Sei sulla pagina 1di 12

A ORDEM DAS DISCIPLINAS

– SEGUNDO SANTO TOMÁS DE AQUINO

“A felicidade última do homem está na contemplação da Verdade.”


SANTO TOMÁS DE AQUINO

C. N.

Já são muitos os que seguiram ou seguem nosso curso on-line “Por uma Filosofia Tomista”,
efetiva introdução à filosofia aristotélico-tomista, ou melhor, à filosofia aristotélica enquanto
levada a seus últimos termos ou consequências pelo Teólogo. Uma coisa, todavia, não se pôde
fazer nesse curso senão em linhas gerais, a qual, portanto, necessita de expansão e de
acabamento: uma precisa, ordenada e detalhada orientação dos estudos conducentes à
Sabedoria, incluindo uma bibliografia comentada.
Por isso mesmo é que ministraremos um novo curso on-line, “A Ordem das Disciplinas –
segundo Santo Tomás de Aquino”, este de acesso livre, ou seja, gratuito, e cujas aulas, ademais,
poderão baixar-se, compartilhar-se e publicar-se francamente. Suas aulas serão mais breves que
as de “Por uma Filosofia Tomista”: enquanto estas tinham cerca de duas horas cada uma, as do
novo curso terão cerca de quarenta minutos cada uma. A cada semana, em princípio, e a partir
de 1º de novembro de 2015, estará em nosso canal do YouTube uma nova aula, o que, porém,
poderá deixar de suceder por qualquer circunstância relativa ao professor. Ademais, quando
necessário, as aulas acompanhar-se-ão de algum texto disponível em Estudos Tomistas. Por fim,
como resulta do dito mais acima, o curso não terá duração prefixada, e estender-se-á por quantas
aulas forem necessárias para cumprir a ementa; mas todas as aulas ficarão indefinidamente em
nosso canal, e a data a partir da qual cada aula estará no ar anunciar-se-á com alguns dias de
antecedência na página ESTUDOS TOMISTAS (http://www.estudostomistas.com.br/), por
sua newsletter e em nossa página institucional do Facebook.
Eis a ementa do curso, suposta sempre a presença de bibliografia comentada:
1. O ordo disciplinae das ARTES e das CIÊNCIAS.
OBSERVAÇÃO 1. Mostrar-se-á, ademais, o que são estas e aquelas, e de que modo as artes
podem dizer-se ciências, e as ciências artes (especialmente liberais).
OBSERVAÇÃO 2. Mostrar-se-á, ainda, a distinção entre arte e experiência.
2. A GRAMÁTICA (portuguesa, além da latina, da francesa, etc.).
OBSERVAÇÃO 1. Tratar-se-á, também, a arte da tradução.
OBSERVAÇÃO 2. Tratar-se-á, ademais, criticamente, a Linguística.
3. A LÓGICA ou ciência-arte propedêutica a todas as demais ciências e a todas as demais artes.
a) O tratado dos universais:
• os unívocos;
• os análogos;
• os transcendentais;
• as categorias;
• etc.
OBSERVAÇÃO. As categorias voltarão a tratar-se no âmbito da Metafísica, enquanto
os unívocos voltarão a considerar-se especialmente no âmbito da Tópica. E é justo para tratar
estes temas que se publicarão em 2016 dois outros livros nossos: Comentário às Categorias de
Aristóteles e Comentário à Isagoge de Porfírio.
b) O tratado da interpretação ou da enunciação.
c) O tratado do raciocínio.
d) O tratado do método científico.
3.1. A DIALÉTICA (ou TÓPICA) ou disciplina da investigação do provável.
3.2. A RETÓRICA ou arte de fazer tender ao verossímil mediante o bem e o justo.
3.3. A POÉTICA ou arte de fazer tender ao bem e à verdade mediante o belo.
§ O tratado das falácias ou sofismas.
OBSERVAÇÃO 1. Têm o mesmo fim que a Poética as demais ARTES DO BELO:
• A MÚSICA;
• A PINTURA;
• A ESCULTURA;
• O CINEMA;
• etc.
OBSERVAÇÃO 2. A razão de parte potencial da Lógica que deve dar-se à Poética (assim como
à Retórica) é mais frágil que a que deve dar-se à Dialética, mas ainda é própria. Resta ver se se
pode dar a mesma razão às demais artes do belo.
OBSERVAÇÃO 2. A ARQUITETURA não é pura arte do belo.
OBSERVAÇÃO 3. A ESTÉTICA parece ser a ciência (prática) do facere das artes do belo: estará
para estas, por um lado, assim como a Física geral está para as demais ciências físicas e, por
outro lado, assim como as ciências práticas do agere estão para a Prudência.
OBSERVAÇÃO 4. O dito nestas três observações constitui justo o tema de nosso livro Das
Artes do Belo: Imitação e Fim, por lançar-se também em 2016.
4. As CIÊNCIAS PRÁTICAS DO AGERE.
a) A ÉTICA ou ciência do autogoverno.
b) A ECONÔMICA ou ciência do governo doméstico e de seu desdobramento na pólis.
c) A POLÍTICA ou ciência do governo da pólis.
OBSERVAÇÃO 1. A Prudência docens ou Ética é verdadeira ciência (prática), mas não é arte
de modo algum, enquanto a Prudência utens ou Prudência propriamente dita não é ciência de
modo algum, mas se diz arte em sentido amplo.
OBSERVAÇÃO 2. Tratar-se-á, também, o Direito.
OBSERVAÇÃO 3. Tratar-se-á, ainda, a História, disciplina subalternada e ordenada à Política
e a outras ciências.
5. A FÍSICA GERAL ou ciência genérica do ente móvel.
a) A COSMOLOGIA ou ciência física do ente segundo o lugar.
b) A QUÍMICA ou ciência física do ente segundo a geração e a corrupção.
c) A BIOLOGIA ou ciência física do ente segundo o aumento e a diminuição.
d) A PSICOLOGIA ou ciência física do ente segundo alteração.
OBSERVAÇÃO 1. A alteração é a espécie de movimento relativa às qualidades, e as qualidades
por antonomásia são as virtudes intelectuais e morais do homem. Mas a Psicologia ou
Antropologia, enquanto trata precisamente a parte intelectivo-volitiva da alma humana,
obviamente não é ciência física. Logo, a Psicologia é uma como ciência média entre a Física e a
Metafísica, o que decorre da natureza mesma da alma humana.
OBSERVAÇÃO 2. Tratar-se-ão, criticamente, as chamadas “ciências modernas”.
6. A MATEMÁTICA ou ciência do ens quantum.
a) A ARITMÉTICA ou ciência matemática das quantidades discretas.
b) A GEOMETRIA ou ciência matemática das quantidades contínuas.
c) Etc.
7. A METAFÍSICA (ou FILOSOFIA PRIMEIRA, ou TEOLOGIA FILOSÓFICA) ou ciência do ente
enquanto ente.
8. A TEOLOGIA SAGRADA ou ciência de Deus enquanto Deus (ou sob a razão de deidade) – a
única das ciências que é simultaneamente especulativa e prática e cujos princípios não se
alcançam pelas luzes da razão.
A bibliografia em que se fundará Carlos Nougué nos cinco
anos da Escola Tomista

Observações prévias:
1). Esta é a bibliografia central, mas nem de longe exclusiva, em que se baseará
o professor ao longo da Escola Tomista. Ademais, não se referirão aqui as obras
que se criticarão na mesma Escola.
2). Os alunos não terão de adquirir estas obras para compreender a Escola
Tomista. Insista-se em que as aulas da Escola serão autoexplicativas e
autossuficientes. Ademais, fornecer-se-ão muitos livros em PDF, muitos textos e
muitos links ao longo dos anos. Dá-se aqui esta bibliografia, porém, para que a
adquiram, total ou parcialmente, os que o puderem e quiserem fazer.
3). As obras virão, abaixo, em seguida aos diversos pontos do programa da
Escola Tomista, introduzidas sempre pelo sinal .

Parte 1

1. Introdução filosófica às diversas ciências e às diversas artes: as primeiras


noções.
Observação. Mostrar-se-á, antes de tudo, o que são as ciências e as artes, e de
que modo as artes podem dizer-se ciências, e as ciências artes (especialmente
liberais). Mostrar-se-á, ainda, a distinção entre arte e experiência.
 Umbrales de la Filosofía, do P. Álvaro Calderón; diversas obras de
Aristóteles e de Tomás de Aquino.

2. A Lógica ou ciência-arte propedêutica a todas as demais ciências e a


todas as demais artes.
a) Introdução e a Lógica em si mesma.
 Umbrales de la Filosofía, do P. Álvaro Calderón; diversas obras de
Aristóteles e de Tomás de Aquino.
Apêndice: A Gramática.
Observação 1. Não se estudará a Gramática (nem a portuguesa nem a latina)
em sua parte normativa propriamente dita, mas apenas em seus fundamentos.
Observação 2. Aqui também se tratará a arte da Tradução não literária.
 Suma Gramatical da Língua Portuguesa, de Carlos Nougué; Umbrales de
la Filosofía, do P. Álvaro Calderón; Peri hermeneias, de Aristóteles.
b) O tratado dos predicáveis.
 Do Verbo Cordial ao Verbo Vocal – O Tratado dos Universais, de Carlos
Nougué (por lançar); a Isagoge de Porfírio.
c) A querela dos universais.
 Do Verbo Cordial ao Verbo Vocal – O Tratado dos Universais, de Carlos
Nougué (por lançar); Umbrales de la Filosofía, do P. Álvaro Calderón.
d) As categorias ou predicamentos.
 Do Verbo Cordial ao Verbo Vocal – O Tratado dos Universais, de Carlos
Nougué (por lançar); Categorias, de Aristóteles; Comentário do Cardeal
Caetano às Categorias de Aristóteles; De analogia, de Santiago Ramírez O.P.
e) Os análogos e os análogos supremos (os transcendentais).
 Do Verbo Cordial ao Verbo Vocal – O Tratado dos Universais, de Carlos
Nougué (por lançar); De Veritate, de Tomás de Aquino; De analogia, de Santiago
Ramírez O.P.
f) O tratado da proposição.
 Comentário de Tomás de Aquino ao Peri hermeneias de Aristóteles; o
complemento do Cardeal Caetano a este Comentário.
g) O tratado da figura do silogismo.
 Os Analíticos Anteriores de Aristóteles.
h) O tratado da demonstração.
 Comentário de Tomás de Aquino aos Analíticos Posteriores de Aristóteles.
Observação. Em todo o estudo da Lógica mais propriamente dita ou stricto
sensu, ter-se-á de tratar criticamente a doutrina de muitos tomistas.
i) As partes potenciais da Lógica.
• A Dialética, ou tratado da investigação do provável.
 Os Tópicos de Aristóteles.
• A Retórica, ou a arte de fazer tender ao verossímil mediante o bem e o justo.
 A Retórica de Aristóteles.
• A Poética, ou a arte de fazer tender ao bom e ao verdadeiro mediante o belo.
 Das Artes do Belo, de Carlos Nougué (por lançar); a Poética de Aristóteles;
(com ressalvas) Feeling and Form: A Theory of Art, deSusanne Langer.
Observação 1. Aqui se mostrará que o conjunto das artes do belo, desde a
Poética propriamente dita até às demais (Música, Escultura, etc.), tem o mesmo
fim. Mas, se a razão de parte potencial da Lógica que deve dar-se à Poética (assim
como à Retórica) é mais frágil que a que deve dar-se à Dialética, mas ainda é
própria, haverá portanto que mostrar se se pode dar a mesma razão às demais artes
do belo.
Observação 2. Também se tratará a arte da Tradução literária.
• Os elencos sofísticos, ou o tratado das falácias ou sofismas.
 De fallaciis, provavelmente de Tomás de Aquino.

3. As ciências práticas do agere.


a) A Ética, ou ciência do autogoverno.
 Comentário de Tomás de Aquino à Ética a Nicômaco; a Suma Teológica de
Tomás de Aquino.
b) A Econômica, ou ciência do governo doméstico e de seu desdobramento
na pólis.
 Os Econômicos, de Aristóteles; a Suma Teológica de Tomás de Aquino; La
Iglesia y el liberalismo, de Christopher A. Ferrara.
c) A Política, ou ciência do governo da pólis.
 Comentário de Tomás de Aquino e de Pedro de Alvérnia à Política de
Aristóteles; Do Reino, de Tomás de Aquino; a Suma Teológica de Tomás de
Aquino; Da Cidade de Deus, de Agostinho de Hipona.
Observação 1. A Prudência docens ou Ética é verdadeira ciência (prática),
mas não é arte de modo algum, enquanto a Prudência utens ou Prudência
propriamente dita não é ciência de modo algum, mas se diz arte em sentido amplo.
Observação 2. Aqui também se tratará, ainda que algo sumariamente, o
Direito.
 Toda a obra de José Pedro Galvão de Sousa; algumas obras de Ricardo Dip.
Observação 3. Diga-se o mesmo da História.
 Théologie de l’histoire, do P. Calmel; (algo criticamente) a História das
Ideias Políticas de Eric Voegelin.
4. A Física Geral, ou ciência genérica do ente móvel.
 La naturaleza y sus causas, do P. Álvaro Calderón; o Comentário de Tomás
de Aquino à Física de Aristóteles; “Da Necessidade da Física Aristotélico-tomista”,
de Carlos Nougué (por publicar).
Observação 1. Lançar-se-á um olhar às partes subjetivas da Física Geral:
a) a Cosmologia ou ciência física do ente segundo o lugar;
 Curso de Física, do P. Álvaro Calderón (obra esotérica); La Física especial,
do P. Álvaro Calderón (por lançar); “Da Necessidade da Física Aristotélico-
tomista”, de Carlos Nougué (por publicar); Comentário de Tomás de Aquino e de
Pedro de Alvérnia ao Do Céu e do mundo de Aristóteles; Comentário de Tomás de
Aquino ao Livro sobre os Meteoros de Aristóteles.
b) a Química ou ciência física do ente segundo a geração e a corrupção;
 O livro químico do P. Calderón (por lançar); o Comentário de Tomás de
Aquino ao Da Geração e da Corrupção de Aristóteles.
c) a Biologia ou ciência física do ente segundo o aumento e a diminuição;
 O livro biológico do P. Calderón (por lançar); História dos Animais e Partes
dos Animais, de Aristóteles; (algo criticamente) A Caixa-preta de Darwin, de
Michael Behe.
d) a Psicologia ou ciência física do ente segundo alteração.
 O Comentário de Tomás de Aquino ao De Anima de Aristóteles;
o Comentário de Tomás de Aquino ao De Sensu et Sensato de Aristóteles;
as Questões Disputadas sobre a Alma e a Questão Disputada sobre as Criaturas
Espirituais, de Tomás de Aquino; Da Unidade do Intelecto contra os Averroístas,
de Santo Tomás; La praxis de la Psicología, de Martín Echavarría.
Observação 2. A alteração é a espécie de movimento relativa às qualidades, e
as qualidades por antonomásia são as virtudes intelectuais e morais do homem.
Mas a Psicologia ou Antropologia, enquanto trata precisamente a parte intelectivo-
volitiva da alma humana, obviamente não é ciência física. Logo, a Psicologia é uma
como ciência média entre a Física e a Metafísica, o que decorre da mesma natureza
humana. Estudar-se-á detidamente.
Observação 3. Tratar-se-ão, criticamente, as chamadas “ciências modernas”,
e muito especialmente o darwinismo e a relatividade einsteiniana.
Observação 4. Mas também há que corrigir e atualizar a doutrina aristotélico-
tomista quanto a algumas das partes subjetivas da Física Geral, muito
especialmente a Cosmologia.
5. A Matemática ou ciência do ens quantum.
a) A Aritmética ou ciência matemática das quantidades discretas.
b) A Geometria ou ciência matemática das quantidades contínuas.
 Obras diversas de Aristóteles, de Euclides e de Tomás de Aquino.
Observação. No curso, não se tratará a Matemática detidamente, sobretudo
porque esta atingiu tal grau de complexidade, que só um especialista seria capaz
de ensiná-la. Mas dar-se-ão suas notas gerais.

6. A Metafísica (ou Filosofia Primeira, ou Teologia Filosófica), ou ciência do


ente enquanto ente.
 O Comentário de Tomás de Aquino à Metafísica de Aristóteles;
o Comentário de Tomás de Aquino ao Liber de causis; O Timeu de Platão; Da
Eternidade do Mundo, de Tomás de Aquino; Das Substâncias Separadas, de
Tomás de Aquino; a Questão Disputada sobre as Criaturas Espirituais de Tomás
de Aquino; as Questões Disputadas sobre a Potência de Deus de Tomás de
Aquino; Umbrales de la Filosofía, do P. Álvaro Calderón.

Apêndice: História da Filosofia: Do Impulso Grego ao Abismo Moderno


 A Historia de la Filosofía de Guillermo Fraile O.P. e de Teófilo Urdánoz O.P;
a História da Filosofia de Frederick Copleston; Précis d’histoire de la philosophie,
de François-Joseph Thonnard, A.A.; a História da Filosofia Antiga de Giovanni
Reale; A Raiz Antitomista da Modernidade Filosófica, de Daniel Scherer (por
lançar).
Observação. Algo do que se dirá aqui já terá sido tratado, profundamente, ao
longo do curso.
1. A Filosofia Pagã Clássica:
a) Os pré-socráticos:
• Os naturalistas; Pitágoras e os pitagóricos; Xenófanes e a Escola Eleática;
Empédocles; Anaxágoras; os atomistas; o ecletismo; a decadência sofística.
b) Sócrates: a abertura da estrada real da filosofia.
c) Os socráticos menores: decadência.
d) Platão.
e) Aristóteles: a Filosofia por antonomásia.
f) Entre o período helenístico e o fim da era pagã – longa decadência:
• As escolas socráticas, platônicas e aristotélicas; o estoicismo; cepticismo e
ecletismo.
g) O neo-estoicismo romano.
h) Andrônico, o renascimento do aristotelismo e o neo-aristotelismo de
Alexandre de Afrodísias.
i) Epicurismo, pirronismo, cepticismo e cinismo tardios.
j) Fílon de Alexandria.
k) Médio-platonismo e neo-pitagorismo.
l) O neoplatonismo:
• Plotino e seus discípulos, em especial Porfírio.
2. O Filosofar Cristão.
§ Não se tratará aqui a Teologia Sagrada. Mas ter-se-ão sempre em conta as
luzes que ela projeta sobre a mesma Filosofia.
a) Os Padres e Santo Agostinho.
b) A Escolástica até Santo Tomás de Aquino.
§ Avicenna e Averróis.
c) A decadência:
• Duns Scot; Ockham e o nominalismo.
d) A reação tomista ao scotismo e ao nominalismo: seus méritos, seus defeitos:
• Os primeiros; o Cardeal Caetano; Salamanca; João de Santo Tomás; et alii.
e) Fora do tomismo:
• Nicolau de Cusa.
• O ecletismo de Suárez.
3. A Filosofia Moderna ou o Antiaristotelismo:
a) O surgimento no Renascimento da mal chamada ciência moderna (e suas
sementes humanistas).
• Giordano Bruno, Bacon, Gassendi, Galileu; Maquiavel; et alii.
b) De Descartes a Leibniz:
• Descartes; Pascal; Malebranche; Spinoza; Leibniz.
c) De Hobbes a Hume:
• Hobbes; Locke; Newton; Berkeley; Hume.
d) De Wolf a Kant:
• A Ilustração francesa; a Ilustração alemã; Vico; Kant.
e) De Fichte a Nietzsche:
• Fichte; Schelling; Hegel; Schopenhauer; Kierkegaard; o primeiro
materialismo; o neokantismo; Nietzsche.
§ O marxismo e o darwinismo.
f) De Bentham a Merleau-Ponty:
• Bentham; Spencer; Mill; Spencer; o idealismo anglo-saxão; o pragmatismo;
Moore; Russell.
§ Whitehead.
• Maine de Biran; Comte e o positivismo; Ravaisson; Husserl e a fenomenologia;
Bergson; Heidegger; Sartre; Merleau-Ponty.
§ O modernismo “católico”.
§ O neo-tomismo.
§ A Psicanálise, a Sociologia e a Linguística.
§ Louis Lavelle e Xavier Zubiri.
g) O fundo do abismo contemporâneo.

Parte 2

§ A Sagrada Teologia, ou ciência de Deus enquanto Deus (ou sob a razão de


Deus) – a única das ciências que é simultaneamente especulativa e prática e cujos
princípios não se alcançam pelas luzes da razão.
 A segunda parte da Escola Tomista fundar-se-á em toda a Suma
Teológica de Santo Tomás de Aquino, incluído seu Suplemento. Mas não se
deixarão de referir especialmente a Suma contra os Gentios, o Compêndio de
Teologia, as Questões Disputadas sobre o Mal e as Questões Quodlibetárias do
mesmo Doutor Angélico.
Literatura Pagã

01 – 02. ( ) Ilíada e Odisseia – Homero


03. ( ) Prometeu Acorrentado – Esquilo
04. ( ) Antígona – Sófocles
05. ( ) Eneida – Virgílio
(Livro de São Basílio sobre como ler a literatura pagã)

Literatura Cristã

06. ( ) Toda a obra poética de Lope de Vega


07. ( ) Dom Quixote – Cervantes
08 – 12. ( ) A saga do Padre Brown (5 livros) – Gilbert Keith Chesterton

FILOSOFIA

13. ( ) Ditos e Feitos Memoráveis de Sócrates – Xenofonte


14. ( ) Apologia de Sócrates – Platão
15. ( ) Górgias – Platão
16. ( ) Fédon – Platão
17. ( ) Banquete – Platão
18. ( ) República – Platão
19. ( ) O Magnífico Timeu – Platão
20. ( ) Leis – Platão
21. ( ) Categorias – Aristóteles
22. ( ) Isagoge – Porfírio
23. ( ) Comentário de S. Tomás ao Peri Hermeneias Peri Hermeneias (Da Interpretação) –
Aristóteles
24. ( ) Analíticos Anteriores – Aristóteles
25. ( ) Comentário de S. Tomás aos Analíticos Posteriores – Aristóteles
26. ( ) Tópicos – Aristóteles
27. ( ) Retórica – Aristóteles
28. ( ) Poética – Aristóteles
29. ( ) Comentário de São Tomás à Ética a Nicômaco
30. ( ) Comentário de São Tomás à Política de Aristóteles
31. ( ) Comentário de São Tomás à Física de Aristóteles
32. ( ) Comentário de São Tomás ao Do Céu e do Mundo
33. ( ) Comentário de S. Tomás ao Livro sobre os Meteoros (de Aristóteles)
34. ( ) Comentário de S. Tomás a Da Geração e da Corrupção (de Aristóteles)
35. ( ) Comentário de S. Tomás a Da Alma (de Aristóteles)
36. ( ) Comentário de S. Tomás ao De Sensu et Sensato (de Aristóteles)
37. ( ) Comentário de S. Tomás à Metafísica de Aristóteles
38. ( ) Da Unidade do Intelecto contra os Averroístas, de Santo Tomás
39. ( ) Da Eternidade do Mundo, de Santo Tomás
40. ( ) Das Substâncias Separadas, de Santo Tomás
41. ( ) Comentário de S. Tomás ao Liber de Causis
42. ( ) Umbrales de la Filosofía – Padre Álvaro Calderón
BÍBLIA E MAGISTÉRIO

43. ( ) Bíblia
44. ( ) Henrich Joseph Dominicus Denzinger
45. ( ) Catecismo Romano
46. ( ) Encíclicas de Leão XIII
47. ( ) Encíclicas de São Pio X
48. ( ) Encíclicas de Bento XV
49. ( ) Encíclicas de Pio XI
50. ( ) Encíclicas de Pio XII

TEOLOGIA SAGRADA

51. ( ) Da Cidade de Deus – Santo Agostinho


52. ( ) De Regno – S. Tomás
53. ( ) Comentários às Sentenças de Pedro Lombardo, de S. Tomás
54. ( ) Suma contra os Gentios, de S. Tomás
55. ( ) Suma Teológica, de S. Tomás
56. ( ) Questão Disputada sobre as Criaturas Espirituais, de S. Tomás
57. ( ) Questões Disputadas Sobre a Verdade, de S. Tomás
58. ( ) Questão Disputada sobre a potência de Deus, de S. Tomás
59. ( ) Questões Disputadas sobre a Alma, de S. Tomás
60. ( ) Questão Disputada sobre o Mal, de S. Tomás
61. ( ) Questão Disputada sobre as Virtudes, de S. Tomás
62. ( ) Questões de Quodlibet, de S. Tomás
63. ( ) Compêndio de Teologia, de S. Tomás
64. ( ) Comentário de Santo Tomás ao De Trinitate de Boécio
65. ( ) Comentário de S. Tomás ao Dos Nomes Divinos, de Dionísio Areopagita
66. ( ) Comentário de Santo Tomás a Salmos
67. ( ) Comentário de Santo Tomás a Jó
68. ( ) Comentário de Santo Tomás a Isaías
69. ( ) Comentário de Santo Tomás ao Evangelho de João
70 – 73. ( ) Catena Aurea, de S. Tomás: Mateus, Lucas, Marcos, João
74 – 87. ( ) 14 livros de Comentários de S. Tomás às Epístolas de S. Paulo
88. ( ) A Candeia Debaixo do Alqueire – Pe. Álvaro Calderón
89. ( ) Prometeo o la Religión del Hombre – Pe. Álvaro Calderón
90. ( ) El Reino de Dios en el Concilio Vaticano II – Pe. Álvaro Calderón