Sei sulla pagina 1di 203

DADOSDEODINRIGHT

Sobreaobra:

ApresenteobraédisponibilizadapelaequipeeLivroseseusdiversos

parceiros,comoobjetivodeoferecerconteúdoparausoparcialem

pesquisaseestudosacadêmicos,bemcomoosimplestesteda

qualidadedaobra,comofimexclusivodecomprafutura.

Éexpressamenteproibidaetotalmenterepudíavelavenda,aluguel,ou

quaisquerusocomercialdopresenteconteúdo.

Sobrenós:

OeLivroseseusparceirosdisponibilizamconteúdodedominiopublico

epropriedadeintelectualdeformatotalmentegratuita,poracreditarque

oconhecimentoeaeducaçãodevemseracessíveiselivresatodae

qualquerpessoa.Vocêpodeencontrarmaisobrasemnossosite:

Comopossocontribuir?

Vocêpodeajudarcontribuindodeváriasmaneiras,enviandolivrospara

gentepostarEnvieumlivro;)

Ouaindapodendoajudarfinanceiramenteapagarcustodeservidorese

obrasquecompramosparapostar,façaumadoaçãoaqui:)

"Quandoomundoestiverunidonabuscadoconhecimento,enão

maislutandopordinheiroepoder,entãonossasociedadepoderá

enfimevoluiraumnovonível."

ConvertedbyePubtoPDF

ABÍBLIA

|umabiografia|

Tradução:

MariaLuizaX.deA.Borges

Revisãotécnica:

MariaClaraLucchettiBingemer

DecanadoCentrodeTeologiaeCiênciasHumanas

eprofessoradoDept.deTeologia,PUC-Rio

KarenArmstrong

MariaClaraLucchettiBingemer DecanadoCentrodeTeologiaeCiênciasHumanas eprofessoradoDept.deTeologia,PUC-Rio KarenArmstrong

Sumário

Introdução

1|Torá

2|Escritura

3|Evangelho

4|Midrash

5|Caridade

6|Lectiodivina

7|Solascriptura

8|Modernidade

Epílogo

Glossário

Notas

ÍndiceRemissivo

Índicedecitaçõesbíblicas

Introdução

O ssereshumanossãocriaturasqueprocurampelosentido.Amenosque encontremos alguma referência ou sentido em nossas vidas, caímos muito facilmente em desespero. Alinguagem desempenha um papel

importanteemnossabusca.Nãosóéummeiovitaldecomunicação,comonos ajudaaexpressareelucidaraturbulênciaincoerentedenossomundointerior. Usamospalavrasquandoqueremosfazeralgumacoisaacontecerforadenós mesmos:damosumaordemoufazemosumpedidoe,deumamaneiraoude outra,tudoànossavoltamuda,aindaquedemodoinfinitesimal.Masquando falamosrecebemostambémalgumacoisadevolta:osimplesatodepôruma idéiaempalavraspodelhedarumbrilhoeumencantoqueelanãotinhaantes.A linguagemémisteriosa.Quandoumapalavraédita,oetéreoéfeitocarne;afala requerencarnação–respiração,controlemuscular,línguaedentes.Alinguagem éumcódigocomplexo,regidoporleisprofundasquesecombinamparaformar um sistema coerente imperceptível para o falante, a menos que ele seja um lingüista qualificado. Mas a linguagem tem uma inadequação inerente. Há semprealgoqueficanãodito;algoquepermaneceinexprimível.Nossafalanos tornaconscientesdatranscendênciaquecaracterizaaexperiênciahumana. TudoissoafetouamaneiracomolemosaBíblia,quetantoparaosjudeus como os cristãos é a Palavra de Deus. As Escrituras foram um elemento importantenoempreendimentoreligioso.Emquasetodasasprincipaistradições religiosas, as pessoas consideraram certos textos sagrados ontologicamente diferentesdeoutrosdocumentos.ElasinvestiramessesEscritoscomopesode suas aspirações mais elevadas, esperanças mais extravagantes e medos mais profundos,edeformamisteriosaostextoslhesderamalgumacoisadevolta. LeitoresencontraramnessesEscritosalgosemelhanteaumapresençaqueos introduzaumadimensãotranscendente.ElesbasearamsuasvidasnaEscritura– prática, espiritual e moralmente. Quando seus textos sagrados contavam histórias,aspessoasemgeralacreditavamqueeramverdadeiras,masatéhá poucotempoaexatidãoliteralouhistóricanuncafoioqueimportava.Averdade das Escrituras não pode ser avaliada a menos que elas sejam – ritual ou eticamente–postasemprática.AsEscriturasbudistas,porexemplo,dãoaos leitoresalgumainformaçãosobreavidadoBuda,masincluemapenasaqueles

incidentesquemostramaosbudistasoquedevemfazerparaalcançarsuaprópria iluminação. HojeasEscriturastêmmáreputação.TerroristasusamoCorãoparajustificar atrocidades, e alguns afirmam que a violência de suas Escrituras tornam os muçulmanos cronicamente agressivos. Os cristãos fazem campanha contra o ensinodateoriaevolucionistaporqueelacontradizahistóriabíblicadaCriação. Judeussustentamque,porDeusterprometidoCanaã(Israelmoderno)paraos descendentesdeAbraão,medidasagressivascontraospalestinossãolegítimas. HouveumrevivaldasEscriturasqueseintrometeunavidapública.Oponentes secularistasdareligiãoafirmamqueasEscriturasgeramviolência,sectarismoe intolerância;impedemaspessoasdepensarporsimesmaseestimulamailusão. Seareligiãopregacompaixão,porquehátantoódionostextossagrados?É possívelserum“crente”hoje,quandoaciênciasolapoutantosensinamentos bíblicos? PorteremasEscriturassetornadoumaquestãotãoexplosiva,éimportante terclarezaquantoaoqueelassãoeaoquenãosão.EstabiografiadaBíblia fornecealgumentendimentodessefenômenoreligioso.Écrucialobservar,por exemplo, que uma interpretação exclusivamente literal da Bíblia é um desenvolvimentorecente.AtéoséculoXIX,muitopoucagenteimaginavaqueo primeirocapítulodoGênesiseraumadescriçãofactualdasorigensdavida. Durante séculos, judeus e cristãos apreciaram uma exegese extremamente alegóricaeinventiva,insistindoqueumaleiturainteiramenteliteraldaBíblia nãoerapossívelnemdesejável.Elesreescreviamahistóriabíblica,substituíam histórias da Bíblia por novos mitos e interpretavam o primeiro capítulo do Gênesisdemaneirassurpreendentementediversas. As Escrituras judaicas e o Novo Testamento começaram ambos como proclamações orais, e mesmo depois que foram postos por escrito, restava muitas vezes uma tendência à palavra falada, presente também em outras tradições.Desdeos tempos mais remotos, as pessoas temiam que Escrituras “escritas” estimulassem a inflexibilidade e a certeza irrealista, estridente. O conhecimento religioso não pode ser comunicado, como outras informações, pelosimplesexamedapáginasagrada.Documentostornaram-se“Escrituras” nãoporqueeramconsideradosdivinamenteinspirados,masporque,deinício,as pessoascomeçaramatratá-losdemaneiradiferente.Issofoiverdadeemrelação aosprimeirostextosdaBíblia,quesósetornaramsagradosquandoabordados numcontextoritualqueosexcluiudavidacomumedosmodossecularesde pensamento. JudeusecristãostratamsuasEscriturascomreverênciacerimonial.Oroloda

Torá é o objeto mais sagrado na sinagoga; encerrado numa capa preciosa, guardado numa “arca”, é revelado no clímax da liturgia, quando o rolo é transportadoformalmenteemmeioàcongregação,queotocacomasborlasde seusxalesdeoração.Algunsjudeusatédançamcomorolo,abraçando-ocomoa umobjetoamado.CatólicostambémcarregamaBíbliaemprocissão,cobrem-na deincensoeficamdepéquandoelaérecitada,fazendoosinaldacruzsobrea testa,oslábioseocoração.Nascomunidadesprotestantes,aleituradaBíbliaéo pontoaltodoserviço.Masaindamaisimportanteseramasdisciplinasespirituais queenvolviamdieta,posturaeexercíciosdeconcentraçãoque,desdeumadata muito remota, ajudavam judeus e cristãos a examinar a Bíblia com uma disposiçãodeespíritodiferente.Eleseramassimcapazesdelernasentrelinhase encontraralgodenovo,porqueaBíbliasempresignificoumaisdoquedizia. Desdeosprimórdios,aBíblianãoteveumamensagemúnica.Quandoos editores fixaram os cânones dos testamentos tanto judaico quanto cristão, incluíram visões concorrentes e puseram-nas, sem comentário, lado a lado. Desdeoprincípio,autoresbíblicossentiram-selivresparareverostextosque haviam herdado e deram-lhes significados inteiramente diferentes. Exegetas posterioresapresentaramaBíbliacomoummodeloparaosproblemasdeseu tempo.Porvezespermitiamqueelamoldassesuavisãodemundo,maspodiam tambémalterá-laefazê-laversarsobrecondiçõescontemporâneas.Emgeral, nãoestavaminteressadosemdescobrirosignificadooriginaldeumapassagem bíblica. A Bíblia “provava” ser sagrada porque as pessoas descobriam continuamentenovosmeiosdeinterpretá-laejulgavamqueesseconjuntodifícil eantigodedocumentoslançavaluzsobresituaçõesqueseusautoresjamais poderiamterimaginado.Arevelaçãoeraumprocessoincessante;nãoficara confinadaaumateofaniadistantenomonteSinai;exegetascontinuavamatornar aPalavradeDeusaudívelemcadageração. Algumasdasautoridadesbíblicasmaisimportantesinsistiramqueacaridade deve ser o princípio norteador da exegese: qualquer interpretação que disseminasse ódio ou desdém era ilegítima. Todas as tradições religiosas do mundoafirmamqueacompaixãoénãoapenasavirtudeprimordialeotesteda verdadeirareligiosidade,masqueelarealmentenosintroduzaoNirvana,aDeus ouaoDao.Infelizmente,porém,abiografiadaBíbliaretratatantoosfracassos quanto os triunfos da busca religiosa. Com demasiada freqüência os autores bíblicoseseusintérpretessucumbiramàviolência,àcrueldadeeaoelitismo prevalentesemsuasociedade. Os seres humanos buscam o ekstasis, uma “saída” de sua experiência habitual,normal.Sejánãoencontramêxtasenumasinagoga,igrejaoumesquita,

procuram-nonadança,música,esporte,sexooudrogas.Quandoaspessoasliam aBíbliademaneirareceptivaeintuitiva,descobriamqueelalhesdavasugestões de transcendência. Uma característica importante de uma intuição religiosa intensa é um sentimento de completude e unicidade. Ela foi chamada coincidentia oppositorum: nessa condição extática, coisas que pareciam separadaseatéopostascoincidemerevelamumaunidadeinesperada.Ahistória bíblicadoJardimdoÉdendescreveessaexperiênciadetotalidadeprimal:Deus eahumanidadenãoestavamseparados,masviviamnomesmolugar;homense mulheresnãotinhamconsciênciadadiferençadegêneros;viviamemharmonia comosanimaiseomundonatural;enãohaviadistinçãoentrebememal.Emtal estado,divisõessãotranscendidasnumekstasisdistintodanaturezafragmentária e conflituosa da vida comum. As pessoas tentaram recriar essa experiência edênicaemseusrituaisreligiosos. Comoveremos,judeusecristãosdesenvolveramummétododeestudoda Bíblia que vinculava textos que não tinham conexão intrínseca alguma. Demolindoconstantementebarreirasdediferençatextual,elesalcançavamuma coincidentia oppositorum, extática, presente também em outras tradições de Escrituras. Ela é essencial, por exemplo, para a interpretação apropriada do Corão. Desde um período muito remoto, os arianos da Índia aprenderam a compreenderoBrahma,aforçamisteriosaquemantinhaosdiversoselementos do mundo unidos, quando ouviam os paradoxos e enigmas dos hinos do Rigveda,queaparentementefundiamcoisasnãorelacionadas.Quandojudeuse cristãos tentavam encontrar uma unidade em suas Escrituras paradoxais e multiformes,tambémelestinhamintuiçõesdadivinaunicidade.Aexegesefoi sempreumadisciplinaespiritual,nãoumaatividadeacadêmica. Originalmente, o povo de Israel conseguira esse ekstasis no templo de Jerusalém,queforaprojetadocomoumaréplicasimbólicadoJardimdoÉden. 1 Alielesexperimentavamshalom,palavrausualmentetraduzidapor“paz”,mas quesignificamaispropriamente“totalidade”,“completude”.Quandoseutemplo foidestruído,elestiveramdeencontrarumanovamaneriadedescobrirshalom nummundotrágico,violento.Duasvezesseutemplofoiinteiramentedestruído pelofogo;acadavezadestruiçãolevouaumintensoperíododeatividadede Escritura,àmedidaqueelesprocuravamacuraeaharmonianosdocumentos quesetornariamaBíblia.

Torá

|1|

E m597a.C.,opequeninoEstadodeJudá,naregiãomontanhosadeCanaã,

rompeu seu tratado de vassalagem com Nabucodonosor, soberano do poderosoImpérioBabilônio.Foiumerrocatastrófico.Trêsmesesdepois,

oExércitobabilôniositiouJerusalém,acapitaldeJudá.Ojovemreirendeu-se imediatamenteefoideportadoparaaBabilônia,juntamentecomcercadedez mildoscidadãosquetornavamoEstadoviável:sacerdotes,militares,líderes, artíficesetrabalhadoresemmetal.AodeixarJerusalém,oseLivrossdevemter lançadoumúltimoolharparaotemploconstruídosobreomonteSiãopelorei Salomão (c.970-930), centro de sua vida nacional e espiritual, tristemente conscientes de que, com toda probabilidade, jamais voltariam a vê-lo. Seus temores se realizaram: em 586, após mais uma rebelião em Judá, Nabucodonosor destruiu Jerusalém e incendiou o templo de Salomão, destruindo-oporcompleto.

OseLivrossnãoforammaltratadosnaBabilônia.Oreifoiconfortavelmente alojadocomsuaentouragenacidadelameridional,eosdemaisviviamjuntos emnovospovoamentosàmargemdoscanais,tendopermissãoparacuidarde seus negócios domésticos. Mas haviam perdido seu país, sua independência políticaesuareligião.PertenciamaopovodeIsraeleacreditavamqueseudeus Jeováhaviaprometidoque,seoadorassemexclusivamente,viveriamemsua terraparasempre.OtemplodeJerusalém,ondeJeováresidiraemmeioaseu povo,eraessencialparaseuculto.Contudo,cáestavamelesnumaterraestranha, expulsosdapresençadeJeová.Issodeviaserumapuniçãodivina.Muitasvezes, osisraelitashaviamdeixadodecumprirseupactocomJeováesucumbidoao fascíniodeoutrasdivindades.AlgunseLivrossacreditavamque,comolíderesde Israel,eraaelesquecompetiaretificarasituação,mascomopoderiamservira

Jeovásemotemplo,oúnicomeiodefazercontatocomseuDeus? CincoanosapóssuachegadaàBabilônia,quandoseencontravajuntodo canal Chebar, um jovem sacerdote chamado Ezequiel teve uma visão aterrorizante.Foiimpossívelveralgumacoisacomclarezaporquenadanesse tempestuoso redemoinho de fogo e som tumultuoso se conformava com as categoriashumanascomuns,masEzequielsoubequeseencontravanapresença dakavod,a“glória”deJeová,queestavahabitualmenteentronizadanosantodos santosdotemplo. 1 DeushaviadeixadoJerusaléme,conduzidopeloqueparecia serumimensocarrodeguerra,vieramorarcomoseLivrossnaBabilônia.Uma mão estendeu-se para Ezequiel segurando um rolo que estava inscrito com “lamentações, lamúria e gemidos”. “Come este rolo”, uma voz divina lhe ordenou,“alimenta-teeficasatisfeitocomoroloqueestoutedando.”Quandoo forçougargantaabaixo,aceitandoadoreadesgraçadeseuexílio,Ezequiel descobriuque“seugostoeradocecomomel”. 2 Foi um momento profético. Os eLivross continuariam a ansiar por seu templo perdido, porque no Oriente Médio, nesse período, era impossível imaginar uma religião sem um templo. 3 Mas chegaria a época em que os israelitas fariam contato com seu Deus numa Escritura sagrada, e não num santuário. Seu livro santo não seria de fácil entendimento. Como o rolo de Ezequiel,suamensagemmuitasvezespareciaaflitivaeincoerente.Contudo, quandoseesforçavamparaabsorveressetextodesconcertante,fazendodeleuma partedeseusermaisprofundo,sentiamquehaviamentradonapresençadeDeus –assimcomoquandovisitavamseusantuárioemJerusalém. Muitosanossepassariam,porém,antesqueojeovismosetornasseuma religiãodolivro.OseLivrosshaviamlevadomuitosrolosdoarquivorealde Jerusalém consigo para a Babilônia, e lá estudaram e editaram esses documentos. Se tivessem permissão de voltar para casa, esses registros da históriaedocultodeseupovopoderiamdesempenharumimportantepapelna restauração da vida nacional. Mas os escribas não encaravam esses Escritos como sacrossantos e se sentiam livres para acrescentar novas passagens, alterando-asparaadequá-las àssuasnovas circunstâncias.Nãotinhamainda noçãoalgumadetextosagrado.Naverdade,existiammuitashistóriasnoOriente Médio sobre tábuas celestes que haviam descido miraculosamente à terra e comunicadoconhecimentossecretos,divinos.CorriamhistóriasemIsraelsobre aspedrasgravadasqueJeováderaaseuprofetaMoisés,quefalaracomeleface aface. 4 MasosrolosdoarquivodeJudánãopertenciamaessegrupoenão desempenhavamnenhumpapelnocultodeIsrael. Os israelitas, como a maior parte dos povos no mundo antigo, sempre

haviamtransmitidosuastradiçõesoralmente.Nosprimeirosdiasdesuanação,

emcercade1200a.C.,eleshaviamvividoem12unidadestribaisnaregião

montanhosacananéia,masacreditavamquetinhamumalinhagemcomumeuma históriapartilhada,quecelebravamemsantuáriosassociadoscomumdeseus patriarcas ou na ocasião de um evento importante. Bardos recitavam as narrativasépicasdopassadosagradoeopovorenovavaformalmenteopacto queosmantinhaunidoscomoaamYahweh,“afamíliadeJeová”.Mesmonesse estadomuitoprimitivo,Israeltinhaumavisãoreligiosacaracterística.Amaioria dospovosdaregiãodesenvolveumitologiaeliturgiacentradasnomundodos deusesnotempoprimordial.Masosisraelitasconcentraram-seemsuavidacom Jeová neste mundo. Desde os tempos mais remotos, eles pensaram historicamente,emtermosdecausaeefeito. A partir de textos primitivos engastados nas suas narrativas bíblicas posteriores,podemosinferirqueosisraelitasacreditavamqueseusancestrais haviamsidonômades.JeováosconduziraaCanaãelhesprometeraqueumdia seusdescendentespossuiriamaterra.Durantemuitosanoseleshaviamvivido como escravos sob o domínio egípcio, mas Jeová os libertara com notáveis sinaisemaravilhas,levara-osdevoltaàTerraPrometidasobaliderançade Moisés e os ajudara a conquistar a região montanhosa de seus habitantes nativos. 5 Até então, porém, não havia narrativa mestra; cada tribo tinha sua própriaversãodahistória,cadaregião,seusheróislocais.OssacerdotesdeDan, no extremo norte, por exemplo, acreditavam ser descendentes de Moisés; Abraão,opaidetodaanação,haviavividoemHebroneeraemespecialpopular nosul.EmGilgal,astriboslocaiscelebravamamiraculosaentradadeIsraelna Terra Prometida, quando as águas do rio Jordão haviam se separado milagrosamente para que as atravessassem. O povo de Siquém renovava anualmenteopactoqueJosuéfizeracomJeováapósaconquistadeCanaã. 6

Porvoltade1000a.C.,porém,comoosistematribalnãoeramaisadequado,

osisraelitasformaramduasmonarquiasnaregiãomontanhosacananéia:oreino deJudánosul,eomaioremaisprósperoreinodeIsraelnonorte.Asvelhas festasquecelebravamaaliançaforamgradativamenteabandonadasemfavorde rituaisrégiosnossantuáriosnacionaisquesecentravamnapessoadorei.Nodia desuacoroação,oreieraadotadoporJeová,tornava-seum“filhodeDeus”e membrodaAssembléiaDivinadeserescelestesdeJeová.Quasenadasabemos sobreocultodoreinodonorte,porqueoshistoriadoresbíblicostinhamuma inclinaçãoafavordeJudá,masmuitossalmos,maistardeincluídosnaBíblia, eramusadosnaliturgiaemJerusalém 7 emostramqueosjudeushaviamsido influenciadospelocultodeBaalnavizinhaSíria,quetinhaumamitologiarégia

semelhante. 8 Jeová havia feito uma aliança incondicional com o rei Davi, o fundadordadinastiajudaica,eprometidoqueseusdescendentesreinariamem Jerusalémparasempre. Agoraquehaviamsidolibertadasdoculto,asvelhasnarrativasganharam umavidaindependente,literária.DuranteoséculoVIII,houveumarevolução literária em todo o Oriente Médio e no Mediterrâneo oriental. 9 Reis encomendaram documentos que glorificassem seu regime e guardaram esses textosembibliotecas.NaGrécia,osépicosdeHomeroforamEscritosnessa época,e,emIsraeleJudá,historiadorescomeçaramacombinarasprimeiras narrativasparacriarsagasnacionais,queforampreservadasnosestratosmais antigosdoPentateuco,oscincoprimeiroslivrosdaBíblia. 10 ApartirdasvariadastradiçõesdeIsraeleJudá,oshistoriadoresdoséculo

VIII construíram uma narrativa coerente. Os estudiosos chamam em geral o

épicosulistadeJudáde“J”,porqueosautoressemprechamavamseuDeusde “Jeová”,aopassoqueasagadonorteéconhecidacomo“E”,porqueesses historiadores preferiam o título mais formal “Eloim”. Mais tarde essas duas histórias narrativas distintas foram combinadas por um editor para formar a história única que constituiu a espinha dorsal da Bíblia hebraica. Durante o séculoVIIIa.C.,JeováordenaraaAbraãoquedeixassesuacidadenataldeUr, naMesopotâmia,eseestabelecessenaregiãomontanhosacananéia,ondefez umaaliançacomele,prometendoqueseusdescendentesherdariamtodaaterra. Abraão viveu em Hebron; seu filho Isaac, em Bersabéia; e seu neto, Jacó (tambémchamado“Israel”),acabouporseestabelecernazonaruralemtornode Siquém.

Duranteumperíododefome,Jacóeseusfilhos,osfundadoresdas12tribos

israelitas,migraramparaoEgito,ondeinicialmentefloresceram,mas,quandose tornaramdemasiadonumerosos,foramescravizadoseoprimidos.Finalmente,

porvoltade1250a.C.,JeováoslibertousobaliderançadeMoisés.Quandoeles

fugiam, Jeová separou as águas do mar de Juncos para que os israelitas

passassememsegurança,masofaraóeseuexércitoforamafogados.Durante40

anososisraelitasvagaramnodesertodoSinai,aosuldeCanaã.Sobreomonte

Sinai,JeováfezumaaliançasolenecomIsraelelhesdeuaLei,queincluíaos

Dez Mandamentos, inscrita em tábuas de pedra pela mão do próprio Jeová.

Finalmente,Josué,osucessordeMoisés,conduziuastribosparaCanaãatravés

dorioJordão;elesdestruíramtodasascidadesealdeiascananéias,matarama

populaçãonativaeapossaram-sedaterra.

Entretanto,arqueólogosisraelensesquevêmescavandoaregiãodesde1967

nãoencontraramevidênciaalgumaquecorroboreessahistória:nãohásinalde

invasãoestrangeiraoudestruiçãoemmassa,enadaqueindiqueumamudança emgrandeescaladapopulação.Oconsensoentreosestudiososéqueanarrativa doÊxodonãoéhistórica.Hámuitasteorias.OEgitodominaraascidades-estado cananéiasdesdeoséculoXIXa.C.,ehaviaseretiradonofimdoséculoXIII, poucoantesqueasprimeiraspovoaçõesaparecessemnaregiãomontanhosaaté entãoinabitável.Ouvimosfalarpelaprimeiraveznumpovochamado“Israel”

nessaregiãoporvoltade1200a.C.Algunsestudiososafirmamqueosisraelitas

eramrefugiadosdascidades-estadoemdeclínionasplaníciescosteiras.Talvez tenhamsejuntadoaelesoutrastribosvindasdosul,quelevavamconsigoseu deusJeová,queparecetertidoorigemnasregiõesemtornodoSinai,aosul. 11 Os que haviam vivido sob o domínio egípcio nas cidades cananéias talvez tenhamtidoaimpressãodequehaviamsidolibertadosdoEgito–masemseu própriopaís. 12 JeEnãoescreviamrelatoshistóricosmodernos.ComoHomeroeHeródoto, eles incluem lendas sobre personagens divinos e elementos mitológicos que tentam explicar o sentido do que aconteceu. Suas narrativas são mais que história.Desdeoprincípio,nãohouveumamensagemúnicaefidedignasobreo queiriasetornaraBíblia.OsautoresJeEinterpretaramasagadeIsraelde maneirasmuitodiferentes,eosfuturoseditoresnãofizeramqualquertentativa de eliminar as incoerências e contradições. Historiadores subseqüentes se sentiriam em liberdade para fazer acréscimos à narrativa JE e submetê-la a alteraçõesradicais. TantoJcomoEtinham,porexemplo,concepçõesdeDeusmuitodiferentes. J usava imagens antropomórficas que causariam embaraço a exegetas posteriores.JeovápasseiapeloJardimdoÉdencomoumpotentadodoOriente Médio,fechaaportadaarcadeNoé,irrita-seemudadeidéia.Contudo,emE, haviaumaconcepçãomaistranscendentedeEloim,quemal“fala”,preferindo enviarumanjocomoseumensageiro.Areligiãoisraelitaposterioririasetornar apaixonadamentemonoteísta,convencidadequeJeováeraoúnicoDeus.Mas nem J nem E eram monoteístas. Originalmente Jeová fora membro da Assembléia Divina dos “santos”, que El, o poderoso deus de Canaã, havia presidido com sua consorte Aserá. Cada nação da região tinha sua própria divindadepadroeira,eJeováera“osantodeIsrael”. 13 NoséculoVIII,Jeová havia expulsado El da Assembléia Divina 14 e reinava sozinho sobre uma multidãode“santos”,guerreirosdoexércitoceleste. 15 Nenhumdosoutrosdeuses podiaseigualaraJeovánafidelidadeaseupovo.Nissoelenãotinhapares,não tinha rivais. 16 Mas a Bíblia mostra que até a destruição do templo por Nabucodonosor, em 586, os israelitas também adoraram grande número de

outrasdivindades. 17 Abraão,umhomemdosul,enãoMoisés,foioheróidahistóriadeJ.Sua carreiraeaaliançaqueDeusfezcomeleprenunciaramoreiDavi. 18 MasE estavamaisinteressadoemJacó,personagemdonorte,eseufilhoJosé,quefoi sepultadoemSiquém.Enadaincluíadahistóriaprimeva–acriaçãodomundo, CaimeAbel,oDilúvioearebeliãonaTorredeBabel–,tãoimportanteparaJ.O heróideEeraMoisés,maisamplamentereverenciadononortequenosul. 19 Mas nemJnemEmencionavamaLeiqueJeovádeuaMoisésnoSinai,quese tornariatãocrucialmaistarde.NãoháreferênciaaosDezMandamentos.Quase semdúvidacomoemoutralendadoOrienteMédio,astábuascelestesdadasa Moiséscontinhamoriginalmentealgumsaberesotéricorelativoaoculto. 20 ParaJ eE,oSinaieraimportanteporqueMoiséseosAnciãoshaviamtidoumavisão deJeovánoaltodomonte. 21 NoséculoVIII,umpequenonúmerodeprofetasquislevaropovoaadorar exclusivamente Jeová. Mas esse não foi um movimento popular. Como guerreiro,Jeováerainsuperável,masnãotinhaconhecimentoespecializadoem agricultura,demodoque,quandoqueriaumaboacolheita,eranaturalqueo povodeIsraeleJudárecorresseaocultododeuslocaldafertilidade,Baal,esua irmã-esposaAnat,praticandooritosexualcomumparatornaroscamposférteis. NoiníciodoséculoVIII,Oséias,umprofetadoreinodonorte,invectivoucontra essaprática.SuamulherGomerserviracomoprostitutasagradaaBaal,eador que a infidelidade lhe causava era, imaginava ele, semelhante à que Jeová experimentavaquandoseupovoseprostituíacomoutrosdeuses.Osisraelitas deviamretornaraJeová,quepodiasuprirtodasassuasnecessidades.Erainútil tentar aplacar Jeová com o ritual do templo: este queria lealdade de culto (hesed),nãosacrifícioanimal. 22 SeelescontinuassemaserinfiéisaJeová,o reino de Israel seria destruído pelo poderoso Império Assírio, suas cidades, arrasadas,eseusfilhos,exterminados. 23 AAssíriahaviaestabelecidoumpodersemprecedentesnoOrienteMédio; eladevastavaregularmenteosterritóriosdevassalosrecalcitrantesedeportavaa população.OprofetaAmós,quepregavaemIsraelemmeadosdoséculoVIII, afirmou que Jeová movia uma guerra contra Israel para punir sua injustiça sistêmica. 24 EnquantoOséiascondenavaoamplamenterespeitadocultodeBaal, AmóstransformouporcompletoocultodeJeová:elenãomaisadotavaolado deIsraeldemaneiraautomática.Amóscobriutambémdedesprezoosrituaisdo templo no reino do norte. Jeová estava enojado de cantorias ruidosas e do arranhardevotodasharpas.Emvezdisso,Elequeriaqueajustiça“fluíssecomo água,eaintegridadecomoumatorrenteinexaurível”. 25 Desdeessadataremota,

osEscritosbíblicosforamsubversivoseiconoclásticos,desafiandoaortodoxia dominante. IsaíasdeJerusalémfoimaisconvencional;seusoráculosconformavam-se inteiramenteàideologiarégiadacasadeDavi.Elehaviarecebidosuamissão profética por volta de 740, no templo, onde viu Jeová, cercado por sua Assembléia Divina de seres celestes, e ouviu o querubim gritando “santo (kadosh) santo, santo!” 26 Jeová era “separado”, “outro” e radicalmente transcendente. Jeová deu a Isaías uma mensagem cruel: a zona rural seria devastada,eoshabitantes,obrigadosafugir. 27 MasIsaíasnãotevenenhummedo da Assíria. Ele vira que a “glória” de Jeová enchia a terra; 28 enquanto Ele estivesseentronizadoemseutemplonomonteSião,Judáseencontravaem segurança, porque Jeová, o guerreiro divino, estava novamente em marcha, combatendoemfavordeseupovo. 29 Masoreinodonortenãogozavadessamesmaimunidade.Quandooreide IsraelingressounumaconfederaçãolocalparabloquearoavançodaAssíriapelo

oeste,em732,oreiassírioTeglat-FalasarIIIapoderou-sedamaiorpartedo

território de Israel. Dez anos mais tarde, em 722, após outra rebelião, os exércitosassíriosdestruíramSamaria,abelacapitaldeIsrael,edeportarama classe dominante. O reino de Judá, que se tornara vassalo da Assíria, permaneceu seguro, e provavelmente os refugiados foram do norte para Jerusalém,levandoconsigoasagaeosoráculosregistradosdeOséiaseAmós, quehaviamprevistoatragédia.EstesforamincluídosnosarquivosreaisdeJudá, onde,emalgumadataposterior,osescribascombinaramatradição“eloísta” comaépicasagasulistadeJ. 30 Durante esses anos sombrios, Isaías fora confortado pelo nascimento iminentedeumbebêreal,indíciodequeDeusaindaestavacomacasadeDavi:

“Umajovem(almah)estágrávidaelogodaráàluzumfilhoquechamaráde Immanu-El (Deus-conosco).” 31 Seu nascimento seria ainda uma fonte de esperança, “uma grande luz”, para o traumatizado povo do norte, que “caminhavanastrevas”ena“profundaescuridão”. 32 Quandoobebênasceu,foi de fato chamado de Ezequias, e Isaías imaginou toda a Assembléia Divina celebrandoacriançareal,que,comotodososreisdavídicos,setornariauma pessoadivinaeummembrodoconselhoceleste:nodiadesuacoroação,ele seriachamadode“ConselheiroAdmirável,DeusForte,PaiEterno,Príncipeda Paz”. 33 EmboraoshistoriadoresbíblicosreverenciemEzequiascomoumreidevoto, quetentouproscreveraadoraçãodedeusesestrangeiros,suapolíticaexteriorfoi

umdesastre.ApósumaimprudenterebeliãocontraaAssíriaem701,Jerusalém

foiquasedestruída,azonaruralbrutalmentedevastadaeJudáreduzidoaum

pequeninoEstadoresidual.MassoboreiManassés(687-42),quesetornou

vassalodaAssíria,asortedeJudámelhorou.Numatentativadeseintegrarao império,elerevogouajurisdiçãoreligiosadopai,erguendoaltaresparaBaal, erigindoumaefígiedeAseráeestátuasdoscavalosdivinosdosolnotemplode Jerusalém,einstituindoosacrifíciodecriançasforadacidade. 34 Ohistoriador bíblicoficouhorrorizadocomessesdesdobramentos,maspoucosdossúditosde Manassésteriamficadosurpresos,jáqueemsuamaioriaelestinhamícones semelhantes em suas próprias casas. 35 Apesar da prosperidade de Judá, eles foram amplamente espalhados pelos inquietos distritos rurais que haviam suportadooimpactobrutaldainvasãoassíria;e,depoisdamortedeManassés,o descontentamentolatenteirrompeunumgolpepalaciano,quedepôsAmon,filho deManassés,epôsnotronoseufilhodeoitoanos,Josias.

Nessaépoca,aAssíriaestavaemdeclínioeoEgitoemascensão.Em656,o

faraó obrigou as forças militares assírias a se retirarem do Levante e, com espanto,opovodoreinodeJudáviuosassíriossaíremdosterritóriosdoantigo reinodeIsrael.Enquantoasgrandespotênciaslutavampelasupremacia,Judá

ficoulivre.Houveumaondadepatriotismo,eem622Josiascomeçouareparar

otemplodeSalomão,omemorialsimbólicodaidadedeourodeJudá.Durantea construção, o sumo sacerdote Helcias fez uma descoberta de extrema importância e correu com a notícia para Safã, o escriba real. Ele havia encontradoo“rolodalei”(sefertorah) que Jeová dera a Moisés no monte Sinai. 36 Nasnarrativasmaisantigasnãohaviamençãodequeosensinamentosde Jeová(torah) haviam sido postos por escrito. Nos relatos JE, Moisés havia transmitidoasordensdeJeovádevivavoz,eopovoresponderaoralmente. 37 Os reformadores do século VII, entretanto, acrescentaram à saga JE versículos explicandoqueMoisés“estabeleceuporescritoaspalavrasdeJeová”e“leuo sefertorahparaopovo”. 38 HelciaseSafãafirmaramqueesseroloforaperdido, eseusensinamentos,nuncaimplementados,massuaprovidencialdescoberta significava que Judá podia recomeçar. O documento de Helcias continha provavelmente uma das primeiras versões do livro do Deuteronômio, que descrevia Moisés entregando uma “segunda Lei” (em grego, deuteronomion) poucoantesdesuamorte.Masemvezdeserumaobraantiga,oDeuteronômio eraumaEscriturainteiramentenova.Nãoéinusitadoquereformadoresatribuam novas idéias a um grande personagem do passado. Os deuteronomistas acreditavam falar por Moisés naquele momento de transição. Em outras palavras,aquiloeraoqueMoisésdiriaaJosiascasoentregasseuma“segunda

Lei”hoje. Emvezdesimplesmenteregistrarostatusquo,pelaprimeiravezumtexto israelitaexigiamudançaradical.Depoisqueotextofoilidoemvozaltaparaele, Josiasrasgousuasvestesemafliçãoeinaugurouimediatamenteumprograma queseguiaanovatorahaopédaletra.Destruiucomfogoasabominaçõesde Manassésnotemploe,comoopovodeJudásempreconsideraraossantuários reaisdoreinodonorteilegítimos,demoliuostemplosdeBeteleSamaria,matou ossacerdotesnossantuáriosruraiseprofanouseusaltares. 39 Éinstrutivoqueosdeuteronomistas,osprecursoresdaidéiadeortodoxia escriturística,tenhamintroduzidoumalegislaçãosurpreendentementenovaque –casoimplementada–teriatransformadoaantigafédeIsrael. 40 Paraassegurara pureza do culto, eles tentaram centralizá-lo, 41 criar um judiciário secular independentedotemploedespojaroreideseuspoderessacros,tornando-o submetido à Torá como qualquer pessoa. Os deuteronomistas na verdade mudaramaredaçãodoscódigoslegais,dassagasedostextoslitúrgicosmais antigos,demodoquepassassemaendossarsuaspropostas.Decertamaneira,o Deuteronômio, com sua esfera secular, Estado centralizado e monarquia constitucional, assemelha-se a um documento moderno. Ele era ainda mais ardorosocomrelaçãoàjustiçasocialqueAmós,esuateologiamaisracionalque aantigamitologiarelacionadaaocultodeJudá: 42 nãosepodiaverDeus,eEle nãoresidianumedifícioconstruídopelohomem. 43 Osisraelitasnãopossuíam suaterraporqueJeováhabitavaemSião,masporqueopovoobservavaseus mandamentos. OsreformadoresnãousaramsuaEscrituraparaconservaratradição,como muitasvezessefazhoje,masintroduziramumamudançaradical.Reescreveram tambémahistóriadeIsrael,acrescentandonovomaterialqueadaptavaoJE épicoaoséculoVII,dedicandoespecialatençãoaMoisés,quehavialibertadoos israelitasdoEgito,numaépocaemqueJosiasalmejavatornar-seindependente dofaraó.OclímaxdahistóriadoÊxodonãoeramaisumateofanianoSinai,mas adádivadosefertorah,eagoraastábuasqueJeováentregaraaMoisésestavam inscritascomosDezMandamentos.Osdeuteronomistasampliaramahistóriado ÊxodoparaincluiraconquistadasterrasmontanhosasdonorteporJosué–um projeto para a reconquista dos territórios do norte por Josias. 44 Escreveram tambémumahistóriadosdoisreinos,IsraeleJudá,noslivrosdeSamueledos Reis, demonstrando que os monarcas davídicos eram os únicos soberanos legítimosdetodaIsrael.SuahistóriaculminavanoreinadodeJosias,umnovo MoiséseumreimaiorqueDavi. 45 Nemtodomundoestavaenamoradopelanovatorah.OprofetaJeremias,que

iniciouseuministérioporvoltadessaépoca,admiravaJosiaseconcordavacom muitosdosobjetivosdosreformadores,mastinhareservascomrelaçãoatextos Escritos:“apenamentirosadosescribas”podiasubverteratradiçãopormero ardil,eotextoescritopodiaestimularummododepensarartificial,concentrado na informação, e não na sabedoria. 46 Num estudo dos movimentos judaicos modernos,oeminenteestudiosoHaymSoloveitchikdemonstraqueatransição deumatradiçãooralparatextosEscritospodelevaràestridênciareligiosaaodar aoleitorumacertezairrealistaacercadematériasessencialmenteinefáveis. 47 A religiãodeuteronomistaeracomcertezaestridente.Osreformadoresdescreviam Moisés pregando um programa de extinção violenta dos cananeus nativos:

“Destruireisinteiramentetodososlugaresondeospovosqueidesexpropriar costumavamprestarcultoaosdeuses….Derrubareisosaltares,quebrareisas estelas,queimareisasestacassagradas,despedaçareisasimagenstalhadasde seusdeusesefareisdesaparecerosnomesdaqueleslugares.” 48 Descreviamcom aprovaçãoJosiasmassacrandoopovodeHaicomosefosseumgeneralassírio:

QuandoIsraelacaboudematartodososhabitantesdeHainocampo,no desertoemqueostinhamperseguido,havendotodoselescaídoaofioda espadaatéoúltimo,todaIsraelvoltouaHaieapassouaofiodaespada.O

totaldosquecaíramnaqueledia,entrehomensemulheres,foide12mil:

todaapopulaçãodeHai. 49

Osdeuteronomistashaviamabsorvidooethosviolentodeumaregiãoque

experimentaraquase200anosdebrutalidadeassíria.Eraumaindicaçãoprecoce

dequeasEscriturasrefletemosmalogrosbemcomoospontosaltosdabusca religiosa. Embora fossem reverenciados, esses textos ainda não haviam se tornado “Escritura”.Aspessoassentiam-selivresparaalterarEscritosmaisantigos,mas haviaumcânonedelivrossagradosprescritos.Maselescomeçavamaexpressar asaspiraçõesmaiselevadasdacomunidade.Osdeuteronomistasquecelebravam areformadeJosiasestavamconvencidosdequeIsraelseencontravanolimiar

deumanovaeragloriosa;contudo,em622elefoimortonumconflitocomo

Exércitoegípcio.Empoucosanos,osbabilôniosconquistaramNínive,acapital assíria,etornaram-seamaiorpotênciadaregião.AbreveindependênciadeJudá terminou.DurantealgumasdécadasosreisprestaramvassalagemoraaoEgito, ora à Babilônia. Muitos ainda acreditavam que Judá estaria em segurança enquantoJeováresidisseemseutemplo,emboraJeremiasosadvertissedeque desafiar a Babilônia era um gesto suicida. Finalmente, após duas rebeliões

infrutíferas,JerusalémeseutemploforamdestruídosporNabucodonosorem

586.

Noexílio,osescribasdebruçavam-sesobreosrolosnoarquivoreal.Os deuteronomistasacrescentarampassagensàsuahistóriaparaexplicarodesastre, queatribuíramàsmedidasreligiosasdeManassés. 50 Masalgunssacerdotes,que, aoperderseutemplo,haviamperdidotodooseumundo,voltavamosolhospara opassadoeencontravamumarazãoparateresperança.Osestudiososchamam essacamadasacerdotaldoPentateucode“P”,emboranãosaibamossePfoiuma pessoaou,comoparecemaisprovável,umaescolainteira.Previuasnarrativas JEeacrescentouoslivrosdosNúmeroseLevítico,recorrendoadocumentos mais antigos – genealogias, leis e textos rituais –, alguns Escritos, outros oralmentetransmitidos. 51 Asmaisimportantesdessasfontesforamo“Códigoda Santidade” 52 (umacoleçãodeleisdoséculoVII)eoDocumentodoTabernáculo, umadescriçãodatendaquefoiosantuáriodeJeováduranteosanosqueos israelitaspassaramnodesertodeSinai,equeeracentralparaavisãodeP. 53 PartedomaterialdePerarealmentemuitoantiga,maselecriouumavisão inteiramentenovaparaseupovodesesperançado. P compreendia a história do Êxodo de maneira muito diferente dos deuteronomistas.Oclímaxnãoeraosefertorah,masapromessadapresença constantedeDeusduranteosanosquepassassemnodeserto.Deushavialevado IsraelparaforadoEgitosimplesmente“paraviver(skn)nomeiodeles”. 54 O verboshakansignificava:“levaravidadeumnômade”.Emvezderesidirnuma construçãopermanente,Deuspreferiamorarnumatendacomseupovoerrante; elenãoestavapresoaumúnicolugar,podendoacompanhá-loondequerque fosse. 55 ApósarevisãodeP,olivrodoÊxodoterminavacomaconclusãodo tabernáculo:a“glória”deJeováenchiaatenda,eanuvemdesuapresençaa cobria. 56 Deus,sugeriuP,aindaestavacomseupovoemsuaúltima“errância”na Babilônia.EmvezdeterminarsuasagacomaconquistadeJosué,Pdeixouos israelistas na fronteira da Terra Prometida. 57 Israel não era um povo porque habitavaumpaísparticular,masporquevivianapresençadeseuDeus. NahistóriarevistadeP,oexílioeraaúltimadeumaseqüênciademigrações:

AdãoeEvahaviamsidoexpulsosdoÉden;Caim,condenadoaumavidade errânciasemlarapósmatarAbel;araçahumanahaviasidodispersadanaTorre deBabel;AbraãodeixaraUr;astribosemigraramparaoEgito,eeventualmente viveram como nômades no deserto. Em sua última dispersão, os eLivross deviam construir uma comunidade para a qual a presença divina pudesse retornar.Numasurpreendenteinovação,Psugeriuquetodoopovoobservasseas mesmasleisdepurezadopessoaldotemplo. 58 Todosdeviamvivercomose

servissemàdivinapresença.Israeldeveriaser“santo”(kadosh)e“separado” comoJeová, 59 eassimPelaborouummododevidabaseadonoprincípioda separação.OseLivrossdeviamviveràdistânciadeseusvizinhosbabilônios, observandoregrascaracterísticasdedietaelimpeza.Depois–esomentedepois –Jeováviveriaentreeles:“Estabelecereiminhamoradaentrevós”,Deuslhes disse,“eandareinomeiodevós.” 60 ABabilôniapoderiasetornaroutroÉden, ondeDeushaviacaminhadocomAdãonofrescordoentardecer. Asantidadetinhatambémumfortecomponenteético.Osisraelitasdeviam respeitar a “alteridade” sagrada de cada criatura. Nada, portanto, podia ser escravizado ou possuído, nem mesmo a terra. 61 Os israelitas não deviam desprezaroestrangeiro:“Seumestrangeiroviermorarconvosconopaís,nãoo maltrateis.Oestrangeiroquemoraconvoscoseráparavóscomoonaturaldo país.Ama-ocomoatimesmo,porquejáfostesestrangeirosnoEgito.” 62 Ao contráriodavisãodosdeuteronomistas,adePerainclusiva.Suanarrativade alheamentoeexílioenfatizavaconstantementeaimportânciadareconciliação comex-inimigos.Emlugaralgumissoficoumaisclarodoqueemsuaobramais famosa:oprimeirocapítulodoGênesis,emquePdescreveEloimcriandoocéu eaterraemseisdias. Não se tratava de um relato literal, historicamente preciso, da criação. Quandooseditoresfinaisreuniramostextosbíblicosexistentes,elesinserirama históriadePjuntodanarrativadacriaçãodeJ,queémuitodiferente. 63 No mundoantigo,acosmogoniaeraumgêneroterapêutico,nãofactual.Aspessoas recitavam mitos da criação quando estavam doentes, no início de um novo projetoounoiníciodeumnovoano–semprequesentiamnecessidadedeuma infusão da potência divina que, de algum modo, fazia todas as coisas acontecerem.AhistóriadePdeviaserconsoladoraparaoseLivrossquesentiam queJeováforaignominiosamentederrotadoporMarduc,deusdaBabilônia.Ao contráriodeMarduc,cujacriaçãodomundotinhadeserrenovadaanualmente, napassagemdoano,emritosespetacularesnoziguratedeEsagila,Jeovánãoera obrigadoacombateroutrosdeusesparacriarumcosmoordenado;ooceanonão eraumadeusahorrívelcomoTiamat,quelutavasemtréguacomMarduc,mas simplesmenteamatéria-primadoUniverso;osol,aluaeasestrelasnãoeram divindades,masmerascriaturasefuncionários.AvitóriadeJeovánãoprecisava serrenovada:Eleterminouseutrabalhoemseisdiasedescansounosétimo. 64 Masessanãofoiumapolêmicabombástica;nãohouvetrocadeinsultos, nenhumaagressão.NoOrienteMédioantigo,osdeusescriavamomundoem geralapósumasériedebatalhasviolentas,aterrorizantes;defato,osisraelitas contavamhistóriasdeJeovámatandomonstrosmarinhosdivinosnoiníciodo

tempo. 65 MasomitodacriaçãodePeranão-violento.Deussimplesmentefalava umapalavra,davaumaordem,eumaumoscomponentesdenossomundo surgiam.Apóscadadia,Deusviaquetudoquehaviafeitoeratov,“bom”.No últimodia,Jeováconfirmavaque“tudo”era“muitobom”,eabençoavatodaa sua criação 66 – inclusive, presumivelmente, os babilônios. Todos deviam se comportarcomoJeová,descansandocomcalmanoShabat,servindoaomundo deDeuseabençoandocadaumadesuascriaturas. MasoutroprofetaquepregounaBabilôniaduranteasegundametadedo séculoVIadotouumateologiamaisagressivaquetinhapressaemverosgoyim, asnaçõesestrangeiras,marcharematrásdeIsrael,acorrentadas.Nãosabemos seunome,mas,comoseusoráculosforampreservadosnomesmoroloqueosde Isaías,eleéemgeralconhecidocomoSegundoIsaías.Oexíliochegavaaofim.

Em539,Ciro,reidaPérsia,derrotouosbabilôniosetornou-seosenhordo

maior império que o mundo já vira. Como ele prometeu repatriar todos os deportados,oSegundoIsaíaschamou-odemessiahdeJeová,seurei“ungido”. 67 Em favor de Israel, Jeová havia convocado Ciro como seu instrumento e promovidoumarevoluçãonopodernaregião.Podiaalgumoutrodeuscompetir comele?Não,declarouJeovádesdenhosamenteaosdeusesdosgoyim:“nãosois nadaevossasobrasvalemmenosquenada”. 68 Elehaviasetornadooúnico Deus. “Sou Jeová, inigualável”, anunciou orgulhosamente, “Não há nenhum outro deus além de mim.” 69 Esta é a primeira declaração inequivocamente monoteísta naquilo que estava se tornando a Bíblia hebraica. Mas seu triunfalismorefletiaascaracterísticasmaisbeligerantesdareligião.OSegundo Isaíasbaseava-senumatradiçãomíticaquetinhapoucarelaçãocomorestodo Pentateuco.ElereviviaasantigasnarrativasdeJeovámatandodragõespara ordenarocaosprimordial,declarandoqueJeováestavaprestesarepetirseu triunfocósmicodestruindoosinimigoshistóricosdeIsrael. 70 Elenãorefletia, contudo,asidéiasdetodaacomunidadeexilada.Quatro“CânticosdoServo” pontuavam as exuberantes profecias do Segundo Isaías. 71 Nelas, uma figura misteriosa,quechamavaasimesmodeservodeJeová,eraincumbidadamissão deestabelecerjustiçanomundotodo–masnumacampanhanão-violenta.Ele eradesprezadoerejeitado,masseusofrimentoiriaredimirseupovo.OServo nãotinhadesejoalgumdesubjugarosgoyim,masiriasetornar“aluzdas nações”epermitirqueasalvaçãodeDeuschegasse“aosconfinsdaterra”. 72

Cirocumpriusuapromessa.Pertodofinalde539,algunsmesesapóssua

coroação,umpequenogrupodeeLivrosspartiuparaJerusalém.Amaioriados israelitas preferiu permanecer na Babilônia, onde dariam uma importante contribuição às Escrituras hebraicas. Os eLivross que retornaram levaram

consigonoverolosquetraçavamahistóriadeseupovodesdeacriaçãoatéa deportação:Gênesis,Êxodo,Levítico,Números,Deuteronômio,Josué,Juízes, SamueleReis;levaramtambémantologiasdosoráculosdosprofetas(Neviim)e umlivrodehinos,queincluíanovossalmoscompostosnaBabilônia.Elaainda nãoestavacompleta,masoseLivrosstinhamemsuaposseoesqueletodaBíblia hebraica. AGolah,acomunidadedoseLivrossqueretornaram,estavaconvencidade que sua religião revista era a única versão autêntica do jeovismo. Mas os israelitasquenãohaviamsidodeportadosparaaBabilônia,amaioriadosquais vivianosterritóriosdoantigoreinodonorte,nãopodiampartilhardessavisãoe seofendiamcomessaatitudeexclusivista.Onovotemplo,umsantuáriobastante

modesto,sófoiafinalconcluídoem520a.C.,etornou-sedenovootemplodafé

de Jeová. Mas outra espiritualidade começou a se desenvolver, muito gradualmente, no mesmo compasso do segundo templo. Com a ajuda dos israelitas que haviam permanecido na Babilônia, a Golah estava prestes a transformarsuaheterogêneacoleçãodetextosemEscritura.

Escritura

|2|

D epoisdetercompletadoseusegundotemplonomonteSião,opovode Judá imaginou que a vida continuaria como antes. Mas eles foram dominadosporummal-estarespiritual.Muitosestavamdecepcionados

comonovotemplo,quenãopodiarivalizarcomoesplendorlegendáriodo santuáriodeSalomão;aGolahhaviaencontradoobstinadaoposiçãoporpartede estrangeiros que haviam se estabelecido em Judá durante a ausência dos eLivrossnaBabilônia;ereceberaumaacolhidanadacordialdaquelesisraelitas que não haviam sido deportados pelos babilônios. Os sacerdotes haviam se tornadopreguiçososeapáticos,nãofornecendoqualquerliderançamoral. 1 Mas

noiníciodoséculoIV,porvoltade398a.C.,oreipersaenviouEsdras,seu

ministroparaassuntosjudaicos,aJerusalémcomaincumbênciadeimpingira TorádeMoiséscomoaleidaterra. 2 Esdrasteriaestabelecidoamisturados ensinamentoscomovalorabsoluto,edaísurgiuaTorá. Ospersasreviamossistemaslegaisdetodososseussúditos,paraassegurar queeramcompatíveiscomasegurançadoImpério.Profundoconhecedorda Torá,Esdrasprovavelmenteformularaummodusvivendisatisfatórioentrealei mosaicaeajurisprudênciapersa.AochegaraJerusalém,eleficouhorrorizado com o que encontrou. As pessoas não mantinham a separação sagrada dos goyim, prescrita por P. Durante um dia inteiro, os habitantes de Jerusalém ficaramconsternadosaoveroenviadodoreirasgarsuasvestesesesentarna praçapúblicaemposturadeprofundoluto.EmseguidaEsdrasconvocoutodaa Golah para uma reunião. Quem se recusasse a comparecer seria expulso da comunidadeeteriaseusbensconfiscados. Nodiadapassagemdoano,EsdraslevouaToráparaapraçaemfrenteà portad’Água.Depésobreumestradodemadeira,leuotextoemvozalta,

“traduzindoedandoosentido,demodoqueopovocompreendesseoqueera lido”, enquanto levitas 3 versados na Torá circulavam entre as pessoas, suplementandoessainstrução. 4 Nãosabemosaocertoqueleisforamlidasem vozaltanessaocasião,masquaisquerquetenhamsido,aspessoasclaramente nuncaastinhamouvidoantes.Elascaíramempranto,assustadascomaquelas exigências desconhecidas. “Não choreis!”, insistia Esdras. Agora “compreendiamosentidodoquelhesforaproclamado”.Estaeraaestaçãode Sucot, um tempo de festa, Esdras explicou. 5 Em seguida ele leu a lei que ordenava aos israelitas passar aquele mês sagrado em “cabanas” (sucot) especiais em memória dos 40 anos passados por seus ancestrais no deserto. Imediatamente, as pessoas correram até os montes para apanhar ramos de oliveira,murta,pinheiro,palmeiras,eabrigosdefolhasapareceramportodaa cidade. Havia uma atmosfera de carnaval quando o povo se reunia todo entardecerparaouvirEsdrasfazersuaexposição. Esdrascomeçaraamoldarumanovadisciplinaespiritualbaseadanumtexto sagrado.AToráforaelevadaagoraacimadosdemaisEscritose,pelaprimeira vez,nomeada“aLeideMoisés”.Mas,emborafosselegívelcomoqualquer outrotexto,aTorápodiaparecerexigenteedesconcertante.Eladeviaserouvida nocontextodosrituaisqueaseparavamdavidaordináriaepunhaaaudiência numadisposiçãodeespíritodiversa.Comoaspessoascomeçavamatratá-lade maneiradiferente,aToráestavasetornando“Escriturasagrada”. Talvez o ingrediente mais importante dessa nova espiritualidade da Torá fosseopróprioEsdras. 6 Eleeraumsacerdote,“umdiligenteescribadaTorá”de Moisés e um “guardião da tradição” 7 . Mas era também um novo tipo de

autoridadereligiosa:umestudiosoque“desejavaardentementeinvestigar(li-

drosh)aTorádeJeová,praticareensinarleieritualemIsrael”. 8 Eleoferecia algodiferentedainstruçãosacerdotalcomumsobreosabercerimonial.Oautor bíblico faz questão de nos dizer que “a mão de Jeová pousou sobre ele” – expressão tradicionalmente usada para descrever o peso da inspiração que descera sobre os profetas. 9 Antes do exílio, os sacerdotes costumavam “consultar” (li-drosh) Jeová por meio de uma série de objetos sagrados conhecidoscomourimetumimmânticos. 10 Onovovidentenãoeraumadivinho, mas um estudioso capaz de interpretar as Escrituras. Aprática do midrash (exegese)conservariasempreessesentidodeindagaçãoexpectante. 11 Oestudo daToránãoeraumexercícioacadêmico,masumabuscaespiritual.

Noentanto,aleituradeEsdrasforaprefaciadapelaameaçadeexpulsãoe confisco dos bens. Foi seguida por uma assembléia mais sombria na praça defronte ao templo, na qual as pessoas, que tiritavam enquanto chuvas

torrenciais de inverno alagavam a cidade, ouviram Esdras lhes ordenar que mandassem embora suas esposas estrangeiras. 12 Os integrantes de Israel doravanteseriamunicamenteaGolaheaquelesquesesubmetessemàTorá,o códigoregularoficialdeJudá.Haviasempreoperigodequeoentusiasmopela Escritura fomentasse uma ortodoxia exclusiva, apartadora e potencialmente cruel. AleituradeEsdrasmarcaoiníciodeumjudaísmoclássico,umareligião interessadanãomeramentenarecepçãoesalvaguardadarevelação,masemsua constantereinterpretação. 13 AleiqueEsdrasleueraclaramentedesconhecida pelopovo,quechoroudemedoaoouvi-lapelaprimeiravez.Quandoexpôso texto, o exegeta não reproduzia a torah original dada a Moisés no passado distante, mas criava algo novo e inesperado. Os autores bíblicos haviam trabalhado da mesma maneira, revendo radicalmente os textos que tinham herdado.Arevelaçãonãoocorreradeumavezportodas;eraumprocessoem cursoquepoderianuncaterminar,porquehaviasemprenovosensinamentosa descobrir. Nessaaltura,haviaduascategoriasestabelecidasdeEscritura:aToráeos Profetas(Neviim).Depoisdoexílio,porém,foiproduzidoumnovoconjuntode textos heterogêneos, que viriam a ser conhecidos como os Kethuvim, os “Escritos”,queporvezessimplesmentereinterpretavamoslivrosmaisantigos. Assim,asCrônicas,narrativashistóricasescritasporautoressacerdotais,eram essencialmenteumcomentáriosobreahistóriadeuteronômicadeSamueledos Reis.Aoseremtraduzidosparaogrego,essesdoislivrosforamchamadosde paralipomena:“ascoisasomitidas”. 14 Osautoressacerdotaisescreviamentre linhasparacorrigiroqueviamcomodeficiênciasemnarrativasanteriores.Eles partilhavamoidealdeconciliaçãodePequeriamconstruirpontesunindo-osaos israelitasquenãotinhamidoparaoexílioeresidiamagoranonorte.Poresse motivo,omitiramaásperapolêmicadosdeuteronomistascontraoreinodonorte. UmnúmerosignificativodosEscritospertenciaaumaescoladistintatanto daLeiquantodosprofetas.NoOrienteMédioantigo,sábiosligadosàcorte comomestresouconselheirostendiamavertodaarealidademoldadaporum vastoprincípiosubjacentedeorigemdivina.Ossábioshebreuschamavamisso deChochmá,“Sabedoria”.Todasascoisas–asleisdanatureza,asociedadeeos eventosnasvidasdaspessoas–seconformavamaesseprojetoceleste,que nenhumserhumanopoderiajamaisapreenderemsuatotalidade.Masossábios que devotavam suas vidas à contemplação da Sabedoria acreditavam que, ocasionalmente,aviamderelance.Algunsexpressavamsuavisãocommáximas vigorosascomo:“Umreidáestabilidadeaumpaíspelajustiça,umextorsionário

olevaàruína”,ou“Ohomemqueagradaaovizinhoestendeumaredesobseus pés”. 15 AtradiçãodaSabedoriatinhaoriginalmentepoucarelaçãocomMoisése oSinai,maseraassociadaaoreiSalomão,reputadoporessetipodeargúcia, 16 e três dos Kethuvim foram atribuídos a ele: os Provérbios, o Eclesiastes e o CânticodosCânticos.OsProvérbioseramumacoleçãodeaforismosdesenso comum, semelhantes aos dois citados acima. O Eclesiastes, uma meditação flagrantementecínica,viatodasascoisascomo“vaidade”epareciasolapartoda atradiçãodaTorá,aopassoqueoCânticodosCânticoseraumpoemaerótico semconteúdoespiritualaparente. Outros Escritos da Sabedoria exploravam o insolúvel problema do sofrimentodeinocentesnummundogovernadoporumDeusjusto.OlivrodeJó era baseado num antigo conto popular. Deus dava a Satã, o promotor da AssembléiaDivina,permissãoparapôràprovaavirtudedeJóinfligindo-lhe uma série de calamidades inteiramente imerecidas. Jó zangava-se com eloqüênciacontrasuapuniçãoeserecusavaaaceitarqualquerdasexplicações convencionaispropostaspelosamigosqueotentavamconsolar.Porfim,Jeová respondeu a Jó, não se referindo aos eventos do Êxodo, mas obrigando-o a contemplaroprojetoprimordialsubjacentequegovernavaacriação.PodiaJó visitarolugarondeaneveeraguardada,apertarosarreiosdasPlêiadesou explicarporqueumtouroselvagemsedispunhaaservirasereshumanos?Jófoi obrigadoaadmitirquenãoconseguiacompreenderessaSabedoriadivina:“Falei pois de coisas que não entendia, de maravilhas que ultrapassam minha compreensão.” 17 OsábioadquiriaSabedoriameditandosobreasmaravilhasdo mundofísico,nãoestudandoaTorá. Mas por volta do século II a.C., os poucos escritores da Sabedoria começavamaficarmaispróximosdaTorá.JesusfilhodeSirac,umsábiodevoto queviviaemJerusalém,nãomaisencaravaaSabedoriacomoprincípioabstrato, masimaginava-acomoumafigurafemininaemembrodaAssembléiaDivina. 18 Ele a pensou fornecendo uma explicação de si mesma perante os outros conselheiros.ElaeraaPalavrapelaqualDeushaviadadoexistênciaatodasas coisas.EraoEspíritodivino(ruach)quepairarasobreooceanoprimalnoinício doprocessocriativo.ComoPalavraeprojetoprimordialdeDeus,elaeradivina, enoentantodistintadeseuCriador,presenteemtodolugarnaterra.MasDeus lheordenaraquearmassesuatendacomopovodeIsrael,eelaoacompanhara aolongodesuahistória.Haviasidoacolunadenuvemqueosguiaranodeserto enosrituaisdotemplo,maisumaexpressãosimbólicadaordemdivina.Acima detudo,porém,aSabedoriaeraidênticaasefertorah,“aLeiqueMoisésimpôs sobrenós”. 19 ATorá não era mais simplesmente um código legal; havia se

tornado uma expressão da mais elevada sabedoria e da mais transcendente bondade. Outroautor,escrevendomaisoumenosnomesmomomento,personificoua Sabedoria de maneira semelhante, como divina e no entanto separada da essênciadeDeus.“Jeovácriou-mecomoprimíciasdesuaação”,explicoua Sabedoria,“antesdesuasobrasmaisremotas.”Elaestavaaseulado–“um mestre-de-obras”–quandoEleestabeleceuocosmo,“deliciando-odiaapósdia, divertindo-setodootempoemsuapresença,divertindo-sesobreasuperfícieda terra,deliciando-sedeestarcomosfilhosdoshomens”. 20 Umanovalevezae graça haviam entrado no jeovismo. O estudo da Torá começava a despertar emoçãoeanseioquaseeróticos.OlivrodeJesusfilhodeSirac,oEclesiástico, descreveuaSabedoriachamandopelossábioscomoumaamante:“Vindeaté mim,vós,quemedesejais,esaciai-voscommeusfrutos.Pensaremmimémais docequeomel,epossuir-meémaisdocequeofavodemel.” 21 Abuscada Sabedorianãotinhafim:“Quemcomedemimteráaindafome,equembebede mimteráaindasede.” 22 OtomeasimagensdohinodoEclesiásticoerammuito semelhantesaosdoCânticodosCânticos,oquepodeexplicarporqueesse poemadeamorfoifinalmenteincluídonosEscritos.Elepareciaexpressara experiêncialiricamenteapaixonada do estudioso do seferquandoestudava a Torá,eencontrarumapresença“maisvastaqueomar”,cujosdesígnioseram “maisprofundosqueoabismo”. 23 OEclesiásticodescreviaoestudiosodoseferpesquisandolaboriosamente todasascategoriasdeEscritura:Torá,ProfetaseEscritos.Elenãoestavaisolado domundonumatorre-de-marfim,masenvolvidocomassuntosdeEstado.Sua exegeseerainteiramenteconformadapelaprece:“Naauroraecomtodooseu coraçãoelerecorreaoSenhorqueofez”,ecomoresultadorecebiauminfluxo desabedoriaeentendimento 24 queotransformavaefaziadeleumaforçaparao bemnomundo. 25 Numafrasedeextremaimportância,oEclesiásticoafirmava queosensinamentosdosábioeram“comoprofecia,umlegadoparatodasas geraçõesfuturas”. 26 Oestudiosonãoestavasimplesmenteaprendendosobreos Profetas;suaexegeseotornavaumprofeta. IssoficaclaronolivrodeDaniel,escritonaPalestinaduranteoséculoII a.C.,emmeioaumacrisepolítica. 27 Nessaépoca,Judásetornaraumaprovíncia dosimpériosgregosfundadospelossucessoresdeAlexandreMagno,quehavia

conquistadooImpérioPersaem333a.C.OsgregosintroduziramnoOriente

Médio uma versão diluída da cultura clássica ateniense, conhecida como helenismo. Alguns judeus sentiram-se cativados pelo ideal grego, mas a oposiçãoaohelenismoentrincheirou-seentreosjudeusmaisconservadoresapós

167 a.C., quando Antíoco Epífanes, soberano do Império Selêucida na MesopotâmiaenaPalestina,violouotemplodeJerusalémeintroduziualium cultohelenístico:judeusqueseopuseramaseuregimeforamperseguidos.Judas Macabeu e sua família encabeçaram a resistência judaica; em 164 eles conseguiramexpulsarosgregosdomontedotemplo,masaguerracontinuouaté 143, quando os macabeus conseguiram se livrar do domínio selêucida e estabelecerJudácomoEstadoindependente,quefoigovernadopeladinastia

hasmoneanaaté63a.C.

OlivrodeDanielfoicompostoduranteaguerramacabéia.Assumiuaforma deumromancehistóricoambientadonaBabilôniaduranteoexílio.Navidareal, DanielforaumdosmaisvirtuososeLivross, 28 masemsuaobraficcionaleraum profetaoficialnascortesdeNabucodonosoreCiro.Nosprimeiroscapítulos, EscritosantesdosacrilégiodeAntíoco,Danielfoiapresentadocomoumtípico sábiodacortenoOrienteMédio, 29 comumtalentoespecialpara“interpretar todotipodevisõesesonhos”. 30 Nosúltimoscapítulos,porém,compostosapósa profanaçãodotemplo,masantesdavitóriafinaldosmacabeus,Danielsetorna um exegeta inspirado, dotado, pelo estudo das Escrituras, de um insight profético. Danielexperimentouumasériedevisõesdesconcertantes.Viuumasucessão de quatro impérios temíveis (representados por animais fabulosos), um mais terrívelqueooutro.Oquarto,umaclarareferênciaaosselêucidas,entretanto, tinha uma ordem inteiramente diferente de perversidade. O soberano iria “pronunciarpalavrascontraoAltíssimoeperseguirossantosdoAltíssimo”. 31 Danielpreviu“adesastrosaabominação”docultohelenísticodeAntíocono Templo. 32 Mashaviaumlampejodeesperança.Danielviutambém,“vindosobre as nuvens do céu, alguém como um filho do homem”, uma figura que representava os macabeus, misteriosamente humana e contudo mais que humana. O salvador deles entrava na presença de Deus, que lhe concedia “soberania,glóriaerealeza”. 33 Maistardeessasprofeciassetornariammuito importantes,comoveremosadiante.Masoquenosinteressaagoraéainspirada exegesequeDanielfez. Danielteveoutrasériedevisõesquenãofoicapazdecompreender.Buscou elucidaçãonaEscrituraeficouemparticularpreocupadocomaprevisão,por Jeremias,donúmerodeanosquedeveriamtranscorrer“antesqueassucessivas devastaçõesdeJerusalémchegassemaofim,asaber,70anos”. 34 Oautordo séculoIIclaramentenãoestavainteressadonosignificadooriginaldotexto:

Jeremias profetizara obviamente, num número redondo, a duração do exílio babilônio.Elequeriaencontrarnoantigooráculoumsignificadointeiramente

novo,quetrariaconfortoaosjudeusqueaguardavamansiososoresultadodas guerrasmacabéias.Issosetornariatípicodaexegesejudaica.Emvezdeolhar paratrás,paradescobrirseusignificadohistórico,ointérpretefaziaotextofalar paraopresenteeofuturo.AfimdeencontraramensagemocultaemJeremias, Danielsubmeteu-seaumrigorosoprogramaascético:“Volteiorostoparao Senhor Deus, procurando dirigir-lhe as preces e súplicas como convém, observandojejum,vestidodeaniagemesentadonascinzas.” 35 Emoutraocasião, eledisseque“nãoingeriacomidasaborosa,carneevinhonãoentravamem minha boca, e nem mesmo me ungia até o fim das três semanas”. 36 Como resultadodessadisciplinaespiritual,elesetornouoreceptáculodeumadivina inspiração:Gabriel,oanjodarevelação,voouatéeleeofezcapazdeencontrar umnovosentidonapassagemproblemática. OestudodaTorásetornavaumadisciplinaprofética.Oexegetapreparava-se agoraparaseaproximardoantigodocumentomedianterituaispurificadores, comoseestivesseprestesa entrar num lugar sagrado. Punha-se num estado mentalalternativopormeioderituaisquelhedavamnovaacuidade.Oautordo séculoIIdescreveudeliberadamenteailuminaçãodeDanieldeumamaneiraque lembravaasexperiênciasvisionáriasdeIsaíaseEzequiel. 37 MasenquantoIsaías tevesuavisãonotemplo,Danielrecebeuasuanotextosagrado.Elenãotevede comerorolocomoEzequiel;emvezdisso,viviacomaspalavrasdaEscritura constantementeemseuespírito,interiorizando-as,edescobria-setransformado– “purgado,purificadoealvejado”. 38 OautordoséculoIIfezDanielprevero desfecho feliz da guerra macabéia encontrando uma mensagem inteiramente novanaspalavrasdeJeremias.Emversículosenigmáticos,obscuros,Gabriel indicou que, quer isso levasse “70 semanas” ou “70 anos”, os macabeus terminariamvitoriosos!Otextohaviaprovadosuasantidadeeorigemdivinaao falar diretamente de circunstâncias que o autor original não poderia ter previsto. 39 Porinfelicidade,adinastiahasmoneanafundadapelosmacabeusfoiuma enormedecepção.Osreiseramcruéisecorruptos;nãoeramdescendentesde Davi;e,paraohorrordosjudeusmaispiedosos,violavamasantidadedotemplo assumindo a função de sumo sacerdote, embora não fossem de linhagem sacerdotal.Ultrajadaporessesacrilégio,aimaginaçãohistóricadopovojudeu projetou-senofuturo.NofimdoséculoII,houveumaexplosãodepiedade apocalíptica.Emnovostextos,judeusdescreveramvisõesescatológicasemque Deusintervinhapoderosamentenosnegócioshumanos,estraçalhavaapresente ordemcorruptaeinauguravaumanovaeradejustiçaepureza.Enquantolutava paraencontrarumasolução,opovodeJudádividiu-senumamiríadedeseitas,

cadaumainsistindoquesomenteelaeraoverdadeiroIsrael. 40 Essefoi,contudo, um período bastante criativo. O cânone da Bíblia ainda não fora finalizado. Ainda não havia Escritura definitiva, nenhuma ortodoxia, e poucas seitas sentiam-seobrigadasaseconformaraleiturastradicionaisdaLeiedosProfetas. Algumas até se sentiam em liberdade para escrever Escrituras inteiramente novas. Adiversidade do final do período do Segundo Templo foi revelada

quandoabibliotecadacomunidadedeQumranfoidescobertaem1942.

Qumranmanifestouoespíritoiconoclásticodessaera.Ossectárioshaviam se retirado de Jerusalém para a margem do mar Morto, onde viviam em isolamentomonástico.ReverenciavamaLeieosProfetas,masacreditavamque somenteelesoscompreendiam. 41 Seulíder,oMestredaJusteza,receberauma revelaçãoqueoconvenceradequehavianasEscrituras“coisasocultas”quesó poderiamserdescobertasmedianteumaexegeseespecialpesher(“decifradora”). Cada palavra na Lei e nos Profetas esperava ansiosamente sua própria comunidade naqueles últimos dias. 42 Qumran era a culminação da história judaica,overdadeiroIsrael.LogoDeusintroduziriaaordemdeumnovomundo, e,depoisdavitóriafinaldosfilhosdaluz,umtemplocolossal,nãofeitocom mãoshumanas,seriaconstruído,eopactomosaicoseriareescrito.Nessemeio tempo,acomunidadedeQumraneraumtemplopuro,simbólico,quesubstituíra o santuário profanado em Jerusalém. Seus membros observavam as leis sacerdotais, purificavam suas vestes e entravam na sala de jantar como nos recintosdotemplo. Qumraneraumaalaextremadomovimentoessênio,quecontavacercade quatromilmembrosnoséculoIa.C. 43 Amaioriadosessêniostambémviviaem comunidades muito coesas, mas em cidades e aldeias, e não no deserto; casavam-se e tinham filhos, mas conduziam suas vidas como se o Fim dos Tempos já tivesse se iniciado, observando as leis da pureza, evitando a propriedade privada, possuindo todas as coisas em comum e proibindo o divórcio. 44 Faziamrefeiçõescomunitárias,emqueaspiravamàchegadadoreino vindouro, e, embora previssem a destruição do templo, continuavam a fazer devoçõesali. Osfariseus,outraseitaquecompreendiacercade1,2%dapopulação, 45 eram extremamenterespeitados.EmborasuaabordagemàLeieaosProfetasfosse mais convencional, eram abertos a novas idéias como a ressurreição geral, quandoosjustosselevantariamdeseustúmulosparapartilharotriunfofinalde Deus.Muitosdeleseramleigosquefaziamumesforçodevotadoparaviver comosacerdotes,observandoasleisdepurezaemsuasprópriascasascomose residissem no templo. Enfrentavam a oposição dos mais conservadores

saduceus, que interpretavam os textos Escritos mais rigorosamente e não aceitavamasnovasidéiassobreimortalidadepessoal. Aspessoasconcentravam-senotemploporqueelelhesproporcionavaacesso

a Deus; se isso falhasse, a religião perdia o sentido. Havia uma procura desesperada de uma nova maneira de entrar na presença divina, de novas

Escrituras e de novas maneiras de ser judeu. 46 Algumas seitas reescreveram completamenteostextosmaisantigos.OautordoPrimeiroLivrodeHenoc

imaginouDeusrasgandoempedaçosaterraeamosaicarevelaçãonomonte

Sinai para começar de novo com uma tabula rasa. O autor do Livro dos

Jubileus, amplamente lido no século II d.C., foi perseguido em razão da crueldadedealgunsdosEscritos.HaviaDeusrealmentetentadoexterminara raça humana no Dilúvio, ordenado a Abraão que matasse o próprio filho e afogado o exército egípcio no mar dos Juncos? Ele concluiu que Deus não

intervinhadiretamenteemassuntoshumanosequeosofrimentoquevemospor

todaparteànossavoltaeraaobradeSatãeseusdemônios.

AntesdoséculoId.C,nãohaviaexpectativageraldequeummessias,um

“ungido”, chegaria para pôr o mundo em ordem. 47 Apesar de referências

ocasionaisaumafiguradessetipo,essaaindaeraumaidéiaperiférica,não

desenvolvida.OscenáriosapocalípticosdofinaldoperíododoSegundoTemplo

geralmente imaginavam Deus estabelecendo a nova ordem, sem assistência humana.Haviaalgumasreferênciasesporádicasaconceitosquesetornariam cruciaismaistarde.Haviamençãoaumreidavídicoqueinaugurariao“reinode Deus”eestaria“parasempresobreasnaçõesemjulgamento”. 48 Outrotexto

falavadeumsoberanoque“seriachamadofilhodeDeuse…filhodoAltíssimo

e traria paz ao mundo” 49 – claramente um retorno nostálgico à profecia do Immanu-EldeIsaías.Masessasnoçõesisoladasaindanãoformavamumavisão coerente.

Isso mudou depois que a Palestina foi conquistada pelo general romano

Pompeu,em63a.C.,etornou-seumaprovínciadoImpérioRomano.Sobalguns

aspectos, o domínio romano foi benéfico. O rei Herodes, que reinou em

Jerusalémde37a4a.C.,reconstruiuotemplonumaescalamagnificente,e

peregrinos afluíam a ele para celebrar as festas. Mas os romanos eram

impopulares, e alguns prefeitos, sobretudo Pôncio Pilatos (26-36 d.C.), esmeravam-seeminsultarassensibilidadesjudaicas.Váriosprofetastentaram mobilizarapopulaçãonumarevolta. 50 UmcertoTeudasliderou400pessoasno deserto,prometendoqueDeusaslibertaria.Umprofetaconhecidocomo“O

Egípcio”convenceumilharesdepessoasasereunirnomontedasOliveirasa

fim de tomar de assalto a provocadora fortaleza romana situada ao lado do

templo.Amaioriadessasinsurreiçõesfoireprimidacombrutalidade,enuma ocasião os romanos crucificaram nada menos de dois mil rebeldes fora de

Jerusalém.Duranteosanos20d.C.,JoãoBatista,umprofetaascéticoquetalvez

pertencesseaomovimentoessênio,atraíagrandesmultidõesaodesertodeJudá, onde pregava que o “reino dos céus” estava próximo. 51 Haveria um grande julgamentoparaoqualosjudeusdeviamseprepararconfessandoseuspecados, imergindonorioJordãoeprometendoviverumavidahonrada,irrepreensível. 52 Emboranãopareçaterpregadocontraogovernoromano,Joãofoiexecutado pelasautoridades. Ao que parece, João tinha alguma relação com Jesus de Nazaré, um curandeiroeexorcistagalileuqueanunciouachegadaiminentedoreinodeDeus mais ou menos na mesma época. 53 O sentimento anti-romano tornava-se especialmente intenso durante as grandes festividades nacionais, e Jesus foi executado por Pôncio Pilatos por volta de 30 d.C., quando foi a Jerusalém celebraraPáscoa.MasissonãopôsfimaomovimentodeJesus.Algunsdeseus discípulosestavamconvencidosdequeeleselevantaradotúmulo;afirmavam queotinhamrecebidoemvisõesequesuaressurreiçãopessoalanunciavaos últimos dias, quando os justos se ergueriam de suas sepulturas. Jesus logo retornariaemglóriaparainauguraroreino.SeulíderemJerusalémeraoirmão deJesus,Tiago,conhecidocomooTzaddik,“oJusto”,equetinhaboasrelações tantocomosfariseusquantocomosessênios.Masomovimentoatraíatambém judeus de expressão grega na diáspora e, de maneira extremamente surpreendente,umnúmerosignificativode“tementesaDeus”,não-judeusque erammembroshonoráriosdassinagogas. OmovimentodeJesusfoiinusitadonaPalestina,ondemuitasseitaseram hostisaosgentios,mas,nadiáspora,aespiritualidadejudaicatendeuasermenos exclusivistaemaisabertaaidéiashelenísticas.Haviaumagrandecomunidade judaicaemAlexandria,noAltoEgito,cidadecriadaporAlexandreMagnoque havia se tornado um importante centro de saber. Os judeus alexandrinos estudavamnoginásio,falavamgregoerealizavamumainteressantefusãodas culturasgregaejudaica.Mas,comopoucosdelesliamohebraicoclássico,não podiamcompreenderaTorá.Defato,mesmonaPalestina,amaioriadosjudeus falavaaramaico,enãohebraico,eprecisavadeumatradução(targum)quandoa LeieosProfetaseramlidosemvozaltanasinagoga. OsjudeushaviamcomeçadoatraduzirsuasEscriturasparaogregoduranteo séculoIIIa.C.nailhadeFaros,bempróximaaolitoraldeAlexandria. 54 Esse projetoprovavelmentefoiiniciadopelosprópriosjudeusalexandrinos,mascom opassardosanosadquiriuumaauramítica.FoiditoquePtolomeuFiladelfo,o

reigregodoEgito,ficoutãoimpressionadocomasEscriturasjudaicasquequis umatraduçãoparasuabiblioteca.Assim,pediuaosumosacerdoteemJerusalém que enviasse para Faros seis anciãos de cada uma das 12 tribos. Todos trabalharamjuntossobreumtextoeproduziramumatraduçãotãoperfeitaque todos concordaram que devia ser preservada para sempre, “imorredoura e imutável”. 55 Emhomenagemaseusmaisde70tradutores,elaficouconhecida como a Septuaginta. Outra lenda parecia ter absorvido elementos da nova

espiritualidadedaTorá.Os70tradutores“provaram-seprofetasesacerdotesdos

mistérios”: “Reunidos … em isolamento, … eles ficaram por assim dizer possuídos,esobinspiraçãoescreveram,nãocadaumdosváriosescribasuma coisadiferente,masamesmacoisa,palavraporpalavra.” 56 Comooexegeta,os tradutoreseraminspiradoseproferiamapalavradeDeusdamesmamaneiraque osprópriosautoresbíblicos.

EssaúltimahistóriafoinarradapelofamosoexegetaalexandrinoFilon(70

a.C a 45 d.C.), que vinha de uma abastada família judaica de Alexandria. 57 EmboracontemporâneodeJoãoBatista,JesuseHillel(umdosmaiseminentes dos primeiros fariseus), habitava um mundo intelectual muito diferente. Platônico,FilonproduziugrandenúmerodecomentáriossobreoGênesiseo Êxodo,queostransformaramemalegoriasdologos(“razão”)divino.Essafoi outraespéciede“tradução”:Filonestavatentando“transferir”ou“transportar”a essênciadasnarrativassemíticasparaoutroidiomaculturaleinseri-lasnuma estruturaconceitualinteiramenteestrangeira. Filonnãoinventouométodoalegórico.OsgrammatikoideAlexandriajá estavam“traduzindo”osépicosdeHomeroemtermosfilosóficos,demodoque gregosinstruídosnoracionalismodePlatãoeAristótelespudessemusaraIlíada eaOdisséiacomopartedesuabuscadesabedoria.Elesbaseavamsuaallegoria nanumerologiaenaetimologia.Alémdesuaconotaçãotrivial,todonometinha um significado simbólico mais profundo, que expressava sua forma eterna, platônica. Por meio de reflexão e estudo, um crítico podia descobrir essa significação mais profunda e assim transformar as histórias homéricas em alegoriasdafilosofiamoral.Exegetasjudeusjáhaviamcomeçadoaaplicaresse métodoàBíblia,quepareciabárbaraeincompreensívelàssuasmentesgregas instruídas.Elesconsultavammanuaisquedavamtraduçõesgregasdenomes hebraicos.Adão,porexemplo,tornou-senous(“razãonatural”);Israel,psyche (“alma”); e Moisés, sophia (“sabedoria”). Esse método lançava uma luz inteiramentenovasobreasnarrativasbíblicas:ospersonagensfaziamjusaseus nomes?Oquerevelavaumahistóriaparticularsobreodilemahumano?Como podiaumleitoraplicá-laàsuaprópriabuscadeentendimento?

Ao aplicar esse método às narrativas bíblicas, Filon não pensava estar distorcendo o original. Ele levava o sentido literal dessas histórias muito a sério, 58 mas,comoDaniel,estavaàprocuradealgovigoroso.Umahistóriatem maisqueseusentidoliteral.Comoplatônico,Filonacreditavaqueadimensão atemporaldarealidadeeramais“real”quesuadimensãofísicaouhistórica. Assim,emboraotemplodeJerusalémfossesemdúvidaumaconstruçãoreal, sua arquitetura simbolizava o cosmo; o templo era, portanto, também uma manifestação eterna do Deus que era Verdade. Filon queria mostrar que as históriasbíblicaseramoqueosgregoschamavamdemythos.Esseseventos haviam acontecido no mundo real num momento particular, mas possuíam tambémumadimensãoquetranscendiaotempo.Amenosquefossemlibertadas deseucontextohistóricoesetornassemumarealidadeespiritualnavidados fiéis, elas não podiam ter função religiosa alguma. O processo de allegoria “traduzia” o significado mais profundo dessas histórias para a vida interior daquelequeaslia. Allegoriaeraumtermousadoporretóricosparadescreverumdiscursoque significavaalgodiferentedeseusignificadosuperficial.Filonpreferiuchamar seumétododehyponoia,“pensamentomaiselevado/maisprofundo”,porqueele tentavaalcançarumnívelmaisfundamentaldeverdade.Gostavatambémde falardesuaexegesecomouma“conversão”tantodotextoquantodointérprete. O texto devia ser “virado ao contrário” (trepain). 59 Quando lutava com um trechoobscurodeumescrito,ointérpretetinha,porassimdizer,queotorcer paraláeparacá,levando-oparamaispertodaluz,demodoaenxergá-lomais claramente. Às vezes tinha de mudar sua própria posição para postar-se corretamenteemrelaçãoaotextoe“mudardeidéia”. Trepainrevelavamuitosníveisdiferentesdeumahistória,masFiloninsistiu que o exegeta devia encontrar um fio central que perpassava todas as suas leituras. Ele escreveu quatro teses sobre a história de Caim e Abel numa tentativadedescobrirsuasignificaçãofilosóficasubjacente.Afinal,concluiuque otemaprincipaleraabatalhaentreoamorasimesmoeoamoraDeus.“Caim” significava “possessão”. Caim queria guardar tudo para si mesmo, e seu principalobjetivoeraserviraosprópriosinteresses.“Abel”significava“Aquele queatribuitudoaDeus”.Essasqualidadesestavampresentesemcadaindivíduo e encontravam-se constantemente em guerra dentro dele. 60 Em outra “conversão”,ahistóriailustravaoconflitoentreverdadeiraefalsaeloqüência:

Abel não conseguiu responder aos argumentos enganosos de Caim, mas permaneceu mudo e impotente até que o irmão o assassinou. Isso, Filon explicou,eraoqueaconteciaquandooegoísmoficavasemcontroleedestruíao

amordeDeusdentrodenós.TalcomomediadoporFilon,oGênesisdavaaos judeusdeAlexandriainstruídosemgregoumaestruturaeumsimbolismoque lhes permitiam contemplar verdades difíceis, mas básicas, sobre a vida espiritual. FilontambémaprimorouaconcepçãobíblicadeDeus,quepodiaparecer irremediavelmenteantropomórficaparaumplatônico.“Aapreensãodemimé algomaisqueanaturezahumana,sim,maisatéquetodoocéueoUniverso serãocapazesdeconter”,elefezDeusdizeraMoisés. 61 Filonestabeleceua distinçãomuitíssimoimportanteentreaousiadeDeus,suaessência,queera inteiramenteincompreensívelparasereshumanos,esuasatividades(energeiaei) epoderes(dynameis),quepodemosapreendernomundo.Nãohavianadasobre aousiadeDeusnaEscritura;lemossomentesobreseus“poderes”,umdosquais eraaPalavraouLogosdeDeus,oprojetoracionalqueestruturaoUniverso. 62 ComoJesusfilhodeSirac,Filonacreditavaque,quandovíamosderelanceo LogosnacriaçãoenaTorá,éramoslevadosalémdoalcancedarazãodiscursiva paraumextasiadoreconhecimentodequeDeusera“maiselevadoqueuma maneiradepensar,maisprecisoquetudoquesejaapenaspensamento”. 63 Eraabsurdo,segundoFilon,leroprimeirocapítulodoGênesisliteralmentee imaginarqueomundohaviasidocriadoemseisdias.Onúmero“seis”eraum símbolo da perfeição. Ele notou que havia duas histórias da criação muito diferentesnoGênesis,econcluiuqueanarrativadePnoCapítuloUmdescrevia acriaçãodoLogos,oplanomestredoUniversoquefoio“primogênito”de Deus, 64 equeorelatomaissimplesnoCapítuloDoissimbolizavaamodelagem douniversomaterialpelodemiourgos,o“artesão”divinonoTimeudePlatão, quehaviamodeladoasmatérias-primasdoUniversodemodoaestabelecerum cosmoordenado. AexegesedeFilonnãoerasimplesmenteumamanipulaçãoengenhosade nomesenúmeros,masumapráticaespiritual.Comoqualquerplatônico,ele experimentavaoconhecimentocomorecordação,conformejáconhecidoporele emalgumnívelprofundodeseuser.Aopenetrarsobosignificadoliteraldeuma narrativabíblicaepôranuseuprincípiofilosóficoprofundo,eleexperimentava umchoquedereconhecimento.Ahistóriatornava-sederepentefundidacom umaverdadequeerapartedelemesmo.Algumasvezeselelutavaferozmente comseuslivroseparecianãofazerprogressoalgum,masdepois,quasesem aviso, experimentava êxtase, como um sacerdote em um dos cultos secretos extáticos:

Tornei-me…subitamentepleno,asidéiascaíamcomoneve,demodoque,

soboimpactodapossessãodivina,fiqueicheiodeexaltaçãocoribânticae tornei-meignorantedetodasascoisas,lugares,pessoas,passado,presente, eumesmo,oqueestavaditoeoqueestavaescrito.Poisganheiexpressão, idéias, um prazer de viver, visão penetrante, clareza excepcionalmente distinta dos objetos como a que poderia ocorrer através dos olhos em resultadodeumaexposiçãomaisclara. 65

NoanodamortedeFilon,houvepogromscontraacomunidadejudaicaem Alexandria.EmtodooImpérioRomano,haviaummedomuitodifundidode

insurgênciajudaica,eem66d.C.umgrupodefanáticosjudeusorquestrouuma

rebelião na Palestina que, inacreditavelmente, conseguiu repelir os exércitos romanosdurantequatroanos.Temendoquearebeliãoseespalhasseentreas comunidades judaicas da diáspora, as autoridades estavam determinadas a esmagá-la sem piedade. Em 70, o imperador Vespasiano afinal conquistou Jerusalém. Quando penetraram nos pátios internos do templo, os soldados romanosencontraramaliseismilfanáticosjudeusdispostosalutaratéamorte. Quandoelesviramotemplopegarfogo,umgritoterrívelseergueu.Algunsse jogaramcontraasespadasromanas;outrosselançaramnaschamas.Depoisque otemplodesaparecera,osjudeusdesistiramenãomostraramnenhuminteresse em defender o resto da cidade, contemplando impotentes enquanto os funcionários de Tito demoliam com eficiência o que restara dela. 66 Durante séculosotemplosesituaranocoraçãodomundojudaicoeeracentralparaa religiãojudaica.Foradestruídoaindaumavez,masagoranãoseriareconstruído. Somente duas das seitas judaicas que proliferaram no final do período do Segundo Templo foram capazes de encontrar uma forma de prosperar. A primeira foi o movimento de Jesus, inspirado pelo desastre a escrever um conjuntointeiramentenovodeEscrituras.

Evangelho

|3|

N ão temos idéia do que teria sido o cristianismo se os romanos não tivessemdestruídootemplo.SuaperdareverberapelasEscriturasque constituem o Novo Testamento, muitas das quais foram escritas em

reaçãoàtragédia. 1 DuranteofinaldoperíododoSegundoTemplo,omovimento deJesusforaapenasumaentreamultidãodeseitasemcompetiçãoencarniçada. Havia características incomuns, mas, como diversos dos outros grupos, os primeiros cristãos se viam como o verdadeiro Israel e não tinham intenção algumadesedissociardojudaísmo.Contudo,temospoucoconhecimentode primeiramão,maspodemosfazerconjecturassobreahistóriadogrupodurante

os40anostranscorridosdesdequeJesusforaexecutadoporPôncioPilatos.

O próprio Jesus continua um enigma. Houve interessantes tentativas de descobrir a personalidade do Jesus “histórico”, projeto que se tornou uma espécie de indústria erudita. Mas o fato é que o único Jesus que realmente conhecemoséaqueledescritonoNovoTestamento,quenãoestavainteressado emhistóriacientificamenteobjetiva.Nãoháoutrosrelatoscontemporâneosde sua missão e morte. Não podemos nem mesmo saber ao certo por que foi crucificado.Osrelatosdosevangelhosindicamqueeraconsideradooreidos judeus.Declara-sequeelepreviraachegadaiminentedoreinodocéu,mas deixaraclarotambémqueelenãoeradestemundo.Naliteraturadofimdo período do Segundo Templo, houvera indicações de que algumas pessoas esperavamumreijustodacasadeDaviparaestabelecerumreinoeterno,eessa idéiapareceter-setornadomaispopularduranteosanostensosqueprepararamo caminhoparaaguerra.Josefo,TácitoeSuetônioobservamaimportânciada religiosidaderevolucionária,tantoantesquantodepoisdarebelião. 2 Haviaagora, em alguns círculos, uma ardente expectativa de um meshiah (em grego,

christós),umrei“ungido”dacasadeDaviqueredimiriaIsrael.Nãosabemosse Jesusafirmouseressemessias–osevangelhossãoambíguosemrelaçãoaesse aspecto. 3 OutraspessoasquenãoopróprioJesuspodemterfeitoessaafirmativa em seu nome. 4 Depois de sua morte, porém, aparecera para alguns de seus seguidoresemvisõesqueosconvenceramdequeeleseergueradotúmulo– evento que anunciava a ressurreição geral de todos os justos quando Deus instaurasseseureinosobreaterra. 5 JesuseseusdiscípulosvinhamdaGaliléia,nonortedaPalestina.Depoisde sua morte, mudaram-se para Jerusalém, provavelmente para estar a postos quandooreinochegasse,jáquetodasasprofeciasdeclaravamqueotemplo seriaopivôdanovaordem. 6 Oslíderesdeseumovimentoeramconhecidos como“osDoze”:noreino,governariamas12tribosdeIsraelreconstituído. 7 Os integrantesdomovimentolideradoporJesusparticipavam,juntos,decultos, todososdias,notemplo, 8 masencontravam-setambémpararefeiçõescomunais emqueafirmavamsuafénachegadaiminentedoreino. 9 Continuavamaviver comojudeusortodoxosedevotos.Comoosessênios,nãotinhampropriedade privada,partilhavamseusbensdemaneiraigualitáriaededicavamsuasvidasaos últimosdias. 10 ParecequeJesusrecomendarapobrezavoluntáriaezeloespecial pelospobres;quealealdadeaogrupodeviasermaisvalorizadaquelaçosde família;equeomaldeviaserenfrentadocomnão-violênciaeamor. 11 Oscristãos deviampagarseusimpostos,respeitarasautoridadesromanasenãodeviamnem cogitaremlutaarmada. 12 OsseguidoresdeJesuscontinuavamareverenciara Torá, 13 aguardaroShabat, 14 eaobservânciadasleisdietéticaseraumaquestão de extrema importância para eles. 15 Como o grande fariseu Hillel, contemporâneomaisvelhodeJesus,elesensinavamumaversãodaRegrade Ouro,queacreditavamseroalicercedaféjudaica:“Assim,tratesempreos outroscomogostariaqueelesotratassem;estaéamensagemdaLeiedos Profetas.” 16 Comoosessênios,osintegrantesdogrupodeJesusparecemtertidouma relaçãoambíguacomotemplo.ConstaqueJesusteriaprevistoqueomagnífico santuáriodeHerodeslogoseriaarruinado.“Vêsestasgrandesconstruções?”, perguntoueleaumdeseusdiscípulos.“Nãoficaráaquipedrasobrepedra;tudo será destruído.” 17 Em seu julgamento, ele afirmou que prometera destruir o temploereconstruí-loemtrêsdias.Mas,talcomoosessênios,osseguidoresde Jesuscontinuavamarezarnotemplo,enesseaspectoestavamsintonizadoscom outraslinhaspietistasdofimdoperíododoSegundoTemplo. Soboutrosaspectos,contudo,ocristianismoeraextremamenteexcêntricoe controverso. Não havia uma expectativa geral de que o messias morresse e

ressuscitasse.Defato,amaneiracomoJesusmorreufoiumafontedeembaraço. ComopodiaumhomemquemorreracomoumcriminosocomumseroUngido deDeus?Muitosconsideravamescandalosasasatribuiçõesdeumacondição messiânicaaJesus. 18 Faltavatambémaomovimentoorigormoraldealgumas dasoutrasseitas:elespreconizavamquepecadores,prostitutaseaquelesque coletavam os impostos romanos entrariam no reino antes dos sacerdotes. 19 Missionários cristãos pregavam o evangelho ou a “boa nova” do iminente retorno de Jesus em regiões marginais e religiosamente dúbias da Palestina, comoSamariaeGaza.Tambémestabeleceramcongregaçõesnadiáspora–em Damasco,Fenícia,CilíciaeAntioquia 20 –,ondefizeramumimportanteavanço. Emborapregassememprimeirolugarparaseuscompanheirosjudeus,os missionários descobriram que também atraíam gentios, em especial entre os tementes a Deus. 21 Na diáspora, os judeus acolhiam com prazer esses simpatizantespagãos,eoenormepátioexternodonovotemplodeHerodesfora deliberadamenteprojetadoparaacomodarmultidõesdegentiosquegostavamde participar das festas judaicas. Os devotos pagãos não haviam se tornado monoteístas.Elescontinuavamaadoraroutrosdeuseseaparticipardoscultos locais,eamaioriadosjudeusnãofaziaobjeçãoaisso,umavezqueDeussó pedira adoração exclusiva de Israel. Mas se um gentio se convertesse ao judaísmo,deviasercircuncidado,observaraToráeseabsterdaadoraçãode ídolos.Assim,achegadadenúmerossignificativosdegentiosconvertidosasuas congregações puseram os líderes da seita de Jesus num dilema. Alguns acreditavamqueoscristãosgentiosdeviamseconverteraojudaísmo,adotara Toráeenfrentaraexperiênciaarriscadaepenosadacircuncisão,masoutros pensavam que, como a ordem presente do mundo estava para acabar, a conversãotornava-sedesnecessária.Odebateficouacalorado,masfinalmente decidiu-sequeosgentiosqueaceitassemJesuscomomessiasnãoprecisavamse converteraojudaísmo.Deviamsimplesmenteafastar-sedaidolatriaeseguiruma versãomodificadadasregrasdietéticas. 22 Em vez de ver esses convertidos gentios como problemáticos, contudo, algunsentusiastaspassaramrealmenteaprocurá-loseaempreenderambiciosas missões no mundo gentio. Pedro, um dos Doze, havia feito convertidos na cidaderomanadeCesaréia,sededeguarnição;Barnabé,umjudeudeChipreque falavagrego,reuniamuitogentiosemsuaekklesia(“igreja”)emAntioquia, 23 cidadeondeaquelesqueacreditavamqueJesuseraochristósreceberampela primeiravezonomede“cristãos”. 24 Alguém–nãotemosamenoridéiadequem foi – chegou a fundar uma igreja em Roma. Para alguns integrantes da congregaçãodecristãosdeJerusalém,emespecialoirmãodeJesus,Tiago,isso

pareceudesconcertante.Essesgentiosmostravamumempenhoimpressionante. Muitosjudeusconsideravamospagãoscronicamentedependentesdehábitos corruptos: 25 ofatodetantosdelesseremcapazesdeobservaroselevadospadrões moraisdesuaseitajudaicasugeriaqueDeusestavaemaçãoentreeles.Porque faziam isso? Os convertidos gentios estavam dispostos a se desvencilhar inteiramentedoscultosbásicosparaavidasocialnumacidadepagãeseviam num indesejável limbo; como não podiam comer carne que tivesse sido sacrificada a falsos deuses, suas relações sociais com vizinhos e parentes haviam-setornadoquaseimpossíveis. 26 Tinhamperdidoseuvelhomundoenão sesentiaminteiramentebem-vindosnonovo.Noentanto,gentiosconvertidos continuavamachegar.Quesignificavaisso? OscristãosjudeusinvestigavamasEscriturasembuscadeumaresposta. ComoacomunidadeQumran,elesdesenvolveramsuaprópriaexegesepesher, esquadrinhandoaToráeosProfetasembuscadereferênciasoracularesaJesuse aosgentiosnoFimdosTempos.Descobriramquealgunsdosprofetashaviam preditoquegoyim seriam forçados, contra sua vontade, a adorar o Deus de Israel,outrosacreditavamqueelesparticipariamdotriunfodeIsraelejogariam seusídolosfora voluntariamente. 27 Assim, concluíram alguns dos cristãos, a presença de gentios provava que aqueles eram de fato os últimos dias. O processo vaticinado pelos profetas começara; Jesus era verdadeiramente o messiaseoreinoestavapróximo. UmdosmaisvigorososdefensoresdessanovaescatologiafoiPaulo,um judeudeTarso,naCilícia,quefalavagregoeingressaranomovimentocristão cercadetrêsanosapósamortedeJesus.ElenãoconheceraJesuspessoalmente, e fora de início hostil à seita, mas se convertera por uma revelação, que o convenceudequechristósodesignaraparaseroapóstolojuntoaosgentios. 28 PauloviajoumuitonadiásporaefundoucomunidadesnaSíria,naÁsiaMenore naGrécia,determinadoadisseminaroevangelhoatéosconfinsdaTerraantes queJesusretornasse.Eleescreveucartasaseusconversos,respondendoàssuas perguntas,exortando-oseexplicandoafé.Paulonemporuminstantepensou que fazia uma “Escritura”; como estava convencido de que Jesus retornaria aindaduranteasuavida,nuncaimaginouqueasgeraçõesfuturasestudariam cuidadosamente suas epístolas. Era considerado um mestre consumado, mas tinhaplenaconsciênciadequeseutemperamentoexplosivosignificavaquenão eraapreciadoemtodaparte.Contudo,suascartasàsigrejasdeRoma,Corinto, Galácia,FiliposeTessalônica 29 forampreservadas,e,apóssuamorte,noinício

dosanos60,escritorescristãosqueoreverenciavamescreveramemseunomee

desenvolveramsuasidéiasemcartasàsigrejasdeÉfesoeColossos,eredigiram

cartas supostamente póstumas dirigidas a Timóteo e Tito, companheiros de Paulo. Pauloinsistiaemqueseusconvertidosgentiosdeviamrenunciaratodosos cultos pagãos e adorar somente o Deus de Israel. 30 Mas não acreditava que devessemseconverteraojudaísmo,porqueJesusjáostornara“filhosdeDeus”, sem circuncisão e Torá. Deviam viver como se o reino já tivesse chegado:

zelandopelospobresecomportando-secomcaridade,temperança,castidadee modéstia.Ofatodecristãosgentiosprofetizarem,realizaremmilagrese,quando tomadospeloêxtase,falaremlínguasestrangeiras–proezastodascaracterísticas daeramessiânica 31 –provavaqueoespíritodeDeusestavavivonelesequeo reinochegarianumfuturomuitopróximo. 32 MasPaulonuncasugeriuqueosjudeusdevessemcessardeobservaraTorá, porqueissoosteriapostoforadaaliança.Israelreceberaapreciosadádivada revelaçãonoSinai,docultonotemplo,eoprivilégiodeserem“filhos”deDeus, desfrutandoumaintimidadeespecialcomEle–ePauloprezavatudoisso. 33 Quando ele invectivava amargamente contra os “judaizantes”, não estava condenandoosjudeusouojudaísmoemsimesmos,masaquelescristãosjudeus quequeriamqueosgentiosfossemcircuncidadoseobservassemintegralmentea Torá.ComooutrossectáriosnofinaldoperíododoSegundoTemplo,Paulo estavaconvencidodequesomenteelepossuíaaverdade. 34 Naeramessiânica, suascomunidadesmistasdejudeusegentioseramoverdadeiroIsrael. Paulo também investigava as Escrituras, cujo significado, ele acreditava, haviamudadodesdeavindadochristós.Umsalmo,quepareciasereferira Davi,haviafaladorealmentedeJesus. 35 “Defato,tudoquefoiescritohátanto tempo nas Escrituras teve o objetivo de nos ensinar alguma coisa.” 36 A verdadeira significação da Lei e dos Profetas acabara de vir à luz. Assim, aqueles judeus que se recusavam a aceitar Jesus como o messias não os compreendiammais.OSinaideixaradesercrucial.AtéentãoopovodeIsrael nãohaviapercebidoqueopactomosaicoeraapenasumamedidatemporária, provisória,demodoquesuasmenteshaviamficado“veladas”eelesnãotinham podidoverdoquetratavamasEscrituras.Ovéuaindaestavasobresuasmentes então, quando eles ouviam a Torá nas sinagogas. Os judeus precisavam ser “convertidos”,viradosaocontrárioparaqueenxergassemcorretamente.Então também eles seriam transformados, suas “faces descobertas refletindo como espelhosaglóriadoSenhor”. 37 Nadahaviadeheréticonisso.Osjudeushaviamuitotempoencontravam novosignificadoemEscritosmaisantigos,easeitaQumranpraticavaomesmo tipodepesher,descobrindonasEscriturasumamensagemsecretaquesereferia

àsuaprópriacomunidade.Quandocitavahistóriasbíblicasparainstruirseus conversos, Paulo as interpretava de maneira inteiramente nova. Adão agora prefiguravaCristo,masenquantoAdãointroduziraopecadonomundo,Jesus puseraahumanidadenumarelaçãocorretacomDeus. 38 Abraãohaviasetornado agoranãoapenasopaidopovojudeu,masoancestraldetodososfiéis.Sua“fé” (grego: pistis, palavra que, é importante notar, deveria ser traduzida por “confiança”,enãopor“crença”)haviafeitodeleumcristãomodelarséculos antesdachegadadomessias.QuandoaEscrituralouvavaafédeAbraão, 39 estavasereferindo“anóstambém”: 40 “PoisprevendoaEscrituraquepelafé Deus justificaria os pagãos, prenunciou a respeito de Abraão: Em ti serão abençoadastodasasnações.” 41 QuandoDeusordenouaAbraãoqueabandonasse sua concubina Hagar e seu filho Ismael no deserto, isso havia sido uma allegoria:HagarrepresentavaopactodoSinai,quehaviaescravizadoosjudeus àLei,aopassoqueSara,aesposanascidalivredeAbraão,correspondiaaonovo pacto,quelibertaraosgentiosdasobrigaçõesdaTorá. 42 OautordaEpístolaaosHebreus,queprovavelmenteescrevianamesma época, foi ainda mais radical. Estava tentando consolar uma comunidade de cristãosjudeusquecomeçavaaperderoânimo,argumentandovigorosamente que Cristo suplantara a Torá, era mais sublime que Moisés 43 e que o culto sacrificalhaviasimplesmenteprenunciadooatosacerdotaldeJesusaodarsua vidapelahumanidade. 44 Numapassagemextraordinária,oautorinterpretavaque toda a história de Israel exemplificava a virtude da pistis, confiança em “realidades que no presente permanecem invisíveis”. 45 Abel, Enoque, Noé, Abraão, Moisés, Gideão, Barac, Sansão, Jefté, David, Samuel e os profetas haviamtodosexibidoa“fé”:essahaviasidosuamaior–naverdade,suaúnica– façanha. 46 Masoautorconcluía:“Elesnãoreceberamoquefoiprometido,pois Deusprovidenciouparaquenóstivéssemosalgomelhor,eelesnãoalcançariam aperfeiçãoexcetoconosco.” 47 Nessa proeza exegética, toda a história israelita fora redefinida, mas, no processo,velhasnarrativas,quetratavamdetemasbemmaisamplosquepistis, perderamgrandepartedesuaricacomplexidade.ATorá,otemploeoculto apenasapontavamparaumarealidadefutura,porqueDeussempretiveraalgo melhoremmente.PauloeoautordosHebreusmostraramageraçõesfuturasde cristãoscomointerpretaraBíbliahebraicaeapossar-sedela.Osoutrosescritores doNovoTestamentoiriamdesenvolveressepesheretornarmuitodifícilparaos cristãosveraEscriturajudaicacomoalgomaisqueumprelúdiodocristianismo. OmovimentodeJesussetornavacontroversoantesmesmododesastrede 70. 48 Os cristãos, como todos os outros grupos judaicos, sentiram-se

absolutamente chocados quando viram o magnífico santuário de Herodes reduzidoaumapilhadeescombrosqueimados,malcheirosos.Épossívelque tivessemsonhadoemsubstituirotemplodeHerodes,masninguémimaginaraa vidasemtemploalgum.Masoscristãostambémviramsuadestruiçãocomoum apokalypsis,a“revelação”ouo“desvelamento”deumarealidadequeestiveralá otempotodo–masnãoforavistacomclarezaantes,asaber,queojudaísmo terminara.Asruínasdotemplosimbolizavamseutrágicofalecimentoeeramum sinaldequeofimseaproximava.Deusagorairiademolirorestodaordem defuntadomundoeestabeleceroreino. A destruição do primeiro templo em 586 a.C. havia inspirado uma assombrosa explosão de criatividade entre os eLivross na Babilônia. A destruiçãodosegundotemploestimulouumesforçoliteráriosimilarentreos

cristãos.EmmeadosdoséculoII,quasetodosos27livrosdoNovoTestamento

estavamconcluídos.ComunidadesjácitavamcartasdePaulocomosefossem Escritura, 49 eleiturasdeumadasbiografiasdeJesusqueestavamemcirculação haviam se tornado costumeiras durante o culto de domingo. Os evangelhos atribuídosaMateus,Marcos,LucaseJoãoacabariamsendoescolhidosparao cânone, mas havia muitos outros. O evangelho de Tomás (c. 150) era uma coleção de ditos secretos de Jesus que dariam um “conhecimento” (gnosis) redentor a seus discípulos. Havia evangelhos, agora perdidos, dos ebionitas, nazarenosehebreus,quealimentavamascomunidadescristãsjudaicas.Havia também muitos evangelhos “gnósticos”, representando uma forma de cristianismoqueenfatizavaagnosisedistinguiaumDeusinteiramenteespiritual (quemandaraJesuscomoseuenviado)eumdemiourgos,quecriaraomundo materialcorrupto. 50 OutrosEscritosnãosobreviveram:umevangelhoconhecido pelosestudiososcomoQ,porquefoiafonte(alemão:quelle)paraMateuse Lucas; várias antologias de ensinamentos de Jesus; e um relato de seu julgamento,torturaemorte. NoséculoIInãohavia,contudo,qualquercânonedetextosprescritosporque

aindanãohavianenhumaformapadrãodecristianismo.Marcião(c.100-165),

quedefendiamuitasidéiasgnósticas,quisromperovínculoentreocristianismo easEscriturashebraicas,umavezqueseacreditavaqueocristianismoerauma religiãointeiramentenova.Marciãoescreveuseupróprioevangelho,baseado nasepístolasdePauloenumaleituraexpurgadadeLucas.Issodeixoumuitos cristãosprofundamenteperturbadosnotocanteàsuarelaçãocomojudaísmo.

Ireneu,bispodeLyon(c.140-200),ficouhorrorizadotantocomMarciãoquanto

comosgnósticoseinsistiunovínculoentreasvelhasEscrituraseasnovas.Ele compilou uma lista de textos aprovados em que vemos o futuro Novo

Testamento,emembrião.ElacomeçavacomosevangelhosdeMateus,Marcos, LucaseJoão–nessaordem–,continuavacomosAtosdosApóstolos(uma históriadosprimórdiosdaIgreja),incluíaepístolasdePaulo,Tiago,Pedroe João,econcluíacomduasdescriçõesproféticasdofim:oApocalipseeOPastor deHermas.MasocânonenãofoifixadoatéumperíodoavançadodoséculoIV. AlgunsdoslivrosselecionadosdeIreneu,comoOPastordeHermas,seriam rejeitados,eoutros,comoaEpístolaaosHebreuseaEpístoladeJudas,seriam acrescentadosàlistadeIreneu. AsEscriturascristãsforamredigidasemmomentosdiferentes,emregiões diversaseparaaudiênciasmuitodíspares,mascompartilhavamumalinguagem eumconjuntodesímbolos,derivadosdaLeiedosProfetas,bemcomodetextos dofinaldoperíododoSegundoTemplo.Elasreuniamidéiasqueoriginalmente nãotinhamconexãoumascomasoutras–FilhodeDeus,FilhodoHomem, Messiasereino–numanovasíntese. 51 Osautoresnãodemonstravamissode maneira lógica, mas simplesmente justapunham essas imagens de forma tão repetidaqueelassefundiamnamentedoleitor. 52 Nãohaviaumavisãouniforme deJesus.Pauloochamarade“FilhodeDeus”,masusaraotítuloemseusentido judaico tradicional. Jesus era um ser humano que gozava de uma relação especialcomDeus,comoosantigosreisdeIsrael,eforaelevadoporeleauma condiçãosingularmentealta. 53 PaulonuncaafirmouqueJesuseraDeus.Mateus, Marcos e Lucas, conhecidos como os “sinóticos”, porque “vêem as coisas juntas”, também usaram o título “Filho de Deus” dessa maneira, mas eles sugeriramigualmentequeJesuserao“FilhodoHomem”dequefalaraDaniel,o quelhedavaumadimensãoescatológica. 54 João,querepresentouumatradição cristãdiferente,viuJesuscomoaencarnaçãodaPalavraeSabedoriadeDeus, queexistiraantesdacriaçãodomundo. 55 QuandooseditoresfinaisdoNovo Testamento reuniram esses textos, não ficaram incomodados com as discrepâncias. Jesus havia se tornado um fenômeno demasiado imenso nas mentesdoscristãosparaserpresoaumaúnicadefinição. Otítulode“Messias”foicrucial.UmavezqueJesusforaidentificadocomo o “Ungido” de Deus (christós), os escritores cristãos deram ao termo um significadoradicalmentenovo.ElesliamasEscriturashebraicasemgregoe semprequeencontravamumamençãoaumchristós–fosseeleumrei,um profeta ou um sacerdote –, interpretavam-na imediatamente como uma referênciacodificadaaJesus.Sentiam-seatraídostambémpelafiguramisteriosa doservonoSegundoIsaías,cujosofrimentohaviaredimidoomundo.Oservo nãohaviasidoumafiguramessiânica,masaocompará-loconstantementecom Jesus christós, usando a mesma técnica de fusão, eles estabeleceram pela

primeiravezaidéiadeummessiassofredor.Assim,trêsfigurasseparadas– servo,messiaseJesus–tornaram-seinseparáveisnaimaginaçãocristã. 56 Aexegesepesherdoscristãosfoitãometiculosaquenãohápraticamente versículo algum no Novo Testamento que não se refira às Escrituras mais antigas.OsquatroevangelistasparecemterusadoaSeptuagintacomooutra fonteparaabiografiadeJesus.Emconseqüência,édifícildesenredarfatode exegese. Os carrascos de Jesus realmente lhe deram vinagre para beber e sortearamsuasvestes,ouesseincidentefoisugeridoporcertosversículosdos Salmos? 57 Teria Mateus contado a história do parto virginal de Maria simplesmenteporqueIsaíasprofetizaraqueuma“virgem”conceberiaedariaà luzumfilhochamadoImmanu-El(aSeptuagintatraduziuapalavrahebraica almah, “moça”, por parthenos, “virgem”)? 58 Alguns estudiosos chegaram mesmoasugerirqueseriapossívelconstruirumevangelhointeiroapartirdas Escriturasjudaicas,semcitarumasópalavraditapelopróprioJesus. 59 Não sabemos quem escreveu os evangelhos. Quando apareceram, eles circularamanonimamente,esómaistardeforamatribuídosafigurasimportantes daIgrejaprimitiva. 60 Osautoreseramcristãosjudeus, 61 queescreviamemgrego e viviam nas cidades helenísticas do Império Romano. Eram não somente escritorescriativos–cadaumcomsuastendênciasparticulares–,mastambém redatorescompetentes,queeditarammateriaisanteriores.Marcosescreveupor

voltade70;MateuseLucasnofinaldosanos80,eJoãonofinaldosanos90.Os

quatroevangelhosrefletemoterroreaansiedadedesseperíodotraumático.O povo judeu estava em tumulto. A guerra com Roma dividira famílias e comunidades,etodasasdiferentesseitastinhamderepensarsuarelaçãocoma tradição do templo. Mas o apokalypsis do santuário arruinado pareceu tão convincente para os cristãos que eles se sentiram inspirados a proclamar a condiçãodemessiasdeJesus,cujamissão,segundoacreditavam,haviasido inseparavelmenteassociadaaotemplo. Marcos,queescrevialogoapósaguerra,estavaparticularmentepreocupado comotema.Suacomunidadeencontrava-seemsériasdificuldades.Oscristãos haviamsidoacusadosdesealegrarcomadestruiçãodotemplo,eMarcosmostra queosintegrantesdesuaekklesiaestavamsendoespancadosnassinagogas, arrastados perante os anciãos judeus e universalmente caluniados. Muitos haviamperdidoafé. 62 OsensinamentosdeJesuspareciamcairsobreterreno pedregoso,eoslíderescristãospareciamtãoobtusosquantoosDoze,que,no evangelhodeMarcos,davamaimpressãoderaramentecompreenderJesus. 63 Há um sentimento implacável de penosa ruptura com a corrente dominante do judaísmo. Não se pode remendar uma roupa velha com tecido novo, Jesus

advertiu,“docontráriooremendonovorepuxaotecidovelhoeorasgãosetorna maior.Ninguémpõevinhonovoemodresvelhos.Docontrário,ovinhoromperá os odres, levando a perder tanto o líquido como os odres”. 64 O discipulado significava sofrimento e uma luta interminável com forças demoníacas. Os cristãosdeviamsemanteralertas;deviamestarperpetuamentevigilantes! 65 Paulo,queescreveuquandootemploaindaestavadepé,malomencionara; masotemplofoicentralnavisãoqueMarcostevedeJesus. 66 Suadestruiçãofoi apenas o primeiro estágio no iminente apocalipse. 67 Daniel previra esse “sacrilégiodesolador”muitotempoantes,eotemploforadestruído. 68 Jesusnão eraumrenegado,comoafirmavamseusinimigos,masestavaprofundamente sintonizadocomasgrandesfigurasdopassado.ElecitouJeremiaseIsaíaspara mostrarqueotemploforadestinadoatodasasnaçõesassimcomoaosjudeus. 69 A ekklesia de Marcos, que admitia gentios, havia cumprido essas antigas profecias,masotemplonãoseconformaraaoplanodeDeus.Nãoespantaque tivessesidodestruído. AmortedeJesusnãoeraumescândalo,masforasidoprofetizadanaLeie nosProfetas: 70 previra-sequeeleseriatraídoporumdeseusseguidores 71 e abandonadoporseusdiscípulos. 72 Masoevangelhoterminavanumanotade terror. Quando as mulheres foram ungir o corpo, descobriram que o túmulo estavavazio.EmboraoanjolhestenhaditoqueJesusressuscitara,“perplexas, elassaíramdosepulcroefugiramapavoradas.Enãodisseramnadaaninguém, poisestavamcommedo”. 73 AhistóriadeMarcosterminavaaqui,sintetizandoo sentimentodesuspensãoreceosaqueoscristãosexperimentavamnaépoca.No entanto,ahistóriaconcisaebrutaldeMarcoserauma“boanova”,porqueo reino“jáchegara”. 74 Mas no momento em que Mateus escrevia, no fim dos anos 80, essas esperançascomeçavamasedesvanecer.Nadamudara:comopoderiaoreinoter chegado?Mateusrespondeuqueelechegavademaneiradiscretaetrabalhava silenciosamente no mundo como o fermento numa massa de pão. 75 Sua comunidade achava-se temerosa e irritada. Eram acusados por seus companheirosjudeusdeabandonaraToráeosprofetas; 76 haviamsidoaçoitados nassinagogas,arrastadosperantetribunaisdeanciãos 77 eacreditavamqueseriam torturados e mortos antes do Fim. 78 Mateus estava, portanto, especialmente ansiosopormostrarqueocristianismonãoapenasestavaemharmoniacoma tradiçãojudaica,maserasuaculminação.QuasecadaeventonavidadeJesus acontecera“paracumprirasEscrituras”.ComoosdeIsmael,SansãoeIsaac,seu nascimento foi anunciado por um anjo. 79 Os 40 dias de tentação no deserto equiparavam-se aos 40 anos dos israelitas no deserto; Isaías previra seus

milagres. 80 E–oqueeraomaisimportante–Jesusfoiumgrandemestreda Torá.Eleproclamouanovaleidaeramessiânicadoaltodeumamontanha 81 – comoMoisés–einsistiuquevieranãoparaabolir,masparacompletaraLeie osProfetas. 82 OsjudeusdeviamagoraobservaraTorámaisrigorosamenteque nunca.Nãobastavamais,paraosjudeus,abster-sedematar;nãodeviamsequer

se encolerizar. Não somente o adultério era proibido; um homem não podia sequerolharumamulhercomlascívia. 83 Avelhaleidaretaliação–olhopor olho,dentepordente–forasuplantada:agoraosjudeusdeviamofereceraoutra faceeamarseusinimigos. 84 ComoOséias,Jesusafirmouqueacompaixãoera maisimportantequeoritualeaobservância. 85 ComoHillel,pregouaRegrade Ouro. 86 JesusfoimaiorqueSalomão,Jonaseotemplo. 87 Osfariseusdaépocade MateusafirmavamqueoestudodaToráintroduziriaosjudeusàpresençadivina

(Shekhinah)queoutroraeleshaviamencontradonotemplo:“Sedoissentarem-

sejuntoseaspalavrasdaToráestiverementreeles,aShekhinahdescansará entreeles.” 88 MasJesusprometeu:“Ondedoisoutrêsestiveremreunidosem meunome,aliestareicomeles.” 89 OscristãosencontrariamaShekhinahpor intermédiodeJesus,quehaviaagorasubstituídootemploeaTorá. LucasfoiautordealgumaspartesdosAtosdosApóstolosedoevangelho. TambémeleestavaansiosopormostrarqueJesuseseusseguidoreseramjudeus devotos, mas enfatizou que o evangelho era para todos: judeus e gentios; mulheresehomens;ospobres,coletoresdeimpostos;oBomSamaritanoeo Filho Pródigo. Lucas nos proporciona um precioso relance da experiência espiritualquesuaexegesepesherdeuaoscristãosprimitivos.Elecontouuma históriaemblemáticadedoisdiscípulosdeJesusquecaminhavamdeJerusalém paraEmaústrêsdiasapósacrucificação. 90 Comomuitoscristãosnotempodo próprio Lucas, eles estavam perturbados e desesperados, mas na estrada encontraramporacasoumestranhoquelhesperguntouporqueestavamtão inquietos.ElesexplicaramqueeramdiscípulosdeJesusetinhamcertezadeque eleeraoMessias.Maselehaviasidocrucificado,e,parapiorarascoisas,as mulheresdeseugrupoespalhavamhistóriasfantásticassobreumtúmulovazioe uma visão de anjos. O estranho repreendeu-os gentilmente: não haviam compreendido que o Messias devia sofrer antes de entrar em sua glória? A começarporMoisés,elecomeçouaexpor“amensagemcompleta”dosprofetas. Aochegaremaseudestinoaquelanoite,osdiscípulosrogaramaoestranhoque se hospedasse com eles, e quando ele partiu o pão no jantar, perceberam subitamentequehaviamestadootempotodonapresençadeJesus,masseus “olhoshaviamsidoimpedidos”dereconhecê-lo.Quandoeledesapareceudesua vista,selembraramdecomoseuscoraçõeshaviam“ardido”dentrodelesquando elehavia“abertoasEscrituras”.

O pesher cristão era uma disciplina espiritual, enraizada na dor e na perplexidade,quefalavadiretamenteaocoraçãoeoiluminava.Oscristãosse reuniam“doisadois,outrêsatrês”ediscutiamarelaçãodaLeiedosProfetas comJesus.Àmedidaqueconversavam,ostextos“seabriam”eproduziamuma iluminaçãomomentânea.Issopassava,assimcomoJesusdesapareceutãologo forasidoreconhecido;porém,maistarde,contradiçõesaparentesseencaixavam numa numinosa sugestão de totalidade. O estranho desempenhou um papel decisivo.Aoconfiarememalguémquenuncatinhamvistoantes,osdiscípulos fizeramumatodefé(pistis).NaekklesiadeLucas,judeusegentiosdescobriam que,estendendoamãoparao“outro”,experimentavamaShekhinah,que,cada vezmais,identificavamcomseuchristós. Várias igrejas na Ásia Menor estavam desenvolvendo uma compreensão diferentedeJesus,representadapeloevangelhoeastrêsepístolasatribuídasa João e pelo livro escatológico do Apocalipse. Todos esses textos “joaninos” viamJesuscomooLogosencarnadoquedesceuàterracomorevelaçãofinalde Deus. 91 JesuseraoCordeirodeDeus,umavítimapropiciatóriaquetirouos pecadosdomundo,comooscordeirosritualmentesacrificadosnotemplona Páscoa. 92 Os integrantes dessas igrejas acreditavam que seu mais importante devereraamarunsaosoutros, 93 masnãoestendiamamãoaoestranho.Essa comunidade sentia-se sitiada e se unia em oposição ao “mundo”. 94 Toda a existência parecia polarizada em opostos conflitantes: luz contra escuridão, mundocontraespírito,vidacontramorteebemcontramal.Asigrejashaviam sofrido recentemente um cisma penoso: alguns de seus membros haviam consideradoseusensinamentos“intoleráveis”e“nãocaminhavammais”com Jesus. 95 Os fiéis viam esses apóstatas como “anticristos”, cheios de ódio assassinopeloMessias. 96 Osintegrantesdessaseitacristãestavamconvencidosdequesomenteeles eram certos e que o mundo estava contra eles. 97 O evangelho de João em particulardirigia-seaum“grupoexclusivo”,quetinhaumsimbolismoprivado incompreensível para os estranhos. Constantemente Jesus teve de dizer “aos judeus” que eles o procurariam e não o encontrariam: “para onde vou, não podeisvir.” 98 Suaaudiênciaficavamuitasvezesdesconcertada,mascomoJesus eraarevelaçãofinaldeDeusparaomundo,essafaltadeaceitaçãoeraum julgamento:aquelesqueorejeitavameramosfilhosdodiaboepermaneceriam nastrevas. Para João, o judaísmo estava sem dúvida acabado. Ele descreveu sistematicamenteJesussubstituindocadaumadasprincipaisrevelaçõesdeDeus paraIsrael.Deagoraemdiante,“oLogosressuscitadoseriaolugarondeos

judeusencontrariamapresençadivina:Jesus,oLogos,assumiriaafunçãodo templodestruídoesetornariaolugarondeosjudeusencontrariamapresença divina”. 99 Quandoelesaiudotemplo,aShekhinahseretiroucomele. 100 Quando celebrouafestadeSucot,duranteaqualaáguaeracerimonialmentederramada sobre o altar e as tochas gigantes do templo eram acesas, Jesus – como a Sabedoria–gritouqueeleeraaáguaealuzvivadomundo. 101 NafestadoPão Ázimo, ele afirmou que era o “pão da vida”. Não somente era maior que Moisés 102 e Abraão, mas encarnava a presença divina: teve a temeridade de pronunciaronomeproibidodeDeus:“antesqueAbraãojamaisfosse,Eusou (AniWaho)”. 103 Aocontráriodossinóticos,JoãonuncamostrouJesusatraindo conversosnãojudeus.Éprovávelquesuaekklesiafosseinteiramentejudaicano início,equeosapóstatasfossemcristãosjudeus,paraosquaisacristologia controversaeempotencialblasfemadacomunidadepareceu“intolerável”. 104 OlivrodoApocalipserevelaaamarguradocristianismojoanino.Aquio dualismo,motivorecorrenteemJoão,tornava-seumabatalhacósmicaentreas forçasdobemedomal.SatãesuascoortesatacavamMigueleseuexército angéliconocéu,enquantoosperversosatacavamosbonsnaterra.Parecia,à ekklesiaperturbada,queomaldeveriaprevalecer,masJoãodePatmos,oautor doApocalipse,insistiuqueDeusintervirianomomentocríticoederrotariaseus inimigos. Ele havia recebido uma “revelação” (apokalypsis) especial, que “desvelaria”overdadeiroestadodecoisas,demodoqueosfiéissaberiamcomo seconduzirduranteosúltimosdias.OApocalipseéinteiramentebaseadono medo: a Igreja estava aterrorizada pelo Império Romano, as comunidades judaicaslocaisegruposcristãosrivais.Mas,assegurava-lhesoautor,finalmente SatãcederiasuaautoridadeaumaBesta,quesurgiriadasprofundezasdomare exigiriaobediênciauniversal.DepoisoCordeiroviriaparasalvação.Aindaque aProstitutadaBabilôniachegassebêbadacomosanguedosmártirescristãos, anjosderramariamsetepragashediondassobreaterra,eaPalavracavalgaria paraabatalhanumcavalobranco,paracombateraBestaearremessá-lanum poçodefogo.Durantemilanos,Jesusgovernariaaterracomseussantos,mas depoisDeuslibertariaSatãdaprisão.Haveriamaisdestruição,outrasbatalhas atéqueapazfosserestauradaeaNovaJerusalémdescessedocéucomouma noivaparaseencontrarcomoCordeiro. ComotodososEscritosjoaninos,oApocalipseédeliberadamenteobscuro,e seussímbolosseriamininteligíveisparaosestranhos.Éumlivrotóxicoe,como veremos,atrairiapessoasque,comoasigrejasjoaninas,sentiam-seexcluídase ressentidas.Eratambémcontroverso,ealgunscristãosrelutaramemincluí-lono cânone.Masquandooseditoresdefinitivosdecidiraminseri-lonofimdoNovo

Testamento, ele se tornou o término triunfante de sua exegese pesher das Escriturashebraicas.Transformouorelatohistóricodaorigemdocristianismo numapocalipseorientadoparaofuturo.ANovaJerusalémsubstituiriaavelha:

“Nãovitemploalgumnacidade,poisseutemploeraoSenhorDeustodo-

poderosoeoCordeiro.”Ojudaísmoeseussímbolosmaissagradoshaviamsido substituídosporumvitoriosocristianismomilitante. 105 UmfiodeódiopercorreoNovoTestamento.ÉinexatochamarasEscrituras cristãsdeanti-semíticas,poisosautoreseramelesprópriosjudeus.Paulonão compartilhavadahostilidadeemrelaçãoaojudaísmo,masgrandepartedoNovo Testamentorefletiaadesconfiançageneralizada,aansiedadeeaturbulênciado períodoimediatamenteposterioràdestruiçãodotemplo,quandoosjudeusforam divididosdemaneiradolorosa.Emsuaansiedadeparaestenderamãoaomundo gentio, os sinóticos ficaram ávidos demais por absolver os romanos de sua responsabilidadepelaexecuçãodeJesuseafirmaram,comcrescenteestridência, queosjudeusdeviamarcarcomaculpa.MesmoLucas,quetinhaavisãomais positivadojudaísmo,deixouclaroquehaviaumbomIsrael(representadopelos seguidoresdeJesus)eum“mauIsrael”,personificadopelofariseuhipócrita. 106 Nos evangelhos de Mateus e João, essa tendência havia se tornado mais entrincheirada.MateusfezamultidãojudiagritarpedindoamortedeJesus:

“Queosanguedelecaiasobrenósesobrenossosfilhos”, 107 palavrasquedurante séculos inspiraram os pogroms que fizeram do anti-semitismo uma doença incurávelnaEuropa. Mateus irritava-se em particular com os fariseus: eles eram hipócritas presunçosos,obcecadospelaletradaleidemodoadesprezarporcompletooseu espírito;eram“guiascegos”,uma“raçadevíboras”,fanaticamenteempenhados na destruição das igrejas cristãs. 108 João também censurou os fariseus como maldosos,opressivosecronicamenteapegadosaomal;foramosfariseusque colheraminformaçõescontraJesusetramaramsuamorte. 109 Porqueesseódio acrimoniosoaosfariseus?Depoisdadestruiçãodotemplo,oscristãoshaviam sidoosprimeirosasemanifestaremcomapretensãodesetornaremaautêntica

vozjudaica,edeinícioparecemnãotertidorivaissignificativos.Nosanos80e

90, eles estavam se tornando desconfortavelmente cônscios de que algo de extraordinárioacontecia.Osfariseusiniciavamumassombrosoreflorescimento.

Midrash

|4|

C onstaque,duranteosúltimosdiasdocercodeJerusalém,paraconseguir

passarpelosjudeusfanáticosqueguardavamosportões,orabinoJohanan

benZakkai,líderdosfariseus,foiretiradodacidadeclandestinamente

numcaixão.Durantetodaaguerra,eleafirmaraquearebeliãocontraRomaera nãosomenteinútil,masautodestrutiva,equeapreservaçãodareligiãoeramais importantequeaindependênciapolítica.Umavezforadacidade,elesedirigiu até o acampamento romano e pediu a Vespasiano que poupasse a cidade litorâneadeYavneh,asudoestedeJerusalém,comoumrefúgioseguroparaos sábiosjudeus.ApósadestruiçãodeJerusalémedeseutemplo,fariseus,escribas

esacerdotescomeçaramasecongregaremYavneh,quepormaisde60anosfoi

ocentrodenotávelsíntesereligiosa.AhistóriadaespetacularfugadeJohanan temelementosapócrifosóbvios,masapoderosaimagemdorabinoerguendo-se docaixãoforadacidadecondenadaeraprofética,jáqueYavnehasseguroua ressurreiçãodeumanovaversãodotemplodojudaísmonasruínasdovelho. Nãosabemosmuito,contudo,sobreoperíododeYavneh. 1 Acoalizãode sábios foi orientada pelos fariseus, inicialmente pelo rabino Johanan e seus talentosos alunos, rabinos Eliezer e Joshua, e mais tarde pelo rabino Akiba.

Muitoantesdatragédiade70,osfariseushaviamestimuladoolaicatoaviver

comoseestivesseservindonotemplo,demodoquecadalareirasetornasseum altar,cadachefedefamíliaumsacerdote.Noentanto,osfariseuscontinuarama celebrarcultosnotemploreal,emboranãoimaginassemqueosjudeusteriam umdiadesearranjarsemele.MesmoduranteosanosquepassaramemYavneh, acreditavam,aoqueparece,queosjudeusseriamcapazesdeerguerumnovo

templo,massuaideologiaeraapropriadaaomundopós-70,poistinham,por

assimdizer,construídosuasvidascotidianasemtornodeumtemplovirtualque

se tornou o foco de sua espiritualidade. Agora o rabino Johanan e seus sucessorescomeçariamaconstruiressesantuárioimaginárioemmaiordetalhe. AprimeiratarefadosrabinosemYavnehfoicompilarepreservartodasas memóriasdisponíveis,assimcomoaspráticaserituaisdareligiãooficial,de modoquequandootemplofossereconstruído,ocultopudesseserretomado. OutrosjudeuspoderiamplanejarnovasrebeliõescontraoImpérioRomano;os cristãospodiaminsistiremqueJesussubstituíraotemplo;mas,juntocomos escribaseossacerdotesquehaviamsereunidoaelesemYavneh,osfariseus fariamumesforçoheróicoparamantercadadetalhedosantuárioperdidoem suas mentes, ao mesmo tempo que revisavam a Torá para atender às necessidadesdeummundodrasticamentealterado.Osfariseusprecisariamde muitosanosparasetornaroslíderesincontestesdonovojudaísmo.Mas,nofinal

dosanos80e90,comovimos,algunscristãoshaviamcomeçadoasesentir

seriamente ameaçados por Yavneh, cuja visão parecia mais convincente e autênticaparamuitosjudeusqueoevangelho.Noentanto,oempreendimento farisaicotinhadefatomuitoemcomumcomasigrejascristãsprimitivas.Os fariseustambémesquadrinhavamasEscrituras,inventavamumanovaformade exegese e compunham novos textos sagrados – muito embora nunca sustentassemqueestesformavamum“NovoTestamento”. QuandodoisoutrêsdosfariseusestudavamaTorájuntos,descobriam– comooscristãos–queaShekhinahestavaentreeles.EmYavneh,osfariseus desbravaramumaespiritualidadeemqueoestudodaTorásubstituíaotemplo comooprincipalmeiodeencontrarapresençadivina.Mas,aocontráriodos estudiosos bíblicos modernos, eles não estavam interessados em recuperar a significaçãooriginaldeumadadapassagemdaEscritura.ComoDaniel,estavam à procura de novos significados. Em sua visão, não havia leitura isolada definitivadaEscritura.Àmedidaqueoseventossedesdobravamnaterra,até DeustinhadecontinuarestudandosuaprópriaToráparadescobrirsuaplena significação. 2 Osrabinoschamavamsuaexegesedemidrash,palavraque,como vimos no Capítulo 2, derivava do verbo darash: “investigar”, “procurar”. O significadodeumtextonãoeraevidenteemsimesmo.Oexegetatinhadeira suaprocura,porquecadavezqueumjudeuseconfrontavacomaPalavrade DeusnaEscritura,elasignificavaalgodiferente.AEscrituraerainesgotável.Os rabinosgostavamdesalientarqueoreiSalomãousaratrêsmilparábolaspara

ilustrarcadaversículodaToráepodiadar1.005interpretaçõesdecadaparábola

–oquesignificavaquehaviatrêsmilhõese15milpossíveisexposiçõesdecada

unidadedaEscritura. 3 Naverdade,umtextoquenãopudesseserradicalmentereinterpretadopara

atenderàsnecessidadesdodiaestavamorto;aspalavrasregistradasdaEscritura tinhamdeserrevitalizadasporconstanteexegese.Sódepoispodiamrevelara presença latente dentro da Torá de Deus. O midrash não era uma atividade puramenteintelectual,eoestudojamaiseraumfimemsimesmo:tinhade inspiraraçãopráticanomundo.OexegetatinhaodeverdeaplicaraToráàsua situaçãoparticularefazê-lafalarsegundoacondiçãodecadamembrodesua comunidade. A meta não era nunca simplesmente elucidar uma passagem obscura,mastratardasquestõescandentesdodia.Nãocompreendíamosum texto até que tivéssemos encontrado uma maneira de pô-lo em prática. 4 Os rabinos chamavam a Escritura de miqra: uma “convocação” que chamava o povojudeuàação. Acimadetudo,omidrashdeviaserguiadopeloprincípiodacompaixão.Nos primeirosanosdoséculoI,ograndesábiofariseuHillelvieradaBabilôniapara Jerusalém,ondepregouaoladodeseurivalShamai,cujaversãodofarisaísmo era mais rigorosa. Diz-se que um dia um pagão aproximou-se de Hillel e prometeuconverter-seaojudaísmocasoeleconseguisseresumirtodaaTorá enquantoseequilibravanumapernasó.Equilibrando-senumapernasó,Hillel respondeu:“Nãofazateupróximooqueforodiosoparatimesmo.Estaétodaa Torá, e o restante não passa de comentário. Vai estudá-la.” 5 Esse foi um espantosoedeliberadamentecontroversoexemplodemidrash.Aessênciada Toráeraarecusadisciplinadadeinfligirdoraoutroserhumano.Tudomaisque estavanasEscrituraserameramente“comentário”,umaglosaàRegradeOuro. Nofimdaexegese,Hillelpronunciouummiqra,umchamadoàação:“Vai estudá-la!”QuandoestudavamaTorá,osrabinosdeviamtentarrevelaronúcleo decompaixãoqueresidianocoraçãodetodaalegislaçãoedasnarrativasnas Escrituras–mesmoqueissosignificassetorcerosentidooriginaldotexto.Os rabinosdeYavneheramseguidoresdeHillel.OrabinoAkiba,osábiomais importantedofimdoperíodoYavneh,declarouqueoprincípiobásicodaTorá eraomandamentoqueconstanoLevítico:“Amarásoteupróximocomoati mesmo.” 6 Somenteumdosrabinoscontestouisso,afirmandoqueassimples palavras“EsteéolegadodosdescendentesdeAdão”,erammaisimportantes porquerevelavamaunidadedetodaaraçahumana. 7 O rabino Johanan havia sido instruído pelos alunos de Hillel e,

imediatamenteapósacatástrofede70,aplicouessaintuiçãoàsassustadoras

realidades do mundo pós-templo. Um dia, ele havia caminhado pelas ruínas calcinadasdotemplocomorabinoJoshua,quehaviaexclamadoemdesespero:

“Comopoderiamosjudeusexpiarseuspecados,agoraquenãopodiammais realizar os rituais de sacrifício ali?” O rabino Johanan consolou-o, citando

palavrasqueDeusdisseraaOséias:“Nãoteaflijas,temosexpiaçãoàalturado templo,apráticadeatosdeamor,poisestádito:‘Eudesejomisericórdia(hesed) enãosacrifício.’” 8 Apráticadacompaixãoeraumatosacerdotalqueexpiaria pecados de modo mais eficaz que os antigos ritos expiatórios, e podia ser exercidaporpessoasleigascomuns,emvezdeseroapanágiodeumacasta sacerdotal exclusiva. Mas a exegese do rabino Johanan provavelmente teria surpreendidoOséias.Setivesseexaminadocomatençãoocontextooriginal,o rabinoteriacompreendidoqueDeusnãofalaracomOséiasdeatoscaridosos. Hesed devia ser apropriadamente traduzido por “misericórdia”, e não por “amor”. Deus não estivera interessado na bondade que os seres humanos deveriamdemonstrarunsaosoutros,masnalealdadedecultoqueIsraellhe devia. MasissonãoteriaperturbadoorabinoJohanan,quenãotentavafazeruma exposição histórica do texto, mas procurava consolar sua comunidade traumatizada.Nãohavianenhumanecessidadedeprantearotemplodemaneira demasiado extravagante: a caridade prática podia substituir o velho rito cerimonial.Eleestavaconstruindohoroz,uma“cadeia”quevinculavacitações originalmentesemnenhumaconexãoumascomasoutras,masque,umavez “encadeadas”,revelavamsuaunidadeintegral. 9 Começoucitandoumamáxima muitoconhecidadeSimeãooJusto,umveneradosumosacerdotedoséculoIII a.C.: 10 “Sobretrêscoisasomundoestábaseado:sobreaTorá,oserviçodo temploeapráticadeatosdeamor.” 11 ComoacitaçãodeOséias,issoprovava queacompaixãopráticaeratãoimportantequantoaToráeocultonotemplo.A benevolênciaera,porassimdizer,umapernaessencialdotripéquesustentavao mundointeiro,eagoraqueotemplosefora,aToráeacaridadeerammais importantesquenunca.Paraapoiaressaintuição,orabinoJohanancitou–talvez demaneiraligeiramenteincorreta–osalmista:“Omundoéconstruídopelo amor.” 12 Aojustaporessestrêstextosnãorelacionados,orabinoJohananhavia mostrado que, como Hillel afirmou, a caridade era realmente central na Escritura:cabiaaoexegetaelucidaresseprincípioocultoetrazê-loàluz. Ohorozeraessencialaomidrashrabínico.Davaaoexegetaumaintuiçãode totalidadeecompletudesimilaràshalomqueosjudeushaviamencontradono temploeàcoincidentiaoppositorumqueoscristãosexperimentavamemsua exegesepesher.Comooscristãos,osrabinosestavamlendoaLeieosProfetas demaneiradiferente,dando-lhesumsignificadoquetinhapoucarelaçãocoma intenção dos autores originais. O rabino Akiba aperfeiçoou esse midrash inovador.Seusalunosgostavamdecontarumahistóriaaseurespeito.Afamado gêniodorabinoAkibachegouatéMoisésnocéu,eumdiaeledecidiudescerà

terraparaassistiraumadesuasaulas.Sentou-senaoitavafileira,atrásdos outrosdiscípulos,e,paraseudesapontamento,viuqueaexposiçãodorabiAkiba eraincompreensívelparaele,emborasedissessequeelaforapartedarevelação recebidanomonteSinai.“Meusfilhosmesuperaram”,Moisésrefletiupesaroso, mascomorgulho,enquantorumavadevoltaparaocéu.Masporque,perguntou ele,DeusentregaraaToráparaele,quandoteriapodidoescolherumhomemda estaturaintelectualdeAkiba? 13 Outrorabinoexpressouissomaissucintamente:

“AssuntosquenãohaviamsidoreveladosaMoisésforamreveladosaorabino Akibaeseuscolegas.” 14 Arevelaçãonãoaconteceradeumavezportodasno monteSinai;eraumprocessoaindaemcurso,econtinuariaenquantoexegetas competentesprocurassemainesgotávelsabedoriaocultanotexto.AEscritura continhaasomadoconhecimentohumanoemformaembrionária.Erapossível encontrar“tudo”nela. 15 OSinaiforaapenasocomeço.Defato,quandoDeus deraaToráaMoisés,sabiaquegeraçõesfuturasteriamdecompletá-la.ATorá escritanãoeraumobjetoterminado;esperava-sequeossereshumanosusassem suaengenhosidadeparalevá-laàperfeição,assimcomoextraíamfarinhado trigoeteciamumapeçaderoupaapartirdolinho. 16 AlgunsrabinospensavamqueAkibaialongedemais.Seucolegarabino Ishmaelacusou-odeimpôrseuprópriosignificadoàEscritura:“Naverdade, você diz ao texto ‘Fique em silêncio até que eu o interprete’.” 17 Um bom midrashmantinha-setãopertodosignificadooriginalquantopossível,eorabino Ishmael sustentava que ele só devia ser mudado quando absolutamente necessário. 18 OmétododorabinoIshmaelerarespeitado,masodorabinoAkiba levouamelhor,porquemantinhaaEscrituraaberta.Paraumestudiosomoderno, essemétodoparecetransgressivo;omidrashvaihabitualmentelongedemais, pareceviolaraintegridadedotextoeprocurasentidoàcustadooriginal. 19 Mas osrabinosacreditavamque,porserapalavradeDeus,aEscrituraerainfinita. QualquersignificadoquedescobrissemnotextoforapretendidoporDeusse produzissenovoentendimentoebeneficiasseacomunidade. QuandoexpunhamaTorá,osrabinoscorrigiamregularmenteaspalavras, dizendoaseusalunos:“Nãoleiamisso…masaquilo.” 20 Aoalterarotextodessa maneira,introduziamporvezesnaEscrituraumanotadecompaixãoqueestivera ausente do original. Isso aconteceu quando o rabino Meir, um dos mais eminentesalunosderabiAkiba,discutiaumveredictosobreoDeuteronômio:

Seumhomemculpadodeumcrimecapitalformortoependuradonuma árvore,ocorponãodeveráficaraliduranteanoite;deverásenterrá-lono mesmo dia, porque um enforcado está sob a maldição de Deus (qilelat

Elohim), e não contaminarás a terra que Jeová teu Deus te deu por herança. 21

Havia interesse próprio nessa legislação, porque, se os israelitas contaminassematerra,iriamperdê-la.MasorabinoMeirsugeriuumanova leitura,baseadanumjogodepalavras:“NãoleiamqilelatElohim”,disseele, “masqallatElohim(“adordeDeus”).OrabinoMeirexplicouqueonovotexto revelavaopathosdeDeus,quesofriacomsuascriaturas:“Quandoumapessoa estáemgraveapuro,quedizaShekhinah?Écomosedissesse:‘Minhacabeça dói,meubraçodói’”. 22 ErapossívelencontraramoreaRegradeOuronos trechosmaisimprováveisdaTorá.Conformeobservaumestudiosomoderno:“a lançadeiramidráshicateceumatexturadecompaixãoemtornodeumpreceito legalsevero”;comoorabinoconvidavaseusalunosamudarotexto,também elesseenvolviamnoprocessoativodeinterminávelreinterpretação. 23 Omesmo se aplicava à exposição pelo rabino Judah das palavras ditas por Deus a Zacarias:“Todoaquelequeaferir[istoé,Israel]écomoalguémquefereseu (eyno)próprioolho.”“Nãoleiameyno(“seuolho”),maseyni(“meuolho”)”;o rabinoJudahinstruiuseuscolegas;otextoagoraafirmavaqueumDeusamoroso partilhava a dor de seu próprio povo: “Todo aquele que fere Israel é como alguémquefereMeu(eyni)olho.” 24 NãopodiahavernenhumainterpretaçãodefinitivadaEscritura.Essaidéia foi defendida já nos primeiros dias em Yavneh, quando o rabino Eliezer envolveu-se numa irredutível discussão com seus colegas sobre um preceito legal(halachá)naTorá.Quandoelesserecusaramaaceitarsuaopinião,orabino EliezerpediuaDeusparaapoiá-locomalgunsmilagres,e–mirabiledictu

umaalfarrobeiramoveu-se400côvadosporsimesma;águanumencanamento

fluiumorroacima;easparedesdacasadeestudostremeramcomtantaviolência queaconstruçãopareceuprestesadesabar.Masosoutrosrabinosnãoficaram impressionadoscomessademonstraçãodeforçasobrenatural.Emdesespero,o rabinoEliezerpediuqueumabatqol(“vozvindadocéu”)sepronunciasse,ea divina voz obsequiosamente declarou: “Que tendes contra o rabi Eliezer? A halacháésemprecomoelediz.”MasorabinoJoshuacitouumversículodo Deuteronômio:“Elanãoestánoscéus.” 25 AToránãoestavamaisconfinadaao mundoceleste;depoisqueforapromulgadanomonteSinai,nãopertenciamaisa Deus,maseraaposseinalienáveldecadajudeu.Assim,comentouumrabino posterior:“Nãoprestamosatençãoalgumaaumavozceleste.”Alémdisso,havia sidodecretadonoSinai:“Pormaioriavocêsdevemdecidir”, 26 portantoorabino Eliezer,umaminoriadeum,nãopodiaanularovotopopular.QuandoDeus

ouviu que sua opinião fora invalidada, riu e disse: “Meus filhos me subjugaram.” 27 Todas as limitações num midrash deviam-se à fraqueza do exegeta, que carecia da capacidade de compreender um texto em dada situação ou de encontrarumnovosignificado. 28 ARegradeOurosignificavatambémquetodo midrashqueespalhasseódioerailegítimo.Umainterpretaçãomesquinhaque derramassedesprezosobreoutrossábioseprocurassedesacreditá-losdeviaser evitada. 29 Opropósitodomidrasheraserviràcomunidade,nãoinflaroegodo exegeta,quedevia,explicouorabinoMeir,estudaraToráporamoraela,enão paraseuprópriobenefício.Umbommidrash,continuavaorabino,semeava afeição, não discórdia, porque todo aquele que estudava a Escritura apropriadamenteestavacheiodeamorelevavaalegriaaoutros:ele“amaa PresençaDivinaetodasascriaturas,deixafelizaPresençaDivinaedeixafelizes todasascriaturas”.OestudodaTorátransformavaoexegeta,vestindo-ocom humildadeemedo;tornando-ohonesto,piedoso,justoefiel,demodoquetodos àsuavoltasebeneficiassem.“OsmistériosdaTorálhesãorevelados”,concluiu o rabino Meir, “ele se torna como uma fonte transbordante e uma torrente contínua…Eissootornagrandeeoelevaacimadetodaacriação.” 30 “Nãoé minhapalavracomofogo?”,JeováhaviaperguntadoaJeremias. 31 Omidrash libertavaacentelhadivinaquedormianaspalavrasescritasdaTorá.Umdia,o rabinoAkibaouviuqueseualunoBenAzzaiforaapanhadonumnimbode chamas que lampejavam à sua volta enquanto expunha a Torá. Correu para investigar,eBenAzzailhedissequeestiverasimplesmentepraticandohoroz:

“Eu estava apenas ligando as palavras da Torá umas às outras e depois às palavras dos Profetas, e os Profetas com os Escritos, e as palavras se regozijaram,comoquandoforamentreguesnoSinai,eeramdoces,comoaoser pronunciadaspelaprimeiravez.” 32 ArevelaçãodoSinaierarenovadacadavez queumjudeuseconfrontavacomotexto,abria-separaeleeoaplicavaàsua própriasituação.ComoEzequiel,omidrashistadescobriaquequandoahavia absorvidoetornadounicamentesua,aPalavradeDeuseradocecomoomele punhaomundoemchamas. Comováriosrabinosantigos,BenAzzaieraummístico.Elesgostavamde contemplar o relato que Ezequiel fizera de sua visão da “glória” de Deus (Kavod),enquantorealizavamexercícios–jejuar,pôracabeçaentreosjoelhose sussurrar louvores a Deus – que os deixavam num estado mental alterado. Parecia-lhesentãoqueeramtransportadospelossetecéusatéquecontemplavam a“glória”emseutronoceleste.Masessaviagemmísticaeracheiadeperigos. Umahistóriamuitoantigacontacomoquatrodossábiostentaram“penetrarno

pardes”,um“pomar”simbólicoquelembravaojardimparadisíacodoÉden. BenAzzaiconseguiuchegaraesseestadoespiritualantesdemorrer,masdois dos outros místicos foram espiritual e mentalmente prejudicados pela experiência.SomenteorabinoAkibatevematuridadeparaemergirsãoesalvoe viverobastanteparacontarahistória. 33 OprópriorabinoAkibaachavaqueo Cântico dos Cânticos conduzia especialmente a esse ekstasis; ele não só significavamasfaziarealmentedoamordeDeusporseupovoumarealidade candentenocoraçãodomístico.“Atotalidadedostemposnãovaleodiaemque oCânticodosCânticosfoidadoaIsrael”,declarouorabinoAkiba.“Todosos Escritos(Kethuvim)sãosantos.OCânticodosCânticoséoSantodosSantos.” 34 NomundointeriordorabinoAkiba,oCânticohaviasubstituídoosantodos santosdotemplo,ondeapresençadivinarepousaraemseuantigotrono. Outros rabinos experimentavam o Espírito de Jeová como uma presença divinaeletrizantedentrodesieàsuavolta.Numaocasião,quandoorabino JohananhaviadiscutidoavisãodeEzequielcomseusalunos,umfogodesceudo céueumbatqoldeclarouquetinhaumamissãoespecialdeDeus. 35 Maso EspíritoSantoemformadefogodesceutambémsobreorabinoJohananeo rabinoEliezer–assimcomosobreosdiscípulosdeJesusemPentecostes– enquantoelesseocupavamdehoroz,ligandoosversículosdasEscriturasentre eles. 36 Nesseestágio,osrabinosaindanãohaviampostoseusachadosporescrito. Parecequeaprendiamdecorastradiçõesqueacumulavameastransmitiam oralmente,emboraosrabinosAkibaeMeirarrumassemomaterialemblocos queotornavamdemaisfácilmemorização. 37 Pareciaarriscadopôressesaber preciosoporescrito.Umlivropodiaserqueimadocomootemplooucairnas mãosdoscristãos,eestariamaisseguronoespíritoenoscoraçõesdossábios. Mas os rabinos também valorizavam a palavra falada por si mesma. Os formadosemYavnehquehaviamconseguidoaprenderessestextosoraisdecor eramchamadosdetannaim,“repetidores”.ElesrecitavamaToráemvozaltae desenvolviam seu midrash em conversas. A casa de estudos era ruidosa, abrigandodiscussõesanimadasedebatesclamorosos.

Em135,porém,osrabinossentiramnecessidadedeumregistroescritomais

permanente.Numatentativadearrastarosjudeusparaomundogreco-romano,o imperadorAdrianoanunciouquepretendiaderrubarasruínasdeJerusaléme construirumacidademodernanolugarsagrado.Acircuncisão,aformaçãode rabinoseoensinodaToráforamtodosproibidosporlei.Oastutosoldadojudeu Simeão bar Koseba liderou uma revolta contra Roma e, quando conseguiu expulsara10 a LegiãodeJerusalém,orabinoAkibaaclamou-ocomooMessias.

OprópriorabinoAkibarecusou-seaparardeensinare,segundoconsta,foi executadopelasautoridadesromanas.ArebeliãodeBarKosebafoiporfim brutalmente reprimida por Adriano em 135. 38 Milhares de judeus haviam morrido; a nova cidade foi construída, embora as ruínas do templo permanecessem; os judeus foram proibidos de residir na Judéia e ficaram confinadosaonortedaPalestina.AacademiadeYavnehfoidispersada,assim comooquadroderabinos.MasasituaçãomelhorousoboimperadorAntonino Pio (158-161), que amenizou a legislação antijudaica, e os rabinos se reagruparamemUsha,naGaliléiaInferior. O resultado desastroso da rebelião de Bar Koseba havia horrorizado os rabinos.Algunsradicais,comoomísticorabinoSimeãobenYohai,continuaram afazercampanhacontraRoma,masamaiorparteseafastoudapolítica.Os rabinosestavamagoradesconfiadosdomessianismoedesestimuladosdaprática domisticismo,preferindoumavidadisciplinadadeestudosaperigososvôosdo espírito.EmUsha,elesestabeleceramocânonedaBíbliahebraica,fazendouma seleção final dos Escritos (Kethuvim) do período do Segundo Templo. 39 Escolheram as obras históricas mais sóbrias e rejeitaram as fantasias apocalípticasselecionandotrechosdeCrônicas,Ester,EsdraseNeemias;edo gênerosabedoria:Provérbios,Eclesiastes,CânticodosCânticoseJó;masnãoo Eclesiástico. A Bíblia, que agora consistia em Torah, Neviim (Profetas) e Kethuvim,tornou-seconhecidacomooTaNaKh. Entre 135 e 160, os rabinos começaram também a criar uma Escritura inteiramentenova,quechamaramdeMishnah,umaantologiadastradiçõesque osrabinoshaviamcompiladoemYavneh,organizadassegundooesquemados rabinos Akiba e Meir, que se haviam comprometido a pôr por escrito. 40 Os rabinoshaviamfinalmenteadmitidoparasimesmosqueotemplojamaisseria reconstruído,eassimacrescentaramgrandequantidadedenovosmateriais,a maior parte dos quais dizia respeito ao culto e às festas. O termo hebraico mishnahsignificava“aprenderpelarepetição”:emboraassumisseformaescrita, a nova Escritura ainda era concebida como uma obra oral, e os alunos continuavamaaprendê-ladecor.AMishnahfoiconcluídapelorabinoJudah,o

Patriarca,porvoltade200,esetornouoNovoTestamentodosrabinos.Tal

comoasEscriturascristãs,elaviaoTaNaKhcomopertencenteaumafaseda históriaquedesapareceraparasempre,masquepodiaserusadaparalegitimaro judaísmopós-templo.Masassemelhançasterminavamaí.Nãohaviahistória alguma, nenhuma narrativa, nenhuma teologia. AMishnah era simplesmente uma formidável coleção de preceitos legais, organizados em seis Sederim (“Ordens”) – Zeraim (“Sementes”), Moed (“Festas”), Nashim (“Mulheres”),

Neziqim (“Danos”), Qodeshim (“Coisas sagradas”) e Tohoroth (“Regras de

pureza”).Eleseramdepoissubdivididosem63tratados.

EmcontrastecomoNovoTestamento,quenuncaperdiaumaoportunidade decitarasEscriturashebraicas,aMishnahmantinha-seorgulhosamentedistante doTaNaKh,rarasvezescitandoaBíbliaoufazendoapeloaseuensinamento.A MishnahnãoafirmavaderivarsuaautoridadedeMoisés,nuncadiscutiasuas origens ou autenticidade, mas supunha soberbamente que sua competência estavaforadequestão. 41 Osrabinos,encarnaçõesvivas,pulsantes,daTorá,eram supremamentecapazesdeinterpretaravontadedeDeusenãoprecisavamde apoiodaBíblia. 42 AMishnahnãoseinteressavaporaquiloemqueosjudeus acreditavam,maspelomodocomosecomportavam.Otemplodesaparecera, masaShekhinahaindaestavanomeiodeIsrael.Atarefadosrabinoseraajudar osjudeusaviveremsantidade,comoseotemploaindaestivessedepé. AsseisOrdenseramconstruídascomoumtemplo. 43 Aprimeiraeaúltima– Zeraim e Tohoroth – tratavam respectivamente da santidade da Terra e da santidade do povo. As duas Ordens mais íntimas – Nashim e Neziqim – legislavamparaasvidasprivadas,domésticas,dosjudeusesuasrelaçõesde negócios.MasoobjetodasegundaedaquintaOrdens–Moed(“Festas”)e Qodeshim(“Coisassagradas”)–eraotemplo.EssasduasSederim,compiladas quaseinteiramenteemUsha, 44 eramcomoosdoispilareseqüidistantessobreos quaisopesodetodooedifíciorepousava.Elaslembravamamorosamenteos detalhessimplesdavidanotemploperdido:comquefimcadasalaerausadae onde o sumo sacerdote guardava seu vinho. Como os vigias noturnos se comportavam?Queaconteciaseumsacerdoteadormecesseduranteoserviço? Nessesentido,otemploviverianoespíritodosjudeusecontinuariaasero centrodavidajudaica.EstudarasleisobsoletasdotemploexpostasnaMishnah eraequivalentearealmenteexecutarosritos. 45 Foraumacoisaparaosfariseusprimitivosvivercomosacerdotesenquantoo temploaindaestavadepé,maseraoutramuitodiferentefazê-loquandotudo querestavaeramalgumasruínascarbonizadas.Anovaespiritualidadeexigia umanegaçãoexegéticaheróica.MasaMishnahnãoolhavasimplesmenteparao passado. Milhares de veredictos novos decidiam as implicações da presença virtualdotemplo.Seosjudeusdeviamvivercomosacerdotes,comodeviam lidarcomosgentios?Qualeraopapeldasmulheres,queagoratinhamamissão sacerdotaldesupervisionarasregrasdepurezanacasa?Osrabinosnuncaseriam capazesdepersuadiraspessoasaobservaresseformidávelcorpusdeleissenão lhestivessemdadoumaexperiênciaespiritualsatisfatória.

Cercade50anosdepoisqueaMishnahforaconcluída,umnovotextodotou

essatradiçãooraldeumagenealogiaespiritualqueremontavaaomonteSinai. 46 OautordosPirkeiAvoth(“CapítulosdosPais”)traçoualinhadetransmissão dosrabinosdeUshaeYavnehatéorabinoJonahanbenZakkai,queaprenderaa TorácomHilleleShamai.Mostroudepoiscomooensinamentohaviapassado através de gerações de eminentes sábios do período do Segundo Templo, terminandocomoshomensda“GrandeAssembléia”, 47 quehaviamrecebidoa Torá dos profetas; estes últimos tinham sido instruídos pelos “anciãos” que haviam conquistado a Terra Prometida; 48 os anciãos, por Josué, Josué por Moisés,eMoisés,afontedatradição,haviarecebidoaTorádopróprioDeus. Agenealogianãobuscavaserfactual;comotodomythos,elaestavaligadaa umsignificado,nãoaumainformaçãohistoricamenteprecisa,edescreviauma experiênciareligiosa.QuandoosjudeusestudavamaTorásegundoaMishnah, tinhamaimpressãodeparticiparemdeumaconversaemcursocomtodosos grandessábiosdopassadoecomopróprioDeus.Issoeracondizentecomomito fundadordojudaísmorabínico.NãohaviaumaTorá,masduas–escritaeoral. AmbashaviamsidodadasaMoisésnoSinai.AToránãopodiaserconfinadaa umtexto;tinhadeserrevigoradapelasvozesvivasdossábiosemcadageração. QuandoestudavamaTorá,osrabinostinhamaimpressãodeestaraoladode MoisésnoSinai.ARevelaçãocontinuavaasedesdobrar,eosachadosdetodos osjudeuspassados,presenteseporvirderivavamdeDeustãoseguramente quantoaToráescritadadaaMoisés. 49 AposiçãodosjudeusnoImpérioRomanodeteriorou-seapósaconversãodo

imperadorConstantinoaocristianismoem312.ApósarevoltadeBarKoseba,

quandoochristóshaviadeixadotãonotavelmentedeaparecer,ocristianismo judaico havia diminuído e as igrejas eram agora sobretudo gentias. Quando

TeodósioII(401-50)fezdocristianismoaféoficialdoImpério,osjudeusforam

proibidos de ocupar cargos civis ou militares, o hebraico foi proibido nas sinagogas; se a Páscoa judaica caísse antes da Páscoa cristã, os judeus não tinham permissão para observá-la na data correta. Os rabinos reagiram obedecendoàsinstruçõesdossábiosemPirkeiAvoth,quehaviaminstadoseus discípulos a “construir uma cerca para a Torá”. 50 Eles produziram novas Escrituras, que cercavam a Torá viva de comentários instruídos e devotos, protegendo-adeummundohostilcomoospátiosdotemplohaviamoutrora protegidooSantodosSantos.

OTosefta,um“suplemento”àMishnah,foicompostonaPalestinaentre250

e350:eraumcomentárioàMishnah,glosaapósglosa.Sifra,tambémescritona

Palestinaporvoltadamesmaépoca,tentavainverteratendênciaqueparecia

afastarosjudeusdoTaNaKh,etentava,respeitosamente,subordinaraToráoral

àescrita.MasosdoisTalmudesdeixaramclaroqueopovojudeunãosesentia inclinadoaseguiressecaminho.OTalmudedeJerusalém,conhecidocomoo Yerushalmi,foiconcluídonoiníciodoséculoVnaPalestina,numaépocamuito ruimparaacomunidadejudaica.Talmudsignifica“estudo”,masoYerushalmi interpretava a Mishnah, não a Bíblia, embora mitigasse a independência orgulhosadoTaNaKh. 51 OYerushalmicitavaaBíbliacommaisfreqüênciae muitasvezesexigiacomprovaçãoescritaparaseusveredictoslegais–embora nunca permitisse à Bíblia ser o único árbitro da legislação. Casos legais envolvemquestõesdefatoassimcomodeprincípio,eoTaNaKhnãopodia proporcionaressainformaçãonecessária.MasumsextodoYerushalmiconsistia em exegese da escrita e anedotas sobre os grandes rabinos, o que ajudou a humanizaroformidávelcorpuslegal. Más condições na Palestina provavelmente impediram a conclusão do Yerushalmi, que deveria, talvez, ser considerado uma obra em curso. Mas, durante o século VI, os judeus da Babilônia produziram um Talmude mais satisfatórioeaperfeiçoado. 52 Haviaconstanteintercâmbioentreosrabinosda PalestinaedaBabilônia.Comoossoberanosiranianoserammaisliberaisqueos imperadorescristãos,os judeusdaBabilônia tinhamliberdadepara conduzir seusprópriosnegóciossobumexiliarcaoficialmentedesignado.Àmedidaquea populaçãojudaicapalestinadeclinou,aBabilôniatornou-seocentrointelectual domundojudaico,eoTalmudebabilônico,conhecidocomoBavli,traziauma confiançaserenaquerefletiaessascircunstânciasmaisfavoráveis.Elesetornaria o texto-chave do judaísmo rabínico. Assim como o Yerushalmi, era um comentário(gemaraMishnah,masnãoignoravaoTaNaKh,usadoparaa apoiar a Torá oral. Sob alguns aspectos, o Bavli era semelhante ao Novo Testamento,porquantoseusautores-editoresoviamcomoaconclusãodaBíblia hebraica–umanovarevelaçãoparaummundotransformado. 53 ComooNovo Testamento,oBavlieraextremamenteseletivoemseutratamentodaEscritura maisantiga,escolhendoapenasaquelasporçõesdoTaNaKhqueconsiderava úteiseignorandooresto. OcomentáriodoBavliavançavasistematicamentepelaMishnah,partepor parte.Agemarareferia-senãosomenteàBíblia,mastambémàsopiniõesdos rabinos, lendas, história, reflexões teológicas e saber jurídico. Esse método obrigavaoestudanteaintegrarastradiçõesescritaeoral,demodoqueelasse fundissememsuamente.OBavliincluíaboaquantidadedematerialmaisantigo queaMishnah,masgrandepartedeseuconteúdoeraentãorecente,demodo queoestudanteganhavaumanovaperspectivaquemudavasuavisãotantoda MishnahquantodaBíblia.OBavlierarespeitosocomrelaçãoaostextosmais

antigos,masnãovianenhumdelescomosacrossanto.Emseucomentário,os autores-editores por vezes revogavam a legislação da Mishnah, jogavam um rabinocontraooutroemostravamlacunasnosargumentosdaMishnah.Faziam exatamente o mesmo com a Bíblia, observando sérias lacunas nos textos bíblicos, 54 sugerindo o que autores inspirados deveriam ter dito 55 e até transformado uma lei bíblica em preceitos mais adequados deles próprios. 56 QuandolidaemconjuntocomoBavli,aBíbliaeratransformada–damesma maneiraqueoNovoTestamentoalteravaaleiturado“AntigoTestamento”.Se textos bíblicos eram incluídos na gemara, nunca eram discutidos em seus própriostermosenumcontextobíblico,massemprelidosdopontodevistada Mishnah.ComoexplicouorabinoAbdinideHaifa,osrabinoseramosnovos profetas:“Desdeodiaemqueotemplofoidestruído,aprofeciafoitomadados profetasedadaaossábios.” 57 AToráera,portanto,umarealidadetranscendente corporificadaemduasformasmateriais:umaEscrituraeumatradiçãooral. 58 AmbasvinhamdeDeus;ambaseramnecessárias,masosrabinosprivilegiavam a Torá oral porque um texto escrito podia estimular a inflexibilidade e a orientaçãoparaopassado,aopassoqueapalavrafaladaeascorrentessempre cambiantes do pensamento humano tornavam a Palavra mais sensível às condiçõesemmudança. 59 OuvimosmuitasvozesnoBavli:Abraão,Moisés,osprofetas,osfariseuse os rabinos. Mas elas não ficavam confinadas a seu período histórico, sendo reunidasnamesmapágina,demodoquepareciamestardebatendoumascomas outrasatravésdosséculos–muitasvezesdiscordandocomveemência.OBavli não dava resposta definitiva. Se uma discussão terminava num impasse, os estudantes tinham de resolvê-lo de maneira que satisfizesse a eles e a seus professores.OBavlifoidescritocomooprimeirotextointerativo. 60 Seumétodo reproduziaoprocessodeestudousadopelosprópriosrabinos,eassimcompelia osestudantesaseenvolvernamesmadiscussãoedarsuaprópriacontribuição. Adisposiçãodecadapáginaeracrucial:aporçãodaMishnahsobdiscussãoera posta no centro, cercada pela gemara de sábios do passado distante e mais recente.OsprofetasepatriarcasdaBíblianãoeramconsideradossuperioresaos rabinosporteremparticipadodarevelaçãooriginal.Comojáexplicaraorabino Ishmael:“NãohánenhumaanterioridadeouposterioridadenaEscritura.” 61 Em cada página havia também espaço para o estudante acrescentar seu próprio comentário.AoestudaraBíbliapormeiodoBavli,oestudanteaprendiaque ninguémtinhaaúltimapalavra,queaverdadeestavamudandoconstantementee que,emboraatradiçãofossenuminosaevalorosa,nãodeviaconstrangerseus próprios poderes de julgamento. O estudante devia acrescentar sua própria gemaraàpáginasagrada,porquesemelaalinhadatradiçãochegariaaofim.

“QueéTorá?”,perguntavaoBavli,“Elaé:ainterpretaçãodaTorá.” 62 OestudodaToránãoeraumaatividadesolitária.OrabinoBerachiah,um sábiopalestinodoséculoVII,comparouadiscussãorabínicacomumapeteca:

“Aspalavrasvoamparaumladoeparaoutroquandoosábiochegaaumacasa de estudo e discute a Torá, um expondo sua opinião, outro expondo outra opinião,eumterceiroexpondoumaopiniãodiferente.”Contudo,haviauma unidade fundamental, porque os sábios não estavam meramente expressando suasprópriasopiniões:“Aspalavrasdessesedosoutrossábioseramtodasdadas porMoisésoPastorapartirdoqueelerecebeudoÚnicodoUniverso.” 63 Mesmo quando envolvido num acalorado debate, o estudante verdadeiramente empenhado sabia que tanto ele quanto seu oponente de alguma maneira participavam de uma conversa que se estendia no passado até Moisés e continuarianofuturo,edequeoqueambosdiziamjáhaviasidoprevistoe prometidoporDeus. Embora fossem vistos agora como inimigos do judaísmo, os cristãos desenvolviamumaespiritualidadesemelhante.

Caridade

|5|

A ntesdaconversãodeConstantino,em312,pareciaimprovávelqueo

cristianismo fosse sobreviver, pois os cristãos estavam sujeitos a perseguiçãoesporádica,masintensa,porpartedasautoridadesromanas.

Depoisqueelesdeixaramclaroquenãoerammaismembrosdasinagoga,os romanospassaramaveraIgrejacomoumasuperstitiodefanáticosquehaviam cometido o pecado cardinal de romper com a fé paterna. Os romanos eram extremamente desconfiados com relação a movimentos de massa que se desvencilhavamdasrestriçõesdatradição.Oscristãoseramtambémacusadosde ateísmo,porqueserecusavamahonrarosdeusespatronosdeRoma,eassim ameaçavamoImpério.Asperseguiçõestinhamoobjetivodeextinguirafée

poderiamtê-lofeitocomfacilidade.Aindaem303,oimperadorDiocleciano

iniciou uma guerra de extermínio contra os cristãos. Essa época de terror e ansiedadedeixousuamarca.Omártir,prontoaseguirJesusàmorte,tornou-seo heróicristãoporexcelência. Alguns cristãos tentavam convencer seus vizinhos pagãos de que o cristianismo não era um rompimento destrutivo com a piedade anterior ao escreverapologiae,“explicaçõesracionais”desuafé.Umdeseusprincipais argumentos era que a vida e a morte de Jesus haviam sido previstas pelos profetashebreus,argumentoqueosromanos,comseurespeitoporaugúriose oráculos,levavammuitoasério.Osevangelistashaviamapreciadosuaexegese pesher,masosapologistasaconsideravammaisdifícil.DepoisqueMarcion havia instado os cristãos a abandonar as Escrituras hebraicas, gentios convertidossentiam-secadavezmaisdesconfortáveisemrelaçãoàsuaherança judaica. 1 Eles não participavam mais dos cultos nas sinagogas, então o que tinhamavercomodeusjudaico?TeriaDeusmudadodeidéiasobreaantiga

Aliança?ComopodiaahistóriasagradadeIsraelserhistóriacristã?Quehaviam osprofetasrealmentesabidosobreJesus,ecomohaviamsabido?PorqueIsaías e Zacarias estavam tão preocupados com Jesus, o fundador de uma religião gentia? Um dos primeiros desses apologistas foi Justino (100-160), um pagão convertidodeSamaria,naTerraSanta,queacaboumorrendocomomártir.Ele havia estudado várias filosofias gregas, mas encontrou o que buscava no cristianismo.OlogosnoprólogodoevangelhodeJoãolembrouaJustinoo sopro abrasador, divino, que os estóicos acreditavam ter organizado toda a realidade e chamavam de Logos (“Razão”), Pneuma (“Espírito”) ou Deus. Evidentemente,cristãosepagãostinhamumconjuntodesímboloscomuns.Em duasApologiae, Justino afirmou que Jesus era a encarnação do Logos, que estiveraativonomundoaolongodetodaahistória,inspirandotantogregos quantohebreus.Elehaviafaladoatravésdosprofetas,quehaviamsidoassim capazes de predizer a chegada do messias. O Logos havia assumido muitas formasantesdesuarevelaçãodefinitivaemJesus.FalarapormeiodePlatãoe Sócrates.QuandoMoiséspensouterouvidoDeusfalarapartirdasarçaardente, realmente ouvira o Logos. Os oráculos dos profetas não haviam sido pronunciados“pelospróprios[profetas]inspirados,maspelaPalavradivinaque osmovia”. 2 AlgumasvezesoLogoshaviaprevistoofuturo;outrasvezes,falara emnomedeDeus.MasosjudeushaviamimaginadoqueDeusestavafalando comelesdiretamente,enãotinhamcompreendidoqueaquelefora“oLogos primogênito”deDeus. 3 NasEscriturasjudaicas,Deusenviaraumamensagem cifradaparaahumanidadequesomenteoscristãostinhamconseguidodecifrar. AidéiadoLogosdeJustinotornou-secentralparaaexegesedosteólogos conhecidos como os “pais” ou “Padres” da Igreja, porque criaram as idéias seminaisdocristianismoeadaptaramessaféjudaicaaomundogreco-romano. Desdeumadataremota,osPadresviramoTaNaKhcomoumelaboradosistema de signos. Como explicou Ireneu, os Escritos de Moisés eram realmente as palavrasdeCristo,oLogoseterno,queestiverafalandoatravésdele. 4 OsPadres nãoviamo“AntigoTestamento”comoumaantologiadeEscritos,mascomoum únicolivrocomumamensagemunificada,queIreneuchamoudesuahypothesis, o argumento “sob” (hypo) a superfície. As Escrituras hebraicas não mencionavamJesusdiretamente,massuavidaemorteformavamosubtexto cifradodaBíblia,etambémrevelavamosegredodocosmo. 5 Objetosmateriais, realidadesinvisíveis,eventoshistóricoseleisnaturais–naverdade,tudoque existia–faziampartedeumsistemadivinamenteorganizadoqueIreneuchamou de“economia”.Tudotinhaseulugarapropriadonaeconomiaeestavaassociado

atodasasoutrascoisasparaformarumtodoharmonioso.Jesuseraaencarnação dessa economia divina. Como Paulo havia explicado, sua vinda finalmente revelaraoplanodeDeus:“queoUniverso,todasascoisasnocéuenaterra pudessemserlevadasaumaunidade(anakephalaiosis)emCristo”. 6 Jesuseraa razão,opropósitoeaculminaçãodograndeprojetodeDeus. ComoCristosesituavanocernedasEscriturashebraicas,estasexpressavam tambémaeconomiadivina,masessesubtextosósetornavaaparenteseaBíblia fossecorretamenteinterpretada.Comooprópriocosmo,aEscrituraeraumtexto (textus), um tecido composto de um número infinito de entidades interconectadas, “entretecidas” de modo a formar um todo inextricável. 7 A contemplação do textus cifrado da Escritura ajudava as pessoas a compreenderemqueeraJesusquemantinhatodasascoisasjuntaseexplicavaa significaçãomaisprofundadetodaaeconomia.Atarefadeumexegetaera demonstrar isso, encaixando todas as pistas umas nas outras como as peças entrosadas de um vasto quebra-cabeça. Ireneu comparou as Escrituras a um mosaico,compostodeincontáveispedrinhasque,umavezcorretamenteunidas, formavamaimagemdeumbelorei. 8 Ainterpretação da Escritura tinha de se conformar ao ensinamento dos apóstolosdeJesus,oqueIreneuchamavadea“regradafé”,asaber,queo Logos,quesetornaraencarnadoemJesus,estiveraimplícitonaestruturada criaçãodesdeosprimórdios: 9

QualquerpessoaqueleiaasEscriturascomatençãoencontraránelasum discursosobreCristoeumaprefiguraçãodeumnovochamado.PoisCristo éotesouroescondidonocampo,istoé,nestemundo,porqueocampoéo mundo, 10 mas ele estava também escondido nas Escrituras, já que era expresso por símbolos e parábolas que não podiam ser compreendidos, humanamente falando, antes da consumação dessas coisas que foram profetizadascomopróximasachegar,istoé,oadventodeCristo. 11

Mas o fato de Cristo estar “escondido” na Escritura significava que os cristãosdeviamfazerumárduoesforçoexegéticosequisessemencontrá-lo. Os cristãos só podiam compreender o TaNaKh transformando-o numa allegoria,emquetodososeventosepersonagensdo“AntigoTestamento”se tornavamsímbolosdeCristonoNovo.Osevangelistasjáhaviamencontrado “símboloseparábolas”deJesusnasEscriturashebraicas,masosPadreseram maisambiciosos.“Cadaprofeta,cadaescritorantigo,cadarevoluçãodoEstado, cada lei, cada cerimônia da velha aliança aponta unicamente para Cristo,

anuncia unicamente Cristo, representa unicamente Cristo”, insistiu Eusébio, bispodeCesaréia(264-340). 12 Cristo,oLogos,estiverapresenteemAdão,o progenitordaraça;emAbel,omártir;emIsaac,acordatavítimasacrificial;eno aflito Jó. 13 Os cristãos desenvolviam seu próprio horoz característico, “vinculando”pessoas,eventoseimagensatéentãoseparados,pararevelaroque acreditavam ser a realidade central da Escritura. Tal como os rabinos, não estavaminteressadosemdescobriraintençãodoautorbíblicoeemverum escritoemseucontextohistórico.Umaboainterpretaçãoproporcionavanovo entendimentodaeconomiadivina. Nemtodomundopartilhavaesseentusiasmopelaalegoria.EmAntioquia, exegetas concentravam-se no sentido literal da Escritura. Seu objetivo era descobriroqueosprópriosprofetashaviampretendidoensinar–nãooque podiaserlidoemsuaspalavrascomobenefíciodapercepçãotardia.Osprofetas freqüentementeusavammetáforasesímiles,masessalinguagemfiguradaera partedosentidoliteral–essencialparaoqueeleseossalmistasqueriamdizer. Osantioquenosnãoviamnecessidadealgumadealegoria.Opregadordofinal doséculoIVJoãoCrisóstomomostrouqueerapossívelextrairliçõesmorais válidasdosentidomanifestodaBíblia.Osantioquenosnãopodiamdescartar toda exegese simbólica, porque ela fora usada tão copiosamente pelos evangelistas,masinstavamosestudiososaseateràsalegoriasexistentesno NovoTestamento,semirembuscadenovas.Teodoro,bispodeMopsuéstiade 392 a 428, não conseguia ver nenhum valor no Cântico dos Cânticos, por exemplo;eraapenasumpoemadeamoresópodiaserlidocomoumtexto sagradosesignificadosinteiramenteestranhoslhefossemsuperpostos. Em Alexandria, porém, o Cântico era popular precisamente por oferecer oportunidades tão ricas para allegoria. Versados na mesma tradição hermenêuticaqueFilon,oscristãosdeAlexandriahaviamdesenvolvidouma arte de leitura que chamavam de interpretação espiritual – uma tentativa de reproduziraexperiênciadosdiscípulosnaestradadeEmaús.Damesmaforma queosrabinos,elesviamaBíbliacomoumtextoinexaurível,capazdeproduzir novossignificados,interminavelmente.NãopensavamestarlendonaEscritura coisasquenãoestavamlá,masteriamconcordadocomosrabinosque“tudoestá lá”. O mais brilhante exegeta alexandrino foi Orígenes (185-254), o mais influenteeprolíficoautordaépoca. 14 Alémdeseuscomentáriosbíblicos,ele produziuaHéxapla(umaediçãodaBíbliaquepunhaotextohebraicoaoladode cincodiferentestraduçõesgregas)eduasobrasmonumentais:Contra Celso, umaapologiapararefutaracríticadeumfilósofopagãoaocristianismo,eSobre osprimeirosprincípios,umaexposiçãoabrangentedadoutrinacristã.

ParaOrígenes,Jesuseraoprincípioeofimdetodaexegese:

JesusnosrevelaaleiquandonosrevelaossegredosdaLei.Poisnósque somosdaIgrejacatólicanãorejeitamosaleideMoisés,masaaceitamos, desdequesejaJesusquealeiaparanós.Naverdade,sópodemospossuir umacompreensãocorretadaleiquandoelealêparanós,esomoscapazes deaceitarseusentidoecompreensão. 15

ParaOrígenes,asEscriturasjudaicaseramummidrashaoNovoTestamento, quehaviasidoelepróprioumcomentárioaoTaNaKh.Semalegoria,aBíblianão faziaabsolutamentequalquersentido.Comopoderíamosexplicarliteralmentea ordemdeCristo:“Seoteuolhodireitotefizerpecar,arranca-oejoga-olongede ti”? 16 Comopodiaumcristãoaceitaraordemcrueldequeosmeninosnão circuncidadosfossemmortos? 17 Querelevânciapossíveltinhamparaoscristãos asdetalhadasordensparaaconstruçãodotabernáculo? 18 Queriaoautorbíblico realmentedizerqueDeus“caminhava”noJardimdoÉden? 19 Ouinsistirqueos discípulosdeCristonuncadeviamusarsandálias? 20 Quandoseinterpretavaa Bíbliadopontodevistaliteral,era“umatarefamuitodifícil,senãoimpossível”, reverenciaraBíbliacomoumlivrosagrado. 21 LeraEscrituraeramuitodifícil– fatoqueOrígenesenfatizoumuitasvezes.Comdemasiadafreqüênciaheréticos distorciamotextoparaseusprópriosfinsoudavamumainterpretaçãofácila umapassagemextremamentecomplexa.Eraárduoencontrarinspiraçãoelivrar ensinamento de algumas das histórias bíblicas não edificantes, mas, como o LogosfalavanaEscritura,“temosdeacreditarqueépossível,mesmoquenão reconheçamosobenefício”. 22 Assim,quandodiscutiuocomportamentodúbiode Abraãoaovendersuamulherparaofaraó,alegandoqueelaerasuairmã, 23 Orígenes afirmou que Sara era um símbolo da virtude e que Abraão queria partilharavirtudeemvezdeguardá-laparasi. UmleitormodernoprovavelmentesentiráqueOrígeneseratãoculpadode distorção das Escrituras quanto os heréticos que criticava. Como o midrash rabínico, sua exegese parece deliberadamente transgressora, uma busca de significadoàcustadaintençãodoautor.Orígenesdeveterencontradoomidrash judaicoemAlexandriaemaistardeemCesaréia,ondeestabeleceusuaprópria academia. Seus métodos eram similares. Em seu comentário ao Êxodo, por exemplo,nãosecontentoucomoquadrogeral–veralibertaçãodosisraelitasda escravidão como um símbolo da salvação trazida por Cristo –, mas estava decidido a encontrar uma referência a Cristo em detalhes aparentemente insignificantes.Todososcristãostinhamdedeixaraescuridãodo“Egito”para

trás,abandonandoseusantigoscostumesparaseguirJesus.Noprimeirotrecho desuaviagemparaforadoEgito,aEscrituranosdizqueosisraelitas“foramde RamessésaSucote”. 24 ComoFilon,Orígenessemprepesquisavaaetimologia dosnomespróprios,edescobriuqueRamesséssignificava“agitaçãodeuma traça”.Encontrouentãouma“cadeia”decitaçõesdaEscrituraquedeuaessa fraseaparentementeinconseqüenteumsignificadointeiramentenovo.Apalavra “traça” lembrou-lhe a advertência de Jesus contra o apego a bens terrenos vulneráveis a traças e caruncho. 25 Assim, todo cristão devia “partir de Ramessés”:

…sedesejaschegaraolugarondeoSenhorpodeserteulíderepreceder-te nacolunadenuvem, 26 epossaseguir-tearocha 27 queteoferecealimento espiritualebebidaespiritual,nadamenos. 28 Tampoucodeveriasguardar tesourosaliondeatraçadestróiouladrõesescavameroubam. 29 Istoéo queoSenhordizclaramentenosevangelhos:Sequiseresserperfeito,vai, vendetodososteusbensedáodinheiroaospobres,eterásumtesourono céu. 30 Isto,portanto,épartirdeRamesséseseguirCristo. 31

Dessemodo,aestadadosisraelitasemRamessésantecipavaopedidode compromissototaldeCristo.ParaOrígenes,aEscrituraeraumtextus,umtecido densamenteurdidodepalavras,cadaumadasquaisditaporCristo,oLogos,e chamavaoleitorparasegui-lo.Orígenesnãoacreditavaquesuaexegesefosse arbitrária,porqueDeushaviasemeadoaspistas;suatarefaerasolucioná-lase tornaravozdivinaaudíveldeumamaneiraquenãoforapossívelantesdavinda deJesus. A exegese proporcionava ao intérprete e seus alunos um momento de ekstasis, uma “saída” do mundano. Os estudos bíblicos modernos procuram situarumtextonaeconomiaterrenadaacademia,tratando-ocomoqualquer outro documento antigo. 32 Ameta de Orígenes era diferente. Central para a espiritualidadecristãprimitivaeraaquiloquefoichamadode“filosofiaperene”, porque encontrada em quase todas as culturas pré-modernas. Segundo essa especulação mítica, toda realidade terrena tem sua contrapartida na esfera divina. 33 Eraumatentativadearticularosentimentoincoadodequenossasvidas sãodealgumamaneiraincompletasefragmentárias,distintasdaversãomais satisfatóriaquepodemosimaginartãoclaramente.Porquecéueterraestavam interligadosnagrandecadeiadoser,umsímboloerainseparáveldeseureferente invisível. Apalavra “símbolo” vem do grego symballein, “lançar juntos”. O arquétipoesuaréplicaterrenaestavaminextricavelmentecombinados,como

gimeáguatônicanumcoquetel.Paraprovarum,eraprecisoprovartambémo outro.Estaeraabasedoritualcristão:quandotomavamvinhoecomiampão durante a Eucaristia, os cristãos encontravam o Cristo que esses objetos representavam.Damesmamaneira,quandolutavamcomaspalavraspresasao tempodaEscritura,encontravamoLogos,oprotótipodetodaelocuçãohumana. IssoeracentralparaahermenêuticadeOrígenes.“OsconteúdosdaEscriturasão formasexternasdecertosmistérios,eaimagemdecoisasdivinas”,explicou ele. 34 QuandoelesedebruçavasobreoNovoTestamento,ficavaconstantemente “assombradocomaprofundaobscuridadedosmistériosindizíveisalicontidos”; acadapasso,deparavacom“milharesdepassagensquefornecem,comose atravésdeumajanela,umaestreitaaberturaqueconduzamultidõesdosmais profundospensamentos”. 35 MasOrígenesnãodesconsideravaosentidoliteraldaBíblia.Seucuidadoso trabalhocomaHéxaplamostrousuadeterminaçãodeestabelecerumtextodigno de confiança. Ele aprendeu hebraico, consultou rabinos e ficou também fascinado pela geografia, a flora e a fauna da Terra Santa. Mas o sentido superficialinsatisfatóriodetantosdosensinamentosenarrativasdaBíbliao compeliamaolharalémdele.AEscrituratinhaumcorpoeumaalma.Nossos corpos moldam nosso espírito e pensamentos. Eles nos causavam dor e nos lembravamconstantementedenossamortalidade.Nossasvidasfísicas,portanto, nosforneciamumaasceseconstruídainteriormente,aqual,casorespondidada formaadequada,noslevariaacultivarnossanaturezaespiritual,imortal. 36 Da mesma maneira, as óbvias limitações no corpus – no sentido literal – da Escritura nos forçavam a procurar sua alma, e Deus havia semeado essas anomaliasdepropósito:

A divina sabedoria providenciara certos obstáculos e interrupções do sentido histórico … inserindo entre várias impossibilidades e incongruências, de modo que a narrativa pudesse, por assim dizer, apresentarumabarreiraparaoleitorelevá-loàrecusadeprosseguirpelo caminhodosignificadocomum. 37

Essaspassagensdifíceis“noslevam,porumatrilhaestreita,aumaestrada maiselevadaegrandiosa,precisamente‘impedindo-noseprivando-nos’deuma aceitaçãodeseusentidomanifesto”. 38 Pormeioda“impossibilidadedosentido literal”,Deusnosconduzia“aumexamedosentidosecreto”. 39 Aexegese espiritual era um trabalho árduo: tínhamos de transformar as Escriturasdomesmomodocomotransformávamosnossoseusrecalcitrantes.A

interpretação bíblica exigia “a máxima pureza, sobriedade e … noites de vigília”;eraimpossívelsemumavidadepreceedevirtude. 40 Nãoeracomo resolverumproblemamatemático,porqueenvolviaummododepensamento maisintuitivo.Masseoestudiosoperseverasse,ponderandoasEscrituras“com todaaatençãoeareverênciaqueelasmereciam,écertoque,nopróprioatode lê-laseestudá-lasdemododiligente,suamenteeseussentimentosserãotocados por um sopro divino, e ele reconhecerá que as palavras que lê não são os pronunciamentosdeumhomem,masalinguagemdeDeus”. 41 Essaapreensãododivinoeraadquiridagradualmente,passoapasso.No prólogoaseucomentárioaoCânticodosCânticos,Orígenesmostrouqueostrês livrosatribuídosaSalomão–Provérbios,EclesiasteseoCânticodosCânticos– representavamosestágiosdessaviagem.AEscrituratinhaumcorpo,umapsique eumespíritoqueiamalémdenossanaturezamortal;essescorrespondiamaos trêsdiferentessentidosemqueaEscriturapodiasercompreendida.Provérbios eraumlivrodocorpo.Podiaserentendido,semalegoria,representandoportanto osentidoliteraldaEscritura,queoexegetadeviadominarantesdeavançarpara algomaiselevado.OEclesiastesfuncionavanoplanodapsique,ospoderes naturaisdamenteedocoração.Aomostrarqueascoisasterrenaseramvãse vazias,oEclesiastesrevelavaafutilidadededepositarmostodanossaesperança no mundo material; exemplificava, portanto, o sentido moral da Escritura:

porque nos mostrava como nos comportar, usando argumentos que não demandavamnenhumentendimentosobrenatural.EmsualeituradaBíblia,a maioriadoscristãosraramenteavançavaalémdossentidosliteralemoral. Somenteumexegetaapropriadamenteiniciadoaosmistériosmaiselevados da Escritura podia enfrentar o Cântico dos Cânticos, que estava, de forma providencial,colocadoapósProvérbioseEclesiasteserepresentavaosentido alegórico, espiritual. Para os cristãos que leram a Bíblia apenas no sentido literal, o Cântico era somente um poema de amor. Mas uma interpretação alegóricarevelavaseusignificadomaisprofundo:“OamordaNoivapeloNoivo celeste–istoé,daalmaperfeitapelaPalavradeDeus.” 42 Oamorterreno,quepareceprometertanto,quasesempredecepciona;só podesersatisfeitoporseuarquétipo,oDeusqueéamor. 43 OCânticodescreviao dramadessaascensãoaodivino.Otempotodo,OrígenesinterpretouoCântico em três planos. Quando expôs o verso de abertura, “Sua boca me cubra de beijos!”,elecomeçoucomosentidoliteral,histórico.Esseeraoiníciodeum epitalâmio:anoivaestavaàesperadonoivo;elelheenviaraseudote,masainda nãoseuniraaela,eelaansiavaporsuapresença.Alegoricamente,contudo,a imagemdanoivaedonoivoreferia-seàrelaçãoentreCristoeaIgreja,como

Paulo explicara, 44 e o versículo simbolizava o período antes da chegada de Cristo. Israel havia recebido a Lei e os profetas como um dote, mas ainda esperava pelo Logos encarnado, que iria completá-los. Finalmente, o texto devia-seaplicaràalmaindividual,cujo“únicodesejoéserunidaàPalavrade Deus”. 45 Aalmajáestavaempossedeseudotedeleinatural,razãoelivre- arbítrio,maselesnãoapodiamsatisfazer.Assimelarogava,naspalavrasde abertura do Cântico, na esperança de que sua purificada “alma inocente e virginalpudesseseresclarecidapelaluzeavisitaçãodaPalavradopróprio Deus”. 46 Osentidomoraldesseversículomostravaqueanoivaeraummodelo paratodososcristãos,quedevemseexercitarparaansiarportranscendersua naturezaealcançarauniãocomDeus. Aexegese deve sempre conduzir à ação. Para Orígenes, isso significava contemplação(theoria).Osleitoresdeviammeditarsobreoversículoatéser “capazesdereceberosprincípiosdaverdade”. 47 Iriamassimadquirirumanova orientaçãorumoaDeus.OscomentáriosdeOrígenesmuitasvezespareciam carecerdeumaconclusãofirme,porqueseusleitorestinhamdedaropassofinal por si mesmos. Os comentários podiam apenas pô-lo na postura espiritual correta;Orígenesnãopodiafazerameditaçãoporele.Semprolongadatheoria, nãoerapossívelcompreenderplenamentesuaexegese. Quandojovem,Orígenesansiaraporsermártir.Masdepoisdaconversãode Constantino,quandoocristianismosetornouumareligiãolegítimanoImpério Romano,nãohouvemaisoportunidadeparaomartírio,eomongetornou-seo principalexemplocristão.DuranteoiníciodoséculoIV,ascetascomeçaramase retirarparaosdesertosdoEgitoedaSíriaafimdesededicaraumavidade

precesolitária.UmdosmaisnotáveisdessesmongesfoiAntôniodoEgito(250-

356),quehaviasesentidoincapazdeconciliarsuafortunacomosevangelhos.

Umdia,eleouviunaigrejaaleituraemvozaltadahistóriadojovemricoque recusouoconvitedeJesus:“Vaievendetudoquetensedáodinheiroaos pobres…depois,vemesegue-me.” 48 Comoosrabinos,Antônioexperimentou essaEscrituracomoummiqra,um“chamado”.Naquelamesmatarde,deutodos os seus bens e partiu para o deserto. Os monges eram reverenciados como agentesdaPalavra. 49 Emsuascavernasnodeserto,elesrecitavamasEscrituras, aprendiamtextosdecoremeditavamsobreeles.Àmedidaqueessaspassagens bíblicasseintegravamaomundointeriordeummonge,seusignificadooriginal tornava-se menos importante que seu significado pessoal. Os monges acreditavamqueJesuslhesmostravacomoleraBíblia:noSermãodaMontanha,

JesusderaàEscrituraumnovosentido,enfatizandoalgumasporçõesdaBíblia

maisqueoutras.Eletambémsublinharaaimportânciadacaridade.Osmonges

foram pioneiros de um novo estilo de vida cristão, que exigia uma leitura diferentedoevangelho.Elestinhamdepermitirqueostextosqueaprendiam reverberassememsuasmentes,atéquealcançassemoauto-esquecimentoda apatheia, uma falta de preocupação com o bem-estar pessoal que lhes dava liberdadeparaamar.Umestudiosomodernoexplica:

Elespodiamserignoradosobastante,convidadosasairdesimesmoso bastante, para amar e ser amados de uma maneira que atendia às mais profundasnecessidadessociaisdomundocheiodetensãodaAntigüidade tardia.AmaraDeus,amarosoutros,amaromundocriadoemqueestavam colocados–essaeraagrandeedesejadaconclusãodaapatheia–asublime indiferençaqueterminavaemamor. 50

OrígenesseconcentraranoamoraDeusemseucomentárioaoCântico;os mongesenfatizavamoamoraopróximo.Vivendojuntosemcomunidade,eles tinhamdesedesenraizardocentrodesuasvidasepôrosoutrosali.Osmonges nãodavamascostasaomundo:literalmente,milharesdecristãoscaíamsobre eles,vindosdasvilasealdeiaspróximas,parapedirseuconselho.Avidaem silênciohaviaensinadoaosmongescomoouvir. UmdosmaisardentesadmiradoresdeAntôniofoiAtanásiodeAlexandria

(296-373),figuracentralnotumultuadodebatedoséculoIVsobreadivindade

de Cristo. Agora que o cristianismo era uma fé gentia, as pessoas tinham dificuldade de compreender expressões judaicas como “Filho de Deus” ou “Espírito”.EraJesusdivinodamesmamaneiraqueseuPai?EraoEspíritoSanto outroDeus?Odebateconcentrou-senumadiscussãodocantodaSabedoriaem Provérbiosquecomeçava: 51 “Jeovácriou-mequandoseudesígnioprimeirose revelou,antesdamaisantigadesuasobras.”SignificavaissoqueCristoerauma meracriatura,e,nessecaso,comopodiaserdivino?NumacartaaAtanásio, Ário,umpresbíterocarismáticodeAlexandria,insistiuqueJesuseraumser humanoquehaviasidopromovidoporDeusaumacondiçãodivina.Foicapaz deapresentarumarsenaldetextosdeEscrituraemapoioaseupontodevista. ÁrioafirmavaqueoprópriofatodeJesuschamarDeusde“Pai”implicavauma distinçãoentreeles,jáqueapaternidadeenvolvepreexistência;citavatambém passagensdoevangelhoqueenfatizavamahumanidadeeavulnerabilidadede Cristo. 52 Atanásioadotavaopontodevistacontrário:Jesuseradivinodamesma maneiraqueDeusPai,idéiaigualmentecontroversanaépocaeapoiadapor Atanásiooucomseusprópriostextosprobatórios. Noiníciodacontrovérsia,nãohavianenhumensinamentoortodoxosobrea

naturezadeCristoeninguémsabiaseeraAtanásioouÁrioquemestavacerto.A

discussãograssoupormaisde200anos.Eraimpossívelprovarqualquercoisaa

partirdasEscrituras,jáquesepodiamencontrartextosqueapoiavamambosos lados.MasospadresgregosdaIgrejanãopermitiamqueaEscrituradominasse suateologia.NocredoqueformulouapósoConcíliodeNicéia,Atanásiousou umtermointeiramenteestranhoàsEscriturasparadescreverarelaçãodeJesus com Deus: ele era homoousion, “de uma só substância” com o Pai. Outros padres basearam sua teologia não numa leitura detalhada da Bíblia, mas na experiênciareligiosa,quepodianosdizertudosobreumDeusquetranscendia todasaspalavraseconceitoshumanos.

BasíliodeCesaréia,naCapadócia(329-79),mostrouquehaviadoistiposde

ensinamentoreligioso,ambosprovenientesdeJesus:kerygmaeraoensinamento públicodaIgreja,baseadonaBíblia,aopassoquedogmaexpressavatudoque nãopodiaserdito;podiasersugeridoapenasnosgestossimbólicosdaliturgiae experimentadoemmeditaçãosilenciosa. 53 ComoFilon,Basíliodistinguiuentrea essência de Deus (ousia), que estava além de nosso entendimento, e suas operações(energeiai)nomundo,quesãodescritasnaEscritura.AousiadeDeus sequereramencionadanaBíblia. 54 IssoeracentralparaadoutrinadaTrindade, queBasílioformuloujuntamentecomseuirmãoGregóriodeNissaeoamigo

deles,GregóriodeNazianzo(329-91).Deustinhaumaúnicaessência(ousia)

quepermaneceriasempreincompreensívelparanós.NaEscritura,porém,Deus sefizeraconhecerpornósemtrêshypostases,“manifestações”(Pai,Logose Espírito),energeiaidivinasqueadaptavamomistérioinefáveldeDeusanossa inteligêncialimitada. Ospadrescapadócioseramcontemplativos;suatheoriacotidianasobrea Escrituraosintroduziranumatranscendênciaqueestavaalématédalinguagem inspiradadaBíblia.Omesmopodiaserditodopadregregoqueescreveusobo pseudônimoDionísiooAreopagita, 55 cujaobraéquasetãorespeitadaquantoa Escrituranomundogregoortodoxo.Elepromoveuumateologiaapofáticado “silêncio”.DeusnoshaviareveladoalgunsdeseusnomesnaEscritura,quenos dizqueeleé“bom”,“misericordioso”e“justo”,masessesatributoseram“véus sagrados”aocultaromistériodivinoqueresidealémdessaspalavras.Quando ouviam a Escritura, os cristãos deviam se lembrar continuamente que esses termoseramlimitadosdemaisparaseaplicaraDeus.Assim,Deusera“bom”e “nãobom”;“justo”e“nãojusto”.Estaleituraparadoxaloslevaria“paraaquela escuridãoqueestáalémdointelecto” 56 eparaapresençadoDeusindiscritível. DionísiogostavadahistóriadanuvemquedesceusobreomonteSinai:nocume, Moisésfoienvolvidonumadensanuvemdedesconhecimento.Nãopodiaver

nada,masestavanolugarondeestavaDeus. AEscrituranãohaviasidocapazderesolveraquestãodadivindadedeJesus, mas o teólogo bizantino Máximo o Confessor (c.580-662) chegou a uma explicaçãoquesetornoupadrãoentreoscristãosdeexpressãogrega,porque refletiasuaexperiênciainteriordeCristo.MáximonãoacreditavaqueoLogos sefizerahomemparaexpiaropecadodeAdão;aencarnaçãoteriaocorrido mesmo que Adão não tivesse pecado. Jesus foi o primeiro ser humano plenamentedeificado,etodosnóspoderíamossercomoele–mesmonestavida. APalavra se fez carne para que “o ser humano integral se tornasse Deus, deificadopelagraçadeDeusfeitohomem–plenamentehomem,almaecorpo, pornatureza,etornando-seplenamenteDeus,almaecorpo,porgraça”. 57 OspadresdeexpressãolatinadaEuropaocidentaledaÁfricadoNorteeram mais terra-a-terra. É significativo que, no Ocidente, theoria tenha passado a significarumconstrutoracionaledogmaexpressassetudoquepodiaserdito sobre religião. Esse foi uma época horrível no Ocidente, em que o Império Romano era tomado pelas tribos bárbaras vindas da Alemanha e da Europa

oriental.UmdosexegetasocidentaismaisinfluentesfoiJerônimo(342-420),

quenasceunaDalmácia,estudouliteraturaeretóricaemRomae,fugindodas tribosinvasoras,viajaraporAntioquiaepeloEgito,antesdeseinstalarem Belém, onde fundou um mosteiro. Jerônimo fora inicialmente atraído pela hermenêuticaalegóricadeAlexandria,mas,comoumlingüistadotado,semrival emseutempoporseudomíniotantodogregoquantodohebraico,suaprincipal contribuiçãofoiatraduçãodetodaaBíbliaparaolatim.Estafoichamadaa Vulgata(“vernacular”)econtinuousendootexto-padrãonaEuropaatéoséculo XVI. De início Jerônimo, que tinha grande respeito pelo que chamava de Hebricaveritas(“averdadeemhebraico”),quisexcluirosApócrifos,livrosque foramexpurgadosdocânonepelosrabinos,masque,apedidodeseucolega Agostinho,concordouemtraduzi-los.Comoresultadodeseutrabalhosobreo texto,Jerônimotendeuaseconcentrarcadavezmais,emseuscomentários,no sentidoliteral,histórico,daBíblia.

SeuamigoAgostinho,bispodeHipona,naÁfricadoNorte(354-430),havia

estudadoretóricaedeiníciosentiu-sedecepcionadocomaBíblia,queparecia

inferioraosgrandespoetaseoradoreslatinos.Noentanto,aBíbliadesempenhou

umpapelcrucialemsuaconversãoaocristianismoapósumalongaepenosa

luta.Nummomentodecriseespiritual,eleouviraumacriançanojardimvizinho

cantandoumrefrão:“tolle,lege”(“pegaelê!”),elembrou-sedequeAntônio

haviadecididoabraçaravidamonásticaapósumaleituradoevangelho.Em

grandealvoroço,passouamãonumexemplardasepístolasdePauloeleuas

primeiras palavras em que bateu a vista: “Nada de orgias e bebedeiras, promiscuidadeelicenciosidade,nadaderixaseciúmes.Aocontrário,deixais quesuaarmadurasejaoSenhorJesusCristo,esqueçaisasatisfaçãodacarne com todos os seus apetites.” 58 Num dos primeiros casos registrados de conversões de “renascimento” que se tornariam uma característica do cristianismoocidental,Agostinhosentiutodasassuasdúvidasdesaparecerem:

“Foicomosealuzdaféinabalávelsederramassedentrodemeucoração,e todasassombrasdahesitaçãofugiram.” 59 MaistardeAgostinhocompreendeuquesuasdificuldadesanteriorescoma Bíbliadecorriamdoorgulho:aEscriturasóeraacessívelàquelesquehaviamse esvaziadodevaidadeepresunção. 60 OLogosdesceradocéuparapartilharnossa fragilidadehumana;e,damesmamaneira,quandoDeusrevelavasuaPalavrana Escritura, tinha de descer ao nosso plano e usar imagens temporais que pudéssemoscompreender. 61 Nuncapoderíamosconhecertodaaverdadenesta vida;nemmesmoMoiséspôdecontemplaraessênciadivinadiretamente. 62 A linguagem era inerentemente falha: poucas vezes transmitimos nossos pensamentosdemodoadequadoparaoutros,eissotornaproblemáticasnossas relaçõescomaspessoas.Assim,nossalutacomaEscrituradeverianoslembrar daimpossibilidadedeseexpressaromistériodivinonafalahumana.Discussões acrimoniosas e irritadas sobre o significado da Escritura eram, portanto, absurdas.ABíbliaexpressavaumaverdadeinfinitaeacimadacompreensãode cadapessoaisoladamente,demodoqueninguémpodiateraúltimapalavra. Mesmo que Moisés aparecesse em pessoa para explicar o que tinha escrito, algunsseriamincapazesdeaceitarsuainterpretaçãodoPentateuco,porquecada umdenóssópoderiadeterumaminúsculafacetadetodaarevelaçãoemnossa mente. 63 Emvezdenosenvolvermosemcontrovérsiasinclementes,emquecada uminsistequesóeleestácerto,umhumildereconhecimentodenossafaltade compreensãodeverianosaproximar. ABíbliadiziarespeitoaoamor;tudoqueMoisésescrevera“foraporamor”, demodoquebrigarsobreaEscrituraeraperverso.“Hátantossentidosaextrair dessaspalavras;étãoinsensato,portanto,apressar-seemafirmaroqueMoisés realmentequisdizer,ecomcontrovérsiasdestrutivasofenderoespíritodoamor –quandofoiporamorqueMoisésdissetodasascoisasqueestamostentando elucidar.” 64 AgostinhohaviachegadoàmesmaconclusãoqueHilleleosrabinos. AcaridadeeraoprincípiocentraldaTorá,etudomaiseracomentário.Oque quer que Moisés tivesse escrito, seu principal objetivo era pregar o duplo mandamento:oamoraDeuseoamoraopróximo.Essahaviasidotambéma mensagemcentraldeJesus. 65 Assim,seinsultamososoutrosemnomedaBíblia,

“fazemosdeDeusummentiroso”. 66 PessoasquediscutiamacercadaEscritura eramcheiasdeorgulho;elas“nãoconhecemosignificadodeMoisés,masamam asimesmaseaopróximo,nãoporquesãoverdadeiras,masporqueédelas”. 67 Portanto,“nãofiquemoscheiosdeorgulhocontranossoirmãopeloqueestá escrito”,Agostinhopediaàsuacongregação:“MasamemosoSenhornosso Deuscomtodonossocoração,comtodanossaalma,ecomtodanossamente,e nossopróximocomoanósmesmos.” 68 Sendo ele um platônico, era natural para Agostinho elevar o significado espiritualacimadoliteral.Maselepossuíaumfortesentidodahistória,quelhe permitiaseguirumcursointermediário.Emvezdese apressaremdaruma interpretaçãofigurativadeumahistóriapoucoedificante,Agostinhoestavamais propensoamostrarqueospadrõesmoraiseramculturalmentecondicionados.A poligamia, por exemplo, era comum e permissível entre povos primitivos. Mesmoomelhordenóscaiempecado,demodoquenãoéprecisoalegorizara história do adultério de Davi, que havia sido incluída na Bíblia como uma advertênciaatodosnós. 69 Acondenaçãohipócritanãosomenteécruel,mastem laivosdaautocomplacênciaedafatuidadequesãoumgrandeimpedimentopara nossacompreensãodaEscritura.Portanto,“devemosmeditarsobreoquelemos, atéquesejaencontradaumainterpretaçãoquetendaaestabeleceroreinadoda caridade”,insistiaAgostinho.“AEscrituranãoensinanadasenãoacaridade, nemcondenacoisaalgumaexcetoacupidez,edessamaneiramoldaasmentes doshomens.” 70 Ireneuhaviainsistidoqueaexegesedeveseconformarà“regradafé”.Para Agostinho,a“regradafé”nãoeraumadoutrina,masoespíritodoamor.Oque querqueoautortivessepretendidooriginalmente,umapassagembíblicaque nãofosseconducenteaoamordeviaserinterpretadafigurativamente,porquea caridadeeraoprincípioeofimdaBíblia.

Todoaquele,portanto,quepensacompreenderasEscriturasdivinas,ou algumapartedelas,demodoqueelasnãoestabeleçamoduploamorde Deusedenossopróximo,nãoascompreendeemabsoluto.Todoaqueleque encontraaliumaliçãoútilparaoestabelecimentodacaridade,mesmoque não diga o que o autor pode, de modo demonstrável, ter querido dizer naquelelugar,nãoseenganou. 71

Aexegeseeraumadisciplinaquenosformavanadifícilartedacaridade.Ao procurar habitualmente uma explicação caridosa para textos perturbadores, podíamosaprenderafazeromesmoemnossasvidasdiárias.Comoosoutros

exegetas cristãos, Agostinho acreditava que Jesus era central para a Bíblia:

“Todo o nosso objetivo quando ouvimos os Salmos, os Profetas e a Lei”, explicouelenumsermão,“éverCristoali,compreenderCristoali.” 72 Maso Cristo que ele encontrava na Escritura não era nunca simplesmente o Jesus histórico,masoCristointegral,que,comosãoPauloensinara,erainseparávelda humanidade. 73 ApósencontrarCristonaEscritura,ocristãodeviaretornarao mundoeaprenderaprocurá-lonoserviçoamorosoàcomunidade. Agostinho não era um lingüista. Não sabia hebraico e não poderia ter conhecido o midrash judaico, mas chegara à mesma conclusão que Hillel e Akiba.QualquerinterpretaçãodaEscrituraqueespalhasseódioedissensãoera ilegítima;todaexegesedeviaserguiadapeloprincípiodacaridade.

Lectiodivina

|6|

E m430,seuúltimoanodevida,Agostinhoviraosvândalossitiarema

cidadedeHipona,quandoasprovínciasocidentaisdoImpérioRomano caíram indefesas diante das invasoras tribos bárbaras. Uma profunda

tristeza impregna a obra de Agostinho durante esses anos finais, e é especialmenteevidenteemsuainterpretaçãodaquedadeAdãoeEva.Atragédia docolapsodeRomaconvenceriaAgostinhodequeessepecadooriginalhavia condenadoaraçahumanaàdanaçãoeterna.Mesmodepoisdaredençãopor Cristo, nossa humanidade estava deteriorada pela concupiscência, o desejo irracionaldecomprazer-secomascriaturas,nãocomDeus.Aculpadopecado originalfoitransmitidaaosdescendentesdeAdãoatravésdoatosexual:quando nossospoderesderaciocínioeramsubjugadospelapaixão,Deuseraesquecido, ehomensemulheresdeleitavam-sedesavergonhadamenteunscomosoutros.A imagem da racionalidade aviltada por um caos de sensação refletia a difícil situaçãodeRoma,fontedeordemnoOcidente,rebaixadapelosbárbaros.Essa interpretação do terceiro capítulo do Gênesis pertence unicamente ao cristianismo ocidental; nem os judeus nem os gregos ortodoxos, que não experimentaramaquedadeRoma,subscreveramessavisãotrágica.Ocolapso doImpériomergulhouaEuropaocidentalemséculosdeestagnaçãopolítica, econômicaesocial,eotraumaconvenceuoscristãosmaisinstruídosdeque homensemulheresestavamdefatopermanentementemarcadospelopecadode Adão.NãopodiammaisouviroqueDeuslhesdizia,eissolhestornavaquase impossívelcompreenderasEscrituras.

AEuropahaviasetornadoumdesertopagão.DoséculoVaoIX,atradição

cristãficourestritaaosmosteiros,osúnicoslugaresquepodiamproporcionara

estabilidadeeacalmanecessáriasaoestudodaBíblia.Oidealmonásticofora

trazidoparaoOcidenteporJoãoCassiano(360-435).Eletambémintroduziraos

cristãosocidentaisàtrípliceinterpretaçãodaEscrituradeOrígenes,segundoos sentidos literal, moral e alegórico, mas acrescentou um quarto: o sentido anagógicooumístico,querevelavaasignificaçãoescatológicadeumtexto. Quando, por exemplo, os profetas haviam descrito as glórias futuras de Jerusalém,issosereferiaanagogicamenteàJerusalémcelestenoApocalipse. CassianoensinouaseusmongesqueoestudodaEscrituraeraumatarefaparaa vida inteira. Para apreciar as realidades inefáveis escondidas sob o véu de palavrashumanas,elesdeviamretificarsuanaturezadecaída–exercitandosuas capacidades de concentração, disciplinando seus corpos mediante jejuns e vigílias,ecultivandoohábitodaintrospecção. 1 Alectiodivina(“estudosagrado”)eratambémcentralparaaRegradesão

BentodeNúrsia(480-543).Osmongesbeneditinospassavampelomenosduas

horas diárias estudando as Escrituras e os Escritos dos Padres. AEscritura, contudo, não era experimentada como um livro: muitos dos monges nunca tinham visto a Bíblia na forma de um único volume, mas liam-na em manuscritosseparados;grandepartedeseuconhecimentobíblicolheschegava emsegundamãopelaliturgiaouasobrasdosPadres.ABíbliaeralidaemvoz altaduranteasrefeições,eosSalmoscantadosaintervalosregularesaolongodo dia no Ofício Divino. Os ritmos, as imagens e o ensinamento da Bíblia tornavam-seosubstratodesuaespiritualidade,incorporadalentaesuavemente, diaadia,anoaano,emmeditaçãoregularesilenciosa. Nadahaviadeformalousistemáticonalectiodivina.Osmongesnãoeram obrigadosaexaminarumdadonúmerodecapítulosporsessão.Lectioerauma leituratranqüila,sossegada,dotextoemqueomongeaprendiaaencontrarum lugarcalmoemsuamentequelhepermitisseouviraPalavra.Anarrativabíblica não era estudada como um evento histórico, mas experimentada como uma realidade contemporânea. Os monges eram estimulados a entrar na ação via imaginação–visualizando-seaoladodeMoisésnoSinai,entreosouvintes quandoJesuspregouoSermãodaMontanha,ouaopédacruz.Esperava-seque considerassem a cena segundo cada um dos quatro sentidos sucessivamente, passandodoliteralparaoespiritual,numprocessoquemarcavaumaascensão paraauniãomísticacomDeus. 2

UmainfluênciaformativanoOcidentefoiGregórioMagno(540-604),um

mongebeneditinoquefoieleitopapa.Gregórioestavaimbuídodadisciplinada lectiodivina,massuateologiabíblicarevelouasombraqueassediavaoespírito ocidental no período que se seguiu à queda de Roma. Tendo absorvido inteiramente a doutrina do pecado original, ele via a mente humana como

irreparavelmenteamaldiçoadaedeformada.Deusagoraeradedifícilacesso. NãopodíamossabernadasobreEle.Eranecessárioumimensoesforçomental para experimentar uma alegria momentânea na contemplação, antes que caíssemosdevoltanastrevasqueeramnossoelementonatural. 3 NaBíblia,Deus haviacondescendidocomnossapecaminosidadeedesceraaoplanodenossas mentesinsignificantes,masalinguagemhumanaseestilhaçarasoboimpacto divino. Por isso a gramática e o vocabulário da Vulgata de Jerônimo se afastavamdousolatinoclássico,e,aumaprimeiraleitura,eradifícilencontrar algumvalorreligiosoemcertashistóriasbíblicas.AocontráriodeOrígenes, JerônimoeAgostinho,Gregórionãoperdiatempocomosignificadoliteral. EstudarosentidomanifestodaEscrituraeracomoolharorostodealguémsem veroqueestavaemseucoração. 4 Otextoliteraleracomoumaextensãoplanade terracercadapormontanhasquerepresentavam“ossentidosespirituaisquenos levariamalémdaspalavrashumanasrudimentares”. 5 NoséculoXI,aEuropahaviacomeçadoaemergirdaIdadedasTrevas.Os beneditinos de Cluny, perto de Paris, iniciaram uma reforma para educar o laicato, cujo conhecimento do cristianismo era deploravelmente inadequado. LeigosseminstruçãonãopodiamleraBíblia,éclaro,maseramensinadosa experimentar a missa como uma alegoria complexa que reencenava simbolicamenteavidadeJesus:asleiturasdaEscrituranaprimeiraparteda liturgialembravamseuministério;duranteooferecimentodopãoedovinho, eles meditavam sobre sua morte sacrificial, e a comunhão representava sua ressurreição na vida dos fiéis. O fato de os leigos não poderem mais compreenderolatimcontribuíaparaamística:grandepartedamissaerarecitada pelopadreàmeia-voz,eosilêncioealinguagemsagradatransportavamoritual paraumespaçodiferente,àparte,introduzindoacongregaçãoaoevangelho comoummysterium,umatocheiodeenergia.Aolhespermitiringressarpela imaginação,nahistóriadoevangelho,amissaeraalectiodivinadosleigos. 6 Os mongesdeClunyestimulavamtambémosleigosafazerperegrinaçõesalugares associadosaJesuseaossantos.Nãomuitospodiamempreenderalongaviagem atéaTerraSanta,mas,segundosedizia,algunsapóstoloshaviamviajadoparaa Europa e estavam enterrados lá: Pedro em Roma, José de Arimatéia em Glastonbury e Tiago em Compostela, na Espanha. Durante a viagem, os peregrinosaprendiamvalorescristãosaoviveremdurantealgumtempocomo monges: deixavam a vida secular para trás, eram celibatários ao longo da viagem,viviamemcomunidadecomoutrosperegrinoseestavamproibidosde lutarouportararmas. MasaEuropaaindaeraumlugarperigosoedesolado.Aspessoasmaleram

capazesdecultivaraterra,haviafome,doençaeguerrasconstantes,àmedida que os nobres se envolviam em incessantes batalhas uns com os outros, devastando a zona rural e destruindo aldeias inteiras. Os monges de Cluny tentaramimporumatréguaperiódica,ealgunsbuscaramreformarosbarõeseos reis. Mas os cavaleiros eram soldados e queriam uma religião agressiva. O primeiroatocomunal,cooperativo,danovaEuropa,quandoelasearrastavapara

foradaIdadedasTrevas,foiaPrimeiraCruzada(1095-99).Algunscruzados

começaramsuaviagemparaaTerraSantaatacandocomunidadesjudaicasno

valedoReno;aoencerrá-la,oscruzadosmassacraramcercade30miljudeuse

muçulmanos em Jerusalém. O ethos cruzado baseava-se numa interpretação literaldaadvertênciadeCristonoevangelho:“Aquelequenãocarregasuacruz enãomeseguenãopodesermeudiscípulo.” 7 Oscruzadoscosturavamcruzes emsuasroupaseseguiamospassosdeJesusparaaterraondeeleviverae morrera.Comtrágicaironia,acruzadaerapregadacomoumatodeamor. 8 Cristo eraosenhorfeudaldoscruzados,e,comovassalosleais,elestinhamaobrigação moralderecuperarseupatrimônio.NasCruzadas,ocristianismoabsorveue batizouaviolênciafeudaldaEuropa. EnquantoalgunseuropeuscombatiamosmuçulmanosnoOrientePróximo, outrosestudavamnaEspanhacomestudiososmuçulmanos,queosajudavama recuperar grande parte da cultura que haviam perdido durante a Idade das Trevas.Noreinomuçulmanodeal-Andalus,estudiososocidentaisdescobrirama medicina, a matemática e a ciência da Grécia clássica, que haviam sido preservadasedesenvolvidasnomundoislâmico.LeramAristótelespelaprimeira vezemárabeetraduziramsuaobraparaolatim.AEuropaaventurou-senum

renascimentointelectual.AfilosofiaracionaldeAristóteles,queeramaisterra-a-

terra que o platonismo que haviam absorvido dos Padres da Igreja, encheu muitosestudiososocidentaisdeentusiasmoeestimulou-osausarseuspróprios poderesderaciocínio. IssoafetouinevitavelmenteoestudodaBíblia.ÀmedidaqueaEuropase tornoumaisorganizadaeoidealracionalpassouadominar,estudiososemonges tentaramimporalgumtipodesistemaàstradiçõesumtantocaóticasquehaviam herdado. O texto da Vulgata fora corrompido pelos erros acumulados de geraçõesdemongescopistas. 9 Esteshaviamprefaciadousualmentecadalivroda BíbliacomumcomentáriodeJerônimooualgumdosoutrosPadres.Noséculo XI, os livros mais populares eram acompanhados por vários prefácios, que muitasvezessecontradiziam.Assim,umgrupodeestudiososfrancesescompôs umcomentário-padrão,conhecidocomoGlossaOrdinaria.Alselmode Laon (m.1117), que começou esse trabalho, queria fornecer aos professores uma

explicação clara de cada versículo da Bíblia. Se o leitor encontrasse um problema,podiaconsultarasnotasescritasnasmargensouentreaslinhasdo manuscrito,quelheforneciamexplicaçõesdeJerônimo,AgostinhoouGregório. AGlossaerapoucomaisqueuma“cola”:asnotaseramnecessariamentebreves ebásicas,nãohaviaespaçoparaumaexploraçãocomplexadepontosmaissutis. Maselaforneciaaosestudiososumconhecimentorudimentarapartirdoqual podiamcriar.Anselmocompletouocomentáriosobreoslivrosmaispopulares:

Salmos, Cartas de Paulo e evangelho de João. Ele compilou também as Sententiae,antologiasdas“opiniões”dosPadresarranjadassegundotemas.O irmão de Anselmo, Ralph, enfrentou o evangelho de Mateus, enquanto seus alunos,GilbertodePoitiersePedroLombardo,completaramoprojeto. Nasaladeaula,omestreliaotextoglosadoparaseusalunos,quetinham então a oportunidade de fazer perguntas e desenvolver uma discussão; mais tarde, quando o número de dúvidas se acumulava, uma sessão separada se dedicavaaquaestiones.Adiscussãotornava-semaisintensaàmedidaqueos alunoscomeçavamafazerexperiênciascomalógicaeadialéticaaristotélicas. Outrosaplicavamanovaciênciadagramáticaaotextobíblico:porqueaVulgata rompia regras básicas do latim clássico? Gradualmente desenvolveu-se uma desavença entre os mosteiros e as escolas das catedrais. Nos mosteiros, os mestresconcentravam-senalectiodivina:queriamqueseusnoviçoslessema Bíblia reflexivamente e desenvolvessem sua espiritualidade. Nas escolas das catedrais, porém, eles estavam mais interessados no novo saber e na crítica bíblicaobjetiva. HaviatambémuminteressenascentepelosentidoliteraldaBíblia,quefora despertado pelos rabinos do norte da França. O rabino Shlomo Yitzhak,

conhecidocomoRashi(1040-1105),nãotinhainteressealgumemAristóteles.

Suapaixãoeraafilologiaeeleestavainteressadoacimadetudonosentido manifestodaEscritura. 10 RedigiuumcomentáriofluentesobreotextodaBíblia hebraica,concentrando-seempalavrasindividuais,deummodoquelançava novaluzsobreotexto.Observou,porexemplo,quebereshit,aprimeirapalavra doprimeirocapítulodoGênesis,podiasignificar“Nocomeçode”,deformaque afrasedeveriaserlida:“NocomeçodacriaçãoporDeusdocéuedaterra,a terraeraumvaziosemforma(tohubohu).”Issoimplicavaqueamatériabruta daterrajáexistiaquandoDeusiniciousuaobracriativa,equeelesimplesmente introduziuordememtohubohu.Rashinotoutambémque,numainterpretação midráshica,bereshiteracompreendidocomo“porcausadocomeço”,equea BíbliachamavatantoIsraelquantoaToráde“ocomeço”.Significavaissoque DeushaviacriadoomundoparadaraToráaIsrael?OmétododeRashiforçava

oleitoraexaminaratentamenteotextoantesdelheimporseuprópriomidrash:e seucomentárioiriasetornarumdosmaisimportanteseinfluentesguiasparao Pentateuco. Rashiviasuaexegeseliteralcomocomplementaraomidrashtradicional,

masseussucessoresforammaisradicais.JosephKara(m.1130)afirmouque

todoaquelequenãoseconcentravanosentidomanifestoeracomoumafogado queseagarravaaumapalha.OnetodeRashi,rabiShmuelbenMeir,conhecido

comoRashbam(m.1174),eramaistoleranteemrelaçãoaomidrash,masainda

preferiaumaexplicaçãomaisracional.OmétododeRashiprosseguianumritmo febrilemseucírculo,diziaele,“novosexemplossurgemtodososdias”. 11 Joseph Bekhor Shor, aluno de Rashbam, sempre tentava encontrar uma explicação natural para as mais fantásticas narrativas bíblicas. 12 Não havia mistério em tornodamortedamulherdeLó,porexemplo:elahaviasidosimplesmente envolvidapelalavavulcânicaquedestruiuSodomaeGomorra.Josephsonhara comgrandezafuturasimplesmenteporqueeraumrapazambicioso,enãotivera necessidadedaajudadeDeusaointerpretarossonhosdofaraó:qualquerpessoa comumpoucodeinteligênciapoderiaterfeitoomesmo. ApesardasCruzadas,asrelaçõesentrejudeusecristãosnaFrançaainda eram razoavelmente boas, e estudiosos da abadia de são Vítor, na margem esquerdadoSena,queestavamtambémficandointeressadosnosentidoliteral, começaramaconsultarosrabinoslocaiseaaprenderhebraico.Osvitorinos tentaramcombinaralectiodivinatradicionalcomaerudiçãomaisacadêmicadas escolasdascatedrais.HugodesãoVítor,queensinounaabadiaatésuamorte,

em1141,eraumcontemplativocomprometido,mas,aseuver,issonãoentrava

emconflitocomseuspoderesracionais.Gramática,lógica,dialéticaeciência naturalaristotélicaspodiamajudarosestudantesacompreenderaBíblia.Hugo estavaconvencidodequeoestudodahistóriaeraofundamentodoquechamava de “a casa de exposição”. Moisés e os evangelistas haviam sido todos historiadores,eosestudantesdeviamcomeçarseuestudodaBíbliapeloslivros históricos.SemumacorretacompreensãoliteraldaBíblia,aalegoriaestava fadadaaofracasso.Osestudantesnãodeviamcorrerantesdeseremcapazesde andar.DeviamcomeçarexaminandoasintaxeeovocabuláriodaVulgata,para descobriroqueoautorbíblicopretenderadizer.“Nãodevemoslernossopróprio sentido(sententia)naEscritura,masapropriar-nosdasentençadaEscritura.” 13 André de são Vítor (1110-75), talentoso aluno de Hugo, foi o primeiro estudioso cristão a tentar uma interpretação inteiramente literal da Bíblia hebraica. 14 Ele nada tinha contra a alegoria, mas ela não lhe interessava. AprendeumuitocomosrabinoseachavaqueaEscriturapodiaserlida“mais

claramente em hebraico”. 15 Seu compromisso acadêmico com a literalidade nunca esmorecia, mesmo quando os rabinos desprezavam interpretações essenciaisparaacompreensãocristãdoAntigoTestamento.Depoisdedescobrir queotextohebraiconãoapoiavaainterpretaçãocristãtradicional,queviao versículocomoumaprofeciadonascimentodeJesusdeumamãevirgem,André aceitouaexegesedeRashisobreaprofeciadeIsaías:“Eisqueumajovem (almah)conceberáedaráàluzumfilho.”(RashipensavaqueIsaíassereferiraà suaprópriamulher.)EmsuaexposiçãodosCânticosdoservo,Andrésequerse deuaotrabalhodemencionarCristo,aceitandoaidéiajudaicadequeoservo simbolizavaopovodeIsrael.Emvezdeverafigura,navisãodeEzequiel,que era “como um filho do homem”, como uma predição de Jesus, André simplesmentequissaberoqueessarepresentantesignificavaparaEzequieleos eLivross.Concluiuque,sendoo“filhodohomem”oúnicoelementohumano numateofaniamuitoestranhaeamedrontadora,teriasereafirmadoaoseLivross queDeusestavainteressadoemsuaprópriatribulação. Andréeseusamigosjudeushaviamdadoumprimeiropassoparaumacrítica históricamodernadaBíblia,masAndré,umhomemrabugento,semcarisma, tevepoucosseguidoresemsuaprópriaépoca.DuranteoséculoXII,oshomens da hora eram os filósofos, que começavam a desenvolver um novo tipo de teologiaracionalistaemqueusavamarazãoparaapoiarsuaféeelucidaroque

foraatéentãoconsideradoinefável.AnselmodeBec(1033-1109),queiriase

tornararcebispodeCantuáriaem1189,julgavaserpossívelprovarqualquer

coisa. 16 Comomonge,alectiodivinaeraessencialparasuavidaespiritual,mas elenãoescreviacomentárioalgumàEscrituraeraramentecitavaaBíbliaem seusEscritosteológicos.Masareligião,comoapoesiaouaarte,requeruma abordagemintuitiva,nãopuramenteracional,eateologiadeAnselmomostra suaslimitações.EmseutratadoCurDeusHomo,porexemplo,eletentoudar umaexplicaçãoracionaldaEncarnaçãoquenãotivesseabsolutamenterelação com a Escritura: quaisquer citações bíblicas simplesmente prolongavam a discussão. Os ortodoxos gregos haviam também produzido uma teologia independentedaEscritura,masaexplicaçãoforensequeAnselmodásobrea encarnaçãocarecedaintuiçãoespiritualdeMáximo.Eleafirmouqueopecado deAdãoexigiaexpiação;comoDeuserajusto,umserhumanodeviaexpiar; masafaltaeratãogravequesomenteumdeuspoderiarepará-la.Portanto,Deus tiveradesertornarhomem. 17 AnselmofaziaDeusponderaraquestãocomose fosse um ser humano. Não surpreende que, dessa vez, os ortodoxos gregos tenhamtemidoqueateologialatinafossedemasiadoantropomórfica.Ateoriada expiaçãodeAnselmo,contudo,tornou-senormativanoOcidente,aopassoque osortodoxosgregoscontinuaramapreferirainterpretaçãodeMáximo.

OfilósofofrancêsPedroAbelardo(1079-1142)desenvolveuumaexplicação

diferentedaredenção,quemaisumavezpoucodeviaàEscrituramaschegava maispertodoespíritodosPadres. 18 Comoalgunsrabinos,eleacreditavaque Deussofriacomsuascriaturaseafirmouqueacrucifixãonosmostravaum momentonopathoseternodeDeus.Quandocontemplamosafiguraflageladade Jesus,somosmovidosàpiedade,eéoatodecompaixãoquenossalva–nãoa morte sacrificial de Jesus. Abelardo foi a estrela intelectual de sua geração; estudantes de toda a Europa afluíam às suas aulas. Como Anselmo, ele raramentecitavaaEscrituraesuscitavaquestõessemparecerdarassoluções. De fato, Abelardo estava mais interessado em filosofia, e sua teologia era bastante conservadora. Mas sua maneira iconoclástica, agressiva, dava a impressãodequeestavalançandocomarrogânciasuarazãohumanacontrao mistériodeDeus,eissoopôsemcolisãofrontalcomumdoseclesiásticosmais poderososdaépoca. Bernardo (1090-1153), abade do mosteiro cisterciense de Clairvaux, na Borgonha,dominavaopapaEugênioIIeoreiLuísVIIdaFrança,e,àsua maneira, era tão carismático quanto Abelardo. Grande número de jovens o seguiu, ingressando na nova Ordem Cisterciense, um ramo reformado do monasticismobeneditino.EleacusouAbelardode“tentararruinarafécristã porque supõe que a razão humana pode compreender tudo que Deus é”. 19 CitandoohinodePauloàcaridade,eleafirmouqueAbelardo“nadavêcomo umenigma,nadacomonumespelho,masolhaparatudofaceaface”. 20 Em

1141,BernardoconvocouAbelardo,quenessaépocasofriadoquehojesesupõe

seromaldeParkinson,paraoConcíliodeSens,eatacou-otãoferozmenteque Abelardosofreuumcolapsoemorreunoanoseguinte. EmboraBernardonãopudesseserdescritocomoumhomemcaridoso,sua exegeseeespiritualidadesebaseavamnoamordeDeus.Suaobramaisfamosa

foiaexposiçãodoCânticodosCânticos,86sermõesministradosaosmongesde

Clairvauxentre1135e1153,quemarcamoapogeudalectiodivina. 21 “Éo desejoquemeimpele”,insistiaele,“nãoarazão”. 22 NaencarnaçãodoLogos, Deushaviadescidoaonossoplanoparaquepudéssemosascenderaodivino.No Cântico,Deusnosmostraquefazemosessaascensãoemtrêsestágios.Quandoa noiva exclamava: “Deus me trouxe para seus aposentos”, isso se referia alegoricamenteaossentidosdaEscritura.Haviatrês“aposentos”:ojardim,a despensaeoquartodedormir.“Tomemosojardim…comorepresentandoo sentidomanifesto,semadornos,daEscritura”,sugeriuBernardo,“adespensaéo sentido moral, e o quarto de dormir o mistério da contemplação divina”. 23 ComeçamoslendoaBíbliacomoumasimpleshistóriadecriaçãoeredenção,

masdevemosavançardepoisparaasdespensas,osentidomoralquenosensinaa modificarnossocomportamento.Nas“despensas”,aalmaérefinadapelaprática dacaridade.Elasetorna“agradáveleamena”paraosoutros,“umzelosincero pelasobrasdeamor”aconduz“paraoesquecimentodesimesmaeaindiferença pelointeressepessoal”. 24 Quandoanoivaprocuravaseunoivo“ànoite”,emseu quartodedormir,elanosmostravaaimportânciadamodéstia.Eramelhorevitar apiedadeostentosaeorarnaprivacidadedaprópriacela,porque,“seoramos ondeoutrosestãopresentes,suaaprovaçãopoderoubarnossaoraçãode…seu efeito”. 25 Não haveria nenhuma iluminação súbita; à força de lectio divina regularedapráticadacaridade,osmongesfariamumprogressopaulatinoe nadadiscreto. Eventualmente, a alma poderia ter permissão para entrar no “quarto de dormir”donoivoealcançaravisãodeDeus,emboraBernardoadmitisseque tinhaapenasvislumbresmomentâneosdesseestadofinal.OCânticonãopodia sercompreendidoracionalmente.Seusignificadoeraum“mistério”queestava “oculto”notexto 26 –umatranscendênciaesmagadoraquesempreescapariaa nossaapreensãoconceitual. 27 Ao contrário dos racionalistas, Bernardo citava

constantementeaEscritura:seucomentárioaoCânticotem5.526citaçõesque

vãodoGênesisaoApocalipse. 28 E,emvezdeveraBíbliacomoumdesafio acadêmicoobjetivo,consideravaseuestudoumadisciplinapessoal,espiritual. “Otextoqueestudaremoshojeéolivrodenossaexperiência”,disseeleaosseus monges,“deveis,portanto,voltarvossasafeiçõesparadentro,cadaumdeve tomarnotadesuaprópriaconsciênciaparticulardascoisas.” 29 DuranteoséculoXIII,anovaOrdemdosPregadores,fundadapeloespanhol

DomingosdeGusmão(1170-1221),conseguiucasaravelhalectiodivinacomo

racionalismodasescolas.Osdominicanosforamosherdeirosintelectuaistanto dosfilósofosquantodosestudiososdesãoVítor. 30 Eles não abandonaram a exegeseespiritual,masdedicavamatençãomaissériaaosentidoliteraleeram acadêmicos sistemáticos, cujo objetivo era adaptar a filosofia aristotélica ao cristianismo.OsPadreshaviamcomparadoaalegoriaà“alma”ouao“espírito” daEscritura,mas,paraAristóteles,aalmaerainseparáveldocorpo;eladefiniae moldavanossodesenvolvimento físico,evalia-se daevidênciados sentidos. Assim,paraosdominicanos,o“espírito”daEscrituranãoestavaescondidosob otexto,maseraencontradonosentidoliteralehistórico. NaSummaTheologica, Tomás de Aquino (1225-74) conciliou o método espiritualmaisantigocomanovafilosofia.SegundoAristóteles,Deuserao “PrimeiroMotor”quehaviapostoocosmoemmovimento;Tomásampliouessa idéia,mostrandoqueDeuseratambémo“PrimeiroAutor”daBíblia.Osautores

humanos, que haviam feito da Palavra divina uma realidade terrena, eram instrumentosdeDeus.Eleospuseraemmovimentotambém,maseleseram responsáveisunicamentepeloestiloeaformaliteráriadotexto.Emvezde ignorar o sentido manifesto, o exegeta podia descobrir muita coisa sobre a mensagem divina estudando a obra desses escritores de maneira metódica e científica.DamesmaformaqueosracionalistasdoséculoXII,osescolásticos, comoessesacadêmicoseramchamados,sentiam-sesuficientementeconfiantes em seus poderes de raciocínio para libertar sua especulação teológica da exegese.MasopróprioAquinoadotouumaposiçãomaisconservadora.Deus não era como um autor humano, que podia simplesmente transmitir sua mensagem somente em palavras. Deus tinha também o poder de orquestrar eventoshistóricospararevelarasverdadesdasalvação.Osentidoliteraldo “Antigo Testamento” podia ser encontrado nas palavras usadas pelo autores humanos,masseusignificadoespiritualpodiaserdiscernidonoseventosdo ÊxodoenainstituiçãodoCordeiroPascal,queDeushaviausadoparaprefigurar aobraredentoradeCristo.

Nessemeiotempo,osjudeusqueviviamnomundoislâmicohaviamtentado tambémaplicaroracionalismodaculturagregaclássicaàBíblia.Elestiveram dificuldade em harmonizar o Deus revelado da Escritura com a divindade descritaporAristótelesePlatão,queeraatemporaleimpassível,nãotomava notíciadeeventosmundanos,nãohaviacriadoocosmo–que,comoopróprio Deus,eraeterno–enãoojulgarianofimdostempos.Filósofosjudeusinsistiam

que as passagens mais antropomórficas da Bíblia deviam ser interpretadas

alegoricamente.ElesnãopodiamaceitarumDeusqueandavaefalava,sentava-

senumtrono,eraciumento,irritava-seemudavadeidéia. Importunava-osemparticularaidéiadequeDeushaviacriadoomundoex

nihilo,“apartirdonada”.SaadiaibnJoseph(882-942)insistiuque,comoDeus

situava-sealémdetododiscursoeconceitos,podíamosdizerapenasqueele existia. 31 Saadia sentia-se obrigado a aceitar a criação ex nihilo, porque ela estavaagoraprofundamentearraigadanatradiçãojudaica,masafirmavaque,se aceitássemosumcriadordivino,podíamoslogicamentefazeroutrasafirmaçõesa seurespeito.Comoomundoqueelefezerainteligentementeplanejadoetinha vidaeenergia,seguia-sequeocriadordeviaterosatributosdeSabedoria,Vidae Força.Numatentativadeexplicarracionalmentecomoomundomaterialhavia derivadodeumDeusinteiramenteespiritual,outrosfilósofosjudeusimaginaram acriaçãocomoumprocessoevolutivodedezemanaçõesapartirdeDeus,quese tornavamprogressivamentemaismateriais.Cadaemanaçãohaviageradouma dasesferasdoUniversodePtolomeu:asestrelasfixas,depoisSaturno,Júpiter,

Marte,oSol,Vênus,MercúrioefinalmenteaLua.Nossomundosublunar,no entanto, havia se desenvolvido na direção oposta: começara como matéria inanimadaeprogrediraatravésdasplantasedosanimaisatéossereshumanos, cujasalmasparticipavamdarazãodivina,mascujoscorposderivavamdaterra. Maimônides (1135-1204) tentou tranqüilizar os judeus, perturbados pelo conflitoentreAristóteleseaBíblia. 32 NoGuiadosperplexos,eleafirmouque, comoaverdadeerauna,aEscrituradeviaestaremharmoniacomarazão.Ele nãotinhanenhumproblemacomoacriaçãoexnihilo,porqueaargumentaçãode Aristóteles em favor da eternidade da matéria não lhe parecia convincente. MaimônidesconcordavaqueasdescriçõesantropomórficasdeDeusnaBíblia nãodeviamserinterpretadasliteralmente,etentouencontrarmotivosracionais para algumas das leis bíblicas mais irracionais. Ele sabia, porém, que a experiênciareligiosatranscendiaarazão.Oconhecimentointuitivodosprofetas, queeraacompanhadoportrêmulaestupefação,eradeumaordemmaiselevada queoconhecimentoqueadquirimospornossospoderesracionais.

AbraãoibnEzra(1089-1164),umdosgrandespoetasefilósofosdaEspanha,

foioutroprecursormedievaldacríticahistóricamoderna. 33 Aexegesedeviadar prioridadeaosentidoliteral;emboraalenda(aggadah)tivessevalorespiritual, nãodeviaserconfundidacomessefato.IbnEzraencontroudiscrepânciasno textobíblico:IsaíasdeJerusalémnãopoderiatercompostoasegundametadedo livroatribuídoaele,porquesereferiaaeventosqueocorrerammuitodepoisde suamorte.Sugeriutambém,demaneiracautelosaeelíptica,queMoisésnãoera oautordetodooPentateuco:elenãopoderia,porexemplo,terdescritosua própriamortee,comonuncaentrounaTerraPrometida,comopoderiaterescrito osversículosdeaberturadoDeuteronômio,queposicionavamolocaldesuas palavrasfinais“dooutroladodorioJordão”? 34 Issodeviatersidoescritopor alguémqueviveunaTerradeIsraeldepoisdesuaconquistaporJosué. O racionalismo filosófico inspirou uma reação mística na Espanha e na

Provença.Namânides(1194-1270),umeminentetalmudistaeinfluentemembro

dacomunidadejudaicaemCastela,acreditavaqueaexegeseracionalistade MaimônidesnãofaziajustiçaàTorá. 35 Eleescreveuuminfluentecomentárioao Pentateuco,queelucidavacomrigorseusentidomanifesto,masnocursodeseu estudo havia encontrado uma camada de significado que transcendia inteiramenteosentidoliteral.NofinaldoséculoXIII,umpequenogrupode místicosdeCastelalevouissoadiante.SeuestudodaEscrituranãoapenasos introduziranumnívelmaisprofundodotexto,masàvidainteriordeDeus.Eles chamaramessadisciplinaesotéricadekaballah(“tradiçãoherdada”),porqueela haviapassadodemestreaaluno.AocontráriodeNamânides,essescabalistas–

AbraãoAbulafia,MoisésdeLeon,IsaacdeLatifeJosephGikatilla–nãoeram especialistasnoTalmude,mastodoshaviamtidointeresseporfilosofiaantesde concluirqueoDeusmitigadodadisciplinaeravaziodeconteúdoreligioso. 36 De modo alternativo, haviam explorado um método hermenêutico que talvez tivessemaprendidocomseusvizinhoscristãos. Seumidrashmísticoerabaseadonahistóriatalmúdicadosquatrosábiosque entraram no “paraíso” (pardes). 37 Como apenas o rabino Akiba havia sobrevividoaesseperigosoexperimentoespiritual,oscabalistasafirmavamque suaexegese,quechamavamdepardes,derivavadeleeeraaúnicaformasegura de misticismo. 38 Eles descobriram que seu método de estudar a Torá os transportava para o “paraíso”. 39 PaRDeS era um anagrama para os quatro sentidos da Escritura: peshat, o sentido literal; remez, a alegoria; darash, o sentidomoral,homilético;esod,aculminaçãomísticadoestudodaTorá.Pardes eraumritodepassagemquecomeçavacompeshateseelevavaatéasalturas inefáveisdesod.ComoahistóriaoriginaldePardesdeixavaclaro,essaviagem nãoeraparatodos,masapenasparaumaelitepropriamenteiniciada.Astrês primeirasformasdomidrashpeshat,remezedarash – haviam todas sido usadasporFilon,osrabinoseosfilósofos,demodoqueoscabalistassugeriam queanovaespiritualidadeestavaemconformidadecomatradição,aomesmo tempoquedavamaentenderquesuaprópriaespecialidade–sod–era sua consumação. É provável que sua experiência parecesse tão evidentemente judaica que eles talvez estivessem inconscientes de qualquer conflito com o pensamentodominante. 40 Oscabalistascriaramumasíntesepoderosa. 41 Reviveramoelementomítico daantigatradiçãoisraelita,queosrabinoseosfilósofoshaviamdesvalorizado outentadoerradicar.Eraminspiradostambémpelatradiçãognóstica,quevoltara à tona em vários movimentos místicos no mundo muçulmano com que provavelmenteestavamfamiliarizados.Porfim,oscabalistasfizeramusodas dezemanaçõesconcebidaspelosfilósofos,emquetodososelementosnacadeia doserestavamconectados.Arevelaçãonãoprecisavamaistransporumabismo ontológico,masocorriacontinuamentedentrodecadaindivíduo,eacriaçãonão haviaacontecidoumaveznopassadodistante,maseraumeventoatemporalde quetodosnóspodíamosparticipar. Acabalaprovavelmentebaseou-semaisemEscrituraqueemqualqueroutra formademisticismo.Sua“bíblia”eraoZohar,“Olivrodoesplendor”,quase semdúvidaobradeMoisésdeLeon,masassumiuaformadeumromancedo séculoIIsobreorevolucionáriomísticorabinoSimeãobenYohai,quevagou pelaPalestina,encontrando-secomseuscompanheirosparadiscutiraTorá,que,

em conseqüência de sua exegese, “abria” diretamente para o mundo divino. EstudandoaEscritura,ocabalistadescianotextoeemsimesmo,camadapor camada,edescobriaqueestavaaomesmotempoelevando-seàfontedetodoser. Oscabalistasconcordavamcomosfilósofosaoafirmarqueaspalavrasnão podiamtransmitiratranscendênciaincompreensíveldeDeus.Masacreditavam que, embora Deus não pudesse ser conhecido, podia ser experimentado nos símbolosdaEscritura.EstavamconvencidosdequeDeusdeixarasinaissobre suavidainteriornotextobíblico.Emsuaexegesemística,oscabalistascriavam apartirdessessinais,inventandohistóriasmíticasedramasquedesvendavamo textopeshat.Suainterpretaçãomísticaencontravaumsignificadoesotéricoem cadaversículodaEscrituraquedescreviaosmistériosdoserdivino. OscabalistaschamavamaessênciamaisíntimadeDeusdeEnSof(“sem fim”). En Sof era incompreensível e sequer mencionado na Bíblia ou no Talmude.Nãoeraumapersonalidade,sendoporissomaisprecisochamá-lode “isso”quede“ele”.MasoincompreensívelEnSofhaviasereveladoparaa humanidade ao mesmo tempo que criara o mundo. Havia emergido de seu ocultamento impenetrável, como uma imensa árvore fazendo brotar tronco, galhosefolhas.Avidadivinaespalhava-seemesferascadavezmaisamplasaté quepreenchiatudoquantohá,emboraopróprioEnSofpermanecesseescondido. Eraaraizdaárvore,afontedesuaestabilidadeevitalidade,masparasempre invisível. O que os filósofos chamavam de atributos de Deus – seu Poder, Sabedoria, Beleza e Inteligência – tornavam-se assim manifestos, mas os cabalistas transformavam essas qualidades abstratas em potências dinâmicas. Comoasdezemanaçõesdosfilósofos,elasrevelavamaspectosdoinsondávelEn Sof e se tornavam mais concretas e compreensíveis à medida que se aproximavamdomundomaterial.Oscabalistaschamavamessasdezpotências, asdimensõesinterioresdapsiquedivina,desefirot(“numerações”).Cadasefira tinhaseupróprionomesimbólicoerepresentavaumestágionarevelaçãoem processodeEnSof,maselasnãoeram“segmentos”deDeus,ejuntasformavam umgrandeNomenãoconhecidopelossereshumanos.Cadasefiraencerrava todoomistériodeDeussobumtópicoparticular. Os cabalistas interpretavam o primeiro capítulo do Gênesis como uma paráboladaemergênciadassefirot.Bareshit(“ocomeço”),aprimeirapalavrada Bíblia, revelava o momento em que Kether Elyon (a “Suprema Coroa”), a primeirasefira,irrompiaatravésdomistérioinsondáveldeEnSofcomouma “chamaescura”.Atéentãonadaforarevelado,porquenadahavianessaprimeira sefira que seres humanos pudessem compreender. “Ele não podia ser reconhecido de maneira alguma”, explicava o Zohar, “até que um ponto

escondido,supernal,brilhassesoboimpactodairrupçãofinal.”Esse“ponto”era asegundasefira,Chochamá(“Sabedoria”),oplano-mestredivinodacriaçãoque representava o limite do entendimento humano. “Além disso nada pode ser conhecido”,continuavaoZohar.“Porissoeleéchamadoreshit,começo.”Em seguidaChochamápenetravaaterceirasefira,Binah,aInteligênciadivina,cuja “radiância incognoscível” era de uma “sutileza e translucidez ligeiramente menores que o ponto primal”. Depois desse “começo”, as sete sefirot “inferiores”seseguiam,umaapósaoutra,“extensãosobreextensão,cadauma constituindo uma vestimenta para a anterior, como uma membrana para o cérebro”. 42 Essemythospretendialançarluzsobreoprocessoindescritívelpeloqualo Deusincognoscíveldava-seaconheceraossereshumanosedavaexistênciaao cosmo.HaviasempreumforteelementosexualnaCabala.Binaheraconhecida também como a Mãe supernal, cujo útero, uma vez penetrado pelo “ponto primal”,davaàluzassefirotinferiores,querefletiamaspectosdodivinomais acessíveis aos seres humanos e que, no primeiro capítulo do Gênesis, eram simbolizadospelossetediasdacriação.Ossereshumanospodiamdiscernir esses“poderes”deDeusnomundoenaEscritura:Rachamin(Compaixão)– tambémchamadoTiferet(Graça);Din(JulgamentoSevero)quedeveriasempre serequilibradoporHesed(Clemência);Netsach(Paciência),Hod(Majestade), Yesod(Estabilidade)eenfimMalkut(Reino),tambémchamadoShekhinah,que oscabalistasimaginavamcomoumapersonalidadefeminina. AssefirotnãodeviamservistascomoumaescadaligandooEnteSupremoà humanidade.Elasderamformaanossomundoeoenvolveram,demodoque estávamos abraçados e impregnados por essa atividade divina dinâmica, multíplice. Como estavam presentes também na psique humana, as sefirot representavamademaisosestágiosdeconsciênciahumanaatravésdosquaiso místicoascendiaaoEnteSupremo.Aemanaçãodassefirotdescreviaoprocesso peloqualoimpessoalEnSoftornava-seoDeuspessoaldaBíblia.Àmedidaque astrêssefirotmaiselevadasemergiam,o“isso”deEnSoftornava-se“ele”.Nas seissefirotseguintes,“ele”tornava-se“tu”,umarealidadecomqueosseres humanos podiam se relacionar. Na Shekhinah, a presença divina em nosso mundo,“tu”,tornava-se“eu”,porqueDeusestavapresentetambémemcada indivíduo.Nocursodaexegesepardes,oscabalistastornavam-segradualmente conscientesdapresençadivinanosrecessosmaisprofundosdapsique. Oscabalistaslevavamadoutrinadacriaçãoexnihilomuitoasério,mas viravam-nadecabeçaparabaixo.Esse“nada”nãopodiaestarforadoEnte Supremo,porqueesteconstituíatodaarealidade.OabismoestavadentrodeEn

Sof e era – de algum modo – superado na criação. Os cabalistas também chamavam a primeira sefira, a chama escura que iniciava o processo revelatório/criativo, de “Nada”, porque ela não correspondia a nenhuma realidadequepudéssemosconceber.Acriaçãosederaverdadeiramenteexnihilo. NoCapítuloUmdoGênesis,Deuscriouadam(“humanidade”),que,osmísticos concluíram,eraahumanidadeprimordial(adamkadmon),oclímaxdeprocesso criativo,feitoàimagemdeDeus:odivinotornava-semanifestonoserhumano arquetípico,assefirotformavamseucorpoeseusmembros. NoCapítuloDois,aocriarAdãodopó,Deusdeuexistênciaàhumanidade terrena como a conhecemos. Esse Adão mundano deveria contemplar a totalidadedomistériodoEnteSupremonoprimeiroShabat,maselefezaopção maisfácilemeditousomentesobreaShekhinah,asefiramaispróximaemais acessível.Isso–nãooatodedesobediência–foiarazãodaquedadeAdão,que estilhaçouaunidadedomundodivino,separandoaÁrvoredaVidadaÁrvoredo Conhecimento,earrancandoofrutodaárvoreaoqualdeveriapermanecerpreso. AShekhinahfoiarrancadadaárvoredassefirotepermaneceuexiladadomundo divino. Oscabalistas,noentanto,tinhamopoderdereuniraShekhinahcomoresto dassefirot,executandoatarefadesignadaparaAdão.Emsuaexegesepardes, eles podiam contemplar a totalidade do mistério divino em toda a sua complexidade, e toda a Escritura tornava-se uma referência codificada à interaçãodassefirot.OatodeAbraãodeamarrarIsaacmostravacomoDine Hesed–JulgamentoeClemência–deviamagirjuntos,umtemperandoooutro. AhistóriadeJosé,queresistiuàtentaçãosexualeelevou-seaopodercomoo provedordealimentosnoEgito,mostravaque,napsiquedivina,arestrição (Din) era sempre equilibrada pela graça (Tiferet). O Cântico dos Cânticos simbolizavaoanseioporharmoniaeunidadequepulsaatravésdetodosos níveisdeexistência. 43 AssimcomoEnSofinvoluía,exteriorizava-seecontraía-senaprogressiva emanaçãodassefirot,assimtambémoEnteSupremoseexpressavanaspalavras humanaslimitadasdaTorá.Oscabalistasaprendiamaexplorarosdiferentes níveis da Bíblia da mesma maneira como contemplavam as camadas da divindade.NoZohar,aToráeracomparadaaumabeladonzela,isoladanum palácio,quetinhaumamantesecreto.Elasabiaqueeleestavacaminhandopara sempredeumladoparaoutrodaruadoladodeforadeseuquarto,naesperança devê-la;assim,abriaumaportaparalhemostrarseurosto–sóporumsegundo –eemseguidaseafastava.Somenteseuamantecompreendeuaimportânciade suafugazaparição.EradessamaneiraqueaToráserevelavaparaummístico.

Primeiro dava-lhe um sinal; em seguida falava com ele “detrás do véu que penduroudiantedesuaspalavras,deformaqueelasseajustemaomodode compreensão,paraqueelepossaavançargradualmente”. 44 Muitolentamente,os cabalistasavançavamdeumníveldaEscrituraaoutro–atravésdasreflexões moraisdedarash,dosenigmasealegoriasderemez.Osvéustornavam-semais finosemenosopacos,atéqueenfimeleatingiaapenetraçãoculminantedesod:

abem-amada“encontra-sedescoberta,faceafacecomele,econversacomele sobre todos os seus mistérios secretos, e todos os costumes secretos que estiveramescondidosemseucoraçãodesdetemposimemoriais”. 45 Omístico deve desnudar o significado superficial da Bíblia – todos os contos, leis e genealogias–comoumamantedesvelasuaamadaeaprendeaconhecernão somenteseucorpo,massuaalma.

Pessoassementendimentovêemapenasasnarrativas,aroupa;osquesão umpoucomaisargutosvêemtambémocorpo.Masosverdadeiramente sábios, os que servem ao Rei altíssimo e se postam no monte Sinai, penetram todo o caminho até a alma, até a verdadeira Torá, que é o princípiooriginaldetudo. 46

TodoaquelequesimplesmenteliaaBíblialiteralmente,“comoumlivroque apresentanarrativassobreassuntoscotidianos”,nãoacompreendera.Nãohavia nadadeespecialnaToráliteral:qualquerpessoapodiaescreverumlivromelhor –atéosgentioshaviamproduzidoobrasmaisnotáveis. 47 OscabalistascombinavamsuasmeditaçõesmísticassobreaEscrituracom vigílias, jejuns e constante auto-exame. Eles tinham de viver juntos em companheirismo,reprimindooegoísmoeaegolatriaporqueairapenetravana psiquecomoumespíritomaueestilhaçavaaharmoniadivinadesuaalma.Era impossívelexperimentaraunidadedassefirotnesseestadodividido. 48 Oamor dosamigoserafundamentalparaoekstasisdaCabala.NoZohar,umdossinais deumaexegesebem-sucedidaéogritodealegriaproferidopeloscolegasdo intérpretequandoouvemoqueexperimentamcomoverdadedivina,ouquando osexegetassebeijamumaooutroantesderecomeçarsuaviagemmística. OscabalistasacreditavamqueaToráerafalha,incompletaeapresentava umaverdaderelativa,nãoumaverdadeabsoluta.Algunspensavamquefaltavam doislivrosinteirosemnossaTorá,ouquenossoalfabetocareciadeumadesuas letras,demodoqueapróprialinguagemsedeslocara.Outrosdesenvolveram umaversãodomitodasSeteIdadesdoHomem,cadaumadasquaisduravasete milanoseeragovernadaporumadassetesefirotinferiores.APrimeiraIdade

foragovernadaporRachamim/Tiferet(GraçaeCompaixão).Todasascriaturas haviamvividojuntasemharmonia,esuaToránuncafalavadaserpente,da ÁrvoredoConhecimentooudamorteporqueessasrealidadesnãoexistiam.Mas estávamosvivendonaSegundaIdade,deDin,oJulgamentoSeveroquerefleteo ladomaisescurodeDeus,demodoquenossaToráfalavadeconstanteconflito entrebememal,eracheiadeleis,julgamentoseproibições,esuashistórias eram muitas vezes violentas e cruéis. Mas no Terceiro Ciclo, sob Hesed (Clemência),aToráseriaboaesantanovamente. A Cabala começou como um movimento pequenino, esotérico, mas se tornariaummovimentodemassanojudaísmo,esuamitologiainfluenciariaaté aquelesquenãotinhamtalentomístico.Àmedidaquesuahistóriatornou-se mais trágica, os judeus consideravam o Deus dinâmico dos místicos mais compassivoqueoDeusdistantedosfilósofos,esentiamcadavezmaisqueo sentidomanifestodaEscrituraerainsatisfatórioenãopodialançarnenhumaluz semainterpretaçãodeumatradiçãoherdada(kaballah).

Na Europa, contudo, os cristãos chegavam à conclusão oposta. O estudioso

franciscanoNicolaudeLira(1270-1340)combinouosmétodosmaisantigosde

interpretaçãocomosnovosachadosdosescolásticos.Defendeuousodostrês “sentidosespirituais”daBíblia,maspreferiaosentidomanifestodaexegese histórica.Eleaprenderahebraicosozinho,conheciaaobradeRashietransitava comeficiêncianafilosofiaaristotélica.SuaPostillae,umaexegeseliteraldetoda aBíblia,tornou-seumlivro-textopadrão. Outros desenvolvimentos revelaram uma crescente insatisfação com a

interpretaçãotradicional.RogerBacon(1214-92),franciscanoinglês,nãotinha

paciênciacomateologiaescolásticaeinstouosestudiososaestudaremaBíblia nas línguas originais. Marsílio de Pádua (1275-1342) exasperou-se com o crescentepoderdaIgrejaestabelecidaecontestouapretensãodopapadesero supremoguardiãodaBíblia.Daliemdiante,todososreformadoresvinculariam suaaversãoaospapas,cardeaisebisposcomumarejeiçãodesuapretensãoaser os árbitros da exegese. John Wycliffe (1329-84), um erudito de Oxford, enfureceu-se com a corrupção da Igreja e afirmou que a Bíblia devia ser traduzidaparaovernáculo,demodoqueaspessoascomunsnãoprecisassemse valerdosacerdócio,podendoleraPalavradeDeusporsimesmas.“Cristseith thatthegospelsholdbeprechidinalltheworld”(Cristodissequeoevangelho deviaserpregadonomundotodo),insistiuele:“Holywritistheescriptureof pupilisforitismaadthatallepupilisshuldenknoweit”(ASagradaEscrituraéa escritadosaprendizes,poisfoifeitaparaquetodososqueestãoaprendendoa

conheçam). 49 EGuilhermeTyndale(m.1536),quetraduziuaBíbliaparaoinglês, suscitouasmesmasquestões:deveriaaautoridadedaIgrejasermaiorqueado evangelhooudeveriaoevangelhoserelevadoacimadaIgreja?NoséculoXVI, essedescontentamentoeclodirianumarevoluçãobíblicaqueinstavaosfiéisa confiaremapenasnaEscritura.

Solascriptura

|7|

N oséculoXVI,estavaemcursonaEuropaumprocessocomplexoque

os ocidentais

mudaria irreversivelmente

a

maneira

como

experimentavamomundo.Invençõeseinovações,nenhumadasquais

pareciaimportantenomomento,ocorriamsimultaneamenteemmuitoscampos diferentes,masseuefeitocumulativoseriadecisivo.Osexploradoresibéricos haviamdescobertoumnovomundo;astrônomosdesvendavamocéu;euma novaeficiênciatécnicadavaaoseuropeusocontrolesobreseuambiente.Muito devagar,umespíritopragmático,científico,começavaaabalarasensibilidade medieval.Umasériedecatástrofesdeixaraaspessoassentindo-seindefesase ansiosas. Durante os séculos XIVe XV, a Peste Negra matara um terço da populaçãodaEuropa,osturcosotomanosconquistaramaBizânciocristãem 1453, e os escândalos papais do Cativeiro de Avignon e do Grande Cisma, quando nada menos que três pontífices haviam reivindicado a Sé de Pedro, haviamalienadomuitagentedaIgrejaestabelecida.Aspessoaslogojulgariam impossívelserreligiosasdamaneiratradicional,eissoafetariasualeiturada Bíblia.

OOcidenteestavaprestesacriarumacivilizaçãosemprecedentesnahistória domundo.Mas,nolimiardessanovaera,muitosqueriamretornaradfontes,“às nascentes”desuacultura:paraomundoclássicodaGréciaedeRomabem comodocristianismo primitivo.Osfilósofos ehumanistasdo Renascimento foramextremamentecríticosdegrandepartedapiedademedieval,emespecial dateologiaescolástica,quelhespareciademasiadosecaeabstrata,equiseram retornaràBíbliaeaosPadresdaIgreja. 1 Ocristianismo,acreditavam,deviaser uma experiência, e não um corpo de doutrinas. Mas os humanistas haviam tambémabsorvidooespíritocientíficodaépocaecomeçaramaestudarotexto

bíblico mais objetivamente. O Renascimento é em geral lembrado por sua redescobertadopaganismoclássico,maseletevetambémfortecaráterbíblico, emparteinspiradoporumentusiasmointeiramentenovopeloestudodogrego. OshumanistashaviamcomeçadoalertantoPauloquantoHomeronalíngua originaleconsideradoaexperiênciaarrebatadora. NaIdadeMédia,muitopoucagentenoOcidentetiverafamiliaridadecomo grego,masrefugiadosbizantinosdasguerrasotomanashaviamfugidoparaa

EuropanoséculoXVeseempregadocomopreceptores.Em1519,ohumanista

holandês Desidério Erasmo (1466-1536) publicou o texto grego do Novo Testamento, que havia traduzido para um elegante latim ciceroniano muito diferentedaVulgata.Oshumanistasvalorizavamoestiloearetóricaacimade tudo.Estavampreocupadostambémcomoserrosquehaviamseacumuladono textoaolongodosséculos,equeriamlibertaraBíbliadosacréscimoseda bagagemdopassado. O fato de a invenção da máquina impressora ter tornado possível para Erasmopublicarsuatraduçãofoideimensaimportância.Qualquerpessoaque soubessegregopodiaagoralerosevangelhosnooriginal.Outrosestudiosos podiam rever a tradução mais depressa que nunca e sugerir melhoramentos. Erasmobeneficiou-sedessassugestõesepublicouváriasoutrasediçõesdeseu Novo Testamento antes de morrer. Ele havia sido muito influenciado pelo

humanistaitalianoLourençoValla(1505-57),queproduziraumaantologiados

principais“textosdeprova”doNovoTestamento,usadosparaapoiaradoutrina daIgreja;maselepuseraaversãoVulgataaoladodooriginalgrego,mostrando que esses textos nem sempre “provavam” o que afirmavam, tamanha era a imprecisão da Vulgata. Mas a Collatio de Valla aparecera somente em manuscrito;Erasmomandouimprimi-la,elogoelaalcançouumpúblicomuito maisamplo. SeriaagoraconsideradoobrigatórioleraBíblianaslínguasoriginais,eessa exigênciacultaestimulouumaatitudemaisimparcial,histórica,emrelaçãoà Antigüidadebíblica.Atéentão,osexegetasconsideravamaBíbliacomouma obraúnica,enãoumacoleçãodediversoslivros.Podiamnuncatervistoas Escrituras fisicamente num único volume, mas a prática de vincular textos díspares os estimulara a desprezar diferenças de visão e período. Agora os humanistascomeçaramaestudarosautoresbíblicosindividuais,notandoseus talentoseidiossincrasiasespeciais.Sentiam-seemespecialatraídosporPaulo, cujoestiloganhavaumanovaproximidadenogregokoinéoriginal.Suabusca apaixonada pela salvação parecia um antídoto salutar para o racionalismo escolástico. Ao contrário dos humanistas de hoje, eles não eram céticos em

relaçãoàreligião,tendosetornadoardentescristãospaulinos. ElespodiamcompreenderemparticularoagudosensodepecadodePaulo. Um período de violenta mudança social é muitas vezes caracterizado pela ansiedade.Aspessoassentem-seperdidaseimpotentes;vivendoinmediasres, nãoconseguemverquedireçãosuasociedadeestátomando,masexperimentam suatransformaçãosubterrâneademaneirasincoerentes,esporádicas.Aolado dos fascinantes avanços do início do século XVI, havia uma angústia

disseminada.OsreformadoresprotestantesHuldrychZwinglio(1484-1531)e

JoãoCalvino(1509-64)experimentaramambosumasensaçãodeagudofracasso

eimpotênciaantesdeencontraremumanovasoluçãoreligiosa.Oreformador católico Inácio de Loyola (1491-1556), fundador da Companhia de Jesus, choravatãocopiosamenteduranteamissaqueosmédicosoadvertiramdeque poderia perder a vista. E o poeta italiano Francesco Petrarca (1304-74) era igualmentelacrimoso:“Comquetorrentesdelágrimasprocureilavarminhas manchas,demodoquemalpossofalardissosemchorar,noentantotudoévão. Deusrealmenteéomelhor:eeusouopior.” 2 Poucosexperimentarammaispenosamenteaangústiadaidadedoqueum jovemmongenomosteiroagostinianodeEfurt,naAlemanha:

Emboravivesseumavidairrepreensívelcomomonge,eusentiaqueeraum pecadorcomumaconsciênciainquietaperanteDeus.Tambémnãopodia acreditarquelheagradaracomminhasobras.LongedeamaresseDeus justo que punia os pecadores, eu na verdade o abominava … Minha consciêncianãopodiamedarcerteza,maseusempreduvidavaedizia:

“Nãofizesteaquilodireito.Nãofostecontritoobastante.Deixasteaquilo deforadetuaconfissão.” 3

Martinho Lutero (1483-1546) fora educado na filosofia escolástica de Guilherme de Ockham (c.1287-1347), que havia instado os cristãos a tentar mereceragraçadeDeuspormeiodesuasboasobras. 4 MasLuteroeravítimade umatorturantedepressão,enenhumadaspiedadestradicionaispodiamitigarseu extremo terror da morte. 5 Para escapar de seus medos, ele mergulhou num frenesideatividadereformadora,sentindo-seespecialmenteencolerizadopela práticapapaldevenderindulgênciasparaincharoscofresdaIgreja. Luterofoisalvodeseusofrimentoexistencialpelaexegese.Aprimeiravez queviuumexemplardetodaaBíblia,ficouespantadoaoperceberquecontinha um número tão maior de Escritos do que imaginara. 6 Sentiu que a via pela primeiravez. 7 Tornou-seprofessordeEscrituraefilosofianaUniversidadede

Wittenberg,e,duranteasaulasquedavasobreosSalmoseasepístolasdePaulo

aosRomanoseaosGálatas(1513-18),experimentouumavançoespiritualque

lhepermitiulibertar-sedesuaprisãoockhamita. 8 AsaulassobreosSalmoscomeçaramdemaneirabastanteconvencional– Luteroexpunhaotextoversículoporversículo,segundocadaumdosquatro sentidos,sucessivamente.Mashouveduasmudançassignificativas.Primeiro, Luteropediuaoresponsávelpelagráficadauniversidade,JohannesGutenberg, queproduzisseumSaltérioespecialmenteparaele,comamplamargemevastos espaçosparasuasanotações.Tinha,porassimdizer,limpadoapáginasagrada, apagandoaglosatradicionalparacomeçardenovo.Segundo,eleintroduziuuma definiçãointeiramentenovadosentidoliteral.Por“literal”elenãoentendiaa intenção original do autor; entendia “cristológico”. “Em toda a Escritura”, afirmouele,“nãohánadaalémdeCristo,sejaempalavrassimplesoupalavras veladas.” 9 “TiraCristodasEscrituras”,eleperguntounumaoutraocasião,“eque maisencontraráslá?” 10 Arespostarápidaparaessaperguntaéqueencontraríamosmuitacoisa.À medidaquefoificandomaisfamiliarizadocomaBíblia,Luteropercebeuque grande parte dela tinha muito pouco a ver com Cristo. Mesmo no Novo Testamento,havialivrosmaiscentradosemCristoqueoutros.Issoocompeliu, aolongodosanos,ainventarumanovahermenêutica.AsoluçãodeLuterofoi criar um “cânone dentro do cânone”. Homem de seu tempo, se sentia especialmente atraído por Paulo, achando aquelas cartas que descreviam a experiênciacristãdoCristoressuscitadomuitomaisvaliosasqueosevangelhos sinóticos que eram apenas sobre Cristo. Pela mesma razão, privilegiava o evangelhodeJoãoeaPrimeiraEpístoladePedro,masrelegavaasegundoplano osHebreus,asepístolasdeTiagoeJudaseoApocalipse.Aplicouomesmo critérioao“AntigoTestamento”:descartouosApócrifosetinhapoucotempo paraoslivroshistóricoseasseçõeslegaisdoPentateuco.MasadmitiuoGênesis emseucânonepessoalporquePauloocitava,juntamentecomosprofetas,que haviam previsto a vinda de Cristo, e os Salmos, que o haviam ajudado a compreenderPaulo. 11 DurantesuasaulassobreoSaltério,Luterocomeçouarefletirarespeitodo significadodapalavra“justiça”(hebraico:tsedek;latim:justitia).Oscristãos haviamlidotradicionalmenteossalmosdacasarealdeDavicomoprofecias diretasdeJesus.Assim,porexemplo,oversículo“Revestedatuajustiçaorei,ó Deus,eofilhodorei,datuaretidão” 12 referia-seaCristo.Masaênfasede Lutero era diferente. Compreendido literalmente – isto é, para ele, “cristologicamente”–,oapelo“Resgata-meelivra-meportuajustiça” 13 erauma

prece pronunciada por Jesus para seu Pai. Mas, segundo o senso moral, as palavrassereferiamàlibertaçãodoindivíduo,aquemCristoconcederasua própriajustiça. 14 Luterocaminhavaaospoucosparaaidéiadequeavirtudenão eraumpré-requisitodagraçadeDeus,masumadádivadivina,relacionandoo textodiretamentecomseuprópriodilema:Deusdeusuaprópriajustiçaeretidão aossereshumanos. NãomuitodepoisdessasaulassobreosSalmos,Luterorealizouumavanço exegético em seu gabinete na torre do mosteiro. Ele vinha lutando para compreenderadescriçãoquePaulofaziadoevangelhocomoumarevelaçãoda justiçadeDeus:“No[evangelho]éreveladaajustiçadeDeus,comoestáescrito:

O justo viverá pela fé…” 15 Seus mestres ockhamitas o haviam ensinado a compreender“ajustiça(justitia)deDeus”comoajustiçadivinaquecondenao pecador.Comopoderiaissoseruma“boanova”?EquetinhaajustiçadeDeusa vercomafé?Luteromeditousobreotextodiaenoiteatéquealuzsurgiu:a “justiçadeDeus”noevangelhoeraamisericórdiadivinaqueinvesteopecador da bondade do próprio Deus. O pecador precisava unicamente de fé. De imediato,asansiedadesdeLuterosereduziram.“Senticomosetivessenascido de novo e como se tivesse entrado através de portões abertos no próprio paraíso.” 16 Depois disso, toda a Escritura assumiu um novo significado. Durante as aulas de Lutero sobre os Romanos, houve uma acentuada mudança. Sua abordagemtornou-semaisinformalemenospresaaocostumemedieval.Elenão se incomodava mais com os quatro sentidos, concentrando-se em sua interpretaçãocristológicadaBíblia,eeraabertamentecríticodosescolásticos. Nãohavianecessidadedemedo.Enquantotivesse“fé”,opecadorpodiadizer:

“Cristofezobastantepormim.Eleéjusto.Eleéminhadefesa.Elemorreupor mim.Elefezdesuajustiçaaminhajustiça.” 17 Maspor“fé”Luteronãoentendia “crença”,esimumaatitudedeconfiançaeabandonodesi.“Afénãorequer informação,conhecimentoecerteza,masumarendiçãolivreeumaapostafeliz nabondadenãosentida,nãoexperimentadaenãoconhecida[deDeus].” 18 EmsuasaulassobreosGálatas,Luteroexpandiu-sesobrea“justificação pela fé”. Nessa epístola, Paulo havia atacado aqueles cristãos judeus que queriamqueosgentiosobservassemtodaaLeideMoisés,quando,segundo Paulo,aúnicacoisanecessáriaeraconfiança(pistis)emCristo.Luterotinha começadoadesenvolverumadicotomiaentreLeieevangelho. 19 ALeifoio meioqueDeususoupararevelarsuairaeapecaminosidadedossereshumanos. EnfrentamosaLeinosmandamentosinflexíveisqueencontramosnaEscritura, comoosDezMandamentos.Opecadoracovarda-sediantedessasexigências,

quelheparecemimpossívelcumprir.Masoevangelhorevelavaamisericórdia divinaquenossalva.A“Lei”nãoserestringiaàleimosaica:havia“evangelho” no Antigo Testamento (quando os profetas antecipavam o Cristo) e uma abundância de mandamentos assustadores no Novo. Tanto a Lei quanto o evangelhovinhamdeDeus,massomenteoevangelhopodianossalvar.

Nodia31deoutubrode1517,Luteropregou95tesesnaportadaigrejaem

Wittenberg,protestandocontraavendadeindulgênciaseapretensãodopapade perdoar os pecados. Aprimeira dessas teses lançava a autoridade da Bíblia contra a tradição sacramental: “Quando nosso Senhor e Mestre Jesus disse ‘Arrepende-te’, queria que toda a vida dos crentes fosse uma vida de arrependimento.”LuteroaprenderacomErasmoquemetanoia,queaVulgata traduziaporpoenitentiamagere(“fazpenitência”),significavauma“reviravolta” detodoosercristão.Nãosignificavaconfessar-se.Nenhumapráticaoutradição daIgrejapodiareivindicarsançãodivinaamenosquetivesseoapoiodaBíblia. EmseudebatepúblicoemLeipzigcomJohannEck,professordeteologiaem Ingolstadt (1519), Lutero explicitou pela primeira vez sua controversa nova doutrinasolascriptura(“Escriturasomente”).ComopodiaLuterocompreender aBíblia,perguntouEck,semospapas,osconcílioseasuniversidades?Lutero respondeu:“UmsimplesleigoarmadocomaEscrituramerecemaiscréditoque umpapaouumconcíliosemela.” 20 Essaeraumaafirmaçãosemprecedentes. 21 Judeusecristãossemprehaviam sustentadoaimportânciasagradadatradiçãoherdada.Paraosjudeus,aToráoral eraessencialparaacompreensãodaToráescrita.AntesqueoNovoTestamento fosse escrito, o evangelho havia sido pregado oralmente, e a Escritura dos cristãoshaviasidoaLeieosprofetas.NaalturadoséculoIV,quandoocânone doNovoTestamentofoifinalizado,asigrejasvaliam-sedeseuscredos,liturgias e pronunciamentos dos concílios eclesiásticos tanto quanto da Escritura. 22 Apesardisso,aReformaProtestante,umatentativadeliberadaderetornaràs origensdafé,fezdesolascripturaumdeseusprincípiosmaisimportantes.De fato,opróprioLuteronãorejeitavaatradição.Usavacomprazeraliturgiaeos credos,contantoqueelesnãocontradissessemaEscritura,etinhaplenaciência dequeoevangelhoforapregadooriginalmentedemaneiraoral.Sóhaviasido postoporescrito,explicouele,porcausadoperigodaheresiaerepresentava umadeficiênciaemrelaçãoaoideal.Oevangelhodeviacontinuarsendoum “gritoalto”,umchamadovocal.APalavradeDeusnãopodiaserconfinadaaum textoescrito;deviaservivificadapelavozhumananapregação,nossermõese nocantodehinosesalmos. 23 Mas,apesardeseucompromissocomaPalavrafalada,amaiorfaçanhade

LuterofoiprovavelmentesuatraduçãodaBíbliaparaoalemão.Elecomeçou com o Novo Testamento, que traduziu do texto grego de Erasmo (1522), e depois, trabalhando numa velocidade vertiginosa, completou o Antigo

Testamentoem1534.QuandoLuteromorreu,umentre70alemãespossuíaum

exemplardoNovoTestamentovernacular,eaBíbliaalemãdeLuterotornou-se umsímbolodaintegridadealemã.AolongodosséculosXVIeXVII,reise príncipesportodaaEuropacomeçaramadeclararindependênciaemrelaçãoao papado e a instituir monarquias absolutas. O Estado centralizado foi parte essencial do processo de modernização, e a Bíblia vernacular tornou-se um símbolodavontadenacionalnascente.AtraduçãodaBíbliaparaoinglês,que

culminoucomaBíbliadoreiJaime(1611),foiendossadaecontroladaquase

passoapassopelasmonarquiasTudoreStuart. Zwingli e Calvino também basearam suas reformas no princípio da sola scriptura, mas diferiam de Lutero em vários aspectos importantes. Estavam menosinteressadosemteologiaemaispreocupadoscomatransformaçãosocial epolíticadavidacristã.Ambosdeviammuitoaoshumanistaseinsistiamna importânciadaleituradaBíblianaslínguasoriginais.Masnãoaprovavamo “cânonedentrodocânone”deLutero.Ambosqueriamquesuascongregaçõesse familiarizassem com a Bíblia inteira. O seminário teológico de Zwingli em Zurique publicava excelentes comentários bíblicos, distribuídos por toda a Europa;eatraduçãodaBíbliadeZuriquefoipublicadaantesdadeLutero. Calvino estava convencido de que a Bíblia fora escrita para gente simples, iletrada, e fora roubada deles pelos eruditos. Mas compreendia que eles precisariam de orientação. Os pregadores deviam ser versados em exegese rabínicaepatrística,efamiliarizadoscomosestudoscontemporâneos.Deviam sempre ver uma passagem bíblica em seu contexto original, mas ao mesmo tempo tornar a Bíblia pertinente para as necessidades diárias de suas congregações. OestudodosclássicosgregoseromanosfeitoporZwinglioensinaraa apreciaroutrasculturasreligiosas: 24 aBíblianãotinhaomonopóliodaverdade revelada.SócratesePlatãotambémhaviamsidoinspiradospeloEspírito,eos cristãos os encontrariam no céu. Da mesma forma que Lutero, Zwingli acreditavaqueaPalavraescritadeviaserproclamadaemvozalta.Comoum pregadoreraguiadopeloEspírito,damesmamaneiraqueosautoresbíblicos, Zwingliviaseusprópriossermõescomoproféticos.Suamissãoeraanimara Palavraescritaetorná-laumaforçavivanacomunidade.ABíblianãodizia respeitoaoqueDeushaviafeitonopassado,masaoqueElefaziaaquieagora. 25 Calvino,noentanto,nãotinhatempoparaaculturaclássica.Concordava

comLuteroqueCristoeraofocodaEscrituraeamanifestaçãosupremade Deus.Tinha,contudo,umapreçomuitomaiorpelaBíbliahebraica.Arevelação deDeushaviasidoumprocessogradual,evolutivo;emcadaestágiodahistória dossereshumanos,Elehaviaadaptadosuaverdadeàcapacidadelimitadadeles. O ensinamento e a orientação que Deus dera a Israel mudaram e se desenvolveramcomotempo. 26 AreligiãoconfiadaaAbraãoeratalhadaparaas necessidadesdeumasociedademaissimplesqueaToráconcedidaaMoisésou

Davi.Arevelaçãotornou-seprogressivamentemaisclaraecentradanochristós,

atéotempodeJoão,oBatista,quehaviaolhadodiretamentenosolhosdeJesus.

MasoAntigoTestamentonãoerasimplesmentesobreCristo,comoafirmara

Lutero.OpactocomIsraeltinhasuaprópriaintegridade;vinhadomesmoDeus,

eoestudodaToráajudariaoscristãosacompreenderoevangelho.Calvinoviria

aseromaisinfluentedosreformadoresprotestantesetornariaasEscrituras

judaicasmaisimportantesparaoscristãos–especialmentenomundoanglo-

saxão–doquenunca. Calvino nunca se cansou de salientar que, na Bíblia, Deus foi condescendente com nossas limitações. A Palavra foi condicionada pelas circunstâncias históricas em que foi pronunciada, de modo que as histórias menosedificantesdaBíbliadevemservistasemcontexto,comofasesdeum processo em curso. Não havia nenhuma necessidade de explicá-las alegoricamente.AhistóriadacriaçãonoGênesiseraumexemplodessebalbucio divino, que adaptava processos imensamente complexos à mentalidade de pessoas sem instrução. 27 Não era surpreendente que a história do Gênesis diferissedasnovasteoriasdosfilósofosinstruídos.Calvinotinhagranderespeito pelaciênciamoderna.Achavaqueelanãodeviasercondenadasimplesmente “porquealgunsfrenéticoscostumamrejeitarcomatrevimentotudoquelhesé desconhecido.Poisaastronomianãosóéagradável,comoseuconhecimentoé demuitautilidade:nãosepodenegarqueessaarterevelaaadmirávelsabedoria deDeus”. 28 EraabsurdoesperarqueaEscrituraensinasseofatocientífico;quem desejasseaprendersobreastronomiadeviaprocuraremoutrolugar.Omundo naturaleraaprimeirarevelaçãodeDeus,eoscristãosdeveriamencararasnovas ciênciasgeográficas,biológicasefísicascomoatividadesreligiosas. 29 Osgrandescientistascompartilhavamessaconcepção.NicolauCopérnico (1473-1543) via a ciência como “mais divina que humana”. 30 Sua hipótese heliocêntricaeratãoradicalquepoucosseriamcapazesdeentendê-la:emvezde estarlocalizadanocentrodoUniverso,aTerraeosoutrosplanetasgiravamem tornodoSol;omundopareciaestável,masencontrava-sedefatoemrápido movimento. Galileu Galilei (1564-1642) testou a teoria copernicana

empiricamente,observandoosplanetasatravésdetelescópio.Elefoisilenciado pela Inquisição e obrigado a se desdizer, mas seu temperamento um tanto agressivoeprovocativotambémdesempenhouumpapelemsuacondenação.De início,católicoseprotestantesnãorejeitaramautomaticamenteanovaciência.O papaaprovouateoriadeCopérnicoquandoelafoiapresentadapelaprimeiravez noVaticano,eosprimeiroscalvinistasejesuítaseramunseoutrosentusiásticos cientistas. Alguns, porém, sentiam-se perturbados pelas novas teorias. Como conciliarateoriadeCopérnicocomumaleituraliteraldoGênesis?Se,como Galileusugeria,haviavidanaLua,comoessaspessoaspoderiamdescenderde Adão?ComopodiamasrevoluçõesdaTerraseharmonizarcomaascensãode Cristoaocéu?AEscrituradiziaqueocéueaTerrahaviamsidocriadosparao benefíciodohomem,mascomopodiaserassimseaTerraeraapenasmaisum planeta girando em torno de uma estrela como outra qualquer? 31 A antiga exegesealegóricateriatornadomuitomaisfácilparaoscristãosenfrentarseu mundoemmudança. 32 MasacrescenteênfasenosentidoliteraldaEscrituraera o produto do início da modernidade: a tendência científica do pensamento modernoinicialexigiaquepessoasvissemaverdadecomoconformadaàsleis domundoexterno.Nãodemorariamuitoparaquealgunscristãosconcluíssem que,amenosquefossehistóricaoucientificamentedemonstrável,umlivronão podiaserverdadeiro.

Opovojudeuaindanãohaviasucumbidoaesseentusiasmopelaletra:em1492

elessofreramumdesastrequelevoumuitosasevoltaremparaasconsolações místicasdaCabala.Naqueleano,FernandoeIsabel,osmonarcascatólicosde AragãoeCastela,haviamconquistadooreinodeGranada,oúltimobaluarte muçulmano na Europa. Judeus e muçulmanos tiveram de escolher entre a conversãoaocristianismoeadeportação.Muitosjudeusescolheramoexílioe refugiaram-senonovoImpérioOtomano;eumnúmerosignificativoinstalou-se naPalestina,entãoprovínciaotomana.EmSafed,nonortedaGaliléia,osanto

místicoIsaacLuria(1534-72)desenvolveuummitocabalísticoquenãotinha

nenhuma semelhança com o primeiro capítulo do Gênesis; no entanto, em meadosdoséculoXVII,aCabalaluriânicatinhamultidõesdeseguidoresem comunidadesjudaicasdaPolôniaaoIrã. 33 Oexíliohaviasidoumapreocupação centralparaosjudeusdesdesuadeportaçãoparaaBabilônia.Paraosjudeus espanhóis–ossefarditas–,aperdadapátriafoiopiordesastrequeseabateu sobreseupovodesdeadestruiçãodotemplo.Elessentiramquetudoestavano lugarerradoequetodooseumundodesabara.Arrancadosparasempredelocais saturados de lembranças essenciais para sua identidade, os eLivross podem sentirquesuaprópriaexistênciaestáemrisco.Quandoestáassociadotambémà

crueldadehumana,oexíliosuscitaproblemasurgentessobreanaturezadomal nummundosupostamentecriadoporumDeusjustoebenevolente. No novo mito de Luria, Deus iniciou o processo criativo exilando-se voluntariamente.ComopodiaomundoexistirseDeusestavaemtodaparte?A respostadeLuriafoiomitodozimzum(“retirada”):oinfinitoEnSofteve,por assim dizer, que evacuar uma região dentro de si mesmo para dar lugar ao cosmo.Essacosmologiaerapontuadaporacidentes,explosõesprimaisefalsos começos,muitodiferentedacriaçãoordenadaepacíficadescritaemP.Mas,para ossefarditas,omitodeLuriapareciaumaavaliaçãomaisexatadeseumundo imprevisívelefragmentado.Numestágioinicialdoprocessocriativo,EnSof haviatentadoencherovácuoquecriarapormeiodozimzumcomluzdivina, masos“vasos”ou“tubos”destinadosacanalizá-lahaviamsequebrado.Assim, centelhasdaluzprimalcaíramnoabismoqueeranão-Deus.Algumasdelas retornaramaomundodivino,masoutraspermanecerampresasnoreinosem DeusdominadopelomalpotencialdeDin,queEnSofhavia–porassimdizer– tentadopurgardesimesmo.Depoisdesseacidente,tudoficounolugarerrado. AdãopoderiaterretificadoasituaçãonoprimeiroShabat,maselepecou,edali emdianteascentelhasdivinaspermanecerampresasnamatéria.AShekhinah, agoraemexíliopermanente,vagavapelomundo,ansiandoporserreunidacomo restodassefirot.Masaindahaviaesperança.Osjudeusnãoeramproscritos,mas essenciais para a redenção do mundo. Sua cuidadosa observância dos mandamentosedosrituaisespeciaisdesenvolvidosemSafedpoderiamlevara caboa“devolução”(tikkun)daShekhinahaoEnteSupremo,dosjudeusàTerra Prometidaedomundoaseuestadolegítimo. 34 NaCabalaluriânica,osentidoliteral,superficial,daBíbliaeraumsintoma dodesastreprimal.OriginalmenteasletrasdaToráhaviamsidonuminosascom luzdivinaehaviamsereunidoparaformarassefirot,osnomessecretosdeDeus. Logoaosercriado,Adãoforaumserespiritual,masquandopecou,sua“grande alma” foi estilhaçada e sua natureza se tornou mais material. Depois dessa catástrofe,ahumanidadeprecisoudeumaTorádiferente:asletrasdivinasagora formavampalavrasqueserelacionavamcomsereshumanoseeventosterrenos, enquantoosmandamentosexigiamaçõesfísicasparasepararamatériaprofana dasagrada.Masquandotikkunsecompletasse,aToráseriarestauradaàsua espiritualidadeoriginal.“Opapelquehomenspiedososdesempenhamagorana execuçãomaterialdosmandamentos”,explicouLuria,“elesirãoentão,naveste paradisíacadaalma,desempenhardamaneiraqueDeuspretendeuquandocriou ohomem.” 35 A restauração de tikkun levada a cabo redimiria também a Bíblia. Os

cabalistasestavamcienteshaviamuitodasfalhasemsuasEscrituras.NaCabala luriânica,oDeusdaBíbliahebraicaeraumadas“faces”(parzufim)deAdam Kadmon, o homem primordial, composto de seis das sefirot inferiores:

Julgamento, Clemência, Compaixão, Paciência, Majestade e Estabilidade. Originalmenteelasestavamemperfeitoequilíbrio,masapósaquebradosvasos, a tendência destrutiva de Din deixou de ser controlada pelas outras sefirot. DominadasporDin,elassetornaramcoletivamenteZeirAnpin,“oImpaciente”, adivindadereveladanaTorápós-lapsária.EraporissoqueoDeusdaBíblia muitas vezes parecia tão cruel e irascível. Separado da Shekhinah, sua contrapartidafeminina,Eleeratambémirredimivelmentemasculino. Mashaviaotimismonessemitotrágico.OndeLuterosentiaquenãopodia contribuir em nada para a própria salvação, os cabalistas acreditavam que podiam transformar o mundo, devolver Deus à sua verdadeira natureza e reformarsuasEscrituras.Elesnãonegavamsuador:defato,osrituaisdeSafed eramdestinadosaajudá-losaenfrentá-la.Faziamvigíliasnoturnas,chorandoe esfregando seus rostos no pó, para identificar seu próprio exílio com o da Shekhinah.MasLuriainsistiainflexivelmentequenãodeviahavernenhuma espojadura.Oscabalistasdeviamtrabalharcomdeliberaçãoatravésdeseupesar até alcançar uma medida de alegria. A vigília sempre terminava com uma meditaçãosobrea reuniãofinalda ShekhinahcomZeirAnpin, em que eles imaginavamqueseuscorposhaviamsetornadoumsantuárioterrenoparaa presença divina. Tinham visões, agitavam-se com espanto e reverência, e experimentavamumatranscendênciaextasiadaquetransformavaomundoque haviaparecidotãocrueleestranho. 36 Essesentidodeunidadeealegriadeviasertraduzidoemaçãoprática,porque aShekhinahnãopodiavivernumlugardepesaredor.Atristezabrotavadas forçasdomalnomundo,demodoqueocultivodafelicidadeeraessencialpara tikkun.ParacontrabalançaraprevalênciadeDin,nãodeviahavernenhumaraiva ou agressão no coração do cabalista, mesmo pelos goyim que os haviam oprimidoeespoliado.Haviapenasseverasparafaltasqueinjuriassemosoutros:

paraaexploraçãosexual,amaledicência,ahumilhaçãodosoutroseadesonra dospais. 37 AreescritamíticadahistóriadacriaçãoporLuriaajudouosjudeusa desenvolverumespíritodealegriaebondadenumaépocaemquepoderiamter sidodominadospelaraivaeodesespero.

Anovadisciplinadasolascripturanãofoicapazdefazerissopeloscristãosda

Europa.Mesmoapóssuagranderuptura,Luterocontinuouaterrorizadopela

morte.Pareciaestarconstantementenumestadodefúrialatente:contraopapa,

os turcos, os judeus, as mulheres, os camponeses rebeldes, os filósofos

escolásticosecadaumdeseusopositoresteológicos.EleeZwinglienvolveram-

senumafuriosacontrovérsiaacercadosignificadodaspalavrasdeCristoao instituiraEucaristianaúltimaceia,dizendo:“Esteéomeucorpo.” 38 Calvino ficouconsternadocomaraivaqueanuviaraasmentesdosdoisreformadorese causouumadesavençaímpiaquepodiaedeviatersidoevitada:“Ambosos ladosforamcompletamenteincapazesdeterpaciênciaparaouvirooutro,de modoaseguiraverdadesempaixão,ondequerqueelaestivesse”,concluiuele. “Ousoafirmarcomdeliberaçãoque,sesuasmentesnãotivessemestadoem parteexasperadaspelaextremaveemênciadascontrovérsias,adivergêncianão teria sido tão grande que uma conciliação não pudesse ter sido facilmente alcançada.” 39 Eraimpossívelparaintérpretesconcordaracercadecadapassagem da Bíblia; disputas deviam ser conduzidas com humildade e mente aberta. Contudo, o próprio Calvino nem sempre pôs em prática esses princípios elevadoseestavadispostoaexecutardissidentesemsuaprópriaigreja. AReforma Protestante expressou muito dos ideais da nova cultura que emergianoOcidente.Emvezdesebasearnumexcedentedeproduçãoagrícola, como toda civilização anterior, sua economia se pautaria na reprodução científicaetecnológicaderecursosenoconstantereinvestimentodocapital. Essasociedadetinhadeserprodutiva,eateologiadeCalvinoseriausadapara sustentaraéticadotrabalho.Osindivíduosdeviamparticipar,mesmonumnível humilde, como impressores, operários e escriturários, e tinham, portanto, de adquirir um pequeno grau de educação e capacidade de ler e escrever. Em conseqüência,acabariamreivindicandoumaparticipaçãomaiornoprocessode tomada de decisão do governo. Haveria convulsões políticas, revoluções e guerrascivisparaestabelecerregimesmaisdemocráticos.Amudançasocial, política, econômica e intelectual era parte de um processo encadeado; cada elementodependiadosoutroseareligiãofoiinevitavelmentearrastadaparaessa espiraldedesenvolvimento. As pessoas agora liam a Escritura de uma maneira “moderna”. Os protestantes postavam-se sozinhos diante de Deus, confiando unicamente na Bíblia.Masissoteriasidoimpossívelantesqueainvençãodaimprensativesse tornadoviávelparatodososcristãospossuirsuasprópriascópiasindividuaise antesquetivessemahabilidadeparalê-las.Cadavezmais,àmedidaqueoethos pragmáticoecientíficodamodernidadeseimpunha,aEscrituraeralidapela informação que comunicava. Aciência dependia de análise rigorosa, e isso tornava incompreensível o sistema simbólico da filosofia perene. O pão eucarístico,aquestãoquedividiraLuteroeZwingli,eraagora“somente”um

símbolo. As palavras da Escritura, outrora vistas como réplicas terrenas do Logosdivino,tambémhaviamperdidosuadimensãonuminosa.Masaleitura silenciosa, solitária, que libertava os cristãos da supervisão de especialistas religiosos, expressava a independência que se tornaria essencial ao espírito moderno. Solascripturahaviasidoumidealnobre,aindaquecontroverso.Naprática, porém,elasignificavaquetodomundotinhaodireito,concedidoporDeus,de interpretar aqueles documentos extremamente complexos como bem entendesse. 40 As seitas protestantes proliferaram, cada uma proclamando que

somenteelacompreendiaaBíblia.Em1534,umgrupoapocalípticoradicalem

MunsterfundouumEstadoteocráticoindependentebaseadonumaleituraliteral daEscritura,quepermitiaapoligamia,condenavatodaviolênciaeproscreviaa propriedadeprivada.Essebreveexperimentodurouapenasumano,masalarmou osreformadores.Senãohavianenhumcorpoautorizadoparacontrolaraleitura bíblica,comopoderiaalguémsaberquemestavacerto?“Quemdaráànossa consciênciainformaçãosegurasobrequemestánosensinandoapuraPalavrade Deus,nósounossosoponentes?”,perguntouLutero.“Devetodofanáticotero direitodeensinaroquebementende?” 41 ,concordouCalvino:“Setodostêm direitodeserjuízeárbitronessamatéria,nadapodeserconsideradocerto,etoda anossareligiãoestarácheiadeincerteza.” 42 Aliberdadereligiosaestavasetornandoproblemáticanummundoque,cada vez mais, exigia conformidade e estava disposto a alcançá-la por meios coercitivos.NoséculoXVII,aEuropafoiconvulsionadaporguerrasquepodem tersidoexpressadasemimagensreligiosas,maseramcausadasnarealidadepela necessidadedeumtipodiferentedeorganizaçãopolíticananovaEuropa.Os antigos reinos feudais tinham de ser transformados em Estados eficientes, centralizados,inicialmentesobmonarcasabsolutosquepodiamimporaunidade pelaforça.FernandoeIsabelfundiamosantigosreinosibéricosparaformaruma Espanhaunida,masaindanãotinhamrecursosparaconcederaosseussúditos uma liberdade irrestrita. Não havia lugar para corpos autônomos, que se autogovernassem,comoascomunidadesjudaicas.AInquisiçãoespanhola,que perseguiu tenazmente esses dissidentes, foi uma instituição modernizante, projetadaparacriarconformidadeideológicaeunidadenacional. 43 Àmedidaque amodernizaçãoavançava,soberanosprotestantesempaísescomoaInglaterra também foram cruéis com seus súditos católicos, vistos como inimigos do

Estado.AschamadasGuerrasReligiosas(1618-48)foramdefatoumalutade30

anos da parte dos reis da França e dos príncipes alemães para se tornarem politicamenteindependentesdoSacroImpérioRomanoedopapado,embora

tivessemsecomplicadocomaconfrontaçãoentreumcalvinismomilitanteeum catolicismorevigorado,reformado. Amodernizaçãofoiprogressivaefortalecedora,mastinhaumaintolerância inerente: sempre haveria pessoas que experimentavam essa nova sociedade ocidentalcomocrueleinvasiva.Liberdadeparaalgunssignificavaescravidão

paraoutros.Em1620,umgrupodecolonosinglesesfezumaperigosaviagem

através do Atlântico no Mayflower e chegou ao porto de Plymouth, em Massachusetts. Eram puritanos ingleses, calvinistas radicais que se sentiam perseguidospeloestablishmentinglêsehaviamdecididoemigrarparaoNovo Mundo.HerdaramointeressedeCalvinopeloAntigoTestamentoesentiam-se particularmenteatraídospelahistóriadoÊxodo,quepareciaumaprevisãoliteral deseupróprioprojeto.AInglaterraeraseuEgito;aviagemtransatlântica,sua estadanodeserto,eagorahaviamchegadoàTerraPrometida,quebatizaramde NovaCanaã. 44 Os puritanos deram nomes bíblicos às suas colônias: Hebron, Salem, Bethlehem,SioneJudaea.QuandoJohnWinthrop,quesetornariaseulíder,

chegouaoArabellaem1630,proclamouaosseuscolegaspassageirosquea

América era Israel; como os antigos israelitas, disse, eles estavam prestes a tomarpossedaterra,mascitouaspalavrasdeMoisésnoDeuteronômio:os puritanos seriam vitoriosos se guardassem os mandamentos do Senhor, mas pereceriamsefossemdesobedientes. 45 Aapropriaçãodaterrapôsospuritanos emchoquecomaspopulaçõesnativasamericanas.Tambémnessecaso,eles encontraram uma autorização na Escritura. Como colonialistas posteriores, algunsacreditavamqueoshabitantesindígenasmereciamsuasorte:eles“não sãoindustriosos,nemtêmarte,ciência,habilidadeoucapacidadeparapreservar sejaaterraouseusprodutos”,escreveuRobertCushman,oagentedenegócios dacolônia.“Portanto,assimcomoosantigospatriarcasmudaram-sedelugares mais exíguos para outros mais espaçosos, onde a terra estava abandonada e ociosa, e ninguém a usava, … assim é legítimo agora tomar uma terra que ninguém procura para fazer uso dela.” 46 Quando os pequots permaneceram hostis,outrospuritanososcompararamcomosamalequitaseosfilisteus,“que seconfederaramcontraIsrael”etiveramporissodeserdestruídos. 47 Masalguns colonosacreditavamqueosamericanosnativoseramasdeztribosperdidasde Israel, que haviam sido deportadas pelos assírios em 722 a.C. Como Paulo predisseraqueosjudeusaceitariamocristianismoantesdofim,aconversãodos pequotsapressariaaSegundaVindadeCristo. MuitospuritanosestavamconvencidosdequesuamigraçãoparaaAmérica era um prelúdio para os últimos dias. Sua colônia era a “cidade no monte”

previstaporIsaías,ocomeçodeumanovaeradepazebeatitude. 48 Em1654, EdwardJohnsonpublicouumahistóriadaNovaInglaterra:

SaibamqueesteéolugarondeoSenhorhaverádecriarumnovocéue umanovaterra,eaomesmotempoumanovanação….Estessãoapenasos começosdagloriosareformaerestauraçãoporCristodesuasigrejas,para devolvê-lasaumesplendormaisgloriosoquenunca.Elefezportantocom que o brilho deslumbrante de sua presença fosse contraído no espelho ardentedozelodeseupovo,apartirdeondecomeçaasersentidoem muitaspartesdomundo. 49

Nemtodososcolonosamericanospartilhavamdavisãopuritana,masela deixouumamarcaindelévelnoethosdosEstadosUnidos.OÊxodocontinuaria aserumtextocrucial.FoicitadopeloslíderesrevolucionáriosdaGuerrada IndependênciacontraaGrã-Bretanha.BenjaminFranklinqueriaqueo“grande selo”danaçãoretratasseaseparaçãodaságuasdomardosJuncos,masaáguia quesetornouosímbolodosEstadosUnidoseranãosóumantigoemblema imperialcomoestavatambémassociadaaoÊxodo. 50 Outrosmigrantesvaleram-sedahistóriadoÊxododamesmamaneira:os mórmons,osafricânersdaÁfricadoSuleosjudeusquefugiramdaperseguição naEuropaebuscaramrefúgionosEstadosUnidos.Deusossalvaradaopressão eosestabeleceranumanovaterra–algumasvezesàcustadeoutros.Muitos norte-americanos ainda se vêem como um povo escolhido com um destino manifesto;evêemsuanaçãocomoumfarolparaorestodomundo.Houveuma tradição de reformadores norte-americanos que fizeram uma “incursão no deserto”paraestabelecerumnovocomeço.Comoveremosnopróximocapítulo, umnúmerosignificativodeprotestantesamericanoscontinuoupreocupadocom os últimos dias e sentiu forte identidade com Israel. Contudo, embora os americanosestivessemcomprometidoscomalibertaçãoealiberdade,durante

200anoshouveumaIsraelescravizadaemseumeio.

Em1619,umanoantesdachegadadoMayfloweraPlymouth,umafragata

holandesahavialançadoâncoraaolargodacostadaVirgínia,com20negrosque

haviam sido capturados na África ocidental e transportados à força para a América. Em 1660, a condição desses africanos já estava definida. Eram escravos,podendosercompradosevendidos,agrilhoadoseseparadosdesuas tribos, mulheres e filhos. 51 Eles foram introduzidos ao cristianismo como escravos, e o Êxodo tornou-se sua história. De início, provavelmente conservavam sua religião tradicional: os senhores de escravos viam com

desconfiançasuaconversão,temendoqueusassemaBíbliaparaexigirliberdade e direitos humanos básicos. Mas o cristianismo devia parecer extremamente hipócritaaosescravos,poisospregadorescitavamaEscrituraparajustificarsua escravização.CitavamamaldiçãoqueNoélançarasobreseunetoCanaã,ofilho deCam,ancestraldospovosafricanos:“Escravodeescravoseleseráparaos seusirmãos.” 52 Referiam-seàsinstruçõesdePaulodequeescravosdevemser obedientesaseussenhores. 53 Contudo,naalturadosanos1780,osescravosafro- americanoshaviamredefinidoaBíbliaemseusprópriostermos. Centralparaseucristianismoeraospiritual,umacançãobaseadaemtema bíblico,acompanhadapelobaterdospés,ossoluços,aspalmaseosgritosque

haviamcaracterizadoocultoafricano.Comosomentecercade5%dosescravos

sabiamler,os spirituals focalizavam a essência da história bíblica, e não o sentido literal das palavras. Como Lutero, eles criaram seu próprio “cânone dentrodocânone”,concentrando-seemhistóriasquefalavamdiretamenteàsua própriacondição:Jacólutandocomoanjo,JosuéentrandonaTerraPrometida, Daniel no Covil dos Leões, o sofrimento e a ressurreição de Jesus. Mas a narrativamaisimportanteeraoÊxodo:oEgitodosescravoseraaAmérica,mas umdiaDeusoslibertaria:

QuandoIsraelestavanaterradoEgito,

Ódeixameupovopartir!

Tãooprimidosquenãopodiamsuportar,

Ódeixameupovopartir!

Coro:Ó,tratadeir,Moisés,

AtéaterradoEgito

Edizaoreifaraó

quedeixemeupovopartir!

OsescravosusavamoÊxodoparadespertarsuaconsciência,paraajudá-losa suportar as condições desumanas em que viviam, e para pedir justiça. Os spiritualspersistirammuitotempoapósaaboliçãodaescravidãoporAbraham Lincoln; a história do Êxodo inspirou Martin Luther King Jr. durante o

MovimentodosDireitosCivis,nadécadade1960,e,apósosassassinatosde

King(1968)eMalcolmX(1965),oteólogodalibertaçãonegroJamesHalCone

afirmou que a teologia cristã devia se tornar teologia negra, inteiramente identificadacomacausadosoprimidoseafirmativadocaráterdivinodesualuta pelaliberdade. 54 Umúnicotextopodiaserinterpretadoparaservirainteressesdiametralmente

opostos.QuantomaisaspessoaseramestimuladasafazerdaBíbliaofocode suaespiritualidade,maisdifícilsetornavaencontrarumamensagemessencial. Aomesmotempoqueafro-americanosrecorriamàBíbliaparadesenvolversua teologiadalibertação,aKuKluxKlanautilizavaparajustificarolinchamento de negros. Mas a história do Êxodo não significa libertação para todos. Os israelitasqueserebelaramcontraMoisésnodesertoforamexterminados;os cananeus indígenas foram massacrados pelos exércitos de Josué. Teólogas feministasnegrasmostraramqueosisraelitaspossuíamescravos;queDeuslhes permitiavendersuasfilhasparaaescravidão;equeDeusrealmenteordenoua AbraãoqueabandonasseaescravaegípciaHagarnodeserto. 55 Solascriptura podiaorientaraspessoasnadireçãodaBíblia,masjamaisconseguiafornecer umaprescriçãoabsoluta:aspessoassemprepodiamencontrartextosalternativos paraapoiarumpontodevistaoposto.NoséculoXVII,aspessoasreligiosas estavamsetornandoagudamenteconscientesdequeaBíbliaeraumlivromuito confuso,eissonumaépocaemqueaclarezaearacionalidadeeramvalorizadas comonunca.

Modernidade

|8|

N ofinaldoséculoXVII,oseuropeushaviamentradonaidadedarazão.

Emvezdeconfiarnatradiçãosagrada,cientistas,estudiososefilósofos

orientavam-separaofuturo,prontosajogarforaopassadoeiniciarde

novo. Averdade, começavam a descobrir, nunca era absoluta, já que novas descobertaspunhamabaixovelhascertezas.Cadavezmais,averdadetinhade serdemonstradaempíricaeobjetivamente,avaliadaporsuaeficiêncianomundo externoeporsuafidelidadeaele.Porconseguinte,modosmaisintuitivosde pensamentotornaram-sesuspeitos.Emvezdeconservaroqueforaalcançado, os estudiosos estavam se tornando pioneiros e especialistas. O “homem do Renascimento”,comumdomínioenciclopédicodoconhecimento,pertenciaao passado.Logosetornariaquaseimpossívelparaumespecialistaemdeterminado campo ser competente em outro. A racionalidade do movimento filosófico conhecidocomoIluminismoestimulouummododepensamentoanalítico:em vez de tentar ver as coisas inteiras, as pessoas aprendiam a dissecar uma realidadecomplexaeestudarsuaspartescomponentes.Tudoissoteriaprofundo efeitonamaneiracomoliamaBíblia.

Emseutratadoseminal,oAvançodoconhecimento(1605),FrancisBacon

(1561-1626),conselheirodoreiJaimeIdaInglaterra,foiumdosprimeirosa

afirmar que mesmo as mais sagradas doutrinas deviam ser submetidas aos métodos rigorosos da ciência empírica. Se essas crenças contradissessem a evidênciadenossossentidos,deviamserabandonadas.Baconeraencantadopela ciência,convencidodequeelairiasalvaromundoeinauguraroreinomilenar previstopelosprofetas.Seuprogressonãodevia,portanto,serestorvadopor clérigostemerosos,simplórios.MasBaconestavaconvencidodequenãopodia vigorarnenhumconflitoentreciênciaereligião,poissóhaviaumaverdade.A

visãoqueBacontinhadaciência,contudo,eradiferentedanossa.Paraele,o método científico consistia em reunir fatos provados; ele não avaliava a

importância da conjectura e da hipótese na investigação científica. Aúnica informaçãoemquepodíamosconfiarprovinhadenossoscincosentidos;tudo quenãopudesseserempiricamentedemonstrado–filosofia,metafísica,teologia,

arte,misticismoemitologia–erairrelevante.Suadefiniçãodeverdadetornou-

seextremamenteinfluente,emespecialentreosdefensoresmaisconservadores daBíblia. O novo humanismo era cada vez mais antagônico à religião. O filósofo

francêsRenéDescartes(1596-1650)sustentouquenãohavianecessidadede

Escriturarevelada,jáquearazãonosforneciaamplainformaçãosobreDeus.O

matemáticobritânicoIsaacNewton(1642-1727)malmencionouaBíbliaem

seuscopiososEscritos,porqueextraíaseuconhecimentodeDeusdeumintenso estudodoUniverso.Aciêncialogoelucidariaos“mistérios”irracionaisdafé

tradicional.Anovareligiãododeísmo,defendidaporJohnLocke(1632-1704),

um dos fundadores do Iluminismo, fundamentava-se unicamente na razão.

ImmanuelKant(1724-1804)estavaconvencidodequeumaBíbliadivinamente

reveladaviolavaaautonomiaealiberdadedoserhumano.Algunspensadores

iammaislonge.OfilósofoescocêsDavidHume(1711-76)afirmouquenão

haviarazãoparaseacreditarquealgumacoisasesituavaalémdaexperiênciade nossos sentidos. Denis Diderot (1713-84), filósofo, crítico e romancista, simplesmentenãoseimportavacomaexistênciaounãodeDeus,aopassoque

PaulHeinrich,barãodeHolbach(1723-89),afirmouqueacrençanumDeus

sobrenaturaleraumatodecovardiaedesespero. Muitoshomensderazão,noentanto,eramapaixonadospelosclássicosda Antigüidade greco-romana, que pareciam preencher muitas das funções da Escritura. 1 Quando lia os clássicos, Diderot experimentava “transportes de admiração, … frêmitos de alegria, … entusiasmo divino”. 2 Jean-Jacques

Rousseau(1712-72)declarouqueestudariaosautoresgregoseromanosmuitas

vezes. “Inflamei-me!”, exclamou ele ao ler Plutarco. 3 Ao visitar Roma pela

primeiravez,ohistoriadoringlêsEdwardGibbon(1737-94)nãopôdeprosseguir

com sua pesquisa, porque ficou “agitado” com tão “fortes emoções” e experimentouuma“embriaguez”eum“entusiasmo”quasereligiosos. 4 Todos eles investiram essas obras antigas com suas mais profundas aspirações, permitiram-lhes moldar suas mentes, dar forma a seu mundo interior, e descobriram que, em troca, os textos lhes proporcionavam momentos de transcendência.

Outros estudiosos aplicaram suas habilidades ceticamente críticas à Bíblia.

BaruchSpinoza(1632-77)umjudeusefarditadeascendênciaespanholanascido

naliberalcidadedeAmsterdam,haviaestudadomatemática,astronomiaefísica e as considerava incompatíveis com suas crenças religiosas. 5 Em 1655 ele começouaexpressardúvidasqueperturbaramsuacomunidade:ascontradições manifestasnaBíbliaprovavamqueelanãopodiaserdeorigemdivina;aidéiade revelaçãoeraumailusão;enãohavianenhumadivindadesobrenatural–oque

chamávamosde“Deus”erasimplesmenteapróprianatureza.Em27dejulhode

1656,Spinozafoiexcomungadodasinagogaetornou-seaprimeirapessoana

Europaavivercomsucessoforadoalcancedareligiãoestabelecida.Spinoza rejeitavaaféconvencionalcomo“umtecidodemistérios”semsentido;ele preferiaobteroquechamavade“beatitude”apartirdolivreexercíciodesua razão. 6 SpinozaestudouasorigenshistóricaseosgênerosliteráriosdaBíblia comumaobjetividadesemprecedentes.ConcordoucomIbnEzraqueMoisés nãopoderiaterescritotodooPentateuco,masfoiadianteaoafirmarqueotexto eraobradeváriosautoresdiferentes.Haviasetornadoopioneirodométodo histórico-crítico que mais tarde seria conhecido como a Crítica Superior da Bíblia.

MoisésMendelssohn(1729-86),obrilhantefilhodeumpobreestudiosoda

ToráemDessau,naAlemanha,foimenosradical.Elehaviaseapaixonadopelo sabersecularmoderno,mas,comoLocke,nãotinhanenhumadificuldadeem aceitaraidéiadeumDeusbenevolente,oquelhepareciaumaquestãodesenso comum. Ele criou a Haskalah, um “iluminismo” judaico, que apresentava o judaísmocomoumaféracionalapropriadaàmodernidade.NomonteSinai, Deushaviasereveladonumcódigodeleis,nãonumconjuntodedoutrinas,de modoqueareligiãojudaicadiziarespeitounicamenteàéticaedeixavaamente inteiramentelivre.AntesdeaceitaraautoridadedaBíblia,osjudeusdeviamse convencer racionalmente de suas pretensões. É difícil reconhecer isso como judaísmo.Mendelssohnhaviatentadoencaixá-lonummolderacionalistaqueera indiferente à espiritualidade. Apesar disso, muitos judeus, que se tornaram conhecidoscomoosmaskilim(“osesclarecidos”),mostraram-seprontospara segui-lo. Estavam ansiosos por escapar das limitações intelectuais do gueto, transferir-separaasociedadegentia,estudarasnovasciênciasemantersuafé comoumassuntoprivado. Masesseracionalismofoicombatidoporummovimentomísticosurgido entreosjudeusdePolônia,Galícia,BielorrússiaeLituâniaquesignificouuma rebeliãocontraamodernidade. 7 Em1735,IsraelbenEliezer(1698-1760),um pobretaberneirojudeunosudestedaPolônia,anunciouquehaviasetornadoum

baalshem,um“MestredoNome”,umdosmuitospraticantesdacurapelaféque vagavampelosdistritosruraisdaEuropaoriental,pregandoemnomedeDeus. Aquelaeraumaépocasombriaparaosjudeuspoloneses.Duranteumarevolta camponesacontraa nobreza(1648-67),judeus haviamsidomassacrados em grandesnúmerosecontinuavamvulneráveiseeconomicamentecarentes.Havia umfossocadavezmaislargoentreosricoseospobres,emuitosrabinoshaviam simplesmenteserecolhidoaoestudodaTorá,negligenciandosuascongregações. Israel ben Eliezer iniciou um movimento de reforma e tornou-se conhecido comooBaalShemTov–ouo“Besht”–,ummestredecondiçãoexcepcional.

Nofimdesuavida,haviacercade40mildeseushassidim(“piedosos”).

OBeshtafirmavaquenãohaviasidoescolhidoporDeusporqueestudarao Talmude, mas porque recitava as preces tradicionais com tamanho fervor e concentraçãoquealcançavaumauniãoextáticacomDeus.Aocontráriodos rabinos da era talmúdica, que acreditavam que o estudo da Torá precedia a oração, 8 oBeshtinsistianoprimadodacontemplação. 9 Umrabinonãodevia enterrar-seemseuslivrosenegligenciarospobres.Aespiritualidadehassídica era baseada no mito de Isaac Luria das centelhas divinas presas no mundo material,masoBeshttransformouessavisãotrágicanumaavaliaçãopositivada onipresençadeDeus.Umacentelhadodivinopodiaserencontradaemqualquer objetomaterial,pormaismodestoquefosse,enenhumaatividade–comer, beber, fazer amor ou realizar negócios – era profana. Mediante a prática constantedodevekut(“ligação”),umhassidecultivavaumaperpétuaconsciência dapresençadeDeus.Oshassidimexpressavamessaconsciênciaacentuadaem precesextáticas,ruidosaseagitadas,acompanhadasporgestosextravagantes– talcomosaltosmortaisquesimbolizavamumatotalinversãodevisão–queos ajudavamaselançarcomtodooseusernoculto. Assimcomoolhavamatravésdovéudamatériaparaveracentelhadivina latentedentrodomaisbanaldosobjetos,assimtambémoshassidimaprendiama penetraraspalavrasdaBíbliaevislumbraradivindadeocultasobasuperfície. AspalavraseletrasdaToráeramreceptáculosquecontinhamaluzdeEnSof; assim,umhassidenãodeviaseconcentrarnosentidopuramenteliteraldotexto, mas na realidade espiritual que ele encerrava. 10 Devia cultivar uma atitude receptivaepermitirqueaBíblialhefalasse,refreandosuascapacidadesmentais.

Umdia,oBeshtfoivisitadoporDovBer(1716-72),umcabalistaeruditoque

iriafinalmentesucedê-locomolíderdomovimentohassídico.Osdoishomens estudaramaTorájuntosemergulharamnumtextosobreosanjos.DovBer abordou a passagem de maneira bastante abstrata, e o Besht lhe pediu que mostrasserespeitopelosanjosqueestavamdiscutindo,levantando-se.Assim

queelesepôsdepé,“acasainteiraficoubanhadadeluz,umfogoardiaportoda parte,eelessentiram[ambos]apresençadosanjos”.“Asimplesleituraécomo dizes”,falouoBeshtaDovBer,“masfaltavaalmaàtuamaneiradeestudar.” 11 Umaleituradesensocomum,semaatitudeeosgestosdeoração,nãoproduziria umavisãodoinvisível. Semessaprece,oestudodaTorátornava-seinútil.Comoexplicouumdos discípulos de Dov Ber, os hassidim deviam ler a Escritura “com ardente entusiasmodocoração,comumacoerçãodetodasasfaculdadespsicológicasdo homemnadireçãodepensamentosclarosepurossobreDeus,constantemente,e com a exclusão de todos os prazeres”. 12 O Besht lhes dizia que, caso se aproximassemdahistóriadomonteSinaidessamaneira,iriam“sempreouvir Deuslhesfalar,comofezdurantearevelaçãonoSinai,porquefoiintençãode MoisésquetodoIsraelsetornassedignodealcançaromesmonívelqueele”. 13 O queinteressavanãoeralersobreoSinai,masexperimentaropróprioSinai. QuandoDovBertornou-seolíderhassídico,suareputaçãodeeruditoatraiu muitosrabinoseestudiososparaomovimento.Massuaexegesenãoeramais secaeacadêmica.Umdeseusdiscípulosrecordouque“quandoeleabriaaboca paradizerpalavrasdeVerdade,davaaimpressãodenãoserabsolutamentedeste mundo,eaPresençaDivinafalavadesuagarganta”. 14 Àsvezes,nomeiodeuma palavra,elefaziaumapausaeesperavaalgumtempoemsilêncio.Oshassidim estavamdesenvolvendosuapróprialectiodivina,criandoumlugarsilencioso paraaEscrituraemseuscorações.Emvezdeanalisarotextoedesagregá-lo,o hassidetinhadesilenciarsuasfaculdadescríticas.“Eulhesensinareiamelhor maneiradeensinaraTorá”,DovBercostumavadizer:“nãosesentir[consciente de]simesmoemabsoluto,massercomoumouvidoatentoqueouveomundo dosomfalando,masnãofalaelemesmo.” 15 Oexegetatinhadefazerdesi mesmoumreceptáculoparaapresençadivina.ATorádeviaagirsobreele,como seelefosseseuinstrumento. 16 Ohassidismodespertouarrebatadaoposiçãoentreosjudeusortodoxos,que ficaramhorrorizadoscomaaparentedifamaçãodoestudoeruditodaTorápor partedeBesht.Elessetornaramconhecidoscomoosmisnagdim(“oponentes”).

SeulíderfoiElijahbenSolomonZalman(1720-97),diretor(gaon)daacademia

deVilnanaLituânia.OestudodaToráeraamaiorpaixãodogaon,maseleera

tambémversadoemastronomia,anatomia,matemáticaelínguasestrangeiras.

EmboraestudasseaEscriturademaneiramaisagressivaqueoshassidim,o

métododogaoneramísticoàsuamaneira.Eleapreciavaoquechamavade

“esforço”doestudo,umaintensaatividadementalqueofaziacairnumnovo

níveldeconsciênciaeoprendiaaoslivrosanoitetoda,ospésimersosemágua

geladaparaimpedirqueadormecesse.Quandoogaonsepermitiacochilar,a Torá penetrava seus sonhos e ele experimentava uma elevação ao divino. “AquelequeestudaaTorácomungacomDeus”,declarouumdeseusdiscípulos, “poisDeuseaTorásãoumasócoisa.” 17 NaEuropaocidental,noentanto,estavasetornandocadavezmaisdifícil encontrarDeusnaEscritura.OethosdoIluminismoinspiraramaiseruditosa estudaraBíbliacriticamente,maseraimpossívelexperimentarsuadimensão

transcendente sem os gestos e a disposição da prece. Na Inglaterra, alguns deístasmaisradicaisusavamosnovosmétodoseruditosparasolaparaBíblia. 18 O matemático William Whiston (1667-1752) acreditava que o cristianismo

primitivohaviasidoumafémaisracional.Em1745,elepublicouumaversãodo

Novo Testamento da qual eliminara todas as referências à Encarnação e à Trindade,doutrinasque,afirmavaele,haviamsidoimpingidasaosfiéispelos

PadresdaIgreja.OdeístairlandêsJohnToland(1670-1722)tentousubstituiro

NovoTestamentoporummanuscritoquepretendiaseroevangelhojudaico-

cristãodeBarnabés,desaparecidohaviamuitotempo,quenegavaadivindadede Cristo. Outros céticos afirmavam que o texto do Novo Testamento era tão adulteradoqueficavaimpossíveldeterminaroqueaBíbliarealmentedizia.Mas

oeminenteclassicistaRichardBentley(1662-1742)promoveuumacampanha

erudita em defesa da Bíblia. Usando as técnicas críticas agora aplicadas à literatura greco-romana, mostrou que era possível reconstruir os manuscritos originaiscotejando-seeanalisando-seasvariantes. Na Alemanha, os pietistas, que queriam ir além das áridas polêmicas doutrináriasdasseitasprotestantesrivais,lançarammãotambémdessesmétodos analíticosparareabilitaraBíblia,convencidosdequeacríticabíblicadeviaestar acima da lealdade denominacional. 19