Sei sulla pagina 1di 4

CURSO DE ASTROLOGIA I ANA RODRIGUES

O UNIVERSO ANTIGO – A TEORIA DAS ESFERAS

Um dos obstáculos mais difíceis de superar para os recém-chegados à astrologia clássica é


entender e aceitar a visão de mundo diferente que a astrologia desenvolveu. Sem realizar esta
etapa, muitas das técnicas e características da arte parecem aleatórias e desconectadas. No
entanto, uma vez que os sistemas filosóficos e estruturais da astrologia foram devidamente
explicados, a interconexão de toda a arte é muito mais aparente e mais fácil de apreciar.

Antes que isso possa acontecer, é necessário re-visionar a estrutura do universo. Enquanto a
ciência nos mostrou que a Terra gira em torno do Sol que gira em torno do centro de nossa
galáxia, a astrologia a vê de forma muito diferente. Os astrólogos consideram o universo
geocêntrico (que o Sol e outros planetas giram em torno da Terra) por ser um quadro mais
praticamente útil.

Para ser claro, esta não é uma forma de negação da ciência. As duas visões de mundo não são
inteiramente mutuamente excludentes, pois o heliocentrismo (com a Terra girando em torno
do Sol) é objetivo, mas o geocentrismo é uma representação mais precisa da nossa experiência
subjetiva de nossa localização no universo. É essa experiência que a astrologia procura explicar
e que as cartas astrológicas retratam.

A cosmologia visível é um componente significativo do modelo universal medieval. Esta

ANA RODRIGUES WWW,MAPA-ASTRAL.NET


cosmologia visível é a ordem do cosmos que pode ser determinada com o olho humano sem
ajuda. As peças desta cosmologia são as estrelas, o Sol e a Lua, e os cinco planetas visíveis;
Mercúrio, Vênus, Marte, Júpiter e Saturno. Embora seja claro que há uma quantidade
inumerável de corpos além destes listados, é importante lembrar que a palavra "planeta" se
originou como uma diferenciação entre estrelas que pareciam se mover independentemente e
aquelas que pareciam se mover como um coletivo. O movimento aparente, é claro, só ocorre
devido à nossa perspectiva sobre a face da Terra. Embora essa definição tenha mudado para se
ajustar melhor ao atual ponto de vista objetivo, é importante lembrar suas origens e os começos
terrestres.

Esse movimento aparente dos planetas também serviu a outro propósito; Estabelecendo a
ordem dos planetas com base na distância percebida. Os planetas em movimento mais rápido
foram considerados mais próximos da Terra, enquanto aqueles que se moviam mais devagar
eram considerados mais afastados. A Lua, por exemplo, permanece em um signo do zodíaco por
apenas cerca de dois dias e meio, e foi considerado o planeta mais próximo da Terra. Saturno,
por contraste, permanece em um signo por cerca de dois anos e meio, colocando-o mais distante
de nossa posição na Terra.

Os planetas foram então colocados em esferas concêntricas onde esferas superiores envolvem
completamente as que estão abaixo delas. A esfera de Saturno envolvia a de Júpiter, a de Júpiter
CURSO DE ASTROLOGIA I

continha a de Marte, etc., até a Terra, que era o centro que essas outras esferas giravam ao
redor. A imagem abaixo é um diagrama mostrando este sistema.

1
CURSO DE ASTROLOGIA I ANA RODRIGUES

ANA RODRIGUES WWW,MAPA-ASTRAL.NET


A Esfera Sublunar

Antes de discutir as esferas planetárias, é melhor trazer nossa atenção de volta para casa.

A Terra e o espaço imediatamente adjacente a ela (a atmosfera) constituíram um lugar especial


na cosmologia medieval que foi chamada de "esfera sublunar"; A esfera sob a Lua. Esta esfera
tinha várias propriedades especiais que a distinguiam das esferas celestes dos planetas. O mais
significativo destes recursos é que geração e corrupção poderia ocorrer na Terra, mas não
ocorreu nos céus.
Os seres poderiam nascer, crescer, diminuir e morrer na Terra, o que serviu um contraste rígido
com os planetas e as estrelas sempre presentes e continuamente em movimento.
CURSO DE ASTROLOGIA I

A esfera sublunar contém também os quatro elementos clássicos terra, água, ar e fogo. As
interações e transmutações desses elementos provocaram mudanças no mundo e nos seres
individuais. As flutuações desses elementos à medida que se transformaram em seu ciclo
iniciaram mudanças sazonais, mudanças comportamentais em seres vivos, transições de idade
e até mesmo o curso de doenças.

2
CURSO DE ASTROLOGIA I ANA RODRIGUES

Essas mudanças elementares foram causadas principalmente pela influência celestial, mais
significativamente as do Sol e da Lua. Isso é mais facilmente observado pela mudança das
estações que ocorrem em resposta à quantidade variável de luz e calor que o Sol proporciona.

A esfera celeste

Além da esfera sublunar estão as esferas dos planetas. Existem sete planetas, e cada planeta
recebe sua própria esfera. Nenhum planeta pode entrar na esfera de outro, mas o planeta pode
estar em qualquer lugar dentro de sua própria esfera. Isso lhes permite espaço para
experimentar seus perigeus e apogees (suas distâncias mais próximas e mais distantes da Terra).

Na astronomia clássica, os movimentos retrógrados dos planetas foram explicados pelos


epiciclos de Ptolomeu. Cada planeta se movia ao longo desses círculos menores durante o curso
de seu movimento geral ao longo de sua esfera. Este movimento geral é chamado de deferente.
A imagem abaixo ilustra melhor estemovimento.

O planeta na imagem se move ao longo


do círculo deferente, mas também se
move acima e abaixo dele ao longo de

ANA RODRIGUES WWW,MAPA-ASTRAL.NET


seu epiciclo. Quando um planeta está
no interior de seu deferente é
retrógrado ou está aparecendo para
mover para trás. É por isso que os
planetas retrógrados aparecem mais
brilhantes no céu; Eles estão mais
próximos da Terra. Por outro lado, um
planeta que está do outro lado de seu
deferente está em movimento direto.
Todo o movimento de um planeta ao
longo de seu deferente e epiciclo está
encerrado dentro de sua esfera.

As esferas planetárias foram atribuídas a sua ordem com base na velocidade planetária
aparente. A Lua é a mais próxima, depois Mercúrio, seguida por Vênus, o Sol está no meio dos
planetas, a esfera de Marte está acima dela, a esfera de Júpiter é superior a Marte e, finalmente,
Saturno é colocado na esfera final.
CURSO DE ASTROLOGIA I

As esferas do Sol e da Lua são um pouco diferentes das outras. Estes dois planetas não
experimentam o movimento retrógrado, assim que não têm epicycles e sua esfera contem
somente o círculo deferent.

As Esferas Além

3
CURSO DE ASTROLOGIA I ANA RODRIGUES

Acima da esfera sublunar e das sete esferas dos planetas repousa a oitava esfera. Esta oitava
esfera abriga estrelas fixas e constelações e se move quase imperceptivelmente lentamente.
Essas estrelas são chamadas fixas não porque elas não se movem, mas porque elas não se
movem independentemente umas das outras. Esta esfera e as estrelas incontáveis dentro dele
movem-se como um grupo.

As oitava esfera foi inicialmente conceituada como a segunda à última esfera, mas com o tempo
a precessão dos equinócios causou um intervalo muito grande entre as constelações e os signos
do zodíaco com os quais eles originalmente coincidiram grosseiramente. Para compensar isso,
uma nona esfera foi introduzida em algum momento no início da Idade Média. Esta nona esfera
abriga os signos do zodíaco. É único em que não há movimento ou matéria associada a esta
esfera e existe como um espaço puramente espiritual ou matemático que mantém a integridade
do zodíaco tropical,

A esfera final no modelo geocêntrico universal pertence ao motor imóvel. Esta esfera é
responsável pelo movimento diurno. Como o nome sugere, o movimento diurno acontece uma
vez por dia e faz com que as estrelas se levantem no leste, culminem no sul, definidas no oeste
e viajem sob a Terra para subir novamente no Oriente em um circuito contínuo.

O Motor Imóvel se originou nos escritos de Aristóteles que o conceberam como uma vontade
divina ou ser que move tudo sem ser movido por nada. Ele chamou isso de Movimento Imóvel.

ANA RODRIGUES WWW,MAPA-ASTRAL.NET


A noção do movimento naural ser uma figura divina continuaria na cristandade Medieval onde
foi associado com Deus. As esferas além das estrelas fixas eram elas mesmas análogas ao Céu.

Este Céu não só abrigava o divino, mas também almas. Na tradição caldeia, a alma viajou deste
céu exterior para o universo. Antes de alcançar seu novo corpo e nascer, a alma viajaria para
baixo, através das esferas dos planetas. Isto é onde a alma adquiriria as influências de suas
posições natal que carregaria durante toda sua vida nova.

Uma doutrina semelhante ocorre no momento da morte, onde as almas dos mortos viajaram de
volta às esferas planetárias. Durante esta viagem de regresso, a alma abandonaria vários males
de volta aos planetas num esforço para reobtenecer a sua pureza espiritual para uma reunião
final com o divino. Uma experiência semelhante pode ser vista no trabalho de Dante Alighieri
The Divine Comedy.

Conclusão

Enquanto a conceituação clássica do universo é definitivamente diferente da que fomos


ensinados na escola, não é menos válida. Cada vez que um gráfico astrológico é lançado, é
lançado com a localização do evento ou questão como seu centro e os planetas são colocados
respectivos para esse centro. Isto simbolicamente coloca esse evento no centro do seu próprio
universo e dá-lhe uma sensação de significado que se perde no modelo heliocêntrico.
CURSO DE ASTROLOGIA I