Sei sulla pagina 1di 5

Perspectivas Médicas

ISSN: 0100-2929
perspectivasmedicas@fmj.br
Faculdade de Medicina de Jundiaí
Brasil

Rodrigues Góis, Fernando; Kühl Svoboda, Walfrido; Carneiro da Rocha, Tatiana; Carneiro
Gomes, Eliane
Dengue nas Américas de 2000 a 2015: correlação e projeção
Perspectivas Médicas, vol. 27, núm. 2, mayo-agosto, 2016, pp. 5-8
Faculdade de Medicina de Jundiaí
São Paulo, Brasil

Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=243249177002

Como citar este artigo


Número completo
Sistema de Informação Científica
Mais artigos Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal
Home da revista no Redalyc Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto
5

ARTIGO ORIGINAL

Dengue nas Américas de 2000 a 2015: correlação e projeção

Dengue in the Americas 2000 to 2015: correlation and projection

Palavras-chave: dengue; correlação; projeção


Keywords: dengue; correlation; projection

Fernando Rodrigues Góis1,


Walfrido Kühl Svoboda2,
Tatiana Carneiro da Rocha3,
Eliane Carneiro Gomes4

1
Mestrando em Ciências Farmacêuticas apresentados no combate a doença ainda não
pela Universidade Federal do Paraná, Paraná, foi encontrada uma solução eficaz. O trabalho
PR teve como objetivo correlacionar dados da
2
Professor Associado do Curso de Saúde dengue no continente americano nos últimos 15
Coletiva pela Universidade Federal da anos e projetar os próximos quatro, nos quesitos
Integração Latino-Americana, Paraná, PR de número de casos; número de óbitos; número
3
Doutoranda em Ciências Farmacêuticas de alertas e número de publicações. As
pela Universidade Federal do Paraná, Paraná, correlações foram feitas pelo método do
PR coeficiente de correlação de Pearson (r), que
4
Professora Associada do Curso de Saúde revelou correlações positivas importantes entre
Pública e Ambiental pela Universidade Federal casos x mortes, caso x publicações e
do Paraná, Paraná, PR publicações x alertas onde se é observado um
crescimento em todos os casos e seguindo a
C o r re s p o n d ê n c i a p a r a : F e r n a n d o tendência podemos projetar para 2019 uma
Rodrigues Góis, Universidade Federal do constante de crescimento em todos os casos.
Paraná - Campus III – Departamento de
Farmácia - Laboratório de Saúde Pública e ABSTRACT
Ambiental.
Av. Pref. Lothário Meissner, 632 - Jardim The American continent, to the years has
Botânico CEP: 80210-170 - Curitiba/PR proved increasingly urbanized, within this
e-mail: gois@ebiotecnologia.org aspect also was observed the dengue advance
(types 1,2,3 and 4). Even though records for over
Não existem conflitos de interesse 250 years, the dengue remains a public health
problem that afflicts the continent. However,
Artigo recebido em: 12 de abril de 2016 efforts and methods presented in combating the
Artigo aceito em: 10 de outubro de 2016 disease yet are not effective for its solution. The
study aimed to correlate the dengue data in the
RESUMO Americas over the past 15 years and projecting
the next four, the number of cases of questions;
O continente americano, ao decorrer dos number of deaths; number of alerts and the
anos vem se mostrando cada mais urbanizado, number of publications. Correlations were
dentro desse aspecto também é verificado que o made by the method of Pearson's correlation
avanço do dengue (tipos 1,2,3 e 4), assume coefficient (r), which showed significant
grandes proporções, mesmo tendo registros há positive correlations between cases x deaths x
mais de 250 anos a dengue continua sendo um publications; and publications x alerts where it
problema de saúde pública que aflige o is observed an increase and that can design for
continente e por mais esforços e métodos 2019 a growth in all cases.

Perspectivas Médicas, 27(2): 5-8, mai/ago 2016. DOI: 10.6006/perspectmed.20160201.7253645172


6
Dengue nas Américas de 2000 a 2015: correlação e projeção - Fernando Rodrigues Góis e cols.

INTRODUÇÃO aplicadas, como inseticidas, campanhas


educativas, armadilhas, mosquitos
A dengue é uma doença febril transitória, geneticamente modificados ou infectados por
8-10
cujos sintomas preliminares são dor de cabeça, bactérias . Em 2014, a Organização
dor nos olhos, dor nas costas, dores musculares Panamericana da Saúde (OPAS) lançou um
e articulares e erupção cutânea. O vírus detém novo plano estratégico de combate à dengue
quatro sorotipos diferentes (tipos 1,2,3 e 4). Na (2014 a 2019), substituindo o anterior (2008 a
11
transmissão silvestre, a qual envolve animais, 2013) .
os primatas são os hospedeiros principais, A mensuração de índices epidemiológicos
enquanto o homem é hospedeiro acidental. Não de infestação é fundamental, pois ela ajuda na
é relatada a existência de imunidade cruzada, orientação e avanços necessários a curto e
12
logo a infecção por um dos sorotipos só confere longo prazo .
imunidade humoral por longos períodos ou O objetivo desse artigo é correlacionar e
permanente para aquele sorotipo, porem existe projetar dados sobre a dengue nas Américas
a possibilidade de imunidade cruzada obtidos nos últimos 15 anos, bem como ser uma
transitória, de curta duração, entre os ferramenta comparativa para os próximos
13
diferentes sorotipos . anos.
Epidemias de dengue têm acometido
civilizações há mais de 250 anos. Com o passar MÉTODO
do tempo, a dengue atingiu os mais variados
ambientes urbanos com frequência e magnitude Existem vários órgãos tanto
elevadas. Em épocas anteriores as epidemias governamentais quanto não governamentais
eram pouco frequentes e as taxas de que coletam dados relativos à dengue, que gera
mortalidade geralmente baixas, por isso a uma variedade de índices. Neste trabalho foi
dengue era esquecida durante os períodos citada e comparada uma coleção de dados
interepidêmicos, não sendo considerada um obtida no período de 2000 a 2015 a partir de
problema de saúde pública. Não obstante, essa ó rg ã o s c o n s o l i d a d o s d e o b t e n ç ã o e
percepção comumente é vista até os dias de fornecimento dos mesmos, também não foi
4
hoje . realizada a distinção entre os sorotipos da
A globalização e, consequentemente, o fácil dengue (tipos 1, 2,3 e 4).
deslocamento aéreo a nível mundial, seja para Os dados possuem início em 01/01/2000 e
viagens ou comércio, impõe um fator que final em 31/12/2015, o que visando estabelecer
colabora para a dispersão dos vetores em simetria de início e fim entre as fontes. Os
regiões onde antes não se havia notificado a cálculos foram realizados com auxílio do
presença da dengue, ou até mesmo a software Minitab® (versão 17), enquanto
reintrodução em ambientes previamente compilação e gráficos foram realizados em
controlados. Também contribui para a Microsoft Excell® (versão 2013).
expansão da doença o avanço do homem em Foram analisados dados de óbitos por
áreas silvestres, extrativismo, expansão de dengue e casos confirmados, por meio de
áreas agricultáveis, ecoturismo, turismo de relatórios epidemiológicos anuais fornecidos
pesca e turismo rural onde é estreitado o pela OPAS; dados emitidos pelo Programa
5,6
contato entre vetor e homem . As Américas Global para Monitorar Doenças Infecciosas
possuem relatos de casos de dengue há mais de E m e rg e n t e s ( P ro M E D ) e S o c i e d a d e
200 anos, com circulação mais ativa do vírus Internacional para Doenças Infecciosas (ISID).
nos anos 60. A partir da década de 80 foram Por fim todos esses dados foram comparados
notificadas epidemias em diversos países, com o avanço no número de publicações a nível
aumentando consideravelmente a magnitude do global utilizando as plataformas Scopus, Web of
problema e esforços para o combate ativo tanto Science, Biblioteca Virtual em Saúde, SciELO e
ao mosquito quanto ao vírus causador da Google Scholar. O buscador do Google Scholar
7
dengue . se mostrou eficaz, pois incorporou as outras
Nos últimos 15 anos (2000-2015) muitas plataformas e eliminou as duplicidades.
formas de combate à doença foram criadas e As análises de correlação foram realizadas

Perspectivas Médicas, 27(2): 5-8, mai/ago 2016. DOI: 10.6006/perspectmed.20160201.7253645172


7
Dengue nas Américas de 2000 a 2015: correlação e projeção - Fernando Rodrigues Góis e cols.

utilizando o coeficiente de correlação de reportados x alertas emitidos. Em nenhuma das


Pearson (r), que varia entre -1 e 1. O sinal análises realizadas foram observadas
indica a direção da correlação (negativa ou correlações fracas, nulas ou negativas.
positiva), enquanto que o valor indica a Em média, cada óbito em virtude da dengue
magnitude: quanto mais perto de 1 mais forte é o são reportados 200 casos, 92 publicações e 0,28
nível de associação linear entre as variáveis alertas.
segundo ALEXANDRE et al., 2014. De uma A análise de previsão foi feita em virtude do
forma simples, correlações com valores r = 0 plano estratégico da OPAS ser datado de 2014
até 0,09 indicam que não há relação linear entre até 2019. Esses dados podem ser importantes
as variáveis; r = 0,10 até 0,30, fraca; r = 0,40 para um confronto entre o artigo e dados
até 0,6, moderada; r = 0,70 até 1, forte relação oficiais nos próximos anos. Vale ressaltar que a
13
linear entre as variáveis . função de “prever” é apenas com base
O cálculo de previsão foi utilizado para numérica e histórica, e não leva em
basear a tendência dos dados históricos, a consideração qualquer avanço no combate à
partir de uma série de tempo ou série temporal. dengue. Em números absolutos o número de
Ele expressa de forma numérica o futuro, se o casos de dengue deverá seguir a tendência
crescimento ou redução se mantiverem linear: 2016 - 1.885.328 casos; 2017 -
inalterados. 1.986.159 casos; 2018 - 2.086.991 casos e 2019
– 2.120.540 casos (Figura 2).
RESULTADOS E DISCUSSÃO

No período verificado, mais de 16 milhões


de casos de dengue foram notificados. Desses,
pouco mais de 8 mil culminaram em óbito. O
número de casos é crescente a cada ano, assim
como o número de óbitos reportados. Utilizando
a função de correlação de Pearson (r), pode-se
observar correlação positiva forte r=0,936
entre o aumento do número de casos e de óbitos
que pode ser observado na Figura 1.
Figura 2 : Casos reportados a OPAS de 2000 até 2015 e
previsão dos próximos anos se mantidas as mesmas
condições.
Fonte: Os autores (2015) baseado em OPAS (2000-2015).

A tendência de publicações anuais sobre


dengue é de mais de 26 mil, em 2019
ultrapassará os 30 mil conforme mostra a
Figura 3.

Figura 1: Correlação Casos x Mortes por dengue nas


Américas. Período: 2000-2015.
Nota: Barras representam casos, com seus números
representados à esquerda. Linha representa mortes, com
seus números representados à direita.
Fonte: Os autores (2015) baseado em OPAS (2000 –
2015).

Semelhantemente, na correlação entre


casos reportados x publicações houve também Figura 3 : Crescimento das publicações com o tema
forte correlação r= 0,722. Existe correlação dengue, de 2000 a 2015 e anos seguintes projeção dos
autores.
positiva moderada r=0,606 para casos Fonte: Os autores (2015) baseado em dados do Google
Scholar.

Perspectivas Médicas, 27(2): 5-8, mai/ago 2016. DOI: 10.6006/perspectmed.20160201.7253645172


8
Dengue nas Américas de 2000 a 2015: correlação e projeção - Fernando Rodrigues Góis e cols.

Foi observado que o número de casos e Epidemiol [Internet]. scielo; 2002;5:22943.


óbitos por dengue historicamente apresentou Av a i l a b l e f ro m :
crescimento e tende a se elevar, assim como o http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_art
número de publicações sobre o tema se eleva t e x t & p i d = S 1 4 1 5 -
c o m f o r t e c o r re l a ç ã o e t e n d ê n c i a d e 790X2002000300003&nrm=iso.
crescimento. Já para o número de alertas foi 6. Schatzmayr HG. Viroses emergentes e
observada estabilização e projeção moderada reemergentes. Cad Saude Publica [Internet].
para fraca de crescimento. scielo; 2001;17:S20913. Available from:
Não foram encontradas referencias com http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_art
projeção ou correlação para um confronto ou t e x t & p i d = S 0 1 0 2 -
discussão do artigo, apenas artigos específicos 311X2001000700031&nrm=iso.
sem detalhes com a relação numérica da dengue 7 . d a S i l v a N e t o M A C , Wi n t e r C ,
nas Américas. Termignoni C. Topicos Avançados em
Entomologia Molecular: Instituto Nacional de
CONCLUSÕES Ciência e Tecnologia em Entomologia
Molecular [Internet]. Itabajara da Silva Vaz
Os dados apresentados são úteis como
Junior; 2013. Available from:
indicadores indiretos para o gerenciamento em
https://books.google.com.br/books?id=MUzN
serviços de vigilância nas Américas, bem como
AQAAQBAJ.
um parâmetro na averiguação de métodos de
combate e prevenção. Esses dados apresentam a 8. Wermelinger ED, Ferreira AP, Horta
fundamental tarefa de mensurar os índices que MA. A liberação de mosquitos “do bem” na
demonstram a necessidade de alto esforço no agenda brasileira para o controle do Aedes
combate e prevenção da dengue no continente aegypti: restrições metodológicas e éticas The
americano. use of modified mosquitoes in Brazil for the
control of Aedes aegypti: methodological and.
REFERÊNCIAS Cad Saúde Pública. SciELO Public Health
2014;30(11):13.
1. Chen LH, Wilson ME. Dengue and 9 . G o m e s W. U s o d e i n s e t i c i d a
chikungunya infections in travelers. Current (organofosforado) no combate á dengue e os
opinion in infectious diseases. 2010; 43844. possíveis danos á saúde pública na área urbana
2. Korsman SNJ, Van Zyl G, Preiser W, Nutt de Foz do Iguaçu-PR. Medianeira; 2015.
L, Andersson MI. Virology: An Illustrated 10. Vogt C. Vacinas e vacinações.
Colour Text [Internet]. Elsevier Health ComCiência. SciELO Brasil 2014;(162):0.
S c i e n c e s U K ; 2 0 1 2 . Av a i l a b l e f ro m : 11. OPAS. 52nd DIRECTING COUNCIL.
https://books.google.com.br/books?id=1frUd6 2014;(October 2013):1147.
i0cQkC. 12. BRASIL M da SM da SS de V em S. Guia
3. Tauil PL. Urbanização e ecologia do de Vigilância Epidemiológica. 2005. 806 p.
dengue. Cad Saude Publica [Internet]. scielo; 13. Dancey CP, Reidy J. Estatística sem
2 0 0 1 ; 1 7 : S 9 9 1 0 2 . Av a i l a b l e f ro m : Matemática para Psicologia - 5ed [Internet].
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_art Penso Editora; 2013. Available from:
t e x t & p i d = S 0 1 0 2 - https://books.google.com.br/books?id=Ubo3A
311X2001000700018&nrm=iso. gAAQBAJ.
4. Gubler DJ, Ooi EE, Vasudevan S, Farrar
J. Dengue and Dengue Hemorrhagic Fever,
2nd Edition [Internet]. CABI; 2014. Available
f r o m :
https://books.google.com.br/books?id=Tl_YB
AAAQBAJ.
5. Luna EJA. A emergência das doenças
e m e rg e n t e s e a s d o e n ç a s i n f e c c i o s a s
emergentes e reemergentes no Brasil. Rev Bras

Perspectivas Médicas, 27(2): 5-8, mai/ago 2016. DOI: 10.6006/perspectmed.20160201.7253645172