Sei sulla pagina 1di 4

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

PODER JUDICIÁRIO
TURMAS RECURSAIS

@ (PROCESSO ELETRÔNICO)
EMCF
Nº 71007914021 (Nº CNJ: 0049641-34.2018.8.21.9000)
2018/CÍVEL

MANDADO DE SEGURANÇA. RECURSO


INOMINADO NÃO RECEBIDO. CONTAGEM
DO PRAZO RECURSAL. DIAS ÚTEIS.
POSIÇÃO DAS TURMAS RECURSAIS. OFÍCIO
CIRCULAR 054/2016 DA CGJ. APLICAÇÃO
DO ART. 219 DO NCPC. VIOLAÇÃO DE
DIREITO LÍQUIDO E CERTO RECONHECIDA.
1. Por ausência de previsão expressa na Lei
9.099/95, as Turmas Recursais Cíveis e da
Fazenda Pública consolidaram o entendimento,
noticiado por meio do Ofício 054/2016-CGJ, em
consonância com a disposição do art. 219 do
NCPC, que a contagem do prazo recursal deve
considerar apenas dias úteis.
2. A decisão que não processa o recurso, por
intempestivo, pois considera para a contagem
do prazo recursal, dias corridos, viola direito
líquido e certo da parte recorrente e deve ser
modificada.
3. Inexistência de afronta aos princípios
norteadores dos Juizados Especiais.

SEGURANÇA CONCEDIDA.

MANDADO DE SEGURANCA CIVEL SEGUNDA TURMA RECURSAL CÍVEL

Nº 71007914021 (Nº CNJ: 0049641- COMARCA DE PORTO ALEGRE


34.2018.8.21.9000)

ALICE FIGUEIREDO VARELLA IMPETRANTE

JUIZ DE DIREITO DO 3 JUIZADO COATOR


ESPECIAL CIVEL DO FORO CENTRAL

BORRACHAS E PLASTICOS M.G. INTERESSADO


SILVER INDUSTRIA E COMERCIO
EIRELI & 82

MINISTERIO PUBLICO INTERESSADO

DECISÃO M O N O C R ÁT I C A

1
ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL
PODER JUDICIÁRIO
TURMAS RECURSAIS

@ (PROCESSO ELETRÔNICO)
EMCF
Nº 71007914021 (Nº CNJ: 0049641-34.2018.8.21.9000)
2018/CÍVEL

Vistos.

ALICE FIGUEIREDO VARELLA impetra Mandado de


Segurança contra a decisão do JUIZ DE DIREITO DO 3º JEC DA COMARCA
DE PORTO ALEGRE, proferida nos autos da ação declaratória em que
contende com BORRACHAS E PLASTICOS M.G. SILVER INDUSTRIA E
COMERCIO EIRELI & EPP.

Constou da decisão (fl. 184):

Vistos.
Deixo de receber o recurso da parte autora porque
intempestivo.
A publicação da sentença ocorreu em 29/05/2018 e o
protocolo do recurso, por sua vez, ocorreu em 12/06/2018, prazo
além do fixado na Lei 9.099/95. Ressalto, ainda, que os prazos
são contados em dias corridos nos Juizados Especiais
(enunciado 165 do FONAJE).
Intimem-se.
Certifique-se o trânsito em julgado.
Dê-se baixa.

Em razões, sustenta que o prazo para interposição do


recurso inominado, é de 10 dias úteis, contados da publicação da
sentença, que no caso ocorreu em 29/05/2018 (fls. 156/157 e 161/165).
Requer, liminarmente, seja suspensa a ação (9061685-
94.2017.8.21.0001). Postula a concessão da segurança, para que a
contagem do prazo de interposição de recurso inominado seja de 10 dias
úteis.

É o relatório.

Decido.

O Novo Código de Processo Civil estabeleceu, por meio da


disposição contida no art. 219, que a contagem do prazo recursal
passasse a ocorrer considerando apenas dias úteis. Refere o citado
dispositivo:

2
ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL
PODER JUDICIÁRIO
TURMAS RECURSAIS

@ (PROCESSO ELETRÔNICO)
EMCF
Nº 71007914021 (Nº CNJ: 0049641-34.2018.8.21.9000)
2018/CÍVEL

Art. 219. Na contagem de prazo em dias,


estabelecido por lei ou pelo juiz, computar-se-ão
somente os dias úteis.

A Lei 9.099/95, que norteia os Juizados Especiais, não traz


disposição a respeito.

Em vista disso, as Turmas Recursais Cíveis e da Fazenda


Pública firmaram o entendimento, noticiado pelo Ofício n. 054/2016-CGJ,
de que o cumprimento dos prazos recursais, no âmbito dos Juizados deve
ser garantido, quando para fins de contagem do prazo, apenas os dias
úteis.

Nesse sentido, a jurisprudência das Turmas Recursais:

MANDADO DE SEGURANÇA. INTERPOSIÇÃO


DE RECURSO INOMINADO. NÃO
RECEBIMENTO POR INTEMPESTIVIDADE.
CONTAGEM DE PRAZO EM DIAS CORRIDOS.
OMISSÃO DA LEI Nº 9.099/95. APLICAÇÃO
SUPLETIVA DO CÓDIGO DE PROCESSO
CIVIL. ARTIGO 1046, §2º, DO CPC.
CONTAGEM DOS PRAZOS NO SISTEMA DO
JUIZADO ESPECIAL CÍVEL EM DIAS ÚTEIS.
INCIDÊNCIA DO ARTIGO 219 DO CPC.
VIOLAÇÃO A DIREITO LÍQUIDO E CERTO
EVIDENCIADA. SEGURANÇA CONCEDIDA.
(Mandado de Segurança Nº 71007012628,
Terceira Turma Recursal Cível, Turmas
Recursais, Relator: Luís Francisco Franco,
Julgado em 28/09/2017)-grifei-

MANDADO DE SEGURANÇA. DECISÃO QUE


NÃO RECEBEU O RECURSO INOMINADO,
POR INTEMPESTIVO. CONTAGEM DO PRAZO
EM DIAS CORRIDOS. POSIÇÃO DAS
TURMAS RECURSAIS CIVEIS DE QUE A
CONTAGEM DE PRAZO SE DÁ NOS MOLDES
NO NCPC - ART. 219. DIAS ÚTEIS.
VIOLAÇÃO DE DIREITO LÍQUIDO E CERTO.
DIREITO AO PROCESSAMENTO DO
RECURSO DA IMPETRANTE. Não havendo
3
ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL
PODER JUDICIÁRIO
TURMAS RECURSAIS

@ (PROCESSO ELETRÔNICO)
EMCF
Nº 71007914021 (Nº CNJ: 0049641-34.2018.8.21.9000)
2018/CÍVEL

previsão expressa na lei nº 9.099/95 sobre o


modo de contagem dos prazos, deve ser
utilizado o critério adotado pelo NCPC - art. 219.
Aplicação do art. 1046, § 2º, do NCPC.
Inexistência de afronta aos princípios da Lei
Especial. Celeridade que não é afetada,
tampouco há violação de qualquer outro
princípio. SEGURANÇA CONCEDIDA. (Mandado
de Segurança Nº 71007147440, Segunda Turma
Recursal Cível, Turmas Recursais, Relator: Ana
Cláudia Cachapuz Silva Raabe, Julgado em
08/09/2017)-grifei-

Por isso, entendo que, uma vez não considerados pelo juízo
a quo os critérios retro estabelecidos para a contagem do prazo, há
violação de direito líquido e certo da parte postulante, que autoriza a
concessão da segurança.

Diante do exposto, CONCEDO A SEGURANÇA, para que


seja verificada a tempestividade do recurso, considerando apenas dias
úteis para a contagem do prazo.

Sem condenação ao pagamento das custas do writ.

Intimem-se.

Dil. Legais.

Porto Alegre, 27 de julho de 2018.

DRA. ELAINE MARIA CANTO DA FONSECA,


Relatora.