Sei sulla pagina 1di 5

FISIOLOGIA MÉDICA VETERINÁRIA

FISIOLOGIA RENAL – REABSORÇÃO E EXCREÇÃO


INTRODUÇÃO

 Visa o estudo das funções dos rins.


 Funções: - Filtragem do sangue;
- Reabsorver substâncias filtradas quando necessárias ao organismo;
- Reconhecer excesso de água no organismo regulando reabsorção e excreção de metabólitos;
- Homeostase (Equilíbrio) Ácido-Básica;
- Papeis vitais (regular pressão sanguínea e produção de eritropoetina (promove eritropoese));
- Excreção de nitrogênio e hidrogênio.
 Os rins recebem de 20 a 25% do débito cardíaco em mamíferos.
 As unidades funcionais do rim são os néfrons.

UNIDADES FUNCIONAIS DOS RINS – OS NÉFRONS

 Seu número é variável para as espécies, em bovinos 4.000.000, suínos 1.250.000, em cães 415.000, em
felinos 190.000 e em humanos 1.000.000.
 O néfron e composto por um glomérulo (que filtra o sangue), por um segmento de túbulos renais (onde
ocorre a reabsorção) e um ducto coletor (onde ocorre a transformação do líquido tubular em urina).
 Existem néfrons Justamedulares, capazes de concentrar mais a urina.
 Existem néfrons corticais, formam uma urina menos concentrada.
 O néfron descrito em partes:

TODOS OS NÉFRONS TEM DUAS REDES DE CAPILARES

 Redes de capilares glomerulares – Arteríola Aferente (Filtração)


 Redes de capilares tubulares – Arteríola Eferente (Reabsorção)
- No néfron cortical -> Vasos peritubulares
Unem-se para formar a vênula
- No néfron justa medular -> Vasos retos
CÁPSULA GLOMERULAR E GLOMÉRULO

 A Cápsula glomerular (cápsula de Bowman) é o final cego dilatado do néfron onde está contida a rede
de capilar glomerular, formando o glomérulo.
 O glomérulo é composto por uma rede de capilares especializados em reter componentes celulares e
proteínas de peso molecular médio e alto, ao mesmo tempo forma um líquido idêntico ao plasma (água
e eletrólitos) (Isosmótico ao plasma), aproximadamente 300 mOsm.
 A estrutura do glomérulo assegura sua capacidade de filtração.
 O tufo glomerular é composto por uma rede de capilares, este, é envolto pela cápsula glomerular.
 O fluido que fica contido dentro da cápsula é chamado de urina primária.

OS CAPILARES GLOMERULARES

 Os capilares glomerulares possuem 3 camadas.


 1 endotélio com fenestras.
 1 membrana basal com proteoglicanas de carga negativa.
 1 endotélio visceral com células entrelaçadas denominadas podócitos.
 Os capilares do tufo são unidos por células mesangiais.
 A filtração feita pelo glomérulo é altamente dependente da pressão hidrostática.
 Depende da área disponível para reabsorção e filtração e a permeabilidade da barreira.
 A pressão hidrostática tende a diminuir ao longo do capilar.
 A pressão oncótica tende a aumentar devido a quantidade de água.
 Danos aos capilares os tornarão mais permeáveis.

FORÇAS A FAVOR DA FILTRAÇAO

 Pressão hidrostática alta.


 Pressão oncótica baixa.

FORÇAS OPOSTAS A FILTRAÇAO

 Baixa pressão hidrostática.


 Alta pressão oncótica.

O APARELHO JUSTA GLOMERULAR E A MÁCULA DENSA

 Formado por uma Mácula Densa, composta por células mais densas presentes no túbulo contorcido
distal, que entram em contato com as arteríolas.
 As células musculares lisas destas arteríolas, quando em contado com a mácula densa, são
especializadas e denominadas de células justaglomerulares ou granulares. Possuem grânulos que
contem renina, uma enzima proteolítica, devido a isto, sabe-se que na urina, não encontramos proteína
em uma situação fisiológica normal.
 O aparelho justaglomerular é importante para a regulação do ritmo de filtração do glomérulo e do
controle de pressão arterial sistêmica.
 A região (espaço) que se encontra entre as arteríolas, a mácula e os capilares glomerulares, é chamada
de Região Mesangial. As céls. mesangiais são fagocitárias e produzem prostaglandinas (vasoconstrição).
 O aparelho justaglomerular está envolvido em mecanismos de feedback que participam da regulação do
fluxo sanguíneo renal e da taxa de filtração glomerular.
TÚBULO CONTORCIDO PROXIMAL

 Continuação da cápsula glomerular.


 Sua principal função é a reabsorção volumosa de água e solutos filtrados.
 Porção que mais absorve íons e água no segmento de túbulos.
 Absorve mais de 60/65% da água filtrada.

ALÇA DE HENLE

 Formada por ramos delgado descendente, delgado ascendente e ascendente espesso.


 O ramo delgado descendente tem como principal função à manutenção da hipertonicidade medular por
troca contracorrente.
 O ramo ascende espesso tem como principal função à reabsorção de Na, K, Cl, geração de
hipertonicidade medular, diluição do líquido tubular e reabsorção de outros solutos.
 Os segmentos delgados possuem células com poucas mitocôndrias, o que convém a não permitir o
transporte ativo por estas células.
 O ramo espesso é capaz de fazer transporte ativo, e junto com o túbulo contorcido distal, recebem o
nome de segmentos diluidores, pois não podem absorver água.
 No ápice da alça de Henle o filtrado já possuirá 1200 mOsm.

TÚBULO CONTORCIDO DISTAL

 É formado pelos segmentos: túbulo distal, túbulo conector e o inicio do túbulo coletor cortical.
 Tem como principal função a reabsorção de cloreto de sódio e a diluição do fluido tubular.
 Representa a ultima porção do segmento de túbulos.
 Neste momento o filtrado possui 300 mOsm, idêntico a mOsm do fluido no glomérulo.

DUCTO COLETOR

 Transporte de água, uréia, e outros solutos.


 O transporte da água e da uréia (reabsorção) estão associados.
 O transporte das duas substâncias depende da Vasopressina. Isto regula a reabsorção e a excreção de
uréia.
 O Ducto coleto é o único segmento do néfron capaz de receber estímulos endócrinos.
 Os hormônios que o influenciam são principalmente o ADH (vasopressina), o Peptídeo Natriurético
Atrial, o Paratormônio, a Calcitonina e a Aldosterona.

OS ESTÍMULOS HORMONAIS

 O Peptídeo Natriurético Atrial é produzido nos átrios cardíacos devido o aumento do volume sanguíneo.
Responsável pela excreção de Na, e desta forma de água. Produz um movimento indireto na água.
 O ADH (Vasopressina) é liberado na Neuro-hipófise quando os osmoreceptores do hipotálamo são
ativados pelo aumento da osmolaridade plasmática.
 A Aldosterona é produzida no córtex adrenal por estímulos da Angiotensina II, fará a reabsorção de Na e
a excreção de K e hidrogênio.
 O Paratormônio é liberado pela paratireóide em decorrência de uma Hipocalcemia. A liberação de
Paratormônio irá promover a reabsorção de Ca.
 A Calcitonina é produzida pela tireóide em situações de Hipercalcemia, sem comprovação científica de
sua influência na absorção e na excreção de Ca.
EQUILÍBRIO HÍDRICO

 O equilíbrio hídrico é mantido pelos túbulos renais.


 O rim pode formar 3 tipos de urina. A Hipotônica, produzida em animais hiperidratados, a normotônica
em animais normoidratados e a hipertônica em animais desidratados.
 Quanto mais néfrons justamedulares o rim possuir, maior a concentração da urina produzida.

A FORMAÇÃO DA URINA – COMPONENTES

 Geração de um interstício medular hipertônico.


 Diluição do líquido tubular pelos segmentos diluidores (ramo espesso e túbulo distal).
 Variação da permeabilidade do ducto coletor em resposta a vasopressina, promovendo uma maior
absorção de água.

MODIFICAÇÃO NO RITMO DE FILTRAÇÃO

 É mantido dentro da variação fisiológica devido à modulação renal da PA e do vol. Intravascular,


controle intrínseco do fluxo sanguíneo renal, da pressão do capilar glomerular e do coeficiente de
ultrafiltragem. (Permeabilidade da barreira X área de superfície)

O CONTROLE DA FILTRAÇÃO GLOMERULAR

 Ocorre devido fatores hormonais, reflexos miogênicos e retroalimentação (feedback) tubuloglomerular.


 Fatores Hormonais envolvidos:
Renina-Angiotensina-Aldosterona (Angiotensina II): A renina é secretada pelas células justaglomerulares da
arteríola aferente por estímulos correspondente a diluição na pressão de perfusão renal e causará a
conversão de Angiotensinogênio em angiotensina I e a ECA a converterá em Angiotensina II, que nos rins irá
+ +
promover a reabsorção de Na e retenção de água. A reabsorção de Na é indiretamente estimulada
também pelo aumento da secreção de Aldosterona no córtex adrenal, que estimula a reabsorção de sódio
nos ductos coletores.
 Sobre a Angiotensina II: É um potente vasoconstritor sistêmico e na arteríola eferente. Estimula a secreção de aldosterona e
vasopressina (reabsorção da uréia e da água), promove uma melhor reabsorção de sódio e água, além da liberação de prostaglandinas
(vasodilatação renal como efeito protetor)
Reflexo Miogênico: Resposta das arteríolas glomerulares ao aumento na tensão da parede da arteríola,
promovendo vasoconstrição arteriolar imediata. Independe de inervação renal.
Retroalimentação ou Feedback Glomerular: Provocado pela mácula densa com suas células sensíveis à ↓ da
concentração de Na e Cl. Ocorre devido à perda do fluxo e um maior tempo para reabsorção.
Promoverá uma vasodilatação na arteríola eferente aumentando a filtração.
 Outros controles do fluxo são: Endotélio vascular (controle do tônus vascular renal, fatores contráteis e
relaxantes), Peptídeo Natriurético Atrial, Catecolaminas circulantes (Receptores α para o sistema
Renina-Angiotensina-Aldosterona e receptores β para a vasoconstrição das arteríolas aferentes e
eferentes renais).

DEPURAÇÃO RENAL (CLEARANCE)

 Avaliação da capacidade renal em remover substâncias do plasma.


 As medidas de clearance não determinam somente as funções renais, mas também é útil para o
entendimento do manejo das substâncias pelos túbulos renais.
 Entende-se por: Velocidade pela qual o volume do plasma é depurado de uma substância na urina.
 A taxa de depuração: Ritmo de excreção X Concentração plasmática.
 A substância utilizada no teste de depuração renal é a INULINA.
 Obs¹: 10% da creatinina é excretada pelos túbulos renais na maioria das espécies, exceto em cães.
EQUILÍBRIO ÁCIDO-BÁSICO

 O equilíbrio ácido-básico ocorre nos túbulos devido a necessidade do pH sanguíneo estar por volta de
7,4 e suporta pequena variação.
 Reação de Hidratação promovida pela enzima Anidase Carbônica:
+ -
CO2 + H2O  H2CO3 (Ácido Carbônico)  H + HCO3 (Bicarbonato)
 Equação de Henderson-Hasselbach:
pH = [HCO3] ÷CO2 (Simplificada)

MECANISMOS TAMPÕES

 Sistema Tampão Intracelular (proteínas tampão) e Extracelular (bicarbonatos, uratos, fosfatos, etc.)
Tem uma ação imediata e rápida, porém, com limitações (O hidrogênio tampona o ambiente básico e o
bicarbonato tampona o ambiente ácido).
Essa limitação é relacionada à respiração.
 Pulmões: ↑ FR em pH ↓ > perda de CO2 = ↓PCO2
 Pulmões: ↓ FR em pH ↑ < perda de CO2 = ↑PCO2
 Os rins têm uma capacidade maior de regulação.
 Rins: ↑ Excreção de H+ e ↑ Reabsorção de HCO3-
Geração de Amônia (NH3)
 Rins: ↓ Excreção de H+ e ↓ Reabsorção de HCO3-

DISTURBIOS ÁCIDO-BÁSICOS

 Acidose e Alcalose Respiratória


 Acidose Metabólica -> Perda de HCO3- (casos de Diarréia) Exame para diagnóstico = Gasometria
 Alcalose Metabólica -> Perda de Ácido (casos de Vômito)

Bibliografia Consultada:
CHAMPE, Pamela C. Bioquímica Ilustrada. 3. ed.Porto Alegre: Artmed, 2006.
CUNNINGHAM, James G. Tratado de Fisiologia Veterinária. 3. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2004. Universidade Tuiuti do Paraná – Curso de Medicina Veterinária.
DYCE, K. M. Tratado de Anatomia Veterinária. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1997. Fisiologia Veterinária I – 2° Período – Docente Ana Laura Angeli.
Acadêmico: Thierry Grima de Cristo.
Os demais conteúdos são derivados de anotações de aulas teóricas e práticas de “Fisiologia Veterinária I”,
ministradas nas instalações da Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde da Universidade Tuiuti do Paraná,
pelas professoras Ana Laura Angeli e Tais Marchand Rocha, no período de 15/08 a 27/11 do ano de 2008.

O acadêmico responsável pela elaboração do resumo para estudo aqui contido não poderá, de forma alguma, ser ESTE MATERIAL NÃO ESTÁ ISENTO DE ERROS!
responsabilizado por erros de conduta durante utilização do mesmo, em quaisquer situações.
Erros podem e devem ser deportados a: thierry_pain@hotmail.com