Sei sulla pagina 1di 2

RECURSOS – PROVA DE HISTÓRIA – PROVA BRANCA

CONCURSO – SOLDADO DA POLÍCIA MILITAR – RJ.

Questão 21 – ANULADA

No plano interno, Marquês de Pombal instituiu uma reforma que desagradou muitos
daqueles que viviam das regalias oferecidas pela Coroa Portuguesa:
A) Incentivou o desenvolvimento de uma indústria nacional com pretensões de diminuir a
dependência econômica do país.
B) A expulsão dos jesuítas do Brasil.
C) A criação de várias companhias de comércio incumbidas de dar maior fluxo às transações
comerciais entre a colônia e a metrópole.
D) O chamado Erário Régio tinha como papel controlar gastos do corpo de funcionários reais e,
principalmente reduzir os seus gastos.

Comentário:
As Reformas Pombalinas é assunto claramente expresso pela banca no edital deste concurso (item
2 do conteúdo programático). A questão apresenta, contudo, todas as opções como corretas e
não apenas uma como determina o edital (9.2.2 – Da Prova Objetiva) e, portanto a mesma deve
ser anulada.

A opção de resposta (letra A) está correta. A banca copiou o trecho do site Brasil Escola que
defendendo esta afirmativa como correta. Outros autores mencionam que no desejo de diminuir a
dependência econômica do país (Portugal) em relação a Inglaterra e conquistar a sua autonomia
econômica. Uma das formas para se atingir tal objetivo foi a busca pela industrialização de
Portugal. Isto se daria com ações incentivadoras como a fundação da Companhia dos Vinhos do
Douro e o incentivo e a construção naval. Mesmo não sendo um incentivo nos moldes da
revolução industrial praticada pela Inglaterra a opção de resposta possibilita esta interpretação.

A letra B está correta. Analisando as reformas administrativas, instituídas pelo Marquês de


Pombal também desagradaram aos jesuítas. Esta ordem religiosa fora bastante atuante e influente
durante a colonização do Brasil. Os jesuítas desfrutavam de uma condição privilegiada (regalias)
oferecida pela coroa portuguesa desde de que vieram para realizar o trabalho da catequese com
os índios. O cuidado com os índios nas missões jesuíticas geravam lucros para os jesuítas com o
comércio das drogas do sertão. Eles também educavam os filhos dos colonos mais influentes
gozavam, portanto, de bom relacionamento com indígenas, brancos e o próprio governo
português. Diante disso, os jesuítas conseguiram acumular fortuna com a posse de enormes
extensões de terras, engenhos e instituições de ensino. A influência dos jesuítas foi crescendo e
eles passaram a ter uma certa independência em relação ao Estado e até da própria igreja. A
proposta das Reformas Pombalinas era fortalecer o poder do Estado português centralizado na
figura do rei eliminando quem representasse um obstáculo a sua autoridade. Além de garantir
lucros tanto quanto fossem possíveis para Portugal diante das terras brasileiras. A expulsão dos
jesuítas acabou atendendo a ambos os propósitos, já que o governo português expulsou os
jesuítas do território brasileiro e lucrou com a venda em leilão dos bens que pertenciam aos
jesuítas.
A letra “C” está correta. Segundo o livro da banca (Francisco Alencar – Formação da Sociedade
Brasileira) "a criação de companhias de comércio e de refinarias de açúcar e paralelamente ao
incentivo à produção brasileira de lacticínios, arroz, tabaco, solas, algodão e drogas do sertão.”.
Neste caso a criação dessas companhias servia de forma a proporcionar o máximo de
transferência de riqueza e lucro do Brasil para Portugal. Duas companhias de comércio foram
criadas (Companhia Geral do Comércio do Grão Pará e Maranhão - 1755 e a Companhia Geral do
Comércio de Pernambuco e da Paraíba - 1759) e por serem obviamente mais de uma companhia
se encaixa na expressão “várias companhias de comércio”, uma vez que o termo é vago e permit a
interpretação correta aqui formulada.

A letra D está correta. A pergunta, bem como a resposta correta desta questão é uma
transcrição fiel de um site da internet que destaca o papel do Erário Régio dentro do Estado
português que realmente buscava controlar os gastos do Estado português de forma a equilibrar
suas despesas e receitas e se livrar em algum momento da dependência econômica que possuía
em relação a Inglaterra.

Fonte: http://www.brasilescola.com/historiab/reformas-pombalinas.htm

Questão 22

Relativo à Insurreição Pernambucana.

Todas as afirmativas estão corretas. Resposta letra “D”. Não cabe recurso.

Questão 23 – ANULADA

A Batalha de Jenipapo ocorrida no dia 13 de março de 1823, foi um confronto:


A) Que evidencia as péssimas condições de vida da população mais pobre e domínio político e
econômico dos grandes fazendeiros.
B) Considerado fundamental no processo de independência e consolidação do
território brasileiro.
C) Que se consistiu numa sublevação de caráter racial, de escravos africanos, organizados em
torno de propostas radicais para libertação dos demais escravos africanos.
D) Que teve início entre as elites militares, médicas e jornalistas do atual município de Campo
Maior, na província do Piauí.

Comentário:
A batalha de Jenipapo foi um dos conflitos que marcou o movimento de resistência de portugueses
contra brasileiros, estes se negavam a reconhecer a independência política do Brasil em relação à
Portugal. A referida batalha ocorreu no interior do Piauí em 1823 no ano seguinte a declaração de
independência anunciada por D. Pedro. A batalha de Jenipapo apesar de corresponder ao processo
de independência do Brasil (item 3 do conteúdo programático da disciplina de história deste edital)
se trata de um acontecimento histórico extremamente específico. O citado conflito não consta nos
livros de história em geral, muito menos é mencionado pelos livros apresentados pela banca
examinadora deste concurso como bibliografia (História do Brasil, de Luiz Koshiba e História da
Sociedade Brasileira, de Francisco Alencar). Diante disso por não ter acesso as informações
necessárias sobre o que foi a batalha de Jenipapo o mesmo não tem como identificar a opção a
ser marcada na prova (no caso, a letra B).