Sei sulla pagina 1di 24

Comunicação gestual ou não verbal

Postado em 20/06/2007

Avaliação:

Roberta Medeiros

O recurso não verbal mais praticado pelo homem é o gesto. As mãos ganham força e vida aliado
ao que falamos. Sejam os gestos produzidos conscientemente ou de forma involuntária, sem
que percebamos, terá o poder de potencializar suas idéias e pensamentos de forma positiva ou
negativa. Este tipo de recurso surge como forma de reforçar o que está sendo pronunciado
através da linguagem oral, oferecendo a expressividade, compreensão e emoção.

A comunicação envolve aspectos conscientes e inconscientes, os quais possuem o poder de


significar sua imagem pessoal e profissional, bem como (re)significar as relações sociais.

O que você pensa e sente ao ver uma pessoa discursando e gesticulando de forma rápida? Ou
ainda, introduz as mãos aos bolsos, às vezes fica de braços e pernas cruzadas e anda com uma
postura encurvada? Provavelmente esta mensagem que o orador transmite é de insegurança,
medo, nervosismo e inabilidade. Diante destes aspectos o que chamará mais atenção no
discurso, o tema, o conteúdo ou a forma como transparece e expressa seu pensamento?

É interessante mencionar que existem algumas técnicas de comunicação, que devem ser
empregadas de forma que auxiliem e potencializem seu desempenho lingüístico, entretanto,
usá-las de forma artificial ocasionará um efeito contrário, levando o seu interlocutor a duvidar
de suas intenções. Portanto, respeite seu estilo de comunicação e utilize as técnicas no seu dia
a dia, tendo o mesmo cuidado que você tem ao se vestir para uma festa ou ao praticar
exercícios físicos para não engordar.

É através da comunicação eloqüente, clara, segura, cheia de energia e entusiasmo que


conseguimos conquistar e envolver o interlocutor, bem como influenciar no processo de
conquista de nossos interesses. É importante que haja uma homeostase na comunicação como
um todo. Pensando nisso o que você pode fazer durante suas apresentações?

1- Antes das apresentações procure evitar esforços físicos intensos que podem levar a uma voz
soprosa e ofegante. A respiração é a responsável pelos movimentos no ar que produzem a voz,
assim alterações nessa prejudicam sua apresentação.

2- Fale olhando sempre para o publico focalizando pontos na platéia. Fixe seu olhar acima dos
olhos ou no fundo da sala. Direcione sua voz ao ambiente sem precisar gritar e realizar esforço
vocal, de modo que no final da apresentação esteja com a voz soprosa ou cansada;

3- Se apresentar seu discurso fazendo uso do microfone, é importante saber que existe uma
distancia e um posicionamento ideal para se falar ao microfone. Posicione-o na distancia de um
palmo a frente do queixo e transmite a mensagem em intensidade habitual;

4- Durante uma apresentação, ou seja, ao falar em grupo, sugiro uma vestimenta corporal que
se adeqüe ao estilo do evento. De preferência recomendamos aos homens uma blusa social e
calça básica, blazer ou terno. Cuidado ao usar terno, pois, dependendo do momento poderá
contar pontos negativos. Apresente-se de modo impecável, pois de acordo com o ditado
popular: ?A primeira impressão é a que fica? e, de fato como você será avaliado em 15 ou 30
minutos, é importante que esta primeira impressão seja a mais envolvente possível. Para as
mulheres, evitar maquiagens ousadas e para os homens, barba por fazer. Evitar fumar ou
mascar balas ou chiclete.

5- Ao se apresentar, aproxime-se do interlocutor inclinando o corpo levemente em sua direção,


assim sinalizará abertura e disposição para a comunicação. Ao cumprimentar, estender mão
mole ou apertar demais a mão, não é um bom começo.

6- Não se apresente com uma postura humilde, de alguém já derrotado, nem com prepotência
ou arrogância do tipo, sou o melhor!

7- Mantenha uma adequada postura corporal, pois facilita a projeção vocal e a articulação
precisa, transparecendo naturalidade e uma boa estética. Neste sentido, mantenha um ângulo
de 90° entre a ponta do queixo e o pescoço, seja em pé ou sentado.

8- Em pé, os joelhos não devem estar totalmente travados. Deve-se posicioná-los de forma
levemente flexionada evitando alterações musculares na região lombar e cervical.

9- Mantenha a cabeça sempre reta, mas nunca tensionada. A cabeça posicionada de forma
inclinada para os lados ou para baixo, pode induzir a afirmação ou negação de determinadas
mensagens, além de demonstrar insegurança.

10- Os pés devem estar apoiados no chão, de forma que o peso do corpo seja distribuído a toda
a base dos pés.

11- Ao sentar, pés apoiados no chão, costas inteiramente apoiadas no encosto da cadeira e
joelhos fazendo ângulo de 90°com o quadril.

12- Dê preferência a apoiar a mão uma sobre a outra, em repouso, indicando tranqüilidade;
mas a mão fechada com força pode denunciar insegurança. Falar com as mãos nos bolsos
também pode ser mal visto, indicando que está pouco à vontade. Ficar de braços cruzados pode
indicar que você está na defensiva, escondendo algo ou indisponível para o contato. É
necessário que varie a gesticulação, evitando realizar diversas vezes o mesmo movimento.

13- Não execute sua gesticulação abaixo da cintura ou acima da cabeça, afinal você não foi à
entrevista ou proferir uma palestra para dançar uma dança flamenca.Procure gesticular
normalmente, mas evitando movimentos excessivamente expansivos; procure não ficar
irrequieto nem manusear objetos como caneta ou moedas em seu bolso. Mexa-se
naturalmente; evite mostrar-se constrangido ou nervoso. Cuidado com os movimentos
automáticos, como coçar a cabeça, tremer as pernas e balançar os pés, por exemplo. Não roa
as unhas, pois demonstra ansiedade e nervosismo.

14- Não sente de pernas abertas demais, demonstra desleixo e negligência. Evite também
esticar as pernas, cruzar os pés à frente da cadeira ou encolher as pernas cruzando os pés sob a
cadeira demonstrando estar acuado.

15- Olhe sempre para onde deseja projetar a voz. Desta maneira refletirá segurança e
persuasão.

16- Saiba o que falar, como falar e para quem falar.

COMUNICAÇÃO GESTUAL OU NÃO VERBAL

Quais aspectos devem ser considerados numa comunicação?

1 - Saber o que falar

Saber o que falar nos remete ao conhecimento e organização do assunto a ser discursado,
exposto. É de suma importância que saibamos realizar uma pesquisa e um estudo detalhado
sobre o assunto a ser abordado, com certa antecedência. Se existe um comprometimento com o
tema, certamente transmitirá credibilidade, conhecimento e persuasão.

Realize a seguinte pergunta: Como convencer alguém sobre algo que discurso, que exponho, se
nem ao menos conheço o assunto direito, de forma a contemplar os aspectos, no mínimo,
essenciais do discurso? Normalmente, diante do nervosismo, as pessoas tendem a desorganizar
seu discurso ?queimando? etapas. Não sabem se todos os dados foram contemplados, se o que
tinha de falar adiante já foi falado ou não, o deixando nervoso e inseguro quanto a sua
performance.

Faço-lhe uma pergunta, como se troca uma fralda de uma criança? Você responderia:

A) Coloco a criança na cama, tiro a fralda...

B) Coloco a criança na cama, pego um algodão, um lenço, uma fralda....

C) Pego a criança, coloco no braço, levo a cama...

D) Pego uma fralda, limpo a criança, troco...

E) Não sei, não tenho filhos


Mesmo que você não possua experiência com o tema abordado, deve estar claramente consciente de que,
certamente você terá mais trabalho que os demais que conhecem o assunto. Se lhe é convidado a abordar
um tema ?x?, provavelmente você deverá ter tido experiência com este, se não quem o convidou não o faria.

E se possui um conhecimento pequeno sobre o tema, está aí à motivação para que você possa estudar e se
aprofundar mais. Agregar informação nunca é de menos. Faça um estudo pensando se colocando no lugar do
ouvinte. Pense: o que gostaria de saber sobre este assunto?

Precisamos ser objetivos, claros e coerentes que é bem diferente de ser redundante. Contemplar todos os
elementos que darão suporte para o entendimento sobre o assunto oferecido é essencial para o seu sucesso
enquanto comunicador.

Como forma de auxiliar na organização dos elementos que precisam ser discutidos e abordados em sua
palestra, é necessário obedecer algumas etapas:

1- O que é o tema central do seu assunto? Por exemplo, o que é comunicação?

2 - Como falar

Remete às ferramentas comunicativas, ou seja, a linguagem verbal (oral) e a linguagem não verbal
(gestual). Como fazer uso de forma equilibrada da palavra falada com sua melodia, intensidade, ênfase,
dicção e projeção de modo que este chegue ao receptor de forma coerente, natural e envolvente? Da mesma
forma que podemos potencializar aquilo que falamos oralmente através da comunicação do nosso corpo, que
influi, de forma significativa, na transmissão e entendimento da mensagem. Atuando inconscientemente no
outro, de forma que crie uma percepção, uma imagem sobre aquele que fala, enquanto comunicador
eficiente envolto em empatia.

3 - Para quem falar

É exatamente o outro, o receptor e, também construtor ativo da mensagem. É importante que se levante um
perfil para que se possa traçar um diagnóstico sobre aquele que nos escuta, nossos ouvintes, nosso
interlocutor, buscando saber:

- Antes de iniciar a palestra, o treinamento ou o curso saber:

-Quem é este outro (s)?

-Qual o nível de conhecimento que este(s) ouvinte(s) possui(em) sobre o tema abordado?

-Qual a expectativa que ele(s) possui(em) sobre este tema que será abordado?

- Durante a abordagem, a interação... saber que tipo de comunicador é este ouvinte, no intuito de construir,
com eficiência o rapport.

Você já ouviu falar em rapport?

Fique mais informado sobre a importância da comunicação.

RAPPORT
Postado em 01/10/2007

Avaliação:

Roberta Medeiros

Rapport palavra de origem francesa que significa concordância, afinidade,


analogia. É conhecido pela capacidade de entrar no mundo de alguém e fazer
esta pessoa sentir que você o entende, e que vocês possuem um forte laço em
comum.

Rapport Espelhamento - utilizado para reproduzir o


comportamento fisiológico da outra pessoa

1. Postura corporal
2. Gestos da mão
3. Expressões faciais
4. Deslocamento do peso
5. Respiração
6. Movimento dos pés
7. Movimento dos olhos

Combinação - espelhar é simultâneo com os movimentos da


outra pessoa, combinar pode às vezes ter um fator de “atraso no
tempo”.

Por exemplo, se alguém está gesticulando


enquanto fala e estabelece um argumento,
você pode ficar quieto enquanto presta
atenção. Quando for a sua vez de falar, você
pode fazer os seus comentários e a sua
posição usando o mesmo gesto ou similar.

Equiparação cruzada - combinar um dos comportamentos a um


correspondente, porém de um tipo diferente.

Por exemplo, se a pessoa está piscando muito


ligeiro, você pode fazer a equiparação
cruzada discretamente dando pancadinhas
com o seu dedo na mesma velocidade que ela
pisca; ou acompanhar o ritmo de alguém
falando com pequenas inclinações da sua
cabeça ou da sua respiração.

COMO REALIZAR RAPPORT INSTANTANEAMENTE

Com estas dicas você estabelecerá uma ligação com todas as pessoas
orientadas auditivamente (l0%), visualmente (50%) e cinestesicamente (40%).
Você imprimirá uma identidade nos três níveis da mente inconsciente onde 80%
de todas as escolhas de comportamento são feitos.

1. Quando você entrar na reunião, ou for oferecer uma palestra para um


grupo pequeno:

Entregue pessoalmente seu material para cada membro,

Aperte a mão de cada um com firmeza,

Apresente seu nome e o de sua companhia em tom de voz moderado

Certifique-se que seu cartão está anexado na parte de cima do seu


material.

2. Posicione-se no lado oposto da mesa onde está a pessoa que comanda a


tomada de decisão. Fique de frente, bem visível a pessoa mais importante do
grupo.

VISUAL Postura visual – demonstrar uma fisiologia de


Corresponde segurança – entre dentro do círculo da fisiologia
a 55% Posição visual – se coloque a 2,50 cm da pessoa
mais importante da mesa
Tonalidade visual – falar mais rápido, mais alto e
Ativar o 1/3 da com mais entusiasmo.
superior mensagem Mostre figuras, gráficos e vídeos durante as
apresentações.
do cérebro Mostre e
Ao entregar resumos, deixe em negrito as palavras
fale!
mais importantes que possam te beneficiar
AUDITIVO Postura auditiva -
Corresponde Posição auditiva – caminhe, ande em frente a
Ativar o 1/3 a 38% platéia. Se todos estiverem sentados numa mesa de
médio reunião, se levante e ande em volta da mesa.
da
do cérebro mensagem Tonalidade auditiva – possua um tom moderado
Quando for responder perguntas inicie sua
faça explanação repetindo algumas palavras dele com
perguntes tom mais baixo
e fale! Quando for colocar seu posicionamento coloque-se
utilizando ênfases, seja mais vibrante.
Sempre fale usando entonações e ênfases para que o
interlocutor se lembre das palavras – chaves.
CINESTÉSICO Postura cinestésica – aperte a mão com firmeza e
Corresponde deixe seu corpo fletir chegando mais próximo do
a 7% outro.
Posição cinestésica - ao participar de uma reunião,
Ativar o 1/3 da sente-se ao lado da pessoa mais importante do
inferior do mensagem grupo
cérebro Tonalidade cinestésica – tom de voz mais
Contato
vagaroso.
com as
emoções / corra a mão sobre cada página do relatório ou
sentir! resumo do que apresenta.

Resumo de artigo extraído da Anchor Point, abril de 1995

Elementos da Oratória
Postado em 13/02/2008

Avaliação:

Roberta Medeiros

A voz e os gestos são considerados os meios mais importantes na expressão do


orador. Constituem seus instrumentos e devem ser analisados e aprimorados. Os
movimentos físicos do comunicador devem acompanhar as modificações no tom
da voz. Quando ele está falando a um público, deve manter uma voz agradável e
vibrante para despertar o interesse dos ouvintes e a inflexão adequada para
ajudar a valorizar cada palavra destacando as idéias principais.

O orador deve aprimorar as inflexões de voz até que sejam um fiel reflexo de
seus pensamentos.

A postura está tão revestida de importância quanto as palavras. A melhor


escolha é uma postura firme, que demonstre segurança, sem ostentação. Pré-
requisitos, imprescindíveis ao advogado.
Diz-se que os olhos são “o espelho da alma”. Assim, a vida do comunicador é
também transmitida através do olhar, que deve ser amplo e dirigido a todos. Os
gestos ajudam a dar ênfase às idéias e devem ser trabalhados com tal empenho,
que a técnica passe a lhe pertencer naturalmente. No caso dos juristas, que já
possuem maturidade mental com mensagens enriquecedoras, o aprimorar a
comunicação é uma natural obrigação.

Há algumas maneiras de se desenvolver o material oratório capaz de garantir


a atenção do ouvinte tais como: limitar o assunto; desenvolver o poder de
reserva; intercalar ilustrações e exemplos; usar palavras concretas e familiares
que criem imagens.

Não se deve falar de improviso e sim apresentar uma fala de improviso.

É preciso buscar o auto-conhecimento, aprender a sentir o próprio corpo,


observar suas dimensões e seus limites, ter consciência da sua força, identificar o
pensamento e o sentimento e, também, descobrir suas possibilidades de
expressão; verificar como ocorrem os movimentos de braços, das mãos, das
pernas, da cabeça. Enfim, sentir como age e reage o próprio corpo e, aí sim,
gesticular de forma adequada. (POLITO, 1990)

O semblante talvez seja a parte mais expressiva de todo o corpo. Funciona


como uma espécie de tela. As imagens do nosso interior são apresentadas em
todas as suas dimensões. Cada sentimento possui formas diferentes de ser
apresentado pelo semblante, para transmitir idéias pelas palavras e, às vezes,
sem a existência delas.

Ele trabalha também como indicador de coerência de sinceridade na fala.


Falamos com o corpo inteiro: voz, fala, gestos, expressão corporal, psiquismo e
emoção. Tudo interligado à linguagem e à palavra.

Cada palavra dita importa. Cada emoção tem seu peso específico. O
importante é ser gente. E uma das condições essenciais de ser gente, talvez a
mais importante delas, é comunicar, falar, expressar. (BLOCH, 1979)

A melhor voz não é aquela que chama a atenção sobre sua beleza, mas
aquela que veicula o pensamento, a emoção, a informação, sem chamar atenção
sobre ela sobressaltando a mensagem. A voz pode desmentir a palavra. É muito
mais fácil mentir verbalmente que vocalmente.

E então, a atuação vocal do profissional da voz, deve se dar de forma bem


projetada na área da máscara e sua respiração nas regiões centrais para um
controle e apoio respiratório adequados. Ela também deve ser confiante,
marcante, viva na aparência na sonoridade com alcance e flexibilidade,
freqüentemente firme e geralmente dinâmica com um toque de energia. Uma
bela voz toca a mente e o coração. Ela vende.

“Não é aconselhável um profissional falar de improviso e, sim, quando


necessário, apresentar uma fala de improviso condensando suas idéias em
poucas palavras.” (WRIGHT)
Dicas que podem auxiliar na saúde da voz
Postado em 20/06/2007

Avaliação:

Roberta Medeiros

Beber de 7 a 8 copos de água por dia, em temperatura ambiente. Evitar refrigerante, pois
pode prejudicar a movimentação do diafragma, principalmente antes de apresentações;

Em ambientes com ar condicionado, intensifique a hidratação, pois o ar é bastante seco e


isso pode acarretar pigarros e alteração na qualidade de sua voz;

Evite tossir ou pigarrear, uma vez que provoca um impacto forte nas pregas vocais e
transparece nervosismo diante de uma apresentação, bem como se você tivesse pedindo
um tempo para pensar ou relembrar de alguma passagem importante no seu discurso;

Falar em ambientes ruidosos ou abertos leva o emissor a intensificar a emissão vocal, pois
há competição sonora. Quando possível deve-se evitar tais ambientes, mas no caso de
profissionais que trabalham em tais condições a voz deve ser projetada e os sons
articulados com precisão evitando o recurso do grito para fazer com o que o seu
interlocutor escute e compreenda a mensagem;

Proferir palestras, ministrar aulas ou participar de uma entrevista durante quadros gripais
ou crises alérgicas deve ser evitado. Neste período deve-se beber água em abundância,
antes, durante e após apresentações para hidratar as pregas vocais;

Um dia antes de se apresentar para uma entrevista ou ministrar aquela apresentação


importante deve ser realizado repouso vocal. As pregas vocais são músculos como
qualquer outro, e também sofrem fatiga; Neste sentido, evita conversar durantes grandes
duração;

Evite ingerir grandes quantidades de aspirinas, calmantes ou diuréticos, antes de


apresentações em público, uma vez que ressecam as mucosas vocais. Sugiro o nosso
conhecido chá ou suco de maracujá;

Cantar é um ótimo exercício para a voz, mas o indivíduo precisa ter preparo e técnicas
vocais, caso contrário podem surgir sérios distúrbios orgânicos. Então, antes de cantarolar
ao banheiro, sugiro um repertório que não exija esforço ou a emissão de sons muitos
agudos, que sejam diferentes do seu tom de voz.

Evite ingerir alimentos pesados ou com excesso de condimentos por acarretar azia, má
digestão e refluxo de secreções gástricas. A maçã e o salsão são recomendados, pois são
adstringentes, deixando a saliva mais fininha. Já os derivados do leite e chocolate
engrossam a saliva e dificultam a articulação das palavras e a vibração das pregas vocais.

Lembre-se sempre que a saúde vocal é importante para o estabelecimento de qualquer


contato que exija, no mínimo, um alô!

Fatores que prejudicam a boa produção vocal.


Postado em 20/06/2007

Avaliação:

Roberta Medeiros

Existem fatores que prejudicam uma boa produção vocal, tais como o fumo, o álcool, as
drogas, a alimentação, o vestuário, o ar condicionado, os componentes alérgicos, os
hábitos vocais inadequados e a competição sonora.

O fumo, hábito inadequado corriqueiramente encontrado nos ambientes sociais, traz


muitos prejuízos para o trato vocal, pois a fumaça quente ingerida agride todo o sistema
respiratório, principalmente as pregas vocais, órgão onde a nossa voz é produzida. As
substâncias encontradas no cigarro pode aumentar o acúmulo de toxinas nas mucosas das
pregas vocais, causando pigarro, edema ou inchaço, irritação e aumento de produção de
secreção.

A ingestão de álcool causa irritação em todo trato vocal, onde está a laringe, no pescoço.
Bebidas alcoólicas deixam a região faríngea, logo após a cavidade bucal, anestesiada,
diminuindo a sensibilidade e mascarando os abusos vocais. Passado então seu efeito, o
indivíduo poderá apresentar ardor, queimação, voz rouca e fraca, prejudicando a
performance vocal.

O uso de drogas é bastante agressivo ao mecanismo vocal, pois além dessas substâncias
serem causadoras de irritação e ulceração na mucosa das pregas vocais, podem causar
alterações como perfuração do septo nasal e flacidez muscular. A maneira como são
ingeridas agravam mais ainda o uso desses tóxicos, pois há uma compressão muito grande
da erva no ato de tragar criando assim uma enorme elevação da temperatura.

A fumaça da maconha tem um efeito altamente agressivo devido à fumaça e às toxinas


provenientes da queima do papel onde a erva é enrolada. As drogas injetáveis, como a
cocaína, provocam flacidez muscular e também fadiga vocal. O uso a médio e longo prazo
dessas substâncias pode causar alterações na respiração, prejudicando também a
produção vocal.

A falta de repouso adequado também é bastante prejudicial ao funcionamento do


organismo como um todo e do trato vocal também, pois o corpo humano precisa de no
mínimo oito horas de descanso por dia. Caso não ocorra o repouso adequado, pode ocorrer
fadiga vocal pelo uso intenso da voz associado ao descanso insuficiente, o que pode
provocar uma voz rouca, fraca e com ar pela manhã.

A alimentação é um aspecto bastante importante para o bom desempenho vocal. A


ingestão de alimentos indigestos ou muito condimentados dificulta a movimentação
adequada do diafragma, músculo essencial para a respiração. Então, as pessoas que
utilizam a voz na sua profissão devem evitar a ingestão de alimentos gelados e quentes
alternados, assim como o chocolate, leite e derivados que estimulam as glândulas
secretoras de muco no trato vocal. Uma vez que, excesso de muco produzido vai provocar
o pigarro, sensação de algo preso na garganta e alterar a mobilidade das pregas vocais
para a produção da voz.

A hidratação do organismo é de extrema importância para todas as funções do organismo


e também para a produção da voz. Quando o organismo não está bem hidratado a
vibração das pregas vocais é realizada com atrito, agredindo toda a mucosa laríngea. Por
isso, é recomendado que a hidratação do organismo seja realizada com no mínimo seis
copos de água por dia. Para as pessoas que fazem uso profissional da voz, inclusive os
políticos, locutores, jornalistas, devem hidratar intensivamente, com a ingestão de quatro
a seis copos no período de duas horas antes de iniciar a atividade vocal.

O vestuário pode ser adequado ou não para a produção vocal. O uso de roupas ou
adereços apertados, principalmente no pescoço e na cintura, alteram o funcionamento
adequado do diafragma, músculo de apoio da respiração, atrapalhando a boa produção
vocal. Indica-se o usode roupas leves e folgadas, sem gravatas apertadas e camisas
abotoadas até o pescoço, para facilitar a livre movimentação do diafragma. Quanto aos
sapatos, os apertados ou com saltos muitos altos contribuem para uma postura tensa e
enrijecida alterando toda a postura.

O ar condicionado deve ser evitado, pois reduz a umidade do ar no ambiente, provocando


o ressecamento do trato vocal, fazendo com que a voz seja produzida de forma tensa e
com esforço.

As pessoas alérgicas são mais predispostas a desenvolver problemas vocais, pois a mucosa
respiratória constantemente fica edemaciada, e conseqüentemente, dificuldade na
vibração das pregas vocais. Outro agravante é a presença de excesso de secreção
causando irritação direta na laringe.

Os hábitos vocais inadequados são os que mais prejudicam uma boa qualidade na
produção da voz. Raspar a garganta, pigarrear, gritar sem suporte respiratório, a
competição sonora e tossir com ausência de secreção (a chamada tosse seca) são ações
prejudiciais ao trato vocal, pois podem contribuir para o aparecimento de alterações nas
pregas vocais, devido ao atrito realizado.

A competição sonora também contribui para a instalação de alterações vocais. Quando o


discurso é oferecido em ambientes acústicamente ineficientes ou em ambientes muito
ruidosos, geralmente envolvido por um grande número de pessoas, é preciso que os
oradores controlem a situação através da voz, ou seja, do provável abuso vocal. Para
evitar essa competição, o profissional pode utilizar-se de artifícios como microfone, retorno
de voz ou lugares com boa acústica para minimizar a competição sonora.

São várias as situações que requerem o uso excessivo da voz, mas não podemos esquecer
dos fatores psicológicos, pois situações de grande tensão emocional são muito freqüentes.
A ansiedade relacionada ao medo de falhar, a competição, o medo de falar em público, a
insegurança em relação à fala e à voz, a tensão corporal e a fadiga física devem ser
discutidas e analisadas, junto a esse profissional.

As pregas vocais são músculos, e como tal precisam ser respeitados. Conhecer sua voz é
necessário para o funcionamento da mesma. Evite realizar abusos. Na ausência destes há
a garantia de uma boa saúde de sua comunicação.

Fique por dentro da importância da saúde vocal.

Dicas -para potencializar sua dicção


Postado em 20/06/2007

Avaliação:

Roberta Medeiros

1- Em apresentações procure evitar esforços físicos intensos que podem levar a uma voz
ofegante. A respiração é a responsável pela produção da voz, assim alterações nessa
prejudicam sua apresentação.

2- A voz reflete a personalidade e os sentimentos. Se não estiver bem preparada, a voz,


por meio de hesitações, pausas e velocidade alterada, poderá prejudicar seu discurso,
demonstrando insegurança, nervosismo ou despreparo;

3- Articule as palavras de forma precisa. Pronuncie-as sem exageros;

4- Para facilitar a projeção da voz no ambiente e transparecer energia e clareza, possua


um bom apoio respiratório, realize uma adequada abertura de boca, use as inflexões, olhe
para o ambiente a que se quer projetar a voz.

5- Fale olhando sempre para o publico focalizando pontos na platéia. Fixe seu olhar acima
dos olhos ou no fundo da sala. Direcione sua voz ao ambiente sem precisar gritar;

6- A entonação provoca efeito sobre o ouvinte. Sustente a entonação no agudo quando


não quiser ser interrompido, ao finalizar o pensamento diminua mantenha um tom mais
grave. As inflexões evitam interpretações ambíguas e torna o discurso envolvente;

7- A ênfase da frase deve ser dada à palavra que seja considerada mais importante na
mensagem, mas sem exageros,

8- Domine o assunto, se prepare teatralizando anteriormente. O domínio do assunto


fortalece a autoconfiança e evita hesitação como os famosos "brancos";
9- O aquecimento vocal favorece o relaxamento dos músculos responsáveis pela voz e pela
mímica facial transmitindo mais tranqüilidade. Existem técnicas para realizar o
aquecimento vocal, por exemplo vibrar a língua e os lábios.

10- Existe uma distancia e um posicionamento adequado para se falar ao microfone.


Posicione-o na distancia de um palmo a frente do queixo e transmita a mensagem em
intensidade habitual;

Dicas de palavras que merecem atenção especial


Postado em 01/10/2007

Avaliação:

Roberta Medeiros

A linguagem dirige nossos pensamentos para direções especificas e, de alguma


forma, ela nos ajuda a criar a nossa realidade, potencializando ou limitando as
nossas possibilidades. A habilidade de usar a linguagem com precisão é essencial
para uma boa comunicação.

1) CUIDADO COM A PALAVRA NÃO. A Frase que contém NÃO, para ser
compreendida, traz à mente o que está junto com ela. O NÃO existe apenas na
linguagem e não na experiência. Por exemplo: pense em "NÃO"... Não vem nada
à mente. Agora, vou lhe pedir não pense na cor vermelha... Eu pedi para você
NÃO pensar na cor vermelha e você pensou. Procure falar no positivo, o que você
quer e não o que você não quer.

2) CUIDADO COM A PALAVRA MAS, QUE NEGA TUDO QUE VEM ANTES. Por
exemplo: "O Pedro é um rapaz inteligente, esforçado, MAS...". Substitua o MAS
por E, quando indicado.

3) CUIDADO COM A PALAVRA TENTAR, QUE PRESSUPÕE A POSSIBILIDADE DE


FALHA. Por exemplo: "Vou tentar encontrar com você amanhã às 8 horas". Em
outras palavras: Tenho grande chance de não ir, pois vou "tentar". Evite
TENTAR, FAÇA.

4) CUIDADO COM NÃO POSSO OU NÃO CONSIGO, que dão idéia de


incapacidade pessoal. Use NÃO QUERO, NÃO PODIA ou NÃO CONSEGUIA,
que pressupõe que vai conseguir, que vai poder.

5) CUIDADO COM AS PALAVRAS DEVO, TENHO QUE ou PRECISO, que


pressupõem que algo externo controla a sua vida. Em vez delas use QUERO,
DECIDO, VOU.

6) Fale dos problemas ou das descrições negativas de si mesmo, utilizando o


verbo no passado. Isto libera o presente. Por exemplo, "Eu tinha dificuldade em
fazer isto..."

7) Fale das mudanças desejadas para o futuro utilizando o tempo presente do


verbo. Por exemplo: em vez de dizer "Vou conseguir", diga "Estou conseguindo".

8) Substitua o SE por QUANDO. Por exemplo: em vez de falar "Se eu conseguir


ganhar dinheiro vou viajar", fale "Quando eu conseguir ganhar dinheiro vou
viajar".
9) Substitua ESPERO por SEI. Por exemplo: em vez de falar "Eu espero
aprender isso", diga "Eu sei que vou aprender isso". ESPERAR suscita dúvidas e
enfraquece a linguagem.

10) Substitua o CONDICIONAL pelo PRESENTE. Por exemplo: Ao invés de dizer


"Eu gostaria de agradecer à presença de vocês", diga "Eu agradeço a presença de
vocês". O verbo no presente fica mais forte e concreto.

TIPOS DE DISCURSO
Postado em 28/09/2007

Avaliação:

Roberta Medeiros

Discurso Extemporâneo – MAIS EFICIENTE!

É planejado, pesquisado, organizado, treinado com antecedência. É


apresentado de maneira espontânea, em tom de conversa e oferece a impressão
de honestidade, envolvimento e compromisso com o ouvinte.

Discurso improvisado – MAIS NATURAL!

Como o nome diz, não possui preparação. É realizado em situações


inesperadas. A falta de uma prévia preparação constitui o maior problema,
entretanto, é por definição espontâneo.

Mas como o orador pode organizar este discurso?

1. Tire vantagem do tempo entre o convite e o discurso, mesmo que


sejam apenas 15 minutos, tente nomear e organizar em uma folha
de papel a ordem de eclosão das palavras – chaves, ou seja,
aquelas mais importantes para que amenize a desorganização do
discurso;

2. Pergunte-se: “O que tenho a dizer sobre o assunto”? E responda as


seguintes questões:

o O que é? (Refere-se à definição do tema central).


o Por quê? (Qual sua importância naquele contexto: social,
educacional, político, ...).
o O que? (Detalhes sobre o assunto abordado. O que faz parte?)
o Como? (Como se organiza, como se executa, como se realiza. Diz
respeito a metodologia. Neste momento você pode usar sua
experiência profissional como base de explanação).
o Onde? (Localização, momento).
o Quando? (Duração de execução, dos resultados)
o Conclusão

Discurso Manuscrito

Ocorre através da leitura de um texto previamente preparado. A maior


desvantagem é a falta de espontaneidade, acarretando desinteresse e cansaço na
platéia. Como realizar um manuscrito?
 Geralmente são mais formais e menos pessoais.
 Faça mais uso de adjetivos e advérbios para enriquecer e tornar o discurso
mais atraente e rico.
 Para quebrar a formalidade, em algumas citações fale ”bem”, “enfim”,
entre outros.
 Use fonte arial ou times new roman, por serem mais claras e conhecidas,
o que evita confusão na leitura.
 Use parágrafos curtos, com no máximo 3 linhas, por serem fáceis de
localizar e evitar que o orador se perca.
 Deve-se imprimir o texto com espaço duplo e as palavras que merecem
ênfase devem estar em caixa alta e colocadas em negrito.
 Na leitura, após cada linha proferida, realize contato ocular com a platéia.
Evite o cansaço.
 Deve-se ensaiar a apresentação até que o orador possa, em alguns
parágrafos, discursar sem ler, para que o contato visual se estabeleça e,
neste momento, convide o interlocutor a participar do discurso.

Discurso Memorizado

Habitualmente são textos decorados e menos eficientes. Se o orador esquecer


apenas uma palavra, esta uma palavra terá a grandeza de desorganizar todo o
discurso do orador, se não tiver um léxico aprimorado. A única dica que posso
oferecer é a prática exaustiva.

o Para que o discurso flua de forma natural é necessário prática.


o Primeiramente o orador deve apresentar o discurso para si em voz
alta, se possível em frente ao espelho.
o Grave a apresentação e escute-a, para ter ciência de quais pontos
precisam de mais trabalhados.
o Se tiver a oportunidade, apresente seu discurso para um parente
ou um amigo e solicite sua avaliação.

Tenha sempre mente quando Falar em Público


Postado em 13/02/2008

Avaliação:

Roberta Medeiros

1 Naturalidade

O quê você diz, quando e como você o diz estão todos trabalhando juntos. Dê
enfoque na fala pausada e alta para uma pessoa de cada vez; dessa forma, você
dá à sua audiência tempo para absorver o que você está dizendo.

2 Expressão Corporal – Postura e Equilíbrio

A postura está tão revestida de importância quanto as palavras. O orador


precisa de uma postura firme, que demonstre segurança. Aqueles que possuem o
chamado “dom da palavra” podem influir sobre indivíduos e grupos, demonstrar,
persuadir, esclarecer idéias e conceitos, na vida particular, social e profissional.

3 Respiração e Propriocepção
A atuação vocal do profissional da voz deve se dar de forma bem projetada na
área da máscara e sua respiração, nas regiões centrais, para um controle e apoio
respiratório adequados.

Respiração

A respiração calma, rítmica e controlada auxiliará no processo de relaxamento


que propicia um triunfo ao orador.

Propriocepção

O orador precisa de uma conscientização de suas facilidades e dificuldades


para realizar novos ajustes.

4 Voz, Dicção, Inflexão, Articulação e Fluência

Sendo a voz a principal auxiliar na verdadeira arte da bela expressão falada, é


de extrema importância que se fale com propriedade. A voz deve ser fluente,
clara, simples, firme, agradável, vibrante e convincente, para que crie uma
motivação ao

ouvinte. A inflexão da voz deve ser adequada para ajudar a valorizar cada
palavra, destacando as idéias principais.

A visibilidade que a voz, dicção, inflexão e fluência dão, torna-se parte do


crescimento profissional geral.

5 Gestos, Olhar e Semblante – O Colorido

Os gestos ajudam a dar ênfase às idéias e devem ser trabalhados com tal
empenho, que a técnica passe a lhes pertencer naturalmente.

Por ser o semblante a parte mais expressiva de todo o corpo, funciona como
uma espécie de tela. E para o profissional que precisa da fala, é importante que
seja trabalhado por funcionar como indicador de coerências.

Sendo os olhos considerados o espelho da alma, a vida do comunicador é


também transmitida através do olhar, que deve ser amplo e dirigido a todos.

6 Preparação, Linguagem e Recursos

Não é aconselhável um profissional falar de improviso e, sim, quando


necessário, apresentar uma fala de improviso condensando suas idéias em
poucas palavras, pré requisito indispensável no mundo atual em que o tempo de
fala do profissional

é restrito. Recursos aumentam o interesse, maximizam a retenção da audiência e


esclarecem seus dados.

7 Observação e Pensamento

É preciso buscar o auto-conhecimento, aprender a sentir o próprio corpo,


observar suas dimensões e seus limites, ter consciência de sua força, identificaro
pensamento e o sentimento e, também, descobrir suas possibilidades de
expressão.

Desenvolver a capacidade de perceber a recepçãodo seu discurso: Ser capaz


de identificar quando necessita modificar o conteúdo, ritmo ou direção da sua
fala. Ser capaz de coordenar o ritmo do pensamento com a fluência articulatória
(ritmo de fala).

8 O Medo – Inibições e Vivências

O melhor preparo é a segurança do conhecimento. Identificar como, quando,


onde e com quem aparecem mais as inibições e bloqueios, e trabalhálas recriando
situações similares e mudando sua conduta para poder também mudar o registro

cortical, passando a ter um desempenho melhor.

Transforme o fantasma do medo em seu aliado, dando mais energia à sua


fala. O medo de falar em público é o maior sintoma causa que faz com que as
pessoas procurem um curso de oratória.

9 Organização e Exposição de Idéias

A oratória tem objetivos de: Persuadir; Informar, Impressionar; Convencer e


Entreter, ajustando suas palavras à finalidade do auditório e à ocasião.

Para que o discurso mantenha unidade, é preciso elaborá-lo em torno de uma


idéia principal ou central, que será a diretriz, marcando o rumo da palestra.
Preparar o discurso – conteúdo – ênfase / tempo /síntese / gestos.

10 A Arte de Falar Bem: Interação com o Público

Falamos com o corpo inteiro: voz, gestos, expressão corporal, psiquismo e


emoção. Tudo interligado à linguagem e à palavra.

O êxito vai depender da capacidade de cada um em compreender como e


quando utilizar cada recurso orientado e treinado no curso de oratória. Um bom
orador é reconhecido profissionalmente e mais bem sucedido.

Será que você sabe elaborar uma apresentação em slide?


Postado em 20/06/2007

Avaliação:

Roberta Medeiros

1- De preferência ao usar slides de fundo escuro, realçando as informações relativas ao


tema abordado com cores claras, o que facilita a visualização e o trabalho com o texto;

2- Recomenda-se o uso de no máximo três cores diferentes nos slides e transparências.


Desta forma evita-se que as cores prendam a atenção do ouvinte em detrimento da
informação; empregue uma cor diferente daquela utilizada no texto inteiro para oferecer a
informação de que aquela palavra é importante para o tema, como se a cor do discurso
escrito fosse a ênfase oferecida no discurso lido;

3- O título normalmente, deve ser introduzido na parte superior e central do slide de forma
que chame atenção ao que se está abordando. Os subtítulos devem ser colocados à
esquerda e na parte superior do slide. Deve ser escrito de forma concisa, de forma que
situe o interlocutor sobre o que será abordado;

4- As letras devem ser grandes objetivando a visualização das pessoas posicionadas na


última fileira da platéia. Dê preferência às fontes padrão arial ou times new roman por
serem letras que os interlocutores mais fazem uso;

5- É imprescindível que exista pouco texto nos slides e que em cada um deles contenham
poucas linhas, no máximo um parágrafo com 4 linhas. O texto deve apenas introduzir o
assunto abordado em sua essência, de forma que não cance a visão do interlocutor, não
transpareça a imagem de que o orador está preparado e lendo tudo, evitando que o
palestrante se confunda ao realizar a leitura;

6- Evite introduzir números, descreva-os para facilitar a compreensão, a não ser que
sejam resultados de um levantamento estatístico acompanhado ou não de gráficos;

7- Os gráficos devem ser usados com parcimônia, pois cansa o interlocutor, entretanto,
caso haja muita informação a ser compartilhada, e que sejam essenciais ao entendimento
do texto, pode-se sintetizar através de gráficos ou pontuações.

8 - Evite introduzir sons nos slides uma vez que dificulta a compreensão e distrai o
ouvinte. Deixe apenas nos slides o essencial.

9- Faça uso de poucas ilustrações. Dê prioridade aquelas que dão ênfase a mensagem.

FERRAMENTAS DA COMUNICAÇÃO ORAL E GESTUAL


Postado em 05/10/2007

Avaliação:

Roberta Medeiros

CONSCIENTES - Comunicação Oral: Projeção vocal, diccção, entonação, voz,


altura vocal, ênfase, respiração.

INCONSCIENTES - Comunicação Gestual: Expressão facial, postura em pé e


sentada, olhar, gestos.

DICAS DE COMUNICAÇÃO NÃO VERBAL / GESTUAL

· Durante uma apresentação, ou seja, ao falar em grupo, sugerimos que a


vestimenta corporal se adeqüe ao estilo do evento.

· De preferência recomendamos aos homens uma blusa social e calça básica,


blazer ou terno. Cuidado ao usar terno, pois, dependendo do momento poderá
contar pontos negativos.

· Apresente-se de modo impecável, pois de acordo com o ditado popular: “A


primeira impressão é a que fica” e, de fato como você será avaliado em 15 ou 30
minutos, é importante que esta primeira impressão seja a mais envolvente
possível.

· Para as mulheres, evitar maquiagens ousadas e para os homens, barba


por fazer. Evitar fumar ou mascar balas ou chiclete.
· Ao se apresentar, aproxime-se do interlocutor inclinando o corpo levemente
em sua direção, assim sinalizará abertura e disposição para a comunicação. Ao
cumprimentar, estender mão mole ou apertar demais a mão, não é um bom
começo.

· Não se apresente com uma postura humilde, de alguém já derrotado, nem


com prepotência ou arrogância do tipo, eu já passei nesta entrevista, sou o
melhor! Mas valorize-se!

· Mantenha uma adequada postura corporal, pois facilita a projeção vocal e a


articulação precisa, transparecendo naturalidade e uma boa estética. Neste
sentido, mantenha um ângulo de 90° entre a ponta do queixo e o pescoço, seja
em pé ou sentado.

· Em pé, os joelhos não devem estar totalmente travados. Deve-se


posicioná-los de forma levemente flexionada evitando alterações musculares na
região lombar e cervical.

· Mantenha a cabeça sempre reta, mas nunca tensionada. A cabeça


posicionada de forma inclinada para os lados ou para baixo, pode induzir a
afirmação ou negação de determinadas mensagens, além de demonstrar
insegurança.

· Os pés devem estar apoiados no chão, de forma que o peso do corpo seja
distribuído a toda a base dos pés.

· Ao sentar, pés apoiados no chão, costas inteiramente apoiadas no encosto


da cadeira e joelhos fazendo ângulo de 90°com o quadril.

· Dê preferência a apoiar a mão uma sobre a outra, em repouso, indicando


tranqüilidade; mas a mão fechada com força pode
denunciar insegurança. Falar com as mãos nos bolsos também pode ser mal
visto, indicando que está pouco à vontade. Ficar de braços cruzados pode indicar
que você está na defensiva, escondendo algo ou indisponível para o contato. É
necessário que varie a gesticulação, evitando realizar diversas vezes o mesmo
movimento.

· Não execute sua gesticulação abaixo da cintura ou acima da cabeça, afinal


você não foi à entrevista ou proferir uma palestra para dançar uma dança
flamenca.

· Procure gesticular normalmente, mas evitando movimentos


excessivamente expansivos; procure não ficar irrequieto nem manusear objetos
como caneta ou moedas em seu bolso.

· Mexa-se naturalmente; evite mostrar-se constrangido ou nervoso. Cuidado


com os movimentos automáticos, como coçar a cabeça, tremer as pernas e
balançar os pés, por exemplo. Não roa as unhas, pois demonstra ansiedade e
nervosismo.
· Não sente de pernas abertas demais, demonstra desleixo e negligência.
Evite também esticar as pernas, cruzar os pés à frente da cadeira ou encolher as
pernas cruzando os pés sob a cadeira demonstrando estar acuado.

· Olhe sempre para onde deseja projetar a voz. Desta maneira refletirá
segurança e persuasão. Faça a técnica do “Z”. Divida a platéia em 3 quadrantes.
Quando você andar para o lado direito da platéia, sua cabeça com o olhar devem
fazer o movimento contrário, ou seja, olhar para o lado esquerdo, de forma que
todos os interlocutores se sintam visualizados por você. Depois volta para a
esquerda, e sua cabeça irá pára a direita realizando contato com todos os
participantes do 2° quadrante. Faça o mesmo com o 3°!

· Se a palestra tiver uma duração longa, em que você tem a certeza de que
vai se cansar de ficar muito tempo em pé, mantenha o equilíbrio emocional, e
crie uma fisiologia menos ampla possível, como assim? Ao invez de abrir a base
das pernas e pendular o seu corpo para um dos lados, faça o passo da capoeira.
Feche as pernas e apóie o peso do corpo na perna que irá se posicionar a menos
de um passo atrás do seu corpo. Quando se cansar, é só mudar para a perna
contrária.

Ao manter uma fisiologia equilibrada, entrando no círculo da fiosiologia, lembre-


se de emitir vibrações positivas, estado no estado “festa” que iremos conversar
em rapport.

Como apresentar um orador


Postado em 22/02/2008

Avaliação:

Ruzia Barbosa dos Santos


ruziab@yahoo.com.br
Apresentação de um orador

A finalidade da apresentação de um orador é preparar o público, a fim de que as pessoas se


interessem em ouvi-lo. Para isso, existe uma fórmula mágica que fará a diferença . É a chamada fórmula
AICA.
O que vem a ser essa fórmula? É muito simples. Quando for apresentar um palestrante, siga os passos a
seguir:

A - (assunto da palestra) Nesse primeiro momento seja breve e já


informe o assunto do encontro à platéia.
I - (importância) Agora você vai justificar ao público quais as vantagens que todos terão em assistir à
palestra.
C – (credenciais) Somente agora, depois que se explanou sobre o assunto e as vantagens dele, que
informamos as credenciais que o orador tem, relativas ao tema em foco. Importante lembrar que essas
credenciais devem ser inerentes ao assunto, e que são informações muito relevantes, porque as pessoas
têm que saber que o palestrante domina o assunto.
A – (apresentação do orador) Nessa parte é que falamos o título da palestra e convidamos o
orador,chamando-o pelo nome completo, para dar início à sua fala.

Viram como é fácil e mais elegante? Agora muito cuidado! Você só terá três minutos para fazer o
seu breve discurso de apresentação. Lembre-se que o artista principal é o orador. Não queira falar muito.

PROGRAMAÇÃO NEUROLINGÜÍSTICA
Postado em 05/10/2007

Avaliação:

Roberta Medeiros
Entende-se por Programação Neurolingüística, mais conhecida como PNL o estudo
sobre a experiência subjetiva que possuímos por meio dos padrões lingüísticos e
comportamentais do ser.
A PNL descreve o funcionamento do cérebro humano, sendo assim
possível reprogramá-lo ou remodela-lo de uma forma melhor, visando resultados
excelentes daquilo que almejamos.
Àqueles que ministram os cursos de PNL, também conhecidos como
programadores, sempre ensinarão por meio da instalação de modelos, e não por
si só ensinar técnicas após técnicas. A base do processo de instalação ocorre
através do desenvolvimento de ações, atitudes, as quais permitem a geração de
novas técnicas mais efetivas e com um funcionamento efêmero.
A PNL objetiva a criação de novas maneiras de entender como a
comunicação verbal e gestual do sujeito afeta o cérebro humano. Desta forma, a
PNL se apresenta como uma oportunidade invulgar de comunicarmos melhor,
bem como obtermos maior controle sobre o que consideramos funções
automáticas da neurologia.
Conforme estudiosos, a PNL basea-se na descoberta de exemplos de
excelência e na compreensão da maneira como pessoas excelentes executam
suas ações, de modo que nós possamos adotar o modelo utilizado e aplica-lo em
nossas vidas.
A PNL oferece novos meio de convivência com a sociedade e consigo
mesmo. Há uma reflexão mais abrangente sobre o ser, sobre os relacionamentos
interpessoais, a forma como atuamos nesta sociedade e como planejamos nossos
pensamentos e atitudes.
Neste sentido, a PNL é uma ferramenta poderosa para o processo de
desenvolvimento de nossas habilidades, as quais dependem da capacidade de nos
comunicarmos de forma eficaz.

USANDO A PNL PARA SUPERA O MEDO DE FALAR E PÚLICO

Conforme pesquisas desenvolvidas por estudiosos, dos quais podemos


citar o book of lists dentro os dez maiores medos do ser humano, o falar em
público encontra-se em primeiro lugar, superando o medo de altura, da morte, de
contrair alguma doença, de ter problemas financeiros, entre outros. Quem diria
que estar a frente de algumas poucas ou muitas pessoas pudessem acarretar
tanta repugnância, tanta aversão? Contudo, superar este medo pode ser tão fácil
quanto imaginamos.
A preparação mental pode ser considerada um elemento importante na
dinâmica do falar em público. De acordo com a PNL os seus estados mentais
afetam sua fisiologia e a fisiologia afeta o seu estado mental. O orador eficiente
adota uma fisiologia positiva e uma atitude mental positiva.
Vocês devem estar se perguntando: Como assim, uma fisiologia positiva?
Vejam bem, uma fisiologia positiva e eficaz faz com que o orador adote uma
postura ereta, com a cabeça posicionada ao centro, sem pender para os lados ou
para baixo, possui ombros paralelos e retos ao chão, pernas bem firmes e o peso
do corpo fica bem distribuído igualmente nos pés.
O orador eficiente, natural, envolvente, permanece focado externamente,
ou seja, na audiência, e se adapta às necessidades desta platéia. Para
demonstrar que o foco do orador permanece no externo, o orador, enquanto
profere sua palestra, frequentemente inclina seu corpo em direção àquele para
quem fala, olha para a platéia e não “na” platéia, move-se gestualmente com
firmeza, sendo condizente com o objetivo da mensagem.

FISIOLOGIA --------------ORADOR-------- Postura ereta


POSITIVA Cabeça posicionada ao centro do
corpo
Contato ocular com a platéia
Queixo a 90° com o corpo
Pernas bem firmes
Peso do corpo equilibrado

As pessoas que possuem medo em falar em público, normalmente fazem


uso de uma fisiologia condizente com os seus pensamentos, que por sua vez são
negativos. Olham para baixo, a cabeça fica lateralizada, caída, sua expressão
facial não é envolvente, os ombros ficam caídos, enfim, assumem uma posição
desequilibrada. Por causa do medo, assumem que o seu foco encontra-se
internamente, nas suas próprias inseguranças.
A PNL usa a ancoragem para fixar um novo padrão de comportamento.
Tente responder: Para que serve uma âncora? Você deve estar dizendo –
Obviamente para segurar o barco, para impedir que ele se afaste de algum
ponto.
Similarmente, a PNL usa as âncoras para manter o novo comportamento
no lugar e criar uma associação entre o comportamento e o estímulo externo.
Usaremos a ancora espacial para aprender a fisiologia de falar em público, para
tanto, imagine um círculo a sua frente. Você vai usar este círculo para ancorar a
sua fisiologia de falar em público.
Entre no círculo e se coloque numa fisiologia positiva, corpo ereto, cabeça
bem posicionada, pernas paralelas e o peso do seu corpo bem distribuído ao
longo dos seus pés. Imagine que há uma corda atada no topo de sua cabeça te
puxando para cima.
Agora perceba sua respiração e respire lentamente, profundamente, e
sinta o relaxamento fluindo pelo seu corpo. Agora se imagine diante de uma
platéia, e envie quatro vibrações positivas para os seus interlocutores realizando
as seguintes afirmações:
1. Eu estou contente de estar aqui.
2. Eu estou contente de vocês estarem aqui
3. Eu me interesso por vocês
4. Eu tenho certeza do que sei

Estas vibrações auxiliam na expressão de um sentimento de alegria, prazer,


tranqüilidade, empatia e credibilidade. Ao adotar estes 4 estados mentais antes
das suas apresentações, você certamente aumentará as suas chances de se
sentir mais confiante e motivado.
Tenha em mente que falar em público pode se assemelhar a um coquetel.
Quando se vai a uma festa, habitualmente você aceita ir pro considerar um
momento prazeroso onde suas chances de aumentar o seu circulo de amizade
aumenta. Então você chega à festa e tem a atitude de se aproximar de uma outra
pessoa ou de um circulo de pessoas e iniciar uma conversa. Neste momento você
descobre pessoas interessantes, as quais você deseja permanecer em contato. Se
sente feliz, confortável e transparece envolvimento.
Em contrapartida, você pode ir a este mesmo evento e manter uma atitude
mental negativa. Fica parado num canto sozinho, come e bebe algo, quando
alguém se aproxima de você, você simplesmente fecha o discurso, demonstrando
desinteresse e volta para casa aborrecido. Aborrecida também ficará a pessoa
que você não deu bola, e esta pensará que a festa existiam pessoas pouco
sociáveis.
Neste momento, observe que a diferença está na atitude mental da pessoa,
não na festa. Se você considera falar em publico algo indesejável se sentirá da
mesma forma, se considera falar em publico um momento de relação, construção
e instrução mútua, esta será uma experiência agradável.
Existem 4 elementos para se chegar ao estado “festa”. Imagine um
quadrado. Entre nele e se posicione no canto superior esquerdo. Neste momento
relembre de um momento em que você estava com um grupo de amigos e estava
realmente contente em estar com eles. Fala para si mesmo enquanto relembra:
“eu estou contente em estar aqui”.
Caminhe para o próximo canto a direita e relembre de uma ocasião em que
você estava muito feliz por algumas pessoas estarem com você, pode ser um
evento familiar. Neste momento repita: “estou contente por vocês estarem aqui”.
Posteriormente, siga para o canto direito inferior do quadrado reviva um
momento em que você conheceu alguém e se interessou por ela. Enquanto revive
esta lembrança repita: “eu me interesso por vocês”. Por fim, caminhe para fora
do quadrado e siga em direção ao último canto da esquerda. Neste momento
relembre de um momento em que você ofereceu algumas informações, poderia
ser um seminário, em que você de fato sabia o que estava dizendo. Neste
momento profira: “eu sei o que sei”.
A antes de se apresentar em publico, entre em seu circulo fisiológico, adote
um pensamento positivo, depois caminhe em direção ao quadrado e repita as
frases associadas àqueles cantos e perceba a tranqüilidade fluir.
Por fim, imagine o circulo do contexto, neste você se imagina falando em
frente ao seu público. Adote uma fisiologia consciente favorável a interação,
repita silenciosamente que você gosta de estar ali, que você está feliz daquelas
pessoas estarem privilegiando você, depois sinta-se interessados por aquelas
pessoas e por fim, tenha certeza de que ninguém sabe mais que você.

Mudar Fisiologia ------> Âncora Espacial ---------> Vibrações Positivas


De (+) para (-) - Fixa um novo padrão

de comportamento

Importância da comunicação bem estruturada para


decodificação e alinhamento dos objetivos da organização
Postado em 21/02/2008

Avaliação:

Roberta Medeiros

Quantas e quantas vezes nos cursos corporativos que tive a oportunidade de


desenvolver um treinamento escutei os colaboradores reclamarem sobre a falta
de conexão e entendimento entre as mensagens transmitidas entre os
funcionários, bem como a ausência de congruência entre os valores e missão da
empresa, com a atuação e fala dos funcionários?

Cada vez mais intrigada, acredito que o mais importante neste processo de
conexão das informações, seria a transformação da mensagem em compreensão.
Portanto, não basta apenas falar, mais tornar a informação homogênea e
implantar um modelo de ação que favoreça todos os funcionários independente
dos níveis hierárquicos que se encontrem.
Devemos pensar em entendimento, compreensão, não apenas em exposição
maciça para se fazer presente dentro do contexto corporativo. Desta forma, para
que os valores e a missão da empresa seja transmitida de forma eficaz a todos os
funcionários, a comunicação deve ser empregada de forma harmônica, evitando
ruídos comunicativos fazendo com que o processo de decodificação da mensagem
seja semelhante, quando não igual ao simbolismo e compreensão do emissor.
Para tanto vale ressaltar a importância da escuta ativa entre as articulações
internas e externas, o conhecimento e experiência que o interlocutor possui sobre
o tema abordado, às expectativas do interlocutor e como o entendimento sobre o
funcionamento da empresa pode diferir conforme as diferentes atuações dos
colaboradores da empresa.
O contexto situacional também deve ser compreendido no sentido de que a
informações pode possuir diferentes compreensões, acarretando em um clima
organizacional mais favorável ou não ao relacionamento seguro, eficaz, dinâmico
e transparente.
Quando pensamos em uma empresa que deseja lançar mão ao mercado um
produto, almejando sucesso nas vendas, devemos ter em mente que este
produto deve responder às necessidades sociais, para tanto a idéia de como
comunicar e vender esta idéia deve permear uma abordagem mais racional e
moral, pensando em diferencial, necessidade, exigências sociais, qualificação e
funcionalidade do produto.
A empresa e/ou o vendedor deve pensar enquanto cliente realizar o seguinte
exercício mental: “o que me faria adquirir este produto?” Surgindo assim às
informações a serem explanadas, as quais devem ser congruentes com o perfil da
empresa.
As empresas atualmente armazenam tantas informações de diferentes setores
organizacionais que se torna difícil selecionar a melhor informação que gere efeito
positivo e compreensão total sobre o objetivo da mensagem. A empresa é a
grande responsável para a motivação do comprometimento das informações.
Um sistema de comunicação bem estruturado consegue decodificar e alinhar os
objetivos da organização a todos os interessados. O sistema de comunicação
administrativa, dentro da estrutura hierárquica no sentido horizontal e vertical,
deve ser clara e objetiva. É necessário estar atento na comunicação informal.
Devem ser realizadas palestras sobre a importância da Comunicação para a
motivação em todos os sentidos.

Uma empresa dedicada à compreensão é uma prestadora de serviços que faz os


dados e a informação se tornarem úteis, pertinentes e acessíveis. Só uma
empresa com verdadeira missão e sentido de finalidade consegue cativar as
pessoas e motivá-las para se comprometerem com seus objetivos. E é
absolutamente necessário contar com a inteligência e sentimentos das pessoas
para conseguir realizar o trabalho difícil de transformação de uma visão em ação,
não apenas em pensamento.

IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL NO SÉCULO


XXI
Postado em 29/01/2008

Avaliação:

Roberta Medeiros

A comunicação, desde os primórdios, é um instrumento de integração,


instrução, troca mútua e desenvolvimento entre as pessoas em quaisquer
atividades realizadas. Com o passar dos tempos, este novo milênio vem exigindo
cada vez mais das peculiaridades e capacitações do ser humano, sendo a forma
como nos comunicamos a ferramenta mais importante no processo de expansão
das organizações em todo o mundo.
A partir da primeira metade dos anos 90 o contexto social mercadológico
passou por incríveis mutações, em decorrência das mudanças sociais, políticas e
econômicas. Aliada a globalização, toda esta transformação social maciça
capitalista, gerou um combate competitivo entre pessoas e corporações, à
procura de estabilidade financeira e mercantil.

Neste sentido, a sociedade globalizada atual demanda que o profissional atue


cada vez mais em equipe e transpareça naturalidade, segurança, persuasão,
credibilidade e fidedignidade, levando as empresas a oferecer mais transparência
na prestação de serviço.

Este processo macroeconômico exige uma estabilidade e segurança na


transmissão de informações. Para tanto, a contratação de profissionais exige que
estes sejam cada vez mais especializados em comunicação, capaz de realizar
mediações entre diferentes públicos internos e externos respondendo as
expectativas da assistência, de uma forma objetiva e coerente.

A pluralidade mercadológica, a competitividade social, a busca acirrada pelo


desenvolvimento de produtos e marcas com qualidade, funcionalidade
respondendo as expectativas de consumo, necessita de profissionais capacitados
com um bom exercício da comunicação, sendo este profissional capaz de oferecer
informações reais que atendam as solicitações do consumidor o deixando
altamente seguro do produto que adquiriu.

Para tanto é preciso investir em atualização, pós-graduação, redefinir


políticas, estratégias e metas por parte da empresa, bem como recorrer a
assessorias e consultorias por profissionais altamente capacitados a diagnosticar
falhas, gerenciar conflitos e propor soluções.

Neste sentido, por meio de consultorias e treinamentos, por exemplo,


podemos conhecer o perfil comunicativo de determinada empresa e traçar um
planejamento para desenvolver ou simplesmente lapidar as habilidades
comunicativas dos colaboradores em prol da credibilidade e efetividade nas
relações e negociações da organização.

Por meio de consultorias, levanta-se o perfil do contribuinte, trabalha-se os


pontos falhos e potencializa-se as habilidades comunicativas existentes em cada
indivíduo, que muitas vezes não são valorizadas no cotidiano sistêmico em que
este está inserido.

Mas será que atualmente este cuidado com as informações e meios


comunicativos de multimídia de grande massa é realizado? Vejamos, quando você
liga na central de atendimento ao consumidor daquele cartão de crédito que
adquiriu e atende uma gravação, normalmente com uma voz feminina, que te
oferece um menu de opções, no entanto, algumas vezes as opções não
correspondem ao seu desejo, então você clica na opção para falar com um “dos
nossos atendentes”.

Você então coloca em prática o exercício de paciência e educação, afinal de


contas, o consumidor deseja que todas as suas dívidas sejam sanadas por meio
de respostas rápidas. Mas não acaba por aí, você é obrigado a escutar uma
musiquinha e ficar com o telefone ocupado por alguns, quando não muitos
minutos.

Após um certo tempo o atendente informa o seu nome, menciona que a


gravação está sendo registrada e você já prestes a explodir por ficar ao telefone
com pendências outras a resolver, verbaliza sua insatisfação por algum serviço
prestado, então o atendente diz que não pode resolver, que a central não é a
responsável por aquele tipo de informação e sugere que ligue novamente e digite
a tecla “x”. Neste momento sua paciência foi para o espaço! Isso porque você
procura informações sobre um produto que você já pagou por ele.

Neste cenário corriqueiro brasileiro, as empresas ainda pecam nos


atendimentos, principalmente no pós-venda, esquecendo que o termo
comunicação significa “colocar em comum”, em compartilhar informações e
idéias. E todos aqueles valores, competências, “now how” empresarial
mencionado, aliás, compartilhado, no momento do atendimento para a venda,
não existe mais. Sendo substituído com insatisfação, falta de credibilidade e
respeito.

É importante conscientizar os funcionários sobre a importância da


comunicação empática e natural, seja através das palavras, seja através do
corpo; demonstrar posturas, formas de apresentação e vestimentas adequadas a
cada contexto, desta forma, se obtém o equilíbrio entre pensamento, fisiologia
corporal e coerência ao contexto situacional. Afinal de contas, todos os
funcionários são a imagem de uma empresa, mesmo aqueles que não realizam o
atendimento direto ao cliente.

A comunicação empresarial advém com múltiplas estratégias comunicativas,


com visão e ação transdisciplinar, a qual objetiva a maximização da informação,
sendo esta congruente com os valores, visão e missão da empresa, bem como
com as estratégias, planejamentos e ações daqueles que compõe a corporação.
Neste sentido há a eclosão da comunicação eficaz, principal ferramenta inter-
relacional entre funcionários, clientes, fornecedores e parceiros nos processos de
negociação.

A comunicação no século XXI deve ser concebida de forma holística, sendo


uma ferramenta estratégica de suporte administrativo para quaisquer setores da
empresa. É esta comunicação a maior aliada à ausência de erros e conflitos
empresariais considerada em extinção. A responsabilidade por oferecer uma boa
informação e instrução de ação deve ser incorporada e homogênea, por todos os
funcionários de uma organização, instituição ou corporação.

Por meio de estratégias comunicativas elaboradas conjuntamente por uma


equipe transdisciplinar de profissionais da comunicação, pode-se propiciar a
integração e motivação de todas as equipes; capacitar os participantes a realizar
boas apresentações, de forma a elaborar e organizar o discurso de forma
objetiva, com início, meio e fim; fazendo uso da palavra de forma lícita a
identidade da empresa. Afinal de contas, ficar horas ao telefone esperando por
respostas medíocres e insatisfatórias não é o que você deseja, não é mesmo?