Sei sulla pagina 1di 22

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA – UNIARA

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS


CURSO DE ENFERMAGEM

RESUMOS DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE


CURSO

ARARAQUARA - 2004
A SEXUALIDADE E O LIDAR COM O PACIENTE/CLIENTE: OPINIÃO DOS
ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM*

Beatris Helena Russo**


Crislaine Aparecida Antônio**
Hellen Juliana Lopes Simoni**
Maria Cristina de Moura Ferreira***

RESUMO

Trata-se de uma pesquisa de natureza quantitativa com alunos de graduação em


Enfermagem cujo objetivo geral foi avaliar o conhecimento dos alunos de graduação sobre a
temática sexualidade para lidar com as necessidades sexuais do paciente/cliente. E seguintes
objetivos específicos – Identificar os conceitos de sexo e sexualidade entre os alunos de
graduação em Enfermagem; - Levantar as disciplinas que abordam a sexualidade no Curso de
Enfermagem; - Identificar entre os alunos de Enfermagem, tabus, mitos, preconceitos e
descriminações; - Verificar se os alunos de Enfermagem já se depararam com situações
relacionadas a sexualidade e qual foi a postura para os mesmos; - Levantar a faixa etária dos
alunos de Enfermagem e sua iniciação sexual; - Identificar os meios pelos quais obtiveram
orientação e informação em Educação Sexual. A pesquisa foi realizada no Centro
Universitário de Araraquara – Uniara. Fizeram parte da população os graduandos do 1º ao 4º
ano de Enfermagem. Utilizou-se a técnica do questionário á partir de um instrumento
composto de dados de identificação e questões formuladas de acordo com os objetivos
propostos. A análise e interpretação dos mesmos foram realizadas através da Análise de
Freqüência para dados quantitativos onde foram apresentados em forma de quadros e
gráficos, os dados somente foram coletados após análise e deferimento do comitê de Ética da
UNIARA e entregues aos participantes o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido,
assegurando o sigilo e anonimato na pesquisa, conforme NR 196/96, do CONEP (Conselho
Nacional de Ética em Pesquisa). Através dos dados coletados observamos que os alunos que
participaram da pesquisa não estão preparados para enfrentar situações em que o paciente
demonstrasse necessidade de sexualidade. Portanto diante dos dados coletados e da análise
dos mesmos, temos por finalidade nesta investigação propor a inserção de uma disciplina de
sexualidade no contexto de enfermagem com vistas à capacitação dos graduandos na área de
sexualidade para lidar com seus pacientes/cliente.

Palavras-chave: Graduandos de Enfermagem, Educação Sexual, Sexualidade.

*Trabalho de Conclusão de Curso apresentado para obtenção do título de Bacharel em


Enfermagem do Centro Universitário de Araraquara – Uniara SP.
**Alunos do 8º semestre do Curso de Graduação de Enfermagem do Centro Universitário de
Araraquara – Uniara SP.
***Orientador - Professor Doutor do Curso de Enfermagem do Centro Universitário de
Araraquara – Uniara SP.
O PACIENTE QUEIMADO INTERNADO E O SIGNIFICADO DA AUTO-IMAGEM*

Evandro B. Abate**
Rosângela Castro Munhoz**
Lúcia Aparecida Ferreira ***

RESUMO

O significado da auto-imagem para o paciente queimado é um dos aspectos mais


preocupantes, pois na condição de queimado, ele se depara com vários problemas a serem
enfrentados, como: ameaça para sobrevivência, medo do desfiguramento, da não aceitação
por parte dos familiares e amigos, tristeza, rejeição e medo de olhar-se no espelho. As
fantasias de cura, também podem estar presentes nos pacientes com seqüelas de queimaduras,
havendo o desejo de que suas marcas sejam completamente curadas. Por isso, através da
pesquisa procuramos compreender o sofrimento e as necessidades do paciente queimado e
entender os aspectos psicológicos em relação às mudanças na sua imagem corporal e também
se a assistência prestada é adequada, humanizada e com o apoio psicológico necessário, para
enfrentar as alterações sofridas, para sua recuperação, reintegração a sociedade, para prepará-
lo para sua nova realidade e fornecer meios para enfrentar o desconhecido, a rejeição e a
maneira de ver a si mesmo. Para a realização deste trabalho, optamos pela pesquisa
qualitativa, onde foi realizado um levantamento bibliográfico, assim como a aplicação de um
questionário com oito questões abertas, no qual foram escolhidos os pacientes de forma
aleatória, internados no setor de queimados do Hospital Beneficência Portuguesa de
Araraquara, mediante a autorização da instituição e consentimento dos pacientes, respeitando
o direito de recusarem a participar do estudo, estando cientes da garantia do sigilo e após
assinatura do termo de consentimento e da utilização conteúdo dessa entrevista utilizado no
estudo. Posteriormente, as respostas foram analisadas e pontos comuns das entrevistas foram
agrupados, sendo possível verificar que, concomitantemente às alterações corporais,
houveram alterações na auto-estima e sentimentos de desvalorização e solidão e, que para a
superação desses sentimentos serão necessários o apoio, a aceitação e o cuidado de todos que
os cercam, além do enfrentamento pelo próprio paciente.

Palavras chave: Auto-imagem, queimadura, sofrimento.

*Trabalho de Conclusão de Curso apresentado para obtenção do título de Bacharel em


Enfermagem do Centro Universitário de Araraquara – Uniara SP.
**Alunos do 8º semestre do Curso de Graduação de Enfermagem do Centro Universitário de
Araraquara – Uniara SP.
***Orientador - Professor Mestre do Curso de Enfermagem do Centro Universitário de
Araraquara – Uniara SP.
A PRODUÇÃO DE CONHECIMENTOS CIENTÍFICOS SOBRE HIV/AIIDS:
ANÁLISE DE PERIÓDICOS*
Jorge Aparecido Verríssimo**
Luiz Miguel Dias**
Najela Hassam Saloum de Andrade***

RESUMO
O Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV) quando infecta o organismo
humano pode, com o passar dos anos, provocar a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida
(aids), que comporta diversas doenças oportunistas gerando transtornos na vida dos clientes
acometidos por esta doença.Apesar dos progressos existentes no tratamento da infecção por
HIV/aids, o vírus persiste como uma questão crítica de saúde pública em todos os países do
mundo. Prevenção, detecção precoce e tratamento agressivo permanecem como importantes
aspectos do cuidado de pessoas com essa infecção. Os enfermeiros em todos os setores
encontram pessoas com essa doença; assim, estes precisam conhecer a doença, suas
conseqüências físicas e psicológicas associadas a seu diagnóstico, adquirir habilidades quanto
ao histórico e tratamento clínico, para proporcionar um cuidado holístico para as pessoas com
infecção por HIV/aids. Diante de tal situação, o enfermeiro vivencia seus limites e, pode
prestar assistência a quem realmente está precisando de cuidados bio-psico-social e
espirituais. O enfermeiro deve, então, estar preparado para entender e enfrentar as situações
complexas vivenciadas pelos clientes acometidos por esta doença. Este estudo teve como
objetivo investigar a produção científica acerca de quantos artigos sobre HIV/aids foram
publicados no período de 1980 a 2002 e buscar os temas mais abordados. Direcionamos
nossa pesquisa sobre o tema, tentando descobrir o que os profissionais de saúde, têm
publicado nestes vinte anos da doença, em duas revistas de grande circulação científica na
enfermagem. Realizamos um levantamento manual de todos os volumes publicados nas
revistas Brasileira de Enfermagem e Latino Americana de Enfermagem e seus respectivos
fascículos. A revisão bibliográfica foi realizada neste período, por ser este o início da
notificação da doença. A amostra constituiu-se de 39 publicações referentes ao tema
HIV/aids, sendo 54 % da Revista Brasileira de Enfermagem e 46% da Revista Latino
Americana de Enfermagem. Das 39 publicações, foram selecionadas 12 temáticas, sendo a
temática educação a mais abordada, isto é, foi abordada por onze vezes. Os dados
evidenciaram que houve por parte dos autores maior atenção para a produção de estudos sobre
o nível de conhecimento dos adolescentes sobre o tema HIV/aids. Evidenciou-se ainda que os
adolescentes ainda não possuem conhecimento suficiente sobre o tema, sendo necessário que
se trabalhe ainda mais o assunto. Após fazermos as leituras e, diante de nossa experiência
com clientes acometidos pelo HIV/aids, ressaltamos que a doença oferece condições para
estudantes das áreas da saúde se aprofundarem na pesquisa científica. Isso se deve ao fato da
doença não ser uma entidade patológica única, mas uma síndrome que abre um leque com
inúmeras possibilidades de aprendizagem. O profissional que presta assistência a esses
pacientes tem que possuir uma visão integral e não fragmentada dos cuidados, possuindo
conhecimentos avançados de anatomia fisiologia, imunologia, ou seja, das ciências básicas da
saúde pois, qualquer parte do corpo pode ser acometida.
Palavras chave: Enfermeiros, investigação, HIV/AIDS.
*Trabalho de Conclusão de Curso apresentado para obtenção do título de Bacharel em
Enfermagem do Centro Universitário de Araraquara – Uniara SP.
**Alunos do 8º semestre do Curso de Graduação de Enfermagem do Centro Universitário de
Araraquara – Uniara SP.
***Orientador - Professor Mestre do Curso de Enfermagem do Centro Universitário de
Araraquara – Uniara SP.
O ESTRESSE DO ENFERMEIRO QUE PRESTA ASSISTÊNCIA NA
COMUNIDADE*

Ana Luiza Pereia**


Mariana R. Terixeira**
Vanessa Lomblen**
Sílvia Helena Henriques Camelo***

RESUMO

Este estudo teve como objetivo tecer considerações sobre o estresse do enfermeiro que
presta assistência na comunidade. Buscando atingir o objetivo proposto, realizamos um
estudo de levantamento bibliográfico que se estendeu por um período de aproximadamente
seis meses, através de Periódicos Brasileiros de Enfermagem, monografias, mestrados e
teses de doutorado. Com base nos levantamentos bibliográficos realizados, observamos
que o profissional enfermeiro que atua na comunidade pelas atividades que realiza, pode
estar sujeito a apresentar o processo de estresse, dependendo das estratégias utilizadas para
o seu enfrentamento. Portanto, pensamos, que torna-se necessário um suporte social e
emocional para que estes trabalhadores que atuam sobre diversas realidades, saibam lidar
com o estresse presente. Também acreditamos que as escolas de formação de enfermeiros
tem um papel importante a fim de preparar profissionais capazes de prestar uma assistência
integral, sem medos ou frustrações indesejáveis. Outros estudos devem ser realizados nesta
área para identificar possíveis estressores do ambiente de trabalho deste profissional,
evitando assim que a relação usuários e profissional fique prejudicada. Conhecer o que se
passa com estes profissionais, poderá contribuir, em partes, para lutar por melhorias na
profissão.

Palavras chave: estresse, enfermeiro, comunidade.

*Trabalho de Conclusão de Curso apresentado para obtenção do título de Bacharel em


Enfermagem do Centro Universitário de Araraquara – Uniara SP.
**Alunos do 8º semestre do Curso de Graduação de Enfermagem do Centro Universitário de
Araraquara – Uniara SP.
*** Orientador - Professor Mestre do Curso de Enfermagem do Centro Universitário de
Araraquara – Uniara SP.
O CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS ENTRE GRADUANDOS DE
ENFERMAGEM DE UM CENTRO UNIVERSITÁRIO*

Ana Terra Guarneri Stocco**


Pricila Lopes Gimenes**
Jurema Ribeiro Luiz Gonçalves***

RESUMO

O consumo de bebidas alcoólicas tem se acentuado nos últimos anos como um


problema de saúde pública. A pesquisa propõe-se a identificar junto aos graduandos do curso
de enfermagem o consumo abusivo de bebidas alcoólicas e verificar a aplicabilidade do
questionário AUDIT (Alcohol use Disorder Identification Test) instrumento utilizado para
coleta de dados no 4º bimestre do ano de 2003, acrescido de 3 questões referentes aos dados
demográficos dos graduandos. 89,3% dos entrevistados eram do sexo feminino, sendo 86,9%
solteiros; a média de idade foi de 20,93, variando entre 18 e 44 anos. 34,4% dos graduandos
ingeriam bebidas alcoólicas uma ou mais de uma vez por mês, seguida de 31,1% com
ingestão de duas a quatro vezes por mês; 12,0% referiram não conseguir controlar o consumo
e relataram que apresentavam esquecimento após a ingestão de bebidas alcoólicas. 17,3%
receberam críticas pelo consumo de bebidas alcoólicas menos que mensalmente e 2,4%
receberam mensalmente. Os dados revelaram um grupo vulnerável ao uso abusivo de bebidas
alcoólicas. Quanto ao instrumento evidenciou facilidade para sua aplicação.

Unitermos: Bebidas alcoólicas, consumo, graduandos.

*Trabalho de Conclusão de Curso apresentado para obtenção do título de Bacharel em


Enfermagem do Centro Universitário de Araraquara – Uniara SP.
**Alunos do 8º semestre do Curso de Graduação de Enfermagem do Centro Universitário de
Araraquara – Uniara SP.
***Orientador - Professor Mestre do Curso de Enfermagem do Centro Universitário de
Araraquara – Uniara SP.
O ESTRESSE E A SÍNDROME DOS OVÁRIOS MICROPOLICÍSTICOS: UMA
VISÃO NEUROENDOCRINOLÓGICA*

Elizabeth Kaiser**
Fábio Bernardo**
Luis Henrique Montrezor***

RESUMO

Esta monografia trata do estresse e seus efeitos em todo o funcionamento do corpo


humano principalmente nas vias neuroendócrinas. Nela enfatizamos sobre a reprodução
feminina e suas alterações diante dos estímulos estressores, e também sobre uma
endocrinopatia muito freqüente em mulheres em idade reprodutiva a qual é denominada
síndrome dos ovários micropolicístico (SOMP). O estresse é um mecanismo normal,
necessário e até certo ponto benéfico ao organismo, pois faz com que o ser humano fique
mais atento e sensível diante de situações de perigo ou dificuldades. Mesmo em situações
positivas e benéficas como, por exemplo, nas promoções profissionais, casamentos desejados
e nascimentos de filhos podem produzir estresse. Os sintomas acarretados pelos estímulos
estressores são divididos em três fases as quais são chamadas síndromes gerais de Adaptação
descrita por Selye (1976) e que consiste em: fase de alarme, fase de resistência e fase de
exaustão. O presente estudo faz um paralelo entre o estímulo estressor e as disfunções
neuroendócrinas que o mesmo promove, e que podem causar a SOMP. A SOMP apresenta
quadro clínico variável, mas em geral apresenta –se com hisurtismo, acne e / ou alopecia
androgênica, anovulação crônica associada a distúrbio menstrual e infertilidade. Embora a
etiopatologia da SOMP não tenha sido ainda esclarecidos, mecanismos fisiopatológicos são
reconhecidos, tais como: aumento da resistência à insulina e do risco de desenvolvimento de
intolerância à glicose ou diabetes mellitus tipo 2, a hiperinsulinemia está associada a
hiperproducão de androgênios ovarianos. Este trabalho de conclusão de curso trata de uma
revisão bibliográfica, cujos dados e informações foram obtidos em livros e artigos científicos
publicados em revistas da área nos anos de 2000 a 2004, e consultados em bibliotecas e via
internet.

*Trabalho de Conclusão de Curso apresentado para obtenção do título de Bacharel em


Enfermagem do Centro Universitário de Araraquara – Uniara SP.
**Alunos do 8º semestre do Curso de Graduação de Enfermagem do Centro Universitário de
Araraquara – Uniara SP.
***Orientador - Professor Doutor do Curso de Enfermagem do Centro Universitário de
Araraquara – Uniara SP.
O BRINCAR NO AMBIENTE HOSPITALAR DE PEDIATRIA: UMA REVISÃO DA
LITERATURA*

Nanci Aparecida Gorla**


Danielle Cristine Martins***

RESUMO

A hospitalização é um processo estressante que interrompe a seqüência de vida


normal e altera o cotidiano da criança e sua família. Este trabalho teve por objetivo
identificar as repercussões da utilização do brinquedo no ambiente hospitalar de pediatria,
através de revisão de artigos científicos nacionais, nos últimos 20 anos, junto ao banco de
dados LILACS. A fase de coleta dos dados constou das seguintes etapas: levantamento
bibliográfico, aquisição das cópias dos artigos, leitura dos mesmos. Foram encontrados 36
artigos, sendo realizada uma busca manual dos artigos na íntegra na Biblioteca Central do
Campus de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo. De posse do material na íntegra,
foi realizada a leitura analítica e fichamento dos artigos, apreendendo aspectos como
brinquedo e seu efeito na recuperação da saúde, o brinquedo como facilitador da interação
social e comunicativa entre a criança e o profissional da saúde, e brinquedo e o profissional
da saúde: implicações para a assistência. Os trabalhos analisados abordam o prejuízo que a
criança sofre em seu desenvolvimento físico, psíquico e emocional, ao enfrentar a doença e a
hospitalização, além da dificuldade de interação social e comunicativa da criança com o
profissional, quando a recreação, através de brinquedos e brincadeiras não se fazem
presentes no ambiente hospitalar. Assim sendo, a assistência à criança hospitalizada deve
ultrapassar a prestação de cuidados físicos e os conhecimentos a respeito da doença e de
tratamento a que ela deverá ser submetida, e levar em consideração, também, suas
necessidades emocionais e sociais. E conhecer a produção científica acerca de aspectos que
contribuem para a humanização dessa assistência, especificamente a recreação infantil, no
ambiente hospitalar é de extrema importância para os profissionais de saúde, pois possibilita
um novo relacionamento com a realidade hospitalar, refletindo num menor impacto da
hospitalização para a criança.

Palavras-chave: brinquedo, criança e enfermagem

*Trabalho de Conclusão de Curso apresentado para obtenção do título de Bacharel em


Enfermagem do Centro Universitário de Araraquara – Uniara SP.
**Alunos do 8º semestre do Curso de Graduação de Enfermagem do Centro Universitário de
Araraquara – Uniara SP.
***Orientador - Professor Mestre do Curso de Enfermagem do Centro Universitário de
Araraquara – Uniara SP.
A BUSCA DA FLEXIBILIDADE NA ADMINISTRAÇÃO DE ENFERMAGEM*

Rosimeire da Silva**
Andréa Bernardes***

RESUMO

O interesse para elaboração deste trabalho, partiu da realidade vivenciada na


disciplina de Gerenciamento/Administração em Enfermagem e Saúde, parte integrante da
grade curricular, a qual foi fundamental para atentar-me sobre a importância do papel
administrativo do enfermeiro nas diferentes instituições hospitalares do Município de
Araraquara. Atualmente não só a enfermagem como também as demais categorias
profissionais, vêm buscando novos estilos gerenciais que visam concretizar o bem-estar
global. Assim, é possível, apreender que o estabelecimento de uma relação saudável no
ambiente de trabalho entre enfermeiros e os demais profissionais que ali atuam é o objetivo a
ser alcançado, especialmente na atualidade, quando muitos autores enxergam na flexibilidade
um diferencial para o bom andamento das instituições hospitalares. Desta forma o objetivo
desse trabalho é descrever o modelo gerencial adotado pelos enfermeiros nas diferentes
instituições hospitalares e verificar o entendimento dos mesmos quanto à gerência flexível.
Para alcançar os objetivos, lança mão de uma pesquisa não experimental, descritiva, realizada
segundo a metodologia quanti-qualitativa. As técnicas utilizadas foram entrevistas semi-
estruturada, por meio de preenchimento de coleta de dados. A pesquisa de campo foi realizada
em uma instituição hospitalar privada filantrópica. Ao analisar as respostas obtidas, foi
notável que a flexibilidade na administração de enfermagem está um tanto distante de uma
efetiva prática. Os enfermeiros envolvidos na pesquisa preocupam-se com questões
burocráticas, a fim de manterem a funcionalidade setorial. A administração de enfermagem no
Município de Araraquara evidencia que muito ainda há para se fazer no âmbito institucional,
objetivando a solidificação da flexibilidade.

Palavras Chave: Flexibilidade, Gerenciamento, Enfermagem

*Trabalho de Conclusão de Curso apresentado para obtenção do título de Bacharel em


Enfermagem do Centro Universitário de Araraquara – Uniara SP.
**Aluna do 8º semestre do Curso de Graduação de Enfermagem do Centro Universitário de
Araraquara – Uniara SP.
***Orientador - Professor Mestre do Curso de Enfermagem do Centro Universitário de
Araraquara – Uniara SP.
CARACTERIZAÇÃO DO PACIENTE QUEIMADO E DA EQUIPE DE
ENFERMAGEM EM UNIDADE DE QUEIMADOS: PROPOSTA DE
APLICAÇÃO DO PROCESSO DE ENFERMAGEM*

Mara Regina Lena**


Tânia Jacinto Rodrigues**
Maria Cristina de Moura Ferreira***

RESUMO

Pesquisa de natureza quantitativa abrangendo a inviabilidade de proposta de aplicação


do Processo de Enfermagem em Unidade de Queimados. Apresenta como objetivo geral:
caracterizar o paciente queimado e identificar o perfil da equipe de enfermagem; e objetivos
específicos: caracterizar o paciente; identificar a equipe de enfermagem e verificar as
adequações da estrutura física da unidade. Os dados foram coletados no período de dezembro
do ano de 2003 à abril de 2004, utilizando como técnica o levantamento retrospectivo dos
registros realizados pela equipe nos prontuários; um questionário semi – estruturado para
equipe de enfermagem e um questionário estruturado para os dados referentes à adequação da
estrutura física da unidade. Os resultados relacionados ao paciente queimado demonstram a
prevalência do gênero masculino, solteiros, católicos, raça branca, dependentes do Sistema
Único de Saúde, admitidos em janeiro provenientes da central de vagas, com diagnóstico de
queimaduras múltiplas de 2º grau ocasionadas por escaldaduras acidentais, atingindo mais de
20% de superfície corporal através do método Lund e Browder, a realização de enxertos,
ausência de profilaxia contra tétano, complicações locais e sistêmicas e alta hospitalar médica;
quanto à equipe verificou - se a prevalência de auxiliares de enfermagem, gênero feminino e
sem fixação em turnos; referente à estrutura física, os resultados demonstram adequações
como, unidade arejada e iluminada, circulação de pessoal restrita, roupas e equipamentos
esterilizados e inadequações como temperatura ambiente, inexistência de balança e Unidade
de Tratamento Intensivo e Centro Cirúrgico de Queimados. Finalizando, é imperioso
conhecer os requisitos necessários a implementação do Processo frente a seguridade dos
benefícios a serem proporcionados ao paciente queimado.

Unitermos: Queimados, Processo de Enfermagem, Caracterização de Unidade de Queimados.

*Trabalho de Conclusão de Curso apresentado para obtenção do título de Bacharel em


Enfermagem do Centro Universitário de Araraquara – Uniara SP.
**Alunos do 8º semestre do Curso de Graduação de Enfermagem do Centro Universitário de
Araraquara – Uniara SP.
***Orientador - Professor Doutor do Curso de Enfermagem do Centro Universitário de
Araraquara – Uniara SP.
INCIDÊNCIA DE TENTATIVA DE SUICÍDIOS SEGUIDOS DE ÓBITOS POR
QUEIMADURAS NA CIDADE DE ARARAQUARA*

Eduardo de Oliveira**
Janaína Sanga Tosti Teodoro**
Priscilla Almeida dos Santos**
Lúcia Aparecida Ferreira***

RESUMO

Neste estudo foram identificados e analisados prontuários de pacientes admitidos na


Unidade Terapêutica de Queimados do Hospital Santa Casa de Misericórdia Nossa Senhora
de Fátima e Beneficência Portuguesa de Araraquara (HSCMNSF), buscando investigar a
incidência de tentativa de suicídio seguido de óbito por queimaduras, buscamos também
definir a queimadura e sua classificação, sendo preciso um esclarecimento prévio para a
continuidade do estudo e entendimento do leitor. Também procuramos definir o suicídio e a
diferença entre tentativa de suicídio e suicídio como ato consumado. Metodologicamente,
utilizamos uma pesquisa quantitativa bivariada, para poder identificar se o suicídio seguido de
óbito acomete mais o sexo feminino ou masculino, qual o ano de maior freqüência dos
suicídios, o agente causador de queimaduras mais utilizado pela população suicida e a média
de idade da população pesquisada no decorrer dos anos de 2000 a 2003. A amostra constou de
128 prontuários, sendo 21 papeletas caracterizadas por tentativas de suicídios e após,
delimitando o estudo para o suicídio seguido de Alta/Óbito. Utilizamos o Serviço de Arquivo
Médico e Estatística, S.A.M.E. do HSCMNSF e Beneficência Portuguesa de Araraquara.
Poderemos então, concluir que o suicídio seguido e óbito prevaleceu pelo sexo feminino, no
ano de 2002, o agente causador de queimadura mais utilizado foi o álcool, e a idade média de
morte para o sexo feminino e masculino varia de 49 a 56 anos.

*Trabalho de Conclusão de Curso apresentado para obtenção do título de Bacharel em


Enfermagem do Centro Universitário de Araraquara – Uniara SP.
**Alunos do 8º semestre do Curso de Graduação de Enfermagem do Centro Universitário de
Araraquara – Uniara SP.
***Orientador - Professor Mestre do Curso de Enfermagem do Centro Universitário de
Araraquara – Uniara SP.
IDENTIFICAÇÃO DE ESTRESSE NOS ESTUDANTES DO ÚLTIMO ANO DO
CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM*

Nágila Aparecida de Castro**


Maria Alcina Gomes de Souza**
Renata Alessandra Evangelista***

RESUMO

Considerando o grande número de artigos que indicam a presença de estresse no


estudante de enfermagem e observando as relações interpessoais entre os docentes e os
discentes, o objetivo deste estudo foi identificar nesta população aspecto indicativo de
estresse psíquico, desejo de morte, falta de confiança na capacidade de desempenho,
distúrbios de sono e psicossomáticos. A população foi constituída por alunos matriculados no
último ano do Curso de Graduação de Enfermagem. Para a coleta foi utilizado o teste
“General Health Questionnaire” para avaliar os níveis de saúde geral validado e avaliado por
Pasquali et al, 1994 e utilizado por Farah, 2001. Estes dados foram coletados no início do
período letivo. Os resultados foram trabalhados estatisticamente e permitiram concluir que os
escores apresentados pelos estudantes são indicativos de estresse psíquico, distúrbio de sono e
psicossomático. Portanto, é necessária a continuação de estudos nesta área para que possa
oferecer subsídios ao docente interessado em facilitar o processo ensino-aprendizagem,
principalmente dos estudantes que necessitam trabalhar suas emoções e comportamentos.

Unitermos: Estresse, Estudantes, Enfermagem

*Trabalho de Conclusão de Curso apresentado para obtenção do título de Bacharel em


Enfermagem do Centro Universitário de Araraquara – Uniara SP.
**Alunos do 8º semestre do Curso de Graduação de Enfermagem do Centro Universitário de
Araraquara – Uniara SP.
***Orientador - Professor Mestre do Curso de Enfermagem do Centro Universitário de
Araraquara – Uniara SP.
A PERCEPÇÃO DAS MÃES SOBRE A ASSISTÊNCIA AO RECÉM-NASCIDO
INTERNADO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA*

Ariane de Castro Faceta**


Leia R. de Souza**
Maria Thereza B. Lazzarini**
Jamile de Castro Bussadori***

RESUMO

A gravidez é uma fase que traz grandes expectativas positivas em relação ao filho, que
é esperado de forma sadia, porém quando o vínculo é rompido de forma inesperada após o
nascimento, sentimentos de culpa, medo e ansiedade podem surgir. Estes sentimentos ainda
podem ser mais exacerbados quando o recém-nascido se encontra em situações que necessite
de cuidados de uma UTI, o que deve ser reconhecido pela equipe de saúde que assiste o
recém-nascido, a fim de darem suporte necessário a esta família. Desta forma o presente
estudo buscando estimular a humanização da assistência, visou identificar a percepção das
mães sobre a assistência aos recém-nascidos internados em UTI, apontando seus medos e
angústias e identificando a visão sobre a assistência recebida e orientações fornecidas pela
equipe de saúde.Tratou-se de uma pesquisa em campo, realizada na UTI Neonatal de um
hospital do Município de São Carlos, interior do Estado de São Paulo, no período de
novembro de 2003 a janeiro de 2004. Contamos com sete mães de recém-nascidos internados
na unidade em estudo que aceitaram livremente participar da pesquisa. Os dados foram
obtidos através da entrevista semi-estruturada, gravada, após assinatura do termo de
consentimento livre e informado. A abordagem qualitativa foi a metodologia escolhida, tendo
a organização dos dados obtidos contando com o Discurso do Sujeito Coletivo com posterior
análise e conclusão do estudo. Analisando os resultados, concluímos que mesmo as mães
referindo que a instituição oferece ambiente agradável, com uma assistência e equipe
qualificada, ainda sofrem com a separação do filho e não deixam de ter a UTI como um
ambiente assustador. Assim, pudemos perceber que tanto as rotinas da UTI Neonatal em
estudo como a equipe, ainda não estão, totalmente preparados para oferecer uma assistência
humanizada, que estimule o vínculo entre o binômio mãe e filho e transmita às mães mais
tranqüilidade, apoio e segurança.

Unitermos: recém-nascido, UTI neonatal, enfermagem.

*Trabalho de Conclusão de Curso apresentado para obtenção do título de Bacharel em


Enfermagem do Centro Universitário de Araraquara – Uniara SP.
**Alunos do 8º semestre do Curso de Graduação de Enfermagem do Centro Universitário de
Araraquara – Uniara SP.
***Orientador - Professor Mestre do Curso de Enfermagem do Centro Universitário de
Araraquara – Uniara SP.
PERFIL DA MORTALIDADE NEONATAL – ARARAQUARA 2001*

Norma Sueli Roza Tossito**


Patrícia Regina de Souza Leão**
Vagner Aparecido Prates**
Ângela Aparecida Costa***

RESUMO

No Brasil, observou-se um decréscimo na taxa de mortalidade infantil nos últimos


anos. Apesar da queda nessas taxas, persistem diferentes níveis e padrões de declínio nas
diferentes regiões. No município de Araraquara, o Coeficiente de Mortalidade Infantil
decresceu acentuadamente nos últimos anos. No entanto, a parcela de óbitos referentes ao
componente neonatal ainda se mantém elevada. Com o objetivo de: reconhecer alguns
elementos da cadeia de eventos relacionados à determinação da mortalidade neonatal;
identificar grupos expostos a diferentes fatores de riscos e detectar necessidades de saúde, a
fim de subsidiar possíveis intervenções em saúde para redução do risco de morte no período
neonatal, a pesquisa foi desenvolvida seguinte forma: delineou-se o perfil da mortalidade
neonatal no Município de Araraquara no ano 2001. Utilizou-se dados processados do
DATASUS (Departamento de Informática do SUS – Sistema Único de Saúde) e das
Declarações de Óbitos Neonatais emitidas no mesmo ano e cedidas para análise pelo CPD
(Centro de Processamento de Dados) do SESA (Serviço Especial de Saúde de Araraquara).
As variáveis quantitativas foram coletadas das Declarações de Óbito e das entrevistas
aplicadas às mães dos recém nascidos que foram a óbito pelos pesquisadores em Visita
Domiciliar. A pesquisa de campo constou de perguntas relacionadas à assistência de
enfermagem durante o Pré-Natal, Parto e Puerpério, quantificadas a exemplo das variáveis
quantitativas constantes das Declarações de Óbito aplicando-se a análise de freqüência. A
partir da tabulação dos dados, chegou-se ao seguinte resultado: fatores relacionados à
assistência ao pré-natal, parto e puerpério parecem ter sido os principais determinantes para a
ocorrência dos óbitos neonatais.

*Trabalho de Conclusão de Curso apresentado para obtenção do título de Bacharel em


Enfermagem do Centro Universitário de Araraquara – Uniara SP.
**Alunos do 8º semestre do Curso de Graduação de Enfermagem do Centro Universitário de
Araraquara – Uniara SP.
***Orientador - Professor Mestre do Curso de Enfermagem do Centro Universitário de
Araraquara – Uniara SP.
PREVALÊNCIA DE FISSURA MAMÁRIA EM UMA MATERNIDADE DO
INTERIOR DE SÃO PAULO*

Érica Maris Prado**


Jamile Claro de Castro Bussadori**

RESUMO

Para muitas mulheres a gestação, o parto, a amamentação são uma das fases mais
significativas de suas vidas, porém muitas mudanças e conflitos podem ocorrer neste
período, principalmente em relação a amamentação, visto que apesar do conhecimento
incontestável do valor do leite humano e seus benefícios, o desmame precoce é ainda
bastante comum, mesmo em mulheres com acesso à informação. Uma das inúmeras causas
dos problemas relacionados a amamentação é o pensamento que a amamentação é
instintiva e inata, e quando surgem as dificuldades supõe-se que seja uma incapacidade
pessoal. Na verdade, o aleitamento materno é uma habilidade que precisa ser resgatada e
uma prática que precisa ser apoiada. As fissuras mamilares podem ocorrer desde os
primeiros dias de amamentação, desmotivando a mulher. Assim é nessa hora que ela
necessita de orientação, e o apoio. Entendendo que a fissura mamilar possa ser contribuinte
do desmame precoce, esse estudo buscou correlacionar a fissura mamilar com suas causas,
proporcionando que as evidências possam auxiliar em um melhor preparo das gestantes e
dos profissionais de saúde. O presente estudo teve como proposta metodológica a pesquisa
em campo, utilizando-se da abordagem quantitativa, através de freqüência relativa e
porcentagens. A coleta de dados empíricos contou com um questionário com 24 questões,
aplicado a 37 puérperas internadas, no período de fevereiro a março de 2003, em uma
maternidade do município de Araraquara interior do Estado de São Paulo. Após coleta de
dados, os mesmos foram organizados em tabelas e gráficos. A falta de orientação mostrou
ser a principal responsável pelo número de puérperas com fissuras mamilares.

Unitermos: Aleitamento materno; fissura mamária; enfermagem

*Trabalho de Conclusão de Curso apresentado para obtenção do título de Bacharel em


Enfermagem do Centro Universitário de Araraquara – Uniara SP.
**Alunos do 8º semestre do Curso de Graduação de Enfermagem do Centro Universitário de
Araraquara – Uniara SP.
***Orientador - Professor Mestre do Curso de Enfermagem do Centro Universitário de
Araraquara – Uniara SP.
ADESÃO AO TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO ARTERIAL*

Fernanda C. A. de Camargo**
Priscila Cardoso**
Renata Alessandra Evangelista***

RESUMO

A hipertensão arterial que acomete cerca de 10% a 20% da população adulta brasileira,
está relacionada a fatores hereditários e ambientais, é de insidiosa instalação e geralmente
assintomática. Seu controle é difícil, devido à adesão inadequada do paciente ao tratamento,
trazendo repercussões negativas à qualidade de vida, ocasionando aumento da morbidade e
mortalidade por doenças cardíacas e cérebro vasculares, o que aumenta a demanda por
benefícios sociais e leitos hospitalares. O objetivo deste estudo foi verificar a adesão ao
tratamento da hipertensão arterial em indivíduos adultos, através de um levantamento
bibliográfico. Os resultados revelaram que os usuários hipertensos não aderem ao tratamento
anti-hipertensivo, seja através do abandono do tratamento ou do uso irregular e esporádico de
medicamentos, segundo critérios próprios apontados por eles. Medidas de intervenções
educativas, individuais e coletivas, visando à mudança do estilo de vida e à introdução do
tratamento supervisionado poderiam contribuir com a adesão dos hipertensos ao tratamento e,
com isso diminuir a morbi-mortalidade da população suscetível.

Unitermos: Pressão arterial, Hipertensão, Adesão ao tratamento.

*Trabalho de Conclusão de Curso apresentado para obtenção do título de Bacharel em


Enfermagem do Centro Universitário de Araraquara – Uniara SP.
**Alunos do 8º semestre do Curso de Graduação de Enfermagem do Centro Universitário de
Araraquara – Uniara SP.
***Orientador - Professor Mestre do Curso de Enfermagem do Centro Universitário de
Araraquara – Uniara SP.
ASPECTOS EMOCIONAIS DA GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA*

Daniela de Souza Sales**


Elaine Cristina dos Santos**
Janaina Bojikian da Costa Vital**
Jurema Ribeiro Luiz Gonçalves***

RESUMO

O tema sobre gravidez na adolescência, por ser polêmico e estar ocorrendo em alto
índice no Brasil, sendo até considerado um problema de saúde pública e obstetricamente de
alto risco, vem despertando o interesse de muitos estudiosos. Médicos, psicólogos e
educadores, vêm concentrando seus estudos e trabalhos na compreensão dos motivos da
gravidez na adolescência, visando obter recursos para intervenções preventivas e terapêuticas
em suas causas biopsicossociais que vem repercutindo na enfermagem. Contudo, a escolha
pela temática deu-se devido a experiência de uma gravidez não planejada na adolescência,
pelas pesquisadoras, surgindo dificuldades e ansiedades bem como as transformações
gestacionais e etárias simultaneamente aumentando a ansiedade e gerando novas angústias.
Diante do exposto, o objetivo do presente trabalho, é identificar as alterações emocionais da
adolescente grávida. Para tanto, metodologicamente utilizamos a método qualitativo com a
pretensão de estudar os aspectos emocionais da adolescente grávida, levando em consideração
sua situação sócio-cultural, sua sede de apoio tanto material quanto espiritual, entendendo as
gestantes adolescentes como sujeito de sua realidade.

Unitermos: gravidez, adolescência, aspectos emocionais.

*Trabalho de Conclusão de Curso apresentado para obtenção do título de Bacharel em


Enfermagem do Centro Universitário de Araraquara – Uniara SP.
**Alunos do 8º semestre do Curso de Graduação de Enfermagem do Centro Universitário de
Araraquara – Uniara SP.
***Orientador - Professor Mestre do Curso de Enfermagem do Centro Universitário de
Araraquara – Uniara SP.
A PRÁTICA DE INSULINOTERAPIA DOS PORTADORES DE DIABETES
MELLITUS*

Valéria Baruffaldi**
Priscilla Hortense***

RESUMO

O Diabetes Mellitus é definido como uma síndrome clínica que se caracteriza por
anormalidades endócrino - metabólicas decorrentes da deficiência insulínica. O tratamento
substitutivo com insulina exógena visa um controle metabólico o mais próximo possível da
normalidade. A prática inadequada de insulinoterapia pode acarretar complicações agudas e
crônicas decorrentes de descontrole metabólico ocasionado no organismo. Portanto, a
pesquisa teve por objetivo geral conhecer o comportamento de portadores de Diabetes
Mellitus em relação à prática de insulinoterapia e como objetivos específicos: caracterizar os
portadores de Diabetes Mellitus segundo variáveis sócio-demográficas e identificar a prática
de insulinoterapia considerando os cuidados com a técnica de aplicação, cuidados de assepsia,
armazenamento do material e locais de aplicação. O estudo foi realizado no Núcleo de Gestão
Assistencial - 3 Ambulatório de Especialidades, Dr. Francisco Logatti Araraquara. Os sujeitos
da pesquisa foram os portadores de Diabetes Mellitus tipo II assistidos pelo serviço,
insulinodependentes, maiores de 18 anos e mediante autorização através do termo de
consentimento livre e esclarecido. Foi utilizado como técnica para coleta dos dados uma
entrevista já estruturada e validada com perguntas de múltipla escolha. A pesquisa foi de
natureza descritiva, segundo a metodologia quantitativa. Os resultados obtidos apontaram a
necessidade de mais atenção por parte dos profissionais da saúde em atuarem na questão
educativa, realizando orientações coerentes às necessidades manifestadas pelos portadores de
Diabetes tipo II em relação à prática. Sendo assim, foi notada grande divergência nas
respostas referidas na entrevista. A carência de profissionais comprometidos com a educação
e o esclarecimento é o grande responsável pelas divergências encontradas ao longo do estudo.

Unitermos: diabetes mellitus tipo II, insulunoterapia, insulinodependentes.

*Trabalho de Conclusão de Curso apresentado para obtenção do título de Bacharel em


Enfermagem do Centro Universitário de Araraquara – Uniara SP.
**Alunos do 8º semestre do Curso de Graduação de Enfermagem do Centro Universitário de
Araraquara – Uniara SP.
***Orientador - Professor Mestre do Curso de Enfermagem do Centro Universitário de
Araraquara – Uniara SP.
A PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM SOBRE A LIDERANÇA
DO ENFERMEIRO*

Carla Vaz Almeida**


Juraci Teresa Porfirio**
Lídia Helena Santos de Toledo**
Andréa Bernardes ***

RESUMO

Acreditamos que a liderança deva ser colocada em prática em todos os setores


organizacionais, pois assim haverá melhoria na qualidade da assistência. c: Sabe-se que
existem três estilos de liderança, autocrático onde apenas o líder fixa as diretrizes, sem
qualquer participação do grupo; democrática onde as diretrizes são debatidas e decididas
pelo grupo, estimulado e assistido pelo líder; liberal onde existe liberdade completa para
as decisões grupais ou individuais, com participação mínima do líder. O enfermeiro muitas
vezes não desenvolve a liderança dentro de sua equipe exercendo o papel de gerente. Os
objetivos do trabalho foram: Verificar se o enfermeiro é o líder da equipe de enfermagem;
reconhecer os estilos de liderança adotados pelos enfermeiros; verificar o entendimento
dos enfermeiros, técnicos e auxiliares sobre liderar e gerenciar. O presente estudo trata-se
de uma pesquisa de campo, onde foram entrevistados enfermeiros, técnicos e auxiliares de
enfermagem que trabalham em um hospital beneficente da cidade de Araraquara e uma
clínica privada terceirizada que integra um hospital filantrópico do município de São
Carlos. As técnicas utilizadas foi entrevista semi-estruturada, por meio do preenchimento
de um instrumento de coleta de dados segundo Bardin (1997). Através do material
apresentado pudemos identificar, o que hoje se compreende a respeito da temática
liderança. Baseado na análise dos dados, concluímos que grande parte dos profissionais
entrevistados não sabem quais os estilos de liderança existentes, nem o real significado do
tema, porém, acreditam que esse profissional é o verdadeiro líder da equipe. Percebemos
que as organizações consequentemente tendem a ser administrada por gerentes autoritários,
onde as pessoas são motivadas somente quando há interesse pôr parte da instituição, sendo
assim concluímos que os enfermeiros precisam ser educados e conscientizados, para que
no futuro se tornem verdadeiros líderes.

Palavras chave: Liderança, gerenciamento e enfermagem.

*Trabalho de Conclusão de Curso apresentado para obtenção do título de Bacharel em


Enfermagem do Centro Universitário de Araraquara – Uniara SP.
**Alunos do 8º semestre do Curso de Graduação de Enfermagem do Centro Universitário de
Araraquara – Uniara SP.
***Orientador - Professor Mestre do Curso de Enfermagem do Centro Universitário de
Araraquara – Uniara SP.
CARACTERIZAÇÃO DO CONVÍVIO FAMILIAR COM O DOENTE MENTAL
ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DO GRUPO FOCAL*

Ana Carolina Acorinte**


Jurema Ribeiro Luis Gonçalves***

RESUMO

Nos dias atuais, a família é um grupo de interesse no cenário da atenção psiquiátrica


devido às inúmeras mudanças que esse grupo vem vivendo com a inserção do Movimento da
Reforma Psiquiátrica Brasileira. Esse movimento inclui a família no cuidado com o doente
mental como suporte para continuidade do tratamento. Mas o retorno do doente mental à
família pode apresentar-se como um momento ambíguo, onde a família nem sempre está
preparada para esse convívio. Nessa perspectiva de compreender como é a convivência da
família com o doente mental, objetivou-se com este estudo exploratório de abordagem
qualitativa, caracterizar o convívio da família com o doente mental e verificar a aplicabilidade
do grupo focal junto a um grupo de familiares. A caracterização do convívio familiar foi
realizada através da aplicação da técnica de grupo focal, que se configura através de
discussões em grupo de um assunto pré-estabelecido. Os dados foram obtidos por meio de
quatro encontros, realizados em um hospital psiquiátrico, duas vezes por semana, com
duração média de duas horas. A composição do grupo levou em consideração o traço comum
dos participantes: ser familiar que convive com um doente mental. Os dados foram
registrados através da técnica de gravação e diário de campo. O grupo se consolidou com dez
participantes representando quatro famílias distintas. Dentre os sujeitos 80% eram mulheres e
20% homens. Nos achados da pesquisa, após análise dos dados, concluiu-se que a família
possui dificuldades em lidar com a doença mental e suas manifestações, caracterizando esse
convívio como sofrido, sobrecarregado e conflituoso. E quanto à técnica de grupo focal, essa
se mostrou efetiva quanto a sua aplicabilidade, direcionando o grupo a um pensamento crítico
e reflexivo sobre a temática.

Palavras Chaves: família; doente mental; grupo focal.

*Trabalho de Conclusão de Curso apresentado para obtenção do título de Bacharel em


Enfermagem do Centro Universitário de Araraquara – Uniara SP.
**Alunos do 8º semestre do Curso de Graduação de Enfermagem do Centro Universitário de
Araraquara – Uniara SP.
***Orientador - Professor Mestre do Curso de Enfermagem do Centro Universitário de
Araraquara – Uniara SP.
PARIR E NASCER SAUDÁVEL: A IMPORTÂNCIA DA ORIENTAÇÃO PARA A
GESTANTE*

Micheliane Bergamin**
Regiane Figueira Cunali**
Roberta Destéfani Fonari**
Jamile Claro de Castro Bussadori***

RESUMO

Para que uma gestação transcorra com segurança, cabe aos profissionais da saúde
proporcionarem um acompanhamento adequado durante todo o período gestacional visando
uma assistência digna, e assim diminuindo os índices de mortalidade e morbidade materna e
neonatal em nosso país. A construção do auto-conhecimento sobre todo o processo de
desenvolvimento gestacional, e nascimento é determinante na melhora da assistência à mulher
e recém-nascido. Assim através do projeto – “Parir e Nascer Saudável: programa de apoio às
gestantes e puérperas no município de Araraquara” - elaborado e executado pelo Centro
Universitário de Araraquara – UNIARA, em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde
tem-se oferecido às gestantes e suas famílias informações sobre a gestação, parto e puerpério,
durante um curso gratuito, que contempla encontros semanais nas dependências da faculdade
e Unidades Básicas de Saúde do Município. O presente estudo trata-se da avaliação do
projeto. Os dados foram obtidos junto às reuniões de grupo e acompanhamentos às gestantes
que aderiram ao projeto. Como instrumento de coleta de dados foi utilizado a entrevista semi-
estruturada, microgravada, transcrita e organizada para tabulação e análise. Foram sujeitos
deste estudo as primigestas que participaram assiduamente dos encontros. Atingimos as
expectativas e metas almejadas, comprovando que as primigestas que foram estudadas
demonstraram uma mudança no conceito sobre gestação, parto e puerpério. Desta forma o
presente estudo contribuiu para o nosso crescimento pessoal e profissional.

Palavra-chave: Primigestas, Curso de Gestante e Enfermagem.

*Trabalho de Conclusão de Curso apresentado para obtenção do título de Bacharel em


Enfermagem do Centro Universitário de Araraquara – Uniara SP.
**Alunos do 8º semestre do Curso de Graduação de Enfermagem do Centro Universitário de
Araraquara – Uniara SP.
***Orientador - Professor Mestre do Curso de Enfermagem do Centro Universitário de
Araraquara – Uniara SP.