Sei sulla pagina 1di 6

A formação da doutrina escrita da

2o ENQFor – ENCONTRO NACIONAL DE QUÍMICA


FORENSE Criminalística brasileira acompanhou a
Ribeirão Preto, SP - 2010 evolução e implantação dos órgãos periciais
oficiais, no Brasil.
A Lei no 947, de 29/12/1902 1902,
1902 que
A PUBLICAÇÃO DA DOUTRINA ESCRITA DA reorganizou a Polícia do Distrito Federal (Rio
CRIMINALÍSTICA BRASILEIRA de Janeiro), instituiu no Brasil o Sistema
Dactiloscópico de Vucetich.
ELABORAÇÃO E PUBLICAÇÃO DOS LIVROS Em 1903 foi fundado o Gabinete de
QUE COMPÕEM O TRATADO DE PERÍCIAS
Identificação, na cidade do Rio de Janeiro.
CRIMINALÍSTICAS
1907 através do Decreto no
Em 30/11/1907
1907,
Domingos Tocchetto 1.533-A, foi instituída a identificação
dtocchetto@terra.com.br
dactiloscópica pelo Sistema Vucetich, em São
Paulo.

No início do século passado, no Brasil era adotada a


doutrina da Criminalística contida em livros estrangeiros. O
principal deles e considerado como o primeiro livro que trata
das diversas áreas da Criminalística, é de autoria de Hans
Gross,
Gross, Professor de Direito Penal da Universidade de Graz
(Alemanha), considerado o “pai da Criminalística”,
publicado em 1893 com o título Manual do Juiz de
Instrução.
Instrução Na 3a edição de 1989,1989 esse livro teve como
Criminalística.
subtítulo Sistema de Criminalística.

Obras de outros autores estrangeiros foram usadas,


como as de Albert S. Osborn (Questioned Documents –
1909),
1909 R.-A. Reiss (Manuel de Police Scientifique
(Technique) – I Vols et Homicides – 1911),
1911 Edmond Locard
(Manuel de Technique Policière – 1924).
1924

1
No Brasil, obras esparsas começaram a surgir:
1935 em São Paulo, o livro Dactyloscopia e
- 1935,
Policiologia, de Manoel N. Viotti,
Viotti é publicado.
1936 no Rio de Janeiro foi editado o livro
- 1936,
Grafoscopia Judiciária, de Carlos Arroxelas Galvão.
Galvão
- 1953,
1953, José Del Picchia Filho publicou seu primeiro
livro intitulado Grafoscopia.
- 1966 surge o primeiro livro de Balística, intitulado
Introdução à Balística Forense – 1o e 2o volume, de
Eraldo Rabello.
Rabello
- 1969 é lançado o livro com o título Elementos de
Criminalística, de Carlos Kehdy e publicada a 3a
edição do seu livro de Elementos de Dactiloscopia.

2
Em face da ausência de uma obra mais
completa, englobando as diversas áreas da
Criminalística, após dois anos de trabalho,
surgiu em 1995 o TRATADO DE PERÍCIAS
CRIMINALÍSTICAS,
CRIMINALÍSTICAS com 07 (sete) autores,
autores
de três Estados diferentes.

Visando facilitar a sua ampliação e


atualização, em 1999 o Tratado foi
desmembrado em 07 livros,
livros, com mais
autores.

3
Com a troca de editora, em 2003
2003,, surge
uma nova edição do Tratado de Perícias
Criminalísticas, composta por 10 (dez) livros
livros.

A partir de então, em face do avanço da


criminalidade, novas áreas da ciência foram
incorporadas no trabalho pericial e, com isso,
também surgiram novos livros, somando-se
aos já existentes. Atualmente o Tratado de
Perícias Criminalísticas é composto por 15
livros,
livros, com 87 autores e colaboradores.
colaboradores

4
5
Completando a relação inicial de 10 livros de 2003,
foram lançados os seguintes títulos:
. Identificação Humana – vol.
vol. II
. Metodologia Científica e Perícia Criminal
. Incêndios e Explosivos
. Química Forense Sob Olhares Eletrônicos
. Toxicologia Forense – Teoria e Prática
. Perícia Ambiental Criminal.
Criminal.
Para 2011 temos a perspectiva do lançamento de
novos livros do Tratado de Perícias Criminalísticas:
. Esquartejamentos -Locais de Crime Contra a Pessoa
. As Manchas de Sangue Como Indício em Local
de Crime
. Identificação de Veículos Automotores e
Implementos.
Implementos.
. Perícias Médico-
Médico-Legais
. Papiloscopia e Impressões Digitais - Identificação
Humana – vol.
vol. I