Sei sulla pagina 1di 128

FITOTERAPIA,

AROMATERAPIA &
FITOAROMATOLOGIA

Elias Abrão Neto


CTH 11071/06 CRK 10195
O CAMPO ELETRO-MAGNÉTICO - AURA

A Teoria da AURA pressupõe que cada objeto ou ser está envolvido num campo de energia magnética
que permite a influência recíproca de outras energias presentes em seu ambiente imediato. Este campo de energia
magnética constitui-se de sete corpos relacionados com os chakras e glândulas do sistema endócrino.
A harmonia e equilíbrio de cada ser, seu grau e qualidade, podem ser avaliados observando-se sua
AURA. Há duas formas de vê-la: subjetivamente por alguns médiuns ou objetivamente, utilizando um cristal
denominado TELA KILNER. Esta tela, descoberta por Walter J. Kilner, cientista dos anos vinte, sensibiliza a
visão, possibilitando a sua identificação.
Mais recentemente, a fotografia KIRLIAN proporcionou um método bem mais preciso para a
visualização da AURA.
Cada ser ou substância, animada ou inanimada, desde que suas funções não estejam deterioradas, possui
AURA, cuja existência se deve à força vital inerente aos elementos naturais pelos quais são constituídos. Essa
força vital, procedente de uma fonte mineral, vegetal, animal ou humana, cria um reino ou plano áurico
comum, que é o reservatório da energia pura e livre. Neste plano, os reinos mineral e vegetal atuam
constantemente, transferindo, através de seus próprios canais de comunicação, sua força vital particular à
natureza mais sutil dos animais e seres humanos. Portanto a AURA representa a somatória de todas essas
qualidades, apresentando uma imagem completa do sujeito em sua totalidade.
A aura pode ser vista como uma emanação multicolorida, estratificada e ovalada, que rodeia o sujeito.
Sua aparência, forma e tamanho determinam, entre outras coisas, o estado de saúde do indivíduo.
A natureza do campo de energia magnética que envolve os objetos materiais possui quatro
características fundamentais: ATRAÇÃO, UNISSONÂNCIA, REPULSÃO E ATIVAÇÃO. Essas
características naturais permitem interpretar a aura com diversas finalidades, especialmente para a diagnose.
O campo de energia magnética pode ser usado pela Psicologia, para avaliar e confirmar certas
informações dos indivíduos com relação a emoções, formas de pensamento e acontecimentos.
Nos seres humanos, o campo de energia magnética interage e ressoa em SETE CORPOS ou PLANOS
ÁURICOS. As três primeiras camadas são associadas à energia do MUNDO FÍSICO, metabolizando-as; a
quarta camada é um transformador, interligando camadas áuricas e campos energéticos; e as três camadas
áuricas superiores metabolizam as energias relacionadas com o MUNDO ESPIRITUAL.

OS DIFERENTES PLANOS ÁURICOS

Os sete planos áuricos (ou corpos áuricos) e suas funções, em ordem de qualidade crescente, são os
seguintes:
CORPO ETÉRICO (0,5 – 5cm) – estrutura definida de linhas de força sobre a qual se modela e firma
a matéria física dos tecidos do corpo. Contém energia dos órgãos, e se expande, ou se retrai, de acordo com seu
funcionamento.
CORPO EMOCIONAL (2,5 – 7,5cm) – está associado aos sentimentos, seguindo aproximadamente
os contornos do corpo físico, sendo sua estrutura mais fluída que a do corpo etérico. É constituído de nuvens
coloridas em contínuo movimento.
CORPO MENTAL (7,5 – 20cm) – está associado a pensamentos e processos mentais; contém a
estrutura de nossas idéias. Quando em equilíbrio é translúcido com emanações douradas, como bolhas.
CORPO EXTRA-SENSORIAL (15 – 30cm) – composto por nuvens multicoloridas, advindas das
percepções e emoções extra-sensoriais.
CORPO ETÉRICO PADRÃO (45 – 60cm) – campo de energia estruturada sobre o qual cresce o
corpo físico. Contém todas as formas padronizadas e definidas para a REENCARNAÇÃO. É o nível onde o som
cria a matéria; composto de linhas transparentes sobre um fundo azul escuro (que é espaço sólido).
CORPO EMOCIONAL SUPERIOR (70 – 90cm) – neste nível experimentamos o êxtase espiritual;
é o plano de identificação com DEUS. Composto por pontas de luz.
CORPO CAUSAL (75 – 100cm) – contém as impressões de vidas passadas e todos os corpos áuricos
associados à encarnação atual do indivíduo, protegendo-os e mantendo-os unidos. É o nível mais forte e
elástico do campo áurico e contém a corrente principal de força que se desloca ao longo da espinha.

1
___Mente divina, serenidade

__________Amor divino, êxtase


espiritual

_______________Vontade divina
interior

_____________________Relações
com os outros

_________________________Mente
racional

___________________________Emoções
relacionadas
com o eu

__________________________Sensação física

2
CHAKRAS E SUAS CORRESPONDÊNCIAS

Chakra Corpo Função Som Cor Elemento Glândulas Órgãos


Áurico Psicológica
Básico Etérico / Ser no LAM Vermelho Terra Supra- Rins, coluna
(4 pétalas) físico mundo renais vertebral, ossos,
físico dentes, intestino
grosso, reto, ânus.
Umbilical Emocional Ter / VAM Laranja Água Gônadas, Sistema reprodutor,
(6 pétalas) reprodução glândulas bexiga, quadris,
criativa sexuais pernas, pés.
masc. e
fem.
Plexo Solar Mental Saber / RAM Amarelo Fogo Pancreas Baço, estômago,
(10 pétalas) constituição fígado, vesícula,
parte inferior das
costas, sistema
nervoso vegetativo.
Cardíaco Extra Amar / YAM Verde Ar Timo Coração, sistema
(12 pétalas) Sensorial abnegação circulatório, parte
superior das costas,
nervo vago, pele,
sangue.
Laríngeo Etérico Criar / HAM Azul claro Éter Tireóide Aparelho brônquico
(16 pétalas) Padrão ressonância e vocal, nuca,
queixo, ouvido,
boca, pulmões,
braços, canal
alimentar.
Frontal Emocional Liderar / OM Azul Pituitária Sistema nervoso
(96 pétalas) Superior auto escuro central, nariz, olhos,
conhecimen rosto, ouvido.
to
Coronário Causal Servir / ser Violeta e Pineal Cérebro
(972 pétalas puro branco
– Também
conhecido
como Lótus
de mil
pétalas)
Estrela da Ancorar Magenta Supra Transpessoal
Terra Renais
Coordenador Coordenar Rosa Pineal, Transpessoal
Pituitária e
Carótida
Causal Verdadeiro Turquesa Pineal Transpessoal
Eu
Estrela da Sintonizar/ Dourado Pineal Transpessoal
Alma Purificar
Portal das Conexão Prateado Pineal Transpessoal
Estrelas Divina

3
4
CONFLITOS EMOCIONAIS
ÓRGÃOS, GLÂNDULAS E SISTEMAS ENVOLVIDOS

Conflitos Órgãos Conflitos Órgãos


Raiva Fígado, pulmão e coração Ansiedade Intestino, vesícula,
estomago e rim
Apatia Intestino e supra-renais Arrogância Baço e coração
Amargura Fígado, pulmão e intestino Defesa Fígado, pulmão e baço
Cinismo Intestino e pâncreas Desilusão Intestino, estomago e
pâncreas
Depressão Estomago, baço, rim e Competição Fígado, baço e coração
timo
Inveja Fígado e nervo vago Abandono Vesícula
Solidão Vesícula e rim Isolamento Rim e bexiga
Fracasso Circulação Rejeição Baço, intestino e timo
Mágoa Vesícula e pâncreas Culpa Pulmão, coluna e rim
Identidade Circulação e timo Impaciência Rim, baço e coração
Intolerância Pituitária, baço e supra- Inferioridade Circulação, intestino e
renais tireóide
Indecisão Rim e bexiga Ciúme Gônadas, bexiga e pulmão
Fé Coração, sangue, pele e Humor Rim, nervos óticos, sistema
baço nervoso central
Negligência Pâncreas, estômago e Obsessão Pineal, cérebro e rim
intestino
Paranóia Rim, hipófise, gônadas e Possessividade Pulmão, coluna vertebral e
intestino circulação
Preocupação Bexiga e coração Preconceito Estômago, pâncreas e baço
Relacionamento Pulmão e intestino Egoísmo Circulação, pulmão e pineal
Vitimização Baço, rim e intestino Sexualidade Gônadas, bexiga e
circulação
Timidez Sangue, coluna vertebral e Trauma Fígado, timo, sangue e
intestino nervo vago

5
SINTOMAS E CAUSAS DE DISTÚRBIOS SEGUNDO A METAFÍSICA

Aborto: isto acontece quando a criança está sendo conscientemente ou inconscientemente rejeitada.
Geralmente existe conflito ou tensão doméstica.
Acidentes: acidentes acontecem, mas são trazidos por nós mesmos, geralmente inconscientemente.
Quando o acidente ocorre, o curso que a pessoa está seguindo presentemente é posto em questionamento.
Analise como o acidente aconteceu, a área do corpo afetada, e achará o motivo. Pode ser que a pessoa tenha
perdido o controle das coisas à sua volta, a perspectiva, tenha ficado fora do ar, ou esteja encontrando grande
resistência.
Adenóides: este problema é sinal de dificuldades dentro da família e de atmosfera tensa em casa;
crianças que têm esse problema se sentem rejeitadas.
Alergias: alergia é uma reação extrema do sistema imunológico do corpo à substância que foi declarada
inimiga, desde que ela represente um aspecto do indivíduo que está sendo rejeitado, negado ou suprimido. Lutar
contra um inimigo auto-criado é sempre um ato de agressão, uma luta inconsciente contra uma área da vida que
nos causa medo e que não queremos deixar entrar em nossa vida. A substância que ativa a reação alérgica é um
símbolo da área da vida que estamos evitando e inconscientemente lutando contra.
Alergias – Animal: todo animal aponta para o amor, sexualidade e desejo instintivo.
Alergias – antibióticos: o termo antibiótico quer dizer anti-vida. Estas são drogas que trabalham contra
a vida. Elas também matam algo dentro da pessoa. Uma alergia contra antibiótico é uma reação saudável, indica
que a pessoa aceita todos os aspectos da vida, mesmo que se transformem em tensão e conflito.
Alergias – cachorro: repressão do componente agressivo da sexualidade.
Alergias – gato: o gato simboliza o aspecto mais feminino da sexualidade e qualidades como gentileza
e carinho, a pessoa alérgica a gatos tem problemas nessa área.
Alergias – poeira: indica medo de tudo, que a pessoa se sente impura e suja, medo que constantemente
se projeta dentro da sexualidade.
Alergias – polinose: esta é a reação alérgica ao feno, que é símbolo da fertilização e reprodução, reflete
resistência inconsciente, especificamente onde diz respeito à sexualidade.
Apendicite: como qualquer processo inflamatório, indica que existe um problema grave e urgente que
está bloqueando o fluxo de vida, frequentemente misturado com o medo da vida em si.
Boca – mau hálito: o que a pessoa expira corresponde aos pensamentos dentro dela.
Boca – problemas de gengiva: como as gengivas são a base dos dentes, a confiança na vida e a
autoconfiança são a base de ser capaz de se assegurar e se agarrar às coisas. Problema com gengiva indica a
incapacidade nessa área, provavelmente pro medo de perder amor. A pessoa é sensível e vulnerável e não tem a
coragem de agir duramente.
Cabeça – função básica do cérebro: o hemisfério direito do cérebro controla as funções do lado
esquerdo do corpo e também se relaciona com as faculdades de entendimento holístico, criatividade, sentimento,
intuição, música e senso de espaço. O hemisfério direito corresponde ao Yin chinês assim como a Lua, água,
aspectos femininos e receptivos. O hemisfério esquerdo controla o lado direito do corpo e as faculdades da
lógica, pensamentos analíticos, racionais, inteligência, língua e matemática. Ele corresponde ao Yang do chinês,
ao Sol, fogo, aspectos masculinos e princípios de dar.
Cabeça – apoplexia: extrema resistência à vida e, ao mesmo tempo, negação interior dela. Quando um
ataque de apoplexia acontece, o suprimento de sangue para certa área do cérebro é interrompida e a região
afetada pára de funcionar apropriadamente. A paralisia que ocorre restringe a atividade da pessoa no mundo
exterior.
Cabeça – dor de cabeça: dor de cabeça é indicação de tensão excessiva. Pode ser causada por fortes
demandas externas mas também por ambição excessiva e busca da perfeição. Outras causas são: cabeça dura e
preocupação perpétua. A pessoa dá muita importância ao pensamento racional e vive muito dentro da cabeça.
Cabeça – enxaqueca: resistência contra o fluxo de vida. Criado pelo conflito entre o intelecto humano
e os desejos de sua natureza, mostra que um problema sexual foi forçado a vir à tona. A pessoa precisa se
conscientizar de sua sexualidade e de todas as outras energias dentro dela.
Cabeça – epilepsia: indicação de energias e agressões suprimidas. O ataque solta essas energias e força
essa pessoa a relaxar, liberando assim, memórias e consciência. A pessoa precisa aceitar as forças dentro dela
sem condenar ou suprimir. Experimentar e aceitar o que entra em sua mente quando cai no sono, deixar que
aconteça. Isto a ajudará a aprender habilidade de devoção e a soltar as coisas sem precisar ser forçada a fazer.
Cabeça – tumor no cérebro: resistência em mudar a maneira de pensar. Cabeça dura, não quer soltar
padrões antigos de pensamento que há muito perderam sua validez. A pessoa não entende que tudo é sujeito a
mudanças internas e que o crescimento ocorre quando acontecem mudanças.
Cabelo: o cabelo é o símbolo da liberdade, poder e força. Se a pessoa tem problemas com o cabelo, ela
deve se perguntar o que é que realmente quer fazer, sem se preocupar com o que os outros esperam dela.
6
Câncer: câncer não é mais governado pela ordem, isto é, o resultado de desarmonia entre as células do
corpo. Quando a pessoa tem câncer, a célula individual não se submete è reorganização total do corpo, mas vive
uma vida própria, independente. Se a pessoa tem câncer, deve se perguntar qual é a área de sua vida de que ela se
magoou e se separou totalmente. A área do corpo afastada e o problema psicológico que simboliza a ajudarão a
achar a resposta.
Congênitos – defeitos: representa problemas não resolvidos em vidas passadas. Foi a pessoa que
escolheu nascer como ela é, ela deve tentar não culpar os outros. O defeito simboliza o que é que a pessoa ainda
precisa aprender.
Coração – angina: constrição que está relacionada ao medo e, no caso de angina, as expressões como
―ter um coração de pedra‖ ou ―ter um coração frio‖ se aplicam. A pessoa cortou seu ego da unidade da vida e,
como resultado, suas emoções estão bloqueadas.
Coração – ataque: indica a liberação de um grande acúmulo de energia de agressividade que até então
tinha sido reprimida. É a soma de tudo que a enraivece e irrita que, não achando outra maneira de sair, se volta
contra a própria pessoa com toda a força.
Coração – palpitação: é uma indicação de distúrbio e interrupção na ordem que a pessoa construiu
para si. Algo está fora de equilíbrio. Ela deve tentar, conscientemente, integrar em sua vida a causa do distúrbio.
Coração – sistema circulatório: coração é o símbolo físico das nossas emoções e a capacidade de
amar, enquanto o sangue representa a energia vital e a alegria de viver por todo o corpo, com a ajuda do coração
e sua capacidade para amar e emoção.
Dentes – dentadura: dentadura cria uma impressão de vitalidade e segurança que em realidade não
existe. Se a pessoa usa dentadura, ela deve verificar se está mordendo mais do que pode mastigar, ou se ela está
vivendo demasiadamente de acordo com as expectativas dos outros.
Dentes – dentes: problemas dentários são a indicação de que a pessoa tem grande dificuldade em
expressar sua agressão e o lado decisivo dela, e que ela não quer ou não é capaz de reconhecer este fato. Ela,
geralmente. Tem dificuldades de tomar decisões e reprime sua agressão natural com medo de perder amor e
reconhecimento.
Dentes – ranger dos dentes: ranger os dentes enquanto dormimos é relacionado com a impotência de
expressar a agressividade. O desejo de tomar decisões definitivas não é admitido durante o dia, então o excesso
do gume dos dentes tem que ser lixado à noite.
Dentes – tártaro: este problema está relacionado com as agressões que não foram trabalhadas e que
literalmente empedraram.
Diabetes: a raiz dessa doença geralmente é o desejo por amor unido à incapacidade de se deixar ser
amado. O resultado é a hiperacidez. A pessoa está com falta de doçura em sua vida e ânsia pelo amor que não é
capaz de dar.
Dor: a dor sempre interrompe o fluxo de vida e é frequentemente o resultado de sentimentos
reprimidos. A área do corpo simboliza o aspecto interno onde a pessoa se sente frustrada e presa.
Engolir – dificuldades: se a pessoa tem dificuldades de engolir ou um nó na garganta, deve se
perguntar o que é que ela não quer engolir, a pessoa precisa aprender a aceitar seus limites.
Esterilidade: em algumas mulheres, esterilidade indica uma rejeição inconsciente à gravidez, enquanto
em outras, a criança só é desejada como meio de segurar o parceiro, indicando um dilema profundo de
desonestidade. Esterilidade no homem indica medo de relação, assim como de ter de agüentar a responsabilidade
pela criança. Nos dois casos, é importante ser honesto consigo mesmo e admitir o que você realmente quer, sem
condenar seus desejos.
Estômago: o estômago recebe a comida que comemos, sendo órgão do sistema digestório. Ele
representa a recepção e digestão de impressões. Isto requer uma atitude de abertura, aceitação e devoção. Se a
pessoa expulsou a capacidade de sentimento de sua vida consciente, seu estômago terá que viver suas emoções
em vez dela. Problemas de estômago indicam falta de segurança e de autoconfiança. Por falta de auto-confiança,
a pessoa tem dificuldades em aceitar seus sentimentos, especialmente aqueles de raiva e agressividade, e ela acha
difícil lidar com conflitos, preferindo engolir as coisas e deixá-las, come-las internamente.
Estômago - azia: se a pessoa continuamente engole raiva, seu suco gástrico se torna muito ácido numa
tentativa de dar vazão aos seus sentimentos e o resultado é azia. Isso também cria o senso de pressão que evita a
entrada adicional de comida. A pessoa obviamente está cansada de engolir coisas que a irritam.
Estômago – flatulência (eructação): esse sintoma é geralmente causado pelo fato de que a pessoa não
pode ou não quer engolir algo. Ao mesmo tempo, é a relutância em admitir isso, então, por engolir ar, ela
simplesmente simula o ato de engolir. Existe o ditado popular que diz ―Fulano engoliu seco‖.
Estômago – náusea: indica rejeição de algo que a pessoa acha muito difícil de ingerir, não só no
sentido físico. Se a pessoa comer muitas comidas diferentes ou deixar entrar muitas idéias, ela não poderá digeri-
las o suficiente, e vomitando não a deixará engolir mais. Náusea e vômito durante a gravidez geralmente
representam a relutância de receber o sêmen, rejeição de sua própria feminilidade, ou até rejeição da própria
criança.
Estômago – úlcera gástrica: isso ocorre quando a pessoa não dá vazão aos seus sentimentos de
agressão e eles se voltam contra a própria pessoa.
Fígado: as funções do fígado são metabolismo e desintoxicação. Ele analisa e avalia o que é de valor
para o corpo. No nível espiritual e psicológico, ele analisa, avalia, julga e mede proporção e excesso. O fígado
7
converte proteína animal e vegetal em proteína humana, onde as substâncias básicas continuam as mesmas. Ele é
símbolo de alto desenvolvimento e evolução. Se a pessoa tem problema de fígado, ela está fazendo alguma coisa
em excesso na vida.
Fígado – hepatite: indicação de grave conflito. Falta de objetividade no julgamento, medo, raiva e
ressentimento.
Fígado – icterícia: indicação de que a pessoa exagera nas coisas, tem opinião muito forte e é muito
preconceituosa.
Frigidez: quando a mulher é frígida, ela recusa a se dar para o parceiro ou não quer assumir uma
posição de ―subordinada‖. Pode ser também que ela tenha medo de seus impulsos e desejos sexuais ou não
queira aparentar ser indecente, e isto não a deixa receber ou dar. Ela prefere se manter fria e frígida.
Garganta: problemas de garganta indicam o não querer ou não ser capaz de engolir algo. A garganta é
a passagem pela qual o ar que respiramos e a comida que comemos entram em nosso corpo, assim como o meio
pelo qual nos expressamos verbalmente. Pode também estar mostrando que estamos engolindo raiva,
sentimentos ruins, ressentimento, mágoas, etc. que nós não queremos expressar. Também está ligada ao medo.
Garganta – amígdalas: isto é relacionado com algo que a pessoa não quer mais aceitar e engolir,
mesmo assim ela reprime seus sentimentos por medo de algo.
Garganta – laringite: está ligada ao medo de ser rejeitado ao expressar sua opinião. Isto quer dizer que
a pessoa deveria expressar seus sentimentos de raiva e ressentimento de outra forma, especialmente com relação
à autoridade.
Gravidez – em geral: quando a mulher tem problemas durante a gravidez, é porque geralmente ela
rejeita a criança que está dentro dela até um certo ponto. Por mais que ela negue, isso deve ser verdade.
Gravidez fantasma: de um lado indica forte desejo por uma criança, do outro lado, um medo
inconsciente de responsabilidade. Para a mulher que vive sozinha representa o desejo de ter alguém para amar
sem querer o aspecto sexo.
Hemorróidas: este sintoma mostra que a pessoa tem um problema de soltar algo que a oprime que ela
não pode ou não quer soltar.
Impotência: isto representa o medo de se soltar e perder o controle, assim como medo de conteúdo
psicológico reprimido. A energia necessária é mantida na cabeça e não onde ela é necessária. Existe sempre um
sentimento de pressão sexual e tensão, e alguns homens ainda sentem rancor de sua parceira.
Infantis – doenças: doenças infantis afetando a pele, como sarampo, catapora, caxumba e rubéola,
anunciam uma nova fase de desenvolvimento na vida da criança. Algo desconhecido para a criança e que não
pode ser lidado sem conflito se torna visível na superfície da pele.
Infecção: toda infecção representa um conflito que não foi vivido e conscientemente resolvido. Ou a
pessoa não foi capaz de perceber esse conflito, ou está evitando lidar com ele, se recusa a admiti-lo. Para ganhar
atenção, a energia psicológica que ela está tentando evitar, atraiu organismos causativos (vírus, bactérias e
toxinas) que invadiram seu corpo. Agora seus poderes de resistência estão ativados, e o conflito que ela quer
evitar está furioso nela, em forma de infecção.
Infecção – febre: indica estado de excitação, de raiva ainda não confrontada, queimando o que agora
está se manifestando em nível físico.
Infecção – gripe: é um sinal de muito stress ou de uma crise que a pessoa gostaria de evitar, mesmo
que às vezes ela não queira admitir para si mesma.
Infecção – resfriado: indica que um conflito estagnado está começando a se soltar e que certos canais
bloqueados estão prontos para fluir de novo. O resfriado alivia o corpo de toxinas, e depois a pessoa se sente
como se tivesse dado um pequeno passo para o desenvolvimento. Aceite seu desejo de descansar e passe o
máximo de tempo possível quieto. Tente lidar com seus conflitos por observá-los e aceitá-los.
Inflamatório – problemas: em todo problema de inflamação, o corpo está demandando que a pessoa
resolva um problema sexual que há muito foi reprimido. Esse problema pode ser sobre sentimentos de culpa, de
ter perdido uma pessoa amada ou algo que a pessoa valoriza exageradamente.
Intestino – cólica: isto indica tensão advinda pela pessoa estar segurando fases de desenvolvimento
sobrevividas, em estado que resulta em congestão intestinal e cólica de estômago.
Intestino – colite ulcerosa: a pessoa teve pais muito severos e vivenciou muita repressão e humilhação,
como resultado, a pessoa tem medo de desdobrar sua personalidade e geralmente age só para agradar aos outros.
Ela tem um excessivo e forte desejo para afeição, ela se achega demais e muito fortemente aos outros em vez de
viver sua própria vida.
Intestino – diarréia: o medo está envolvido nos casos de diarréia. Em alguns casos a pessoa
simplesmente se ver livre de algo; não quer aceitar e digerir. Talvez a pessoa simplesmente deixe novas
impressões passarem sem digerí-las porque elas são muito opressivas, como no caso quando a pessoa viaja para
um país estrangeiro.
Intestino delgado – problemas digestivos: o intestino delgado analisa e avalia a comida que comemos
e é, então, em símbolo de análise e digestão de impressões e críticas. Os problemas estão ligados ao medo
fundamental de não ter o suficiente. A pessoa provavelmente é insegura e muito crítica.
Intestino delgado – úlcera do duodeno: indica que a pessoa direciona sua agressão repetitivamente em
sua própria direção, isto dá entrada para tensão, medo, ansiedade e pressão que começarão à comê-la. O melhor
jeito de lidar com a agressão é: ou você a vivencia, o que deve ser feito somente se os outros não se machucarem
8
no processo, ou simplesmente observa que você é agressivo e se aceita sem se condenar ou julgar.
Intestino grosso – constipação: é a manifestação de problema psicológico no nível físico. Geralmente
está relacionado à avareza, gana e a pessoa querendo segurar coisas materiais. A pessoa tem dificuldades de
soltar as idéias antigas, assim como um medo excessivo de deixar problemas reprimidos virem à tona. Ela está
constipada mentalmente e fisicamente.
Locomotor – sistema: o sistema locomotor simboliza mobilidade e flexibilidade, assim como apoio e
estabilidade, interna e externa. Ele consiste de ossos, músculos, ligamentos e tendões. O osso forma a armação
interna e dá apoio ao corpo, por isso ele representa estabilidade e normas morais que nos dão apoio como seres
humanos. Os músculos e extremidades simbolizam mobilidade e atividade. Com a ajuda das mãos nós podemos
segurar ou agarrar as coisas. Com as pernas nós fazemos progresso pela vida e qualquer problema nessa área
representa dificuldades internas nesse sentido. Dobrar o joelho com humildade e problemas no joelho são
relacionados à isso. Nós usamos nossos pés para ficarmos em pé, firmes no chão e problemas com os pés estão
relacionados a estabilidade e sermos capazes de segurar nossos direitos, assim como a humildade e o
entendimento.
Locomotor – artrite: força a pessoa a descansar e compensar por atividades demasiadas no nível
físico, porque interiormente a pessoa se tornou rígida, teimosa e cabeça dura. Ela é supermoralista e chata.
Amargurada, ressentida e mal-humorada, e ela não se sente amada.
Locomotor – artrose: é uma gradação dos sintomas da artrite. A pessoa que sofre de artrose se grudou
ainda mais rigidamente aos seus conceitos e opiniões e não aceita de forma alguma mudanças de
comportamento.
Locomotor – bursite: significa que a pessoa tem segurado raiva e agressão por muito tempo. Agora ela
gostaria de socar a mesa ou mesmo machucar alguém. Ela deve achar uma maneira mais suave de dar vazão à
raiva.
Locomotor – dormência dos membros: isto representa algo que a pessoa está carregndo
inconscientemente por muito tempo. A pessoa está vivendo um estado de pobreza emocional e reprimindo amor
e compaixão. Seus sentimentos estão tão dormentes como seus membros.
Locomotor – esclerose múltipla: é causada pela tentativa de ter sempre tudo ao seu controle. Seu
corpo está se recusando a continuar e está tentando lhe dizer para soltar sua inflexibilidade e seu controle de
ferro. A pessoa se tornou dura de coração e de espírito. Parar de querer controlar e dominar tudo.
Locomotor – espinha curvatura: uma curva pronunciada indica que a pessoa deveria viver uma vida
de humildade. Por falta de humildade, a raiva e a irritação se acumularam nas costas da pessoa, isto lhe mostra o
que lhe falta na sua atitude consciente.
Locomotor – joelhos: às vezes, orgulho, teimosia, egoísmo ou medos inconscientes não o deixam
submeter-se e render-se. Desenvolva mais a tolerância, a simpatia e aprenda a perdoar.
Locomotor – nervo ciático: força a pessoa a descansar mais. Medo do futuro, assim como preocupação
financeira.
Locomotor – ombros: a pessoa assumiu responsabilidade demasiada, isto se tornou um fardo muito
pesado par carregar. Analise essa responsabilidade e se livre do que não é válido.
Locomotor – ossos frágeis: indica rigidez e bitolamento ligados às normas de moral.
Locomotor – paralisia: é sempre uma forma de evadir responsabilidade; é constantemente causada por
medo ou choque. A pessoa é mentalmente inflexível, mas não admite este fato.
Locomotor – pernas: medo do futuro ou acredita que sua vida não pode continuar da mesma forma,
sem admitir para si próprio. Admite seu medo ou sentimento de resistência. As pernas nos ajudam a caminhar
para o futuro e agora estão segurando o progresso.
Locomotor – pés: medo do futuro por falta de entendimento das leis da vida. Às vezes também existe
um desejo muito grande de progredir, e o problema dos pés faz com que a pessoa vá mais devagar.
Locomotor – pescoço: tem relação com abstinência e teimosia. A pessoa se recusa a aceitar, a ver os
pontos de vista diferentes e não está consciente disto.
Locomotor – protrusão de disco: indica indecisão associada com sentimento de não ter apoio
emocional suficiente. Algo está bloqueado dentro da pessoa, e ela se tornou endurecida e imóvel.
Locomotor – quadris: demonstra certa rigidez e inflexibilidade em relação ao futuro, a pessoa tem
medo de tomar decisões sobre coisas importantes.
Locomotor – vértebras – costas: problemas com as costas mostram que a pessoa está sobrecarregada e
que ela, provavelmente, não está pronta para admitir isto. A pessoa sente que não está recebendo apoio
suficiente. Reclamações sobre a parte de cima das costas estão ligadas à falta de apoio emocional, que resulta em
instabilidade interior. Reclamações afetando a parte inferior das costas estão ligadas a problemas financeiros.
Locomotor – vértebras – fratura: isto reflete inflexibilidade e ponto de vista unilateral d vida. A
atitude da pessoa é muito rígida e, como resultado, o destino lhe dobrou. Isto poderia ser prevenido se houvesse
um pouco mais de humildade por parte da pessoa.
Menopausa – reclamações: uma variedade de sintomas existe nos problemas de menopausa. No fundo
há sempre medo de envelhecer, de não ser mais atraente e desejável, assim como certas auto-rejeições. Algumas
mulheres sentem calor, o que prova que elas ainda estão bem quentes, enquanto em outras, o reaparecimento da
menstruação representa o desejo de juventude e fertilidade de novo.
Menstruação: reclamações menstruais são processos interiores contra a verdadeira devoção e uma
9
resistência inconsciente contra a feminilidade, sexo e o parceiro masculino. Existe regularmente sentimento de
culpa, e a sexualidade é vista como sendo algo pecador e sujo.
Olhos: os olhos são as janelas para o mundo e o espelho da alma. Eles recebem impressões e refletem o
que percebem. Se a pessoa tem problemas com os olhos, ela deve se perguntar o que é que ela não está querendo
enxergar. A claridade perfeita está no fundo da sua consciência e é ali que poderá achar a luz e verdade. A
pessoa deve olhar par dentro de si, antes de virar os olhos para o mundo.
Olhos – catarata: quando a pessoa tem catarata, a visão diminui e as coisas não podem ser percebidas
claramente. Para não ver as coisas que não quer, ela mantém distância entre ela e seu meio ambiente. É como se
ela abaixasse a persiana.
Olhos – cegueira: a cegueira é a forma mais extrema de não querer ver. Ela é a manifestação da
cegueira da consciência e força a pessoa afetada a olhar dentro de si. Cegueira pode levar e leva a pessoa a
descobertas internas.
Olhos – conjuntivite: indica um conflito que a pessoa se recusa a ver conscientemente. A pessoa
precisa enfrentar seus conflitos.
Olhos – hipermetropia: isto geralmente ocorre na velhice. É uma indicação para a pessoa ver a vida
como um todo e não ficar presa à trivialidade.
Olhos – glaucoma: glaucoma é o resultado da pressão ocular interna contínua causada por lágrimas que
não foram soltas e sentimentos machucados. A pessoa tem que admitir seu sofrimento e chorar.
Olhos – miopia: isto é sempre uma indicação de demasiada subjetividade. A pessoa vê as coisas
somente do seu ponto de vista. Seu limitado campo de visão indica que ela deverá se olhar de perto, assim
fazendo, aumentará seu auto-conhecimento.
Ouvido – dor de ouvido(inflamações): como no caso de qualquer inflamação, isto é uma indicação de
conflito que não está sendo resolvido, neste caso específico, o conflito está relacionado com obediência. A
pessoa deve se perguntar o que é que ela não quer ouvir e qual a área da sua vida na qual ela não tem humildade.
Ouvido – problemas de audição: esse sintoma geralmente acontece na velhice, a pessoa afetada se
isola mais fortemente e se torna mais rígida e inflexível, pois ela está menos disposta a ouvir e obedecer.
Ouvido – surdez: são as pessoas que se fecharam completamente para sua voz interna por um grande
período de tempo, se tornaram surdas. Por se tornar surda, a pessoa é absolutamente forçada a ouvir o que está
acontecendo dentro dela.
Parto atrasado: isto é o oposto do prematuro, neste caso a mão se recusa a deixar a criança sair. O
mesmo problema acontecerá provavelmente quando a criança se tornará adulta e tentará sair de casa.
Parto prematuro: isto significa que a mãe quer se ver livre da criança antes do tempo, mas não é capaz
ou não quer admitir isto. Freqüentemente há aversão inconsciente contra futura gravidez.
Pele – problemas: a pele é o órgão que circunda nosso corpo, fazendo divisão entre dentro e fora. É a
pele que tem contato direto com o mundo e, por esta razão, ela é o símbolo para fazer contato e traçar a linha
entre nós mesmos e os outros. A maneira como a pele se apresenta e o estado dela dizem bastante sobre você
como pessoa. Pessoa supersensível tem geralmente pele sensível, enquanto o oposto é verdade para as peles
grosseiras. Pele que é úmida de suor indica insegurança ou medo, enquanto a pessoa que está sempre ansiosa é
provavelmente excitável. A barreira de pele pode ser quebrada por dentro, por meio de erupção ou abscesso, ou
de fora, por meio de ferimento. A pessoa com problemas de pele não é capaz de fazer contato com os outros e
dar ou receber carinho. Ela define limites precisos e algo está tentando romper ou quebrar esses limites.
Pele – abscesso: indica que um conflito interno não achou vazão no nível psicológico e agora está
dando vazão no nível físico e o resultado é que a pele está rompida ou inflamada.
Pele – acne: sinal de resistência inconsciente de se chegar aos outros. Se a pessoa sofre de acne, é um
aviso de que ela suprime algo por medo, insegurança ou vergonha, está tentando sair e se tornar visível. Se for
um jovem, esta suprimindo a sexualidade por medo do desconhecido.
Pele – eczema: é indicação que um fator emocional ou inconsciente está irritando a pessoa e ela tem de
lidar com esse fator conscientemente. A pessoa pode também estar resistindo a alguma coisa, talvez se sinta
machucada ou ameaçada.
Pele – feridas: a pessoa está oprimida por algo que a está roendo pelo medo e tensão. Ela precisa ver o
que está causando esses sentimentos e observar como ela reage, sem fugir de nada.
Pele – furúnculo: é indicação de um problema grave que a está fazendo ficar com muita raiva,
literalmente levando-a a ferver.
Pele – herpes: indica antiga tensão, indecisão e incerteza. A dor associada é pela agressão que não foi
vazada e que agora se voltou contra a própria pessoa, em auto-agressão.
Pele – psoríase: é uma armadura colocada por pessoas particularmente sensíveis por medo de se
machucarem emocionalmente. Nada pode entrar ou sair. Este sintoma manifesta carência e, ao mesmo tempo,
medo de intimidade. A rachadura e as feridas indicam que a pessoa tem que se abrir mesmo que isso signifique
ficar vulnerável.
Pele – verrugas: indicação que a pessoa acha um aspecto interior dela feio e isto a faz se sentir culpada.
Próstata: reclamações desta natureza são indicações que sua consciência se tornou influenciada por
diversos falsos julgamentos e opiniões. Acredita que falhará e tem medo de se tornar velho e ter que renunciar a
metas importantes da vida, também forma o fundo deste tipo de sintoma. Com a atitude pessimista, o homem
geralmente tem a tendência de colocar a culpa nos outros, tem tensão sexual e sentimentos inconscientes de
10
culpa.
Psicológico – anormalidades sexuais: em todos os casos de anormalidades sexuais, a pessoa envolvida
está confrontada com esses aspectos do seu ser que ela rejeita e está frequentemente amargurada contra eles. Isto
lhe mostra as qualidades que lhe faltam, como masculinidade, feminilidade, humildade, dominância e outras. De
certa forma, essas anormalidades fazem a pessoa se sentir inteira por se deixar vivenciar as qualidades que lhe
faltam.
Psicológico – alcoolismo: tentativa de escapar de conflitos. Sentimentos de futilidade, inferioridade e
culpa que se tornaram piores pela dependência do álcool.
Psicológico – anorexia: simboliza desejo inconsciente de escapar do aspecto físico da feminilidade e
sexualidade, que é manifestado pelo alto desejo de pureza e auto-abnegação.
Psicológico – bulimia: reflete fome pela vida, amor e alimento emocional. Existe um senso de vazio
interno que a pessoa está fisicamente tentando encher, pois não vê outra forma de fazê-lo.
Psicológico – depressão: severa pressão onde a pessoa deprimida se tortura com auto-cobrança e
sentimento de culpa. Agressão exteriorizada faz a pessoa se sentir inconscientemente culpada e, então, ela
direciona o ataque para dentro de si. Depressão é também uma forma de evitar a responsabilidade, mas não
adianta pois os sentimentos de culpa a fazem confrontar-se com sua responsabilidades de novo. Depressão pode
também confronta a pessoa ao entrar em uma nova fase da sua vida.
Psicológico – desmaio: reflete fraqueza e medo de não saber lidar com algo, também significa medo de
perder o poder.
Psicológico – enjôo de viagem: enjôo de viagem é inconscientemente querer se grudar o meio
ambiente que lhe é familiar, é o medo de coisas novas que faz a pessoa ficar tonta e nauseada. Sentar em um
carro, avião ou trem lhe faz consciente do fato de que ela está numa situação da qual não pode facilmente
escapar.
Psicológico – exibicionismo: indica que a pessoa nunca teve a chance de expressar sua sexualidade
livremente, e vê o sexo como uma coisa suja.
Psicológico – gaguejar: gaguejar bloqueia o fluxo de expressão verbal e comunicação. Isto aponta o
fato de que os pensamentos, emoções e desejos da pessoa a fazem ficar insegura, e que ela inconscientemente
tenta controlar a saída da expressão desse fato.
Psicológico – insônia: cair no sono é um fato de confiança que requer a habilidade de soltar atividades
e controle e se abrir para o desconhecido. Uma vez que a pessoa está dormindo, coisas suprimidas durante o dia
vêm a tona no subconsciente durante a noite. Pessoas com dificuldades para dormir também terão dificuldades
para morrer, pois elas não são capazes de se soltar.
Psicológico – neurose compulsiva: está relacionada com massiva repressão de uma área da sua vida
que é vista como extremamente negativa. A neurose compulsiva confronta a pessoa mais profundamente com
todos os aspectos que ela está reprimindo para fazê-la aprender a aceitar essa área da vida.
Psicológico – roer as unhas: medo de mostrar agressão enjaulada que acontece quando os pais
colocam muita pressão em cima da criança que não é segura de si. Ela rói a unha buscando se fortalecer e
adquirir auto-confiança.
Psicológico – urinar na cama: durante a noite, a criança que urina na cama solta o que ela não teve
coragem de soltar durante o dia. A criança se sente sob pressão perversa imposta pelos pais, transfere os mesmo
sentimentos para demandas escolares e outros. Urinar na cama está relacionado ao choro, pois ambas as formas
aliviam a pressão. A criança precisa de mais amor e compreensão.
Psicológico – vícios narcóticos: vícios sempre envolvem busca de realizações. A pessoa não é capaz de
alcançá-las com sua própria força e então volta-se para um substituto: haxixe, maconha – a pessoa está em busca
de um mundo livre e não achou, espera cegar a dureza da vida. Cocaína e barbitúricos indicam a busca de
sucesso, amor e reconhecimento. LSD, mescalina, cogumelo e heroína refletem a busca para divertimento
irresponsável e expansão da consciência.
Psicológico – vício nicotina: os pulmões simbolizam liberdade e comunicação que a pessoa está
tentando conjurar por fumar. Porem, seu desejo se torna mais e mais nebulado no processo.
Respiração: o sistema respiratório indica a maneira como nos comunicamos e contatamos nosso meio
ambiente. Ao mesmo tempo, isto tem a ver com problemas relacionados à liberdade, como ―posso respirar
livremente de novo‖. O ato de respirar é relacionado a dar e receber. Se a pessoa tiver problemas respiratórios,
ela deve se perguntar o que é que ela não quer receber ou soltar.
Respiração – asma: quando a pessoa sofre de asma, ela inspira muito ar mas tem dificuldades de soltá-
lo. Porque ela dá muito pouco, logo é impossível para ela inspirar o suficiente, e sua capacidade de respirar
diminui mais e mais. Essa é uma pessoa que deseja amor mas não aprendeu ainda como dá-lo. Sempre recebendo
sem retornar não funciona. Essa pessoa deve ter muita raiva e agressividade que ela não admite ter.
Respiração – bronquite: isto indica um intenso conflito e raiva, problemas na família ou pessoas
chegadas. A tosse indica que existe algo que ela inconscientemente quer se livrar, algo que a perturba ou a faz
zangar-se.
Respiração – pneumonia: indicação de distúrbio com a vida e todos os seus aspectos, incluindo coisas
não materiais. Conflito com o ego e sua tentativa de se garantir faz com que os pulmões se acendam. Em muitos
casos a pessoa foi muito machucada emocionalmente.
Respiração – sinusite: indicação de que a pessoa guarda muita mágoa ou raiva de pessoas próximas,
11
geralmente familiares. A pessoa deve observar seu jeito de reagir e aceitar.
Respiração – tuberculose: indica um grave conflito entre o egoísmo da pessoa e a troca com tudo o
que está vivo, um conflito que a está consumindo. Ela quer demais para si, e isto a fez esquecer a maravilhosa
respiração e a variedade da vida.
Rins: como todos os órgãos em pares, os rins têm relação com parceria. Os rins representam
complementação, vivendo uma parte inconsciente da gente por um parceiro. Se a pessoa tem problemas de rins
quer dizer que ela projeta suas deficiências no seu parceiro ou em outras pessoas. Como resultado, ela é uma
pessoa muito sensível, sempre desapontada.
Rins – atrofia: se o problema descrito acima não for resolvido e conscientemente integrado, a pessoa
chegou a último estágio. Seu novo parceiro é uma diálise, uma maquina para lavar o sangue. Ao mesmo tempo,
ela terá a chance de entender que nunca achará o parceiro perfeito até que ela mesma se torne perfeita. É muito
importante para ela desenvolver amor e afeição interiormente e não projetar seus problemas nos outros.
Rins – bexiga – cistite: a substancia segregada pelos rins é levada par a bexiga, onde ela aguarda que
haja pressão suficiente para ela ser descarregada. No caso de cistite, o processo de descarregar e soltar está
ligado à dor. Mesmo com grande pressão a pessoa tem dificuldade de soltar qualquer coisa. Esta dificuldade está
sendo demonstrada de uma maneira bem grave, pois cistite é um processo inflamatório.
Sangue: quando a pessoa tem problema de sangue, seu corpo está mostrando que está faltando alegria
em sua vida e que suas idéias e pensamentos não podem circular livremente. A pessoa precisa ver a beleza em
volta dela, pois ela está cega para o lado positivo da vida.
Sangue – anemia: indica falta de alegria e força e abordagem da vida de forma não dinâmica. A pessoa
se recusa a usar a energia que é sua por direito.
Sangue – arteriosclerose: indica resistência, tensão, rigidez e mente bitolada. A pessoa se tornou muito
inflexível, na mente e no corpo, e não está consciente disto. O corpo está mostrando claramente a falta de
flexibilidade para com a vida.
Sangue – embolia: indica que a pessoa se tornou mentalmente rígida. A vida dela está muito focalizada
em descansar e relaxar e, como resultado, seu corpo se tornou letárgico.
Sangue – pressão alta: isso acontece quando a pessoa não expressou seus sentimentos e pensamentos
por um longo período de tempo. Ela vive constantemente à beira de conflito, sem chegar a uma conclusão. Isto a
coloca debaixo de pressão contínua.
Sangue – pressão baixa: isso indica que a pessoa tenta fugir dos problemas. Ela tem falta de energia
vital, de resistência e não pode se defender. Isto também indica uma tentativa de evitar a sexualidade.
Sangue – varizes: a pessoa com este problema geralmente tem uma oposição interna ao tipo de trabalho
que faz e não gosta muito. Ela sente que trabalha demais e às vezes fica desapontada. O resultado é letargia,
preguiça, lentidão e negatividade; envolve, também, falta de elasticidade, energia e apoio interno.
Seios – dor – cisto: estes sintomas indicam que seus instintos maternais se tornaram demasiadamente
fortes. Como a pessoa não está consciente disto, o corpo está chamando a atenção para esta situação. Aceite o
fato de que todos nós somos indivíduos livres e independentes e que devemos seguir o nosso próprio caminho na
vida.
Venérea (sexualmente transmissível) – doença: a doença venérea impede as relações sexuais de um
jeito ou de outro. Então isto sugere um senso de culpa em relação ao sexo combinado com a crença de que as
genitálias são algo sujo e até ofensivo.
Vesícula: os sintomas da vesícula têm relação com agressividade e a pessoa não está totalmente
consciente disso.

12
ÓLEOS CARREADORES

Os óleos carreadores são óleos gordurosos que não podem ser obtidos pelo processo de destilação, mas pela
prensagem de sementes, nozes e amêndoas. Muitos óleos carreadores são utilizados na alimentação, como é o
caso do girassol, soja, gergelim, etc. Outros, por sua vez, podem ser utilizados apenas em massagens, o que vale
também para todos aqueles usados para a alimentação. O princípio básico é o seguinte: todo óleo vegetal que
pode ser usado na alimentação, pode ser usado para massagem. A palavra carreador vem da palavra
“carregar”, aquele que serve de veículo. Estes óleos são considerados veículos para os óleos essenciais
penetrarem através da pele. Na massagem eles também facilitam o deslizar das mãos sobre o corpo do paciente.
Os óleos carreadores podem ser encontrados como refinados ou não-refinados o que pode interferir em muito
em suas propriedades terapêuticas. O problema com os carreadores está no fato de que quando eles passam pelo
processo de refino perdem a maioria das propriedades terapêuticas que eles possuem naturalmente. Prefira
então o não-refinado. O que dá o cheiro característico aos óleos vegetais gordurosos é a presença de óleo
essencial em sua constituição (desde que este seja não-refinado).
Cada óleo carreador é constituído por um conjunto de ácidos graxos (gorduras) diferentes. São centenas de tipos
de ácidos graxos, sendo que cada qual irá possuir propriedades diferentes e específicas. Existem gorduras sem
muita utilidade e outras com potenciais infinitamente grandes e isso faz muita diferença entre um carreador e
outro quando são utilizados na massagem, alimentação e terapêutica.
Entre os carreadores, alguns são mais indicados para determinados tipos de pele conforme sua densidade própria.
Os óleos indicados para pele oleosa podem ser empregados em peles secas, porém não se deve fazer o contrário.
Evite o uso de óleos carreadores em peles com problema de acne e inflamadas.

Óleos para peles secas:


Óleo de amêndoas
Óleo de rícino
Manteiga de cacau
Manteiga de cupuaçu
Óleo de amendoim
Óleo de abacate
Azeite de oliva
Óleo de castanha do Pará
Óleo de maracujá prensado a quente

Óleos para peles normais:


Óleo de milho
Óleo de gergelim
Óleo de soja
Óleo de apricot
Óleo de jojoba
Óleo de calêndula
Óleo de semente de uva
Óleo de neen
Óleo de maracujá prensado a frio

Óleos para peles oleosas:


Óleo de semente de uva
Óleo de girassol
Óleo de avelã
Óleo de noz
Óleo de prímula
Óleo de germe de trigo
Óleo de babaçu, tucumã, côco da Bahia, palmiste e murumuru
Óleo de canola
Óleo de linhaça

Métodos de extração

Existem dois métodos de se extrair o óleo carreador de matéria prima. A primeira é por pressão a frio: neste
processo as sementes são esmagadas por uma prensa causando a drenagem do óleo para fora da mesma.
O segundo método é a extração por solvente: a polpa é saturada com um solvente (geralmente hexano) que
dissolve a maior parte do óleo presente na polpa; a massa resultante é então filtrada e o solvente evaporado por
aquecimento.
13
Muitos óleos existentes no mercado são vendidos como virgens ou extra-virgens. Quanto à denominação de
virgem, ela irá corresponder à segunda prensagem da matéria prima, sendo que à primeira prensagem se dá o
nome de extra-virgem. As únicas exceções são o azeite de oliva, óleo de nogueira (noz), avelã e outros poucos.
No caso do azeite, após a segunda prensagem se extrai o óleo que sobrou na polpa através da fervura em banho-
maria do material. É importante frisarmos que muitos destes óleos taxados desta forma são propaganda
enganosa, pois são extraídos por solventes.
Outros tipos de carreadores são os óleos produzidos por maceração onde a erva, flor ou semente é infusa por um
determinado período de tempo em um óleo vegetal qualquer (soja, girassol, etc.) até que a matéria prima passe
para o óleo solvente todas as suas propriedades terapêuticas. Este processo às vezes é acelerado pela fervura do
óleo em banho-maria.

ÓLEOS CARREADORES

Prensado a frio e filtrado sem o uso de solventes. O óleo é derivado da polpa do fruto e não do
caroço, pois o óleo presente no caroço é tóxico. O óleo contém uma alta proporção de ceras. De
média oleosidade, este óleo é rico em proteínas, vitamina A, vitamina do complexo B, vitamina
D e E, lipídios, aminoácidos, sais minerais e substâncias antibióticas. O óleo de abacate é bom
para todos os tipos de pele, mas especialmente para as secas, assim como peles sensíveis. Atua
na epiderme, deixando a pele macia e flexível. Pode ser usado como amaciante dos cabelos e
nutriente para a pele. Excelente como óleo para massagem, principalmente quando misturado
com óleos essenciais. Nutre e restaura peles secas, maduras, desidratadas ou envelhecidas. É um
óleo pesado e por este motivo recomenda-se misturá-lo a outro óleo carreador. Ótimo para peles
com problemas, especialmente eczemas e psoríases, com resposta rápida, pois contém Vitamina
A e E. Aumenta o colágeno na pele, é um anti-inflamatório natural, previne a cegueira
degenerativa macular, previne arteriosclerose, melhora a imunidade e é antioxidante. Rico em
Abacate
fitoesteróis, substâncias que contribuem para a prevenção de diversas doenças, ajudando a
equilibrar o sistema hormonal da mulher no alívio dos sintomas da TPM e menopausa.
Riquíssimo também em beta-sitosterol, indicado para hiperplasia prostática. Contém entre 40 e
50% de ácido oléico (bom para o colesterol). Rico em gorduras monoinsaturadas (reduzem os
níveis de colesterol LDL, considerado o colesterol ruim). Turva-se naturalmente em dias de
baixa temperatura e solidifica-se quando resfriado. A indústria cosmética considera esta
característica natural do óleo não atrativa à venda e tende a refinar o óleo, o que leva à remoção
das propriedades que distinguem o óleo de abacate dos outros óleos vegetais como as vitaminas,
proteínas e sais minerais. Quando refinado não turva-se a baixas temperaturas, é inodoro e sem
cor, enquanto o natural não-refinado retém a cor verde escuro, freqüentemente possui resíduos e
possui um odor forte de nozes. Rancifica rapidamente. O natural não-refinado normalmente é
empregado na diluição de 10 a 50 % por ser um óleo mais caro.
De cor verde-escura e sabor suave, é muito interessante para uso na gastronomia,
principalmente em saladas, pois não se pronuncia na preparação, além de ser fonte de saúde e
nutrição. O óleo de semente de abóbora extra-virgem é fonte de gorduras poliinsaturadas; 60%
de sua composição é de ácido graxo linoléico (ômega-6), essencial para o organismo humano.
Este óleo pode ser considerado boa fonte de vitamina E, pois mais de 10% de sua composição é
formada por tocoferóis, importantes no combate aos radicais livres. A Vitamina E pode atuar
como um poderoso antioxidante. O óleo de semente de abóbora é extraído a frio (em baixa
temperatura), o que preserva toda a vitamina E presente e também os ácidos graxos essenciais,
como o ácido linoléico (ômega-6), além de preservar o ácido graxo oléico (ômega-9), que
garante estabilidade e preservação do óleo e de suas propriedades nutricionais e funcionais. Este
produto pode ser utilizado por adultos e crianças, principalmente se o uso for combinado com o
óleo de linhaça extra-virgem, equilibrando assim os ácidos graxos ômegas-3 e 6.
Abóbora
O óleo é extraído das sementes da abóbora por prensagem a frio. Pesquisas científicas têm
provado que o óleo de sementes de abóbora possui efeitos positivos no tratamento de problemas
da vesícula, congestão e cálculos e próstata (hiperplasia) - rico em beta-sitosterol. Atualmente
têm sido considerado um dos melhores produtos naturais para o tratamento e prevenção de
problemas da próstata, dando suporte também à virilidade masculina e feminina e no tratamento
de queda de cabelo. Este óleo pode ser usado tanto interno, quanto externamente, auxiliando no
combate ao DHT, que é o hormônio que penetra nos receptores dos folículos pilosos, iniciando
um processo de miniaturização, enfraquecimento e perda dos cabelos. Também possui um
efeito redutor do colesterol e é efetivo na prevenção de problemas cardíacos e circulatórios. O
óleo de semente de abóbora também é uma boa opção para saladas, comparado ao azeite de
oliva para este uso.O óleo de semente de abóbora possui vitamina A, B1, B2, C, E, niacina,
ácido fólico, sais minerais como ferro, cobre, manganês, cálcio, zinco e selênio (que é muito

14
importante para o sistema imunológico), ácido linoléico, entre outros.

O óleo de Amêndoa possui coloração levemente amarelada e o seu sabor é suave e agradável.
Das amêndoas doces por prensagem a frio, obtém-se o óleo no qual identificam os seguintes
componentes: ácido oléico ou ômega-9 (56%); ácido linoléico ou ômega-6 (34%); ácido
palmítico (7,5%); e 766 mg de vitamina E/kg. A rara pureza e a excelência em qualidade
encontram-se neste óleo. O óleo de amêndoa é uma ótima fonte de gorduras mono e
poliinsaturadas. Este óleo é também utilizado como um extraordinário emoliente para a pele..
O óleo de amêndoas de melhor qualidade é o extraído por prensagem a frio sem o uso de
solventes. O óleo de amêndoas prensado a frio é reconhecido por ser levemente espesso e de
gosto muito forte.Contém de 20 a 30% de protídeos, além do ácido oléico, emoliente e
Amêndoas doces ou amargas
hidratante. Pode ser aplicado tanto no corpo como no rosto, sendo amaciante e protetor de
tecidos. Usado com freqüência ajuda a prevenir estrias. Auxilia no tratamento anti-rugas,
melhora a flexibilidade e a elasticidade da pele. Excelente para qualquer tipo de pele, mas em
especial para peles secas, sendo um óleo muito usado em aromaterapia para tratar de eczemas.
Ajuda a diminuir irritações e inflamações, suaviza e amacia peles secas. Apesar de ser super
lubrificante, não é tão penetrante. Pessoas de pele mais sensível podem apresentar certa alergia
ao uso muito prolongado.Trata-se de um óleo leve. Como o óleo de amêndoa doce rancifica-se
rapidamente, deve ser utilizado, se possível, imediatamente após seu preparo. Pode ser usado de
20% a 100% em óleos carreadores mais baratos.
As substâncias contidas nos óleos são altamente antiinflamatórias. O óleo é amarelo e sua
viscosidade é alta, contendo vários componentes que repelem insetos, entre outras
características. A partir destes estudos, várias indústrias começaram a fabricar velas de
andiroba. A andiroba tem sido muito empregada pelas suas propriedades repelentes do
mosquito causador da dengue, atualmente.
Pode ser empregado puro sobre a pele como um óleo carreador. É utilizado para inchaços,
batidas, reumatismo, cicatrização, alergias, psoríases e problemas de garganta. Recomendado
para peles ressecadas, rachadas ou com eczemas devido ao seu poder antiinflamatório. Age
também como emoliente, anti-séptico, cicatrizante, regenerador de tecido cutâneo e contra o
Andiroba reumatismo, além de ser formador de filme oclusivo. Usado também em escaras, psoríases e
coceiras.
O óleo de andiroba pode ser misturado em torno de 10 a 30% no óleo de massagem padrão para
potencializar suas propriedades terapêuticas no tratamento de dores e inflamações. Algumas
pessoas o utilizam sozinho como carreador sem qualquer diluição. O óleo também não deve
passar por refino senão perde toda sua utilidade. Muito óleo de andiroba no mercado vem sendo
diluído com girassol para render mais e ficar mais barato.
Abaixo de 38º (ponto de fusão), o óleo de andiroba apresenta consistência semi-sólida. Acima
dessa temperatura é um líquido de baixa viscosidade, com coloração variando de amarelo claro
a amarelo avermelhado e sabor amargo
O óleo de melhor qualidade é prensado a frio e filtrado sem o uso de solventes. Um óleo
altamente nutritivo que possui a mesma consistência do óleo de amêndoas e a coloração
amarela pálido. É rico em vitaminas A e C, além de sais minerais. Freqüentemente empregado
Apricot como regenerador da pele, principalmente do rosto e comumente adicionado à mistura de óleo
de massagem. Normalmente não é empregado puro na massagem devido ao seu aroma forte.
Um excelente hidratante e ótimo para peles desidratadas, delicadas, maduras e sensíveis.
Suaviza peles secas e inflamadas.
Há muito tempo é apreciada para problemas estomacais, infertilidade e nervos. Dela se fazia
Avelã uma loção para alívio de irritações nos olhos. Hidratante da pele, útil na prevenção de estrias,
como substituto ao óleo de amêndoas.
Um dos melhores óleos para massagem, fino e de rápida absorção. Nutre a pele. Fortalece o
sistema imunológico devido a alta concentração de em ácido láurico e por isto é um ótimo
suplemento alimentar para pessoas com baixa imunidade, principalmente em doenças como
câncer e AIDS. Antiinflamatório natural. É fundamental em regimes de emagrecimento, pois é
o único tipo de gordura não estocado no corpo proporcionando rápida queima de calorias e
perda de peso: acelera o metabolismo e estimula a digestão. Reduz o mau colesterol (LDL) e é
potente antioxidante, prevenindo o envelhecimento precoce. Ajuda no controle glicêmico.
Babaçu
O babaçu ou coco de macaco, é uma grande palmeira com mais de 20 metros de altura nativa do
Brasil. O nome babaçu vem dos tupis, uma tribo amazônica, que chama a árvore de ―Uauaçu‖.
O óleo de babaçu, que constitui 60% da matéria da amêndoa, serve como matéria prima para
fabricação de sabão, sabonete, shampoo, amida, gorduras especiais, cremes, margarina, óleo
comestível e para queimar em lamparinas. Possui um ponto de fusão muito baixo (25,5 ºC), o
que o faz em dias muito frios acabar tomando uma consistência branco-leitosa, como uma
pasta. Esta sua característica está especialmente associada ao seu alto teor de ácido láurico
15
(superior a 40%), o principal componente responsável pelas suas qualidades terapêuticas. O
óleo de babaçu é um óleo tão fino que em questão de segundos penetra pelos poros da pele. Esta
sua propriedade o torna um dos melhores óleos vegetais para uso na massagem, pois quando é
diluído nele algum óleo essencial, este consegue atingir a corrente sanguínea num curto espaço
de tempo, antes que sofra perdas de evaporação dada à temperatura da pele. Na massagem e no
tratamento do cabelo (onde ele age como um silicone natural), ele apresenta uma vantagem
especial sobre outros óleos vegetais, ele não rança facilmente.
Pesquisas divulgadas pelo Dr. Conrado S. Dayrit, MD em 25 de julho de 2000 em Chennai na
Índia, no 37º Encontro Cocotécnico, mostraram um grande potencial terapêutico para os óleos
láuricos (com alto teor de ácido láurico, como o babaçu e o côco da bahia). A experiência da
administração de 50ml de óleo de coco diária em 15 pacientes (10 mulheres e 5 homens)
portadores do HIV (o vírus da AIDS) e que nunca haviam recebido nenhum tipo de tratamento
anti-HIV, no Hospital de São Lázaro, nas Filipinas, sob a responsabilidade do Dr. Eric Tayan,
M.D, mostraram um aumento do linfócitos de defesa do corpo, CD4 e CD8 de 248 para 1.065 e
570 para 1671 respectivamente. Um homem que possuía uma carga viral muito baixa
(<0.4X103) e que não sofreu mudanças, não foi incluído no resultado final da pesquisa. As
estatísticas finais incluíram resultados para 4 homens e 10 mulheres e mostram que 7 (2h, 5m)
de 14 pacientes tiveram uma redução em 3 meses de uso diário do óleo, enquanto 8 (3h, 5m)
sofreram redução em 6 meses. Os níveis de CD4 e CD8 aumentaram em 5 pacientes, mas não
mantiveram relação com a diminuição da contagem viral.
A adição de óleos láuricos como o babaçu e o côco da bahia na alimentação de pacientes
portadores do HIV pode trazer como benefício a diminuição do nível da carga viral em
indivíduos HIV positivos, diminuição do antígeno P24 e o aumento do CD4 e/ou CD4/CD8.
Com bases nestes estudos, o uso deste óleos na alimentação de pessoas com baixa imunológica,
que possuem grande facilidade em gripar, pessoas com doenças bacterianas e viróticas como
tuberculose, pneumonia, herpes, doenças venéreas, auto-imunes como o lúpos e a psoríase,
entre outras, seria de extrema valia. O babaçu e o côco possuem óleos de propriedades antivirais
e antifúngicas dado ao seu teor de ácido láurico e ácido cáprico. Da mesma maneira, seu
emprego na massagem se mostra eficaz para o tratamento dos mesmos problemas, dada sua
penetração pela pele ser muito fácil. Na alimentação ambos os óleos podem ser usados para
cozinhar e fritar alimentos, substituindo os óleos de soja, girassol e milho. Podem ser
temperados com ervas e condimentos e utilizados como substitutos ao azeite de oliva nas
saladas para dar sabor. São muito empregados pela indústria alimentícia para fabricação de
sorvetes e margarinas.
Utilizado na hidratação da pele e como protetor solar junto a outros óleos vegetais (6-20%).
Buriti Super rico em beta-caroteno. De aroma intenso, que lembra a fruta do buritizeiro. Usado como
protetor solar fator 5-8, ou como hidratante da pele.
É preparado normalmente pela infusão das flores de calêndula em óleo de soja e filtrado sem o
uso de solventes. Particularmente é um óleo excelente para problemas de pele. Tem ação
antiinflamatória, emoliente, anti-séptica, calmante e cicatrizante. A absorção cutânea é rápida.
Utiliza-se o óleo de calêndula no tratamento de queimaduras e inflamações, estimulando a
Calêndula formação de tecidos. Ideal para a pele áspera, rachada, cansada, para as mãos, como óleo de
massagem ou após o banho de sol. Ameniza problemas femininos, como a TPM e a menopausa.
Indicado para todo tipo de pele, inclusive com acne, sensíveis e avermelhadas.
Costuma ser adicionado ao óleo carreador na proporção de 25%. Não confundir com o óleo
essencial absoluto de calêndula que custa centenas de vezes mais caro que o óleo infuso.
O óleo de Castanha-do-Pará possui coloração clara quase transparente e o seu sabor é suave e
agradável. Apresenta os seguintes teores de ácidos graxos: ácido linoléico ou ômega-6 (45%),
ácido oléico ou ômega-9 (30%) e ácido palmítico (14,5%) e oferece ainda ao organismo
humano um substancial teor de proteínas, lipídios e vitaminas que o tornam uma excelente fonte
nutricional. O selênio, mineral também presente na castanha-do-pará, interage com a química
do organismo, pois apresenta características antioxidantes, além de conter bons níveis de
Castanha do Pará
Vitamina E. Os ácidos graxos insaturados são nutrientes essenciais para o organismo nos
processos fisiológicos e bioquímicos da estrutura do tecido epitelial. Graças à sua composição
graxa, o óleo da castanha-do-pará também é utilizado na fabricação de sabonetes finos. É
delicioso quando usado em receitas culinárias, bem como em saladas e refogados.Hidratante da
pele, auxilia na prevenção de estrias. (20% a 100% em óleos carr. baratos). Substitui o óleo de
amêndoas.
Existem duas qualidades de óleo de cenoura, um feito com as flores infusas e outro com a raiz
seca macerada. Ambos são ricos em beta-caroteno e vitamina A. O primeiro é produzido pela
Cenoura infusão de C. O produto é estabilizado comflores de cenoura em óleo de soja a 90 o uso de
vitamina C e E contra a oxidação. Deve ser mantido em baixas temperaturas, protegido da luz e
guardado por no máximo seis meses. O segundo é feito pelo mesmo método, só que ao invés

16
das flores, se usa a raiz seca em maceração. Este acaba tendo maior durabilidade. Não
confundir com o óleo essencial de semente de cenoura produzido da mesma planta.
O óleo de cenoura é emoliente e calmante tópico, sendo rápida e completamente absorvido pela
pele. Protege da exposição aos raios solares intensos, proporcionando um bronzeamento seguro
e homogêneo.
Acrescentar somente 10% em outros carreadores, caso contrário sua cor alaranjada poderá
permanecer temporariamente na pele.

Côco Óleo fino para massagem, imunoestimulante, anti-viral, de usos similares ao babaçu.

O cupuaçu é uma árvore parente do cacau e produz uma manteiga muito parecida com a deste,
sendo que aquela que é obtida de suas sementes tem sido utilizada para fabricação de chocolate
branco. A manteiga de cupuaçu possui um alto poder de hidratação e penetração pela pele (2,4
Cupuaçu manteiga vezes maior que a lanolina). Por este motivo é muito utilizada em cremes hidratantes para pele e
cabelo em 3 a 20. Útil para peles ressecadas, como creme para massagem (veículo de óleos
essenciais), para lábios rachados e ressecados e rachadura dos pés e dos seios. Possui um
agradável perfume de chocolate.
O óleo de Gergelim possui cor amarela tênue e tem sabor suave e agradável. Quando obtido por
prensagem a frio, o óleo de gergelim é fonte de ácidos graxos insaturados, como oléico (40%),
linoléico (45%) e alfa-linolênico (0,5%), e apresenta vários constituintes secundários que são
importantíssimos na definição de suas qualidades. Entre os constituintes menores do óleo de
gergelim, encontram-se a sesamina e a sesamolina. Como excelente fonte de vitamina E, possui
todos os tocoferóis (alfa, beta, gama e delta) em sua composição natural. De forma geral, a
semente de gergelim possui cerca de 18,6% de proteínas e 21,6% de carboidratos em sua
composição. O óleo de gergelim é bastante rico em ácido linoléico (ômega 6), entre 37,7% e
41,2%, considerado essencial ao organismo. Os ácidos graxos essenciais são aqueles que,
contrariamente a todos os outros, não podem ser produzidos pelo homem em seu organismo
através de seu metabolismo próprio. Portanto, devem ser administrados pelos alimentos
(Caderno de Tecnologia de Alimentos e Bebidas). As funções fisiológicas dos ácidos graxos
Gergelim essenciais envolvem sua combinação com os fosfolipídios por serem parte integrante da
estrutura celular e, acima de tudo, da estrutura das partículas subcelulares, como das
mitocôndrias e dos microssomos, pois, através das mitocôndrias, ocorre a respiração celular,
que traz às células vivas a energia necessária. Uma vez que os ácidos graxos da dieta são
absorvidos no intestino e rearranjados em triacilgliceróis, eles se defrontam com o problema
biológico de transporte num meio predominantemente aquoso como é o sangue, visto que são
lipídios, e, por isso, não miscíveis em água. Esse problema é superado pela estabilização das
partículas de lipídios, por camadas de fosfolipídios e proteínas. Essas partículas resultantes são
as lipoproteínas (British Nutrition Foundation, 1992). O óleo de gergelim é naturalmente rico
em vitamina E, um antioxidante natural que pode ter ação protetora das células contra a ação
dos radicais livres, desde que associado a uma dieta equilibrada e hábitos de vida
saudáveis.Hidratante da pele, auxilia na prevenção de estrias. (20% a 100% em óleos
carreadores mais baratos). Possui muita vit. E.
Óleo prensado a frio e filtrado sem o uso de solventes. O óleo é extraído do germe das sementes
de trigo. O óleo não-refinado possui a coloração laranja-avermelhada e um forte odor. Possui
propriedades antioxidantes e pode prolongar a vida útil de misturas de óleos para massagem,
evitando que fiquem rançosos. O óleo contém vitaminas (A, B1, B2, B3, B6, D e F) e é rico em
vitamina E. Contém ácido linoléico, fosfolipídios, zinco, ferro, potássio e fósforo, além de ser
altamente rico em lecitina. Normalmente é empregado em diluição a outro óleo na proporção de
10%. Útil na cura de queimaduras e tecidos em processo de cicatrização, assim como áreas
inflamadas e peles ásperas. Fortalece os vasos sangüíneos evitando a ocorrência de varizes.
Germe de trigo Aplicado na pele diariamente, recupera a pele seca, áspera e madura. Ótimo como óleo de
massagem para o corpo e para acelerar cicatrização de feridas e queimaduras, além de funcionar
como preventivo para estrias. Utilizado em blends, como antioxidante, por conter alto teor de
vitamina E, sendo um ótimo conservante. Importante no tratamento de cabelos secos.
A maior parte do óleo de germe de trigo brasileiro não possui mais estas características, pois é
adulterado com outros óleos vegetais de mais baixo custo e às vezes adicionam a ele vitamina E
sintética. A vitamina E evita perda da vitamina A no organismo, retardando o envelhecimento
da pele e devolvendo a vitalidade e a elasticidade.Usado de 10% a 100% em óleos carreadores
mais baratos.
O óleo de Girassol possui coloração amarelo-dourada e seu sabor é suave e agradável; contém
um elevado teor do ácido graxo poliinsaturado linoléico, considerado essencial ao organismo.
Girassol Seu consumo representa fator importante do ponto de vista nutricional. A composição de ácidos
graxos do óleo de girassol o torna desejável como óleo comestível, dadas as evidências de que
os ácidos graxos saturados podem ter efeitos prejudiciais à saúde (Reyes, Garibay, Ungaro,
17
Toledo, 1985). Quando obtido por prensagem a frio, é fonte de ácidos graxos essenciais e
vitamina E. Dos ácidos graxos nele contidos a maior proporção é de ácido linoléico ou ômega-6
(66,8%) e oléico ou ômega-9 (20,9%). A presença de tocoferóis (Vitamina E) em seu conteúdo,
mais de 40 mg de vitamina E por 100 g de óleo, atua favoravelmente pela sua destacada ação
antioxidante. Os ácidos graxos essenciais são aqueles que, contrariamente a todos os outros, não
podem ser produzidos pelo homem em seu organismo através de seu metabolismo próprio.
Portanto, devem ser administrados pelos alimentos (Caderno de Tecnologia de Alimentos e
Bebidas). É um excelente óleo de mesa, leve e fluido, particularmente delicioso em saladas e
pratos frios.
Este óleo é derivado da castanha da jojoba e é prensado a frio sem o uso de solventes. O óleo de
jojoba não é exatamente um óleo, mas sim C. SobC a 9uma cera. É um liquido gorduroso com
ponto de fusão de 7 baixas temperaturas ele pode se solidificar homogeneamente se não foi
refinado ou misturado com outro óleo vegetal como óleo de girassol ou soja para ficar mais
barato. Possui uma coloração clara e é rico em vitamina E, proteínas e sais minerais quando
não-refinado.
Ele é indicado para todos os tipos de peles, incluindo a oleosa, mista, acnéica e peles
inflamadas. Similar à composição da "seborréia" humana ou à pele oleosa. Penetra rapidamente
na pele, nutrindo-a. É suavizante e hidratante para peles secas e maduras. Óleo de grande
compatibilidade com a pele humana, fornecendo maciez aveludada. Auxilia no controle do
acúmulo de sebo na acne vulgar, devolvendo a oleosidade natural da pele. Ajuda na cura de
peles inflamadas ou em peles com psoríases ou qualquer forma de dermatites, sendo excelente
Jojoba
para o tratamento e o controle de peles acnéicas e oleosas. Elimina os acúmulos de agentes no
couro cabeludo que podem provocar a caspa, sendo eficaz em seu tratamento. Deixa o bulbo
limpo e livre para o crescimento de novos fios. É um óleo antioxidante natural, ajudando outros
óleos a não rancificarem rapidamente, agindo como nenhum outro óleo no mundo. Bom para
diluí-lo com outro carreador. Utilizado na elaboração de óleos aromáticos e, quando diluído
com óleo essencial, funciona como perfume ou para tratamentos faciais. Excelente coadjuvante
em óleos de massagens, óleos de corpo e para tratamentos capilares. De média oleosidade, é
considerado um balanceador da pele, equilibrando-a. Sua composição química é de grande
compatibilidade com a pele humana, devolvendo a oleosidade natural da pele.
Não fica rançoso com o tempo, por isso é um bom veiculo para óleos essenciais e é muito usado
na fabricação de perfumes. Também não se deteriora com facilidade possuindo um longo tempo
de vida.
O óleo de Linhaça tem coloração alaranjada e sabor levemente amargo. Para quem não gosta do
óleo de peixe como fonte de ômega-3, o óleo de linhaça é uma ótima opção e é de origem
vegetal. Apresenta a seguinte composição de ácidos graxos essenciais: ácido alfa-linolênico ou
ômega-3 (55%), ácido linoléico ou ômega-6 (14,5%) e ácido oléico ou ômega-9 (18,6%). Além
de ricos em ácidos graxos essenciais, os óleos de semente de linhaça contêm magnésio e
potássio. Eles são também uma boa fonte de vitaminas B e zinco e são pobres em gorduras
saturadas, além de não conter colesterol (assim como todos os óleos de origem vegetal). Sua
rica composição natural em ômega-3 pode favorecer a produção das prostaglandinas, que são
corpos biologicamente ativos e importantes para uma ampla gama de reações no organismo.
A concentração de ácido alfa-linolênico no óleo de semente de linhaça encontra-se na
concentração variável entre 50 e 55%. Os nutrientes conhecidos por Ácidos Graxos Essenciais
foram descobertos há mais de 50 anos. Considerados hoje de maior importância para a saúde,
são chamados de essenciais porque não são produzidos pelo organismo, sendo necessária sua
reposição pela dieta alimentar. Estão divididos em duas séries: Série ômega-3 e Série ômega-6.
A série ômega-3 inclui os derivados do ácido alfa-linolênico, que originam as prostaglandinas
Linhaça
E3, encontradas nos óleos de origem animal, como os óleos de peixe. A série ômega-6 inclui o
ácido linoléico e o ácido gama linolênico (G.L.A.), originando as prostaglandinas E1(PGE1) e
as prostaglandinas E2(PGE2), encontradas nos óleos de origem vegetal e em algumas algas
marinhas. Recomenda-se o consumo de 2 a 4 g/dia, equivalente a 1 colher de sobremesa/dia.
Cada 1 g de óleo equivale a 9 cal. Devido ao alto teor de ácidos graxos poliinsaturados, o óleo
de linhaça deve ser armazenado em refrigerador após aberto. Este produto pode ser utilizado
por adultos e crianças, em moderadas doses diárias.
Antiinflamatório, útil em artrites, artroses, dores musculares, ciática, dermatites, psoríases,
TPM, menopausa e colesterol. O óleo de linhaça é rico em Ômega 3 e fitoestrógenos. O Ômega
3 promove uma ação protetora para o coração e vasos sangüíneos. Reduz o colesterol total e o
mau colesterol, conferindo uma proteção cardiovascular. O óleo de linhaça possui substâncias
parecidas com os estrogênios (hormônios femininos), porém, de ação mais atenuada,
melhorando a absorção de cálcio, prevenindo, por exemplo, a osteoporose. Paradoxalmente,
estes fitoestrógenos parecem ter, também uma ação antiestrogênica, fato este que deve conferir
uma ação contra os tumores dependentes do estrogênio, prevenindo sobretudo o câncer de

18
mama, através de uma ação nutracêutica direta nos receptores dos órgãos alvos. O óleo de
linhaça possui também ação antioxidante contra os radicais livres, que quando em excesso,
provocam doenças crônicas degenerativas e envelhecimento precoce.
O óleo de Macadâmia possui coloração amarelo-clara, quase transparente, com sabor suave e
agradável. É o único óleo vegetal que contém grande quantidade de ácido palmitoléico, um
ácido graxo monoinsaturado. A noz da Macadamia integrifolia é saborosa e altamente nutritiva;
contém de 9 a 10% de proteínas e 78% de óleo. Além disso, possui vitaminas e minerais, como
cálcio, fósforo, ferro, tiamina, riboflavina e niacina (Dierberger e Netto, 1989). Apresenta a
seguinte composição: ácido oléico ou ômega-9 (61%), ácido palmitoléico ou ômega-7 (20%) e
610 mg de vitamina E/kg de óleo. O óleo de nozes da macadâmia é derivado das nozes da
Macadâmia
árvore tropical Macadamia integrifolia, que cresce principalmente na Austrália e nas ilhas do
Havaí. A noz-macadâmia é chamada rainha das nozes e possui aproximadamente 70% de óleo
por peso. O ácido palmitoléico (O.P.A.) pode ser encontrado na secreção sebácea natural da
pele, principalmente nos bebês, crianças e adolescentes. À medida que ocorre o
envelhecimento, a quantidade desse ácido graxo na pele diminui. É delicioso quando usado em
receitas culinárias, bem como em saladas e refogados. Recomenda-se o consumo de 5 a 10
g/dia, equivalente a 1 a 2 colheres de sopa/dia.
Potente hidratante da pele, para uso conjugado a outros óleos (6-20%) ou em cremes (3-10%).
Mamona
Dores musculares.
O óleo é retirado por prensagem a frio das sementes obtidas em empresas que produzem o suco
da fruta. O óleo de semente de maracujá possui textura e características parecidas com as do
óleo de semente de uva. O óleo prensado a quente é um óleo mais grosso, de textura que lembra
Maracujásementes óleo de amêndoas. Ele possui um alto teor de ácido linolênico (família do ômega 3), além de
vitamina E, B e A. Não possui efeitos calmantes como a fruta, por isso é um ―engano dizer-se
que é um óleo calmante‖. Hidratante da pele e dos cabelos. Usado em cremes de cabelo e corpo
de 2-5%.
O óleo de Neem tem propriedades antivirais, antibacterianas, antifúngicas e anti-parasíticas. O
seu óleo é obtido pela prensagem a frio das sementes.É muito utilizado como inseticida natural
contra nematóides, sendo não tóxico para humanos, animais, além de não afetar insetos
benéficos.
As propriedades antibióticas do óleo de neem são úteis em problemas como acne, unha
encravada, machucados e condições sérias da pele. Dentro da cosmética, o óleo de neem atua
restaurando a maciez e elasticidade natural da pele, enquanto age como um desinfetante da
mesma. Neem também pode ser adicionado ao xampu, óleo pós-banho e cremes hidratantes.
Neem
Excelentes propriedades antifúngicas são relatadas especialmente contra pé-de-atleta, bicho-de-
pé, cândida e outros fungos que atuam causando alergias, queda de cabelo e descamação da
pele. Destrói Staphylococcus aureus e Salmonella typhosa.
Utilizado em dermatites, micoses e fungos de pele, psoríases, problemas de pele, puro ou em
diluições de 6-50%.É um óleo carreador conhecidíssimo por suas propriedades
imunoestimulantes, antiinflamatórias e repelentes. É empregado no combate a pragas agrícolas
como excelente repelente natural (diluído a 0,5-2% em água). Empregado no tratamento de
doenças como psoríase, dermatites, inflamações artríticas, câncer e imunidade baixa.
O óleo de Noz-Pecã apresenta cor levemente dourada e mantém preservado o sabor intenso
dessa noz nativa da América do Norte. É rico em gordura monoinsaturada, 70% de sua
composição é de ácido graxo oléico (ômega-9), o que propicia grande estabilidade térmica, sem
degradação. Possui grande quantidade de vitamina E, sendo considerado uma excelente fonte
dessa importante vitamina. Seu uso na indústria cosmética é grande por ser bom coadjuvante na
produção de elastina e na renovação celular, podendo prevenir o envelhecimento precoce.
Óleo carreador excelente para massagens, de excelente hidratação, substitui o óleo de
amêndoas.
As nozes, em geral, podem evitar até 65% do risco de doenças do coração, diminuir o mau-
Noz Pecã
colesterol, melhorar o funcionamento intestinal, cerebral, pulmonar, entre outros. Por ser rica
em antioxidantes, especialmente vitamina E, é comprovada como agente de prevenção do
câncer. Essa mesma vitamina E é importante para a fertilidade masculina. Contém
fitoestrogêneos, que reduzem os problemas relacionados a menopausa, especialmente
osteoporose. Para os que fumam ou vivem em locais muito poluídos, os antioxidantes presentes
nas nozes, especialmente o gama-tocoferol, melhora o funcionamento pulmonar e reduz os
danos das toxinas inaladas. O consumo de nozes auxilia no tratamento da diabetes e da
hipertensão. O resveratrol, encontrado no vinho tinto e associado à prevenção de males do
coração, também existe nas nozes, assim como os ácidos graxos ómega 3 e 6.

19
Tem ação regenerativa em virtude da sua alta concentração de ácido oléico, excelente
emoliente. Muita oleosidade, bom para ser diluído com outro óleo carreador. Contém entre 65 e
Oliva
80% de ácido oléico (bom para o colesterol). Rico em gorduras monoinsaturadas (reduzem os
níveis de colesterol LDL, considerado o colesterol ruim).
O dendê é uma opção muito boa de óleo vegetal para alimentação. Tem excelentes propriedades
anti-oxidantes, devido ao seu alto teor de carotenóides e vitamina E, que age protegendo as
Palma (azeite dendê extra virgem) células do corpo contra o câncer e diminui os riscos de doenças cardíacas, trombose e a
arteriosclerose. O dendê ajuda também a aumentar no sangue os níveis do HDL (colesterol
bom), diminuindo por outro lado o LDL (mau colesterol).
O óleo é obtido por prensagem a frio das sementes da perila. É um dos raros óleos vegetais
contendo ômega 3. Possui propriedades antiinflamatórias, auxilia no tratamento de colesterol
alto, arteriosclerose, problemas do fígado, combate o infarto cardíaco, estimula o sistema
Perila
imunológico, diminui a incidência de tumores na mama, no cólon, rins, entre outros.
Possui propriedades regeneradoras e hidratantes da pele. Empregado e problemas alérgicos,
queimaduras e dermatites.
Prensado a frio e filtrado sem o uso de solventes. O óleo é derivado das sementes da prímula. É
muito popular e extensivamente comercializado e famoso devido ao seu conteúdo de AGL
(ácido g-linoléico). O conteúdo máximo de AGL no óleo de prímula fica em torno de 9-12%. É
muito fácil se adulterar o óleo pela adição de óleo de soja ou girassol. Portanto é preciso ter
atenção na aquisição deste tipo de óleo para que ele seja útil para aquilo que normalmente é
Primula indicado.
Devido ao AGL, lembra muito o óleo de rosa mosqueta que possui mais de 40% de AGL
quando de boa qualidade e não adulterado. É empregado normalmente misturado a outro óleo
carreador na proporção de 10%. É bom para todos os tipos de pele, e no equilíbrio da maioria
dos problemas menstruais. Especialmente indicado para peles secas, eczema, psoríase e no
combate a rugas.
O óleo é obtido por prensagem das sementes da romã. É um óleo que possui propriedades
Romã
antibióticas, antiinflamatórias, tônicas dos nervos e do sistema muscular.
Rico em ácido linoléico. Revitaliza a pele. É uma excelente fonte de vitamina C. Quando usado
em massagens faciais diárias, ameniza linhas de expressão, abranda cicatrizes, permite mais
mobilidade do tecido, retarda o envelhecimento prematuro. Mesmos empregos da linhaça.
Rosa mosqueta
Ambos também são indicados na regeneração da pele, em quelóides e peles rachadas e na
prevenção de estrias.Mesmos empregos da linhaça. Ambos também são indicados na
regeneração da pele, em quelóides e peles rachadas.
Os ácidos graxos essenciais (AGES) são imprescindíveis para o corpo humano, e uma forma
simples de introduzi-los em nossa alimentação é através da suplementação. Dentre os ácidos
graxos essenciais (AGES), que contribuem para a integridade e fluidez das membranas
celulares, o mais importante é o Ômega-3 (DHA e EPA). A vida e a função de uma célula
dependem amplamente da integridade de sua membrana. Sem membranas saudáveis, as células
perdem sua capacidade de reter água, nutrientes vitais e eletrólitos, deixando de funcionar
adequadamente. A manutenção da integridade das membranas celulares pode resultar em mais
saúde e bem-estar.
Inúmeros estudos clínicos em todo mundo há décadas vêm demonstrando a importância dos
ácidos graxos essenciais (AGES) como importante coadjuvante no tratamento de diversas
patologias. Pesquisas realizadas nos mais renomados centros médicos e de nutrição clínica em
todo mundo atualmente estão comprovando que o consumo médio de 1 a 2 gramas de EPA +
Salmão 17% ômega 3 DHA tem sido recomendado no tratamento de pacientes que apresentam patologias relacionadas
ao envelhecimento celular, dermatites, psoríase e maus hábitos alimentares.
Em 2007, na quarta diretriz da Sociedade Brasileira de Cardiologia, ficou estabelecido como
consenso que o uso dos ácidos graxos essenciais (AGES), especificamente o Ômega-3, tem
fundamental importância no tratamento de doenças coronarianas, na diminuição de morte súbita
e melhora do perfil lipídico, sendo inclusive indicado como tratamento para pacientes que
apresentam reações ou possuem sensibilidade às estatinas. Esse e outros fatores só vêm
fortalecer o fundamental papel dos (AGES) no tratamento e manutenção de uma vida saudável.
Recomenda-se o consumo de 2 cápsulas de 1g ao dia, junto às refeições.
Rica fonte de ômega 3(EPA EDHA), que possui inigualáveis propriedades terapêuticas.
Auxiliar como coadjuvante no tratamento da depressão, distúrbio bipolar, síndrome do pânico,
problemas da retina, hiperatividade em crianças, vícios, alcoolismo, impulsos agressivos,
constante mau humor e stress.
Coadjuvante dos filtros solares devido à presença de carotenóides. Altamente absorvido pela
Urucum
pele.

20
É possível se conseguir o óleo por pressão a frio, mas isso é raramente feito devido ao alto custo
(5 toneladas produzem entre 80 e 150 litros de óleo). Este tipo de óleo possui um tom de cor
que vai do oliva a um verde bem escuro e possui um odor acre (tipo azeite com castanhas).
Normalmente o que pode se encontrar disponível no exterior é produzido por pressão a quente,
mas o de melhor qualidade é o extraído a frio.
O Brasil está começando a sua produção no momento e a qualidade de seu óleo está
excepcional.
A maior parte do óleo de semente de uva dentro do mercado brasileiro é na verdade óleo
mineral com sementes previamente infusas, quando isso é feito, porque às vezes se usa essência
de uva. Imagine a quantidade de vinícolas que deveriam existir para produzir tanto óleo para
Uva sementes suprir a demanda existente no mercado mundial.É indicado no tratamento de obesidade, celulite
e estrias, pois auxilia na elasticidade dos tecidos, reduz o inchaço e o edema, restaura o
colágeno e melhora a circulação periférica. Atua como excelente antioxidante. É usado na
alimentação semelhante ao azeite de oliva.Óleo usado em aromaterapia e massagem,
considerado um bom óleo carreador. Compatível a todos os tipos de pele e de fácil absorção.
Possui alto teor de vit. E e anti-oxidantes, bem como, alta porcentagem de ácido linoléico e
outras vitaminas e sais minerais. É um óleo muito usado em massagens, pois é muito fluido,
leve e sem odor. É tonificante, regenera e revitaliza a pele. É de grande utilidade na prevenção
de estrias. Age regenerando e tratando da pele. Usar puro ou diluído de 6-50% em óleos.
Possui alto teor de vit. Ee anti-oxidantes. Age regenerando e tratando da pele. Usar puro ou
diluído de 6-50% em óleos.

ÓLEOS ESSENCIAIS

ÓLEOS ESSENCIAIS
Abeto (siberiano, balsâmico, Abeto é o nome popular das diversas espécies do gênero Abies. São árvores coníferas da
prata, canadense e outros) família Pinaceae, nativas de florestas temperadas da Europa, Ásia e América do Norte.
Os abetos, de maneira geral, possuem folhas pequenas e aromáticas, e produzem pólen
abundante durante o período de reprodução, o que pode causar alergia respiratória em
indivíduos mais sensíveis.
São usados como fonte de madeira, e das suas folhas extraem-se óleos essenciais para
aromaterapia e farmacologia. São igualmente bastante apreciados pelo seu efeito decorativo e
usados como proteção contra o vento. Todos os anos, milhões de abetos são vendidos como
árvores de Natal.
Grande parte dos instrumentos de cordas (violino, violoncelo e contrabaixo, por exemplo)
utilizam tradicionalmente o abeto em sua parte superior (tampo harmônico) e em algumas
partes localizadas no interior do instrumento, pois esta madeira confere uma característica
peculiar de ressonância muito apreciada pelos grandes mestres da liuteria, como Antonio
Stradivari, Nicola Amati, Andrea Guarneri e muitos outros.
De agradável aroma que lembra florestas e natal. Possui efeito equilibrador das glândulas
suprarenais e freiador de hormônios de stress. Relaxante do sistema nervoso, anti-inflamatório,
em insônia, agitação, dores musculares.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: puro ou diluído a partir de 3%
Hemorróidas: 3 a 6 gotas de OE em 100mL de água, para banhar o local de 3 a 4x/dia..
Toxidade: DL50 5g/kg em ratos para todos os tipos de abetos
O absinto (Artemisia absinthium), também conhecido por losna ou sintro, é uma planta da
família Asteraceae.
Na Grécia Antiga, esta planta era dedicada à deusa Artemis (Diana, entre os romanos, deusa da
caça e da castidade). Daí a origem de seu nome científico.
É uma erva originária da Europa e da Ásia, de folhas recortadas de cor cinzenta, de sabor
amargoso e que se utiliza como planta medicinal e na fabricação da bebida conhecida como
absinto.
Absinto (wormseed)
O absinto contém pequenas quantidades de tujona, que se pensou outrora ser relacionado com o
THC (tetrahidrocanabinol), mas sabe-se agora que é um antagonista dos receptores GABA-A.
O consumo excessivo de tujona pode causar espasmos e convulsões.
Anti-viral, elimina verrugas, anti-séptico, hormonal, narcótico do SNC. Uso local e inalação e
não internamente.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 1a 3%

21
O salsão ou aipo (nome científico Apium graveolens) é uma planta aromática alimentícia da
família das apiáceas. Todas as partes vegetativas podem ser consumidas: a raiz, o caule e as
folhas. A raiz do salsão é utilizada no cozimento de sopas e caldos, o caule em saladas e no
coquetel Bloody Mary e as folhas como condimento parecido com a salsa.
Na páscoa judaica, Pessach, a raiz do salsão é colocada no prato do sêder e é consumida com
Aipo sementes (salsão) água salgada como Carpás, o fruto da terra.
Em artrite, gota e reumatismo. Potente descongestionante hepático e vesicular (hepatite,
cirrose, ressaca), auxilia na eliminação de ácido úrico, bom para pele envelhecida e distúrbios
femininos (TPM, menopausa). Cheiro de tempero.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 1a 3%
Acácia-mimosa (Acacia podalyriifolia) é uma árvore ornamental australiana cujo fruto em
forma de vagem se forma entre os meses de setembro e outubro. Ela pode crescer até 6 m e
também possui 4 m de diâmetro na sua copa arredondada cujas folhas prateadas são pequenas e
semi-caducas. É muito conhecida pelas suas lindas flores amarelo-canário, que aparecem entre
Acácia (mimosa) os meses de julho a setembro porque se adapta bem até em pequenos jardins. Embora seja uma
planta magnífica, ela possui pouca resistência contra ventos e também é pouco longeva e de
difícil transplante.Um óleo de aroma parecido com o do jasmim. Sedativo, afrodisíaco e
estimulante de mudanças internas.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Nome botânico de Trachyspermum copticum. É uma semente pequena semelhante à Ammi
majus, semente em forma de ovo e de cor acinzentada. A planta tem uma similaridade com
salsa.Propriedades e aroma semelhantes do tomilho vermelho. É anti-séptico, anti-inflamatório,
Ajowan(tomilho indiano)
antiacnéico e carminativo.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 1a 3%
A Alcaravia (Carum carvi), também conhecida como cominho-armênio, cariz, cominho,
cominho-dos-prados, cominho-romano ou cúmel , é uma planta da família das Apiaceae. É
nativa da Europa e oeste da Ásia.Indicado em desordens digestivas, fígado, como carminativo,
Alcarávia (caraway)
estrogênico, calmante e relaxante. Usos do endro.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 1a 3%
Alecrim da horta O alecrim (Rosmarinus officinalis) é um arbusto comum na região do Mediterrâneo ocorrendo
QT1 canfenona (=cânfora) dos 0 a 1500 m de altitude, preferencialmente em solos de origem calcária. Devido ao seu
QT2 cineol (=cineol) aroma característico, os romanos designavam-no como rosmarinus, que em latim significa
QT3 verbenona orvalho do mar. Como qualquer outro nome vernáculo, o nome alecrim é por vezes usado para
QT4 borneol referir outras espécies, nomeadamente o rosmaninho, que possui exactamente o étimo
QT5 pineno rosmarinus. No entanto estas espécies de plantas, alecrim e rosmaninho, pertencem a dois
géneros distintos, Rosmarinus e Lavandula, respectivamente, e as suas morfologias denotam
diferenças entre as duas espécies, em particular, a forma, coloração e inserção da flor.
Arbusto muito ramificado, sempre verde, com hastes lenhosas, folhas pequenas e finas,
opostas, lanceoladas. A parte inferior das folhas é de cor verde-acinzentada, enquanto a
superior é quase prateada. As flores reúnem-se em espiguilhas terminais e são de cor azul ou
esbranquiçada. O fruto é um aquênio. Floresce quase todo o ano e não necessita de cuidados
especiais nos jardins.
Toda a planta exala um aroma forte e agradável. Utilizada com fins culinários, medicinais,
religiosos, a sua essência também é utilizada em perfumaria, como por exemplo, na produção
da água-de-colônia, pois contém tanino, óleo essencial, pineno, cânfora e outros princípios
ativos que lhe conferem propriedades excitantes, tônicas e estimulantes.
A sua flor é muita apreciada pelas abelhas produzindo assim um mel de extrema qualidade. Há
quem plante alecrim perto de apiários, para influenciar o sabor do mel.
A medicina popular recomenda o alecrim como um estimulante para todas as pessoas atacadas
de debilidade, sendo empregado também para combater as febres intermitentes e a febre
tifóide.
Uma tosse pertinaz desaparecerá com infusões de alecrim, que também se recomendam a todas
as pessoas cujo estômago seja preguiçoso para digerir. Também apresenta propriedades
carminativas, emenagogas, desinfectantes e aromáticas. Uma infusão de alecrim faz-se com 4
gramas de folhas por uma chávena de água a ferver. Toma-se depois das refeições.
Em templos e igrejas, o alecrim é queimado como incenso desde a antigüidade. Na Igreja
Ortodoxa grega, o seu óleo é utilizado até aos nossos dias, para unção. Nos cultos de religiões
afro, como umbanda e candomblé, é utilizado em banhos e como incenso.
QT1 tem maior teor em cânfora. Útil em problemas de concentração, falta de memória,
reumatismo, dores localizadas, seborréia e caspa, preguiça, lassidão, sonolência, tensão

22
muscular. É considerado o óleo dos estudantes.
QT 2 tem maior teor em cineol. Útil em problemas pulmonares e respiratórios, rinite, sinusite,
bronquite pulmão cheio e congestionado. Diminui o mau cheiro nos pés. O Brasileiro e o
indiano possuem mais cineol.
QT3 tem maior teor em verbenona. Útil especialmente em distúrbios hepáticos como fígado e
vesícula congestionados e icterícia. Auxilia também em problemas respiratórios como
bronquite e em problemas de memória.
QT4 tem maior teor em borneol. Com características semelhantes ao QT1 porém é menos
excitante.
QT5 possui maior teor de pineno. Um bom óleo para noite, pois não estimula como os outros,
mas sim relaxa. Nervos cansados, dores musculares e inflamações. Age como solvente no
tratamento de coágulos, varizes e trombos. O óleo brasileiro possui também alto teor de
verbenona, de usos similares aos do alecrim QT3 no tratamento de fígado.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 2 e 6%
Uso em massagens: 2 a 3%
Toxidade: DL50 1000mg/kg. produto pouco alergênico. Deve ser usado com cautela em
pessoas hipertensas ou epilépticas
O Alecrim-do-campo (Baccharis dracunculifolia), nativo do Brasil, também conhecido pelo
nome popular de vassourinha devido a seu uso na produção de vassouras, foi considerada uma
planta invasora de pastagens e erradicada de muitas regiões em função disto. Atualmente sabe-
se que é através da coleta de resina pelas abelhas nesta planta é que elas produzem a própolis
verde. As mudas podem ser produzidas através de sementes. Também se dissemina por auto-
propagação.É cicatrizante, útil em alergias de pele e psoríases e como fabuloso regenerador e
Alecrim do campo (vassoura)
hidratante da pele. Calmante suave.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: puro ou diluído entre 3 e 6% para estrias, cicatrizes, rachaduras, dermatites,
eczemas, psoríase, acnes, rugas, úlceras varicosas e diabéticas.
Uso em shampoos ou condicionadores para hidratação e brilho: 0,5 a 2%
Toxidade: produto seguro e de baixa toxidade inclusive fetal
Alecrim-pimenta, Lippia sidoides Cham., é uma planta pertencente à família Verbenaceae. É
um arbusto silvestre, originária do nordeste do Brasil, que sob condições ideais pode alcançar
até 3 metros de altura.
Também conhecida pelos nomes populares de alecrim-grande e estrepa-cavalo.
Usada externamente possue propriedades antimicrobianas e anti-sépticas. Suas indicações
Alecrim pimenta terapêuticas são : Combate a acne, aftas, caspa e piolhos, fungos, impingem, inflamação na
boca e garganta, diminue o cheiro dos pés e axilas, reduz o pano-branco e a sarna-infecciosa.
Possui alto teor de carvacrol, substitui e possui as mesmas indicações do orégano. Poderoso
antitumoral, anti-infeccioso.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 1a 3%
São designadas como alho algumas plantas do gênero Allium (mas não só), embora o termo se
aplique especificamente ao Allium sativum, uma planta perene cujo bulbo (a "cabeça de alho"),
composto por folhas escamiformes (os "dentes de alho"), é comestível e usado tanto como
tempero como para fins medicinais.
O alho é utilizado desde a antiguidade como remédio, sendo usado no Antigo Egito na
composição de vários medicamentos. Suas propriedades anti-microbianas e os seus efeitos
benéficos para o coração e circulação sanguínea já eram valorizados na Idade Média. Possui
um ótimo valor nutricional, possuindo vitaminas (A, B2, B6, C), aminoácidos, adenosina, sais
minerais (ferro, silício, iodo) e enzimas e compostos biologicamente ativos, como a alicina. O
alho costuma ser indicado como auxiliar no tratamento de hipertensão arterial leve, redução dos
Alho (china) níveis de colesterol e prevenção das doenças ateroscleróticas. Também se atribui ao alho a
capacidade de prevenir resfriados e outras doenças infecciosas, e de tratar infecções bacterianas
e fungicas.
Utilizado pelas suas propriedades anti-bacterianas. Oóleo de alho também éútil em problemas
de colesterol alto, problemas estomacais e respiratórios, pressão alta, tumores, hipertiroidismo
e para dar sabor a alimentos.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 1a 3%
Uso interno: cápsulas de 250mg. Para hipertensão, aterosclerose, infecções respiratórias, até 1g
ao dia, como repelente de insetos em dose única 2g/dia.
Toxidade: DL50 100mg/kg

23
Anti-séptico geral, anti-microbial, de ação anti-espasmódica conjugada. Estimulante do ânimo
e vitalizante geral.
Alutinosum
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 1a 3%
O âmbar é uma resina fóssil muito usada para a manufatura de objetos ornamentais. Embora
não seja um mineral, às vezes é considerado e usado como uma gema.
Sabe-se que as árvores (principalmente os pinheiros) cuja resina se transformou em âmbar
viveram há milhões de anos em regiões de clima temperado. Nas zonas cujo clima era tropical,
o âmbar foi formado por plantas leguminosas.
As resinas produzidas pelos vegetais agiam como proteção contra a ação das bactérias e contra
Âmbar fóssil o ataque de insetos que perfuravam a casca até atingir o cerne das árvores. A resina que saía da
madeira acabou por perder o ar e a água de seu interior. Com o passar do tempo (milênios) as
substâncias orgânicas formadoras do âmbar acabaram se polimerizando, formando assim uma
resina endurecida e resistente ao tempo e à água.Cheiro exótico, forte, resinóide obtido pela
destilação destrutiva de âmbar fóssil europeu. Nota base p/perfumes.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 1a 3%
Considerado afrodisíaco, usado p/tratar dores de cabeça, ansiedade, depressão e como
substituto do muskanimal.
Ambreto (muskvegetal)
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 1a 3%
A amendoeira, Prunus dulcis (antes classificada como Prunus amygdalus, ou Amygdalus
communis) é uma árvore de folha caduca da família Rosaceae. A semente do seu fruto é
geralmente considerada como um fruto seco: a amêndoa. Tal como o pessegueiro, pertence ao
subgénero Amygdalus. Em Portugal, é frequente na região do Douro e no Algarve.
Apesar do termo amêndoa se referir ao fruto da amendoeira (Prunus dulcis), usualmente ele
também é referido a sua semente, ou mesmo às sementes de outras variedades de amendoeiras.
Amêndoas amargas De tais sementes são extraídos óleos e essências possuidores de propriedades medicinais e
muito utilizados na indústria de cosméticos.
Potente anti-inflamatório, empregado em dores articulares, artrite, fibromialgia, bursite, LER,
tendinite, reumatismo, etc. É um poderoso anti-infeccioso, fortalece o sistema imunológico e a
auto-estima, possui propriedades parecidas com a canela.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 1a 3%
Ammi trifoliatum (H.C.Watson) Trelease é um género botânico pertencente à família
Apiaceae.
É endémica das ilhas dos Açores onde só não existe na ilha Graciosa e Faial.
Ammi visnaga (khella) Útil em ataques asmáticos e cólicas renais, menstruais e intestinais. Sedativo e anti-
espasmódico fortíssimo. Em vitiligo.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 1a 3%
Amyris P. Browne é um género botânico pertencente à família Rutaceae.Amadeirado, trabalha
a auto-estima, hidrata a pele como cedro e sândalo. Tonificante vascular. Hemorróidas.
Amyris (falso sândalo) Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 1a 3%
Hemorróidas: 3 a 6 gotas de OE em 100mL de água, para banhar o local de 3 a 4x/dia..
Excelente antiinflamatório útil em problemas como acne, artrite, gengivite, otite, furúnculos,
Alfa bisabolol (ext. da candeia) etc. Obtido do OE de candeia.
Uso tópico local: diluído entre 0,5 a 2%

24
Angelica archangelica, popularmente conhecida por angélica, é uma planta com propriedades
medicinais pertencente à família das Apiaceae (Umbelíferas).
Planta herbácea que mede de 1 a 2 m de altura. Seu caule é grosso e canelado. Nas
extremidades se encontram as flores dispostas numa inflorescência em forma de umbela. Muito
parecida com a cicuta que pertence à mesma família, porém com uma diferença significativa - a
angélica exala um aroma agradável entre picante e adocicado, enquanto a cicuta tem odor
desagradável.
Seus princípios ativos são o felandreno de ação digestiva e carminativa (elimina os gases), e a
Angélica raízes ou sementes angelicina de ação sedativa e equilibradora do sistema nervoso. Com menor intensidade, tem
poder antiinflamatório, diurético, depurativo, e no combate a enjôos. Também usada em
banhos.Estimulante do apetite, do sistema imunológico, empregado em cistite, infecções
reumáticas, distúrbios femininos como infertilidade e problemas menstruais. Possui
propriedades bactericidas e antifúngicas. É depurativo.
Toxidade : DL 50 2,2g/kg
Não se deve administrar óleo essencial por via interna para menores de seis anos de idade,
pacientes com epilepsia, doença de Parkinson ou outras enfermidades neurológicas. Não
aplicar topicamente para crianças menores de dois anos ou a pessoas com alergias respiratórias.
Estrela-de-anis ou anis-estrela (Illicium verum) é uma planta originária da China. É
considerado uma especiaria e possui um aroma idêntico ao do anis pois contém o mesmo óleo,
embora mais forte.
É conhecido também por suas propriedades antissépticas, antiinflamatórias, calmantes,
digestivas e diuréticas. Na culinária, a Estrela de Anis é utilizada para produzir óleos
essenciais e aromatizar bebidas alcoólicas. É a partir desta planta que se produz o principal
fármaco para tratamento da Gripe A, o Oseltamivir (nome comercial: Tamiflu).
Há outra espécie próxima, originada do Japão, denominada de anis-estrelado japonês (Illicium
anisatum, também conhecido como Illicium religiosum, Illicium japonicum), ou shikimmi ou
Anis Estrelado
skimmi. Está espécie é reconhecida cientificamente como altamente venenosa e é, por isso,
imprópria para o consumo humano
Carminativo, útil em problemas de obesidade, como calmante, digestivo, em cólicas
intestinais, tosses, etc. É galactagogo, por isso aumenta a formação de leite na mulher após o
parto. Útil em cólicas e distúrbios menstruais. Facilita a aceitação.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 0,25 a 3%
Uso interno: 2 gotas 2x/dia.
Toxidade: DL50 100mg/kg
Psidium L. é um género botânico neotropical de plantas da família Myrtaceae, designadas
vulgarmente por araçá, a que também pertence a goiabeira, que produz a goiaba.Potente anti-
Araçá folhas inflamatório, usado em acnes, furúnculos, abscessos. Para perfumaria também encontra usos.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 1% e 3%
Araucaria é um gênero de árvores coníferas na família Araucariaceae. Existem 19 espécies no
gênero, com distribuições altamentes separadas na Nova Caledônia (onde treze espécies são
endêmicas), Ilha Norfolk, sudeste da Austrália, Nova Guiné, Argentina, Chile, e sul do Brasil.
As araucárias, inclusive o pinheiro-do-paraná (i.e. nome científico Araucaria angustifolia) são
excelentes plantas a serem cultivadas como árvores orientais de bandeja ou pote, em estilo
'bonsai' oriental, conforme as antigas tradições da China e do Japão.
No idioma inglês a espécie Araucaria tiraniana se chama, entre outros, Monkey-puzzle Tree
(ou árvore 'Quebra-Cabeça de Macacos'). Supostamente, os macacos na América do Sul não
conseguiam alcançar os seus pinhões, as suas deliciosas sementes, por causa da estrutura física
desafiadora desta árvore. O que parece realmente intrigante é essa 'história' de origem do nome
em inglês pois o pinheiro-do-paraná se livra de suas sementes naturalmente sem intervenção
Araucária humana. O esquilo, também chamado serelepe, se alimenta dos pinhões, e carrega a semente,
plantando-a sem querer com a intenção de ter uma reserva de alimento para mais tarde,
voltando ao lugar onde a deixou, e assim acaba ajudando a espécie a se propagar. Uma outra
teoria quanto a este nome curioso conferido à milenar araucária teria surgido devido aos seus
ramos se parecerem com imensos rabos de macaco aos anglo-saxões que a introduziram nos
continentes nórdicos do planeta como planta ornamental - uma das muitas conseqüências da
Era da Exploração do mundo pelos grandes poderes europeus. Outros nomes em inglês são
Chilean Pine (pinho ou pinheiro chileno) e, simplesmente Araucaria (sem acento agudo).
Cheiro de pinheiro e casa de madeira (passado). Anti-séptico, de aroma anti-stress e relaxante,
serve em dores musculares.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local ou em massagens: entre 1 e 3%
25
Cana-do-rio ou ubá (Gynerium sagittatum) é uma planta de até 10 m da família das gramíneas,
nativa da América do Sul. A espécie é cespitosa e muito rica em celulose, com rizomas
diuréticos e excitantes, brotos utilizados como xampu, colmos finamente estriados e eretos, de
que se fazem flechas, folhas lineares, lanceoladas, utilizadas em obras trançadas, e espiguetas
em panículas terminais. Também é conhecida pelos nomes de ariná, cana-brava, cana-de-frecha,
Arina canaflecha, canafrecha, cana-ubá, candiubá, eguará, flecha, iraí, iuá, parimá, pau-de-flecha, ubá
e vuba.
Expectorante e anti-infeccioso das vias respiratórias. Útil em aerofagia, sinusite e catarros.
Analgésico em dores.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: entre 0,5 e 3%
arnica- brasileira (arnica-do-campo, arnica-silvestre ou rabo-de-foguete) a espécie do
gênero Solidago, Solidago microglossa DC ou Solidago chilens), da mesma família, com
características semelhantes e originária da região meridional da América do Sul.
A arnica-brasileira ou arnica-falsa foi encontrada pela primeira vez pelos colonos imigrantes
italianos em Minas Gerais , Brasil, no século XVIII. Muito semelhante com a arnica européia
(Arnica Montana), que já era usada como chá medicinal desde a idade média, os colonos
passaram a usá-la com o mesmo propósito. Foi citada pela primeira vez na "Farmacopéia
Brasileira" de 1929.
É um arbusto perene, heliófilo, rizomatozo, geralmente com um único caule ereto que pode
alcançar até 2 metros de altura. Suas flores são amarelas, pequenas, de cheiro agradável e
formam uma inflorescência do tipo capítulo na extremidade do caule. Suas folhas são simples,
de forma lanceolada medindo entre 0,5 cm de largura e 10 cm de comprimento, dispostas de
maneira alternada ao longo do ramo. Os frutos são aquênios com até 0,5 cm de diâmetro. É
encontrada naturalmente em regiões de campos rupestres ou cerrados de altitude, com solos
Arnica mineira rochosos e com pouca umidade.
No Brasil, a proliferação desta planta é muito rápida e invasora, podendo até ser considerada
como erva daninha. Sua proliferação inibe a germinação de sementes de outras plantas. Pode
ser reproduzida por sementes ou por estaquia da parte apical do rizoma (caule). A sua floração
ocorre nos meses de março e abril e a sua frutificação a partir de abril.
Pesquisas em espécies semelhantes demonstraram que as partes áreas apresentam como
princípios ativos os óleos essenciais ( que lhe conferem o cheiro característico), flavenóides,
poliacetilenos, dipertenos , mono e sesquiterpenos, saponinas, entre outros. As raízes
apresentam substâncias como a runina, inulina, ácido caféico, ácido quínico, clorogênicos,
hidrocinâmicos, entre outras.
Um poderoso anti-inflamatório, utilizado em afecções da pele, acne, alergias, infecções,
furúnculos e abcessos, dores musculares e reumáticas, pancadas e fraturas. É um bom
adstringente para peles oleosas e acnéicas.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico: em concentrações entre 0,25% e 2%
Schinus terebinthifolius
Nomes populares: aguaraíba, aroeira, aroeira-branca, aroeira-da-praia, aroeira-do-brejo,
aroeira-do-campo, aroeira-do-paraná, aroeira-mansa, aroeira-negra, aroeira-pimenteira,
aroeira-precoce, aroeira-vermelha, bálsamo, cambuí, fruto-do-sabiá
Árvore de porte médio, dióica, de folhas compostas, aromáticas. Flores em pequenas em
panículas, fruto tipo drupa, vermelho-brilhante, aromático e adocicado. Reproduz-se por
sementes ou por estacas. Usada em medicina popular.
Ocorrência: desde o Rio Grande do Norte até o Rio Grande do Sul, em várias formações
vegetais, sendo mais comum em beiras de rios.
Aroeira brasileira folhas ou frutos A aroeira-salsa e a aroeira-pimenteira são usadas em culinária, recebendo na França o nome de
poivre rose, um tipo de pimenta doce.
Anti-inflamatório da pele, regenerador e anti-séptico. Óleo muito indicado em tratamento de
pele (acne, psoríases, deramtites, etc), útil também em distúrbios vasculares (varizes, varicela,
má circulação, entupimentos œ ateromas).
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: entre 1 a 3%
Disturbios Vasculares: 3 a 6 gotas de OE em 100mL de água, para banhar o local de 3 a
4x/dia..
Toxidade: DL50 5g/kg em ratos para todos os tipos de abetos
A arruda (Ruta graveolens L, Ruta montana, Ruta sativa, Ruta hortensis, Ruta latifolia) é
uma planta da família das Rutáceas.
Arruda
Também é denominada como arruda-fedorenta, arruda-doméstica, arruda-dos-jardins, ruta-
de-cheiro-forte.
26
Subarbusto muito cultivado nos jardins em todo o mundo, devido às suas folhas, fortemente
aromáticas. Atinge até um metro de altura, apresentando haste lenhosa, ramificada desde a
base. As folhas são alternas, pecioladas, carnudas, glaucas, compostas, de até 15 cm de
comprimento. As flores são pequenas e amareladas. O fruto é capsular, de quatro ou cinco
lobos, salientes e rugosos, abrindo-se superior e inteiramente em quatro ou cinco valvas.
A medicina popular indica-a nos casos de supressão da menstruação, por seu efeito fortemente
emenagogo. Também possui efeitos abortivos.
Suas folhas são utilizadas como chá com fins calmantes. Na forma de infusão (20 gramas para
um litro de água), ou empregando-se as folhas secas em pó, combate os piolhos.
Uma crença popular de raiz africana, remontando aos tempos coloniais, dita que os homens
usem um pequeno galho de folhas por cima de uma orelha, ou que um galho das mesmas seja
mantida no ambiente, para espantar maus espíritos.
Boa sorte - Desde a antiga Grécia, era usada para afastar doenças contagiosas. Os escravos
africanos usavam-na contra mau-olhado. A igreja, no início da era cristão, fazia raminhos de
arruda para espargir água-benta nos fiéis. Preferida das rezadeiras, é uma planta poderosa para
descarga de íons positivos (nocivos) e de vibração emitida por inveja ou feitiço. Misturadas
com outras ervas ou flores é um precioso componente de banhos mágicos para amor, sucesso e
atração do que se busca. Um arranjo de arruda e rosas, faz as rosas durarem mais, e limpa o
ambiente, trazendo clareza e proteção.
Arruda também significa o sobrenome de uma extensa família de origem portuguesa
É ótima para tratar conjuntivite. Macerar as folhas, acrescentar água fervida ou mineral e
passar nos olhos, embebida num chumaço de algodão, várias vezes ao dia.
Usado na cultura popular para purificação energética. Estimulante circulatório. Tóxico se usado
internamente.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: 0,5 a 2%
Artemijo (feverfew) Artemisia vulgaris L é uma das várias espécies do gênero Artemísia, também conhecida
Artemísia comum (moxa) como flor-de-são-joão, erva-de-são-joão, artemísia-comun, artemísia-verdadeira, artemíge,
artemijo, losna, losna-brava, absinto. É nativa das regiões de clima temperado da Europa,
Ásia e Norte da África. Está disseminada em todo o mundo. Trata-se de uma planta aromática,
herbácea perene com raízes lenhosas, cuja altura varia entre 1 e 2 metros. Suas folhas verde-
escuras possuem de 5 a 20 cm. Floresce entre julho e setembro, apresentando flores pequenas
(5 mm de comprimento) de cor amarela ou vermelha-escuro.
A artemísia possui um óleo essencial rico em diversas substâncias: cineol e tuiona,
flavonóides, taninos, saponinas, resinas, artemisina e princípios amargos. Suas propriedades
medicinais conhecidas são o efeito analgésico, antiespasmódico, anticonvulsivo, tônico,
calmante, digestivo, vermífugo e regulador da menstruação. A artemisina está sendo testada
contra malária. Não deve ser consumida crua, pois é tóxica nesta condição.
Equilibrador hormonal (TPM, menopausa), má-digestão, enjôos. Aroma herbáceo anti-stress.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 1 e 3%
Assa-fétida é um produto culinário, originário da Índia e Pérsia é uma goma resinosa fétida
que se extrai de várias plantas do gênero Ferula.
Era outrora usada como antiespasmódico (umbelífera da Pérsia e da Índia) de que se extrai
essa resina (Ferula assafoetida). O fruto dessas planta chama-se anjuão.
Assa-fétida
Exaustão nervosa. É muito empregado para dar mais sabor aos alimentos. Propriedades
parecidas com o alho.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: entre 1% e 3%
Psoralea coryfolia. Hidratante da pele, regenerador, alergias, psoríases. Cheiro de terra molhada,
considerado aterrador, p/pessoas avoadas.
Bakuchi Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 2 e 6%
Uso em massagens: 2 a 3%
O Bálsamo-do-peru (Myroxylon peruiferum L. f.) é uma planta da família das Fabáceas, usada
medicinalmente como antiinflamatório, escabicida e expectorante peitoral sendo utilizado em
casos de asma, bronquite asmática, cistite, doença pulmonar, dor de cabeça, ferida externa,
Bálsamo do Peru fraqueza, garganta, tosse e vias aéreas.Anti-séptico de usos similares ao benjoim. De aroma
achocolatado, ótimo para perfumes. Trabalha a carência.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 2 e 3%, 10 a 20% como antiinflamatório ou escabicida.

27
O Bálsamo-de-tolu (Myroxylon balsamum) é uma árvore da família das leguminosas, cuja
subfamília é a papilionoídea. Sua ocorrência vai do México à Amazônia e ao Norte da
Argentina, sendo cultivada ou explorada pela madeira dura e resistente e para a produção do
bálsamo-de-tolu, uma resina, semifluida ou quase sólida, marrom-avermelhada ou marrom-
amarelada, aromática, obtida por lesão da árvore, muito utilizada em perfumaria, confeitaria e
na fabricação de gomas de mascar, bem como ingrediente e veículo expectorante, em veterinária
Bálsamo de Tolu e farmácia. Possui folíolos ovados, flores alvas em racemos, e sâmaras de tom amarelo-
pardacento, aromáticas.Possui aroma similar ao bálsamo do Peru, porém com nota de fundo de
estoraque. Anti-séptico.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 2 e 6%
Uso em massagens: 2 a 3%
Uso interno em xaropes expectorantes: 0,5 a 2mL ao dia.
Possui propriedades similares às do cravo da índia, útil em micoses, dores de dente, etc. Muito
usado em perfumes.
Bay, pimenta Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: puro ou diluído a partir de 3%
Uso em massagens: 2 a 3%
O benjoeiro (Styrax benjoin) é uma árvore originária do sudeste asiático que pode atingir até
dez metros de altura. Seu nome vem do árabe "lubãn jãui", que significa "resina de Java,
incenso" – termo que os antigos europeus entendiam como "benjawi" e que mais tarde virou
"benzoin". Do tronco dessa árvore, extraí-se uma resina que apresenta um suave cheirinho
doce, semelhante ao da baunilha. Depois de colhida, esta resina é misturada com um solvente
químico, processo conhecido por "extração com solvente" cujo objetivo é obter o óleo
essencial. O óleo essencial resultante, ou o famoso óleo de benjoim, é viscoso, apresenta uma
coloração dourada (tendendo ao castanho escuro) e um agradável aroma de baunilha – assim
como o da resina.
Antigamente o óleo essencial de benjoim era bastante valorizado devido ao seu poder fixador,
uma propriedade até hoje explorada na fabricação de perfumes e misturas aromáticas. Ele
também é um ótimo conservante, pois diluí-lo em qualquer óleo vegetal aumenta a vida de
prateleira desses óleos (shelf life) em vários meses – retardando a oxidação e a deterioração.
Além disso, o óleo essencial de benjoim sempre chamou a atenção de várias pessoas em
Benjoim do Sião
função de suas propriedades medicinais, principalmente a dos europeus. De acordo com a
literatura, ele tem poder anti-séptico, cicatrizante, esfoliante, umectante, expectorante,
antioxidante e fungicida. Atua na limpeza de pele e auxilia na eliminação de cravos e espinhas.
Previne o envelhecimento precoce e como esfoliante, ajuda a eliminar as células mortas, o que
deixa a pele limpa, lisa e macia. Também estimula a circulação e colabora com a cicatrização
de feridas e escaras. Mas atenção: ele não pode ser utilizado 100% puro sobre a pele! Nem
ingerido! O ideal é diluí-lo em um óleo vegetal seguindo como parâmetro a ordem de 1%.
Vibracionalmente possue propriedades protetores e depuradoras de energias de baixo padrão
vibratório.
Possui ação antiinflamatória, anti-séptica e sedativa. É um óleo levemente calmante de aroma
abaunilhado. Muito indicado em casos de stress, tensão, nervosismo e como afrodisíaco. É um
bom fixador para perfumes (resina).
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 1 e 3%
Bergamota China, Índia, Ivory A bergamota (Citrus aurantium var. bergamia) é uma fruta cítrica pequena e não comestível
Coast, Itália, encontrada no sul da Itália, Costa do Marfim, Argentina e Brasil. É cultivada visando a obtenção
de seu óleo essencial, extraído da casca da fruta madura, e muito utilizado pela indústria de
perfumaria. Na aromaterapia, além de melhorar a circulação sanguínea, é comumente
empregado no tratamento de pessoas com depressão. Seu cheiro de fruta doce com notas
picantes moderadas agrada a todos. Em distúrbios como obesidade, celulite, retenção hídrica,
casos de stress, gripes e resfriados, problemas como o herpes e em banhos para tratar infecções
e inflamações na área genital. Útil em Regeneração da pele, ansiolítico.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 2 e 6%. Para repigmentação em vitiligo: de 10 a 25%
Dores articulares e localizadas, tensão muscular e dores musculares, reumatismo, como
estimulante do ânimo.
Betel folhas (pimenta betel) Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 2 e 6%
Uso em massagens: 2 a 3%

28
Bétula (Betula) é o nome de um género de árvores da família Betulaceae, (próxima da dos
carvalhos, Fagaceae), à qual pertence também a aveleira, Corylus avellana. As bétulas são
arbustos ou árvores pequenas ou de tamanho médio, características de climas temperados do
hemisfério norte. Têm folhas alternas, simples que podem ser dentadas ou lobadas. O fruto é
uma pequena sâmara, embora as asas possam estar reduzidas em algumas espécies. As bétulas
diferem do amieiros (Alnus, outro género desta família) por os amentilhos femininos não
serem lenhosos e desintegrarem-se na maturidade para libertar as sementes (ao contrário da
frutificação em forma de pinha dos amieiros).
Bétula amarela frutos
No passado, o salicilato de metila (ou "bálsamo") era extraído da Betula lenta. Mascar casca de
bétula era um paliativo contra o mau-hálito muito utilizado por povos antigos da Eurásia. É
também um ingrediente muito utilizado em soluções de emagrecimento tais como drenantes.
Indicada no tratamento da pele, especialmente dermatites, eczemas, psoríases, acne e
inflamações.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 2 e 6%
Uso em massagens: 2 a 3%
Bétula branca (alcatrão) (Couro Problemas de pele em geral (dermatites, eczema, psoríase), reumatismo, de ação
da Rússia) antiinflamatória e anti-séptica. Possui aroma e gosto de fumaça (defumado) devido a presença
de ácido pirolenhoso em seu óleo essencial.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 2 e 6%
Uso em massagens: 2 a 3%
Analgésico local, empregado em dores musculares, artrite, reumatismo, pancadas e luxações.
Possui propriedades antiinflamatórias e sedativas parecido com wintergreen. De aroma suave,
doce e refrescante, que lembra gelol.
Bétula doce
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 2 e 6%
Uso em massagens: 2 a 3%
Breu branco ou Icica (Protium icicariba) é uma árvore da família Burseraceae cujo óleo é
usado em emplastros É o Olíbano brasileiro, de ação anti-séptica e antiinflamatória. Trabalha a
introspecção e a meditação. Purificador energético.
Breu branco
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 2 e 6%
Uso em massagens: 2 a 3%
Eremophila mitchellii. Regenerador da pele (com mesmo potencial da cabreuva), tônico das
gônadas, usado em meditação e na auto-estima.
Buddahwood(madeira de Buda) Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 2 e 6%
Uso em massagens: 2 a 3%
Hyptis lofanta. Utilizado para dores musculares, pancadas, luxações. Aroma exótico de mato,
misturado com notas geladas. Estimulante do ânimo, expectorante, eficazem problemas
digestivos. Em xampus, estimulante capilar.
Buchinha do cerrado (Hyptis) Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 2 e 6%
Uso em massagens: 0,5 a 3%
Uso capilar: 0,5 a 2%
Barosma betulina. Anti-séptico, usado em infecções do sistema geniturinário, como cistites,
assim como inflamações da vesícula. Uso contra indicado durante a gravidez.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Buchu folhas
Uso tópico local: diluído entre 2 e 6%
Uso em massagens: 2 a 3%
Toxidade: DL50 5mg/kg.

A cabreúva (Myrocarpus frondosus) é uma árvore que chega a medir até 30 m e é nativa da
região nordeste, sudeste e sul Brasil. Da família das leguminosas e subfamília da papilionoídea,
a cabreúva é aromática e melífera, de casca cinza-pardacenta, madeira avermelhada com
manchas amarelo-escuras, folhas imparipenadas, flores brancas, e frutos oblongos. É cultivada
Cabreuva principalmente por sua madeira nobre e sua serragem, que é utilizada em perfumaria, nem como
por seu bálsamo, obtido por incisão no tronco e por usos medicinais da casca, folhas e frutos.
Características Gerais: Altura de 10–30 m, com tronco de 60–80 cm, tendo com ocorrência os
Estados da BA e ES, zona da mata de MG, chegando até o RS.
Fenologia: Floresce nos meses de Jul-Set a maturação dos frutos no mês de outubro-novembro.

29
Obtenção de sementes: Colher os frutos quando iniciarem a abertura espontânea e liberação das
sementes ou colher do chão após a queda sendo que os frutos podem ser plantados diretamente,
uma vez que a retirada das sementes é praticamente impossível, sendo que 1 quilograma contém
1.700 unidades
Problemas de pele como dermatites, escaras, peles secas, psoríase. Hidrata e devolve o brilho da
pele. Estimulante das gônadas atua melhorando a frigideze a impotência. Antiinflamatório
moderado, útil em bronquites, picadas de insetos.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 2 e 6%
Uso em massagens: 2 a 3%
Uso interno em xaropes expectorantes: 0,5 a 2mL ao dia.
Antifúngico poderoso usado em xampus contra caspa (1-2%). De cheiro típico de fumaça.
Obtido dos ramos e galhos de Juniperus oxycedrus, contém cadimeno, cadinol, para-cresol e
Cade (alcatrão) guaiacol. Atua como queratolítico, antiprurítico e antimicrobiano. Sendo utilizado no tratamento
e psoríase, eczemas em geral e dermatite seborréica.
Concentração usual: 5 a 10%. Tóxico em altas doses.
O café é a semente do cafeeiro. A semente é uma pequena esfera verde, que quando atinge o
estado maduro para a colheita tem um vermelho intenso. Cada fruto costuma possuir duas
pequenas sementes semi-esféricas com seus lados planos virados para si. O café é constituído
majoritariamente de endosperma que contém altas quantidades da subtância cafeína ( 0.8 - 2.5%
), nomeada a partir da semente. A semente possuiu grande importância comercial, como é usada
para produzir o café (bebida) e é um produto de exportação significativo para muitos países.
A semente tem origem arábica e não foi utilizada para produzir bebidas amplamente até o
século X, quando a bebida passou a se disseminar pelo oriente médio. A Europa não teve
contato com a bebida em larga escala até o século XVII através do comércio no Mediterrâneo,
Café torrado
com as cidades de Veneza e Marseille em destaque. No século XVIII cafeterias se disseminaram
na Europa e o fruto ficou muito conhecido, com o café assumindo papel social.
Com a evolução do valor da semente, o café foi levado a diversos continentes, incluindo o
Brasil no século XVIII.
Um óleo estimulante, ativador do metabolismo e tônico. Para desânimo, frigidez e apatia.
Lembra o cheiro de café recém feito.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 2 e 3%
Uso em massagens: 2 a 3%
Exatamente o cheiro de café verde (frutos) da roça. Bom para pele (hidratante), cheiro de mato
verde, anti-stress.
Café verde Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 2 e 3%
Uso em massagens: 2 a 3%
Melaleuca cajeput. Um óleo expectorante e analgésico parecido com os óleos de eucaliptos ricos
em eucaliptol.
Indicações
Unha preta, com micoses, descamando ou encravada, pé de atleta (1 a 2 gotas 2 X ao dia por 1-
2 meses) e se associado meio a meio com o óleo de cravo da índia obtém-se resultados ainda
melhores; sinusite infecciosa (inalações 3-6 gotas); garganta inflamada, laringite e amidalite (1-
Cajeput
2 gotas num copo com água para gargarejo); caspa, seborréia (cerca de 25-40 gotas para cada
100ml de shampoo, lavar e deixar no cabelo por pelo menos 3 minutos); impetigo, ptiríase,
psoríase, candidíase ou tricomoníase vaginal, coceira genital e nas virilhas, líquen (gel 0,5-2%
uso local ou 3 gotas em 100ml água passando com algodão na área); herpes ou sapinho (puro no
local); cistite, infecções em geral, candidíase reincidente, enterite, etc (2-3 gotas 3X ao dia em
uma colher de sopa de água internamente, por cerca de 1 semana).
Açoro (Acorus calamus) também cálamo-aromático, acorina, lírio-dos-charcos ou cana-
cheirosa é uma planta medicinal pertencente à família das Acoraceae. Proveniente da Índia e
introduzida no ocidente no século XIII. Possui uma raiz aromática e de sabor acre.
O rizoma do cálamo possui um óleo essencial amargo, o Oleum calami que tem as propriedades
de: aumentar o apetite(aperitivo), facilitar a digestão (eupéptico), eliminar gases do tubo
digestivo(carminativo).
Cálamo
Acrescentando a decocção á água de um banho,o cálamo se torna um relaxante muscular, alivia
dores reumáticas, concilia o sono e acalma pruridos da pele,como erupções e urticária.
Um dos componentes do óleo essencial é a cis-isoasarona que causa efeitos tóxicos com o uso
prolongado (mais de um mês).Há óleos preparados isentos deste componente.
Estimulante nervoso em massagens, comprometimento dos nervos, reumatismo e artrite. Uso
externo.

30
Uso tópico local: diluído entre 2 e 3%
Uso em massagens: 2 a 3%
Pertencente à mesma família das margaridas - Asteraceae Compositae -, a calêndula
(Calendula officinalis) é originária da Europa meridional e se relaciona intimamente com o sol.
Curiosamente, essa flor abre suas pétalas assim que o sol nasce e as fecha na hora em que ele se
vai. Aliás, seu nome é derivado de uma palavra latina - Calendae - que significa "primeiro dia
de cada mês", de onde se derivou também a palavra calendário (que, sab-se, é baseado no ciclo
solar). No Brasil, a calêndula adaptou-se facilmente, especialmente nas regiões Sul e Sudeste.
Hoje, ela é cultivada tanto para fins ornamentais como para a fabricação de medicamentos e
cosméticos. A flor, de coloração amarelo-alaranjada, caracteriza-se pelo inegável perfume e as
folhas são macias e aveludadas. Planta anual, a calêndula pode atingir até 50 cm de altura e
apresenta caules ramificados em duas hastes. As folhas inferiores são espatuladas e as caulinares
são lanceoladas e alternadas. Atualmente, as flores cultivadas sem agrotóxicos ou aditivos
químicos são comercializadas para consumo em saladas ou acompanhando outros pratos.
Popularmente, ela é conhecida como mal-me-quer e é muito parecida com a margarida, só que
tem um perfume característico que a identifica: o nome desta flor é calêndula.
Muito utilizada na industria farmacêutica. Conta-se que na guerra civil americana, os médicos
que atuavam nos campos de batalha utilizavam as flores e as folhas da calêndula para tratar os
ferimentos dos soldados. Anos mais tarde, a ciência comprovou os efeitos que aqueles médicos
conheceram na prática. Aqui no Brasil, inclusive, seu uso como fitoterápico é aprovado pelo
Ministério da Saúde. A partir da calêndula, a medicina homeopática produz remédios que são
Calêndula
usados oralmente, inclusive em períodos pós-operatórios, justamente pelos poderes já citados.
Na medicina popular, a planta é muito utilizada para tratar problemas uterinos e cólicas
menstruais, estimular a atividade hepática e atenuar espasmos gástricos. É claro que devem ser
evitados exageros ou abusos na aplicação de plantas em tratamentos. No caso da calêndula, é
importante esclarecer que, em excesso, a planta pode provocar depressão, nervosismo, falta de
apetite, náuseas e até vômitos.
É na fabricação de cosméticos que a calêndula faz o seu reinado: os diversos princípios ativos
da planta são responsáveis pelos eficientes efeitos no tratamento de pele e cabelos. A
calendulina, por exemplo, um pigmento que dá a cor alaranjada às pétalas, presente em boas
doses nas flores, juntamente com a resina e a mucilagem, são responsáveis pelos poderes
regeneradores e cicatrizantes. Outros princípios engordam a lista de propriedades da calêndula,
amplamente usada na fabricação de shampoos, loções, sabonetes e cremes. Aliás, ela é uma das
bases mais utilizadas na fabricação de produtos indicados para cabelos oleosos e peles com
cravos e espinhas. Os medicamentos usados por via oral e as pomadas devem ser adquiridos em
farmácias especializadas.
CO2(oleoresina) de calêndula com altíssima concentração de princípios ativos antiinflamatórios
para uso em cosméticos e cremes para tratamento de pele, picadas, áreas inflamadas, com dores,
queimadas, como cicatrizante, etc.
Uso tópico: diluído entre 1% e 3%
A camomila-vulgar, camomila ou camomila-alemã (Matricaria recutita) é uma planta da
família Asteraceae. É uma planta com uso medicinal, cosmético, alimentar e em outras áreas.
Sua origem mais provável é a Europa e América do Norte, onde é muito comum nos jardins
públicos. Sendo que as partes mais usadas são as flores e as folhas. Surpreende por suas
utilidades: além de ornamental, produz um chá calmante e digestivo, suaviza a pele e embeleza
os cabelos. Trata-se de uma das ervas mais antigas que a humanidade já utilizou. O intenso
aroma despertou o interesse pela planta e antigos pesquisadores, atraídos pelo doce perfume,
acabaram por descobrir várias das propriedades que tornaram a camomila tão famosa. Os
antigos egípcios tratavam uma doença semelhante à malária com o chá de suas flores. Ficou
muito conhecido também um tipo de vinho aromatizado com flores de camomila. Na Espanha,
por exemplo, esse vinho era usado como digestivo.
Camomila Alemã(azul) 7.92% Como lenda diz que atrai dinheiro se plantada ao redor da casa afasta o olho gordo; simboliza a
prosperidade.
Pode ser usada das mais diversas formas, caseiro, culinário, Aromaterapia, pois seu óleo
essencial é sedativo e anti-fúngico. Bom para queimaduras solares.
Efeitos colaterais como toda erva têm certas restrições de uso. Não deve ser utilizada por quem
estiver fazendo tratamento radioterápico, pois como tem efeito anti-oxidante, a camomila
impede que a radiação destrua as células sadias e as malignas.
Os egípcios a usavam no tratamento da malária, devido a sua ação anti-inflamatória, é indicada
para má digestão, cólica uterina, sedativa (infusão flores ou chá da flor de camomila); para
queimaduras de sol (ajuda a refrescar a pele e evita o vermelhidão da pele), conjuntivite e olhos
cansados (compressas com infusão do preparado das flores).
Para criança ajuda combater vermes. Como chá usado diáriamente diminui as dores musculares,

31
tensão menstrual, stress e insônia, diarréia, inflamações das vias urinárias; misturado ao chá de
hortelã com mel combate gripes e resfriados; banho com sachê de camomila é sedativo e
restaurador de forças, e especial para hemorróidas.
Na forma de infusão é útil para o fígado, antialérgico, dores de reumatismos, nevralgias; ajuda a
purificar o organismo e aliviar a irritação causada pela poluição. Age como sudorífico.
Não deve ser utilizada em doentes que tomem medicamentos com varfarina, pois os riscos de
hemorragia são aumentados.
Atua na descongestão hepática, auxilia na regeneração e formação de tecido celular novo na
pele. É anti-micótico, anti-inflamatório e anti-ulcerativo (úlcera-estomacal). Ótil contra alergias
e como imunoestimulante. É um óleo de coloração azulada devido seu teor de azuleno, principio
ativo antiinflamatório, antipruriginoso e antialérgico.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 1 e 3%
Uso interno: 1 gota 3 a 4 vezes ao dia.
Toxidade: DL50 3,7g/kg
Opção de óleo de camomila alemãcom baixo teor de camazuleno, portanto mais barata. Menos
potente em inflamações.
Camomila Alemãverde Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
(indiana) Uso tópico local: diluído entre 1 e 3%
Uso interno: 1 gota 3 a 4 vezes ao dia.
Toxidade: DL50 3,7g/kg
A camomila-romana, camomila-de-Paris ou macela algumas vezes chamada de mançanila
(Chamaemelum nobile), é uma erva perene da família das asteráceas, nativa da Europa.
A maçanilha comum é uma erva perene, de talo procumbente de até 25 cm de altura, glabro ou
suavemente pubescente. Forma matas densas. Apresenta folhas sésseis, alternadas, bi- ou
tripinatilobuladas, finamente divididas, com os folíolos lineares. Em posição terminal apresenta
no verão uma inflorescência em forma de capítulo paniculado. As flores radiais são umas 20,
com a lígula blanca, ainda que as do disco são numerosas, hermafroditas, com a coroa amarela,
as pontas das anteras ovaladas e o extremo do estilo truncado. A cabeça floral não supera 1 cm
de diâmetro. Os frutos são aquênios cilíndricos, de mais ou menos 1 mm de diâmetro, algo
maiores que os radiais. A polinização é realizada por himenópteros, mas a planta é capaz de
autopolinizar-se.
O talo e as extremidades floridas são usadas secas ou frescas em infusão, aromática e
ligeiramente amarga. É confundida muitas vezes com a macela alemã, Matricaria chamomilla, e
Camomila Romana
não é claro a qual se referem os autores ao mencionar suas propriedades medicinais, mas é
considerada digestiva, carminativa, sedante, tônica, vasodilatadora e antiespasmódica. O óleo
essencial é empregado em aromaterapia, e a infusão das flores é aplicada no cabelo para
incrementar sua cor dourada, em especial nas crianças. Tal propriedade é inclusive aproveitada
na composição de xampus e outros preparados para cabelo, como acondicionadores.
O óleo essencial é rico em camazuleno, ácido tíglico e vários sesquiterpenos. Excelente
calmante, sedativo e antiinflamatório, útil em problemas como conjuntivites, dores reumáticas,
nervosismo e insônia. Desenvolve amor e o senso de perdão nas pessoas. No tratamento de
depressão e síndrome do pânico.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 1 e 3%
Uso interno: 1 gota 3 a 4 vezes ao dia.
Toxidade: DL50 3,7g/kg
Candeias, ou capuz-de-fradinho, é uma planta da família das aráceas (Araceae). O seu nome
científico é Arisarum vulgare Targ.-Tozz.. As suas flores (não confundir flor com a
inflorescência), unissexuais, estão dipostas em torno de um espádice curvo, envolvido por uma
espata que envolve totalmente a sua base, onde se encontram as flores femininas, em número
reduzido. A espata abre-se na parte superior, deixando sair o espádice curvo, de forma que a
Candeia (óleo de candeeiro) inflorescência se assemelha a uma candeia (objeto semelhante à lâmpada de Aladim), com um
mpavio de fora. A espata, ao curvar-se, assemelha-se, também ao capuz de um frade, até porque
tem uma cor escura entre o negro e o violeta.
Mesmas propriedades do alfa-bisabolol, da qual ele é extraído. Inflamações, ferimentos, úlceras
estomacais, escaras, etc.
Uso tópico local: diluído entre 1 e 3%

32
Canela da China ou do Ceilão A caneleira (Cinnamomum zeylanicum) é uma árvore nativa do Ceilão, atual Sri Lanka. Hoje
(cascas) muito cultivada na Índia, trata-se de uma espécie que pertence à família Lauraceae e pode
atingir até 15 metros de altura. No entanto, com o objetivo de estimular a brotação de novos
Canela do Ceilão e China folhas ramos e a colheita, a caneleira é freqüentemente podada – para atingir, no máximo, 3 metros de
QT cinamaldeído altura. Era a especiaria mais procurada na Europa antiga, pois comercializá-la era sinônimo de
riqueza. Por exemplo: um quilograma de canela no século XVI, vendida pelos portugueses,
Canela do Ceilão folhas QT chegou a custar dez gramas de ouro. Fato é que o tempo passou e a canela, encontrada com certa
eugenol (var. de Madagascar) facilidade no comércio de especiarias atualmente, vem sendo utilizada para os mais diversos
fins, como em temperos, medicamentos, bebidas, sabonetes, perfumes, etc.O óleo essencial de
canela pode ser extraído tanto das cascas como das folhas. O óleo da casca, de cor amarelo
dourado, é o mais nobre e apresenta um doce/picante sabor característico. É considerado um
poderoso anti-séptico e vem sendo vastamente empregado na aromatização de alimentos, doces,
bebidas, produtos farmacêuticos e cosméticos. Já o óleo essencial das folhas, segundo as
referências consultadas, é destinado a outros mercados menos exigentes. Seu componente
majoritário é o eugenol, diferentemente do aldeído cinâmico (agente estimulante do sistema
nervoso central em baixas quantidades e sedativo em altas), principal componente do óleo
essencial extraído da casca. O óleo da casca, por fim, possui as seguintes propriedades
comprovadas: é antiespasmódico, anestesiante, anticoagulante, estimulante, antibacteriano e
antiflatulente.Estimula a circulação, éútil em problemas de medo e dificuldade de
desapegorífero, possui poderosa ação anti-microbial (bactérias, vírus, etc). É tido como
afrodisíaco e estimulante digestivo. Muito eficazno tratamento de inflamações (reumatismos,
LER, artrites, dor musculares dos nervos, fibromialgias, ciática, etc). Não usar puro na pele pois
queima. Propriedades semelhantes às do cravo da índia. Antifúngico e anti-bacteriano, auxilia
em micoses e unha encravada, mau hálito, éum sudorífero moderado, para dores de dentes, tosse
seca, aftas e como imunoestimulante.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 1 e 3%
Uso em massagens: 1 a 3%
Uso em produtos capilares: 0,25% a 2%
Não se deve utilizar em gestantes devido sua ação vasodilatadora e nem puro sobre a pele por
ser extremamente cáustico. Em caso de irritação, utilizar gel de calêndula ou lavanda a 2%.
Cinnamomum camphora. Descrição: A árvore de cânfora pode crescer até 35 metros e a cânfora
encontra-se por toda a parte da árvore. É uma árvore de folhas persistentes, tem muitos ramos,
flores brancas pequenas em cachos, a fruta é uma baga vermelha muito parecida com a canela
Cor: Sem cor - ao amarelo claro. Utilizações Comuns: As propriedades terapêuticas do óleo de
cânfora incluem anti - inflamatório, anti - séptico, cardíaco, carminativo, diurético, febrífugo,
insecticida, laxativo, rubifaciente, estimulante e vulnerário. Pode ser utilizado nas depressões
nervosas, acne, inflamações, artrite, dores musculares, entorses, reumatismo, bronquites, gripes,
febres, tosse e outras doenças contagiosas. É bem conhecido para prevenir o aparecimento de
traças e outros insectos como as lagartas da madeira e a madeira da árvore é utilizada para
construção de armários para entomologista. Cheiro: Odor forte e penetrante. Os constituintes
Cânfora branca chinesa ( Ho químicos principais são: Cineol, Cânfora, Borneol, Camfene, Mentol, Pinene, Dipentene.
Leaf) História: Na China e no Japão, a Cânfora pode crescer até 1000 anos. Para produzir o óleo tem
QT cânfora/cineol de ter pelo menos 50 anos. A Cânfora era reconhecida como um remédio contra a praga na
Pérsia (Irão). Também é utilizada para embalsamar. Os chineses utilizavam a madeira de
Cânfora branca refinada Cânfora para construir barcos e templos pelas propriedades de durabilidade e aromáticas.
Precauções: É um óleo poderoso que deve ser utilizado com cuidado. A utilização em doses
exageradas pode provocar convulsões e vómitos. Não utilizar na gravidez e pessoas com
epilepsia.
Estimulante da circulação, empregado no combate àcelulite e varizes. Também auxilia em casos
de pancadas, luxações. Em problemas respiratórios, atua como descongestionante pulmonar e
nasal. É refo. É sudrescante. Hipertensor.
A Cânfora refinada possui os mesmos usos da cânfora branca chinesa, porém não possui
eucaliptol no óleo. Altamente estimulante.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 1 e 3%
Poderoso analgésico geral em dores ,reumatismos, inflamações, corpo e músculos cansados.
Revitalizante e revigorante.
Cape may(arbusto de inverno)
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 1 e 3%
Capim cidreira, capim limão, Do capim limão (lemongrass) existem duas subspécies, com óleos essenciais diferentes. A
lemongrass, capim espartilho primeira delas, de nome científico Cymbopogon flexuosus é conhecida como capim limão da
índia oriental e seria o capim limão do qual tratam os livros de aromaterapia internacionais (às

33
vezes é erroneamente chamado de citronela ou confundido com a mesma). O segundo, o
Cymbopogon citratus, é muito conhecido aqui no brasil como capim cidreira, erva-cidreira ou
capim santoE(no exterior é denominado de capim limão da guatemala). Sâo planta diferentes e
no Brasil só existe a segunda, o C. citratus.A diferença básica entre as duas plantas fica na
composição química de seus óleos essenciais. Ambos possuem um alto teor de citral, um
componente que lhes dá um certo cheiro de limão, daí o nome, porém o capim cidreira possuirá
também mirceno, o que lhe confere outras propriedades. O capim limão (Cymbopogon
flexuosus) possui um teor de citral superior a 85% em seu óleo essencial, enquanto o capim
cidreira (Cymbopogon citratus) de 65-85%. Dentro da cultura popular estas plantas são
indicadas como calmantes, sedativas, em problemas gastro-intestinais, como repelente de
insetos, galactagogos, em casos de febre e até dor de cabeça. Algumas pesquisas científicas já
feitas com o óleo essencial da planta possibilitaram se confirmar certas indicações e desmentir
outras: Ambas as plantas prezam pela reputação de serem calmantes segundo a medicina
popular, porém pesquisas feitas na Universidade Federal Fluminense de Niteroi e Faculdade de
Medicina de Ribeirão Preto mostraram que em testes realizados com cobaias, o chá de capim
cidreira não possui qualquer efeito calmante do sistema nervoso central. O que pode acontecer é
que o óleo de capim cidreira possui ação vasodilatadora, podendo abaixar a pressão sanguínea, e
isso acabar sendo confundido com a sensação de relaxamento. Outra possibilidade é que por
conter bem mais mirceno do que o capim limão, o capim cidreira poderia exercer uma ação
analgésica local pois outras pesquisas demonstraram que o mirceno possui propriedades
sedativas do sistema nervoso periférico e apresenta resultado mais eficaz neste sentido quando
inalado, usado localmente ou quando injetado diretamente na corrente sanguínea. Devido a isso
o capim cidreira é um bom óleo para empregar-se em massagens para tratar de dores musculares
e localizadas, pois ajuda a diminuir a dor, tratando também de processos inflamatórios. O efeito
calmante e antidepressivo do chá de capim cidreira talvez tenha sido atribuído a ele devido à
confusão que se faz aqui no Brasil entre as plantas com o nome erva-cidreira, pois em outros
países ele não é considerado calmante. Existem três plantas com este nome sendo que somente
esta é um tipo de grama. As outras duas são a melissa (Melissa officinalis) e dá de forma
rasteira de maneira muito semelhante à hortelã e a outra é a verbena brasileira (Lippia
geminata). Outra propriedade muito importante já estudada com o capim cidreira e capim limão
são suas propriedades fungicidas que podem ser aproveitadas na conservação de alimentos
estocados e no tratamento de micoses e alergias (fungos são os maiores causadores de alergias
de pele e respiratória). Uma pesquisa feita com o capim cidreira costatou uma grande eficácia
contra Aspergillus flavus, um fungo comum de se formar em alimentos estocados em galpões e
responsável pela sua rápida deteriorização. A ação do óleo persistiu por um espaço de 7 meses e
estocagem e a introdução de altas doses de fungos nas amostras. Seu uso em aromatizadores é
útil para matar fungos dispersos no ar como Aspergillus fumigatus, Rhizopus oryzae, Fusarium
solani, etc.
Propriedades antibacterianas no óleo mostram-se muito úteis no tratamento de uma série de
microorganismos como Staphylococcus aureus, Enterococcus faecalis, Candida albicans,
Salmonela entérica, Aeromonas veronii, Pseudomonas aeruginosa, etc. Pela existência de
farnesol nos óleos de capins, eles passam a adquirir uma ação bacteriostática, ou seja, inibem a
multiplicação das bactérias e isso explica seu resultado como desodorante, desinfectante e
contra bromidrose (chulé).
Outros empregos do capim cidreira seria no tratamento de acne, como estimulante da
circulação, em massagens anti-celulite, problemas de má digestão e gases. Observamos que um
chá bem concentrado de capim cidreira é muito útil para acabar com os sintomas da gripes, o
que nos leva a suspeitar também de uma propriedade inibitória de vírus. Usado em Gordura
localizada, celulite (ativa a circulação), problemas digestivos (falta de apetite), seborréia e
queda de cabelo, anti-inflamatório em ciática, fibromialgia. Libera a raiva e emoções contidas.
É vasodilatador, anti-micótico e hipotensor.
Um dos usos que poderíamos generalizar para os capins é como antisépticos para lavar pias de
cozinha, tábuas de carne e ainda algumas gotas na água onde legumes e frutas são deixados por
alguns minutos para matar vermes e bactérias. Um efeito tão bom quanto o cloro e menos
prejudicial à saúde. Apesar de todas estas boas indicações e dos óleos de capins serem óleos
relativamente seguros, especialmente o capim limão e cidreira devem ser evitados por homens
com problemas de próstata como hiperplasia, pois o citral, presente no óleo, pode ocasionar um
aumento da dilatação prostática, complicando ainda mais o problema. Porém, homens sem
problemas de próstata podem usá-lo seguramente. Também em pesquisas notou-se que o uso
prolongado (acima de 15 dias) do óleo puro ou altamente concentrado sobre a pele pode
ocasionar um estado de hiperplasia das glândulas sebáceas, o que pode desencadear problemas
de pele. Em observações constatou-se que este efeito (ocasionado pelo citral existente no óleo)
está relacionado a um aumento no nível de testosterona. A hiperplasia das glãndulas sebáceas
está relacionada diretamente a uma atividade andrógena afetada pela testosterona.
34
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 2 e 5%
Uso em massagens: 2 a 3%
O capim gengibre (Cymbogon martinii var. sofia), um parente próximo da palmarosa, possui
aroma totalmente diferente e de um tom mais rústico. Possui propriedades parecidas com as do
capim limão e age como um bom analgésico muscular (tensão e dores).Usado em infecções
Capim gengibre pulmonares, dores dentárias, afta e mau hálito. Analgésico muscular em dores.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 2 e 5%
Uso em massagens: 2 a 3%
O nome cardamomo é usado para designar diversas espécies em três gêneros da família do
gengibre (as zingiberáceas): Elettaria, Amomum e Aframomum. Neste artigo, no entanto,
trataremos apenas da Elettaria cardamomum, uma planta originária do sul da Índia e Sri-Lanka
também conhecida por cardamomo-verde. Esta "variedade" de cardamomo normalmente se
desenvolve em florestas tropicais úmidas de altitude e não tolera o vento, baixas temperaturas e
solos mal drenados. É uma planta que atinge em média 2 metros de altura e seus frutos, do tipo
cápsulas, protegem suas famosas (e caras) sementes. Alias o cardamomo é a terceira especiaria
mais cara no mercado, perdendo apenas para o açafrão e a baunilha. De sabor adocicado,
refrescante e picante, suas sementes (soltas ou já moídas) são bem vindas no preparo de massas,
bolos, cremes, licores, cafés e outros. O óleo essencial de cardamomo é um dos mais antigos em
uso, pois Valerius Cordus, um célebre botânico alemão, publicou sua técnica de destilação em
1540. Este óleo, extraído de suas sementes, apresenta uma coloração amarelada (quase incolor)
Cardamomo e um agradável odor quente/picante. Inclusive é o mais aromático dos óleos obtidos a partir de
sementes. Mas atenção: hoje quase todos os seus componentes (sabineno, mirceno, limoneno,
linalol, etc.) são produzidos de forma sintética, o que facilita a sua adulteração. Quanto ao uso, é
importante salientar que o óleo essencial de cardamomo queima em altas concentrações, por
isso deve ser utilizado com cuidado e bem diluído. Afirma-se que ele pode ajudar em casos
dispepsias, espasmos intestinais, bronquites, inflamações e perda de apetite. E não é só! Ele
também é muito apreciado pela indústria culinária e de perfumaria fina, por exemplo: os
perfumes Shiraz da Natura e Starring for Men, da Avon, utilizam este óleo em suas
composições Útil como carminativo e digestivo, no combate ao mau hálito (bochechos), em
problema de náusea, cefaléia e dores de cabeça, também como um reanimador em casos de
desânimo e apatia. Em desordens respiratórias.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 1 e 2%
A carqueja (Baccharis trimera), também conhecida por bacanta, carqueja-amarga ou vassoura, é
uma planta subarbustiva aromática nativa da América do Sul. Ela pertence à família Asteraceae,
apresenta altura variável de 1 a 1,6 m, não possui folhas verdadeiras e sua floração (pequenos
tufos branco-amarelados) ocorre na primavera e verão. Na medicina popular, a carqueja é
conhecida por suas propriedades diuréticas, tônicas, antiinflamatórias, analgésicas, digestivas,
antianêmicas e anti-reumáticas. Há relatos, inclusive, de que ela é uma forte aliada do
tratamento contra a obesidade e a hepatite. Também é utilizada na indústria de cervejas, como
substituto do lúpulo e na aromatização de refrigerantes e licores.
O óleo essencial de carqueja, extraído freqüentemente por arraste de vapor d‘água, é popular no
Carqueja amarga
sul do Brasil. Seu valor comercial varia em função dos teores de nerolidol e acetato de
carquejila, embora o nerolidol não esteja entre os constituintes majoritários deste óleo. O óleo
de carqueja contém aproximadamente 45% de acetato de carquejila e, na seqüência, cerca de 9%
de carquejol – o componente responsável pela ação benéfica sobre o fígado e estimulante das
funções digestivas. Contém, ainda, diversos flavonóides que atuam como diurético e "princípios
amargos" que aumentam o apetite e a produção de suco gástrico. Indicados em problemas
hepáticos e digestivos, possui propriedades anti-inflamatórias. Usado em perfumaria.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 2 e 5%
Cebola é o nome popular da planta cujo nome científico é Allium cepa, Lineu. Em sistemas
taxonómicos mais antigos, pertencia à família das Liliáceas e subfamília das Alioídeas -
taxonomistas mais recentes incluem-na na família das Alliaceae. O termo refere-se, também ao
seu bolbo (bulbo, no Brasil) constituído por folhas escamiformes, em camadas. As suas flores
estão dispostas em umbela. As plantas jovens, com o bolbo pouco desenvolvido e sem flor, são
Cebola
chamadas também de cebolo.
A cebola teve origem no centro da Ásia, e caminhando para o ocidente, atingiu a Pérsia de onde
se irradiou para a África e por todo continente europeu. Daí, foi trazida para as Américas, pelos
seus primeiros colonizadores. No Brasil a introdução da cebola se deu principalmente através do
Rio Grande do Sul, se espalhando por todo o país.

35
Quando as cebolas são cortadas, as suas células são quebradas. As células das cebolas têm duas
secções, uma com enzimas chamadas alinases e outra com sulfuretos (sulfóxidos de
aminoácidos). As enzimas decompõem os sulfuretos produzindo ácido sulfénico. O ácido
sulfénico é instável e decompõe-se num gás volátil chamado sin-propanetial-S-óxido. O gás
dissipa-se pelo ar e eventualmente chega aos olhos, onde vai reagir com a água para formar uma
solução muito fraca de ácido sulfúrico. O ácido sulfúrico irrita as terminações nervosas do olho,
fazendo-os arder. Em resposta a esta irritação, as glândulas lacrimais entram em acção para
diluir e lavar a irritação. Não obstante, são estes compostos voláteis que dão o sabor
característico à cebola, e o aroma agradável quando cozinhada. Para reduzir a libertação do gás
recomendas-se descascar a cebola debaixo de água corrente, ou mesmo debaixo de água,
embora esta medida seja pouco prática ou ecológica. Molhar as mãos e a cebola antes de a
cortar vai reduzir o efeito do gás, porquanto algum do gás vai reagir com a água das mãos ou da
cebola (e não com a humidade dos seus olhos). O cheiro das mãos poderá ser eliminado com
limão ou lavando-as em água corrente por alguns instantes sem esfregar uma na outra. Também
ajuda respirar profundamente pela boca, uma vez que grande parte do gás será inalado e menos
ficará disponível para reagir com os olhos. Uma faca bem afiada danifica menos células da
cebola, libertando-se menos gás — logo menos irritação. Cebolas frias tiradas do frigorífico
provocarão menos irritação uma vez que as baixas temperaturas inibem a difusão das enzimas e
do gás. Outras pessoas preferem arrefecer a faca por 2 minutos no frigorífico antes de cortar as
cebolas para diminuir as lágrimas. Diferentes espécies de cebolas libertarão quantidades
diferentes de ácidos, portanto a irritação que provocam também será diferente.
A cebola possui importância simbólica em algumas culturas e cultos espalhados pelo mundo,
tendo sido inclusive objeto de culto em uma seita.
Ramakrishna compara a estrutura folhada do bulbo, que não chega a nenhum núcleo, à própria
estrutura do ego, que a experiência espiritual debulha camada por camada até a vacuidade. A
partir daí nada mais constitui obstáculo ao espírito universal, à fusão com Brahma.
No plano mágico os egípcios se protegiam de certas doenças com hastes de cebola.
Os latinos, segundo Plutarco, proibiam o uso do bulbo, porque acreditavam que ele crescia
quando a lua diminuia. Quanto ao cheiro, provocava um sentimento de força vital.
Virtudes afrodisíacas lhe são igualmente atribuídas, tanto por sua composição química quanto
por suas sugestões imaginativas.
Possui usos similares aos do alho. Usado como tempero em alimentos.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 2 e 5%
O cedro vermelho (Juniperus virginiana) é uma árvore da família das cupressáceas, nativa da
região leste da America do Norte, encontrada do sudeste do Canadá ao Golfo do México.
Árvore de densidade leve, sua madeira é muito utilizada na fabricação de lápis nos Estados
Unidos (o Pencil Cedar). Seu óleo essencial, extraído por destilação a vapor e de aroma florestal
amadeirado, apresenta os seguintes componentes majoritários: cedrene, cedrol e cedrenol.
Possui propriedades anti-sépticas, tônicas, regeneradoras, adstringentes e expectorantes.
Também repele traças e pode auxiliar no tratamento de infecções urinárias e problemas no couro
cabeludo. Já no campo espiritual, diz-se que este óleo favorece a sabedoria e promove a
Cedro do Atlas
autoconfiança. Deve-se diluí-lo antes do uso e não pode ser usado durante a gravidez!Equilibra
a oleosidade produzida pelas glândulas sebáceas, éantifúngico, empregado em distúrbios renais
(cistite e nefrite), da pele (psoríase, alergias, etc). Bom fixador de perfumes. Usado também em
dores das articulações e tendões. É suave e levemente calmante. Útil em casos de irritabilidade e
insônia. Possui aroma amadeirado doce.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 2 e 5%
Uso em massagens: 2 a 3%
Um óleo de aroma semelhante e que possui as mesmas indicações que o cedro do Atlas. Possui
aroma amadeirado doce.
Cedro do Himalaia Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 2 e 5%
Uso em massagens: 2 a 3%
A Thuya occidentalis (ou Tuia-vulgar) é uma planta conífera da família Cupressaceae do
género Thuja.
É uma planta muito frondosa e intensamente perfumada. Tem origem no nordeste dos Estados
Unidos da América e sudeste do Canadá, sendo uma das primeiras árvores americanas a
Cedro maçã (tuia folhas)
aclimatar-se na Europa. Foi introduzida na Europa no século XVI.
Os princípios ativos da Tuia consistem numa essência de composição complexa e algo tóxica
devido à presença de uma cetona, a tuiona; a planta contém também taninos.
Anti-viral potente, age estimulando os linfócitos T CD4 a liberarem intefreronque mobiliza o

36
sistema imunológico no combate a infecções e câncer. Indicado em doenças viróticas, HPV,
verrugas, micoses, dores musculares e tensão nervosa, possui efeito expectorante leve,
estimulante hormonal (estrogênico). Possui cheiro de maçã. Tóxico se ingerido.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 2 e 5%
Uso em massagens: 2 a 3%
A cenoura foi conhecida e apreciada pelos gregos e romanos e é uma raiz, tipicamente cor de
laranja com uma textura lenhosa. As cenouras são raizes tuberosas.
As cenouras são comidas cruas, inteiras, ou como parte de saladas, e são também cozidas em
sopas e refogados. A parte folhosa da planta não é comida na maioria das culturas, mas é
comestível.
A cenoura silvestre (Daucus carota) também pertence à família das Apiaceae.
As cenouras são grandes fontes de fibra dietética, antioxidantes, minerais e β-caroteno. Este
último, responsável pela coloração alaranjada característica do vegetal, é uma provitamina A
(substância que dá origem à vitamina A dentro de um organismo vivo). Ele ajuda o desempenho
dos receptores da retina, melhorando a visão. Também ajuda a manter o bom estado da pele e
das mucosas. No ser humano, apenas cem gramas de cenoura são suficientes para suprir as
Cenoura sementes
necessidades diárias de vitamina A.
As cenouras, originalmente, apareciam com cores púrpura, branca e amarela. A cenoura laranja,
que é hoje sinónimo de cenoura, foi desenvolvida na Holanda como tributo a Guilherme I de
Orange ("orange" = "laranja") durante a luta holandesa de independência da Espanha, no século
XVI. Tratamento da pele (pele envelhecida, enrugada e desvitalizada), acne, dermatites e
psoríase. Em problemas de retenção hídrica, congestão hepática (regenerador), anemia,
reumatismo, gota, artrite e distúrbios menstruais (TPM, menopausa), hipotireoidismo, diabetes e
insuficiência do pâncreas. Tem cheiro de raízes. No aterramento e autoconfiança.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 2 e 5%
Uso em massagens: 2 a 3%
Magnolia champaca. O óleo de champaca é retirado das flores. O perfume das flores pode ser
percebido a vários metros de distância. A copa é piramidal na juventude.
Champaca Usos e aroma similar ao do jasmim. Afrodisíaco, útil em depressão, apatia, desânimo.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 2 e 5%
Óleo obtido pela destilação destrutiva da resina de olíbano (Boswellia serrata). Possui exótico
cheiro de resina e fumaça, que lembra incenso queimado. Empregado como antifúngico,
antiinflamatório, cicatrizante. Também em perfumaria.
Choya Loban
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 2 e 5%
Uso em massagens: 2 a 3%
Citronela A citronela, muito conhecida por suas propriedades repelentes de insetos. Existem duas espécies
de citronela conforme região de procedência. Seus óleos essenciais são parecidos em aroma e
possuem as mesmas indicações, ficando a diferença no teor de citronelal do óleo. Ambas
originaram-se de uma espécie selvagem, a Cymbopogon confertiflorus. Uma é a citronela do
Ceilão (Cymbopogon nardus)e a outra é a citronela de Java (Cymbopogon winterianus). A
última é que possui mais citronelal, o princípio ativo responsável pelo potencial repelente da
planta. Este é um óleo muito bom para ser empregado em inflamações articulares, reumatismo e
até contra LER já mostrou algum resultado.
O óleo de citronela associado a 5% de vanilina numa pesquisa laboratorial repeliu três espécies
de mosquitos (Aedes aegypti, Culex quinquefasciatus e os Anopheles) por mais de 8 horas.
Foram eficazes contra o A. aegypti, mosquito causador da dengue, velas de citronela com 3% de
óleo essencial e incensos a 5%. Coleiras com citronela também têm se mostrado muito úteis
para afastar pulgas, carrapatos e mosquitos de cachorros.
Em psicoaromaterapia, quando aplicada à ambientes, gera um estado de harmonização entre
opostos (sexos opostos, opiniões divergentes) além de possuir um poder antiséptico e
esterilizante, tanto a nivel fisico como energético.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 2 e 5%
Uso em massagens: 2 a 3%
Em sprays ambientais ou como repelente: 10 a 20%
Coentro (Coriandrum) O Coentro (Coriandrum sativum) é uma planta extremamente aromática, de sabor ardente e
picante. Seu caule é cilíndrico, estriado e pouco ramificado, podendo atingir aproximadamente
60 cm de altura. As folhas do coentro lembram muito as da salsa, porém são mais arredondadas.
Apresentam uma penetrante coloração verde-brilhante e exalam um forte odor característico

37
quando esmagadas – lembrando o cheiro de percevejos. Inclusive, o nome coentro se origina da
palavra Koris, que, em latim, significa percevejo. Originário do sul da Europa e do Oriente
Médio, o coentro vem sendo utilizado como especiaria há mais de três mil anos. Os antigos
egípcios, por exemplo, não o usavam como tempero, mas sim como planta medicinal. Atribuíam
a ele diversas propriedades digestivas, calmantes e, quando usado externamente, no alívio de
dores das articulações e reumatismos. Hoje, no entanto, a utilização do coentro está focada na
indústria culinária – devido ao sabor dessa planta e das suas propriedades digestivas.
O óleo essencial de coentro é obtido a partir da destilação dos frutos maduros (sementes) da
planta. Trata-se de um óleo incolor ou amarelo-pálido de aroma doce e levemente picante. Seu
principal componente é o linalol, mas também contêm geraniol, borneol, pinenos e limoneno. É
bastante utilizado na farmacopéia para mascarar o paladar de remédios com mau gosto (ex.
certos purgantes à base de sene) e pela indústria de perfumaria e de cosméticos. Como exemplo
da utilização do óleo essencial de coentro em perfumes, temos o Ops!, do Boticário. É
estimulante, neurotônico, anti-infeccioso, antiinflamatório e suas notas quentes (e ao mesmo
tempo doces) se misturam perfeitamente com os óleos de sálvia esclaréia e bergamota. Mas
atenção: o óleo essencial de coentro, quando ingerido em excesso, pode provocar quadros de
narcolepsia e efeitos abortivos.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 2 e 5%
Uso em massagens: 2 a 3%
Copaíba O óleo de copaíba (óleo-resina) é extraído de diversas espécies de árvores do gênero Copaifera
(Caesalpiniaceae, Leguminosae), por meio de incisões ou perfurações no caule. Do ponto de
vista biológico, é um produto de excreção ou desintoxicação do organismo vegetal e funciona
como defesa da planta contra animais, fungos e bactérias. Muito difundido no Brasil, é utilizado
na medicina popular como cicatrizante, antiinflamatório, no tratamento de bronquites e doenças
de pele (psoríases, principalmente). Já na indústria o óleo de copaíba é freqüentemente
empregado como fixador para perfumes e como solvente para tintas e vernizes.
Principais indicações:
Antibiótico e antiinflamatório natural.
Poderoso anti-micótico.
Excelente depurativo sangüíneo.
Normaliza as funções intestinais.
Desintoxicador do organismo.
Infecções urinárias e pulmonares.
Psoríase, eczema, feridas, urticária, furúnculo...
Não cria dependência.
* - Não deve ser ministrado para gestantes e lactantes.

Produto natural extraído do caule da planta nativa catalogada cientificamente com o nome de C.
Reticulata Dunke - nome popular copaíba, conhecida desde tempos remotos pelos Incas, Maias
e outros povos indígenas que utilizavam este bálsamo como verdadeiro tesouro dos deuses.
Chamado por eles como Óleo da Vida, por possuir inúmeras propriedades regeneradoras,
curativas, nutritivas, lubrificantes e tônicas.
Extraído de forma científica e ecologicamente correta, mantendo todas as suas propriedades
terapêuticas, este bálsamo é comercializado hoje com grande sucesso nos Estados Unidos e na
Europa, assim como no Brasil.
O Óleo de Copaíba é o mais poderoso antibiótico e antiinflamatório natural do mundo,
riquíssimo em ácido copático, beta-cariofileno e alfa-copaeno.
Os depoimentos de suas propriedades terapêuticas são intermináveis, este óleo é extremamente
eficiente em queimaduras, micoses, cicatrização, furúnculos, inflamações, má digestão,
intestino preso e muito mais. Desintoxicador orgânico multifuncional; atua equilibrando,
harmonizando, limpando e fortalecendo os nove sistemas do organismo humano.

Modo de usar recomendado:


1° mês - dividido em 4 semanas - desintoxicação
1ª semana: 1 gota ao dia antes ou após o café da manhã.
2ª semana: 2 gotas ao dia - 1 antes ou após o café da manhã e 1 gota após o almoço.
3ª semana: 3 gotas ao dia - 1 antes ou após o café da manhã e 1 gota após o almoço e o jantar.
4ª semana: 6 gotas ao dia - 2 antes ou após o café da manhã e 2 gotas após o almoço e o jantar.
2° mês em diante: 2 gotas 3 vezes igual a 4ª semana

Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;


Uso tópico local: puro ou diluído a partir de 3%, possui baixa absorção cutânea, portanto, nesses
casos é usada apenas como efeito local.
38
Uso pediátrico: 250mg 2 vezes ao dia
Infecções respiratórias: 3 gotas de copaíba diluídas em 1 colher de sopa de mel, de 2 a 3 vezes
ao dia.
Toxidade: DL50 acima de 5g/kg.
Davana Artemísia pallens. Para peles desidratadas, secas e rachadas. É anti-infeccioso, calmante suave,
útil como estimulante do sistema endócrino (distúrbios hormonais da mulher), imunológico e
contra parasitas intestinais. Cheiro parecido com o de jenipapo ou jaca.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 2 e 5%
Uso em massagens: 2 a 3%
Elemi Canarium luzonicum. Cicatrizante, anti-séptico, como expectorante em problemas respiratórios
(bronquite, tosses, etc), exaustão nervosa.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 2 e 5%
Uso em massagens: 2 a 3%
Endro sementes ou planta O endro (Anethum graveolens) é uma erva aromática. Também conhecido por aneto, é muito
usado na cozinha sueca, finlandesa,russa e polonesa para aromatizar salmão e batatas novas.
Tem um aspecto semelhante ao do funcho mas o sabor é muito diferente.
Relaxante e calmante suave, problemas digestivos (indigestão, carminativo), como anti-
espasmódico e galactagogo.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 0,25 a 3%
Uso interno: 2 gotas 2x/dia.
Toxidade: DL50 100mg/kg
Erigeron Erigeron é um género botânico pertencente à família Asteraceae. Indicado como artero-
dilatador, solvente de trombos e colesterol nos vasos. Útil na prevenção do infarto e derrames,
em tromboses, flebites, aterosclerose. Hepatodescongestionante. Estimulante das gônadas
(retardo da puberdade).
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 2 e 5%
Uso em massagens: 2 a 3%
Eromenta Erospicata spp. Possui muita mentona. Estimulante geral, analgésico muscular útil em dores,
bom expectorante, útil em sinusite.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 2 e 5%
Uso em massagens: 2 a 3%
Erva Baleeira Cordia verbenacea, popularmente chamada de Erva baleeira é um arbusto perene, nativo de
nosso país, pode alcançar até 2 metros de altura e é encontrado em todo o litoral brasileiro,
principalmente em Santa Catarina.
Popularmente, a Erva baleeira, que também é conhecida como Maria-preta, Maria-milagrosa,
Catinga de barão ou Pimenteira, é utilizada no tratamento da úlcera gástrica, artrite reumatóide e
diversos processos inflamatórios e infecciosos.
A Erva baleeira é utilizada há séculos pelas populações litorâneas como cicatrizante e
antiinflamatória.
Nos anos de 1990 e 1991, o farmacologista Sertié, o bioquímico Sylvio Panizza, ambos da
Universidade de São Paulo, juntamente com uma equipe multidisciplinar, publicaram estudos
sobre a ação antiinflamatória da Erva baleeira.
Em 2004, pesquisadores Universidade Federal de Santa Catarina, Universidade Federal de São
Paulo, PUC-Campinas e Universidade de Campinas em parceria com um importante
Laboratório Farmacêutico, finalizaram a pesquisa na qual o alfa-humuleno encontrado no óleo
essencial foi identificado como ativo responsável pelas propriedades terapêuticas desta planta.
Hoje, a Erva baleeira é indicada nos casos de artrite, artrose, tendinite, dores miofasciais, LER
(lesão por esforço repetitivo) e outros processos inflamatórios dolorosos. Pode ser encontrada
no mercado de medicamentos na forma de creme contendo o óleo essencial da planta para uso
tópico, ou seja, para ser aplicado no local da dor.
Mecanismo de ação
A inflamação é uma reação do organismo frente a uma agressão ou a uma lesão. Envolve
diversas reações bioquímicas cuja missão é conter e isolar a lesão, destruir microorganismos
invasores, inativar toxinas e conseguir o reparo e a cura. No entanto, este processo é nocivo, e
pode causar lesão progressiva do órgão e perda de sua função.
O alfa-humuleno presente na Erva baleeira atua impedindo a atividade de uma enzima chamada
cicloxigenase 2 (COX-2), enzima responsável pela produção de prostaglandinas (uma das
substâncias responsáveis pelas reações inflamatórias e seus sintomas), assim como outros

39
antiinflamatórios e analgésicos já existentes no mercado, como o ácido acetilsalicílico, porém,
sem efeitos indesejáveis.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 2 e 5%
Uso em massagens: 2 a 3%
Erva doce sementes ou planta O funcho, também conhecido por anis-doce, erva-doce, maratro ou finóquio, ou fiuncho, é o
nome vernáculo dado à espécie herbácea Foeniculum vulgare Mill. (sinónimo taxonómico de
Anethum foeniculum L. e de Foeniculum officinale L.) uma umbelífera fortemente aromática
comestível utilizada em culinária, em perfumaria e como aromatizante no fabrico de bebidas
espirituosas e planta medicinal. O funcho é nativo da bacia do Mediterrâneo, com variedades na
Macaronésia e no Médio Oriente, onde ocorre no estado silvestre, mas é hoje cultivado, sob
diversas formas varietais, em todas as regiões temperadas e subtropicais.
O funcho é uma planta herbácea perene, de caules erectos múltiplos, com até dois metros de
altura (mas em geral com menos de 80 centímetros), de cor verde intenso, por vezes glauco,
tornando-se azulada quando em locais expostos à secura e a intensa radiação solar.
As folhas são longas (até 40 cm) e delgadas, finamente dissecadas, terminando em segmentos
filiformes a aciculares (com cerca de 0,5 mm de diâmetro), muito flexíveis, mas que, quando
expostos à secura, endurecem exteriormente para evitar a perda de água.
Produz inflorescências terminais compostas, umbeliformes, com 5 a 15 cm de diâmetro,
contendo 20 a 50 flores pediceladas inseridas num único ponto do ápice da inflorescência, sobre
pedúnculos curtos. As flores são minúsculas têm de 2 a 5 mm de diâmetro, amarelo a amarelo-
esverdeadas.
O fruto é uma semente seca, fortemente aromática, ovóide, de 4 a 9 mm de comprimento e 2 a
4 mm de largura, achatada e com entalhes longitudinais simétricos em ambos os lados.
A raiz é rizomatosa, esbranquiçada e muito suculenta, armazenado grande quantidade de água.
O cheiro e sabor característicos (em geral designados por "anis" ou "erva-doce") resultam da
presença de anetol, um composto fortemente aromatizante.
Distúrbios menstruais (cólicas, TPM, menopausa), cólicas em geral, indigestão, anorexia,
impaciência, nervosismo, peles ressecadas, desidratadas, retenção hídrica e obesidade. Para
quando a vida parece ser dura demais.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 0,25 a 3%
Uso interno: 2 gotas 2x/dia.
Toxidade: DL50 100mg/kg
Espruce (canadense, negro, De agradável aroma que lembra florestas e natal. Possui efeito equilibrador das glândulas
prata) suprarenais e freiador de hormônios de stress. Relaxante do sistema nervoso, anti-inflamatório,
em insônia, agitação, dores musculares.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: puro ou diluído a partir de 3%
Hemorróidas: 3 a 6 gotas de OE em 100mL de água, para banhar o local de 3 a 4x/dia..
Toxidade: DL50 5g/kg em ratos para todos os tipos de abetos
Estoraque resinóide Styrax L. (estoraque) é um género botânico pertencente à família Styracaceae. Aroma
resinóide, quente, levemente abaunilhado. Usado como fixador. Possui ação anti-séptica.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 2 e 5%
Uso em massagens: 2 a 3%
Estragão Estragão (Artemisia dracunculus) é uma herbácea perene, de folhas pequenas e estreitas. Ela é
encontrada naturalmente em vastas áreas do Hemisfério Norte: Do leste da Europa ao centro e
ao leste da Ásia até o oeste da América do Norte, e espalhada tão ao sul quanto o norte da Índia
e o México. Acredita-se porém que a presença do estragão na América do Norte tenha resultado
de sua introdução pelas grandes migrações pré-históricas de pessoas a partir da Ásia.
O estragão é um tempero típico da culinária francesa e é utilizado para realçar o sabor de certos
ingrediente e alimentos. O sabor da folha de estragão é adocicado e ao mesmo tempo levemente
picante, lembrando algumas pessoas, mesmo que brevemente, do cheiro e gosto do funcho
(também conhecido como erva-doce, marantro, finóquio). As folhas do estragão, assim como as
de outras ervas utilizadas na culinária podem ser usadas tanto verdes e frescas quanto secas,
dependendo sobretudo do que exigem as específicas receitas.
A folha do estragão é utilizada na preparação de pickles, como pepinos em conserva à base de
vinagre; em cozidos de panela, em saladas verdes, etc; mas ela também dá o sabor distinto do
molho béarnaise. Existem muitas receitas para o uso caseiro do estragão na preparação de
vinagres, vinagretes, e outras infusões gastronômicas.
Em algumas tradições populares de remédios caseiros de várias regiões do mundo, recomenda-
se a infusão de folhas de estragão para amenizar cólicas menstruais, e também para outros fins

40
curativos. Entre os diversos povos originais da América do Norte (ameríndios) está
documentada uma grande variedade de usos dessa planta. Por exemplo, o uso das folhas do
estragão como repelente de mosquitos e outros insetos (utilizado no berço de bebês, e por
adultos em suas moradias, e em pescarias durante a noite). O estragão também era utilizado nas
lavagens diárias de ferimentos sofridos por animais domesticados, como cavalos; mas também
no corpo humano (tanto em ferimentos como em inflamações corporais). No tratamento de
cólica em crianças. Usava-se a raiz para lavar, fortalecer e fazer crescer o cabelo; também para
infecções urinárias. Estragão, também, é conhecido como erva-dragão.
Distúrbios menstruais, indigestão, flatulência, anti-helmíntico, tosses, anorexia e em stress
nervoso. Cheiro herbáceo.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 1 e 2%
Eucalyptus Eucaliptos Brasileiros Diferenças entre os óleos
Os eucaliptos viminalis, smithii, globulus, camaldulensis, radiata, grandis e dunnii possuem um
alto teor de eucaliptol (próximo de 90%) e podem ser utilizados de forma igual, como
descongestionantes da vias respiratórias. Os eucaliptos viminalis, radiata e dunnii naturalmente
tem apresentado um teor de eucaliptol tão alto que chegam a parecer muito com o eucalipto
globulus 80/85, normalmente redestilado para concentrar o teor deste componente. São
inclusive os mais agradáveis dentre todos e substituem o eucalipto globulus. Os eucaliptos
smithii e camaldulensis são bons descongestionantes das vias respiratórias e possuem um
pequeno teor de citronelol no óleo, o que lhes confere uma ação anti-infecciosa mais intensa,
porém alguns componentes neles dão um aroma de fundo que não agrada muitas pessoas
(parece com o do eucalipto globulus 70/75). O eucalipto robusta possui um teor mais baixo de
eucaliptol e um certo teor de linalol e outros componentes que tornam este óleo uma opção
muito suave para inalação de crianças. Possui devido a estes componentes um efeito estimulante
do sistema imunológico. Estudos in vitro demonstraram uma potente ação inibitória de
Pseudomonas aeruginosa. O eucalipto dives possui piperitona em sua composição, um
componente que quando passado sobre a pele traz uma sensação de gelado que lembra o mentol,
porém o óleo não é gelado no aroma. È útil por isso para dores, má circulação e peito
congestionado. A piperitona acalma o cérebro e a mente em inalações, diminuindo assim a
agitação e irritabilidade. O eucalipto grandis se destaca por agregar no óleo timol ao eucaliptol.
Desta forma este óleo traz consigo um grande potencial antiinfeccioso e antiinflamatório, muito
mais forte que os outros tipos de eucaliiptos. O teor de timol é baixo, mas o suficiente para ele
agir terapeuticamente sem ocasionar desconforto. O eucalipto citriodora possui menos de 3% de
eucaliptol. Ele irá possuir mais citronelol e citronelal, ambos componentes que lhe conferem
ação bacteriostática e antiinfecciosa. Por isso é indicado em infecções pulmonares,
principalmente a tuberculose, contra a qual tem muito êxito no tratamento.
Estudos na Alemanha tem descrito este óleo como de grande potencial no tratamento de LER.
Os melhores eucaliptos para sauna são aqueles com alto teor de eucaliptol (viminalis, dunnii,
globulus, etc), pois abrem os bronquíolos melhorando a expectoração e limpeza dos pulmões .Já
o eucalipto citriodora, o comumente mais usado, não seria o melhor por ter a tendência de
fechar os bronquíolos. Ele é melhor em infecções, só que usado excessivamente pode provocar
anemia ou baixa de leucócitos segundo observações com animais.
Forma de uso:
Inflamações e dores (reumatismo, artrite, bursite, etc) / micoses
Puro ou diluído até 5% no local.
Amidalite e inflamações da garganta / infecções intestinais / tumores
1-2 gotas em dois dedos de água bochechar 2-3 X ao dia
Infecções pulmonares Poderoso anti-infecioso, pois agrega timol (tomilho) ao cineol. Em
inalações p/infecções catarrais respiratórias. 3 gotas 3 vezes ao dia.
Sprays ambientais: 10 a 20%
Eucalipto citriodora Empregado em todos os tipos de infecções pulmonares, tuberculose, pneumonia, etc. É um
poderoso bactericida e anti-séptico. Também é empregado em dores articulares e inflamações
dos tendões. Não é expectorante.
Eucalipto dives QT piperitona Um bom analgésico muscular, através de massagens. Ajuda no alívio de aftas e tosse seca.
Eucalipto dives QT cineol Usos semelhantes aos do eucalipto globulus, porém de potencial ainda mais forte como
expectorante.

Eucalipto globulus, viminalis, Para problemas respiratórios como:congestão nasal, sinusite, asma e bronquite. Em dificuldades
dunnii, urofila, saligna, cinérea, de expressão, desconexão com o mundo, como moderado anti-séptico local, útil em problemas
smithii, camaldulense de mau cheiro nos pés. Também é analgésico para dores articulares e reumáticas.
41
Eucalipto grandis O Eucalipto grandis é uma árvore originária da Austrália que se facilmente diferencia dos outros
eucaliptos por ter sua copa muito alta, com um tronco em linha reta. O óleo essencial tem sido
obtido por destilação a arraste à vapor das folhas de espécimes cultivados organicamente. A
quantidade de óleo presenta nas folhas é bem pequena quando comparado com a de outros
eucaliptos (E. globulus & E. viminalis). Este óleo se destaca entre os óleos de eucaliptos como
tendo qualidades anti-infecciosas e descongestionantes maravilhosamente conjugadas. O óleo
que temos obtido, além de apresentar um teor muito elevado de eucaliptol, contém em sua
composição timol, um princípio ativo típico do óleo de tomilho. Isto dá ao eucalipto grandis
particularidades excepcionais e únicas entre os eucaliptos. Ele é um excelente óleo anti-
infeccioso e bactericida, que pode ser empregado em infecções pulmonares, amigdalite, otite,
sinusite infecciosa, tuberculose e pneumonia. Esta conjugação do timol ao eucaliptol dá a este
óleo uma ação anti-inflamatória aproveitada em casos de acne, reumatismos, artrite, LER,
bursite e furúnculos. O timol lhe confere ainda a particularidade de ser útil também no
tratamento de micoses e candidíase. Este óleo é novo no mercado e é uma excelente opção entre
os óleos de potencial anti-infeccioso como o niaouli, orégano, tomilho, canela e cravo. Em
aromatizadores, ele age purificando o ar, matando a maioria das bactérias patogênicas,
desinfetando residências e quartos. Assim diminui a proliferação de microorganismos
causadores de infecções e alergias respiratórias.
Devido ao teor de timol no óleo não ser excessivamente alto, o óleo apresenta uma grande
facilidade para administração oral, em casos onde este tipo de uso faça-se necessário com o
acompanhamento médico ou de um aromaterapêuta especializado. Esta forma de uso tem
mostrado bons resultados em amidalite, dores e inflamação da garganta e infecções intestinais.
Pesquisas científicas com as folhas do eucalipto grandis mostraram que ele possui ação
inibitória de tumores, atuando como câncer-preventivo. Demonstrou forte ação inibitória do
vírus Epstein-Barr, causador de alguns tipos de câncer (linfoma de Burkitt e carcinoma
nasofaringeal).
Eucalipto polibractea QT Óleo de forte atividade anti-viral, indicado em gripes, herpes, varicela e infecções pulmonares.
criptona
Eucalipto radiata Um eucalipto mais suave e de aroma mais suave, usado em expectoração. Especial para
crianças e pessoas alérgicas.
Eucalipto robusta Outra variedade de eucalipto de aroma mais suave e que possui principalmente pineno e
cimeno. Especial para crianças e pessoas com problemas alérgicos como a rinite e também em
problemas como a asma. Levemente relaxante.

Eucalipto staigeriana 40% citral Mesmos usos, composição e aroma do capim-cidreira. Anti-infeccioso do aparelho respiratório,
œ 20% limoneno antifúngico, indicado no tratamento de micoses, como imunoestimulante e útil no combate
àcelulite és ds ou bdatrave massagenanagens quentes.
Feno grego O feno-grego já desde épocas muito antigas foi utilizado pelo homem como especiaria e como
planta medicinal. É também conhecida em português pelo nome, de origem árabe, de Alforva, e
é um dos constituintes do caril indiano.Atua aumentando o líquido sinovial nas articulações e
melhorando a flexibilidade. Anti-inflamatório, melhora a lactação, problemas articulares.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 2 e 5%
Uso em massagens: 2 a 3%
Funcho amargo Semelhantes usos do funcho doce, porém contem maior teor de fenchona, por isso amarga.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 0,25 a 3%
Uso interno: 2 gotas 2x/dia.
Toxidade: DL50 100mg/kg
Funcho doce sementes ou planta Como carminativo, estimulante da lactação, em problemas de obesidade principalmente por
desarranjos hormonais e problemas de retenção hídrica, pois éum diurético. Atua como
digestivo, em cólicas intestinais, tosses e como um calmante suave. Auxilia na digestão das
coisas da vida, naqueles momentos em que ela parece ser difícil e dura.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 0,25 a 3%
Uso interno: 2 gotas 2x/dia.
Toxidade: DL50 100mg/kg
Galangal Galanga, também chamado Galangal é também conhecido como Gengibre do Laos ou
Gengibre tailandés é uma rizoma com utilidades tanto gastronômicas como medicinais. É
muito conhecida nas cozinha asiática, em particular dos países do sudoeste asiático: Tailândia,
Laos, Vietname, etc. Nos últimos anos o seu uso tem se estendido também pelo Ocidente,
devido à popularidade da comida tailandesa.Anti-séptico, bactericida, e problemas digestivos
como carminativo, estomáquico e contra flatulência
42
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 2 e 5%
Uso em massagens: 2 a 3%.
Galbano Uma Umbeliferae, Ferula galbaniflua ou Ferula gummosa produz goma resina de onde é
extraído em torno de 26% a 30% de óleo essencial.
Nativa da India , particularmente Norte da India e Afganistão, atualmente a maior parte é
proveniente do Irã.
Outras espécies de Ferula podem fornecer gálbano mas, o pérsico detém as melhores
características aromáticas, delicado e com leve odor de terebentina.
Cortes da parte superior da raiz permitem a coleta de leitosa goma, que endurece originando
placas claras com gosto amargo, desagradável e forte odor aromático submetidas a destilação
para obtenção da fração oleosa.
A maior parte da sua constituição compreende monoterpenos e a menor pyrazinas estando
nestes últimos componentes os responsáveis pelo aroma distinto.
Pela intensidade e potência do odor admite-se uma interação de vários elementos, alguns não
totalmente conhecidos.Analgésico, anti-inflamatório, em acnes, abscessos e feridas. Usos na
perfumaria como fixador.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 2 e 5%
Uso em massagens: 2 a 3%
Nepeta L. é um gênero botânico da família Lamiaceae, espécies nativas da Europa, África e Asia.
Também é conhecida por Catnip ou erva dos gatos, tendo em vista que os gatos domésticos são
muito atraídos pelo odor dessa planta.Atrativo dos gatos (gatos adoram este cheiro, afrodisíaco
Gatária para eles). Aroma herbáceo anti-stress.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 2 e 5%
Uso em massagens: 2 a 3%
Gengibre (chinês/brasileiro ou O gengibre (Zingiber officinale) é uma planta herbácea da família das Zingiberaceae originária da
cochin) Ásia. No Brasil, é largamente cultivada na faixa litorânea do Espírito Santo, Santa Catarina,
Paraná e no sul de São Paulo em virtude do solo e das condições climáticas dessas regiões. Seu
óleo essencial é extraído principalmente por destilação a vapor dos rizomas da planta, aquela
parte comestível conhecida por todos nós. De aroma ―apimentado‖, este óleo apresenta os
seguintes componentes majoritários: canfeno, felandreno, zingibereno e zingerona. É muito
utilizado para massagear o abdome, ação que provoca calor e excita os órgãos sexuais. No Japão,
inclusive, as massagens com o óleo de gengibre auxiliam no tratamento de dores na coluna e
articulações. Quando inalado, também é bom para gripes e resfriados.
Trata-se de um óleo potente! Por esta razão deve ser diluído e utilizado com moderação, evitando
seu contato com o rosto e pescoço. Não deve ser usado em crianças!Para problemas de falta de
apetite e anorexia, em casos de febre, dores musculares, como estimulante geral, digestivo e
carminativo. Atua também como sudorífero. É muito bom em e dores reumáticas e artríticas.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local ou capilar: diluído entre 0,25 e 3%
Uso em massagens: 2 a 3%
Peles secas, desidratadas e enrugadas. Lembra cheiro de terra, raízes, bom para pessoas avoadas.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Gengibre manga
Uso tópico local ou capilar: diluído entre 0,25 e 3%
Uso em massagens: 2 a 3%
O óleo essencial do gerânio é extraído das flores frescas, caules e folhas deste arbusto perene. É
obtido por arraste a vapor, fornecendo, principalmente, geraniol e citronelol naturais. Além do
geraniol e citronelol, apresenta também borneol, linalol, termineol, limoneno, felandreno e
pineno.
É o teor de geraniol que determina o valor comercial e industrial da essência. O óleo essencial de
gerânio apresenta em média, 65-78% de geraniol e 45-78% de citronelol, sendo observadas
variações desses teores de acordo com a variedade em cultivo.
Gerânios (egípcio, africano, O óleo essencial de gerânio é encontrado em ―células oleríferas‖ distribuídas pelas folhas da
etc) planta, das quais é extraído por ação de arrastamento pelo vapor, na razão média de 1:1500, em
relação ao peso do material destilado.
Vários fatores podem causar a variação da porcentagem de óleo obtido, entre os quais se
destacam: o tipo de solo cultivado, a idade da planta na colheita, a técnica empregada na operação
de destilação, etc. O rendimento médio de óleo essencial na massa fresca é de 0,2%.
O aspecto do óleo essencial do gerânio é de uma substância líquida, pouco densa, brilhante, de
coloração variando de amarelo pálido a amarelo esverdeado, odor de rosa, por vezes de menta ou
mesmo de erva.

43
Em problemas de carência afetiva, medo, como anti-séptico, em casos de herpes, excesso de
oleosidade da pele e cabelo, problemas de depressão, falta de ânimo e entusiasmo. Para peles
envelhecidas e desidratadas.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local ou capilar: diluído entre 0,25 e 3%
Uso em massagens: 2 a 3%
A toronja ou toranja ou grapefruit (Citrus x paradisi) é um citrico híbrido, resultante do
cruzamento do pomelo (Citrus maxima) com a laranja (Citrus x sinensis). Este fruto também é
conhecido pelos nomes de pomelo, jamboa, laranja-melancia, pamplemussa, laranja vermelha,
laranja-romã entre outras denominações.
A toranja é uma árvore subtropical cultivada pelo seu amargo vegetal que, originalmente, foi
nomeado de "fruta proibida" em Barbados.
Estas árvores têm geralmente cerca de 5-6 m (16-19 pés) de altura, embora possam atingir 13-15
m (43-49 pés). As folhas são verde escuras, longas (até 150 mm, ou 6 polegadas) e magras.
Produzem flores brancas de quatro pétalas, com 5 cm (2 polegadas. O fruto é amarelo-alaranjado,
Grapefruit (rosa e branco)
esfolado, amplamente oblata e com intervalos de diâmetro de 10 a 15 cm. A carne é segmentada e
ácida, variando em cores, dependendo do cultivo, que inclui brancos, rosados, tintos e polpas de
diferentes doçuras.
Empregado no tratamento de obesidade, celulite, retenção hídrica, problemas de falta de apetite,
depressão, tristeza e melancolia. Efeitos similares aos da laranja e da tangerina. Oaroma dos dois
grapefruits são diferentes.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local ou capilar: diluído entre 0,25 e 3%%
Uso em massagens: 2 a 3%
O "guaco" (Mikania glomerata Spreng.) é um tipo de planta medicinal utilizado contra gripe,
rouquidão, infecção na garganta, tosse, bronquite. Pertence a família das Compositae e tem sua
distribuição como espécie nativa no sul do Brasil, de São Paulo ao Rio Grande do Sul. é uma
trepadeira volúvel, glabra. Folhas simples, opostas, ovadas e oblongo-lanceoladas, de base obtusa
e ápice agudo, de até 15cm de comprimento e 7cm de largura, com três nervuras bem evidentes,
pecioladas, carnoso-coriáceas, verde-brilhantes na face superior, mais pálidas na inferior. Flores
hemafroditas, reunidas em número de quatro capítulos, uguais entre si, de papus branco e corola
tubulosa, de cor branco-creme; capítulos agrupados em ramos espiciformes congestos, ou em
glomérulos. Fruto tipo aquênio, glabro. Como composição química, possui compostos
sesquiterpênicos, diterpênicos, estigmasterol, flavonóides, cumarinas, resina, tanino, saponina e
guacosídeo.
A ciência já comprovou as propriedades medicinais do guaco e atestou seu efeito broncodilatador
e expectorante. No inverno, quando aumenta incrivelmente a incidência de problemas do
Guaco (erva das cobras) aparelho respiratório, por conta das gripes e resfriados, o guaco volta a figurar nas receitas
caseiras.
A planta também conhecida como erva-de-serpentes, cipó-catinga ou erva-de-cobra, pertence à
família das Compostas. O guaco (Mikania glomerata) é originário do Brasil e sempre foi muito
conhecido pelos índios brasileiros, que usavam a planta para combater o veneno das serpentes
(daí vêm alguns dos seus nomes populares). Ainda hoje, em algumas regiões do Brasil, o
macerado das folhas é aplicado em forma de cataplasma sobre picadas de cobras e outros animais
peçonhentos. Existe também a tradição de usar a planta fresca e nova (cujas folhas emanam um
aroma intenso e agradável) para manter as cobras afastadas.
De propriedades anti-inflamatórias, age bem em acnes, abcessos, garganta inflamada e infecções
em geral.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local ou capilar: diluído entre 0,25 e 3%%
Uso em massagens: 2 a 3%
A Guiné ou Rabo de Gambá é um arbusto ou subarbusto de cerca de meio a um metro de altura,
de ramos angulosos, sulcados-estriados, pubescentes ou quase glabros, subflexuosos, dilatados
nos nós.
Princípios ativos: Óleo essencial; Pitiverina, resina inerte, ácido resinoso, glicose.
Usada como estimulante na paralisia, sudorifera e alexifera. Em altas doses é abortiva e segundo
alguns provoca loucura quando de seu uso contínuo. Seu envenenamento é lento e no período
Guiné
agudo determina superexcitação, insônia e quase alucinação. Depois de poucos dias sintomas
opostos: indiferença, chegando a imbecilidade, fraqueza cerebral, pequenas convulsões depois
tetaniformes, mudes por paralisia da laringe e morte ao fim de um ano, dependendo da dose.
Deve ser usada em doses regulas e não sucessivas no caso de paralisia. Era muito usada pelos
negros como arma de vingança contra seus patrões, por isso o nome de Amansa senhor.
Contra picadas de insetos, coloca-se as folhas ou folhas e galhos imersos em álcool, até que seu

44
sumo seja dissolvido. Aplica-se no local das picadas, imediatamente ao acontecerem. Para
picadas de aranhas, é recomendado compressa.
Anti-inflamatório, supurativo de furúnculos e abcessos, usado na cultura popular para limpeza de
energias negativas.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 1 e 3%%
Uso em massagens: 2 a 3%
A gabiroba, guabiroba ou guavira é o fruto produzido pela gabirobeira, um arbusto silvestre
que cresce nos campos e pastagens do cerrado brasileiro. É um fruto arredondado, de coloração
verde-amarelada, com polpa esverdeada, suculenta, envolvendo diversas sementes muito parecido
com uma goiabinha. Ela pode ser consumida ao natural ou na forma de sucos, doces e sorvetes e
Guaviroba (gabiroba) ainda serve para fazer um apreciado licor. Anti-inflamatório, usado em perfumaria, aroma exótico
com suave nota de fundo de rum ou passas.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local ou capilar: diluído entre 0,25 e 3%%
Uso em massagens: 2 a 3%
Dipterocarpus jourdainii. De ação anti-inflamatória, em problemas de pele em geral (dermatites,
eczemas, etc), como fixador de perfumes.
Gurjan(copaíba da Índia) Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local ou capilar: diluído entre 0,25 e 3%%
Uso em massagens: 2 a 3%
Henna (árabe: ‫ )ح ناء‬designa tanto uma planta (Lawsonia inermis), como o corante dela extraído.
Este corante é muito usado no Norte de África e na Índia, seja para colorir os cabelos de
castanho, seja para tatuar as mãos e o corpo. Esta tatuagem é temporária e desaparece ao fim de
uma semana. Proveniente da casca e das folhas secas, o corante tem uma cor castanho-
avermelhada e é comercializado pela indústria de cosméticos; no entanto, há produtos com
Henna (menhdi)
aditivos que, para dar um tom mais escuro ao corante, podem causar problemas de saúde. Cheiro
herbáceo, de folhas, obtido das flores. Usado em perfumaria.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local ou capilar: diluído entre 0,25 e 3%%
Uso em massagens: 2 a 3%
Hinoki é o nome em Japonês para uma variedade de Cipreste. Existem muitos tipos de
cipreste diferentes e o Chamaecypais obtusa apresenta não só um número de variedades
muito grandes como também óleos essenciais bem diferentes daqueles obtidos dos
gêneros cupresus, ou cedrus.
Experimentos laboratoriais demonstram que o óleo de Hinoki possui ação repelente de
insetos
que normalmente atacam madeiras e cereais estocados.
O óleo de Hinoki apresenta ação antibiótica contra uma serie de bactérias e fungos
como Escherichia coli, Mycobacterium chelonei, Pseudomas aureginosa e Cândida
albicans. Este óleo é muito útil no tratamento de infecções respiratórias como a
pneumonia e como descongestionante. É um óleo novo e relaxante, por isso indicado em
Hinoki dourado e prateado inalações para indivíduos tensos, ansiosos e estressados. É indicado no tratamento local
contra micoses, candidíase, escaras, alergias, psoríases, dermatites e queimaduras.
Possui ação anti-infecciosa e anti-inflamatória da pele, por isso em alguns casos mostra-
se útil também no tratamento do acne. Possui ação regeneradora da pele. O óleo de
Hinoki é recente, ainda pouco conhecido, principalmente no Brasil. Seu aroma suave
lembra uma mistura de lavanda com pinheiro silvestre ou a Niaouli (MQV). Existem
muitas sub variedades todas muito apreciadas para criação de bonzais. A variedade da
qual temos obtido o óleo é a cripssii, mas conhecida como cipreste dourado ou gold
hinoki. Sua produção é toda orgânica e a planta possui um desenvolvimento bem lento.
O óleo essencial é obtido por arraste à vapor das folhas e galhos da árvore.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local ou capilar: diluído entre 1 e 3%
Uso em massagens: 2 a 3%
Hissopos (inglês, russo, Hyssopus officinalis. Distúrbios da pressão sanguínea, como anti-inflamatório, anti-séptico, em
croaciano, francês, etc) problemas articulares como reumatismo, éum tônico cardíaco e da circulação, em infecções como
um todo. Têm cheiro de mato éortado. Útil como como expectorante.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local ou capilar: diluído entre 0,25 e 3%
Uso em massagens: 2 a 3%

45
Hissopo mais suave, sem a toxidade do hissopo comum. Usado como expectorante, em asma e
usos do anterior.
Hissopo decumbens Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local ou capilar: diluído entre 0,25 e 3%
Uso em massagens: 2 a 3%
Estimulante da circulação, contra celulite, de efeito refrescante e analgésico local. Empregado em
manchas de pele e congestão nasal e pulmonar. Possui as mesmas indicações que o hortelã-
pimenta. Diferencia-se pelo seu odor, mais forte.
Hortelã do campo ou vick
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local ou capilar: diluído entre 0,5 e 3%%
Uso em massagens: 1 a 3%
É uma variedade de hortelãcomposta principalmente de linalol, um componente de ação
regeneradora da pele e sedativo. Auxilia em queimaduras de pele, insolação, em pós-barba e pós
depilatório. Um excelente relaxante.
Hortelã limão
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local ou capilar: diluído entre 0,5 e 3%%
Uso em massagens: 1 a 3%
As mentas são plantas herbáceas vivazes , compreendendo numerosas espécies, das quais muitas
são cultivadas visando suas propriedades aromáticas e condimentares, ornamentais ou medicinais.
A planta possui propriedades medicinais. É usada como anti-séptico, aromática, digestivo,
estomáquica e expectorante.
Em países lusófonos, e especialmente no Brasil, as espécies desse gênero são popularmente
conhecidas como Hortelãs.
Hortelã pimenta (menta)
Útil em dores de cabeça, enxaquecas e em todos os tipos de enjôos, principalmente em viagens e
gravidez. Estimulante circulatório, útil em celulite e varizes, também em manchas de pele,
analgésico. Atua clareando a mente. Anti-oxidante.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local ou capilar: diluído entre 0,5 e 3%%
Uso em massagens: 1 a 3%
A Mentha arvensis, popularmente conhecida no Brasil como hortelã-doce, pertence à família
Labiatae. São plantas perenes de crescimento rápido e fácil, com caules violáceos, ramificados e
de folhas opostas verde-escuras. Trata-se de uma planta bastante conhecida desde a antiguidade,
pelos egípcios, hebreus e árabes. Os árabes, por exemplo, limpavam o chão com a menta antes
das festas com o objetivo de estimular o apetite dos convidados. Hoje, no entanto, a Mentha
arvensis ocupa uma posição de destaque no mercado nacional e internacional em virtude de seu
óleo essencial, extraído, principalmente, por destilação a vapor. O óleo essencial de Mentha
arvensis contém um alto teor de mentol, componente bastante utilizado como matéria-prima nos
produtos farmacêuticos (na forma de anestésicos e outros), alimentícios (na aromatização de
bolos, balas, bebidas, etc.), cosméticos (em cremes de barbear, pastas de dentes, etc.) dentre
Hortelã verde (spearmint)
outros.
O teor de mentol é o "fator chave" responsável pelo valor comercial desse óleo, que apresenta,
segundo a literatura, valores que podem variar de 62,5 a 88,9%. Do resfriamento do óleo bruto,
obtém-se o mentol cristalizado cuja procura pelas indústrias dá-se, principalmente, nesta forma.
O subproduto desse processo é o óleo desmentolado, de igual importância comercial e que
contêm aproximadamente 45% de mentol.Distúrbios digestivos (carminativo, má-digestão),
enjôos, mau hálito, érelaxante e anti-stress o seu aroma.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local ou capilar: diluído entre 0,5 e 3%%
Uso em massagens: 1 a 3%
Imbuia (do Tupi) - Ocotea porosa (Nees et Martius ex Nees) Liberato Barroso - é uma frondosa
árvore da família da Lauraceae (louros), que ocorre tipicamente nas florestas umbrosas mistas da
região dos Campos Gerais do Paraná.
A Imbuia tem folhas pequenas e lusidias, flores insignificantes, tronco grosso, curto até as
primeiras inserções dos galhos, razoavelmente retilíneo e por vezes retorcido. Seu fruto se
constitui numa pequena cúpula basal.
A madeira da Imbuia, outrora abundante mas hoje escassa, tem alto valor comercial para o ramo
Imbuia madeira (embuia)
moveleiro por sua afabilidade ao entalhe e longa durabilidade, afora excelente aparência: de cor
parda em geral, possui veios que vão do amarelo ao marrom com riscas pretas. Devido à
exploração depredatória de sua madeira nobre, hoje a imbuia está ameaçada de extinção.
Mesmos usos do cedro da Virgínia. Aroma amadeirado, para auto-estima.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 2 e 5%
Uso em massagens: 2 a 3%

46
Cymbopogon jawarancusa. De usos, aroma e indicações semelhantes às da palmarosa. Para pele
envelhecida e ressecada. Antiinflamatório.
Jamrosa Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 2 e 5%
Uso em massagens: 2 a 3%
Jasmim é o nome comum pelo qual são conhecidas as espécies do gênero Jasminum L., da
família Oleaceae. São arbustos ou lianas, de folhas simples ou compostas que apresentam (na sua
maioria) flores brancas muito perfumadas. Seu óleo essencial, de aroma floral exótico, pode ser
extraído por destilação com solvente ou por um processo artesanal muito antigo chamado
"enfleurage". A técnica de enfleurage, embora tenha sido muito usada, é raramente praticada nos
dias de hoje em virtude dos altos custos associados a ela (estamos falando do enfleurage antigo).
Este processo, basicamente, funciona assim: primeiramente as pétalas são colocadas sobre uma
placa de vidro com gordura. A gordura, neste caso, age como uma esponja, absorvendo o óleo das
flores. Então quando a concentração de óleo é obtida, a gordura é filtrada e destilada. O
concentrado oleoso resultante desse processo é misturado a um álcool, que é novamente
destilado. Desta destilação, obtêm-se o óleo essencial das flores.
Jasmim real, estrela e sambac O óleo essencial de Jasmim, tão aromático quanto à flor, tem cor vermelho-escuro e apresenta os
seguintes componentes majoritários: benzil acetato, acido fenilacetico, linalol, linalil acetato,
benzil álcool, jasmone, mentil-jasmonato. De extremo valor para as indústrias de perfumaria, este
óleo também é conhecido por suas propriedades estimulantes, relaxantes, afrodisíacas, anti-
sépticas, cicatrizantes e sedativas. É maravilhoso para peles secas e sensíveis e cheirá-lo, segundo
a aromaterapia, provoca um estado de espírito confiante e otimista.
Em problemas de depressão, ansiedade, problemas menstruais, letargia, catarro e tosse, como
equilibrante da hipófise e como afrodisíaco. Facilita o relaxamento e a meditação. Facilita
mudanças e a transformação pessoal.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 2 e 5%
Uso em massagens: 2 a 3%
Junípero folhas, Junípero A árvore do Junípero (Juniperus communis), também conhecida por Zimbro, pode ser facilmente
yugoslávia (folhas e bagas) encontrada no hemisfério norte. Trata-se de uma espécie perene cuja altura, em média, varia de 1
a 2 metros. Suas folhas, em formato de agulhas, são firmes e fortes e seus frutos, semelhantes à
uva, são pequenos, redondos e adquirem uma coloração escura quando maduros. Na verdade, o
Junípero apresenta uma estrutura que antecipa o fruto - conhecida erroneamente por "baga de
zimbro" – e que demora de 2 a 3 anos para ficar madura. Esta baga, há tempos, vem sendo
utilizada para os mais diversos fins, por exemplo: suas propriedades, segundo a medicina popular,
podem contribuir com o tratamento da depressão, cistite e infecção vaginal. Já na indústria, ela é
conhecida por fazer parte da composição do Gin, uma bebida alcoólica classificada como
"quente".
O óleo essencial de Junípero é extraído por destilação a vapor das bagas desidratadas e das folhas
dessa conífera. Revigorante, ele apresenta um forte cheiro de pinheiro – com um leve toque de
pimenta ao fundo. É um óleo inflamável cujos componentes majoritários são: pineno
(monoterpeno encontrado na natureza em quase todas as plantas e amplamente empregado na
obtenção de aromas e fragrâncias), mirceno (combinação orgânica natural de hidrocarboneto e
monoterpeno de grande importância para a indústria de perfumaria) e sabineno (monoterpeno
bicíclico também encontrado no óleo da semente de cenoura, mas dificilmente comercializado de
forma direta). Quanto às ações desse óleo, afirma-se que ele, de fato, pode melhorar os quadros
de depressão, infecção vaginal e cistite. Além disso, age contra as dores reumáticas e faz parte da
composição de diversos cremes que prometem reduzir (e prevenir) as indesejadas celulites.Possui
as mesmas propriedades do cipreste, atuando em problemas circulatórios como celulite, estrias e
varizes. Auxilia em problemas respiratórios, hemorróidas, diminui o stress e éútil no medo da
morte filitanda hora daco na passagem
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 0,2% e 2%
Uso em massagens: 2 a 3%
Em problemas das vias urinárias (cistite), reumatismo, acne, hemorróidas, contra ansiedade e
stress. Em perfumaria.
Junípero bagas (frutos) Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 0,2% e 2%
Uso em massagens: 2 a 3%
Cedrelopsis grevei. Fortificante e tônico geral usado em tradicionalmente na fitoterapia de
Madagascar no reestabelecimento de mulheres que acabaram de dar àluz. Indicado em
Katrafay
reumatismos e dores, como hipotensivo comprovado e revitalizante.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;

47
Uso tópico local: diluído entre 1% e 2%
Uso em massagens: 2 a 3%
O ládano é uma resina pegajosa de cor castanha obtida a partir da esteva (Cistus ladanifer, no
Mediterrâneo ocidental) ou de Cistus creticus (no Mediterrâneo oriental). Possui uma longa
história de uso na homeopatia e como ingrediente em perfumaria.
Na antiguidade, a resina era raspada das pelagens das cabras e ovelhas que pastavam entre estes
arbustos. Era recolhida pelos pastores e vendida a comerciantes do litoral. As barbas falsas usadas
pelos faraós do Antigo Egito eram na verdade pelos de cabra embebidos em ládano. Mais tarde
começaram a ser usadas varas compridas com tiras de couro ou tecido que eram arrastadas pelos
arbustos para recolher a resina que era depois extraída. Era usado para tratar constipações, tosse,
problemas menstruais e reumatismo.
Na atualidade o ládano é produzido sobretudo para a indústria de perfumaria. A resina crua é
geralmente extraída fervendo as folhas e os ramos. É obtido também um absoluto por extração
com solventes. Um óleo essencial é produzido por destilação a vapor. A goma crua é uma massa
fragrante de cor castanha escura contendo até mais de 20% de água. É plástica mas não
derramável, e torna-se friável com o passar do tempo. O absoluto tem cor verde-âmbar escura e é
muito espesso à temperatura ambiente. A fragrância mais refinada que a resina crua. O odor é
muito rico, complexo e persistente. O ládano é muito apreciado em perfumaria devido à sua
semelhança com o âmbar cinza, banido em muitos países por o seu precursor ser originário do
cachalote, uma espécie ameaçada: apesar de o âmbar cinza de melhor qualidade ser encontrado
Ládano (cisto) resinóide flutuando livremente no mar ou junto às costas (a longa exposição à luz solar, ao ar e à água
remove os componentes que dão o mau cheiro característico da substância fresca), não sendo
assim merecedor de objeções éticas, uma versão de menor qualidade pode também ser obtida a
partir de algumas partes das baleias acabadas de abater, o que pode encorajar o abate clandestino
dos cachalotes. O odor do ládano é descrito como animal, doce, almiscarado seco, entre outros
adjetivos.

Ládano na Bíblia
Jacob em certa ocasião ordenou que seus filhos oferecessem o Ládano, juntamente com outros
produtos regionais ao seu irmão, agora um dignatário Egípcio. "Respondeu-lhes Israel, seu pai: se
é tal, fazei, pois isto; tomais do mais precioso desta terra em vossos sacos, e levai de presente a
esse homem: um pouco de bálsamo e um pouco de mel, arômatas e mirra, nozes de pistácia e
amêndoas." (Gênesis 43:11).

Muito usado na perfumaria como nota de fundo e fixador. Problemas de pele, bronquite, ulceras e
tumores. Almiscarado.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído entre 0,2% e 2%
Uso em massagens: 2 a 3%
A Laranjeira amarga ou da Terra é uma planta de folhas persistentes, que atinge os 10 m de altura
com folhas verde escuras, lustrosas e com flores brancas cheirosas. O óleo essencial é produzido
submetendo a casca a pressão a frio. Esta planta é oriunda do sul da China e do nordeste da Índia.
A Laranja Amarga e a Laranja comestível são muito semelhantes, mas os caules são bastante
diferentes. A Laranja Amarga é muito mais larga e tem o feitio de coração. Usos comuns: A
Laranja Amarga tem propriedades muito semelhantes às da Laranja Doce: antiséptico,
antidepressivo, antiespasmódico, afrodisíaco, carminativo, desodorizante, digestivo, estimulante
(nervoso), tónico (circulação cardíaca). O óleo essencial de Laranja Amarga pode ser usado para
bronquites crónicas como o óleo de terebentina. Não irrita os rins. Também tem sido usado para
combater resfriados, prisão de ventre, pele baça, flatulência, gripe, digestões difíceis e stress.
Laranja doce é derivada de uma arvore de folhas persistentes. É mais pequena do que a árvore da
Laranja amarga e Laranja doce Laranja amarga, é menos resistente e tem menos espinhos. A fruta em si é doce. Utilizações
Comuns: Anti - depressivo, anti - séptico, afrodisíaco, carminativo, tonificante (sistema cardíaco
e circulatório), desodorizante, digestivo, estimulante do sistema nervoso, também pode ser
utilizado para combater constipações, obstipação, pele baça, flatulência, digestão lenta, gripe e
stress. Em obesidade, retenção hídrica, falta de alegria e entusiasmo pela vida, em casos de
depressão, como um calmante suave que estimula a alegria. Na área digestiva atua estimulando o
apetite e diminuindo problemas como flatulência. Muito bom em xampus para tratamento de
caspa, seborréia e até queda de cabelo.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local ou capilar: diluído entre 0,2% e 2%
Uso em massagens: 2 a 3%
Obs: Deve-se evitar contato com o sol após o uso de qualquer óleo cítrico.

48
Lavanda búlgara, francesa, As lavandas (populamente conhecidas como alfazemas) são plantas do gênero Lavandula, filo
inglesa, russa, indiana, etc Magnoliophyta, da família Lamiaceae. São pequenos arbustos, perenes, incluindo também as
anuais e os subarbustos. O nome é mais frequentemente usado para as espécies do gênero que
crescem como ervas e para ornamentação. Destas as mais comuns são a lavanda inglesa e a
Lavandula angustifolia (L. officinalis). As espécies ornamentais geralmente são as L. stoechas, L.
dentata, e a L. multifida.
As lavandas crescem em jardins. Suas flores são usadas para arranjos florais secos. As flores
púrpuras e os brotos, de fragrância suave, são utilizados em potpourris. Secados e embalados em
pequenos saquinhos de tecido de algodão são utilizados para serem colocados entre as roupas do
armário para dar-lhes uma fragrância fresca e agradadável, e também para impedir a presença de
insetos e parasitas. O cultivo comercial da planta é para a extração de óleos das flores, caules e
plantas, que são utilizados como anti-sépticos, em aromaterapia e na indústria de cosméticos.
Como produto terapêutico, em infusão, deve ser evitado o uso contínuo, podendo produzir
excitação em dose tóxica.
O óleo essencial da lavanda (do latim "lavare", "lavar") já era utilizado pelos romanos para lavar
roupa, tomar banho, aromatizar ambientes e como produto curativo (indicado para insônia,
calmante, relaxante, dores, etc.). O óleo é obtido da destilação das flores, caules e folhas da
espécie Lavandula officinalis. Entre várias substâncias, o óleo apresenta na sua composição o
linalol e o acetato de linalila, que conferem a sua fragrância e, ainda, resina, saponina, taninos
cumarinas.
As flores de lavanda produzem um néctar abundante que rende um mel de alta qualidade
produzida pelas abelhas. O mel da variedade lavanda foi produzida inicialmente nos paises que
cercam o Mediterrâneo, e introduzido no mercado mundial como um produto de qualidade
superior. As flores da lavanda podem ser utilizadas como decoração de bolos. A lavanda também
é usado como erva isoladamente ou como ingrediente da erva da Provence (França).
Lavandas nativas são encontradas nas Ilhas Canárias, norte e oeste da África, sul da Europa e no
Mediterrâneo, Arábia e Índia.
Um óleo que atua acalmando a agitação, útil em problemas de insônia e histerismo. Empregado
em queimaduras, stress, insolação, como citofilático e regenerador celular e para dar a sensação
de liberdade. Calmante e paz.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: puro ou diluído a partir de 3%
Uso em massagens: 2 a 3%
Uso similares aos da lavanda fina, foi empregada pelos antigos romanos em seus banhos.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Lavanda estoeca QT fenchona
Uso tópico local: puro ou diluído a partir de 3%
Uso em massagens: 2 a 3%
Uma das melhores lavandas do mundo. É a que possui o aroma mais suave e mais agradável.
Possui uma boa absorção pela pele, além de possuir todas as propriedades indicadas para a
lavanda também émuito boa para o tratamento de dores musculares, tensão, e inflamações de
Lavanda fina (alta altitude) e
tendões e músculos. Muito relaxante.
lavanda selvagem
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: puro ou diluído a partir de 3%
Uso em massagens: 2 a 3%
Possui dois quimiotipos.Oquimiotipo cânfora éestimulante, expectorante e possui usos similares
ao alecrim QT1. O QT linalol possui aroma parecido com a lavanda angustifolia, de ação
Lavanda spike QT linalol e regeneradora da pele, levemente calmante.
cânfora Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: puro ou diluído a partir de 3%
Uso em massagens: 2 a 3%
O Lavandin é um híbrido natural ou não entre espécies de Lavanda. Este tipo de lavandim possui
um aroma mais rústico e éoriginário da região da Anatólia, Turquia. É usado em problemas
respiratório como asma, bronquite e peito congestionado. Possui alto teor de fenchona, cheiro
Lavandim Anatólia seco, forte, fechado.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído a partir de 3%
Uso em massagens: 2 a 3%
Aroma parecido muto próximo da lavanda francesa, com menos linalol e mais gelado. Substitui a
lavanda em alguns usos.
Lavandim grosso e abrialis Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: puro ou diluído a partir de 3%
Uso em massagens: 2 a 3%

49
Desintoxicante, dores musculares, indigestão, reumatismo, anemia, retenção hídrica, flatulência,
congestão hepática.
Ligústica folhas e raízes Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído a partir de 3%
Uso em massagens: 2 a 3%
O limão é o fruto do limoeiro, uma árvore originária do sudeste da Ásia pertencente a família das
rutáceas. Conhecido pelo alto teor de vitamina C, o limão é muito utilizado em molhos,
aperitivos, refrigerantes, sorvetes, remédios, xaropes, produtos de limpeza, licores, perfumes, etc.
Também é famoso por seu óleo essencial, extraído por prensagem da casca do fruto e que
apresenta um agradável e inconfundível aroma de ―limão fresco‖. Líquido amarelado, no caso do
limão siciliano, ou esverdeado no caso do tahiti, é um óleo que contêm bastante d-limoneno.
O d-limoneno é um tipo de monoterpeno encontrado na casca das frutas cítricas. Trata-se de um
líquido incolor e oleoso cujo teor, no óleo essencial de limão, está entre 65-70%. Também
presente no óleo de laranja, tangerina e grapefruit, ele se tornou conhecido por prevenir e auxiliar
no tratamento de diversas doenças. Por exemplo: segundo pesquisas, o d-limoneno é capaz de
dissolver cálculos de colesterol na vesícula, descongestionar o fígado (especialmente após a
ingestão de grande quantidade de álcool e alimentos altamente gordurosos) e atuar como um
poderoso aliado na luta contra alguns tipos de câncer, principalmente nas fases iniciais da doença.
Já na questão emocional, afirma-se que o óleo essencial de limão resgata a alegria de viver, além
de combater o desanimo, afastar o negativismo e promover auto-confiança.
Curiosidade: para se obter 1 litro de óleo essencial de limão são necessárias as cascas de
aproximadamente 2.500 limões.Antivirótico, anti-bacteriano, em infecções e resfriados. Usado
em casos de obesidade, retenção hídrica, celulite e estrias. Também em acne, anemia,
intoxicações, câncer, gastrite e problemas hepáticos (descongestionante). Excelente em xampus
para o tratamento de seborréia, caspa e queda de cabelo. Colesterol alto e arteriosclerose.

Óleos Essenciais Cítricos


As frutas cítricas são muito conhecidas e apreciadas há milênios devido ao seu aroma
agradável e sabor apetitoso. Seu óleo essencial é obtido principalmente do sumo das cascas de
seu fruto, mas pode ser também conseguido das flores (néroli), ou folhas (petitgrain). Dentre as
mais conhecidas nós temos as laranjas, os limões, limas, tangerinas, mandarinas e o grapefruit.
Seus óleos essenciais possuem um vasto número de aplicações terapêuticas e industriais, e
são muito importantes na economia mundial de derivados de cítricos. Dentre algumas destas
propriedades, imagino que uma das mais conhecidas seja o uso de cascas de laranja queimadas
Limão siciliano e tahiti
para repelir pernilongos. Os óleos cítricos possuem em sua maioria um efeito repelente e
(prensados)
inseticida de muitos tipos de insetos.
Uma pesquisa do Departamento de Bioquímica Aplicada da Universidade de Nnamdi
Azikiwee em Awka, Nigéria, mostrou que o óleo essencial da laranja doce, foi o que apresentou o
melhor efeito inseticida, e a barata, dentre os insetos estudados, foi o mais suscetível aos efeitos
do óleo.
Um dos grandes segredos das propriedades terapêuticas dos óleos cítricos está no alto teor
de monoterpenos que estes possuem. Monoterpenos são as menores moléculas que compõem os
óleos essenciais, por este motivo penetram com extrema facilidade em todos os tecidos e células
de nosso corpo e possuem uma poderosa ação solvente de lipídeos (gorduras).
O monoterpeno presente em maior teor nestes óleos é o d-limoneno. Seu teor na laranja
chega a 90%, no limão de 65-70%, na tangerina 70% e no grapefruit 95%.
Várias pesquisas científicas revelaram ele ter propriedades anti-cancerígenas, solvente de
cálculos e de entupimentos nas artérias.
Sobre esta ação solvente, várias faculdades e laboratórios ao redor do mundo
desenvolveram pesquisas sobre a capacidade do d-limoneno em dissolver cálculos de colesterol
na vesícula.
Num estudo dos Laboratórios de pesquisa Shionogi em Osaka, Japão, dentre os participantes
com cálculos de vesícula, cerca de 48% eliminaram por completo as pedras e 14,5% tiveram
dissolução parcial delas sem nenhum efeito colateral usando o d-limoneno.
Esta ação do d-limoneno sobre o colesterol e gorduras nós já tivemos a oportunidade de
observar em pessoas com fortes problemas de entupimento das veias e arteriosclerose.
O óleo essencial de limão possui dentre os cítricos uma mistura mais complexa de
monoterpenos em sua composição que faz com que em alguns tipos de tratamento ele tenha uma
ação ainda melhor que os óleos essenciais de laranja ou grapefruit. Além de 65% de d-limoneno,
o limão também possui cerca de 10-20% de pinenos e mais ou menos 10% de gama-terpineno.
Pesquisas japonesas revelaram que o gama-terpineno apresenta uma poderosa ação anti-
oxidante capaz de inibir a oxidação do LDL (mau colesterol), impedindo assim que este acabe
causando a arteriosclerose ou levando a pessoa a um infarto. Já o d-limoneno, age suprimindo a
atividade da enzima hepática HMG-CoA reductase, um fator chave para a síntese do colesterol.
50
Ele age também descongestionando o fígado, especialmente após a ingestão de grande quantidade
de álcool e alimentos altamente gordurosos. A ação sinérgica de vários terpenos no limão, cria
uma ação muito poderosa na desobstrução de vasos sanguíneos. O uso de apenas 3-5 gotas de 3-4
vezes ao dia por um período de 1-3 meses tem mostrado resultados excelentes geralmente sem
efeitos colaterais. Os casos raros de alguma sensação desagradável foram de enjôos, corrigidos
com a diminuição da dosagem, ou alguns sintomas de desintoxicação (como coceiras e dores de
cabeça) que passam a desaparecer com 1-3 dias de uso constante. Através de exames de sangue
foi possível observar melhoras notáveis nos níveis de LDL (mau colesterol), triglicérides e na
desobstrução de vasos. Isto possibilita o uso do óleo essencial de limão como um auxiliar e
complementador do tratamento médico tradicional, além de um agente preventivo nestes
problemas.
Um outro potencial do d-limoneno é no auxílio ao tratamento e prevenção de alguns tipos
de câncer, especialmente nas fases iniciais do desenvolvimento da doença. Os tipos de câncer
observados onde mostrou melhores resultados são os de próstata, estômago, fígado, intestinos,
pâncreas, mama, pulmão e nas leucemias. Mas como o d-limoneno age neste sentido?
Segundo estudos do Hospital Universitário de St. Radbound, Holanda, o d-limoneno age
aumentando a atividade de uma enzima desintoxicante de carcinógenos do corpo, a glutationa S-
transferase (GST).
Aumentando os níveis de atividade desta enzima, aumenta também a sua eficiência em
desintoxicar o corpo de substâncias causadoras de câncer, o que acaba por contribuir na
prevenção e tratamento desta doença. O d-limoneno também age induzindo a apoptose as células
cancerosas e/ou inibindo o crescimento celular através da inibição da prenilação de proteínas
associadas a este processo.
Estudos da Universidade de Purdue nos EUA com ratos, demonstraram que a
quimioterapia com o uso de monoterpenos como o d-limoneno resulta numa rediferenciação dos
tumores malignos em um fenótipo mais benigno. Monoterpenos são agentes anti-tumor efetivos,
não tóxicos para ingestão e que agem através de uma série de mecanismos de ação vindo
portanto, a fazer parte de um amplo número de remédios naturais para o tratamento do câncer.
Estudos do Departamento de Oncologia da Universidade de Wisconsin-Madison nos EUA
demonstrou que o d-limoneno apresentou uma ação preventiva na indução do câncer mamário
tanto nos estágios de formação quanto de progressão da doença. Eles observaram que este
monoterpeno também causou a completa regressão da maioria dos cânceres mamários em ratos
quando ingerido e que agiu especialmente na rediferenciação dos tumores de malignos para
benignos. Em pesquisas do Centro Médico de Osaka no Japão, observou-se que o d-
limoneno age inibindo a proliferação de células cancerosas no pâncreas, mostrando um potencial
muito útil no tratamento deste tipo de doença. A Universidade Médica de Dalian, China, mostrou
que o uso do d-limoneno no tratamento do câncer gástrico (BGC-823) apresenta excelentes
resultados e que sua ação se deve a ele exercer uma ação citotóxica pela indução de apoptose
destas células. Desta forma, como os óleos cítricos são a maior fonte natural de d-limoneno, eles
podem ser utilizados como favoráveis recursos no tratamento de vários tipos de câncer. As
dosagens consideradas para seres humanos nestes tratamentos vão de 1-5ml diários. Outros
monoterpenos e componentes presentes nos óleos cítricos apresentam uma ação semelhante e
complementar à do d-limoneno.
Algumas pesquisas antigas sobre a ação em altas dosagens e a longo prazo do d-limoneno
em ratos mostraram a capacidade deste ocasionar tumores e inflamações nos rins. Porém um
considerável número de estudos de várias faculdades e centros de pesquisa internacionais
indicaram que a toxidade renal do d-limoneno resulta da acumulação de uma proteína (alfa 2u-
globulina) nos túbulos lisosômicos proximais nos rins de ratos machos. Esta proteína é sintetizada
exclusivamente por ratos adultos machos e não por seres humanos. O d-limoneno, portanto não
possui nenhum risco nefrotóxico ou carcinogênico para seres humanos.
Muitas das propriedades terapêuticas atribuídas à terapia com o uso do suco de limão, se
deve à presença destes monoterpenos.
Muitas vezes seus resultados são confundidos com a acidez do suco, que na verdade só age
na alcalinidade do aparelho digestivo e do sangue.
O óleo essencial não possui acidez como o suco, ele possui sim, um teor dezenas de vezes
mais concentrado destes monoterpenos e por isso, sua ação medicinal e curativa é muito mais
rápida e poderosa.
Os óleos cítricos são também uma boa alternativa para perda de peso. O uso interno
de algumas gotas (dependendo do peso e outros fatores), 3 X ao dia de óleo essencial de laranja,
limão, grapefruit ou uma mistura deles é o suficiente para se notar melhoras nas medidas com um
período de 1-3 meses de uso. Estas mesmas dosagens servem para tratar pessoas que sofrem de
gastrites e úlceras.
Os óleos essenciais cítricos, ricos em d-limoneno, apresentaram ação gastropotetora em
experimentos feitos com ratos no Instituto de Biociências da UNESP, São Paulo. Sobre a ação
51
psicológica dos óleos cítricos, cientistas do Departamento de Fisiologia da Universidade de
Siena, Itália, estiveram estudando o efeito da inalação do óleo essencial de limão sobre o sistema
nervoso de ratos. Eles puderam avaliar que o óleo age baixando o teor de corticosterona nos
animais por uma ação direta na hipófise na produção de um hormônio estimulante das supra-
renais, o ACTH. Estes hormônios estão associados ao estado de stress e sensação de dor e, uma
menor produção significa uma maior capacidade de suportar a dor e uma diminuição dos estados
de ansiedade. De forma semelhante estes efeitos foram notados por dentistas com o uso do óleo
de laranja em salas de espera de seus consultórios. Os óleos de laranja, tangerina, mandarina e
grapefruit, também estimulam a alegria e diminuem a depressão.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: 2 a 3%

Limão tahiti da Pérsia destilado Óleo de limão mais suave, com uma nota de fundo que lembra pinho e lima doce, totalmente
(lima mexicana) diferente do óleo prensado. Possui características mais calmantes, ansiolíticas e efeito anti-séptico
mais ativo.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: 2 a 3%
Litsea cubeba QT citral e O Litsea cubeba são pequenas plantas encontradas em áreas tropicais. As folhas têm uma cor
sabineno verde forte com um agradável cheiro a limão. Produz frutos pequenos, parecidos a um pimentão
dos quais o óleo essencial é extraído
Usos Comuns: May Chang pode ser mais avaliado pelo seu acalmar e propriedades anti-
inflamatórias. Outros usos terapêuticos muitas vezes encontrados com Litsea Cubeba incluem
como um adstringente, anti-séptico, inseticida, hipotensor, estimulante e tônico.
Este óleo possui dois quimiotipos, uma variedade com mais sabineno, útil em problemas
circulatórios, varizes, flebites e de aroma herbáceo. O outro QT contém muito citral, de usos
parecidos com o capim cidreira ou euccalipto staigeriana.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído a partir de 3%
Uso em massagens: 2 a 3%
Parmelia nepalensis e outros. Cheiro de líquen de pinheiros. É um bom fixador de perfumes, além
de ajudar na hidratação da pele.
Líquen(resinóide) Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído a partir de 3%
Uso em massagens: 2 a 3%
O louro (Laurus nobilis) é uma árvore de pequeno porte que pode atingir até 20 metros de altura
sem poda. Prefere climas subtropicais, com chuvas moderadas e longos períodos de sol. É uma
planta rústica, bem ramificada e suas folhas – de cor verde escura – são muito aromáticas.
Cercado de mitos e mistérios, o louro vem sendo utilizado para os mais diversos fins há séculos.
Na idade média, por exemplo, os sábios e os bons alunos eram coroados com as suas folhas – daí
a origem do título acadêmico de "bacharelado", que vem de baccalaureus (bacco significa fruto e
laureus louro). Hoje, no entanto, as folhas de louro se destacam na culinária, pois além de
deixarem vários pratos mais saborosos, elas ajudam a combater diversos males – como a má
digestão. Isto sem falar no chá de louro, apreciado por aliviar as cólicas nos recém-nascidos.
O óleo essencial de louro, extraído por destilação a vapor, é muito popular na Turquia. Sua cor
vai do amarelo claro ao verde oliva escuro e apresenta um forte odor medicinal. Essa nota
Louro folhas
medicinal, na realidade, não é tão evidente no óleo de louro brasileiro – que possui um tom mais
fresco devido ao cineol. Mas é bem marcante nos óleos de outros países (como o óleo chinês),
rico em eugenol. O principal uso comercial do óleo essencial de louro é como aromatizante da
indústria de enlatados. No entanto, também é muito procurado pelo consumidor final interessado
em suas propriedades calmantes, analgésicas, antiinflamatórias e antimicrobianas.
Atenção: já foram reportados problemas de sensibilização dérmica após o uso tópico prolongado
(acima de três semanas) do óleo essencial de louro!.Muito empregado em problemas pulmonares,
digestivos, tosse, dores musculares, tonsilite, aftas e resfriados.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído a partir de 3%
Uso em massagens: 2 a 3%
Cheiro amadeirado, seco, fixador de perfumes, cicatrizante, regenerador e hidratante para pele e
cabelos. Tipo cedro.
Louro (madeira) Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído a partir de 3%
Uso em massagens: 2 a 3%

52
Nelumbo nucifera é uma planta aquática da gênero Nelumbo, conhecida vulgarmente como lótus
ou flor-de-lótus. Apesar disto, esta planta não integra a família Nymphaeaceae (Nymphaeales),
onde estão classificados a maioria dos lótus, fazendo parte da família Nelumbonaceae (Proteales).
Trata-se de uma planta nativa da Ásia, habitante de cursos de água lentos ou lagoas de água doce,
vivendo a pouca profundidade. É enraizada no fundo lodoso por um rizoma vigoroso, do qual
partem grandes folhas arredondadas, sustentadas acima do espelho de água por longos pecíolos.
Produz belas flores rosadas ou brancas, grandes e com muitas pétalas.
Este lótus é cultivado como planta ornamental em jardins aquáticos de todo o mundo.
Sua simbologia é uma de suas virtudes mais apreciadas: é associada à pureza e ao renascimento.
Lótus
Uma das flores mais belas nasce em meio à lama, inspirando um caminho de purificação e de
transcendência em relação a tudo que é considerado impuro no mundo.
Segundo o Budismo, Buda teria nascido embalado por uma folha de lótus, e logo ao nascer teria
caminhado sobre a água, e de cada passo seu, teria brotado uma flor desta espécie.
Aroma relaxante, espiritual e meditativo. De poder anti-depressivo, interiorizante e anti-stress.
Para perfumaria.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído a partir de 3%
Uso em massagens: 2 a 3%
Macis é um arilo da noz-moscada, o que significa que é a casca da semente desta. Constitui uma
especiaria.
Para extrair o macis, é necessário deixar secar o fruto da moscadeira, a noz-moscada, durante
alguns meses. Após esse período, a casca separa-se do fruto, sendo possível extrair o macis, que
em seguida também é deixado a secar, para poder ser prensado. O produto final obtido possui
Macis ou mace
uma cor avermelhada.
Usos parecidos com o óleo de noz moscada.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído a partir de 3%
Uso em massagens: 2 a 3%
A macela (Achyrocline satureioides) é uma erva da flora brasileira também conhecida por
macela-do-campo, macelinha, macela de travesseiro, carrapichinho-de-agulha, camomila
nacional etc. Popularmente, em algumas regiões, é incorretamente chamada de "marcela".
É um arbusto perene que atinge cerca de um metro de altura e que na região sul costuma florecer
no mês de março. As flores são amarelas, com cerca de um centímetro de diâmetro, florescendo
em pequenos cachos. As folhas são finas e de cor verde-claro, meio acinzentada, que se destaca
do restante da vegetação do campo. Na região sul do Brasil as flores da macela costumam ser
usadas pela população como estofo de travesseiros para os bebês, por se acreditar que tenha
efeitos calmantes. As flores têm um aroma agradável e a infusão destas ou de suas folhas alivia
dores de cabeça, cólicas e problemas estomacais. Especificamente no Rio Grande do Sul há a
Macela do campo tradição de colheita da macela na Sexta-Feira Santa, antes do sol nascer; pois acredita-se que a
colheita nesse dia traga mais eficiência ao chá das flores. No Nordeste elas florecem em setembro
e geralmente são indicadoras de solos acidificados e degradados.
Na cosmética, a macela também atua como um bom clareador natural para os cabelos de tons
castanho claro à louro, ainda que seja bem menos conhecida para essa finalidade que a camomila,
a macela é o principal componente ativo de alguns shampoos para cabelos claros.
Calmante e ansiolítico, em insônia, inquietação e cansaço. Anti-espasmódico, em cólicas e como
citofilático e cicatrizante.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído a partir de 3%
Uso em massagens: 2 a 3%
Mandarina amarela, verde e Citrus Noblis (família, Rutaceae)
vermelha (mexirica carioca) As frutas de mandarina eram presentes tradicionais dados aos mandarins chineses, dai o nome da
fruta. Conhecido na Fiança como "o remédio das crianças'' por sua suavidade.Aroma da infância,
alegre, juvenil. Para pessoas sem alegria pela vida, desestimuladas, depressivas e ansiosas. É
diurético, usado no tratamento de celulite e obesidade, problemas digestivos e cólicas. Ótima
opção para depressão.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído a partir de 3%
Uso em massagens: 2 a 3%
Este tipo de manjericão é usado para descongestão e desinfecção das vias respiratórias, em
problemas de garganta, dores articulares, reumáticas e musculares. É refrescante e estimulante da
Manjericão cabeludo (cânfora) circulação.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído a partir de 3%

53
Uso em massagens: 2 a 3%

Manjericão cheiro de anis Anis Possui certo teor de anetol que o fazter um aroma típico de erva-doce, porém mais suave,
verde (anetol/estragol) agradável, um pouco herbáceo e menos doce. Mesmos usos que o óleo de erva-doce e funcho.
Estrogênico, digestivo, hepático, relaxante, contra-cólicas.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído a partir de 3%
Uso em massagens: 2 a 3%
Manjericão exótico (estragol) O manjericão (Ocimum basilicum) é uma planta herbácea, aromática e medicinal, conhecida
Manjericão de cheiro (estragol) desde a antiguidade pelos indianos, gregos, egípcios e romanos. De caule ereto e ramificado, ele
Manjericão santo ou tulasi apresenta folhas delicadas e ovaladas de sabor doce/picante. Essas folhas são utilizadas secas ou
(estragol/cânfora) frescas na preparação de diversos pratos quentes/frios. Também são utilizadas para a obtenção do
Manjericão verde (linalol) óleo essencial de manjericão e na preparação de chás, tradicionalmente indicados para dores de
Manjericão italiano ou doce estômago, enjôos, vômitos e problemas respiratórios. Este óleo, extraído por destilação a vapor
de suas folhas, vem despertando o interesse de diversas empresas por apresentar um alto teor de
linalol. O linalol é um componente de grande importância para a indústria de perfumaria
internacional, sendo utilizado, por exemplo, no famoso perfume CHANEL No. 5, imortalizado
pela atriz norte-americana Marilyn Monroe. Hoje grande parte do linalol natural é obtido a partir
de outras fontes, como da árvore Pau Rosa, encontrada na floresta amazônica brasileira e
atualmente ameaçada de extinção em conseqüência da exploração não sustentável da madeira.
Por isso já existem estudos avaliando a possibilidade de substituir o linalol vindo do Pau Rosa
pelo linalol do manjericão, o que incentivaria, ainda mais, a extração deste óleo.
Além do linalol, o óleo essencial de manjericão também contém eugenol (encontrado em grande
quantidade no óleo essencial de cravo), cânfora e metil-cavicol. Apresenta propriedades
repelentes e, segundo a aromaterapia, pode combater a insônia, a ansiedade, o cansaço, a má
circulação e a enxaqueca. Deve ser diluído antes do uso e não pode ser utilizado por mulheres
grávidas!Atua como estimulante do crescimento capilar, diminuindo também excessos de
oleosidade do couro cabeludo. É estimulante do processo digestivo, bom anti-espasmódico em
cólicas. É estomáquico e antidepressivo. Revitalizante. Bom para problemas digestivos em geral
(náusea, gastrite, enjôos), problemas respiratórios (bronquite, catarros, congestão), éantifúngico e
anti-bacteriano, útil no tratamento da febre, dores de garganta, malária e disenteria. São as
variedades de manjericões mais aromáticas que existem. Possuem aroma relaxante, antistress e
ansiolítico. Possuem propriedades antifúngicas, analgésicas e regeneradoras da pele. Ótimo para
flatulência e má digestão.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:puro diluído a partir de 3%
Uso em massagens: 2 a 3%
Possui os mesmos usos e indicações do cravo da índia. Micoses, infecções, como estimulante
geral do ânimo.
Manjericão cravo (eugenol) Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído a partir de 3%
Uso em massagens: 2 a 3%
Manjerona (argentina, francesa, Manjerona (Origanum majorana = Majorana hortensis) A manjerona foge justamente do forte
brasileira, etc) aroma dos oréganos, apesar de pertencer à mesma família, é de cheiro mais suave, calmante e
relaxante. Possui insignificantes flores brancas ou rosas que se abrem em meio ao verão. Esta
espécie é encontrada em várias partes do mundo e, países como a Turquia, Índia, França,
Inglaterra e Egito, são responsáveis pela produção de seu óleo essencial. Possui ação
antiinflamatória, sedativa e calmante dos nervos. É normalmente indicado no tratamento de
distúrbios menstruais (TPM, cólicas), digestivos (fígado) e respiratórios (tosse). Seu aroma traz
uma sensação de conforto e harmonia, por isso é considerado um óleo de qualidades anti-
stress.Auxilia em cólicas menstruais, agitação, stress, ansiedade, irritabilidade e desgaste nervoso.
Forte anti-infeccioso tal como o tea tree. Hipotensiva, anafrodisíaca, para indivíduos tímidos e
ansiosos, auxilia a expressão.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:puro diluído a partir de 3%
Uso em massagens: 2 a 3%
Leptospermum scoparium. Anti-séptico e antibiótico poderosíssimo, 10X mais potente que o tea
tree segundo estudos científicos australianos.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Manuka
Uso tópico local: puro ou diluído a partir de 3%
Uso em massagens: 2 a 3%
Uso interno: 3 gotas 3 vezes ao dia.

54
Erva-cidreira (Melissa officinalis), é uma planta perene herbácea da família da menta e da
hortelã (Lamiaceae), nativa da Europa meridional. O seu sabor e aroma característicos, frutado,
de limão, principalmente nas folhas, deriva do seu óleo essencial do grupo dos terpenos
(principalmente monoterpenos: carvacrol, p-cimeno, citral - geraniol e nerol - cânfora, etc). É
também designada de melissa.
As folhas são maiores e mais claras que as da hortelã, ovadas a romboidais ou oblongas e com a
margem crenada.
Floresce no final do Verão. As flores são de pequenas dimensões, de cor esbranquiçada ou róseas
e atraem especialmente as abelhas, como se indica já no nome do seu género botânico (Melissa
provém do grego e significa "abelha"). Nas regiões temperadas, os caules secam durante o
Inverno, voltando a reverdecer na primavera. Os frutos são aquénios oblongos, de cor parda e
Melissa (100% pura) lisos.
É uma planta muito utilizada na medicina tradicional, como erva aromática e em aromaterapia. É
utilizada como antiespasmódica, antinevrálgica e como calmante. Acredita-se que ajude a
conciliar o sono.
A Melissa officinalis é largamente confundida com a popularmente chamada erva cidreira de
folha (Lippia alba), que possui flores lilases e amareladas em logos galhos quebradiços, mas que
não possui as mesmas propriedades medicinais que a Melissa officinalis.
Relaxante, ansiolítica, para insônia, tensão e stress. Vasodilatadora em problemas de pressão alta.
Calmante.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído a partir de 3%
Uso em massagens: 2 a 3%
Milefólio azul ou branco O milefólio, milenrama, erva-dos-carpinteiros ou mil-folhas (Achillea millefolium) é uma
(yarrow) espécie botânica pertencente à família Asteraceae.Anti-inflamatório, útil em varizes, acne,
arteriosclerose, artrite reumatóide, como cicatrizante, em problemas femininos, febre,
hemorróidas e distúrbios estomacais.Imunoestimulante. Usado em problemas de pele como
dermatites e psoríases.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído a partir de 3%
Uso em massagens: 2 a 3%
A Mirra é um árvore espinhosa, de folhas caducas, que pode atingir 5 metros de altura, com
flores vermelho-amareladas, e frutos pontiagudos. É nativa do nordeste da África (Somália e
partes orientais da Etiópia) encontra-se também no Oriente Médio, Índia e Tailândia. Cresce em
matas e prefere solos bem drenados e muita exposição ao sol.
Propaga-se por sementes, na Primavera, ou por estacas ao fim do estágio de crescimento. É
também o nome dado à resina colhida de fissuras abertas na casca da árvore de nome botânico
Commiphora molmol, que depois de seca se transforma em grânulos de coloração amarela-
avermelhada. A palavra mirra origina-se do hebraico maror ou murr, que significa "amargo".
Bom fixador de perfumes, no tratamento de problemas de pele como dermatites, psoríases, herpes
simples, inflamações e problemas de cicatrização. Útil em hipotireoidismo e colesterol alto.
Usada também como cicatrizante da pele.

Mirra na Bíblia
"E sobre ela choram e pranteiam os mercadores da terra, porque já ninguém compra sua
mercadoria, mercadoria de ouro, de prata, de pedras preciosas, de pérolas, de linho finíssimo, de
Mirra da Índia (resinóide) púrpura, de seda, de escarlata, e de toda a espécie de madeira aromática, todo o gênero de objeto
de marfim, toda qualidade de móvel de madeira preciosíssima, de bronze, de ferro e de mármore,
e canela de cheiro, especiarias incenso, ungüento, bálsamo, vinho, azeite, flor de farinha, trigo,
gado, ovelhas, e de cavalos, de carros, de escravos, e até almas humanas. O fruto sazonado que à
tua alma tanto alma tanto apeteceu, se apartou de ti, e para ti se extinguiu tudo o que é delicado e
esplêndido, e nunca serão achados." (Apocalipse 18:11-14).
"É também Nicodemos, aquele que anteriormente viera a ter com Jesus à noite, foi levando cerca
de cem libras de um composto de mirra e aloés. Tomaram, pois, o corpo de Jesus e o envolveram
em lençóis com os aromas, como é de uso entre os Judeus na preparação para o sepulcro. No
lugar onde Jesus fora crucificado, havia um jardim e neste um sepulcro novo, no qual ninguém
tinha sido ainda posto. Alí, pois, por causa da preparação dos Judeus e por estar perto o túmulo,
depositaram o corpo de Jesus". (João 19:39-42).

Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;


Uso tópico local:puro ou diluído a partir de 3%
Uso em massagens: 2 a 3%

55
Um óleo de propriedades úteis no tratamento de doenças infecciosas (pneumonia, sífilis e até
hanseníase jáfoi empregada). Empregada em problemas como gengivite, faringite, úlceras
estomacais, dores artríticas, hemorróidas, distúrbios menstruais da mulher, tosse, e problemas de
Mirra da Somália pele. Auxilia na meditação e introspecção. Interiorizante.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:puro ou diluído a partir de 3%
Uso em massagens: 2 a 3%
Problemas circulatórios (varizes, mácirculação), distúrbios digestivos, cheiro de mato, anti-stress.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Mulleim (verbasco)
Uso tópico local: diluído a partir de 3%
Uso em massagens: 2 a 3%
Murta (Myrtus L.) é um género botânico que compreende uma ou duas espécies de plantas com
flor, da família das Myrtaceae, nativo do sudoeste da Europa e do Norte de África.
São plantas arbustivas ou arborescentes, com muitos ramos, de folha persistente, que podem
crescer até 5 m de altura. As suas folhas, coriáceas e verde-escuras, medem 3 a 5 cm de
comprimento e cerca de 1,5 cm de largura, com um cheiro geralmente considerado agradável
quando esmagadas devido ao seu óleo essencial disposto por diversas pontuações ao longo do
limbo. As folhas são inteiras, ovado-lanceoladas, agudas, em filotaxia oposta-cruzada ou
decussada (o par de folhas superior encontra-se em situação cruzada com o inferior, e cada par
encontra-se disposto ao mesmo nível, pecíolo contra pecíolo). As flores, geralmente brancas
(podem ter também uma coloração rosada), têm cinco pétalas e um número elevado de estames.
O fruto é uma pseudobaga carnuda, elipsóide, azul-escura ou negra, contendo várias sementes. A
polinização é feita por insectos e a dispersão das sementes é efectuada por pássaros que se
alimentam das bagas.
O seu habitat preferencial é xerofílico (seco) e em solos sem calcário.
A murta-comum, também designada como mirta, mirto, murta-cheirosa, murta-cultivada,
murta-das-noivas, murta-do-jardim, murta-verdadeira, murteira, murtinheira,
murtinheiro, murtinho, murtinhos e murto, está vastamente distribuída pela região
mediterrânica, sendo muito cultivada por todo o mundo. Nos Açores é ainda designada como
murtão. A subespécie Myrtus communis tarentina, Lineu, é designada como murta-dos-jardins
ou murta-das-folhas-pequenas, sendo apreciada pela sua copa arredondada, folhagem densa e
flores aromáticas. Outra espécie, conhecida como murta do Saara (Myrtus nivellei), tem a sua
área de distribuição restrita às montanhas de Tassili n'Ajjer, na Argélia meridional, e nos Montes
Tibesti no Chade, onde ocorre em pequenas áreas de bosques vestigiais, perto do centro do
Deserto do Saara e é considerada uma espécie em perigo de extinção. Contudo, alguns botânicos
não a consideram suficientemente distinta da Myrtus communis para constituir uma espécie à
Murta Qt cineol e linalol
parte.
Na mitologia grega, a murta era consagrada a Afrodite. O mesmo aconteceria na mitologia
romana, em que Vénus recebia o título de Murcia, que a relaciona a esta planta. De facto, desde a
antiguidade que esta espécie está relacionada com rituais e cerimónias solenes - já os Gregos a
utilizavam para adornar as noivas com grinaldas, como ainda por vezes acontece hoje em dia,
existindo também referências no Antigo Testamento a este modo de adornar as noivas. A madeira
de murta (Mirra) era ainda usada para incensar cerimónias religiosas na Grécia Antiga.
São cultivadas ainda por causa do seu óleo essencial, usado em perfumaria e mesmo como
condimento. São utilizadas também como plantas ornamentais e na prática do xeriscaping
(conservação da humidade, valorizando-se a sua capacidade de tolerância às altas temperaturas e
verões secos. A sua madeira é bastante apreciada na criação de artefactos, usando tornos
mecânicos. As raízes e a casca são utilizadas na extracção de tanino. Tem sido considerada como
planta medicinal por diversas práticas de medicina tradicional.
Nas ilhas da Sardenha e Córsega produz-se um licor digestivo, chamado mirto, macerando bagas
de murta em álcool; ao licor atribuem-se virtudes curativas de doenças da boca e sistema
digestivo.
Das folhas e flores destiladas faz-se uma água usada como cosmético, chamada água-de-anjo.
Usam-se também ramos e folhas de murta (Mirra) no lulav, durante a festividade judaica do
Sucot.
A murta possui dois quimiotipos, um com mais cineol, de ação expectorante e anti-infecciosa
pulmonar, e outro com linalol conjugado que possui boa ação anti-alérgica bem empregado em
rinite, tosse alérgica, infecções pulmonares.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído a partir de 3%
Uso em massagens: 2 a 3%
Possui as mesmas propriedades que o óleo de verbena limão ou capim cidreira dado ao seu teor
Murta limão
de citral.

56
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local: diluído a partir de 3%
Uso em massagens: 2 a 3%
As mostardas são várias plantas dos géneros Brassica e Sinapis cujas sementes são utilizadas
como especiaria e que, após moídas e misturadas com água, vinagre e outros líquidos, se
transformam no condimento conhecido como mostarda. As sementes podem também ser usadas
para obtenção de óleo de mostarda, e as folhas são geralmente comestíveis. Além das mostardas,
o género Brassica também inclui couves, colza e nabos.
Mostarda sementes I(destilado) Um potente estimulante circulatório, age bem em inalações (expectorante œ sinusite e bronquite),
problemas digestivos, infecções, dores e inflamações musculares e articulares. Usar com cautela,
extremamente forte. Tóxico.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 0,5 a 1%
Uso em massagens: até 1%
Um óleo estimulante do apetite, de ação anti-microbial, em tosses e febre.Oóleo de prensagem
não irrita a pele.
Mostarda sementes
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
II(prensado)
Uso tópico local:diluído de 0,5 a 1%
Uso em massagens: até 1%
Muito parecido com o óleo de líquen. Cheiro parecido com uma mistura de coníferas com mar.
Fixador, cicatrizante. Existe óleo de musgo verde e marrom. Omarrom possui aroma mais seco,
Musgo de carvalho resinóide masculino e o verde aroma mais oceânico.
(oakmoss) Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
Nardo na Bíblia
"Indignaram-se alguns entre si, e diziam: para que este desperdício de bálsamo? Este perfume
poderia ser vendido por mais de trezentos denários, e dar-se aos pobres. E murmuravam contra
ela. Mas Jesus disse: Deixai-a; por que a molestais? Ela praticou boa ação para comigo. Porque
os pobres sempre os tendes convosco e, quando quiserdes, podeis fazer-lhes bem, mas a mim nem
sempre me tendes. Ela fez o que pôde: antecipou-se a ungir-me para a sepultura." (Marcos 14:6-
Nardo(jatamansi/espicanardo)
8)
Almiscarado, estimulante da libido e das gônadas (frigideze impotencia).Rejuvenescedor da pele,
calmante do SNC.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
A laranja amarga (Citrus aurantium), também conhecida como laranja-de-sevilha, laranja-
silvestre e laranja-da-terra, é originária da Ásia tropical e atualmente vem sendo cultivada em
vários países. Planta da Família das Rutáceas, trata-se de uma árvore de porte pequeno ou médio,
que atinge de 6 a 10 metros de altura. Apresenta copa densa e em formato esférico. Os caules são
espinhosos e as folhas são simples e alternas. Já o fruto possui casca grossa e coloração
alaranjada, tendendo ao vermelho à medida que amadurece. As flores, por sua vez, são axilares,
brancas e muito perfumadas – são elas as responsáveis pelo perfume indescritível que inunda as
ruas da cidade de Sevilha, na Espanha, quando as laranjeiras estão floridas na primavera. Com
relação às propriedades medicinais dessa árvore, sabe-se que, além do fruto, suas folhas são
usadas em infusões como carminativas (auxilia na digestão) e antitérmicas em casos de gripes e
resfriados. Já as flores são sedativas e antiespasmódicas; e o epicarpo do fruto (a camada externa)
é usado como regulador da digestão.
O óleo essencial de neroli é considerado um dos óleos mais finos e requintados do planeta. Ele é
Néroli (flor de laranjeira)
obtido a partir da flor da laranjeira amarga e, como veremos adiante, "vale ouro" no mercado de
óleos essenciais. A lenda conta que o termo "neroli", usado para designar a flor da laranjeira,
surgiu no século XVII devido a paixão de Marie-Anne de la Trémoille pelo aroma dessa flor.
Marie-Anne, naquela época era a princesa da "cidade de Nerola" e sempre perfumava suas luvas
com essa doce e deliciosa fragrância. Com o tempo, as pessoas começaram a associar a flor à
jovem princesa, o que resultou nessa troca de nomes que hoje conhecemos. O óleo de neroli, de
coloração amarelada e de aroma floral doce insubstituível, também se tornou famoso por seu alto
valor de mercado. Inclusive, cabe aqui uma ressalva: não existe óleo essencial de neroli 100%
puro barato! Nunca! Tal preço se justifica pela enorme quantidade de flores exigidas para se obter
1 quilo de óleo: aproximadamente 2 toneladas.
O óleo essencial de neroli, de acordo com a literatura, tem poder anti-séptico, digestivo, sedativo,
antidepressivo, bactericida, fungicida, emoliente, carminativo, afrodisíaco e desodorante. Na pele,
ele ajuda a eliminar as manchas, cravos e espinhas. Alias qualquer tipo de pele pode se beneficiar

57
de suas propriedades, no entanto, as secas, irritadas ou sensíveis respondem melhor ao tratamento
com este óleo. Ele também ajuda nos casos de insônia, estresse, problemas sexuais, cólicas, má
circulação e dores de cabeça. Mas atenção: ele não pode ser utilizado 100% puro sobre a pele!
Nem ingerido! O ideal é diluí-lo em um óleo vegetal seguindo como parâmetro a ordem de
1%Um poderoso calmante, empregado em casos de fobia, síndrome do pânico, estados
maníacodepressivos, histerismo e agitação, insônia, irritabilidade, ansiedade, TPM, etc.
Desenvolve a alegria e o entusiasmo pela vida, útil em casos de medo, choques emocionais e
pensamentos do passado presos. Bom para a pele seca e envelhecida.
Anti-infeccioso, em catarros pulmonares, inflamações, aumenta os níveis de imunoglobulina, em
hemorróidas e alergias.
Niaouli QT cineol Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
Usos similares aos da cabreuva. Estimulante das gônadas, especialmente útil em TPM,
menopausa, frigidez, impotência.
Niaouli QT nerolidol (nerolina) Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
Noz-moscada é uma das especiarias obtidas do fruto da moscadeira (Myristica fragans), uma
planta da família das Myristicaceae, de porte alto, atingindo cerca de 10 a 15 metros de altura,
com várias ramas dispostas ao longo do tronco principal, a madeira é muito boa para confecção
de móveis. O consumo de uma noz-moscada inteira ou 5 g do seu pó, podem produzir efeitos de
intoxicação como: alucinações auditivas e visuais, descontrole motor e despersonalização.
Contém miristicina, um IMAO (inibidor da monoamina oxidase).
Até meados do século XIX a única fonte mundial de noz moscada eram as pequenas ilhas Banda
nas Molucas, Indonésia. Utilizada desde o tempo dos romanos, a noz-moscada era uma das mais
valorizadas especiarias na Idade Média, utilizada em noz e em macis como tempero e preservante
em culinária e na medicina. Vendida por mercadores árabes à República de Veneza era
distribuída na Europa a preços exorbitantes. Como os mercadores nunca divulgavam a
localização exacta da sua fonte, nenhum europeu conseguia deduzir a sua origem. Em Agosto de
1511, em nome do rei de Portugal, Afonso de Albuquerque conquistou Malaca, que era ao tempo
Nozmoscada
o centro do comércio asiático. Conseguindo obter a localização das ilhas Banda, enviou uma
expedição de três navios comandados pelo seu amigo de confiança António de Abreu para as
encontrar. Pilotos malaios guiaram os portugueses via Java até Banda, onde chegaram no início
de 1512. Sendo os primeiros europeus a chegar às ilhas, aí permaneceram durante cerca de um
mês, comprando e enchendo os seus navios com noz moscada e cravinho. Mais tarde a noz-
moscada e o macis seriam negociados também pelos holandeses, passando depois a ser cultivada
na Índia, na Malásia, nas Caraíbas e noutras regiões.
Em dores articulares, reumatismo, problemas digestivos e respiratórios, considerado levemente
afrodisíaco, anti-oxidante e oxigenador, em problemas renais, depressão e desânimo. Facilita a
meditação e introspecção.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
Olíbano, também conhecido como franquincenso, é uma resina aromática muito usada na
perfumaria e fabricação de incensos. É obtido de árvores africanas e asiáticas do gênero
Boswellia.
Seu nome franquincenso é provavelmente devido ao fato de ter sido re-introduzido na Europa
pelos Francos, já olíbano é derivado do árabe al-lubán ("o leite"), em referência à seiva leitosa
que sai ao golpear a árvore de olíbano.
O olíbano é usado generosamente em ritos religiosos. De acordo com o Evangelho de Mateus
2:11, ouro, olíbano e mirra foram os três presentes dados a Jesus pelos Reis Magos que vinham
do oriente. O surgimento do Cristianismo empobreceu o mercado do olíbano durante o século IV,
Olíbanos (índia, Omam,
a desertificação fez com que as rotas de caravanas que cruzavam sobre o Rub' al-Khali se
Somália, sahara, deserto, etc)
tornassem mais difíceis e o incremento das incursões dos nômades no Oriente Próximo
facilitaram o fim do comércio do olíbano ao redor do ano 300.
Diz a lenda que o imperador romano Nero queimou durante um ano olíbano valioso para a cidade
de Roma no funeral de sua esposa, Poppaea.
O olíbano tem sido importante fonte de renda para a região nordeste da Etiópia. Diz na Bíblia que
a rainha de Sabá conhecedora da famosa sapiência do rei Salomão, partiu do seu reino e o ofertou
com valioso presentes,entre eles o Incenso de Olíbano.
Incenso (Olíbano) na Bíblia
Os egípcios associavam o olíbano às propriedades simbólicas irrefutáveis, como sendo uma

58
substancia que revelou Deus e santificou os rituais e as oferendas. Normalmente ele simbolizava
o divino, o pai e o dia, contrapondo-se à mirra à qual era comumente associado. Estas
substâncias, juntamente com o ouro foram os presentes que os reis Magos deram ao Menino
Jesus." (Mateus 2:11).
Atua no tratamento de pele envelhecida, em problemas pulmonares, tosse e catarro, como anti-
séptico, facilitando a introspecção e meditação. Ótil em depressão, ansiedade e no tratamento de
câncer. Facilita nosso contato com nosso lado espiritual mais elevado. Imunoestimulante potente,
útil em doenças que envolvam imunodeficiência.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
Auxilia no controle de infecções e inflamações de qualquer tipo. Alternativa mais suave que o
tomilho.
Orégano espanhol QT timol Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
Orégano comum, selvagem, de Possui poderosas propriedades anti-inflamatórias e anti-infecciosas, sendo útil para o tratamento
vaso, grego e europeu de praticamente todos os tipos de infecções. Têm ação anti-cancerígena, anti-oxidante, larvicida,
(carvacrol acima de 60%) lesmicida, estimulante digestivo, em inflamações e dores articulares e musculares, em problemas
de ossos e furúnculos, acne, abscessos. Estimulante geral.
O orégano é uma erva nativa na Europa, África e sudoeste da Ásia. Por ser típica da Turquia,
onde é chamada de "kekik", fomos encontrar neste país os principais produtores de seu óleo
essencial. Um de nossos contatos, o Sr. Buch Owen, nos forneceu importantes dados sobre
pesquisas que têm sido efetuadas na Turquia por cinco proeminentes professores usando o
Orégano onito (Origanum onites) no tratamento de tumores malignos nos pulmões de ratos. O
óleo essencial de orégano não só parou o crescimento dos tumores assim como os fez regredirem
em seu tamanho, voltando o tecido pulmonar ao seu estado normal, claro e rosa. Apesar da
pesquisa ter sido feita com ratos, existem grandes evidências para a eficácia do uso do óleo de
orégano no tratamento de câncer em humanos. A primeira está justamente em sua
composição química. São mais de 40 princípios ativos diferentes, sendo que o principal, presente
em torno de 65-80%, seria o carvacrol. Este composto possui propriedades antibacterianas,
antiinflamatórias, antimelanomicas, antioxidantes, anti radicais livres, antifúngicas e
anticancerígenas, todas comprovadas cientificamente. Além do carvacrol existiriam mais de 10
compostos (a-humulene, b-elemene, ácido ursolico, timol, mirceno, limoneno, a-pineno, b-
cariofileno, p-cimeno, ácido rosmarínico) presentes no óleo essencial e considerados todos de
propriedades antitumorais, anticarcinogenicas e preventivos do câncer, dados estes obtidos do
USDA's Agriculture Research Service.
Em experiências práticas o orégano têm-se mostrado extremamente eficaz no tratamento de
infecções de todos os tipos e processos inflamatórios que incluiríam furúnculus, feridas
inflamadas, pneumonia, acne, sinusite, amigdalite, artrite, tuberculose, etc, problemas estes,
muitas vezes anteriormente tratados com antibióticos alópaticos e não resolvidos. Hoje, o grande
problema destes antibióticos está no fato das bactérias estarem criando resistência a eles.
Remédios que a dez anos atrás faziam efeito hoje já não servem para tratar as mesmas doenças.
Inclusive até mesmo o AZT já não está dando mais o mesmo resultado para o tratamento da
AIDS. Mas com óleos essenciais retirados da planta acontece um processo interesssante e que
vêm sendo estudado: as bactérias e microorganismos em geral não criam resitência ao longo do
tempo. A explicação para isso estaria talvez no fato do óleo essencial ser proveniente de uma
complexa engenharia biológica presente na planta que produz um produto totalmente exclusivo
seu, feito especificamente para resistir ao meio ambiente. Outra explicação estaria no fato de
óleos essenciais naturais possuírem uma frequência energética muito alta, o que por observações
in vitro comprovou-se ter uma ação inibitória do crescimento de bactérias. Outras pesquisas sobre
o uso do óleo essencial dos oréganos já vieram a comprovar que suas propriedades vão ainda
mais longe: Em 14 pacientes que receberam administração oral de 600mg de óleo de orégano por
dia após 6 semanas tiveram um completo desaparecimento de parasitas intestinais como
Entamoeba hartmanni, Endolimax nana e Blastocystis hominis. Também constatou-se, à uma
diluição de 2%, completa eliminação em culturas de Candida albicans (Cândida), Enterococcus
fecalis, Pseudomonas aeruginosa, Staphylococcus aureus, entre muitos outros.
Em uma observação do centro Aeron de Biotecnologia na Califórnia, constatou-se o potencial de
diversas ervas utilizadas como tempero na alimentação terem uma atividade hormonal, auxiliando
inclusive no equilíbrio de distúrbios menstruais e tendo uma ação reguladora do crescimento de
células cancerosas no útero. Entre estas cita-se o orégano e mais uma dezena de outras como o
tomilho, soja, damiana, verbena, lúpus, etc. Esta observação soma-se a outra feita sobre os efeitos
antioxidantes de ervas empregadas como temperos no Mediterrâneo e que tem ocasionado uma

59
baixa de casos de mortalidade por doenças cardíacas em pessoas que consomem a dieta típica da
região. Em países orientais onde se utilizam muitas ervas como tempero, o índice de distúrbios
homonais e cardíacos é bem inferior àquele observado nas pessoas habituadas à típica dieta
ocidental. A Faculdade de Medicina e Farmácia do Marrocos demonstrou uma ação moluscida
dos óleos de orégano (Origanum compactum) e Erva-de-Santa-Maria (Chenopodium
ambrosioides) a 2.00-2.23 mg/litro respectivamente, o que acusa a possibilidade do uso dos óleos
essenciais destas plantas no combate a lesmas dos jardins. Também a Faculdade de Farmácia da
Turquia demonstrou uma atividade do óleo de orégano (Origanum onites) como efetivo na
prevenção do diabetes melitus, e como retardador do desenvolvimento de uma série de
complicações advindas com a doença. Também estudouse a possibilidade de efeitos do óleo sobre
os níveis de glicose do sangue, mas nenhuma alteração neste sentido foi constatada. Por fim, não
poderíamos deixar de mencionar a necessidade de haver uma distinção das espécies de oréganos.
Existem dezenas de plantas com esse nome, algumas nem pertencentes à família das labiatas (às
quais os oréganos, manjeronas, tomilhos e manjericões fazem parte), como é o caso do orégano
mexicano (Lippia graveolens).
Outro importante fator a ser falado aqui é sobre a importância em saber-se se o óleo de orégano
que você tem em mãos possui princípio ativo para aquilo que é indicado. Existem drásticas
diferenças entre os tipos de óleo de oréganos e a mesma planta poderá produzir óleos essenciais
com teores bem diferenciados de compostos como o Origanum vulgare ssp. vulgare que possui
óleo essencial com 0.7% até 80% de carvacrol. Em substituição ao carvacrol poderão surgir
outros compostos como timol, linalol, etc. Dentre as espécies existentes temos:
Orégano comum (Origanum vulgare ssp. vulgare)
Também conhecido como orégano selvagem é o mais comum de todos comumente empregado
em pizzas. Para aquilo que o orégano é normalmente indicado, este deve possuir uma
porcentagem de no mínimo 65% de carvacrol, para que sua ação antimicrobial, antiinflamatória
e anticarcinogência esteja presente. Alguns óleos desta espécie, como o proveniente da Espanha e
com baixo teor de carvacrol (0.5-0.7%), possuem timol substituindo este componente, fazendo
com que o óleo de orégano se assemelhe em muito, não só em cheiro mas também em indicações,
ao óleo de tomilho. A planta seca possui em torno de 5% de óleo essencial.
Orégano selvagem e orégano lavanda (Origanum dubium var.carvacrol , var. linalol )
O óleo essencial deste tipo de orégano, apresenta-se com duas variedades químicas naturais, o
quimiotipo carvacrol, muito semelhante ao orégano comum inclusive em teores de pricípios
ativos, e o quimiotipo linalol, o que faz que este último seja conhecido na Turquia como "lavanta
kekik" (orégano lavanda). Os turcos normalmente preferem este óleo como remédio caseiro, por
possuir um aroma mais agradável do que o do óregano comum e possuir duplo efeito terapêutico.
Ele possui alto teor de carvacrol, assim como de linalol (um componente típico da lavanda que
lhe traz propriedades calmantes, citofiláticas e sedativas). É endémico da
Turquia somente existindo numa pequena região do sudeste e em nenhuma outra parte do mundo.
É excelente para inalações, em problemas de pele, infecções e inflamações em geral, como
antiséptico e estimulante do sistema imunológico. O orégano selvagem possui aroma
picante, ao mesmo tempo que herbáceo, já o orégano lavanda, um aroma que lembra o óleo de
pau-rosa.
Orégano de vaso (Origanum onites = Majorana onites)
Conhecido também como manjerona de vaso ("pot marjoram") ou manjerona francesa, possui
flores de coloração branca ou roxa.Este tipo de orégano tem sido utilizado em pesquisas no
tratamento de câncer, mas por similitude química, os outros oréganos com um alto teor em
carvacrol possuirão propriedades bem semelhantes. Seu aroma é tipicamente picante.
Orégano da Turquia (Origanum vulgare ssp. hirtum)
Este seria o melhor tipo de orégano para pizzas. Somente florece no verão na Turquia e suas
flores são de cor branca. Seu aroma é forte, quente e penetrante. Suas folhas secas possuem cerca
de 3% de óleo essencial, dependendo das condições de cultivo e ambientais. Possui alto teor em
carvacrol (80%). Dificilmente é encontrado no comércio seu óleo essencial, dado inclusive à sua
limitação geográfica (somente existe na Turquia).
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
Orégano lavanda Aroma muito mais suave que o dos outros oréganos, éestimulante do sistema imunológico,
(linalol/carvacrol) auxilia no tratamento de pele, em casos de acne e peles envelhecidas. Anti-infeccioso tão bom
quanto o anterior, bom para crianças e pessoas sensíveis.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%

60
A Palmarosa (Cymbopogon martinii) é um capim originário da Índia pertencente à família
Poaceae. Assim como o capim-limão (popular lemongrass) e a citronela, é uma planta perene em
forma de touceira cujo óleo essencial, ao contrário de muitos outros provenientes do gênero
Cymbopogon, apresenta um doce e agradável cheirinho de rosas. Isto acontece porque este óleo é
rico em um componente chamado geraniol (70 a 90%), o mesmo encontrado em abundância no
caro e raro óleo de rosas. Alias, não é a toa que o óleo essencial de palmarosa foi, e continua
sendo, largamente utilizado para adulterá-lo.
Além do geraniol, o óleo de palmarosa, muito procurado pela indústria de perfumaria em função
Palma rosa
do seu cheiro, também contêm linalol, geranil acetato e cariofileno. É extraído por destilação a
vapor do capim fresco ou seco e já está sendo utilizado para outros fins, além daqueles
relacionados com seu aroma. Pesquisas mostram que o óleo essencial de palmarosa apresenta
forte a moderada ação antimicrobiana, antivirótica e antifúngica. Ele regula a produção de sebo e,
segundo relatos, pode atuar contra o cansaço físico, escaras, infecções intestinais e anorexia.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
A Páprica é uma especiaria obtida do pimentão-doce depois de seco e moído, muito usada na
cozinha como condimento. O pimentão-doce é uma variedade de Capsicum annuum, da família
das Solanaceae. A sua origem é latino-americana, mais especificamente da região central e do
México. Diversas variedades desta espécie são utilizadas de acordo se se pretende um
condimento mais ou menos picante.
O princípio picante, a capsaicina, está presente em quantidades ínfimas (0,005%) nas variedades
Paprika (oleoresina) suaves normalmente usadas na páprica, podendo chegar a 0,1% em espécies mais picantes. O
sabor de páprica é devido ao óleo essencial composto por hidrocarbonetos, ácidos gordos e
ésteres, além de vitamina C. Sua coloração comum é vermelha ou amarela.
Empregado na alimentação como tempero. Possui efeito estimulante da circulação local.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
chirívia, chirivia, cherovia, cherivia, cherívia, cheruvia ou pastinaga (Pastinaca sativa é uma
raiz que se usa como hortaliça, relacionada com a cenoura, embora mais pálida e com sabor mais
intenso do que esta. O cultivo remonta a tempos antigos na Eurásia: antes do uso da batata, a
cherovia ocupava o seu lugar. Em Portugal, é cultivada na região da Serra da Estrela.Desordens
Pastinaga (cherivia)
digestivas, flatulência e enjôos.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
Piperaceae é uma família de plantas Magnoliídeas, que inclui as diversas variedades de
pimentas. É predominantemente tropical, e inclui de cinco a oito gêneros e aproximadamente
2000 espécies (quase todas incluídas em Piper e Peperomia). No Brasil ocorrem cinco gêneros e
aproximadamente 500 espécies. Pertencem a esta família algumas plantas utilizadas como
medicinais, como a pariparoba ou caapeba (Pothomorphe umbellata) e o falso-jaborandi (Piper
spp.), além de plantas condimentares, como a pimenta-do-reino (Piper nigrum). Algumas
espécies de Peperomia são utilizadas como ornamentais, em canteiros ou em vasos como planta
pendente ou ereta, com nome popular igual ao do gênero. Esta é uma família bastante comum nas
formações florestais brasileiras, particularmente na Mata Atlântica, onde espécies de Piper são
Pariparoba (capeva/capeba)
pequenos arbustos ou árvores, sublenhosos, comuns no subosque, principalmente em áreas
relativamente alteradas, facilmente reconhecidos mesmo em estado vegetativo, pela presença de
nós foliares geniculados e folhas geralmente com base bastante assimétrica. Peperomia, neste
mesmo ecossistema, é um dos principais elementos entre as epífitas, sendo plantas geralmente
carnosas.
Usado em desordens do fígado, vesícula e vias urinárias (medicina popular).
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
patchouli (Pogostemon patchouli) é uma planta aromática cultivada principalmente na Índia,
China, Indonésia, Malásia e América do Sul. Sua importância comercial está no óleo essencial,
extraído de suas folhas por destilação a vapor. Com seu cheiro amadeirado (lembrando madeira
seca), ele apresenta como componente majoritário o patchoulol, uma substância que confere ao
Patchuli
óleo uma vasta utilização na indústria de perfumaria, cosmética e fitoterápica. Ainda sobre sua
composição, alguns autores afirmam que os cinco constituintes mais abundantes do óleo essencial
de patchouli são: patchoulol (32,88% - 70,74%), alfa-bulneseno (5,12% - 6,84%), alfa-guaieno
(2,87% - 4,25%), gama-patchouleno (2,66% - 3,52%) e outros sesquiterpenos (5,16% - 6,56%)

61
não identificados.
Lembrado como "um óleo sensual", é afrodisíaco. Mas também é descongestionante, antibiótico,
antidepressivo, anti-séptico, tônico, cicatrizante e repelente. Há quem acredita que este óleo ainda
afasta o mal e a negatividade, proporcionando paz de espírito.
Fortalece o idealismo e a auto-estima, assim como auxilia aqueles que têm dificuldade em tomar
decisões e que não acreditam em si mesmos. Tido também como um afrodisíaco (estimulante).
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
O Pau Rosa ou Brazilian Rosewood (Aniba rosaeodora) é uma árvore pertencente à família
Lauraceae encontrada na floresta amazônica brasileira. Dela, extraí-se o famoso óleo essencial de
Pau Rosa, óleo que apresenta um suave cheirinho doce proveniente, principalmente, do alto teor
de Linalol existente nesta espécie. Tal óleo foi, e continua sendo, largamente utilizado pela
indústria de perfumaria internacional. É o caso do famoso CHANEL No. 5, imortalizado pela
atriz norte-americana Marilyn Monroe, e do igualmente conhecido Ungaro Pour Homme,
perfumes que contêm óleo essencial de Pau Rosa em suas composições. Porém, infelizmente, o
Pau Rosa está ameaçado de extinção em conseqüência da exploração não sustentável da madeira
que atingiu seu auge nas décadas de 60 e 70. Hoje, por exemplo, há restrições do IBAMA quanto
ao corte do Pau Rosa e praticamente todo óleo essencial produzido acaba sendo exportado.
O óleo essencial de Pau Rosa é extraído da madeira nativa e, com o objetivo de preservar a
espécie, surgiram, no final dos anos 80, alguns componentes para substituir o óleo natural. Foi o
Pau rosa (bois de rose) que aconteceu com o Linalol Sintético. Após seu desenvolvimento ele, de fato, acabou sendo
adotado pelos mercados menos exigentes (como o de sabonetes), mas foi rejeitado por completo
pela alta perfumaria. Então, eis o cenário atual: não há registros de um produto similar ao óleo
essencial de Pau Rosa "original". No entanto, é bom frisar que já existem pesquisas com
resultados animadores sobre a utilização das folhas do Pau Rosa para a obtenção do Linalol,
método que não exige a derrubada da madeira.
Um excelente óleo empregado no tratamento do acne, rugas de pele, como analgésico local e no
tratamento de queimaduras. Ajuda a hidratar a pele e evitar seu envelhecimento precoce.
Também empregado como calmante suave, em estados de histeria e agitação. Também
considerado útil no tratamento da depressão e insônia.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
É considerado um óleo relaxante, antidepressivo e de uso no tratamento de doenças de pele.
Relaxante, um aroma que lembra montanhas e a índia. Um óleo sagrado, exótico, que lembra
cheiro de incenso tibetano.
Pau santo (guaiacwood)
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
Petitgrain (folha de laranja Obtido das folhas da Laranja da Terra. Casos de stress, desgaste do sistema nervoso e depressão.
amarga) Petitgrains (lima doce, Empregado também em problemas de pele como acne. Atua liberando sentimentos contidos e
mexirica, limão capeta) reprimidos. Ajuda em distúrbios gástricos e diarréia. Aroma anti-stress. Todos sedativos e
calmantes, úteis também como anti-espasmódicos eficazes contra cólicas digestivas e intestinais.
Eficazes anti-depressivos, revitalizantes do ânimo, ansiolítico e úteis em síndrome do pânico.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
De ação semelhante às do cravo da Ándia. Anestésico local, imunoestimulante, anti-séptico e em
dores musculares.
Pimenta da Jamaica Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
Fortemente ardido. Usado na alimentação ou como estimulante da circulação local. Alivia dores
Pimenta malagueta (oleoresina)
em uso local (1-2% gel).
Pimenta negra (do reino) e A pimenta preta (Piper nigrum), também conhecida como pimenta do reino, é obtida a partir do
pimenta branca fruto seco, colhido ainda verde. A planta é nativa da Índia, mas hoje é cultivada em diversos
países, inclusive no Brasil. Historicamente, trata-se de uma especiaria bastante antiga que chegou
a ser utilizada como moeda no subcontinente indiano. O óleo essencial de pimenta preta,
constituído de elementos como pineno, limoneno, piperonal e felandreno, é um líquido incolor ou
esverdeado cujo aroma é característico da pimenta. Ele possui odor fresco, amadeirado-seco e
picante. É utilizado tanto na indústria alimentícia como na cosmética, sendo que a primeira
prefere o emprego de óleos resinas, devido à sua pungência (característica responsável pelo
62
sabor/odor picante). Inclusive a pungência, bem como o teor de óleo essencial, decresce com a
maturação do fruto. Portanto, produtos obtidos de pimentas maduras apresentam menos
pungência e menos óleo essencial.
O óleo essencial de pimenta preta é conhecido por suas propriedades antiflatulentes, diuréticas,
antimicrobianas e inseticidas. Ele também estimula a circulação sanguínea e a propagação de
calor pelo corpo, assim como o óleo essencial de canela e gengibre.
(*) de acordo com alguns estudos, este óleo auxilia na redução da dependência do tabaco.
Não deve ser utilizado por mulheres grávidas e pessoas hipertensas!
Empregado em problemas do sistema respiratório, em dores musculares, das articulações,
estimulante geral. Não arde pois éextraído por destilação e seus usos são parecidos com os do
Eucalipto globulus como expectorante.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
Aroma suave, relaxante e anti-stress, meio cítrico. Usado em peles inflamadas, acnéicas e
psoríases.
Pimenteira aromática Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
Pinheiro elioti, taeda e anão, Anti-inflamatório, secante, anti-infeccioso, em acne, dores musculares, ansiedade e stress. Possui
ornamental efeito solvente eficazem problemas de vasos como varizes, trombose, etc. Dissolve cálculos
renais e vesiculares.
Pesquisas do Laboratório Farmacêutico Alemão Rowa comprovam a grande eficácia do uso de
monoterpenos na dissolução de cálculos renais e vesiculares. O laboratório possui hoje em
circulação, especialmente no mercado europeu, dois medicamentos compostos a base de
monoterpenos de óleos essenciais , o Rowatinex (cálculos renais) e o Rowachol (cálculos da
vesícula).
Alguns óleos essenciais como os óleos essenciais de pinheiro (Pinus sylvestris, taeda, elliotti, etc)
têm mostrado muita eficácia neste sentido dado ao seu concentrado teor de pinenos. O pinheiro
silvestre em especial, além do pineno, ainda possui um componente chamado acetato-bornílico,
típico de óleos de abetos e que possui ação anti-espasmódica útil em cólicas renais e vesiculares,
e efeito equilibrador de hormônios da dor e stress produzidos pelas glândulas supra-renais.
Comparado às dosagens recomendadas pelo laboratório, o óleo de pinheiro silvestre estaria sendo
utilizado internamente na dosagem de 3 gotas 3 x ao dia como preventivo e 5 gotas 4-5 x ao dia
para dissolução dos cálculos.
A vantagem do uso deste óleo essencial é a ausência de contra-indicações, salvo casos de enjôo
ou inadaptação ao seu uso. É também uma alternativa bem mais barata e acessível a ser tentada
no tratamento de cálculos, especialmente no Brasil onde estes medicamentos não são
comercializados. É de se observar também que em resposta a um e-mail enviado ao laboratório
Rowa fomos informados de que não existem casos relatados de cálculos migrados e parados nos
ureteres.
Alguns óleos essenciais como o anis-estrelado e erva-doce (anetol) e ammi-visnaga
(cromonas) ainda se mostram mais fortes na prevenção de cólicas. O tratamento para cálculos
vesiculares pode ter agregado ainda óleo de hortelã (mentol) de excelente ação descongestionante
hepato-vesicular por estimular o fluxo biliar.
Fizemos uma experiência in vitro com o óleo de pinheiro silvestre e cálculos de oxalato de cálcio.
Os cálculos, extremamente resistentes, foram deixados em contatos com o óleo de pinheiro por
cerca de 1 mês, sendo que com apenas 1 semana de exposição ao óleo começaram a perder
resistência e fragmentar-se. Com duas semanas houve maior fragmentação, não havendo
diferenças na 3ªou 4ª semanas.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
Em problemas respiratórios, como desinfetante e anti-séptico local. Cheiro tipo pinho sol.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Pinheiro negro (pinho)
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
Pinheiro silvestre (pinheiro da Problemas de reumatismo, dores articulares, cistos sebáceos, problemas e alergias respiratórias.
floresta) Estimula a liberação de cortisona pelas adrenais e reduzhormônios de stress. Anti-stress, diminui
a siedade e relaxa. Cheiro de florestas.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%

63
Eficaz anti-infeccioso, rico em alfa-terpineol. Bom em infecções da garganta e pulmonares em
especial.
Pinheiro branco Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
A pitanga (Eugenia uniflora L.) pertence à família Myrtaceae. Trata-se de uma planta originária
do Brasil cuja palavra ―pitanga‖ significa ―vermelho‖ em tupi-guarani. Tradicionalmente
cultivada em quintais domésticos, ela pode ser encontrada desde Minas Gerais até o Rio Grande
do Sul e na ilha da Madeira, em Portugal. A Pitanga apresenta compostos fenólicos com ação
antioxidante, hipoglicemiante e antireumática, além de ser utilizada em distúrbios estomacais e
como anti-hipertensiva, na medicina popular. O óleo essencial de pitanga é obtido através da
destilação das folhas verde-escuras da planta e apresenta, de acordo com algumas análises
cromatográficas publicadas na internet, principalmente sesquiterpenos. Esta característica o
Pitanga folhas diferencia de outros óleos, geralmente mais ricos em monoterpenos. Com suas propriedades
adstringentes e odor agradável, é muito utilizado em sabonetes, desodorantes e óleos corporais
por promover uma agradável sensação de frescor. Também é empregado em shampoos por ajudar
na redução da oleosidade dos cabelos. Outras palavras: Surinam Cherry e Brazil Cherry.
Anti-inflamatório, acnes, furúnculos e abscessos. Garganta inflamada. Adstringente para peles
oleosas e acnéicas.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
O poejo (Mentha pulegium), também chamado de poejinho, poejo-real, menta-selvagem, é uma
erva perene originária da Eurásia que atinge aproximadamente 40 cm de altura. Trata-se de uma
das espécies mais conhecidas do gênero Mentha, da família Lamiaceae, pois apresenta um forte
odor característico. Seu nome científico, Mentha pulegium, deriva da palavra latina pulex (que
significa pulga) – uma referência ao antigo costume de queimar suas folhas para repelir esses
parasitas. Com o tempo, no entanto, o poejo passou a ficar conhecido por suas propriedades
medicinais, pois descobriram que seu chá é capaz de melhorar os casos de gripe, bronquite,
acidez estomacal e dores reumáticas. Além disso, suas folhas foram introduzidas na culinária,
sendo utilizadas na decoração de pratos e para temperar carnes de sabor forte – como as de
carneiro e cabrito.
O óleo essencial de poejo, extraído por destilação a vapor, é amarelinho e apresenta um forte
cheiro característico. Tal aroma, deliciosamente marcante, provém de uma substância chamada
Poejo (europeu, americano e pulegona cuja concentração pode variar de 25 a 92% nesse óleo. No entanto, a pulegona é tóxica
turco) – capaz de atuar como repelente de insetos e provocar graves irritações no útero humano (efeito
abortivo). É por esta razão que o óleo essencial de poejo deve ser administrado com muito
cuidado. Além da pulegona, ele contém beta-cubebeno (20%), borneol (6%), mentol (6%),
isomentol (0,7%) e outros elementos minoritários. Quanto às ações desse óleo, afirma-se que ele,
de fato, possui propriedades mucolíticas, carminativas e cardiotônicas. Também é usado como
inseticida e repelente de cães e gatos.Empregado em problemas digestivos em geral como
mádigestão, enjôos, náuseas e flatulência. Auxilia em dores articulares, problemas respiratórios
em geral, como anti-espasmódico (cólicas), em estados de histeria, ansiedade e tensão. Bom óleo
para o tratamento de stress, lembra cheiro de mato e ervas. Usar com cautela internamente, tóxico
em alta dose.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 2%
Uso em massagens: até 1%
A priprioca ou piripirioca (Cyperus articulatus L.), é uma espécie ciperácea, aromática e
medicinal, que ocorre natural na Amazônia. Da mesma família do junco e do papiro, suas raízes
exalam uma fragrância incomum, leve, amadeirado e picante. É um dos perfumes mais
tradicionais da região amazônica e, atualmente, seu óleo essencial é bastante valorizado na
indústria farmacêutica e cosmética.
Piripirioka Iypyrungaua, a origem da priprioca
Segundo lenda colhida em língua tupi por Brandão de Amorim e citada por Luís da Câmara
Priprioca (Índia ou Brasil) Cascudo (Dicionário do folclore brasileiro), os índios manaus possuem uma explicação para a
sua origem.
Piripiri era um ente misterioso, cujo corpo exalava um perfume misterioso e inebriante que atraía
as donzelas da aldeia. Vivia perseguido por elas que sempre tentavam aprisioná-lo. Quando se via
preso, transformava-se em uma nuvem de fumaça e escapava.
Um dia, as mulheres perguntaram ao jovem pajé Supi o que fazer. Ele aconselhou-as a utilizar
fios de cabelo para amarrar os pés de Piripiri. Assim elas fizeram naquela mesma noite, enquanto
o jovem estava adormecido. Depois de prendê-lo, adormeceram ao seu lado.

64
Piripiri novamente transformou-se em fumaça e fugiu, desta vez para sempre. No lugar onde
estava o seu corpo, as mulheres encontraram uma raiz perfumada.
O pajé Supi ensinou-as a usar aquele cheiro que entontecia o coração dos homens. E contou-lhes
que Piripiri tinha subido aos céus e se transformado na constelação de Arapari, as Três Marias da
constelação de Órion. A planta ganhou o seu nome. É a sua casa. Piripiri-oca, priprioca, ―a casa
de Piripiri‖. Afrodisíaco, tônico, revitalizante geral.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
Poderoso anti-viral, eficazcontra o influenza œ vírus da gripe, herpes, hepatite, C, etc. útil em
insônia e como desintoxicante.
Ravensara aromática (cascas) Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
Possui anetol e estragol, de ação anti-espasmódica, estrogênica (TPM, menopausa), carminativo
(em gases intestinais).
Ravensara anisata (folhas) Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
Variedade de canforeira rica em cineol. Usos similares aos do eucalipto glóbulus.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Ravintsara
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
Variedade de azaléia do Nepal usada em perfumaria. Relaxante, ansiolítica.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Rododendron
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
A rosa (Rosa spp) é uma das flores mais populares no mundo, cultivada desde a Antigüidade.
A primeira rosa cresceu nos jardins asiáticos há 5.000 anos. Na sua forma selvagem, a flor é
ainda mais antiga. Fósseis dessas rosas datam de há 35 milhões de anos.
Cientificamente, as rosas pertencem à família Rosaceae e ao gênero Rosa L., com mais de 100
espécies, e milhares de variedades, híbridos e cultivares. São arbustos ou trepadeiras, providos
de acúleos. As folhas são simples, partidas em 5 ou 7 lóbulos de bordos denteados. As flores,
na maior parte das vezes, são solitárias. Apresentam originalmente 5 pétalas, muitos estames e
um ovário ínfero. Os frutos são pequenos, normalmente vermelhos, algumas vezes
comestíveis.
Atualmente, as rosas cultivadas estão disponíveis em uma variedade imensa de formas, tanto
no aspecto vegetativo como no aspecto floral. As flores, particularmente, sofreram
modificações através de cruzamentos realizados ao longo dos séculos para que adquirissem
suas características mais conhecidas: muitas pétalas, forte aroma e cores das mais variadas.
Rosas: o secretismo (sub rosa), e, de certa forma, um símbolo pagão, ligado muitas vezes a
segredos escondidos da igreja durante a Idade Média. A cada cor está associado um
significado diferente, alguns desses significados estão listados em baixo:
 Rosas Amarelas: amor por alguém que está a morrer ou um amor platónico
Rosa damascena 100%  Rosas Brancas: reverência, segredo, inocência, pureza e paz
 Rosas Champanhe: admiração, simpatia
 Rosas Coloridas em tons claros: amizade e solidariedade
 Rosas Coloridas, predominando as vermelhas: amor, paixão e felicidade
 Rosas Cor-de-rosa: gratidão, agradecimento, o feminino (muitas vezes aparece
simbolizando o útero em algumas culturas, como o gineceu está para a cultura
ocidental
 Rosas Vermelhas: paixão, amor, respeito, adoração
 Rosas Vermelhas com Amarelas: felicidade
 Rosas Vermelhas com Brancas: harmonia, unidade
Considerado um excelente óleo para o tratamento da pele, pois éum poderoso regenerador e
rejuvenescedor de tecidos, também auxiliando tanto no tratamento de peles secas quanto
oleosas, em acne, vermelhidão na face, etc. Em problemas femininos (TPM, menopausa e
distúrbios menstruais), como antibiótico e anti-cancerígeno.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
Água de rosas: 0,2% de Óleo essencial

65
A salsa ou salsinha (Petroselinum crispum/Petroselinum sativum) talvez seja uma das ervas
mais antigas utilizadas pelo homem. Os gregos, por exemplo, usavam a salsa para decorar as
tumbas e coroar os atletas. Também costumavam adicioná-la à ração dos cavalos com o
objetivo de fornecer energia para as longas viagens. Já os romanos utilizavam-na como um
agente protetor para evitar a contaminação dos alimentos. Provavelmente muitas dessas
aplicações jamais funcionaram na prática, mas ninguém contesta seu enorme sucesso na
culinária. Popular no Brasil, Europa e Estados Unidos, ela vem sendo empregada para realçar
o sabor dos alimentos há muitos e muitos anos e até quem não aprecia o poder das ervas
aromáticas acaba se tornando um fã do sabor da salsa.
O óleo essencial de salsa, apesar de suas curiosas e valiosas propriedades, ainda é pouco
conhecido no mercado brasileiro. Ele pode ser extraído das folhas e das sementes da salsa. O
óleo da folha, de cor esverdeada, pode ser obtido da planta logo após o florescimento ou mais
adiante, no ponto de frutificação. Seu aroma (herbáceo) é muito parecido com o da planta
recém-colhida e seu sabor é amargo, levemente picante. Já o óleo obtido das sementes
também é amargo, mas é marrom e não lembra em nada o aroma da planta. Ambos os óleos
Salsa sementes ou planta
(das folhas e das sementes) apresentam consideráveis níveis de apiol e miristicina, dois
componentes "no mínimo" interessantes. O apiol e a miristicina, de acordo com alguns
estudos, podem estimular a regeneração de células hepáticas e aumentar a contração muscular
da bexiga, útero e intestinos. Também podem apresentar efeitos vasodilatadores,
antiespasmódicos e indutores de menstruação. Em altas doses, no entanto, a miristicina causa
alucinações, tonturas, surdez, vertigem, hipotensão arterial e paralisia.
Enquanto o óleo essencial de salsa é raramente empregado em perfumaria e cosmética, na
culinária ele ocupa uma posição de destaque – sendo utilizado na aromatização de carnes,
enlatados e vegetais processados. Também é popularmente usado como adjuvante no
tratamento de problemas gastrointestinais, urinários e como indutor de menstruação.
Dores articulares, reumatismo, celulite, distúrbios menstruais, problemas digestivos, deve ser
evitado por grávidas.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
Óleo com tuiona, usoado externamente em fungos, verrugas viróticas, cabelos sem brilho,
com fungos e em asma. Uso externo
Salvia dalmaciana (salveta) Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
Sálvia esclaréia (esclareol A Salvia-esclareia (ou Salvia sclarea, clary ou clary sage) é uma planta nativa da Europa
0.5%) (Rússia, China, Bulgária, pertencente à família Lamiaceae. De caules eretos e lindas flores (cuja floração ocorre entre
etc) Sálvia esclaréia (esclareol junho e julho na Europa), ela pode alcançar até 2 metros de altura. Seu nome deriva da palavra
3.26%) latina "clarus", que significa "claro" e seu chá é conhecido por aliviar dores de garganta.
Planta aromática rara, a Salvia-esclareia ocupa uma posição de destaque no mercado
internacional em virtude do seu óleo essencial, muito procurado pelas indústrias de perfumaria
e de alimentos. É extraído por destilação a vapor das folhas e flores e seus principais
constituintes são: acetato de linalil, linalol, pinene, mirceno e felandreno. No dia-a-dia, o óleo
essencial de Salvia-esclareia, juntamente com um óleo carreador (como o de amêndoas
doces), é capaz de relaxar os músculos e nervos a partir de uma suave massagem. Também
possui propriedades antidepressivas, antiinflamatórias, adstringentes e sedativas. Deve-se
diluí-lo antes do uso e jamais deve ser utilizado por mulheres grávidas. Seu uso excessivo,
mesmo que diluído, pode causar tonturas e dores de cabeça!
O óleo essencial de Salvia-esclareia é muito difícil de ser encontrado no Brasil. Por aqui, o
mais comum é óleo essencial de Salvia officinalis que possui, praticamente, as mesmas
propriedades da esclareia.
Age no crescimento capilar, em probomo conjunite, estados de stress, tensãesgaste do sistema
nervoso (relaxante). Muito usado em problemas de catarro pulmonar e em problemas
hormonais femininos (TPM, cólicas, etc). Um dos melhores e mais eficazes óleos indicados
para o tratamento de desordens menstruais como TPM, menopausa, desarranjos, cólicas, etc.
Equilibra as taxas hormonais dos ovários. Indicado também para mulheres que não
conseguem engravidar e homens com distúrbios de próstata. Usos similares da anterior. A
diferença estáno teor de esclareol (ativo).
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%

66
Um excelente óleo para se utilizar no combate ao stress, desgaste do sistema nervoso, tensão e
ansiedade. Também encontra algumas indicações no tratamento de desordens menstruais,
vaginismo e leucorreia. É bom para o sistema respiratório (bronquite, tosses e catarros),
Sálvia triloba (salvia grega) cólicas estomacais e distúrbios digestivos. Puro cheiro de mato.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
Croton lechleri. "sangue de drago" é usado por indígenas das florestas tropicais da América do
Sul. A seiva vermelha é usada principalmente sobre cortes e ferimentos para estancar
sangramentos, acelerar a cura e proteger de infecções.
A seiva seca rapidamente e forma uma barreira como uma segunda pele. Outros usos
indígenas incluem o tratamento de: câncer, ferimentos, lesões.
Sangue de Dragão
Forte cicatrizante e anti-séptico local. Usado em rituais e cerimônias esotéricas de magia para
proteção.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
Agrega componentes na
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Sândalo australiano Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%ti-infecciosos, anti-inflamatórios e santalol como o sândalo
indiano. Aroma mais suave.
Sândalo (Indiano, Tamil nadu, O óleo essencial de sândalo é extraído por destilação a vapor da madeira picada da Santalum
Mysouri) álbum (conhecida por sandalwood), uma árvore originária da Índia, mas também muito
cultivada na América. De aroma amadeirado, intenso e adocicado, seus principais
constituintes são: santalol, santenonol, santaleno, fusanol e forneol. Ele combate a insônia,
tensão nervosa, depressão e problemas emocionais. Atua em peles ressecadas, fissuradas e
com acne, além de ser indicado para retenção de líquidos, constipações, infecções da bexiga,
escaras e náuseas. Não apresenta contra-indicações, mas deve diluído antes de qualquer
aplicação.
Curiosidades sobre o sândalo
O sândalo foi largamente utilizado pelos antigos egípcios, chineses e indianos na fabricação
de incensos e para embalsamar corpos. Hoje, na Índia, trata-se de uma árvore sagrada,
declarada como propriedade nacional para preservá-la da depredação. Seu corte só é permitido
quando o exemplar atinge 30 anos ou mais, momento em que a árvore começa a morrer
naturalmente. É por isso que o óleo essencial de sândalo indiano é tão caro!
Relaxante do sistema nervoso, calmante e antidepressivo, reduza compulsão. Muito útil em
problemas de pele como acne, ressecamento e envelhecimento precoce. Facilita a meditação e
desenvolve o altruísmo.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
Canela Sassafrás ou Sassafrás (Ocotea odorifera (Vellozo) Rohwer; Lauraceae) é uma
espécie da flora brasileira ameaçada de extinção do ecossistema da Mata Atlântica , segundo o
IBAMA. Anti-inflamatório, estimulante da circulação local, reumatismos e dores musculares,
Sassafrás brasileiro folhas infecções. Uso só externo.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
A Satureja-das-Montanhas (Satureja montana, Labiatae), parente próxima da Segurelha, é
uma planta aromática semipersistente, com cachos de flores brancas rosadas e folhas
lanceoladas. Nativa da Europa Meridional, gosta de locais soalheiros.
Muito utilizada em culinária e em Fitoterapia. Estimula a digestão, diminui flatulência e
cólicas, trata infecções pulmunares e bronquites e o seu óleo essencial é fortemente
Segurelha antibacteriano. Não deve ser ingerida durante a gravidez.
Potente bactericida, em várias desordes microbiais. Indigestão, flatulência, coceiras e acne nas
costas.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
Helichrysum é um género botânico pertencente à família Asteraceae. Anti-coagulante potente,
Sempre viva (var. italicum) indicado em tromboses, embolia, pele roxa e hematomas, coágulos.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;

67
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
Possui indicações em problemas de mácirculação e como expectorante. Estimulante geral,
descongestionante digestivo.
Sumac(árvore fumaça) Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
Tabaco é o nome comum dado às plantas do género Nicotiana L. (Solanaceae), em particular
a N. tabacum, originárias da América do Sul, das quais é extraída a substância chamada
nicotina. Os povos indígenas da América acreditavam que o tabaco tinha poderes medicinais e
usavam-no em cerimónias. Foi trazido para a Europa pelos espanhóis no início do século XVI.
Era mascado, ou então aspirado sob a forma de rapé (depois de secar as suas folhas). O
corsário Sir Francis Drake foi o responsável pela introdução do tabaco em Inglaterra em 1585,
mas o uso de cachimbo só se generalizou graças a outro navegador, Sir Walter Raleigh. Um
diplomata francês, de nome Jean Nicot (de onde deriva o nome da nicotina) aspirava-o moído
Tabaco
rapé e percebeu que aliviava suas enxaquecas. Desta forma, enviou uma certa quantidade para
que a então rainha da França, Catarina de Médicis, o experimentasse no combate às suas
enxaquecas. Com o sucesso deste tratamento, o uso do rapé começou a se popularizarÉ anti-
inflamatório local. Útil para melhorar a auto-estima principalmente de homens. Dificuldade
em parar de fumar.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
Tagetes é um género botânico pertencente à família Asteraceae, com aproximadamente 59
espécies.Anti-infeccioso e anti-inflamatório. Usado no tratamento de calos e fungos de pele
(micoses). Também em problemas menstruais, mastite, furúnculos e abscessos, acne e
Tagetes (Cravo selvagem) infecções em geral. É anti-bacteriano e antivirótico.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
Possui as mesmas propriedades que a laranja e a tangerina. Aroma semelhante aos dois óleos.
Estimula a alegria.
Tangelo Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
Tangerinas (híbrida, cravo, As tangerinas são aromas alegres, anti-depressivos e estimulantes. Agem equilibrando
murcot, satsuma e poncã) também estados de ansiedade e medo. Internamente são digestivas, diuréticas, ajudam a tratar
gastrite e prisão de ventre. Usos iguais aos da laranja.

As propriedades medicinais do óleo de tea tree são conhecidas por centenas de anos
pela tribo australiana de aborígines Bundialung. Eles tratavam muitas afecções com
macerados das folhas da árvore e costumavam nadar na lagoa onde as folhas da árvore haviam
tornado a água um banho terapêutico.
O tea tree passou a ser conhecido no ocidente a partir da expedição do capitão James
Cook, que em 1770 aportou na baía de Botany, Austrália, e observou os aborígenes fazerem
chá com as folhas de uma árvore, usada com finalidades medicinais. O botânico da expedição,
Joseph Banks, coletou amostras das folhas de diferentes espécies de melaleucas usadas neste
chá nativo, e acabou por dar-lhes o nome de ―tea trees‖ ou ―árvores de chá‖.
Em 1920, o Dr. A. R. Penefold, um químico do governo em Sidney, Austrália,
recebeu o crédito pelo início da pesquisa clínica em seres humanos e documentação dos
diversos benefícios associados com o óleo de tea tree. Seus estudos determinaram que o óleo
Tea Tree (Melaleuca)
de tea tree possuía um potencial cerca de 11 a 13 vezes mais poderoso do que o ácido
carbólico (fenol) para matar bactérias e fungos, contudo não queimando a pele apesar disso.
Os resultados de suas pesquisas foram além das expectativas. O óleo de tea tree veio a ser tão
valorizado pelo governo australiano que, durante a Segunda Guerra Mundial, todos
envolvidos na produção e fornecimento deste óleo foram dispensados do serviço militar com o
objetivo de suprirem a demanda dos soldados britânicos e australianos nas frentes de batalha.
O óleo entrou na maleta de primeiros socorros de todos os soldados, e era chamado de ―kit
medicinal engarrafado‖.
A utilização de todo o óleo produzido pelas destilarias pelo governo, resultou no seu
desaparecimento no mercado, e aliado ao surgimento de novas drogas durante e após a
segunda guerra, ele passou a ser cada vez menos utilizado pelas pessoas, até que entre 1960 e
1970, com o advento de uma nova geração mais voltada para a medicina alternativa e
68
produtos naturais, o óleo de tea tree reviveu novamente ganhando outra vez popularidade. A
partir daí, cientistas de várias partes do mundo começaram a desenvolver novos testes com o
óleo e comprovar ainda mais sua eficácia já há muito conhecida.
Dentre os diversos tipos de usos que o óleo possui, podemos dizer que o mais
interessante é na eliminação de bactérias causadoras de infecções. Pesquisadores australianos
demonstraram uma ação rápida em vitro, de menos de uma hora sobre todas as bactérias das
colônias estudadas, em diluições que variavam de 0,5% até 1,25% conforme o tipo de
microorganismo (veja tabela). Eles estudaram a ação do tea tree sobre um tipo de
―supermicróbio‖, comumente resistente à meticilina ou MRSA, o Staphylococcus aureus,
uma bactéria hospitalar que não responde a antibióticos e mata pacientes em todo o mundo.
Descobriram que apenas uma pequena quantidade do óleo de tea tree (uma concentração de
0.25%, equivalente a 5 gotas em 100ml água), foi suficiente para inibir o crescimento
bacteriano; com o dobro da dosagem (0.5%), ele mata esta bactéria. Desta forma, não só o uso
do tea tree na eliminação de infecções é válida, mas também seu uso na purificação de água e
alimentos (como alternativa ao cloro) e no ar (em difusores ou ar condicionado) encontra
grande valia.
Uma das vantagens de se recomendar o óleo de tea tree como antiséptico, é que é
impossível para um micróbio infeccioso criar resistência a ele. O óleo possui uma
complexidade química tão grande, com mais de 100 componentes, que uma bactéria não
consegue modificar seu sistema enzimático para lidar com isso. Esta é hoje uma das grandes
vantagens do uso do tea tree em substituição aos antibióticos convencionais, que a cada dia
perdem mais ação pelo fato dos micróbios estarem desenvolvendo resistência a seus efeitos,
exigindo assim o uso de drogas cada vez mais fortes e prejudiciais.
Num estudo do Departamento de Pesquisa do Colégio Nacional de Quiropraxia,
EUA, foi constatado que o tea tree age como antiséptico de duas maneiras, através de uma
ação direta sobre os microorganismos, e segundo através de um processo de ativação dos
glóbulos brancos no processo de defesa do corpo. Sendo assim, podemos considerar que ele
possui propriedades imunoestimulantes, o que o torna uma alternativa formidável para
pacientes com baixa resistência e/ou doenças que fragilizam sua imunologia e permitem o
aparecimento de doenças inoportunas.
Nós temos tido formidáveis resultados do óleo de tea tree no tratamento de infecções
e processos inflamatórios. De tudo que conhecemos, nunca vimos nada tão rápido para
tratamento de cistites, por exemplo. Ele tem apresentado em nossos estudos excelentes
resultados, mesmo naqueles casos em que os antibióticos mais usados falharam.
Pesquisas feitas em maio de 2000 por 4 cientistas (Mikus J, Harkenthal M,
Steverding D, Reichling J.) demonstraram uma toxidade 1.000 vezes maior do óleo de tea tree
sobre o protozoário Trypanosoma brucei (causador da doença do sono) do que para as células
humanas. Eles encontram também bons resultados contra Leishmania major (causador da
Leishmaniose). Isto sugere a possibilidade do uso interno do óleo de tea tree no tratamento
destes parasitas, assim como a possibilidade de bons resultados sobre um parente próximo do
T. brucei, o Trypanosoma cruzi, causador da ―Doença de Chagas‖.
Testes feitos pelo departamento de medicina experimental, na Itália demonstraram
que uma solução num teor mínimo de 0,5% do óleo de tea tree é eficaz contra um largo
número de fungos e micoses de pele.
Hoje o tea tree é considerado um recurso valioso dentro da odontologia no tratamento
de doenças bucais e na prevenção da cárie. Pesquisadores brasileiros da escola dentária de
Piracicaba (via UNICAMP), demonstraram ser o óleo de tea tree mais eficaz que a clorexidina
e o óleo de alho no combate a bactérias bucais. Apesar de todos os três mostrarem atividade
antimicrobial sobre Streptococci mutans, agente causador de cáries, somente o tea tree
apresentou resultados nos outros tipos de bactérias. A clorexidina é em geral indicada para a
redução da flora microbiana, sendo utilizada em produtos para desinfecção das mãos,
tratamento de infecções na área bucal, genital e da pele. Sendo o tea tree de ação mais ampla
que esta substância, o seu uso em soluções alcoólicas ou em gel para assepsia e tratamento dos
problemas citados é uma alternativa de grande valia.
No tratamento da candidíase (Candida albicans) o tea tree é infalível. Experiências
da Universidade de Hacettepe, Turkia, demostraram ser ele eficaz não só sobre a candidíase
normal, mas também sobre a candidíase resistente aos medicamentos usualmente utilizados
como a fluconazola. Hoje a candidíase é um problema que ataca um grande número de
pessoas, e uma das formas mais comuns tem sido a vaginal, que ocasiona coceiras e
desconfortos. Outros estudos da Escola Médica da Universidade de Wayne, EUA,
demonstraram em pesquisa similar um potencial do tea tree no tratamento da candidíase
orofaringeal refratária à fluconazola em pacientes com AIDS. O herpes labial (Herpes
simplex) é outro problema tratável com o óleo de tea tree em diluições de 6%.
O uso veterinário do tea tree é outra alternativa de valor. Ele demonstrou grande
69
eficiência numa pesquisa alemã na eliminação de diferentes tipos de microorganismos (ex.
Malassezia pachydermatis) causadores de dermatite seborréica e micoses, especialmente em
cães e gatos.
O tea tree apresenta também bons resultados em caspa, queda de cabelo e seborréia,
eliminando a maior parte das bactérias e fungos que vêm associados com estes problemas
como Pityrosporum ovale e trichophyton sp. Já existem no mercado shampoos de tea tree
empregados no tratamento de piolhos, o que dá excelentes resultados. Diluições de cerca de
5% mostraram-se muito úteis para isso e sem efeitos adversos.
O tea tree também demonstrou bons resultados em inflamações do ouvido (otite).
Nós particularmente temos tido excelentes resultados com este óleo, principalmente quando
casado com cipreste (Cupressus lusitanica) e/ou tomilho (Thymus vulgaris timol), no
tratamento de inflamações (acne, abcessos e furúnculos), sendo para estes problemas utilizado
puro no local ou diluído em álcool ou gel.

Produção

Hoje, a maior parte da produção do óleo encontra-se centralizada na Austrália, mas


existem fazendas também na China, Índia, Europa e agora no Brasil. Um trabalho de cultivo
iniciado em Viçosa, interior de MG, permitiu a entrada no mercado de um óleo de muito boa
qualidade e preço competidor ao do australiano.
O óleo de tea tree pode ser classificado em 3 quimiotipos principais de acordo com os
teores de seus princípios ativos, que podem variar conforme clima, ph do solo, temperatura,
etc.
O QT 1 do tea tree possui o teor mais elevado de terpinen-4-ol, variando de 30-45%.
Óleo comumente de origem australiana e brasileira.
O QT2 possui mais 1,8-cineol (=eucaliptol), chegando a cerca de 15% (a partir deste
quimiotipo, pode-se criar a classificação de mais 3 variedades de óleos (6 então no total), que
surgem pela variação dos teores dos outros dois principais componentes junto aos 15% de
cineol). Óleo de origem chinesa. A Austrália produz, mas praticamente não entra no mercado.
O QT3 possui mais terpinoleno, que pode ir além de 15%. De origem Australiana.
Abaixo colocamos as % obtidas da cromatografia do óleo com seus principais
constituintes comparados ao padrão ISO internacional para o óleo de tea tree, que determina
os teores aproximados de cada componente para o óleo no mercado.

Constituinte Proporção Padrão


alpha-pinene 2.4% 1 - 6%
sabinene 0.6% trace - 3.5%
alpha-terpinene 10.2% 5 - 13%
p-cymene 2.2% 0.5 - 12%
limonene 1.1% 0.5 - 4%
1,8-cineole 3.6% 0 - 15%
gamma-terpinene 20.5% 10 - 28%
alpha-terpinolene 3.6% 1.5 - 5.0%
terpinen-4-ol 40.2% 30%+
alpha-terpineol 3.1% 1.5 - 8%
aromadendrene 1.1% trace - 7%
delta-cadinene 1.0% trace - 8%
globulol 0.3% trace - 3%
viridiflorol 0.3% trace - 1.5%

O princípio ativo mais interessante no óleo é o terpinen-4-ol (ou terpinenol 4), que
fornece ao óleo praticamente todas as suas propriedades anti-microbiais. O terpinenol 4
quando usado isolado do óleo apresenta resultados semelhantes ao óleo puro, e de forma ainda
mais efetiva. Quanto mais terpinenol o óleo contiver, melhor sua ação anti-infecciosa.
O cineol, também conhecido como eucaliptol, agrega ao óleo, quando presente em
grandes porcentagens (15%), potencial expectorante e descongestionante das vias
respiratórias. Mas se aumentar muito no óleo, diminui o teor de terpineol 4, diminuindo

70
também a eficácia do mesmo contra-infecções.
Os outros componentes do óleo (terpinoleno, terpineno, etc), na sua maioria terpenos,
lhe concederão propriedades solventes úteis por exemplo em varizes, trombose e flebites (uso
local). Também possuirão algumas propriedades anti-infecciosas e anti-oxidantes, mas se
aumentarem muito no óleo, interferem na eficácia de ação do terpinenol 4 por torná-lo pouco
hidrossolúvel nos tecidos e mais liposolúvel, o que diminui sua rapidez de ação contra
microorganimos.

Cuidados

Apesar do óleo de tea tree nem sempre ser indicado internamente em muitas
literaturas, ele apresenta excelentes resultados através de poucas gotas na água para se tomar,
principalmente na solução de infecções. Mas, recomendamos que seu uso seja feito sob a
orientação adequada de um aromaterapeuta que tenha conhecimento sobre as dosagens no uso
interno de óleos essenciais. No caso de alergia ou mal estar, suspenda imediatamente seu uso.
O uso excessivo de tea tree, principalmente internamente pode ser tóxico, mas se utilizado
adequadamente traz resultados sem fazer nenhum mal. Alguns animais como aves, são muito
sensíveis ao óleo, que deve ser usado sempre bem diluído para evitar alergias nos mesmos.
Não seria recomendado o uso interno em grávidas (apesar de não ser abortivo), a não ser em
casos de extrema necessidade, mas sob acompanhamento terapêutico ou médico adequado.

Indicações

Unha preta, com micoses, descamando ou encravada, pé de atleta (1 a 2 gotas 2 X ao dia por
1-2 meses) e se associado meio a meio com o óleo de cravo da índia obtém-se resultados
ainda melhores; sinusite infecciosa (inalações 3-6 gotas); garganta inflamada, laringite e
amidalite (1-2 gotas num copo com água para gargarejo); caspa, seborréia (cerca de 25-40
gotas para cada 100ml de shampoo, lavar e deixar no cabelo por pelo menos 3 minutos);
impetigo, ptiríase, psoríase, candidíase ou tricomoníase vaginal, coceira genital e nas virilhas,
líquen (gel 0,5-2% uso local ou 3 gotas em 100ml água passando com algodão na área);
herpes ou sapinho (puro no local); cistite, infecções em geral, candidíase reincidente, enterite,
etc (2-3 gotas 3X ao dia em uma colher de sopa de água internamente, por cerca de 1 semana).

Possui usos muito parecidos com os do pau rosa. Regenerador da pele, ansiolítico, sedativo,
cicatrizante, imunotônico.
Tea tree lavanda (rosalina) Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
Anti-micótico e anti-infeccioso de largo expectro, em bicheiras e bernes mata ou expulsa.
Piolho e verminoses.
Tejpat QT p-cresol Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
Citofilático e anti-inflamatório da pele. Em acnes, peles inflamadas, baixa imunológica e
ansiedade. Antibiótico eficaz.
Tomilho QT linalol ou serpolet Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%

71
Poderoso anti-viral, útil em gripes, vaginite, cândida, clamídia, astenia e infecções de qualquer
tipo.
Tomilho QT tuianol Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
Tomilho vermelho e branco O tomilho (Thymus vulgaris) é uma planta perene facilmente cultivável pertencente à família
(timol a mais de 50%) Lamiaceae. Originário do oeste do Mediterrâneo, este subarbusto aromático, também
conhecido por "timo", possui folhas pequenas, lineares ou lanceoladas, e flores róseas ou
esbranquiçadas. Trata-se de uma planta muito utilizada desde a antiguidade. Os romanos, por
exemplo, banhavam-se com chá de tomilho antes das batalhas porque acreditavam que isso
lhes daria coragem. Hoje, além de ser bastante utilizado como tempero, o tomilho é
mundialmente conhecido por ser óleo essencial, extraído por destilação a vapor.
Com seu inconfundível aroma apimentado, o óleo essencial de tomilho é rico em timol, um
dos mais poderosos anti-sépticos existentes cujo teor pode variar de 13 a 58%. O timol é
largamente empregado em desinfetantes bucais, pomadas descongestionantes e em pastilhas
que aliviam a tosse e a irritação na garganta. Diz-se, inclusive, que o LISTERINE e o Vick
VapoRub contêm timol em suas composições. Mas além do timol, o óleo essencial de tomilho
também apresenta carvacrol, borneol, linalol, geraniol, citral e outros componentes em
quantidades menos expressivas. Na aromaterapia, é indicado para combater a tensão, fadiga,
ansiedade, dor de cabeça, resfriados e dores reumáticas. O óleo essencial de tomilho deve ser
diluído antes de qualquer aplicação. Mesmo diluído ele pode irritar a pele e elevar a pressão
arterial. Não deve ser usado por mulheres grávidas!
Antibiótico natural de efeitos similares aos do orégano. Age como estimulante do ânimo, em
infecções pulmonares, cândida, doenças fúngicas, acne, furúnculos, amidalite, abscessos,
herpes, tuberculose, . O vermelho possui aroma mais forte.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%

Um óleo afrodisíaco, calmante, diminui ansiedade e tensão. Facilita o perdão e liberação de


mágoas e sentimentos reprim.
Tuberosa Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
Reumatismo, gota, artrite, problemas pulmonares como bronquite e principalmente asma.
Relaxante e anti-stress.
Tuia folhas Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
Óleo de propriedades semelhantes às do cedro do atlas. Cheiro característico de madeira.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Tuia madeira
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
O açafrão-da-terra (Curcuma longa), conhecido também como cúrcuma, turmérico,
açafrão-da-índia, açafroa e gengibre amarelo, é uma planta herbácea família do gengibre
(Zingiberaceae), originária da Ásia (Índia e Indonésia). Dela se obtém uma especiaria
homónima que é o principal componente do tempero do caril (prato culinário) à indiana (ou
curry). Sua característica principal é como digestivo e ativador da função hepática. Da sua raiz
seca e moída se extrai o pó, utilizado como condimento ou corante de cor amarela e brilhante,
na culinária e no preparo de medicamentos. É uma planta perene com amificações laterais
compridas. A parte utilizada da planta é o rizoma (raiz), que externamente apresenta uma
coloração esbranquiçada ou acinzentada e internamente amarelada. Do rizoma saem as folhas
Tumerico rizoma ( açafrão) e as hastes florais. Reproduz-se por pedaços do rizomas que apresentam gemas (olhos) com
plantio em solo argiloso, fértil e de fácil drenagem. Depois da planta adaptada ao local,
alastra-se, pois o rizoma principal emite numerosos rizomas laterais. É uma planta difícil de
ser destruída. A colheita deve ocorrer na época em que a planta perde a parte aérea, depois da
floração. Nesta fase, os rizomas apresentam pigmentos amarelos intensos. Problemas
articulares, reumatismo, como digestivo, descongestionante do fígado, anti-oxidante e anti-
inflamatório.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
Congestão hepática, distúrbios digestivos, ansiedade, insônia, tensão nervosa, febrífugo,
Verbena estomáquico e refrescante.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
72
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
Valeriana L. é nome de um grande gênero de plantas herbáceas perenes da família das
valerianáceas, nativas da Europa e do norte da Ásia — porém vastamente distribuídas pelo
planeta, portanto encontradiças também nas Américas — que apresentam inflorescências
perfumadas e raízes grossas com odor característico e forte, das quais, adequadamente tratadas
(maceradas, trituradas, dessecadas e acondicionadas), se preparam medicamentos fitoterápicos
de efeito ansiolítico, tranquilizante e até anticonvulsivante, classicamente utilizados em
medicina, por conterem drogas ou princípios ativos que lhes conferem tais propriedades —
medicamentos também chamados de valeriana.
Suas flores são brancas ou róseas, e seus frutos, aquênios (diminutos, secos, indeiscentes,
Valeriana
providos de uma só semente, que se acha inteiramente livre dentro do pericarpo fino), são
realmente pequeníssimos.
Chama-se valeriana, por extensão, qualquer espécie ou espécime desse gênero, como, por
exemplo, a Valeriana comum, ou, simplesmente, Valeriana, ou — pelo nome científico —
precisamente a Valeriana officinalis.
Idêntico ao óleo de nardo. Considerado calmante, em insônias e tensão e como afrodisíaco.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
Vetiver Indiano, Haiti, O vetiver (Vetiveria zizanioides), atualmente classificado como Chrysopogon zizanioides, é
Brasileiro, Java (destilado das uma planta herbácea, perene, cespitosa (em moita) que pode atingir até 2 m de altura. Próxima
raízes) de outras ervas aromáticas, como a palmarosa e o capim-limão, o vetiver, originário da Índia,
é vastamente cultivado no Haiti, Polinésia, Índia, Filipinas e Java. Foi, e continua sendo,
muito utilizado para aromatizar os tapetes de seda e de lã tecidos a mão na Pérsia e na
Turquia. Alias, alguns europeus chegam a recusar os tapetes mais baratos que não possuem o
―cheiro autêntico‖ proveniente desta planta. Já o óleo essencial de vetiver, extraído por
destilação a vapor de suas raízes, é extremamente viscoso e possui um profundo odor
amadeirado. É um óleo com mercado garantido desde que apresente boa procedência. A
indústria de perfumaria, por exemplo, utiliza o óleo essencial de vetiver em grande escala,
como fixador e também como base para várias fragrâncias. Na aromaterapia, claro, não é
diferente. Conhecido como tranqüilizador, ele pode auxiliar no tratamento contra a artrite,
reumatismo, nevralgias e insônia.Empregado em problemas de anemia, como anti-
espasmódico, estimulante do sistema circulatório e sedativo do sistema nervoso. Na
dificuldade em lidar com a parte material, para pessoas drodisíôadescentradas e dispersas.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
Analgésico local de efeito similar àbétula doce. É empregado em dores reumáticas, luxações,
dores de cabeça, febre, pancadas, etc. Possui aroma refrescante e suave que lembra gelol. Em
inalações para pessoas tensas, inquietas.
Wintergreen(China, Ándia, etc)
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
Regenerador da pele, em queimaduras, peles ressecadas e envelhecidas, ésedativo e calmante
do sistema nervoso, útil em rinite e alergias de pele, anti-espasmódico suave, anti-asmático.
Tem sido pesquisado seu uso tratamento do câncer de pele. Auxilia na lembrança do passado.
Seu aroma lembra antigos templos ou bibliotecas, bom para regressão. Estimulante do sistema
imunológico, de propriedades sedativas, calmantes e úteis contra ansiedade e insônia. Auxilia
Xantoxilum (freixo-espinhoso,
no tratamento da pele, em situações de acne (preventivo), écitofilático (pele envelhecida) e
zantoxilum)
anti-rugas. É o óleo de aroma mais intenso e perfumado e compõe-se da primeira fração da
destilação do óleo das flores.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
De ação muito parecida com o ylangylangextra, porém de aroma menos intenso. Segunda
fração da destilação.
Ylangylang I Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
Possui tanto os princípios do ylangylangIquanto do dois, de maneira meio que dividida.
Ylangylang II Terceira fração da destilação.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
73
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
Têm propriedades anti-inflamatórias, não possui a mesma ação relaxante e calmante do
ylangylang extra ou I. É usado no tratamento do acne, cabelos e peles oleosas, e como
hidratante da pele. Quarta fração da destilação.
Ylangylang III
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
O Óleo Essencial de Ylang Ylang, de cor marrom-dourado a marrom-escuro, é extraído das
flores frescas da Cananga Odorata, uma árvore cultivada principalmente em Madagascar e
Indonésia. É obtido por destilação a vapor ou por solventes e apresenta, dentre outros, os
seguintes componentes: linalol, geraniol, eugenol, safrol (componente químico também
encontrado na canela sassafrás utilizado como matéria prima na manufatura de heliotropina),
ylangol, linalil benzoato, linalil acetato e alfa pinene. De fragrância doce (floral) e sensual, é
afrodisíaco, sendo considerado o óleo essencial do amor. Afirma-se que seu aroma desperta
fantasias românticas de uma forma tranqüila e muito especial. De acordo com alguns relatos,
Ylangylangcompleto (óleo de
ele também estimula o crescimento dos cabelos e ajuda a baixar a pressão sanguínea. Deve-se
cananga e
utilizá-lo diluído e por pessoas que não sofrem de apnéia ou pressão baixa.É composto de toda
ylangylangverdadeiro)
a destilação da planta. Possui todas as particularidades dos outros, sendo também considerado
afrodisíaco e um aroma muito sensual. Indicado em problemas femininos (vaginismo,
leucorréia), repressão sexual, frigidez, dificuldade na entrega, problemas de relacionamento
com as pessoas. Existe o ylangylangverdadeiro e o óleo de cananga, ambos possuem as
mesmas indicações, porém o verdadeiro possui ação e aroma mais intensos.
Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%
De ação semelhante às do turmérico, porém com aroma mais perfumado. Descongestionante
hepático. Inalações: 6 a 15 gotas em difusor 3 vezes ao dia;
Zedoária (curcuma)
Uso tópico local:diluído de 1 a 3%
Uso em massagens: até 3%

Glossário de Terminologia Aromática

Abortivo – que provoca aborto.


Adstringente – que provoca a contração dos tecidos e vasos, reduzindo as secreções das mucosas.
Afrodisíaco – que restaura as forças sexuais.
Amenorréia – ausência de menstruação.
Analgésico – que acalma ou alivia a dor.
Antibiótico – que impede o desenvolvimento de microorganismos; que mata microorganismos.
Anti-cefalálgico – que se utiliza contra cefaléia (dor-de-cabeça).
Anti-emético – que suprime ou evita os vômitos.
Anti-espasmódico – que acalma os espasmos ou convulsões.
Anti-inflamatório – que evita inflamações.
Anti-helmíntico – que combate vermes; o mesmo que vermífugo.
Anti-micótico – que combate fungos e leveduras.
Anti-nevrálgico – que neutraliza as nevralgias (dores nas trajetórias dos nervos).
Anti-reumático – que combate os reumatismos.
Anti-séptico – que evita a atividade ou a multiplicação de microorganismos.
Aperiente – que estimula o apetite.
Anti-oftálmico – que se emprega contra as afecções dos olhos.
Aldeído – grupo funcional resultante da destilação de álcool.
Apiol – fenol, componente do óleo essencial da semente de salsa.
Balsâmico – que é aromático e reconfortante.
Béquico – que alivia a tosse.
Borneol – álcool bornílico, componente da cânfora de Bornéu.
Cânfora – ou alcânfora, resina de várias plantas, principalmente a canforeira (Cinnamomum
canphora).
Cardiotônico – que fortalece o coração.
Carminativo – que facilita a eliminação dos gases intestinais.
Cineol – eucaliptol, conhecido como cânfora de eucalipto; éster composto, representa de 50 a 75% do

74
óleo essencial de eucalipto.
Citral – importante aldeído componente do óleo essencial de limão e de capim-limão.
Citronelal – aldeído encontrado no óleo essencial de eucalipto.
Colagogo – que estimula a secreção de bílis.
Depurativo – que liberta o sangue de impurezas.
Diaforético – que provoca a transpiração.
Difusor – aparelho utilizado em Aromaterapia para efetuar a difusão de óleos essenciais no ar, isto é, a
sua dispersão por volatilização no ar do ambiente.
Diurético – que favorece a produção e a eliminação de urina.
Embalsamamento – arte egípcia de conservação dos corpos dos mortos.
Emenagogo – que restaura o fluxo menstrual.
Emético – que provoca vômitos.
Emoliente – que amolece os tecidos inflamados.
Estomáquico – que estimula as funções do estômago.
Eucaliptol – conhecido como cânfora de eucalipto; éster composto, representa de 50 a 75% do óleo
essencial de eucalipto; o mesmo que cineol.
Eupéptico – que facilita os processos digestivos.
Febrífugo – que combate a febre.
Geraniol – álcool extraído do gerânio e da rosa.
Grupo funcional – molécula instável composta de dois ou mais átomos de carbono, hidrogênio e
oxigênio, e que confere propriedades características à cadeia carbônica a que se ligar.
Hemostático – que combate as hemorragias
Hepato-protetor – que estimula e protege as funções do fígado.
Hiperglicemiante – que eleva os teores de glicose no sangue.
Hipertensor – que eleva a pressão sangüínea.
Hipoglicemiante – que reduz os teores de glicose no sangue.
Hipotensor – que reduz a pressão sangüínea.
Holístico – que considera o todo, ao invés das partes isoladas.
Lactígeno – que estimula a produção de leite.
Limonemo – terpeno com aroma de limão.
Linalol – álcool perfumado da madeira de linaloé (árvore mexicana), encontrado no óleo essencial de
lavanda.
Mineralizante – que favorece a absorção de minerais pelo organismo.
Nerol – álcool encontrado no óleo essencial da flor e das folhas da laranja azeda.
Olfato – sentido que permite captar e identificar partículas odoríferas (cheiro).
Pinemo – terpeno com aroma de madeira, componente da terebintina.
Reconstituinte – que favorece a recuperação geral.
Rubefaciente – de ação revulsiva, isto é, que provoca o incremento da circulação sangüínea e da
temperatura em uma região determinada.
Sistema límbico – sistema cerebral da área evolutivamente mais antiga do cérebro humano, relacionada
com as emoções.
Terebintina – resina contida na madeira de pinheiros e outras árvores coníferas.
Terpeno – hidrocarboneto típico dos óleos essenciais.
Vulnerário – que cicatriza feridas.

PRIMEIROS SOCORROS
Os óleos essenciais podem ser muito úteis em qualquer emergência. Aqui apresentarei 3 óleos
específicos para emergências e que podem servir para várias situações:
Lavanda - Chamado de óleo universal, devido a sua grande variedade de utilizações. Ele é
analgésico, sedativo, anti-séptico e antiinflamatório. Pode ser utilizado para queimaduras aplicando-o
diretamente no local afetado. Outros usos para a lavanda: acalma e relaxa (massagem), antidepressivo (inalação
e/ou massagem), insônia (inalação), dores de cabeça (inalação), TPM (inalação e/ou massagem).
Limão - Tem qualidades anti-sépticas, ansiedade e promove o bem estar. Para dores de garganta
(gargarejo).
Hortelã Pimenta - Ótimo para dores de cabeça e náuseas. Para dores de cabeça ponha uma gota
diretamente sobre a testa e têmporas. Não coloque sobre os olhos. Você pode também fazer uma compressa
usando um pano mergulhado em uma bacia da água gelada e 3 gotas do óleo de hortelã e colocar a compressa na
nuca. Para a náusea uma gota sobre a língua.
Algumas combinações para situações de Emergência
Você pode usá-los no banho de imersão, no difusor de aromas, em massagens, em escalda-pés. Se forem
indicadas duas ou mais essências, divida o número de gotas (siga a indicação vista anteriormente) pelos vários
tipos de óleo.
• Angústia – Pau-rosa, bergamota, grapefruit e lavanda.
75
• Insônia – Lavanda, pau-rosa e laranja.
• TPM – Gerânio e sálvia (com óleo carreador de gérmen de trigo).
• Dor de cabeça – Lavanda (tensão), capim-limão (ressaca), hortelã-pimenta (problemas digestivos).
• Ansiedade – Rosa, gerânio, palma-rosa e bergamota.
• Estresse – Lavanda, palma -rosa, laranja e tangerina.
• Tristeza – Tangerina, capim-limão, grapefruit e pau-rosa.
• Pés doloridos – Cipreste e hortelã-pimenta.
• Dores musculares – Gengibre, capim-limão, copaíba e alecrim.
• Concentração – Alecrim, capim-limão e tomilho.
• Depressão – Manjericão, bergamota e gerânio.
 Bronquite: Eucalipto Glóbulos ou Citriadora, Tea Tree, cravo, Olíbano e Manjerona.
Aplicações:
* Inalação: 3 gotas em vasilha com água fervente, cubra a cabeça com uma toalha, feche os
olhos ao inalar. 1 gota em lenço, cerâmica porosa, aromatizador pessoal ou direto do frasco
de óleo essencial.
* Banho de banheira: até 8 gotas em álcool de cereais, óleo vegetal ou leite, misturar na
água. Agite bem a água. no chuveiro: 3 gotas no chão do box.
* Aroma ambiental: 1 gota para cada m3 em difusor elétrico ou a vela.
* Massagem: ( para o corpo ) até 8 gotas para 50 ml de óleo vegetal, creme ou gel base sem
fragrância. (Farmácias de Manipulação).
* Loção, creme ou gel: 5 a 10 gotas em 30 ml de loção, creme base ou natural sem
fragrância ou gel.( Farmácias de Manipulação).
Bronquite é o estado de inflamação dos brônquios. Esta pode ser aguda -afecção
acompanhada por febre e uma tosse intensa e dolorosa - ou crônica, afecção prolongada, não
acompanhada por febre. O tratamento aromaterápico visa combater a infecção, reduzindo a
febre, moderando a tosse e expelindo o muco. Nos primeiros estágios, quando a tosse é seca
e dolorosa, a inalação de vapor com óleos essenciais, proporcionará um grande alívio. Esses
óleos essenciais também são eficazes para baixar a febre, além de contribuir para reforçar os
mecanismos de defesa do próprio organismo em resposta à infecção. A tosse poderá persistir
por algum tempo depois que a febre tenha cedido, mas a prática de inalações, banhos e
massagens localizados no peito e no pescoço deverá abreviar o tempo necessário a uma
recuperação total.

Celulite
Para celulite existem inúmeras medidas que podem ser tomadas para ajudar a desintoxicar a área,
aumentar a circulação e o movimento linfático e tirar o excesso de líquido dos tecidos.
Em todo trabalho com o sistema linfático, a dieta é importante, porque uma dieta altamente refinada,
rica em produtos químicos e de potencial toxicidade, torna o trabalho de remoção residual mais difícil para o
sistema.
Qualquer pessoa seriamente empenhada em melhorar o sistema linfático e a função imunológica deve
parar de fumar, eliminar carne vermelha, café, chá, álcool, açúcar refinado, farinha e laticínios de sua dieta. De
fato, um jejum de três dias com frutas é bom para começar. Infusões herbáceas com funcho deveriam ser
consumidas, e pelo menos oito copos de água por dia ajudariam a limpar o sistema linfático.
Massagem regular, de preferência diária, se não pelo menos duas vezes por semana, é importante para
ajudar a melhorar a circulação do sangue e da linfa e destruir e eliminar as toxinas depositadas nos tecidos. Para
isto se juntaria a um creme os óleos essenciais apropriados.
Um programa de exercícios é importante, caminhada ritmada e natação são adequadas para o problema
de celulite. Banhos podem ser úteis, e fricção energética sobre a área antes de entrar no banho ajuda também.
Isto pode ser feito com uma bucha ou escova de banho. Enquanto se banha, belisque e soque a região para ajudar
a eliminar os depósitos de gordura.
Adicionar sal de Epsom, sal marinho e extratos de algas marinhas ao banho podem também ajudar a
eliminar toxinas, e isto deveria ser feito duas vezes por semana. Após o banho, aplique uma mistura para celulite
sobre as áreas afetadas, e esfregue bem. Esfregação de pele, banhos de óleos e massagem com mistura para
celulite deveriam ser feitos uma vez por dia.
Os melhores óleos para celulite são: junípero, toranja, limão, cipreste, funcho, tomilho, alecrim,
manjericão e PATCHOULI.
Podem ser usados também óleos diuréticos e ocasionalmente adicionada uma gota de pimenta-do-reino
para ajudar a aumentar a circulação da área. Gerânio ajuda no equilíbrio hormonal. A seguir daremos três
fórmulas de massagem anticelulite.
Use 15 a 20 gotas de óleo essencial para 30g de óleo catalisador. Os melhores catalisadores são:
amêndoa, jojoba ou cenoura.

76
1. Junípero 8 gotas 2. Gerânio 7 gotas 3. Toranja 6 gotas
Limão 5 gotas Alecrim 6 gotas Limão 5 gotas
Alecrim 5 gotas Manjericão 4 gotas Junípero 4 gotas

Massagens
Vele a pena frisar que em alguns casos a massagem é desaconselhada, ex: pessoas com cirurgia recente,
em casos de febre ou infecções, pessoas com câncer, em queimaduras recentes, trombose. Nestes casos você
pode preparar a mistura dos óleos e passá-los simplesmente nas regiões desejadas.
Embora haja no mercado muitos óleos já preparados, convido você a fazer suas próprias misturas,
criando seus próprios óleos, conhecendo o poder dessas gotinhas maravilhosas que a natureza nos proporciona.
Nunca usamos óleo essencial puro sobre a pele. Em massagem faremos diluição com óleos vegetais
(Semente de Uva, Amêndoa Doce, Germe de Trigo, Gergelim).
A preparação básica (veja proporção em massagens) é sempre a mesma, e você pode adicionar o Óleo
Essencial adequado para cada caso.
Óleos Essenciais para relaxamento e dores musculares: lavanda, manjerona, gerânio.
Óleos essenciais para desintoxicação: gerânio, cipreste
Óleos essenciais para trabalho linfático: cipreste, gerânio, tea-tree, eucalipto.
Óleos essenciais para dores nas juntas: manjerona.
Óleos essenciais para relaxar e estimular o sono: bergamota, laranja

Óleo Relaxante
30 ml de Óleo Vegetal de Germe de Trigo
6 gotas de óleo Essencial de Lavanda
6 gotas de óleo Essencial de Gerânio
Misture os óleos e aplique nos locais de tensão ou pôr todo o corpo. Além de relaxar, você estará
cuidando de sua pele, pois o Óleo Vegetal de Germe de Trigo é um regenerador celular possuindo vitaminas A,
B e E.

Banho Refrescante
Na banheira (água morna)
6 gotas de Óleo Essencial de Lavanda
2 gotas de Óleo Essencial de Menta
Além de te refrescar nos dias de calor, este banho vai te propiciar uma sensação de leveza. A Mistura
desses aromas é muito gostosa. Você que não tem banheira, pode também se beneficiar desse banho, colocando
em uma bucha vegetal molhada, 1 gota de cada óleo e passando-a no corpo úmido em movimentos circulares.

Óleo Afrodisíaco
Em 30 ml de óleo Vegetal, acrescentar :
7 gotas de Óleo Essencial de Ylang-Ylang
5 gotas de Óleo Essencial de Patchouli.
Creme Natural
Feito de óleos, ceras e água, os cremes mantêm a pele flexível enquanto a protegem dos elementos.
Selecione os cremes baseando-se em seu tipo de pele e preferência.
7g de cera de abelha
60ml de óleo de amêndoas doces
30ml de água de flores (hidrossóis) ou de água destilada ou deionizada.
4 a 6 gotas de óleo essencial

1 – Despeje a cera de abelhas e o óleo carreador em uma tigela refratária. Coloque-a em banho Maria e
mexa até que os ingredientes se misturem.
2 – Retire do banho Maria e devagar, adicione água à mistura, mexendo sem parar.
3 – Continue mexendo enquanto o creme esfria, depois adicione o óleo essencial. Mexa até a mistura
engrossar e em seguida coloque-a em potes esterilizados.
Às vezes parece que a água não vai se misturar, mas continue batendo firmemente até que se esfrie e
fique homogêneo. Pode fazer uso da batedeira.
Variações desta mesma receita:
1 Creme leve: ponha 35ml de óleo de jojoba no passo 1, aumente a cera de abelhas para 10g, diminua o
óleo para 45ml e a água para 20ml.
2 Creme de tratamento: adicione 15g de lanolina no passo 1, diminua o óleo para 45ml e aumente a
água para 60ml.
3 Creme exuberante: adicione 15g de manteiga de cacau no passo 1, diminua o óleo para 45ml e
77
aumente a água para 35ml.
Pomadas
Pode-se preparar uma receita caseira de pomada com creme neutro e óleo vegetal e depois agregar os
óleos essenciais.
Para quantidades de 30 gramas de creme ou pomada acrescentar 15 gotas de óleo essencial, como por
exemplo:
2 colheres de sopa de creme neutro;
1 colher de sopa de óleo vegetal de germe de trigo;
15 gotas de óleo essencial.
Coloque uma tampa no recipiente, rotule e guarde em local ventilado e longe da luz.

Escalda pé ou pedilúvio
Refresque os pés cansados em um recipiente (bacia ou tina), adicionando 2 litros de água quente em
conjunto com 10 gotas de óleos de sua preferência. Um caminho maravilhoso para relaxar seus pés e sua mente.
Algumas sugestões para você fazer um teste:
Cipreste - para dores nos pés;
Tomilho e alecrim - para pés inchados;
Hortelã Pimenta ou hortelã do Brasil - para ativar a circulação e refrescar;
Ou ylang ylang e PATCHOULI.
Complemente, se quiser, colocando bolinhas de gude, fazendo pressão com os pés e deslizando sobre as
bolinhas, desta forma trabalhando os pontos de reflexologia.
Termine aplicando hidratante com óleo essencial de lavanda.

Banho de mãos ou Manilúvio


Abrande a pele áspera molhando-a em uma bacia de água aquecida, não muito quente, e óleos
essenciais.
Um SPA para as mãos completo, começa com uma esfoliação para a retirada das células mortas. Faça
então um manilúvio em uma bacia com 1 litro de água morna, 2 colheres de sopa de vinagre de cidra (maça) e 10
gotas de óleo essencial (veja propriedades dos óleos essenciais).
Após este mergulho, faça uma massagem para hidratar suas mãos. Utilize a seguinte receita: 1 colher de
sopa de óleo vegetal de gergelim com 5 gotas de óleo essencial de olíbano.
Faça um envelopamento com plástico filme (aquele de uso culinário) e deixe hidratar e descansar por 20
minutos. Termine fazendo a manicure completa se quiser.
Sauna
Adicione 15 gotas de óleo essencial de pinho siberiano ou eucalipto (glóbulos ou citriodoro) em 300 ml
de água dentro de um borrifador, e está pronto.
Gargarejo
Principalmente para dores de garganta ou mau hálito. Você pode estar colocando uma gota de óleo
essencial em um copo com água morna e fazer os movimentos de bochecho. Lembre-se de não engolir o líquido.
Inalação através de lenços
A maneira mais fácil de utilizar os óleos essenciais. Adicione 3 a 4 gotas de óleo em um lenço e inale
profundamente. É útil para tratar resfriados ou dores de cabeça, enjôos de viagem ou simplesmente aliviar o
cansaço no trabalho.
Emanação de travesseiro
Perfumar o travesseiro com 2 ou 3 gotas de óleo é ótimo para reduzir o ritmo do corpo ou para aliviar
insônia caso você possua problemas para dormir.
Saches ou Pout porris
Recipientes com rolhas, algodão, folhas, ou trouxinhas de tecidos são ótimos meios para você estar
deixando um cheiro agradável dentro de seu armário ou em sua casa. Pingue algumas gotas dos óleos de sua
preferência nestes materiais e coloque-os espalhados pela casa ou escritório.
Experimente a lavanda, bergamota ou cedro para afastar as traças. Prepare sua sinergia, e use a sua
criatividade.
No porta sapatos, você poderá estar utilizando bolinhas de madeira ou chumaços de algodão com óleos
essenciais de pinho ou cipreste.

Lareira
Com aquele frio não podíamos deixar de falar em toras de madeira aromatizadas. Coloque
aproximadamente 7 gotas de óleo essencial em cada tora uma hora antes de acender o fogo. Aos poucos o aroma
é liberado deixando um ambiente aconchegante e delicioso. Algumas sugestões de óleos são os de cipreste,
pinho ou cedro.
Ambiente
Conforme o efeito que se deseje obter, podem-se criar diversos ambientes com uma das essências a
seguir:
Ambiente balsâmico, para casos de sinusite, faringite e diversas afecções respiratórias: eucalipto,
78
pinheiro, tomilho ou alecrim,
Ambiente relaxante e sedativo, para casos de nervosismo ou insônia: alfazema ou laranjeira.
Recomendam-se estas duas essências especialmente para as crianças muito inquietas, com dificuldades para
dormir.
Ambiente tonificante: limão, alecrim, hortelã ou segurelha.
Ambiente anti-séptico: para prevenir os contágios em casos de gripe ou resfriados: tomilho, sálvia,
eucalipto ou canela.
Ambiente para afugentar os mosquitos e outros insetos: erva-cidreira ou cidrão.
Ambiente antifumo: cidrão, gerânio-silvestre, sassafrás ou alfazema.
Obs: É preferível usar um único óleo essencial de cada vez, ao invés de misturar vários deles.

Sinergias
São obtidas com a mistura de até no máximo 4 Óleos Essenciais e não devem ultrapassar o percentual de
2% no total da mistura. Para serem utilizados em aromatização de ambientes ou para banhos. As mesmas
sinergias podem ser utilizadas de outras formas mediantes diluição em creme base ou óleo carreador, reservando
as devidas proporções.

Sinergias para enxaqueca


Sinergia 1 Sinergia 2

2 gotas de OE de Camomila Romana 5 gotas de OE de Lavanda


2 gotas de OE de Hortelã Pimenta 2 gotas de OE de Hortelã Pimenta
2 gotas de OE de Lavanda 2 gotas de OE de Camomila Romana

Sinergia 3 Sinergia 4

2 gotas de OE de Hortelã Pimenta 5 gotas de OE de Manjerona


1 gota de OE de Gengibre 5 gotas de OE de Lavanda
2 gotas de OE de Manjerona 2 gota de OE de Hortelã Pimenta

Sinergias Calmantes

ANTI-STRESS
4 gotas OE de lavanda
2 gotas OE de palmarosa
4 gotas OE de patchouli
3 gotas OE de laranja
NOITES SILENCIOSAS
5 gotas OE de lavanda
5 gotas OE de camomila
1 gota OE de neróli
2 gotas OE de gerânio
RELAXANTE
10 gotas OE de lavanda
10 gotas OE de manjerona
5 gotas OE de bergamota

PRECAUÇÕES:
. Proibidos durante a Gravidez: Alecrim, Basilicão, Cedro, Cipreste, Cravo, Esclaréia, Sálvia,
Tomilho, Verbena, Zimbro.
. Proibidos durante o Tratamento Homeopático: Alecrim, Menta., Canfora
. Proibidos para Crianças: Alecrim, Basilicão, Canela, Cedro, Cipreste, Eucalyptus Glóbulos, Menta,
Sálvia.
. Proibidos para Alérgicos: (faça prova de toque na dobra interna do braço): Alecrim, Basilicão,
Verbena, Cravo, Hortelã-Pimenta, Menta, Melaleuca, Tomilho, Canela e Todos os OE Cítricos.
. Proibidos para exposição ao sol: Todos os Óleos Essenciais Cítricos, Verbena. Se fizer uso destes,
não se expor ao sol por pelo menos 6 horas após a aplicação e não esquecer de utilizar protetor solar..
. Proibidos para Epilépticos: Alecrim, Cedro, Sálvia.
. Estes aqui exigem cuidados extra:
- Canela: Não usar em Taquicardíacos.
- Esclaréia: Não usar com álcool, ou medicamentos que possuam Ferro, pode narcotizar.
- Lavanda: Não ingerir com medicamentos que possuam Ferro ou Iodo.
- Sândalo: Não ingerir quando os rins estiverem inflamados.
79
B AN H O S

O ato de banhar-se é tão antigo quanto a civilização. Antigos registros primitivos de muitas civilizações fazem
referência à prática dos banhos aromáticos.
Hipócrates escreveu: "Um banho perfumado e uma massagem aromática por dia são o caminho para a boa
saúde".
A cura pela água não é coisa nova para o Ocidente, vários pesquisadores ocidentais já expuseram a importância
de seu uso e elaboraram métodos específicos que pretendem curar as pessoas.
A água tem um efeito extraordinário na abertura, desobstrução e limpeza dos poros da pele, e por isso o banho,
especialmente de banheira, exerce um efeito altamente benéfico para o corpo e para a alma.
Quando nosso corpo é mergulhado na água todos os órgãos ficam numa posição confortável, a pressão normal da
água sobre o corpo o faz flutuar e produz uma condição particular que permite que tanto os órgãos internos como
os órgãos externos, descansem comodamente em seus lugares e permaneçam numa posição agradável.
Por esse motivo podemos obter efeitos benéficos altamente relaxantes se tomarmos periodicamente um banho de
banheira por um período mínimo de um quarto de hora, com uma temperatura um pouco acima do calor corporal
e acrescentando sais ou óleos aromáticos obtemos benefícios ainda maiores e objetivos. Com esses banhos
conseguimos tonificar todos os nossos órgãos tanto internos como externos, produzindo uma sensação real de
descanso e recuperação de equilíbrio energético e tonificação a nossa pele.

Sinergias Calmantes
ANTI-STRESS FADIGA
Óleo Essencial de lavanda Lavanda
Óleo Essencial de palmarosa Alecrim
Óleo Essencial de patchouli Hortelã Pimenta
Diluído em Óleo Carreador ou Sais de Banho

CONTRA INSÔNIA CONTRA ANSIEDADE


óleo essencial de lavanda Lavanda
óleo essencial de bergamota Olíbano
óleo essencial de.gerânio Manjerona
Diluído em Óleo Carreador ou Sais de Banho

RELAXANTE Noturno RELAXANTE Matinal


óleo essencial de lavanda Alecrim
óleo essencial de manjerona Lavanda
óleo essencial de.bergamota Manjerona
Diluído em Óleo Carreador ou Sais de Banho

Sinergias para Estética (Desintoxicantes)


CELULITE (Noturno) CELULITE (Diurno)
óleo essencial de junípero Alecrim
óleo essencial de laranja Gerânio
óleo essencial de.lavanda Zimbro
Diluído em Óleo Carreador ou Sais de Banho

DESINTOXICANTE - CELULITE EMAGRECEDOR - DESINTOXICANTE


óleo essencial de junípero óleo essencial de cipreste
óleo essencial de laranja óleo essencial de limão
óleo essencial de.cipreste óleo essencial de junípero
Diluído em Óleo Carreador ou Sais de Banho

REJUVENESCEDOR HIDRATANTE / TONIFICANTE


Olíbano Menta
Gerânio Patchouly
Petitgraim Zimbro

Sinergias Estimulantes
ESTIMULANTE ESTIMULANTE/DESINTOXICANTE
2 gotas de óleo essencial de hortelã pimenta 5 gotas óleo essencial de hortelã pimenta
2 gotas de óleo essencial de limão 5 gotas óleo essencial de junípero
2 gotas de óleo essencial eucalipto Alecrim

80
REFRESCANTE REVIGORANTE
Eucalipto Eucalipto
Lavandim Ylang Ylang
Alecrim Petitgraim

Sinergias Afrodisíacas
AFRODISÍACO AFRODISÍACO
Sândalo Ylang Ylang
Pimenta do Reino Sândalo
Tangerina Salvia Esclareia

Sinergias Místicas
LIMPEZA ENERGÉTICA EQUILÍBRIO ENERGÉTICO
Olíbano Lavanda
Lavanda Zimbro
Benjoim Vetiver

ATRAÇÃO (FEMININO) ATRAÇÃO (MASCULINO)


Cravo Pachouly
Ylang Ylang Cravo
Laranja Petitgraim

PROSPERIDADE
Alecrim
Cravo
Laranja

Escalda-pés ou Pedilúvio
CANSAÇO DOS PÉS E PERNAS DORES NAS PERNAS
óleo essencial de cipreste; óleo essencial de limão
óleo essencial de hortelã pimenta. óleo essencial de junípero
óleo essencial de laranja

DESINTOXICANTE RELAXANTE
5 gotas de óleo essencial de limão Lavanda
3 gotas de óleo essencial de junípero Bergamota
2 gotas de óleo essencial de laranja Petitgraim

MASSAGENS

A massagem é usada em Aromaterapia tanto para ajudar os Óleos Essenciais a penetrarem na pele, quanto para
acentuar os seus efeitos terapêuticos. Por si, a massagem pode relaxar os músculos e permitir que o sangue e o
líquido linfático fluam mais livremente, do mesmo modo que pode acalmar a mente. Quando esses benefícios
são combinados com os poderes curativos de Óleos Essenciais, os resultados podem ser surpreendentes. Uma
massagem Aromaterápica pode reduzir os sintomas relacionados ao stress, aliviar dores e melhorar
sensivelmente a condição da pele. Também restabelece o equilíbrio da mente, provocando liberação de emoções
negativas como o medo, o ódio, a fúria, a tristeza, a frustração, o ciúme etc.

Sinergias para Massagens (Diluídas em Óleo Vegetal ou creme)


RELAXANTE MUSCULAR DIMINUIR A DEPRESSÃO
5 gotas de óleo essencial de eucalipto 5 gotas de óleo essencial de Sálvia
5 gotas de óleo essencial de lavanda 5 gotas de óleo essencial de bergamota
5 gotas de óleo essencial de hortelã pimenta 5 gotas de óleo essencial de Gerânio
Óleo carreador de Germem de Trigo Óleo carreador de Germem de Trigo

Combate à TPM COMBATE INSÔNIA


óleo essencial de bergamota Lavanda
óleo essencial de gerânio Manjerona
óleo essencial de rosa Bergamota
Óleo carreador de Germem de Trigo Óleo carreador de Germem de Trigo
81
Combate a Ansiedade ESTIMULANTE
óleo essencial de Eucalipto Alecrim
óleo essencial de Petitgrain Eucalipto
óleo essencial de Patchouly Gerânio
Óleo carreador de Germem de Trigo Óleo carreador de Germem de Trigo

AFRODISÍACO DESINTOXICANTE
óleo essencial de Sálvia Zimbro
óleo essencial de Ylang Ylang Erva Doce
óleo essencial de Tangerina Lavanda
Óleo carreador de Germem de Trigo Óleo carreador de Germem de Trigo

Analgésico TÔNICO
óleo essencial de Alecrim Manjerona
óleo essencial de Lavanda Olíbano
óleo essencial de Bergamota Gerânio
Óleo carreador de Germem de Trigo Óleo carreador de Germem de Trigo

Recomenda-se um Banho de Ofurô por 20 minutos para complementar e/ou reforçar as terapêuticas dos Óleos
Essenciais.

ARGILOTERAPIA OU FANGOTERAPIA

A Argila tem grande capacidade para absorver vibrações densas e materiais, sendo eficiente também como
harmonizador energético, além das propriedades anti-séptica, anti-inflamatória, anti-reumática e anti-tumorais. É
um silicato minimizado, ou silicato de alumínio e diversos oligoelementos, entre os minerais encontrados se
destacam os de silício, segundo elemento mais abundante na natureza. Sua carência no organismo produz uma
desestruturação do tecido conjuntivo, com sinais de envelhecimento.
Ao utilizarmos a Argila em máscaras faciais ou para reduzir a celulite por exemplo, estamos limpando,
tonificando e hidratando profundamente nossa pela e, ao usarmos Óleos Essenciais, alcançamos resultados
fascinantes e surpreendentes.
A Argiloterapia consiste na aplicação de Argila nas partes afetadas do organismo com objetivo terapêutico.
Também é utilizada com finalidade preventiva pela grande capacidade de desintoxicar o organismo, favorecendo
a eliminação de toxinas e aumentando as defesas.

Algumas Indicações:
REGENERAR E DRENAR REVITALIZAR E CICATRIZAR ACELERAR, QUEIMAR E DRENAR
Eczema sem infeção. Tratamento de pele manchada e com Tratamento de celulite, gordura
cicatrizes, Desvitalização em geral localizada
OV girassol, calêndula, olíbano, OV girassol, calêndula ou rosa Cipreste, alecrim, cítricos
rosas mosqueta, OE menta

DESINFLAMAR E REGENERAR DESACELERAR E ACALMAR RELAXAR E DRENAR


Inflamações, coceiras, acne, Pressão alta, anti-stress, olheiras Cansaço , Edemas
entorse, foliculite.
Hortelã pimenta, alecrim, tea tree, Rosas, lavanda, jasmim, lemongrass, OEs cítricos, cipreste, pinho,
eucalipto, sálvia esclaréia, rosas, melissa zimbro
OV girassol, calêndula

RELAXAR, DRENAR E ACALMAR DESCONGESTIONAR ACALMAR E REGENERAR


Alergias Pele irritada, lábios rachados Feridas, acne, hematoma, estrias
Camomila azul ou candeia, jasmim, Camomila azul ou candeia, sálvia Hortelã pimenta, alecrim, tea tree,
olíbano, rosa, lavanda, bergamota esclaréia, lavanda, limão, tea tree, eucalipto, sálvia esclaréia, rosas,
rosas OV girassol, calêndula

REGENERAR E DISSOLVER DESINFETAR E REGENERAR DESINFETAR E ACALMAR


GORDURA
Cistos sebáceos, seborréia Erupções com infecção, caspa Acne infectada
Limão, alecrim, lavanda, copaíba Limão, alecrim, lavanda, copaíba Hortelã pimenta, alecrim, tea tree,
eucalipto, sálvia esclaréia, rosas,
copaíba

82
ACALMAR E HARMONIZAR ESTIMULAR E ENERGIZAR
Metabolismo acelerado Metabolismo lento
Lavanda, rosas, melissa, OEs cítricos, alecrim
lemongrass, palma rosa

ESTÉTICA CORPORAL

Celulite, Estrias e Gordura Localizada

Todas nós reconhecemos quando há celulite. A pele fica com aspecto de casca de laranja, normalmente no
quadril, pernas e coxas. São pequenas bolsas de gordura logo abaixo da pele. É causada pela formação de
líquidos e retenção de toxinas nas células gordurosas subcutâneas, devido à má circulação linfática. Pode ser
aliviada com massagens regulares que ajudarão a desmanchar os caroços de modo que os líquidos sejam
reabsorvidos pelo sistema linfático e eliminados pelo organismo. O Banhos desintoxicantes e a Argilaterapia
aceleram este processo.
Quando a pele é esticada por muito tempo, há formação de estrias, pois a pele perde a elasticidade. Embora não
seja possível fazer voltar a pele com estrias ao seu estado normal, através de massagens utilizando os Óleos
Essenciais que têm poderes regenerativos surpreendentes, conseguimos melhorar a aparência da pele.

Sinergias em Óleos Vegetais contra Celulite


PREVENTIVO CONTRA CELULITE óleo essencial de tangerina
óleo vegetal de semente de uva e de copaíba óleo essencial gerânio
sal marinho óleo essencial de junípero
óleo essencial de limão siciliano de óleo essencial de alecrim

DIURÉTICO BALANCEADOR HORMONAL


Cipreste Gerânio
Junípero Lavanda
Olíbano Sálvia

DESINTOXICANTE DRENAGEM LINFÁTICA


Cedro Cipreste
Cipreste Junípero
Laranja Alecrim

Sinergias em Óleos Vegetais contra Gordura Localizada


EMAGRECEDOR REDUTOR DE APETITE
Grapefruit Erva Doce
Limão Bergamota
Junípero Manjerona

Sinergias em Óleo Vegetal de Calêndula contra Estrias


ANTIESTRIAS PREVENTIVO
Lavanda Mirra
Olíbano Lavanda
Mirra Olíbano
Gerânio

ESTÉTICA FACIAL

Máscara Facial

"A nossa pele estabelece limeites entre os polos e também serve de contato entre eles. Ela reflete todos os órgãos
internos. Udo o que acontece na pele indica um fenômeno interior.
A pele não mostra apenas o estado interior e exterior de nossos órgãos, ela msotra também nossos processos e
reações psíquicas em geral. Atrás de uma pele muito sensível, se esconde alguém bastante vulnerável, uma pele
resistente e firme uma pessoa dura etc.

83
Com a pele nós tocamos os outros e entramos em contato com eles, seja com um gesto carinhos ou agressivo, é a
pele que estabelece o contato" (Rudiger Dahlke)

Objetivos das máscaras faciais:


As máscaras faciais servem para limpar, nutrir e revitalizar a pele através da eliminação de toxinas e do estímulo
da circulação sanguínea local.
As máscaras faciais com Óleos Essenciais regulam a atividade dos capilares e devolvem vitalidade aos tecidos.
Facilitam a eliminação das células mortas e promovem a regeneração de células novas e saudáveis (poder
citofilático). Aliviam o stress, problemas de saúde em geral, reforça o sistema imunológico, equilibra o sistema
nervoso central, aumenta o rendimento físico e mental, e proporciona ao corpo e ao espírito um bem estar
profundo.

Bases para Máscaras Faciais:


Argila Iogurte Creme de Leite
Bases Naturais:
Aveia Abacate Abóbora Alface Cenoura Couve
Maçã Pepino Melão Pera Pêssego Uva

Sinergias Hidratantes

PELES SECAS PELES NORMAIS PELES OLEOSAS


Óleo Essencial de Gerânio Óleo Essencia de Lavanda Óleos Essencial de Cipreste
Óleo Essencia de Palmarosa Óleo Essencial de Palmarosa Óleo Essencial de Bergamota

PELES MISTAS PELES MADURAS ESFOLIANTE


Lavanda Olíbano Lavanda
Palmarosa Gerânio Mel, Aveia

Sinergias Terapêuticas

CONTRA ACNE TONIFICANTE REJUVENESCIMENTO


Gerânio Olíbano Olíbano
Lavanda Lavanda Patchouli

ADSTRINGENTE RENOVADORA PELE SENSÍVEL


Cipreste Lavandim Gerânio
Cedro Petitgraim Lavanda

Sinergias para Tônicos:

TÔNIFICANTE PARA PELE SECA TÔNIFICANTE PARA PELE NORMAL


Hidrolato de Rosas Palmarosa
Camomila Vodka
Vodka Hidrolato de Rosa

TÔNIFICANTE PARA PELE OLEOSAS TÔNIFICANTE PARA PELE SENSÍVEL OU ALÉRGICA


Bergamota Água
Lavanda Vodka
Vodka, Água de Flor de Laranjeira Camomila

CAPILAR

Sinergias em Óleo Vegetal para Massagem Capilar


CABELOS SECOS: CABELOS QUEBRADIÇOS:
óleo vegetal cenoura, Massagem com 60 ml de óleo vegetal jojoba e 18 gotas de
Óleo Essencial de Lavanda, óleo essencial de gerânio e óleo essencial de alecrim.
óleo essencial de olíbano.

BRILHO: CABELOS OLEOSOS:


óleo vegetal germe de trigo óleo vegetal de jojoba,
óleo essencial de alecrim. essencial de limão, Óleo essencial de alecrim
óleo essencial de lavanda.

84
CABELOS NORMAIS: QUEDA DE CABELO
óleo vegetal de jojoba, óleo essencial de cedro óleo Óleo vegetal de jojoba, óleo essencial de vetiver e óleo
essencial de ylang ylang. essencial de alecrim.

Todos os tratamentos podem ser agregados a shampoos e condicionadores, além de acompanharem banhos com
fins trapêuticos e hidratantes.

OUTRAS SINERGIAS

Bursites, tendinite, artrite, Gel com 1% de OE de canela e 1% OE de gemgibre.


reumatismo e inflamações.
Cálculos renais Ingerir 1 gota de PE de Pinheiro ou abeto 3 vezes ao dia.
Cistite Mistura de 3 gotas de OE bergamota com 6 gotas de tea tree em um pouco de
açúcar cristal, mel ou vodca e adicionados de 1 xícara de água quente. Beber
diariamente de meio a 1 litro do chá, cessando 3 dias após a melhora dos
sintomas
Cólicas e gases intestinais Mistura de 1 gota de OE hortelã pimenta em um pouco de açúcar cristal, mel ou
vodca e adicionados de 1 xícara de água quente. Beber diariamente de meio a 1
litro do chá.

Misturar 6 gotas de OE Hortelã Pimenta em 15mL de óleo vegetal e massagear a


região do abdômen de 2 em 2 horas.

Pode-se ingerir cápsulas de carvão vegetal, mas não juntamente com o chá
aromaterápico.
Diarréia Mistura de 2 gotas de OE manjericão com 1 gota de OE camomila romana em
um pouco de açúcar cristal, mel ou vodca e adicionados de 1 xícara de água
quente. Beber diariamente de meio a 1 litro do chá.
Dor de cabeça Aplicar 1 gota de OE de lavanda e 1 gota de OE de hortelã pimenta nas
têmporas
Fadiga Mental Escalda Pés com alecrim e Petitgrain
Gripes, resfriados e rinites Mistura de 2 gotas de OE limão com 6 gotas de tea tree em um pouco de açúcar
cristal, mel ou vodca e adicionados de 1 xícara de água quente. Beber
diariamente de meio a 1 litro do chá, cessando 3 dias após a melhora dos
sintomas.

Nasya feito em Lota com solução fisiológica morna acrescentado de 5 gotas de


própolis, 1 gota de tea tree, 1 gota de eucalipto e 1 gota de funcho ou então
instilar a solução feita com 1 gota de OE eucalipto em 30Ml de soro fisiológico.

Inalação com 1 gota de eucalipto, 2 gotas de alecrim e 5 de limão.


Herpes Zoster Aplicar no local a mistura de partes iguais de OE gerânio, pau rosa e tea tree de
hora em hora.
HPV Gel com 1% Ravensara + 2% Cedro maçã + 2% Thuya + 3% Sangue do dragão,
2 vezes ao dia
Infecções cutâneas, Aplicar a mistura de 10 gotas de Lavanda com 10 gotas de tea tree puros no
micoses, pé de atleta local. Se houver irritação, acrescentar 10 gotas camomila romana, por pelo
menos 3 vezes ao dia
Insônia Mistura de 2 gotas de OE lavanda com 1 gota de OE camomila romana em um
pouco de açúcar cristal, mel ou vodca e adicionados de 1 xícara de água quente.
Beber diariamente 1 xícara do chá à noite.
Lactação (estimular) Massagear com seios com gel a 1% de funcho.
Manchas na Pele Gel com OE menta 2% aplicado à noite.
Molusco contagioso Aplicar no local OE tea tree, manuka ou murta limão de hora em hora.
Musculos doloridos Massagear com 15 gotas de lavanda mais 15 gotas de alecrim ou camomila
romana misturadas em 15mL óleo vegetal
Náuseas Mistura de 2 gotas de OE manjericão com 1 gota de OE gengibre e 1 gota de OE
hortelã pimenta em um pouco de açúcar cristal, mel ou vodca e adicionados de 1
xícara de água quente. Beber diariamente de meio a 1 litro do chá.

Se enjôo de movimento, pingar num algodão para inalar durante a viagem 2


gotas de lavanda, manjericão, alecrim e gengibre.
85
Onicomicoses e unhas Aplicar a mistura de 10 gotas de OE de cravo, mirra e benjoim em 1mL de óleo
frágeis de copaíba, diariamente após o banho noturno.

Queimaduras Misturar 9 gotas de OE lavanda e 1 de camomila azul em 15mL de óleo vegetal


e massagear a região do abdômen de 2 em 2 horas.
Reequilíbrio Hormonal 1mL de OE cabreuva, Camomila romana, sálvia esclaréia e erva doce
Feminino, TPM, misturados em 100mL de óleo de linhaça, prímula e gergelim em proporções
Menopausa iguais. Tomar 1 colher de café 2 vezes ao dia.
Reequilíbrio Hormonal 1mL de OE cabreuva, vetiver, sálvia esclaréia e erva doce misturados em
Masculino, Hiperplasia da 100mL de óleo de abóbora, abacate, prímula e gergelim em proporções iguais.
Próstata, queda de cabelo Tomar 1 colher de café 2 vezes ao dia.
por DHT em excesso,
hirsutismo
TPM, ansiedade e tensão Mistura de 2 gotas de OE lavanda com 1 gota de OE rosas e 1 gota de OE néroli
nervosa em um pouco de açúcar cristal, mel ou vodca e adicionados de 1 xícara de água
quente. Beber diariamente 1 xícara do chá à noite.

Misturar 1 gota de camomila azul, 2 gotas de lavanda e 5 gotas de OE sálvia


esclaréia em 15mL de óleo vegetal e massagear a região do abdômen de 2 em 2
horas.

86
PREPARO E USO DE FITOTERÁPICOS

BANHO: Faz-se uma infusão ou decocção (veja a seguir) mais concentrada que deve ser coada e misturada na
água do banho. Outra maneira indicada é colocar as ervas em um saco de pano firme e deixar boiando na água do
banho.
Os banhos podem ser parciais ou de corpo inteiro, e são normalmente indicados 1 vez por dia.

CATAPLASMA: São obtidas por diversas formas:


a) amassar as ervas frescas e bem limpas, aplicar diretamente sobre a parte afetada ou envolvidas em um pano
fino ou gase;
b) as ervas secas podem ser reduzidas a pó, misturadas em água, chás ou outras preparações e aplicadas envoltas
em pano fino sobre as partes afetadas;
c) pode-se ainda utilizar farinha de mandioca ou fubá de milho e água, geralmente quente, com a planta fresca ou
seca triturada.

COMPRESSA: É uma preparação de uso local (tópico) que atua pela penetração dos princípios ativos através da
pele. Utilizam-se panos, chumaços de algodão ou gase embebidos em um infuso concentrado, decocto, sumo ou
intura da planta dissolvida em água. A compressa pode ser quente ou fria.
Outra forma é molhar a ponta de uma toalha e colocar no local afetado, cobrindo com a outra ponta da toalha
seca, ara conservar o calor.

DECOCÇÃO: Preparação normalmente utilizada para ervas não aromáticas (que contém princípios estáveis ao
calor) e para as drogas vegetais constituídas por sementes, raízes,cascas e outras partes de maior resistência à
ação da água quente. Numa decocção, coloca-se a parte da planta na quantidade prescrita de água fervente.
Cobre-se e deixa-se ferver em fogo baixo por 10 a 20 minutos. A seguir deve-se coar e espremer a erva com um
pedaço de pano de ou coador. O decocto deve ser utilizado no mesmo dia de seu preparo.

GARGAREJO: Usado para combater afecções da garganta, amigdalites e mau hálito. Faz-se uma infusão
concentrada e gargareja quantas vezes for necessário. Ex.: Sálvia (máu hálito), tanchagem, malva e romã
(amigdalites e afecções na boca).

INALAÇÃO: Esta preparação utiliza a combinação do vapor de água quente com aroma das substâncias voláteis
das plantas aromáticas, é normalmente recomendada para problemas do aparelho respiratório. Colocar a erva a
ser usada numa vasilha com água fervente, na proporção de uma colher de sopa da erva fresca ou seca em 1/2
litro d'água, aspirar lentamente (contar até 3 durante a inspiração e até 3 quando expelir o ar), prosseguir assim
ritmicamente por 15 minutos. O recipiente pode ser mantido no fogo para haver contínua produção de vapor.
Usa-se um funil de cartolina (ou outro papel duro); ou ainda uma toalha sobre os ombros, a cabeça e a vasilha,
para facilitar a inalação do vapor. No caso de crianças deve-se ter muito cuidado, pois há riscos de queimaduras,
pela água quente e pelo vapor, por isso é recomendado o uso de equipamentos elétricos especiais para este fim.

INFUSÃO: Preparação utilizada para todas as partes de plantas medicinais ricas em componentes voláteis,
aromas delicados e princípios ativos que se degradam pela ação combinada de água e do calor. Normalmente,
trata-se de partes das plantas tais como flores botões e folhas. As infusões são obtidas fervendo-se a água
necessária, que é derramada sobre a erva já separada, colocada noutro recipiente. Após a mistura, o recipiente
permanece tampado por um tempo variável entre 5 e 10 minutos. Deve-se coar o infuso, logo após o término do
repouso. Também o infuso deve ser ingerido no mesmo dia da preparação.

MACERAÇÃO: Preparação (realizada a frio) que consiste em colocar a parte da planta medicinal dentro de um
recipiente contendo álcool, óleo, água ou outro líquido. Folhas, flores e outras partes tenras ficam macerando por
18 a 24 horas. Plantas onde há possibilidade de fermentações não devem ser preparadas desta forma.O recipiente
permanece em lugar fresco, protegido da luz solar direta, podendo ser agitado periodicamente. Findo o tempo
previsto, filtra-se o líquido e pode-se acrescentar uma quantidade de diluente (água por exemplo), se achar
necessário para obter um volume final desejado.

ÓLEOS: São feitos na impossibilidade de fazer pomadas ou compressas. As ervas secas ou frescas são colocadas
em um frasco transparente com óleo de oliva, girassol ou milho, depois manter o frasco fechado diretamente sob
o sol por 2 a 3 semanas. Filtrar ao final e separar uma possível camada de água que se formar. Conservar em
vidros que o protejam da luz.

PÓS: A planta é seca o suficiente para permitir sua trituração com as mãos, peneirar e frasco bem fechado. As
cascas e raízes devem ser moídas até se transformarem em pó. Internamente pode ser misturado ao leite ou mel e
externamente, é espalhado diretamente sobre o local ferido ou misturado em óleo, vaselina ou água antes de
aplicar.

87
SUCO OU SUMO: Obtém-se o suco espremendo-se o fruto e o sumo ao triturar uma planta medicinal fresca
num pilão ou em liquidificadores e centrífugas. O pilão é mais usado para as partes pouco suculentas. Quando a
planta possuir pequena quantidade de líquido, deve-se acrescentar um pouco de água e triturar novamente após
uma hora de repouso, recolher então o líquido liberado. Como as anteriores, esta preparação também deve ser
feita no momento do uso.

TINTURA: Maneira mais simples de conservar por longo período os princípios ativos de muitas plantas
medicinais.
Deixam-se macerar 250 g da planta fresca picada em 500 ml de álcool a 80 ou 90% por um período variável
entre 8 e 10 dias em local protegido da luz solar, a seguir espremer e filtrar o composto obtido. No caso de ervas
secas, utiliza-se 250 a 300 g de ervas para um litro de álcool a 70% (7 partes de álcool e 3 de água). Quando
possível
utilize o álcool de cereais. Conserve sempre ao abrigo da luz em frasco tampado. Usa-se na forma de gotas
dissolvidas em água para uso interno, ou em pomadas, unguentos e fricções em uso externo. Os príncipios ativos
presentes nas tinturas alcançam rapidamente a circulação sanguínea.

UNGÜENTO E POMADA: A pomada pode ser preparada com o sumo da erva ou chá mais concentrado
misturado com a banha animal, gordura de coco ou vaselina na forma líquida. Pode-se ainda aquecer as ervas na
gordura depois coar e guardar em frascos tampados e, ainda, pode ser adicionada a tintura à vaselina. Pode-se
adicionar um pouco de cera de abelha nas preparações a quente da pomada. As pomadas permanecem mais
tempo sobre a pele, devem ficar usadas a frio e renovadas 2 a 3 vezes ao dia.

VINHO MEDICINAL: Usar vinho branco, tinto ou licoroso com graduação alcoólica de aproximadamente 11
GL.
Usar 5g de ou mais ervas (ou a dosagem indicada) para cada 100 ml de vinho. Macerar bem, tampar e deixar em
local escuro, ao abrigo da luz por um período de 10 a 15 dias. Filtra-se o preparado. Toma-se uma colher antes
ou depois das refeições, ou conforme indicações, segundo os efeitos desejados.

XAROPE: Os xaropes são utilizados normalmente nos casos de tosses, dores de garganta e bronquite. Na sua
preparação, faz-se inicialmente uma calda com açúcar cristal rapadura, na proporção de 1.5 a 2 partes para cada
1 parte de água, em voluma, por exemplo, 1.5 a 2 xícara de açúcar ou repadura ralada. A mistura é levada ao
fogo e, em poucos minutos há completa dissolução e a calda estará pronta, com maior ou menor consistência,
conforme desejado, então são adicionadas as plantas preferencialmente frescas e picadas, coloca-se em fogo
baixo e mexe-se por 3 a 5 minutos, findos os quais o xarope é coado e guardado em frasco de vidro. Se for
desejada a adição de mel ou em substituição ao açúcar, não se deve aquecer, neste caso adiciona-se apenas o
suco da planta ou a decocção ou infusão frios. O xarope pode ser preparado com tinturas, neste caso adiciona-se
1 parte de tintura para 3 partes da mesma calda com açúcar ou rapadura. As decocções podem ainda servir de
base para o xarope, neste caso adiciona-se o açúcar diretamente nas mesmas, podendo submeter a leve
aquecimento para facilitar a dissolução do açúcar. A quantidade de plantas a ser adicionada em cada xarope é
variável segundo a espécie vegetal. O xarope pode ser guardado por até 15 dias na geladeira, mas se forem
observados sinais de fermentação, ele deve ser descartado, no caso dos xaropes preparados com tinturas, o
período de conservação tende a ser maior. O uso de gotas de tintura de própolis no xarope serve como
conservante, além de auxílio terapêutico. Obviamente, os xaropes, devido à grande quantidade de açúcar, não
devem ser usados por diabéticos.
De um modo em geral, o horário em que se toma os preparados fitoterápicos é muito importante para a cura ou
efeitos desejados. Assim tem-se as seguintes regras gerais:
. desjejum ou café da manhã - toma-se os laxativos, depurativos, diuréticos e vermífugos (meia hora antes) ;
. duas horas antes e depois das refeições principais - toma-se as preparações antireumáticas, hepatoprotetoras,
neurotônicas, contra a febre e tosse;
. meia hora antes das refeições principais - preparações tônicas e antiácidas;
. depois das refeições principais - todas as preparações digestivas e contra gases;
. antes de deitar - todosa os preparados protetores do fígado e laxativos.
As dosagens dos remédios caseiros são variáveis de acordo com a idade, na ausência de recomendações
específicas para os chás, utilize as indicadas a seguir:
1. Menor de 1 ano de idade: 1 colher de café do preparado 3 vezes ao dia
2. De 1 a 2 anos: 1/2 xíc. de chá 2 vezes ao dia
3. De 2 a 5 anos: 1/2 xíc. de chá 3 vezes ao dia
4. De 5 a 10 anos: 1/2 xíc. de chá 4 vezes ao dia
5. De 10 a 15 anos: 1 xíc. de chá 3 vezes ao dia
6. Adultos: 1 xíc. de chá 3 a 4 vezes ao dia
Outra recomendação se refere à redução proporcional das doses para crianças de acordo com a idade, assim se
recomenda uma sexta, uma terça ou meia parte da dose preconizada para adultos.
Para facilitar as preparações na Tabela abaixo estão as unidades domésticas de volume e respectivos pesos:

88
UNIDADES DE VOLUME PESO - g
1 colher de chá de raízes secas 04
1 colher de chá de folhas frescas 02
1 colher de chá de raízes ou cascas secas 20
1 colher de sopa de folhas secas 02
1 colher de sopa de folhas frescas 05

ABACATE
Persea Gratissima
O abacate pode substituir a carne, porque contém gordura e o mesmo valor nutritivo. O abacateiro serve
especialmente aos diabéticos, tanto através da fruta como das folhas. Às pessoas atacadas por esse mal é
aconselhável um tratamento a base do abacateiro, durante quinze dias:
Comer em jejum metade de um abacate amassado Após as refeições tomar um chá de folhas SECAS do
abacateiro, sem açúcar. Outra indicação das folhas do abacateiro é para a limpeza do fígado. Se o fígado não vai
bem por estar saturado de gordura e tóxicos, fazer um chá das folhas SECAS do abacateiro e toma-lo em goles,
de hora em hora, durante todo o dia, repetindo por 15 dias. O caroço serve como tônico capilar. Em dores de
cabeça aplicar folhas quentes do abacateiro sobre a cabeça, em compressa. Usar sempre folhas secas pois as
verdes provocam palpitações cardíacas.

ABACAXI
Ananas Sativus
O fruto é rico em glucidos, provitamina A e vitaminas B e C, e em diversos ácidos orgânicos e sais minerais.
Contém uma enzima, a bromelina, que aciona as grandes proteínas, acelerando assim a sua digestão. Muito
nutritivo, desintoxicante e diurético, é indicado par dietas de emagrecimento e útil contra arteriosclerose. Anti-
reumático, balsâmico, depurativo, digestivo, fuidificante, laxativo, peitoral, refrescante.

AÇAI
Euterpe Oleracea
O açaizeiro é uma palmeira originária das margens dos rios amazônicos.A fruta é pequena, arredondada, roxa
quase preta. Lembra uma jabuticaba em tamanho reduzido. Tem um caroço grande, e muito pouca polpa. O açaí
é muito rico em antocianina, uma substância anti-oxidante, que ajuda no combate ao colesterol e aos radicais
livres.Além de ser considerado um dos alimentos mais ricos em ferro, o açaí também é rico em fibras, sendo
bastante indicado também para pessoas idosas e/ou com mal funcionamento do aparelho digestivo. Por suas
características microbiológicas o açaí é considerado uma das mais nutritivas frutas da Amazônia, perdendo
apenas pa ra a castanha-do-pará.
Pela grande quantidade de fibras facilita o transito intestinal, favorece a circulação sanguínea. Consumido
juntamente com a vitamina C fornece grande quantidade de fósforo e ferro necessário às funções cerebrais e
sanguínea. Excelente energético natural para pessoas que exercem funções de estresse físico
A riqueza em LIPÍDIOS dá ao seu suco um valor energético duas vezes superior ao do leite,contém elevada
quantidade de VITAMINA E, tem grande quantidade de fibras, o que favorece o trânsito intestinal, considerável
de PROTEÍNAS. POTÁSSIO e CÁLCIO o que faz do Açaí um alimento bastante completo. Contém ainda
VITAMINA B1 e elevado teor de pigmentos ANTOCIANINAS (cor roxa violeta) que são também
ANTIOXIDANTES, favorecendo a melhor circulação do sangue.

ALCACUZ
Glycyrrhiza Glabra
Antiespasmódico, béquico, depurativo, digestivo, diurético, emoliente, peitoral, refrescante, tônico. Ação
cicatrizante sobre úlceras da mucosa gátrica e duodenal, transtornos biliares, catarros de bexiga, prisão de ventre,
dificuldade para urinar, etc.
Não prolongar o seu uso, em alta dose, o alcaçuz aumenta a tensão arterial

ALECRIM
Rosmarinus Officinalis
O alecrim é uma planta originária da Europa, tem sido assunto de lendas e histórias. Conta-se que Dom Quichote
de La Mancha, tendo-se ferido em combate, na orelha, foi curado por um pastor que mastigou as folhas de
alecrim e as transformou em pasta e com um punhado de sal as colocou na ferida.
Atribuindo-lhe poderes mágicos, sem dúvida magnética, essa planta que só nasce nos jardins dos justos, também
é simbolo do amor, da fidelidade e da felicidade. O Alecrim colocado sobre brasas desinfeta o ambiente de maus
cheiros e principalmente maus fluidos.
Como chá (infusão) , indicado para : digestão difícil, debilidades cardíacas, altamente calmante, sendo bom nas
emoções de grande histeria nervosa, exaustão física e intelectual, depressão, palpitação, retenção de urina e é
também sudorífugo. Muito bom nos casos de coqueluche

89
O alecrim atua sobre o sistema nervoso estimulando os astênicos, fortalecendo as memórias enfraquecidas e
elevando o moral. O vinho de alecrim e sálvia é indicado para debilidade geral.

ALFAFA (BROTO)
Medicago sativa
No ponto de vista medicinal, é um vegetal para trazer energia, sendo indicado para o tratamento de escorbuto e
do raquitismo. A infusão das flores emprega-se como reconstituinte orgânico. Serve ainda para combater a
inapetência, a má digestão, as afecções nervosas, as cistites crônicas, a insônia, a neurastenia, o reumatismo e o
artritismo. O broto de alfafa é especialmente recomendado, pois é o vegetal mais rico em clorofila do mundo.
Conhecida como sangue verde, a clorofila contribui para melhorar a oxigenação do sangue. O broto de soja é
diurético e altamente energético e rico em vitamina C. O broto de alfafa possui grande quantidade de substâncias
bioflavonóides (antioxidantes naturais produzidos pela planta como mecanismo de proteção) que atuam como
anticancerígenos nas células humanas.
Vitaminas A, C e E previnem a oxidação de gorduras no sangue, inibindo assim a formação de radicais livres no
organismo. Os brotos são boas fontes dessas vitaminas, principalmente A e C. Possuem também alta
concentração de minerais.São utilizados em dietas por atletas, substituindo a carne, além de ser utilizado como
fitohormônio pelas pessoas que precisam de reposição hormonal e não podem fazê-lo através de produtos
sintéticos. Pela sua riqueza em nutrientes, a Alfafa supre necessidades vitaminicas, minerais e protéicas, sendo
excelente fonte de potássio, magnésio, fósforo e cálcio. Age nas anemias causadas por deficiência de ferro, bem
como nas hemorragias. É um bom recalcificante, sendo muito utilizado nos casos de raquitismo. Suas enzimas
facilitam a digestão, e alguns especialista sugerem que a Alfafa possui propriedades diuréticas.
Suco de Alfafa - Indicado para pessoas em estado de estresse, depauperadas ou em grande atividade física ou
mental. Utilizado na convalescença e na complementação alimentar como uma grande fonte de energia, tem ação
desintoxicante e depurativa, fortalece o sistema circulatório e o músculo cardíaco, ajuda a eliminar radicais
livres, auxilia no tratamento da hipertensão arterial, previne anemias, regulariza a função intestinal, combate o
mau hálito e protege a célula hepática.

ALFAZEMA
Lavandula Officinalis
Muito cheirosa, sempre usada para perfumar a casa e as roupas, todas as partes da planta são perfumadas. pode-
se guardá-las secas em saquinhos de pano entre as roupas.
A Alfazema é antimicrobiana e antipútrida.
O chá de infusão é bom para : retenção de urina, gota, dores em geral, gases, dor de cabeça, enxaqueca, tontura,
coqueluche, tosse, dor de garganta, digestiva. É uma erva calmante, boa para o cansaço. Ótimo chá para tomar
após as refeições. O banho de alfazema é recomendado para crianças fracas e anêmicas

ALHO
Allium Sativum
Originário da Ásia Central, já bastante conhecido dos egípcios, gregos e romanos por seu aroma e sabor, forte e
inconfundível e por suas inúmeras propriedades terapêuticas.
Derivam da espécie originária diversas outras, diferenciadas por algumas características vegetativas, sobretudo a
cor dos dentes. O alho costuma ser indicado como auxiliar no tratamento de hipertensão arterial leve, redução
dos níveis de colesterol e prevenção das doenças ateroscleróticas. Também se atribui ao alho a capacidade de
prevenir resfriados e outras doenças infecciosas, e de tratar infecções bacterianas e fungicas.
O alho purifica o sangue, atua sobre as mucosas do nariz, da garganta e dos pulmões, desinfeta todo o
organismo, funciona como antibiótico para combater infecções.
Para o enfraquecimento do organismo, principalmente nos idosos, consumir durante as refeições um dente de
alho bem amassado com uma cenoura, isso previne contra doenças mais graves.
Atua na circulação, e para esses problemas, consumir pão de centeio temperado com alho socado, salsa e gotas
de azeite sendo que será este o primeiro alimento do dia, repetido por uma semana, descansar 15 dias e fazer
novamente, assim sucessivamente. O alho cozido, tem uma grande perda de sua eficácia e cru em grande
quantidade irritam os rins.

ALHO-PORÓ
Allium Porrum
Tem uma poderosa ação diurética, expectorante e anti-séptica. Rica em mucilagem a planta contém diversos sais
minerais e enxofre.
A água utilizada em seu cozimento, com pouco sal, facilita e estimula o funcionamento dos rins. O talo cru,
quando aplicado com cuidado sobre a pel, acalma rapidamente as irritações provocadas por picadas de insetos.

ABÓBORA
Curcubita Pepo
Originária da América Central, a aboboreira disseminou-se nas regiões quentes e temperadas amenas do mundo
todo.
90
Bastante digestiva, a polpa da abóbora constitui excelente alimento para convalescentes e pessoas de estômago
delicado, quando bem cozida e preparada em purê ou sopa.
A polpa da abóbora contém vitaminas A e C, enzimas e numerosos oligoelementos. Juntamente com o suco,
possui propriedades laxativas e emolientes, podendo ser ingerida ou aplicada sobre a pele (em máscaras faciais)
As sementes de abóbora possuem altos teores de fósforo. são além disso, excelentes vermífugos combatendo
tênias e áscaris sem prejudicar o organismo. Com esta finalidade curativa, devem ser ingeridas cruas.

AGRIÃO
Nasturtium Officinale
Depurativo, descongestionante, difgestivo e diurético, é um antiescorbútico notável, por ser rico em vitamina C.
Combate o reumatismo e funciona como um antídoto aos efeitos tóxicos da nicotina. O seu suco adoçado com
mel, dá um excelente xarope para bronquite, tosse, tuberculose pulmonar e toda a sorte de enfermidades
catarrais.
Utilizado com freqüência em saladas de diabéticos, recomenda seu uso para os que sofrem de ácido úrico. O
caule e as folhas contém sais minerais (ferro, fósforo, cálcio, iodo e enxofre) , além das vitaminas A e C.

AIPO
Apium Graveolens
O aipo silvestre era considerado útil, por exemplo, contra melancolia, dor de dentes e para melhorar as funções
urinárias.
É indicado como carminativo, estomáquico, expectorante febrigugo e tônico. Dentre os princípios ativos do aipo,
destacam-se o óleo essencial, substânias nitrogenadas, oleoressinas e vitaminas.
Também é atribuído ao aipo algumas propriedades afrodisíacas, sua formas também sugerem. Os antigos
Romanos dedicavam o aipo ao deus Plutão, deus do sexo e do inferno.

ALCACHOFRA
Cynara Scolymus
É um alimento indicado para diabéticos. Além disso atribui-se a ela uma ação diurética, estomacal e reguladora
das taxas de glicose e de colesterol no sangue. Suas propriedades medicinais como estimulante das funções
hepáticas devem-se à presença da substância cinarina, substância amarga contida nas folhas e nos botões. para
finalidade terapêutica, as folhas devem ser colhidas antes da floração, quando os princípios ativos alcançam os
maiores teores.

ALCAPARRA
Capparis Spinosa
os botões florais dessa planta eram uma iguaria já consumida pelos antigos gregos e romanos. seu uso medicinal
também antigo. a presença de flavonóides e glicocaparósido na raiz e nos botões florais confere à alcaparra
propriedades antiespasmódicas, aperitivas, cicatrizantes, diuréticas, tônicas e fortalecedora dos vasos capilares.
É empregada em doenças do fígado, rins e até para melhorar estados depressivos. O chá feito de suas raízes ou
com seus botões florais pode ser usado para lavar úlceras e feridas, pois tem a propriedade de limpar os tecidos
necrosados, favorecendo a cicatrização.

ALGAS
Utilizadas há milênios , as algas marinhas são alimentos extremamente ricos, dotados de propriedades
medicinais e cosméticas. a maioria das espécies exerce ação remineralizante, reguladora do sistema hormonal e
do intestino. Além disso não engorda e ajuda no combate à celulite. Entre as mais conhecidas em nosso país
estão o kombu e o nori. Kombu é rica em vitaminas e sais minerais: possui mais ferro que a carne bovina e 4.000
vezes mais iodo do que os peixes. O nori é rico em provitamina A (caroteno), sais minerais, cálcio, ferro, e iodo.

ANDIROBA
Carápa guaiananensis
Semente amazônica que serve como repelente e como reconstituite celular da derme, eliminando inflamações e
dores superficiais. Tem ação purgativa na eliminação de vermes. Quando você tem um ferimento é bom passar
óleo de andiroba no local. Além de sarar, este remédio evita que mosquitos, moscas e outros insetos pousem no
ferimento. A casca como as folhas, depois de cozidas são utilizadas como febrífugo e anti-helmínticas ou para
lavagem das úlceras, contra impetigo e outras doenças.
O óleo de andiroba é indicado como antiinflamatório para dores musculares e micoses nas áreas externas do
corpo. Também combate a diabetes e o reumatismo através da homeopatia. O bálsamo é usado para a fabricação
de sabonetes medicinais e para uso tópico em luxações. O óleo da semente também serve como protetor solar.
Em determinados períodos do dia na região, principalmente no fim da tarde e à noite, é grande a incidência de
mosquitos, por isso, muitos índios da Amazônia misturam a andiroba ao urucum, o que se torna um eficaz
repelente de insetos. No mercado também existe a vela de andiroba com ação repelente, que é comercializada
por algumas empresas, e substitui produtos à base de citronela, uma planta aromática.
91
ARNICA
Arnica Montana
A planta inteira possui propriedades medicinais. Muitos especialista indicavam a arnica para o tratamento de
afecções internas. Porém, como foi constatado o efeito prejudicial de seus princípios ativos no organismo, a
ingestão da planta acabou se restringindo a poucos casos e, ainda assim, só com orientação médica.
Externamente, usa-se bastante a arnica para combater problemas decorrentes de várias formas de traumatismo. É
o medicamento mais indicado no caso de contusões, batidas, esmagamentos, dores musculares, reumatismo,
gota, etc., mesmo quando a pessoa sente dores generalizadas e não há hematomas aparentes.
Descongestionante dos tecidos traumatizados ou inflamados, a arnica facilita a reabsorção de líquidos e
proporciona rápido alívio das dores que acompanham essas alterações.
Alguns estudiosos prescrevem o uso da arnica nas contusões em que ocorrem esfoladuras ou cortes. Outros, ao
contrário, opõem-se com vêemencia a essa postura por defenderem que a aplicação da arnica dificulta a
cicatrização.

ARRUDA
Ruta Graveolens
Na idade média era considerada uma proteção poderosa contra a feitiçaria. A arruda é usada em banhos para
combater todo o tipo de mau-olhado. Regulariza o fluxo menstrual, combate cólicas e elimina o excesso de
gases, para varizes; flebite e verminoses. Externamente é usada em conjuntivites, piolhos e sarna.
COMO USAR: uso interno: chá feito com 1 colher (café) de folhas em 1 xícara de água fervente; tomar 3 xícaras
ao dia. Uso externo: chá feito com 2 a 3 colheres (chá) de folhas em 1 xícara de água fervente, para lavar os
olhos. Para piolhos, use este mesmo chá, embebido no algodão para umedecer os cabelos. Para sarna, use o chá
para passar sobre as partes afetadas.
CONTRA-INDICAÇÕES: Não deve ser usada por gestantes, pois pode levar ao aborto do feto e à morte da
gestante. É fotossensibilizante. Não se deve aumentar as doses, pois provoca hemorragias, dores intestinais,
edema de língua, hiperemia dos órgãos respiratórios, vômitos, salivações, gastroenterites e hemorragias graves.

ARTEMÍSIA
Artemisia Vulgaris
A origem da palavra vem da mMitologia Grega, da deusa Artemis, protetora dos partos. Diz-se que esta planta
protege o homem de cidentes, enfermidades graves, e acontecimentos desagradáveis. Forte ação no organismo
feminino : excelente efieto na menstruação irregular, combate a anemia e icterícia, que muitas vezes ocasionam o
mau funcionamento da menstruação. Alivía e cura a freaqueza do estomago, do corpo e dos nervos. é a planta da
moxabustão.
Atenção não deve ser ingerida por grávidas, pois aumenta a contração uterina (abortiva). Em compensação nos
ultimas dias da gravidez é recomendada

ASSA PEIXE
Bohemeria caudata
" Muito eficaz contra a gripe, tosse forte e bronquite, aliviando dores no peito e nas costas. Estanca o
sangramento, contusão, hemorróidas e banhos nas afecções do útero, pontadas no peito e costas.
Utiliza-se sob a forma de chás ou sob a forma de sucos contra casos de pneumonia.

AVEIA
Avena sativa
Fonte natural de vitaminas, proteínas e sais minerais, contendo muitas calorias. Usada em flocos ou farinha,
adapta-se aos organismos delicados, garantindo um bom funcionamento dos intestinos preguiçosos.
É também anti-hemorróidas, sua ingestão tem a virtude de reduzir o teor de gorduras e de açúcar do sangue,
auxiliando nas arterioscleroses e no diabetes.
Contra ácido úrico ferver um punhado de palha de aveia triturada em um litro de água, coar e beber durante o
dia.

AZEITONA / OLIVA
Olea europaea
Uma curiosidade sobre a oliveira. Conta-se que Atenas, a deusa grega da sabedoria, fez nascer de uma lança a
oliveira; os frutos dessa árvore, além de alimentarem o homem, produziriam um óleo para temperar sua comida,
fortalecer seu corpo, curar as suas feridas e iluminar sua noite. A azeitona tem grande teor de gordura e sais
minerais, devendo ser consumida com cautela. O azeite de oliva, extraido por pressão a frio (extra virgem) de
azeitonas que não passaram pela lavagem química, o que destrói alguns de seus princípios ativos, é muito
nutritivo e estimula a digestão. Os frutos possuem propriedades laxantes, diuréticas, emolientes, diminuidoras
das taxas de glicose no sangue e estimulantes hepáticas. Além de facilitarem a digestão de gorduras, as azeitonas
abaixam a pressão arterial quando consumida sem sal. O acréscimo de sal nos frutos em conserva anula o efeito
hipotensor e os torna hipertensores. Por isso recomenda-se a ingestão de azeitonas sem sal a pessoas que tem
92
pressão alta e com sal àquelas que tem pressão baixa. As folhas de oliveira possuem ação febrífuga, cicatrizante,
antiinflamatória e diminuidora da pressão artérial.

BABOSA
Aloes Humilis /Aloe Vera
Existem diversas espécie de babosas.
Muito empregada na indústria farmacêutica e na cosmetologia. a parte usada da plantas são as folhas, que
produzem um liquido viscoso amarelado, de aroma desagradável e gosto muito amargo. O suco de babosa
contém glicosídeos, especialmente aloína. tem também alta porcentagem de mucilagem e de tanino. Em doses
baixas é empregada para prisão de ventre. em doses altas são tão energéticas que podem provocar irritação das
vias biliares e até nefrite. Usado com moderação o pó de babosa também age como um tônico estomacal e como
estimulante da menstruação. É excelente como coadjuvante para tratamento de queimaduras, pois promove a
regeneração dos tecidos cutâneos.

BÁLSAMO
Sedum praealtum
A folhas é emoliente, usada em inflamações gastrointestinais e da pele, cicatrizante e usada em compressas para
torções e contusões. Uso interno: 5 folhas em meio copo de leite ou água; tomar imediatamente, por 3 vezes ao
dia.

BAMBU (BROTO)
A medicina ocidental agora sabe dos ricos nutrientes encontrados no broto de bambu: proteína vegetal, fibras,
aminoácidos, cálcio, fósforo, vitaminas B1, B2 e C. A medicina chinesa já sabe há mais tempo que o consumo
regular de brotos de bambu ajuda na digestão, estimulando os movimentos peristálticos do estômago e intestino,
previne e cura doenças cardiovasculares e cânceres e abaixa a gordura e a pressão sanguínea.
Aqui no Brasil a medicina popular prescreve chá de folhas de bambu contra a tosse

BETERRABA
Beta Vulgaris
Contém sacarose, aminoácidos e vitaminas do grupo B, C provitamina A, além de alguns sais minerais e alguns
oligoelementos raros em plantas comestíveis. de grande valor nutritivo, essa raiz é utilizada em sopas e saladas.
deve ser preferencialmente ingerida crua, cortada em tiras finas ou picada, acompanhando hortaliças.
Suas folhas contém vitamina A e cálcio e podem ser aproveitadas da mesma forma na alimentação. Devido a sua
composição, a beterraba é um alimento energético e remineralizante, excelente para abrir o apetite. Ingerida em
época de alterações climáticas, fortalece o organismo, tornando-o resistente à gripe e várias outras viroses.

BARDANA
Arctium Lappa
É uma planta magnífica que pode ser encontrada nas quitandas e feiras. A raiz de bardana é excelente preventivo
e contra veneno, é eficaz contra envenenamento de mercúrio, tomada em forma de chá. indicado para afecções
da pele, catarros no estômago, cálculos nefríticos, cálculos biliares, debilidades do estômago, enfermidades do
dígado, reumatismo, bronquite, doenças cardíacas.
É um dos melhores depurativos do sangue existentes.. Serve para limpar feridas inflamadas.

BATATA
Solanum tuberosum
Rica em carboidratos e vitaminas. Usada crua, tem aplicação para combater dores de cabeça (colocadas em
rodelas sobre a testa) e contra irritações da pele. A batata-baroa é bastante indicada para quem sofre de doenças
renais. Para eritremas ou queimaduras solares, se faz uma compressa com batata ralada que é trocada três vezes
ao dia. O suco feito com batata é excelente remédio para úlceras do estômago e do duodeno, desde que tomado
em pequenas doses, pois o seu uso exagerado pode provocar sintomas de intoxicação. A água do cozimento da
batata serve para prevenir e combater a gota.

BERINGELA
Solanum Melongena
Ela contém componentes tóxicos em suas folhas e demais partes verdes. em contrapartida contém vitamina B e C
e apresenta consideráveis propriedades medicinais, como a ação diurética e o estímulo que proporciona às
funções hepáticas a produção de bilis. Ajuda a diminuir o teor de colesterol no sangue.
Na cosmética natural suas folhas são utilizadas para a elaboração de um tônico que atenua as irritações faciais.

BÉTULA
Betula alba
Além de excelente alimento vegetal, as aplicações da casca são bastante difundidas e sua ação cicatrizante é
conhecida desde o sec. XII. utilizam-se também as folhas, as gemas e a seiva.
93
A bétula é empregada no combate às elevadas taxas de colesterol e no tratamento de edemas, gota, intoxicação e
reumatismo. Usada como diurético ajuda a eliminar excessos de uréia e acido úrico.

BROCOLIS
Brassica oleracea
Rico em vitamina C, fósforo, potássio e enxofre. É melhor consumi-lo em saladas cruas para aproveitar todo o
seu valor nutritivo.
É um ótimo alimento para dietas de emagrecimento, já que produz uma limpeza geral do organismo e elimina
gorduras.

BOLDO
Vermonia Consensata Baker
São conhecidos algumas espécies de vegetais pelo nome boldo. Plantas de famílias diferentes e com
propriedades medicinais semelhantes. Entre alas a mais conhecida é o boldo do Chile ( Peumus Boldus )
originária daquele país e que não se aclimatou no Brasil. Outra espécie é de origem africana (_ Coleus Barbatus_
) comum no Brasil É encontrado em hortas e jardins. Há também a Vernonia Condensata (africana introduzida
pelos escravos na Bahia.
A Vernonia Condesata é a que mais se aproxima do Boldo do Chile, substituindo-o, no entanto, com ampla
vantagem. A parte empregada em ditoterapia é a dolha - utilizada fresca ou seca em chás que devem ser tomados
mornos e sem adoçar.
Encontram-se nas folhas um óleo essencial, tanino, saponinas e um princípio ativo formado por flavonóides e
lactonas sesquiterpênicas. Essas lactonas, de sabor fortemente amargo, ajudam a contração da vesícula biliar,
estimulando a eliminação da bílis para o duodeno, o que facilita a digestão das gorduras. por sua ação diurética, o
boldo tammbém é usado em regimes de emagrecimento.

CACAU
Theobroma Cacao
Na época da colonização espanhola, era muito comum entre os astecas uma bebida conhecida como kokoatl .
levada para a europa ficou conhecida como chocolate. Originário da Amazônia o cacaueiro é cultivado na
América tropical, na África e no sul da Ásia e na Oceania. As maiores plantações mundiais estão na Costa do
marfim e no Brasil.
As partes mais utilizadas são as sementes que, fermentadas e secas e moídas, resultam na pasta de cacau, matéria
prima para a fabricação do pó de cacau, manteiga de cacau, cacau solúvel e chocolate.
A pasta é rica em gordura, amido, sais minerais, alcalóides, proteínas e taninos. Contém theobromina que é
diurética, estimulante dos nervos e entra em fórmulas de remédios para a angina pectoris; deve ser ministrada
sob prescrição médica.

CAFÉ
Coffea arabica
É contra indicado para pessoas nervosas e insones, adoçado com mel serve de remédio para a angina do peito. É
um excitante do sistema nervoso, dos músculos, cérebro,,rins e coração. É usado para lavar ulcerações das
pernas. Facilita a digestão. A composição das sementes é muito complexa e ainda não foi perfeitamente
definida. No grão verde já foram identificados: óleo fixo, óleo essencial, ceras, proteínas, cafeína, tanino e sais
minerais. Quando torrado, os constituintes químicos não diminuem muito e aparecem outros derivados, que
melhoram seu aroma, cor e sabor. O café verde tem propriedades colerética e antireumática. À cafeina são
atribuídas as principais ações terapêuticas da planta, pois essa substância estimula o sistema nervoso central e
revela-se ligeiramente diurética. As folhas e flores encontram diversas aplicações na medicina caseira.

CAJU
Anacardium occidentale
O verdadeiro fruto é a castanha que se prende a extremidade da flor. O pseudofruto (que erroneamente é
chamado de fruto ) desenvolve-se à partir do pedúnculo floral, tem casaca fina, de cor vermelha ou amarela.
Sua polpa é comestível e rica em água (86%), açucares (8,4%), taninos (3,5%) e vitamina C (0,5%). devido a sua
alta perecibilidade (48 horas de duração após a colheita) ele deve ser colhido com cuidados especiais e
processado imediatamente. O líquido oleoso que existe na crusta da castanha in natura é extremamente cáustico.
Contém ácido anacárdico, cardol, tanino, ácido gálico, resina e material corante. o óleo presente na semente não
presta ao consumo, mas serve para extirpar verrugas, calos e manchas da pele por meio da ação do cardol.
O chá feito com as entrecascas é um adstringente indicado em bochechos de feridas infeccionadas . É também
um auxiliar no tratamento de diabetes

CALÊNDULA
Calêndula officinalis
As calêndulas podem ser cultivadas em vasos ou pequenos jardins. Nos dois casos precisam de pelo menos, 4
horas diária de exposição à luz solar. As folhas e o caule são comestíveis. as flores portadoras dos príncipios
94
ativos (óleo essencial, mucilagem, carotenóides e flavonóides) são utilizados em preparações cosméticas e em
farmacia. Possuem, além disso, propriedades anti-sépticas, cicatrizantes, vasodilatadoras, reguladoras da
menstruação e tonificantes da pele. Pode ser utilizada para aliviar cólicas, dores de estômago, resfriados e até
tuberculose. É antinflamatória e tem fantásticas propriedades cicatrizantes, devendo ser usado para todas as
ulcerações de pel, impetigo e ferimentos. Na magia uma guirlanda de calêndula na porta impede a entrada do
mal, e quem quer que seus sonhos se tornem realidade coloque um bouquet de calêndula debaixo da cama.

CAMOMILA
Matricaria chamomilla
Indicado para cólicas de crianças, feito chá. É também calmante, antiespasmódico e sonífero, devendo ser feito o
chá na hora de tomar. Indicado para dores reumáticas, neste caso usa-se as flores secas que são cozidas em
banho-maria no óleo; após duas horas de cozimento, côa-se, e depois de frio massageia-se com esse óleo as
regiões doloridas. Usa-se o chá também para combater dores abdominais, cólicas intestinais com gases, cistite,
inflamações bucais, conjuntivites.

CANELA
Cinnamomum Zeylanicum
Os princípios ativos estão na casaca de seu tronco. Suas propriedades medicinais são no combate a anemia, para
isso tomar um chá da casca de canela quatro vezes ao dia. Recomendada também para catarro nos brônquios. É
indicada na atonia gástrica (fraqueza do estomago), como tintura: colocar 50gr de casca de canela em um quarto
de litro de álcool a 60 graus. Depois de 24 horas filtrar o liquido e côa-lo em uma garrafa, consumindo-o em
colheres antes das refeições. O principal uso medicinal da canela é como tônico, pois ela estimula o trabalho
cardíaco e causa certa elevação da pressão sanguínea. Porém também é indicada para fcilitar a digestão e
diminuir a formação de gases estomacais e intestinais. A canela ainda possui a ação antiséptica, sob a forma de
tintura. A infusão da casca é utilizada para enxagurar os cabelos nos casos de infestações de piolhos ou outros
parasitas. No entanto as lendeas sobrevivem e devem ser tiradas com a mão.
especialistas recomendam o bochecho da planta nas ulcerações das gengivas e da mucosa da boca. Com a canela
prepara-se ainda um vinho medicinal estimulante, que ajuda o paciente debilitado a recuperar gradativamente , as
forças e o ânimo.

CÂNFORA
Cinnamomun comphora
Propriedades terapêuticas: anti-séptica, estimulante, excitante, anti-reumática,parasiticida, anti-nevrálgica,
revulsiva, anestésico local, anti-térmica, anti-diarréica,anti-helmíntica, moderadora das secreções sudoral e
láctea. Para contusões, dores musculares, reumatismo, frieira. Externamente é utilizado por suas propriedades
revulsivas, a que se associa a uma ação anestésica local, em fricções, geralmente sob a forma de soluções
alcólicas. Suas ações também são parasiticidas. Tem aplicações também nas hemorragias uterinas e como
vermífugo. Internamente, administra-se por via hipordérmica em soluções oleosas. Atua sobre o sistema nervoso
central, produz ação benéfica sobre o centro respiratório bulbar, com o aumento da amplitude dos movimentos
respiratórios sem acelerar o ritmo, mas a sua ação mais notável é sobre o coração. É um cardiocinético, pois
estimula o músculo cardíaco e reforça a sístole, regulariza as pulsações e a pressão sanguínea.

CAPIM LIMÃO
Cymbopogon Citratus
Exala um aroma forte, semelhante ao do limão, que desaparece quando as folhas secam. É utilizado como
refrigerante, diaforético, antifebrífugo, contra gases intestinais, em linimentos para reumatismo, dores
musculares e torções. Contém citral, substância também encontrada na meissa, que lhe confere propriedades
calmantes e sedativas. Além disso, é usado em banhos aromáticos, para perfumar tecidos e afastar traças e
insetos.

CAPUCHINHA
Tropaeolum majus
Muitas pessoas tem essa planta no seu próprio jardim e não sabem que podem usar suas folhas e flores em
gosotosas saladas, perfumadas e saborosas. tem excelentes virtudes medicinais, conhecida há séculos por
comunidades indígenas das montanhas peruanas. as folhas e as flores abertas podem ser consumidas na forma de
saladas e tem o gosto fresco e picante, semelhante ao agrião. Os botões fechados, conservados em vinagre,
também apresentam excelente sabor. Nas folhas existe grande quantidade de vitamina C. Comida crua a
capuchinha favorece a a digestão, além de ter propriedades antiescorbúticas. provoca o sono se é ingerida à noite.
o suco da planta é expectorante e acalma a tosse.

CARDAMOMO
Elletaria Cardamomum
A parte mais utilizada da planta é a semente. que possuem sabor agradável, aromático, ardente e picante. O
95
cardamomo é empregado em medicina natural porque possui propriedades estimulantes e carminativas (diminui
a formação de gases). Usa-se também como condimento e agente aromatizante para diversos produtos
alimentícios, especialmente para a elaboração do curry indiano.

CARQUEJA
Bacharis Trimera
Entre outros princípios ativos, contém saponinas, óleo essencial e resinas. Deviso as suas propriedades amargas,
é largamente utilizada em medicina natural, no tratamento de afecções hepáticas e estomacais, pois age como
estimulante da secreção gátrica. recomenda-se seu uso também nos regimes de emagrecimento, como auxiliar no
tratamento do diabetes e na cura de chagas ulceradas da pele.

CARVÃO VEGETAL
Carbo activatus
O carvão vegetal de madeira mole e não resinosa, é utilizadas desde o antigo Egito com fins mediciniais.
Por ser altamente absorvente, é empregada na eliminação de toxinas, em casos de envenenamento ou
intoxicação. Por sua rapidez na ação era utilizado pelos índios em picadas de cobras e aranhas. Uso interno e
externo. No Brasil, há referências ao uso do carvão entre os indígenas misturado às gorduras animais no
tratamento de tumores e úlceras malignas.
Para redução na produção de gases intestinais eliminando os desconfortos abdominais,efetivo no tratamento da
flatulência. É um notável condutor de oxigênio, sendo um extraordinário eliminador de toxinas. Devido a sua
rapidez de ação o carvão vegetal é considerado um agente útil no tratamento de envenenamentos. O carvão
ativado se liga ao tóxico residual no lúmen do trato gastrointestinal e reduz rapidamente a absorção deste. O
carvão ativado pode interromper a circulação entero-hepática das drogas tóxicas e aumentar o ritmo de
eliminação de tóxico no organismo. Age também adsorvendo gases produzidos pela fermentação intestinal,
evitando dores no aparelho digestivo e flatulências. O carvão vegetal tem a propriedade de adsorver substâncias
que, em contato com bactérias intestinais, contribuem para a produção de flatulência. Deste modo, o carvão
vegetal é importante na eliminação dos desconfortos abdominais, causados pela flatulência.O carvão vegetal age
como protetor e adsorvente gastrointestinal. Seu uso é indicado em caos de dores no estômago. Mau hálito, aftas,
gases intestinais e intoxicações. O carvão vegetal não deve ser administrado junto com produtos a base de ipeca,
por ocorrer uma diminuição da ação. Em relação a seu uso durante a gestação e lactação, não foram encontradas
referências na literatura consultada. Não há relatos na literatura sobre restrições específicas quanto ao uso ou
adequações de posologia do Carvão Vegetal em pacientes idosos.

CÁSTANHA DA ÍNDIA
Aesculus hippocastanum
As propriedades da casca e semente tem propriedades adstringentes vulnerárias e vasoconstritoras, uteis no
tratamento de hemorróidas, varizes e flebites.
Os princípios ativos também são encontrados nos frutos, flores e raízes. essas partes destinam-se apenas a uso
externo. Só podem ser ingeridas para tratamentos internos depois de bem diluídas. Na homeopatia, preparações
com os componentes são usados para congestão venosa, sobretudo no sistema hepático, e na prevenção de
hemorróidas.

CASTANHA DO PARÁ
Bertolletia Excelsa
Suas propriedades terapêuticas são: nutriente, energética, galactagoga, vitaminizante e mineralizante. Suas
castanhas, comidas ao natural e bem mastigadas, são indicadas para anemias, desnutrição, convalescenças,
hipoproteinemia e carência de vitamina A, B, C e E.
Os colhedores de castanha passam nos cabelos o óleo da castanha para em contatos com o sol clareá-los e
também tomado para problemas de estômago é o chamado óleo doce. Contém vitamina A, B1, PP ,Cálcio,
fósforo e ferro. A proteína da castanha-do-pará, chamada de excelsina, é uma proteína completa como a
lactoalbumina, a caseína e outras do reino animal. A castanha-do-pará estimula a secreção de leite materno.
Os indígenas do norte brasileiro, usavam as sementes esmagadas para cauterizar ferimentos.

CATUABA
Erythroxylum catuaba
A catuaba é um afrodisíaco. Os três alcalóides chamados catuabina A, B e C estimulam o desejo sexual e
aumentam a libido tanto no homem como na mulher. A catuaba estimula o fluxo sanguíneo aos órgãos genitais,
pode fortificar e prolongar uma erecção, aumenta a excitação sexual . Tônica na falta de potência sexual,
neurastenia, sono agitado, memória fraca; estimulante, aperiente, fortalece as pessoas esgotadas e fracas em
geral. A árvore da catuaba pertence à família eritroxilaceae, cujo principal tipo, eritroxilum, contém várias
espécies que são fontes de cocaína, mas não contém qualquer os alcalóides ativos da cocaína. Uma infusão da
raiz é usada na medicina tradicional brasileira como afrodisíaco e estimulante do sistema nervoso central. Uma
decoção da raiz é comumente usada para a impotência, agitação, nervosismo, nevralgia e cansaço, problemas de
memória e fraqueza sexual.
96
CAVALINHA
Equisetum arvensi
Também conhecido como rabo-de-cavalo. existem mais de 20 espécies de cavalinha, habitam em quase todos os
países do mundo. Adistringente, cicatrizante, diurética, hemostático, remineralizante, depurativa.
Para tuberculose e doentes dos ossos, perdas de sanque (reto, nariz e boca), hematúria, dificuldade de urinar,
afecções dos rins bexiga e próstata. Nas inflamações dos olhos empregam-se compressas de chá de cavalinha.
tenovam-se de 15 em 15 minutos.
Combate a dor de cabeça graças ao ácido acetilsalicílico (o da aspirina). pode ser usada em hemorragias internas
e externas. Junto com o alecrim forma uma dupla imbatível para equilibrar a pressão e é um dos mais
espetaculares chás para as mulheres de mais de 40 anos pois repõe no organismo os minerais perdidos
juntamente com os hormônios, combatrendo eficazmente a osteosporose.

CEBOLA
Allium cepa
Dentre as espécies existentes, a cebola vermelha apresenta maior riqueza em óleo essencial e princípios
terapêuticos mais ativos, como a alicina. A cebola contém compostos orgânicos sulfurados, açúcares, fosfato de
cálcio, sais de sódio e de potássio, enxofre, proteínas, ferro e vitaminas B1, B2 e C. Essas substâncias em
conjunto, desenvolvem ação atibiótica, bactericida, hipogliceminante e vasodilatadora arterial, o que indica a
cebola como auxiliar em casos de astenia, ascite, insuficiências hepáticas, edemas e hiperglicemia, e como
descongestionante, diurético, anti-séptico e antiescorbútico.
Deve ser sempre ingerida cruz, já que cozida perde suas propriedades. Combate vermes intestinais, infecções e
resfriados. O consumo diário de cebola previne doenças cardíacas como também impede o desenvolvimento das
já existentes.

CEBOLINHA
Alliun Fistulosum
Além de ser um tempero muito usado, ainda a usamos como remédio. É usada em temperos há mais de 5.000
anos. O chá é ótimo para resfriados, gripe e febre. O suco pode ser usado em caso de mordidas de abelha ou
insetos (aplicação no local). Diurética, descongestionante, anti-séptica e hipotensiva. Compressas para irritação
ocular, dor de garganta, contra tosse e queda dos cabelos.

CENOURA
Daucus carota
Para as vistas, já que é rica em vitamina A. Atua também como purificadora do fígado e fortifica o organismo.
Possui elevados teores de manita, glútem, albumina, ácido málico, pectina e carotenóides que lhe conferem
propriedades digestivas e diuréticas. a presença da betacaroteno entre os princípios ativos torna-a especialmente
indicada em dermatologia, pois esse composto tem efeito cicatrizante e combate disturbios decorrentes da
queratininização (endurecimento patológico) da pele.
Para casos de digestão difícil, usa-se ferver uma pitada de sementes de cenoura em um cálice de água e beber
após as refeições. (Neste caso as sementes precisam ser retiradas do pé, visto que as destinadas a plantio
possuem agrotóxicos prejudiciais). Para rouquidão, cozinhar 100 gr de cenoura, esmagando e misturando com a
água do cozimento, adoçar com mel e beber bem quente. As folhas da cenoura possuem, ainda, grande
concentração de substâncias ativas. Podem ser comidas cruas ou refogadas.

CENTELLA ASIÁTICA
Hidrocotile asiática
O bioquímico francês Jules Lépine descobriu que esta planta tem um alcalóide que pode rejuvenecer o cérebro,
os nervos e as glândulas endócrinas. Os chineses atribuem a ela um valor igual ao ginseng. Com propriedades
tonificantes ela normaliza a produção de colágeno e liberando células adiposas. Por isso é tão indicada para
terapias de emagrecimento e da pele.Descobriu-se ser util na reposição hormonal.
As folhas são indicadas para : afecção cutâneas, amenorréia, aparelho circulatório, articulações reumáticas,
cãimbras, celulite, circulação de retorno, constipação, desordens dermatológicas, eczema, furunculose, lúpus,
úlcera varicosa, hematoma, rachaduras da pele, varizes, psoríase, prevenção da formação de quelóides, acelerar a
cicatrização pós-cirúrgicas, estimular a produção de colágeno e fibras, inflamação periférico, feridas, úlcera de
pele, lepra, melhorar o aspecto da pele (queimaduras), desordens nervosas, dismenorréia, disúria, doenças do
aparelho urinário e genital femininos, doenças vasculares periféricas, doenças venéreas, epistaxe, escrófulas,
formigamento, gordura localizada, hematêmese, hemorróidas, icterícia, malária, pernas pesadas e doloridas,
sarampo, senilidade.

CHÁ VERDE
Camellia sinensis
BANCHÁ "Thea sinensis" Originária da China, acompanha a cultura a milênios como digestiva de fino paladar,
diurética e levemente tônica.O chá verde tem ação na prevenção do câncer, diminui o colesterol, melhora o
97
funcionamento do fígado, tem ação protetora nos pulmões e neurônios, evita as bactérias que causam a cárie e
retarda o envelhecimento. Pesquisadores acreditam, ainda, que o hábito de beber chá em vez de café é um dos
fatores responsáveis pelo menor índice de enfarte em países do Oriente.
Contém manganês, potássio, ácido fólico e as vitaminas C, K, B1 e B2, cálcio e cafeína, a erva tem boa dose de
tanino, o que ajuda a prevenir doenças cardíacas e circulatórias. Seus compostos reforçam as artérias, diminuem
as taxas de colesterol ruim e bloqueiam o acúmulo de gordura na parede dos vasos sanguíneos. O consumo
habitual também previne inflamações na gengiva e até tumores malignos de boca e mama. Substâncias como as
catequinas e os bioflavonóides são capazes de impedir alterações no DNA das células, o primeiro passo para o
desenvolvimento de um câncer.
o chá verde acelera o metabolismo e ajuda a queimar gordura corporal. Pesquisadores acreditam, ainda,que o
hábito de beber chá em vez de café é um dos fatores responsáveis pelo menor índice de infarto em países do
Oriente. E como se não bastasse, comprovou-se também que as substâncias presentes no chá verde ajudam a
prevenir cáries, têm ação antiinflamatória e antigripal, ativam o sistema imunológico e regeneram a pele. Os
princípios curativos e regeneradores da Camellia sinensis enriquecem os cosméticos que prometem recuperar o
viço da pele e dos cabelos

CHAPÉU-DE-COURO
Echinodorus macrophyllus
Para ácido úrico, afecções das vias urinárias (litíase, nefrite, etc.); afecções do fígado, afecção do estômago,
arteriosclerose, artrite, bexiga, bócio, colesterol, convalescença, debilidade orgânica, dermatoses, doenças renais,
dores nas juntas, edemas, erupções cutâneas, fígado, furúnculo, gota, hérnia, hidrofobia, hidropsia, impurezas do
sangue, infecções das vias respiratórias, inflamações da garganta, litíase, lumbago, manchas, moléstias da pele,
nefrite, pele (mancha, dermatose), picadas de cobra, pressão alta, prisão de ventre, reumatismo, rins, sarna,
sífilis, úlceras, vesícula, vitiligo.
Indicado para obesidade - partes ultilizadas : folhas

COCO
Cocus nucifera
Além de seu fruto carnudo e adocicado ser amplamente empregado na culinária, constitue também excelente
remédio para desidratação e problemas intestinais. Quando se corta a inflorescência da palmeira, a planta chega a
fornecer de 250 a 300 litros de seiva usada para fazer um preparado medicinal : o vinho de palmeira.
Praticamente todas as partes do coqueiro são aproveitadas.
A água de coco, é reguladora do coração. Contém vitaminas, sais minerais e potássio. Seus efeitos são notados
na pele e a ingestão diária elimina cálculos renais e normaliza o funcionamento dos rins. Combate ainda a
icterícia, irritações gastrintestinais, doenças do peito, inflamações dos olhos, vômitos na gravidez, e ainda atua na
eliminação de vermes intestinais.

CONFREI
Sumphytuum officinale
Conhecido também como consolda, maior e menor. É indicado apenas para uso externo em compressas,
unguentos. Usado desde a idade média para juntar ossos e deter hemorragias internas. No mundo inteiro vem
sendo utilizado como ração de animais. O confrei contém sais minerais como ferro mangânes, cálcio, vitaminas
A, B1, B2, C, É riquíssima em amino-acidos. apesar das controvérsias é usado medicinalmente para todos os
problemas de pele. Para compressas: esmagar folhas e raízes bem limpas e colocar em 1l. de água fervente,
macerar por 2 horas. Usar para queimaduras e como cicatrizante. Para deslocamento de ossos, ossos quebrados,
bolhas, feridas abertas, inchações, contusões : usar 5 partes de vaselina, 5 partes de lanolina, 5 partes de suco
fresco de confrei. Misturar o suco com a lanolina, bater bem de pois de ligado, colocar vaselina. Levar em banho
maira por meia hora (vira uma pomada)

COUVE
Brasica Oleracea
Antiescorbútico, antian~emico, antidiarréico, cicatrizante, depurativo, diurético, emoliente, hipoglicemiante,
peitoral, vermífugo, vulnerário. Na Roma Antiga, aconselhava-se que para possuir uma saúde invejável, a
simples ingestão de muita couve era suficiente. indicado para alcoolismo (suco dos talos de couve roxa),
reumatismo, rim, ulcera gástrica (suco de couve e ou salada crua temperado com azeite de oliva e limão). partes
utilizadas : talos e folhas verdes. ASs couves são excelentes fontes de cálcio, ferro, vitamina C e iodo, essencial
para o equilíbrio das funções da tiróide, glândula responsável, entre outras coisas, pelos controle de peso do
indivíduo. a planta ainda possui propriedades medicinais para auxiliar no combate às varizes e no
descongestionamento do aparelho respiratório e da laringe.

CRAVO-DA-ÍNDIA
Eugenia Caryophyllata
O ingrediente ativo do cravo-da-índia é um lado que contém eugenol, substânciade ação antiséptica, analgésica,
estimulante da digestão e expectorante. A essência de cravo-da-India é bastante usada em tratamentos dentários
98
(como anestésicos de canais), precisa ser envelhecida, poisé caustica e irritante logo após a destilação, podendo
destruir a polpa do dente.

DENTE-DE-LEÃO
Taraxacun Officinale
Planta muito usada nos tratamentios pela macrobiótica, já era usada por médicos árabes desde o século X. Suas
flores amarelas são especialmente melíferas, erva que contém potássio, sódio, ferro e vitamina A., seus sais
minerais nutritivos purificam o sangue e netutralizam os ácidos que ele contém.
Tão universal foi o reconhecimento das suas propriedades que todas as terapêuticas em que era utilizado
passaram a chamar taraxacoterapias . depurativo do sangue e aumenta de maneira especial os glóbulos
vermelhos, banho para hemorróidas, etc.
O estrato de dente-de-leão, duplica, podendo até quadruplicar, o volume de bílis produzido pelo fígado no espaço
de uma hora depois de tomado. Estimulam os rins e o fígado e eliminam a uréia, o colesterol e o ácido úrico.
Compressas para espinhas. Compressas à noite e pela manhã deixarão a pele limpa e sedosa.

ERVA BALEEIRA
Cordia verbenacea
Planta nativa da Mata Atlântica, conhecida pelo nome de erva-baleeira ou maria-milagrosa. A medicina popular
já a consagrou, especialmente nas comunidades litorâneas, onde ela é usada na forma de pomada, extrato ou
folhas maceradas para curar ferimentos provocados por acidentes com peixes nas pescarias. Especula-se,
inclusive, que o nome "baleeira" seja inspirado justamente nesta associação com o uso da planta por pescadores e
por ser abundante nas regiões litorâneas.
Seu uso popular é largo e variado: é usada contra artrite, reumatismo, artrose, contusões e em todo tipo de
inflamação, inclusive na forma de bochechos para aliviar dores de dente e tratar inflamações bucais. Além disso,
é indicada contra úlceras. Seus poderes como cicatrizante e antiinflamatória é que fizeram a fama desta planta.
Em algumas regiões, as folhas da erva-baleeira são cozidas e aplicadas sobre feridas para acelerar a cicatrização.
Estudos garantem seu uso tópico no alívio das dores musculares e tendinite.

ERVA CIDREIRA
Melissa Officinalis
Seu chá é bom para dor de cabeça, desmaios, afecções gástricas e intestinais, afecções cardíacas, cólicas
hepáticas, dores reumáticas, tosse, histerismo, resfriado icterícia. As folhas frescas sobre os olhos alivia dores,
melhora as inflamações. Boa para lavagens intestinais.
Na cosmética natural é muito usada em banhos de vapor. Limpa e cicatriza rapidamente a acne. Nos sachês para
banhos de ervas é um componente precioso e várias loções para pele oleosa são feitas partindo de um chá bem
forte de melissa coado e misturado a outros ingredientes.
No aspecto mágico a melissa fortalece o amor. coloque alguns ramos no vinho, deixe alguns dias, coe e dê para
quem ama.

ERVA-MATE
Ilex Paraguiensis
Os primeiros a fazerem uso da erva-mate foram os índios Guarani, que habitavam a região definida pelas bacias
dos rios Paraná, Paraguai e Uruguai, na época da chegada dos colonizadores espanhóis.
O uso da infusão, em pouco tempo, ―refaz da fadiga e excita ao trabalho‖, sendo que a principal propriedade do
mate consiste em duplicar a atividade sobre todas as formas: intelectual, motora e vegetativa, produzindo
facilidade, elasticidade e agilidade físicas, sensação de força e bem estar.De acordo, com os diversos estudos
realizados sobre a erva mate, suas propriedades, chegam à ser espantosas.
A cafeína exerce efeito sobre o sistema nervoso central, estimulando o vigor mental. Com vitaminas do
complexo B, o mate participa do aproveitamento do açúcar nos músculos, nervos e atividade cerebral do homem;
vitaminas C e E agem como defesa orgânica e são benéficas para os tecidos do organismo; sais minerais,
juntamente com a cafeína, ajudam o trabalho cardíaco e a circulação do sangue, diminuindo a tensão arterial,
dado que a cafeína atua como vasodilatador. Em tais situações, também pode ser suprida a sensação de fome.
0 mate favorece a diurese, sendo de grande utilidade nas moléstias de bexiga. Atua também sobre o tubo
digestivo, ativando os movimentos peristálticos, facilita a digestão e suaviza os embaraços gástricos,
favorecendo a evacuação e a mictação.
Os componentes químicos encontrados na erva, apontam a presença de vitamina B1, cálcio, ferro, fósforo e
manganês, confirmando as propriedades terapêuticas da erva mate como estimulante, diurético e facilitador da
digestão.
A erva mate também apresenta potencial preventivo e curador da aterosclerose, doença causada pelo acúmulo de
gordura nas artérias. A ação oxidante reduz a reatividade vascular, comprometendo o vasorelaxamento
necessário para uma boa circulação sangüínea e podendo, causar, entre outras complicações, infarto do
miocárdio e acidente vascular cerebral. Ingrediente principal do chimarrão, a erva se mostrou um eficaz redutor
das reações de oxidação que causam a doença.

99
ERVA-DE-SANTA MARIA
_Chenopodium ambrosioides _
É também conhecida como Mastruço, ambrósia, anserina, chá-do-méxico, mastruz, matruz, MENTRUZ, mentraz
e quenopódio e erva-formigueira.
Folhas e sementes: dispepsia, flatulência, afecções hepáticas, astenia e afecções pulmonares: Sumidades florais,
folhas e sementes: anti-helmíntica. Para uso externo é cicatrizante e usado como repelente de pulgas e carrapatos
(folhas e sementes). Principios Ativos : Esteróides, saponinas, terpenos e ascaridol dentre outros.
Componentes ativos encontrados na planta são tóxicos. Em experimentos com administração da planta a porcos
foi constatado o desenvolvimento de lesões hepáticas e glomerulares, sementes causaram tumores no estômago.
O ascaridol provoca irritação na pele e mucosas, vômito, vertigem, dor de cabeça, danos nos rins e no fígado,
colapso circulatório e eventualmente morte. A ingestão de infusão ou extrato por mulheres grávidas pode
provocar aborto. Mulheres grávidas, pessoas idosas, crianças e pessoas debilitadas em geral não devem, de forma
alguma, ingerir preparados com essa planta. Excesso causa vertigem, vômito, convulsões e até morte.
As partes usadas são a planta inteira, as folhas, e óleo. As plantas são cortadas no outono para extratos líquidos e
são secadas para fabrico de pó. As folhas são usadas frescas e também conservadas como exigido para posterior
uso. É uma erva picante, adstringente, fortemente aromática que destrói parasitas intestinais, aumenta a
transpiração e relaxa espasmos. Também tem efeitos expectorante, anti-fungal e insecticida. Das folhas e flores
pode-se extrair um óleo essencial que contém ascaridol. Foram isolados dois compostos ativos: glicosídio de
quercitina e isohametina.
A "Erva-de-Santa Maria" é tradicionalmente usada no Brasil para afugentar pulgas e percevejos domésticos,
sendo colocada, seca, sob o colchão ou lençol da cama. Fazem-se vassouras com a planta que, ao varrer a casa,
afugenta pragas domésticas. Infusões ou extratos são usados como vermífugos, sendo realmente eficiente

ERVA DE SÃO JOÃO


Hypericum perforatum
Usado como antidepressivo leve. Melhora a astenia (cansaço), ansiedade, insônia e melhora da libido. Ansiolítica
suave, também atua sobre a melatonina e como conseqüência melhora o sono. Tem aefeito antiulcerogênico,
antiviral, antibacteriana, cicatrizante.Mas seu uso mais comum é como antidepressivo. Pode provocar eritema
(manchas vermelhas) em algumas pessoas de pele muito clara expostas aos raios ultravioletas do sol entre 10 e
16 horas.
Para acidez estomacal, acne, afecções pulmonares, afecções das vias urinárias, caspa, depressão, diarréias
crônicas, doenças pulmonares, dores musculares causadas por contusões e excesso de atividade física, enurese
noturna, feridas, gota, hemorróidas, insuficiência hepática, inurese infantil, insônia, má digestão, mau
funcionamento do fígado e dos rins, nervosismo, queimaduras de primeiro grau, reumatismo, seborréia,
ulcerações internas, vermes intestinais.
Conhecida popularmente na europa como planta mágica, entra na composição de defumadores de ambientes,
com a finalidade de espantar maus fluídos.

ERVA-DOCE OU FUNCHO
Foeniculum vulgare
Os ervários medievais já o invocavam para fortalecer a vista e no tempo de Shakespeare preparava-se com a raíz
uma bebida popular chamada Sack, entre os gregos era símbolo de vitória e os romanos já consumiam como
hortaliça. Hipócrates dizia que o chá de funcho estimulava a produção de leite materno. Na Índia, médicos
recomendam sementes de funcho para ajudar a digestão e prevenir o mau-hálito.
No tratamento para pedras nos rins, gota, distúrbios de fígado e dos pulmões, e até como antídoto contra
envenenamento por cogumelos. O funcho é considerado um dos alimentos mais antigos utilizados para fins
medicinais.Os curandeiros gregos e romanos prescreviam sementes de funcho para prevenir contra a obesidade e
ainda hoje o chá de funcho é usado com este objetivo.
Contem potássio, sódio e ferro. O chá das sementes é um regulador intestinal e calmante para o estomago.
Desobstrui os brônquios,oxigenando melhor os pulmões. Acredita-se que mulheres que amamentam devem
tomar chá de erva-doce para os efeitos calmantes passarem através do leite para a criança. Para os idosos, esse
mesmo chá normaliza a circulação do sangue e combate a depressão.
Atua ainda, como estimulante da digestão e do aparelho urinário. No uso geral o chá de erva-doce é feito em um
litro de água fervente com 10gr de sementes. Coar, adoçar pouco e tomar de quatro a cinco xícaras por dia

ESPINAFRE
Tetragona expansa
Riquíssimo em vitaminas A, B, C e H, contendo ainda potássio, sódio, cálcio, magnésio e ferro. É indicado para
pessoas com tendência a hemorragias, diabéticos, nervosos, portadores de vermes intestinais e doenças da vista,
o espinafre deve ser comido cru, em saladas ou bebido em forma de suco.
É utilizado no tratamento da anemia e também como hipotensor, remineralizante e regulador dos intestinos.
devido a sua alta concentração de sais minerais o espinafre deve ser evitado pelas pessoas que sofrem de
reumatismo ou tem problemas de fígado e de rins. A ingestão do espinafre também é contra-indicada nos estados
inflamatórios do tubo digestivo e das vias urinárias.
100
ESPINHEIRA SANTA
Maytenus ilicifolia
Exerce uma função analgésica na hiperacidez gátrica. Adstringente, analgésica, antiácida (poderosa),
antiasmática, antiespasmódica, antidispéptica, antiinflamatória, antiulcerogênica (casca em decocção), anti-
séptica, antitumoral, aperiente, balsâmica, carminativa, cicatrizante, colagoga, contraceptiva, desinfetante,
digestiva, diurética fraca, emenagoga, eupéptica, febrífuga, estomáquica, laxativa, reguladora da fertilidade,
sialogoga, tônica, vulnerária. Para gastrite crônica, gases, fermentações gastrintestinal, doenças da pele (acne,
eczema, eczemas, ulcerações, herpes, afecção pruriginosas), moléstias do estômago, úlceras pépticas; males
hepáticos e renais; azia, vômitos e digestão, irritações estomacais, atonia gástrica, hiperacidez, gastralgias;
inflamação, vômito. Conhecida pelos índios há muitos anos, a espinheira-santa (Maytenus ilicifolia) ganhou esse
nome justamente pela aparência de suas folhas, que apresentam espinhos nas margens e por ser um "santo
remédio" para tratar vários problemas.Não é recomendada para crianças, gestantes e lactantes. Evite o uso em
caso de hipersensibilidade (detectada em um número reduzido de pessoas).

ESTÉVIA
Stevia rebaudiana Bertoni
Consumida há muito tempo pelos índios paraguaios, a estévia substitui eficazmente o açucar branco, sendo por
isso recomendada em regimes de emagrecimento e na alimentação de diabéticos.
As folhas quando consumidas sob a forma de chá, impedem a absorção de açucar pelo intestino produzindo
assim, efeito benéfico para os portadores de diabetes casual. os pacientes crônicos dessa enfermidades, ao
beberem a infusão, podem reduzir a quantidade de insulina tomada diariamente. A erva atua ainda como
elemento de ação hipotensora em casos de hipertensão arterial e é indicada para quem quer ou precisa abolir o
açucar da dieta habitual.

EUCALIPTO
Eucalyptus Glóbulos
Usado na fabricação de perfumes e medicamentos e produtos de limpeza doméstica, o eucaliptol possui
propriedades anti-sépticas, diaforéticas (sudoríferas) e expectorantes. Na medicina homeopática, é empregado no
tratamento de sinusite catarro nasal crônico e gripes acompanhadas de febre alta.

FÁFIA / SUMA
Pfaffia paniculata
Por ter ações parecidas com a do Ginseng (Panax ginseng), a Faffia é chamada de Ginseng Brasileiro, é uma
planta nativa do Brasil, sendo encontrada em várias regiões brasileiras, mas não é só aqui que é conhecida e
utilizada. Em vários países da América do Sul e Central os povos nativos a conhecem e a empregam no seu dia-
a-dia. Só que nestes países a Pfaffia é conhecida como Suma e é este o nome popular que tem sido divulgada no
resto do mundo. É bioestimulante, leucocitogênico, antiinflamatório, anemia, artrites, câncer, fadiga crônica,
hipertensão, imunoestimulante, impotência, tônico, menopausa. Indicadapara arteriosclerose, cansaço, colesterol,
coração, depressão, diabete, fraqueza, função sexual, indisposição, inflamação, mal de parkinson, resistência
física e mental, stress, anemia, artrite, asma, câncer, síndrome de fadiga crônica, problemas de circulação,
hipertensão, hiperglicemia, sistema imunológico, impotência, inflamação, leucemia, doenças linfáticas,
rejuvenecimento, reumatismo, problemas de pele, tranqüilizante, tremores, tumores, úlceras, impotência,
estimular o apetite, envelhecimento precoce. Os principais componentes encontrados nestas raízes já isolados
incluem o ácido pfáffico e os pfaffosideos A, C, D, E e F; estes componentes inibiram o crescimento de células
do melanoma B-16, ou seja reduziu o crescimento de células mamárias humanas cancerosas.
Contém: vitaminas A,B,C,D,E,F; ácido pfáfico; fasfosídeos; estigmasterol, sitosterol, alantoína; sais minerais (P,
Ca e K); aminoácidos; mucilagens; saponinas. Auxiliar no tratamento de irregularidades circulatórias, estresse,
anemia, diabetes, astenia. A alantoína, presente em sua composição possui ação cicatrizante e regeneradora
celular. Estimulante natural, combate o stress, retarda o processo de envelhecimento, ativa a circulação
sangüínea de retorno.

FEDEGOSO
Cassia Occidentalis / Cassia Médica
As folhas são purgativas e emenagogas, a casca da raiz é fortemente diurética, e o decoto da raiz age como
antelmíntico enérgico. O decoto da casca é um bom febrífugo. É considerado um antídoto de vários venenos,
talvez devido a sua ação sobre o fígado. Proibido na gravidez. Externamente combate eczemas e atua nas
queimaduras. As populações rurais sulinas usam as sementes torrads como febrifugo, tônico, diurético e como
sucedâneo do café.

FEIJÃO
Phaseolus vulgaris
A ajuda nas carências nutricionais fornecendo nutrientes, calorias e proteínas. Tem propriedades muito
importantes que podem ajudar a reduzir o colesterol, e de certa forma reduzir riscos dessas doenças. São doenças
de coração, cardiovasculares, câncer, diabetes. Na média, em 100 gramas de feijão há 20 gramas de proteína, 60
101
gramas de carboidratos, incluído aí amido e açúcares, 16 gramas de fibra e 4 gramas de resíduos minerais.
Fornece uma improtante vitamina a tiamina, ou vitamina B1, fundamental no crescimento das crianças. Em 100
gramas de feijão, há 5 miligramas de ferro, 385 de fósforo, 210 de magnésio, 107 de cálcio, 2,5 de zinco, 0,8 de
cobre, 27 microgramas de selênio. Estudos mostram que o feijão tem mais de 70 componentes.
Os feijões são um dos alimentos vegetais que mais contém proteína. São boas fontes de amido, vitaminas do
complexo B, ferro, potássio, zinco e outros minerais essenciais. São ricos em fibra solúvel. Mas podem causar
distensão abdominal e gases intestinais, alergias em algumas pessoas e devem ser cozidos para destruir
numerosas substâncias tóxicas. O broto de feijão, rico em ácido fólico, um nutriente capaz de reduzir o risco de
tumores.

FIGO
Fícus carica
É um laxativo natural, combate a prisão de ventre e substitui muito bem os purgativos destinados as crianças.
Tem efeitos benéficos em casos de bronquite, gripe, resfriado e tosse, para esses casos, cortar em pedaços 20gr
de figos secos, fervendo em 250gr de leite por uns quinze minutos. Depois de adoçar com uma colherada de mel,
filtrar o leite e bebe-lo bem quente. Contra afecções na boca e garganta, ferver em uma xícara de leite dois figos
frescos, cortados em pedaços e uma colherinha de mel por quinze minutos. Depois de filtrado e morno, usar o
leite para gargarejos e bochechos.

GENGIBRE
Zingiber Officinale Roscoe
O gengibre era conhecido na China como um alimento espiritual que propiciava a comunicação com os deuses.
Originário do Sul da Ásia.
O gengibre é estimulante do sistema nervoso e da digestão, e elimina gases estomacais e intestinais. Usa-se
também o rizoma para aplicações sobre a pele, em casos de má circulação periférica. Muitos poderes medicinais.
Combate as náuseas, provocando o aumento de salivação, pode ser mastigado para prevenir enjôos em viagens
marítimas. Age muito bem na garganta, sendo seu chá indicado a todas as pessoas que utilizam bastante a voz
como oradores, cantores, etc. Combate a flatulência, bastando para isso apenas usa-lo como tempero nas
refeições. Tem também uma aplicação em casos de reumatismo, problemas pulmonares e circulação sanguínea,
usando-se o chá. Afrodisíaco,indicado para : aerofagia, amigdalite, anorexia, asma brônquica, beribéri,
broncorréia pulmonar, catarros crônicos, ciática, colesterol, cólicas do estômago e intestino, cólera morbus,
dispepsia atônita, dores musculares, edemas artríticos e reumáticos, enjôo, estômago, feridas, fígado, flatulência,
halitose, higienização da boca, impotência sexual, impurezas na pele, inflamação da garganta, má digestão,
menorragia, meteorismo, náusea e enjôo comuns, de gravidez, de movimento (marítimo e aéreo), paralisia,
reumatismo, resfriados, rouquidão, tosse, traumatismo, triglicerídeos, úlceras.

GERGELIM
Sesamum indicum
Em sua constituição, encontam-se diversos ácidos, além de resina, lecitina, colina, fitina, sesamolina e sesamina,
que, combinados com o píretro, tem ação inseticida. Os grãos são comestíveis, fornecem óleo e farinha, contem
vitaminas A, B, C, e possuem bom teor de cálcio, fósforo e ferro (grãos pretos são mais ricos em cálcio e vit. A).
Os grãos claros, tostados, dão farinha muito nutritiva; esta novamente tostada e passada numa centrífuga
transforma-se em um tipo de manteiga conhecida como tahine (de grande uso entre os árabes); o gergelim preto é
usado no preparo do gersal (gergelim + sal) que se constitui num dos temperos básicos da culinária e substância
da medicina macrobiótica e integral, considerado alimento ideal para tirar a acidez do sangue, para aumentar a
atividade e o reflexo cerebral, para combater as doenças venéreas e para fortalecer a pele.
Em medicina caseira, as sementes são indicadas no tratramento de reumatismo (uso externo) Ferva 30g de
semente crua e seca em 1 colher (de sopa) de água. Coe espremendo as sementes, e use em cassos de
reumatismo, dores musculares e entorses. Faça massagens pelo menos tres vezes ao dia.
Também é boa como laxante. Têm ainda aplicação como auliares no tratamento dos rins e fígado.Nutritivo;
tônico; trata também a doença de Chagas e ulceras. Seu óleo é indicado para reumatismo; artritismo; cólicas
intestinais; cirroses; e tumores. Dentre as gorduras do gergelim, encontra-se a lecitina, que é um foso-lipídio
(gordura fosforada) que desempenha uma importante função no nosso organismo. E componente essecial do
tecido nervoso, também se encontra no sangue, no sêmen e na bílis e intervém na função das glândulas sexuais.O
óleo de gergelim é de elevado poder nutritivo, tônico nervino, consumido no mundo inteiro como alimento. Para
as mulheres tem efeitos abortivos e em geral é laxativo. Tem ação afrodisíaca. O seu óleo raramente fica
rançoso. Aplica-se nas dores reumáticas e tumores. Ainda é recomendado nas queimaduras, dor de ouvido e
clisteres. Também ajuda a prevenir a sede. Gersal: Pasta formada por 1 ou 2 partes de gergelim torrado triturado
com uma de sal marinho. Também é conhecido pelo nome de sal de gergelim. Além das suas propriedades
medicinais, é um excelente condimento muito popular nos países orientais

GINSENG
Panax Ginseng
É uma planta, cuja raiz é reconhecida mundialmente por suas propriedades tônicas e restaurativas, atuando em
102
casos de estresse físico e mental, no aumento da capacidade de trabalho e concentração e para melhorar o bem-
estar durante a convalescença. Conhecido popularmente como ginseng coreano.
Raiz milenar cultivada na Coréia, sendo usado pela população da região por milhares de anos para aumentar a
longevidade e aumentar a qualidade de vida. Planta de pequeno porte, necessita de 5 a 6 anos para ficar pronta
para a extração de suas raízes para uso medicinal.
O ginseng "branco" consiste simplesmente na raiz desidratada, enquanto o ginseng "vermelho" consiste na raiz
aquecida no vapor e desidratada. Seu nome provém da antiga expressão chinesa ―jen shen‖, que significa "raiz
do homem", pelo fato desta possuir formato humanóide.
Seu consumo está mundialmente ligado ao combate a doenças da modernidade como stress, depressão, desgaste
físico e mental. Os efeitos principais do ginseng para a saúde provêm de suas propriedades antioxidantes e
imunoestimulantes, bem como de sua capacidade de proteger o corpo contra os efeitos adversos do estresse.
É afrodisíaco, antidepressivo, antiinflamatório, antioxidante, bioestimulante, depurativo, diurético, estimulante,
fortificante, hemostático, hipocolesterolêmica, hipotensora, revitalizante, tônico. Indicações: afecção do fígado,
afrodisíaco, anemia, bioestimulante, câncer no pulmão, cansaços, capacidade aeróbica, colesterol alto,
convalescença, coração, debilidades, deficiência de libido e ereção, depressões, depurativo, diabete tipo 2,
disfunção de ereção, diurético, doenças de pele, epilepsia, fadiga crônica, falta de energia e de concentração,
fígado, fortificante, fraquezas, função imunológica, gripe e resfriado comum/dor, ferida e inflamação na
garganta, hemorragias, HIV (AIDS), impotência sexual, indisposições, infecção, infertilidade masculina (3
meses de uso), melhorar a performance atlética, melhorar a vitalidade mental e física, memória, menopausa,
pressão alta, próstata, reumatismo, revitalizante, stress, tônico geral
O ginseng traz benefícios para pessoas estressadas e para aquelas que estão recuperando-se de uma doença
prolongada. Já foi constatado que a planta equilibra os hormônios de estresse no organismo e apóia os órgãos
que os produzem, a saber, a glândula localizada sobre os rins. O ginseng também aumenta a produção de
endorfinas, as substâncias químicas produzidas pelo cérebro que fazem a "pessoa sentir-se bem". Muitos
corredores de longa distância e atletas tomam ginseng para aumentar a resistência física.

GINKGO BILOBA / NOGUEIRA-DO-JAPÃO


Ginkgo biloba L
Árvore considerada um fóssil vivo, ancestral do carvalho, é mencionada nos escritos chineses de 2800 anos A.C.
e considerada sagrada no Oriente. A ginkgo biloba foi a primeira planta a brotar após a destruição provocada
pela bomba atômica na cidade de Hiroshima, no Japão.Chamada pelos japoneses de Yin- Kuo fruto de prata, o
Ginkgo é considerado sagrado pelos budistas, sendo as suas árvores plantadas nas entradas de todos os templos.
Tem ação preventiva e curativa na oxidação das células e no envelhecimento. Estimulante da circulação, diminui
a hiperagregação plaquetária, evitando tromboses. Indicado ainda contra micro varizes, artrite e cansaço nas
pernas.
Estudos indicam que o extrato de ginkgo biloba feito a partir das folhas podem ser usados para:melhorar o fluxo
sangüíneo para os tecidos e órgãos, combater a danificação de células pelos radicais livres, agindo como
antioxidante natural, evitar a agregação plaquetária, que está relacionada com o desenvolvimento de problemas
cardiovasculares, respiratórios, renais e problemas no sistema nervoso.
Na medicina tradicional chinesa, as folhas de ginkgo biloba são usadas para combater vários problemas de saúde
como asma, bronquite, problemas de perda de audição, tuberculose, deficiência circulatória, perda de memória,
dor de estômago, problemas de pele, ansiedade entre outros.
É indiado para angiopatias (prevenir); ansiedade; asma; audição (deficiências); bactérias (inibir o crescimento
de); bem-estar geral (promover a sensação de); bronquite; câncer (ajudar combater - frutos crus); capacidade
intelectual (recuperar); capilares (inibir a hiperpermeabilidade mediada pela bradicinina e histamina); catarro;
cefaléia; células (combater a peroxidação lipídica das membranas, ativar o metabolismo energético, tratamento
profilático do envelhecimento); cérebro (irrigação deficiente, isquemia, prevenir edema); circulação (distúrbios
arteriais); circulação sangüínea (má-); colágeno (inibir a destruição do); concentração (dificuldade, melhorar);
coração (batidas irregular do); ácido hialurônico (despolimerização do); digestão; doença de Raynaud; energia
sexual (aumentar); enxaqueca; extremidades (dor, palidez, cianose, sensação de frio); feridas; flebites (prevenir
certas formas de); fungos (inibir o crescimento de); furúnculos; gonorréia; incontinência urinária; infecções
(prevenir); inibir o PAF (fator ativador de plaquetas) (presente em alergias como a asma); isquemia (prevenir
cerebral ou periférica); labirintite; membros inferiores (reduzir fadiga, artrite, cansaço e sensações de peso);
memória (melhorar a, perda de, recuperar a, de pessoas idosas); metabolismo energético (normalizar o,
melhorando a utilização dos glicídios); microvarizes; nível cerebral (aumentar o consumo de glicose e oxigênio,
aumentando a síntese de ATP); olhos; pele (doenças, envelhecimento, sardas e manchas na); performance
intelectual (melhorar a); perfusão tissular (manter a); problemas respiratórios; processos vasculares
degenerativos; radicais livres (combater); resíduos metabólicos (auxiliar a depuração); resistência capilar
(aumentar); resistência do organismo (aumentar); ressaca alcoólico; rinite crônica; rouquidão; rugas (tratamento
e prevenção de); sangue (melhorar propriedades fluídicas do, diminuir a viscosidade); sistema circulatório
(ativar); tonturas; tônus vascular (reforçar a nível venoso); tosse; tuberculose; úlceras estomacais; úlceras
varicosas; vasos arteriais dos membros (efetuar vasodilatação); vertigens (reduzir); zumbidos (reduzir). O
ginkgolídeo B (sintetizado em laboratório): evitar a rejeição de transplantes de órgãos e contra choques
asmáticos e intoxicações.
103
GIRASSOL
Helianthus annus
Segundo a mitologia grega, certa moça, chamada Clytia, apaixonou-se pelo deus do Sol Apolo e sem poder fazer
nada, observava-o cruzar o céu. Após nove dias, ela foi transformada em um girassol. O óleo de girassol tem
excelentes nutrientes, com altos índices de ácidos graxos insaturados que diminuem problemas cardiovasculares
e também contém um maior teor de ácido linoléico essencial o organismo humano.
As folhas e as flores têm largo emprego em medicina natural. são usados no preparo de adstringentes e
antinflamatórios da pel. Ingeridass sob a forma de chás, são excelentes diuréticos, antinevralgicos, febrífugos e
expectorantes.È utilizado em muitos países como remédio caseiro para muitas doenças, como por exemplo : as
folhas e flores da planta no combate de doenças de garganta e pulmonares.
Na América do Sul adiciona-se sumo de flores e sementes ao vinho branco para funcionar como remédio contra
doenças e eliminar a pedra do rim e da vesícula. As raízes de uma espécie, chamada pataca, são comestíveis e
podem ser consumidas da seguinte maneira : cozidas, estufadas e assadas. As sementes são ricas em proteínas e
vitaminas e quando são torradas e moídas, transformadas em pó, pode ser um substituto do café, sem cafeína e
ajudando à combater a enxaqueca. As folhas e flores do girassol podem ser usadas no combate de doenças
pulmonares e da garganta, em forma de tinturas ou infusões. As raízes da espécie chamada pataca, são
comestíveis e podem ser consumidas cozidas e assadas. As folhas contém propriedades diuréticas, antigripais,
antiasmáticas e expectorantes. As sementes e as folhas podem ser usadas como cicatrizantes em forma de tintura.

GOIABA
Psidium guajava
Famosa contra diarréias. A fruta em casos amenos e as folhas em casos mais extremos. Usa-se o chá das folhas
até cessar o distúrbio. Os frutos são benéficos em casos de doenças das vias respiratórias, como tosse e
bronquite.
É rica em sais minerais como o cálcio, fósforo e ferro. Tem alto teor de vitamina C, o que a torna eficaz no
combate às infecções e hemorragias. é ótima para o fortalecimento dos ossos e dentes, e cicatrização de cortes e
queimaduras. Rica em vitamina A, ela é excelente para a vista, saúde da pele e mucosas.
A goiaba é também rica em vitamina B1, por isso ajuda na regularização do sistema nervoso e aparelho
digestivo. Tonifica o músculo cardíaco e auxilia no crescimento. As folhas da goiabeira podem ser empregadas
contra inchação das pernas, hemorragias uterinas e gastrite. A goiaba tem grande valor nutritivo, principalmente
pelo seu alto teor de vitamina C, importante no combate às infecções, hemorragias, fortalecimento dos ossos e
dentes, cicatrização de cortes e queimaduras. Possui também vitamina A, boa à vista, conserva a saúde da pele e
das mucosas e auxilia no crescimento e, vitamina B1, que ajuda na regularização do sistema nervoso e aparelho
digestivo, tonificando, ainda, o músculo cardíaco.
Contém também sais minerais como Cálcio, Fósforo e Ferro que contribuem para a formação dos ossos, dentes e
sangue.

GRAVIOLA
Annona muricata
A graviola é uma fruta originária das Antilhas, onde se encontra em estado silvestre. No Brasil, tornou-se
subespontânea na Amazônia, sendo cultivada principalmente nos Estados do Nordeste.
É adstringente, anti-cancerígena, anti-reumática, antibacteriana, antiespasmódica, antiinflamatória, antitumoral,
atóxica, cardiotônica, diurética, estomáquica, febrífuga, hipotensora, inseticida, peitoral, sedativa,
vasodilatadora, vermífuga, calmante.
Indicações: abscesso, artrite, asma, astenia, bronquite, coadjuvante no combate ao câncer, coração, diabete,
diarréia, dietas de emagrecimento, disenteria, dor, edema, eliminar catarro dos pulmões, emagrecimento,
espasmo, febre, gripe, hipertensão, nevralgia, reumatismo, rins, tosse, vermes intestinais. É ruim para pessoas
com caxumba, aftas ou ferimentos na boca, que devem evitar consumí-la in natura, pois sua acidez é irritativa e
pode provocar dor.

GUAÇATONGA
Casearia Sylvestris Swartz
Os índios utilizam a guaçatonga como cicatrizante e principalmente para curar feridas provocadas por picadas de
cobras. Hoje, sabe-se que o componente responsável por esta capacidade chama-se "cariofileno" que alivia a dor
provocada pela picada anulando a histamina, uma substância que pode desencadear a sensação dolorosa.
Flavonas, óleos essenciais, saponinas, taninos, resinas e antocianosídeos são alguns dos componentes presentes
na guaçatonga que fazem a fama da planta como febrífuga, depurativa, anti-diarréica, cardiotônica, diurética,
analgésica e cicatrizante
Embora as folhas sejam mais utilizadas na medicina natural, podem-se empregar também as cascas do caule e as
raízes. A folha apresenta um alto teor de óleo essencial, tanino, resina, flavonóide e saponinas. a marcante
porcentagem de óleo essencial justificaria seu emprego como cicatrizante, anti-séptico, antimicrobiano e
fungicida. Pesquisas constataram que o processo de cicatrização interna ou externa evolui bem quando tratado
com a guaçatonga.
104
É eficaz nos tratamentos da orofaringe (aftas, sapinhos, herpes simples); da mucosa gástrica (regenerando tecidos
e cicatrizando úlceras) e da pele, feridas, eczemas, pruridos, picadas.
Além disso é homeostático e depurativo do sangue. Nos casos de halitose de fundo estomacal, exerce ação
imediata, eliminando fungos invasores.Já contra o herpes labial, popularmente usa-se uma infusão preparada
com 2 colheres (sopa) de folhas de guaçatonga picadas em 1 copo de água fervente. Abafa-se e, depois de fria, a
infusão é aplicada nas lesões labiais com um algodão.

GUACO
Mikania Glomerata Sprengel
Na época da floração torna-se uma planta muito procurada pelas abelhas. recebe também o nome de erva-das-
serpentes, pois em regiões infestadas por serpentes venenosas o guaco costuma ser preparado como contra-
veneno. pesquisas científicass isolaram um glicosídeo da planta que, por processos químicos, dá origem à
cumarina, talvez a substância responsável pelo efeito antiofídico. além desse glicosídeo, encontram-se substância
amargas, aromáticas, resinosas e taninos.
Xaropes preparados com guaco tem larga utilização para debelar tosses rebeldes, pois seus princípios ativos
agem benéficamente sobre as vias respiratórias. quando são usados em gargarejos, auxilia na inflamação da
garganta.Cientificamente já está provado que o guaco apresenta propriedades medicinais expectorantes e
broncodilatadoras, sendo indicado no combate à tosse, asma, bronquite, rouquidão e outros sintomas associados
à gripes e resfriados. Popularmente, o guaco continua sendo usado para tratar reumatismo, infecções intestinais e
cicatrizar ferimentos
Pode ser utilizado ainda como cicatrizante externo, contra prurido e nos casos de eczema. Além disso a planta é
um excelente tonixco amargo, empregado nas convalescenças e no tratamento de doenças reumáticas e
nevrálgicas.
Xarope de guaco com mel: Coloque um punhado de caules e folhas em 2 e 1/2 litros de água fervendo, deixando
no fogo até reduzir para 1/2 litro. Espere esfriar um pouco, filtre, junte 250 g de açúcar e ferva até o ponto de
xarope. Desligue e acrescente 3 colheres(sopa) de mel. Deixe esfriar e guarde em um vidro bem limpo e seco.
Usar como um xarope, três vezes ao dia.

GUARANÁ
Paulinia Cupana
O guaraná há muitas centenas de anos foi domesticado e cultivado pelos índios, os primeiros habitantes da
Amazônia. Portanto a espécie nunca foi encontrada no estado silvestre. Acreditam os botânicos que mesmos
aquelas plantas achadas em floresta densa, foram originadas de um cultivo indígena no passado. Seu cultivo data
da época pré-colombiana, quando era praticado por diversas tribos indígenas, entre as quais Maués e Andiras,
localizadas no ―baixo Amazonas‖.
Em 1946 o médico Othon Machado divulgou os seguintes resultados sobre as propriedades medicinais do
guaraná: antitérmico, antineurálgico, antidiarréico, estimulante, analgésico e antigripal. Estudos realizados em
1965 por Ritchei, mostram que a teofilina, a teobromina e a cafeína atuam sobre o sistema cardiovascular, o
sistema nervoso central, músculos lisos, esquelético e rins.
A Dra. Ana Aslan, geriatra internacionalmente reconhecida, quando de sua visita ao Brasil, em 1972, declarou
ser o guaraná ―o geronvital brasileiro‖. Scavone, Panizza e Cristodoulov, pesquisadores do Instituto de Botânica
da USP, comprovaram que o guaraná em pó substitui com vantagem o Ginseng, que é uma droga obtida das
raízes da planta do mesmo nome, utilizada como estimulante psicomotor e afrodisíaco, importada a elevados
custos da Coréia e Estados Unidos
Entre as plantas que contém cafeína, o guaraná é o que apresenta os maiores teores, mais que o dobro em relação
ao café. Indicações: anorexia, arteriosclerose, atonia, cefaléia, depressão, desgaste físico e mental, diarréia,
disenteria, dispepsia, dor muscular, enxaqueca, estômago, estresse, fadiga física e mental, fadiga motora e
psíquica, febre, flora intestinal, função cerebral, gases, hemicrania (dor em um dos lados da cabeça), hemorragia,
impotência sexual, infecções, males do estômago, mialgia, prevenir esclerose, prevenir insolações, prisão de
ventre, problema gastro-intestinal, raciocínio, tonificar o coração.

HAMAMÉLIS
Hamamélis Virginiana
Os princípios ativos da planta estão concentrados nas folhas e, em menor proporção, nas cascas. Introduzida na
medicina natural no sec. XVIII, a hamamelis possui propriedades descongestionantes, adstringentes,
vasoconstritoras da circulação periférica e reguladora da circulação venosa e arterial. Por isso é usada no
tratamento das hemorróidas, flebites, varizes e problemas do aparelho genital feminino.
Em homeopatia a hamamelis é indicada em casos de varizes, hemorroidas, dilatações venosas ou sangramentos
menstruais - em todos os processos de hemorragia com sangue escuro, venoso.
Para afecções das mucosas da boca, caspa, circulação, diarréia, dor nos pés, ferimentos, fragilidade dos fios de
cabelo, impurezas na pele, inchaço nas pernas, irritações na pele pós-barba, oleosidade excessiva do couro
cabeludo, problemas circulatórios, proteger contra infecções, queimaduras, seborréia, sinais de envelhecimento.

105
HORTELÃ
Mentha piperita
Na verdade temos mais de 25 espécies de diferentes hortelãs de jardim que todos conhecemos. De acordo com
Plínio, os gregos e romanos faziam suas coroas com hortelã. os gregos e romanos usavam hortelã contra moridas
de cobra, picadas de insetos e escorpiões, cólicas, problemas urinários e todos os tipos de vertigem. Gargarejos
com chá de menta são ótimos para dores de garganta.
Aumenta o leite da nutriz e além disso é um bom substituto para o café, sendo purificador e fortificante.A
hortelã-pimenta, estimula a pele e os terminais nervosos sensíveis ao frio. Para aquecer ambientes muito frios,
coloca-se uma bacia com água e folhas de hortelã. Como digestivo, faz-se uma infusão com 100g de água quente
já adoçada, coloca-se 5g de folhas frescas ou secas de hortelã, filtrar e beber em seguida bem devagar. Para
excitação nervosa e insônia colocar uma pitada de folhas frescas de hortelã em uma xícara de água quente, filtrar
e beber o liquido. (Em casos de insônia, tomar antes de deitar).

INHAME
Colocasia antiquorum
O inhame cru é um poderoso antianêmico e mesmo cozido conserva muito de seu poder curativo. É um grande
depurador do sangue, deve ser ingerido pelas pessoas que sofrem processos inflamatórios de qualquer espécie e
todas aquelas que precisam beneficiar o sangue. Faz as impurezas do sangue saírem através da pele, dos rins, dos
intestinos. No começo do século já se usava elixir de inhame para tratar sífilis. Fortalece o sistema imunológico e
os gânglios linfáticos Curioso que a forma do inhame lembra os gânglios.
A presença de inhame no sangue permite uma reação instantânea à invasão do mosquito causador malária,
dengue, febre amarela, neutralizando o agente causador da doença antes que ele se espalhe pelo corpo.

IPÊ ROXO / PAU D'ARCO


Tabebuia avellanedae
A planta amazónica Pau D'Arco (Ipê Roxo) é reconhecida pelas suas propriedades purificadoras, regeneradoras e
tonificantes gerais. Boa para alergia, anemia, diabete, diarréia, câncer, candidiasis, catarro da uretra, colite,
coceira, ovário, estimulante do sistema imunológico (prevenção de leucemia, diabete, câncer), feridas, fígado,
fungo, garganta, inflamacão artrítica, leucemia, lupus, mal de Parkson, malária, osteomielite, problemas
respiratórios, psoríase, queimaduras, úlcera, útero.
Parte utilizada: casca, folhas. Contra-indicações/cuidados: gravidez, período de lactação
Usado no combate do câncer. Devido aos seus componentes, tem propriedades analgésicas, sedativas, anti-
hemorrágicas, descongestionantes, cicatrizantes, fortificantes, cardiotônicas, hematopoieticas (produção de
glóbulos vermelhos), adstringentes, diuréticas, antiinfecciosas e hipotensoras. É indicado para câncer de qualquer
tipo, leucemia, mal do sangue, úlceras estomacais, diabetes, leucorréia, osteoporose, fistulas, polipo da bexiga e
dos intestinos, doenças da pele, tuberculose, lepra, hipertensão, distúrbios cardiovasculares, prostatite, cistite,
metrites, entre outras. O tratamento é feito à base de chás, extratos da casca ou do cerne, tinturas, pomadas, pós
para feridas, etc.

JABORANDI
Pilocarpus Microphylus Stapf
A ingestão de pilocarpina extraída do jaborandí provoca suor abundante. Antes da sudorese, porém, as glândulas
salivares são ativadas causando excessiva salivação. Por isso, os guaranis o chamavam de yaborã-di : a planta
que faz babar.
É um potente sudorífico indicado nos casos de reumatismo e artrite. . Externamente é empregado em
dermatologia no tratamento da queda de cabelos e no preparao de vários cremes protetores da pele. A industria
farmacêutica usa a pilocarpina na composição de colírios que provocam a contração da pupila ou a diminuição
da pressão intra-ocular. O jaborandi funciona como antídoto em casos de intoxicação provocada pela atropinna,
presente em muitos medicamentos antipiréticos e analgésicos. ao excesso é eficazmente corrigido pela
pilocarpina, que excita os terminais nervosos paralisados, contrai apupila e aumenta a produção de saliva, de
suor e do movimento peristáltico dos intestinos. É tonica,diaforetica, sialagoga, contra afecção catarral(via
respiratória, bronquite, asma úmida, edema, pleurisia, pneumonia, difteria, nefrite aguda, "mal de
bright"(f.congestivas), hidropsia renal, intoxicação, diabete pancreática, para diminuir açúcar urinário, doença de
pele, hiperidroses gerais, hiperidroses locais, oftálmica.O s estudos mostraram que o jaborandi "aumenta
enormemente a transpiração e a salivação, a secreção das membranas mucosas do nariz, os tubos bronquiais, e o
estômago e intestinos". Em 1875, dois cientistas independentes descobriram o alcalóide, pilocarpina e seu uso no
combate ao glaucoma. Por volta de 1876, folhas de jaborandi estavam sendo empregadas no tratamento de
muitas doenças como febre, estomatite, laringite, bronquite, gripe, pneumonia, intoxicações, neurose e doença
renal. A pilocarpina é contra-indicada para quem tem problemas de retenção de urina, pois o organismo não
consegue eliminar toda a fluidificação produzida e se intoxica.

KAWA KAWA
Piper methysticum
Arbusto naturalmente encontrado na Malásia e nas ilhas da Polinésia, tem sido utilizado há mais de 3 mil anos
106
pelos nativos das ilhas de Fiji, Samoa e Tonga, no tratamento de doenças e também em cerimônias religiosas, em
razão das propriedades sedativas e relaxantes. Durante os rituais, os nativos ingeriam a kawa kawa na forma de
bebida e, acredita-se, o efeito relaxante da planta, aliado a outros elementos da ritualística, entravam em transe.
É Tranqüilizante, sedativa, combate a cefaléia, melhora a concentração, sonífera, antidepressiva, analgésica,
espasmolítica, levemente antiinflamatória, anticonvulsivante, antioxidante, auxilia o metabolismo do GABA,
miorrelaxante, levemente diurética, e, principalmente antiestressante.É um ansiolítico que leva à melhoria do
desempenho. Calmante natural, melhorando a qualidade do sono. Permite ainda ser indicado em estados de
estresse, fadiga, fraqueza, cefaléia e também como leve relaxante muscular
Atuação: age no sistema límbico, principalmente através do núcleo amidaglino e do ―formatio reticularis‖.

LARANJAS
Citrus aurantium
Combate a tendência as hemorragias e a gripe, febre e inflamações nas veias. Para combater excitação nervosa,
verter uma xícara de água fervente em 2gr de folhas de laranjeira, filtrar, adoçar com mel e beber. Contra febre,
colocar uma laranja madura, cortada , com a casca e em pedaços, em 30gr de água fervente adoçada com duas
colheradas de açúcar. Depois de totalmente frio, coar o liquido e beber.
Contém bioflavonóides e as mesmas substância encontradas nas laranjas comuns. Em medicina caseira é
indicada como antiescorbútico, antiespasmódico, estancador de hemorragias, sedativo e vermífugo. As folhas e
os ramos novos são utilizados para a preparação de um chá calmante. As flores possuem propriedades análogas
às das folhas.

LAVANDA
Lavandula vera
A lavanda é, sem dúvida alguma, a erva aromática preferida de todos os povos desde tempos muito remotos. A
lavanda em latim significa lavar. Eles usavam o óleo para matar piolhos, pulgas, percevejos e todos insetos que
infestavam as casas.
Na medicina a lavanda é usada nos tratamentos de insônia tomando um banho perfumado com ela, relaxa a
musculatura e acalma os nervos. Um chá de flores e folhas completam a medicação. O óleo é usado nas juntas
doloridas de atrite e reumatismo, também para palpitações, tonturas e desmaios. Para ansiedade, nervosismo, dor
muscular, acne e inflamações na pele
Os poderes de restauração da lavanda na pele queimada é incrível, assim como apra picadas de insetos, picada de
cobra. A tintura pura fortalece os cabelos, e em gotas, na água fervendo, em inalações cura rapidamente gripes e
resfriados.

LENTILHA
Ervum lens
Rica em proteínas. Além de ser considerado um alimento que atrai a prosperidade, é indicada para as mães no
período de amamentação. É também aconselhado seu consumo para pessoas anêmicas. Na medicina, a lentilha é
usada na cura de distúrbios intestinais, parótides e inflamações glandulares. Já as folhas amassadas sobre os
tumores e abscessos aceleram o processo de supuração.
Tem carboidratos, vitamina A, B, B2, B5, C, ferro, cobre, enxofre, iodo, magnésio, zinco, potássio, sódio. É anti-
helmíntica, antianêmica, antidiarréica, antiinflamatória, energizante, fortalecedora, mineralizante, neurotônica,
nutritiva, vitaminizante.
Indicada para anemia, desnutrição, diarréia, convalescência, deficiência vitamínica, vermes intestinais, fortalecer
o sistema nervoso.

LIMÃO
Citrus limonum
Pode-se dizer que o limão é o remédio universal. Alivia e cura diversas enfermidades. Fruta medicinal por
excelência. Atende as necessidades de vitamina C como também atua sobre o acido úrico, doenças da vesícula
biliar, da boca, da garganta, do estômago, da vista, dos nervos, dos brônquios, do pulmão. Combate ainda a
esterilidade, o alcoolismo, a inapetência e o mau hálito. Os usos mais freqüentes são como chá da fruta. Uma
limonada pela manhã, diariamente, previne doenças. O suco misturado com água morna pode ser ingerido nos
dias mais frios para evitar problemas com a temperatura. O suco misturado a água quente usa-se para gargarejos
benéficos para afecções na boca e garganta.
O limão produz um melhor efeito quando tomado em quantidades progressivamente maiores, até um certo limite,
e, depois, em quantidades progressivamente menores . A cura do limão :
Tomar 1 no primeiro dia, 2 no segundo dia, até chegar a 9 (nove) depois diminui-se gradativamente até 1 limão;
aguarda-se 09 (nove) e pode repetir a cura; pode-se fazer até 03 (três) curas, quando necessário e, se também não
notar nenhum inconveniente.
Toma-se o suco do limão em jejum (duas horas de intervalo para ingerir qualquer outro alimento). para o
estômago delicado, pode-se tomar limão misturado com um pouco d'água no decorrer do dia ou ainda fazer uma
cura de laranja se por acaso tiver hipercloridria; neste último caso - usar laranjas maduras e doces sómente.

107
LINHAÇA
Linum usitatissimum L
Entre as atuais plantas cultivadas, o linho é sem dúvida nenhuma, uma das mais antigas, sendo empregada na
Babilônia, Mesopotâmia e Egito desde 7.000 anos aproximadamente.
Sua composição é azeite graxo o azeite de linhaça (30-40%): Composto principalmente por ácidos graxos
essenciais poliinsaturados (oleico, linolénico cis-linoleico e alfa-linoleico) e frações do tipo Omega-3. Outros:
mucílago ácido (10%), traz um heterosidio cianogenético: linamarina (1,5%), diglucosidios (linustatina,
neolinustatina), apresenta ácido prúsico, fibra solúvel (pectina), provitamina A, vitaminas B, D e E, fitosteroides
(estigmasterol, sitosterol, avenasterol, colesterol), lignano (secoisolarici-resinol diglucósido) e una enzima:
linamarasa
As investigações e a experiência clínica, têm demonstrado que o consumo em forma regular de Semente de
linhaça, previne ou cura as seguintes doenças :
Câncer: De mama, de próstata, de colon, de pulmão, etc., etc. A Semente de linhaça contém 27 componentes
anti-cancerígenos , um deles é a LIGNINA. A Semente de linhaça contém 100 vezes mais Lignina que os
melhores grãos integrais. Nenhum outro vegetal conhecido até agora iguala essas propriedades. Protege e evita a
formação de tumores. Só no câncer, se recomenda combinar Semente de Linhaça moída com queijo cottage,
baixo em calorias.
Baixa de Peso: A Linhaça moída é excelente para baixa de peso, pois elimina o colesterol em forma rápida.
Ajuda a controlar a obesidade e a sensação desnecessária de apetite, por conter grandes quantidades de fibra
dietética. Tem cinco vezes mais fibra que a aveia. Se você deseja baixar de peso, tome uma colher a mais pelas
tardes.
Sistema Digestivo: Previne ou cura o câncer de colon. Ideal para artrite, prisão de ventre, acidez estomacal.
Lubrifica e regenera a flora intestinal. Expulsão de gases gástricos. É um laxante por excelência. Previne os
divertículos nas paredes do intestino. Elimina toxinas e contaminadores. A linhaça contém em grandes
quantidades dos dois tipos de fibras dietéticas solúvel e insolúvel. Contém mais fibras que a maioria dos grãos.
Sistema Nervoso: É um tratamento para a pressão. As pessoas que consomem linhaça sentem uma grande
diminuição da tensão nervosa e uma sensação de calma. Ideal para pessoas que trabalham sob pressão. Melhora
as funções mentais dos anciãos, melhora os problemas de conduta ( esquizofrenia). A Linhaça é uma dose de
energia para teu cérebro, porque contém os nutrientes que produzem mais urotransmissores (reanimações
naturais) .
Sistema Imunológico: A Linhaça alivia alergias, é efetiva para o LUPUS. A Semente de linhaça por conter os
azeites essenciais Ômega 3, 6, 9 e um grande conteúdo de nutrientes que requeremos constantemente, faz com
que nosso organismo fique menos doente, por oferecer uma grande resistência às doenças. Contém grandes
quantidades de rejuvenescedor, pois retém o envelhecimento. A Linhaça é útil para o tratamento da anemia.
Sistema Cardiovascular: É ideal para tratar a arteriosclerose, elimina o colesterol aderido nas artérias, esclerose
múltipla, trombose coronária, alta pressão arterial , arritmia cardíaca , incrementa as plaquetas na prevenção da
formação de coágulos sanguíneos. É excelente para regular o colesterol ruim . O uso regular de linhaça, diminui
o risco de padecer de doenças cardiovasculares. Uma das características ÚNICAS da Linhaça, é que contém uma
substância chamada taglandina, a qual regula a pressão do sangue e a função arterial e exerce um importante
papel no metabolismo de cálcio e energia. O Dr. J H. Vane, ganhou o Prêmio Nobel de Medicina em 1962, por
descobrir o metabolismo dos azeites essenciais Ômega 3 e 6 na prevenção de problemas cardíacos.
Doenças Inflamatórias: O consumo de Linhaça diminui as condições inflamatórias de todo tipo. Refere-se a
todas aquelas doenças terminadas em " ite", tais como: gastrite, hepatite , artrite, colite, amidalite, meningite ,
etc.
Retenção de Líquidos: O consumo regular de Linhaça, ajuda os rins a excretar água e sódio. A retenção de água
(Edema) acompanha sempre à inflamação de tornozelos, alguma forma de obesidade, síndrome pré-menstrual,
todas as etapas do câncer e as doenças cardiovasculares.
Diabetes: O consumo regular de Linhaça, favorece o controle dos níveis de açúcar no sangre. Esta é uma
excelente notícia para os insulina- dependentes.
Vitalidade Física: Um dos mais notáveis indicativos de melhora devido ao consumo de Linhaça, é o incremento
progressivo na vitalidade e na energia. A Linhaça aumenta o coeficiente metabólico e a eficácia na produção de
energia celular. Os músculos se recuperam da fadiga do exercício.
*Modo de Usar: Duas colheres (de sopa) por dia, batidas no liquidificador. Mistura-se em um copo de suco de
fruta, ou sobre a fruta, ou com a aveia, ou iogurte no café da manhã ou no almoço. Podem tomar, pessoas de
todas as idades (crianças, adolescentes e anciãos). Inclusive mulheres grávidas.
*Outra Receita (Como usar a linhaça): Deixe de molho 1 colher de semente de linhaça em 1/2 copo d'agua à
noite. No dia seguinte,pode-se usar em vitaminas com iogurte, leite e frutas, acrescentando também,se quiser,
farelo de aveia ou aveia em flocos

LOSNA
Artemísia absinthium
No Brasil, a losna (ou absinto) cresce em locais agrestes. Conhecida e utilizada desde a Antiguidade, a losna - ou
absinto - é bastante apreciada pelos naturalistas, devido às suas diversas qualidades medicinais.
A losna é inúmeras vezes citada na Bíblia e é sempre relacionada com seu sabor amargo. lemos : "seja entre vós
108
raiz que produza fel e amrgura" Mas apesar de sua amargura o chá é altamente benéfico. Colocar 1 colher da
erva pra cada xícara de água fervente, descansar 5 minutos. Topmar d 1 a 2 xícaras por dia.
Emprega-se nos catarros, cólicas, náuseas, menstruação difícil e dolorosa, ela limpa e regulariza diversos orgãos
além de reforçar o organismo quando este se encontra fraco e combalido. É boa para obesidade e diabete.
As preparações com losna favorecem o aumento da secreção gpátrica funcionando como estimulador do apetite e
digestivo. em homeopatia, a planta é indicada para pessoas que apresentam sintomas como alucinações e
convulsões intermitentes.
É aconselhado o chá nos problemas de fígado e intestinos, assim como nos casos de urina solta. Em diarréias
pode-se ferve-la em vinho e beber o chá ou usa-lo em compressas sobre o ventre. Esse mesmo chá é um
excelente colírio.

LOURO
Lauris nobilis
Era considerado o símbolo da glória e da imortalidade pelos antigos gregos que com seus ramos e folhas
coroavam os poetas e os herois das olimpíadas. Esse costume seria adotado pelos Césares, dando origem ao
termo "laureado" e a expressão : os louros da vitória.
Utilizado sobretudo em culinária, o louro está entre os temperos mais conhecidos do mundo. É um excelente
estimulante gustativo. As folhas do louro, bastante perfumadas, possuem tanino, princípios amargos e
aromáticos, elementos que tem a capacidade de estimular a digestão, combater a aerofagia e problemas gástricos.
Atuam como anti-séptico, sedativo e sudorífico. ass bagas de louro, ricos em óleo essencial contendo cânfora e
outros compostos, são empregados na preparação da mantteiga de loureiro, unguento utilizado em veterinária
para afastar insetos dos pelos dos animais e para acalmar dores nas articulações.
A fumaça resultante da queima de folhas, tem efeito desinfetante, o que talvez explique o seu uiso em rituais de
purificação dos templos e oráculos da Grécia Antiga
As folhas podem ser queimadas ou mastigadas para induzir visões. Usado como amuleto para evitar as
negatividades. As folhas deixadas embaixo do travesseiro induz a sonhos proféticos. Pode ser usado em rituais
de proteção e purificação. Manter um pé de louro em casa protege todos os que moram nela de doenças. O louro,
por exemplo, é atribuído ao Sol e tem o poder de criar uma reação psicológica que pode ser considerada como o
despertar de ponteciais solares latentes.

MAÇÃ
Malus Communis
Quando estudava acupuntura aprendi de um de meus mestres: Quem come uma maçã por dia, afasta o médico de
casa
Excelente alimento para o cérebro. Contém ácido fosfórico numa forma facilmente digerível. Contribui para um
sono tranqüilo.Impede a formação de cálculos. Evita a indigestão.Previne a infeção da garganta.
Excelente agente para prevenir o manter a taxade colesterol em níveis aceitáveis através da ingestão de uma
maçã/dia. Esse efeito é devido ao alto teor de pectina, encontrada em sua casca, a qual entra no metabolismo do
colesterol.
Depurativo do sangue, em virtude de conter em seu conteúdo o ácido málico, que eliminadetritos provenientes
do metabolismo.
Digestiva e exerce um controle sobre a flora intestinal. Recomendada contra febres e inflamações, e dietas curtas
nos casos de diarréias. Contra febres, má digestão e prisão de ventre, pode-se confeccionar a AGUA DE
MAÇÃS:
Misturar uma maçã grande, descascada, mondada (livre de partes inúteis, sementes, cabo e muito bem lavada) e
cortada em fatias bem finas, com 10gr de folhas de erva cidreira (melissa, a de folhas não a de capim), suco de
meio limão e um pedaço de canela. Acrescentar duas colheres de mel e meio litro de água fervente, deixando
repousar por dez minutos. Passar o preparado por uma peneira, bebendo o liquido no final das refeições. No caso
de febres e inflamações intestinais, consumir a água no decorrer do dia.
Pode-se ainda confeccionar o VINHO DE MAÇÃS, que é indicado para distúrbios digestivos e prisão de ventre:
Colocar uma colher de açúcar e um pedaço de casca de limão em um cálice e meio de vinho, nele cozinhando
uma maçã mondada e descascada. Passar tudo pela peneira e beber esse vinho logo após as refeições.

MACELA
Anthemis Nobilis
Além do perfume agradável, as flores da macela encerram vários princípios ativos medicinais benéficos para o
estômago, os intestinos, os olhos e o sistema nervoso.
Com suas flores, prepara-se um chá perfumado, de sabor suave, utilizado para combater muitas e variadas
afecções: falta de apetite, gases intestinais e problemas do estômago; perturbações nervosas, doenças do útero e
ovários; febres e cólicas em geral.
A infusão preparada com as hastes da planta tem ação eficaz nocombate às aftas. As flores de macela, a exemplo
da camomila comum, também servem para clarear os cabelos.també é boa para fazer travesseiros contra insônia
crônica e o stress físico.

109
MALVA
Malva sylvestris L.
Outros nomes populares: malva-cheirosa, gerâneo-aromático, malva-grande, malva-das-boticas, malva-silvestre,
malva-de-casa, malva-rosa, rosa-chinesa.
Antigamente a malva era consumida como salada. Usa-se o chá contra tosse, prisão de ventre, inflações na pele.
É adstringente, diurética, emoliente, expectorante, laxante.
Para abscesso, afta, bronquite, catarro, cicatrização, faringite, furúnculo, gastrite, infecção (boca, garganta,
laringite, protege tecido inflamado e irritado), irritação nos olhos e ouvidos, mau hálito, pele (erupção,
dermatose, lesão nas mucosas, reduz secreções, hidratante, protege e suaviza), picada de inseto.

MAMÃO
Carica papaya
A polpa do mamão contém vitaminas A, B e C, ferro, cálcio, fósforo e potássio. O fruto, quando verde age como
potente cicatrizante.
O suco leitoso, o latex há grande quantidade de papaina - fermento vegetal que age como digestivo e tem uso
terapêutico e culinário. É eficiente contra vermes intestinais , tosse, como febrífugo, para lavar e cicatrizar
feridas e retirar verrugas.
De sua parte interna, retira-se uma polpa que - depois de ralada e seca - assemelha-se ao coco ralado. É rica em
propriedades nutritivas e aproveitada em alguns lugares no preparo de deliciosas rapaduras. O cozimento das
raízes dá um tônico para os nervos que é também remédio para as hemorragias renais.
As folhas do mamoeiro, após secas à sombra, têm aplicação no preparo de agradável chá digestivo que pode ser
dado livremente às crianças, pois não contém cafeína.
Com as flores do mamoeiro macho prepara-se um xarope que combate a rouquidão, tosse, bronquite, gripe.
Tem mais vitamina C que a laranja e o limão; é diurético, emoliente, laxante e refrescante; cura prisão de ventre
crônica; comido em jejum, pela manhã, faz bem ao estômago,bom depurativo do sangue .
Não deve faltar na alimentação da criança, pois favorece o seu crescimento. Mastigar de 10 a 15 sementes
frescas elimina vermes intestinais, regenera o fígado e limpa o estômago. Comidas em quantidade, são eficazes
contra câncer e tuberculose.

MANJERONA
Oreganum majorans
Manjerona, termo que em grego significa alegria das montanhas. Na mitologia, um príncipe alquimista que
dedicava-se a arte de fabricar perfumes criou o aroma tão maravilhoso que se embriagou mortalmente. Os deuses
do olimpo, sentiram piedade dele e o transformaram em majerona.
Age como sudorífuga, contra o histerismo, a ninfomania e nos resfriados. Para curar juntas de reumatismo e
todas as formas de artríte. Resfriados e dores de garganta também melhoram com o chá e os gargarejos feitos
várias vezes ao dia.
Os princípios ativos da manjerona são substâncias amargas e perfume bastante agradável. O extrato de folhas e
as flores da manjerona são usados em medicina natural como tônicos, sudoríficos, antiespasmódicos, sedativos e
analgésicos. A manjerona é também utilizada em cataplasmas obtidas a partir da folha fresca ou cozida e
empregada no tratamento externo de reumatismo, ferids e queimaduras.
Com os galhos secos da planta, fazem-se sachês para perfumar roupas e espantar insetos.
Em casos de estresse, exaustão e sintomas relacionados a eles (dor de cabeça, indigestão, tensão muscular,
nevralgias etc.) ou de falta de memória e de concentração, o manjericão funciona como tônico. A ação da erva é
tanto anti-séptica quanto desintoxicante, ajudando o organismo a se restabelecer de todo tipo de infecção. O chá
quente reduz a febre e o muco no peito e no nariz, aliviando os sintomas de gripes, resfriados, congestão, tosse e
dor de garganta. As propriedades relaxantes agem nos tratos digestivo e respiratório e podem diminuir as cólicas,
a prisão de ventre e a náusea e atenuar afecções como a asma e a tosse seca. Em casos de estresse, exaustão e
sintomas relacionados a eles (dor de cabeça, indigestão, tensão muscular, nevralgias etc.) ou de falta de memória
e de concentração, o manjericão funciona como tônico. A ação da erva é tanto anti-séptica quanto desintoxicante,
ajudando o organismo a se restabelecer de todo tipo de infecção. O chá quente reduz a febre e o muco no peito e
no nariz, aliviando os sintomas de gripes, resfriados, congestão, tosse e dor de garganta. As propriedades
relaxantes agem nos tratos digestivo e respiratório e podem diminuir as cólicas, a prisão de ventre e a náusea e
atenuar afecções como a asma e a tosse seca.

MANJERICÃO ALFAVACA
Ocimum basilicum
Esta erva é incrível, parce que ela tem o dom de proteger. Em alguns países da europa as camponesas conservam
o antigo costume de presentear sus amigas com vasos de manjerição tanto para uso culinário como para espantar
moscas. Na cozinha as folhas de manjericão devem ser tratadas com delicadeza, adicionando no ultimo momento
os pedacinhos às saladas e serem temperadas e aos molhos só no fim do cozimento, pois o aroma se desvanece
com facilidade.
110
Tem valor energético enorme e também cálcio, vitamina A e B2. A importância alimentar do manjericão reside
na alta qualidade de sua essência. Em casos de estresse, exaustão e sintomas relacionados a eles (dor de cabeça,
indigestão, tensão muscular, nevralgias etc.) ou de falta de memória e de concentração, o manjericão funciona
como tônico. A ação da erva é tanto anti-séptica quanto desintoxicante, ajudando o organismo a se restabelecer
de todo tipo de infecção. O chá quente reduz a febre e o muco no peito e no nariz, aliviando os sintomas de
gripes, resfriados, congestão, tosse e dor de garganta. As propriedades relaxantes agem nos tratos digestivo e
respiratório e podem diminuir as cólicas, a prisão de ventre e a náusea e atenuar afecções como a asma e a tosse
seca.

MARACUJA
Passiflora alata
Toda a planta, principalmente as folhas, possui propriedades calmantes, hipnóticas, analgésicas antinflamatórias.
Por isso é indicada em casos de nervosismo, ansiedade, espasmos gáastricos de origem nervosa e inflamações na
pele. O maracujá é uma fruta de alto valor nutritivo.
Rico em vitamina C e vitaminas do Complexo B (B2 e B5), contém também quantidades razoáveis de sais
minerais como Ferro, Cálcio e Fósforo.
Indicado para :
- infusão das folhas: alcoolismo crônico, ansiedade, asma, calmante, cólica, coqueluche, convulsão infantil,
crises nervosas e neurastênicas, delirium-tremens, disenteria, diarréia, diurético, dor de cabeça nervosa,
erisipelas, espasmos, excitação nervosa, fadiga e espasmos musculares (devido à tensão nervosa), histerismo,
inquietação, menopausa, nervosismo, neurastenia, nevralgias, pressão alta, insônias e tosses de origem nervosa,
stress, tétano, tosse, úlceras;
- sementes, cruas e secas: anti-helmíntica.

MARAPUAMA
Virilis Simplocos
Tônico muscular, tem ação no sistema nervoso, comportando-se como um estimulante da esfera sexual
(afrodisíaco), atua também como estimulante do apetite. Usa-se 40gr do lenho, dos talos e das raízes, em forma
de cozimento, para tomar um copo pequeno antes de cada refeição, duas a três vezes ao dia. Pode-se também
tomar o extrato ou tintura, dez a quinze gotas, duas a três vezes ao dia; as pessoas que sofrem de hipertensão e
palpitações no coração deverão tomá-la em doses moderadas e observar resultados.

MELANCIA
Cucúrbita citrullus
Diurética e nutritiva. Indicada para doenças nos rins, purifica o fígado, combate resfriado e bronquites.Seu
consumo é altamente indicado em casos de obstrução renal pois seu suco promove a rápida eliminação do ácido
úrico. Em estado natural auxilia no tratamento de artrite, reumatismo, acidez gástrica, dispepsia, afecções dos
rins e da bexiga.
A melancia é levemente laxante, porém muito diurética. Por isso é indicada no reumatismo, nas ascites e nas
obstruções renais. Com o uso da melancia em abundância, curam-se ou combatem-se as enfermidades da
pele.Recomenda-se a melancia aos que sofrem de dores e gases intestinais, bem como aos que padecem de
afecções das vias respiratórias, como bronquites crônicas, catarros pulmonares, etc.
Exteriormente, usa-se a melancia no tratamento da erisipela. Aplica-se triturada, polpa e casca, em cataplasmas,
ou o suco em pinceladas.
Para combater as febres, toma-se o suco de melancia e aplicam-se fatias de melancia diretamente sobre o
abdome.
As sementes oleaginosas de melancia, trituradas, são úteis para o preparo de uma emulsão emoliente, que tem
grande utilidade nas inflamações das vias urinárias.
As orchatas (refrescos) preparadas com as sementes trituradas acalmam as dores produzidas por ferimentos. Os
efeitos são notáveis.
Em virtude do seu conteúdo em cucurbocitrina, as sementes têm o poder de dilatar os vasos capilares, reduzindo
a pressão arterial.

MIL EM RAMA / MIL FOLHAS


Achillea millefolium
Ela tem a fama de afugentar os maus-espíritos e as enfermidade. Na mitologia grega, Aquiles tendo se ferido em
uma batalha foi tratado por Teti sua mãe, com folhas dessa planta que o curou, daí deriva seu nome botânico.
Na horta ela beneficia as plantas vizinhas, ajudando-as a resistir aos ataques de doençpas e pragas, além de
lindíssimo ornamento. Considerada por antigos como a erva que cura tudo. Outros nomes : alevante, anador,
aquiléa, aquiléia, aquiléia-mil-flores, aquiléia-mil-folhas, atroveran, botão-de-prata, erva-carpinteira, erva-
carpinteiro, erva-das-cortadelas, erva-das-damas, erva-de-carpinteiro, erva-de-cortadura, erva-de-são-joão, erva-
do-bom-deus, erva-do-carpinteiro, erva-dos-carreteiros, erva-dos-cortadores, erva-dos-golpes, erva-dos-militares,
erva-dos-soldados, levante, macelão, marcelão, mil-em-rama, mil-ramas, milefólia, milefólio, mil-em-rama, mil-
111
em-ramas, milfolhada, mil-folhada, milfólio, mil-ramas, mil-ramos, novalgina, pêlo-de-carneiro, pestana-de-
vênus, ponta-livre, prazer-das-damas, pronto-alívio, salvação-do-mundo; mil en rama (espanhol), mille-feuilles
(francês), yarrow (inglês), millefoglio (italiano).
Deve ser preparada em infusão. É bom para abscesso, acne, adinamia, adstrição; afecções da pele (abscessos,
feridas, eczemas, etc.); afecções urinárias, alopecia, amenorréia, cálculo renal, calmante, cefalalgia; circulação,
cólicas menstruais, contusões, pulmonares e dérmicas; debilidade geral, depurar o sangue, desintoxicar o
organismo, diarréia, distúrbios nervosos, dores de cabeça; dores de estômago e de dente; eczema, enurese nas
crianças; escarlatina, escarros; espasmos gastrintestinais e uterinos; falta de apetite, febre intestinal e
intermitente, feridas, fígado, fissuras anais, flatulência, gastrite, golpes, gota, greta; hemorragias nasal, uterinas e
dos pulmões; hemorróidas, incontinência urinária; inflamação das mucosas da boca, gástricas e intestinais;
inflamações e rachaduras na pele, insônia, intestinos, má digestão, manchas, mucosidade intestinal, pleuris,
poros dilatados, problemas digestivos, problemas de secreção da bile, psoríase, queimaduras, regularizar a
menstruação, resfriado, rins, sardas e manchas na pele, sarna, transpiração nos pés; trombose cerebral e
coronarianos; tumores, úlceras, úlcera gástrica, varizes, vesícula, vômitos sangüíneos
Planta utilizada em amuletos de proteção de diversos males como cegueira e ladrões; colocada debaixo do
travesseiro faz sonhar com o príncipe; os druidas usavam caules de milefólio para adivinhar o tempo e na China
era usado para ler o I-Ching.

MILHO
Zea Mays
O milho constituiu o cereal mais importante da América devido a importância dos amidos na alimentação e a
indústria. Tem-se encontrado restos fósseis do pólen de milho que datam de 6.000 - 6.500 anos de antigüidade.
Na América começaram a cultivar a partir do século XV, existindo algumas referências de seu conhecimento
pelos astecas. Os nativos peruanos extraíam desta planta alcalóides os quais eram utilizados em cerimoniais
religiosos. Cristóvão Colombo levou em 1502 amostras deste cereal para a Espanha, e dali ganhou uma rápida
expansão até ao sul da Europa, norte de África e Oeste de Ásia. A partir de sua chegada à América do Norte, se
expande finalmente à China durante o século XVI.
Existem mais de 10.000 variedades dessa planta cujas primeiras seleções e cultivo foram conseguidas pelos
astecas, que a utilizavam em larga escala. De acordo com a estrutura dos grãos, pode-se classificar o milho em
cinco tipos : dente, duro, farináceo, doce e pipoca.
A semente (grão) do milho contém de 15 a 20% de água, os 80% restantes são : proteínas 10%, óleo 4,5%, fibras
3,5%, amido 80% outras substâncias 2%. Do óleo extrai-se um óleo de uso culinário que auxilia na diminuição
da taxa de colesterol. A barba do milho tem propriedades diuréticas e emolientes. Em medicina natural o milho é
empregado como analgésico, anti-hemorrágico e hipoglecimiante. O amido de milho (maizena) pode-se
empregar como alimento nutricional e antídoto de intoxicações por iodo e bromo. A maizena está conformada
pelos grânulos separados do grão de milho, sendo assim que a dextrina (procedente da hidrólise parcial do
amido) tem aplicações alimentícias ou dietéticas.

MOSTARDA
Brassica Nigra
A mostarda é cultivada como planta condimentar graças ao sabor picante de suas sementes. Aplicada em
cataplasmas, combate a tosse e as dores musculares. Em medicina caseira, utilizam-se sementes, como
disgestivos, rubefacientes e estimulante de todas as funções do organismo.
As folhas no preparo de ensopados, saladas, molhos e condimentos;- cataplasmas de farinha de mostarda: dores
reumatismais, cãibras ou lassidão;
- purgante: 15 gr. de mostaza negra trituradas, dissolvidasem um copo de água, três vezes ao dia;
- Gastrite: 6 grãos de mostarda negra, em um copo de água;
- Cataplasma para ciática: 100 gr. de farinha de milho; 10 gr. de mostarda negra em pó. Macerar por 48 horas em
100 ml de aguardente. Aplicar por meia hora.

NABO
Brassica napius
O nabo é indicado para combater a gripe e doenças dos brônquios. O chá de suas folhas e até da raiz fortalecem
os ossos, agindo também como diurético.

PEPINO
Cucumis sativus
O pepino, para não se tornar indigesto, não deve ser descascado. A casca é que facilita a digestão. A ingestão
diária fortifica as unhas e o cabelo, atuando como adstringente para a pele. Neutraliza a acidez estomacal,
tonifica o fígado e os rins.
proteínas, gorduras, potássio, sódio, cálcio, ferro, fósforo, vitaminas A, B1, B2, B5 e C.
Propriedades medicinais: aperiente, purificador do sangue, refrescante, emoliente, tônica, antiescorbútica,
peitoral, diurética, antiescrofulosa, antiberibérica, alcalinizante, expectorante, laxativa, rsolutivo.
Indicações: infecção do colo uterino, dor (ciática, reumática, nevrálgica, gota), vermes, úlcera do estômago e
112
duodeno, bronquite, prisão de ventre, tosse, coqueluche, escorbuto, ulceração da pele, frieiras, hemorróidas,
fortalecer os dentes, inflamação intestinal, dissolver cálculos da bexiga e dos rins, expectorar, neurastenia,
osteomalacia, reduzir superacidez, frieiras, inflamações em geral,
Parte utilizada: folhas, raiz. Muito usado pelos povos orientais, é considerado um alimento que mantém a saúde e
o vigor do corpo, conferindo longevidade. Sua ação medicinal é basicamente diurética, tônica e mineralizante. É
útil no tratamento da obesidade, problemas dos olhos, colesterol, reumatismo, pressão alta, pressão baixa e
anemia. O chá e o banho de assento, das folhas, são excelentes para os problemas genitais, como corrimentos
vaginais, cólicas menstruais, menstruação irregular, fibromas uterinos, cistos de ovários, inflamações da vagina,
útero, trompas, ovários, prostatismo, tumores da próstata, hemorróidas, pólipos, fistulas e a maioria das doenças
do períneo.

NOZ
Juglans regia
Tradicional fruto natalino, a noz, além de saborosa e aromática, tem poderosa ação como digestivo, adstringente,
anti-séptico, depurativo e corante. Todas as partes da planta, em particular as folhas e os frutos, emanam um odor
intenso, agradável e aromático. O invólucro externo do fruto é anti-septico e corante, devido a presença de óleo
etéreo, a junglona. as folhas da nogueira têm propriedades amargantes adstringentes e depurativas.
No Brasil, sobretudo no Sul, cultiva-se uma espécie chamada pecã com frutos comestíveis de alto valor protéico.
Para afecção cutânea, afecções venérea, anemia, anginas, artritismo, chega fistulosa, chagas bucais, cravos, dar
coloração aos cabelos brancos, debilidade glandular, dermatose, diabete, diarréia, dor reumatica, eritema,
escorbuto, escrofulose, espinha, feridas, fístulas escrofulosas, fraqueza organica, frieira, gota, hemorragia (de
origem: tuberculosa), hemorróidas, herpes, icterícia, impureza do sangue, lepra, leucorreia, linfatismo, mal do
Pott, manchas da pele, mau-halito, pele ressecada, picada de abelha e vespa, raquitismo, reumatismo, sífilis,
solitária, transpiração, tuberculose dos ossos, úlceras, verme, vomitos, vulvo-vaginite. Principais indicações das
folhas: herpes, eczema, escrófulas, sífilis, dermatologia, frieiras e gargarejos.

NOZ-DE-COLA
Cola Acuminata / Sterculia acuminata_
Estimulante do sistema neuro-muscular, da esfera sexual, das forças mentais, etc. Contra indicado para quem tem
palpitações, doenças cardíacas e hipertensas.
As sementes tem ação estimulantes, regularizadora da circulação. Atuam como um tônico revigorizante,
excitante do sistema nervoso e muscular. É também anti-diarréia e usada nos casos de anemia, convalescência de
doenças graves, problemas estomacais e certas enxaquecas e sobretudo nas pertubações funcionais do coração.
As sementes contém teobromina e cafeína, usadas por muitas pessoas como sucedâneo do cacau e do café.
É conhecida nos cultos afro como OBI erva indispensável nos banhos dos filhos de Oxalá. Para o banho, rala-se
a semente, o obi, misturando-se com água de chuva. A medicina popular indica esta erva como tônico
fortificante do coração. É alimento destacado em face de diminuir as perdas orgânicas, regulando o sistema
nervoso. Obi é um elemento muito importante no culto de Orixa. A noz de cola, Obi, é o símbolo da oração no
céu. É um alimento básico, e toda vez que é oferecido seu consumo é sempre precedido por preces.

NOZ MOSCADA
Myristica Fragans
A noz-moscada, semente da moscadeira, participa da medicina natural como digestivo, carminativo e
estimulante. A noz-moscada é usada como tempero e ingrediente na fabricação de estimulantes gátricos e licores.
Mas sua principal utilização ocorre sob a forma de óleo essencial, que transforma em ingrediente de perfumaria,
sabonetes, cremes, dentrifricios e outros produtos farmacêuticos.
O óleo de noz-moscada contém de 60 a 78% de ácido mirístico e diversas substâncias, como a miristicina que lhe
confere propriedades alucinógenas e paralisantes musculares quando ingerida em grande quantidade. Por isso é
necessário utilizar o óleo com muito cuidado .
Facilitadora do parto, revigora a mente, ajuda na recuperação dos sentidos após desmaios, tônica para os cabelos,
regula menstruações escassas, alivia cólicas menstruais, dores musculares, reumatismos.
É analgésica (odontológica, inclusive), antiespasmódica, antiemética, afrodisíaca, carminativa, laxativa,
estimulante, tônico estomacal e geral, emenagoga, antinevrálgica, anticolesterolemiante, cardio estimulante e
facilitadora do parto. Revigora a mente e ajuda na recuperação dos sentidos após desmaios. É tônica para os
cabelos. Alguém provou efeito antitumoral, antiespasmódica, antifúngica e diminuidora de enzimas hepáticas.

ORÉGANO
Origanun Vulgare
Apreciado como condimento de molhos e de pizzas o orégano também apresenta propriedades medicinais
antiespasmódicas, anti-sépticas e expectorantes.Seu nome deriva das palavras gregas oros , montanha e ganos ,
esplendor. As propriedades medicinais espewcíficas, a maioria delas ligadas a uma ação stimulante sobre o
sistema nervoso. Suas sumidades floridas contém uma essencia oleosa rica em terpenos e com diversos fenóis.
Terapeuticamente o orégano age como excitante, carminativo, vulnerário, antispasmódico, anti-séptico,
expectorante, parasiticida e tônico.
113
PATA-DE-VACA
Bauhinia forficata Link
Outros nomes populares: árvore orquídea, bauínia, capa-bode, casco-de-vaca, casco-de-burro, ceroula de
homem, miriró, mirorá, miroró, mororó, mororó-de-espinho, pata-de-boi, pata-de-burro, pata-de-vaca-branca,
pata de veado, pé-de-boi, unha-de-anta, unha-de-boi, unha de boi de espinho, unha-de-vaca e unha-de-veado;
brazilian orchid-tree (inglês); pezuña de vaca, pesña de vaca (espanhol).
Constituintes químicos: ácidos orgânicos (tartárico), alcalóides, cumarinas, esteróis, flavonóides (campferol,
rutina e quercitina), guanidina, glicoproteína, glicosídeo, goma, heterosídeos cianogênicos e saponínicos, hidrato
de carbono, holosídeo, minerais, mucilagens, pigmentos, pinitol, proteínas, quercetol, rammose, sais minerais,
taninos(flobatênicos e pirogálicos), triterpenos.
É antidiarréica, depurativa, diurética, hipocolesterolmiante, hipoglicêmica (antidiabética), laxante, purgativa,
tônica renal, vermífuga. Para afecções renais e urinárias, calmante (estados nervosos), catarro, colesterol,
constipação intestinal, diarréias, diabete melitus II (para o pâncreas produzir mais insulina), elefantíase, gripe,
impedir o aparecimento de açúcar na urina, insufuciência urinária, males do estômago, moléstias da pele,
mordidas de cobra, prisão de ventre, parasitoses intestinais, regularizar a glicemia sangüínea, reduzir a excreção
de urina, nos casos de poliúria ou urina solta, rins.
É importante salientar que a Pata-de-Vaca não possui um efeito curativo para a diabetes, mas vai manter a taxa
de glicose controlada, e para isso deve-se manter o consumo diário da planta.

PIMENTAS
Capsicum
As pimentas e os pimentões pertencem à família Solanaceae e ao gênero Capsicum. É cultivada principalmente
nos estados de MG, BA e GO. Consumidas no Brasil, principalmente na forma de conserva de fruto inteiro em
vinagre ou azeite.
Os registros mais antigos do consumo de pimentas datam de aproximadamente 9 mil anos, resultado de
explorações arqueológicas em Tehuacán, México. Outros sítios arqueológicos pré-históricos (2500 a.C.) são
conhecidos no Peru, nas localidades de Ancon e Huaca Prieta. O cultivo de pimentas era uma característica de
tribos indígenas brasileiras quando do descobrimento do Brasil.
A pungência ou picância das pimentas deve-se a presença da capsaicina. A substância química que dá à pimenta
o seu caráter ardido é exatamente esta que possui as propriedades benéficas à saúde. A capsaicina têm
propriedades medicinais comprovadas, atua como cicatrizante de feridas, antioxidante, dissolução de coágulos
sanguíneos previne a arteriosclerose, controla o colesterol, evita hemorragias, aumenta a resistência física. Além
disso, influencia a liberação de endorfinas, causando uma sensação de bem-estar muito agradável, na elevação do
humor. Boa para :Dissolução de coágulos sanguíneos (uma aspirina natural); Dissolução de muco dos pulmões;
Expectorante; Descongestionante; Indutor da termogênese (efeito de transformar parte das calorias dos alimentos
em calor); Antioxidante; Anti-bacteriana.
Pimentas não causam hemorróidas nem faz mal à saúde. O dr. Rafael Possik entrevistado por Dr. Drausio varela
afirma : Existem trabalhos experimentais mostrando que pimenta não faz mal nenhum, contudo, na clínica é
comum encontrar indivíduos que dizem que a pimenta piora a sensação de dor (estomago). Provavelmente, a
pimenta provoca vasoconstrição o que diminui a irrigação da mucosa e, conseqüentemente, a dor aparece, mas
nada está comprovado a esse respeito.O consumo de pimenta reduz o risco de doenças como câncer, catarata,
mal de Alzheimer e diabetes. Segundo o gastroenterologista e cirurgião da obesidade Almino Cardoso Ramos,
do Hospital Santa Rita, em São Paulo, o consumo de pimenta é essencial para quem tem enxaqueca ou dor de
cabeça crônica. ―Elas provocam a liberação de endorfinas, analgésicos naturais extremamente potentes que o
nosso cérebro fabrica‖. Entre outros benefícios, a pimenta impede a coagulação do sangue e, portanto, evita
tromboses, contendo vitamina E, e chegando a ter seis vezes mais vitamina C do que a laranja. Pesquisa
científica também elevou o status da pimenta de simples tempero para poderoso aliado no auxílio da saúde e
prevenção à depressão e outros males que afetam o humor e a disposição dos seres humanos.

POEJO
Mentha pulegium
Conhecido também como Menta-selvagem, atua como digestivo, expectorante e antiespasmódico. em uso tópico,
é também excelente cicatrizante e anti-séptico. Alguns povos da antiguidade costumavam utilizar o poejo para a
confecção de coroas empregadas nas cerimônias religiosas.
As propriedades medicinais do poejo eram também conhecidas pelos antigos chineses, que em muitos textos
fazem referência a suas virtudes calmantes e antiespasmódicas.
Além do óleo essencial e tanino, presentes em todas as mentas, o poejo possui carvona, pulegona e mentol, que
lhe conferem propriedades analgésicas, cicatrizantes e anti-sépticas, em uso tópico, e digestivas e expectorantes,
em uso oral. A ingestão da plant é especialmente indicada no combate a vermes intestinais.
Como as demais mentas o poejo não deve ser consumido em grandes quantidades, pois a pulegona pode exercer
ação paralizante sobre o bulbo raquidiano. Uma das grandes características do poejo é espantar insetos. o nome
latino pulegium deriva de pulex que significa pulga.
Um dos melhores usos medicinais do poejo é o banho de pés para resfriados e gripes (escalda-pés)
114
PORANGABA - CHÁ DE BUGRE
Cordia salicifolia
Muito útil em caso de obesidade e edema. Outros nomes populares: bugrinho, café-do-mato, cafezinho, caraiba,
chá-de-bugre, chá-de-frade, chá-de-soldado, laranja-do-mato, laranjinha-do-mato, louro-salgueiro, rabugem,
lbugre-tea (inglês), araticú (espanhol), bois d'Inde (francês). Constituintes químicos: alantoína, cafeína, potássio,
taninos, princípios amargos, óleos essenciais.
Propriedades medicinais: anti-viral, antitussígena, béquica, cardiotônica, cicatrizante, diurética (forte, sem soltar
o intestino), energética, estimulante da circulação, estimulante, estomáquica, febrífuga, refrigerante, supressor do
apetite, tônica.
Indicações: celulite, depósito de gorduras nas artérias (prevenir), diarréia, edemas, emagrecer abdômen,
estimular a circulação, gastrite, inchaço das pernas, obesidade, pernas inchadas, reumatismo, reduzir o apetite,
tosse, úlcera, vírus da herpes tipo 1. Como supressor do apetite, auxilia no emagrecimento. Cardiotônico,
estimulante da circulação sangüínea. Previne o depósito de gorduras nas artérias, evita doenças cardiovasculares.
Combate o vírus da herpes tipo 1. Diurético, usado no tratamento de retenção excessiva de líquidos.

QUEBRA PEDRA
Phyllanthus acutifolius
Da família das euforbiáceas, comummente utilizada em chás caseiros para dissolver cálculos. O termo pode
ainda remeter mais especificamente ao subarbusto Phyllanthus acutifolius de até 70 cm, com raízes utilizadas
contra a icterícia, possuidor de folhas verde-escuras, azuladas na página inferior, flores hermafroditas e frutos
capsulares, nativo do Brasil, mais especificamente no estado do Rio de Janeiro, e muito utilizado para dissolver
cálculos dos rins e da bexiga.

QUINA
Quina quina
Com a casca amarga dessa árvore é produzido o quinino (combate a malária) conhecido desde épocas remotas e
para o qual só foram descobertos produtos sintéticos.
Originária da Cordilheira dos Andes, as quineiras foram levadas à espanha na época da colonização. O tronco, os
ramos e as raízes da planta são revestidos por uma casca, levemente aromática, que contém até 25 alcalóides,
sendo os mais importantes a quinina e a quinidina, além de ácido quínico, taninos, pigmentos, amido, óleo
essencial e gomas.
As cascas são empregadas para baixar a febre e nos estados de convalescença. As quinas-amarelas fornecem
maior grau de quinina, que, sob a forma de sais (quinino) é entimalárica, intoxicando o protozoário da malária.

QUÍNUA
Chenopodium quinoa
O nome ―quinua‖ é de origem quéchua (inca) A quinua conta com mais de 2 mil variedades, classificadas em
categorias distintas. Dotada de grande resistência, a planta se adapta a diversas condições de latitude e altitude, e
pode crescer em zonas áridas e semi-áridas.
É um grão nativo dos Andes e melhor cultivado nos altiplanos e vales altos da Bolívia. Há mais de oito mil anos,
é considerado sagrado pelos incas do Peru e da Bolívia, que a chamavam de 'grão de ouro'. Segundo
historiadores, a importância que se dava ao grão era tanta que o próprio imperador iniciava anualmente o plantio,
usando ferramentas de ouro maciço. Depois da colheita, o ritual prosseguia: a quinoa era colocada em potes de
ouro e oferecida ao deus Sol.
Conta com 20 aminoácidos, dos quais os 10 essenciais (Histidina Isoleucina,, Leucina, Lisina, Metionina,
Fenilalanina, Treonina, Triptofano,Valina e Arginina). 'Como tem uma quantidade muito grande de proteínas e
todos os aminoácidos essenciais, além de ser rica em ferro e zinco, a quinoa é de especial interesse para o
vegetariano', ressalta o nutricionista George Guimarães. A quinoa ainda fornece magnésio, potássio, manganês,
vitaminas B1, B2, B3, D e E. 'As vitaminas e os minerais controlam diversas funções orgânicas', explica a
nutricionista Suzana Bonumá, da paulistana RG Nutri. Para completar, é um alimento rico em fibras.
Mas apesar das incríveis propriedades da quinua real, o alimento se manteve, durante muito tempo,
exclusivamente destinado ao consumo próprio, principalmente por causa da sua baixa produtividade. O cereal
produz uma única colheita anual, o que eleva o preço da unidade. Por isso mesmo, a planta, cujo cultivo segue
técnicas basicamente artesanais, é perfeitamente aplicável à agricultura orgânica e às hortas familiares.
Indicado para portadores de doença celíaca (ou seja, intolerância a alimentos à base de trigo, centeio, cevada e
aveia), já que ela é totalmente isenta de glúten. Os atletas devem ingeri-la antes e depois das provas, pois a
quinua contém ômega 3 e ômega 6, auxiliares no armazenamento de glicogênio nos músculos; as crianças, como
alternativa ao leite de vaca; e os idosos, porque se trata de um alimento rico em lisina, aminoácido que ajuda a
fortalecer a imunidade e a melhorar a memória.

ROMÃ
Púnica Granatum
A romã é uma pequena farmácia doméstica. o decoto da planta combate as cólicas intestinais, auxilia o
115
tratamento contra tênias e estanca hemorragias bucais.
A casca do fruto contém grande quantidade de tanino, que lhe confere poderosa ação adstringente. A casca que
recobre a raiz é excelente vermífugo, usado para expulsar tênias presentes no organismo.
A árvore é envolvida por uma casca bastante empregada no preparo de chás úteis em medicina caseira.
especialmente indicada para gargarejos contra feridas e hemorragias da boa e da garganta, podem ainda serem
digeridas para combater a desinteria. O decoto das folhas é utilizado em compressas aplicadas sobre os olhos,
visanso acalmar as irritações decorrentes da poluição ambiental.

SALGUEIRO
Salix alba
Da casca do Salgueiro Branco, que conhecemos como Chorão que foi extraida a aspirina (daí o nome de seu
princípio: ácido salicílico). É sudorífera, antipirética, antiflogística, analgésica, anti-reumática, antiagregante.
Indicações: febre, nevralgia, resfriados, reumatismo
Está na Bíblia, em Levíticus: as folhas e galhos do salgueiro que nasce nos riachos são medicinais. Há 2400
anos, Hipócrates já recomendava folhas de salgueiro para doenças e trabalhos de parto. Hoje, a aspirina - ácido
acetilsalicílico - é a droga mais popular em todo o mundo.
O ácido acetilsalicílico é provavelmente a droga mais associada com plantas, embora ele seja uma substância
sintética. Sua síntese, no entanto, foi totalmente feita com base na estrutura química de uma substância natural
isolada do salgueiro branco, a Salix alba.
A história deste ácido, muito bem documentada, teve início no século V a.C. com Hipócrates, filósofo e médico
grego, considerado o pai da medicina moderna. Hipócrates prescrevia preparações que incluíam cascas e folhas
do salgueiro para o tratamento de febres e para aliviar as dores do parto. Assim como Hipócrates, Dioscórides,
um dos mais notáveis médicos da Antiguidade, que viveu na Grécia no século I da era cristã e autor da obra "De
Materia Medica", cujo uso se estendeu até o início do Renascimento, receitava emplastros feitos com cascas e
folhas do salgueiro para o tratamento de dores reumáticas.

SABUGUEIRO
Sambucus nigra
Este lindo arvoredo às vezes pode chegar a 5 metros e dá buquês de flor o ano inteiro. O sabugueiro tem
especialmente vitaminas A, ferro, potássio, sódio, além de ácido mmálido e tartárico.
O chá, bebido como água é eficaz nos casos de sarampo. Para o diabetes é indicado um tratamento de no mínimo
três meses, onde se toma diariamente o chá das folhas. Como depurativo e contra intoxicações do fígado, ferver
sete gramas de folhas frescas de sabugueiro trituradas em meio litro de água durante dez minutos, beber meia
xícara do liquido filtrado e adoçado com mel, pela manhã em jejum.
Conhecido desde a antiguidade, o sabugueiro adaptou-se muito bem ao brasil, onde a medicina natural o
recomenda para casos de artrite, gota e dor ciática. Raizes , flores, folhas e frutos maduros são empregados para
fins diuréticos depurativos, emolientes sudoríferos e laxativo. Para abscesso, ácido úrico, afecção renal, artrite,
asma, brilho do cabelo, cistite, constipação, dermatose, hemorróida, espasmo, febre, gota, gripe, hidropsia,
intoxicação hepática, litíase urinária, nefrite, nevralgia, obesidade, queimadura, resfriado, reumatismo, sarampo,
tosse.

SALSA
Petroselinun sativum
A salsa é um dos condimentos mais populares e com junta razão, ela pode ser usada em quase tudo. todo mundo
deveria comer 1 pires de salsinha por dia, pois ela age como protetora do organismo em caso de muitas doenças
e para manter a saúde geral, pois ela é fonte de vitamina A, C, ferro, sódio, enxofre. Também age na prevenção
do câncer, curativa pois é rica em potássio.
Combate gases intestinais, estimula o apetite, facilita a digestão e limpa os brônquios. Um chá de folhas de salsa
é um poderoso diurético, aconselhado em casos de gota. A salsa atua também como auxiliar na cura de afecções
hepáticas e hipertensão. A infusão da salsa é feita deixando por dez minutos 30gr de sementes de salsa
(novamente não usar as destinadas a plantio, e sim as retiradas da planta) em 200g de água fervente, filtrar o
liquido, bebendo metade em seguida; o restante três horas depois.
As folhas frecas contém um alcalóide volátil, ferro, cálcio, fósforo e percentagens muito altas de provitamina A e
vitamina C. Usada no tratamento de problemas pulmonares e de pele, a salsa é também diurética, alcalinizante,
aperiente, anti-hemorrágica e estimulante.

SÁLVIA
Sálvia officinalis
Conheci um ditado que dizia :_Quem tem sálvia plantada no jardim, se salva._
Santa Hildegarda (108/1179) escreveu : "Se existisse algum remédio contra o poder da morte, o homem não
morreria onde cresce a sálvia.
Planta muito utilizada desde a Idade Média, estimula o nervo simpático que regula as funções negativas. ela é
substituta do quinino, eficaz e não apresenta efeitos secundários. ela é excitante, tõnica, sudorífuga,
antiespasmódica, expectorante, estimula o coração e o sistema nervoso. Boa nas alterações do metabolismo
116
organico tomado com um suco de limão.
Indicada para asma, astenia, convalescença, depressão, desinfecção, diabetes, enfisema, esterilidade, frigidez,
impotência, menopausa, nervosismo, sudação.
As folhas e flores secas servem para perfumar armários e afastar de seu interior as traças e outros insetos.

SALSAPARRILHA
Smilax officinalis / Smilax ornata
Depurativa, diurética, sudorífica. Indicada para artritesmo, gota reumatismo, sífilis e acumulações de ácido úrico,
arteriosclerose, artrite, câncer dos seios, cistite, colesterol, doenças venérea, escurecer o cabelo, gota, gripe,
herpes, má circulação com pés frios, resfriado, reumatismo, sífilis, uremia.
Estimulante, tônico do sangue, tonificante da pele. Teve fama de planta afrodisíaca por se ter descoberto que a
testosterona (hormona sexual masculina) se encontra no rizoma, mas não foi comprovada esta característica.

SETE SANGRIAS
Cuphea mesostemom
Não confundir com a árvore sete-sangrias. Sete-sangrias é usada contra febres, moléstias venéreas, sífilis;
sudorífica; diurética, faz baixar pouco a pouco a pressão alta, combate o colesterol, ajuda a emagrecer, alivia e
fortifica o coração, depurativa do sangue, limpa os intestinos e rins, eficiente contra diarréia e reumatismo.
O genero Cuphea apresenta cerca de 250 espécies que em sua maioria vivem em lugares úmidos, é de origem
centro e sul-americana, com bastante representatividade no Brasil. Muitas plantas do genero Cuphea sao
conhecidas vulgarmente como "sete-sangrias", numa alusao de que um tratamento com as plantas equivale ao
resultado obtido por sete sangrias (tratamento comum no passado). A planta originalmente denominada de "sete
sangrias" é Cuphea balsamona, tendo sido indicada para a cura de febres intermitentes e disenterias graves.
A Sete sangrias é nossa principal cardiotônica. Ë ótima para arteriosclerose, hipertensão arterial , colesterol alto ,
palpitações cardíacas.
É boa para , doenças venéreas, afecções da pele em geral (eczema, feridas, úlceras, furúnculos, etc).
Reumatismo, febre, doenças venéreas, arteriosclerose, hipertensão, palpitações, colesterol, etc.
Quando é usada de forma prolongada, alivia e fortalece o coração, combate o colesterol e baixa a pressão.

SOJA
Glycine max Merril
As sementes de soja representam um dos mais elevados potenciais nutritivos e todo o reino Vegetal. Contém
mais de 30% de proteínas (o dobro da carne), aminoácidos, caseína (de composição semelhante ao leite), lipídios
e mucilagem. Tem carboidratos, gorduras, proteínas, fibras, minerais e vitaminas — fazem dessa leguminosa um
alimento quase completo. Quase por ser deficiente em algumas vitaminas (A e D) e minerais (sódio), embora
forneça doses generosas de vitaminas do complexo B, ferro, cobre, magnésio, manganês, fósforo, potássio, zinco
e cálcio (sobretudo no tofu).
Por meio de prensagem obtém-se o óleo d soja, rico em ácidos graxos, poliinsaturados, sendo eficaz para
diminuir a taxa de colesterol sanguíneo.Elas abaixam o mau colesterol (LDL) e os triglicérides e promovem um
discreto aumento nas taxas do bom colesterol (HDL). Estudos sugerem a redução da ocorrência de doenças
crônicas como câncer, problemas coronarianos, osteoporose, distúrbios renais e sinais da menopausa

TANCHAGEM
Plantago major
Planta proveniente da África, que aqui nasce espontaneamente em todas as partes. Propaga-se através da semente
e fácilmente se auto-ressemeia . Seu uso terapêutido é muto grande. Ela é depurativa so dangue, boa para
problemas respiratórios, febre, diarréia, e para todos os dist[úrbios dos orgãos genitais do homem e da mulher,
especialmente doennças venéreas, ardor no estômago. para isso toma-se chá de tanchagem 1 X ao dia.
As várias espécies (maior, média e menor) possuem as mesmas propriedades medicinais. são adstringentes,
cicatrizantes, depurativas, diuréticas, emolientes, expectorantes.
As tanchagens contém tanino, sais minerais e enxofre, além de mucilagem.

TOMATE
Lycopersicon esculentum Miller
originário do perú e levado para a Europa pelos conquistadores, o tomateiro foi tratado como uma planta
ornamental até o final do século XVII. Alimento rico em ácidos orgânicos, vitaminas A, B e , em maior
quantidade C, o tomate estimula a secreção gástrica e depura o sangue, auxiliando nos tratamentos de pele, gota,
reumatismmo, astenia e prisão de ventre. pode ser consumido cru, cozido ou em conserva. É também utilizado na
foram de suco, no preparo de molhos ou como aromatizante.
Propriedades terapêuticas : Diurético, laxativo, elimina o ácido úrico, antioxidante, antiinflamatório, antifúngica,
inibidora da absorção do colesterol.
Princípios ativos : Água, açúcares, ácidos orgânicos, pectinas, potássio, fósforo, vitaminas, pigmentos sais
minerais; saponinas; tomatina, tomatidina, solanina, ácido clorogênico, furocumarina.
Indicações terapêuticas : Cicatrizante em queimaduras, gargarejos, aftas e sapinhos, tratamento de Candida
117
albicans, auxiliar no tratamento de hiperplasia benigna de próstata, auxiliar no tratamento para redução de
colesterol. Informações complementares

TRIGO
Triticum vulgare
Os germens de trigo são minúsculos depósitos naturais de vitaminas, com elevado teor nas do grupo B e na
vitamina E (a-tocoferol). Contém ainda a vitamina K, provitamina A e D, a substância ativa cutânea F e a
vitamina B12, antianêmica, assim como aminoácidos biológicos de grande valor, ácidos gordurosos não
saturados, minerais em combinação orgânica de absorção fácil, entre os quais fosfato a 50%, além de magnésio,
manganês, cobalto e cobre, como oligoelementos.

UMBAUBA
Cecropia peltalta / Cecrópia palmata
Atua benéficamente nos seguintes casos: afecções das vias respiratórias, asma, bronquite, tosse, enfraquecimento
da energia de contração do músculo cardíaco; o chá da raiz dfortalece os citados envolvidos orgãos
enfraquecidos.

UVA
Vitis vinifera
Produtora de frutos saborosos, energéticos e ricos em vitaminas, a videira é cultivada no mundo inteiro. É
peitoral, refrescante, suavizante, depurativa, diurética, aperitiva, calmante, antiescorbútica, tônica e
reconstituinte.
Purificador do sangue, enriquecendo-o de glóbulos vermelhos. Regulariza a circulação nas doenças do coração e
a respiração nas moléstias pulmonares, refresca os intestinos, melhora as diarréias e as desinterias, tonifica o
organismo. Combater a dispepsia, a atonia intestinal, as fermentações intestinais, a nefrite, a bronquite crônica,
moléstias do fígado, a síndrome pletórica, tuberculose.
Também seu consumo é indicado para evitar enfermidades. Tem ação laxante e efeito desintoxicante. Drena as
vias biliares. Para o sangue é a cura de uvas uma excelente indicação.As folhas da parreira são indicadas para se
fazer chás que refrescam os intestinos, relaxam os nervos e tonificam o coração.
Ricas em vitaminas A, C, e todas as vitaminas do complexo B, além de conter sais minerais, taninos, pigmentos
antociânicos, flavonóides e alta concentração de açucares, o que favorece a rápida fermentação das bagas.
Consumidas In Natura, as uvas sãom indispensáveis em dietas que visam o fortalecimento do organismo. atuam
também como depurativo, antiinflamatório e vasoconstritor. De algumas espécies de videira aproveitam-se as
folhas, ricas em tanino. E das sementes das uvas extrai-se um óleo bastante usado em dietética.

URTIGA
Urtiga dióica
Apesar da fama de irritar a pele e causar coceiras, a urtiga é bastante indicada no tratamento de eczemas, como
diurético e como depurativo do sangue. na medicina natural, é riquíssima em vitamina C e elementos metálicos,
como o ferro o magnério, a urtiga é diurética e antidiarréica.
Faz parar hemorragias de todos os tipos, especialmente as nasais. Aumenta o leite das mulheres e regulariza as
regras. Cura infecções da boca e aftas. é uma fantastica estimulante do aparelho disgestivo, do fígado, do
pâncreas. Exceente para artrite e reumatismo, porque alivia as dores e descongestiona as articulações.

URUCUM
Bixa orellana
Árvore de porte mediano que produz cápsulas espinhosas denominadas de cachopa. Suas sementes, sema rilo são
ricas em carotenóides, substâncias precursoras de vitamina A e de coloração avermelhada ou alaranjada. O
consumo de suas sementes tem ação nutritiva, protetora da pele, cardiotônica e expectorante. Em tintura
alcoólica demonstra-se eficaz contra alguns tipos de fungo e como sarnicida e escabicida. Seu uso é comum em
bronzeadores por produzir coloração avermelhada na pele antes de ser um excelente protetor solar.

VALERIANA
Valeriana officinalis

Conhecida como sedativo, a valeriana te,m ainda ação artiespasmódica, moderadora do apetite, cicatrizante e
desobstrutiva das vias respiratórias. Toda a planta exala um odor desagradável intenso, que exerce curioso efeito
sobre os gatos que atraídos por seu cheiro, os animais gostam de se roçar nos arbustos de valeriana.
As propriedades dessa planta foram descritas pela primeira vez no século IX. Considerado um "remédio
universal" na Idade Média, a ela foi atribuida, em 1592, por Fábio Colonna, a cura da epilepsia. Os índios
mexicanos ingeriam a valeriana americana para suportar a fadiga e privações de alimentos.
Graças a seus componentes (óleo essencial, ácido valeriânico e alcalóides), a planta tem propriedades sedativas
contra desequilíbrios nervosos e depressões. É também antiespasmódica, moderadora do apetite, desobrstrutiva
das vias respiratórias e cicatrizante.
118
Os tratamentos para diminuir apetite não devem se prolongar por mais de oito dias consecutivos, pois os
princípios ativos da planta produzem efeitos colaterais que afetam o sistema nervoso.
Antiespsmódica, hipnótica e sedativa. para a angústia, depressão, nervos, nervosismo, úlcera de origem nervosa,
palpitações, imnsônia, dores nervosas, vertigens, neurastenia.
Partes utilizadas : Rizoma e raízes em maceração a frio. Cura de oito dias com valeriana: macerar 15 gr de raízes
num copo de água fria durante uma noite; beber de manhã (indicado para depressão). Infusão apra os demais
casos ou o extrato na forma de 20 gotas duas ou três vezes ao dia. Para pessoas com tendência ao icídio assosiar
a salvia por infusão (3 copos por dia o último antes de deitar).
A valeriana foi usada para acalmar a população durante a segunda guerra mundial, tal a sua ação sobre o sistema
cefalorraquidiano.

VERBENA
Verbena officinalis

Originária ds regiões andinas da América do sul, a verbena é cultivada em muitos países, sendo empregada em
medicina natural e como aromatizante de chás. Outros nomes: urgebão, ulgebrão, gervão, gerivão, erva-de-ferro,
planta-da-sorte, erva-de-fígado. Verbena (espanhol), verveine (francês), vervain (inglês), verbèna (italiano)
Considerada sagrada pelas antigas civilizações da Colômbia, essa planta é tradicionalmente usada como
diurética, estimulante do apetite e da digestão e calmante do sistema nervoso, além de combater a febre e o
reumatismo. os compostos químicos responsáveis por essas propriedades são a verbenina, a citrina e certos óleos
essenciais.
É adstringente, afrodisíaca, analgésico local, antilítica vesicular, antinefrítica, antiinflamatório, aperiente, anti-
reumática, calmante, demulcente, depurativa, digestiva, diurética, espasmolítico, estimulante do apetite,
estimulante do intestino, febrífuga, galactagoga, hepato-protetor, redutora da frequência cardíaca, sedante,
sudorífera.
Boa para afecções do fígado, afecções nervosas, aftas, afrodisíaca, ansiedade, aperiente, asma, bronquite,
cálculos renais, calmante, celulite, digestão, dismenorréia, dispepsia, distúrbios hepatobiliares, diurética,
enfisema, espasmos gastrointestinais, falta de apetite, febres, falta de leite nas lactantes, faringite, esplenite,
gangrena, gastrite, insônia, má digestão, neuralgia, oftalmia, oligúria, problema respiratório, reumatismo, rins,
úlcera, taquicardia. Em uso tópico: estomatite, parodontopatia, faringite, ferida, queimadura, furúnculo, sinusite,
conjuntivite

APITERAPIA

MEL

Mel é um alimento, geralmente encontrado em estado líquido viscoso e açucarado, que é produzido pelas abelhas
a partir do néctar recolhido de flores e processado pelas enzimas digestivas desses insetos, sendo armazenado em
favos em suas colmeias para servir-lhes de alimento durante o inverno.
Existem dezenas de variedades de mel de abelhas e marimbondos que podemos obter: segundo a floração, os
terrenos de obtenção ou ainda segundo as técnicas de preparação. Dessa forma variam em cor, aroma e sabor.
Diferenciam-se, assim, na cor, indo do branco incolor, amarelo ao castanho principalmente.
Outra característica marcante em alguns méis é a consistência líquida ou endurecida que poderá apresentar
quando armazenado em recipiente, sendo de igual qualidade sob esse aspecto.
No que diz respeito ao néctar, pode provir de uma única flor (mel monofloral) ou de várias (mel plurifloral).
Certamente não há mel rigorosamente monofloral, entretanto a presença de outro néctar em pequena quantidade
não influi apreciavelmente no seu aroma, cor e sabor.
É importante salientar que, a despeito de o mel utilizado atualmente em maior escala na alimentação humana
provir da produção das abelhas melíferas, existem outros insetos que também o produzem em menor quantidade
e não são explorados economicamente.
Além de ser utilizado como adoçante, o mel sempre foi reconhecido devido às suas propriedades terapêuticas. De
um modo geral, o mel é constituído, na sua maior parte (cerca de 75%), por hidratos de carbono, nomeadamente
por açúcares simples (glicose e frutose). O mel é também composto por água (cerca de 20%), por minerais
(cálcio, cobre, ferro, magnésio, fósforo, potássio, entre outros), por cerca de metade dos aminoácidos existentes,
por ácidos orgânicos (ácido acético, ácido cítrico, entre outros) e por vitaminas do complexo B, por vitamina C,
D e E. O mel possui ainda um teor considerável de antioxidantes (flavonóides e fenólicos).
Os vários tipos de mel variam em função das plantas de onde é extraído o néctar e, também, de acordo com a
localização geográfica dessas plantas e os tipos das abelhas produtoras. Por esta razão, o mel pode apresentar
consistências e cores diferentes. Devido ao seu teor de açúcares simples, de assimilação rápida, o mel é
altamente calórico (cerca de 3,4 kcal/g), pelo que é útil como fonte de energia.

119
O mel é também usado externamente devido às suas propriedades antimicrobianas e anti-sépticas. Assim, o mel
ajuda a cicatrizar e a prevenir infecções em feridas ou queimaduras superficiais. O mel é também utilizado
largamente na cosmética (cremes, máscaras de limpeza facial, tônicos, etc.) devido às suas qualidades
adstringentes e suavizantes.
Juntamente com o mel, as abelhas produzem outros importantes produtos a saber a cera, a geleia real, e Própolis.
Própolis é obtida pelas abelhas a partir de resinas retiradas principalmente de secreções de árvores, quando
destas se quebra algum galho. Dessa forma a árvore se protege com um produto natural com poder bactericida e
a abelha reprocessa essa seiva originando a Própolis. Esta é utilizada pelas abelhas para duas finalidades
principais: vedar a colmeia de maneira a não entrar água, vento ou outro animal; e serve também para mumificar
outros insetos que penetrem na colmeia e são eventualmente mortos.
A Própolis é bastante útil ao ser humano que a usa como auxiliar medicamentoso uma vez que possui poder
bactericida, como já visto.
Uma bebida fermentada a partir do mel e água é denominada hidromel.

PRÓPOLIS

Própolis é uma substância resinosa obtida pelas abelhas através da coleta de resinas da flora (pasto apícola) da
região, e alteradas pela ação das enzimas contidas em sua saliva. A cor, sabor e o aroma da própolis variam de
acordo com sua origem botânica.
A palavra "propolis" vem do grego: ["pro"=em favor de] + ["polis"=cidade], isto é, para o bem, em defesa da
cidade, no caso, a colmeia. Escreve-se O ou A Própole.
Os gregos chamavam própolis às portas de uma cidade, voz tomada pelo prefixo ‗pro-‗ e ‗polis‘ (cidade). Mais
tarde, Plínio empregou esta palavra em latim para dar nome à cera – extraída da polpa das árvores – com a qual
as abelhas recobrem a entrada de suas colméias a fim de protegê-las contra fungos e bactérias.
As propriedades antibióticas e fungicidas desta substância, que em nossa língua se chama própole, eram
conhecidas desde a mais remota antiguidade pelos sacerdotes egípcios e pelos médicos gregos e romanos, assim
como por algumas culturas sul americanas.
Própolis, ou própole, está vinculada através de ‗polis‘ com muitas outras palavras da nossa língua, tais como
político (relativo à cidade)e metrópole (cidade principal).‗Polis‘ provém do sânscrito ‗pur‘ (cidade fortificada),
que se encontra no nome de Singapura (cidade dos leões).
Sua composição é de 55% resinas vegetais; 30% cera de abelhas; 8 a 10% de óleos essenciais; e 5% de pólen
aproximadamente.
A diferença entre os tipos de própolis está vinculada à sua origem botânica e à espécie de abelha que a produziu.
A própolis verde do Brasil está associada a planta Baccharis dracunculifolia, conhecida também como alecrim-
do-campo, onde é nativo.
Dos mais de 200 compostos químicos já identificados na própolis, entre os principais compostos ativos podemos
citar os compostos flavonóides, ácidos aromáticos, terpenóides, aldeídos, álcoois, ácidos alifáticos e ésteres,
aminoácidos, esteróides, açúcares, etc.
É utilizada pelas abelhas de diversas formas:
 Para proteger a colmeia de intrusos e do frio, mantendo a temperatura ideal para suas crias, fechando
frestas e diminuindo o tamanho da entrada;
 Para desinfetar o interior da colmeia e os alvéolos onde a abelha rainha faz a postura dos ovos;
 Quando um intruso é abatido e não pode ser retirado do interior da colmeia, as abelhas cobrem o intruso
com propolis, evitando que sua putrefação contamine o ninho.
Foi recentemente mostrado que as albelhas poderam sobreviver mais longo quando tinha usado a propolis para
selar as fendas da colmei. Isso é provavelmente porque a propolis, feito de 50 % resina, conte bastante moléculas
com funcaos antibióticos
A própolis possui diversas propriedades biológicas e terapêuticas.
Desde a Antigüidade a própolis já era utilizada como medicamento popular no tratamento de feridas e infecções.
As histórias das medicinas das civilizações Chinesa, Tibetana, Egípcia e também a Greco-Romana são ricas,
todas contendo em seus escritos antigos centenas de receitas onde entram principalmente mel, própolis, larvas de
abelhas e às vezes as próprias abelhas, para curar ou prevenir enfermidades. A própolis é conhecida como um
poderoso antibiótico natural.
Hoje a própolis é utilizada com maior freqüência na prevenção e tratamento de feridas e infecções da via oral,
também como antimicótico e cicatrizante. Estudos mais recentes indicam eficiente ação de alguns de seus
compostos ativos com ação imuno-estimulante e antitumoral.

PÓLEN

O pólen (do grego "pales" = "farinha" ou "pó") é o conjunto dos minúsculos grãos produzidos pelas flores das
angiospermas (ou pelas pinhas masculinas das gimnospérmas), que são os elementos reprodutores masculinos ou
microgametófitos, onde se encontram os gâmetas que vão fecundar os óvulos, que posteriormente irão se
transformar em sementes.São sementes de pólén em conjunto produtivos.

120
Caracteristica dos Poléns
Os grãos de pólen são normalmente arredondados, embora os dos pinheiros sejam alados, e podem ser muito
pequenos, apenas alguns micra. O menor grão de pólen conhecido é o do Myosotis, com cerca de 6 μm (0.006
mm) de diâmetro. A forma e ornamentação dos grãos de pólen é típica de cada família ou mesmo espécie de
plantas.
O pólen contém uma grande proporção de proteínas (16 a 40 %) contendo todos os aminoácidos conhecidos,
assim como numerosas vitaminas, principalmente as vitaminas C e PP, sendo a principal fonte de alimentação
das abelhas. Outro importante produto fabricado com pólen é a geleia real. Esta composição do pólen pode ser
responsável pelas alergias que lhe são atribuídas.
Pesquisas recentes indicam que o pólen é o alimento mais completo e valioso da natureza, pois além de conter
todos os aminoácidos essenciais ao organismo humano, também é rico em oligoelementos minerais, fibras,
hormônios vegetais e vitaminas (conforme mencionado anteriormente). O pólen também estimula o
funcionamento de todos os órgãos internos, melhorando, inclusive, o desempenho sexual. Tem valor nutritivo
muito superior à carne ou à proteína de soja. Possui propriedade antioxidante, antianêmica e auxiliar no
tratamento preventivo da prostatite. Pode ser utilizado no tratamento de anemias profundas visto que eleva
rapidamente a taxa de hemoglobina no sangue.
O estudo do pólen é a palinologia

Estrutura e formação do pólen


Os grãos de pólen são produzidos por meiose no microsporângio das plantas angiospermas, que é o estame, ou a
escama masculina das gimnospérmicas.
Cada grão de pólen é um gametófito que contém dois núcelos haplóides, um maior que corresponde a uma célula
vegetativa e outro menor que irá formar os gametas, que irão fecundar a oosfera e célula média, gametas
femininos encerrados dentro do óvulo.
Esta estrutura bicelular encontra-se dentro de numa parede de celulose, a intina, recoberta por um envólucro
muito resistente de esporopolenina, um biopolímero ligado a ceras e proteínas. Esta camada externa é
denominada exina e é composta de três partes:
 tectum, que contém os elementos esculturais que dão a forma exterior ao grão de pólen;
 columelas, uma estrutura em forma de colunas; e
 base, uma estrutura sólida formada sobre a intina.
Este invólucro possui ainda pequenas aberturas (pontos de menor resistência) por onde sairá o tubo polínico, que
penetra no estigma para fecundar o óvulo.
Monossulcado
Um grão de pólen monossulcado é aquele que apresenta apenas uma abertura na sua exina. É o tipo polínico
predominante entre as Monocotiledôneas e alguns grupos basais de Dicotiledôneas. Acredita-se que seja o tipo
mais primitivo de grão de pólen, do qual todos os outros teriam sido originados. Esta teoria é corroborada pela
paleontologia, que constata a presença deste tipo de grãos de pólen e sua predominância desde os primórdios da
história evolutiva das Angiospermas.
Trissulcado
Grão de pólen trissulcado é aquele que apresenta 3 sulcos em sua exina. É o tipo polínico predominante entre as
Dicotiledôneas, sendo raros entre algumas famílias basais, em outras famílias como Asteraceae e Malvaceae, e
entre as Monocotiledôneas. A possibilidade do tubo polínico desenvolver-se a partir de 3 pontos diferentes do
grão de pólen parece facilitar a fertilização dos pistilos, o que leva a crer que o pólen com 3 aberturas teria sido
um aprimoramento de um modelo polínico mais primitivo, com 1 abertura, observado em tais famílias basais.
Polinização
A transferência dos grãos de pólen dos órgãos onde são produzidos até à estrutura reprodutiva feminina (o
carpelo das angiospérmicas ou a escama feminina das gimnospérmicas) chama-se polinização.
Durante o processo evolutivo, as plantas desenvolveram várias estratégias reprodutivas, para assegurar a sua
multiplicação e colonização dos habitates. As espermatófitas, ou seja, as plantas que produzem flores,
apresentam várias modalidades de polinização como estratégias reprodutivas:
 Autopolinização - algumas espécies de plantas admitem a germinação dos grãos de pólen no estigma
da mesma flor que o produziu, ou em outras flores da mesma planta; esta estratégia diminui as
possibiidades de recombinação genética, mas assegura que maior número de óvulos sejam fecundados.
A maior parte das espécies, no entanto, desenvolveu estratégias para aumentar as possibilidades de recombinação
- a trasnferência dos grãos de pólen por elementos exteriores à flor:
 Polinização anemófila - realizada pelo vento - estas plantas produzem grande número de grãos de
pólen, muito leves ou com extensões da exina, como os grãos de pólen alados dos pinheiros, que lhes
permitem ser transportados para flores de plantas que se encontram a maior distância da que os
produziu, portanto com maior probabilidade de terem um genoma diferente;
 Polinização entomófila - realizada por insetos - as flores possuem características que atraem os insetos,
tais como nectários, coloração ou cheiro especiais;

121
 Polinização hidrófila - realizada pela água - este tipo de polinização é mais frequente nas plantas
aquáticas.
Alergias ao pólen
Alergia ao pólen é chamada febre do feno. Geralmente pólens que causam alergias são aqueles de plantas
anemófilas, que produzem grãos leves de pólen em grande quantidade para serem dispersos pelo vento, e
subsequentemente penetram as vias nasais humanas através da respiração. Plantas anemófilas geralmente tem
flores imperceptíveis, ou seja, não são chamativas. Plantas entomófilas produzem pólens que são relativamente
pesados e pegajosos, para dispersão através de insetos polinizadores.
Frequentemente, nos Estados Unidos, pessoas falsamente culpam a flor entomófila "goldenrod" (Ambrosia
trifida) pelas alergias. O pólen dessa flor não é levado pelo ar, somente há um caminho para que ele alcance as
vias nasais: seria retirá - lo da flor e colocá - lo nas cavidades nasais. No fim do verão e outono alergias causadas
por poléns são geralmente por erva-de-Santiago, uma comum flor anemófila e não atrativa. O estado do Arizona
foi considerado como um lugar seguro para pessoas alérgicas ao pólen, pois erva-de-Santiago não cresce no
deserto. Entretanto, com subúrbios crescendo e a população começando a cultivar gramados irrigados e jardins, a
erva-de-Santiago estabeleceu - se com segurança e o Arizona perdeu seu status de isento da febre do feno.
Exemplos de plantas anemófilas são o carvalho, a hicória (noz americana) e a noz-pecã; e no início do verão a
grama também pode causar alergia. Flores cultivadas são frequentemente mais entomófilas e não causam alergia.
A "doença do secamento do painel de sangria" (cessamento da extração do látex) da árvore da borracha também
pode ser causada por vírus transmitido por grãos de pólens."
O Pólen é vendido como um suplemento nutricional, comercializado como "pólen de abelha". Neste caso o pólen
pode ser adicionado de enzimas presentes na saliva da abelha, que transformam o pólen em uma massa de maior
valor nutricional. Existe também o Pão de Abelha, que é o pólen coletado dentro da colméia, nos opérculos, onde
já se transformou em um outro produto de altíssimo valor nutricional, devido à ações enzimáticas. O pólen
apícola e o Pão de Abelha possuem todos os aminoácidos essenciais ao ser humano. São uns conjuntos
minusculos em grãos produtivos pelas plantas

CERA DE ABELHAS
É uma substância secretada pelas abelhas operárias entre 14 a 18 dias de vida adulta, através de quatro pares de
glândulas gordurosas ou cerígenas, localizadas na parte inferior do abdômen.
Para as abelhas, a principal utilidade é a construção dos favos que são feitos de cera. É composta por diversas
substâncias, todas obtidas do mel que as abelhas consomem para a sua produção. Sua densidade é de 0,960 a
0,972, com ponto de fusão entre 61 a 65º C.
A coloração é variável do branco, amarelo ao escuro pela contaminação do pólen encontrado no mel, além de
partículas de própolis.
Tem aplicação na indústria, como impermeabilizante, fabricação de vela, produção de cosméticos e outros.

VENENO DAS ABELHAS

O ferrão das abelhas condutor do veneno é a única arma de defesa das abelhas contra seus inimigos, e que em
grandes quantidades, é fatal ao homem.
O veneno em grande quantidade mata, mas em pequenas doses também cura.
É formado por várias substâncias biológicas, responsáveis pelos diferentes efeitos no organismo do homem e dos
animais. É um liquido transparente, com sabor amargo e acre e odor ácido.
Normalmente causa uma dor aguda intensa e imediata com aumento do fluxo sanguíneo, seguido por uma
sensação de calor e coceira em algumas pessoas, uma pequena área branca e uma sensibilidade crescente ao tato
na parte afetada e inchação que pode desaparecer em minutos ou durar uns poucos dias, dependendo das
características do sistema imunológico do indivíduo afetado pela ferroada.
Mas este veneno, que tanta dor causa aos apicultores, que às vezes são ferroados, tem proporcionado excelentes
resultados no tratamento de reumatismo, artrose, transtornos circulatórios, na cura de câncer, etc.

GELÉIA REAL

Geléiar eal é a secreção produzida pelas glândulas hipofaríngeas das jovens abelhas operárias, durante um breve
periodo de suas vidas. A continuidade é obtida pela produção das novas jovens operárias da colméia. A rainha
dessa maneira sempre deverá produzir ovos.
Os demais indivíduos da colônia, operária e zangão, recebem alimentação com Geléia Real apenas nos três dias
de vida larval, reduzindo sensivelmente a sua longevidade, como por exemplo: a rainha pode chegar até cinco
anos de vida. A operária vive entre 38 a 42 dias no período de trabalho. O zangão vive entre 60 a 80 dias, ou na
dependência de um vôo de fecundação, quando também perde a vida.
Resumindo a Geléia Real é um superalimento, com excelentes efeitos no organismo humano, sem qualquer
contra indicação. Também misturado com mel. Também tem um efeito antioxidante.

122
PRODUTOS BIOTERÁPICOS

Probióticos são suplementos alimentares microbianos vivos que apresentam efeitos benéficos para um
hospedeiro quando ingeridos por este, promovendo o equilíbrio microbiano intestinal . Os probióticos
compreendem basicamente o grupo das bactérias ácido lácticas (lactobacilos, bifidobactérias e estreptococus em
menor funcionalidade) que fermentam o açúcar, produzindo ácido láctico como principal produto do
metabolismo. As principais cepas são: Lactobacillus casei, Lactobacillus bulgaricus e Lactobacillus acidophilus;
dentre outros . Vale lembrar que alguns lactobacillus são hospedeiros habituais do intestino humano e de animais
e não possuem nenhuma toxicidade, confirmado não só por múltiplos estudos clínicos, mas também pela
farmacovigilância Para que um microorganismo possa ser usado como probiótico, ele deve ser capaz de
expressar suas atividades benéficas no corpo do hospedeiro, resistindo ao trato digestório (aos ácidos clorídrico e
biliar e às enzimas pancreáticas) e ter boa adesividade às células do intestino, colonizando-o.
. Além disso, prorroga-se que eles devem ter ausência de translocação e produção de substância antimicrobianas
contra bactérias patogênicas . Outra consideração é que seja habitante normal da microbiota intestinal; porém,
algumas cepas que não fazem parte da composição normal do trato intestinal, podem vir a ser catalogadas como
probióticos, como por exemplo, o Lactobacillus bulgaricus, pois estas bactérias não colonizam o trato
gastrointestinal, apenas produzem efeito benéfico sobre o balanço da microbiota..
A fermentação láctica promovida pelos lactobacilos promove incremento nos teores de vitaminas B6 e B12 e um
aumento de vitamina C, ácido fólico e de colina. Este procedimento apresenta também uma melhora na
digestibilidade de proteínas e gorduras, e melhora a utilização de alguns cátions no metabolismo humano; além
de sintetizar vitamina K e auxiliar no metabolismo de xenobióticos. De forma geral, os probióticos atuam
amenizando alguns processos patológicos como a diarréia (principalmente causada por rotavírus e
antibioticoterapia, e fundamentalmente em crianças não amamentadas ao peito), processos alérgicos e, mais
recentemente, aponta-se sua influência na melhora da resposta imunológica no ser humano.
Na imunidade, o uso de probióticos pode melhorar a composição da microbiota intestinal e, assim, aumentar e
manter a barreira imunológica local, amenizando as respostas inflamatórias. Estudos indicam que os probióticos
têm efeito imunomodulatório e podem ser eficazes nas disfunções gastrointestinais e nos processos alérgicos
inflamatórios. O efeito terapêutico dos probióticos contra viroses intestinais demonstra sua ação mediante o
estímulo do tecido linfóide associado ao intestino aumentando a resposta humoral .
Deve-se atentar também que o amplo alcance do efeito sobre o sistema imune mostrado pelas bactérias ácido
lácticas pode se dar devido ao aumento da função fagocitária, bem como ao aumento de neutrófilos, macrófagos
e monócitos .
Há indicação na literatura do uso da terapia com probióticos para amenizar os efeitos do tratamento dos
antiretrovirais e demais intercorrências ocasionadas por vírus/bactérias oportunistas, pois estes, na grande
maioria dos casos, melhoram a flora intestinal e reprimem o crescimento e a colonização de bactérias
patogênicas . Já no caso de doenças inflamatórias crônicas do intestino, discute-se que a etiologia patológica da
doença de Crohn e colite ulcerativa para a qual não existe, até o momento, uma terapia especifica, parece
também estar ligada a alterações da microbiota intestinal . Isto põe o uso racional dos probióticos
como coadjuvante na terapia de tal patologia . Estudos preliminares indicam como a administração dos
probióticos pode ser eficaz na terapia de manutenção em pacientes com colite ulcerativa . Os probióticos também
são utilizados na prevenção e tratamento de casos de intolerância à Lactose e a outros dissacáridos, devido à
atividade lactásica das bactérias .
Já em dislipidemias e hipertensão arterial, vários estudos clínicos apresentam como resultado de utilização dos
probióticos reduções significativas dos níveis de colesterol total pela diminuição do colesterol LDL, enquanto os
níveis de colesterol HDL aumentam ligeiramente. O efeito hipocolesterolemiante de probióticos bifidobactérias
resulta da diminuição da absorção e do transporte do colesterol alimentar para o fígado via quilomicras e, por
outro lado, pela desconjunção dos sais biliares com menor absorção do colesterol pelo intestino. A niacina
formada por probióticos bifidobactérias reduz o fluxo de ácidos gordos livres que ao diminuir a biosíntese da
lipoproteína VLDL contribui para a redução dos níveis plasmáticos dos triglicéridos. Além da ação sobre o
colesterol, os probióticos bifidobactérias produzem um conjunto de tripeptidos que foram identificados como
componentes ativos na redução da angiotensina e consequentemente na hipertensão.
Com relação ao câncer, estudos sugerem que o consumo de culturas de probióticos podem diminuir o risco de
câncer por desentoxicação de compostos carcinogênicos ingeridos; alterar o ambiente do intestino e diminuir a
população ou atividade metabólica de bactérias que podem gerar compostos carcinogênicos; produção de
produtos metabólicos que promovem a morte de células quando as mesmas devem morrer (apoptose ou morte
programada de células); produção de compostos que inibem o crescimento de células tumorosas; ou estimulação
dos sistema imune para melhorar a defesa contra proliferação de células cancerígenas. Outras situações clínicas
para o uso dos probióticos são fibrose cística, infecções urogenitais e vaginites, tendo em conta a sua ação
imunoestimulante, inibição da atividade enzimática bacteriana e recolonização do trato vaginal .

123
PLANTAS ORNAMENTAIS TÓXICAS

"Muitos dos dados sobre toxidez das plantas foram obtidos após estudo bibliográfico intenso. Mas o grande
trunfo deste trabalho está numa proposta "inovadora", em que consiste em propor a substituição das espécies
ornamentais tóxicas por espécies não tóxicas, que possuam as mesmas características de uso.
Na primeira coluna você tem o nome científico das principais plantas ornamentais tóxicas, e na ultima coluna
você tem a espécie alternativa (não tóxica), ...
Nome Científico Família Nome Vulgar Parte Tóxica Princípio Ativo Espécie alternativa
Codiaeum
Euphorbiaceae Cróton Semente Alcalóide Crotina Cordilyne terminalis
variegatum
Allamanda Glicosídeo
Apocynaceae Alamanda-roxa Toda Barleria repens
blanchetti cardiotóxico
Allamanda Glicosídeo
Apocynaceae Alamanda-amarela Toda Jasminum mesny
cathartica cardiotóxico
Leptospermun
Nerium oleander Apocynaceae Espirradeira Toda Oleandrina
scoparium
Euphorbia Toxalbumina(4 Hatiora
Euphorbiaceae Avelós Látex
tirucalli deoxigenol) bambusioides
Jathropa Toxalbumina Clerodendrum
Euphorbiaceae Batata-do-Inferno Toda
podagrica curcina speciosissimun
Euphorbia Toxalbumina(4 Prunus cerasifera
Euphorbiaceae Leiteiro-vermelho Látex
cotinifolia deoxigenol) 'nigra'
Diefembachia Comigo-ninguém- Estricnina e ráfides Aglaonema
Araceae Toda
spp. Pode de CaO comutatum
Toxalbumina(5
Euphorbia milii Euphorbiaceae Coroa-de-Cristo Látex Ixora coccinea
deoxigenol)
Buxus
Buxaceae Buxinho Folhas Buxina Liconia tomentosa
sempervirens
Euphorbia Mussaenda
Euphorbiaceae Bico de papagaio Látex Toxalbumina
pulcherrima erythrophilla
Caesalpinea
Caesalpinaceae Flamboyanzinho Toda Alcalóide Tecoma stans
pulcherrima
Alcalóide Schefflera
Plumeria rubra Apocynaceae Jasmim-manga Látex
agoniadina actinophyla
Euphorbia Ligustrum sinense
Euphorbiaceae Leiteiro-branco Látex Toxalbumina
leucocephala var.
Brugmansia Folhas e Pandorea
Solanaceae Trombeteira Alcalóide daturina
suaveolens sementes jasminoides
Thevetia Chápeu de
Apocynaceae Toda Tevetina Grevillea banksii
peruvianna Napoleão
Monstera Rhaphodophora
Araceae Costela de Adão Folhas -
deliciosa decursiva
Spathodea
Bignoniaceae Espatódea Flores Alcalóide Erythrina velutina
campanulata
Erythrina crista- Callistemon
Papillionoideae Suinã - Alcalóides
galli viminallis
Lantana camara Verbenaceae Cambará Toda Lantadena A Verbena peruvianna

OUTRAS PLANTAS TÓXICAS

Espécie Família Parte Tóxica Princípio Ativo


Rododendron x simsii Ericaceae Toda Andrometoxina (glicosídeo)

124
Melia azedarach Meliaceae Toda planta
Viola odorata Violaceae Rizoma e semente Violina, acido tânico e salicílico
Ricinus communis Euphorbiaceae Semente Toxalbumina ricina
Nandina domestica Berberidaceae Fruto Alcalóide nandinina
Ruta graveolens Rutaceae Toda a planta Alcalóide rutina
Sessea brasiliensis Solanaceae Fruto Alcalóide
Tanacetum vulgare Compositae Folha Ácido tanásico e tanacetona
Vinca major Apocynaceae Folha e flor Glicosídeo vinceína
Leg.
Machaerium scleroxylon Madeira e serragem Oleorresina
Pappilonoideae
Hura creptans Euphorbiaceae Látex Hurcina, hurina e creptina
Isotoma longiflora Campanulaceae Látex Alcalóides
Folhas e
Achillea millefolium Compositae
Inflorescências
Prunus sphaerocarpa Rosaceae Folha, Fruto e semente Alcalóide agoniadina
Senecio Brasiliensis Compositae Fruto e folha Alcalóides senecina e Senecionina
Spartium junceum Leg. Faboideae Semente Alcalóide citisina
Jathropa multifida Euphorbiaceae Semente e látex Curcina, glicosídeos
Datura stramonium Solanaceae Semente e frutos Alcalóide escopalamina
Datura metel Solanaceae Semente Alcalóide daturina
Asclepia procera Asclepiadaceae Látex Glicosídeo asclepiadina
Digitalis purpurea Folha e flor Digitoxina e digitaleína
Chelidonium majus Papaveraceae Folhas, flores e raízes Quelidonia, queliritrina
Phyllanthus niruri Euphorbiaceae Toda a planta
Stryphnodendron
Leg mimosoideae Vagens Composto cianogênico
adstringens
Aleurite moluccana Euphorbiaceae Semente (tegumento) Toxalbumina curcina
Astrocarium ayri Palmae Acúleo Oléo essencial cáustico
Aleurite fordii Euphorbiaceae Semente Toxalbumina curcina
Schinus terebinthifolius Anacardiaceae Folha e fruto Toxicodendrol
Abrus precatorius Leguminosoideae Semente Toxalbumina abrina
Atropa beladona Fruto Alcalóide atropina
Thevetia nerifolia Apocynaceae Sementes folhas e flor Tevetina
Monocrotalina (alcalóide
Crotalaria micans Faboideae Toda a planta
pirolizidínico)
Euphorbia lactea Euphorbiaceae Látex Toxalbumina
Asclepia curassavica Asclepiadaceae Toda a planta Asclepiadina
Euphorbia fulgens Euphorbiaceae Látex Toxalbumina

125
CURRÍCULO

“Jaya Ganeshaya Namah”

Elias Abrão Neto “Sat Vydia”

E-mail : abraoneto@gmail.com

Registros Profissionais:
Instituto Nacional de Terapias Alternativas: INTA 007
Terapeuta Holístico: CTH 11.071/06
Mestre em Reiki: CRK 10.195

Títulos Profissionais:

 Mestre em Reiki nos Sistemas: Usui Shiki Reiki Ryoho,


Usui Teate Reiki, Dentho Reiki, Gendai Reiki Ho, Karuna Ki
Reiki, Raku Kei Reiki, Angel Flames Reiki, Violet Flame
Reiki, Archangelic Seichim Reiki, SKHM-Seichim Reiki,
Shamballa Multi-Dimensional Reiki, Ra-Sheeba Reiki, Runic
Reiki, Kundalini Reiki, Kundalini Tantra Reiki, Imara Reiki,
Elemental Reiki, Celtic Reiki, Gaia Now Reiki, Reiki
Xamânico AmaDeus (Guarani), Reiki Xamânico Ma'Heo'O
(Cherokee), Reiki Kahuna, Dolphin Reiki, Medicine Buddha
Reiki, Maitri Vihara Reiki, MariEl Reiki, Vajra Tummo
Reiki, Rosari Reiki, Psychic Reiki, Sacred Moon Reiki, Reiki
Lemuriano, Teramai Reiki, Sufi Reiki;
 Mestre nos Sistemas Vibracionais: Angel Links, Chama
Violeta, Energia Mahatma, Blue Star Celestial Energy,
Ascendent Masters, Celtic Wisdon Energy, Prismology of
Light Healing, Magnified Healing, Sistema Star Saphire;
 Sacerdote da Ordem de Melchizedek até o 4º Domínio;
 Sacerdote na Ordem da Chama Azul (El Morya);

126
 Templar Degree (Cavaleiro Templário);
 Facilitador e Terapeuta nos métodos: Projeciologia,
Terapia de Vidas Passadas, Apometria, Meditação Ki-I-
Moto-Zen, Meditação Ocultista Tibetana, Fitoterapia,
Homeopatia, Florais de Bach, Aromaterapia, Cromoterapia,
Cristaloterapia, Gemoterapia, Geoterapia, Radiestesia e
Radiônica, Numerologia Pitagórica, Astrologia Védica, I-
Ching, Tarô Cabalístico, Reflexologia, Auriculoterapia,
Acupuntura, Terapia Tradicional Chinesa, Terapia
Tradicional Ayurvédica, Terapia Tradicional Xamânica.
 Pesquisador Auxiliar do Sistema Floral Grande Mãe Sophia;
 Título de Comendador Reiki recebido do Conselho Brasileiro
de Reiki no dia 23 de outubro de 2006 através da
Comenda Mikao Usui.

Pequeno Histórico

Desde meu primeiro curso de Reiki em agosto de 2004,


tenho a certeza de que a área de Terapia Holística e Espiritual
faz parte de minha vida. Os sonhos, os projetos, as mudanças
manifestando-se diariamente me fizeram acreditar e lutar por
algo maior e melhor diariamente, daí a frase “Sujeito com
qualidades e defeitos, tentando crescer, para diminuir os
defeitos e aumentar as qualidades, dia a dia, vida após vida...
para ser boa companhia, dos outros e de si mesmo, forever! “
Participante de projetos sociais na área da Saúde e
Educação desde 1995, nos municípios de São Paulo, Diadema,
Indaiatuba e Itupeva no Estado de São Paulo e atualmente em
Patos de Minas – MG, assumindo em 2009 a Vice Presidência e a
Coordenadoria Técnica Científica do Instituto Nacional de
Terapias Alternativas – INTA e em 2010, inicioando a montagem
da AITIC – Associação Internacional de Terapias Integrativas e
Complementares.

127