Sei sulla pagina 1di 96

UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA

ALESSANDRO AGUIAR DA SILVA


RENAN FRETTA

ARQMAX 2008:
SOFTWARE GERENCIADOR DE DOCUMENTOS

Tubarão
2007
ALESSANDRO AGUIAR DA SILVA
RENAN FRETTA

ARQMAX 2008:
SOFTWARE GERENCIADOR DE DOCUMENTOS

Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao


Curso de Sistemas de Informação, da
Universidade do Sul de Santa Catarina, como
requisito parcial para a obtenção do título de
Bacharel.

Orientadora: Prof. Márcia Cargnin Martins Giraldi

Co-orientadora: Prof. Vera Lúcia da Rosa

Tubarão
2007
ALESSANDRO AGUIAR DA SILVA
RENAN FRETTA

ARQMAX 2008:
SOFTWARE GERENCIADOR DE DOCUMENTOS

Este Trabalho de Conclusão de Curso foi julgado


adequado à obtenção do título de Bacharel e
aprovado em sua forma final pelo Curso de
Sistemas de Informação da Universidade do Sul
de Santa Catarina.

Tubarão, 23 de novembro de 2007.

Prof. Adriana Zanini


Universidade do Sul de Santa Catarina

Prof. Luiz Alfredo S. Garcindo


Universidade do Sul de Santa Catarina

Prof. Rudiney Herdt


Universidade do Sul de Santa Catarina
AGRADECIMENTOS

Agradecemos primeiramente a Deus pelo dom da vida, por ser um braço


forte, por estar sempre presente e não nos deixando desistir dos nossos sonhos.
À nossa orientadora, Prof. Márcia Cargnin Martins Giraldi, pelo grande
apoio no desenvolvimento do projeto, pelo carinho, atenção, pela motivação, enfim
por nos tratar como verdadeiros filhos.
À co-orientadora, Prof. Vera Lúcia da Rosa, que sempre nos orientou com
toda atenção, que nos mostrou os caminhos no desenvolvimento do projeto, por
estar sempre nos atendendo com toda dedicação em seu ambiente de trabalho.
Aos funcionários do Arquivo Central que sempre de bom gosto
atenderam-nos e apoiaram-nos nessa etapa.
Ao coordenador do Curso de Sistemas de Informação, Prof. Dr. Rafael
Ávila Faraco, que em momentos difíceis foi mais que um coordenador de curso, foi
amigo, sempre compreensivo e atencioso.
Aos nossos pais, que foram verdadeiros heróis em nossas vidas, que nos
ensinaram a lutar pelos nossos objetivos e, nossos principais incentivadores, nesta
etapa da caminhada. Eles são nossos espelhos, a eles nossa gratidão.
Enfim, a todos que nos incentivaram e contribuíram para a realização
deste projeto.

Dedicamos, este trabalho, aos nossos


pais que não mediram esforços para que
pudéssemos realizar nosso grande sonho.
RESUMO

Este projeto foi elaborado com o objetivo de produzir um sistema para o


gerenciamento de documentos físicos e eletrônicos de organizações. O sistema foi
desenvolvido sob os conceitos de programação orientada a objetos, utilizando
plataformas livres. O sistema suporta múltiplos usuários e pode ser disponibilizado
via Internet, além de apresentar funcionalidades como: gerenciamento de tipos
documentais, indexação e localização de documentos, controle de empréstimos e
transferências, e uma inovadora interface gráfica para o gerenciamento da estrutura
física organizacional. O projeto foi baseado nos processos da Gestão Documental e
no estudo de caso realizado na Unisul, nos setores de Arquivo Corrente e Arquivo
Central. Entre as tecnologias utilizadas, destacamos o uso do Adobe Flex e a
comunicação utilizando Flash Remoting.

Palavras-chave: Arquivologia. Gestão documental. SIGAD.

“... Sem a menor peça do nosso objeto de


trabalho, o documento, não é possível a
administração moderna; o direito torna-se
privilégio; a economia esmorece; os
poderes sucumbem – sem o documento,
só existe o barbárie.”
Jacinto Murowaniecki
ABSTRACT

This project was created with the goal of producing a system for the management of
physical and electronic documents of organizations. The system was developed
under the concepts of the object oriented programming, using open-source
technologies. The system supports multiple users and can be made available via the
Internet, in addition to features such as: types of document management, documents
indexing and location, loans and transfers control, and an innovative graphical
interface for managing organizational structure physics. The project was based on
the proceedings of the Document Management and in the case study conducted in
Unisul, in the Current Archive and Archive Center sectors. Among the technologies
highlighted using Adobe Flex and communication using Flash Remoting.

Keywords: Archives. Management files. SIGAD.


LISTA DE FIGURAS

Figura 1 – Funcionamento do GIF animado...........................................................41

Figura 2 – O Flash em números...............................................................................44

Figura 3 – Flash em todo lugar................................................................................45

Figura 4 – RIA combina o melhor do Desktop, Web e Comunicações................47

Figura 5 – Evolução das aplicações.......................................................................48

Figura 6 – Benefícios das RIAs................................................................................48

Figura 7 – Entendendo o Flash Remoting..............................................................52

Figura 8 – Funcionamento do Flash Remoting......................................................53

Figura 9 – Visão Geral do Sistema..........................................................................60

Figura 10 – Requisitos gerais para o funcionamento do sistema.......................60

Figura 11 – Processo de produção documental....................................................61

Figura 12 – Processo de localização documental.................................................62

Figura 13 – Processo de transferência e eliminação documental.......................62

Figura 14 – Diagrama de Serviços do ArqMax 2008..............................................67

Figura 15 – Diagrama de Classe..............................................................................74

Figura 16 – Diagrama de Pacotes da Camada View..............................................80

Figura 17 – Diagrama de Pacotes da Camada Service.........................................80

Figura 18 – Diagrama de Seqüência do Processo de Empréstimo.....................81

Figura 19 – Diagrama de Seqüência do Processo de Devolução........................82


Figura 20 – Diagrama de Seqüência do Processo de Transferência...................83

Figura 21 – Diagrama de Seqüência do Processo de Recepção.........................84

Figura 22 – Diagrama de Entidade Relacionamento.............................................85


LISTA DE GRÁFICOS

Gráfico 1 – Flash Player Penetration......................................................................42

Gráfico 2 – Comparação do consumo da CPU......................................................49


LISTA DE QUADROS

Quadro 1 – Elementos característicos dos documentos......................................25

Quadro 2 – Ciclo de vida dos documentos............................................................27

Quadro 3 – Tabela de Temporalidade......................................................................29

Quadro 4 – Inventário Topográfico..........................................................................30

Quadro 5 – Definição de documento arquivístico.................................................36

Quadro 6 – Definição de SIGAD...............................................................................36

Quadro 7 – Requisitos arquivísticos que caracterizam um SIGAD.....................38

Quadro 8 – Performance do Flex.............................................................................51

Quadro 9 – Limitações do PostgreSQL..................................................................58

Quadro 10 – Requisitos do Processo Autenticar Usuário....................................63

Quadro 11 – Requisitos do Processo Gerenciar Estrutura Física Organizacional


.....................................................................................................................................63

Quadro 12 – Requisitos do Processo Gerenciar Tipo Documental.....................64

Quadro 13 – Requisitos do Processo Gerenciar Documento..............................64

Quadro 14 – Requisitos do Processo Gerenciar Empréstimo.............................65

Quadro 15 – Requisitos do Processo Gerenciar Transferência...........................65

Quadro 16 – Método Autenticar Usuário do Serviço Gerenciar Usuário............67

Quadro 17 – Método Adicionar Usuário do Serviço Gerenciar Usuário.............68

Quadro 18 – Método Modificar Usuário do Serviço Gerenciar Usuário..............68

Quadro 19 – Método Remover Usuário do Serviço Gerenciar Usuário...............68


Quadro 20 – Método Adicionar Item do Serviço Gerenciar Estrutura Física
Organizacional...........................................................................................................69

Quadro 21 – Método Modificar Item do Serviço Gerenciar Estrutura Física


Organizacional...........................................................................................................69

Quadro 22 – Método Remover Item do Serviço Gerenciar Estrutura Física


Organizacional...........................................................................................................69

Quadro 23 – Método Indexar Documento do Serviço Gerenciar Documento....70

Quadro 24 – Método Localizar Documento do Serviço Gerenciar Documento. 70

Quadro 25 – Método Modificar Índice do Serviço Gerenciar Documento..........70

Quadro 26 – Método Eliminar Documento do Serviço Gerenciar Documento...71

Quadro 27 – Método Adicionar Tipo Documental do Serviço Gerenciar Tipo


Documental................................................................................................................71

Quadro 28 – Método Remover Tipo Documental do Serviço Gerenciar Tipo


Documental................................................................................................................71

Quadro 29 – Método Modificar Tipo Documental do Serviço Gerenciar Tipo


Documental................................................................................................................72

Quadro 30 – Método Efetuar Empréstimo do Serviço Gerenciar Empréstimo...72

Quadro 31 – Método Efetuar Devolução do Serviço Gerenciar Empréstimo.....72

Quadro 32 – Método Efetuar Transferência do Serviço Gerenciar Transferência


.....................................................................................................................................73

Quadro 33 – Método Efetuar Recepção do Serviço Gerenciar Transferência....73

Quadro 34 – Classe UsuarioVO...............................................................................75

Quadro 35 – Classe TipoVO.....................................................................................76

Quadro 36 – Classe PermissaoTipoVO...................................................................76


Quadro 37 – Classe CampoTipoVO.........................................................................76

Quadro 38 – Classe ItemEstruturaVO.....................................................................77

Quadro 39 – Classe ArquivoVO...............................................................................77

Quadro 40 – Classe DocumentoVO.........................................................................77

Quadro 41 – Classe CampoDocumentoVO............................................................78

Quadro 42 – Classe EmprestimoVO........................................................................78

Quadro 43 – Classe ItemEmprestimoVO................................................................78

Quadro 44 – Classe TransferenciaVO.....................................................................78

Quadro 45 – Classe ItemTransferenciaVO..............................................................79


LISTA DE SIGLAS

AJAX – Asynchronous Javascript And XML.


AMF – ActionScript Message Format.
AS - Australian Standard.
CONARQ - Conselho Nacional de Arquivos.
CPU – Central Processing Unit.
CRM – Customer Relationship Management.
CSS – Cascading Style Sheets.
ERP – Enterprise Resource Planning.
FLV – Flash Video.
GDS – Granite Data Services.
GED – Gerenciamento Eletrônico de Documentos.
GIF – Graphics Interchange Format.
HTML – HyperText Markup Language.
HTTP – HyperText Transfer Protocol.
IDE – Integrated Development Environment.
ISO - International Organization for Standardization.
J2EE – Java 2 Platform, Enterprise Edition.
JPEG – Joint Photographic Experts Group.
JVM – Java Virtual Machine.
OAIS - Open Archival Information System.
OCR – Optical Character Recognition.
PHP – Hypertex Preprocessor.
RIA – Rich Internet Applications.
SAIAC – Serviço de Atenção Integral ao Acadêmico.
SDK – Software Development Kit.
SGDB – Sistema Gerenciador de Banco de Dados.
SIGAD – Sistema Informatizado de Gestão Arquivística de Documentos.
SINAR – Sistema Nacional de Arquivos.
SOAP – Simple Object Access Protocol.
SQL – Structure Query Language.
TB – Terabyte.
TI – Tecnologia da Informação.
Unisul – Universidade do Sul de Santa Catarina.
VO – Value Object.
WEB – Abreviação de WWW.
WWW – World Wide Web.
XML – Extensible Markup Language.
SUMÁRIO
17

1 INTRODUÇÃO

Os documentos originaram-se com a escrita. Atualmente, quando alguém


pensa em arquivo tem a idéia de uma grande quantidade de papéis acumulados que
não possuem utilidade e são difíceis de localizá-los. Na realidade, o arquivo é fonte
de informação que possui valor inestimável. Os documentos comprovam fatos e
guardam o testemunho da vida, pública e privada, do homem.

Arquivo é o conjunto de documentos que, independentemente da natureza


ou do suporte, são reunidos por acumulação ao longo das atividades de
pessoas físicas ou jurídicas, públicas ou privadas. Ou, ainda, arquivo é o
conjunto de documentos produzidos e/ou recebidos por uma organização,
entidade ou pessoa no exercício de suas competências e atribuições
(BELLOTTO, 2006, p. 5).

Os arquivos foram e são fundamentais para a evolução do homem, pois


os fatos já descobertos estavam registrados em documentos, permitindo assim que
as novas gerações pudessem se desenvolver cada vez mais rápido.
Os documentos, registros de fatos e acontecimentos, são armazenados
nos arquivos, onde devem receber tratamento técnico adequado, tanto para
localização quanto para conservação. Eles podem ser copiados e traduzidos,
fazendo a informação trafegar de maneira mais rápida e organizada.
As organizações nem sempre tratam os documentos com os devidos
cuidados que eles merecem. Mas não é possível negar o quanto os documentos são
valiosos. Um dos grandes benefícios que pode ser observado nas organizações que
gerenciam tecnicamente a documentação produzida por meio de um Programa de
Gestão Documental é a eficiência que os processos corporativos passam a gerar.
Isto acontece, porque os funcionários sabem localizar e manter os documentos
organizados da forma correta obtendo a informação rapidamente quando
necessária.
As organizações, sejam públicas ou privadas, produzem documentos que
não podem ser eliminados, pois há legislação que determina isso. Quando houver,
interesse ou necessidade de eliminar documentos, estas devem pesquisar
minuciosamente as leis. Dessa forma, evitar-se-á perda de informações importantes
para a organização e para a sociedade, já que os documentos são considerados
instrumentos de apoio à administração, à cultura, ao desenvolvimento científico-
18

cultural, à história e à memória da humanidade, além de serem instrumentos que


servem como prova e informação.
Como exemplo de uma entidade que aplica o programa de gestão
documental, vamos analisar a Universidade do Sul de Santa Catarina – Unisul, que
é uma instituição, como tantas outras, que trabalha alicerçada em documentos e
necessita que estes sejam bem gerenciados.
Escolhemos a Unisul como estudo de caso, já que um dos participantes
de nosso trabalho prestou estágio no Arquivo Central, durante o período de dois
anos, desse modo, nosso estudo de caso será mais plausível.
Hoje essa instituição conta com o setor Arquivo Central, que é
responsável pela guarda dos documentos de segunda idade ou de guarda
intermediária e os documentos de terceira idade ou de guarda permanente.
O Arquivo Central conta com sistema informatizado para gerenciar física e
eletronicamente a documentação sob sua guarda e os documentos produzidos
diariamente nos setores no desempenho de suas atividades. No entanto, esse
software está em fase de implantação e verificaremos a sua eficiência.
A proposta deste trabalho é desenvolver um software utilizando
tecnologias free, para disponibilizar para pequenas, médias e até mesmo grandes
empresas, uma solução acessível. Dessa forma, as organizações ganham mais um
aliado para a gestão documental por meio do uso da tecnologia da informação para
auxiliar no gerenciamento físico e eletrônico de documentos.
O software ArqMax 2008 tem como base os principais processos da
Arquivologia. Ele foi validado com a aplicação de um estudo de caso no Arquivo
Central e Arquivos Corrente da Unisul. Como resultado deste trabalho, espera-se
melhorar a gestão documental nas organizações.
O presente trabalho inicia-se com um capitulo introdutório, Capítulo 1, no
qual é passada uma visão geral sobre os assuntos a serem apresentados,
justificando sua realização e apontando os objetivos pretendidos com a elaboração
do mesmo.
O Capítulo 2 trata da gestão documental, nele são apresentados os
pressupostos teóricos sobre a área de negócio na qual o sistema se aplica.
Em seguida, o capítulo 3 apresenta a análise das tecnologias que foram
utilizadas no desenvolvimento do sistema.
A seguir, no Capítulo 4, definimos as especificações do sistema proposto.
19

Depois, no Capítulo 5, fizemos um estudo de caso, no qual analisamos os


processos e o sistema utilizado pelos Arquivos Corrente e Arquivo Central da Unisul,
identificando os principais problemas e propondo soluções.
E para finalizar, o Capítulo 6 relata as considerações finais, apontando os
resultados obtidos com a aplicação do software ArqMax 2008.

1.1 OBJETIVOS

1.1.1 Objetivo geral

 Desenvolver um sistema de informação que gerencie todos os


documentos físicos e eletrônicos de uma organização.

1.1.2 Objetivos específicos

 Compreender os processos da área de negócio e os principais


problemas ocasionados pela falta de controle dos documentos.
 Pesquisar os sistemas disponíveis no mercado, identificando as
soluções propostas para o problema.
 Estudar a legislação de documentos em suporte físico, eletrônico e
microfilme.
 Estudar tecnologias free para criar uma solução acessível a pequenas
e médias organizações.
 Desenvolver e validar o sistema através de um estudo de caso no
Arquivo Central e Arquivos Corrente da Universidade do Sul de Santa
Catarina.
20

1.2 JUSTIFICATIVA

Todas as organizações produzem documentos. Conseqüentemente


quanto maior a organização, maior o volume gerado. Estes documentos precisam
ser gerenciados arquivisticamente dentro dos processos de: avaliação, classificação,
indexação e armazenamento. A partir desse tratamento técnico torna-se mais fácil e
rápida a recuperação da informação sempre que necessário.

A principal finalidade dos Arquivos é servir à administração, constituindo-se,


com o decorrer do tempo, em base do conhecimento da história. A função
básica do arquivo é tornar disponíveis as informações contidas no acervo
documental sob sua guarda (PAES, 2002, p. 20).

Os documentos contêm informações que são utilizadas para fins


administrativos, legais, informativos e ou culturais. A falta de controle e de gestão da
guarda de documentos é um problema que expõe as organizações a alguns riscos.
Estes riscos podem afetar qualquer área da organização, principalmente a
financeira, no momento de atender aos auditores, pois há a necessidade de
disponibilizar documentos para estes profissionais.
Devido a fatores como competitividade, falta de investimento e a própria
cultura, as organizações só percebem que precisam organizar seus documentos
quando o tempo que ela leva para recuperar a informação prejudica o seu negócio.
Com o software proposto disponível para as organizações, espera-se que
os usuários do sistema possam:
 transferir documentos entre arquivos;
 consultar, emprestar e controlar a temporalidade dos documentos;
 administrar as caixas, estantes, prateleiras, arquivos aço/madeira,
gavetas, pastas A-Z e maços;
 nomear os itens da estrutura física de acordo com as necessidades;
 utilizar uma interface gráfica elaborada, gerenciamento de janelas,
execução de vários serviços ao mesmo tempo, atalhos padronizados,
telas simplificadas (Apêndice A).
21

1.3 METODOLOGIA

O software proposto foi desenvolvido conforme a metodologia de


orientação a objetos, conforme as etapas:
 revisão bibliográfica sobre os tópicos de interesse do sistema;
 estudo preliminar dos processos da área de negócio;
 análise de requisitos do sistema a ser desenvolvido;
 projeto lógico;
 estudo das ferramentas;
 projeto físico;
 implementação e testes para validação do sistema proposto;
 elaboração do trabalho final.
22

2 GESTÃO DOCUMENTAL

Nas organizações contemporâneas, o universo informacional arquivístico


registrado espelha o desenvolvimento das atribuições e atividades. As organizações
e as pessoas envolvidas em seus processos geram, produzem e acumulam uma
quantidade de documentos e de dados impensáveis, manejá-los e mantê-los
significa possuir um arquivo organizado.

Segundo a Lei 8.159 de 08 de janeiro de 1991, “gestão de documentos é


o conjunto de procedimentos e operações técnicas referentes a sua produção,
tramitação, uso, avaliação e arquivamento em fase corrente e intermediária visando
a sua eliminação ou recolhimento para a guarda permanente”.
A gestão de documentos visa, também, a racionalização de arquivos
físicos e a economia com custos a ele agregados. A avaliação de documentos é uma
das atividades do programa de gestão documental do qual resulta a tabela de
temporalidade de documentos.
Segundo Tarapanoff (2001, p.29) a informação, seja no plano científico,
técnico, tecnológico ou econômico é produzida de forma cada vez mais rápida. Além
da gestão, os processos de criação tornam-se preponderantes. A gestão da
informação e sua utilização para produção de conhecimento tornam-se elementos
básicos para o desenvolvimento estratégico nas organizações.
De acordo com Lopes (2000, p. 217), como conseqüência da não
aplicação da gestão documental, é praticamente impossível:
• planejar e desenvolver atividades, considerando o capital
informacional prévio;
• tomar decisões político-administrativas ou pessoais baseadas em
dados acumulados;
• atender às necessidades legais e técnicas;
• evitar a repetição completa ou parcial de atividades, economizando
recursos materiais e humanos;
• recuperar a história.
23

Por este e outros motivos, a Arquivologia preocupa-se em criar teorias,


técnicas e métodos para garantir, que os documentos armazenados nos arquivos
possam ser localizados e mantidos, em bom estado de conservação, para que a
informação esteja sempre disponível.
Para Bellotto (1996, p.5) a Arquivologia tem por objeto de estudo, o
conhecimento da natureza dos arquivos, e das teorias, métodos e técnicas a serem
observados na sua constituição, organização, desenvolvimento e utilização.
Entre os conceitos da Arquivologia é importante salientar:
• Arquivo;
• Processo de Produção, Utilização e Avaliação Documental;
• Teoria das Três Idades;
• Tabela de Temporalidade;
• Inventário Topográfico;
• Microfilmagem;
• e, Gerenciamento Eletrônico de Documentos.

2.1 ARQUIVO

Possui documentos acumulados organicamente no decorrer das funções


desempenhadas por entidades ou pessoas, independentemente da natureza ou
suporte da informação, que se caracterizam por sua unicidade e por serem
provenientes de uma única fonte geradora.
Conjunto de documentos produzidos, recebidos e acumulados em
processo natural no exercício das funções e/ou atividades e conservados para servir
de referência, informação, testemunho ou prova e fonte de pesquisa.

Para Paes (1997, p.23-24) o termo arquivo, ainda pode ser usado para
designar um conjunto de documentos, ou, um móvel para guardar documentos, ou
ainda, um local onde o acervo documental será conservado, um órgão
governamental ou institucional de uso exclusivo para a guarda e conservação de
documentos, e também, um conjunto de títulos periódicos. Todos têm a função de
24

constituir, no decorrer do tempo, como base do conhecimento histórico. A partir


desse conceito, identificaram-se três características básicas para distinguir os
arquivos:
• exclusividade de criação e recepção por uma repartição, firma ou
organização, não sendo os arquivos considerados uma coleção de
manuscritos;
• origem no curso de suas atividades, pois os documentos devem servir
como prova de transações realizadas;
• caráter orgânico que liga o documento aos outros do mesmo conjunto,
pois um documento isolado tem menos significado do que no conjunto.
Acredita-se que o processo de arquivamento de documentos é um serviço
simples e rotineiro, mas na prática esta simplicidade desaparece diante do volume
de documentos e da diversidade de assuntos e meios em que são registrados e
guardados. Para iniciar o processo de organização dos arquivos é importante que se
entendam as etapas que o compõem: produção, utilização, avaliação documental e
organização e administração documental.

2.2 PROCESSO DE PRODUÇÃO, UTILIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DOCUMENTAL

Estes processos são indispensáveis para que os arquivos possam


desempenhar suas funções, ou seja, consiste em dispor os documentos de tal forma
que sirva aos usuários com maior precisão e rapidez.
A produção, utilização e avaliação documental são as três fases básicas
da gestão documental, que são definidas por Paes (1997, p. 53-54):
• produção: refere-se a elaboração dos documentos em decorrência
das atividades de um setor;
• utilização: composta pelas atividades de protocolo (recebimento,
classificação, registro, distribuição, tramitação), de expedição, de
arquivamento em fase corrente e intermediária, inclusive as regras de
acesso (empréstimos e consultas);
25

• avaliação: análise e avaliação documental com o objetivo de


estabelecer os prazos de guarda e a destinação final (eliminação ou
guarda permanente).
Outros fatores que interferem no andamento destes processos são os
elementos característicos dos documentos: suporte, forma, formato, gênero,
espécie, tipo e contexto de produção (Quadro 1).

X Definição técnica Exemplo


Suporte “Material sobre o qual as informações são Fita magnética, filme de nitrato, papel.
registradas”.
Forma “Estágio de preparação e de transmissão Original, cópia minuta, rascunho.
de documentos”.
Formato “Configuração física de um suporte, de Caderno, cartaz, dispositivo, folha, livro,
acordo com a natureza e o modo como foi mapa, planta, rolo de filme.
confeccionado”.
Gênero “Configuração que assume um documento Documentação audiovisual, documentação
de acordo com o sistema de signos fonográfica, documentação iconográfica,
utilizado na comunicação de seu documentação textual.
conteúdo”.
Espécie “Configuração que assume um documento Boletim, certidão, declaração, relatório.
de acordo com a disposição e a natureza
das informações nele contidas”.
Tipo “Configuração que assume uma espécie Boletim de ocorrência, boletim de freqüência e
documental, de acordo com a atividade rendimento escolar, certidão de nascimento,
que a gerou”. certidão de óbito, declaração de bens,
declaração de imposto de renda, relatório de
atividades, relatório de fiscalização.

Quadro 1 – Elementos característicos dos documentos


Fonte: Gonçalves (1998, p. 19)

2.3 ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DOCUMENTAL

Segundo Paes (2002, p. 35), o processo de organização e administração


documental é composta por quatro fases:
• levantamento de dados: coleta de informações obtidas através da
análise do gênero e da espécie dos documentos mais freqüentes, dos
modelos e os formulários em uso, do volume e estado de conservação
do acervo, da média dos arquivamentos diários, do controle de
empréstimos de documentos, etc.;
26

• análise dos dados coletados: análise dos resultados e verificando se


a estrutura, atividades e a própria documentação correspondem à
realidade operacional, ou seja, é um diagnóstico, constando as razões
que possam impedir o funcionamento eficiente do arquivo;
• planejamento: elaboração de um plano arquivístico, que contenha as
disposições legais de acordo com as necessidades da organização a
que pretende servir;
• implantação e acompanhamento: aplicação do plano arquivístico. É
importante que a implantação seja realizada através de uma série de
apresentações e reuniões que atinjam a todos os níveis hierárquicos
envolvidos, incluindo todos os funcionários que têm acesso de alguma
forma aos documentos, pois eles terão que saber os procedimentos
básicos, corretamente, para o bom andamento dos arquivos.
Recomenda-se um rígido acompanhamento que tem por objetivo
identificar possíveis falhas, corrigindo-as imediatamente.
O mesmo autor (2002, p. 36), identifica os principais tópicos que devem
estar especificados no plano arquivístico:
• posição do arquivo na estrutura da organização;
• centralização ou descentralização e coordenação dos serviços de
arquivo;
• escolha de métodos de arquivamento adequados;
• estabelecimento de normas de funcionamento;
• recursos humanos;
• escolha das instalações e equipamentos;
• constituição de arquivos intermediários e permanente;
• e recursos financeiros.
Para a aquisição de um sistema informatizado é indispensável que este
processo esteja concluído, caso contrário, ocorrerão várias falhas no processo de
implantação em decorrência da má gestão documental. É de suma importância a
efetiva participação de todos os funcionários da organização que trabalham de
alguma forma com os documentos, pois a execução incorreta dos processos
arquivísticos causará arquivamentos errados gerando, com o passar do tempo, uma
27

grande massa documental desorganizada e conseqüentemente os processos tornar-


se-ão lentos e problemáticos.

2.4 TEORIA DAS TRÊS IDADES

Um dos princípios que norteiam a arquivologia é a chamada teoria das


três idades (Quadro 2), que divide o ciclo de vida de um documento em três fases ou
idades: corrente, intermediária e permanente.

1ª Idade: Arquivo Corrente  documentos vigentes, freqüentemente consultados.


 final de vigência;
 documentos que aguardam prazos longos de prescrição ou
2ª Idade: Arquivo precaução;
Intermediário e/ou Central
 raramente consultados;
 aguardam a destinação final: eliminação ou guarda permanente.
3ª Idade: Arquivo  documentos que perderam a vigência administrativa, porém são
Permanente providos de valor secundário ou histórico-cultural.

Quadro 2 – Ciclo de vida dos documentos


Fonte: Bernardes (1998, p. 12)

Arquivo corrente é o conjunto de documentos estreitamente vinculados


aos objetivos imediatos para os quais foram produzidos ou recebidos no
cumprimento das atividades-fim e atividades-meio e que se conservam junto aos
órgãos produtores em razão de sua vigência e freqüência de uso. São muito usados
pela administração. É nessa idade que se dá a avaliação.
Arquivo intermediário é o conjunto de documentos originários de uma
unidade de arquivo corrente, com pouca freqüência de uso, que aguardam
destinação final em depósitos de armazenamento temporário. São consultados
apenas pelo órgão produtor ou com autorização deste. É nesta fase que se executa
a segunda e última parte da tabela de temporalidade estabelecida pela avaliação,
procedendo à avaliação, coleta de amostragem ou recolhimento integral ao arquivo
permanente dos conjuntos documentais, conforme determinado por essa tabela.
Arquivo permanente é o conjunto de documentos preservados em caráter
definitivo em função de seu valor administrativo, fiscal, histórico, testemunhal, legal,
probatório e científico-cultural. É no Arquivo Permanente que um documento passa a
28

conviver com outros da mesma natureza, sendo designado então por fundo de
arquivo. Aqui, o usuário é, principalmente, o pesquisador, o cidadão comum que
procura esses documentos como prova de seus direitos.
Cada idade requer que sejam aplicadas teorias, técnicas e métodos
específicos:
• na primeira idade os documentos estão organizados nos arquivos
setoriais. Os métodos aplicados podem ser: alfabético, cronológico e
numérico entre outros. Esses métodos garantem que o documento
seja localizado rapidamente;
• na segunda idade a maior preocupação é a preservação do
documento durante seu prazo de prescrição. Quando os documentos
são transferidos para o arquivo intermediário, eles recebem tratamento
técnico baseado na consulta, na arquivologia e estão disponíveis
apenas ao setor produtor ou a quem este determinar. Para esta
organização são produzidos os inventários topográficos. A organização
física é mantida aplicando-se o mesmo método atribuído no arquivo
corrente, porém eles podem estar separados por períodos de tempo,
como por ano e/ou semestre, já que após o prazo de vigência, eles
podem ser eliminados;
• na terceira idade há preocupação com a disponibilização da
informação e a conservação para que se possa garantir a história e a
memória do produtor servindo como fonte de pesquisa.
A partir da aplicação da teoria das três idades, nas organizações, fica
mais rápida e eficiente a recuperação da informação documental.

2.5 TABELA DE TEMPORALIDADE

A tabela de temporalidade (Quadro 3) é o principal instrumento para a


gerência dos arquivos. A aplicação da tabela refere-se aos procedimentos adotados
para seleção e destinação dos documentos, uma vez cumpridos os prazos de
guarda nela estabelecidos. É através dela que é possível efetuar a otimização do
29

espaço físico, ou seja, ela estabelece os prazos de vigência e a destinação final dos
documentos.

Instrumento aprovado por autoridade competente que regula a destinação


final dos documentos (eliminação ou guarda permanente), define prazos
para sua guarda temporária (vigência, prescrição, precaução), em função de
seus valores administrativos, legais, fiscais etc. e determina prazos para sua
transferência, recolhimento ou eliminação (BERNARDES, 1998, p. 22).

Documentos Prazo de guarda Destinação


Atividades
gerados Corrente Intermediário final
Corresponder-se com fornecedores Ofícios.
2 anos Não se aplica. Preservar.
e clientes internos e externos.
Contabilizar movimento financeiro Movimento diário
1 ano 5 anos Eliminar.
da empresa. contábil.

Quadro 3 – Tabela de Temporalidade


Fonte: Arquivo Central da Universidade do Sul de Santa Catarina, 2007

Atribuir temporalidade aos documentos é a forma mais adequada de


sistematizar sua produção e guarda. Dessa forma, impede a formação de grandes
massas documentais, ao mesmo tempo, salvaguardando da eliminação
indiscriminada registros de valor permanente e/ou ainda dentro do prazo de
vigência, cujo conteúdo seja de vital importância para a comprovação jurídico-
administrativa da existência e desenvolvimento da instituição.
A tabela de temporalidade deve ser analisada periodicamente (de 2 em 2
anos) para garantir que todos os documentos produzidos estejam corretamente
registrados. A não atualização da tabela de temporalidade pode causar inúmeras
falhas na gestão documental e possivelmente prejuízos à organização.

2.6 INVENTÁRIO TOPOGRÁFICO

O inventário topográfico (Quadro 4) é um instrumento de pesquisa


utilizado para o registro da localização física dos documentos, nele é registrada
também uma pequena descrição dos documentos. (título e ano de produção do
documento).
30

Instrumento de controle, sob a forma de lista ou quadro, que indica, na


ordem de numeração dos depósitos, salas, estantes, prateleiras o lugar
exato ocupado pelas unidades de arquivamento (CAMARGO, 1996, p. 66).

Tipo documental: Fatura telefônica


Localização física
Descrição Data de vencimento
Estante Prateleira Caixa
Brasil Telecom 25/03/2006 1 1 1
Embratel 25/03/2006 1 1 2
Intelig 25/03/2006 1 1 3

Quadro 4 – Inventário Topográfico


Fonte: Arquivo Central da Universidade do Sul de Santa Catarina, 2007

2.7 MICROFILMAGEM

A adoção de recursos tecnológicos para alteração do suporte da


informação requer a observância de determinados critérios que levem em
consideração aos preceitos técnicos da arquivologia e a legislação em vigor. Esse
recurso permite a redução do espaço físico de armazenamento da informação.
A microfilmagem proporciona facilidade ao acesso a informações muito
requisitadas, e impede o desgaste causado pelo manuseio dos originais. Além
disso, estes documentos originais, não históricos, ou seja, de guarda intermediária,
podem ser eliminados após a microfilmagem.
A microfilmagem oferece algumas vantagens comparadas com os
enormes arquivos de papéis:
• um filme pode conter muitos documentos, economizando espaço
físico;
• os documentos microfilmados são autenticados e valem judicialmente
como originais;
• impede o avanço da deterioração causado pela manipulação dos
documentos originais.

Os microfilmes de que trata esta Lei, assim como as certidões, os traslados


e as cópias fotográficas obtidas diretamente dos filmes produzirão os
mesmos efeitos em juízos ou fora dele. (Artigo 1º da Lei nº 5.433, de 8 de
maio de 1968).
31

A cada dia, muitos documentos são produzidos em suporte papel e


precisam ser conservados, é aí que entra a microfilmagem, método que garante a
integridade dos documentos. Com esta tecnologia, podem-se ter grandes massas
documentais armazenadas em pequenos rolos de filme, evitando o problema de
espaço físico. É importante destacar, que o microfilme pode ser digitalizado, assim é
possível disponibilizar os documentos para consulta on-line e obter o microfilme
quando o documento original for necessário.

2.8 GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS – GED

Os sistemas de GED trabalham com documentos em formatos


tradicionais, digitalizados ou criados em meio digital, gerenciando-os durante todo o
seu ciclo vital e implementando soluções para armazenamento eficiente e rápido
acesso às informações. Ao oferecer tais vantagens para a gestão de documentos,
este sistema tem despertado um interesse crescente por parte da comunidade da
ciência da informação, transformando as práticas e alimentando discussões sobre os
princípios que norteiam o trabalho do profissional da área.
O gerenciamento eletrônico de documentos é um conjunto de tecnologias
que permite gerenciar a informação documental durante o seu ciclo de vida. O GED
"armazena, localiza e recupera informações existentes em documentos e dados
eletrônicos" (BALDAM et al., 2002, p.32).
Os sistemas de GED implementam categorização de documentos, tabelas
de temporalidade e níveis de segurança, integrando de forma eficiente o mundo
analógico e digital, e garantindo o rápido acesso aos documentos - condição básica
para a competitividade empresarial.
Gerenciar documentos de forma eletrônica é uma solução que traz
resultados significativos como redução de espaço físico, alta velocidade e precisão
na localização de documentos, controle documental, maior agilidade nas transações
entre organizações, minimização de perda e extravio de documentos entre outros.
Estas vantagens tornam-se fundamentais, à medida que as organizações pretendem
manter-se na liderança.
32

Por que muitas empresas do Brasil estão investindo em GED? Cenadem


(2007) cita os principais os benefícios deste investimento:

• Permite a recuperação da empresa após desastres, como o caso do


World Trade Center, EUA, em setembro de 2001.
• Redução de custos com cópias, já que há disponibilização dos
documentos em rede.
• Absoluto controle no processo de negócio.
• Alta velocidade e precisão na localização de documentos.
• Criação de facilidades para o trabalhador do conhecimento.
• Disponibilização instantânea de documentos sem limites físicos.
• Eliminação de fraudes, principalmente em agências governamentais.
• Gerenciamento automatizado de processos, minimizando recursos
humanos e aumentando a produtividade.
• Grande melhoria no processo de tomada de decisões.
• Aproveitamento de espaço físico.
• Ilimitadas possibilidades para indexação e localização de documentos.
• Evitar extravio ou falsificação de documentos.
• Integração com outros sistemas e tecnologias.
• Aproveitamento da base de informática já instalada na sua empresa.
• Mais agilidade nas transações entre empresas.
• Maior velocidade na implementação de mudanças nos processos.
Exigência da alta competitividade.
• Melhor atendimento ao cliente. O GED proporciona respostas precisas
e instantâneas.
• Obtenção de vantagem competitiva sustentável.
• Possibilidade da empresa virtual sem limites físicos, com redução de
despesas e permitindo que funcionários trabalhem a partir de casa.
• Única solução para cumprir prazos de recursos em processos, como no
caso de multas de trânsito.
• Tecnologia viabilizadora de outras como ERP e CRM.

Segundo Starbird (1997, p. 88), o gerenciamento eletrônico de


documentos pode otimizar, automatizar e acelerar tarefas de processamento da
informação em numerosas aplicações, além de oferecer várias vantagens
comparado aos enormes arquivos de papel:
• otimização do uso do espaço físico;
• consulta facilitada;
• redução do tempo de localização, principalmente em acervos remotos
ou de grande porte;
• automatização de manutenção do acervo;
• aumento da integridade dos arquivos;
• eliminação de perdas por arquivamento errado;
33

• disponibilidade dos documentos eletrônicos para mais de um usuário


simultaneamente;
• consolidação de vários acervos, em um só tipo de interface, para o
usuário e;
• potencial de aperfeiçoar a legibilidade de documentos deteriorados.
Baldam (2002, p. 35) cita alguns dados que auxiliam o entendimento do
problema documental:
• pesquisa da Coopers e Lybrand nos Estados Unidos mostra que
executivos gastam em média 150 horas por ano procurando,
localizando, solicitando e esperando documentos;
• em cada 20 documentos, um se perde, segundo a mesma fonte;
• executivos gastam de 20% a 45% do tempo pensando, criando ou
manipulando documentos.

A compreensão e utilização correta dos termos empregados são


fundamentais para o sucesso da implantação, para tal o conceito de GED
deve estar bem difundido entre as instituições, pois existem soluções
distintas para aplicação a instituições de portes diferentes. Outro fator que
deve ser levado em conta é o processo de aculturamento dos
colaboradores, pois a primeira impressão que se tem, é que serão
dispensados, pelo contrário, novas atividades surgirão decorrentes da
implantação de GED. A adoção de GED em instituições públicas, sobretudo
na área de saúde, faz-se necessária em função do grande acúmulo de
acervos históricos que, com o passar do tempo podem sofrer danos
irreparáveis, influenciados não só pelo suporte em que foram arquivados,
mas também pelas condições ambientais. Outro fator que deve ser levado
em consideração é a eliminação dos riscos de extravio de documentos e a
possibilidade de um mesmo documento ser examinado, simultaneamente,
por várias pessoas e até mesmo por diversos departamentos (ARAÚJO,
2007).

Conforme o mesmo autor (2007), não se pode simplesmente pensar que


a aquisição de um sistema de GED vai resolver todos os problemas documentais.
Na realidade, este é um problema que ocorre com várias organizações, causado
pela falta de cultura. Na maioria dos casos, os funcionários que compõem a
organização, nem sabem sobre a responsabilidade que tem sobre os documentos
gerados. A grande desordem começa na produção documental e sofre grande
acumulação na segunda e terceira idade, fazendo a falta de controle aumentar.
Em visita a outros arquivos, constatamos vários problemas levantados por
Araújo, como:
34

• a deterioração de documentos históricos, de guarda permanente,


previstos em lei;
• o mal acondicionamento dos documentos em arquivos impróprios e
falta de pessoal treinado e voltado especificamente para as atividades
de arquivamento;
• o desperdício de espaço físico causado pela falta de implantação de
um programa de gestão documental;
• a falta da tabela de temporalidade elaborada. Temporalidade para a
gestão dos documentos.
Fazendo uma análise entre a Arquivologia e a Computação, percebe-se
semelhanças. Nos arquivos, os processos são executados pelas pessoas e os
documentos são armazenados fisicamente. Já na computação, os processos são
convertidos para softwares, que são executados por hardware e armazenados em
discos rígidos. Na realidade, as duas ciências trabalham com a informação, esta é
uma característica em comum: o gerenciamento da informação.

2.9 SISTEMA INFORMATIZADO DE GESTÃO ARQUIVÍSTICA DE DOCUMENTOS


– SIGAD

Para os leigos em arquivologia, quando se fala em gerenciamento


eletrônico de documentos, logo se pensa em digitalizar tudo acabando com as pilhas
de papéis. Contudo o papel não é algo do passado, a cada dia que passa fica mais
claro que estamos na era digital, mas muitos tipos de documentos vão continuar
sendo produzidos em papel durantes anos. Nos dias atuais, não se pode esquecer
que os documentos originais, em papel, são guardados para cumprir os fins jurídicos
e históricos.
Antes de eliminar qualquer documento é importante consultar o material
disponibilizado pelo Conselho Nacional de Arquivos – CONARQ, que é um órgão
colegiado, vinculado ao Arquivo Nacional, criado pelo art. 26 da Lei 8159, de 8 de
Janeiro de 1991, que dispõe da Política Nacional de Arquivos, regulamentado pelo
35

decreto n.º 1173 de 19 de Junho de 1994, alterado pelo decreto n.º 1491, de 25 de
Abril de 1995, que tem por finalidade:
• I – definir a Política Nacional de Arquivos Públicos e Privados;
• II – exercer a orientação normativa visando à Gestão Documental e à
proteção especial aos documentos de arquivo.
Dentre as competências delegadas ao órgão, destacam-se as seguintes:
• definir normas gerais e estabelecer diretrizes para o pleno
funcionamento do Sistema Nacional de Arquivos – SINAR. Visando à
Gestão, à preservação e ao acesso aos documentos do arquivo;
• promover o inter-relacionamento de arquivos públicos e privados com
vistas ao intercâmbio e à integração sistemática das atividades
arquivísticas;
• zelar pelo cumprimento dos dispositivos constitucionais e legais que
preservam o funcionamento e acesso aos arquivos públicos;
• estimular programas de preservação e gestão de documentos
produzidos (orgânicos) e recebidos por órgãos e entidades, no âmbito
federal, estadual e municipal, em decorrência da função executiva,
legislativa e judiciária;
• subsidiar a elaboração de planos nacionais nos Poderes Legislativo,
Executivo e Judiciário, bem como nos Estados, Distrito Federal e
Municípios;
• declarar de interesse público e social, os arquivos privados que
contenham fontes relevantes para a história e o desenvolvimento
nacionais, nos termos do art. 13 da Lei n.º 8159/91.
Em dezembro de 2006, o CONARC disponibilizou um documento de
domínio público que contempla um modelo de requisitos para sistemas
informatizados de gestão arquivística de documentos, chamado de e-ARQ Brasil,
elaborado no âmbito da Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos do Conselho
Nacional de Arquivos no período de 2004 a 2006.
Conforme a Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos (2007, p. 4), o e-
ARQ Brasil foi desenvolvido considerando a existência de uma grande quantidade
de documentos em formato digital, que vem sendo tratados por especialistas de
diversas áreas principalmente da arquivologia e tecnologia da informação. Os
36

especialistas analisam, estudam e propõem soluções que enfrentem o desafio


trazido pelo documento arquivístico digital.

A produção de documentos digitais levou à criação de sistemas


informatizados de gerenciamento de documentos, entretanto para assegurar
que estes documentos arquivísticos digitais sejam confiáveis e autênticos e
que possam ser preservados com essas características, é fundamental que
os sistemas acima referidos incorporem os conceitos arquivísticos e suas
implicações no gerenciamento dos documentos digitais (Câmara Técnica de
Documentos Eletrônicos, 2007, p. 5).

Para entender melhor o e-ARQ Brasil é importante que fique claro o


conceito de documento arquivístico, documento arquivístico digital e documento
arquivístico convencional que são descritos no Quadro 5.

O que é documento arquivístico?


É um documento produzido e/ou recebido por uma pessoa física ou jurídica, no decorrer das suas
atividades, qualquer que seja o suporte, e dotado de organicidade.
O que é documento arquivístico digital?
É um documento arquivístico codificado em dígitos binários, produzido, tramitado e armazenado por
sistema computacional. São exemplos de documentos arquivísticos digitais: textos, imagens fixas,
imagens em movimento, gravações sonoras, mensagens de correio eletrônico, páginas web, bases
de dados, dentre outras possibilidades de um vasto repertório de diversidade crescente.
O que é documento arquivístico convencional?
É um documento arquivístico produzido, tramitado e armazenado em formato não digital.

Quadro 5 – Definição de documento arquivístico


Fonte: Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos (2007, p. 4)

O que é SIGAD?
É um conjunto de procedimentos e operações técnicas, característico do sistema de gestão
arquivística de documentos, processado por computador. Pode compreender um software particular,
um determinado número de softwares integrados, adquiridos ou desenvolvidos por encomenda, ou
uma combinação desses. O sucesso do SIGAD dependerá fundamentalmente da implementação
prévia de um programa de gestão arquivística de documentos.

Quadro 6 – Definição de SIGAD


Fonte: Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos (2007, p. 5)

O e-ARQ Brasil estabelece os requisitos mínimos para um SIGAD


(Quadro 6) independente da plataforma tecnológica em que for desenvolvido e/ou
implantado. O objeto de estudo do e-ARQ Brasil é o documento arquivístico digital,
porém o SIGAD deve ser capaz de gerenciar simultaneamente os documentos
digitais e os convencionais, mas no caso dos documentos convencionais o sistema
37

registra apenas as referências (Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos, 2007,


p. 5).
Com a quantidade de conceitos referentes à gestão documental e às
tecnologias disponíveis é importante estabelecer a diferença entre Sistema de
Informação, Gestão Arquivística de Documentos, Sistema de Gestão Arquivística de
Documentos, Gerenciamento Eletrônico de Documentos e Sistema Informatizado de
Gestão Arquivística de Documentos.

• Sistema de Informação: conjunto organizado de políticas,


procedimentos, pessoas, equipamentos e programas computacionais
que produzem, processam, armazenam e provêm acesso à informação
proveniente de fontes internas e externas para apoiar o desempenho
das atividades de um órgão ou entidade.
• Gestão Arquivística de Documentos: conjunto de procedimentos e
operações técnicas referentes à produção, tramitação, uso, avaliação e
arquivamento dos documentos em fase corrente e intermediária,
visando a sua eliminação ou seu recolhimento para a guarda
permanente.
• Sistema de Gestão Arquivística de Documentos: conjunto de
procedimentos e operações técnicas, cuja interação permite a eficiência
e a eficácia da gestão arquivística de documentos.
• Gerenciamento Eletrônico de Documentos: conjunto de tecnologias
utilizadas para organização da informação não-estruturada de um órgão
ou entidade, que pode ser dividido nas seguintes funcionalidades:
captura, gerenciamento, armazenamento e distribuição. Entende-se por
informação não-estruturada aquela que não está armazenada em banco
de dados, tal como mensagem de correio eletrônico, arquivo de texto,
imagem ou som, planilhas, etc. O GED pode englobar tecnologias de
digitalização, automação de fluxos de trabalho (workflow),
processamento de formulários, indexação, gestão de documentos,
repositórios, entre outras. A literatura sobre GED geralmente distingue
as seguintes funcionalidades: captura (ou entrada), armazenamento,
apresentação (ou saída) e gerenciamento e cita as tecnologias de
digitalização, automação de fluxos de trabalho (workflow) etc. como
possibilidades, não como componentes obrigatórios.
• Sistema Informatizado de Gestão Arquivística de Documentos: É
um conjunto de procedimentos e operações técnicas, característico do
sistema de gestão arquivística de documentos, processado por
computador. O SIGAD e aplicável em sistemas híbridos, isto é, que
utilizam documentos digitais e documentos convencionais. Um SIGAD
inclui operações como: captura de documentos, aplicação do plano de
classificação, controle de versões, controle sobre os prazos de guarda e
destinação, armazenamento seguro e procedimentos que garantam o
acesso e a preservação a médio e longo prazo de documentos
arquivísticos digitais e não digitais confiáveis e autênticos. No caso dos
documentos digitais, um SIGAD deve abranger todos os tipos de
documentos arquivísticos digitais do órgão ou entidade, ou seja, textos,
imagens fixas e em movimento, gravações sonoras, mensagens de
correio eletrônico, páginas web, bases de dados, dentre outras
possibilidades de um vasto repertório de diversidade crescente (Câmara
Técnica de Documentos Eletrônicos, 2007, p. 6).
38

A Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos (2007, p. 6), cita três


considerações importantes sobre as definições citadas acima:

• um sistema de informação abarca todas as fontes de informação


existentes no órgão ou entidade, incluindo o sistema de gestão
arquivística de documentos, biblioteca, centro de documentação,
serviço de comunicação entre outros;
• um GED trata os documentos de maneira compartimentada, enquanto o
SIGAD o faz a partir de uma concepção orgânica, ou seja, os
documentos possuem uma inter-relação que reflete as atividades da
instituição que os criou. Além disso, diferentemente do SIGAD, o GED
nem sempre incorpora o conceito arquivístico de ciclo de vida dos
documentos;
• um SIGAD é um sistema informatizado de gestão arquivística de
documentos e como tal sua concepção tem que se dar a partir da
implementação de uma política arquivística no órgão ou entidade.

O e-ARQ Brasil especifica todos os requisitos obrigatórios, altamente


desejáveis e facultativos de um SIGAD. O ArqMax 2008 implementa os requisitos
básicos do SIGAD que foram identificados no estudo de caso, porém há outros
requisitos de extrema importância que não estão contemplados nesta versão do
ArqMax. No entanto, a modelagem do sistema suporta a implementação de novos
requisitos, como por exemplo, a geração de etiquetas e solicitação on-line de
documentos convencionais. Observe o Quadro 7 que mostra os requisitos que
caracterizam um SIGAD.

Requisitos arquivísticos que caracterizam um SIGAD:

• captura, armazenamento, indexação e recuperação de todos os tipos de documentos


arquivísticos;
• captura, armazenamento, indexação e recuperação de todos os componentes digitais do
documento arquivístico como uma unidade complexa;
• gestão dos documentos a partir do plano de classificação para manter a relação orgânica entre os
documentos;
• implementação de métodos associados aos documentos para descrever os contextos desses
mesmos documentos (jurídico-administrativo, de proveniência, de procedimentos, documental e
tecnológico);
• integração entre documentos digitais e convencionais;
• foco na manutenção da autenticidade dos documentos;
• avaliação e seleção dos documentos para recolhimento e preservação daqueles considerados de
valor permanente;
• aplicação de tabela de temporalidade e destinação de documentos;
• transferência e recolhimento dos documentos por meio de uma função de exportação;
• gestão de preservação dos documentos.

Quadro 7 – Requisitos arquivísticos que caracterizam um SIGAD


Fonte: Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos (2007, p. 7)
39

O modelo e-ARQ Brasil utiliza como referência a International


Organization for Standardization – ISO:
• ISO 15408 – Common Criteria 2.x: sobre especificação de requisitos
de segurança funcional;
• AS ISO 15489.1 - Australian Standard Records Management. Part 1:
general, 2002 e AS ISO 15489-2 – Australian Standard Records
Management. Part 2: guidelines, 2002: sobre gestão de documentos;
• ISO 14721 – Reference model for an Open Archival Information
System – OAIS. 2003: sobre preservação.
40

3 TECNOLOGIAS

Após observações, constatamos que organizações localizadas na região


de Tubarão, Sul do Estado de Santa Catarina, Brasil, investem pouco nos arquivos,
por isso optamos por desenvolver este projeto utilizando tecnologias free.
Como estamos na era dos sistemas on-line, fato que comprovado pelo
grande investimento das organizações líderes de mercado na área de web, como o
Google e a Adobe, este sistema inovará, disponibilizando toda a aplicação via
internet.
Neste capítulo, apresentamos as principais técnicas, conceitos e
tecnologias analisadas e avaliadas para o desenvolvimento do sistema.

3.1 A EVOLUÇÃO DA INTERNET

Devido a grande evolução da internet desde a sua criação, principalmente


nos últimos cinco anos, é importante abordar as principais mudanças que ocorreram
e identificar novas formas de distribuição de conteúdo. Hoje em dia, deve-se pensar
em muitos detalhes antes de disponibilizar uma aplicação, como a usabilidade e
acessibilidade, os plugins, a forma de distribuição de conteúdo multimídia, as
tecnologias que utilizam menor tráfego de rede, entre outros.
Para efetuar a escolha das tecnologias deste projeto, é importante
entender os conceitos, características, vantagens e desvantagens das principais
tecnologias para internet, principalmente:
• GIFs animados;
• Applets Java;
• e, Flash.
Harris (2007) cita duas forças responsáveis pela grande evolução da
Internet:
• “autores e usuários da Internet sempre desejam transmitir as mais
elaboradas variedades de conteúdos por ela”;
41

• “para alcançar a maior parte dos usuários, os arquivos tem de ser


suficientemente pequenos para serem transmitidos rapidamente por
conexões padronizadas”.
Assim, “esses fatores têm forçado os inovadores da Internet a aparecem
com engenhosas saídas para a entrega de conteúdos complexos e fora dos limites
das conexões” (HARRIS, 2007).
Graças a estas forças são criadas soluções, que são aprimoradas com o
passar do tempo, pelos milhares de inovadores da Internet, tornando-se grandes
conceitos que são aplicados e transformam-se em novas tecnologias.
Uma das maiores inovações na história da internet, segundo Harris
(2007), foi a possibilidade de adicionar imagens e ilustrações em uma página. Mas
inicialmente, esta solução era um pouco inviável devido a pouca velocidade de
conexão disponível pela maioria dos internautas. Estas imagens, inicialmente, eram
criadas utilizando uma técnica denominada de bitmap, ou seja, cada pixel, pequeno
ponto de cor que forma uma imagem, contém uma cor e posição que é descrito no
arquivo bitmap. A partir daí, os inovadores, desenvolveram muitas técnicas de
compressão destas imagens, surgindo novos formatos, como o GIF e JPEG.
O GIF animado é uma série de poses de uma imagem mostrada em
seqüência (HARRIS, 2007). As vantagens do GIF animado são a simplicidade do
uso e o reconhecimento pela maioria dos navegadores sem a necessidade de
instalar algum software adicional. Já a desvantagem é que a animação tem que ser
muito simples para que ela fique em um tamanho adequado para ser distribuída na
internet e também é importante destacar a impossibilidade de incluir som.
A Figura 1 ilustra uma seqüência de cinco imagens bitmap que formam
um GIF animado.

Figura 1 – Funcionamento do GIF animado


Fonte: Harris (2007)
42

Outra tecnologia importante na evolução da internet e que ainda encontra-


se presente é o Applet Java.

Applets são programas projetados para ter uma execução independente


dentro de alguma outra aplicação, eventualmente interagindo com esta -
tipicamente, um browser (navegador) web. Assim, applets executam no
contexto de um outro programa, o qual interage com o applet e determina
assim sua seqüência de execução. Funcionalidades associadas a applets
Java são agregadas no pacote java.applet.
O processo de criação de um applet é similar ao processo de criação de
uma aplicação - o programa deve ser criado por um editor de programas e o
arquivo de bytecodes (.class) deve ser gerado a partir da compilação do
arquivo fonte.
Uma vez criado ou disponibilizado o bytecode, é preciso incluir uma
referência a ele em alguma página web. Essa página web, uma vez
carregada em algum navegador, irá reconhecer o elemento que faz a
referência ao applet, transferir seu bytecode para a máquina local e dar
início à sua execução (RICARTE, 2007).

Conforme Harris (2007), os Applets Java, criados em 1995 pela Sun,


tornaram-se famosos na internet porque quando foram criados era uma ótima
solução para adicionar interatividade a aplicações web que não podem ser geradas
pelo HTML, porém eles perderam um grande espaço com o surgimento do
Macromedia Flash Player, agora Adobe Flash Player (Gráfico 1).

Gráfico 1 – Flash Player Penetration


Fonte: Adobe, 2007
43

Para Silva (2007), atualmente os Applets Java parecem estar destinados


a desaparecer. As desvantagens são:
• o peso, o tempo que eles levam para carregar na máquina do cliente;
• a fraca segurança, que os torna instáveis ou perigosos para a
máquina, em alguns casos é bloqueado automaticamente pelos
navegadores e programas de antivírus mais recentes que identificam
como aplicações perigosas, caso não sejam autorizados manualmente
pelo usuário;
• e a Java Virtual Machine – JVM que demora vários minutos para ser
descarregada da internet e instalada no computador, além disso, em
alguns sistemas operacionais o computador precisa ser reiniciado para
a finalização da instalação, gerando um constrangimento ao visitante,
já que a página acessada precisará ser fechada.
Por estes motivos, encontramos cada vez menos Applets Java nos sites,
ou seja, está entrando em extinção na internet, contudo a Plataforma Java vem
sendo muito utilizada no desenvolvimento de softwares para desktop.
Atualmente com a explosão dos portais de vídeo on-line, devido ao
aumento dos usuários de banda larga, como o YouTube e o Globo Media Center, os
internautas que utilizam o Flash Player vêm crescendo assustadoramente. Por este
motivo, o Flash está tornando-se um grande concorrente das grandes empresas de
desenvolvimento de softwares famosos como o Microsoft Windows Media Player,
Apple QuickTime Player e Real Player.
Segundo Wikipedia (2007), o FLV, formato de arquivo de vídeo originário
do Flash Player 6, tornou-se comum na internet. Diferente dos outros plugins, o
Flash Player cresce a cada versão que é lançada. Por este motivo o Flash se tornou
um padrão de distribuição multimídia na internet, além disso, o Flash não só cresce
em recursos, mas a Adobe, atual proprietária do Flash, preocupa-se muito com a
performance do player. A cada versão lançada temos mais recursos, um
desempenho melhor e a maior vantagem é que o tamanho do instalador do Flash
Player se mantêm praticamente inalterado, as vezes fica até mais leve.
Saleiro et al (2007) apresenta, resumidamente, alguns fatos que
marcaram a história do Flash:
• 1996: Flash foi lançado como ferramenta de design;
44

• 1999: Flash Player atinge 92% dos internautas;


• 2000: Flash 5 com a linguagem de programação ActionScript 1;
• 2002: Macromedia cita pela primeira vez o termo RIA;
• 2004: Flash MX 2004 e Flash Player 8 com ActionScript 2 que possui
alguns recursos de orientação a objetos, componentes na versão 2 e
Flash Lite, para a disponibilização de aplicações para celulares e
dispositivos móveis. Macromedia lança Flex 1 e cita pela primeira vez
o temo Flash Platform;
• 2005: Adobe compra a Macromedia;
• 2006: Lançado o Flex 2 e Flash Player 9 com ActionScript 3 que é
totalmente orientado a objetos. Foi criada uma nova IDE para o Flex
baseado no Eclipse, o Flex Builder;
• 2007: Flash CS3 com ActionScript 3 e com integração aos produtos da
Adobe.

Figura 2 – O Flash em números


Fonte: França (2007)

Uma vantagem em relação ao Applet Java é o fato do Flash Player ser


muito simples de ser instalado. A instalação leva aproximadamente um minuto com
45

uma conexão de 56k (Figura 2) e encontra-se disponível para maioria dos


navegadores, sistemas operacionais e dispositivos (Figura 3).

Figura 3 – Flash em todo lugar


Fonte: França (2007)

Segundo Harris (2007), a vantagem do Flash é o fato de ser baseado em


vetores, ou seja, descreve a imagem como uma série de linhas e de contornos que
são gravados como valores matemáticos, tornando mais rápido para carregar. Desse
modo, o Flash cria automaticamente os quadros intermediários, baseados em
vetores, calculando as mudanças em informações geométricas entre as duas
imagens, facilitando para o animador, que terá de criar menos quadros. Além disso,
o Flash possui uma nova forma de transmitir os arquivos, utilizando a técnica de
stream, assim o navegador pode começar a reprodução do filme enquanto o
restante é carregado.
É importante deixar claro que todos os formatos de animação da web têm
suas vantagens e desvantagens. Muitos desenvolvedores e projetistas para internet
costumam a usar o Flash mesmo quando outro formato encaixa-se melhor a suas
necessidades, porque sabem que a maioria dos internautas conhece o Flash Player.
Mesmo para aqueles que não conhecem, é mais fácil aprender. A abrangência
universal do Flash Player conduz os gerentes da Internet a utilizar o Flash em seus
sites, ampliando cada vez mais a aceitação desses formatos (Harris, 2007).
46

Conforme Saleiro et al (2007), o conceito de RIAs, citado pela


Macromedia em 2002, despertou o interesse de praticamente todas as maiores
organizações do mundo, como o Google, o Yahoo, a Microsoft, entre outros. Porém
como o Flash é uma ferramenta proprietária, várias empresas optaram em escolher
o AJAX para desenvolver as RIAs. O AJAX é definido por Wikipedia (2007), como
“uma tecnologia baseada em JavaScript que fornece um método no qual pequenas
partes de uma página web podem ser atualizadas sem a necessidade de atualização
de toda a página”.
Conforme Blog E-Genial (2007), em 26 de abril de 2007, a Adobe
anunciou liberação do Flex SDK sobe a licença Mozilla Public Licence. Agora as
organizações podem desfrutar das duas melhores tecnologias disponíveis
atualmente para web 2.0 descartando o lado financeiro, pois o Flex tornou-se uma
tecnologia open-source.
Com a origem das RIAs surgiu um novo conceito denominado web 2.0,
definido por Folha Online (2007), como “a segunda geração da World Wide Web”.
Sendo uma nova forma de desenvolver aplicações para a internet, sempre pensando
nos usuários. Utilizando os conceitos de web 2.0 de forma adequada, os serviços
disponíveis na internet, tornam-se mais rápidos, seguros e acima de tudo mais
fáceis de utilizar e compatível com vários dispositivos.
Segundo Focus Networks (2007), “ao contrário da primeira geração, a
web 2.0 dá aos usuários uma experiência próxima a das aplicações desktop, com
interfaces mais ricas, sem refreshs e com maior usabilidade” (Figura 4).
47

Figura 4 – RIA combina o melhor do Desktop, Web e Comunicações


Fonte: Focus Networks (2007)

Em 2002, a Macromedia usou o termo RIA utilizando o Flash como


ferramenta para o desenvolvimento (Figura 5). O seu IDE, nada familiar aos
programadores, foi provavelmente o grande responsável pelo fato dele não ter tido
uma grande aceitação por parte do público de TI. A resposta veio alguns anos mais
tarde com o lançamento Macromedia Flex, que oferece a este público uma forma
padronizada para o desenvolvimento de RIA para a Flash Platform. (DCLICK BLOG,
2007).
48

Figura 5 – Evolução das aplicações.


Fonte: Cfgigolô (2007)

Segundo Focus Networks (2007), RIA é definida pela Macromedia como a


combinação da melhor funcionalidade de interface das aplicações desktop, baixo
custo de desenvolvimento e o melhor da interatividade e comunicação multimídia. O
resultado final: uma aplicação provendo uma experiência para o usuário mais
intuitiva, rápida e efetiva (Figura 6). Para ser mais específico, utilizando o conceito
RIA temos:
• interfaces mais rápidas e práticas incluindo validações e formatações
em tempo real, sem a necessidade de inúmeros refreshs e/ou submits;
• comportamentos de objetos como drag-and-drop;
• a habilidade de trabalhar on-line e off-line;
• manutenção instantânea da aplicação, pois está na web;
• a utilização de download progressivo de dados e conteúdo, de acordo
com a banda do usuário;
• e por fim, incorporar o melhor das duas funcionalidades da
comunicação: interatividade de áudio e vídeo.

Figura 6 – Benefícios das RIAs


Fonte: França, 2007
49

Gráfico 2 – Comparação do consumo da CPU


Fonte: França, 2007
Saleiro et al (2007) aponta algumas vantagens das RIAs, entre elas, uma
menor utilização do tráfego de rede e CPU em aproximadamente 90% a menos na
comunicação do cliente e servidor e melhor utilização de processamento distribuídos
em camadas, comparado com as aplicações desenvolvidas utilizando web 1.0
(Gráfico 2). Outra vantagem é que os utilizadores das aplicações web 1.0 distraem-
se facilmente devido aos segundos que demoram ao passar de uma página para
outra. Além disso, as RIAs podem rodar independentemente do sistema operacional
e browser, e inclusive em dispositivos móveis.
O mesmo autor identifica a grande desvantagem bastante polêmica
gerada pelo surgimento das RIAs, o fato das RIAs serem executadas no browser,
faz que o visitante espere que as funcionalidades do browser sejam utilizáveis:
voltar, avançar, favoritos, localizar, entre outros. Contudo, como as RIAs estão
dentro de uma única página não é possível voltar e avançar para uma outra página
que não existe. Diferente de páginas em HTML os RIAs possuem estados que são
acionados pelas ações dos usuários.
Após analisarmos cuidadosamente as ferramentas, técnicas e conceitos
disponíveis para o desenvolvimento de aplicações para internet, levando,
principalmente, em consideração a organização do código-fonte, o desempenho, o
tempo de resposta entre o cliente e servidor, a padronização da arquitetura e das
50

linguagens, optamos em utilizar o Adobe Flex como ferramenta de desenvolvimento


do software ArqMax 2008. No tópico sobre o Flex, abordamos outras questões que
possibilitam entender melhor o motivo desta escolha.

3.2 FLEX

O Flex é a solução mais completa e potente para criar e fornecer


aplicativos ricos para Internet (RIAs). Ele permite que as organizações criem
aplicativos personalizados, incluindo recursos multimídia, que melhorem
significativamente a experiência do usuário, revolucionando o modo como as
pessoas interagem com a web (ADOBE, 2007).
Como o Flex é uma tecnologia front-end, a parte do sistema que interage
diretamente com o usuário, é necessário utilizar uma tecnologia back-end para
efetuar a comunicação com o banco de dados. O Flex possui suporte a uma
variedade de técnicas de comunicação a dados remotos, que, segundo Kazoun et al
(2007), são divididos em três categorias, descritas abaixo.

1) HTTP request/response-style communication: This category consists


of several overlapping techniques. Utilizing the Flex framework HTTPService
component or the Flash Player API URLLoader class, you can send and load
uncompressed data such as text blocks, URL encoded data, and XML
packets. You can also send and receive SOAP packets using the Flex
framework WebService component. And you can use a technology called
Flash Remoting to send and receive AMF packets, which use a binary
protocol that is similar to SOAP (but considerably smaller). Each technique
achieves the similar goal of sending requests and receiving responses using
HTTP or HTTPS;
2) Real-time communication: This category consists of persistent socket
connections. Flash Player supports two types of socket connections: those
that require a specific format for packets (XMLSocket) and those that allow
raw socket connections (Socket). In both cases, the socket connection is
persistent between the client and the server, allowing the server to push data
to the client—something not possible using standard HTTP
request/response-style techniques;
3) File upload/download communication: This category consists of the
FileReference API which is native to Flash Player and allows file upload and
download directly within Flex applications (KAZOUN et al, 2007).

Lueders (2007) apresenta uma análise interessante do desempenho das


principais técnicas de comunicação do Flex e AJAX. O teste consiste em uma
51

aplicação que retorna cinco mil linhas e apresenta na tela. Observe os resultados
obtidos no quadro abaixo (Quadro 8).

Tecnologia Tempo de espera Tráfego de rede


AJAX e HTML 11.3 segundos 1.5 mb
AJAX e SOAP 14.2 segundos 1.1 mb
AJAX e XML 14.8 segundos 1.1 mb
Flex e SOAP 11.9 segundos 1.1 mb
Flex e XML 8.5 segundos 1.1 mb
Flex e Flash Remoting 1.3 segundos 85.9 kb

Quadro 8 – Performance do Flex


Fonte: LUEDERS (2007)

Neste teste (Quadro 8), observa-se a grande diferença de desempenho


das tecnologias Flex e AJAX, principalmente quando a tecnologia Flash Remoting é
utilizada. O SOAP e XML são suportados pelo Flex por serem padrões da Internet,
na verdade são recomendados para aplicações de baixo desempenho, porque eles
utilizam texto não compactado na comunicação, gerando um tráfego de rede maior,
tornando-se assim, a comunicação mais lenta.
52

Figura 7 – Entendendo o Flash Remoting


Fonte: Adobe (2007)

Para obter melhor desempenho da rede e conseqüentemente um tempo


de resposta da aplicação menor, principalmente para organizações, de médio e
grande porte, que possuem uma grande base de dados e precisam da informação
em menor tempo para a tomada de decisão, é recomendado utilizar a tecnologia
Flash Remoting.
Conforme Wikipedia (2007), a tecnologia Flash Remoting pode ser
definida, resumidamente, como um gateway, uma porta de ligação, entre o Client-
Side, aplicação que roda no lado do cliente, neste caso o Flash Player, e o Server-
Side, aplicação que roda no lado do servidor, como por exemplo, o Java, ColdFusion
e PHP (Figura 7). É a tecnologia, baseada em SOAP, que permite a comunicação
direta do Flash Player com o servidor, através de um gateway, utilizando o formato
de comunicação de dados compactados, em modo binário, chamado de Action
Message Format – AMF (LEAL, 2007).
53

Segundo Saleiro (2007), o Flash Remoting efetua automaticamente a


conversão dos objetos ActionScript, do Client-Side, para objetos da linguagem do
Server-Side e vice-versa. O programador pode desenvolver RIAs sem saber o que é
AMF, porque a conversão do formato dos dados é automática (Figura 8).

Figura 8 – Funcionamento do Flash Remoting


Fonte: Leal (2007)

Atualmente existem duas versões do AMF, o AMF0 e AMF3. O AMF0


surgiu com a primeira versão do Flex que suportava a linguagem de programação
ActionScript 2. Com o lançamento do ActionScript 3, suportado pelo Flex 2 e que é
totalmente orientada a objetos, o AMF0 precisou ser atualizado, surgindo o AMF3
(TERRACINI, 2007).
Segundo Terracini (2007), o AMF possui um conjunto de funcionalidades
que fazem a serialização, tradução, dos objetos enviados do client-side para o
server-side e vice-versa. A comunicação utilizando AMF possui um desempenho e
uma padronização maior da aplicação, já que os objetos são automaticamente
convertidos e a comunicação é efetuada formato binário, diferente das outras
54

técnicas que usam XML, por este motivo o tráfego de rede gerado é
conseqüentemente menor.
Após a análise das técnicas de comunicação suportadas pelo Flex,
optamos pela tecnologia Flash Remoting, como sendo a técnica mais adequada
para o desenvolvimento deste projeto. Em seguida, analisaremos a linguagem de
programação para servidores de Internet, a qual vamos utilizar.

3.3 LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO PARA SERVIDORES DE INTERNET

Atualmente, escolher uma linguagem de programação free para Internet é


uma tarefa relativamente fácil, já que elas, de maneira geral, possuem uma boa
documentação disponível em livros, revistas e na própria Internet.
Geralmente, as questões analisadas são a compatibilidade com as
plataformas, os recursos que estão disponíveis e a facilidade de desenvolvimento.
Todavia neste projeto, uma questão que possui maior relevância é o suporte a um
framework que implemente AMF3 para a comunicação com a aplicação em Flex.
Atualmente há várias tecnologias consolidadas para Internet, entre elas
analisaremos detalhadamente o J2EE e o PHP, com o objetivo de identificar a
melhor opção para o desenvolvimento deste projeto.

3.3.1 Java 2 Platform, Enterprise Edition – J2EE

O J2EE é um conjunto de especificações coordenadas e um guia de


práticas que juntos permitem o desenvolvimento, instalação, execução e
gerenciamento de aplicações multicamadas no servidor. É uma plataforma completa,
robusta, estável, segura e de alta performance, voltada para o desenvolvimento de
soluções corporativas. O principal objetivo do J2EE é reduzir a complexidade e o
tempo, conseqüentemente o custo do desenvolvimento de aplicações corporativas
(SUN, 2007).
55

Conforme Projects Open Source Flash (2007), atualmente há dois


frameworks free que implementam o AMF: o OPENAMF e o Granite Data Services –
GDS.
O OPENAMF é um projeto free e open-source alternativo ao software
proprietário Macromedia Flash Remoting for J2EE. Foi desenvolvido com o objetivo
de fornecer serviços AMF para o Macromedia Flash MX. O projeto OPENAMF
começou após o AMFPHP. A última versão disponível é de 5 de abril de 2006, que
suporta apenas o AMF0 (OPENAMF, 2007).
O GDS é um projeto free e open-source alternativo ao Adobe LiveCycle
(Flex 2) Data Services for J2EE (Granite Data Services, 2007).
É a solução free e open-source mais robusta e completa, disponível
atualmente, como alternativa aos softwares proprietários da Adobe. Em
contrapartida o GDS é uma solução relativamente nova que está sendo
freqüentemente atualizada. Conforme Granite Data Services (2007), a primeira
versão disponível para download foi em julho de 2007. Devido a este fato, não
podemos confiar em uma versão consideravelmente sem falhas, estável e segura.

3.3.2 Hypertext Preprocessor – PHP

O PHP é uma linguagem que vem crescendo a cada dia, segundo


Netcraft (2007), no mês de janeiro de 2003 havia mais de 10 milhões de sites e em
janeiro de 1999 eram menos de 50 mil.
Além disso, o PHP vem crescendo tanto na aceitação pelos
desenvolvedores, como em novos recursos que estão sendo incorporados, em
desempenho e estabilidade, e no número de projetos, ferramentas, bibliotecas e
frameworks open-source e proprietários disponíveis.
Segundo Barbosa (2007), o PHP é uma das linguagens mais utilizadas na
internet, é indispensável que o mesmo evolua junto com o seu propósito de facilitar o
trabalho dos desenvolvedores. A partir daí, surgiu uma nova maneira de programar
em PHP utilizando a orientação a objetos. O mesmo autor identifica alguns recursos
que não estão disponíveis até então na versão atual do PHP, que são a criação de
56

variáveis a partir de seus tipos e o controle de eventos para tornar a orientação a


objetos mais dinâmica.
Conforme Projects Open Source Flash (2007), atualmente há dois
frameworks free que implementam o AMF: o SABREAMF e o AMFPHP.
O SABREAMF é um projeto free e open-source que suporta AMF3, em
contrapartida sua versão está em fase de testes.
O AMFPHP é um projeto free e open-source que suporta AMF3. Ele foi o
primeiro projeto como alternativa aos softwares proprietários da Adobe e é o mais
maduro existente. Inicialmente, ele foi utilizado por desenvolvedores que utilizavam
o Macromedia Flash MX para criar aplicações que interagem com dados dinâmicos.
Agora com o lançamento do Flex, incluiu suporte ao AMF3. Sua primeira versão foi
disponibilizada em meados de 2003 (AMFPHP, 2007).
Após analisarmos cuidadosamente as ferramentas que implementam o
AMF3, adotamos o AMFPHP, porque ele é a solução free que contém vários artigos,
conta com documentação e disponibiliza atualizações no site.

3.4 SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS – SGDBs

Atualmente escolher um SGDB não é uma tarefa tão simples, porque são
inúmeras variáveis que devem ser analisadas. Dependendo da escolha, o projeto
pode ter, por exemplo, um grande desempenho de execução, mas em conseqüência
uma baixa segurança. Outro ponto importante é quando nos referimos aos softwares
free, que não inclui suporte técnico e atualizações imediatas para correção de bugs.

Hoje, usar um SGBD livre para o desenvolvimento de uma aplicação


comercial ou um sistema de informação corporativo é uma opção a se
considerar. Deve-se, sobretudo, levar em conta os requisitos de
disponibilidade da aplicação e integridade dos dados, bem como o
desempenho mínimo aceitável (ZIMBRÃO, p. 16, 2006).

Para escolher qual SGBD utilizar no sistema ArqMax 2008, identificamos


os principais requisitos que o software deve atender, que são: desempenho,
segurança, limitações de uso do processador, memória e disco rígido e a
possibilidade de distribuir a base de dados em múltiplos discos rígidos.
57

Após uma seleção inicial identificamos dois SGBDs, o Firebird e


PostGreSQL.

3.4.1 Firebird

O Firebird foi desenvolvido a partir do código fonte do Borland Interbase


6, que foi liberado ao público no ano 2000.
Analisando os recursos, observamos que o Firebird não possui um
controle personalizável sobre a localização das tabelas, índices e outras estruturas
internas, ou seja, elas são gerenciadas automaticamente pelo SGBDs. Isso facilita a
instalação do software, mas impossibilita a customização da base de dados
(ZIMBRÃO, p.17, 2006).
Outra desvantagem identificada é em relação ao pouco tempo de
mercado deste produto, a documentação disponível é confusa e deficiente, além de
não ter muitos relatos de grandes corporações que utilizam grandes bases de dados
com vários usuários conectados ao mesmo tempo, como há em outros SGBDs free
(ZIMBRÃO, p.17, 2006).

3.4.2 PostgreSQL

O PostgreSQL é um poderoso SGDB objeto-relacional free e open-


source, criado a mais de 15 anos que pode ser instalado na maioria dos sistemas
operacionais (SMANIOTO, p. 28, 2006).
Conforme Postgresql (2007), a última versão do PostgreSQL foi lançada
em 7 de fevereiro de 2007. Mesmo sendo um projeto mantido por desenvolvedores
na Internet, pode-se observar um grande crescimento dos recursos disponíveis,
principalmente nesta última versão que foram adicionados suporte a tablespaces,
save points, point-in-time recovery, roles e Two-Phase Commit.
Segundo Smanioto (2006), o ponto fraco do PostgreSQL é a falta de
ferramentas front-end. Já que o PostgreSQL não possui serviços agregados, requer
58

um nível elevado de conhecimento para realizar algumas tarefas administrativas.


Outro ponto, é a grande diferença de performance do software quando executado no
sistema operacional Linux em relação ao Windows.
Hoje em dia, o PostgreSQL é um dos grandes concorrentes de grandes
empresas como a Oracle e a Microsoft. Além disso, os SGBDs destas empresas,
quando distribuídos de forma gratuita, possuem limitações em relação a versão
paga, por este motivo o PostgreSQL vem crescendo rapidamente.
O PostgreSQL apresenta excelentes funcionalidades, algumas delas
similares ou melhores que a de sistemas proprietários. Sobre as limitações (Quadro
9), ele é flexível e personalizável, por este motivo escolhemo-lo para o
desenvolvimento deste projeto.

Limite Valor
Tamanho máximo do banco de dados. Ilimitado.
Tamanho máximo de uma tabela. 32 TB.
Tamanho Maximo de uma linha da tabela. 1.6 TB.
Quantidade de linhas por tabela. Ilimitado.
Quantidade de colunas por tabela. 250 à 1600. Depende do tipo da coluna.
Quantidade de índex por tabela. Ilimitado.

Quadro 9 – Limitações do PostgreSQL


Fonte: Smanioto (p. 29, 2006)
59

4 SISTEMA PROPOSTO

Com o grande volume de documentos gerados pelas organizações, é


necessário organizá-los, de maneira otimizada, utilizando as técnicas da gestão
documental, para agilizar a tomada de decisão.
Atualmente, vivemos em um mercado competitivo, e com uma
concorrência cada vez mais forte e maior, por este motivo, as organizações,
principalmente aquelas que possuem filiais, precisam organizar a documentação de
maneira integrada, utilizando um único ambiente, é aí que entram os sistemas
responsáveis por gerenciar os documentos.
O ArqMax 2008 é um sistema gerenciador de documentos que foi criado
pensando principalmente nas pequenas e médias organizações, por este motivo, ele
foi desenvolvido utilizando as tecnologias sem custo na aquisição de licenças. As
tecnologias adotadas foram cuidadosamente analisadas, para que o sistema
obtenha grande desempenho, que é de fundamental importância devido ao fato que
o ArqMax 2008 ser a solução que integra os documentos da organização em um
único ambiente.
Este projeto obtém um desempenho otimizado da rede por utilizar as
técnicas padrões, atuais e eficazes, de distribuição de processamento em camadas.
Diferente dos sistemas antigos para Internet, ele utiliza conexões compactadas e
seguras com o servidor além de processamento na camada do cliente.
Com o ArqMax 2008 é possível:
• integrar todos os documentos em um único ambiente;
• gerenciar a temporalidade documental;
• arquivar documentos de qualquer tipo documental;
• acessar simultaneamente o mesmo documento eletrônico;
• consultar rapidamente os documentos físicos e eletrônicos;
• efetuar empréstimos e transferências;
• além de permitir uma visualização facilitada da estrutura física
documental da organização, ou seja, como estão organizados
hierarquicamente os arquivos em toda a organização.
60

4.1 VISÃO GERAL DO SISTEMA

Para facilitar o entendimento deste projeto, de uma maneira geral, é


interessante dividi-lo em três partes (Figura 9):
• a estação de trabalho conectada a rede;
• os serviços, disponibilizados às estações de trabalho, que atendem as
solicitações e acessam o banco de dados;
• o banco de dados que armazena as informações enviadas pelas
estações de trabalho.

 
 

Estação de trabalho Servidor provedor de serviços Banco de Dados

Figura 9 – Visão Geral do Sistema


Fonte: Elaboração dos autores, 2007

 

Figura 10 – Requisitos gerais para o funcionamento do sistema


Fonte: Elaboração dos autores, 2007

O usuário, através de um computador, com acesso a rede e navegador de


Internet com o plugin do Flash Player instalado, acessa o endereço do sistema
ArqMax, que está instalado no servidor web. Em back-end, o servidor web envia a
aplicação para o navegador, caso não esteja em cache. Após carregado, o sistema é
executado automaticamente e o usuário pode utilizar suas funcionalidades. As
61

tarefas realizadas pelos usuários, em back-end, são convertidas em solicitações aos


serviços do ArqMax. Estes serviços acessam o SGDB que executa transações na
base de dados e retorna os dados para o usuário (Figura 10).

4.2 ABRANGÊNCIA

O sistema abrangerá, principalmente, os processos básicos da gestão


documental, identificados no estudo de caso, que são descritos abaixo:

4.2.1 Processo de produção documental

Os documentos físicos produzidos pelo setor (Passo 1) são armazenados


nos arquivos (Passo 2). O inventário topográfico é elaborado (Passo 3) e
disponibilizado para o setor produtor e/ou autorizados (Passo 4) (Figura 11).

Organização
 Setor
Passo 1  Documento físico

Passo 4  Passo 2 
Inventário topográfico  Passo 3 Arquivo

Figura 11 – Processo de produção documental


Fonte: Elaboração dos autores, 2007

4.2.2 Processo de localização documental

O funcionário do setor desloca-se até o arquivo (Passo 1) e localiza o


documento desejado no inventário topográfico (Passo 2). O funcionário resgata o
documento (Passo 3) (Figura 12).
62

Organização
 Setor
Passo 1  Arquivo

Passo 2 
Documento físico  Passo 3 Inventário topográfico

Figura 12 – Processo de localização documental


Fonte: Elaboração dos autores, 2007

4.2.3 Processo de transferência e eliminação documental

Após o prazo de vigência, verificado na tabela de temporalidade, os


documentos do arquivo corrente podem ser:
a) transferidos para o Arquivo Intermediário e, após cumprirem a vigência
nesta idade, serem fragmentados, ou;
b) transferidos para o Arquivo Permanente, ou;
c) fragmentados (Figura 13).

Arquivo Corrente ou  Arquivo Intermediário

ou ou  e 
Arquivo Permanente Fragmentação

Figura 13 – Processo de transferência e eliminação documental


Fonte: Elaboração dos autores, 2007

4.3 LEVANTAMENTO DE REQUISITOS

O levantamento de requisitos é uma fase do desenvolvimento do sistema,


em que elaboramos um documento que contém todos os recursos que o sistema
deverá compreender. Ele é elaborado através da análise dos processos da área de
negócio junto aos usuários, com o objetivo de coletar informações para o projeto. A
63

seguir, apresentamos os requisitos identificados no estudo de caso para a


elaboração do sistema ArqMax 2008, são eles:
• requisitos do processo autenticar usuário, Quadro 10;
• requisitos do processo gerenciar estrutura física, Quadro 11;
• requisitos do processo gerenciar tipo documental, Quadro 12;
• requisitos do processo gerenciar documento, Quadro 13;
• requisitos do processo gerenciar empréstimo, Quadro 14;
• e, requisitos do processo gerenciar transferência, Quadro 15.

Requisitos Funcionais
F1: autenticar usuário Oculto ( )
Objetivo: restringir o acesso ao sistema
Requisitos Não Funcionais
Nome Restrição Categoria Desejável Obrigatório
NF 1.1 Proteção O acesso é bloqueado caso o usuário
contra fraude erre sua senha cinco vezes consecutivas Segurança X
no mesmo dia.
NF 1.2 Histórico Manter um histórico do acesso a função. Segurança X

Quadro 10 – Requisitos do Processo Autenticar Usuário


Fonte: Elaboração dos autores, 2007

Requisitos Funcionais
F2: gerenciar estrutura física organizacional Oculto ( )
Objetivo: criar, modificar e excluir item da estrutura física organizacional
Requisitos Não Funcionais
Nome Restrição Categoria Desejável Obrigatório
NF 2.1 Proteção Somente usuários autenticados e
contra fraude autorizados podem executar esta Segurança X
função.
NF 2.2 Backup Ao excluir, manter uma cópia de
temporário de segurança por um tempo determinado,
Segurança X
exclusão de para evitar perda acidental de
dados informações.
NF 2.3 Histórico Manter um histórico do acesso a função Segurança X
NF 2.4 Proteção Não permitir a exclusão de um item da
contra efeito estrutura física organizacional que Segurança X
cascata contenha outro item associado a ele.
NF 2.5 Proteção
contra exclusão Exibir tela de confirmação de exclusão. Segurança X
acidental

Quadro 11 – Requisitos do Processo Gerenciar Estrutura Física Organizacional


Fonte: Elaboração dos autores, 2007
64

Requisitos Funcionais
F3: gerenciar tipo documental Oculto ( )
Objetivo: criar, modificar e excluir tipo documental
Requisitos Não Funcionais
Nome Restrição Categoria Desejável Obrigatório
NF 3.1 Proteção Somente usuários autenticados e
Segurança X
contra fraude autorizados podem executar esta função.
NF 3.2 Backup Ao excluir, manter uma cópia de
temporário de segurança por um tempo determinado,
Segurança X
exclusão de para evitar perda acidental de
dados informações.
NF 3.3 Histórico Manter um histórico do acesso a função. Segurança X
NF 3.4 Proteção Não permitir a exclusão do tipo
contra efeito documental que contenham documentos Segurança X
cascata indexados.
NF 3.5 Proteção
contra exclusão Exibir tela de confirmação de exclusão. Segurança X
acidental

Quadro 12 – Requisitos do Processo Gerenciar Tipo Documental


Fonte: Elaboração dos autores, 2007

Requisitos Funcionais
F4: gerenciar documento Oculto ( )
Objetivo: criar, modificar e excluir documento
Requisitos Não Funcionais
Nome Restrição Categoria Desejável Obrigatório
NF 4.1 Proteção Somente usuários autenticados e
contra fraude autorizados podem executar esta Segurança X
função.
NF 4.2 Backup Ao excluir, manter uma cópia de
temporário de segurança por um tempo determinado,
Segurança X
exclusão de para evitar perda acidental de
dados informações.
NF 4.3 Histórico Manter um histórico do acesso a função. Segurança X
NF 4.4 Proteção Exibir confirmação de exclusão,
contra efeito perguntando ao usuário se ele deseja
cascata remover os documentos arquivísticos Segurança X
digitais vinculados ao documento
arquivistico convencional.
NF 4.5 Proteção
contra exclusão Exibir tela de confirmação de exclusão. Segurança X
acidental

Quadro 13 – Requisitos do Processo Gerenciar Documento


Fonte: Elaboração dos autores, 2007
65

Requisitos Funcionais
F5: gerenciar empréstimo Oculto ( )
Objetivo: efetuar empréstimo e devolução de documentos
Requisitos Não Funcionais
Nome Restrição Categoria Desejável Obrigatório
NF 5.1 Proteção Somente usuários autenticados e
Segurança X
contra fraude autorizados podem executar esta função.
NF 5.2 Histórico Manter um histórico do acesso a função. Segurança X

Quadro 14 – Requisitos do Processo Gerenciar Empréstimo


Fonte: Elaboração dos autores, 2007

Requisitos Funcionais
F6: gerenciar transferência Oculto ( )
Objetivo: efetuar transferência e recepção de documentos
Requisitos Não Funcionais
Nome Restrição Categoria Desejável Obrigatório
NF 6.1 Proteção Somente usuários autenticados e
contra fraude autorizados podem executar esta Segurança X
função.
NF 6.2 Histórico Manter um histórico do acesso a
Segurança X X
função.

Quadro 15 – Requisitos do Processo Gerenciar Transferência


Fonte: Elaboração dos autores, 2007

4.4 DIAGRAMA DE SERVIÇOS

O sistema é composto por seis serviços (Figura 14) que contêm métodos
responsáveis por acessar o banco de dados e retornar as informações solicitadas
para a aplicação.
Os serviços implementados no sistema proposto são:
• gerenciar usuário, composto por quatro métodos:
 autenticar usuário, Quadro 16;
 adicionar usuário, Quadro 17;
 modificar usuário, Quadro 18;
 e, remover usuário, Quadro 19.
• gerenciar estrutura física organizacional, composto por três métodos:
 adicionar item, Quadro 20;
66

 modificar item,Quadro 21;


 e, remover item, Quadro 22.
• gerenciar documento, composto por quatro métodos:
 indexar documento, Quadro 23;
 localizar documento, Quadro 24;
 modificar índice, Quadro 25;
 e, eliminar documento, Quadro 26.
• gerenciar tipo documental, composto por três métodos:
 adicionar tipo documental, Quadro 27;
 remover tipo documental, Quadro 28;
 e, modificar tipo documental, Quadro 29;
• gerenciar empréstimo, composto por dois métodos:
 efetuar empréstimo, Quadro 30;
 e, efetuar devolução, Quadro 31.
• e, gerenciar transferência, composto por dois métodos:
 efetuar transferência, Quadro 32;
 e, efetuar recepção, Quadro 33.
67

Figura 14 – Diagrama de Serviços do ArqMax 2008


Fonte: Elaboração dos autores, 2007

Método: autenticar usuário.


Objetivo: restringir o acesso ao sistema.
Pré-condições: o usuário deve estar com os requisitos básicos do sistema disponíveis em seu
computador, conforme o item 4.1 Visão Geral do Sistema, para poder ter acesso a tela de
autenticação.
Pós-condições: as funções do sistema são liberadas para o usuário.
Procedimento
1. Acessar o sistema ArqMax 2008;
2. nele, há dois tipos de autenticação:
2a) modo público:
2a.1) clique no link entrar sem cadastro;
2a.2) o acesso é liberado no modo público.
2b) modo privado:
2b.1) informe o apelido e senha e clique no botão entrar;
2b.2) seus dados serão verificados;
2b.3) o acesso é liberado.

Quadro 16 – Método Autenticar Usuário do Serviço Gerenciar Usuário


Fonte: Elaboração dos autores, 2007
68

Método: adicionar usuário.


Objetivo: adicionar usuário ao sistema.
Pré-condições: o usuário precisa ter permissão para administrar usuário.
Pós-condições: um novo usuário é adicionado.
Procedimento
1. Acessar o sistema ArqMax 2008;
2. entrar no modo privado;
3. acesse o menu Administrar e a opção Usuário;
4. na tela que se abrirá, clique no item da estrutura organizacional que você deseja adicionar o
usuário;
5. com o item selecionado, clique no botão adicionar;
6. na tela que se abrirá, preencha os dados do usuário;
7. clique no botão ok;
8. o usuário é adicionado.

Quadro 17 – Método Adicionar Usuário do Serviço Gerenciar Usuário


Fonte: Elaboração dos autores, 2007

Método: modificar usuário.


Objetivo: modificar o cadastro do usuário.
Pré-condições: o usuário precisa ter permissão para administrar usuário.
Pós-condições: o cadastro do usuário do sistema é modificado.
Procedimento
1. Acessar o sistema ArqMax 2008;
2. entrar no modo privado;
3. acesse o menu Administrar e a opção Usuário;
4. na tela que se abrirá, clique no usuário que você deseja modificar;
5. com o usuário selecionado, clique no botão modificar;
6. na tela que se abrirá, modifique os dados do usuário;
7. clique no botão ok;
8. o cadastro do usuário é modificado.

Quadro 18 – Método Modificar Usuário do Serviço Gerenciar Usuário


Fonte: Elaboração dos autores, 2007

Método: remover usuário.


Objetivo: remover usuário do sistema.
Pré-condições: o usuário precisa ter permissão para administrar usuário.
Pós-condições: um usuário é removido do sistema.
Procedimento
1. Acessar o sistema ArqMax 2008;
2. entrar no modo privado;
3. acesse o menu Administrar e a opção Usuário;
4. na tela que se abrirá, clique no usuário que você deseja remover;
5. com o usuário selecionado, clique no botão remover;
6. o usuário é removido.

Quadro 19 – Método Remover Usuário do Serviço Gerenciar Usuário


Fonte: Elaboração dos autores, 2007
69

Método: adicionar item.


Objetivo: adicionar item na estrutura física organizacional.
Pré-condições: o usuário precisa ter permissão para administrar a estrutura organizacional.
Pós-condições: um novo item da estrutura organizacional é adicionado no sistema.
Procedimento
1. Acessar o sistema ArqMax 2008;
2. entrar no modo privado;
3. acesse o menu Administrar, opção Estrutura organizacional;
4. na tela que se abrirá, clique no item da estrutura organizacional que você deseja adicionar o novo
item;
5. com o item selecionado, clique no botão adicionar;
6. na tela que se abrirá, preencha os dados do item;
7. clique no botão ok;
8. o item é adicionado.

Quadro 20 – Método Adicionar Item do Serviço Gerenciar Estrutura Física Organizacional


Fonte: Elaboração dos autores, 2007

Método: modificar item.


Objetivo: modificar item da estrutura física organizacional.
Pré-condições: o usuário precisa ter permissão para administrar a estrutura organizacional.
Pós-condições: o item da estrutura organizacional é modificado.
Procedimento
1. Acessar o sistema ArqMax 2008;
2. entrar no modo privado;
3. acesse o menu Administrar, opção Estrutura organizacional;
4. na tela que se abrirá, clique no item que você deseja modificar;
5. com o item selecionado, clique no botão modificar;
6. na tela que se abrirá, modifique os dados do Item;
7. clique no botão ok;
8. o item é modificado.

Quadro 21 – Método Modificar Item do Serviço Gerenciar Estrutura Física Organizacional


Fonte: Elaboração dos autores, 2007

Método: remover item.


Objetivo: remover item da estrutura física organizacional.
Pré-condições: o usuário precisa ter permissão para administrar a estrutura organizacional.
Pós-condições: o item da estrutura organizacional é removido do sistema.
Procedimento
1. Acessar o sistema ArqMax 2008;
2. entrar no modo privado;
3. acesse o menu Administrar, opção Estrutura organizacional;
4. na tela que se abrirá, clique no item que você deseja remover;
5. com o item selecionado, clique no botão remover;
6. o item é removido.

Quadro 22 – Método Remover Item do Serviço Gerenciar Estrutura Física Organizacional


Fonte: Elaboração dos autores, 2007
70

Método: indexar documento.


Objetivo: cadastrar o documento no sistema.
Pré-condições: o usuário precisa ter permissão para indexar documentos do tipo documental
desejado.
Pós-condições: um novo documento é cadastrado no sistema.
Procedimento
1. Acessar o sistema ArqMax 2008;
2. entrar no modo privado;
3. acesse o menu Documento, opção Indexar;
4. na tela que se abrirá, selecione o tipo documental que deseja indexar, em seguida clique no botão
prosseguir;
5. selecione o setor produtor do documento, e clique no botão prosseguir;
6. preencha as informações do documento;
7. clique no botão indexar;
8. o documental é indexado.

Quadro 23 – Método Indexar Documento do Serviço Gerenciar Documento


Fonte: Elaboração dos autores, 2007

Método: localizar documento.


Método: localizar documento.
Pré-condições: o usuário precisa ter permissão para localizar documentos do tipo documental
desejado.
Pós-condições: o documento é localizado.
Procedimento
1. Acessar o sistema ArqMax 2008;
2. entrar em um dos modos de autenticação:
2a) modo privado:
2a.1) acesse o menu Documento, opção localizar;
2a.2) na tela que se abrirá, insira as informações para filtrar a pesquisa;
2a.3) clique no botão localizar;
2a.4) o documental é localizado.
2b) modo público:
2b.1) na tela que se abrirá, insira as informações para filtrar a pesquisa;
2b.2) clique no botão localizar;
2b.3) o documental é localizado.

Quadro 24 – Método Localizar Documento do Serviço Gerenciar Documento


Fonte: Elaboração dos autores, 2007

Método: modificar índice.


Objetivo: modifica o cadastro do documento.
Pré-condições: o usuário precisa ter permissão para indexar documentos do tipo documental
desejado. O usuário deve estar com a lista de resultados de localização de documentos aberta,
conforme o procedimento do quadro 19.
Pós-condições: o cadastro do documento é modificado.
Procedimento
1. Com a lista de resultados aberta;
2. selecione o documento desejado na lista;
3. clique no botão modificar;
4. na tela que se abrirá, modifique os dados do documento;
5. clique no botão ok;
6. o índice é modificado.

Quadro 25 – Método Modificar Índice do Serviço Gerenciar Documento


Fonte: Elaboração dos autores, 2007
71

Método: eliminar documento.


Objetivo: elimina o documento do sistema.
Pré-condições: o usuário precisa ter permissão para indexar documentos do tipo documental
desejado. O usuário deve estar com a lista de resultados de localização de documentos aberta,
conforme o procedimento do quadro 19.
Pós-condições: o cadastro do documento é eliminado do sistema.
Procedimento
1. Com a lista de resultados aberta;
2. selecione os documentos desejados na lista;
3. clique no botão eliminar;
4. na tela que se abrirá, responda se deseja eliminar os documentos em formato físico, eletrônico ou
ambos;
5. os documentos são eliminados.

Quadro 26 – Método Eliminar Documento do Serviço Gerenciar Documento


Fonte: Elaboração dos autores, 2007

Método: adicionar tipo documental.


Objetivo: adicionar tipo documental no sistema.
Pré-condições: o usuário precisa ter permissão para gerenciar tipo documental.
Pós-condições: um novo tipo documental é cadastrado no sistema.
Fluxo Normal do Processo
1. Acessar o sistema ArqMax 2008;
2. entrar no modo privado;
3. acesse o menu Administrar, opção Tipo documental.
4. clique em adicionar;
5. na tela que se abrirá, preencha os dados do tipo documental;
6. após preencher os dados, clique na aba Índices;
7. clique no botão adicionar da parte superior, e adicione os índices desejados;
8. clique no botão adicionar da janela principal para finalizar;
9. o tipo documental é adicionado.

Quadro 27 – Método Adicionar Tipo Documental do Serviço Gerenciar Tipo Documental


Fonte: Elaboração dos autores, 2007

Método: remover tipo documental.


Objetivo: remover tipo documental do sistema.
Pré-condições: o usuário precisa ter permissão para administrar tipo documental.
Pós-condições: o tipo documental é removido do sistema.
Fluxo Normal do Processo
1. Acessar o sistema ArqMax 2008;
2. entrar no modo privado;
3. acesse o menu Administrar, opção Tipo documental;
4. na tela que se abrirá, clique no tipo documental que você deseja remover;
5. com o tipo documental selecionado, clique no botão remover;
6. o tipo documental é removido.

Quadro 28 – Método Remover Tipo Documental do Serviço Gerenciar Tipo Documental


Fonte: Elaboração dos autores, 2007
72

Método: modificar tipo documental.


Objetivo: modificar tipo documental do sistema.
Pré-condições: o usuário precisa ter permissão para administrar tipo documental.
Pós-condições: o tipo documental é modificado.
Fluxo Normal do Processo
1. Acessar o sistema ArqMax 2008;
2. entrar no modo privado;
3. acesse o menu Administrar, opção Tipo documental;
4. na tela que se abrirá, clique no tipo documental que você deseja modificar;
5. com o tipo documental selecionado, clique no botão modificar;
6. na tela que se abrirá, modifique os dados do tipo documental;
7. após modificar os dados, clique na aba Índices;
8. se necessário adicione, remova ou altere os índices existentes;
9. clique no botão modificar;
10. o tipo documental é modificado.

Quadro 29 – Método Modificar Tipo Documental do Serviço Gerenciar Tipo Documental


Fonte: Elaboração dos autores, 2007

Método: efetuar empréstimo.


Objetivo: efetuar empréstimo de documentos.
Pré-condições: o usuário precisa ter permissão para emprestar documentos do tipo documental
desejado.
Pós-condições: o empréstimo é registrado no sistema.
Fluxo Normal do Processo
1. Acessar o sistema ArqMax 2008;
2. entrar no modo privado;
3. acesse o menu Efetuar, opção Empréstimo;
4. preencha os dados do empréstimo;
5. adicione os códigos de identificação dos documentos que deseja emprestar e clique em adicionar;
6. clique no botão registrar para finalizar;
7. o empréstimo é registrado.

Quadro 30 – Método Efetuar Empréstimo do Serviço Gerenciar Empréstimo


Fonte: Elaboração dos autores, 2007

Método: efetuar devolução.


Objetivo: efetuar devolução de documentos emprestados.
Pré-condições: o usuário precisa ter permissão para efetuar recebimento de documentos.
Pós-condições: a devolução é registrada no sistema.
Fluxo Normal do Processo
1. Acessar o sistema ArqMax 2008;
2. entrar no modo privado;
3. acesse o menu Efetuar, opção Devolução;
4. adicione os códigos de identificação dos documentos que deseja devolver e clique em adicionar;
5. clique no botão registrar para finalizar;
6. a devolução é registrada.

Quadro 31 – Método Efetuar Devolução do Serviço Gerenciar Empréstimo


Fonte: Elaboração dos autores, 2007
73

Método: efetuar transferência.


Objetivo: efetuar empréstimo de documentos.
Pré-condições: o usuário precisa ter permissão para transferir documentos do tipo documental
desejado.
Pós-condições: a transferência é registrada no sistema.
Fluxo Normal do Processo
1. Acessar o sistema ArqMax 2008;
2. entrar no modo privado;
3. acesse o menu Efetuar, opção Transferência;
4. selecione os documentos que deseja transferir;
5. preencha as informações de destino da transferência;
6. clique no botão registrar para finalizar;
7. a transferência é registrada.

Quadro 32 – Método Efetuar Transferência do Serviço Gerenciar Transferência


Fonte: Elaboração dos autores, 2007

Método: efetuar recepção.


Objetivo: efetuar recepção de documentos transferidos.
Pré-condições: o usuário precisa ter permissão para efetuar recepção de documentos.
Pós-condições: a recepção é registrada no sistema.
Fluxo Normal do Processo
1. Acessar o sistema ArqMax 2008;
2. entrar no modo privado;
3. acesse o menu Efetuar, opção Recepção;
4. selecione os documentos a receber;
5. altere sua localização física;
6. clique no botão registrar para finalizar;
6. o recebimento é registrado.

Quadro 33 – Método Efetuar Recepção do Serviço Gerenciar Transferência


Fonte: Elaboração dos autores, 2007

4.5 DIAGRAMA DE CLASSE

O diagrama de classe é responsável por apresentar os vários tipos de


objetos do sistema e a forma que eles se relacionam entre si.
74

Figura 15 – Diagrama de Classe


Fonte: Elaboração dos autores, 2007
75

O sistema é composto por doze classes, apresentadas na Figura 15, que


são:
• UsuarioVO, Quadro 34;
• TipoVO, Quadro 35
• PermissaoTipoVO, Quadro 36;
• CampoTipoVO , Quadro 37;
• ItemEstruturaVO, Quadro 38;
• ArquivoVO , Quadro 39;
• DocumentoVO , Quadro 40;
• CampoDocumentoVO,Quadro 41;
• EmprestimoVO, Quadro 42;
• ItemEmprestimoVO , Quadro 43;
• TransferenciaVO, Quadro 44;
• ItemTransferenciaVO, Quadro 45.

Classe: UsuarioVO
Descrição: mantém os dados do usuário.
Atributos
Nome Tipo Descrição
codigo int Código do usuário.
nome String Nome do usuário.
email String Endereço de e-mail do usuário.
sexo String Sexo do usuário.
A estrutura física organizacional é exibida a partir deste
estrutura int
setor. Geralmente é o código do setor do usuário.
administrar_usuario Boolean Permissão para administrar usuários.
administrar_tipo Boolean Permissão para administrar tipos documentais.
Permissão para administrar a estrutura física
administrar_estrutura Boolean
organizacional.
permissao_tipo ArrayCollection Carrega as permissões de acesso do tipo documental.
Lista de tipos documentais que usuário possui permissão
tipo_indexar ArrayCollection
para indexar.
Lista de tipos documentais que usuário possui permissão
tipo_localizar ArrayCollection
para localizar.
Lista de setores produtores que é exibida na tela de
estrutura_produtor ArrayCollection
localização de documentos.
enabled Boolean Restrição que habilita ou não o botão excluir usuário.

Quadro 34 – Classe UsuarioVO


Fonte: Elaboração dos autores, 2007
76

Classe: TipoVO
Descrição: mantêm os dados do tipo documental.
Atributos
Nome Tipo Descrição
codigo int Código do tipo documental.
nome String Nome do tipo documental.
campos ArrayCollection Lista de campos do tipo documental.
destinação_final String Destinação final do documento: eliminar ou preservar.
Prazo de guarda, em meses, no arquivo corrente
prazo_corrente int
conforme a tabela de temporalidade.
Prazo de guarda, em meses, no arquivo intermediário
prazo_intermediario int
conforme a tabela de temporalidade.
Restrição que habilita ou não o botão excluir tipo
enabled Boolean
documental.

Quadro 35 – Classe TipoVO


Fonte: Elaboração dos autores, 2007

Classe: PermissaoTipoVO
Descrição: mantêm os dados das permissões de acesso do usuário.
Atributos
Nome Tipo Descrição
Código do usuário que está sendo aplicada a permissão
usuario int
de acesso.
Código do tipo documental que está sendo aplicada a
tipo int
permissão de acesso.
Código do produtor que está sendo aplicada a permissão
produtor int
de acesso.
administrar_documento Boolean Permissão para indexar documentos.
efetuar_emprestimo Boolean Permissão para emprestar documentos.
efetuar_transferencia Boolean Permissão para transferir documentos.

Quadro 36 – Classe PermissaoTipoVO


Fonte: Elaboração dos autores, 2007

Classe: CampoTipoVO
Descrição: mantêm os dados dos campos do tipo documental.
Atributos
Nome Tipo Descrição
codigo int Código do campo do tipo documental.
nome String Nome do campo do tipo documental.
tipo_dado String Tipo de dado que será armazenado.
requerido Boolean Se este campo é de preenchimento obrigatório ou não.

Quadro 37 – Classe CampoTipoVO


Fonte: Elaboração dos autores, 2007
77

Classe: ItemEstruturaVO
Descrição: mantêm os dados dos itens da estrutura física organizacional.
Atributos
Nome Tipo Descrição
codigo int Código do item.
children ArrayCollection Itens subordinados a este item.
tipo String Tipo do item, como estante e caixa, por exemplo.
nome String Nome do item.
Restrição que habilita ou não o botão excluir tipo
enabled Boolean
documental.

Quadro 38 – Classe ItemEstruturaVO


Fonte: Elaboração dos autores, 2007

Classe: ArquivoVO
Descrição: mantêm os arquivos eletrônicos.
Atributos
Nome Tipo Descrição
codigo int Código do arquivo eletrônico.
descrição String Descrição do arquivo eletrônico.
extensao String Extensão do arquivo.
Arquivo eletrônico que será armazenado no banco de
arquivo FileReference
dados.

Quadro 39 – Classe ArquivoVO


Fonte: Elaboração dos autores, 2007

Classe: DocumentoVO
Descrição: mantêm os dados dos documentos que são indexados.
Atributos
Nome Tipo Descrição
codigo int Código do documento.
campos ArrayCollection Campos do documento.
tipo int Tipo documental do documento.
Código do item da estrutura que está acondicionado o
localizacao int
documento.
endereco_localizacao String Hierarquia completa da localização física do documento.
produtor int Código do setor que produziu o documento.
endereco_produtor String Hierarquia completa da localização do produtor do
documento.
data_producao String Mês e ano de produção do documento.
descricao String Descrição do documento.
status String Disponibilidade do documento
arquivos ArrayCollection Arquivos eletrônicos anexados a este documento

Quadro 40 – Classe DocumentoVO


Fonte: Elaboração dos autores, 2007
78

Classe: CampoDocumentoVO
Descrição: mantêm os dados dos índices do documento.
Atributos
Nome Tipo Descrição
campo_tipo int Código do campo do tipo documental.
valor String Valor do índice do documento.

Quadro 41 – Classe CampoDocumentoVO


Fonte: Elaboração dos autores, 2007

Classe: EmprestimoVO
Descrição: mantêm os dados do empréstimo.
Atributos
Nome Tipo Descrição
codigo int Código do empréstimo.
item_emprestimo ArrayCollection Itens do empréstimo.
data String Data do empréstimo.
solicitante UsuarioVO Usuário que pegou emprestado.
atendente UsuarioVO Usuário que emprestou.

Quadro 42 – Classe EmprestimoVO


Fonte: Elaboração dos autores, 2007

Classe: ItemEmprestimoVO
Descrição: mantêm os dados dos itens do empréstimo.
Atributos
Nome Tipo Descrição
documento int Código do documento associado ao empréstimo.
data_devolucao String Data de devolução do documento.
atendente_devolucao int Código do usuário que efetuou a devolução.

Quadro 43 – Classe ItemEmprestimoVO


Fonte: Elaboração dos autores, 2007

Classe: TransferenciaVO
Descrição: mantêm os dados da transferência.
Atributos
Nome Tipo Descrição
codigo int Código da transferência.
item_transferencia ArrayCollection Itens da transferência.
Data String Data da transferência.
solicitante UsuarioVO Usuário que solicitou a transferência.
Código do setor para onde os documentos serão ou
destino int
foram transferidos.

Quadro 44 – Classe TransferenciaVO


Fonte: Elaboração dos autores, 2007
79

Classe: ItemTransferenciaVO
Descrição: mantêm os dados dos itens da transferência.
Atributos
Nome Tipo Descrição
documento int Código do documento associado à transferência.
data_recepcao String Data da recepção do documento.
usuario_recepcao UsuarioVO Usuário que efetuou a recepção do documento.

Quadro 45 – Classe ItemTransferenciaVO


Fonte: Elaboração dos autores, 2007

4.6 DIAGRAMA DE PACOTES

Os pacotes servem para organizar as classes que compõem a aplicação.


Como o projeto efetua a comunicação através de serviços web, o mesmo fica
dividido em duas partes:
• a camada da aplicação ou view, que consiste em uma ferramenta de
trabalho, o sistema informatizado que é visível pelo usuário, ou ainda,
a interface gráfica que disponibiliza um conjunto de recursos para o
usuário poder efetuar as operações da área de negócio. Esta camada
é executada na máquina do usuário, gerando uma otimização da
aplicação por utilizar processamento distribuídos.
• a camada dos serviços ou service, desenvolvida em PHP, que é
executada no servidor que provê serviços web que são
disponibilizados aos clientes através da camada da aplicação ou view.
Pelo fato do sistema ser dividido em duas partes são apresentados dois
diagramas de pacotes, a da camada view na Figura 16 e o da camada service na
Figura 17.
80

ArqMax 2008
└ sourcecode: Pacote raiz do projeto em Flex.
├ arqmax: Pacote do código-fonte do ArqMax 2008.
│ ├ assets: Pacote dos recursos do projeto.
│ │ ├ css: Pacote dos estilos css.
│ │ └ png: Pacote dos ícones no formato png.
│ ├ classes: Pacote das classes.
│ │ ├ services: Pacote das classes de serviço.
│ │ └ vo: Pacote das classes value object.
│ ├ script: Pacote de scripts comuns.
│ └ view: Pacote das telas do sistema.
│ ├ documento: Pacote das telas das funcionalidades do documento.
│ ├ estrutura: Pacote das telas das funcionalidades da estrutura física organizacional.
│ ├ tipo: Pacote das telas das funcionalidades do tipo documental.
│ ├ usuário: Pacote das telas das funcionalidades do usuário.
│ ├ emprestimo: Pacote das telas das funcionalidades de empréstimo.
│ └ transferencia: Pacote das telas das funcionalidades de transferência.
├ configurations: Pacote de arquivos xml de configuração.
└ languages: Pacote de arquivos xml de tradução do sistema para outros idiomas.

Figura 16 – Diagrama de Pacotes da Camada View


Fonte: Elaboração dos autores, 2007

AMFPHP
└services: Pacote padrão do AMFPHP.
└arqmax: Pacote do código-fonte do ArqMax 2008.
├classes: Pacote das classes.
│├common: Pacote das classes compartilhadas.
│├services: Pacote das classes de serviço.
│└vo: Pacote das classes value object.
├common: Pacote de arquivos compartilhados.
└http: Pacote de serviços http para manipulação de arquivos.

Figura 17 – Diagrama de Pacotes da Camada Service


Fonte: Elaboração dos autores, 2007

4.7 DIAGRAMAS DE SEQÜÊNCIA

O diagrama de seqüência tem o objetivo de mostrar como as mensagens


são trocadas entre os objetos do sistema no decorrer do tempo para a realização de
uma operação.
A seguir apresentamos quatro diagramas de seqüência que demonstram
o funcionamento básico dos dois principais processos do sistema, que são:
81

• processo de empréstimo, Figura 18, composto pelo processo de


devolução, Figura 19;
• e, processo de transferência, Figura 20, composto pelo processo de
recepção, Figura 21.
Processo de empréstimo: o funcionário abre a janela de empréstimo
(Passo 1), adiciona os documentos a emprestar (Passo 2) e clica no botão para
registrar o empréstimo, concluindo o procedimento (Passo 3). Em back-end, os
dados são enviados ao serviço de empréstimo (Passo 4), que grava os dados no
banco de dados e retorna uma mensagem ao funcionário (Passo 5). Em front-end, o
funcionário visualiza a resposta de sua solicitação (Passo 6) (Figura 18).

Figura 18 – Diagrama de Seqüência do Processo de Empréstimo


Fonte: Elaboração dos autores, 2007

Processo de devolução: o funcionário abre a janela de devolução


(Passo 1), adiciona os documentos a devolver (Passo 2) e clica no botão para
registrar a devolução, concluindo o procedimento (Passo 3). Em back-end, os dados
são enviados ao serviço de empréstimo (Passo 4), que grava os dados no banco de
82

dados e retorna uma mensagem ao funcionário (Passo 5). Em front-end, o


funcionário visualiza a resposta de sua solicitação (Passo 6) (Figura 19).

Figura 19 – Diagrama de Seqüência do Processo de Devolução


Fonte: Elaboração dos autores, 2007

Processo de transferência: O funcionário abre a janela de transferência


(Passo 1) e aguarda. Em back-end, o sistema solicita ao serviço de transferência,
uma lista dos documentos que já cumpriram o prazo de vigência (Passo 2), a lista é
retornada (Passo 3) e exibida ao funcionário (Passo 4). Em front-end, o funcionário
visualiza a lista, seleciona os documentos que deseja transferir (Passo 5),
concluindo o procedimento (Passo 6). Em back-end, os dados são enviados ao
serviço de transferência (Passo 7), que grava os dados no banco de dados e retorna
uma mensagem ao funcionário (Passo 8). Em front-end, o funcionário visualiza a
resposta de sua solicitação (Passo 9) (Figura 20).
83

Figura 20 – Diagrama de Seqüência do Processo de Transferência


Fonte: Elaboração dos autores, 2007

Processo de recepção: O funcionário abre a janela de recepção (Passo


1) e aguarda. Em back-end, o sistema solicita ao serviço de transferência, uma lista
dos documentos que foram transferidos e estão prontos para receber (Passo 2), a
lista é retornada (Passo 3) e exibida ao funcionário (Passo 4). Em front-end, o
funcionário visualiza a lista, seleciona os documentos que foram encaminhados
(Passo 5), altera a sua localização física (Passo 6), concluindo o procedimento
(Passo 7). Em back-end, os dados são enviados ao serviço de transferência (Passo
8), que grava os dados no banco de dados e retorna uma mensagem ao funcionário
(Passo 9). Em front-end, o funcionário visualiza a resposta de sua solicitação (Passo
10) (Figura 21).
84

Figura 21 – Diagrama de Seqüência do Processo de Recepção


Fonte: Elaboração dos autores, 2007

4.8 DIAGRAMA DE ENTIDADE RELACIONAMENTO

O diagrama de entidade relacionamento descreve o modelo de dados de


um sistema e a forma que estes dados se relacionam.
O sistema ArqMax 2008 é composto por doze entidades (Figura 22), que
correspondem as classes do sistema, ou seja, para cada entidade, do diagrama de
entidade relacionamento, temos uma classe Value Object, do diagrama de classe,
correspondente.
Apesar das entidades da base de dados não conter todos os atributos de
uma classe VO, as classes VO devem contêm todas as colunas de uma entidade do
banco de dados. Isso acontece porque, em alguns casos, é necessário utilizar
atributos para controlar a aplicação, como por exemplo, o atributo enabled que é
85

responsável por manter o controle das linhas de uma entidade da base de dados
que podem ser excluídas.

Figura 22 – Diagrama de Entidade Relacionamento


Fonte: Elaboração dos autores, 2007
86

5 ESTUDO DE CASO

O estudo de caso foi realizado nos Arquivos Corrente e Arquivo Central da


Unisul, onde mapeamos e compreendemos os processos que serviram como base
para a modelagem do sistema.
Além disso, analisamos o sistema informatizado utilizado pela Unisul, que
está em fase de implantação, e diagnosticamos alguns itens que podem ser
melhorados no gerenciamento de documentos, como:
• utilização das informações centralizadas, pois não é possível transferir
documentos entre arquivos;
• empréstimo de documentos, não somente para usuários do sistema,
mas também para alunos com autorização de empréstimo pelo
produtor;
• controle de temporalidade dos documentos;
• gerenciar estantes, prateleiras e caixas, inserindo suporte aos maços,
pastas, gavetas, arquivos de aço/madeira;
• caixas, estantes e prateleira só podem ser nomeadas usando
números, como: caixa 1, caixa 2, não são aceitos caixas 1A, 1B.
Percebemos que com a utilização do sistema informatizado muitos
avanços foram feitos, mas há muito que se fazer ainda. Os grandes usuários como:
coordenações de cursos, diretoria financeira, diretoria administrativa, procuradoria
jurídica, gabinete da reitoria, laboratório de análises clínicas, escritório modelo de
direito, secretarias de ensino entre outros, utilizam inteiramente os recursos do
sistema, tanto o módulo de GED quanto no módulo de arquivo físico. Na medida do
possível e do necessário, novos usuários estão sendo cadastrados diariamente.
Também verificamos que a presença de um profissional da área de
sistemas de informação no Arquivo Central vai melhorar a efetivação do sistema
informatizado deste. Pois, contar com uma pessoa voltada especificamente para as
atividades do sistema de gerenciamento eletrônicos de documentos do Arquivo
Central e junto aos setores é importante para o andamento dos trabalhos e para o
desenvolvimento de novos recursos de navegabilidade, tornando o uso do sistema
mais prático e acessível.
87

Mesmo a Unisul investindo na gestão documental, ela ainda deve trilhar


um bom caminho até que consiga incorporar integralmente esta cultura na
Instituição. Uma pendência a ser resolvida é a adequação do quadro de pessoal e
da rede de computadores que estejam compatíveis com o atual sistema utilizado
pelo Arquivo Central e Arquivos Corrente.
A expansão da Universidade gerou uma massa documental muito grande
hoje o Arquivo Central é responsável pela organização e custódia destes
documentos.
Você que é estudante ou conhece o Serviço de Atenção Integral ao
Acadêmico – SAIAC pode observar a quantidade de pessoas insatisfeitas pelo
serviço oferecido, que por trás é ocasionado, em grande parte dos casos, pela falta
da informação. Agora com a gestão documental que está sendo aplicada, espera-se
a solução destes problemas, um novo recurso implantado para isto foi à emissão de
protocolos on-line.
Enquanto o Programa de Gestão documental não estiver totalmente
implantado, os gestores da Universidade não saberão informar (em números) sobre
o volume de documentos produzidos, além de obter um grande gasto com a
emissão de cópias desnecessárias.
88

6 CONSIDERAÇÕES FINAIS

A partir das leituras bibliográficas e com base no estudo de caso,


chegamos a algumas análises que são pertinentes.
O primeiro aspecto a ressaltar é que os objetivos propostos para a
concretização desse projeto foram atingidos, ou seja, foi desenvolvido um sistema
com o intuito de gerenciar todos os documentos físicos e eletrônicos de uma
organização.
Durante o desenvolvimento do projeto, foram estudados os conceitos,
processos, problemas e legislação sobre a gestão documental, com o objetivo de
entender profundamente o problema e propor uma solução simples e eficaz.
Constatamos que a maioria das organizações, geralmente, não investe na
gestão documental, por isso estudamos e analisamos as tecnologias free, para criar
um sistema acessível a organizações de pequeno, médio e grande porte. O sistema
foi desenvolvido utilizando tecnologias atuais que proporcionem, ao usuário, uma
interface gráfica simples, interativa, de fácil utilização e com grande desempenho
distribuído em camadas.
A escolha pelos Arquivos Corrente e Arquivo Central da Unisul como
estudo de caso foi importante. Foi por intermédio destes arquivos que identificamos
e mapeamos os principais processos da organização dos arquivos que julgamos
necessários para serem compreendidos pelo sistema. Optamos por esta Instituição,
porque possui várias unidades localizadas em cidades diferentes, proporcionando
assim, a obtenção de bons resultados quando um documento é disponibilizado e
acessado on-line em outras filiais.
Durante o processo de validação do sistema proposto, constatamos como
bom resultado: a integração de todos os setores de Arquivo da Instituição em uma
base de dados centralizada, gerenciada pelo ArqMax 2008, que possibilita a
transferência de documentos entre Arquivos. O gerenciamento de usuários tornou-se
uma tarefa fácil, já que cada responsável pelo setor pode cadastrar e restringir
acesso aos seus usuários da forma que achar conveniente.
Um recurso interessante, que chama a atenção dos usuários, é a
integração do sistema com a estrutura física organizacional, que possibilita o melhor
89

entendimento dos procedimentos do sistema para gerenciar os usuários e as


unidades físicas de armazenamento de documentos.
Conforme a coordenadora do Arquivo Central da Unisul, professora Vera
Lúcia da Rosa, a solução desenvolvida a partir da nossa pesquisa, Sistema ArqMax
2008, atende perfeitamente todas as funcionalidades propostas, de fácil utilização
por qualquer pessoa que tenha um mínimo de conhecimento em algum sistema
informatizado. Além disso, a tecnologia utilizada é perfeita, pois trabalhar via web é
ideal para qualquer organização e qualquer usuário. Como recomendação, a
coordenadora do Arquivo, sugeriu que o sistema poderia incluir no controle de
empréstimos avisos por e-mail, aos usuários, lembrando que a data de devolução
está próxima.
Esse sistema é uma opção acessível a pequenas e médias empresas, em
fase de expansão, interessadas em abrir filiais em outros municípios, assim o
sistema torna-se uma ferramenta de trabalho padrão para manter a documentação
organizada, evitando o acúmulo de grandes massas documentais desorganizadas,
fato que ocorre em várias empresas. Os benefícios serão a grande satisfação dos
clientes, porque os gerentes terão informação disponível instantaneamente na hora
da tomada de decisão e a eficiência dos processos organizacionais, devido à
padronização e a rapidez do trâmite documental.
O sistema foi projetado para suportar novos recursos, com base no
SIGAD, que poderão ser implementados à medida que as organizações quiserem
agregar novos recursos ao sistema.
Para finalizar, como sugestões para trabalhos futuros, podemos citar:
• o desenvolvimento de um sistema de localização documental
utilizando técnicas de inteligência artificial, como a implantação do
recurso de OCR - Optical Character Recognition, expandindo assim a
base de dados de índices para consulta;
• a inclusão de um módulo administrativo capaz de gerar relatórios e
gráficos, como por exemplo, relatório de produção por usuário e
gráfico contendo números reais da quantidade de documentos
consultados, emprestados e transferidos;
• a integração com tecnologias de certificação digital;
• controlar versão de documentos;
90

• utilização de Protocolação Digital de Documentos Eletrônicos – PDDE.


91

7 REFERÊNCIAS

ADOBE. Flash Player Penetration. Disponível em:


www.adobe.com/products/player_census/flashplayer. Acesso em: 16 jun. 2007.

______. Flex. Disponível em: http://www.adobe.com/br/products/flex. Acesso em: 21


jun. 2007.

______. Macromedia Flash Remoting MX. Disponível em:


https://store2.adobe.com/cfusion/store/index.cfm?store=OLS-
AP&view=ols_prod&category=/Applications/FlashRemoting&distributionMethod=FUL
L&nr=0. Acesso em: 14 jun. 2007.

______. Using Flash Remoting MX. Disponível em:


http://livedocs.adobe.com/flashremoting/mx/Using_Flash_Remoting_MX/intro2.htm.
Acesso em: 22 jun. 2007.

AMFPHP. Disponível em: http://www.amfphp.org. Acesso em 10 jun. 2007.

______. File Release Notes and Changelog: AMFPHP beta 0.5.1. Disponível em:
http://sourceforge.net/project/shownotes.php?release_id=137093&group_id=72483.
Acesso em: 17 jun. 2007.

ARAUJO, Diná Herdi De Medeiros. Gestão: A importância da T. I. para a gestão.


Disponível em:
http://intranet.dirad.fiocruz.br/html/modules/wfsection/article.php?articleid=122.
Acesso em: 13 maio 2007.

BALDAM, Roquemar; VALLE, Rogerio; CAVALCANTI, Marcos. GED: Gerenciamento


Eletrônico de Documentos. São Paulo: Érica, 2002.

BARBOSA, Evaldo. Abordagem exemplificada de orientação à objeto com PHP


5: Mudanças numa nova versão. O que ainda falta? Disponível em:
http://www.vivaolinux.com.br/artigos/verArtigo.php?codigo=4714&pagina=6. Acesso
em 17 jun. 2007.

BELLOTTO, Heloísa Liberalli. Arquivos Permanentes: tratamento documental. São


Paulo: T.A. Queiroz, 1991, 198 p.
92

______. Arquivos permanentes: tratamento documental. 4. ed. Rio de Janeiro:


FGV, 2006.

BERNARDES, Ieda Pimenta. Como avaliar documentos de arquivo. São Paulo,


1998.

BLOG E-GENIAL. Flex Open Source. Disponível em:


http://blog.egenial.com.br/?p=52. Acesso em: 12 maio 2007.

CÂMARA TÉCNICA DE DOCUMENTOS ELETRÔNICOS. E-ARQ BRASIL: Modelo


de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de Documentos.
Disponível em:
http://www.conarq.arquivonacional.gov.br/Media/publicacoes/earqbrasilv1.pdf.
Acesso em 14 jul. 2007.

CAMARGO, Ana Maria de Almeida; BELLOTTO, Heloísa Liberalli (coord.).


Dicionário de terminologia arquivística. São Paulo: Associação dos Arquivistas
Brasileiros – Núcleo Regional São Paulo: Secretaria de Estado da Cultura do Estado
de São Paulo, 1996.

CENADEM. Por que as empresas no Brasil estão implantando o GED?


Disponível em: http://www.cenadem.com.br/ged08.php. Acesso em: 13 maio 2007.

CFGIGOLÔ. Macromedia Flex: Interface e Experiência. Disponível em:


http://www.cfgigolo.com/archives/2005/06. Acesso em: 12 maio 2007.

CONARQ. Resoluções do CONARQ. Disponível em:


http://www.conarq.arquivonacional.gov.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm. Acesso em 25
jun. 2007.

COSTA, Igor. O Flex 3 agora é open-source. Disponível em:


http://www.imasters.com.br/artigo/6066/flex/o_flex_3_agora_e_open-source. Acesso
em: 12 maio 2007.

DCLICK BLOG. Ajax e Flex. Disponível em:


http://blog.dclick.com.br/2006/03/31/ajax-e-flex/#more-37. Acesso em: 12 maio 2007.

DEXTRA. PHP, a língua franca da Web. Disponível em:


http://www.dextra.com.br/empresa/artigos/php.htm. Acesso em: 12 maio 2007.
93

ELKINGTON, Nancy E.. Manual do RLG para microfilmagem de arquivos. Rio de


Janeiro: Arquivo Nacional, 2001.

FARIA FILHO, Luciano Mendes de. Arquivos, fontes e novas tecnologias:


questões para a história da educação. Campinas: Universidade São Francisco,
2000.

FOCUS NETWORKS. Guia web 2.0. Disponível em


http://www.focusnetworks.com.br/guias/focusnetworks_guia_web2.pdf. Acesso em:
12 maio 2007.

FOLHA ONLINE. Entenda o que é a Web 2.0. Disponível em:


http://www1.folha.uol.com.br/folha/informatica/ult124u20173.shtml. Acesso em: 12
maio 2007.

FRANÇA, Leonardo. Adobe Flex 2 e AMFPHP. Disponível em:


http://www.leonardofranca.com.br/wp-content/uploads/2007/05/flex2_e_amfphp.pdf.
Acesso em: 21 jun. 2007.

GRANITE DATA SERVICES. Granite Data Services Confluence. Disponível em:


http://www.graniteds.org. Acesso em 15 nov. 2007.

HARRIS, Tom. Como funcionam as animações para Web. Disponível em:


http://informatica.hsw.uol.com.br/animacoes-para-a-web.htm. Acesso em: 17 jun.
2007.

KAZOUN, Chafic; LOTT, Joey. Programming Flex 2.0. Disponível em:


http://www.adobe.com/devnet/flex/articles/progflex/programming_flex_ch16.pdf.
Acesso em: 21 jun. 2007.

LEAL, Neto. Macromedia Flash Remoting atualizado. Disponível em:


http://www.imasters.com.br/artigo/2195. Acesso em: 22 jun. 2007.

LOPES, Luís Carlos. A gestão da informação: as organizações, os arquivos e a


informática aplicada. Rio de Janeiro: Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro,
1997.

______. A nova arquivística na modernização administrativa. Rio de Janeiro:


2000. 369 p.
94

LOPES, Uberdan dos Santos. Arquivos e a Organização da Gestão Documental.


Disponível em:
http://www.acbsc.org.br/revista/ojs/printarticle.php?id=111&layout=html. Acesso em:
25 jun. 2007.

LUEDERS, Arleston. Performance Flex. Disponível em:


http://riacenter.com/blog/?p=104. Acesso em: 21 jun. 2007.

NETCRAFT. Web Server Survey. Disponível em:


http://news.netcraft.com/archives/web_server_survey.html. Acesso em: 12 maio
2007.

OPENAMF. About OpenAMF - Java Flash Remoting: Latest File Releases.


Disponível em: http://sourceforge.net/project/showfiles.php?group_id=77268. Acesso
em: 14 jun. 2007.

PAES, Marilena Leite. Arquivo: teoria e prática. 3. ed. rev. e ampl. Rio de Janeiro:
Fundação Getúlio Vargas, 2002.

______. Arquivo: Teoria e Prática. 3ª ed. Rio de Janeiro: FGV, 1997.

POSTGRESQL. Latest releases. Disponível em: http://www.postgresql.org. Acesso


em: 25 jun. 2007.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL. Lei nº 8.159, de 8 de


janeiro de 1991. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil/leis/L8159.htm.
Acesso em: 25 jun. 2007.

PROJECTS OPEN SOURCE FLASH. Servers and Remoting. Disponível em:


http://osflash.org/projects#servers_and_remoting. Acesso em: 14 jun. 2007.

RICARTE, Ivan Luiz Marques. Applets. Disponível em:


http://www.dca.fee.unicamp.br/cursos/PooJava/applet/index.html. Acesso em: 17 jun.
2007.

RONDINELLI, Rosely Auri. Gerenciamento Arquivístico de Documentos


Eletrônicos. Rio de Janeiro: FGV, 2002.
95

SALEIRO, João. Introdução teórica as tecnologias de desenvolvimento de RIAs.


Disponível em: http://www.riapt.org/tiki-
index.php?page=Introducao%20teorica%20as%20tecnologias%20de%20desenvolvi
mento%20de%20RIAs. Acesso em: 22 jun. 2007.

SALEIRO, João; FERNANDES, João. Rich Internet Applications: Uma visão geral.
Disponível em: http://www.riapt.org/files/Designers%20em%20RIAs.pdf. Acesso em:
17 jun. 2007.

SCHELLENBERG, T. R. Arquivos Modernos: princípios e técnicas. 2. ed. Rio de


Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2002.

SILVA, Marcelo. O futuro do javascript. Disponível em:


http://www.plugmasters.com.br/sys/materias/2/1/O-Futuro-do-Javascript. Acesso em:
17 jun. 2007.

SMANIOTO. Carlos E.. SGBDs free e as alternativas gratuitas da Microsoft,


Oracle e IBM, SQL Magazine, Rio de Janeiro, ed. 37, p. 28-33, 2006.

STARBIRD, Robert W.; VILHAUER, Gerald C.. Como tomar a decisão de


implantar a tecnologia do gerenciamento eletrônico de documentos. São Paulo:
Cenadem, 1997.

SUN. Java EE at a Glance. Disponível em: http://java.sun.com/javaee/index.jsp.


Acesso em 15 nov. 2007.

TERRACINI, Fabio. RemoteObject no Flex 2 com PHP e com Java sem Data
Services. Disponível em: http://blog.dclick.com.br/2006/11/28/remoteobject-no-flex-
2-com-php-e-com-java-sem-data-services. Acesso em: 22 jun. 2007.

WIKIPÉDIA. Macromedia Flash Remoting. Disponível em:


http://pt.wikipedia.org/wiki/Macromedia_Flash_Remoting. Acesso em: 22 jun. 2007.
WIKIPÉDIA. PHP. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/PHP. Acesso em: 12
maio 2007.

______. World Wide Web: AJAX. Disponível em:


http://pt.wikipedia.org/wiki/World_Wide_Web#AJAX. Acesso em: 18 jun. 2007.
ZIMBRÃO. Geraldo. Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados Livres, SQL
Magazine, Rio de Janeiro, ed. 13, p. 12-17, 2006.
96

APÊNDICE A – Telas do sistema proposto

Tela de administração da estrutura física organizacional

APÊNDICES

Tela de cadastro de tipos documentais