Sei sulla pagina 1di 35

See discussions, stats, and author profiles for this publication at: https://www.researchgate.

net/publication/332423835

O jovem Antonio Gramsci e o problema da cultura (1912-1916)

Article · April 2019

CITATIONS READS

0 255

1 author:

Daniela Mussi
University of São Paulo
35 PUBLICATIONS   4 CITATIONS   

SEE PROFILE

Some of the authors of this publication are also working on these related projects:

Estudos gramscianos View project

Pesquisas bibliográficas View project

All content following this page was uploaded by Daniela Mussi on 15 April 2019.

The user has requested enhancement of the downloaded file.


GRAMSCIANA 4 ISSN 2421-3799

GRAMSCIANA
Revista internacional de estudos sobre Antonio Gramsci
Revista internacional d’estudios sobre Antonio Gramsci
L’intellettuale gramsciano
Estratto

International Review of studies on Antonio Gramsci


in Palestina

Revue internationale d’études sur Antonio Gramsci


Rivista internazionale di studi su Antonio Gramsci
AUTORI
Derek Boothman, Marco Casalino,
Chiara Mezzasalma, Daniela Mussi,
Marco Paciotti, Guglielmo Pellerino,
Igor Piotto, Tamara Taher

4  2017

diretta da Angelo d’Orsi


GRAMSCIANA
temi
Joseph A. Buttigieg: an Appreciation
Il Gramsci-Project. La difficile
ricezione del pensiero di Antonio
Gramsci
O jovem Antonio Gramsci e o
problema da cultura (1912-1916)

L’intellettuale gramsciano
Gramsci e Foucault. Ipotesi di
confronto
L’intellettuale gramsciano in
Palestina: nodo “organico” tra società in Palestina

4
civile e società politica
Un dialogo tra la riflessione 2017
gramsciana e il marxismo
antiautoritario di Krahl
€ 30,00

Mucchi Editore
gramsciana
Rivista internazionale di studi su Antonio Gramsci
International Review of studies on Antonio Gramsci
Revue internationale d’études sur Antonio Gramsci
Revista internacional de estudos sobre Antonio Gramsci
Revista internacional d’estudios sobre Antonio Gramsci

4
2017

L’intellettuale gramsciano
in Palestina

Mucchi Editore
GRAMSCIANA
Rivista internazionale di studi su Antonio Gramsci

Autorizzazione del Tribunale di Modena n. 10/2015 del 28/04/2015

La legge 22 aprile 1941 sulla protezione del diritto d’Autore, modificata dalla legge 18 agosto 2000, tutela la
proprietà intellettuale e i diritti connessi al suo esercizio. Senza autorizzazione sono vietate la riproduzione e
l’archiviazione, anche parziali, e per uso didattico, con qualsiasi mezzo, del contenuto di quest’opera nella for-
ma editoriale con la quale essa è pubblicata. Fotocopie per uso personale del lettore possono essere effettua-
te nel limite del 15% di ciascun volume o fascicolo di periodico dietro pagamento alla SIAE del compenso previ-
sto dall’art. 68, commi 4 e 5, della legge 22 aprile 1941 n. 633. Le riproduzioni per uso differente da quello per-
sonale potranno avvenire solo a seguito di specifica autorizzazione rilasciata dall’editore o dagli aventi diritto.

ISSN 2421-3799

© STEM Mucchi Editore - Società Tipografica Editrice Modenese S.r.l.


Via Emilia est, 1741 - 41122 Modena - info@mucchieditore.it - gramsciana@mucchieditore.it
www.mucchieditore.it
facebook.com/mucchieditore
facebook.com/gramsciana
twitter.com/mucchieditore
instagram.com/mucchi_editore

Progetto grafico e impaginazione STEM Mucchi Editore (MO), Stampa Legodigit (TN)

Finito di stampare nel mese di maggio 2018


Direttore - Director
Angelo d’Orsi (Università di Torino - Edizione Nazionale Gramsci, Italia)

Consiglio di Direzione - Board of Directors


Joseph Buttigieg † (University of Notre Dame, Ithaca - USA; President IGS), Gianni Francioni (Università
di Pavia - Italia - Edizione Nazionale Gramsci), Guido Liguori (Università della Calabria - Italia - Presidente
IGS Italia), Maria Luisa Righi (Fondazione Gramsci Onlus - Edizione Nazionale Gramsci - Roma), Peter D.
Thomas (Brunel University London - UK), André Tosel † (Université de Nice - France).

Segreteria di Direzione e Coordinamento Redazionale - Direction Secretary and Editorial Coordination


Francesca Chiarotto (Università di Torino - Edizione Nazionale Gramsci)
direzione.gramsciana@gmail.com

Comitato scientifico - Scientific Commitee


Ursula Apitzsch (J.W. Goethe - Universität Frankfurt - RFT), Giuseppe Cacciatore (Università degli Studi
di Napoli “Federico II” - Italia), Giuseppe Cospito (Università di Pavia - Italia - Edizione Nazionale Gramsci),
Marcos Del Roio (Universidade Estadual Paulista - Unesp - Marilia, Brasil), Sabin Drăgulin (Dimitrie
Cantemir Christian - Bucarest - Romania), Lea Durante (Università di Bari - Italia - vicepresidente IGS
Italia), Fabio Frosini (Università di Urbino - Italia), Francesco Giasi (Fondazione Gramsci Onlus - Edizione
Nazionale Gramsci - Roma), Marcus Green (Otterbein University, Westerville - USA; Secretary of IGS),
Renate Holub (University of Berkeley - Cal. - Usa), Margarita Ledo Andión (Universidade de Santiago
de Compostela- Spagna), Domenico Losurdo † (Già Università di Urbino - Italia), Massimo Modonesi
(Universidad Nacional Autónoma de México - Mexico), Nerio Naldi (Università Sapienza, Roma - Italia),
Koichi Ohara (IGS Japan - Tokyo Gramsci Society), Marco Aurélio Nogueira (Universidade Estadual
Paulista - Unesp, Brasil), Mauro Pala (Università di Cagliari - Italia), Giuseppe Prestipino (Già Università
degli Studi di Siena - Italia), Donald Sassoon (University of London), Giovanni Semeraro (Università
Federale Fluminense - UFF - Rio de Janeiro, Brasil), Gheorghe Stoica (Universitatea din Bucureşti -
Romania), Giuseppe Vacca (Presidente Fondazione Gramsci Onlus - Presidente Edizione Nazionale
Gramsci - Roma), Pasquale Voza (Emerito Università di Bari - Italia).

La rivista si è dotata di un proprio Codice etico (reperibile sul sito dell’editore) su modello del COPE
(Commitee on Publication Ethics).
GRAMSCIANA
Rivista internazionale di studi su Antonio Gramsci

Le Sezioni

1 - Saggi (i contributi di maggior impegno e di maggior mole)


2 - Testi e documenti (relativi direttamente o indirettamente a Gramsci)
3 - Note critiche (piccoli contributi di discussione anche polemica)
4 - Libreria (Recensioni e schede)
5 - Avventure (Gramsci nel fumetto, nel teatro, nell’arte, nel cinema…)
6 - La Comunità (notizie di attività scientifica e culturale da tutti i centri
intitolati a Gramsci, o da enti, istituzioni, accademiche e non, che si
occupano di Gramsci)

Abbonamenti e amministrazione:
STEM Mucchi Editore S.r.l., via Emilia est, 1741 - 41122 - Modena
tel.: +39.059.37.40.94 - fax: +39.059.28.26.28 - e-mail: info@mucchieditore.it
iban: IT 92 E 07601 12900 000011051414
Bic/Swift:BPPIITRRXXX

Prezzo abbonamento annuo 2017 (2 fascicoli): Italia € 58,00; Estero 85,00;


Digitale 47,00; Digitale con accesso IP 56,00; Cartaceo + Digitale (Italia) 71,00;
Cartaceo + Digitale (Estero) 96,00; Cartaceo + Digitale (Italia con accesso IP)
80,00; Cartaceo + Digitale (Estero con accesso IP) 105,00; Fascicolo cartaceo:
30,00; Fascicolo Digitale: 24,00
Periodicità semestrale

Tutti gli abbonati riceveranno in omaggio il numero pilota 1 2015

Digital version: www.mucchieditore.it  •  www.torrossa.it


Sommario n. 4 - 2017
9

7 Editoriale, Angelo d’Orsi

9 Derek Boothman, Joseph A. Buttigieg: an Appreciation

Saggi

17 Chiara Mezzasalma, Il Gramsci-Project. La difficile ricezione del pensiero


di Antonio Gramsci in Germania

47 Daniela Mussi, O jovem Antonio Gramsci e o problema da cultura


17 (1912-1916)

73 Marco Casalino, Gramsci e Foucault. Ipotesi di confronto

95 Tamara Taher, L’intellettuale gramsciano in Palestina: nodo “organico”


tra società civile e società politica

Note critiche

127 Igor Piotto, La critica è la vita teorica della rivoluzione. Un dialogo tra la
riflessione gramsciana e il marxismo antiautoritario di H.J. Krahl

Testi e documenti

139 Gramsci nei giorni del Congresso regionale sardo del Partito comunista
(ottobre 1924). Due testimonianze
Interviste a Gesuino Puddu e Giovanni Lay, raccolte da Giulia Stochino,
a cura di Guglielmo Pellerino

Libreria

Recensioni
155 Marco Paciotti, La via italiana al marxismo
[Marcello Mustè, Marxismo e filosofia della praxis. Da Labriola a Gramsci,
Roma, Viella, 2018, pp. 329 (“I Libri di Viella”, 293]
159 Guglielmo Pellerino, Liberare Gramsci: un affare internazionale
[Angelo Rossi, Gramsci e la crisi europea negli anni Trenta, Napoli, Guida,
2017, pp. 220. Prefazione di Biagio De Giovanni]

163 Angelo d’Orsi, La pedagogia per cambiare il mondo


[Nicola Pizzolato, John D. Holst (Editors), Antonio Gramsci: A Pedagogy
to Change the World, Springer, 2017, pp. 227]

Schede
165 Giancarlo De Vivo, Nella bufera del Novecento. Antonio Gramsci e
Piero Sraffa tra lotta politica e teoria critica, Roma, Castelvecchi, 2017,
pp. 128 (Guglielmo Pellerino)

167 Jean-Yves Frétigné, Antonio Gramsci. Vivre, c’est resister, Paris,


Armand Colin, 2017, pp. 320 (Guglielmo Pellerino)

169 Marco Gatto, Nonostante Gramsci. Marxismo e critica letteraria


nell’Italia del Novecento, Macerata, Quodlibet, 2016, pp. 191
(Francesca Chiarotto)

173 Gli autori

La Comunità

195 Stefano Mangullo, La mostra “Antonio Gramsci e la Grande guerra”


Gramsciana, n. 4 (2017), pp. 47-72

Daniela Mussi

O jovem Antonio Gramsci e o problema da cultura (1912-1916)

Um jovem sardo em Turim

Quando Antonio Gramsci mudou-se para Turim, em fins de 1911,


aos vinte anos, aprovado em uma seleção de bolsas para estudantes
pobres provenientes dos territórios do ex-Regno di Sardegna, seus prin-
cipais interesses eram os estudos e encontrar formas de trabalhar para
sobreviver (Fiori 2003, pp. 84 e ss.; Rapone 2011, p. 39; d’Orsi 2017).
A entrada na Universidade de Turim como estudante de Letras teve
um grande impacto na vida do jovem sardo, que conhecia pela primei-
ra vez uma cidade com forte perfil industrial e urbano. As cartas troca-
das com familiares mostram que os sentimentos de Gramsci uniam um
misto de espanto com a nova condição e preocupação com a própria
sobrevivência.
Neste momento, Turim era uma das cidades italianas com maior
concentração demográfica, com mais de 425 mil habitantes, sete vezes
maior do que a população da cidade sarda de Cagliari, de onde Gramsci
vinha. A capital do Piemonte despontava como forte centro industrial,
«especialmente em virtude dos carros produzidos por seus estabeleci-
mentos automobilísticos, a começar pela Fiat» (d’Orsi 2004, p. 18). A
indústria automobilística ajudava a consolidar na cidade «o núcleo mais
homogêneo, qualificado e compacto do operariado metalúrgico» da
Itália (ibid., p. 18). A Universidade de Turim, centro da cultura positivis-
ta desde a metade do século XIX, estava em consonância com o cará-
ter industrializante da região e consolidava nesta época uma vida edito-
rial científica e didática de relevo nacional (ibid., p. 4). Por outro lado, a
vida universitária que Gramsci conheceu, especialmente nos cursos de
Letras e Direito, possuía «relação estreita com os organismos culturais
(bem como outras iniciativas livres) da cidade» (ibid., p. 4).
Em 1912, Gramsci era leitor e admirador de intelectuais liga-
dos à cultura neoidealista italiana (Benedetto Croce, Giovanni Genti-
le, Giuseppe Prezzolini, Gaetano Salvemini, entre outros) e de revistas
como «La Critica» [«A Crítica»], «La Voce» [«A voz»] e da recém cria-

saggi
48 Daniela Mussi

da «L’Unità» [«A Unidade»], um jovem com ideias críticas, portanto,


em relação ao determinismo e ao positivismo filosófico. Politicamente
identificado com a questão do Sul e ilhas e sua relação com o Norte ita-
liano, Gramsci nutria grande estima pelas elaborações sustentadas pelo
historiador Gaetano Salvemini, que nesse período ainda era membro
do Partido Socialista Italiano (PSI), além de crítico ferrenho do governo
de Giovanni Giolitti. No PSI, Salvemini assumia uma postura «reformis-
ta de esquerda», posição que se reforçou entre 1910 e 1912, quando
PSI viveu uma crise interna na qual as tendências reformistas e revolu-
cionárias polarizaram entre si, especialmente no balanço da relação do
partido com o governo (Arfè 1965, pp. 142 e ss.).
No ano anterior à chegada de Gramsci a Turim, o partido socialis-
ta realizara o Congresso de Milão, no qual suas divisões internas se agu-
çaram. Havia a ala reformista, representada por dirigentes como Ivanoè
Bonomi e Leonida Bissolati, que defendiam o aprofundamento do apoio e
participação no governo italiano. A ala da esquerda, na qual se localizava
Salvemini, criticava a participação e apoio ao governo, mas não se iden-
tificava com «revolucionarismos» ou qualquer forma de ruptura jacobi-
na com o poder. Por último, se formara uma ala de extrema esquerda, na
qual despontava pela primeira vez a figura de Benito Mussolini como diri-
gente político. Esta última crescia no interior do partido e defendia a ideia
de depuração do mesmo dos setores reformistas, o que se concretizou no
Congresso de Reggio Emilia, em 1912 (cf. Cortesi 1969).
A realização do Congresso de Reggio Emilia confirmou a derrota
dos setores reformistas giolittistas que haviam aderido à política militar
do Estado italiano na invasão da Líbia em 1911, bem como consagrou
Mussolini «como uma das figuras de primeiríssimo plano no interior do
partido socialista, […] como um dos expoentes da fração revolucioná-
ria em escala nacional» (De Felice 1995, p. 84). A vitória congressual da
«intransigência absoluta» no que diz respeito às eleições e ao parlamen-
to foi consolidada, além disso, pela expulsão dos dirigentes «radicais-
socialistas» Bissolati e Bonomi, bem como de outros «reformistas de
direita» do PSI (ibid., p. 115). Esta divisão interna foi o contexto no qual
Salvemini iniciou seu afastamento progressivo do partido e ampliou sua
crítica aos socialistas. Ao mesmo tempo, a nova orientação política do
PSI abriu um importante campo de disputa no qual os debates internos
da juventude socialista representaram um importante episódio.
O jovem Antonio Gramsci 49

Foi no período em que se deram estas divisões, entre 1912 e o iní-


cio de 1914, que Gramsci se aproximou e ingressou no Partido Socialis-
ta Italiano. Apesar disso, manteve-se distante das disputas internas aos
socialistas e dedicava seu tempo em Turim quase que exclusivamente
aos estudos universitários e ao trabalho como professor particular. Ape-
sar disso, acompanhava as principais polêmicas intelectuais à distância,
por meio da leitura dos jornais partidários e das revistas. Além disso, foi
de especial importância para a aproximação com o ambiente socialista
o contato pessoal de Gramsci, a partir de 1912, com outro estudante de
Letras da Universidade de Turim, o socialista Angelo Tasca.

A vanguarda contra o sentimento

Nesse período, Tasca, membro do PSI, intervia de maneira ativa nas


atividades regionais e nacionais da Federazione Giovanile Socialista Ita-
liana [Federação Jovem Socialista Italiana], FGSI, na qual participou, em
julho de 1912, de uma viva polêmica sobre a relação entre cultura e socia-
lismo. Apesar de não exercer ainda nenhum tipo de intervenção políti-
ca própria e vítima de crises nervosas periódicas que o impediam de ler,
estudar e escrever, Gramsci acompanhou com interesse as iniciativas de
Tasca neste período e os debates no interior da Fgsi (E., pp. 111, 115).
Fundada em 1903 em Florença e com sede em Roma, a Fgsi era a
entidade responsável pela organização das seções regionais de jovens
militantes socialistas e passou a publicar, a partir de 1907, o periódico
«L’Avanguardia. Giornale di propaganda e di battaglia socialista» [«A
Vanguarda, Jornal de propaganda e batalha socialista»]. Neste, eram
noticiadas as ações promovidas pelos jovens socialistas em cada cida-
de e província, bem como informes comentados a respeito da política
da direção «adulta». A política editorial do jornal possuía conteúdo for-
temente anticlerical, antirreformista e internacionalista. Em 1912, por
exemplo, sob a direção de Arturo Vella, o jornal impulsionou uma forte
campanha antimilitarista contra invasão italiana na Líbia.
De posição antimilitarista, o Comitê Central da Fgsi denunciava
a guerra colonial promovida pela Itália acusando-a como «necessida-
de» e «destino social» da burguesia, e criticava a inutilidade dos acor-
dos do PSI com o governo a este respeito (Comitato Centrale 1911a, p.
1). Para a direção da juventude socialista, em consonância com as revi-
50 Daniela Mussi

ravoltas políticas no interior do PSI, a unidade socialista deveria se dar


ao redor da não participação no Estado italiano e da passagem do par-
tido a uma oposição parlamentar intransigente (Vella 1911, p. 1). Foi
neste contexto que a cultura – entendida como «conteúdo espiritual»,
«doutrina», «sentimento» – adquiriu importância no interior do léxico
juventude socialista de Turim. Os debates ao redor do tema da cultura
traduziam as preocupações com «a crise que há alguns anos dilacera o
socialismo italiano» (id. 1912, p. 1).
A direção da Fgsi sabia que, ao afirmar a centralidade do universo
programático e de valores socialistas, o que estava em jogo era a pró-
pria integridade do PSI. Por isso apostava nas depurações que o con-
gresso partidário a ser realizado Emília Romana prometia (Comitato
Centrale, 1911b, p. 3). Justamente por isso, depois do congresso de
1912 a política «em favor da preparação e cultura socialista» no par-
tido, proposta por Angelo Tasca e pela regional piemontesa da Fgsi,
ganhou ainda mais destaque nos debates da entidade.
Em carta escrita na última semana de agosto de 1912, Tasca
comentou sua intervenção sobre a «cultura jovem» e anunciou ao ami-
go Gramsci «uma ideia, que já está em plena maturação e que terá tua
simpatia, com certeza. Trata-se de um cenáculo de estudo e de arte, de
preparação cultural» (E., pp. 111-112). No início de setembro, Tasca
retomou, na segunda etapa do congresso piemontês da Fgsi, realizada
em Alessandria, a polêmica em favor da «preparação cultural» entre os
socialistas. Desta vez, tornou precisa sua posição crítica ao perfil do jor-
nal «L’Avanguardia», «que deveria ser menos polêmico e se ocupar mais
da propaganda, da educação geral da juventude» («L’Avanguardia»,
1912a, p. 4). A proposta, aprovada por unanimidade, colocava a exigên-
cia de uma transformação completa da própria Fgsi, «o que significa que
a principal tarefa da Federação é, sobretudo, de preparação», «de cultu-
ra e ação, sendo que a primeira tem mais importância» (ibid., p. 4).
Em seguida, entre os dias 20 e 23 de setembro de 1912, Tasca par-
ticipou do IV Congresso Nacional da Fgsi, realizado em Bolonha. Ape-
sar de não fazer parte do Comitê Central e não ter sido indicado para
nenhuma posição institucional no interior da entidade, Tasca desem-
penhou um papel importante nos debates deste Congresso. No edito-
rial de dezembro, Ugo Barni, diretor responsável pelo jornal recém elei-
to, resumiu: «a aprovação da ordem do dia sobre a orientação do movi-
mento, contemplando a fecunda discussão sobre a cultura, foi o maior
O jovem Antonio Gramsci 51

protesto contra o militarismo e a guerra» (Barni 1912, p. 1). A «dis-


cussão sobre cultura» se refere à intervenção de Tasca, feita em duas
partes. Inicialmente, Tasca contestou a política editorial de Vella para
«L’Avanguardia», em seguida apresentou uma proposta de resolução
para que no jornal passasse a prevalecer «o trabalho de cultura».
Na resolução de Tasca, «o congresso passaria a discutir o melhor
modo pelo qual nosso movimento em geral – e o jornal que é a sua
expressão – possam responder melhor à imperiosa necessidade de cul-
tura e preparação manifestas no movimento de jovens socialistas»
(«L’Avanguardia», 1912b, p. 2). A resolução proposta pela direção da
Fgsi para votação, apoiada por Ugo Barni e, entre outros, pelo socialis-
ta napolitano Amadeo Bordiga, foi a de que «considerando que nosso
movimento, além da missão de preparação e cultura, possui um caráter
essencialmente político e de luta antiburguesa, afirma que a orientação
consequente deva ser inspirada nestes conceitos, mantendo sua fisio-
nomia de combate» (ibid., p. 2).
A votação dividiu os delegados – 2.465 favoráveis à resolução de
Tasca, contra 2.730 fieis à resolução da direção da Fgsi – e expôs a cri-
se de orientação política do jornal, polarizada entre trilhar um caminho
de formação e elaboração cultural ou reforçar o caráter de «ação, agita-
ção e rebelião» que encontrara na vitória da tendência revolucionária e
na expulsão dos «reformistas de direita» do PSI um novo fôlego. Neste
mesmo congresso, Bordiga foi o relator do ponto de debate intitulado
«Educação e Cultura», no qual reforçou a ideia de que «nosso movimen-
to é de cultura e preparação […], mas fazemos o nosso trabalho […]
para minar revolucionariamente a sociedade» (ibid., p. 2). Para Bordiga,
a proposta de Tasca era expressão de um «intelectualismo socialista»
que em nada se diferenciaria de um intelectualismo burguês. A cultu-
ra, de uma perspectiva revolucionária, deveria ser «uma teoria baseada
no estudo ou mesmo na fé de transformar as consciências» (ibid., p. 2).
Em seguida, a discussão sobre a reorientação da Fgsi ganhou con-
tornos de polarização entre formação teórica e agitação socialista;
entre renovação geral da cultura e difusão de uma doutrina socialista.
Bordiga, que seria eleito em seguida como parte do novo Comitê Cen-
tral da Fgsi, concluiu afirmando que a entidade não seria espaço para
conformação de instituições culturais, já que este tipo formação deve-
ria ser resultado do esforço individual de cada um (Arfè 1965, p. 241).
Em 3 de outubro, Tasca escreveu a Gramsci falando de sua atuação no
52 Daniela Mussi

Congresso de Bologna: «trabalho duro que me deixou todo moído […]


daqui um tempo colocaremos as coisas no lugar e poderemos realizar
nosso sonho que é, pelo menos para mim, uma verdadeira necessidade
espiritual» (E., p. 115, grifo no original).
Tasca não chegou a enviar a versão escrita de sua apresentação
preparada para o congresso da Fgsi para Gramsci, mas uma citação lite-
ral de parte dela apareceu em 12 de outubro na revista «L’Unità». Nes-
ta, o artigo Os jovens socialistas, de Pietro Silva, apresentou um comen-
tário a respeito do IV Congresso da Fgsi, em que afirmou que alguns
jovens socialistas italianos resolveram tentar «mostrar que estão vivos
[…] neste difícil momento para o país» (Silva 1912, p. 174). Enquanto
«os velhos dirigentes perderam a capacidade de agir» e o PSI se volta-
va para os interesses mesquinhos e corporativistas, estes jovens, «com
sua fé e energia fresca seriam capazes de impor uma nova corrente de
vida e força ao movimento proletário» (ibid., p. 174). Para Silva, cola-
borador de Salvemini, o debate de cultura proposto por Tasca era o
que melhor representava essa novidade.
No congresso da Fgsi, Tasca adquiriu ares de representan-
te daqueles que buscavam «ideias claras» a respeito dos problemas e
objetivos socialistas, «buscando estudar as condições da Itália e as cau-
sas verdadeiras da crise do partido socialista» (ibid., p. 174). Ao citar
o texto de Tasca, Silva destacou a crítica «a um partido que quer reno-
var o mundo, mas não renova a si mesmo», em que «a cultura, ou seja,
os homens» ficaram estacionados ao mesmo tempo «em que as teorias
progrediram» (ibid., p. 174). Apesar das tentativas de Tasca, continu-
ava, o Congresso de Bolonha não fora capaz de enfrentar esse «con-
junto de coisas», já que os líderes tradicionais se mantiveram no lugar,
afirmando que não havia mais «crise do socialismo», que esta teria sido
superada pelo Congresso de Reggio Emilia e que restava à Fgsi manter
seu caráter de entidade de combate (ibid., p. 175).
Em 26 de outubro, outro colaborador de «L’Unità», Carlo Mara-
nelli, publicou um artigo retomando as impressões de Silva de manei-
ra ainda mais pessimista. Para Maranelli, nenhum setor do partido era
capaz de superar a estagnação do partido. No contexto «em que o
país passa por uma nova entrada de forças populares na vida política
por meio do sufrágio universal», nenhum dos partidos atuais era capaz
de absorver e aguçar a ação política de maneira convincente e eficaz
(Maranelli 1912, p. 182). Além do artigo de Maranelli, «L’Unità» publi-
O jovem Antonio Gramsci 53

cou, neste número, cartas de Tasca e Bordiga, enviadas à redação do


jornal com comentários sobre o congresso da Fgsi.
Para Tasca, Silva não acertara na caracterização do congresso, que
havia sido rico, fraterno, politizado e cuja votação refletira de maneira
importante o impacto do problema da cultura entre os jovens socialis-
tas (Tasca 1912a, p. 184). Bordiga, por sua vez, dirigente recém elei-
to para o Comitê Central da Fgsi, afirmou que o congresso não havia
declarado «guerra à cultura», e tampouco negado a crise do socialis-
mo ou a «necessidade de estudar suas causas e encontrar meios ade-
quados para eliminá-las» (Bordiga 1912a, p. 184). A crise socialista, em
sua opinião, não era uma «crise de cultura, mas de sentimento», de fé
socialista (ibid., p. 184).
Em um comentário assinado como «A Unidade» (possivelmente
escrito por Salvemini), a revista respondeu às duas cartas com uma crí-
tica à posição de Bordiga. Afirmou que a cultura não deveria ser secun-
darizada ou desprezada pelos socialistas, já que «não basta querer, é
preciso também saber» («L’Unità», 1912b, p. 184). A fé e entusiasmo,
neste caso, deveriam servir como fontes para «a dura e penosa discipli-
na de estudar antes de operar, ou seja, apoderar-se da realidade antes
de pretender agir sobre ela» (ibid., p. 184). Sem esta «fase» cultural, a
pura vontade conduziria ao «ressecamento de toda fé e entusiasmo»,
bem como de seus propósitos. Este ressecamento, por fim, estivera na
origem da crise do partido socialista, cuja busca pela “praticidade” leva-
ra à negação de todo ideal.
Poucas semanas depois, em 9 de novembro de 1912, «L’Unità»
publicou uma nova carta de Bordiga. Nesta, o dirigente da Fgsi refu-
tou as críticas dizendo que não considerava toda cultura inútil, mas que
não seria prático «dedicar-se a um trabalho essencialmente de cultu-
ra escolar no campo socialista» (Bordiga 1912b, p. 192). O socialis-
mo, a seu ver, possuía bases «não tanto na cultura como no sentimen-
to de solidariedade proletária», sendo a negação desta uma realidade
comum a muitos «estudiosos dos problemas técnicos» (ibid., p. 192).
A resposta, novamente assinada por «L’Unità», questionou o fato
de Bordiga associar sempre a cultura à instituição escolar, sendo esta
apenas «um meio de transmitir cultura, o que faz muito mal diga-se
de passagem» («L’Unità», 1912a, p. 192). Neste caso, caberia chamá
-la de «ignorância escolar». O termo cultura, ao contrário, deveria ser
pensada «como sentido de vivaz desejo de apoderar-se dos elementos
54 Daniela Mussi

da realidade, bem como do esforço penoso por conquistá-los e trans-


formá-los no sentido dos nossos ideais» (ibid., p. 192).
Ao final do ano, em 22 e 29 de dezembro, Tasca publicou um arti-
go em duas partes no «L’Avanguardia», com o título Notas de um «cul-
turista». Neste, reforçou as críticas ao dirigente da Fgsi: «Bordiga quer
‘acender’, nós queremos ‘evangelizar’», afirmou (Tasca 1912c, p. 2). A
seu ver, assumir a postura de «vanguarda» na vida dos jovens socialis-
tas envolveria «um trabalho complexo delicado e dedicado» (ibid., p.
2). Este deveria contribuir para superar a «desconfiança histórica das
massas no partido», gerada pela luta interna sem real conteúdo políti-
co e pelo parlamentarismo (ibid., p. 2).
Uma «obra séria de cultura», portanto, deveria estar no centro da
elaboração de um programa capaz de «reconstruir, com paciente ardor,
a bagagem ideal» do partido, como «base necessária da ação prática»
capaz de assegurar o que foi conquistado e avançar (ibid., p. 2). Em sua
polêmica com Bordiga, Tasca propunha a cultura de um ponto de vista
político, como ponto de partida para pensar o socialismo como «toma-
da de poder do movimento» e não como «assistente facilitador» (ibid.,
p. 2). Para tal, retomava as observações críticas de «A Unidade» para
propor a cultura como conhecimento «da natureza dos fins» que se
quer atingir e como «adequação ao meio em que se atua» (ibid., p. 2).
Tasca compartilhava uma argumentação de inspiração antijacobi-
na de que «a revolução verdadeira não estará nos dias das barricadas,
mas no dia seguinte», como «tomada do poder socialista» sobre toda a
vida e seus problemas (id. 1912b, p. 2). A ideia, de grande impacto no
interior da Fgsi, era a de que a cultura se sobrepunha à ação revolucio-
nária, como «consciência de fazer bem», «método e guia» (ibid., p. 2).
Tasca traduzia, no interior dos debates da juventude socialista, aspec-
tos de uma posição de terceira via para a qual nem o reformismo pró-
Giolitti e nem o revolucionarismo, que encontrava então em Mussolini
seu principal representante, eram capazes de conduzir o partido adian-
te. Da crítica ao pensamento determinista e voluntarista de Bordiga,
Tasca passava à ideia da revolução a partir de um ponto de vista «cul-
tural», como «meio com qual se oferece à classe trabalhadora a capaci-
dade e possibilidade de bastar a si mesma» (ibid., p. 2).
O jovem Antonio Gramsci 55

A cultura «ativa e operante»

As cartas trocadas com Tasca entre 1913 e 1914 evidenciam as


condições nas quais Gramsci se aproximou e aderiu ao socialismo italia-
no. Entre elas, cabe destacar a posição favorável à vitória da ala esquerda
no interior do PSI, a posição pela ruptura com o governo e sua política a
região Sul e a Sardenha. A vida partidária socialista interessou progressi-
vamente a Gramsci à medida que este acompanhou sua dinâmica e seus
debates internos. Neste momento, o jovem sardo seguia dedicadamen-
te com seus estudos de filologia na universidade, com leituras nas quais a
cultura neoidealista ocupava espaço relevante, mas sofria com a falta de
recursos e crises de saúde periódicas (E., pp. 121, 125, 129, 131, 154).
Ainda assim, seu interesse na política socialista cresceu nesse período.
«Evangelizador», Tasca mantinha uma atividade regular minis-
trando aulas sobre temas relevantes ao socialismo na seção socialis-
ta de Turim e que eram anunciadas no «L’Avanguardia» como «inicia-
tiva de cultura». Isto se deu até setembro de 1913, quando precisou se
afastar para cumprir seis meses de serviço militar obrigatório (E., pp.
141-143). Em outubro, Gramsci aderiu ao grupo sardo da Liga Antipro-
tecionista impulsionada pelas revistas «La Voce», «L’Unità» e «Rifor-
ma Sociale» [«Reforma Social»] (Fiori 2003, p. 101). A proposta da
Liga era criar uma rede para pressionar os candidatos às eleições gerais
de 1913 no sentido de medidas antiprotecionistas (redução de tari-
fas alfandegárias principalmente) capazes de estimular o desenvolvi-
mento econômicas das regiões mais atrasadas do país. O engajamen-
to a esta Liga evidenciava a proximidade com as iniciativas militantes
impulsionada por intelectuais neoidealistas, bem como a centralidade
que a «questão meridional» possuía para Gramsci (Fiori 2003, p. 38;
«La Voce», 1913, p. 1175).
Os planos de Tasca com Gramsci, por sua vez, avançavam por
meio de uma compreensão mútua da necessidade de ampliar o acesso
à cultura nos meios socialistas. A adesão do jovem sardo ao socialismo,
contudo, foi também resultado da profunda impressão que as eleições
gerais realizadas entre 26 de outubro e 3 de novembro de 1913, já sob
o sufrágio universal masculino, provocaram. No período em que esta-
va na Sardenha, durante as férias escolares, Gramsci observara impres-
sionado «a transformação produzida neste ambiente pela participação
das massas camponesas nas eleições», a interpretação «mística» que
56 Daniela Mussi

estas haviam dado ao fato eleitoral, «acreditando que tudo mudaria no


dia seguinte ao voto» (Fiori 2003, p. 102; Tasca 1971, p. 88).
Apesar destas terem sido eleições nas quais o acordo entre cató-
licos e liberais foi vitorioso nas urnas, o PSI obteve um crescimen-
to importante, passando de 8,1% (eleições de 1909) para 11,3% dos
votos válidos. Este resultado se deu apesar da crise que dividira o par-
tido no ano anterior. Em carta enviada a Gramsci em outubro, Tasca
comentou as eleições em curso: «a vitória do socialismo não se pre-
para com vitórias eleitorais […] mas com a elaboração cansativa de
novos valores ideais realizada pelos poucos capazes» (E., p. 146). A
«nossa revolução», continuava, »consiste em uma inversão de valores
[…] todo o resto será de pouco valor e não duradouro» (ibid., p. 147).
Ao dialogar com o amigo que descobria, nas eleições, a importância da
vida política nacional para as massas, Tasca asseverava os limites desta:
«não existe consciência [nas massas] sem autonomia» (ibid., p. 148).
O entusiasmo de Gramsci pelo resultado eleitoral se ligava à percepção
de que a inclusão de amplos estratos sociais na vida eleitoral impunha
uma «mudança de método» aos partidos políticos, que agora precisa-
vam apresentar um programa político para poder vencer, já que a vitó-
ria pela corrupção do voto ficara mais difícil com a expansão massiva
do número de votantes (Fiori, 2003, p. 104).
De volta à Turim, Gramsci participou de sua primeira iniciativa
como militante socialista compondo, em abril de 1914, o Gruppo Stu-
dentesco Socialista di Cultura [Grupo Estudantil Socialista de Cultu-
ra], criado a partir de uma iniciativa de Tasca. Foi por meio dela, ali-
ás, que se aproximou de outros jovens socialistas e começou a se inte-
ressar pelo marxismo, em especial para entender o processo formati-
vo da cultura em um sentido político. O problema da cultura era, a seu
ver, o da transformação das ideias em força prática (ibid., p. 112). No
final de abril, foi realizado, em Ancona, o XIV Congresso do PSI, agora
sob o impacto do crescimento vertiginoso do partido, de 20.459, em
1912, para 47.724 filiados, um aumento de 50% no número de seções
e a ampliação da tiragem do jornal «Avanti!» para 60 mil cópias (qua-
tro vezes mais que em 1912) (E., pp. 111, 115). A entrada de Gramsci
no partido acompanhava justamente este fluxo, em especial o cresci-
mento da Fgsi que nesse ano alcançava 10 mil filiados. A popularidade
crescente da figura de Benito Mussolini nas disputas internas da orga-
nização expressava esta emergência de uma nova «geração socialis-
O jovem Antonio Gramsci 57

ta», não estreitamente vinculada à formação teórica e política socialis-


ta tradicional e ávida pelo combate de todas as formas de «gradualis-
mo» (Cortesi 1969, p. 459).
O Congresso de Ancona, ao contrário do anterior, não foi reali-
zado sob um clima de tensão e disputa, confirmando a incapacidade
da antiga direção reformista em reagir à própria crise, e consolidou o
predomínio da postura «intransigente» entre seus dirigentes. Gramsci
compartilhava o sentimento da maioria dos jovens socialistas de Turim
a respeito de Mussolini, um misto de admiração e expectativa com rela-
ção ao seu papel no interior do partido (Rapone 2011, p. 12; d’Orsi
2017). Gramsci compartilhava as ideias de «Croce, antipositivista e
antimetafísico» e de «Salvemini e sua batalha contra a degeneração
corporativa do socialismo» (Cortesi 1969, p. 551).
No ano seguinte, em 7 de junho de 1914, uma onda de protestos
que durou uma semana e ficou conhecida por settimana rossa [semana
vermelha], impactou novamente a vida do PSI. As insurreições popula-
res, que se iniciaram em Ancona e logo se espalharam para outras cida-
des italianas, tinham caráter antimilitarista – tomando como referência
a campanha na Líbia – e rejeitavam fortemente as políticas do governo
Giolitti, sendo brutalmente reprimidas pelo governo. Apesar da repres-
são, estes protestos animaram os debates e impressões socialistas a
respeito de novas possibilidades político-estratégicas para o país. Nes-
te episódio, porém, toda a direção do partido – incluindo Mussolini –
renunciou rapidamente à ideia de uma «continuação organizada do
movimento» e apoiou o boicote da Confederazione Generale del Lavoro
(CGdL), principal central sindical italiana da época, à greve geral (Fio-
ri 2003, p. 112).
As diferenças políticas de Mussolini com o conjunto da direção do
PSI se manifestaram em 4 agosto de 1914, dias após o início da Grande
Guerra. Neste contexto, o então diretor do «Avanti!» passou a expres-
sar uma posição política ambígua, sem rejeitar veementemente o envol-
vimento na guerra, contrariando a orientação neutralista – defesa do
não envolvimento da Itália no conflito – do partido (Mussolini 1951, p.
298). Em 18 de outubro, contra a palavra de ordem da «neutralidade
absoluta» diante da guerra defendida pelo PSI, Mussolini lançou a ideia
da «neutralidade ativa e operante», para se contrapor ao que via como
comodismo e falta de iniciativa do partido (Cortesi 1969, p. 611). Mus-
solini acusava a linha oficial do PSI com relação ao conflito de «engarra-
58 Daniela Mussi

far o partido, retirando dele qualquer liberdade de movimento no futu-


ro» (ibid., p. 393). Além disso, defendeu sua linha política com base na
ideia de que «o conceito de nação não está superado e em alguma cir-
cunstância pode circunscrever o conceito de classe» (ibid., p. 401).
A rejeição desta linha política no interior do PSI – cuja cultura poli-
tica era fortemente internacionalista e pacifista – levou à expulsão de
Mussolini dias depois da publicação de seu artigo em defesa da «neu-
tralidade ativa e operante» (ibid., p. 401). Em 24 de outubro, Tasca
escreveu um artigo no jornal socialista Il Grido del Popolo [O Grito do
Povo] no qual lamentou a postura de Mussolini – em quem os socia-
listas haviam «depositado toda a confiança» – com relação à guerra
(Rapone 2011, pp. 13-14). A decepção foi grande especialmente entre
os jovens socialistas, para quem o diretor do «Avante!» representava
«um fator de ruptura com as velhas gerações socialistas e, por tem-
peramento e atuação, um suscitador de mobilizações populares e de
determinação revolucionária» (Fiori 2003, p. 112).
No final do mês de outubro, Gramsci iniciou sua vida pública no
movimento socialista, assinando o artigo Neutralidade ativa e operante,
publicado na coluna «A guerra e as opiniões dos socialistas» do jornal
«Avanti!» (ibid., p. 59). Neste, Gramsci comentou o artigo de Musso-
lini e, ao contrário da maioria da direção socialista e de Tasca, criticou
a linha política da «neutralidade absoluta», «que lhe parecia interna ao
giolittismo, em um quadro de subordinação do movimento socialista à
classe dominante e aos seus expoentes mais inteligentes, aqueles dos
quais Giolitti era a liderança» (d’Orsi 2008, p. 130).
Gramsci buscou interpretar a fórmula «neutralidade ativa e ope-
rante» proposta por Mussolini de maneira alternativa às críticas da
maioria da direção do PSI e de Tasca, identificando seu potencial políti-
co em responsabilizar a burguesia e seu governo pela guerra. A seu ver,
a fórmula poderia ser combinada a um intenso trabalho de base socia-
lista para enfrentar os impactos do conflito. Gramsci via nesta pala-
vra de ordem uma resposta correta à «necessidade de agir, a vontade
de fazer», capaz de ir adiante em relação ao tradicional imobilismo da
posição reformista e pró-Giolitti (ibid., p. 128). Aquele momento his-
tórico era, em sua opinião, «de uma inegável gravidade» para a clas-
se trabalhadora, momento em que «tanto sangue versa e tantas ener-
gias são destruídas» – neste sentido, era «preciso agir» sobre todas as
questões fundamentais (CT, pp. 10 e ss.).
O jovem Antonio Gramsci 59

Para Gramsci, a guerra havia precipitado uma «extraordinária con-


fusão […] nas consciências e nos partidos» – na cultura italiana em sen-
tido amplo (ibid., p. 10). Esta confusão só poderia ser desfeita se «as
consciências», a «criação do próprio espírito», pudessem ser pensadas
como algo em movimento irruptivo, ou seja, «como uma série ininter-
rupta de cisões operadas sobre outras forças ativas e passivas da socie-
dade». Para o encontro da cultura com a política, a «fórmula provisó-
ria» da neutralidade absoluta era insuficiente. Aqui, seria fundamental
a elaboração de uma palavra de ordem capaz de conduzir à indepen-
dência cultural e política do PSI em relação ao Estado burguês.
Em Mussolini, afirmou, a «neutralidade ativa» se evidenciara
como uma artimanha usada para conquistar uma margem de mano-
bra na política imperialista italiana (cf. d’Orsi 2004; 2008; 2017; Rapo-
ne 2011). Para Gramsci, contudo, esta mesma palavra de ordem era
necessária para conferir nitidez ao conflito entre as classes e a falên-
cia da classe dirigente burguesa no contexto da guerra, além de servir
como base para a diferenciação e definição das tarefas socialistas em
um sentido profundamente autônomo, irruptivo (Dias 2000, p. 54; CT,
p. 14; Rapone 2011, p. 28).
Além de marcar a entrada de Gramsci no debate público, este arti-
go de outubro de 1914 revela aspectos importantes de seu pensamen-
to neste período. Para Tasca, a neutralidade absoluta era uma forma do
proletariado rejeitar a política burguesa militarista e, ao mesmo tem-
po, reconhecer sua imaturidade para apresentar uma alternativa polí-
tica global ao capitalismo na Itália. O retorno à cultura, à «evangeliza-
ção», encontrava seu lugar no afastamento da política representada
pela linha da «neutralidade absoluta». Para Gramsci, contudo, a pala-
vra de ordem da «neutralidade ativa e operante» era mais adequada
para o reconhecimento pelo proletariado da «própria imaturidade para
assumir o timão do Estado» e, ao mesmo tempo, seu envolvimento em
um processo progressivo de conscientização «de sua força de classe e
da sua potencialidade revolucionária» por meio da diferenciação com a
política burguesa e também a reformista1. A transformação cultural do
partido não poderia afastar-se da política.

1
  Sobre as polêmicas envolvendo este episódio da trajetória política e teórica de Gramsci,
cf. Rapone, 2011, pp. 11 e ss.
60 Daniela Mussi

Socialismo e cultura

O primeiro artigo de Gramsci na imprensa socialista foi mal rece-


bido no conjunto do PSI, o que o levou a uma posição marginal no inte-
rior do partido imediatamente depois de publicado. Isto, combinado às
crises de saúde e à necessidade de trabalhar para se sustentar, foi res-
ponsável por um período de afastamento de Gramsci da atividade jor-
nalística recém iniciada. Apesar dessas dificuldades, as cartas trocadas
com companheiros evidenciam um retorno no movimento socialista de
Turim e, um ano depois, em outubro de 1915, o início de uma atividade
de colaboração regular com os jornais «Avanti!» e «Il Grido del Popo-
lo» (CT, p. 11).
Em 22 de janeiro de 1916, ao escrever sobre a morte no front de
Pietro Gavosto, um jovem companheiro de partido, Gramsci relem-
brou sua aproximação da juventude socialista e a como interpretava
sua entrada no partido. Falou das vezes em que os jovens socialistas
de Turim saíam das «reuniões partidárias, circundando aquele que era
nosso líder» e, pelas ruas, continuavam as «discussões, preenchendo
-as de argumentos ferozes, de risadas excruciantes, de galopadas no
reino do impossível e do sonho» (ibid., pp. 10-15. Grifos adicionados). A
aproximação com os jovens socialistas significara muito para Gramsci,
especialmente pela intimidade conquistada com seus companheiros, a
verdadeira «força» que os tornara «conscientes de que neles estava o
futuro» e que eram capazes de imprimir ao conjunto do partido uma
orientação política nova (Rapone 2011, pp. 61-62; Tasca 1971, p. 89).
O sonho fora a maneira com que Tasca se referira ao seu proje-
to político, às «necessidades espirituais» que os jovens «culturistas» do
PSI deveriam imprimir ao conjunto do partido, às tarefas «evangeliza-
doras» realizadas com a «energia moral e revolucionária» (CT, p. 89).
Em Gramsci, contudo, esta imagem adquiria uma conotação ambígua.
Em uma carta que escreveu à irmã Grazietta no início de 1916 para falar
sobre sua situação pessoal, afirmou ter vivido «alguns anos fora do mun-
do, um pouco no sonho […] completamente para o cérebro e nada para
o coração» (E., p. 166. Grifos adicionados). Nesta carta, Gramsci rela-
tou dificuldades econômicas, de trabalho como professor particular em
Turim, de alimentar-se bem e de manter a saúde, bem como «do senti-
mento de que não conseguirei vencer a minha debilidade» para traba-
O jovem Antonio Gramsci 61

lhar o suficiente para ter tempo livre para se dedicar a outras coisas. O
«reino do impossível» era para ele também o reino das impossibilidades.
Ao recordar Gavosto, Gramsci recuperava o papel de «testemu-
nha» e «ator» daquele no conjunto de «esperanças» e «propósitos»
nutridos pelos jovens socialistas, para os quais «estudo», «pensamen-
to» e «sentimentos» estavam fundidos. Em janeiro de 1916, Grams-
ci se afastava dolorosamente deste sonho e iniciava um processo de
amadurecimento político e intelectual para o qual a atividade jornalísti-
ca cumpriu um papel fundamental e que, não por acaso, encontrou na
“cultura” um objeto de reflexão especial.
No artigo Socialismo e Cultura, publicado em 29 de janeiro de
1916 no jornal «Il Grido del Popolo» sob o pseudônimo «Alfa Gamma»,
Gramsci tratou «o problema da cultura», desenvolvido alguns anos
antes por Tasca no interior da Fgsi. Como em Tasca, a cultura foi apre-
sentada como o «problema de apoderar-se de si próprio», da busca
pela sincronia entre a existência natural e a existência consciente (CT,
p. 99). Esta sincronia, contudo, adquiria contornos mais amplos, histó-
ricos, era pensada como a «consciência da igualdade humana», entre
«plebeus» e «nobres», como «base e razão histórica» que possibilitara
o «surgimento da república democrática na antiguidade» e da repúbli-
ca burguesa a partir da Revolução Francesa (ibid., p. 101).
A cultura, portanto, não era vista como resultado de embates
intelectuais individuais e da educação oferecida por um grupo social
a outro, mas pensada como «princípio e limite» dos próprios confli-
tos sociais ao longo da história. Dessa maneira, pretendia estabele-
cer «uma justa compreensão do conceito de cultura» que pudesse ser,
também, uma forma de compreensão da natureza do socialismo (ibid.,
p. 102). Gramsci observava, ecoando algumas ideias de Salvemini a
respeito da Revolução Francesa, que não por acaso «toda revolução
é precedida por um intenso trabalho de crítica, de penetração cultu-
ral, um processo de permeabilidade de ideias entre grupos de homens
antes refratários a elas» (CT, p. 101; cf. Salvemini 1905). Como em Sal-
vemini, a relação entre cultura e política era a da “precedência” de uma
para a realização da outra, e a novidade de Gramsci estava em retirar
dos críticos e intelectuais a exclusividade do protagonismo neste pro-
cesso. Para tal, propunha a ideia da permeabilidade da cultura entre
grupos sociais, ideia que ganharia importante desenvolvimento poste-
62 Daniela Mussi

riormente em seu pensamento, particularmente nos Quaderni del Car-


cere [Cadernos do Cárcere], na discussão a respeito da «tradutibilidade
das linguagens científicas».
O alargamento histórico-político da reflexão sobre a cultura o leva-
va, ainda, a uma nova definição para o conceito: «cultura é organiza-
ção» (ibid., p. 101). Se a cultura é «permeável», conhecer seus «fato-
res» e operar sobre eles seria fundamental para o desenvolvimento de
um «estado de ânimo» orientado para um fim compartilhado, prepa-
rado, portanto, para agir nos momentos de «explosão» social (ibid., p.
101). O reconhecimento do processo coletivo de formação da «consci-
ência do eu, que se opõe aos outros, que se diferencia» estabelecia uma
forma de identidade entre cultura e organização. Afinal, para Grams-
ci apenas ao se expressar socialmente e coletivamente este novo «eu»
seria capaz de forjar «a meta a partir da qual se pode julgar os fatos e
os acontecimentos por si e para além de si» (ibid., p. 102).
No exemplo da Revolução Francesa ganhava relevo o papel cum-
prido pelo Iluminismo como movimento de concretização do momen-
to de trabalho crítico e penetração cultural, «uma magnífica revolu-
ção» a partir da qual se formara, em toda a Europa, «uma consciência
unitária, uma internacional espiritual burguesa sensível em toda par-
te às dores e desgraças comuns, e que foi a melhor preparação para
a revolta violenta depois verificada na França» (ibid., p. 102). No ano
seguinte, em agosto de 1917 – depois, portanto, do início de uma nova
revolução, desta vez na Rússia – Gramsci deslocaria sua reflexão para
a ideia de simultaneidade e mesmo equivalência entre cultura e revo-
lução. A revolução como «substituição de valores, de pessoas, de cate-
gorias, de classes», e a cultura como «audácia do pensamento que cria
mitos sociais sempre mais elevados e luminosos» (CF, p. 282).
Já em 1916 a cultura possuía um importante papel no pensamen-
to de Gramsci e seus artigos jornalísticos evidenciavam também um
esforço de elaboração resgata-la do individualismo característico do
pensamento neoidealista. Depois das eleições com sufrágio universal
de 1913, a «semana vermelha» de 1914 e, principalmente, a mobiliza-
ção massiva para entrada na guerra, o ambiente intelectual italiano era
agora paulatinamente deslocado pelo movimento em que as massas
trabalhadoras se permitiam «sair do caos e tornarem-se um elemento
de ordem», progressivamente conscientes de sua história, engajadas
concreta e efetivamente, orientadas em seus limites e princípios (CT,
O jovem Antonio Gramsci 63

p. 99). Neste novo contexto, seria necessária uma nova forma de pen-
sar a cultura, de compreender o processo de decadência da vida civil
burguesa e o surgimento de iniciativas de organização e mobilização
coletiva. Neste processo, a própria ideia de «disciplina do próprio eu
interior», de «tomada de posse da própria personalidade», precisava
ser reformulada (ibid., p. 101).
Um novo sentido para a «cultura» exigia um plano de «atração»,
em especial para as gerações mais jovens, um programa que represen-
tasse a nova «necessidade do espírito, a necessidade de estar junto
entre companheiros de ideal e de luta» (ibid., p. 238). Gramsci notava
que, apesar das várias iniciativas culturais do período, essa tarefa não
podia ser realizada plenamente pelos círculos intelectuais existentes,
cuja energia e potencialidade de desenvolvimento haviam caducado,
«perdido qualquer calor interno» (ibid., pp. 238-239).
Neste sentido é que uma «educação socialista do proletariado»
poderia propor-se como alternativa capaz de resolver «a cada dia, em
cada ato, por meio de cada atitude ideal», de maneira «equilibrada, geo-
métrica, por assim dizer, e não superficial», o problema da cultura (ibid.,
p. 382). Diferente da intervenção de Bordiga na polêmica da Fgsi, para
quem a formação seria resultado da luta prática combinada aos estu-
dos puramente individuais, Gramsci afirmava a cultura como processo
pedagógico e político, conduzido não como um somatório de conheci-
mentos («saber enciclopédico»), mas como formação para a elabora-
ção e realização dos desafios colocados, na medida de sua «afirmação
plena em todas as complexas e diversas atividades» (ibid., p. 382).
Gramsci criticava o ponto de vista, comum no interior do partido,
da «organização como fim em si mesma», focada tão somente em sua
ampliação numérica e pouco preocupada com as «atitudes» e «senti-
mentos» de seus ativistas, o que apenas a educação socialista poderia
atingir. Sendo um fim em si mesma, a organização se converteria em
«um verdadeiro obstáculo para o alcance do socialismo», incapaz de
oferecer respostas às necessidades de «unidade» e «coesão» no inte-
rior da «massa amorfa, flutuante» dos trabalhadores, bem como de
fortalecimento desta «pelo entusiasmo, pelo desenvolvimento de uma
atitude intelectual» (ibid., p. 352) A ação direta poderia servir como
ponto de «unidade» para as organizações por um tempo, mas não para
sempre. A manutenção de suas fileiras deveria ser realizada por ideias
64 Daniela Mussi

gerais, horizontes distantes, capazes de impor uma disciplina constan-


te e metódica (ibid., pp. 352-353).
Em 29 de dezembro de 1916, Gramsci retomou o problema da cul-
tura no artigo A Universidade Popular por meio da pergunta «por que
não foi possível consolidar um organismo de divulgação cultural em
Turim?» (ibid., p. 643). Sua crítica se dirigia ao projeto de universida-
de popular fomentado na Itália desde o início do século pelo PSI e pelos
sindicatos para absorver a parcela da população que não alcançara os
estudos universitários regulares. Esta instituição, em sua opinião, não
fora capaz de «criar um público» pois reproduzia um sistema de ensino
dogmático, sem estimular nos estudantes o «esforço por conquistar a
verdade» (Gramsci, 1973, p. 23). Por meio crítica a esta iniciativa edu-
cacional específica, Gramsci discutia justamente a dificuldade dos socia-
listas em propor um novo «princípio e limite» para sua atuação política.
Faltava à concepção da universidade popular a ideia de que para
que cada um pudesse desenvolver o «estado de ansiedade que pre-
cede uma descoberta», ou seja, envolver-se ativamente em um pro-
cesso educativo, seria preciso remover todo esquematismo da forma
como se educa (ibid., p. 23). O conhecimento – falou inspirado pelas
ideias de Croce – não estaria separado da história do conhecimento,
dos «esforços, erros e vitórias que permitiram o [seu] alcance» (ibid.,
p. 23). A única relação admissível entre socialismo e cultura, capaz de
evitar os vícios da universidade popular, seria aquela na qual a cultura
passasse a ser ensina e percebida como um desenvolvimento históri-
co elástico e duvidoso, permeado pela curiosidade e contingência, por
conflitos, vitórias e derrotas.
Gramsci falava da relação entre socialismo e cultura, mas não se
enxergava como professor ou «evangelizador». Seu lugar era o do estu-
dante: «quem escreve esta nota fala um pouco por experiência pesso-
al», como «jovem universitário» que se interessou pelo ensino quando
«o professor mostrou todo o trabalho de pesquisa conduzido por sécu-
los para aperfeiçoar o método de pesquisa», «liberando o espírito de
preconceitos», «apriorismos», «sentimentalismo», «retórica» (ibid., p.
23). A parte vital de todo estudo da cultura seria, então, o encontro
com o «espírito criativo, capaz de fazer assimilar os dados enciclopédi-
cos em seu devido lugar, fundidos em uma nova chama ardente de uma
nova vida intelectual» (ibid., pp. 23-24).
O jovem Antonio Gramsci 65

A cultura deveria ser pensada como organização, como fato de


massas, mas somente seria eficaz se fosse capaz de resgatar aque-
le «eu» cultural reivindicado por Tasca na polêmica com Bordiga em
1912. Aqui, porém, este «eu» perdia seu contorno tradicional, restri-
to aos grupos de intelectuais, para encarnar um «público», ainda bas-
tante vago, mas nascente. Um público que não possuía formação inte-
lectual precedente e para o qual o ensino poderia se tornar «um ato de
libertação» (ibid., pp. 23-24). Este público deveria ser capaz de apren-
der, com a história, que os erros e enganos fazem parte da busca pelas
certezas e pelo conhecimento e que, portanto, compreender o conhe-
cimento como parte de sua própria realidade «é o caminho que todos
devem percorrer» (ibid., p. 24).

A cultura como nova ordem

Gramsci buscou aproveitar ao máximo as possibilidades ofereci-


das por sua atividade jornalística no interior do partido, mas não pre-
tendia superestimá-la em relação aos desafios da direção político-par-
tidária. O jovem sardo pensava seu desenvolvimento como jornalista
«um parênteses, não um programa para o futuro», e evidenciava que
a educação socialista projetada no centro da atividade partidária não
era concebida de maneira restrita ou parcial no interior da organização
(CT, p. 353; Paggi 1970, p. 149).
Desde abril de 1916, Gramsci passou a acompanhar o debate
aberto no interior da seção socialista de Turim sobre a ideia de funda-
ção de um novo jornal socialista na cidade, que deveria ser um «foco
de entusiasmo», «a voz do partido que a cada dia alcançará espíritos
novos, energias novas» (CT, p. 353; Rapone 2011, p. 69). Desta dis-
cussão participavam, ainda, Angelo Tasca e Ottavio Pastore2, na defe-
sa da criação do jornal contra as posições socialistas mais oficialistas de
Giacinto Serrati3, que via nesta iniciativa o perigo da perda de contro-

2
  Ottavio Pastore (1888-1965) era jornalista e ativista socialista em Turim desde 1902 e,
em 1916, diretor da página piemontesa do Avanti!, para a qual Gramsci escrevia. Participaria, pou-
cos anos depois, da ruptura com o PSI e da fundação do PCI.
3
  Giacinto Menotti Serrati (1874-1926) era um importante dirigente do PSI, por quem
Gramsci nutria muito respeito, mas com quem polemizara muitas vezes. Ativo na Conferência
de Zimmerwald, em 1917 seria responsável por aproximar o partido italiano da Revolução Russa.
66 Daniela Mussi

le do partido sobre sua imprensa (CT, p. 354n). Para Gramsci, negar a


criação do jornal seria negar que o partido socialista em Turim estava
«diante de uma reviravolta; a sua ação político-administrativa, sua efi-
cácia enérgica, não está à altura de sua força efetiva» (ibid., p. 353).
Entre 1912 e 1916, a atividade política de Gramsci foi bastante
exterior às disputas internas do partido e mais presente na vida cultural
interna a sua seção, por meio das conferências que ministrava nos círcu-
los socialistas de Turim (Rapone 2011, p. 71). Sua atividade jornalística,
porém, começava a se voltar para o debate partidário de maneira mais
explícita, especialmente para combater o economicismo e burocratis-
mo que consumiam o partido e que colocava seus dirigentes em «um
labirinto sem saída» (CT, p. 352). No início de 1917, «a imagem mais
nítida e o perfil mais completo da personalidade intelectual de Grams-
ci», sua visão dos desafios políticos socialistas, afloraram nas páginas do
opúsculo «La Città Futura» [«A Cidade Futura»] (Rapone 2011, p. 68).
Preparado desde fins de 1916 e publicado em fevereiro de 1917
a partir da orientação do Comitê Regional da FGSI4, o jornal de núme-
ro único publicado em nome da Fgsi foi integralmente obra de Grams-
ci, um verdadeiro exercício de cultura. Folhetim de educação e pro-
paganda socialista dedicado aos jovens, «La Città Futura» se preten-
dia um «incentivo e um convite» (CF, p. 3). Um incentivo a um ato
de «independência e libertação», que Gramsci via no engajamento no
movimento socialista, e um convite para pensar os limites nos quais o
socialismo italiano esbarrava (ibid., p. 16). «O futuro é dos jovens, a
história é dos jovens» (ibid., p. 3). Com essas palavras, Gramsci recu-
perava o sentido de seu engajamento inicial no movimento socialista e
procurava combinar «energia» e «inteligência», a «mais perfeita e fru-
tífera afirmação» de um movimento socialista renovado (ibid., p. 16).
Não por acaso, «La Città Futura» retomava a discussão sobre a
«morte do socialismo» popularizada anos antes por Benedetto Croce,
mas no texto de Gramsci esta morte era também um renascimento do
potencial educativa e formativo do partido, capaz de «engrossar sem-
pre mais as fileiras e fechá-las» (ibid., p. 16). A morte se convertia em
vida e a situação defensiva na qual o socialismo se via diante de seus

4
  A responsabilidade do jornal foi, inicialmente, assumida pelo jovem ativista socialista de
Turim Andrea Viglongo, a quem Gramsci pediu para assumir a tarefa de conduzi-lo para dar-lhe
um caráter mais homogêneo e afinado com uma função formativa (CF, p. 4n).
O jovem Antonio Gramsci 67

críticos em uma oportunidade para armar os jovens socialistas para um


bom combate, capaz de superar o «senso comum», o «terrível aplaca-
dor de espíritos» (ibid., pp. 6-7).
A originalidade de Gramsci nascia da proposição de um comba-
te cultural e político de tipo popular, para «conceder a todos os cida-
dãos» a «atuação integral da própria personalidade humana» (ibid., p.
11). Sob este olhar, a crise do socialismo, cuja principal manifestação
se dava na deserção de muitos de seus intelectuais, poderia ser expli-
cada de duas formas. A primeira, como crise mais geral de «todos os
ismos» (positivismo, futurismo, nacionalismo), concepções engajadas
com relação às quais os intelectuais mantinham uma relação de per-
manente exterioridade, «diletante na fé e diletante no saber» (ibid., p.
24). Em seguida, como crise específica destas concepções, entre elas a
socialista, como «visão livresca da vida», na qual a vida era «uma avalan-
che observada sempre à distância» (ibid., p. 25).
A crise do socialismo era, para Gramsci, parte de uma crise geral e,
ao mesmo tempo, um fenômeno específico de crise. Como crise univer-
sal, a crise «dos ismos», o socialistas sofriam com a debandada intelec-
tual, como sofriam todas as iniciativas de tipo político, já que se expan-
dia entre os intelectuais o ideal de uma busca incessante pela verda-
de «fora» da vida organizada, que os levava a trocar o partido e a fé a
cada estação, na medida que novos modismos eram lançados. Como
crise singular, o socialismo italiano revelava sua incapacidade de enten-
der esta «avalanche», a qual assistia inerte e justificando o imobilismo
de maneira abstrata por meio de sua lógica, de seu modelo «científico»
(ibid., pp. 25-26). À crise dos intelectuais e à derrota do mito socialis-
ta, concluía, apenas a renovação e interiorização do proletariado pode-
ria oferecer uma saída (ibid., pp. 25-26).
A expansão do proletariado em vários países durante a guerra era,
para Gramsci, um claro sinal do potencial de renovação da vida popu-
lar, e também de intensificação de sua consciência que permitia o sur-
gimento de um novo mito, criado pela emergência do valor «número»,
«massa»: o «mito da universalidade». Este era o que fazia com que os
indivíduos se sentissem «partícipes de algo grandioso que está amadu-
recendo em cada nação, cada partido, cada seção, cada grupo» (ibid.,
pp. 26-27). Gramsci atribuía especial importância desta renovação aos
jovem «nos quais a vida política é mais atrasada» – e Turim era um bom
68 Daniela Mussi

exemplo – o que para ele significaria «o surgimento de uma nova gera-


ção livre, sem preconceitos, que romperá a tradição» (ibid., p. 32).

Apontamentos

Em «La Città Futura» Gramsci retomou sob novas bases o proje-


to surgido antes da guerra, no reino do impossível e do sonho dos jovens
socialistas de «fundar uma revista de vida socialista para ser o abrigo
das novas energias morais, do novo espírito […] idealista da nossa juven-
tude» (ibid., p. 34)5. «La Città Futura» não poderia ser visto, portanto,
como «mais um ensaio», uma síntese intelectual individual, mas deve-
ria funcionar como um chamado a «quem está convencido que o pen-
samento e a cultura socialista tenham muito o que fazer ainda, e que
uma nova voz de jovens possa ainda dizer muitas coisas» (ibid., p. 34).
Gramsci retomava, aqui, o projeto de 1913, de uma revista de pensa-
mento e vida socialista, cujo objetivo agora era definido: preparar uma
nova geração socialista, capaz de superar o «relativismo» dos intelectu-
ais e avançar na elaboração de um novo mito para preencher o vazio dei-
xado pela falência do socialismo de bases deterministas e reformistas.
As polêmicas do pré-guerra eram retomadas e o problema da
«preparação cultural necessária para o desenvolvimento da ação socia-
lista» se colocava mais uma vez, tendo Gramsci agora como um de
seus debatedores diretos (ibid., p. 70). A iniciativa de «La Città Futu-
ra» em Turim, cidade conhecida por ser «analfabeta» em termos polí-
ticos, era uma forma concreta, prática, de intervir nesta polêmica (CF,
p. 105). Neste jornal único, Gramsci expunha os termos de seu progra-
ma: desenvolver a relação entre disciplina e liberdade na organização
socialista, redefinir a «ordem» como um conceito chave e agregador,
«um incentivo para sair da passividade e indiferença» para ser protago-
nista da história (Rapone 2011, p. 68).
Enfrentar a passividade e indiferença significava recolocar o pro-
blema da constituição de uma nova ordem, capaz de «substituir o dua-

5
  A menção ao projeto do pré-guerra não deixava de ser uma forma de lembrar os amigos,
Angelo Tasca, Palmiro Togliatti e Umberto Terracini, que nesses dias serviam ao exército italiano
no conflito. O projeto só seria concretamente retomado em fins no ano seguinte, com o término
da guerra (d’Orsi, Chiarotto, 2012, p. 38).
O jovem Antonio Gramsci 69

lismo pela unidade», superando, portanto, a falência das «construções


sociais utópicas» baseadas em um «futuro harmonicamente coorde-
nado» e retomando uma justa definição do fim como «aquilo que ape-
nas pode ser», como princípio e base moral universal (Basile 2014, p.
205). As revoluções burguesas haviam realizado o princípio utópico de
maneira universal por meio do liberalismo. O aspecto paradoxal des-
ta realização evidenciava, na opinião de Gramsci, justamente o caráter
«nada absoluto ou rígido» da história, sendo que a realização plena do
Estado suscitava sua antítese no proletariado, e criava a necessidade de
novas ideias-força, convertendo-se em um ponto de partida universal
(ibid., p. 205). Nesse sentido, concluía: “os socialistas não devem subs-
tituir uma ordem por outra. Devem instaurar uma ordem em si mes-
mos” (CF, p. 11).

Referências bibliográficas

Arfè G., Storia del Socialismo Italiano. 1892-1926, Torino, Einaudi, 1965.
Barni U., Dopo Bologna. L’Avanguardia. Giornale di propaganda e di battaglia
socialista, v. 6, n. 258, p. 1, 29 set. 1912.
Basile L., «Caro Maestro», «Eccezionale studente»: sul rapporto di A. Gramsci
con V.A. Pastore. Ipotesi e Riscontri.«Giornale Critico della Filosofia Italia-
na», v. 10, n. 1, pp. 187-2011, jan.-abr. 2014.
Bordiga A., La posta dell’«Unità». Il problema della cultura e i giovani socialisti.
L’Unità. Problemi della vita italiana, v. I, n. 46, p. 184, 26 out. 1912a.
La posta dell’«Unità». Ancora il problema dei giovani socialisti. L’Unità. Proble-
mi della vita italiana, v. I, n. 48, p. 192, 9 nov. 1912b.
Comitato Centrale. Ai costritti della classe 1891, «L’Avanguardia. Giornale di
propaganda e di battaglia socialista», v. 5, n. 213, p. 1, 8 out. 1911a.
Federazione Italiana Giovanile Socialista. Seduta del 22 ottobre 1911, «L’A-
vanguardia. Giornale di propaganda e di battaglia socialista», v. 5, n. 216,
p. 3, 29 out. 1911b.
Cortesi L., Il socialismo italiano tra riforme e rivoluzione. Dibatti congressuali
del PSI 1892-1921, Bari, Laterza, 1969.
Croce B., Frammenti di Etica. «La Critica. Rivista di Letteratura, Storia e Filoso-
fia», v. 13, pp. 153-155, 1915.
Materialismo Storico ed Economia Marxistica, Bari, Laterza, 1921.
D.R. I convegni del «soviet» a Roma, «La Stampa», v. 51, n. 219, p. 2, 9 ago. 1917.
d’Orsi A., La cultura a Torino tra le due guerre, Torino, Einaudi, 2000.
70 Daniela Mussi

Introduzione. Antonio Gramsci e la sua Torino, in A. Gramsci, La nostra città


futura: Scritti Torinesi (1911-1922), Roma, Carocci, 2004.
Gramsci e la guerra: dal giornalismo alla riflessione storica, in F. Giasi, (Ed.)
Gramsci nel suo tempo, Roma, Carocci, 2008. v. I.
Gramsci. Una nuova biografia, Milano, Feltrinelli, 2017.
d’Orsi A., Chiarotto F., Introduzione in A. Gramsci, Scritti della libertà (1910-
1926), Torino, Riuniti, 2012.
De Felice R., Mussolini il rivoluzionario. 1883-1920, Torino, Giulio Einaudi,
1995.
Dias E.F., Gramsci em Turim: a construção do conceito de hegemonia, São Pau-
lo, Xamã, 2000.
Fiori G., Vita di Antonio Gramsci, Nuoro, Ilisso, 2003.
Gramsci A., Scritti politici I. Roma: Riuniti, 1973.
Cronache torinesi (1913-1917), Torino, Einaudi, 1980. [CT]
Quaderni del carcere, Torino, Giulio Einaudi, 1975. 4v. [QdC]
La città futura: 1917-1918, Torino, Giulio Einaudi, 1982. [CF]
Epistolario I. Gennaio 1906 - Dicembre 1922, Roma, Treccani, 2009. [E]
III Congresso Giovanile Socialista Piemontese, «L’Avanguardia. Giornale di
propaganda e di battaglia socialista», v. 6, n. 257, p. 4, 15 set. 1912a.
La seduta inaugurale, «L’Avanguardia. Giornale di propaganda e di batta-
glia socialista», La posta dell’«Unità». Ancora il problema della cultura e
i giovani socialisti., «L’Unità. Problemi della vitta italiana», v. 1, n. 48, p.
192, 09 nov. 1912a.
La posta dell’«Unità». Il problema della cultura e i giovani socialisti, «L’Uni-
tà. Problemi della vitta italiana», v. 1, n. 46, p. 184, 26 out. 1912b.
Lega antiprotezionista, «La Voce», v. 5, n. 41, p. 1175, 9 out. 1913.
Maranelli C., Per una organizzazione di cultura, «L’Unità. Problemi della vitta
italiana», v. 1, n. 46, p. 192, 9 nov. 1912.
Paggi L., Gramsci e il moderno principe. Nella crisi del socialismo italiano, Roma,
Editori Riuniti, 1970.
Rapone L., Cinque anni que paiono secoli. Antonio Gramsci da socialismo al co-
munismo (1914-1919), Roma, Carocci, 2011.
Rolland R., L’esprit libre, Paris, Albin Michel, 1953.
Salvemini G., La Rivoluzione Francese (1788-1792), Milano, L.F. Palestrini,
1905.
Silva P., I giovani socialisti, «L’Unità. Problemi della vitta italiana», v. 1, n. 44,
pp. 174-175, 12 out. 1912.
Tasca A., La posta dell’«Unità». Il problema della cultura e i giovani socialisti,
«L’Unità. Problemi della vitta italiana», v. 1, n. 46, p. 184, 26 out. 1912a.
Note d’un «culturista», «L’Avanguardia. Giornale di propaganda e di batta-
glia socialista», v. 6, n. 268, p. 2, 29 dez. 1912b.
O jovem Antonio Gramsci 71

Note d’un «culturista», «L’Avanguardia. Giornale di propaganda e di batta-


glia socialista», v. 6, n. 267, p. 2, 22 dez. 1912c.
I primi dieci anni del PCI, Seconda Edizione, Roma-Bari, Laterza, 1971.
Vella A., Dopo il Congresso di Modena, «L’Avanguardia. Giornale di propagan-
da e di battaglia socialista», v. 5, n. 216, p. 1, 29 out. 1911.
72 Daniela Mussi

Abstract

O artigo reconstrói os primeiros passos políticos de Antonio Gramsci a partir de 1912,


então estudante de Letras recém-chegado à Universidade de Turim, e sua aproximação
com a juventude e o Partido Socialista Italiano. Para tal, retoma as principais discussões
da juventude socialista no momento que antecede a Grande Guerra, particularmente as
polêmicas ao redor do problema da cultura e da educação socialista. Polêmicas das quais
Gramsci participou indiretamente, como evidencia as cartas trocadas com Angelo Tas-
ca, e das quais participou, também, Amadeo Bordiga. Em seguida, apresenta a maneira
como este tema foi retomado por Gramsci nos artigos deste para a imprensa socialista
já em meio ao conflito militar internacional e na crise de seu partido. A hipótese desen-
volvida é que Gramsci avançou, entre 1914-1916, na elaboração da ideia de cultura não
apenas como conhecimento e atividade intelectual individual, mas como processo cole-
tivo e disciplinado, em estreita conexão a política. Elaboração que encontraria na Cida-
de Futura o princípio da cultura como criação de uma nova ordem..

Key words: Antonio Gramsci, Cultura, Política, Socialismo.

The article reconstructs the first political steps of Antonio Gramsci from 1912, then a
student of Letters newly arrived at the University of Turin, and his approximation to
the Socialist movement. To this end, it resumes the main discussions among the  Ital-
ian Socialist outh before the Great War, controversies surrounding the problem of so-
cialist culture and political education. Controversies of which Gramsci participated in-
directly, as evidenced by the letters exchanged with Angelo Tasca, and also attend-
ed by Amadeo Bordiga. The article shows the way this subject was taken up again by
Gramsci in his articles for the socialist press already in the middle of the international
military conflict and in the begining of a crisis in the socialist party. The hypothesis de-
veloped is that Gramsci advanced, between 1914-1916, the idea of culture not only as
knowledge and individual intellectual activity, but also as a political collective process.

Key words: Antonio Gramsci, Culture, Politics, Socialism.


GRAMSCIANA 4 ISSN 2421-3799

GRAMSCIANA
Revista internacional de estudos sobre Antonio Gramsci
Revista internacional d’estudios sobre Antonio Gramsci
L’intellettuale gramsciano
Estratto

International Review of studies on Antonio Gramsci


in Palestina

Revue internationale d’études sur Antonio Gramsci


Rivista internazionale di studi su Antonio Gramsci
AUTORI
Derek Boothman, Marco Casalino,
Chiara Mezzasalma, Daniela Mussi,
Marco Paciotti, Guglielmo Pellerino,
Igor Piotto, Tamara Taher

4  2017

diretta da Angelo d’Orsi


GRAMSCIANA
temi
Joseph A. Buttigieg: an Appreciation
Il Gramsci-Project. La difficile
ricezione del pensiero di Antonio
Gramsci
O jovem Antonio Gramsci e o
problema da cultura (1912-1916)

L’intellettuale gramsciano
Gramsci e Foucault. Ipotesi di
confronto
L’intellettuale gramsciano in
Palestina: nodo “organico” tra società in Palestina

4
civile e società politica
Un dialogo tra la riflessione 2017
gramsciana e il marxismo
antiautoritario di Krahl
€ 30,00

Mucchi Editore

View publication stats