Sei sulla pagina 1di 13

Proteção de Sistemas de

Distribuição de Energia Elétrica

Proteção de Sistemas de
Distribuição de Energia Elétrica

- COORDENAÇÃO RELÉ-RELIGADOR-

Prof. Dr. Eng. Paulo Cícero Fritzen

1
Coordenação Relé-Religador

 As correntes de pick-up de fase e terra do religador devem ser


menores que as correntes de pick-up de fase e terra do relé,
respectivamente.

 As curvas de atuação temporizada do relé, para fase e neutro,


devem estar no mínimo 0,2s acima das curvas de atuação de fase e
neutro do religador, respectivamente, para todos os valores de
correntes de curto-circuito na zona de proteção do religador.

 A corrente de ajuste da unidade instantânea do relé de fase deve


ser maior que o valor assimétrico da máxima corrente de curto-
circuito trifásico no ponto de instalação do religador.
2
Coordenação Relé-Religador

 A corrente de ajuste da unidade instantânea do relé de neutro deve


ser maior que o valor assimétrico da máxima corrente de curto-
circuito fase-terra, no ponto de instalação do religador.

 Os relés de fase ou neutro não devem operar enquanto o realiza


sua seqüência de operação, até que falta seja extinta ou até que o
religador bloqueie. Para evitar a atuação dos relés, deve-se
escolher as curvas de operação de fase e neutro dos mesmos
levando-se em conta a integração devido ao tempo de religamento
do religador e o tempo de rearme dos relés. Quando utilizados relés
eletromecânicos, devem ser verificados os avanços relativos do
contato móvel durante a seqüência de operação do religador. 3
Coordenação Relé-Religador

O cálculo dos avanços relativos do relé será exemplificado levando-se


em conta os ajustes:

Religador:
Seqüência de operação: 1A3C (1 rápida e 3 temporizadas).
Intervalo de religamento: 2 segundos.

Relé:
Tempo de rearme: 10 segundos para curva 100%.
Durante o tempo equivalente à primeira operação do religador (na
curva rápida), o relé também é sensibilizado pela sobrecorrente (ICC), e
a unidade móvel que é a base de indução, avança em direção ao
contato fixo.
O avanço do relé (ΘA1) durante a primeira operação rápida do
religador será:
t3 0,08
 A1  .100%  .100%  1,86%
t1 4,3 4
Coordenação Relé-Religador

O religador abre o circuito e inicia-se a contagem do tempo de


religamento. Durante esse intervalo o relé tende a retornar à sua
posição inicial, sendo que esse retorno depende do tipo de relé e do
ajuste da sua curva temporizada (os fabricantes fornecem esses
dados). Neste caso, como já dito, o tempo de rearme é de 10
segundos para a curva 100%. O retrocesso do relé será:

t RELIG
R 
RLG
.100%
t REARME RELÈ
Onde:
tRELIG RLG = Tempo de religamento do religador.
TREARME RELÉ = Tempo de rearme do relé.
5
Coordenação Relé-Religador

2
R1  .100%  20%
10
Isso significa que o relé avançou 1,86% e retrocedeu 20%, ou seja,
retornou à posição inicial.
A mesma situação pode ser verificada analisando-se os tempos:

 A1 . t REARME RELÈ 1,86% . 10


t1 REARME    0,186 s
100% 100%
Esse é o tempo necessário para rearmar o relé após a operação rápida do
religador. Como o intervalo de religamento é de 2 segundos e o tempo de
rearme é de 0,186 segundos, o relé retorna à posição inicial.
6
Coordenação Relé-Religador

O processo se repete, mas desta vez o religador atua na curva


temporizada. O avanço nesta segunda etapa (ΘA2) é dado por:
t2 1,92
 A2  .100%  .100%  44,65%
t1 4,3
O retrocesso durante o segundo intervalo de religamento (ΘR2) será o
mesmo do primeiro, uma vez que o tempo de religamento é o mesmo:
2
R 2  .100%  20%
10
Portanto no segundo religamento o relé está com avanço residual (ΘRES 2)
de:

 RES 2   A2   R 2  44,65%  20%  24,65%


7
Coordenação Relé-Religador

Na segunda atuação temporizada do religador (terceira no total), o


avanço do relé (ΘA3) é novamente dado por:
t2 1,92
 A3  .100%  .100%  44,65%
t1 4,3
E o retrocesso no terceiro intervalo de religamento (ΘR3):

2
R 3  .100%  20%
10
Ao avanço residual do terceiro religamento (ΘRES3), é somado o avanço
residual do segundo (ΘRES2):

 RES 3   RES 2  ( A3   R3 )  24,65%  (44,65%  20%)  49,3%

8
Coordenação Relé-Religador

Na quarta e última atuação do religador na curva temporizada o


processo se repete e o avanço será novamente de 44,65%.
Portanto o avanço residual final (ΘRES4) será:

 RES 4   RES 3   A4  49,3%  44,65%  93,95%


Após essa atuação do religador, o mesmo abre seus contatos
definitivamente, isolando o circuito em defeito. O contato móvel do relé
percorreu 93,95% do percurso em relação ao contato fixo, então o mesmo
não atuou durante a seqüência de operação do religador, portanto há
coordenação entre os dispositivos. Para que haja atuação do relé a soma
relativa de avanços e retrocessos do contato móvel deve ser igual ou
superior a 100%. 9
Coordenação Religador-
Seccionador- Elo Fusível
 Coordenação Religador – Seccionador – Elo Fusível

O religador e o elo fusível devem estar coordenados de acordo com o


que foi estabelecido no item referente a Coordenação Religador –
Fusível, e o religador deve estar coordenado com o seccionador de
acordo com o item referente a Coordenação Religador – Seccionador.

Para ser obtida a coordenação entre seccionador e fusível, é


recomendável que a seqüência de operação do religador seja uma
operação rápida seguida de três lentas. Essa recomendação leva em
conta que, com o ajuste de duas operações rápidas e duas lentas o
fusível não abrirá o circuito durante as duas operações rápidas do
religador. 10
Coordenação Religador-
Seccionador- Elo Fusível

Em conseqüência, poderá haver operação simultânea do fusível e do


seccionador, com perda de seletividade. O uso de acessório restritor por
tensão aumentaria a possibilidade de coordenação entre seccionador e
fusível, no caso do ajuste citado. Entretanto, a seletividade ainda
dependerá da relação entre o tempo de fusão do elo fusível e o tempo
de operação do religador em sua curva retardada. Por isso não é
recomendável este tipo de ajuste. Pelo ajuste recomendado (1 rápida e
3 lentas), o elo fusível interrompe o trecho defeituoso na primeira
operação lenta do religador, evitando que seccionador interrompa
indevidamente o circuito.

11
Coordenação Religador-
Seccionador- Elo Fusível

O religador não deve ser ajustado para duas operações rápidas e duas
lentas, se o seccionador não estiver equipado com acessório restritor por
tensão, no caso de seccionadores hidráulicos. Pois no caso de o elo fusível
interromper o trecho com falha na terceira operação do religador, sem o
referido acessório, o seccionador interpretará a abertura do circuito pelo elo
fusível como uma interrupção de corrente, abrindo seus contatos
desnecessariamente, prejudicando a seletividade.

Quando o seccionador hidráulico está equipado com acessório restritor de


tensão, a coordenação entre religador, seccionador e fusível torna-se
possível, mesmo para o religador ajustado para duas operações rápidas e
uma lenta. Isto porque a queima do elo fusível não provocará a abertura
dos contatos do seccionador. 12
Coordenação Religador-Seccionador-Fusivel
e Coordenação Relé-Seccionador_Fusivel

 Coordenação Religador – Seccionador – Elo Fusível

No caso de seccionador eletrônico, nada impede o ajuste do religador para


duas operações rápidas e duas lentas, pois esse equipamento já traz
incorporado ao seu circuito o acessório restritor de corrente, cuja função é a
mesma exercida pelo restritor de tensão nos seccionadores hidráulicos,
embora os princípios de operação sejam diferentes.

 Coordenação Relé de Sobrecorrente – Seccionador – Elo Fusível

Neste caso deve ser empregado relé de religamento e a coordenação com o


seccionador e o elo fusível deve obedecer aos critérios estabelecidos no item
Coordenação Religador – Seccionador – Elo Fusível
13