Sei sulla pagina 1di 36

Currículos de História e expectativas de

aprendizagem para os anos finais do ensino


fundamental no Brasil (2007-2012)
Curriculum of History and learning expectations for
the final years of primary education in Brazil (2007-2012)
Margarida Oliveira*
Itamar Freitas**

Resumo Abstract
O artigo traça um perfil das propostas The article presents a profile of curricu-
curriculares produzidas entre 2007 e lar proposals produced between 2007
2011, por 18 estados da Federação, des- and 2011 by 18 states of Brazil, for the
tinadas aos anos finais do ensino funda- final years of primary education. The
mental. O texto é um dos resultados da text is one of the results of a research
pesquisa empreendida nos últimos três undertaken in the last three years by re-
anos por pesquisadores das universida- searchers at the federal universities of
des federais do Rio Grande do Norte e Rio Grande do Norte and Sergipe,
de Sergipe, que prioriza o exame das ex- which prioritizes the review of learning
pectativas de aprendizagem histórica expectations in terms of historical pur-
em termos de finalidades, quantidades, poses, amounts, distribution, skills,
distribuição, habilidades, conhecimen- knowledge and levels of incorporation
tos e níveis de incorporação da pesquisa of cutting edge research. The goal is to
de ponta. O objetivo é fornecer subsí- provide subsidies for knowledge and
dios para o conhecimento e a discussão discussion of public policy and point
sobre políticas públicas e apontar a out the opportunity to research issues
oportunidade de investigação de temáti- and problems few explored by the acad-
cas e problemas ainda pouco explorados emy.
pela academia. Keywords: History Teaching, Curricu-
Palavras-chave: ensino de história; cur- lum, Elementary school.
rículo; ensino fundamental.

* Departamento de História, Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal


do Rio Grande do Norte (UFRN). Campus Universitário de Lagoa Nova. 59078-970 Natal – RN
– Brasil. margaridahistoria@yahoo.com.br
** Centro de Educação e Ciências Humanas, Departamento de Educação, Universidade Federal
de Sergipe (UFS). Cidade Universitária “Prof. José Aloísio de Campos”. Av. Marechal Rondon,
s/n, Jardim Rosa Elze. 49100-000 São Cristóvão – SE – Brasil. itamarfo@gmail.com

Revista História. Hoje, v. 1, nº 1, p. 269-304- 2012


Margarida Oliveira e Itamar Freitas

Há 14 anos, Circe Bittencourt publicou um balanço das propostas curri-


culares de história produzidas entre o fim da década de 1980 e o início da de
1990 em 22 estados brasileiros. A intenção da pesquisadora era “identificar o
alcance de tais propostas no que se refere às mudanças do conhecimento his-
tórico escolar”,1 transformações essas operadas a partir do processo de demo-
cratização pelo qual passara o país, que resultou até mesmo no retorno da
disciplina História aos currículos do ensino fundamental.
Em seu balanço, como o próprio título sugeria, Bittencourt apontou con-
tinuidades e transformações. Entre as primeiras, destacou a presença do ensi-
no de história fundado no ‘tempo cronológico como único ordenador das
mudanças’ e do ‘estruturalismo’ na versão dos ‘modos de produção’ – com a
consequente subsunção do indivíduo à coletividade. Das mudanças, destacou
o esforço de algumas propostas para estabelecer uma ‘história problema’, os
cuidados com a análise das noções de tempo histórico, a introdução, ainda que
tímida, de estudos sobre as ‘culturas africanas’ e a superação da ideia de ‘espa-
ço europeu’ como ‘lugar do nascimento da nação’ – formação fundada na
mistura de raças e no predomínio da experiência portuguesa.
A quase uma década e meia da publicação desse importante inventário,
vivenciamos o debate em torno da elaboração e circulação dos Parâmetros
Curriculares Nacionais, a produção das Diretrizes Curriculares para o Ensino
Médio, a ampliação do Ensino Fundamental em mais um ano e o atendimen-
to de várias demandas sociais que resultaram em prescrições sobre a legislação
de ensino, a exemplo das orientações sobre o estudo da história da África e dos
afrodescendentes, para citarmos apenas os temas de maior difusão entre os
professores do Ensino Básico.
Em termos historiográficos, os novos objetos, problemas e abordagens
introduzidos no ambiente acadêmico, no final da década de 1980, parecem
conviver civilizadamente com as perspectivas um pouco mais à esquerda. Em-
pregando as categorias de Ciro Flamarion Cardoso,2 diríamos: os paradigmas
rivais – o ‘iluminista’ e o ‘pós-moderno’ –, enfim, reconheceram os seus exa-
geros (e as possibilidades de interação).
Acerca das ideias de aprendizagem, ensino e currículo, vigoram as mes-
mas certezas cunhadas a partir da obra de autores como Jean Piaget, Lev Se-
menovich Vygotsky, Jerome Bruner, David Ausubel, Philippe Perrenoud,
César Coll e de um grupo de teóricos críticos entre os quais podem ser incluí-

270 Revista História Hoje, vol. 1, nº 1


Currículos de História e expectativas de aprendizagem

dos os nomes de Paulo Freire e de Dermeval Saviani. Tais ideias são por demais
conhecidas da maioria dos profissionais: desenvolvimento humano em termos
de estágios, respeito aos saberes prévios, aluno como construtor de conheci-
mento, professor como mediador das situações de aprendizagem, pedagogia
das competências e dialogismo.
Novidade mesmo, afirmaríamos, foi o crescimento da produção acadê-
mica resultante da pesquisa básica sobre o ensino de história. Encontros na-
cionais, revistas, consolidação de grupos de investigação e formação de mestres
e doutores proporcionaram o acúmulo de grande experiência analítica (em-
bora de forma desequilibrada) sobre os aspectos que envolvem a aprendizagem
histórica em todas as etapas do ensino básico e até do nível superior. Quais os
desdobramentos dessa nova conjuntura para a formatação das propostas cur-
riculares elaboradas nos estados do Brasil no período 2007-2012? Que desafios
detectados no final da década de 1980 foram superados e que novos problemas
se busca enfrentar? Qual o perfil das expectativas de aprendizagem formuladas
na última década para os anos finais do ensino fundamental – ambiente privi-
legiado de formação de pré-adolescentes e adolescentes onde atua o profissio-
nal com formação inicial em história?
Este artigo retoma a discussão por nós levantada nos últimos três anos3
no sentido de produzir indicadores sobre a experiência brasileira em termos
de ensino de história, visando subsidiar políticas públicas, bem como chamar
a atenção dos pesquisadores para a importância do investimento na investiga-
ção sobre determinadas temáticas e problemas que fogem aos interesses de tal
ou tal estado, corrente historiográfica, pedagógica, ou seja, que refletem sobre
o ensino de história em escala nacional, frente a outros movimentos e expe-
riências internacionais.
Nos trabalhos de 2011, examinamos as prescrições de pesquisadores de
vários países sobre o ensino de história como também as expectativas de apren-
dizagem produzidas para os anos iniciais do ensino fundamental, no âmbito
de 12 capitais brasileiras. Aqui, dando continuidade à pesquisa, analisamos as
propostas curriculares produzidas para os anos finais do ensino fundamental,
entre os anos 2007 e 2012, em 18 estados da Federação.4 Nosso objetivo é es-
clarecer alguns pontos que consideramos fundamentais para o conhecimento
da realidade brasileira em termos de prescrições sobre o ensino de história. Os
indicadores que se seguem fornecem, portanto, a estrutura deste artigo: 1. o

Junho de 2012 271


Margarida Oliveira e Itamar Freitas

lugar da história na formação do aluno (ou ideal de aluno a ser formado); 2. o


sentido de conteúdo e a quantidade de expectativas anunciadas; 3. as prescri-
ções em termos de conhecimentos e de habilidades (conhecimentos substan-
tivos e meta-históricos); e 4. os usos dos diálogos entre as durações, e dos jogos
de escala.

O lugar da história na formação do aluno

As propostas curriculares para o ensino de história datam da década de


2000, como já informamos. As 18 com as quais trabalhamos5 foram elaboradas
entre 2007 e 2012, demonstrando a concentração, nesse período, das reformas
curriculares estaduais, em grande parte estimuladas pela ampliação do ensino
fundamental de nove anos, como também pela ascensão de partidos de centro-
-esquerda ao poder nos estados, a partir do segundo mandato do presidente
Luiz Inácio Lula da Silva.
Do ponto de vista das concepções de história que norteiam as propostas,
podemos afirmar que a tônica, diferentemente do que imaginávamos, é a in-
definição ou, pelo menos, a não explicitação desse ou daquele paradigma, cor-
rente ou escola. Dois terços das propostas não indicam orientação. Traçam
panorama da historiografia europeia do século XX, criticam a ‘história positi-
vista’, mas, ao contrário das propostas da década de 1980, não fundam as es-
colhas sobre um ou outro autor.
Mesmo entre os projetos que partem de uma definição de ciência histó-
rica, as afirmações são gerais. Há referências aos historiadores Eric Hobsbawm
– a defesa do exame da relação presente-passado-futuro –, Marc Bloch – a
história como fornecedora de prazer – e Jörn Rüsen – o estudo das formas de
superação das carências humanas. A história também é definida metaforica-
mente, a exemplo de termos como ‘espelhos do tempo’ e ‘expressão de huma-
nidade’.
Apesar de anunciadas em algumas propostas, as definições não chegam
(solitariamente) a determinar a escolha de habilidades, a seleção e a distribui-
ção dos conhecimentos. Isso ocorre por um motivo óbvio, embora pouco com-
preendido: nenhum historiador/corrente fornece o suporte necessário a todas
as demandas do ensino. Observemos, por exemplo, a proposta do estado do
Paraná. Ela está centrada na ‘perspectiva da formação da consciência histórica’,

272 Revista História Hoje, vol. 1, nº 1


Currículos de História e expectativas de aprendizagem

devedora da nova história social alemã, que tem Rüsen como figura de proa.
No entanto, para a eleição dos ‘conteúdos estruturantes’ (relações de trabalho,
relações de poder e relações culturais), os autores das expectativas reivindicam
a contribuição de Eric Hobsbawm e Edward Thompson (trabalho), Norberto
Bobbio e Michel Foucault (poder), Raymond Williams, Roger Chartier e Car-
lo Ginzburg (cultura).
No que se refere às funções da disciplina escolar História, a situação se
inverte, uma vez que a maioria explicita essa informação fundamental para os
professores, sobretudo. Mesmo na ausência de explicitação da ideia de história-
-ciência, a maioria das propostas converge para quatro grandes finalidades: a
formação de identidades, a capacitação para a cidadania, a leitura crítica da
realidade e a compreensão dos procedimentos meta-históricos.
Assim, uma verdadeira vulgata, interligando identidade, cidadania, leitu-
ra da realidade e operação historiográfica, se instaura nas propostas. A forma-
ção da identidade surge como aquisição das noções e compreensão das iden-
tidades individuais/pessoais e coletivas (locais, nacionais, por exemplo). A
identidade também aparece na forma de sentimento de pertença, compreensão
de si e dos outros, e de percepção da condição do aluno como sujeito histórico.
Identidade oscila entre fundamentos e abordagens políticas, antropológicas e
historiográficas, mas que convergem para a ideia de formação cidadã.
A cidadania é requerida em termos de conhecimento dos princípios, com-
preensão e preparação para a ação (atuação). É também traduzida como luta
contra a exclusão social e em favor dos direitos fundamentais. Cidadania faz
par com a preparação do aluno para a vida em regime democrático, o desen-
volvimento da habilidade de fazer escolhas, agir e intervir no mundo que o
cerca. Aqui surge o terceiro e mais referido objetivo para o ensino de história:
a habilidade de ler o real.
A leitura da realidade, anunciada como leitura do mundo que cerca o
aluno, do presente ou da sociedade, atribui à disciplina escolar História a res-
ponsabilidade de desenvolver no/com o aluno as habilidades de observar, in-
terpretar, compreender e pensar.
O domínio dos conteúdos meta-históricos, por fim, complementa o leque
de finalidades expresso pela vulgata histórica. As justificativas implícitas, aqui,
parecem oscilar entre as orientações da psicologia do desenvolvimento – a
habilidade de identificar semelhanças e diferenças, continuidades e permanên-

Junho de 2012 273


Margarida Oliveira e Itamar Freitas

cias – e as prescrições da teoria/metodologia da história: identificar mudanças


e permanências, semelhanças e diferenças, relacionar presente/passado, racio-
cinar, pensar historicamente, construir consciência histórica ou, simplesmen-
te, conhecer os princípios da ciência da história.

O sentido de conteúdo e quantidade


de expectativas anunciadas

O que os adolescentes devem aprender com o ensino de história? Essa


questão é respondida com o emprego da expressão ‘expectativas de aprendi-
zagem’. Não obstante a variedade de concepções de ‘aprendizagem’, a locução
não deixa dúvidas sobre o sentido que queremos transmitir: o que os legisla-
dores, gestores e professores esperam que os alunos aprendam sob a rubrica
de uma área do conhecimento chamada história.
Nas propostas, evidentemente, a diversidade de nomenclatura impera. As
expectativas são chamadas de ‘aprendizagens básicas esperadas’ (AL), ‘expec-
tativas de aprendizagem’ (PR), ‘expectativas de ensino e aprendizagem’ (GO),
‘atitudes’ (AM), ‘habilidades’ (ES, MG, SE, TO), ‘capacidades’ (MT, SP), ‘com-
petências e habilidades’ (MS, RS), ‘conteúdos’ (CE), ‘conteúdos, habilidades e
competências’ (RJ) e ‘objetivos’ (AC, BA, PB, PE). Como vemos, o glossário
indica a incorporação da vulgata construtivista e o quase abandono do vocá-
bulo ‘objetivo’, associado, no senso comum da docência, ao tecnicismo com-
portamentalista.
Para nós, entretanto, o anúncio de uma expectativa de aprendizagem ga-
nha a forma de um objetivo educacional, independentemente dos sentidos de
ensino e de aprendizagem que se queiram emprestar. Dizendo de outro modo,
informar sobre o que se espera que o aluno aprenda requer a construção de
uma sentença composta por verbo(s) e substantivo(s) que expressem, simul-
taneamente, processos cognitivos (lembrar, compreender, aplicar, avaliar,
criar, entre outros) e conhecimentos (factuais, conceituais, procedimentais,
metacognitivos, entre outros).6
Nesse sentido, excetuando-se as propostas do Ceará e de São Paulo7, todos
os documentos analisados anunciam expectativas em forma de objetivo edu-
cacional – alguns mais extensos, contendo dois, três ou mais verbos, outros

274 Revista História Hoje, vol. 1, nº 1


Currículos de História e expectativas de aprendizagem

resumidos (veremos isso adiante) –, constatação que nos leva a questionar de


início com quantos objetivos se faz uma proposta curricular.
Aqui, novamente, a variação é a tônica. Há estados que prescrevem entre
duas e cinco dezenas de objetivos (AC, AL, BA, CE, ES, MT, PR, RS, SE, SP),
que estabelecem de seis a nove dezenas objetivos (AM, MG, MS, PB, RJ), e um
terceiro grupo que lista entre dezoito e dezenove dezenas de objetivos educa-
cionais (GO, PE, TO). Embora não possamos discutir neste artigo as razões de
cada uma dessas escolhas,8 podemos inferir que tais números fornecem indí-
cios sobre a pluralidade de concepções acerca de ‘conteúdo histórico’ (mais ou
menos factuais, conceituais ou generalistas) e, ainda, sobre graus diferenciados
de autonomia docente e/ou de apoio teórico-metodológico fornecido pelas
equipes técnicas.
A forma de distribuição das expectativas por ano9 também indica varia-
ção. Há propostas que estabelecem a mesma quantidade de objetivos para os
dois primeiros ou os dois últimos anos, para os três primeiros ou os três últi-
mos anos do ensino fundamental. Rara é a proposta que os distribui equitati-
vamente. No geral, o 7º e o 9º anos recebem o maior número de objetivos.
Esses dados nos levam à conclusão de que, em termos de quantidade de obje-
tivos, as propostas não sugerem qualquer tipo de progressão da aprendizagem.

Gráfico 1 – Distribuição das expectativas entre os anos


finais do ensino fundamental e por estado (2007-2011)
60%

50%

40%

30%

20%

10%

0%
AC AL AM BA CE ES GO MS MT MG PB PR PE RJ RS SP SE TO
-10%

6 o ano 7 o ano 8 o ano 9 o ano

Observação: Para a adequada leitura do gráfico, conferir os comentários da Nota 5 sobre as


propostas de Alagoas, Ceará e Amazonas, que explicam a homogeneização dos quantitativos
referentes a cada ano.
100%

80%

Junho de 2012 275


60%
Margarida Oliveira e Itamar Freitas

Encerrando este tópico, esclareçamos um pouco mais sobre a natureza


das expectativas de aprendizagem ou, como circula na vulgata pedagógica,
sobre o sentido de conteúdo nos currículos prescritos para a história. A lite-
ratura da área não chegou a um consenso sobre o que seria o específico em
termos de aprendizagens históricas,10 razão pela qual consideramos os três
tipos de ‘conteúdo’ correspondentes às posições em disputa: 1. habilidades
específicas do ofício do historiador; 2. conhecimentos produzidos a partir das
habilidades específicas do ofício do historiador; e 3. habilidades e conheci-
mentos que excedem às tarefas da heurística, análise, síntese e escrita históri-
cas (ofício do historiador), demandadas, por exemplo, pela linguística, psico-
logia do desenvolvimento, psicologia da aprendizagem, filosofia
(principalmente, a ética e a estética), política, sociologia e antropologia, ou
seja, áreas do conhecimento que, geralmente, fundamentam as políticas edu-
cacionais para a escolarização básica.
Partindo dos saberes experienciais dos professores do ensino fundamen-
tal, poderíamos, sem grandes problemas, nomear o primeiro e o segundo tipo
como objetivos específicos, e o terceiro como objetivos gerais. Eles serão deta-
lhados no próximo tópico. Aqui, é bastante informar que 90% do total de
objetivos são constituídos por habilidades e conhecimentos ‘específicos’ da
história e apenas 9% enfocam outras áreas do saber.11 Examinado caso a caso,
verificamos que 13 das 18 propostas possuem de 84% a 100% de objetivos
voltados para as habilidades e conhecimentos específicos do ofício do histo-
riador, demonstrando uma compreensão endógena e restrita a respeito dos
‘conteúdos’ concebidos como históricos.
As propostas da Paraíba e do Espírito Santo, por exemplo, são constituí-
das, respectivamente, por 71% e 65% de objetivos específicos, um pouco abai-
xo, portanto, da taxa majoritária. Esses dados significariam, então, que os dois
desenhos curriculares reduzem o espaço do conhecimento histórico na forma-
ção dos adolescentes? É evidente que não. Conclusões desse tipo são possíveis
somente após o levantamento em detalhe dos conhecimentos e habilidades
explorados pelos objetivos.

276 Revista História Hoje, vol. 1, nº 1


Currículos de História e expectativas de aprendizagem

As prescrições em termos de conhecimentos e de habilidades

1. Conhecimentos e habilidades nos ‘objetivos gerais’

Comecemos pelos mais raros, os conhecimentos e habilidades constituin-


tes dos objetivos que supostamente excederiam as tarefas clássicas do historia-
dor. Eles somam 118 em um total de 1.380 objetivos. Além de serem minori-
tários em todas as propostas que os contemplam, eles não compõem os
currículos de quatro estados (AM, BA, CE e PR). Porém, apresentam números
significativos outros quatro: 47% (SP), 35% (ES, PB) e 23% (MT).
As expectativas expressas por objetivos gerais abordam conhecimentos
relativos à comunicação (39%),12 quais sejam: leitura13 (sobretudo, busca de
informações e interpretação de texto escrito) e escrita, análise e leitura de grá-
ficos e tabelas e uso de mapas.
Os objetivos gerais também exploram temas relacionados aos valores que
fundamentam o comportamento individual e a vida em sociedade (68%). 14
Nesse sentido, e em ordem decrescente de ocorrências, abordam cidadania,
identidade, alteridade, diversidade cultural, étnica e de gênero, democracia,
justiça, tolerância, solidariedade, direitos humanos, sociedade, o meio ambien-
te e o planeta. Esses objetivos também exploram a capacidade humana de
transformação e de convivência da diversidade na unidade.
Na mesma rubrica, espera-se que os alunos ampliem as capacidades de
viver em grupo, conviver com as ideias do outro, compreender e combater as
ideias de dominação (entre os países), a atitude consumista, o preconceito e a
discriminação em relação à mulher, aos idosos, aos afrodescendentes e aos
indígenas.

Junho de 2012 277


Margarida Oliveira e Itamar Freitas

Gráfico 2 – Valores/atitudes x habilidades linguísticas


por estado: Brasil (2007-2012)
50%

40%

30%

20%

10%

0%
AC AL ES GO MS MT MG PB PE RJ RS SP TO

Valores/atitudes Habilidades linguísticas

Observação: Os demais estados não apresentam expectativas em termos de valores/atitudes ou


de habilidades linguísticas.
70%

60% Em termos de habilidades, o ‘aplicar’ predomina nos objetivos de comu-


nicação, coerente com a natureza da expectativa. Ao contrário, nos objetivos
50%

40%
que
30%
abordam valores e atitudes, prevalecem as habilidades de baixa complexi-
dade
20%
cognitiva – lembrar e compreender –, indicando maior ênfase na aquisi-
ção
10% de informações em detrimento da resolução de situações-problema.
0% Este é o momento de retomar aquela indagação do tópico anterior, acer-
AC AL AM BA CE GO MS MT MG PB PR PE RJ RS SP SE TO
ca da menor frequênciaBreve
de objetivos
Conjuntural
‘específicos’
Longa
nas propostas do Espírito
Longuíssima
Santo, Mato Grosso e Paraíba e indicar que se trata de uma ressignificação dos
conteúdos históricos e não, propriamente, de uma redução do espaço da his-
tória no currículo. Os valores e as atitudes, cidadãos em sua maioria, seriam
absorvidos como tarefas da disciplina, tão importantes quanto a compreensão
de acontecimentos do passado próximo ou distante.
No entanto, independentemente do desempenho desses e de outros esta-
dos, como demonstra o Gráfico 2, valores, atitudes e habilidades linguísticas
representam aproximadamente 6% do total de expectativas no Brasil. Caso
quiséssemos estabelecer um paralelo entre a tipologia empregada neste artigo
e as possíveis razões que fundamentam a introdução dos objetivos gerais,15
sobretudo aqueles que abordam valores e atitudes, poderíamos afirmar, com
convicção, que os princípios éticos, estéticos e de cidadania, seja na sua versão

278 Revista História Hoje, vol. 1, nº 1


Currículos de História e expectativas de aprendizagem

constitucional, seja na disposição indicada pela Unesco, ocupam um lugar


restrito no currículo de história para os anos finais no Brasil.

2. Conhecimentos e habilidades nos objetivos específicos:


conteúdos
60%
meta-históricos
50%
Os objetivos ‘específicos’, como anunciamos no tópico anterior, são cons-
40%
tituídos por habilidades singulares ao ofício do historiador (as operações pro-
cessuais do ofício – pesquisa e escrita da história) e conhecimentos produzidos
30%

a 20%
partir do emprego dessas mesmas habilidades (são os ‘fatos’ ou os ‘conteúdos
propriamente ditos’ da vulgata docente). Nomeamos os primeiros conteúdos
10%

como
0% meta-históricos,
AC AL AM BA
e osES
CE
últimos,
GO MS
como substantivos.
MT MG PB
ElesRJrepresentam,
PR PE RS SP SE
res-
TO
pectivamente, 11% e 79% do
-10%
total
6 anoo
das expectativas
7 ano 8 ano
o
prescritas.
9 anoo
16
o

Gráfico 3 – Conteúdos substantivos x conteúdos


meta-históricos: Brasil (2007-2012)
100%

80%

60%

40%

20%

0%
AC AL AM BA CE ES GO MS MT MG PB PR PE RJ RS SP SE TO

Substantivos Meta-históricos

Como podemos acompanhar pelo Gráfico 3, apenas duas propostas não


explicitam os conteúdos meta-históricos (AL e MG) entre os seus objetivos.
Nas demais, entretanto, tais conteúdos são distribuídos de forma bastante va-
riada. Há desenhos, por exemplo, que reservam pouco menos (PR – 45%) ou
pouco mais que a metade (ES – 58%, MT – 55%). Entretanto, há também
propostas cujo espaço preenchido pelos conhecimentos e habilidades referen-
tes à teoria da história, à pesquisa e à escrita histórica não ultrapassa os 5% do
total dos seus objetivos específicos (BA, CE, MS, RJ – 4%, e TO – 5%).

Junho de 2012 279


Margarida Oliveira e Itamar Freitas

Resta saber quais são os conhecimentos e habilidades mais recorrente-


mente utilizados pelas propostas. Esse exame é viabilizado mediante a recolha
dos verbos e dos substantivos empregados no anúncio dos objetivos.
O Quadro 1 apresenta as escolhas de todas as propostas. Podemos obser-
var as referências aos conceitos básicos (história-processo, história-ciência,
fonte histórica, acontecimento, tempo, período, historicidade, sujeito históri-
co, duração, espaço, memória, narrativa, interpretação e anacronismo) e aos
procedimentos canônicos que guiam a pesquisa e a escrita da história (obser-
vação, descrição, análise, comparação, interpretação, crítica e síntese) – ambos,
objetos da formação inicial em história.
Tais escolhas, entretanto, não são expostas esquematicamente, como lis-
tamos acima – pelo menos, não o são nas propostas que apresentam baixo
índice de conteúdos meta-históricos. Um estado, por exemplo, privilegia os
conceitos de duração, fontes, interpretação-versão e a diferenciação história-
-ciência/história-vida (AC). Outro já concentra os objetivos na importância
da história-ciência (BA). O terceiro espera do aluno a compreensão da ideia
de historicidade e da diferença entre história e mito (SE). Um quarto estado,
por fim, sugere os conhecimentos e as habilidades meta-históricas, apresen-
tando o ‘conteúdo’ ‘introdução à história’ (CE) e assim por diante.
Mesmo nos estados que reservam maior espaço para os conteúdos meta-
-históricos, os objetivos são concentrados em quatro ou cinco noções e/ou
procedimentos. Podem, por exemplo, privilegiar o trabalho com narrativas,
fontes e na relação presente-passado (PR), com os conceitos de história, his-
toricidade e memória e tempo e os procedimentos de observação, simultanei-
dade, mudança, permanência e ruptura, continuidade e descontinuidade (MT)
ou, ainda, história, historicidade, tempo, narrativa e fontes (ES).
Verticalizando o exame sobre tais propostas, verificamos que os conteú-
dos meta-históricos são distribuídos nos anos finais de forma equilibrada em
dois currículos (ES, MT). Apenas três propostas apresentam tendência de-
crescente, ou seja, maior quantidade de objetivos no sexto e menor no nono
ano (TO, PB, PR), indicando possibilidade de progressão em termos quan-
titativos.17

280 Revista História Hoje, vol. 1, nº 1


Currículos de História e expectativas de aprendizagem

Quadro 1 – Habilidades e conhecimentos


meta-históricos: Brasil (2007-2012)

Habilidades Conhecimentos
Identificar Acontecimento (o conceito e o
referente)
Analisar Anacronismo (o conceito e o
referente)
Utilizar Escalas (Cartografia)
Definir, reconhecer, reconhecer a História-ciência (o conceito e o
importância e compreender referente)
Discutir Conceitos históricos
Comparar Cronologias
Identificar Durações
Analisar, comparar, compreender, Fontes históricas
identificar, interpretar, ler, reconhecer,
reconhecer a importância (para a escrita da
história), utilizar, criticar e verificar
Reconhecer, diferenciar História conhecimento/história
processo (vida) e história/mito
Relacionar História individual e história
coletiva
Compreender Historicidade
Interpretar Fontes (imagens)
Comparar, interpretar, relacionar, buscar Informações em fontes históricas
Comparar, compreender Interpretações (versões) históricas
Compreender, relacionar Tempo (medidas de)
Identificar, coletar, discutir, comparar Memórias
Diferenciar Narrativa e mito
Diferenciar, comparar, compreender, Narrativas
produzir, utilizar
Desenvolver Noções de simultaneidade,
mudança, permanência, ruptura,
continuidade, descontinuidade e
transformações
continua

Junho de 2012 281


Margarida Oliveira e Itamar Freitas
continuação

Habilidades Conhecimentos
Conhecer Noções de tempo, espaço, duração
e periodização, temporalidade e
historicidade
Estimular, projetar Pesquisa histórica
Refletir Tempo (presente/passado)
Desenvolver Procedimentos de observação,
descrição, registro, comparação,
análise e síntese
Problematizar, refletir Sujeito histórico (conceito)
Conhecer, identificar, compreender, Tempo
comparar representar (em linhas de
tempo), medir
Refletir Valor do ensino de história

Outra informação relevante, mas que esse quadro não pode fornecer, é a
frequência dos conhecimentos e das habilidades. De maneira geral (no soma-
tório de todas as propostas), os conteúdos privilegiados são: fonte histórica,
história-ciência e tempo. Esses três conceitos – isolados ou associados – pre-
enchem mais da metade dos objetivos e estão presentes, respectivamente, em
11, 13 e 9 propostas, contabilizando 47, 26 e 14 ocorrências.
Quanto às habilidades, dos 27 verbos listados no Quadro 1, compreender,
identificar, interpretar, comparar, conhecer e reconhecer concentram 50% das
expectativas relativas aos conteúdos meta-históricos. Essa concentração reve-
la um dado preocupante em relação aos procedimentos da pesquisa e da escri-
ta da história: é diminuta a presença de habilidades de maior complexidade
como analisar e diferenciar, e quase ausentes as iniciativas de avaliar (criticar/
julgar) e criar (hipóteses/generalizações/narrativas).

3. Conhecimentos e habilidades nos objetivos ‘específicos’:


conteúdos substantivos

Independentemente do paradigma historiográfico de apoio, da orientação


pedagógica em termos de aprendizagem e currículo, da maior ou menor pro-
ximidade com a legislação educacional produzida pelo estado, os conteúdos

282 Revista História Hoje, vol. 1, nº 1


Currículos de História e expectativas de aprendizagem

substantivos de história consideram, majoritariamente, o acontecimento como


elemento central,18 tal como o define Paul Ricoeur.19 Nas 18 propostas em es-
tudo, 87% dos objetivos tratam direta ou indiretamente dos acontecimentos.
O restante das ocorrências remete diretamente aos protagonistas (4%), artefa-
tos (4%) e aos conceitos (4%).20 Vejamos, em, primeiro lugar, a categoria de
maior frequência, ou seja, os conhecimentos e habilidades que exploram, na
ausência de melhor palavra, a configuração21 dos acontecimentos.

Tabela 1 – Habilidades e conhecimentos


substantivos – configuração dos acontecimentos: Brasil (2007-2012)

Habilidades* Conhecimentos*

Compreender (10%), identificar Consequências (8%), semelhanças/


(8%), analisar (6%), reconhecer diferenças (6%), importância (5%),
(4%), refletir (3%), relacionar (2%), processo (5%), causas (5%), conceitos
discutir (2%), comparar, descrever, (4%), crescimento (3%), mudanças (2%),
avaliar, caracterizar (1%), imaginar, estrutura (1%), cronologia (1%), história
valorizar (1%), diferenciar, listar, (1%), contexto (1%), apogeu,
pesquisar, problematizar, ler, características, decadência, fim, limites,
refletir, escrever, definir, permanências, representações,
posicionar-se, localizar, respeitar, crescimento, imaginário, importância e
sintetizar. origem.
* Os números relativos são extraídos da base de 1.118 objetivos que veiculam conteúdos substantivos.
Os conhecimentos destituídos de porcentagem alcançaram menos de 1% desse total.

Como exposto na Tabela 1,22 os conhecimentos auxiliam na identificação


do acontecimento-chave, ou seja, exploram os seus constituintes, ciclo vital
(início, desenvolvimento e fim), antecedentes e consequentes, a exemplo de:
“Reconhecer as características da era imperialista: crescimento das cidades e a
formação de um mercado e de uma cultura de massa” (AL, 9º ano). Nesse
exemplo, espera-se que o aluno ‘reconheça’ (habilidade) as ‘características’
(conhecimento) do ‘imperialismo’ (acontecimento-chave).
No entanto, ainda que o objetivo refira-se ao acontecimento ‘imperialis-
mo’, ele não induz o aluno a reconhecê-lo de forma direta como neste outro
exemplo: “Relacionar o Imperialismo com a Primeira Grande Guerra” (GO, 9º
ano). Aqui, a habilidade ‘relacionar’ é imediatamente seguida do acontecimen-

Junho de 2012 283


Margarida Oliveira e Itamar Freitas

to ‘Imperialismo’. Ambos, portanto, exploram o ‘imperialismo’, mas o primei-


ro objetivo o faz de forma analítica (dando a conhecer as partes) e o segundo
de forma sintética (requerendo conhecimento prévio de ‘imperialismo’ para
que o objetivo seja cumprido).23
Dentro dessa categoria, como podemos acompanhar pela Tabela 1, as
causas, consequências e relevâncias ainda imperam, presentes, respectivamen-
te, em 11, 13 e 10 propostas. No entanto, as velhas demandas da história dita
conservadora convivem com expectativas de aprendizagem que exploram se-
melhanças e diferenças (14 propostas), processos (14), definições (11) e mu-
danças (10) nos eventos, bem acima, portanto, das tradicionais demandas por
cronologia (8). Sobre as habilidades, constatamos o predomínio dos processos
cognitivos mais simples: compreender (presente em 14 propostas), identificar
(11), analisar (11), reconhecer (10).24

Tabela 2 – Habilidades e conhecimentos


substantivos – os acontecimentos-chave: Brasil (2007-2012)

Habilidades Conhecimentos
Compreender (7%), Acontecimentos – Abolição, abolicionismo, absolutismo, acordos
identificar (7%), (Conferência de Berlim, Congresso de Viena, Aliados, Eixo, Pacto de
relacionar (3%), Varsóvia), Anistia, bandeiras, barroco, belle époque, capitalismo,
caracterizar, capitanias hereditárias, caudilhismo, código de desmembramento,
analisar (3%), colônia, colonização (espanhola, europeia, francesa, inglesa, portuguesa),
refletir, ler, escrever, Coluna Prestes, Confederação dos Tamoios, conquista/domínio (sobre os
reconhecer (2%), territórios indígenas, do movimento Cartista, sertão, do campo sobre a
comparar, discutir, cidade, de Goiás, do Brasil, da América), Constituição de 1824,
conhecer, definir, contracultura, controle, propriedade/posse/uso da terra, coronelismo,
descrever, crise (de 1929, do século XIV), crescimento do Sudeste brasileiro,
problematizar (1%), cruzadas, democratização, depressão econômica, descobertas
avaliar, diferenciar, (tecnológicas, arqueológicas), descolonização, desemprego,
estimular, imaginar, desenvolvimentismo, despotismo esclarecido, Diretas Já, ditadura
localizar (tempo/ (militar, Vargas), domesticação de plantas e animais, divisão social do
espaço), promover, trabalho, dominação muçulmana, economia (do açúcar, café), emigração,
sintetizar, valorizar escravidão (antiga, moderna), centralização do poder, exclusão (social,
e verificar. econômica), êxodo rural, família real/corte no Brasil, Fascismo, festivais
gastronômicos (GO), feudalismo, FICA (GO), Frente Negra Brasileira,
fundamentalismo, globalização, Golpe Militar de 1964, governo (Jânio
continua

284 Revista História Hoje, vol. 1, nº 1


Currículos de História e expectativas de aprendizagem
continuação

Habilidades Conhecimentos

Quadros, João Goulart, militar, napoleônico, totalitário, Vargas), Guerra


(do Paraguai, Fria, local), Guerrilha do Araguaia, Igreja Católica
(combate à Reforma), Iluminismo, imigração, império (bizantino,
carolíngio), inconfidências, independência (da América espanhola, EUA,
América colonial, América francesa, América latina, Haiti),
industrialização, intervenção (dos EUA), islamismo/islão, liberalismo,
libertação nacional, lutas sociais, meio ambiente (preservação),
mercantilismo, modernismo, modernização (do estado, do país),
monarquia, movimentos (artísticos, culturais, de dominação, de
resistência, intelectuais, nativistas, políticos), nacional-
desenvolvimentismo, nacionalismo, nazifascismo, neoclassicismo,
neocolonialismo, oligarquia, Período 1930, perseguição à esquerda (no
Brasil, nos EUA), populismo, pós [segunda] guerra, pré-golpe militar,
Primeira (Guerra Mundial, República), Primeiro (Império, Reinado),
Proclamação da República, quilombos (resistência), redemocratização,
reforma (agrária, religiosa), Regência, regime (democrático, ditatorial,
militar, oligárquico), Renascimento (comercial, urbano), repressão,
República (oligárquica), resistência (de esquerda), revolta, Revolução (de
1820, 1830, 1848, 1917, 1924, 1930, francesa, industrial, mexicana, russa,
socialista, soviética, política, cultural, inglesa, religiosa, social), Rússia
czarista, Segunda Guerra Mundial, Segundo (império, reinado), sistema
colonial, socialismo, stalinismo, tenentismo, terrorismo, tráfico
(indígena, negreiro), transição monarquia/república, Trombas (GO),
Formoso (GO), Tropicalismo e urbanização.

Na segunda posição, no que se refere à frequência, encontram-se as de-


mandas por acontecimentos-chave. Eles ocupam 40% do total de expectativas.
Como podemos observar pela Tabela 2,25 tal categoria apresenta idêntica varia-
ção em termos de habilidade e maior dispersão em termos de conhecimentos.
As habilidades de compreender (presente em 13 propostas), identificar
(10), caracterizar (9), relacionar, analisar (7) e reconhecer (6)26 são as mais
empregadas em termos de frequência relativa ao número total de objetivos
como também em relação ao número de propostas que as adotam. Quando as
comparamos com os dados da tabela anterior (Tabela 2), verificamos que, não
obstante as pequenas variações de ordem e frequência, as expectativas referen-
tes à configuração dos acontecimentos e aos próprios acontecimentos (acon-

Junho de 2012 285


Margarida Oliveira e Itamar Freitas

tecimento em detalhe/acontecimento em sua totalidade) apresentam habilida-


des idênticas e totais aproximados (25 habilidades para a ‘configuração’ e 24
para os ‘acontecimentos’).
Quanto aos acontecimentos, infelizmente, não podemos quantificar a fre-
quência relativa ao total dos objetivos, uma vez que eles estão presentes em
vários enunciados, de forma isolada ou relacionada.27 No entanto, é possível
verificar que alguns deles constituem maioria absoluta das 18 propostas ana-
lisadas, sendo os mais recorrentes: guerra (presente em 14 propostas), revolu-
ção (14), república (12), cidadania (12), colonialismo, movimentos sociais (11),
capitalismo, imperialismo (9). Além disso, considerada a presença das palavras
política, economia, sociedade e cultura (com seus similares semânticos – po-
lítico, econômico, social e cultural, socioeconômico e sociocultural), podemos
afirmar que as dimensões mais conhecidas da topologia das capacidades hu-
manas são referenciadas na maioria absoluta (algumas no total) das expecta-
tivas anunciadas pelas 18 propostas na seguinte proporção: social (126 citações
e 18 propostas), cultural (99/18), político (90/17) e econômico (85/16).
Vejamos, por fim, a configuração das três categorias minoritárias também
anunciadas como conteúdos substantivos: os artefatos, os conceitos e os pro-
tagonistas. Juntos, constituem apenas 12% do total de 1.118 objetivos.

Tabela 3 – Habilidades e conhecimentos


substantivos – protagonistas, artefatos e conceitos: Brasil (2007-2012)

Habilidades* Conhecimentos*

Compreender (1%), analisar, Protagonistas – indígenas, asiáticos e africanos,


avaliar, caracterizar, definir, família real, classe social, trabalhadores da
diferenciar, identificar, ler, mineração, intelectuais do iluminismo, massas
refletir, escrever, localizar, populares, mercado, capital, cidades e vilas, Belo
reconhecer, refletir e verificar. Horizonte, Goiânia, Egito, Mesopotâmia, EUA,
Europa.
Identificar (2%), analisar Artefatos – códigos de leis, fontes, imagens,
(1%), avaliar, caracterizar, patrimônio, propaganda, rotas e técnicas.
compreender, conhecer,
descrever, discutir, listar,
reconhecer.
continua

286 Revista História Hoje, vol. 1, nº 1


Currículos de História e expectativas de aprendizagem

continuação

Habilidades* Conhecimentos*

Identificar (1%), compreender Conceitos – cidadania, cidadão, classe, clientelismo,


(1%), analisar (1%), coronelismo, democracia, divisão do trabalho,
caracterizar, comparar, escravidão, federalismo, feudalismo, mito,
contextualizar, definir, monarquia dual, oligarquia, parlamentarismo,
descrever, diferenciar, patriarcado, populismo, relações sociais, trabalho
discutir, reconhecer, refletir, escravo, trabalho livre; doutrinas/ideologias/modelos
relacionar. de pensamento – Monroe, do branqueamento, dos
movimentos políticos contemporâneos, do
movimento operário, religiosas, totalitárias e
iluministas; projetos – iluminista, universalista da
história moderna, imperialista napoleônico, político-
transformador, político-conservador, de ocupação e
construção da identidade, de ocupação da América
portuguesa.

* Os números relativos são extraídos da base de 1.118 objetivos que veiculam conteúdos substantivos.
Os conhecimentos destituídos de porcentagem alcançaram menos de 1% desse total.

Pela Tabela 3, constatamos que a variação das habilidades é menor, quan-


do comparadas às habilidades referentes às categorias já analisadas (configu-
ração dos acontecimentos e demandas por acontecimentos-chave). Contudo,
os atos de identificar, analisar e compreender continuam na lista dos mais
requisitados, seja para o tratamento dos artefatos, seja para a abordagem dos
protagonistas. Observe-se que os artefatos são assim considerados em razão
de sua natureza inanimada. Os conceitos, por sua vez, dão sentido aos acon-
tecimentos e aos objetos que encarnam vontades, regras, saberes e identidades.
Conceitos e artefatos, entretanto, aparecem isolados ou relacionados a outros
artefatos/acontecimentos, como nos respectivos exemplos: 1. “Entender o que
é ser cidadão no império” (RJ, 8º ano); 2. “Analisar a Lei de Terras de 1850 e
relacioná-la com a questão agrária no Império” (MG, 8º ano).
Sobre os protagonistas (ou atores ou sujeitos históricos), é necessário aler-
tar, mais uma vez, que listamos apenas os conteúdos substantivos anunciados
imediatamente após as habilidades (também, de forma isolada ou relaciona-
da).28 Eles são, principalmente, sujeitos individuais pessoais, coletividades,
instituições jurídico-políticas, cidades, países e continentes considerados, al-
guns de forma metafórica, como detentores de vontade e promotores de ação.

Junho de 2012 287


Margarida Oliveira e Itamar Freitas

Protagonistas são categoria diminuta em frequência no total de objetivos. Isso


ocorre, provavelmente, por causa do apelo ao coletivo, tendência crescente na
historiografia dos últimos 20 anos.
Ampliando, porém, o universo de análise, incorporando os sujeitos indi-
viduais pessoais, por exemplo, mencionados nas categorias já comentadas, não
será difícil constatar que tais protagonistas praticamente desapareceram dos
currículos nas últimas duas décadas. Os tradicionais responsáveis pelas ações
– os indivíduos, nomeados como pessoas – são tão raros que é possível listá-los
aqui: D. João VI (RJ), D. Pedro II (PE), Napoleão Bonaparte (MS, PE),
Abraham Lincoln (MG), Luís Carlos Prestes (AM, GO), Getúlio Vargas (AM,
PE, MG, MX, GO, RJ, SP), Juscelino Kubitschek (MG), Jânio Quadros (MG)
e João Goulart (MG). Ao que parece, perderam o status de objeto principal das
expectativas de aprendizagem histórica, por exemplo, as figuras de Cabral,
Camarão, Tiradentes, Isabel e Deodoro da Fonseca, entre os ‘nacionais’, e os
irmãos Graco, Colombo e Henrique IV, por exemplo, entre os protagonistas
da experiência estrangeira.
Outra constatação importante, mas que abrange todas as categorias de
conteúdos analisados até aqui, foi a vigorosa referência aos novos sujeitos de-
mandados na primeira década do século XXI. Eles estão presentes em 10% do
total das expectativas inventariadas. Africanos/afrodescendentes/África/cul-
tura africana/cultura afro-brasileira e indígenas/cultura indígena são referen-
ciados, respectivamente, por 11 e 10 propostas (entre 18). Essa proporção cai
à metade quando o tema são as mulheres (5 propostas), e rareia em relação às
crianças (2), jovens (2) e idosos (1).
O peso que o conjunto dessas temáticas representa no total de expectati-
vas de cada proposta, porém, é bastante diversificado. Elas ocupam 28% (em
1 estado), 19% (3), 14% (1) 10% (3), 9% (1), 7% (3), 6% (1), 4% (4), 3% (2) e
até 2% (1). Em 80% dos casos, os protagonistas frequentam as expectativas de
forma isolada (ou indígenas ou mulheres ou crianças entre outras composi-
ções). Por isso, e pelo fato de as experiências indígenas, africana e afro-brasi-
leira estarem presentes no currículo de história para os adolescentes há mais
de um século (ainda que não tenham recebido a abordagem sugerida pela le-
gislação atual), não nos é possível avançar nas afirmações sobre esse indicador.
Apenas podemos inferir que a experiência de crianças, idosos e jovens repre-
senta uma inovação no currículo, típica do século atual.

288 Revista História Hoje, vol. 1, nº 1


Currículos de História e expectativas de aprendizagem

Tempos, durações, espaços e escalas

Considerando os acontecimentos em todas as expectativas, independen-


temente das categorias analisadas até agora, podemos examiná-las sob o pon-
to de vista do recorte do tempo, das durações, dos espaços focados e das esca-
las. Esses indicadores podem informar sobre o grau de permanência e/ou
mudança em relação às periodizações e aos cenários privilegiados nas propos-
tas da década de 1980 e início da de 1990. Eles também dão a conhecer os graus
de incorporação de duas formas de abordar o tempo e o espaço que entraram
para a historiografia brasileira (ao menos como sugestão) no mesmo período:
os diálogos entre durações e os jogos de escala.
Em primeiro lugar, vejamos o tempo histórico, aqui viabilizado pelo ar-
tefato calendário.29 Seu domínio e sua representação no ensino de história
foram bastante criticados na década passada, uma vez que a divisão quadri-
partite, entre outros problemas, não considerava experiências exteriores ao
Velho Mundo.30 A nosso ver, não é o emprego da periodização clássica da
experiência humana que aproxima ou distancia a proposta das prescrições
inovadoras produzidas pelos especialistas e sim a distribuição de expectativas
por períodos e a distribuição dos períodos por ano. O que temos, então, nas
propostas do novo século?
Sobre o primeiro aspecto – expectativas por período –, os dados expres-
sam maior preocupação por parte dos professores, técnicos e gestores com a
experiência do contemporâneo31 (57%),32 seguida de longe pelos acontecimen-
tos das idades Moderna (18%) e Antiga (6%), da Pré-História (4%), e do Me-
dievo (3%).33
Ao contrário do que ocorre com o emprego das habilidades,34 em termos
de conhecimento a presença de vários conteúdos substantivos no mesmo ob-
jetivo é muito mais frequente. Dessa prática têm origem os objetivos compos-
tos, ou seja, que incluem acontecimentos de dois ou mais períodos. Ainda
assim, o emprego simultâneo das idades Moderna e Contemporânea é majo-
ritário (7%), superando os outros dois pares mais recorrentes que também
incluem as duas idades dominantes – idades Antiga/Contemporânea (1%) e
Média/Moderna (1%).35

Junho de 2012 289


Margarida Oliveira e Itamar Freitas

Tabela 4 – Distribuição das expectativas de aprendizagem


histórica por período e estado: Brasil (2007-2012)

Pré- Pré-
% Atemporal Antigo Medieval Moderno Contemporâneo
-histórico -colombiano

AC 60 2 3 1 3 20 9
AL 7 – – – – 4 89
AM 34 – – 9 3 18 36
BA 4 4 4 8 12 28 40
CE 6 2 2 2 1 18 70
ES 100 – – – – – –
GO 27 1 2 5 1 22 43
MS 16 6 1 18 1 12 46
MT 93 – – – – 3 5
MG 11 4 – – 2 18 65
PB 38 8 – 4 1 12 37
PR 77 – – – 4 11 7
PE 14 – 3 4 3 19 58
RJ 21 9 – 11 7 19 34
RS – – 2 3 3 27 65
SP 5 2 3 7 9 31 43
SE 6 6 3 6 10 11 59
TO 81 1 1 – 1 5 13

Examinando a distribuição dos períodos em cada uma das propostas, ob-


servamos que os acontecimentos referentes ao período contemporâneo são
majoritários em 12 das 18 propostas, o mesmo ocorrendo com o período mo-
derno, situado em segundo lugar (em termos de frequência) em 17 currículos.
A dominação do par moderno/contemporâneo só não se efetivou por comple-
to porque seis estados optaram por elaborar objetivos que não prescrevem
temporalidades, pondo ênfase nos conteúdos substantivos não datados (TO,
AC) ou nos conteúdos meta-históricos (PR, MT), ou, ainda, distribuindo os
objetivos quase que de forma equitativa entre as demandas substantivas, meta-
-históricas ou relacionadas aos valores da cidadania e da democracia (ES, PR).

290 Revista História Hoje, vol. 1, nº 1


Currículos de História e expectativas de aprendizagem

Mesmo entre aquelas propostas que dataram a maioria dos seus objetivos,
chamaram a nossa atenção as propostas centradas no contemporâneo (AL), e que
não explicitam a abordagem dos períodos pré-histórico (AM, PE, RS) e antigo
(MG). Isso reforça ainda mais a hipótese de que a compreensão sobre a relevân-
cia do contemporâneo – bastante significativa no início da década de 1930 –
cresceu ainda mais nos currículos, ampliando de 40%, na reforma Francisco
Campos,36 para 57% nas reformas locais da primeira década do século XXI.37
Caminho inverso têm tomado os períodos antigo e medieval, reduzidos,
respectivamente (e também em relação à reforma Francisco Campos) de 22%
e 13% para 3% e 6% nas atuais reformas. Os acontecimentos da pré-história
(considerada a experiência americana – aqui categorizada de pré-colombiana)
mantiveram sua representação no currículo. Outra mudança importante foi a
introdução dos conteúdos sem referências temporais.38
Saber a frequência com que aparecem os períodos em cada proposta é
importante, mas conhecer as formas de distribuí-los ao longo dos anos finais
do ensino fundamental é ainda mais esclarecedor. Para tanto, comparamos as
propostas aos dois perfis aqui citados: a distribuição total dos currículos no
Brasil de 2012 e a clássica distribuição dos períodos na reforma Francisco Cam-
pos. Examinando a distribuição das expectativas atemporais, percebemos pro-
postas que apresentam progressão decrescente (TO, PE, MG, GO) ou distribui-
ção equânime para todos os anos (AL, AM, ES, MT, PB). Outras estão mais
próximas das totalizações da reforma Campos (BA, CE, RJ, RS, SE), que apre-
senta (se não expectativas, mas) acontecimentos datados em sua totalidade.
Isso mesmo se pode dizer em relação ao contemporâneo. Das 18 propos-
tas, 12 apresentam expectativas em progressão crescente (AC, BA, CE, GO,
MS, MG, PB, PR, PE, SP, SE, TO), ou seja, quanto mais se avança para o último
ano do ensino fundamental, mais se propõe o contemporâneo como tema
para discussão. De igual maneira, em 12 das 18 propostas, o contemporâneo
ocupa todos os anos letivos (AC, AL, AM, CE, GO, MS, MG, PB, PE, SE, TO).
Esses números representam uma permanência em relação à reforma Campos,
uma vez que 8 das 12 propostas que têm o contemporâneo como majoritário
reservam o 9º ano para as expectativas referentes a esse período.39
Desse exame, concluímos que não há modelo(s) dominante(s). Não se
pode mais classificar os currículos prescritos de história como majoritariamen-
te estruturados no quadripartidarismo (antigo, medieval, moderno e contem-

Junho de 2012 291


40%

Margarida Oliveira e Itamar Freitas


30%

porâneo).
20% Porém, é cedo para se afirmar que os currículos contemporâneos
integram os tempos e as temáticas de forma sofisticada, distante daquele mo-
delo
10%
inaugurado pela reforma Campos. Isso só é possível conhecer por meio
do exame da relação entre esses tempos, capturada mediante o diálogo das
0%
durações.AC AL ES GO MS MT MG PB PE RJ RS SP TO

Valores/atitudes Habilidades linguísticas

Gráfico 4 – Distribuição das durações nos anos finais


do ensino fundamental: Brasil (2007-2012)
70%

60%

50%

40%

30%

20%

10%

0%
AC AL AM BA CE GO MS MT MG PB PR PE RJ RS SP SE TO

Breve Conjuntural Longa Longuíssima

Como expresso no Gráfico 4, o tempo40 conjuntural ou a duração média


dos acontecimentos predomina em 12 das 17 propostas. Em ordem decrescen-
te, seguem-se a longa (MT, RJ, TO) e a breve (PR) duração.41 Observe-se que
em duas propostas há concentração das durações longa (MT) e breve (PR).
Quando postas em comparação sob o ponto de vista da distribuição entre
os anos finais do ensino fundamental, constatamos a predominância do tempo
conjuntural no 7º, 8º e 9º anos, seguido das durações longa, longuíssima e
breve. Também constatamos que os tempos configuram uma progressão entre
o 6º e o 9º anos, sendo crescente para o conjuntural e o breve e decrescente
para os tempos longo e longuíssimo.
Quanto ao diálogo entre durações, isto é, a possibilidade de observar a
experiência humana da perspectiva de uma ou mais de uma duração, enrique-
cendo, dessa forma a interpretação sobre um ou vários acontecimentos, os
dados apontam para o exíguo emprego dessa estratégia (anunciada até mesmo
pelos PCN). Do total de objetivos que informam sobre o tempo (996), apenas
4,3% (43) deles relacionam diferentes durações.42 O pequeno grupo de objeti-
vos com tempos compostos explora as durações breve e conjuntural (16 ocor-

292 Revista História Hoje, vol. 1, nº 1


Currículos de História e expectativas de aprendizagem

rências), breve e longa (8), conjuntural e longa (9), longa e longuíssima (9), e
longuíssima e conjuntural (1).

Quadro 2 – Distribuição das expectativas segundo o espaço privilegiado


nos anos finais do ensino fundamental: Brasil (2007-2012)

6º ano 7º ano 8º ano 9º ano


A B C D E F G A B C D E F G A B C D E F G A B C D E F G
AC
AL
AM
BA
CE
GO
MS
MT
MG
PB
PR
PE
RJ
RS
SP
SE
TO
Legenda: A – local; B – estadual; C – regional; D – nacional; E – continental; F – transcontinental;
G – global. Observação: Este quadro indica apenas a presença ou ausência dos referidos espaços.
Os dados foram contabilizados com base nas expectativas datadas.

No que diz respeito aos espaços de ação – cenários ou locus dos aconteci-
mentos – os dados indicam exígua vantagem do espaço nacional-brasileiro
(36%) sobre o transcontinental (33%), seguidos de longe pelos espaços global
(13%) e continental (11%). A tríade estadual (5%), regional (1%) e local/mu-
nicipal (0,4%) apresenta a mais baixa frequência nas expectativas.
A distribuição desses espaços nos anos finais é bastante variável, não ex-
plicitando, portanto, um padrão. O local/municipal como cenário está presen-
te, apenas, em uma proposta (GO), situado nos dois primeiros anos,43 enquan-
to o recorte estadual ocupa três ou mais de três anos em quatro propostas (GO,
MG, MS, TO) e um entre os dois anos finais em dois currículos (AC, TO).44

Junho de 2012 293


Margarida Oliveira e Itamar Freitas

O reduzido número de expectativas que fazem referências ao regional45


(AM, GO, MG, MS, PE), por sua vez, explora a conquista e a ocupação e a
formação de limites e fronteiras na Amazônia, no Centro-Oeste e no Sul,
e a presença de indígenas no Centro-Oeste. Também abordam a urbanização
do Nordeste e os processos de centralização administrativa e industrializa-
ção no Sudeste.
Quanto ao continental,46 dominantemente surge a experiência das Amé-
ricas – do Norte, Central e do Sul – com metade dessa categoria, difusa em um,
dois, três ou em todos os anos do ensino fundamental. Os movimentos de
independência e a vivência dos povos pré-colombianos são conteúdos subs-
tantivos mais explorados, seguidos de acontecimentos da história moderna
europeia.
Quando abordados dois ou mais continentes no mesmo objetivo, a situa-
ção se inverte: a Europa ocupa dois terços das representações, tratando, sobre-
tudo, de guerras e revoluções e de movimentos como a Reforma e o Renasci-
mento e a formação dos Estados nacionais. Em seguida, vem a América (com
os temas já citados). A Ásia e a África estão parcamente representadas nessa e
na categoria anterior.
O cenário global, dominado por temas como o capitalismo e seus consti-
tuintes – colonização, descolonização, globalização, entre outros –, está pre-
sente na maioria das propostas, no 6º e no 9º anos. E, por fim, vem o nacional-
-brasileiro, espaço majoritário nas propostas, distribuído pelos quatro anos,
com maior presença no penúltimo, onde são explorados, com grande frequên-
cia, a economia do açúcar, a independência política, a transição monarquia/
república, o governo Vargas, a industrialização, o golpe de 1964/ditadura mi-
litar, a experiência indígena e a luta por cidadania.
A exemplo do que verificamos com as durações, os jogos de escala são
pouco empregados nas propostas que anunciam objetivos com um ou mais
cenários. Não chega a trinta o número de expectativas que sugerem o estabe-
lecimento de relações entre dois ou mais espaços diferenciados.47 Assim, ape-
sar de o espaço estadual ser bastante referenciado nas propostas, a explícita
relação espaço estadual/espaço nacional é rara.48 As mais frequentes dão con-
ta das interações entre espaço nacional e o americano49 e do espaço nacional e
europeu.50

294 Revista História Hoje, vol. 1, nº 1


Currículos de História e expectativas de aprendizagem

Conclusões

Ao final desta análise, podemos elaborar um perfil das expectativas de


aprendizagem histórica para os anos finais do ensino fundamental, ambiente
privilegiado de formação de pré-adolescentes e adolescentes e lugar de atuação
do profissional com formação inicial em história.
Sobre o papel do ensino nesse processo de formação, vimos declinar a
prática de orientar as propostas curriculares por uma teoria da história ou
corrente ou escola. Mesmo quando definida a ciência da história, seu lugar na
formação incorpora elementos da vulgata defendida por pesquisadores de vá-
rios países e recupera finalidades centenárias: formar identidades, cidadanias,
compreender a realidade e os modos de produção do conhecimento histórico
acadêmico.
A ideia de conteúdo é tributária do construtivismo (ou da aversão ao
tecnicismo comportamentalista). As formas de nomeá-lo indicam pluralidade
de concepções que vão do factualismo à história conceitual, do rígido contro-
le à autonomia docente. Essa mesma variação pode ser observada quando se
comparam as quantidades de expectativas por estado, encontrando-se desde
indicações gerais até prescrições, por assim dizer, quase que diárias.
Em termos quantitativos, verificamos a ausência de progressão na maio-
ria das propostas, a ênfase nos conhecimentos factuais e conceituais e proce-
dimentais relacionados à pesquisa histórica, e a residual participação dos va-
lores e conhecimentos linguísticos. Entre as expectativas que exploram os
conteúdos meta-históricos, predominam as habilidades de baixa complexida-
de (conhecer, compreender) em detrimento das iniciativas de analisar e dife-
renciar. As habilidades de avaliar, criticar, elaborar hipóteses e narrar são raras.
Das que empregam conhecimentos substantivos, também é patente o predo-
mínio do ‘conhecer’ e do ‘compreender’, seja para explorar os acontecimentos
como totalidade, seja para explorar os acontecimentos em sua configuração.
Ainda sobre os conhecimentos substantivos, pudemos verificar a presen-
ça equilibrada de todas as conhecidas e difundidas dimensões humanas, hie-
rarquizadas em termos quantitativos na seguinte ordem: social, cultural, polí-
tico e econômico. Sujeitos individuais pessoais são raros, e já se contempla a
experiência de crianças, idosos e jovens.

Junho de 2012 295


Margarida Oliveira e Itamar Freitas

Quanto à incorporação de conceitos e abordagens recentemente introdu-


zidos na historiografia de ponta, constatamos algumas assimetrias. O contem-
porâneo continua ampliando seu espaço no currículo e hoje já ocupa mais da
metade do total de expectativas. Isso não significa, porém, apropriação das
abordagens difundidas pela historiografia universitária. Trata-se de uma ten-
dência verificada, por exemplo, desde a Reforma Francisco Campos, originada
nas próprias demandas escolares. É provável que o contemporâneo só inter-
rompa esse crescimento quando a historiografia didática assumir a rubrica do
‘tempo presente’ como um novo período da experiência humana.
Ainda sobre a incorporação da historiografia acadêmica, é certo afirmar
que a duração conjuntural predomina e são verificados indícios de progressão
entre o 6º e o 9º ano, no que diz respeito às durações longa e breve. No entan-
to, o diálogo entre durações tem uso restrito.
Isso mesmo podemos afirmar acerca dos jogos de escala. Apesar de bas-
tante diversificadas em termos de recorte espacial – com ligeira vantagem do
recorte nacional sobre o transcontinental –, as propostas que apresentam ex-
plícita relação entre o espaço estadual e o espaço nacional são raras. Frequen-
tes são as interações entre Brasil e América e Brasil e Europa.
Como anunciamos no início, nosso objetivo foi traçar um perfil que sub-
sidiasse as políticas públicas e apontasse algumas questões e temas prioritários
para a pesquisa sobre ensino de história. Nesse sentido, encerramos este artigo
convidando-os a refletir sobre as seguintes indagações:
1. Estaria o ensino de história nos anos finais do ensino fundamental
incorporando finalidades, conhecimentos e habilidades das ciências
humanas e sociais, independentemente das demandas da historiogra-
fia de ponta?
2. É possível reproduzir nas prescrições curriculares todas as inovações
da pesquisa de ponta em termos de habilidades e de conhecimentos?
3. É possível atualizar a experiência crescente do tempo presente e man-
ter os espaços ocupados pelos conhecimentos que explicam a constru-
ção do modo de vida ocidental (Grécia, Roma, Europa) e as heranças
recentemente concebidas como formadoras de uma brasilidade (Áfri-
ca)?
4. Devemos continuar mantendo a história local segregada ao ensino dos
anos iniciais?

296 Revista História Hoje, vol. 1, nº 1


Currículos de História e expectativas de aprendizagem

5. As matrizes que fundamentam os instrumentos de avaliação nacional


da aprendizagem em história, a exemplo do Exame Nacional do Ensi-
no Médio, são representativas do conjunto das propostas curriculares
em vigor?
6. A posição que o Brasil ocupa no cenário global (assim como as previ-
sões sobre a manutenção e até o crescimento do seu papel) não suge-
ririam uma revisão desses currículos em termos de prioridades na se-
leção dos conhecimentos e das habilidades?
7. Após 25 anos de experiências curriculares, passando por dois grandes
momentos na vida democrática – as lutas por extirpar os vestígios au-
toritários e as vitórias dos movimentos sociais –, não seria o momento
de pensar numa base comum em termos de expectativas da aprendi-
zagem ou, de maneira inversa, esperaremos que a disputa por cursos
superiores (fundada na carência de vagas no setor público) transforme
os itens de prova dos exames nacionais no currículo real para todos os
brasileiros?

FONTES

ACRE. Governo do Estado. Cadernos de orientação curricular – Orientações curriculares


para o ensino fundamental: Caderno 1 – História. Rio Branco: Acre, 2010.
ALAGOAS. Governo do Estado. Referencial curricular da educação básica para as escolas
públicas de Alagoas. Maceió: Secretaria de Estado da Educação e do Esporte, 2010.
AMAZONAS. Governo do Estado. Proposta curricular do ensino fundamental do 6º ao 9º
ano: Rede pública estadual. Manaus: Secretaria de Estado de Educação e Qualidade de
Ensino, s.d.
ESPÍRITO SANTO. Governo do Estado. Currículo básico da escola estadual: guia de imple-
mentação. Vitória: Secretaria de Estado da Educação Básica e Profissional, 2009.
FORTALEZA. Prefeitura Municipal. Diretrizes curriculares para o ensino fundamental do
sistema municipal de ensino de Fortaleza. Fortaleza: Secretaria Municipal de Educação,
2012.
GOIÁS, Governo do Estado. Reorientação curricular do 1º ao 9º ano. Currículo em debate:
expectativas de aprendizagem – convite à reflexão e à ação. Goiânia: Secretaria de Es-
tado da Educação, 2007.
MATO GROSSO DO SUL. Governo do Estado. [Proposta curricular para história nos anos
finais do ensino fundamental]. Campo Grande: Secretaria de Estado da Educação, s.d.

Junho de 2012 297


Margarida Oliveira e Itamar Freitas

MATO GROSSO. Governo do Estado. Orientações curriculares da educação básica do esta-


do de Mato Grosso. Cuiabá: Secretaria Estadual de Educação de Mato Grosso, [2010].
MINAS GERAIS. Governo do Estado. Proposta curricular de história do ensino fundamen-
tal: 6º ao 9º ano. Belo Horizonte: Secretaria de Estado da Educação, [2007].
PARAÍBA. Governo do Estado. Referenciais curriculares do ensino fundamental: ciências
humanas, ensino religioso e diversidade sociocultural. João Pessoa: Secretaria de Edu-
cação e Cultura, 2010.
PARANÁ. Governo do Estado. Diretrizes curriculares da educação básica: História. Curiti-
ba: Secretaria de Estado da Educação Básica, 2008.
PERNAMBUCO, Governo do Estado. Orientações teórico-metodológicas – ensino funda-
mental: História. Recife: Secretaria de Educação, 2011.
RIO DE JANEIRO. Governo do Estado. Currículo mínimo: História. Rio de Janeiro: Secre-
taria de Estado da Educação, 2011.
RIO GRANDE DO SUL. Governo do Estado. Lições do Rio Grande do Sul. Ciências Huma-
nas e suas tecnologias. Caderno do Professor (ensino fundamental/ensino médio). Porto
Alegre: Secretaria de Estado da Educação, [2009].
SANTOS, Cristiano dos; SILVA, Irlana Jane Menos da; SANTOS, Selma dos (Org.) Mentes
e mãos construindo o Projeto Político Pedagógico (PPP). Feira de Santana (BA): Univer-
sidade Estadual de Feira de Santana, Departamento de Educação, Colegiados de Peda-
gogia, Fórum de Dirigentes das Escolas Públicas Estaduais, 2009.
SÃO PAULO. Governo do Estado. Proposta curricular do estado de São Paulo: História. São
Paulo: Secretaria da Educação, 2008.
SERGIPE. Governo do Estado. Referencial curricular: rede estadual de ensino de Sergipe.
Aracaju: Secretaria de Estado da Educação, 2012.
TOCANTINS. Governo do Estado. [Proposta curricular de História]. Palmas: Secretaria de
Estado da Educação, [2009].

Notas
1
BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. Propostas curriculares de História: continuida-
des e transformações. In: BARRETO, Elba Siqueira de Sá (Org.) Os currículos do ensino
fundamental para as escolas brasileiras. 2.ed. São Paulo: Fundação Carlos Chagas; Campi-
nas (SP): Ed. Associados, 2000. p.127-161. p.128.
2
CARDOSO, Ciro Flamarion; VAINFAS, Ronald. Domínios da história: ensaios de teoria
e metodologia. Rio de Janeiro: Campus, 1997. p.27-43.
3
FREITAS, Itamar; OLIVEIRA, Margarida Maria Dias. Ensino de história nos currículos
de história de doze municípios brasileiros: um perfil das habilidades e dos conhecimentos
prescritos para a alfabetização histórica das crianças (2000/2010). Publicado em 27 mar.
2011. Disponível em: itamarfo.blogspot.com.br/2011/03/curriculos-de-historia-e-expecta-
tivas.html; FREITAS, Itamar. O que deve “saber” e “saber fazer” o profissional de História?

298 Revista História Hoje, vol. 1, nº 1


Currículos de História e expectativas de aprendizagem

Publicado em 2 abr. 2011. Disponível em: itamarfo.blogspot.com.br/2011/04/o-que-deve-


saber-e-saber-fazer-o.html.
4
Este trabalho somente foi possível graças à colaboração de colegas pesquisadores de vá-
rios estados, aos quais somos enormemente agradecidos: Arnaldo Pinto Júnior (ES), Car-
los Augusto Lima Ferreira (BA), Egberto Melo e Jane Semeão (CE), Jussara Luzia Leite
(ES), Luciana Oliveira (BA), Magda Ricci (PA), Maria Augusta de Castilho (MS), Nathalia
Alem (BA), Rita de Lourdes Campos Feitoza (RN), Simone Dias Cerqueira de Oliveira
(BA) e Tarcisio Normando (AM).
5
O quadro que esboçamos aqui está condicionado à seguinte situação: 16 estados reformu-
laram suas expectativas entre 2007 e 2012 – Acre, Alagoas, Amazonas, Espírito Santo,
Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Rio
de Janeiro, Rio Grande do Sul, São Paulo, Sergipe e Tocantins; dois estados não prescre-
vem expectativas para os anos finais (é o município quem o faz), razão pela qual adotamos
como amostra as propostas da capital ou de uma das diretorias regionais – Bahia e Ceará;
quatro estados, além do Distrito Federal, estão reformulando ou construindo suas propos-
tas (alguns até já as concluíram, mas ainda não disponibilizaram no site da Secretaria de
Educação) – Pará, Rio Grande do Norte, Rondônia, Roraima; e um estado não será objeto
de análise em virtude de a proposta ser datada de 1998 e, ainda, pelo fato de não apresentar
expectativas de aprendizagem para os alunos – Santa Catarina. Apesar das buscas, até o
fechamento deste artigo não obtivemos informações sobre as expectativas do Piauí e do
Amapá. A proposta do Maranhão, que nos chegou após a conclusão do trabalho, será in-
cluída em novo texto (em preparo) que examina as ideias de progressão e avaliação.
6
Cf. ANDERSON, Lorin W.; KRATHWOL, David R. et al. A taxonomy for learning, tea-
ching, and assessing: a revision of Bloom’s taxonomy of educational objectives. New York:
Longman, 2001.
7
A proposta do Ceará anuncia conhecimentos. Os processos cognitivos são citados na
exemplificação dos ‘mapas de ensino’. A proposta de São Paulo indica processos cognitivos
no texto introdutório. A informação objetiva sobre os ‘conteúdos’, entretanto, é também
fornecida em termos de conhecimentos. A proposta do Rio Grande do Sul apresenta ‘com-
petências e habilidades’ e ‘sugestões de conteúdo’. Os conhecimentos substantivos estão
presentes nos dois tópicos, mas somente ‘competências e habilidades’ constituem objetivos
completos (verbos e substantivos).
8
Apesar da variação em termos de quantidade de aulas semanais e dias letivos.
9
A maioria das propostas discrimina as expectativas por ano, seguindo o ensino funda-
mental de 9 anos. As exceções são Alagoas, que aponta os objetivos ao final do 9º ano, e
Amazonas, que discrimina por biênios (6º e 7º anos e 8º e 9º anos). Os estados não adapta-
dos ao ensino fundamental de 9 anos ou que fizeram a opção pelo trabalho com ciclos tive-
ram seus dados reclassificados para efeito de comparação. Foram os casos do Espírito San-
to, Rio Grande do Sul (onde o 6º, 7º, 8º e 9º anos correspondem à 5ª, 6ª, 7ª e 8ª séries) e do
Mato Grosso (6º ano corresponde ao segundo ciclo e 7º, 8º e 9º anos correspondem ao
terceiro ciclo). A proposta do Ceará (Fortaleza) apresenta os ‘conteúdos’ em bloco para o

Junho de 2012 299


Margarida Oliveira e Itamar Freitas

intervalo do 6º ao 9º ano. Para viabilizar as estimativas, distribuímos equitativamente os


conteúdos da proposta do Ceará pelos quatro anos finais e repetimos as expectativas de
Alagoas (do final do 9º ano para os anos 6º, 7º e 8º) e do Amazonas (do biênio para os anos
correspondentes).
10
O sentido de aprendizagem histórica e de conteúdos históricos está diretamente relacio-
nado ao sentido de história-conhecimento, sobre o qual também não há consenso. Além
desse condicionante, os interesses de pais de alunos (relativos aos exames e certificações),
professores do ensino fundamental e professores universitários lotados em programas de
pós-graduação, entre outros, se repartem nas defesas de um ‘conteúdo histórico’ mais ou
menos factual (informação), centrado em conceitos das ciências humanas e sociais, ou nas
habilidades e valores relativos ao ofício do historiador (que, às vezes, coincidem com os
valores democráticos e de cidadania). Uma simples divisão encontrável nos textos de Peter
Lee sintetiza e esclarece o sentido de conteúdo para aqueles que querem se iniciar na pes-
quisa. Ele afirma que a aprendizagem da história faz uso de dois tipos: os conhecimentos
factuais (conceitos substantivos) e os conhecimentos da disciplina (conceitos de segunda
ordem ou conceitos meta-históricos). Cf. LEE, Peter J. Putting principles into practice:
understanding history. In: DONOVAN, M. Suzanne; BRANSFORD, John D. How stu-
dents learn: history in the classroom. Washington: National Research Council of The Na-
tional Academies, 2005. p.31-77. p.31.
11
Os dados restantes (1%) correspondem aos objetivos sobre os quais não foi possível esta-
belecer classificações (alguns, por má redação ou erros tipográficos).
12
Embora não ofereça orientações específicas sobre o desenvolvimento dessa habilidade, a
proposta de São Paulo é a mais fértil (considerada a possibilidade de os seus autores terem
prescrito tais processos para todos os objetivos), representando dois terços do somatório
dos objetivos de todos os estados que prescrevem habilidades linguísticas (ler e escrever).
13
A leitura é entendida aqui, sobretudo, como busca de informações em textos escritos.
Quando o objetivo determina que a busca seja feita em texto de documentos históricos e
seus sinônimos (fontes, textos históricos etc.), classificamos a expectativa como meta-his-
tórica e não, somente, como atividade de ampliação das habilidades linguísticas.
14
A proposta da Paraíba nomeia esse tipo de objetivo como ‘atitudinal’ e ‘procedimental’.
15
Na Constituição e na Lei de Diretrizes e Bases para a Educação Nacional podem ser ob-
servados os objetivos gerais nos princípios éticos (responsabilidade, solidariedade, respeito
ao bem comum), de cidadania (exercício da criticidade, respeito à ordem democrática) e
estéticos (sensibilidade, criatividade, diversidade de manifestações artísticas e culturais).
Nas orientações da Unesco, os objetivos aqui rotulados como específicos correspondem ao
‘saber’ e ao ‘saber fazer’, enquanto os gerais estão relacionados ao ‘saber ser, estar e com-
portar-se’.
16
Os demais, como já afirmamos, correspondem aos objetivos gerais (9%) e aos não iden-
tificados (1%).

300 Revista História Hoje, vol. 1, nº 1


Currículos de História e expectativas de aprendizagem

17
Afora esses casos, nenhuma proposta formula objetivos para todos os anos finais do en-
sino fundamental.
18
Suponhamos a Revolução Francesa como exemplo. Certamente, as propostas que a in-
cluem esperarão que os alunos apreendam o nome e os interesses dos sujeitos envolvidos,
as causas, etapas, limites, consequências e importância da Revolução Francesa para deter-
minado grupo, povo ou sociedade – não necessariamente contemplando todos os indica-
dores ou obedecendo a essa mesma ordem de exposição.
19
Para Paul Ricoeur, o acontecimento em História corresponde ao que Aristóteles chama-
va de mutação de sorte – metabolé – na sua teoria formal da armação da intriga. Um acon-
tecimento é o que não somente contribui para o desenvolvimento da intriga, mas dá a esta
a forma dramática de uma mudança de sorte (Cf. RICOEUR, Paul. Tempo e narrativa. São
Paulo: Papirus, 1994. v.1, p.320).
20
Não foi possível chegar a uma classificação em 1% dos objetivos.
21
Maneira pela qual as coisas se apresentam ou se desenvolvem (HOUAISS, Antonio. Di-
cionário eletrônico Houaiss da língua portuguesa 2.0. Rio de Janeiro: Instituto Antonio
Houaiss; Objetiva, 2007. 1 CD-ROM).
22
Os termos constituintes dessa e das próximas tabelas não esgotam o glossário das pro-
postas. As palavras foram agrupadas e codificadas dentro do seu campo semântico para
viabilizar a estatística, tanto dos conhecimentos (a exemplo de bases/estrutura/matrizes,
causas/fatores/razões, expansão/crescimento/evolução/desenvolvimento, importância/in-
fluência/significado/legado/contribuição/papel/valor) quanto das habilidades (representar
por desenho/desenhar, destacar o papel.../reconhecer, debater/discutir, distinguir/diferen-
ciar, elencar/listar, entre outras).
23
Pode parecer irrelevante essa sutil diferença. Mas, se mensurarmos as propostas esta-
duais de história ao longo do século XX, não será difícil concluir que migramos da expec-
tativa direta para o exame do entorno e do interior, o que significa dizer, em termos peda-
gógicos, que estamos, gradativamente, substituindo a pergunta “o que é?” – inspiradora da
memorização e da resposta ao pé da letra – para as questões “como é?” e “por que é?” – su-
gerindo, assim, a compreensão sobre o que se estuda. O mesmo se pode dizer em termos
de teoria da história. Estamos mudando da história dita factual para a história problema.
24
As pequenas variações de ordem de exposição, entre essa listagem e o descrito na Tabela
1, apenas confirmam a informação sobre a representatividade dessas habilidades, uma vez
que os primeiros números (as porcentagens da tabela) são relativos ao total de objetivos, e
os últimos (os algarismos entre parênteses) informam sobre a frequência das habilidades
no total de propostas. Cruzando as duas informações, entretanto, é fácil concluir pela dis-
tribuição equilibrada de tal grupo de expectativas nas propostas brasileiras.
25
Os números relativos são extraídos da base de 1.118 objetivos que veiculam conteúdos
substantivos. Os conhecimentos destituídos de porcentagem alcançaram menos de 1%
desse total.

Junho de 2012 301


Margarida Oliveira e Itamar Freitas

26
O conjunto ‘refletir, ler e escrever’, como já alertamos, apresenta-se em destaque, mas
está concentrado na proposta de um estado, apenas: São Paulo.
27
Como nos respectivos exemplos: “1. “Reconhecer no capitalismo financeiro os aspectos
da concentração de capital pelas nações industrializadas e a expansão do capitalismo como
a origem da internacionalização do capital e dos entraves do protecionismo” (PE, 9º ano);
2. “Relacionar a crise do socialismo e do capitalismo, nova expansão capitalista (globaliza-
ção)” (PB, 9º ano).
28
Conforme os exemplos: 1. “Discutir o sertão como expressão de uma cultura” (GO, 7º
ano); 2. “Identificar e caracterizar as instituições nacionais e internacionais que lutam pela
garantia dos direitos dos cidadãos” (TO, 9º ano).
29
RICOEUR, Paul. Tempo e narrativa. São Paulo: Papirus, 1997. v.3.
30
Na tabela a seguir, observem, isolamos os objetivos que abordam a experiência do Novo
Mundo, anterior à colonização europeia, sob a rubrica de período pré-colombiano. Não
queremos criar um novo período. É, apenas, um procedimento operatório para separar um
tipo de acontecimento paralelo à experiência europeia e asiática, mas que não se enquadra
na periodização quadripartite ou nas classificações que tomam por base os estágios tecno-
lógicos comumente usados nos estudos de pré-história. Tentamos tratar com os mesmos
critérios os acontecimentos relativos à história da África, mas a proposta mostrou-se invi-
ável, dada a generalidade (ausência de referências sobre tempo e espaço no continente)
com que os objetos abordam tal experiência.
31
Aqui entendido como os acontecimentos referentes ao período iniciado a partir da Re-
volução Francesa.
32
Números calculados sobre o total de expectativas datáveis, já que 32% (474) dos 1.380
objetivos são atemporais (sobretudo aqueles relacionados aos conteúdos meta-históri-
cos) ou genéricos (sem referências cronológicas, a exemplo das expectativas que abor-
dam valores).
33
Se somarmos os objetivos que tratam de povos pré-colombianos (2%) aos da classe de
pré-história, os acontecimentos relacionados ao período medieval aparentam representa-
ção ainda mais reduzida.
34
Do total de expectativas que explicitam habilidades (111 não as explicitam), 86% (1.094)
são constituídas por um verbo, 12% (155) por dois e 1% (17) por três verbos. Há, também,
dois casos com quatro verbos e apenas um com cinco. Neste trabalho, priorizamos o pri-
meiro verbo de cada expectativa.
35
Os conjuntos antiga/contemporânea, pré-colombiano/moderno, antiga/média, antiga/
moderna, média/contemporânea foram empregados, mas nenhum deles alcançou a fre-
quência de 1%.
36
A proposta Francisco Campos destinava-se ao nível secundário e estruturava-se em cin-
co anos. No entanto, o público do secundário, em termos de faixa etária, é o mesmo dos
anos finais do ensino fundamental (em média, a partir dos 10 anos de idade – na verdade,

302 Revista História Hoje, vol. 1, nº 1


Currículos de História e expectativas de aprendizagem

tratava-se de um curso pós-primário). Além disso, o secundário foi substituído pelo curso
de primeiro grau (séries 5ª, 6ª, 7ª e 8ª), que, por sua vez, ganhou o nome de ensino funda-
mental (anos finais). O elemento definidor da reforma Campos como termo de compara-
ção, entretanto, está no seu caráter inaugural em termos de currículo: é a primeira propos-
ta oficial, declaradamente integrada (Brasil/América/Mundo), como também o é a maioria
das propostas contemporâneas.
Esse fato talvez seja explicado pelo crescimento, na ausência de melhor termo, vegetativo
37

dos acontecimentos contemporâneos e estabilização, também na ausência de melhor ter-


mo, dos acontecimentos da idade moderna que incluem a experiência brasileira.
38
É provável que esse novo elemento, aliado ao crescimento vegetativo do contemporâneo,
tenha causado essa drástica redução no espaço dos períodos antigo e medieval.
39
Em relação aos períodos antigo e medieval, excetuando-se os estados que não os incluem
(ES, MG, AL), apenas uma proposta (GO) não os distribui nos dois primeiros anos, apro-
ximando-se, portanto, da disposição de 1931. O mesmo ocorre no que diz respeito às ex-
pectativas que tratam dos períodos pré-histórico e pré-colombiano. A maioria aproxima-
-se do modelo Francisco Campos (BA, CE, GO, MS, MG, PB, PE, SP, SE, TO),
distribuindo-os ao longo dos primeiros anos, enquanto apenas uma proposta (RJ) prescre-
ve o período pré-histórico para o 6º e 9º anos. As demais (AC, AL, AM, ES, MT, PR) não
reservam, explicitamente, expectativas para o recorte pré-histórico.
40
Estes foram os critérios de classificação das durações: tempo breve – 0 a 10 anos; duração
conjuntural – 10 a 50 anos; longa duração – mais que 50 e até 300 anos; longuíssima dura-
ção – mais que 300 anos.
41
As durações conjuntural e longa se equivalem na proposta do Acre. O currículo do Espí-
rito Santo não permite o cálculo, já que as suas expectativas não prescrevem durações.
42
Os que assim o fazem são, sobretudo, objetivos que exploram causas, consequências,
significados, semelhanças e diferenças entre acontecimentos, como neste exemplo que po-
de reunir, respectivamente, as durações breve e conjuntural: “Compreender a Primeira
Guerra Mundial como resultado das tensões territoriais-nacionalistas que marcaram a Eu-
ropa entre o final do XIX e o início do XX, aliada às disputas por reservas de mercado ca-
racterísticas da segunda revolução industrial” (SE, 9º ano).
43
“Identificar as origens das cidades goianas, seus nomes originais, sua arquitetura, festas
e costumes” (GO, 7º ano).
44
“Identificar e caracterizar a pré-história no Tocantins” (TO, 6º ano).
45
Aqui entendido no sentido jurídico-político-administrativo mais recente, que divide o
país em cinco territórios (Norte, Nordeste, Centro-Oeste, Sudeste e Sul).
46
O continente tomado isoladamente.
47
A maioria das expectativas compostas (aproximadamente uma centena e meia) propõe o
estabelecimento de relações do tipo “Brasil x Brasil” e “Europa x Europa”.
48
“Identificar as consequências políticas do golpe militar (1964) em Goiás” (GO, 9º ano).

Junho de 2012 303


Margarida Oliveira e Itamar Freitas

49
“Relacionar o processo da abolição da escravidão nas áreas dos confederados com o pro-
cesso de abolição no Brasil” (PE, 9º ano).
50
“Compreender as lutas socialistas e de libertação nacional contra a exploração e o domí-
nio imperialista, bem como seus impactos na América Latina” (PB, 9º ano).

Artigo recebido em 20 de janeiro de 2012. Aprovado em 7 de maio de 2012

304 Revista História Hoje, vol. 1, nº 1