Sei sulla pagina 1di 108

Aula 01

SUM£RIO

1 ConsideraÁıes Iniciais

2

2 - CaracterÌsticas dos Direitos Humanos

2

2.1 - Superioridade Normativa (e norma jus cogens)

3

2.2 - Historicidade

5

2.3 - Universalidade

6

2.4 - Relatividade

9

2.5 - Irrenunciabilidade

10

2.6 - Inalienabilidade

11

2.7 - Imprescritibilidade

12

2.8 InterdependÍncia (ou complementariedade)

13

2.9 - Car·ter erga omnes

15

2.10 - Exigibilidade

15

 

2.11 - Abertura

16

2.12 - Aplicabilidade imediata (efetividade)

17

2.13 - Dimens„o objetiva

18

2.14 - ProibiÁ„o do retrocesso (efeito cliquet)

19

2.15 - Efic·cia horizontal

20

3 - Dimensıes dos Direitos Humanos

22

3.1 - Primeira Dimens„o dos Direitos Humanos

23

3.2 - Segunda Dimens„o dos Direitos Humanos

24

3.3 - Terceira Dimens„o dos Direito Humanos

25

3.4 - Quarta e Quinta Dimensıes dos Direitos Humanos

26

4 - AfirmaÁ„o histÛrica dos Direitos Humanos

32

4.1 -

PerÌodo Axial

33

4.2 - Reino DavÌdico, Democracia Ateniensee e Rep˙blica Romana

34

4.3 - Baixa Idade MÈdia

34

4.4 - SÈculo XVII

35

4.5 - IndependÍncia Americana e RevoluÁ„o Francesa

36

4.6 - Reconhecimento dos Direitos Humanos sociais de car·ter econÙmico e social

37

4.7 - Primeira fase de internacionalizaÁ„o dos Direitos Humanos

38

4.8 - EvoluÁ„o dos Direitos Humanos a partir de 1945

38

Direitos Humanos 38 4.8 - EvoluÁ„o dos Direitos Humanos a partir de 1945 38 5 に

Aula 01

5.1 Lista de Questıes sem Coment·rios

40

5.2 Gabarito

58

5.3 Lista de Questıes com Coment·rios

59

6 Resumo

104

7 - ConsideraÁıes Finais

108

TEORIA GERAL DOS DIREITOS HUMANOS

1 CONSIDERA«’ES INICIAIS

Em sequÍncia aos nossos estudos, veremos na aula de hoje os seguintes tÛpicos:

CaractÈristicas

Dimensıes

AfirmaÁ„o HistÛtica

S„o trÍs temas centrais, bastante incidente em provas de concurso p˙blico. Portanto, m·xima atenÁ„o!

2 - CARACTERÕSTICAS DOS DIREITOS HUMANOS

Em raz„o da consolidaÁ„o dos Direitos Humanos no estudo do Direito Internacional P˙blico, por meio da ediÁ„o de in˙meros tratados internacionais, hoje È possÌvel enumerar diversas caracterÌsticas que permeiam o estudo da nossa matÈria.

Estudar essas caracterÌsticas tem por finalidade permitir conhecer o atual est·gio de desenvolvimento da proteÁ„o dos Direitos Humanos na esfera internacional e as respectivas consequÍncias da aplicaÁ„o interna dos Direitos Humanos no ordenamento jurÌdico brasileiro.

A quantidade e o n˙mero de caracterÌsticas variam para cada doutrinador. NÛs vamos tratar daquelas caracterÌsticas que tem sido cobrada em prova como tais. Eventualmente, vocÍ poder· encontrar algumas outras caracterÌsticas em manuais que optamos por n„o trazer, porque n„o cobradas.

AlÈm disso, vocÍ notar· que muitas dessas caracterÌsticas s„o intuitivas e est„o relacionadas umas ‡s outras. Para facilitar a memorizaÁ„o, ao final de cada an·lise, selecionamos as principais informaÁıes e as sistematizamos em um esquema que vocÍ guardar· para a prova!

an·lise, selecionamos as principais informaÁıes e as sistematizamos em um esquema que vocÍ guardar· para a

Aula 01

s„o as normas imperativas de direitos humanos, porÈm, apresentou, ao longo de seu texto, alguns exemplos como a proibiÁ„o do uso da forÁa, a autodeterminaÁ„o dos povos e alguns crimes internacionais como o genocÌdio e a tortura. Assim, o que definir· norma jus cogens È a pr·tica internacional reiterada de forma generalizada e prolongada no tempo, o que resulta em convicÁ„o de obrigatoriedade (costumes internacionais).

Segundo AndrÈ Carvalho Ramos 1 , os direitos de primeira dimens„o direitos de liberdade, civis e polÌticos s„o jus cogens. O autor vai alÈm, afirmando que todos os direitos fundamentais deveriam ser considerados jus cogens. Nesse contexto, conclui:

H· incessante atividade de reconhecimento da qualidade de jus cogens de diversos direitos fundamentais pelos デヴキH┌ミ;キゲ キミデWヴミ;Iキラミ;キゲ Iヴキ;Sラゲ ヮWノラゲ ヮヴルヮヴキラゲ Eゲデ;Sラゲざが SW マ;ミWキヴ; ケ┌W さミラ a┌デ┌ヴラが ; ミ;デ┌ヴW┣; SW ミラヴマ; imperativa ser· reconhecida a todos os direitos humanos, sem qualquer distinÁ„o.

O reconhecimento de direitos humanos como normas jus cogens depende efetivamente dos

costumes e da evoluÁ„o da sociedade.

Para fins de provas, devemos ter em mente que os tratados e convenÁıes internacionais que disciplinam direitos humanos caracterizam-se por serem normas jus cogens, s„o imperativas. Na hipÛtese de descumprimento, devem ser aplicadas as sanÁıes previstas no prÛprio tratado internacional.

Contudo, para alÈm da quest„o dos tratados internacionais assinados, permanece o questionamento em relaÁ„o aos Estados que n„o aderem a essas normas internacionais. Em relaÁ„o a esses paÌses, nada poderia ser feito, mesmo diante de graves violaÁıes de direitos humanos?

O que temos hoje, de concreto, È posicionamento de que quando houver violaÁıes sistem·ticas (ou massivas) de direitos humanos, em raz„o do car·ter jus cogens das normas de direitos humanos, elas podem ser exigidas, independentemente de haver assinatura de tratado internacional especÌfico (mecanismos n„o convencionais). Por exemplo, se determinado Estado ameaÁa a paz e a seguranÁa nacional, a ONU poder· adotar medidas coercitivas. Nesse ponto, temos que as normas

de direitos humanos constituem verdadeiras normas costumeiras, que se impıem perante todos,

independentemente de terem participado da assinatura de determinado tratado ou convecÁ„o

internacional.

Para a prova:

SUPERIORIDADE NORMATIVA (JUS COGENS)

Existem normas de direitos humanos que s„o hierarquicamente superiores no ordenamento internacional (conceito).

A superioridade dos Direitos Humanos È, ao mesmo tempo, superior materialmente (de conte˙do) e formal (em raz„o da imperatividade).

Como regra, as normas os tratados e convenÁıes internacionais de direitos humanos s„o normas jus cogens em relaÁ„o aos Estados signat·rios (mecanismos convencionais). Aplica-se, de acordo com a doutrina, a direitos humanos de todas as dimensıes.

1 RAMOS, AndrÈ de Carvalho. Teoria Geral dos Direitos Humanos na Ordem Internacional. (vers„o eletrÙnica).

1 RAMOS, AndrÈ de Carvalho. Teoria Geral dos Direitos Humanos na Ordem Internacional . (vers„o eletrÙnica).

Aula 01

Quando houver violaÁıes sistem·ticas (ou massivas) de direitos humanos capaz de abalar a seguranÁa e a paz internacionais os organismos internacionais podem impor medidas coercitivas por violaÁıes de normas de direitos humanos consolidadas como costumes internacionais, ainda que o Estado violador n„o tenha participado da assinatura do tratado internacional.

2.2 - HISTORICIDADE

A historicidade traduz o fato de que os Direitos Humanos decorrem de um processo de formaÁ„o

histÛrica, de modo que, com o tempo, os direitos humanos surgem e se solidificam em raz„o das lutas da sociedade em defesa da dignidade da pessoa.

Assim, n„o podemos afirmar que o conjunto de direitos que compıe nossa matÈria surge em determinado momento fixo. Pelo contr·rio, eventos como a RevoluÁ„o Francesa e as grandes Guerras Mundiais foram marcantes para o surgimento gradual e para a expans„o de direitos humanos.

A historicidade È base para o estudo das dimensıes (ou geraÁıes) dos Direitos Humanos.

Um aspecto interessante, relacionado com a historicidade, È a discuss„o acerca da relaÁ„o entre o Direito Natural e os Direitos Humanos. Sabemos que um dos fundamentos dos direitos humanos È

a concepÁ„o jusnaturalista, que entende que os direitos humanos buscam sua origem no Direito

Natural. Sabemos tambÈm que a principal crÌtica ao jusnaturalismo como fundamento È o fato de

n„o se adequar ‡ ideia de historicidade!

consideraÁıes acerca do Direito Natural. Todavia, devemos

compreender que o Direito Natural traduz um conjunto de normas fundadas na natureza das coisas, trata-se de um direito ideal, acima de todas as leis, integrado por regras e por princÌpios que objetivam ‡quilo que È justo e correto, tendo por finalidade legitimar as leis positivas. Assim, toda ConstituiÁ„o, toda lei, todo tratado internacional como diplomas normativos deve partir do Direito Natural (fundamento de legitimidade). Em raz„o disso, a doutrina afirma que o Direito

Natural È fixo, absoluto, universal e atemporal.

… exatamente esta ˙ltima caracterÌstica (atemporalidade) que nos interessa! Afirma-se que o Direito Natural, em raz„o de estar acima do direito positivo de cada Estado, se relacionaria com os Direitos Humanos. Isso, hoje, n„o È considerado correto! Acabamos de estudar que os Direitos Humanos s„o histÛricos, fruto do desenvolvimento da sociedade, que se constroem e se solidificam com o tempo. Por outro lado, vimos, tambÈm, que o Direito Natural È atemporal, sempre existiu e sempre existir· independentemente do momento histÛrico. Notem que as duas coisas n„o se equivalem.

Os direitos naturais s„o inatos, cabendo a cada Estado, por meio de suas normas, declar·-los. Essa ideia n„o se aplica aos Direitos Humanos, que surgiram com o lento evoluir da sociedade, como se percebe ao estudar a pater histÛrica da matÈria (afirmaÁ„o histÛrica dos direitos humanos).

Esses conceitos e a correta compreens„o da evoluÁ„o dos Direitos Humanos ser„o analisados ainda na presente aula, quando tratarmos da afirmaÁ„o histÛrica dos Direitos Humanos.

Por ora, lembre-se:

DIREITO“ HUMANO“ Ю DIREITO“ NATURAI“

N„o vamos aqui tecer maiores

dos Direitos Humanos. Por ora, lembre-se: DIREITO“ HUMANO“ Ю DIREITO“ NATURAI“ N„o vamos aqui tecer maiores

Aula 01

Para arrematar, vejamos o que nos ensina Rafael Barreto 2 :

Aquilo que È natural È atemporal, sempre esteve l·, e n„o È isso que ocorre com os direitos humanos, que s„o fruto de um longo passar de anos. Basta indagar a escravos se a liberdade sempre esteve l·, a torturados se a proibiÁ„o de tortura sempre esteve l· para que se perceba o equÌvoco dessa compreens„o.

A caracterÌstica da historicidade È t„o importante que os estudiosos a consideram como uma das

caracterÌsticas fundamentais dos Direitos Humanos.

HISTORICIEDADE

Os Direitos Humanos decorrem de formaÁ„o histÛrica, surgindo e se solidificando conforme a evoluÁ„o da

sociedade (conceito)

Base para o estudo das dimensıes dos Direitos Humanos.

2.3 - UNIVERSALIDADE

O debate que envolve a universalidade, em Direitos Humanos, È: ser universal na diversidade. Trata-

se de um desafio da sociedade internacional que objetiva interpretaÁıes comuns aos mais diversos temas da sociedade como direito ‡ vida, ao aborto, a transplantes de Ûrg„os, a arquivos secretos etc.

Caro aluno, entendeu? N„o?! Calma, logo entender·!

A universalidade È uma caracterÌstica t„o discutida pelos estudiosos que a partir dela podem ser identificadas duas correntes: universalistas e relativistas.

áミ;ノキゲ;ヴ Wゲゲ;ゲ IラヴヴWミデWゲ Wミ┗ラノ┗W ; SキゲI┌ゲゲ?ラ ゲラHヴW さ┌ミキ┗ersalismo e relativismo cultural (ou マ┌ノデキI┌ノデ┌ヴ;ノキゲマラぶざく

De acordo com a doutrina universalista, os direitos humanos podem ser compreendidos em dois sentidos distintos:

Os Direitos Humanos destinam-se a todas as pessoas, independentemente de suas caracterÌsticas pessoais, culturais, sociais ou econÙmicas. N„o h· que se falar em qualquer forma de discriminaÁ„o para saber se s„o, ou n„o, aplic·veis os Direitos Humanos.

Os Direitos Humanos abrangem todos os territÛrios, todos os paÌses, todas as sociedades. Podemos afirmar que os Direitos Humanos possuem validade em qualquer local deste planeta, n„o havendo limitaÁıes territoriais.

qualquer local deste planeta, n„o havendo limitaÁıes territoriais. 2 BARRETTO, Rafael. Direitos Humanos , p. 26.

Aula 01

Diz-se, portanto, que os Direitos Humanos s„o universais, pois se aplicam a todas as pessoas em qualquer lugar do mundo!

Conforme leciona Rafael Barreto 3 ,

A universalidade pode ser ilustrada na DeclaraÁ„o Universal dos Direitos Humanos, que enuncia direitos comuns

a todos os homens pela simples condiÁ„o humana, sem nenhuma discriminaÁ„o, e que afirma que todos os seres

humanos integram uma famÌlia ˙nica a famÌlia humanidade -, merecedora de respeito e dignidade de todos os

lugares.

Por outro lado, os relativistas se contrapıem ‡ ideia de universalidade, afirmando, em sÌntese:

È possÌvel observar, na pr·tica, divergÍncias nos julgamentos morais entre as mais diversas sociedades devido ‡s diferenÁas culturais, polÌticas e sociais;

as divergÍncias possuem um sentido ou validade fora do seu contexto social particular; e

n„o h· julgamentos morais justific·veis fora de contextos culturais especÌficos.

Conclui-se que, segundo os relativistas, apesar de ser possÌvel compartilhar valores, n„o h· como justificar superioridade de um valor ou de uma cultura em relaÁ„o ‡s outras, pois todas merecem igual consideraÁ„o.

Sobre o tema, discorre Sidney Guerra 4 :

Para os defensores do relativismo cultural, os direitos humanos devem ser analisados em um contexto histÛrico, polÌtico, econÙmico, moral e, por Ûbvio, cultural, isto È, os direitos humanos devem ser concebidos de acordo com os valores existentes em determinado Estado e n„o podem ser definidos em escala global.

(FCC/TRT3™R/2015) No ‚mbito dos Direitos Humanos observa-se que, historicamente, h· um movimento de dividir a sociedade de forma dicotÙmica caracterizando os seres humanos em normais e anormais, iguais e diferentes entre outras nomenclaturas estigmatizantes. Nessa lÛgica,

a) as diferenÁas sociais n„o podem ser caracterizadas como elementos estigmatizantes.

b) esta caracterizaÁ„o por oposto representa de forma natural as diferenÁas na sociedade.

c) por se tratar de uma construÁ„o histÛrica, n„o h· mecanismos que possam mud·-la.

d) os estigmas s„o parte constitutivas das sociedades contempor‚neas.

e) ao dividir a sociedade de forma dicotÙmica, reforÁa os processos de exclus„o e segregaÁ„o

social.

Coment·rios

3 BARRETTO, Rafael. Direitos Humanos, p. 28.

4 GUERRA, Sidney. Direitos Humanos: curso elementar. 2™ ediÁ„o, 2014, p. 292.

Rafael. Direitos Humanos , p. 28. 4 GUERRA, Sidney. Direitos Humanos: curso elementar . 2™ ediÁ„o,

Aula 01

A quest„o acima È interessantÌssima, pois envolve a discuss„o acerca do relativismo cultural. Um dos efeitos causados pela pretens„o de se universalizar os Direitos Humanos È tornar homogÍneas concepÁıes muito distintas, h·bitos e culturas totalmente opostas.

Em face disso, o efeito gerado È inverso. Ao invÈs de se conseguir a proteÁ„o dos Direitos Humanos, h· uma cis„o na sociedade com a discriminaÁ„o de minorias. Formam-se as dicotomias, que podem levar ‡ formaÁ„o de estigmas.

Assim, ao analisarmos as alternativas concluÌmos que essa dicotomizaÁ„o estigmatizante leva ‡ exclus„o e segregaÁ„o sociais, o que torna a alternativa E a correta e gabarito da quest„o.

UNIVERSALISMO

RELATIVISMO

a correta e gabarito da quest„o. UNIVERSALISMO RELATIVISMO Os direitos humanos destinam-se a todas as pessoas

Os direitos humanos destinam-se a todas as pessoas e abrangem todos os territÛrios.

As concepÁıes morais variam de acordo com as diversas sociedades.

morais variam de acordo com as diversas sociedades. N„o se deve desconsiderar as diferenÁas, mas com

N„o se deve desconsiderar as diferenÁas, mas com respeito ‡s particularidades, objetiva-se encontrar um modo de proteger a condiÁ„o humana, independentemente do sexo, da cor, da religi„o ou das condiÁıes econÙmicas e sociais.

As diferenÁas n„o residem apenas na pessoa em si, ou seja, na condiÁ„o humana, mas no contexto social perante o qual est„o inseridos.

mas no contexto social perante o qual est„o inseridos. N„o existe como justificar a concepÁ„o moral

N„o existe como justificar a concepÁ„o moral da pessoal desprendido do contexto no qual ela est· inserida.

O conflito entre universalistas e relativistas ficou patente na elaboraÁ„o da DeclaraÁ„o Universal dos Direitos Humanos (DUDH), os paÌses questionaram a redaÁ„o de alguns direitos, desqualificando a ideia de que haveria um consenso em relaÁ„o a determinados direitos humanos. Surgiu debate no sentido de que a DUDH constitui imposiÁ„o de pensamento de paÌses ocidentais hegemÙnicos, n„o contemplando a vis„o de povos asi·ticos e africanos.

Em crÌtica ao universalismo, a doutrina relativista argumenta 5 :

Partindo sempre de um ponto de vista particular, que envolve a comunidade, a doutrina relativista concebe uma sÈrie de crÌticas ‡ concepÁ„o universalista dos direitos humanos, por exemplo, que a noÁ„o de direitos humanos contrapıe-se ‡ noÁ„o de deveres proclamados por muitos povos; o conceito de direitos humanos leva em

5 GUERRA, Sidney. Direitos Humanos: curso elementar, p. 291.

por muitos povos; o conceito de direitos humanos leva em 5 GUERRA, Sidney. Direitos Humanos: curso

Aula 01

consideraÁ„o uma vis„o antropocÍntrica do mundo, que n„o È compartilhada por todas as culturas; o car·ter ocidental da vis„o dos direitos humanos, que pretende ser geral e imperialista; a falta de ades„o formal por parte de muitos Estados aos tratados de direitos humanos ou a falta de polÌticas comprometidas com tais direitos, o que seria indicativo da impossibilidade do universalismo.

Assim, a compreens„o mais correta de universalidade dos direitos humanos remete ‡ ideia de que devem ser levadas em consideraÁ„o as particularidades locais, bem como os contextos histÛricos, culturais e religiosos de cada povo. Compete, contudo, a todos os Estados, sem exceÁ„o, independentemente de seu sistema polÌtico, econÙmico ou cultural, o respeito aos direitos humanos.

Fala-se que È razo·vel pensarmos em conceitos de justiÁa, legitimidade do governo, dignidade da pessoa, proteÁ„o contra a opress„o e arbÌtrio estatais como preceitos que devem ser buscados por qualquer sociedade.

Segundo AndrÈ Carvalho Ramos 6 devemos buscar:

Afirmar que a pluralidade de culturas e orientaÁıes religiosas devem ser respeitadas com o reconhecimento da liberdade e participaÁ„o com direitos iguais para todos.

Logo, a celeuma deve ser resolvida com equilÌbrio, n„o È possÌvel excluir um em total detrimento do outro. … necess·rio que haja uma convivÍncia harmÙnica, desde que, evidentemente, seja ;ゲゲWェ┌ヴ;Sラ ;ケ┌キノラ ケ┌W ;ノェ┌ミゲ Sラ┌デヴキミ;SラヴWゲ SWミラマキミ;マ SW さn˙cleo duroざ Sラゲ SキヴWキデラゲ エ┌マ;ミラゲが vale dizer, o conjunto de direitos humanos de suma import‚ncia e necess·rio, independentemente das particularidades dos diversos povos.

UNIVERSALIDADE

Os Direitos Humanos aplicam-se a todas as pessoas e destinam-se a todas as pessoas em qualquer lugar do mundo

e abrangem todos os territÛrios.

A universalidade prevalece no confronto com a corrente relativista.

2.4 - RELATIVIDADE

Estudamos em Direito Constitucional, na parte de Teoria Geral, que os princÌpios, hoje considerados espÈcies de normas, n„o s„o absolutos. Vale dizer, quando o aplicador do direito se confrontar com situaÁ„o em que um princÌpio indica uma decis„o e outro princÌpio indica outra decis„o oposta ‡

6 RAMOS, AndrÈ de Carvalho. Teoria Geral dos Direitos Humanos na Ordem Internacional. (vers„o eletrÙnica).

‡ 6 RAMOS, AndrÈ de Carvalho. Teoria Geral dos Direitos Humanos na Ordem Internacional . (vers„o

Aula 01

Quem faz faculdade de Direito estuda, nas aulas de Teoria Geral, que as pessoas podem renunciar a direitos considerados disponÌveis. O ordenamento jurÌdico prevÍ uma gama de direitos que s„o consubstanciados em textos legais. Alguns s„o considerados t„o importantes, porque tutelam a vida, a dignidade e a liberdade que, mesmo que a pessoa queira renunci·-los, n„o poder·. Por outro lado, direitos relacionados com aspectos patrimoniais podem ser renunciados. … o que ocorre, por exemplo, com o perd„o de dÌvidas. Embora o credor seja titular da pretens„o e dos valores a ele devidos, poder· renunciar.

Adaptando essa ideia aos direitos humanos, porque eles envolvem o rol dos direitos mais importantes de uma pessoa, n„o poder„o ser renunciados, ainda que se deseje abrir m„o deles.

Vejamos um exemplo. N„o È possÌvel, por exemplo, determinada pessoa dispor do prÛprio corpo, quando isso importar a diminuiÁ„o permanente da integridade fÌsica, conforme se extrai do art. 13, do CC. Logo, por mais que a pessoa pretenda fazÍ-lo, n„o poder· vender determinado Ûrg„o vital para ser transplantado no corpo de outrem. Permitir tal situaÁ„o seria renunciar ‡ integridade fÌsica, um direito humano fundado na dignidade da pessoa.

A dignidade humana dever· ser observada e respeitada pela simples condiÁ„o humana. Se È humano, dever· ter dignidade! Logo, pela caracterÌstica da irrenunciabilidade, devemos entender que a pessoa n„o pode dispor sobre a proteÁ„o ‡ sua dignidade. Assim, eventual ren˙ncia a direito humano È nula, n„o possuindo qualquer validade jurÌdica.

IRRENUNCIABILIDADE (ou INDISPONIBILIDADE)

N„o poder„o os titulares do direito humano dispor desse direito, ainda que pretendam fazÍ-lo (conceito).

A dignidade humana deve ser observada e respeitada pela simples condiÁ„o humana.

Ren˙ncia a direito humano È nula.

2.6 - INALIENABILIDADE

Essa caracterÌstica È bastante simples e relaciona-se com a irrenunciabilidade. De acordo com a doutrina, os Direitos Humanos n„o poder„o ser alienados. Dito de outra forma, o titular n„o poder· dispor dos Direitos Humanos.

Humanos n„o poder„o ser alienados. Dito de outra forma, o titular n„o poder· dispor dos Direitos

Aula 01

Dessa forma, a retirada de Ûrg„o humano vital n„o È aceita porque, por um lado, viola a caracterÌstica da irrenunciabilidade e, por outro, veda-se a alienabilidade da dignidade para auferir lucro.

Por conta disso, inclusive, prevÍ o art. 14, do CC, que a disposiÁ„o do corpo apÛs a morte, seja com objetivo cientÌfico ou com sentido altruÌstico, somente ser· possÌvel de forma gratuita.

INALIENABILIDADE

Os Direitos Humanos n„o poder„o ser comercializados pela pessoa tutelada por esse direito (conceito).

relaciona-se com a irrenunciabilidade.

2.7 - IMPRESCRITIBILIDADE

A imprescritibilidade, que remete ‡ ideia de que as normas de Direitos Humanos n„o se esgotam,

nem se consomem com o passar do tempo.

Estudamos em direito que se a pessoa n„o exercer o direito, ou ao menos manifestar a pretens„o, em determinado lapso de tempo, n„o poder· mais fazÍ-lo por forÁa do instituto da prescriÁ„o. Esse instituto jurÌdico, contudo, em matÈria de Direitos Humanos È inaplic·vel, de forma que podemos dizer que os Direitos Humanos s„o imprescritÌveis.

A doutrina faz um alerta importante: n„o podemos confundir a imprescritibilidade dos Direitos

Humanos com reparaÁ„o civil desses direitos. A intimidade È um direito de todo ser humano durante

toda a sua existÍncia, inclusive para depois da morte (post mortem).

Contudo, violado esse direito, nasce a pretens„o de o prejudicado buscar reparaÁ„o civil para indenizaÁ„o material e moral. Essa pretens„o, em que pese decorrente de violaÁ„o de um direito humano, est· sujeita a prazos prescricionais, que dever„o ser observados nos termos da legislaÁ„o civil.

sujeita a prazos prescricionais, que dever„o ser observados nos termos da legislaÁ„o civil.  IMPRESCRITIBILIDADE

Aula 01

As normas de Direitos Humanos n„o se esgotam com o passar do tempo (conceito).

Os Direitos Humanos n„o se sujeitam a prazos prescricionais.

A pretens„o indenizatÛria decorrente de violaÁ„o de determinado direito humano est· sujeita ‡ prescriÁ„o.

2.8 INTERDEPEND NCIA (OU COMPLEMENTARIEDADE)

Entende-se por interdependÍncia a m˙tua relaÁ„o entre os Direitos Humanos protegidos pelos diversos diplomas internacionais.

Em raz„o da ampliaÁ„o dos direitos humanos È comum, por exemplo, que um direito se vincule ao conte˙do de outro, demonstrando a relaÁ„o de complementaridade.

Exemplifica-se a caracterÌstica interdependÍncia com a liberdade de associaÁ„o em relaÁ„o ao reconhecimento do direito de associaÁ„o profissional ou sindical. O primeiro direito È genÈrico, garante a todos a possibilidade de se associarem para quaisquer fins civis lÌcitos. Essa tem·tica, levada para as relaÁıes de trabalho, constitui o direito de associaÁ„o profissional ou sindical, que nada mais È do que a possibilidade de empregadores e de trabalhadores se reunirem para a defesa de direitos que lhes s„o prÛprios. Notem que o segundo direito referido guarda uma relaÁ„o de dependÍncia e de complementariedade em relaÁ„o ao seguinte.

Por fim, devemos saber qual caracterÌstica da interdependÍncia se relaciona com a indivisibilidade. Embora n„o venhamos a trat·-la como caracterÌstica prÛpria, h· posiÁ„o no sentido de que os direitos humanos constituem um corpo ˙nico, a ser interpretado e aplicado em conjunto. Essas noÁıes aproximam-se da ideia de interdependÍncia, que estamos estudando.

INTERDEPEND NCIA (ou COMPLEMENTARIEDADE)

Constitui a relaÁ„o m˙tua entre os direitos humanos protegidos pelos diversos diplomas internacionais

(conceito).

Essa caracterÌstica relaciona-se com a indivisibilidade dos direitos humanos.

Vejamos uma quest„o sobre o assunto:

dos direitos humanos. Vejamos uma quest„o sobre o assunto: (FMP/DPE-PA/2015) Sobre as caracterÌsticas dos direitos

Aula 01

a) o

possibilidade de que tais direitos sejam reconhecidos e, posteriormente, suprimidos, conforme

a evoluÁ„o do pensamento humano.

b) a defesa da caracterÌstica da universalidade dos direitos humanos contempla a proibiÁ„o de

tratamento diferenciado a determinados grupos sociais ou culturais, em qualquer

circunst‚ncia.

c) a irrenunciabilidade reconhecida aos direitos humanos significa a impossibilidade de que o

seu titular abra m„o de direitos previstos em tratados internacionais, os quais, entretanto,

podem sofrer restriÁıes por lei ordin·ria, conforme o ordenamento jurÌdico de cada paÌs.

d) os direitos humanos s„o caracterizados pela indivisibilidade e complementariedade, de

forma que compıem um ˙nico conjunto de direitos, cuja observ‚ncia deve ser sistÍmica e

lastreada no princÌpio da dignidade da pessoa humana.

e) a

ajuizamento de aÁıes em face do Estado a respeito de eventuais violaÁıes desses direitos.

Coment·rios

Aqui temos uma quest„o que aborda as caracterÌsticas dos Direitos Humanos. Cada alternativa aborda uma caracterÌstica diferente. Vejamos!

A alternativa A est· incorreta, pois a historicidade (ou historicismo para a banca) n„o

pressupıe a supress„o de Direitos. Como vimos, e isso se justifica no estudo das dimensıes

dos Direitos Humanos, a cada evoluÁ„o experimentada pela sociedade h· um n˙mero maior de direitos assegurados.

A alternativa B est· igualmente incorreta, pois a universalidade refere-se ‡ aplicaÁ„o dos

direitos a todas as pessoas e em todos os lugares. N„o h· correÁ„o direta entre a universalidade

e a aplicaÁ„o igualit·ria dos Direitos Humanos. Ademais, ao contr·rio do que se afirmou, entre

os Direitos Humanos destaca-se o tratamento isonÙmico, que justifica o tratamento desigual despendido a grupos vulner·veis da sociedade.

A alternativa C tambÈm est· incorreta, pois em face da irrenunciabilidade, os Direitos

Humanos n„o podem ser restringidos pelas leis internas do pais, muito embora possam ser flexibilizados em raz„o de outros valores ou direitos assegurados (como ocorre com relaÁ„o ‡ pris„o).

A alternativa D, por sua vez, È a correta e gabarito da quest„o, uma vez que os direitos ‡

indivisibilidade È caracterÌstica dos Direitos Humanos ao lado da complementariedade. Embora n„o tenhamos nos referido expressamente a essas caracterÌsticas, ao tratarmos da interdependÍncia afirmamos que h· uma relaÁ„o m˙tua entre os direitos humanos, considerados um corpo ˙nico de direitos.

Por fim, a alternativa E est· incorreta. Como alertamos, a imprescritibilidade È do direito humano e n„o em relaÁ„o a eventuais reparaÁıes por violaÁıes a esse direito. Desse modo, se

o sujeito pretende uma reparaÁ„o contra o Estado ante a violaÁ„o de algum direito, dever· observar os prazos previstos na legislaÁ„o para que possa exigi-lo judicialmente.

para

historicismo

È

caracterÌstica

inerente

aos

direitos

humanos,

o

qual

determina

a

imprescritibilidade

dos

direitos

humanos

determina

a

inexistÍncia

de

prazo

o qual determina a imprescritibilidade dos direitos humanos determina a inexistÍncia de prazo

Aula 01

2.9 - CAR£TER ERGA OMNES

PヴキマWキヴ;マWミデW SW┗Wマラゲ WミデWミSWヴ ラ ケ┌W ゲキェミキaキI; さWヴェ; ラマミWゲざ. Esse termo È muito comum no meio jurÌdico e significa aquilo que pode ser oponÌvel contra todos.

Nesse contexto, entende-se que os direitos humanos s„o oponÌveis contra todos, abrangendo as demais pessoas, os Estados e os organismos internacionais. NinguÈm poder· se dizer superior aos direitos humanos para afirmar que n„o precisa observar as normas de proteÁ„o.

Essa caracterÌstica dos direitos humanos È bastante simples e se manifesta, de acordo com os doutrinadores, por duas facetas:

1™ - … de interesse da comunidade internacional verem respeitados os direitos protegidos pelo Direito Internacional, entre eles os direitos humanos; e

2™ - A aplicaÁ„o geral das normas protetivas a todos os seres humanos sob a jurisdiÁ„o de um Estado,

pela simples condiÁ„o humana, sem consideraÁ„o quanto ‡ orientaÁ„o polÌtica, a etnia, ao credo, entre outras particularidades.

ERGA OMNES

Os direitos humanos s„o oponÌveis contra todos (conceito).

Facetas: a) È de interesse da comunidade ver respeitado os direitos humanos; e b) a aplicaÁ„o dos direitos

humanos a todas as pessoas decorre da mera condiÁ„o humana.

2.10 - EXIGIBILIDADE

A caracterÌstica da exigibilidade relaciona-se com a implementaÁ„o dos direitos humanos. A

efetividade sempre foi e ser· objeto de diversas discussıes, pois remete ‡ an·lise da responsabilidade internacional dos Estados, o que, por vez, È delicado de se impor ante a soberania de cada naÁ„o.

O estudo mais aprofundado da caracterÌstica da exigibilidade remete aos modos de verificaÁ„o da

responsabilidade de um Estado pela violaÁ„o dos direitos humanos, que n„o È assunto dessa aula.

Por ora, vocÍ deve saber que a exigibilidade denota a caracterÌstica dos direitos humanos que se preocupa com a implementaÁ„o desses direitos e com a efetividade da responsabilizaÁ„o dos Estados, quando violados.

preocupa com a implementaÁ„o desses direitos e com a efetividade da responsabilizaÁ„o dos Estados, quando violados

Aula 01

EXIGIBILIDADE

Denota a preocupaÁ„o com a implementaÁ„o dos direitos humanos e a efetividade da responsabilizaÁ„o daqueles

organismos internacionais que violarem os direitos humanos (conceito).

Envolve o estudo dos mecanismos de implementaÁ„o dos direitos humanos e responsabilizaÁ„o dos Estados

violadores das regras de proteÁ„o internacional.

2.11 - ABERTURA

Essa caracterÌstica remete ao processo de alargamento do rol de direitos humanos, de forma que, segundo os doutrinadores, o rol de direitos n„o È taxativo (n„o exaustivo). Vale dizer, sempre ser· possÌvel, a depender dos influxos da sociedade, o reconhecimento de novos direitos humanos pois eles possuem estrutura aberta.

O par‚metro para se considerar determinado direito como humano È o princÌpio da dignidade, de forma que, se determinado direito remeter ou repercutir na dignidade da pessoa, poder· ser considerado um direito humano.

Nesse contexto, citemos o exemplo do art. 5 , ß2 , da ConstituiÁ„o Federal, para qual, abraÁando essa caracterÌstica:

Os direitos e garantias expressos nesta ConstituiÁ„o n„o excluem outros decorrentes do regime e dos princÌpios por ela adotados, ou dos tratados internacionais em que a Rep˙blica Federativa do Brasil seja parte.

EXIGIBILIDADE

Consiste no processo de alargamento do rol dos direitos humanos (conceito).

… sempre possÌvel o reconhecimento de novos direitos humanos, desde que se relacionem ou decorram da

dignidade humana.

art. 5 , ß2 , da ConstituiÁ„o Federal.

desde que se relacionem ou decorram da dignidade humana.  art. 5 , ß2 , da

Aula 01

2.12 - APLICABILIDADE IMEDIATA (EFETIVIDADE)

A aplicabilidade imediata dos direitos humanos consiste no reconhecimento formal de que os

direitos humanos s„o completos e, por serem dotados de efic·cia plena, podem, desde logo, ser

aplicados.

Em Direito Constitucional, no estudo da efic·cia das normas, diferenciamos normas de efic·cia plena, normas de efic·cia contida e normas de efic·cia limitada. N„o vamos discorrer sobre cada uma dessas espÈcies de normas constitucionais, contudo, È interessante efetuarmos um paralelo com as normas de efic·cia plena. Essas normas s„o aplicadas diretamente, n„o sendo necess·rio, em raz„o disso, regulamentaÁ„o infraconstitucional para que o direito seja exercido. AlÈm disso, se for um direito fundamental, n„o ser· possÌvel a legislaÁ„o infraconstitucional restringi-la sob pena de inconstitucionalidade.

… o que acontece com as normas de direitos humanos. Regras e princÌpios que disciplinam os

direitos humanos possuem aplicabilidade imediata e direta, n„o precisam de outras normas que venham especificar como ser· a aplicaÁ„o desses direitos. Pela simples positivaÁ„o do texto no tratado internacional j· È plenamente possÌvel cobrar a observ‚ncia dessas regras.

… o que enuncia o art. 5 , ß1 , da ConstituiÁ„o Federal:

As normas definidoras dos direitos e garantias fundamentais tÍm aplicaÁ„o imediata.

APLICABILIDADE IMEDIATA

Regras e princÌpios que disciplinam os direitos humanos possuem aplicabilidade imediata e direta, n„o precisam

de outras normas para disciplinar como ser· aplicaÁ„o desses direitos (conceito).

art. 5 , ß1 , da ConstituiÁ„o Federal.

Vejamos uma quest„o que abordou esse tema:

(FEPESE/SJC-SC/2013) S„o caracterÌsticas da DeclaraÁ„o Universal dos Direitos Humanos.

1. universalidade.

2. efetividade.

3. indivisibilidade.

da DeclaraÁ„o Universal dos Direitos Humanos. 1. universalidade. 2. efetividade. 3. indivisibilidade.

Aula 01

Ainda assim, o que caracteriza os Direitos Humanos È a dimens„o objetiva.

DIMENS O OBJETIVA

Os direitos humanos s„o capazes de impor uma atuaÁ„o estatal voltada para a proteÁ„o de tais direitos

(conceito).

Objetiva criar mecanismos para a promoÁ„o dos direitos humanos em toda a sociedade.

A dimens„o objetiva n„o exclui a dimens„o subjetiva (proteÁ„o aos sujeitos), ambas devem coexistir.

2.14 - PROIBI« O DO RETROCESSO (EFEITO CLIQUET)

Em raz„o da historicidade dos Direitos Humanos, entende-se que a proteÁ„o aos direitos da dignidade da pessoa È expansiva, ou seja, est· sempre em progresso.

Por exemplo, a vedaÁ„o ‡ tortura constitui um direito humano decorrente dos graves acontecimentos nas Guerras Mundiais e dos movimentos ditatoriais, inclusive no Brasil. Em raz„o desses eventos, a comunidade internacional voltou-se contra a pr·tica militar e, atualmente, defende que a vedaÁ„o ‡ tortura È absoluta e universal. Assim, qualquer ato ou norma de Estado que viole a dignidade da pessoa consistente em impingir sofrimento em alguÈm de forma deliberada para o fim de obter informaÁıes polÌticas ou militares, constitui violaÁ„o aos Direitos Humanos e n„o poder· ser permitido, sob pena de retrocesso.

Por vedaÁ„o ao retrocesso devemos compreender a proibiÁ„o ‡ supress„o de direitos j· reconhecidos em detrimento das conquistas histÛricas da humanidade. N„o È possÌvel, assim, que a tortura volte a ser aceita como mecanismo de obtenÁ„o de informaÁ„o por militares em guerra, em nenhuma hipÛtese!

DIMENS O OBJETIVA

Uma vez assegurado o direito humano ele n„o poder· ser suprimido (conceito).

Denota a caracterÌstica expansiva e progressiva da disciplina.

Vejamos mais uma quest„o:

suprimido (conceito).  Denota a caracterÌstica expansiva e progressiva da disciplina. Vejamos mais uma quest„o:

Aula 01

(CESPE/DPE-PE/2015) Julgue o item subsecutivo, a respeito de aspectos gerais e histÛricos dos direitos humanos.

Na luta pelos direitos humanos, h· avanÁos e retrocessos, decorrendo disso a necessidade de o Estado e a sociedade civil se engajarem para que se realizem aÁıes e polÌticas p˙blicas que sejam efetivamente de Estado e n„o de governo.

Coment·rios

Quest„o tranquila. Devemos cuidar para n„o marcar como incorreta, com olhos fixos na caracterÌstica da proibiÁ„o do retrocesso. Notem que a assertiva È apresentada de forma ;マヮノ;が Iラマラ ケ┌Wマ ;HラヴS; ; ヴWaWヴキS; さノ┌デ; ヮWノラゲ SキヴWキデラゲざく áSWマ;キゲが テ┌ゲデキaキI; ケ┌W ラ Eゲデ;Sラが nessa luta, tem que se engajar, com a adoÁ„o de aÁıes e de polÌticas voltadas n„o apenas para a gest„o interna do paÌs (atos de governo), mas para a defesa e representatividade do seu povo (atos de Estado).

Desse modo, os influxos constituem realidade, de forma que presenciamos avanÁos e retrocessos na evoluÁ„o dos direitos humanos. Portanto, est· correta a assertiva.

2.15 - EFIC£CIA HORIZONTAL

Chegamos ‡ ˙ltima caracterÌstica dos direitos humanos!

Por efic·cia horizontal dos direitos humanos compreende-se que n„o È necess·ria lei para possibilitar a aplicaÁ„o desses direitos ‡s relaÁıes privadas.

Logo, por efic·cia horizontal dos direitos humanos compreende-se a aplicaÁ„o obrigatÛria e direta dos direitos humanos nas relaÁıes entre pessoas e entes privados.

Estudaremos, na sequÍncia, as v·rias dimensıes dos direitos humanos. Veremos que em todas elas os direitos humanos s„o compreendidos como um conjunto de regras ou garantias que envolvem relaÁıes com o Estado, para o fim de proteger tais direitos. Pela primeira dimens„o diz-se que os direitos humanos imputam abstenÁ„o do Estado, que n„o poder· violar a liberdade das pessoas. Pela segunda dimens„o estudaremos que o Estado deve atuar positivamente na consecuÁ„o dos direitos humanos. E, por fim, pela terceira dimens„o objetiva-se que o Estado atue na promoÁ„o coletiva dos direitos humanos. Portanto, em todas as trÍs dimensıes, percebe-se claramente que a aplicaÁ„o dos direitos humanos foi pensada inicialmente para serem aplicadas ‡s relaÁıes entre o Estado e a sociedade.

Essa relaÁ„o È dita vertical, pois o Estado assume posiÁ„o hierarquicamente privilegiada em relaÁ„o aos governados e pode, assim, ser representada:

o Estado assume posiÁ„o hierarquicamente privilegiada em relaÁ„o aos governados e pode, assim, ser representada:

Aula 01

ESTADO
ESTADO

SOCIEDADE

A doutrina de direitos humanos, contudo, passou a vislumbrar outra relaÁ„o que n„o apenas essa vertical, entre estado e sociedade, mas uma relaÁ„o horizontal, envolvendo, tambÈm, a aplicaÁ„o dos direitos humanos ‡s relaÁıes entre privados.

SOCIEDADE

direitos humanos ‡s relaÁıes entre privados . SOCIEDADE SOCIEDADE Para finalizar, fala-se em duas modalidades de

SOCIEDADE

Para finalizar, fala-se em duas modalidades de efic·cia horizontal dos direitos humanos:

PRIMEIRA: consiste na vinculaÁ„o das relaÁıes particulares aos direitos humanos; e

SEGUNDA: consiste na fiscalizaÁ„o, pelo Estado, do cumprimento dos direitos humanos pelos particulares.

Nesse contexto, nos ensina AndrÈ de Carvalho Ramos 7 :

Cabe ao Estado, ent„o, um papel ativo na promoÁ„o de direitos humanos, zelando para que particulares n„o violem os direitos protegidos, ou, caso isso aconteÁa, buscando imediatamente a reparaÁ„o do dano sofrido.

Antes de passarmos ao estudo das dimensıes de direitos humanos, vamos trazer uma observaÁ„o que pode ser explorada em sua prova: efic·cia diagonal dos Direitos Humanos. Isso mesmo:

DIAGONAL!

Segundo alguns autores de Direito do Trabalho com formaÁ„o humanista, a efic·cia diagonal È a que determina a aplicaÁ„o dos direitos humanos nas relaÁıes entre empregado e empregador.

Argumenta-se que a relaÁ„o entre empregado e empregador, embora de natureza privada, n„o È horizontal como as demais relaÁıes entre privados. Na relaÁ„o de emprego est· presente a subordinaÁ„o jurÌdica requisito da relaÁ„o de emprego e o empregado encontra-se presumidamente em condiÁ„o inferior ao empregado, raz„o pela qual n„o podemos afirmar que a relaÁ„o de emprego implica uma relaÁ„o horizontal, mas tambÈm n„o podemos afirmar que essa relaÁ„o È totalmente vertical, tal como a relaÁ„o entre o cidad„o e o Estado.

Por isso se fala em efic·cia diagonal dos direitos humanos quando se refere ‡ aplicaÁ„o da teoria ‡s relaÁıes de emprego.

Podemos esquematizar a relaÁ„o da seguinte forma:

7 RAMOS, AndrÈ de Carvalho. Teoria Geral dos Direitos Humanos na Ordem Internacional. (vers„o eletrÙnica).

forma: 7 RAMOS, AndrÈ de Carvalho. Teoria Geral dos Direitos Humanos na Ordem Internacional . (vers„o

Aula 01

Esse assunto È estudado em Direito Constitucional, quando se fala nas geraÁıes ou nas

dimensıes dos Direitos Fundamentais. N„o est· errado! Vimos no inÌcio da aula que os direitos fundamentais correspondem aos Direitos Humanos positivados no direito interno de determinado paÌs. Logo, essas consideraÁıes s„o, ao mesmo tempo, estudadas em Direito Constitucional e em Direitos Humanos. Os direitos fundamentais, em grande medida,

refletem a evoluÁ„o e a confluÍncia dos fatores histÛricos mundiais.

H· discuss„o na doutrina se o mais correto È falar em geraÁıes ou em dimensıes dos

Direitos Humanos. Ambos querem dizer a mesma coisa, contudo, prevalece o termo さSキマWミゲロWゲざが uma vez que geraÁ„o pressupıe a superaÁ„o de determinada fase e construÁ„o de um novo modelo.

Na realidade, a cada fase de evoluÁ„o dos Direitos Humanos foram agregados outros direitos que vieram a somar com os direitos j· assegurados, de maneira que n„o houve superaÁ„o da geraÁ„o anterior, mas uma dimens„o ampliativa da proteÁ„o ‡ dignidade da pessoa.

Como estudamos na parte das caracterÌsticas, os Direitos Humanos s„o histÛricos, de maneira que est„o constantemente evoluindo com a sociedade. Em decorrÍncia disso, como os Direitos Humanos

o

representam a proteÁ„o ‡ dignidade da pessoa, nunca poder„o ser suprimidos (veda-se

retrocesso), de forma que a cada fase da HistÛria dos Direitos Humanos assumem uma dimens„o cada vez maior.

Feitas as observaÁıes preliminares, vejamos cada uma das geraÁıes.

3.1 - PRIMEIRA DIMENS O DOS DIREITOS HUMANOS

A primeira dimens„o dos Direitos Humanos compreende os direitos da liberdade, que s„o os direitos civis e polÌticos, decorrentes das revoluÁıes liberais e da transiÁ„o do Estado Absolutista para o Estado de Direito.

Caracterizam-se esses direitos por imporem uma abstenÁ„o estatal, por limitarem a atuaÁ„o do Estado em defesa dos direitos das pessoas. Em raz„o disso, diz-se que essa dimens„o representa direitos de car·ter negativo. Essa caracterÌstica faz total sentido com o momento histÛrico de superaÁ„o do absolutismo, que consistia num governo concentrado nas m„os dos reis. Como forma de frear o poder do soberano, foram criadas limitaÁıes legais ‡ atuaÁ„o estatal, que imporiam a obrigaÁ„o de o Estado n„o intervir nos direitos de liberdade e de propriedade.

Os grandes marcos histÛricos de surgimento dessa dimens„o s„o:

1. RevoluÁ„o Gloriosa na Inglaterra, em 1688;

2. IndependÍncia dos Estados Unidos, em 1776; e

Gloriosa na Inglaterra, em 1688; 2. IndependÍncia dos Estados Unidos, em 1776; e 3. RevoluÁ„o Francesa

Aula 01

No campo dos estudiosos, aponta-se como marco teÛrico a obra さO Cラミデヴ;デラ “ラIキ;ノざ SW JW;ミ-Jacques Rousseau e o さ“Wェ┌ミSラ Tヴ;デ;Sラ ゲラHヴW ラ Gラ┗Wヴミラざ SW Jラミエ LラIニW, os quais afirmam que os homens possuem determinados direitos que n„o podem ser suprimidos pelos governantes e que, se desrespeitados, representam um governo arbitr·rio, violador de Direitos Humanos.

Por fim, identificam-se como marcos jurÌdicos dessa dimens„o:

1. ConstituiÁ„o dos EUA, de 1787; e

2. DeclaraÁ„o dos Direitos do Homem e do Cidad„o redigida na FranÁa, em 1789.

Sobre os direitos civis, leciona Sidnei Guerra 9 :

Os civis s„o aqueles que, mediante garantias mÌnimas de integridade fÌsica e moral, bem assim de correÁ„o procedimental nas relaÁıes judicantes entre os indivÌduos e o Estado, asseguram uma esfera de autonomia individual de modo a possibilitar o desenvolvimento da personalidade de cada um.

J· em relaÁ„o aos direitos polÌticos, discorre o autor 10 :

No que tange aos direitos polÌticos, que encontram seu n˙cleo no direito de votar e ser votado, a seu lado se re˙nem outras prerrogativas decorrentes daqueles status, como o direito de postular um emprego p˙blico, de ser jurado ou testemunha, de prestar o serviÁo militar e atÈ de ser contribuinte.

3.2 - SEGUNDA DIMENS O DOS DIREITOS HUMANOS

Essa geraÁ„o compreende os direitos relacionados ‡ igualdade, abrangendo os direitos sociais, direitos econÙmicos e os direitos culturais, em raz„o da evoluÁ„o do Estado Liberal para o Estado Social.

Ao contr·rio da dimens„o anterior, os direitos de segunda dimens„o s„o notadamente prestacionais. Vale dizer, os Estados passaram a ser obrigados a atuar positivamente para assegurar os direitos sociais, econÙmicos e culturais.

Em termos polÌticos, o que se percebeu na Època em que tais direitos foram reclamados È que apenas a liberdade n„o era suficiente para garantir a dignidade das pessoas. Era necess·ria, tambÈm, uma atuaÁ„o estatal para corrigir eventuais distorÁıes ocorridas na sociedade em raz„o, principalmente, da primazia do poder econÙmico.

Dois s„o os marcos histÛricos relevantes desse perÌodo:

1. RevoluÁ„o Mexicana, em 1910; e

2. RevoluÁ„o Russa, em 1917, que culminou com o comunismo da URSS.

9 GUERRA, Sidney. Direitos Humanos: curso elementar, p. 63.

GUERRA, Sidney. Direitos Humanos: curso elementar, p. 63. 1 0 GUERRA, Sidney. Direitos Humanos: curso elementar

Aula 01

Evidencia-se como marco teÛrico a さEミIケIノキI; RWヴ┌マ Nラ┗;ヴ┌マざが SW ;┌デラヴキ; Sラ P;ヮ; LW;ノ XIIIが Wマ 1891. Outro documento importante È o さM;ミキaWゲデラ Sラ P;ヴデキSラ Cラマ┌ミキゲデ;ざ SW K;ヴノ M;ヴ┝ W SW Frederich Engels, de 1848. Ambos indicaram a necessidade de dar mais atenÁ„o ‡s questıes sociais e uma melhor distribuiÁ„o das riquezas. A EncÌclica papal, inclusive, mostrou-se contra arbitrariedades cometidas pelos empregadores em detrimento da classe oper·ria, especialmente

em relaÁ„o ‡s condiÁıes prec·rias de emprego e de exploraÁ„o do trabalho da mulher e de crianÁas

e adolescentes.

Em relaÁ„o aos marcos jurÌdicos, a doutrina aponta a:

1. ConstituiÁ„o Mexicana, de 1917, considerada o primeiro texto constitucional a proclamar direitos sociais; e

2. ConstituiÁ„o de Weimar na Alemanha, de 1919, outra referÍncia no trato dos direitos socais.

Sobre os direitos sociais, econÙmicos e culturais, Sidnei Guerra 11 os conceitua do seguinte modo:

Os direitos sociais seriam aqueles necess·rios ‡ participaÁ„o plena na vida da sociedade, incluindo o direito ‡ educaÁ„o, a instituÌda a famÌlia, ‡ proteÁ„o ‡ maternidade e ‡ inf‚ncia, ao lazer e ‡ sa˙de etc. Os direitos econÙmicos destinam-se a garantir um padr„o mÌnimo de vida e seguranÁa material, de modo que cada pessoa desenvolva suas potencialidades. Os direitos culturais dizem respeito ao resgate, estÌmulo e preservaÁ„o das formas de reproduÁ„o cultural das comunidades, bem como ‡ participaÁ„o de todos nas riquezas espirituais comunit·rias.

3.3 - TERCEIRA DIMENS O DOS DIREITO HUMANOS

A terceira dimens„o dos Direitos Humanos envolve os direitos de solidariedade (ou fraternidade),

abrangendo os direitos difusos e coletivos. Constituem, na realidade, os direitos assegurados ‡s pessoas em geral.

Essa È uma das dimensıes mais importantes para a nossa disciplina, uma vez que, ao final da 2™ Guerra Mundial, as discussıes acerca da prÛpria compreens„o do ser humano se modificaram. Em raz„o das atrocidades decorrentes das grandes guerras e dos regimes antissemitas, a sociedade passou a compreender a necessidade de se assegurar ao m·ximo a proteÁ„o da dignidade da pessoa.

Nesse sentido vejamos os ensinamentos de Rafael Barretto 12 :

A caracterÌstica central dos direitos n„o estar· relacionada com o papel do Estado, mas sim com o fato de serem direitos reconhecidos ao homem pela mera condiÁ„o humana, direitos pertencentes ‡ Humanidade, independentemente de qualquer condicionamento quanto ‡ origem, etnia, sexo ou qualquer outro fator que configure uma discriminaÁ„o.

Assim, os direitos de terceira dimens„o englobam, por exemplo, os direitos relacionados ao meio ambiente e a proteÁ„o jurÌdica do consumidor. Perceba que tanto em um como em outro caso, a proteÁ„o se destina ‡ coletividade, pois abrange todos que podem ser afetados pelos descuidos ambientais e por pr·ticas ilegais e abusivas nas relaÁıes de consumo.

11 GUERRA, Sidney. Direitos Humanos: curso elementar, p. 64.

12 BARRETTO, Rafael. Direitos Humanos, p. 41.

1 1 GUERRA, Sidney. Direitos Humanos: curso elementar , p. 64. 1 2 BARRETTO, Rafael. Direitos

Aula 01

   

1DIMENS O DOS DIREITOS HUMANOS

   

2DIMENS O DOS DIREITOS HUMANOS

3DIMENS O DOS DIREITOS HUMANOS

direitos

 

direitos civis e polÌticos

 

direitos sociais, culturais e econÙmicos

direitos difusos e coletivos

associaÁ„o ao lema da RevoluÁ„o Francesa

 

Liberdade

   

igualdade

fraternidade

marco

 

RevoluÁ„o

Gloriosa

na

RevoluÁ„o Mexicana

PÛs-2™ Guerra Mundial

histÛrico

Inglaterra

 

RevoluÁ„o Russa

Surgimento da ONU

IndependÍncia dos EUA

   

RevoluÁ„o Francesa

 

marco

 

さ“Wェ┌ミSラ Tヴ;デ;Sラ ゲラHヴW ラ

さEミIケIノキI;

RWヴ┌マ

trabalhos acadÍmicos que visem ‡

teÛrico

Gラ┗Wヴミラざ ふJラエミ LラIニWぶ

 

Nラ┗;ヴ┌マざ ふP;ヮ; LW?ラ XIIIぶ

proteÁ„o universal e solid·ria da humanidade

さO Cラミデヴ;デラ “ラIキ;ノざ ふJW;ミ-

さM;ミキaWゲデラ Sラ P;ヴデキSラ

Jacques Rousseau)

 

Cラマ┌ミキゲデ;ざ ふK;ヴノ Marx e FヴWSWヴキIエ EミェWノゲざ

 

marco

 

ConstituiÁ„o Americana de

ConstituiÁ„o

Mexicana

DeclaraÁ„o Universal dos Direitos Humanos, de 1948

jurÌdico

1787

 

de 1917

DeclaraÁ„o Francesa dos Direitos do Homem e do Cidad„o de 1789

ConstituiÁ„o de Weimar

 

de 1919

 

evoluÁ„o da

 

passagem

do

Estado

passagem do Estado Liberal para o Estado Social

Revolta da sociedade contra as atrocidades das guerras mundiais

sociedade

Absolutista

para

o

Estado

 

Liberal

     

exemplo

 

direito

liberdade

 

de

direito ‡ sa˙de

 

direito ao meio ambiente

express„o

   
   

4DIMENS O DOS DIREITOS HUMANOS

   

5DIMENS O DOS DIREITOS HUMANOS

direito

 

pesquisas

biolÛgicas

e

 

direitos ‡ paz

manipulaÁ„o

do

patrimÙnio

 

genÈtico

das

pessoas

(Norberto Bobbio)

tutela da democracia, do

direito ‡ informaÁ„o

e

o

pluralismo

polÌtico (Paulo

Bonavides)

➢ tutela da democracia, do direito ‡ informaÁ„o e o pluralismo polÌtico (Paulo Bonavides)

Aula 01

marco

histÛrico

Lei

11.105/2005)

de

BiosseguranÁa

(Lei

11 de Setembro

Vejamos duas questıes, ante a frequÍncia do assunto em provas!

(FEPESE/SJC-SC/2013) Assinale a alternativa correta acerca da classificaÁ„o dos Direitos Humanos em geraÁıes.

a) Os direitos de liberdade s„o classificados como de primeira geraÁ„o.

b) Os direitos sociais ou de igualdade s„o classificados como de quarta geraÁ„o.

c) A segunda geraÁ„o de direito compreende os direitos de liberdade.

d) A terceira geraÁ„o de direitos È marcada pelos direitos tecnolÛgicos, como a bioÈtica.

e) A segunda geraÁ„o de direitos envolve aqueles denominados fraternos, como o meio ambiente ecologicamente equilibrado Coment·rios Lembre-se:

1™ Dimens„o: direitos civis e polÌticos 2™ Dimens„o: direitos sociais, econÙmicos e culturais 3™ Dimens„o: direitos de solidariedade ou de fraternidade 4™ Dimens„o: direito ‡ democracia, ‡ informaÁ„o e ao pluralismo 5™ Dimens„o: direito ‡ identidade individual, ao patrimÙnio genÈrico e ‡ proteÁ„o contra o abuso das tÈcnicas de clonagem e ‡ paz Logo, a alternativa A È a correta e gabarito da quest„o.

Vejamos mais uma quest„o sobre o tema:

costumam-se classificar,

geralmente, as geraÁıes dos direitos em trÍs fases (Eras dos Direitos), conforme seu processo

evolutivo histÛrico. Assinale a alternativa que representa, correta e cronologicamente, essa classificaÁ„o.

a) Direitos civis; direitos polÌticos; direitos fundamentais.

b) Igualdade; liberdade; fraternidade.

c) Direitos individuais; direitos coletivos; direitos polÌticos e civis.

d) Direitos civis e polÌticos; direitos econÙmicos e sociais; direitos difusos.

e) Liberdades positivas; liberdades negativas; direitos dos povos.

Coment·rios Podem sintetizar as primeiras trÍs dimensıes da seguinte forma:

(VUNESP/PC-SP/2013)

Na

evoluÁ„o

dos

direitos

humanos,

as primeiras trÍs dimensıes da seguinte forma: (VUNESP/PC-SP/2013) Na evoluÁ„o dos direitos humanos,

Aula 01

… a partir do perÌodo axial que, pela primeira vez na HistÛria, o ser humano passa a ser considerado, em sua igualdade essencial, como ser dotado de liberdade e raz„o, n„o obstante as m˙ltiplas diferenÁas de sexo, raÁa, religi„o ou costumes sociais.

Ainda dentro dessa fase inicial cujo pensamento È direcionado ao homem, destaca-se o CÛdigo de Hamur·bi (sÈculo XVIII a.C), entre cujas regras È possÌvel encontrar normas, ainda que rudimentares, de proteÁ„o aos direitos das pessoas, direitos humanos.

4.2 - REINO DAVÕDICO, DEMOCRACIA ATENIENSEE E REP⁄BLICA ROMANA

A consciÍncia histÛrica dos Direitos Humanos remonta ao desenvolvimento de mecanismos de

limitaÁ„o do poder polÌtico. Em regra, os governantes criavam leis para justificar seu poder, contudo,

nas sociedades abaixo referidas, o poder polÌtico encontrava-se subordinado.

Reino de Davi (sÈculo XI e X a.C): subordinaÁ„o dos governantes ‡ lei divina.

Os governantes n„o criam o direito para justificar o exercÌcio de seu poder, pelo contr·rio, est„o submetidos a um conjunto de princÌpios e normas superiores (de car·ter divino).

Democracia ateniense (sÈculo VIII a.C): sociedade subordinada ‡ lei e com ativa participaÁ„o popular no processo polÌtico.

Rep˙blica Romana: h· limitaÁ„o do poder polÌtico por meio da instituiÁ„o de um complexo sistema de controles recÌprocos entre os diversos Ûrg„os.

Em suma, todas essas sociedades caracterizam-se pela LIMITA« O DO PODER POLÕTICO e possuem import‚ncia na consolidaÁ„o dos Direitos Humanos.

4.3 - BAIXA IDADE M…DIA

O inÌcio da Idade MÈdia (denominada de Alta Idade MÈdia) È marcada pelo esfacelamento do poder

polÌtico e econÙmico, em raz„o da instauraÁ„o do feudalismo.

Contudo, a partir do sÈculo XI, houve o inÌcio de um movimento de retomada, no qual grupos

dominantes passaram a pretender o controle polÌtico da sociedade medieval. Assim, os governantes,

j· na Baixa Idade MÈdia, passaram a centralizar o poder polÌtico em suas m„os, o que implicou uma

sÈrie de pressıes de outros segmentos da sociedade contra abusos dessa reconstruÁ„o do poder polÌtico.

Dois s„o os documentos marcantes dessa Època:

1. DeclaraÁ„o das Cortes de Le„o de 1188; e

2. Magna Carta de 1215.

Esses diplomas, em sÌntese, foram capazes de assegurar, no surgimento dos direitos humanos, o valor liberdade. Essa liberdade, contudo, era especÌfica e em favor de determinados estamentos da sociedade.

humanos, o valor liberdade . Essa liberdade, contudo, era especÌfica e em favor de determinados estamentos

Aula 01

Em suma: nesse perÌodo despontou A LIBERDADE COMO MANIFESTA« O INICIAL DOS DIREITOS HUMANOS.

4.4 - S…CULO XVII

EゲゲW ヮWヴケラSラ Y I;ヴ;IデWヴキ┣;Sラ ヮWノラ ケ┌W ; Sラ┌デヴキミ; SWミラマキミ; SW さcrise de consciÍnciaざが ミラ ケ┌;ノ ラゲ estudiosos e pensadores da Època passaram a questionar o poder polÌtico.

Ao lado das revoluÁıes cientÌficas da Època, houve o renascimento dos ideais republicanos e democr·ticos, intensificando-se o sentimento de liberdade e de resistÍncia ao poder absolutista.

Por conta disso, esse perÌodo È marcado pelo estatuto das liberdades pessoais, com destaque para:

1. criaÁ„o do habeas corpus; e

2. Bill of Rights de 1689.

Em suma: nesse perÌodo despontou o ESTATUTO DAS LIBERDADES PESSOAIS, guardando Ìntima relaÁ„o com a tem·tica dos Direitos Humanos.

Vejamos uma quest„o sobre esse assunto:

(MPT/MPT/2015) Sobre a evoluÁ„o histÛrica dos direitos humanos, assinale a alternativa CORRETA:

a) O Bill of Rights dos Estados Unidos da AmÈrica consiste em um rol de direitos fundamentais

inserido na DeclaraÁ„o de IndependÍncia proclamada por Thomas Jefferson em 1776,

posteriormente incorporado aos Artigos da ConfederaÁ„o.

b) O Bill of Rights dos Estados Unidos da AmÈrica constitui-se de normas origin·rias constantes

da ConstituiÁ„o aprovada na ConvenÁ„o da FiladÈlfia em 1787.

c) O Bill of Rights dos Estados Unidos da AmÈrica foi inserido somente em 1791 na ConstituiÁ„o

americana, sob a forma de emendas constitucionais.

d) O Bill of Rights formalmente n„o È uma norma federal nos Estados Unidos da AmÈrica, mas

sim uma interpretaÁ„o extensiva da DeclaraÁ„o de Direitos da Virginia promovida pela jurisprudÍncia da Suprema Corte americana.

e) N„o respondida.

Coment·rios

Essa quest„o È extremamente maldosa!

da Suprema Corte americana. e) N„o respondida. Coment·rios Essa quest„o È extremamente maldosa!

Aula 01

Sabemos que o Bill Of Rights constitui uma declaraÁ„o de direitos de liberdade (de express„o, polÌtica e de toler‚ncia religiosa). Trata-se de um documento que surgiu no Reino Unido em 1689 e possui grande relev‚ncia para a afirmaÁ„o histÛrica dos Direitos Humanos.

Contudo, n„o È desse documento que trata a quest„o. Ela refere-se ao Bill of Rights DOS ESTADOS UNIDOS DA AM…RICA, que È o nome dado ‡s primeiras 10 emendas ‡ ConstituiÁ„o dos EUA de 1787. Esse documento caracteriza-se por conter direitos b·sicos do cidad„o em face do Estado, porÈm n„o se confunde com Bill os Rigths que estudamos acima.

Portanto, a alternativa C È a correta e gabarito da quest„o.

4.5 - INDEPEND NCIA AMERICANA E REVOLU« O FRANCESA

Esse perÌodo È denominado por F·bio Konder Comparato 15 Iラマラ ; さcertid„o de nascimento dos Direitos Humanosざが デWミSラ Wマ ┗キゲデ; ケ┌W エラ┌┗W ラ reconhecimento solene de que todos os homens s„o iguais, com mesmos direitos perante a sociedade.

Dois s„o os documentos de destaque:

1. DeclaraÁ„o de IndependÍncia dos EUA de 1776; e

2. DeclaraÁ„o dos Direitos Homem e do Cidad„o de 1789.

Esse perÌodo marca o ressurgimento da democracia, que objetivou a defesa da classe burguesa contra o regime de privilÈgios e de governo irrespons·vel. Esse movimento foi fundamental para a consolidaÁ„o da democracia, dos direitos de cidadania e da melhoria das condiÁıes de vida da sociedade.

Em suma: nesse perÌodo desponta-se LEGITIMIDADE DEMOCR£TICA, DIREITOS DE CIDADANIA E TENTATIVA DE MUDAN«A DAS CONDI«’ES DE VIDA como manifestaÁıes dos Direitos Humanos.

Vejamos mais uma quest„o interessantÌssima:

(FCC/DPE-SP/2015) Analise as assertivas a seguir.

Iく さOゲ Sヴラキデゲ SW ノろエラママWが ラゲ SキヴWキデラゲ エ┌マ;ミラゲが ゲ?ラ SキaWヴWミIキ;Sラゲ Iラマラ デ;キゲ Sラゲ Sヴラキデゲ S┌ citoyen, dos direitos do cidad„o. Quem È esse homme que È diferenciado do citoyen? NinguÈm mais ninguÈm menos que o membro da sociedade burguesa."

IIく さM┌ノエWヴが SWゲヮWヴデ;く á aラヴN; S; ヴ;┣?ラ ゲW a;┣ WゲI┌デ;ヴ Wマ デラSラ ラ Uミキ┗Wヴゲラく RWIラミエWIW デW┌ゲ direitos. O poderoso impÈrio da natureza n„o est· mais envolto de preconceitos, de fanatismos, de superstiÁıes e de mentiras. A bandeira da verdade dissipou todas as nuvens da

mentiras. A bandeira da verdade dissipou todas as nuvens da 1 5 COMPARATO, F·bio Konder. AfirmaÁ„o

Aula 01

ignor‚ncia e da usurpaÁ„o. O homem escravo multiplicou suas forÁas e teve necessidade de recorrer ‡s tuas, para romper os seus ferros. Tornando-se livre, tornou-se injusto em relaÁ„o ‡ sua companheira."

S„o autores, respectivamente, dos excertos crÌticos ‡ DeclaraÁ„o dos Direitos do Homem e do Cidad„o:

a) Karl Marx e Simone de Beauvoir.

b) Jean-Jacques Rosseau e Olympe de Gouges.

c) Karl Marx e Olympe de Gouges.

d) Jean-Jacques Rosseau e Simone de Beauvoir.

e) Robespierre e Hannah Arendt.

Coment·rios

Temos aqui uma quest„o dificÌlima, mas que ilustra bem o nosso estudo. Em face disso, vamos coment·-la no material. A DeclaraÁ„o dos Direitos do Homem e do Cidad„o marca a RevoluÁ„o Francesa e È fundamental na afirmaÁ„o histÛrica dos Direitos Humanos.

Embora seja reconhecido como documento fundamental de Direitos Humanos, h· autores que criticam o documento. Na quest„o, a FCC explorou justamente isso. Ela quer saber, em cada um dos itens, quais s„o os crÌticos referidos.

Acreditamos que uma quest„o tal como essa È difÌcil de aparecer em provas. As provas de Defensor P˙blico do Estado de S„o Paulo caracterizam-se por serem as mais difÌceis do Brasil na matÈria. Assim, se nÛs soubermos atÈ o que eles est„o cobrando l·, n„o teremos dificuldade nenhuma em nossa prova.

No primeiro item temos um excerto de Karl Marx crÌtico ferrenho da burguesia e do sistema capitalista desenvolvido apÛs a RevoluÁ„o Francesa. Notem que o excerto deixa claro que a DWIノ;ヴ;N?ラ SW DキヴWキデラゲ Sラ HラマWマ Y aWキデ; ヮ;ヴ; さ┌マ; WゲヮYIキW SW エラマWマざが ラ H┌ヴェ┌Zゲく

Em relaÁ„o ao segundo item, temos uma citaÁ„o de Gouges. Sem necessidade de nos aprofundarmos muito a respeito do tema, Marie Gouze (conhecida como Gouges) foi uma feminista revolucion·ria. Defendia os direitos das mulheres e criou uma obra denominada さDWIノ;ヴ;N?ラ Sラゲ DキヴWキデラゲ S; M┌ノエWヴ W S; CキS;S?ざが Wマ IヴケデキI; < ;┌デラヴキS;SW マ;ゲI┌ノキミ; W < ヴWノ;N?ラ desigual travada na DeclaraÁ„o.

Desse modo, a alternativa C È a correta e gabarito da quest„o.

4.6 - RECONHECIMENTO DOS DIREITOS HUMANOS SOCIAIS DE CAR£TER ECON‘MICO E SOCIAL

A intensa defesa da liberdade e das igualdades que permeavam o discurso apÛs a RevoluÁ„o Francesa e a RevoluÁ„o Americana tornou-se in˙til para a crescente e numerosa classe de trabalhadores.

Isso levou ao surgimento do socialismo de modo que, entre as contribuiÁıes para os Direitos Humanos, destaca-se o reconhecimento dos direitos de car·ter econÙmico e social.

as contribuiÁıes para os Direitos Humanos, destaca-se o reconhecimento dos direitos de car·ter econÙmico e social

Aula 01

Em suma: DECORRENTE DA OPRESS O ¿ CLASSE TRABALHADORA, O SOCIALISMO VIABILIZOU O RECONHECIMENTO DE DIREITOS ECON‘MICOS E SOCIAIS COMO HUMANOS.

4.7 - PRIMEIRA FASE DE INTERNACIONALIZA« O DOS DIREITOS HUMANOS

Essa fase remonta o inÌcio do sÈculo XIX e perdura atÈ o final da 2™ Guerra Mundial.

TrÍs s„o setores de destaque:

1. direito humanit·rio, que culminou com um conjunto de leis para evitar o sofrimento de soldados prisioneiros, doentes e feridos, bem como da populaÁ„o atingida por conflitos bÈlicos. Destaca-se esse setor pela ConvenÁ„o de Genebra de 1864, que fundou a Cruz Vermelha.

2. luta contra a escravid„o, cujo documento de destaque È o Ato Geral da ConferÍncia de Bruxelas de 1890; e

3. regulaÁ„o dos direitos dos trabalhadores, com a criaÁ„o da OIT em 1919.

Em suma: esse perÌodo È marcado pelo DIREITO HUMANIT£RIO, PELA LUTA CONTRA A ESCRAVID O E PELA REGULA« O DOS DIREITOS DOS TRABALHADORES.

4.8 - EVOLU« O DOS DIREITOS HUMANOS A PARTIR DE 1945

Esse perÌodo que se inicia ao emergir a 2 Guerra Mundial e perdura atÈ os dias atuais. O perÌodo caracteriza-se pela preocupaÁ„o da humanidade com o valor da vida, em especial apÛs atrocidades

e barb·ries das guerras mundiais. Afirma a doutrina que h· preocupaÁ„o com o valor supremo da dignidade.

A partir desse perÌodo, houve o aprofundamento e a definitiva internacionalizaÁ„o dos Direitos

Humanos, envolvendo n„o apenas os direitos individuais, mas tambÈm os direitos de natureza civil e polÌtica, direitos de conte˙do econÙmico e social.

Em suma: esse perÌodo denota O RECONHECIMENTO DA DIGNIDADE COMO VALOR SUPREMO.

Com isso finalizamos, baseados nos ensinamentos de F·bio Konder Comparato, os principais eventos histÛricos que marcam a afirmaÁ„o dos Direitos Humanos. Como È de h·bito em nossa aula, vejamos uma sÌntese do analisado nesse capÌtulo.

AFIRMA« O HST”RICA DOS DIREITOS HUMANOS Constitui a an·lise dos principais eventos histÛricos que, de algum modo, contribuÌram para o desenvolvimento e para a afirmaÁ„o dos Direitos Humanos. Tais eventos, em regra est„o relacionados a:

o

o

Atrocidades, guerras e surtos de violÍncia; ou

Descobertas cientÌficas ou invenÁıes tÈcnicas.

PERÕODO

OBSERVA«’ES

guerras e surtos de violÍncia; ou Descobertas cientÌficas ou invenÁıes tÈcnicas. PERÕODO OBSERVA«’ES

Aula 01

PERÕODO AXIAL

Marca a passagem do pensamento filosÛfico, que passa a ser centrado no ser humano, reconhecendo que o homem È o centro das atenÁıes.

REINO DAVÕDICO, DEMOCRACIA ATENIENSE E REP⁄BLICA ROMANA

Constituem formas polÌticas nas quais o poder polÌtico encontra-se subordinado ‡ lei, seja por interesse divino (Reino de Davi), por interesse democr·tico (Atenas) ou pela estrutura segmentada e organizada da sociedade (Roma).

BAIXA IDADE M…DIA

Marca a reaÁ„o de setores da sociedade contra a retomada do poder, exigindo o respeito a direitos de liberdade.

DeclaraÁ„o das Cortes de Le„o de 1188; e - Magna Carta de 1215.

-

S…CULO XVII

Marca o renascimento de ideais republicanos e democr·ticos, com destaque para o sentimento de liberdade e de resistÍncia a governos absolutistas:

- criaÁ„o do habeas corpus

- Bill Of Rights

INDEPEND NCIA AMERICANA E REVOLU« O FRANCESA

PerÌodo que marca o nascimento dos Direitos Humanos, com despontamento da legitimidade democr·tica, resguardo aos direitos de cidadania e valorizaÁ„o da dignidade.

- DeclaraÁ„o de IndependÍncia dos EUA; e

- DeclaraÁ„o dos Direitos do Homem e do Cidad„o.

RECONHECIMENTO DOS DIREITOS HUMANOS SOCIAIS DE ECON‘MICOS E SOCIAIS

Marca a reaÁ„o da classe oper·ria e difus„o do pensamento socialista, que viabilizou o reconhecimento dos direitos econÙmicos e sociais como Direitos Humanos.

PRIMEIRA FASE DE INTERNACIONALIZA« O DOS DIREITOS HUMANOS

Marca o surgimento do Direito Humanit·rio (Cruz Vermelha) vertente dos Direitos Humanos a luta contra a escravid„o (Ato Geral da ConferÍncia de Bruxelas), bem como a regulaÁ„o dos direitos trabalhistas (criaÁ„o da OIT)

EVOLU« O DOS DIREITOS HUMANOS A PARTIR DE 1945

Marca a efetiva internacionalizaÁ„o dos Direitos Humanos, com o reconhecimento da dignidade da pessoa como valor supremo.

Por fim, vejamos uma quest„o para sedimentar o que aprendemos:

(VUNESP/PC-SP/2014) Considerando a evoluÁ„o histÛrica e cronolÛgica dos direitos humanos em ‚mbito internacional, pode-se afirmar que existiram trÍs marcos histÛricos fundamentais. S„o eles:

a) o jusnaturalismo, a promulgaÁ„o da ConstituiÁ„o dos Estados Unidos da AmÈrica e a independÍncia do Brasil.

b) a queda do ImpÈrio Romano, a queda da Bastilha, na FranÁa, e a criaÁ„o da OrganizaÁ„o das

NaÁıes Unidas.

c) o Iluminismo, a RevoluÁ„o Francesa e o tÈrmino da Segunda Guerra Mundial.

d) o totalitarismo, a queda de Hitler e a PromulgaÁ„o da ConstituiÁ„o Brasileira de 1988.

e) a criaÁ„o da Igreja CatÛlica, o constitucionalismo e o fim da Primeira Guerra Mundial.

Brasileira de 1988. e) a criaÁ„o da Igreja CatÛlica, o constitucionalismo e o fim da Primeira

Aula 01

Coment·rios

Analisando as alternativas, excluÌmos a alternativa A, pois o jusnaturalismo constitui um movimento que È utilizado como fundamento dos Direitos Humanos e n„o como marco histÛrico evolutivo da matÈria. Do mesmo modo, a independÍncia do Brasil naı possui significado na evoluÁ„o dos Direitos Humanos.

A alternativa B est· incorreta, pois embora as outras duas referÍncias sejam relevantes, a

queda do ImpÈrio Romano n„o trouxe consequÍncias importantes para a evoluÁ„o da disciplina.

A alternativa D tambÈm est· incorreta, internamente a CF possui relev‚ncia em relaÁ„o aos

direitos fundamentais, contudo, n„o pode ser considerada marco histÛrico da evoluÁ„o dos

Direitos Humanos. Quanto ao totalitarismo e a queda de Hitler n„o podemos vincul·-los diretamente como marcos da nossa disciplina.

A alternativa E tambÈm n„o pode ser o gabarito, pois, embora a Igreja CatÛlica seja fundamental na divulgaÁ„o dos valores crist„os de respeito ‡ pessoa, n„o È marco da evoluÁ„o da disciplina. E, quanto ao constitucionalismo, È um movimento jurÌdico que influenciou indiretamente na internalizaÁ„o de Direitos Humanos.

Portanto, a alternativa C È a correta e gabarito da quest„o.

5 LISTA DE QUEST’ES

5.1 LISTA DE QUEST’ES SEM COMENT£RIOS

FCC

1.

FCC/DPE-AM/2018

A respeito da teoria das geraÁıes ou dimensıes de Direitos Humanos, considere:

I. A adoÁ„o do conceito de geraÁıes de Direitos Humanos È consensual na doutrina brasileira.

II. Os Direitos Humanos de segunda geraÁ„o ou dimens„o est„o relacionados ‡ ideia de

solidariedade ou fraternidade, da mesma forma como os direitos de primeira geraÁ„o ou dimens„o est„o amparados na ideia de liberdade.

III. Os Direitos Humanos de primeira geraÁ„o ou dimens„o, por se tratarem de direitos de defesa, n„o acarretam qualquer atuaÁ„o prestacional do Estado em relaÁ„o ‡ efetivaÁ„o dos

mesmos.

IV. Os Direitos Humanos de segunda geraÁ„o ou dimens„o, dada a sua natureza prestacional,

exigem uma atuaÁ„o positiva do Estado para a sua efetivaÁ„o.

Est· correto o que se afirma APENAS em

exigem uma atuaÁ„o positiva do Estado para a sua efetivaÁ„o. Est· correto o que se afirma

Aula 01

b) I, II e III.

c) II, III e IV.

d) IV.

e) II.

2. FCC/DPE-RS/2018

De acordo com a historiadora americana Lynn Hunt, os direitos permanecem sujeitos a discuss„o porque a nossa percepÁ„o de quem tem direitos e do que s„o esses direitos muda constantemente. A revoluÁ„o dos direitos humanos È, por definiÁ„o, contÌnua (A InvenÁ„o dos Direitos Humanos; uma histÛria. S„o Paulo: Companhia das Letras, 2009, p. 270). Em relaÁ„o ‡ evoluÁ„o histÛrica do regime internacional de proteÁ„o dos direitos humanos, considere as assertivas abaixo.

I. A Magna Carta (1215) contribuiu para a afirmaÁ„o de que todo poder polÌtico deve ser legalmente limitado.

II. O Habeas Corpus Act (1679) criou regras processuais para o habeas corpus e robusteceu a j· conhecida garantia.

III. Na DeclaraÁ„o de IndependÍncia dos Estados Unidos (1776) percebe-se que a dignidade da pessoa humana exige a existÍncia de condiÁıes polÌticas para sua efetivaÁ„o.

IV. O processo de universalizaÁ„o, sistematizaÁ„o e internacionalizaÁ„o da proteÁ„o dos direitos humanos intensificou-se apÛs o tÈrmino da 2a Guerra Mundial.

Est· correto o que consta de:

a) I, II, III e IV.

b) I, II e III, apenas.

c) I, III e IV, apenas.

d) II, III e IV, apenas.

e) I e IV, apenas.

3. FCC/DPE-PR/2017

No plano da teoria geral, certos atributos seriam inerentes aos direitos humanos. Acerca das caracterÌsticas principais dos direitos humanos, È correto afirmar:

a) A irrenunciabilidade dos direitos humanos deve ser harmonizada com a autonomia da

vontade, donde se conclui que a pessoa civilmente capaz pode se despojar da proteÁ„o de a;IWデ; SW ゲ┌; SキェミキS;SWが ; W┝Wマヮノラ Sラ a;マラゲラ I;ゲラ aヴ;ミIZゲ Sラ さ;ヴヴWマWゲゲラ SW ;ミロWゲざく

b) Admite-se a relatividade dos direitos humanos, pois estes colidem entre si e podem sofrer

restriÁıes por ato estatal ou de seu prÛprio titular, a exemplo da vedaÁ„o de associaÁ„o para fins paramilitares previsto pelo poder constituinte origin·rio.

titular, a exemplo da vedaÁ„o de associaÁ„o para fins paramilitares previsto pelo poder constituinte origin·rio.

Aula 01

c) Tendo em vista que as normas de proteÁ„o aos direitos humanos n„o integram o chamado

jus cogens, a universalidade dos direitos humanos È relativizada, prevalecendo uma forte ideia

de respeito ao relativismo cultural, ainda que o Estado seja parte formal da comunidade internacional.

d) A imprescritibilidade dos direitos humanos n„o alcanÁa a pretens„o ‡ reparaÁ„o econÙmica

decorrente de sua violaÁ„o. Portanto, inexiste direito ‡ indenizaÁ„o por violaÁ„o a direitos humanos ocorridos durante o regime militar.

e) Em raz„o do car·ter histÛrico dos direitos humanos, existe consenso doutrin·rio acerca de

sua divisibilidade, estabelecendo-se independÍncia entre os direitos humanos e priorizaÁ„o de sua exigibilidade a partir do espaÁo geogr·fico em que seu titular esteja inserido.

4. FCC/SEGEP-MA/2016

No que tange ‡s caracterÌsticas e especificidades dos Direitos Humanos:

a) A irrenunciabilidade determina que a autorizaÁ„o ou consentimento do titular do direito

humano n„o justifica ou convalida qualquer violaÁ„o ao seu conte˙do.

b) A imprescritibilidade implica o reconhecimento de que os direitos humanos podem ser

reivindicados a qualquer tempo, com exceÁ„o dos direitos humanos de terceira geraÁ„o que

prescrevem nos termos da legislaÁ„o nacional.

c) A indivisibilidade È caracterizada pela primazia conferida aos direitos civis e polÌticos em

relaÁ„o aos direitos econÙmicos, sociais e culturais.

d) A interdependÍncia ou interrelaÁ„o transmite a ideia de que a dignidade da pessoa humana

pode ser protegida de forma fragmentada em algumas situaÁıes, na medida em que h· direitos humanos mais essenciais que outros.

e) A inexaurabilidade representa a taxatividade, ou seja, a limitaÁ„o na consagraÁ„o de novos

direitos humanos.

5. FCC/SEGEP-MA/2016

No que concerne ‡s normas de interpretaÁ„o e colis„o de direitos humanos:

a) O subprincÌpio da necessidade caracteriza-se pela verificaÁ„o de que a medida restritiva do

direito humano resulta na realizaÁ„o do objetivo perseguido.

b) Muito embora o reconhecimento da efic·cia dos direitos humanos em face do Estado, ou

seja, dos poderes p˙blicos, os mesmos n„o vinculam as relaÁıes entre particulares, as quais s„o regidas exclusivamente pelo direito interno.

c) O subprincÌpio da proporcionalidade em sentido estrito visa a constataÁ„o de que a medida

restritiva do direito humano È indispens·vel e que n„o exista outra menos restritiva passÌvel de ser adotada.

d) A proteÁ„o do n˙cleo essencial representa o conte˙do intangÌvel inerente a cada direito

humano que n„o pode ser violado na hipÛtese de sua restriÁ„o e limitaÁ„o do mesmo,

caracterizando-ゲW Iラマラ さノキマキデW Sラ ノキマキデWざく

sua restriÁ„o e limitaÁ„o do mesmo, caracterizando- ゲW Iラマラ さノキマキデW Sラ ノキマキデWざく

Aula 01

e) O subprincÌpio da adequaÁ„o busca assegurar o equilÌbrio entre a finalidade perseguida pela

restriÁ„o imposta ao direito humano e os meios adotados para a sua realizaÁ„o.

6. FCC/DPE-BA/2016

Com relaÁ„o ‡ origem histÛrica dos direitos humanos, um grande n˙mero de documentos e veÌculos normativos podem ser mencionados, dentre eles È correto afirmar que cada um dos documentos abaixo mencionados est· relacionado com um direito humano especÌfico, com EXCE« O de:

a) DeclaraÁ„o de Direitos do Estado da VirgÌnia, 1776, que disciplinou os direitos trabalhistas e

previdenci·rios como direitos sociais.

b) DeclaraÁ„o de Direitos (Bill of Rights), 1689, que previu a separaÁ„o de poderes e o direito

de petiÁ„o.

c) ConvenÁ„o de Genebra, 1864, que teve relevante destaque no tratamento do direito

humanit·rio.

d) ConstituiÁ„o de Weimar, 1919, que trouxe a igualdade jurÌdica entre marido e mulher,

equiparou os filhos legÌtimos aos ilegÌtimos com relaÁ„o ‡ polÌtica social do Estado.

e) ConstituiÁ„o Mexicana, 1917, que expandiu o sistema de educaÁ„o p˙blica, deu base ‡

reforma agr·ria e protegeu o trabalhador assalariado.

7. FCC/DPE-SP/2015

さ“W エ= ┌マ SキヴWキデラ エ┌マ;ミラ < ┗キS; W < キミデWェヴキS;SW aケゲキI;が Iラマラ ゲW ヮラSW ;IWキデ;ヴ Wミデ?ラが Iラマ anuÍncia, que as intervenÁıes militares ocidentais matem mais pessoas inocentes que as atrocidades dos ditadores e dos terroristas? Os EUA, È o que se diz, utilizam os direitos humanos apenas como pretexto para os interesses totalmente profanos do poder e da economia; n„o lhes interessa a situaÁ„o jurÌdica da populaÁ„o, mas apenas o petrÛleo. E por isso, assim prossegue o argumento, h· dois pesos e duas medidas: em toda parte onde os detentores do poder se destacam pelo bom comportamento, deixando por exemplo que os bombardeiros norte-americanos estacionem em seus territÛrios (como na Turquia, provavelmente, ou na Ar·bia Saudita), a autonomeada polÌcia mundial ocidental n„o h· de objetar nada contra a pilhagem, a perseguiÁ„o e a chacina de grupos inteiros da populaÁ„o ou contra as condiÁıes ditatoriais."

(KURZ, Robert. Paradoxos dos direitos humanos. Folha de S„o Paulo, S„o Paulo, 16 mar. 2003. Caderno Mais!, p. 9-11)

O excerto acima È relacionado ao

a) Multiculturalismo dos direitos humanos.

b) Universalismo de confluÍncia dos direitos humanos.

c) Imperialismo dos direitos humanos.

d) Relativismo dos direitos humanos.

e) Universalismo dos direitos humanos.

humanos. c) Imperialismo dos direitos humanos. d) Relativismo dos direitos humanos. e) Universalismo dos direitos humanos.

Aula 01

8. FCC/DPE-SP/2009

De acordo com o Direito Internacional dos Direitos Humanos, no tocante ‡ interpretaÁ„o, em caso de conflito, das normas definidoras de direitos e garantias,

a) prevalece sempre a norma interna.

b) norma posterior derroga a anterior.

c) norma especial derroga a geral no que apresenta de especÌfico.

d) prevalece sempre a norma mais benÈfica ‡ pessoa humana.

e) prevalece sempre a norma internacional.

CESPE

9.

CESPE/PM-AL/2018

 

Acerca do conceito, da abrangÍncia e da evoluÁ„o dos direitos humanos, julgue os seguintes itens.

Embora seja objeto de tratados e convenÁıes internacionais, a proteÁ„o aos direitos humanos limita-se ao ‚mbito de cada naÁ„o, em atenÁ„o ao princÌpio da soberania.

10.

CESPE/PM-AL/2018

 

Acerca do conceito, da abrangÍncia e da evoluÁ„o dos direitos humanos, julgue os seguintes itens.

Uma vez que a concepÁ„o de direitos humanos, que visam ‡ promoÁ„o da igualdade e da dignidade humana, surgiu com a emergÍncia dos direitos sociais, os direitos individuais - civis e polÌticos - n„o s„o considerados direitos humanos.

11.

CESPE/PM-AL/2018

 

Acerca do conceito, da abrangÍncia e da evoluÁ„o dos direitos humanos, julgue os seguintes itens.

O

princÌpio da dignidade humana pode ser considerado um superprincÌpio: ele rege os direitos

humanos no ‚mbito tanto do direito internacional, quanto do direito interno, com positivaÁ„o

dos direitos humanos em cada naÁ„o.

12.

CESPE/DPE-ES/2012

 

Julgue o seguinte item, sobre a teoria geral, a afirmaÁ„o histÛrica, os fundamentos e a universalidade dos direitos humanos.

hermenÍutica diatÛpica constitui proposta de superaÁ„o do debate sobre universalismo e relativismo cultural.

A

13.

CESPE/DPE-PI/2009/adaptada

Quanto ‡s caracterÌsticas dos direitos humanos julgue o item a seguir.

A 13. CESPE/DPE-PI/2009/adaptada Quanto ‡s caracterÌsticas dos direitos humanos julgue o item a seguir.

Aula 01

A imprescritibilidade dos direitos fundamentais vincula-se ‡ sua proteÁ„o contra o decurso do

tempo.

14. CESPE/DPE-PE/2015

Julgue o item subsecutivo, a respeito de aspectos gerais e histÛricos dos direitos humanos.

No Brasil, os entes federativos protegem autom·tica e integralmente os chamados direitos humanos de segunda geraÁ„o, ou direitos sociais, por forÁa de consagraÁ„o constitucional nesse sentido.

15. CESPE/MPE-RO/2010/adaptada

Quanto ‡s dimensıes dos direitos, julgue o item a seguir.

Os direitos humanos de primeira geraÁ„o referem-se ‡s reivindicaÁıes de condiÁıes dignas de trabalho e originam-se das lutas sociais desencadeadas com a RevoluÁ„o Industrial.

16. CESPE/MPE-RO/2010/adaptada

Quanto ‡s dimensıes dos direitos, julgue o item a seguir.

Os direitos humanos de segunda geraÁ„o ainda n„o foram incorporados ‡ legislaÁ„o nacional, permanecendo, pois, como normas program·ticas do direito internacional humanit·rio.

17. CESPE/DPE-PI/2009/adaptada

Quanto ‡s caracterÌsticas dos direitos humanos julgue o item a seguir.

A imprescritibilidade dos direitos fundamentais vincula-se ‡ sua proteÁ„o contra o decurso do

tempo.

18. CESPE/DPE-ES/2012

A respeito afirmaÁ„o histÛrica dos Direitos Humanos julgue o item seguinte:

A concepÁ„o contempor‚nea dos direitos humanos surgiu com o tÈrmino da Primeira Grande

Guerra Mundial.

19. CESPE/DEP-AC/2012/adaptada

Julgue o item seguinte:

A DeclaraÁ„o Universal de Direitos Humanos foi proclamada pelos revolucion·rios franceses

do final do sÈculo XVIII e confirmada, apÛs a Segunda Guerra Mundial, pela Assembleia Geral

das NaÁıes Unidas.

20. CESPE/DPE-AC/2012/adaptada

Quanto ‡ afirmaÁ„o histÛrica dos direitos humanos julgue o item a seguir.

A ConstituiÁ„o Mexicana de 1917 e a ConstituiÁ„o de Weimar de 1919 s„o marcos da afirmaÁ„o

dos direitos humanos de segunda geraÁ„o.

de 1917 e a ConstituiÁ„o de Weimar de 1919 s„o marcos da afirmaÁ„o dos direitos humanos

Aula 01

21. CESPE/DEP-AC/2012/adaptada

Quanto ‡ afirmaÁ„o histÛrica dos direitos humanos julgue o item a seguir.

O Bill of Rights, de 1689, foi a primeira carta de direitos de que se tem notÌcia na histÛria.

22. CESPE/PRF/2013

No que se refere ‡ fundamentaÁ„o dos direitos humanos e ‡ sua afirmaÁ„o histÛrica, julgue os itens subsecutivos.

A express„o direitos humanos de primeira geraÁ„o refere-se aos direitos sociais, culturais e

econÙmicos.

23. CESPE/DPE-ES/2012

Julgue os seguintes itens, sobre a teoria geral, a afirmaÁ„o histÛrica, os fundamentos e a universalidade dos direitos humanos.

As trÍs geraÁıes de direitos humanos demonstram que visıes de mundo diferentes refletem- se nas normas jurÌdicas voltadas ‡ proteÁ„o da pessoa.

24. CESPE/TJ-RO/2012

S„o caracterÌsticas das normas relativas a direitos humanos

a) a efetividade e a transparÍncia.

b) a imprescritibilidade e a individualidade.

c) a inviolabilidade e a dependÍncia.

d) a inalienabilidade e a irrenunciabilidade.

e) a complementaridade e a finalidade.

25. CESPE/DPE-MA/2011

Acerca da afirmaÁ„o histÛrica dos direitos humanos, assinale a opÁ„o correta.

a) A Magna Carta, de 1215, instituiu a separaÁ„o dos poderes ao declarar que o funcionamento

do parlamento, um Ûrg„o que visa defender os s˙ditos perante o rei, n„o pode estar sujeito ao

arbÌtrio deste.

b) Os sistemas das minorias e de mandatos, criados no ‚mbito das NaÁıes Unidas, garantiam

que os habitantes pertencentes ‡s minorias de determinados paÌses europeus enviassem petiÁıes ao ComitÍ de Minorias.

c) A DeclaraÁ„o de FiladÈlfia È considerada a primeira carta polÌtica a atribuir aos direitos

trabalhistas o estatuto de direito fundamental, juntamente com as liberdades individuais e os

direitos polÌticos.

d) A import‚ncia histÛrica do habeas corpus, de 1679, consiste no fato de que essa garantia

judicial, instituÌda na Inglaterra para proteger a liberdade de locomoÁ„o, serviu de modelo para

de que essa garantia judicial, instituÌda na Inglaterra para proteger a liberdade de locomoÁ„o, serviu de

Aula 01

a criaÁ„o de outras formas de proteÁ„o das liberdades fundamentais, como o juicio de amparo,

na AmÈrica Latina.

e) A ConstituiÁ„o de Weimar foi o primeiro documento a afirmar os princÌpios democr·ticos na histÛria polÌtica moderna.

26. CESPE/DPE-ES/2012

A respeito das caracterÌsticas dos Direitos Humanos, julgue o item seguinte.

A universalidade e a indivisibilidade s„o caracterÌsticas prÛprias da concepÁ„o contempor‚nea

dos direitos humanos.

27. CESPE/DPE-ES/2012

Julgue o item seguinte:

A universalidade dos direitos humanos, necessariamente, impıe a vis„o de mundo ocidental plasmada na DeclaraÁ„o Universal de Direitos Humanos.

28. CESPE/DPE-RR/2013

Julgue o item seguinte:

O conceito de universalismo de chegada sintetiza as garantias universais aptas a sustentar uma

teoria dos direitos humanos intercultural.

29. CESPE/DPE-PI/2012

Os

detalhado estudo da doutrina nacional e internacional. A respeito dessas caracterÌsticas, julgue

de

direitos

fundamentais

possuem

determinadas

caracterÌsticas

que

foram

objeto

o

item seguinte.

O

princÌpio da universalidade impede que determinados

valores

sejam protegidos em

documentos internacionais dirigidos a todos os paÌses.

30. CESPE/DPE-PI/2011

Os

detalhado estudo da doutrina nacional e internacional. A respeito dessas caracterÌsticas, julgue

o item seguinte.

A irrenunciabilidade dos direitos fundamentais n„o destaca o fato de que estes se vinculam ao

gÍnero humano.

de

direitos

fundamentais

possuem

determinadas

caracterÌsticas

que

foram

objeto

VUNESP

31. VUNESP/MP-SP/2018

Em relaÁ„o ao conceito, evoluÁ„o histÛrica e dimensıes dos Direitos Humanos, assinale a alternativa correta.

Em relaÁ„o ao conceito, evoluÁ„o histÛrica e dimensıes dos Direitos Humanos, assinale a alternativa correta.

Aula 01

(A) A express„o direitos humanos ou direitos do homem È reservada aos direitos relacionados

com posiÁıes b·sicas das pessoas, inscritos em diplomas normativos de cada Estado. S„o direitos que vigem numa ordem jurÌdica concreta, sendo, por isso, garantidos e limitados no espaÁo e no tempo, pois s„o assegurados na medida em que cada Estado os consagra.

(B) As DeclaraÁıes americana (1776) e francesa (1789) s„o documentos relacionados aos

direitos humanos de segunda geraÁ„o ou dimens„o.

(C) Na vis„o majorit·ria da doutrina, a DeclaraÁ„o Universal dos Direitos Humanos n„o È um

tratado internacional, no sentido formal, e, apesar de orientar as relaÁıes sociais no ‚mbito da

proteÁ„o da dignidade da pessoa humana, n„o possui, em si, forÁa vinculante.

(D) Os direitos humanos de quarta geraÁ„o ou dimens„o s„o os direitos difusos relacionados ‡

sociedade atual, a exemplo do direito ambiental, frequentemente violados sob os mais

diversos aspectos.

(E) As distinÁıes apresentadas na doutrina entre as expressıes direitos humanos e direitos

fundamentais s„o focadas na ideia de que os direitos humanos s„o absolutos ao passo que os direitos fundamentais podem ser relativizados no caso concreto.

32. VUNESP/PC-SP/2018

Assinale a alternativa correta a respeito das caracterÌsticas dos direitos humanos.

(A) O PrincÌpio da inalterabilidade estabelece que os direitos humanos n„o sofrem alteraÁıes

com o decurso do tempo, pois tÍm car·ter eterno, n„o se ganham nem se perdem com o

tempo, s„o anteriores, concomitantes e posteriores aos indivÌduos.

(B) O PrincÌpio da essencialidade reza que os direitos humanos devem ser vistos como aquela

categoria de direitos inerentes ‡ sociedade em determinada Època histÛrica, podendo ser divididos em essenciais, que devem gozar de livre fruiÁ„o, e os n„o essenciais, que ainda demandam reivindicaÁıes a serem conquistadas ao longo do tempo.

(C) O PrincÌpio da divisibilidade propıe que os direitos humanos devem obedecer a uma

classificaÁ„o retÛrica, que divide e categoriza os v·rios grupos de direitos inerentes ao homem e ‡ sociedade, para que sejam melhor usufruÌdos pelos seus destinat·rios.

(D) O PrincÌpio da interrelacionariedade dispıe que os direitos humanos e os sistemas de

proteÁ„o se inter-relacionam, permitindo ‡s pessoas escolher entre os mecanismos de proteÁ„o global ou regional, pois n„o h· hierarquia entre eles.

(E) O PrincÌpio da ilimitabilidade garante que o Estado e a sociedade n„o podem limitar a

fruiÁ„o dos direitos humanos j· conquistados, com o objetivo de disciplinar situaÁıes excepcionais que venham a reduzir o alcance desses direitos.

33. VUNESP/PC-SP/2018

Esse documento histÛrico de remota conquista dos direitos humanos foi editado com o escopo de assegurar a Supremacia do Parlamento sobre a vontade do Rei, controlando e reduzindo os abusos cometidos pela nobreza em relaÁ„o aos seus s˙ditos, em especial declarando, dentre

controlando e reduzindo os abusos cometidos pela nobreza em relaÁ„o aos seus s˙ditos, em especial declarando,

Aula 01

outras conquistas, o direito de petiÁ„o, eleiÁıes livres e a proibiÁ„o de fianÁas exorbitantes e de penas severas:

(A)

The Bill of Rights, de 1689.

(B)

Petition of Rights, de 1628.

(C)

DeclaraÁ„o de Direitos do Homem e do Cidad„o, de 1789.

(D)

Magna Carta, de 1215.

(E)

Habeas Corpus Act, de 1679.

34. VUNESP/PC-SP/2018

No tocante ‡ tem·tica dos direitos humanos, considerando seu surgimento e sua evoluÁ„o histÛrica, assinale a alternativa que contempla correta e cronologicamente seus marcos histÛricos fundamentais.

(A)

A Magna Carta, a queda da Bastilha na FranÁa e a criaÁ„o da OrganizaÁ„o das NaÁıes Unidas.

(B)

O iluminismo, o constitucionalismo e o socialismo.

(C)

O iluminismo, a RevoluÁ„o Francesa e o fim da Segunda Guerra Mundial.

(D) A Magna Carta, a ConstituiÁ„o Alem„ de Weimar e a DeclaraÁ„o de IndependÍncia dos Estados Unidos da AmÈrica.

(E) O cristianismo, o socialismo e o constitucionalismo.

35. VUNESP/PC-SP/2018

… correto afirmar que os direitos humanos fundamentais

a) visam estabelecer condiÁıes mÌnimas de vida e desenvolvimento da pessoa humana.

b) s„o aplic·veis tanto a pessoas naturais quanto a pessoas jurÌdicas.

c) tÍm por finalidade a proteÁ„o contra o arbÌtrio das empresas multinacionais.

d) surgiram apÛs o nascimento da ideia do constitucionalismo.

e) consistem em instrumentos de legitimaÁ„o do poder punitivo do prÛprio Estado e de suas

autoridades constituÌdas.

36. VUNESP/MPE-SP/2017

Assinale a alternativa que corretamente disserta sobre aspectos conceituais dos direitos humanos em sua evoluÁ„o histÛrica.

a) Os direitos humanos da terceira dimens„o marcam a passagem de um Estado autorit·rio

para um Estado de Direito e, nesse contexto, o respeito ‡s liberdades individuais, em uma

perspectiva de absenteÌsmo estatal, fruto do pensamento liberal-burguÍs do sÈculo XVIII.

b) Os direitos de quarta dimens„o, ou direitos de liberdade, tÍm como titular o indivÌduo, s„o

oponÌveis ao Estado, traduzem-se como faculdades ou atributos da pessoa e ostentam uma

como titular o indivÌduo, s„o oponÌveis ao Estado, traduzem-se como faculdades ou atributos da pessoa e

Aula 01

subjetividade que È seu traÁo mais caracterÌstico, sendo, assim, direitos de resistÍncia ou oposiÁ„o ao Estado.

c) Os direitos fundamentais da primeira dimens„o s„o marcados pela alteraÁ„o da sociedade

por profundas mudanÁas na comunidade internacional, identificando-se consequentes alteraÁıes nas relaÁıes econÙmico-sociais, sobretudo na sociedade de massa, fruto do

desenvolvimento tecnolÛgico e cientÌfico.

d) Os direitos da quinta dimens„o s„o direitos transindividuais que transcendem os interesses

do indivÌduo e passam a se preocupar com o gÍnero humano, com altÌssimo teor de humanismo

e universalidade, inserindo-se o ser humano em uma coletividade que passa a ter direitos de solidariedade ou de fraternidade.

e) A evidenciaÁ„o de direitos sociais, culturais e econÙmicos, correspondendo aos direitos de

igualdade, sob o prisma substancial, real e material, e n„o meramente formal, mostra-se marcante nos documentos pertencentes ao que se convencionou classificar como segunda dimens„o dos direitos humanos.

37. VUNESP/TJM-SP/2016

Sobre os direitos do homem, assinale a alternativa correta.

a) Os direitos de terceira dimens„o s„o direitos transindividuais que extrapolam os interesses

do indivÌduo, focados na proteÁ„o do gÍnero humano. Evidencia-se nesse contexto a ideia de humanismo e universalidade.

b) Os direitos humanos de primeira dimens„o buscam o respeito ‡s liberdades individuais e

tÍm como base histÛrica a Magna Carta de 1215 e o Tratado de Versalhes.

c) A doutrina È un‚nime em reconhecer que a express„o direitos humanos È sinÙnima da

express„o direitos fundamentais, inexistindo distinÁ„o entre os termos.

d) Os direitos humanos de segunda dimens„o colocam em perspectiva os direitos sociais, culturais e econÙmicos, bem como os direitos coletivos, sendo a ConstituiÁ„o de Weimar a primeira carta polÌtica a reconhecÍ-los.

e) Alguns doutrinadores j· reconhecem a existÍncia da quarta e quinta dimensıes de direitos

do homem. No primeiro caso, o foco seria o direito ao desenvolvimento e ‡ paz. No segundo

caso, os direitos estariam relacionados ‡ engenharia genÈtica e ao meio ambiente.

38. VUNESP/PC-SP/2013

Assinale a alternativa que indica o movimento que tornou mundialmente conhecidos os ideais

representativos dos direitos humanos reconhecidos e representados pela liberdade, igualdade

e fraternidade.

a) IndependÍncia dos Estados Unidos da AmÈrica.

b) RevoluÁ„o Francesa.

c) Cristianismo.

a) IndependÍncia dos Estados Unidos da AmÈrica. b) RevoluÁ„o Francesa. c) Cristianismo. d) Catolicismo.

Aula 01

e) Iluminismo.

39. VUNESP/PC-SP/2013

Dentre os documentos reconhecidos internacionalmente e que limitaram o poder do governante em relaÁ„o aos direitos do homem, encontra-se o mais remoto e pioneiro antecedente que submetia o Rei a um corpo escrito de normas, procurava afastar a arbitrariedade na cobranÁa de impostos e implementava um julgamento justo aos homens.

Esse importante documento histÛrico dos direitos humanos denomina-se

a) Talmude.

b) Magna Carta da Inglaterra.

c) Alcor„o.

d) DeclaraÁ„o dos Direitos do Homem e do Cidad„o da FranÁa.

e) Bill of Rights.

Outras Bancas

40. IBFC/AGEPEN-MG/2018

Os direitos fundamentais e sua evoluÁ„o ao longo da histÛria podem ser divididos em geraÁıes ou dimensıes. Assinale a alternativa incorreta:

a) Primeira geraÁ„o ou dimens„o est· ligada ‡s liberdades negativas cl·ssicas, que enfatizam o

princÌpio da liberdade, configurando os direitos civis e polÌticos. Surgiram nos finais do sÈculo

XI e representavam uma resposta do Estado liberal ao Absolutista

b) A RevoluÁ„o Industrial foi o grande marco dos direitos de segunda geraÁ„o, que se relacionam com as liberdades positivas, reais ou concretas, assegurando o princÌpio da igualdade material entre o ser humano

c) Os princÌpios da solidariedade ou fraternidade, s„o caracterÌsticas dos direitos de terceira

geraÁ„o ou dimens„o sendo atribuÌdos as formaÁıes sociais, que protegem os interesses de titularidade coletiva ou difusa, n„o se destinando especificamente ‡ proteÁ„o dos interesses

individuais, de um grupo ou de um determinado Estado, mostrando uma grande preocupaÁ„o com as geraÁıes humanas, presentes e futuras.

d) Os direitos fundamentais de quarta geraÁ„o ou dimens„o s„o decorrentes da evoluÁ„o da

engenharia genÈtica, relacionados ‡ manipulaÁ„o do patrimÙnio genÈtico, processo que pode colocar em risco a existÍncia humana.

e) Alguns doutrinadores consideram ‡ evoluÁ„o da cibernÈtica e de tecnologias tais como,

realidade virtual e a internet, direitos de quinta geraÁ„o ou dimens„o.

41. 15. IBFC/AGEPEN-MG/2018

Abaixo 2 (duas) caracterÌsticas dos Direitos Humanos Fundamentais, identifique-as em sua sequÍncia correta:

Abaixo 2 (duas) caracterÌsticas dos Direitos Humanos Fundamentais, identifique-as em sua sequÍncia correta:

Aula 01

I. Os direitos humanos n„o nasceram em momento histÛrico ˙nico. Eles foram surgindo e se

aprimorando conforme a evoluÁ„o das sociedades. … por isso que todo direito humano carrega uma longa histÛria, geralmente marcada por lutas intensas, atÈ seu firmamento e positivaÁ„o nas ordens jurÌdicas dos Estados.

II. Os direitos humanos s„o inesgot·veis, isto È, n„o est„o sujeitos a rol taxativo. Admite-se, sempre, a ampliaÁ„o do leque de direitos humanos, mas n„o sua reduÁ„o.

a) Historicidade, Inalienabilidade

b) Universalidade, Imprescritibilidade

c) Historicidade, Inexauribilidade

d) Historicidade, VedaÁ„o ao Retrocesso

e) Essencialidade, Efetividade

42. FUMARC/PC-MG/2018

A formaÁ„o do Estado Moderno est· intimamente relacionada ‡ intoler‚ncia religiosa, cultural,

‡ negaÁ„o da diversidade fora de determinados padrıes e de determinados limites. Como a proteÁ„o dos direitos humanos est· diretamente relacionada ‡ atuaÁ„o do poder dos Estados

na ordem interna ou internacional, podemos concluir que:

I.

Ao lado do ide·rio iluminista da formaÁ„o polÌtica do Estado, o discurso judaico-crist„o criou

o

pano de fundo para controlar as esferas da vida das pessoas no campo jurÌdico.

 

II.

A

uniformizaÁ„o

de

valores,

normalmente

estandardizados,

como

a

democracia

representativa, a Ètica e a moral, ir· refletir nos fundamentos do direito moderno.

III. O sistema jurÌdico e polÌtico europeu È o modelo civilizatÛrio ideal e universal, visto ter

surgido da falÍncia do sistema feudal, que era descentralizado, multiÈtico e multilinguÌstico.

IV. O mundo uniforme e global de hoje insere-se no contexto de afirmaÁ„o do Estado nacional

que est· condicionado, em sua existÍncia, ‡ intoler‚ncia com o diferente.

Est„o CORRETAS apenas as assertivas:

a) I, II e III.

b) I, II e IV.

c) I, III e IV.

d) II, III e IV.

43. FUMARC/PC-MG/2018

A ConstituiÁ„o da Rep˙blica de 1988 cuidou expressamente dos direitos humanos,

enumerando-os no TÌtulo que trata dos direitos e garantias fundamentais. Existem, entretanto, outros direitos humanos n„o enumerados no texto, mas cuja proteÁ„o a prÛpria ConstituiÁ„o assegura, PORQUE:

a) decorrem do regime e dos princÌpios adotados pela prÛpria ConstituiÁ„o.

prÛpria ConstituiÁ„o assegura, PORQUE: a) decorrem do regime e dos princÌpios adotados pela prÛpria ConstituiÁ„o.

Aula 01

b) o Brasil se submete ‡ jurisdiÁ„o de Tribunal Penal Internacional.

c) s„o criados pelo Poder Judici·rio, apÛs o tr‚nsito em julgado das decisıes.

d) surgem de necessidades que n„o foram previstas pelo legislador constituinte.

44. FEPESE/PC-SC/2017

… correto afirmar sobre direitos humanos:

a) S„o direitos limitados a determinadas pessoas e grupos sociais.

b) Tratam-se de direitos divisÌveis a parcela a sociedade, como forma de autoproteÁ„o social.

c) A sua natureza indivisÌvel, inalien·vel e irrenunci·vel permite, a qualquer tempo, que o seu

benefici·rio o renuncie quando violado.

d) De alcance geral, devem ser aplicados de forma igual e sem discriminaÁ„o.

e) Somente poder„o ser invocados para tutelar direitos quando houver ameaÁa a minorias

Ètnicas.

45. UECE-CEV/SEAS CE/2017

Assinale a opÁ„o que corresponde a uma caracterÌstica dos direitos humanos.

a) Divisibilidade.

b) Prescritibilidade.

c) Primazia da norma mais favor·vel.

d) Disponibilidade.

46. UECE-CEV/SEAS CE/2017

áデWミデW ;ラ ゲWェ┌キミデW Wミ┌ミIキ;Sラぎ さぷくくくへ デ;マHYマ ェ┌キ;Sa pelo ide·rio iluminista, veio a consagrar in˙meros direitos da pessoa, em documentos como a DeclaraÁ„o dos Direitos do Homem e do Cidad„o, de 1789, e as ConstituiÁıes de 1791 e de 1793, que reconheceram expressamente a liberdade e a igualdade inerentes ao ser humano, bem como a necessidade de limitar os poderes estatais, de modo a que estes n„o interferissem na esfera de liberdade dos キミSキ┗ケS┌ラゲざく

No que diz respeito a direitos humanos, o enunciado acima faz referÍncia ao legado resultante da

a) RevoluÁ„o Inglesa.

b) RevoluÁ„o Francesa.

c) RevoluÁ„o Industrial.

d) Primeira Guerra Mundial.

b) RevoluÁ„o Francesa. c) RevoluÁ„o Industrial. d) Primeira Guerra Mundial. 47. UECE-CEV/SEAS に CE/2017

Aula 01

áデWミデW ;ラ ゲWェ┌キミデW W┝IWヴデラぎ さO マ;ヴIラ マ;キゲ ゲキェミキaキI;デキ┗ラ S; aラヴマ;N?ラ Sラ DキヴWキデラ IミデWヴミ;Iキラミ;ノ

dos Direitos Humanos [

internacional e se tornou objeto de vasta regulamentaÁ„o no Direito das Gentes e da atenÁ„o de v·rios foros internacionais e internos, bem como referÍncia mÌnima, ‡s quais deveriam se conformar todas as ordens jurÌdicas nacionais, e marco jurÌdico com pretens„o de prevalÍncia

a partir do qual o tema entrou definitivamente na agenda

],

sobre valores tradicionais no Direito Internacional, como a soberania nacional, a n„o キミデWヴ┗WミN?ラ Wマ ;ゲゲ┌ミデラゲ キミデWヴミラゲ W ; ┗ラミデ;SW Wゲデ;デ;ノざく

O excerto acima se refere

a) ‡ Segunda Guerra Mundial.

b) ‡ RevoluÁ„o Francesa.

c) ‡ RevoluÁ„o Industrial.

d) ao Iluminismo.

48. UECE-CEV/SEAS CE/2017

No que concerne ‡s caracterÌsticas dos direitos humanos, assinale a opÁ„o que completa

IラヴヴWデ;マWミデW ; ノ;I┌ミ; Sラ ゲWェ┌キミデW Wミ┌ミIキ;Sラぎ さOゲ SキヴWキデラゲ humanos caracterizam-se tambÈm

pela

ミ;Iキラミ;ノキS;SW ラ┌ マWゲマラ Sラ a;デラ SW ゲWヴWマ ;ヮ=デヴキS;ゲざく

a) inerÍncia

b) indisponibilidade

c) transnacionalidade

d) imprescritibilidade

, ou seja, por pertencerem ‡ pessoa independentemente de sua

49. UECE-CEV/SEAS CE/2017

Considerando as caracterÌsticas do Direito Internacional dos Direitos Humanos, atente ao ゲWェ┌キミデW Sキゲヮラゲキデキ┗ラ ノWェ;ノぎ さO Eゲデ;Sラ ケ┌W ミ?ラ I┌マヮヴW ゲ┌;ゲ ラHヴキェ;NロWゲ キミデWヴミ;Iキラミ;キゲ Wマ matÈria de direitos humanos comete ato ilÌcito e pode ser responsabilizado internacionalmente, podendo assim sofrer sanÁıes e ser obrigado a reparar o dano W┗Wミデ┌;ノマWミデW I;┌ゲ;Sラ ;ラゲ キミSキ┗ケS┌ラゲ W デWヴIWキヴラゲ Eゲデ;Sラゲ W┗Wミデ┌;ノマWミデW ヮヴWテ┌SキI;Sラゲざく

A caracterÌstica do Direito Internacional dos Direitos Humanos a que o dispositivo acima remete È a

a) possibilidade de monitoramento internacional.

b) possibilidade de responsabilizaÁ„o internacional.

c) universalidade.

d) subsidiariedade do sistema de proteÁ„o internacional dos direitos humanos.

d) subsidiariedade do sistema de proteÁ„o internacional dos direitos humanos. 50. IBADE/SEJUDH に MT/2017

Aula 01

Com relaÁ„o ‡s caracterÌsticas fundamentais dos direitos humanos, assinale a alternativa que descreve corretamente uma delas.

a) Renunciabilidade

b) Soberania estatal

c) Alienabilidade

d) Prescritibilidade

e) Universalidade

51. FEPESE/SJC-SC/2016

Analise o texto abaixo:

さá キミデWヴミ;Iキラミ;ノキ┣;N?ラ Sラゲ SキヴWキデラゲ エ┌マ;ミラゲ Iラミゲデキデ┌キが ;ゲゲキマが マラ┗キマWミデラ W┝デヴWマ;マWミデW recente na histÛria, que surgiu a partir do pÛs-guerra, como resposta ‡s atrocidades e aos エラヴヴラヴWゲ IラマWデキSラゲ S┌ヴ;ミデW ラ ミ;┣キゲマラく ぷぐへ Nラ マラマWミデラ Wマ ケ┌W ラゲ seres humanos se tornam supÈrfluos e descart·veis, no momento em que vige a lÛgica da destruiÁ„o, em que cruelmente se abole o valor da pessoa humana, torna-se necess·ria a reconstruÁ„o dos direitos humanos, como paradigma Ètico capaz de restaurar a lÛgica Sラ ヴ;┣ラ=┗Wノく ぷぐへ Dキ;ミデW SWゲゲ; ヴ┌ヮデ┌ヴ;が emerge a necessidade de reconstruir os direitos humanos, como referencial e paradigma Ètico ケ┌W ;ヮヴラ┝キマW ラ SキヴWキデラ S; マラヴ;ノくざ

PIOVESAN, 2013, p. 190

O texto de Fl·via Piovesan se refere ao processo de internacionalizaÁ„o dos direitos humanos no cen·rio global e sua reconstruÁ„o a partir do final da:

a) Guerra Fria.

b) RevoluÁ„o Francesa.

c) RevoluÁ„o Americana.

d) Primeira Guerra Mundial.

e) Segunda Guerra Mundial.

52. IDECAN/Prefeitura de Natal RN/2016

さá Yラ┌デエ aラヴ H┌man Rights International afirma que as crianÁas que n„o conhecem os seus direitos s„o vulner·veis e presas f·ceis para os indivÌduos mal-intencionados. EstatÌsticas de perda da dignidade e da vida atravÈs do abuso infantil, violÍncia de gangs, trabalho infantil e crianÁas-ゲラノS;Sラゲ ゲ?ラ キミIヴキ┗WノマWミデW ;ノデラゲくざ

(DisponÌvel

abuses.html.)

http://br.youthforhumanrights.org/voices-for-human-rights/human-rights-

em:

Os direitos humanos incluem o direito ‡ vida e ‡ liberdade, ‡ liberdade de opini„o e de express„o, o direito ao trabalho e ‡ educaÁ„o, entre muitos outros. Todos merecem estes direitos, sem discriminaÁ„o. Acerca dos direitos humanos, assinale a afirmativa INCORRETA.

outros. Todos merecem estes direitos, sem discriminaÁ„o. Acerca dos direitos humanos, assinale a afirmativa INCORRETA.

Aula 01

a) S„o universais, o que quer dizer que s„o aplicados de forma igual e sem discriminaÁ„o a

todas as pessoas.

b) Devem ser vistos como de igual import‚ncia, sendo igualmente essencial respeitar a dignidade e o valor de cada pessoa.

c) S„o inalien·veis, e ninguÈm pode ser privado de seus direitos humanos. O que implica em

n„o poder ser limitados em determinadas situaÁıes.

d) S„o indivisÌveis, inter-relacionados e interdependentes, j· que È insuficiente respeitar alguns

direitos humanos e outros n„o. Na pr·tica, a violaÁ„o de um direito vai afetar o respeito por

muitos outros.

53. SENAI-PR/ITAIPU BINACIONAL/2016

Em relaÁ„o aos Direitos Humanos, analise as afirmativas abaixo e assinale a alternativa correta:

I.

Direitos Humanos s„o os direitos b·sicos de todos os seres vivos.

II.

Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos. Dotados de raz„o

e

de consciÍncia, devem agir uns para com os outros em espÌrito de fraternidade.

III. Os direitos humanos s„o direitos inerentes a cada pessoa por ela simplesmente ser um

humano.

a) Apenas II est· correta.

b) Apenas III est· correta.

c) Apenas II e III est„o corretas.

d) Apenas I e II est„o corretas.

e) I, II e III est„o corretas.

54. ESAF/CGU/2012/adaptada

Julgue o item subsecutivo:

Pela caracterÌstica da complementariedade dos Direitos Humanos È possÌvel afirmar que:

さOゲ direitos humanos podem ser exercidos simultaneamente e encontram limites nos outros direitos igualmente consagrados na ConstituiÁ„o. Assim, pode ocorrer um conflito entre SキヴWキデラゲ W ミWゲゲW I;ゲラ Y ヮヴWIキゲラ ┌マ; ゲラノ┌N?ラ IラWヴWミデW ケ┌W エ;ヴマラミキ┣W ;マHラゲ ラゲ SキヴWキデラゲざ.

55. MPT/2013

Leia e analise os itens abaixo:

I- Na ConstituiÁ„o Alem„ de 1919, um dos marcos na tutela dos direitos sociais, destacam-se a sujeiÁ„o da propriedade ‡ funÁ„o social, a possibilidade de socializaÁ„o das empresas, a proteÁ„o ao trabalho e o direito de sindicalizaÁ„o.

social, a possibilidade de socializaÁ„o das empresas, a proteÁ„o ao trabalho e o direito de sindicalizaÁ„o.

Aula 01

II- A DeclaraÁ„o Universal dos Direitos do Homem, de 1948, sintetiza a evoluÁ„o que vinha ocorrendo de direitos humanos, inscrevendo os direitos de primeira geraÁ„o, as liberdades p˙blicas, e os de segunda geraÁ„o, os direitos sociais.

III- O direito ao desenvolvimento integra a terceira geraÁ„o de direitos humanos, a dos direitos de solidariedade, estando previsto na DeclaraÁ„o sobre o Direito ao Desenvolvimento da ONU, como um direito individual e dos povos.

IV- O Protocolo Facultativo ao Pacto Internacional de Direitos Civis e PolÌticos institui para os indivÌduos particulares dos Estados que o ratificaram o direito de comunicarem ao ComitÍ dos Direitos do Homem da ONU, que foram vÌtima de violaÁ„o, mas disso resulta apenas uma proteÁ„o polÌtica, com um parecer do ComitÍ.

Marque a alternativa CORRETA:

a) Apenas as assertivas I e II est„o corretas;

b) apenas as assertivas II, III e IV est„o corretas;

c) apenas as assertivas I, II e IV est„o corretas;

d) todas as assertivas est„o corretas;

e) N„o respondida.

56. CS/DPE-GO/2014

Os direitos humanos ganharam nas ˙ltimas dÈcadas especial atenÁ„o da sociedade e dos meios internacionais e j· se encontram incorporados ao pensamento jurÌdico do sÈculo XXI.

Estudiosos da matÈria sustentam que o seu fundamento filosÛfico e a justificativa est„o ligados

a movimentos histÛricos, polÌticos e jurÌdico-sociais que marcaram a histÛria da humanidade. Nessa perspectiva,

a) o fim da II Guerra Mundial e a negaÁ„o do valor do ser humano fazem nascer os ideais

representativos dos direitos humanos, quais sejam, igualdade, liberdade e fraternidade.

b)

as primeiras declaraÁıes de direitos humanos incluem a DeclaraÁ„o dos Direitos do Homem

e

do Cidad„o, na FranÁa, com a Queda da Bastilha no sÈculo XIX.

c)

a Idade Moderna, por meio dos racionalistas, preconizava o direito divino que pode ser

despojado quando entra em sociedade.

d) as concepÁıes positivistas, apesar de importante movimento, preconizavam que as leis, uma

vez previstas no ordenamento jurÌdico, podem ser exigidas, pouco contribuindo para os direitos humanos.

e) o reconhecimento dos direitos humanos teve como um dos seus fundamentos filosÛficos o

マラ┗キマWミデラ SWミラマキミ;Sラ さテ┌ゲミ;デ┌ヴ;ノキゲマラざく

57. FEPESE/SJC-SC/2013

Assinale a alternativa correta em matÈria de Direitos Humanos.

a) O Brasil desde os tempos de colÙnia atua na defesa dos Direitos Humanos.

correta em matÈria de Direitos Humanos. a) O Brasil desde os tempos de colÙnia atua na

Aula 01

b) No sÈculo vinte, apÛs a RevoluÁ„o Francesa, foi proclamada a DeclaraÁ„o dos Direitos do

Homem e do Cidad„o.

c) N„o h· registros histÛricos de defesa dos Direitos Humanos antes da segunda metade do

SÈculo XX

d) ApÛs a ConvenÁ„o de Estocolmo, o Brasil tornou-se signat·rio da DeclaraÁ„o Universal dos

Direitos Humanos.

e) S„o Tom·s de Aquino, durante a Idade MÈdia, atuou como grande defensor dos Direitos

Humanos combatendo a discriminaÁ„o e a violÍncia.

58.

ESAF/CGU/2012

Marque a opÁ„o incorreta.

a) Os Fundamentos e PrincÌpios dos Direitos Humanos tÍm como finalidade a observ‚ncia e

proteÁ„o da dignidade da pessoa humana de maneira universal.

b) Direitos Humanos, Direitos Fundamentais e Direitos do Homem n„o possuem o mesmo

significado. Assim, a primeira nomenclatura surgida foi a dos Direitos Fundamentais, a qual remonta a Època do jusnaturalismo.

c) A concepÁ„o contempor‚nea de Direitos Humanos destaca que eles s„o vistos como uma unidade indivisÌvel, interdependente e interrelacionada, capaz de conjugar o cat·logo de direitos civis e polÌticos ao cat·logo de direitos sociais, econÙmicos e culturais.

d) Surge uma concepÁ„o denominada pÛs-contempor‚nea dos Direitos Humanos com a

DeclaraÁ„o de Viena.

e) Tendo em vista a influÍncia do pensamento religioso e do sistema polÌtico, as diversas

teorizaÁıes sobre direitos humanos encontram-se profundamente relacionadas ‡s

prerrogativas estamentais e ‡ hierarquia secular.

5.2 GABARITO

1.

D

14. INCORRETA

27. INCORRETA

2.

A

15. INCORRETA

28. CORRETA

3.

B

16. INCORRETA

29. INCORRETA

4.

A

17. CORRETA

30. INCORRETA

5.

D

18. INCORRETA

31. C

6.

A

19. INCORRETA

32. D

7.

C

20. CORRETA

33. A

8.

D

21. INCORRETA

34. C

9.

INCORRETA

22. INCORRETA

35. A

10.

INCORRETA

23. CORRETA

36. E

11.

CORRETA

24. D

37. A

12.

CORRETA

25. D

38. B

13.

CORRETA

26. CORRETA

39. B

36. E 11. CORRETA 24. D 37. A 12. CORRETA 25. D 38. B 13. CORRETA

Aula 01

40.

41.

42.

43.

44.

45.

46.

A

C

B

A

D

C

B

47.

48.

49.

50.

51.

52.

53.

A

C

B

E

E

C

C

54. INCORRETA

55.

56.

57.

58.

D

E

E

B

5.3 LISTA DE QUEST’ES COM COMENT£RIOS

FCC

1.

FCC/DPE-AM/2018

A respeito da teoria das geraÁıes ou dimensıes de Direitos Humanos, considere:

I. A adoÁ„o do conceito de geraÁıes de Direitos Humanos È consensual na doutrina brasileira.

II. Os Direitos Humanos de segunda geraÁ„o ou dimens„o est„o relacionados ‡ ideia de

solidariedade ou fraternidade, da mesma forma como os direitos de primeira geraÁ„o ou dimens„o est„o amparados na ideia de liberdade.

III. Os Direitos Humanos de primeira geraÁ„o ou dimens„o, por se tratarem de direitos de defesa, n„o acarretam qualquer atuaÁ„o prestacional do Estado em relaÁ„o ‡ efetivaÁ„o dos

mesmos.

IV. Os Direitos Humanos de segunda geraÁ„o ou dimens„o, dada a sua natureza prestacional,

exigem uma atuaÁ„o positiva do Estado para a sua efetivaÁ„o.

Est· correto o que se afirma APENAS em

a) I e IV.

b) I, II e III.

c) II, III e IV.

d) IV.

e) II.