Sei sulla pagina 1di 2

2

3
4

5 6

9
Cerca de 20 mil homens, embarcados em Lisboa, conquistam a praça africana de
1415 Ceuta. Tratava-se de uma importante cidade comercial do mundo muçulmano do
mediterrâneo.
Este foi o primeiro passo da expansão portuguesa para África.
Após a descoberta da ilha de Porto Santo, Gonçalo Zarco e Tristão Vaz Teixeira
1418 chegam à ilha da Madeira. Julga-se que o seu nome foi atribuído devido à
abundância desta matéria-prima.
Terá sido Diogo de Silves a chegar às ilhas por ordem do Infante D. Pedro. Nos anos
1427 seguintes realizaram-se novas expedições a outras ilhas do arquipélago. O
arquipélago dos Açores é constituído por 9 ilhas de origem vulcânica.

Designado Cabo das Tormentas, foi dobrado pela primeira vez pelo navegador
1488 português Bartolomeu Dias. O rei D. João II de Portugal, ao tomar conhecimento
que o cabo tinha sido dobrado, mudou-lhe o nome para Cabo da Boa Esperança.

Assinado em Espanha na cidade de Tordesilhas este tratado dividia o mundo em


1494 duas partes, sendo que os direitos de exploração de cada uma delas cabiam a
Portugal e a Espanha. Foi assinado um ano e meio depois da chegada de Cristóvão
Colombo à América. As coordenadas fornecidas por Colombo mostravam, segundo
os geógrafos portugueses, que a terra descoberta pertencia a Portugal.

A frota de Vasco da Gama levou 10 meses para chegar de Lisboa a Calecute. A


1498 passagem do Cabo da Boa Esperança no ano anterior abriu as portas para que os
portugueses penetrassem no Indico. Ficava aberta a porta para o comércio com o
Oriente, que passava para mãos portuguesas, depois de séculos de controlo pelo
mundo muçulmano.

A esquadra comandada por Pedro Álvares Cabral, dirigia-se para a Índia, mas, pelo
1500 caminho, descobriu o Brasil. A segunda frota com destino à Índia, depois do
regresso de Vasco da Gama era constituída por 13 navios e mais de 1000 homens.
Antes de dobrar o Cabo da Boa Esperança, o comandante da esquadra, Pedro
Álvares Cabral, fez um desvio no Atlântico que o levou até à costa do Brasil.

Fernão de Magalhães foi um capitão português, que ofereceu os seus serviços a


1519-1522 Espanha. Partiu para uma viagem de circunavegação de San Lucar de Barrameda,
com cinco navios.
Apenas uma destas embarcações regressará a Espanha em 1522.
Erguido em pleno século XX, o Padrão dos Descobrimentos mostra a expansão
1940 ultramarina portuguesa, resume um passado glorioso e simboliza a grandeza da
obra do Infante D. Henrique, o impulsionador das descobertas.

Para explorar a linha do tempo dos Descobrimentos Portugueses:


http://ensina.rtp.pt/artigo/timeline-descobrimentos/