Sei sulla pagina 1di 23

See discussions, stats, and author profiles for this publication at: https://www.researchgate.

net/publication/295853967

Ortodontia Preventiva e Interceptora: Mito ou Realidade

Article  in  Revista Dental Press de Ortodontia e Ortopedia Facial · November 1999

CITATIONS READS

9 1,736

5 authors, including:

Renata Rodrigues de Almeida Pedrin Daniela Gamba Garib


Universidade do Sagrado Coração University of São Paulo
54 PUBLICATIONS   290 CITATIONS    149 PUBLICATIONS   1,482 CITATIONS   

SEE PROFILE SEE PROFILE

Some of the authors of this publication are also working on these related projects:

Protocolo de tratamento com Forsus em paciente adulto Classe II por deficiência mandibular: relato de caso View project

Airway and bone changes after BAMP/surgical outcomes in patients with oral clefts View project

All content following this page was uploaded by Renata Rodrigues de Almeida Pedrin on 25 February 2016.

The user has requested enhancement of the downloaded file.


Tópico Especial

Ortodontia Preventiva e Interceptora:


Mito ou Realidade?
Preventive and Interceptive Orthodontic Treatment:
Myth or Reality?

RESUMO riências clínicas relacionadas ao trata-


Este trabalho visou discutir os aspec- mento precoce das más oclusões4,6,11,13,22,
30,32,35,37
tos concernentes ao tratamento precoce têm divulgado as vantagens e des-
das más oclusões, para nortear as atitu- vantagens da abordagem preventiva e
des do odontólogo diante de irregulari- interceptora, buscando alcançar uma res-
Renato Daniela
dades desenvolvidas durante a dentadu- posta para a questão acima.
Rodrigues Gamba Garib ra decídua e mista. Para tanto, foram ex- As pretensões do tratamento precoce
de Almeida
postas as vantagens e desvantagens da parecem claras, incluindo a eliminação
ortodontia preventiva e interceptora, as- dos fatores etiológicos da má oclusão, e
sim como os casos que devem, os que po- a prevenção da progressão das desarmo-
dem e os que não devem ser tratados pre- nias esqueléticas, dentárias e funcionais.
cocemente. Obtendo-se um ambiente dentofacial
mais favorável, guiando a irrupção
INTRODUÇÃO dentária para posições normais nos arcos,
José Fernando Márcio Qual é a época ideal para se iniciar o e reduzindo as discrepâncias esqueléticas
Castanha Rodrigues tratamento das más oclusões? por meio do redirecionamento do cresci-
Henriques de Almeida
Após aproximadamente um século de mento facial, pode-se minimizar ou até
desenvolvimento e evolução da Ortodon- mesmo eliminar a necessidade de trata-
tia enquanto ciência, passando pela di- mentos complexos durante a dentadura
fusão mundial dos procedimentos de Or- permanente.
topedia Facial, chegamos às vésperas do Este artigo objetiva discutir o trata-
3º Milênio sem um consenso unânime a mento ortodôntico precoce, com vistas a
respeito desta questão. fundamentar as atitudes profissionais
Renata Assunto em pauta na literatura con- com relação à época de tratamento das
Rodrigues
de Almeida temporânea, pesquisas, opiniões e expe- más oclusões.

Renato Rodrigues de Almeida A


Daniela Gamba Garib B
C
José Fernando Castanha Henriques
Márcio Rodrigues de Almeida D
Renata Rodrigues de Almeida E

A
Unitermos: Professor Assistente Dr. da Disciplina de Ortodontia da Faculdade de Odontologia de Bauru – USP, Professor
Ortodontia; Má- responsável pela disciplina de ortodontia e coordenador do curso de Especialização em Ortodontia da Faculdade
de Odontologia de Lins – UNIMEP e Professor Associado da Universidade da Cidade de São Paulo - UNICID.
oclusão; Dentadura B
Aluna de pós-graduação, ao nível de Mestrado, da Disciplina de Ortodontia da Faculdade de Odontologia de Bauru - USP.
decídua; Dentadura C
Professor Titular e coordenador do curso de Doutorado da Disciplina de Ortodontia da Faculdade de Odontologia
mista; Tratamento de Bauru – USP.
precoce; Ortodontia D
Especialista, Mestre e Doutorando em Ortodontia, pela Faculdade de Odontologia de Bauru – USP e Professor
preventiva e de Ortodontia da Faculdade de Odontologia de Lins – UNIMEP ao nível de Graduação e Especialização.
E
interceptora; Época de Aluna de pós-graduação, ao nível de Mestrado, da Disciplina de Ortodontia da Faculdade de Odontologia de Bauru
tratamento. – USP, Especialista em Radiologia pela Faculdade de Odontologia de Bauru – USP e Professora da Disciplina de
Ortodontia da Faculdade de Odontologia de Lins – UNIMEP.

Rev Dental Press Ortodon Ortop Facial - v.4, n.6, p.87-108 - nov./dez. - 1999 87
VANTAGENS DO TRATAMENTO periores e inferiores, respectivamente, tos casos, a correção ortopédica dos
PRECOCE para possibilitar a normalização da re- maxilares exige uma contenção, ou pelo
- Simplifica ou elimina a necessida- lação interarcos e do trespasse horizon- menos um monitoramento longitudinal
de de tratamento corretivo na den- tal e vertical entre os incisivos. Obvia- até o final do crescimento37.
tadura permanente mente, a intervenção ortopédica preco-
A essência do tratamento precoce, ce, corrigindo a origem do problema, ou - Redução do custo biológico: o de-
indiscutivelmente, consiste no aprovei- seja, a relação ântero-posterior altera- senvolvimento de reabsorções ra-
tamento do crescimento dos pacientes da entre maxila e mandíbula, restrin- diculares e de problemas perio-
jovens para favorecer a correção das de- girá a necessidade de extrações dontais
formidades dentoesqueléticas. Na den- dentárias6. O tratamento ortodôntico realizado
tadura permanente, a pequena ou au- Ademais, o controle de espaço du- na dentadura permanente, em uma só
sente quantidade de crescimento resi- rante o período de transição ou denta- fase, apresenta um custo biológico mai-
dual, limitam as opções de tratamento. dura mista, com a manutenção e a re- or quando exige maiores quantidades
Segundo MOYERS, RIOLO 18, os cuperação de espaço para os dentes per- de movimentação dentária e um maior
ortodontistas devem evitar tratamen- manentes em irrupção, encerra funda- tempo de tratamento corretivo. Estes
tos prolongados e complexos, como mental importância na prevenção de fatores estão intimamente relacionados
ocorria no passado, quando não podi- extrações futuras. com a ocorrência de reabsorções radi-
am melhorar as discrepâncias esquelé- culares. Além disso, os movimentos or-
ticas severas em crianças, e realizavam - Redução da necessidade de cirur- todônticos compensatórios, tendem a
a correção da má oclusão apenas na gia ortognática transportar os dentes para além dos li-
dentadura permanente completa, por Muitas discrepâncias esqueléticas mites do osso alveolar, aumentando as
meio de compensações ou camuflagem severas, como o prognatismo mandibu- chances de ocorrer fenestrações ósseas
ortodôntica. Os autores enfatizaram lar e a face excessivamente longa, de- e recessões gengivais.
que, nos dias atuais, considera-se mais formidades de difícil manipulação or-
lógico e de bom senso, realizar o trata- topédica, têm na cirurgia ortognática - Diminuição da vulnerabilidade dos
mento em duas etapas. Durante a pri- a única opção de tratamento satisfató- incisivos superiores a fraturas e
meira fase, controla-se o crescimento do rio. Por outro lado, a abordagem orto- traumas
esqueleto facial, melhorando a pédica em casos de Classe II, Classe III A protrusão dos incisivos supe-
morfologia geral, para que o por deficiência maxilar e de atresias riores, na má oclusão de Classe II, 1ª
posicionamento dentário seja facilita- esqueléticas da maxila, pode descartar divisão, mantida durante toda a infân-
do na segunda fase do tratamento (me- a necessidade de cirurgia corretiva, fin- cia, aumenta as chances de ocorrer
cânica corretiva). da a fase de crescimento6. As vantagens traumas e fraturas destes dentes em
A abordagem ortopédica precoce são indiscutíveis, não apenas devido a acidentes e quedas35.
atenua a complexidade da correção aspectos financeiros e relacionados aos
ortodôntica das más oclusões, uma vez riscos da própria cirurgia, mas também - Maior cooperação do paciente
que na dentadura permanente, a boa ao aspecto emocional dos pacientes. Na decisão da época mais oportu-
relação entre as bases apicais, maxila Atravessar a árdua fase da adolescên- na para o início do tratamento, a co-
e mandíbula, favorecerá o correto cia apresentando uma severa deformi- laboração do paciente na infância ou
posicionamento dentário e a estética dade facial, a espera da maturidade na adolescência, constitui um fator de
facial resultante6, 11. Além disso, se a se- esquelética para se realizar a cirurgia importância. Muitos autores citam que
gunda fase do tratamento ortodôntico ortognática, implica em incômodos psi- pacientes mais jovens são mais coo-
for necessária, consumirá um menor pe- cológicos para o jovem32. peradores e atenciosos com o trata-
ríodo de tempo, devido à limitada quan- mento ortodôntico que a maioria dos
tidade de movimentação dentária - Aumento da estabilidade da corre- adolescentes, principalmente em rela-
requerida. ção morfológica ção ao uso de aparelhos extrabu-
As alterações morfológicas conse- cais5,6,18,32,37.
- Redução do número de casos qüentes à correção precoce, provêm em
com extrações de dentes per- grande parte, do próprio potencial de - Benefícios psicológicos
manentes crescimento e desenvolvimento da cri- A estética facial possui implicações
Na dentadura permanente, o trata- ança, o que possui uma conotação am- significantes na socialização do ser hu-
mento compensatório de discrepâncias bígua em termos de estabilidade. Ao mano. A percepção de beleza influen-
sagitais entre as bases apicais, como a mesmo tempo em que favorece a adap- cia o desenvolvimento psicológico des-
Classe II e III esqueléticas, muitas ve- tabilidade e uma maior manutenção de a infância até a fase adulta. Pesqui-
zes exige a extração de pré-molares su- dos resultados conseguidos6, em mui- sas revelaram que crianças aos 6 anos

Rev Dental Press Ortodon Ortop Facial - v.4, n.6, p.87-108 - nov./dez. - 1999 88
de idade já incutiram valores culturais - Prolongamento do período cronoló- toda má oclusão tardiamente (na den-
de atratividade física. Aos 8 anos, seus gico de tratamento tadura permanente) ignora as poten-
critérios de atratividade se equiparam De acordo com MOYERS; RIOLO18, cialidades biológicas inerentes ao pro-
ao do adulto. Crianças mais belas são contabiliza-se o tempo de tratamento cesso de crescimento e desenvolvimen-
mais sociáveis, mais aceitas por seus pelo número de horas gastos na cadei- to do ser humano. Equiparamos a
iguais, e ainda consideradas mais in- ra do dentista, e não pelo período cro- odontologia à medicina, a medida que
teligentes, o que contribui enormemen- nológico do início ao término do trata- valorizamos a atitude médica ao tra-
te para o desenvolvimento da auto-es- mento. Portanto, a ortodontia realiza- tar uma doença antes que ela se agra-
tima32. da em duas fases dispende menos ho- ve e comprometa, reversível ou irre-
Baseando-se nestes preceitos, vis- ras clínicas, e um maior “período do ca- versivelmente, a saúde do paciente.
lumbra-se o valor do tratamento preco- lendário”. Portanto, louvamos a filosofia de tra-
ce contribuindo para a auto-imagem da No entanto é notório que, durante tamento precoce, quando bem indica-
criança em desenvolvimento. um tratamento prolongado, a coope- da, pelos incontestáveis benefícios
ração do paciente decresce, o que exi- funcional, estético e psicológico pro-
DESVANTAGENS DO TRATA- ge do profissional a racionalização e porcionados à criança em desenvolvi-
MENTO PRECOCE o bom senso para se intervir precoce- mento, como veremos a seguir.
- Dificuldades em prever o rumo do mente.
processo de crescimento e desenvol- CASOS QUE DEVEM SER TRATA-
vimento craniofacial Conclui-se que para cada tipo de má DOS PRECOCEMENTE
O tratamento precoce requer do oclusão, e em cada caso individualmen- - Perda precoce de dentes decíduos
ortodontista uma previsão da morfolo- te, há que se avaliar a relação custo-be- (Manutenção e recuperação de
gia futura na dentadura permanente, nefício da intervenção precoce, a fim de espaço)
a partir da avaliação da dentadura se decidir a época mais oportuna para o Na Ortodontia, a preocupação com
decídua ou mista11,30. Esta tarefa com- início do tratamento. O diagnóstico de a perda precoce de dentes decíduos
plexa, necessita do conhecimento so- inconvenientes estéticos e funcionais as- se fundamenta na perda de espaço
bre o crescimento e desenvolvimento da sociados à má oclusão, aliado a uma vi- que pode ocorrer no arco dentário,
face e da dentição, assim como da são futura de como a irregularidade vai com a inclinação dos dentes adjacen-
pluralidade de eventos, genéticos e evoluir para a dentadura permanente, tes em direção ao espaço originado.
ambientais, que interferem em todo conduzem o profissional a optar pelo tra- Deste modo, o sucessor permanente,
este processo. Desta forma, a dúvida tamento precoce quando suas vanta- sem espaço disponível, desvia sua
quanto ao rumo do desenvolvimento gens superam as desvantagens. trajetória de irrupção, irrompendo
craniofacial, assim com a carência de O pensamento simplista de tratar fora do arco dentário, por vestibular
conhecimentos, podem inibir o profis-
sional de intervir precocemente.

- Menor domínio da manipulação or-


topédica dentofacial, quando compa-
rado à biomecânica da movimenta-
ção dentária
As tradicionais aparelhagens com
bráquetes, utilizados na dentadura per- FIGURA 1- Perda de espaço proveniente FIGURA 2- A insuficiência de espaço para
manente durante a mecânica corretiva, da inclinação mesial do primeiro molar in- irrupção do segundo pré-molar foi ocasio-
ferior. nada pela inclinação mesial do primeiro
permitem o controle tridimensional da molar e pela inclinação distal do primeiro
movimentação dentária. O conheci- pré-molar, após a perda precoce do se-
gundo molar decíduo.
mento da biomecânica apoia-se em con-
ceitos exatos da física, e portanto, os
profissionais possuem um grande do-
mínio do tratamento com estes dispo-
sitivos. Por outro lado, os efeitos dos
aparelhos ortopédicos, principalmente
os funcionais, baseiam-se essencial-
mente na resposta biológica do pacien-
te, o que não demonstra a mesma exa- FIGURA 3 e 4 - As radiografias panorâmicas evidenciam a perda de espaço para cani-
tidão matemática. nos e pré-molares, tanto no arco superior quanto no inferior.

Rev Dental Press Ortodon Ortop Facial - v.4, n.6, p.87-108 - nov./dez. - 1999 89
ou lingual, ou ainda permanece
impactado (FIG. 1, 2, 3 e 4). Com a má
oclusão instalada, principalmente no
arco inferior, não resta outra opção de
tratamento senão a extração de pré-
molares associado à mecânica orto-
dôntica, para, respectivamente, pro-
porcionar o espaço necessário e A B

posicionar os dentes corretamente no FIGURA 5A, B - Mantenedor de espaço fixo, tipo banda-alça, indicado para perda pre-
coce de um único dente decíduo na região posterior do arco.
arco dentário.
Diante da perda precoce de dentes
decíduos e no intento de evitar o es-
tabelecimento da má oclusão, deve-se
recorrer aos mantenedores de espaço,
pois impedem a migração dos dentes
adjacentes para o espaço futuramen-
te ocupado pelo sucessor permanen-
te. Há diversos tipos de mantenedo-
res, removíveis ou fixos, funcionais e
não funcionais (FIG. 5, 6, 7, 8 e 9), se- A B
lecionados de acordo com a coopera- FIGURA 6A, B - Mantenedor de espaço fixo, denominado arco lingual de Nance, indica-
ção do paciente, o número de dentes do para perdas múltiplas na região posterior do arco inferior.
ausentes, e a região do arco dentário.
Os mantenedores funcionais apresen-
tam dentes de acrílico, o que acrescenta
vantagens estéticas a este tipo de apa-
relho, muito utilizado em perdas múl-
tiplas de dentes decíduos, principal-
mente na região anterior (FIG. 7, 8 e
9). Deve-se salientar que a perda pre-
coce de incisivos decíduos, em condi-
ções normais, não causa perda de es-
paço, mas exige, do mesmo modo, o
uso de mantenedores de espaço (fun-
cionais) para evitar hábitos de inter-
posição de língua e restabelecer a dic-
ção e a estética da criança, garantin-
do seu bem-estar psicológico (FIG. 7,
8 e 9).
No entanto, após algum tempo da
extração precoce dos dentes decíduos,
quando constata-se a ocorrência de A C
perda de espaço (FIG. 10A e 11A), os
mantenedores perdem sua função e os
aparelhos mais indicados nestes casos
passam a ser os recuperadores de es-
paço. Estes aparelhos, que também po-
dem ser removíveis ou fixos,
verticalizam os dentes adjacentes, de-
volvendo o espaço no arco dentário
para o dente permanente, antes de sua B D
irrupção (FIG. 10 e 11). O aparelho re-
FIGURA 7A, B - Perda precoce dos incisivos centrais superiores decíduos; C, D:
movível com a mola de Benac (FIG. Restabelecimento da estética por meio de um mantenedor de espaço funcional re-
10B) mostra-se eficiente apenas an- movível.

Rev Dental Press Ortodon Ortop Facial - v.4, n.6, p.87-108 - nov./dez. - 1999 90
tes da irrupção dos segundos molares
permanentes, os quais dificultam so-
bremaneira a recuperação de espaço.

- Hábitos Bucais
Os hábitos bucais deletérios alte-
ram as funções exercidas pela muscu-
A B
latura peri e intrabucal, contribuindo
negativamente para o desenvolvimen-
to normal da oclusão26. Destacam-se
em importância e freqüência, os hábi-
tos persistentes de sucção de dedo e
chupeta (FIG. 12 e 13), o pressiona-
mento lingual atípico (FIG. 14) e a res-
piração bucal (FIG. 15).
C D Todos estes hábitos constituem fa-
FIGURA 8A,B,C,D - Mantenedor de espaço fixo funcional. tores etiológicos das más oclusões,
uma vez que ocasionam um desequi-
líbrio entre as forças musculares que
atuam sobre os arcos dentários. É cer-
to que nem todas as crianças com há-
bitos bucais deletérios desenvolvem
más oclusões, porém inúmeros estudos
comprovaram o grande vínculo cau-
sa-efeito existente entre estes dois fa-
A B
tores25, 27. Na presença do hábito, o de-
senvolvimento de alterações morfoló-
gicas dependerá de sua freqüência,
intensidade e duração (Tríade de
Graber), assim como da predisposição
individual relacionada ao padrão de
crescimento facial de cada criança 1
(FIG. 16).
C D Desta maneira, evidencia-se a ne-
FIGURA 9A,B,C,D - O dente de acrílico, associado ao expansor fixo tipo arco palatino, cessidade de intervenção precoce do
funciona como mantenedor de espaço funcional.
hábito, numa ação conjunta do den-
tista com o otorrinolaringologista, o
fonoaudiólogo e o psicólogo, para a
remoção dos fatores etiológicos (hábi-
tos) e correção das irregularidades mor-
fológicas causadas. Neste contexto de
abordagem multidisciplinar, o
otorrinolaringologista trata as obstru-
A B ções das vias aéreas superiores, o or-
todontista, o odontopediatra ou o clí-
nico geral restabelecem a morfologia
dentoesquelética alterada, e posterior-
mente, o fonoaudiólogo realiza a ree-
ducação da função muscular, garan-
tindo, assim, a estabilidade do trata-
mento precoce. Nas mãos do odontó-
C D
logo fica ainda a responsabilidade de
FIGURA 10A, B,C,D - Recuperador de espaço removível com mola de Benac para
identificar o hábito e encaminhar o pa-
verticalização dos primeiros molares permanentes. ciente para os demais profissionais.

Rev Dental Press Ortodon Ortop Facial - v.4, n.6, p.87-108 - nov./dez. - 1999 91
Particularmente nos casos de respiração
bucal, o diagnóstico deve ser baseado
em sinais morfológicos clínicos e
radiográficos, como a síndrome da face
longa (FIG. 15), a presença de amígda-
las hipertróficas (FIG. 17) e a obstrução
da nasofaringe pela adenóide (FIG. 18),
A B condições que ditam a necessidade de
avaliação por um especialista, o otorri-
nolaringologista.
A persistência dos hábitos bucais de-
letérios durante todo o processo de cres-
cimento e desenvolvimento da criança,
agrava paulatinamente os desequilíbri-
os estruturais e funcionais do sistema
estomatognático, dificultando sobre-
C D
maneira tanto o tratamento da má
FIGURA 11A,B,C,D - Recuperador de espaço fixo, com mola de secção aberta comprimi- oclusão quanto da função neuromus-
da entre os bráquetes colados nos dentes vizinhos ao espaço a ser ampliado.
cular alterada, em idades mais tardias.
As más oclusões mais comuns, con-
seqüentes aos hábitos bucais deletéri-
os, incluem a mordida aberta anterior
(FIG. 13, 14 e 19), a atresia maxilar
com mordida cruzada posterior (FIG.
20), a protrusão maxilar e a retrusão
mandibular, a vestibuloversão dos in-
B
cisivos superiores com ou sem
diastemas generalizados na região
anterior (FIG. 12 e 14), a linguover-
são dos incisivos inferiores (nos hábi-
tos de sucção digital), e a sobressaliên-
cia excessiva (FIG. 12).

- Mordida Aberta Anterior


A C A mordida aberta anterior pode ser
definida como a presença de um tres-
FIGURA 12A,B,C - O hábito de sucção de polegar e a má oclusão conseqüente com a
vestibuloversão dos incisivos superiores.

FIGURA 13A,B- O hábito de sucção de


chupeta ocasionando a mordida aberta
B anterior.

FIGURA 14 - Mordida aberta anterior cau-


A sada pelo hábito de interposição lingual.

Rev Dental Press Ortodon Ortop Facial - v.4, n.6, p.87-108 - nov./dez. - 1999 92
A B

FIGURA 15A,B - A síndrome da face longa associada à respiração bucal.

A B C
FIGURA 16- Padrões faciais: A- Dolicofacial: a altura facial predomina sobre a largura, e o padrão de crescimento predominantemen-
te vertical, neste paciente, o torna mais susceptível às más oclusões na presença dos hábitos bucais deletérios, quando comparado
aos padrões meso e braquifaciais; B- Mesofacial: observa-se um equilíbrio entre a largura e a altura faciais; C- Braquifacial: a largura
da face apresenta-se maior que a altura;

FIGURA 17- Amígdalas palatinas hiper-


tróficas: A- Aspecto radiográfico; B- As-
A pecto clínico.

Rev Dental Press Ortodon Ortop Facial - v.4, n.6, p.87-108 - nov./dez. - 1999 93
A B C

FIGURA 18 - Exame cefalométrico da nasofaringe: A- Nasofaringe com largura normal; B- Presença da adenóide obstruindo parcial-
mente a nasofaringe; C- Obstrução completa da nasofaringe pela adenóide.

A B C

D E F

FIGURA 19 - Interceptação da mordida aberta anterior: A- Vista intrabucal da mordida aberta anterior; B, C- Instalação da placa com
grade palatina; D- Após 7 meses de tratamento, a melhora no quadro morfológico; E, F- Na dentadura permanente, a presença de
trespasse vertical positivo e relação molar normal descartaram a necessidade de tratamento corretivo.

passe vertical negativo entre os dentes to dentoalveolar nas mesmas propor- correção da mordida aberta, principal-
anteriores superiores e inferiores1,3. Seu ções, ocasiona a mordida aberta ante- mente quando já estiverem instalados
principal fator etiológico inclui obstá- rior esquelética18. hábitos secundários, como a interpo-
culos mecânicos da irrupção dentária e A interceptação da mordida aberta sição lingual e/ou labial, e o paciente
do desenvolvimento alveolar vertical, anterior dentária ou dentoalveolar realizar a respiração bucal. Nestes ca-
como os hábitos de sucção e deve ser realizada, preferencialmente, sos, a má oclusão deve ser intercepta-
interposição lingual, que determinam antes da irrupção dos incisivos perma- da adequadamente, evitando o seu
a mordida aberta anterior dentária ou nentes, época em que a remoção do agravamento.
dentoalveolar. Em menor freqüência, hábito de sucção poderá redundar na Para tanto, o clínico geral, o odon-
podem advir ainda de uma discrepân- auto-correção desta má oclusão, sem, topediatra ou o ortodontista, após
cia esquelética vertical, onde o padrão no entanto, causar prejuízos psicoló- identificar os hábitos bucais envolvi-
de crescimento excessivamente vertical, gicos à criança. Porém, o abandono do dos na etiologia da mordida aberta,
não acompanhado pelo desenvolvimen- hábito nem sempre implicará na auto- deverá corrigir a morfologia oclusal

Rev Dental Press Ortodon Ortop Facial - v.4, n.6, p.87-108 - nov./dez. - 1999 94
A B C

FIGURA 20 - Mordida cruzada posterior


unilateral funcional e o tratamento empre-
gando-se a expansão lenta com a placa
D E removível com parafuso.

alterada, e posteriormente encaminhar ou a cirurgia ortognática, constituem as métrica, pois visualiza-se uma mordi-
o paciente para um tratamento fonoau- únicas alternativas para o fechamento da de topo bilateralmente, responsável
diológico, que normalizará a função, as- da mordida, apresentando uma menor pela instabilidade oclusal e pelo desvio
segurando a estabilidade da correção estabilidade quando comparadas à in- funcional da mandíbula para uma po-
precoce. tervenção precoce. sição mais estável (MIH). Com o desvio
O aparelho de eleição para a corre- lateral da mandíbula, os côndilos não
ção precoce da mordida aberta anterior - Mordida Cruzada Posterior ficam concentricamente posicionados
é a placa com grade palatina, removível A mordida cruzada posterior, nas respectivas fossas articulares, exi-
ou fixa, que não exerce força alguma má oclusão caracterizada por uma gindo um funcionamento assimétrico
sobre as estruturas dentárias, funcio- deficiência nas dimensões transver- da musculatura mastigatória23. Este
nando apenas como um obstáculo me- sas do arco dentário superior, desenvol- diagnóstico aclara a necessidade de tra-
cânico que impede a sucção de dedo ou ve-se precocemente, principalmente em tamento precoce das mordidas cruza-
chupeta, e mantém a língua retruída, decorrência de hábitos bucais deletéri- das, pois a persistência do desvio fun-
não permitindo sua interposição durante os, e não se auto-corrige durante o cres- cional, além de poder ocasionar dores
a fala e a deglutição (FIG. 19). Deste cimento15, mesmo diante do abandono musculares, culmina, após a fase de
modo, permite que os incisivos continu- do hábito. crescimento, numa assimetria estrutu-
em a irromper até alcançarem uma rela- A mordida cruzada posterior uni- ral, cujo tratamento torna-se bem mais
ção de trespasse vertical adequado1,3. lateral funcional (MCPUF) constitui o complexo15.
Como a grade palatina age passivamen- padrão mais freqüente, encontrada em SILVA FILHO, VALLADARES NETO,
te, o tratamento conta com o próprio aproximadamente 90% dos casos23. O ALMEIDA23 preconizam a intervenção
crescimento facial, e removido os fato- paciente com MCPUF apresenta um precoce nas mordidas cruzadas poste-
res etiológicos, garante-se a estabilida- desvio lateral da mandíbula, o que de- riores, valendo-se das seguintes justi-
de da correção da má oclusão. A expe- termina diferenças no aspecto intra- ficativas:
riência clínica nos assegura a asserção bucal quando em máxima intercuspi- 1) Aproveita a maior bioplasticidade
de que o tratamento precoce das mordi- dação habitual (MIH) e quando em re- óssea da criança, obtendo-se respostas
das abertas anteriores apresenta um óti- lação cêntrica (RC). Em MIH, observa- mais favoráveis com mecânicas mais
mo prognóstico. se a mordida cruzada posterior unila- simplificadas;
Na dentadura permanente, não é teral, com a linha média inferior des- 2) Redireciona os germes dos dentes
mais possível a correção da mordida viada para o lado alterado e conse- permanentes para uma posição normal
aberta com o emprego da placa com gra- qüentemente, uma relação molar sem interferir na odontogênese;
de palatina, uma vez que o potencial de assimétrica entre o lado normal e o 3) Proporciona um melhor relaciona-
crescimento e desenvolvimento vertical lado da mordida cruzada (FIG. 20A, B mento entre as bases ósseas apicais, em
dentoalveolar apresenta-se muito redu- e C). No entanto, ao posicionar a man- casos de mordida cruzada posterior
zido. Nesta fase, a mecânica corretiva díbula em RC, nota-se que a deficiên- esquelética;
com o uso de elásticos intermaxilares, cia transversa do arco superior é si- 4) Elimina as posições desfavoráveis

Rev Dental Press Ortodon Ortop Facial - v.4, n.6, p.87-108 - nov./dez. - 1999 95
A B C

D E F

G H I

FIGURA 21 - Mordida cruzada posterior bilateral e o tratamento empregando-se a


J expansão lenta com o aparelho fixo bihélice.

da articulação temporomandibular, es- versas do arco dentário superior, em- tibulolingual anormal entre os incisi-
tabelecendo uma relação simétrica da pregando aparelhos expansores que vos superiores e inferiores, onde os pri-
posição do côndilo na fossa articular; liberam forças laterais e promovem a meiros apresentam-se posicionados
5) Proporciona uma trajetória de inclinação vestibular dos dentes pos- por lingual em relação aos últimos
fechamento mandibular normal, sem teriores, a abertura da sutura palatina (FIG. 22 e 23). Esta relação de trespas-
desvios da relação cêntrica; mediana, ou ambas. De um modo ge- se negativo espelha alterações den-
6) Contribui para uma auto-ima- ral, os aparelhos de expansão lenta toalveolares ou esqueléticas21. A mor-
gem mais favorável da criança, nos ca- produzem essencialmente o efeito or- dida cruzada anterior dentoalveolar
sos com comprometimento estético. todôntico (FIG. 20 e 21), enquanto os origina-se quando os incisivos supe-
Portanto, a correção das mordidas aparelhos de expansão rápida causam riores apresentam-se retroinclinados
cruzadas posteriores deve ser realiza- maior efeito ortopédico23. e/ou os incisivos inferiores inclinados
da em idades precoces, assim que di- para vestibular, em pacientes com pa-
agnosticada, contanto que a criança - Mordida Cruzada Anterior drão basal de Classe I. A mordida cru-
possua maturidade suficiente para re- Dentoalveolar zada anterior esquelética, presente
ceber o tratamento. O tratamento con- A mordida cruzada anterior carac- nos pacientes com padrão basal de
siste no aumento das dimensões trans- teriza-se por um relacionamento ves- Classe III , advém do retrognatismo

Rev Dental Press Ortodon Ortop Facial - v.4, n.6, p.87-108 - nov./dez. - 1999 96
A B C

D E F

FIGURA 22 - Mordida cruzada anterior dentoalveolar: A, B, C- Mordida cruzada ante-


rior envolvendo os incisivos centrais superiores, que apresentavam-se inclinados para
lingual; D- Instalação da placa removível com mola dupla; E, F, G- Ao final do tratamen-
G to, o estabelecimento do trespasse horizontal positivo.

A B C
FIGURA 23 - Mordida cruzada anterior dentoalveolar envolvendo um único dente, e o tratamento empregando-se um aparelho fixo
com mola simples.

maxilar, do prognatismo mandibular, gando-se a placa removível ou o arco Ressalta-se ainda que a anquilose
ou de ambos29. palatino com molas digitais, que exer- dos dentes decíduos, a irrupção ectó-
Parece coerente a indicação de cem forças sobre a superfície lingual pica dos primeiros molares permanen-
tratamento precoce nestes casos, dos incisivos superiores, inclinando- tes, e a presença de odontomas ou de
uma vez que as mordidas cruzadas os para vestibular (FIG. 22 e 23). An- dentes supranumerários que interfe-
anteriores podem causar desgastes tes da correção, o profissional deve rem na irrupção dos dentes permanen-
da face vestibular dos dentes supe- certificar-se que existe espaço sufici- tes, também constituem casos que de-
riores envolvidos, recessões gengi- ente no arco dentário para reposicio- vem ser tratados precocemente.
vais nos incisivos inferiores, e ain- nar os dentes em mordida cruzada,
da podem alterar o crescimento nor- assim como da presença de sobremor- CASOS QUE PODEM SER
mal dos maxilares no sentido dida adequada para a estabilidade da TRATADOS PRECOCEMENTE
ântero-posterior, causando princi- correção. - Discrepância Dente-Osso Negativa
palmente um hipodesenvolvimento A mordida cruzada anterior esque- Denomina-se discrepância dente-
maxilar15. lética será discutida mais adiante, pois osso negativa a anormalidade em
A mordida cruzada anterior den- constitui característica integrante das que as dimensões do arco dentário
toalveolar deve ser corrigida empre- más oclusões de Classe III. são insuficientes para o alinhamen-

Rev Dental Press Ortodon Ortop Facial - v.4, n.6, p.87-108 - nov./dez. - 1999 97
to de todos os dentes permanentes.
O apinhamento dentário, uma das
má oclusões mais comuns, expressa
clinicamente a diferença negativa
entre o espaço disponível no períme-
tro do arco alveolar e o somatório da
dimensão mesiodistal de todos os
dentes permanentes por mesial dos
primeiros molares.
Na dentadura permanente comple-
ta, o apinhamento dentário pode ser tra-
tado, mediante uma mecânica corretiva,
com a expansão dos arcos dentários, com
desgastes interproximais nos dentes per-
manentes, ou por meio de extrações
dentárias. A última opção requer um A B
longo período de tratamento e conten-
ção, devido à grande quantidade de mo-
vimentação dentária realizada.
No entanto, os profissionais podem
interceptar os problemas relacionados
à falta de espaço para os dentes per-
manentes, durante o desenvolvimen-
to da oclusão. No início da dentadura
mista, com a esfoliação dos incisivos C D
decíduos e irrupção dos incisivos per-
manentes, aproximadamente 50% das
crianças desenvolvem o apinhamento
primário24. O desafio do profissional
nesta fase consiste em identificar os
casos com deficiências de espaço ver-
dadeiras, que necessitam de
interceptação, daqueles casos em que
o apinhamento possui caráter tempo- E F
rário e faz parte do desenvolvimento
normal da oclusão21,24.
Os incisivos laterais inferiores po-
dem irromper suavemente deslocados
para lingual ou rotados, mas acomo-
dam-se no arco dentário à medida que
se processam os mecanismos de com-
pensação da oclusão, principalmente
o aumento da distância intercaninos. G H
Deste modo, discrepâncias pequenas,
de 2 a 3 milímetros, corrigem-se espon-
taneamente e não merecem interven- ceptor, o programa de extrações seri- odos estratégicos, os dentes perma-
ção profissional21,24. adas, que permite-nos direcionar a ir- nentes podem irromper e alinharem-
Os casos com discrepâncias maio- rupção dos dentes permanentes para se no arco dentário espontaneamen-
res podem ser tratados precocemen- posições mais favoráveis no arco den- te, sem a aplicação de forças19 (FIG.
te, mas exigem um rico conhecimen- tário, evitando o estabelecimento de 24). Muitos casos, mesmo subseqüen-
to acerca dos eventos biológicos que uma má oclusão mais grave. Por meio temente às extrações seriadas, reque-
ocorrem durante todo o processo de de extrações programadas de dentes rem o tratamento com aparelhos fixos
crescimento e desenvolvimento da decíduos e permanentes, selecionados na dentadura permanente, para fe-
oclusão. Destaca-se no arsenal inter- em determinada sequência e em perí- char espaços remanescentes, corrigir a

Rev Dental Press Ortodon Ortop Facial - v.4, n.6, p.87-108 - nov./dez. - 1999 98
- Classe II Esquelética
A má oclusão de Classe II esquelé-
tica caracteriza-se por uma posição
distal do arco inferior em relação ao
superior, resultante de um deficiente
relacionamento ântero-posterior entre
as bases apicais. Esta discrepância es-
quelética reflete as seguintes altera-
ções estruturais: a deficiência ou re-
trognatismo mandibular, o prognatis-
mo maxilar, ou uma associação de
ambas16,20. O componente vertical, re-
presentado pela altura facial ântero-
inferior, pode encontrar-se aumenta-
do ou diminuído, evidenciando ou
I J mascarando a desarmonia sagital, res-
pectivamente16.
Diante de uma discrepância esque-
lética, o tratamento mais coerente e ide-
al resume-se na modificação do cresci-
mento das estruturas ósseas envolvi-
das, ou seja, busca-se a correção do
fator primário que está determinando
a má oclusão. Deste modo, os apare-
L M lhos ortopédicos devem ser empregados
durante a fase de crescimento no in-
tuito de reduzir ou eliminar o proble-
ma esquelético, para que em uma se-
gunda fase do tratamento, na denta-
dura permanente, a mecânica correti-
va realize apenas pequenos movimen-
tos dentários, alcançando-se uma oclu-
são favorável e uma estética facial agra-
N O
dável.
Na realidade, a primeira fase do
FIGURA 24A-O - Programa de extração seriada: a extração dos caninos decíduos du-
rante o primeiro período transitório da dentadura mista concedeu espaço para o alinha- tratamento, essencialmente ortopédi-
mento dos quatro incisivos, tanto no arco superior quanto no inferior; a extração dos ca, não deve ser realizada muito pre-
primeiros molares inferiores decíduos acelerou a irrupção dos pré-molares sucessores,
permitindo que fossem extraídos antes da irrupção dos caninos; os caninos permanen-
cocemente, pois até o jovem alcançar
tes irromperam alinhados no arco dentário, e o tratamento com aparelho fixo foi a maturidade esquelética, a continui-
implementado apenas para realizar o ajuste final da oclusão.
dade do crescimento dentro dos pa-
drões originais ocasionará grandes re-
cidivas morfológicas. As opiniões dos
autores são diversificadas quanto à
época mais adequada para o tratamen-
to ortopédico da Classe II7,16,18,20,34. Em
subremordida e as angulações dentá- quelas periodontais determinadas pelo geral, advoga-se que o tratamento da
rias. Na realidade, o tratamento preco- mau posicionamento dentário, como as Classe II suave ou moderada deve ser
ce das discrepâncias dente-osso nega- recessões gengivais; e na maior estabi- postergado para a fase tardia ou se-
tiva não substitui o tratamento corre- lidade dos casos tratados. Segundo gundo período transitório da dentadu-
tivo. As vantagens de um programa de DALE5, parece lógico que se a formação ra mista. Desta maneira, imediata-
extrações seriadas consistem sim na radicular dos dentes permanentes já se mente após o tratamento ortopédico
simplificação do tratamento corretivo; completar numa posição mais favorá- segue-se a mecânica com aparelhos fi-
no favorecimento da estética, desde vel, o tratamento apresentará estabili- xos, quando todos os dentes perma-
uma idade precoce; na redução das se- dade superior. nentes apresentarem-se irrompidos na

Rev Dental Press Ortodon Ortop Facial - v.4, n.6, p.87-108 - nov./dez. - 1999 99
A B

C D E

F G

H I

Rev Dental Press Ortodon Ortop Facial - v.4, n.6, p.87-108 - nov./dez. - 1999 100
e desenvolvimento vertical dentoal-
veolar; 2) Muitas vezes, esta fase
coincide com o período de maior ace-
leração na velocidade de crescimen-
to corporal e facial, ou seja, a por-
ção ascendente e o pico da curva de
crescimento da adolescência; 3) O
J L tratamento ortopédico-ortodôntico,
principalmente nas meninas, se com-
pletará aproximadamente no final
do período de crescimento, garantin-
do a estabilidade dos resultados ob-
tidos.
PROFFIT 20 ; VAN DER LINDEN,
BOERSMA34; McNAMARA16 defendem
o início do tratamento mais preco-
cemente apenas em casos de discre-
pâncias muito graves, com relação
de Classe II completa entre os arcos
dentários e grandes desequilíbrios
funcionais.
A seleção do aparelho ortopédico
M N mais adequado depende do diagnós-
tico estrutural individual, realizado
por meio da análise facial, do exa-
me clínico, dos modelos de gesso, e
complementado pela avaliação cefa-
lométrica.
Os aparelhos extrabucais são in-
dicados nos casos de protrusão ma-
xilar, pois a força por eles geradas,
influencia a atividade nas suturas
O P
da face média, restringindo o deslo-
camento anterior da maxila duran-
te o período de tratamento. Como a
mandíbula continua a crescer nor-
malmente, a relação de Classe II cor-
rige-se gradualmente8,16,20 (FIG. 25).
Na interceptação da deficiência
mandibular, componente mais comum
nas más oclusões de Classe II16, utili-
Q R
za-se os aparelhos ortopédicos funcio-
FIGURA 25A, B, C, D, E - Má oclusão de Classe II com prognatismo maxilar e mordida nais, como o Ativador, o Bionator, ou
aberta anterior; F, G - Instalação do AEB conjugado com grade palatina para
interceptação da má oclusão; H, I, J, L - Ao término da 1ª fase do tratamento, obser- o regulador funcional de Fränkel, que
va-se uma melhora na estética facial assim como na relação sagital interarcos; M, N, apresentam a característica comum de
O, P, Q, R - A 2ª fase do tratamento com aparelhos fixos permitiu a obtenção de uma
oclusão estável. manter a mandíbula em uma posição
protruída, normalizando a função da
musculatura intra e extrabucal 7,9,16
cavidade bucal, não obstante os apa- transitório da dentadura mista (FIG. 26). A possibilidade destes
relhos ortopédicos sejam mantidos alicerça-se em três justificativas im- aparelhos estimularem o crescimento
como contenção durante esta segun- portantes16,18,20,34: 1) Constitui um pe- mandibular constitui assunto contro-
da fase do tratamento. ríodo ativo de irrupção dentária, po- verso e muito discutido na literatura
A indicação do tratamento orto- dendo o profissional tirar proveito atual. Aceita-se que os efeitos esquelé-
pédico durante o segundo período do grande potencial de crescimento ticos e dentoalveolares, ocasionados

Rev Dental Press Ortodon Ortop Facial - v.4, n.6, p.87-108 - nov./dez. - 1999 101
tanto na mandíbula como também na
maxila pelos aparelhos ortopédicos fun-
cionais, contribuam conjuntamente para
a correção da má oclusão de Classe II36.
Ressalta-se ainda que, não só a época de
tratamento, mas também o padrão de
crescimento facial desempenha um impor-
tante papel no êxito do tratamento. O
padrão braqui e mesofacial apresentam
melhores resultados que o padrão
dolicofacial.
Indica-se a associação dos aparelhos
funcionais com forças extrabucais no tra-
A B
tamento da Classe II, em pacientes que
apresentam tanto uma protrusão maxi-
lar e/ou uma protrusão do arco dentário
superior, como um retrognatismo mandi-
bular9.
Alguns profissionais podem questio-
nar as vantagens do tratamento
interceptor da má oclusão de Classe II,
C D uma vez que muitos casos exigem a
mecanoterapia com aparelhos fixos na
dentadura permanente de qualquer for-
ma. A maior estética e estabilidade a lon-
go-prazo, assim como a redução do nú-
mero de extrações, a simplificação da
movimentação ortodôntica exigida e a
menor necessidade de cirurgias
ortognáticas, nos casos tratados ortope-
E F
dicamente, fundamentam a opção de tra-
tamento precoce.

- Falsa Classe III


A má oclusão denominada falsa
Classe III caracteriza-se pela presença
de uma relação de topo entre os incisi-
vos superiores e inferiores, que provo-
ca o deslizamento da mandíbula para
anterior, determinando uma mordida
cruzada anterior funcional15. Desta
maneira, em máxima intercuspidação
habitual (MIH), o paciente apresenta
uma relação dentária de classe III com
G H mordida cruzada anterior, enquanto

FIGURA 26 - Classe II, 1ª divisão com no-


tável deficiência mandibular e o tratamen-
to ortopédico funcional empregando-se
I J o aparelho Bionator.

Rev Dental Press Ortodon Ortop Facial - v.4, n.6, p.87-108 - nov./dez. - 1999 102
A B C

D E

F G

FIGURA 27 - Falsa Classe III caracteriza-


da pelo desvio anterior da mandíbula de
RC (G) para MIH (D, E, F). O aparelho
progênico (H, I) mantém a mandíbula em
uma posição retruída por meio do arco ves-
tibular de Eschler. (continua na próxima
H I página).

que, em relação cêntrica, evidencia-se cional durante todo o período de cres- tempo, um correto posicionamento
uma relação interarcos de classe I, com cimento e desenvolvimento pode im- dos côndilos, normalizando a postu-
relação de topo entre os incisivos su- primir alterações estruturais perma- ra mandibular (FIG. 27). Bimler de-
periores e inferiores (FIG. 27). nentes, uma vez que inibe o cresci- senvolveu este aparelho para a cor-
A inclinação dos incisivos supe- mento anterior da maxila e consolida reção da Classe III incipiente, consis-
riores para lingual e/ou dos incisivos o deslocamento anterior da mandíbu- tindo numa placa de acrílico com um
inferiores para vestibular são as prin- la devido à adaptação condilar. arco vestibular, apresentado pela pri-
cipais responsáveis pela interferência O aparelho de Eschler é indicado meira vez por Eschler2,31. Trata-se de um
oclusal que levam o paciente a ocluir no tratamento precoce da pseudoclas- arco vestibular que mantém contato
com a mandíbula projetada para an- se III, pois possibilita a correção das com os incisivos inferiores, impedin-
terior. A persistência deste desvio fun- inclinações dentárias, e ao mesmo do a protrusão mandibular, e quando

Rev Dental Press Ortodon Ortop Facial - v.4, n.6, p.87-108 - nov./dez. - 1999 103
J L M

N O P
FIGURA 27 - (Continuação) Após o tratamento, observa-se a melhora no perfil facial (J, L, M) e o estabelecimento de uma oclusão
estável (N, O, P).

ativado, ainda inclina os incisivos põe-se pelo prognatismo mandibular, mais indicada nestes casos12,14, 16,20,28
para lingual. Se os incisivos superio- retrognatismo maxilar ou uma asso- (FIG. 28). Os efeitos deste tratamen-
res apresentam-se inclinados para lin- ciação de ambos29. O crescimento man- to incluem o avanço anterior da ma-
gual, pode-se utilizar as molas digitais dibular, grandemente controlado por xila, a protrusão do arco dentário su-
para vestibularizá-los. fatores genéticos, pouco pode ser al- perior, e a rotação mandibular para
O efeito ortodôntico do uso desse terado por meio de aparelhos ortopé- baixo e para trás, imprimindo altera-
aparelho resume-se na inclinação lin- dicos, o que conduz ao pobre prognós- ções positivas na estética facial e na
gual dos incisivos inferiores e inclina- tico de tratamento precoce da Classe relação sagital entre os arcos dentá-
ção vestibular dos incisivos superiores. III determinada essencialmente pelo rios12,28. Quanto menor a idade, mais
Os efeitos esqueléticos demonstram prognatismo mandibular. Felizmente, efetivo os resultados desta interven-
um reposicionamento mandibular (de o componente esquelético maxilar res- ção ortopédica para a retrusão maxi-
MIH para RC), com diminuição do ân- ponde melhor aos fatores extrínsecos lar12.
gulo SNB; e o deslocamento anterior como a aplicação de forças ortopédi- Após a correção ortopédica, a con-
do ponto A, devido à liberação do cres- cas12,14, 16,20,28. tenção (uso norturno da máscara de
cimento maxilar após a correção da Neste contexto, ressalta-se o im- protração, da mentoneira, do apare-
mordida cruzada anterior2. A normali- prescindível valor de um diagnóstico lho de Fränkel para Classe III, ou do
zação precoce do trespasse horizontal exato, associando-se a análise clíni- aparelho progênico) e o acompanha-
entre os incisivos possibilita que a face ca do perfil facial com a interpreta- mento clínico são imprescindíveis para
continue a crescer normalmente, sus- ção das grandezas cefalométricas, no a manutenção dos resultados obtidos.
tentando os resultados da correção intento de distinguir os componentes Os pais devem estar cientes de que a
precoce. esqueléticos principais que delineiam resposta individual, neste tipo de má
a má oclusão de Classe III. Quando oclusão, não nos permite garantir que
- Classe III por Deficiência evidencia-se uma retrusão maxilar, o tratamentos futuros serão desneces-
Maxilar tratamento precoce deve ser indica- sários. No entanto, sem dúvida alguma,
Inúmeros estudos sobre as carac- do. A expansão rápida da maxila, jun- a intervenção precoce, no mínimo, ame-
terísticas morfológicas da Classe III tamente com o uso de máscaras de niza a complexidade da má oclusão
apontam que esta má oclusão com- protração maxilar, constitui a terapia estabelecida na dentadura permanente.

Rev Dental Press Ortodon Ortop Facial - v.4, n.6, p.87-108 - nov./dez. - 1999 104
CASOS QUE NÃO DEVEM SER
TRATADOS PRECOCEMENTE
E IRREGULARIDADES TEM-
PORÁRIAS
Finalmente, deve ficar claro que,
em alguns casos, tratamentos pre-
coces não são necessários ou apro-
A B priados. O bom senso profissional
deve excluir casos em que a
ortodontia preventiva e intercepto-
ra apenas aumentaria o tempo e o
custo do tratamento, desgastando
o paciente, em troca de um benefí-
cio mínimo. MOYERS 17 contra-in-
dica a intervenção precoce quando
não existe segurança de que os re-
C D sultados serão mantidos; quando
um melhor resultado pode ser con-
seguido, com menor esforço, numa
outra época; ou quando a imaturi-
dade da criança torna o tratamento
impraticável.

- Fase do “Patinho Feio”


Na dentadura mista, o diastema
E F interincisivos centrais e a inclina-
ção distal das coroas dos incisivos
laterais permanentes, no arco su-
perior, são condições transitórias,
pertencentes ao quadro de desenvol-
vimento normal da oclusão 10. Com
a irrupção dos caninos superiores
permanentes, durante o segundo pe-
ríodo transitório da dentadura mis-
ta, fecha-se o diastema e normali-
za-se a angulação dos incisivos la-
terais (FIG. 29 e 30). Portanto, a
intervenção precoce, nesse caso,
além de desnecessária, pode ocasio-
nar a reabsorção radicular dos inci-
G H sivos laterais, quando são pressio-
nadas contra o folículo
pericoronário dos caninos perma-
nentes em processo de irrupção.
Como toda regra apresenta suas ex-
ceções, o diastema interincisivos cen-
trais pode ser fechado precocemente
quando um ou ambos os incisivos la-
terais superiores permanecem retidos
I J por falta de espaço 10. Neste caso, o
movimento mesial dos incisivos cen-
trais proporciona espaço e possibilita
FIGURA 28A - J - Tratamento precoce da Classe III por deficiência maxilar
empregando-se a expansão rápida da maxila seguida pela protração maxilar
a irrupção espontânea dos incisivos la-
com a máscara facial. terais.

Rev Dental Press Ortodon Ortop Facial - v.4, n.6, p.87-108 - nov./dez. - 1999 105
A B C

D E F

FIGURA 29 - A, B, C) fase do patinho feio caracterizada pela inclinação distal dos incisivos laterais superiores devido ao posiciona-
mento dos germes dos caninos permanentes em irrupção; D, E, F) com a irrupção dos caninos permanentes no arco dentário, a
inclinação dos incisivos normaliza-se e os diastemas fecham-se.

FIGURA 30 - Esquema representativo dos


processos de desenvolvimento ocorridos
durante a fase do patinho feio.

Rev Dental Press Ortodon Ortop Facial - v.4, n.6, p.87-108 - nov./dez. - 1999 106
- Classe III por prognatismo Portanto, em casos mais severos, dentária, alcança-se uma melhora na
mandibular a correção do prognatismo mandibu- estética facial por meio da retração dos
A Classe III caracterizada por um lar deve ser postergada para a fase incisivos superiores e inferiores, me-
prognatismo mandibular apresenta final da adolescência, quando a mai- diante a mecânica corretiva com ex-
um pobre prognóstico de tratamento or parte do crescimento já se mani- trações de quatro primeiros pré-mola-
precoce. O emprego da mentoneira al- festou. A mecanoterapia com apare- res. Desta maneira, contra-indica-se a
tera o vetor de crescimento mandibu- lhos fixos associada à cirurgia abordagem precoce nestes casos.
lar, diminuindo a expressão horizon- ortognática constituem a forma de
tal do mento às custas do aumento tratamento mais adequada para es- CONCLUSÕES
da altura facial ântero-inferior 16,20 . tes casos, principalmente sob o pon- A presente discussão sobre o tra-
Além disso, seus efeitos se limitam ao to de vista estético e funcional. tamento precoce confirma a citação
período de tratamento, sem altera- de CHARLES TWEED 33, nos idos de
ções definitivas no padrão de cresci- - Classe II com Severa Defici- 1960, de que “o conhecimento irá, gra-
mento mandibular. ência Mandibular dualmente, substituir a mecânica se-
Aliado ao limitado controle que A má oclusão de Classe II esque- vera, e em um futuro muito próximo,
os aparelhos podem exercer sobre o lética, com marcante deficiência man- a grande maioria dos tratamentos or-
crescimento mandibular, o fato da dibular, não apresenta bom prognós- todônticos será executada durante o
má oclusão de Classe III agravar-se tico de tratamento precoce. Estes ca- período da dentição mista, do cresci-
ao longo do crescimento 29, compro- sos demonstram resultados mais sa- mento e desenvolvimento craniofa-
mete ainda mais os resultados de tisfatórios, principalmente em rela- cial, antes da difícil idade da adoles-
um tratamento precoce. O surto de ção à estética, quando tratados cirur- cência”.
crescimento puberal, dado ao au- gicamente. A abordagem preventiva e inter-
mento da velocidade de crescimen- ceptora das más oclusões tem de-
to mandibular, pode condenar o - Classe I com Biprotrusão monstrado vantagens indiscutíveis, e
êxito de uma intervenção ortodôn- Nos pacientes que apresentam má apenas o comodismo ou o desconhe-
tica prévia. oclusão de Classe I com biprotrusão cimento são capazes de ignorá-la.

Abstract
This article aimed to discuss the preventive and interceptive treatment Uniterms: Orthodontics; Malocclusion;
aspects related to malocclusions early advantages and disadvantages were Primary dentition; Mixed dentition;
treatment, for guiding the dentist actions shown, as long as the cases that should, Early treatment; Preventive and
concerning the primary and mixed that may and that shouldn’t be early interceptive treatment; Treatment
dentition irregularities. Thus the treated. time.

Referências Bibliográficas

01 - ALMEIDA, R.R. et al. Mordida aberta 05 - DALE, J.G. Direcionamento interceptativo dez. 1997.
anterior - considerações e apresenta- da oclusão com ênfase no diagnósti- 08 - HENRIQUES, J.F.C.; FREITAS, M.R.;
ção de um caso clínico. Rev Dental co. In: GRABER, T.M.; VANARSDALL, SANTOS-PINTO, C.C.M. Correção de
Press Ortodon Ortop Facial., v.3, R.L. Ortodontia: princípios e técni- uma má oclusão de Classe II, div.
n.2, p.17-29, mar./abr. 1998. cas atuais. 2.ed. Rio de Janeiro, 1, com protrusão maxilar, utilizan-
02 - ALMEIDA, R. R. et al. Mordidas cruza- Guanabara Koogan, 1996 . Cap.6, do o arco facial conjugado a um
das anterior e posterior. Parte II - p.264-346. aparelho removível (AEB conjuga-
Aparelho de Eschler. Relato de um 06 - DUGONI, S.A. Comprehensive mixed do). Ortodontia, v.24, n.3, p.14-8,
caso clínico. Odonto Master: Orto- dentition treatment. Am J Orthod 1991.
dontia, v.1, n.2, p.21-33, 1994. Dentofacial Orthop, v.113, n.1, 09 - HENRIQUES, J.F.C.; FREITAS, M.R.;
03 - ALMEIDA, R.R.; URSI, W.J.S. Anterior p.75-84, Jan. 1998. SCAVONE JUNIOR, H. O ativador
open bite. Etiology and treatment. 07 - HENRIQUES, J.F.C. et al. Tratamento da conjugado ao aparelho extrabucal,
Oral Health, v.80, n.1, Jan. 1990. má oclusão de Classe II, 1ª divisão, durante o tratamento ortopédico-
04 - ARVYSTAS, M.G. The rationale for early com retrusão mandibular, utilizando ortodôntico. Descrição do aparelho e
orthodontic treatment /Editorial/. Am o bionator previamente à aparelha- relato de um caso clínico. Ortodon-
J Orthod Dentofacial Orthop, v.113, gem fixa: relato de um caso clínico. tia, v.26, n.1, p.106-16, jan./abr.
n.1, p.15-8, Jan. 1998. Ortodontia, v.30, n.3, p.74-9, set./ 1993.

Rev Dental Press Ortodon Ortop Facial - v.4, n.6, p.87-108 - nov./dez. - 1999 107
10 - JANSON, G.R.P. et al. Fechamento orto- 19 - PINZAN, A.; ALMEIDA, R.R. Extrações 28 - SILVA FILHO, O.G.; MAGRO, A.C.;
dôntico do diastema entre incisivos seriadas - uma questão de ponto de CAPELOZZA FILHO, L. Early treat-
centrais superiores durante a denta- vista. Ortodontia, v.18, n.1, p.40-9, ment of the Class III malocclusion
dura mista: relato de um caso clíni- jan./jun. 1985. with rapid maxillary expansion and
co. Rev Dental Press Ortodon Ortop 20 - PROFFIT, W.R. O tratamento de proble- maxillary protraction. Am J Orthod
Facial, v.3, n.4, p.72-8, 1998. mas esqueléticos em pré-adolescen- Dentofacial Orthop, v.113, n.2,
11 - JOONDEPH, D.R. Early orthodontic treat- tes. In:_______. Ortodontia con- p.196-203, Feb. 1998.
ment. Am J Orthod Dentofacial temporânea. 2.ed. Rio de Janeiro, 29 - SILVA FILHO, O.G.; MAGRO, A.C.;
Orthop, v.104, n.2, p.199-200, Aug. Guanabara Koogan, 1995. Cap.14, OZAWA, T.O. Má oclusão de Classe
1993. p.385-428. III: caracterização morfológica na
12 - KAPUST, A. J.; SINCLAIR, P. M.; TURLEY, 21 - PROFFIT, W.R. O tratamento de proble- infância (dentaduras decídua e mis-
P. K. Cephalometric effects of face mas não-esqueléticos em pré-adoles- ta). Ortodontia, v.30, n.2, p.7-20,
mask/expansion therapy in class III centes. In:_______. Ortodontia maio/ago. 1997.
children: a comparison of three age contemporânea. 2.ed. Rio de Janei- 30 - SILVA FILHO, O.G.; OKADA, H.; AIELLO,
groups. Am J Orthod Dentofacial ro, Guanabara Koogan, 1995. C.A. Ortodontia interceptiva: correção
Orthop, v.113, n.2, p.204-212, Feb. Cap.13, p.342-84. precoce de irregularidades na região
1998. 22 - SADOWSKY, P.L. Craniofacial growth and ântero-superior. Ortodontia, v.31,
13 - LANG, R. Orthodontic treatment timing. the timing of treatment. Am J Orthod n.2, p.113-21, maio/ago. 1998.
What? When? Who? /Editorial/. Oral Dentofacial Orthop, v.113, n.1, 31 - TERADA, H.T.; SUGUINO, R. Utilização do
Health, v.79, n.9, p.7-9, Sept. 1989. p.19-23, Jan. 1998. aparelho progênico para correção das
14 - MARTINS, D.R et al. Tratamento da má 23 - SILVA FILHO, O. G.; VALLADARES mordidas cruzadas anteriores. Rev
oclusão de Classe III com máscara de NETO, J.; ALMEIDA, R. R. Early Dental Press Ortodon Ortop Maxilar,
protração maxilar (tração reversa). correction of crossbite: v.2, n.2, p.87-105, mar./abr. 1997.
Odonto Master: Ortodontia, v.1, biomechanical characteristics of the 32 - TUNG, A.W.; KIYAK, H.A. Psychological
n.1, p.1-10, 1994. appliances. J Pedod, v.13, n.3, influences on the timing of
15 - MARTINS, D.R.; ALMEIDA, R.R.; p.195-221, 1989. orthodontic treatment. Am J Orthod
DAINESI, E.A. Mordidas cruzadas 24 - SILVA FILHO, O.G. et al. Apinhamento Dentofacial Orthop, v.113, n.1,
anterior e posterior. Parte I - diag- primário temporário e definitivo: p.29-39, Jan. 1998.
nóstico e tratamento precoces. Apre- diagnóstico diferencial. Rev Assoc 33 - TWEED, C.H. Treatment planning and
sentação de casos clínicos. Odonto Paul Cirurg Dent, v.52, n.1, p.75-81, therapy in the mixed dentition. Am J
Master: Ortodontia, v.1, n.2, p.1-19, jan./fev. 1998. Orthod, v.49, p.900, 1963.
1994. 25 - SILVA FILHO, O.G. et al. Prevalência de 34 - VAN DER LINDEN, F.P.G.M.; BOERSMA,
16 - McNAMARA JUNIOR, J.A. Tratamento da oclusão normal e má olcusão em H. Diagnosis and treatment plan-
dentição mista. In: GRABER, T.M.; escolares da cidade de Bauru (São ning in dentofacial orthopedics.
VANARSDALL, R.L. Ortodontia: Paulo). Parte I: relação sagital. Rev London, Quintessence, 1987.
princípios e técnicas atuais. 2.ed. Odont USP, v.4, n.2, p.130-137, 35 - WHITE, L. Early orthodontic intervention.
Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, abr./jun. 1990. Am J Orthod Dentofacial Orthop,
199 . Cap.9, p.466-97. 26 - SILVA FILHO, O.G., FREITAS, S.F.; v.113, n.1, p.24-8, Jan. 1998.
17 - MOYERS, R.E. Planejamento do trata- CAVASSAN, A.O. Hábitos de sucção - 36 - WOODSIDE, D.G. Do functional appliances
mento ortodôntico. In: _______ elementos passíveis de intervenção. have an orthopedic effect? /Editorial/.
Ortodontia. 4.ed. Rio de Janeiro, Estomat Cult, v.16, n.4, p.61-71, Am J Orthod Dentofacial Orthop,
Guanabara Koogan, 1991. Cap.14, 1986. v.113, n.1, p.11-4, Jan. 1998.
p.281-291. 27 - SILVA FILHO, O.G.; GONÇALVES, R.M.G., 37 - YANG, E.Y.; KIYAK, A. Orthodontic treat-
18 - MOYERS, R.E.; RIOLO, M.L. Tratamento MAIA, F.A. Sucking habits: clinical ment timing: a survey of
precoce. In: MOYERS, R.E. Ortodon- management in dentistry. J. Clin orthodontists. Am J Orthod Dento-
tia. 4.ed. Rio de Janeiro, Guanabara Pediat Dent, v.15, n.3, p.137-56, facial Orthop, v.113, n.1, p.96-103,
Koogan, 1991. Cap.15, p.292-368. 1991. Jan. 1998.

Rev Dental Press Ortodon Ortop Facial - v.4, n.6, p.87-108 - nov./dez. - 1999 108

View publication stats