Sei sulla pagina 1di 56
Luis Carvalho – 2002

Luis Carvalho – 2002

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

Índice

Esquecimento

3

Horas sem fim

4

Lamentações

5

Abraços

6

Feridas

7

Sabor

8

"Dores"

9

"Terminus Est"

10

"Delicias"

11

"Ausencia"

12

"Magias"

13

"Solução"

14

"Sensação de ti"

15

"Só"

16

"Manela" 17 "Daqui" 18 "Partidas" 19 "Horas" 20

"Sonhos Quebrados"

"Enamorado" 22

21

"Desatinos

"

23

"Paixão de um Só"

 

24

"Tu

"

25

"Hora de chegar

"

26

" Nada " 27

"Uniões"

"Gelo" 29

28

"Já me deixei disso"

30

"Destino"

31

"Viagens"

32

"Noite" 33

34

"Perdidos" 35

"Por dentro

"

"Muralhas"

36

"Uma gota de agua"

37

"Chuva

"

38

"Gostar de ti "

39

"Conhecer-te" 40 "Silêncios" 41

"Castigos"

42

"Areal de sal"

43

"Por ti"

44

"Solidão" 45

"Luzes"

46

"Abismo" 47

"Eu"

48

"Ser"

49

"Amargura"

50

"Adolescencia" 51

"Alegria"

52

"Batalhas"

53

"Segredos" 54

"Calma"

55

"Nascimento"

56

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

Esquecimento

Podia tentar esqueçer-te Podia tentar viver sem ti Podia saber que o amor volta Podia querer uma cura

Mas não Posso

Podia ser feliz noutros braços Podia olhar-te de longe Podia ir para onde não te visse Podia não te querer

Mas não Posso

Podia nascer outra vez Podia atirar-te ao Mar Podia confiar na Lua Podia chamar o teu nome

Mas não Posso

Podia querer o teu corpo Podia desejar os teus lábios Podia sonhar tuas mãos Podia dormir contigo

Mas não Posso

Só Posso sofrer sem ti e perder-te em cada momento por isso tens-me aqui intocado pelo Esquecimento

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

Horas sem fim

Aqui estou sem horas sem tempo apenas eu esperando o inesperado desejando o indizivel querendo o impossivel.

Ladeado por nada separado por tudo em espaço e tempo vazio sem esperança e esperando sempre encontrar-te.

Buscar-te é inutil não existes és a impossibilidade és o vazio és o não ser.

Preciso de ti quero de ti tudo dou-te de mim tudo somos nada somos tudo.

Vou mas não me mexo sinto mas não toco fico mas não espero.

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

Lamentações

Lamento tanto

Choro tanto

Sonho tanto

Mas não tenho nada

Sonho tanto Preciso tanto Ambiciono tanto

Mas não tenho nada

Dou-me tanto Entrego-me tanto Amo tanto

Mas não tenho nada

Queixo-me tanto Doi-me tanto Sinto tanto

Mas não tenho nada

Penso tanto Analiso tanto Compreendo tanto

Mas não tenho nada

De tanto nada ter de nada ter momento de tudo perder só me sobra o Lamento

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

Abraços

Podemos tê-los Podemos querê-los Mas amiga fica sabendo Que merecê-los É só para alguns.

Dos meus serve-te são teus Para que os uses para que te façam feliz Porque os mereces Porque tos dou

Amizade

Abraço-te

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

Feridas

Chagas purulentas Sangrantes Infectas Nojentas Cobrem-me Tapam-me sou todo eu ferida uma unica chaga coesa de inumeras chagas feita.

Sangro apesar de tudo Vivo.

Sofro apesar de tudo Sinto.

Nas mãos do meu Amor vem a cura o desfazer da dor. Nos seus lábios vem a ilusão da dor esqueçida.

Mas no seu Adeus vem a promessa de nova Ferida. Purulenta Chaga Nova Dor de Amor feita Abraço-te com fervor és o que sobrou do Amor que perdi

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

Sabor

Sensação de ti desejo de te ter prazer de te sonhar vontade de te ver

Calor da tua pele Gelo da tua falta necessidade de ti distância inutil

nas sombras na luz sempre tu imagem perene

Pele na minha pele mãos nas minhas mãos entre nós apenas suor Volupia de sensações

Sonho-te

desejo-te

grito-te

Amo-te

Na saudade de ti encontro-me contigo e no vazio da minha vida leio-te e encontro o teu Sabor

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

"Dores"

sensações fugitivas presentes sejam de quais forem são nossas feitas de pedaços de vida que nos fazem bem que nos fazem mal mas que nos fazem quem somos

Fortes Fracas de Ausencia de Presença sempre nos acompanham sempre ficam connosco e são elas que nos fazem ver.

Ver com os olhos da dor os olhos que nunca mentem que nunca se fecham

Bendita a dor que me fazes sentir mostra-me que estás na minha vida

Vem Dor, que me trazes o Amor.

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

"Terminus Est"

Consumada que foi esta fase que passámos une-nos um elo Eterno que nada poderá quebrar

A passagem do Tempo não nos afecta nem o Esquecimento nos toca

Passámos para além do Mortal tornámos-nos Eternos no gesto mais firme de todos os gestos.

Nunca Nada nos uniu tanto nem nada mais Existe

Somente esta fase Perene e Impossivel que nos toca tão fundo

Unimos-nos para sempre ao dizermos

FIM

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

"Delicias"

Ter-te nos meus braços Sonhar-te nos meus sonhos Beijar-te os lábios rubros Acariciar-te a pele quente

Deliciosas vontades

Contar-te uma história Recitar-te um poema Deitar-te na minha cama Acender-te o olhar

Deliciosas vontades

Sorrir-te de volta Abraçar-te com força Rodopiar-te numa dança Dedicar-te a vida

Deliciosas vontades

São tuas todas as minhas vontades São tuas todas as minhas verdades São tuas todas as minhas Delicias

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

"Ausencia"

Ficar sem ti Ficar Aqui Ficar na solidão Ficar triste Ficar vazio Ficar esqueçido Ficar com saudades Ficar sem esperança Ficar encostado Ficar Perder-te

És a falta que não vou perder Nem jamais Esqueçer

Perdoo-te a Ofensa Jamais esqueçerei a tua AUSENCIA

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

"Magias"

Na minha vida estranha e confusa destes dias sem alma nesta luz que nos apanha que de cor difusa nos corroi a calma

encontro-te

em espaços estreitos de saberes contrariados em sonhos desfeitos de estranhos acordados

encontro-te

levo-te para cantos perdidos onde chegas cansada sem calor e sem frio nós dois escondidos aonde não chega nada a não ser o que crio

encontro-te

sabes bem o que fazias se a vida fosse cortada paravas o tempo, sorrias e ficavas encantada

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

"Solução"

Tempo Panaceia eterna e suave

Destino Desculpa completa e simples

Sonho Refúgio sábio e coerente

Amor Ilusão sentida e vívida

Vivemos assim numa completa, simples, eterna e suave coerencia sábia vivendo os sentidos

Chamamos a isto Vida e aqueles que o não são Á Morte Chamam Solução

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

"Sensação de ti"

Amiga doce palavra que murmuro em paz

frente a ti nestas noites nunca mais me senti só

sou feliz por saber que existes e que estás nestas travessias nocturnas com toda esta luz

para ti

por ti

em ti

de ti

recebo a prova afinal a unica que existe amizade

recebo aqui tão simplesmente uma Sensação de Ti

Para a minha amiga zizi

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

"Só"

Longa amargura de viver. Desprezo do sofrer. Suprema loucura do sentir. Eterno desejo de partir.

És tu Só

Pena de degredo eterno. Saudade do medo de te ter. Vontade frágil de te querer.

És tu Só

Gasto de ti o som, na memória repetida do cheiro da tua sombra, no calor da tua ausencia na solidão da tua presença.

És tu Só

Em ti me guardo dos medos e segredos, das dores e pavores, dos pesadelos de viver, com a indiferença da solidão de te ver.

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

"Manela"

Escolhas que fizeste que sofreste pelas quais lutaste nas quais viveste

Feliz e a sorrir o teu sorriso de mulher de quem sabe rir mas prefere viver

Tiveste sempre contigo a minha saudade meu carinho antigo cheio de verdade

Partiste e ficaste para sempre comigo de longe acarinhaste este teu eterno Amigo

Amor eterno te dedico na minha escurecida vida sem ti agora fico mas apagada foi a dúvida.

Dores, esqueçam-se dela Sofrimentos, perderam-na Afastem-se todos dela

És a minha Mãe , Manela

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

"Daqui"

Daqui, Vê-se o sol a praia

a areia esbranquiçada

o mar turqueza

as ondas preguiçosas.

Daqui, sente-se o cheiro de uma terra rica de cores e sabores de prazeres e de amores.

Daqui, sofremos a tua dor empalidecemos de raiva choramos os teus mortos sufocamos a amargura de te ver violada

Daqui, saudosos, esperamos a hora de te rever o momento de te abraçar de em ti ficar até morrer

Daqui,

te choro

terra minha

na qual nasci

e que tão cedo perdi.

Daqui, te chamo, para sempre teu Angola.

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

"Partidas"

Foste embora Foste para longe Não te vejo mais nem sei mais nada de ti

Passo todos os dias pelo mesmo sitio em que te beijei passo todos os dias pela casa em que te amei

De ti não vejo nem corpo nem alma somente a ausencia

Foste embora

mas ficaste

na memoria

deste amor

Foste para longe mas deixaste em teu lugar esta dor

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

"Horas"

Nas horas de desasossego nas horas de tristeza nas horas sem destino nas horas de dor

A quem se chama?

nas horas de rir nas horas de brincar nas horas de dançar nas horas de ser feliz

A quem se chama?

nas horas de falta nas horas de incompreensão nas horas de saudade nas horas de preocupação

A quem se chama?

Amigas assim não se veem quase nunca apenas aparecem quando a necessidade é muita

Obrigado Amiga

para a Zizi

ela

sabe porquê !!!

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

"Sonhos Quebrados"

Soltem-me Larguem-me Saiam de mim

Voces, inuteis Voces, destroços Voces, pedaços Voces, falhados

Pedaços de sonhos Colados em mim Seguem-me Perseguem-me Assaltam-me Apagam-me

Venham Sonhos Novos Inteiros e completos Novos amores e Prazeres Para limpar de mim Estes destroços de dor Que me fazem Morrer

Lavado por lágrimas Seco por saudades Quebrados que foram meus sonhos despedaçado que fui eu Preciso de um novo sonho para destes destroços nascer um Novo EU

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

"Enamorado"

Passo noites a pensar em ti passo dias a olhar para ti passo o tempo a sonhar contigo

Estremeço de prazer a um sorriso teu Suspiro por um beijo Derreto-me sob o teu olhar

percorro o teu corpo com o meu desejo Sofro de angustia pela tua falta Deliro com a tua presença

Que tenho eu?

Nada de especial Apenas estou Apaixonado e de ti Enamorado

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

"Desatinos "

Pára

Não me grites mais

já não te posso ouvir já não te suporto mais já não quero mais nada de ti já não te quero ver mais

Pára

Não me sigas mais

Ainda não te eskeci Ainda não deixei de te amar Ainda gosto dos teus beijos Ainda Quero as tuas mãos em mim

Pára

Não me faças mais mal

Procuro esqueçer que existes Procuro satisfazer-me na solidão Procuro encontrar quem me ame Procuro Viver sem ti

Em completo desacordo sem saber a sensação sem nenhum destino é sózinho que acordo numa total confusão num total Desatino

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

"Paixão de um Só"

Vi-te Gostei de ti Encontrei-te estavas ali Só ! Eu também Só ! Que bem

Juntámos as nossas solidões Unimos Nossas saudades Perdemos Nossas tristezas Gastámos Nossas verdades

Foste-te esqueçi-te perdi-te nunca mais te vi Só ! Continuo a ser Só ! Para Viver

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

"Tu

"

Tu que não sei quem és Tu que não conheço Tu que nunca vi Tu que me vais fazer feliz

Ouve-me bem

Tu que eu vou amar Tu que me vais curar Tu que eu vou acreditar Tu que vou encontrar

Vem ter comigo

Tu que serás feliz comigo Tu que me criarás de novo Tu que me segurarás Tu que me vais dar prazer

Estou pronto para ti

Tu que vais chegar Tu que nunca vais partir Tu que eu desejo Tu que nasceste para mim

Quando chegares, Entra sem bater

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

"Hora de chegar

"

Na hora em que chegares meu amor não entres devagar não batas á porta não fales baixinho

Na Hora em que chegares meu amor entra de rompante Invade-me por completo Abraça-me com força

Na Hora em que chegares meu amor traz contigo a Vida envolve-me de carinho enche-me de paixão

Na Hora que chegares meu amor será a hora de ficares descansada e feliz para sempre nos meus braços

Na Hora em que chegares meu amor Gritaremos de prazer esqueçerei de vez a dor Ganharemos a Eternidade

Na Hora em que chegares meu amor

Vai ser na Hora de começares meu amor

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

" Nada "

O vazio chegou encheu-me destapou-me aqueceu-me com o seu gelo

Descobri na ausencia a substancialidade a verdade do Nulo

Chegaste mas não vieste estás mas não existes

És o presente sem passado que nunca passará a Futuro

Deixas-me mas não vais Ficas mas sempre sais

Fotografia rasgada imagem destruida és chama perdida és em tudo um Nada.

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

"Uniões"

Fusão! Na minha vida Tu! Na minha cama

Capacidades

destruição

discussão

União

Vens para cá Vou para aí Distancias perdidas que não separam

Gostos! Prazeres sem fim Meus! Teus, por fim

Fundidos !

Unidos!

Sem formas

Apenas Uniões

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

"Gelo"

Passado imenso de calor sem fim Gelo suspenso dentro de mim

Com a dor de te perder Com a fome de te ver Com a vontade de te ter Com a miséria do Ser

Presente doloroso de intensa calma Gelo pavoroso na minha alma

Com a saudade de te dar Com a tristeza de me calar Com a necessidade do teu ar Com a magoa de não abraçar

Futuro sombrio de escuridão feito Gelo calmo e frio neste ser desfeito.

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

"Já me deixei disso"

Deixei de te ver Deixei de te querer Deixei de me magoar Deixei de te cantar

Mudei

Deixei ficar Deixei cair Deixei tudo partir Deixei de te amar

Mudei

Deixei de ter saudade Deixei de ter dor Deixei de ter idade Deixei de ter Amor

Mudei

Deixei a tua vida Deixei essa amargura Deixei de estar de partida Deixei de querer uma cura

Mudei

Deixei de acreditar nisso Apenas por que o querias Deixei-me de porcarias Já me deixei disso

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

"Destino"

Quiz o destino que te encontrasse Que me mostrasses

O que de melhor há em mim Fiz tudo

Quiz o destino que me abrisses

E fazendo-o me encontrasse Cá dentro inteiro Dei-te tudo

Quiz o destino que nos vissemos para conhecermos o mel Do nosso prazer Corri o mundo

Quiz o destino que seguissemos Diferentes caminhos na vida Viramos-nos de costas seguimos em frente

Quiz o destino que não te veja mais Mas nem ele pode querer que a saudade não venha essa é toda minha.

Quero querer com o destino que sejas feliz com alegria sem mim.

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

"Viagens"

Estrada longa pulula de vida de histórias de distancias

Conduz-te a mim

Estrada longa de pressas feita para anular saudades para curar ansiedades

Conduz-te a mim

Estrada longa ponte eterna seca e vazia que passa sem fim

Conduz-te a mim

Estrada longa que nos gasta que nos prende que nos junta

Conduz-te a mim

Estrada longa prazer de começar vitoria de partir Desejo de chegar

Vens aí

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

"Noite"

Noite escura de profundidades insuspeitas de ocultas certezas de estranhas maldades

Noite escura cheia de saudades do sol destruidora de esperanças companheira eterna da solidão

Noite escura calma entorpecente de sono e languidez composta impossibilidade resoluta

Noite escura amiga macabra entranhada na minha tristeza enches-me de vazio

Noite escura és bem vinda pois na crueza da tua vinda brilham as estrelas e a beleza

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

"Por dentro

"

Cá no fundo de mim

nasceu por fim a certeza que a Alegria

o Sorriso

o Prazer voltaram por fim

Cá dentro de mim cresce de novo a Esperança

o Deleite

o Calor que faziam falta por fim

Cá no fundo de mim estás firmemente marcada pelo Amor a Amizade

a Paixão

que voltaste enfim

Por dentro de mim Por dentro de ti na nossa calma e suave paz reencontramos a certeza de que existe um Nós que pertence aqui e que nos faz crescer Por dentro

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

"Perdidos"

Passos esquecidos em areias lavadas juntos como gotas de água eternos como a beleza simples como a luz

Passos unidos de certezas feitos intocados no tempo fáceis de prazer carregados de felicidade

Passos sem destino num imenso areal num espaço sem fim dirigidos pelo acaso a caminho do sim

Passos paralelos iguais na diferença firmes na esperança inuteis por não chegarem por destino não terem

são Passos são Caminhos são Dois são Amantes Estão Perdidos

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

"Muralhas"

Altas paredes Muros intransponiveis Portas cerradas Guardas armados Ameias e seteiras

Tudo ergueste com cuidado e desvelo para da Dor protegeres o mais puro de ti

Encontrei a brecha o minusculo nicho por onde entrar lá para dentro

Comigo não entrou dor comigo não entrou desilusão Levei comigo o Amor Levei comigo a Paixão

Derrubei as paredes Abri escancaradas as portas dos muros fiz estradas para te levar ao prazer

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

"Uma gota de agua"

Na imensidão de ti nada mais sou nada menos apenas uma gota

No mar de ti pouco faço pouco quero apenas amo

Na profundidade de ti mergulho sem fim mergulho até ti apenas sou

Dores esquecidas e perdidas nas noites sem ti nas noites sem fim em que te amo em que te procuro em que não te encontro neste mar sem fim sou apenas uma gota de agua

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

"Chuva

"

Pingos quentes de chuva tropical caem sobre a minha memoria

Pingos gelados de chuva Invernal caem no meu presente

Pingos frios de chuva esqueçida Caem no meu futuro

Pingos sem fim de gotas perdidas caem sobre mim Molham-me tapam-me encharcam-me

Pingos amigos que me molham a face Cobrem-me as lagrimas que a tua ausencia traz que o meu amor deita que a minha dor faz

Chove Choro Agua sem cor Lagrimas de Amor

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

"Gostar de ti "

Faço-o porque sim faço-o porque não tem remédio és eu sou gostar de ti é inevitável és a luz para mim és o som para mim és a minha gargalhada és o meu melhor choro

Gosto de ti sei lá quando sei lá onde sei lá porquê só sei que te vejo dentro de mim como se sempre lá tivesses estado

Como se fizesses parte não de mim mas do meu sonho de mim desde sempre para sempre

gosto de ti e fazes-me por isso gostar de mim

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

"Conhecer-te"

Privilégio sofrido de longas esperas de tantos desencontros de tantas hesitações

Encontrar-te

Ver-te

Beijar-te

Abraçar-te

Sonho enlouquecedor de passagens obscuras de estranhas maquinações de inuteis fantasias

Tocar-te

Mimar-te

Acarinhar-te

Ouvir-te

Desespero controlado de saber como és de ter tudo de ti de te dar tudo de mim

Conhecer-te

enfim

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

"Silêncios"

Horas a escorrer pelas noites sem som pelas ruas sem luz pelas peles sem toque

pequenas gotas de som de luz de saudade

momentos sem paz momentos sem dor sentidos no peito como se fosse tambor

apenas tu apenas eu calados como pedras juntos e longe

Enormes na pequenez de sermos dois mas estarmos um no silencio da solidão

calados, falamos de tudo e de nada pela noite dentro pela luz calada

Até sempre Até nunca com a tua presença sem mim com a tua solidão no fim

são apenas vozes são apenas dores são apenas nós são só Silêncios

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

"Castigos"

Ver-te sem te ver

Ouvir-te sem sentir a tua voz

Falar-te sem te ouvir

Amar-te sem te poder dizer

Cheirar-te sem teu perfume

Querer-te sem te poder ter

Abraçar-te sem conhecer o teu corpo

Tocar-te sem ter a tua pele

Beijar-te sem sentir teus lábios

São castigos são bençãos são dores são prazeres são nossos são tudo o que não tenho de ti

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

"Areal de sal"

Luz ofuscante na areia reflectida bate-nos, magoa-nos na pele Lutas por ser a sombra que não tens porque não queres aquela que te dou

Água gelada pelo mar espalhada molha-nos, gela-nos no corpo Foges dela afastas-te de mim pego-te ao colo corres de mim

Pela areia sem fim correndo como crianças em férias alegres como o vento livres como o mar vamos lado a lado

Vagas soltas num mar revolto intimidam-nos, fascinam-nos os sentidos Olhas para mim sorris com prazer prazer que não é meu nesse sorriso só teu

Livres de dor Soltos do mal corremos para sempre naquele Areal de Sal

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

"Por ti"

Nada Deixaria de Fazer Nada seria demais Nada seria impossivel Nada custaria Nada causava esforço Nada me daria mais prazer Nada seria suficiente

Mas apenas uma palavra tua pode fazer que aconteça que seja possivel

Se a disseres se a sentires nada deixarei de Fazer Por ti

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

"Solidão"

Maldita sejas espelho do meu viver maldita sejas razão do meu sofrer

Nesta vida inútil Vã, triste e vazia és a única razão que não vou perder

Morte que não chegas para me libertares destas cadeias que arrasto sem fim

Viver assim sem sentido viver só para mim mero ser destruido

Inutilidade suprema viver a minha vida com um só problema ter a morte como saída

Morria com gosto sabendo que te tirava a ti destruidora uma vitima das mãos

Para todos que perdi fica aqui a solução para mim a morte pedi para perder a Solidão.

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

"Luzes"

Ao fundo de um tunel na escuridão completa na total ausencia de esperança na mais profunda desilusão aparece uma luz

o que é não sei

de que é não sei como aparece não sei se fica ou vai não sei

Luz que me guias luz que me chamas luz que me atrais luz que me acordas

porque apareces

nesta vida vazia

a este ser inutil sem valor algum

Trazes contigo a certeza de que os meus olhos afinal veem não sou cego afinal

Corro para ti luz se te alcanço não sei se me queimo em ti se me apago em ti se me destruo em ti não sei Mas vou a caminho de ti

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

"Abismo"

Certeza de queda queda sem fim nesta fraga da vida neste caminho interrompido

Vida de vertigem na altura impossivel sempre a tocar o ponto de cair

Perto do fim sem poder voltar está a decisão de mais um passo dar

Olhos postos no horizonte pernas abertas ao vento imovel como pedra está esta vida

Um passo a separa de ter só passado ou de começar a ter futuro

Um passo apenas toda a dor termina toda a tristeza acaba na beira do Abismo.

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

"Eu"

Triste episodeo de duração incerta iniciado numa gargalhada sem fim definido

cenas sem brilho com imagens repetidas montagem duvidosa de distribuição desmazelada

Inutil na história na qual não pertence da qual não faz parte sem quem não faz diferença

Futil passagem de vida para sempre esqueçida de tanto ser perdida por de ninguem ser querida

Sensação olvidada de uma existencia massacrada pela duvida, sem paciencia

Nada de especial um ser normal sem talento que sofreu mas com lamento

Ninguem lhe chamou seu nada lhe pertenceu passou por cá e saiu ele um dia fui Eu.

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

"Ser"

Um dia a ciência vai descobrir vai encontrar dentro de alguém a razão porque Somos

Estamos aqui por algum motivo caminhamos com algum destino vamos para algum lado

Encontramos-nos descobrimos-nos fazemos-nos mas o que Somos?

Pequenos toda a vida na insistencia de querer à pergunta responder

Quando afinal para saber basta apenas SER

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

"Amargura"

Sabor de tristeza com sal de lágrimas com tempero de dor aquecido em saudade

Receita simples com um só ingrediente apenas um amor perdido apenas um beijo esquecido

Recusa de perder para a dor esqueçer não tira do presente a saudade do ausente

Momentos de dor instantes de confusão compõem este sabor completo de sensação

Seja uma vida dura ou de macieza construida a todos uma vez na vida uma dose de Amargura

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

"Adolescencia"

Idade Eterna de duração infinita que se arrasta sem fim pelo tempo de não ser nem criança nem adulto de sofrer sem saber o quê por crescer sem saber para onde indecisão contínua de não ter rumo de querer e não saber de poder e não conseguir

Tristeza infinda Alegria extrema Música para sempre saudades do futuro estados de alma Ídolos sem fim Amizades feitas e desfeitas por cada dia recomeçadas

mas sempre na vida há em nós esta ciência a arte de voltarmos por momentos a nossa adolescência

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

"Alegria"

Nos vossos braços de crianças transportam a Promessa peso imenso de importancia tamanha de serem Futuro valor incalculavel essa fortuna imensa de serem Esperança

Nada me é mais caro nem mais importante nem tem mais significado que o vosso riso

Meus filhos minhas raizes profundas serei tanto mais pessoa quanto melhor vos vir sorrir Neste mundo de passagem unica ser Pai de alguem pode ser razão de vida ser o vosso Pai é ser a minha Vida

Abraçar-vos a todos meus filhos num abraço unico e fundido podia dizer e não mentiria que é desta minha Vida a única ALEGRIA

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

"Batalhas"

Eternas

Internas

Ferozes

Fraternas

Diárias guerras inúteis connosco por nós contra nós

Negamos-nos

o descanso

a paz

a calma

Lutamos pelos nossos fantasmas pelos nossos direitos pelos nossos silêncios Lutamos sem quartel sem descanso sem regras

Vítimas

Algozes

Pacientes

Ferozes

Atacamos-nos sem piedade destruindo tudo em nome da Verdade

Somos impiedosos sem falhas lutamos corajosos as nossas internas Batalhas

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

"Segredos"

Contaste-me os teus Segredos Ofereci-te os meus Segredos

Na troca na partilha encontramos-nos Vimos-nos Finalmente Somos já um para o outro pessoas seres enfim de Carne e Osso Apenas

No fim

era apenas

o ínicio

Começaram os nossos Segredos existindo só como nossos Segredos

Criados por nós na nossa mútua entrega Possuídos por nós na nossa eterna busca somos agora Finalmente Amigos

Unidos pelos Segredos Juntos para sempre nos nossos silenciosos deliciosos e murmurados Segredos

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

"Calma"

Prado verdejante de mansas e roliças Colinas de verde

Sol meigo brisa gentil Suave e doce ribeiro de cristalina água

Frondoso Antigo e amplo carvalho solitário

Sonho de profunda e eterna paz que me leva sempre mais fundo até ao centro de mim

Neste lugar pacífico reside o mais puro de mim

O mais seguro e sincero pedaço da minha alma mora para sempre neste oásis de Calma.

Repentes.doc

Luis Carvalho

05-01-2007

"Nascimento"

Momento eterno memória imorredoura aquele em que chegaste aquele em que te vi Nasceste do fundo de mim Apareceste surpresa e agradada dentro de mim És a parte de mim que acaba de nascer Sábia e antiga Ingénua e frágil acabaste de chegar Envolvo-te em carinho abraço-te com fervor beijo-te com meiguice és finalmente minha Estás Finalmente aqui Desejei-te sem esperança procurei-te sem descanso nasceste sem aviso quando da busca desisti agora que não esperava surpreendes-me aparecendo dentro de mim Chorei um profundo e sincero triste Lamento que desapareceu no instante do teu Nascimento

Interessi correlati