Sei sulla pagina 1di 19

Centro Universitário de Patos de Minas – UNIPAM

Curso de Nutrição
Disciplina: Nutrição Materno-Infantil
Profa: Dr. Danielle Raquel Gonçalves

Fisiologia digestiva do lactente


 Capacidade digestiva do lactente

- Digestão de proteínas:

- Absorção intestinal de AA, desenvolve precocemente; no final da


gestação = completamente maduros

- Recém-nascido? 80 a 90% do N é absorvido

- Enzimas digestivas têm menor atividade do que no adulto


- A digestão gástrica de PTN é menos atuante que a
pancreática
- Digestão de proteínas:

- Absorção de PTN intactas (pinocitose) → 2 e 4 semanas de vida


Jejunal

• Vantagem: Permite passagem de IgG pelo estômago e duodeno

• Desvantagem: passagem de PTN alergênicas (leite de vaca)

- 6 meses aos 2 anos:


A digestão PTN do lactente se aproxima do adulto
 Capacidade digestiva do lactente

- Digestão de gorduras:

- Baixa concentração de sais biliares e atividade da lipase


pancreática - 5% (comparado a adultos)

- Digestão gástrica exerce maior função:

- pH gástrico básico e tempo de esvaziamento gástrico:


favorecem a ação das lipases lingual e gástrica

- Hidrolise de TCM e TCC → AG absorvidos no estômago


- Digestão de gorduras:

• Leite materno:
- lipase lipoprotéica e lipase estimulada por sais biliares

- Recém-nascido a termo: absorve 71-95% gordura do leite materno

- Leite de vaca ≠ composição de gordura: 20% eliminada pelas fezes


- ácidos graxos saturados + Ca = sabões de Ca – lúmen intestinal
- maior excreção de Ca; fezes endurecidas

- Fórmulas: compostas por TCM – fácil hidrólise


 Capacidade digestiva do lactente

- Digestão de carboidratos:

- Baixa concentração de amilase salivar – mas, atividade atuante (pH)

- Recém-nascido: não produz lipase pancreática

< 6 meses apresenta pouca atividade, com aumento crescente

- Inclusão do amido na alimentação – provoca diarreia,


cólicas e danos à mucosa intestinal da criança

• O lactente de 1 a 5 meses:
- digere 10 a 25g de amido por dia (glicoamilase)
- Digestão de carboidratos:

- O leite humano contém amilase


- Passa intacta pelo estômago segue até intestino delgado

- As dissacaridases estão todas ativas ao nascer


→ maltase, sacarase e lactase

- A lactose do leite humano (β-lactose) é absorvida mais lentamente


do que a do leite de vaca (α-lactose) – jejuno e cólon – flora bífida

• Prematuros: pode apresentar menor capacidade de hidrolisar a


lactose – enzimas imaturas
 Capacidade digestiva do lactente

- Absorção de vitaminas e minerais:

- Não há relatos de má utilização das vitaminas no inicio da vida

- Alta absorção da vitamina A do leite humano → lipase (estearase)

- Absorção do folato → mais baixa do que no adulto


↓ concentração do fator intrínseco → reduzir absorção vit. B12
- Absorção de vitaminas e minerais:

- Absorção Ca → mais baixa do que em adultos com [baixa]


Ca do leite materno → melhor disponibilidade

- Absorção Fe → mais eficiente que em a crianças maiores e adultos


Fe do leite materno → melhor disponibilidade
 Capacidade digestiva do lactente

- Absorção de água e eletrólitos:

- Maior permeabilidade da mucosa intestinal


→ maior o risco de desequilíbrio hídrico e eletrolítico
 Flora intestinal do lactente:

Flora vaginal e pele materna

Flora ambiental

Inoculação inicial no intestino do neonato

Dieta

Aleitamento materno Aleitamento artificial

↑ Bifidobactérias ↓ Bifidobactérias
↓ Enterobactérias ↑ Enterobactérias
 Formação e eliminação fecal

• Primeiras 24 h – eliminação do mecônio: fezes escuras e pegajosas


- Resíduos de secreção intestinal (bile)
- Substâncias contidas no líquido amniótico (descamação cutânea)

• 3 a 4 dias de vida – fezes mais claras; coloração esverdeada

• 10 dias de vida – fezes apresentam características de acordo com o


tipo de alimentação
- Crianças amamentadas ao seio: fezes mais moles, mais frequentes,
de cor amarelo-mostarda e odor ácido

- Crianças alimentadas com leite de vaca ou fórmula: fezes mais


firmes, menos frequentes, de coloração amarelo claro e odor forte

• 6 meses a 2 anos – fezes mais escuras e sólida, semelhante a do


adulto
- Evacuações:

• 3 a 4 meses de vida – ato reflexo (durante ou pós mamada)


– cinco a sete vezes/dia

• Final 1º ano – uma vez/dia (após a primeira mamada)

• Após 2 anos de idade – consciência e controle do esfíncter


 Cólicas intestinais do recém-nascido

- Ocorrência: 10 a 30% dos lactentes


- choro inconsolável e irritabilidade
- surge após 15 dias de vida, e dura até final 3º mês

• Possíveis causas:

- hipersensibilidade à dieta da mãe (couve, repolho, cebola, alho)


- excesso de gás
- imaturidade do TGI
- hipermotilidade intestinal
- imaturidade neuro-hormonal
- interação afetiva entre a criança, os pais e o ambiente esterno
• Medidas preventivas e de controle das cólicas:

- reduzir a aerofagia e favorecer a eructação.


- manter o ambiente calmo
- procurar acalmar a criança, evitar a superestimulação
- eliminar da dieta alimento suspeito de hipersensibilidade (teste)
- calor e massagem abdominal
- tranquilizar a mãe

• Medicamentos antiespasmódicos ou antiflatulentos: ineficazes


e expõe o recém-nascido à toxicidade
 Função hepática

- Principais limitações:

- Menor capacidade de conjugar a bilirrubina com ácido


glucurônico → risco de hiperbilirrubinemia, danos neuronais

- Menor síntese dos fatores necessários à coagulação normal


(fatores V11, X e V) → risco de hemorragia; suplementar com vit. K

- Menor capacidade de metabolizar aminoácidos (Met-Cis, Fen-


Tir) → pode necessitar de suplementação

- Menor gliconeogênese (alanina - glicose), especialmente em


prematuros → maior risco de hipoglicemia
 Função renal

• Capacidade funcional imatura nos primeiros meses de vida


(principalmente no prematuro), ocasionam menor:
- velocidade de filtração glomerular
- capacidade de concentração urinária
- fluxo de urina
- tolerância a sobrecarga de eletrólitos e proteína

- Tolerância limitada – eletrólitos (Na, Cl, K, P e PTN) → risco de


desidratação hipertônica

→ menor capacidade de excretar íons H – risco de acidose


 Alterações metabólicas

• Período fetal:
- Provimento materno de energia e de micronutrientes
- Armazenamento energético (glicogênio hepático e muscular)

• Período entre o parto e a primeira mamada:


- Mobilização das reservas de energia (dentro de 12h)

• Amamentação:
- Maior ingestão de gordura e menor ingestão de CHO
→ Recém-nascido – desenvolvimento das rotas metabólicas
para oxidação de ácidos graxos e neoglicogênese