Sei sulla pagina 1di 2

FICHAMENTO 5: BERGER, Peter. A sociologia como disciplina humanística.

In: Perspectivas Sociológicas: uma visão humanística. Petrópolis: Vozes,


1976.

Nascido no ano de 1929, Peter Ludwig Berger foi um sociólogo e


professor austro-americano. Sua maior dedicação científica, no entanto,
aparece no campo da sociologia da religião, que lhe define também como um
teólogo laico. Em seu livro, “Perspectivas sociológicas: uma visão humanística”,
de 1963, Berger dirige-se a um amplo público: aos leigos em sociologia e aos
estudantes. Pois ele evita o jargão técnico, introduzindo sobre o modo de
pensar próprio da sociologia seus métodos de investigação, teorias clássicas
e vários teóricos da segunda metade do século XX, representantes da
sociologia contemporânea.

No último capítulo de seu livro, “A Sociologia como Disciplina


Humanística”, Berger trata de métodos sociológicos, pontua a necessidade da
comunicação da sociologia e outras disciplinas que investigam a condição
humana, como a história e a filosofia, e procura caracterizar a sociologia como
disciplina humanística.

“Seria de maior conveniência que a sociologia não se fixasse numa atitude de


cientificismo circunspecto, cego e surdo às palhaçadas do espetáculo social.
Se agir assim, a sociologia poderá vir a adquirir uma metodologia infalível,
apenas para perder o mundo dos fenômenos que se dispusera a explorar.
Destino tão triste quanto o do mágico que finalmente descobriu a fórmula que
libertará o poderoso gênio da garrafa, mas que esqueceu o que lhe queria
pedir”.
(p. 183).

Quanto ao ponto de vista metodológico e à própria atividade científica da


sociologia, o indivíduo deve orientar-se pelo objeto principal das humanidades
-- a própria condição humana -- o que implica em largueza de espírito e
universalidade de visão. Justificando assim, a presença da sociologia em todos
os currículos das escolas modernas, afirma o autor:

“Julgamos que o ensino da sociologia se justifica na medida em que educação


liberal tenha mais que uma mera ligação etimológica com libertação intelectual.
Onde não haja essa ideia, onde a educação seja vista em termos puramente
técnicos ou profissionais, que a sociologia seja riscada do currículo. Ela só
servirá para atrapalhar o curso normal deste currículo, desde, é claro, que a
sociologia não tenha sido emasculada de acordo com o ‘ethos’ educacional que
prevalece em tais situações, entretanto [...] a sociologia é justificada pela
convicção de que é melhor estar consciente do que inconsciente e que a
consciência é uma condição de liberdade”.
(p. 193).

No momento da conscientização, Peter salienta que realmente é


possível nos vermos como fantoches. Porém, percebemos uma diferença
decisiva entre o teatro de bonecos e o nosso próprio drama. Ao contrário dos
bonecos, possuímos a possibilidade de interromper nossos movimentos,
olhando à diante e “divisando” o mecanismo que nos moveu. E neste ato, é
possível constituir assim, o primeiro passo para a liberdade e encontrar a
justificativa definitiva da sociologia como uma disciplina humanística.

Com essas palavras de conteúdo profundamente político, o autor conclui


a sua obra que, diga-se de passagem, provavelmente convencerá a todos os
leitores de que a sociologia é efetivamente “um mundo sério” e que exige de
todos aqueles que a compreendem mais do que a mera participação como
fantoche, mas como ser humano transformador participante no drama da
sociedade. Longe dos debates acadêmicos e academicistas, preocupados com
“teoria pura”, com “metodologia” e com aparentes “problemas sociais”, o autor
procura caracterizar o mundo da sociologia — o sociólogo e a sociologia — ,
como algo que está preocupado em realmente compreender o comportamento
humano, frisando a função da sociologia primordialmente como humanização
do mundo. Trata-se efetivamente de uma das melhores introduções à
sociologia existentes na língua pátria.