Sei sulla pagina 1di 2

WEBER, Max. Conceitos Sociológicos Fundamentais. In: Economia e Sociedade.

São Paulo:
Imprensa Oficial, 1999, pp. 3-35.

Verbetes essenciais: [ação] [ação social] [agente] – onde?

1. Conceito da Sociologia e do “sentido” da ação social

Verbete: [sociologia] [ação] [ação social]

Na definição weberiana Sociologia seria “uma ciência que pretende compreender


interpretativamente a ação social e assim explicá-la causalmente em seu curso e em seus efeitos.”
“Ação”, neste caso, se refere ao comportamento humano relacionado por seu agente de forma
subjetiva. “Ação social”, por sua vez, não é voltada para si, mas orientada pelo comportamento de
outros. (pg. 3)

I. Fundamentos metodológicos

Verbete: [sentido]

Sentido é subjetivamente visado em duas situações, num caso historicamente dado e


próprio a um agente ou numa quantidade de casos dados por agentes, e num tipo puro
conceitualmente, concebido pelo agente (ou agentes) ditos típicos. Weber distancia de um sentido
objetivamente “correto” ou sequer “verdadeiro” (obtido por indagação metafísica). (pg. 4) “Nisso
reside a diferença entre as ciências empíricas da ação, a Sociologia e a História, e todas as ciências
dogmáticas, a Jurisprudência, Lógica, a Ética e a Estética, que pretendem investigar em seus
objetos e sentido ‘correto’ e ‘válido’.”

II. Conceito de ação social

8. Conceito de luta (p. 23)

Verbete: [luta] [concorrência] (Também no ficho de R. Aron, pg. 7) [seleção] [seleção social]
[seleção biológica]

“Uma Relação social denomina-se de luta quando as ações se orientam pelo propósito de
impor a própria vontade contra a resistência do ou dos parceiros.” Seriam determinados entre
“pacíficos” – cujos meios de luta não constituem violência física efetiva – ou aqueles que são. “A
luta ‘pacífica’ é ‘concorrência’ quando se trata da pretensão formalmente pacífica de obter para si
o poder de disposição sobre oportunidades desejadas também por outras pessoas. Há a
“concorrência regulada”, quando a pretensão de múltiplas partes é regulada ordenadamente.

Não obstante, à luta pode ser atribuída a definição de “seleção” – quando se dá pelas
possibilidades de viver ou sobreviver e não é dirigida contra outros indíviduos. Podendo ser esta
uma “seleção biológica” (sobrevivência do patrimônio genético) ou “seleção social” (possibilidades
que pessoas concretas têm na vida). Seria a luta latente da existência humana, como explicita.
Sobre as formas de luta e a suas mais distintas transições são passíveis de menção: a luta
sangrenta, o combate cavaleiriço regulado, o desafio esportivo, a disputa pelos favores de uma
mulher, a luta comercial submetida à ordem do mercado ou a campanha eleitoral. “A separação
conceitural da luta [não] violeta justifica-se pela peculiaridade de seus meios normais e pelas
consequências sociológicas particulares que acarreta e que resultam destes meios.”

A tendência é que a luta ou a concorrência levem à “seleção”, e somente devemos falar de


“luta” quando efetivamente existe uma situação de concorrência, pois também é inevitável a luta
na seleção, tratando primordialmente da seleção biológica. Não há fim determinado para a
seleção, devido ao fatores globais e “eternos”.

No entanto, por vezes as situações não se resumem à luta e à concorrência ou até mesmo
determinadas à “seleção”, como compreendemos na “seleção social”. “O conceito de ‘seleção
social’, como tal, nada mais significa do que determinados tipos de comportamento e,
eventualmente, qualidades pessoais tem preferência quando se trata da possibilidade de entrar
em determinada relação social.”

Por fim, “Cabe distiguir, naturalmente, entre a luta do indivíduo pelas possibilidades de
vida e de sobrevivência e a ‘luta’ e a ‘seleção’ das relações sociais. No caso destas últimas, esses
conceitos só podem ser empregados em sentido figurado, pois as ‘relaçõs’ existem apenas como
ações humanas de determinado sentido. Uma ‘seleção’ ou ‘luta’ entre elsa significa, portanto, que
determinada espécie de ação, como o tempo, é suplantada por outra, seja das mesmas pessoas,
seja de outras.” [Complementar com as linhas finais subsequentes, ainda confusas sem a leitura
completa do texto]