Sei sulla pagina 1di 60

--------Apostila de Maquiagem--------

------ Cetep Duque de Caxias------ 1


--------Apostila de Maquiagem--------

Índice

História da maquiagem através dos tempos ............................................................. 03


Fotos que representam épocas .................................................................................. 04
Evolução do mundo retratada na maquiagem .......................................................... 06
onceito de maquiagem ....................................................................................... 0!
"everes do pro#issional ............................................................................................ 0$
%rinc&pios do 'om atendimento ............................................................................... 0$
(ipos de cliente ................................................................................................. 0)
Fisiologia da pele...................................................................................................... 10
ondiç*es e desequil&'rio da pele ........................................................................... 11
+nimigos da pele ................................................................................................... 1,
-migos da pele ........................................................................................................ 16
(ipos de pele ..................................................................................................... 1$
(este para identi#icar tipos de pele ............................................................................. 3
%H .............................................................................................................................. 3
/ani#estaç*es dermatológicas #requentes ................................................................. 3
Higieni0ação e limpe0a da pele .................................................................................. 6
/ovimentos corretos para aplicação de produtos na pele ......................................... $
1o'rancel2as ....................................................................................................... )
%ré maquiagem ........................................................................................................ 30
(ipos de maquiagem ............................................................................................. 31
1equ3ncia de uma maquiagem per#eita ................................................................... 34
-plicação do l4pis 'ranco ........................................................................................ 34
-plicação do corretivo ............................................................................................. 3,
orreção do nari0 ..................................................................................................... 36
orreção do rosto ..................................................................................................... 3$
5ase ...................................................................................................... 4.
%ó #acial .................................................................................................................. 43
1om'ras compactas ............................................................................................... 43
Harmonia das cores .................................................................................................. 44
/aquiagem dos ol2os .............................................................................................. 4,
1om'ras adequadas para cada cor de ol2os ........................................................... 4,
(ipos de ol2os ................................................................................................... 4!
/odelar os ol2os com l4pis ..................................................................................... 4$
-plicação de m4scaras nos c&lios ............................................................................ 4)
&lios postiços .......................................................................................................... ,0
5aton..................................................................................................... ,1
5lus2 ................................................................................................. ,.
6eceitas de m4scaras de 'ele0a .......................................................................... ,3
7ista de material ............................................................................................... ,,
5i'liogra#ia .............................................................................................................. ,,
/a8eup9s Fas2ion e outros ...................................................................................... ,6

------ Cetep Duque de Caxias------ .


--------Apostila de Maquiagem--------
A História da Maquiagem através dos tempos e culturas

H4 3300 a.c: surgiram os primeiros registros da maquiagem. ;s 2omens pintavam os rostos


com pigmentos ocres <argila= e negros: e>tra&dos de minerais mo&dos e dilu&dos em 4gua para assustar
seus inimigos e na guerra: reverenciar os deuses em seus rituais religiosos e de caça. om o tempo a
pintura no rosto passou a identi#icar o grupo ao qual os caçadores e guerreiros pertenciam.

Egito Antigo

%or volta de 3000 a.c: o rigor do clima levou os Eg&pcios


a criarem óleos per#umados para tratar a pele dos e#eitos
pre?udiciais do sol: carvão misturado com óleo vegetal ou
gordura animal: uma espécie de delineador. %igmento preto
respons4vel pelo ol2ar de leópatra: com diversos o'?etivos
como uni#ormi0ar traços pessoais: alcançar a sedução e revelar a
'ele0a: tam'ém era usado ao redor dos ol2os para proteger dos
raios do sol e a#ugentar insetos. Homens: mul2eres e crianças
usavam o tal carvão. @o entanto: além de alongarem os ol2os e
de#inirem a so'rancel2a com a cor preta realçavam as p4lpe'ras com um pó verde: as 'ases de malaquita
na 'oca passavam carmim: pigmento e>tra&do de um inseto e na #ace um pó marrom.

Império Romano

;s romanos gostavam de manter a pele do rosto 'em clara para isso usavam pó de trigo ou de
arro0 so're uma camada de a0eite de oliva ou gordura animal: -s so'rancel2as precisavam estar
escurecidas e nos l4'ios usavam corantes 'em vivos.

Japão

%ara #icarem parecidas com 'onecas de porcelana: as guei>as ?aponesas uni#ormi0avam o rosto
com uma maquiagem 'ranca e pintavam a 'oca em #ormato de coração. Ama das tradiç*es da cultura
?aponesa é a maquiagem teatral. -té 2o?e os atores do Ba'uqui <espet4culo em que alterna dança:
m&mica e canto= usam uma maquiagem sim'ólica aplicada so're o rosto totalmente 'ranco.
@a +dade /édia: séc. C+++ e C+D: a moda era ter uma apar3ncia p4lida: para isso as mul2eres evitavam
o sol o usavam pasta 'ranca so're o rosto e muitas c2egavam a morrer pelo uso de uma su'stEncia
tó>ica c2amada alvaiade <ó>ido de 0inco=. ; uso das cores varia de acordo com a classe social: o rosa
e o vermel2o eram escol2idos pelas prostitutas. - +gre?a atólica condenava a maquiagem.

Renascimento

; rosto p4lido continuou como padrão de 'ele0a nos séc. CD e CD+. Homens e mul2eres
escondiam as imper#eiç*es da pele em'ai>o de camadas e mais camadas de pintura 'ranca. ; pó de
caulim: gesso ou arro0 co'riam as #aces e os ca'elos da aristocracia. - França se tornou o para&so dos
cosméticos: enquanto a +nglaterra os colocou em desuso.

O Índio Brasileiro

- pintura corporal dos &ndios re#lete uma grande sensi'ilidade estética e envolve 'asicamente o
uso de pinturas e plumas. -s cerimFnias religiosas: as guerras: as danças e rituais motivam o uso da
maquiagem. Entre eles a pintura ind&gena é #eita com pigmentos naturais. @a região do Cingu </(=:
por e>emplo: as tintas avermel2adas e amarelas são preparadas a partir de semente de urucum. ;s
desen2os rompem com a simetria e a estrutura do corpo.

------ Cetep Duque de Caxias------ 3


--------Apostila de Maquiagem--------
EJA A!"#MA$ %O&O$ '#E RE(RE$E)&AM E$&A$ *(O+A$,

Idade Moderna

;s e>ageros ca&ram de moda e o rosto natural voltou a ser o modelo de 'ele0a: mas isso não
durou muito tempo. G4 em 1$$3 um per#umista #ranc3s 62odopis lança o 'atom: composto por talco:
óleo de am3ndoas: ess3ncias de 'ergamota: limão: gordura de cervo e corante vermel2o: e as
desco'ertas não parara por ai. @o séc. CC a cosmetologia tem um avanço imenso: os produtos se
diversi#icaram e gan2aram qualidade. ; uso de maquiagem se tornou mais livre e popular. @a França
em 1$06 #oi lançada a primeira enciclopédia da 'ele0a recon2ecendo a importEncia da maquiagem
dando in&cio H indIstria da 'ele0a.

------ Cetep Duque de Caxias------ 4


--------Apostila de Maquiagem--------
A E O!#-.O /O M#)/O RE&RA&A/A )A MA'#IA"EM

ada década teve sua 2istória: seu estilo. ; século .0 #oi velo0 e revolucion4rio. on2eça um pouco
mais so're as in#lu3ncias da 2istória na moda e na maquiagem.

Anos 01 2 Ol3os so4isticados e provocantes5

; 'atom #oi inventado e o s&m'olo de 'ele0a era ; ; H-@E7.


-nos .0 J o ca'elo curto de#inia a imagem: com ou sem #ran?a: liso ou
ondulado. Era complementado com ol2os contornados de preto: l4'ios
vermel2oJescuros e som'rancel2as cuidadosamente delineadas. pintar
os l4'ios ou empoar o rosto era considerado uma impertin3ncia e :
e>atamente por isso: muito c2ique. -s pessoas adoravam carregar a
maquiagem: mesmo que o resultado #osse demasiado arti#icial.

Anos 61 2 Ol3os so4isticados e provocantes5

1o'rancel2as totalmente depiladas e redesen2adas com


l4pis: num traço #ino: ousado e marcante. 1om'ras de
p4lpe'ras em pó e>ploravam todos os mati0es: indo dos
castan2os aos cin0as: e inclusive ao preto para a noite. ;s
c&lios cuidadosamente recurvados e co'ertos por m4scaras
para c&lios. %ara evitar todo e>cesso considerado vulgar: a
maquiagem da 'oca tornouJse mais discreta.

Anos 71 2 Ol3os armados de guerra5 A 3ora e a ve8


das 4emme 4atales5
- 'ele0a: sinFnimo de saIde: era considerada um dever
nacional. ;s e#eitos da guerra a'alaram o mundo e o mercado
de cosméticos teve uma queda em #unção da #alta de matériasJ
primas. Kra>a para as 'otas serviam como m4scara para c&lios:
o carvão: como som'ra de p4lpe'ras: a gra>a para sapatos
como tintura para as so'rancel2as e pétalas de rosa em'e'idas
em 4lcool produ0iam um 'lus2 l&quido da era vitoriana. -o
longo de todo o con#lito: as estrelas usaram ca'elos longos:
um modo de e>primir #eminilidade numa época em que
muitos outros meios não eram mais acess&veis.

Anos 91 2 Ol3os de ga8ela5 A eleg:ncia acima de


tudo5
/odelados pela som'ra nas p4lpe'ras: o l4pis de
so'rancel2a: a m4scara para c&lios e so'retudo o delineador. -
importEncia da maquiagem dos ol2os trou>e uma in#inidade
de criaç*es e re#ormulaç*es de produtos. - maquiagem
realçava a palide0 da pele e a intensidade dos l4'ios. ;s pósJ
deJarro0 e compacto estavam mais que presentes.

------ Cetep Duque de Caxias------ ,


--------Apostila de Maquiagem--------
Anos ;1 2 Ol3os de adolescente5 *poca de
grandes mudan<as5
AltraJmaquiados transparecendo uma ousadia inocente. @a
mesma época: surgiram as minissaias e as mul2eres
começaram a dei>ar de lado o cl4ssico e então LultrapassadoL
visual #atal. - #eminilidade transitava entre o comportado e o
irreverente. -s cores eram #ortes: puras: verdadeirasM rosaJ
c2oque: dourado: verde: violeta e laran?a. ;s anos 60
marcam o in&cio da cultura pop americana.

Anos =1 2 Ol3os em >usca de li>erdade5 A 4or<a


da cor5

- 'ele0a toma um aspecto moral e psicológico. @ão


e>istem mul2eres #eias: 24 somente mul2eres que ainda
não se con2ecem. %ela primeira ve0 na evolução da
'ele0a: 2omens e mul2eres podiam escol2er sua apar3ncia
seguindo seu estilo de vida pessoal: e não somente as
e>ig3ncias da moda.
- maquiagem e os cortes de ca'elo se tornaram: mais
que nunca: meios de e>pressão de escol2as. a'elos
livres: pele 'ron0eada e l4'ios 'ril2antes #i0eram dos anos
!0: uma década de 'ele0a e>plosiva.

Anos ?1 2 Ol3os c3eios de movimento5 A década over5

1o' as lu0es estro'oscópicas: a ?uventude dourada e


co'erta de lante?oulas tin2a os l4'ios muito vermel2os: os
ol2os pintados de a0ulJelétrico e as maças do rosto
realçadas por 'lus2es cor de ti?olo. ;s códigos de 'ele0a
começavam a mudar de acordo com as estaç*es do ano. -
som'ra passava do castan2o ao violeta e era es#umaçada: em
arcoJ&ris. ;s c&lios eram alongados com m4scaras
coloridas <verde relva e a0ul piscina= e a prova dN4gua. @o
topo dos anos $0: triun#ava /adonna: que #oi um marco da
década em que era proi'ido L#raque?arL. - 'ele0a virou
competição e as mul2eres passaram a cuidar muito do corpo. ;s mIsculos demonstravam que elas não
seriam mais intimidadas.

Anos @1 2 Ol3os menos cintilantes e mais


decadentes5 /écada do minimalismo5

ansada dos agitos dos anos $0: as mul2eres dos anos )0


apresentam uma 'ele0a esqu4lida e pertur'adora que
representa uma sociedade em #ase de mutação. (atuagem e
piercings #a0em do corpo um campo de e>pressão da
#eminilidade Lde'oc2adaL.

------ Cetep Duque de Caxias------ 6


--------Apostila de Maquiagem--------

/e 0111 aos tempos atuais


Ol3os espirais levam ao tAnel do tempo5 A era da >ele8a5

Fragmentos de todas as décadas passadas se misturam e


contam um pouco da 2istória da 'ele0a #eminina através
dos tempos. om a c2egada do novo mil3nio: os diversos
aspectos adotados pela 'ele0a nos serviram de espel2o. -
apar3ncia: em mani#estaç*es diversas e imagens e>tremas:
re#letiram os processos de trans#ormação. ;s dois Iltimos
anos misturam todos os poss&veis estilos de moda e
maquiagem. (ra0em a classe e a elegEncia do in&cio do
século: a delicade0a se>O dos anos 60: a irrever3ncia dos
anos $0 e a LapatiaL em tom de protesto dos anos )0.

+onceito de Maquiagem

"o Franc3s P/aquilerQ originouRse a palavra maquilagem. /aquilagem e maquiagem as duas


#ormas estão corretas. - palavra maquiagem signi#icaM a arte de se em'ele0ar: decorar e pintar o rosto
e o corpo com produtos cosméticos.

- maquiagem pode ser considerada um dos mais um dos mais importantes recursos utili0ado
pelas mul2eres para e>altar a sua 'ele0a: c2arme e #eminilidade.

onsiste em um ?ogo de lu0es: cores e som'ras: que 2armoni0am os traços e realçam as #eiç*es:
acrescentando sensualidade e magia do visual.

orrige as imper#eiç*es e destaca os pontos #ortes do rosto. "4 vida e luminosidade natural:
transmitindo a sensação de leve0a e suavidade. -lém do car4ter estético: a maquiagem: tem 2o?e
#unção protetora 'em de#inida. -o mesmo tempo em que em'ele0a: cuida tam'ém da sua pele.
%rodutos cada ve0 mais modernos: com princ&pios ativos espec&#icos: protegem a pele: os l4'ios e
c&lios contra a ação de radicais livres: a perda de umidade natural e o e>cesso de radiação ultravioleta:
assim como os demais #atores am'ientais: prevenindo o envel2ecimento precoce.

/ais do que uma simples tend3ncia: a maquiagem tem muito 'om gosto pessoal: que deve ser
respeitado. S um acessório da moda. @a moda e na 'ele0a: o individualismo impera
independentemente da idade. Doc3 é a criadora do seu próprio visualT

"iscreta: cl4ssica: ousada ou comportada: escol2a o seu estilo e prepareJse para os elogiosT

-ssim como as mul2eres: os 2omens estão adeptos a maquiagem: não só na vida pessoal: como
na vida pro#issional: nos meios art&sticos principalmente. Esta arte #ascina am'os os se>os.

------ Cetep Duque de Caxias------ !


--------Apostila de Maquiagem--------

/everes do (ro4essional Maquiador

Stica pro#issionalM S a ci3ncia que estuda a moral: ou se?a: as normas de conduta que tornam o
indiv&duo apto a conviver em sociedade.

U -par3ncia adequada e 24lito agrad4vel


U Evite #umar.
U onservar limpos e organi0ados os instrumentos de tra'al2o.
U Asar ?aleco ou avental.
U 6espeitar os outros pro#issionais.
U "emonstrar segurança e 2igiene completa.
U /anter uma postura natural: segura e agrad4vel.
U 1er discreto.
U 6espeitar a individualidade do cliente sendo #le>&vel a alteraç*es que o mesmo dese?ar.
U 1er pontual.

(rincBpios do Bom Atendimento

1. -o rece'er o clienteM

Faça perguntas para desco'rir pro'lemas: dese?os e necessidades do cliente.


;uça com atenção para identi#icar oportunidade de servir o cliente.

.. %ara que seu atendimento se destaque dos demais: #aça algo e>tra.

3. -o atender o cliente pessoalmente,


U ;rgani0e sua 4rea de tra'al2o
U /anten2a uma 'oa apar3ncia
U 6econ2eça imediatamente o cliente
U 1orria
U "3 ao cliente total atenção

4. @ão crie empecil2o. Em ve0 de di0er o que não pode #a0er: diga ao que o cliente pode #a0er.

,. Vuando o cliente tele#onaM


U -tenda prontamente
U %on2a um sorriso em sua vo0
U +denti#iqueJse
U (rate seu cliente pelo nome
U "iga P;'rigadaQ

6. %ara que o cliente #ique realmente satis#eito: assegureJse pessoalmente que o pro'lema #oi resolvido.

!. 1e o cliente se irritaM

U "ei>eJo #alar
U ;uça com interesse
U "emonstre empatia

$. 1eu dever é solucionar o pro'lema do cliente. Faça perguntas so're #atos e não so're emoç*es.
;'ten2a acordo quanto a uma poss&vel solução.

------ Cetep Duque de Caxias------ $


--------Apostila de Maquiagem--------
). ; segredo do 'om atendimento de clientes é interesseJse sinceramente pelas pessoas.

&ipos de +lientes

C5 +liente Impulsivo

%rincipais caracter&sticasM aç*es r4pidas: intensas: por ve0 'rusca: de reaç*es inesperadas. S
apressado e gosta de preste0a no atendimento.

omo atend3JloM rapide0 e agilidade são #undamentais porém sem se descuidar da qualidade.
Evite dar voltas. %erce'a o essencial de seu interesse e elogie a sua o'?etividade e criatividade. Ase o
seu orgul2o pessoal dele para conquist4Jlo. Fale de serviço especial e atendimento e>clusivo.

05 +liente ponderado

%rincipais caracter&sticasM meticuloso em seus movimentos. @ão #ica impaciente: mas é


altamente minucioso. -nalisa as propostas so' os Engulos: é um cliente que e>ige alto grau de
con2ecimento da parte de quem o atenda.

omo atend3JloM paci3ncia é #undamental: uma 'oa 'agagem de con2ecimento deve ser
demonstrada dentro de calma e segurança. 1e?a o'?etivo e preciso. Fale em resultados soluç*es
pr4ticas: nunca o desminta ou desmorali0e. @ão introdu0a muitas alternativas. -presente uma ou no
m4>imo duas alternativas. Fec2e com elogio.

65 +liente indeciso

%rincipais caracter&sticasM é 2esitante. ;l2ar inseguro e gestos incertos. 1uas palavras sempre
levam interrogação. S preocupado e di#icilmente toma decis*es. %ode tomar decis*es impulsivas e sem
'ase com propósito de se #irmar perante aqueles que o atente.

omo atend3JloM d4Jse a este tipo de cliente um grande apoio. %rocure decidir por ele porem:
sem que ele perce'a que tal decisão partiu de voc3. @ão o pressione para uma tomada de decisão.
%rocure darJl2e apoio e in#undir segurança. Firme0a em suas o'servaç*es mostreJl2e #atos. Ase
testemun2as. 6e#orce a decisão com um cumprimento.

75 +liente positivo

%rincipais caracter&sticasM é #irme e decidido: sempre sa'e o que quer e>atamente. (em pra0er
em demonstrar que toma decisão. Kosta que os outros pensem que ele sa'e tudo. ; importante é a
tare#a a ser reali0ada.

omo atend3JloM d3 a ele con#iança: ao sentir em voc3 uma pessoa de con#iança: ele próprio ir4
#acilitar seu tra'al2o: mas cuidado para não decidir por ele. +sto é 2umil2ante e inadmiss&vel para ele:
#ale de desempen2o: resultados: resultados: qualidade. @ão tente usar a emoção: use argumentos
racionais. /as quando ele decidir cumprimenteJo pela lógica e clare0a da decisão.

------ Cetep Duque de Caxias------ )


--------Apostila de Maquiagem--------

%isiologia da (ele

S o maior órgão do corpo 2umano: é envoltório protetor do organismo. 6esistente #le>&vel tem
v4rias #unç*es importantes no organismo. %rotege contra a ação de agentes e>ternos: regula a
temperatura interna do corpo e elimina as to>inas. S tam'ém através da pele que acontece a nossa
interação com o meio am'iente: porque ela é 'astante sens&vel as variaç*es am'ientais: como o calor e
o #rio. - pele é como um espel2o re#lete a nossa saIde: estilo de vida: 2eranças genéticas e até mesmo
o nosso amor próprio. 1ua macie0: 'ril2o e cor mostram muito do nosso 'emJestar e das condiç*es
#&sicas do nosso corpo. %or isso: é muito importante ter e manter a pele saud4vel. @o adulto a 4rea total
da pele corresponde apro>imadamente entre 1:, a .mW: apresentando espessuras vari4veis de 1 a 4mW.
on#orme a região: a planta dos pés e a palma das mãos: é mais grossa e a p4lpe'ra mais #ina. ; #ator
et4rio tam'ém condiciona a espessura da pele: mais delgada na in#Encia do que na vel2ice.
Vuimicamente: a pele possui pH 4cido e alcalino. - pele produ0 seu próprio alimento para se manter
saud4vel e protegida das 'actérias: encarregando de eliminar as células mortas e outros elementos que
a pre?udicam.

Estrutura da pele DEpidermeE /erme e HipodermeF5

- pele vive em constante trans#ormação: sua estrutura é dividida em 3 partes: cada uma com
uma caracter&stica e #unção di#erenteM

U Epiderme
U "erme
U Hipoderme ou tecido su'cutEneo

Epiderme

S a camada mais super#icial da pele. (em como principais #unç*es proteger o organismo de
agress*es e>ternas e manter seu aspecto saud4vel. ontri'ui para manter a 2idratação cutEnea:
impedindo a perda de 4gua pela evaporação. S nela que ocorre a renovação celular: #undamental para
manter a pele saud4vel e integral.
------ Cetep Duque de Caxias------ 10
--------Apostila de Maquiagem--------

- epiderme é co'erta por uma camada super#icial protetora c2amada manto 3idrolidBdicoE
#ormada por gordura: su'stEncias produ0ido pelo organismo e sua #unção é prevenir o ressecamento da
pele onde são encontradas as células montas ou queritini0adas.
@a epiderme tam'ém se encontra o grupo de células respons4veis pela coloração natural da
nossa pele: ol2os: ca'elos c2amada melanócito que produ0 a melanina.
- pele pode ser mais clara ou mais escura: con#orme #atores diversos como grupo étnico:
miscigenação: mestiçagem de . tipos di#erentes: regi*es do corpo <H4 partes mais claras e mais
escuras como planta dos pés e palmas das mãos=.

/erme

S a segunda camada da pele: respons4vel por sua sustentação e nutrição. - derme é constitu&da
por uma su'stEncia gelatinosa c2amada "el +oloidal rico em nutrientes: onde estão mergul2ados os
elementos respons4veis #irme0a: #le>i'ilidade e equil&'rio da pele esses elementos sãoM

U Fol&culo pilosoM estrutura onde nascem os p3los


U KlEndulas se'4ceasM produ0em gordura
U KlEndulas sudor&parasM produ0em suor
U Dasos sangu&neosM nutrem e o>igenam as células da epiderme
U Fi'ras col4genas e el4sticasM respons4veis pelo tFnus e elasticidade da pele
U (erminaç*es nervosasM respons4veis pela sensi'ilidade da pele <dor: tato e calor=.

; #ol&culo piloso e as glEndulas se'4ceas e sudor&paras são ane>os da epiderme locali0ados na


derme.

Hipoderme ou $u>cut:neo

S a camada mais pro#unda da pele. (em #unção de manter a temperatura e dar #orma ao
contorno do corpo. S #ormada 'asicamente por tecido adiposo <células de gordura= e vasos sangu&neos.

+ondi<ão da pele

- pele pode passar por alteraç*es transitórias em #unção de diversos #atores individuais e
am'ientais: como o estresse: alimentação: umidade do ar e o próprio passar do tempo. @o tempo #rio e
seco: a pele tende a #icar mais ressecada: e no calor mais oleosa: por isso di0em que a condição da pele
pode ser modi#icada.
/esequilB>rio da pele

Acne, a pele é 'ril2ante por apresentar oleosidade em toda a #ace: além de cravos eXou espin2as. -
acne é dividida em 4 graus de acordo com a gravidade de in#lamaçãoM

"rau CM %redom&nio de cravos

------ Cetep Duque de Caxias------ 11


--------Apostila de Maquiagem--------

"rau 0, %redom&nio de cravos e espin2as

"rau 6, %redom&nio de cravos: espin2as e cistos

"rau 7, -lém das caracter&sticas anteriores: apresentam cicatri0es e queloides que são capa0es de
de#ormar o rosto.

; tratamento cosmético para a pele com acne é indicado somente para a acne nos graus C e 05
1e o cliente tiver acne grau 6 e 7 dever4 tratar com a a?uda de um especialista.

Renova<ão +elular

- renovação celular é #undamental para a manutenção das #unç*es protetoras da pele. S um


processo natural: no qual as células novas migram da camada mais pro#unda da epiderme <camada
germinativa ou 'asal= para a super#&cie da pele. -s células da camada germinativa geram novas células
continuamente.

------ Cetep Duque de Caxias------ 1.


--------Apostila de Maquiagem--------
Estas células novas vão su'indo: ac2atando e empurrando para cima as mais antigas. Vuando as
células c2egam a super#&cie da epiderme ?4 não tem mais vida: estão endurecidas e descamamJse
continuamente.
; tempo necess4rio para uma célula sair da camada germinativa ou 'asal e se desprender da
super#&cie é de mais ou menos .$ dias. - este processo daJse o nome de renova<ão celular.

Radicais !ivres

;s radicais livres são moléculas produ0idas naturalmente pelo nosso corpo e decorrente do uso
de o>ig3nio nas reaç*es qu&micas do organismo. -pesar de possuirmos uma proteção natural contra
eles: 24 #atores que levam ao e>cesso de #ormação dessas moléculasM sol: poluição: m4 alimentação:
#umo: 'e'idas alcoólicas e estresse. om o tempo nosso sistema de proteção natural tornaJse
insu#iciente e o organismo não consegue mais neutrali0aJlos.
"a& a necessidade de com'ater os radicais livres: independente da idade.
;s radicais livres são moléculas desequili'radas e insustent4veis: altamente retivas. -os poucos
começam a destruir a estrutura e as #unç*es celulares: provocando o envel2ecimento precoce.
-s células passam a não #uncionar 'em e as #i'ras que dão sustentação a pele perdem #irme0a:
resultando em rugas: #lacide0 e perda de vitalidade da pele.

+omunica<ão celular

-s células se comunicam. E é esta comunicação que garante a produção regular de su'stEncias


essenciais para o 'om equil&'rio da pele: porém com o passar dos anos: ocorrem de#ici3ncias no
processo de comunicação celular. om essas de#ici3ncias: a produção de elastina: #i'ra respons4vel
pela elasticidade da pele: passa a ser e>cessiva: o que desorgani0ação a estrutura da pele: diminuindo
sua elasticidade natural.

/i4eren<as entre a pele do 3omem e da mul3er

U - pele masculina produ0 mais col4geno


U - camada córnea <composta de células mortas= é apro>imadamente .,Y mais
espessa e é mais oleosa: ?4 que a produção das glEndulas se'4ceas continua
ativa por mais tempo no 2omem do que na mul2er.

-lém disso: o 2omem tem um 24'ito di4rio: o 'ar'ear: que é


e>tremamente agressivo para a pele. ; 'ar'ear é muito valori0ado em nossa cultura: por representar
2igiene: limpe0a e cuidado com a apar3ncia. ; ato de escan2oar a 'ar'a <cortar o p3lo no sentido
oposto do crescimento= deve ser evitado para que os p3los não nasçam tortos ou causar
pseudo#oliculite <p3los encravados=.

Envel3ecimento da pele

-o longo da vida: a pele passa por di#erentes #ases: que tornam mais evidentes os e#eitos do
tempo. ; envel2ecimento da pele é um #enFmeno natural e #isiológico: progressivo e invenc&vel. 1ua
principal causa é a nossa 2erança genética. om o passar do tempo: doenças: dis#unç*es orgEnicas e
#atores 2ormonais contri'uem para a diminuição das de#esas imunológicas: assim com a alimentação
inadequada: alteração emocional e #atores e>ternos: como o sol: a poluição: o estresse e os radicais
livres tam'ém cola'oram para provocar o envel2ecimento H pele. ; surgimento de rugas é um
#enFmeno que normalmente evolui de acordo da idade.
------ Cetep Duque de Caxias------ 13
--------Apostila de Maquiagem--------

Após C0 anos, começam a ocorrer alteraç*es 2ormonais e conseqZentemente surge a acne.

/os 0? aos 61 anos, começam a surgir marcas muito #inas: principalmente ao redor dos ol2os e da
'oca. 1ão comuns peles com alto grau de oleosidade e acne.

Após 61 anos, acentuamJse as marcas que se trans#ormam em rugas de média intensidade. 1urgem
rugas no pescoço. - variação 2ormonal que começa a aparecer por volta dos 40 anos tende a a#etar a
2idratação natural da pele: ressecandoJa. -s #i'ras de col4geno e elastina começam a #icar
en#raquecidas.

Após 79 anos, -s #i'ras de col4geno e elastina estão 'em en#raquecidas: aumentando a #lacide0 da
pele. - queda natural da produção de 2ormFnios causa uma car3ncia na 2idratação. - pele perde
espessura em #unção de alteraç*es no processo de renovação celular.

Após ;1 anos, os sinais ?4 se acentuaram e estão 'em evidentes. - pele apresenta perda de elasticidade
e aumento de pro#undidade das marcas de e>pressão e rugas. -s manc2as senis nas mãos tam'ém
estão 'em aparentes.

------ Cetep Duque de Caxias------ 14


--------Apostila de Maquiagem--------
Os inimigos da pele

O $ol

S muito importante: pois sem ele não 2averia vida no planeta (erra.
; ser 2umano #ica raqu&tico se não se e>p*e aos raios do sol.
(odavia: ele pode se trans#ormar no maior inimigo da peleM é o respons4vel
pelo cEncer de pele e o envel2ecimento precoce.
@a praia: sem proteção do #iltro solar: a pele #ica literalmente assada.
E>posta ao óleo 'ron0eador a pele #ica literalmente #rita: por causa da
com'ustão do óleo quente.
"eveJse evitar os e#eitos pre?udiciais dos raios ultravioleta:
emitidos pelo sol principalmente no 2or4rio das 102 Hs 162. +sso poder4
ser #eito com o uso de um #iltro solar: na #orma de creme: em todo corpo:
quando estiver na praia ou apenas no rosto e nas mãos para andar na rua
normalmente.
1em esses cuidados: a pele #icar4 envel2ecida precocemente ou no
m&nimo com manc2as escuras causadas pela e>posição ao sol.

O ento

S um elemento natural que pre?udica muito a pele. (anto o


vento #rio como o vento quente resseca a pele: dei>andoJa escamada e
sem 'ril2o. om o tempo: a pele #ica murc2a porque o vento a?uda a
retirar sua umidade natural.

O %rio
"e #orma demasiada ele congela a umidade do ar. - com'inação de
'ai>a temperatura com 'ai>a umidade tam'ém resseca a pele:
dei>andoJa sem elasticidade S por isso que a pele #ica Prepu>andoQ no
inverno.
; #rio tam'ém provoca alergias em peles sens&veis. S comum
encontrar pessoas que sentem coceira no rosto por causa das 'ai>as
temperaturas.
"a mesma #orma que no verão: tam'ém no inverno a pele
precisa de muita 2idratação e nutrição. Hidratante é aquele creme que
é a'sorvido pela pele e o contém um pouco mais de nutrientes oleosos.

A (olui<ão

- #umaça: a poeira e outros elementos poluidores do ar vão aos


poucos grudando na pele causando o entupimento dos poros.
@as grandes cidades: não 24 como #icar livres desses inimigos
da pele. ; m&nimo que se deve #a0er é mant3Jla sempre limpa e 'em
2idratada.

------ Cetep Duque de Caxias------ 1,


--------Apostila de Maquiagem--------
O Estresse

@os dias atuais: as mul2eres cada ve0 mais acumulam tare#as e


responsa'ilidades. S di#&cil não se sentir estressada de ve0 em quando. ;
estresse #a0 com que todos os mIsculos do rosto se contraiam. om tempo:
vão se #ormando lin2as de e>pressão que não
desaparecem mais.
; estresse tam'ém causa ol2eiras
pro#undas e manc2as que aos poucos se
tornam permanente. -ntes de dormir: pense
em alguma coisa agrad4vel e divertida para
descontrair a musculatura do rosto.
-prenda a #a0er alguns e>erc&cios #aciais. -lém de
prevenirem a #lacide0: eles a?udam a rela>ar a musculatura da #ace.

O &empo

S um #ator natural e inevit4vel. /as podemos retardar os PestragosQ


causados por ele. Vuando criança: nossa pele é lisa: #irme e viçosa. @a
adolesc3ncia: ?4 a o'servar a mudança da pele por causa das alteraç*es
2ormonais. omeçam a aparecer espin2as <acne=: que Hs ve0es se tornam
crFnicas. S importante começar a cuidar da pele ?4 nesse per&odo: para
corrigir o %H da pele e evitar pro'lemas crFnicos #uturos.

om o tempo: o organismo vai se


trans#ormandoM a pele vai perdendo a elasticidade e a umidade. omeçam
a surgir os primeiros pésJdeJgalin2a no canto e>terno dos ol2os e as lin2as
#inas <lin2as do tempo= na testa: ao redor dos ol2os e dos l4'ios.
@o climatério: per&odo que antecede a menopausa: a pele so#re as
mudanças mais 'ruscas. ; organismo passa a produ0ir menos 2ormFnios.
"iminuem a produção de col4geno e da elastina: su'stEncias respons4veis
pela elasticidade e pela sustentação da pele: que começa a perder a
capacidade natural de autoJrenovação.

Amigos da pele

-ntes de se preocuparem com produtos miraculosos para re?uvenecer a pele: as mul2eres


deveriam con2ecer primeiro: os amigos da pele: isto é: os #atores que irão a?udar a protegeJla. Esses
#atores são indispens4veis para a pele se manter ?ovem: independentemente do seu tipo.

A Ggua

; corpo 2umano é #ormado por uma


quantidade muito grande de l&quidos
<60Y=. %or esse motivo: o 2omem:
necessita de muita 4gua para o seu
equil&'rio. ;s médicos recomendam
'e'er cerca de oito copos de 4gua por
dia. - pele desidratada murc2a como
uma rosa esquecida em um copo sem
4gua.

------ Cetep Duque de Caxias------ 16


--------Apostila de Maquiagem--------
A )utri<ão

Ama alimentação 'em 'alanceada #ornece todos os nutrientes


respons4veis para uma saIde per#eita. - pele é o re#le>o da saIde geral
do corpo. S poss&vel: inclusive: diagnosticar doenças anali0ando
determinados pontos de pele.
"e modo geral: deveJse dar pre#er3ncia aos alimentos naturais:
como #rutas: legumes: verduras e aos produtos não gordurosos: como o
quei?o 'ranco. %ara quem não dispensa a carne: que ela se?a 'ranca: sem
gordura: como a do #rango e a do pei>e.
(odavia: cada pessoa tem necessidades próprias de alimentação.
%or isso: é 'om consultar um nutricionista para esta'elecer uma dieta
individual adequada.

O $ono
; sono é o tratamento #undamental e mais 'arato para a
pele. "urante o sono: ela se renova. "epois de uma noite 'em
dormida: a pele #ica linda e descansada.
%esquisas reali0adas conclu&ram que cada organismo
tem necessidades di#erentes em relação ao sono. H4 pessoas
que se sentem 'em dormindo apenas , 2oras por dia: outras
precisam de $: 10 ou mais para recompor suas energias.
; importante é desco'rir a sua necessidade de sono
di4rio e respeitar esse per&odo.

Os EHercBcios %Bsicos

;s e>erc&cios #&sicos #eitos regularmente: sem e>ageros: como


camin2ar: nadar: pedalar e até mesmo alguns movimentos de dança
ou e>pressão corporal: são e>celentes para a circulação do sangue.

- circulação sangu&nea é respons4vel pela o>igenação e pela


renovação de todas as células do organismo. 1em #alar da 'oa
alimentação.

Os +osméticos
- cosmetologia é uma ci3ncia que a cada dia vem desco'rindo
novos produtos para tornar a pele mais 'onita e saud4vel.
Entretanto: para tirar proveito disso: é preciso con2ecer 'em
seu tipo de pele. 1e ela apresenta pro'lemas: é aconsel24vel
consultar um 'om dermatologista: caso contr4rio: um %ro#essional
esteticista ?4 é su#iciente.
@ão tente resolver pro'lemas como acne ou espin2a com
produtos cosméticos. +sso é assunto para um 'om dermatologista.
1e?a qual #or seu tipo de pele: o tratamento '4sico di4rio R
demaquiar: limpar: toni#icar e 2idratar a pele R é indispens4vel para
manter o equil&'rio do seu pH.

------ Cetep Duque de Caxias------ 1!


--------Apostila de Maquiagem--------
&ipos de (ele

- pele é classi#icada pelo seu grau de oleosidade. - produção de óleos pelo corpo é importante
na determinação de seu tipo de pele e suas caracter&sticas. -s glEndulas se'4ceas produ0em e e>pelem
o se'o. +sto é normal em peles saud4veis: pois o se'o a?uda a manter a pele el4stica e 2idratada. /as se
as glEndulas apresentam alguma dis#unção: isto pode gerar pro'lemas. Vuando estão super ativas: vem
a oleosidade e a acne. E: se por outro lado: elas produ0em pouco se'o: a pele pode tornarJse seca e
que'radiça.

(ele )ormal DEudérmicaF

- pele normal praticamente se cuida so0in2a. ; seu


tra'al2o ser4 encontrar uma rotina de limpe0a que não inter#ira
no seu equil&'rio natural: mas que d3 uma Pmão0in2aQ quando
necess4rio. Ama dieta saud4vel: e>erc&cios #&sicos e uma 'oa
noite de sono são essenciais. Am agente de limpe0a suave: um
2idratante leve seguido #otoprotetor e o uso ocasional de um
tFnico não secativo é tudo de que voc3 precisa. @esse tipo de
pele: pre#ira as loç*es 2idratantes com #órmulas #luidas: e ativos
como as eramidas e as vitaminas. -s espin2as ocasionais e os
cravin2os podem ser controlados com géis contendo
cicatri0antes e anticro'ianas.

1e a sua pele é normal: ela apresenta um 'om equil&'rio


nas suas secreç*es 2&dricas e oleosas: não tendo 4reas com oleosidade e>cessiva ou muito secas. - pele
normal tem apar3ncia saud4velM é macia: suave ao tato: não se apresenta nem 'ril2ante nem opaca:
possui uma cor saud4vel e poros regulares. S de #4cil manutenção. @a verdade: são poucas as pessoas
privilegiadas com esse tipo de pele.

(ele Oleosa D!ipBdicaF

- pele oleosa tem uma te>tura mais grossa: de poros vis&veis:


com aspecto 'ril2ante e oleosa ao toque. ; aumento da secreção
se'4cea pode ocorrer em di#erentes intensidades: desde uma leve
oleosidade até a c2amada se'orréia. S comum a presença de cravos
e espin2as: principalmente na testa: nari0 e quei>o. Keralmente a
pele é 'em oleosa é 'em 2idratada e resistente H ação de agentes
agressivos: por isso envel2ece menos. - gordura secretada pelas
glEndulas se'4ceas #orma um #ilme protetor: a?udando a manter a
umidade necess4ria ao 'om equil&'rio da pele. -lgumas: porém:
independente da oleosidade: são desidratadas e mostramJse opacas e
4speras: com tend3ncia H escamação.

------ Cetep Duque de Caxias------ 1$


--------Apostila de Maquiagem--------
%ara cuidar da pele oleosa use um agente de limpe0a suave e laveJa duas ve0es ao dia. (ome
cuido para não remover os óleos naturais de que a sua pele precisa para se proteger. ;s sa'onetes
l&quidos são suaves e não dei>am res&duos.
Ase um tFnico H 'ase de 4lcool para remover os res&duos dei>ados pelo agente de limpe0a e o
e>cesso de óleo. @esse tipo de pele: não 24 necessidade de uma 2idratação pro#unda: que a gordura
secretada pelas glEndulas se'4ceas #orma um #ilme protetor so're a cItis: a?udando a manter a umidade
natural da pele.
/as não é por isso que vamos esquec3Jla. %rocure um 2idratante 'em leve: não comedog3nico
<que não #ec2e os poros= e não acneg3nico <que não irrite os poros=: #eito especialmente para peles
oleosas. ; 2idratante deve ser em #orma de gel: gelJcreme ou: no m4>imo: loç*es cremosas livres de
óleo. -tivos como o Kin8go 5ilo'a: o % -J@a: o Hamaméis e os -H-s são os mais indicados Ama
es#oliação suave pode a?udar a manter a pele limpa e #acilitar a a'sorção dos 2idratantes.

(ele $eca DAlBpicaF

- pele seca tem uma te>tura #ina: toque 4spero:


geralmente vincada e com poros invis&veis. Ela apresenta
pouca elasticidade: tend3ncias H descamação e marcas. -
lu'ri#icação insu#iciente e a desidratação e>cessiva geram
um envel2ecimento precoce da pele <rugas de e>pressão em
volta dos ol2os e 'oca=. 1e a sua pele é seca: voc3 necessita
de m4>imo cuidado em sua limpe0a e conservação.

%re#ira leites ou loção de limpe0a: pois são mais


2idratantes que os sa'onetes. /as se voc3 é aquela pessoa
que não vive sem sa'onetes: escol2a um que se?a liquido:
suave e umectante. ;s sa'onetes em 'arra estão #ora de
questão. 5an2os longos so' a 4gua quente ressecam mais a sua pele. (ome 'an2o de 4gua morna:
passa a toal2a com 'atidas suaves e aplique o 2idratante para reter a #ina camada de 4gua que ainda
est4 so're a sua pele. Fique longe dos tFnicos alcoólicos e use #ormulas especi#icas para peles secas.
%rocure #ormulaç*es mais pesadas: que criam um #ilme oclusivo so're a super#&cie cutEnea:
diminuindo a perda de 4gua. S importante que o produto não se?a comedog3nico <que não #ec2e os
poros=. ;'serve atentamente a #orma como a sua pele vai reagir a este tipo de #ormulação: ?4 que é
muito gordurosa podendo causar irritação: oleosidade ou acne. 7actato de -mFnio: eramidas: Aréia:
[leo de /aracu?4 e \cido HialurFnico são ativos de grande utilidade para esse tipo de pele. Ama
es#oliação suave: uma ve0 por semana: pode a?udar a pele a a'sorver mel2or o 2idratante. /as
cuidadoM a sua pele pode ser sens&vel a esses tratamentos.

(or que a pele ressecaI

; tipo de pele é determinado geneticamente: entretanto: alguns #atores e>ternos podem


modi#icar suas caracter&sticas naturais. - #ina camada de óleo e 4gua que protege a pele não resiste a
tantas agress*es e>ternas. -s glEndulas até que se es#orçam para repor essa proteção: mas não
conseguem. 6esultadoM a pele #ica ressecada.
- pele so#re especialmente com a 'ai>a de umidade no ar e com perman3ncia prolongada em
am'ientes re#rigerados. -m'os #a0em H pele perder mais 4gua que o normal.
; vento e o sol em e>cesso ou a mudança 'rusca de temperatura dei>am a pele 'astante
desidratada.
@o inverno: a produção de suor e se'o diminui: dei>ando a pele com menor proteção e
ressecada.
5an2os com 4gua muito quente e demorado redu0em o manto 2idrolip&tico. ; uso e>cessivo de
sa'onetes e #órmulas com 4lcool pode eliminar a camada protetora da pele.

------ Cetep Duque de Caxias------ 1)


--------Apostila de Maquiagem--------
(ele muito ressecada

Vuando a pele estiver muito ressecada: 'e'er 4gua e uma 2idratação mais pro#unda pode ser de
grande utilidade: podendo ser #eita com a?uda de uma esteticista. Ela ir4 escol2er ativos espec&#icos
para cada região. %ara mel2orar a atividade 2idratante: uma es#oliação é indicada para retirar as células
mortas da super#&cie e #acilitar a penetração dos ativos.

(ele Mista ou +om>inada

- pele mista tem uma te>tura lisa e macia. Ela é oleosa e


'ril2ante na 8ona & <quei>o: nari0 e testa= podendo ser seca ou
normal em volta dos ol2os e nas laterais do rosto. ;s tipos de pele
tam'ém podem variar numa mesma pessoa: entre o rosto e as v4rias
partes do corpo. 6osto e om'ros oleosos: pernas e 'raços secos e o
resto do corpo normal.

Escol2a um sa'onete l&quido suave e limpe sua #ace duas


ve0es ao dia. @a 0ona (: complemente a limpe0a com um tFnico com
'ai>o teor de alcoólico e com adstringentes suaves como o
Hamamélis e a amomila. 7em'reJse de que os 2idratantes não
pensam: por isso irão tratar as di#erentes partes da sua #ace: de
maneira igual. %ortanto: voc3 pode precisar tratar as partes oleosas
com um produto e as secas com outro. Ase um 2idratante de te>tura
suave e não comedog3nico na #ace e: não se esqueça do creme espec&#ico para a 4rea dos ol2os. ;s
ativos podem ser Kin8go 5ilo'a: as eramidas e o \cido HialurFnico.

(ele $ensBvel

- sua pele pode se tornar sens&vel a certas su'stEncias: ou


sens&vel so' certas circunstEncias: tais como o estresse. ; processo
de envel2ecimento tam'ém pode acarretar o aumento da
sensi'ilidade. %orém: determinadas peles reagem com #reqZ3ncia Hs
alteraç*es do am'iente <sol: vento: #rio=: produtos cosméticos e
temperatura da 4gua: apresentando graves sinas de irritação cutEnea.
@as peles sens&veis: aquelas em que a 'arreira de proteção é
ine#iciente e por isso são mais #inas e vulner4veis Hs agress*es
e>ternas: devemJse evitar #ormulaç*es com #ragrEncias #ortes:
pigmentos arti#iciais e 4lcool.

Doc3 deve o'servar alguns cuidados '4sicos como não usar sa'onetes alcalinos: loç*es
alcoólicas: produtos a'rasivos: 4cidos de #rutas <-H-= e produtos per#umados. (en2a o cuidado de
manter a pele sempre 'em 2idratada: e de proteg3Jla das variaç*es e>tremas de temperatura. Ase
sempre 4gua #ria na rotina regular de limpe0a: e manten2a as mãos a#astadas da #ace: para evitar
irritação. -ntes de usar qualquer tipo de reação. %rodutos contendo amomila e -loe Dera são
calmantes e ideais para o seu tipo de pele. %ara a limpe0a: use loç*es ou leite de limpe0a no lugar de
sa'onetes l&quidos ou em 'arra. 1e voc3 quiser usar um tFnico: pre#ira aqueles não alcoólicos:
#ormulados para peles sens&veis. Ase um 2idratante 2ipoalerg3nico: sem #ragrEncia: com o m&nimo de
ativos poss&veis. 7em'reJse de que quanto mais su'stEncias na #órmula: maiores as c2ances de voc3 ter
uma reação alérgica a um dos componentes. @ão use es#oliantes. %rocure usar maquiagem
2ipoalerg3nica. E: o mais importante: não dei>e de consultar o seu médico.

------ Cetep Duque de Caxias------ .0


--------Apostila de Maquiagem--------
ocJ sa>ia que a pele sensBvel é um tipo raro de peleI

%esquisas mostram que 60Y de nós acreditamos que a nossa pele é sens&vel: mas na verdade apenas
6Y são verdadeiramente sens&veis.

(ele )egra

- pele negra di#ere das demais apenas no #ato de possuir


células com mais melanina <a su'stEncia que colore a pele=. E isso
não isenta de pro'lemas comuns como oleosidade: acne:
ressecamento e manc2as. - pele negra necessita de #otoprotetor simT
Ela se queima: se 'ron0eia e so#re os e#eitos nocivos das radiaç*es
solares: respons4veis pelo envel2ecimento prematuro e pelo cEncer
de pele. /ais rica em melanina: a pele negra manc2a com grande
#acilidade. %ortanto: tome cuidado com o sol e evite espremer cravos
e espin2as. S comum nesse tipo de pele surgirem poros dilatados:
marca das acnes: cistos se'4ceos <'olin2a de se'o= e manc2as.

- grande preocupação das pessoas de pele negra é o quelóide: cicatri0 em relevo: que podem
aparecer após queimaduras: cirurgias: peelings ou surto de acne.

1e a sua pele parece um pouco acin0entada: Ela provavelmente seca. Ama dicaM manten2a sua
pele sempre lu'ri#icada com um 2idratante livre de óleo para corrigir esse tom. 1e a sua pele parece
'ril2ante: não quer di0er que ela este?a oleosa: pois a pele escura re#lete a lu0 de maneira di#erente:
dando uma espécie de luminosidade H pele.

%ara a limpe0a: use um sa'onete l&quido suave. @ão tente remover o óleo com um tFnico #orte.
@ão se dei>e impressionar por aspere0as: descamaç*es e repu>amentos que possam surgir: não use
produtos oleosos ou comedog3nicos. Escol2a um 2idratante livre de óleo. ; e>cesso de 'ril2o pode ser
ameni0ado usando uma 'ase cosmética livre de óleo. @ão se esqueça do #otoprotetorT ; F%1 1, é o
ideal. 1e a sua pele é oleosa ou mista: use um #otoprotetor em gel livre de óleo. /as se sua pele #or
seca: escol2a um #otoprotetor em #orma de loção cremosa. Ama es#oliação suave por semana pode
a?udar a manter a pele limpa. %ara a remoção de cravos: procure a?uda de uma esteticista.

(ele com Acne

- acne vulgar tam'ém de acne ?uvenil e se caracteri0a pela


presença de comed*es: p4pulas: pIstulas: microJcistos e
so'orréica. (rataJse de uma patologia in#lamatória crFnica que
atinge o #ol&culo piloso e a glEndula se'4cea na época da
pu'erdade.
Vuando estas les*es permanecem por muitos anos:
passam a constituir a acne retencional do individuo adulto: apresentando inclusive seqZelasM as
cicatri0es e man2as avermel2adas ou escuras.

+aracterBsticas EspecB4icas da (ele Acneica

; omedão <PcravoQ= é a lesão elementar da acne ?uvenil e é constitu&do por #ilamento


se'orréico volumoso: retido no #ol&culo piloso.
(rataJse de se'o espesso: onde são encontrados em grande nImero de 'actérias respons4veis
pela trans#ormação destas gorduras <4cidos grascos= em su'stEncias irritantes integrantes do processo
in#lamatório. - dilatação dos ori#&cios piloJse'4ceos: comumente c2amados de Pporos dilatadosQ: é

------ Cetep Duque de Caxias------ .1


--------Apostila de Maquiagem--------
uma decorr3ncia da 2ipertro#ia do #ol&culo piloso para conter o comedão que #reqZentemente se
apresenta como pontos pretos: que devem ser removidos através da limpe0a de pele.
Est&mulo 2ormonal: #atores como predisposição individual: se>o <masculino ou #eminino= #ases
do ciclo menstrual e estresse são os desencadeadores e agravantes do processo acnéino.

(ele desidratada

-s peles são mais #inas <menos espessas= são mais #inas: possuem ori#&cios vis&veis <poros
dilatados=. -s rugas e 1ulcos de e>pressão se apresentam acentuados nas regi*es mais e>postas: 24
tend3ncia de envel2ecer precocemente. 1a'*es alcalinos: uso de cosméticos agressivos: vento: são
#atores que podem levar H desidratação da pele.
Este tipo de pele e>ige cuidados especiais em relação ao meio am'iente e deve ser protegida
das variaç*es clim4ticas através de cremes 2idratantes: nutritivos e umectantes com #iltro solar alto
<F%s acima de 4=
(ele com couperose

U Fina
U -vermel2ada
U (ransparente
U +rritada
U /anc2as rosa. Diol4ceas
U (end3ncia a (elangiectasia <#inas rami#icaç*es de vasos sangu&neos principalmente nas maçãs do
rosto e ao redor das 'ordas nasais.=

+uidados

Higieni0ação suave: tratamento cosmético: calmantes e descongestionantes: proteção intensiva


contra #atores am'ientais: evitar todo e qualquer processo irritante <pieling: sol: etc.=

(ele (rematuramente envel3ecida

-ntes "epois

U 6ugas U /anc2ada
U Falta de #le>i'ilidade U Fl4cida
U Falta de 'ril2o U "esnutrida
U 6essecada
------ Cetep Duque de Caxias------ ..
--------Apostila de Maquiagem--------
+uidados

%roteção e>tra contra a ação dos radicais livres: nutrição adequada: tratamento cosmético
regenerador.

&este para Identi4icar o &ipo de (ele

%a8endo teste do papel a>sorvente

1. -perte uma #ol2a de papel a'sorvente so're a pele durante 3 segundos.


.. 6etireJa e o'serve a impressão gordurosa

U /&nima ] pele seca


U E>cessiva ] pele gordurosa
U 1ó 0ona central ] mista

O>s5, Este teste classi#icar4 sua pele segundo o teor de umidade e gordura.

- pele mista é comum a maioria das mul2eres.

(H

O que é (HI

%2 é o s&m'olo usado para indicar a acide0 ou alcalinidade de um produto e as letras signi#icam


(otencial de HidrogJnio.

+omo se caracteri8amI

%H 4cido R produtos que possuem %H a'ai>o de !.0


%H neutro R produtos que possuem %H igual a !.0 <a 4gua tam'ém tem %2 !.0=
%H alcalino R produtos que possuem %H acima da !.0

- ta'ela vai de 1 a 14M representa a acide0 m4>ima^ o 14: a alcalinidade m4>ima^ o n&vel !
indica %H neutro. "e 4 a 6: a pele é considerada normal e saud4vel.

Mani4esta<Kes /ermatológicas %reqLentes

Acne vulgar DMuvenilFM +n#lamação crFnica das estruturas pilo se'4ceos: que atinge geralmente a #ace o
dorso e o peito. -s les*es são comed*es: p4pulas: pIstulas ou nódulos: que se iniciam na pu'erdade e
podem se estender aos 30 anos.

+isto $e>Gceo, 6elevo glo'oso #ormado pele retenção de se'o num invólucro epitelial con?untivo
<cravo 'ranco=.

------ Cetep Duque de Caxias------ .3


--------Apostila de Maquiagem--------

+omedKes, "eposito de se'o que se apresenta como pontos pretos o>idados <cravo=

Eritema $olar, Dermel2idão da pele devido H ação da radiação ultravioleta.

%oliculite, +n#lamação de um grupo de #ol&culos pilosos. omum após a depilação. <pelos encravados=.

Melasma ou +loasma, /anc2a pardacenta: locali0ada principalmente na testa e regi*es centrais da


#ace. -ssociada a alteraç*es 2ormonais.

------ Cetep Duque de Caxias------ .4


--------Apostila de Maquiagem--------
Milium, %equenos cistos epidérmicos: arredondados e 'rancos: que podem aparecer na #ace: regi*es
0igom4ticas e %eri J or'it4rias.

)evo Melanócito, P%intaQ: sinal: pequena manc2a pigmentada: cong3nita e adquirida. ; aumento de
taman2o: sangramento ou ulceração podem indicar maligni0ação.

(Gpula, %equena elevação avermel2ada. E>. a dei>ada pela picada de um inseto.

(Astula, Elevação da pele contendo pus: decorrente de reação in#lamatória.

$e>orréia, 1ecreção e>cessiva de se'o que se e>teriori0a ao n&vel da #ace e do couro ca'eludo.

------ Cetep Duque de Caxias------ .,


--------Apostila de Maquiagem--------
&elangiectasia, 7esão #ilamentar: sinuosa: devido H presença de capilares dilatados na derme. omum
na #ace: co>as <micro vari0es=: etc.

Higieni8a<ão da (ele

uidar de voc3: uma agrad4vel disciplina. uidar de voc3 é cuidar


sempre cada dia um pouquin2o. Estas são regras '4sicas que devem ser
seguidas para garantir um corpo saud4vel: por inteiro.
-gentes e>ternos como os inimigos da pele são alguns #atores que
pre?udicam a saIde e a 'ele0a da pele e dos ca'elos. omo não podemos
#icar distantes deles: cuidados como limpar: toni#icar e 2idratar: devem ser
adotados diariamente. E não é necess4rio muito tempo. -penas alguns
minutos pela man2ã e a noite ?4 são su#icientes. +sto l2e trar4 mil2*es de
'ene#&cios: além de ser um grande pra0er. Ha'itueJse a esta agrad4vel
disciplina.

!impe8a

(em por #inalidade remover as impure0as da pele: tais como: res&duos de maquiagem: e>cesso
de oleosidade: poluição: etc. @a concepção anual: c2amaJse Higieni8a<ão: uma ve0 que a remoção das
impure0as d4Jse super#icialmente.

#sa2se na limpe8a,

!eite, Fluido de limpe0a usado para todo o tipo de pele: geralmente suave e liquido. +ndicado para
peles normais: ?ovens e delicadas.

!o<ão, 7evemente aquosa: espal2aJse #acilmente. +ndicada para peles mistas e oleosas.

+remes, 7impa em pro#undidade. 1endo um pouco oleoso: é indicado para peles secas.

$a>onetes, %er#eito para limpe0a matinal. "eveJse escol2er um neutro. +ndicado para todos os tipos de
pele. Asar em casa devido ao en>4gZe.

------ Cetep Duque de Caxias------ .6


--------Apostila de Maquiagem--------
ImportanteN

U ;s movimentos são desli0antes e suaves: sempre com as pontas dos dedos.


U @ão #orce e nem repu>e os mIsculos: dei>e esta tare#a para a esteticista.
U Escol2a o produto que se adapte ao seu tipo de pele.

&oni4ica<ão

1ua principal #inalidade é manter o P%HQ #isiológico em equil&'rio <oleosidade e ressecamento=:


além de remover as impure0as: os Iltimos vest&gios de limpe0a: contrair os poros: ativar a circulação e
dar tFnus <enri?ecer= ao tecido.

U !o<ão &Onica, 7evemente alcalina: resta'elece o ressecamento. +ndicado para peles secas ou
normais.
U !o<ão Adstringente, 7evemente 4cida: controla o e>cesso de oleosidade. +ndicado para peles
oleosas ou mistas na 0ona P&Q.

Modo de aplica<ão,

AsaJse um algodão umedecido com o produto: espal2ando por todo o rosto com movimentos
ascendentes. Evite a região or'icular <4rea dos ol2os=.

Hidrata<ão

/antém o teor 2&drico <4gua da pele=. 1a'eJse a uma temperatura normal <1!_ a .0_= a pele
perde ,00 ml a 1000 ml a cada .42 pela evaporação. "a& a necessidade de mant3Jla sem 2idratada
atuando como uma 'arreira protetora contra a poluição atmos#érica. ; 2idratante tem como o'?etivo de
2idratar PinternamenteQ a epiderme e as camadas mais pro#undas da pele. - pele desidratada tem um
aspecto opaco e 4spero <ressecado=. "urante a maquiagem a mel2or imagem de uma pele saud4vel é
aveludada.

#sa2se na 3idrata<ão,

U !o<ãoP EmulsãoM -tuam mais pro#undamente e são levemente aquosas. +ndicado para peles normais
e mistas.

U +remeM "ei>a na epiderme uma #ina pel&cula oleosa. +ndicado para peles secas.

U "elM 1uspensão em 4gua: acrescida de princ&pios ativos e de leve te>tura: dando a pele uma
2idratação suave. +ndicado para peles oleosas e se'orréias <e>traJoleosas=.

Modo de aplica<ão,

;s movimentos de 2idratação são os mesmos utili0ados na limpe0a.

#so do +olBrio ou $oro

%ingue tirando o e>cesso com uma #ol2a a'sorvente. "3 pre#er3ncia ao soro.

------ Cetep Duque de Caxias------ .!


--------Apostila de Maquiagem--------
Movimentos corretos para a aplica<ão dos produtos

(esco<o

2 /ovimento descendente com as mãos espalmadas^ movimento lateral da direita para a esquerda com
a mão esquerda e da esquerda para a direita com a mão direita.

'ueiHo

J /assageie com o 3` dedo: começando no centro do l4'io in#erior e v4 até as orel2as e repita a
operação no l4'io superior.

Ma<as do rosto

J omece por um movimento rotativo nos lados do nari0 e v4 até as orel2as: passando por 'ai>o dos
ossos molares.

&esta

J %artindo do meio do dorso do nari0: massageie para cima: até a rai0 dos ca'elos^ %artindo do espaço
entre as so'rancel2as: #aça um semic&rculo até as t3mporas.

Região dos ol3os Dor>icularF

2 @a p4lpe'ra superior: partindo do canto interno: v4 até o canto e>terno em suaves movimentos
circulares e na p4lpe'ra in#erior: de #ora para dentro em pancadin2as leves.

O>s5, Ase movimentos suaves e precisos5

------ Cetep Duque de Caxias------ .$


--------Apostila de Maquiagem--------
$o>rancel3as

omo se #ossem uma moldura: as so'rancel2as de#inem a e>pressão dos ol2os. -través delas:
podemos aumentar ou diminuir as p4lpe'ras: apro>imar ou separar os ol2os: con#erindo ao rosto
e>pressão dia'ólica: 2umilde: interrogativa: entre outras. @ão é a toa que maquiar as so'rancel2as é
um recurso muito usado na caracteri0ação de personagem no cinema: teatro e na televisão.
(ire proveito da e>pressividade que as so'rancel2as con#erem ao ol2ar. 1o'rancel2as 'em
modeladas suavi0am e proporcionam leve0a aos traços: pois garantem mel2or simetria e proporção ao
rosto.
E>cesso ou #alta de p3los inter#erem de #orma negativa no resultado #inal da maquiagem. ;
ideal é manter as so'rancel2as depiladas <limpando os p3los supér#luos= e 'em delineadas: de acordo
com as caracter&sticas do rosto e dos ol2os.
1endo curtas ou #al2adas: aplicar o l4pis no tom mais pró>imo ao ca'elo em leves traços:
imitando os #ios. Am toque de som'ra cin0a ou marrom a?uda a #i>ar o l4pis: destacandoJas.

+entrali8a<ão e +orre<ão de $o>rancel3as

%orma ideal
- #orma ideal das so'rancel2as é determinada pelo #ormato e pelas dimens*es do rosto: do arco
natural das so'rancel2as e do taman2o dos ol2os.

&aman3o ideal
1. "o canto e>terno do nari0 ao canto interno dos ol2os encontraJse a lin2a
ideal para o in&cio da so'rancel2a.
.. "o canto e>terno do nari0 ao e>terno dos ol2os encontraJse a lin2a ideal
para o término da so'rancel2a.
3. "o canto e>terno da 'oca até a parte elevada da so'rancel2a: centrali0a o
ponto mais alto da mesma <arcada=

O>s5, @o caso dos ol2os muito pró>imos: as so'rancel2as devem estar um pouco mais distantes uma
da outra e: se #orem muito separados: deveJse apro>im4Jlas.

------ Cetep Duque de Caxias------ .)


--------Apostila de Maquiagem--------
/e4eitos nas $o>rancel3as

U 6etaM Fec2a a #isionomia


U -ngulosaM "4 uma apar3ncia arrogante
U ;'l&quaM "4 uma apar3ncia de desagrado
U /eiaJluaM "4 uma apar3ncia pesada
U Fina em e>cessoM "esequili'rada as lin2as do rosto e #a0 saltar os ol2os
U Krossa em e>cessoM arrega a #isionomia: diminuindo a 'ele0a dos ol2os.

(ara descolorarE use a seguinte técnicaM

[leo descolorante <ou tinta clara= mais 4gua o>igenada de 30 volumes <6 gotas=. -plique com
cotonete: #riccionando a rai0 nos dois sentidos. ;'serve o grau de descoloração dese?ada. - #reqZ3ncia
de descoloração é de 1, em 1, dias.

+omo depilar as so>rancel3as

J Escol2a a pinça correta <as mel2ores t3m pontas #inas em


diagonal=.
J -ntes de iniciar a depilação: esterili0e a pinça e se sua
cliente sentir muita dor: passe uma pomada anestésica.
J 1egure a pinça levemente inclinada e tire os p3los no
sentido em que nascem: um a um: com movimento 'rusco e
r4pido.
J omece pela #ileira in#erior.
J Evite depilar a parte superior: amenos que a cliente peça.
J Escove os #ios intensamente e depois penteie as
so'rancel2as na direção do seu #ormato natural: evitando os
e>cessos superiores e in#eriores.
J -pós a depilação: aplique um gel calmante.
J aso necessite de correção: usar l4pis #a0endo pequenos riscos imitando os p3los.

(ré2Maquiagem

2amamos de préJmaquiagem: as etapas que reali0amos antes da aplicação dos produtos na


pele. 1ão estesM

U 6emoção de restos de maquiagem: com demaquilante.


U Higieni0ação da pele: com os passos '4sicos de limpe0a: toni#icação e 2idratação.
U "epilação das so'rancel2as e 'uço.

------ Cetep Duque de Caxias------ 30


--------Apostila de Maquiagem--------
O que é preciso para se 4a8er uma Maquiagem

J Estudar previamente os traços #isionFmicos


J -nalisar o tipo de pele
J ;'servar o tipo #&sico
J 1a'er a roupa que dever4 ser usada
J 1a'er a 2ora que dever4 ser usada
J on2ecer o evento
J (raçar o per#il psicológico

&ipos de Maquiagem

J MaQe2up BGsico

U -plique corretivo so're os ol2os e imper#eiç*es e espal2e a 'ase de


maneira uni#orme <se #or panca8e: dispensa o uso do pó #acial=.
U Espal2e com pincel grosso o pó #acial e retire o e>cesso com lenço
de papel.
U @os ol2os: espal2e por toda a p4lpe'ra uma som'ra '4sica <clara=.
%asse som'ra de modelagem rente as p4lpe'ras in#eriores <glo'o
ocular=.
U Ase r&mel <duas camadas= e retire o e>cesso com pente próprio.
U @as so'rancel2as: use som'ra ou l4pis com tom pró>imo aos dos
p3los: escove e passe r&mel incolor.
U ; 'lus2 deve ser usado de acordo com o #ormato do rosto <redondoM
verticalmente: compridoM 2ori0ontalmente=

J MaQe2up $o4isticado

U (ra'al2e o rosto: cu'ra toda a p4lpe'ra com som'ra cintilante: use


uma segunda som'ra mias escura por todo o glo'o ocular. om esta
som'ra d3 um risco desde o centro das p4lpe'ras in#eriores até o
inicio do osso or'ital.

U (ra'al2e esta som'ra de maneira com que #ique um 'ico nos


cantos e>ternos dos ol2os. om pincel #ino e Imido passe a primeira
som'ra <cintilante= nas p4lpe'ras in#eriores: do canto interno até o
meio: ?untando as duas som'ras.

U "elineie os ol2os com som'ra Imida <escura=.

U (ra'al2e as so'rancel2as. Ase r&mel <tr3s camadas=. %asse o 'lus2.


U Ase som'ra iluminada logo acima do 'lus2: o truque #unciona
para realçar o ol2ar. @os l4'ios passe 'atom: 'ril2o ou gloss.

Esse ma8eJup tem o nome técnico de /iagonal %ec3ada.

------ Cetep Duque de Caxias------ 31


--------Apostila de Maquiagem--------
J MaQe2up Elegante

U (ra'al2e o rosto uni#ormi0andoJo e espal2e por toda a p4lpe'ra


som'ra iluminadora: use o tom mais claro: com som'ra escura e
Imida. %asse mas p4lpe'ras superiores e in#eriores delineando 'em
os ol2os. (ra'al2e as so'rancel2as.

U Ase o r&mel. %asse o 'lus2. @os l4'ios use o 'atom da mesma


tonalidade do 'lus2.

J MaQe2up Rom:ntico

Esse ma8eJup dever4 ser tra'al2ado com som'ra clara e


iluminadora.

U Ase delineador nas p4lpe'ras superiores: ultrapassando o canto


e>terno dos ol2os.

U 1om'ra ou l4pis nas so'rancel2as. 1omente uma camada de


r&mel. 5lus2 na mesma tonalidade da som'ra. 5atom claro.

J MaQe2up %as3ion I
; segredo deste loo8 é investir nos ol2os.

U -pós preparar o rosto: espal2e som'ra iluminadora por toda


a p4lpe'ra. Ase uma segunda som'ra mais escura: por todo o
glo'o ocular.
U om som'ra de modelagem escura: #aça um risco do meio
das p4lpe'ras in#eriores e su'a em direção ao osso or'ital.
Faça um risco para dentro até o meio do glo'o ocular.
U Es#ume a terceira som'ra escura e Imida e passe nas
p4lpe'ras superiores. Ase a primeira som'ra e passe nas p4lpe'ras in#eriores do canto interno até o
meio.
U (ra'al2e as so'rancel2as. Ase o r&mel <4 a , camadas: levando nos cantos e>terno=. Ase o 'lus2. Ase
o 'atom cor de 'oca com gloss transparente. Esse ma8eJup tem o nome técnico de /iagonal A>erta.

J MaQe2up %as3ion II

U -pós preparar o rosto: espal2e por toda a p4lpe'ra: som'ra


iluminadora.
U Ase uma segunda som'ra de modelagem por todo o glo'o
ocular. Em seguida: com som'ra de modelagem: #aça um risco do
osso e engrosse um pouco para dentro.
U Ase delineador somente nas p4lpe'ras superiores riscando até o
#inal da som'ra de modelagem.
U Ase 'astante r&mel levantando nos cantos e>ternos. (ra'al2e as
so'rancel2as. Ase 'atom de pre#er3ncia no tom opaco com gloss
transparente. Ase 'lus2. Esse ma8eJup tem o nome técnico de %ol3a.

------ Cetep Duque de Caxias------ 3.


--------Apostila de Maquiagem--------
J MaQe2up %as3ion III

• Após preparar o rosto: espal2e por toda a p4lpe'ra som'ra iluminadora.

U Ase uma segunda som'ra de colorir por todo o glo'o ocular. Em seguida: com som'ra de
modelagem: passe por todo o osso or'ital até o canto interno do ol2o. Amedeça um pincel e delineie os
ol2os: p4lpe'ra superior e in#erior com essa som'ra de modelagem.

U Ase 'astante r&mel. (ra'al2e as so'rancel2as. Ase o 'lus2. @a 'oca: use 'atom opaco com 'ril2o
transparente.
Esse ma8eJup tem o nome técnico de /ividido.

/icas ImportantesM

U 1e as manc2as persistirem depois de aplicar a 'ase ou o corretivo usaJse o panca8e e logo após: o %ó
#acial ou o pó compacto.

U 3a +dadeM

Hidratar. /isture creme 2idratante com a 'ase e espal2e com espon?a Imida. @ão usar delineador.

U (écnica de 6e?uvenescimento

-pós a 2igieni0ação risque com l4pis 'ranco todas as lin2as de e>pressão. %asse corretivo claro e
estique com espon?a Imida. omece o processo de maquiagem. @o #inal risque novamente com l4pis
'ranco e espal2e com o dedo.

/aquiagem é #unção direta de lu0: portanto a iluminação ideal para o tipo de tra'al2o ser4 uma
mistura de lu0es <'ranca ou #ria e amarela= para evitar deturpação de tonalidades que am'os os tipos de
lu0es podem vir a acarretar.

; maquiador emprega os mais diversos cosméticos: não somente porque deve sa'er 2armoni0ar
os traços #isionFmicos: corrigindo se necess4rio: pequenas imper#eiç*es na estrutura da pele e tam'ém
utili0ando tonalidades adequadas.

EvitaJse com esse procedimento que a maquiagem #ique pesada e grotesca.

------ Cetep Duque de Caxias------ 33


--------Apostila de Maquiagem--------
$eqLJncia de uma Maquiagem (er4eita

1. "epilar as so'rancel2as
.. 7impar a 'oca com lenço de papel
3. 7impar os ol2os com demaquilante próprio
4. 7impar o rosto com creme ou loção de limpe0a
,. (oni#icar
6. Hidratar
!. Asar col&rio ou soro #isiológico
$. -plicar secativo <se 2ouver espin2as=
). -plicar l4pis 'ranco <se 2ouver lin2as de e>pressão=
10. -plicar corretivo
11. -plicar 'ase ou panca8e
1.. -plicar pó compacto ou #acial
13. -plicar som'ras
14. /odelar os ol2os
1,. -plicar m4scaras nos c&lios
16. %intar e escovar as so'rancel2as
1!. -plicar 'lus2
1$. -plicar 'atom e 'ril2o nos l4'ios
1). Fa0er retoques #inais: tais como intensi#icar o 'lus2: corrigir e>cessos e iluminar.

Aplica<ão do !Gpis Branco

-plicar o l4pis 'ranco quando e>istirem lin2as de e>pressão. %ressionar com uma espon?a
umedecida e aplicar corretivo.

------ Cetep Duque de Caxias------ 34


--------Apostila de Maquiagem--------
Aplica<ão do +orretivo

Analise do rosto,

J ;'serve os traços <se são retangulares ou não=


J ;'serve a #orma das so'rancel2as <se estão em 2armonia com o tipo e estrutura do rosto=
J ;'serve a e>pressão geral do rosto
J - tonalidade e o colorido da peleM

U %4lida
U -marelada
U "ourada
U Dermel2a
U 6osada

Vuanto ao colorido propriamente ditoM

U 5ranca
U /orena lara
U /orena /édia
U /orena Escura
U @egra
+onceito de +orretivo

-o analisar a estrutura de um rosto: voc3 encontrar4 qualidades e de#eitos. 6ealçar as


qualidades e esconder os de#eitos é per#eitamente poss&vel: desde que voc3 sai'a com'inar os e#eitos
PclaroJescuroQ. Em princ&pio voc3 clareia o que dese?a aumentar eXou realçar e escurecer o que dese?a
dis#arçar eXou diminuir.

EHistem dois tipos de +orretivos Essenciais

U orretivo de pele <claro=


U orretivo de #ormato <escuro=

------ Cetep Duque de Caxias------ 3,


--------Apostila de Maquiagem--------
; corretivo de pele dis#arça ol2eiras: man2as: espin2as e outras imper#eiç*es da pele. ;
corretivo claro contém retina: cu?o uso cont&nuo suavi0a ol2eiras: e a vitamina E previne o
envel2ecimento.
%odemos us4Jlo antes e depois da 'ase. om as pontas dos dedos espal2e o produto com
movimentos tam'orilar <leves 'atidin2as=: partindo do canto e>terno na p4lpe'ra superior.

O>serva<ãoM

J AsaJse o corretivo escuro para modi#icar o nari0: mas neste caso: deve ser aplicado antes da 'ase:
para poder ser mais #acilmente es'atidos.
J 1om'ras escuras para os ol2os devem ser utili0adas como cosméticos: no #inal da maquiagem.

Onde usar o corretivo claro

U ;l2eiras <p4lpe'ras in#eriores=


U %4lpe'ras superiores
U 7in2as de demarcação
U Espaços a serem aumentados <testa: quei>o: t3mporas=
U "orso do nari0
#sa2se como corretivo claroM

5ase ou pó compacto claro: ou creme ou 'astão próprio para dis#arçar ol2eiras.

Onde usar o corretivo escuro

U 7ados do nari0
U %onta do nari0
U /aças do rosto
U Espaços a serem diminu&dos <testa: quei>o: t3mporas=

#sa2se como corretivo escuro,

%ó compacto marrom opaco: 'lus2 ou l4pis marrom es'atido ou a mistura de am'os se #or necess4rio.

+orre<ão do )ari8

; maquiador deve ser sens&vel para perce'er o


que: através da maquiagem: pode ser valori0ado no rosto
do cliente.
; maquiador tam'ém deve ter em mente que nem
todas as pessoas se orgul2am tanto do nari0 aquilino a
ponto de querem destac4Jlo ainda mais: nem de des#ilar
aquela 'olin2a #o#a do nari0. a'e ao maquiador
desco'rir os gostos e as pre#er3ncias do cliente durante a
conversa que antecede a maquiagem. E é claro: ele deve
con2ecer as técnicas de correção.

- maquiagem corretiva para o nari0 é 'em #4cil.


AsandoJse a técnica de escurecer e clarear: é poss&vel
suavi0ar #ormas ou realçar o traçado do nari0. ; e#eito de
lu0 e som'ra não e m4gica. /as apenas ilusão de ótica. De?amos então como corrigir os di#erentes
#ormatos de nari0.

------ Cetep Duque de Caxias------ 36


--------Apostila de Maquiagem--------
2 )ari8 Ac3atado
1e o o'?etivo é a#in4Jlo: recomendaJseM

U Escurecer as laterais do nari0 em lin2a reta.


U larear a parte central do nari0.

U -plique uma 'ase dois tons mais escura nas laterais do nari0: começando logo
a'ai>o das so'rancel2as.
U -plique a mesma 'ase na ponta do nari0 e das narinas.
U Es#ume 'em para dis#arçar os limites das cores.

J )ari8 +omprido

1e o o'?etivo é encurt4Jlo: recomendaJseM

U Escurecer a ponta do nari0


U larear as laterais do nari0
U Es#ume 'em para dis#arçar os limites das cores.

J )ari8 com $aliJncia DaquilinoF

U -plique uma 'ase dois tons mais escura na sali3ncia e es#ume 'em para dis#arçar
os limites de cores.

J )ari8 &orto

1e o o'?etivo é centrali04Jlo: recomendaJseM

U Escurecer somente a lateral irregular em lin2a reta


U larear a lateral oposta: se necess4rio.

O>serva<ão,

2 laroM -#asta e ressalta


J EscuroM -pro>ima e apro#unda
J (raçados E>ternosM -umentam
J (raçados +nternosM "iminuem

------ Cetep Duque de Caxias------ 3!


--------Apostila de Maquiagem--------
+orre<Kes de Rosto

ROSTO QUADRADO
Ângulos proeminentes. O rosto
é quase tão largo quanto
comprido:

Como Aplicar
Aplique o blush diretamente
nas maçãs do rosto.
Esfumaça(esbata) no sentido
ascendente, numa linha curva
em direção à têmpora, para
alongar o rosto.

ROSTO OVAL

Ângulos suaves. O rosto é mais


comprido do que largo:

Como Aplicar
Aplique o blush diretamente nas
maçãs do rosto. Esfumaça(esbata)
no sentido levemente
ascendente, numa linha reta em
direção à têmpora, para alargar o
rosto.

ROSTO REDONDO

Ângulos suaves. O rosto é quase


tão largo quanto comprido:

Como Aplicar
Aplique o blush ligeiramente
abai o das maçãs do rosto.
Esfumaça(esbata) no sentido
ascendente em direção à
têmpora, para proporcionar
!ngulos ao rosto.

------ Cetep Duque de Caxias------ 3$


--------Apostila de Maquiagem--------
ROSTO TRIANGULAR

Ângulos suaves ou proeminentes. A


testa não é tão larga quanto o
centro do rosto ou a linha do
maxilar:

Como Aplicar
Aplique o blush diretamente nas
maçãs do rosto. Esfumaça(esbata)
numa linha ligeiramente curva em
direção à têmpora, para suavi"ar
o rosto.

ROSTO EM FORMA DE CORAÇÃO

Ângulos suaves. A testa é mais larga


do que o centro do rosto e do que a
linha do maxilar:

Como Aplicar
Aplique o blush diretamente nas
maçãs do rosto. Esfumaça(esbata)
no sentido ascendente em direção à
têmpora e no sentido descendente
em direção à linha do ma ilar.

ROSTO RETANGULAR

Ângulos proeminentes. O rosto é


mais comprido do que largo:

Como Aplicar
Aplique o blush numa pequena
e tensão da maçã do rosto.
Esfumaça(esbata) numa linha reta
em direção à orelha, para alargar o
rosto.

------ Cetep Duque de Caxias------ 3)


--------Apostila de Maquiagem--------
$eguindo as demonstra<Kes acimaE veMa as eHplica<Kes de cada item5

1egundo a estrutura óssea: o #ormato do rosto pode serM

J Rosto Oval
%ela 2armonia de suas lin2as: o rosto oval sempre #oi considerado a #orma ideal. 1ua
maquiagem ser4 então normal e sem correç*es.

J Rosto Redondo
S o rosto mais comum: tem #ormato de lua c2eia e as larguras são iguais.

+orre<ãoM
U -plique corretivo escuro na parte in#erior do rosto mais acentuadamente. E de #orma vertical nas
maças do rosto: para criar angulosidade com o 'lus2.

J Rosto 'uadrado
S o rosto que tem mais ou menos as medidas nas larguras da testa: do ma>ilar superior e do
ma>ilar in#erior: o comprimento do rosto é quase igual H largura.

+orre<ãoM
U -plique corretivo claro a'ai>o das maças do rosto e o corretivo escuro nas laterais do rosto: no centro
do quei>o: a'ai>o dos ossos molares em #orma triangular: es'atido em direção as t3mporas.

J Rosto &riangular
S o rosto que tem #orma de p3ra. (esta estreita que vai alargando até c2egar ao quei>o largo.

+orre<ãoM
U -plique corretivo escuro no ma>ilar in#erior para a#inar o quei>o largo e use o corretivo claro nas
partes laterais de testa.

J Rosto &riangular Invertido


S o rosto que se assemel2a a um coração e é c2amado de triangular invertido. om testa larga e
ao c2egar ao ma>ilar superior começa a estreitarJse em direção ao ma>ilar in#erior onde tem o quei>o
pontiagudo.

+orre<ão,
U %roceda como o rosto redondo: criando Engulos na parte in#erior do rosto com o corretivo escuro.
-plique corretivo claro nas partes laterais da testa para dar maior amplitude: equili'rando assim o
rosto. Ase corretivo escuro nas maças do rosto em #orma vertical sem alcançar as t3mporas: com o
'lus2.

J Rosto !osangular
S o rosto que tem a testa estreita que vai alargando até c2egar Hs maçãs proeminentes do rosto.
- partir da& a#inando até c2egar ao quei>o estreito.

+orre<ãoM
U -plique corretivo claro nas partes laterais da testa e no ma>ilar in#erior. omo este rosto apresenta as
maçãs 'em salientes: aplique corretivo escuro so're elas: o mais a#astado poss&vel do nari0.

------ Cetep Duque de Caxias------ 40


--------Apostila de Maquiagem--------
Rosto mais !uminoso

U /isture um pouco de 'ase l&quida ou cremosa do tom da sua pele


com um pouco de pó #acial com part&culas di#usoras de lu0 <elas
iluminam a pele e suavi0am as lin2as de e>pressão=.

U 1e não encontrar esse tipo de produto: pode su'stitu&Jlo por um


pouco de 'lus2 ou som'ra 'ron0e: ou dourado: ou prateado.

U "epois de misturar 'em: aplique com um pincel c2ato nas maçãs do


rosto e nas outras 4reas que dese?a iluminar e espal2e para os lados
dando toquin2os com os dedos.

J 1e sua pele #or clara: use um pó: 'lus2 ou som'ra prata.


J 1e tiver uma tonalidade mais morena: use pó: 'lus2 ou som'ra dourados.
J 1e #or 'em escura: pre#ira produtos em tons 'ron0e.

1e a camada de 'ase #icou grossa de mais: umedece uma espon?a com 4gua #ria e use para
pressionar levemente todo o rosto. +sso vai remover o e>cesso do produto e um e#eito muito mais
suave.

+icatri8es

%ara ameni0ar: pelo menos aquelas menores: aplique uma leve


camada de gel <o mesmo que voc3 normalmente usa so're os ca'elos=
so're a cicatri0: espal2e para as laterais dando leves toques com as
pontas dos dedos e seque com o secador na temperatura m&nima <o gel
a?uda a uni#ormi0ar a super#&cie da cicatri0.=
"epois passe uma camada de 'ase cremosa e 'em pigmentada
so're essa 4rea e espal2e para os lados usando primeiramente uma
espon?a e depois a ponta dos dedos. %or Iltimo: aplique uma leve
camada de pó #acial translIcido.

/icaM @ão se maquie em espel2os iluminados com a lu0 neon. Ela não
se permite um controle adequado da maquiagem: podendo indu0ir voc3
a se maquiar de menos ou de mais.

+omo +amu4lar Manc3as

"iscromias são alteraç*es na coloração natural da


pele. %ara dis#arç4Jlas: use 'ases especiais ou
coloridas: antes de aplicar os produtos usuais de
maquiagem.

J &om de pele avermel3ado ou violGceoM Ase uma


'ase esverdeada so're a região e es#ume para os
lados com a ponta dos dedos.

J &om de pele a8ulado Dol3eiras e 3ematomasFM


-plique uma 'ase avermel2ada no local.

------ Cetep Duque de Caxias------ 41


--------Apostila de Maquiagem--------
Base

onstituem uma tela protetora que prepara a pele para rece'er outros produtos. ; próprio nome
?4 di0M Pé a 'ase de tudoQ. -tualmente encontramos diversos tipos de 'ase: com #inalidades distintas
que protegem a pele ou #avorecem a maquiagem dentro de cada necessidade.
- 'ase deve ser escol2ida e>atamente na mesma tonalidade da pele <tom '4sico=. %odeJse usar
so' ou so're o tom '4sico: 'ase PclaraJescuraQ para o'ter e#eitos corretivos no rosto.

&ipos de Base

2 !iquidaM 7evemente aquosa <podendo ser mais espessa=: dando um leve colorido natural: porém com
pouca co'ertura.

J +remosaM 7evemente espessa ou consistente. %ode ser dilu&da na aplicação com espon?a: dando 'oa
co'ertura e colorido: porém dei>a uma #ina pel&cula oleosa.

J +ompactaM 1ua te>tura é seca: compacta: devendo ser dilu&da com espon?a mol2ada. %opularmente
con2ecida como panca8e: ideal para enco'rir imper#eiç*es: como manc2as: espin2as e poros dilatados:
dando maior densidade H maquiagem. +ndicada para pele oleosa: mista ou normal e em climas quentes.
S muito usada em #otogra#ias.

Modo de aplica<ãoM

-plique o produto com espon?a: com movimentos suaves o'decendo ao sentido dos mIsculos
do rosto. "o quei>o para cima: aplique com movimentos ascendentes. @o pescoço e no colo: com
movimentos descendentes partindo do quei>o em direção ao colo es#umaçando para dar o aca'amento.
%ara #i>ar a 'ase: umedeça um lencin2o em 4gua gelada: torça para tirar o e>cesso e pressione
delicadamente contra a pele do rosto: depois de aplicar o produto.
-s 'ases compactas devem ser retiradas da em'alagem com espon?a umedecida: paliçadas por
cada região do rosto sendo esticada a seguir com espon?a seca.

O>serva<ãoM

%ara que a camada da 'ase #ique mais #ina e uni#orme: distri'ua so're o rosto com o au>ilio de
uma espon?a umedecida em 4gua #ria ou mesmo gelada ou ainda em loção tFnica ou adstringente
dependendo do seu tipo de pele. 1e sua pele apresenta de#eitos de estrutura e coloração: deve ser usada
uma 'ase mais espessa em pancadin2as.
1ó d3 por terminada a aplicação da 'ase: após veri#icar se o rosto se encontra completamente
co'erto e de maneira uni#orme.
@ão se esqueça do pescoço: por mais apro>imados que se?am as tonalidades de sua pele e da
'ase: se não estender a 'ase além do quei>o: o e#eito ser4 de m4scara.

------ Cetep Duque de Caxias------ 4.


--------Apostila de Maquiagem--------
(ó %acial

S composto por minIsculas part&culas de minerais: como


dió>ido de titEnio e ó>ido de 0inco: amido e colorantes. Vuanto
mais leve: soltin2o e translIcido <transparente= #or o pó: mel2or
ser4 o resultado da maquiagem.

/icaM %rocure na em'alagem re#er3ncias a part&culas microni0adas.


%ós desse tipo garantem uma co'ertura mel2or: pois t3m part&culas
menores.

- aplicação tem por #inalidade eliminar o 'ril2o dei>ado pela


'ase e dar um aca'amento aveludado a pele: con#erindo um e#eito
natural e uni#ormi0ado o tom.
; pó #acial: tam'ém con2ecido como pó #ino: deve ser da
mesma intensidade <colorido= da 'ase: nunca mais claro: ou mais
escuro pra não manc2ar a maquiagem. /antém a 2idratação da
pele e tem dura'ilidade prolongada.

&ipos de (ó %acial

J (ó 4acial translAcidoM Em geral é transparente: ou se?a: neutro: não altera a tonalidade da 'ase.
%odemos encontrar pó translIcido nos tons opaco e cintilante.

J (ó 4acial claro e médioM (em #inalidade realçar ou mesmo iluminar pontos estratégicos.

J (ó 4acial escuroM Em especial é utili0ado em mulatas ou negras: o qual não altera a tonalidade negra.
%ode ser utili0ado para dis#arçar volumes ou proemin3ncias no rosto.

Modo de Aplica<ão

; pó #acial pode ser #i>ado no rosto por meio de pincel próprio: pressionandoJo so're a pele e
retirando o e>cesso de cima para 'ai>o.

$om>ras +ompactas

@a maquiagem d4Jse grande importEncia aos e#eitos o'tidos pelas som'ras compactas. 6ealça:
dar vida e e>pressão ao ol2as: além de a?udar a dis#arçar imper#eiç*es. 1ão utili0adas para dar um
colorido especial as p4lpe'ras.

------ Cetep Duque de Caxias------ 43


--------Apostila de Maquiagem--------
-s som'ras compactas dão maior #i>ação e mel2or resultado no aca'amento quanto ao
es#umaçado.
Em princ&pio: usamJse tr3s tonalidades '4sicas de som'ras compactas com os seguintes
o'?etivosM

U /odelar U olorir U +luminar

/odelaJse a partir do canto e>terno do ol2o: coloraJse a parte do ol2o propriamente dito e iluminaJse
parte da p4lpe'ra superior pró>ima as so'rancel2as.

O>serva<ãoM

U - som'ra de modelagem é sempre escura. - som'ra de colorir é quase sempre colorida e a som'ra
de ilumina<ão é sempre clara.

U E>cesso de som'ra preta ou gra#ite Psu?aQ o ol2o e carrega a maquiagem.

U -0ul claro: verde claro e turquesa podem tornar a maquiagem espantada.

U -0ul marin2o ou verde escuro tentem a colorir uni#ormemente o ol2o se aplicadas de maneira
uni#orme.

U 1om'ra 'ranca re#lete 100Y a lu0: portanto #a0 com que o ol2ar #ique muito 'ril2ante.

U 1om'ra prateada ou a0ulada entristece a #isionomia.

Harmonia de +ores

; corretivo: a 'ase e o pó #acial 2armoni0am o tom da pele. -s som'ras: o 'lus2 e o 'atom


2armoni0am entre si e com a cor do vestu4rio. %ara #acilitar o critério da escol2a das tonalidades:
agrupamos as cores das roupas em dois esquemasM 'uente e %rio.

@o esquema de cores #rias 24 a predominEncia de tons a0ulados e seus vi0in2osM

J ioleta: turquesa: lilGs: roHo: ameiHa: vin3o: rosa: salmão: prata e gra4ite.

@o esquema de cores quentes 24 a predominEncia de tons luminososM

J Amarelo: laranMa: >ege: vermel3o: coral: verde: oliva: >ron8e: caramelo: pérola: >erinMela <verde
escuro b verde=: dourado e marrom.

@o caso de roupa 'ranca ou preta: que são cores neutras: a classi#icação estar4 na depend3ncia
direta dos acessórios <cinto: 'olsa e sapatos=: 'i?uterias e ec2arpe.

------ Cetep Duque de Caxias------ 44


--------Apostila de Maquiagem--------
Maquiagem dos Ol3os

(em como principal #inalidade realçar a 'ele0a dos ol2os <os ol2os transmitem a 'ele0a
interior=. 1a'eJse que através do uso da som'ra: podemos #a0er as correç*es necess4rias a cada tipo:
taman2o e caracter&stica dos ol2os.
aso 2a?a e>cesso de som'ra colorida: não remova totalmente: #aça uma aplicação de pó
compacto.
- cor da pele tam'ém pode in#luenciar na escol2a da tonalidade da som'ra: assim as peles mais
claras usam som'ras mais claras que as escol2idas para a pele morena.

O>serva<ãoM

- distri'uição da som'ra ser4 de acordo com a estrutura anatFmica <tipo de ol2os= de cada
pessoa.

$om>ras adequadas para cada +or de Ol3os

;s tons devem realçar a cor dos seus ol2os. -ssim: nem tudo que vai cair 'em para sua amiga
vai cair 'em para voc3 tam'ém.

------ Cetep Duque de Caxias------ 4,


--------Apostila de Maquiagem--------
Os tons ideais

J Ol3os +astan3os Esverdeados

%edem som'ras violetas: pratas: rosas claro: mel: co'res: cin0as:


marrons: gra#ites. 1e voc3 usar preto ou prateado: eles vão #icar
mais escuros com o rosa claro e #icam pu>ados para o mel.

J Ol3os A8uis

%edem som'ras 'ron0e: douradas e marrons. Evite tons da #am&lia


laran?a.

J Ol3os Acin8entados

Ficam 'em com som'ras a0uis: lil4s: gra#ites ou pretas. E devem


ser iluminados com toques de dourados ?unto Hs so'rancel2as.
%asse longe das som'ras pratas e cin0as que são cores muito
pró>imas ao tom natural desses ol2os.
J Ol3os erdes

1erão acentuados se voc3 tra'al2ar com variaç*es de co're:


marrom: mel: cin0a: gra#ite. /as não #icam 'em com som'ras
a0uis <por causa do contraste= e com as amarelas que PapagamQ
esse tom de ol2o.
J Ol3os (retos

om'inam com praticamente todas as cores: mas #icam ainda mais


escuros quando são maquiados com tons claros e contornados por
l4pis preto. 1ó tomem cuidado com as som'ras verdes: elas podem
dei>ar o rosto muito p4lido.
J Ol3os +astan3os

om'inam com som'ras 'ron0e: co're: verdes: laran?as: a0uis:


lil4s e pretas. %or outro lado: certos tons de marrom não são
indicados por terem uma cor muita parecida com o castan2o.

J Ol3os +or de Mel

%edem som'ras douradas: verde ou salmão: mas não se destacam


com a0ul.

------ Cetep Duque de Caxias------ 46


--------Apostila de Maquiagem--------

&ipos de Ol3os

Existem quatro tipos de olhos e mais algumas caracteristicas que os diferem:

Olhos amendoados:

Olhos fundos:

Olhos caídos:

Olhos afastados:

Olhos cerrados:

Olhos untos:

Olhos redondos e abertos:

Olhos Orientais:

------ Cetep Duque de Caxias------ 4!


--------Apostila de Maquiagem--------

J Ol3os Redondos
6ealce a 0ona de trans#er3ncia <glo'o ocular ou cFncavo= com som'ra escura: em #orma
ascendente. 1om'ra de colorir igualmente ascendente e em pouca quantidade. +lumine 'em a parte
rente a so'rancel2a.

J Ol3os +aBdos
"3 um movimento ascendente: começando por elevar as e>tremidades das so'rancel2as.
-plique som'ra de modelagem somente no #inal do ol2o: es'atendoJa para cima e para dentro. -
som'ra colorida é usada a partir d canto interno do ol2o.

J Ol3os Juntos
lareie o canto interno e escureça 'em as e>tremidades. "3 um movimento ascendente Hs
so'rancel2as e depileJas entre os ol2os.

J Ol3os /istantes DseparadosF


-plique som'ra escura no canto interno para criar a ilusão de serem mais apro>imados. Evite
depilar as so'rancel2as perto do nari0 e quando necess4rio completeJas com l4pis. @o canto e>terno d3
uma terminação discreta e arredondada.

J Ol3os (roeminentes DsalientesF


Evite som'ras cintilantes: dando pre#er3ncia Hs #oscas. Escureça as p4lpe'ras desde a lin2a dos
c&lios até a 0ona de trans#er3ncia. Ase som'ra de modelagem de #orma ascendente.

J Ol3os %undos
"esen2e as so'rancel2as de acordo com o rosto: clareie a 0ona de trans#er3ncia e não clareie
muito a parte óssea <entre as so'rancel2as=. -plique som'ra de modelagem no #inal dos ol2os de
#orma ligeiramente ascendente e use som'ra média para colorir.

J Ol3os Amendoados
Vuando #orem 'em a'ertos resta ao pro#issional personali0ar e so#isticar 'em a maquiagem.
Vuando a p4lpe'ra #or saliente <tipo oriental= usar 'astante som'ra escura no canto e>terno: traçando
uma lin2a paralela a 0ona de trans#er3ncia: dando pro#undidade.

2 Ol3os Orientais
rie uma do'ra para os ol2os coma som'ra escura: es#umandoJa para cima. -plique a som'ra
clara entre a do'ra do ol2o e a rai0 dos c&lios e tam'ém ?unto H so'rancel2a.

Modelar os ol3os com lGpis

@a concepção da maquiagem: usaJse o l4pis como au>iliar na


maquiagem dos ol2os. "e#inem e realçam o ol2ar: permitindo criar
e#eitos de maquiagem. %ossui traço #ino e cor intensa.
O>serva<ão,

U 74pis escuro <preto: marrom: verde escuro: violeta: a0ul marin2o e


cin0a= se usado na p4lpe'ra superior: rente aos c&lios: apro#unda os
ol2os.

U 74pis usado na 'orda e>terna da p4lpe'ra in#erior deve ser mais claro
e suave do que o da p4lpe'ra superior.

------ Cetep Duque de Caxias------ 4$


--------Apostila de Maquiagem--------
U 74pis preto aplicado por dentro da p4lpe'ra in#erior diminui os ol2os.

U 74pis colorido aplicado por dentro da p4lpe'ra in#erior da mais vivacidade ao ol2ar.

U 74pis aplicado entre os c&lios pode ser su'stitu&do por delineador liquido ou som'ra escura.

U 74pis aplicado rente aos c&lios pode ser su'stitu&do por som'ra mol2ada ou pincel próprio.

U 74pis 'ranco aplicado por dentro da p4lpe'ra in#erior aumenta os ol2os.

U 74pis preto aplicado por #ora da p4lpe'ra in#erior aumenta os ol2os.

+omo Escol3er o !Gpis

; grande segredo é comprar aquele que ten2a uma te>tura


adequada H 4rea do rosto onde vai ser utili0adoM

U %ara realçar as so'rancel2as: escol2a um l4pis mais #irme.


U %ara contornar os ol2os: pre#ira um produto de te>tura
intermediaria: nem muito duro nem muito mole
U %ara delinear a 'oca: compre um l4pis de te>tura 'em macia. Ele
deve desli0ar so're a pele delicada dos l4'ios sem agrediJla.

O>serva<ãoM

@a 2ora de adquirir seu l4pis de maquiagem: veri#ique se ele desli0a 'em so're a pele: traçando
um risco na parte de cima da mão. Vualquer tipo de l4pis deve escorregar #4cil: mesmo os mais duros:
como os usados para as so'rancel2as.
%ara dar e#eito dese?ado: todo l4pis deve estar sempre 'em apontado. Ase um apontador
apropriado ou um estilete para conseguir isso e tam'ém não se esqueça de mant3Jlo tampado quando
não estiver usando.

Aplica<ão de MGscara nos +Blios

"e#ine os c&lios dei>andoJos alongados e naturalmente curvados. - m4scara


pode ser utili0ada tanto nos c&lios in#eriores quanto nos superiores.
U 6etire o e>cesso do produto com pincel e incline levemente a ca'eça para
tr4s.

U %u>e levemente a p4lpe'ra superior e


aplique o produto partido da rai0 para a ponta: tanto na parte
superior quanto na in#erior dos c&lios.

U 1e quiser os c&lios mais volumosos é só repetir a aplicação.


- m4scara preta #ica 'em com qualquer cor de vestido e
para todas as 2oras do dia. Vuerendo os c&lios mais espessos:
aplicar 'ase nos c&lios e logo após aplicar a m4scara.
@a 2ora de escol2er a m4scara: #ique espertaM a m4scara
para c&lios deve ser um l&quido viscoso e #luido: para valori0ar
os c&lios sem dei>4Jlos PemplastadosQ.

------ Cetep Duque de Caxias------ 4)


--------Apostila de Maquiagem--------

O>serva<ãoM

1e voc3 tiver uma m4scara para c&lios endurecida: pingue duas ou tr3s gotas de 4gua destilada
<que voc3 compra em #arm4cias= dentro do tu'in2o e misture 'em usando o próprio aplicador. Doc3
vai conseguir uma mistura 2omog3nea.

;s mel2ores produtos são aqueles 'em #luidos e #4cies de aplicar.

MGscara (reta C MGscara &ransparenteM 'uando usarI

J "e dia é mel2or utili0ar m4scara transparente: porque os c&lios #icam mais naturais.
J "e noite: uma ou duas camadas de m4scara preta dão um super e#eito aos c&lios.
EHce<ãoM @o caso de c&lios curtos: use a m4scara preta nas duas situaç*es: pois neste caso a m4scara
transparente não #a0 nen2um e#eito.

+Blios (osti<os

1e quiser realçar ainda mais o ol2ar: coloque c&lios postiços. /as é preciso tomar alguns
cuidados: porque a região dos ol2os é muito sens&vel e o resultado deve ser o mais natural poss&vel.

U @a 2ora da aplicação: a pinça é um curinga. om ela voc3 segura: coloca e #i>a os c&lios postiços.

U Atili0e c&lios postiços que ten2am curvatura e comprimento parecidos com o da cliente.

U %asse cola ?unto ao contorno dos c&lios superiores: usando o aplicador da em'alagem. (ome cuidado
para não dei>ar cair nos ol2os e não e>agere: pois ir4 #icar di#&cil dis#arçar a marca da cola e tirar os
c&lios postiços depois.

U Ase a pinça para tirar os c&lios da em'alagem e encai>4Jlos acima da lin2a dos c&lios naturais.

U om a 'ase da pinça: pressione levemente a Prai0Q dos c&lios postiços


contra a pele para dei>4Jlos #irmes.

U %ara dis#arçar a lin2a 'ranca da cola: use o delineador que #oi


aplicado antes da colocação dos c&lios. "eveJse tomar cuidado: pois os
c&lios postiços devem #icar completamente unidos aos c&lios naturais.

U "epois maquie os ol2os como de costume: usando tam'ém a m4scara


para c&lios.
------ Cetep Duque de Caxias------ ,0
--------Apostila de Maquiagem--------

(ara retirar os cBlios posti<os

%u>eJos delicadamente pelo canto e>terno do ol2o. "epois retire a maquiagem normalmente. -ntes de
guardar os c&lios postiços: limpeJos colocando de mol2o em um recipiente com adstringente ou 4lcool:
escoveJos com uma escovin2a pequena da 'ase para a ponta dos c&lios.

&ruqueM @a 2ora de colocar os c&lios postiços: pu>e levemente a p4lpe'ra para a lateral. -ssim os
c&lios naturais se a'rem e voc3 pode colocar os postiços encai>andoJos nos vãos que se #ormam.

+Blios em &u4os

;s c&lios em tu#os são os que dão uma apar3ncia mais natural: pois voc3 pode coloc4Jlos de
acordo com a necessidade.

U 1egure o tu#o com a pinça e aplique uma pequena gota de cola na 'ase. -guarde 30 segundos para a
cola secar. ;s c&lios devem ser colocados depois da pintura dos ol2os.

Batom !Gpis para os lG>ios

"esen2a com precisão o contorno dos l4'ios. 1ó se modi#ica a #orma dos l4'ios: quando estes
#orem muito grossos: #inos ou #ora de equil&'rio.

!G>ios %inos

om o l4pis la'ial: contornar os l4'ios por #ora do traçado normal: 'em rente ao arco natural
dos l4'ios: preenc2endo de pre#er3ncia com 'atom claro e uma camada de 'ril2o para dis#arçar a
correção.

!G>ios "rossos

ontorne os l4'ios com corretivo claro ou panca8e apagando o contorno la'ial. %inte os l4'ios
diminuindoJos proporcionalmente com 'atom médio ou escuro <opaco=: tom parecido com o do l4pis.

!G>ios /esiguais

%re#ira tonalidades neutras de 'atom que não contrastam com a cor da pele: ou vivas: que
aumentam os l4'ios. +guale os l4'ios com o l4pis de contorno da mesma cor do 'atom. "epois:
preenc2a o l4'io com pincel.

------ Cetep Duque de Caxias------ ,1


--------Apostila de Maquiagem--------

O>serva<ãoM

U Vuando os l4'ios #orem volumosos <carnudos=: passe no in#erior <centro= um toque de l4pis marrom
ou mesmo um 'atom mais escuro.

U @ão use 'atom quando voc3 estiver com 2erpes: in#lamaç*es: cortes ou rac2aduras nos l4'ios. 1e
não: a situação pode piorar ainda mais.

/icas

U @ada de contornar a 'oca com um l4pis muito escuro e depois passar um 'atom mais claro. ; certo é
usar um l4pis da cor do 'atom e depois de #a0er o traço: es#umaç4Jlo para dentro dos l4'ios com um
pincel macio <só depois de aplicar o 'atom=

U ;s restos de 'atom removamJos da em'alagem e coloqueJos em uma >&cara ou ?arrain2a de louva.


-queça em 'an2oJmaria e v4 me>endo até o'ter uma mistura 2omog3nea: então despe?e em uma
em'alagem limpa e espere endurecer. Doc3 aca'a de gan2ar um 'atom e>clusivoT

U ; l4pis PseguraQ o 'atom nos l4'ios: evitando que a maquiagem #ique 'orrada. -lém disso: o
resultado é muito mel2orM uma 'oca 'em delineada #ica mais 'onita.

U -plique uma leve camada de 2idratante antes de usar o l4pis e o 'atom. /as não erre. Ase gel ou
loção 2idratante e nunca produto muito oleoso que di#iculta a aplicação da maquiagem.

Blus3

Ase sempre a menor quantidade poss&vel de 'lus2. ; e>agero em


sua aplicação poder4 arruinar a sua maquiagem: pois não 24 pó compacto
que dis#arce uma manc2a de 'lus2 provocada pelo e>cesso.

Modo de Aplica<ãoM

U "e #ora para dentro: a partir da rai0 dos ca'elos: e interiormente: nunca
ultrapassando o prolongamento da orel2a.

U -plique duas ou mais ve0es em pequenas quantidades até o'ter a


intensidade dese?ada

U -plique com leves pinceladas em movimento ascendentes na região


protu'erante <saliente=.
U %ronuncie a letra PFQ: pondo em destaque o osso molar.
U -plique o 'lus2 imediatamente a'ai>o do osso molar: tendo o cuidado
de não aplic4Jlo muito a'ai>o nem muito para perto do nari0: para que o
rosto não #ique de#ormado.
U -plique o restante do pincel tam'ém na testa: quei>o e nari0 para
2armoni0ar o rosto todo: es#umaçando 'em para não dei>ar nen2uma
4rea muito marcada.
U ; 'lus2: quanto H posição e inclinação: é aplicado em #unção do
#ormato do rosto.

J Vuanto mais vertical #or o 'lus2: mais comprido parecer4 o rosto


J Vuanto mais 2ori0ontal #or 'lus2: mais largo parecer4 o rosto.

------ Cetep Duque de Caxias------ ,.


--------Apostila de Maquiagem--------

Receitas de MGscaras de Bele8a

Derdadeiras poç*es de vitaminas e minerais: esses cremes devem #a0er parte de seu ritual de
'ele0a uma ve0 por semana. ; resultado do investimento é uma pele linda: macia e sedosa.

Máscara de Morango

+lumina todos os tipos de pele. - #ruta é rica em vitamina e 4cido salic&lico que
elimina as células mortas.

Ingredientes

U 6 morangos maduros
U 1 clara de ovo

(reparoM

/isture a clara e ?unte os morangos ?4 triturados. -plique no rosto. En>4gZe após .0 minutos.

Máscara de Ameixa

Equili'ra qualquer tipo de pele. %ossui #ós#oro: vitaminas 5 e e pot4ssio.

IngredientesM

U 6 amei>as grandes e maduras


U c col2er de sopa de vinagre 'ranco
U c >&cara de c24 de 4gua mineral
U . col2eres de sopa de maisena

(reparoM

(riture as amei>as sem caroço. Gunte o vinagre: a 4gua e a maisena. %asse no rosto e dei>e agir
por 10 minutos. 6etire com 4gua #ria.

------ Cetep Duque de Caxias------ ,3


--------Apostila de Maquiagem--------
Máscara de Abacate com Banana

Hidrata a pele seca. ; a'acate contém vitaminas - e E: enquanto a


'anana possui pot4ssio e vitamina -.

Ingredientes

U c a'acate pequeno
U c 'anana madura amassada

(reparoM

/isture as #rutas até #ormar um pur3 2omog3neo. Espal2e a pasta no rosto. 6etire com 4gua
#ria: depois de apro>imadamente 1, minutos.

O>serva<ãoM

7impe o rosto: coloque cinco gotas de óleo de cal3ndula nas mãos: #riccioneJas e: em seguida:
pressione as palmas em toda a e>tensão do rosto com leves toques. -plique a m4scara de a'acate com
um pincel.

Máscara de Leite em pó com Mel

-umenta a #irme0a em todos os tipos de pele. ; leite com'ina


co're: #ós#oro: mangan3s: magnésio e vitaminas -: 5 e .

IngredientesM

U 1 clara de ovo
U c col2er de sopa de mel
U c col2er de sopa de leite em pó

(reparoM

5ata os ingredientes: aplique no rosto e dei>e agir por .0 minutos. En>4gZe em 4gua #ria.

------ Cetep Duque de Caxias------ ,4


--------Apostila de Maquiagem--------
!ista de Material

U orretivo
U 74pis 5ranco
U 5ase <clara: média e escura=
U %ó FacialM compacto <claro: médio e escuro=
U 1om'ra <cores variadas=
U 1om'ra asas de 'or'oleta
U 1om'ra preta
U 74pis para os ol2os <preto e marrom=
U 6&mel <preto: marrom e incolor=
U %inça
U Gogos de pinceis <%rada=
U %incel 14,.. <tigre=
U 74pis para os l4'ios <rosa e marrom=
U Kloss
U 5atom
U 5lus2 <rosa: vermel2o e marrom=
U "emaquilante ou óleo mineral
U 1oro #isiológico
U -lgodão
U Galeco
U 7oção de limpe0a
U 7oção (Fnica <pele seca e normal=
U 7oção adstringente
U reme 2idratante
U 7enço de papel
U (oal2a
U %anca8e <claro: médio e escuro=
U Espon?a
U 1ecativo
U Fai>as
U "elineador
U urve>
U (esoura pequena
U otonetes

Bi>liogra4ia,
"iversos te>tos e imagens pesquisados na internet
2ttpMXXdelineador.com.'rX2istorialin2adotempo.asp

-postila desenvolvida pela %ro#essora de /aquiagem $ueli $antos Mendes.


Agradecimento pela colaboração da Professora de Informática Maria Cristina Silva, na criação do
design da capa e ilustração desta apostila.

------ Cetep Duque de Caxias------ ,,


--------Apostila de Maquiagem--------

Makeup's Fashion e outros

------ Cetep Duque de Caxias------ ,6


--------Apostila de Maquiagem--------

------ Cetep Duque de Caxias------ ,!


--------Apostila de Maquiagem--------

------ Cetep Duque de Caxias------ ,$


--------Apostila de Maquiagem--------

------ Cetep Duque de Caxias------ ,)


--------Apostila de Maquiagem--------

------ Cetep Duque de Caxias------ 60