Sei sulla pagina 1di 39

DIAGNÓSTICO

LABORATORIAL
DAS LEUCEMIAS
LEUCEMIAS

• Leucemia = grupo de neoplasias hematológicas 


proliferação descontrolada de precursores
hematopoiéticos.

• O defeito reside em alterações genéticas que atingem


a célula tronco ou células progenitoras da medula
óssea acarretando expressão anormal de proto-
oncogenes ou genes supressores de tumor.

• As alterações citogenéticas primárias ou secundárias


originam um clone de células que se sobrepõem sobre
as células normais devido à perda do controle do ciclo
celular.
INSTALAÇÃO DO PROCESSO
LEUCÊMICO

• 1. Dominância clonal
• 2. Insuficiência da medula óssea (perda
estrutural e funcional)
• 3. Infiltração de células neoplásicas em
órgãos e tecidos
• 4. Imunodeficiência e efeito dos produtos
das células tumorais.
FATORES DESENCADEANTES

• Do ambiente:
• Radiação ionizante (geralmente LMA)
• Drogas e agentes químicos (Ex. benzeno)
• Vírus (Ex. Epstein-Barr)

• Do hospedeiro:
• Fatores genéticos (Cromossomo Philadélfia – Ph:
translocação entre o cromossomo 9 e 22 – 95% dos casos
de LMC).
• Imunodeficiência e Disfunção crônica da medula óssea
CLASSIFICAÇÃO

• Leucemias agudas: infiltrado medular demonstra


predominância de blastos (células precursoras de
origem mieloide ou linfoide) e o curso clínico é
agressivo

• Leucemias crônicas: maior proporção de células


diferenciadas ou maduras e clinicamente tem
início insidioso (sem sintomas específicos)
Agudas
(M0, M1, M2, M3, M4, M5, M6, M7)

Mieloides
Crônicas
Leucemias Agudas
(L1, L2, L3)
Linfoides
Crônicas
LEUCEMIAS AGUDAS

Leucemias agudas: presença de células imaturas (células


blásticas da série mielóide ou linfóide) no sangue;
evolução rápida; alto risco de mortalidade.

Células leucêmicas não conseguem realizar as funções


dos glóbulos brancos normais = Imunodeficiência

Ocupam a medula óssea  redução da produção de


glóbulos vermelhos (anemia), plaquetas (plaquetopenia) e
neutrófilos (neutropenia).

Diagnóstico: presença de mais de 20% de blastos na


medula óssea.
LINFOBLASTOS apresentam uma gama de aparências, desde pequenos e médios com citoplasma
escasso e cromatina condensada, a grandes com citoplasma abundante, moderadamente azul
ou azul acinzentado e cromatina frouxa com nucléolos proeminentes. O núcleo pode ser redondo
e regular ou oval e irregular. Pode haver vacúolos citoplasmáticos, e raramente, grânulos.
MIELOBLASTOS tendem a ser
maiores, com citoplasma
abundante. Se tiverem
diferenciação mínima, podem
ser similares aos linfoblastos
Coloração mais rósea.

A presença de bastões de Auer e


grânulos citoplasmáticos
sugerem fortemente uma
diferenciação mieloide.
LEUCEMIAS AGUDAS

• Manifestações clínicas:
• Anemia (palidez e
fraqueza)
• Infecções e febre
recorrentes
• Púrpuras e
hemorragias
• Esplenomegalia,
dores ósseas e
reumáticas
LEUCEMIA LINFOIDE AGUDA

• A leucemia linfoide aguda (LLA) é uma doença neoplásica


resultante de alteração somática do clone precursor linfoide
que pode ocorrer em diferentes pontos do seu
amadurecimento.
• Acomete principalmente crianças
mas pode aparecer também em
adultos.
• Pode ser do tipo B (mais
frequente) ou T.
• Alterações cromossômicas mais
frequentes:
• Hiperdiploidia > 50 cromossomos
• Hipodiploidia < 45 cromossomos
• Translocação t(9:22); t(8:14); t (11:14)
LEUCEMIA LINFOIDE AGUDA – FAB*
* Grupo de Estudo Cooperativo Franco-Américo-Britânico (1976) – Aspectos morfológicos

L1 L2 L3

Tamanho pequeno grande Grande e


homogêneo

Cromatina Homogênea variável Pontilhado fino

Forma regular irregular Oval ou redonda

Nucléolos raros presentes 1-3

Citoplasma escasso moderado Moderado

Basofilia moderada variável intensa


LEUCEMIA LINFOIDE AGUDA
Linfoblasto em sangue periférico LLA – L1

LLA – L2 LLA – L3
LEUCEMIA MIELOIDE AGUDA
• A leucemia mieloide aguda (LMA) é uma neoplasia maligna
caracterizada pela proliferação clonal dos precursores mieloides
com consequente comprometimento da hematopoiese normal.
• Está presente em adultos
jovens do sexo masculino e
aumenta progressivamente
com a idade.
• Caracteriza-se por
apresentar anisocitose (≠
tamanho das hemácias),
anemia e plaquetopenia.
• Alterações cromossômicas
mais frequentes:
• Translocação t(15:17); t(8:21)
• Inversão ou deleção do
cromossomo 16.
LEUCEMIA MIELOIDE AGUDA - FAB
LMA DIAGNÓSTICO LABORATORIAL

M0 Blastos indiferenciados ou mínima diferenciação; peroxidase negativa;


confunde-se com a LLA
M1 Mieloblástica sem maturação; > 90% blastos; > 3% blastos positivos para
peroxidase
M2 Mieloblástica com maturação; > 50% mieloblastos e promielócitos
M3 Promielocítica hipergranular; promielócitos anormais; positivos para
peroxidase; bastões de Auer
M4 Mielomonocítica; > 20% de monócitos; > 20% de mieloblastos e
promielócitos
M5 Monoblástica; eosinofilia; M5A > 80% monoblastos; M5B < 80%
monoblastos e < 20% de granulócitos
M6 Eritroleucemia; > 50% de células precursoras eritroides (anormais ou não);
presença de mieloblastos e promielócitos (bastão de Auer);
megacariócitos anormais
M7 Megacariocítica; > 30% de megacarioblastos, megacariócitos
Promielócito Mielócito
BASTÃO DE AUER (INCLUSÃO CITOPLASMÁTICA DE
ENZIMAS LISOSSOMAIS E PEROXIDASE) EM PALIÇADA
Classificação OMS (2008)* – LEUCEMIA MIELOIDE AGUDA
LMA associadas a LMA com t(8;21)(q22;q22) ou ETO/AML (CBFalfa)
anormalidades LMA com t(15;17)( q22;q11-12 ) e variantes ou
genéticas recorrentes PML/RARA
LMA com inv(16)(p13q22) ou t(16;16)(p13;q22),
CBFalfa/MYH11
LMA com 11q23 (MLL)
LMA com displasia de Pós SMD ou doença mieloproliferativa
múltiplas linhagens Sem antecedentes

LMA/SMD associada a LMA/SMD associada com agentes alquilantes


tratamento LMA/SMD associada com inibidores da topoisomerase
II

LMA não categorizada LMA com mínima diferenciação


nos itens anteriores LMA sem maturação
LMA com maturação
Leucemia mielomonocítica aguda
Leucemia monoblástica e monocítica aguda
Leucemia eritróide aguda
Leucemia megariocítica aguda
Leucemia basofílica aguda
*aspecto citomorfológico, Pan mielose com mielofibrose aguda
citoquímico, imunofenotípico,
citogenético e genético-molecular. Sarcoma mielóide
LEUCEMIAS CRÔNICAS

Leucemias crônicas: ausência de células imaturas no


sangue; proliferação de células maduras podendo
ser linfoide ou mieloide e de evolução lenta.

Geralmente é descoberta durante exames de rotina.

Se agrava lentamente = a medida que o número de


células leucêmicas aumenta.

Manifestações clínicas: fraqueza, anorexia,


emagrecimento, dores ósseas e anemia.
LEUCEMIA LINFOIDE CRÔNICA

• A leucemia linfoide crônica (LLC) é uma doença neoplásica


resultante da proliferação maligna de células linfoides
maduras disfuncionais.
• Pode ser do tipo B (mais
frequente) ou T.
• Alterações cromossômicas mais
frequentes:
• Trissomia do cromossomo 12
• Deleção do cromossomo 13
HEMOGRAMA E EXTENSÃO
SANGUÍNEA - LLC
• Sangue periférico: anemia discreta, normocítica,
leucocitose↑ (30-200.000/mm3) com linfocitose,
plaquetopenia ou número de plaquetas normal.

• Observação de manchas de Grumpet* na


extensão sanguínea.

Manchas de Grumpet = são decorrentes da fragilidade mecânica das


células LLC que arrebentam facilmente durante o preparo do esfregaço do
sangue.
LLC TÍPICA COM MANCHAS DE GRUMPET EM
ESFREGAÇO DE SANGUE PERIFÉRICO
LLC TÍPICA COM MANCHAS DE GRUMPET EM
ESFREGAÇO DE SANGUE PERIFÉRICO
LEUCEMIA MIELOIDE CRÔNICA
• A leucemia mieloide crônica (LMC) é uma doença
neoplásica mieloproliferativa clonal originária da célula
precursora da medula óssea.

• Alterações cromossômicas
mais frequentes:
• Presença do cromossomo
Philadélfia em cerca de 95%
dos pacientes – t(9:22) –
protooncogene c-abl
(cromossomo 9) é transferido
para o cromossomo 22 ligando-
se ao gene bcr.
• O produto deste gene hibrido
produz uma proteína com
atividade aumentada que
interfere no ciclo celular.
HEMOGRAMA – LMC – 3 FASES
- Fase crônica (1) = sem anemia ou anemia discreta
normocítica e normocrômica. Leucocitose ↑
moderada a acentuada (25.000-100.000/mm3).
Clínica  sem sinais e sintomas.
- Diferencial apresenta neutrofilia (neutrófilos e mielócitos), basofilia e
eosinofilia.
- Plaquetas normais.
HEMOGRAMA - LMC
- Fase acelerada (2) = caracterizada por um ou mais critérios a
seguir (de acordo com OMS):
- *Blastos entre 10-19% no sangue periférico ou medula óssea;
- *Basofilia no sangue periférico (>20%);
- *Plaquetopenia (<100.000/mm3) persistente;
- *Leucocitose com esplenomegalia, sem resposta a terapia;
- *Evidências de alterações cromossômicas.
HEMOGRAMA - LMC

- Fase blástica (3) = deve ser evidenciada por um


dos critérios a seguir (de acordo com OMS):
*Blastos >20% na medula óssea ou sangue periférico;
*Quando há proliferação extramedular de blastos;
*Quando existir grandes agregados de blastos a biópsia da medula.
DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL
DAS LEUCEMIAS
MIELOGRAMA

• É a avaliação do aspirado de
medula óssea quanto:
 Número de células (celularidade);
 Diferenciação, maturação e
distribuição das células
precursoras;
 Pesquisa de indícios de
malignidade (há blastos?)
Esterno/Crista Ilíaca  Pesquisa de células estranhas ao
tecido (outras neoplasias e ou
agentes infecciosos)

Leucemias Agudas - definidas laboratorialmente quando:


- número de blastos na medula óssea for maior ou igual a 30% = FAB
- número de blastos na medula óssea for maior ou igual a 20% = OMS
CITOQUÍMICA

As provas citoquímicas utilizam reagentes capazes de colorir


estruturas específicas das diferentes linhagens.

- Linfoblastos são positivos para a prova do ácido periódico de


Schiff (PAS).

- Mieloblastos são positivos para a prova da peroxidase.


CITOQUÍMICA

LINFOBLASTOS COLORAÇÃO CITOQUÍMICA PARA


POSITIVOS PAS PEROXIDASE: MOSTRA 100% DOS
MIELOBLASTOS COM MODERADA A
FORTE ATIVIDADE PARA
PEROXIDASE.
IMUNOFENOTIPAGEM

• Identifica os antígenos celulares de superfície,


citoplasmáticos e nucleares – marcadores de linhagem
celular – mieloide ou linfoide

• Os mieloblastos normalmente não expressam marcadores


linfóides, imunoglobulina de membrana ou de citoplasma.

• deve-se usar uma bateria de anticorpos que assegure a


distinção entre as leucemias
Anticorpos Linhagem
MPO/CD13/CD33 Mielóide
CD79a/CD19/CD22c Linfóide B
CD3c/CD7/CD2/CD5 Linfóide T
IMUNOFENOTIPAGEM

• LLC é classificada em 2 grupos, de acordo com a


imunofenotipagem:

• Tipo B (CD19 e 20 positivos)  90% casos


• Tipo T (CD2, 3, 4 e 5 positivos)  10% casos
CITOGENÉTICA

Estudo dos cromossomos em metáfase = buscar alterações


numéricas ou estruturais.

OBJETIVO: prover a melhor classificação da leucemia, escolha


terapêutica, definição de prognóstico e eventual detecção posterior
de doença residual, recaída ou evolução clonal.

• 75% das LMA = alterações de cariótipo mais comuns: t(15;17),


t(8;21), inv(16), alterações envolvendo 11q23, trissomia 8,
monossomia 7, monossomia 5, trissomia 21 e perda do X ou Y.

• LLC = Anomalias cromossômicas mais comuns são trissomia 12 e a


deleção do 13.

• LMC = cromossomo Philadelphia (translocação braço longo 9;22)


OBRIGADO!!!