Sei sulla pagina 1di 34

LINHA ACQUA

MANUAL DE OPERAÇÃO E
INSTALAÇÃO

1
NOMENCLATURA ____________________________ 4

1. APRESENTAÇÃO DO PRODUTO _________________ 5


1.1. TIPOS DE INSUFLAÇÃO____________________________________________ 6
1.1.1. Insuflação para Cima (Up-Flow)______________________________ 6
1.1.2. Insuflação Para Baixo (Down-Flow)___________________________ 6
1.2. MODULARIDADE__________________________________________________ 7
1.2.1. Redundância_____________________________________________ 7
1.3. SISTEMA DE EXPANSÃO INDIRETA___________________________________ 8

2. INTRODUÇÃO_ ____________________________ 9
2.1. DESCRIÇÃO DO PRODUTO__________________________________________ 9
2.2. INFORMAÇÕES SOBRE O MANUAL__________________________________ 10
2.3. SEGURANÇA____________________________________________________ 11
2.3.1. DICAS DE SEGURANÇA_ __________________________________ 11

3. INSTALAÇÃO______________________________13
3.1. PREPARAÇÃO DA SALA___________________________________________ 13
3.2. CONSIDERAÇÕES DO LOCAL DE INSTALAÇÃO_ _______________________ 13
3.3.1. Instruções para Manobras e Movimentação da Unidade__________ 14
3.3. MOVIMENTAÇÃO E TRANSPORTE___________________________________ 14
3.4. MONTAGEM DO EQUIPAMENTO_ ___________________________________ 15
3.4.1. Sequência de Montagem __________________________________ 15
3.5. INTERLIGAÇÃO HIDRÁULICA_______________________________________ 16
3.5.1. Equipamento____________________________________________ 16
3.5.2. Procedimento de Interligação Hidráulica_ ____________________ 16
3.6. INSTALAÇÃO ELÉTRICA___________________________________________ 17
3.6.1. Procedimento de Instalação Elétrica_________________________ 17
3.7. START UP_ _____________________________________________________ 17

4. OPERAÇÃO_______________________________18
4.1. PROCEDIMENTO DE VERIFICAÇÃO INICIAL___________________________ 18
4.1.1. Condições Limite de Aplicação e Operação____________________ 18
4.1.2. Configurações de Fábrica__________________________________ 19
4.2. MICROPROCESSADOR DIANET_____________________________________ 19
4.2.1. PLANTWATCH PRO_______________________________________ 20
4.2.2. Hardware e Operação_____________________________________ 23
4.2.3. Inversores______________________________________________ 23
4.2.4. Monitor de Tensão com Proteção para Cargas Trifásicas_________ 25
4.2.4.1. Configurações_____________________________________ 25
4.2.4.1.1. Funções____________________________________ 25
4.2.4.1.2. Tabela de Parâmetros_________________________ 26
4.2.4.2. Descrição dos parâmetros___________________________ 27
4.2.4.3. Funções com Acesso Facilitado_______________________ 29
4.2.4.3.1. Visualizar Horário Atual_ ______________________ 29
4.2.4.3.2. Visualizar Tensões Máximas e Mínimas___________ 29
4.2.4.3.3. Visualizar outras Tensões______________________ 29
4.2.4.3.4. Apagar toda Memória do Datalogger_____________ 29
4.2.4.3.5. Acionamento Manual do Datalogger_ ____________ 30
4.2.4.4. Sinalizações_______________________________________ 30
4.2.5. Controlador Digital _ _____________________________________ 30
4.2.5.1. Programação do Controle (Setpoint)_ __________________ 31
4.2.5.2. Tabela de Parâmetros_______________________________ 31
4.2.6. Sistema de Monitoramento em Funcionamento________________ 32

5. CONTATOS_ ______________________________33

ANEXO I – TABELA DE CONVERSÃO DE UNIDADES_ ____34


NOMENCLATURA

NOMENCLATURA LINHA ACQUA

AFC S 100 D 3 3 6 X X

EQUIPAMENTO TIPO DE CONSENSAÇÃO


AFC - ACQUA FANCOIL X - NÃO SE APLICA

VERSÃO GÁS REFRIGERANTE


S - STANDARD X - NÃO SE APLICA
P - PLUS

FREQUÊNCIA
CÓDIGO CAPACIDADE
6 - 60 hZ
050 5 TR
075 7,5 TR
100 10 TR
200 20 TR FASES
300 30 TR 3 - 3 FASES
400 40 TR
TENSÃO
2 - 220 V
POSIÇÃO DE MONTAGEM 3 - 380 V
U - UPFLOW 4 - 440 V
D - DOWNFLOW 5 - 460 V

4
1. APRESENTAÇÃO DO PRODUTO
Desenvolvida para atender a ambientes críticos, os condi- Os computadores e outros equipamentos eletrônicos ne-
cionadores de ar de precisão – Linha Acqua – oferecem a cessitam de grandes quantidades de ar resfriado, mais do
mais alta tecnologia voltada à confiabilidade, garantindo a que aparelhos de ar condicionado de conforto conseguem
continuidade de operação nesses ambientes, obedecendo gerar. Os condicionadores de conforto possuem em média
a rigorosos controles de temperatura e umidade, operan- uma descarga de ar refrigerado em torno de 680 m³ por
do 24 horas, 365 dias do ano. tonelada de refrigeração (1 TR = 12.000 BTU), enquanto os
sistemas de climatização de precisão geram em torno de
Os Fancoils da linha Acqua contemplam características de 1000 m³ de ar por TR. A alta densidade de ar quente ge-
projeto que, além da confiabilidade de operação oferecem rada pelos equipamentos eletrônicos dentro de pequenos
grande economia de energia elétrica, garantindo assim o ambientes requer um maior número de trocas de ar.
retorno sobre o investimento.
Os equipamentos da linha Acqua operam segundo o con- As capacidades de refrigeração disponíveis são 5 TR, 7,5
ceito de expansão indireta, ou seja, neste sistema o refri- TR, 10 TR, 20 TR, 30 TR e 40 TR.
gerante resfria um meio intermediário (água) que, por sua
vez, passa em uma serpentina que irá resfriar o ar a ser As máquinas foram projetadas sob o conceito modular,
insuflado no ambiente. ou seja, mesmo se a carga térmica do local for superior
a capacidade da máquina, basta configurar os módulos de
Os computadores, mainframes e aparelhos eletrônicos capacidade necessários para atender a carga requerida.
sensíveis, possuem alta densidade de geração de calor e O projeto modular permite também que sua instalação
por isso devem ser mantidos dentro de uma faixa de tem- tenha maior segurança caso aplique-se o conceito de re-
peratura e umidade estabilizadas. Atendendo as especi- dundância. Neste caso módulos reservas são instalados e
ficações dos grandes fabricantes destes equipamentos e programados para entrar em funcionamento caso um dos
as normas ABNT NBR 10080 e ABNT NBR 11515, a tem- módulos operantes sofra alguma falha. Outra possibilida-
peratura do local deve permanecer na faixa de 22°C com de é o revezamento das máquinas reservas com os demais
variação de 2°C para mais ou para menos. A umidade re- módulos, a fim de controlar o desgaste e aumentar a vida
lativa deve ser de 50% com variação de 5% para mais ou útil dos condicionadores de ar.
para menos.

5
1.1. TIPOS DE INSUFLAÇÃO
Estes equipamentos possuem duas formas distintas de funcionamento, com insuflação para cima (UP-FLOW) e insufla-
ção para baixo (DOWN-FLOW).

1.1.1. Insuflação para Cima (Up-Flow)

O ar resfriado é lançado ao ambiente através do topo da


máquina, enquanto o retorno do ar quente acontece atra-
vés de uma abertura na face frontal do equipamento.

1.1.2. Insuflação Para Baixo (Down-Flow)

O ar resfriado é lançado ao ambiente através da parte de bai-


xo do equipamento, necessitando que o local de instalação
possua piso elevado. Para comportar a máquina é necessária
a aquisição de uma base elevada (opcional). O retorno do ar
quente, neste caso, acontece na face superior do Fancoil.

A DIAMONT sugere que a altura do piso elevado para instala-


ção de equipamentos do tipo Fancoil tenha no mínimo 40 cm.
Esta altura garante o bom funcionamento do condicionador de
ar e também uma distribuição de ar adequada.

6
1.2. MODULARIDADE
A solução modular oferece maior agilidade permitindo o aumento da capacidade de resfriamento à medida que ocorre au-
mento na carga térmica do ambiente; desta forma, a unidade Fancoil é ideal para data centers de médio ou grande porte.

Todos os condicionadores de ar da linha Acqua possuem a mesma altura e profundidade, independente da capacidade.

Nota-se que a maioria dos data-centers


e ambientes críticos sofrem amplia-
ções constantemente, isto acarreta em
um aumento da carga térmica que fora
dimensionada anteriormente. Pensan-
do nisso, a DIAMONT oferece soluções
modulares que permitem a aquisição
de módulos de mesma capacidade dos Módulo 1 Módulo 2 Módulo 3
condicionadores de ar já instalados com
o objetivo de atender a nova carga tér- MASTER Placa de expansão

mica gerada no ambiente.

1.2.1. Redundância

A DIAMONT procura oferecer redundância de equipamentos com o menor custo possível, ou seja, com menor inves-
timento em máquinas de back-up. O sistema de redundância permite que um dos módulos do equipamento opere na
função espera (Stand-by). O módulo reserva entra em operação caso ocorra alguma falha nos equipamentos que estão
operantes. É possível programar o funcionamento dos equipamentos reserva para operar em faixas de horário diferentes
dos módulos operantes, com o objetivo de controlar o desgaste de todos os módulos. Caso os equipamentos possuam
insuflação para baixo, os módulos deverão possuir damper motorizado, com o objetivo de evitar o retorno do ar resfriado
ao módulo que estiver em stand-by.

100% 100% 100% + 100% Stand-by

+ =

100% Redundância

50% 50% 50% 100% + 50% Stand-by

+ =

100% Redundância

33,3% 33,3% 33,3% 33,3% 100% + 33,3% Stand-by

+ =

100% Redundância

25% 25% 25% 25% 25% 100% + 25% Stand-by

+ =

100% Redundância

7
1.3. SISTEMA DE
EXPANSÃO INDIRETA
No evaporador de expansão indireta, existe um fluido intermediário
entre o fluido refrigerante do sistema de refrigeração e o meio que
se quer resfriar, ou seja, o fluido refrigerante irá resfriar um flui-
do intermediário e este fluido é que irá retirar calor do meio a ser
resfriado. Por exemplo, um sistema de condicionamento de ar de
grande porte do tipo chiller/fancoil, o gás refrigerante do sistema
de refrigeração (chiller) realiza o resfriamento de água, produzindo
água gelada. Esta água gelada é que irá resfriar o ar dos ambien-
tes climatizados, através dos condicionadores de ar do tipo Fancoil.

No evaporador de expansão direta, é o próprio fluido refrigerante do


sistema de refrigeração que realiza o processo de resfriamento final,
ou seja, a retirada de calor do meio que se quer resfriar.

8
2. INTRODUÇÃO
Inicialmente gostaríamos de parabenizá-lo pela aquisição do condicionador de
ar do tipo Fancoil produzido pela DIAMONT EQUIPAMENTOS ESPECIAIS. O apa-
relho utiliza tecnologia de ponta e é considerado o estado da arte em termos de
controle e climatização para ambientes críticos. Reconhecida no Brasil como
único fabricante 100% nacional deste tipo de equipamento, a DIAMONT oferece
sistemas de climatização de precisão de alta qualidade e construídos com os
melhores materiais disponíveis na indústria.

Este manual de instalação e operação apresenta todas as informações neces-


sárias para os técnicos responsáveis pela instalação e pessoas autorizadas a
operar o equipamento.

É importante que as pessoas que executarem qualquer procedimento no con-


dicionador de ar leiam atentamente as instruções contidas neste manual para
evitar danos durante a instalação ou operação do aparelho.

2.1. DESCRIÇÃO DO PRODUTO


A linha Acqua de condicionadores de ar do tipo Fancoil foi desenvolvida para
ter o máximo de versatilidade e flexibilidade. O equipamento opera com água
gelada fornecida unidades chamadas Chiller (não fornecido pela DIAMONT). A
capacidade do equipamento dependerá do projeto de instalação e cálculo de
carga térmica.

Além das funções de refrigeração e reaquecimento, o equipamento possui sis-


temas de umidificação e desumidificação que permitem o controle preciso das
condições de umidade e temperatura do ambiente.

9
2.2. INFORMAÇÕES SOBRE O MANUAL
Este manual apresenta informações relevantes para o bom entendimento dos procedimentos e política de assistência
técnica da DIAMONT.

ATUALIZAÇÕES DESTINATÁRIOS DESTE MANUAL

A DIAMONT se reserva ao direito de atualizar seus produtos ou seus respecti- Proprietário da instalação
vos manuais sem aviso prévio. Para requisitar eventuais atualizações dos ma- Responsável pela instalação
nuais entre em contato com a central de operações DIAMONT. Responsável pela operação
Responsável pela manutenção
Responsável pelo sucateamento

CENTRAL OPERAÇÕES DIAMONT FINALIDADE DAS INFORMAÇÕES TRANSFERÊNCIA DE EQUIPAMENTO

Fone: (55) (041) 3525-5100 Caso ocorra transferência do produto,


Fax: (55) (041) 3525-5151 MOVIMENTAÇÃO comunique à DIAMONT, o endereço do
Deve ser executada por profissional novo proprietário, para que possamos
habilitado e responsável pela opera- enviar se necessário, novos manuais.
ção de veículos ou equipamentos in- Caso contrário a DIAMONT se man-
INDICAÇÕES DE SEGURANÇA dustriais, na movimentação de cargas tém reservada de eventuais respon-
e produtos. Conforme norma regula- sabilidades.
O presente manual contém instruções mentadora NR11.
fundamentais que devem ser obser-
vadas nos procedimentos de insta- INSTALAÇÃO
lação e operação do equipamento. O Executada por pessoal especializado TRANSFORMAÇÃO DE
manual deve estar sempre disponível e autorizado pela DIAMONT. COMPONENTES DO EQUIPAMENTO
no lugar de uso da instalação.
OPERAÇÃO Não é permitida nenhuma modifica-
ONDE E COMO CONSERVAR Executada por pessoal especializado ção na estrutura ou modo de funcio-
ESTE MANUAL que recebeu treinamento prévio pela namento da máquina, a menos que a
DIAMONT. DIAMONT realize a alteração em caso
Mantenha este manual em local li- de necessidade. Em benefício da se-
vre de umidade e seguro. Em caso de TROCA gurança, devem ser utilizadas somen-
perda ou danos ao manual, é possível Executada por pessoal especializado te peças originais e homologadas pela
solicitar outro exemplar ao fabricante e autorizado pela DIAMONT. DIAMONT. O uso de outras peças pode
citando a versão do manual e o núme- invalidar a garantia e a DIAMONT não
ro de série da máquina. SUCATEAMENTO se responsabilizará pelas conseqüên-
Executada por pessoal especializado. cias.

QUALIFICAÇÃO E TREINAMENTO DO PESSOAL

Os técnicos responsáveis pela instalação e operação devem possuir qualificação correspondente para realizar tais traba-
lhos. Empregue somente pessoal qualificado e habilitado pelo fabricante, para a realização dos serviços. Da não obser-
vação das indicações de segurança, pode se derivar perigos para pessoal, para o meio ambiente e para a natureza, além
da perda de todos os direitos de indenização. Devem ser observadas todas as indicações de segurança expostas neste
manual, as normas nacionais para prevenção de acidentes assim como as indicações do trabalho, operação e segurança
interna da empresa.
10
2.3. SEGURANÇA

A DIAMONT EQUIPAMENTOS ESPECIAIS utiliza NOTAS Quando aparecer o texto marcado ATENÇÃO, significa que
para designar CUIDADO e ALERTA em diferentes situações a informação contida é importante para prevenir danos que
que requerem atenção especial durante a instalação e ope- alguma pessoa possa causar no equipamento devido a pro-
ração, com o objetivo de proporcionar maior segurança. cedimentos incorretos. Preste muita atenção em todos os
avisos de alerta aplicáveis em sua instalação.
Quando aparecer o texto marcado NOTAS, significa que al-
guma mensagem curta ou detalhe importante requerem O símbolo de alerta ! precede notas de cuidado e
atenção especial. alertas de segurança.

Quando aparecer o texto marcado CUIDADO, significa que a O símbolo de alerta precede notas de cuidado e
informação contida é importante para sua proteção e para alerta quanto a descargas elétricas perigosas que podem
a melhor performance do equipamento. Leia atentamente ocorrer em diversas ocasiões.
os avisos de cuidado aplicáveis em sua instalação.

! ATENÇÃO ! ATENÇÃO

Avisos de atenção deverão aparecer em intervalos ade- Avisos de cuidados deverão aparecer em intervalos
quados e em pontos apropriados deste manual para adequados e em pontos apropriados deste manual
alertar aos operadores e pessoal de serviço sobre si- para alertar aos operadores e pessoal de serviço so-
tuações de risco potencial que PODERÃO resultar em bre situações de risco potencial que poderão gerar da-
lesões pessoais severas ou danos aos equipamentos, nos aos equipamentos.
caso não sejam atendidas as normas de segurança.

2.3.1. DICAS DE SEGURANÇA

Siga atentamente os avisos de cuidado, atenção e notas Nunca levante componentes com peso superior a 16 Kg
que são apresentados ao logo deste manual. sem ajuda. Caso seja utilizado algum dispositivo para mo-
vimentação de cargas, certifique-se de que este tenha a
Priorizando a alta performance de qualquer instalação capacidade adequada para suportar a unidade.
e operação, leia atentamente todas as instruções e reco-
mendações contidas neste manual. Qualquer pessoa que estiver trabalhando nos circuitos
elétricos do equipamento deve remover jóias, relógios,
Toda a manutenção e/ou reparos devem ser realizados anéis e etc.
por técnicos de refrigeração autorizados pela DIAMONT.
Certifique-se que a fonte de alimentação elétrica princi-
Nunca opere a unidade com as tampas do gabinete ou pal do equipamento esteja sempre desligada antes de ini-
filtros removidos a menos que instruções específicas in- ciar algum procedimento no aparelho.
dique um procedimento adequado. Neste caso realize o
procedimento com cuidado extremo para evitar ferimentos Com o objetivo de evitar descargas eletrostáticas nos
pessoais. circuitos eletrônicos da máquina, utilize uma cinta de pro-
teção eletrostática para evitar danos no equipamento.

11
Quando for realizado qualquer procedimento elétrico no
equipamento, certifique-se que uma segunda pessoa com !
ATENÇÃO
conhecimento do equipamento e capaz de prestar primei-
ros socorros esteja próxima.
Quando for necessária a execução de qualquer proce-
dimento no circuito frigorífico do aparelho, o técnico
Todas as pessoas que trabalham com o equipamento ou
deverá utilizar EPI (Equipamento de Proteção individu-
próximo dele, devem ser familiares com os perigos asso-
al) como luvas e óculos de proteção.
ciados a parte elétrica da máquina. Etiquetas de segurança
foram posicionadas estrategicamente para chamar a aten-
ção quanto a perigos para as pessoas e também evitar da-
nos no condicionador de ar.

Evite utilizar produtos químicos para limpar o equipa-


mento, algumas substâncias podem danificar a camada
de pintura e também componentes eletrônicos em caso de
limpeza interna.

12
3. INSTALAÇÃO
Todos os procedimentos de instalação dos equipamentos DIAMONT são abordados neste manual, é importante que as
pessoas responsáveis por qualquer intervenção no aparelho leiam atentamente as instruções contidas aqui.

3.2. CONSIDERAÇÕES
3.1. PREPARAÇÃO DA SALA DO LOCAL DE INSTALAÇÃO
A sala onde serão instalados os condicionadores de ar Para não prejudicar a precisão dos mecanismos sensiti-
de precisão da linha Acqua, deverá ser totalmente estan- vos de controle e dispositivos elétricos, não armazene a
que. Para evitar a transmissão de umidade para dentro unidade em local aberto exposto ao tempo e intempéries.
do ambiente climatizado, aplique uma base seladora de No caso de instalações com equipamentos down-flow,
borracha nas paredes, teto e no piso. As portas não devem a unidade deve ser alocada em posição acessível, sobre
possuir frestas ou grelhas que permitam a infiltração de base elevada devidamente fixada e posicionada sobre o
ar externo. piso elevado. Deixar os seguintes vãos para permitir tanto
a substituição de filtros quanto facilitar o procedimento de
O piso da sala deve ser nivelado, evitando desníveis acen- instalação:
tuados em relação às extremidades. O ar refrigerado deve
ser controlado assim como o seu contato com o ar exter-
no, é recomendado que no máximo 5% do ar externo cir-
cule na sala.

m
0m
100

13
3.3. MOVIMENTAÇÃO
E TRANSPORTE
Para o transporte adequado dos con-
dicionadores de ar DIAMONT, deverão
ser observadas as normas de segu-
rança vigentes. A embalagem dos
equipamentos possui bases em forma
de pallet. Os equipamentos são cober-
tos com diversas camadas de plásti-
co e devidamente fixados ao pallet. A
embalagem é devidamente lacrada
com painéis de madeira, protegendo o
equipamento de intempéries.

3.3.1. Instruções para Manobras e Movimentação da Unidade

Para transporte e movimentação da unidade, siga as instruções abaixo:

Aferir no Manual ou na placa da unidade o


peso da mesma. ! ATENÇÃO

Colocar os cabos ou as correntes de levan-


Não tente içar a embalagem pela parte superior, pois o equipamento
tamento por debaixo do estrado de madeira.
pode romper a base inferior causando danos materiais e pessoais.
Outras formas de levantamento poderão
causar danos ao equipamento e lesões pes- Para evitar graves lesões ou danificação da unidade, a capacidade de
soais graves. levantamento do equipamento deve exceder o peso da unidade com
um fator de segurança adequado.
Evitar que as correntes, cordas ou cabos
de aço encostem no condicionador. Utilize
barras separadoras adequadas como mostra A unidade deverá ser transportada unicamente na posição vertical
o desenho. evitando o máximo possível, vibrações e impactos.

Não retirar a embalagem do condicionador


até o mesmo estar no lugar definitivo da ins- Ao receber o equipamento deve-se verificar a integridade do mesmo
talação. Fazer a movimentação com cuidado. quanto a danos exteriores e conferir a nota fiscal de entrega.

Durante o transporte não balance o equi-


Caso a unidade, no momento da entrega ainda não possa ser colocada
pamento mais de 15º com referência à ver-
no local definitivo da instalação, armazene a mesma em local seguro
tical.
protegida da intempérie e/ou outros causadores de danos. A armaze-
nagem, bem como a movimentação indevida dos equipamentos, im-
Sempre faça o teste de levantamento para
plicará na perda de garantia dos equipamentos.
determinar o balanço e estabilidade exato da
unidade antes de levantar a mesma para o
Uma vez que o equipamento é desembalado, todos os procedimentos
local da instalação.
de instalação, operação e manutenção devem ser realizados na par-
te frontal do equipamento. Observe os espaços livre sugeridos neste
Na movimentação horizontal utilize roletes
manual.
do mesmo diâmetro embaixo da base de ma-
deira.
14
3.4. MONTAGEM DO EQUIPAMENTO
A DIAMONT sugere um procedimento de montagem do equipamento garantindo a segurança e integridade da instalação.

3.4.1. Sequência de Montagem

A montagem do equipamento na instalação deve seguir a seqüência apresentada abaixo:

Após desembalar o equipamento, verifique se a unidade Antes de realizar o Start-up, abra a tampa de inspeção
está integra e livre de danos. Caso exista alguma incon- elétrica do aparelho e verifique se todos os componentes do
formidade, comunique imediatamente a central comercial painel elétrico estão devidamente fixados e posicionados.
DIAMONT.
Tenha certeza também de que qualquer fonte de energia
Transporte a unidade na posição vertical até o local de esteja desligada antes da realização de qualquer serviço
instalação e coloque-a sobre um marco de apoio existente no equipamento.
(opcional de projeto) ou sobre uma base elevada (opcional)
no caso de instalação do tipo down-flow. Verifique se as chaves de comando manual estão na
posição desligado.
Assegure-se de que todos os cabos elétricos e as cone-
xões para a tubulação frigorífica da unidade de tratamento Verifique se a tensão de entrada no disjuntor é a mesma
de ar estejam estendidos e preparados para as ligações. indicada na placa de identificação do equipamento.

Verifique as informações de projeto da instalação (Pro- Ativar os contatores de controle de tensão e alimen-
jeto da Obra) quanto a diâmetro de tubulação de água ge- tação, do controlador microprocessado e dos opcionais
lada e bombas para efetuar a ligação hidráulica no equi- fornecidos.
pamento.
Todos os cabos elétricos e tubulações do circuito hi-
Siga atentamente as instruções para ligação elétrica e dráulico necessários para o funcionamento da unidade
programação eletrônica da máquina. são conectados no equipamento pela parte inferior.

CUIDADO

Antes de executar qualquer procedimento nos compo-


nentes elétricos do equipamento, certifique-se de que
o mesmo esteja desligado e sem alimentação elétrica.

Tubulação de
água gelada
Cabos Alimentação do
elétricos Dreno umidificador (H 0)
²

15
3.5. INTERLIGAÇÃO HIDRÁULICA
Este manual apresenta as principais instruções que devem ser executadas durante o procedimento de interligação hi-
dráulica entre os condicionadores de ar Fancoil e as unidades resfriadoras de líquido (Chiller) do seu condicionador de ar
de precisão DIAMONT.

3.5.1. Equipamento 3.5.2. Procedimento de Interligação Hidráulica

A instalação do equipamento deve ser feita 1º ETAPA: Desembalar a unidade evaporadora posicionando-a em seus
levando-se em conta os seguintes aspectos: respectivos locais de funcionamento;

Piso nivelado. 2º ETAPA: Verifique as distâncias que as unidades devem oferecer em


relação a paredes ou obstáculos para evitar problemas de curto-circui-
Ambientes onde não exista acúmulo de to de ar e acesso ao equipamento;
sujeira.
3º ETAPA: Consulte o projeto da instalação para determinar as cone-
Local onde não exista nada que possa im- xões hidráulicas para ligação hidráulica do Fancoil com o Chiller.
pedir a circulação de ar e com espaço sufi-
ciente para manutenção. 4º ETAPA: Verifique se o projeto da obra determina a instalação de
bomba hidráulica para garantir a pressão de fluxo nos Fancoil.
Prever os espaços livres necessários para
serviços de manutenção e assistência técni- 5º ETAPA: Realize a ligação hidráulica entre o Fancoil de precisão DIA-
ca, limpeza da serpentina e bandeja do cli- MONT e a unidade resfriadora de líquido (Chiller). É importante que a
matizador, comparando cuidadosamente os instalação possua válvula balanceadora, filtro “Y” e válvulas de blo-
desenhos dimensionais da unidade com os queio.
desenhos do projeto.
6º ETAPA: Após estes procedimentos comunique o fabricante para a
As tubulações de água gelada devem ter realização do start-up obrigatório.
filtros do tipo “Y” apropriados que assegu-
rem a limpeza do sistema. Estes filtros pode-
rão ser instalados na central de água gelada ! ATENÇÃO
(chillers) ou em cada módulo (recomendado).
Evite posicionar e fixar a tubulação de interligação hidráulica em
Recomenda-se o tratamento de água a fim áreas que sofram demasiada vibração.
de evitar falhas prematuras do equipamento,
falhas que não estão cobertas pela garantia.

Faça as conexões hidráulicas à serpentina


do climatizador. Faça os suportes das tubula-
ções de forma a evitar que o peso caia sobre
a unidade.

Deve ser checada a bitola de conexão da


serpentina para perfeito acoplamento com a
tubulação hidráulica, não devendo existir va-
zamento de água. A água de condensação é
purgada da unidade pelo dreno da bandeja.

16
3.6. INSTALAÇÃO ELÉTRICA
Este manual apresenta as principais instruções que devem ser lidas e executadas durante a instalação elétrica do seu
condicionador de ar de precisão DIAMONT.

3.6.1. Procedimento de Instalação Elétrica

1º ETAPA: Posicionar cabo de alimentação elétrica da unidade Fancoil.

2º ETAPA: Cada condicionador de ar deve possuir um ponto de alimentação independente equipado com disjuntor de
proteção individual, conforme potência nominal do aparelho indicada na etiqueta de identificação. Verifique se o ponto de
alimentação possui a mesma tensão especificada na etiqueta do equipamento.

3º ETAPA: O instalador deve garantir o correto aterramento do equipamento.

4º ETAPA: Em instalações que possuam mais de um módulo instalado, é necessária a instalação de um cabo para comu-
nicação entre os módulos.

5º ETAPA: Instalar o sensor de detecção de água no piso, apenas no primeiro módulo, quando se tratar de máquinas do
tipo down-flow. Este sensor é padrão para o módulo máster da instalação, para os demais equipamentos o sensor é op-
cional. A DIAMONT fornece o esquema elétrico do borne para ligação de dois cabos nus (não fornecidos pela DIAMONT)
para ligação.

6º ETAPA: Quando houver instalação do software supervisório, disponibilizar um PC dedicado ao equipamento com porta
serial. Caso o PC não tenha a porta serial, o cliente deve fornecer um cabo conversor RS232/USB. O cabo par trançado 4
vias – Seção 0,1 mm², não é fornecido pela DIAMONT.

3.7. START UP
Após a realizar a interligação frigorífica entre as unidades evaporadora e condensadora e a instalação elétrica, não ligue
a máquina em hipótese alguma. Todos os equipamentos fornecidos pela DIAMONT devem ser acionados pela primeira
vez por um técnico autorizado da DIAMONT. Este procedimento vai garantir o correto funcionamento do sistema além de
validar a garantia DIAMONT sobre seu investimento.

17
4. OPERAÇÃO
Todos os procedimentos de operação dos equipamentos DIAMONT são abordados neste manual, desde a verificação das
condições ambientais de funcionamento até intervenções em todos os níveis de operação do aparelho.

4.1. PROCEDIMENTO DE VERIFICAÇÃO INICIAL


Antes de partir a unidade, verifique as condições acima e os seguintes itens:

Verifique a instalação e funcionamento de todos os equipamentos tais como Fancoil e Chiller.

Verifique as condições de fixação das conexões elétricas.

Confirme que não há vazamentos de água na tubulação hidráulica.

Confirme que o suprimento de força é compatível com as características elétricas da unidade.

Verifique se o sentido de rotação dos ventiladores está correto.

Assegure-se que todas as válvulas de serviço estão na correta posição de operação.

4.1.1. Condições Limite de Aplicação e Operação

Segue abaixo a tabela de condições limite de aplicação, ou seja, os parâmetros máximos que o equipamento suporta sem
considerar o funcionamento contínuo nestas condições.

SITUAÇÃO VALOR MÁXIMO ADMISSÍVEL PROCEDIMENTO

Temperatura do Ar externo 40°C Para temperaturas superiores a


40°C, consulte o departamento
técnico da DIAMONT

Tensão nominal Variação de mais ou menos 10% em re- Verifique sua instalação e/ou contate a
lação ao valor local de energia elétrica companhia de energia elétrica

Desbalanceamento de Tensão: 2% Verifique sua instalação e/ou contate a


rede Corrente: 10 % companhia local de energia elétrica

Distância e desnível das unidades Distância: 50 m Para distâncias maiores, consulte o de-
condensadora e evaporadora Desnível: 20 m partamento técnico da DIAMONT

18
4.1.2. Configurações de Fábrica

Abaixo estão relacionadas as configurações mínimas para o funcio-


namento do sistema.

PARÂMETRO CONFIGURAÇÃO DEFAULT

Set Point de temperatura 21,0° C


Temperatura alta 25,0° C
Temperatura baixa 18,0° C

Set Point de umidade 55,0 % Ur


Diferencial de umidade - Válvula 1,0 % Ur

Diferencial de umidade - Umidificador 5,0 % Ur

Histerese de umidade - Válvula 1,0 % Ur

Histerese de umidade - Umidificador 5,0 % Ur

Umidade alta 75,0 % Ur

Umidade baixa 35,0 % Ur

4.2. MICROPROCESSADOR DIANET


O Controlador DIAMONT é resultado de pesquisa e desenvolvimento voltados especificamente para o controle e supervi-
são dos equipamentos de climatização DIAMONT.

! ATENÇÃO

Instalar em local coberto e sem condensação.

Identificar os cabos elétricos com anilhas nas extremidades, sendo que os de alimentação devem ser de cores dife-
rentes para uma fácil identificação no campo.

Verificar o acabamento das ligações feitas pelo instalador (ex: terminais, abraçadeiras e anilhas).

Utilizar para os sinais analógicos (EA - entrada analógica), fiação com cabo flexível torcido, evitando encaminha-
mentos próximos a campos eletromagnéticos.

Observar a tensão e a polarização adequadas para a energização do equipamento, 24 VCA (-15 / + 10%).

Garantir que os sensores de temperatura e umidade estejam conectados às entradas correspondentes e com a
polaridade correta.

Garantir que o sensor conjugado de temperatura e umidade interna esteja instalado no ponto de retorno e entre as
duas máquinas, em posição que possibilite fluxo de ar.

Não instalar o sensor de temperatura externa em local com incidência direta do sol, e se a emenda estiver exposta
ao tempo, deve ser recoberta com silicone não-asséptico (REF. RODHIASTIC 666).

19
Não utilizar o cabo do neutro como TERRA.

Observar que as saídas digitais são contatos de relés com carga máxima de 2A em 24 VCA.

Nunca utilizar ferramentas não apropriadas para o serviço.

Cuidar com descargas eletrostáticas, pois podem danificar componentes eletrônicos.

4.2.1. PLANTWATCH PRO

PlantWatchPRO é a nova solução assinada pela CAREL pensada para a supervisão de instalações de pequena e médias
dimensões.

Completa possibilidade de configuração de rede e alarmes, simplicidade de navegação e um design atraente são algumas
das características que colocam PlantWatchPRO como produto de vanguarda na sua categoria. Um display colorido LCD,
touch screen e o uso de práticos menus guiam o usuário de maneira simples e intuitiva, sem o uso de um PC (eventual-
mente conectável), fornecendo assim uma prática solução para todos os ambientes nos quais frequentemente um calcu-
lador não encontra espaço onde se colocar. Outras inovadoras características de PlantWatch PRO são:

Possibilidade de conectar e controlar até 100 dispositi- Importação de novos dispositivos padrão ou personali-
vos. zados.

Utilização dos protocolos CAREL ou Modbus para a co- Visualização de gráficos.


nexão.
Sensor de proximidade que habilita o display sem que o
Registro de aproximadamente 100 variáveis, com amos- usuário tenha de abrir a porta.
tragens a cada 15 minutos, por mais de um ano.
Gestão externa do bip.
Grau de proteção IP65 entre chassi e frontal.
Possibilidade total de configuração dos alarmes.
Programado para a conexão ao sistema de supervisão
PlatnVisorPRO Remoto. Lista para os contatos SMS, fax, e-mail.

Um software Sentinela que aumenta e melhora a con- Gestão ativa do degelo.


fiabilidade do sistema;
Possibilidade de acessar à gestão do sistema por parte
3 relés na saída, para sinalização de alarmes ou ativa- de vários usuários, inclusive com diferentes privilégios no
ção de luzes e degelo. controle (administrador, usuário normal, usuário com pri-
vilégios).
Possibilidade de exportar dados (alarmes, eventos, con-
figurações de instalações e modelos e relatórios de vari- Instrumento adequado para ambientes técnicos, não
áveis) através do uso de uma chave de memória USB (os contém partes em movimento.
dados são descarregados em formato compatível com Mi-
crosoft Excel e com Microsoft Word).

20
1 touch screen
2 sensor de proximidade
3 indicador de alarme
1
4 indicador de acionamento
2
5 conectores USB
3
4 6 porta transparente

5
6

Display

Uma das principais características de PlantWatchPRO é a interface


usuário. A eventual navegação via web se dá com a mesma interface
gráfica, totalmente equiparada ao touch screen com exceção de algu-
mas funções ativáveis unicamente com PlantWatchPRO mediante cha-
ve de memória USB (indicada no texto com ).

21
Teclado Touch Screen

No display touch screen aparece ao usuário, cada vez que houver necessidade de
digitar algo (letras, números ou símbolos) o seguinte teclado:
Do teclado principal (letras maiúsculas) passa-se aos outros carregando nas teclas:

para passar às letras minúsculas

para o teclado numérico

para a simbologia e pontuação

Botão Descrição

Tecla BACK: permite voltar sempre à tela anterior. Se apertada quando está na página principal,
volta automaticamente à tela de login

Tecla HOME: leva novamente à página principal

Tecla SILENCE: permite silenciar o alarme sonoro gerado pelo bip (ou pela sirene extra, se instalada)

Tecla HELP: apertando a tecla HELP será visualizada uma rápida explicação das funções previstas naquela
determina tecla

Para sair da tecla HELP é preciso obrigatoriamente apertar a tecla


Visualiza a lista dos dispositivos da instalação e os respectivos alarmes. Quando um dispositivo gera um
alarme, esta tecla torna-se vermelha ( ) até que o alarme seja visto pelo usuário -PV-,
cancelado -Canc- e removido - Rem- .

Reinicializa o software do sistema carregando as alterações feitas na configuração; caso sejam feitas
alterações que precisem carregar a nova configuração, a tecla aparece em vermelho ( )
até que seja apertada para as tornar ativas. A operação de carregamento destas pode exigir alguns
instantes.

Para poder tornar realmente ativas as alterações relativas à configuração do sistema é necessário
recarregar o software (com a tecla ), depois de ter confirmado tais alterações.

Leva à janela de configuração do programa “Sentinela”; os canais de notificação indicados serão


utilizados pelo “Sentinela” para enviar eventuais notificações de mau-funcionamento de Plant-
WatchPRO ao pessoal técnico indicado. Esta tecla também, como as duas anteriores, fica vermelha
( ) quando se aciona tal programa.

Tecla CONFIRM: confirma as alterações feitas na tela

Percorre uma lista para cima

Percorre uma lista para baixo

Percorre uma lista passando ao dispositivo anterior

Percorre uma lista passando ao dispositivo seguinte

Permite acessar a legenda do gráfico das variáveis na tela específica

Adicionar

Remover

Para remover um objeto (dispositivo, faixa horária, ação,...), apertar antes a tecla e depois
selecionar o objeto que deseja eliminar.

22
4.2.2. Hardware e Operação

Botão Descrição

ALARM Exibe os alarmes, silencia o aviso sonoro e apaga os alarmes antigos

Se o cursor está no canto esquerdo superior “home position”, desloca a tela para cima no mesmo grupo;
UP
caso o cursor esteja no campo de ajuste, altera o valor para cima

Se o cursor está no canto esquerdo superior “home position”, desloca a tela para baixo no mesmo grupo;
DOWN
caso o cursor esteja no campo de ajuste, altera o valor para baixo

Usado para mover o cursor do canto esquerdo superior (home position) para os campos de ajuste, nos
ENTER
campos de ajuste confirma o valor estabelecido e move para o próximo parâmetro

Acessa o menu para selecionar o grupo de parâmetros a serem exibidos/modificados (o acesso aos parâ-
PRG
metros é confirmado pressionando o botão ENTER)

PRG + ENTER Display temporário do “serial address” da placa pLAN

4.2.3. Inversores

Este item descreve a Interface Homem-


Máquina (IHM) e a forma de usá-la, dando
as seguintes informações:

LED “Parameter”
Descrição geral da IHM. Display de LEDs
LED “Value”
Uso da IHM.
Potenciomêtro
Organização dos parâmetros do inversor.
(Disponível
somente na
Modo de alteração dos parâmetros (pro-
versão PLus)
gramação).

Descrição das indicações de status e das


sinalizações.

A IHM do inversor contém um display de LEDs com 3 dígitos de 7 segmentos, 2 LEDs e 4 teclas. A figura a seguir mostra
uma vista frontal da IHM e indica a localização do display e dos LEDs. A versão Plus do inversor de frequência possui
ainda um potenciomêtro para ajuste de velocidade.

23
Funções do display de LEDs
Mostra mensagens de erro e estado, o número do parâmetro ou o seu conteúdo.

Funções dos LEDs “Parameter” e “Value”


Inversor indica o número do parâmetro: LED verde apagado e LED vermelho aceso.
Inversor indica o conteúdo do parãmetro: LED verde aceso e LED vermelho apagado

Função do Potenciômetro: Aumenta/Diminui a velocidade (disponível somente na versão Plus).

Funções básicas das teclas:

Habilita/Desabilita o inversor via rampa de aceleração/desaceleração (partida/parada). Reseta o inversor após a


ocorrência de erros.

Seleciona (comuta) display entre número do parâmetro e seu valor (posição/conteúdo).

Aumenta a velocidade, número do parâmetro ou valor do parâmetro.

Diminui a velocidade, número do parâmetro ou valor do parâmetro.

A IHM é uma interface simples que permite a operação e a programação do inversor. Ela apresenta as seguintes
funções:

Indicação do estado de operação do inversor, bem como das variáveis principais.


Indicação das falhas.
Visualização e alteração dos parâmetros ajustáveis.
Operação do inversor (tecla ) e variação da referência da velocidade (teclas e ).
Potenciômetro para variação da freqüência de saída (somente na versão Plus).

24
4.2.4. Monitor de Tensão com Proteção para Cargas Trifásicas

O PhaseLog plus é um equipamento para monitoramento e proteção de instalações elétricas podendo ser utilizado tanto
em aplicações residenciais quanto comerciais. Sendo dotado de relógio de tempo real e memória interna o PhaseLog
plus é capaz de armazenar os valores de tensão de cada fase da rede elétrica em períodos de tempo determinados pelo
usuário. Através do método de medição de tensão True RMS* o PhaseLog plus realiza o monitoramento da qualidade de
energia e pode proteger cargas trifásicas contra: sub e sobre tensão, assimetria angular, assimetria modular, falta de
fase e seqüência de fases.

Utilizando-se o software SITRAD® a configuração do PhaseLog plus é feita de maneira simples e rápida tal como o aces-
so das informações gravadas na memória interna do mesmo.

*True RMS: Valor real (eficaz verdadeiro) da tensão, considerando, inclusive, a contribuição gerada pelos ruídos de alta
freqüência existentes na rede (distorção harmônica). Essa é a verdadeira tensão que está sendo percebida pela carga
conectada (exemplos: motor, compressor). Através deste método, pode-se medir com exatidão a tensão em qualquer
forma de onda, enquanto os métodos tradicionais a medem corretamente apenas quando ela possuir uma forma de onda
senoidal perfeita.

4.2.4.1. Configurações

Pressione e simultaneamente por 2 segundos até aparecer , soltando em seguida. Ao aparecer


pressione (toque curto) e insira o código (123) através das teclas e . Para confirmar pressione a tecla
. Através das teclas e acesse as demais funções e proceda do mesmo modo para ajustá-las. Para sair do menu
e retornar à operação normal, pressione (toque longo) até aparecer .

4.2.4.1.1. Funções

Entrada do código de acesso

Funções de configuração avançada

Ajuste do relógio e data

25
4.2.4.1.2. Tabela de Parâmetros

Botão Descrição Mínimo Máximo Unidade Padrão

Quantidade de fases em funcionamento 1 3 - 3

Ativa detecção de inversão de fase 0-não 1-sim - 1-sim

Sensibilidade da assimetria angular 0 100 - 80.0

Tempo para validar assimetria angular 0 30 seg. 5

Sensibilidade da assimentria modular 0 100 - 80,0

Tempo para validar assimetria modular 0 30 seg. 5

Tensão mínima de funcionamento 90 500 Vac. 90

Tensão máxima de funcionamento 90 500 Vac 500

Tempo para validação de tensão fora da faixa 0 30 seg. 5

Offset de indicação de tensão R -20 20 Vac 0

Offset de indicação de tensão S -20 20 Vac 0

Offset de indicação de tensão T -20 20 Vac 0

Delay ao energizar o controlador 0 999 seg. 0

Tempo para rearme do relé 0 999 seg. 0

Instrumento alimentado por fonte auxiliar de energia 0-não 1-sim - 1-sim

Acionamento do dataloger 0 2 - 2

Tempo entre cada amostra na memória 5 999 seg. 5

Variação de tensão para forçar a escrita de dados 3 Volts

Variação no estado da saída para forçar a escrita de dados 0-desl. 1-lig. - 0-desl.

Sobrescrever os dados antigos do dataloger 0-não 1-sim - 1-sim

Indicação preferencial no display -

Endereço na rede RS - 485 1 247 - 1

26
4.2.4.2. Descrição dos parâmetros

Quantidade de fases em funcionamento


Neste parâmetro o usuário configura quais as fases que estão conectadas no instrumento e que se deseja monitorar:

Somente Fase R (utilizado em ligações monofásicas).


Fases R e S (utilizado em ligações bifásicas).
Fases R, S e T (utilizado em ligações trifásicas).

Ativa detecção de inversão de fase


Neste parâmetro pode-se ajustar se o monitor trifásico irá supervisionar a seqüência das fases, desta forma protegendo
a carga de uma possível inversão de fase. Obs: a proteção contra inversão de fase somente está disponível se F01 for
configurada com o valor 3.

Sensibilidade da assimetria angular


Neste parâmetro o usuário pode ajustar a sensibilidade com que o PhaseLog plus irá detectar a assimetria de ângulo
das fases configuradas em F01. Quanto maior o valor deste parâmetro menor será a tolerância ao erro. Caso deseja-se
desativar este monitoramento basta configurar a função com o valor 00.0.

Tempo para validar assimetria angular


Tempo em segundos que o monitor trifásico aguarda para validar o erro de assimetria angular.

Sensibilidade da assimetria modular


Neste parâmetro o usuário pode ajustar a sensibilidade com que o PhaseLog plu irá detectar a assimetria de módulo das
fases configuradas em F01. Quanto maior o valor deste parâmetro mais facilmente o controlador irá detectar o erro. Caso
deseja-se desativar este monitoramento basta configurar a função com o valor 00.0.

Tempo para validar assimetria modular


Tempo em segundos que o monitor trifásico aguarda para validar o erro de assimetria modular.

Tensão mínima de funcionamento


Limite inferior de tensão para que o PhaseLog plus acione a proteção de carga.

Tensão máxima de funcionamento


Limite superior de tensão para que o PhaseLog plus acione a proteção de carga.

Tempo para validação de tensão fora da faixa


Tempo em segundos que o monitor trifásico aguarda para validar o erro de tensão fora da faixa.

Offset de indicação de tensão R


Este parâmetro permite ajustar o offset de indicação de tensão da fase R.

Offset de indicação de tensão S


Este parâmetro permite ajustar o offset de indicação de tensão da fase S.

Offset de indicação T
Este parâmetro permite ajustar o offset de indicação de tensão da fase T.

27
Delay ao iniciar controlador
Tempo em segundos em que o PhaseLog plus irá aguardar antes de acionar sua saída.

Tempo para rearme do relé


Tempo em segundos em que o PhaseLog plus irá aguardar antes de re-acionar sua saída.

Instrumento alimentado por fonte auxiliar de energia


Indica se o instrumento está sendo alimentado por uma fonte auxiliar de energia (ex: No-break).

Alimentado diretamente pela rede elétrica.


Alimentado por uma fonte auxiliar.

Acionamento do datalogger
Indica como é acionado o dispositivo de registro de tensão.

Sempre desligado.
Sempre ligado.
Operação manual.

Tempo entre cada amostra na memória


Período de tempo em que o controlador irá gravar uma amostra das tensões.

Variação de tensão para forçar a escrita de dados


Diferença de tensão em qualquer uma das fases monitoradas para que o PhaseLog plus force a gravação dos dados na
memória independentemente do tempo de amostragem configurado em F17.

Esta função pode ser configurada de 3 a 50 volts, sendo que para desativar a mesma basta pressionar a tecla até que
a mensagem apareça no display.

Variação no estado da saída para forçar a escrita de dados


Indica se a alteração na saída irá forçar a gravação dos dados na memória independentemente do tempo de amostragem
configurado em F17

Sobrescrever os dados antigos do datalogger


Esta função indica se o controlador deverá começar a escrever os novos dados no início da memória do datalogger quan-
do esta estiver cheia. Esta função evita que os últimos dados calculados pelo equipamento sejam perdidos.

Indicação preferencial no display


Neste parâmetro o usuário configura qual a tensão de fase que se deseja mostrar no display por padrão:

Fase R.
Fase S.
Fase T.
Indicação alternada de todas as fases.

Endereço na rede RS-485


Endereço do instrumento na rede para comunicação com o software SITRAD®. Obs: em uma mesma rede não pode haver
mais de um instrumento com o mesmo endereço.
28
4.2.4.3. Funções com Acesso Facilitado

4.2.4.3.1. Visualizar Horário Atual

Pressionando rapidamente a tecla pode-se visualizar a data e o horário ajustado no controlador. Será exibido em
seqüência no display o dia, mês, ano, hora e minutos atuais.

Ex: 17/03/2006 12h43 min


Dia
Mês
Ano
Horas
Minutos

4.2.4.3.2. Visualizar Tensões Máximas e Mínimas

Pressionando a tecla pode-se visualizar as tensões mínimas e máximas de cada fase. Ao pressionar a tecla
(toque curto), será exibida a mensagem indicando a tensão da fase R e logo em seguida suas tensões mínima e
máxima, logo após serão exibidas as tensões da fase S ( ) e da fase T( ). Para reinicializar os registros, solte e
volte a pressionar a tecla mantendo a mesma pressionada até aparecer a mensagem .

4.2.4.3.3. Visualizar outras Tensões

Para alternar entre a visualização da tensão da fase R, fase S ou fase T, pressione até que seja exibida no display a
fase desejada:

Tensão na fase R
Tensão na fase S
Tensão na fase T

A tensão selecionada será exibida no display durante 15 segundos e a após transcorrido o tempo a indicação preferencial
volta a ser exibida (conforme ajustado no parâmetro F21)

4.2.4.3.4. Apagar toda Memória do Datalogger

Pressione por 4 segundos as teclas e e aguarde a mensagem . Após esta o display irá exibir
, caso não queira apagar a memória pressione a tecla . Para apagar a memória pressione a tecla até que a
mensagem apareça no display, pressione para confirmar e sair da função.

29
4.2.4.3.5. Acionamento Manual do Datalogger

Pressionando-se a tecla por 2 segundos pode-se ativar ou desativar o funcionamento do registro interno de valo-
res de tensão (datalogger). Será exibida a mensagem seguida da mensagem para quando o datalogger for
ativado e para quando este for desativado.

Caso o parâmetro F15 esteja configurado com os valores ou serão exibidas mensagens e res-
pectivamente.

4.2.4.4. Sinalizações

Erro na leitura de tensão da fase T


Erro na leitura de tensão da fase R
Erro na leitura de tensão da fase S
Alarme de tensão fora da faixa
Alarme de inversão de seqüência de fase
Alarme de assimetria angular
Alarme de assimetria modular
Alarme de memória do datalogger cheia
Memória do datalogger corrompida
Parâmetros de configuração desprogramados ou fora da faixa
Indica que está varrendo a memória do datalogger ao iniciar o controlador
Obs: Esta função pode demorar caso existam muitos dados na memória do datalogger.

4.2.5. Controlador Digital

Os equipamentos da Linha Acqua estão equipados com controlador digital que é utilizado quando o equipamento está em
modo manual. O acionamento do sistema ocorre de acordo com o seguinte mecanismo.

Quando a temperatura do ar na entrada do condicionador atingir o valor ajustado, o contato do controlador digital irá
fechar acionando o compressor e o ventilador do condensador para funcionamento;

Caso contrário, quando a temperatura interna atingir a temperatura ajustada o controlador desligará a unidade;

Caso haja a necessidade de acionamento através de chave de fim de curso (acionar com a porta do painel fechada).

30
4.2.5.1. Programação do Controle (Setpoint)

Pressione por 2 segundos até aparecer , soltando em seguida.

Aparecerá e a temperatura ajustada para o 1º estágio

Utilize as teclas e para modificar o valor e, quando pronto,

pressione

Aparecerá agora e a indicação da temperatura ajustada para o 2º

estágio (se F08 = 0 ou F08 = 1)

Utilize as teclas e para modificar o valor e, quando pronto,

pressione

4.2.5.2. Tabela de Parâmetros

Função Descrição Mínimo Máximo Unidade

F01 Código de acesso: 123 (cento e vinte três) - - -

F02 Deslocamento de indicação -5.0 5.0 °C

F03 Modo de operação do 1° estágio ¹ 0 1 -

F04 Faixa permitida (bloqueio de mínima) no 1º estágio -50 105 °C

F05 Faixa permitida (bloqueio de máxima) no 1º estágio -50 105 °C

F06 Diferencial de controle (histerese) do 1º estágio 0,1 20,0 °C

F07 Retardo mínimo para ligar a saída do 1º estágio 0 999 seg.

F08 Modo de operação do 2º estágio ² 0 4 -

F09 Faixa permitida (bloqueio de mínimo) no 2º estágio -50 105 °C

F10 Faixa permitida (bloqueio de máximo) no 2º estágio -50 105 °C


F11 Diferencial de controle (histerese) do 2º estágio 0,1 20,0 °C

F12 Retardo mínimo para ligar a saída do 2º estágio 0 999 seg.

F13 Tempo de inibição do alarme ao ligar o controlador 0 999 min.

F14 Tempo ligado da saída de alarme 0 999 seg.

F15 Tempo desligado da saída de alarme 0 999 seg.

NOTA: A função Fo2 permite corrigir eventuais desvios na leitura, provenientes da troca do sensor.
NOTA: Se for configurado 0 (zero) nas funções F14 e F15 a saída 2 permanecerá ligada enquanto persistir a condição de alarme

31
4.2.6. Sistema de Monitoramento em Funcionamento

Alarme áudio/sonoro

Alarme
SMS
Manutenção remota e-mail

32
5. CONTATOS
A DIAMONT conta com profissionais extremamente preparados em todos os níveis da orga-
nização. Nossos consultores terão imenso prazer em ajudá-lo a encontrar a melhor solução
para o seu problema.

Para você garantir equipamentos de alta qualidade e confiabilidade, entre em contato com a
central comercial DIAMONT.

Fone: (55) - (41) - 3525-5100


E-mail: assistencia@diamont.com.br

33
ANEXO I – TABELA DE CONVERSÃO DE UNIDADES
UNID. MULTIPLIQUE POR PARA OBTER UNID.
PRESSÃO MPa
kgf/cm² Quilos por centímetro quadrado 0,0981 Mega Pascal MPa
kgf/cm² Quilos por centímetro quadrado 14,22 Libras por polegada quadrada psi
kgf/cm² Quilos por centímetro quadrado 10,0 Metro de coluna d’água mca
kgf/cm² Quilos por centímetro quadrado 32,8 Pés de coluna d’água ftca
kgf/cm² Quilos por centímetro quadrado 0,981 bar bar
MPa Mega Pascal 144,8 Libras por polegada quadrada psi
MPa Mega Pascal 102 Metro de coluna d’água mca
MPa Mega Pascal 334 Pés de coluna d’água ftca
MPa Mega Pascal 10 bar bar
psi Libras por polegada quadrada 0,703 Metro de coluna d’água mca
psi Libras por polegada quadrada 2,310 Pés de coluna d’água ftca
psi Libras por polegada quadrada 0,06895 bar b\r
mca Metro de coluna d’água 3,28 Pés de coluna d’água ftca
mca Metro de coluna d’água 0,98 bar bar
Bar bar 33,44 Pés de coluna d’água ftca
VAZÃO
m³/h Metro cúbico por hora 0,278 Litros por segundo l/s
m³/h Metro cúbico por hora 4,403 Galões por minuto gpm
m³/h Metro cúbico por hora 264,18 Galões por hora gph
m³/min Metro cúbico por minuto 35,31 Pés cúbicos por minuto cfm
l/s Litros por segundo 15,85 Galões por minuto gpm
l/s Litros por segundo 951,12 Galões por hora gph
POTÊNCIA
kW Quilowatt 1,358 Cavalo Vapor CV
kW Quilowatt 1,342 Horse Power HP
kW Quilowatt 860 Quilocaloria por hora kcal/h
kW Quilowatt 0,2844 Tonelada de Refrigeração por hora TR/h
kW Quilowatt 3413 British Thermal Unit por hora Btu/h
CV Cavalo Vapor 0,9863 Horse Power HP
kcal/h Quilocaloria por hora 0,0003307 Tonelada de Refrigeração por hora TR
kcal/h Quilocaloria por hora 3,968 British Thermal Unit por hora Btu/h
TR Tonelada de Refrigeração por hora 12000 British Thermal Unit por hora Btu/h
TEMPERATURA
°C Grau Celcius (°C x 9/5) + 32 Grau Fahrenheit °F
°F Grau Fahrenheit (°F - 32) x 5/9 Grau Celcius °C
VOLUME
m³ Metro cúbico 264,2 Galão Americano gl
m³ Metro cúbico 35,314 Pé cúbico ft³
l Litro 0,2642 Galão Americano gl
gl Galão Americano 7,481 Pé cúbico ft³
COMPRIMENTO
m Metro 39,37 Polegadas in
m Metro 3,281 Pés ft
in Polegadas 2,54 Centímetro cm
ft Pés 30,48 Centímetro cm
PESO
kg Quilograma 2,205 Libras lb
kg Quilograma 35,27 Onças oz
oz Onça 28,35 Gramas g
ÁREA
ft² Pés Quadrados 0,93 Metros quadrados m²
in² Polegadas Quadradas 645,2 Milímetros quadrados mm²
VELOCIDADE
ft/min Pés por Minuto 0,00508 Metros por segundo m/s
ft/s Pés por Segundo 0,3048 Metros por segundo m/s

34