Sei sulla pagina 1di 6

SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO

CURSO DE PEDAGOGIA

DARLENE BATISTA BICALHO AMARANTE

PLANO DE AULA INTERDISCILPLINAR

Viçosa
2014
DARLENE BATISTA BICALHO AMARANTE

PLANO DE AULA INTERDISCILPLINAR

Trabalho de conclusão apresentado à Universidade


Norte do Paraná - UNOPAR, como requisito parcial
para a obtenção de média bimestral nas disciplinas de:
Organização do Trabalho Pedagógico nos Anos Iniciais;
Reflexão e Pesquisa; Ensino da Língua Portuguesa;
Ensino de Educação Física Escolar; Seminário VI;
Estágio Curricular Obrigatório II – Educação Infantil.
Orientadores: Sandra Reis; Marilzete Steinle; Juliana
Fogaça; Vilze Vidotti; Laura Cabral; Suhellen Lee.

Viçosa
2014
SUMÁRIO

1-INTRODUÇÃO..................................................................................................4
2-DESENVOLVIMENTO.....................................................................................5
3-BIBLIOGRAFIA.................................................................................................6
1-INTRODUÇÃO
O ato de planejar faz parte da história do ser humano, pois o desejo de
transformar sonhos em realidade objetiva é uma preocupação marcante de toda pessoa.
Em nosso dia-a-dia, sempre estamos enfrentando situações que necessitam de
planejamento, mas nem sempre as nossas atividades diárias são delineadas em etapas
concretas da ação, uma vez que já pertencem ao contexto de nossa rotina. O
planejamento educacional torna-se crucial no sentido de atingir os verdadeiros
propósitos da educação do cidadão, primeiramente, o planejamento busca direcionar a
educação considerando o contexto nacional, regional, local e comunitário que o
indivíduo está inserido, buscando sempre:

"Uma educação que, pelo processo dinâmico, possa ser criadora e libertadora do
homem. Planejar uma educação que não limite, mas que liberte que conscientize e
comprometa o homem diante do seu mundo. Esta é o teor que se deve inserir em
qualquer planejamento educacional" (OLIVEIRA. 2007 p.27).

Na educação o planejamento envolve a integração do professor-aluno


com as relações social-economicas e político-culturais, bem como os elementos
escolares, objetivos, conteúdos, métodos, com a função de explicitar princípios e
execução das atividades escolares e possibilitar as ações do professor na realização de
um ensino de qualidade, evitando a monotonia e a rotina e o desinteresse do processo
ensino-aprendizagem, assim como proporciona aos alunos conhecer a realidade social
através dos conteúdos programados e planejados.
2- DESENVOLVIMENTO

Organizar as atividades das aulas nem sempre é tarefa fácil, dada a


diversidade de métodos, estratégias de ensino e abordagens de conteúdos existentes
atualmente. Então, por onde começar? Se por um lado, dar uma aula sem nenhum
planejamento é missão quase impossível, um bom planejamento pode oferecer ao
professor a segurança necessária para que sua atuação seja eficiente, justamente por
delimitar o que será desenvolvido em sala de aula. É aí que entra em ação, o plano de
aula. O plano de aula é a previsão dos conteúdos e atividades de uma aula. Um bom
plano de aula abrange além da descrição das atividades e a relação dos materiais
necessários para a sua realização, objetivos claros (o que se pretende com as atividades),
orientações didáticas e as possíveis intervenções durante o decorrer da aula. Esse
processo possibilita ao professor o acompanhamento e a avaliação da aprendizagem do
aluno.

O plano de aula se articula com o planejamento, que é a definição do


que será ensinado num determinado período, de que maneira ocorrerá e de como será a
avaliação. O planejamento se baseia na proposta pedagógica de cada escola, que por sua
vez, é determinado pela sua linha de atuação e pela realidade na qual está inserida, etc.
Portanto, é a partir do planejamento que o plano de aula se estrutura, dando coerência ao
trabalho do professor, garantindo assim, uma prática bem fundamentada.

Plano de Aula: Estruturação e Organização Espacial


Tema: Não respondeu, vira estátua!
Objetivo: Estimular a concentração, atenção, coordenação motora, estruturação
espacial e temporal, percepção visual e audição.
Formação: alunos dispostos em fila única no fundo da sala, na quadra ou em um espaço
aberto de frente para o professor.
Material: nenhum.
Desenvolvimento: cada aluno deve escolher o nome de um animal, flor ou fruta,
comunicando-o, em segredo, ao professor. O professor, posicionando diante dos alunos,
chamará um dentre os diversos nomes de animais que lhe foram informados. O aluno,
cujo animal tiver sido chamado, deverá dar três passos à frente e dizer o seu nome. Caso
o aluno demore a sair do lugar ou se disser o nome do animal, flor ou fruta em vez do
seu nome deverá ficar em posição de estátua. Permanecerá nesta posição até que um
companheiro, que não conseguir responder adequadamente, tome o seu lugar. A
brincadeira termina quando todos os alunos forem chamados, ou quando não mais se
mostrarem interessados pela brincadeira.
Avaliação: A avaliação será feita de forma continua e sistemática, observando o
desenvolvimento individual do aluno. Trabalhar a concentração a rapidez de
assimilação, audição, sentidos.
3-BIBLIOGRAFIA

BENINCÁ, E. As origens do planejamento participativo no Brasil. Revista Educação


– AEC, n. 26, jul./set. 1995
LIBÂNEO, J. C. Organização e gestão escolar: teoria e prática. 4. ed. Goiânia:
Editora alternativa, 2001
LÜCK, H. Planejamento em orientação educacional. 10. ed. Petrópolis: Vozes, 1991
MATTOS, L.A. de Sumário de Didática Geral. Rio de Janeiro: Aurora, 1971
PADILHA, R. P. Planejamento dialógico: como construir o projeto político-
pedagógico da escola. São Paulo: Cortez; Instituto Paulo Freire, 2001
VASCONCELLOS, C. S. Planejamento: plano de ensino-aprendizagem e projeto
educativo. São Paulo: Libertad, 1995