Sei sulla pagina 1di 1

Todo mal pelo bem maior

O diário de um monge corrompido

Nos últimos anos e alguns meses, tudo sob aquilo que costumava ser meus
princípios foram alterados. Sob a beira de um apocalipse e com poucas opções
para salvar aqueles seres que aderem dons mágicos, como meu povo.
Iniciando pelo que vós foi dito, citarei a situação na qual Nakkotar se entra, ou
pelo menos se encontrava, por falar nela, gostaria de dedicar esse livro a minha
possível e futura morte, e a Katarina, por mais que em sua concepção ela não
conseguiu cumprir seus objetivos, mal sabe ela o quanto foi de nossa ajuda sua
cooperação, e ainda me zango com o caminho tomado por ela naquele dia. Por
último, peço em caso de minha morte a transferência imediata desse livro para
Talon, a única pessoa que contaria tudo e dividiria tudo para lhe trazer o bem,
peço também para que minhas riquezas e meus desejos sejam respeitados e
realizados.
Como ia dizendo sobre Nakkotar, suas últimas ocasiões não lhe agradaram
muito, após sucumbir ao poder destrutivo e maciço do Colosso, um membro dos
mercenários, com a ajuda de uma chave magica divina utilizada por mãos
erradas, um antigo povo escravista não magico retornou de dentro das antigas
areias ásperas do deserto eterno, bem, eles não são tão legais quanto eu, até
por que eles escravizam povos ao seu redor, e, convenhamos, ninguém gosta
disso. Além de tudo isso, eles podem virar dragões, são seus antecedentes em
comum. Avançando algumas semanas é possível descobrir o meu primeiro
contato com os antigos Deuses, um panteão muito antigo e que, graças a Ordem,
não sucumbiu igual os outros, desde então nosso grupo realizou várias missões
para o mesmo, sempre com a recompensa em respostas a nossas perguntas.
Nessa última semana, chegamos a concluir todos seus pedidos, recuperamos
2 itens de uma importância e recebemos nossa recompensa, ainda com uma
resposta pendente. Não vou enfatizar esse ponto, mas gostaria que soubesse
caro leitor. Vou lhes contar uma coisa individual e o motivo de tanto poder, que,
infelizmente, me fez sucumbir ao mal, tal energia nunca foi providenciada de
minha personalidade, mas sim de meu anel, o anel do caos. Tal anel negociado
por alguma entidade ou força na qual ainda não me dissera seu nome, me
convidou para servir sua proposta de destruir nosso objetivo principal, destruir o
vórtex, me causou vários pensamentos ao descobrir que a única coisa que eu
deveria realizar era não deixar os deuses acordados morrerem e lhe chamá-la
para derrotar aquilo que existe dentro dele, em troca eu tenho habilidades
imortais e com vinculo abissal...