Sei sulla pagina 1di 35
OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL
OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL

ÍNDICE

INTRODUÇÃO

3

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA O VÔO SAEZ / SCEL

4

Rota # 1(Rota preferencial) CIA ROUTE - EZESCL1

4

Rota # 2 (Rota Sul) CIA ROUTE - EZESCL2

4

Rota # 3 (Rota Norte) CIA ROUTE - EZESCL3

5

Rota # 4 – SAME / SCEL (Rota alternativa)

5

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA CRUZAMENTO DA CORDILHEIRA

6

CÓDIGOS SSR – ARGENTINA / CHILE

7

AEROPORTOS DE ALTERNATIVA

7

APROXIMAÇÃO EM SCEL

8

Aproximação com a TMA

8

Pouso e arremetida pista 17

8

PROCEDIMENTO PARA DESPRESSURIZAÇÃO

10

Inserção do ponto “UMKAL-25” no FMS

10

Despressurização ROTA # 1

10

Despressurização ROTA # 2

11

Despressurização ROTA # 4 e ROTA # 9 (Rota Alternativa)

11

PROCEDIMENTO PARA FALHA DE MOTOR

12

Inserção do ponto “UMKAL-25” no FMS

12

Engine Fail ROTA # 1

13

Engine Fail ROTA # 2

13

Engine Fail ROTA # 4 e ROTA # 9 (Rota Alternativa)

13

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA O VÔO SCEL / SAEZ

14

Rota # 5 (Rota preferencial) CIA ROUTE - SCLEZE1

14

Rota # 6 (Rota Norte) CIA ROUTE - SCLEZE3

15

Rota # 7(Rota Sul) CIA ROUTE - SCLEZE2

15

DECOLAGEM DE SANTIAGO

16

DECOLAGEM DE SANTIAGO ABAIXO DOS MÍNIMOS ILS CAT I

16

FALHA DE MOTOR NA DECOLAGEM - SCEL

17

TAXI COM BAIXA VISIBILIDADE

19

PROCEDIMENTOS PARA DESPRESSURIZAÇÃO SCEL / SAEZ

20

Despressurização ROTA # 5

20

Despressurização ROTA # 7

20

PROCEDIMENTOS PARA FALHA DE MOTOR

Engine Fail ROTA # 5

21

21

SAOOO

Elaboração: SÃOOO-01

Revisão: 05

Fevereiro / 2006

Pág.

1

OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL
OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL

Engine Fail ROTA # 7

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA O VÔO SBGR / SCEL

22

22

Rota # 8 (Rota preferencial) CIA ROUTE - GRUSCL1

22

Rota # 9 (Rota Alternativa) CIA ROUTE - GRUSCL2

23

Rota # 10 (Rota Norte) CIA ROUTE - GRUSCL3

24

PROCEDIMENTO PARA FALHA DE MOTOR E DESPRESSURIZAÇÃO

Inserção do ponto “ASIMO -20” no FMS

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA O VÔO SCEL / SBGR

24

25

26

Rota # 11 (Rota preferencial) CIA ROUTE - SCLGRU1

26

Rota # 12 CIA ROUTE - SCLGRU4

27

Rota # 13 (Rota Alternativa) CIA ROUTE - SCLGRU3

28

Rota # 14 (Rota Norte) CIA ROUTE - SCLGRU2

29

PROCEDIMENTO PARA FALHA DE MOTOR E DESPRESSURIZAÇÃO

30

Engine Fail ROTA # 13 (Rota Alternativa)

30

Depressurização ROTA # 13 (Rota Alternativa)

31

PROCEDIMENTO PARA FALHA DE MOTOR E DESPRESSURIZAÇÃO

32

OPERAÇÃO EM AEROPORTOS FORA DO BRASIL

33

SITE PARA VISUALIZAÇÃO DOS AEROPORTOS NO CHILE

33

PROCEDIMENTO APÓS POUSO EM AERÓDROMO DE ALTERNATIVA

34

SAOOO

Elaboração: SÃOOO-01

Revisão: 05

Fevereiro / 2006

Pág.

2

OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL
OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL

INTRODUÇÃO

Este MANUAL tem por objetivo familiarizar o tripulante com as normas referentes à operação do vôo para Santiago do Chile em condições normais, e anormais. Ele não dispensa a leitura e utilização dos manuais Jeppesen, onde serão encontradas informações complementares.

É obrigação do tripulante, ter o conhecimento necessário para a correta interpretação da simbologia contida nas cartas Jeppesen tais como:

SID

IAL

ENROUTE

TAXI ROUTE

AIRPORT SIGNS

RUNWAY AND TAXIWAY MARKINGS

Importa ser entendido, que é de extrema responsabilidade o fiel cumprimento das normas aqui descritas, para evitar incidente e acidente, causados pela dificuldade em lidar de maneira ordenada com normas simples.

Este vôo só será realizado por tripulação homologada. A operação será exclusiva do Comandante.

Vôos com tripulação composta, o piloto em comando (CM) deverá obrigatoriamente ocupar um dos postos de pilotagem nas fases de pouso e decolagem.

Hora UTC -SAEZ- local time plus 3 hours = UTC (+ 2 DST) Hora UTC -SCEL- local time plus 4 hours = UTC (+ 3 DST)

DIRETORIA DE OPERAÇÕES Assessoria de Rotas Internacionais

SAOOO

Elaboração: SÃOOO-01

Revisão: 05

Fevereiro / 2006

Pág.

3

OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL
OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA O VÔO SAEZ / SCEL

(Este capítulo refere-se às rotas #1; #2; #3; #4)

Não abandonar o eixo da aerovia durante o cruzamento da cordilheira.

Rota # 1(Rota preferencial) CIA ROUTE - EZESCL1

A aeronave será despachada nesta rota sempre que as condições meteorológicas

permitirem.

SAEZ EGEPA6 URINO UA306 NAVAR 5 ARRIVAL

MENDOZA

VILLA REYNOLDS SAFEL DOZ 114.9 UMKAL RYD 115.7 JUNIN LYE 116.3 NIN 116.1 RIBLA LESTA
VILLA REYNOLDS
SAFEL
DOZ 114.9
UMKAL
RYD 115.7
JUNIN
LYE 116.3
NIN 116.1
RIBLA
LESTA
EZE 116.5
COM A FINALIDADE DE EVITAR
APROXIMÇÕES DESESTABILIZADAS,
ESTA POSIÇÃO DEVERÁ SER
SOBREVOADA NO FL 090. PARA
TAL, INSERIR NO FMS: AT FL 090
SANTIAGO
AMB 116.1
Rota # 2 (Rota Sul)
CIA ROUTE - EZESCL2

A aeronave será despachada nesta rota sempre que as condições de vôo forem

desfavoráveis, e conhecidas, tais como:

Turbulência na cordilheira.

Diferença de pressão entre MENDOZA e SANTIAGO superior a 7Hpa.

Presença de nuvens lenticulares.

Previsão meteorológica destes fenômenos.

Consulta ao Ábaco de Harrison e número de Froude.

SAEZ EGEPA6 ASADA UW68 GPI UB684 ICO VG551 ANGOD DCT SCEL

SANTIAGO AMB 116.1 EZEIZA EZE 116.5 ANKON GEN PICO CURICO GPI 112.2 ICO 114.7 ASADA
SANTIAGO
AMB 116.1
EZEIZA
EZE 116.5
ANKON
GEN PICO
CURICO
GPI 112.2
ICO 114.7
ASADA

MALARGUE

MLG 117.2

SAOOO

Elaboração: SÃOOO-01

Revisão: 05

Fevereiro / 2006

Pág.

4

OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL
OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL

Rota # 3 (Rota Norte) CIA ROUTE - EZESCL3

A aeronave será despachada nesta rota sempre que as condições de vôo forem desfavoráveis e conhecidas no setor central e sul da cordilheira.

SAEZ ATOV2A ATOVO UW5 ROS UW55 JUA UM529 ASIMO BAYOS9 SCEL

SAN JUAN (on request) MARCOS JUA 113.1 VILA DOLORES JUAREZ LDR 310 ASIMO MJZ 114.7
SAN JUAN
(on request)
MARCOS
JUA 113.1
VILA DOLORES
JUAREZ
LDR 310
ASIMO
MJZ 114.7
ROSARIO
DILOK
ROS 117.3
X
SAN FERNANDO
FDO 114.4
X
LESTA
COM A FINALIDADE DE EVITAR
APROXIMÇÕES DESESTABILIZADAS,
ESTA POSIÇÃO DEVERÁ SER
SOBREVOADA NO FL 090. PARA TAL,
INSERIR NO FMS: AT FL 090.
EZEIZA
EZE 116.5
SANTIAGO

AMB 116.1

Rota # 4 – SAME / SCEL (Rota alternativa)

Esta rota deverá ser utilizada após o pouso em MENDOZA, motivado por uma das seguintes condições: turbulência na cordilheira; diferença de pressão entre MENDOZA e SANTIAGO superior a 7Hpa; presença de nuvens lenticulares; previsão meteorológica destes fenômenos; resultado da consulta ao Ábaco de Harrison e ou Número de Froude.

Para obter informações de turbulência no cruzamento da cordilheira, UTILIZE A FREQÜÊNCIA 10635 HF, CALL SIGN “MERINO”.

DOZ UW44 MLG UB684 ICO DCT SCEL

MENDOZA VILLA REYNOLDS DOZ 114.9 RYD 115.7 JUNIN LYE 116.3 SANTIAGO NIN 116.1 EZEIZA AMB
MENDOZA
VILLA REYNOLDS
DOZ
114.9
RYD 115.7
JUNIN
LYE 116.3
SANTIAGO
NIN 116.1
EZEIZA
AMB 116.1
ESITO
ANKON

CURICO

ICO 114.7

EZE 116.5

MALARGUE

MLG 117.2

SAOOO

Elaboração: SÃOOO-01

Revisão: 05

Fevereiro / 2006

Pág.

5

OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL
OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA CRUZAMENTO DA CORDILHEIRA

TRECHO MENDOZA / RIBLA - (87NM)

A cordilheira não deverá ser cruzada sempre que a diferença de pressão atmosférica

entre Mendoza e Santiago (para a rota #1 e rota #2) e entre La Serena e San Juan (para a rota #3 (rota norte)) for superior a 7 Hpa, mais a probabilidade encontrada no Ábaco de Harrison e no número de Froude. Estes fatores indicam a existência de turbulência forte. Todos os vôos da GOL serão despachados pela central DOV em SBSP após verificação desses fatores. Mesmo assim recomendamos o cheque das condições meteorológicas da cordilheira 00h30min antes de Mendonza. Caso um desses fatores seja observado e a autonomia não seja suficiente para cumprir a ROTA # 4 (sul da Cordilheira), o pouso deverá ser efetuado em Mendoza, para reabastecimento.

Durante o cruzamento da cordilheira os pilotos deverão manter no “clip” do manche as folhas dos procedimentos de contingências, de despressurização e falha de motor.

Todas as descidas sobre a cordilheira deverão ser efetuadas com o “ENG. ANTI-ICE ON”, do nível de cruzeiro até atingir a temperatura 10°C TAT.

Devido a constante ocorrência de turbulência associada a grande variação de desempenho sobre a Cordilheira. Fenômeno que ocorre quase sempre pela presença de uma corrente de jato associada a grande diferença de pressão entre o lado do Chile e o da Argentina. Por este motivo, a partir da presente data, adotaremos o procedimento a seguir para o cruzamento da cordilheira: as navegações serão calculadas para que o cruzamento seja efetuado no FL290, até as posições MALARGUE, EXITO e SRA constante nas respectivas aerovias. Caso este nível esteja indisponível o Comandante poderá optar entre o nível mínimo da aerovia e o FL310 (máximo).

Segue abaixo site que reúne as informações meteorológicas prestadas pelos pilotos que cruzam a cordilheira.

Htpp:// crucedemontana.lanchile.cl/

Informações complementares poderão ser obtidas junto ao ACC CÓRDOBA ou nas freqüências meteorológicas informadas na página SA5 capítulo de Meteorologia no Manual Jeppesen e também na freqüência 10635 HF, call sign “MERINO”.

Além das informações previstas para os fixos M , é usual as aeronaves informarem as

Além das informações previstas para os fixos M , é usual as aeronaves informarem as condições encontradas durante o sobrevôo da cordilheira no limite da FIR UMKAL (SAEZ / SCEL) e ALBAL (SCEL / SAEZ) aos controles Mendoza e Santiago.

O aviso “SEAT BELT ON” deverá permanecer ligado desde o inicio do sobrevôo até o

pouso, e da decolagem até o final do cruzamento da cordilheira. Chegada e saída respectivamente a partir de Mendoza e Malargue. Durante o briefing com os comissários

o comandante informará a obrigatoriedade em permanecer sentado com cintos de

segurança afivelados. Se por necessidade de serviço tiverem que atender algum passageiro, deverão ficar atentos para a qualquer momento retornarem aos seus lugares. Todo equipamento solto na cabina deverá ser guardado em local seguro antes do sobrevôo.

SAOOO

Elaboração: SÃOOO-01

Revisão: 05

Fevereiro / 2006

Pág.

6

OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL
OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL

CÓDIGOS SSR – ARGENTINA / CHILE

Toda a aeronave ao ingressar no espaço Aéreo da Argentina, acima de 3000 ft, sem um código SSR definido deverá acionar 2000.

Toda a aeronave ao ingressar no espaço Aéreo do Chile sem um código SSR definido deverá acionar 2000.

Os códigos SSR para interferência ilícita, falha de comunicação e emergência permanecem 7500 / 7600 / 7700.

Atenção: Após a seleção do terceiro digito, será acionado o alarme no radar do controle.

AEROPORTOS DE ALTERNATIVA

(Sem prejuízo operacional, obedecer a ordem dos alternados abaixo por interesse comercial)

1) SCIE (Concepcion) - Pista 2.300m, ILS/VOR, distância 274nm, tempo de vôo aproximado 00h48min.

Empresa de Handling

 

Lan Chile

Contato Sr. Herman Tejo

Escritório 056-41-732100 / 732004 - Cel. 056-991 88516

Supervisor de operações: Victor Quiroga Saez

Escritório 056-41-732008

Freqüência VHF

131.2

MHz

2) SAME (Mendoza) - Pista 2.835m, ILS/VOR DME, distância 215 nm.

Empresa de Handling

 

Lan Chile

Contato Sr. Flávio Vivas

Escritório 00 54 261 448 7387 - Cel. 00 54 261 448 7387

Supervisor de tráfego: Florência Mendoza

Escritório 00 54 261 448 4380 - Cel. 00 54 - 9 - 261 5108901

Freqüência VHF

131.7

MHz

3) SCSE (La Serena) - Pista 1938m, NDB/VOR, distância 217nm.

* O aeroporto de Concepción pode não estar disponível para alternativa devido limitação de espaço no pátio. Capacidade máxima 10 aeronaves.

Nota: Aeroportos ao longo da rota que não poderão ser utilizados para pouso devido limitações para operação IFR - SAMM (Malargue) / SAMR (San Rafel).

O piloto deverá calcular o PCN para qualquer aeroporto a ser utilizado como alternativa,

exceto aqueles constantes da navegação.

SAOOO

Elaboração: SÃOOO-01

Revisão: 05

Fevereiro / 2006

Pág.

7

OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL
OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL

APROXIMAÇÃO EM SCEL

A entrada pelo fixo UMKAL é a mais utilizada pelas aeronaves procedentes do Leste. A

STAR usual para pouso na pista 17 R/L é NAVAR 5 ou UMKAL 8, e RIBLA 3 para pouso

na

pista 35 R/L. O tempo considerado pelo controle para descer do FL 260 até o pouso é

de

15 minutos. Em casos eventuais de turbulência (orográficas) as aeronaves poderão

manter o nível de vôo até a posição SAFEL ou ainda até o VOR de VENTANAS, se necessário. Neste caso as aeronaves receberão orientação radar mais ao norte do previsto na STAR para desaceleração e perda de altitude. Em caso de espera o controle indicará um ponto 40nm ao norte do VOR de TBN.

Atenção: Durante a execução da STAR, devido ao relevo todos os desvios laterais de formações meteorológicas, e ou turbulência orográfica deverão ser efetuados em acordo com o controle de aproximação radar.

Caso a entrada seja feita pelo sul quando utilizando a rota # 2, devido turbulência na cordilheira, o fixo de início da vetoração será ANKON. Neste caso o tempo total de vôo será aumentado em 10 minutos.

Aproximação com a TMA congestionada.

A convergência entre os tráfegos procedentes de UMKAL, a leste e os demais tráfegos

procedentes do Norte do Chile é considerada um ponto crítico na terminal. O ponto de

convergência é o VOR TBN.

A solução do controlador, além de ajustes de velocidade, será iniciar uma vetoração em

direção ao setor Norte, ultrapassando o alinhamento da pista, para depois retornar à proa

de interceptação do localizador. Neste setor o FL 095 será o nível mínimo.

Existe uma vetoração que “encurta” as aproximações, porém exige uma descida acentuada. Os controladores foram informados das características de desempenho do B737-800 e do padrão operacional da GOL. Diante disso foi-lhes solicitado que não orientem nossas aeronaves para este tipo de vetoração.

As aproximações para a pista 35L/R são muito raras, porém com a aproximação de pré-

frontais poderá haver operação nestas pistas. O procedimento a ser efetuado será a

RIBLA 3 ARRIVAL passando AMB no FL 090, baixando para 5000ft no afastamento, e interceptando aproximação VOR, distante 14nm da cabeceira.

Pouso e arremetida pista 17.

A pista preferencialmente utilizada para as aproximações e pousos dos vôos

internacionais é a 17R, em virtude da localização dos Gates de parada na ala internacional. A pista 17L será utilizada preferencialmente para operação com baixa visibilidade e para atenuação de ruído entre 03h00min e 11h00min UTC. A extensão total

da pista 17R é de 3800m, porém a torre espera sempre que possível, mas não

obrigatório, que as aeronaves após o pouso livrem a pista na intersecção “U” evitando assim prosseguir até o final da mesma para iniciar o regresso, uma vez que não é permitido o 180 degree turns on runway. Esse tempo de táxi poderá determinar a arremetida da aeronave na seqüência para pouso. A extensão até a intersecção “U” é

de 2400m.

SAOOO

Elaboração: SÃOOO-01

Revisão: 05

Fevereiro / 2006

Pág.

8

OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL “FOR TRAINING PURPOSES ONLY” INTERNATIONAL 2400 m GATES
OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL
“FOR TRAINING PURPOSES ONLY”
INTERNATIONAL
2400 m
GATES

Durante a aproximação em condições visuais manter o alinhamento pelas indicações dos instrumentos (ILS/VOR) para não confundir a pista com a estrada que está paralela e próxima à RWY17R.

Já houve casos de aeronaves internacionais alinharem para esta estrada.

Após o pouso a aeronave será orientada a ocupar um dos Gates na ala internacional que vai do número 10 até o 19. Eventualmente poderão ser utilizados os Gates 20/21/22.

Para os casos em que a aeronave necessite ficar isolada, será indicado um ponto remoto na pista de táxi próximo a cabeceira 35R.

“FOR TRAINING PURPOSES ONLY” Ponto Remoto
“FOR TRAINING PURPOSES ONLY”
Ponto Remoto

SAOOO

Elaboração: SÃOOO-01

Revisão: 05

Fevereiro / 2006

Pág.

9

OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL
OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL

As arremetidas IFR deverão ser executadas conforme perfil estabelecido na carta. Caso

a arremetida seja efetuada em condições VMC, após atingir 5000ft no perfil da carta de

arremetida, as aeronaves serão orientadas a curvar à esquerda Radar Vector para interceptar o circuito visual mantendo 5000ft. Outra possibilidade será circular pela direita sob vetoração radar mantendo no mínimo 5000ft e velocidade restrita, uma vez que

existem obstáculos neste setor (W) até 3nm da pista. Após esta distância o nível mínimo será de FL095, os obstáculos estão distantes 7nm do eixo da pista. Este procedimento é considerado uma operação crítica, uma vez que a separação lateral do eixo da pista será de aproximadamente 2nm e a 5000ft. Assim sendo o controle não permite velocidades acima de 220 Kts.

Nota: Devido limitações operacionais não existe operação simultânea.

A Gol recomenda manter velocidade de Flap Up ao atingir 5000ft. Após, manter as velocidades previstas para o tráfego visual. A aeronave deverá estar configurada para pouso antes de receber o vetor para interceptar a aproximação final.

PROCEDIMENTO PARA DESPRESSURIZAÇÃO

(Este capítulo refere-se às rotas #1; #2; #4 e #9)

A falha do sistema de pressurização na ROTA # 1 exige um procedimento específico.

Para tal adotaremos um ponto a 25 nm antes da posição UMKAL, que será o balizador

utilizado para determinar o prosseguimento e ou retorno do vôo. Para a ROTA # 2 e ROTA # 4, adotaremos o ponto ANKON.

Inserção do ponto “UMKAL-25” no FMS

Este ponto deverá ser inserido no FMS como segue:

Criar o ponto UMKAL-25 no Scratchpad, e inserir na página de Legs.

Na página de Fix, inserir a posição MENDOZA e criar a Radial 265°. Esta linha de posição servirá para visualizar o eixo da aerovia em caso de retorno.

Despressurização ROTA # 1

Rota SAEZ / SCEL entre o fixo DOZ e o ponto “UMKAL-25” retornar para MENDOZA com

curva à direita descendo para o FL 260, re-interceptar a UA306 (*). Manter o FL 260 até

o bloqueio de MENDOZA ou descer de acordo com instruções do controle.

(*) Apesar de mão única, esta aerovia deverá ser re-interceptada durante a execução do procedimento descrito. Informar o Controle quando possível.

A execução da descida de emergência deverá obedecer a mecânica prevista no manual de instrução. Após atingir o FL mínimo da aerovia, não reduzir a velocidade.

SAOOO

Elaboração: SÃOOO-01

Revisão: 05

Fevereiro / 2006

Pág.

10

OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL
OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL
Após UMKAL-25 descer para o FL 260 seguindo em rota para SANTIAGO (AMB) pela aerovia,
Após UMKAL-25 descer para o FL 260 seguindo em rota para SANTIAGO (AMB) pela
aerovia, e após, de acordo com a STAR quando autorizada.
SAFEL
DOZ
TBN
UMKAL
UMKAL - 25

Despressurização ROTA # 2

Rota SAEZ / SCEL – A intersecção ANKON será o balizador utilizado para determinar o prosseguimento e ou retorno do vôo.

Retorno – Até ANKON, efetuar o retorno para MENDOZA com curva a esquerda, re-interceptar a UB684 e descer para o FL 180 até MALARGUE, após, descer para o FL 100 até MENDOZA via UW23 SRA, UW37 ESITO, UW44 DOZ (*).

(*) Não utilizar a aerovia UW44 entre os fixos MALARGUE e ESITO, devido nível mínimo e tempo de oxigênio.

Prosseguimento – Após ANKON prosseguir para SANTIAGO (AMB), descendo para o FL 160 até CURICO (ICO), e FL 100 até SANTIAGO (AMB).

MENDOZA DOZ 114.9 SANTIAGO AMB 116.1 ESITO SAN RAFAEL SRA 116.9 EZEIZA ANKON CURICO EZE
MENDOZA
DOZ 114.9
SANTIAGO
AMB 116.1
ESITO
SAN RAFAEL
SRA 116.9
EZEIZA
ANKON
CURICO
EZE 116.5
ICO 114.7
GEN PICO
GPI 112.2
ASADA

MALARGUE

MLG 117.2

Despressurização ROTA # 4 e ROTA # 9 (Rota Alternativa)

Rota SAME / SCEL – A intersecção ANKON será o balizador utilizado para determinar o prosseguimento e ou retorno do vôo.

SAOOO

Elaboração: SÃOOO-01

Revisão: 05

Fevereiro / 2006

Pág.

11

OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL
OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL

Retorno – Até ANKON, efetuar o retorno para MENDOZA com curva a esquerda, re-interceptar a UB684 e descer para o FL 180 até MALARGUE, após, descer para o FL 100 até MENDOZA via UW23 SRA, UW37 ESITO, UW44 DOZ. (*)

(*) Não utilizar a aerovia UW44 entre os fixos MALARGUE e ESITO, devido nível mínimo e tempo de oxigênio.

Prosseguimento – Após ANKON prosseguir para SANTIAGO (AMB), descendo para o FL 160 até CURICO (ICO), e FL 100 até SANTIAGO (AMB).

MENDOZA DOZ 114.9 SANTIAGO AMB 116.1 ESITO SAN RAFAEL SRA 116.9 ANKON CURICO ICO 114.7
MENDOZA
DOZ 114.9
SANTIAGO
AMB 116.1
ESITO
SAN RAFAEL
SRA 116.9
ANKON
CURICO
ICO 114.7

MALARGUE

MLG 117.2

PROCEDIMENTO PARA FALHA DE MOTOR

(Este capítulo refere-se às rotas #1; #2; #4 e #9)

Não existe limitação de desempenho para vôo monomotor sobre a cordilheira. O procedimento descrito tem como objetivo cumprir o item do Non-Normal Checklist “Plan to land at the nearest suitable airport”.

Para a ROTA # 1 adotaremos um ponto a 25nm antes da posição UMKAL, que será o balizador utilizado para determinar o prosseguimento e ou retorno do vôo. Para a ROTA # 2 e ROTA # 4, adotaremos o ponto ANKON.

Inserção do ponto “UMKAL-25” no FMS

Este ponto deverá ser inserido no FMS como segue:

Criar o ponto UMKAL-25 no Scratchpad, e inserir na página de Legs.

Na página de Fix, inserir a posição MENDOZA e criar a Radial 265°. Esta linha de posição servirá para visualizar o eixo da aerovia em caso de retorno.

SAOOO

Elaboração: SÃOOO-01

Revisão: 05

Fevereiro / 2006

Pág.

12

OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL
OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL

Engine Fail ROTA # 1

Rota SAEZ / SCEL entre o fixo DOZ e o ponto “UMKAL -25” retornar para
Rota SAEZ / SCEL entre o fixo DOZ e o ponto “UMKAL -25” retornar para MENDOZA, re-
interceptar a UA306 (*). Além deste ponto, prosseguir para SANTIAGO (AMB)
observando os níveis mínimos da aerovia.
SAFEL
DOZ
UMKAL
UMKAL - 25

(*) Apesar de mão única, esta aerovia deverá ser re-interceptada durante a execução do procedimento descrito. Informar o Controle quando possível.

Engine Fail ROTA # 2

Rota SAEZ / SCEL – A intersecção ANKON será o balizador utilizado para determinar o prosseguimento e ou retorno do vôo.

Retorno – Até o fixo ANKON, retornar para MENDOZA, curvar à esquerda, re- interceptar a UB684 até MALARGUE, após, UW44 para MENDOZA.

Prosseguimento - Após ANKON, prosseguir para SANTIAGO (AMB), obedecendo aos níveis mínimos da aerovia e de acordo com instruções do controle.

MENDOZA SANTIAGO DOZ 114.9 AMB 116.1 ESITO EZEIZA CURICO ANKON EZE 116.5 ICO 114.7 GEN
MENDOZA
SANTIAGO
DOZ 114.9
AMB 116.1
ESITO
EZEIZA
CURICO
ANKON
EZE 116.5
ICO 114.7
GEN PICO
GPI 112,2
ASADA
MALARGUE

MLG 117.2

Engine Fail ROTA # 4 e ROTA # 9 (Rota Alternativa)

Rota SAEZ / SCEL – A intersecção ANKON será o balizador utilizado para determinar o prosseguimento e ou retorno do vôo.

SAOOO

Elaboração: SÃOOO-01

Revisão: 05

Fevereiro / 2006

Pág.

13

OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL
OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL

Retorno – Até o fixo ANKON, retornar para MENDOZA, curvar à esquerda, re- interceptar a UB684 até MALARGUE, após, UW44 para MENDOZA.

Prosseguimento - Após ANKON, prosseguir para SANTIAGO (AMB), obedecendo aos níveis mínimos da aerovia e de acordo com instruções do controle.

MENDOZA SANTIAGO DOZ 114.9 AMB 116.1 ESITO CURICO ANKON ICO 114.7 MALARGUE
MENDOZA
SANTIAGO
DOZ 114.9
AMB 116.1
ESITO
CURICO
ANKON
ICO 114.7
MALARGUE

MLG 117.2

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA O VÔO SCEL / SAEZ

(Este capítulo refere-se às rotas #5; #6; #7)

Rota # 5 (Rota preferencial) CIA ROUTE - SCLEZE1

Esta rota será utilizada sempre que as condições meteorológicas permitirem.

SCEL LINER ALBAL UM424 ASADA SAEZ

SANTIAGO AMB 116.1 ALBAL SAN RAFAEL EZEIZA SRA 116.9 EZE 116.5 LINER RODIK ASADA
SANTIAGO
AMB 116.1
ALBAL
SAN RAFAEL
EZEIZA
SRA 116.9
EZE 116.5
LINER
RODIK
ASADA

SAOOO

Elaboração: SÃOOO-01

Revisão: 05

Fevereiro / 2006

Pág.

14

OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL
OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL

Rota # 6 (Rota Norte) CIA ROUTE - SCLEZE3

A aeronave será despachada nesta rota sempre que as condições de vôo forem

desfavoráveis e conhecidas no setor central e sul da cordilheira, tais como:

Turbulência na cordilheira.

Diferença de pressão entre SANTIAGO e MENDOZA superior a 7Hpa.

Presença de nuvens lenticulares.

Previsão meteorológica destes fenômenos.

Consulta ao Ábaco de Harrison e número de Froude

SCEL ESLAR3 DCT DILOK UM529 JUA UW55 MJZ UW24 SNT DCT SAEZ

SAN JUAN

JUA 113.1

ASIMO TABON
ASIMO
TABON

DILOK

TBN 113.9
TBN 113.9

SANTIAGO

AMB 116.1

(on request)

VILA DOLORES

LDR 310
LDR 310

MARCOS

JUAREZ

AMB 116.1 (on request) VILA DOLORES LDR 310 MARCOS JUAREZ SAN ANTONIO DE ARECO SNT 117.7

SAN ANTONIO

DE ARECO

SNT 117.7

LDR 310 MARCOS JUAREZ SAN ANTONIO DE ARECO SNT 117.7 EZEIZA EZE 116.5 MJZ 114.7 Rota
EZEIZA EZE 116.5
EZEIZA
EZE 116.5

MJZ 114.7

Rota # 7(Rota Sul)

CIA ROUTE - SCLEZE2

A aeronave será despachada nesta rota sempre que as condições de vôo forem

desfavoráveis, tais como:

Turbulência na cordilheira.

Diferença de pressão entre SANTIAGO e MENDOZA superior a 7Hpa.

Presença de nuvens lenticulares.

SAOOO

Elaboração: SÃOOO-01

Revisão: 05

Fevereiro / 2006

Pág.

15

OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL
OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL

Previsão meteorológica destes fenômenos.

Consulta ao Ábaco de Harrison e número de Froude

SCEL ICO UB684 GPI UW68 ASADA SAEZ

SANTIAGO AMB 116.1 EZEIZA CURICO ANKON EZE 116.5 ICO 114.7 GEN PICO GPI 112.2 ASADA
SANTIAGO
AMB 116.1
EZEIZA
CURICO
ANKON
EZE 116.5
ICO 114.7
GEN PICO
GPI 112.2
ASADA

MALARGUE

MLG 117.2

DECOLAGEM DE SANTIAGO

Utilização do L Nav

Quando a decolagem for da RWY17R a interceptação da radial 173º deverá ser feita na função HDG. Após o través do VOR utilize proa de interceptação de 30° e então a função L Nav. Tal recomendação evita que a aeronave utilize ângulo muito acentuado para a referida interceptação.

DECOLAGEM DE SANTIAGO ABAIXO DOS MÍNIMOS ILS CAT I

Incluir no briefing de decolagem o procedimento alternativo para falha de motor, e os procedimentos de contingência para o cruzamento da cordilheira.

Esta operação só será autorizada pela GOL quando as condições abaixo forem satisfeitas:

Mínimos de Visibilidade e RVR conforme publicado carta Jeppesen “TAKE-OFF” (2 Eng.) 400m.

Aeroporto de Concepción operando IFR (ILS CAT I) ou VFR.

Pátio do Aeroporto de Concepción com disponibilidade para estacionamento.

Estas informações deverão ser obtidas com o DOV antes do início do vôo na freqüência 130.85 MHz.

Este procedimento garante o pouso em Concepción no caso de “Engine Fail”.

SAOOO

Elaboração: SÃOOO-01

Revisão: 05

Fevereiro / 2006

Pág.

16

OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL
OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL

FALHA DE MOTOR NA DECOLAGEM - SCEL

No caso de falha de um motor após a decolagem das pistas RWY 17L / RWY 17R, cumprir o perfil da subida abaixo conforme descrito. Após, retornar para SANTIAGO (AMB) ou prosseguir para CONCEPCIÓN.

“FOR TRAINING PURPOSES ONLY”

VHF GOL 130.85 MHz Engine Out Acceleration Altitude: 2555 ft Rwy 17L Eng. Out –
VHF GOL 130.85 MHz
Engine Out Acceleration Altitude: 2555 ft
Rwy 17L
Eng. Out – Subir via R-174 AMB, até DESIT, em DESIT curvar a direita para a proa
do NDB TAL via magnética 222°. Prosseguir para o VOR de Santo Domingo via
R- 085. Manter entre V 2 e V 2 +20 até atingir 2555 ft; acelerar para velocidade de flap
up e subir até 5000 ft para órbita no NDB TAL, ou prosseguir subida para FL 070 e
órbita no VOR SNO.
Rwy 17R
Eng. Out – Subir via R-174 PDH, a 1 nm de PDH curvar a esquerda direto para
DESIT, em DESIT curvar a direita para a proa do NDB TAL via magnética 222°.
Prosseguir para o VOR de Santo Domingo via R- 085. Manter entre V 2 e V 2 +20 até
atingir 2555 ft; acelerar para velocidade de flap up e subir até 5000 ft para órbita no
NDB TAL, ou prosseguir subida para FL 070 e órbita no VOR SNO.

SAOOO

Elaboração: SÃOOO-01

Revisão: 05

Fevereiro / 2006

Pág.

17

OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL
OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL

No caso de falha de um motor após a decolagem das pistas RWY 35L / RWY 35R, cumprir o perfil da subida abaixo conforme descrito. Após, retornar para SANTIAGO ou prosseguir para CONCEPCIÓN.

“FOR TRAINING PURPOSES ONLY”

Engine Out Acceleration Altitude: VHF GOL 130.85 MHz 2555 ft
Engine Out Acceleration Altitude:
VHF GOL 130.85 MHz
2555 ft

Rwy 35R Eng. Out – Subir via R-354 AMB, até o UE NDB. Em UE curvar a direita para o VOR AMB no curso 198°. Após, abandonar AMB pela R-174 até DESIT e efetuar espera na posição PEFOR. Manter entre V 2 e V 2 +20 até 2555 ft e ou estabilizado na

magnética 198° para AMB (o que ocorrer por último). Após prosseguir subindo para

5000 ft para órbita em PEFOR.

Rwy 35L Eng. Out – Subir via R-354 PHD, até 4nm DME, curvar à direita direto pra o NDB UE. Em UE curvar a direita para o VOR AMB no curso 198°. Após, abandonar AMB pela R-174 até DESIT e efetuar espera na posição PEFOR. Manter entre V 2 e V 2 +20 até

2555 ft e ou estabilizado na magnética 198° para AMB (o que ocorrer por último).

Após prosseguir subindo para 5000 ft para órbita em PEFOR.

OBS.: O NDB UE (Lo´Castro) é o marcador externa do ILS da RWY 17L

SAOOO

Elaboração: SÃOOO-01

Revisão: 05

Fevereiro / 2006

Pág.

18

OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL
OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL

TAXI COM BAIXA VISIBILIDADE

O comandante deverá efetuar o Push-back de maneira a posicionar a aeronave de acordo com a rota de táxi definida através da simbologia: Flecha pontilhada.

O táxi com baixa visibilidade deverá obrigatoriamente ser conduzido com o auxílio do FOLLOW-ME CAR, até o início da Taxiway “C”. Em caso de indisponibilidade do mesmo, contatar o Piloto Coordenador Operacional, para definição do procedimento. A partir do início da Taxiway “C”, terá início a rota de taxi de baixa visibilidade, definida através da simbologia: Flecha tracejada mais barra de luzes hachurada na cor cinza.

Flecha tracejada mais barra de luzes hachurada na cor cinza. Nesta taxiway existem marcas numeradas no

Flecha tracejada mais barra de luzes hachurada na cor cinza. Nesta taxiway existem marcas numeradas no

Nesta taxiway existem marcas numeradas no solo para confirmação de posição (conforme simbologia abaixo). Estas posições poderão ser informadas ao controle de solo quando solicitadas.

“FOR TRAINING PURPOSES ONLY”
“FOR TRAINING
PURPOSES ONLY”

SAOOO

Elaboração: SÃOOO-01

Revisão: 05

Fevereiro / 2006

Pág.

19

OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL
OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL

PROCEDIMENTOS PARA DESPRESSURIZAÇÃO SCEL / SAEZ

(Este capítulo refere-se às rotas #5; #7)

A execução da descida de emergência deverá obedecer à mecânica prevista no manual de instrução. Após atingir o FL mínimo da aerovia, não reduzir a velocidade.

Despressurização ROTA # 5

A falha do sistema de pressurização na ROTA # 5 exige um procedimento específico. Para tal adotaremos ALBAL que será o balizador utilizado para determinar o prosseguimento e ou retorno do vôo.

Retorno – Até ALBAL, efetuar o retorno para SANTIAGO (AMB) com curva a direita, re-interceptar a UM424 até SUPRA, e descer para o FL 200, após, descer para o FL 110 até LINER, e prosseguir para SANTIAGO (AMB), de acordo com instruções do controle.

Prosseguimento - Após ALBAL, prosseguir até interceptar a UW44 mantendo o FL 210, em seguida, descer para o FL 130 até ESITO, e FL 100 até MENDOZA.

MENDOZA SANTIAGO DOZ 114.9 AMB 116.1 SANTO DOMINGO SNO 113.7 SNO 355 ESITO LINER SUPRA
MENDOZA
SANTIAGO
DOZ 114.9
AMB 116.1
SANTO DOMINGO
SNO 113.7
SNO 355
ESITO
LINER
SUPRA
ALBAL
SAN RAFAEL
SRA 116.9
MALARGUE

Despressurização ROTA # 7

MLG 117.2

Rota SCEL / SAEZ – A intersecção ANKON será o balizador utilizado para determinar o prosseguimento e ou retorno do vôo.

Retorno – curvar a direita, re-interceptar a UB684, descer para o FL 160 até a posição CURICO, e após FL 100 até SANTIAGO (AMB), de acordo com instruções do controle.

Prosseguimento – Após ANKON, prosseguir para MALARGUE, interceptar a UW23 descendo para o FL 100 até SAN RAFAEL, após UW37 até ESITO e UW44 até MENDOZA mantendo o FL 100 (*).

SAOOO

Elaboração: SÃOOO-01

Revisão: 05

Fevereiro / 2006

Pág.

20

OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL
OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL
(*) Não utilizar a aerovia UW44 entre os fixos MALARGUE e ESITO, devido nível mínimo
(*) Não utilizar a aerovia UW44 entre os fixos MALARGUE e ESITO, devido nível
mínimo e tempo de oxigênio.
MENDOZA
DOZ 114.9
SANTIAGO
AMB 116.1
ESITO
SAN RAFAEL
SRA 116.9
ANKON
CURICO
ICO 114.7
GEN PICO
GPI 112.2
ASADA

MALARGUE

MLG 117.2

PROCEDIMENTOS PARA FALHA DE MOTOR

(Este capítulo refere-se às rotas #5; #7)

Não existe limitação de desempenho para vôo monomotor sobre a cordilheira. O procedimento descrito tem como objetivo cumprir o item do Non-Normal Checklist. “Plan to land at the nearest suitable airport”.

Engine Fail ROTA # 5

Adotaremos o fixo ALBAL que será o balizador utilizado para determinar o prosseguimento e ou retorno do vôo.

Retorno – Até ALBAL, efetuar o retorno para SANTIAGO (AMB) com curva a direita, re-interceptar a UM424 até SUPRA, e descer para o FL 200, após, descer para o FL 110 até LINER, e prosseguir para SANTIAGO (AMB), de acordo com instruções do controle.

Prosseguimento - Após ALBAL, prosseguir até interceptar a UW44 mantendo o FL 210, em seguida, descer para o FL 130 até ESITO, e FL 100 até MENDOZA.

MENDOZA SANTIAGO DOZ 114.9 AMB 116.1 SANTO DOMINGO SNO 113.7 SNO 355 ESITO LINER SUPRA
MENDOZA
SANTIAGO
DOZ 114.9
AMB 116.1
SANTO DOMINGO
SNO 113.7
SNO 355
ESITO
LINER
SUPRA
ALBAL
SAN RAFAEL
SRA 116.9
MALARGUE
MLG 117 2

SAOOO

Elaboração: SÃOOO-01

Revisão: 05

Fevereiro / 2006

Pág.

21

OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL
OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL

Engine Fail ROTA # 7

Rota SCEL / SAEZ – A intersecção ANKON será o balizador utilizado para determinar o prosseguimento e ou retorno do vôo.

Retorno – Até ANKON, efetuar o retorno para SANTIAGO (AMB) com curva à direita, re-interceptar a UB684 até CURICO, após, SANTIAGO (AMB), obedecendo aos mínimos da aerovia e de acordo com instruções do controle.

Prosseguimento - Após ANKON, prosseguir para MALARGUE interceptar a UW44 até MENDOZA, obedecendo aos mínimos da aerovia.

MENDOZA SANTIAGO DOZ 114.9 AMB 116.1 ESITO EZEIZA CURICO ANKON EZE 116.5 GEN PICO GPI
MENDOZA
SANTIAGO
DOZ 114.9
AMB 116.1
ESITO
EZEIZA
CURICO
ANKON
EZE 116.5
GEN PICO
GPI 112.2
ASADA
MALARGUE

ICO 114.7

MLG 117.2

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA O VÔO SBGR / SCEL

(Este capítulo refere-se às rotas #8; #9 e #10)

Rota # 8 (Rota preferencial) CIA ROUTE - GRUSCL1

A aeronave será despachada nesta rota sempre que as condições meteorológicas permitirem.

SBGR CGO1 CGO UL310 POS UW14 ERE UA307 DOZ UA306 UMKAL NAVAR5 SCEL

CORDOBA

CERES UMKAL MENDOZA CBA 114.5 SAFEL RECONQUISTA ERE 115.5 DOZ 114.9 POSADAS RTA 117.1 POS
CERES
UMKAL
MENDOZA
CBA 114.5
SAFEL
RECONQUISTA
ERE 115.5
DOZ 114.9
POSADAS
RTA 117.1
POS 114.9
LESTA
COM A FINALIDADE DE EVITAR
APROXIMÇÕES DESESTABILIZADAS,
ESTA POSIÇÃO DEVERÁ SER
SOBREVOADA NO FL 090. PARA
TAL, INSERIR NO FMS: AT FL 090.

BONSUCESSO

BCO 116.0

SANTIAGO

AMB 116.1

SAOOO

Elaboração: SÃOOO-01

Revisão: 05

Fevereiro / 2006

Pág.

22

OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL
OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL

Rota # 9 (Rota Alternativa) CIA ROUTE - GRUSCL2

A aeronave será despachada nesta rota sempre que as condições de vôo forem desfavoráveis, e conhecidas, tais como:

Turbulência na cordilheira.

Diferença de pressão entre MENDOZA e SANTIAGO superior a 7Hpa.

Presença de nuvens lenticulares.

Previsão meteorológica destes fenômenos.

Consulta ao Ábaco de Harrison e número de Froude

SBGR CGO1 SCB UA310 BRETA UL310 POS UW14 ERE UA307 ALDEX UW23 MLG UB684 ICO VG551 AMB DCT SCEL

BONSUCESSO

BCO 116.0

UW23 MLG UB684 ICO VG551 AMB DCT SCEL BONSUCESSO BCO 116.0 SOROCABA SCB POSADAS POS 114.9
SOROCABA SCB POSADAS POS 114.9 BRETA CERES ERE 115.5 RECONQUISTA CORDOBA RTA 117.1 CBA 114.5
SOROCABA
SCB
POSADAS
POS 114.9
BRETA
CERES
ERE 115.5
RECONQUISTA
CORDOBA
RTA 117.1
CBA 114.5
SANTIAGO
AMB 116.1
ALDEX
SANTA ROSA
DE CONLARA
SRC 117.5
SAN LUIS
UIS 116.0
ANKON
SAN RAFAEL
SRA 116.9
CURICO

ICO 114.7

MALARGUE

MLG 117.2

SAOOO

Elaboração: SÃOOO-01

Revisão: 05

Fevereiro / 2006

Pág.

23

OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL
OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL

Rota # 10 (Rota Norte) CIA ROUTE - GRUSCL3

A aeronave será despachada nesta rota sempre que as condições de vôo forem desfavoráveis, e conhecidas no setor central e sul da cordilheira, tais como:

Turbulência na cordilheira.

Diferença de pressão entre MENDOZA e SANTIAGO superior a 7Hpa.

Presença de nuvens lenticulares.

Previsão meteorológica destes fenômenos.

Consulta ao Ábaco de Harrison e número de Froude

SBGR CGO1 CGO UL310 POS UW14 ERE UA307 CBA UW24 JUA UM529 ASIMO BAYOS9 SCEL

SAN JUAN

JUA 113.1 CORDOBA ASIMO CERES CBA 114.5 RECONQUISTA ERE 115.5 DILOK POSADAS RTA 117.1 POS
JUA 113.1
CORDOBA
ASIMO
CERES
CBA 114.5
RECONQUISTA
ERE 115.5
DILOK
POSADAS
RTA 117.1
POS 114.9
X
X
X
LESTA
COM A FINALIDADE DE EVITAR
APROXIMÇÕES DESESTABILIZADAS,
ESTA POSIÇÃO DEVERÁ SER
SOBREVOADA NO FL 090. PARA
TAL, INSERIR NO FMS: AT FL 090.

SANTIAGO

BONSUCESSO

BCO 116.0

AMB 116.1

PROCEDIMENTO PARA FALHA DE MOTOR E DESPRESSURIZAÇÃO

(Este capítulo refere-se à rota #8)

Rota SBGR / SCEL entre o fixo DOZ e o ponto “UMKAL-25” retornar para MENDOZA com curva à direita descendo para o FL 260, re-interceptar a UA306 (*). Manter o FL 260 até o bloqueio de MENDOZA ou descer de acordo com instruções do controle.

(*) Apesar de mão única, esta aerovia deverá ser re-interceptada durante a execução do procedimento descrito. Informar o Controle quando possível.

A execução da descida de emergência deverá obedecer a mecânica prevista no manual de instrução. Após atingir o FL mínimo da aerovia, não reduzir a velocidade.

SAOOO

Elaboração: SÃOOO-01

Revisão: 05

Fevereiro / 2006

Pág.

24

OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL
OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL
Após UMKAL-25 descer para o FL 260 seguindo em rota para SANTIAGO (AMB) pela aerovia,
Após UMKAL-25 descer para o FL 260 seguindo em rota para SANTIAGO (AMB) pela
aerovia, e após, de acordo com a STAR quando autorizada.
SAFEL
DOZ
TBN
UMKAL
UMKAL - 25

PROCEDIMENTO PARA FALHA DE MOTOR E DESPRESSURIZAÇÃO

(Este capítulo refere-se às rotas #3; #10)

Rota SBGR / SCEL ou SAEZ / SCEL – A intersecção “ASIMO -20nm” será o balizador utilizado para determinar o prosseguimento e ou retorno do vôo.

Inserção do ponto “ASIMO -20” no FMS

Este ponto deverá ser inserido no FMS como segue:

Criar o ponto ASIMO -20 no Scratchpad, e inserir na página de Legs.

Na página de Fix, inserir a posição JUA (SAN JUAN) e criar a Radial 257°. Esta linha de posição servirá para visualizar o eixo da aerovia em caso de retorno.

Retorno – Até “ASIMO -20nm”, efetuar o retorno para MENDOZA com curva a direita, re-interceptar a UM529 e descer para o FL 260 até SAN JUAN (JUA113.1), após, interceptar a W3-44 e descer para o FL 100 até MENDOZA (DOZ 114.9).

Prosseguimento – Após “ASIMO -20nm” prosseguir para SANTIAGO (AMB 116.1), descendo para o FL 260 e após de acordo com o perfil da carta de aproximação.

SAN JUAN JUA 113.1 CORDOBA ASIMO CERES CBA 114.5 RECONQUISTA ERE 115.5 DILOK POSADAS RTA
SAN JUAN
JUA 113.1
CORDOBA
ASIMO
CERES
CBA 114.5
RECONQUISTA
ERE 115.5
DILOK
POSADAS
RTA 117.1
POS 114.9
ASIMO -20
MEBRA
X
X
X
MENDOZA
LESTA
DOZ 114.9
COM A FINALIDADE DE EVITAR
APROXIMÇÕES DESESTABILIZADAS,
ESTA POSIÇÃO DEVERÁ SER
SOBREVOADA NO FL 090. PARA
TAL, INSERIR NO FMS: AT FL 090.
SANTIAGO

BONSUCESSO

BCO 116.0

AMB 116.1

Nota: Este procedimento aplica-se também para a rota # 3 (rota norte) SAEZ / SCEL

SAOOO

Elaboração: SÃOOO-01

Revisão: 05

Fevereiro / 2006

Pág.

25

OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL
OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA O VÔO SCEL / SBGR

(Este capítulo refere-se às rotas #10; rota #11; rota #12)

Rota # 11 (Rota preferencial) CIA ROUTE - SCLGRU1 Esta rota será utilizada sempre que as condições meteorológicas permitirem.

SCEL SUPRA7 ALBAL DCT FIR DCT ESITO W44 DOZ UA307 ERE UW14 POS UM400 PNG GURU27 SBGR

BONSUCESSO

BCO 116.0

ERE UW14 POS UM400 PNG GURU27 SBGR BONSUCESSO BCO 116.0 SANTOS SAT 375 ANISE POSADAS POS
SANTOS SAT 375 ANISE POSADAS POS 114.9 PARANAGUA PNG 340 CERES ERE 115.5 SANTIAGO RECONQUISTA
SANTOS
SAT 375
ANISE
POSADAS
POS 114.9
PARANAGUA
PNG 340
CERES
ERE 115.5
SANTIAGO
RECONQUISTA
AMB 116.1
RTA 117.1
MENDOZA
DOZ 114.9
CORDOBA
CBA 114.5
ESITO
SUPRA
ALBAL

DESIT

SAOOO

Elaboração: SÃOOO-01

Revisão: 05

Fevereiro / 2006

Pág.

26

OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL
OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL

Rota # 12

Esta rota será utilizada sempre que as condições meteorológicas permitirem.

CIA ROUTE - SCLGRU4

SCEL SUPRA7 ALBAL DCT ESITO W44 DOZ UA307 ERE UW14 POS UB688 FOZ UW48 LON UW51 GRADE DCT CPN DCT SBGR

BONSUCESSO

BCO 116.0

UW48 LON UW51 GRADE DCT CPN DCT SBGR BONSUCESSO BCO 116.0 GRADE LONDRINA LON 112.4 FOZ

GRADE

LONDRINA LON 112.4 FOZ FOZ 112.1 POSADAS POS 114.9 CERES ERE 115.5 SANTIAGO RECONQUISTA AMB
LONDRINA
LON 112.4
FOZ
FOZ 112.1
POSADAS
POS 114.9
CERES
ERE 115.5
SANTIAGO
RECONQUISTA
AMB 116.1
RTA 117.1
MENDOZA
DOZ 114.9
CORDOBA
CBA 114.5
ESITO
SUPRA
ALBAL

CAMPINAS

CPN 112.0

DESIT

SAOOO

Elaboração: SÃOOO-01

Revisão: 05

Fevereiro / 2006

Pág.

27

OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL
OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL

Rota # 13 (Rota Alternativa) CIA ROUTE - SCLGRU3

A aeronave será despachada nesta rota sempre que as condições de vôo forem desfavoráveis, e conhecidas, tais como:

Turbulência na cordilheira.

Diferença de pressão entre MENDOZA e SANTIAGO superior a 7Hpa.

Presença de nuvens lenticulares.

Previsão meteorológica destes fenômenos.

Consulta ao Ábaco de Harrison e número de Froude

SCEL LINER5 LINER UW117 ICO UB684 MLG UW23 ALDEX UA307 ERE UW14 POS UM400 PNG GURU27 SBGR

BONSUCESSO

BCO 116.0

ERE UW14 POS UM400 PNG GURU27 SBGR BONSUCESSO BCO 116.0 SANTOS SAT 375 ANISE POSADAS POS
SANTOS SAT 375 ANISE POSADAS POS 114.9 PARANAGUA PNG 340 CERES ERE 115.5 RECONQUISTA CORDOBA
SANTOS
SAT 375
ANISE
POSADAS
POS 114.9
PARANAGUA
PNG 340
CERES
ERE 115.5
RECONQUISTA
CORDOBA
SANTIAGO
RTA 117.1
CBA 114.5
AMB 116.1
ALDEX
SANTA ROSA
DE CONLARA
SRC 117.5
SAN LUIS
UIS 116.0
ANKON
SAN RAFAEL
SRA 116.9
CURICO

LINER

ICO 114.7

MALARGUE

MLG 117.2

SAOOO

Elaboração: SÃOOO-01

Revisão: 05

Fevereiro / 2006

Pág.

28

OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL
OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL

Rota # 14 (Rota Norte) CIA ROUTE - SCLGRU2

A aeronave será despachada nesta rota sempre que as condições de vôo forem desfavoráveis, e conhecidas no setor central e sul da cordilheira, tais como:

Turbulência na cordilheira.

Diferença de pressão entre MENDOZA e SANTIAGO superior a 7Hpa.

Presença de nuvens lenticulares.

Previsão meteorológica destes fenômenos.

Consulta ao Ábaco de Harrison e número de Froude

SCEL ESLAR3 TBN DCT DILOK UM529 SIS UA307 FOZ UW8 CTB UW47 PNG GURU09 SBGR

PIRAÇUNUNGA

PSN 113.3 BAURU BRU 380 ARARAQUARA FOZ AAQ 205 FOZ 112.1 LONDRINA LON 112.4 SAN
PSN 113.3
BAURU
BRU 380
ARARAQUARA
FOZ
AAQ 205
FOZ 112.1
LONDRINA
LON 112.4
SAN JUAN
JUA 113.1
ASIMO
RESISTENCIA
SIS 115.1
BONSUCESSO
DILOK
BCO 116.0
TABON TBN 113.9
TABON
TBN 113.9

SANTIAGO

AMB 116.1

SAOOO

Elaboração: SÃOOO-01

Revisão: 05

Fevereiro / 2006

Pág.

29

OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL
OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL

PROCEDIMENTO PARA FALHA DE MOTOR E DESPRESSURIZAÇÃO

(Este capítulo refere-se às rotas #11 e #12)

Rota SCEL / SBGR - Adotaremos o fixo ALBAL que será o balizador utilizado para determinar o prosseguimento e ou retorno do vôo.

Retorno – Até ALBAL, efetuar o retorno para SANTIAGO (AMB) com curva a direita, re-interceptar a UM424 até SUPRA, e descer para o FL 200, após, descer para o FL 110 até LINER, e prosseguir para SANTIAGO (AMB), de acordo com instruções do controle.

Prosseguimento - Após ALBAL, prosseguir até interceptar a UW44 mantendo o FL 210, em seguida, descer para o FL 130 até ESITO, e FL 100 até MENDOZA.

MENDOZA SANTIAGO DOZ 114.9 AMB 116.1 SANTO DOMINGO SNO 113.7 SNO 355 ESITO LINER SUPRA
MENDOZA
SANTIAGO
DOZ 114.9
AMB 116.1
SANTO DOMINGO
SNO 113.7
SNO 355
ESITO
LINER
SUPRA
ALBAL
SAN RAFAEL
SRA 116.9
MALARGUE
MLG 117,2

PROCEDIMENTO PARA FALHA DE MOTOR E DESPRESSURIZAÇÃO

(Este capítulo refere-se à rota #13)

Engine Fail ROTA # 13 (Rota Alternativa)

Rota SCEL / SBGR – A intersecção ANKON será o balizador utilizado para determinar o prosseguimento e ou retorno do vôo.

Retorno – Até ANKON, efetuar o retorno para SANTIAGO (AMB) com curva à direita, re-interceptar a UB 684 até CURICO, após, SANTIAGO (AMB), obedecendo aos mínimos da aerovia e de acordo com instruções do controle.

SAOOO

Elaboração: SÃOOO-01

Revisão: 05

Fevereiro / 2006

Pág.

30

OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL
OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL

Prosseguimento - Após ANKON, prosseguir para MALARGUE interceptar a UW44 até MENDOZA, obedecendo aos mínimos da aerovia.

MENDOZA

DOZ 114.9

SANTIAGO AMB 116.1 ESITO CURICO ICO 114.7 ANKON MALARGUE
SANTIAGO
AMB 116.1
ESITO
CURICO
ICO 114.7
ANKON
MALARGUE

MLG 117.2

Depressurização ROTA # 13 (Rota Alternativa)

Rota SAME / SCEL – A intersecção ANKON será o balizador utilizado para determinar o prosseguimento e ou retorno do vôo.

Retorno – Até ANKON, efetuar o retorno para MENDOZA com curva a esquerda, re-interceptar a UB684 e descer para o FL 180 até MALARGUE, após, descer para o FL 100 até MENDOZA via UW23 SRA, UW37 ESITO, UW44 DOZ. (*)

(*) Não utilizar a aerovia UW44 entre os fixos MALARGUE e ESITO, devido nível mínimo e tempo de oxigênio.

Prosseguimento – Após ANKON prosseguir para SANTIAGO (AMB), descendo para o FL 160 até CURICO (ICO), e FL 100 até SANTIAGO (AMB).

MENDOZA DOZ 114.9 SANTIAGO AMB 116.1 ESITO SAN RAFAEL SRA 116.9 ANKON CURICO ICO 114.7
MENDOZA
DOZ 114.9
SANTIAGO
AMB 116.1
ESITO
SAN RAFAEL
SRA 116.9
ANKON
CURICO
ICO 114.7

MALARGUE

MLG 117.2

SAOOO

Elaboração: SÃOOO-01

Revisão: 05

Fevereiro / 2006

Pág.

31

OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL
OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL

PROCEDIMENTO PARA FALHA DE MOTOR E DESPRESSURIZAÇÃO

(Este capítulo refere-se às rotas #6; #14)

Rota SCEL / SBGR ou SCEL / SAEZ – A intersecção “ASIMO +20nm” será o balizador utilizado para determinar o prosseguimento e ou retorno do vôo.

Retorno – Até “ASIMO +20nm”, efetuar o retorno para SANTIAGO (AMB 116.1) com curva a esquerda, re-interceptar a UM529 na proa de DILOK e descer de acordo com a STAR.

Prosseguimento – Após “ASIMO +20nm” prosseguir para MENDOZA, descendo para o FL 260 na proa de San Juan até interceptar a W3-44 e após de acordo com o perfil da carta de aproximação.

BONSUCESSO

BCO 116.0

SANTOS SAT 375 ANISE
SANTOS
SAT 375
ANISE

CURITIBA

RESISTENCIA CTB 116.5 SIS 115.1 SAN JUAN FOZ JUA 113.1 FOZ 112.1 ASIMO +20 MEBRA
RESISTENCIA
CTB 116.5
SIS 115.1
SAN JUAN
FOZ
JUA 113.1
FOZ 112.1
ASIMO +20
MEBRA

PARANAGUA

PNG 340

MENDOZA

X X
X
X
LESTA DOZ 114.9 COM A FINALIDADE DE EVITAR APROXIMÇÕES DESESTABILIZADAS, ESTA POSIÇÃO DEVERÁ SER SOBREVOADA
LESTA
DOZ 114.9
COM A FINALIDADE DE EVITAR
APROXIMÇÕES DESESTABILIZADAS,
ESTA POSIÇÃO DEVERÁ SER
SOBREVOADA NO FL 090. PARA
TAL, INSERIR NO FMS: AT FL 090.

Nota: Este procedimento aplica-se também para a rota # 6 (rota norte) SCEL / SAEZ

SAOOO

Elaboração: SÃOOO-01

Revisão: 05

Fevereiro / 2006

Pág.

32

OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL
OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL

OPERAÇÃO EM AEROPORTOS FORA DO BRASIL

Segue abaixo recomendações a serem adotadas para operação em aeroportos estrangeiros e aqueles onde a tripulação não opera com freqüência.

Devido ao nível de atenção exigido durante as fases de execução dos procedimentos de aproximação e pouso em áreas com grande volume de tráfego recomendamos evitar ao máximo a manipulação dos CDU’s abaixo do FL100 em momentos de alto “Workload”. Após o pouso, sempre que a tripulação tiver dúvidas quanto às instruções de táxi, ou ainda pouca familiarização com o aeroporto, recomendamos a solicitação de instruções detalhadas de táxi. Exemplo: solicite “Progressive Taxi”. Quando houver necessidade de cruzamento da pista em uso, e ou pista paralela, com o intuito de evitar qualquer tipo de incidente, recomendamos ligar todas as luzes, inclusive as “strobe lights”.

SITE PARA VISUALIZAÇÃO DOS AEROPORTOS NO CHILE

Para

http://www.aipchile.cl/camara Observe que os aeroportos estão divididos por zonas. Veja abaixo página inicial do site.

visualização

“real

time”

dos

aeroportos

no

Chile

acesse

o

site

“real time” dos aeroportos no Chile acesse o site SAOOO Elaboração: SÃOOO-01 Revisão: 05 Fevereiro /

SAOOO

Elaboração: SÃOOO-01

Revisão: 05

Fevereiro / 2006

Pág.

33

OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL
OPERAÇÃO SANTIAGO DO CHILE - SCEL

PROCEDIMENTO APÓS POUSO EM AERÓDROMO DE ALTERNATIVA

Após pouso em aeroporto não atendido pela GOL, o Cmte. deverá ligar a cobrar para o CCO, e ou Piloto Coordenador, nos telefones abaixo, com a finalidade de providenciar o re-despacho do vôo.

CCO – 55 11 3169-6273 / 6274 / 6277 / 6278 / 6279 / 6282.

Piloto Coordenador – 55 11 3169-6260 / 3160-6285.

Favor consultar o código para ligação a cobrar com o agente do aeroporto local.

SAOOO

Elaboração: SÃOOO-01

Revisão: 05

Fevereiro / 2006

Pág.

34