Sei sulla pagina 1di 14

16 abril - 22 abril

MÓDULO 6
Dimensionamento de apoios

 Módulo 6 - Tópicos deste móduloPágina

 Módulo 6Página

 Duvidas sobre o módulo 6Fórum

 Módulo 6 - versão para impressãoPágina

 Leitura Adicional do módulo 6Página

 Exercício de dimensionamento de bases de pilaresFórum

Módulo 6 - Tópicos deste módulo

Módulo 6 - DIMENSIONAMENTO DE APOIOS


Tópicos deste módulo
6. DIMENSIONAMENTO DE APOIOS

Vídeo 10 - Ligações Ligações entre pilares e fundações

6.1. Dimensionamento das bases de pilares

6.2. Dimensionamento das bases articuladas

 6.2.1. Verificação da tensão no concreto


 6.2.2. Dimensionamento da chapa de base

6.3. Dimensionamento das bases rígidas


MÓDULO 6. DIMENSIONAMENTO DE APOIOS
6.1. Dimensionamento das bases de pilares

Ligações entre pilares e fundações


Antes de falarmos sobre dimensionamento da ligação entre pilares e os elementos de fundação
(bases de pilares), convém comentar uma questão importante, e que muitas vezes não é
prevista pela arquitetura, que são os cuidados com a interface entre os pilares e a fundação.
Maior atenção deve ser dada à possibilidade de ocorrência de umidade e sujeira junto ao pilar,
pois elas podem formar um meio eletrolítico e provocar sua deterioração. Para isso devem ser
previstas algumas soluções tais como: apoio do pilar sobre base de concreto com face superior
acima do piso acabado ou apoio do pilar diretamente sobre a fundação, ficando parte dele
enterrada no solo. Neste caso para evitar o contato direto do pilar com o solo, usa-se uma capa
de proteção em concreto impermeabilizado em volta do pilar. Além da capa deve ser previsto,
ao nível do piso acabado, um rodapé, de pelo menos 5 cm em volta do pilar. Ver figura 50a, b e
c.

Figuras 50a – Rodapé de concreto


Figuras 50b - Estrutura de estacionamento e detalhe pilar de aço com base de concreto
Dependendo do modelo estrutural adotado as bases dos pilares podem ser articuladas ou
rígidas.

Figura 50c – Base de pilar sobre bloco de concreto

6.2. Dimensionamento das bases articuladas

Neste caso só existe força normal aplicada à base.


Figura 51 – Base articulada

6.2.1. Verificação da tensão no concreto

Na base dos pilares metálicos, normalmente são previstas duas chapas, uma solta, de
nivelamento, que serve para garantir o prumo do pilar e outra soldada na base do pilar. Essas
chapas são as responsáveis por transmitir uma tensão adequada ao concreto de fundação.
Figura 52 – Chapas de base do pilar

Essa tensão máxima depende da resistência característica do concreto e vale:

6.2.2. Dimensionamento da chapa de base

Em primeiro lugar determina-se a área da chapa, de maneira que ela possa transmitir ao
concreto uma tensão que não ultrapasse a máxima determinada acima. Sendo assim essa
área é dada por:

onde
N - carga de trabalho do pilar

O concreto reage sobre a chapa com o mesmo valor da tensão a ele aplicado. Essa reação é
considerada como um carregamento de baixo para cima sobre a chapa de base. Esse
carregamento provoca na chapa momentos fletores que servirão para o dimensionamento de
sua espessura.

Considera-se como situação mais desfavorável os balanços resultantes da parte da chapa que
excede o perfil do pilar. Esses balanços são definidos conforme figura 51:

Figura 53

Como visto
Onde:

As dimensões L e B da chapa são dimensionadas e determinando-se a área necessária da chapa.


supondo-se Assim:

Para dimensionamento da espessura da chapa a tensão é transformada em carregamento.


Determina-se, em seguida, o momento fletor máximo considerando-se a chapa em balanço em relação ao
perfil do pilar de acordo com figura abaixo:

Figura 54

O momento no balanço é dado por onde b é o maior balanço.


,

A espessura da chapa é dada pelo módulo de resistência necessário:


- tensão máxima, onde:
,

6.3. Dimensionamento das bases rígidas

As bases rígidas são aquelas que além das forças verticais podem absorver momentos
fletores. Neste caso a distribuição de tensão na base não é uniforme. Para a determinação
dessas tensões soma-se o efeito da carga normal ao efeito do momento fletor. Para a
determinação das tensões devidas ao momento fletor usa-se o mesmo processo elástico usado
em seções retangulares, neste caso dado pela dimensões em planta da placa de base. O
dimensionamento desta é feito por tentativas, adotando-se inicialmente uma dimensão e
verificando se a tensão no concreto não supera o máximo admitido.

Sabe-se que a tensão máxima no concreto não deverá ultrapassar:


Figura 55

A tensão máxima aplicada ao concreto é dada pela seguinte relação:

onde

Como no caso de ligação articulada, para cálculo de sua espessura, considera-se a chapa em
balanço em relação ao perfil do pilar, suportando como carga a reação do concreto às tensões
a ele aplicadas. Assim:
Figura 56

Para facilitar o cálculo pode-se considerar a carga no balanço constante:

Figura 57
Para dimensionamento da espessura da chapa procede-se de mesma forma que nas bases
articuladas.

Para determinação da força de tração nos chumbadores analisa-se o equilíbrio entre os


esforços aplicados e as forças de reação nos chumbadores e na superfície de concreto.

Figura 58

Usando as condições de equilíbrio tem-se:

Onde
Resolvendo esse sistema de equações pode-se determinar os valores de x e T uma vez
que y é conhecido ( L - z ).

Conhecido o valor da tração nos chumbadores ( T ) pode-se dimensioná-los de seguinte forma:

Módulo 6 - Leitura Adicional do módulo 6


Leitura Adicional do Módulo 6

Para complementar o conteúdo deste módulo, aos que quiserem se aprofundar no tema, recomendamos a
leitura do texto adicional, cujo link apresentamos a seguir.
Para abrir ou baixar este texto, clique no link abaixo:

1. Coleção Manual de Construção em Aço : Interfaces Aço-Concreto -

Rio de Janeiro: Instituto Aço Brasil - Centro Brasileiro da Construção em Aço, 1ª edição, 2006.

Autor: Engº Ildony Hélio Bellei

* Obs: Este guia ainda não foi atualizado conforme a NBR 8800: 2008.

EXERCÍCIO DE PROJETO E DIMENSIONAMENTO

Sobre o exercício:

Este exercício é desenvolvido ao longo do curso, em etapas.


Nessa etapa, será sobre as bases de pilares.

Instruções para a resolução do exercícios:

A resolução dos exercícios pode ser apresentada na forma de arquivos Power point, .doc, pdf
ou Opendocument. No caso da inclusão de figuras, elas podem ser feitas em CAD e
incorporadas ao documento como Pdf ou como figura (Jpeg). Também podem ser feitas a mão
e escaneadas, ou fotografadas, e incorporadas ao documento. O importante é que a figura seja
legível e de fácil entendimento, e, na resolução do exercício se possa acompanhar o raciocínio
de seu desenvolvimento.

Após a resolução do exercício ele deve ser postado neste fórum e o roteiro de cálculo e figuras
incluídas como anexo.

Atenção: O arquivo não pode ultrapassar 5Mb pois este é o limite para anexos.

Será utilizado o mesmo projeto do Sobradinho apresentado anteriormente, cujos desenhos


estão disponíveis no exercício do módulo 1.

Exercício 7: Dimensionamento de bases de pilares.

Enunciado:

Utilizando o mesmo projeto do “Exercício 1: Lançamento de estrutura”, executar os seguintes


procedimentos:

1. Dimensionar uma base articulada;


2. Dimensionar uma base engastada.