Sei sulla pagina 1di 4

Resehna do capítulo II Entrevista Inicial

O capítulo começa referindo-se à entrevista livre, ou seja, uma entrevista não


estruturada e rígida, para que o paciente se sinta à vontade para falar sobre o que está
gerando algum conflito em sua vida. No entanto, pode haver situações em que o
entrevistador precise dirigir a entrevista mais diretamente, por exemplo, quando o
paciente, devido à angústia de falar sobre seus conflitos, fica paralisado e tem
dificuldade de se expressar ou também quando fala de algum aspecto importante que
não ficou muito claro e seria importante esclarecer.

Por esse motivo, o autor recomenda começar primeiro com uma entrevista mais direta
sobre as regras do processo terapêutico e sua apresentação, para que tudo fique claro.
Posteriormente, ele recomenda o uso de uma entrevista mais livre, que permita ao
paciente relatar o motivo de seus conflitos. Por meio de uma entrevista semi-dirigida,
conseguimos coletar dados importantes que nos ajudarão no diagnóstico e, portanto, no
planejamento do processo terapêutico, além de complementar as informações
fornecidas pelo paciente e os testes psicológicos utilizados.

Em relação aos testes projetivos, eles nos ajudam a entender e complementar


informações sobre o paciente, informações que provavelmente não podemos coletar
completamente com a entrevista e que nos dão uma visão um pouco mais ampla do
paciente. Tanto a entrevista quanto a aplicação de testes psicológicos nos fornecerão
informações sobre diferentes áreas da vida do paciente.

A entrevista é um processo importante que tem objetivos relacionados à compreensão


do conflito do paciente e à maneira como ele se desenvolve no mundo externo. Para
isso, o entrevistador deve estar muito atento ao que acontece durante o processo da
entrevista, ou seja, desde que o paciente chega ao atendimento, como é apresentado e
ao longo da entrevista, como se desenvolve conversando sobre o conflito que possui,
sua maneira de falar, quais são os tópicos que ele aborda principalmente, sua reação a
eventos passados, presentes e futuros e sua capacidade de insight. Tudo isso deve ter
coerência com o que ele fala durante a entrevista e as expressões que ele tem durante
a mesma. Para alcançar um bom processo de coleta desses dados, precisamos
estabelecer um bom relacionamento com o paciente, identificando também os aspectos
nos quais ocorre uma transferência e contratransferência, para entender como o
paciente sente esse relacionamento.

Neste caso, no atendimento com crianças, o autor destaca a importância do papel dos
pais nesse processo, além de nos ajudar a entender melhor o contexto familiar da
criança e a influência em seu comportamento. É importante identificar o papel dos pais
e o relacionamento que eles têm, que ambos têm que estar presentes, para que
cumpram funções diferentes que possam colaborar com as mudanças futuras que a
criança terá no processo terapêutico. Mas pode acontecer que os pais estejam
separados; nessa situação, o entrevistador deve se concentrar no "papel dos pais" sem
a intenção de querer uni-los por algum outro motivo, ou seja, não intervir em outros
aspectos que não estão relacionados ao bem-estar de seu filho. Outra situação que o
psicólogo pode enfrentar é a abordagem de uma criança adotada. Aqui, você deve
trabalhar em conjunto com os pais para entender como eles sentem o relacionamento
com os filhos e as fantasias que têm em relação à adoção. É importante orientar os pais
para que eles possam explicar ao filho que ele é adotado, para que no futuro isso não
seja tomado pela criança de maneira negativa e ele sinta certa rejeição em relação aos
pais.

Depois de descrever a maneira pela qual devemos lidar com essas situações, passamos
ao diagnóstico e prognóstico. Desde as primeiras entrevistas, devemos estar atentos à
capacidade de insight do paciente, se for mais fácil para ele reconhecer o conflito que
ele tem e como isso afeta sua vida, nesse caso, o prognóstico será favorável, pelo
contrário, se ele não os reconhecer, estaríamos diante de um paciente resistente, mas
também pode ser devido a uma demanda errônea, onde a família identifica o membro
"doente", mas na realidade isso é apenas uma manifestação de que a dinâmica familiar
não é favorável. É por isso que o entrevistador deve sempre ouvir o paciente, a fim de
entender se a demanda que foi trazida à consulta é consistente com o desenvolvimento
do paciente durante as entrevistas.

Também pode acontecer que a queixa ou ação movida pelos pais não seja a que
realmente está gerando conflitos, isso mostra que há uma negação do principal
problema que precisa ser resolvido, além de não assumir a ansiedade como sua,
transferindo-a ao psicólogo. Se os pais aceitam e reconhecem o motivo real da consulta
e o transmitem fielmente ao psicólogo e ao filho, o panorama que se abre ao psicólogo
é mais coerente. O autor recomenda, então, descobrir desde o início as fantasias, sua
ideologia e as doenças dos pais para entender melhor o caso e não se confundir durante
o diagnóstico, dessa forma, podemos identificar se os pais também precisam de
assistência psicológica.

Durante a primeira entrevista, é normal acharmos que os pais têm um alto nível de
ansiedade ao expressar a demanda; existem até pais que apenas conseguem falar bem
sobre o filho, destacando suas habilidades e minimizando os problemas que enfrentam.
alguns pais que idealizam seu filho. Pelo contrário, pode acontecer que eles se refiram
ao filho como um ser doente, que não tem nada de positivo e que não reconhecem os
conflitos que têm na dinâmica familiar. Esse alto nível de ansiedade nos pais também
aparece no psicólogo, por isso é importante que ele tenha recursos internos para lidar
com as diferentes situações que surgirão no atendimento aos pais e à criança, para que
pode compreender melhor o que está acontecendo na família e, ao mesmo tempo,
mostrar o entendimento das situações pelas quais os pais passam, como o sentimento
de culpa por não cumprir bem seu papel como pais ou qualquer situação na família que
eles têm dificuldade em dirigir e lidar.

Resehna do capítulo IX Entrevista de devolução de informação


Quando fornecemos informações sobre o processo psicodiagnóstico à família ou aos
pais da criança, devemos observar a reação que eles têm para nos ajudar a fazer um
prognóstico adequado do processo terapêutico e também um bom planejamento.

Esta informação deve ser fornecida aos pais e à criança. Excluir a criança desta
informação não é o mais apropriado, isso pareceria que ele é um ser fora do processo
terapêutico e não ajudaria na integração dentro dele, na qual ele tem o direito de saber
porque é ele quem tem os conflitos. Se o paciente receber essas informações, ele
poderá ter uma perspectiva mais ampla do que está acontecendo em sua vida de
maneira mais clara. No caso de ter um adolescente como paciente, esse retorno de
informações tem um impacto maior, pois, se não o fornecermos, pode gerar maiores
conflitos em relação à etapa em que ele se desenvolve, sentindo-se excluído, fazendo
com que ele não colabore no processo terapêutico e este seja mais longo.

É evidente que os pais desempenham um papel importante no processo terapêutico,


por isso é essencial fornecer todas as informações sobre o psicodiagnóstico realizado.
Isso fará com que eles tenham uma situação mais clara com a qual o filho está passando
e os impeça de ter fantasias sobre os conflitos que a criança possa ter, reduzindo sua
ansiedade e gerando tranquilidade. Para o psicólogo, será mais fácil fornecer
informações mais abrangentes sobre o problema da criança se os pais mostrarem nas
entrevistas os aspectos positivos e negativos de seu filho; pelo contrário, se formos
confrontados com pais que negam o problema, será mais complicado fornecer
informações completas que possam ajudar no tratamento.

Por último, mas não menos importante, fornecer essas informações aos pais é uma
maneira de o psicólogo ter uma boa saúde mental, pois, se não der completamente, as
emoções, fantasias e impulsos ficam em ele e não em quem tem realmente os conflitos.
Ele precisa lidar com essa devolução, porque, se a ansiedade aumenta, posso transmiti-
la aos pais e gerar que o processo terapêutico não se desenvolva adequadamente, por
isso, o psicólogo pode se sentir culpado e desvalorizar o trabalho que realizou.

No caso de ele ter enfrentado alguns pais com comportamento difícil, ele pode não sentir
ansiedade, mas raiva e ter uma reação agressiva a eles. Portanto, as primeiras
entrevistas são muito importantes para que o psicólogo possa identificar as
transferências dos pais e se preparar para lidar com elas. O autor destaca a capacidade
que ele deve ter para fazer a devolução de informações adequadamente e é um filtro
para fornecê-las; ele precisa entender que há informações do paciente que devem ser
fornecidas direta e claramente, mas também informações que não seriam apropriadas
para dizer, a discriminação entre esses dois pontos será muito importante.