Sei sulla pagina 1di 12

Nasceu em Vila Viçosa, no final do ano de 1894

Põe fim à vida em 8 de Dezembro de 1930


Ser poeta é ser mais alto, é ser maior
Do que os homens! Morder como quem beija!
É ser mendigo e dar como quem seja
Rei do Reino de Aquém e de Além Dor!

É ter de mil desejos o esplendor


E não saber sequer que se deseja!
É ter cá dentro um astro que flameja,
É ter garras e asas de condor!

É ter fome, é ter sede de Infinito!


Por elmo, as manhãs de oiro e cetim…
É condensar o mundo num só grito!

E é amar-te, assim, perdidamente…


É seres alma e sangue e vida em mim
E dizê-lo cantando a toda a gente!
(Florbela Espanca, «Charneca em Flor», in «Poesia Completa»)
Recurso Exemplo Justificação
Expressivo
O exagero surge para
«é ser maior do que destacar a superioridade do
Hipérbole os homens» poeta através da sua
escrita.
Comparação de um gesto
Comparação «Morder como quem agressivo, com outro, que é
beija» suplantado pela ternura de
um beijo apenas porque se
é poetisa.
Recurso Exemplo Justificação
Expressivo
«É ter cá Os sentimentos dentro do peito do
dentro um poeta surgem como um astro que o
Metáfora astro que inflama.
flameja»

Enumeração «É seres alma Apresentação daquilo que o


e sangue e objecto amado significa para a
vida em poetisa.
mim»

Anáfora «É…É…É…» Ajuda a apresentação da


definição.
Ser poeta é ser mais alto, é ser maior a
Do que os homens! Morder como quem beija! b
É ser mendigo e dar como quem seja b
Rei do Reino de Aquém e de Além Dor! a

É ter de mil desejos o esplendor a


E não saber sequer que se deseja! b
É ter cá dentro um astro que flameja, b
É ter garras e asas de condor! a

É ter fome, é ter sede de Infinito! c


Por elmo, as manhãs de oiro e cetim… d
É condensar o mundo num só grito! c

E é amar-te, assim, perdidamente… e


É seres alma e sangue e vida em mim d
E dizê-lo cantando a toda a gente! e
Ser poeta é ser mais alto, é ser maior a
Do que os homens! Morder como quem beija! b
É ser mendigo e dar como quem seja b a- Interpolada
Rei do Reino de Aquém e de Além Dor! a

É ter de mil desejos o esplendor a


E não saber sequer que se deseja! b
É ter cá dentro um astro que flameja, b b - Emparelhada
É ter garras e asas de condor! a

É ter fome, é ter sede de Infinito! c


Por elmo, as manhãs de oiro e cetim… d c /e - cruzadas
É condensar o mundo num só grito! c

E é amar-te, assim, perdidamente… e


É seres alma e sangue e vida em mim d d - Interpolada
E dizê-lo cantando a toda a gente! e
 - Susana Anjo
 - Tiago Ferreira
 - Yana

 9º D