Sei sulla pagina 1di 5

Anatomia Patológica

TUMORES HEPÁTICOS

O fígado é um alvo frequente de metástases de cânceres de outros lugares. Portanto, nem todo
tumor maligno no fígado é um tumor primário do fígado. Como tumor primário do fígado, foi falado
sobre o carcinoma hepatocelular.

ADENOMA HEPATOCELULAR

O adenoma hepatocelular é neoplasia benigna rara, usualmente encontrada em mulheres com


antecedente de uso de contraceptivos orais. Embora o mecanismo patogênico não seja
totalmente compreendido, a utilização de medicações estrogênicas ou androgênicas,
especialmente por longos períodos, aumenta significantemente a incidência do tumor. Pacientes
com doenças de depósito de glicogênio também apresentam risco aumentado para desenvolver
adenomas.

• Tumor benigno não associado a cirrose


• Quase exclusivo de mulheres em idade fértil.
• Anticoncepcionais orais (estrógenos) – importância na gênese desse tumor.
• Homens – uso de anabolizantes – importância na gênese desse tumor.
• Glicogenoses – mais frequentes em homens.
• Nódulos solitários subcapsular (5-15cm).
• Risco de sangramento.
• Muito raramente, esses tumores podem apresentar degeneração maligna para
carcinoma hepatocelular, mesmo tendo permanecido estáveis por longos períodos.

Trata-se, portanto, de uma versão benigna do carcinoma hepatocelular. Observe que ele ocorre
em fígado não cirrótico e que possui múltiplos focos de hemorragia.

Adenoma hepatocelular. Note as diferenças de coloração e textura do tumor com o parênquima adjacente.

1
Dr. Tiago Leitão
Karina Almeida
Anatomia Patológica

Histologicamente, os adenomas consistem de grandes cordões celulares que lembram


hepatócitos normais, separados por sinusoides dilatados que possuem perfusão arterial. Não
apresentam suprimento venoso portal, bem como ductos biliares.

Portanto, sob o ponto de vista histológico, ele se assemelha ao fígado normal. Observa-se as
traves de hepatócitos sendo formadas e os sinusoides entre as traves. Entretanto, não tem
espaço porta. Então, é uma neoplasia verdadeira.

Adenoma hepatocelular formado por hepatócitos com ausência de espaços porta.

Na utilização de reticulina é observado que a trama de reticulina que sustenta os hepatócitos é


quase idêntica a trama de reticulina do fígado normal de modo que se tem as linhas pretas
delimitando trabéculas com a espessura de dois hepatócitos, que é muito próximo do normal.
Não é aquele padrão distorcido de reticulina que abraça bolsões de células malignas que se
observa no hepatocarcinoma.

Adenoma

2
Dr. Tiago Leitão
Karina Almeida
Anatomia Patológica

Portanto, um tumor hepático em mulher em idade fértil deve-se pensar em adenoma


hepatocelular, principalmente se na ressonância magnética o resto do fígado se apresenta
normal. É um tumor muito bem delimitado com o restante do fígado sem alterações. Deve-se
pensar primeiramente em adenoma hepatocelular.

Existem subtipos de adenoma hepatocelular que possuem risco de malignização (alguns


subtipos moleculares), entretanto, no geral, o maior risco é de sangramento.

Complementando...

Nos últimos anos tem-se acumulado evidência científica que conduziu à proposta de classificação dos adenomas
hepáticos com base nas suas características genotípicas e fenotípicas: (1) AHC com inativação do fator HNF1α
(somática ou germinativa), podendo os tumores com mutação germinativa associar-se a diabetes do tipo MODY3;
neste contexto, é frequente o aparecimento de adenomatose, os tumores apresentam esteatose e o risco de
transformação maligna é pequeno; (2) AHC com ativação da β-catenina, mais frequentes em homens, associados
a fatores específicos (utilização de androgénios exógenos e glicogenoses); o risco de transformação maligna é
maior que nos outros AHC; (3) AHC inflamatórios, cujas lesões se caracterizam pela presença de infiltrado
inflamatório abundante, vasos distróficos, dilatação sinusoidal e reação ductular; um subgrupo destes tumores
associa-se a mutação do gene que codifica a β-catenina, com o inerente risco de progressão neoplásica; (4) AHC
não classificável.

HIPERPLASIA NODULAR FOCAL

Entidade que não se sabe se é uma neoplasia verdadeira. Hipótese que seja uma resposta
hiperplásica e fibrótica no fígado à presença de um vaso anômalo no centro da lesão.
Entretanto, se comporta como tumor benigno. É vista pequena área central estrelada que tende
a se impregnar nas fases tardias (cicatriz central), composta por vasos malformados.

• Segundo tumor sólido mais comum (após hemangioma – tumor mais comum no fígado).
• Mulheres na terceira ou quarta década.
• Sem relação com anticoncepcionais.
• Achado geralmente incidental. Geralmente encontrado num exame de imagem realizado
por outra razão.
• Resposta hiperplásica a isquemia com artéria anômala.
• Não sangra nem evolui para câncer hepatocelular. Diagnóstico diferencial com adenoma
hepatocelular, que também pode se apresentar com cicatriz fibrótica no meio do tumor.
Diagnóstico diferencial com carcinoma hepatocelular do tipo fibrolaminar que se
apresenta também com uma cicatriz central. Essas três entidades surgem em fígado não
cirrótico.

3
Dr. Tiago Leitão
Karina Almeida
Anatomia Patológica

Se você fizer uma biópsia e não disser que está suspeitando de hiperplasia nodular focal, pode
ser que o patologista interprete como cirrose: diversos nódulos com uma fibrose delimitando
esses nódulos. Acredita-se que os vasos presentes na cicatriz seja o vaso anômalo que gerou o
processo reacional. Portanto, o centro desse tumor é multinodulado por causa da fibrose que
irradia a partir da cicatriz central.

Parênquima hepático que forma a lesão com aspecto nodular, com nódulos envolvidos por tecido fibroso.

Estruturas vasculares anômalas em cicatriz, com telangiectasia.

É uma tumoração que não se sabe se é uma neoplasia ou não, mas concorda-se que tem
comportamento de neoplasia benigna.

4
Dr. Tiago Leitão
Karina Almeida
Anatomia Patológica

Hemangioma

O hemangioma é o tumor hepático benigno mais comum, representando achado incidental muito
frequente em exames de imagem, particularmente na US. Na maioria dos casos são pequenos
(até 3,0 cm) e podem ser múltiplos em até 50% dos pacientes. Microscopicamente, consistem
de espaços vasculares de tamanhos variados, revestidos por uma única camada de
células endoteliais e separados por septos de tecido conjuntivo.

O maior risco deste tumor é o sangramento, pois trata-se de um emaranhado de vasos


sanguíneos. Qualquer trauma pode causar sangramento de difícil controle. O importante é
observar que as células endoteliais, que são as verdadeiras células neoplásicas que formam
esses canais vasculares, são idênticas às células endoteliais normais, indicando que isso é um
hemangioma, e não sua versão maligna, o angiossarcoma, que também existe no fígado.

Hemangioma cavernoso. Espaços vasculares bastante dilatados de formas irregulares, repletos de hemácias. Ausência
de atipias em células endoteliais.

Referencias

1. BRASILEIRO FILHO, G. Bogliolo - Patologia. 8. ed. Rio de Janeiro: Gen, Guanabara Koogan, 2011.
2. KUMAR, V.; ABBAS, A. K.; FAUSTO, N.; MITCHELL, R. N. Robbins. Bases patológicas das doenças. 7. ed.
Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.

5
Dr. Tiago Leitão
Karina Almeida