Sei sulla pagina 1di 15
esis Rs / Sia Pia Canc Mars Walia Li Cale ‘Logo, © pensamento teérico difere totalmente do pensamento empirico, que tem cariter externo, imediato, no qualasrepresentagdes geraisestioligadas, diretamente, i atividade pritica ¢ os dados sio obtidos dla atividade sensorial das pessoas. Essa limitacio da teoria empirista do pensamento no ensino dos conceitos cientificos € ressaltada quando a comparamos com as ‘arateristicas do conhecimento tesrco, que “significa generalizacio e conccitos tebricos” (DAVIDOV, 1988, P.3). De acordo com Davidov (1982), 0 conhecimento te6rico constitui o objetivo principal da. atividade de ensino, pois € por meio de sua aquisigio que se cestrutura a formacio do pensamento tedrico e, por consequéncia, o desenvolvimento psiquico da erianca. No entanto, Davidov salienta que: 1988, p, 124-125), Nesse sentido, o desafio que se pac € o de Propor uma organizagio do ensino que nio se limite simplesmente a reforgar 0 desenvolvimento do pensamento empitico, posto que se trata de um tipo de pensamento pautado nos aspectos externos € observiiveis dos objetos ¢ fendmenos ¢, como tal, desenvolve-se independentemente da escolatizagio do sujeito, CAPITULO 4 A Atividade Orientadora de Ensino como Unidade entre Ensino e Aprendizagem Manoel Oriostulde de Mara Quais as possibilidades de a teotia, com base nas pesquisas que as sustentam, orientar as agdes pedagégicas? Essa € uma pergunta que nos parece fundamental para aqucles que tém como atividade principal o ensino, Diante da complexidade dos fenémenos multifacetados que constituem a educagao escolar, & necessirio combater uma visio, muitas ‘vezes naturalizada, segundo a qual essa multiplicidade de fenémenos termina por levar o professor ou os responsaveis pela educagio escolar a se aterem apenas aos fendmenos mais aparentes da educagio escolar, tais ‘como: 0 pouco desempenho escolar dos estudantes, 4 formagio incipiente dos professores, a falta de Mar Oras Eli Spi Pave Dic) Morn avi Vamos Diss motivagio para 0 estudo, a indisciplina e a violéncia jeste capitulo veremos como o conecito de ade (LEONTIEY, 1978, 1983) pode fundamentar cio. do ensino. Trataremos, talvez, de um dos problemas_menos rerdependéncia entre o faremos uma breve retomada sobre os processos de w¢io da cultura humana e o papel do trabalho ituicao dos sujeitos. Em particular, Formagio das f Aa relagio med sujeitos con ‘A natureza particular da atividade de ensino, que é a maxima sofisticacio humana inventada para tar a inclusio dos novos membros de um: ‘grupamento social em seu coleti da responsabilidade dos que espaco de aprendizagem e aps humana elaborada, bem como do m s individuos, metodologicamente, de formas d epropriagio e criagao de ferramentas simbélicas para 0 desenvolvimento pleno de suas potencialidades. mo uma proposti organizacio da atividade de ensino e de aprendiz i que, sustentada pelos pressupostos da teoria histérico- cultural, se apresenta como uma possibilidade para realizar a atividade educativa, tendo por base 0 Sobre 0 conceito e a aprendizagem A apreadizagem, conforme defende Vigotski 115), "pressupde uma natureza social especifica lo qual as exiangas penetra na ia rela ¢ social, mediada tr de internalize (WVIGOTSKI, 2001b). Segundo uicas ia individual) der que a aprendizagem nio ocorre € apenas tomando-se por ba mente, Nas palavras de Leont Essa compreensio sobre © desenvolvimento do psiquismo humano traz implicagoes para as relagdes entre o ensino e a aprendizagem e, mais especificamente, para a funco da intencionalidade no Processo educativo. Segundo Itelson (1979), ‘@ aprendizagem, se chama 220, tradugio nossa) Entre as décadas de 60 e 80 do século passado, Davidov € outros pesquisndores russos.realizaram Pesquisas, por meio da reestruturacio de programas cexperimentais de estudo, que tinham por intencio investigar as condicées *essenciais para dirigit o desenvolvimento psiquico dos escolares, bem como suas possibilidades intelectuais, Ao considerar os pressupostos vigotskianos e da teoria da atividade, Davidov (1988, p.76) dedicou-se a investigagio da atividade de estudo dos escolares em diferentes niveis de ensino, Esse pesquisador considera ‘que “o ingresso na escola marca o comeco de uma nova ‘etapa de vida da crianga, nela muito se modifica tanto no aspecto da otanizagio externa quanto interna”. O ingresso na escola marca, assim, um novo lugat que a 84 ‘cianga ocupa no sistema das relagies sociais. Davidov considera ainda que o ensino, desde as séries iniciais, deve garantir aos estudantes a apropriacio teérica da realidade, sendo essa a esséncia da atividade de estudo. Assim, de acordo com os pressupostos de Leontiex, cle entende a atividade de estudo como a atividade dominante da crianca em idade escolar. ‘A unidade fundamental da atividade de estudo para Davidov éa tarefa de estudo que tem por fnalidade a transformagio do proprio sujeito, transformagio essa que no é possfvel fora das agdes objetais que este realiza, A compreensio das tarefas de estudo pelo estudante esti associada 4 generalizagio teérica, © contetido da atividade de estudo as formas ele da consciéncia social — como a ciéncia, a arte e a ética — , ou seja, 0 conhecimento tebrico. ‘Assim, pois, o conteside principal da aividade de estado € a assimllagio dos peocedimentos generaizados. de cio na esfera dos conesitos cientificos © mudangas _qualitaivas no desenvolvimento. ‘ocorrem sobre essa base (DAVIDOV, 1987, p. 324). Também compéem a atividade de estudo as agdes de estudo, Para Davidov (1987), sio as ages de estudo que permitem ao estudante ter condigées de individualizar relagdes gerais, identificar idéias-chaves, da area de conhecimento, modelar relagdes, dominar procedimentos de passagem das relagdes perais & sua coneretizagio vice-versa. O' outro componente da atividade de estudo sio as agées de autoavalingio regulagio. FE. por meio dessas ages que o estudante estar apto a avaliar suas préprias condigdes no inicio de'seu trabalho, seu percurso ¢ os resultados alcancados no decorrer da atividade. 85