Sei sulla pagina 1di 4

Salvador, Bahia-Sábado

14 de Julho de 2018
Ano · CII · No 22.457

Polícia Civil da Bahia


P o l íc i a C i v i l d a B a h i a

<#E.G.B#234007##261305>
INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 13 DE JULHO DE 2018.

Regulamenta, no âmbito da Polícia Civil da Bahia, os procedimentos de responsabilidade do policial civil e demais servidores quando do ato de
remoção, e dá outras providências.

O DELEGADO-GERAL DA POLÍCIA CIVIL DA BAHIA, no uso das suas atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 19, incisos III e XIII da Lei
nº 11.370 de 04 de fevereiro de 2009, e,

Considerando a necessidade de disciplinar as providências administrativas a serem adotados em decorrência da remoção de delegados de
polícia, escrivães, investigadores e servidores administrativos da Polícia Civil da Bahia;

Considerando o dever inseparável do dirigente policial civil em promover o controle do patrimônio, dos documentos, procedimentos
investigatórios e dos bens apreendidos existentes nas unidades desta Instituição;

Considerando o dever dos servidores policiais civis em prestar contas dos seus atos funcionais;

Considerando, ainda, a necessidade de reordenar ações de gestão que visam atender às regras de registro e controle,
RESOLVE:

CAPÍTULO I
DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES
Art. 1º Regulamentar, no âmbito da Polícia Civil da Bahia, os procedimentos de responsabilidade do policial civil removido sob as modalidades
previstas no artigo 74, da Lei nº 11.370 de 04 de fevereiro de 2009, e dos demais servidores administrativos integrantes desta Instituição.

Art. 2º A remoção dos servidores integrantes dos cargos da carreira de Delegado de Polícia e demais carreiras da Polícia Civil da Bahia, dar-se-
á por ato do Delegado-Geral, na área de sua competência, nos termos do artigo 19, inciso III, da Lei nº 11.370 de 04 de fevereiro de 2009, bem
como dos demais servidores administrativos integrantes desta Instituição.

Art. 3º Publicado o ato de remoção do servidor, este deverá apresentar-se à nova unidade em conformidade com os prazos estabelecidos no
artigo 75 da Lei de nº 11.370/2009.

CAPÍTULO II

DA RESPONSABILIDADE

Art. 4º O servidor removido somente poderá assumir as atividades na nova unidade de lotação, após proceder de acordo com as regras desta
Instrução Normativa - I.N.

SEÇÃO I

Do Delegado de Polícia

Art. 5º O delegado de polícia civil, cujas atribuições estão previstas no artigo 50 da Lei nº 11.370/2009, em exercício de titularidade de unidade
operacional ou administrativa deverá, dentro do prazo estabelecido em lei para remoção, concluir ao seu substituto, e/ou superior hierárquico,
mediante certificação nos autos, todos os procedimentos investigatórios e administrativos (exceto os de natureza disciplinar), sob sua
responsabilidade.

§ 1º Para tanto, deverá o delegado de polícia titular assinar todos os termos e despachos existentes na peça investigativa, bem como assinar as
ocorrências, relacionar e entregar, através de formulário específico constante no anexo I, todos os procedimentos, armas, munições, coletes
balísticos e demais itens que estiverem sob sua responsabilidade, ao substituto e/ou superior hierárquico.
§ 2º Incumbe ao delegado de polícia titular determinar aos delegados de polícia sob sua subordinação que efetuem as assinaturas das
ocorrências que estiverem em aberto, até aquele período, no módulo do Sistema de Informação e Gestão Integrada Policial - SIGIP, dentro do
prazo estabelecido pelo artigo 75 da Lei nº 11.370/2009.

§ 3º Em cumprimento a Lei nº 13.352/2015, o delegado de polícia titular deverá apresentar, ao substituto e/ ou superior hierárquico, listagem de
veículos apreendidos até a publicação da legislação, bem como a relação dos veículos apreendidos após a expedição da Lei, relacionando as
medidas adotadas destinadas à devolução do bem ou realização do leilão.

§ 4º Através de formulário específico, constante no anexo I desta I.N., relacionará o inventário dos bens pertencentes à unidade, sob sua
responsabilidade ou cautela.

§ 5º Caberá, ainda, apresentar listagem de custodiados porventura existentes, segundo modelo constante no anexo I desta I.N..

§ 6º Deverá exibir escala de serviço dos servidores da unidade constando, individualmente, a situação funcional, bem como escala
extraordinária em curso, atualizando sistema informatizado acaso existente.

§ 7º Listar a relação de procedimentos devolvidos pela Justiça para realização ou complementação de diligências, inclusive todas as requisições
judiciais e/ou do Ministério Público ainda em andamento.

§ 8º Os documentos mencionados nos parágrafos 1º, 3º, 4º, 5º, 6º e 7º, deverão ser elaborados em 02 (duas) vias, destinadas, respectivamente:

I - Ao seu substituto legal que dela dará ciência do recebido, por escrito, em todas as vias;

II - Ao respectivo Diretor ou Coordenador;

III - Ao Diretor do Departamento de Planejamento, Administração e Finanças, também, deverá ser remetido uma via dos documentos
mencionados nos parágrafos 1º e 6º;

Art. 6º À Coordenação de Fiscalização de Produtos Controlados, deverá ser encaminhada uma via do documento mencionado no parágrafo 1º
do artigo anterior, notadamente concernente a armas, munições, coletes balísticos ou outros produtos controlados, sob sua responsabilidade ou
cautela.

Art. 7º O delegado de polícia civil que exerce as atividades como plantonista ou em regime administrativo deverá, dentro do prazo legal, concluir
ao delegado titular da unidade, mediante certificação nos autos, todos os procedimentos investigativos e administrativos (exceto os de natureza
disciplinar), sob sua responsabilidade.

Parágrafo único. Para tanto, deverá assinar todos os termos e despachos existentes na peça investigativa, bem como assinar as ocorrências,
relacionar e entregar ao titular da unidade, todos os procedimentos, armas, munições, coletes balísticos ou quaisquer outros bens pertencentes
ao Estado, que estejam alocados na unidade e/ou sob sua cautela ou responsabilidade, através de formulário específico constante nesta I.N.

SEÇÃO II

Do Escrivão de Polícia

Art. 8º O escrivão de polícia civil, cujas atribuições estão previstas no artigo 51 da Lei nº 11.370/2009, responsável pelo cartório da unidade,
dentro do prazo legal, deverá inventariar e repassar através de formulário específico, constante no anexo I desta I.N. , ao seu substituto, com
cópia ao delegado de polícia titular, papéis, documentos, procedimentos, objetos e instrumentos apreendidos, livros administrativos, armas,
munições, coletes balísticos ou quaisquer outros bens pertencentes ao Estado, que estejam alocados na unidade sob sua cautela ou
responsabilidade, bem como objetos e instrumentos apreendidos vinculados a procedimentos investigativos.

Parágrafo único. Incumbirá ao escrivão de polícia responsável pelo cartório, através de certidão emitida pela Coordenação de Documentação e
Estatística Policial, repassar ao seu substituto, com cópia ao delegado de polícia titular, relatório estatístico do SGE (Sistema de Gerenciamento
de Estatística) ou de outro sistema que o substitua, bem como demais controles de dados porventura existentes, devidamente atualizados.

Art. 9º O escrivão de polícia civil que exerce as atividades em regime de plantão ou em horário administrativo deverá inventariar e repassar por
meio de formulário específico, constante no anexo I desta I.N., ao superior hierárquico imediato, papéis, documentos, procedimentos, livros
administrativos, armas, munições, coletes balísticos ou quaisquer outros bens pertencentes ao Estado, que estejam alocados na unidade ou sob
a sua cautela e responsabilidade, bem como objetos e instrumentos apreendidos vinculados a procedimentos investigativos.

SEÇÃO III

Do Investigador de Polícia
Art. 10 O investigador de polícia civil, cujas atribuições estão previstas no artigo 52 da Lei nº 11.370/2009, deverá, dentro do prazo legal, concluir
ao delegado de polícia responsável pelas investigações policiais, todos os relatórios de diligências e os mandados de intimação e de prisão,
assim como relacionar e entregar no cartório da unidade, através de formulário específico, armamentos, munições, coletes balísticos ou
quaisquer outros bens pertencentes ao Estado que estejam alocados na unidade e/ou sob sua responsabilidade.

SEÇÃO IV

Dos Demais Agentes Públicos

Art. 11 Os demais agentes públicos, quando removidos dentro do prazo legal previsto na Lei nº 6.677/1994, deverão relacionar e entregar,
através de formulário específico, ao escrivão de polícia que coordena o cartório, a documentação e o patrimônio que porventura esteja sob sua
responsabilidade, antes de sua apresentação na nova unidade.

SEÇÃO V

Dos Diretores e Coordenadores de Órgãos

Art. 12 Os Diretores de Departamento ou Coordenadores de Órgãos, quando da sua remoção, deverão, dentro do prazo estabelecido em lei,
concluir ao seu substituto e/ou superior hierárquico, mediante certificação nos autos, todos os procedimentos investigatórios e administrativos
(exceto os de natureza disciplinar) sob sua responsabilidade, bem como apresentar o inventário dos bens móveis pertencentes à unidade,
através de formulário constante no anexo I desta I.N.

§ 1º Além do previsto neste artigo, deverão os Diretores de Departamento ou Coordenadores de Órgãos, quando da sua remoção, dentro do
prazo estabelecido em lei, listar a relação dos bens por acaso apreendidos, que estejam sob sua responsabilidade.

§ 2º Deverão, ainda, os Diretores de Departamento ou Coordenadores de Órgãos, quando da sua remoção, dentro do prazo estabelecido em lei,
listar a relação de veículo (s) e telefone (s) móvel (is) funcional (is) sob sua responsabilidade.

SEÇÃO VI

Da ausência de substituto

Art. 13 Em não havendo sido designado substituto, o servidor removido deverá apresentar ao seu superior hierárquico imediato as formalidades
previstas nesta I.N.

SEÇÃO VII

Da apresentação do diagnóstico de perfil da área de atuação e do banco de dados

Art. 14 O delegado de polícia civil em exercício na titularidade de unidade operacional, com o auxílio do investigador de polícia, coordenador do
serviço de investigação, deverá apresentar ao substituto e/ou superior hierárquico, relatório circunstanciado de diagnóstico de perfil da área de
atuação, conforme formulário específico previsto nesta I.N., visando à continuidade de ação e gestão na redução da criminalidade.

Parágrafo único. Deverá, ainda, o delegado de polícia civil em exercício de titularidade na unidade operacional, com o auxílio do investigador de
polícia, coordenador do serviço de investigação, transmitir ao substituto e/ou superior hierárquico, os bancos de dados disponíveis, seja por meio
físico ou digital.

CAPÍTULO III

DA COMISSÃO

Art. 15 Ao assumir a gestão da nova unidade, o delegado de polícia civil, deverá de imediato, constituir comissão composta de 03 (três)
servidores para, no prazo de 30 (trinta) dias, conferir o inventário apresentado pelo seu antecessor, cujo resultado será apresentado ao Diretor do
Departamento correspondente, com cópia para o Departamento de Planejamento, Administração e Finanças.

§ 1º As irregularidades detectadas na conclusão da conferência do inventário deverão ser comunicadas no prazo de 05 (cinco) dias, por escrito,
ao superior hierárquico que, em seguida, remeterá à Corregedoria da Polícia Civil para adoção das providências cabíveis.

§ 2º O Departamento de Planejamento, Administração e Finanças, no prazo de 30 (trinta) dias a contar do recebimento do inventário, deverá
atualizar os dados e notificar o respectivo Diretor, caso constate não conformidade entre as informações prestadas.

CAPÍTULO IV
DA APRESENTAÇÃO DO SERVIDOR REMOVIDO

Art. 16 O servidor removido e obedecido os prazos legais, após o cumprimento das formalidades previstas nesta I.N, no âmbito de um mesmo
Departamento ou Coordenação de Órgão, será apresentado mediante ofício à nova unidade de lotação pelo superior hierárquico da unidade de
origem, e em se tratando de Departamentos ou Coordenações distintas, o servidor será apresentado, mediante ofício ao dirigente do
Departamento ou Coordenação para o qual foi removido.

§ 1º Poderá o ato previsto neste artigo ser suprido pelo superior hierárquico, diante da impossibilidade justificada do dirigente da unidade em
expedir o ofício de apresentação.

§ 2º O dirigente da unidade somente incluirá na escala de serviço o servidor que lhe for apresentado mediante ofício.

§ 3º O ofício, através do qual for apresentado o servidor na nova unidade, deverá ser remetido ao Gabinete do Delegado Geral, para fins de
anotação no prontuário funcional, caso inexista outro sistema informatizado para esta finalidade.

§ 4º A apresentação do servidor será condicionada ao cumprimento das formalidades dispostas nesta I. N.

CAPÍTULO V

DO SERVIDOR REMOVIDO INTEGRANTE DE COMISSÃO

Art. 17 Quando o servidor removido constar como presidente ou membro de comissão de processo administrativo disciplinar e/ou sindicância,
deverá apresentar ofício circunstanciado à Corregedoria da Polícia Civil da Bahia (CORREPOL), contendo a listagem dos procedimentos a que
integra.

§ 1º Em caso excepcional de requerimento para alteração da presidência ou de membros, a CORREPOL previamente submeterá à avaliação e
decisão do Delegado - Geral, que assim promoverá a substituição, caso seja necessário ao regular andamento do feito correcional.

§ 2º O presidente de comissão ou membro de processo administrativo disciplinar e/ou sindicância, na hipótese de remoção, cumprirão as
atribuições a eles desempenhadas, inclusive a observância dos prazos legalmente estabelecidos.

§ 3º A CORREPOL velará pela continuidade dos procedimentos correcionais quando das remoções dos presidentes e membros, fiscalizando o
fiel cumprimento dos prazos atinentes aos processos administrativos disciplinares e sindicâncias.

CAPÍTULO VI

DAS DISPOSIÇÕES FINAIS E TRANSITÓRIAS

Art. 18 O descumprimento dos prazos e formalidades previstas nesta I. N. poderá implicar, em tese, na inobservância dos deveres funcionais
elencados nos artigos 89 da Lei nº 11.370/2009 e 175 da Lei nº 6.674/1994, bem como o cometimento das faltas disciplinares insertas nos
artigos 90 da Lei nº 11.370/2009 e 176 da Lei nº 6.677/1994, a serem apurados através do órgão de correição.

Art. 19 Os formulários devem ser arquivados, em pasta própria no Cartório da unidade, com a denominação “CONFERÊNCIA DE INVENTÁRIO”.

Art. 20 A presente I.N. abrange os Delegados de Polícia e demais policiais civis do sistema de carreira da Policia Civil da Bahia, bem como outros
agentes públicos desta instituição que vierem a estar licenciados, afastados ou colocados em disponibilidade de outro órgão ou Poder, nas
hipóteses previstas na norma estadual, quando em período superior a 30 (trinta) dias.

Art. 21 Os formulários para inventário e relatórios de atividades, mencionados nesta I. N., deverão seguir o padrão instituído pelo Gabinete do
Delegado-Geral e o inventário do patrimônio será em conformidade com o modelo do Departamento de Planejamento, Administração e Finanças,
a ser disponibilizado no sitio eletrônico da Polícia Civil da Bahia (www.policiacivil.ba.gov.br) e da Academia de Polícia Civil
(www.acadepol.ssp.ba.gov.br).

Art. 22 A transmissão de cargos ou funções de direção, coordenação de órgão e demais chefias das unidades operacionais e administrativas da
estrutura organizacional da Polícia Civil, será formalizada através do “Termo de Transmissão”, constante no anexo II desta I.N
§ 1º O Termo de Transmissão é o instrumento formal que irá documentar em ato administrativo a passagem de gestão.
§ 2º O cerimonial de transmissão de cargos ou funções de direção, coordenação de órgão e demais chefias das unidades operacionais e
administrativas da estrutura organizacional da Polícia Civil, será instituído através de portaria do Delegado - Geral.
Art. 23 Os casos omissos serão resolvidos pelo Delegado - Geral.
Art. 24 Esta Instrução entra em vigor na data de sua publicação no Diário Oficial do Estado da Bahia, revogando-se as disposições em contrário.
Bernardino Brito Filho
Delegado - Geral da Polícia Civil da Bahia