Sei sulla pagina 1di 16

Revista Faculdade Montes Belos (FMB), v.

8, n° 1, 2015, p (1-16), 2014 ISSN 18088597

ANÁLISE DAS MUDANÇAS FISIOLÓGICAS DURANTE A GESTAÇÃO:


DESVENDANDO MITOS

Luzenilda Sabina da Silva1; Franciele de Borba Pessoa1; Douglas Tadeu Cardoso Pessoa2;
Valéria Cristine Mendanha da Cunha3; Carla Rosane Mendanha da Cunha4; Cristiane
Karla Caetano Fernandes5.

1 Bióloga, Universidade Estadual de Goiás, Campus Itapuranga Goiás;


2Professor de Bioquímica, Universidade Estadual de Goiás, Campus Itapuranga Goiás;
3Fisioterapeuta, Secretária de Saúde do Governo do Distrito Federal;
4Orientadora, professora da Universidade Estadual de Goiás, Faculdade Montes Belos e
Secretária de Saúde do Governo do Distrito Federal.
5 Professora, Faculdade Montes belos

RESUMO: Trata-se de um estudo que utilizou-se dos métodos materialismo histórico-dialético


que confirmou através da literatura os significados dos mitos, com abordagem quantiqualitativa
e a pesquisa de campo que selecionou os mitos mais comuns da gravidez. Os sujeitos
participantes são as acadêmicas da Universidade Estadual de Goiás - Unidade Universitária de
Itapuranga, as gestantes que fazem o pré-natal no Hospital Municipal de Itapuranga e os
médicos de Itapuranga que acompanham o pré-natal. Os dados foram coletados por meio de
questionário feito às acadêmicas e entrevista feita, utilizando questionário, às gestantes e aos
médicos. Os resultados permitiram identificar que as acadêmicas e as gestantes ainda acreditam
em alguns mitos surgidos pela cultura popular e há uma necessidade em obter informações
corretas. A orientação dos médicos não é suficiente para tirar as dúvidas das gestantes, podendo
assim não ocorrer uma boa educação em saúde.
PALAVRAS-CHAVES:Gravidez, Mitos, Educação em Saúde

ABSTRACT:This is an study that have used of the methods historical-dialect materialism


which has confirmed through the literature the meaning of the myths, with quantitative and
qualitative approach and the field research that has selected the most common myths of the
pregnancy. The participant subjects arethe female university students of the State University of
Goiás – University Unit of Itapuranga, the pregnant women who had the prenatal medical care
at Municipal Hospital of Itapuranga and the doctors of Itapuranga that monitor the prenatal
medical care. The data have been collected through questionnaire made to the female university
Revista Faculdade Montes Belos (FMB), v. 8, n° 1, 2015, p (2-16), 2014 ISSN 18088597

students and interview, using questionnaire, to the pregnant women and the doctors. It was
possible to identify from the results the female university students and the pregnant women still
believe in some myths arisen by the popular culture and there is a need for obtaining correct
information. The doctors’ orientation is not sufficient to clarify the pregnant women’s doubt,
thus it cannot happen a good training in health.
KEY-WORDS:Pregnancy, Myths, Training in Health

RESUMEN: Se trata de un estudo que se utilizó de los métodos materialismo histórico-


dialécticoque comprobó transversalmente de la literatura los significados de los mitos,
conabordajecuanticualitativa y la pesquisa de campo que seleccionólos mitos más comunes de
la gravidez. Las personas participantes sonlasacadémicas de laUniversidad Estatal de Goiás –
Unidad Universitária de Itapuranga, las gestantes que hacenelprenatalenel Hospital Municipal
de Itapuranga y los médicos de Itapuranga que acompañamelprenatal. Los
datosfueroncolectados por medio de cuestionariohecho a lasacadêmicas y entrevista hecha,
utilizando cuestionario, a las gestantes y a los médicos. Por medio de los resultados fueraposible
identificar que las acadêmicas y las gestantes aúnacreditanenalgunos mitos surgidos pela
cultura popular y há una necesidadenobtenerinformacionescorrectas. La orientación de los
médicos no es suficiente para eliminar lasdudas de las gestantes, podendo así no ocurrir una
buenaeducación em salud.
PALABRAS-CLAVES:Gravidez, Mitos, EducaciónenSalud

INTRODUÇÃO Durante toda a vida nos deparamos


A gestação é um período em que a com histórias, relatos transmitidos pelas
mulher guarda por nove meses um ser que gerações que vão construindo uma
surgiu do encontro de células sexuais representação da gravidez. Devido esse
(espermatozóide e óvulo) no momento da momento trazer satisfação, felicidade ou
cópula e a partir disso, a mulher sofre medo e angústia, isso facilita a incorporação
diversas alterações que envolvem os dos mitos(2).
variados sistemas e aparelhos. Essa mulher Existem práticas cotidianas que
vive um período com transformações do refletem uma herança em relação aos mitos
aspecto biológico e psíquico e essas e esses acabam por persistir e manifestar
repercussões variam de gestante para durante a gravidez e no primeiro ano de vida
gestante e da idade gestacional(1). da criança(3). Há vários comentários de
Revista Faculdade Montes Belos (FMB), v. 8, n° 1, 2015, p (3-16), 2014 ISSN 18088597

histórias sem valor científico que estão Por não ter pesquisas relacionadas à
diretamente relacionados à gravidez. Os temática, foi de grande relevância abordá-la
mitos são explicados de formas simples, para fins de esclarecimentos. E devido a
observando a gravidez como constituição e falta de informação sobre os mitos na
crescimento de um novo ser. Esses mitos gestação, há necessidade de orientar a
são relatados de geração a geração e nesse população e as mulheres que estão no
momento é constituída a representação da período gestacional para que tenham uma
gravidez, podendo ou não estar relacionada educação em saúde, não prejudicando a sua
ao reconhecimento da grávida(2). saúde e dos filhos. Com o papel de
Apesar de ter acesso às informações, melhorara falta de informação sobre os
os usuários dos serviços públicos de saúde mitos à população e às gestantes entra,
continuam insatisfeitos com a relação então, os profissionais da saúde.
estabelecida com os profissionais. Esses Este trabalho teve como objetivos
devem desempenhar habilidades com o analisar o conhecimento das acadêmicas
papel de educar em saúde. Espera-se pelos sobre os mitos surgidos durante a gestação;
usuários, profissionais competentes(4).A averiguar se as gestantes demonstram
gestação deve ser um momento para conhecimento sobre as mudanças
construir a educação em saúde, voltada para fisiológicas e emocionais ocorridas no
o bem-estar do binômio mãe-filho [...](5). período gestacional e se essas acreditam nos
No processo educacional da gestante mitos deste período; avaliar as informações
há a promoção da saúde, e esse processo médicas dadas à gestante, durante o pré-
favorece o aprendizado e o natal, a respeito dos mitos e realizar uma
desenvolvimento pessoal através de trocas revisão bibliográfica a respeito da fisiologia
de experiências. Essas trocas de para a comprovação dos mitos e a respeito
experiências devem ser feitas entre as das medidas de atendimento às gestantes.
grávidas e profissionais da saúde, e é neste
momento que ocorre o recebimento de METODOLOGIA
informações científicas sobre o período O presente estudo utilizou-se do
gestacional. Isso contribui para a método materialismo histórico-dialético, a
diminuição do medo e da ansiedade. O abordagem empregada foi tanto
profissional atua como um facilitador para quantitativa, quanto qualitativa, sendo
tirar as dúvidas dessas mulheres usando o descritiva e exploratória e o tipo de pesquisa
seu conhecimento científico(6). usado foi a pesquisa de campo.
Revista Faculdade Montes Belos (FMB), v. 8, n° 1, 2015, p (4-16), 2014 ISSN 18088597

pesquisa; as gestantes que realizam o pré-


O público alvo foi as acadêmicas da natal em outro local da cidade, as que não
Universidade Estadual de Goiás (UEG), aceitaram participar do estudo e as menores
Unidade Universitária de Itapuranga, que de 18 anos que o responsável não assinou o
responderam ao questionário no mês de TCLE, e os médicos que não acompanham
abril, as gestantes que fazem o pré-natal no o pré-natal e os que não aceitaram participar
Hospital Municipal de Itapuranga (HMI) e do estudo.
os médicos que acompanham o pré-natal na A coleta de dados das acadêmicas da
cidade de Itapuranga que responderam à UEG foi realizada da seguinte forma: elas
entrevista na segunda quinzena do mês de foram convidadas a responderem a um
setembro até a primeira quinzena do mês de questionário, com 09 questões de dupla
outubro. Os dados referentes às acadêmicas escolha que incluíram dados pessoais e o
foram coletados por meio de um seu conhecimento sobre os mitos da
questionário, enquanto os das gestantes e gestação.
dos médicos por meio de uma entrevista A coleta de dados das gestantes
feita através de um questionário. ocorreu da forma citada: inicialmente elas
Foram incluídos no estudo: as que procuraram o HMI, para realizarem o
acadêmicas que estudam no período pré-natal, foram convidadas a participar do
noturno da UEG dos cursos de Geografia, estudo respondendo à entrevista através de
Letras e História, que aceitaram participar um questionário, com 10 questões.
da pesquisa e assinaram o Termo de Já a coleta de dados dos médicos foi
Consentimento Livre e Esclarecido – realizada da seguinte forma: os médicos,
TCLE;as gestantes maiores de 18 anos ou que acompanham o pré-natal, foram
acompanhadas pelo responsável que fazem convidados a responderem à entrevista
o pré-natal no HMI, que aceitaram através de um questionário, com 07
participar do estudo e assinaram o TCLE e questões.
os médicos de Itapuranga que acompanham Os dados foram armazenados em
o pré-natal, que aceitaram participar da banco de dados utilizando-se o programa
pesquisa e assinaram o TCLE. GraphPad prisma, a partir das informações
Foram excluídos do estudo: os contidas nos questionários. O banco foi
acadêmicos do sexo masculino que estudam alimentado conforme obtenção dos dados e,
no período noturno da UEG dos cursos de após a digitação foram conferidos pelas
Geografia, Letras e História e as pesquisadoras.
acadêmicas que não aceitaram participar da Para a análise estatística todas as
Revista Faculdade Montes Belos (FMB), v. 8, n° 1, 2015, p (5-16), 2014 ISSN 18088597

variáveis foram estudadas de maneira Estudo com as acadêmicas da UEG


descritiva, através do cálculo de frequências No estudo realizado na UEG,
absolutas e relativas, e no caso das variáveis contando com a colaboração de 94
contínuas, através da porcentagem. acadêmicas, verificou-se que as mesmas
As acadêmicas, as gestantes e os tinham entre 15 e 45 anos. Quando
médicos participantes do estudo foram questionadas se tiveram filhos, encontrou-
esclarecidos sobre os objetivos, se que a maioria não tinha filhos.
procedimentos da pesquisa, sobre a Ao perguntar se elas já ouviram falar
confidencialidade dos dados e informações que deve beber café durante a gravidez, a
fornecidas. A eles foi dada plena liberdade maioria não ouviu falar. Já se elas acreditam
para se recusarem a participar do estudo e que grávida tem desejo, a maioria afirmou
permissão para, a qualquer momento, que sim. Em relação ao mito de que a
suspenderem o consentimento sobre sua gestante ter muita azia é sinal que o bebê
participação. Foram também informados será cabeludo, a maioria não confirmou esse
que, quando os resultados fossem mito.
divulgados, seu nome não seria mencionado Quanto à barriga pontuda é menino e
e que sua recusa em participar do trabalho barriga espalhada é menina, a maioria
em nada iria atrapalhar. A assinatura do questionou já terem ouvido falar. No mito
TCLE foi solicitada às acadêmicas, às que comer chocolate durante a gestação
gestantes e aos médicos antes de ser provoca cólicas no bebê, a maioria disse que
realizada a coleta de dados. Após o não. Na questão em que abordava quanto
preenchimento, cada questionário foi mais canjica, canja de galinha ou leite a
identificado por uma letra e um número a grávida tomar, mais ela amamentará, a
fim de preservar a identidade dos maioria concordou.
voluntários. A partir da análise, observa-se que um
Os dados obtidos da pesquisa foram grande percentual das acadêmicas acredita
utilizados de maneira confidencial, em alguns mitos surgidos pela cultura
obedecendo aos preceitos do Código de popular. Isso justifica-se pelo fato da
Ética Médica para a utilização científica de maioria não ter filhos e consequentemente
dados de pacientes e respeitando os não precisaram ter uma educação em saúde
princípios enunciados na Resolução 196/96 com os profissionais.
do Conselho Nacional de Saúde. Os meios de comunicação como
internet e as falas populares são meios pelos
RESULTADOS E DISCUSSÃO quais os mitos são propagados na sociedade
Revista Faculdade Montes Belos (FMB), v. 8, n° 1, 2015, p (6-16), 2014 ISSN 18088597

e acabam por confirmar que esses maioria disse que não teve nenhum. Além
mitos não são específicos de classes disso, foram obtidas informações quanto à
populares, mas também no meio idade gestacional, 4 mulheres vivenciando
acadêmico(7). os sete meses de gestação, 15 com oito
Das 94 acadêmicas da UEG meses e 3 com nove meses.
envolvidas na pesquisa, a maioria disse que Quando questionadas em relação ao
se lembra de algo que sua avó e mãe acompanhamento pré-natal, 21
disseram a respeito do que se privar e fazer responderam ir todas às vezes marcadas e
durante a gravidez para melhorar a sua apenas 1 somente no final da gravidez. No
saúde e a do bebê. tocante ao conhecimento das mudanças
fisiológicas que as gestantes perceberam em
Pesquisa com as gestantes do HMI seu corpo durante a gravidez, várias
Foi realizada uma pesquisa com 22 alterações foram citadas: urinárias,
gestantes do HMI, em que a idade variou de digestórias, respiratórias, cardiovasculares
18 a 33 anos. A pequena quantidade de e na pele.
gestantes é justificada pelo fato de ter Ao questionar o que elas observaram
escolhido o HMI, devido esse atender de mudança emocional, foram citadas as
somente gestantes a partir do sétimo mês e seguintes mudanças: a maioria das
também por essas mulheres estarem no gestantes relatou ter ficado mais nervosas e
estágio final, podendo ter sofrido todas as sensíveis, outras relataram chorar mais, ter
alterações e ouvido sobre os mitos. mais ansiedade e outras não observaram
Nos estudos em análise, verificou-se nenhuma alteração.
que 5 das gestantes não concluíram o Os discursos demonstram que as
Ensino Fundamental; 1 concluiu o Ensino modificações relatadas pelas gestantes são
Fundamental; 5 possuíam o Ensino Médio as mais visíveis durante o período
incompleto e 11 terminaram o Ensino gestacional sem maior aprofundamento.
Médio. Em relação ao estado civil, 11 eram Diante disso, percebe-se que no pré-natal, a
casadas; 2 eram solteiras; 1 era viúva e 8 gestante deve ser orientada quanto a essas
eram amasiadas. modificações e as informações que são
Das 22 gestantes participantes, 12 dadas devem ser com linguagem acessível e
estão na primeira gestação; 6 estão na de fácil compressão. Percebe-se que há um
segunda gestação; 1 está na terceira déficit de conhecimento sobre as alterações
gestação; 2 estão na quarta gestação e 1 está fisiológicas e emocionais por parte das
na quinta gestação. Em relação ao aborto, a gestantes e que os profissionais de saúde
Revista Faculdade Montes Belos (FMB), v. 8, n° 1, 2015, p (7-16), 2014 ISSN 18088597

devem ser capacitados na perspectiva capaz de mudar o modo de agir delas diante
de que eles possam resolver qualquer do seu corpo. Nesse sentido educar seria
situação que surja no pré-natal(5). conduzir as gestantes a uma nova direção,
Quando foi perguntado se a gestante com o intuito de adquirir um novo
acredita nos mitos, em relação a grávida ter comportamento. Para isso ter resultado,
desejo, a maioria respondeu que sim. deve-se buscar compreender o contexto
Quando questionadas se elas achavam que econômico, social e cultural da população
se deve beber café durante a gravidez, 17 que se objetiva atender. Essa educação é de
delas acreditam que sim. Ao perguntar se grande importância para conduzir essas
quando a gestante tem muita azia é sinal que mulheres a mudar seus hábitos(8).
o bebê será cabeludo, a maior parte afirmou As gestantes do HMI envolvidas na
que não. pesquisa, quando questionadas se seguiam
Quanto à barriga de grávida pontuda alguma dica relacionada à gestação dita
é menino e barriga espalhada é menina, a pelas mulheres que convivem com elas,
maioria respondeu não. Sobre a questão que responderam que:
comer chocolate durante a gestação provoca
cólicas no bebê, 21 delas disseram não “Quando sair de casa por uma porta, não
acreditar. Em relação ao mito que quanto voltar e entrar por ela se não o bebê na
mais canjica, canja de galinha ou leite a hora do parto vai e volta”. (G18).
grávida tomar, mais ela amamentará, a “Sim, não dormir à tarde porque o bebê
maioria acredita fielmente. cresce dentro da barriga, e não dá parto
Questionadas a respeito de que normal”. (G4).
quando engravida, a mulher deve comer por “Evitar fritura, certas verduras, sal,
dois, a maioria respondeu não. Ao perguntar refrigerante. Não lavar roupa, não lavar a
se elas acreditam que se houver um risco cabeça”. (G20).
preto na barriga, vai ter um bebê bem
moreno, todas as gestantes discordaram Muitas mulheres se deixam
desse mito. influenciar pelos mitos e praticam ações que
As gestantes persistiram em acreditar não sabem justificar, porque e qual o seu
nos mitos. Nesse momento houve a real significado. Mas, no entanto, não
pertinência em alertar os profissionais de deixam de fazer por acreditarem que são
saúde para uma educação em saúde(3). favoráveis ao seu bem estar, devido à sua
Para melhorar a qualidade de vida das sogra, mãe terem garantido sua saúde a
gestantes, faz-se necessária uma educação partir de tais ações(9).
Revista Faculdade Montes Belos (FMB), v. 8, n° 1, 2015, p (8-16), 2014 ISSN 18088597

sensações de prazer melhorando o humor”.


Estudo com os médicos de (M5).
Itapuranga “Desejos são de ordem psicológica, devem
Foi realizado um estudo com 06 ser usados como aproximação do casal e do
médicos em que o tempo de experiência casal com o filho”. (M6).
clínica variou de 2 meses a 29 anos.
Em relação ao hospital que os Nesse período a gestante passa por
médicos trabalham 4 responderam trabalhar mudanças na sua relação com o alimento e
em hospital público e 2 em hospital com a própria alimentação. Essas mudanças
particular e público. Quanto a área de podem ser diferentes de uma gestação para
formação profissional 4 responderam ser a outra, ocorrendo na mesma mulher. A
clínico geral, 1 respondeu ser clínico geral e gestante tem mudanças no gosto e no cheiro
especialista em Ginecologia e Obstetrícia e de alguns alimentos. Isso pode ser
1 respondeu ser clínico geral e explicado pelo fato de ocorrer alterações
especializando em Eletroneurofisiologia. metabólicas, modificações no gosto e
Perguntado se quando a gestante sensibilidade olfatória, que estão juntos da
chega ao consultório e faz perguntas grávida(10).
relacionadas aos mitos surgidos na gestação Os desejos são de ordem psicológica
todos disseram que sempre respondem. e são mitos. As mulheres utilizam do desejo
Todos eles responderam orientar as para fazer com que o companheiro faça as
gestantes sobre os mitos surgidos pela suas vontades. Elas aproveitam a fase que
cultura popular. Observe a orientação dos estão vivenciando para serem cuidadas,
médicos em cada mito a seguir: receberem carinho e atenção e o marido
Grávida tem desejo satisfaz seus desejos, mostrando que ela
como futura mãe é a mais importante(10).
“Desejo é normal para qualquer pessoa. Grávida deve beber café durante a
Esse mito está relacionado à ansiedade, gravidez
maturidade. É uma forma de chamar a
atenção”. (M1). “Pode tomar café sem excessos”. (M1).
“Podem ser relacionados a fatores “Não tem necessidade em beber café”.
hormonais (prolactina e progesterona são (M2).
responsáveis pela alteração do apetite e do “Deve evitar, pois a cafeína é um
pH da boca), à carência nutricional, está estimulante que altera o ritmo cardíaco
relacionada ao fator que comer causa
Revista Faculdade Montes Belos (FMB), v. 8, n° 1, 2015, p (9-16), 2014 ISSN 18088597

fazendo com que o bebê sinta essa “A azia está diretamente ligada com a
alteração”. (M5, M6). alimentação e alteração fisiológica que o
estômago sofre, devido a pressão que o
A cafeína é composta por nitrogênio e útero exerce sobre ele”. (M5).
pertence à classe de compostos naturais “Não existe ligação da azia com os pelos do
chamada xantinas. Os principais efeitos bebê. Os transtornos gástricos da gravidez
fisiológicos da cafeína no organismo estão relacionados aos níveis hormonais
humano são a dependência química, o efeito elevados que promovem o relaxamento
estimulante e efeito diurético. A ingestão intenso da musculatura lisa”. (M6).
em excesso pode causar irritabilidade,
insônia, dores de cabeça, palpitações do A gravidez provoca alterações na
coração e diarréia(11). Além dos efeitos já motilidade gastrointestinal. Isso devido à
citados há a dilatação dos vasos sanguíneos, elevação da concentração dos hormônios
a redução da frequência cardíaca, da pressão sexuais femininos, o estrogênio e a
sanguínea e da temperatura corporal(12). progesterona(13-14).
O consumo materno da cafeína causa Com o desenvolvimento da gestação
problemas fetais como: redução do a motilidade abaixa e a musculatura do
crescimento, baixo peso ao nascer, aborto, intestino fica hipotônica. Percebe-se
malformações e outros. Isso levou a também a diminuição da velocidade do
diminuição do consumo pelas gestantes, peristaltismo esofágico, o relaxamento do
mas pesquisas recentes mostram que não estômago e a elevação da pressão intra-
precisa diminuir ou parar de consumir abdominal, que tem como consequência o
cafeína durante o período gestacional, refluxo gástrico ou azia(13).
devido não ter encontrado nenhum risco(11- Barriga de grávida pontuda é
12)
. menino e barriga espalhada é menina
Gestante ter muita azia é sinal que
o bebê será cabeludo “Depende da forma do útero, essa forma
mudará também a forma da barriga”. (M1).
“Ocorre o relaxamento do músculo liso o “O tamanho e a forma da barriga estão
esfíncter esofágico inferior pode contribuir. ligados à posição que o feto (bebê) se
O aumento do volume do útero causa a encontra, a quantidade de líquido
compressão do estômago, ocasionando um amniótico e até mesmo a genética”. (M5).
aumento de refluxo”. (M2). “Está relacionada a pelve da mulher”.
(M6).
Revista Faculdade Montes Belos (FMB), v. 8, n° 1, 2015, p (10-16), 2014 ISSN 18088597

imaturo, por alergia ao leite materno, por


Um espermatozóide maduro pode ter alimentos ingeridos pela mãe (chocolate,
no seu genoma o cromossomo X ou Y. laticínios, pepino, pimentão, condimentos)
Quem define o sexo do bebê é o ou colocados na mamadeira (leite em pó)
espermatozóide, no momento em que que fermentam e provocam a formação de
fecunda o óvulo. Se o espermatozóide que gases. A mulher que amamenta deve evitar
fecundar o óvulo possui o cromossomo X, álcool, café, cigarro e evitar a ingestão de
resultará na combinação XX e então o bebê alimentos que produzem gases (cebola,
que será gerado terá o sexo feminino, mas couve-flor, brócolis e outros). Após a
se o espermatozóide Y fecundar o óvulo terá mamada o bebê deve ser colocado na
uma combinação XY que resultará em um posição ereta para expulsar o ar quando
bebê do sexomasculino(15). arrotar, esse ar ocasiona as cólicas. A mãe
Comer chocolate durante a precisa controlar a ansiedade e evitar não
gestação provoca cólicas no bebê ficar nervosa porque o recém-nascido
manifesta-se com mais cólicas(17-18).
“Nada de excesso. Na amamentação pode Quanto mais canjica, canja de
provocar cólica no recém-nascido, devido galinha ou leite a grávida tomar, mais ela
as xantinas presentes no chocolate”. (M1). amamentará
“Não restrinjo, só se a gestante for obesa”.
(M3). “É necessário ter uma alimentação
“Durante a amamentação sim”. (M4). adequada e não alimentações tão
específicas. Tem que estar bem nutrida,
As cólicas do lactente podem ser hidratada”. (M2).
devido a vários fatores (imaturidade “Quanto mais líquido tomar mais
fisiológica, ansiedade dos pais, depressão amamentará. Quando o bebê faz a sucção,
materna, sequelas emocionais, excesso de a ocitocina é liberada”. (M4).
ar gastrintestinal e outros). Fatores como “O que aumenta a produção do leite é
esses são citados, mas não se tem nada beber bastante água e estimular a
comprovado. Nesse aspecto são levantadas amamentação”. (M5).
várias hipóteses e acabaram por surgir “Os alimentos ricos em carboidratos,
muitas dúvidas(16). principalmente, água, sais minerais,
Essas cólicas no recém-nascido vitaminas são matérias-primas para o
podem ser oriundas da imaturidade do processo lácteo. A lactação depende da
sistema digestório, do sistema nervoso produção de prolactina”. (M6).
Revista Faculdade Montes Belos (FMB), v. 8, n° 1, 2015, p (11-16), 2014 ISSN 18088597

quantidades de água, glicídeos, proteínas,


lipídeos, sais minerais e vitaminas para
Muitos hormônios estão envolvidos serem utilizados na formação do leite e para
no desenvolvimento mamário. Os não faltar nutrientes a ela. Deve-se fazer
estrogênios ajudam no aumento dos ductos refeições intermediárias durante a lactação
mamários e a progesterona auxilia no e ingerir líquidos para substituir a água
desenvolvimento dos lóbulos. Mesmo que secretada no leite materno(20).
esses dois hormônios sejam fundamentais Quando engravida, a mulher deve
no desenvolvimento das mamas, a comer por dois
prolactina promove a secreção do leite e tem
um auxílio da somatomamotropina “Deve observar a alimentação, ter
coriônica humana nessa secreção. Para alimentação saudável e comer de três em
haver a ejeção do leite, a ocitocina deve três horas. A fome dela é devido à demanda
causar a contração das células mioepiteliais maior de nutrientes”. (M3).
para haver o impulsionamento do leite para “Não deve comer por dois, nem comer
fora dos alvéolos, para o interior dos muito. Deve ganhar peso, mas deve ter
grandes ductos e para fora do mamilo(15,19). cuidado (12 a 16 kg)”. (M4).
A sucção do leite deve ser feita para “A gestante deve ter uma dieta focada na
liberar ocitocina e ejetar o leite, manter e qualidade (frutas, verduras, cereais) e não
aumentar a secreção de leite devido à na quantidade”. (M5).
estimulação da secreção de prolactina que “A mulher deve se alimentar bem com
também é produzida pela sucção(19). proteínas, carboidratos, vitaminas e outros
A inibição da ejeção do leite pode ser em quantidade certa, tudo balanceado”.
causada pelos diversos fatores psicogênicos (M6).
e pela estimulação geral do sistema nervoso
simpático, que causam a inibição da As alterações fisiológicas decorrentes
secreção de ocitocina e deprime a ejeção do da gestação aumentam a necessidade da
leite. Por isso muitas mulheres devem ter ingestão dos nutrientes como as proteínas,
um pós-parto sem transtornos para ter os carboidratos e os lipídios, isso em função
sucesso na amamentação(15). da nutrição materna que garantirá o
Há uma importância da nutrição nos desenvolvimento do feto, sendo que a fonte
períodos anteriores e posteriores à gestação de nutrientes do feto está nas reservas
para ter um bom desempenho na lactação. A nutricionais adquiridas pela mãe(21).
mulher lactante deve ingerir grandes
Revista Faculdade Montes Belos (FMB), v. 8, n° 1, 2015, p (12-16), 2014 ISSN 18088597

hiperpigmentação acomete as regiões mais


Observa-se nessa fase um aumento no pigmentadas como a linha média do
apetite, que pode ocasionar um ganho de abdome (linha alba), aréola mamária, nas
peso superior ao recomendado, devido a axilas, genitália, períneo e parte interna das
gestante não seguir uma dieta nutritiva(14). coxas(22-24).
Durante a gravidez é necessário fazer A pigmentação ocorre pelo aumento
um acompanhamento nutricional, isso deve da população de melanócitos e devido ao
ocorrer durante as consultas de pré-natal. estímulo hormonal. Há elevação do
Para que a gestação ocorra de forma hormônio melanocítico estimulante (MSH)
saudável, a mulher não deve exagerar nas progesterona e estrogênio(22).
quantidades de calorias, gorduras, sódio e Sobre a orientação dos médicos às
açúcares(21). gestantes, há uma falta de informações a
Se existir um risco preto na barriga, elas e que o atendimento em locais públicos
vai ter um bebê bem moreno ocorre de maneira rápida devido à presença
de muitos pacientes. Assim, os médicos
“A linha nigra acentua mais durante a trabalham de maneira rápida, dizem
gravidez, local que já tem propensão. Isso somente o que é interessante e acabam por
devido aos hormônios”. (M1). deixar de esclarecer algumas informações
“Na verdade é uma das alterações que que seriam importantes para a mulher
surge na gravidez. É uma mudança que grávida(25).
ocorre, além de várias, durante a gravidez. Quando questionados se eles acham
É a mudança da linha alba”. (M2). que o grau de escolaridade e/ou poder
“Tem relação com as alterações aquisitivo influencia na crença dos mitos
fisiológicas da gestação e questão todos responderam que sim. Os mitos
hormonal”. (M4). populares estão relacionados às pessoas de
“O risco preto existe em todas as gestantes, baixo grau de escolaridade e de baixo poder
porém algumas tem maior acúmulo de aquisitivo, sendo que esses fatores impedem
melanina fazendo com que esse risco seja a formação de conhecimentos científicos. O
mais escuro, principalmente de cor conhecimento científico é deficiente nas
morena”. (M5). classes populares e também nos grupos de
formação escolar elevada(7)
A gestação provoca alterações na
pigmentação da pele e essas são mais
observadas em mulheres de raça negra. A
Revista Faculdade Montes Belos (FMB), v. 8, n° 1, 2015, p (13,16), 2014 ISSN 18088597

conhecimento científico. Uma medida a ser


CONCLUSÃO tomada, para diminuir a erradicação dos
Quanto às acadêmicas percebeu-se mitos na gestação, é organizar palestras que
que apesar do nível de informação, elas se tragam esclarecimento às pessoas da
deixam influenciar pelos mitos, mesmo população.
aquelas que não têm filhos, ouvem suas A assistência pré-natal com uma boa
mães e avós. Isso ocorre pelo fato da cultura orientação dos profissionais da saúde
familiar estar presente. Com base nisso, é constitui uma ferramenta fundamental para
necessário haver mudanças na conduta e a desmitificação dos mitos surgidos na
consciência com respeito ao desvendar dos gestação. A qualidade do pré-natal está
mitos para que possam fazer o correto sem vinculada ao comparecimento das gestantes
prejudicar a sua saúde e dos filhos. às consultas, ações educativas e
Entre as gestantes observou-se a falta principalmente a capacitação dos
de orientação por parte dos profissionais de profissionais que as atendem. Nesse
saúde. Elas ainda acreditam nos mitos contexto, é de suma importância a
surgidos na gravidez e não percebem muitas realização de palestras que tratem sobre a
mudanças fisiológicas e emocionais do temática.
período mencionado. Apesar de elas
saberem que alguns dos mitos sejam REFERÊNCIAS
considerados errados, ainda praticam 1.ALMEIDA, Leila Graziele Dias de et al.
devido não receberem orientações Análise comparativa das PE e PI máximas
esclarecedoras e acabam se apoiando na entre mulheres grávidas e não grávidas e
família, principal mediadora dos mitos. entre grávidas de diferentes períodos
Verificou-se que os médicos, mesmo gestacionais. Revista Saúde. Com, [s.l.],
respondendo orientar as gestantes, falham v.1, n. 1, p. 9-17, 2005. Disponível em:
nas respostas relacionadas às dúvidas <http:
existentes, por parte delas, sobre os mitos e //www.uesb.br/revista/rsc/v1/v1n1a2.pdf>
mudanças da gestação. Uma das questões Acesso em: 28 jul.011.
que justifica essa falha é a disponibilidade 2.MONTEIRO, Aldoraet al.A visão da
de tempo para atender os pacientes, que são mulher na antropologia: mitos da criação e
muitos em se tratando de local público. crenças em relação à gravidez. Escola
Necessita-se, portanto, de medidas Superior de Enfermagem de Viseu - 30
educativas que possam contribuir para a anos. [s.d.]. Disponível em: <http:
explicação dos mitos baseada no
Revista Faculdade Montes Belos (FMB), v. 8, n° 1, 2015, p (14,16), 2014 ISSN 18088597

//www.ipv.pt/milleniun/Milleniun30/4.pdf sp.br/pdf/mundo_saude/65/02_Curso_baix
> Acesso em: 20 abr. 2011. a.pdf> Acesso em: 05 ago. 2011.
3.CANTEIRO, Elódia Eulália Lopes; 7.PINTO, Leonardo Trindade et al. Os
MARTINS, Maria de Fátima da Silva mitos científicos: o uso de pregos no feijão
Vieira. A maternidade: crenças e tradições para combater anemia ferropriva. Encontro
em territórios amostra do distrito de Braga. nacional de Pesquisa em Educação em
O passado, o presente. Que futuro? [s.d.]. Ciências. Florianópolis, 8 de novembro de
Disponível em: <http: 2009. . Disponível em: <http:
//www.ugr.es/~adeh/comunicaciones/Lope //www.foco.fae.ufmg.br/pdfs/1296.pdf>
s_Canteiro_E_E.pdf> Acesso em: 01 jul. Acesso em: 19 out. 2011.
2011. 8.MOIMAZ, Suzely Adas Salibaetal.O
4.BOEHS, Astrid Eggert et al. A interface acesso de gestantes ao tratamento
necessária entre enfermagem, educação em odontológico. Revista de Odontologia da
saúde e o conceito de cultura. Texto Universidade Cidade de São Paulo, [s.l.], v.
Contexto Enfermagem, Florianópolis, v. 16, 19, n. 1, p. 39-45, jan./abr., 2007.
n. 2, p. 307-314, abr./jun., 2007. Disponível Disponível em: <http:
em: <http: //www.cidadesp.edu.br/old/revista_odontol
//www.scielo.br/pdf/tce/v16n2/a14v16n2.p ogia/pdf/3_janeiro_abril_2007/o_acesso_g
df> Acesso em: 05 ago. 2011. estantes.pdf> Acesso em: 20 out. 2011.
5.COSTA, Edina Silva et al. Alterações 9.STEFANELLO, Juliana; NAKANO, Ana
fisiológicas na percepção de mulheres Márcia Spanó; GOMES, Flávia Azevedo.
durante a gestação. Revista Rene, Fortaleza, Crenças e tabus relacionados ao cuidado no
v. 11, n. 2, p. 86-93, abr./jun, 2010. pós-parto: o significado para um grupo de
Disponível em: <http: mulheres. Acta Paul Enferm, [s.l.], v. 21, n.
//www.revistarene.ufc.br/vol11n2_pdf/a10 2, p. 275-281, 2008. Disponível em: <http:
v11n2.pdf> Acesso em: 13 jun. 2011. //www.scielo.br/pdf/ape/v21n2/pt_a07v21
6.SANTOS, Márcia Regina Cordeiro; n2.pdf> Acesso em: 01 nov. 2011.
ZELLERKRAUT, Hanny; OLIVEIRA, 10.QUINTANILHA, Karina Elias de;
Laércio Ruela de. Curso de orientação à MENEZES, Maria Fátima Garcia de.
gestação: repercussões nos pais que Desejos e aversões alimentares: a visão de
vivenciam o primeiro ciclo gravídico. O gestantes usuárias do serviço de obstetrícia
Mundo da Saúde São Paulo, [s. l.], v. 32, n. da Policlínica Piquet Carneiro. Ceres:
4, p.420-429, 2008. Disponível em: <http: Nutrição e Saúde, [s.l.], v. 5, n. 2, p. 19-34,
//www.saocamilo- 2010. Disponível em: <http:
Revista Faculdade Montes Belos (FMB), v. 8, n° 1, 2015, p (15,16), 2014 ISSN 18088597

//www.nutricao.uerj.br/revista/v5n2/pdf/art Federal de Minas Gerais, Corinto (Minas


_2.pdf> Acesso em: 19 out. 2011. Gerais), 2010. Disponível em: <http:
11.BRENELLI, Eugênio Cristina Souza. A //www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca
extração de cafeína em bebidas /imagem/2316.pdf> Acesso em: 31 out.
estimulantes – uma nova abordagem para 2011.
um experimento clássico em química 15.GUYTON, Arthur Clifton; HALL, John
orgânica. Quim. Nova, [s.l.], v. 26, n. 1, p. Edward. Gravidez e lactação. In:
136-138, 2003. Disponível em: <http GUYTON, Arthur Clifton.; HALL, John
://www.scielo.br/pdf/qn/v26n1/14313.pdf> Edward. Tratado de fisiologia médica. Rio
Acesso em: 09 nov. 2011. de Janeiro: Elsevier, 2006. p. 1027-1041.
12.SOARES, Ana Isabel Sousa 16.MURAHOVSCHI, Jayme. Cólicas do
Montenegro; FONSECA, Bruno Miguel lactente. Jornal de Pediatria, [s.l.], v. 79, n.
Reis. Cafeína. Faculdade de Farmácia da 2, p. 101-102, 2003. Disponível em: <http:
Universidade do Porto, 2004/2005. //www.scielo.br/pdf/jped/v79n2/v79n2a01.
Disponível em: <http: pdf> Acesso em: 13 nov. 2011.
//www.ff.up.pt/toxicologia/monografias/an 17.MOREIRA, MarialdaChistofellet al. As
o0405/Cafeina/cafeina.pdf> Acesso em: 13 medidas utilizadas pelas mães de recém-
nov. 2011. nascidos para amenizar a cólica de seus
13.LUCA, Bárbara Rovaris de. Avaliação filhos. [s.d.]. Disponível em: <http:
dos efeitos da hidrocinesioterapia sobre o //189.75.118.67/CBCENF/sistemainscricoe
sistema músculo-esquelético em gestantes s/arquivosTrabalhos/as%20medidas%20uti
no sexto e sétimo meses de gestação. 53 f. lizadas%20pelas.pdf> Acesso em: 09 nov.
Monografia (Conclusão do Curso de 2011.
Fisioterapia). Universidade do Sul de Santa 18.SAAVEDRA, Maria A. L. et al.
Catarina, Tubarão, 2005. Disponível em: Incidência de cólica no lactente e fatores
<http: //www.fisio- associados: um estudo de coorte. Jornal de
tb.unisul.br/Tccs/BarbaraRovaris/tcc.pdf> Pediatria, [s.l.], v. 79, n. 2, p. 115-122,
Acesso em: 19 out. 2011. 2003. Disponível em: <http:
14.CARDOSO, Leandro Moura. //www.scielo.br/pdf/jped/v79n2/v79n2a05.
Atendimento odontológico da gestante na pdf> Acesso em: 13 nov. 2011.
estratégia do programa de saúde da 19.GANONG, Willian Francis. Regulação
família. 22 f. Monografia (Conclusão de central da função visceral. In: GANONG,
Curso de Especialização em Atenção William Francis. Fisiologia Médica. Porto
Básica em Saúde da Família). Universidade Alegre: AMGH, 2010. p. 209-230.
Revista Faculdade Montes Belos (FMB), v. 8, n° 1, 2015, p (16,16), 2014 ISSN 18088597

23.ZANINI, Maurício; PASCHOAL, Luiz


20.ICHISATO, Sueli MutsumiTsukuda; Henrique Camargo. Dermatoses
SHIMO, Antonieta KeikoKaKuda. gestacionais. Medicina Cutânea Ibero-
Aleitamento materno e as crenças Latina Americana, [s.l.], v. 32, n. 4, p. 139-
alimentares. Revista Latino-Americana de 150, jan./fev., 2004. Disponível em: <http:
Enfermagem, [s.l.], v. 9, n. 5, p. 70-76, //www.medigraphic.com/pdfs/cutanea/mc-
set./out., 2001. . Disponível em: <http: 2004/mc044b.pdf> Acesso em: 04 nov.
//www.scielo.br/pdf/rlae/v9n5/7801.pdf> 2011.
Acesso em: 19 out. 2011. 24.CARNEIRO, Sueli Coelho da Silva;
21.BELARMINO, Glayriann Oliveira et al. AZULAY-ABULAFIA, Luna. Pele na
Risco nutricional entre gestantes gestação. Revista Brasileira de
adolescentes. Acta Paul Enferm, [s.l.], v. Reumatologia, [s.l.], v. 45, n. 3, p. 146-152,
22, n. 2, p. 169-175, 2009. Disponível em: mai./jun., 2005. Disponível em: <http:
<http: //www.scielo.br/pdf/rbr/v45n3/v45n3a10.p
//www.scielo.br/pdf/ape/v22n2/a09v22n2.p df> Acesso em: 01 nov. 2011.
df> Acesso em: 13 nov. 2011. 25.COMETTI, Luana Silvia Fávero.
22.ALVES, Gilvan Ferreira; VALLERA, Período gestacional: perfil das gestantes e
Tatiana Cristina Nogueira; NOGUEIRA, a importância da atividade física. 63 f.
Lucas Souza Carmo. Dermatologia e Monografia (Conclusão de Curso de
gestação. Anais Brasileiros de Licenciatura em Educação Física).
Dermatologia, [s.l.], v. 80, n. 2, p. 179-186, Universidade Estadual Paulista – Faculdade
2005. Disponível em: <http: de Ciências, Bauru, 2006. Disponível em:
//www.scielo.br/pdf/abd/v80n2/a09v80n02 <http:
.pdf> Acesso em: 01 nov. 2011. //www.fc.unesp.br/upload/MONO%20Lua
na.pdf> Acesso em: 12 mai. 2011.