de interceptação telefônica?


R.: Excelência, após deferido o pedido de interceptação telefônica (lembra-se que a
interceptação telefônica pode ocorrer por inciativa de ofício do magistrado), a autoridade policial
conduzirá o procedimento de interceptação telefônica, dando ciência das diligências realizadas ao parquet.
As gravações da comunicação interceptada serão transcritas, sendo despicienda a degravação
integral das gravações efetuadas, segundo a jurisprudência dos Tribunais Superiores (STF, Inq. 3693, Rel.
Min. Cármen Lúcia, j. 10/04/2014).
Esse conteúdo será formalizado em autos apartados, apensados aos autos de inquérito policial,
no azo de preservação do sigilo das diligências, gravações e transcrições respectivas.
Finalizada a interceptação telefônica, a Autoridade Policial encaminhará o resultado da medida
ao juiz, acompanhado do auto circunstanciado, que deverá conter o resumo das operações realizadas, como
a lavratura de auto de prisão em flagrante e o cumprimento de mandados de busca e apreensão, se por
ventura houverem.
Vale ainda lembrar que pelo dispositivo constante no art. 8º, p. único, da lei de interceptação
telefônica a apensação poderá ser realizada antes do relatório da autoridade policial, durante a fase de
inquérito policial.

929.Em quais hipóteses podem ocorrer avocação do IP de interceptação telefônica por superior
hierárquico?
R.: Excelência, a possibilidade de avocação do IP encontra-se no art. 2º, §4º, da lei 12.830/13.
Tal norma estabelece que que o IP somente poderá ser avocado por superior hierárquico
(Delegado-Geral, no âmbito da Polícia Civil), com o devido despacho de avocação fundamentado nos
seguintes casos: por razões de interesse público ou em virtude da inobservância dos procedimentos
previstos em regulamento da corporação que possa prejudicar a investigação.
Desta forma, poderia entender, no caso específico de IP de interceptação telefônica, a avocação
atendente do interesse público nos casos de gravações que demandem conhecimentos técnicos
especializados para sua execução e elaboração; ou nos casos de avocação com espeque no descumprimento
dos procedimentos – podemos pensar desrespeitos aos prazos de interceptação, ou de descumprimento dos
limites objetivos e subjetivos estabelecidos no despacho judicial autorizador da interceptação, pelo
Delegado de Polícia (sendo que ambas situações poderiam acarretar em nulidade absoluta dos elementos
de prova colhidos na interceptação).

930.Defina usura real.


R.: Excelência, a usura real é a obtenção mediante contrato de lucro patrimonial que exceda o
quinto do valor corrente ou justo da prestação feita ou prometida, abusando o credor da premente
necessidade, inexperiência ou leviandade da outra parte.
Tal conduta encontra-se tutelada pelo Direito Penal, pois está tipificada no art. 4º, “b”, da Lei
dos crimes contra a economia popular (Lei 1.521/ 51).
Trata-se de crime em que o agente se vale de instituto próximo à lesão do Direito Civil (art.
157 do CC) para a prática da usura real, desde que haja ganhos superiores a um quinto (20%) nos contratos
de lucro patrimonial para o agente.
Já a usura pecuniária está definida no art. 4º, “a”, da lei 1.521/51 e pode ser entendida como o
empréstimo de dinheiro a juros superior a taxa estipulada em lei, gerando um lucro excessivo por parte do
credor e um grande prejuízo por parte do devedor. Poder ser, ainda, a cobrança excessiva de ágil, superior
à taxa oficial de câmbio, sobre quantia permutada em moeda estrangeira, bem como o empréstimo sob
penhor que seja privativo de instituição oficial de crédito. Note-se que na tipificação de usura pecuniária
enquadra-se o anatocismo, que é a cobrança de juros sobre juros, acrescidos ao saldo devedor, em razão
de não terem sido pagos no vencimento.

931.O que se entende por lavagem de dinheiro?


R.: Excelência, a lavagem de dinheiro consiste na atividade revestida de objeto lícito, que tem
por finalidade a transformação de recursos financeiros obtidos de forma ilícita em lícitos, operada por
meio das fases da introdução (placement), dissimulação (layering), integração (integration), para que seja
ocultada aquela origem ilícita4.

932.Em uma busca domiciliar, é localizada uma arma de uso permitido, todavia, sem o devido
registro. Caracteriza crime? Quais as providências a ser tomadas pelo delegado de polícia?
R.: Excelência, primeiramente cabe anotar que possuir intra muros (no interior da sua
residência ou local de trabalho) arma de fogo de uso permitido sem o devido registro no órgão competente,
configura o crime de posse irregular de arma de fogo de uso permitido (previsto no artigo 12 da lei
10.826/03 – Lei do Sistema Nacional de Armas).
Vale lembrar que como se trata de crime permanente. Assim, a situação flagrancial é de hialina
clareza, no caso em análise, ante a figura do flagrante próprio ou real (cf. art. 302, I, do CPP).
Em segundo aspecto, diante do crime mencionado e do estado flagrancial, caberia ao delegado
de polícia as seguintes providências:
- Realização da prisão-captura do agente em situação de flagrante real;
- Apreensão da arma de fogo e, após, a remessa para o instituto de perícia para a realização do laudo para
a realização de elementos relativos ao exame de corpo de delito (conforme art. 25 da lei 10.826/03 e art.
158 do CPP);
- Lavratura do auto de prisão em flagrante e entrega da nota de culpa ao autuado;
- Concessão da liberdade provisória com fiança, se excluídas as hipóteses de inafiançabilidade relativa,
vez que o crime possui pena privativa de liberdade máxima em abstrato de 3 (três) anos de detenção.

4
HABIB, Gabriel. Leis Penais Especiais. Coleção leis especiais para concursos, vol. 12. 10ª ed - 2018. Ed. Juspodivm ; p. 579.
Destarte, será possível ao delegado de polícia arbitrar a fiança do autuado, conforme disposto no art. 322
do CPP.

933.Qual a diferença de posse e porte de arma?


R.: A posse autoriza a pessoa manter a arma em sua residência ou local de trabalho e o porte a tê-la consigo,
fora da moradia ou residência. Esta é a diferença básica. STJ, HC 92.136.

934.Venda de bebida alcoólica dentro de uma tribo indígena caracteriza crime? Que medida deve
ser tomada pelo delegado?
R.: Sim, de acordo com o art. 58, III, da Lei nº 6001/73 (Estatuto do Índio), desde que a venda seja feita
nos grupos tribais ou para índios não integrados. Como a competência é da Justiça Estadual, por não
envolver disputa indígena (súmula 140, STJ), o delegado deverá instaurar inquérito policial.

935.No caso de IP de furto continuado praticado por indivíduo que não tem documento de
identificação, pode haver representação para prisão temporária?
R.: Não. O furto não consta no rol taxativo dos crimes que admitem a prisão temporária (Lei nº 7960).
Embora seu art. 1º, II, admita a prisão para “esclarecimento de sua identidade”, prevalece que os inciso III
(rol de crimes) deve estar sempre presente para a decretação, o que restou ausente no caso.

936.O juiz de ofício pode decretar a interceptação telefônica?


R.: Sim, de acordo com o art. 3º da Lei nº 9296. Contudo, a doutrina esclarece que a atuação do magistrado
na fase investigatória pode violar o sistema acusatório e a imparcialidade. Nesse sentido, ver ADI 3450.
Na fase judicial, o juiz pode decretar de ofício, sem problemas.

937.O advogado de defesa pode representar pela interceptação telefônica sob o argumento do
exercício da ampla defesa?
R.: 1ª corrente: Sim, para interceptar conversas da vítima ou de outro suspeito, com base na
proporcionalidade. 2ª corrente: Não, pois o silêncio do legislador foi eloquente. Mas nada obsta que a
defesa inste a autoridade policial ou o MP para que eles requeiram. Ver art. 3º da Lei nº 9296.

938.Em que momento ocorre a juntada dos autos da interceptação aos autos do IP?
R.: Imediatamente antes do relatório da autoridade policial, nos termos do art. 8º, § único, da Lei nº 9296.

Examinador: MARCOS BATALHA

939.A quebra de sigilo telefônico pode ser decretada por delegado em alguma hipótese?
R.: Não. Apenas o juiz pode decretar, uma vez que recai sobre a interceptação a cláusula de reserva de
jurisdição, o que “importa em submeter, à esfera única de decisão dos magistrados, a prática de
determinados atos” (STF, MS 23452).

940.Qual a diferença de quebra de sigilo telefônico e interceptação telefônica?


R.: O sigilo telefônico se refere aos ao histórico das ligações efetuadas, sem acesso ao seu conteúdo. A
interceptação é a captação da conversa por um terceiro, sem conhecimento dos comunicadores. A reserva
de jurisdição incide apenas na interceptação. Ver STJ, RHC 82868.

941.Qual a posição da jurisprudência acerca de sucessivas prorrogações da interceptação?


R.: São legítimas, desde que o fato investigado seja complexo. Quanto às decisões de prorrogação,
permanecendo os fundamentos da decisão de interceptação, não há necessidade de renovação da motivação,
a qual pode manter-se idêntica ao pedido original. Ver. STJ, AgRg no AREsp 988527.

942.Defina crime de menor potencial ofensivo.


R.: São aqueles com pena máxima em abstrato não superior a 2 anos.

943.Havendo no mesmo contexto fático, um furto e um crime de menor potencial ofensivo, Como se
apura, TC ou IP?
R.: Deve-se instaurar IP para a apuração de ambos os crimes, aplicando-se por analogia o art. 60 da Lei nº
9.099/95.

944.Cabe prisão temporária na hipótese do crime de sequestro relâmpago?


R.: A lei nº 7960 admite a prisão temporária pelos crimes do art. 158, caput, §§ 1º e 2º. O sequestro
relâmpago está no art. 158, §3º. 1ª corrente: não, pois não consta do rol taxativo da 7960. 2ª corrente: sim,
pois é pressuposto do sequestro relâmpago a prática da conduta do 158, caput.

945.Acerca das medidas protetivas da Lei Maria da Penha, há prazo para o juiz se manifestar?
R.: Sim, em 24 horas (art. 18 da Lei nº 11340).

946.Há previsão de prazo para o delegado de polícia encaminhar ao juiz o pedido de tais medidas?
Sim, em 48 horas (art. 12, III da Lei nº 11340).

947.Quem participa na diligência para destruição de drogas?


R.: Delegado de Polícia, MP e autoridade sanitária (art. 50, §4º da Lei nº 11343).

948.O delegado de polícia pode representar ao juiz para prisão temporária por crime de furto?
R.: Não cabe prisão temporária por crime de furto. “Não pode subsistir o decisum que decretou a prisão
temporária do paciente, investigado em sede de inquérito policial pela suposta pratica do delito de furto,
o qual não está inserido no rol do art. 1º, III, da Lei n.º 7.690/89”. STJ, HC 35557.

949.Quais os requisitos para decretação da prisão temporária?


R.: Prevalece que deve estar presente sempre o fumus comissi delicti (inciso III), combinado com o
periculum libertatis (inciso I OU II). Requer-se que o crime esteja no rol do inciso III, acrescido da
imprescindibilidade da prisão para a investigação ou ausência de residência ou identificação.

950.Os requisitos para a decretação da prisão temporária são cumulativos ou alternativos?


R: O art.1º da Lei da Prisão Temporária elenca três requisitos para sua decretação, sendo que os incs. I e
II são alternativos e o inc. III é cumulativo, ou seja, presente a situação do inc. I (imprescindibilidade para
as investigações) ou do inc. II (falta de residência fixa ou de elementos para identificação da identidade),
a temporária pode ser decretada diante de fundadas razões para a imputação da prática de um dos crimes
do inciso III (ou de crime hediondo ou equiparado).

951.Do que se trata no CDC a publicidade clandestina?


R: Publicidade clandestina ou simulada é aquela que procura ocultar o seu próprio caráter de propaganda.
Dependendo do caso concreto, pode configurar o crime do art.67 ou do art.68 do CDC.

952.Decretação de prisão temporária por vulgo ou primeiro nome, sem a qualificação. Qual
fundamento o Delegado de Polícia pode utilizar para representar a prisão temporária?
R: Quanto ao periculum libertatis, o Delegado deve representar com base no art.1º, II, da Lei 7.960/89 -
quando o indicado (...) não fornecer elementos necessários ao esclarecimento de sua identidade.

953.LEP – O carcereiro de cadeia pública pode violar correspondência do preso?


R: Segundo o art.41, parágrafo único, da Lei 7.210/84, o Diretor do estabelecimento prisional, mediante
ato motivado, com fundamento em razões de segurança pública, de disciplina prisional ou de preservação
da ordem jurídica, pode, excepcionalmente, violar a correspondência do preso. Mas essa violação não pode
ser realizada pelo carcereiro.

954.RDD – Que hipóteses estão previstas em lei para sua aplicação?


R: Quando o preso provisório ou o condenado pratica fato previsto como crime doloso, o RDD pode ser
aplicado como sanção disciplinar (art.52 da LEP). Outra hipótese é a aplicação do RDD como medida
cautelar, no caso de presos provisórios ou condenados que apresentem alto risco para a ordem e a segurança
do estabelecimento penal ou da sociedade ou sob os quais recaiam fundadas suspeitas de envolvimento ou
participação, a qualquer título, em organizações criminosas ou associações criminosas (art.52, §§1º e 2º,
da LEP).

955.Qual o tipo de ação do Estatuto do Idoso?


R: São crimes de ação penal pública incondicionada (art.95, Estatuto do Idoso). Destacando que, aos
crimes tipificados no EI cuja pena máxima não ultrapasse 4 anos, aplica-se o procedimento previsto na
Lei 9.099/95, por motivo de celeridade, o que não modifica a natureza da ação penal.

Examinador: Francisco Petrarca Ielo Neto

956.Qual a diferença entre elisão e evasão fiscal?


R: Na elisão fiscal, o contribuinte usa meios lícitos para evitar a ocorrência do fato gerador do tributo ou
para diminuir a carga tributária a ser por ele suportada. Já a evasão fiscal ocorre quando o sujeito passivo
utiliza de meios ilícitos para ocultar a ocorrência de fato gerador da obrigação tributária e o consequente
nascimento desta, objetivando o não pagamento de tributo ou penalidade devida. Abrange a sonegação
fiscal, a fraude e o conluio. Regra: Elisão é lícita X Evasão é ilícita.

957.Quais os pressupostos para aplicação da traição benéfica?


R: Também conhecida como colaboração premiada, sua aplicação, segundo a Lei das Organizações
Criminosas requer: 1) Formalização escrita do acordo; 2) Pedido de homologação a ser distribuído
sigilosamente; 3) Homologação judicial do acordo; e 4) Colaboração efetiva e voluntária.

958.No que consiste a expressão “lavagem de dinheiro” e quais as suas fases?


R: A expressão “lavagem de dinheiro” tem origem no Direito norte-americano (“money laundering”), pela
prática criminosa durante a década de 1920 de se utilizar pequenos estabelecimentos (literalmente
lavanderias) para a ocultação da ilicitude da origem de capitais. Lavar dinheiro é o ato praticado para
encobrir a natureza, localização ou propriedade de bens de origem delituosa, com o objetivo de reintroduzi-
los à economia formal com aparência lícita, em um modelo composto por três fases:
1ª) colocação/placement; 2ª) dissimulação/layering; 3ª) integração/integration.

959.Estatuto do Desarmamento – As condutas do artigo 14 admitem tentativa?


R: O porte ilegal de arma de uso permitido se consuma com simples prática de qualquer das condutas
típicas (crime de mera conduta), sendo desnecessária qualquer situação concreta de perigo a terceiros. Mas
é possível a tentativa para alguns núcleos, como: tentar adquirir, fornecer ou receber.

960.A conduta é de perigo concreto ou de perigo abstrato?


R: Como dito, sendo desnecessária qualquer situação concreta de perigo a terceiros para a consumação do
crime, este se traduz em delito de perigo abstrato ou presumido.

961.– Lei de Contravenções Penais – Diferencie o tipo do artigo 128 da falsidade ideológica.
R: acho que essa pergunta está incompleta.

962.A Lei de Contravenções Penais admite a existência de culpa?


R: Sim, um exemplo é o art.31 da LCP, que traz a previsão de figura culposa (Art.31. Deixar em liberdade,
confiar à guarda de pessoa inexperiente, ou não guardar com a devida cautela animal perigoso).

963.É possível a autoridade judicial conceder liberdade sem fiança no crime de racismo?
R: A Constituição Federal afirma que o crime de racismo é inafiançável, mas não veda a liberdade
provisória (CF, art.5º, XLII). Assim, a análise do cabimento deve ser feita pelo magistrado, no caso
concreto, sob pena de violação ao princípio da presunção de inocência, apontando a presença ou ausência
dos pressupostos do arts.312 e 313 do CPP (prisão preventiva) ou da Lei 7.160/89 (prisão temporária).
Interpretação diversa estabeleceria uma prisão cautelar obrigatória para aquele que fora preso em flagrante
pelo cometimento de crime de racismo.

964.O que se entende por etnia, nos termos da lei?


R: Etnia é um grupo biológico e culturalmente homogêneo. Há similitude de linguagem, cultura, traços
físicos e tradições comuns.

965.Qual o elemento subjetivo do crime de racismo?


R: é o dolo, consistente na intenção de segregar ou de ofender de forma generalizada em razão da raça,
ou, ainda, vontade de praticar, induzir ou incitar a discriminação ou o preconceito por motivo de raça. O
racismo é delito de tendência.

966.Diferencie racismo de injúria racial.


R: Racismo é crime de discriminação, imprescritível, que ocorre diante de ofensa generalizada em razão
da raça ou de segregação em razão da raça. Já a injúria racial é crime contra a honra, imprescritível e ocorre
diante do emprego pelo agente de um elemento de etnia, cor ou raça para ofender a honra subjetiva da
vítima.

967.Uma pessoa pode ser punida por ter tatuagem da suástica?


R.: Não, pois, em que pese a lei de racismo classificar como criminosa a conduta de divulgação do
nazismo, a simples tatuagem da suástica não configura o delito, haja vista que a tatuagem não é feita para
fins de divulgação do nazismo.
- art. 20, § 1º, lei 7.716/89

968.Crimes hediondos → homicídio praticado por grupo de extermínio é crime hediondo?


R.: Sim, tal crime está previsto na lei de crimes hediondos.
- art. 1º, I, lei 8.072/90

969.E se foi praticado por uma pessoa do grupo?


R.: A lei prevê que será considerado hediondo, ainda que praticado por uma só pessoa.

970.É possível liberdade provisória e fiança?


R.: A lei proíbe expressamente a concessão de fiança. Entretanto, nem a lei nem a CF faz menção a
liberdade provisória, logo admite-se a concessão de liberdade provisória sem fiança.
- art. 2º, II, lei 8.072/90

971.Como se dá a progressão de regimes nos crimes hediondos?


R.: A progressão se dá com o cumprimento de 2/5 da pena se o condenado é primário e 3/5 se for
reincidente.
- art. 2º, § 2º, lei 8.072/90

972.O que é crime organizado por extensão e crime organizado por natureza?
R.: Crime organizado por extensão: diz respeito à punição pelos crimes praticados pela organização
criminosa; crime organizado por natureza: diz respeito à punição pelo delito de organização criminosa.

973.Em que momento se dá a consumação do crime de organização criminosa?


R.: Em razão de ser um delito de perigo abstrato, basta a mera reunião de agentes com a finalidade de
praticar infrações penais para que haja a consumação. A reunião de pessoas para a prática de crime
determinado configura mero concurso de pessoas.

974.Qual a diferença entre interceptação ambiental, escuta ambiental e gravação ambiental?


R.: Interceptação ambiental: consiste na captação de sons e imagens, feita por terceira pessoa, de duas ou
mais pessoas, sem que elas saibam.
Escuta ambiental: terceira pessoa capta sons ou imagens provenientes de duas ou mais pessoas, tendo uma
delas conhecimento do ocorrido.
Gravação ambiental: a captação de sons ou imagens é feita por uma pessoa, sem que a outra pessoa saiba
da gravação.

975.Diferencie confissão de colaboração premiada.


R.: A confissão ocorre quando o acusado admite a prática do crime corroborada com outras provas, e se
trata de uma atenuante genérica prevista na parte geral do CP; colaboração premiada é uma espécie de
“prêmio” concedido ao acusado que colabora com as investigações, podendo, inclusive, acarretar em
extinção da punibilidade.

976.A responsabilidade do administrador é objetiva ou subjetiva, nos termos da lei de improbidade


administrativa?
R.: Por se tratar de ato que acarreta invariavelmente em sanção, há que se perquirir dolo (ou culpa) do
agente, portanto, a responsabilidade é subjetiva nos atos de improbidade administrativa.

977.Quais as três espécies de atos de improbidade administrativa?


R.: O legislador utilizou o critério da gravidade dos atos: enriquecimento ilícito; danos ao erário e violação
aos princípios administrativos.
- art. 9, 10 e 11, lei 8.429/92
OBS: existe mais uma modalidade de improbidade prevista no art. 10-A

978.Quem pode ser o sujeito ativo?


R.: Pratica ato de improbidade qualquer agente público, bem como o particular. No entanto, o particular
não pode ser responsabilizado sozinho pelo ato de improbidade, havendo, portanto, um litisconsórcio
necessário entre agente público e particular – entendimento do STJ

979.E o sujeito passivo mediato e imediato?


R.: Sujeito passivo mediato é o Estado, uma vez que protege a administração e o patrimônio público;
sujeito passivo imediato é o ente do qual se originou o ato de improbidade.

980.CTB. Há crimes de danos previstos no Código de Trânsito?


R.: Sim, como o do artigo 309: dirigir veículo em via pública sem CNH gerando perigo de dano; o art.
311: trafegar com velocidade incompatível com a segurança em determinados locais, gerando perigo de
dano.

981.Qual a autoridade cometente para aplicar a multa reparatória nos crimes de trânsito?
R.: A autoridade competente é o juiz de direito, uma vez que a multa reparatória é um efeito secundário da
sentença penal condenatória. Aplica-se somente aos crimes que causem prejuízos para a vítima do
acidente.
- art. 297, CTB

982.Que requisitos devem o Delegado atender para o indiciamento?


R.: São semelhantes para o oferecimento da denúncia, ou seja, prova da materialidade e indícios suficientes
de autoria.

983.Prisão temporária → Pode representar pela prisão temporária do agente que fabrica o
maquinário para a fabricação de drogas?
R.: A lei de prisão temporária faz menção expressa ao crime de tráfico de drogas, ou seja, somente as
condutas do artigo 33 ensejariam tal modalidade de prisão.
- art. 34, lei 11.343/06 e art. 1º, III, “n”, lei 7.960/89
OBS: parte da doutrina entende ser inconstitucional a prisão temporária aos crimes de tráfico de drogas
sob 2 argumento: i) sua criação se deu por meio de medida provisória, logo há inconstitucionalidade formal
por vício de iniciativa; ii) a medida cautelar de natureza excepcional não poderá ocorrer em face do tráfico
de drogas, pois a Lei 7.960/89 é taxativa ao elencar entre os delitos autorizadores de tal medida o artigo
12, da Lei 6.368/76 e não o artigo 33, da Lei 11.343/06. Desta forma, como em Direito Penal não é admitida
a analogia in malam partem, resta a impossibilidade da aplicação desta modalidade de prisão cautelar.

984.E o magistrado? Pode decretar uma prisão temporária de ofício?


R.: Prisão temporária só é cabível na fase investigatória. Não pode ser decretada de ofício. O juiz
permanece afastado, aguardando eventual representação da autoridade policial ou requerimento do MP.
Lei 7960/89 - Art. 2° A prisão temporária será decretada pelo Juiz, em face da representação da autoridade
policial ou de requerimento do Ministério Público, e terá o prazo de 5 (cinco) dias, prorrogável por igual
período em caso de extrema e comprovada necessidade. § 1° Na hipótese de representação da autoridade
policial, o Juiz, antes de decidir, ouvirá o Ministério Público.

985.CDC → Quem é considerado consumidor?


R.: Consumidor é toda pessoa física ou jurídica que adquire ou utiliza produto ou serviço como destinatário
final. Equipara-se a consumidor a coletividade de pessoas, ainda que indetermináveis, que haja intervindo
nas relações de consumo. Art. 2° do CDC.

986.O direito de reclamar pelos defeitos aparentes ou de fácil constatação prescreve em que prazo?
R.: O direito de reclamar pelos vícios aparentes ou de fácil constatação caduca em trinta dias, tratando-se
de fornecimento de serviço e de produtos não duráveis; noventa dias, tratando-se de fornecimento de
serviço e de produtos duráveis. Art. 26 do CDC.

987.Em que momento se inicia a contagem de prazo?


R.: Inicia-se a contagem do prazo decadencial a partir da entrega efetiva do produto ou do término da
execução dos serviços. Art. 26 do CDC.
988.Interceptação telefônica → Qual a diferença entre interceptação telefônica e escuta telefônica?
R.: Interceptação telefônica ou interceptação telefônica em sentido estrito é a captação da conversa
telefônica feita por um 3° sem o conhecimento dos interlocutores.
A escuta telefônica a captação da conversa telefônica feita por um 3° com o conhecimento de um dos
interlocutores e sem o conhecimento do outro.

989.Quais os requisitos legais para a escuta telefônica?


R.: A CF, art. 5° XII, autoriza a interceptação telefônica desde que presentes 3 requisitos: 1) Lei prevendo
as hipóteses e a forma das interceptações. 2) Para fins investigação criminal ou instrução processual penal.
3) Ordem judicial.
Já o art. 2° da Lei 9296/96 prevê como requisitos: 1) Indícios razoáveis de autoria ou participação (fumus
comissi delicti); 2) Indispensabilidade da interceptação (periculum in mora): A interceptação é o único
possível de se obter a prova; 3) Crime punido com reclusão.

Examinador: MARCOS BATALHA

990.Qual a natureza jurídica do delito de direção de veículo automotor sem habilitação?


R.: O art. 309 do CTB ocorre com o perigo concreto de dano, ou seja, quando o sujeito dirige de forma
anormal, numa das situações previstas no tipo penal, com violação das normas de trânsito. As condutas
são: a) dirigir sem possuir habilitação; b) sem a devida habilitação (de categoria adequada àquele veículo
que estiver sendo conduzido); c) se tiver sido cassado o direito de dirigir.

991.Como tem se posicionado a jurisprudência sobre a consideração de dolo eventual na hipótese de


motorista encontrar-se embriagado?
R.: Segundo a Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça, a embriaguez do motorista, por si só, não
significa que o agente agiu com o dolo eventual, mesmo que resultando acidente com o evento morte.
Assim, a embriaguez do agente condutor do automóvel, sem o acréscimo de outras peculiaridades que
ultrapassem a violação do dever de cuidado objetivo, inerente ao tipo culposo, não pode servir de premissa
bastante para a afirmação da existência do dolo eventual.
O STF, analisando o caso concreto, considerou como dolo eventual a conduta do agente que estando
embriagado e dirigindo na contramão colidiu seu veículo com vítima fatal.

992.De acordo com a lei 12.830/2013, qual a validade jurídica do TC lavrado por PM?
R.: Recentemente, em 2017, houve um julgamento monocrático do Ministro Gilmar Mendes ampliando o
conceito de autoridade policial a qualquer servidor integrante das carreiras do art.144 da CF para fins de
definição da atribuição legal acerca da lavratura do TC (STF, RE 1.050.631-SE, Min. Rel. Gilmar Mendes,
decisão monocrática em 22/09/2017). No entanto o STF, fruto de diversos julgamentos em Plenário, possui
posição no sentido de que nenhum outro agente público está autorizado a exercer função de autoridade
policial, senão o Delegado de Polícia que - segundo art. 2° da Lei 12.830 - pertence a uma carreira jurídica.
As atribuições de polícia judiciária e investigação de crimes comuns incumbem à Polícia Civil e Polícia
Federal, dirigida por Delegado de Polícia (art. 144, &4° da CF, art. 4° do CPP e art. 2°, &1° da Lei
12.830/2013). TC é um dos procedimentos policiais que materializam a investigação criminal (art. 2°, &1°
da Lei 12.830).
Todos os elementos informativos e probatórios produzidos por instituição diversa da polícia judiciária são
inválidos, porquanto o ordenamento jurídico veda a utilização de provas ilícitas. Além do mais, o policial
que atuar à margem da CF poderá sofrer responsabilidade pessoal, seja por improbidade administrativa
(art. 11 da Lei), seja disciplinar por seu órgão, seja criminal por usurpação de função pública (art. 328,
CP). Livro: Temas avançados de Polícia Judiciária, Autores: Eduardo Fontes e Henrique Hoffmann.

993.Defina ato de improbidade.


R.: Constitui ato ilegal praticado por agente público, durante o exercício de função pública ou decorrente
desta, que infringe a moralidade pública, afrontando a honestidade, boa-fé, o respeito à igualdade, às
normas de condutas aceitas pelos administrados, o dever de lealdade e outros princípios éticos e morais;
ou por terceiro que induz, concorre ou se beneficia do ato de improbidade. A Lei nº 8.429/92 estabelece 4
espécies de atos de improbidade: os que importam enriquecimento ilícito (artigo 9º), os que causam lesão
ao erário (artigo 10) qualquer ação ou omissão para conceder, aplicar ou manter benefício financeiro ou
tributário contrário ao que dispõem o caput e o § 1º do art. 8º-A da Lei Complementar nº 116, de 31 de
julho de 2003 (artigo 10 – A) e, por fim, os que atentam contra os princípios da Administração Pública
(artigo 11).

994.É obrigatória a transcrição da interceptação telefônica? Como se posicionou o STF?


R.: Segundo o art. 6°, parágrafo 1° da Lei 9296/96 uma vez gravada a interceptação é obrigatória a sua
transcrição, passando, dessa forma a integrar o processo como elemento probatório. Contudo o STF e STJ
interpretam no sentido de relativizar a necessidade de transcrição integral dos diálogos gravados,
admitindo a transcrição parcial, bastando que haja transcrição do que seja relevante para o esclarecimento
dos fatos e que seja disponibilizada às partes o acesso integral dos registros. AgRg no AgRg no AREsp
273.103/SP, DJe 02/02/2017. Ademais o STJ entende que a declaração de nulidade atinente à transcrição
parcial das interceptações telefônicas, assim como as demais nulidades processuais, exige demonstração
de eventual prejuízo concreto suportado pela parte (AgRg no REsp 1171305/SC, Quinta Turma, julgado
em 06/06/2017, DJe 14/06/2017).

995.Nos termos do Artigo 64 do CDC, a falta de comunicação acerca da nocividade/periculosidade


do produto, configura delito?
R.: Crime de omissão de informações sobre nocividade ou periculosidade de produto após a colocação no
mercado (art. 64 do CDC). Se a omissão ocorre antes da colocação no mercado resta caracterizado o crime
do art. 63 do CDC.

996.É necessária a ausência de comunicação às autoridades e ao consumidor ou a ausência de apenas


um destes já caracteriza delito?
R.: Acaso o fornecedor realize a comunicação somente aos consumidores, mas não a autoridade –ou vice-
versa- o crime estará consumado. O dever de comunicação erigido pelo tipo tem dois destinatários. Não
são destinatários alternativos.

997.O rol de crimes que permitem a prisão temporária é taxativo ou exemplificativo?


R.: O rol é taxativo, porém, outra lei, a dos Crimes Hediondos (8072/90), também possui um rol de delitos,
os quais se submetem à prisão temporária.

998.É possível a prisão temporária por crime de furto?


R.: O artigo 1º da Lei 7.960 /89 elenca taxativamente as hipóteses em que a prisão temporária é admitida.
O crime de furto não se encontra previsto no presente artigo.
Para ser cabível a prisão temporária deve estar presente um dos crimes do art. 1°, III, da Lei 7960/89 ou
crime hediondo além de uma das seguintes situações: a) ser imprescindível para as investigações do
inquérito policial; b) o indiciado não tem residência fixa ou não fornece elementos necessários ao
esclarecimento de sua identidade.

999.O prazo para conclusão do IP nos crimes contra a economia popular é o mesmo dos demais
crimes?
R.: Não. Para réu preso ou solto o prazo para conclusão do IP é de 10 dias. Lei 1521/51, art. 10, &1°.

1000. O parcelamento de débito fiscal, devidamente autorizado acarreta a extinção da ação


penal?
R.: Após o advento da Lei 12.382/2011, se o agente obtiver o parcelamento antes do recebimento da
denúncia, suspendem-se a prescrição e a pretensão punitiva, e, em caso de pagamento extingue-se a
punibilidade. Após o início da ação penal o parcelamento não mais poderá ser obtido, porém, de acordo
com o entendimento dominante, se o devedor efetuar o pagamento em qualquer fase da persecução penal,
restará também extinta a punibilidade. Ver art. 83, &2° da Lei 9430/96.

1001. É crime portar simulacro de arma de fogo?


R.: Não é crime portar brinquedo, réplica ou simulacro de arma de fogo. Tais objetos não são armas de
fogo. Logo, o fato é atípico por absoluta impropriedade do objeto (art. 17 do CP). Espingarda de
chumbinho também não é considerada arma de fogo.

1002. Quais as fases do crime de lavagem de dinheiro?


R.: As fases do crime de lavagem de dinheiro são introdução (placement), dissimulação (layering) e
integração (integration). Na primeira fase o dinheiro ilícito é introduzido no mercado formal para sua
conversão em ativos lícitos; a dissimulação é a lavagem propriamente dita, na qual se dá aparência lícita
para o dinheiro ilícito; na integração, os valores aparentemente lícitos são incorporados ao sistema
econômico.

1003. O delegado de polícia que deixa de comunicar uma prisão em flagrante ao juiz cometeu
que tipo de crime?
R.: A comunicação imediata da prisão em flagrante ao juiz, ao Ministério Público e à família do preso ou
à pessoa por este indicada é uma providência prevista no art. 306, caput, do CPP e no art. 5º, LXII, da
CF/1988. Se o delegado de polícia não o fizer, responderá por crime de abuso de autoridade (art. 4º, alínea
"c", da Lei 4.898/65). Também poderá responder por prevaricação (art. 319, CP), caso se verifique o
elemento subjetivo especial em sua conduta, qual seja, o intuito de satisfazer interesse ou sentimento
pessoal.

1004. A perda do cargo em razão de condenação por crime de tortura é efeito automático da
sentença?
R.: No crime de tortura, a perda do cargo é efeito automático da sentença condenatória (art. 1º, §5º, da Lei
9.455/97), ao contrário da regra geral do art. 92, I, do CP. Assim, não depende de motivação expressa na
sentença. Ver Informativo 549, STJ.

1005. Em relação à criança que pratica infração penal, há alguma medida socioeducativa?
R.: Às crianças que praticam infração penal (a que se dá o nome de "ato infracional") são aplicadas medidas
protetivas, previstas no artigo 101 da Lei 8.069/90. As medidas socioeducativas são aplicáveis apenas aos
adolescentes (pessoas entre 12 e 18 anos, conforme o art. 2º, caput, do ECA).

1006. Qual a diferença entre medida protetiva e medida socioeducativa?


R.: Medidas protetivas podem ser aplicadas a crianças (até 12 anos de idade incompletos) e a adolescentes,
ao passo que as medidas socioeducativas (I a VI do art. 112 da Lei 8.069/90) são aplicáveis somente aos
adolescentes autores de ato infracional.

1007. O juiz pode decretar de ofício as medidas protetivas da lei Maria da Penha?
R.: O art. 19, caput, da Lei 11.340/06 não prevê expressamente a possibilidade de o juiz decretar de ofício
as medidas protetivas de urgência. Há quem defenda a impossibilidade, tendo em vista o sistema
acusatório. Entretanto, para parcela abalizada da doutrina, é possível a concessão de ofício pelo
magistrado, com fundamento no poder geral de cautela e na ideia de que, ao fazê-lo, o juiz não atua como
acusador, mas apenas age visando à proteção da mulher vítima de violência doméstica, o que se coaduna
com as finalidades da Lei Maria da Penha (ver posição de Gabriel Habib).

1008. Para caracterizar o delito de tráfico, bastam a natureza e a quantidade da substância?


R.: São suficientes para caracterizar o delito de tráfico de drogas a natureza e a quantidade da substância,
sendo irrelevantes considerações sobre sua qualidade (grau de pureza da droga). Nesse sentido, confira-se
o RHC 55.172/SP, julgado pelo STJ. Pequena quantidade não influencia a configuração do crime, haja
vista a inaplicabilidade do princípio da insignificância (pacífico nos Tribunais Superiores).

1009. A renúncia à representação de vítima de violência doméstica, perante a autoridade


policial terá efeito para impedir a ação penal?
R.: A renúncia (trata-se de retratação, apesar de a lei usar o termo "renúncia") à representação nas ações
penais públicas condicionadas à representação da ofendida só é admitida perante o juiz, em audiência
especialmente designada para essa finalidade, antes do recebimento da denúncia e com oitiva do Ministério
Público (art. 16 da Lei 11.340/06). Portanto, não tem efeito a retratação perante a autoridade policial.

1010. Cabe prisão temporária na hipótese de sequestro relâmpago?


R.: De acordo com a literalidade do art. 1º, III, "d", da Lei 7.960/89, não cabe prisão temporária na hipótese
de "sequestro-relâmpago", conduta tipificada no §3º do art. 158 do CP. O rol de crimes para os quais se
autoriza o cabimento de prisão temporária é taxativo. Apenas a extorsão nas formas do art. 158, caput, §1º
e §2º foi prevista na Lei 7.960/89. Renato Brasileiro, todavia, alterou seu entendimento e, em obra do ano
de 2018, afirma que a modalidade de extorsão compreendida como "sequestro-relâmpago" também
comporta prisão temporária (para o autor, se a extorsão simples admite tal prisão cautelar, seria absurdo
concluir pelo seu não cabimento na forma qualificada).

Examinador: Jorge Luis Neves Esteves

1011. Lei 9.099/95 → Qual o recurso cabível e qual o prazo para interposição contra decisão
que rejeita a denúncia?
R.: O recurso cabível contra decisão que rejeita a denúncia no procedimento sumariíssimo no âmbito do
Juizado Especial Criminal é a apelação, a ser interposta no prazo de dez dias, conforme o art. 82, caput e
§1º, da Lei 9.099/95.
1012. Que órgão julgará o recurso?
R.: O órgão que julgará o recurso supracitado é a Turma Recursal do Juizado Especial, composta por três
juízes em exercício no primeiro grau de jurisdição, reunidos na sede do Juizado (art. 82, caput, da Lei
9.099/95).

1013. Artigo 88 → Qual o conceito e a natureza jurídica da representação?


R.: A representação é a manifestação de vontade por parte da vítima para que seja iniciada, pelo Ministério
Público, a ação penal pública condicionada a essa manifestação. No caso do art. 88 da Lei 9.099/95, trata-
se de medida despenalizadora prevista especificamente para as situações de lesão corporal leve e de lesão
culposa. Em regra, sua natureza jurídica é de condição de procedibilidade da ação penal. No tocante aos
processos por lesão corporal leve ou culposa que já se encontravam em curso ao tempo em que a Lei
9.099/95 entrou em vigor, Renato Brasileiro sustenta que a representação teria natureza de "condição de
prosseguibilidade" (art. 91 da Lei 9.099).

1014. Fale sobre o conceito e requisitos da suspensão condicional do processo.


R.: A suspensão condicional do processo é um instituto despenalizador previsto na Lei 9.099/95, que
permite, sob certas condições, a extinção da punibilidade após um período de prova, durante o qual o
processo queda suspenso. Seus requisitos são (art. 89, caput, da Lei 9.099): crimes com pena mínima
cominada igual ou inferior a um ano, abrangidos ou não pela Lei 9.099/95, excetuados aqueles praticados
no contexto da Lei 11.340/06; o acusado não pode estar sendo processado nem ter sido condenado por
outro crime; devem ser observados os demais requisitos que autorizariam a suspensão condicional da pena
(art. 77 do CP).

1015. Lei do Meio Ambiente, artigo 3º → Fale sobre as teorias da responsabilidade civil da
pessoa jurídica.
R.: As teorias quanto à responsabilidade penal da pessoa jurídica nos crimes ambientais (art. 3º da Lei
9.605/98) são: irresponsabilidade penal da pessoa jurídica (o fundamento seria a ausência de conduta do
ente moral); dupla imputação ou "imputação paralela" (pessoa jurídica só responde se também houver
pessoa física no polo passivo da ação penal; já foi adotada no STJ); responsabilidade da pessoa jurídica
isolada ou cumulada com a das pessoas naturais envolvidas (sócios, diretores, administradores etc.) - esta
última é a tese atualmente adotada pelo STF e pelo STJ.
*Obs questão 1018.: a pergunta fala em responsabilidade civil (não saiu escrito errado?). De qualquer
modo, responderia dizendo que a responsabilidade civil da pessoa jurídica (e também da pessoa natural)
em questões ambientais é objetiva e não se admitem excludentes de responsabilidade, uma vez que a teoria
adotada no Brasil nesta matéria é a do risco integral (posição majoritária da doutrina e também do STJ -
Informativo 490). A teoria do risco integral é uma das espécies de teorias do risco; as outras seriam a do
risco administrativo, a do risco criado, a do risco da atividade e a do risco-proveito.
1016. Como se classifica a ação penal nos crimes ambientais?
R.: A ação penal nos crimes ambientais é pública incondicionada (art. 26, caput, da Lei 9.605/98).

1017. Quais os requisitos para que o Ministério Público proponha a suspensão do processo?
R.: Os requisitos para que o Ministério Público proponha a suspensão do processo estão previstos no art.
89, caput, da Lei 9.099/95 (ver questão 1017). Ademais, tal suspensão subordina-se à observância das
condições especificadas no art. 89, §1º, I a IV, da Lei 9.099/95, além de outras que poderão ser
determinadas pelo juiz.

1018. Comercializar motosserra é crime ambiental?


R.: Sim. Conforme previsão no artigo 51 da lei 9605/98, comercializar motosserra ou utilizá-la em florestas
e nas demais formas de vegetação, sem licença ou registro da autoridade competente é crime ambiental.

1019. A lei prevê crime de dano na modalidade culposa?


R.: No Código Penal não há modalidade de crime de dano culposo. Entretanto, há a modalidade de crime
de dano culposo nos artigos 49 e 62, parágrafo único da Lei de Crimes Ambientais – Lei 9.605/98

1020. Estatuto do Desarmamento, artigo 12 → Caminhoneiro, que utiliza o veículo como


residência e porta arma de fogo. Qual o entendimento do STJ?
R.: Conforme entendimento do STJ, a cabine do caminhão não pode ser considerada nem como uma
extensão do local de trabalho e nem como extensão de residência para fins de descaracterizar o porte ilegal
de arma de fogo.

1021. Como a jurisprudência pacificou o entendimento quanto ao porte de arma desmuniciada?


R.: Conforme posição pacificada no STF e STJ, a posse ou o porte de arma de fogo desmuniciada configura
crime. Isso porque, por serem delitos de perigo abstrato, é irrelevante o fato de a arma apreendida estar
desacompanhada de munição, já que o bem jurídico tutelado é a segurança pública e a paz social.

1022. Recentemente se posicionou sobre o indivíduo que mantém arma de fogo, mas esqueceu
de renovar o registro. Qual o entendimento?
R.: Para o STJ, com base no princípio da subsidiariedade do direito penal, não há tipicidade material na
conduta de possuir arma de fogo de uso permitido com registro vencido, uma vez que existem sanções
administrativas suficientes para a tutela do bem jurídico violado.

1023. Um indivíduo mantem uma arma de fogo no cofre. O filho menor sabe da senha e se
apodera da arma de fogo. Como enquadraria?
R.: É crime não guardar devidamente uma arma de fogo, e com isso possibilitar que uma criança ou
adolescente se apodere dela. No caso de arma no cofre ao qual o filho sabe a senha, caracterizada está a
falha em guardar devidamente a arma. Situação diversa inclusive com amparo jurisprudencial seria em
manter a arma num esconderijo e a munição noutro. (art. 13 lei 10.826/03)

1024. Lei de Combate às Organizações Criminosas → Que benefícios poderão ser concedidos
ao agente que aderir ao acordo da colaboração premiada?
R.: Por determinação do art. 4º lei 12.850/13, “O juiz poderá, a requerimento das partes, conceder o perdão
judicial, reduzir em até 2/3 a pena privativa de liberdade ou substituí-la por restritiva de direitos daquele
que tenha colaborado efetiva e voluntariamente com a investigação e com o processo criminal, desde que
dessa colaboração advenha resultados”

1025. Em algum momento excepcionou o denominado princípio da obrigatoriedade da


denúncia pelo MP?
R.: Sim, na lei 9099/95 com a transação penal; na lei 12.259/11 (Sistema Brasileiro de Defesa da
Concorrência e Prevenção e Repressão às Infrações Contra a Ordem Econômica) com o acordo de
leniência; e na lei de organização criminosa (12.850/13) decorrente dos benefícios da colaboração
premiada.

1026. Após homologado o acordo da colaboração premiada, as partes podem retratar?


Justifique.
R.: Sim. Entretanto, em caso de retratação, é vedada a utilização das provas autoincriminatórias produzidas
pelo colaborador exclusivamente em seu desfavor. Importante ressaltar que sua retratação não exime sua
culpabilidade, mas esta deve ser provada por meios alternativos à confissão realizada no acordo de delação.

1027. No caso de crimes virtuais, pode se contar os institutos da Lei Maria da Penha?
R.: Sim, em se tratando de crimes virtuais com o especial fim de humilhar, degradar, coisificar a mulher,
alçando-a a um suposto patamar de criatura indigna de respeito, os fins sociais da Lei n. 11.340/06
autorizam ao Poder Judiciário, seja por meio de suas próprias disposições, seja por meio de outros
diplomas legais em vigor, a rechaçar todo ato de violência contra a mulher.

1028. No caso de agressão do patrão contra a empregada doméstica, ela pode contar com a Lei
Maria da Penha?
R.: Sim, O TJDFT reconheceu num caso de estupro praticado pelo patrão contra a empregada doméstica
que deve ser aplicado a Lei Maria da Penha. De acordo com o julgador, “a Lei Maria da Penha tem como
objetivo oferecer proteção integral à mulher, independentemente da existência de laços familiares ou de
relação íntima de afeto entre agressor e vítima, pois a vulnerabilidade é reconhecida em razão do gênero
e do local onde a conduta foi praticada”.

1029. Como Delegado foi procurado por uma mulher que foi constrangida a manter relações
sexuais com o marido, depois de um mês negando isso a ele. Ele exerceu o exercício regular de
um direito ou cometeu crime?
R.: Cometeu crime de estupro. Ademais, conforme o art. 226, II, do CP, que prevê causas de aumento para
o crime de estupro e demais crimes contra a dignidade sexual praticadas pelo cônjuge, não resta mais
dúvida quanto à possibilidade de o marido responder por este delito.

1030. Comarca onde não houver juizado de violência doméstica contra a mulher → Que órgão
do Poder Judiciário e competente?
R.: Conforme art. 33 da lei 11.340/06, enquanto não estruturados os Juizados de Violência Doméstica e
Familiar contra a Mulher, as varas criminais acumularão as competências cível e criminal para conhecer e
julgar as causas decorrentes da prática de violência doméstica e familiar contra a mulher.

1031. É possível a violação de correspondência dos presos?


R.: Conforme o STF, é possível com fundamento em razões de segurança pública, de disciplina prisional
ou de preservação da ordem jurídica, sempre excepcionalmente, e desde que respeitado o art. 41, parágrafo
único, da Lei n. 7.210/84, eis que a inviolabilidade do sigilo epistolar não pode constituir instrumento de
salvaguarda de práticas ilícitas.

1032. No que consiste o crime de corrupção de menores composto no ECA?


R.: Consiste no aliciamento de menores para a prática de crimes, através de qualquer meio de
comunicação, em nada importando o fato do mesmo já ter cometido infração anterior, aplicando-se aos
maiores de 12 e menores de 18 anos, respondendo cumulativamente ao ato que tenha praticado. (Art. 244-
B ECA e Súmula 500 STJ)

1033. Maior rouba na frente de menor, que tem antecedentes criminais. Como trata o menor?
R.: Em caso de roubo qualificado por concurso de agentes responderá por esse em ato infracional análogo.
Conforme jurisprudência do TJSP, menor que é reincidente específico e descumpriu injustificadamente a
medida anteriormente imposta em meio livre submete-se à medida socioeducativa de internação por prazo
indeterminado.

1034. Quem é o juiz competente para decretar a falência?


R.: Conforme art. 3o da lei 11.101/05, é competente para homologar o plano de recuperação extrajudicial,
deferir a recuperação judicial ou decretar a falência o juízo do local do principal estabelecimento do
devedor ou da filial de empresa que tenha sede fora do Brasil.

Examinador: Ana Cristina dos Santos Lutério

1035. Lei de Drogas → Quais os requisitos para a caracterização do uso compartilhado?


R.: O tipo possui requisitos objetivos e subjetivos especiais que devem estar cumulativamente presentes:
o oferecimento da droga deve ser eventual e destinado ao consumo em conjunto com pessoa do círculo
social do agente e, ainda, deve estar ausente o objetivo de lucro.

1036. O “fogueteiro” pratica crime previsto na Lei de Drogas?


R.: A conduta do fogueteiro se enquadra na figura do informante ou colaborador, isto é, aquele que embora
não participe diretamente da traficância com ela contribui prestando informações como, por exemplo,
avisando a chegada da polícia.

1037. Lembra em qual artigo?


R.: Mais precisamente no artigo 37, Excelência. Lembrando que não se trata de forma equiparada a
hediondo.

1038. Lei Maria da Penha. Delegado. Cite providências que tomaria assim que recebesse uma
vítima de violência doméstica.
R.: Faria o registro da ocorrência com a respectiva oitiva da ofendida, tomando a termo sua representação.
Determinaria a produção do exame de corpo de delito e a oitiva do agressor e outras testemunhas, sendo
possível. Passaria a informar a ofendida dos direitos previstos na lei, dentre os quais a possibilidade de sua
representação por medidas protetivas de urgência. Além disso, avaliaria a necessidade de proteção policial,
seja para o encaminhamento da vítima ao hospital, seja para acompanhar o seu transporte e retirada de
pertences até um local seguro.

1039. Como a lei conceitua violência patrimonial?


R.: O conceito de violência e patrimônio tratados na lei são mais amplos. Inclui qualquer conduta que
configure a retenção, subtração ou destruição de bens, valores, objetos, instrumentos de trabalho e até
mesmo documentos desprovidos de valor econômico.

1040. Quais as etapas da lavagem de capital?


R.: São basicamente 3 etapas que se confundem e se complementam, mediante um objetivo comum:
dificultar o rastreamento e sua vinculação com a infração penal produtora. Na ocultação, objetiva-se
inserir o ativo na economia formal de modo furtivo, seja por meio do depósito fracionado dos valores ou
utilização de “laranjas”. Já a dissimulação toma forma com a prática de atos tendentes a disfarçar ainda
mais a origem ilícita do ativo, com a efetivação de transações, conversões e movimentações variadas. Por
fim, tem-se a integração dos benefícios financeiros já com aparência de licitude, geralmente através da
compra de bens ou criação de pessoas jurídicas.

1041. Qual a diferença entre crime contra a ordem tributária (artigo 1º, III) e o crime de
duplicata simulada?
R.: O tipo da duplicata simulada é crime formal que atenta contra o patrimônio privado. A consumação se
dá no momento da emissão/circulação da cártula (formal). Na falsidade tributária, protege-se a ordem
difuso-coletiva, o dolo requer a intenção especial de reduzir ou suprimir o tributo e a consumação ocorre
com efetiva produção desse resultado, constatável a partir da constituição do débito. (c. material).

1042. A existência ou não do bem influenciaria a existência desses dois delitos?


R.: Há divergência na doutrina. Para alguns, o tipo da duplicata simulada, sob pena de analogia in malam
partem, somente abrangeria alterações qualitativas ou quantitativas, sendo que na ausência do bem ou a
chamada “duplicata fria” seria hipótese de desclassificação da conduta para o art. 171, caput, do CP. De
outro norte, há que sustente uma interpretação extensiva do dispositivo, ao argumento de que soaria
absurdo não punir ou punir de forma mais branda aquele que comete conduta mais gravosa.

1043. Desarmamento → Indivíduo surpreendido tentando adquirir arma de fogo. Alega que é
para deixar em sua residência pratica crime?
R.: Sim, pois um dos verbos nucleares do tipo contempla a modalidade “adquirir”, sendo, de fato,
perfeitamente possível haver fracionamento da conduta e a configuração do crime em sua forma tentada.

1044. Preconceito racial → Qual o objeto jurídico?


R.: O objeto jurídico é a dignidade da pessoa humana e também a isonomia, isto é, a igualdade de
tratamento e o respeito que devem ser dispensados a qualquer pessoa, independentemente de sua origem,
raça, cor, etnia ou religião.

1045. É o mesmo no racismo e na injúria racial?


R.: Não. Na injúria, embora utilizado o elemento racial, a ofensa é direcionada a uma pessoa determinada
e não a uma coletividade de pessoas. Desse modo, a proteção recai sobre sua honra subjetiva (conceito e
sentimento que tem de seus próprios atributos) e sua imagem.

1046. Artigo 20 → Um indivíduo caminha sem camisa com uma tatuagem de suástica nas costas.
Pratica crime?
R.: Não. Para caracterização do delito de divulgação do nazismo exige-se, além da veiculação do símbolo,
um elemento subjetivo especial do tipo, qual seja, a intenção de divulgá-lo ou promovê-lo.

1047. Pode ser preso em flagrante?


R.: Apenas se, no contexto, for possível vislumbrar estar sendo utilizada como meio para a prática do
crime.

1048. Entende que ele estaria veiculando o nazismo?


R.: Não.

1049. Há diferença entre identificação criminal e qualificação?


R.: Não se confundem, embora se complementem. A identificação criminal busca a certeza ou a
confirmação sobre a identidade física do indivíduo. Caracteriza-se pela imutabilidade. Já a qualificação
consiste nas qualidades e atributos que servem para individualizar uma pessoa, tornando-a diferente das
demais (nome, profissão, filiação, apelidos e etc).

1050. A certidão de nascimento, por si só, pode fazer a identificação?


R.: Não. Embora inexista exigência legal expressa nesse sentido, observa-se que todos os documentos
contidos no rol exemplificativo da lei de identificação são documentos que possuem foto. Portanto, através
de uma interpretação sistemática, a certidão, por si só, deve ser equiparada a documento insuficiente para
identificar cabalmente o indiciado.

1051. Lei 9.099/95 – O que se entende por princípio da concentração?


A concentração, que está sempre entrelaçada com a celeridade, oralidade e informalidade, significa que os
atos processuais devem concentrar-se em um único momento, em uma só audiência, ou, se inviável, em
poucas audiências, com curto intervalo entre elas.

1052. Quem pode ser sujeito ativo do crime do artigo 2º da Lei dos Crimes contra o Trabalho?
R.: O sujeito ativo será a pessoa física empregadora, o representante legal do empregador e dirigentes de
órgãos ou entidades da Administração Pública.
Art. 2º, parágrafo único, da Lei 9029/95.

1053. Interceptação telefônica → Autoridade policial correicional flagra policial fornecendo


conteúdo de interceptação telefônica a terceiro não interessado. Comete crime?
R.: Sim, constitui crime quebrar o segredo de justiça, divulgando informações cobertas por sigilo.
Art. 10 da Lei 9.296/96
1054. Lei 12.830 → Se o Promotor requisitar o indiciamento de uma pessoa, o Delegado deve
obedecer?
R.: Não, o indiciamento é ato privativo do Delegado de Polícia, que será por sua análise técnico-jurídica,
mediante ato fundamentado.
Art. 2º, §2º, da lei 12.830/13.

Examinadora: Marcia Heloisa Mendonça Ruiz

1055. Delegacia. Senhora relata que o PM, ao efetuar a prisão do seu filho, tirou toda a roupa
dele para expô-lo. Cometeu algum crime?
R.: Sim, o ato de tirar toda a roupa com a finalidade de expô-lo configura crime de abuso de autoridade,
na modalidade de submeter pessoa sob sua guarda ou custódia a vexame ou a constrangimento não
autorizado em lei.
Art. 4º, b, da Lei 4.898/65.

1056. Pode o delegado de polícia investigar ação de PM que comete abuso de autoridade?
R.: Sim, na hipótese de ser um militar o sujeito ativo do abuso de autoridade, a competência para
investigação, processo e julgamento é da Justiça Comum (Federal ou Estadual). Não será deslocada para
a Justiça Militar, uma vez que se trata de delito comum, e não militar.
Súmula 172 STJ.

1057. Nessa mesma situação poderia aplicar a lei 9.099/95?


R.: Sim, o crime de abuso de autoridade é considerado infração de menor potencial ofensivo, sendo,
portanto, de competência do Juizado Especial Criminal.

1058. Qual a definição de tortura racismo?


R.: É o ato de constranger alguém, com o emprego de violência ou grave ameaça, causando-lhe sofrimento
físico ou mental em razão de discriminação racial ou religiosa.
Art. 1º, I, c, da Lei 9.455/97.

1059. Um policial de arma em punho impede alguém de entrar em estabelecimento por ser
negro.
R.: Trata-se de conduta que configura crime de preconceito de raça e cor bem como o crime de abuso de
autoridade.
Art. 11 da Lei 7.716/89 e art. 3º, a, da Lei 4.898/65.

1060. Comete tortura racismo?


R.: Não. A conduta narrada configura crime de preconceito de raça e cor bem como o crime de abuso de
autoridade.

1061. O Delegado, durante a apreensão de adolescente deve averiguar que circunstâncias?


R.: Verificar se o ato infracional foi cometido com violência ou grave ameaça, nessas situações deverá
lavrar um Auto de Apreensão. Caso contrário, registrará um Boletim de Ocorrência Circunstanciado.
Art. 173 do Estatuto da Criança e Adolescente.

1062. Durante esse encaminhamento, o adolescente pode ser conduzido na parte fechada da
viatura?
R.: Não. O adolescente não poderá ser conduzido ou transportado em compartimento fechado de veículo
policial.
Art. 178 do Estatuto da Criança e Adolescente.

1063. Como delegado, pode autorizar a saída do preso da prisão temporária no primeiro dia,
quando recebe a notícia de falecimento de sua mãe?
R.: Não. A liberação do preso temporário ocorre apenas no final do prazo estipulado ou mediante
autorização judicial.

1064. Qual a orientação que daria a família do preso?


R.: Que procurasse orientação jurídica de advogado para formular eventual pedido junto ao juiz.

1065. Segundo a lei de execução penal, o preso por prisão temporária é preso provisório?
R.: Sim. A lei de execução penal aplica-se aos preses definitivos e provisórios.
Art. 4º da Lei de Execução Penal.

1066. O que é reabilitação?


R.: Instrumento judicial garantidor do sigilo da condenação, visando reintegrar o condenado à comunidade.
Art. 93 do Código Penal e 202 da Lei de Execução Penal.

1067. Atinge os efeitos da condenação?


R.: Sim. A reabilitação é causa suspensiva de alguns efeitos secundários da condenação.
Art. 92 do Código Penal.

1068. Plantão. Idoso relata que seu filho pegou o dinheiro de sua poupança e viajou. Há três
meses tenta receber o dinheiro de volta, mas o filho afirmou que não pagará. Há crime específico
no estatuto do idoso?
R.: Sim. Há crime específico no Estatuto do Idoso, que consiste na conduta de apropriar-se dos
rendimentos do idoso, dando-lhe aplicação diversa da sua finalidade.
Art. 102 do Estatuto do Idoso.

1069. Na eventualidade de usar o estatuto, pode utilizar os benefícios da Lei 9.099/95?


R.: Sim, nos casos de contravenção e crimes de menor potencial ofensivo. Em relação aos crimes contra o
idoso com pena superior a dois anos e não superior a quatro anos, será adotado o rito sumaríssimo apenas
para dar mais celeridade processual, sem a aplicação dos benefícios da lei 9099/95.

1070. Esse entendimento é pacífico?


R.: Sim.
ADI 3096/DF. Estatuto do Idoso art. 94.

1071. Código de Trânsito Nacional. Prevê alguma sanção extrapenal?


R.: Sim. São previstas as seguintes penalidades extrapenais no artigo 256: advertência por escrito; multa;
suspensão do direito de dirigir; cassação da Carteira Nacional de Habilitação; cassação da Permissão para
Dirigir; frequência obrigatória em curso de reciclagem.

1072. Empresa de equipamentos hospitalar. Licitação dispensada sob a alegação de existir uma
única empresa. Um interessado alega que sua empresa também gostaria de participar, mas não
houve o processo licitatório. Há crime?
R.: Estará caracterizado o crime do art. 89 de dispensa ou inexigibilidade de licitação fora das hipóteses
previstas em lei. (Lei 8666/93).

1073. Quem seria o sujeito ativo?


R.: Trata-se de crime próprio, somente podendo ser cometido pelo servidor, nos termos do art. 84, com
atribuição para tanto.

1074. O que é ato de improbidade administrativa impróprio?


R.: O ato de improbidade administrativa é chamado de próprio quando praticado pelo agente público e de
impróprio em relação ao terceiro que concorre para a prática do ato de improbidade, ou que dele se
beneficia.

1075. Quem utiliza índio ou comunidade indígena para fazer propaganda turística comete crime?
1076. Qual a competência do estatuto do índio?
1077. Como delegado, em alguma hipótese atuaria?
1078. Temos uma tribo em Parelheiros. Pode atuar se houver algum crime na aldeia?
Questões não resolvidas pois tratam do Estatuto do Índio, que não está no nosso edital

1079. Uma pessoa que esteja vendendo extintor de incêndio com água, comete crime?
R.: Sim. Constitui crime contra as relações de consumo “vender ou expor à venda mercadoria cuja
embalagem, tipo, especificação, peso ou composição esteja em desacordo com as prescrições legais, ou
que não corresponda à respectiva classificação oficial”.
Lei 8137/90 art. 7º, II. (Não tenho certeza quanto a essa resposta)

1080. CDC → Qual a conduta típica da propaganda enganosa?


R.: É fazer afirmação falsa ou enganosa, ou omitir informação relevante sobre a natureza, característica,
qualidade, quantidade, segurança, desempenho, durabilidade, preço ou garantia de produtos ou serviços.
Art. 66 do CDC.

1081. Existem circunstâncias que agravem os crimes contra o consumidor?


R.: Sim, conforme previsão do artigo 76 do Código de Defesa do Consumidor: serem cometidos em época
de grave crise econômica ou por ocasião de calamidade; ocasionarem grave dano individual ou coletivo;
dissimular-se a natureza ilícita do procedimento; quando cometidos: a) por servidor público, ou por pessoa
cuja condição econômico-social seja manifestamente superior à da vítima; b) em detrimento de operário
ou rurícola; de menor de dezoito ou maior de sessenta anos ou de pessoas portadoras de deficiência mental
interditadas ou não; V - serem praticados em operações que envolvam alimentos, medicamentos ou
quaisquer outros produtos ou serviços essenciais.

1082. Durante interceptação telefônica para investigar extorsão mediante sequestro, descobre
um crime de pedofilia. Pode utilizar essas gravações?
R.: Sim, desde que a interceptação tenha sido realizada de acordo com a lei.

1083. Qual o entendimento do STJ?


R.: O STJ entende que é admissível a utilização da prova colhida no procedimento de interceptação
telefônica em outro processo. (STJ, 5ª T., HC 27.145/SP)

1084. É possível em procedimento administrativo?


R.: Sim. O Supremo Tribunal Federal manifestou-se no sentido de que “dados obtidos em interceptação
de comunicações telefônicas e em escutas ambientais, judicialmente autorizadas para produção de prova
em investigação criminal ou em instrução processual penal, podem ser usados em procedimento
administrativo disciplinar, contra a mesma ou as mesmas pessoas em relação às quais foram colhidos, ou
contra outros servidores cujos supostos ilícitos teriam despontado à colheita dessa prova” (STF, Tribunal
Pleno, Inq. QO 2424/RJ, rel. Min. Cezar Peluso, j. 20-6-2007, DJ, 24 ago. 2007).
1085. Lei de Crimes Hediondos → O que é reincidente específico?
R.: O reincidente específico é aquele que pratica nova conduta, depois de sofrer uma condenação transitada
em julgado, da mesma natureza da conduta anterior, como, por exemplo, aquele que pratica duas condutas
criminosas de natureza hedionda. A reincidência específica não é óbice à progressão de regime nesses
crimes (art. 2º, § 2º, Lei 8.072/90), mas impede a concessão do livramento condicional (art. 83, V, CP).

1086. Existem duas orientações quanto a este assunto. Quais?


R.: Há doutrina que entende no sentido de que a prática de dois crimes hediondos de naturezas diversas
(ex: Latrocínio x Epidemia com resultado morte) não ensejariam a reincidência específica. Entretanto,
para a doutrina majoritária, independentemente da natureza dos delitos, em se tratando de crimes
hediondos, há sim reincidência específica.

1087. E no delito de tráfico?


R.: Nada mais é que a reiteração criminosa em crimes previstos na lei 11.343/06, depois de uma
condenação transitada em julgado proferida pelo Poder Judiciário. Também há corrente no sentido de que
quaisquer condutas tipificadas na lei de drogas seriam aptas a ensejar a reincidência específica, bem como
quem entende pela necessidade de se incidir no mesmo tipo penal para que ocorra tal instituto.

1088. Qual o prazo para encerrar a instrução criminal nos processos em que organizações
criminosas estão envolvidas?
R.: Não há prazo certo para o encerramento de instrução criminal nos processos relacionados à
organizações criminosas quando não há prisão, entretanto, deve-se observar o Princípio da duração
razoável do processo (art. 5º, LXXVIII, CF), sob pena de constrangimento ilegal, conforme entende a
jurisprudência.

1089. E se a pessoa estiver presa?


R.: O prazo é de 120 dias quando o réu estiver preso, prorrogáveis em até igual período, por decisão
fundamentada, devidamente motivada pela complexidade da causa ou por fato procrastinatório atribuível
ao réu, conforme art. 22, § único, Lei 12.850/13.

1090. Se esse prazo não for cumprido, há consequência?


R.: A lei 12.850/13 não estabelece consequências em face do descumprimento do referido prazo, porém a
jurisprudência é uníssona no sentido de que o excesso prazal, sem justa causa, implica em constrangimento
ilegal, devendo a prisão ser relaxada pelo Juiz.

1091. E se a demora for decorrente de excesso de trabalho?


R.: O excesso de trabalho não pode justificar a extrapolação de prazos quando houver restrições aos
direitos e garantias fundamentais da pessoa humana. Nesse caso, há também constrangimento ilegal que
implicará no relaxamento do cerceamento da liberdade.

1092. É possível uma nova identidade a uma pessoa que foi vítima de crime? Em que situação?
R.: A lei de proteção a testemunhas (Lei 9.807/99) protege também as vítimas coagidas ou expostas a grave
ameaça em razão de colaborarem com a persecução penal. Seu art. 9º e § 1º, estabelecem que em casos
excepcionais e considerando as características e gravidade da coação ou ameaça, poderá ocorrer a alteração
do nome da vítima.

Examinadora: Ana Cristina dos Santos Lutério

1093. LEP → Quando será permitido o recolhimento do regime aberto para a residência
particular?
R.: Conforme art. 117, LEP, o recolhimento domiciliar do sentenciado em regime aberto será permitido ao
maior de 70 anos, acometido de doença grave, condenada com filho menor ou deficiente físico ou mental
e a condenada gestante.

1094. Quais as sanções disciplinadoras que o preso pode ser submetido?


R.: De acordo com o art. 53, LEP, constituem sanções disciplinares a advertência verbal, repreensão,
suspensão ou restrição de direitos, isolamento na própria cela e inclusão no regime disciplinar
diferenciado.

1095. Nos crimes contra as patentes, quais as causas de aumento de pena?


R.: Conforme art. 196 da Lei 9279/96 são causas de aumento de 1/3 à 1/2 se o agente é ou foi representante,
mandatário, preposto, sócio ou empregado do titular da patente ou do registro, ou, ainda, seu licenciado;
ou a marca alterada, reproduzida ou imitada for de alto renome, notoriamente conhecida, de certificação
ou coletiva.

1096. Direitos autorais → Quais os direitos morais previstos em lei?


R.: De acordo com a lei 9.610/98 são direitos morais do autor o de reivindicar a autoria da obra; ter seu
nome indicado ou anunciado, como sendo o autor, na utilização de sua obra; conservar obra inédita;
assegurar a integridade da obra; modificar a obra; retirar a obra de circulação ou suspender a utilização já
autorizada; ter acesso a exemplar único e raro, quando se encontre legitimamente em poder de outrem para
o fim de preservar sua memória.

1097. O que se considera publicação para os fins dessa lei?


R.: Conforme art. 5º, I, da lei 9.610/98, publicação é o oferecimento de obra literária, artística ou científica
ao conhecimento do público, com o consentimento do autor, ou de qualquer outro titular de direito de
autor, por qualquer forma ou processo.

1098. E reprodução?
R.: Conforme art. 5º, VI, da lei 9.610/98, reprodução é a cópia de um ou vários exemplares de uma obra
literária, artística ou científica ou de um fonograma, de qualquer forma tangível, incluindo qualquer
armazenamento permanente ou temporário por meios eletrônicos ou qualquer outro meio de fixação que
venha a ser desenvolvido.

1099. Software → É possível aplicar os benefícios da Lei 9.099/95 aos crimes de software?
R.: É perfeitamente possível, tendo em vista que os crimes de software, previstos no art. 12 da Lei 9.609/98
são de menor potencial ofensivo, em razão da sua pena máxima não superar 2 anos, aplicando-se o art. 61
da lei 9.099/95

1100. Lei 12.830/13 → Está garantida ao delegado a inamovibilidade? Por quê?


R.: Não, o que a lei 12.830/13 veda é a remoção do Delegado de Polícia sem fundamentação, entretanto,
se fundamentada é plenamente viável, conforme art. 2º, § 5º da Lei em tela.

1101. Código de Trânsito Brasileiro → como se comprova a capacidade psicomotora alterada


pela embriaguez?
A capacidade psicomotora alterada pela embriaguez pode ser comprovada através de teste de
alcoolemia/toxicológico, exame clínico, perícia, prova testemunhal ou por qualquer outro meio de prova
em direito admitido (art. 306, §2º, CTB).

1102. O indivíduo entrega a direção ao amigo que está embriagado, que acaba causando um
acidente. Quais os crimes?
Neste caso, o motorista deverá responder pelo crime de embriaguez ao volante (art. 306, CTB) enquanto
o indivíduo que entregou a direção deve responder pelo crime de entrega temerária da direção de veículo
automotor (art. 310, CTB)

1103. Lei de improbidade administrativa → Quais as sanções aplicadas aos atos de improbidade
administrativa?
As sanções aplicadas aos atos de improbidade administrativa são: o ressarcimento integral do dano
causado, a perda da função pública, a suspensão dos direitos políticos, a multa civil, a perda dos bens ou
valores acrescidos ilicitamente ao patrimônio e a proibição de contratar com o Poder Público (art. 12, Lei
8.429/92).
1104. Lei 9.099/95 → Julga os crimes conexos às infrações de menor potencial ofensivo?
Na hipótese de conexão entre crimes de menor potencial ofensivo e crime comum, ambos serão julgados
na Justiça Comum, sem prejuízo da aplicação dos institutos despenalizadores em relação às infrações de
menor potencial ofensivo (art. 60, Lei 9.099/95).
Obs: há doutrina que entende que, mesmo nesses casos, deveria haver a separação dos processos, diante
do status constitucional dos Juizados Especiais (art. 98, I, CF).

1105. Pessoas com prerrogativas de foro podem receber os benefícios da Lei 9.099/95?
Pessoas com foro por prerrogativa, apesar de serem julgados pelo respectivo Tribunal, podem ser
beneficiados pela aplicação dos institutos despenalizadores previstos na Lei 9.099/95, já que estes estão
diretamente relacionados ao direito de punir.

1106. Interceptação telefônica. Conversa entre A e B. Descobre a prática de crime por C. É


licito usar esta gravação para investigar C?
Trata-se da hipótese de serependidade, também chamado de “crime achado” pelo STF. Segundo a doutrina
majoritária, é plenamente possível utilizar a gravação para investigar C, independentemente de
conexão/continência com o crime inicialmente investigado.
Obs: para doutrina minoritária (LFG), para a gravação ser lícita, deve haver conexão e/ou continência com
o fato inicialmente investigado. Não havendo, valerão apenas como notitia criminis para que seja iniciada
a investigação.

1107. Lei 12.830/13 → o que se entende por função da polícia judiciária?


A função da polícia judiciária diz respeito a atuação policial no cumprimento de determinações do Poder
Judiciário (ex: cumprimento de mandado de prisão) - Art. 2º, caput, da Lei 12.830/13.

1108. E polícia investigativa?


A função de polícia investigativa é identificada quando a polícia atua na investigação de determinada
infração penal.

1109. Em que momento se configura o crime de lavagem de dinheiro?


O crime de lavagem de capitais possui três fases: colocação; dissimulação e integração. Para a consumação
do crime, não há necessidade do preenchimento de todas as fases, bastando que o agente pratique uma
ação que “oculte” ou “dissimule” a natureza, origem, localização, disposição, movimentação ou
propriedade do bem, direito ou valor.

1110. É necessária a introdução dos bens no sistema financeiro?


É dispensável a introdução dos bens no sistema financeiro, bastando a prática de qualquer ação que
envolva ocultação ou dissimulação da natureza, origem, localização, disposição, movimentação ou
propriedade do bem.

1111. É correto afirmar que há concurso entre o crime de lavagem de dinheiro e o crime
antecedente?
O processo e o julgamento do crime de lavagem de capitais independem do processo e julgamento do
crime antecedente, logo, não é correto afirmar que, necessariamente, haverá concurso entre o crime de
lavagem e o antecedente (art. 2º, II, Lei 9.613/98).

1112. A pessoa responde pelo antecedente?


Se o crime de lavagem e o crime antecedente forem praticados pela mesma pessoa, haverá concurso de
crimes, uma vez que o Brasil não adota a “reserva de autolavagem”, prevista na Convenção de Palermo.
Logo, a autolavagem é perfeitamente possível, uma vez que o princípio do nemo tenentur se detegere não
permite a prática de novos crimes.

1113. O que se entende por lavagem indireta e lavagem paralela?


A Lavagem indireta ocorre quando a ocultação ou dissimulação dos bens, direitos ou valores são
decorrentes indiretamente de infração penal. Já a lavagem paralela, também chamada de lavagem
secundária, é aquela prevista no §1º do art. 1º da Lei 9.613/98 (“Incorre na mesma pena quem, para ocultar
ou dissimular a utilização de bens, direitos ou valores provenientes de infração penal: I - os converte em
ativos lícitos; II - os adquire, recebe, troca, negocia, dá ou recebe em garantia, guarda, tem em depósito,
movimenta ou transfere; III - importa ou exporta bens com valores não correspondentes aos verdadeiros).

1114. Crime contra a ordem tributária. A apuração do débito fiscal na fase administrativa é
condição de procedibilidade da ação penal?
Na forma da Súmula Vinculante 24, no crime contra a ordem tributária a constituição prévia do crédito
tributário configura condição de procedibilidade da ação penal.

1115. Como delegado de polícia qual lei aplicaria para aquele que pratica agiotagem?
A prática de “agiotagem” é considerada um crime contra a Economia Popular, tipificado no art. 4º, “a”,
da Lei 1.521/51.

1116. Na apuração de embriaguez ao volante, é obrigatória a submissão ao exame do


bafômetro?
Não é obrigatória a submissão ao exame de bafômetro, visto que a embriaguez também pode ser constatada
através de exame clínico, perícia, vídeo, prova testemunhal ou outros meios de prova em direito admitidos
(art. 306, §2º, CTB).

1117. Existe consequência para quem se recusa a fazer o teste do bafômetro?


R. A conduta do agente que se recusa a fazer o teste do bafômetro é atípica. A ausência de crime se baseia
no direito à não autoincriminação, estabelecida no art. 8º, II, “g”, do Pacto de San José da Costa Rica, com
caráter de norma supralegal.

1118. E administrativamente?
R. A teor do art. 165-A do CTB, o infrator está sujeito à pena de multa (que pode ser aplicada em dobro
em caso de reincidência); suspensão do direito de dirigir por até 12 meses; recolhimento da CNH e;
retenção do veículo.

1119. Dirigir sem habilitação é crime?


R. Dirigir veículo sem habilitação, sem causar dano, não é crime, tratando-se, tão somente, de infração
administrativa prevista no art. 162, I, CTB.

1120. E se estiver causando perigo?


R. Se estiver causando perigo de dano, estaremos diante do crime previsto no art. 309, CTB.

1121. O que é ato de improbidade administrativa?


R. É o ato ilegal ou contrário aos princípios básicos da Administração Pública, cometido por agente
público, durante o exercício de função pública ou decorrente desta, tendo previsão na Lei. nº. 8.429/1.992.

1122. Um jurado está abrangido pela lei de improbidade administrativa?


R. Sim, por força do art. 2º da Lei de Improbidade Administrativa, sendo o jurado funcionário público por
equiparação.

1123. Lei de Execução Penal → Quais as faltas graves cometidas pelo condenado à pena
privativa de liberdade?
R. Conforme art. 50 da LEP: incitar ou participar de movimento para subverter a ordem ou a disciplina;
fugir; provocar acidente de trabalho; dentre ouras.

1124. Quais as hipóteses em que podemos aplicar o RDD ao preso provisório?


R. Conforme os §§ 1º e 2º do art. 52 da LEP, pode ser aplicado ao preso provisório que apresente alto risco
para a ordem e a segurança do estabelecimento penal ou da sociedade e; sobre o qual recaiam fundadas
suspeitas de envolvimento ou participação, a qualquer título, em organizações criminosas, quadrilha ou
bando.

1125. Lei de Patentes → Quem pode requerer a patente de invenção ou modelo de atividade?
R. Conforme art. 6º da Lei nº. 9.279/96 o próprio autor, que poderá ser requerida em nome próprio, pelos
herdeiros ou sucessores do autor, pelo cessionário ou por aquele a quem a lei ou o contrato de trabalho ou
de prestação de serviços determinar que pertença a titularidade.

1126. E se mais de uma pessoa realizou a invenção, se um grupo inventou?


R. Conforme art. 6º, §3º da Lei nº. 9.279/96, a patente poderá ser requerida por todas ou qualquer delas,
mediante nomeação e qualificação das demais, para ressalva dos respectivos direitos.

1127. Estatuto do Idoso, artigo 107 → Qual o elemento subjetivo?


R. Coagir dolosamente.

1128. Lei Maria da Penha → Como se dividem as medidas protetivas de urgência que a mulher
vítima de violência doméstica pode pleitear? Poderia citar?
R. Se dividem em “Medidas Protetivas de Urgência que Obrigam o Agressor” e “Medidas Protetivas de
Urgência à Ofendida”.

1129. Cite alguma medida protetiva que obriga o agressor.


R. A suspensão da posse ou restrição do porte de armas, com comunicação ao órgão competente; a
prestação de alimentos provisionais ou provisórios, dentre outras.

1130. Quais os requisitos para a consumação do crime de associação para o tráfico?


R. A associação de duas ou mais pessoas, para o fim de praticar, reiteradamente, ou não, qualquer dos
crimes relacionados nos arts. 33, caput e §1º, e 34 da Lei nº. 11.343/06.

1131. Tráfico privilegiado é considerado crime hediondo?


R. Conforme a doutrina e jurisprudência majoritária, o tráfico privilegiado não é crime hediondo.

1132. Estatuto da Juventude → Qual a idade para ser considerado jovem?


R. Conforme §1º do art. 1º do Estatuto da Juventude são consideras jovens as pessoas com idade entre 15
e 29 anos.

1133. O que significa “SINAJUV”?


R.: Sistema Nacional de Juventude - Sinajuve, conforme o disposto no art. 227, § 8 , da Constituição. Lei
12.852/2013 – Estatuto da Juventude. Art. 22. Compete aos Estados: I - coordenar, em âmbito estadual, o
Sinajuve;

1134. Qual a consequência da composição dos danos civis na esfera penal privada?
R.: Acarreta a renúncia ao direito de queixa e extinção da punibilidade, mesmo que não haja o efetivo
pagamento, basta que seja homologado pelo Juiz. Cuidado! Em caso de não pagamento (depois da
composição ser homologado pelo juiz), a vítima não terá restaurado seu direito de queixa. O máximo que
conseguirá fazer é a buscar a execução do título.

1135. E se a ação for condicionada à representação?


R.: Terá consequência a renúncia ao direito de representação e a extinção da punibilidade, basta que seja
homologado pelo Juiz.

1136. E se a ação for incondicionada?


R.: A lei é omissa, porém também admite a composição dos danos civis. Admite-se à aplicação do
arrependimento posterior, art. 16 do CP. Cuidado, pois para que isso aconteça far-se-á necessário o efetivo
pagamento, sendo a pena reduzida de 1/3 a 2/3.

1137. No que consiste uma interceptação telefônica prospectiva?


R.: A interceptação de prospecção é aquela interceptação pré-delitual, repare que isso não pode ocorrer,
pois a lei exige o mínimo de indícios de autoria.

1138. Qual a implicação legal de se realizar uma interceptação telefônica sem autorização?
R.: Sujeita o autor nas penas do art. 10 da lei 9296/96, PPL no regime de reclusão de 02 a 04 anos e multa.

1139. Qual o crime?


R.: Art. 10 da lei 9296/96.

1140. Lei de Contravenção Penal → A contravenção de falta de habilitação na condução de


veículo foi revogada?
R.: Sim, foi derrogada pelo art. 309 do CTB, contudo quanto a conduta de dirigir embarcação a motor em
águas públicas, comete a contravenção penal do art. 32 da LCP. Súmula 720 do STF: “O art. 309 do CTB,
que reclama decorra do fato perigo de dano, derrogou o art. 32 da Lei das Contravenções Penais no tocante
à direção sem habilitação em vias terrestres.”

1141. E no caso de uma embarcação?


R.: Embarcação por si só é fato atípico.

1142. E se for embarcação motorizada?


R.: Tipifica o art. 32 da LCP.

1143. Lei nº 12.037 → A cópia de um documento supre a apresentação do original para a


identificação de uma pessoa?
R.: A cópia do documento não supre a apresentação do original. Ainda que o indivíduo tenha se
identificado civilmente, ele poderá ser submetido à identificação criminal, nas hipóteses previstas em lei,
por exemplo, inciso II do art. 3° “o documento apresentado for insuficiente para identificar cabalmente o
indiciado”.
Lei 12.037/2009. Art. 2°. Parágrafo único. As cópias dos documentos apresentados deverão ser juntadas
aos autos do inquérito, ou outra forma de investigação, ainda que consideradas insuficientes para
identificar o indiciado.

1144. Pessoa para ser flagranteada. Não tem documento. Como procede?
R.: Ordenar a identificação do flagranteado pelo processo datisloscópico, fotográfico ou do perfil genético
e fazer juntar aos autos sua folha de antecedentes criminais. A própria Constituição dispõe que nenhuma
pena poderá passar da pessoa do condenado (princípio da pessoalidade da pena). Neste sentido, é evidente
que a identificação criminal do verdadeiro autor do delito é de suma importância para o Processo Penal
Brasileiro, mesmo para que não haja o risco de processar e condenar a pessoa errada.

1145. Quanto tempo aguardaria um parente trazer o documento do agente?


R.: Previa a revogada lei 10.054/00, art. 3°, VI - o indiciado ou acusado não comprovar, em quarenta e
oito horas, sua identificação civil.

1146. Se alguém proibir a entrada de um evangélico em um estabelecimento, comete crime?


R.: Se o estabelecimento for de natureza comercial, ensino ou desportivo, e a discriminação foi motivada
pela religião professada pelo agente, tipifica crime previsto na lei 7.716/90. Religião é a crença ou doutrina
religiosa. Evangelho é a narração, dentro da bíblia, da vida de Jesus.

1147. Vencido o prazo de uma prisão temporária, qual a providência do Delegado?


R.: Em alguns Estados, como São Paulo, tem-se autorizado que o próprio DPC, mesmo durante o período
de vigência da prisão temporária, providencie diretamente a soltura do detido, comunicando-se, após,
ao Juiz. (Cleyson Brene, Manual de Processo Penal para Polícia).

1148. Não se faz necessário o alvará de soltura?


R.: Deverá o investigado ser imediatamente colocado em liberdade pelo DPC, independentemente da
expedição de alvará de soltura judicial, como reza o §7°, art. 2°, da lei 7960/89, sob pena de incorrer em
Abuso de autoridade, art. 4°, alínea i, da lei 4898/65.

1149. Interceptação telefônica → É necessário inquérito policial ou ação penal para que seja
autorizada?
R: Tanto o art. 5º, XII, da CF/88 quanto o art. 1º, caput, da Lei nº 9.296,96 fazem menção à investigação
criminal e não ao inquérito policial. Para o professor Renato Brasileiro, ainda que não haja IP instaurado
ou Ação Penal em curso, será possível a interceptação telefônica, desde que haja outra forma de
investigação criminal em curso. Ex: Investigação do fato pelo MP.

1150. O prazo da interceptação telefônica pode ser renovado mais de uma vez?
R: O art. 5º da Lei nº 9.296/96 dispõe que a interceptação telefônica não poderá exceder 15 dias, renovável
por igual tempo uma vez comprovada a indispensabilidade do meio de prova. A doutrina majoritária e a
jurisprudência admitem que o prazo pode ser renovado indefinidamente desde que comprovada a
indisponibilidade do meio de prova. STF. (RHC 132115/PR, Rel. Min. Dias Tóffoli - Info 890).

1151. Existe diferença entre gravação e interceptação telefônica?


R: Gravação telefônica: é a gravação da comunicação por um dos comunicadores. Normalmente é feita
sem o conhecimento do outro. Interceptação telefônica: consiste na captação telefônica alheia por um
terceiro, sem o conhecimento de nenhum dos comunicadores.

1152. CDC → Qual a diferença entre publicidade enganosa e publicidade abusiva?


R: Publicidade enganosa é aquela capaz de induzir em erro o consumidor a respeito da natureza,
características, qualidade, quantidade, propriedades, origem, preço e quaisquer outros dados sobre
produtos e serviços. publicidade abusiva é aquela que incita à violência, explora o medo ou a superstição,
se aproveita da deficiência de julgamento e experiência da criança, desrespeita valores ambientais, ou que
seja capaz de induzir o consumidor a se comportar de forma prejudicial ou perigosa à sua saúde ou
segurança. (Art. 37, §1º e §2º CDC

1153. Estatuto do Índio → O que entende por índio ou silvícola?


R: Silvícola é todo indivíduo de origem e ascendência pré-colombiana que se identifica e é identificado
como pertencente a um grupo étnico cujas características culturais o distinguem da sociedade nacional.
(art. 3, I, Estatuto do Índio).

Examinador: WILSON RICARDO PITUBA PERES


1154. Empregador que tenta convencer empregada a realizar procedimento de esterilização
comete crime?
R: A conduta do empregador pode ser enquadrada no art. 17 da Lei nº 9.263/96 que trata do planejamento
familiar. Segundo esse artigo, é crime induzir ou instigar dolosamente a prática de esterilização cirúrgica
com pena de reclusão de um a dois anos. (Não tenho certeza da resposta).

1155. A compra de tecidos, órgãos ou partes do corpo humano caracteriza crime?


R: O art. 15 da Lei nº 9.434/97 considera crime a compra ou venda de tecidos, órgãos ou partes do corpo
humano prevendo pena de reclusão, de três a oito anos, e multa, de 200 a 360 dias-multa.

1156. E a simples intermediação?


R: O parágrafo único do art. 15 da Lei nº 9.434/97 dispõe que incorre na mesma pena quem promove,
intermedeia, facilita ou aufere qualquer vantagem com a transação.

1157. O transplante de medula óssea depende de autorização judicial?


R: O art. 9º da Lei nº 9.434/97 dispõe que É permitida à pessoa juridicamente capaz dispor gratuitamente
de tecidos, órgãos e partes do próprio corpo vivo, para fins terapêuticos ou para transplantes em cônjuge
ou parentes consangüíneos até o quarto grau, inclusive, na forma do § 4o deste artigo, ou em qualquer
outra pessoa, mediante autorização judicial, dispensada esta em relação à medula óssea.

1158. A gestante pode dispor de parte de seu corpo?


R: É vedado à gestante dispor de tecidos, órgãos ou partes de seu corpo vivo, exceto quando se tratar de
doação de tecido para ser utilizado em transplante de medula óssea e o ato não oferecer risco à sua saúde
ou ao feto, conforme art. 9º, §7º da Lei nº 9.434/97.

1159. A violência praticada por torcedores a 2 quilômetros de onde estava sendo realizada uma
partida oficial de futebol configura crime?
R: O Estatuto do torcedor dispõe em seu art. 41-B, §1º, I que é crime promover tumulto, praticar ou incitar
a violência num raio de 5.000 (cinco mil) metros ao redor do local de realização do evento esportivo, ou
durante o trajeto de ida e volta do local da realização do evento, com pena de reclusão de 1 a 2 anos e
multa.

1160. Uma torcida organizada, tendo como natureza jurídica de direito privado, pode ser
responsabilizada objetiva e solidariamente pelos danos causados por qualquer de seus membros?
R: A torcida organizada responde civilmente, de forma objetiva e solidária, pelos danos causados por
qualquer dos seus associados ou membros no local do evento esportivo, em suas imediações ou no trajeto
de ida e volta para o evento, conforme art. 39 do Estatuto do torcedor.
1161. Em caso de urgência, é possível impetrar mandado de segurança por fax?
R: Em caso de urgência, é permitido, observados os requisitos legais, impetrar mandado de segurança por
telegrama, radiograma, fax ou outro meio eletrônico de autenticidade comprovada, conforme o art. 4º da
Lei 12.016/2009 que trata sobre o Mandado de Segurança.

1162. Quando se extingue o direito de impetrar mandado de segurança?


R: O direito de requerer mandado de segurança extinguir-se-á decorridos 120 (cento e vinte) dias, contados
da ciência, pelo interessado, do ato impugnado, conforme art. 23 da Lei 12.016/2009 que trata sobre o
Mandado de Segurança.

1163. Pode-se conceder mandado de segurança em se tratando de decisão judicial com trânsito
em julgado?
R: Conforme o art. 5º, III, da Lei 12.016/2009, não se concederá mandado de segurança quando se tratar
de decisão judicial transitada em julgado.

1164. Cite 3 formas de violência doméstica familiar contra a mulher.


R: Violência moral, entendida como qualquer conduta que configure calúnia, difamação ou injúria;
violência física, entendida como qualquer conduta que ofenda sua integridade ou saúde corporal; a
violência patrimonial, entendida como qualquer conduta que configure retenção, subtração, destruição
parcial ou total de seus objetos, instrumentos de trabalho, documentos pessoais, bens, valores e direitos ou
recursos econômicos, incluindo os destinados a satisfazer suas necessidades. Pode-se citar, ainda,
violência sexual e violência psicológica.

1165. Cite 3 medidas que deverão ser tomadas pela autoridade policial na hipótese de violência
doméstica.
R.: Garantir proteção policial, se necessário, comunicando MP e Judiciário; encaminhar a ofendida ao
hospital e ao IML; transportar a ofendida e dependentes a local seguro, se houver risco de vida;
acompanhar a ofendida na retirada de pertences do domicílio; informar a ofendida dos direitos da Lei n.
11.340/06 e serviços disponíveis.
Art. 11 da Lei Maria da Penha.

1166. Em caso de violência doméstica, após o devido registro da ocorrência, qual o prazo para
envio ao juiz com as medidas protetivas?
R.: O prazo para o envio ao juiz de expediente apartado com pedido da ofendida para a concessão de
medidas protetivas de urgência é de 48 (quarenta e oito) horas.
Art. 12, III, da Lei Maria da Penha.
1167. Quais os prazos das medidas previstas no artigo 28 da lei de drogas?
R.: O art. 28 prevê as medidas de advertência, de prestação de serviços à comunidade e de comparecimento
a programa ou curso educativo. Nas duas últimas hipóteses, o prazo máximo é de 5 (cinco) meses. Em
caso de reincidência, o máximo será de 10 (dez) meses.

1168. O que se entende por tráfico privilegiado?


R.: O tráfico privilegiado corresponde a uma causa de diminuição de pena (de 1/6 a 2/3) e se verifica
quando o agente é primário, de bons antecedentes, não se dedica a atividades criminosas e nem integra
organização criminosa.
Art. 33, § 4º, da Lei de Drogas.

1169. A caracterização do delito como tráfico privilegiado retira sua hediondez?


R.: Segundo atual entendimento tanto do STF como do STJ, o tráfico privilegiado não é crime equiparado
a hediondo. Houve, inclusive, o cancelamento formal da Súmula n. 512 do STJ, cuja redação previa que
“a aplicação da causa de diminuição de pena prevista no art. 33, § 4º, da Lei n. 11.343/2006 não afasta a
hediondez do crime de tráfico de drogas”.

1170. Qual a diferença entre crime e contravenção?


R.: A distinção é essencialmente política. Via de regra, os ilícitos mais graves são tratados como crimes e,
os menos graves, como contravenções. Daí porque se diz que a diferença entre eles é de valor (axiológica),
e não de existência/ser (ontológica). Crimes são punidos com reclusão ou detenção; apurados mediante
ação penal pública ou privada; permitem a punição da tentativa; admitem a extraterritorialidade da lei
penal nacional; são de competência da Justiça Estadual ou Federal; e o tempo de cumprimento não pode
exceder a 30 (trinta) anos. Já contravenções são punidas com prisão simples ou multa; apuradas apenas
mediante ação penal pública; não permitem a punição da tentativa; não admitem a extraterritorialidade da
lei penal nacional; são de competência da Justiça Estadual (há exceção: réu detentor de foro na Justiça
Federal); e o tempo de cumprimento não pode exceder a 5 (cinco) anos.

1171. Em que consiste o princípio da especialidade?


R.: A especialidade prevê a prevalência do tipo penal específico sobre o tipo penal genérico, em caso de
conflito. O tipo penal específico contém todos os elementos do tipo penal genérico, além de outros que
caracterizam a especialidade (elementos especializantes).

1172. A prisão temporária é privativa do IP ou pode ser decretada no curso da ação penal?
R.: Não cabe prisão temporária no curso da ação penal. É, pois, espécie de prisão cautelar restrita a fase
pré-processual da persecução penal. Além do IP, a prisão temporária pode ser decretada em outros
procedimentos investigativos, como o PIC do Ministério Público.
Art. 1º, I, da Lei n. 7.960/89.

1173. O juiz pode decretar de ofício a prisão temporária?


R.: Não. Ele depende de representação do delegado ou do Ministério Público.
Art. 2º, “caput” e § 1º, da Lei n. 7.960/89.

1174. Quem pode requerê-la?


R.: Podem representar pela prisão temporária o delegado e o Ministério Público.
Art. 2º, “caput” e § 1º, da Lei n. 7.960/89.

1175. Cite 2 meios para se comprovar a identidade civil, excluindo-se a carteira de identidade
(RG).
R.: Carteira de trabalho; carteira profissional; passaporte; carteira de identidade funcional; outro
documento público que permita a identificação do indiciado; e documentos de identificação militares.
Art. 1º, incisos e parágrafo único, da Lei n. 12.037/09.

1176. Mesmo o indivíduo sendo identificado civilmente, há a possibilidade de ser identificado


criminalmente?
R.: Sim, nas seguintes hipóteses: documento de identificação com rasura ou indício de falsificação;
documento insuficiente para identificar cabalmente o indiciado; indiciado portando documentos distintos
ou com informações conflitantes entre si; constar de registros policiais o uso de outros nomes ou diferentes
qualificações; o estado de conservação ou a distância temporal ou da localidade de expedição do
documento apresentado impossibilite a completa identificação dos caracteres essenciais; quando a
identificação criminal for essencial às investigações policiais (única hipótese que depende de decisão
judicial).
Art. 3º, “caput” e incisos, da Lei n. 12.037/09.

1177. Cite os casos de lesão corporal culposa previstos no CTB que admitem a aplicação de
transação penal, composição civil e não necessitam de representação.
R.: A lesão corporal culposa prevista no CTB admite a transação penal ou a composição civil do JECrim,
mas desde que o agente não esteja sob efeito de álcool/drogas, participando de racha ou transitando acima
de 50 km/h da velocidade máxima permitida. A representação da vítima, todavia, é exigida pela Lei do
JECrim.
Art. 291, § 1º, incisos I a III, do CTB.
Art. 88 da Lei do JECrim.
(PESSOAL, NESTA QUESTÃO O COLEGA QUE RESPONDEU FEZ A SEGUINTE OBSERVAÇÃO:
“Registro que não tenho certeza quanto à resposta da questão 1.180. Busquei a ajuda de amigos também
concurseiros, mas ninguém conseguiu entender com exatidão o questionamento, nem soube afirmar qual
seria a resposta esperada pelo examinador.”)

1178. Qual o prazo da imposição de medida de proibição de dirigir automotor e de obtenção de


sua permissão?
R.: A penalidade de suspensão ou de proibição de se obter a permissão ou a habilitação, para dirigir veículo
automotor, tem a duração de 2 (dois) meses a 5 (cinco) anos, não se iniciando enquanto o sentenciado
estiver recolhido a estabelecimento prisional.
Art. 293, “caput” e § 2º, do CTB.

1179. No âmbito da Lei n. 8.666/93, quais as penalidades quando o sujeito ativo for funcionário
público?
R.: Os autores de crimes previstos na Lei n. 8.666/93, quando servidores públicos, sujeitam-se às sanções
penais àqueles correspondentes e, ainda, à perda do cargo, emprego, função ou mandato eletivo.
Art. 83, “caput”, da Lei n. 8.666/93.

1180. Remeter dinheiro ao exterior sem as formalidades legais e sem informação à receita
federal configura crime?
R.: Em tese, sim. A hipótese pode configurar o crime de evasão de divisas.
Art. 22, parágrafo único, da Lei n. 7.492/86.

1181. Quais os requisitos para caracterizar uma organização criminosa, nos termos da lei
12.850/2013?
R.: Excelência, são requisitos para caracterizar a organização criminosa: a associação de 4 ou mais
pessoas; estrutura ordenada e caracterizada pela divisão de tarefas, ainda que informalmente; objetivo
de obter, direta ou indiretamente, vantagem de qualquer natureza, mediante a prática de infrações
penais cujas penas máximas sejam superiores a 4 anos, ou que sejam de caráter transnacional.
(art. 1º, § 1º, L. 12850/2013).

1182. Quais delitos cuja prática podem caracterizar uma organização criminosa?
R.: Excelência, podem caracterizar uma organização criminosa infrações penais cujas penas máximas
sejam superiores a 4 anos, ou que sejam de caráter transnacional, independentemente da quantidade da
pena aplicada (art. 1º, § 1º, L. 12850/2013).
1183. Que tipos de vantagens podem ser buscadas pelos indivíduos para caracterizar uma
organização criminosa?
R.: Excelência, para a caracterização de uma organização criminosa, podem ser buscadas quaisquer tipos
de vantagens, pelos indivíduos. (art. 1º, § 1º, L. 12850/2013).

1184. Quais os crimes hediondos por equiparação?


R.: Excelência, considera-se crimes hediondos por equiparação o tráfico de drogas, o terrorismo e a tortura.

1185. Qual o único crime considerado hediondo que não está no Código Penal?
R.: Excelência, atualmente temos dois crimes que não estão no código penal que são considerados
hediondos, quais sejam, o crime de genocídio e a posse ou porte de arma de fogo de uso restrito.

1186. Para caracterizar crime hediondo, o homicídio praticado por grupo de extermínio deve
ser praticado por quantas pessoas?
R.: Excelência, ainda que cometido por apenas um agente, o homicídio praticado em atividade típica de
grupo de extermínio, será considerado hediondo.

Examinadora: SILVIA GENTIL

1187. Quanto ao estatuto do idoso é possível a proposta de transação penal?


R.: Excelência, caso o crime cometido tenha pena máxima igual ou inferior a dois anos, é possível a
proposta de transação penal.

1188. Citar um crime contra idoso.


R.: Excelência, podemos citar como crime contra idoso a conduta daquele que se apropria ou desvia bens,
proventos, pensão ou qualquer outro rendimento do idoso, dando-lhes aplicação diversa da sua finalidade.

1189. A chamada Lei do software tipifica a violação do direito autoral. Quem é o sujeito
passivo? E o ativo?
R.: Excelência, o sujeito passivo é o autor do programa de computador. Já o sujeito ativo, é qualquer
pessoa, uma vez que o tipo penal não reclama qualquer condição especial do sujeito ativo.

1190. Quais os bens jurídicos tutelados pela Lei de Abuso de Autoridade?


R.: Excelência, são dois os bens jurídicos tutelados, quais sejam, o regular funcionamento da administração
pública e os direitos e garantias fundamentais previstos na Constituição Federal.

1191. Qual a natureza jurídica da lei de abuso de autoridade?


R.: Excelência, a natureza jurídica da lei de abuso de autoridade é de lei penal mista ou híbrida, pois possui
tanto conteúdo material, quanto conteúdo processual.

1192. Diferencie no Eca: Desvio de conduta e ato infracional.


R.: Excelência, o desvio de conduta pode ser praticado por criança e adolescente, já o ato infracional pode
ser praticado apenas por adolescente, pois são aquelas condutas descritas como crimes e contravenção
penal.

1193. Defina a delação premiada prevista na Lei de crimes hediondos.


R.: Excelência, a delação premiada prevista na lei dos crimes hediondos é aquela em que o participante e
o associado denuncia a associação criminosa voltada à prática de crimes hediondos ou equiparados às
autoridades permitindo seu desmantelamento.

1194. Cite 2 crimes hediondos.


R.: Excelência, podem ser citados os crimes de latrocínio e extorsão qualificada pela morte.

1195. Estabeleça a diferença entre crime organizado, quadrilha ou bando.


R.: Excelência, o critério distintivo essencial entre os tipos de associação criminosa e organização
criminosa está no fato de ser a organização estruturalmente ordenada e contar com divisão de tarefas.

1196. Qual a diferença entre crime e contravenção?


R.: Excelência, a diferença é que o crime é punido com reclusão e detenção, enquanto a contravenção é
punida com pena de prisão simples.

1197 - Dê exemplo de crime de preconceito racial.


R.: Recusar ou impedir acesso a estabelecimento comercial, negando-se a servir, atender ou receber cliente
ou comprador. Impedir ou obstar, por qualquer meio ou forma, o casamento ou convivência familiar e
social.

1198 - Quais os requisitos legais para decretação da prisão temporária?


R.: Os requisitos, constantes do artigo 1º da Lei 7960-89 são: quando imprescindível para as investigações
do inquérito policial, quando o indiciado não tiver residência fixa ou não fornecer elementos necessários
ao esclarecimento de sua identidade, e quando houver fundadas razões, de acordo com qualquer prova
admitida na legislação penal, de autoria ou participação do indiciado nos seguintes crimes: homicídio
doloso, sequestro ou cárcere privado, roubo, extorsão, extorsão mediante sequestro, estupro, epidemia com
resultado de morte, envenenamento de água potável ou substância alimentícia ou medicinal qualificado
pela morte, associação criminosa, genocídio, tráfico de drogas, crimes contra o sistema financeiro e crimes
previstos na lei de terrorismo. Lembrando que o terceiro requisito deve estar sempre presente e que o Juiz
não pode decretá-la de ofício.

1199 - A gravação de conversa telefônica pela vítima de ameaça é válida como prova? Pode ela ser
utilizada no processo criminal?
R.: Sim. O STJ entende que, no que tange à legalidade da prova, a gravação efetuada por um dos
interlocutores dispensa autorização judicial, pois não se está diante de violação da intimidade, mas da
adoção de providências pelo interessado para o resguardo de direito próprio.

1200 Quais os requisitos legais para a quebra do sigilo telefônico?


R.: Devem haver indícios razoáveis de autoria ou participação em infração penal, a prova não puder ser
feita por outros meios, o fato investigado deve ser punido com pena mínima de detenção.

1201 - Nos crimes contra a relação de consumo do CDC pode-se falar em culpa?
R.: Sim. O CDC traz previsão expressa de dois crimes punidos a título de culpa. O do artigo 63 e o do
artigo 66.

1202 - Há crime culposo no CDC?


R.: Sim, existem dois crimes culposos no CDC. O crime constante do art. 63 “Omitir dizeres ou sinais
ostensivos sobre a nocividade ou periculosidade de produtos, nas embalagens, nos invólucros, recipientes
ou publicidade” e seu parágrafo primeiro “Incorrerá nas mesmas penas quem deixar de alertar, mediante
recomendações escritas ostensivas, sobre a periculosidade do serviço a ser prestado.” e o do art. 66 “Fazer
afirmação falsa ou enganosa, ou omitir informação relevante sobre a natureza, característica, qualidade,
quantidade, segurança, desempenho, durabilidade, preço ou garantia de produtos ou serviços” e o seu
parágrafo primeiro “Incorrerá nas mesmas penas quem patrocinar a oferta.”.

Examinador: MARCOS BATALHA

1203 Lei do preconceito racial dispõe que quando o autor destes crimes for agente público ele perderá o
cargo. A previsão na lei é de que tal perda é automática ou o juiz, caso assim entenda, deve
fundamentar tal decisão?
R.: A previsão da lei, no artigo 18, é de que os efeitos não são automáticos, devendo ser motivadamente
declarados na sentença.

1204 - Lei 12.037, o civilmente identificado não será identificado criminalmente. Os documentos que
permitem a identificação civil estão na referida lei?
R.: Sim. Constam do artigo 2º da Lei e são: carteira de identidade, carteira de trabalho, carteira profissional,
passaporte, carteira de identificação funcional ou outro documento público que permita a identificação do
indiciado.

1205 - A lei estabelece situações em que mesmo civilmente identificado o indivíduo poderá ser
criminalmente identificado. Cite três situações.
R.: Constam do artigo 3º da Lei. Quando o documento apresentar rasura ou tiver indício de falsificação,
quando o documento apresentado for insuficiente para identificar cabalmente o indiciado e quando o
indiciado portar documentos de identidade distintos com informações conflitantes entre si.

1206 - Qual a diferença entre crime e contravenção penal? Onde está previsto expressamente a
diferenciação?
R.: A diferença expressa está prevista na Lei de Introdução ao Código Penal, Decreto-Lei nº. 3.914 /41,
em seu artigo 1º: “Considera-se crime a infração penal que a lei comina pena de reclusão ou de detenção,
quer isoladamente, quer alternativa ou cumulativamente com a pena de multa; contravenção, a infração
penal a que a lei comina, isoladamente, pena de prisão simples ou de multa, ou ambas. alternativa ou
cumulativamente.” Ademais, pode-se citar que na contravenção não se pune a tentativa, a competência é
sempre da justiça estadual e não se pune aquela quando praticada fora do Brasil.

1207 - Tratando se de lei de crimes hediondos a progressão de regime pode correr após quanto tempo de
cumprimento da pena?
R.: A progressão de regime poderá ocorrer após o cumprimento de 2⁄5 da pena se o apenado for primário
e 3⁄5 se reincidente.

1208 - Com relação ao programa de proteção à testemunha, conforme a lei 9.807/99, quais os requisitos
para que o acusado obtenha os benefícios do perdão judicial em caso de delação premiada?
R.: Artigo 13 da Lei. O acusado deve ser primário, ter colaborado efetiva e voluntariamente com a
investigação e o processo criminal, e que dessa colaboração advenha a identificação dos demais co-autores
ou partícipes da ação criminosa, a localização da vítima com sua integridade física preservada, a
recuperação total ou parcial do produto do crime. Ainda, a decisão levará em conta a personalidade do
beneficiado e a natureza, circunstâncias, gravidade e repercussão social do fato criminoso.

1209 - Lei de crimes hediondos: Qual o prazo para decretação da prisão temporária.
R.: 30 dias prorrogáveis por mais 30 em caso de extrema e comprovada necessidade. Art. 2º, §4º.

1210 - Quais os requisitos para configuração da organização criminosa.


R.: Conforme o artigo 1º, §1º da Lei 12850-2013, considera-se organização criminosa a associação de 4
ou mais pessoas estruturalmente ordenada e caracterizada pela divisão de tarefas, ainda que
informalmente, com objetivo de obter, direta ou indiretamente, vantagem de qualquer natureza, mediante
a prática de infrações penais cujas penas máximas sejam superiores a 4 (quatro) anos, ou que sejam de
caráter transnacional.

1211 - Prisão temporária, delegado pode libertar o preso antes do prazo previsto em lei, e sem alvará?
Há previsão legal neste sentido?
R.: A previsão legal, constante do §7º do art. 2º da Lei, dita que apenas após decorrido o prazo de 5 dias
de detenção o preso deverá ser posto imediatamente em liberdade, pelo próprio delegado, salvo se já tiver
sido decretada sua prisão preventiva. Porém, em que pese não estar expresso na lei, não há duvidas de que
essa foi criada para que o delegado de polícia possa dar prosseguimento às investigações sem a ingerência
do averiguado. Por isso, caso entenda no decorrer das investigações que a detenção não é mais necessária,
deverá libertar o preso expedindo alvará de soltura determinando sua liberação mesmo antes do término
do prazo estabelecido no mandado de prisão. Há doutrina em sentido contrário, principalmente dos
magistrados.

1212 - A lei ambiental dispõe que em alguns casos não é crime o abate de animais. Quais casos?
R.: O art. 37 da Lei dos Crimes Ambientais dita que não é crime o abate de animal, quando realizado em
estado de necessidade, para saciar a fome do agente ou de sua família; para proteger lavouras, pomares e
rebanhos da ação predatória ou destruidora de animais, desde que legal e expressamente autorizado pela
autoridade competente; por ser nocivo o animal, desde que assim caracterizado pelo órgão competente.

1213 Pessoa procura delegado para informar que sua terra foi invadida por animais do vizinho,
causando danos em sua propriedade. Há crime? Ele pode abater o animal alheio, segundo a lei
ambiental?
R.: Não há crime neste caso, pois o crime do art.164 do Código penal tem como verbos “introduzir” ou
“abandonar” animais em propriedade alheia sem o consentimento do proprietário e causando danos. Só
poderá abater o animal se este for nocivo (necessário autorização do órgão competente) ou para proteger
lavouras, pomares e rebanhos da ação predatório sendo necessário autorização da autoridade competente.

1214 A autoridade policial é obrigada a prestar informações em mandado de segurança. a lei do MS


estabelece prazo para que a autoridade coatora preste tais informações?
R.: 10 dias. Art. 7, I, da Lei MS.

1215 De acordo com a lei de drogas, quais os elementos a autoridade policial usará para classificar o delito
como tráfico?
R.: Os elementos são: natureza e quantidade da droga, local e as condições em que se desenvolveu a ação,
circunstâncias pessoais e sociais, bem como conduta e os antecedentes do agente.

1216 A lei estabelece o momento em que o delegado vai analisar tais elementos, para classificar ou não
como tráfico?
R.: Na lavratura do auto de prisão em flagrante.

1217 Qual o prazo para que o juiz decida sobre as medidas protetivas requeridas pela vítima?
R.: Prazo de 48 horas- art. 18, I, da Lei Maria da Penha

1218 Autoridade policial tem prazo para encaminhar o pedido de medida protetiva ao juiz?
R.: Sim, prazo de 48 horas - art.12 Lei Maria da Penha

1219 Adolescente apreendido em flagrante por ato infracional, cometeu crime com violência ou grave
ameaça não será liberado, delegado encaminhará ao MP. Como o tráfico não tem violência nem
grave ameaça o delegado deve liberar o adolescente. Qual o fundamento que justifica a sua não
liberação por tráfico?
R.: Se pela gravidade do ato infracional e sua repercussão social, deve o adolescente permanecer internado
para garantir sua segurança pessoal ou manutenção da ordem pública.

1220 Delegado que não comunica APF ao juiz pratica qual crime?
R.: Abuso de autoridade (art. 4, “c”), pois a comunicação imediata ao juiz sobre prisão é feita junta com
ADPF a luz da interpretação do art. 306 do CPP.

1221 Perda do cargo público na lei de tortura é efeito automático da sentença?


R.: Sim, é efeito automático.

Examinadora: Ana Cristina dos Santos Lutério

1222 A representação na ação penal é condição de procedibilidade no crime de abuso de autoridade?


R.: Não. Tem natureza jurídica de notitia criminis. Sendo o crime de abuso de autoridade de ação penal
pública incondicionada.

1223 Quem apreende uma criança ou adolescente sem as formalidades legais, se enquadra no crime de
abuso de autoridade?
R.: Não. Tem crime específico na Estatuto da Criança e Adolescente. Prevalecendo o princípio da
especialidade.
1224 ECA → Cite duas medidas sócio educativas aplicadas ao adolescente.
R.: Liberdade Assistida e inserção em regime de semiliberdade

1225 Artigo 239, ECA → Nos termos desse artigo, a remessa da criança é necessária para a consumação
do delito?
R.: Não. É Crime de natureza formal na conduta “auxiliar”. Basta para configuração a prática de qualquer
conduta antecedente que contribua para o envio ao exterior, por exemplo, compra de passagem.

1226 Se efetivamente ocorrer a remessa da criança ou adolescente, existe alguma consequência?


R.: O agente será punido pelo crime.

1227 Prisão temporária → Qual o prazo de duração da prisão temporária?


R.: Em regra, 5 dias podendo ser prorrogada por mais 5 dias.

1228 Sempre 5 dias?


R.: Não, em caso de crimes hediondos e equiparados o prazo é 30 dias prorrogável por igual tempo.

1229 Os prazos podem ser prorrogados?


R.: Sim. Tanto no crime comum (prazo de 5 dias), quanto nos delitos hediondos ou equiparados (prazo 30
dias), ambos poderão ser prorrogados por igual período em caso de extrema e comprovada necessidade.
(Lei nº 7.960 art. 2° e art 2º, §4º da Lei 8072/90).

1230 Lei de Interceptação Telefônica – Interceptação telefônica e escuta telefônica são a mesma coisa?
R.: Não. A intercepção consiste na captação da comunicação alheia por um terceiro, sem o conhecimento
dos interlocutores. Já a escuta consiste na captação da comunicação por um terceiro, com o conhecimento
de um dos interlocutores e desconhecimento do outro.

1231 Interceptação telefônica autorizada judicialmente para fins de investigação. É possível utilizá-la
para fins extrapenais?
R.: Sim. Caso o juízo criminal autorize, a prova produzida por meio da interceptação telefônica pode ser
utilizada para fins extrapenais na qualidade de prova emprestada. Assim decidiu STJ (MS 16.146/DF),
esta decisão referia a procedimento administrativo.

1232 Lei nº 12.830/13 – Qual a forma de tratamento do delegado de Polícia?


R.: Dispõe o art.3o da lei que o delegado terá o mesmo tratamento que recebem magistrados, membros da
Defensoria, Promotoria e advogados. Ainda, conforme súmula 12 do I Seminário Integrado da Polícia
Judiciária da União e de SP o correto tratamento é Vossa Excelência.

1233 Esse pronome de tratamento foi introduzido por esta lei ou já era utilizado?
R.: Foi introduzido pela lei e reforçado pela PC/SP pela Recomendação DGP 01/2013 e súmula 12 do I
Seminário Integrado da Polícia Federal e de SP. Antes o tratamento era “V. Senhoria” conforme a
gramática da língua portuguesa e manuais oficiais de redação.
(Procurei na legislação especifica de SP e não achei, logo, acredito que V.Exa foi introduzido mesmo pela
lei 12.830/13).

1234 Lei Maria da Penha – Quais formas de violência perpetradas contra a mulher previstas nesta lei?
R.: Nos termos do art. 7º da Lei são formas de violência a física, psicológica, sexual, patrimonial e moral.
Ademais, segundo corrente majoritária, trata-se de rol exemplificativo, tendo em vista que o caput do
artigo traz a expressão “entre outras”.

1235 Quais as medidas protetivas de urgência que o juiz pode deferir?


R.: Há medidas protetivas que obrigam o agressor (art. 22) e protegem a ofendida (art.23/24). Àquelas
consistem na suspensão da posse ou restrição do porte de armas; afastamento do lar; proibição de
aproximação e contato com a ofendida/familiares e testemunhas; frequentar determinados lugares;
restrição ou suspensão de visitas aos dependentes; prestação de alimentos provisionais ou provisórios;
Estas consistem em encaminhar a ofendida/dependentes a programa de proteção; recondução da ofendida
ao domicilio; afastamento da ofendida do lar; separação de corpos; restituição de bens; proibição
temporária de atos de disposição de bens do casal; suspensão de procurações; prestação de caução por
perdas e danos materiais. (Impossível em 3 linhas).

1236 O rol é taxativo ou exemplificativo?


R.: Tratam-se de rol exemplificativo nos 3 artigos, logo, cabem medidas atípicas, pois a lei utiliza
expressões como “sem prejuízo de outras medidas”, “entre outras”, “não impedem a aplicação de outras
medidas”, sempre que a segurança da ofendida exigirem.

1237 Lei 11.343 – O consumo não está elencado. Desta forma, podemos dizer que o consumo nunca será
crime?
R.: Não. Em que pese o uso/consumo não ter previsão legal, sendo conduta atípica, atos praticados antes
do uso de entorpecentes, como adquirir, guardar, ter em depósito, transportar ou trazer consigo, ensejam
a aplicação do art. 28 da Lei 11.343/06.
OBS: O STF discute (repercussão geral) a constitucionalidade da criminalização do porte de pequenas
quantidades de entorpecente para uso pessoal. (RE) 635659.

1238 Como tipifica a conduta de vender cocaína para crianças e adolescentes?


R.: A venda de drogas para crianças e adolescentes consiste em tráfico de drogas. Ao revés, se a substância
não for considerada droga (não está relacionada na portaria 344/98 da ANVISA) incidirá no artigo 243 do
ECA.

1239 Há previsão? Em que artigo?


R.: A conduta se amolda no artigo 33, caput, da lei de drogas.

1240 O que significa SISNAD?


R.: Conforme artigo 1º da Lei 11.340/04 consiste no Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas.

1241 Crimes hediondos – Nos crimes hediondos, cabe a liberdade provisória?


R.: Após a Lei 11.464/07, que alterou a redação do art. 2º, II, da Lei 8.072/90 tornou-se possível a
concessão de liberdade provisória aos crimes hediondos ou equiparados, nas hipóteses em que ausentes os
fundamentos previstos no art. 312 do CPP.

1242 O Delegado de Polícia pode arbitrar fiança nos crimes hediondos?


R.: Não, pois não é possível o arbitramento de fiança no delitos hediondos, nos termos da Constituição
Federal (art.5º, XLII), do CPP (art. 323,II) e art. 2º da Lei 8.072/90.

1243 E o juiz de direito pode arbitrar a fiança?


R.: Também não pelas mesmas razões acima (não é possível o arbitramento de fiança no delitos hediondos,
nos termos da Constituição Federal (art.5º, XLII), do CPP (art. 323,II) e art. 2º da Lei 8.072/90).

1244 Lei das Organizações criminosas – Em que momento se dá a consumação das organizações
criminosas?
R.: Trata-se de crime formal, que se consuma com a simples prática dos verbos contidos no art. 2º da lei
(promover, constituir, financiar ou integrar). Ademais, para sua configuração exige-se que o organismo
seja estruturalmente ordenado com divisão de tarefas.

1245 Defina agente infiltrado.


R.: É aquele introduzido dissimuladamente em uma organização criminosa, passando a agir como um de
seus integrantes, ocultando sua verdadeira identidade, com o objetivo precípuo de identificar fontes de
provas e obter elementos de informação capazes de permitir a desarticulação da referida associação.
1246 Existe diferença entre infiltração e penetração?
R.: Não há diferença.

1247 Quais os requisitos para o ingresso no Programa de Proteção à testemunha?


R.: Vítima ou testemunha que esteja coagida ou exposta a grave ameaça em razão de colaborar com a
investigação ou processo criminal, conduta compatível com as restrições, anuência da pessoa ou seu
representante legal, prévia consulta ao MP, comunicação à Autoridade Policial ou Juiz.

1248 Meio Ambiente → Pessoa jurídica. Crime cometido por decisão colegiada, em benefício ou interesse
da empresa. Haverá responsabilização em que esfera?
R.: As pessoas jurídicas serão responsabilizadas administrativa, civil e penalmente, nos casos em que a
infração seja cometida por decisão de seu representante legal ou contratual, ou de seu órgão colegiado, no
interesse ou benefício da sua entidade (3º da Lei nº. 9.605/98).

1249 O agente condenado por crime ambiental culposo a pena privativa de liberdade de quatro anos.
Pode haver pena substitutiva?
R.: Sim, tendo em vista que em relação aos crimes culposos não há limitação da pena para que seja aplicada
a substituição, nos termos do artigo 44, inciso I, do Código Penal, e artigo 7º, inciso I, da Lei 9.605/98,
desde que cumpridos os demais requisitos.

1250 Estatuto do Torcedor → Um indivíduo invade o vestiário do time de vôlei. Como Delegado, qual a
providência que toma?
R.: Lavrar flagrante, caso presentes os requisitos, pelo crime do artigo 41-B do Estatuto do Torcedor (Lei
nº. 10.671/2003), que fala em “invadir local restrito aos competidores em eventos esportivos”.

1251 Qual a pena?


R.: Reclusão, de 1 a 2 anos e multa.

1252 Se o agente frauda ou contribui para fraudar o resultado de um jogo, há crime?


R.: Sim, previsto no artigo 41-E do Estatuto do Torcedor (Lei nº. 10.671/2003), que fala em “fraudar, por
qualquer meio, ou contribuir para que se fraude, de qualquer forma, o resultado de competição esportiva
ou evento a ela associado”.

Examinadora: Márcia Heloísa Mendonça Ruiz

1253 É possível um crime de abuso de autoridade na forma culposa?


R.: Não. O crime de abuso de autoridade somente é punido na modalidade dolosa.

1254 Poderia dar um exemplo de acordo com a resposta do senhor?


R.: Formalizar prisão em flagrante e deixar de comunicar o Juiz competente.

1255 Um policial submete um adolescente sob sua custódia a vexame. Está tipificado o abuso de
autoridade?
R.: Não, resta configurado o crime previsto no artigo 232 do ECA (Lei nº. 8.069/90), que fala em “submeter
criança ou adolescente sob sua autoridade, guarda ou vigilância a vexame ou a constrangimento”.

1256 Tortura é um crime próprio de funcionário público?


R.: Não. Em regra, trata-se de crime comum, que pode ser praticado por qualquer pessoa. Exceções: artigo
1º, inciso II, §1º e 2º. Por se tratar de crime comum, é conhecido, no Brasil, como crime jabuticaba.

1257 Cite um exemplo de tortura cometido por um particular?


R.: Tatuador que tatua “eu sou ladrão e vacilão” na testa de adolescente flagrado furtando bicicleta.

1258 O pai que submete o filho a castigos severos responde pela Lei de Tortura?
R.: Se a conduta tem caráter educativo e o dolo do agente é a repreensão a uma indisciplina, não responde
o pai por crime de tortura, e sim pelo crime de maus tratos, previsto no artigo 136 do CP.

1259 Qual o bem jurídico tutelado nos crimes falimentares?


R.: A Lei visa tutelar a pars conditio creditorium (as condições de igualdade entre os credores), a
estabilidade do mercado, a efetividade do processo de falência, recuperação judicial ou extrajudicial.

1260 Há possibilidade do crime falimentar concorrer com outro tipo de crime?


R.: Sim, não há qualquer impedimento.

1261 Em que situação poderá ocorrer o concurso?


R.: Condutas criminosas antifalimentares (praticados antes da decretação da falência): delito único,
conduta mais grave absorve as demais (Nelson Hungria, Claudio Fragoso, Rubens Requião). Condutas
antifalimentares e pós-falimentares ou uma conduta gera a prática de dois ou mais crimes: concurso formal.
Crime falimentar e crime comum: concurso material, regras gerais do CP.

1262 No caso do marido (que matou a esposa que estava grávida), que medidas protetivas de urgência
poderiam ter sido aplicadas?
R.: Suspensão porte arma, afastamento do local de convivência com a vítima, proibição de condutas
(aproximação, contato, frequentar determinados locais).
Art. 22, I, II e III, lei 11.340/06

1263 Lei de Drogas → Qual a diferença dos procedimentos adotados pelo Delegado no caso de porte e no
caso de tráfico de drogas?
R.: Tráfico (art. 33, caput, LD): inquérito policial, sem arbitramento de fiança (equiparado à hediondo e,
portanto, inafiançável).
Porte (art. 28, LD): Termo Circunstanciado de Ocorrência, procedimento da lei 9.099/95.

1264 E se o autor se recusa a comparecer em juízo?


R.: Se houver juízo disponível, condução coercitiva para que a Secretaria do Juizado elabore o TCO.
Se não houver, duas possibilidades: a) Elaboração do TCO no local dos fatos ou b) encaminhar o agente
para delegacia, onde será lavrado TCO ou auto de prisão em flagrante, caso o delegado entenda tratar-se
de uso ou tráfico.

1265 Como Delegado, lavraria prisão em flagrante pela recusa?


R.: No caso de porte para uso, caso o autor não assuma o compromisso de comparecer em juízo, não se
pode prendê-lo em flagrante. Trata-se de exceção do art. 48,§2º, LD ao procedimento da lei 9.099, art. 69,
parágrafo único.

1266 O uso compartilhado de drogas é crime?


R.: É crime, previsto no art. 33, §3º, LD, pena detenção de 6 meses a 1 ano e multa.

1267 Quais os requisitos?


R.: Oferecer a droga a pessoa de seu relacionamento para juntos consumirem, eventualmente e sem
objetivo de lucro.

1268 A prisão temporária pode ser prorrogada?


R.: A prisão temporária (5 dias) pode ser prorrogada em caso de extrema e comprovada necessidade (art.
2, lei 7.960/89). Crimes hediondos e equiparados, 30 dias (art. 2, §4º, lei 8.072/90).

1269 Por qual período?


R.: Pode ser prorrogada uma vez pelo mesmo período (5 ou 30 dias, se for hediondo ou não).

1270 A prorrogação se dá automaticamente?


R.: A prorrogação depende de requerimento do MP ou representação do delegado, justificando a extrema
e comprovada necessidade.

1271 O juiz pode prorrogar de ofício?


R.: Ao contrário do que ocorre na preventiva, o juiz não pode prorrogar de ofício, sendo necessário
requerimento do MP ou representação da autoridade policial.

1272 A expressão “grupo de extermínio” é sinônima de concurso de agentes?


R.: Não são expressões sinônimas, o grupo de extermínio pressupõe a reunião de pessoas cujo objetivo é
a chacina de vítimas etiquetadas como marginais ou perigosas. São os “justiceiros”, “esquadrão da morte”.
Art. 121, §6º, CP: causa de aumento de pena +1/3.

1273 Quantas pessoas são necessárias para caracterizar um grupo de extermínio?


R.: Duas correntes: a primeira defende que são os mesmos da associação criminosa (art. 288, CP), 3 (três)
pessoas. A segunda (Rogério Sanches), baseia-se no conceito de organização criminosa, 4 (quatro)
pessoas.

1274 Lei de Organizações criminosas → Diferencie crime organizado por natureza e crime organizado
por extensão.
R.: Por natureza: é a punição pelo crime de organização criminosa em si, pela associação das pessoas nos
termos do art. 2, lei 12.850/13. Por extensão: são as infrações praticadas pela associação. Há a punição de
ambos em concurso material (pela associação e pelos crimes por ela perpetrados).

1275 A lei de combate às organizações criminosas prevê a colaboração premiada?


R.: Sim, arts. 3º, I e 4º a 7º, da lei 12.850/13.

1276 Uma pessoa comparece na delegacia e relata um crime de extorsão mediante sequestro,
mencionando o local do cativeiro. Como delegado de polícia, comparece ao local. A vítima está
morta. Concederia o benefício da colaboração premiada?
R.: Não concederia o benefício, face a literalidade da lei, que exige a localização da vítima com a sua
integridade física preservada.
Art. 4º, V, lei 12.850/13.

1277 Proteção às testemunhas → O programa é executado apenas pela União?


R.: Não, a lei prevê expressamente que as medidas de proteção devem ser prestadas pela União, Estados
e Distrito Federal, podendo os entes inclusive celebrar convênios, acordos, ajustes ou termos de parceria
(entre si ou com entidades não governamentais).
1278 É executado em todos os Estados da União?
R.: Deveria ser executado em todos os estados e no DF (mas atualmente existe em apenas 13), conforme
a competência para processo e julgamento do delito ao qual a situação de proteção se refira, ou seja, a lei
determina que sua execução ocorra conforme o âmbito da competência de cada ente.

1279 Poderia exemplificar?


R.: Faticamente em alguns entes federados a execução das medidas vem sendo subvencionada
exclusivamente pela União – o que tem colocado em risco o programa – como é o caso do estado do Rio
de Janeiro. No caso dos estados não participantes, as pessoas a serem protegidas são atendidas pela equipe
federal do programa.

1280 Lei de crimes contra a ordem tributária ou contra a ordem de consumo → Pela lei, é possível que o
agente autuado em flagrante seja beneficiário de liberdade provisória?
R.: Sim, o §2º do art. 325 do CPP (que condicionava a concessão de liberdade provisória ao pagamento de
fiança, que deveria ser arbitrada pelo juiz após a prisão em flagrante, afastando a incidência do art. 310,
CPP) foi revogado em 2011.

1281 Na lei há requisitos?


R.: Prejudicado – vide resposta à questão 1283.

1282 Quem concede essa liberdade provisória?


R.: Prejudicado – vide resposta à questão 1283.

1283 Há possibilidade de termo circunstanciado com base nesta lei?


R.: Sim, no caso dos crimes do art. 2º da Lei 8.137/90 – crimes equiparados aos de redução ou supressão
de tributo – pois a pena máxima a eles cominada é de 2 anos, sendo, portanto, aplicável o procedimento
previsto na Lei 9.099/95.

1284 Qual a natureza jurídica dos crimes contra a ordem tributária?


R.: Trata-se, segundo a ótica da teoria penalista (que admite a existência de um direito penal tributário em
oposição ao direito tributário penal, que estuda as infrações e sanções administrativas ligadas à sonegação),
de direito penal especial que se submete aos princípios e normas fundamentais do direito penal.

1285 Lei de Lavagem de Dinheiro → quais as etapas do crime de lavagem de dinheiro?


R.: Introdução (placement): consiste na colocação do dinheiro ilícito no mercado formal para conversão
em ativos lícitos; Dissimulação (layering): é a lavagem propriamente dita, em que se praticam diversas
condutas e operações financeiras para impedir a descoberta da origem ilícita dos valores; Integração
(integration): fase na qual os valores com aparência (agora) lícita são incorporados ao sistema econômico
pela criação, aquisição ou investimento em negócios lícitos.

Examinadora: Ana Cristina dos Santos Lutério

1286 Lei das Contravenções Penais → Um indivíduo entra numa agência bancária para sacar um valor
em dinheiro. Leva com ele o seu cachorro “pitbull” que deixa com o vigia do banco para poder
efetuar o saque. O cachorro ataca o vigia, que morre. Qual a natureza jurídica do crime?
R.: Não se trata de infração penal. Embora a redação original da LCP, no que diz respeito ao elemento
subjetivo no tipo contravencional, exija tão somente a voluntariedade da ação ou omissão (prescindindo-
se, assim, da perquirição acerca de dolo ou culpa) é de se ressaltar que, com a adoção de um direito penal
da culpabilidade, em que se veda a responsabilidade penal objetiva, e adotada a teoria finalista da ação,
tanto os crimes quanto contravenções só se aperfeiçoam com a presença de elemento subjetivo (seja o
dolo, presumivelmente, ou a culpa, quando a lei assim o exigir).

1287 Não se enquadraria no artigo 31 da Lei de Contravenções Penais?


R.: Dada a descrição do fato objetivamente apresentada na questão anterior (1289), não é possível o
enquadramento nesta contravenção, exige-se que a pessoa a quem se confia o animal seja “inexperiente”.
No caso não é possível aferir se era o caso do vigia, sendo inadequado meramente presumir em favor da
imputação e em desfavor do dono do animal.

1288 Diferencie crime de contravenção.


R.: O art. 1º da Lei de Introdução ao CP adota a classificação bipartida. Assim, crime e contravenção são
espécies do gênero “infração penal”, diferindo somente quanto à natureza da pena aplicável – crime:
reclusão ou detenção, com ou sem multa; contravenção: prisão simples e/ou multa.

1289 Prisão temporária → Somente aquele que foi formalmente indiciado pode cumprir prisão
temporária? Por quê?
R.: Não. Embora a Lei 7.960/89 fale expressamente (art. 1º, I) no cabimento desta modalidade de prisão
em casos de imprescindibilidade para as investigações “do inquérito policial” é preciso fazer uma
interpretação extensiva para abarcar as outras hipóteses de investigação criminal (CPI, procedimento
conduzido pelo MP, etc.), nas quais não é possível cogitar de indiciamento, que é ato privativo do delegado
de polícia (Lei 12.830/13).

1290 Pode oferecer representação contra o indivíduo que fabrica maquinário para produção de drogas
sem autorização legal?
R.: Sim, assumindo-se a posição de que o crime de petrechos para o tráfico seja equiparado a hediondo e
com base na previsão de prisão temporária contida na Lei 8.072/90, é possível a representação.

1291 Prisão Temporária → É possível o juiz de direito decretar prisão temporária de ofício?
R.: Não, pois, destinando-se à fase investigativa da persecução, não é dada ao magistrado a prerrogativa
de decretá-la senão por representação ou requisição dos legitimados pela lei – diversamente da prisão
preventiva, que pode ser decretada de ofício no curso da ação penal.

1292 Código de Defesa do Consumidor → O direito de reclamar por vícios aparentes ou de fácil detectação
prescreve em que prazo?
R.: O direito em comento (art. 26, CDC) não prescreve, mas sim DECAI em 30 ou 90 dias, a depender de
se tratar de serviço ou produto durável ou não durável. Em se tratando, porém, da pretensão para se
demandar em juízo a reparação de dano por fato do produto ou serviço (aí sim, prescrição), o prazo é de 5
anos (art. 27, CDC).

1293 O prazo contaria a partir de que momento?


R.: Em se tratando de vício aparente, o prazo decadencial conta-se a partir da entrega do produto ou do
término da execução do serviço, nos termos do art. 26, parágrafo 1º do CDC.

1294 O empresário credor que utiliza ameaça para receber o seu crédito, responde pelo artigo 71, do CP
ou também pelo crime de ameaça?
R.: Uma vez que a ameaça já é um dos verbos do tipo penal do art. 71 do CDC, não há que se falar em
concurso material. Nesse caso, trata-se de aplicação do princípio da especialidade.

1295 Interceptação telefônica → Quais as hipóteses em que a interceptação telefônica não é admitida?
R.: Não será admitida a interceptação de comunicações telefônicas quando ocorrer qualquer das seguintes
hipóteses: I - não houver indícios razoáveis da autoria ou participação em infração penal; II - a prova puder
ser feita por outros meios disponíveis; III - o fato investigado constituir infração penal punida, no máximo,
com pena de detenção (art. 2º da lei 9296/96).

1296 Se a lei te dá o positivo, qual o negativo?


R.: No caso, a lei informa as hipóteses em que não caberá a interceptação telefônica. Dessa forma, para se
chegar ao cabimento deve ser feita uma interpretação a contrário sensu.

1297 Quando é admitida a interceptação telefônica?


R.: Fazendo uma interpretação a contrário sensu do dispositivo, temos que será cabível a interceptação
telefônica quando: Houverem indícios razoáveis de autoria ou participação em infração penal; quando a
prova não puder ser obtida por outros meios disponíveis; o fato investigado deve constituir infração penal
punida com pena de reclusão.

1298 O crime deve ser apenado com detenção ou retenção?


R.: Destaque-se que não necessariamente será crime. Como a lei fala em infração penal, poderão também
ser objeto de interceptações contravenções penais, em ambos os casos, necessariamente apenadas com
reclusão.

1299 Lei de Execução Penal → Para se conceder o livramento condicional, o exame criminológico é
obrigatório, facultativo ou não existe mais?
R.: A doutrina se divide quanto a necessidade ou não do exame criminológico para o livramento
condicional. Uma parte entende obrigatória (NUCCI), vez que o art. 83 da LEP não foi alterado. Outra
parte, acompanhada dos tribunais superiores, entende facultativa (STF - RCL 20089). Entendem, ainda,
os tribunais superiores, que a submissão ao exame criminológico, quando da sua ocorrência, deverá
necessariamente ser motivada (STJ – Súmula 439).

1300 É possível regime disciplinar preventivo diferenciado?


R.: Segundo o art. 60 da LEP, é possível o RDD preventivo, por no máximo 10 dias. Parte da doutrina
afirma ser desnecessária prévia autorização judicial, devendo a autoridade administrativa comunicar ao
judiciário. Outra parte afirma ser necessária a autorização judicial prévia.

1301 Estatuto do Idoso → Qual o procedimento aplicado para a pena máxima de liberdade que não
ultrapasse quatro anos?
R.: Conforme dispõe o art. 94 do EI, para esses crimes deverá ser aplicado o procedimento previsto na lei
9099/95, qual o seja o rito sumaríssimo, e, subsidiariamente, o CPP. Destaque-se que isso não torna as
infrações que possuem PPL máxima maior que 2 anos e menor que 4 anos infrações de menor potencial
ofensivo.

1302 Lei de Propriedade Intelectual → Artigo 12. A Ação Penal Pública é condicionada ou
incondicionada?
R.: Nos termos do art. 199 da lei 9279/96 os crimes previstos na lei somente se procedem mediante queixa,
salvo quanto ao crime do art. 191, em que a ação penal será pública incondicionada.

1303 Lei de Improbidade Administrativa → Aquele que imputa falsamente um ato de improbidade
administrativa comete crime?
R.: Sim, nos termos do art. 19 da LIA: constitui crime a representação por ato de improbidade contra
agente público ou terceiro beneficiário, quando o autor da denúncia o sabe inocente.
1304 O rol dos artigos 11, 12 e 13 é taxativo?
R.: Acredito que a pergunta se trata dos art. 9º, 10 e 11. Neste caso, o rol das condutas previstas como atos
de improbidade é exemplificativo, conforme se denota no fim do caput de cada artigo.

1305 Código de Trânsito Brasileiro → Quais os crimes de dano previstos no CTB?


R.: Os crimes de dano previstos no CTB são: 302 – Homicídio culposo; 303 – Lesão corporal culposa;
308, parágrafos 1º e 2º - racha com resultado lesão corporal grave e morte.

1306 O agente dirige sob a influência de álcool, atropela e causa lesões na vítima. Como Delegado, como
tipifica?
R.: Caso resulte em lesão corporal grave ou gravíssima, o crime cometido é o de Lesão corporal culposa
em direção de veículo automotor qualificado, nos termos do art. 303, parágrafo 2º. Entretanto, caso a
resulte em lesão leve, haverá concurso material entre os art. 303 e 306 do CTB.

1307 Lei de Lavagem de Dinheiro → cabe concurso do crime de lavagem com o crime antecedente?
R.: No atual sistema da lei de lavagem de capitais, é perfeitamente possível o concurso de crimes com a
infração antecedente. Nesse caso, o crime de lavagem não absorverá a infração antecedente, assim como
não o seu exaurimento.

1308 Quais as etapas do crime de lavagem de dinheiro?


R.: As etapas são: 1 – Colocação: fase na qual ocorrerá a introdução do dinheiro no sistema; 2 –
Dissimulação/Ocultação: fase na qual haverá a movimentação do dinheiro; 3 – Integração: fase na qual o
dinheiro é reintegrado à ilicitude.

1309 Lei do Desarmamento → Se o agente portar ilegalmente arma de fogo e disparar em via pública,
comete que crimes?
R.: Depende. Para determinar os crimes que o agente irá responder, é necessário analisar o contexto fático,
a fim de determinar se há ou não ligação entre as condutas. Pode o disparo de arma de fogo absorver o
porte ilegal, se no mesmo contexto fático. Entretanto, caso haja dois contextos distintos, o sujeito ativo
responderá pelos dois delitos (porte e disparo de arma de fogo), em concurso material de crimes

1310 Como fica a situação do porte ilegal?


R.: A depender do caso concreto o porte ilegal será absorvido pelo disparo de arma de fogo, tendo em vista
o princípio da consunção (crime meio absorvido pelo crime fim). Ambos os crimes são punidos com
reclusão e pena de 2 (dois) a 4 (quatro) anos, e multa. O STF, em 2015, anulou uma condenação por porte
de armas e aplicou o princípio da consunção.
1311 A circunstância de o agente adquirir, no exercício de sua atividade comercial ou industrial, arma de
fogo de uso proibido, qualifica o crime?
R.: Não qualifica, tendo em vista que o fato é punido como crime autônomo, nos termos do art. 17 da lei
10.826/2003, podendo incidir a agravante do art. 20 da lei.
Art. 20. Nos crimes previstos nos arts. 14, 15, 16, 17 e 18, a pena é aumentada da metade se forem
praticados por integrante dos órgãos e empresas referidas nos arts. 6o, 7o e 8o desta Lei.

1.312. Por ter uma atividade comercial ou industrial altera as circunstâncias?


R.: Sim. Para os casos de atividades industriais ou comerciais a pena é de reclusão de quatro a oito anos,
e multa. Ante tal fato, não é possível aplicação dos institutos despenalizadores, como a transação penal e
a suspensão condicional do processo.

Examinador: Francisco Petrarca Ielo Neto

1.313. Qual o prazo de duração da prisão temporária?


R.: Depende excelência. Em regra o prazo da prisão temporária é de no máximo 05 dias, prorrogáveis por
uma vez. Entretanto, em se tratando de crimes hediondos e equiparados o prazo é de até 30 dias
prorrogáveis por igual período.

1.314. A prorrogação é automática?


R.: Não. A prisão temporária deve ser requerida e deferida em momento anterior ao seu término (STJ).
Decorrido o prazo da prisão temporária o investigado será colocado em liberdade, mesmo SEM alvará de
soltura, salvo se tiver sido decretada a sua prisão preventiva.

1.315. Representaria pela prisão temporária de uma pessoa que praticou vários crimes de estelionato?
R.: Não excelência. Isso porque o crime de estelionato não se encontra previsto no rol do art. 1º, inciso III
da Lei 7.960 /89.

1316. O magistrado pode decretar a prisão temporária de ofício?


R.: Não. Tendo em vista que se trata de fase investigatória, o juiz deve manter-se inerte quanto aos atos
iniciais. O art 2, da Lei 7.960 /89 dispõe que a referida prisão somente será decretada em face de
representação da autoridade policial ou de requerimento do Ministério Público.

1317. É possível concurso de pessoas nos crimes ambientais?


R.: Sim. Porém o STF não mais adota a teoria da dupla imputação. Assim, não é mais preciso demandar
conjuntamente pessoas físicas e jurídicas. O concurso de pessoas não é mais necessário, mas facultativo
ou eventual.

1318. Qual a diferença entre escuta telefônica e interceptação telefônica?


Interceptação telefônica é a captação da conversa telefônica por um terceiro, sem o conhecimento dos
interlocutores. Escuta telefônica, por sua vez, é a captação da conversa telefônica por um terceiro, com o
conhecimento de um dos interlocutores.

1319. Qual a diferença entre interceptação ambiental, escuta ambiental e gravação ambiental?
R.: Interceptação ambiental é realizada em conversa não telefônica, por terceiro, sem o conhecimento dos
comunicadores.
Escuta ambiental acontece quando a captação da conversa não telefônica é feita por terceiro, com o
conhecimento de um dos comunicadores. A Gravação ambiental ocorre quando a captação da conversa
telefônica é efetuada por um dos comunicadores.

1320. Essa captação de conversa em ambiente público sem consentimento é lícita?


R.: Em que pese a lei vedar expressamente qualquer tipo de captação, a jurisprudência vem admitindo a
gravação clandestina como prova quando se trata de local público no qual não haja expectativa de
privacidade, pois neste caso não há violação a direitos de personalidade.

1321. Qual a diferença entre confissão e confissão premiada?


R.: Confissão é a aceitação formal, pelo acusado ou indiciado, da imputação que lhe é feita. Confissão
premiada é a confissão com a aplicação de benefício ao confidente. É sinônimo de delação premiada.

1322. Podem ser aplicadas simultaneamente?


R.: Sim, pois a confissão é circunstância atenuante e causa de diminuição de pena, que incide na terceira
fase. A confissão versa sobre os fatos imputados na denúncia, a colaboração sobre as informações que o
investigado ou réu fornece sobre a organização criminosa. Tendo em vista as naturezas diversas dos dois
institutos, bem como a sua incidência em momentos distintos.

1323. A Lei nº 9.099/95 tem caráter retroativo?


R.: Em que pese o art. 90 da lei 9099 dispor que a lei não se aplica aos processos cuja instrução criminal
teve início, aplica-se a retroatividade das normas materiais benéficas. Isso porque a retroatividade é um
direito fundamental, portanto não pode ser suprimido por norma infraconstitucional.

1324. Quais os requisitos legais para a validade da interceptação telefônica?


R.: Que seja o único meio de obter a prova em crimes punidos com reclusão e haja indícios razoáveis de
autoria ou participação na infração penal. Ainda, é preciso Ordem judicial devidamente fundamentada,
para fins de investigação criminal ou instrução processual penal.

1.325) A transcrição é obrigatória? Tem que ser integral?


R.: Não se exige, obrigatoriamente, a transcrição integral. Há necessidade, no entanto, que a prova seja
disponibilizada às partes para que, querendo, acessem a integra do conteúdo gravado. Sobre a necessidade
de transcrição obrigatória, o art. 6º, §1º da Lei 9.296/96, assim determina, mas o STJ, em 2009, no RHC
20.472-DF, entendeu pela desnecessidade da transcrição, bastando a disponibilização das mídias com as
conversas à defesa.

1.326) Pode o Delegado destruir trecho da conversa por despacho fundamentado?


R.: Não. A interceptação das comunicações telefônicas é matéria submetida à cláusula de reserva de
jurisdição e, sendo assim, se somente o poder judiciário pode autorizar, somente ele pode determinar a sua
destruição, conforme preceitua o art. 9º da Lei 9.296/96.

1.327) Lei nº 12.830. Caso o Ministério Público requisite o indiciamento de uma pessoa, o Delegado deve
232tende-lo?
R.: O indiciamento é ato privativo da Autoridade Policial, a quem compete, após análise técnico-jurídica,
fundamentadamente, indicar a autoria, materialidade e circunstância do fato. Pode ser que exista
coincidência pelo indiciamento entre o pedido ministerial e a discricionariedade da Autoridade Policial,
mas a requisição do parquet não vincula o Delegado de Polícia, conforme art. 2º, §6º da Lei 12.830/13.

1.328) Lei de Contravenção Penal. Todas as contravenções são consideradas infração de menor potencial
ofensivo?
R.: Não! Há contravenções penais que estão fora da LCP, como às dos artigos 45 e 60 da lei 6.259/44, que
regulamenta o serviço de loterias. Tais dispositivos incriminam a conduta de extrair loteria sem concessão
regular e jogo sobre corridas de cavalo feitas fora de hipódromo. São contravenções penais, pois a lei
estipula a pena de prisão simples, mas não são infrações de menor potencial ofensivo, pois a pena máxima
é de 4 anos de prisão simples (crime anão acrescido).
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Decreto-Lei/1937-1946/Del6259.htm#art60

1.329) Inquérito policial para apuração de jogo do bicho.


R.: Por se tratar de infração de menor potencial ofensivo, o instrumento adequado para apurar sua
ocorrência é o Termo Circunstanciado, previsto no artigo 65 da lei 9099/95.

1.330) É possível a prisão preventiva ao final?


R.: Não é possível a prisão preventiva ao final do processo, visto que o crime ora tratado é apenado com
pena de prisão simples, só sendo possível a aplicação da prisão preventiva aos crimes apenados com pena
de reclusão ou detenção e, desde que, atendidos os dispositivos legais, dentre eles o Art 313, I do CPP, que
requer que o crime seja doloso e com pena privativa de liberdade superior a 4 anos. Logo, é inviável a
prisão preventiva no caso ora apresentado.
.https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/18494910/habeas-corpus-hc-179742-mg-2010-0131519-5

1.331) O que entende por discriminação, preconceito e racismo?


R.: A discriminação refere-se ao tratamento injusto ou negativo de uma pessoa ou grupo, por ela pertencer
a uma determinada classe, grupo ou categoria (como raça, idade ou gênero). É o preconceito ou racismo
em forma de ação. O preconceito é o conceito prévio, preestabelecido, constituído antecipadamente,
concepções criadas por determinados indivíduos que categorizam e (des)qualificam pessoas por força de
sua raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional. Racismo é a crença de que os membros de cada raça
possuem características, habilidades ou qualidades específicas dessa raça e, portanto, algumas raças são
superiores às outras.

1.332) Qual o elemento subjetivo do crime de racismo?


R.: Exige-se o elemento subjetivo específico (especial fim de agir), consistente na vontade de discriminar
a vítima em razão de sua raça/cor.

1.333) Só a pessoa formalmente indiciada pode ser presa temporariamente?


R.: Não. A lei 7.960/89 regulamenta a prisão temporária e não exige, como um dos requisitos, o prévio
indiciamento do investigado. Há, contudo, quem defenda que o termo “indiciado” constante nos incisos II
e III do artigo 1º da mencionada Lei seja exigência do legislador para a prisão temporária, no entanto,
corrente majoritária não se apega ao rigor do termo e defende a desnecessidade do formal indiciamento
como requisito para a decretação a preventiva.

1.334) Quais os crimes de dano previstos no Código de Trânsito?


R.: Os crimes podem ser classificados em; 1) crimes de perigo (concreto ou abstrato) e 2) crimes de dano.
No CTB os crimes de dano são: homicídio na direção de veículo automotor (art. 302) e lesão corporal na
direção de veículo automotor (art. 303).

1.335) Improbidade Administrativa. O rol dos artigos 9, 10 e 11 é taxativo ou exemplificativo?


R.: Os artigos mencionados elencam as condutas que se classificam como ato de improbidade
administrativa. É uníssono o entendimento de que os incisos trazem exemplos de atos de improbidade, não
exaurindo as hipóteses de infrações. Aliás, percebe-se pela redação do caput dos dispositivos, que o
legislador usou o termo “e notadamente” antes de elencar os incisos, ou seja, não se restringindo às
hipóteses previstas.

1.336) Fale sobre a inamovibilidade do Delegado.


R.: Parece natural que uma das primeiras instituições a serem cogitadas como beneficiárias de uma
aplicação da inamovibilidade sejam as polícias judiciárias, na figura dos delegados. Ora, o judiciário
somente age se provocado. Não teria sentido que aquele que o provoca fique desguarnecido da garantia
que lhe assegura a isenção. O delegado precisa estar livre de pressões indevidas que possam constrangê-
lo a não tomar as medidas necessárias ou, pior, tomar medidas que não deveria. O tema é amplamente
debatido no cenário nacional e a lei 12.830/13 trouxe alguns institutos que fortaleceram a carreira da
Autoridade Policial, entre elas, o §5 do art. 2º, que exige fundamentação no ato de remoção do Delegado
de Polícia. Diversas outras leis representaram avanços para a independência funcional dos delegados, mas
ainda não a garantem plenamente, na medida em que não garantem a inamovibilidade, que daria muito
mais segurança aos delegados. A PEC 293/2008 tramita no Congresso Nacional para acrescentar a
inamovibilidade, vitaliciedade e a irredutibilidade dos vencimentos aos Delegados de Polícia. A
independência da polícia judiciária só fortaleceria nossa democracia.
(Resposta retirada do artigo: Inamovibilidade como garantia constitucional e efetiva a uma imparcial
atuação do estado na persecução criminal, escrito pelo Desembargador Federal do TRF3 – Fausto Martins
de Sanctis – publicado pelo Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo – SINDPESP –
no livro “Garantias institucionais do Delegado de Polícia”, páginas 33 a 49)

1.337) Quando se dá o indiciamento direito e indireto?


R.: O direto ocorre na presença do indiciado, já o indireto, quando este está ausente (Exemplo: foragido).

1.338) Qual a função da prisão judiciária?


R.: Considerando que o vocábulo se refere às prisões cautelares (preventiva e temporária) e à prisão pena,
a função, portanto, se distingue. Em síntese, as primeiras são medidas de exceção e têm como finalidade
a segregação cautelar do acusado, quer pela conveniência da instrução criminal, garantida da ordem
pública, ordem econômica ou aplicação da lei penal, quer por imprescindibilidade para as investigações
do inquérito policial ou, ainda, quando o indiciado não tem residência fixa ou não fornece elementos para
sua identificação. Já a prisão pena, por seu turno, tem a função de reprovar o mal causado pelo crime a
prevenir futuras práticas criminosas, conforme a teoria mista (unificadora) adotada pelo artigo 59 do
Código Penal.

1.339) Como vai ser executada a multa reparatória arbitrada em crime de trânsito?
R.: De acordo com previsão expressa deste Código a multa reparatória (...) consiste no pagamento,
mediante depósito judicial em favor da vítima, ou seus sucessores, de quantia calculada com base no
disposto no 1º do artigo 49, do Código Penal, sempre que houver prejuízo material resultante do crime
(artigo 297, caput, da Lei). Vale dizer que na indenização civil do dano, o valor da multa reparatória será
descontado (art. 297, 2º, do CTB. Ressalta-se que alguns crimes, como os delitos dos artigos 306, 307,
309 e 312, os quais não acarretam prejuízo material à vítima, não permitem a fixação da multa reparatória.
Outros delitos, a exemplo dos artigos 302, 303 e 304, possuem vítima certa e determinada e, por
conseguinte, autorizam a aplicação da multa reparatória.

Examinadora: LEOLAR EMÍLIA DE SOUZA

1.340) A escuta telefônica é um método de investigação normal/usual?


R.: Não! A Constituição Federal consagra como garantia o sigilo das comunicações telefônicas e,
excepcionalmente, a sua interceptação. Tanto é que a Lei 9.296/96 estabeleceu alguns requisitos para o
deferimento desse método de investigação, dentre eles o previsto no inciso II, do artigo 2º, que descarta o
seu deferimento quando a prova puder ser feita por outros meios disponíveis, tornando-a não usual, mas
sim, excepcional.

1341. A quem cabe a representação para escuta telefônica? Pode ser verbal? Em que hipóteses?
Deve haver preenchimento de quais requisitos?
R: Ao Ministério Público na investigação criminal e na instrução processual penal; À autoridade policial
apenas na investigação criminal (Art. 3°, Lei n. 9296/96). A representação pode ser feita de forma verbal,
excepcionalmente (art. 4°, §1°). Os requisitos são os mesmos da representação de forma escrita (art.
4°,§1°): existência de indícios pré-existentes de autoria ou participação no crime objeto da investigação
(art. 2°, I); indispensabilidade (ou subsidiariedade) da medida, pois não se pode decretar a interceptação
se a prova puder ser obtida por outros meios (art. 2°, II); e ser o crime apenado com reclusão (art. 2°, III).

1342. Qual a natureza das investigações policiais conduzidas pelo delegado de polícia?
R: Procedimento administrativo pré-processual. A investigação policial conduzida pelo delegado se
materializa através do inquérito policial ou outro procedimento previsto em lei (art. 2°, §1°, Lei n.
12.830/2013).

1343. Caberá a decretação da prisão temporária de um crime de furto?


R: Não. O crime de furto não se encontra no rol da Lei n. 7.960/89, que é taxativo. Embora o inciso I do
art. 1° da lei possibilite a prisão temporária quando imprescindível para as investigações do inquérito
policial, ainda assim não seria cabível, pois a doutrina majoritária entende que o mesmo inciso deve ser
conjugado com o inciso III.

1344. O que são autos apartados? Pode haver também no inquérito policial?
R: É a resolução de algum incidente com tramitação autônoma para não tumultuar o processo. Pode haver
no inquérito policial, a exemplo da interceptação telefônica (art. 8°, Lei n. 9296/96), do incidente de
insanidade mental do acusado (arts. 149, §1° e 153, CPP), a restituição de coisas apreendidas quando
duvidoso o direito (art. 120, §§ 2° e 3°, CPP) e sequestro (arts. 127 e 129, CPP).

1345. Em que momento serão juntados aos autos principais?


R: Quando for decidida a questão incidente.

1346. Na hipótese de Empregador exigir apresentação de teste de gravidez de candidata a emprego.


Qual o delito praticado? Qual a providência do delegado?
R: Constitui prática discriminatória prevista na Lei n. 9.029/1995 (Art. 2º Constituem crime as seguintes
práticas discriminatórias: I - a exigência de teste, exame, perícia, laudo, atestado, declaração ou qualquer
outro procedimento relativo à esterilização ou a estado de gravidez;). Por se tratar de crime de menor
potencial ofensivo, o delegado deve lavrar termo circunstanciado, o encaminhando com o autor do fato e
a vítima e requisitar perícia se necessário (art. 69, Lei n. 9.099/95).

1347. O que é transação penal? Há participação do ofendido?


R: É uma medida despenalizadora que visa evitar a instauração de um processo penal e a aplicação de
pena privativa de liberdade (art. 76, Lei n. 9.099/95). Não há participação do ofendido, pois, entre outras
palavras, trata-se de um acordo entre o suposto autor do fato e o Ministério Público.
Súmulas: súmula vinculante 35.

1348. Quem são as pessoas idosas segundo o estatuto do idoso?


R: Pessoas com idade igual ou superior a 60 anos. (art.1°, Lei n. 10.741/2003 e art. 2°, Lei n. 8.842/94).

1349. Exemplo prático: Uso do cartão de banco pelo filho para comprar carro para o pai idoso, sem
autorização deste. Ocorreu crime?
R: Sim. Em respeito ao princípio da especialidade, ocorreu crime previsto no art. 102, Lei n. 10.741/2003
na modalidade desvio. (“Apropriar-se de ou desviar bens, proventos pensão ou qualquer outro rendimento
do idoso, dando-lhes aplicação diversa da de sua finalidade”).

1350. Qual a tipificação penal daquele que editou uma obra sem autorização do titular? Qual a
fundamentação legal?
R: Violação de direito autoral (art. 184, CP). Atenção: não confundir com a sanção prevista no art. 103,
Lei n. 9.610/98, pois se trata de sanção civil e não penal.
Súmulas: 502 e 574, STJ.
1351. Há alguma consequência/punição para o preso que se nega a trabalhar?
R: O trabalho interno do preso é obrigatório (art. 31 e 39, V, LEP) e sua recusa injustificada constitui falta
grave (art. 50, VI). O preso poderá ser punido (art. 57, parágrafo único) com suspensão ou restrição de
direitos descritos no art. 41 (art. 53, III), isolamento (art. 53, IV) ou inclusão no regime disciplinar
diferenciado (art. 53, V).
(HC 264989 – SP / STJ) - Súmulas: 533, 534 e 535, STJ.

1352. O que é ação controlada da lei de organização criminosa?


R: A ação controlada da lei de organização criminosa consiste em retardar a intervenção policial ou
administrativa relativa à ação praticada por organização criminosa ou a ela vinculada, desde que mantida
sob observação e acompanhamento para que a medida legal se concretize no momento mais eficaz à
formação de provas e obtenção de informações. (art. 8°, Lei 12.850/2013)

1353. Quem pode autorizar tal método de investigação?


R: A ação controlada não necessita de autorização, bastando prévia comunicação ao juiz competente (art.
8°, §1°, Lei n. 12.850/2013), segundo posição do STJ e maioria da doutrina. Em posição minoritária, Luiz
Flávio Gomes entende pela necessidade de autorização judicial.

1354. Poderá haver identificação criminal daquele já identificado civilmente nos casos de organização
criminosa?
R: Sim, se atendidos os requisitos da Lei de Identificação Criminal (Lei n. 12.037/2009) e não
necessariamente por se tratar de organização criminosa. Atenção: A antiga lei de organização criminosa
(Lei n. 9.034/95) previa a possibilidade de identificação criminal independentemente da identificação civil
(art.5°), porém, foi revogada pela Lei n. 12.850/2013 que nada dispõe a respeito.

1355. Quais os requisitos para ingresso e permanência no programa de proteção à testemunha?


R: Os requisitos para ingresso no programa são: a gravidade da coação ou da ameaça à integridade física
ou psicológica; a dificuldade de preveni-las ou reprimi-las pelos meios convencionais e a sua importância
para a produção da prova (art. 2°, Lei n. 9.807/99). Já para a permanência no programa, o requisito é o
cumprimento das normas por ele prescritas no art. 7° (art. 2°, §4).

1356. O ingresso no programa de proteção pode ser coercitivo?


R: Não. Tendo em vista que algumas medidas podem trazer algum tipo de restrição para a pessoa protegida,
o ingresso no programa não pode ser coercitivo, dependendo sempre de anuência do protegido ou do seu
representante legal (art. 2°, §3°).

1357. O que é violência doméstica?


R.: Nos termos do artigo 5º da Lei 11.340/06 configura violência doméstica e familiar contra a mulher
qualquer ação ou omissão baseada no gênero que lhe cause morte, lesão, sofrimento físico, sexual ou
psicológico e dano moral ou patrimonial.

1358. Ex-marido pode ser autor do crime de violência doméstica em razão de agressão à ex-
esposa?
R.: Sim, uma vez que a lei prevê sua aplicabilidade às relações íntima de afeto, na qual o agressor conviva
ou tenha convivido com a ofendida, independentemente de coabitação.

1359. Na hipótese de crime de ameaça no âmbito da Lei Maria da Penha aguarda-se a


representação da vítima ou instaura-se o auto de prisão em flagrante?
R.: Tendo em vista que o crime de ameaça ainda que cometido no âmbito da Lei Maria da Penha continua
sendo processado por ação penal pública condicionada a representação, deve-se aguardar a representação
da vítima.

1360. Em quais hipóteses cabem a prisão preventiva no caso de crime submetido à Lei Maria
da Penha?
R.: A prisão preventiva será cabível nas hipóteses de crimes dolosos praticados no âmbito doméstico e
familiar para garantir a execução das medidas protetivas de urgência. O artigo 313 do CPP não prevê uma
pena mínima para o cabimento da prisão preventiva, bastando que fique evidenciado a intenção deliberada
de violar as medidas protetivas de urgência, afinal se se trata de violência de gênero referido crime só pode
ser praticado dolosamente.

Examinador: CARLOS ALBERTO DA CUNHA

1361. Em que consiste o conceito de lavagem de dinheiro?


R.: A lavagem de capitais é o ato ou conjunto de atos praticados por determinado agente com o objetivo
de conferir aparência lícita a bens, dinheiros ou valores provenientes de uma infração penal.

1362. Cite os crimes que antecedem a lavagem de dinheiro.


R.: As primeiras leis que incriminaram a lavagem de capitais traziam apenas o tráfico ilícito de drogas
como crime antecedente, razão pela qual ficaram conhecidas como legislações de primeira geração.
Posteriormente, houve a ampliação do rol de crimes antecedentes (rol taxativo), dando origem, assim, às
legislações de segunda geração. Por fim, atualmente qualquer infração penal (crime ou contravenção
penal) pode figurar como crime antecedente da lavagem de capitais (legislações de terceira geração).
1363. Denúncia que uma pessoa guarda 1 milhão de reais em sua casa. Há prática do
crime de lavagem de dinheiro?
R.: A simples guarda, per si, não configura lavagem de dinheiro, contudo pode constituir sérios indícios
do crime. Assim, é necessário se apurar no caso concreto se estão presentes todos os requisitos do tipo
penal do crime de lavagem de dinheiro.

1364. Cidadão que possui em sua casa arma desmuniciada está incorrendo em crime?
R.: A arma desmuniciada não afasta o crime de posse irregular de arma de fogo de uso permitido, uma vez
que se trata de crime de perigo abstrato. Assim, o cidadão em incorrerá nas penas do artigo 12 do Estatuto
do Desarmamento se Possuir ou manter sob sua guarda arma de fogo, acessório ou munição, de uso
permitido, em desacordo com determinação legal ou regulamentar, no interior de sua residência.

1365. Arma desmontada e desmuniciada dentro de veículo caracteriza crime?


R.: A arma desmontada ou desmuniciada não afasta o crime de porte ilegal de arma de fogo se o agente
não possuir o porte legal da arma. Isso porque trata-se de crime de perigo abstrato, em que o perigo é
presumido. Tutela-se a segurança pública.

1366. Qual o conceito de consumidor na lei 8078/90.


R.: Nos termos do art. 2º, caput, do CDC, consumidor é “toda pessoa física ou jurídica que adquire ou
utiliza produtos ou serviços como destinatário final" . OU seja, retira-se o produto ou serviço da cadeia de
consumo como destinatário final. Adotou-se, portanto, a teoria finalista no CDC.
Contudo, o STJ deu ampliação a este conceito para abarcar as hipóteses em que uma pessoa jurídica, como
consumidora, não é destinatária final, porém apresenta alguma vulnerabilidade (técnica, fática, jurídica ou
informacional) na relação consumerista. Trata-se da teoria finalista mitigada ou aprofundada.

1367. Um usuário de serviço público essencial pode invocar o CDC?


R.: O CDC dispõe categoricamente sobre a responsabilidade civil do fornecedor do serviço público em
seu artigo 22. De outro lado, também prevê que é direito básico do consumidor a adequada e eficaz
prestação dos serviços públicos em geral (artigo 6º, X).Assim, observando-se o conceito de consumidor
adotado pelo CDC é plenamente possível que um usuário de serviço público essencial possa invocar o
CDC se tratar de um serviço uti singuli, remunerado mediante taxa ou tarifa.

1368. Diferencie vício e fato do produto?


R.: Fato do produto é o mesmo que acidente de consumo. Haverá fato do produto ou do serviço sempre
que o defeito, além de atingir a incolumidade econômica do consumidor, atinge sua incolumidade física
ou psíquica. Nesse caso, haverá danos à saúde física ou psicológica do consumidor. Em outras palavras,
o defeito exorbita a esfera do bem de consumo.
Exemplos de fato do produto: aqueles famosos casos dos telefones celulares cujas baterias explodiam,
causando queimaduras no consumidor;
Haverá vício quando o “defeito” atingir meramente a incolumidade econômica do consumidor,
causando-lhe tão somente um prejuízo patrimonial. Nesse caso, o problema é intrínseco ao bem de
consumo.
Exemplos de vício do produto: uma TV nova que não funciona; um automóvel 0 Km cujo motor vem
a fundir; um computador cujo HD não armazena os dados, um fogão novo cuja pintura descasca etc.

1369. No que consiste interceptação telefônica? Diferencie: Gravação, escuta e captação


ambiental.
R.: Interceptação telefônica ocorre quando um terceiro capta o diálogo telefônico travado entre duas
pessoas, sem que nenhum dos interlocutores saiba, situação que depende, sempre, de ordem judicial prévia,
por força do art. 5º, XII, da Constituição Federal. Por exemplo: no curso de uma instrução processual
penal, a pedido do representante do Ministério Público competente, o magistrado autoriza a captação do
conteúdo da conversa entre dois traficantes de drogas ilícitas, sem o conhecimento destes.
Escuta ambiental: captação de uma comunicação, no ambiente dela, realizada por terceiro, com o
conhecimento de um dos comunicadores. Por exemplo: João e Maria conversam em uma mesa de bar e
Pedro grava o conteúdo do diálogo, com o consentimento de Maria, mas sem que João saiba.
A gravação ambiental é feita por um dos interlocutores do diálogo, no ambiente dela, sem o consentimento
ou a ciência do outro. Por exemplo: Maria e João conversam em um restaurante e ela grava o conteúdo
desse diálogo, sem que João saiba.
Captação ou Interceptação ambiental: captação de uma comunicação no próprio ambiente, por um
terceiro, sem a ciência dos comunicadores.

1370. No curso de interceptação temos como objeto a formação de provas acerca de


determinado crime, descobre-se a prática de outro delito: Qual a providência a ser tomada? Tal
prova pode ser utilizada diretamente no Inquérito Policial do delito descoberto?
R.: Na presente situação, tem-se aquilo que o Min. Alexandre de Moraes chamou de “crime achado”
(“serendipidade” ou “encontro fortuito de crime”)., ou seja, uma infração penal desconhecida e não
investigada até o momento em que, apurando-se outro fato, descobriu-se esse novo delito. Para o Min.
Alexandre de Moraes, a prova é considerada lícita, mesmo que o “crime achado” não tenha relação (não
seja conexo) com o delito que estava sendo investigado, desde que tenham sido respeitados os requisitos
constitucionais e legais e desde que não tenha havido desvio de finalidade ou fraude.
OBS:Aprofundando
Alguns autores fazem a seguinte distinção:
a) Serendipidade objetiva: ocorre quando, no curso da medida, surgirem indícios da prática de outro crime
que não estava sendo investigado.
b) Serendipidade subjetiva: ocorre quando, no curso da medida, surgirem indícios do envolvimento criminoso
de outra pessoa que inicialmente não estava sendo investigada. Ex: durante a interceptação telefônica
instaurada para investigar João, descobre-se que um de seus comparsas é Pedro (Deputado Federal).
Nesse sentido: MASSON, Cleber; MARÇAL, Vinicius. Crime organizado. São Paulo: Método, 2017, p. 274.
Há ainda uma outra classificação que fala que a serendipidade pode ser dividida em “graus”:
a) Serendipidade de primeiro grau: é o encontro fortuito de provas quando houver conexão ou continência
com o fato que se apurava.
b) Serendipidade de segundo grau: é o encontro fortuito de provas quando não houver conexão ou continência
com o fato que se apurava.

1371. Diferencie crime de contravenção penal.


R.: Apesar de crime e contravenção serem espécies “distintas” do gênero “infração penal”, não existe, a
rigor, uma diferença substancial entre os dois. Não há um elemento de ordem ontológica que encerre uma
essência natural “em si mesmo”, sendo diferenciados apenas pelas suas penas, nos termos do art. 1º, da
Lei de Introdução ao Código Penal e da Lei de Contravenções Penais. Assim, considera-se crime a infração
penal que a lei comina pena de reclusão ou de detenção, quer isoladamente, quer alternativa ou
cumulativamente com a pena de multa; contravenção, a infração penal a que a lei comina, isoladamente,
pena de prisão simples ou de multa, ou ambas, alternativa ou cumulativamente.

1372. No que consiste a contravenção de importunação ofensiva ao pudor?


R.: Com o advento da Lei nº 13.718/2018, houve a revogação desta contravenção, passando referido fato
sendo previsto como crime no art. 215-A do CP. Houve, portanto, uma continuidade normativa-típica.
Ademais, trata-se de uma lei penal mais gravosa, uma vez que o fato era previsto como infração de menor
potencial ofensivo (era contravenção penal) e agora é previsto como infração de médio potencial ofensivo
(admite apenas a suspensão condicional do processo, já que a pena é de um a 5 anos).
Assim, configura importunação ofensiva quando alguém pratica contra outra pessoa e sem a sua anuência
ato libidinoso com o objetivo de satisfazer a própria lascívia ou a de terceiro.

1373. Torcedor que profere palavras ofensivas ao jogador em razão de seu tom de pele,
característica o crime de racismo?
R.: Crimes de racismos são os que estão previstos na lei 7716/89, sendo que o comportamento do torcedor
em ofender a honra subjetiva do jogador se amolda ao crime de injúria racial (artigo 140§3º do Código
Penal). Agora, caso a conduta fosse ofender a comunidade negra (negra: como exemplo) ai o tipo penal
seria do artigo 20 da lei 7716/89.

1374. Na hipótese de prisão temporária, qual o prazo para a conclusão do Inquérito Público?
R.: Prisão Temporária: lei 7960/1989
Crime hediondo: 30 dias + 30 dias (60 dias)
crimes não sendo Hediondo: 05 + 05 dias (10 dias)
lembrando que a prisão temporária só tem cabimento na fase investigação (IP)

1375. Imposição desnecessária do uso de algemas pode configurar abuso de autoridade?


R.: Sim, o uso de algemas é por via de exceção
Conforme entendimento sumulado pelo STF, apenas caberá o uso de algemas, quando:
Súmula Vinculante 11
Só é lícito o uso de algemas em casos de resistência e de fundado receio de fuga ou de perigo à integridade
física própria ou alheia, por parte do preso ou de terceiros, justificada a excepcionalidade por escrito, sob
pena de responsabilidade disciplinar, civil e penal do agente ou da autoridade e de nulidade da prisão ou
do ato processual a que se refere, sem prejuízo da responsabilidade civil do Estado.
DICA: PRF - perigo, resistência e fuga

1376. É possível o uso de algemas em adolescentes?


R.: Sim, a lei não impede que sejam utilizadas algemas em adolescentes, desde que justificadamente

1377. Qual o conceito de ato infracional?


R.: Nos termos do artigo 103 do ECA (lei 8069/90), considera-se ato infracional a conduta descrita como
crime ou contravenção penal.

1378. Quais as medidas socioeducativas previstas no ECA?


R.: Conforme a lei 8069/90:
Art. 112. Verificada a prática de ato infracional, a autoridade competente poderá aplicar ao adolescente as
seguintes medidas:
I - advertência;
II - obrigação de reparar o dano;
III - prestação de serviços à comunidade;
IV - liberdade assistida;
V - inserção em regime de semi-liberdade;
VI - internação em estabelecimento educacional;
VII - qualquer uma das previstas no art. 101, I a VI.

1379. Defina o crime de tortura. Quem pode ser o sujeito ativo?


R.: Lei 9455/1997
Constitui crime de tortura:
I - constranger alguém com emprego de violência ou grave ameaça, causando-lhe sofrimento físico ou
mental:
a) com o fim de obter informação, declaração ou confissão da vítima ou de terceira pessoa;
b) para provocar ação ou omissão de natureza criminosa;
c) em razão de discriminação racial ou religiosa;
II - submeter alguém, sob sua guarda, poder ou autoridade, com emprego de violência ou grave ameaça, a
intenso sofrimento físico ou mental, como forma de aplicar castigo pessoal ou medida de caráter
preventivo.
Sujeito Ativo poderá ser qualquer um do povo, desde que pratique qualquer uma das condutas acima.

1380. Nos termos da Lei 9605 – Qual o conceito de meio ambiente?


R.: São as agressões ao meio ambiente e seus componentes (flora, fauna, recursos naturais, patrimônio
cultural)

1381. O meio ambiente ambiental está previsto na Lei 9605?


R.: não encontrei a resposta

1382. Quais as penas previstas na lei 9605?


R.: As penas se dividem para pessoas naturais e para pessoas jurídicas.
Pessoas naturais: privativa de liberdade, multa e restritivas de direito.
Pessoa Jurídica: multa, restritivas de direitos e prestação de serviços à comunidade.

1383. Discorra, acerca da pessoa jurídica, como sujeito ativo de crimes ambientais?
R.: STJ e o STF: É possível a responsabilização penal da pessoa jurídica por delitos ambientais
independentemente da responsabilização concomitante da pessoa física que agia em seu nome.
É plenamente possível a responsabilização penal da pessoa jurídica no caso de crimes ambientais porque
assim determinou o § 3º do art. 225 da CF/88. A jurisprudência não mais adota a chamada teoria da "dupla
imputação".

1384. Pichação de imóvel particular está tipificada na lei 9605?


R.: Sim, nada impede a responsabilização do agente que pratica esta condutas
Aliás, poderá o particular consentir que seu patrimônio seja pichado, conforme o §2º do artigo 65.
Art. 65. Pichar ou por outro meio conspurcar edificação ou monumento urbano:
§2º – Não constitui crime a prática de grafite realizada com o objetivo de valorizar o patrimônio público
ou privado mediante manifestação artística, desde que consentida pelo proprietário e, quando couber, pelo
locatário ou arrendatário do bem privado e, no caso de bem público, com a autorização do órgão
competente e a observância das posturas municipais e das normas editadas pelos órgãos governamentais
responsáveis pela preservação e conservação do patrimônio histórico e artístico nacional.

1385. Em que hipóteses é cabível a prisão temporária?


R.: Nos termos da lei 7960/89:
Art. 1° Caberá prisão temporária:
I - quando imprescindível para as investigações do inquérito policial;
II - quando o indicado não tiver residência fixa ou não fornecer elementos necessários ao esclarecimento
de sua identidade;
III - quando houver fundadas razões, de acordo com qualquer prova admitida na legislação penal, de
autoria ou participação do indiciado nos seguintes crimes

1386. Quem pode representar para decretação da prisão temporária?


R.: Representação se dará por ato da Autoridade Policial (Delegado)

Examinador: Alexandre Silva Cassola

1387. Plantão. Operação segura. O PM apresenta a seguinte situação: carro trafegando com
motorista bebendo uma lata de cerveja. Apresenta o veículo, o motorista e a lata de cerveja. Como
procede?
R.: Encaminhamento para exame de alcoolemia para constatação da embriaguez caso seja uma medida
prática e eficaz, contudo não é o único meio de prova previsto na lei 9503/97.

1388. O motorista fala na sua frente: “Eu não vou assoprar e não vou tirar sangue”. Qual
postura adota?
R.: Não se trata do único meio de prova, podendo outros meios serem utilizados para constatação da
embriaguez, onde poderá ser obtida mediante teste de alcoolemia ou toxicológico, exame clínico, perícia,
vídeo, prova testemunhal ou outros meios de prova em direito admitidos, observado o direito à
contraprova.
Assim, como se trata de rol alargado pela lei 12.971/14, a embriaguez não se resume a bafômetro ou exame
de sangue.

1389. E se encaminha à constatação clínica e o exame é inconclusivo? O PM apresenta a


filmagem de celular do cidadão bebendo ao volante?
R.: Pode, pois é um meio de prova admitido pelo direito e pela resolução do Contram para provar a
alteração da capacidade psicomotora.
1390. Existe elemento normativo no artigo 306 que deveria ser verificado pela senhora?
R.: Sim. A capacidade psicomotora alterada em razão do álcool.

1391. O depoimento do policial é suficiente para constatar que o indivíduo está embriagado?
R.: É um dos meios de prova admitidos pela legislação desde que com esse depoimento consiga comprovar
a alteração da capacidade psicomotora do agente.

1392. Alguma coisa especificamente quanto ao indiciamento no Inquérito Policial?


R.: A comprovação da capacidade psicomotora do agente através das provas obtidas que fundamente a
tipificação.

1393. Deixa de fundamentar a tipificação no ato da prisão. O que faz?


O delegado pode fazer a fundamentação no indiciamento (relatório final do inquérito policial que será
gerado pela lavratura do auto de prisão em flagrante.)

1394. Cite três princípios que norteiam a Lei de Execução Penal.


Princípio da igualdade – os presos não podem ser tratados de maneira diferente por causa da sua raça,
religião, opção sexual, convicção políticas etc.
Princípio do Contraditório – preso tem que ser ouvido
Princípio da Humanização da Pena
Outros: Princípio da individualização da pena, legalidade, jurisdicionalidade, proporcionalidade.

1395. O que tem a falar em relação à intranscendência da pena?


R.: Este princípio determina que o condenado é que terá de se submeter à sanção que lhe foi aplicada pelo
Estado ou seja, somente ele poderá responder pela infração praticada e cumprir a reprimenda legal imposta
pelo tipo penal.
Fundamentação legal: art. 5º, inciso XLV da Constituição Federal/1988.
Sinônimos doutrinários: princípio da responsabilidade pessoal e princípio da pessoalidade.

1396. O que é regime disciplinar diferenciado?


R.: É um regime de disciplina carcerária especial, caracterizado por maior grau de isolamento do preso e
de restrições ao contato com o mundo exterior, a ser aplicado como sanção disciplinar ou como medida de
caráter cautelar, tanto ao condenado como ao preso provisório, nas hipóteses previstas em lei.
Fundamentação legal: art. 52, incisos e parágrafos da lei 7210/84.

1397. Qual a natureza jurídica?


R.: Quanto à sua natureza, o referido regime pode ser entendido de duas formas, como uma sanção
disciplinar nos termos do art. 52, caput (lei 7210/84) ou como medida cautelar, art. 52, §1 e §2 também da
lei 7210/84.

1398. Verificando a precariedade na unidade onde passa a ser o diretor, está com o preso na
porta. Recebe ou não?
R.: O preso deverá ser recebido, evitando que a diligência que acarretou a condução do segregado venha
a se tornar frustrada.

1399. E se não tiver condições?


R.: Ainda que faltem condições físicas e humanas para encarcerar provisoriamente o indivíduo, deverá ser
improvisado um local até que outro Centro de Detenção Provisória seja acionado para poder receber o
apreendido.

1400. Conseguiria verificar algum princípio que poderia nortear?


R.: À privação da liberdade inadequada reflete num indevido sofrimento físico e psicológico, que atenta,
sobretudo contra o princípio da dignidade humana justificando, assim, ulterior requerimento de
transferência do detido.

1401. Quem é idoso nos termos da lei?


R.: Em suma, idoso, na legislação criminal brasileira, é a pessoa de idade igual ou superior a 60 (sessenta)
anos.
Fundamentação legal: art. 1º, caput da lei 10.741/03.

1402. Quem tem 60 anos?


R.: Nos termos do art. 1º, caput da lei 10.741/03, todas as pessoas com idade igual ou superior a 60
(sessenta anos).

1403. Há relação entre a Lei nº 9.099/95 e o Estatuto do Idoso?


R.: O art. 94 do Estatuto permite a aplicação do procedimento da Lei 9.099/95 aos crimes cuja pena
máxima não ultrapasse 4 anos. Entretanto é majoritário o entendimento que os institutos despenalizadores
apenas serão aplicados às infrações de menor potencial ofensivo nos termos do art. 61 da 9099/95.

1404. O que entende por extorsão indireta de idoso? É crime?


R.: Extorsão indireta de idoso é crime que possui suas elementares descritivas no art. 104 da lei 10.741/03,
consistente na conduta de reter cartão ou documento de recebimento de valores do idoso como forma de
recebimento ou ressarcimento de dívida.
1405. É crime de menor potencial ofensivo?
R.: Não, mas em razão da pena cominada, admite-se a suspensão condicional do processo. Por se tratar de
crime contra o Idoso cuja pena máxima não ultrapassa 4 anos, aplica-se o procedimento previsto na lei
9.099/95, porém, o infrator não terá direito aos institutos despenalizadores da referida lei. (artigo 94 da lei
10.471/03 e ADI 3.096).

1406. O Ministério Público pode determinar o indiciamento?


R.: O indiciamento é ato resultante das investigações policiais, por meio do qual alguém é apontado como
provável autor do fato delituoso. Cuida-se de ato privativo do Delegado de Polícia, portanto, não é possível
que o MP determine ao Delegado o indiciamento de uma pessoa. (artigo 2º, parágrafo 6º, da lei 12.830/13
e STF, HC 115.015/SP).

1407. Como é feito o reconhecimento do acusado?


R.: A pessoa que fará o reconhecimento descreve o suspeito, em seguida e, se possível, coloca-se ao lado
do suspeito pessoas com características parecidas a dele, para que seja feita a identificação. Se várias forem
as pessoas que irão fazer a identificação, cada uma fará em separado. (artigo 226 e 228 do C.P.P.)

1408. Abuso de autoridade e lesão corporal. Há concurso? Fundamente.


R.: Haverá concurso material de crimes, não se aplicando ao caso o princípio da consunção, uma vez que
os delitos se consumam em momentos distintos e protegem bens jurídicos diversos. (Abuso de autoridade:
consumação: prática da conduta descrita na lei 4.898/65, bem jurídico tutelado: funcionamento da Adm.
Pública e direitos e garantias fundamentais. Lesão corporal: consumação: lesão a integridade física, bem
jurídico tutelado: integridade física).

1409. Abuso de autoridade cometido pelo PM. Qual a competência?


R.: Antes da lei 13.491/17 a competência era da Justiça Comum, Estadual ou Federal, nos termos da
súmula 172 do STJ. Com a entrada em vigor da lei 13.491/17, a competência passa a ser de a Justiça
Militar, pois, de acordo com a nova lei, todo e qualquer crime praticado por militar em serviço ou no
exercício da função será julgado pela Justiça Castrense, conforme previsto no artigo 9, inciso II, A a E,
do C.P.M.

1410. Responsabilidade civil, criminal e administrativa. O processo pode ficar sobrestado


aguardando a conclusão?
R.: Não há necessidade, pois as instâncias são independentes, assim as sanções podem ser aplicadas
independentemente da conclusão da ação penal pelo fato praticado pela autoridade.
1411. Sua resposta tem fundamento na lei de abuso de autoridade?
R.: No artigo 6 e parágrafos da lei de abuso de autoridade.

1412. Quem é o sujeito ativo nos crimes de abuso de autoridade?


R.: Autoridade civil ou militar, que exerce cargo, emprego ou função pública, ainda que transitoriamente.
Artigo 5 da lei de abuso de autoridade.

1413. Há necessidade do poder de comando?


R.: Não é necessário poder de comando, mas sim que o agente tenha um vínculo formal com o Estado.
Ressaltando que o particular pode responder juntamente com autoridade pública por abuso de autoridade,
caso saiba desta condição do agente, nos termos do artigo 30 do C.P.

1414. Delegado de Polícia em licença e sem vencimento pode cometer crime de abuso de
autoridade?
R.: Cometerá abuso de autoridade o Delegado que estiver de licença sem vencimentos, caso pratique o
crime se valendo das condições do cargo, uma vez que ainda existe vínculo com o Estado, não responderia
se fosse aposentado ou demitido, em razão da ausência do vínculo.

1415. Trace um paralelo entre a lei de abuso de autoridade e prisão para averiguação.
R.: A prisão para averiguação consiste na privação da liberdade de pessoas pelos órgãos de investigação
para auferir a vinculação destas com alguma infração ou para investigar sua vida pregressa, independente
de ordem judicial ou situação de flagrante delito. Após a entrada em vigor da CF/88, a prisão para
averiguação, como qualquer prisão administrativa, é considerada inconstitucional, bem como configura
abuso de autoridade, nos termos do art. 3º, A ou I; art. 4º, A ou E da Lei 4.898/65.

1416. Indivíduo sem nenhum documento. Conduz para a delegacia. Caracteriza prisão para
averiguação?
R.: Não portar documento de identificação não caracteriza crime ou contravenção, porém, o indivíduo
abordado pelos Policiais deve fornecer as informações necessárias a sua identificação. Portanto, caso haja
suspeita dos policiais quanto à veracidade dos dados fornecidos, caberá condução do Indivíduo a Polícia
Judiciária para verificação correta dos dados, o que não caracteriza prisão para averiguação, pois o objetivo
é verificar se os dados fornecidos estão corretos ou se o Indivíduo cometeu o crime de atribuição falsa de
identidade.

1417. Local ermo, três horas da manhã, ponto de tráfico de drogas. Dispensa por não haver
indícios ou averigua?
R.: Apesar de ser um lugar ermo, de madrugada e ponto de tráfico, não havendo qualquer prova material
quanto à prática de tráfico de drogas ou qualquer outro crime, a pessoa não poderá ser presa, deve ser
dispensada.

1418. Quais as medidas que podem ser aplicadas?


R.: Solicitar documento de identificação e realizar busca pessoal caso haja fundada suspeita de que a
pessoa esteja portando drogas, nos termos do artigo 240 do C.P.P.

1419. Na qualidade de Delegado, pode fazer a apreensão de uma criança?


R.: Não, a criança surpreendida praticando conduta prevista como crime ou contravenção penal não pode
ser apreendida, deve ser apresentada ao Conselho Tutelar para aplicação de medida protetiva. (artigo 105
e 136, I, do ECA).

1420. Adolescente. Drogas na residência onde somente ele reside. Ao final, encontra armas e
munição. Como procede?
R.: O adolescente deve ser encaminhado à autoridade policial competente, a qual lavrará boletim de
ocorrência circunstanciado, por se tratar de ato infracional não cometido com violência ou grave ameaça.
Deve-se também apreender os produtos e instrumentos da infração e requisitar as perícias necessárias.
Comparecendo qualquer dos pais ou responsável e sendo caso de liberação, o adolescente será prontamente
liberado pela autoridade policial, sob termo de compromisso e responsabilidade de sua apresentação ao
representante do Ministério Público, no mesmo dia ou, sendo impossível, no primeiro dia útil imediato.
Em caso de não liberação, a autoridade policial encaminhará, desde logo, o adolescente ao representante
do Ministério Público, juntamente com cópia do boletim de ocorrência. (artigo 171 a 179 do ECA)

1421. Existe corrente que defende a apreensão do menor?


R.: Sim, é possível a apreensão de adolescentes, pois são merecedores de medidas socioeducativas,
especialmente se o ato infracional foi praticado com violência ou grave ameaça a pessoa. Contudo,
destaca-se que as crianças são merecedoras de medidas protetivas e, portanto, estas não podem sofrer
constrição à sua liberdade.
 Lei 8.069/90: artigos 101, 171 a 173.

1422. Qual a natureza jurídica da prisão temporária?


R.: A natureza jurídica da prisão temporária é a de medida cautelar processual, pois há necessariamente a
exigência do fumus boni iuris e do periculum in mora em algum dos crimes previstos no artigo 1º, inciso
III, da Lei 7960/89.
 Artigo 1º da lei 7.6909/89.
1423. Qual a natureza jurídica da prisão preventiva?
R.: A prisão preventiva é uma espécie de prisão cautelar de natureza processual, consistente na medida
restritiva de liberdade, em qualquer fase da investigação policial ou do processo penal, a ser decretada
pelo juiz, de ofício, se no curso da ação penal, ou a requerimento do Ministério Público, do querelante ou
do assistente, ou por representação da autoridade policial.
 Artigos 311 a 316 do CPP.

1424. A prisão temporária fere algum princípio?


R.: Há entendimento de que a prisão temporária feriria o princípio da presunção de inocência, pois, ainda
não haveria o trânsito em julgado de sentença penal condenatória. Entretanto, tal entendimento não
prevalece, uma vez que o posicionamento majoritário é no sentido de que a antecipação cautelar da prisão
não se mostra incompatível com o princípio constitucional da presunção de inocência, desde que se
observem os pressupostos legais para a antecipação da prisão e, acima de tudo, se avalie sobre sua real
necessidade.
 Lei 7.960/89.

1425. Qual o prazo da prisão temporária?


R.: O prazo para prisão temporária, em regra, é de 5 dias, sendo prorrogáveis pelo mesmo período,
comprovada extrema necessidade, já nos casos de crimes hediondos, o prazo para este tipo
de prisão cautelar é de 30 dias sendo prorrogáveis por igual período, comprovada extrema necessidade.
 Artigo 2º da lei 7.960/89 e § 4º, do artigo 2º, da lei 8.072/90.

1426. Na qualidade de Delegado, pede a prisão para a efetividade das medidas que pretende.
Tem legitimidade para colocar o sujeito de ofício?
R.: A prisão temporária somente poderá ser decretada por juiz, no entanto, este não poderá fazê-la de
ofício, visto que há a necessidade de representação de autoridade policial ou requerimento do Ministério
Público.
 Artigo 2º da lei 7.960/89.

1427. O Delegado de Polícia é operador do direito?


R.: Sim. A lei 12.830/13 deixou expresso que as funções de polícia judiciária e a apuração de infrações
penais exercidas pelo delegado de polícia são de natureza jurídica, bem como, lembrou que o cago de
delegado de polícia é privativo de bacharel em Direito.
 Artigos 2º e 3º da lei 12.830/13.

1428. Manutenção da prisão: legal ou ilegal, considerando que já foram tomadas todas as
medidas?
R.: Se já foram tomadas todas as medidas e não há mais necessidade da manutenção da prisão, esta se
torna ilegal e, assim, faz-se necessário o relaxamento da prisão.
 Artigo 5º, LXV, CF.

1429. Qual o prazo que o juiz tem para analisar o pedido?


R.: O despacho que decretar a prisão temporária deverá ser fundamentado e prolatado dentro do prazo de
24 (vinte e quatro) horas, contadas a partir do recebimento da representação ou do requerimento.
 Artigo 2º, § 2°, da lei 7.960/89.

1430. Mantém o indivíduo preso?


R.: O indivíduo poderá ser mantido preso, em regra, pelo prazo de 5 dias, prorrogáveis por mais 5, e, no
caso de crimes hediondos, pelo prazo de 30 dias, prorrogáveis por mais 30. Caso após o término dos
referidos prazos ainda houver necessidade de manutenção da prisão do indivíduo, a prisão temporária
poderá ser convertida em prisão preventiva, se cumpridos os requisitos legais.
 Artigo 2º da lei 7.960/89; § 4º, do artigo 2º, da lei 8.072/90; artigos 311 a 316 do CPP.

1431. Invasão a um local pela possível existência de refinaria de cocaína. Encontra oito pessoas
manipulando a droga. Não ingressa no local e percebe que há uma pessoa aguardando que avisou os
companheiros pelo celular que a polícia chegou. Qual a atitude em relação a esses nove indivíduos?
R.: Os nove indivíduos podem ser enquadrados no crime de tráfico de drogas em concurso material com
o delito de associação para o tráfico. No entanto, se ficar demonstrado que o indivíduo que somente avisou
aos companheiros que a polícia havia chegado agiu de modo eventual e, em verdade, não participa da
associação, responderá apenas pelo crime de colaboração.
 Artigos 33, 35 e 37 da lei 11.343/06.

1432. Exige permanência ou basta que estivessem manipulando a droga?


R.: Para a configuração do delito de associação ao tráfico é necessária a permanência.
 Artigo 35 da lei 11.343/06.

1433. Lei de interceptação telefônica  esse instituto prevê expressamente os casos de


cabimento. Como fica?
R.: A interceptação telefônica exige cláusula de reserva de jurisdição. Desse modo, somente pode ser
decretada pelo juiz quando houver indícios razoáveis de autoria ou participação em infração penal punida
com pena de reclusão, se não houver outros meios para a obtenção da prova.
 Artigo 2º da lei 9.296/96.

1434. O que é interceptação telefônica por prospecção?


R.: Trata-se da interceptação sem indícios de autoria, realizada para a descoberta eventual de um delito.
Obviamente não é aceita em nosso ordenamento jurídico.
 Artigo 2º da lei 9.296/96.

1435. O que significa interceptação telemática?


R.: A interceptação telemática é aquela que intercepta dados, como, por exemplo, Skype, e-mail e
whatsapp. É aceita em nosso ordenamento jurídico.
 Artigo 1º da lei 9.279/96.
Há entendimento de que não seria possível interceptação telemática, por conta de
determinada interpretação do artigo 5º, XII da CF que entende que a expressão “no último
caso” se referee somente às comunicações telefônicas, e, assim, tal expressão não
abarcaria, além das comunicações telefônicas, também, a palavra “dados” que a
precede. Acontece que o parágrafo único do artigo 1º, da lei 9.279/96 expressamente
elenca que “o disposto nesta Lei aplica-se à interceptação do fluxo de comunicações em
sistemas de informática e telemática”.

1436. A CPI pode representar por meio de interceptação telefônica?


R.: A CPI não pode representar por meio de interceptação telefônica, uma vez que só poderá ser
determinada por juiz, de ofício, ou por representação da autoridade policial, na investigação criminal, ou,
a requerimento do Ministério Público, na investigação criminal e na instrução processual penal.
 Artigo 3º da lei 9.279/96.

1437. Como funciona a autorização (artigo 58, III, CF/88)?


R.: Art. 58, III - convocar Ministros de Estado para prestar informações sobre assuntos inerentes a suas
atribuições;
Não entendi a pergunta. Acredito que o examinador tenha se referido à algum outro artigo ou a pergunta
se baseou na resposta anterior do candidato.

1438. A agência brasileira de inteligência pode representar?


R.: O art. 3º da Lei 9.296 dispõe que a interceptação poderá ser determinada pelo juiz, de ofício, ou a
requerimento da autoridade policial ou do representante do MP. A ABIN não pode fazer interceptação
telefônica nem mesmo com autorização judicial. A Lei 9.296, que regulamentou esse inciso, diz que só
autoridades policiais poderão fazer grampos e, sempre, autorizados pela Justiça. Na lei que criou a ABIN,
também não há previsão de que a agência possa fazer escutas de qualquer natureza, mesmo ambiental.
A ABIN não tem função de polícia judiciária. Nos termos do art. 5, XII da CF a interceptação das
comunicações telefônicas depende de ordem judicial, nas hipóteses e na forma que a lei estabelecer para
fins de investigação criminal ou instrução processual penal.
1439. Qual o prazo da prisão temporária?
R.: Art. 2 da Lei 7.960 - prazo de 5 (cinco) dias, prorrogável por igual período em caso de extrema e
comprovada necessidade.
Crimes Hediondos – Art. 2, § 4º: prazo de 30 (trinta) dias, prorrogável por igual período em caso de
extrema e comprovada necessidade.

1440. Como o Delegado representa?


R.: Representação – trata-se de um ato oficial. Dentre os atos oficiais, encontram-se os atos de
correspondência. Os atos de correspondência são atos de comunicação com um destinatário declarado,
podendo ter natureza individual ou pública. Ex: ofício, requerimento, representação.
Nos termos do art. 2° da Lei 7.960 a prisão temporária será decretada pelo Juiz, em face da representação
da autoridade policial. O Juiz, antes de decidir, ouvirá o Ministério Público.

1441. Qual o prazo para a análise do magistrado?


R.: Art. 2, § 2° O despacho que decretar a prisão temporária deverá ser fundamentado e prolatado dentro
do prazo de 24 (vinte e quatro) horas, contadas a partir do recebimento da representação ou do
requerimento.

1442. Se o prazo é desrespeitado, que providência toma?


R.: O juiz tem apenas 24 horas, a partir do recebimento da representação (delegado) ou do requerimento
(MP), para prolatar a ordem prisão ou não, sob pena de incidir em crime de abuso de autoridade (a depender
do caso) e a prisão ser considerada ilegal, caso em que deve ser relaxada.

O art. 5º menciona que em todas as comarcas e seções judiciárias haverá um plantão permanente de 24
horas do Poder Judiciário e do Ministério Público para apreciação dos pedidos de prisão temporária. Cuida-
se de matéria de análise de urgência por parte do MP e do juízo.
Em termos práticos, nos casos em que o juiz desrespeite o prazo de 24 horas, seria possível: a-) oficiar o
juízo informando o pedido feito anteriormente; b-) reiterar o pedido feito na representação; c-) despachar
diretamente com o magistrado; d-) representar o juiz no órgão de fiscalização do próprio tribunal
(corregedoria) com pedido de urgência para que a questão seja analisada pelo substituto daquele
magistrado.

Examinadora: Marcia Heloisa Mendonça Ruiz

1443. Lei Maria da Penha – Como conceitua a violência moral contra a mulher?
R.: Art. 7, V - a violência moral, entendida como qualquer conduta que configure calúnia, difamação ou
injúria

1444. Está na Delegacia. Recebe notícia de que alguém difamou, injuriou, caluniou uma mulher.
É crime da Lei Maria da Penha ou do CP?
R.: Depende. Deve-se aferir a presença ou ausência da violência de gênero prevista no art. 5 da Lei 11.340.
Violência de gênero: é a violência preconceito, violência discriminação, que se aproveita da
vulnerabilidade da vítima. Se houver violência de gênero, os crimes contra honra (art. 7, V, Lei 11.340)
caracterizam violência doméstica e familiar. Ausente a violência de gênero, resta configurado o crime
contra honra previsto no CP.

1445. Discorra sobre a ação penal na Lei Maria da Penha?


R.: Nos termos do art. 16 as ações penais são públicas condicionadas à representação da ofendida.
Importante ressaltar que por força do art. 88 da Lei n° 9.099/95, os crimes de lesão corporal leve e de lesão
corporal culposa, que antes eram de ação penal publica incondicionada, passaram a depender de
representação. Se, no entanto, tais delitos forem praticados no contexto de violência doméstica e familiar
contra a mulher (Lei n° 11.340/06, arts. 5° e 7°), havia certa controvérsia doutrinária acerca da espécie de
ação penal — pública condicionada à representação ou pública incondicionada —, haja vista uma aparente
antinomia entre os arts. 16 e 41 da Lei Maria da Penha (Lei n° 11.340/06). No entanto, o plenário do STF
decidiu que qualquer crime de lesão corporal em cenário de violência doméstica é de ação pública
incondicionada

1446. Qual a ação penal nos delitos da Lei Maria da Penha?


R.: Ação penal pública condicionada a representação (art. 16).

1447. Há exceção?
R.: Sim. A lesão corporal, ocorrida no cenário da violência doméstica, é de ação pública incondicionada.
O Plenário do STF, na ADIN 4.424, em 9 de fevereiro de 2012, decidiu nesse sentido. Assim, qualquer
crime de lesão corporal em cenário de violência doméstica é de ação pública incondicionada.

1448. Depende da motivação?


R.: Ação pública condicionada a representação depende de motivação da vítima. Ação pública
incondicionada independe de motivação.

1449. Decorre da audiência de justificação?


R.: O art. 16 da Lei n° 11.340/06 prevê que, nas ações penais públicas condicionadas à representação da
ofendida de que trata esta lei, só será admitida a renúncia à representação perante o juiz, em audiência
especialmente designada com tal finalidade, antes do recebimento da denúncia e ouvido o Ministério
Público.

1450. Lei de Drogas – No que consiste a ação controlada da Lei de Drogas?


R.: Encontra-se prevista no art. 53, II - não-atuação policial sobre os portadores de drogas, seus precursores
químicos ou outros produtos utilizados em sua produção, que se encontrem no território brasileiro, com a
finalidade de identificar e responsabilizar maior número de integrantes de operações de tráfico e
distribuição, sem prejuízo da ação penal cabível.

1451. O delegado pode determinar que um policial inicie uma ação controlada?
R.: Não, é necessária a autorização judicial (art. 53, caput).

1452. Prisão temporária – É prorrogada automaticamente?


R.: Não. Prorroga-se em caso de extrema e comprovada necessidade (art. 2º).

1453. Quem faz o pedido de prorrogação?


R.: A questão versa sobre prisão temporária. Sabe-se que a prorrogação do período de prisão temporária
deve ser requerida, não sendo automática.
Os legitimados para o pedido de prorrogação são o delegado e o MP, conforme art. 2º da Lei 7960.
Art. 2° A prisão temporária será decretada pelo Juiz, em face da representação da autoridade policial ou
de requerimento do Ministério Público, e terá o prazo de 5 (cinco) dias, prorrogável por igual período em
caso de extrema e comprovada necessidade.

1454. Crimes contra a ordem tributária. Pessoa jurídica pode ser responsabilizada por crimes
contra a ordem tributária?
R.: A Constituição apenas permite a responsabilização da pessoa jurídica por crimes contra o meio-
ambiente e contra a ordem econômico-financeira.

1455. Como se dá essa responsabilização?


R.: A Constituição apenas permite a responsabilização da pessoa jurídica por crimes contra o meio-
ambiente e contra a ordem econômico-financeira.
Em caso de crime contra a ordem tributária, deve haver a responsabilização da pessoa física envolvida no
crime e não da pessoa jurídica.

1456. Estatuto do Desarmamento → Posse ilegal de arma. Sem a devida atenção, não impediu
que um menor de 18 anos tivesse acesso à arma. Comete crime?
R.: Comete crime do Estatuto, omissão de cautela, nos termos do art. 13.
Art. 13. Deixar de observar as cautelas necessárias para impedir que menor de 18 (dezoito) anos ou pessoa
portadora de deficiência mental se apodere de arma de fogo que esteja sob sua posse ou que seja de sua
propriedade:
Pena – detenção, de 1 (um) a 2 (dois) anos, e multa.

1457. O porte de arma desmuniciada é crime?


R.: A posição pacífica do STF e do STJ é de que o porte de arma, munição ou acessório, sem autorização
e em desacordo com determinação legal ou regulamentar configura os crimes do estatuto do
desarmamento, por ser de perigo abstrato, de forma a ser irrelevante o fato de a arma apreendida estar
desacompanhada de munição, pois o bem jurídico tutelado é a segurança pública e a paz social (STJ, AgRg
no EAREsp 260.556 e STF HC 95073) – Informativos 699/STF e 493/STJ.

1458. Onde está previsto?


R.: Deve-se verificar se a arma era de uso permitido ou restrito, para enquadrar a conduta típica aos arts.
14 ou 16 da Lei 10826.

1459. Lei de Lavagem de Dinheiro → Quem é o sujeito ativo, o sujeito passivo e o objeto
jurídico?
R.: Sujeito ativo é qualquer pessoa, inclusive o autor ou coautor da infração antecedente.
O sujeito passivo é o Estado.
O objeto jurídico é a administração da justiça, e a tutela da Ordem econômica.

1460. Lei de Improbidade Administrativa → A responsabilidade do administrador é subjetiva


ou objetiva?
R.: Para a lei de improbidade a responsabilidade será subjetiva, dependendo da verificação de dolo ou de
culpa do administrador.

1461. Pode ser objetiva em alguma hipótese?


R.: Não há previsão de responsabilidade objetiva na LIA.

1462. A lei admite responsabilidade objetiva?


R.: Não há previsão de responsabilidade objetiva na LIA.

1463. Poderia dar algum exemplo?


R.: Não há previsão de responsabilidade objetiva na LIA.

1464. Quem é o agente público para efeitos dessa lei?


R.: Nos termos do art. 2º:
Art. 2° Reputa-se agente público, para os efeitos desta lei, todo aquele que exerce, ainda que
transitoriamente ou sem remuneração, por eleição, nomeação, designação, contratação ou qualquer outra
forma de investidura ou vínculo, mandato, cargo, emprego ou função nas entidades mencionadas no artigo
anterior.

1465. O Delegado de Polícia pode ser considerado agente público?


R.: Sim, o Delegado de Polícia exerce cargo público, com a percepção de subsídio ou remuneração.

1466. Qual a autoridade competente para aplicar a multa reparatória?


R.: As sanções de improbidade só podem ser aplicadas judicialmente.

1467. Tem relação com a multa administrativa?


R.: Não há relação com a multa administrativa, tendo em vista que as sanções de improbidade têm
natureza cível, em regra.

1468. Como Delegado, pode aplicar?


R.:Delegado não pode aplicar sanções por atos de improbidade administrativa, tendo em vista que só
podem ser aplicadas judicialmente.

1469. Sempre há necessidade de prejuízo material?


R.: Não. O prejuízo material é exigido tão somente nos casos de atos ímprobos que causem prejuízo ao
erário, dispensando-se sua ocorrência nos casos em que haja enriquecimento ilícito por parte do agente e
nos que atentem contra os princípios da Administração Pública.

1470. Como tipificaria a conduta de uma pessoa que utiliza um veículo para atropelar alguém?
Aplica o Código de Trânsito ou CP?
R.: Depende do elemento subjetivo do agente. Agindo mediante dolo, a conduta não encontra equivalência
na norma especial do CTB, possibilitando-se a incursão do agente nos crimes de Lesão Corporal ou
Homicídio, previstos no Código Penal. No caso de conduta culposa, incide a norma especial que prevê os
respectivos delitos. (art. 121 e 129, CP; art. 302 e 303, CTB).

1471. Lei de Crimes Ambientais → A pessoa jurídica pode ser responsabilizada por crime
ambiental e receber os benefícios da Lei nº 9.099/95?
R.: Sim. Em que pese posições divergentes, há forte corrente no sentido de que não há incompatibilidade
de aplicação dos institutos despenalizadores da Lei 9.099/95 às pessoas jurídicas, sendo isso uma
consequência lógica da própria responsabilização penal desta. Vale ressaltar o entendimento atual dos
Tribunais Superiores de que não mais se aplica a “Teoria da Dupla Imputação.”

1472. Pode a pessoa jurídica ser responsabilizada?


R.: Sim. De acordo com a jurisprudência pátria, bem como pelos regramentos constitucionais e
infraconstitucionais, é possível a responsabilidade penal da pessoa jurídica, cumprindo ressaltar que hoje
não mais se adota a tese “da dupla imputação”, sendo perfeitamente possível a punição isolada da pessoa
jurídica. (art. 225, § 3º, CF e 3º, da Lei 9.605/98).

1473. Quais são as penas para os crimes ambientais?


R.: O legislador adotou de forma preferencial as penas restritivas de direito, visando, em especial, a
reparação do dano ambiental. Há de se observar que, devido à responsabilização penal da pessoa jurídica
no âmbito da prática de crimes ambientais, nem todas as penas restritivas de direito serão a ela aplicáveis,
devendo-se compatibilizar o instituto, com as características que lhe são peculiares.

1474. Estatuto do Torcedor → O que é corrupção passiva desportiva?


R.: Prevista no art. 41-C da Lei 10.671/03, o crime consiste na conduta de todo aquele que solicitar ou
aceitar, para si ou para outrem, qualquer tipo de vantagem, para alterar o resultado de uma competição
esportiva.

1475. Quem é o sujeito ativo desse delito?


R.: Trata-se de crime comum, passível de ser praticado por qualquer pessoa e não necessariamente o árbitro
do jogo. Contudo, deve ser pessoa que possua aptidão para alterar/falsear o resultado do jogo.

1476. Quem é o sujeito passivo?


R.: O sujeito passivo é o competidor ou time de competidores lesados pelo resultado potencialmente
fraudado. Vale ressaltar que o crime em análise é formal não se exigindo o resultado naturalístico para sua
consumação, o que evidencia mero exaurimento da conduta.

1477. Venda de ingresso por valor superior ao constante o bilhete é crime?


R.: Sim. Existe previsão da conduta delituosa no artigo 41-C da Lei 10.671/03.

1478. É crime por esta lei ou crime contra a economia popular?


R.: Como dito, trata-se de crime com previsão expressa no Estatuto do Torcedor.

1479. Como Delegado, pode aplicar a prisão temporária a uma pessoa que vem praticando
reiterados furtos?
R.: Não. A doutrina e a jurisprudência são uníssonas no sentido de que o rol previsto no inciso III, do art.
1º da Lei 7.960/89 e no artigo 2º, § 4º da Lei 8.072/90 é taxativo. Inaplicável, portanto, esta modalidade
constritiva da liberdade do sujeito ao delito de furto.

1480. O que o senhor faria?


R.: Possibilita-se representação por Medidas Cautelares diversas da Prisão, previstas no artigo 319, CPP.

1481. Existe outra medida cautelar, neste caso, mais adequada?


R.: Sim. As medidas do 319, CPP. Em caso de descumprimento, possibilita-se a Conversão em Preventiva,
caso não haja outra adequada.

Examinadora: Ana Cristina dos Santos Lutério

1482. Lei de loteamento → O que é título legítimo de propriedade imóvel loteado ou


desmembrado?
R.: NÃO SOUBE A RESPOSTA.

1483. Lei de meio ambiente → Cite três espécies de pena restritiva de direitos.
R.: Prestação de serviços à comunidade, suspensão total ou parcial das atividades e interdição temporária
de direitos.

1484. Quais as circunstâncias em que as penas privativas de liberdade podem ser convertidas
em restritivas de direitos.
R.: A teor do que dispõe o artigo 7º, podem ser substituídas quando tratar-se de crime culposo, ou doloso
com pena de até 4 anos e a culpabilidade, os antecedentes, a conduta social e a personalidade do
condenado, bem como os motivos e as circunstâncias do crime indicarem ser suficiente a substituição para
a reprovação do crime.

1485. Lei de prisão temporária → O agente ser autor de uma extorsão mediante sequestro é
requisito suficiente para que se represente pela temporária?
R: Em que pese tal crime integre o rol taxativo de delitos que admitem prisão temporária (art. 1º, III, “e”
da Lei 7.960/89), conforme a doutrina majoritária, o preenchimento desse requisito, por si só, não seria
suficiente para a sua decretação, devendo ser cumulado a uma das outras duas situações previstas nos
demais incisos do mesmo artigo, a saber: ser imprescindível para as investigações ou não ter o indiciado
residência fixa.
Correntes divergentes:
1 – Necessidade de preenchimento cumulativo dos três incisos;
2 – Os incisos I e III são obrigatórios e o II facultativo.
Prevalente:
3 – Inciso III obrigatório c/c I ou II.

1486. Cite três princípios que orientam os Juizados Especiais.


R: Os princípios que norteiam os Juizados Especiais são: oralidade, simplicidade, informalidade, economia
processual e celeridade, conforme art. 62 da Lei 9.099/90.
Insta salientar que o critério da simplicidade foi acrescido ao rol em 2018 (Lei 13.603).

1487. O que é transação penal?


R: A transação penal é uma medida despenalizadora, pré-processual, inserida pela Lei 9.099/95, em seu
artigo 76, aplicável em casos de infrações de menor potencial ofensivo, que se baseia no direito penal
consensual, caracterizando-se como uma mitigação ao princípio da obrigatoriedade da ação penal.
Consiste em um acordo proposto pelo titular da ação ao suposto infrator (acompanhado de advogado ou
defensor), quando presentes os requisitos legais e na presença do magistrado, em que lhe é garantida a
oportunidade de lhe ser aplicada de imediato pena não privativa de liberdade (art. 72 e 76, Lei n. 9.099/95),
o que lhe livra de responder a uma ação penal e, sem admitir culpa, cumpre penas alternativas.
Tem, desse modo, o objetivo de desburocratizar o processo penal; fazer com que a justiça criminal seja
mais célere (direito penal de segunda velocidade); evitar que o suposto infrator enfrente um processo
criminal que poderá culminar com uma condenação, com todas as suas consequências negativas (como
maus antecedentes, reincidência, suspensão dos direitos políticos pelo prazo de cumprimento da pena etc),
de modo que a aceitação somente serve para impedir que a mesma pessoa seja beneficiada novamente pelo
instituto pelo prazo de 5 anos, o que visa gerar um senso de responsabilidade no indivíduo para que novos
atos não sejam cometidos.

1488. Lei 12.830 → Em que ocasião ocorre indiciamento direto e indireto?


R: Quando o indiciamento é realizado na presença do investigado é chamado de direto e quando este não
é localizado qualquer motivo, faz-se na sua ausência e consiste no indireto.

1489. Lei Transplante de Órgãos, artigo 15. Qual a objetividade jurídica deste artigo?
R: Proteger a dignidade da pessoa humana e a sua integridade física, evitar a coisificação do homem e
combater o mercado ilegal de órgãos e tecidos.

1490. Quem é o sujeito passivo?


R: A sociedade, sendo, portanto, um crime vago.

1491. Lavagem de dinheiro é crime formal ou material?


R: 1ª corrente: Os verbos "ocultar" e "dissimular", constantes da figura fundamental (art. 1º, caput, da Lei
nº 9.613/98), apontam para a natureza de crime material do delito de lavagem. A descrição típica prevê a
conduta e o resultado, impondo a sua produção para o perfazimento da consumação delitiva. Também os
tipos derivados possuem natureza material, salvo a modalidade que tem como núcleo do tipo a ação de
"participar", sendo esta formal, vez que não exige a produção do resultado previsto na norma (ex: Fábio
Roque, Nestor Távora, Renato Brasileiro).
2ª corrente: Ocorre a efetiva consumação com a simples ocultação ou dissimulação da origem ilícita,
constituindo crime formal, não sendo necessária a circulação destes na economia.
3ª corrente: Trata-se de crime de mera conduta, sendo também um delito de resultado cortado, em que a
obtenção do fim desejado pelo autor não afeta a sua consumação (Luiz Regis Prado).
Jurisprudência relacionada: RHC N. 80.816-SP

1492. É crime portar arma de fogo desmuniciada sem autorização?


R: SIM, vez que os tipos penais que criminalizam o porte ilegal de arma de fogo, seja de uso permitido ou
restrito (arts. 14 e 16 da Lei nº 10.826/2003), consistem em crimes de perigo abstrato, mostrando-se
irrelevante o fato de a arma apreendida estar desacompanhada de munição.
Importante salientar que é criminalizado tanto o porte de armas (com ou sem munição), quanto de
munições e acessórios por si sós, tendo como bem jurídico tutelado desses tipos a segurança pública e a
paz social.
Nesse sentido:
STJ. 3ª Seção. AgRg nos EAREsp 260.556/SC, Rel. Min. Sebastião Reis Júnior, julgado em 26/03/2014.
STF. 2ª Turma. HC 95073/MS, red. p/ o acórdão Min. Teori Zavascki, 19/3/2013 (Info 699).

1493. Indivíduo com arma de fogo sem autorização para portá-la, responde pelo crime mesmo
se usá-la em legítima defesa?
R: Não, o agente não responde caso tenha sido no mesmo contexto fático, não havendo comprovação de
condutas autônomas de porte ou posse irregular fora da situação de legítima defesa, havendo consunção.
No HC 111.488/MG STF, o ministro do Supremo Tribunal Federal Luiz Fux concedeu, de ofício, ordem
de Habeas Corpus para anular a condenação por porte ilegal de arma de fogo, aplicando ao caso o princípio
da consunção, quando utilizada a arma de fogo em legítima defesa, no mesmo contexto fático.

1494. Diferencie evasão de elisão fiscal.


R: A evasão fiscal, é o uso de meios ilícitos para evitar o pagamento de tributos. Entre os métodos usados
para evadir tributos, estão a omissão de informações, as falsas declarações e a produção de documentos
que contenham informações falsas ou distorcidas, como a contratação de notas fiscais, faturas, duplicatas
etc. Via de regra, ocorre após a ocorrência do fato gerador.
Já a elisão fiscal configura-se num planejamento que utiliza métodos lícitos para diminuir o peso da carga
tributária num determinado orçamento. Via de regra, ocorre antes de ocorrer o fato gerador.

1495. Cabe livramento condicional nos crimes hediondos?


R: SIM, desde que o apenado não seja reincidente específico em crimes dessa natureza (art. 83, IV do
Código Penal).

1496. Quais os requisitos específicos para o livramento condicional nos crimes hediondos?
R: Cumprimento de mais de dois terços da pena e não ser o apenado reincidente específico em crimes
dessa natureza (art. 83, IV do Código Penal).

1497. É possível regime integralmente fechado para os crimes hediondos?


R: NÃO, o STF declarou inconstitucional previsão normativa do art. 2º, § 1º, da lei 8.072/1990, que impõe
regime integralmente fechado os crimes hediondos, por ferir a garantia da individualização da pena — art.
5º, inciso XLVI, da Constituição Federal. (HC 82.959, rel. min. Marco Aurélio)

1498. Qual a diferença entre confissão e colaboração premiada.


R: A confissão conceitua-se como um ato de reconhecimento feito pelo indivíduo da imputação de que lhe
é feita. Atenua a pena e tem natureza jurídica de meio de prova (art. 65, III, “d”, do Código Penal).
Já a colaboração premiada, ocorre quando o indivíduo, além de admitir a pratica do crime (portanto, a
colaboração premiada traz em si primariamente a confissão), contribui de algum modo com a investigação
e o processo criminal para além de sua responsabilidade individual, seja identificando demais coautores,
partícipes ou infrações; revelando a estrutura hierárquica e a divisão de tarefas de organização criminosa;
prevenindo infrações decorrentes das atividades da organização; recuperando total ou parcialmente
produtos ou proveitos das infrações praticadas pela organização; ou localização de eventual vítima com
integridade física preservada, fazendo isso em troca de redução da pena ou de obtenção do perdão judicial.
Tem natureza jurídica de meio de obtenção de prova, prevista em diversos diplomas, como por exemplo,
na Lei de Organizações Criminosas, Lei de Lavagem de Capitais, Lei de Drogas, dentre outras.

1499. Há necessidade de autorização judicial para a ação controlada?


R: A resposta irá depender do tipo de crime que está sendo investigado. Se a ação controlada envolver os
crimes da Lei de Drogas ou de Lavagem de Dinheiro, SIM. Será necessária prévia autorização judicial
porque o art. 52, II, da Lei nº 11.343/2006 e o art. 4ºB da Lei nº 9.613/98 assim o exigem. Se forem crimes
praticados por organização criminosa não. Neste caso, o retardamento da intervenção policial ou
administrativa precisará apenas de prévia comunicação ao juiz competente, segundo o que diz o § 1º do
art. 8º da Lei nº 12.850/2013.
1500. Diferencie Polícia Judiciária de Polícia investigativa.
R: A polícia judiciária é a polícia que atua no cumprimento de determinações do Poder Judiciário, como,
por exemplo, o cumprimento de mandados. Já a polícia investigativa é identificada quando a polícia atua
na investigação de determinada infração penal.

1501. Lei de Improbidade → Quem pode ser sujeito ativo?


R.: Pode praticar ato de improbidade o agente público e até mesmo particulares sem vínculo com a
administração pública. Compreende o conceito de agente público todo aquele que exerce, ainda que
transitoriamente e sem remuneração, mandato, cargo, emprego ou função pública na administração pública
direita ou indireta e empresas incorporadas ao patrimônio público. Vale mencionar que, por sua vez, os
particulares responderão pelo ato administrativo desde que se beneficiem ou concorram para o ato.
Em relação aos agentes políticos, STF e STJ alinharam, recentemente, o entendimento no sentido de que
estão sujeitos à Lei de Improbidade, sendo submetidos a duplo regime sancionatório (responsabilidade
civil pelos atos de improbidade e responsabilidade político-administrativa pelos crimes de
responsabilidade), salvo no caso do Presidente da República e Ministros de Estado em crimes conexos
com este, que somente respondem pelos crimes de responsabilidade. (Art. 2º e 3º da L. 8429/92)

1502. CTB → Pode a autoridade policial representar pela suspensão cautelar do direito de
dirigir? Em que hipótese?
R.: Sim. Em qualquer fase da investigação ou ação penal o juiz poderá determinar, de forma cautelar, a
suspensão do direito de dirigir, a fim de garantir a ordem pública, seja de ofício, seja por requerimento do
MP ou representação da autoridade policial. (Art. 294 CTB)

1503. Aquele que causa homicídio culposo no trânsito e não presta socorro à vítima, pratica
qual crime?
R.: Pratica o crime do Art. 302 do CTB, incidindo a causa de aumento de pena prevista no parágrafo único
(1/3 até a metade), por deixar de prestar socorro à vítima.

Examinador: Alexandre Silva Cassola

1504. Por que a prisão cautelar é instrumental?


R.: A prisão cautelar possui natureza instrumental e acessória, serve tão somente para assegurar a eficácia
e utilidade do processo principal. Deve ser concedida de forma excepcional, se presente o “fumus comissi
delicti e periculum libertatis”, além dos requisitos específicos de cada espécie de prisão cautelar, exigidos
por lei.

1505. Qual a natureza jurídica da prisão temporária?


R.: A prisão temporária é uma espécie do gênero prisão cautelar, de decretação exclusiva da fase
investigativa, com prazo máximo de 5 dias, prorrogável por igual período em caso de extrema e
comprovada necessidade. Logo, o Juiz poderá decretar a prisão temporária por representação do Delegado
de Polícia ou requerimento do MP, quando imprescindível para as investigações do IP ou quando o agente
não possuir residência fixa ou não fornecer dados suficientes para sua identificação. Em ambos os casos,
se houver fundadas razões de autoria ou participação nos crimes relacionados no Art. 1º, III da Lei
7.960/89.

1506. O Delegado representa pela prisão temporária sob o argumento da imprescindibilidade


para as investigações. O juiz decreta a prisão temporária pelo prazo de 5 dias. No segundo dia, todas
as diligências são cumpridas pelo Delegado. Ele pode expedir alvará de soltura?
R.: Sim. Decorrido o prazo da prisão temporária o averiguado será colocado em liberdade sem a
necessidade de expedição de alvará judicial. Se, entretanto, a autoridade policial cumprir todas as
diligências necessárias em prazo menor ao estabelecido pela autoridade judicial, poderá colocar em
liberdade o investigado, expedindo o respectivo alvará de soltura.

1507. Qual a fundamentação para que o Delegado possa expedir esse alvará?
R.: A lei de prisão temporária tem incidência exclusiva na fase investigativa. Sendo o Delegado de Polícia
a autoridade que preside o IP, cabe a este a representação da medida cautelar e o juízo de (des) necessidade
da medida, quando atingido o fim para o qual foi decretada, mesmo que antes do prazo estipulado para sua
duração.
A lei da prisão temporária determina que após seu prazo máximo, o investigado deverá ser colocado em
liberdade, independentemente de alvará judicial, sob pena de abuso de autoridade. Logo, se não há sequer
necessidade de alvará judicial no caso de término do prazo estipulado para a restrição de liberdade, impor
a manutenção da prisão temporária, mesmo quando a autoridade policial atinja o fim para o qual esta foi
decretada antes do prazo previsto, seria um contrassenso.
Não obstante, vale mencionar que parcela da doutrina entende não ser possível a expedição do alvará de
soltura pelo Delegado de Polícia, pois sendo imprescindível a decisão judicial para a decretação da prisão
cautelar, necessário também será a expedição de alvará judicial pelo juiz quando se tratar de liberdade
antes do prazo estipulado.

1508. A lei cita a expedição do alvará de soltura pelo Delegado?


R.: Não. Não há previsão da necessidade de alvará judicial antes do término do prazo previsto para a
medida cautelar, tampouco previsão de alvará de soltura pelo delegado de polícia. Esta possibilidade se
extrai da interpretação sistematizada do diploma legal que regula a prisão temporária em conjunto com o
ordenamento jurídico. Ademais, a possibilidade do Delegado de Polícia expedir alvará de soltura, em caso
de se cumprir todas as diligências necessárias à apuração do fato delituoso antes do término do prazo
estipulado para a medida cautelar, é orientação adotada pela Corregedoria Geral de Justiça do Estado de
São Paulo.

1509. Qual o prazo para que o juiz decrete ou não a temporária, caso o delegado represente por
ela?
R.: O juiz decidirá pela decretação ou não da prisão temporária no prazo de 24h, contadas a partir do
recebimento da representação do Delegado de Polícia. (Art. 2º, §2º, da Lei 7.960/89)

1510. Após o prazo de 24 horas, o juiz não se manifesta. O que fazer?


R.: Não há instrumento processual previsto para o caso, até mesmo por se tratar de prazo impróprio.
Caberá, no entanto, reiterar a representação ou oficiar o juízo acerca do aludido pedido. Em termos
práticos, despachar o pedido diretamente com o Juiz alcançaria objetivo.

1511. Membro de CPI tem legitimidade para representar por interceptação telefônica?
R.: As CPI´s são comissões temporárias que se destinam a investigar fato certo e determinado, possuindo
poderes de investigação próprios das autoridades judiciais. (Art. 58, §3º, CF) No entanto, devem respeito
ao princípio da reserva de jurisdição, sendo a interceptação telefônica um exemplo da referida clausula
jurisdicional, consoante se extrai do texto constitucional. (Art. 5º, XII, CF) Portanto, a CPI possui
legitimidade para representar perante a autoridade judicial a interceptação telefônica referente a fato por
ela investigado, mas não para requerer de forma direta, como ocorre com os dados bancários, fiscais e
telefônicos pretéritos.

1512. Durante uma interceptação telefônica para apurar um crime de tráfico, há descoberta de
outro crime. Pode-se usar a interceptação para a prova deste outro crime?
R.: Sim. Trata-se do encontro fortuito de provas ou serendipidade. Vale mencionar que os requisitos da
interceptação telefônica devem ser observados para o fato que deu ensejo ao pedido da medida cautelar,
ou seja, indícios razoáveis de autoria ou participação em crime apenado com reclusão e impossibilidade
de obtenção da prova por outros meios disponíveis, conforme disposto no Art. 2º, da Lei 9296/96.
O encontro fortuito de provas pode se dar em relação a novo autor do fato investigado (serendipidade
subjetiva) ou novo fato típico imputado ao mesmo autor (serendipidade objetiva). Se o novo fato possui
conexão com o fato investigado, denomina-se serendipidade de 1º grau. Caso a conexão não esteja
presente, a serendipidade será de 2º grau.
Importante frisar ainda, a divergência entre doutrina e jurisprudência no que diz respeito a utilização de
provas ocasionalmente encontradas em sede de interceptação telefônica. A doutrina entende que referida
descoberta poderá ser considerada prova capaz de embasar eventual condenação, caso esteja presente a
conexão entre esta e o fato delituoso para o qual se deferiu a interceptação telefônica. Na hipótese de não
haver referida conexão, será tida como notitia criminis que dará ensejo à abertura de Inquérito Policial
para a averiguação dos fatos respectivos. Por sua vez, a Jurisprudência vai além, entendendo que havendo
ou não a conexão entre o fato encontrado e o fato investigado, aquele poderá perfeitamente ser utilizado
como prova.

1513. O PM apresenta indivíduo que conduzia veículo com lata de cerveja parcialmente
consumida dentro do carro. Apresenta, ainda, um vídeo comprovando toda a situação. O indivíduo se
recusa a fazer o bafômetro e o exame clínico. O que o senhor faz? Autua em flagrante? Por quê?
R.: O §2º do Art. 306 do CTB dispõe que a alteração psicomotora do condutor, em razão da influência de
álcool ou substância psicoativa que determine dependência, poderá ser aferida, além do teste do bafômetro,
mediante sinais que indiquem a referida alteração, teste de alcoolemia ou toxicológico, exame clínico,
perícia, vídeo, prova testemunhal ou outros meios de prova em direito admitidos. Logo, mesmo o indivíduo
recusando-se a realizar o bafômetro e o exame clínico, poderá haver a autuação em flagrante delito, tendo
em vista o relato do próprio PM, a presença de bebida alcoólica consumida no interior do veículo, bem
como o vídeo que comprova a alteração da aludida capacidade psicomotora do condutor. Ademais,
conduzir veículo automotor embriagado trata-se de crime permanente, cabendo prisão em flagrante
enquanto durar a permanência.

1514. Fazendo a condução coercitiva, o que quesitaria para o exame clínico?


R.: Primeiramente, vale mencionar que, de acordo com o principio nemu tenetur si detegere ninguém
poderá ser obrigado a fornecer ou praticar provas contra si mesmo. Referido princípio encontra respaldo
legal no Art. 5º, LXIII, da CF e no Art. 8º do Pacto São José da Costa Rica, sendo um de seus
desdobramentos o direito do agente não praticar qualquer comportamento ativo que possa incriminar-se.
Logo, a condução coercitiva de agente suspeito de dirigir veículo automotor com a capacidade psicomotora
alterada pela ingestão de bebida alcoólica, para fins de realização de exame clínico contra sua vontade, vai
de encontro ao preceito constitucional já mencionado. No entanto, se o agente tiver autorizado a realização
do exame, quesitaria o seguinte:
- O periciado está embriagado?
- Qual espécie de embriaguez?
- O periciado se embriaga habitualmente?
- Quanto tempo necessita o periciado para a necessária desintoxicação?

1515. Laudo clínico inconclusivo. Ainda assim, autua em flagrante?


R.: Sim, pois o laudo clínico não é imprescindível para a autuação em flagrante. A constatação da alteração
psicomotora do condutor, conforme dispõe o CTB (Art. 306, §§1º e 2º) poderá se dar por sinais que
indiquem a referida alteração, teste de alcoolemia ou toxicológico, exame clínico, perícia, vídeo, prova
testemunhal ou outros meios de prova em direito admitidos. Logo, mesmo o resultado do laudo clínico
sendo inconclusivo, remanescem outras provas no sentido de embriaguez do condutor, tendo em vista o
relato do PM, a presença de bebida alcoólica consumida no interior do veículo, bem como o vídeo que
comprova a alteração da referida capacidade psicomotora, tornando, portanto, possível o auto de prisão
em flagrante.

1516. O CTB prevê a possibilidade de suspensão e proibição do direito de dirigir


cautelarmente?
R.: Sim. Em qualquer fase da investigação ou ação penal o juiz poderá determinar, de forma cautelar, a
suspensão do direito de dirigir, a fim de garantir a ordem pública, seja de ofício, seja por requerimento do
MP ou representação da autoridade policial. (Art. 294 CTB)

1517. O Delegado pode representar por isso?


R.: Sim, o Delegado de Polícia pode representar, cautelarmente e por necessidade de garantia da ordem
pública, pela suspensão da permissão ou da habilitação para dirigir veículo automotor, em qualquer fase
da investigação, com fundamento no art. 294, “caput”, do CTB.

1518. Há previsão legal?


R.: Sim, o fundamento legal se encontra no art. 294, “caput”, do CTB.

1519. Lei 12.830 → Aponte duas grandes alterações que repercutiram muito, trazidas por esta
lei.
R.: Reconhecimento legal de que as funções exercidas pelo Delegado de Polícia são de natureza jurídica,
essenciais e exclusivas de Estado, devendo, portanto, a classe ser equiparada, para todos os efeitos, com
as demais carreiras de Estado (Magistratura, MP, DP e etc.), o que, de fato, infelizmente, ainda não ocorreu
materialmente. Fundamento legal no art. 2º, “caput” e § 6º da lei 12.830/13.
Outra alteração trata de uma espécie, ainda que bem acanhada, de inamovibilidade relativa a fim de evitar
influências políticas e razões espúrias, devendo a remoção da Autoridade Policial dar-se somente por ato
devidamente fundamentado, até mesmo não havendo remoção entre municípios, conforme entendimento
doutrinário e a previsão no § 5º, art. 2º da lei em apreço.

1520. Lei de Drogas → O Delegado deve fundamentar a tipificação do delito no relatório. Essa
legislação está em consonância com a lei 12.830, que prevê que a fundamentação tem que ser no
indiciamento?
R.: Sim, apesar de aparenta incongruência, não há conflito real, uma vez que o relatório será confeccionado
ao final do inquérito policial, momento em que, ordinariamente, se realiza o ato de indiciamento, conforme
arts. 52, I, da LD e art. 2º, § 6º, da Lei 12.830/13.
1521. Como Delegado, junto com sua equipe, vai cumprir um mandado de busca em uma
residência. No local, sua equipe encontra 4 indivíduos embalando grande quantidade de drogas.
Entretanto, como ficou do lado de fora, aborda um indivíduo na entrada da casa, portando um celular.
Verificando as mensagens, constata uma mensagem no “whatsapp”: “os hómi chegou”. Qual a
tipificação para os 5 indivíduos?
R.: Sendo possível demonstrar que o indivíduo abordado do lado de fora era imprescindível para a
empreitada criminosa, por aplicação da teoria do domínio do fato, e havia entre eles vínculo de estabilidade
ou animus de permanência na atividade criminosa, todos devem ser incursos nas penas de tráfico de drogas
e associação para o tráfico, constantes dos arts. 33, “caput” e 35, “caput”, da Lei 11.343/06.

1522. Há requisitos legais para a associação ao tráfico?


R.: Sim, doutrina majoritária e a jurisprudência dos tribunais superiores exigem que haja vínculo de
estabilidade e permanência entre os agentes para que ocorra a consumação da associação para o tráfico
(art. 35, da LD), ainda que não pratiquem efetivamente a traficância, uma vez que sua colaboração não se
deu de forma eventual, como no caso do “informante” de uma batida policial, que seria incurso no art. 37
da LD.

1523. Mesmo sem drogas, o indivíduo que foi preso na porta de casa será autuado por tráfico?
R.: Sim, havendo indícios de que sua participação era essencial para a ocorrência da empreitada criminosa,
ainda que não praticando diretamente nenhuma das ações nucleares do tipo penal, deve ser autuado pelo
crime de tráfico de drogas (art. 33, “caput”, LD), tendo em vista a norma de extensão pessoal do art. 29
do Código Penal Brasileiro, em concurso material com a associação para o tráfico (art. 35, “caput”, LD).

1524. O senhor já ouviu falar no artigo 37 da Lei de Drogas?


R.: Sim, se trata da colaboração eventual para o tráfico de drogas, exemplo clássico daquele que saiba
antecipadamente que ocorrerá uma operação policial e alerta o traficante, a fim de frustrar a operação, mas
sem que tenha vínculo de estabilidade e permanência com o agente.

1525. O senhor autuaria alguém por tráfico sem materialidade delitiva?


R.: Sim, sem dúvida, pois não há necessidade da efetiva tradição da substância entorpecente ilícita para a
consumação do crime de tráfico de drogas. Conforme entendimento exposado pelo Superior Tribunal de
Justiça, a negociação por telefone e disponibilização de veículo que seria utilizado para o transporte da
droga deságua na consumação do delito, ainda que haja ocorrido a apreensão antes da efetiva entrega ao
traficante adquiriu por telefone.

1526. O senhor trabalha em local longínquo, sem peritos. O que fazer se lhe for apresentada
grande quantidade de drogas?
R.: Nomear perito ad hoc (art. 50, § 1º, LD), utilizar reagente químico se houver e se for compatível com
a droga apresentada e providenciar prontamente o transporte da droga, sob escolta, para local seguro a fim
de evitar ataques criminosos.

1527. Integrantes da força tática apresentam um indivíduo em sua delegacia, afirmando que
obtiveram uma informação de que um caixa eletrônico seria explodido na região. Colocaram então
agentes à paisana, que abordaram o indivíduo ora conduzido, encontrando em sua bolsa grande
quantidade de explosivos. Qual a tipificação?
R.: Figura equiparada a posse ou porte ilegal de arma de fogo de uso restrito, prevista no inciso III, § Ú,
art. 16, da Lei 10.826/03 (Estatuto do Desarmamento).

1528. Quando o ato praticado pelo indivíduo passa a ser tentado?


R.: Na modalidade possuir ou detiver, como foi apresentada no caso, não cabe tentativa, por se tratar de
crime unissubsistente, em que não é possível fracionar a conduta.

1529. Qual a doutrina sobre tentativa que vai de encontro à prevista no CP?
R.: O Código Penal Brasileiro adota a teoria objetivo-material, onde se faz necessário a prática de algum
ato executório, iniciando-se com a conduta tendente a realizar verbo nuclear do tipo penal, conforme se
depreende do art. 14, II, do CP.

1530. O senhor cumpre mandado de busca e apreensão em um domicílio para apreender armas
de fogo. Encontra uma arma de fogo de uso permitido com número íntegro e o proprietário diz que a
arma é dele. Este registro está vencido. É crime?
R.: Não, conforme entendimento do Superior Tribunal de Justiça, há mera infração administrativa, cabendo
apenas a apreensão do artefato para fins de regularização.

1531. Qual o fundamento da decisão recente do STJ para que seja apenas infração
administrativa?
R.: Ausência de lesividade da conduta, uma vez que não representa qualquer ofensa ao bem jurídico
protegido pelos tipos penais do Estatuo do Desarmamento, que são direcionados à tutela da segurança
pública por meio do controle de armas de fogo em todo o território nacional.

1532. Por que o a lavagem de dinheiro é um crime parasitário?


R.: Porque, para sua tipicidade penal, há necessidade de prática de infração penal anterior, conforme se
depreende do art. 1º, “caput”, da Lei 9.613/98.

1533. Quais os princípios de ordem constitucional que norteiam a execução penal?


R.: - Princípio da legalidade: o apenado só será privado dos direitos estritamente atingidos pela sentença
(art. 5º, II, da CF/88 e art. 3º da LEP).
- Princípio da isonomia: vedação do tratamento diferenciado entre sentenciados. A igualdade buscada
deve ser material, não apenas formal (art. 5º, caput, da CF/88 e art. 3º, parágrafo único, da LEP).
- Princípio da individualização da execução penal: a pena cominada deverá ser limitada pela culpabilidade
do réu e os condenados serão classificados, segundo os seus antecedentes e personalidade (art. 5º, XLVI,
da CF/88 e art. 5º da LEP).
- Princípio do devido processo legal: o processo de execução deve observar a ampla defesa, o contraditório,
a publicidade e todos os outros desdobramentos do devido processo legal (art. 5º, LIV, da CF/88).
- Princípio da humanidade ou humanização das penas: respeito à dignidade da pessoa humana, vedadas
as penas de morte, perpétuas, de trabalhos forçados, cruéis e de banimento (art. 5º, XLVII). A tortura
também é vedada (art. 5º, III, da CF/88).
- Princípio reeducativo ou da ressocialização: busca-se, durante a execução a pena, a ressocialização do
preso, por isso as penas de morte e perpétuas são vedadas.

1534. O que significa intranscendência da pena?


R.: O princípio constitucional da instranscendência da pena (art. 5º, XLV) prevê que nenhuma pena pode
passar da pessoa do condenado, ou seja, somente ele pode responder pelo fato praticado. Ressalvadas a
OBRIGAÇÃO DE REPARAR O DANO e a DECRETAÇÃO DO PERDIMENTO DE BENS, que podem
ser estendidas aos sucessores até o limite do valor do patrimônio transferido.

1535. Qual a natureza jurídica do Regime Disciplinar Diferenciado?


R.: O RDD é uma sanção disciplinar (art. 53, V, da LEP). Não é regime de cumprimento de pena!

1536. Qual o prazo máximo?


R.: A duração máxima do RDD é 360 dias (individualização da sanção disciplinar). Em caso de nova falta
grave, o reeducando pode ser incluído novamente no RDD, até o limite de 1/6 da pena aplicada (art. 52, I,
da LEP).

1537. O senhor é Delegado e Diretor de uma cadeia pública e verifica uma lotação excessiva no
local. Na porta da cadeia está uma barca com dois ou três presos. Recebe ou não?
R.: Conforme reconhecido pelo STF, o sistema penitenciário brasileiro se encontra em situação de estado
de coisas inconstitucional, razão pela qual a superlotação infelizmente é corriqueira. Assim, salvo se o
recebimento dos presos comprometesse concretamente a segurança da cadeira pública, receberia os presos
e entraria em contato imediato com a Secretaria de Segurança Pública para analisar a possibilidade de
posterior remanejamento dos detentos.
1538. De qual princípio se valeria?
R.: Do princípio da proporcionalidade, posto que o não recebimento dos presos causaria mais danos à
coletividade (paz e ordem pública) do que eventuais e incertos danos decorrentes da superlotação
carcerária. Destaco ainda que, conforme entendimento do STF, o Estado tem o dever de indenizar,
inclusive por danos morais, o preso submetido a condição degradante (INF 854 STF).

1539. O que diz a proporcionalidade dos fatores contrastantes?


R.: De acordo com a proporcionalidade dos fatores contrastantes, embora haja vedação à utilização de
provas ilícitas, existem situações excepcionais de conflitos de direitos fundamentais em que elas poderão
ser utilizadas. Nesses casos, deverá ser feito sopesamento (proporcionalidade) de valores
contrastantes, mas sempre de forma a garantir a segurança jurídica e o Estado Democrático de
Direito. Exemplo: admissão de prova ilícita para inocentar o réu.

1540. A Lei nº 9.099/95 se aplica ao Estatuto do Idoso?


R.: Se o crime praticado tiver pena máxima igual ou inferior a dois anos, aplicam-se todos os benefícios
previstos na Lei 9.099/95 [HÁ CONTROVÉRSIA];
Se o crime praticado tiver pena máxima abstratamente cominada superior a dois e até quatro anos deve ser
feita interpretação conforme a Constituição do artigo 94 do Estatuto. Assim não se aplicam as medidas
despenalizadoras, mas apenas o procedimento sumaríssimo. [INF 556 STF].

1541. O que são crimes de menor potencial ofensivo?


R.: Crimes de menor potencial ofensivo são aqueles que possuem menor ofensividade, razão pela qual o
legislador lhes dá tratamento mais benevolente. De acordo com a Lei nº 9.099/95 são as contravenções
penais e os crimes aos quais a lei comina pena máxima não superior a 2 (dois) anos, cumulada ou não
com multa.

1542. Existem crimes de menor potencial ofensivo no Estatuto do Idoso?


R.: Doutrina minoritária entende que não há crimes de menor potencial ofensivo no Estatuto do Idoso,
pois todos são dotados de maior reprovabilidade, tendo em vista a vulnerabilidade do sujeito passivo.
Prevalece que os delitos previstos nos arts. 96 (discriminar idoso) e §§, 97 (omissão de socorro de idoso),
99 caput (exposição da integridade e da saúde de idoso a perigo) 100, 101, 103, 104 (reter cartão magnético
ou documentos de idoso) e 109 são de menor potencial ofensivo, pois possuem pena não superior a 2 (dois)
anos, cumulada ou não com multa.

1543. Os institutos despenalizadores da lei 9.099/95 se aplicam ao Estatuto do Idoso? Por quê?
Existe previsão legal?
R.: O STF fez uma interpretação conforme a Constituição do artigo 94 do Estatuto do Idoso, razão pela
qual não se aplicam as medidas despenalizadoras da Lei nº 9.099/95, mas apenas o procedimento
sumaríssimo, a fim de garantir um processo mais célere.
Entender que os benefícios despenalizadores se aplicariam irrestritamente aos delitos cuja pena que não
ultrapasse quatro anos conferiria proteção deficiente ao idoso, garantindo tratamento mais benéfico ao
agente de que praticasse crime contra idoso do que contra adulto não idoso, o que viola a
proporcionalidade.
Art. 94. Aos crimes previstos nesta Lei, cuja pena máxima privativa de liberdade não ultrapasse 4 (quatro)
anos, aplica-se o procedimento previsto na Lei no 9.099, de 26 de setembro de 1995, e, subsidiariamente,
no que couber, as disposições do Código Penal e do Código de Processo Penal. (Vide ADI 3.096-5 - STF).

Examinador: MARCOS BATALHA

1544. Há previsão de prazo na lei para o RDD?


R.: A duração máxima do RDD é 360 dias (individualização da sanção disciplinar). Em caso de nova falta
grave, o reeducando pode ser incluído novamente no RDD, até o limite de 1/6 da pena aplicada (art. 52, I,
da LEP).

1545. Quem é competente para decretá-lo?


R.: A inclusão de preso no RDD só pode ser determinada pelo juiz. Contudo, a autoridade administrativa
poderá decretar o isolamento preventivo do faltoso pelo prazo de até dez dias (art. 60 da LEP).

1546. Qual o prazo máximo para permanência nesse regime?


R.: A duração máxima do RDD é 360 dias (individualização da sanção disciplinar). Em caso de nova falta
grave, o reeducando pode ser incluído novamente no RDD, até o limite de 1/6 da pena aplicada (art. 52, I,
da LEP).

1547. Remição pelo trabalho é cabível em qualquer regime de cumprimento de pena?


R.: A remição pelo trabalho só é admitida nos regimes fechados e semiaberto, posto que o trabalho é dever
do preso em regime aberto (art 36, § 1º, CP). Já a remição de tempo pelo estudo é admitida em qualquer
regime de cumprimento de pena, inclusive no aberto (art. 126, § 6º, da LEP).

1548. Com relação à saída temporária para o preso comparecer ao velório de cônjuge, esposa,
irmão, por exemplo, quem é competente para autorizar tal saída?
R.: No caso em tela o preso poderá ser beneficiado pela permissão de saída (art. 120, I, da LEP), a qual
deverá ser autorizada pelo diretor do estabelecimento em que ele se encontra custodiado (art. 120,
parágrafo único), não pelo juiz.
1549. Quais os princípios que norteiam o juizado especial?
R.: Os princípios que norteiam o juizado especial são: oralidade, simplicidade, informalidade,
economia processual e celeridade. Ademais, o princípio da simplicidade foi acrescentado com a Lei
13.603/2018.
ARTIGOS 2º e 62, LEI 9.099/95

1550. Qual a distinção entre interceptação telefônica e quebra de sigilo das ligações telefônicas?
R.: A quebra do sigilo telefônico consiste no acesso às ligações realizadas e recebidas, sendo
protegida pelo artigo 5º, inciso XII da CF e seu procedimento não é regido pela Lei 9.296/96. Já a
Interceptação telefônica é a captação de uma conversa telefônica entre duas pessoas por um terceiro sem
autorização ou conhecimento dessas, cujo procedimento é regulado pela referida lei e está amparada pelo
artigo 5º, X da CF.

1551. A interceptação ocorre apenas na ação penal?


R.: Como a Constituição Federal e a Lei no 9.296/96 dispõem que a interceptação telefônica só
pode ser autorizada para fins de investigação criminal ou instrução processual penal, somos levados a
acreditar que não é possível que essa medida seja determinada no curso de um processo de natureza cível,
comercial, trabalhista, administrativa, etc., mas há precedentes de Tribunais Estaduais em sentido
contrário. Ademais, para a 3ª Turma do STJ, desde que evidenciada a prática de crime (v.g., subtração de
menor previsto no art. 237 da lei n. 8.069/90), é possível que a interceptação telefônica seja determinada
inclusive em processa cível.

1552. Tanto a interceptação quanto a quebra do sigilo ocorrem apenas por ordem judicial ou o
próprio delegado pode requisitá-las?
R.: Ambas dependem de autorização judicial. Todavia, o delegado de polícia pode requisitar
diretamente dados cadastrais e excepcionalmente dados de ERB quanto aos crimes relacionados ao tráfico
de pessoas, conforme arts. 13A e 13B do CPP; e requisitar diretamente dados cadastrais quando da
investigação de Organização Criminosa, segundo o art. 15, Lei 12.850.

1553. Ato infracional praticado por criança – Há previsão de medida socioeducativa?


R.: Não. Para criança, o ECA prevê apenas a possibilidade da aplicação de medidas de proteção.
Art. 101 e 105, ECA

1554. Quais as medidas socioeducativas aplicáveis ao menor infrator?


R.: Rol do art. 112 do ECA: Advertência, obrigação de reparar o dano; prestação de serviços à
comunidade; liberdade assistida; inserção em regime de semiliberdade; internação em estabelecimento
educacional; qualquer uma das previstas no art. 101, I a VI.

1555. Quais as hipóteses que admitem a medida de internação pelo juiz?


R.: ECA, art. 122. A medida de internação só poderá ser aplicada quando: I - tratar-se de ato
infracional cometido mediante grave ameaça ou violência a pessoa; II - por reiteração no cometimento de
outras infrações graves; III - por descumprimento reiterado e injustificável da medida anteriormente
imposta.

1556. Descumprimento reiterado de medidas socioeducativas – Quais as consequências?


R.: Justifica a decretação de medida de internação – art. 102, III, ECA.

1557. Particular pode praticar crime de abuso de autoridade?


R.: Sim, desde que cometa o crime em concurso de pessoas com autoridade publica e tenha
conhecimento desta circunstância. Funda-se na razão do art. 30 do CP, que é norma de extensão pessoal.

1558. Prisão temporária – O rol de crimes é taxativo ou exemplificativo?


R.: Rol taxativo. Sendo prevalente o entendimento que se estende a aplicação da prisão temporária
o rol dos crimes hediondos, em razão do disposto no art. 2º, §4º da Lei 8.072/90.

1559. Qual a posição da jurisprudência em relação à possibilidade de sucessivas renovações de


interceptação telefônica?
R.: A jurisprudência se posiciona favorável às renovações sucessivas; entretanto, tais não podem
se renovar demasiadamente por configurar constrangimento ilegal.

1560. Delegado representa pela interceptação ao juiz acerca de sujeito já condenado apenas
para prendê-lo, é possível?
R.: Não. A interceptação das comunicações telefônicas deve ser realizada para fim de investigação
criminal ou instrução criminal penal (CF, art. 5º, XII). Em nenhum dispositivo legal temos a previsão de
que a medida cautelar em tela é instrumento para manutenção da ordem publica ou seu restabelecimento,
ou ainda instrumento para se evitar que crimes aconteçam ou ainda para a localização de foragidos.

1561. Qual a finalidade da interceptação telefônica?


R.: A interceptação das comunicações telefônicas deve ser realizada para fim de obtenção de
elementos probatórios investigação criminal ou instrução criminal penal (CF, art. 5º, XII).
1562. Segundo o código penal, o preso autuado em flagrante recebe a nota de culpa. E na
hipótese de prisão temporária, expede-se também a nota de culpa?
R.: A necessidade da entrega da nota de culpa limita-se às hipóteses de prisão em flagrante,
porquanto, nas demais espécies de prisão cautelar (preventiva e temporária), a concretização do preceito
do art. 5°, LXIV, da CF, ocorre com a entrega ao preso de cópia do mandado expedido, do qual já constam
as informações imprescindíveis à defesa

1563. Que documento o preso recebe para tomar conhecimento das razões que o levaram a
prisão no caso de prisão temporária?
R.: Uma das vias do mandado de prisão, que servirá como nota de culpa
ARTIGO 2, §4 LEI 7960

1564. Em que legislação a expressão “discriminação racial” está de maneira expressa?


R.: - Lei 12.288 – Estatuto da Igualdade racial: art. 1º, p.u., I. traz a expressão ipsis literis.
- Lei Terrorismo 13.260: configura terrorismo quando praticado por razões de “discriminação ou
preconceito de raça”.
- Lei 7.716 - Serão punidos, na forma desta Lei, os crimes resultantes de “discriminação ou
preconceito de raça”, cor, etnia, religião ou procedência nacional.

1565. Defina discriminação racial.


R.: Discriminação Racial significa qualquer distinção, exclusão, restrição ou preferência baseada na
raça, cor, ascendência, origem étnica ou nacional com a finalidade ou o efeito de impedir ou dificultar o
reconhecimento e/ou exercício, em bases de igualdade, aos direitos humanos e liberdades fundamentais
nos campos político, econômico, social, cultural ou qualquer outra área da vida pública.
(Fonte: Art. 1 da Convenção Internacional para a Eliminação de todas as Formas de Discriminação Racial
da ONU)

1566. Qual a diferença entre injúria racial e preconceito racial?


R.: A injuria racial são agressões verbais direcionadas a uma pessoa, com a intenção de abalar o
psicológico dessa vítima determinada, utilizando elementos referentes a raça, cor, etnia, religião, origem
ou a condição de pessoa idosa ou portadora de deficiência (art. 140, § 3.º, CP). É um crime contra a
honra subjetiva da vítima. Somente se processa mediante representação do ofendido e é prescritível.
Ao contrário da injúria racial, o crime de racismo é inafiançável e imprescritível, conforme
determina o artigo 5º da Constituição Federal, E apuram-se mediante ação penal pública incondicionada.
A Lei (7.716/89) define os crimes resultantes de discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia,
religião ou procedência nacional. A maioria dos crimes de racismo tem como objeto central impedir a
segregação racial.
Examinadora: LEOLAR EMÍLIA DE SOUZA

1567. Lei Maria da Penha – Agressor e ofendida na delegacia - como é conduzida a ocorrência?
Quais medidas tomadas pelo delegado?
R.: Em obediência ao artigo 12 da referida lei, o delegado deverá tomar as seguintes medidas:
I - ouvir a ofendida, lavrar o boletim de ocorrência e tomar a representação a termo, se apresentada;
II - colher todas as provas que servirem para o esclarecimento do fato e de suas circunstâncias;
III - remeter, no prazo de 48 (quarenta e oito) horas, expediente apartado ao juiz com o pedido da
ofendida, para a concessão de medidas protetivas de urgência;
IV - determinar que se proceda ao exame de corpo de delito da ofendida e requisitar outros exames
periciais necessários;
V - ouvir o agressor e as testemunhas;
VI - ordenar a identificação do agressor e fazer juntar aos autos sua folha de antecedentes criminais,
indicando a existência de mandado de prisão ou registro de outras ocorrências policiais contra ele;
VII - remeter, no prazo legal, os autos do inquérito policial ao juiz e ao Ministério Público.

1568. É necessário representação da vítima?


R.: Segundo entendimento do STJ, quando o crime envolver violência ou grave ameaça, ação penal
nos crimes da lei Maria da Penha se tornam de ação penal pública incondicionada, porém, nos demais
crimes, como por exemplo o crime de ameaça, continuam a ser processado por ação pública condicionada
a representação da vítima.

1569. Em quais hipóteses é cabível prisão preventiva do autor?


R.: A Lei Maria da Penha (Lei n. 11.340/06) previu duas possibilidades distintas de prisão preventiva
do agressor, em caso de violência doméstica e familiar contra a mulher. A primeira é a prevista no artigo
20, que é a hipótese comum para assegurar o processo. A segunda, inscrita no artigo 42, foi criada para
garantir a eficácia das medidas protetivas de urgência.

1570. E se a união for homoafetiva envolvendo duas mulheres?


R.: No caso de união homoafetiva, se aplica também a lei em apreço, vez que o parágrafo único do
artigo 5º dispõe que as relações pessoais enunciadas, independem da orientação sexual, assim, o sujeito
passivo será sempre a mulher, vulnerável, e o sujeito ativo, poderá ser tanto a mulher quanto o homem. É
de se observar que quando o sujeito ativo for homem, a vulnerabilidade da mulher é absoluta, no que tange
o sujeito ativo mulher, a vulnerabilidade deverá ser verificada no caso concreto.

1571. Qual a natureza jurídica da prisão temporária?


R.: A prisão temporária é prisão de natureza cautelar cabível exclusivamente na fase do inquérito
policial ou de investigação preliminar, pois conforme nossa constituição, a liberdade é regra, a prisão
exceção.

1572. Com relação à sua prorrogação o delegado pode representar?


R.: O prazo da temporária são 5 dias, prorrogáveis por mais 5 dias - se comprovada extrema
necessidade (art. 2ª da lei 7960/89). Podendo chegar ao máximo de 30 dias se for crime hediondo
(art. 2º, § 4º, da Lei 8.072/90). Então cumprido o requisito da extrema necessidade e não ultrapassando
os prazos legais, o delegado poderá representar pela sua prorrogação.

1573. Na lei de drogas, como é tratada a conduta de compartilhamento entre amigos?


R.: O indivíduo que consome esporadicamente a droga e a oferece a outra pessoa de seu
relacionamento, sem insistência e sem objetivo de lucro, não incorre no delito de tráfico de drogas (art. 33
caput, da lei 11.343/06), pois, resta ausente o dolo específico do caput, porem incorrera no parágrafo 3º
do artigo 33 da referida lei: Oferecer droga, eventualmente e sem objetivo de lucro, a pessoa de seu
relacionamento, para juntos a consumire”.
Assim, o tipo penal exige que o oferecimento da droga seja eventual, ou seja, uma única oferta, pois
caso exista um compartilhamento reiterado e insistente oferta o agente incorre no delito de tráfico de
drogas, além da inexistência de finalidade de lucro e que as pessoas sejam do relacionamento (amigos,
esposa, familiares, etc.), mesmo que mais de uma pessoa. Isto é, na ausência de qualquer um dos requisitos
objetivo, não há que se falar em consumo compartilhado.

1574. Interceptação telefônica – Quais os requisitos para a sua declaração?


R.: Por ser medida de extrema gravidade, a interceptação tem alguns requisitos para a sua concessão:
a) indícios razoáveis de autoria ou participação em infração penal; b) imprescindibilidade da medida; c)
o fato investigado deve constituir crime punido com reclusão (Art. 2º, da lei 9.296/96).
1575. O pedido pode ser verbal?
R.: Conforme o parágrafo 1º do art. 4º da lei 9.296/96, excepcionalmente, o juiz poderá admitir que o
pedido seja formulado verbalmente, desde que estejam presentes os pressupostos que autorizem a
interceptação, caso em que a concessão será condicionada à sua redução a termo.

1576. Como ocorre a formalização do requerimento pelo delegado?


R.: A formalização do requerimento de interceptação telefônica feita pelo delegado se formaliza com
elaboração da representação dirigida ao juiz.

1577. É possível o pedido de prisão temporária ao investigado por crime de furto continuado?
R.: Não é possível, pois a prisão temporária aplica-se somente aos crimes elencados no artigo 1, inciso
III da lei 7.969/89, e dentre eles, não se encontra o crime de furto, assim, não é possível a decretação da
prisão temporária ao crime de furto continuado.

1578. Qual a natureza jurídica dos atos investigatórios do delegado?


R.: Os atos investigatórios do delegado é ato jurídico-administrativo cuja finalidade é expor ao juiz os
fatos, as circunstâncias e os fundamentos que justifiquem a adoção de uma medida necessária à persecução
penal e ao correto desenvolvimento do ius puniendi estatal.
Ainda, o artigo 2º, da lei 12.830/13, dispõe que os atos investigatórios conduzidos pelo delegado são
de natureza jurídica, essenciais e exclusivas do Estado.

1579. Em que momento ocorre o indiciamento do autor de um delito?


R.: O ato de indiciamento é o ato do Delegado de Polícia, enquanto presidente da investigação, via de
regra praticado ao término da mesma, ao considerar concluída a fase de coleta de elementos probatórios
do delito investigado, quando é possível concluir-se pela autoria de determinado crime, individualizando-
se o autor.

1580. Por que deve ser fundamentado?


R.: Dispõe o § 6o do art. 2º da lei 12.830/13 que “o indiciamento, privativo do delegado de polícia,
dar-se-á por ato fundamentado, mediante análise técnico-jurídica do fato, que deverá indicar a autoria,
materialidade e suas circunstâncias.
Assim, o ato do indiciamento, deverá ser fundamentado para garantir os direitos e garantias do
investigado, pois a partir desse momento, este, passa para a posição de sujeito passivo da investigação,
quando o mesmo é apontado pela autoridade policial, a partir de sua convicção, como provável autor da
infração penal investigada.
1581. CTB – Motorista embriagado dirigindo na contra-mão se recusa a fazer o teste do
bafômetro - Qual a providência que deve ser tomada pelo delegado?
R.: O delegado deverá dar a oportunidade de o motorista fazer exame de sangue. Caso ele se recuse, em
virtude do direito de não autoincriminação, o delegado poderá determinar exames clínicos, perícia, prova
testemunhal, vídeos e imagens para verificar a conduta.
Art. 306, §2º do Código de Trânsito Brasileiro.

1582. Esse mesmo motorista atropela e mata transeunte, qual a providência?


R.: Caso não tenha prestado imediato socorro à vítima, deverá autuar o agente em flagrante pelo crime de
homicídio culposo qualificado por estar sob influência de álcool. Do contrário, não poderá ser feito o auto
de prisão em flagrante.
Artigos 301 e 302, §3º do Código de Trânsito Brasileiro.

1583. O que significa improbidade administrativa?


R.: Caracteriza-se por dano ao erário, enriquecimento ilícito e violação aos princípios administrativos,
quando praticados por agente público ou particulares que se beneficiem, induzam ou concorram para
prática do ato.
Artigos 1º e 3º da Lei 8429/92

1584. Em qual momento ocorre a perda da função pública/perda dos direitos políticos em razão
da condenação por improbidade?
R.: A perda da função pública e a suspensão dos direitos políticos só se efetivam com o trânsito em julgado
da sentença condenatória.
Artigo 20 da Lei 8429/92.

Examinador: Jorge Luis Neves Esteves

1585. Estatuto do Idoso → A Lei nº 9.099/95 prevê pena máxima que não ultrapasse 4 anos. De
que forma essa questão foi dirimida pelo STF?
R.: Deu o sentido de que se aplica somente o procedimento sumaríssimo previsto na lei 9.099/95, aos
crimes que não ultrapassem 4 anos. Não se aplica qualquer medida despenalizadora, nem interpretação
benéfica ao autor do delito contra o idoso.
ADI 3069/DF do STF.

1586. Como se classifica a ação penal no Estatuto do Idoso?


R.: A ação penal nos crimes previsto no Estatuto do Idoso são de Ação Penal Pública Incondicionada.
Artigo 95 do Estatuto do Idoso.
1587. Um PM apresenta no plantão um filho que furtou o pai. Como procede?
R.: O Delegado deverá verificar se o pai tem 60 anos ou mais. Neste caso, o filho deverá responder pelo
crime de furto. Caso o pai tenha menos de 60 anos, o delegado nada poderá fazer, pois trata-se de escusa
absolutória.
Artigos 181, II e 183, III do Código Penal Brasileiro.

1588. Que instrumento legal a polícia judiciária para averiguação de crime com pena até dois
anos?
R.: O termo circunstanciado de ocorrência, desde que o infrator seja imediatamente encaminhado aos
juizados especiais criminais ou assuma o compromisso de comparecer quando notificado. Do contrário, o
Auto de Prisão em Flagrante é lavrado.
Artigo 69, parágrafo único da Lei 9.099/95.

1589. Cite três medidas de proteção do idoso previsto no Estatuto do Idoso?


R.: (1) Encaminhamento à família ou curador, mediante termo de responsabilidade; (2) requisição para
tratamento de sua saúde, em regime ambulatorial, hospitalar ou domiciliar; (3) abrigo em entidade.
Artigo 45 do Estatuto do Idoso.

1590. Contravenção Penal → A contravenção penal viola o princípio da intervenção mínima?


R.: Para a doutrina majoritária sim, viola. Seus tipos penais são, na maioria, ultrapassados e
antidemocráticos. Busca-se resolver seus problemas cotidianos e superficiais, no campo penal. Esses
problemas devem ser resolvidos por outro ramo do ordenamento.

1591. Como se pune a tentativa de contravenção?


R.: Não é punível a tentativa de contravenção penal.
Artigo 4º do Decreto-lei 3.688/41

1592. Quais as penas previstas na Lei de Contravenção Penal?


R.: Prisão Simples e multa.
Artigo 5º da Lei 3.688/41

1593. Que modalidade é aplicável às contravenções?


R.: No tocante às penas, como dito acima, as contravenções só admitem duas modalidades: prisão simples
e multa. Não existem penas de reclusão ou detenção para o condenado por uma contravenção.
Artigo 5º da Lei 3.688/41
1594. ECA → Pode ser aplicado a uma pessoa que já conta com 18 anos de idade?
R.: Nos casos expressos em lei, aplica-se excepcionalmente o ECA às pessoas entre dezoito e vinte e um
anos de idade. A exemplo da internação, em virtude de ato infracional, que terá liberação compulsória aos
21 anos de idade.
Artigos 2º e 121, §5º do Estatuto da Criança e Do Adolescente.

1595. Quais as espécies de ação penal previstas no ECA?


R.: Os crimes previstos no ECA são de ação penal pública incondicionada.
Artigo 227 do Estatuto da Criança e do Adolescente

1596. Qual é a ordem escrita no artigo 106, do ECA?


R.: Nenhum adolescente será privado de sua liberdade senão em flagrante de ato infracional ou por ordem
escrita e fundamentada de autoridade judiciária competente.

1597. Como procederia como Delegado, na seguinte situação: uma mãe, com a filhinha de 4
anos, relata que a menina estava na escola, pediu para ir ao banheiro, a professora não deixou, fez as
suas necessidades na calça, passando por constrangimento. Enquadraria a conduta da professora no
ECA?
R.: Os atos da professora podem ser enquadrados no art. 232 do ECA, que dispõe ser criminosa a conduta
de submeter criança ou adolescente sob sua autoridade, guarda ou vigilância a vexame ou a
constrangimento.

1598. Lei de Combate às Organizações Criminosas → Qual a definição de organização


criminosa?
R.: Considera-se organização criminosa a associação de 04 ou mais pessoas estruturalmente ordenada e
com divisão de tarefas, ainda que de forma informal, com o objetivo de obter, direta ou indiretamente,
vantagem de qualquer natureza, mediante a prática de infrações penais com a pena máxima superior a 04
anos ou que sejam de caráter transnacional (art. 1º, § 1º da Lei 12.850/13).

1599. Abrange também a prática de contravenção ou se restringe a crime?


R.: As contravenções penais estão abrangidas desde que sejam de caráter transnacional, uma vez que
inexiste contravenção com pena máxima superior a 04 anos. Destaca-se que a lei menciona "infrações
penais" e não "crime", razão pela qual é possível tal abrangência (art. 1º, § 1º da Lei 12.850/13).

1600. O tráfico internacional de pessoas para exploração sexual está abrangido por esta lei?
R.: É possível a existência de uma organização criminosa que vise à prática do tráfico internacional de
pessoas para exploração sexual, visto que se trata de uma infração penal com pena máxima de 08 anos e
com caráter transnacional. Nesta hipótese, haverá concurso material de crimes (art. 149-A do CP c/c art.
1º, § 1º da Lei 12.850/13).

1601. Lei nº 12.850/13, artigo 2º: qual o objeto jurídico deste crime?
R.: Entende-se, majoritariamente, que o objeto jurídico do art. 2º da Lei 12.850/13 é a paz pública, de
modo que visa à proteção do sentimento coletivo de segurança e de confiança na ordem e proteção jurídica.
Destaca-se: Luiz Flávio Gomes considera que o objeto jurídico não se limita à paz, configurando a própria
intangibilidade e preservação material das instituições.

1602. Quais são os princípios norteadores da Lei nº 9.099/95?


R.: Os princípios norteadores da Lei 9.099/95 são a oralidade, simplicidade, informalidade, economia
processual e celeridade, objetivando a conciliação ou a transação. Busca-se uma desburocratização do
processo (art. 2º e art. 62 da Lei 9.099/95).

1603. Há incompatibilidade entre o princípio da obrigatoriedade da Ação Penal com a


possibilidade de haver conciliação ou transação penal da Lei nº 9.099/95?
R.: Não. A conciliação somente configura causa extintiva da punibilidade em casos de ações penais
privadas ou públicas condicionadas à representação (art. 74 da Lei 9.099/95). Quanto à transação penal,
considera-se que há a mitigação do princípio da obrigatoriedade, tratando-se de uma discricionariedade
regrada, já que o Ministério Público somente poderá oferecer a transação penal quando preenchidos os
requisitos legais (art. 76 da lei 9.099/95).

1604. Transação Penal. A aplicação imediata da multa viola o princípio do devido processo
legal?
R.: Não. Argumenta-se que a própria CRFB prevê o instituto da transação penal em seu art. 98, inciso I.
No mais, a Lei 9.099/95 preserva as garantias constitucionais de assistência de advogado e exige a
aceitação do apontado como autor do fato. Por fim, a medida aplicada não possui caráter punitivo e não
configura admissão de culpa.

1605. Como Delegado, pode instaurar inquérito policial nas infrações de menor potencial
ofensivo ou somente Termo Circunstanciado?
R.: Em regra, é dispensável a instauração de IP para apuração de infrações de menor potencial ofensivo
(art. 77, § 1º). As exceções são as hipóteses taxativas previstas no art. 66, parágrafo único (réu não
encontrado) e no art. 77, § 2º (complexidade e circunstâncias do caso) da Lei 9.099/95.

Examinador: Francisco Petrarca Ielo Neto


1606. Lei Maria da Penha. Quais as formas de violência contra a mulher previstas na Lei Maria
da Penha?
R.: A Lei Maria da Penha prevê, de forma exemplificativa, as seguintes formas de violência contra a
mulher: violência física, violência psicológica, violência sexual, violência patrimonial e violência moral
(art. 7º da Lei 11.340/06).

1607. Como conceitua a violência moral?


R.: A violência moral é entendida como qualquer conduta que configure calúnia, difamação ou injúria (art.
7, inciso V da Lei 11.340/06).

1608. Lei de Drogas. Há conduta típica no porte de drogas para uso próprio?
R.: Há divergência sobre o tema, uma vez que não é cominada pena privativa de liberdade ou de multa
para o porte de drogas para uso próprio. A 1ª corrente considera ter havido a descriminalização, com base
no conceito de infração penal previsto no art. 1º da Lei de Introdução ao CP. A 2ª corrente, adotada pelo
STF e pelo STJ, considera ter havido o fenômeno da despenalização, de modo que a referida conduta
permanece sendo crime, porém sem cominação de pena. Por fim, a 3ª corrente (mais técnica) considera ter
havido tão somente o descarceramento, considerando que as medidas aplicadas são espécies de pena e a
conduta continua configurando infração penal.

1609. A Lei de Drogas prevê o instituto da delação premiada?


R.: Sim. A Lei de Drogas prevê expressamente o instituto da delação premiada em seu art. 41, dispondo
que terá direito a redução de pena o indiciado ou acusado que colaborar voluntariamente com a
investigação policial e com o processo criminal.

1610. No que consiste a delação premiada?


R.: A delação premiada é uma espécie de colaboração premiada, na qual o indiciado ou acusado colabora
voluntariamente com a investigação policial ou com o processo criminal, de modo a identificar coautores
e partícipes, bem como as infrações por eles cometidas. Há quem utilize os termos "colaboração" e
"delação" como sinônimos.

1611. Prisão temporária → O magistrado pode decretar de ofício?


R.: A prisão temporária não pode ser decretada de ofício pelo magistrado, de modo que dependerá de
representação da autoridade policial ou de requerimento do Ministério Público (art. 2º da Lei 7.960/89).

1612. Quais os prazos da prisão temporária?


R.: A prisão temporária terá, em regra, o prazo de 05 dias, prorrogável por igual período em caso de
extrema e comprovada necessidade (art. 2º da Lei 7.960/89). Nas hipóteses de crimes hediondos o prazo
será de 30 dias, também prorrogável por igual período (art. 2º, §4º da Lei 8.072/90).

1613. A prorrogação é automática?


R.: De acordo com o caput do artigo 2 da lei 7.960/89, a prorrogação da prisão temporária necessita de
representação da autoridade policial ou de requerimento do Ministério Público, desta maneira é necessário
demonstrar sua necessidade não podendo ser estendida automaticamente.

1614. CDC → O direito de reclamar por vícios de fácil constatação ou aparentes caduca em que
prazo?
R.: O artigo 26 da lei 8.078/90 estabelece que o direito de reclamar por vícios de fácil constatação em
varia de 30 (trinta) dias para fornecimento de serviço ou produtos não duráveis e 90 (noventa) dias para
fornecimento de serviços ou produtos duráveis.

1615. Interceptação telefônica → Em quais casos não será admitida?


R.: O artigo 2º da Lei 9.296 enumera as hipóteses de não cabimento da interceptação telefônica. Segundo
o dispositivo, caso não existam indícios razoáveis da autoria ou participação do investigado na infração
penal; se a prova puder ser feita por outros meios disponíveis ou se o fato investigado constituir infração
penal punida, no máximo, com pena de detenção.

1616. É possível o abuso de autoridade na forma culposa?


R.: A lei 4.898/1965 não prevê a conduta culposa, o dolo tem que abranger também a consciência por parte
da autoridade de que está cometendo o abuso. Portanto, além do dolo é exigida a finalidade específica de
abusar, de agir com arbitrariedade.

1617. Qual o objetivo jurídico nos crimes de abuso de autoridade?


R.: O bem jurídico tutelado pela lei de abuso de autoridade são os direitos e garantias fundamentais, são
aqueles garantidos pela Carta Magna, seja a liberdade de culto, o direito de ir e vir, compreende toda a
garantia de que o cidadão possa gozar e desfrutar, sem ser perturbado ou ameaçado.

1618. A tortura é crime próprio de funcionário público?


R.: A lei brasileira estendeu o conceito, passando a contemplar outras modalidades de conduta e
alcançando os atos de tortura perpetrados por particulares e movido e apenas como agravante o crime
cometido por agentes públicos.

1619. É crime de forma livre?


R.: O artigo 1 da lei 9.455/1997 determina que a tortura se configura com o fim de obter informação,
declaração ou confissão da vítima ou de terceira pessoa; para provocar ação ou omissão de natureza
criminosa e em razão de discriminação racial ou religiosa; portanto deve haver uma finalidade direcionada,
a fim de se diferenciar da figura de maus tratos.

1620. Lei nº 12.830 → O Delegado deve atender à requisição de indiciamento pelo Promotor?
R.: A lei 12.830 e seu artigo 2, parágrafo sexto, determina que o ato de indiciamento é privativo do
delegado de polícia mediante análise técnica-jurídica do fato, de modo a permitir o delegado recusar o
atendimento da requisição ministerial.

1621. É possível regime disciplinar diferenciado preventivo?


R.: A lei 7.210/1984 em seu artigo 60 permite a inclusão do preso em regime disciplinar diferenciado em
caráter preventivo, através de ato da autoridade administrativa pelo o prazo de até 10 (dez) dias.

1622. Os presos colocados em RDD podem trabalhar?


R.: O decreto 6.049/07 prevê que se a criatividade e aparato material forem suficientes, o Estado pode
proporcionar trabalho ao preso em RDD no interior da cela. Lembrando que sua saída é vedada, com
exceção do banho de sol, ainda que seja para trabalhar em local mais adequado.

1623. E o preso provisório?


R.: A lei 7.210/84 determina em no parágrafo único do artigo 31 que o trabalho ao preso provisório não é
obrigatório e poderá ser realizado tão somente no interior do estabelecimento prisional.

1624. O juiz pode impor o RDD de ofício?


R.: A lei 7.210/84 disciplina a inclusão do preso no regime disciplinar diferenciado, o artigo 54, parágrafo
primeiro, diz que a atribuição de formular o requerimento recai sobre o diretor ou outra autoridade
administrativa.

1625. Qual o procedimento do Estatuto do Idoso para os crimes cuja pena não ultrapassa 4
anos?
R.: A lei 10.741 determina no artigo 94 que os crimes cuja pena máxima privativa de liberdade não
ultrapasse 4 (quatro) anos, aplica-se o procedimento previsto na Lei no 9.099/95, e, subsidiariamente, no
que couber, as disposições do Código Penal e do Código de Processo Penal.

1626. Todos os presos têm suspensos os seus direitos políticos?


R.: Os presos que tiverem condenação criminal transitada em julgado (sem hipótese de recurso) não podem
votar. No entanto, os presos provisórios que estão esperando uma decisão judicial mantêm o direito ao
voto.

Examinador Carlos Alberto da Cunha

1627. Qual o objetivo precípuo da prisão temporária?


R.: A finalidade da prisão temporária, regulada pela Lei 7960/89, é assegurar uma eficaz investigação
policial. O objetivo da prisão temporária é evitar que, em liberdade, o investigado por crimes de maior
gravidade possa dificultar a colheita de elementos de informação durante a investigação policial.

1628. Trace os requisitos gerais para a concessão de tal medida.


R.: A prisão temporária, lei 7.960, artigo 1 prevê os requisitos gerais para sua concessão, dentre os quais:
quando imprescindível para as investigações do inquérito policial; quando o indicado não tiver residência
fixa ou não fornecer elementos necessários ao esclarecimento de sua identidade e quando houver fundadas
razões, de acordo com qualquer prova admitida na legislação penal, de autoria ou participação do indiciado
no rol de crimes previsto na lei.

1629. Quem pode requerer a prisão temporária?


R.: A prisão temporária pode ser requerida pelo Delegado de Polícia, por meio de representação, ou pelo
Promotor de Justiça, por meio de requerimento.
Art. 2º, Lei 7.960 de 1989.

1630. O MP pode requerer?


R.: Sim, conforme previsão expressa do art. 2º da Lei de Prisões Temporárias, o Ministério Público pode
requerê-la.
Art. 2º, Lei 7.960 de 1989.

1631. O juiz pode decretar de ofício?


R.: Não, o magistrado não pode decretar de ofício. Primeiramente, pela ausência de previsão neste sentido,
especificando o art. 2º da lei a necessidade de representação da Autoridade Policial ou do requerimento do
membro do Ministério Público. Em segundo, por ser uma prisão restrita ao momento pré-processual de
investigações.

1632. Lei 11.343, qual o prazo para conclusão de IP do réu preso?


R.: O prazo é de 30 dias no caso de indiciado preso.
Art. 51, Lei 11.343 de 2006.

1633. Em que consiste a interceptação telefônica?


R.: A interceptação telefônica é a captação de conversa telefônica e ocorre quando nenhum dos
interlocutores tem ciência da invasão de privacidade. Para que seja lícita, se faz necessária autorização
judicial. Não se confunde com escuta telefônica e nem gravação clandestina.
Lei 9.296 de 1996.

1634. Uma conversa entre dois interlocutores, um está gravando sem conhecimento do outro. É
interceptação telefônica?
R.: Não. É o caso de gravação clandestina, que consiste em uma gravação ambiental, pessoal ou telefônica
feita por um dos interlocutores sem o conhecimento dos demais.

1635. Essa gravação pode ser usada como prova legal, independente de autorização judicial?
R.: Sim, hoje o STF considera que a regra é que a gravação clandestina seja lícita.
Jurisprudência STF: “Ação penal. Prova. Gravação ambiental. Realização por um dos interlocutores sem
conhecimento do outro. Validade. Jurisprudência reafirmada. Repercussão geral reconhecida. Aplicação
do art. 543-B, § 3º, do CPC. É lícita a prova consistente em gravação ambiental realizada por um dos
interlocutores sem o conhecimento do outro.” (RE 583.937-QO-RG, Rel. Min. Cezar Peluso, com
repercussão geral.)
“EMENTA: PROVA. Criminal. Conversa telefônica. Gravação clandestina, feita por um dos
interlocutores, sem conhecimento do outro. (...) Fonte lícita de prova. Inexistência de interceptação, objeto
de vedação constitucional. Ausência de causa legal de sigilo ou de reserva da conversação. (...) Inexistência
de ofensa ao art. 5º, XXIILVI, CF”.

1636. IP para apurar crime de tráfico, há interceptação. O senhor toma conhecimento de uma
extorsão mediante sequestro em comarca vizinha, através desta interceptação, em que, inclusive, a
vítima está encarcerada. Qual o procedimento a ser adotado?
R.: Neste caso, está presente o fenômeno da serendipidade de segundo grau, que consiste na descoberta
fortuita de delitos que não são objeto da investigação. Neste caso, se trata de fonte de prova suficiente para
deflagrar nova investigação criminal. Como há o encarceramento da vítima, o Delegado de Polícia, com
base no art. 13-A do CPP pode requisitar, mediante autorização judicial, às empresas prestadoras de serviço
de telecomunicações e/ou telemática que disponibilizem imediatamente os meios técnicos adequados -
como sinais, informações e outros - que permitam a localização da vítima ou dos suspeitos do delito em
curso.

1637. CTB, o que é crime de trânsito?


R.: Segundo o CTB, Código de Trânsito Brasileiro, “Art 1º Considera-se crime a infração penal que a lei
comina pena de reclusão ou de detenção, quer isoladamente, quer alternativa ou cumulativamente com a
pena de multa”. Portanto, crime de transito são condutas previstas no CTB, sob os quais o legislador
entendeu necessária maior repressão, não apenas na seara administrativa, mas sim criminal.

1638. Pessoa de forma consciente e dolosa vê seu desafeto e o atropela, na direção de veículo
automotor, matando-o. tipifique.
R.: Se trata do crime de homicídio doloso. Não há aplicação do CTB, uma vez em que a figura do
homicídio na direção de veículo automotor neste Codex previsto abrange apenas condutas culposas. Neste
caso, o autor tinha o dolo de matar a vítima, utilizado o automóvel apenas como um instrumento para seu
intuito criminoso.

1639. Uma pessoa conduz um veículo automotor, atropela e foge. Adequação típica.
R.: Lesão corporal culposa na direção de veículo automotor qualificada pela omissão de socorro. Não há
incidência do crime de fuga de local de acidente por ter aplicação subsidiaria.
Art. 303, § 1º, CTB.

1640. Condutor visivelmente embriagado é parado em blitz e se recusa a fazer o bafômetro.


Qual a sua atitude?
R.: Lavra-se o boletim de ocorrência de flagrante delito pelo art. 306 do CTB, justificado pelos sinais que
indicam a alteração da capacidade psicomotora, podendo ser utilizadas imagens, filmagens e outros meios
de comprovação admitidos em direito, bem como expedindo requisição

1641. O que se entende por crimes hediondos?


R.: São crimes considerados de extrema gravidade, repulsivos, pavorosos, e por isto, são previstos na lei
8.072 de 1990, recebendo um tratamento diferenciado e mais rigoroso do que as demais infrações penais.
São considerados inafiançáveis e insuscetíveis de graça, anistia ou indulto.

1642. O rol da lei 8.072 é taxativo?


R.: Sim, em respeito à observação o princípio da taxatividade. Cumpre ressaltar que existem três modelos
judiciais para a configuração de crimes hediondos. O primeiro é o sistema judicial, em que o juiz analisa
o caso concreto e determina se o delito é ou não hediondo. O segundo é o misto, em que a lei apresenta
um rol exemplificativo, e o juiz considera aplicá-los a outros casos. O terceiro, vigente no Brasil, é o legal:
a lei enumera um “rol taxativo” de crimes hediondos, e estabelece uma classificação. O que está descrito
na lei, é hediondo.

1643. Existe delação premiada em crime hediondo?


R.: Sim, com relação aos crimes de extorsão mediante sequestro praticado por organização criminosa, e
aos crimes de organização criminosa propriamente ditos.
Art. 7º, §4º e Art. 8º, § único da Lei 8.072.

1644. Lei 12.850, diferença entre organização criminosa, associação criminosa e quadrilha ou
bando.
R.: Organização criminosa é a denominação do tipo penal que prevê a associação de 4 ou mais pessoas
com o objetivo de obter vantagem de qualquer natureza mediante a pratica de infrações penais cujas penas
máximas sejam superiores a quatro anos, ou de caráter transnacionais, pressupondo uma estrutura
ordenada e divisão de tarefas, apenado com reclusão de três a oito anos.
Já a associação criminosa é a denominação do tipo penal que prevê a associação de três ou mais pessoas
com o fim específico de cometer crimes, apenado com reclusão de um a três anos.
O tipo penal de quadrilha ou bando era previsto no art. 288 do CP, atualmente alterado para a denominação
associação criminosa, e previa a associação de mais de três pessoas, em quadrilha ou bando, para o fim de
cometer crimes.

1645. O que é ação controlada na lei de organizações criminosas?


R.: Excelência, ação controlada é uma técnica de especial de investigação por meio do qual a autoridade
policial ou administrativa, mesmo percebendo que existem indícios da prática de um ato ilícito em curso,
retarda (posterga) a intervenção neste crime para um momento posterior, com objetivo de coletar mais
provas e obtenção de informações. (Art. 8º da Lei 12.850/13).

1646. A ação controlada demanda controle jurisdicional?


R.: Excelência, se a ação controlada envolver crimes praticados por organização criminosa, deverá haver
tão somente a PRÉVIA COMUNICAÇÃO ao juiz competente que, se for o caso, estabelecerá seus limites
e comunicará ao ministério público. (Art. 8º, § 1º da Lei 12.850/13). Porém, caso a ação controlada verse
sobre crime da lei de drogas ou de lavagem de capitais será necessária prévia autorização judicial (Art. 52,
II da Lei 11.343/06 e art. 4º B da Lei 9.613/98).

1647. O que é infiltração de agentes prevista na lei 12.850?


R.: Excelência, trata-se de uma técnica especial de investigação excepcionalíssima e sigilosa em que, após
prévia autorização judicial, um ou mais policiais, que sem revelar suas respectivas identidades, são
inseridos de maneira dissimulada no bojo da engrenagem delitiva da organização criminosa, com vistas a
escaneá-la e colher provas ou fontes de provas suficientes a permitir a desarticulação de sua estrutura e
justificar o início do processo penal. (Art. 10 ao art. 14 da Lei 12.850/13).
1648. O senhor visualiza infiltração de agentes antes da instauração do IP?
R.: Excelência, a investigação não pode ter caráter informal, é necessária a instauração de inquérito
policial, em caráter sigiloso, com a devida representação à autoridade judicial para que esta autorize a
medida e estabeleça seus limites. (Art. 10 da Lei 12.850/13).

1649. O senhor recebe denúncia de que membros de uma organização criminosa estão reunidos em um
local. O senhor comparece com sua equipe e encontra documentos que comprovam a organização
criminosa. Qual a tipificação?
R.: Excelência, a conduta se amolda ao art. 2º da Lei 12.850/13. Em que pese divergência doutrinária,
adotamos a corrente que entende que o verbo integrar constitui crime permanente, financiar e promover
podem ser eventualmente permanente e constituir é crime instantâneo.

1650. Quais são os crimes abarcados pela lei 9.099?


R.: Excelência, ressalvado o que dispõe o art. 41 da Lei 11.340/06, a Lei 9.099/95 abarca as infrações
penais de menor potencial ofensivo, assim entendidas as contravenções penais e os crimes a que lei comine
pena máxima não superior a 2 anos, cumulada ou não com multa. (Art. 60 e art. 61 da Lei 9.099/95).

1651. A lei 9.099 se aplica ao estatuto do idoso?


R.: Excelência, a Lei 10.747/03 (Estatuto do Idoso) prevê em seu art. 94 que os crimes previstos na referida
lei, cuja pena máxima privativa de liberdade não ultrapasse 4 anos, aplica-se o procedimento previsto na
Lei 9.099/95. Ocorre que, em julgamento da ADI 3.096-5 o STF entendeu que não se aplicam os benefícios
despenalizadores da Lei 9.099/95 a quem pratique infrações penais previstas no Estatuto do Idoso, somente
se aplicando normas estritamente processuais, tal como a informalidade e celeridade, para que o processo
termine mais rapidamente, em benefício do idoso.

1652. No que consiste a conciliação para a lei 9.099?


R.: Excelência, é um método de solução de conflitos em que um terceiro participa ativamente a fim de
auxiliar os interessados na solução da lide. O seu objetivo principal é promover a pacificação dos conflitos,
é o que a doutrina chama de Justiça Restaurativa. Nos Juizados Especiais Criminais a audiência preliminar
de conciliação ocorre antes mesmo do oferecimento da denúncia. (Art. 21 ao art. 26 e art. &3 da Lei
9.099/95).

1653. Delegado em caso que caiba conciliação, esta ocorre ainda dentro da delegacia. O que fazer?
R.: Excelência, caso seja infração cuja ação penal seja privada ou pública condicionada a representação e
as partes envolvidas entrem em um acordo em sede policial, o Delegado deverá informa-las do prazo
decadêncial para, querendo, possam oferecer queixa ou representação. (art. 38 do CPP).
1654. Transação penal seria possível diante desta conciliação?
R.: Excelência, conforme o art. 74, par. Único da Lei 9.099/95 o acordo homologado judicialmente acarreta
a renúncia do direito de queixa ou representação. Ocorrendo a conciliação, inviável seria falarmos em
transação penal, a qual, aliás, é medida despenalizadora a ser proposta pelo Ministério Público.

1655. É possível a utilização de uma prova colhida em interceptação telefônica, em outro processo?
R.: Excelência, a prova tida como emprestada, tem plena validade, independentemente ser ela uma
interceptação telefônica precedida de autorização judicial em outro juízo, desde que respeitados o
contraditório e a ampla defesa, em homenagem aos princípios constitucional da economia processual e
unidade da jurisdição. (STJ REsp 1340069/SC em 15/08/2017 – STJ REsp 1417563/MG em 19/09/2017
– STF RMS nº 28774/DF em 22/09/2015)

1656. Há a possibilidade de utilização desta prova em PAD?


R.: Excelência, o STJ e o STF já vinham admitindo a possibilidade de utilização da prova emprestada em
PAD, recentemente, corroborando tal entendimento o STJ aprovou a Súmula 591. (STF RMS nº 28774/DF
em 22/09/2015).

Legislação penal especial – Examinadora Silvia Gentil

1657. Pedido de interceptação telefônica por delegado de polícia pode ser efetuado verbalmente ou é
preciso que se reduza a termo?
R.: Excelência, conforme previsto no art. 4º, § 1º da lei 9.296/96, excepcionalmente, o juiz admitirá o
pedido verbalmente, presentes os pressupostos que autorizem a interceptação, porém, a concessão será
condicionada à sua redução a termo.

1658. O juiz pode decretá-la de ofício?


R.: Excelência, apesar de haver vozes contrárias a decretação da interceptação telefônica de ofício pelo
juiz, sob pena de violação ao sistema acusatório, a doutrina majoritária vem admitindo que o juiz possa
decretá-la de ofício, desde que já iniciado o processo penal, conforme art. 3º, “caput”, da Lei 9.296/96

1659. É correto que a transação penal só pode ser concedida uma vez ao agente?
R.: Excelência, o agente já beneficiado pela transação penal fica impedido por cinco anos, contados da
aplicação do benefício, de transacionar novamente caso venha a praticar outra infração penal dentro
desse prazo. (Art. 76, § 2º, inciso II da Lei 9.099/95).

1660. Quais os bens jurídicos tutelados pela lei que regula práticas discriminatórias na relação
trabalhista?
R.: Excelência, o ar. 4º, “caput” e seu § 1º, da Lei 7.716/89, visa tutelar o direito ao tratamento igualitário
e a dignidade da pessoa humana, direitos esses que constituem fundamento da República Federativa do
Brasil. (Art. 1º, III e art. 5º, “caput” da CF).

1661. Quais as modalidades do crime de tortura?


R. A tortura está prevista na Lei 9.455/97, sendo um crime equiparado a hediondo.
As modalidades de tortura são: tortura probatória/confissão (art. 1º, I, a); tortura crime (art. 1º, I, b), tortura
preconceito/discriminação (art. 1º, I, c), tortura castigo/punitiva (art. 1º, II), tortura propriamente dita (art.
1º, §1º), e tortura omissão (art. 1º, §2º).

1662. O que seria tortura discriminatória?


R. A tortura discriminatória, também chamada de tortura preconceito, está prevista no art. 1º, I, c da Lei
de Tortura. É o constrangimento de alguém com emprego de violência ou grave ameaça, causando-lhe
sofrimento físico ou mental em razão de discriminação racial ou religiosa.

1663. A lei de tortura prevê casos de conduta omissiva? Quais? É crime próprio?
R.: Sim, a Lei de Tortura prevê casos de conduta omissiva. É a chamada tortura omissão, prevista no art.
1º, §2º da referida lei.
Aquele que se omite em face dessas condutas, quando tinha o dever de evita-las ou apura-las, incorre na
pena de detenção de 1 a 4 anos.
Trata-se de crime próprio quanto ao sujeito ativo (somente praticado por quem tiver o dever de evitar ou
apurar a ocorrência da prática de qualquer modalidade de tortura descrita na lei), e crime comum quanto
ao sujeito passivo (qualquer pessoa pode ser vítima).

1664. Existe abuso de autoridade culposo?


R. Quanto ao elemento subjetivo, não existe crime culposo de abuso de autoridade. Todo crime de abuso
de autoridade é doloso.

1665. Toda interceptação de correspondência é abuso de autoridade?


R. Nos termos do art. 3º, “c” da Lei 4.898/65, constitui crime de abuso de autoridade qualquer atentado
contra o sigilo de correspondência. Porém, o direito ao sigilo de correspondência não é absoluto, sendo,
portanto, relativo. Com isso, conclui-se que nem toda interceptação de correspondência caracteriza abuso
de autoridade.

1666. Diretor de cadeia pública pode violar pode correspondência do preso?


R. Nos termos do art. 41, XV, da Lei de Execução Penal, constitui direito do preso o contato com o mundo
exterior por meio de correspondência escrita, da leitura e de outros meios de informação que não
comprometam a moral e os bons costumes.
Porém, segundo o parágrafo único do art. 41 da LEP, tal direito pode ser suspenso ou restringido mediante
ato motivado do diretor do estabelecimento. Com isso, Diretor de cadeia pública pode violar
correspondência de preso em razão de outros interesses de maior valor, como o interesse público.

1667. ECA, defina ato infracional.


R. Nos termos do art. 103 do Estatuto da Criança e do Adolescente, considera-se ato infracional a conduta
descrita como crime ou contravenção penal praticado por criança ou adolescente.

1668. Diferencie desvio de conduta de ato infracional. Dê exemplos.


R. Nos termos do art. 103 do Estatuto da Criança e do Adolescente, considera-se ato infracional a conduta
descrita como crime ou contravenção penal praticado por criança ou adolescente.
Por sua vez, desvio de conduta é o ato praticado por adolescente ou criança que não se enquadre na
descrição de ato infracional. As medidas de proteção à criança e ao adolescente são aplicáveis quando os
direitos forem ameaçados ou violados em razão da conduta da própria criança ou adolescente (desvio de
conduta).
Percebe-se então que desvio de conduta é a conduta não prevista como crime ou contravenção pela
legislação penal mas que afronta a moralidade social média (ex. uso de drogas ou prostituição).

1669. Exemplo de crime de preconceito.


R. Nos termos do art. 1º, da Lei 7.716/89, são punidos os crimes resultantes de discriminação ou
preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional.
Tem-se como exemplo de crime de preconceito a negativa de emprego em empresa privada em face do
preconceito relativo a determinada religião.

1670. Diferença entre preconceito e discriminação.


R. Preconceito é o conceito, opinião, sentimento ou juízo antecipado, formado pela pessoa antes de possuir
ou formar dados ou elementos adequados para formar um conceito ou opinião, independentemente de
qualquer razão.
Já a discriminação é a diferenciação, distinção e tratamento diferenciado e prejudicial de determinadas
pessoas.

1671. O delegado pode representar pela temporária de alguém que cometeu crime de estelionato?
R. O rol de crimes passíveis de decretação de prisão temporária é taxativo, nos termos do art. 1º, III da Lei
7.960/89, não estando o crime de estelionato dentre eles. Logo, Delegado de Polícia não poderá representar
pela temporária de alguém que cometeu crime de estelionato, por ausência de previsão legal.
Porém, caso uma associação criminosa (art. 288 do CP) pratique estelionato, poderá o Delegado
representar pela prisão temporária, pois a associação criminosa está prevista como uma infração penal
passível de decretação de prisão temporária.

1672. Conceito de população negra previsto no estatuto de igualdade racial, o senhor conhece?
R. Segundo o Estatuto de Igualdade Racial, população negra é o conjunto de pessoas que se autodeclaram
pretas e pardas, conforme o quesito cor ou raça usado pela Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e
Estatística (IBGE), ou que adotam autodefinição análoga.

1673. Qual o sujeito passivo dos delitos previstos no estatuto do idoso?


R. O sujeito passivo dos delitos previstos no Estatuto do Idoso é a pessoa idosa, com idade igual ou superior
a 60 (sessenta) anos.

1674. Cite um crime contra o idoso.


R. Configura crime contra o idoso a discriminação de pessoa idosa, impedindo ou dificultando seu acesso
a operações bancárias, aos meios de transporte, ao direito de contratar ou por qualquer outro meio ou
instrumento necessário ao exercício da cidadania, por motivo de idade. Tal delito está previsto no art. 96
do Estatuto do Idoso.

1675. Presos em RDD podem trabalhar?


A Lei de Execução Penal, em seu artigo 52, não prevê a possibilidade de trabalho para preso que esteja em
regime disciplinar diferenciado (RDD), dispondo que a saída da cela, somente é permitida duas horas por
dia, para banhos de sol.
Entretanto, o Decreto 6.049 /07 dispõe que o preso, mesmo nesse regime, poderá trabalhar, sendo tal
trabalho desenvolvido na própria cela ou em local adequado, desde que não haja contato com outros presos.

1676. Preso provisório está sujeito ao RDD? Em quais circunstâncias?


R. Sim, o preso provisório está sujeito ao Regime Disciplinar Diferenciado, nos termos do art. 52 da Lei
de Execução Penal. Tal artigo não diferencia as hipóteses de RDD para preso provisório ou condenado.
Assim, tanto o preso provisório como o condenado estarão sujeitos ao RDD quando: a) praticarem fato
previsto como crime doloso que ocasione subversão da ordem ou disciplina internas; b) apresentarem alto
risco para a ordem e a segurança do estabelecimento penal ou da sociedade; c) sob os quais recaiam
fundadas suspeitas de envolvimento ou participação, a qualquer título, em organizações criminosas ou
associação criminosa.