Sei sulla pagina 1di 35

Análise Econômica de Projetos

(ENG-516)
Depreciação e Sistemas de
Amortização

Ana Cecília

maio de 2016
DEPRECIAÇÃO

 Depreciação de bens do ativo imobilizado corresponde à


diminuição do valor dos elementos ali classificáveis, resultante
do desgaste pelo uso, ação da natureza ou obsolescência
normal.

Tipos de Depreciação:
Depreciação Real é a diminuição efetiva do valor de um bem
resultante do desgaste pelo uso, ação da natureza ou obsolescência
normal.
Ex.: a diminuição efetiva do valor de uma ferramenta motivada pelo desgaste
físico.

Depreciação Contábil é a diminuição do valor contábil de um


bem, resultante do decurso do prazo decorrido desde a sua aquisição
até o instante atribuído ao desgaste físico, ao uso ou à obsolescência.
DEPRECIAÇÃO
Como regra geral, a taxa de depreciação será fixada em função do
prazo durante o qual se possa esperar a utilização econômica do
bem, pelo contribuinte, na produção dos seus rendimentos.

Podem ser objeto de depreciação:

 Todos os bens físicos móveis ou imóveis que estejam


intrinsecamente relacionados com a produção ou comercialização
de bens e serviços objeto da atividade empresarial sujeitos a
desgaste pelo uso, por causas naturais, obsolescência normal.
Ex.: edifícios e construções, bem como projetos florestais
destinados à exploração dos respectivos frutos.
DEPRECIAÇÃO

NÃO podem ser objeto de depreciação:

 Terrenos, salvo em relação aos melhoramentos ou construções;


 Prédios ou construções não alugados nem utilizados pela pessoa
jurídica na produção dos seus rendimentos, bem como aqueles
destinados à revenda;
 Bens que normalmente aumentam de valor com o tempo, como
obras de arte e antiguidades.
MÉTODOS DE DEPRECIAÇÃO

1) Depreciação Linear : considere o exemplo:

Um bem cujo valor foi adquirido por R$ 20.000,00 com vida útil de
10 anos. Considerando o valor residual = R$ 7.000,00

D
 P  VR 
n
D = Depreciação
P = Custo do bem adquirido 20.000  7000 
VR = Valor residual D  1300
n = Número de períodos de vida 10
útil contábil
MÉTODOS DE DEPRECIAÇÃO

1) Depreciação Linear : considere o exemplo:

Método Linear
Vida útil Valor da depreciação Valor contábil do bem
0 R$ 20.000,00
1 R$ 1.300,00 R$ 18.700,00
2 R$ 1.300,00 R$ 17.400,00
3 R$ 1.300,00 R$ 16.100,00
4 R$ 1.300,00 R$ 14.800,00
5 R$ 1.300,00 R$ 13.500,00
6 R$ 1.300,00 R$ 12.200,00
7 R$ 1.300,00 R$ 10.900,00
8 R$ 1.300,00 R$ 9.600,00
9 R$ 1.300,00 R$ 8.300,00
10 R$ 1.300,00 R$ 7.000,00
MÉTODOS DE DEPRECIAÇÃO

1) Depreciação Linear : considere o exemplo:


Depreciação linear

R$21.000,00

R$19.000,00

R$17.000,00
Valor contábil

R$15.000,00

R$13.000,00

R$11.000,00

R$9.000,00

R$7.000,00

R$5.000,00
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Vida útil contábil

Sugestão: refaça o exemplo considerando o valor residual nulo.


MÉTODOS DE DEPRECIAÇÃO

2) Método de Cole: considere o exemplo:


Um bem cujo valor foi adquirido por R$ 20.000,00 com vida útil de
10 anos. Considerando o valor residual = R$ 7.000,00
Nesse método cada ano existe uma depreciação igual a uma fração
ordinária decrescente, na qual o numerador é o número de
períodos de vida útil que ainda resta para o ativo e o denominador,
que é sempre o mesmo, será a soma dos dígitos periódicos da vida
útil contábil.
n
D 20.000  7.000
(1  2  3  4  5  6  7  8  9  10)

Em que n e o período de vida útil do bem no inicio do referido


período. Por exemplo, no ano 1, n=10. Já no ano 2, n=9, e assim por
diante.
MÉTODOS DE DEPRECIAÇÃO

2) Método de Cole: considere o exemplo:

Método Cole
Vida útil Valor da depreciação Valor contábil do bem
0 R$ 20.000,00
1 R$ 2.363,64 R$ 17.636,36
2 R$ 2.127,27 R$ 15.509,09
3 R$ 1.890,91 R$ 13.618,18
4 R$ 1.654,55 R$ 11.963,64
5 R$ 1.418,18 R$ 10.545,45
6 R$ 1.181,82 R$ 9.363,64
7 R$ 945,45 R$ 8.418,18
8 R$ 709,09 R$ 7.709,09
9 R$ 472,73 R$ 7.236,36
10 R$ 236,36 R$ 7.000,00
MÉTODOS DE DEPRECIAÇÃO

2) Método de Cole: considere o exemplo:


Depreciação Cole

R$21.000,00

R$19.000,00

R$17.000,00
Valor contábil

R$15.000,00

R$13.000,00

R$11.000,00

R$9.000,00

R$7.000,00

R$5.000,00
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Vida útil contábil

Sugestão: refaça o exemplo considerando o valor residual nulo.


MÉTODOS DE DEPRECIAÇÃO

3) Método da Depreciação por Declínio e por Declínio em Dobro


(Método de Matheson): considere o mesmo exemplo:
Um bem cujo valor foi adquirido por R$ 20.000,00 com vida útil de
10 anos. Considerando o valor residual = R$ 7.000,00

Depreciação por declínio Depreciação por declínio em


dobro

1 2
Di  f *Vc ( i 1)  *Vc (i 1) Di  f *Vc ( i 1)  *Vc ( i 1)
10 10
MÉTODOS DE DEPRECIAÇÃO
3) Método da Depreciação por Declínio e por Declínio em Dobro (Método de
Matheson): considere o mesmo exemplo:
Método Depreciação em dobro
Vida útil Valor da depreciação Valor contábil do bem
0 R$ 20.000,00
1 R$ 4.000,00 R$ 16.000,00
2 R$ 3.200,00 R$ 12.800,00
3 R$ 2.560,00 R$ 10.240,00
4 R$ 2.048,00 R$ 8.192,00
5 R$ 1.638,40 R$ 6.553,60
6 R$ 1.310,72 R$ 5.242,88
7 R$ 1.048,58 R$ 4.194,30
8 R$ 838,86 R$ 3.355,44
9 R$ 671,09 R$ 2.684,35
10 R$ 536,87 R$ 2.147,48
MÉTODOS DE DEPRECIAÇÃO
3) Método da Depreciação por Declínio e por Declínio em Dobro
(Método de Matheson): considere o mesmo exemplo:
Logo, a partir do 5º ano pode-se utilizar a Depreciação Linear:

Método Declínio em Dobro Método Declínio em Dobro + Linear


Vida útil Valor da depreciação Valor contábil do bem Valor da depreciação Valor contábil do bem
0 R$ 20.000,00 R$ 20.000,00
1 R$ 4.000,00 R$ 16.000,00 R$ 4.000,00 R$ 16.000,00
2 R$ 3.200,00 R$ 12.800,00 R$ 3.200,00 R$ 12.800,00
3 R$ 2.560,00 R$ 10.240,00 R$ 2.560,00 R$ 10.240,00
4 R$ 2.048,00 R$ 8.192,00 R$ 2.048,00 R$ 8.192,00
5 R$ 1.638,40 R$ 6.553,60 R$ 198,67 R$ 7.993,33
6 R$ 1.310,72 R$ 5.242,88 R$ 198,67 R$ 7.794,67
7 R$ 1.048,58 R$ 4.194,30 R$ 198,67 R$ 7.596,00
8 R$ 838,86 R$ 3.355,44 R$ 198,67 R$ 7.397,33
9 R$ 671,09 R$ 2.684,35 R$ 198,67 R$ 7.198,67
10 R$ 536,87 R$ 2.147,48 R$ 198,67 R$ 7.000,00
MÉTODOS DE DEPRECIAÇÃO

3) Método da Depreciação por Declínio e por Declínio em Dobro


(Método de Matheson): considere o mesmo exemplo:
R$22.000,00

R$20.000,00

R$18.000,00

R$16.000,00

R$14.000,00
Valor contábil

R$12.000,00
Dobro
R$10.000,00 Dobro+linear

R$8.000,00

R$6.000,00

R$4.000,00

R$2.000,00
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Vida útil contábil
MÉTODOS DE DEPRECIAÇÃO

 Comparando os métodos anteriores temos:


R$22.000,00

R$19.000,00

R$16.000,00
Valor contábil

R$13.000,00
Linear
Cole
R$10.000,00 Dobro
Dobro+linear
R$7.000,00

R$4.000,00

R$1.000,00
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Vida útil contábil
MÉTODOS DE DEPRECIAÇÃO

4) Método da Depreciação por Produção: nesse caso, ao contrário


do método da depreciação linear, é dada pela relação entre o
número de unidades fabricadas no ano i (Ui) e o número de
atividades previstas a serem fabricadas durante a vida útil contábil
(Utot).

 Ui 
Di  ( P  VR) *  
 U tot 
MÉTODOS DE DEPRECIAÇÃO

5) Método da Depreciação por horas utilizadas: esse método é


bastante parecido com o método da depreciação por produção, só
que nesse caso, a fração será uma relação entre o número de horas
trabalhadas no ano i (Hi) e o número de horas trabalhadas previstas
de vida útil contábil (Htot).

 Hi 
Di  ( P  VR) *  
 H tot 
EXERCÍCIO

Uma empresa individual deseja utilizar um equipamento. O


equipamento tem uma vida útil de 10 anos, sendo o seu custo, a
vista, igual a $300.000,00. Pretende-se vender o equipamento depois
de 10 anos por $30.000,00, calcule a depreciação utilizando o
método linear, o método de Cole e o método do declínio em dobro.
Demonstre a representação gráfica dos custos durante a vida útil do
equipamento.
EXERCÍCIO

Determinada empresa estuda a possibilidade de aquisição de um


trator de 65 HP, no valor de $400.000,00. Se esta empresa utiliza
o método de depreciação linear, por dez anos pergunta-se:
a. Qual a quota (valor) da depreciação linear
b. Qual o valor contábil do trator no sexto ano de utilização
c. Qual o lucro ou prejuízo contábil se o trator for vendido por $
70.000,00 no terceiro ano de utilização
d. Quais seriam os registros contábeis no segundo ano de
utilização
e. Caso o trator fosse utilizado em 2 turnos, qual o seu valor
contábil no segundo ano?
EXERCÍCIO

Determinada máquina custa $400.000,00 e estima-se que possa


funcionar 20.000 horas com operação normal. Quais são as quotas
de depreciação para os quatro primeiros anos se a utilização da
máquina nesse período for a seguinte:
• 1º ano de operação – 3.000 horas
• 2º ano de operação – 2.500 horas
• 3º ano de operação – 2.000 horas
• 4º ano de operação – 4.000 horas
SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO

1) Sistema Price - apresenta prestações constantes durante todo o


período de amortização. É o mais utilizado no mercado financeiro.

A prestação R que liquida a dívida P em n períodos, a uma taxa de juros i


por período, constitui uma série uniforme de pagamentos, sendo calculada
utilizando-se a seguinte equação da Matemática Financeira que expande a
dívida P numa série de valores iguais R:
SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO

1) Sistema Price

A prestação R inclui uma parcela de juros e uma de amortização. À


medida que vai sendo amortizado o saldo devedor, a parcela de juros
vai diminuindo enquanto parcela de amortização vai aumentando
mantido o pagamento constante.
SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO

1) Planilha de Amortização (Sistema Price) – empréstimo de UM


1000,00 a ser pago em cinco períodos a uma taxa de juros de 3% por
período:
SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO

2) Sistema SAC - tem como característica manter ao longo do


período uma parcela constante de amortização do saldo devedor, à
qual são somados os juros.

 A parcela de amortização é calculada dividindo-se o empréstimo


efetuado pelo número de períodos de amortização.
 Como o saldo devedor diminui devido à amortização feita, os
juros e, portanto, os pagamentos são decrescentes.
SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO

2) Sistema SAC
SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO

2) Planilha de Amortização (Sistema SAC) – empréstimo de UM


1000,00 a ser pago em cinco períodos a uma taxa de juros de 3% por
período:
COMPARAÇÃO ENTRE OS SISTEMAS

 O pagamento inicial R1 no SAC é maior que no Sistema Price (230,00


versus 218,35);
 A amortização inicial (A1) no SAC é maior do que no Sistema Price
(200,00 versus 188,35);
 O total de juros pagos no Sistema SAC é menor do que no Sistema
Price (90,00 versus 91,77).
COMPARAÇÃO ENTRE OS SISTEMAS

 Tendo em vista a maior simplicidade dos cálculos envolvidos, o


Sistema SAC é o preferido pela maioria dos grandes financiamentos
de longo prazo, normalmente utilizados para investimento fixo
ficando o Sistema Price restrito aos financiamentos de curto prazo
(até 12 meses) devido principalmente ao fato de ter suas prestações
iniciais menores que no SAC.
 Deve ser citado ainda o Sistema Misto de Amortização (SAM),
que foi utilizado pelo extinto Banco Nacional da Habitação (BNH),
que tem para valor da prestação no período k a média aritmética das
prestações dos Sistemas SAC e Price no mesmo período.
EXERCÍCIOS

Uma dívida de UM 5.000 é amortizada em 10 prestações a uma taxa


de juros de 10% ao período. Elabore as planilhas de amortização,
utilizando os Sistemas de Amortização Constante (SAC) e Price.

Após elaboração das planilhas de amortização determine para cada


plano:
a) Valor de amortização de cada prestação
b) Amortização acumulada até a sexta prestação
c) Juros pagos na quarta prestação
d) Valor da quarta prestação
e) Saldo devedor após pagamento da sétima prestação
f) Compare os resultados obtidos nos dois sistemas.
CARÊNCIA e “COMMITMENT FEE”

Prazo de carência - é a concessão de um prazo para que se


inicie o pagamento das amortizações. Uma prática muito utilizada
pelos organismos financeiros. Durante este período o empréstimo
não é amortizado e somente são pagos os juros sobre o principal.

Taxa de reserva - Em grandes empréstimos, principalmente no


mercado internacional, o principal é liberado em parcelas. O
Banco, no entanto, faz a reserva do total, e por isto ele cobra uma
taxa de reserva, chamada “Commitment Fee”, sobre a parcela do
financiamento ainda não sacada.
EXEMPLO

Consideremos um empréstimo no valor de UM 100.000, nas seguintes


condições:
• Prazo de carência para o investimento: 2 anos;
• Prazo de pagamento (exceto carência) : 5 anos;
• Sistema de Amortização: SAC;
• Taxa de juros: 10% ao ano
• Commitment Fee: 0,5% ao ano

A liberação do empréstimo será feita em 3 parcelas anuais de UM


20.000, UM 50.000 e UM 30.000, iniciando neste ano (ano 0).

Pede-se elaborar:
a) Planilha de Financiamento
b) Planilha de Amortização do Sistema SAC
EXEMPLO
EXEMPLO
EXERCÍCIOS

1) Considere uma dívida de $100.000,00 a ser resgatada em 25


prestações com 4% de juros. Depois de quantas prestações o valor da
prestação do sistema Price passa a ser superior à do sistema SAC.

2) Uma pessoa fez um empréstimo de R$ X a juros de 4% ao mês e


saldou a dívida pelo SAC em 10 prestações. A soma dos valores
nominais das prestações foi de R$ 50.000,00. Se a dívida tivesse sido
paga pelo sistema Price, qual seria a soma dos valores das
prestações? (50 532)
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
BIBLIOGRAFIA PRINCIPAL:
• HIRSCHFELD, H., ENGENHARIA ECONOMICA 6ª Ed. Editora Atlas, 1998.

•PETER, M.S. AND TIMMERHAUS, K.D., PLANT DESIGN AND ECONOMIC


FOR CHEMICAL ENGINEERS 5 th Ed. McGraw-Hill, 2002.
• TORRES, O. F. F.. Fundamentos da Engenharia Econômica e da Análise
Econômica de Projetos. 1ª Ed., Thomson Learning, 2006.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
• COULSON, J. M. e RICHARDSON, J. F. Tecnologia química: volume VI – Uma
introdução ao projeto em tecnologia química. Fundação CalousteGulbenkian, Lisboa, 1989.
• MAHER, M. Contabilidade de custos: criando valor para a administração. 1ª Ed., 2ª
reimpressão, Atlas, 2001.
• MEREDITH, J. R. Administração de Projetos - Uma Abordagem Gerencial, 4°ed., Editora
LTC, 2003.
• Notas de aula do professor Silvio Guimarães.