Sei sulla pagina 1di 3

ALUNO: Diógenes de L.

Gimenes

CURSO: Bacharel em Teologia. 1° ano - Noturno

Matéria: Hermenêutica

Professor: José Mathias Acácio

RESENHA CRÍTICA

LIVRO: HERMENÊUTICA AVANÇADA:


princípios e processos de interpretação bíblica

VIRKLER, Henry A., Hermenêutica avançada: princípios e processos de


interpretação bíblica, tradução de Luiz Caruso, São Paulo, Editora Vida, 2001,
pp. 200; O autor é amilenista reformado de Atlanta, Geórgia (E.U.A.). E este
livro está na sua 16ª (2011) reimpressão em língua portuguesa, sua primeira
edição foi lançada em 1987.

Virlker, logo no prefácio do livro demonstra que o seu objetivo é: [...“dar


ao leitor, não só uma compreensão dos princípios da adequada interpretação
bíblica, mas também a capacidade de aplicar tais princípios no preparo da
mensagem ou no estudo da Bíblia”...].

Virkler também apresenta diversos pontos controversos na teologia,


todos eles com intenção de oferecer com precisão posições evangélicas
alternativas.

O autor apresenta um sistema comum que se aplique a toda a literatura


bíblica. Seu objetivo é incentivar o estudante a trabalhar com a hermenêutica
sem ter que memorizar regras para cada gênero de literatura das Escrituras. É
importante destacar que o público alvo de Virkler é o público que aceita os
pressupostos históricos, ortodoxos, concernentes à natureza da revelação e da
inspiração (p. 6).
Além dos 8 capítulos o livro também traz um epílogo com o título: A
tarefa do ministro; um sumário apresentando os processos envolvidos na
interpretação e na aplicação de um texto bíblico; bibliografia e índice de
assuntos.

Em todos os capítulos o autor traça um esboço, do que será abordado


naquele momento. Do mesmo modo, ao encerrar o capítulo, encontraremos um
resumo dos assuntos abordados. Com isto, obteremos uma leitura confortável
e de clara compreensão. Em algumas partes, encontraremos exemplos
seguidos de explicações, fazendo assim, diferenciação entre interpretação e
aplicação.

Com seu perfil conservador, Virkler traça com clareza a formação do cânon e
da crítica textual. Ele frisa na introdução a importância de se estudar a
hermenêutica.

Na página 24, ele coloca uma citação de Bultmann onde fica muito claro que
Jesus sempre esteve de acordo com os escribas de seu tempo em aceitar sem
questionamento a autoridade da Lei.

Virkler cria uma série de objeções e problemas ao longo do livro que se


estudas podem ampliar muito as perspectivas e dimensões do texto em seu
contexto.

Uma das coisas que deu muito sabor a leitura, foi na página 39, quando ele nos
dá algumas informações sobre a influência do Antigo Testamento na criação do
Novo Testamento. Aproximadamente 10% do Novo Testamento se constituem
de citações diretas ou paráfrases do Antigo Testamento. Veremos o uso que
Jesus fez do Antigo Testamento, e com isso a perfeição de Cristo em
interpretar e cumprir a Lei.

Mais adiante uma abordagem sobre os tipos de exegese e as regras usadas


pelos apóstolos e “pais da igreja”.

No capítulo 6 umas das partes que considerei pontos chaves para o estudante
fazer uma boa exegese. Neste capítulo são abordados os métodos literários
especiais: Símiles, Metáforas, Provérbios, Parábolas, Alegorias. Do mesmo
modo, no capítulo 7 foi feita a abordagem dos métodos literários especiais: tipo,
profecia e literatura apocalíptica. No capítulo 8, é apresentada uma proposta
para o problema transcultural. No epílogo, ele deixa um mensagem para o
ministro.

Minha crítica: Na parte gráfica considerei que o espaço de entrelinhas está um


pouco justo, dificultando um pouco a leitura. Na questão do conteúdo, como a
maioria dos assuntos eram desconhecidos não me senti com muita
propriedade para criticar, embora, em alguns momentos, a falta de espaço
entre um parágrafo e outro confundiram um pouco o tema de um subtítulo com
o outro. Talvez ele pudesse ter citado um pouco menos de problemas e
objeções e, ter trabalhado com um pouco mais de profundidade alguns pontos.